Jornalismo e interesses de classe

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Jornalismo e interesses de classe"

Transcrição

1 1 1 / 1 Ponencia preparada para el Encuentro Internacional Civilización o Barbarie Desafíos del Mundo Contemporáneo. Serpa, Portugal, 23/25 de septiembre de 2004 Jornalismo e interesses de classe Fernando Correia Jornalista e professor universitário A importância crescente dos media na nossa sociedade obriga a repensar e aprofundar o conhecimento da sua condição de fenómenos sociais, na base da indissolúvel ligação dialéctica que os une, enquanto produtos e enquanto agentes, à sociedade em que se inserem. Vivemos num mundo em que, a nível internacional e dentro de cada país, as desigualdades aumentam em lugar de diminuir, em que o fosso entre os ricos e os pobres se acentua cada vez mais, em que é crescente a dependência dos países periféricos em relação aos mais desenvolvidos, em que a revolta e a resistência dos explorados emerge um pouco por todo o lado, seja a nível de classes tradicionalmente mais expostas à exploração, como os operários e os camponeses, seja a nível de camadas sociais intermédias cada vez mais próximas da proletarização, seja, finalmente, a nível de comunidades e povos submetidos a velhos e novos esquemas de exploração colonial, facilitada pela retórica e pela prática de uma globalização posta ao serviço dos grupos sociais dominantes. Esta realidade implica, desde logo, duas conclusões, ligadas entre si: a primeira é que a diferenciação e a luta de classes existem, ainda que não necessariamente expressas e concretizadas das mesmas formas que no passado; a segunda é a de que não é possível conceber que os media, nomeadamente os grandes órgãos de expansão nacional, se situem à margem destes pequenos e grandes embates sociais com que quotidianamente nos confrontamos. A sociedade capitalista de hoje é indiscutivelmente mais complexa do que era há 100, 50 ou mesmo 30 anos, mas as diferenciações e a conflitualidade social não só não desapareceram como se acentuaram e alargaram a novos sectores um dos quais, precisamente, é o da comunicação e da informação. Os media (jornais, revistas, estações de rádio e de tv, internet) não são exteriores a esta conflitualidade, não vivem isolados numa torre de marfim que os tornaria imunes às influências e solicitudes exteriores. As suas próprias regras de funcionamento (informar é sempre escolher) não lhes permitem abster-se de tomar posição sobre as grandes e pequenas questões sociais. Os media estão profunda e intimamente ligados às pessoas e à sociedade nos planos da informação, do conhecimento, do entretenimento e da ideologia: - da informação, na medida em que a selecção dos acontecimentos que são escolhidos para serem notícia, e posteriormente a elaboração,

2 2 hierarquização e apresentação dessas notícias são submetidas a determinados critérios (os chamados valores-notícia ) e não a outros; - do conhecimento, na medida em que para a maioria do público os media funcionam como o meio privilegiado ou mesmo único para a apreensão e a tomada de contacto com as realidades que ultrapassam a sua experiência quotidiana; - do entretenimento, na medida em que esta função dos media, tornada predominante nas programações televisivas e radiofónicas, na multiplicação das publicações especializadas e, cada vez mais, no próprio tratamento da informação atenua ou mesmo obscurece as funções formativa e informativa, ao mesmo tempo que preenche quase em exclusivo as horas de lazer de milhões de portugueses, em prejuízo de outras actividades; - da ideologia, na medida em que, enquanto transmissores de informação, conhecimento e entretenimento, os media, de forma directa ou indirecta, são, inevitavelmente, portadores de conteúdo ideológico, mesmo quando (ou principalmente quando) veementemente se afirmam alheios a quaisquer tipos de vinculações desse tipo. Vemos assim como, por diversificadas formas e caminhos, os media constroem uma determinada realidade, e é nessa realidade fabricada pelos media que as pessoas baseiam, em grande parte segundo processos estudados pelas teorias dos efeitos, e que não vamos aqui aprofundar as suas opiniões, atitudes e comportamentos. E quando falamos dos media, falamos de todos os media, sendo certo que, nos nossos dias, as televisões generalistas assumem um papel preponderante nesta função. É preciso desmistificar a ideia de que, por um lado, há uma informação de classe, como no caso da imprensa que explicitamente se afirma comprometida com os interesses dos explorados e dos excluídos, da classe operária e dos trabalhadores em geral, e, por outro lado, há outra informação, alheia aos interesses de classe, pretensamente objectiva, neutral, descomprometida. A verdade é que a grande diferença entre um e outro tipo de informação é que a primeira se apresenta perante o público afirmando claramente quais os seus objectivos e as causas que defende, e a segunda esconde as suas opções por detrás de um mais ou menos empolado discurso sobre a isenção, o distanciamento, a independência, etc. Em certo sentido, toda a informação é de classe, defende pontos de vista de classe, o que se compreende se tivermos em conta a natureza dos media enquanto fenómeno social, e a íntima e incontornável ligação entre as temáticas dos órgãos de informação e a vida humana nas suas várias dimensões.

3 3 Não é outra, aliás, a conclusão a que chegam os sociólogos da comunicação que, mesmo quando não utilizam uma análise de classe, reconhecem a decisiva contribuição dos media para a formação do consenso em torno dos valores sociais dominantes, o conformismo, a defesa do statu quo. 1 Para o mesmo resultado contribui a adopção, por parte dos jornalistas, de regras profissionais que sem que seja esse o objectivo acabam por implicitamente contribuir para a manutenção da actual hegemonia de classe. 2 O reconhecimento desta realidade, entretanto, não nos dispensa, antes nos obriga, a reflectir e perceber melhor os mecanismos e as estratégias que tornam operacional e eficaz o domínio de classe através dos media. A propriedade dos media Um factor essencial tem que ser considerado logo à partida, na medida em que se revela de significado decisivo para a compreensão do lugar social dos media e, em particular, para o tema que aqui tratamos: a questão da propriedade. Com efeito, o facto de praticamente todos ao grandes órgãos de informação, quer se trate da imprensa, da rádio, da televisão e do online, pertencerem a grandes grupos económicos, define uma realidade que decisivamente condiciona as funções sociais dos media e os 1 Cf. Fernando Correia, Os Jornalistas e as Notícias. A Autonomia Jornalística em Questão. Lisboa: Caminho, 2003 (4ª edição), pp Cf. John Soloski, O jornalismo e o profissionalismo: alguns constrangimentos no trabalho jornalístico, in Nelson Traquina (org.), Jornalismo: Questões, Teorias e Estórias, Lisboa, Veja, 1993.

4 4 próprios contornos do panorama mediático nacional. Sem entrarmos em pormenores, lembremos apenas que, com excepção dos que são propriedade do Estado e da Igreja Católica, mais de uma centena dos mais importantes órgãos nacionais estão nas mãos de cinco grandes grupos: PT Comunicções/Lusomundo, Impresa, Media Capital, Cofina e Impala. Um tão elevado grau de concentração da propriedade faz com que a informação, o conhecimento e o entretenimento mediáticos sejam dominados por um pequeno núcleo de pessoas e entidades representantes dos mais ricos entre os muito ricos. 3 Trata-se, portanto, de uma realidade de classe com óbvias e bem conhecidas consequências ao nível da expressão das várias correntes de opinião, e também pelos seus efeitos na lógica de funcionamento do sistema mediático em geral e do campo jornalístico em particular. Um reputado investigador como Denis McQuail, que está longe de se reivindicar do marxismo e não recorre a uma análise de classe, não tem dúvidas em afirmar, ainda que numa linguagem prudente, que editores e proprietários dos jornais pertencem a associações profissionais nacionais e internacionais cujas finalidades são proteger os interesses financeiros da indústria e que são, inevitavelmente, políticas. Seria improvável o conteúdo não ser por vezes influenciado em certos assuntos 4. 3 Cf. Elsa Costa e Silva, Os Donos da Notícia. Concentração dos Media em Portugal, Porto, Porto Editora, 2004 e Fernando Correia, Jornalismo e Sociedade, Lisboa, Edições Avante!, 2000, pp 50 e ss. 4 Denis McQuail, Teoria da Comunicação de Massas, Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian, 2003, p. 262.

