VII Simpósio de Educação Musical da UFRJ. VII Encontro de Monografias da UFRJ. IV Simpósio de Educação Musical da UFG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "VII Simpósio de Educação Musical da UFRJ. VII Encontro de Monografias da UFRJ. IV Simpósio de Educação Musical da UFG"

Transcrição

1 VII Simpósio de Educação Musical da UFRJ VII Encontro de Monografias da UFRJ IV Simpósio de Educação Musical da UFG REALIZAÇÃO: Centro de Estudos de Musicologia e Educação Musical da UFRJ Escola de Música e Artes Cênicas da UFG 2014 COORDENAÇÃO GERAL Dra. Vanda L. Bellard Freire (UFRJ) Dra. Harlei Elbert (UFRJ) Dra. Ana Guiomar Rego Souza (UFG) Local do Evento: Escola de Música da UFRJ / Rua do Passeio, 98 Lapa Rio de Janeiro 1

2 PROGRAMAÇÃO 10 de novembro de h 30min: Inscrições (Antessala da Congregação) 9h: Abertura Oficial (Sala da Congregação) e Apresentação musical: Aha Banda! (CAP/UERJ) Coordenação de MS Ilana Linhares 9h 30min: Mesa Redonda: Novas Necessidades e Estratégias de Ensino de Música na Educação Básica Respostas Atuais (Sala da Congregação). Palestrantes: Dr. Luís Ricardo da Silva Queiroz (UFPB), Dra. Cecília Cavalieri França (UFMG), Dra. Helena Rodrigues (Laboratório de Música e Comunicação na Infância do CESEM; Faculdade de Ciências Sociais e Humanas/Universidade Nova de Lisboa; Companhia de Música Teatral). Mediadora: Dra. Vanda Freire (UFRJ) 12h às 12h 30min: Lançamentos de Livros ***** 12h 30min às 13h 30min: Intervalo ***** 13h 30min às 15h 30min: Comunicações de Pesquisas e Encontro de Monografias (Sala da Congregação). Coordenação: MS. Maria Beatriz Licursi (UFRJ) 15h 30min às 17h: Mini-Curso: Ensino Coletivo de Música (Sala da Congregação). Ministrante: Dr. Carlos Henrique Costa (UFG) 17h 30min às 19h: Mini-Curso: Processos de Criação Musical, Aplicados à Educação Musical (Sala da Congregação). Ministrante: Dra. Cecília Cavalieri França (UFG) 2

3 11 de novembro de h 30min às 9h 30min: Mini-Curso: Oficina de Construção de Instrumentos Musicais (Sala da Congregação). Ministrante: Dr. Leonardo Fuks (UFRJ) 9h 30min: Mesa Redonda: Educação Musical e Diversidade (Sala da Congregação). Palestrantes: Dr. Pedro Aragão (UFRJ); Dr. Carlos Henrique Costa (UFG); Dr. Marco Antonio Carvalho Santos (EPSJV/FIOCRUZ). Mediador: Dr. Leonardo Fuks (UFRJ) ***** 12h às 13h: Intervalo ***** Escola de Música de Manguinhos 13h às 13h 30min: Apresentação Musical (Sala da Congregação): 13h 30min às 15h 30min: Comunicações de Pesquisas e Encontro de Monografias (Sala da Congregação). Coordenação: Dra. Sheila Zagury (UFRJ) 15h 30min às 17h: Mini-Curso: Ensino Coletivo de Música (Sala da Congregação). Ministrante: Dr. Carlos Henrique Costa (UFG) 17h 30min às 19h: Mini-Curso: Processos de Criação Musical Aplicados à Educação Musical (Sala da Congregação). Ministrante: Dra. Cecília Cavalieri França (UFG) 3

4 12 de novembro de h 30min às 9h 30min: Mini-Curso: Oficina de Construção de Instrumentos Musicais (Sala da Congregação). Ministrante: Dr. Leonardo Fuks (UFRJ) 9h 30min: Mesa Redonda: Formação de Professores Rumos Atuais (Sala da Congregação). Palestrantes: Dra. Ana Guiomar Rêgo Souza (UFG); Dr. Celso Ramalho (UFRJ). Mediadora: Dra. Magda Clímaco (UFG) ***** 12h 30min às 13h 30min: Intervalo ***** 13h 30min às 15h: Mini-Curso: Ensino Coletivo de Música (Sala da Congregação). Ministrante: Dr. Carlos Henrique Costa (UFG) 15h 30min às 17h: Mini-Curso: Processos de Criação Musical Aplicados à Educação Musical (Sala da Congregação). Ministrante: Dra. Cecília Cavalieri França (UFG) 17h: Encerramento (Salão Leopoldo Miguez). Apresentação Musical: Banda do Instituto Técnico Federal de Goiânia. Coordenação: Marcelo Alves e Roberto Wagner Milet 4

5 COMISSÃO CIENTÍFICA Dra. Harlei Elbert (UFRJ) PRESIDENTE Dr. Sérgio Álvares (UFRJ) Dra. Thelma Álvares (UFRJ) Dra. Silvia Sobreira (UNIRIO) Dr. José Nunes (UNIRIO) Dra. Eliane Leão (UFG) Dr. João Miguel Bellard Freire (CAP/UERJ) Dra. Inês Rocha (Colégio Pedro II) Dra. Nilceia Protásio (UFG) COMISSÃO ARTÍSTICA Dr. João Miguel Bellard Freire (CAP/UERJ)/MS. José Carlos Quintanilha. EQUIPE EXECUTIVA Dr. João Miguel Bellard Freire (CAP/UERJ); Dra. Helen S. Jardim (Colégio Pedro II); MS Gabriel Gagliano (UFRN) MS. Paulo Roberto Coutinho; MS. Alexandre Pfeiffer; MS. Beatriz Stutz; MS. José Carlos Quintanilha; MS. Bruno d Antônio Corrêa. EQUIPE DE APOIO (Licenciandos e Bacharelandos da UFRJ) André Macri Rodrigues; Emerson da Costa Alves de Jesus; João Gomes de Miranda Júnior; Jorge Fernando Coelho da Costa; Levy dos Santos Nunes; Lucas Lima da Silva; Paula Ribas Penello; Rebeca Rodrigues Gonçalves; Reinaldo Santos de Oliveira Souza; Vinicius de Souza Rodrigues 5

6 Caderno de Resumos Palestras Novas Necessidades e Estratégias de Ensino de Música na Educação Básica Respostas Atuais Luís Ricardo da Silva Queiroz/Universidade Federal da Paraíba A contemporaneidade tem delineado uma série de desafios que permeiam as práticas educativo-musicais em seus diferentes contextos e perspectivas. Nesse cenário, as estratégias de ensino de música desenvolvidas nas escolas de educação básica precisam estabelecer diálogos com as demandas e as características gerais que configuram a sociedade atual, visando possibilitar tanto o acesso à cultura existente quanto à sua transformação a partir da produção de novos conhecimentos e saberes. Considerando essa realidade, esta abordagem discute dimensões epistemológicas que alicerçam o ensino de música nas escolas, propondo estratégias de ensino que possam dialogar com as necessidades e os desafios do mundo atual. As discussões realizadas estão fundamentadas em abordagens teóricas da área de música, sobretudo nos campos da educação musical e da etnomusicologia, e de áreas afins como educação, antropologia e filosofia. As proposições práticas apresentadas estão alicerçadas em perspectivas epistêmicas que orientam definições educacionais da atualidade e em experiências empíricas consolidadas, sobretudo, em cursos de formação de professores, inicial e continuada, realizadas ao longo dos últimos dez anos. A partir das reflexões realizadas, essa abordagem apresenta importantes pilares que sustentam objetivos, concepções, conteúdos e metodologias para o ensino de música na escola, a partir de perspectivas e desafios emergentes da sociedade contemporânea. Novas Necessidades e Estratégias de Ensino de Música na Educação Básica Respostas Atuais Cecília Cavalieri França/Universidade Federal de Minas Gerais A consolidação do ensino de Música na Educação Básica demanda a explicitação de fundamentos que abarquem a essência da nossa disciplina e considerem seus valores e significados estéticos, simbólicos, culturais, sociais e pessoais. Nesta apresentação serão discutidos fundamentos que contribuem para que as diferentes práticas pedagógicas, consideradas as contingências dos diferentes contextos, guardem coerência como área de conhecimento. Também serão expostos resultados de uma década de pesquisas no campo epistemológico da educação musical, cujo mapeamento repercute na mediação pedagógica e na trajetória escolar do aprendizado musical. 6

7 Formação Imersiva na Procura de Respostas às Necessidades Actuais no Ensino de Música na Educação Básica - do Projecto Grande Bichofonia ao Projecto Opus Tutti Helena Rodrigues/CESEM; Universidade Nova de Lisboa; Companhia de Música Teatral A partir da exposição de alguns conceitos base da teoria de aprendizagem musical de Edwin Gordon defenderemos a necessidade de valorizar vivências musicais em que os aspectos ligados à voz e ao movimento são abordados de forma integrada e dentro de um contexto de performance artística. Exemplificaremos este ponto de vista através de exemplos práticos provenientes de dois projectos: o Projecto Grande Bichofonia e o Projecto Opus Tutti. Grande Bichofonia é um projecto musical e formativo da Companhia de Música Teatral associado à publicação didáctica Enciclopédia da Música com Bicho e à formação de professores. Opus Tutti é um projecto artístico e educativo que visa a concepção de boas práticas de intervenção na comunidade dirigidas à infância e primeira infância, sendo uma parceria da Companhia de Música Teatral e do Laboratório de Música e Comunicação na Infância do CESEM da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa. Educação Musical, Prática de Conjunto e Diversidade: Um Estudo de Caso na Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO) Pedro Aragão/Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro Em um período que assiste ao movimento de expansão do acesso às universidades públicas, mormente em relação às classes sociais historicamente marginalizadas, a questão da educação musical na universidade se torna cada vez mais complexa. A partir do questionamento do modelo ainda vigente de conservatório europeu, pergunta-se de que forma abarcar a diversidade de práticas musicais em uma universidade que é hoje cada vez mais plural, tomando-se como exemplo um estudo de caso na UNIRIO. Educação Musical e Diversidade Carlos Henrique Costa/Universidade Federal de Goiás O termo diversidade e suas implicações aplicam-se a várias áreas e aspectos da Educação Musical: diversidade cultural, práticas pedagógicas diversas, diversidade de repertório e estilos, diversidade da visão educacional e seus objetivos, entre outros. Diante da vasta gama de possibilidades de abordagem desse tópico propomos trazer a essa discussão uma reflexão sobre a diversidade de repertório e estilos a luz dos objetivos da educação musical especificamente na educação básica, considerando os conceitos apontados por Gainza, Penna e Swanwick e o conteúdo da LDB n de Levando em consideração os parâmetros que interferem na escolha de repertório, tais quais a identidade cultural do professor e do aluno, a região de convívio, a visão institucional local, entre outros, entendemos que uma diretriz, um foco, faz-se necessário para que a 7

