Sítio sobre Cartografia - Glossário 1 / 8

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sítio sobre Cartografia - Glossário 1 / 8"

Transcrição

1 Sítio sobre Cartografia - Glossário 1 / 8 Este glossário de termos cartográficos foi construído a partir daquele que pode encontrar em Maria Helena Dias (1991) Leitura e comparação de mapas temáticos, CEG, Lisboa (www.ceg.ul.pt), estando a ser actualizado por Joaquim Seixas. Outros glossários a consultar: Glossário de termos cartográficos de Alves Gaspar; Glossário de termos cartográficos da Universidade do Texas em Austin. ASSOCIAÇÃO CARTOGRÁFICA (grau de) Relação existente entre fenómenos representados cartograficamente. O grau de associação depende dos factos representados e dos critérios utilizados na comparação dos mapas. ASSOCIAÇÃO CARTOGRÁFICA INTERNACIONAL (A. C. I.) Associação internacional, filiada na União Geográfica Internacional (U. G. I.), reagrupando as de carácter nacional para a promoção e cooperação no domínio da Cartografia. ATLAS Conjunto de mapas, com formato e apresentação normalizados, que cobre sistematicamente um espaço e temas escolhidos (em geral, associado a um índice). Os atlas distinguem-se por certas características, tais como o tema, o objectivo ou a forma de apresentação. Entre os tipos de atlas consideram-se, por exemplo, os mundiais, os nacionais, os regionais e os locais ou ainda os escolares e os históricos. CARTOGRAFIA A cartografia compreende, tradicionalmente, o conjunto de métodos e de técnicas que conduzem à representação da superfície terrestre ou de outro planeta, sob a forma de mapas, globos, blocos-diagrama, etc. A elaboração é feita a partir de observações no campo, de exploração de documentação variada e ainda de dados fornecidos por aparelhos que registamos fenómenos terrestres. Recentemente, a Cartografia passou a incluir também na sua definição os estudos teóricos sobre a utilização desses documentos (A. C. I., 1973). CARTOGRAFIA AUTOMÁTICA; CARTOGRAFIA ASSISTIDA POR COMPUTADOR Ramo da Cartografia que se ocupa da produção de mapas a partir de tratamento informático dos dados. CLASSE 1. Classe estatística: conjunto de valores numéricos agrupados, caracterizado por um certo intervalo de variação que é definido pelos limites de classe, resultante da subdivisão de uma variável; 2. Classe espacial ou «região»: subdivisão da superfície terrestre em áreas que comportam características comuns. CLASSIFICAÇÃO (de dados) Agrupamento de uma série de observações (qualitativas ou quantitativas) em «tipos», segundo concepções que podem ser muito diversas. COMPARAÇÃO DE MAPAS Operação pela qual dois ou mais mapas são confrontados entre si de modo a procurar as relações existentes entre as distribuições e eventualmente determinar-se o seu grau de associação cartográfica. Geralmente distinguem-se as comparações visuais das numéricas. COMPLEXIDADE CARTOGRÁFICA Atributo inerente a qualquer mapa, que traduz a dificuldade de apreensão da informação representada. A complexidade visual, que decorre da leitura do mapa, está estreitamente relacionada com os símbolos e o modo como se distribuem. Certos aspectos de que se reveste a complexidade cartográfica podem ser numericamente avaliados (complexidade «objectiva» ou mensurável), tais como a contiguidade dos símbolos cartográficos ou o tipo

2 Sítio sobre Cartografia - Glossário 2 / 8 de distribuição espacial. CONTEÚDO; TEMA (do mapa) Conjunto de factos representados num mapa que constitui o assunto central, geralmente mencionado no título. Num mapa temático, distingue-se o conteúdo, que o caracteriza, do fundo, que suporta a representação do tema. CONTRASTE (do mapa) Este aspecto, condição fundamental de legibilidade cartográfica, raramente é definido; considera-se intuitivamente que o conceito compreende um conjunto de diferenças percebidas ou medidas (contraste visual ou «objectivo»), que resulta do contraste dos símbolos e da extensão e distribuição espacial desses símbolos no mapa. COR 1. Propriedade psicofisiológica que caracteriza a sensação resultante da percepção visual de radiações provenientes de uma superfície, iluminada por luz branca (A. C. I., 1973). Utilizase, por vezes, no mesmo sentido de tonalidade; 2. Em Cartografia, a utilização da cor (proveniente de tintas) permite distinguir e exprimir fenómenos; por isso, a cor é considerada um tipo de símbolo cartográfico. CORES HIPSOMÉTRICAS Sequência de cores espectrais destinadas representar classes de altitude. Nesta sequência, a cor encontra-se geralmente ordenada do verde (menor altitude) ao castanho-avermelhado (maior altitude), sendo o azul reservado à representação batimétrica. CROQUIS OU ESBOÇO REGIONAL / MAPA DE SÍNTESE OU SINTÉTICO Mapa temático, essencialmente concebido com fins explicativos, que representa, de forma muito generalizada, fenómenos geográficos no seu conjunto, realçando as suas relações espaciais. O mapa de síntese ou mapa sintético constitui uma variante mais generalizada do «croquis» ou esboço regional. DIMENSÕES PSICOLÓGICAS DA COR Referem-se às três características que definem a cor em qualquer sistema de identificação das cores baseado nas reacções humanas, como é o caso do sistema de MUNSELL (A. H. ROBINSON, 1967; A. ROBINSON et al., 1978). Estas dimensões são geralmente referidas neste sistema por cor ou tonalidade, croma (equivalente ao conceito de intensidade) e «valor». DISPOSIÇÃO; ARRANJO (da trama) Forma como se organizam os elementos gráficos que constituem as tramas regulares. Se estas forem de pontos, a disposição pode ser em quadrado ou em triângulo, formando as linhas imaginárias que unem os pontos (linhas ou eixos visuais) ângulos de 90º ou de 60º; numa disposição em quadrado há dois eixos visuais, ao longo dos quais os olhos tendem a organizar os pontos, enquanto eles são três numa disposição triangular. DIVISÃO EM CLASSES (em Cartografia) Designa geralmente o processo particular de classificação de dados, em que há partição de um conjunto de valores numéricos (variável) que passam a estar agrupados num certo número de categorias ou classes. De um ponto de vista cartográfico, o principal objectivo deste tratamento prévio dos dados resulta da necessidade de reduzir a informação a representar, facilitando a elaboração e a leitura do mapa. ELEMENTOS DO MAPA As várias partes que acompanham e integram o mapa. Geralmente distinguem-se os elementos fundamentais (título, legenda e escala), imprescindíveis à leitura do mapa, e os acessórios (esquadria, rede de coordenadas, orientação, etc.), que o acompanham secundariamente e que variam de mapa para mapa. ESCALA (do mapa)

