A CIDADE MODERNA E A CRISE DO PARADIGMA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A CIDADE MODERNA E A CRISE DO PARADIGMA"

Transcrição

1 A CIDADE MODERNA E A CRISE DO PARADIGMA

2 Jane Jacobs 1961 lança Death and life of great amercian cities Critica seminal contra as doutrinas modernas do urbanismo do século XX Libelo contra as palavras de ordem do urbanismo moderno ou mais precisamente contra As práticas urbanísticas em voga nos EUA, cujas origens Jacobs identifica nas propostas

3 embelezamento e engrandecimento da cidade. Detroit, Chigado e Washington City Beautiful Moviment ( ) A beleza não como fim em si mesma, mas como estímulo de efeito moral e virtude cívica. Beleza criaria condições para uma harmonia social e aumento da qualidade de vida

4 Projetos e renovação urbana das áreas centrais das grandes cidades estadunidenses fazia Tábula rasa de setores urbanos consolidados substituindo Megaprojetos de reurbanização Arquitetura burocrática ou monumental: viadutos, elevados, vias expressas, florestas de concreto configurou Nova paisagem das grandes cidades modelo exportado p. ex. grandes cidades latinoamericanas na década de (São Paulo, Rio, Caracas, etc) Contra o bucolismo das cidades-jardins, Jacobs defendia a densidade das metrópoles. Todavia, não a ordenada metrópole ideada por Le Corbusier - cujo exemplo mais vigoroso seria Brasília -, mas a cidade tradicional. Que cidade tradicional, porém?

5 Mais do que um trabalho de urbanismo, Jacobs faz uma etnografia jornalística procura identificar no cotidiano das grandes cidades norte-americanas as razões da sujeira abandono violência ou o contrário boa manutenção segurança qualidade de vida Constituem a cena real das metrópoles esquematismo dos modos de vida que os planejadores previam em seus modelos urbanos ideais.

6 cidades modernistas fisicamente imaculadas espiritualmente estéreis como as cidades deveriam ser caos urbano microcosmos dos bairros constituiriam uma vida rica e densa de significados registro empírico da maneira de se apropria das cidades crítica aos axiomas do planejamento subtítulos dos textos os usos da calçada segurança contato integrando as crianças etc separação das funções zoneamento lógica da circulação pela exaltação do sistema viário prescrição de soluções

7 Principal e duradoura lição pregada por Jacobs a necessidade de usos principais combinados é um capítulo a necessidade de quadras curtas, outro capítulo a necessidade de prédios antigos Necessidade da diversidade urbana Funções que gerem presença de pessoas em horários diferentes e em alta concentração valorização de esquinas e percursos edifícios variados e de diferentes idades Outras medidas profiláticas para uma melhor qualificação urbana subvenção de moradias erosão das cidades ou redução dos automóveis ordem visual: limitação e potencialidades projetos de revitalização, etc A clareza da escrita e as posições antimodernistas de Morte e Vida de Grandes Cidades trouxeram grande prestígio à autora, tornando-a uma leitura obrigatória nos cursos de arquitetura e urbanismo, geografia e ciências sociais. Parte de suas idéias lograram grande audiência nos debates urbanísticos dos anos 1970/80, sobretudo com o advento

8 A clareza da escrita e as posições antimodernistas de Morte e Vida de Grandes Cidades trouxeram grande prestígio à autora, tornando-a uma leitura obrigatória nos cursos de arquitetura e urbanismo, geografia e ciências sociais. Parte de suas idéias lograram grande audiência nos debates urbanísticos dos anos 1970/80, sobretudo com o advento da discussão pós-moderna e sua apologia da diversidade, ao ponto de alimentar tendências díspares do urbanismo como as muitas formas de ativismo comunitário como no discurso de frentes como a Nova Direita norte-americana. Jacobs é considerada a "mãe" do neoconservador New Urbanism, para desespero de seus defensores, que creditam à vulgarização das idéias da jornalista pelas bobagens a ela atribuídas.

9 Jacobs é considerada a "mãe" do neoconservador New Urbanism, para desespero de seus defensores, que creditam à vulgarização das idéias da jornalista pelas bobagens a ela atribuídas. David Harvey, anotando sobre o emergir de códigos simbólicos de distinção social na arquitetura e no urbanismo pelo enaltecimento da ornamentação, do embelezamento, pela decoração, comentava: "Não tenho nenhuma certeza de que tenha sido isso que Jane Jacobs tinha em mente quando criticou o planejamento urbano modernista." Jane Jacobs mudou-se com a família para Toronto em 1968 (temendo o envolvimento dos filhos na guerra do Vietnã) e tornou-se cidadã canadense em Aos 84 anos de idade, lançou em março passado seu sexto livro, The Nature of Economies. Mas o prestígio internacional, que a tornou uma guru do planejamento urbano, veio de Morte e Vida de Grandes Cidades, um relato fascinante de uma inquieta ex-moradora da rua Hudson em Nova York. Um livro que, decorridos quase 40 anos de seu lançamento, trouxe retratos e episódios de recantos de cidades norte-americanas que poderiam ser depoimentos de uma época como as de Charles Dickens sobre a Londres da segunda metade do século 19 - e provavelmente de uma São Francisco, Nova York ou Boston que não existem mais.

10 BRASÍLIA

11 Juscelino Kubitschek 1955 presidente eleito 50 anos em 5 Agosto de 1956 Congresso Nacional aprova mensagem de lei prevendo a transferência da capital para a nova localidade no Planalto Central Pressão do IAB Concurso público nacional, em 1956, contemplando apenas o plano urbanístico. JK já havia determinado que Niemeyer seria o arquiteto dos principais edifícios públicos

12 Exigências do programa: cidade para no máximo 500 mil habitantes exigência mínima de um traçado básico da cidade, indicando a disposição dos principais elementos da estrutura urbana a localização e interligação dos diversos setores, centros, instalações e serviços distribuição dos espaços livres e vias de comunicação (escala 1:25.000) relatório justificativo 26 projetos foram submetidos. Em março de 1957, Lucio Costa era o autor do projeto vencedor Demais premiados: Rino Levi, Irmãos MM Roberto, Henrique Mindlin, Giancarlo Palantini e Vilanova Artigas.

13 O relatório de Lucio Costa era direto quanto à apresentação das soluções Não apenas urbs, mas também civitas, possuidora dos atributos inerentes a uma capital gesto primário de quem assinala um lugar ou dele toma posse: dois eixos cruzando-se em ângulo reto, ou seja, o próprio sinal da cruz O desenho final buscou conformar-se à orientação e às características do sítio

14 Lucio Costa atribuiu à sua cidade uma ordenação segundo quatro grandes escalas: residencial gregária bucólica monumental

15 Cada uma dos grandes eixos assumiu uma significação. O menor eixo monumental espaço para o centro cívico e administrativo, os setores comerciais, de serviço e culturais correspondente à escala monumental O maior eixo rodoviário/ residêncial estruturado pelas autopistas de comunicação com as regiões vizinhas e ao longo das quais se alinham os blocos de moradia, organizados segundo o princípio das superquadras.

