4.1. A verba máxima disponível por projecto será de Euros. A ajuda solicitada poderá ser aplicada para financiar pessoal, aquisição de

Save this PDF as:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "4.1. A verba máxima disponível por projecto será de 200.000 Euros. A ajuda solicitada poderá ser aplicada para financiar pessoal, aquisição de"

Transcrição

1 Bases reguladoras para a concessão das ajudas destinadas a dar apoio à valorização de projectos de investigação ao abrigo da Rede Universitária Iberoamericana de Incubação de Empresas (RedEmprendia) Em torno da competência global e do intenso progresso tecnológico, a necessidade de reunir todo o conhecimento e tecnologia gerados no seio das entidades públicas, revela se um objectivo crucial para o desenvolvimento social e económico, no favorecimento da criação de um tecido empresarial a partir dos resultados de I&D universitária. O facto de que a investigação académica, em geral, se concentra em etapas muito preliminares do seu desenvolvimento, e por tanto de elevado risco no que concerne à cadeia de valor da transferência dos resultados para a sociedade, a maioria das investigações académicas têm uma utilidade comercial incerta, ou podem não estar suficientemente desenvolvidas para atrair investidores. No sentido de suprir o hiato existente entre a investigação básica e a prova de conceito de uma aplicação prática ou comercializável, algumas organizações de transferência e financiamento públicas estão a criar sistemas de apoio específicos para projectos inovadores, tais como os programas Projectos de Valorização da Universidade de Barcelona, Development gap fund do Medical Research Council, Proof of Concept do Scottish Enterprise ou Accelerator fund da Universidade de Harvard, por forma a que a sua valorização permita avançar na cadeia de valor e desta forma incrementar o potencial comercial e as possibilidades de transferência para o tecido produtivo. Neste contexto, por entre os fins específicos da RedEmprendia se situa o impulsionar de mecanismos que permitam a transferência do conhecimento gerado no seio das universidades para a sociedade, assim como mecanismos indutores do estabelecimento de novas políticas públicas que facilitem a valorização dos resultados de investigação e desenvolvimento através da actividade empreendedora das universidades envolvidas. 1. Objecto da Convocatória 1.1. O objecto deste regulamento procura estabelecer as bases através das quais se irá regular a concessão das ajudas destinadas ao incentivo da valorização de projectos de investigação, levados a cabo por equipas pertencentes às diversas entidades que integram a RedEmprendia Os projectos de valorização apresentam um carácter altamente inovador e um grande potencial comercial, já que o financiamento atribuído deve permitir o seu desenvolvimento desde uma fase pré competitiva até à concretização de uma prova de conceito ou protótipo que aumente as suas possibilidades de transferência para o tecido empresarial. O projecto, que deve ter um ponto de partida credível, deve estar dirigido a uma necessidade de mercado claramente identificada e tem que definir, de forma precisa, o produto que se pretende obter bem como as vantagens competitivas face às soluções actuais A possibilidade de os resultados alcançados gerarem matéria para protecção da propriedade intelectual ou industrial é considerada um bom ponto de partida face ao estabelecimento de acções de valorização dos resultados de investigação obtidos durante o decorrer do projecto de investigação. 2. Beneficiários 2.1. Poderão ser beneficiários desta convocatória as equipas de investigação integradas nas diferentes entidades membro da Red Universitária Iberoamericana de Incubação de Empresas (RedEmprendia) ou que pertençam a centros ou institutos de investigação participados pelas mesmas e que tenham em vigor um acordo de colaboração que permita a sua participação As equipas de investigação têm de ser constituídas por pessoal com experiência prévia acreditada e com conhecimentos científicos e profissionais suficientes, que os capacitem para desenvolver o conteúdo do projecto Cada indivíduo apenas poderá fazer parte de uma equipa e por conseguinte não poderá ser membro de outra candidatura apresentada por via desta convocatória. 3. Duração O projecto deverá ser implementado num período de dois anos, a ter efeito a partir da data de estabelecimento do convénio de colaboração específico entre a RedEmprendia, a equipa de investigação e a instituição encarregue da sua gestão técnica e administrativa. 4. Verba

2 4.1. A verba máxima disponível por projecto será de Euros. A ajuda solicitada poderá ser aplicada para financiar pessoal, aquisição de equipamento de pequena monta, aquisição de consumíveis, custos de gestão do projecto e outros gastos, tais como, aquisição de serviços internos, viagens e estadias devidamente justificados Esta convocatória permite a subcontratação de serviços ou actividades relacionadas com o objecto da ajuda, as quais não possam ser assumidas directamente pela equipa de investigação, sempre e quando se indique previamente em orçamento e quando devidamente justificadas. Não se poderá subcontratar a execução total ou parcial da actividade que constitui o objecto da ajuda, devendo se demonstrar quando necessário, que as actividades subcontratadas não podem ser assumidas pela equipa de investigação O financiamento de cada projecto encontra se condicionado à satisfação dos objectivos estabelecidos pela Secretaria Técnica da RedEmprendia aquando da sua concessão, os quais serão transcritos no texto do Convénio de Colaboração a assinar com o beneficiário da ajuda e a instituição encarregue da gestão técnica e administrativa. 5. Requisitos e Documentação 5.1. De um modo geral, estabelece se que o procedimento para apresentação da candidatura se realizará em duas fases, constituídas por uma primeira selecção por cada uma das Oficinas Técnicas das instituições participantes. Na segunda fase, o projecto seleccionado por cada Oficina Técnica deverá ser mais detalhado em sede de memória descritiva, pela própria entidade. As memórias descritivas, junto com a documentação anexa, deverão ser enviadas por correio electrónico e registadas na Secretaria Técnica do Programa de Valorização da RedEmprendia Os requisitos, de acordo com o modelo normalizado descrito no Anexo I, deverão ser formalizados pelo responsável pelo projecto, em representação de todos os membros da equipa de investigação, através da submissão da documentação em formato papel e electrónico à Oficina Técnica da instituição a que pertencem a qual procederá ao registo. No caso de equipas de investigação integradas em centros ou institutos de investigação participados pelas entidades membro da RedEmprendia, a candidatura terá igualmente de ser assinada pelo representante legal do centro participado. Neste último caso, a Oficina Técnica correspondente emitirá um certificado relativo ao vínculo existente entre o centro ou instituto de investigação e a universidade correspondente O impresso normalizado de candidatura, assim como as bases da convocatória, podem ser obtidas junto das dependências da Oficina Técnica de cada instituição ( bem com mediante acesso à página Web da RedEmprendia ( A candidatura terá de ser acompanhada de uma cópia de um documento identificativo do investigador principal e de uma memória descritiva, com uma extensão máxima de dez páginas, da qual deverão constar os seguintes elementos: Descrição do projecto de investigação que se pretende financiar com a ajuda solicitada, que deverá indicar o actual estado da tecnologia relacionada com o projecto, o plano de trabalho a desenvolver e a metodologia aplicada. De um modo geral, considera se um bom ponto de partida para a valorização que já exista, ou que se encontre em preparação a possibilidade de gerar, matéria para protecção da propriedade intelectual ou industrial Lista dos membros da equipa de investigação Definição do produto que se pretende obter, das suas vantagens competitivas e características diferenciadoras face às soluções actualmente disponíveis e necessidade do mercado a que se dirige Descrição orçamental de todas as receitas e despesas do projecto, com indicação das possíveis fontes de financiamento e detalhe sobre o montante solicitado e conceitos relacionados No caso de existirem outros mecanismos de financiamento ou colaboração complementares outorgadas por parte de empresas ou outras organizações públicas ou privadas, nacionais ou internacionais, para os mesmos encargos descritos na proposta ou outros similares, o requerente deverá apresentar, junto com a candidatura, documentação oficial que especifique a quantia, o término da concessão ou candidatura e entidade financiadora As candidaturas, dirigidas à Oficina Técnica de cada entidade, deverão ser apresentadas até 15 de Dezembro de 2009, juntamente com toda a documentação descrita nos números anteriores A Secretaria Técnica do Programa de Valorização estabelecerá na convocatória a língua na qual a documentação deverá ser apresentada. Em todo o caso, a documentação normalizada estará disponível, pelo menos, em língua espanhola ou portuguesa, face à sua avaliação posterior A proposta seleccionada por cada uma das Oficinas Técnicas, seguindo os critérios de selecção estabelecidos no artigo sexto do presente regulamento, será comunicada electronicamente à Secretaria Técnica do Programa de Valorização, tendo como prazo máximo o dia 18 de Dezembro de 2009, procedendo ao registo e formalização do código de proposta correspondente A proposta seleccionada, após a primeira fase, por cada uma das Oficinas Técnicas da RedEmprendia será chamada a apresentar uma memória descritiva alargada, com uma extensão máxima de trinta páginas, segundo o modelo normalizado em anexo (Anexo II), da qual farão parte os seguintes elementos:

3 Memória descritiva alargada com plano detalhado do desenvolvimento da proposta de investigação, descrição dos diferentes work packages, fases e recursos necessário ao trabalho, com indicação do envolvimento de cada investigador. Para cada work package deverá definir se um calendário de objectivos intermédios e estabelecer indicadores que permitam a verificação do seu cumprimento e avanço do projecto Análise avançada da protecção da tecnologia em desenvolvimento e possibilidade da liberdade de operação associada Estudo de mercado avançado, com especial ênfase na valorização económica da tecnologia e grau de aplicação a diferentes mercados, a dimensão dos mesmos, a identificação dos principais agentes e o estabelecimento de estratégias de transferência Descrição detalhada do orçamento do projecto, com cabimentação económica a cada uma das tarefas propostas e participação do pessoal contratado ao projecto A memória descritiva complementar, juntamente com o formulário de candidatura pré definido (Anexo III) e a documentação anexa que se desejar incluir, deverá ser enviada por correio electrónico à Secretaria Técnica do Programa de Valorização de RedEmprendia, no máximo até ao dia 30 de Janeiro de 2010, sendo registada de seguida. A comunicação do registo será comunicado atempadamente à Oficina Técnica responsável Uma vez analisada cada memória descritiva e documentação adicional apresentada, se estas não reunirem os requisitos estabelecidos nos números anteriores, a Secretaria Técnica irá querer junto da Oficina Técnica da instituição responsável que, no prazo máximo de dez dias úteis, proceda à rectificação dos elementos incorrectos ou envio dos documentos em falta, sendo certo que, caso não se realize no prazo indicado, a candidatura é dada como desistência A assinatura da candidatura e da memória descritiva, por parte da equipa de investigação e pelo responsável da Oficina Técnica da instituição de referência e/ou do representante legal da mesma, pressupõe a aceitação incondicional dos procedimentos e critérios de selecção estabelecidos no presente regulamento e documentos anexos. 6. Avaliação e Selecção 6.1. De modo geral, o procedimento de concessão das ajudas descrito pelo presente regulamento assenta no regime de concorrência competitiva, estabelecendo se duas fases de selecção, sendo da responsabilidade das Oficinas Técnicas de cada instituição, a primeira fase, e da responsabilidade da Secretaria Técnica o Programa de Valorização da RedEmprendia, no caso da segunda As candidaturas submetidas serão avaliadas e seleccionadas por cada Oficina Técnica, através de um sistema de classificação interno, em função da adequação às áreas estratégicas da RedEmprendia e do potencial de gerar propriedade industrial e intelectual. A melhor proposta seleccionada por cada Oficina será comunicada à Secretaria Técnica do Programa, de acordo com o calendário estabelecido na Convocatória, e será desenvolvida em função do disposto no número cinco do presente regulamento 6.3. A avaliação das propostas seleccionadas pelas diferentes Oficinas Técnicas será realizada pela Secretaria Técnica do Programa de Valorização da RedEmprendia, mediante uma Comissão de Avaliação constituída para o efeito, que contará com a assessoria de organismos externos e peritos, nos mais diversos aspectos técnico, legais e comerciais da área de aplicação da tecnologia em desenvolvimento, podendo solicitar informação adicional à Oficina Técnica e à equipa de investigadores, caso necessário. A Comissão de Avaliação fará chegar à Secretaria Técnica da RedEmprendia uma classificação comparada e quantificada das diferentes propostas, em função dos critérios de selecção estabelecidos, no prazo máximo de quarenta dias, a partir da data do término do período de submissão de candidaturas. A decisão final será apresentada à Junta Directiva para aprovação e concessão definitiva das ajudas correspondentes, em função da disponibilidade orçamental Toda a documentação relacionada com o processo de apresentação e avaliação das propostas nas suas diferentes fases, será protegida mediante o estabelecimento dos correspondentes acordos de confidencialidade com todas as pessoas envolvidas, em especial com os organismos externos, avaliadores e peritos que participem no processo Os critérios de valoração (máximo 50 pontos) que se utilizarão para a avaliação das candidaturas apresentadas nas diversas fases serão os seguintes: a) Adequação aos critérios de admissibilidade (máximo de 10 pontos): será atribuída pontuação de acordo com o enquadramento da candidatura aos critérios de admissibilidade ao presente regulamento; b) Estado de Protecção (máximo de 15 pontos): será avaliada o estado de protecção da propriedade intelectual e industrial e a possibilidade de geração de nova matéria passível de protecção em função dos resultados previstos; c) Relevância Comercial Projecto (máximo de 25 pontos): o projecto será avaliado em função do produto final a obter e da sua claramente identificada necessidade no mercado.

4 Para a segunda fase (máximo de 100 pontos): a) Excelência técnica (máximo de 35 pontos): será valorizada a qualidade científica e o potencial de inovação associado à proposta, a coerência e idoneidade do cronograma de execução proposto, a objectividade técnica no alcance dos objectivos propostos e a probabilidade de alcançar o objectivo final dentro do orçamento previsto e do período de tempo estabelecido; b) Potencial de Transferência (máximo de 50 pontos): será valorizada a probabilidade de os resultados serem susceptíveis de protecção, mediante os mecanismos de protecção adequados, num período de tempo adequado para a realização de acções de transferência, o relevo social da necessidade de mercado que se procura satisfazer com o produto final da investigação, o grau de maturidade da ideia, o seu time to market e atracção comercial, em função do mercado a que se dirige e das vantagens competitivas identificadas; c) Excelência da equipa de investigação (máximo de 15 pontos): será valorizado o currículo científico e técnico da equipa de investigação, as actividades de transferência em que estiveram envolvidos e o envolvimento em projectos e contratos em vigor. 7. Trâmites, concessão das ajudas e recursos 7.1. A resolução correspondente às diferentes fases do processo de selecção e avaliação será, em cada caso, da responsabilidade de cada organismo encarregado. Neste contexto, cumpridos os requisitos, a decisão relacionada com a selecção da primeira fase será da responsabilidade do director da Oficina Técnica de cada instituição, a da segunda fase da responsabilidade da Secretaria Técnica do Programa de Valorização, sendo a concessão final da responsabilidade do Presidente da Junta Directiva da RedEmprendia A decisão final da convocatória, com a indicação da quantia outorgada e definição das condições gerais e prazos para a realização do objecto da ajuda, será comunicada aos beneficiários, mediante o envio de para o endereço designado nos impressos de candidatura, bem como à Oficina Técnica da instituição a que pertençam. Uma vez aceite a concessão por parte dos diversos beneficiários e instituições participantes, proceder se á a sua publicação na página Web da RedEmprendia O prazo máximo para decisão e comunicação do resultado final da candidatura será de quatro meses a partir do término do prazo de apresentação de candidaturas referente à primeira fase. Uma vez transcorrido este prazo, se não existir qualquer notificação de concessão ou contrária, entender se á que a candidatura não foi aprovada Sobre qualquer decisão ditada pelo Presidente da Junta Directiva, qualquer um dos organismos envolvidos no processo de selecção e avaliação das propostas apresentadas, poderá interpor recurso junto da Justa Directiva ou da Assembleia Geral, no prazo de um mês a contar do dia seguinte à comunicação da decisão de concessão. 8. Aceitação da Ajuda 8.1. A aceitação da ajuda deverá ser formalizada mediante um Acordo de Colaboração, a ser subscrito pelo responsável do projecto, no qual se compromete a cumprir com todas as condições fixadas em regulamento, pelo representante legal da RedEmprendia e pelo representante legal da Instituição onde o projecto irá ser desenvolvido, o qual incluirá ainda um anexo técnico no qual se especifiquem os principais aspectos relacionados com a descrição, planificação, orçamentação e cronograma de execução do projecto de referência No caso de o projecto incluir pessoal pertencente a um centro de investigação pertencente a um instituto participado pela instituição membro da RedEmprendia, de acordo com as condições expressas no artigo 2.º do presente regulamento, será igualmente necessária a subscrição do documento pelo representante legal do referido instituto No Acordo de Colaboração deve se estabelecer o acordo referente à propriedade industrial e intelectual gerada no decorrer do projecto. No caso em que no projecto participa pessoal de instituição não pertencentes à instituição do investigador principal e/ou da RedEmprendia, será estabelecido um acordo específico que descreva os detalhes relacionados com a titularidade, protecção e benefícios sobre as invenções desenvolvidas Quando as circunstâncias o aconselhem e o justifiquem, o presidente da Justa Directiva da RedEmprendia, ou a pessoa delegada por este, poderá resolver alterações à programação inicial, projecto proposto ou ao período de duração do apoio, solicitadas por ofício através da Oficina Técnica da entidade beneficiária, assim como poderá resolver qualquer alteração que não implique uma alteração substancial aos termos da convocatória. 9. Obrigações dos Beneficiários 9.1. Os beneficiários das ajudas descritas no presente regulamento encontram se sujeitos às seguintes obrigações: a) Cumprir com os objectivos, executar o projecto e realizar as actividades propostas que serviram de fundamentação à concessão da ajuda, demonstrando o mesmo diante dos organismos da RedEmprendia;