3 Sítio sobre Cartografia - Glossário 3 / 8 Razão entre uma distância no mapa e a distância real correspondente. A escala pode ser numérica ou gráfica. No primeiro caso, o numerador da fracção (distância no mapa) corresponde a 1 e o denominador indica a distância real, na mesma unidade de medida; para a exprimir, utiliza-se geralmente uma das seguintes notações: 1/ ou 1:50 000, sendo preferível a segunda forma à primeira. FUNDO (do mapa) 1. Conjunto de informações representadas que serve de suporte ao conteúdo do mapa temático, como os limites administrativos, os cursos de água ou a linha de costa. O fundo de um mapa pode ser constituído por elementos significativos, relativamente ao tema abordado, ou por meras referências espaciais; 2. Este conceito surge, por vezes, referido em sentido mais lato, para exprimir a superfície sobre que assenta ou que envolve um mapa ou os símbolos cartográficos. GRÁFICO; DIAGRAMA Representação geométrica da estrutura ou da evolução de um fenómeno. Existem muitos tipos de gráficos com designações apropriadas, como o histograma, o diagrama triangular, o gráfico de barras, a rosa-dos-ventos, etc. GRAFO Representação esquemática da distância topológica numa rede, constituída por nós ou vértices (pontos que correspondem a lugares) e por arcos, que estabelecem as ligações entre os primeiros; o seu objectivo principal é mostrar a estrutura das ligações. Um exemplo muito conhecido é a representação da rede do metropolitano, que orienta os seus utentes. IMAGEM (mental) Refere-se ao conjunto de informações conceptuais, provenientes da memória a longo prazo, e perceptivas, resultantes da experiência directa dos sentidos, que existem na presença dos objectos observados. Frequentemente confunde-se este conceito com representação mental. Mas este último é atribuído à evocação de objectos, na sua ausência, ou, caso estejam presentes, complementam o seu conhecimento perceptivo mas a partir de elementos que no momento não estão presentes. IMPLANTAÇÃO GRÁFICA Utilização do plano de representação, geralmente a folha de papel. Para exprimir graficamente os fenómenos, dispõe-se de três tipos de implantação: pontual, linear e em mancha. IMPRESSÃO CARTOGRÁFICA Reprodução do mapa por intermédio de processos de impressão, isto é, por deposição de substâncias coloridas (tintas) sobre um suporte de impressão. A impressão «offset» constitui um dos vários processos existentes. INTERPOLAÇÃO Operação pela qual se determina um conjunto de valores a partir de outros previamente conhecidos, entre os quais se colocam os primeiros. A interpelação é utilizada, por exemplo, para o traçado de isolinhas. INTERVALO DE CLASSE Designa as características das classes resultantes da aplicação de processos de divisão em classes. Os intervalos de classe podem ser constantes, mantendo iguais amplitudes, em progressão, se são progressivamente crescentes de acordo com uma certa razão, ou irregulares, se as amplitudes das várias classes variam sem regras definidas. ISOLINHA Linha que une pontos com o mesmo valor, determinado ou estimado, na representação de um fenómeno de carácter contínuo. As isotérmicas, as isoietas, as curvas de nível (ou isoipsas), as isóbaras, as isótimas e as isócronas são exemplos de isolinhas com

4 Sítio sobre Cartografia - Glossário 4 / 8 designação apropriada ao fenómeno representado. ISOPLETA Isolinha referida à representação de fenómenos cujos valores não se reportam a nenhum ponto particular do mapa. É o caso, por exemplo, do número de habitantes por km2. LEGENDA (do mapa) Um dos elementos do mapa, constituído pelos símbolos nele utilizados e por uma explicação sucinta do seu significado. Num mapa temático, distingue-se geralmente a legenda explícita da implícita: é nesta última que se consideram os símbolos do fundo do mapa que os leitores identificam sem necessidade de explicação (como sejam os cursos de água ou a linha de costa). LIMITES DE CLASSE Valores numéricos que caracterizam o intervalo de variação de uma classe: limites superior e inferior. MAPA; CARTA Representação gráfica plana de toda ou parte da superfície da Terra ou do Universo e de fenómenos concretos ou abstractos aí localizados. Em português, a expressão mapa é preferível a carta. MAPA COROGRÁFICO Mapa, na escala 1: ou mais pequena, que representa os traços gerais de uma região ou conjunto de regiões, de um país ou de vários. As suas características, no que respeita ao conteúdo e à representação, são muito semelhantes às dos mapas topográficos. MAPA COROPLETO Mapa temático que representa dados numéricos, geralmente agrupados em classes, referidos a unidades espaciais (administrativas ou outras), cujo conteúdo é representado por manchas, correspondentes à base espacial, através de sequências de símbolos que expressam a variação das classes (ou dos próprios dados, no caso de serem estes representados); estes mapas são, portanto, reservados à representação de fenómenos descontínuos. «Choros» e «plethos», provenientes do grego, correspondem a lugar e magnitude ou importância, respectivamente. MAPA DE BASE 1. Mapa que serve de suporte à representação do mapa temático. Neste sentido, os topográficos e os corográficos são exemplos de mapas de base; 2. Série das folhas do mapa topográfico que constitui a cobertura sistemática de um país, do qual derivam outros mapas. É o caso, em Portugal, das folhas do mapa topográfico, na escala 1:25 000, do Instituto Geográfico do Exército. MAPA DE CÍRCULOS PROPORCIONAIS Mapa temático que representa um fenómeno de natureza quantitativa por intermédio de círculos, cuja superfície é geralmente proporcional aos dados. MAPA DE FLUXOS Mapa temático que representa, através de linhas com largura variável (geralmente em relação com os valores numéricos ou classes de valores), características de fenómenos lineares e em movimento (exemplos: número de veículos nas estradas; comércio externo). MAPA DE ISOLINHAS Mapa temático que representa fenómenos, que são contínuos no espaço, através de isolinhas. Ver mapa isopleto. MAPA DE PONTOS Mapa temático que representa um fenómeno de natureza quantitativa por intermédio de

5 Sítio sobre Cartografia - Glossário 5 / 8 pontos de valor constante (ou pontos de valor unitário) e de igual tamanho, repartidos uniformemente ou não (implantação gráfica pontual ou em mancha). MAPA ESTATÍSTICO Expressão que foi utilizada durante muito tempo (mas que caiu em desuso) para designar qualquer mapa temático que represente valores numéricos, geralmente referidos a unidades administrativas (A.C.I., 1973). Este conceito abrangia vários tipos de mapas temáticos, hoje conhecidos por termos específicos. MAPA HIPSOMÉTRICO Mapa que representa classes de altitude através de sequências cromáticas convencionais, conhecidas como cores hipsométricas. MAPA ISOPLETO Mapa temático que representa fenómenos através de isopletas, cujo traçado se faz, por interpelação., a partir de um número limitado de valores, geralmente referentes a uma certa base espacial e atribuídos ao seu centro administrativo ou geométrico. Ver mapa de isolinhas. MAPA-MUNDI Mapa que representa toda a superfície da Terra (ou de outro planeta), com separação de dois hemisférios distintos representados por círculos. Ver planisfério. MAPA TEMÁTICO Mapa que representa, sobre um fundo mais ou menos simplificado (mapa topográfico ou informações recolhidas deste ou doutros tipos de mapas), fenómenos localizáveis de qualquer natureza, qualitativos ou quantitativos. O uso desta expressão exclui convencionalmente os mapas topográficos (A.C.I., 1973). MAPA TOPOGRÁFICO; CARTA TOPOGRÁFICA Mapa cuja finalidade principal é representar os aspectos altimétricos e planimétricos da superfície da Terra, tão fielmente quanto a sua escala o permita (A.C.I., 1973). Os mapas definem-se também pela escala, geralmente compreendida entre 1: e 1: (ou 1: ). PLANISFÉRIO Mapa que representa toda a superfície da Terra (ou de outro planeta), sem separação de hemisférios. Ver mapa-mundo. PRECISÃO CARTOGRÁFICA Rigor da representação da informação no mapa. A precisão depende, entre outros factores, da escala do mapa e da qualidade do levantamento, das técnicas de desenho e de reprodução e da acuidade visual. Ao contrário do que acontece nos mapas topográficos, este atributo não é fundamental na maioria dos mapas temáticos, embora nunca se atinja a precisão absoluta porque os erros gráficos (técnicos ou humanos) são inevitáveis. PRODUÇÃO CARTOGRÁFICA 1. Em sentido amplo, inclui todas as etapas do processo da elaboração do mapa, desde a sua concepção até à divulgação do documento final; 2. Geralmente é utilizado em sentido restrito, para referir a fase mais técnica da elaboração cartográfica, isto é, do desenho e da reprodução do mapa. QUADRÍCULA 1. Sistema de referenciação espacial constituído por rectas que se intersectam perpendicularmente, com separação uniforme, delimitando quadrados (exemplo: quadrícula quilométrica UTM). Este sistema permite definir a posição de qualquer ponto no plano através de coordenadas rectangulares, qualquer que seja o sistema de projecção, em vez de os referir a partir da rede de paralelos e meridianos; 2. A utilização da quadrícula nos mapas