8 discussão sobre diversidade e as ações resultantes venham impulsionar os esforços para uma educação musical eficaz e não somente abram diversos caminhos. Educação Musical e Diversidade Marco Antonio Carvalho Santos/EPSJV/FIOCRUZ O presente trabalho discute a emergência, nos últimos vinte anos, do tema da diversidade e sua relação com políticas sociais de apaziguamento de desigualdades e conflitos sociais, buscando estabelecer ligações entre tais debates e políticas e aspectos da educação musical. A diversidade, tematizada no âmbito nacional e internacional, tem ocupado um importante espaço no campo da educação. A UNESCO e outros organismos internacionais têm desempenhado papel estratégico nas formulações relativas à diversidade através de documentos e convenções que têm contado com apoio do Brasil. Políticas brasileiras na área da educação estão ligadas à Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade (SECAD), criada em 2004, na estrutura do MEC. O trabalho aborda a diversidade como indissociável de uma reflexão sobre a cultura que toma aqui como referências principais Gramsci, E. P. Thompson e R. Williams. Cultura entendida como modo de viver e de sentir, como um conjunto de práticas sociais. Cultura como espaço de disputa entre visões de mundo, marcadas por uma diversidade que não é apenas diferença, mas envolve contradições e conflitos. Neste contexto, a educação musical pode assumir diferentes papeis reforçando um sistema central de práticas, significados e valores que podemos chamar de dominante e eficaz (WILLIAMS, 2011) ou atuando numa perspectiva crítica e emancipatória. Matriz Curricular, Versão 2009, do Curso de Licenciatura em Música da Escola de Música e Artes Cênicas (EMAC) da Universidade Federal de Goiás (UFG): Acertos, Equívocos e Perspectivas Ana Guiomar Rêgo Souza/Universidade Federal de Goiás Essa palestra tem como objetivo analisar e refletir sobre a implantação de uma nova Matriz Curricular, a partir do ano de 2009, no curso de Licenciatura em Música da EMAC/UFG, buscando apontar acertos, equívocos e perspectivas, sobretudo no que diz respeito a processos interdisciplinares, flexibilidade curricular e desenvolvimento da criatividade e processos de criação. Formação de Professores - Rumos Atuais Celso Ramalho/Universidade Federal do Rio de Janeiro Pensar a atualidade da formação de professores de música no Brasil é, sobretudo, tornarpresente a condição de um caminho para que tal formação torne possível manifestar o agora, isto é, o próprio de nossa presença em direção às coisas do mundo, sentido evidenciado na palavra latina: actualitas, cujo significado é; ativo, eficaz, atividade e eficácia. Somente numa ausculta ativa que pensa o sentido de linguagem e cultura é que 8

9 poderemos atualizar as ausências e presenças con-formadoras do silêncio originário. Sendo música fundamento da memória no agir produtivo, compreendemos que a formação de professores, não apenas do educador musical, só se dá verdadeiramente como caminho para criar, apreender e dimensionar o próprio da música. 9

10 Mini-Cursos Oficina de Construção de Instrumentos Musicais Ministrante: Prof. Dr. Leonardo Fuks Ementa: - O que é uma "oficina de construção de instrumentos" - Desconstruir, conceber, construir, explorar, tocar, desconstruir; um ciclo nem sempre concluído - Acústica musical e Organologia: disciplinas a serviço da análise e construção - Tipos de instrumentos musicais alternativos - Instrumentos coletivos e interativos - Do laboratório às salas de aula; das salas às ruas Ensino Coletivo de Música Ministrante: Prof. Dr. Carlos Henrique Costa Ementa: Proporcionar reflexão e prática de metodologias aplicadas no contexto do ensino coletivo focando no ensino de Piano em Grupo. Apresentar bibliografia, práticas pedagógicas e levantar discussões sobre os objetivos e as habilidades desenvolvidas em grupos de níveis iniciantes, intermediários e avançados: performance musical, leitura à primeira vista, harmonização de melodias, acompanhamento, improvisação e transposição de melodias. "Processos de Criação Musical Aplicados à Educação Musical" Ministrante: Profa. Dra. Cecília Cavalieri França Ementa: A composição constitui uma ferramenta poderosa para o desenvolvimento da compreensão sobre o funcionamento das ideias musicais. Ao articular seu pensamento em formas sonoras, os estudantes se engajam com os elementos do discurso musical de uma maneira crítica e construtiva e aplicam musicalmente suas habilidades técnicas. Além disso, as criações resultantes representam expressões legítimas de sua vida intelectual e afetiva. O minicurso irá abordar processos de criação em diferentes estágios da trajetória escolar e a partir de diferentes estímulos e gêneros musicais. As propostas serão trabalhadas de maneira integrada às outras modalidades de comportamento musical - apreciação e performance. Serão apresentados registros notacionais e gravações realizadas por estudantes de diferentes faixas etárias. 10

11 Currículos Resumidos dos Participantes Ana Guiomar Rêgo Souza Endereço para acessar este CV: Doutora em História Cultural pela Universidade de Brasília (UnB). Mestra em Música e Bacharel em Piano pela Universidade Federal de Goiás (UFG). Professora Adjunta da UFG, lecionando na Graduação e no Programa de Pós-Graduação em Música da Escola de Música e Artes Cênicas (EMAC) da UFG. Ocupa atualmente o cargo de Diretora da Escola de Música e Artes Cênicas (EMAC). Lidera o grupo de pesquisa Arte, Educação, Cultura do Diretório de Pesquisa do CNPq, coordena o Núcleo de Estudos Musicológicos da EMAC/UFG e do Laboratório de Musicologia Brás Wilson Pompeu de Pina: preservação e difusão de documentos escritos e audiovisuais. É coordenadora do Simpósio Internacional de Musicologia e do Festival Internacional de Música da EMAC/UFG. Atua como pesquisadora nas linhas Música, Cultura e Sociedade e Músicas no Brasil: Identidades, Representações e Processos Inter e transdisciplinares. Carlos Henrique Coutinho Rodrigues Costa Endereço para acessar este CV: Pianista e maestro, atualmente é professor da Universidade Federal de Goiás e coordenador do Mestrado em Música. Atua como pianista, regente, correpetidor, arranjador e professor de piano em grupo. Desenvolve pesquisa na área de piano em grupo, no grupo de pesquisa "Piano em Grupo: Metodologia e Aplicação" cadastrado no CnPq. Em 2012 lançou o "Piano em Grupo: Livro Didático para Ensino Superior. Graduou-se em Física pela UNICAMP em 1992 e graduou-se em Piano pela University of Alabama In Huntsville (1996). Em 1998 completou o mestrado em Música (piano) pela Youngstown State University e doutorado em Performance Musical (piano e regência) pela University of Georgia in Athens em Celso Garcia de Araújo Ramalho Endereço para acessar este CV: Doutor e Mestre em Poética pela UFRJ. Bacharel em Música (UFRJ) e Licenciado em Educação Artística com habilitação em Música (CBM). Atualmente é Professor Adjunto da Universidade Federal do Rio de Janeiro no Departamento de Arco e Cordas Dedilhadas da Escola de Música e Coordenador do Curso de Licenciatura em Música. Desenvolve pesquisa na área de Educação Musical a partir da reflexão dos conceitos de Linguagem, Música, Poesia e Educação. Atua no Curso de Extensão e no PPGM da EM- UFRJ. Eliane Leão Endereço para acessar este CV: Possui Graduação em Piano pela Universidade Federal de Goiás (1974), Bacharel em Canto pela Universidade Federal de Goiás (1983), Licenciatura em Música pela Universidade Federal de Goiás (1975), Master of Science In Education - Purdue University (1980) e Doutorado Sandwich em Educação, pela Universidade Estadual de Campinas/Purdue University,West Lafayette/IN/USA (1996). Ex-Presidente do Conselho Deliberativo da FUNAPE- Fundação de Apoio à Pesquisa/UFG. Ex-Vice-Presidente da 11

