GABARITO IDS04. Na tabela exemplo o atributo NOME_DEPARTAMENTO vai conter o nome do departamento para cada tupla cadastrada de um empregado.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GABARITO IDS04. Na tabela exemplo o atributo NOME_DEPARTAMENTO vai conter o nome do departamento para cada tupla cadastrada de um empregado."

Transcrição

1 GABARITO IDS04 Questão 1 A tabela denominada na questão de AUSENTES possui uma redundância, que é definida como a situação em que ocorre o armazenamento de uma mesma informação mais de uma vez no banco de dados. O conceito de banco de dados determina que os dados de uma tabela devem ser integrados (e compartilhados, mas não é fundamental na presente questão). Por integrado entende-se que os dados devem ser livres de qualquer redundância. Para corrigir a tabela da presente questão temos duas soluções: 1- A primeira solução consiste em eliminar a redundância e, desta forma, o atributo NOME_EMPREGADO deverá ser retirado da tabela AUSENTES com a finalidade de eliminar a redundância existente. 2- A segunda consiste em manter a redundância, mas implementar o seu controle de modo que qualquer alteração no nome do empregado na tabela EMPREGADOS, automaticamente é alterado o nome do empregado no atributo redundante que se encontra na tabela AUSENTES. Para alcançar o objetivo desta implementação é necessário criar um objeto no banco de dados denominado de Trigger que controla a citada redundância. Desta forma a redundância passa ser controlada. Um banco de dados com redundância não controlada faz com que o banco de dados seja inconsistente. Questão 2 a) Diferente do que acontece em uma interface, com classe abstrata é possível declarar campos que não sejam static ou final, e definir métodos concretos (métodos que possuam implementação). b) Quando duas equipes de programadores diferentes precisam definir um "contrato" que explicita como determinadas classes interagem. Ou seja, definir as assinaturas dos métodos de classes que serão desenvolvidas por uma equipe e serão utilizadas por outra equipe Questão 3 Uma tabela com anomalia de atualização é aquela que possui redundância de dados, causando a digitação de dados iguais, repetição de dados, em cada tupla que tiver que ser incluída na tabela. Exemplo: EMPREGADO MATRICULA NOME_EMPREGADO CODIGO_DEPARTAMENTO NOME_DEPARTAMENTO Na tabela exemplo o atributo NOME_DEPARTAMENTO vai conter o nome do departamento para cada tupla cadastrada de um empregado. 1. Anomalia de inclusão de novas tuplas: a) Ao incluir uma nova tupla é necessário digitar o nome do departamento, mesmo que o nome já se encontre para outro empregado. Tal fato causa erro no nome de um mesmo departamento digitado várias vezes, devido a repetição do mesmo. b) Ao incluir um novo departamento é necessário digitar os dados de um novo empregado (nova matrícula), fato que não era a intenção inicial. 2. Anomalia de alteração de dados: Ao alterar o nome do departamento em uma tupla é necessário alterar em várias tuplas, ou seja, em cada tupla que possui o mesmo nome de departamento.

2 3. Anomalia de exclusão de dados: Ao excluir o único empregado que se encontra cadastrado em um departamento, exclui-se também o departamento com seu código e nome. Esta última exclusão não era o objetivo inicial. A correção de uma tabela com anomalia de atualização é por meio do conceito das Formas Normais. Devem ser aplicadas pelo menos as três primeiras regras das formas normais denominadas de 1 a, 2 a, 3 a Forma Normal. Se a tabela está normalizada essas anomalias não ocorrem. Questão 4 O relacionamento entre duas tabelas possui o conceito denominado de Restrição de Integridade. Nas duas tabelas relacionadas da questão há dois erros que ferem esta restrição: 1. Restrição de Integridade de Entidade Esta restrição estabelece que nenhum atributo pertencente a chave primária poderá receber valor NULL. A última tupla da tabela EMPREGADO possui o valor da matrícula, chave primária da tabela, conteúdo igual a NULL. 2. Restrição de Integridade Referencial A restrição denominada de referencial determina que se o valor da chave estrangeira for diferente de NULL, esse valor deverá existir na tabela onde a chave estrangeira é chave primária, ou se já, na tabela referenciada. A mesma última tupla possui um valor na chave estrangeira que é Z e esse valor não existe na tabela referenciada DEPARTAMENTO. Lembrar que a tabela referenciada possui duas tuplas, com chave primária X e Y. Questão 5 Linha 1: contém a função principal da linguagem C, a primeira a ser executada, e o início do bloco desta função. Linha 2: declara duas variáveis como sendo do tipo de dado integer (int) a e b, b sendo inicializada no momento de sua declaração com o valor 10. Também é declarado um ponteiro para o tipo de dado int denominado de Pt. Linha 3: nessa linha há uma atribuição juntamente com um incrementado da variável b, através do operador ++. Este operador é um pós-incremento que determina que deverá ocorrer o processamento, que no caso é uma atribuição, e depois, por isso é pósincremento, o incremento da variável. Dessa forma, primeiro a atribuição, a variável a recebe (ou a ela é atribuído) o valor 10, conteúdo da variável b, e, depois, a variável b é incrementada. Como o conteúdo da variável b é 10, então, à variável a é atribuído o valor 10. Após essa atribuição, a variável b é incrementada de uma unidade e o conteúdo dela passa a ser 11. Linha 4: o conteúdo das duas variáveis a e b são exibidas ou apresentadas na tela do computador com os valores, respectivamente, 10 e 11 (a contém 10 e b contém 11). Linha 5: A variável ponteiro Pt recebe o endereço da variável a por meio do operador & que precede a variável a. Linha 6: o conteúdo do endereço de memória, que é o conteúdo da variável ponteiro Pt, é exibido ou apresentado na tela. O conteúdo do endereço é um número inteiro e é exatamente o primeiro valor armazenado para a variável a, que é 10, o conteúdo inicial da variável b. Linha 7: nessa linha, conforme a linha 3, é uma atribuição para a variável a, juntamente com um incremento da variável b. No entanto, no presente comando, a atribuição é denominada de pré-incremento, significando que primeiro é a variável b é incrementada, depois que ocorre a atribuição, que é o processamento a ser realizado no comando. Linha 8: são exibidos ou apresentados os conteúdos das variáveis a e b, que são, respectivamente, 12 e 12. Linha 9: finaliza o bloco da função principal main.