6 Sítio sobre Cartografia - Glossário 6 / 8 temáticos, como base espacial dos dados, tem vantagens relativamente a um fundo administrativo: características homogéneas das áreas que referendam o tema, facilidade de armazenar os dados e automatizar a produção dos mapas, entre outras.tomatizar a produção dos mapas, entre outras. REPRESENTAÇÃO CARTOGRÁFICA Refere-se à transcrição num mapa de objectos ou fenómenos por intermédio dos símbolos cartográficos (ver simbolização); acto de codificar a informação no mapa. REPRESENTAÇÃO QUALITATIVA Representação cartográfica de atributos não quantitativos dos fenómenos. REPRESENTAÇÃO QUANTITATIVA Representação cartográfica das características mensuráveis dos fenómenos. SEMIOLOGIA GRÁFICA Estudo dos símbolos gráficos, nas suas propriedades e relações com a informação que exprimem. No seu livro intitulado «Sémiologie graphique» (l.a ed., 1967), J. BERTIN definiu os conceitos-chave, sendo ainda hoje a obra mais notável sobre o tema. SEQUENCIA; PROGRESSÃO (em mapas coropletos) Conjunto ordenado de símbolos em mancha, geralmente em número restrito, que varia em toda ou parte da gama do «valor» ou ainda, secundariamente, noutros aspectos, com vista à representação de classes. SIMBOLIZAÇÃO Reserva-se à atribuição (escolha e elaboração) de símbolos para representar o tema (ou temas) em mapas temáticos; neste sentido, é um termo mais restritivo do que representação cartográfica, que envolve toda a representação no mapa. SÍMBOLO (cartográfico) Indicação gráfica de um objecto ou fenómeno, evocando-o de forma simplificado ou esquematizada, com representação mais ou menos rigorosa ou sugerindo a área que ocupa. Símbolo diferencia-se de elemento gráfico, pois que este último se refere aos constituintes unitários do primeiro. Consideram-se várias categorias de símbolos cartográficos: pontos, linhas ou manchas (consoante a sua forma de implantação gráfica), figurativos ou abstractos (mais ou menos evocadores da realidade), proporcionais, geométricos, etc. (segundo as características neles envolvidas). Não é usual, em Cartografia, utilizar a palavra sinal como sinónimo ou com significado aproximado; exceptua-se sinal convencional, que designa certos símbolos dos mapas topográficos ou afins que não poderiam ser representados a não ser com uma dimensão propositadamente exagerada em relação à escala do mapa. SÍMBOLO ABSTRACTO Símbolo cuja forma gráfica não tem relação com a aparência do objecto representado, não o evocando, ao contrário do símbolo figurativo. Os símbolos geométricos são muitas vezes abstractos. SÍMBOLO EM MANCHA Símbolo com aspecto uniforme (cor ou trama) que representa num mapa a área onde ocorre um fenómeno ou onde ele apresenta certas características. SÍMBOLO FIGURATIVO / PICTOGRAMA Símbolo, geralmente estilizado, que evoca pessoas, animais, objectos ou ideias. SÍMBOLO GEOMÉTRICO 1. Símbolo pontual correspondente a uma figura geométrica elementar (triângulo, quadrado, rectângulo, círculo ou semicírculo); 2. Símbolo em mancha constituído por elementos gráficos (pontos, linhas ou outros) regularmente repetidos; trama.

7 Sítio sobre Cartografia - Glossário 7 / 8 SÍMBOLO LINEAR / LINHA 1. Símbolo cuja largura é desprezível em relação ao comprimento, sendo utilizado para representar objectos ou fenómenos que seguem uma direcção dominante ou para delimitar informações. A isolinha é um símbolo linear; 2. Nos mapas temáticos podem ocorrer símbolos lineares cuja largura traduz a variação numérica da informação (exemplo: fluxos de veículos ou mercadorias). Ver mapa de fluxos. SÍMBOLO PONTUAL / PONTO 1. Elemento gráfico de dimensão mínima que permite representar objectos cujo tamanho real não é susceptível de tradução gráfica à escala; 2. Nos mapas temáticos, os símbolos pontuais são geralmente figuras geométricas, podendo adquirir superfícies consideráveis quando representam dados numéricos (caso dos mapas de círculos proporcionais, por exemplo). SÍMBOLO PROPORCIONAL Símbolo, muitas vezes pontual, cuja dimensão varia com a importância numérica do fenómeno representado. Ver, por exemplo, mapa de círculos proporcionais. SISTEMA DE IDENTIFICAÇÃO DAS CORES Conjunto de regras que descreve e especifica as cores, em termos numéricos, sem ambiguidade. Há vários sistemas, uns baseados na análise das características físicas da luz e outros nas reacções humanas a essas características. Entre os primeiros, situa-se o sistema CIE (Commission Internationale de l'éclairage); entre os últimos, o de MUNSELL é dos mais conhecidos e utilizados. Nestes sistemas, cada cor é definida em função de três características físicas (que são diferentes das percebidas) ou psicológicas (ver dimensões psicológicas da cor). SISTEMA DE MUNSELL Sistema de identificação de cores construído com base no modo como as cores são observadas; a designação deriva do seu criador (A. H. MUNSELL). Neste sistema, cada dimensão psicológica da cor é subdividida em intervalos iguais, do ponto de vista visual, contando actualmente com mais de 1500 espécies identificadas. SISTEMA DE PROJECÇÃO CARTOGRÁFICA Correspondência matemática entre os pontos de um elipsóide de referência ou de uma parte dele e os pontos de um plano. Para a representação cartográfica da superfície terrestre, esta é supostamente projectada no elipsóide de referência. As projecções cartográficas podem ser classificadas de diversos modos, atendendo, por exemplo, à superfície de projecção (azimutal, cónica, cilíndrica) ou à posição do seu eixo de simetria (normal, transversa, oblíqua) e às suas propriedades de conservação (equivalente, conforme e compensada ou afilática). TEXTURA (da trama) Espaçamento dos elementos gráficos de uma trama (pontos, linhas ou outros), expresso pelo número desses elementos que se repetem por unidade de comprimento (sendo geralmente utilizada a polegada linear). Numa trama regular de pontos, por exemplo, o espaçamento é medido entre os centros dos pontos. Uma textura fina apresenta um elevado número de linhas, isto é, de fiadas de pontos ou de elementos que se repetem, por polegada (geralmente compreendidas entre 60 e 100 ou mais); uma textura grosseira refere-se, pelo contrário, à existência de um número reduzido de fiadas (geralmente inferiores a 40) (H. W. CASTNER e A. H. ROBINSON, 1969). TÍTULO (do mapa) Conjunto de indicações escritas que identifica sucintamente o mapa, compreendendo o tema e, nalguns casos, o espaço representado ou outras informações. TONALIDADE

8 Sítio sobre Cartografia - Glossário 8 / 8 1. Comprimento de onda predominante numa cor;2. Propriedade que distingue uma cor da outra. TRAMA (cartográfica) Símbolo em mancha constituído por elementos gráficos (pontos, linhas ou outros) que se repetem regularmente, conferindo-lhe uma aparência uniforme. UNIDADE ESPACIAL (do mapa) Superfície delimitada que serve de suporte à recolha e armazenamento dos dados e à sua representação temática (ver mapa coropleto); corresponde geralmente a cada um dos elementos da divisão administrativa ou da quadrícula. UTILIZAÇÃO (do mapa) Refere-se ao processo que permite passar da informação do mapa à imagem mental da realidade; compreende três actividades principais: leitura (ou discriminação do que está representado), análise (ou detecção de estruturas interessantes) e interpretação (ou explicação das estruturas cartográficas observadas) (P. C. MUEHRCKE, 1978, p. 8). Este conceito é geralmente empregue em sentido mais amplo do que o da leitura do mapa. VALOR (da trama, da cor ou de outro símbolo cartográfico) Sensação de claro ou escuro, referendada a séries ordenadas de cinzentos conhecidas como escalas de cinzento. Corresponde à medida psicofísica da relação preto/branco. Este parâmetro, que descreve a negrura percebida, é referido de 0 (preto) até um limiar máximo (branco), que varia com o sistema de identificação das cores (sendo de 10 no de MUNSELL). Página desenvolvida por Joaquim Seixas Todos os direitos reservados

CARTOGRAFIA SISTEMÁTICA ESCALA

CARTOGRAFIA SISTEMÁTICA ESCALA CARTOGRAFIA SISTEMÁTICA ESCALA ESCALA Mapa representação convencional que apresenta elementos do mundo real reduzidos de acordo com uma proporção estabelecida previamente Proporção entre os elementos representados

Leia mais

Fotografia aérea e foto-interpretação

Fotografia aérea e foto-interpretação Fotografia aérea e foto-interpretação Fotografias aéreas e foto-interpretação são elementos e técnicas de trabalho fundamentais para um conhecimento aprofundado do território e para a elaboração ou actualização

Leia mais

Representações Quantitativas Manifestação Zonal: Método das Pontos de Contagem

Representações Quantitativas Manifestação Zonal: Método das Pontos de Contagem Representações Quantitativas Manifestação Zonal: Método das Pontos de Contagem A representação do aspecto quantitativo em escala zonal considera que as quantidades se estendem por toda área de ocorrência.