16 a escala monumental...

17 Nota sobre monumentalidade Porque tais lugares nos fascinam? Alain de Boton: lugares monumentais nos fascinam porque são sublimes - o sublime como um encontro prazeroso, até mesmo inebriante, com a fraqueza humana diante da força, da idade e das dimensões do universo [ ] afastamo-nos desses lugares, não arrasados, mas inspirados pelo que está além de nós, privilegiados por nos submetermos a exigências tão majestosas (*) (*) BOTON, Alain de. A arte de viajar. Rio de Janeiro: Rocco, 2003.

18 As superquadras conjunto de quatro quadras de 300m de lado cada cercadas perifericamente por densa arborização admite somente edifícios lineares de seis pavimentos sobre pilotis forma uma vizinhança servida de toda infraestrutura comercial e de serviços para a comunidade local à maneira das unidades de vizinhança, ideaizadas por Clarence Stein e Henry Wright em Radburn, em 1929.

19 Princípios Cinturão verde Carros no centro, pedestres na periferia Uma só entrada de veículos Pilotis gabarito máximo uniforme, talvez seis pavimentos e pilotis (LC) Escolas profundas, con acesso privilegiado dos pedestres da quadra Um espaço central de natureza ambígua Sem calçamento de qualquer espécie, nem meios-fios (LC) Esboços originais de Lucio Costa para as superquadras

20 a escala residêncial... Ville Verte, de Le Corbusier inspira a organização de toda escala residêncial. Espaços residenciais em blocos de habitação isolados, dispostos em grandes áreas verdes (escala bucólica), eliminando a rua tradicional como eixo definidor e articulador dos volumes construídos Em linhas gerais, abolindo o lote privado, o espaço residencial caracteriza-se por uma extensão contínua e livre, sem barreiras e tráfego de automóveis, como um grande parque público

21 A escala gregária...

22 A escala bucólica...

23 No cruzamento dos dois eixos: uma plataforma em vários níveis equacionando o sistema viário e abrigando o terminal rodoviário concentrando em sua vizinhança o principal centro comercial e de diversões da cidade representando a escala gregária. O plano de Lucio Costa previu a localização precisa dos principais edifícios públicos e a organização dos setores funcionais na malha da cidade

24 Brasília apresenta uma clara hierarquia; uma clara definição da dimensão pública (eixo monumental) da dimensão privada (eixo residencial) e, no aspecto intra-urbano, a setorização das atividades em áreas especializadas. Lucio Costa sempre deixou muito claro algumas das referências urbanísticas de Brasília: Brasília dialoga, em certo sentido, com os espaços públicos de Paris ( os grandes eixos haussmanianos, Champs Elysees) e com os espaços públicos de Londres (Picadily Circus, Times Square) reinterpretando-os na resolução do desenho urbano da nova capital, sem prescindir da referência à concepção de Ville Radieuse, de Le Corbusier.

25 A escala urbana residêncial em uma superquadra

26 generosidade dos espaços condiz com o caráter rodoviário da organização urbana Pistas de alta velocidade estruturam o eixo maior da cidade. Não há, praticamente, cruzamentos em nível

Índices Urbanísticos. Prof. Dr. Eduardo A. C. Nobre. FAUUSP AUP 0573 Desenho Urbano: da teoria ao projeto

Índices Urbanísticos. Prof. Dr. Eduardo A. C. Nobre. FAUUSP AUP 0573 Desenho Urbano: da teoria ao projeto Índices Urbanísticos Prof. Dr. Eduardo A. C. Nobre FAUUSP AUP 0573 Desenho Urbano: da teoria ao projeto 1. Densidade Demográfica Densidade Demográfica é a relação entre a população e uma determinada área.

Leia mais

PRAÇA DAS GERAÇOES. Autores: Ana Luiza Ribeiro¹; Junia Caldeira¹ Afiliações: 1 - UniCeub Keywords: praça, revitalizaçao, espaço publico

PRAÇA DAS GERAÇOES. Autores: Ana Luiza Ribeiro¹; Junia Caldeira¹ Afiliações: 1 - UniCeub Keywords: praça, revitalizaçao, espaço publico PRAÇA DAS GERAÇOES Autores: Ana Luiza Ribeiro¹; Junia Caldeira¹ Afiliações: 1 - UniCeub Keywords: praça, revitalizaçao, espaço publico INTRODUÇÃO O artigo aborda o tema das áreas verdes nas quadras 700.

Leia mais

30/11/2012. do adensamento populacional. crescimento desordenado. ocupação de áreas naturais e frágeis

30/11/2012. do adensamento populacional. crescimento desordenado. ocupação de áreas naturais e frágeis Universidade Metodista Recuperação Ambiental de Áreas Degradadas Impactos gerados pelo uso e ocupação do solo no meio urbano Final século XVIII Revolução Industrial Migração do homem do campo objetivo

Leia mais

A CRISE DO MOVIMENTO MODERNO

A CRISE DO MOVIMENTO MODERNO UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO Curso: Arquitetura e Urbanismo HISTÓRIA DA ARQUITETURA E DO URBANISMO III Prof. a Raquel Portes A CRISE

Leia mais

DIRETRIZES PROJETUAIS PARA A REABILITAÇÃO DO CENTRO OLÍMPICO DE PRESIDENTE PRUDENTE SP

DIRETRIZES PROJETUAIS PARA A REABILITAÇÃO DO CENTRO OLÍMPICO DE PRESIDENTE PRUDENTE SP Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 213 DIRETRIZES PROJETUAIS PARA A REABILITAÇÃO DO CENTRO OLÍMPICO DE PRESIDENTE PRUDENTE SP Melina Yumi Koyama¹; Hélio

Leia mais

A Criação de Espaços Particulares. Condomínios horizontais: das vilas aos condomínios suburbanos

A Criação de Espaços Particulares. Condomínios horizontais: das vilas aos condomínios suburbanos A Criação de Espaços Particulares dos jardins aos espaços condominiais Condomínios horizontais: das vilas aos condomínios suburbanos Sílvio Soares MACEDO PAISAGISMO BRASILEIRO (São Paulo, 2012) EDUSP e

Leia mais

Geografia Agrária Geral

Geografia Agrária Geral 1. (Uerj) Geografia Agrária Geral Analisando os gráficos, verifica-se que, além dos EUA, alguns países europeus são simultaneamente grandes exportadores e grandes importadores de produtos agrícolas. Apresente,

Leia mais

Aula 01 Conceitos Sobre Planejamento Urbano

Aula 01 Conceitos Sobre Planejamento Urbano Departamento de Construção Civil Curso de Tecnologia em Const. Civil Aula 01 Conceitos Sobre Planejamento Urbano Prof.ª Me. Fabiana Marques Julho/2015 CONCEITUAÇÃO SOBRE Roteiro de Palestra sobre Urbanismo,

Leia mais

Projeto: Brasília, 50 Anos

Projeto: Brasília, 50 Anos CONGREGAÇÃO DAS IRMÃS AUXILIARES DE NOSSA SENHORA DA PIEDADE Instituto São José Sobradinho - DF Projeto: Brasília, 50 Anos A comemoração dos 50 anos da capital do Brasil abre espaço para estudar os traços