3 Questão 6 a) Uma coleção que implementa a interface Set não pode conter elementos duplicados, já uma que implementa a interface List pode conter elementos duplicados. Uma coleção que implementa a interface List possuem obrigatoriamente métodos para manipular elementos baseados na sua posição numérica, já uma coleção que implementa a interface Set não é obrigada a implementar tais métodos. b) HashSet e TreeSet c) ArrayList e LinkedList Questão 7 try { teste(); } catch (Tipo2Exception e) { System.out.println("Exceção Tipo2"); } catch (Tipo1Exception e) { System.out.println("Exceção Tipo1"); } catch (Exception e) { System.out.println("Exceção Desconhecida"); } finally { System.out.println("Término"); } } Questão 8 <!DOCTYPE html> <html> <head> <meta charset="utf-8"> <title> Página em HTML5</title> </head> <body> <header> <h1>página em HTML5</h1> </header> <nav> <a href="/pagina1.html">página 1</a> <a href="/pagina2.html">página 2</a> </nav> <article> <p>texto parágrafo 1</p> <p>texto parágrafo 1</p> </article> <video width="300" height="300" controls autoplay> <source src="filme.mp4" type="video/mp4"> </video>

4 </body> </html> Questão 9 a) Diferenciar Classe de Objeto. As palavras reservadas Classe e Objeto são facilmente confundidas em diversos textos que se propõe a explicar POO. Em termos gerais, uma classe é uma abstração que representa alguma coisa, e o objeto é a usabilidade dessa representação definida pela classe. Pode-se também afirmar que uma classe é um gabarito para a definição de objetos. Através da definição de uma classe, descreve-se que propriedades ou atributos e métodos ou procedimentos/funções que o objeto terá. Nesse caso, uma classe é uma essência de um objeto. Por analogia com a construção civil, o arquiteto escreveria a classe e o engenheiro a invocaria transformando-a em um objeto. Objetos são i 7uuuu u nstâncias de classe. b) Conceituar e descrever cada um dos quatro princípios básicos. 1) ABSTRAÇÃO : é uma forma comum de raciocínio em matemática. A álgebra, por exemplo, nos permite criar modelos capazes de resolver problemas reais. Na esfera da computação, a abstração nos permite extrair determinadas características das coisas do mundo real e utilizá-las de forma que resultem em informações que sirvam a propósitos determinados. Imagine uma pessoa respirando num lugar qualquer do universo. Para determinado sistema de informação essa pessoa pode ser tratada como Aluno. Para outro sistema, entretanto, pode ser tratada como Contribuinte, e assim por diante. Cada um dos sistemas elimina detalhes da pessoa e se concentra nos dados que mais interessam. Para um sistema, a cor dos olhos, por exemplo, pode não ser relevante, e sim a renda pessoal. Conclui-se que a abstração pode ser representada como uma filtragem dos detalhes de determinado objeto, de forma que o resultado do processo sejam as características apropriadas a um determinado sistema de informação. Quando fazemos uma modelagem de dados, estamos descrevendo as características essenciais dos objetos que irão servir como alicerce de produção de informações. Abstração é a prática de nos concentrarmos somente nos detalhes mais importantes de um objeto, possibilitando o descarte de aspectos menos importantes para a funcionalidade do mesmo. Em OO, se uma classe contiver apenas as informações necessárias, é muito provável que ela seja reutilizada com facilidade e uma das maiores vantagens da POO é a reutilização do código. 2) ENCAPSULAMENTO : na programação orientada a objetos, as coisas existentes no mundo real são, obviamente, tratadas como objetos. Um objeto nada mais é do que qualquer elemento definido por um conjunto de características próprias. Para simplificar, um objeto pode ser considerado como um conjunto de dados. A maioria das linguagens de programação fornece uma maneira de agrupar dados no que conhecemos domo estrutura ou registro. O conceito de encapsulamento se agrega ao da abstração quando reconhece tanto a importância dos dados quanto as operações que se podem realizar com eles. O encapsulamento empacota dados e operações de determinado objeto em entidade única, de forma que, conhecendo o objeto, podemos identificar as operações que ele pode suportar. Encapsulamento é a prática de esconder como um objeto executa as suas operações, quando ele for solicitado por um cliente. Exemplo: ao pressionar o pedal acelerador de um carro (objeto), nós (clientes) não precisamos saber que ele irá aumentar a quantidade de combustível e ar enviada ao motor. Para o cliente basta saber que, ao pressionar o pedal do acelerador, o carro irá adquirir maior velocidade. 3) HERANÇA : na linguagem comum, o termo herança normalmente significa uma pequena fortuna, que uma pessoa dixa para outra. Na programação orientada a objetos, herança tem significado semelhante. Em linhas gerais, os objetos podem receber características de outros objetos e transferi-las para os seus descendentes. Herança é um mecanismo único da OO que permite que características comuns a diversas classes sejam generalizadas em uma Classe Base ou SuperClasse. A partir de Classe Base, outras classes podem ser derivadas. Cada Classe Derivada ou SubClasse apresenta as características da Classe Base, possibilitando não só o acréscimo de particularidades, mas também a alteração, quando possível, da estrutura que herdou. 4) POLIMORFISMO : quando se trata de orientação a objetos, polimorfismo refere-se ao poder que os objetos de classes distintas têm de invocar um mesmo método e obter comportamento diferente. Polimorfismo é o comportamento diferenciado de uma operação, dependendo do objeto que a está executando.

5 Questão 10 A palavra Modelagem vem de modelo, uma abstração de algo com a finalidade de entendê-lo antes de construí-lo. Os projetistas utilizam diversos tipos de modelos para várias finalidades, antes de implementar o produto final. O Modelo de Classes representa os aspectos estáticos, estruturais, de dados de um sistema. O Modelo de Estados representa os aspectos temporais, comportamentais, de controle do sistema. O Modelo de Interações representa a colaboração de objetos individuais, os aspectos de interações do sistema. Um módulo típico de software incorpora todos os três aspectos: ele usa estruturas de dados (modelo de classes), coloca as operações em ordem de tempo (modelo de estados) e passa dados e controle entre os objetos (modelo de interações). Cada modelo contém referências a entidades em outros modelos. Por exemplo, o modelo de classes anexa operações às classes, enquanto que os modelos de estados e interações elaboram as operações. Os três tipos de modelos separam um sistema em visões distintas e não totalmente independentes. Cada um dos três modelos evolui durante o desenvolvimento. Primeiro, os analistas constroem um modelo sem considerar a implementação. Depois, os projetistas acrescentam construções da solução ao modelo. Os implementadores codificam tanto as construções da aplicação quanto da solução. A palavra modelo possui duas dimensões a primeira da visão do sistema (modelos de classes, de estados e de interações), - a segunda de um estágio de desenvolvimento (análise, projeto ou implementação). O significado é geralmente esclarecido no contexto. O Modelo de Classes (MC) descreve a estrutura dos objetos em um sistema sua identidade, seus relacionamentos com outros objetos, seus atributos e suas operações. O MC oferece contexto para os demais modelos. O objetivo na construção de um MC é capturar aqueles conceitos do mundo real que são importantes para uma aplicação. Na modelagem de um problema de engenharia, o MC deve conter termos familiares aos engenheiros; na modelagem de um problema do comércio, termos de comércio; na modelagem de um problema de usuário, termos de aplicação. O MC é expresso por meio de diagramas de classes. A generalização permite que as classes compartilhem estrutura e comportamento, e as associações relacionam as classes. As classes definem os atributos e as operações que cada objeto realiza ou experimenta. O Modelo de Estados (ME) descreve os aspectos dos objetos que tratam do tempo e da sequência de operações eventos que marcam mudanças, estados que definem o contexto para eventos e a organização de eventos e estados. O ME captura o controle, o aspecto de um sistema que descreve as sequências de operações que ocorrem, sem considerar o que as operações fazem, sobre o que elas operam e como elas são implementadas. O ME é expresso por meio de diagramas de estados. Cada diagrama de estados mostra as sequências de estadoe e eventos permitidas em um sistema para uma classe de objetos. Os diagramas de estados se referem aos outros modelos. Ações e eventos em um diagrama de estados tornam-se operações sobre objetos em um MC. As referências entre diagramas de estados tornam-se interações no MI. O Modelo de Interações (MI) descreve interações entre objetos como os objetos individuais colaboram para alcançar o comportamento do sistema como um todo. Os MC e MI descrevem diferentes aspectos do comportamento, e há necessidade de ambos para descrever o comportamento totalmente. O MI é documentado pelos diagramas de Casos de Uso, de Sequência e de Atividades. Os diagramas de Casos de Uso documentam os principais temas das interações entre o sistema e os atores externos. Os diagramas de Sequência mostram os objetos que interagem e a sequência temporal de suas interações. Os diagramas de atividades mostram o fluxo de controle entre as etapas de processamento de uma computação. Concluindo pelo relacionamento entre os modelos, cada um deles descreve um aspecto do sistema, mas contém referências aos outros. O MC descreve a estrutura de dados em que os ME e MI operam. As operações no MC correspondem a eventos e ações. O ME descreve a estrutura de controle dos objetos. Ele mostra decisões que dependem dos valores dos objetos e causa ações que mudam os valores e os estados dos objetos. O MI focaliza as trocas entre os objetos e oferece uma visão geral holística da operação de um sistema. Questão 11 a) SGBD é uma aplicação ou conjunto de aplicações informatizadas, utilizadas para definir, acessar e gerenciar os dados existentes em um banco de dados. b) optar por um SGBD quando informações forem armazenadas de modo permanente, houver controle central dos dados, desejar-se controle de redundância, existir controle de consistência e integridade dos dados, houver múltiplos usuários (concorrência) e se quiser controle de acesso e segurança, houver compartilhamento de dados entre usuários, existir independência dos dados das aplicações e houver backup & recovery.

