IDC FINANCIAL CONNECTION Anuário TIC para os Sectores da Banca, Seguradoras e Outras Entidades Financeiras

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "IDC FINANCIAL CONNECTION Anuário TIC para os Sectores da Banca, Seguradoras e Outras Entidades Financeiras"

Transcrição

1 IDC FINANCIAL CONNECTION Anuário TIC para os Sectores da Banca, Seguradoras e Outras Entidades Financeiras Os dados falam por s.i. Apoio Institucional

2

3

4 FICHA TÉCNICA Promoção IDC Portugal - Marksearch, Estudos de Mercado, Lda Contribuinte nº Capital Social C.R.C.L Av. António Serpa, 36-6º Lisboa Tel.: Fax: Revisão Gabriel Coimbra Publicidade Bibiana Coimbra Concepção Gráfica e Paginação Monica Kalman Pré Impressão e Impressão Textype Periodicidade Anual Tiragem exemplares Sobre a IDC A IDC é a empresa líder mundial na área de market intelligence, serviços de consultoria e organização de eventos para os mercados das Tecnologias de Informação, Telecomunicações e Electrónica de Consumo. A IDC ajuda os profissionais de Tecnologias de Informação, decisores empresariais e investidores a tomarem decisões sobre tecnologia e estratégias de negócio baseadas em factos. Mais de 850 analistas da IDC em 50 países fornecem conhecimento profundo sobre oportunidades, tendências tecnológicas e evolução dos mercados a nível global, regional e local. Há mais de 42 anos que a IDC tem fornecido informação estratégica para ajudar os seus clientes a atingirem os objectivos de negócio Prefácio Editorial IDC Sector Financeiro, Sondagens e Previsões A Visão da Accenture O Desafio da Diferenciação A Visão da Associação Portuguesa de Bancos Algumas Reflexões sobre a Banca Portuguesa Listagem Principal Listagem Principal com todas as Empresas Todos os direitos reservados. A informação contida neste anuário não pode ser reproduzida, no todo ou em parte, qualquer que seja o método utilizado, salvo autorização expressa da IDC. Os artigos e opiniões constantes deste anuário são da responsabilidade dos próprios autores aos quais agradecemos a disponibilidade, empenho e confiança na concepção deste anuário.

5 ÍNDICE Hardware OKI Impressão Profissional que Permite Reduzir Custos e Aumentar Produtividade das Organizações Listagem de Empresas de Hardware Listagem de Empresas com Soluções Transversais para Relação com Canais Externos Soluções Específicas para a Banca IDC Banca - Linhas Orientadoras e Prioridades 62 Software Listagem de Empresas de Software 110 CSC CSC Transforma Pagamentos com Solução PAT Serviços de TI IT Peers Grid Computing A Nova Arquitectura para o Sector Financeiro Link Focar no Cliente. Optimizar os Processos. Reduzir o Risco. PT Prime PT e o Sector Financeiro, uma Aposta Renovada Listagem de Empresas de Serviços TI Telecomunicações Novis Líder da Inovação em Portugal Datacomp Tecnologia no Sector Financeiro Desafios e Oportunidades Listagem de Empresas com Soluções Específicas para a Banca Soluções Específicas para Seguradoras CSC SICS Cede, a Solução da CSC para o Resseguro Cedido IDC Seguros - Linhas Orientadoras e Prioridades Listagem de Empresas com Soluções Específicas para Seguradoras Listagem de Empresas de Telecomunicações Soluções Disponibilizadas Suporte de Processos Transversais Listagem de Empresas com Soluções para Suporte de Processos Transversais Soluções Específicas para Outras Instituições Financeiras Listagem de Empresas com Soluções Específicas para Outras Instituições Financeiras Outras Soluções Específicas APC E-banking A Infra-estrutura Crítica das Tecnologias de Informação 96 Soluções Transversais para Relação com Canais Externos Altitude Software A Revolução IP: Tendências e Impacto no Centro de Contacto Crédito Agrícola A Nova Rede de Comunicações do Grupo Crédito Agrícola: Projecto Trevo Listagem de Empresas com Outras Soluções Específicas 3

6 PREFÁCIO É com grande satisfação que a IDC publica o 1º Anuário TIC para os Sectores da Banca, Seguros e Outras Instituições Financeiras. Com a edição deste documento pretendemos alargar o conjunto de informação independente acessível ao mercado. Para os fornecedores, o objectivo é projectar as soluções hoje disponíveis no mercado, enquanto que para as organizações FINANCEIRAS este directório significa a possibilidade de consulta de um tipo de informação facilitadora no que toca a tarefa de consulta e decisão. Pretendemos assim, transformar este anuário numa ferramenta de trabalho de referência para identificar as principais tendências e os players deste sector. Embora as empresas apresentadas neste directório sejam consensualmente consideradas como as mais proeminentes no mercado de TIC, será bom notar que a lista não é de forma alguma exaustiva. Na realidade, a grande fragmentação existente no mercado torna proibitiva uma análise completa. Também por essa razão, embora a IDC tenha feito todos os esforços para apresentar a informação mais correcta possível, algumas empresas eventualmente foram excluídas devido à falta de dados disponíveis. Por fim, resta acrescentar que, este é o directório que nos abalançamos a realizar em um segmento que notoriamente estava por cobrir no nosso já vasto portfólio. Esperando preencher essa lacuna, temos a consciência que ainda muito ficará por aperfeiçoar. O que, cremos verdadeiramente, as próximas edições se encarregarão por fazer. Para isso é fundamental a participação de todos os nossos leitores, através de comentários e sugestões para o de elementos que devam ser considerados em edições futuras. Uma última nota: a menos que expressamente referido, as opiniões constantes deste documento são da responsabilidade dos próprios autores. GABRIEL COIMBRA RESEARCH & CONSULTING DIRECTOR DA IDC PORTUGAL 4

7 5

8 EDITORIAL IDC SECTOR FINANCEIRO, SONDAGENS E PREVISÕES Apresentamos aqui o resumo do estudo Sector Financeiro, Sondagem e Previsões, , publicado no primeiro semestre de 2007 pela IDC Portugal. Este estudo tinha por objectivo fornecer uma panorâmica da situação actual e tendências de investimento por parte das organizações do sector Financeiro em Tecnologias da Informação e Comunicação. Para tal, a IDC conjugou diversas metodologias de pesquisa, sendo a principal fonte de informação a realização de uma pesquisa descritiva com base numa sondagem junto de 71 instituições financeiras, incluindo bancos, seguradoras e outras instituições financeiras (35 organizações com menos de 100 colaboradores, 21 com mais de 100 e menos de 500 colaboradores e 15 com mais de 500). Como já o afirmámos nos outros estudos publicados desde o início do ano, não nos parece que a retoma dos mercados surja já em passo acelerado, apesar de podermos considerar como ponto assente que a recessão económica que abalou a Europa está finalmente ultrapassada. É previsível que as cautelas no investimento persistam por mais uns tempos e que, por outro lado, as empresas, ou de uma forma geral, as organizações dirijam a despesa em TI para as áreas que mais directamente suportam as actividades essenciais de negócio, designadamente aquelas onde a contenção provocou uma quebra na capacidade de desempenho, em função do que lhes é exigido. 6

9 Entretanto, é de ter em conta as directivas emanadas pela União Europeia, com especial destaque para o FSAP Financial Services Action Plan, instrumento pelo qual a UE pretende reduzir ou eliminar a maioria das diferenças que ainda existem entre os diversos países membros, no que respeita aos mercados de serviços de banca, seguros e mercados de capitais, como importante alavanca de crescimento da despesa em TIC, em todo o Sector Financeiro. Adicionalmente, haverá que considerar que a forte evolução em termos de oferta de produtos e serviços, própria do sector, pressiona fortemente os sistemas informáticos e os processos que eles suportam, potenciando o investimento em TIC Tudo somado, são, no entanto, de prever avanços s i g n i f i c a t i v o s, d e s i g n a d a m e n t e n a interoperabilidade entre sistemas aplicacionais e na utilização da Internet como veículo de contacto com as outras empresas, com o Estado e com os clientes. Por essa ordem de razões, o ritmo de crescimento tenderá a ser de assinalar, prevendo-se que no período de 4 anos que agora se inicia as receitas geradas cresçam cerca de um terço. O investimento em TI no sector financeiro, em Portugal, representa 24% do volume global do mercado, equiparando-se o realizado em equipamento e em serviços, representando ambos sensivelmente o dobro do realizado em software. Em termos de segmentos, a banca comanda claramente, deixando os seguros e as restantes instituições financeira a larguíssima distância. Resumindo, o ritmo de crescimento acaba por ser de assinalar, sendo expectável que ocorra a um ritmo de quase 7% ao ano, no decurso dos próximos anos. Em termos de produtos, destaque maior pertencerá ao equipamento, enquanto o segmentos apresentarão índices de crescimento que em pouco diferirão entre si. O INVESTIMENTO EM TI NO SECTOR FINANCEIRO, EM PORTUGAL, REPRESENTA 24% DO VOLUME GLOBAL DO MERCADO... 7

