ENSINO MÉDIO excelência UNICAMP, preparando também para o Vestibular!

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ENSINO MÉDIO excelência UNICAMP, preparando também para o Vestibular!"

Transcrição

1 ENSINO MÉDIO excelência UNICAMP, preparando também para o Vestibular! 1º lugar no ENEM nos últimos 10 anos em Limeira O nosso curso atende os Parâmetros Curriculares Nacionais: busca dar significado ao conhecimento escolar, contextualiza-o com o mercado de trabalho; incentiva o raciocínio e a capacidade de aprender. No COTIL, você encontra uma educação equilibrada que visa: à formação da pessoa, de maneira a desenvolver valores e competências necessárias à integração de seu projeto individual ao projeto da sociedade em que se situa; ao aprimoramento do educando como pessoa humana, incluindo a formação ética e o desenvolvimento da autonomia intelectual e do pensamento crítico; à preparação e orientação básica para a sua integração ao mundo do trabalho com as competências que garantam seu aprimoramento profissional e permitam acompanhar as mudanças que caracterizam a produção no nosso tempo; ao desenvolvimento das competências para continuar aprendendo, de forma autônoma e crítica, em níveis mais complexos de estudos. / Artes Biologia Educação Física Espanhol Filosofia Física Geografia História Inglês Língua Portuguesa e Produção de Texto Língua Portuguesa e Literatura Literatura Matemática Química Sociologia NÃO HÁ DISPENSA DE DISCIPLINAS DO ENSINO MÉDIO O aluno que optar por cursar o Ensino Médio do COTIL deverá fazê-lo a partir da primeira série, independentemente de estudos anteriores, não sendo dispensado de nenhuma disciplina que já tenha cursado. COTIL

2 EDIFICAÇÕES QUE ESTUDA: A área de Edificações abrange todas as atividades de produção de obra. Estão incluídas nessa área as atividades referentes às funções de planejamento e projeto, execução, manutenção e restauração de obras em diferentes segmentos, tais como edifícios, estradas, portos, aeroportos, canais de navegação, túneis, instalações prediais, obras de saneamento, de fundações e de terra em geral. O Técnico em Edificações pode trabalhar em construtoras; escritórios de projetos de arquitetura, estruturas e instalações; prefeituras (Secretarias de Obras, Planejamento, Urbanismo, Departamento de Água e Esgoto); indústrias de estruturas metálicas e pré-moldadas (Departamento de Manutenção e Suprimento) ou como autônomo Técnico em Edificações Concreto Armado Desenho Desenho Arquitetônico/DAC I, II e III Desenho Topográfico Estabilidade I e II Estruturas Metálicas e de Madeira Fundações e Elementos Enterrados Instalações Prediais Elétricas Instalações Prediais Hidráulico-Sanitárias Legislação e Normas Materiais de Construção I e II Mecânica dos Fluidos Mecânica dos Solos Planejamento e Controle da Construção Planejamento Urbano Tecnologia da Construção I e II Topografia I e II 21 - CT em Edificações Concreto Armado Desenho Desenho Arquitetônico/DAC I e II Desenho Topográfico Estabilidade Estruturas Metálicas e de Madeira Fundações e Elementos Enterrados Instalações Prediais Elétricas Instalações Prediais Hidráulico-Sanitárias Legislação e Normas Matemática Aplicada Materiais de Construção I e II Mecânica dos Solos Mecânica dos Fluidos Planejamento e Controle da Construção Planejamento Urbano Tecnologia da Construção I e II Topografia I e II COTIL

3 ENFERMAGEM 02 - Técnico em Enfermagem Anatomia e Fisiologia Humana Enfermagem em Centro Cirúrgico, Rec. e Central de Material Enfermagem em Programa de Saúde Pública Enfermagem em Saúde Coletiva e Epidemiologia Enfermagem em Saúde da Criança e Adolescente Enfermagem em Saúde da Mulher Enfermagem em Saúde do Adulto I: Situações Clínicas Enfermagem em Saúde do Adulto II: Situações Cirúrgicas Enfermagem em Saúde do Neonato Enfermagem em Saúde Mental Enfermagem em Saúde Ocupacional Enfermagem em Urgência e Emergência Enfermagem na Assistência ao Paciente Crítico Ética em Enfermagem Farmacologia em Enfermagem Gestão em Enfermagem Introdução à Enfermagem Microbiologia e Parasitologia Humana Nutrição em Enfermagem Posologia em Enfermagem I, II Psicologia em Enfermagem Estágio em Laboratório de Enfermagem Estágio em Unidade de Assistência I e II 22 - CT em Enfermagem Tarde Anatomia e Fisiologia Humana Enfermagem em Centro Cirúrgico, Rec. e Central de Material Enfermagem em Programa de Saúde Pública Enfermagem em Saúde Coletiva e Epidemiologia Enfermagem em Saúde da Criança e Adolescente Enfermagem em Saúde da Mulher Enfermagem em Saúde do Adulto I: Situações Clínicas Enfermagem em Saúde do Adulto II: Situações Cirúrgicas Enfermagem em Saúde do Neonato Enfermagem em Saúde Mental Enfermagem em Saúde Ocupacional Enfermagem em Urgência e Emergência Enfermagem na Assistência ao Paciente Crítico Ética em Enfermagem Farmacologia em Enfermagem Gestão em Enfermagem Introdução à Enfermagem Microbiologia e Parasitologia Humana Nutrição em Enfermagem Posologia em Enfermagem Psicologia em Enfermagem Estágio em Laboratório de Enfermagem Estágio em Unidade de Assistência de Saúde I e II Habilita tecnicamente profissionais em enfermagem para assistir o enfermeiro em todas as atividades de planejamento, orientação e supervisão, fornecendo a promoção, recuperação e reabilitação da saúde individual ou coletiva. Pode exercer suas funções em hospitais, centros de saúde, clínicas especializadas, ou como instrumentador cirúrgico. O técnico em enfermagem pode trabalhar em todos os setores de um hospital, devendo zelar pela segurança, higiene e conforto do paciente; verificar sinais vitais, administrar medicamentos prescritos, realizar sondagens e curativos; instrumentar cirurgias; realizar atividade de desinfecção e esterilização; assistir pacientes graves em unidades especializadas, como UTI Adulto, UTI Pediátrica, UTI Neonatal, Unidade de Tratamento de Queimaduras, Pronto Socorro, Centro Obstétrico e Centro Cirúrgico. Obs.: não há exigência de idade mínima para ingresso no curso. Para o exercício profissional, é exigida a idade mínima de 18 anos e habilitação pelo COREN. Para o curso 22 - CT não é exigido o certificado de Auxiliar de Enfermagem. O candidato pode ter concluído o ensino Médio ou estar cursando a partir da 2 a série em COTIL

4 GEODÉSIA E CARTOGRAFIA O Técnico em Geodésia e Cartografia aprende a mapear todo tipo de informação, desde o layout interno da empresa, rota de escoamento de produto, mapeamento dos produtos, mapeamento dos clientes, mapeamento topográfico, entre outros. O profissional da área está presente desde o levantamento de dados reais até a informação no papel, ou seja, a realidade mapeada. Para isso, utiliza equipamentos e tecnologias de ponta, desde técnicas computacionais até equipamentos integrados com satélites. Aplica-se em diversas áreas, tais como Meio Ambiente, Planejamento Urbano / Rural, Logística, Saúde, Meteorologia Telecomunicações, Agricultura, entre outras Técnico em Geodésia e Cartografia Avaliação de Terras Cálculo Cartografia Desenho Assistido por Computador Desenho Técnico Desenho Topográfico Estradas Geociências Geodésia Aplicada Geoprocessamento Gestão e Segurança Hidrologia e Drenagem Legislação e Normas Planejamento Urbano Posicionamento por Satélites Sensoriamento Remoto Solos Topografia I, II e III 23 - CT em Geodésia e Cartografia Avaliação de Terras Cálculo Cartografia Desenho Assistido por Computador Desenho Técnico Desenho Topográfico Estradas Geociências Geodésia Aplicada Geoprocessamento Gestão e Segurança Hidrologia e Drenagem Legislação e Normas Planejameto Urbano Posicionamento por Satélites Sensoriamento Remoto Solos Topografia I e II COTIL