6 c) Caracterizar os requisitos fundamentais de um SGBD: eficiência, robustez, controle de acesso e persistência. Eficiência - ser capaz de acessar, processar e alterar grandes volumes de dados de forma eficiente. Robustez manter os dados de forma consistente, mesmo após falhas de hardware ou erros de software. Controle de Acessos Controlar o acesso de múltiplos usuários aos dados de forma consistente e apenas a usuários autorizados. Persistência manter os dados durante longos períodos, independentemente das aplicações que os acessem. d) Independência física de dados as alterações na organização física dos arquivos do banco de dados ou nos métodos de acesso a esses arquivos (nível interno) não devem afetar o nível conceitual. Independência lógica de dados - as alterações no esquema do banco de dados (nível conceitual) que não envolvam remoção de elementos, não devem afetar o nível externo. Questão 12 a) Java é uma linguagem de programação OOP, ao passo que Java Script é uma linguagem de scripts OOP. Java cria aplicações executadas em uma máquina virtual ou em um browser, ao passo que o código JavaScript é executado apenas em um browser. O código Java precisa ser compilado, ao passo que os códigos JavaScript estão totalmente em texto e é interpretado. b) Funções são trechos de código que se pode executar, fazendo a chamada por meio de um link, um botão ou até mesmo dentro de outra função. O JavaScript tem um bom número de funções built-in, ou seja, funções já fazem parte da linguagem, mas a grande parte das funções que for utilizar será escrita por você mesmo. As funções em JavaScript deverão ser escritas entre a parte <head> e </head> de sua página. Não há nenhum problema se você escrevê-las na parte <body></body>, mas devem-se seguir as instruções passadas pelos criadores da linguagem. O fato de termos que escrevê-las na parte <head></head> é que se corre o risco de algum código na parte <body></body> fazer a chamada a uma destas funções enquanto a página não estiver totalmente carregada. Sintaxe: (F é o nome da função) - Chamada: O padrão da linguagem JavaScript é F(). Ao encontrar a chamada de uma função, ele desvia para as instruções respectivas desta função e ao terminá-la, volta para o primeiro código após a chamada da função. Uma função pode ser chamada de diversas formas, dentro da área do código JavaScript e até mesmo através de um evento dentro de um tag HTML, como um botão de formulário ou hiperlink. c) <html> <head> <title>ihm - JavaScript1 - Fatorial</title> </head> <script language="javascript"> document.write("<h2>tabela de Fatorial</h2>"); for( i = 1, fat = 1; i < 6; i++, fat *= i ) { document.write(i + "! = " + fat); document.write("<br>"); } </script> <body> </body> </html>

Programação Orientada a Objetos Prof. Rone Ilídio UFSJ/CAP

Programação Orientada a Objetos Prof. Rone Ilídio UFSJ/CAP Programação Orientada a Objetos Prof. Rone Ilídio UFSJ/CAP 1) Introdução Programação Orientada a Objetos é um paradigma de programação bastante antigo. Entretanto somente nos últimos anos foi aceito realmente

Leia mais

04/08/2012 MODELAGEM DE DADOS. PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO, M.Sc. @ribeirord MODELAGEM DE DADOS. Aula 2. Prof. Rafael Dias Ribeiro. M.Sc.

04/08/2012 MODELAGEM DE DADOS. PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO, M.Sc. @ribeirord MODELAGEM DE DADOS. Aula 2. Prof. Rafael Dias Ribeiro. M.Sc. MODELAGEM DE DADOS PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO, M.Sc. @ribeirord MODELAGEM DE DADOS Aula 2 Prof. Rafael Dias Ribeiro. M.Sc. @ribeirord 1 Objetivos: Revisão sobre Banco de Dados e SGBDs Aprender as principais

Leia mais

Introdução. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos

Introdução. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos Conceitos Básicos Introdução Banco de Dados I Prof. Guilherme Tavares de Assis Universidade Federal de Ouro Preto UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas ICEB Departamento de Computação DECOM Dados

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO EDITAL N o 135/2011 FUNÇÃO: ANALISTA DE INFORMÁTICA ÁREA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS (NOME COMPLETO EM LETRA DE FORMA) INSTRUÇÕES

CONCURSO PÚBLICO EDITAL N o 135/2011 FUNÇÃO: ANALISTA DE INFORMÁTICA ÁREA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS (NOME COMPLETO EM LETRA DE FORMA) INSTRUÇÕES UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO CONCURSO PÚBLICO EDITAL N o 135/2011 FUNÇÃO: ANALISTA DE INFORMÁTICA ÁREA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS (NOME COMPLETO EM LETRA DE

Leia mais

Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br

Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br Ementa Introdução a Banco de Dados (Conceito, propriedades), Arquivos de dados x Bancos de dados, Profissionais de Banco de dados,

Leia mais

Sistemas de Banco de Dados Aspectos Gerais de Banco de Dados

Sistemas de Banco de Dados Aspectos Gerais de Banco de Dados Sistemas de Banco de Dados Aspectos Gerais de Banco de Dados 1. Conceitos Básicos No contexto de sistemas de banco de dados as palavras dado e informação possuem o mesmo significado, representando uma

Leia mais

Modelagemde Software Orientadaa Objetos com UML

Modelagemde Software Orientadaa Objetos com UML Modelagemde Software Orientadaa Objetos com UML André Maués Brabo Pereira Departamento de Engenharia Civil Universidade Federal Fluminense Colaborando para a disciplina CIV 2802 Sistemas Gráficos para

Leia mais

BANCO DE DADOS E BUSINESS INTELIGENCE. C/H: 20 horas (20/02, 25/02, 27/02, 04/03, 06/03)