10 EDITORIAL IDC DESPESA EM TI NO SECTOR FINANCEIRO POR PRODUTO, Milhões de Euros Serviços Software Hardware DESPESA EM TI NO SECTOR FINANCEIRO POR SEGMENTO, Milhões de Euros OUTROS SEGUROS BANCA Fonte: IDC, Dezembro

11 PRIORIDADES DO NEGÓCIO PARA 2007 P: QUAIS AS DUAS PRINCIPAIS PRIORIDADES DA SUA ORGANIZAÇÃO PARA 2007? ÁREAS DE MAIOR INVESTIMENTO EM HARDWARE P: QUAIS AS DUAS ÁREAS CONCRETAS DE MAIOR INVESTIMENTO AO NÍVEL DO HARDWARE EM 2007? Melhor serviço ao cliente Aumentar as receitas Maior eficiência operacional Internacionalização Servidores Sistemas de armazenamento PCs desktop PCs portáteis Sistemas biométricos Inovação ao nível dos processos 0% 10% 20% 30% 40% 50% Impressoras e multifuncionais 0% 10% 30% 50% 70% PAPEL DAS TI NOS OBJECTIVOS DE NEGÓCIO P: QUAL O PAPEL DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO PARA PODER ATINGIR OS OBJECTIVOS DE NEGÓCIO? % de organizações que responderam ser importante ou muito importante ÁREAS DE MAIOR INVESTIMENTO EM INFRA- ESTRUTURA DE REDE P: QUAIS AS DUAS ÁREAS CONCRETAS DE MAIOR INVESTIMENTO AO NÍVEL DA INFRA-ESTRUTURA DE REDE EM 2007? Equipamento para a LAN Sector Financeiro SAN Telefonia IP Firewall/VPN Restante Sectores Económicos Acesso remoto e WAN Cablagem 0% 20% 40% 60% 80% 100% 0% 10% 20% 30% 40% 50% OBJECTIVOS FINANCEIROS E OPERACIONAIS DO INVESTIMENTO EM TI P: QUAIS OS DOIS PRINCIPAIS OBJECTIVOS, FINANCEIROS E OPERACIONAIS, PRETENDIDOS COM OS INVESTIMENTO/GASTOS EM TI PREVISTOS PARA 2007? Aumento global da produtividade Adaptar aos requisitos legais/normativos Garantir a continuidade das actividades Eficiência de custos Eficácia na aquisição e gestão de clientes ÁREAS DE MAIOR INVESTIMENTO EM SOFTWARE P: QUAIS AS DUAS ÁREAS CONCRETAS DE MAIOR INVESTIMENTO AO NÍVEL DE SOFTWARE EM 2007? Software de Segurança Aplicações de gestão / ERP Gestão documental e de conteúdos Aplicações CRM Software tipo Office Portais empresariais Software de storage 0% 20% 40% 60% 0% 10% 20% 30% 40% Fonte: IDC, Fevereiro

12 A VISÃO DA ACCENTURE O DESAFIO DA DIFERENCIAÇÃO Como já tem vindo a ser hábito ultimamente, as Instituições Financeiras Portuguesas têm estado presentes nos media, pelas mais diversas razões, seja nas primeiras páginas dos jornais, seja na abertura dos telejornais dos diversos canais de televisão, bem como em todos os meios e canais que mantêm o público informado, sobre tudo aquilo que de mais relevante acontece em Portugal. São notícias, acontecimentos ou questões que de alguma forma estão na agenda da população em geral, como é o caso, por exemplo, dos aumentos das taxas de juros, em particular do crédito à habitação, os temas relacionados com instabilidade criada com as fraudes com os meios de pagamento, ou a divulgação de novos produtos e serviços. Existem outros tipos de notícias que geram no mínimo curiosidade e opiniões diversas a um grupo mais ou menos restrito de cidadãos como é o caso da(s) OPA(s), dos modelos de governance, das reuniões de accionistas, ou dos excelentes resultados financeiros alcançados ano após ano pelas principais Instituições Financeiras Portuguesas. Tais eventos, e pelas mais diversas razões, não são mais do que a prova do dinamismo e desempenho que desde há várias décadas tem sido apanágio do sector financeiro, e que o colocam como referência e exemplo aos demais sectores de actividade nacionais, bem como em certos casos digno de referência a nível internacional. Na verdade, e desde há vários anos, o sector financeiro Português tem dado provas de ser empreendedor e inovador, muito por força de um ambiente de elevada competitividade propício a retirar o maior partido dos sistemas de informação. É visível a sua capacidade de lançar produtos e serviços que dão resposta e antecipam até as necessidades dos seus clientes, de rigor e excelência de gestão, dando uma resposta atempada aos constantes novos requisitos que provêm de regulamentação e regulação, e principalmente pela procura continua de melhores níveis de eficiência.... O RECONHECIMENTO PELOS PRINCIPAIS EXECUTIVOS DE QUE AS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO SÃO UM ACTIVO ESTRATÉGICO PARA AS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS, FOI E CONTINUARÁ A SER UM FACTOR DETERMINANTE PARA O FUTURO DAS MESMAS. 10

13 Estamos certos que as tecnologias de informação têm sido um factor determinante na forma como contribuíram, e seguramente continuarão a fazê-lo de uma forma ainda mais significativa, para que o desempenho do sistema financeiro português continue a ser francamente reconhecido, tanto interna como mesmo internacionalmente. Acreditamos ainda, que o reconhecimento pelos principais executivos de que as tecnologias de informação são um activo estratégico para as Instituições Financeiras, foi e continuará a ser um factor determinante para o futuro das mesmas. Ao afirmarmos que as tecnologias de informação são um activo estratégico, acreditamos poder ter a concordância, da grande maioria daqueles que trabalham no sector em causa, pois é por todos reconhecido, as vantagens e benefícios que decorrem de um sistema de informação que dê resposta aos objectivos e desafios estratégicos de qualquer Instituição Financeira possibilitando que as mesmas tenham um alto desempenho. Sem entrar em detalhes técnicos siglas e demais nomenclaturas que fazem parte do mundo das tecnologias de informação é importante mencionar e referir algumas das questões que no nosso entender são relevantes na contribuição das TI s para a obtenção de um alto desempenho das Instituições Financeiras. A disponibilização de uma infra-estrutura tecnológica que dê suporte aos requisitos de processamento, com os adequados níveis de serviço, é no nosso entender fundamental e essencial. A disponibilidade da infraestrutura tecnológica é seguramente o primeiro garante de que, e de entre outras questões como o atendimento a clientes ou a obtenção de informações, no momento e local em que são necessárias, estão salvaguardadas, permitindo dessa forma um adequado nível de serviço. Por isso mesmo, acreditamos que tanto quanto possível a simplicidade da infra-estrutura tecnológica, correctamente dimensionada, é um objectivo a perseguir, pois minimiza potenciais riscos de indisponibilidade, aliado a um incremento de eficácia e eficiência. Ao falarmos de simplicidade, algo que no nosso entender deve estar presente em tudo que se refere ao universo das tecnologias de informação, estamos a referir-nos, de forma muito pragmática, ao desejável número reduzido de plataformas que suportam os diversos processos de negócio e requisitos de processamento. Partindo do pressuposto que a eficiência da infraestrutura tecnológica está salvaguardada, têm especial relevância, na procura contínua de altos níveis de desempenho, os sistemas de informação, ou seja, as aplicações informáticas que suportam os processos de negócio. Sabendo que o universo das aplicações informáticas tem que dar resposta a diversos e distintos requisitos, obrigando por isso a distintas abordagens e definições, é deveras relevante, no nosso entender, ter uma clara visão daquilo que deve ser a arquitectura de sistemas de informação. 11

14 A VISÃO DA ACCENTURE Indubitavelmente, os sistemas de informação e a arquitectura que os suportam representam um factor diferenciador para as Instituições Financeiras, num mercado que é cada vez mais competitivo e global, no sentido em que constituem um dos pilares para que inove na oferta de produtos e serviços. Simultaneamente, a construção de uma arquitectura deverá ser uma arte, e uma ciência que permita desenhar uma estrutura de sistemas de informação, bem como os mecanismos, os processos e as pessoas que a salvaguardem, como uma garantia para a obtenção de altos níveis de eficiência e desempenho das áreas de tecnologia das Instituições Financeiras, pois a mesma contribuirá significativamente para o aumento da produtividade dos recursos e para a diminuição de anomalias e re-trabalho com os consequentes custos associados. Tal contribuição torna-se mais visível pela maior rapidez e qualidade em disponibilizar novas funcionalidades nas aplicações informáticas, possibilitando entre outras: um aumento na capacidade em disponibilizar produtos e serviços face aos concorrentes; elevados níveis de automatização minimizando necessidades de intervenção manual; maior flexibilidade na adequação aos diferentes canais; melhor conhecimento das necessidades e comportamentos dos clientes; um menor esforço na adequação a requisitos de regulamentação. 12