5 INFORMÁTICA 04 - Técnico em Informática Análise de Projetos de Sistema de Informação Automação e Controle Banco de Dados Desenvolvimento de Projetos Desenvolvimento de Aplicações Web Desenvolvimento para Dispositivo Móveis Editoração Gráfica I e II Estrutura de Dados Linguagem de Programação Linguagem de Programação Multiplataforma Redes de Computadores Sistemas Operacionais Técnicas de Programação Técnicas Digitais Tópicos 14 - Técnico em Informática Análise de Projetos de Sistema de Informação Automação e Controle Banco de Dados Desenvolvimento de Aplicações Web Desenvolvimento de Projetos Editoração Gráfica I e II Estrutura de Dados Linguagem de Programação Linguagem de Programação Multiplataforma Redes de Computadores Sistemas Operacionais Técnicas de Programação Técnicas Digitais Tópicos I e II A formação profissional sólida e flexível no campo da informática permite ao técnico trabalhar nos mais variados segmentos e avançar em consonância com a evolução, sofisticação e dinamismo das tecnologias contemporâneas. O técnico atuará nas áreas de análise, projeto e desenvolvimento de sistemas, implantação e manutenção de redes de computadores, automação administrativa, comercial e industrial, telecomunicações e prestação de serviços. O profissional desta área deverá estar apto para consolidar uma utilização ética da informática, valorizando a aplicação de técnicas apropriadas que garantam a qualidade da aplicação das tecnologias CT em Informática Análise de Projetos de Sistema de Informação Automação e Controle Banco de Dados Desenvolvimento de Aplicações Web Desenvolvimento de Projetos Editoração Gráfica I e II Estrutura de Dados Linguagem de Programação Linguagem de Programação Multiplataforma Redes de Computadores Sistemas Operacionais Técnicas de Programação Técnicas Digitais Tópicos COTIL

6 MECÂNICA 05 - Técnico em Mecânica Automação CAD CNC / CAM Desenho Técnico Digital 3D Desenho Técnico I e II Elementos de Máquinas I e II Eletrotécnica Gestão Empresarial Máquinas de Elevação e Transportes Mecatrônica Metrologia Planejamento e Controle de Produção Produção Mecânica I, II e III Tecnologia dos Materiais e Ensaios Prepara o técnico para elaborar, detalhar e executar projetos; para controlar e executar inspeções de materiais, produtos, instrumentos e processos; elaborar orçamentos, levantamento de custos e relatórios; manipular máquinas, aparelhos e instrumentos; montar equipamentos e instalações produtivas, visando ao melhor aproveitamento dos recursos humanos, econômicos e ambientais dentro das empresas. O técnico em Mecânica pode trabalhar em indústrias metalúrgicas, automobilísticas, alimentícias, de auto-peças de máquinas em geral, de equipamentos eletro-eletrônicos, em usinas, em venda técnicas, etc. Poderá atuar como empreendedor na área, função que está em destaque no mercado de trabalho. COTIL Técnico em Mecânica Automação CAD CNC / CAM Desenho Técnico Digital 3D Desenho Técnico I, II, III e IV Elementos de Máquinas I e II Eletrotécnica Gestão Empresarial Máquinas de Elevação e Transporte Mecatrônica Metrologia Planejamento e Controle de Produção Produção Mecânica I, II, III e IV Tecnologia dos Materiais e Ensaios 25 - CT em Mecânica Automação CAD CNC / CAM Desenho Técnico Digital 3D Desenho Técnico I e II Elementos de Máquinas I e II Eletrotécnica Gestão Empresarial Máquinas de Elevação e Transportes Mecatrônica Metrologia Planejamento e Controle de Produção Produção Mecânica I e II Tecnologia dos Materiais e Ensaios

7 QUALIDADE 06 - Técnico em Qualidade Auditoria da Qualidade Fundamentos da Qualidade Gestão da Qualidade Gestão de Pessoas Gestão Empresarial I, II e III Logística Métodos e Ferramentas para Melhorias I, II e III Modelos de Excelência em Qualidade Planejamento Avançado da Qualidade Processo de Fabricação Segurança do Trabalho Sistemas de Informação Sistemas de Gestão Sistemas de Medição I, II 16 - Técnico em Qualidade Auditoria da Qualidade Fundamentos da Qualidade Gestão da Qualidade Gestão de Pessoas Gestão Empresarial I, II e III Logística Métodos e Ferramentas para Melhorias I, II e III Modelos de Excelência em Qualidade Planejamento Avançado da Qualidade Processo de Fabricação Segurança no Trabalho Sistemas de Informação Sistemas de Gestão Sistemas de Medição I, II 26 - CT em Qualidade Auditoria da Qualidade Fundamentos da Qualidade Gestão da Qualidade Gestão de Pessoas Gestão Empresarial I, II Logística Métodos e Ferramentas para Melhorias I, II Modelos de Excelência em Qualidade Planejamento Avançado da Qualidade Processo de Fabricação Segurança do Trabalho Sistemas de Informação Sistemas de Gestão Sistemas de Medição I, II Capacita profissionais dinâmicos e empreendedores para se adaptarem à nova economia globalizada. O atual mercado de trabalho competitivo e exigente requer das empresas o aperfeiçoamento da qualidade e aumento da produtividade. O técnico poderá atuar em qualquer área empresarial (indústria, comércio, prestação de serviços), pois sua formação abrangente capacita-o a: implantar todas as ferramentas da Qualidade, buscando a melhoria contínua; preparar as empresas para a Certificação de Qualidade, de acordo com Normas Nacionais e Internacionais; usar de ferramentas estatísticas para análise dos processos de uma empresa e, após isso, elaborar projetos para a implantação dos sistemas da Qualidade; criar e analisar tabelas de custo, elaborando projetos para a sua redução e para o aumento da lucratividade; auxiliar nas atividades de marketing e nas tomadas de decisões da empresa; ministrar palestras, seminários e realizar consultorias nas organizações, aplicando as ferramentas da Qualidade. COTIL

8 PROTESE DENTÁRIA Os Cursos Profissionalizantes da FOP/Unicamp estão localizados em uma região onde existe grande concentração de profissionais de Odontologia, inclusive a própria Faculdade de Odontologia de Piracicaba da Unicamp, que forma aproximadamente 80 (oitenta) profissionais por ano, fazendo jus à necessidade de técnicos especializados na área de prótese dentária. Conforme dados do CRO (Conselho Regional de Odontologia), existem aproximadamente (sete mil) profissionais atuando na região. OBJETIVOS: Para atender às necessidades desses profissionais, o curso técnico em prótese dentária da FOP/Unicamp forma pessoal capacitado para exercer a profissão junto aos dentistas, atendendo não só à demanda regional, como a de todo o país. Tendo em vista promover o desenvolvimento do educando e o compromisso com a qualidade da formação e orientando-se pelos princípios e valores da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDBEN nº 9394/96), os Cursos Profissionalizantes da FOP/Unicamp programaram a Habilitação Profissional de Técnico em Prótese Dentária para responder às necessidades educacionais decorrentes das mudanças estruturais do mundo do trabalho, bem como o emprego de novas tecnologias, de modo a facilitar o acesso do futuro profissional às conquistas científicas e tecnológicas CT Prótese Dentária Manhã / Tarde Anatomia e Escultura Dental (AED) Equipamento e Instrumental (EI) Material de Prótese I (MP-I) Material de Prótese II (MP-II) Prótese Odontológica I (PO-I) Prótese Odontológica II (PO-II) Prótese Odontológica III (PO-III) Estágio Supervisionado Curso técnico oferecido pela Faculdade de Odontologia de Piracicaba - FOP, para quem estiver concluindo o Ensino Médio em 2014 ou já o tenha concluído. O curso será ministrado no Prédio Central da FOP Unicamp na cidade de Piracicaba SP, na Rua Dom Pedro II, Centro METODOLOGIA: Aulas teóricas com auxílio de recursos áudiovisuais, demonstrações teórico-práticas, com acompanhamento das técnicas aplicadas. COTIL

