Sindicatos e centrais sindicais no. Brasil. Sintrajufe RS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sindicatos e centrais sindicais no. Brasil. Sintrajufe RS"

Transcrição

1 Sindicatos e centrais sindicais no Brasil Sintrajufe RS 1

2 Sindicatos e centrais sindicais no Brasil Pesquisa e redação: Núcleo Piratininga de Comunicação Projeto gráfico e diagramação: Rosane Vargas Pesquisa de imagens: Ana Paula Faria e Marcelo Antunes Tratamento de imagens: Leandro Dóro Fotos da capa: MST, Giovana Guimarães, Luíz Ávila e Paulo Franken (Banco de Dados ZH) Juca Martins, Nair Benedicto, Ricardo Malta Produção 2 Rua Marcílio Dias, Porto Alegre - RS (51)

3 Sindicatos e centrais sindicais no Brasil 3

4 4

5 O nascimento da classe operária e dos sindicatos Sindicatos, centrais e confederações no mundo A - Da manufatura à fábrica Desde que o ser humano apareceu na terra, sempre existiu o trabalho. Pouco a pouco, centenas, milhares e depois milhões de seres humanos construíram suas moradias e seus utensílios básicos. Depois vieram castelos, palácios, estradas, pontes e templos. Esses últimos foram construídos não por vontade e decisão própria do povo. Foram construídos por pessoas forçadas por um punhado de senhores que tinham se tornado ricos. É só lembrar as pirâmides do Egito, dos templos da Grécia e da Roma antiga e de inúmeros palácios e monumentos antigos. A sociedade, pouco a pouco, dividiu-se entre senhores e escravos. Os nomes variavam, mas a realidade era parecida. Uns viviam em festas e banquetes e eram garantidos pelo trabalho de milhares de outros seres a serviço dos primeiros. Essa grande maioria, que trabalhava para poucos senhores, recebia em troca algumas migalhas para sobreviver. Parte I 5

6 Há até uns duzentos anos, a humanidade vivia dispersa nos campos, trabalhando a terra. As cidades eram pequenas e o comércio também. Toda a produção era feita de forma artesanal, pelas mãos daqueles trabalhadores. Só havia pequenas máquinas primitivas, movidas à água, ou a vento ou pelas mãos e pelos pés dos trabalhadores. No final do século XVIII, entre 1750 e 1800, uma descoberta mudou completamente o sistema de produção. Essa descoberta foi a máquina a vapor. Estávamos no começo do que Marx, várias décadas depois, chamou de Revolução Industrial. Rapidamente, os países da Europa Ocidental, como Inglaterra, França, Bélgica e Alemanha, industrializaram-se. O pequeno barracão de poucos trabalhadores se transformou em imensas construções cheias de máquinas e de gente. Nasciam os operários. Os que operavam máquinas. As chaminés de onde saía a fumaça do carvão queimado que produzia o vapor que movia as máquinas são o símbolo dessa revolução. Nascia, assim, a indústria e, com ela, a classe operária. A classe feita de trabalhadores modernos, como os conhecemos hoje. Essa revolução aconteceu na Europa e logo depois nos Estados Unidos. Toda a riqueza que esses países tinham roubado da América Latina e do resto do mundo foi usada para investir em novas descobertas técnicas e na criação de imensos parques industriais. E qual era a condição da vida desses milhões de trabalhadores das fábricas? Era a pior que podemos imaginar. A classe operária demorou algumas décadas para criar suas primeiras associações e seus sindicatos para se defender. Os patrões não reconheciam nenhum direito aos trabalhadores. Do começo da industrialização até por volta de 1850, podemos dizer que não havia nenhuma lei para a classe operária. O liberalismo era a visão política e econômica que dominava a cabeça da burguesia européia e americana. Liberalismo, nos livros, significava liberdade total às forças produtivas: capital e trabalho. Na prática, significava liberdade aos patrões para poderem explorar os trabalhadores sem limite nenhum. B - A vida nas fábricas 200 anos atrás No início da exploração capitalista, aos trabalhadores não eram permitidos direitos, apenas deveres. Deveres que custavam a saúde e a vida de milhões de homens, mulheres e crianças. Vivia-se sob o domínio da sociedade burguesa. Uma sociedade organizada exclusivamente de acordo com os interesses dos donos de fábricas, lojas, armazéns, bancos, transportes e tudo mais. Nos locais de trabalho, vigorava a lei do mais forte. Não existiam leis. O Estado não podia fazer leis que regulamentassem as relações entre capital e trabalho. Era a filosofia política liberal a serviço do lucro do capital. Depois da exploração na fábrica, o trabalhador enfrentava mais um martírio, agora em casa. Cansado, sujo e sem roupas para trocar, via a sua família passar todo tipo de necessidade, inclusive fome. E era esse trabalhador atormentado, cansado e ferido que voltava, no dia seguinte, para a fábrica. Ainda mais cansado e ferido na sua condição humana. Os salários eram de fome. O mínimo para o trabalhador não morrer. No país mais industrializado da época, a Inglaterra, em 1820 a idade média de vida dos operários era 21 anos. Morria-se de fome, de miséria e de doenças como a tuberculose. Isso nos bairros operários. Nas zonas residenciais dos ricos, a idade média passava dos 50 anos. Os acidentes de trabalho eram muito freqüentes. As máquinas eram primitivas e os patrões, ontem como hoje, não se preocupavam com essa realidade. Queriam cada vez mais produção. Mais lucros. Qual era a jornada de trabalho naqueles tempos? Simples: quantas horas o patrão quisesse. E ele queria 6

7 o máximo. Até os operários morrerem de cansaço. Eram 12, 15 e até 18 horas por dia. E isso era repetido durante 365 dias por ano... Até a pessoa morrer de fome, cansaço e miséria. C - A reação da classe operária Entre 1800 e 1830, em todos os países onde havia fábricas e oficinas, os operários organizaram revoltas. Exigiam a redução da jornada, melhores salários e a diminuição dos acidentes. No começo do trabalho nas indústrias, os trabalhadores não tinham idéia de pertencer à mesma classe. Cada um procurava, sozinho, resolver seus problemas. Porém, rapidamente, os milhares de operários da Inglaterra, da França e da Bélgica, à medida que aumentavam de número, começavam a se sentir como membros da mesma classe. O correspondente da classe operária era a classe dos patrões: a classe burguesa. Esse longo caminho até os trabalhadores se perceberem como um corpo único, uma classe, levou uns cinqüenta anos. Foram muitas greves, muitas revoltas e muita repressão por parte da polícia a serviço dos patrões. Na Inglaterra, o país que começou a industrialização, aconteceram os primeiros protestos e manifestações. Eram as chamadas marchas da fome. Logo em seguida, apareceram os primeiros comícios, fortemente reprimidos pelos exércitos da burguesia ou dos reis. As exigências básicas eram pão e redução da jornada de trabalho. Para fazer essas lutas, os trabalhadores precisaram se organizar. Mas a organização operária era proibida em todos os países. Foi só em 1824 que o parlamento da Inglaterra reconheceu aos trabalhadores o direito de livre associação. Naquele país, já havia uma longa tradição mais democrática do que em outros países. Mas essa democracia não era para os trabalhadores. Logo após a liberação do direito de se associar, nascia, em 1825, na cidade industrial de Manchester, o primeiro sindicato inglês: a União dos Fiadores de Algodão. Logo chegaria a ter 100 mil membros e criaria seu jornal, A Voz do Povo, com 30 mil exemplares. Reprodução / Sintrajufe 7

8 D - Nascem os sindicatos Em todas as fábricas do continente europeu, os trabalhadores, aos poucos, foram descobrindo seu primeiro instrumento de luta: a greve. A greve e o jornal operário eram os dois símbolos de luta da classe trabalhadora. A greve para dobrar os patrões e o jornal para difundir a idéia de união e da necessidade da luta. Assim, no primeiro país industrializado do mundo, por volta de 170 anos atrás, começam a aparecer os primeiros sindicatos. As reivindicações já não eram somente pela redução da jornada. Os operários ingleses exigiam o direito ao voto universal secreto e vários direitos sociais, como escola gratuita para todos. Criaram um movimento, conhecido como Cartismo, que lutava por uma Carta com os direitos do povo. dessas reivindicações. Os operários se revoltavam e exigiam que seus pedidos fossem resolvidos. Foi assim que, em 1831, a cidade de Lyon foi dominada por dez dias pelos operários revoltados. Enquanto isso, na Inglaterra, crescia o número de sindicatos. Em 1834 houve uma primeira tentativa de se criar um sindicato geral, uma espécie de central que ficou conhecida como Grande União Consolidada dos Trabalhadores. Foi nesse período que os trabalhadores ingleses começaram a ter alguma conquista garantida em lei. Em 1842, no norte da Inglaterra, foi realizada a primeira greve geral da história da moderna classe trabalhadora. A principal exigência era a redução da jornada de trabalho. Em 1847, o parlamento inglês aprovou uma lei que estabelecia o limite da jornada para o adulto em dez horas diárias. A lei passou a vigorar no dia 1º de maio de Naquela época, na Inglaterra, já havia mais de 6 milhões de operários nas fábricas. Em 1846, a França tinha mais de 3 milhões de habitantes. Nesse ano houve uma tentativa de greve generalizada na qual cerca de 100 mil operários, em várias cidades, pararam o trabalho. E assim, embora os sindicatos não fossem permitidos, os operários se reuniam e planejavam clandestinamente suas lutas. Junto com a luta sindical por aumento de salário, pela redução da jornada, pelo fim dos acidentes, começava a aparecer uma inicial atividade política. A classe operária já era numerosa em toda a Europa. Em países como a França e a Bélgica, já havia alguns milhões de operários. Na França, nas indústrias metalúrgicas de Paris e nas tecelagens da cidade de Lyon, era mais difícil vencer a repressão dos patrões e do rei, que tinha reconquistado o poder. Não havia nenhum direito de associação operária. Pouco a pouco, nasceram vários tipos de associações, cada uma com nome diferente, mas parecido: Sociedade de Mútuo Socorro, Sociedade Beneficente, União Operária, Liga dos Trabalhadores. As exigências eram as mesmas: redução da jornada, melhores condições de trabalho, fim dos acidentes e melhores salários. Mas a burguesia francesa não atendia a nenhuma 8