Leia mais

MÉTODOS DE REPRESENTAÇÃO DA CARTOGRAFIA TEMÁTICA: META Representar os fenômenos quando os mesmos admitem uma relação de proporcionalidade.

MÉTODOS DE REPRESENTAÇÃO DA CARTOGRAFIA TEMÁTICA: META Representar os fenômenos quando os mesmos admitem uma relação de proporcionalidade. Aula MÉTODOS DE REPRESENTAÇÃO DA CARTOGRAFIA TEMÁTICA: REPRESENTAÇÕES QUANTITATIVAS 12 META Representar os fenômenos quando os mesmos admitem uma relação de proporcionalidade. OBJETIVOS Ao final desta

Leia mais

Capítulo I GENERALIDADES

Capítulo I GENERALIDADES Topografia I Profa. Andréa Ritter Jelinek 1 Capítulo I GENERALIDADES 1. Conceitos Fundamentais Definição: a palavra Topografia deriva das palavras gregas topos (lugar) e graphen (descrever), que significa

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL DO NOVO PROGRAMA DE MATEMÁTICA

PLANIFICAÇÃO ANUAL DO NOVO PROGRAMA DE MATEMÁTICA PLANIFICAÇÃO ANUAL DO NOVO PROGRAMA DE MATEMÁTICA 5º ano 2012/2013 UNIDADE: Números e Operações 1 - NÚMEROS NATURAIS OBJECTIVOS GERAIS: - Compreender e ser capaz de usar propriedades dos números inteiros

Leia mais

Departamento de Engenharia Civil Métodos de Levantamento Clássico

Departamento de Engenharia Civil Métodos de Levantamento Clássico Departamento de Engenharia Civil Métodos de Levantamento Clássico Rosa Marques Santos Coelho Paulo Flores Ribeiro 006 / 007 1. INTRODUÇÃO O levantamento clássico utiliza aparelhos como a prancheta e respectiva

Leia mais

AULA 4 SISTEMAS DE REFERÊNCIA

AULA 4 SISTEMAS DE REFERÊNCIA AULA 4 SISTEMAS DE REFERÊNCIA Objetivos TOPOGRAFIA Gerais Visão geral de Sistemas de Referência Específicos Sistemas de Coordenadas; Sistema de Referência; Datum Geodésico; Sistemas de Referência De acordo

Leia mais

Os mapas são a tradução da realidade numa superfície plana.

Os mapas são a tradução da realidade numa superfície plana. Cartografia Desde os primórdios o homem tentou compreender a forma e as características do nosso planeta, bem como representar os seus diferentes aspectos através de croquis, plantas e mapas. Desenhar

Leia mais

1. (Ufsm 2012) Observe as projeções cartográficas: Numere corretamente as projeções com as afirmações a seguir.

1. (Ufsm 2012) Observe as projeções cartográficas: Numere corretamente as projeções com as afirmações a seguir. 1. (Ufsm 2012) Observe as projeções cartográficas: Numere corretamente as projeções com as afirmações a seguir. ( ) Na projeção cilíndrica, a representação é feita como se um cilindro envolvesse a Terra

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA Instituto de Ciências Ambientais e Desenvolvimento Sustentável Cartografia Sistemática e Temática (IAD319) Prof. pablosantos@ufba.br 08 a Aula INFORMAÇÃO E REPRESENTAÇÃO

Leia mais

Teoria : Estruturas de Dados. Estrutura Vetorial. Quais tipos de dados são representados por estruturas vetoriais? Mapa temático:

Teoria : Estruturas de Dados. Estrutura Vetorial. Quais tipos de dados são representados por estruturas vetoriais? Mapa temático: Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC Centro de ciências Humanas e da Educação FAED Mestrado em Planejamento Territorial e Desenvolvimento Socio- Ambiental - MPPT Disciplina: Geoprocessamento

Leia mais

6) Estatística Gráfica:

6) Estatística Gráfica: Estatística Descritiva Básica prof. Ilydio Pereira de Sá 36 UNIDADE II: ESTATÍSTICA GRÁFICA E MEDIDAS DE POSIÇÃO OU TENDÊNCIA CENTRAL Gráficos: barras, colunas, histogramas e polígonos de freqüências.

Leia mais

A importância institucional da cartografia de solos e a sua evolução do analógico ao digital. António Perdigão -DGADR

A importância institucional da cartografia de solos e a sua evolução do analógico ao digital. António Perdigão -DGADR A importância institucional da cartografia de solos e a sua evolução do analógico ao digital António Perdigão -DGADR Responsabilidades da DGADR, no contexto do Despacho nº 13434/2012 de 15 de Outubro de

Leia mais

Revisão de Estatística Básica:

Revisão de Estatística Básica: Revisão de Estatística Básica: Estatística: Um número é denominado uma estatística (singular). Ex.: As vendas de uma empresa no mês constituem uma estatística. Estatísticas: Uma coleção de números ou fatos

Leia mais

FOTOINTERPRETAÇÃO. Interpretação e medidas. Dado qualitativo: lago

FOTOINTERPRETAÇÃO. Interpretação e medidas. Dado qualitativo: lago FOTOINTERPRETAÇÃO a) conceito A fotointerpretação é a técnica de examinar as imagens dos objetos na fotografia e deduzir sua significação. A fotointerpretação é bastante importante à elaboração de mapas

Leia mais

Métodos de mapeamento para fenômenos qualitativos e quantitativos

Métodos de mapeamento para fenômenos qualitativos e quantitativos IT 508 - Cartografia Temática Representação cartográfica: Métodos de mapeamento para fenômenos qualitativos e quantitativos Profa.. Juliana Moulin Segundo os métodos padronizados, conforme o uso das variáveis

Leia mais

Planificação de Matemática -6ºAno

Planificação de Matemática -6ºAno DGEstE - Direção-Geral de Estabelecimentos Escolares Direção de Serviços Região Alentejo Agrupamento de Escolas de Moura código n.º 135471 Escola Básica nº 1 de Moura (EB23) código n.º 342294 Planificação

Leia mais

CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS

CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS Os Conteúdos Programáticos estão enunciados segundo o programa em vigor e as Metas Curriculares definidas pelo ministério da Educação e Ciência.* 1º Período 26/28 aulas previstas

Leia mais

ActivALEA. active e actualize a sua literacia

ActivALEA. active e actualize a sua literacia ActivALEA active e actualize a sua literacia N.º 25 HIISTOGRAMA Por: Maria Eugénia Graça Martins Departamento de Estatística e Investigação Operacional da FCUL memartins@fc.ul.pt Emília Oliveira Escola

Leia mais

SENSITOMETRIA - 2º Ano - FOTOGRAFIA. Capitulo 1 - CONCEITOS FUNDAMENTAIS

SENSITOMETRIA - 2º Ano - FOTOGRAFIA. Capitulo 1 - CONCEITOS FUNDAMENTAIS SENSITOMETRIA - 2º Ano - FOTOGRAFIA 2010-2011 Capitulo 1 - CONCEITOS FUNDAMENTAIS 1.A Conceitos Matemáticos Fundamentais Coordenadas Cartesianas e representação gráfica de uma função Função Seno e Co-seno

Leia mais

Introdução ao SIG. Objetivos Específicos 18/11/2010. Competência: Apresentar: Utilidade de um SIG