Leia mais

SIMPÓSIO TEMÁTICO: BRASÍLIA CONFRONTO ENTRE A ILUMINAÇÃO DO PASSADO E A REFLEXÃO SOBRE UM PRESENTE EM EVOLUÇÃO CONSTANTE

SIMPÓSIO TEMÁTICO: BRASÍLIA CONFRONTO ENTRE A ILUMINAÇÃO DO PASSADO E A REFLEXÃO SOBRE UM PRESENTE EM EVOLUÇÃO CONSTANTE SIMPÓSIO TEMÁTICO: BRASÍLIA CONFRONTO ENTRE A ILUMINAÇÃO DO PASSADO E A REFLEXÃO SOBRE UM PRESENTE EM EVOLUÇÃO CONSTANTE TÍTULO: O CONCURSO PARA O PLANO PILOTO DE BRASÍLIA: TERRITÓRIO E INFRAESTRUTURA

Leia mais

Revitalização Urbana / Demolindo Viadutos e Construindo Parques - I Enviado por Javier Vergara Petrescu (27.05.07 @ 18:30 )

Revitalização Urbana / Demolindo Viadutos e Construindo Parques - I Enviado por Javier Vergara Petrescu (27.05.07 @ 18:30 ) 01/06/2007 Revitalização Urbana / Demolindo Viadutos e Construindo Parques - I Enviado por Javier Vergara Petrescu (27.05.07 @ 18:30 ) Por aqui transitavam mais de160.000 carros por dia Podem imaginar

Leia mais

Urbanismo Culturalista

Urbanismo Culturalista Urbanismo Culturalista Com uma abordagem urbana mais nostálgica e preocupando-se mais com as questões morais, especialmente ligadas às relações sociais, os urbanistas culturalistas fizeram propostas de

Leia mais

PURP 37 PLANILHA DE PARÂMETROS URBANÍSTICOS E DE PRESERVAÇÃO AP7 UP8 SETOR DE CLUBES ESPORTIVOS NORTE SCEN ESCALA PREDOMINANTE: BUCÓLICA

PURP 37 PLANILHA DE PARÂMETROS URBANÍSTICOS E DE PRESERVAÇÃO AP7 UP8 SETOR DE CLUBES ESPORTIVOS NORTE SCEN ESCALA PREDOMINANTE: BUCÓLICA AP7 UP8 Folha 1 / 11 AP7 UP8 Folha 2 / 11 VALOR PATRIMONIAL PLANILHA DE PARÂMETROS URBANÍSTICOS E DE PRESERVAÇÃO A ATRIBUTOS DE CONFIGURAÇÃO URBANA: TECIDO (MALHA / PARCELAMENTO DO SOLO / CHEIOS E VAZIOS)

Leia mais

O Interface de Transportes

O Interface de Transportes O Interface de Transportes Tipologias de funcionamento e morfologia espacial - aplicação ao projecto Resumo Alargado Inês Isabel do Nascimento Piedade Dissertação para obtenção do Grau de Mestre em Arquitectura

Leia mais

Livro explica a obra de Oscar Niemeyer

Livro explica a obra de Oscar Niemeyer LANÇAMENTO Unic Josafá Vilarouca Renata Tomasetti (11) 5051-6639 josafa@unicbuilding.com.br renata@unicbuilding.com.br Livro explica a obra de Oscar Niemeyer Maior gênio da arquitetura brasileira tem sua

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Maio 2012 BAIRROS PLANEJADOS UMA REALIDADE NO BRASIL

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Maio 2012 BAIRROS PLANEJADOS UMA REALIDADE NO BRASIL Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Maio 2012 BAIRROS PLANEJADOS UMA REALIDADE NO BRASIL Ivo Szterling, Arquiteto Urbanista Diretor de Urbanismo da Cipasa Desenvolvimento

Leia mais

GAPTEC. Estudos de Orientação Para o Planeamento do Concelho de Odivelas. Relatório Final Volume II. Maio 2003

GAPTEC. Estudos de Orientação Para o Planeamento do Concelho de Odivelas. Relatório Final Volume II. Maio 2003 GAPTEC Departamento de Planeamento Estratégico Divisão do Plano Director Municipal Estudos de Orientação Para o Planeamento do Concelho de Odivelas Maio 2003 Relatório Final Volume II EQUIPA Coordenadores

Leia mais

LEGISLAÇÃO DE ORDENAMENTO DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO

LEGISLAÇÃO DE ORDENAMENTO DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO LEGISLAÇÃO DE ORDENAMENTO DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO ANEXO IX TEXTO ATUALIZADO DA LEI MUNICIPAL N o 2.683/82 ATÉ 24/02/14 (NÃO SUBSTITUI O TEXTO ORIGINAL) ANEXO IX - RESTRIÇÕES APLICÁVEIS ÀS ÁREAS SUJEITAS

Leia mais

4º DISTRITO SECRETARIA DO PLANEJAMENTO MUNICIPAL PROGRAMA PORTO DO FUTURO

4º DISTRITO SECRETARIA DO PLANEJAMENTO MUNICIPAL PROGRAMA PORTO DO FUTURO 4º DISTRITO SECRETARIA DO PLANEJAMENTO MUNICIPAL PROGRAMA PORTO DO FUTURO Grupo de Trabalho / Secretaria do Planejamento Municipal / SPM: Arquitetos: Míriam Maciel Echel Tânia Regina S. C. de Oliveira

Leia mais

A OUTORGA ONEROSA DE ALTERAÇÃO DE USO

A OUTORGA ONEROSA DE ALTERAÇÃO DE USO ESTADO DA PARAÍBA PREFEITURA MUNICIPAL DE JOÃO PESSOA Assessoria Técnica SEPLAM Sobre a Lei Nº 12.145, DE 08 DE SETEMBRO DE 2011. A OUTORGA ONEROSA DE ALTERAÇÃO DE USO REFERÊNCIAS LEGAIS Lei 10.257/01

Leia mais

3. AGENTES E PROCESSOS DE TRANSFORMAÇÃO

3. AGENTES E PROCESSOS DE TRANSFORMAÇÃO Vítor Oliveira 3. AGENTES E PROCESSOS DE TRANSFORMAÇÃO Aulas de Morfologia Urbana Agentes e processos de transformação 1. Agentes responsáveis pela transformação urbana 2. Processos de transformação urbana

Leia mais

ARQUITETURA MODERNA BRASILEIRA (a partir de 1944)

ARQUITETURA MODERNA BRASILEIRA (a partir de 1944) ARQUITETURA MODERNA BRASILEIRA (a partir de 1944) Lúcio Costa e Oscar Niemeyer TEORIA E HISTÓRIA DA ARQUITETURA IV Profa. Dra. Deusa Maria R. Boaventura Profa. Isabela Ferrante 1. Arquitetura Moderna Brasileira

Leia mais

PLANILHA DE PARÂMETROS URBANÍSTICOS E DE PRESERVAÇÃO AP1 UP3 ESPLANADA DA TORRE DE TV ESCALA PREDOMINANTE: MONUMENTAL PURP 03. AP1 UP3 Folha 1 / 5