9 Sindicatos, centrais sindicais partidos e internacionais Há 150 anos, vários milhões de pessoas já trabalhavam como operários em todo o mundo. Na Inglaterra, eram mais de 5 milhões. Na França, passavam dos 4 milhões. E os Estados Unidos, que estavam se industrializando rapidamente, em 1870 contavam com 6 milhões de operários. A Alemanha também não ficava para trás e também se industrializava muito rapidamente. Nos vários países da Europa, dependendo do regime político mais ou menos repressor, os operários construíam seus sindicatos. Nos países de língua inglesa, eles eram chamados de union, ou trade union. Naqueles de línguas de origem latina, eram chamados de sindicato. Nos dois casos, o sentido era o mesmo: união, junção. Até 1850, os sindicatos e toda organização operária para a luta eram proibidos. Em todos os países menos na Inglaterra. Em 1848 tinha sido publicado, em Londres, o Manifesto do Partido Comunista. Nesse livreto, Karl Marx resume e aprofunda um conjunto de idéias socialistas que, de maneira clandestina, estavam circulando entre a classe operária dos vários países. 9

10 O centro do manifesto é a idéia da luta que existe entre a classe operária e a classe burguesa. E fala da necessidade de se criar uma nova ordem social, no mundo inteiro, uma sociedade sem exploradores e sem explorados. Uma sociedade socialista, comunista. Nas páginas do Manifesto está apontada a necessidade da classe explorada se organizar, cada vez melhor, em todas as direções: desde as fábricas até a união mundial de todos os explorados. Ele insiste na necessidade de os trabalhadores se organizarem em sindicatos e, explicitamente, em partidos políticos. Dessas idéias nasceriam, nos anos seguintes, novas formas de organização, como as centrais sindicais, os partidos socialistas e as associações internacionais. No começo do século XX, nasceriam as confederações sindicais. A Nasce a Internacional Primeira edição inglesa do Manifesto Comunista Os sindicatos ingleses eram os mais organizados. Na década de 1860, os operários daquele país já tinham conseguido algumas conquistas. Uma era a jornada de 10 horas, embora restrita aos trabalhadores da indústria têxtil. Depois de várias idas e vindas, a jornada foi fixada em 11 horas diárias em todo o país. Nos Estados Unidos também havia muitas lutas pela redução da jornada de trabalho. Todos nós conhecemos a célebre luta do 1º de maio de 1886, em Chicago, pela conquista das 8 horas. Em 1862, foi tomada uma importante decisão sobre a organização da luta da classe operária. Operários franceses em visita a sindicatos ingleses se reuniram, em Londres, com revolucionários de vários países que estavam exilados na Inglaterra e decidiram chamar uma reunião geral dos trabalhadores para setembro de 1864 naquela cidade. Nesse primeiro encontro internacional da classe trabalhadora, as poucas dezenas de operários e revolucionários presentes, criaram a Associação Internacional dos Trabalhadores (AIT). Essa seria conhecida como a Internacional, depois seria chamada de I Internacional. Sua tarefa era a difusão de idéias socialistas e a organização dos trabalhadores na luta por uma sociedade socialista. E a luta deveria começar nas fábricas, com a exigência da redução da jornada de trabalho. Marx, que era conhecido como o autor do Manifesto Comunista, tinha sido convidado como observador da Conferência pelos trabalhadores e pelos revolucionários participantes. A pedido, ele escreveu o discurso inaugural do encontro. Nesse texto, uma frase resumia todo o programa da Internacional: A emancipação da classe trabalhadora será obra da própria classe trabalhadora. B começam a existir partidos e centrais Dois anos depois da criação da Internacional, em 1866, na Alemanha, nascia o primeiro partido socialista da história: o Partido Operário Social-Democrata Alemão. Até aquela data, só existiam partidos da burguesia. Era ela que votava e decidia a política dos vários países. A partir dessa data, a classe operária entrava em cena no jogo partidário e começava a criar seus partidos políticos. Em 1868, surgiu uma nova forma de organização da classe operária: uma central sindical. Ou seja, uma espécie de sindicato geral. A primeira central nasceu da classe operária inglesa. O nome Trade Union Congress (TUC) nos dá a idéia do que pretendia ser. Trade Union significava sindicato. Congress podemos traduzir por Confederação. Era uma Confederação dos Sindicatos. Uma Central Sindical. A 10

11 Centrais sindicais nasceriam, nos anos seguintes, nos vários países industrializados. 1881: AFL, Estados Unidos 1881: UGT na Espanha 1889: LO na Suécia 1895: CGT na França 1906: CGL na Itália primeira. Quase ao mesmo tempo, os operários da Alemanha tomavam a mesma iniciativa. Eles também criaram uma Central Sindical, a DGB. Essas duas centrais existem até hoje. No ano de 1871 se dá um fato importantíssimo para a classe operária da Europa. Na França, havia um forte movimento revolucionário. Os trabalhadores e o povo de Paris queriam se livrar do imperador e implantar, de novo, o sistema de República. Em fevereiro, o povo e os trabalhadores, em armas, expulsaram o governo do imperador; o exército fugiu de Paris. A cidade vivia num forte clima revolucionário desde o ano anterior. Dentro dela havia centenas de clubes revolucionários, sindicatos e dezenas de seções da Internacional. Assim, o povo de Paris, em fevereiro de 1871, levantou-se e tomou o poder em suas mãos. Mas isso foi só em Paris. Só a capital francesa. Quem dirigiria a cidade seria o município, a comuna, como diziam em francês. E o novo governo dos operários passou a se chamar Comuna. Marx escreveu, logo em seguida, que esse levante do povo de Paris foi o maior movimento operário até nossos dias. E continuou, afirmando que os proletários tomaram o céu de assalto. Assim... há 134 anos, a classe trabalhadora dominou uma das maiores capitais do mundo por três meses. Mesmo depois da derrota da classe trabalhadora de Paris, no resto da Europa ela continuou a se organizar em sindicatos, centrais sindicais e partidos operários. No final da década de 1880, no norte da França, começa a ser cantado, por vários corais formados por operários, um hino que se tornaria mundialmente conhecido: A Internacional. A letra deste hino fora publicada, numa coletânea de poesias, por um dos tantos combatentes das barricadas da Comuna de Paris. Quase 20 anos depois, a poesia foi musicada por um belga e se tornaria um hino dos trabalhadores. Passou a ser cantado em todas as reuniões operárias e socialistas. Em 1910, durante o congresso da organização dos socialistas do mundo todo, em Copenhague, conhecida como a Internacional Socialista, ou II Internacional, foi consagrado como o hino internacional dos trabalhadores. Assim, A Internacional, até hoje, é o hino das lutas operárias e socialistas dos trabalhadores do mundo todo. Reprodução / Sintrajufe 11

12 Da II Internacional às confederações mundiais O ano de 1889 era o do centenário da Revolução Francesa. Na Alemanha, a classe operária havia construído um poderoso partido socialista, e os sindicatos já haviam conquistado uma rica legislação para os trabalhadores. Em vários países do mundo, haviam surgido partidos ou agrupamentos socialistas. Sob iniciativa do Partido Social-Democrata Alemão, foi chamada uma grande reunião de todos os partidos socialistas, para julho daquele ano, em Paris. Assim foi fundada a Associação Internacional dos Operários Socialistas, que seria conhecida como A Internacional Socialista (IS), ou, mais tarde, chamada por Lenin, de II Internacional. Os grandes debates dentro da Internacional tinham como centro os rumos da luta socialista. 1 - O caminho para o socialismo seria a reforma da sociedade ou a revolução? 2 - Qual a finalidade de disputar uma vaga no parlamento e nas administrações públicas? 3 - Qual o tipo de democracia que interessaria à classe operária? 4 - A finalidade da ação sindical deveria ser só para reivindicações econômicas ou o sindicato deveria ser uma escola e uma ferramenta para a transformação revolucionária da sociedade? No ano de 1900, aconteceu o 5º Congresso da Internacional. De novo em Paris. Nesse, foi decidido que os socialistas deveriam se empenhar mais na luta pelas 8 horas de trabalho e para conquistar um salário básico mínimo em todos os países. No ano de 1903, a Internacional Socialista decidiu que os trabalhadores socialistas deveria ter como tarefa 12