15 Também a cada vez maior sofisticação das formas de violação dos sistemas, associadas a uma crescente utilização dos canais directos disponibilizados pelas Instituições Financeiras, acessíveis através de computadores pessoais ou telemóveis, fazem com que outro dos grandes desafios presentes no desenvolvimento dos sistemas de informação, esteja relacionado com a questão da segurança. De facto, a disponibilização das condições tecnológicas e processuais que garantam um ambiente seguro para a execução das transacções de negócio e que salvaguardem a privacidade dos intervenientes é um factor primordial para garantir a manutenção da credibilidade da instituição. Seguramente que o referido anteriormente, tem ainda outros impactos positivos no desempenho das Instituições Financeiras. A existência de uma arquitectura de sistemas de informação, desde e quando bem desenhada e implementada, contribui também para uma correcta heterogeneidade das plataformas tecnológicas, quer sejam as relativas à infra-estrutura, as relativas a ferramentas de desenvolvimento, aos sistemas de gestão de base de dados ou a outras. Uma correcta heterogeneidade, além da directa contribuição para potenciais reduções de custos em tecnologia, ajuda seguramente a simplificar o universo dos sistemas de informação, potenciando, por exemplo, um melhor dimensionamento dos recursos humanos necessários à sua operação e manutenção, o que facilita a organização e gestão corrente das áreas de tecnologia. Contribui igualmente, para a padronização dos processos de desenvolvimento e qualidade das aplicações, facilitando por isso a obtenção de certificações de qualidade, que claramente são um contributo para o valor das Instituições. A contribuição para o valor das Instituições Financeiras deve ser assim o principal objectivo das áreas de tecnologia, traduzindo-se isto na constante procura em disponibilizar as melhores soluções, de acordo com os seus planos de negócio, investimentos e orçamentos EXISTE UMA CRESCENTE CONSCIENCIALIZAÇÃO DE QUE OS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PODERÃO SER UM DOS FACTORES DIFERENCIADORES NUM MERCADO CADA VEZ MAIS COMPETITIVO E GLOBAL previstos, nos prazos adequados, e com excelência na qualidade. Dessa forma a criação de vantagens competitivas e a concretização de reduções de custos, com eficiência e qualidade, serão uma realidade para que as Instituições Financeiras, bem como o reconhecimento da contribuição das áreas de tecnologia e seus profissionais. É neste contexto que existe uma crescente consciencialização de que os sistemas de informação poderão ser um dos factores diferenciadores num mercado cada vez mais competitivo e global, o que tem feito surgir no seio das Instituições Financeiras, a necessidade de definir o modelo de Governance de tecnologias de informação que permita estabelecer o fórum para a comunicação entre os executivos das diferentes áreas de responsabilidade, criando as condições para construir consensos em como e onde deverão ser aplicados os investimentos em sistemas de informação, de forma a atingir os resultados definidos e que permita ao departamento de sistemas de informação elaborar um plano de acção coeso. Em suma, a preocupação das Instituições Financeiras deverá estar em tomar as melhores decisões que permitam um alinhamento adequado entre os recursos e capacidades tecnológicas e os objectivos estratégicos e requisitos de negócio. A PREOCUPAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS DEVERÁ ESTAR EM TOMAR AS MELHORES DECISÕES QUE PERMITAM UM ALINHAMENTO ADEQUADO ENTRE OS RECURSOS E CAPACIDADES TECNOLÓGICAS E OS OBJECTIVOS ESTRATÉGICOS E REQUISITOS DE NEGÓCIO LUÍS PEREIRA, VICE-PRESIDENTE DA ACCENTURE E RESPONSÁVEL PELA ÁREA DE SERVIÇOS FINANCEIROS 13

16 A VISÃO DA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE BANCOS ALGUMAS REFLEXÕES SOBRE A BANCA PORTUGUESA O relatório do Fundo Monetário Internacional Portugal: Financial System, Stability, Assessment Coutry Report divulgado em Outubro de 2006, após uma análise profunda desenvolvida ao longo de vários meses e fundamentada em múltiplos contactos com autoridades, supervisor, instituições bancárias e associações representativas, caracteriza a situação, condicionantes e ameaças do sector, com particular incidência na prevenção de riscos e nas orientações de supervisão. Em síntese, este relatório afirma que o sistema financeiro português é sólido, bem gerido e competitivo, salientando que, apesar da sua pequena dimensão, compara bem como os de outros países da União Europeia, em termos de eficiência, qualidade de activos e solvabilidade. Avalia, também, de forma muito positiva, a qualidade da supervisão dos bancos e das instituições financeiras em geral, destacando em particular a forma como se tem processado a transição para as regras do novo quadro internacional. Contribuirá certamente para esta avaliação o facto do sector bancário português ser formado por um conjunto relativamente alargado, considerando a dimensão do país, de instituições e variado em termos de vocação (banca universal, banca de investimento, banca especializada), ser aberto (para além dos bancos de raiz nacional encontramos um número significativo de instituições detidas por interesses sediados no estrangeiro), e ser também essencialmente de natureza privada, com a situação peculiar da única instituição pública encabeçar a liderança do sistema segundo alguns dos critérios de ranking usualmente utilizados. Esta estrutura e as condições de funcionamento têm permitido assegurar um quadro geralmente considerado competitivo, apesar da extensão do processo de consolidação já alcançado no passado, e níveis satisfatórios de rendibilidade, segundo os padrões de referência europeus. EM SÍNTESE, ESTE RELATÓRIO AFIRMA QUE O SISTEMA FINANCEIRO PORTUGUÊS É SÓLIDO, BEM GERIDO E COMPETITIVO, SALIENTANDO QUE, APESAR DA SUA PEQUENA DIMENSÃO, COMPARA BEM COMO OS DE OUTROS PAÍSES DA UNIÃO EUROPEIA, EM TERMOS DE EFICIÊNCIA, QUALIDADE DE ACTIVOS E SOLVABILIDADE. 14

17 Fundamentalmente, porém, o que verdadeiramente parece distinguir o sector bancário no contexto empresarial português terá mais a ver com a dinâmica, o sentido de inovação e a capacidade de adaptação que tem demonstrado perante o quadro de incerteza que tem caracterizado a evolução da economia, o crescente grau de exigência do ambiente regulamentar e os desafios colocados por uma globalização acelerada dos mercados financeiros que tem sido acompanhada por uma realidade cada vez mais complexa e em permanente evolução que é característica do universo de instrumentos financeiros colocados à disposição de investidores e aforradores. O dinamismo do sector tem-se evidenciado em várias vertentes, constituindo a consolidação verificada após a conclusão do processo de privatização da banca nacionalizada um marco significativo, só por si, na história recente do sector. O processo de internacionalização da banca portuguesa, iniciado há já alguns anos, registou recentemente, apesar de alguns contratempos pontuais de percurso, um novo impulso, constituindo actualmente um factor importante de crescimento para algumas instituições, a avaliar pelo peso da operação no exterior nas suas contas consolidadas. A par do processo de ganho de dimensão das principais instituições do sector, o qual tem sido concretizado através de aquisições mas também pela via do crescimento orgânico, assistiu-se à sua entrada no mercado de capitais com a cotação das suas acções em Bolsa, constituindo actualmente a banca o sector mais representado na Euronext Lisboa, facto que reforça, pela via das exigências que tal estatuto comporta, as características de rigor, transparência e credibilidade que são típicas do negócio de confiança que é característico da actividade bancária. Consciente também da necessidade de pessoal qualificado à altura da crescente complexidade da actividade, a banca levou a cabo uma profunda reestruturação dos seus recursos humanos, marcada, por um lado, por uma continuada redução do número de efectivos e por outro, por uma significativa recomposição qualitativa dos seus trabalhadores (perto de 42% já dispõe de formação universitária), acção que tem sido acompanhada de consideráveis investimentos na formação, nomeadamente através do IFB Instituto de Formação Bancária, vocacionado para a reciclagem e a formação (geral e especializada, com nível superior) orientada especificamente para a actividade bancária. 15