5 5 E é precisamente esta realidade de classe que nos permite afirmar que a questão da maior ou menor concentração da propriedade dos media é, em certo sentido, uma falsa questão. No que se refere à defesa do pluralismo ideológico e à diversidade de opiniões políticas, a existência de mais ou de menos grandes grupos não altera, no essencial, o fundo do problema. No caso português mas o mesmo raciocínio pode facilmente ser extrapolado para outros países ou a nível transnacional, as consequências da pertença dos principais media a três ou quatro grandes grupos não seriam muito diferentes se se tratasse, como aliás já aconteceu até há meia dúzia de anos, de uma dezena ou mais. Com efeito, o essencial não reside no maior ou menor número de grandes grupos, mas sim na natureza de classe da propriedade, isto é, no facto de os media de maior influência social estarem, praticamente todos, nas mãos de uma determinada classe social e, naturalmente, dependerem dos seus interesses. Relativamente a alguns aspectos, como a liberdade de emprego, a situação teria algumas diferenças, mas o mesmo não aconteceria quanto ao respeito pelas diferenças e igualdade de tratamento no plano político e ideológico. A abordagem da questão da concentração sem ter em conta esta perspectiva será sempre, inevitavelmente, redutora. A semelhança de agendas dos grandes media informativos, a convergência dos seus posicionamentos sempre que estão em causa os valores tidos como essenciais da chamada civilização ocidental (chapéu que serve para cobrir os interesses das classes dominantes), o consenso social que eles promovem em torno desses valores, mostram até que ponto o fundo da questão reside na natureza de classe da propriedade dos media. Neste contexto, o movimento de concentração releva da competição entre os vários representantes do grande capital e da luta pelo controlo dos mercados, no plano, portanto, dos objectivos comerciais, e não do interesse em defender o pluralismo ou proporcionar ao público uma melhor informação. Não nos podemos deixar iludir pela tentativa por vezes feita pelos donos ou porta-vozes dos grandes grupos no sentido de nos convencer de que a coexistência dentro deles de órgãos tão diferentes como, por exemplo, no caso

6 6 do grupo Balsemão, da Visão e da Caras, do Expresso e da Telenovelas, do Jornal de Letras e da Turbo, é demonstrativa da vontade de respeitar e satisfazer a diversidade dos diferentes tipos de público. É óbvio que estamos aqui e este é apenas um exemplo perante estratégias comerciais dirigidas para a conquista de nichos de mercado, definidas em função não da pluralidade de opiniões mas sim da variedade de interesses, de níveis culturais e de gostos em relação a temáticas ou formatos por parte dos potenciais leitores. Por exemplo, no caso dos dois semanários de informação citados, trata-se de proporcionar ao público a opção entre uma newsmagazine, com as suas características próprias de elaborar e editar a informação, e o tradicional broadsheet misturado com suplementos de formato mais pequeno. Não se trata, como é fácil reconhecer, de proporcionar dois pontos de vista política e ideologicamente diferentes mesmo admitindo que o Expresso está um bocado mais à direita e a Visão um bocado mais à esquerda... Esta visão sobre a questão da concentração não significa que se devam subestimar as iniciativas legislativas e também, desde logo, o cumprimento de leis que já existem visando a diminuição e a regulação da concentração em geral e em aspectos específicos, na medida em que, apesar de tudo, quanto mais proprietários emissores houver mais possibilidades existem de minorar pelo menos alguns efeitos negativos da concentração. Mas há que ter consciência que estamos perante una questão de sociedade, enraizada no sistema social, e cuja alteração radical será impossível sem a transformação profunda do próprio sistema, do qual os media são, hoje em dia, um dos principais elementos estruturantes. A constatação de uma fortíssima concentração da propriedade não pode, porém, arrastar-nos na análise para qualquer tipo de mecanicismo, nem empurrar-nos para interpretações de carácter determinista, com base nas quais, a partir do momento em que se estabelece o que é incontroverso a ligação entre a propriedade dos grandes media e o poder capitalista, tudo estaria explicado. Tal perspectiva conduziria, na prática, à paralisia da investigação e, em consequência, à capitulação perante os que procuram legitimar o sistema mediático vigente com o argumento de que os que a ele se opõem são incapazes de ultrapassar velhos esquematismos e, portanto, de o compreender. Não pode ser esquecida a existência de uma margem de autonomia dos media em relação ao sistema, ainda que se trate apenas de uma autonomia relativa. Como dizem Curran e Seaton, os media não apenas expressam os interesses das classes dominantes, têm uma função independente na ordenação do mundo. Os media não reflectem apenas a realidade social: cada vez mais ajudam a fazê-la 5. É esta a razão pela qual, mesmo que não haja dúvidas sobre a 5 James Curran e Jean Seaton, Imprensa, Rádio, Televisão. Poder sem Responsabilidade, Lisboa, Instituto Piaget, 2001, p.338.

7 7 importância dos media como instrumento da dominação capitalista, desde logo devido à natureza da sua propriedade, se torna, no entanto, indispensável aprofundar o estudo dos dispositivos que permitem a melhor compreensão das engrenagens desse domínio. Comecemos por proceder a algumas distinções, sem as quais fica gravemente prejudicada uma visão clara do funcionamento dos media e do jornalismo. Diversidade dos media A primeira distinção tem a ver com a diversidade dos media, que estão longe de ser uma realidade uniforme, existindo uma grande variedade de títulos, conteúdos, formatos, periodicidade, etc. Simplificando, podemos dizer que temos, por um lado, jornais apelidados de referência, com informação mais ampla, mais trabalhada e mais séria, assim como revistas generalistas ou especializadas, dirigidas às camadas dirigentes e às elites culturais (quadros superiores e intermédios, profissionais liberais, intelectuais, etc.); por outro lado, temos jornais ditos populares, com informação mais ligeira e superficial, tratamentos jornalísticos mais sensacionalistas, assim como revistas cor-de-rosa e de fait-divers, destinadas a um público popular, menos instruído e menos exigente. Estamos aqui perante uma imposição do mercado, ou seja, as grandes empresas do sector necessitam de uma variedade de media que lhes permita penetrar e obter lucros em grupos sociais e culturais diversificados. Mas estamos também, convergentemente, perante uma outra realidade: a transmissão de mensagens que, no essencial, veiculam opiniões e valores idênticos, mas que surgem adaptadas e procuram satisfazer interesses e níveis culturais diversos, garantindo assim a defesa da ideologia dominante, ainda que recorrendo a temáticas, abordagens e linguagens diferentes. Digamos assim: a página de economia do jornal de referência fala da bolsa, das fusões, dos lucros, dos projectos de expansão das grandes empresas; a revista cor de rosa publica as fotos das festas do jet-set, revela os amores das estrelas, mostra a casa, os jardins e a piscina do dirigente político ou do empresário. São duas faces da mesma moeda. Por detrás da aparente diversidade de títulos que enchem e fazem transbordar as bancas de jornais, esconde-se uma grande homogeneidade ideológica. Os temas, os protagonistas, as perspectivas, as opiniões, mesmo quando revelam algumas diferenças, por exemplo entre os chamados jornais de referência e a chamada imprensa popular, não anulam uma real subvalorização das raízes dos problemas sociais, uma real

8 8 identidade de opções de fundo, uma real limitação ao pluralismo nas suas várias vertentes. As programações televisivas são um bom exemplo de como, sucessivamente, vamos tendo cada vez mais do mesmo. Os media dominantes e os outros Uma outra distinção entre os media relaciona-se com a influência exercida em todo o campo mediático por aqueles a que poderemos chamar os media dominantes. Estamos a falar quer dos jornais chamados de referência, destinados às elites dirigentes, quer dos canais generalistas de tv (todos eles, excepto os do Estado, nas mãos dos grandes grupos económicos), que no seu conjunto chegam a milhões de pessoas, e que não só contribuem decisivamente, pelas formas acima referidas, para as opiniões, atitudes e comportamentos, mas também acabam por influenciar e arrastar consigo os outros media jornais, revistas, estações de rádio, jornais online. São os media dominantes, nomeadamente a TV, que, em grande parte, estabelecem a agenda, definindo os temas que depois os outros órgãos são obrigados a tratar, na tentativa de ir ao encontro dos gostos entretanto criados no vasto público televisivo e assim conseguir aumentar as audiências, isto é, a publicidade. Estabelecem os temas, mas também os ângulos e as formas de abordagem, assim se criando uma uniformidade informativa ditada pelos grandes media e pelos interesses que os comandam. Jornalistas e empresas jornalísticas A ausência de separação de águas entre as empresas, por um lado, e os jornalistas, por outro, está na origem de uma confusão frequente não só a nível das pessoas em geral como mesmo em certos sectores mais próximos do sistema mediático, incluindo no mundo académico: uma coisa é a empresa proprietária de um ou vários órgãos de informação, outra coisa são os jornalistas que nela trabalham. A empresa está organizada em função de um determinado objectivo, que é, naturalmente, a obtenção do lucro; os jornalistas trabalham numa outra perspectiva, que é a informação do público. Não de trata de planos necessariamente antagónicos, visto que nem a empresa pode dispensar a colaboração dos jornalistas nem estes estão de nenhum modo interessados em que a sua empresa não seja rentável. A questão surge quando os objectivos económicos se tornam de tal maneira obsessivos que tudo a eles fica subordinado, instalando-se um predomínio total desses objectivos sobre o normal desenvolvimento do trabalho informativo, com reflexos nos critérios jornalísticos, na autonomia