13 principal a organização da luta nos vários sindicatos e centrais existentes no mundo. Decidiu-se criar o Secretariado Internacional dos Sindicatos (SIS). Era um passo para se criar uma grande Central Sindical Mundial. Uma Confederação Mundial de Sindicatos. A : Nascem três confederações mundiais Logo depois de os socialistas terem criado seu embrião da Confederação Mundial, os sindicatos de orientação católica começaram a organizar sua central. Seguiam as idéias da Encíclica do papa Leão XIII conhecida por Rerum Novarum e criaram, em 1908, o Secretariado Internacional Cristão. Poucos anos depois, a Internacional Socialista transformou o Secretariado Internacional dos Sindicatos, criado em 1903, na Federação Internacional dos Sindicatos. Era uma organização mundial para reunir os sindicatos socialistas de todos os países. O objetivo era lutar unificadamente, seguindo a orientação que Marx escreveu ao final do Manifesto Comunista, uns sessenta anos antes: Proletários de todos os países, uni-vos. Mas... essa união internacional dos operários socialistas entrou numa profunda crise. O chamado internacionalismo proletário mostrou sua falência quando os partidos socialistas de muitos países aprovaram a guerra que os governos capitalistas estavam para começar. Em 1914 estourou uma grande crise entre os partidos socialistas da Europa quando estava para começar aquela que foi conhecida com a I Guerra Mundial. Os socialistas se dividiram. Os operários ficaram perdidos e tiveram que ir para a guerra, matar os soldados inimigos, que eram operários socialistas de outro país. Mesmas armas, mesmo ideal socialista, só que com a farda de outra cor. Em agosto de 1914, quando os socialistas de Alemanha, Bélgica, França votaram a favor da guerra, a Internacional estava rachando definitivamente. Lenin, em seguida, escreveu vários textos sobre A falência da II Internacional. Claramente, propunha a necessidade de se criar uma nova Internacional. Em 1917, os operários, os camponeses e os soldados russos tomaram o poder na famosa Revolução Russa. Esse foi o divisor de águas entre os socialistas do Assim, no começo dos anos 1920, temos três Confederações Sindicais Mundiais. 1 - A FSI, ligada à Internacional Socialista. 2 - A ISR, ligada à Internacional Comunista. 3 - A CISC, ligada ao Vaticano. mundo inteiro. Uma parte reavivaria a Internacional Socialista. O outro bloco, em 1919, criaria uma nova Internacional, a III Internacional, conhecida como a Internacional Comunista. No campo sindical, as duas Internacionais criaram, cada uma, seu braço trabalhista. Logo após o fim da Guerra Mundial, em 1919, a II Internacional reativou a Federação de 1913, que tomou o nome de Federação Sindical Internacional (FSI). Dois anos depois, em 1921, os comunistas, em Moscou, criaram sua confederação mundial, a Internacional Sindical Vermelha (ISR), que começou a reunir os vários sindicatos, centrais e frações sindicais comunistas das tradicionais centrais que existiam nos vários países do mundo. No ano anterior, em 1920, os católicos, sob orientação de Roma, transformaram o Secretariado Sindical da década anterior na Confederação Internacional dos Sindicatos Cristãos. B - Sindicatos, centrais e as duas Guerras Mundiais As três confederações sindicais existentes no mundo viveram em disputa durante os 20 anos entre a I e a II Guerra Mundial. Para o historiador inglês Eric Hobsbawm, as duas guerras foram a continuação uma da outra. Foram duas guerras inter-imperialistas para dominar as fontes de riquezas e os mercados do mundo. Duas guerras entre os donos do capital dos vários países, nas quais os operários entraram como bucha de canhão. Os trabalhadores viveram aqueles anos no meio de 13

14 grandes lutas políticas. A Rússia tinha se tornado o primeiro país comunista do mundo e estimulava as lutas operárias e revolucionárias pelo mundo afora. Na Alemanha, após quase tomar o poder, a classe operária sofreu a derrota da implantação do nazismo de Hitler. Os operários italianos passaram da esperança de criar uma nova Revolução Russa na Itália a uma ditadura fascista. No Japão, os socialistas, fortemente reprimidos pelo regime autoritário, viram o capitalismo se desenvolver com uma forte exploração da classe trabalhadora. Na Espanha, socialistas, anarquistas e comunistas lutaram por três anos contra as forças fascistas, que acabaram vencendo. E os Estados Unidos estavam se fortalecendo como o maior país capitalista mundial. Nesse quadro agitado, as três Confederações Sindicais Mundiais lutavam cada uma por sua conta para se firmar e conquistar a hegemonia. Em 1939, com a nova Guerra Mundial, a luta sindical entrou em recesso no mundo inteiro. Nos últimos anos da guerra, estabeleceram-se contatos entre os soldados dos vários países e sindicatos logo viraram assunto entre eles. Ao mesmo tempo, nos países europeus libertados do jugo nazista, os sindicatos começaram a entrar em atividade de novo. Lado a lado, na grande batalha dos aliados, havia operários russos, franceses, norte-americanos, italianos, ingleses. Cada um pertencia a uma das três Confederações Mundiais que existiam antes da explosão da guerra. Combatendo na guerra do mesmo lado, veio naturalmente a idéia de, após o fim da guerra, criar uma Confederação Mundial Única. Se todos tinham lutado contra o nazismo, nada mais natural que continuar unidos em tempos de paz. Reprodução / Sintrajufe 14

15 As Confederações Mundiais da 2ª Guerra Mundial até hoje E assim, em junho de 1945, dois meses após o fim da guerra, encontraram-se, em Paris, representantes de sindicatos ingleses, soviéticos, franceses e norte-americanos. Juntos, decidiram criar uma grande organização unitária: a Federação Sindical Mundial (FSM). A - Renascem as três confederações Mas não foi todo o mundo que entrou na FSM. Os sindicatos norte-americanos filiados à grande central AFL não quiseram se sentar lado a lado com os sindicatos russos. Não admitiam se sentar ao lado de comunistas. O mesmo foi feito pelos sindicatos cristãos, liderados por belgas, holandeses e franceses. Logo retomaram sua tradição de não se sentar junto com comunistas e socialistas. Eles criaram a Confederação Internacional dos Sindicatos Cristãos. A essa, em 1968, seria dado o nome definitivo de Confederação Mundial do Trabalho (CMT). Logo, a FSM ficou paralisada. O clima de coexistência pacífica entre mundo capitalista e bloco comunista não teria futuro. Menos de dois anos após a vitória unificada contra o nazismo, os Estados Unidos começaram uma guerra contra a União Soviética. Uma guerra não mais mundial, mas localizada e que faria milhões de mortos. O pretexto era o controle da Coréia e, em seguida, do Sudeste Asiático. Na verdade, era uma disputa pelo controle do mundo. Quem estabeleceria seu domínio, o bloco capitalista ou o socialista? 15