BANCO DE DADOS E BUSINESS INTELIGENCE. C/H: 20 horas (20/02, 25/02, 27/02, 04/03, 06/03) MBA em Gestão de TI MÓDULO: BANCO DE DADOS E BUSINESS INTELIGENCE C/H: 20 horas (20/02, 25/02, 27/02, 04/03, 06/03) PROFESSOR: Edison Andrade Martins Morais prof@edison.eti.br http://www.edison.eti.br

Leia mais

3. PARADIGMA ORIENTADO A OBJETOS

3. PARADIGMA ORIENTADO A OBJETOS Paradigmas de Linguagens I 1 3. PARADIGMA ORIENTADO A OBJETOS Este paradigma é o que mais reflete os problemas atuais. Linguagens orientada a objetos (OO) são projetadas para implementar diretamente a

Leia mais

Programação Orientada a Objetos

Programação Orientada a Objetos Programação Orientada a Objetos Universidade Católica de Pernambuco Ciência da Computação Prof. Márcio Bueno poonoite@marciobueno.com Fonte: Material da Profª Karina Oliveira Introdução ao Paradigma OO

Leia mais

Introdução à Banco de Dados. Definição

Introdução à Banco de Dados. Definição Universidade Federal da Bahia Departamento de Ciência da Computação (DCC) Disciplina: Banco de Dados Profª. Daniela Barreiro Claro Introdução à Banco de Dados Definição Um banco de dados é uma coleção

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - MÓDULO 3 - MODELAGEM DE SISTEMAS ORIENTADA A OBJETOS COM UML 1. INTRODUÇÃO A partir de 1980, diversos métodos de desenvolvimento de sistemas surgiram para apoiar o paradigma orientado a objetos com uma

Leia mais

Orientação a Objetos

Orientação a Objetos 1. Domínio e Aplicação Orientação a Objetos Um domínio é composto pelas entidades, informações e processos relacionados a um determinado contexto. Uma aplicação pode ser desenvolvida para automatizar ou

Leia mais

Bibliografia. Desenvolvimento Orientado a Objetos. Introdução. Bibliografia. O que você vê?

Bibliografia. Desenvolvimento Orientado a Objetos. Introdução. Bibliografia. O que você vê? Bibliografia Desenvolvimento Orientado a Objetos Prof.: Edson dos Santos Cordeiro LARMAN, Graig. Utilizando UML e padrões. Porto Alegre: Bookman, 2000. STAA, Arndt von. Programação modular. Rio de Janeiro:

Leia mais

PROGRAMAÇÃO AVANÇADA -CONCEITOS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br

PROGRAMAÇÃO AVANÇADA -CONCEITOS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br PROGRAMAÇÃO AVANÇADA -CONCEITOS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br ROTEIRO 1. Conceitos de Orientação a Objetos Introdução O paradigma da POO Classes

Leia mais

Para construção dos modelos físicos, será estudado o modelo Relacional como originalmente proposto por Codd.

Para construção dos modelos físicos, será estudado o modelo Relacional como originalmente proposto por Codd. Apresentação Este curso tem como objetivo, oferecer uma noção geral sobre a construção de sistemas de banco de dados. Para isto, é necessário estudar modelos para a construção de projetos lógicos de bancos

Leia mais

BANCO DE DADOS. Introdução a Banco de Dados. Conceitos BásicosB. Engenharia da Computação UNIVASF. Aula 1. Breve Histórico

BANCO DE DADOS. Introdução a Banco de Dados. Conceitos BásicosB. Engenharia da Computação UNIVASF. Aula 1. Breve Histórico Banco de Dados // 1 Banco de Dados // 2 Conceitos BásicosB Engenharia da Computação UNIVASF BANCO DE DADOS Aula 1 Introdução a Banco de Dados Campo representação informatizada de um dado real / menor unidade

Leia mais

FACULDADE INTEGRADAS DE PARANAÍBA ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS. Bancos de Dados Conceitos Fundamentais

FACULDADE INTEGRADAS DE PARANAÍBA ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS. Bancos de Dados Conceitos Fundamentais FACULDADE INTEGRADAS DE PARANAÍBA ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS Bancos de Dados Conceitos Fundamentais Tópicos Conceitos Básicos Bancos de Dados Sistemas de Bancos de Dados Sistemas de Gerenciamento de Bancos

Leia mais

Java. Marcio de Carvalho Victorino www.dominandoti.eng.br

Java. Marcio de Carvalho Victorino www.dominandoti.eng.br Java Marcio de Carvalho Victorino www.dominandoti.eng.br 3. Considere as instruções Java abaixo: int cont1 = 3; int cont2 = 2; int cont3 = 1; cont1 += cont3++; cont1 -= --cont2; cont3 = cont2++; Após a

Leia mais

Conceitos de Banco de Dados

Conceitos de Banco de Dados Conceitos de Banco de Dados Autor: Luiz Antonio Junior 1 INTRODUÇÃO Objetivos Introduzir conceitos básicos de Modelo de dados Introduzir conceitos básicos de Banco de dados Capacitar o aluno a construir

Leia mais

Banco de Dados Aula 1 Introdução a Banco de Dados Introdução Sistema Gerenciador de Banco de Dados

Banco de Dados Aula 1 Introdução a Banco de Dados Introdução Sistema Gerenciador de Banco de Dados Banco de Dados Aula 1 Introdução a Banco de Dados Introdução Um Sistema Gerenciador de Banco de Dados (SGBD) é constituído por um conjunto de dados associados a um conjunto de programas para acesso a esses

Leia mais

Introdução Banco de Dados

Introdução Banco de Dados Introdução Banco de Dados Vitor Valerio de Souza Campos Adaptado de Vania Bogorny Por que estudar BD? Os Bancos de Dados fazem parte do nosso dia-a-dia: operação bancária reserva de hotel matrícula em

Leia mais

Banco de Dados. Aula 1 - Prof. Bruno Moreno 16/08/2011

Banco de Dados. Aula 1 - Prof. Bruno Moreno 16/08/2011 Banco de Dados Aula 1 - Prof. Bruno Moreno 16/08/2011 Roteiro Apresentação do professor e disciplina Definição de Banco de Dados Sistema de BD vs Tradicional Principais características de BD Natureza autodescritiva

Leia mais

INTRODUÇÃO E CONCEITOS BÁSICOS. Prof. Ronaldo R. Goldschmidt

INTRODUÇÃO E CONCEITOS BÁSICOS. Prof. Ronaldo R. Goldschmidt INTRODUÇÃO E CONCEITOS BÁSICOS Prof. Ronaldo R. Goldschmidt Hierarquia Dado - Informação - Conhecimento: Dados são fatos com significado implícito. Podem ser armazenados. Dados Processamento Informação

Leia mais

INTRODUÇÃO. Diferente de Bando de Dados

INTRODUÇÃO. Diferente de Bando de Dados INTRODUÇÃO Diferente de Bando de Dados 1 INTRODUÇÃO DADOS São fatos conhecidos que podem ser registrados e que possuem significado. Ex: venda de gasolina gera alguns dados: data da compra, preço, qtd.