Área das Engenharias

Área das Engenharias Engenharia de Alimentos Área das Engenharias Unidade: Escola Agronomia e Engenharia Alimentos - (EAEA) www.agro.ufg.br Duração: 10 semestres O Engenheiro de Alimentos é, atualmente, um dos profissionais

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR CURSOS DE GRADUAÇÃO

ESTRUTURA CURRICULAR CURSOS DE GRADUAÇÃO ADMINISTRAÇÃO PERÍODO DISCIPLINAS C.H. 1º Antropologia e Sociologia 60 Língua Portuguesa 60 Matemática Básica 60 Metodologia Científica 60 TGA I 60 2º Ciências da Religião 60 Instituições do Direito Público

Leia mais

Aprovado no CONGRAD: 08/04/08 Vigência: ingressos a partir de 2008/1 CÓD. 482 CURSO DE ENGENHARIA AGRÍCOLA. MATRIZ CURRICULAR Currículo nº 02

Aprovado no CONGRAD: 08/04/08 Vigência: ingressos a partir de 2008/1 CÓD. 482 CURSO DE ENGENHARIA AGRÍCOLA. MATRIZ CURRICULAR Currículo nº 02 Aprovado no CONGRAD: 08/04/08 Vigência: ingressos a partir de 2008/1 CÓD. 482 CURSO DE ENGENHARIA AGRÍCOLA MATRIZ CURRICULAR Currículo nº 02 I- NÚCLEO DE CONTEÚDOS BÁSICOS Metodologia Científica e Tecnológica

Leia mais

DE OFERTA DE DISCIPLINAS EM TURMA ESPECIAL - - 2016 JANEIRO A JUNHO ANEXO: DISCIPLINAS EM OFERTA PARA CURSOS DE GRADUAÇÃO

DE OFERTA DE DISCIPLINAS EM TURMA ESPECIAL - - 2016 JANEIRO A JUNHO ANEXO: DISCIPLINAS EM OFERTA PARA CURSOS DE GRADUAÇÃO UNP - Universidade Potiguar EDITAL DE OFERTA DE DISCIPLINAS EM TURMA ESPECIAL - 2016 JANEIRO A JUNHO ANEXO: DISCIPLINAS EM OFERTA PARA CURSOS DE GRADUAÇÃO e PARA CURSOS TÉCNICOS DE NÍVEL MÉDIO Curso Disciplina

Leia mais

ATO NORMATIVO nº 006, de 10 de junho de 2013.

ATO NORMATIVO nº 006, de 10 de junho de 2013. ATO NORMATIVO nº 006, de 10 de junho de 2013. Vera Rejane Coelho, Pró-Reitora de Ensino da Universidade do Planalto Catarinense - UNIPLAC, no uso de suas atribuições, CONSIDERANDO: 1. a necessidade de

Leia mais

CURSO DE ENGENHARIA CIVIL. CÓD. 1551 Tarde/Noite - Currículo nº 03 CÓD. 3655 Manhã - Currículo nº 02 MATRIZ CURRICULAR

CURSO DE ENGENHARIA CIVIL. CÓD. 1551 Tarde/Noite - Currículo nº 03 CÓD. 3655 Manhã - Currículo nº 02 MATRIZ CURRICULAR Aprovado no CONGRAD de 26.08.14 Vigência: ingressos a partir de 2015/1 CURSO DE ENGENHARIA CIVIL CÓD. 1551 Tarde/Noite - Currículo nº 03 CÓD. 3655 Manhã - Currículo nº 02 MATRIZ CURRICULAR CÓD. DISCIPLINAS

Leia mais

TIPO DE AVALIAÇÃO ESCOLA CURSO ESTRUTURA SÉRIE DISCIPLINA CH CÓDIGO TEÓRICA PRÁTICA ADMINISTRAÇÃO - EAD 2014.1 1ª COMUNICAÇÃO E EXPRESSÃO 40 21821 X - POLO ADMINISTRAÇÃO - EAD 2014.1 1ª COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL

Leia mais

ATO NORMATIVO nº 010, de 01 de novembro de 2012.

ATO NORMATIVO nº 010, de 01 de novembro de 2012. ATO NORMATIVO nº 010, de 01 de novembro de 2012. Vera Rejane Coelho, Pró-Reitora de Ensino da Universidade do Planalto Catarinense - UNIPLAC, no uso de suas atribuições, CONSIDERANDO: 1. a organização

Leia mais

- COMPONENTE CURRICULAR (CURSO E/OU HABILITAÇÃO):

- COMPONENTE CURRICULAR (CURSO E/OU HABILITAÇÃO): ETEC PARQUE SANTO ANTONIO SÃO PAULO AVISO DE ABERTURA DE INSCRIÇÕES AO PROCESSO SELETIVO DE DOCENTES, OBJETIVANDO A FORMAÇÃO DE CADASTRO PARA CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA DE EXCEPCIONAL INTERESSE PÚBLICO, Nº

Leia mais

CARGA HORÁRIA. Anatomia Humana I 72 36 36 - Biologia Celular e Genética 72 36 36 - Introdução à Enfermagem 36 36 - Introdução á Filosofia 36 36 -

CARGA HORÁRIA. Anatomia Humana I 72 36 36 - Biologia Celular e Genética 72 36 36 - Introdução à Enfermagem 36 36 - Introdução á Filosofia 36 36 - MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE ENFERMAGEM 2012.2 1º SEMESTRE Anatomia Humana I 72 36 36 - Biologia Celular e Genética 72 36 36 - Introdução à 36 36 - Fundamentos Sócio-antropológicos: Cultura e Relações

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL NOVA SANTA BÁRBARA

PREFEITURA MUNICIPAL NOVA SANTA BÁRBARA PREFEITURA MUNICIPAL NOVA SANTA BÁRBARA EDITAL N.º 002/ 2010. ANEXO III DESCRIÇÃO DOS CARGOS CARGO: 012- Ajudante Geral Requisitos: Conhecimentos gerais na área Atribuições do cargo: Proceder a limpeza

Leia mais

EDITAL Nº 06, DE 11 DE NOVEMBRO DE 2011 CONCURSO PÚBLICO PARA PROFESSOR DO MAGISTÉRIO DO ENSINO BÁSICO, TÉCNICO E TECNOLÓGICO

EDITAL Nº 06, DE 11 DE NOVEMBRO DE 2011 CONCURSO PÚBLICO PARA PROFESSOR DO MAGISTÉRIO DO ENSINO BÁSICO, TÉCNICO E TECNOLÓGICO Barreiras MINISTERIO DA EDUCACÃO SECRETARIA DE EDUCACÃO PROFISSIONAL E TECNOLOGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCACÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA BAHIA EDITAL Nº 06, DE 11 DE NOVEMBRO DE 2011 CONCURSO PÚBLICO

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ingressantes 2008 Semestre 1 Semestre 2

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ingressantes 2008 Semestre 1 Semestre 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ingressantes 2008 Cálculo I 40 Cálculo II 40 Princípios Desenvolvimento de Algoritmos I 80 Princípios Desenvolvimento de Algoritmos II 80 Matemática 40 Lógica Matemática 40 Probabilidade

Leia mais

III PROGRAMA DE CADA CURSO OFERECIDO E DEMAIS COMPONENTES CURRICULARES, SUA DURAÇÃO, REQUISITOS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO.