9 9 profissional, na disponibilidade de meios, nas relações laborais, etc. Os patrões dos media têm tendência para no seu discurso subestimar esta situação e, tal como acontece com patrões de outros sectores de actividade, gostam de referir-se à sua empresa ou ao seu grupo como uma entidade pretensamente unificada por uma identidade de objectivos e de interesses, como se no seu interior não existissem contradições de diverso tipo, desde as formas diferentes de encarar a fabricação do produto específico que é a informação, até aos antagonismos resultantes de situações profissionais e laborais diferenciadas. Criticam-se frequente os media em geral, como se não fosse necessário distinguir entre o que são as responsabilidades dos empresários e as responsabilidades dos jornalistas. A não consideração desta distinção leva frequentemente a juízos errados sobre o trabalho dos jornalistas, responsabilizando-os por desempenhos que, muitas vezes (outras não), são o resultado dos vários tipos de constrangimentos a que estão sujeitos na sua actividade quotidiana, e aos quais muito dificilmente podem escapar. Principalmente quando o que está em causa são, directa ou indirectamente, os interesses e os desejos de quem manda. Formas de controlo Nas distinções que acabamos de fazer perpassa a influência nos media e nos jornalistas de um modelo de sociedade atravessado por uma conflitualidade de classes a que nenhum sector social escapa. Estamos agora em melhores condições para perceber de que modo os media, nomeadamente os grandes media, se identificam com o poder económico dominante, principalmente o capital financeiro, e quais os mecanismos que tornam possível o seu papel de controlo social e a sua utilização como instrumento ao serviço do consenso social em torno da manutenção do sistema capitalista. Uma das formas de encarar este controlo é, conforme às vezes ouvimos dizer, identificando-o com o regime de censura prévia (ou de exame prévio, na terminologia da pseudo-liberalização marcelista) que existia no tempo do fascismo. Esta identificação é compreensível num país profundamente marcado por quase meio século de sujeição a um implacável regime censório, complementado pelas limitações às restantes liberdades e ao estrangulamento do ensino e da vida cultural em geral. Acontece que a situação actual é muito diferente e, neste sentido, seria absurdo falar de uma nova censura. A censura, se assim se lhe quiser chamar, existe, mas tem pouco a ver com a que existia no passado ainda que, por vezes, em algumas redacções, haja responsáveis editoriais cujo estilo de actuação faz lembrar a dos velhos coronéis do lápis azul O controlo do que hoje é publicado ou transmitido exerce-se de uma forma muito mais subtil e sofisticada, fundamentalmente através da implantação de um consenso implícito dentro da sala de redacção acerca daquilo que deve/pode ou não ser publicado. Em geral, não são necessárias ordens superiores para que os jornalistas, pelo menos os que têm mais anos de casa, saibam com bastante clareza a forma como devem abordar os

10 10 acontecimentos, a maneira de tratar este ou aquele tema, este ou aquele acontecimento, este ou aquele partido, esta ou aquela personalidade. Quanto aos temas em si, a elaboração da agenda, isto é, da marcação de serviços atribuidos a este ou aquele jornalista, processa desde logo uma triagem inicial, depois completada pelas opções finais dos responsáveis editoriais. Estas opções definem também os espaços e os tempos a atribuir aos materiais informativos, a sua hierarquização, etc. A organização da redacção e a estrutura dos noticiários Outro aspecto que deverá ser tido em conta diz respeito à organização das redacções e das próprias páginas dos jornais. Consideremos o exemplo da abordagem dos temas laborais. A sua visível subestimação nos noticiários não resulta apenas de uma escolha dos responsáveis editoriais. Ela enraíza-se mais fundo e adquire uma dimensão estrutural, na medida em que assenta na própria organização quer das salas de redacção quer das páginas do jornal ou das programações. E aqui estamos, indiscutivelmente, perante verdadeiras opções de classe que não deixam de o ser, mesmo quando não são assumidas ou mesmo consciencializadas por quem as toma ou nelas se enquadra. Os temas sociais em geral e os sindicais e laborais em particular, que dizem respeito a centenas de milhar de trabalhadores e suas famílias, não têm, em geral, uma editoria própria nem uma secção, rubrica ou programa autónomos, aparecendo dissolvidos nas páginas de sociedade, de política, de nacional, de economia ou mesmo de negócios, outras ainda nessa amalgama de difícil classificação que são os jornais televisivos. Na imprensa, na rádio e na tv não faltam, por vezes em páginas e suplementos especializados ou em horários de grande audiência, espaços para o jet-set e para os fait-divers, mas não se investe de igual maneira na abordagem das questões laborais. Nas páginas de opinião da imprensa ou nos tempos consagrados aos comentários radiofónicos ou televisivos, os especialistas em direito do trabalho ou os sindicalistas são, sistematicamente, ignorados. Existem páginas, suplementos ou programas dedicados aos temas económicos, mas onde os problemas dos trabalhadores e as opiniões dos sindicalistas não têm assento. Lugar privilegiado na selecção dos editores têm, sim, as informações da Bolsa, os planos de fusões, as notícias de compra e venda de empresas, as lutas pela liderança dos mercados, as entrevistas com os gestores em alta e com os (grandes) empresários, etc. Os sindicalistas e os sindicatos são, subliminarmente, associados

11 11 perante a opinião pública à existência de conflitos, à desestabilização social, para utilizar a terminologia dos governantes e dos patrões, já que a sua presença perante as câmaras ou o seu depoimento na imprensa só é, geralmente, solicitado quando da ocorrência de greves ou outras formas de luta. Os conflitos laborais fazem inevitavelmente noticia quando afectam muita gente, como no caso das greves nos transportes públicos, mas dando-se sempre e repetidamente a palavra aos utentes prejudicados, sem que, na maior parte dos casos, os grevistas tenham oportunidade para explicar devidamente as razões da sua atitude. As greves não são apresentadas enquanto resultantes de conflitos criados por políticas que privilegiam os interesses patronais, mas sim como reflexo de uma aparente ânsia de contestação por parte dos trabalhadores. Outras vezes os conflitos são notícia quando as formas de luta encontradas pelos trabalhadores encaixam nos critérios jornalísticos que dão primazia ao espectacular, ao insólito, ao emocional, etc. Ou seja, os critérios de noticiabilidade privilegiam não o significado social dos acontecimentos, mas o valor que eventualmente possam ter para a fixação da curiosidade das pessoas e o consequente aumento das audiências. Estamos aqui perante um caso paradigmático da notícia encarada enquanto mercadoria um produto que se fabrica tendo em conta estritos critérios de rentabilidade e não em função do seu valor social. É boa a notícia que vende bem, não o é a que vende mal. Os problemas sociais só têm lugar nos noticiários nos seus afloramentos pontuais, fáceis de fabricar e fáceis de entender, mercantilizáveis, e não na profundidade dos seus enraizamentos no sistema económico e político. E quando há textos ou programas que se empenham, mesmo que timidamente, neste tipo de abordagem, ficam remetidos para revistas marginais de baixas tiragens, canais temáticos ou programas especialmente dedicados a noctívagos Produção e edição da informação A importância da filosofia e da linguagem informativas não pode ser esquecida na análise dos mecanismos de uma informação de classe. Podemos considerar uma grande vitória do capitalismo, no plano da influência e do controlo ideológica através dos media, o ter conseguido e estar a conseguir que as formas de elaborar e editar a informação impostas pelas novas tecnologias arrastem consigo formas de encarar e pensar a realidade que vão de encontro aos seus interesses político-ideológicios, ou seja, aos seus interesses de classe. A rapidez e a brevidade das notícias, a sua sucessão em catadupa, a importância dada às transmissões em directo, sem possibilidade do comentário distanciado e crítico, a ausência de contextualização dos factos, tudo isto são formas jornalísticas a que hoje todos nos habituamos, mas que, mesmo que disso não tenhamos clara consciência, acabam por nos levar a ter da realidade uma visão, naturalmente, superficial, alheia às causas e às consequências,