16 As três confederações, a partir da década de 90, passaram a estar presentes na vida sindical brasileira. # A FSM, outrora forte, a partir dos anos 90 se reduziu muitíssimo. Cuba é uma das estrelas dessa confederação. No Brasil, hoje, relaciona-se com a CGT, Central Geral dos Trabalhadores. Além da CGT, alguns sindicatos continuam filiados à FSM. # A CMT criou, no Brasil, em meados da década de 90, a sua central: a Central Autônoma dos Trabalhadores (CAT). # A Ciosl, por meio da ORIT, tem três centrais a ela filiadas no Brasil: filiaram-se, cronologicamente, a Força Sindical, a CUT e a CGT (confederação). A maior central a ela filiada na América Latina é a CUT. O fato é que o bloco capitalista, pela voz do exprimeiro-ministro da Inglaterra Winston Churchill e do presidente norte-americano, Harry Truman, rompeu o idílio impossível entre os dois mundos. Começaram a falar da tal cortina de ferro e encerraram o namoro. Começava então, a fase da chamada guerra fria. Ou seja, confronto direto entre EUA e URSS. Estava claro que, naquele clima, a unidade sindical construída em torno da FSM iria se romper rapidamente. Logo, as centrais sindicais dos países capitalistas que tinham um programa de apoio ao modelo capitalista se retiraram da FSM, que ficaria imobilizada. Em 1949, as centrais anticomunistas que tinham se retirado da FSM criaram uma nova confederação: a Confederação Internacional das Organizações Sindicais Livres (Ciosl). A última palavra da sigla diz tudo sobre as origens e as idéias dessa nova organização mundial. Livre. Livre de quem? Do quê? Livre dos comunistas, esse é o sentido dessa palavra na sigla da Confederação. Assim, as principais centrais que patrocinaram o nascimento da Ciosl foram as seguintes: - AFL, dos EUA. - TUC, da Inglaterra. - Centrais pró-capitalistas de Holanda, Bélgica e Suécia. - Rachas das centrais unitárias da França e da Itália. - Logo depois, entraria a DGB da Alemanha capitalista. Quem pagava a orquestra da recém-nascida Ciosl eram os EUA e o bloco de sindicatos que defendiam a via capitalista. E a música tocada, evidentemente, era a do capitalismo. Na outra ponta tinha ficado a FSM, que agrupava sindicatos de tendência predominantemente a favor do socialismo. Mas, aqui, quem pagava a orquestra eram os sindicatos da União Soviética. A música tocada era, sem dúvida, a do socialismo/comunismo do tipo aplicado na então União Soviética. Dentro da luta política daqueles anos e no clima da guerra fria, rapidamente as duas Confederações Sindicais Mundiais se tornaram parte integrante da política dos dois blocos. De um lado, a FSM; do outro, a Ciosl. À margem das duas maiores, ficava a Confederação Católica, que seria conhecida, a partir de 1968, como CMT, bem menor. 16

17 B - As três confederações na América Latina e no Brasil Durante os anos 1950, 1960, 1970 e 1980, as três Confederações Mundiais que disputavam espaços no mundo se implantaram na América Latina. Cada uma criaria sua extensão regional. A FSM criou a Comissão Permanente de Unidade Sindical dos Trabalhadores da América Latina (CPUSTAL). Sindicatos da América Latina, como a COB da Bolívia ou a CUT do Chile, estavam filiados à CPUSTAL. No Brasil, vários sindicatos de influência comunista se filiavam à FSM por meio da sua regional. A Ciosl criou sua regional latino-americana, a Organização Regional Interamericana dos Trabalhadores (Orit). Era por meio dela que a política dos Estados Unidos se espalhava nos sindicatos da América Latina e, especificamente, do Brasil. A CMT organizou sua regional latino-americana, a Central Latino-Americana dos Trabalhadores (Clat). Atuava como uma terceira via, nem a soviética nem a norte-americana. Estava ligada aos partidos democratas-cristãos do continente latino-americano. Foi naquele momento que tomou corpo a teoria do neoliberalismo. E o neoliberalismo significou a derrubada de direitos dos trabalhadores e a retirada de conquistas históricas. Significou, sobretudo, a criação de um grande desemprego. Foi a volta da teoria político-econômica do começo do capitalismo. No campo político, os anos 70 e, sobretudo, os 80, vão ver o aprofundamento da crise econômica, política e ideológica dos países comunistas. Vão ver o fim dos regimes no Leste Europeu, que viviam num chamado comunismo que de comunismo não tinha mais nada. Contemporaneamente ao desmonte da antiga União Soviética, acontecia a vitória dos EUA. Sua hegemonia, a partir de 1980, passará a ser absoluta, militar e politicamente. Nesse quadro, há uma redistribuição de forças no campo sindical mundial. Junto com o desaparecimento do bloco soviético, entre 89 e 92 houve o quase desaparecimento da confederação sindical a ele ligada. C - Da queda do Muro de Berlim aos dias de hoje Até a queda do muro de Berlim, o quadro das Confederações Mundiais nascidas após a 2ª Guerra Mundial permaneceu o mesmo. Porém, grandes mudanças estavam acontecendo no mundo político e econômico e elas mudariam completamente o quadro sindical. No começo dos anos 70, a famosa crise do petróleo acabou com a época das vacas gordas do capitalismo. A época de ouro que veio com a reconstrução dos estragos feitos pela 2ª Guerra estava chegando ao fim. O capital, visando garantir seus lucros, implantava novas formas de gerenciamento. Introduziu novos métodos de produção, novas tecnologias e novas matérias-primas. 17

UMA RESPOSTA ESTRATÉGICA AOS

UMA RESPOSTA ESTRATÉGICA AOS UMA RESPOSTA ESTRATÉGICA AOS DESAFIOS DO CAPITALISMO GLOBAL E DA DEMOCRACIA Luiz Carlos Bresser-Pereira A Reforma Gerencial ou Reforma à Gestão Pública de 95 atingiu basicamente os objetivos a que se propunha

Leia mais

SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO

SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO 1 - INTRODUÇÃO Séc. XIX consolidação da burguesia: ascensão do proletariado urbano (classe operária) avanço do liberalismo.

Leia mais

TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA

TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA DOLOROSA: O NAZISMO ALEMÃO A ascensão dos nazistas ao poder na Alemanha colocou em ação a política de expansão territorial do país e o preparou para a Segunda Guerra Mundial. O saldo

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO MODELO SOVIÉTICO E O SEU IMPACTO NO MUNDO

A CONSTRUÇÃO DO MODELO SOVIÉTICO E O SEU IMPACTO NO MUNDO A CONSTRUÇÃO DO MODELO SOVIÉTICO E O SEU IMPACTO NO MUNDO Império russo (início do século a 1917) Território * Governo Maior império da Europa, estendendo-se da Ásia ao pacífico * Monarquia absoluta e

Leia mais

Guerra fria (o espaço mundial)

Guerra fria (o espaço mundial) Guerra fria (o espaço mundial) Com a queda dos impérios coloniais, duas grandes potências se originavam deixando o mundo com uma nova ordem tanto na parte política quanto na econômica, era os Estados Unidos

Leia mais

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE DIREITO VESTIBULAR 2009 PROVA DE HISTÓRIA. Fase 1

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE DIREITO VESTIBULAR 2009 PROVA DE HISTÓRIA. Fase 1 FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE DIREITO VESTIBULAR 2009 PROVA DE HISTÓRIA Fase 1 Novembro 2008 INTRODUÇÃO Na prova de História de 2009 foi possível concretizar vários dos objetivos do programa do Vestibular.

Leia mais

EUROPA NO SÉCULO XIX. http://historiaonline.com.br

EUROPA NO SÉCULO XIX. http://historiaonline.com.br EUROPA NO SÉCULO XIX A INGLATERRA NO SÉCULO XIX: Era Vitoriana (1837-1901): Hegemonia marítima inglesa. Fortalecimento do poder político da burguesia. Expansão da economia industrial 2ª Revolução Industrial.

Leia mais

Revolução Industrial e Socialismo. A Revolução Industrial.

Revolução Industrial e Socialismo. A Revolução Industrial. Aula 11 Revolução Industrial e Socialismo Nesta aula, iremos tratar da Revolução Industrial e de suas conseqüências para o mundo contemporâneo. Entre as conseqüências, destaque para o desenvolvimento de

Leia mais

VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO

VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO A prova de História é composta por três questões e vale 10 pontos no total, assim distribuídos: Questão 1 3 pontos (sendo 1 ponto para o subitem A, 1,5

Leia mais

Período Democrático e o Golpe de 64

Período Democrático e o Golpe de 64 Período Democrático e o Golpe de 64 GUERRA FRIA (1945 1990) Estados Unidos X União Soviética Capitalismo X Socialismo Governo de Eurico Gaspar Dutra (1946 1950) Período do início da Guerra Fria Rompimento

Leia mais

EXPOSIÇÃO NO ENCONTRO INTERNACIONAL DO 39º CONGRESSO DA FEDERAÇÃO NACIONAL DAS INDÚSTRIAS QUÍMICAS DA FRANÇA CGT ÊLE DE RÉ, FRANÇA, 29.04.

EXPOSIÇÃO NO ENCONTRO INTERNACIONAL DO 39º CONGRESSO DA FEDERAÇÃO NACIONAL DAS INDÚSTRIAS QUÍMICAS DA FRANÇA CGT ÊLE DE RÉ, FRANÇA, 29.04. EXPOSIÇÃO NO ENCONTRO INTERNACIONAL DO 39º CONGRESSO DA FEDERAÇÃO NACIONAL DAS INDÚSTRIAS QUÍMICAS DA FRANÇA CGT ÊLE DE RÉ, FRANÇA, 29.04.2014 Boa tarde companheiras e companheiros, Primeiramente a Central

Leia mais

Espaço Geográfico (Tempo e Lugar)

Espaço Geográfico (Tempo e Lugar) Espaço Geográfico (Tempo e Lugar) Somos parte de uma sociedade, que (re)produz, consome e vive em uma determinada porção do planeta, que já passou por muitas transformações, trata-se de seu lugar, relacionando-se

Leia mais

Fichamento. Texto: O Terceiro Mundo

Fichamento. Texto: O Terceiro Mundo Fichamento Texto: O Terceiro Mundo I Descolonização e a revolução transformaram o mapa politico do globo. Consequência de uma espantosa explosão demográfica no mundo dependente da 2º Guerra Mundial, que

Leia mais

1º ano. A reconquista ibérica e as grandes navegações Capítulo 10: Item 2 A revolução comercial Capítulo 12: Item 3 O Novo Mundo Capítulo 10: Item 2

1º ano. A reconquista ibérica e as grandes navegações Capítulo 10: Item 2 A revolução comercial Capítulo 12: Item 3 O Novo Mundo Capítulo 10: Item 2 1º ano O absolutismo e o Estado Moderno Capítulo 12: Todos os itens A reconquista ibérica e as grandes navegações Capítulo 10: Item 2 A revolução comercial Capítulo 12: Item 3 O Novo Mundo Capítulo 10:

Leia mais

TEMA 6 O AVANÇO DOS ALIADOS. Os combates decisivos entre as tropas do Eixo e as forças aliadas foram travados em território soviético.