Leia mais

Revisão de Banco de Dados

Revisão de Banco de Dados Revisão de Banco de Dados Fabiano Baldo 1 Sistema de Processamento de Arquivos Antes da concepção dos BDs o registro das informações eram feitos através de arquivos. Desvantagens: Redundância e Inconsistência

Leia mais

Programação Orientada a Objetos C++

Programação Orientada a Objetos C++ Programação Orientada a Objetos em C++ Sumário Histórico Comparação com Java Encapsulamento Tratamento de classes e objetos Herança Polimorfismo Histórico Desenvolvido por Bjarne Stroustrup dos Bell Labs

Leia mais

Banco de Dados. CursoTécnico em Informática Modalidade Integrado. Professora Michelle Nery. Instituto Federal do Sul de Minas, câmpus Pouso Alegre

Banco de Dados. CursoTécnico em Informática Modalidade Integrado. Professora Michelle Nery. Instituto Federal do Sul de Minas, câmpus Pouso Alegre Banco de Dados CursoTécnico em Informática Modalidade Integrado Instituto Federal do Sul de Minas, câmpus PousoAlegre Professora Michelle Nery Conteúdo Programático Introdução O que é Banco de Dados O

Leia mais

Algumas propriedades dos objetos:

Algumas propriedades dos objetos: Orientação a Objetos Vivemos num mundo de objetos. Esses objetos existem na natureza, nas entidades feitas pelo homem, nos negócios e nos produtos que usamos. Eles podem ser categorizados, descritos, organizados,

Leia mais

1. CONCEITOS BÁSICOS DE BD, SBD E SGBD

1. CONCEITOS BÁSICOS DE BD, SBD E SGBD Introdução 1. CONCEITOS BÁSICOS DE BD, SBD E SGBD A importância da informação para a tomada de decisões nas organizações tem impulsionado o desenvolvimento dos sistemas de processamento de informações.

Leia mais

Introdução. Banco de dados. Por que usar BD? Por que estudar BD? Exemplo de um BD. Conceitos básicos

Introdução. Banco de dados. Por que usar BD? Por que estudar BD? Exemplo de um BD. Conceitos básicos Introdução Banco de Dados Por que usar BD? Vitor Valerio de Souza Campos Adaptado de Vania Bogorny 4 Por que estudar BD? Exemplo de um BD Os Bancos de Dados fazem parte do nosso dia-a-dia: operação bancária

Leia mais

Introdução a Banco de Dados

Introdução a Banco de Dados Introdução a Banco de Dados O modelo relacional Marta Mattoso Sumário Introdução Motivação Serviços de um SGBD O Modelo Relacional As aplicações não convencionais O Modelo Orientado a Objetos Considerações

Leia mais

Programação com acesso a BD. Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br

Programação com acesso a BD. Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Programação com acesso a BD Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br 1 Introdução BD desempenha papel crítico em todas as áreas em que computadores são utilizados: Banco: Depositar ou retirar

Leia mais

Tutorial de Programação Orientada a Objeto

Tutorial de Programação Orientada a Objeto Universidade Federal Fluminense Centro Tecnológico Escola de Engenharia Curso de Engenharia de Telecomunicações Programa de Educação Tutorial Grupo PET-Tele Tutorial de Programação Orientada a Objeto (Versão:

Leia mais

Banco de Dados 1 Prof. MSc Wagner Siqueira Cavalcante

Banco de Dados 1 Prof. MSc Wagner Siqueira Cavalcante Banco de Dados 1 Programação sucinta do curso:. Conceitos fundamentais de Banco de Dados.. Arquitetura dos Sistemas Gerenciadores de Banco de Dados (SGBD ou DBMS).. Características típicas de um SGBD..

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS. 1. Conceitos básicos de BD, SBD e SGBD BANCO DE DADOS I

CONCEITOS BÁSICOS. 1. Conceitos básicos de BD, SBD e SGBD BANCO DE DADOS I CONCEITOS BÁSICOS 1. Conceitos básicos de BD, SBD e SGBD A importância da informação para a tomada de decisões nas organizações tem impulsionado o desenvolvimento dos sistemas de processamento de informações.

Leia mais

UML Unified Modeling Language

UML Unified Modeling Language UML Unified Modeling Language Linguagem de Modelagem Unificada A linguagem UML UML (Unified Modeling Language) Linguagem de Modelagem Unificada É uma linguagem para especificação, É uma linguagem para

Leia mais

Informática I. Aula 6. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 6-12/09/2007 1

Informática I. Aula 6. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 6-12/09/2007 1 Informática I Aula 6 http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 6-12/09/2007 1 Ementa Noções Básicas de Computação (Hardware, Software e Internet) HTML e Páginas Web Internet e a Web Javascript e

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Rogério Eduardo Garcia (rogerio@fct.unesp.br) Bacharelado em Ciência da Computação Aula 05 Material preparado por Fernanda Madeiral Delfim Tópicos Aula 5 Contextualização UML Astah

Leia mais

EMENTA DO CURSO. Tópicos:

EMENTA DO CURSO. Tópicos: EMENTA DO CURSO O Curso Preparatório para a Certificação Oracle Certified Professional, Java SE 6 Programmer (Java Básico) será dividido em 2 módulos e deverá ter os seguintes objetivos e conter os seguintes

Leia mais

4.2.10. Incluir Unidades de Produto... 27 4.2.11. Consultar Unidades de Produto... 28 4.2.12. Alterar Unidades de Produto... 28 4.2.13.

4.2.10. Incluir Unidades de Produto... 27 4.2.11. Consultar Unidades de Produto... 28 4.2.12. Alterar Unidades de Produto... 28 4.2.13. JOÃO GARIBALDI NETO REENGENHARIA DO SISTEMA DE ADMINISTRAÇÃO DE ALMOXARIFADO DO TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO TOCANTINS UTILIZANDO PHP 5 E ORIENTAÇÃO A OBJETO PALMAS 2006 JOÃO GARIBALDI NETO REENGENHARIA

Leia mais

Disciplina de Banco de Dados Parte V

Disciplina de Banco de Dados Parte V Disciplina de Banco de Dados Parte V Prof. Elisa Maria Pivetta CAFW - UFSM Modelo de Dado Relacional O Modelo Relacional O Modelo ER é independente do SGDB portanto, deve ser o primeiro modelo gerado após

Leia mais

4.2. UML Diagramas de classes

4.2. UML Diagramas de classes Engenharia de Software 4.2. UML Diagramas de classes Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt Um diagrama de classes serve para modelar o vocabulário de um sistema Construído e refinado ao longo

Leia mais

Evolução. Tópicos. Bancos de Dados - Introdução. Melissa Lemos. Evolução dos Sistemas de Informação Esquemas Modelos. Características de SGBDs

Evolução. Tópicos. Bancos de Dados - Introdução. Melissa Lemos. Evolução dos Sistemas de Informação Esquemas Modelos. Características de SGBDs 1 Bancos de Dados - Introdução Melissa Lemos melissa@inf.puc-rio.br Tópicos Evolução dos Sistemas de Informação Esquemas Modelos Conceitual Lógico Características de SGBDs 2 Evolução tempo Programas e

Leia mais

Persistência e Banco de Dados em Jogos Digitais

Persistência e Banco de Dados em Jogos Digitais Persistência e Banco de Dados em Jogos Digitais Prof. Marcos Francisco Pereira da Silva Especialista em Engenharia de Software Jogos Digitais - Computação Gráfica 1 Agenda Vantagens de usar a abordagem

Leia mais

Centro de Computação - Unicamp Gerência de Atendimento ao Cliente (e-mail:apoio@turing.unicamp.br) Sumário

Centro de Computação - Unicamp Gerência de Atendimento ao Cliente (e-mail:apoio@turing.unicamp.br) Sumário Sumário Conceitos Microsoft Access 97... 01 Inicialização do Access... 02 Convertendo um Banco de Dados... 03 Criando uma Tabela... 06 Estrutura da Tabela... 07 Propriedades do Campo... 08 Chave Primária...