12 12 uma visão fragmentada que transforma, perversamente, a aparente abundância de informação numa real subinformação, que nos empanturra de factos mas nos faz perder o fio das ideias. O caso da política, a forma como ela é tratada nos media de grande audiência, é um bom e significativo exemplo disto mesmo. Em síntese, digamos que a uma fragmentação, descontinuidade e superficialidade da informação correspondem, necessariamente, e não inocentemente, uma fragmentação, descontinuidade e superficialidade da apreensão do real e do conhecimento, com todas as consequências que tal situação tem para a consciência social. A situação dos jornalistas Uma palavra final sobre os jornalistas. Nada disto de que temos falado seria possível sem a intervenção decisiva de alguns jornalistas, que dão a cobertura técnica e profissional aos interesses de classe reflectidos nos media. As razões por que o fazem podem ser muito diversas: convicção, conveniência, interesse, pura e simples sobrevivência... Entretanto, é preciso ter em conta que os jornalistas não são um grupo profissional homogéneo 6, podendo distinguir-se pelo menos três grandes segmentos: - na base, uma ampla camada composta por estagiários, contratados a prazo e com outros vínculos precários, e jovens ainda com poucos anos de profissão; todos estes abrangem cerca de um terço do total dos jornalistas; 6 Cf. Fernando Correia, Os Jornalistas e a Notícias, pp

13 13 - depois um numeroso grupo intermédio, formado pelos jornalistas já com mais anos de profissão, e que compõem o grosso das redacções; - no cimo da hierarquia, um pequeno grupo a elite jornalística 7 em que se integram os directores, chefes de redacção e outros responsáveis editoriais, que decidem os temas, as formas de tratamento e a hierarquização da informação. Sobre o peso relativo, a força e o relacionamento interno destas camadas é significativo indicar a estrutura de vencimentos. São números do final da década de 90, mas desde então não tem havido alterações significativas em termos relativos: 48% dos jornalistas ganhavam menos de 200 c. mensais, 35% entre 200 e 350 c. e menos de meio por cento mais de 700 c. Esta distinção interior ao grupo profissional tem directamente a ver com aquela que fizemos entre a empresa e o jornalista, na medida em que a elite funciona precisamente como instância intermediadora entre os proprietários (ou os gestores que os representam) e os restantes jornalistas. Cabe-lhe a tarefa de dirigir e enquadrar o trabalho jornalístico, segundo, em princípio, as regras da profissão 8, mas tendo sempre em conta os desejos e as orientações, explícitas ou implícitas, de quem é o dono do órgão. O reconhecimento do papel desempenhado pela elite jornalística, enquanto correia de transmissão do poder proprietário, torna-se indispensável para compreender o funcionamento da sala de redacção, o comportamento dos jornalistas, nomeadamente no plano ético, o conteúdo dos materiais informativos e a edição final dos noticiários. Ligação estruturada O debate sobre os media e o jornalismo está destinado ao malogro se ficar fechado sobre si próprio e não for encarado no contexto mais amplo da sociedade, nos seus diversos aspectos económicos, políticos, sociais, culturais, etc. Uma sociedade, sublinhe-se, atravessada por conflitos, 7 Cf. Rémy Rieffel, L Élite des Journalistes, PUF, Paris, 1984 e Fernando Correia, Os Jornalistas e as Notícias, pp Cf. John Soloski, ob. cit.

14 14 contradições e lutas de interesses com inevitáveis reflexos nos media. Revela-se estéril, por exemplo, analisar a actuação dos jornalistas se esquecermos não só as condições concretas da produção da informação e os constrangimentos que sobre eles pesam, internos à própria profissão, mas também esse outro tipo de condicionalismos originados no facto de os media, enquanto empresas produtoras de um bem cultural, não constituírem uma entidade autónoma, isenta das influências vindas do contexto social. Sem esquecer, entretanto, que os media estão longe de ser elementos meramente passivos ou reflectores, na medida em que eles próprios agem sobre a sociedade e nela produzem poderosos efeitos. Mas o que parece importante sublinhar é que esta ligação entre o jornalismo e a sociedade não se reduz, digamos, a uma troca de influências, na medida em que assume um carácter mais profundo, de natureza estrutural, com as naturais consequências que uma tal situação acarreta. A caracterização como estrutural desta ligação assenta, como vimos, no tipo de propriedade dos media de maior influência, mas há outros elos da cadeia que não podem ser esquecidos, e cuja natureza de classe é bem clara. Refiram-se, por um lado, as fontes mais poderosas (não há jornalismo noticioso sem fontes de informação), aquelas a que Stuart Hall chama definidores primários : os media não se limitam a criar notícias nem a transmitir automaticamente a ideologia dominante; na verdade, eles transmitem essa ideologia na medida em que estão sujeitos a uma agenda definida pelo poder económico e político que, através da sua ligação estrutural com os media, funciona como primeiro definidor dos temas e dos enquadramentos e transforma os media em definidores secundários. 9 Refira-se, por outro lado, a publicidade, cujo poder na sobrevivência económica dos media é conhecida, sendo-o menos, no entanto, a sua influência nos conteúdos: A influência normal (da publicidade nos media) estende-se à adequação dos padrões de conteúdos mediáticos aos padrões de consumo de audiências pré-definidas. O desenho, a distribuição, o planeamento e a agenda dos media reflectem com frequência os interesses dos anunciantes. 10 No seu labor quotidiano, há uma maioria de jornalistas (que podem não ser os mais mediáticos) seriamente e sinceramente empenhados numa prática profissional o mais isenta e rigorosa possível, procurando seguir, independentemente das suas convicções políticas e ideológicas, as regras do Código Deontológico, os princípios da responsabilidade social e os ditames da sua consciência cívica. Mas o que acontece é que as rígidas imposições que estruturam a ligação do campo mediático à sociedade, nomeadamente no que se refere aos objectivos e critérios que presidem à organização e funcionamento das empresas em geral e das salas de redacção em particular, anulam quaisquer 9 Cf. Stuart Hall e outros, A produção social das notícias, in Nelson Traquina, ob. cit. 10 Denis McQuail, ob. cit., p 263.

15 15 veleidades de subversão do sistema implantado. As preocupações éticas, os assomos de consciência e as tentações de rebeldia acabam por ter de ceder perante a força da ligação estruturada entre os poderes mediáticos e os poderes económicos e políticos dominantes na sociedade. O que, evidentemente, não impede, antes exige, que se encontrem e concretizem formas de resistência e de luta sindical, política, geral, sectorial, etc. que permitam, a curto prazo, minorar situações gravosas, e a médio e longo prazo, criar condições para alterar radicalmente a actual situação. Sublinhe-se que não estou a falar apenas dos jornalistas: os problemas da comunicação social são transversais à sociedade, e são suficientemente graves e importantes para serem deixados apenas aos profissionais do sector Espero que estes tópicos aqui sumariamente abordados tenham mostrado até que ponto as concepções e os interesses de classe impregnam a comunicação social, e transparecem em aspectos que muitas vezes passam despercebidos ao grande público. E também até que ponto uma análise de classe continua, ao contrário do que alguns pretendem fazer crer, a ser indispensável não só para a compreensão do mundo que nos rodeia mas também, acima de tudo, para a sua transformação.

Reestruturação sindical: tópicos para uma questão prévia

Reestruturação sindical: tópicos para uma questão prévia Mário Pinto Reestruturação sindical: tópicos para uma questão prévia 1. O funcionamento da organização sindical portuguesa é muito frequentemente qualificado de deficiente. Excluindo afirmações de circunstância,

Leia mais

PROJECTO DE RELATÓRIO

PROJECTO DE RELATÓRIO PARLAMENTO EUROPEU 2004 2009 Comissão da Cultura e da Educação 2007/2253(INI) 7.3.2008 PROJECTO DE RELATÓRIO sobre a concentração e o pluralismo dos meios de comunicação social na União Europeia (2007/2253(INI))

Leia mais

LEITURA DA ENTREVISTA 2. E Boa tarde. Desde já quero agradecer-lhe a sua disponibilidade para colaborar neste

LEITURA DA ENTREVISTA 2. E Boa tarde. Desde já quero agradecer-lhe a sua disponibilidade para colaborar neste LEITURA DA ENTREVISTA 2 E Boa tarde. Desde já quero agradecer-lhe a sua disponibilidade para colaborar neste trabalho que estou a desenvolver. Como lhe foi explicado inicialmente, esta entrevista está

Leia mais

2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS

2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS - DOCUMENTO 15 Extractos dos Referentes Externos e Internos que suportam o Referencial 2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS REFERENTES EXTERNOS LEGISLAÇÃO Lei nº 31/2002 de 20 de Dezembro CAPÍTULO I Sistema

Leia mais

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO A partir de meados do século xx a actividade de planeamento passou a estar intimamente relacionada com o modelo racional. Uma das propostas que distinguia este do anterior paradigma era a integração

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL EM PORTUGAL REALIDADE OU FICÇÃO?