18 A VISÃO DA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE BANCOS A inovação tecnológica, traduzida essencialmente no crescente recurso às novas tecnologias de informação, tem sido uma constante nas políticas desenvolvidas pelos responsáveis das instituições do sector, sendo particularmente relevantes os progressos registados nos sistemas de pagamentos (apoiados basicamente na expansão geográfica e no crescente alargamento das funcionalidades da rede Multibanco, na implantação do sistema de débitos directos e mais recentemente nos desenvolvimentos do home banking, via Internet). Entre os novos projectos que se perspectivam implementar a curto prazo, refere-se o programa PRODIGI que irá dar satisfação aos objectivos que ficarão consagrados na Directiva dos Serviços de Pagamento, em fase final de aprovação nas instâncias europeias. A criação da SEPA e a sua subsequente implementação entre 2008 e 2010 constituirá para o Sistema de Pagamentos de Retalho Português, que apresenta elevado grau de integração e disponibiliza um leque alargado de funcionalidades (cerca de 30), um desafio de monta, ao obrigar que o cartão Multibanco seja compatível fora do país e ao impor que uma marca tenha mais do que uma entidade processadora, exigência que alterará consideravelmente as condições em que a SIBS tem feito a gestão da rede Multibanco. Por outro lado, a exclusão dos efeitos e cheques e ainda do numerário do âmbito da Directiva, tendo por base o entendimento de que a natureza física destes meios de pagamento apresenta ineficiências consideráveis, deu lugar à recomendação que sejam descontinuadas ou reduzidas a nível nacional. As duas metas do PRODIGI mais relevantes nesta vertente são as de reduzir, em três anos, o uso do numerário em 20% e o peso do uso do cheque em pagamentos em 50%. A banca tem também demonstrado de forma consistente, ao longo das últimas décadas, uma excepcional capacidade de adaptação ao evoluir das condições de enquadramento da sua actividade, com referência particular para a forma como soube ajustar-se às dificuldades de transição do modelo regulamentar essencialmente administrado do passado (de que são manifestações mais marcantes as taxas de juro fixadas pelo Banco de Portugal, os limites à concessão de crédito e a sujeição da abertura de balcões a condicionamento) para um regime de mercado liberalizado, processo cujo sucesso é em parte importante explicado pelo realismo com que o Banco de Portugal, como autoridade de supervisão, tem usado os seus poderes de autoridade, realidade que desmente a asserção geralmente aceite de que o poder público no nosso país não é sensível aos problemas empresariais. A INOVAÇÃO TECNOLÓGICA, TRADUZIDA ESSENCIALMENTE NO CRESCENTE RECURSO ÀS NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO, TEM SIDO UMA CONSTANTE NAS POLÍTICAS DESENVOLVIDAS PELOS RESPONSÁVEIS DAS INSTITUIÇÕES DO SECTOR. 16

19 Relativamente ao passado mais recente, importará salientar a forma como os bancos conseguiram dar cumprimento à introdução das Normas Internacionais de Contabilidade a partir do início de 2005, processo que teve profundas consequências em termos de organização contabilística, reporte, análise do negócio e exercício da gestão. A curto prazo, novos desafios se perfilam, em particular o grande esforço que terá que ser realizado no quadro da aplicação a partir do corrente ano do Novo Acordo de Capital, conhecido como Basileia II, que se traduziu em novas Directivas que foram recentemente transpostas para o nosso direito interno. Esta nova regulamentação das exigências de capitais próprios, sendo mais sensível à avaliação dos riscos incorridos pelas Instituições vai permitir o uso de modelos sofisticados, que os bancos mais importantes vão adoptar, e confere um papel acrescido à intervenção do Banco de Portugal como autoridade de supervisão. Não obstante os êxitos alcançados no passado, os bancos continuam a confrontar-se com desafios e dificuldades consideráveis. Primeiro que tudo, um problema estrutural, resultante da reduzida dimensão do nosso mercado doméstico e consequentemente do modesto lugar que as nossas maiores instituições ocupam no ranking internacional, característica que é agravada pelas dificuldades de crescimento no mercado doméstico, especialmente quando as consequências da consolidação no grau de concorrência e nos seus reflexos sobre as relações com os consumidores são analisadas numa óptica essencialmente de mercado interno. As condições de enquadramento económico, legal e fiscal não são também as melhores. O fraco desempenho da economia, com níveis muito baixos de crescimento, a par do elevado grau de endividamento do Estado, das autarquias, das empresas e das famílias, para além de não serem favoráveis ao crescimento do negócio bancário potenciam factores de perturbação, como o crescimento do crédito em incumprimento, cuja resolução, dada a lentidão e reduzida eficácia dos tribunais, só pode ser racionalmente feita na maioria dos casos através da reestruturação/renegociação dos empréstimos concedidos. A existência de um quadro fiscal complexo e instável, pouco amigo do investimento e desincentivador do esforço individual, que compara desfavoravelmente com os regimes existentes nalguns países da UE a 15 e ainda mais com os dos países que integraram os últimos alargamentos, tem também contribuído para afastar o investimento directo estrangeiro e reforçar debilidades nacionais que estão na raiz do processo de deslocalização que tem flagelado o sector industrial. 17

20 A VISÃO DA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE BANCOS As perspectivas em termos de negócio não são também animadoras. Para além do enquadramento macro-económico desfavorável já referido, tem-se assistido a uma persistente erosão da margem financeira, componente que continua a ser o principal suporte do produto bancário. Não obstante os desenvolvimentos registados em novas áreas, as quais têm gerado receitas com importância crescente, como é o caso das comissões derivadas de serviços prestados aos clientes e dos ganhos de intervenção das instituições nos mercados monetários e de capitais, a componente dos juros, correspondente à função de intermediação financeira, muito embora se tenha mantido como a principal fonte de proveitos (em 2006 representou 54% do produto bancário), tem-se vindo a reduzir, essencialmente por duas ordens de razões: o elevado grau de concorrência no sector e a persistência de uma divergência crescente entre o crescimento do crédito e dos depósitos, situação que tem determinado o recurso a fontes alternativas de financiamento (operações de titularização de empréstimos, emissão de dívida e recurso ao mercado interbancário) a um custo geralmente superior ao associado à captação de depósitos de clientes. O sector bancário enfrenta ainda o continuado desafio da produtividade, apesar dos esforços feitos nos últimos anos tendo em vista a sua melhoria, nomeadamente através da realização de pesados investimentos em novas tecnologias, da racionalização de efectivos, em que a concretização de extensos programas de reformas antecipadas com significativos reflexos nos encargos com fundos de pensões - foi acompanhada de uma vaga de admissões de pessoal com qualificação superior, da reformulação organizacional das instituições (com o abandono progressivo do modelo em que o exercício das actividades especializadas era feito através de instituições juridicamente distintas) e do permanente investimento em formação dos recursos humanos. A avaliar pelo posicionamento pouco confortável das nossas instituições no ranking dos indicadores habitualmente utilizados para medir produtividade e eficiência (produto bancário gerado por trabalhador e cost to income) teremos que concluir que será necessário perseguir com determinação novos ganhos de eficiência, por forma a podermos competir em pé de igualdade com as instituições mais evoluídas, em particular com aquelas que sejam capazes de mais directamente influenciar o desempenho dos nossos bancos no mercado doméstico...teremos QUE CONCLUIR QUE SERÁ NECESSÁRIO PERSEGUIR COM DETERMINAÇÃO NOVOS GANHOS DE EFICIÊNCIA, POR FORMA A PODERMOS COMPETIR EM PÉ DE IGUALDADE COM AS INSTITUIÇÕES MAIS EVOLUÍDAS... 18

IDC Portugal aumenta produtividade e reduz custos operacionais com Microsoft Dynamics CRM em modelo hosted

IDC Portugal aumenta produtividade e reduz custos operacionais com Microsoft Dynamics CRM em modelo hosted Microsoft Dynamics CRM Online Customer Solution Case Study IDC Portugal IDC Portugal aumenta produtividade e reduz custos operacionais com Microsoft Dynamics CRM em modelo hosted Sumário País Portugal

Leia mais

IDC Portugal: Av. António Serpa, 36 9º Andar, 1050-027 Lisboa, Portugal Tel. 21 796 5487 www.idc.com

IDC Portugal: Av. António Serpa, 36 9º Andar, 1050-027 Lisboa, Portugal Tel. 21 796 5487 www.idc.com CADERNO IDC Nº 53 IDC Portugal: Av. António Serpa, 36 9º Andar, 1050-027 Lisboa, Portugal Tel. 21 796 5487 www.idc.com ROI - Retorno do Investimento OPINIÃO IDC Os anos 90 permitiram a inclusão das tecnologias

Leia mais

Helping your business grow faster

Helping your business grow faster Helping your business grow faster Espírito de Inovação TECNOLOGIA E INOVAÇÃO A FAVOR DAS EMPRESAS Fundada em 1995, a NOESIS é uma consultora portuguesa que fornece soluções para aumentar a competitividade,

Leia mais

SIBS PROCESSOS cria solução de factura electrónica com tecnologias Microsoft

SIBS PROCESSOS cria solução de factura electrónica com tecnologias Microsoft SIBS PROCESSOS cria solução de factura electrónica com tecnologias Microsoft A solução MB DOX oferece uma vantagem competitiva às empresas, com a redução do custo de operação, e dá um impulso à factura

Leia mais

Projecto GTBC. leading excellence 1. Portugal: Espanha:

Projecto GTBC. leading excellence 1. Portugal: Espanha: Projecto GTBC Portugal: Edifício Taurus Campo Pequeno, 48 2º 1000-081 Lisboa Tel.: +351 217 921 920 Fax: +351 217 921 929 www.gtbc.pt info@gtbc.pt Espanha: CalleAtocha, 20, 2ªIzq 28012 Madrid Tel.: +34

Leia mais

PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA

PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA Introdução Nesta edição do Catálogo de Serviços apresentamos os vários tipos de serviços que compõe a actual oferta da Primavera na área dos serviços de consultoria.

Leia mais

A ARTSOFT é uma empresa especializada no desenvolvimento e comercialização de soluções tecnológicas de apoio à gestão empresarial.