PLANILHA DE PARÂMETROS URBANÍSTICOS E DE PRESERVAÇÃO AP1 UP3 ESPLANADA DA TORRE DE TV ESCALA PREDOMINANTE: MONUMENTAL PURP 03. AP1 UP3 Folha 1 / 5 AP1 UP3 Folha 1 / 5 PLANILHA DE PARÂMETROS URBANÍSTICOS E DE PRESERVAÇÃO AP1 UP3 AP1 UP3 ESPLANADA DA TORRE DE TV ESCALA PREDOMINANTE: MONUMENTAL Folha 2 / 5 VALOR PATRIMONIAL DISPOSITIVOS DE USO E OCUPAÇÃO

Leia mais

CORREDOR TRANSCARIOCA

CORREDOR TRANSCARIOCA P R E F E I T U R A DA C I D A D E DO R IO DE J A N E I R O S E C R E TA R I A M U N I C I PA L DE U R B A N I S M O C O O R D E N A D O R I A G E R A L DE P L A N E J A M E N T O URBANO C O O R D E N

Leia mais

3.3. O Conjunto Habitacional Zezinho de Magalhães Prado

3.3. O Conjunto Habitacional Zezinho de Magalhães Prado 6 3.3. O Conjunto Habitacional Zezinho de Magalhães Prado 3.3.. O projeto: Implantação e áreas livres de uso comum Os materiais não se podem construir em si mesmo. São os homens que projetam e executam.

Leia mais

AEAMESP 20ª PLANEJAMENTO E GESTÃO EM CINGAPURA PLANEJAMENTO E GESTÃO EM CINGAPURA SEMANA DE TECNOLOGIA METROFERROVIÁRIA

AEAMESP 20ª PLANEJAMENTO E GESTÃO EM CINGAPURA PLANEJAMENTO E GESTÃO EM CINGAPURA SEMANA DE TECNOLOGIA METROFERROVIÁRIA PLANEJAMENTO E GESTÃO EM CINGAPURA Marise Rauen Vianna Michel Hoog Chaui do Vale 20ª SEMANA DE TECNOLOGIA METROFERROVIÁRIA AEAMESP PLANEJAMENTO E GESTÃO E EM EM CINGAPURA UM CASO A SER OBSERVADO À LUZ

Leia mais

APÊNDICE C: Pré-análise das representações dos Grupos focais por tema e Grupo trabalhado

APÊNDICE C: Pré-análise das representações dos Grupos focais por tema e Grupo trabalhado APÊNDICE C: Pré-análise das representações dos Grupos focais por tema e Grupo trabalhado Tema: A cidade de Goiânia e o goianiense Questões abordadas: Falem o que é Goiânia para vocês. Como vocês veem a

Leia mais

Imagens Modernistas no Urbanismo de Porto Alegre 1950-1960

Imagens Modernistas no Urbanismo de Porto Alegre 1950-1960 Imagens Modernistas no Urbanismo de Porto Alegre 1950-1960 Resumo Esse trabalho enfoca o período da história da cidade de Porto Alegre no qual as idéias modernistas se difundiram nos meios técnico, acadêmico

Leia mais

AS INTERFACES DO PLANEJAMENTO URBANO COM A MOBILIDADE

AS INTERFACES DO PLANEJAMENTO URBANO COM A MOBILIDADE AS INTERFACES DO PLANEJAMENTO URBANO COM A MOBILIDADE Quando focalizamos a condição de sermos moradores de um aglomerado, isso nos remete a uma posição dentro de um espaço físico, um território. Esse fato,

Leia mais

Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, no hotel Skt. Petri

Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, no hotel Skt. Petri Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, no hotel Skt. Petri Copenhague-Dinamarca, 01 de outubro de 2009 Bem, primeiro dizer a vocês da alegria de poder estar

Leia mais

PURP 54 PLANILHA DE PARÂMETROS URBANÍSTICOS E DE PRESERVAÇÃO AP9 UP3 SETOR DE RECREAÇÃO PÚBLICA NORTE ESCALA PREDOMINANTE: BUCÓLICA

PURP 54 PLANILHA DE PARÂMETROS URBANÍSTICOS E DE PRESERVAÇÃO AP9 UP3 SETOR DE RECREAÇÃO PÚBLICA NORTE ESCALA PREDOMINANTE: BUCÓLICA AP9 UP3 Folha 1 / 7 AP9 UP3 Folha 2 / 7 VALOR PATRIMONIAL PLANILHA DE PARÂMETROS URBANÍSTICOS E DE PRESERVAÇÃO A ATRIBUTOS DE CONFIGURAÇÃO URBANA: TECIDO (MALHA / PARCELAMENTO DO SOLO / CHEIOS E VAZIOS)

Leia mais

Urban View. Urban Reports. Operações urbanas: Lapa-Brás e o novo traçado ferroviário

Urban View. Urban Reports. Operações urbanas: Lapa-Brás e o novo traçado ferroviário Urban View Urban Reports Operações urbanas: Programa Falando em dinheiro, coluna Minha cidade, meu jeito de morar e investir Rádio Estadão ESPN Operações urbanas: Com o intuito de direcionar o crescimento

Leia mais

TRATAMENTO DAS TRAVESSIAS RODOVIÁRIAS EM ÁREAS URBANAS

TRATAMENTO DAS TRAVESSIAS RODOVIÁRIAS EM ÁREAS URBANAS TRATAMENTO DAS TRAVESSIAS % RODOVIÁRIAS EM ÁREAS URBANAS AS COMUNIDADES LOCALIZADAS ÀS MARGENS DE RODOVIAS FREQÜENTEMENTE SE DEPARAM COM SITUAÇÕES NAS QUAIS OS CONFLITOS DE TRÁFEGO SE TORNAM CRÍTICOS.

Leia mais

Análise Arquitetônica. PUC-Rio Prof. Rodrigo Cury

Análise Arquitetônica. PUC-Rio Prof. Rodrigo Cury Análise Arquitetônica PUC-Rio Prof. Rodrigo Cury desenhos habilidade de desenhar talento técnica repetição prazer pensamento gráfico imaginar pelo desenho testar hipóteses perceber relações análise gráfica

Leia mais

PLANEJAMENTO PARA A VITALIDADE DAS CIDADES

PLANEJAMENTO PARA A VITALIDADE DAS CIDADES PLANEJAMENTO PARA A VITALIDADE DAS CIDADES MARANGONI FILHO, Mário Faculdade Municipal Professor Franco Motoro (FMPFM) mariomarangoni@uol.com.br RESUMO: O presente artigo abrange o estudo das propostas

Leia mais

RELATÓRIO FINAL ALFABETIZAÇÃO 2010

RELATÓRIO FINAL ALFABETIZAÇÃO 2010 RELATÓRIO FINAL ALFABETIZAÇÃO 2010 Débora Rana Introdução Participar da seleção do Prêmio Victor Civita, pela segunda vez, é uma experiência bastante interessante, pois permite estabelecer relações entre

Leia mais

GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 56 A CIDADE DO RIO DE JANEIRO

GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 56 A CIDADE DO RIO DE JANEIRO GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 56 A CIDADE DO RIO DE JANEIRO Como pode cair no enem? Com base no mapa e na literatura sobre a região metropolitana do Rio de Janeiro, é correto afirmar: a) A cidade do Rio de

Leia mais

ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL ZEIS

ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL ZEIS ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL ZEIS De acordo com o Plano Diretor as ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL ZEIS são porções do território destinadas, prioritariamente, à recuperação urbanística, à regularização

Leia mais

São Paulo/SP - Planejamento urbano deve levar em conta o morador da rua

São Paulo/SP - Planejamento urbano deve levar em conta o morador da rua São Paulo/SP - Planejamento urbano deve levar em conta o morador da rua Pesquisa traz reflexões para melhorar a situação da população de rua e indica falhas nas políticas públicas. Moradores de rua na

Leia mais

Reflexão sobre o espírito do público na arquitetura contemporânea.