Introdução ao SIG. Objetivos Específicos 18/11/2010. Competência: Apresentar: Utilidade de um SIG MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE - MMA INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE - ICMBio DIRETORIA DE PLANEJAMENTO, ADMINISTRAÇÃO E LOGÍSTICA - DIPLAN COORDENAÇÃO GERAL DE GESTÃO DE PESSOAS -

Leia mais

Escola E.B. 2,3 de António Feijó. Ano letivo 2014 2015. Planificação anual. 7º ano de escolaridade

Escola E.B. 2,3 de António Feijó. Ano letivo 2014 2015. Planificação anual. 7º ano de escolaridade Escola E.B.,3 de António Feijó Ano letivo 04 05 Planificação anual 7º ano de escolaridade A Terra. Estudos e representações A representação da superfície terrestre A Geografia e o território Compreender

Leia mais

Departamento de Engenharia Civil Apoios Geodésico e Topográfico

Departamento de Engenharia Civil Apoios Geodésico e Topográfico Departamento de Engenharia Civil Apoios Geodésico e Topográfico Rosa Marques Santos Coelho Paulo Flores Ribeiro 2006 / 2007 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. TRIANGULAÇÃO E TRILATERAÇÃO... 3 2.1. Estabelecimento

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES ATIVIDADES ESTRATÉGIAS. Apresentação 1

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES ATIVIDADES ESTRATÉGIAS. Apresentação 1 ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES SECUNDÁRIO DISCIPLINA: DESENHO A ANO: º ANO LETIVO 0/0 COMPETÊNCIAS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS ATIVIDADES ESTRATÉGIAS AULAS PREVISTAS INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO

Leia mais

Definição. Cartografia é a ciência que têm como principal. objetivo a representação do espaço geográfico, de

Definição. Cartografia é a ciência que têm como principal. objetivo a representação do espaço geográfico, de Definição Cartografia é a ciência que têm como principal objetivo a representação do espaço geográfico, de seus elementos e de suas diversas atividades por meio da confecção de mapas, assim como sua utilização.

Leia mais

A = Alexandria S = Sienne. AS = 800 km estaca. AÊB = SÔA (alternos internos) AÊB = 7 12' AS = 7 12' B A. raios do Sol ao meio dia solar

A = Alexandria S = Sienne. AS = 800 km estaca. AÊB = SÔA (alternos internos) AÊB = 7 12' AS = 7 12' B A. raios do Sol ao meio dia solar Determinação experimental do perímetro da Terra e outras propostas de experiências envolvendo o ol e as suas sombras 1 eguem-se propostas de actividades, pensadas para serem concretizadas por professores

Leia mais

Introdução à Geodésia

Introdução à Geodésia UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA NATUREZA DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS Disciplina: Leitura e Interpretação de Cartas Introdução à Geodésia Prof. Dr. Richarde Marques richarde@geociencias.ufpb.br

Leia mais

Luz e Cor. Sistemas Gráficos/ Computação Gráfica e Interfaces FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO

Luz e Cor. Sistemas Gráficos/ Computação Gráfica e Interfaces FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO Luz e Cor Sistemas Gráficos/ Computação Gráfica e Interfaces 1 Luz Cromática Em termos perceptivos avaliamos a luz cromática pelas seguintes quantidades: 1. Matiz (Hue): distingue entre as várias cores

Leia mais

Geometria Descritiva A

Geometria Descritiva A Prova de Exame Nacional de Geometria Descritiva A Prova 708 2011 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Para: Direcção-Geral de Inovação e de Desenvolvimento Curricular

Leia mais

A diagramação é o ato de distribuir os elementos gráficos pontos, linhas, formas, textos, cores, em uma representação gráfica ou digital.

A diagramação é o ato de distribuir os elementos gráficos pontos, linhas, formas, textos, cores, em uma representação gráfica ou digital. Elementos de Diagramação Comunicação Visual A diagramação é o ato de distribuir os elementos gráficos pontos, linhas, formas, textos, cores, em uma representação gráfica ou digital. É construir, estruturar

Leia mais

Sistema de Informações Geográficas

Sistema de Informações Geográficas UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE Pós Graduação Ecologia e Manejo de Recursos Naturais Sistema de Informações Geográficas Prof. Fabiano Luiz Neris Criciúma, Março de 2011. A IMPORTÂNCIA DO ONDE "Tudo

Leia mais

Curso Técnico Superior Profissional em Desenvolvimento Web

Curso Técnico Superior Profissional em Desenvolvimento Web Curso Técnico Superior Profissional em Desenvolvimento Web PROVA DE AVALIAÇÃO DE CAPACIDADE REFERENCIAL DE CONHECIMENTOS E APTIDÕES Áreas relevantes para o curso de acordo com o n.º 4 do art.º 11.º do

Leia mais

A arte de conceber, de levantar, de redigir e de divulgar os mapas.

A arte de conceber, de levantar, de redigir e de divulgar os mapas. CARTOGRAFIA Cartografia (do grego chartis = mapa e graphein = escrita) é a ciência que trata da concepção, produção, difusão, utilização e estudo dos mapas. Joly (1990, p. 7) considera a cartografia como:

Leia mais

MNT: Modelagem Numérica de Terreno

MNT: Modelagem Numérica de Terreno MNT: Modelagem Numérica de Terreno I. 1ntrodução MODELO : Representação da realidade sob a forma material (representação tangível) ou sob a forma simbólica (representação abstrata). MODELO DO TERRENO:

Leia mais

Não sei em que mês nasci!

Não sei em que mês nasci! Não sei em que mês nasci! Cristina Martins, Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Bragança Paula Maria Barros, Escola Superior do Instituto Politécnico de Educação de Bragança Introdução

Leia mais

NORMALIZAÇÃO. desenho técnico

NORMALIZAÇÃO. desenho técnico NORMALIZAÇÃO desenho técnico 2004/2005 II Formatos do papel (NP 48) Normalização No mundo actual cada vez mais é necessário haver um conjunto de regras ou normas que permitam uma uniformização, quer nos

Leia mais

DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I (SEM 0564) Notas de Aulas v.2015. Aula 01 Introdução

DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I (SEM 0564) Notas de Aulas v.2015. Aula 01 Introdução DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I (SEM 0564) Notas de Aulas v.2015 Aula 01 Introdução DEFINIÇÃO Desenho Técnico é a linguagem técnica e gráfica empregada para expressar e documentar formas, dimensões, acabamento,

Leia mais

Cores são efetivas na codificação de informação?

Cores são efetivas na codificação de informação? Cores são efetivas na codificação de informação? Sistema Visual Sinais visuais Radiações Sinais luminosos Sinais elétricos Fóvea ou mancha amarela Cones sensíveis a comprimento de onda curto, médio e longo

Leia mais

Escola Básica e Secundária de Velas LINHAS DE EXPLORAÇÃO DO QUADRO DE COMPETÊNCIAS. Educação Visual

Escola Básica e Secundária de Velas LINHAS DE EXPLORAÇÃO DO QUADRO DE COMPETÊNCIAS. Educação Visual Escola Básica e Secundária de Velas LINHAS DE EXPLORAÇÃO DO QUADRO DE COMPETÊNCIAS Educação Visual Escola Básica e Secundária de Velas DISCIPLINA: EDUCAÇÃO VISUAL COMPETÊNCIAS ESSENCIAIS REGIONAIS COMPETÊNCIAS

Leia mais

Planificação Geografia 7º ano Ano Letivo 2012 / 2013

Planificação Geografia 7º ano Ano Letivo 2012 / 2013 Planificação Geografia 7º ano Ano Letivo 0 / 0 I Unidade: A Terra: estudos e representações II Unidade: Meio Natural Conteúdos Conceitos Estruturantes Competências Essenciais Estratégias Recursos/Materiais

Leia mais

Engenharia Civil Topografia e Geodésia. Curso Técnico em Edificações Topografia GEODÉSIA

Engenharia Civil Topografia e Geodésia. Curso Técnico em Edificações Topografia GEODÉSIA e Geodésia GEODÉSIA e Geodésia GEODÉSIA O termo Geodésia, em grego Geo = terra, désia = 'divisões' ou 'eu divido', foi usado, pela primeira vez, por Aristóteles (384-322 a.c.), e pode significar tanto