A ARTSOFT é uma empresa especializada no desenvolvimento e comercialização de soluções tecnológicas de apoio à gestão empresarial. POWERING BUSINESS QUEM SOMOS A ARTSOFT é uma empresa especializada no desenvolvimento e comercialização de soluções tecnológicas de apoio à gestão empresarial. Desde 1987 que desenvolvemos um trabalho

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS DO EXERCÍCIO DE 2008

APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS DO EXERCÍCIO DE 2008 APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS DO EXERCÍCIO DE 28 2 Resultados 28 Os resultados reportados reflectem a integração do Grupo Tecnidata a 1 de Outubro de 28, em seguimento da assinatura do contrato de aquisição

Leia mais

RESUMO ABSTRACT. Palavras-chave: CRM (Customer Relationship Management) e Marketing Público. Key- words: CRM and Marketing Public

RESUMO ABSTRACT. Palavras-chave: CRM (Customer Relationship Management) e Marketing Público. Key- words: CRM and Marketing Public Professor Vicente Serrano e Professor Pedro Duarte Marketing das organizações políticas da economia social José António Gonçalves Costa, 7828 Samuel Dias Amado, 7971 Comunicação Empresarial, 2º ano RESUMO

Leia mais

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin A Presidência Portuguesa na área dos Assuntos Económicos e Financeiros irá centrar-se na prossecução de três grandes objectivos, definidos

Leia mais

Consultoria de Gestão Sistemas Integrados de Gestão Contabilidade e Fiscalidade Recursos Humanos Marketing e Comunicação Consultoria Financeira JOPAC SOLUÇÕES GLOBAIS de GESTÃO jopac.pt «A mudança é a

Leia mais

Proveitos Operacionais da Reditus aumentam 12% no primeiro semestre de 2011

Proveitos Operacionais da Reditus aumentam 12% no primeiro semestre de 2011 Proveitos Operacionais da Reditus aumentam 12% no primeiro semestre de 2011 Proveitos Operacionais de 55,8 milhões EBITDA de 3,1 milhões Margem EBITDA de 5,6% EBIT de 0,54 milhões Resultado Líquido negativo

Leia mais

ANA obtém certificação em quatro áreas críticas com apoio da VP Consulting

ANA obtém certificação em quatro áreas críticas com apoio da VP Consulting ANA obtém certificação em quatro áreas críticas com apoio da VP Consulting Contactos: Isabel Fonseca Marketing VP Consulting Telefone: +351 22 605 37 10 Fax: +351 22 600 07 13 Email: info@vpconsulting.pt

Leia mais

DOSSIER DE IMPRENSA 2015

DOSSIER DE IMPRENSA 2015 DOSSIER DE IMPRENSA 2015 A Empresa A Empresa A 2VG é uma empresa tecnológica portuguesa criada em 2009, que surgiu para colmatar uma necessidade detetada no mercado das tecnologias de informação e comunicação

Leia mais

MINI MBA EM GESTÃO. Luanda UMA OPORTUNIDADE QUE RESULTARÁ NUM NOVO IMPULSO PARA A SUA EMPRESA

MINI MBA EM GESTÃO. Luanda UMA OPORTUNIDADE QUE RESULTARÁ NUM NOVO IMPULSO PARA A SUA EMPRESA MINI Luanda 6ª Edição MBA EM UMA OPORTUNIDADE QUE RESULTARÁ NUM NOVO IMPULSO PARA A SUA EMPRESA GESTÃO MINI MBA EM GESTÃO Um programa conciso e único Na linha das anteriores edições, merecedoras de Novas

Leia mais

SCORE INNOVATION Corporate Profile Luanda Maputo, 1 de Novembro 2012

SCORE INNOVATION Corporate Profile Luanda Maputo, 1 de Novembro 2012 New Standards for Business SCORE INNOVATION Corporate Profile Luanda Maputo, 1 de Novembro 2012 Quem Somos A SCORE INNOVATION é uma empresa que tem como objecto social a prestação de serviços em consultoria,

Leia mais

Palbit investe no Microsoft Dynamics CRM para suportar crescimento do negócio

Palbit investe no Microsoft Dynamics CRM para suportar crescimento do negócio Microsoft Dynamics CRM Cliente Referência: PALBIT Palbit Palbit investe no Microsoft Dynamics CRM para suportar crescimento do negócio Sumário País Portugal Sector Produção Industrial Perfil do Cliente

Leia mais

apresentação corporativa

apresentação corporativa apresentação corporativa 2 Índice 1. Apresentação da BBS a) A empresa b) Evolução c) Valores d) Missão e Visão 2. Áreas de Negócio a) Estrutura de Serviços b) Accounting/Tax/Reporting c) Management & Consulting

Leia mais

Governo societário de Sistemas de Informação

Governo societário de Sistemas de Informação Governo societário de Sistemas de Proposta de princípios e recomendações para o governo societário de Sistemas de «Governo do Sistema de : O conjunto de práticas relativas à tomada de decisões políticas

Leia mais

CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA. 22 de junho de 2015

CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA. 22 de junho de 2015 CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA UMA UNIÃO EUROPEIA MAIS FORTE 22 de junho de 2015 A União Europeia deve contar com um quadro institucional estável e eficaz que lhe permita concentrar-se

Leia mais

Na APCER, o Microsoft Dynamics CRM é central na gestão comercial e na obtenção de indicadores

Na APCER, o Microsoft Dynamics CRM é central na gestão comercial e na obtenção de indicadores Microsoft Dynamics CRM Customer Solution Case Study APCER Na APCER, o Microsoft Dynamics CRM é central na gestão comercial e na obtenção de indicadores Sumário País Portugal Sector Serviços Perfil do Cliente

Leia mais

Versão Pública. DECISÃO DE INAPLICABILIDADE DO CONSELHO DA AUTORIDADE DA CONCORRÊNCIA Ccent.22/2007 Dendrite / Cegedim

Versão Pública. DECISÃO DE INAPLICABILIDADE DO CONSELHO DA AUTORIDADE DA CONCORRÊNCIA Ccent.22/2007 Dendrite / Cegedim DECISÃO DE INAPLICABILIDADE DO CONSELHO DA AUTORIDADE DA CONCORRÊNCIA Ccent.22/2007 Dendrite / Cegedim I. INTRODUÇÃO 1. Em 19 de Março de 2007, foi notificada à Autoridade da Concorrência, nos termos dos

Leia mais

Capítulo 6. Conceitos e Metodologias de Reengenharia e Reestruturação. 6.5 - Reestruturação de Empresas

Capítulo 6. Conceitos e Metodologias de Reengenharia e Reestruturação. 6.5 - Reestruturação de Empresas Capítulo 6. Conceitos e Metodologias de Reengenharia e Reestruturação 6.5 - Reestruturação de Empresas O Contexto Mudança constante Pressões diversas sobre as empresas Concorrência intensa e global Exigências

Leia mais

II Fórum do sector segurador e de fundos de pensões. Lisboa, 7 de Março de 2007. Novas regras de solvência Implementação e gestão de risco

II Fórum do sector segurador e de fundos de pensões. Lisboa, 7 de Março de 2007. Novas regras de solvência Implementação e gestão de risco II Fórum do sector segurador e de fundos de pensões Lisboa, 7 de Março de 2007 Novas regras de solvência Implementação e gestão de risco Foi com todo o gosto, e também com enorme interesse, que aceitei

Leia mais

Estudo de Remuneração 2015

Estudo de Remuneração 2015 2015 information TECHNOLOGY Temporary & permanent recruitment www.pagepersonnel.pt Editorial Page Personnel ir ao encontro do talento A Page Personnel recruta para os seus clientes os melhores perfis qualificados,

Leia mais

-AUDITORIA- PROTECÇÃO DE DADOS PESSOAIS. A sua protecção, com os melhores especialistas.

-AUDITORIA- PROTECÇÃO DE DADOS PESSOAIS. A sua protecção, com os melhores especialistas. -AUDITORIA- PROTECÇÃO DE DADOS PESSOAIS A sua protecção, com os melhores especialistas. Porquê a auditoria ao tratamento de dados pessoais? A regulamentação do tratamento de dados pessoais é uma área complexa

Leia mais

Marcos N. Lessa. Global Document Outsourcing Director

Marcos N. Lessa. Global Document Outsourcing Director Marcos N. Lessa Global Document Outsourcing Director Managed Print Services: Serviço de valor acrescentado Managed Print Services (MPS) é um serviço que envolve a gestão de todos os equipamentos de impressão,

Leia mais

Banco Popular, Espanha

Banco Popular, Espanha Banco Popular, Espanha Tecnologia avançada de automação do posto de caixa para melhorar a eficiência e beneficiar a saúde e segurança dos funcionários O recirculador de notas Vertera contribuiu para impulsionar

Leia mais

O nosso desafio é o seu sucesso!