5 b) Submeter se às acções de comprovação técnica, económica e financeira requeridas pela RedEmprendia, disponibilizando toda a informação que seja solicitada; c) Comunicar à RedEmprendia a obtenção de outros apoios, ajudas, patrocínios ou receitas que se referiram à mesma imputação de custos, provenientes de qualquer outra entidade pública ou privada, nacional ou internacional, bem como as alterações das condições para as quais se outorgou a ajuda. Esta comunicação deverá ser realizada tão cedo quanto possível após a tomada de conhecimento da sua existência e, sempre antes da demonstração da despesa referente aos fundos atribuídos; d) Propor à RedEmprendia qualquer alteração que, tendo a mesma finalidade, se possa traduzir no destino da ajuda que, caso necessário, deverá expressamente autorizar a Junta Directiva; e) Conservar todos os documentos justificativos da aplicação dos fundos recebidos, incluindo documentação electrónica, até que estes possam ser objecto de comprovação e controlo/auditoria; f) Proceder ao reembolso dos fundos atribuídos nos pressupostos do previsto no artigo 12º do presente regulamento. 10. Aspectos Económicos O orçamento máximo destinado a cada projecto enquadrado no âmbito da convocatória será de Euros, em função da disponibilidade financeira Os pagamentos derivados da execução do projecto será realizado directamente à instituição membro da RedEmprendia, à qual pertença o responsável do projecto, e estarão condicionados à execução dos objectivos estabelecidos no plano de trabalho O montante concedido será transferido em três tranches. A primeira tranche, correspondente a 50% do montante total atribuído, será transferida após a decisão e formalização do termo de aceitação por parte da equipa de investigação beneficiária. A Segunda Tranche, correspondente a 25% do montante total atribuído, será transferido quando tiver decorrido metade do projecto, e a terceira tranche, correspondente aos 25% restantes do montante total atribuído, será efectuado com a finalização do projecto, aquando da apresentação do relatório de contas final Em conformidade com os objectivos do programa de apoio, os benefícios da transferência do projecto, caso sejam gerados, serão dedicados à compensação dos investimentos recebidos, numa proporção que deverá ser no mínimo o dobro da quantidade definida nos termos e condições que acordem. A distribuição de benefícios restantes far se á de acordo com estabelecido no acordo da colaboração e nos acordos de titularidade que se estabeleçam com os beneficiários. Caso que se decida criar uma empresa para controlar a propriedade gerada pelo resultado de investigação, as partes decidirão as fórmulas apropriadas para tornar efectivo o retorno do investimento Se um projecto de valorização associado ao programa de apoios é transferido durante o período de financiamento, a quantia destinada a esse mesmo projecto, que não tenha sido utilizada, será devolvida aos fundos do programa de apoio, para poder ser encaminhada para outros projectos O financiamento de um projecto, pelo programa de apoio à valorização de projectos de investigação da RedEmprendia, não é incompatível com a obtenção de outras entradas financeiras. Em todo o caso, a propriedade gerada e a sua transferência serão geridas pela Oficina Técnica da entidade a que pertença o responsável do projecto. 11. Acompanhamento e Monitorização A RedEmprendia poderá realizar as actividades de acompanhamento e monitorização necessárias para garantir que os beneficiários façam uso correcto das ajudas atribuídas, e para determinar do cumprimento das condições e dos requisitos que estiveram na origem do apoio, assim como das obrigações estabelecidas O planeamento e as tarefas de acompanhamento da valorização da investigação, da análise e procedimentos de protecção e das acções dirigidas à transferência do projecto serão executados pela Oficina Técnica da instituição a que pertence o investigador principal. Caso existam pessoas envolvidas no projecto, as quais pertençam a organizações diferentes da do investigador principal, será necessário formalizar um mandato da gestão em favor da Oficina Técnica atrás referida A Oficina Técnica indicará uma pessoa de contacto que actuará em coordenação com o responsável do projecto, assegurando a realização das acções previstas, bem como das tarefas de protecção da PI e de transferência atribuídas A equipa de investigação obriga se a colaborar totalmente com os organismos da RedEmprendia, de acordo com os princípios da boa fé e eficácia, tendo em vista o êxito da realização do projecto, comprometendo se a informar periodicamente sobre a evolução das actividades. 12. Prazo e Comprovativo de Realização

6 12.1. O responsável do projecto beneficiário da ajuda compromete se a apresentar uma memória científica parcial, segundo o modelo normalizado disponível, no qual fará o relato detalhado das actividades técnicas desenvolvidas e as perspectivas futuras, assim como as actividades de protecção e transferência de PI realizadas, durante o primeiro mês após o primeiro ano de execução do projecto O responsável do projecto beneficiário da ajuda compromete se a justificar a execução efectiva do projecto até dois meses apoio a sua conclusão, mediante a apresentação da seguinte documentação: a) Memória descritiva do projecto realizado, segundo o modelo normalizado, assinado pelo responsável e subscrito pelo representante legal da entidade a que pertence. b) Certificação da gerência ou do responsável económico da instituição membro da RedEmprendia, que demonstre a correcta execução da ajuda outorgada de acordo com o orçamento aprovado e que teve como destino o fim para o qual foi concedida. Neste certificado deverá também constar, devidamente arrolada, a justificação da despesa, de acordo com o orçamento desagregado apresentado em sede de candidatura e em anexo no Acordo de Colaboração A preparação da documentação poderá contar com a colaboração da Oficina Emprendia da Instituição a que pertença o responsável do projecto, sendo encaminhada par a Secretaria Técnica do Programa que irá proceder à sua análise e posteriormente informar a Junta Directiva A RedEmprendia poderá requerer a presença do responsável do projecto para que, uma vez finalizado, participe em actos de apresentação dos resultados obtidos. 13. Causas para a Revogação e procedimento contencioso As ajudas concedidas poderão ser resolvidas antecipadamente por mutuo acordo entre as partes, pela renúncia do investigador principal ou da revogação da ajuda, determinado pelo presidente do conselho de administração, seguindo uma proposta do secretariado técnico, procedimento este que se desenrola após a realização de um audiência com o investigador implicado O incumprimento total ou parcial dos prazos, das exigências e das obrigações estabelecidos na chamada, a execução incorrecta do projecto, a obstrução às actividades de acompanhamento e monitorização e a perda do potencial interesse na transferência da investigação é causa para a revogação total ou parcial do apoio, que pode causar a obrigação de retornar as quantias recebidas ou usadas indevidamente Os possíveis litígios que possam surgir decorrentes da interpretação e cumprimento deste regulamento, resolverse ão por acordo entre as partes, sempre que seja possível, caso contrário as partes comprometem se a submeter se aos mecanismos estabelecidos da mediação antes de iniciar qualquer reivindicação diante da jurisdição dos tribunais de Madrid, em função da localização do registo comercial da RedEmprendia.

Artigo 1.º. Âmbito e objeto

Artigo 1.º. Âmbito e objeto PROJETO DE REGULAMENTO DO CONCURSO PÚBLICO PARA A SELEÇÃO DE INFRAESTRUTURAS DE INVESTIGAÇÃO E SUA INTEGRAÇÃO NO ROTEIRO NACIONAL DE INFRAESTRUTURAS DE INVESTIGAÇÃO DE INTERESSE ESTRATÉGICO Artigo 1.º

Leia mais

Regulamento de Acesso à Medida 7.1 - Desenvolvimento de Centros de Competências em TIC" Programa Operacional Sociedade do Conhecimento

Regulamento de Acesso à Medida 7.1 - Desenvolvimento de Centros de Competências em TIC Programa Operacional Sociedade do Conhecimento Regulamento de Acesso à Medida 7.1 - Desenvolvimento de Centros de Competências em TIC" Programa Operacional Sociedade do Conhecimento PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Despacho Sob proposta do Gestor

Leia mais

CONCURSO "IDEIA BRILHANTE"

CONCURSO IDEIA BRILHANTE CONCURSO "IDEIA BRILHANTE" REGULAMENTO DO CONCURSO Concorrentes 1ª Fase 2ª Fase 3ª Fase Vencedores Avaliação de ideias Avaliação de planos de negócio Apresentação do plano de negócios REGULAMENTO DE CONCURSO

Leia mais

REGULAMENTO PARA PLANOS DE COMERCIALIZAÇÃO E VENDA. Capítulo I. Objecto e condições de elegibilidade das candidaturas. Artigo 1º.