Leia mais

Formas de representação:

Formas de representação: 1 Formas de representação: Curvas de Nível Perfil Topográfico Carta Hipsométrica Maquete de Relevo 2 CURVAS DE NÍVEL São isolinhas de altitude, ou seja linhas que representam todos os pontos de igual altitude

Leia mais

CARTOGRAFIA E O ENSINO DE GEOGRAFIA

CARTOGRAFIA E O ENSINO DE GEOGRAFIA CARTOGRAFIA E O ENSINO DE GEOGRAFIA O ensino da Geografia pode e deve ter como objetivo preparar os alunos para o exercício da cidadania, dando a idéia do pertencer a certa realidade, integrada pelas relações

Leia mais

Enquadramento e Conceitos Fundamentais

Enquadramento e Conceitos Fundamentais Licenciatura em Engenharia Informática e de Computadores Computação Gráfica Enquadramento e Conceitos Fundamentais Edward Angel, Cap. 1 Questão 9, exame de 29/06/11 [0.5v] Identifique e descreva os três

Leia mais

MODELAGEM DIGITAL DE SUPERFÍCIES

MODELAGEM DIGITAL DE SUPERFÍCIES MODELAGEM DIGITAL DE SUPERFÍCIES Prof. Luciene Delazari Grupo de Pesquisa em Cartografia e SIG da UFPR SIG 2012 Introdução Os modelo digitais de superficie (Digital Surface Model - DSM) são fundamentais

Leia mais

Dado Vetorial. Características do Dado Vetorial. Usa entidades como ponto, linha e polígono para identificar localizações;

Dado Vetorial. Características do Dado Vetorial. Usa entidades como ponto, linha e polígono para identificar localizações; Estrutura dos Dados Geográficos Organização lógica dos dados para preservar sua integridade e facilitar o seu uso. Vetorial Raster ou Matricial Dado Vetorial Usa entidades como ponto, linha e polígono

Leia mais

ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA CLARA DE RESENDE

ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA CLARA DE RESENDE 1. NÚMEROS NATURAIS ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA CLARA DE RESENDE CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO ESPECÍFICOS (Aprovados em Conselho Pedagógico a 21 de Outubro de 2014) No caso específico da disciplina de Matemática,

Leia mais

Laboratório de Cartografia Digital - CTUFES

Laboratório de Cartografia Digital - CTUFES Geotecnologias Planejamento e Gestão AULA 05 Fundamentos de Geodésia Geodésia - Definição: Geodésia é a ciência de medida e mapeamento das variações temporais da superfície da Terra, considerando seu campo

Leia mais

REFLEXO DO PONTO, SEGMENTO DE RECTA E FIGURA GEOMÉTRICA NUM ESPELHO VERTICAL

REFLEXO DO PONTO, SEGMENTO DE RECTA E FIGURA GEOMÉTRICA NUM ESPELHO VERTICAL Figura 156. Óleo sobre tela de Almada Negreiros (1893-1970). Retrato do Poeta Fernando Pessoa. Apesar de parecer uma composição na base do quadrado devido à quadrícula do soalho, é na realidade um rectângulo.

Leia mais

UFGD FCA PROF. OMAR DANIEL BLOCO 4 PROCESSAMENTO DE IMAGENS

UFGD FCA PROF. OMAR DANIEL BLOCO 4 PROCESSAMENTO DE IMAGENS UFGD FCA PROF. OMAR DANIEL BLOCO 4 PROCESSAMENTO DE IMAGENS Executar as principais técnicas utilizadas em processamento de imagens, como contraste, leitura de pixels, transformação IHS, operações aritméticas

Leia mais

Classificação / Indexação

Classificação / Indexação Classificação / Indexação Classificação Entende-se por classificação: o processo pelo qual se torna possível dispor de uma forma ordenada, um determinado conjunto de elementos, de molde a facilitar a sua

Leia mais

EXERCÍCIOS DE APOIO ÀS AULAS PRÁTICAS DE TOPOGRAFIA ENGENHARIA CIVIL

EXERCÍCIOS DE APOIO ÀS AULAS PRÁTICAS DE TOPOGRAFIA ENGENHARIA CIVIL EXERCÍCIOS DE APOIO ÀS AULAS PRÁTICAS DE TOPOGRAFIA ENGENHARIA CIVIL INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL E ARQUITECTURA DOCENTES (2009/2010) 2009/2010 Ana Paula Falcão Flôr Ricardo

Leia mais

Aula 1. Atividades. V. A cartografia é a arte que tem o interesse de explicar a origem do planeta Terra. Estão corretas: e) II, IV e V.

Aula 1. Atividades. V. A cartografia é a arte que tem o interesse de explicar a origem do planeta Terra. Estão corretas: e) II, IV e V. Aula 1 1. Atividades A palavra cartografia é relativamente nova, sendo utilizada pela primeira vez em 8 de dezembro de 1839. Seu uso aconteceu na carta escrita em Paris, enviada pelo português Visconde

Leia mais

Introdução ao Controlo Numérico Computorizado I Conceitos Gerais. João Manuel R. S. Tavares Joaquim Oliveira Fonseca

Introdução ao Controlo Numérico Computorizado I Conceitos Gerais. João Manuel R. S. Tavares Joaquim Oliveira Fonseca Introdução ao Controlo Numérico Computorizado I Conceitos Gerais João Manuel R. S. Tavares Joaquim Oliveira Fonseca Bibliografia Controlo Numérico Computorizado, Conceitos Fundamentais Carlos Relvas Publindústria,

Leia mais

Sensoriamento Remoto. Características das Imagens Orbitais

Sensoriamento Remoto. Características das Imagens Orbitais Sensoriamento Remoto Características das Imagens Orbitais 1 - RESOLUÇÃO: O termo resolução em sensoriamento remoto pode ser atribuído a quatro diferentes parâmetros: resolução espacial resolução espectral

Leia mais

Gramática Visual. Composição

Gramática Visual. Composição Gramática Visual Composição Uma comunicação visual composta de formas expressivas possui um conteúdo de valores significativos. As formas são organizadas num espaço limitado: o espaço visual ou campo

Leia mais

CAPÍTULO 1- OPERAÇÕES COM NÚMEROS INTEIROS Indicadores de aprendizagem Verifica se sabes: Identificar o conjunto dos números inteiros.

CAPÍTULO 1- OPERAÇÕES COM NÚMEROS INTEIROS Indicadores de aprendizagem Verifica se sabes: Identificar o conjunto dos números inteiros. CAPÍTULO 1- OPERAÇÕES COM NÚMEROS INTEIROS Identificar o conjunto dos números inteiros. Representar na recta numérica os números inteiros. Indicar o valor absoluto e o simétrico de um número. Comparar

Leia mais

COLÉGIO JOÃO PAULO I GEOGRAFIA - EXERCÍCIOS PARA TRIMESTRAL 1

COLÉGIO JOÃO PAULO I GEOGRAFIA - EXERCÍCIOS PARA TRIMESTRAL 1 COLÉGIO JOÃO PAULO I GEOGRAFIA - EXERCÍCIOS PARA TRIMESTRAL 1 Professor(a): Richard 1) Sobre as coordenadas geográficas, assinale a alternativa correta. a) A longitude é determinada pelo ângulo formado

Leia mais

PRINCÍPIOS BÁSICOS. de Cartografia e Sistemas de Informação Geográfica. Autor: Prof. Constantino Wilson Nassel

PRINCÍPIOS BÁSICOS. de Cartografia e Sistemas de Informação Geográfica. Autor: Prof. Constantino Wilson Nassel PRINCÍPIOS BÁSICOS de Cartografia e Sistemas de Informação Geográfica Autor: Prof. Constantino Wilson Nassel Maputo Moçambique Maio - 2011 i Ficha Técnica Título: Princípios Básicos de Cartografia e Sistemas

Leia mais

As informações apresentadas neste documento não dispensam a consulta da legislação em vigor e do programa da disciplina.