Leia mais

Engenharia de Softwares e Sistema IF682 (2012.1) Bruno Medeiros(bmo@cin.ufpe.br)

Engenharia de Softwares e Sistema IF682 (2012.1) Bruno Medeiros(bmo@cin.ufpe.br) Engenharia de Softwares e Sistema IF682 (2012.1) Bruno Medeiros(bmo@cin.ufpe.br) Algumas definições Engenharia de Software conjunto de tecnologias e práticas usadas para construir software de qualidade

Leia mais

Roteiro. Modelo de Dados Relacional. Processo de Projeto de Banco de Dados. BCC321 - Banco de Dados I. Ementa. Posicionamento.

Roteiro. Modelo de Dados Relacional. Processo de Projeto de Banco de Dados. BCC321 - Banco de Dados I. Ementa. Posicionamento. Roteiro Modelo de Dados Relacional Posicionamento Luiz Henrique de Campos Merschmann Departamento de Computação Universidade Federal de Ouro Preto luizhenrique@iceb.ufop.br www.decom.ufop.br/luiz Introdução

Leia mais

Banco de Dados Aula 02. Colégio Estadual Padre Carmelo Perrone Profº: Willian

Banco de Dados Aula 02. Colégio Estadual Padre Carmelo Perrone Profº: Willian Banco de Dados Aula 02 Colégio Estadual Padre Carmelo Perrone Profº: Willian Conceitos básicos Dado: Valor do campo quando é armazenado dento do BD; Tabela Lógica: Representa a estrutura de armazenamento

Leia mais

AULA 4 VISÃO BÁSICA DE CLASSES EM PHP

AULA 4 VISÃO BÁSICA DE CLASSES EM PHP AULA 4 VISÃO BÁSICA DE CLASSES EM PHP Antes de mais nada, vamos conhecer alguns conceitos, que serão importantes para o entendimento mais efetivos dos assuntos que trataremos durante a leitura desta apostila.

Leia mais

ARRAYS. Um array é um OBJETO que referencia (aponta) mais de um objeto ou armazena mais de um dado primitivo.

ARRAYS. Um array é um OBJETO que referencia (aponta) mais de um objeto ou armazena mais de um dado primitivo. Cursos: Análise, Ciência da Computação e Sistemas de Informação Programação I - Prof. Aníbal Notas de aula 8 ARRAYS Introdução Até agora, utilizamos variáveis individuais. Significa que uma variável objeto

Leia mais

Algoritmos em Javascript

Algoritmos em Javascript Algoritmos em Javascript Sumário Algoritmos 1 O que é um programa? 1 Entrada e Saída de Dados 3 Programando 4 O que é necessário para programar 4 em JavaScript? Variáveis 5 Tipos de Variáveis 6 Arrays

Leia mais

Polimorfismo. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Polimorfismo. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Polimorfismo Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Introdução; Polimorfismo; Polimorfismo Java; Métodos Abstratos Java Classes Abstratas Java Exercício - Java Polimorfismo C++ Classe Abstrata C++; Funções

Leia mais

O código JavaScript deve ser colocado entre tags de comentário para ficar escondido no caso de navegadores antigos que não reconhecem a linguagem.

O código JavaScript deve ser colocado entre tags de comentário para ficar escondido no caso de navegadores antigos que não reconhecem a linguagem. 1 - O que é JAVASCRIPT? É uma linguagem de script orientada a objetos, usada para aumentar a interatividade de páginas Web. O JavaScript foi introduzido pela Netscape em seu navegador 2.0 e posteriormente

Leia mais

Linguagens de. Aula 02. Profa Cristiane Koehler cristiane.koehler@canoas.ifrs.edu.br

Linguagens de. Aula 02. Profa Cristiane Koehler cristiane.koehler@canoas.ifrs.edu.br Linguagens de Programação III Aula 02 Profa Cristiane Koehler cristiane.koehler@canoas.ifrs.edu.br Linguagens de Programação Técnica de comunicação padronizada para enviar instruções a um computador. Assim

Leia mais

Banco de Dados I Ementa:

Banco de Dados I Ementa: Banco de Dados I Ementa: Banco de Dados Sistema Gerenciador de Banco de Dados Usuários de um Banco de Dados Etapas de Modelagem, Projeto e Implementação de BD O Administrador de Dados e o Administrador

Leia mais

Bancos de Dados. Conceitos F undamentais em S is temas de B ancos de Dados e s uas Aplicações

Bancos de Dados. Conceitos F undamentais em S is temas de B ancos de Dados e s uas Aplicações Conceitos F undamentais em S is temas de B ancos de Dados e s uas Aplicações Tópicos Conceitos Básicos Bancos de Dados Sistemas de Bancos de Dados Sistemas de Gerenciamento de Bancos de Dados Abstração

Leia mais

Programação Orientada a Objetos em java. Polimorfismo

Programação Orientada a Objetos em java. Polimorfismo Programação Orientada a Objetos em java Polimorfismo Polimorfismo Uma característica muito importante em sistemas orientados a objetos Termo proveniente do grego, e significa muitas formas Em POO, significa

Leia mais

Modelo de Dados. Modelos Conceituais

Modelo de Dados. Modelos Conceituais Modelo de Dados Modelo para organização dos dados de um BD define um conjunto de conceitos para a representação de dados exemplos: entidade, tabela, atributo,... existem modelos para diferentes níveis

Leia mais

Banco de Dados. Conceitos e Arquitetura de Sistemas de Banco de Dados. Profa. Flávia Cristina Bernardini

Banco de Dados. Conceitos e Arquitetura de Sistemas de Banco de Dados. Profa. Flávia Cristina Bernardini Banco de Dados Conceitos e Arquitetura de Sistemas de Banco de Dados Profa. Flávia Cristina Bernardini Relembrando... Vantagens da Utilização de SGBD Redundância controlada Consistência dos dados armazenados

Leia mais

Universidade Federal de Santa Maria Curso de Arquivologia. Disciplina de Banco de Dados Aplicados à Arquivística. Versao 1.