REGULAMENTO PARA PLANOS DE COMERCIALIZAÇÃO E VENDA. Capítulo I. Objecto e condições de elegibilidade das candidaturas. Artigo 1º. REGULAMENTO PARA PLANOS DE COMERCIALIZAÇÃO E VENDA Capítulo I Objecto e condições de elegibilidade das candidaturas Artigo 1º (Objecto) O Presente Regulamento tem por objecto a fixação das condições de

Leia mais

AJUDA BIENAL FUNDACIÓN MAPFRE PARA ARQUIVOS HISTÓRICOS DE ESPANHA, PORTUGAL E AMÉRICA LATINA. Instituto de Cultura CONVOCATÓRIA

AJUDA BIENAL FUNDACIÓN MAPFRE PARA ARQUIVOS HISTÓRICOS DE ESPANHA, PORTUGAL E AMÉRICA LATINA. Instituto de Cultura CONVOCATÓRIA AJUDA BIENAL FUNDACIÓN MAPFRE PARA ARQUIVOS HISTÓRICOS DE ESPANHA, PORTUGAL E AMÉRICA LATINA II CONVOCATÓRIA Instituto de Cultura Índice 4 Objetivo da Convocação 4 Destinatários 4 Conteúdo dos projetos

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Despacho Nº4724/2005 Sob proposta do Gestor do Programa Operacional Sociedade do Conhecimento e nos termos da alínea a) do n.º 1 do artigo 29º do Decreto-Lei n.º 54-A/2000,

Leia mais

EDITAL. Iniciativa OTIC Oficinas de Transferência de Tecnologia e de Conhecimento

EDITAL. Iniciativa OTIC Oficinas de Transferência de Tecnologia e de Conhecimento EDITAL Iniciativa OTIC Oficinas de Transferência de Tecnologia e de Conhecimento A difusão de informação e do conhecimento tem um papel fundamental na concretização de projectos inovadores e com grande

Leia mais

REGULAMENTO DE PROPRIEDADE INTELECTUAL DA UNIVERSIDADE DO PORTO. Preâmbulo

REGULAMENTO DE PROPRIEDADE INTELECTUAL DA UNIVERSIDADE DO PORTO. Preâmbulo REGULAMENTO DE PROPRIEDADE INTELECTUAL DA UNIVERSIDADE DO PORTO Preâmbulo A Universidade do Porto, doravante designada UP, considera que a protecção e valorização dos resultados de I&D e de outras actividades

Leia mais

PROJECTO DE CARTA-CIRCULAR SOBRE POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS

PROJECTO DE CARTA-CIRCULAR SOBRE POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS PROJECTO DE CARTA-CIRCULAR SOBRE POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS No âmbito da avaliação realizada, a nível internacional, sobre os fundamentos da crise financeira iniciada no Verão

Leia mais

Fondo Europeo de Desarrollo Regional

Fondo Europeo de Desarrollo Regional Anúncio da Autoridade de Gestão (Vice-secretaria da Economia e Assuntos Económicos com a União Europeia do Governo das Canárias), pelo qual se dá publicidade à primeira convocatória do Programa Operacional

Leia mais

GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES

GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES Decreto Regulamentar Regional n.º 26/2007/A de 19 de Novembro de 2007 Regulamenta o Subsistema de Apoio ao Desenvolvimento da Qualidade e Inovação O Decreto Legislativo Regional

Leia mais

Município de Oliveira do Hospital PROJETO DO REGULAMENTO DE APOIO A INICIATIVAS EMPRESARIAIS

Município de Oliveira do Hospital PROJETO DO REGULAMENTO DE APOIO A INICIATIVAS EMPRESARIAIS PROJETO DO REGULAMENTO DE APOIO A INICIATIVAS EMPRESARIAIS O Município de Oliveira do Hospital entende como de interesse municipal as iniciativas empresariais que contribuem para o desenvolvimento e dinamização

Leia mais

BOLSAS DE FINANCIAMENTO A PROJECTOS DE APOIO A DOENTES REGULAMENTO. Artigo 1º (Objecto)

BOLSAS DE FINANCIAMENTO A PROJECTOS DE APOIO A DOENTES REGULAMENTO. Artigo 1º (Objecto) BOLSAS DE FINANCIAMENTO A PROJECTOS DE APOIO A DOENTES REGULAMENTO Artigo 1º (Objecto) 1. A ROCHE concederá 5 Bolsas a projectos que visem a dinamização de iniciativas por parte das Associações de Doentes

Leia mais

O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:293146-2015:text:pt:html

O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:293146-2015:text:pt:html 1/7 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:293146-2015:text:pt:html Grécia-Tessalónica: Desenvolvimento de tecnologias de informação e informações sobre o mercado

Leia mais

Política de Subcontratação

Política de Subcontratação 1. Introdução O presente documento define a Política de Subcontratação adoptada pelo Banco Espírito Santo de Investimento, S.A. ( BES Investimento ou Banco ). A Política de Subcontratação baseia-se na

Leia mais

AVISO (20/GAOA/2015)

AVISO (20/GAOA/2015) AVISO (20/GAOA/2015) Humberto Fernando Leão Pacheco de Brito, Presidente da Câmara Municipal de Paços de Ferreira, submete a consulta pública, para recolha de sugestões, por um período de 30 dias, a contar

Leia mais

- REGIMENTO - CAPITULO I (Disposições gerais) Artigo 1.º (Normas reguladoras)

- REGIMENTO - CAPITULO I (Disposições gerais) Artigo 1.º (Normas reguladoras) - REGIMENTO - Considerando que, a Lei 159/99, de 14 de Setembro estabelece no seu artigo 19.º, n.º 2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar os conselhos locais de educação; Considerando

Leia mais

SISTEMA DE APOIO AO FINANCIAMENTO E PARTILHA DE RISCO DA INOVAÇÃO (SAFPRI)

SISTEMA DE APOIO AO FINANCIAMENTO E PARTILHA DE RISCO DA INOVAÇÃO (SAFPRI) AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO Nº 03 / SAFPRI / 2009 SISTEMA DE APOIO AO FINANCIAMENTO E PARTILHA DE RISCO DA INOVAÇÃO (SAFPRI) CONSTITUIÇÃO OU REFORÇO DE FUNDOS DE CAPITAL DE RISCO (FCR) PROJECTOS FASE

Leia mais

REGULAMENTO. Contratação de doutorados para o Sistema Científico e Tecnológico Nacional

REGULAMENTO. Contratação de doutorados para o Sistema Científico e Tecnológico Nacional REGULAMENTO Contratação de doutorados para o Sistema Científico e Tecnológico Nacional O programa do XVII Governo Constitucional e o seu Compromisso com a Ciência apontam o rápido desenvolvimento científico

Leia mais

REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS PELO MUNÍCIPIO DE MORA. Nota justificativa

REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS PELO MUNÍCIPIO DE MORA. Nota justificativa REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS PELO MUNÍCIPIO DE MORA Nota justificativa A prossecução do interesse público municipal concretizado, designadamente através de políticas de desenvolvimento cultural,

Leia mais

RELATÓRIO INTERCALAR (nº 3, do artigo 23º, da Decisão 2004/904/CE)

RELATÓRIO INTERCALAR (nº 3, do artigo 23º, da Decisão 2004/904/CE) (nº 3, do artigo 23º, da Decisão 2004/904/CE) Comissão Europeia Direcção-Geral da Justiça, da Liberdade e da Segurança Unidade B/4 Fundo Europeu para os Refugiados B-1049 Bruxelas Estado-Membro: PORTUGAL

Leia mais

Plano de Prevenção de Riscos de Corrupção e Infracções Conexas

Plano de Prevenção de Riscos de Corrupção e Infracções Conexas Plano de Prevenção de Riscos de Corrupção e Infracções Conexas Indice 1. Enquadramento... 3 2. Objectivos... 4 3. Âmbito do Plano... 4 4. Missão da Entidade... 4 5. Áreas avaliadas, Principais Riscos e

Leia mais

MUNICÍPIO DE CONDEIXA-A-NOVA Página 1 de 11

MUNICÍPIO DE CONDEIXA-A-NOVA Página 1 de 11 MUNICÍPIO DE CONDEIXA-A-NOVA Página 1 de 11 PREÂMBULO Compete ao município promover acções de interesse municipal, de âmbito cultural, social, recreativo e outros, e exercer um papel dinamizador junto