III PROGRAMA DE CADA CURSO OFERECIDO E DEMAIS COMPONENTES CURRICULARES, SUA DURAÇÃO, REQUISITOS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO. III PROGRAMA DE CADA CURSO OFERECIDO E DEMAIS COMPONENTES CURRICULARES, SUA DURAÇÃO, REQUISITOS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO. CURSO DE BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO COM HABILITAÇÃO EM MARKETING 1º SEMESTRE

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIAS DE 24 DE AGOSTO DE

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIAS DE 24 DE AGOSTO DE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIAS DE 24 DE AGOSTO DE 2005 O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Conselho Nacional de Educação/Câmara de Educação UF: DF Superior ASSUNTO: Aprovação das Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR ENFERMAGEM 4860 HORAS h/a 50 minutos 4050 HORAS h/a 60 minutos

MATRIZ CURRICULAR ENFERMAGEM 4860 HORAS h/a 50 minutos 4050 HORAS h/a 60 minutos MATRIZ CURRICULAR ENFERMAGEM 4860 HORAS h/a 50 minutos 4050 HORAS h/a 60 minutos PRIMEIRO PERÍODO - PRIMEIRO ANO Sociologia, Antropologia e Filosofia 40 33,33 Iniciação à Pesquisa em Enfermagem 80 66,67

Leia mais

Experiência na formação do profissional de enfermagem para a segurança do paciente

Experiência na formação do profissional de enfermagem para a segurança do paciente Experiência na formação do profissional de enfermagem para a segurança do paciente Marcela R. dos Santos Coordenadora de Enfermagem - TECSAU Coordenadora de Enfermagem - HES HISTÓRIA DA TECSAU Fevereiro

Leia mais

ANEXO I ÁREA DE FORMAÇÃO E TITULAÇÃO MÍNIMA

ANEXO I ÁREA DE FORMAÇÃO E TITULAÇÃO MÍNIMA 1 CURSO DE MEDICINA CÓD. DISCIPLINAS 001 Inglês 1 I 12 Curso formação completo em língua Inglesa ou título proficiência em língua inglesa. 002 Interação à Saú Comunitária I 2 I 12 ou Saú Coletiva ou Graduação

Leia mais

CURSOS DE GRADUAÇÃO 17

CURSOS DE GRADUAÇÃO 17 CURSOS DE GRADUAÇÃO 17 CURSO SUPERIOR EM GESTÃO COMERCIAL TECNÓLOGO Prérequisitos Cr. C.H. 1 11 Fundamentos do Processo Administrativo 1 1135 Português 1 1135 Filosofia e Ética Empresarial 1 11353 Direito

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 5, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 5, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 5, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1 Institui as Diretrizes Curriculares para o curso de graduação em Engenharia

Leia mais

Retificação do Edital nº 063, de 12/04/2016 Anexo I Quadro de Vagas

Retificação do Edital nº 063, de 12/04/2016 Anexo I Quadro de Vagas Retificação do Edital nº 063, de 12/04/2016 Anexo I Quadro de d) DOCENTES Inclusão da Jornada UNIDADE: CAMPUS AVANÇADO ARCOS Engenharia Mecânica - Bacharelado em Engenharia Mecânica, com Doutorado em Engenharia

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE ENGENHARIA PRODUÇÃO

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE ENGENHARIA PRODUÇÃO MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE ENGENHARIA PRODUÇÃO 1º TERMO Aulas Teóricas Práticas Total Comunicação e Expressão 40-40 Cálculo Diferencial e Integral I 80-80 Fundamentos da Administração 40-40 Introdução

Leia mais

I RELATÓRIO: II ANÁLISE:

I RELATÓRIO: II ANÁLISE: INTERESSADO: ASSUNTO: CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL JOAQUIM NABUCO - RECIFE/PE AUTORIZAÇÃO DOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TÉCNICA EM INSTRUMENTAÇÃO CIRÚRGICA, EM ENFERMAGEM EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA

Leia mais

SERÁ ENCAMINHADO AO CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO O NOVO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MATERIAIS, COM INÍCIO PREVISTO PARA 2008

SERÁ ENCAMINHADO AO CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO O NOVO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MATERIAIS, COM INÍCIO PREVISTO PARA 2008 SERÁ ENCAMINHADO AO CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO O NOVO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MATERIAIS, COM INÍCIO PREVISTO PARA 2008 CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MATERIAIS PROJETO PEDAGÓGICO I OBJETIVOS

Leia mais

Horário - 1º Semestre de 2016

Horário - 1º Semestre de 2016 1º Período 07:00 08:40 Cálculo I Cálculo I Geografia Geral -T1 Cálculo I 08:50 10:30 GAAV GAAV Geografia Geral T2 GAAV Laboratório de Programação de computadores I - T1 10:40 12:20 Português Instrumental

Leia mais

AVALIAÇÃO E MELHORIA CONTÍNUA DO CURRÍCULO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DA FURB

AVALIAÇÃO E MELHORIA CONTÍNUA DO CURRÍCULO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DA FURB AVALIAÇÃO E MELHORIA CONTÍNUA DO CURRÍCULO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DA FURB Sub-tema: Diretrizes Curriculares Matos, Lúcio Flávio da Silveira; Eng. Civil, M. Eng. (1) lucius@furb.rct-sc.br Rudolf,

Leia mais

EDITAL UnC 040/2010. Prof. Antonio Reinaldo Agostini Vice-Reitor de Administração e Planejamento da UnC

EDITAL UnC 040/2010. Prof. Antonio Reinaldo Agostini Vice-Reitor de Administração e Planejamento da UnC UNIVERSIDADE DO CONTESTADO - EDITAL 040/2010 Publicação do quadro das disciplinas ofertadas aos docentes da F para aumento ou recomposição de carga horária na condição de professor substituto. O Vice-Reitor

Leia mais

a) Ser professor e/ou técnico administrativo ativo ou inativo do IFAL, para os cursos FIC.

a) Ser professor e/ou técnico administrativo ativo ou inativo do IFAL, para os cursos FIC. EDITAL Nº 02 /22 DE 10 DE ABRIL DE 22 PROCESSO DE SELEÇÃO PÚBLICA SIMPLIFICADA /INTERNO BOLSISTA PRONATEC CURSOS FIC FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA O Reitor do IFAL, no uso de suas atribuições, e considerando

Leia mais

Sistema de Controle Acadêmico. Grade Curricular. Curso : AGRONOMIA. CRÉDITOS Obrigatórios: 230 Optativos: 10. 1º Semestre

Sistema de Controle Acadêmico. Grade Curricular. Curso : AGRONOMIA. CRÉDITOS Obrigatórios: 230 Optativos: 10. 1º Semestre Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Pró-reitoria de Graduação - DAARG DRA - Divisão de Registros Acadêmicos Sistema de Controle Acadêmico Grade Curricular 30/01/2014-13:07:30 Curso : AGRONOMIA