RESPONSABILIDADE SOCIAL EM PORTUGAL REALIDADE OU FICÇÃO? RESPONSABILIDADE SOCIAL EM PORTUGAL REALIDADE OU FICÇÃO? O mundo sindical tem tido várias reacções a este conceito, nem sempre favoráveis, sendo certo que deve haver consciência de que uma certa medida

Leia mais

A Educação Artística na Escola do Século XXI

A Educação Artística na Escola do Século XXI A Educação Artística na Escola do Século XXI Teresa André teresa.andre@sapo.pt Direcção-Geral de Inovação e de Desenvolvimento Curricular Caldas da Rainha, 1 de Junho de 2009 1. A pós-modernidade provocou

Leia mais

Eduardo Branco, presidente da APAN. É preciso. regressar. ao consumo. Pág. 30

Eduardo Branco, presidente da APAN. É preciso. regressar. ao consumo. Pág. 30 Eduardo Branco, presidente da APAN É preciso regressar ao consumo Pág. 30 Fátima de Sousa jornalista fs@briefing.pt "A quadratura do círculo é sermos mais eficientes, ou seja, conseguirmos fazer mais com

Leia mais

Princípios Gerais de Negócio da Shell

Princípios Gerais de Negócio da Shell Princípios Gerais de Negócio da Shell Royal Dutch Shell plc Introdução Os Princípios Gerais de Negócio da Shell regem a forma como cada uma das empresas que constituem o Grupo Shell* deve conduzir as suas

Leia mais

Como elaborar um plano de divulgação para a expansão das abordagens de MIFS

Como elaborar um plano de divulgação para a expansão das abordagens de MIFS Como elaborar um plano de divulgação para a expansão das abordagens de MIFS Um bom plano de divulgação deverá assegurar que todos os envolvidos estão a par do que está a ser proposto e do que irá acontecer

Leia mais

LISTA DE COMPETÊNCIAS TÉCNICO SUPERIOR E TÉCNICO

LISTA DE COMPETÊNCIAS TÉCNICO SUPERIOR E TÉCNICO LISTA DE COMPETÊNCIAS TÉCNICO SUPERIOR E TÉCNICO N.º ORIENTAÇÃO PARA RESULTADOS: Capacidade para concretizar eficiência os objectivos do serviço e as tarefas e que lhe são solicitadas. com eficácia e 1

Leia mais

Ficha Técnica. Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação

Ficha Técnica. Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação Ficha Técnica Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação Edição: Região Autónoma dos Açores Secretaria Regional da Educação e Ciência Direcção Regional da Educação Design e Ilustração: Gonçalo Cabaça Impressão:

Leia mais

Organização e Gestão de Cooperativas ESAPL / IPVC

Organização e Gestão de Cooperativas ESAPL / IPVC Organização e Gestão de Cooperativas ESAPL / IPVC As Cooperativas são empresas. Por isso devem ser geridas com recurso ao uso de técnicas de gestão empresarial em uso noutros tipos de empresas. Há que

Leia mais

Grupo Pestana. suporta crescimento da área de venda directa no CRM. O Cliente

Grupo Pestana. suporta crescimento da área de venda directa no CRM. O Cliente Grupo Pestana suporta crescimento da área de venda directa no CRM. O trabalho de consolidação de informação permitiu desde logo abrir novas possibilidades de segmentação, com base num melhor conhecimento

Leia mais

financeiras que actuam em diferentes áreas de negócio, bem como por empresas instrumentais para o funcionamento e apoio à actividade do Grupo.

financeiras que actuam em diferentes áreas de negócio, bem como por empresas instrumentais para o funcionamento e apoio à actividade do Grupo. Código de Conduta Preâmbulo O Crédito Agrícola Mútuo é uma das instituições mais antigas da sociedade portuguesa, com génese nos Celeiros Comuns e nas Misericórdias. Ao longo da sua história, o Crédito

Leia mais

Ética A GUARDIAN disponibiliza o presente Código de Conduta a todos os colaboradores, Clientes, Fornecedores e Parceiros.

Ética A GUARDIAN disponibiliza o presente Código de Conduta a todos os colaboradores, Clientes, Fornecedores e Parceiros. Âmbito de aplicação O presente Código de Conduta aplica-se a toda a estrutura GUARDIAN Sociedade de Mediação de Seguros, Lda., seguidamente designada por GUARDIAN, sem prejuízo das disposições legais ou

Leia mais

Trabalho Elaborado por: Paulo Borges N.º 21391 Vítor Miguel N.º 25932 Ariel Assunção N.º 25972 João Mapisse N.º 31332 Vera Dinis N.

Trabalho Elaborado por: Paulo Borges N.º 21391 Vítor Miguel N.º 25932 Ariel Assunção N.º 25972 João Mapisse N.º 31332 Vera Dinis N. Trabalho Elaborado por: Paulo Borges N.º 21391 Vítor Miguel N.º 25932 Ariel Assunção N.º 25972 João Mapisse N.º 31332 Vera Dinis N.º 32603 INTRODUÇÃO Na área do controlo de gestão chamamos atenção para

Leia mais

Código de Ética. 1. Apresentação

Código de Ética. 1. Apresentação Código de Ética 1. Apresentação A Missão, a Visão, os Princípios Gerais, os Valores e as Normas de Conduta constantes do Código de Ética integram a Cultura da Lusa, a qual deve presidir à conduta profissional

Leia mais

Eficiência e qualidade: mitos e contradições

Eficiência e qualidade: mitos e contradições 1 Eficiência e qualidade: mitos e contradições Colóquio-debate Eficiência e Justiça em Cuidados de Saúde Academia das Ciências, Lisboa, 25 de Maio de 1999 Pedro Pita Barros * 1. Introdução O tema de discussão

Leia mais

Conferência O Serviço Público de Comunicação Social. Assembleia da República. 20 de Dezembro de 2011

Conferência O Serviço Público de Comunicação Social. Assembleia da República. 20 de Dezembro de 2011 Conferência O Serviço Público de Comunicação Social Assembleia da República 20 de Dezembro de 2011 Painel Serviço Público de Comunicação Social e Democracia Alfredo Maia Sindicato dos Jornalistas As primeiras

Leia mais

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010 Técnicas de Secretariado Departamento Comercial e Marketing Módulo 23- Departamento Comercial e Marketing Trabalho realizado por: Tânia Leão Departamento

Leia mais

Geografia A. * Análise de Notícias. Escola ES/3 de Carvalhos Março 2007

Geografia A. * Análise de Notícias. Escola ES/3 de Carvalhos Março 2007 Escola ES/3 de Carvalhos Março 2007 Geografia A * Análise de Notícias Natureza das notícias: socio-económica Localização temporal: actualidade Localização espacial: Europa Jornal: Expresso Data de edição:

Leia mais

Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR

Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR Aprovado pela Câmara em 6/02/2003, alterado em Reunião de Câmara de 18/09/2003 Aprovado pela Assembleia Municipal em

Leia mais

RICARDO JORGE PINTO: «O jornalista vai perder o monopólio da informação»

RICARDO JORGE PINTO: «O jornalista vai perder o monopólio da informação» RICARDO JORGE PINTO: «O jornalista vai perder o monopólio da informação» José Lapa 3º Ano do Curso de Comunicação Social Ricardo Jorge Pinto, Director do Expresso para a região norte, veio à ESEV proferir

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

SOBRE GESTÃO * A Definição de Gestão

SOBRE GESTÃO * A Definição de Gestão SOBRE GESTÃO * A Definição de Gestão Chegar a acordo sobre definições de qualquer tipo pode ser uma tarefa de pôr os cabelos em pé, e um desperdício de tempo. Normalmente requer compromissos por parte

Leia mais

Estrela Serrano JORNALISMO POLÍTICO EM PORTUGAL

Estrela Serrano JORNALISMO POLÍTICO EM PORTUGAL A/484566 Estrela Serrano JORNALISMO POLÍTICO EM PORTUGAL A cobertura de eleições presidenciais na imprensa e na televisão (1976-2001) Edições Colibri Instituto Politécnico de Lisboa ÍNDICE Introdução 23

Leia mais

DIGITALMAISTV DIGITALMAISTV

DIGITALMAISTV DIGITALMAISTV DIGITALMAISTV A DIGITALMAISTV é um canal de televisão online que procura divulgar a região do Algarve no país e no mundo através da Internet, apostando na diversidade de conteúdos e numa vasta oferta de

Leia mais

adaptados às características e expectativas dos nossos Clientes, de modo a oferecer soluções adequadas às suas necessidades.

adaptados às características e expectativas dos nossos Clientes, de modo a oferecer soluções adequadas às suas necessidades. A Protteja Seguros surge da vontade de contribuir para o crescimento do mercado segurador nacional, através da inovação, da melhoria da qualidade de serviço e de uma política de crescimento sustentável.