TEMA 6 O AVANÇO DOS ALIADOS. Os combates decisivos entre as tropas do Eixo e as forças aliadas foram travados em território soviético. TEMA 6 O AVANÇO DOS ALIADOS Os combates decisivos entre as tropas do Eixo e as forças aliadas foram travados em território soviético. A operação Barbarossa A operação Barbarossa era a invasão da União

Leia mais

PROVA BIMESTRAL História

PROVA BIMESTRAL História 9 o ano 2 o bimestre PROVA BIMESTRAL História Escola: Nome: Turma: n o : Sobre a Revolução Russa de 1917, leia o texto a seguir e responda às questões 1 e 2. A reivindicação básica dos pobres da cidade

Leia mais

Aula 10.1. Avaliação da Unidade II Pontuação: 7,5 pontos

Aula 10.1. Avaliação da Unidade II Pontuação: 7,5 pontos Aula 10.1 Avaliação da Unidade II Pontuação: 7,5 pontos 1ª QUESTÃO (1,0) Em seu discurso de despedida do Senado, em dezembro de 1994, o presidente Fernando Henrique Cardoso anunciou o fim da Era Vargas,

Leia mais

A Revolução Industrial, iniciada na Grà-Bretanha, mudou a maneira de trabalhar e de pensar das pessoas

A Revolução Industrial, iniciada na Grà-Bretanha, mudou a maneira de trabalhar e de pensar das pessoas A Revolução Industrial, iniciada na Grà-Bretanha, mudou a maneira de trabalhar e de pensar das pessoas A industrialização mudou a história do homem. O momento decisivo ocorreu no século XVIII com a proliferação

Leia mais

país. Ele quer educação, saúde e lazer. Surge então o sindicato cidadão que pensa o trabalhador como um ser integrado à sociedade.

país. Ele quer educação, saúde e lazer. Surge então o sindicato cidadão que pensa o trabalhador como um ser integrado à sociedade. Olá, sou Rita Berlofa dirigente do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Brasil, filiado à Contraf e à CUT. Quero saudar a todos os trabalhadores presentes e também àqueles que, por algum motivo, não puderam

Leia mais

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A O capitalismo teve origem na Europa, nos séculos XV e XVI, e se expandiu para outros lugares do mundo ( Ásia, África,

Leia mais

NAPOLEÃO BONAPARTE. Pode-se dividir seu governo em três partes: Consulado (1799-1804) Império (1804-1815) Governo dos Cem Dias (1815)

NAPOLEÃO BONAPARTE. Pode-se dividir seu governo em três partes: Consulado (1799-1804) Império (1804-1815) Governo dos Cem Dias (1815) NAPOLEÃO BONAPARTE 1 Profª Adriana Moraes Destaca-se política e militarmente no Período Jacobino. DIRETÓRIO Conquistas militares e diplomáticas na Europa defesa do novo governo contra golpes. Golpe 18

Leia mais

Capitalismo, Revolução Russa e Crise de 29

Capitalismo, Revolução Russa e Crise de 29 Capitalismo, Revolução Russa e Crise de 29 Revolução Russa de 1917 A Revolução Russa de 1917 foi uma série de eventos políticos na Rússia, que, após a eliminação da autocracia russa, e depois do Governo

Leia mais

A era dos impérios. A expansão colonial capitalista

A era dos impérios. A expansão colonial capitalista A era dos impérios A expansão colonial capitalista O século XIX se destacou pela criação de uma economia global única, caracterizado pelo predomínio do mundo industrializado sobre uma vasta região do planeta.

Leia mais

A experiência brasileira em matéria de liberdade sindical à luz do pensamento de Maritain.

A experiência brasileira em matéria de liberdade sindical à luz do pensamento de Maritain. 1 A liberdade sindical como direito humano pela Declaração Universal dos Direitos do Homem da ONU e direito fundamental pela OIT a partir da visão de Jacques Maritain em suas obras Os direitos do homem

Leia mais

Disputa pela hegemonia mundial entre Estados Unidos e URSS após a II Guerra Mundial. É uma intensa guerra econômica, diplomática e tecnológica pela conquista de zonas de influência. Ela divide o mundo

Leia mais

Sessão Extraordinária da Assembleia Municipal de Odivelas

Sessão Extraordinária da Assembleia Municipal de Odivelas Sessão Extraordinária da Assembleia Municipal de Odivelas Sessão Solene Comemorativa da Implantação da República 05.10.2010 A Revolução Republicana de 1910 Ao assinalarmos cem anos sobre a Revolução Republicana

Leia mais

O ANTIGO REGIME FRANCÊS ANCIEN REGIM

O ANTIGO REGIME FRANCÊS ANCIEN REGIM O ANTIGO REGIME FRANCÊS ANCIEN REGIM Organização social que vigorou na França, principalmente na época em que os reis eram absolutistas, ou seja, de meados do século XVII até a Revolução Francesa. Tal

Leia mais

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA Clodoaldo Meneguello Cardoso Nesta "I Conferência dos lideres de Grêmio das Escolas Públicas Estaduais da Região Bauru" vamos conversar muito sobre política.

Leia mais

O IMPERIALISMO EM CHARGES. Marcos Faber www.historialivre.com marfaber@hotmail.com. 1ª Edição (2011)

O IMPERIALISMO EM CHARGES. Marcos Faber www.historialivre.com marfaber@hotmail.com. 1ª Edição (2011) O IMPERIALISMO EM CHARGES 1ª Edição (2011) Marcos Faber www.historialivre.com marfaber@hotmail.com Imperialismo é a ação das grandes potências mundiais (Inglaterra, França, Alemanha, Itália, EUA, Rússia

Leia mais

O Mundo industrializado no século XIX

O Mundo industrializado no século XIX O Mundo industrializado no século XIX Novas fontes de energia; novos inventos técnicos: Por volta de 1870, deram-se, em alguns países, mudanças importantes na indústria. Na 2ª Revolução Industrial as indústrias

Leia mais

Crescimento urbano e industrial dos anos 20 ao Estado Novo

Crescimento urbano e industrial dos anos 20 ao Estado Novo A UA UL LA MÓDULO 7 Crescimento urbano e industrial dos anos 20 ao Estado Novo Nesta aula O café foi o principal produto de exportação durante a República Velha. Os cafeicultores detinham o controle da

Leia mais

Europa no Século XIX FRANÇA RESTAURAÇÃO DA DINASTIA BOURBON LUÍS XVIII CARLOS X LUÍS FELIPE ( 1824 1830 )

Europa no Século XIX FRANÇA RESTAURAÇÃO DA DINASTIA BOURBON LUÍS XVIII CARLOS X LUÍS FELIPE ( 1824 1830 ) Europa no Século XIX FRANÇA RESTAURAÇÃO DA DINASTIA BOURBON -Após a derrota de Napoleão Bonaparte, restaurou-se a Dinastia Bourbon subiu ao trono o rei Luís XVIII DINASTIA BOURBON LUÍS XVIII CARLOS X LUÍS

Leia mais

História B Aula 21. Os Agitados Anos da

História B Aula 21. Os Agitados Anos da História B Aula 21 Os Agitados Anos da Década de 1930 Salazarismo Português Monarquia portuguesa foi derrubada em 1910 por grupos liberais e republicanos. 1ª Guerra - participação modesta ao lado da ING

Leia mais

GUERRA FRIA 1945 1991

GUERRA FRIA 1945 1991 GUERRA FRIA 1945 1991 Guerra Fria 1945-1991 Conceito: Conflitos políticos, ideológicos e militares (indiretos), que aconteceram no pós guerra entre as duas potências mundiais EUA e URSS entre 1945-1991.