Reflexão sobre o espírito do público na arquitetura contemporânea. XX Congresso Brasileiro de Arquitetos Fortaleza, 22 04 14 Reflexão sobre o espírito do público na arquitetura contemporânea. Arquiteto Sérgio Magalhães Muito boa noite. Minha saudação cordial a todos.

Leia mais

Disciplina: Geografia 9º ano Turma: Professora: Renata Sampaio Ficha: 02 Bimestre: 3º

Disciplina: Geografia 9º ano Turma: Professora: Renata Sampaio Ficha: 02 Bimestre: 3º Disciplina: Geografia 9º ano Turma: Professora: Renata Sampaio Ficha: 02 Bimestre: 3º Apresentação: Esta ficha atende a dois objetivos principais: 1. Oferecer os conteúdos básicos a respeito dos objetivos

Leia mais

Apresentação Zonas 30 e Ruas Completas Rede Vida no Trânsito 11 de Março de 2015

Apresentação Zonas 30 e Ruas Completas Rede Vida no Trânsito 11 de Março de 2015 Apresentação Zonas 30 e Ruas Completas Rede Vida no Trânsito 11 de Março de 2015 O PLAMUS foi elaborado por consórcio de três empresas Logit Engenharia, Strategy& e Machado Meyer Advogados, com cinco parceiros

Leia mais

PROPOSTA DE UM SISTEMA NACIONAL DE ÁREAS VERDES Claudia Steiner, Eng.ª Agr.ª, doutoranda Geografia UFRGS claudia@maracaja.com.br

PROPOSTA DE UM SISTEMA NACIONAL DE ÁREAS VERDES Claudia Steiner, Eng.ª Agr.ª, doutoranda Geografia UFRGS claudia@maracaja.com.br PROPOSTA DE UM SISTEMA NACIONAL DE ÁREAS VERDES Claudia Steiner, Eng.ª Agr.ª, doutoranda Geografia UFRGS claudia@maracaja.com.br Apresentação Em diferentes trabalhos técnicos e acadêmicos brasileiros as

Leia mais

CADERNO DE CAMPO (GRUPO 13) DO IDEAL À REALIDADE EM TRANSFORMAÇÃO CONSIDERAÇÕES SOBRE A TRAJETÓRIA URBANO-ESTRUTURAL DO DISTRITO FEDERAL

CADERNO DE CAMPO (GRUPO 13) DO IDEAL À REALIDADE EM TRANSFORMAÇÃO CONSIDERAÇÕES SOBRE A TRAJETÓRIA URBANO-ESTRUTURAL DO DISTRITO FEDERAL UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE FILOSOFIA, LETRAS E CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA FLG0435 - TRABALHO DE CAMPO EM GEOGRAFIA I PROF. DR. TARIK REZENDE DE AZEVEDO CADERNO DE CAMPO (GRUPO

Leia mais

PLANILHA DE PARÂMETROS URBANÍSTICOS E DE PRESERVAÇÃO AP4 UP2 SUPERQUADRAS 400 ESCALA PREDOMINANTE: RESIDENCIAL PURP 16. AP4 UP2 Folha 1 / 12

PLANILHA DE PARÂMETROS URBANÍSTICOS E DE PRESERVAÇÃO AP4 UP2 SUPERQUADRAS 400 ESCALA PREDOMINANTE: RESIDENCIAL PURP 16. AP4 UP2 Folha 1 / 12 AP4 UP2 Folha 1 / 12 AP4 UP2 Folha 2 / 12 AP4 UP2 Folha 3 / 12 AP4 UP2 Folha 4 / 12 AP4 UP2 Folha 5 / 12 VALOR PATRIMONIAL PLANILHA DE PARÂMETROS URBANÍSTICOS E DE PRESERVAÇÃO A ATRIBUTOS DE CONFIGURAÇÃO

Leia mais

A ARQUITETURA. Professor H. Oliveira

A ARQUITETURA. Professor H. Oliveira A ARQUITETURA Professor H. Oliveira Quando os primeiros colonizadores portugueses fortificaram o litoral brasileiro e as ordens religiosas construíram os conventos e as igrejas, a arquitetura figurou como

Leia mais

WORKSHOP Governança Metropolitana e Mobilidade: Análise comparativa Curitiba e Montreal. Dias 28 e 29 de junho de 2012

WORKSHOP Governança Metropolitana e Mobilidade: Análise comparativa Curitiba e Montreal. Dias 28 e 29 de junho de 2012 WORKSHOP Governança Metropolitana e Mobilidade: Análise comparativa Curitiba e Montreal Dias 28 e 29 de junho de 2012 INCLUSÃO DO EXCLUÍDO? POLÍTICA DE MOBILIDADE E DINÂMICA DO MERCADO DE TERRAS NA EXPANSÃO

Leia mais

OFÍCIO Nº. 0449 /2008/PR/CAPES. Brasília, 20 de outubro de 2008. Senhor Diretor,

OFÍCIO Nº. 0449 /2008/PR/CAPES. Brasília, 20 de outubro de 2008. Senhor Diretor, Fundação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior Ministério da Educação Anexos I e II 2º andar Caixa Postal 365 70359-970 Brasília, DF - Brasil Ao Senhor Cleômenes Viana Batista Diretor

Leia mais

Bairro Quartier é apresentado em Porto Alegre

Bairro Quartier é apresentado em Porto Alegre Bairro Quartier é apresentado em Porto Alegre Primeiro bairro sustentável do Rio Grande do Sul tem projeto de Jaime Lerner Arquitetos Associados A Joal Teitelbaum Escritório de Engenharia e a Guapo Capital

Leia mais

Regionalização Brasileira

Regionalização Brasileira GEOGRAFIA DO BRASIL Regionalização Brasileira A República Federativa do Brasil é formada por 26 estados e pelo Distrito Federal. Os estados, por sua vez, dividem-se em municípios, os quais são as menores

Leia mais

PURP 33 PLANILHA DE PARÂMETROS URBANÍSTICOS E DE PRESERVAÇÃO AP7 UP4 SETOR DE CLUBES ESPORTIVOS SUL SCES ESCALA PREDOMINANTE: BUCÓLICA