Universidade Federal de Santa Maria Curso de Arquivologia. Disciplina de Banco de Dados Aplicados à Arquivística. Versao 1. Universidade Federal de Santa Maria Curso de Arquivologia Disciplina de Banco de Dados Aplicados à Arquivística Prof. Andre Zanki Cordenonsi Versao 1.0 Março de 2008 Tópicos Abordados Conceitos sobre Banco

Leia mais

Programação Estruturada e Orientada a Objetos. Fundamentos Orientação a Objetos

Programação Estruturada e Orientada a Objetos. Fundamentos Orientação a Objetos Programação Estruturada e Orientada a Objetos Fundamentos Orientação a Objetos 2013 O que veremos hoje? Introdução aos fundamentos de Orientação a Objetos Transparências baseadas no material do Prof. Jailton

Leia mais

SISTEMAS DE BANCO DE DADOS. Prof. Adriano Pereira Maranhão

SISTEMAS DE BANCO DE DADOS. Prof. Adriano Pereira Maranhão SISTEMAS DE BANCO DE DADOS Prof. Adriano Pereira Maranhão 1 REVISÃO BANCO DE DADOS I O que é banco de dados? Ou seja afinal o que é um SGBD? REVISÃO BD I REVISÃO DE BD I Um Sistema de Gerenciamento de

Leia mais

Programação Web Prof. Wladimir

Programação Web Prof. Wladimir Programação Web Prof. Wladimir Linguagem de Script e PHP @wre2008 1 Sumário Introdução; PHP: Introdução. Enviando dados para o servidor HTTP; PHP: Instalação; Formato básico de um programa PHP; Manipulação

Leia mais

Banco de Dados. Uma coleção de dados relacionados [ELMASRI/NAVATHE]

Banco de Dados. Uma coleção de dados relacionados [ELMASRI/NAVATHE] 1/6 Banco de Dados O que é um Banco de Dados? Uma coleção de dados relacionados [ELMASRI/NAVATHE] Conjunto de dados integrados que tem por objetivo atender a uma comunidade específica [HEUSER] Um conjunto

Leia mais

Análise Orientada a Objeto

Análise Orientada a Objeto Análise Orientada a Objeto Análise Orientada a Objeto ANÁLISE ORIENTADA A OBJETO É interessante observar como a análise orientada a objeto utiliza conceitos que aprendemos há muito tempo: objetos, atributos,

Leia mais

Felipe Denis M. de Oliveira. Fonte: Alice e Carlos Rodrigo (Internet)

Felipe Denis M. de Oliveira. Fonte: Alice e Carlos Rodrigo (Internet) UML Felipe Denis M. de Oliveira Fonte: Alice e Carlos Rodrigo (Internet) 1 Programação O que é UML? Por quê UML? Benefícios Diagramas Use Case Class State Interaction Sequence Collaboration Activity Physical

Leia mais

PHP INTRODUÇÃO CLASSES E OBJETOS

PHP INTRODUÇÃO CLASSES E OBJETOS INTRODUÇÃO PHP AULA 8 ORIENTAÇÃO A OBJETOS Professor: Leonardo Pereira E-mail: leongamerti@gmail.com Facebook: leongamerti Material de Estudo: http://www.leonti.vv.si A orientação a objetos ou OO é o paradigma

Leia mais

Sistemas para internet e software livre

Sistemas para internet e software livre Sistemas para internet e software livre Metodologia de modelagem de aplicações WEB Image: FreeDigitalPhotos.net Domínio: Elementos de aplicação WEB Páginas Web Scripts Formulários Applets e ActiveX Motivação

Leia mais

Desenvolvendo Websites com PHP

Desenvolvendo Websites com PHP Desenvolvendo Websites com PHP Aprenda a criar Websites dinâmicos e interativos com PHP e bancos de dados Juliano Niederauer 19 Capítulo 1 O que é o PHP? O PHP é uma das linguagens mais utilizadas na Web.

Leia mais

NOVIDADES DO JAVA PARA PROGRAMADORES C

NOVIDADES DO JAVA PARA PROGRAMADORES C PROGRAMAÇÃO SERVIDOR EM SISTEMAS WEB NOVIDADES DO JAVA PARA PROGRAMADORES C Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1 Objetivos Apresentar o Conceito de Classes e Objetos Capacitar para a criação de objetos simples

Leia mais

Banco de Dados I. Introdução Conceitos

Banco de Dados I. Introdução Conceitos Banco de Dados I Introdução Conceitos Prof. Rodrigo Rocha prof.rodrigorocha@yahoo.com Apresentação Prof. Rodrigo Rocha prof.rodrigorocha@yahoo.com Ementa Conceitos Fundamentais de Banco de Dados; Características

Leia mais

Características do PHP. Começando a programar

Características do PHP. Começando a programar PHP Introdução Olá pessoal. Desculpe o atraso na publicação da aula. Pude perceber pelas respostas (poucas) ao fórum que a realização da atividade do módulo I foi relativamente tranquila. Assistam ao vídeo

Leia mais

Uma Abordagem usando PU

Uma Abordagem usando PU Uma Abordagem usando PU Curso de Especialização DEINF - UFMA Desenvolvimento Orientado a Objetos Prof. Geraldo Braz Junior Referências: Baseada em: Rational Software Corpotation G. Booch, Ivar Jacobson,

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Curso de Desenvolvimento de Software Prof. Alessandro J de Souza ajdsouza@cefetrn.br 1 Rational Unified Process RUP Fase Elaboração 2 VISÃO GERAL Fase Elaboração. Visão Geral 3

Leia mais

Guia de Fatores de Qualidade de OO e Java

Guia de Fatores de Qualidade de OO e Java Qualiti Software Processes Guia de Fatores de Qualidade de OO e Java Versã o 1.0 Este documento só pode ser utilizado para fins educacionais, no Centro de Informática da Universidade Federal de Pernambuco.

Leia mais

Desenvolvendo Aplicações Web com NetBeans

Desenvolvendo Aplicações Web com NetBeans Desenvolvendo Aplicações Web com NetBeans Aula 3 Cap. 4 Trabalhando com Banco de Dados Prof.: Marcelo Ferreira Ortega Introdução O trabalho com banco de dados utilizando o NetBeans se desenvolveu ao longo

Leia mais

PHP Profissional. Alexandre Altair de Melo Mauricio G. F. Nascimento

PHP Profissional. Alexandre Altair de Melo Mauricio G. F. Nascimento PHP Profissional APRENDA A DESENVOLVER SISTEMAS PROFISSIONAIS ORIENTADOS A OBJETOS COM PADRÕES DE PROJETO Alexandre Altair de Melo Mauricio G. F. Nascimento Novatec Sumário Agradecimentos...13 Sobre os

Leia mais

JavaScript 2.0X 1.0 3.0X 1.1 4.0 4.05 1.2 4.06 4.61 1.3 5.0 1.4 6.0 1.5

JavaScript 2.0X 1.0 3.0X 1.1 4.0 4.05 1.2 4.06 4.61 1.3 5.0 1.4 6.0 1.5 JavaScript Diego R. Frank, Leonardo Seibt FIT Faculdades de Informática de Taquara Fundação Educacional Encosta Inferior do Nordeste Av. Oscar Martins Rangel, 4500 Taquara RS Brasil difrank@terra.com.br,

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO DO FRAMEWORK - versão 2.0

DOCUMENTAÇÃO DO FRAMEWORK - versão 2.0 DOCUMENTAÇÃO DO FRAMEWORK - versão 2.0 Índice 1 - Objetivo 2 - Descrição do ambiente 2.1. Tecnologias utilizadas 2.2. Estrutura de pastas 2.3. Bibliotecas já incluídas 3 - Características gerais 4 - Criando

Leia mais

Modelagem e Implementação (Incremental de um Software para Controle) de Aquário de Peixes

Modelagem e Implementação (Incremental de um Software para Controle) de Aquário de Peixes Modelagem e Implementação de Aquário de Peixes- por Jorge Fernandes - Página 1 Modelagem e Implementação (Incremental de um Software para Controle) de Aquário de Peixes Jorge Fernandes Natal, Agosto de

Leia mais

Banco de Dados I. Apresentação (mini-currículo) Conceitos. Disciplina Banco de Dados. Cont... Cont... Edson Thizon (edson@esucri.com.