12 CPPD-UFG. Professor Associado IV, na EMAC, da Universidade Federal de Goiás; atuante no PPG. Tem experiência na área de Psicologia, com ênfase em Psicologia da Música, atuando principalmente nos seguintes temas: Educação Musical, Pesquisa em Música, Aprendizagem Musical, Metodologias de Ensino Musical, Efeitos da Música e Influência da Música na Cognição de Bebês. Precursora, da área de Alfabetização de Bebës no país. Diretora da ADUFG por dois mandatos. Uma das fundadoras do PROIFES - Forum de Professores das IFES, em 2004; e Diretora Administrativa por 8 anos. Faz parte do Banco de Avaliadores do INEP: Institucional, de Cursos Presenciais e de EAD. Fundadora do PROIFES-Sindicato. Participou da implementação do ARJ - Arts Research Journal, do qual é membro do Conselho Editorial: Editora de Música. Consultora Ad Hoc da CAPES (DRI - Diretoria de Relações Internacionais); da FAPESP e da Revista Educação/CE/UFSM. Membro do CEP/UFG. Membro da ISME. Harlei Elbert Endereço para acessar este CV: Doutora em História (USP), Mestre em Música (UFRJ), Graduada em Piano, Composição, Regência e Licenciatura (UFRJ) com Summa Cum Laude -, foi Professora Adjunta do Departamento de Composição e atualmente é Professora Associada IV do Departamento de Musicologia e Educação Musical da Escola de Música da UFRJ. Foi Diretora (quadriênio ) da referida instituição, Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Música e Chefe do Departamento de Composição. Atualmente é Coordenadora do Curso de Musicalização Infantil, onde desenvolve projeto de extensão com a Profa. MS. Elizabeth Lucas. Coordena o CEMEM Centro de Estudos de Musicologia e Educação Musical da UFRJ - com a Profa. Dra. Vanda Freire. Em relação à sua carreira como pianista, possui críticas nacionais e internacionais por Paulo Moritz, Eurico Nogueira França, David Appleby e Doug Di Bianco, tendo sido artista convidada pela Eastern Illinois University (EUA) em Temporada Oficial. Possui composições editadas pela Brazilian Music Enterprises, em Washington (EUA). Tem participação (orientação e tutoria) em Programas de Pós-Graduação - Doutorado - de Universidades estrangeiras. Possui publicações nas áreas de composição, musicologia histórica e educação musical no Brasil e no exterior. Em 2014 realizou estudos de Pós-Doutorado no Programa de Pós- Graduação em Letras Neolatinas da Faculdade de Letras da UFRJ, sob a supervisão da Profa. Dra. Celina Maria Moreira de Mello. Helena Rodrigues Professora do Departamento de Ciências Musicais da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa. Investigadora do Centro de Estudos de Sociologia e Estética Musical, fundou o Laboratório de Música e Comunicação na Infância. Autora de publicações de natureza diversificada, é responsável pela introdução das ideias sobre a teoria de aprendizagem musical de Edwin Gordon em Portugal. Foi Researcher Fellow da Royal Flemish Academy of Belgium for Science and the Arts. É directora artística da Companhia de Música Teatral cujo trabalho tem sido apresentado no Canadá, Estados Unidos da América, Espanha, Bélgica, Noruega, Reino Unido, Polónia, Alemanha, Itália, Áustria, Finlândia, Lituânia, Dinamarca e Brasil. Coordena o Projecto Opus Tutti, apoiado pela Fundação Calouste Gulbenkian. Inês de Almeida Rocha Endereço para acessar este CV: Doutora em Educação pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro, PROPED (2010), com bolsa do Programa de Pós-Graduação com Estágio no Exterior exercido na Universidad de Alcalá de Henares - Departamento de Historia y Filosofía. Professora de 12

13 Educação Musical do Colégio Pedro II, ligada ao Programa de Pós-Graduação em Música(PPGM) da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro(UNIRIO) e ao Programa de Mestrado Profissional (PROEMUS), como professora permanente. Atualmente cumpre estágio de pesquisa pós-doutoral na Unversidad de Valladolid, finaciado pela CAPES. Possui graduação em Educação Artística - Habilitação Educação Musical - Conservatório Brasileiro de Música Centro Universitário (1988), graduação em Música - Piano pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1987), mestrado em Música - Conservatório Brasileiro de Música Centro Universitário (1997). Tem experiência na área de Artes, sub-área Educação Musical e Musicologia Histórica. Vem publicando em periódicos nacionais e internacionais escrevendo sobre as seguintes temáticas: Música, Educação Musical, História da Educação Musical, História da Educação, Musicologia Histórica, Correspondência, Canto Coral e Liddy Chiaffarelli Mignone. Publicou o livro Canções de Amigo: redes de sociabilidade na correspondência de Liddy Chiaffarelli Mignone para Mário de Andrade, financiada pela FAPERJ. Juntamente com Ricardo Szpilman edita o periódico Interlúdio: Revista do Departamento de Educação Musical do Colégio Pedro II. Atua como cantora no Coro de Câmera da Pro-Arte. João Miguel Bellard Freire Endereço para acessar este CV: Licenciado em Educação Artística-música pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (2000) e mestrado em Música pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2003). Doutor em Música na área de Práticas Interpretativas pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro. Atualmente é professor assistente de Música da Universidade do Estado do Rio de Janeiro no Instituto Fernando Rodrigues da Silveira (CApUERJ). Foi professor do Centro Universitário de Barra Mansa (UBM) na disciplina Laboratório de Prática de Conjunto em Foi professor de Educação Artística da Prefeitura Municipal de Niterói de 2004 a Foi professor substituto da Escola de Música da UFRJ em 2004 e em , na área de Metodologia do Ensino da Música.Tem experiência na área de Música, atuando principalmente nos seguintes temas: interpretação, Educação Musical, Prática de Conjunto, Metodologia do Ensino da Música, Musicologia Histórica e Etnomusicologia. José Nunes Fernandes Endereço para acessar este CV: Possui Curso de Licenciatura Plena Em Educação Artística - Música e de Psicologia. É especialista em Educação Musical e Mestre em Música, ambos pelo Conservatório Brasileiro de Música - Centro Universitário (1991 e 1993). É Doutor em Educação pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) (1998). É professor Associado IV da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO), no Instituto Villa-Lobos (Bacharelado e Licenciatura em Música) e no Programa de Pós-Graduação em Música - Mestrado e Doutorado (professor orientador). É professor do Curso de Licenciatura em Pedagogia do CEDERJ/UNIRIO. Tem experiência na área de Artes, com ênfase em Educação Musical principalmente nos seguintes temas: ensino da música (formal, nãoformal e informal), psicologia da música, psicanálise, pesquisa em educação musical e história da educação musical brasileira. Líder do Grupo de Pesqusia: Linguagem audiovisual, música e educação (CNPQ). Foi Secretário da ABEM (Associação Brasileira de Educação Musical) de 2005 a 2009). Integrou o Grupo de Investigação formado por pesquisadores do Brasil, Argentina, Chile e Espanha, sediado na Universitat Jaume I (Castellón - Espanha) através do desenvolvimento do Projeto de Pesquisa "La banda sonora de la televisión infantil y juvenil en el ámbito latinoamericano. Variables, impacto e influencia en la reducción del patrimonio sonoro" de 2004 a

14 Atualmente desenvolve projeto de pesquisa sobre o conceito de "alfabetização musical". Leonardo Fuks Endereço para acessar este CV: Professor da Escola de Música da UFRJ, PhD em Acústica Musical, docente das disciplinas de acústica e biologia aplicadas à música, fisiologia da voz e construção de instrumentos musicais. Músico oboísta e experimental, possui também formação em Engenharia Mecânica pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1987), mestrado em Engenharia de Produção pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1993) e doutorado na Suécia, Royal Institute Of Technology-KTH (1999). Tem experiência na análise acústica, projeto e manufatura de instrumentos de sopro, atuando nas seguintes áreas: acústica musical, acústica de salas para aplicações musicais, projeto de exposições educacionais, oficinas educacionais para crianças e adolescentes, direção e curadoria musical, fisiologia da voz, performance musical, música contemporânea, design de bocais e boquilhas de flauta, clarineta, saxofone, fagote e trombone, divulgação científica e pesquisa em voz humana, particularmente em contextos étnicos e de técnicas extendidas. Luis Ricardo Silva Queiroz Endereço para acessar este CV: Doutor em Música (área de Etnomusicologia) pela Universidade Federal da Bahia (UFBA), Mestre em Música (área de Educação Musical) pelo Conservatório Brasileiro de Música (CBM) do Rio de Janeiro e Graduado em Educação Artística, Habilitação em Música, pela Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes). Foi Professor do Conservatório Estadual de Música Lorenzo Fernandez, de Montes Claros, de 1995 a 2002 e Professor Adjunto da Unimontes de 1998 a Atualmente é Professor Adjunto do Departamento de Educação Musical e do Programa de Pós-Graduação em Música (PPGM) da Universidade Federal da Paraíba (UFPB). Nessa Universidade, foi Coordenador do Curso de Licenciatura em Música ( ), Chefe do Departamento de Educação Musical ( ) e atualmente é Coordenador do Programa de Pós- Graduação em Música (Mestrado e Doutorado). Tem atuado como membro das Comissões Assessoras, do INEP/MEC, da Prova Nacional para Ingresso na Carreira Docente e do Enade (Exame Nacional de Desempenho de Estudantes). É Bolsista de Produtividade em Pesquisa do CNPq e autor de diversos artigos na Área de música, sobretudo nos campos da Etnomusicologia e da Educação Musical, publicados em livros, revistas especializadas e anais de congressos nacionais e internacionais. Como violonista, foi integrante do Grupo instrumental Marina Silva e do Grupo Instrumental Trem Brasil e, atualmente, tem atuado como solista em diversas cidades do país. É o atual Presidente da Associação Brasileira de Educação Musical (ABEM) - Gestão Magda de Miranda Clímaco Endereço para acessar este CV: Possui graduação em Música / Instrumento Piano (1975), graduação em Licenciatura em Música (1976), Especialização em Novas Bases da Técnica Pianística (1982), Mestrado em Música (1998) pela Universidade Federal de Goiás (UFG) e Doutorado em História Cultural pela Universidade de Brasília (UnB) (2008). Atualmente é professora na Graduação e na Pós-Graduação da Escola de Música e Artes Cênicas da Universidade Federal de Goiás (EMAC/UFG). Na Pós-Graduação ministra as disciplinas "Seminários de Musicologia" e "Música, Cultura e Sociedade". 14