PURP 33 PLANILHA DE PARÂMETROS URBANÍSTICOS E DE PRESERVAÇÃO AP7 UP4 SETOR DE CLUBES ESPORTIVOS SUL SCES ESCALA PREDOMINANTE: BUCÓLICA AP7 UP4 Folha 1 / 14 AP7 AP7 UP4 UP4 SETOR DE CLUBES ESPORTIVOS SUL SCES ESCALA PREDOMINANTE: BUCÓLICA Folha 2 / 14 VALOR PATRIMONIAL A ATRIBUTOS DE CONFIGURAÇÃO URBANA: TECIDO (MALHA / PARCELAMENTO DO

Leia mais

Considerações sobre a segurança urbana das mulheres através do direito à cidade, Polônia

Considerações sobre a segurança urbana das mulheres através do direito à cidade, Polônia Considerações sobre a segurança urbana das mulheres através do direito à cidade, Polônia Shelley Buckingham As Mulheres e Violência Urbana As ameaças de crime e violência são mais altas nas cidades, particularmente

Leia mais

Este livro encontra-se assim estruturado:

Este livro encontra-se assim estruturado: CIDADE, POVO E NAÇÃO: Gênese do Urbanismo Moderno * Mônica McAllister ** Trata-se de uma seleção de textos apresentados no seminário Origens das Políticas Urbanas Modernas: Europa e América Latina, Empréstimos

Leia mais

RENOVAÇÃO URBANA EM BATTERY PARK CITY. Prof. Dr. Eduardo A. C. Nobre. Histórico

RENOVAÇÃO URBANA EM BATTERY PARK CITY. Prof. Dr. Eduardo A. C. Nobre. Histórico RENOVAÇÃO URBANA EM BATTERY PARK CITY Prof. Dr. Eduardo A. C. Nobre Histórico O empreendimento do Battery Park City está localizado no baixo Manhattan, em Nova Iorque, em um aterro sobre o rio Hudson,

Leia mais

O TRANSPORTE RODOVIÁRIO INTERNACIONAL DE CARGAS E O APROVEITAMENTO DE CRÉDITOS DE ICMS DESTA ATIVIDADE POR SE TRATAR DE EXPORTAÇÃO DE SERVIÇOS

O TRANSPORTE RODOVIÁRIO INTERNACIONAL DE CARGAS E O APROVEITAMENTO DE CRÉDITOS DE ICMS DESTA ATIVIDADE POR SE TRATAR DE EXPORTAÇÃO DE SERVIÇOS O TRANSPORTE RODOVIÁRIO INTERNACIONAL DE CARGAS E O APROVEITAMENTO DE CRÉDITOS DE ICMS DESTA ATIVIDADE POR SE TRATAR DE EXPORTAÇÃO DE SERVIÇOS INTRODUÇÃO O conhecimento e a correta utilização das regras

Leia mais

Revitalizacão de áreas

Revitalizacão de áreas solange de oliveira patrícia a. nascimento sheila nicolini neto orgel ramos júnior estudo de casos Parque das Nações (Lisboa); Estação das Docas (Belém/PA). RioCidade (Rio de Janeiro). 2 panorama Estação

Leia mais

Capitalismo na China é negócio de Estado e no Brasil é negócio de governo*

Capitalismo na China é negócio de Estado e no Brasil é negócio de governo* Capitalismo na China é negócio de Estado e no Brasil é negócio de governo* Carlos Sidnei Coutinho** Cenário Mundial na primeira década do século XXI Os Estados soberanos se destacam como garantidores,

Leia mais

Alternativas para as propostas da Copa em Belo Horizonte

Alternativas para as propostas da Copa em Belo Horizonte 8ª BIENAL INTERNACIONAL DA ARQUITETURA Workshop para Qualificação Urbana em Cidades-Sede da COPA 2014 Belo Horizonte Alternativas para as propostas da Copa em Belo Horizonte 24 a 27 de novembro de 2009

Leia mais

Geografia da Fome. Geopolítica da fome

Geografia da Fome. Geopolítica da fome Atividade facebook para os alunos dos 8 anos C, D e E da Emeb Estância. Continuando a temática "formação da desigualdade social", nesse bimestre vocês me farão uma PESQUISA BIOGRÁFICA DO GEÓGRAFO CHAMADO

Leia mais

Trabalho Prático. Breve descrição de conceitos e desenvolvimento teórico da temática

Trabalho Prático. Breve descrição de conceitos e desenvolvimento teórico da temática Trabalho Prático Designação do Projecto Proposta de Valorização da Zona Ribeirinha do Montijo Tema Cidades Saudáveis e Respostas Locais Breve descrição de conceitos e desenvolvimento teórico da temática

Leia mais

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA FUNCIONAL ENTORNO IDENTIFICAR A RELAÇÃO DO EDIFÍCIO COM OS ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS EDIFICADAS, RELAÇÕES DE PROXIMIDADE, DIÁLOGO, INTEGRAÇÃO OU AUTONOMIA CASA VIZINHA

Leia mais

Viver, trabalhar e relaxar sem sair de casa

Viver, trabalhar e relaxar sem sair de casa 21:16 Page 8 Viver, trabalhar e relaxar sem sair de casa Construtoras investem em condomínios mistos, que facilitam vida de moradores e aliviam o trânsito N Bruno Martins as principais cidades do País,

Leia mais

C A M I N H E LEGAL Programa Reviva Centro

C A M I N H E LEGAL Programa Reviva Centro C A M I N H E LEGAL Programa Reviva Centro O que é? P r o b l e m á t i c a Trata da Padronização e disciplinamento dos passeios públicos, com especificação de dimensões, materiais, implantação de mobiliário

Leia mais

PLANO DE PORMENOR DO DALLAS PROGRAMA DE EXECUÇÃO PLANO DE FINANCIAMENTO

PLANO DE PORMENOR DO DALLAS PROGRAMA DE EXECUÇÃO PLANO DE FINANCIAMENTO PLANO DE PORMENOR DO DALLAS PROGRAMA DE EXECUÇÃO PLANO DE FINANCIAMENTO DIRECÇÃO MUNICIPAL DE URBANISMO DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE PLANEAMENTO URBANO DIVISÃO MUNICIPAL DE PLANEAMENTO E ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO

Leia mais

COMÉRCIO E ESPAÇO COLETIVO

COMÉRCIO E ESPAÇO COLETIVO COMÉRCIO E ESPAÇO COLETIVO CONCEITO-HISTÓRICO-PROJETO Prof Ms Arq Aroldo Marcio Ferreira ESPAÇO COLETIVO-CONCEITO ESPAÇO URBANO PÚBLICO OU PRIVADO DE MANIFESTAÇÕES SOCIAIS COLETIVAS CONVIVENCIA-LAZER-CONTEMPLAÇÃO-ALIMENTAÇÃO-CULTURAL

Leia mais

Brasília. Congresso Nacional programa funcional. Relações espaciais. expansão criação. Valério A. S. de Medeiros