Leia mais

Capítulo 9 Emprego. 9.1 Introdução

Capítulo 9 Emprego. 9.1 Introdução Capítulo 9 Emprego 9.1 Introdução Hoje em dia, as redes sociais são as grandes responsáveis pelas contratações de emprego. Muitos dos responsáveis por recrutamento e recursos humanos das empresas avaliam

Leia mais

Guião de apoio para divulgação junto da Comunicação Social

Guião de apoio para divulgação junto da Comunicação Social Semana da Liberdade de Escolha da Escola / School Choice Week & I Conferência da Liberdade de Escolha da Escola / 1st School Choice Conference Guião de apoio para divulgação junto da Comunicação Social

Leia mais

Televisão Interactiva

Televisão Interactiva Televisão Interactiva Impacto e procura de um novo perfil de utilizador Enquadramento teórico OBJECTO DO TRABALHO Estudar um novo meio de comunicação, resultante da convergência dos media Abordar a TVDI

Leia mais

PARECER N.º 1O/CITE/91. Assunto: Anúncios de Emprego e outras formas de publicidade - Discriminação em função do sexo

PARECER N.º 1O/CITE/91. Assunto: Anúncios de Emprego e outras formas de publicidade - Discriminação em função do sexo PARECER N.º 1O/CITE/91 Assunto: Anúncios de Emprego e outras formas de publicidade - Discriminação em função do sexo I - Justificação - A discriminação no acesso ao emprego está ainda patente nos anúncios

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES ASSEMBLEIA LEGISLATIVA REGIONAL Gabinete do Presidente

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES ASSEMBLEIA LEGISLATIVA REGIONAL Gabinete do Presidente Diário da Sessão n.º 070 de 18/03/03 Presidente: Passamos ao ponto seguinte da nossa ordem de trabalhos Proposta de Decreto Legislativo Regional que aplica à Região Autónoma dos Açores o Decreto-Lei nº

Leia mais

SAÚDEGLOBAL. AON Portugal

SAÚDEGLOBAL. AON Portugal SAÚDEGLOBAL AON Portugal Breve Apresentação do Negócio DADOS DE CARACTERIZAÇÃO Designação Comercial Saúdeglobal N.º Colaboradores N.º de Estabelecimentos Dispersão Geográfica Nacional Facturação em 2010

Leia mais

EUROBARÓMETRO 68 OPINIÃO PÚBLICA NA UNIÃO EUROPEIA OUTONO

EUROBARÓMETRO 68 OPINIÃO PÚBLICA NA UNIÃO EUROPEIA OUTONO Standard Eurobarometer European Commission EUROBARÓMETRO 68 OPINIÃO PÚBLICA NA UNIÃO EUROPEIA OUTONO 2007 RELATÓRIO NACIONAL Standard Eurobarometer 68 / Autumn 2007 TNS Opinion & Social SUMÁRIO EXECUTIVO

Leia mais

Sumário. Apresentação...7

Sumário. Apresentação...7 Sumário Apresentação................................7 1. CONCEITOS BÁSICOS.........................11 Delimitação de funções..................... 12 2. ORIGENS E DESENVOLVIMENTO...................21 3.

Leia mais

empresas), embora também esta sujeita a interrogações e dúvidas, porque as vantagens nem sempre são sistemáticas e garantidas com base em condições

empresas), embora também esta sujeita a interrogações e dúvidas, porque as vantagens nem sempre são sistemáticas e garantidas com base em condições Prefácio Dezoito anos passados da primeira obra do autor sobre a temática, e olhando o percurso a esta distância, não deixamos de nos surpreender pela evolução realizada no mundo empresarial e na sociedade.

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA

CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA Na defesa dos valores de integridade, da transparência, da auto-regulação e da prestação de contas, entre outros, a Fundação Casa da Música,

Leia mais

ÍNDICE. B. Marcello Caetano e Imprensa: relações de proximidade

ÍNDICE. B. Marcello Caetano e Imprensa: relações de proximidade ÍNDICE Índice de quadros Índice de figuras Agradecimentos Resumo/Abstract Introdução A. Encruzilhadas do Marcelismo B. Marcello Caetano e Imprensa: relações de proximidade C. Eleições de 1969: esperanças

Leia mais

T&E Tendências & Estratégia

T&E Tendências & Estratégia FUTURE TRENDS T&E Tendências & Estratégia Newsletter número 1 Março 2003 TEMA deste número: Desenvolvimento e Gestão de Competências EDITORIAL A newsletter Tendências & Estratégia pretende ser um veículo

Leia mais

Planeamento Geral do Governo Electrónico da Região Administrativa Especial de Macau 2015 2019

Planeamento Geral do Governo Electrónico da Região Administrativa Especial de Macau 2015 2019 Planeamento Geral do Governo Electrónico da Região Administrativa Especial de Macau 2015 2019 Direcção dos Serviços de Administração e Função Pública Outubro de 2015 1 Índice 1. Introdução... 4 2. Objectivos,

Leia mais

Sr. Presidente da Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores Sras. e Srs. Deputados Sra. e Srs. membros do Governo

Sr. Presidente da Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores Sras. e Srs. Deputados Sra. e Srs. membros do Governo A mulher e o trabalho nos Piedade Lalanda Grupo Parlamentar do Partido Socialista A data de 8 de Março é sempre uma oportunidade para reflectir a realidade da mulher na sociedade, apesar de estes dias

Leia mais

As Leis da Sociedade de Informação Responsabilidade dos Internet Service Provider

As Leis da Sociedade de Informação Responsabilidade dos Internet Service Provider Leis Portuguesas na Sociedade da Informação 5, 6 e 7 de Dezembro de 2005 Ordem dos Advogados As Leis da Sociedade de Informação Responsabilidade dos Internet Service Provider Dr. Hugo Lança Silva Organização

Leia mais

Ano letivo de 2012-2013. Curso de 2º ciclo em Comunicação e Jornalismo. Diretor Prof. Doutor Carlos Camponez

Ano letivo de 2012-2013. Curso de 2º ciclo em Comunicação e Jornalismo. Diretor Prof. Doutor Carlos Camponez Ano letivo de 2012-2013 Curso de 2º ciclo em Comunicação e Jornalismo Diretor Prof. Doutor Carlos Camponez Objetivos e estrutura curricular / Caracterização do ciclo de estudos O 2.º Ciclo procura responder

Leia mais

INFORMAÇÕES PARA A PÁGINA DA ESCOLA FRASE DE ABERTURA NOVOS TESTEMUNHOS DE EX-ALUNOS A INCLUIR

INFORMAÇÕES PARA A PÁGINA DA ESCOLA FRASE DE ABERTURA NOVOS TESTEMUNHOS DE EX-ALUNOS A INCLUIR INFORMAÇÕES PARA A PÁGINA DA ESCOLA FRASE DE ABERTURA De acordo com os últimos dados disponíveis do Observatório para a inserção profissional da Universidade Nova de Lisboa, a taxa de emprego dos alunos

Leia mais

Constituição da República Disposições relevantes em matéria de Comunicação Social

Constituição da República Disposições relevantes em matéria de Comunicação Social Constituição da República Disposições relevantes em matéria de Comunicação Social Artigo 25 o (Direito à integridade pessoal) 1. A integridade moral e física das pessoas é inviolável. 2. Ninguém pode ser

Leia mais

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Maria do Socorro Pimentel da Silva 1 Leandro Mendes Rocha 2 No Brasil, assim como em outros países das Américas, as minorias étnicas viveram

Leia mais

Os Recursos Humanos na Distribuição

Os Recursos Humanos na Distribuição Os Recursos Humanos na Distribuição Tudo assenta nas pessoas. Também o sangue vital da Distribuição assenta nas pessoas, empregados ou consumidores, na medida em que uns vendem os produtos e os outros