15 Como pesquisadora coordena o Núcleo de Estudos Musicológicos (NEM) vinculado ao Programa de Pós-Graduação - Mestrado em Música da EMAC/UFG e integra a Comissão de Pesquisa da EMAC/UFG e o Grupo de Pesquisa "Arte, Educação, Cultura" vinculado ao CNPq, atuando nas seguintes linhas: "Musicologia: Identidades, Representações e Processos Interdisciplinares"; "Música Cultura e Sociedade". Foi membro do Conselho Deliberativo da Fundação Nacional de Apoio à Pesquisa (FUNAPE) no período 2009/2012. Marco Antonio Carvalho Santos Endereço para acessar este CV: Professor e pesquisador da Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio/ Fundação Oswaldo Cruz com graduação em Musicoterapia - Conservatório Brasileiro de Música - Centro Universitário (CBM) (1979), graduação em Educação Artística Habilitação em Música - CBM (1983), mestrado em Educação - Universidade Federal Fluminense (1996) e doutorado em Educação - UFF (2004). Lecionando nos cursos de especialização e mestrado profissional em Educação Profissional em Saúde e no curso técnico de nível médio em saúde (EPSJV). Tem experiência nas áreas de Artes e Educação, atuando principalmente nos seguintes temas: educação, educação musical, música, musicoterapia e arteterapia. Maria Beatriz Licursi Conceição Endereço para acessar este CV: Possui graduação em Bacharelado em Música pela UFRJ,Mestrado em Música pela UFRJ e Pós-Graduação Especialização em Neuroicências na vertente Aprendizagem pela UFRJ.Atualmente é Chefe do Departamento de Musicologia e Educação Musical na Escola de Músic da UFRJ,Professora Adjunta de Percepção Musical e Coordenadora dos Projetos de Extensão "Música Feliz" (desde 1995) e o"o Sarau do Leopoldo"(desde 2010).Dedica-se aos estudos nas áreas de Psicologia da Música,Neurociências,Educação Musical com ênfase na Memorização,Percepção e Interpretação Musical. Tem experiência na área de Educação e das Artes, com destaque em Música/Percepção Musical e Interpretação Pianística com performance nas modalidades recitais solo, pianista acompanhadora e camerista.tem realizado palestras,mini-cursos e publicado trabalhos nas áreas de Edcuação Musical,Neurociências, Memória Auditiva e Percepção Musical. Maria Cecília Cavalieri França Endereço para acessar este CV: Educadora musical, autora das obras "Para fazer música" (Editora UFMG 2008), livro didático para as séries iniciais do ensino fundamental, "Turma da Música" (Editora UFMG, 2009), livro didático para educação infantil, "Feito à mão: criação e performance para o pianista iniciante" (Editora Halt, 2008), da obra "Poemas Musicais", que inclui os CDs "Poemas Musicais" (2003), finalista do Prêmio TIM, "Toda Cor" (2006) e o livro de partituras "Ondas, meninas, estrelas e bichos" (2003). Co-autora do livro Jogos pedagógicos para educação musical (Editora UFMG 2005) e da obra Matemúsica (2005), jogos para o ensino dos compassos. Possui Doutorado (PhD) em Educação Musical - University of London (1998) e Mestrado em Educação Musical com Distinção - University of London (1996), Graduação em Música - Bacharelado em Piano - (1993) e Especialização em Educação Musical pela Universidade Federal de Minas Gerais (1993). É professora adjunto da Universidade Federal de Minas Gerais. Tem larga experiência na área de Educação Musical, atuando principalmente nos seguintes temas: psicologia 15

16 da educação musical, filosofia da educação musical, metodologia da educação musical, composição musical para crianças, performance musical, apreciação musical, a Teoria Espiral de Swanwick e Tillman e Modelo C(L)A(S)P de Swanwick. Pedro de Moura Aragão Endereço para acessar este CV: Possui Bacharelado em Regência pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2002) e mestrado em Música pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2005). Doutor em musicologia pela UNIRIO, é professor Adjunto nível 2 da mesma instituição. Sua tese de doutorado, "O Baú do Animal: Alexandre Gonçalves Pinto e o Choro" foi contemplada com o Prêmio Funarte de Produção Crítica em Música 2012 e com o Prêmio Silvio Romero 2011 (2a colocação). Coordenador do projeto de extensão Escola Portátil de Música, referência do ensino do choro no Rio de Janeiro. Como bandolinista, tem grande atuação no mercado nacional, tendo atuado em shows e gravações com cantores como Roberto Silva, Cristina Buarque, Zélia Duncan, Mônica Salmaso, além de ter atuado como solista e intérprete em concertos na França, Bélgica, Dinamarca e Colômbia. Tem experiência na área de Artes, com ênfase em Prática de Conjunto atuando principalmente nos seguintes temas: choro, acervos de música, etnomusicologia e samba. Sergio Luis de Almeida Alvares Endereço para acessar este CV: Doutor (Ph.D.) em Educação Musical pela University of Miami (1998); Mestre em Práticas Interpretativas e Composição em Jazz pela New York University (1995); Diplomado em Práticas Interpretativas e Arranjo pela Berklee College of Music (1993); e Licenciado em Educação Artística pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (1988). Professor Associado da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Instrumentista de Sopro (sax e flauta), Compositor e Arranjador na linha do Choro e Jazz; e Educador Musical com experiência no ensino básico, médio e superior no Brasil e Estados Unidos. Sheila Zagury Endereço para acessar este CV: Possui mestrado em Música pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (1996). Atualmente é professora adjunta da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Tem experiência na área de Artes, com ênfase em Música. É Doutora em Música (Práticas Interpretativas) pela UNICAMP. Silvia Garcia Sobreira Endereço para acessar este CV: Professora do curso de Graduação da Licenciatura em Música e Pós-Graduação da UNIRIO (Rio de Janeiro-RJ). Coordenadora do Projeto de área (Música) PIBID/CAPES desde julho de Doutora em Educação pela Universidade Federal do Rio de Janeiro- UFRJ, na área de Currículo e Linguagem. Mestre em Música e Educação pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro-UNIRIO. Graduação em Regência- Escola de Música -UFRJ,

17 Thelma Beatriz Sydenstricker Alvares Endereço para acessar este CV: Professor associado da Escola de Música da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) onde atua no curso de Licenciatura em Música e no programa de mestrado em Educação Musical. Dedica-se ao ensino, pesquisa e extensão no diálogo entre Educação Musical e Saúde, buscando, através da Educação Musical na Diversidade, a desconstrução de estigmas e a construção de novas percepções e oportunidades que facilitem a inserção social de grupos desfavorecidos. Membro da curadoria da Semana Cultural da Diversidade realizada na UFRJ em 2012 em parceria com o Centro Cultural do Ministério da Saúde, TV Pinel, Instituto Benjamin Constant, Coletivo Carnavalesco Tá Pirando, Pirado, Pirou, entre outros. Em 2013 foi membro da curadoria do evento Arte e Cultura da Diversidade realizado na UFRJ em parceria com a Secretaria Municipal de Assistência Social e Direitos Humanos do Rio de Janeiro e com a Secretaria Municipal da Saúde. Realizou estágio de pós-doutorado em Saúde Pública na Fundação Oswaldo Cruz em 2013/2014. Autora do livro Coisa de Mulher? A Maternidade e a Musicoterapia: Jornadas no Mundo Patriarcal (2013), pesquisa realizada com o Método Bonny de Imagens Guiadas e Música sobre a experiência da maternidade; os dados do estudo são correlacionados ao sistema patriarcal e às implicações sociais e psicológicas vividas pelas mulheres. Possui Bacharelado em Musicoterapia (Conservatório Brasileiro de Música, 1986), especialização em Saúde Mental (Instituto de Psiquiatria, UFRJ,1989), mestrado em Terapias Expressivas (Lesley College, 1993) e doutorado em Educação Musical/Musicoterapia (University of Miami, 2001). Obteve a formação no Método Nordoff-Robbins de Musicoterapia (New York University,1994) e em formação no Método Bonny de Imagens Guiadas e Música. Foi coordenadora do Curso de Especialização em Terapia das Artes (formação de arteterapeutas e musicoterapeutas) da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES). Atua nas seguintes áreas: Educação Musical, Educação Musical na Diversidade e Musicoterapia. Vanda Lima Bellard Freire Endereço para acessar este CV: Possui Graduação em Composição e Regência pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1976), Graduação em Licenciatura em Geografia pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (1967), Graduação em Piano, pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1968), Mestrado em Filosofia da Educação pela Fundação Getúlio Vargas - RJ (1980) e Doutorado em Educação pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1992). Realizou no período 2004/2005 Estágio Pós-Doutoral na área de Musicologia Histórica, na Universidade Nova de Lisboa, tendo o Dr. Mário Vieira de Carvalho como pesquisador colaborador. Atualmente é Professora Associada na Universidade Federal do Rio de Janeiro, onde leciona e orienta pesquisas na Graduação e na Pós- Graduação e coordena Projetos de Pesquisa e de Extensão. Presidiu a Associação Brasileira de Educação Musical(ABEM) no período Atuou como membro do Comissão Nacional de Incentivo à Cultura, de 1997 a Tem experiência na área de Artes, com ênfase em História da Música, atuando principalmente nos seguintes temas: Educação Musical, História da Música no Brasil, Música e Cultura, Musica Brasileira e Ensino de Música. Tem atuado como pesquisadora do CNPq, de 1994 a 2008, na área de Musicologia Histórica. Tem trabalhos publicados nas áreas de Musicologia Histórica e Educação Musical. 17

18 PROGRAMAÇÃO DIA / HORA 10 novembro 13H 30MIN 10 novembro 13H 55MIN 10 novembro 14H 15MIN SESSÕES DE COMUNICAÇÕES TÍTULO Tempo musical, performance e educação musical A música na matriz curricular dos cursos de Pedagogia do Estado do Rio de Janeiro Reflexões sobre as relações entre ética e estética na educação musical AUTOR João Miguel Bellard Freire Anderson Carmo de Carvalho Márcia Victorio de Araujo Costa 10 novembro 14H 40MIN Projeto Social SOM+EU: Uma análise critica e reflexiva de sua proposta de Educação Musical Leonardo Batista Moraes 10 novembro 15H 05MIN 11 novembro 13H 30MIN 11 novembro 13H 55MIN 11 novembro 14H 15MIN 11 novembro 14H 40MIN A Utilização de Soundfonts no Projeto Maestro sob uma Perspectiva Ergonômica Orquestra de Garrafas da UFRJ A importância de aprender música em diferentes instituições de ensino: a visão do aluno As influências do currículo do Curso de Licenciatura em Música da Universidade Federal do Espírito Santo para a utilização da flauta doce na Educação Infantil O processo de formação da Banda Shallon de Marabá / PA Gabriel Gagliano Rodrigo Batalha Helen Silveira Jardim Heloisa Helena de Souza Silva Juliane Barbosa de Sousa 18