Leia mais

TERMO DE ACEITAÇÃO DA DECISÃO DE APROVAÇÃO

TERMO DE ACEITAÇÃO DA DECISÃO DE APROVAÇÃO DA DECISÃO DE APROVAÇÃO Entidade Beneficiária Principal: Acrónimo e Designação do Projecto: Referência PAD 2003-2006: Considerando que, por despacho do Ministro Adjunto do Primeiro-Ministro, foi aprovada

Leia mais

SESSÃO TÉCNICA SOBRE O VALE I&DT E VALE INOVAÇÃO NOS SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS

SESSÃO TÉCNICA SOBRE O VALE I&DT E VALE INOVAÇÃO NOS SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS SI À INVESTIGAÇÃO E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO SI À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME SESSÃO TÉCNICA SOBRE O VALE I&DT E VALE INOVAÇÃO NOS SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS Data: 13 de Outubro

Leia mais

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 1009/2012 de 20 de Julho de 2012

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 1009/2012 de 20 de Julho de 2012 VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 1009/2012 de 20 de Julho de 2012 O Decreto Regulamentar n.º 84-A/2007, de 10 de dezembro, alterado pelos Decretos

Leia mais

PROJECTO DE REGULAMENTO MUNICIPAL DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS FINANCEIROS E NÃO FINANCEIROS. Nota justificativa

PROJECTO DE REGULAMENTO MUNICIPAL DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS FINANCEIROS E NÃO FINANCEIROS. Nota justificativa PROJECTO DE REGULAMENTO MUNICIPAL DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS FINANCEIROS E NÃO FINANCEIROS Nota justificativa A prossecução do interesse público municipal nas áreas da cultura, da acção social, das actividades

Leia mais

Junta de Freguesia de Ançã

Junta de Freguesia de Ançã REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE SUBSÍDIOS ÀS ACTIVIDADES DAS ASSOCIAÇÕES DESPORTIVAS, RECREATIVAS E CULTURAIS DA FREGUESIA DE ANÇÃ A importância do associativismo para o desenvolvimento harmonioso da freguesia

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS RECOMENDAÇÃO DA COMISSÃO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS RECOMENDAÇÃO DA COMISSÃO PT PT PT COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 30.4.2009 C(2009) 3177 RECOMENDAÇÃO DA COMISSÃO que complementa as Recomendações 2004/913/CE e 2005/162/CE no que respeita ao regime de remuneração

Leia mais

REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIO FINANCEIRO ÀS ASSOCIAÇÕES AMBIENTAIS, CÍVICAS, CULTURAIS, DESPORTIVAS E JUVENIS DO MUNICÍPIO DA LOUSÃ

REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIO FINANCEIRO ÀS ASSOCIAÇÕES AMBIENTAIS, CÍVICAS, CULTURAIS, DESPORTIVAS E JUVENIS DO MUNICÍPIO DA LOUSÃ REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIO FINANCEIRO ÀS ASSOCIAÇÕES AMBIENTAIS, CÍVICAS, CULTURAIS, DESPORTIVAS E JUVENIS DO MUNICÍPIO DA LOUSÃ CAPÍTULO I Disposições Comuns Artigo 1.º Lei Habilitante O presente

Leia mais

Decreto - executivo nº 6/96 de 2 de Fevereiro

Decreto - executivo nº 6/96 de 2 de Fevereiro Decreto - executivo nº 6/96 de 2 de Fevereiro O Decreto nº 31/94, de 5 de Agosto, estabelece no ponto 2 do artigo 18º, a obrigatoriedade da criação e organização de Serviços de Segurança e Higiene no Trabalho

Leia mais

Regulamento dos empregados de solicitadores e agentes de execução

Regulamento dos empregados de solicitadores e agentes de execução Regulamento dos empregados de solicitadores e agentes de execução Preâmbulo: O Estatuto da Câmara dos Solicitadores, determina na alínea f) do artigo 109.º, a obrigação de os solicitadores manterem os

Leia mais

Anúncio de concurso. Serviços

Anúncio de concurso. Serviços 1 / 8 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:102558-2016:text:pt:html Bélgica-Bruxelas: Serviços de subscrição de periódicos, publicações informativas, bases de

Leia mais

Condições de participação

Condições de participação Condições de participação A RedEmprendia tem origem num novo perfil universitário, o das universidades empreendedoras, que visam dar um incentivo à inovação e à cultura empreendedora tanto nas suas academias

Leia mais

Regulamento do Programa Inter-Universitário em Biologia de Plantas BioPlant

Regulamento do Programa Inter-Universitário em Biologia de Plantas BioPlant Regulamento do Programa Inter-Universitário em Biologia de Plantas BioPlant Artigo 1º Criação do Programa As Universidades do Minho, de Aveiro e do Porto, designadas por Universidades, instituem um Programa

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE AUDITORIA BANCO ESPÍRITO SANTO, S. A. Artigo 1.º Composição

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE AUDITORIA BANCO ESPÍRITO SANTO, S. A. Artigo 1.º Composição REGULAMENTO DA COMISSÃO DE AUDITORIA BANCO ESPÍRITO SANTO, S. A. Artigo 1.º Composição 1. A Comissão de Auditoria do Banco Espírito Santo (BES) (Comissão de Auditoria ou Comissão) é composta por um mínimo

Leia mais

Decreto - executivo nº 6/96 de 2 de Fevereiro

Decreto - executivo nº 6/96 de 2 de Fevereiro Decreto - executivo nº 6/96 de 2 de Fevereiro O Decreto nº 31/94, de 5 de Agosto, estabelece no ponto 2 do artigo 18º, a obrigatoriedade da criação e organização de Serviços de Segurança e Higiene no Trabalho

Leia mais

Regulamento de Apoio ao Movimento Associativo

Regulamento de Apoio ao Movimento Associativo Regulamento de Apoio ao Movimento Associativo As associações são a expressão do dinamismo e interesse das populações que entusiasticamente se dedicam e disponibilizam em prol da causa pública. As associações

Leia mais

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA programa de apoio às pessoas colectivas de direito privado sem fins lucrativos do município de santa maria da feira

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA programa de apoio às pessoas colectivas de direito privado sem fins lucrativos do município de santa maria da feira FORMULÁRIO DE CANDIDATURA programa de apoio às pessoas colectivas de direito privado sem fins lucrativos do município de santa maria da feira FORMULÁRIO DE CANDIDATURA PROGRAMA DE APOIO ÀS PESSOAS COLECTIVAS

Leia mais

INOVAÇÃO PORTUGAL PROPOSTA DE PROGRAMA

INOVAÇÃO PORTUGAL PROPOSTA DE PROGRAMA INOVAÇÃO PORTUGAL PROPOSTA DE PROGRAMA FACTORES CRÍTICOS DE SUCESSO DE UMA POLÍTICA DE INTENSIFICAÇÃO DO PROCESSO DE INOVAÇÃO EMPRESARIAL EM PORTUGAL E POTENCIAÇÃO DOS SEUS RESULTADOS 0. EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

Leia mais

Regimento do Conselho Municipal de Educação

Regimento do Conselho Municipal de Educação Considerando que: 1- No Município do Seixal, a construção de um futuro melhor para os cidadãos tem passado pela promoção de um ensino público de qualidade, através da assunção de um importante conjunto

Leia mais

HISTÓRICO DE REVISÕES REVISÃO DATA SÍNTESE DA REVISÃO

HISTÓRICO DE REVISÕES REVISÃO DATA SÍNTESE DA REVISÃO HISTÓRICO DE REVISÕES REVISÃO DATA SÍNTESE DA REVISÃO ELABORAÇÃO ASSINATURA APROVAÇÃO ASSINATURA ÍNDICE CAPÍTULO 1. POLÍTICA E ESTRATÉGIA/ÂMBITO... 3 1.1 POLÍTICA E ESTRATÉGIA DA ENTIDADE... 3 1.2 OBJECTIVO

Leia mais

CAPITULO I Do Provedor do Cliente

CAPITULO I Do Provedor do Cliente REGULAMENTO E ESTATUTO DO PROVEDOR DO CLIENTE DA AGA INTERNATIONAL SA, SUCURSAL EM PORTUGAL (De acordo com a Norma Regulamentar n. 0 10/2009-R de 25 de Junho) Para efeitos do presente Regulamento, entende-se

Leia mais

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO Entre: Município da Nazaré, pessoa colectiva nº 507 012 100, com sede na Avenida Vieira Guimarães, n.º 54, Nazaré, através do seu órgão executivo, Câmara Municipal da Nazaré, representado

Leia mais

Nos termos da alínea a) do n.º 1 do artigo 201.º da Constituição, o Governo decreta o seguinte: CAPÍTULO I Campo de aplicação