O nosso desafio é o seu sucesso! O nosso desafio é o seu sucesso! Clien tes de Refe rên cia Distribuição Construção Civil Industria Tecnologias Potenciamos o seu negócio A Empre sa. Somos uma empresa especializada na prestação de serviços

Leia mais

Resultados Consolidados a 30 de Junho de 2010 Informação Privilegiada (IFRS/IAS)

Resultados Consolidados a 30 de Junho de 2010 Informação Privilegiada (IFRS/IAS) Resultados Consolidados a 30 de Junho de 2010 Informação Privilegiada (IFRS/IAS) Volume de Negócios: 122,8 M (119,9 M em 6M09) 28 de Julho de 2010 1. Indicadores Chave O volume de negócios e o EBITDA apresentados

Leia mais

INDUSCRIA. PLATAFORMA PARA AS INDÚSTRIAS CRIATIVAS Um Contributo para as Novas Geografias Cosmopolitas

INDUSCRIA. PLATAFORMA PARA AS INDÚSTRIAS CRIATIVAS Um Contributo para as Novas Geografias Cosmopolitas OS CONSULTORES Instituicões & Empresas Associadas: GAB. COORDENADOR da ESTRATÉGIA DE LISBOA e do PLANO TECNOLÓGICO CEDRU_Centro de Estudos e Desenvolv. Regional e Urbano McKINSEY & Company PLMJ ASSOCIADOS_Sociedade

Leia mais

Estudo de Remuneração 2015

Estudo de Remuneração 2015 2015 SECRETARIAL & MANAGEMENT SUPPORT Temporary & permanent recruitment www.pagepersonnel.pt Editorial Page Personnel ir ao encontro do talento A Page Personnel recruta para os seus clientes os melhores

Leia mais

Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação

Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação Neste curso serão abordadas as melhores práticas que permitem gerir estrategicamente a informação, tendo em vista a criação de valor para

Leia mais

O controlo de gestão nas unidades de saúde: o Balanced Scorecard

O controlo de gestão nas unidades de saúde: o Balanced Scorecard O controlo de gestão nas unidades de saúde: o Balanced Scorecard P o r C a r l o s M a n u e l S o u s a R i b e i r o O Balanced Scorecard apresenta-se como alternativa viável aos tradicionais sistemas

Leia mais

na Banca Carlos Vasconcelos Pre Sales Manager cvasconcelos@datacomp.pt www.datacomp.pt

na Banca Carlos Vasconcelos Pre Sales Manager cvasconcelos@datacomp.pt www.datacomp.pt Tendências de IT na Banca Carlos Vasconcelos Pre Sales Manager cvasconcelos@datacomp.pt www.datacomp.pt Lisboa, 6 de Maio de 2008 Agenda Têndencias de IT na Banca 1. Visão Nacional e Internacional 2. Evolução

Leia mais

Câmara Municipal de Cascais é uma boa prática no relacionamento com os cidadãos

Câmara Municipal de Cascais é uma boa prática no relacionamento com os cidadãos 27 LEADERSHIP AGENDA a inovação na gestão do relacionamento compensa Câmara Municipal de Cascais é uma boa prática no relacionamento com os cidadãos A participação activa dos cidadãos é vital para a promoção

Leia mais

BES AS APOIO FINANCEIRO BES AS FINANCEIR ÕES ÀS EMPRESAS FINANCEIR ÕES UÇ SOL

BES AS APOIO FINANCEIRO BES AS FINANCEIR ÕES ÀS EMPRESAS FINANCEIR ÕES UÇ SOL 38 PME Líder SOLUÇÕES FINANCEIRAS BES Helen King/CORBIS APOIO FINANCEIRO ÀS EMPRESAS O BES disponibiliza uma vasta oferta de produtos financeiros e serviços, posicionando-se como o verdadeiro parceiro

Leia mais

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005.

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. Cooperação empresarial, uma estratégia para o sucesso Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. É reconhecida a fraca predisposição

Leia mais

ITIL v3 melhora Gestão de Serviço de TI no CHVNG/Espinho

ITIL v3 melhora Gestão de Serviço de TI no CHVNG/Espinho Centro Hospitalar Vila Nova de Gaia/Espinho ITIL v3 melhora Gestão de Serviço de TI no CHVNG/Espinho Sumário País Portugal Sector Saúde Perfil do Cliente O Centro Hospitalar Vila Nova de Gaia/Espinho envolve

Leia mais

1º Anuário IDC do Sector das TIC O directório independente das empresas do sector das TIC mais completo de Portugal

1º Anuário IDC do Sector das TIC O directório independente das empresas do sector das TIC mais completo de Portugal 1º Anuário IDC do Sector das TIC O directório independente das empresas do sector das TIC mais completo de Portugal Ficha Técnica Índice Promoção IDC Portugal - Marksearch, Estudos de Mercado, Lda Contribuinte

Leia mais

Gestão e tecnologia para PME s

Gestão e tecnologia para PME s www.sage.pt Gestão e tecnologia para PME s Sage Porto Sage Lisboa Sage Portugal A longa experiência que temos vindo a acumular no desenvolvimento de soluções integradas de software de gestão para as pequenas

Leia mais

VIII Congresso da EUROSAI Lisboa, 30 de Maio 2 de Junho de 2011 CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES

VIII Congresso da EUROSAI Lisboa, 30 de Maio 2 de Junho de 2011 CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES VIII Congresso da EUROSAI Lisboa, 30 de Maio 2 de Junho de 2011 CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES 1 Preâmbulo O VIII Congresso da EUROSAI realizado em Lisboa entre 30 de Maio e 2 de Junho de 2011 concentrou-se

Leia mais

BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001

BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 2 RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 ASPECTOS MAIS RELEVANTES: SIGNIFICATIVO CRESCIMENTO DA ACTIVIDADE DESIGNADAMENTE A CAPTAÇÃO DE RECURSOS

Leia mais

Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Chegamos ao final de mais um ano e, por isso, é oportuno, fazer-se um

Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Chegamos ao final de mais um ano e, por isso, é oportuno, fazer-se um Sr. Vice-Governador do BNA; Srs. Membros do Conselho de Administração do BNA; Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Sr Representante das Casas de Câmbios Srs. Directores e responsáveis

Leia mais

SISTEMAS DEGESTÃO EMPRESARIAL

SISTEMAS DEGESTÃO EMPRESARIAL SISTEMAS DEGESTÃO EMPRESARIAL Imagine um mundo onde a sua Empresa se desenvolve facilmente, onde a cooperação entre os seus funcionários, as suas filiais e o seu ambiente de negócio é simples e em que

Leia mais

Sociedade da Informação coloca novos desafios ao consumidor

Sociedade da Informação coloca novos desafios ao consumidor Sociedade da Informação coloca novos desafios ao consumidor Lisboa, 20 de Junho Comércio electrónico, segurança dos dados pessoais, regulação e mecanismos de protecção foram alguns dos temas discutidos

Leia mais

Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental

Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental 1 Melhoria do desempenho ambiental implementação do Sistema de Gestão Ambiental A Caixa Geral de Depósitos (CGD) tem implementado

Leia mais

Apresentação da nova Equipa de Gestão. Lisboa, 4 Dezembro 2007

Apresentação da nova Equipa de Gestão. Lisboa, 4 Dezembro 2007 Apresentação da nova Equipa de Gestão Lisboa, 4 Dezembro 2007 Agenda 1. Enquadramento 2. Proposta de nova Equipa de Gestão 3. Outra informação relevante 4. Conclusão 2 Millennium bcp: 1985 2007 Da criação

Leia mais

Curso de Educação e Formação em Desenho Assistido por Computador / Construção Civil

Curso de Educação e Formação em Desenho Assistido por Computador / Construção Civil Curso de Educação e Formação em Desenho Assistido por Computador / Construção Civil Saída Profissional: Operador CAD Certificação ao nível do 9º Ano / Nível II Laboral Bem-Vindo/a à FLAG! A FLAG é uma

Leia mais

Linhas de Ação para o Plano de Atividade de 2014

Linhas de Ação para o Plano de Atividade de 2014 Linhas de Ação para o Plano de Atividade de 2014 As entidades de supervisão do sistema financeiro internacional procederam ao longo dos últimos anos a profundas adaptações, por via legislativa e organizacional,

Leia mais

Definição e Implementação de Metodologia, Modelo e Ferramentas para Avaliação de Projectos e Despesas TIC

Definição e Implementação de Metodologia, Modelo e Ferramentas para Avaliação de Projectos e Despesas TIC Definição e Implementação de Metodologia, Modelo e Ferramentas para Avaliação de Projectos e Despesas TIC Overview do Processo de Avaliação de Projectos e Despesas TIC www.ama.pt Índice 1. Enquadramento

Leia mais

Guia de Renovação do Software Assurance

Guia de Renovação do Software Assurance Guia de Renovação do Software Microsoft Software para Licenciamento em Volume é mais do que uma oferta de manutenção tradicional. O Software é uma solução completa que disponibiliza software e serviços

Leia mais

Política de Produto e Serviço Caixa Geral de Depósitos. Política de Produto e Serviço

Política de Produto e Serviço Caixa Geral de Depósitos. Política de Produto e Serviço Política de Produto e Serviço Publicado em julho 2012 1 Fundada em 1876, a Caixa Geral de Depósitos (CGD) é o maior grupo financeiro nacional, atuando em diferentes áreas, designadamente na banca comercial,