19 Resumos de Comunicações Tempo musical, performance e educação musical Autor: João Miguel Bellard Freire Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) Palavras-chave: tempo musical; interpretação; fenomenologia; educação musical; ensino do instrumento Esta comunicação de pesquisa apresenta as conclusões da pesquisa de doutorado Tempo musical e performance- um diálogo entre a teoria e a prática na interpretação aliadas a uma reflexão acerca de sua aplicação ao ensino de música. Nossa tese de doutorado abordou o tempo musical enfatizando sua realização na performance. O intuito foi concretizar a conexão entre escuta/ performance de obras e reflexão teórica sobre o tempo, buscando desdobramentos desse diálogo na interpretação. A dimensão subjetiva do tempo foi ressaltada, indo além de aspectos objetivos como duração e sucessão. A fenomenologia, que é um dos referenciais teóricos de nossa tese, entende que a dimensão subjetiva é inerente a qualquer fenômeno, uma vez que este é percebido por um sujeito que interage com o fenômeno. Assim sendo, sua percepção não é neutra, mas sim, influenciada pelas experiências prévias e passíveis de atualização constante. Os conceitos de tempo musical de Clifton (1983) e Kramer (1988) foram centrais para nossa pesquisa. Partindo da distinção de Clifton entre o tempo que uma música leva e o que ela evoca, descrevemos o papel do ouvinte/ intérprete na definição de tempo, entendido como uma relação estabelecida entre um sujeito que percebe e os fenômenos que são por ele percebidos. A possibilidade de o tempo corresponder a diferentes significados simultaneamente (KRAMER, 1988) também foi importante para refletirmos sobre as possibilidades de sobreposição de diferentes qualidades de tempo em uma mesma obra. A partir deste referencial, nossa pesquisa elaborou algumas sugestões conceituais para os intérpretes: 1) vivenciar o tempo musical da obra, atentando a sua dimensão significativa, sem se ater, estritamente, à mensuração ou à cronologia dos eventos musicais; 2) reconhecer as simultaneidades temporais com objetivo expressivo; 3) observar a(s) direcionalidade(s) que obra propõe e explorá-las, na performance, como constitutivas de sentido; 4) observar o tempo musical quanto à qualidade do movimento implícita nos diversos momentos da obra, buscando suas repercussões expressivas; 5) considerar o tempo musical e suas variações ao longo da obra como estruturantes da forma e como constitutivos de sentido, gerando diferentes ambientes temporais e expressivos; 6) valorizar os silêncios como elementos temporais, tanto de do ponto de vista expressivo, quanto do ponto de vista estrutural; 7) tomar as repetições não só como elementos estruturantes, mas como instauradoras de diferentes possibilidades formais e expressivas. A educação musical (mais especificamente o ensino do instrumento) pode se beneficiar diretamente desses achados da pesquisa, não limitando a formação musical do aluno a aspectos objetivos (como regularidade métrica), mas deve compreender o desenvolvimento de uma capacidade de se posicionar frente a uma obra. Entender mais sobre o processo de concepção da obra, como intérprete, vai influir diretamente na capacidade de tomada de decisões interpretativas, compreendidas 19

20 como leituras possíveis, sem a preocupação com uma verdade pré-existente na obra. Entendemos que um estudo do tempo em suas diferentes facetas capacita o músico a desenvolver suas idéias de forma mais maleável, o que o dota com mais possibilidades de escolha ao construir uma interpretação. Referências BARENBOIM, Daniel. A música desperta o tempo. São Paulo: Martins, 2009 CLIFTON, Thomas. Music as heard- a study in applied phenomenology. New Haven: Yale University Press, 1983 DANIELSEN, Anne. Presence and pleasure- the funk grooves of James Brown and Parliament. Middletown: Wesleyan University Press, 2006 FREIRE, Vanda Bellard e CAVAZOTTI, André. Música e pesquisa- novas abordagens. Belo Horizonte: Escola de Música da UFMG, 2007 KRAMER, Jonathan D. The time of music. New York: Schirmer Books, 1988 A música na matriz curricular dos cursos de Pedagogia do Estado do Rio de Janeiro Autor: Anderson Carmo de Carvalho Orientador: Celso Ramalho (UFRJ) Coorientadora: Leda Maffioletti (PPGEDU-UFRGS) Palavras-chave: educação musical, formação de professores, currículo, música e linguagem. O presente trabalho tem como objetivo analisar como a Lei , que trata da obrigatoriedade do ensino de músicas nas escolas, influenciou na reformulação das grades curriculares dos cursos de Pedagogia do Estado do Rio de Janeiro, abrangendo uma formação em educação musical consciente e coesa para a atuação do pedagogo, seja ele docente, coordenador, orientador ou gerente educacional. A música é bastante utilizada no ambiente escolar e percebemos que os pedagogos reconhecem sua importância na dinâmica escolar, entretanto, admitem não receber formação adequada para atuar de forma segura, insegurança observada não só no conteúdo de música, mas também em outras disciplinas, reflexo do processo de fragmentação do conhecimento apoiado pelo sociologismo positivista do Século XIX, que muitas vezes desconsidera o currículo oculto da escola desconectando saberes. Nesse sentido, temos como proposta de estudo verificar os desdobramentos da lei na formação dos futuros professores e que medidas foram ou serão implementadas tendo em vista o acréscimo dos conteúdos musicais na Escola Básica. Em nosso levantamento através do site do Ministério da Educação, observamos que no Estado do Rio de Janeiro, 42 instituições oferecem o curso de Pedagogia. No período de Julho e Agosto de 2014, consultamos as matrizes curriculares de todas essas através de sites e visitas. Buscamos primeiramente a presença de uma disciplina de Música na grade. Em caso de ausência, usamos como critério de pesquisa as palavras, Arte Educação, Cultura e Linguagem. Consideramos ainda, se as disciplinas apresentavam-se como "obrigatórias", "eletivas" ou eletivas universais". A análise preliminar indica que a música não é uma prioridade na formação do Pedagogo, pois sua presença nas matrizes curriculares, em sua grande 20

O FESTIVAL INTERNACIONAL DE INVERNO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA E SUAS AÇÕES MUSICAIS

O FESTIVAL INTERNACIONAL DE INVERNO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA E SUAS AÇÕES MUSICAIS O FESTIVAL INTERNACIONAL DE INVERNO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA E SUAS AÇÕES MUSICAIS Área temática: cultura Vera Lucia Portinho Vianna (Coordenadora da Ação de Extensão) Vera Lucia Portinho

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UFPE CENTRO DE ARTES E COMUNICAÇÃO - CAC CURSO DE LICENCIATURA EM DANÇA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UFPE CENTRO DE ARTES E COMUNICAÇÃO - CAC CURSO DE LICENCIATURA EM DANÇA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UFPE CENTRO DE ARTES E COMUNICAÇÃO - CAC CURSO DE LICENCIATURA EM DANÇA Coordenadora do Curso: Prof a Maria Cláudia Alves Guimarães IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. Denominação

Leia mais

A Educação Musical em atividades interdisciplinares: um relato de experiência em uma oficina 1

A Educação Musical em atividades interdisciplinares: um relato de experiência em uma oficina 1 A Educação Musical em atividades interdisciplinares: um relato de experiência em uma oficina 1 Fernanda de Assis Oliveira 2 Universidade Federal do Rio Grande do Sul UFRGS Resumo: Este relato descreve

Leia mais

FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DE PROFESSORES DE MÚSICA PROGRAMAÇÃO

FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DE PROFESSORES DE MÚSICA PROGRAMAÇÃO III SIMPÓSIO CATARINENSE DE EDUCAÇÃO MUSICAL FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DE PROFESSORES DE MÚSICA Jaraguá do Sul, SC, 2, 3 e 5 de fevereiro de 2011 PROGRAMAÇÃO Dia 2/2/2011 das 8h30 às 9h30 Palestra

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n 57/ 2009 Aprova o Projeto Político-Pedagógico do Curso Superior em Regência de Bandas

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Educação Musical; Formação de Professores; Oficina de Violão; Educação básica.

PALAVRAS-CHAVE: Educação Musical; Formação de Professores; Oficina de Violão; Educação básica. INICIAÇÃO À DOCÊNCIA EM MÚSICA: RESULTADOS DO PIBID EM DUAS ESCOLAS PÚBLICAS DE GOIÂNIA/GO Luna Borges MELO luna.borges.melo@gmail.com Larissa dos Santos MARTINS Escola de Música e Artes Cênicas - UFG

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INVESTIGAÇÃO DA PRÁTICA DOCENTE I... 4 02 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 4 03 PROFISSIONALIDADE DOCENTE... 4 04 RESPONSABILIDADE

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

Área de Ciências Humanas

Área de Ciências Humanas Área de Ciências Humanas Ciências Sociais Unidade: Faculdade de Ciências Humanas e Filosofia (FCHF) www.fchf.ufg.br Em Ciências Sociais estudam-se as relações sociais entre indivíduos, grupos e instituições,

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n 34/ 2009 Aprova o Projeto Político-Pedagógico do Curso de Graduação em Música, Modalidade

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

MUSICALIZAÇÃO DA UFPB: CONTRIBUIÇÕES PARA O DESENVOLVIMENTO INFANTIL

MUSICALIZAÇÃO DA UFPB: CONTRIBUIÇÕES PARA O DESENVOLVIMENTO INFANTIL MUSICALIZAÇÃO DA UFPB: CONTRIBUIÇÕES PARA O DESENVOLVIMENTO INFANTIL Centro de Comunicações Turismo e Artes / PROBEX BEZERRA 1, Igor de Tarso Maracajá Resumo: O atual trabalho apresenta um estudo preliminar

Leia mais

Programas de Formação Docente em Educação Musical na América Latina 1

Programas de Formação Docente em Educação Musical na América Latina 1 Programas de Formação Docente em Educação Musical na América Latina 1 Teresa Mateiro Universidade do Estado de Santa Catarina Silvia Málbran Universidad de La Plata Edith Cisneros-Cohernour Universidad

Leia mais

Guia do Aluno. Curso a Distância (EAD) Patrimônio Imaterial: fortalecendo o Sistema Nacional

Guia do Aluno. Curso a Distância (EAD) Patrimônio Imaterial: fortalecendo o Sistema Nacional Curso a Distância (EAD) Patrimônio Imaterial: fortalecendo o Sistema Nacional Guia do Aluno 2013 1 SUMÁRIO 1 Apresentação... 3 1.1 O GUIA... 3 1.2 - INTRODUÇÃO AO CURSO... 3 1.3 OBJETIVOS... 4 2 - Conteúdo

Leia mais

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional Maria Madalena Dullius, madalena@univates.br Daniela Cristina Schossler,

Leia mais

Estabelece a Base Curricular, para a Formação Pedagógica dos Cursos de Licenciatura.

Estabelece a Base Curricular, para a Formação Pedagógica dos Cursos de Licenciatura. RESOLUÇÃO Nº 04/2004 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Estabelece a Base Curricular, para a Formação Pedagógica dos Cursos de Licenciatura.