Leia mais

Entrevista com Tetrafarma. Nelson Henriques. Director Gerente. Luísa Teixeira. Directora. Com quality media press para Expresso & El Economista

Entrevista com Tetrafarma. Nelson Henriques. Director Gerente. Luísa Teixeira. Directora. Com quality media press para Expresso & El Economista Entrevista com Tetrafarma Nelson Henriques Director Gerente Luísa Teixeira Directora Com quality media press para Expresso & El Economista Esta transcrição reproduz fiel e integralmente a entrevista. As

Leia mais

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2009

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2009 PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2009 Acrescenta o art. 220-A à Constituição Federal, para dispor sobre a exigência do diploma de curso superior de comunicação social, habilitação jornalismo, para

Leia mais

Direcção-Geral da Solidariedade e Segurança Social

Direcção-Geral da Solidariedade e Segurança Social Direcção-Geral da Solidariedade e Segurança Social Janeiro/2004 INTRODUÇÃO A experiência da acção social no âmbito da intervenção e acompanhamento das famílias em situação de grande vulnerabilidade social,

Leia mais

Marketing Ambiental. Abril, 2011

Marketing Ambiental. Abril, 2011 Baseado em: Marketing Ambiental, de Joaquim Caetano, Marta Soares, Rosa Dias, Rui Joaquim e Tiago Robalo Gouveia, Plátano Editores, 2008 Abril, 2011 O ambiente de hoje Ao longo das últimas décadas têm

Leia mais

DESENVOLVER E GERIR COMPETÊNCIAS EM CONTEXTO DE MUDANÇA (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Julho/Agosto 2004)

DESENVOLVER E GERIR COMPETÊNCIAS EM CONTEXTO DE MUDANÇA (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Julho/Agosto 2004) DESENVOLVER E GERIR COMPETÊNCIAS EM CONTEXTO DE MUDANÇA (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Julho/Agosto 2004) por Mónica Montenegro, Coordenadora da área de Recursos Humanos do MBA em Hotelaria e

Leia mais

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que:

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que: C 297/6 Resolução do Conselho e dos Representantes Governos dos Estados-Membros, reunidos no Conselho, relativa à realização dos objectivos comuns em matéria de participação e informação dos jovens para

Leia mais

Módulo 5 Representatividade

Módulo 5 Representatividade Módulo 5 Representatividade No Módulo 5... Quem tem mais e menos voz? Para profissionais de PGI: como assegurar a representatividade? Para participantes de PGI: como ter mais voz? Quem tem mais e menos

Leia mais

Mónica Montenegro António Jorge Costa

Mónica Montenegro António Jorge Costa Mónica Montenegro António Jorge Costa INTRODUÇÃO... 4 REFERÊNCIAS... 5 1. ENQUADRAMENTO... 8 1.1 O sector do comércio em Portugal... 8 2. QUALIDADE, COMPETITIVIDADE E MELHORES PRÁTICAS NO COMÉRCIO... 15

Leia mais

Entrevista sobre o Programa Kulto

Entrevista sobre o Programa Kulto Entrevista sobre o Programa Kulto Ficha de Identificação Nome: Rute Gil Empresa: Estado do Sítio Cargo/Função: Produtora e Guionista Programa: Kulto Questões 1. Qualidade - Na sua opinião, o que pode ser

Leia mais

XI Mestrado em Gestão do Desporto

XI Mestrado em Gestão do Desporto 2 7 Recursos Humanos XI Mestrado em Gestão do Desporto Gestão das Organizações Desportivas Módulo de Gestão de Recursos Rui Claudino FEVEREIRO, 28 2 8 INDÍCE DOCUMENTO ORIENTADOR Âmbito Objectivos Organização

Leia mais

Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT

Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT Centro Cultural de Belém, Lisboa, 11 de Outubro de 2006 Intervenção do Secretário

Leia mais

JORNALISTAS E PÚBLICO: NOVAS FUNÇÕES NO AMBIENTE ONLINE

JORNALISTAS E PÚBLICO: NOVAS FUNÇÕES NO AMBIENTE ONLINE JORNALISTAS E PÚBLICO: NOVAS FUNÇÕES NO AMBIENTE ONLINE Elizabete Barbosa Índice Antes de mais, julgo ser importante distinguir informação e jornalismo, dois conceitos que, não raras vezes, são confundidos.

Leia mais

ANÁLISE DA PRÁTICA INSTITUCIONAL

ANÁLISE DA PRÁTICA INSTITUCIONAL ANÁLISE DA PRÁTICA INSTITUCIONAL Prof.ª Mônica Ferreira dos Santos José Augusto Guilhon de Albuquerque é sociólogo e professor da USP. No Serviço Social alguns autores já usaram seu referencial. Weisshaupt

Leia mais

Apresentação da FAMA

Apresentação da FAMA Pós-Graduação Lato Sensu CURSO DE ESPECIIALIIZAÇÃO 444 horras/aulla 1 Apresentação da FAMA A FAMA nasceu como conseqüência do espírito inovador e criador que há mais de 5 anos aflorou numa família de empreendedores

Leia mais

MOÇÃO Solidariedade com os trabalhadores da Gestnave/Ereta

MOÇÃO Solidariedade com os trabalhadores da Gestnave/Ereta Deliberações de 1 de Fevereiro de 2008 1 de Fevereiro de 2008 Auditoria externa das Contas Aprovada a contratação da Sociedade de Revisores Oficiais de Contas Sebastião & Santos, para prestação de serviços

Leia mais

Propaganda ideológica. Baseado no livro: O que é Propaganda Ideológica de Nelson Jahr Garcia

Propaganda ideológica. Baseado no livro: O que é Propaganda Ideológica de Nelson Jahr Garcia Propaganda ideológica Baseado no livro: O que é Propaganda Ideológica de Nelson Jahr Garcia Propagandas: comerciais e eleitorais Estão em todo parte: televisão, rádio, cartazes; veículos; objetos... As

Leia mais

2 - Sabemos que a educação à distância vem ocupando um importante espaço no mundo educacional. Como podemos identificar o Brasil nesse contexto?

2 - Sabemos que a educação à distância vem ocupando um importante espaço no mundo educacional. Como podemos identificar o Brasil nesse contexto? A EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA E O FUTURO Arnaldo Niskier 1 - Qual a relação existente entre as transformações do mundo educacional e profissional e a educação à distância? A educação à distância pressupõe uma

Leia mais

DIREITOS FUNDAMENTAIS. Exame - 16.06.2015. Turma: Dia. Responda, sucintamente, às seguintes questões:

DIREITOS FUNDAMENTAIS. Exame - 16.06.2015. Turma: Dia. Responda, sucintamente, às seguintes questões: DIREITOS FUNDAMENTAIS Exame - 16.06.2015 Turma: Dia I Responda, sucintamente, às seguintes questões: 1. Explicite o sentido, mas também as consequências práticas, em termos de densidade do controlo judicial,

Leia mais

ACQUALIVEEXPO. Painel A INTERNACIONALIZAÇÃO DO SECTOR PORTUGUÊS DA ÁGUA EVOLUÇÃO DO SECTOR DA ÁGUA NOS BALCÃS: O EXEMPLO DA SÉRVIA

ACQUALIVEEXPO. Painel A INTERNACIONALIZAÇÃO DO SECTOR PORTUGUÊS DA ÁGUA EVOLUÇÃO DO SECTOR DA ÁGUA NOS BALCÃS: O EXEMPLO DA SÉRVIA ACQUALIVEEXPO Painel A INTERNACIONALIZAÇÃO DO SECTOR PORTUGUÊS DA ÁGUA EVOLUÇÃO DO SECTOR DA ÁGUA NOS BALCÃS: O EXEMPLO DA SÉRVIA Lisboa, 22 de Março de 2012 1 1. Introdução A diplomacia económica é um

Leia mais

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE?

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? 1 O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? A globalização dos mercados torna cada vez mais evidente as questões da qualidade. De facto a maioria dos nossos parceiros económicos não admite a não qualidade.