Brasília. Congresso Nacional programa funcional. Relações espaciais. expansão criação. Valério A. S. de Medeiros Brasília Congresso Nacional programa funcional Relações espaciais expansão criação Valério A. S. de Medeiros Professor da Universidade de Brasília e do Centro Universitário Unieuro Arquiteto da Câmara

Leia mais

Modelos de Produção. 1 Empresas: Movimentos Ideológicos. 1.1 - Taylorismo:

Modelos de Produção. 1 Empresas: Movimentos Ideológicos. 1.1 - Taylorismo: Modelos de Produção 1 Empresas: Movimentos Ideológicos 1.1 - Taylorismo: Taylorismo ou Administração científica é o modelo de administração desenvolvido pelo engenheiro norte-americano Frederick Taylor

Leia mais

SIMULADO 4 JORNAL EXTRA ESCOLAS TÉCNICAS HISTÓRIA

SIMULADO 4 JORNAL EXTRA ESCOLAS TÉCNICAS HISTÓRIA SIMULADO 4 JORNAL EXTRA ESCOLAS TÉCNICAS HISTÓRIA QUESTÃO 01 De uma forma inteiramente inédita, os humanistas, entre os séculos XV e XVI, criaram uma nova forma de entender a realidade. Magia e ciência,

Leia mais

IDEIA FORÇA. Redução do Tempo de Deslocamento Humano (Mobilidade)

IDEIA FORÇA. Redução do Tempo de Deslocamento Humano (Mobilidade) IDEIA FORÇA Redução do Tempo de Deslocamento Humano (Mobilidade) DETALHAMENTO: Mobilidade humana (trabalhador precisa respeito); Melhorar a qualidade e quantidade de transporte coletivo (Lei da oferta

Leia mais

Hevelyn Baer Villar_ Trabajo Final de Graduação Interdisciplinar

Hevelyn Baer Villar_ Trabajo Final de Graduação Interdisciplinar Trabalho Final de Graduação Interdisciplinar Centro Cultural Maembipe O projeto foi indicado pela Universidade Estadual de Londrina para participar no concurso Ópera Prima de projetos de Fim de Graduação.

Leia mais

Estes são os conteúdos e sugestões de atividades para os estudos de recuperação semestral.

Estes são os conteúdos e sugestões de atividades para os estudos de recuperação semestral. Nome: Nº: Ano: 8º ano Ensino Fundamental Disciplina: Geografia Data: / / Prof: Flávio Alexander Ribeiro Nota: Roteiro de Recuperação 2ª etapa Caro aluno, Estes são os conteúdos e sugestões de atividades

Leia mais

PARADIGMAS INOVADORES EM PLANEJAMENTO URBANO E GESTÃO*

PARADIGMAS INOVADORES EM PLANEJAMENTO URBANO E GESTÃO* PARADIGMAS INOVADORES EM PLANEJAMENTO URBANO E GESTÃO* BEATRIZ FLEURY E SILVA 1 LUIZ ANTÔNIO N. FALCOSKI 2 SILVA, B. F. e; FALCOSKI, L. A. N. Paradigmas inovadores em planejamento urbano e gestão Semina:

Leia mais

Ministério da Cultura apresenta Banco do Brasil apresenta e patrocina ZULEIKA DE SOUZA

Ministério da Cultura apresenta Banco do Brasil apresenta e patrocina ZULEIKA DE SOUZA Ministério da Cultura apresenta Banco do Brasil apresenta e patrocina ZULEIKA DE SOUZA Brasília nasceu em 1960. Uma cidade planejada como um tesouro, um X no mapa do Estado de Goiás. Nas palavras de seu

Leia mais

HISTÓRIA DA FORMA URBANA

HISTÓRIA DA FORMA URBANA Vítor Oliveira HISTÓRIA DA FORMA URBANA Aulas de Morfologia Urbana História da forma urbana 1. A cidade Grega 2. A cidade Romana 3. A cidade Medieval 4. A cidade do Renascimento 5. A cidade Barroca 6.

Leia mais

JOAQUIM ANTÔNIO MENDONÇA DE RIBEIRO

JOAQUIM ANTÔNIO MENDONÇA DE RIBEIRO S. José do Rio Preto JOAQUIM ANTÔNIO MENDONÇA DE RIBEIRO Diretor Regional do Secovi-SP São José do Rio Preto São José do Rio Preto Padrão urbanístico similar ao de cidades de grande porte; O maior aglomerado

Leia mais

Filósofos. A história administração. Filósofos. Igreja Católica e Organização Militar. Revolução Industrial

Filósofos. A história administração. Filósofos. Igreja Católica e Organização Militar. Revolução Industrial Uninove Sistemas de Informação Teoria Geral da Administração 3º Semestre Prof. Fábio Magalhães Blog da disciplina: http://fabiotga.blogspot.com A história administração A história da Administração é recente,

Leia mais

os projetos de urbanização de favelas 221

os projetos de urbanização de favelas 221 5.15 Favela Jardim Floresta. Vielas e padrão de construção existente. 5.16 Favela Jardim Floresta. Plano geral de urbanização e paisagismo. 5.17 Favela Jardim Floresta. Seção transversal. 5.18 Favela Jardim

Leia mais

Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa

Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa Alfabetização em foco: PROJETOS DIDÁTICOS E SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS EM DIÁLOGO COM OS DIFERENTES COMPONENTES CURRICULARES Ano 03 Unidade 06 Organização do

Leia mais

O Caminho do Apartamento Moderno no Brasil

O Caminho do Apartamento Moderno no Brasil - SEPesq O Caminho do Apartamento Moderno no Brasil Vivian K.Levy Mestranda em Arquitetura e Urbanismo Unirriter Vivianklevy@gmail.com Resumo Este artigo trata da evolução, do caminho que a tipologia do

Leia mais

Por iniciativa do Prefeito, com discussão com a comunidade até ser transformado em lei pela Câmara Municipal.

Por iniciativa do Prefeito, com discussão com a comunidade até ser transformado em lei pela Câmara Municipal. Nossa Betim na Câmara Setembro-2015 Neste relatório mensal de acompanhamento do Legislativo vamos conhecer um pouco mais sobre algumas ações importantes dos legisladores no município, além dos projetos

Leia mais

As cidades do Futuro: sustentáveis e inteligentes

As cidades do Futuro: sustentáveis e inteligentes As cidades do Futuro: sustentáveis e inteligentes Nome completo: Carlos Leite Data: 23/08/2010 Artigo Publicado na Revista AU (http://www.revistaau.com.br/ arquitetura-urbanismo/197/imprime181306.asp)

Leia mais

POLÍTICA URBANA E DINAMIZAÇÃO DO COMÉRCIO DE RUA

POLÍTICA URBANA E DINAMIZAÇÃO DO COMÉRCIO DE RUA POLÍTICA URBANA E DINAMIZAÇÃO DO COMÉRCIO DE RUA Seminário GVcev: Polos Varejistas de Rua: Oportunidades para o varejo e a revitalização das cidades Fernando de Mello Franco 11 novembro 2014 DOMINGO, 09

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA OFICINA DE CAPACITAÇÃO PARA O PLANO DIRETOR: REGIONAL TATUQUARA 03/04/2014 CURITIBA MARÇO/2014 Realizações no dia