Leia mais

INFORMAÇÕES DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO (PPC)

INFORMAÇÕES DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO (PPC) 1 INFORMAÇÕES DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO (PPC) Curso: Música, bacharelado Habilitação em Violão Campus: Cuiabá Docente da habilitação: Profa. Dra. Teresinha Rodrigues Prada Soares Ato interno de criação

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MUSICAL - ABEM

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MUSICAL - ABEM ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MUSICAL - ABEM INFORMATIVO ELETRÔNICO N. Agosto de 2008 N.41 Caros Sócios da ABEM, Enviamos o Informativo N.41, de agosto de 2008. Nele apresentamos os Informes e o Mural

Leia mais

FLADEM 2011. Fundamentação Teórica para a Mostra de Musicalização: Compositores e Intérpretes : a criação na aula de instrumento

FLADEM 2011. Fundamentação Teórica para a Mostra de Musicalização: Compositores e Intérpretes : a criação na aula de instrumento FLADEM 2011 Fundamentação Teórica para a Mostra de Musicalização: Compositores e Intérpretes : a criação na aula de instrumento Sandra Mara da Cunha e Claudia Maradei Freixedas Breve introdução A experiência

Leia mais

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Psicologia do Desenvolvimento e Aprendizagem da Criança de 0 a 5 anos Docente do Curso Gilza Maria Zauhy Garms Total da Carga

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Prática: 15 h/a Carga Horária: 60 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

ABRINDO ESPAÇOS PARA A FORMAÇÃO DE EDUCADORES AMBIENTAIS NUMA ABORDAGEM TRANSDISCIPLINAR

ABRINDO ESPAÇOS PARA A FORMAÇÃO DE EDUCADORES AMBIENTAIS NUMA ABORDAGEM TRANSDISCIPLINAR ABRINDO ESPAÇOS PARA A FORMAÇÃO DE EDUCADORES AMBIENTAIS NUMA ABORDAGEM TRANSDISCIPLINAR Autora: Lívia Costa de ANDRADE- liviacandrade@uol.com.br Orientadora: Sandra de Fátima OLIVEIRA sanfaoli@gmail.com.br

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n 62 / 2012 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Dança, Licenciatura,

Leia mais

PROJETO BANDAS E CORAIS NAS ESCOLAS : A EXPERIÊNCIA DO CORAL ENCANTO

PROJETO BANDAS E CORAIS NAS ESCOLAS : A EXPERIÊNCIA DO CORAL ENCANTO PROJETO BANDAS E CORAIS NAS ESCOLAS : A EXPERIÊNCIA DO CORAL ENCANTO Rebeca Vieira de Queiroz Almeida Faculdade Saberes Introdução O presente texto é um relato da experiência do desenvolvimento do projeto

Leia mais

1 Acadêmico, formando do Curso de Licenciatura com Habilitação em Música da UDESC. 2 Professora Mestra do Departamento de Música da UDESC.

1 Acadêmico, formando do Curso de Licenciatura com Habilitação em Música da UDESC. 2 Professora Mestra do Departamento de Música da UDESC. 1 O ensino de música extracurricular na Escola Técnica Federal em Florianópolis/SC: relato de experiência sobre uma oficina de improvisação musical realizada Maycon José de Souza 1 Universidade do Estado

Leia mais

INFORMAÇÕES DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO (PPC)

INFORMAÇÕES DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO (PPC) 1 INFORMAÇÕES DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO (PPC) Curso: Música, Bacharelado - Habilitação em Composição Campus: Cuiabá Docente da habilitação: Prof. Dr. Roberto Pinto Victorio Ato interno de criação

Leia mais

Escola para Formação de Artistas Artes Visuais Dança Música Teatro

Escola para Formação de Artistas Artes Visuais Dança Música Teatro Fundação das Artes Escola para Formação de Artistas Artes Visuais Dança Música Teatro Inscrições Abertas Turmas 2013 Primeiro Semestre Cursos Livres e Técnicos A Fundação das Artes é uma Escola de Artes

Leia mais

Projetos sociais em educação musical: uma perspectiva para o ensino e aprendizagem da música

Projetos sociais em educação musical: uma perspectiva para o ensino e aprendizagem da música Projetos sociais em educação musical: uma perspectiva para o ensino e aprendizagem da música Carla Pereira dos Santos Escola de Música Antenor Navarro (PB) e-mail: musiviver@hotmail.com Sumário: Este trabalho

Leia mais

A FLAUTA DOCE E A MUSICALIZAÇÃO COMO UM DOS RECURSOS NO PROCESSO DE EDUCAÇÃO MUSICAL NAS ESCOLAS

A FLAUTA DOCE E A MUSICALIZAÇÃO COMO UM DOS RECURSOS NO PROCESSO DE EDUCAÇÃO MUSICAL NAS ESCOLAS A FLAUTA DOCE E A MUSICALIZAÇÃO COMO UM DOS RECURSOS NO PROCESSO DE EDUCAÇÃO MUSICAL NAS ESCOLAS 57 Mirtes Antunes Locatelli Strapazzon CBAJ 1 mirtes@belasartesjoinville.com.br Resumo: A importância da

Leia mais

groups.google.com/forum/#%21forum/professoresdemusicadobrasil Fóruns de Partilhas de Práticas em Educação Musical (FOPPEM)

groups.google.com/forum/#%21forum/professoresdemusicadobrasil Fóruns de Partilhas de Práticas em Educação Musical (FOPPEM) LINKS ÚTEIS* *Em breve, esta listagem estará atualizada em meu blog: www.darcyalcantara.blogspot.com ABEM Associação Brasileira de Educação Musical abemeducacaomusical.org.br Revistas da ABEM abemeducacaomusical.org.br/revistas.html

Leia mais

Palavras-chave: formação continuada, educação básica, ensino de artes visuais.

Palavras-chave: formação continuada, educação básica, ensino de artes visuais. 4CCHLADAVPEX01 O ENSINO DE ARTES VISUAIS NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE ALHANDRA: UMA PROPOSTA DE FORMAÇÃO CONTINUADA PARA OS PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL Cláudia Oliveira de Jesus (1); Adeílson França (1);

Leia mais

DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN

DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN Autor: Anne Charlyenne Saraiva Campos; Co-autor: Emerson Carpegiane de Souza Martins

Leia mais

CONSERVATÓRIO MUSICAL BEETHOVEN www.beethoven.art.br beethoven@beethoven.art.br

CONSERVATÓRIO MUSICAL BEETHOVEN www.beethoven.art.br beethoven@beethoven.art.br Curso de Capacitação em Música para Professores do Ensino Médio, Fundamental 03 horas / semanais e Musicalização Infantil ( com base no PCN Artes ) VAGAS LIMITADAS FAÇA SUA PRÉ-RESERVA 10 meses ( inicio

Leia mais

SABERES ADQUIRIDOS NO PIBID (PROGRAMA INSTUCIONAL DE BOLSA INICIAÇÃO À DOCÊNCIA) PARA O SUCESSO PROFISSIONAL.

SABERES ADQUIRIDOS NO PIBID (PROGRAMA INSTUCIONAL DE BOLSA INICIAÇÃO À DOCÊNCIA) PARA O SUCESSO PROFISSIONAL. SABERES ADQUIRIDOS NO PIBID (PROGRAMA INSTUCIONAL DE BOLSA INICIAÇÃO À DOCÊNCIA) PARA O SUCESSO PROFISSIONAL. TayaraCrystina P. Benigno, UERN; tayara_bbg@hotmail.com Emerson Carlos da Silva, UERN; emersoncarlos90@hotmail.com

Leia mais

INFORMAÇÕES DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO (PPC)

INFORMAÇÕES DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO (PPC) 1 INFORMAÇÕES DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO (PPC) Curso: Música, bacharelado Habilitação em Regência Campus: Cuiabá Docente da habilitação: Profa. Dra. Flávia Vieira Pereira Ato interno de criação e aprovação

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

Quatro coordenadas para o andamento da educação musical

Quatro coordenadas para o andamento da educação musical Quatro coordenadas para o andamento da educação musical Léa Pintor Martins de Arruda Maria Angela de Souza Lima Rizzi O trabalho realizado com os educadores, pela equipe da Associação Arte Despertar no

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

Orquestra de flautas doces do Colégio de Aplicação da UFRGS

Orquestra de flautas doces do Colégio de Aplicação da UFRGS Orquestra de flautas doces do Colégio de Aplicação da UFRGS Juliana Rigon Pedrini jupedrini@terra.com.br Colégio de Aplicação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul Resumo. O presente trabalho é

Leia mais

Curso: EnCANTAR Brincando

Curso: EnCANTAR Brincando Curso: EnCANTAR Brincando Um novo jeito de Ensinar, uma nova maneira de Aprender! Musicalização Infantil: Formação docente para Educação Ambiental Público alvo: Professores de Educação Infantil, Séries

Leia mais

Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores.

Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores. Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores. Prof. Ms. Deisily de Quadros (FARESC) deisily@uol.com.br Graduando Mark da Silva Floriano (FARESC) markfloriano@hotmail.com Resumo: Este artigo apresenta

Leia mais

PROJETO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO EM EDUCAÇÃO INFANTIL 2014.2

PROJETO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO EM EDUCAÇÃO INFANTIL 2014.2 PROJETO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO EM EDUCAÇÃO INFANTIL 2014.2 APRESENTAÇÃO A Educação Infantil é a primeira etapa da Educação Básica e tem como finalidade o desenvolvimento integral

Leia mais

Fundação Carmelitana Mário Palmério - FUCAMP Faculdade de Ciências Humanas e Sociais - FACIHUS Educação de qualidade ao seu alcance

Fundação Carmelitana Mário Palmério - FUCAMP Faculdade de Ciências Humanas e Sociais - FACIHUS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO DE LETRAS PORTUGUÊS/ESPANHOL O ensino da língua espanhola no contexto da escola pública INTRODUÇÃO Este plano procura articular-se de forma integrada com o plano de trabalho institucional, que

Leia mais

DE OSWALD A ALMEIDA PRADO: PARÂMETROS INTEPRETATIVOS EM PEÇAS CONTRASTANTES PARA VIOLINO E PIANO DO SÉCULO XX

DE OSWALD A ALMEIDA PRADO: PARÂMETROS INTEPRETATIVOS EM PEÇAS CONTRASTANTES PARA VIOLINO E PIANO DO SÉCULO XX DE OSWALD A ALMEIDA PRADO: PARÂMETROS INTEPRETATIVOS EM PEÇAS CONTRASTANTES PARA VIOLINO E PIANO DO SÉCULO XX Resumo expandido - Conpeex 2011 1. NOME DOS AUTORES Luciano Ferreira PONTES¹; Glacy Antunes

Leia mais

Universidade Estadual de Maringá Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes

Universidade Estadual de Maringá Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes R E S O L U Ç Ã O N.º 090/2009 CI / CCH CERTIDÃO Certifico que a presente resolução foi afixada em local de costume, neste Centro, no dia 10/12/2009. João Carlos Zanin, Secretário Aprova o projeto pedagógico

Leia mais

OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE

OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE NASCIMENTO, Elaine Cristina Universidade Tecnológica Federal do Paraná AMORIM, Mário

Leia mais

ASPECTOS QUALITATIVOS DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: O CASO DO CURSO DE PEDAGOGIA EaD DA UFSM

ASPECTOS QUALITATIVOS DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: O CASO DO CURSO DE PEDAGOGIA EaD DA UFSM ASPECTOS QUALITATIVOS DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: O CASO DO CURSO DE PEDAGOGIA EaD DA UFSM AVINIO, Carina de S.¹; ENDERLE, Mariana G.²; VISENTINI, Lucas³. 1 Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Educação

Leia mais

III Semana da Música e Pedagogia da FAC-FITO 16 a 18 de outubro de 2014

III Semana da Música e Pedagogia da FAC-FITO 16 a 18 de outubro de 2014 III Semana da Música e Pedagogia da FAC-FITO 16 a 18 de outubro de 2014 REALIZAÇÃO Cursos de Pedagogia e de Música da Faculdade de Ciências / FITO Coordenadoras: Ms Roseli da Silva Cordeiro Ruiz Pedagogia

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR CENECISTA DE FARROUPILHA Mantido pela Campanha Nacional de Escolas da Comunidade

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR CENECISTA DE FARROUPILHA Mantido pela Campanha Nacional de Escolas da Comunidade MANUAL DE ESTÁGIO Curso de PEDAGOGIA S U M Á R I O 1. Apresentação... 03 2. Proposta de Estágio... 03 3. Aspectos legais... 04 4. Objetivo Geral... 04 5. Campo de Estágio... 05 6. Modalidades de Estágio...

Leia mais

O ENSINO DE MÚSICA EM PROJETOS DE AÇÃO SOCIAL: CATÁLOGO BIBLIOGRÁFICO COMENTADO COMO PARTE DE UMA PESQUISA DE MESTRADO

O ENSINO DE MÚSICA EM PROJETOS DE AÇÃO SOCIAL: CATÁLOGO BIBLIOGRÁFICO COMENTADO COMO PARTE DE UMA PESQUISA DE MESTRADO O ENSINO DE MÚSICA EM PROJETOS DE AÇÃO SOCIAL: CATÁLOGO BIBLIOGRÁFICO COMENTADO COMO PARTE DE UMA PESQUISA DE MESTRADO Autor: Emerson Carpegianne de Souza Martins (Universidade Federal do Rio Grande do

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1988 CONSTITUIÇÃO FEDERAL ANTECEDENTES Art. 210. Serão fixados conteúdos mínimos para o ensino fundamental, de maneira a assegurar formação básica comum

Leia mais

CURSO DE MÚSICA - BACHARELADO

CURSO DE MÚSICA - BACHARELADO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UFPE CENTRO DE ARTES E COMUNICAÇÃO - CAC CURSO DE MÚSICA - BACHARELADO Coordenador do Curso: Prof. Rinaldo de Melo Fonseca IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. Denominação dos Cursos:

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS ESPECÍFICAS DA EDUCAÇÃO BÁSICA

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS ESPECÍFICAS DA EDUCAÇÃO BÁSICA DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS ESPECÍFICAS DA EDUCAÇÃO BÁSICA SUBSÍDIOS PARA A REVISÃO DAS DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL TRABALHO ENCOMENDADO PELO MEC/SEB DIRETORIA DE CONCEPÇÕES

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DOCÊNCIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DOCÊNCIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DOCÊNCIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1. APRESENTAÇÃO Este curso, que ora apresentamos, insere-se como mais uma ação na perspectiva da formação do educador e destina-se a especializar

Leia mais

Planejamento na Educação Musical Infantil

Planejamento na Educação Musical Infantil Planejamento na Educação Musical Infantil Ricardo Dourado Freire Universidade de Brasília freireri@unb.br Sandra Ferraz Freire Universidade de Brasília sandra.ferraz@gmail.com Sumário: O processo de planejamento

Leia mais

INFORMAÇÕES DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO (PPC)

INFORMAÇÕES DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO (PPC) 1 INFORMAÇÕES DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO (PPC) Curso: Música, bacharelado Habilitação em Canto Campus: Cuiabá Docente da habilitação: Profa. Me. Helen Luce Pereira Ato interno de criação e aprovação

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n 35/ 2009 Aprova o Projeto Político-Pedagógico do Curso de Graduação em Música, Modalidade

Leia mais

As práticas em Educação Musical Especial: possíveis contribuições da Musicoterapia 1

As práticas em Educação Musical Especial: possíveis contribuições da Musicoterapia 1 As práticas em Educação Musical Especial: possíveis contribuições da Musicoterapia 1 Claudia Eboli Santos 2 Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro UNIRIO claudiaeboli@hotmail.com Resumo Este

Leia mais

Composição musical na educação infantil: uma experiência possível

Composição musical na educação infantil: uma experiência possível Composição musical na educação infantil: uma experiência possível Francine Kemmer Cernev francine@cernev.com.br Universidade Estadual de Londrina/ Colégio Nossa Senhora do Rosário, Cornélio Procópio/PR/

Leia mais

A LINGUAGEM MUSICAL DO MUSICOTERAPEUTA

A LINGUAGEM MUSICAL DO MUSICOTERAPEUTA A LINGUAGEM MUSICAL DO MUSICOTERAPEUTA Rita Bomfati. UNESPAR- FAP ritabomfati1@gmail.com Resumo: A importância da formação musical do musicoterapeuta (conhecimento de ritmos e instrumentos, história da

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO. Eleição para Diretoria Executiva - período 2012-2014

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO. Eleição para Diretoria Executiva - período 2012-2014 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO Eleição para Diretoria Executiva - período 2012-2014 CHAPA 1 A Associação Brasileira de Psicologia do Desenvolvimento tem, dentre seus objetivos,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO Departamento de Arquitetura e Urbanismo

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO Departamento de Arquitetura e Urbanismo Departamento de Arquitetura e Urbanismo CONCURSO PÚBLICO DE TÍTULOS E PROVAS PARA PROVIMENTO DE UM CARGO DE PROFESSOR ADJUNTO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERENAMBUCO, ÁREA: TEORIA E HISTÓRIA DA ARQUITETURA,

Leia mais

A pesquisa na formação do professor

A pesquisa na formação do professor A pesquisa na formação do professor Karen Maria Jung Introdução Este trabalho tem por objetivo mostrar como a pesquisa, na formação de novos professores, é abordada nos diferentes cursos de Licenciatura

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO DE LICENCIATURA PLENA EM HISTÓRIA

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO DE LICENCIATURA PLENA EM HISTÓRIA Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás Departamento de Áreas Acadêmicas I Coordenação de Ciências Humanas

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Metodologia Científica Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º 1 - Ementa (sumário, resumo) Conceito e concepção de ciência

Leia mais

EDUCAÇÃO DAS CRIANÇAS PEQUENAS: A FORMAÇÃO DOS PROFESSORES NO CURSO DE PEDAGOGIA. STANGHERLIM, Roberta - UNINOVE - roberta.stan@hotmail.

EDUCAÇÃO DAS CRIANÇAS PEQUENAS: A FORMAÇÃO DOS PROFESSORES NO CURSO DE PEDAGOGIA. STANGHERLIM, Roberta - UNINOVE - roberta.stan@hotmail. 1 EDUCAÇÃO DAS CRIANÇAS PEQUENAS: A FORMAÇÃO DOS PROFESSORES NO CURSO DE PEDAGOGIA Autora: STANGHERLIM, Roberta - UNINOVE - roberta.stan@hotmail.com Coautores: VERCELLI, Ligia de Carvalho Abões - UNINOVE

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico O Coordenador Pedagógico é o profissional que, na Escola, possui o importante papel de desenvolver e articular ações pedagógicas que viabilizem

Leia mais

ARTE-EDUCADORES E EDUCAÇÃO MUSICAL: ANÁLISE DA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MÚSICA NA REGIÃO DE GUARAPUAVA (PR)

ARTE-EDUCADORES E EDUCAÇÃO MUSICAL: ANÁLISE DA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MÚSICA NA REGIÃO DE GUARAPUAVA (PR) ARTE-EDUCADORES E EDUCAÇÃO MUSICAL: ANÁLISE DA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MÚSICA NA REGIÃO DE GUARAPUAVA (PR) Resumo GOMES, Érica Dias 1 - UNICENTRO Grupo de Trabalho Formação de professores e profissionalização

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFISSIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL

A FORMAÇÃO DO PROFISSIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL A FORMAÇÃO DO PROFISSIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL Maria das Graças Oliveira Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas/SP, Brasil. Resumo Este texto é parte de uma Tese de Doutorado

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Formação de professor/pedagogo. Didática. Mediação. Práxis. Introdução

PALAVRAS-CHAVE Formação de professor/pedagogo. Didática. Mediação. Práxis. Introdução 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 93 DE JUNHO DE 2014

RESOLUÇÃO Nº. 93 DE JUNHO DE 2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS RESOLUÇÃO Nº. 93 DE JUNHO DE 2014 O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA, EXTENSÃO E CULTURA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS,

Leia mais

MESTRADO EM ECONOMIA E CIÊNCIAS POLÍTICAS ÊNFASE EM MEDIAÇÃO, NEGOCIAÇÃO E RESOLUÇÃO ALTERNATIVA DE CONFLITOS

MESTRADO EM ECONOMIA E CIÊNCIAS POLÍTICAS ÊNFASE EM MEDIAÇÃO, NEGOCIAÇÃO E RESOLUÇÃO ALTERNATIVA DE CONFLITOS PROGRAMA INTERNACIONAL pós-graduação stricto sensu MESTRADO EM ECONOMIA E CIÊNCIAS POLÍTICAS ÊNFASE EM MEDIAÇÃO, NEGOCIAÇÃO E RESOLUÇÃO ALTERNATIVA DE CONFLITOS Programa Internacional PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO Fundação Instituída nos termos da Lei 5.152 de 21/10/1966 São Luís Maranhão