Leia mais

2 Por que a Alemanha nazista rompeu com o Pacto Germano Soviético no ano de 1941? Explique.

2 Por que a Alemanha nazista rompeu com o Pacto Germano Soviético no ano de 1941? Explique. 2 Lista exercícios 2ª Guerra Mundial 1 Os Estados Unidos entraram fundamentalmente na Segunda Guerra Mundial no ano de 1941. Quais foram os principais fatores que causaram a entrada dos Estados Unidos

Leia mais

AMÉRICA: PROJETOS DE INTEGRAÇÃO GEOGRAFIA 8ºANO PRFª BRUNA ANDRADE

AMÉRICA: PROJETOS DE INTEGRAÇÃO GEOGRAFIA 8ºANO PRFª BRUNA ANDRADE AMÉRICA: PROJETOS DE INTEGRAÇÃO GEOGRAFIA 8ºANO PRFª BRUNA ANDRADE A FORMAÇÃO DOS ESTADOS LATINO- AMERICANOS OS PAÍSES DA AMÉRICA LATINA FORMARAM-SE A PARTIR DA INDEPENDÊNCIA DA ESPANHA E PORTUGAL. AMÉRICA

Leia mais

Guerra Fria e o Mundo Bipolar

Guerra Fria e o Mundo Bipolar Guerra Fria e o Mundo Bipolar A formação do Mundo Bipolar Os Aliados vencem a 2.ª Guerra (1939-1945). Apesar de na guerra lutarem lado a lado, os EUA e a URSS vão afastar-se a partir de 1945. Guerra Fria

Leia mais

Acerca da Luta Armada

Acerca da Luta Armada VALOR E VIOLÊNCIA Acerca da Luta Armada Conferência Pronunciada no Anfiteatro de História da USP em 2011 Wilson do Nascimento Barbosa Professor Titular de História Econômica na USP Boa noite! Direi em

Leia mais

Europa do século XIX IDADE CONTEMPORÂNEA. Revoluções de 1820, 1830 e 1848

Europa do século XIX IDADE CONTEMPORÂNEA. Revoluções de 1820, 1830 e 1848 IDADE CONTEMPORÂNEA Europa do século XIX O século XIX apresentou, na Europa, a consolidação dos ideais burgueses liberais e a vitória sobre as forças conservadoras/reacionárias. O avanço das forças produtivas

Leia mais

REVOLUÇÃO FRANCESA. Por: Rodrigo A. Gaspar

REVOLUÇÃO FRANCESA. Por: Rodrigo A. Gaspar REVOLUÇÃO FRANCESA Por: Rodrigo A. Gaspar REVOLUÇÃO FRANCESA Influência dos valores iluministas Superação do Absolutismo monárquico e da sociedade estratificada Serviu de inspiração para outras revoluções,

Leia mais

Do Congresso de Viena à Primavera dos Povos

Do Congresso de Viena à Primavera dos Povos Do Congresso de Viena à Primavera dos Povos Liberalismo Conceitos Importantes A palavra liberal é um adjetivo derivado do latim liberale, termo que se designava o homem livre na antiguidade romana. Uma

Leia mais

Recursos para Estudo / Atividades

Recursos para Estudo / Atividades COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Programa de Recuperação Paralela 1ª Etapa 2014 Disciplina: HISTÓRIA Professora: ALESSANDRA PRADA Ano: 2º Turma: FG Caro aluno, você está recebendo o conteúdo de recuperação.

Leia mais

O SINDICALISMO RURAL NO BRASIL

O SINDICALISMO RURAL NO BRASIL O SINDICALISMO RURAL NO BRASIL (...) Colocamos-nos, nesse momento, diante do desafio de trazer ao debate questões que se inserem nas reflexões em torno do enraizamento histórico do sindicalismo rural no

Leia mais

1. Conceito Guerra improvável, paz impossível - a possibilidade da guerra era constante, mas a capacidade militar de ambas potências poderia provocar

1. Conceito Guerra improvável, paz impossível - a possibilidade da guerra era constante, mas a capacidade militar de ambas potências poderia provocar A GUERRA FRIA 1. Conceito Conflito político, econômico, ideológico, cultural, militar entre os EUA e a URSS sem que tenha havido confronto direto entre as duas superpotências. O conflito militar ocorria

Leia mais

Professor Thiago Espindula - Geografia. África

Professor Thiago Espindula - Geografia. África África A seguir, representação cartográfica que demonstra a localização da África, em relação ao mundo. (Fonte: www.altona.com.br) Europeus partilham a África A Conferência de Berlim, entre 1884 e 1885,

Leia mais

AULA: 17 Assíncrona. TEMA: Cidadania e Movimentos Sociais DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES HISTÓRIA

AULA: 17 Assíncrona. TEMA: Cidadania e Movimentos Sociais DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES HISTÓRIA CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA AULA: 17 Assíncrona TEMA: Cidadania e Movimentos Sociais 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Conteúdos: China: dominação

Leia mais

Tese da AJR para o XI Congresso dos Estudantes da USP. Fora Rodas! Fora PM! Ensino público e gratuito! Poder Estudantil!

Tese da AJR para o XI Congresso dos Estudantes da USP. Fora Rodas! Fora PM! Ensino público e gratuito! Poder Estudantil! Tese da AJR para o XI Congresso dos Estudantes da USP Fora Rodas! Fora PM! Ensino público e gratuito! Poder Estudantil! Fora PM da USP! O estado de sítio na USP, com a instalação de bases da Polícia Militar

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA ENSINO MÉDIO ÁREA CURRICULAR: CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS DISCIPLINA: HISTÓRIA SÉRIE 1.ª CH 68 ANO 2012 COMPETÊNCIAS:. Compreender

Leia mais

A proposta de reforma agrária do Partido Comunista Brasileiro (PCB) desenvolvida nas décadas de 1950 e 1960 Maria José Castelano INTRODUÇÃO

A proposta de reforma agrária do Partido Comunista Brasileiro (PCB) desenvolvida nas décadas de 1950 e 1960 Maria José Castelano INTRODUÇÃO A proposta de reforma agrária do Partido Comunista Brasileiro (PCB) desenvolvida nas décadas de 1950 e 1960 Maria José Castelano INTRODUÇÃO Esta comunicação tem como objetivo apresentar o resultado de

Leia mais

Os direitos dos trabalhadores no Brasil não caíram do céu, não

Os direitos dos trabalhadores no Brasil não caíram do céu, não Por que esta cartilha? Os direitos dos trabalhadores no Brasil não caíram do céu, não foram concessões patronais ou de governos, como os patrões tentam nos fazer parecer. A história da classe trabalhadora

Leia mais

RELAÇÕES DE TRABALHO DICIONÁRIO

RELAÇÕES DE TRABALHO DICIONÁRIO RELAÇÕES DE TRABALHO Conjunto de normas e princípios que regem a relação entre aquele que detém o poder de contratar outro para desenvolver determinada atividade e aquele que mobilizado para tal executa

Leia mais

3. Autonomia frente aos partidos e parlamentares e Independência em relação aos patrões e governos

3. Autonomia frente aos partidos e parlamentares e Independência em relação aos patrões e governos Eixo III: Programa de trabalho para a direção do SISMMAC Continuar avançando na reorganização do magistério municipal com trabalho de base, organização por local de trabalho, formação política e independência

Leia mais

HISTÓRIA. Assinale a alternativa que preenche corretamente os parênteses da Coluna B, de cima para baixo.

HISTÓRIA. Assinale a alternativa que preenche corretamente os parênteses da Coluna B, de cima para baixo. HISTÓRIA 37 Associe as civilizações da Antigüidade Oriental, listadas na Coluna A, às características políticas que as identificam, indicadas na Coluna B. 1 2 3 4 COLUNA A Mesopotâmica Fenícia Egípcia

Leia mais

Prof. Thiago Oliveira

Prof. Thiago Oliveira Prof. Thiago Oliveira Depois da 2ª Guerra Mundial o Brasil passou por um período de grandes transformações no campo da política, economia e sociedade, superando o Estado Novo de Getúlio e experimentando

Leia mais

1º - Foi um movimento liderado pela BURGUESIA contra o regime absolutista. 2º - Abriu espaço para o avanço do CAPITALISMO.