Nos termos da alínea a) do n.º 1 do artigo 201.º da Constituição, o Governo decreta o seguinte: CAPÍTULO I Campo de aplicação A leitura deste documento, que transcreve o conteúdo do Decreto-Lei n.º 14/90, de 8 de Janeiro, não substitui a consulta da sua publicação em Diário da República. Decreto-Lei n.º 14/90 de 8 de Janeiro

Leia mais

Lei n.º 40/99 de 9 de Junho

Lei n.º 40/99 de 9 de Junho Lei n.º 40/99 de 9 de Junho Assegura a informação e consulta dos trabalhadores em empresas ou grupos de empresas transnacionais e regula a instituição de conselhos de empresa europeus ou de procedimentos

Leia mais

INVESTIR EM I&D - PLANO DE ACÇÃO PARA PORTUGAL ATÉ 2010 CIÊNCIA E INOVAÇÃO -PLANO PLANO DE ACÇÃO PARA PORTUGAL ATÉ 2010 - NOVA TIPOLOGIA DE PROJECTOS

INVESTIR EM I&D - PLANO DE ACÇÃO PARA PORTUGAL ATÉ 2010 CIÊNCIA E INOVAÇÃO -PLANO PLANO DE ACÇÃO PARA PORTUGAL ATÉ 2010 - NOVA TIPOLOGIA DE PROJECTOS CIÊNCIA E INOVAÇÃO -PLANO PLANO DE ACÇÃO PARA PORTUGAL ATÉ 2010 - NOVA TIPOLOGIA DE PROJECTOS 1 ENQUADRAMENTO - I - Os objectivos delineados na Estratégia de Lisboa e as conclusões do Conselho de Barcelona,

Leia mais

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE OURÉM - CLASO -

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE OURÉM - CLASO - CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE OURÉM - CLASO - CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Objecto O presente regulamento interno destina-se a definir e dar a conhecer os princípios a que obedece a constituição,

Leia mais

REGULAMENTO. Preâmbulo

REGULAMENTO. Preâmbulo REGULAMENTO Preâmbulo O espírito de iniciativa, a criatividade, a capacidade de detectar e aproveitar oportunidades, de assumir o risco e formar decisões, constituem premissas essenciais para o sucesso

Leia mais

Regimento do Conselho Municipal de Educação de Cinfães

Regimento do Conselho Municipal de Educação de Cinfães Regimento do Conselho Municipal de Educação de Cinfães A Lei 159/99, de 14 de Setembro estabelece no seu artigo 19º, nº. 2 alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar os conselhos locais

Leia mais

Regulamento Interno da PROMUNDO Associação de Educação, Solidariedade e Cooperação Internacional

Regulamento Interno da PROMUNDO Associação de Educação, Solidariedade e Cooperação Internacional Regulamento Interno da PROMUNDO Associação de Educação, Solidariedade e Cooperação Internacional Capítulo I Objecto e Âmbito do Regulamento Interno Artigo 1º O presente Regulamento tem como objecto a PROMUNDO

Leia mais

Serviços de Acção Social do IPVC. Normas de funcionamento da Bolsa de Colaboradores

Serviços de Acção Social do IPVC. Normas de funcionamento da Bolsa de Colaboradores Aprovadas pelo Conselho de Acção Social do IPVC em 1 de Fevereiro de 2011 Serviços de Acção Social do IPVC Normas de funcionamento da Bolsa de Colaboradores O Conselho de Acção Social do Instituto Politécnico

Leia mais

Decreto-Lei n.º 478/99, de 9 de Novembro

Decreto-Lei n.º 478/99, de 9 de Novembro Decreto-Lei n.º 478/99, de 9 de Novembro Objecto... 2 Entidades competentes para a formação dos navegadores de recreio e para a realização dos respectivos exames... 2 Credenciação das entidades formadoras...

Leia mais

Resolução da Assembleia da República n.º 64/98 Convenção n.º 162 da Organização Internacional do Trabalho, sobre a segurança na utilização do amianto.

Resolução da Assembleia da República n.º 64/98 Convenção n.º 162 da Organização Internacional do Trabalho, sobre a segurança na utilização do amianto. Resolução da Assembleia da República n.º 64/98 Convenção n.º 162 da Organização Internacional do Trabalho, sobre a segurança na utilização do amianto. Aprova, para ratificação, a Convenção n.º 162 da Organização

Leia mais

NOVO REGIME JURÍDICO DA REABILITAÇÃO URBANA. Decreto-Lei n.º 309/2007, de 23 de Outubro Workshop IHRU 12 Abril 2010

NOVO REGIME JURÍDICO DA REABILITAÇÃO URBANA. Decreto-Lei n.º 309/2007, de 23 de Outubro Workshop IHRU 12 Abril 2010 NOVO REGIME JURÍDICO DA REABILITAÇÃO URBANA Decreto-Lei n.º 309/2007, de 23 de Outubro Workshop IHRU 12 Abril 2010 DOIS CONCEITOS FUNDAMENTAIS «área de reabilitação urbana» - cuja delimitação pelo município

Leia mais

Regulamento do Programa de Apoio à Economia e Emprego Nota Justificativa

Regulamento do Programa de Apoio à Economia e Emprego Nota Justificativa Regulamento do Programa de Apoio à Economia e Emprego Nota Justificativa Considerando que, Os Municípios dispõem de atribuições no domínio da promoção do desenvolvimento; Que para a execução das referidas

Leia mais

REGULAMENTO DA ÁREA MÉDICA DOS SERVIÇOS SOCIAIS DA CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA

REGULAMENTO DA ÁREA MÉDICA DOS SERVIÇOS SOCIAIS DA CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA REGULAMENTO DA ÁREA MÉDICA DOS SERVIÇOS SOCIAIS DA CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA Índice Capítulo I Disposições gerais Secção I Noção, âmbito e objectivos Art.º 1 - Noção e âmbito material Art.º 2 - Objectivos

Leia mais

REGULAMENTO DE APOIO AO MOVIMENTO ASSOCIATIVO. Preambulo

REGULAMENTO DE APOIO AO MOVIMENTO ASSOCIATIVO. Preambulo REGULAMENTO DE APOIO AO MOVIMENTO ASSOCIATIVO Preambulo O movimento associativo corresponde a uma afirmação cultural dos valores nacionais que deve ser valorizado, defendido e promovido, na medida em que

Leia mais

Associação de Pais do Agrupamento de Escolas de São Pedro do Sul ESTATUTOS

Associação de Pais do Agrupamento de Escolas de São Pedro do Sul ESTATUTOS Associação de Pais do Agrupamento de Escolas de São Pedro do Sul ESTATUTOS Os presentes Estatutos da APAESUL - Associação de Pais e Encarregados de Educação do Agrupamento de Escolas de São Pedro do Sul,

Leia mais

Regimento do Conselho Municipal de Educação do Concelho de Marvão. Preâmbulo

Regimento do Conselho Municipal de Educação do Concelho de Marvão. Preâmbulo Regimento do Conselho Municipal de Educação do Concelho de Marvão Preâmbulo A Lei n.º 159/99, de 14 de Setembro estabelece no seu artigo 19.º, n.º 2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para

Leia mais

REGULAMENTO programa de apoio às pessoas colectivas de direito privado sem fins lucrativos do município de santa maria da feira

REGULAMENTO programa de apoio às pessoas colectivas de direito privado sem fins lucrativos do município de santa maria da feira REGULAMENTO programa de apoio às pessoas colectivas de direito privado sem fins lucrativos do município de santa maria da feira PG 02 NOTA JUSTIFICATIVA O presente regulamento promove a qualificação das

Leia mais

MANUAL DE CORPORATE GOVERNANCE Conselho Fiscal. Pág. 1. OBJECTIVO DO DOCUMENTO 2 2. COMPOSIÇÃO 2 3. COMPETÊNCIAS 3 4. DEVERES 4 5.