Leia mais

EDITAL: EXAME DE PROFICIÊNCIA 2016.1 ANEXO 1. Página 1 de 13

EDITAL: EXAME DE PROFICIÊNCIA 2016.1 ANEXO 1. Página 1 de 13 TIPO DE AVALIAÇÃO ESCOLA CURSO ESTRUTURA SÉRIE DISCIPLINA CH CÓDIGO TEÓRICA PRÁTICA LOCAL COMUNICAÇÃO COMUN. SOCIAL - HABILIT. EM PUBLIC. E PROPAGANDA 2012.1 7ª MARKETING POLÍTICO E ESTRATÉGIAS ELEITORAIS

Leia mais

CURSO: ENFERMAGEM MATRIZ CURRICULAR

CURSO: ENFERMAGEM MATRIZ CURRICULAR 1º PERÍODO 2012/1 CURSO: ENFERMAGEM MATRIZ CURRICULAR Metodologia Científica Português Anatomia Humana 6 120 100.00 Introdução a Citologia Projeto Integrador Atividades Complementares - 40 33.20 () 20

Leia mais

CURSO: BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO

CURSO: BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO CURSO: BACHARELADO EM ADMNSTRAÇÃO Duração: 08 semestres Carga Horária: 3.000 h/a O perfil profissional pretendido pela Faculdade Sete de Setembro FASETE para o Bacharel em Administração é o de um novo

Leia mais

Engenheiro Agrônomo: Atribuições profissionais e matriz curricular. J.O. Menten T.C. Banzato UFPB Areia/PB 27 a 30 de Outubro de 2014

Engenheiro Agrônomo: Atribuições profissionais e matriz curricular. J.O. Menten T.C. Banzato UFPB Areia/PB 27 a 30 de Outubro de 2014 Engenheiro Agrônomo: Atribuições profissionais e matriz curricular J.O. Menten T.C. Banzato UFPB Areia/PB 27 a 30 de Outubro de 2014 1. INTRODUÇÃO AGENDA 2. ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS 3. MATRIZ CURRICULAR

Leia mais

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 144/2012

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 144/2012 DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 144/2012 Altera o Currículo do Curso de Engenharia Civil para regime seriado semestral. O CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA, na conformidade do Processo nº CIV- 574/2012, aprovou e eu

Leia mais

DEFINIÇÃO DOS PRÉ-REQUISITOS DAS DISCIPLINAS Aprovada em reunião de Núcleo Docente Estruturante da Enfermagem em 02 de junho de 2014.

DEFINIÇÃO DOS PRÉ-REQUISITOS DAS DISCIPLINAS Aprovada em reunião de Núcleo Docente Estruturante da Enfermagem em 02 de junho de 2014. DEFINIÇÃO DOS PRÉ-REQUISITOS DAS DISCIPLINAS Aprovada em reunião de Núcleo Docente Estruturante da Enfermagem em 02 de junho de 2014. DISCIPLINA C.H. TOTAL DISCIPLINAS PRÉ-REQUISITOS 1º SEMESTRE 80 Bioética

Leia mais

Curso de Administração

Curso de Administração Curso de Administração 1º Período CH Total Fundamentos da Administração Matemática Contabilidade Geral Filosofia e Ética Língua Portuguesa 2º Período CH Total Sociologia Geral e das Organizações Análise

Leia mais

HUMANAS. Página na web: www.fea.ufjf.br CIÊNCIAS ECONÔMICAS. Apresentação:

HUMANAS. Página na web: www.fea.ufjf.br CIÊNCIAS ECONÔMICAS. Apresentação: HUMANAS ADMINISTRAÇÃO Os alunos de Administração da UFJF graduam-se na modalidade Bacharelado e podem escolher entre as opções de especialização: Administração de Empresas e Administração Pública. O curso

Leia mais

ESPECIALIZAÇÃO EM CIÊNCIAS DA ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE

ESPECIALIZAÇÃO EM CIÊNCIAS DA ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE ESPECIALIZAÇÃO EM CIÊNCIAS DA ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE Objetiva ampliar os estudos científicos acerca da Atividade Física e do Exercício Físico, da Saúde Pública e da Saúde Coletiva, instrumentalizando

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓREITORIA ACADÊMICA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL Fase Cód. Disciplina I II III IV V VI Matriz Curricular do curso de Engenharia Civil PréReq.

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA ANEXO II DO EDITAL N. 002/GR/UNIR/2013

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA ANEXO II DO EDITAL N. 002/GR/UNIR/2013 ANEXO II DO EDITAL N. 002/GR/UNIR/2013 DESCRIÇÃO SUMÁRIA DOS CARGOS/NÍVEL DE CLASSIFICAÇÃO E - SUPERIOR ADMINISTRADOR: Planejar, organizar, controlar e assessorar as organizações nas áreas de recursos

Leia mais

X (X-X): Total de Créditos (Carga Teórica semanal-carga Prática semanal)

X (X-X): Total de Créditos (Carga Teórica semanal-carga Prática semanal) Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Curso: Engenharia Agrícola e Ambiental Matriz Curricular 1 Período IB 157 Introdução à Biologia 4 (2-2) IT 103 Técnicas Computacionais em Engenharia 4 (2-2)

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO E DA CULTURA CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO

GOVERNO DO ESTADO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO E DA CULTURA CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO GOVERNO DO ESTADO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO E DA CULTURA CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO Processo nº 83485/2010-2. Interessado: Escola Técnica de Curso Nobre de Formação Profissional Unidade 7 Assunto:

Leia mais

MATRIZ ENFERMAGEM TEMPO DE DURAÇÃO: 10 PERÍODOS ESTRUTURA CURRICULAR ENFERMAGEM - GRADUAÇÃO - 213

MATRIZ ENFERMAGEM TEMPO DE DURAÇÃO: 10 PERÍODOS ESTRUTURA CURRICULAR ENFERMAGEM - GRADUAÇÃO - 213 MATRIZ ENFERMAGEM TEMPO DE DURAÇÃO: 1 PERÍODOS ESTRUTURA CURRICULAR ENFERMAGEM - GRADUAÇÃO - 213 1º PERÍODO Carga Horária ANÁLISE TEXTUAL OBRIGATÓRIA 36 HISTÓRIA DA ENFERMAGEM OBRIGATÓRIA 36 ANATOMIA SISTÊMICA

Leia mais

MODIFICA A CODIFICAÇÃO DO SISTEMA DE CENTROS DE CUSTOS DAS UNIDADES ORGANIZACIONAIS DA UERJ, PARA UTILIZAÇÃO NO SIAFEM.

MODIFICA A CODIFICAÇÃO DO SISTEMA DE CENTROS DE CUSTOS DAS UNIDADES ORGANIZACIONAIS DA UERJ, PARA UTILIZAÇÃO NO SIAFEM. 033/ REITORIA / 2002 01 / 0 MODIFICA A DO SISTEMA DE CENTROS DE CUSTOS DAS UNIDADES ORGANIZACIONAIS DA UERJ, PARA UTILIZAÇÃO NO SIAFEM. A REITORA DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, no uso de

Leia mais

FEDERAL ANEXO I MATRIZ ESPECÍFICA DE CORRELAÇÃO DO CONHECIMENTO

FEDERAL ANEXO I MATRIZ ESPECÍFICA DE CORRELAÇÃO DO CONHECIMENTO ANEXO I MATRIZ ESPECÍFICA DE CORRELAÇÃO DO CONHECIMENTO CARGO/ESPECIALIDADE Art. 378. Ao Consultor Legislativo, Especialidade Assessoramento Legislativo. ÁREAS DE INTERESSE DO SENADO FEDERAL Agronomia;

Leia mais

Cod.Disc Requisito Administração 252 2 Matemática Financeira 3114 Matemática 3531

Cod.Disc Requisito Administração 252 2 Matemática Financeira 3114 Matemática 3531 Curso Grade Periodo Disciplina Cod.Disc Disciplina Requisito Cod.Disc Requisito Administração 22 2 Matemática Financeira 11 Matemática 1 22 Total Contabilidade Gerencial 111 Contabilidade Geral 09 Administração

Leia mais

DISCIPLINA CURSO SEM. CRÉD. TURNO TITULAÇÃO MÍNIMA VAGAS

DISCIPLINA CURSO SEM. CRÉD. TURNO TITULAÇÃO MÍNIMA VAGAS ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA CURSO SEM. CRÉD. TURNO TITULAÇÃO MÍNIMA VAGAS Legislação Social e Trabalhista Administração 1º 02 Noturno Graduação em Direito com pós-graduação na área de Ciências Sociais Aplicadas.