1º - Foi um movimento liderado pela BURGUESIA contra o regime absolutista. 2º - Abriu espaço para o avanço do CAPITALISMO. APRESENTAÇÃO Aula 08 3B REVOLUÇÃO FRANCESA Prof. Alexandre Cardoso REVOLUÇÃO FRANCESA Marco inicial da Idade Contemporânea ( de 1789 até os dias atuais) 1º - Foi um movimento liderado pela BURGUESIA contra

Leia mais

III Reunión, Lima, octubre 2010 A AUTOREFORMA SINDICAL E A HISTÓRIA DOS BANCÁRIOS DA CUT BRASIL. William Mendes,

III Reunión, Lima, octubre 2010 A AUTOREFORMA SINDICAL E A HISTÓRIA DOS BANCÁRIOS DA CUT BRASIL. William Mendes, III Reunión, Lima, octubre 2010 A AUTOREFORMA SINDICAL E A HISTÓRIA DOS BANCÁRIOS DA CUT BRASIL William Mendes, Secretário de Formação da CONTRAFCUT-CUT 1. INTRODUÇÃO No final dos anos setenta e início

Leia mais

BREVE HISTÓRICO DO SINDICATO UNIFICADO DOS TRABALHADORES SAPATEIROS E COUREIROS DE SÃO PAULO

BREVE HISTÓRICO DO SINDICATO UNIFICADO DOS TRABALHADORES SAPATEIROS E COUREIROS DE SÃO PAULO BREVE HISTÓRICO DO SINDICATO UNIFICADO DOS TRABALHADORES SAPATEIROS E COUREIROS DE SÃO PAULO A organização sindical dos trabalhadores na indústria coureiro-calçadista de São Paulo, remonta ao início da

Leia mais

UFMG - 2006 3º DIA HISTÓRIA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR

UFMG - 2006 3º DIA HISTÓRIA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR UFMG - 2006 3º DIA HISTÓRIA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR História Questão 01 Considerando as transformações que abriram caminho para o surgimento do Mundo Moderno, ANALISE o impacto dessas mudanças

Leia mais

COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE. Programa de Recuperação Paralela. 2ª Etapa 2012

COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE. Programa de Recuperação Paralela. 2ª Etapa 2012 COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Programa de Recuperação Paralela 2ª Etapa 2012 Disciplina: HISTÓRIA Professora: ALESSANDRA PRADA Ano: 2012 Turma: 3º FG/TI Caro aluno, você está recebendo o conteúdo de

Leia mais

O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT)

O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT) O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT) O capitalismo teve origem na Europa, entre os séculos XIII e XIV, com o renascimento urbano e comercial e o surgimento de uma nova classe social:

Leia mais

TEXTO INTEGRAL DO TRABALHO

TEXTO INTEGRAL DO TRABALHO TEXTO INTEGRAL DO TRABALHO O AJUSTE DE CONTAS DA ESQUERDA COM A HISTÓRIA: O SOCIALISMO DEMOCRÁTICO DO PARTIDO DOS TRABALHADORES Marco Antonio Brandão FUNDEG Fundação Educacional Guaxupé (MG) INTRODUÇÃO

Leia mais

Até então o confronto direto entre os aliados não havia acontecido.

Até então o confronto direto entre os aliados não havia acontecido. Confronto entre os aliados, vencedores da 2ª Guerra: Inglaterra, França, EUA e União Soviética. Acordo pós-guerra definiria a área de influência da URSS, onde estavam suas tropas (leste europeu). Conferência

Leia mais

A nova centralização: o Estado Novo - II

A nova centralização: o Estado Novo - II A nova centralização: o Estado Novo - II A UU L AL A Na aula anterior, você viu como Getúlio Vargas organizou o regime do Estado Novo, em sua face política, cultural e social. Nesta aula, você verá em

Leia mais

Capítulo. A ditadura militar no Brasil

Capítulo. A ditadura militar no Brasil Capítulo A ditadura militar no Brasil ARQUIVO/O GLOBO 1 Do golpe militar ao AI-5 O golpe militar de 1964 João Goulart é derrubado pelos militares, em 31 de março de 1964, por meio de um golpe, apoiado

Leia mais

Construção do Espaço Africano

Construção do Espaço Africano Construção do Espaço Africano Aula 2 Colonização Para melhor entender o espaço africano hoje, é necessário olhar para o passado afim de saber de que forma aconteceu a ocupação africana. E responder: O

Leia mais

Apontamentos das obras LeYa em relação ao Currículo de Referência da Rede Estadual de Educação de GOIÁs. História Oficina de História

Apontamentos das obras LeYa em relação ao Currículo de Referência da Rede Estadual de Educação de GOIÁs. História Oficina de História Apontamentos das obras LeYa em relação ao Currículo de Referência da Rede Estadual de Educação de GOIÁs História Oficina de História 2 Caro professor, Este guia foi desenvolvido para ser uma ferramenta

Leia mais

CRISE E RUPTURA NA REPÚBLICA VELHA. Os últimos anos da República Velha

CRISE E RUPTURA NA REPÚBLICA VELHA. Os últimos anos da República Velha CRISE E RUPTURA NA REPÚBLICA VELHA Os últimos anos da República Velha Década de 1920 Brasil - as cidades cresciam e desenvolviam * Nos grandes centros urbanos, as ruas eram bem movimentadas, as pessoas

Leia mais

Seminário Análise e Proposta do Modelo de Negociações Trabalhistas no Brasil ABINEE E ABIMAQ. São Paulo 15/07/2013

Seminário Análise e Proposta do Modelo de Negociações Trabalhistas no Brasil ABINEE E ABIMAQ. São Paulo 15/07/2013 Análise das relações trabalhistas no Brasil e em diferentes países Seminário Análise e Proposta do Modelo de Negociações Trabalhistas no Brasil ABINEE E ABIMAQ São Paulo 15/07/2013 1. Introdução 2. Estados

Leia mais

CADERNO DE EXERCÍCIOS 2F

CADERNO DE EXERCÍCIOS 2F CADERNO DE EXERCÍCIOS 2F Ensino Fundamental Ciências Humanas Questão Conteúdo Habilidade da Matriz da EJA/FB 1 Movimento operário e sindicalismo no Brasil H43 2 Urbanização nas regiões brasileiras H8,

Leia mais

Revolução de 1930. Fatores: Crise de 1929. Movimento Tenentista. Resultado das eleições.

Revolução de 1930. Fatores: Crise de 1929. Movimento Tenentista. Resultado das eleições. Revolução de 1930 Revolução de 1930 Fatores: Crise de 1929. Movimento Tenentista. Resultado das eleições. Revolução de 1930 Responsável pelo fim da chamada Política café com leite Política café com leite

Leia mais

Gabarito oficial preliminar: História

Gabarito oficial preliminar: História 1) Questão 1 Segundo José Bonifácio, o fim do tráfico de escravos significaria uma ameaça à existência do governo porque Geraria uma crise econômica decorrente da diminuição da mão de obra disponível,

Leia mais

DÉCADA DE 80. Profa. Dra. Regina S. A. Martins

DÉCADA DE 80. Profa. Dra. Regina S. A. Martins Eventos Marcantes: Guerra das Malvinas Guerra nas Estrelas Glasnost e Perestroika Queda do Muro de Berlim Massacre da Praça da Paz Celestial (Tiananmen) Tragédias sociais e ambientais ESTADOS UNIDOS 1981-1988:

Leia mais

50 ANOS DO GOLPE MILITAR

50 ANOS DO GOLPE MILITAR 50 ANOS DO GOLPE MILITAR (1964-1985) Prof. Dr. Rogério de Souza CAUSAS Guerra Fria Contexto Internacional: Construção do Muro de Berlim (1961) Cuba torna-se Socialista (1961) Crise dos Mísseis (1962) CAUSAS

Leia mais

Ensino Fundamental II

Ensino Fundamental II Ensino Fundamental II Valor do trabalho: 2.0 Nota: Data: /dezembro/2014 Professora: Angela Disciplina: Geografia Nome: n o : Ano: 8º Trabalho de Recuperação Final de Geografia ORIENTAÇÕES: Leia atentamente

Leia mais

O nascimento da sociologia. Prof. Railton Souza

O nascimento da sociologia. Prof. Railton Souza O nascimento da sociologia Prof. Railton Souza Áreas do Saber MITO RELIGIÃO ARTES FILOSOFIA CIÊNCIA SENSO COMUM CIÊNCIAS NATURAIS OU POSITIVAS ASTRONOMIA FÍSICA QUÍMICA BIOLOGIA MATEMÁTICA (FERRAMENTA

Leia mais

29 A ordem liberal-democrática

29 A ordem liberal-democrática A U A UL LA A ordem liberal-democrática Abertura Na aula passada vimos que, em 1945, Vargas convocou eleições para a presidência da República. Mas o regime do Estado Novo chegou ao fim antes que elas se

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia em comemoração ao Dia Internacional da Mulher

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia em comemoração ao Dia Internacional da Mulher , Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia em comemoração ao Dia Internacional da Mulher Palácio do Planalto, 12 de março de 2003 Minha cara ministra Emília Fernandes, Minha cara companheira Benedita da

Leia mais

CRISE DO ESCRAVISMO. O Brasil foi o último país da América Latina a abolir a escravidão.