MANUAL DE CORPORATE GOVERNANCE Conselho Fiscal. Pág. 1. OBJECTIVO DO DOCUMENTO 2 2. COMPOSIÇÃO 2 3. COMPETÊNCIAS 3 4. DEVERES 4 5. ÍNDICE Pág. 1. OBJECTIVO DO DOCUMENTO 2 2. COMPOSIÇÃO 2 3. COMPETÊNCIAS 3 4. DEVERES 4 5. PODERES 4 6. FUNCIONAMENTO 5 7. REMUNERAÇÃO 5 8. ALTERAÇÕES AO PRESENTE MANUAL 6 SAG GEST SOLUÇÕES AUTOMÓVEL GLOBAIS,

Leia mais

Legislação MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

Legislação MINISTÉRIO DAS FINANÇAS Diploma Decreto-Lei n.º 62/2005 11/03 Estado: Vigente Legislação Resumo: Transpõe para a ordem jurídica interna a Directiva n.º 2003/48/CE, do Conselho, de 3 de Junho, relativa à tributação dos rendimentos

Leia mais

PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE. PROGRAMA DE TRABALHO PARA 2000 (Nº 2, alínea b), do artigo 5º da Decisão nº 1400/97/CE)

PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE. PROGRAMA DE TRABALHO PARA 2000 (Nº 2, alínea b), do artigo 5º da Decisão nº 1400/97/CE) PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE VERSION FINALE PROGRAMA DE TRABALHO PARA 2000 (Nº 2, alínea b), do artigo 5º da Decisão nº 1400/97/CE) 1. INTRODUÇÃO As actividades da União

Leia mais

Projecto de Decreto-lei

Projecto de Decreto-lei Projecto de Decreto-lei O Decreto Lei nº273/2003, de 29 de Outubro, sobre as regras gerais de planeamento, organização e coordenação para promover a segurança e saúde no trabalho em estaleiros da construção,

Leia mais

Regulamento do Centro de Investigação em Educação e Psicologia da Universidade de Évora (CIEP-UE)

Regulamento do Centro de Investigação em Educação e Psicologia da Universidade de Évora (CIEP-UE) Regulamento do Centro de Investigação em Educação e Psicologia da Universidade de Évora (CIEP-UE) Sob proposta da Directora do CIEP-UE, com parecer favorável da Assembleia de Representantes da Escola de

Leia mais

Regulamento para a Concessão de Subsídios a Entidades e Organismos que Prossigam Fins de Interesse Público da Freguesia de Areeiro CAPÍTULO I

Regulamento para a Concessão de Subsídios a Entidades e Organismos que Prossigam Fins de Interesse Público da Freguesia de Areeiro CAPÍTULO I Regulamento para a Concessão de Subsídios a Entidades e Organismos que Prossigam Fins de Interesse Público da Freguesia de Areeiro CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º Objecto O presente regulamento

Leia mais

TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO

TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO INDICE 1 NOTA PRÉVIA 3 2 LINHAS DE ORIENTAÇÃO ESTRATÉGICA 4 3 PLANO DE FORMAÇÃO 4 4 FREQUÊNCIA DE ACÇÕES DE FORMAÇÃO 6

Leia mais

Prémio Santander Totta / Universidade NOVA de Lisboa, de Jornalismo Económico. Regulamento

Prémio Santander Totta / Universidade NOVA de Lisboa, de Jornalismo Económico. Regulamento Prémio Santander Totta / Universidade NOVA de Lisboa, de Jornalismo Económico Regulamento Considerando que se mostra da maior relevância: a) Reconhecer e premiar a excelência de trabalhos jornalísticos

Leia mais

Regimento. Conselho Municipal de Educação de Mira

Regimento. Conselho Municipal de Educação de Mira Regimento ÂMBITO A lei 159/99, de 14 de Setembro estabelece no seu artigo 19º, nº 2, alínea b) a competência dos órgãos municipais para criar os Conselhos Locais de Educação. A Lei 169/99, de 18 de Setembro,

Leia mais

MUNICIPIO DE REDONDO NORMAS DE ALIENAÇÃO DE LOTES DA ZONA INDUSTRIAL DE REDONDO - 2ª FASE CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

MUNICIPIO DE REDONDO NORMAS DE ALIENAÇÃO DE LOTES DA ZONA INDUSTRIAL DE REDONDO - 2ª FASE CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMAS DE ALIENAÇÃO DE LOTES DA ZONA INDUSTRIAL DE REDONDO - 2ª FASE CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Âmbito de aplicação O presente documento tem por objetivo o estabelecimento das regras e condições

Leia mais

SEGURO UNIT LINKED CA INVESTIMENTO -1ª SÉRIE (Não Normalizado)

SEGURO UNIT LINKED CA INVESTIMENTO -1ª SÉRIE (Não Normalizado) CONDIÇÕES GERAIS SOLUÇÕES CAPITALIZAÇÃO SEGURO UNIT LINKED CA INVESTIMENTO -1ª SÉRIE (Não Normalizado) 1 CONDIÇÕES GERAIS DA APÓLICE CA Investimento 1ª Série (Não Normalizado) SEGURO INDIVIDUAL Cláusula

Leia mais

ACORDO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA A UNIVERSIDADE DAS NAÇÕES UNIDAS RELATIVO À CRIAÇÃO, FUNCIONAMENTO E LOCALIZAÇÃO DA

ACORDO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA A UNIVERSIDADE DAS NAÇÕES UNIDAS RELATIVO À CRIAÇÃO, FUNCIONAMENTO E LOCALIZAÇÃO DA ACORDO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A UNIVERSIDADE DAS NAÇÕES UNIDAS RELATIVO À CRIAÇÃO, FUNCIONAMENTO E LOCALIZAÇÃO DA UNIDADE OPERACIONAL DE GOVERNAÇÃO ELETRÓNICA ORIENTADA PARA POLÍTICAS DA UNIVERSIDADE

Leia mais

UNIDADE ACADÊMICA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO UAPPG Edital de pré-seleção para o programa do Colégio Doutoral Tordesillas do Grupo Tordesillas

UNIDADE ACADÊMICA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO UAPPG Edital de pré-seleção para o programa do Colégio Doutoral Tordesillas do Grupo Tordesillas UNIDADE ACADÊMICA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO UAPPG Edital de pré-seleção para o programa do Colégio Doutoral Tordesillas do Grupo Tordesillas O Magnífico Reitor da Universidade do Vale do Rio dos Sinos

Leia mais

Mestrado de Marketing e Comunicação ESEC ESTGOH Regulamento de Projeto Estágio 1

Mestrado de Marketing e Comunicação ESEC ESTGOH Regulamento de Projeto Estágio 1 1 PREÂMBULO O presente Regulamento organiza a unidade curricular de Projeto Estágio do Mestrado em Marketing e Comunicação. No ensino politécnico, o ciclo de estudos conducente ao grau de mestre deve assegurar,

Leia mais

Ministério dos Petróleos

Ministério dos Petróleos Ministério dos Petróleos Decreto Executivo nº 197/08 de 16 de Setembro Considerando a necessidade do estabelecimento de disposições relativas ao estatuto das entidades inspectoras das redes e ramais de

Leia mais

7 REGULAMENTO DE UNIDADES CURRICULARES DE DISSERTAÇÃO

7 REGULAMENTO DE UNIDADES CURRICULARES DE DISSERTAÇÃO 7 REGULAMENTO DE UNIDADES CURRICULARES DE DISSERTAÇÃO De acordo com o estipulado no artigo 20º do Decreto-Lei nº 74/2006 de 24 de Março, o ciclo de estudos conducente ao grau de mestre conferido pelo IST

Leia mais

Programa Horizon 2020. Algumas Regras de Participação. Disposições Gerais

Programa Horizon 2020. Algumas Regras de Participação. Disposições Gerais Programa Horizon 2020 Fonte: Proposta de Regulamento do Parlamento Europeu e do Conselho que estabelece as Regras de Participação e Difusão relativas ao «Horizonte 2020 Programa-Quadro de Investigação

Leia mais

Regulamento Financeiro do Partido Social Democrata (Aprovado na Comissão Política Nacional de 11.12.2006)

Regulamento Financeiro do Partido Social Democrata (Aprovado na Comissão Política Nacional de 11.12.2006) Regulamento Financeiro do Partido Social Democrata (Aprovado na Comissão Política Nacional de 11.12.2006) PREÂMBULO O presente regulamento define as normas relacionadas com a actividade financeira a observar

Leia mais

REGULAMENTO PROVEDORIA DO CLIENTE CAPITULO I - PRINCIPIOS GERAIS

REGULAMENTO PROVEDORIA DO CLIENTE CAPITULO I - PRINCIPIOS GERAIS REGULAMENTO PROVEDORIA DO CLIENTE CAPITULO I - PRINCIPIOS GERAIS Artigo 1º - Objecto 1- O presente documento tem por objecto definir o estatuto do Provedor do Cliente das seguintes companhias de seguro:

Leia mais

Projeto de REGULAMENTO MUNICIPAL DE ATRIBUIÇÃO DE APOIO ÀS FREGUESIAS. Nota Justificativa

Projeto de REGULAMENTO MUNICIPAL DE ATRIBUIÇÃO DE APOIO ÀS FREGUESIAS. Nota Justificativa Projeto de REGULAMENTO MUNICIPAL DE ATRIBUIÇÃO DE APOIO ÀS FREGUESIAS Nota Justificativa A Lei n.º 75/2013, de 12 de setembro, aprovou o regime jurídico das autarquias locais, o estatuto das entidades