Leia mais

Carteira. de formação. análise às nossas oportunidades e recursos. Missão, Visão e Objectivos. Desenvolver competências técnicas e transversais

Carteira. de formação. análise às nossas oportunidades e recursos. Missão, Visão e Objectivos. Desenvolver competências técnicas e transversais conteúdos: Programa de formação avançada centrado nas competências e necessidades dos profissionais. PÁGINA 2 Cinco motivos para prefirir a INOVE RH como o seu parceiro, numa ligação baseada na igualdade

Leia mais

Estudo sobre o Desenvolvimento da Concorrência no Mercado Postal Português Maio Agosto de 2006

Estudo sobre o Desenvolvimento da Concorrência no Mercado Postal Português Maio Agosto de 2006 Estudo sobre o Desenvolvimento da Concorrência no Mercado Postal Português Maio Agosto de 2006 Lisboa, Setembro de 2007 Apresentação do estudo e dos autores Sumário do estudo 2006 Accenture Estudo sobre

Leia mais

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO. Janeiro de 2009. Resultados para Portugal

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO. Janeiro de 2009. Resultados para Portugal INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO Janeiro de 2009 Resultados para Portugal I. Apreciação Geral De acordo com os resultados do inquérito realizado em Janeiro de 2009, os cinco grupos bancários

Leia mais

Adoção e Tendências dos Serviços de Cloud na América Latina: Rumo a um modelo de TI baseado em eficiência

Adoção e Tendências dos Serviços de Cloud na América Latina: Rumo a um modelo de TI baseado em eficiência Adoção e Tendências dos Serviços de Cloud na América Latina: Rumo a um modelo de TI baseado em eficiência Luciano Ramos Coordenador de Pesquisa de Software IDC Brasil A América Latina enfrenta o desafio

Leia mais

IDC CLOUD LEADERSHIP FORUM

IDC CLOUD LEADERSHIP FORUM IDC CLOUD LEADERSHIP FORUM 12 de Março 2013 Reitoria da Universidade Nova de Lisboa RESUMO DO EVENTO PATROCINADORES O EVENTO FOI ORGANIZADO PELA E PATROCINADO PELAS SEGUINTES EMPRESAS: PLATINUM KEYNOTE

Leia mais

Neves & Freitas Consultores, Lda.

Neves & Freitas Consultores, Lda. A gerência: Cristian Paiva Índice 1. Introdução... 3 2. Apresentação... 4 2.2 Missão:... 4 2.3 Segmento Alvo... 4 2.4 Objectivos... 5 2.5 Parceiros... 5 2.6 Organização... 5 3. Organigrama da empresa...

Leia mais

Estado da Nação das TIC em Angola

Estado da Nação das TIC em Angola Estado da Nação das TIC em Angola CIO AGENDA ANGOLA 2013 AS TI TI COMO ALAVANCA DE CRESCIMENTO DO NEGÓCIO 21 de Maio, Hotel Sana Epic, Luanda Gabriel Coimbra General Manager, IDC Angola gcoimbra@idc.com

Leia mais

Estratégia para os Sistemas e Tecnologias de Informação

Estratégia para os Sistemas e Tecnologias de Informação Estratégia para os Sistemas e Tecnologias de Informação A transcrição ou reprodução deste documento não é permitida sem a prévia autorização escrita do IGIF PRINCIPAIS MENSAGENS O IGIF, na vertente SI,

Leia mais

i2s THINKS CREATES AND PROVIDES Especialização absoluta na actividade seguradora

i2s THINKS CREATES AND PROVIDES Especialização absoluta na actividade seguradora i2s THINKS CREATES AND PROVIDES Especialização absoluta na actividade seguradora SABIA QUE SOMOS ÚNICOS? SOMOS ÚNICOS PORQUE O NOSSO ADN ASSIM NOS DEFINE. SOMOS ÚNICOS PORQUE CRIÁMOS UMA SOLUÇÃO INCOMPARÁVEL

Leia mais

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Participamos num processo acelerado de transformações sociais, políticas e tecnológicas que alteram radicalmente o contexto e as

Leia mais

Mobility & RFID 26 de Fevereiro Centro Cultural de Belém, Lisboa

Mobility & RFID 26 de Fevereiro Centro Cultural de Belém, Lisboa Mobility & RFID 26 de Fevereiro Centro Cultural de Belém, Lisboa 2008 PATROCINADORES APOIO PLATINUM TRACK SESSION Os dados falam por s.i. GOLD SILVER MEDIA PARTNER INTRODUÇÃO Passado um primeiro período

Leia mais

Programas de Transformação de TI em Seguradoras Carlos Figueiredo Fabio Pereira

Programas de Transformação de TI em Seguradoras Carlos Figueiredo Fabio Pereira Programas de Transformação de TI em Seguradoras Carlos Figueiredo Fabio Pereira Programas de transformação de TI em Seguradoras: Tendências e Desafios Tech Trends 2015 Exponenciais Principais problemas

Leia mais

A Internet nas nossas vidas

A Internet nas nossas vidas Economia Digital A Internet nas nossas vidas Nos últimos anos a internet revolucionou a forma como trabalhamos, comunicamos e até escolhemos produtos e serviços Economia Digital Consumidores e a Internet

Leia mais

Dualinfor Formação e Serviços Informáticos, Lda.

Dualinfor Formação e Serviços Informáticos, Lda. Dualinfor Formação e Serviços Informáticos, Lda. Sobre Nós Estamos no mercado desde 1998 e temos registado um crescimento sustentado, alavancado por uma equipa que integra profissionais com muitos anos

Leia mais

APRESENTAÇÃO CORPORATIVA

APRESENTAÇÃO CORPORATIVA APRESENTAÇÃO CORPORATIVA 2015 Quem é a 2VG? A Empresa A 2VG Soluções Informáticas SA., é uma empresa tecnológica portuguesa, fundada em 2009, que surgiu para colmatar uma necessidade detetada no mercado

Leia mais

Apresentação da empresa

Apresentação da empresa Apresentação da empresa A nossa Missão Ajudar as empresas a enfrentar os desafios do presente e do futuro e a encontrar ou retomar os caminhos do sucesso Sabemos que cada problema tem solução e que cada

Leia mais

SESSÃO DE ENCERRAMENTO DO VENTURE CAPITAL IT 2006

SESSÃO DE ENCERRAMENTO DO VENTURE CAPITAL IT 2006 SESSÃO DE ENCERRAMENTO DO VENTURE CAPITAL IT 2006 Jaime Andrez Presidente do CD do IAPMEI 10 de Maio de 2006 Minhas Senhoras e meus Senhores, 1. Em nome do Senhor Secretário de Estado Adjunto, da Indústria

Leia mais

Advisory(Assessoria de Gestão)

Advisory(Assessoria de Gestão) Advisory(Assessoria de Gestão) Explorar a floresta aproveitando a incerteza, sem se perder entre as árvores As empresas que estão claramente focadas na criação de valor demonstram que sabem o que fazem,

Leia mais

Competitividade e Inovação

Competitividade e Inovação Competitividade e Inovação Evento SIAP 8 de Outubro de 2010 Um mundo em profunda mudança Vivemos um momento de transformação global que não podemos ignorar. Nos últimos anos crise nos mercados financeiros,

Leia mais

ACE BUSINESS CLASS PLUS SEGURO DE VIAGEM CORPORATE INTERNACIONAL

ACE BUSINESS CLASS PLUS SEGURO DE VIAGEM CORPORATE INTERNACIONAL ACE BUSINESS CLASS PLUS SEGURO DE VIAGEM CORPORATE INTERNACIONAL Apesar das sequelas da crise financeira global e da ressaca de uma recessão em vários países, os analistas esperam que a procura de viagens

Leia mais

Caso de Sucesso Vinho do Porto Taylor s Port. Taylor s Port: Da vinha ao vinho com SAP

Caso de Sucesso Vinho do Porto Taylor s Port. Taylor s Port: Da vinha ao vinho com SAP Taylor s Port: Da vinha ao vinho com SAP The Fladgate Partnership Taylor s Port Sector Produção vinícola Produtos Vinho do Porto Web www.taylor.pt/pt Soluções e serviços SAP SAP Business Suite A Taylor

Leia mais

A ADESÃO DE PORTUGAL E AS IMPLICAÇÕES NO SECTOR FINANCEIRO

A ADESÃO DE PORTUGAL E AS IMPLICAÇÕES NO SECTOR FINANCEIRO A ADESÃO DE PORTUGAL E AS IMPLICAÇÕES NO SECTOR FINANCEIRO 1. Breve panorama da evolução histórica Em 1 de Janeiro de 1986, quando Portugal entra na então Comunidade Económica Europeia (CEE), o sector

Leia mais

Gabinete do Governador e dos Conselhos

Gabinete do Governador e dos Conselhos Discurso do Governador do Banco de Cabo Verde, Carlos Burgo, no acto de inauguração da nova agência do Banco Africano de Investimento no Plateau, Cidade da Praia, 5 de Fevereiro de 2010. 1 Exmo. Sr. Presidente