Banco de Dados I. Apresentação (mini-currículo) Conceitos. Disciplina Banco de Dados. Cont... Cont... Edson Thizon (edson@esucri.com. Sistemas da Informação Banco de Dados I Edson Thizon (edson@esucri.com.br) 2008 Apresentação (mini-currículo) Formação Acadêmica Mestrando em Ciência da Computação (UFSC/ ) Créditos Concluídos. Bacharel

Leia mais

Banco de Dados. Sérgio Luiz Ruivace Cerqueira sergioruivace@gmail.com

Banco de Dados. Sérgio Luiz Ruivace Cerqueira sergioruivace@gmail.com Banco de Dados Sérgio Luiz Ruivace Cerqueira sergioruivace@gmail.com Roteiro Mapeamento de objetos para modelo relacional Estratégias de persistência Persistência JDBC Mapeando Objetos para o Modelo Relacional

Leia mais

As principais características da abordagem de um banco de dados versus a abordagem de processamento de arquivos são as seguintes:

As principais características da abordagem de um banco de dados versus a abordagem de processamento de arquivos são as seguintes: SGBD Características do Emprego de Bancos de Dados As principais características da abordagem de um banco de dados versus a abordagem de processamento de arquivos são as seguintes: Natureza autodescritiva

Leia mais

Introdução a Threads Java

Introdução a Threads Java Introdução a Threads Java Prof. Gerson Geraldo Homrich Cavalheiro Universidade Federal de Pelotas Departamento de Informática Instituto de Física e Matemática Pelotas RS Brasil http://gersonc.anahy.org

Leia mais

OOP - Java. Artur Duque Rossi Mestrado em Modelagem Computacional Universidade Federal de Juiz de Fora

OOP - Java. Artur Duque Rossi Mestrado em Modelagem Computacional Universidade Federal de Juiz de Fora OOP - Java Artur Duque Rossi Mestrado em Modelagem Computacional Universidade Federal de Juiz de Fora 1 Sumário Java Aviso! História do Java Programação Orientada à Objetos Os quatro pilares da OOP Abstração

Leia mais

Estudo de Caso Sistema de Caixa Automático

Estudo de Caso Sistema de Caixa Automático Estudo de Caso Sistema de Caixa Automático Curso de Especialização DEINF - UFMA Desenvolvimento Orientado a Objetos Prof. Geraldo Braz Junior Referências: Notas de Aula Ulrich Schiel Notas de Aula Ariadne

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALAGOAS CURSO TECNICO EM INFORMATICA DISCIPLINA:

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALAGOAS CURSO TECNICO EM INFORMATICA DISCIPLINA: INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALAGOAS CURSO TECNICO EM INFORMATICA DISCIPLINA: PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A OBJETOS PROFESSOR: REINALDO GOMES ASSUNTO: REVISÃO DA INTRODUÇÃO A ORIENTAÇÃO

Leia mais

Introdução a Computação

Introdução a Computação Introdução a Computação Aula 04 SGBD Sistemas Gerenciadores de Bancos de Dados Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com Conceitos Básicos DADOS: são fatos em sua forma primária. Ex: nome do funcionário,

Leia mais

MC536 Bancos de Dados: Teoria e Prática

MC536 Bancos de Dados: Teoria e Prática Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP Instituto de Computação - IC MC536 Bancos de Dados: Teoria e Prática Aula #1 Arquitetura de Banco de Dados Profs. Anderson Rocha e André Santanchè Campinas,

Leia mais

Orientação a Objetos

Orientação a Objetos Orientação a Objetos Daniel Destro do Carmo Softech Network Informática daniel@danieldestro.com.br Histórico A orientação a objetos (OO) foi concebida na década de 70. Origem na linguagem SIMULA-67 (década

Leia mais

EXERCÍCIOS SOBRE ORIENTAÇÃO A OBJETOS

EXERCÍCIOS SOBRE ORIENTAÇÃO A OBJETOS Campus Cachoeiro de Itapemirim Curso Técnico em Informática Disciplina: Análise e Projeto de Sistemas Professor: Rafael Vargas Mesquita Este exercício deve ser manuscrito e entregue na próxima aula; Valor

Leia mais

Lista de Revisão. 3. Analise a afirmativa a seguir como verdadeira ou falsa e justifique.

Lista de Revisão. 3. Analise a afirmativa a seguir como verdadeira ou falsa e justifique. Lista de Revisão 1. Nos sistemas web, geralmente os usuários apresentam dois problemas típicos, a desorientação e a sobrecarga cognitiva. Discorra sobre esses problemas. 2. Apresente as principais diferenças

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE FACULDADE DE COMPUTAÇÃO E INFORMÁTICA

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE FACULDADE DE COMPUTAÇÃO E INFORMÁTICA EDITAL DO PROGRAMA DE CERTIFICAÇÕES EM COMPUTAÇÃO MACK COMPUTING CERTIFICATION MCC 2º SEMESTRE DE 2014 O Diretor da Faculdade de Computação e Informática (FCI), no uso de suas atribuições estatutárias

Leia mais

Análise e Projeto Orientados por Objetos

Análise e Projeto Orientados por Objetos Análise e Projeto Orientados por Objetos Aula 01 Orientação a Objetos Edirlei Soares de Lima Paradigmas de Programação Um paradigma de programação consiste na filosofia adotada na

Leia mais

O que é o Javascript?

O que é o Javascript? O que é o Javascript? JavaScript é uma linguagem para criação de Home-Pages. Funções escritas em JavaScript podem ser embutidas dentro de seu documento HTML. Com JavaScript você tem muitas possibilidades

Leia mais

Docente: Éberton da Silva Marinho e-mail: ebertonsm@gmail.com

Docente: Éberton da Silva Marinho e-mail: ebertonsm@gmail.com INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Introdução a Banco de Dados Docente: Éberton da Silva Marinho e-mail: ebertonsm@gmail.com 12/06/2013 Sumário Motivação da Disciplina

Leia mais

Diagrama de Classes. Um diagrama de classes descreve a visão estática do sistema em termos de classes e relacionamentos entre as classes.

Diagrama de Classes. Um diagrama de classes descreve a visão estática do sistema em termos de classes e relacionamentos entre as classes. 1 Diagrama de Classes Um diagrama de classes descreve a visão estática do sistema em termos de classes e relacionamentos entre as classes. Um dos objetivos do diagrama de classes é definir a base para

Leia mais

Unified Modeling Language UML - Notações

Unified Modeling Language UML - Notações Unified Modeling Language UML - Notações Prof. Ms. Elvio Gilberto da Silva elvio@fmr.edu.br UML Ponto de Vista É gerada com propósito geral de uma linguagem de modelagem visual usada para especificar,

Leia mais

SGBD ITB 1.INTRODUÇÃO 1.INTRODUÇÃO. 1.1. Conceito SGBD: Sistema gerenciador de banco de dados. 1.2. Constituição SGBD

SGBD ITB 1.INTRODUÇÃO 1.INTRODUÇÃO. 1.1. Conceito SGBD: Sistema gerenciador de banco de dados. 1.2. Constituição SGBD ITB SGBD Aurélio Candido Jr 1 1.INTRODUÇÃO 1.1. Conceito SGBD: Sistema gerenciador de banco de dados Um SGBD é uma coleção de programas que permitem ao usuário definir, construir e manipular Bases de Dados

Leia mais