Leia mais

ANEXO II INFORMAÇÕES BÁSICAS DOS CURSOS. Modalidade Subseqüente

ANEXO II INFORMAÇÕES BÁSICAS DOS CURSOS. Modalidade Subseqüente Serviço Público Federal Ministério da Educação Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Pará Campus Belém Processo Seletivo Técnico Subseqüente 2012/2 ANEXO II INFORMAÇÕES BÁSICAS DOS CURSOS

Leia mais

BACHARELADO EM ARQUITETURA E URBANISMO UNIGRANRIO

BACHARELADO EM ARQUITETURA E URBANISMO UNIGRANRIO BACHARELADO EM ARQUITETURA E URBANISMO UNIGRANRIO Objetivos Considerando o perfil do profissional que deseja formar, o curso de Arquitetura e Urbanismo da UNIGRANRIO tem por objetivos: Objetivo Geral O

Leia mais

Anexo II DESCRIÇÃO SUMARIA DOS CARGOS

Anexo II DESCRIÇÃO SUMARIA DOS CARGOS Anexo II DESCRIÇÃO SUMARIA DOS CARGOS Nível de Classificação E; Nível de Capacitação I; Padrão de Vencimento I Regime Jurídico Único Jornada de Trabalho = 40 horas/semanais (Lei 11.091/05) REMUNERAÇÃO:

Leia mais

A Câmara Superior de Ensino da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições,

A Câmara Superior de Ensino da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições, SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO RESOLUÇÃO Nº 07/2009 Aprova a estrutura curricular do Curso de do Centro de Educação e Saúde

Leia mais

EDITAL Nº 006 DE 27 DE JANEIRO DE 2016 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA BOLSISTAS DO PRONATEC ANEXO I

EDITAL Nº 006 DE 27 DE JANEIRO DE 2016 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA BOLSISTAS DO PRONATEC ANEXO I MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS GABINETE DO REITOR Avenida Professor Mário Werneck, nº 2590

Leia mais

FACULDADE METROPLITANA DA AMAZÔNIA-FAMAZ COORDENAÇÃO DO CURSO DE ENFERMAGEM. 1ª Avaliação regimental Data da Prova Horário da prova

FACULDADE METROPLITANA DA AMAZÔNIA-FAMAZ COORDENAÇÃO DO CURSO DE ENFERMAGEM. 1ª Avaliação regimental Data da Prova Horário da prova - TURMA: 270101 - TURNO: Matutino - SALA: 104-1º PERÍODO (2014/1) 1ª Avaliação regimental Introdução a filosofia 20/03/2014 08:00 às 09:40 Citologia e Embriologia 21/03/2014 08:50 as 11:40 Histologia Básica

Leia mais

CATÁLOGO DE REQUISITOS PARQUE DA JUVENTUDE AVISO 159/01/2016 1- Aplicativos Informatizados (para a Habilitação Administração) (Administração

CATÁLOGO DE REQUISITOS PARQUE DA JUVENTUDE AVISO 159/01/2016 1- Aplicativos Informatizados (para a Habilitação Administração) (Administração 1- Aplicativos Informatizados (para a Habilitação ) ( Integrado ao Ensino Médio); (EII) - Ênfase em Análise de Sistemas - Habilitação em de Empresas - Habilitação em de Negócios - Habilitação em Hoteleira

Leia mais

MUNICÍPIO DE LUISLÂNDIA MG CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS EFETIVOS EDITAL 1/2015 ANEXO III ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS

MUNICÍPIO DE LUISLÂNDIA MG CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS EFETIVOS EDITAL 1/2015 ANEXO III ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS Advogado Prestar assistência jurídica às questões de direito administrativo, trabalhista, civil, tributário e constitucional. Agente de Combate às Endemias Desenvolver e executar atividades de prevenção

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n 19/ 2012 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso Técnico em Prótese Dentária da Escola

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO ESTRUTURA CURRICULAR E DIMENSIONAMENTO DA CARGA HORÁRIA POR PERÍODO LETIVO MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO 1º Termo 2º Termo Comunicação e Expressão I 36 Comunicação e Expressão II 36 Direito

Leia mais

Universidade do Grande Rio Prof. José de Souza Herdy ESCOLA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA - ECT

Universidade do Grande Rio Prof. José de Souza Herdy ESCOLA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA - ECT Universidade do Grande Rio Prof. José de Souza Herdy ESCOLA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA - ECT PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE BACHARELADO EM ENGENHARIA CIVIL (EXTRATO) Duque de Caxias 2016 Objetivos do Curso

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 1, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 1, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 1, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1 Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso de graduação em Engenharia

Leia mais

ENGENHARIA FLORESTAL. COORDENADORA Angélica de Cássia Oliveira Carneiro cassiacarneiro@ufv.br

ENGENHARIA FLORESTAL. COORDENADORA Angélica de Cássia Oliveira Carneiro cassiacarneiro@ufv.br ENGENHARIA FLORESTAL COORDENADORA Angélica de Cássia Oliveira Carneiro cassiacarneiro@ufv.br 78 Currículos dos Cursos do CCA UFV Currículo do Curso de Engenharia Engenheiro ATUAÇÃO O Engenheiro estará

Leia mais

EDITAL DE ABERTURA DE INSCRIÇÕES nº 76/2015-CTIG/FEG

EDITAL DE ABERTURA DE INSCRIÇÕES nº 76/2015-CTIG/FEG EDITAL DE ABERTURA DE INSCRIÇÕES nº 76/2015-CTIG/FEG O Diretor da Faculdade de Engenharia do Campus de Guaratinguetá, por meio da comissão especialmente indicada pelo Conselho Deliberativo do Colégio Técnico

Leia mais

Lista de Cursos Aprovados 2007/2008

Lista de Cursos Aprovados 2007/2008 Universidade do Porto Lista de Cursos Aprovados 2007/2008 Última actualização: 09/03/2007 1/ 20 FACULDADE DE ARQUITECTURA LDADE DE ARQUITECTURA Mestrado Integrado Mestrado Integrado em Arquitectura Aguarda

Leia mais

GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO Conselho de Educação do Distrito Federal

GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO Conselho de Educação do Distrito Federal Homologado em 8/8/2014, DODF nº 163, de 12/8/2014, p. 15. Portaria nº 181, de 12/8/2014, DODF nº 164, de 13/8/2014, p. 9. PARECER Nº 131/2014-CEDF Processos n o 080.004538/2012 Interessado: LS Escola Técnica

Leia mais

Currículos dos Cursos do CCE UFV ENGENHARIA DE AGRIMENSURA. COORDENADOR DO CURSO DE ENGENHARIA DE AGRIMENSURA Fernando Alves Pinto ferpinto@ufv.