Leia mais

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO 1 Sumário: Conceito e Objectivos Estrutura do PN o Apresentação da Empresa o Análise do Produto / Serviço o Análise de Mercado o Estratégia de Marketing o

Leia mais

> outsourcing > > consulting > > training > > engineering & systems integration > > business solutions > > payment solutions > Portugal

> outsourcing > > consulting > > training > > engineering & systems integration > > business solutions > > payment solutions > Portugal > outsourcing > > consulting > > training > > business solutions > > engineering & systems integration > > payment solutions > Portugal Há sempre um melhor caminho para cada empresa. Competências Outsourcing

Leia mais

NEWSLETTER I SISTEMA FINANCEIRO E MERCADO DE CAPITAIS

NEWSLETTER I SISTEMA FINANCEIRO E MERCADO DE CAPITAIS NEWSLETTER I SISTEMA FINANCEIRO E MERCADO DE CAPITAIS NEWSLETTER SISTEMA FINANCEIRO E MERCADO DE CAPITAIS 2.º Trimestre I SISTEMAS DE GARANTIA DE DEPÓSITOS 2 II Legislação A. Direito Bancário Institucional

Leia mais

Solução RCR DESENVOLVER

Solução RCR DESENVOLVER Solução RCR DESENVOLVER Destinatários Micro e pequenas empresas Objectivo da solução A Solução RCR DESENVOLVER disponibiliza as ferramentas e o apoio necessários para as empresas que procuram soluções

Leia mais

7º CONGRESSO NACIONAL DOS CORRETORES E AGENTES DE SEGUROS. Feira Internacional de Lisboa Parque das Nações. 15 de Outubro de 2010

7º CONGRESSO NACIONAL DOS CORRETORES E AGENTES DE SEGUROS. Feira Internacional de Lisboa Parque das Nações. 15 de Outubro de 2010 7º CONGRESSO NACIONAL DOS CORRETORES E AGENTES DE SEGUROS Feira Internacional de Lisboa Parque das Nações 15 de Outubro de 2010 Sessão Solene de Abertura Gostaria de começar por felicitar a APROSE pela

Leia mais

Diagnóstico de Competências para a Exportação

Diagnóstico de Competências para a Exportação Diagnóstico de Competências para a Exportação em Pequenas e Médias Empresas (PME) Guia de Utilização DIRECÇÃO DE ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL Departamento de Promoção de Competências Empresariais Índice ENQUADRAMENTO...

Leia mais

PHC dteamcontrol Interno

PHC dteamcontrol Interno PHC dteamcontrol Interno A gestão remota de projectos em aberto A solução via Internet que permite acompanhar os projectos em aberto em que o utilizador se encontra envolvido, gerir eficazmente o seu tempo

Leia mais

Conferência do IPCG 25 de Janeiro de 2011 Boas Práticas Remuneratórias dos Órgãos Societários

Conferência do IPCG 25 de Janeiro de 2011 Boas Práticas Remuneratórias dos Órgãos Societários Conferência do IPCG 25 de Janeiro de 2011 Boas Práticas Remuneratórias dos Órgãos Societários Notas 1. Portugal tem uma estrutura legal e regulatória muito evoluída, apesar da reduzida dimensão do seu

Leia mais

28 PME Líder CRITÉRIOS. Bloomberg News

28 PME Líder CRITÉRIOS. Bloomberg News 28 PME Líder CRITÉRIOS Bloomberg News CRITÉ RIOS COMO CHEGAR A PME LÍDER Atingir o Estatuto PME Líder é a ambição de muitas empresas. É este o primeiro passo para chegar a PME Excelência. Saiba o que precisa

Leia mais

A Engenharia Portuguesa no Mundo. Internacionalização e Exportação

A Engenharia Portuguesa no Mundo. Internacionalização e Exportação A Engenharia Portuguesa no Mundo Internacionalização e Exportação CARLOS MATIAS RAMOS, Bastonário da Ordem dos Engenheiros Começo por citar um texto da autoria do Eng. Ezequiel de Campos, que consta do

Leia mais

i2s THINKS CREATES AND PROVIDES Especialização absoluta no mercado segurador

i2s THINKS CREATES AND PROVIDES Especialização absoluta no mercado segurador i2s THINKS CREATES AND PROVIDES Especialização absoluta no mercado segurador Especialização absoluta no mercado segurador SABIA QUE SOMOS ÚNICOS? SOMOS ÚNICOS PORQUE O NOSSO DNA ASSIM NOS DEFINE. SOMOS

Leia mais

Outsourcing de serviços na gestão financeira

Outsourcing de serviços na gestão financeira 02 Dossier Outsourcing de serviços na gestão financeira 25 Entrevista Jeff York É necessário comunicar, integrar-nos e colaborarmos bem num contexto de equipa. Entrevista de José Branco As delegações da

Leia mais

O SECTOR A SOLUÇÃO Y.make Num mundo cada vez mais exigente, cada vez mais rápido e cada vez mais competitivo, o papel dos sistemas de informação deixa de ser de obrigação para passar a ser de prioridade.

Leia mais

Informática. Estrutura e Funcionamento de Computadores Software. Aula 8. Tipos de Software. Aplicação Genérica. Aplicação Específica

Informática. Estrutura e Funcionamento de Computadores Software. Aula 8. Tipos de Software. Aplicação Genérica. Aplicação Específica Informática Aula 8 Estrutura e Funcionamento de Computadores Software Comunicação Empresarial 2º Ano Ano lectivo 2003-2004 Tipos de Software Software de Sistema Software Aplicacional Gestão do Sistema

Leia mais

Arquitectura Global de Interoperabilidade PNAGIA Proximidade, Diversidade e Eficiência da Oferta de Serviços ao Cidadão

Arquitectura Global de Interoperabilidade PNAGIA Proximidade, Diversidade e Eficiência da Oferta de Serviços ao Cidadão MTTI/CNTI 2015 Ministério das Telecomunicações e Tecnologias de Informação Centro Nacional das Tecnologias de Informação Arquitectura Global de Interoperabilidade PNAGIA Proximidade, Diversidade e Eficiência

Leia mais

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59.

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59. Relatório da Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59 Resumo Novembro de 2009 Avaliação intercalar da execução do Plano de

Leia mais

Análise de sustentabilidade da empresa nos domínios económico, social e ambiental

Análise de sustentabilidade da empresa nos domínios económico, social e ambiental Análise de sustentabilidade da empresa nos domínios económico, social e ambiental Estratégias adoptadas As estratégias adoptadas e o desempenho da APFF nos três domínios da sustentabilidade encontram-se

Leia mais

1 Serviços de Planeamento e Transformação Empresarial Os Serviços de Planeamento e Transformação Empresarial da SAP incluem:

1 Serviços de Planeamento e Transformação Empresarial Os Serviços de Planeamento e Transformação Empresarial da SAP incluem: Descrição de Serviços Serviços de Planeamento e Empresarial Os Serviços de Planeamento e Empresarial fornecem serviços de consultoria e prototipagem para facilitar a agenda do Licenciado relativa à inovação

Leia mais

Fundo Caixa Crescimento. Junho de 2015

Fundo Caixa Crescimento. Junho de 2015 Fundo Caixa Crescimento Junho de 2015 O que é o Capital de Risco Modalidades O Capital de Risco constitui uma forma de financiamento de longo prazo das empresas, realizado por investidores financeiros

Leia mais

A ÁREA DE PRÁTICA DE FINANCEIRO E PROJECTOS

A ÁREA DE PRÁTICA DE FINANCEIRO E PROJECTOS ABBC A ABBC é uma sociedade de advogados full service com origem em Lisboa, em 1982. Actualmente, conta com uma equipa de 56 advogados. Os advogados da Sociedade conhecem profundamente os sectores de actividade

Leia mais

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões:

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 7.1 Conclusões De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 1 - Descrever os instrumentos/modelos de gestão e marketing estratégicos

Leia mais

Primeira Unidade Empresarial de Serviços Partilhados em Saúde arranca em Portugal

Primeira Unidade Empresarial de Serviços Partilhados em Saúde arranca em Portugal Primeira Unidade Empresarial de Serviços Partilhados em Saúde arranca em Portugal É hoje apresentada publicamente a primeira Unidade Empresarial de Serviços Partilhados em Saúde a funcionar em Portugal.

Leia mais

Gestão Total da Manutenção: Sistema GTM

Gestão Total da Manutenção: Sistema GTM Gestão Total da Manutenção: Sistema GTM por Engº João Barata (jbarata@ctcv.pt), CTCV Inovação Centro Tecnológico da Cerâmica e do Vidro 1. - INTRODUÇÃO Os sub-sistemas de gestão, qualquer que seja o seu

Leia mais

10º Fórum da Indústria Têxtil. Que Private Label na Era das Marcas?

10º Fórum da Indústria Têxtil. Que Private Label na Era das Marcas? Que Private Label na Era das Marcas? Vila Nova de Famalicão, 26 de Novembro de 2008 Manuel Sousa Lopes Teixeira 1 2 INTELIGÊNCIA TÊXTIL O Sector Têxtil e Vestuário Português e o seu enquadramento na Economia

Leia mais