Leia mais

GERAL. Porto Olímpico

GERAL. Porto Olímpico Porto Olímpico projeto O Porto Maravilha e o Porto Olímpico N Porto Olímpico aprox. 145.000m2 de área Porto Maravilha aprox. 5.000.000m2 de área aprox. 100.000m2 aprox. 45.000m2 Porquê o Porto? Porquê

Leia mais

Praça da Alfândega vai voltar no tempo

Praça da Alfândega vai voltar no tempo Praça da Alfândega vai voltar no tempo Obra, com remoção de palmeiras, devolverá ao local característica de 1924. A partir do final do ano, a Praça da Alfândega, no centro da Capital, será cercada por

Leia mais

I Fórum Nacional sobre Travessia Acessível

I Fórum Nacional sobre Travessia Acessível I Fórum Nacional sobre Travessia Acessível dias 5, 6 e 7 de novembro de 2007 Centro Cultural Banco do Brasil Rua da Quitanda,18-3 o andar São Paulo - SP DEFINIÇÃO Lombofaixas: É uma lombada mais larga

Leia mais

Plano de Pormenor de Reabilitação Urbana de Santa Catarina TERMOS DE REFERÊNCIA

Plano de Pormenor de Reabilitação Urbana de Santa Catarina TERMOS DE REFERÊNCIA Plano de Pormenor de Reabilitação Urbana de Santa Catarina Câmara Municipal de Sines Departamento de Gestão Territorial Divisão de Planeamento, Ordenamento do Território e Ambiente Novembro de 2012 Índice

Leia mais

Curitiba/PR - Palacete do Batel será restaurado

Curitiba/PR - Palacete do Batel será restaurado Curitiba/PR - Palacete do Batel será restaurado O Palacete do Batel está em obras. Um projeto, encomendado pelos proprietários do imóvel, com o aval do Conselho Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico

Leia mais

AS TRANSFORMAÇÕES SOCIOESPACIAIS NA REGIÃO DO BARREIRO: A METROPOLIZAÇÃO NA PERIFERIA DE BELO HORIZONTE.

AS TRANSFORMAÇÕES SOCIOESPACIAIS NA REGIÃO DO BARREIRO: A METROPOLIZAÇÃO NA PERIFERIA DE BELO HORIZONTE. AS TRANSFORMAÇÕES SOCIOESPACIAIS NA REGIÃO DO BARREIRO: A METROPOLIZAÇÃO NA PERIFERIA DE BELO HORIZONTE. Saulo de Paula Pinto e Souza Evânio dos Santos Branquinho 1068 saulodepaula@gmail.com Geografia

Leia mais

Presença das artes visuais na educação infantil: idéias e práticas correntes

Presença das artes visuais na educação infantil: idéias e práticas correntes Capítulo 15 - Artes Visuais Introdução As Artes Visuais expressam, comunicam e atribuem sentido a sensações, sentimentos, pensamentos e realidade por meio da organização de linhas, formas, pontos, tanto

Leia mais

CAP. 20 REGIÃO CENTRO- OESTE. Prof. Clésio

CAP. 20 REGIÃO CENTRO- OESTE. Prof. Clésio CAP. 20 REGIÃO CENTRO- OESTE Prof. Clésio 1 O MEIO NATURAL E OS IMPACTOS AMBIENTAIS A região Centro- Oeste é formada pelos estados de Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Goiás e Distrito Federal. Ocupa cerca

Leia mais

DOTS Desenvolvimento Orientado ao Transporte Sustentável

DOTS Desenvolvimento Orientado ao Transporte Sustentável DOTS Desenvolvimento Orientado ao Transporte Sustentável O que é DOTS? Desenvolvimento Orientado ao Transporte Sustentável: modelo de planejamento e desenho urbano Critérios de desenho para bairros compactos,

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE Senhor Presidente do Conselho Nacional do Meio Ambiente: Proc.n º 02000.000562/2009-25 Ref: Proposta de Resolução de licenciamento de novos empreendimentos imobiliários de interesse social Relatório O

Leia mais

PROVA MULTIDISCIPLINAR I

PROVA MULTIDISCIPLINAR I Página1 COLÉGIO MILITAR DOM PEDRO II SEÇÃO TÉCNICA DE ENSINO PROVA MULTIDISCIPLINAR I Matemática, CFB, Filosofia, Arte 3º bimestre de 2013 6º ano Ensino Fundamental Aluno: Série: 6º ANO Turma: Data: 21

Leia mais

Planejamento Urbano e Ambiental e estado da arte: da municipalidade à sustentabilidade, da legalidade à realidade.

Planejamento Urbano e Ambiental e estado da arte: da municipalidade à sustentabilidade, da legalidade à realidade. Planejamento Urbano e Ambiental e estado da arte: da municipalidade à sustentabilidade, da legalidade à realidade. Fernanda Raggi (1); Neimar Freitas Duarte (2); Arnaldo Freitas de Oliveira Júnior (2)

Leia mais

Qualidade ambiental urbana X Qualidade de vida urbana

Qualidade ambiental urbana X Qualidade de vida urbana Qualidade ambiental urbana X Qualidade de vida urbana Msc. Marilia Araujo Roggero & Dr. Ailton Luchiari marília.roggero@usp.br & aluchiar@usp.br O presente artigo é parte do projeto de Doutorado de Msc.

Leia mais

Plano de Pormenor de Salvaguarda e Valorização do Núcleo Histórico de Sines. Proposta de Termos de Referência

Plano de Pormenor de Salvaguarda e Valorização do Núcleo Histórico de Sines. Proposta de Termos de Referência Plano de Pormenor de Salvaguarda e Valorização do Núcleo Histórico de Sines Proposta de Termos de Referência Câmara Municipal de Sines Divisão de Planeamento, Ordenamento do Território e Ambiente OUTUBRO

Leia mais

Apresentação do Plano de Ação VISEU VIVA

Apresentação do Plano de Ação VISEU VIVA Apresentação do Plano de Ação VISEU VIVA Almeida Henriques, Presidente da Câmara Municipal 18 Setembro Hoje apresentamos publicamente o Plano de Ação para a Revitalização do Centro Histórico de Viseu.

Leia mais

O MUSEU HISTÓRICO E A MEMÓRIA DA CIDADE DE PRESIDENTE PRUDENTE.

O MUSEU HISTÓRICO E A MEMÓRIA DA CIDADE DE PRESIDENTE PRUDENTE. O MUSEU HISTÓRICO E A MEMÓRIA DA CIDADE DE PRESIDENTE PRUDENTE. 68 Hélio Hirao Arquiteto e Mestre em Arquitetura e Urbanismo pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo USP. Doutorando em Geografia Urbana

Leia mais

REGIMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS URBANOS - NEURB CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO E FINALIDADE

REGIMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS URBANOS - NEURB CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO E FINALIDADE Preâmbulo Os representantes do CONFAUeD, reunidos em assembléia, no dia 30 de junho de 2011, para instituição dos regimentos dos seus laboratórios e núcleos, após deliberação aprovou o REGIMENTO INTERNO

Leia mais