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO Fundação Instituída nos termos da Lei 5.152 de 21/10/1966 São Luís Maranhão RESOLUÇÃO N 125-CONSUN, de 2 de maio de 20 Aprova o projeto de criação do Curso de Licenciatura em Artes Visuais, em substituição à Habilitação em Artes Plásticas do Curso de Licenciatura em Educação Artística

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PEDAGOGIA Disciplina: Comunicação e Expressão Ementa: A leitura como vínculo leitor/texto através do conhecimento veiculado pelo texto escrito. Interpretação:

Leia mais

1.1. Cristina Nacif Alves

1.1. Cristina Nacif Alves 1.1. 1.1.1. Formação Graduação em Pedagogia, Universidade Estadual do Rio de Janeiro, concluída em Junho de 1992 Especialização em Desenvolvimento e Aprendizagem da criança e do adolescente - Instituto

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura

Leia mais

TECNOLOGIAS E EDUCAÇÃO: A CONSTITUIÇÃO DE UM CORPUS DE PESQUISA Moema Gomes Moraes PUC-GO/UFG Agência Financiadora: CAPES PROSUP

TECNOLOGIAS E EDUCAÇÃO: A CONSTITUIÇÃO DE UM CORPUS DE PESQUISA Moema Gomes Moraes PUC-GO/UFG Agência Financiadora: CAPES PROSUP TECNOLOGIAS E EDUCAÇÃO: A CONSTITUIÇÃO DE UM CORPUS DE PESQUISA Moema Gomes Moraes PUC-GO/UFG Agência Financiadora: CAPES PROSUP Resumo O propósito deste trabalho é apresentar o processo de constituição

Leia mais

FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013

FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013 FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013 Sete Lagoas Março de 2014 Sumário 1. DADOS DA INSTITUIÇÃO... 4 1.1. Composição da Comissão

Leia mais

VIVENCIANDO MÚLTIPLAS LINGUAGENS NA BIBLIOTECA ESCOLAR: EXPERIÊNCIA DO PIBID/UEMS/PEDAGOGIA

VIVENCIANDO MÚLTIPLAS LINGUAGENS NA BIBLIOTECA ESCOLAR: EXPERIÊNCIA DO PIBID/UEMS/PEDAGOGIA VIVENCIANDO MÚLTIPLAS LINGUAGENS NA BIBLIOTECA ESCOLAR: EXPERIÊNCIA DO PIBID/UEMS/PEDAGOGIA Gabriela Arcas de Oliveira¹; Joice Gomes de Souza²; Giana Amaral Yamin³. UEMS- CEP, 79804970- Dourados-MS, ¹Bolsista

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA CONSELHO FEDERAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA CONSELHO FEDERAL DE EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA CONSELHO FEDERAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO/MANTENEDORA ORGANIZAÇÃO BRASILEIRA DE CULTURA E EDUCAÇÃO UF RJ ASSUNTO Alteração Curricular dos cursos de Historia e Geografia,

Leia mais

(Re)pensando o Lugar da Educação em Direitos Humanos. na Educação de Surdos

(Re)pensando o Lugar da Educação em Direitos Humanos. na Educação de Surdos (Re)pensando o Lugar da Educação em Direitos Humanos na Educação de Surdos Por MARIA DE FÁTIMA DA SILVA CAVALCANTE Resumo: O presente artigo tem por objetivo discutir a Educação em Direitos Humanos como

Leia mais

JUSTIFICATIVA DA INCLUSÃO DA DISCIPLINA NA CONSTITUIÇÃO DO CURRICULO

JUSTIFICATIVA DA INCLUSÃO DA DISCIPLINA NA CONSTITUIÇÃO DO CURRICULO FATEA Faculdades Integradas Teresa D Ávila Curso: Pedagogia Carga Horária: 36h Ano: 2011 Professor: José Paulo de Assis Rocha Plano de Ensino Disciplina: Arte e Educação Período: 1º ano Turno: noturno

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: BACHARELADO SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS - MÁXIMO = 07 (SETE)

Leia mais

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Claudia Maria da Cruz Consultora Educacional FEVEREIRO/2015 CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A ênfase na operacionalização escrita dos documentos curriculares municipais é

Leia mais

O talento é seu. A gente só aperfeiçoa. Conheça: est.edu.br

O talento é seu. A gente só aperfeiçoa. Conheça: est.edu.br O talento é seu. A gente só aperfeiçoa. EXTENSÃO Conheça: est.edu.br PROGRAMA DE EXTENSÃO A Faculdades EST é vinculada à Rede Sinodal de Educação, identificada com a Igreja Evangélica de Confissão Luterana

Leia mais

DOCÊNCIA NO ENSINO SUPERIOR: DILEMAS E PERSPECTIVAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MÚSICA

DOCÊNCIA NO ENSINO SUPERIOR: DILEMAS E PERSPECTIVAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MÚSICA DOCÊNCIA NO ENSINO SUPERIOR: DILEMAS E PERSPECTIVAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MÚSICA Everson Ferreira Fernandes Universidade Federal do Rio Grande do Norte eversonff@gmail.com Gislene de Araújo Alves

Leia mais

Interferência de diferentes procedimentos harmônicos na improvisação do choro e configurações identitárias: década de 20 ao Tempo Presente

Interferência de diferentes procedimentos harmônicos na improvisação do choro e configurações identitárias: década de 20 ao Tempo Presente 1 Interferência de diferentes procedimentos harmônicos na improvisação do choro e configurações identitárias: década de 20 ao Tempo Presente Everton Luiz Loredo de MATOS UFG tonzeramusic@hotmail.com Magda

Leia mais

O PIBID NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONTRIBUIÇOES E AÇÕES DO PIBID PARA FORMAÇÃO INICIAL DOS BOLSISTAS.

O PIBID NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONTRIBUIÇOES E AÇÕES DO PIBID PARA FORMAÇÃO INICIAL DOS BOLSISTAS. O PIBID NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONTRIBUIÇOES E AÇÕES DO PIBID PARA FORMAÇÃO INICIAL DOS BOLSISTAS. 1 Marcos Antonio de Sousa Rodrigues Bolsista/ PIBID/ UESPI 2 Sara Juliana Lima Ferreira Bolsista/

Leia mais

Projeto Leitura e Escrita na Educação Infantil

Projeto Leitura e Escrita na Educação Infantil Projeto Leitura e Escrita na Educação Infantil Mônica Correia Baptista/UFMG Maria Fernanda Rezende Nunes/UNIRIO Patrícia Corsino/UFRJ Vanessa Ferraz Almeida Neves/UFMG Rita Coelho/MEC Ângela Barreto/Consultora

Leia mais

A FORMAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA: O PIBID COMO ESPAÇO DE TRABALHO COLETIVO. Palavras-chave: Licenciatura, Educação Física, Escola, Trabalho Coletivo.

A FORMAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA: O PIBID COMO ESPAÇO DE TRABALHO COLETIVO. Palavras-chave: Licenciatura, Educação Física, Escola, Trabalho Coletivo. A FORMAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA: O PIBID COMO ESPAÇO DE TRABALHO COLETIVO Bruna de Paula,CRUVINEL(FEF); Jehnny Kellen Vargas Batista, QUEIROZ (FEF); Lorrayne Bruna de CARVALHO (FEF); Karine Danielly L. M.

Leia mais

Currículo Profissional

Currículo Profissional Currículo Profissional Ana Luiza Amaral Sant Anna Borba Formação Acadêmica e Titulação Título de Especialista em Psicopedagogia pelo Conselho Regional de Psicologia/SP Pós-Graduada em Psicopedagogia Graduada

Leia mais

Ateliê de artes para crianças: um trabalho em progresso

Ateliê de artes para crianças: um trabalho em progresso Maria Christina S.L. Rizzi e Sumaya Mattar Moraes Ateliê de artes para crianças: primeiros registros e reflexões de um trabalho em progresso O Ateliê de Artes para Crianças é um curso de extensão do Departamento

Leia mais

Dia 19 de Setembro 2013 (quinta-feira)

Dia 19 de Setembro 2013 (quinta-feira) Dia 19 de Setembro 2013 (quinta-feira) Horário: 8h30 às 22h30 Circuito Cultural: Exposição de fotografia Contíguo Distante Local: Galeria LabSG Prédio I Horário: 8h30 às 22h30 Circuito Cultural: Exposição

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DO GT CAPOEIRA E EDUCAÇÃO

CONTRIBUIÇÕES DO GT CAPOEIRA E EDUCAÇÃO CONTRIBUIÇÕES DO GT CAPOEIRA E EDUCAÇÃO Este documento apresenta os resultados dos debates desenvolvidos pelo Grupo de Trabalho Capoeira e Educação, do 1º Encontro Regional do Programa Nacional de Salvaguarda

Leia mais

O MUSEU E SUA FUNÇÃO SOCIAL PELO MAPEAMENTO DAS REDES SOCIAIS DOS MUSEUS Weidson Leles GOMES 1

O MUSEU E SUA FUNÇÃO SOCIAL PELO MAPEAMENTO DAS REDES SOCIAIS DOS MUSEUS Weidson Leles GOMES 1 O MUSEU E SUA FUNÇÃO SOCIAL PELO MAPEAMENTO DAS REDES SOCIAIS DOS MUSEUS Weidson Leles GOMES 1 Resumo: O presente Artigo busca abordar a pretensão dos museus de cumprir uma função social e a emergência

Leia mais

Pós-Graduação e Ensino de Ciências e Matemática

Pós-Graduação e Ensino de Ciências e Matemática Anais do VIII ENEM Mesa Redonda 1 Pós-Graduação e Ensino de Ciências e Matemática Tânia Maria Mendonça Campos - tania@pucsp.br A Pós-Graduação é a Unidade Universitária responsável pela formação de recurso

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social O Projeto pedagógico do Curso de Serviço Social do Pólo Universitário de Rio das Ostras sua direção social, seus objetivos, suas diretrizes, princípios,

Leia mais

EDUCAÇÃO MUSICAL: RELATOS DA EXPERIÊNCIA DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE FLORIANÓPOLIS

EDUCAÇÃO MUSICAL: RELATOS DA EXPERIÊNCIA DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE FLORIANÓPOLIS EDUCAÇÃO MUSICAL: RELATOS DA EXPERIÊNCIA DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE FLORIANÓPOLIS RESUMO: O presente trabalho surgiu da reflexão realizada no trabalho de conclusão de curso TCC e constitui-se num

Leia mais