Currículos dos Cursos do CCE UFV ENGENHARIA DE AGRIMENSURA. COORDENADOR DO CURSO DE ENGENHARIA DE AGRIMENSURA Fernando Alves Pinto ferpinto@ufv. 132 ENGENHARIA DE AGRIMENSURA COORDENADOR DO CURSO DE ENGENHARIA DE AGRIMENSURA Fernando Alves Pinto ferpinto@ufv.br UFV Catálogo de Graduação 2002 133 CURRÍCULO DO CURSO DE ENGENHARIA DE AGRIMENSURA ATUAÇÃO

Leia mais

CARGOS DE NÍVEL MÉDIO - CLASSIFICAÇÃO D

CARGOS DE NÍVEL MÉDIO - CLASSIFICAÇÃO D UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ EDITAL Nº 15, DE 02 de outubro DE 2013 ANEXO I REQUISITOS BÁSICOS PARA INVESTIDURA NO CARGO E DESCRIÇÃO SUMÁRIA DAS ATRIBUIÇÕES CARGOS DE NÍVEL MÉDIO - CLASSIFICAÇÃO D ASSISTENTE

Leia mais

EDITAL N 01/2014 Coordenação de Cursos Técnicos PROCESSO SELETIVO DE DOCENTES AOS CURSOS DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DO PRONATEC CADASTRO RESERVA

EDITAL N 01/2014 Coordenação de Cursos Técnicos PROCESSO SELETIVO DE DOCENTES AOS CURSOS DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DO PRONATEC CADASTRO RESERVA EDITAL N 01/2014 Coordenação de Cursos Técnicos PROCESSO SELETIVO DE DOCENTES AOS CURSOS DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DO PRONATEC CADASTRO RESERVA O reitor do Centro Universitário de Brasília, no uso das suas

Leia mais

A Câmara Superior de Ensino da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições,

A Câmara Superior de Ensino da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições, SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO RESOLUÇÃO Nº 08/2009 Aprova a estrutura curricular do Curso de do Centro de Educação e Saúde

Leia mais

PARECER CEE/PE Nº 82/2005-CEB APROVADO PELO PLENÁRIO EM 17/11/2005 I RELATÓRIO:

PARECER CEE/PE Nº 82/2005-CEB APROVADO PELO PLENÁRIO EM 17/11/2005 I RELATÓRIO: INTERESSADA: ESCOLA TÉCNICA DE ENFERMAGEM IRMÃ DULCE ASSUNTO: RENOVAÇÃO DE AUTORIZAÇÃO DO CURSO TÉCNICO EM ENFERMAGEM E ESPECIALIZAÇÕES EM INSTRUMENTAÇÃO CIRÚRGICA, ENFERMAGEM DO TRABALHO E ENFERMAGEM

Leia mais

Pós Graduação em Marketing e Design Digital

Pós Graduação em Marketing e Design Digital Pós Graduação em Marketing e Design Digital Público - alvo Indicado para profissionais de Marketing, Comunicação e Design, bem como empreendedores de diferentes áreas que lidam, ou desejam lidar com Tecnologia

Leia mais

Apresentação do novo currículo do Curso de Graduação em Enfermagem. Implantação a partir de 2010

Apresentação do novo currículo do Curso de Graduação em Enfermagem. Implantação a partir de 2010 Apresentação do novo currículo do Curso de Graduação em Enfermagem Implantação a partir de 2010 Matriz Curricular Currículo Novo 1º SEMESTRE Créditos Anatomia Humana I Citologia 02 Embriologia, Genética

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE ENFERMAGEM (Currículo iniciado em 2010)

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE ENFERMAGEM (Currículo iniciado em 2010) EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE ENFERMAGEM (Currículo iniciado em 2010) ANATOMIA HUMANA CH 102 (2372) Estudo morfológico dos órgãos e sistemas que constituem o organismo humano, com ênfase para os

Leia mais

ANEXO I- (Quadro de Vagas com as respectivas codificações)

ANEXO I- (Quadro de Vagas com as respectivas codificações) ANEXO I- (Quadro de Vagas com as respectivas codificações) P1 Auxiliar Administrativo, Auxiliar de Recursos Humanos, Auxiliar Financeiro. Fundamentos da administração, Recursos humanos e departamento de

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 20/12/2004, seção 1, pág.29. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Conselho Nacional

Leia mais

Portaria Inep nº 232 de 13 de julho de 2010 Publicada no Diário Oficial de 14 de julho de 2010, Seção 1, pág. 841

Portaria Inep nº 232 de 13 de julho de 2010 Publicada no Diário Oficial de 14 de julho de 2010, Seção 1, pág. 841 Portaria Inep nº 232 de 13 de julho de 2010 Publicada no Diário Oficial de 14 de julho de 2010, Seção 1, pág. 841 A Presidente, substituta, do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio

Leia mais

Gestão acadêmica de programas de pós-graduação com o SIGAA

Gestão acadêmica de programas de pós-graduação com o SIGAA EMENTAS A) Eventos de Capacitação do Ambiente Administrativo Aquisição de materiais e serviços Identificar métodos de aquisição de materiais e serviços, utilizando as ferramentas disponíveis no SIPAC.

Leia mais

ANEXO I - DOS CARGOS, DA FORMAÇÃO E DA HABILITAÇÃO

ANEXO I - DOS CARGOS, DA FORMAÇÃO E DA HABILITAÇÃO ANEXO I - DOS CARGOS, DA FORMAÇÃO E DA HABILITAÇÃO Administração/Logística Psicologia das Relações Humanas; Liderança e Gestão de Equipes; Professor de Psicologia Doutorado em Psicologia Enfermagem Segurança

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM MECÂNICA

CURSO TÉCNICO EM MECÂNICA CURSO TÉCNICO EM MECÂNICA O Curso Técnico de Nível Médio em Mecânica, Eixo Tecnológico Controle e Processos Industriais são organizados em 3 módulos de 400 horas. Ao final do curso, 400 horas de estágio

Leia mais

Pós-Graduação em Marketing e Design Digital

Pós-Graduação em Marketing e Design Digital Pós-Graduação em Marketing e Design Digital Início em 30 de abril de 2016 Aulas aos sábados, das 8h às 15h Valor do curso: R$ 18.130,00 À vista com desconto: R$ 16.679,00 Consultar planos de parcelamento.

Leia mais

EDIFICAÇÕES ELETROMECÂNICA

EDIFICAÇÕES ELETROMECÂNICA É importante que todo aluno tenha acesso às informações sobre os cursos e faça sua escolha para não haver dúvida no ato da inscrição para o concurso de 2012/2013: EDIFICAÇÕES O Técnico em Edificações é

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES ENADE

PERGUNTAS FREQUENTES ENADE PERGUNTAS FREQUENTES ENADE 1. O que é o ENADE? O Exame Nacional de Desempenho de Estudantes (Enade) avalia o rendimento dos alunos dos cursos de graduação, ingressantes e concluintes, em relação aos conteúdos

Leia mais

Escola Técnica Estadual Juscelino Kubitschek de Oliveira

Escola Técnica Estadual Juscelino Kubitschek de Oliveira Escola Técnica Estadual Juscelino Kubitschek de Oliveira - Diadema AVISO DE ABERTURA DE INSCRIÇÕES AO PROCESSO SELETIVO DE DOCENTES, OBJETIVANDO A FORMAÇÃO DE CADASTRO PARA CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA DE EXCEPCIONAL

Leia mais

PARECER CEE N 298/2010

PARECER CEE N 298/2010 Governo do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Educação CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO COMISSÃO ESPECIAL DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA PROCESSO N : E-03/100.134/2010 INTERESSADO: CTA - CENTRO DE TECNOLOGIA

Leia mais

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 145/2012

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 145/2012 DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 145/2012 Altera o Currículo do Curso de Engenharia Ambiental e Sanitária para regime seriado semestral. O CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA, na conformidade do Processo nº CIV- 575/2012,