As informações apresentadas neste documento não dispensam a consulta da legislação em vigor e do programa da disciplina. AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PINHEIRO ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA INFORMAÇÃO- EXAME PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE FÍSICA ENSINO SECUNDÁRIO 12º ANO 2011/2012 1- INTRODUÇÃO O presente documento visa

Leia mais

Capítulo IV TAQUEOMETRIA

Capítulo IV TAQUEOMETRIA 62 Capítulo IV TAQUEOMETRIA 1. Princípios Gerais A taqueometria, do grego takhys (rápido), metren (medição), compreende uma série de operações que constituem um processo rápido e econômico para a obtenção

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO SOBRE O ESTUDO DO LEITO DE CHEIA NUM TROÇO DO RIO MONDEGO

RELATÓRIO TÉCNICO SOBRE O ESTUDO DO LEITO DE CHEIA NUM TROÇO DO RIO MONDEGO RELATÓRIO TÉCNICO SOBRE O ESTUDO DO LEITO DE CHEIA NUM TROÇO DO RIO MONDEGO Instituto da Água - Direcção de Serviços de Recursos Hídricos Sónia Fernandes, Ana Catarina Mariano, Maria Teresa Álvares, Maria

Leia mais

6. AGRICULTURA DE PRECISÃO. EXEMPLO DA AVALIAÇÃO DO EFEITO DA TOPOGRAFIA E DA REGA SOBRE A VARIABILIDADE ESPACIAL E TEMPORAL DA PRODUTIVIDADE DO MILHO

6. AGRICULTURA DE PRECISÃO. EXEMPLO DA AVALIAÇÃO DO EFEITO DA TOPOGRAFIA E DA REGA SOBRE A VARIABILIDADE ESPACIAL E TEMPORAL DA PRODUTIVIDADE DO MILHO 6. AGRICULTURA DE PRECISÃO. EXEMPLO DA AVALIAÇÃO DO EFEITO DA TOPOGRAFIA E DA REGA SOBRE A VARIABILIDADE ESPACIAL E TEMPORAL DA PRODUTIVIDADE DO MILHO José Rafael Marques da Silva (1) e Luís Leopoldo Silva

Leia mais

b : nas representações gráficas de funções do tipo

b : nas representações gráficas de funções do tipo do as suas escolhas a partir daí. Nesta situação, tendem a identificar as assímptotas verticais, as assímptotas horizontais e a associar as representações analítica e gráfica que têm estas características

Leia mais

Dados para mapeamento

Dados para mapeamento Dados para mapeamento Existem dois aspectos com relação aos dados: 1. Aquisição dos dados para gerar os mapas 2. Uso do mapa como fonte de dados Os métodos de aquisição de dados para o mapeamento divergem,

Leia mais

I Seminário SIGCidades: Cadastro Territorial Multifinalitário. Fundamentos de Cartografia aplicados aos SIGs

I Seminário SIGCidades: Cadastro Territorial Multifinalitário. Fundamentos de Cartografia aplicados aos SIGs I Seminário SIGCidades: Cadastro Territorial Multifinalitário Fundamentos de Cartografia aplicados aos SIGs 1. FORMA DA TERRA Geóide Elipsóide Esfera Modelos de representação da Terra O modelo que mais

Leia mais

Geomática Aplicada à Engenharia Civil. 1 Fotogrametria

Geomática Aplicada à Engenharia Civil. 1 Fotogrametria Geomática Aplicada à Engenharia Civil 1 Fotogrametria Conceitos 2 Segundo Wolf (1983), a Fotogrametria pode ser definida como sendo a arte, a ciência e a tecnologia de se obter informações confiáveis de

Leia mais

CARTOGRAFIA TEMÁTICA e GPS

CARTOGRAFIA TEMÁTICA e GPS CARTOGRAFIA TEMÁTICA e GPS Orientação e Forma Diversidade = A visibilidade é variável Ordem = As categorias se ordenam espontaneamente Proporcionalidade = relação de proporção visual Cores convencionais

Leia mais

PROGRAMA AVES Inquérito de Opinião, Competências e Valores - Resultados de 2004

PROGRAMA AVES Inquérito de Opinião, Competências e Valores - Resultados de 2004 PROGRAMA AVES Inquérito de Opinião, Competências e Valores - Resultados de 2004 António M. Fonseca Introdução No âmbito dos objectivos do Programa AVES Avaliação de escolas com ensino secundário, a vontade

Leia mais

10 A demonstração nos programas de Matemática: Uma análise transversal

10 A demonstração nos programas de Matemática: Uma análise transversal 10 A demonstração nos programas de Matemática: Uma análise transversal Cecília Costa Departamento de Matemática da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro Pedro Tadeu ESTIG Instituto Politécnico de

Leia mais

Aplicações CBERS na Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Aplicações CBERS na Universidade Federal do Rio Grande do Sul Aplicações CBERS na Universidade Federal do Rio Grande do Sul Pesquisas CBERS - UFRGS 2001: Início do projeto Participantes: - PPG-SR / CEPSRM - Instituto de Geociências Geodésia Geografia Geologia - Faculdade

Leia mais

EXERCÍCIOS EXERCÍCIOS. Definições Básicas. Definições Básicas. Definições Básicas. Introdução à Estatística. Dados: valores de variáveis observadas.

EXERCÍCIOS EXERCÍCIOS. Definições Básicas. Definições Básicas. Definições Básicas. Introdução à Estatística. Dados: valores de variáveis observadas. Definições Básicas Introdução à Estatística ESTATÍSTICA: estudo dos métodos para coletar, organizar, apresentar e analisar dados. População: conjunto constituído por todos os indivíduos que apresentem

Leia mais

Gráficos tridimensionais. Introdução ao MATLAB p.1/31

Gráficos tridimensionais. Introdução ao MATLAB p.1/31 Gráficos tridimensionais Introdução ao MATLAB p1/31 Introdução Existe uma grande variedade de funções para exibir dados em três dimensões Podemos utilizar curvas em três dimensões, superfícies em retalhos

Leia mais

15- Representação Cartográfica - Estudos Temáticos a partir de imagens de Sensoriamento Remoto

15- Representação Cartográfica - Estudos Temáticos a partir de imagens de Sensoriamento Remoto 15- Representação Cartográfica - Estudos Temáticos a partir de imagens de Sensoriamento Remoto O Sensoriamento Remoto é uma técnica que utiliza sensores, na captação e registro da energia refletida e emitida

Leia mais

Prova de Aferição de Matemática

Prova de Aferição de Matemática PROVA DE AFERIÇÃO DO ENSINO BÁSICO 2008 A PREENCHER PELO ALUNO Rubrica do Professor Aplicador Nome A PREENCHER PELO AGRUPAMENTO Número convencional do Aluno Número convencional do Aluno A PREENCHER PELA

Leia mais

Plano Curricular de Geografia- 3º Ciclo -7ºAno 2014/2015

Plano Curricular de Geografia- 3º Ciclo -7ºAno 2014/2015 Terra: Estudos e Representações Plano Curricular de Geografia- 3º Ciclo -7ºAno 2014/2015 Domínio Subdomínios /Objetivos Gerais Descritores Nº de Aulas Previstas 1- A Geografia e o Território 1.1-Compreender

Leia mais

REPRESENTAÇÃO DO RELEVO

REPRESENTAÇÃO DO RELEVO REPRESENTAÇÃO DO RELEVO Nas cartas topográficas o relevo é representado através de curvas de níveis e pontos cotados com altitudes referidas ao nível médio do mar (datum vertical) Ponto Cotado - é a projeção

Leia mais

Sistemas de Informação Geográfica Aula 3

Sistemas de Informação Geográfica Aula 3 Sistemas de Informação Geográfica Aula 3 Introdução Equipamentos de entrada de dados são dispositivos que convertem dados analógicos e mapas impressos no papel em mídia m eletrônica ou digital para serem

Leia mais

I CURSO EM TÉCNICAS DE PLANEAMENTO DE REDES PRIMÁRIAS DE DFCI. Metodologia de representação das RPDFCI

I CURSO EM TÉCNICAS DE PLANEAMENTO DE REDES PRIMÁRIAS DE DFCI. Metodologia de representação das RPDFCI Mário Pereira da Costa mario.costa@afn.min-agricultura.pt I CURSO EM TÉCNICAS DE PLANEAMENTO DE REDES PRIMÁRIAS DE DFCI Metodologia de representação das RPDFCI COTF - Lousã 11 a 13 de Maio de 2009 OBJECTIVOS