CRISE DO ESCRAVISMO. O Brasil foi o último país da América Latina a abolir a escravidão. CRISE DO ESCRAVISMO A Dinamarca foi o primeiro país Europeu a abolir o tráfico de escravos em 1792. A Grã-Bretanha veio a seguir, abolindo em 1807 e os Estados Unidos em 1808. O Brasil foi o último país

Leia mais

A Organização da Aula

A Organização da Aula Curso: Ciências Sociais Prof. Ms: Edson Fasano Sociedade Capitalista: Revoluções Inglesas. A Organização da Aula 1º Bloco: A Inglaterra do século XVI; 2º Bloco: - A Revolução Puritana e Gloriosa; 3º Bloco:

Leia mais

Crises na Colônia Portuguesa e a Chegada da Família Real. Prof.ª viviane jordão

Crises na Colônia Portuguesa e a Chegada da Família Real. Prof.ª viviane jordão Crises na Colônia Portuguesa e a Chegada da Família Real Prof.ª viviane jordão INTRODUÇÃO Na segunda metade do século XVIII, novas ideias começaram a se difundir pela América portuguesa. Vindas da Europa,

Leia mais

Mapa Mental Sobre a Metodologia no Curso da ENFOC REAPROPRIAÇÃO TEMÁTICA E METODOLÓGICA DO PRIMEIRO MÓDULO

Mapa Mental Sobre a Metodologia no Curso da ENFOC REAPROPRIAÇÃO TEMÁTICA E METODOLÓGICA DO PRIMEIRO MÓDULO Mapa Mental Mapa Mental Sobre a Metodologia no Curso da ENFOC REAPROPRIAÇÃO TEMÁTICA E METODOLÓGICA DO PRIMEIRO MÓDULO Dois Focos Temáticos Sistema Capitalista História Contradições Desafios para a classe

Leia mais

Total aulas previstas

Total aulas previstas ESCOLA BÁSICA 2/3 DE MARTIM DE FREITAS Planificação Anual de História do 7º Ano Ano Lectivo 2011/2012 LISTAGEM DE CONTEÚDOS TURMA Tema 1.º Período Unidade Aulas Previas -tas INTRODUÇÃO À HISTÓRIA: DA ORIGEM

Leia mais

CHRISTOPHER HILL: UMA VISÃO SOBRE A LIBERDADE

CHRISTOPHER HILL: UMA VISÃO SOBRE A LIBERDADE CHRISTOPHER HILL: UMA VISÃO SOBRE A LIBERDADE CAROLINE OLIVEIRA JUNG * RESUMO Neste trabalho discute-se a questão da liberdade, o que é ser livre no século XVI e XVII, em específico dentro da Revolução

Leia mais

UNIVERSIDADE PÚBLICA: O SENTIDO DA NOSSA LUTA. Ivo Tonet

UNIVERSIDADE PÚBLICA: O SENTIDO DA NOSSA LUTA. Ivo Tonet 1 UNIVERSIDADE PÚBLICA: O SENTIDO DA NOSSA LUTA Ivo Tonet Introdução Para melhor orientar e sustentar a nossa luta, é importante compreender as dimensões mais gerais em que ela se situa. A convicção, gerada

Leia mais

Palestina - em defesa da nação oprimida

Palestina - em defesa da nação oprimida Palestina - em defesa da nação oprimida Que o Hamas entregue armas à população! Derrotar a ofensiva sionista com o levante das massas palestinas! Unidade dos explorados do Oriente Médio para enfrentar

Leia mais

Roteiro de Estudos. 3 trimestre - 2015

Roteiro de Estudos. 3 trimestre - 2015 Roteiro de Estudos 3 trimestre - 2015 Disciplina: Geografia Professor: Eduardo 3ª série O que devo saber: Crescimento populacional no Brasil e no mundo. Sociedade e economia. Povos em movimento e migrações

Leia mais

Cartilha de princípios

Cartilha de princípios Cartilha de princípios 2 MTST - Cartilha de princípios AS LINHAS POLÍTICAS DO MTST O MTST é um movimento que organiza trabalhadores urbanos a partir do local em que vivem: os bairros periféricos. Não é

Leia mais

1 - Organização de base: democratizar os sindicatos e estimular a autodeterminação dos trabalhadores

1 - Organização de base: democratizar os sindicatos e estimular a autodeterminação dos trabalhadores 1 Introdução A forma organizativa (estrutura e funcionamento) dos sindicatos ou de qualquer organização corresponde ao projeto político que buscam realizar. No Brasil, a estrutura sindical vigente é profundamente

Leia mais

Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc

Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc Diálogos - Revista do Departamento de História e do Programa de Pós-Graduação em História ISSN: 1415-9945 rev-dialogos@uem.br Universidade Estadual de Maringá Brasil Perosa Junior, Edson José Como mudar

Leia mais

9. Análise da conjuntura política brasileira pré-anistia.

9. Análise da conjuntura política brasileira pré-anistia. 9. Análise da conjuntura política brasileira pré-anistia. Entrevista concedida a João Pedro StediJe, no México, para o jornal Em Tempo. Julho de 1978. Rui Mauro Marini, sociólogo e economista brasileiro,

Leia mais

CEM ANOS DE LUTAS DA CLASSE OPERÁRIA NO BRASIL 1880-1980. Vito Giannotti

CEM ANOS DE LUTAS DA CLASSE OPERÁRIA NO BRASIL 1880-1980. Vito Giannotti CEM ANOS DE LUTAS DA CLASSE OPERÁRIA NO BRASIL 1880-1980 Vito Giannotti 1 CEM ANOS DE LUTAS DA CLASSE OPERÁRIA NO BRASIL 1880-1980 INFORMAR CULTURA & EDUCAÇÃO POPULAR 2 CEM ANOS DE LUTAS DA CLASSE OPERÁRIA

Leia mais

HISTÓRIA-2009 2ª FASE 2009

HISTÓRIA-2009 2ª FASE 2009 Questão 01 UFBA - -2009 2ª FASE 2009 Na Época Medieval, tanto no Oriente Médio, quanto no norte da África e na Península Ibérica, muçulmanos e judeus conviviam em relativa paz, fazendo comércio e expressando,

Leia mais

Aula 14 Regime Militar Prof. Dawison Sampaio

Aula 14 Regime Militar Prof. Dawison Sampaio Aula 14 Regime Militar 1 Contexto do Regime Militar Contexto interno: Colapso do Populismo (polêmica das Ref. de Base) Contexto externo: Guerra Fria e os interesses dos EUA (risco de cubanização do Brasil

Leia mais

Populismo e nacional-desenvolvimentismo

Populismo e nacional-desenvolvimentismo CAPÍTULO 11 Populismo e nacional-desenvolvimentismo Entre os anos de 1900 e 1973 o Brasil foi o país de maior crescimento absoluto do PIB: nem Estados Unidos, nem Japão, nem Coréia do Sul, mas o Brasil.

Leia mais

Histórico das constituições: direito de sufrágio

Histórico das constituições: direito de sufrágio 89 Histórico das constituições: direito de sufrágio André de Oliveira da Cruz Waldemar de Moura Bueno Neto José Carlos Galvão Goulart de Oliveira Graduandos pela Faculdade de Educação, Administração e

Leia mais

Resenha. De forma sintética e competente, faz uma reconstituição histórica desde os processos de colonização que marcaram as sociedades latino-

Resenha. De forma sintética e competente, faz uma reconstituição histórica desde os processos de colonização que marcaram as sociedades latino- Revista Latino-americana de Estudos do Trabalho, Ano 17, nº 28, 2012, 229-233 Resenha O Continente do Labor, de Ricardo Antunes (São Paulo, Boitempo, 2011) Graça Druck A iniciativa de Ricardo Antunes de

Leia mais

Aprofundar mudanças rumo a um modelo de desenvolvimento sustentável

Aprofundar mudanças rumo a um modelo de desenvolvimento sustentável Este artigo é cópia fiel do publicado na revista Nu e va So c i e d a d especial em português, junho de 2012, ISSN: 0251-3552, . Aprofundar mudanças rumo a um modelo de desenvolvimento sustentável

Leia mais

IDADE CONTEMPORÂNEA (a partir de 1789)

IDADE CONTEMPORÂNEA (a partir de 1789) IDADE CONTEMPORÂNEA (a partir de 1789) ERA NAPOLEÔNICA (1799 1815) 1 - O CONSULADO (1799 1804): Pacificação interna e externa. Acordos de paz com países vizinhos. Acordo com a Igreja catolicismo oficial.

Leia mais

TEXTO 1. 1.Texto de problematização:

TEXTO 1. 1.Texto de problematização: TEXTO 1 1.Texto de problematização: A partir de 1922, o quadro começa a se modificar. Apesar dos presidentes Arthur Bernardes e Washington Luís pertencerem ainda ao esquema do café com leite, a nova situação

Leia mais

REVOLUÇÃO FRANCESA Aulas 19 e 20 Pág. 15 P R O F ª C L E I D I V A I N E D A S. R E Z E N D E D I S C. H I S T Ó R I A / 8 º A N O

REVOLUÇÃO FRANCESA Aulas 19 e 20 Pág. 15 P R O F ª C L E I D I V A I N E D A S. R E Z E N D E D I S C. H I S T Ó R I A / 8 º A N O REVOLUÇÃO FRANCESA Aulas 19 e 20 Pág. 15 P R O F ª C L E I D I V A I N E D A S. R E Z E N D E D I S C. H I S T Ó R I A / 8 º A N O 1 - INTRODÇÃO 1789 a Bastilha (prisão) foi invadida pela população marca

Leia mais