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.854 DE 29 DE ABRIL DE 2009

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.854 DE 29 DE ABRIL DE 2009 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.854 DE 29 DE ABRIL DE 2009 Aprova o Projeto Político Pedagógico do Curso de Engenharia

Leia mais

CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO Câmara de Educação Superior e Profissional

CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO Câmara de Educação Superior e Profissional INTERESSADA: Universidade Estadual Vale do Acaraú UVA EMENTA: Reconhece o curso de Graduação Tecnológica em Estética e Cosmética da Universidade Estadual Vale do Acaraú, em caráter Experimental, com validade

Leia mais

EDITAL DO PROCESSO SELETIVO, DESTINADO À CONTRATAÇÃO DE PROFESSOR Nº 2016/1

EDITAL DO PROCESSO SELETIVO, DESTINADO À CONTRATAÇÃO DE PROFESSOR Nº 2016/1 EDITAL DO PROCESSO SELETIVO, DESTINADO À CONTRATAÇÃO DE PROFESSOR Nº 2016/1 O Grupo Kroton de São Luís torna público, para conhecimento dos interessados, os procedimentos e normas que regulamentam a realização

Leia mais

SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO ENGENHARIA CIVIL POÇOS DE CALDAS

SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO ENGENHARIA CIVIL POÇOS DE CALDAS 1) Perfil do curso: SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO ENGENHARIA CIVIL POÇOS DE CALDAS O curso de Engenharia Civil da PUC Minas, campus de Poços de Caldas, tem como objetivo principal formar um profissional

Leia mais

ETEC Lauro Gomes SÃO BERNARDO DO CAMPO

ETEC Lauro Gomes SÃO BERNARDO DO CAMPO AVISO DE ABERTURA DE INSCRIÇÕES AO PROCESSO SELETIVO DE DOCENTES, OBJETIVANDO A FORMAÇÃO DE CADASTRO PARA CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA DE EXCEPCIONAL INTERESSE PÚBLICO, Nº 010/02/2013 de 25/11/2013. PROCESSO

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DOS PONTOS PARA A PROVA DIDÁTICA SORTEADOS EM 19/07/2010 CAMPUS CAIAPÔNIA FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS FACULDADE DE DIREITO

DISTRIBUIÇÃO DOS PONTOS PARA A PROVA DIDÁTICA SORTEADOS EM 19/07/2010 CAMPUS CAIAPÔNIA FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS FACULDADE DE DIREITO DISTRIBUIÇÃO DOS PONTOS PARA A PROVA DIDÁTICA SORTEADOS EM 19/07/2010 CAMPUS CAIAPÔNIA FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Contabilidade Geral Noções de Custo Contabilidade de Custos Teoria Superior da Contabilidade

Leia mais

EMENTÁRIO. (*) LEI N 1.206, DE 31 DE DEZEMBRO DE 2007. (D.O.M. 22.01.2008 N. 1886 Ano IX)

EMENTÁRIO. (*) LEI N 1.206, DE 31 DE DEZEMBRO DE 2007. (D.O.M. 22.01.2008 N. 1886 Ano IX) (*) LEI N 1.206, DE 31 DE DEZEMBRO DE 2007. (D.O.M. 22.01.2008 N. 1886 Ano IX) ALTERA o Quadro de Cargos e Carreiras da Secretaria Municipal de Saúde SEMSA e dá outras providências. O PREFEITO DE MANAUS,

Leia mais

ENGENHARIA CIVIL. COORDENADOR José Carlos Bohnenberger bohnen@ufv.br

ENGENHARIA CIVIL. COORDENADOR José Carlos Bohnenberger bohnen@ufv.br ENGENHARIA CIVIL COORDENADOR José Carlos Bohnenberger bohnen@ufv.br UFV Catálogo de Graduação 2008 179 Currículo do Curso de Engenharia Civil Engenheiro Civil ATUAÇÃO Ao Engenheiro Civil compete o desempenho

Leia mais

ANEXO I UNIDADES DE ENSINO DE NITERÓI CLASSE A: ADJUNTO A - REGIME: 40H DE

ANEXO I UNIDADES DE ENSINO DE NITERÓI CLASSE A: ADJUNTO A - REGIME: 40H DE ANEXO I UNIDADES DE ENSINO DE NITERÓI CLASSE A: ADJUNTO A - REGIME: 40H DE 1- Escola de Arquitetura e Urbanismo Departamento de Arquitetura Área de Conhecimento: TEORIA E HISTÓRIA DA ARQUITETURA (uma vaga).

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UNED PARANAGUÁ Ensino Médio integrado PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO TÉCNICO EM LOGÍSTICA ENSINO MÉDIO INTEGRADO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UNED PARANAGUÁ Ensino Médio integrado PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO TÉCNICO EM LOGÍSTICA ENSINO MÉDIO INTEGRADO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UNED PARANAGUÁ Ensino Médio integrado PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO TÉCNICO EM LOGÍSTICA ENSINO MÉDIO INTEGRADO 2009 SUMÁRIO 1. JUSTIFICATICA... 3 2. OBJETIVO... 3 3. REQUISITOS

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.902 DE 21 DE SETEMBRO DE 2009

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.902 DE 21 DE SETEMBRO DE 2009 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.902 DE 21 DE SETEMBRO DE 2009 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Engenharia Civil.

Leia mais

ANEXO I CARGOS, REQUISITOS DE ESCOLARIDADE, DESCRIÇÃO SUMÁRIA, CARGA HORÁRIA E SALÁRIO.

ANEXO I CARGOS, REQUISITOS DE ESCOLARIDADE, DESCRIÇÃO SUMÁRIA, CARGA HORÁRIA E SALÁRIO. ANEXO I S,,, E SALÁRIO. AGENTE DE ANÁLISES CLÍNICAS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE Página 1 de 8 R$ 900,00 (Novecentos reais). Ensino Médio e Curso Técnico em Laboratório Executar trabalhos técnico de laboratório

Leia mais

RESOLUÇÃO CA Nº 007/2006

RESOLUÇÃO CA Nº 007/2006 RESOLUÇÃO CA Nº 007/2006 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Bacharelado em Engenharia da Computação, da Faculdade Independente do Nordeste, com alteração curricular adequada às Diretrizes Curriculares

Leia mais

Industrial Welding Course

Industrial Welding Course EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA O que é O decreto n.2.494/98 a define como uma forma de ensino que possibilita a auto- aprendizagem, com a medição de recursos didáticos sistematicamente organizados, apresenta- dos

Leia mais

Sistema de Controle Acadêmico. Grade Curricular. Curso : ENGENHARIA FLORESTAL. CRÉDITOS Obrigatórios: 241 Optativos: 12.

Sistema de Controle Acadêmico. Grade Curricular. Curso : ENGENHARIA FLORESTAL. CRÉDITOS Obrigatórios: 241 Optativos: 12. Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Pró-reitoria de Graduação - DAARG DRA - Divisão de Registros Acadêmicos Sistema de Controle Acadêmico Grade Curricular 30/01/2014-13:09:29 Curso : ENGENHARIA

Leia mais

Curso. Densidade. Afirmativa Vagas. Inscritos. Ação. A 1 1 1 B 0 0 0 C 2 52 26 Sistema Universal 7 58 8.29 A 1 2 2

Curso. Densidade. Afirmativa Vagas. Inscritos. Ação. A 1 1 1 B 0 0 0 C 2 52 26 Sistema Universal 7 58 8.29 A 1 2 2 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA UFSM PROGRAD COMISSÃO PERMANENTE DO VESTIBULAR PROGRAMA DE INGRESSO AO ENSINO SUPERIOR PEIES 2010 Relação Candidato x Vaga Curso 501 Administração Bacharelado Diurno

Leia mais