Leia mais

Conceitos de Design Gráfico. Disciplina de Design Gráfico

Conceitos de Design Gráfico. Disciplina de Design Gráfico Conceitos de Design Gráfico Disciplina de Design Gráfico Índice Projeto de Design Gráfico Layouts Efetivos Elementos de Design Princípios de Design Referências Bibliográficas 2 Projeto de Design Gráfico

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE AMORA

ESCOLA SECUNDÁRIA DE AMORA ESCOLA SECUNDÁRIA DE AMORA PLANIFICAÇÃO ANUAL 2013/2014 ECONOMIA A (10º ANO) Página 1 de 10 Finalidades da disciplina de Economia A, no conjunto dos dois anos da sua leccionação: Perspectivar a Economia

Leia mais

Explorações de alunos

Explorações de alunos A partir dos exemplos sugeridos e explorados pelos alunos pretende-se que possam conjecturar que, dadas duas funções reais de variável real f e g, o domínio da função quociente pode ser dado por: f f g

Leia mais

Escola Secundária Mouzinho da Silveira Departamento de Ciências Sociais e Humanas Grupo de Recrutamento 420 Ano Letivo de 2014 / 2015 Curso Básico

Escola Secundária Mouzinho da Silveira Departamento de Ciências Sociais e Humanas Grupo de Recrutamento 420 Ano Letivo de 2014 / 2015 Curso Básico Escola Secundária Mouzinho da Silveira Departamento de Ciências Sociais e Humanas Grupo de Recrutamento 420 Ano Letivo de 2014 / 2015 Curso Básico Planificação Anual da disciplina de GEOGRAFIA 7 º Ano

Leia mais

FACULDADE SUDOESTE PAULISTA CURSO - ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA- TOPOGRAFIA

FACULDADE SUDOESTE PAULISTA CURSO - ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA- TOPOGRAFIA FACULDADE SUDOESTE PAULISTA CURSO - ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA- TOPOGRAFIA EXERCÍCIO DE REVISÃO 1. Com base nos seus conhecimentos, complete a lacuna com a alternativa abaixo que preencha corretamente

Leia mais

7.5 Planialtimetria 7.5.1 Topologia Tem por objetivo o estudo das formas da superfície terrestre e das leis que regem o seu modelado.

7.5 Planialtimetria 7.5.1 Topologia Tem por objetivo o estudo das formas da superfície terrestre e das leis que regem o seu modelado. CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SANTA CATARINA UNIDADE DE FLORIANÓPOLIS DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE CONSTRUÇÃO CIVIL CURSO TÉCNICO DE GEOMENSURA MÓDULO II UNIDADE CURRICULAR TOPOGRAFIA III 7.5

Leia mais

PROPOSTA DE MARCA UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR 2ª Fase de Concurso Número de aluno 20710

PROPOSTA DE MARCA UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR 2ª Fase de Concurso Número de aluno 20710 PROPOSTA DE MARCA UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR 2ª Fase de Concurso Número de aluno 20710 01. UNIVERSO Antes de qualquer construção de uma nova marca, o primeiro passo deve ser sempre perceber qual o

Leia mais

FUNDAMENTOS DE CARTOGRAFIA

FUNDAMENTOS DE CARTOGRAFIA FUNDAMENTOS DE CARTOGRAFIA Fontes: - Curso de GPS e Cartografia Básica Instituto CEUB de Pesquisa e Desenvolvimento. - Apostila Geodésia Geométrica Antonio S. Silva / Joel G. Jr. - Noções Básicas de Cartografia

Leia mais

O Significado das Representações Gráficas Cartográficas no Ensino. Mafalda Nesi Francischett Universidade do Oeste do Paraná UNIOESTE

O Significado das Representações Gráficas Cartográficas no Ensino. Mafalda Nesi Francischett Universidade do Oeste do Paraná UNIOESTE O Significado das Representações Gráficas Cartográficas no Ensino Mafalda Nesi Francischett Universidade do Oeste do Paraná UNIOESTE Índice Introdução............................. 1 1 Cartografia como

Leia mais

TOPOGRAFIA. Conceitos Fundamentais

TOPOGRAFIA. Conceitos Fundamentais TOPOGRAFIA Conceitos Fundamentais Conceitos Fundamentais Topografia topos (lugar) + graphein (descrever) descrição exacta e rigorosa de um lugar Conjunto dos princípios, métodos, aparelhos e convenções

Leia mais

Manual de Identidade Corporativa

Manual de Identidade Corporativa Manual de Identidade Corporativa Identidade Corporativa O que é Identidade Corporativa Identidade Corporativa é o conjunto de imagens, símbolos, logotipos, cores, fontes e padrões gráficos que são definidos

Leia mais

ISF 203: ESTUDOS TOPOGRÁFICOS PARA PROJETOS BÁSICOS DE FERROVIAS

ISF 203: ESTUDOS TOPOGRÁFICOS PARA PROJETOS BÁSICOS DE FERROVIAS ISF 203: ESTUDOS TOPOGRÁFICOS PARA PROJETOS BÁSICOS DE FERROVIAS 1. OBJETIVO Definir e especificar os serviços de Estudos Topográficos nos Projetos Básicos de Engenharia Ferroviária. Devem ser considerados

Leia mais

Aula 12 O SISTEMA UTM, A CARTA INTERNACIONAL AO MILIONÉSIMO E O DESDOBRAMENTO DAS FOLHAS TOPOGRÁFICAS

Aula 12 O SISTEMA UTM, A CARTA INTERNACIONAL AO MILIONÉSIMO E O DESDOBRAMENTO DAS FOLHAS TOPOGRÁFICAS Aula 12 O SISTEMA UTM, A CARTA INTERNACIONAL AO MILIONÉSIMO E O DESDOBRAMENTO DAS FOLHAS TOPOGRÁFICAS META Apresentar o sistema UTM como forma de localização dos elementos terrestres e a composição das

Leia mais

DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO ALENTEJO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE FRONTEIRA PLANIFICAÇÃO ANUAL

DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO ALENTEJO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE FRONTEIRA PLANIFICAÇÃO ANUAL DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO ALENTEJO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE FRONTEIRA PLANIFICAÇÃO ANUAL Professor: Pedro Miguel Bezerra Disciplina: Matemática Ano: 6 Turma: A Ano lectivo: 2011/2012 Objectivos

Leia mais

Prova Escrita de Matemática Aplicada às Ciências Sociais

Prova Escrita de Matemática Aplicada às Ciências Sociais EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Matemática Aplicada às Ciências Sociais 10.º/11.º anos ou 11.º/12.º anos de Escolaridade Prova 835/1.ª Fase

Leia mais

ÍNDICE. 1. Marca 1.1 Valores 1.2 Conceito visual

ÍNDICE. 1. Marca 1.1 Valores 1.2 Conceito visual 09.05.2013 ÍNDICE 1. Marca 1.1 Valores 1.2 Conceito visual 2. Elementos Visuais 2.1 Construção 2.2 Área de protecção 2.3 Dimensão mínima 2.4 Tipografia 2.5 Cores 2.6 Marca Registada 3. Assinatura 3.1 Conceito

Leia mais

AGRUPAMENTO DE CLARA DE RESENDE COD. 346 779 COD. 152 870

AGRUPAMENTO DE CLARA DE RESENDE COD. 346 779 COD. 152 870 CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO ( Aprovados em Conselho Pedagógico de 21 de Outubro de 2014) No caso específico da disciplina de FÍsica, do 12ºano de escolaridade, a avaliação incidirá ainda ao nível

Leia mais

P L A N I F I C A Ç Ã O A M É D I O P R A Z O

P L A N I F I C A Ç Ã O A M É D I O P R A Z O DISCIPLINA: Geografia ANO: 7ºano TURMAS: B, C ed ANO LECTIVO: 2011/2012 P L A N I F I C A Ç Ã O A M É D I O P R A Z O UNIDADE DIDÁTICA 1: A Terra: Estudos e Representações (1º Período) AULAS PREVISTAS:

Leia mais