Leia mais

MANUAL DE CERTIFICAÇÃO DOS LENÇOS DE NAMORADOS DO MINHO

MANUAL DE CERTIFICAÇÃO DOS LENÇOS DE NAMORADOS DO MINHO MANUAL DE CERTIFICAÇÃO DOS LENÇOS DE ADERE-MINHO Edição 1, Revisão 0, de 18 de Dezembro de 2012 Elaborado por: Verificado por: Aprovado por: [Lisa Ramos]/[Técnica de Qualidade] [Teresa Costa]/[Directora

Leia mais

Anúncio de concurso. Serviços

Anúncio de concurso. Serviços 1/7 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:351310-2012:text:pt:html GR-Tessalónica: Prestação de serviços por parte de um organizador profissional de conferências

Leia mais

Regulamento de Apoio à Mobilidade e Intercâmbio Cultural

Regulamento de Apoio à Mobilidade e Intercâmbio Cultural Regulamento de Apoio à Mobilidade e Intercâmbio Cultural Preâmbulo A Câmara Municipal de Nordeste tem vindo a apoiar ao longo dos anos de forma directa e organizada toda a actividade cultural no concelho

Leia mais

Procedimento de Contratação. (artº 5º do CCP Contratação Excluída) Procedimento 5/2013

Procedimento de Contratação. (artº 5º do CCP Contratação Excluída) Procedimento 5/2013 Procedimento de Contratação (artº 5º do CCP Contratação Excluída) Procedimento 5/2013 Aquisição de Serviços de Consultores-formadores de Ligação e Especialistas para a execução do Projecto nº 084749/2012/831

Leia mais

XVI CONVOCATÓRIA DE AJUDAS A PROJETOS ARQUIVÍSTICOS: IBERARQUIVOS-PROGRAMA ADAI

XVI CONVOCATÓRIA DE AJUDAS A PROJETOS ARQUIVÍSTICOS: IBERARQUIVOS-PROGRAMA ADAI XVI CONVOCATÓRIA DE AJUDAS A PROJETOS ARQUIVÍSTICOS: IBERARQUIVOS-PROGRAMA ADAI A presente Convocatória de Ajudas a Projetos Arquivísticos baseia-se na execução do Programa de Apoio ao Desenvolvimento

Leia mais

Regulamento. 5. O Concurso 50/50, promovido pelo ACM, IP, lançado pela primeira vez em 2015, assume um carácter experimental.

Regulamento. 5. O Concurso 50/50, promovido pelo ACM, IP, lançado pela primeira vez em 2015, assume um carácter experimental. Regulamento PARTE I ENQUADRAMENTO GERAL Artigo 1º Âmbito 1. O Alto Comissariado para as Migrações, I.P. (doravante ACM, I.P.) propõe a dinamização de um concurso de ideias, denominado Concurso 50/50, destinado

Leia mais

Selo Europeu para as Iniciativas Inovadoras na Área do Ensino/Aprendizagem das Línguas

Selo Europeu para as Iniciativas Inovadoras na Área do Ensino/Aprendizagem das Línguas Selo Europeu para as Iniciativas Inovadoras na Área do Ensino/Aprendizagem das Línguas (16ª edição) REGULAMENTO Preâmbulo Encorajar mais pessoas a aprender mais línguas tem uma importância óbvia para a

Leia mais

Fundo de Apoio às Microempresas no Concelho Montemor-o-Novo NORMAS E CONDIÇÕES DE ACESSO. Capítulo I. Disposições Gerais. Artigo 1º.

Fundo de Apoio às Microempresas no Concelho Montemor-o-Novo NORMAS E CONDIÇÕES DE ACESSO. Capítulo I. Disposições Gerais. Artigo 1º. Fundo de Apoio às Microempresas no Concelho Montemor-o-Novo NORMAS E CONDIÇÕES DE ACESSO Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1º. (Objectivo) Pretende-se pôr à disposição das microempresas do Concelho

Leia mais

O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:286241-2015:text:pt:html

O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:286241-2015:text:pt:html 1/6 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:286241-2015:text:pt:html Bélgica-Bruxelas: Estudo sobre o Certificado Sucessório Europeu eletrónico, os registos nacionais

Leia mais

REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE SOBRAL DE MONTE AGRAÇO

REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE SOBRAL DE MONTE AGRAÇO REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE SOBRAL DE MONTE AGRAÇO Reunião de Câmara (aprovação do projecto) 01/03/2010 Edital (apreciação pública) 19/03/2010 Publicado (projecto) no DR II Série, n.º

Leia mais

Polónia-Varsóvia: Sistema de gestão de recursos digitais/de meios de comunicação 2013/S 183-314891. Anúncio de concurso. Serviços

Polónia-Varsóvia: Sistema de gestão de recursos digitais/de meios de comunicação 2013/S 183-314891. Anúncio de concurso. Serviços 1/6 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:314891-2013:text:pt:html Polónia-Varsóvia: Sistema de gestão de recursos digitais/de meios de comunicação 2013/S 183-314891

Leia mais

MINUTA DE CONTRATO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS FINANCEIROS A PESSOAS COLECTIVAS PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS PROGRAMA MODELAR

MINUTA DE CONTRATO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS FINANCEIROS A PESSOAS COLECTIVAS PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS PROGRAMA MODELAR MINUTA DE CONTRATO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS FINANCEIROS A PESSOAS COLECTIVAS PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS PROGRAMA MODELAR Entre O Primeiro Outorgante, A Administração Regional de Saúde de. IP, adiante

Leia mais

Prémio Santander Totta / Universidade Nova de Lisboa, de Jornalismo Económico. Regulamento

Prémio Santander Totta / Universidade Nova de Lisboa, de Jornalismo Económico. Regulamento Prémio Santander Totta / Universidade Nova de Lisboa, de Jornalismo Económico Regulamento Considerando que se mostra da maior relevância: a) Reconhecer e premiar a excelência de trabalhos jornalísticos

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE RIO MAIOR

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE RIO MAIOR Município de Rio Maior CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE RIO MAIOR Regimento Preâmbulo A Lei nº 159/99, de 14 de Setembro, estabelece na alínea b) do nº2, do seu artigo 19, a competência dos órgãos municipais

Leia mais

Regulamento Programa REDE DE RESIDÊNCIAS: EXPERIMENTAÇÃO ARTE, CIÊNCIA E TECNOLOGIA 2.ª edição Direcção-Geral das Artes e Ciência Viva

Regulamento Programa REDE DE RESIDÊNCIAS: EXPERIMENTAÇÃO ARTE, CIÊNCIA E TECNOLOGIA 2.ª edição Direcção-Geral das Artes e Ciência Viva Regulamento Programa REDE DE RESIDÊNCIAS: EXPERIMENTAÇÃO ARTE, CIÊNCIA E TECNOLOGIA 2.ª edição Direcção-Geral das Artes e Ciência Viva Reconhecendo o interesse cultural e o potencial económico que subjaz

Leia mais

EngIQ. em Engenharia da Refinação, Petroquímica e Química. Uma colaboração:

EngIQ. em Engenharia da Refinação, Petroquímica e Química. Uma colaboração: EngIQ Programa de Doutoramento em Engenharia da Refinação, Petroquímica e Química Uma colaboração: Associação das Indústrias da Petroquímica, Química e Refinação (AIPQR) Universidade de Aveiro Universidade

Leia mais

Contrato de Aquisição de Conhecimentos. Programa de Investigação Tecnologias Inteligentes de Comunicação Veícular

Contrato de Aquisição de Conhecimentos. Programa de Investigação Tecnologias Inteligentes de Comunicação Veícular Contrato de Aquisição de Conhecimentos Programa de Investigação Tecnologias Inteligentes de Comunicação Veícular Aveiro, 29 de Abril de 2010 Entre: Brisa Inovação e Tecnologia, S.A., com sede na Quinta

Leia mais

JUNTA DE FREGUESIA DE ALMADA

JUNTA DE FREGUESIA DE ALMADA JUNTA DE FREGUESIA DE ALMADA REGULAMENTO PARA A CONCESSÃO DE APOIOS A ENTIDADES E ORGANISMOS QUE PROSSIGAM NA FREGUESIA FINS DE INTERESSE PÚBLICO 1 - Nota Justificativa A prossecução do interesse público

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO I. DENOMINAÇÃO / SEDE

REGULAMENTO INTERNO I. DENOMINAÇÃO / SEDE I. DENOMINAÇÃO / SEDE Art.º 1.º A Instinto, Associação Protetora de Animais da Covilhã, é uma associação sem fins lucrativos, que se rege pelos Estatutos, pelo presente Regulamento Interno e demais disposições

Leia mais