Leia mais

4 Metodologia. 4.1. Primeira parte

4 Metodologia. 4.1. Primeira parte 4 Metodologia [...] a metodologia inclui as concepções teóricas de abordagem, o conjunto de técnicas que possibilitam a apreensão da realidade e também o potencial criativo do pesquisador. (Minayo, 1993,

Leia mais

FEMINISMOS PLURAIS E FEMINISMOS EM ÁFRICA

FEMINISMOS PLURAIS E FEMINISMOS EM ÁFRICA FEMINISMOS PLURAIS E FEMINISMOS EM ÁFRICA FEMINISMO Filosofia de vida da qual deriva uma atitude crítica frente aos factos e perante a sociedade Tomada de consciência Resposta que conduz à mudança, a partir

Leia mais

Parecer da Associação de Professores de Expressão e Comunicação Visual sobre a proposta de Revisão da Estrutura Curricular

Parecer da Associação de Professores de Expressão e Comunicação Visual sobre a proposta de Revisão da Estrutura Curricular Parecer da Associação de Professores de Expressão e Comunicação Visual sobre a proposta de Revisão da Estrutura Curricular Introdução A APECV, utilizando vários processos de consulta aos seus associados

Leia mais

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4 ANEXO 4 RELATÓRIO PRELIMINAR DO CEED AO CONSELHO DE DEFESA SUL- AMERICANO SOBRE OS TERMOS DE REFERÊNCIA PARA OS CONCEITOS DE SEGURANÇA E DEFESA NA REGIÃO SUL- AMERICANA O é uma instância de conhecimento

Leia mais

Trabalhadores mais Velhos: políticas públicas e práticas empresariais

Trabalhadores mais Velhos: políticas públicas e práticas empresariais Trabalhadores mais Velhos: políticas públicas e práticas empresariais PESTANA, Nuno Nóbrega (2003), Cadernos de Emprego e Relações de Trabalho n.º 1, MSST/DGERT, Lisboa, pp. 321. Susana Graça 1 A obra

Leia mais

CÓDIGO INTERNACIONAL ICC/ESOMAR PARA A INVESTIGAÇÃO SOCIAL E DE MERCADO

CÓDIGO INTERNACIONAL ICC/ESOMAR PARA A INVESTIGAÇÃO SOCIAL E DE MERCADO CÓDIGO INTERNACIONAL ICC/ESOMAR PARA A INVESTIGAÇÃO SOCIAL E DE MERCADO INTRODUÇÃO O primeiro Código para a Prática de Investigação Social e de Mercado foi publicado pela ESOMAR em 1948. Depois deste foram

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA Julho de 2013

CÓDIGO DE CONDUTA Julho de 2013 CÓDIGO DE CONDUTA Julho de 2013 1 ÍNDICE INTRODUÇÃO...3 I. Âmbito de Aplicação e Princípios Gerais...4 Artigo 1.º Âmbito Pessoal...4 Artigo 2.º Âmbito Territorial...4 Artigo 3.º Princípios Gerais...4 Artigo

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º /X SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA. Exposição de motivos

PROJECTO DE LEI N.º /X SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA. Exposição de motivos Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º /X SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA Exposição de motivos O enorme atraso na democratização do acesso à internet é um motivo de preocupação para

Leia mais

10 A demonstração nos programas de Matemática: Uma análise transversal

10 A demonstração nos programas de Matemática: Uma análise transversal 10 A demonstração nos programas de Matemática: Uma análise transversal Cecília Costa Departamento de Matemática da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro Pedro Tadeu ESTIG Instituto Politécnico de

Leia mais

A mediação intercultural e a construção de diálogos entre diferentes: notas soltas para reflexão

A mediação intercultural e a construção de diálogos entre diferentes: notas soltas para reflexão A mediação intercultural e a construção de diálogos entre diferentes: notas soltas para reflexão (Comentário ao Painel: Mediação Intercultural) Maria José Casa-Nova Instituto de Educação, Universidade

Leia mais

Exma. Sra. Presidente do Conselho Geral Transitório Exmos. Srs. Conselheiros Exmos. Srs. Professores Exmos. Srs. Funcionários Caros amigos e amigas

Exma. Sra. Presidente do Conselho Geral Transitório Exmos. Srs. Conselheiros Exmos. Srs. Professores Exmos. Srs. Funcionários Caros amigos e amigas Exma. Sra. Presidente do Conselho Geral Transitório Exmos. Srs. Conselheiros Exmos. Srs. Professores Exmos. Srs. Funcionários Caros amigos e amigas Em primeiro lugar gostaria de expressar o meu agradecimento

Leia mais

Considerações Finais. Resultados do estudo

Considerações Finais. Resultados do estudo Considerações Finais Tendo em conta os objetivos definidos, as questões de pesquisa que nos orientaram, e realizada a apresentação e análise interpretativa dos dados, bem como a sua síntese final, passamos

Leia mais

Fernando Correia. Principais atividades e funções atuais

Fernando Correia. Principais atividades e funções atuais 1 Fernando Correia Fernando António Pinheiro Correia nasceu em Coimbra em 1942. Jornalista. Docente universitário, com o grau de Professor Associado Convidado. Investigador em Sociologia, História e Socioeconomia

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

Assunto: Consulta Pública nº1/2010. Exmos. Senhores,

Assunto: Consulta Pública nº1/2010. Exmos. Senhores, Assunto: Consulta Pública nº1/2010 Exmos. Senhores, Fundada em 13 de Outubro de 1994 por diversas empresas de Rádio e Televisão e Associações de Imprensa e de Rádio, a Confederação Portuguesa dos Meios

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO GABINETE DO PRESIDENTE

REGULAMENTO INTERNO DO GABINETE DO PRESIDENTE REGULAMENTO INTERNO DO GABINETE DO PRESIDENTE CAPÍTULO I Objecto ARTIGO.º (Objecto) O presente regulamento define a composição e o regime jurídico do pessoal do Gabinete do Presidente do Tribunal de Contas.

Leia mais

Esterofoto Geoengenharia SA. Álvaro Pombo. Administrtador. (www.estereofoto.pt)

Esterofoto Geoengenharia SA. Álvaro Pombo. Administrtador. (www.estereofoto.pt) Esterofoto Geoengenharia SA Álvaro Pombo Administrtador (www.estereofoto.pt) Q. Conte-nos um pouco da historia da empresa, que já tem mais de 30 anos. R. A Esterofoto é uma empresa de raiz, a base da empresa

Leia mais

Amares Anos 60 Festas de S. António Foto Kim Amares Amares na actualidade Arquivo BE ESA

Amares Anos 60 Festas de S. António Foto Kim Amares Amares na actualidade Arquivo BE ESA Amares Anos 60 Festas de S. António Foto Kim Amares Amares na actualidade Arquivo BE ESA Meio século pode ser um tempo relativamente curto em termos históricos, mas é um tempo suficiente para provocar

Leia mais

DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO

DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO EPSU, UNI Europa, ETUCE, HOSPEEM, CEMR, EFEE, EuroCommerce,

Leia mais

José António Rousseau, professor de Marketing e Distribuição. Que balanço faz destes 19 anos da moderna distribuição em Portugal?

José António Rousseau, professor de Marketing e Distribuição. Que balanço faz destes 19 anos da moderna distribuição em Portugal? José António Rousseau, professor de Marketing e Distribuição Que balanço faz destes 19 anos da moderna distribuição em Portugal? A realidade comercial que podemos designar por Distribuição Moderna começou

Leia mais

Organização de Eventos

Organização de Eventos Organização de Eventos Página de Rosto Aluna: Tânia Marlene Silva Ano/ Turma: 12º ano do Curso Profissional Técnico de Secretariado Disciplina: Técnicas de Secretariado Modulo: 20 Organização de Eventos

Leia mais

Código de Ética e de Conduta do Metropolitano de Lisboa, E.P.E. Código de Ética e de Conduta do Metropolitano de Lisboa, E.P.E.

Código de Ética e de Conduta do Metropolitano de Lisboa, E.P.E. Código de Ética e de Conduta do Metropolitano de Lisboa, E.P.E. Código de Ética e de Conduta do Metropolitano de Lisboa, E.P.E. ÍNDICE INTRODUÇÃO 1. Empresa e Serviço Público Empresa Missão Visão Função Social e Responsabilidades Sociais 2. Princípios e Valores Estruturantes

Leia mais

Qualidade e Inovação. CONTROLO DA QUALIDADE Qualidade e Inovação Trabalho de grupo

Qualidade e Inovação. CONTROLO DA QUALIDADE Qualidade e Inovação Trabalho de grupo CONTROLO DA QUALIDADE Qualidade e Inovação Trabalho de grupo Curso de Arte e Multimédia/Design 2º Semestre 1º Ciclo Ano lectivo 2007/2008 Docente: José Carlos Marques Discentes: Ana Pedro nº 2068207/ Encarnação

Leia mais

ESTUDOS DE. Audiências Media Monitoring Mercado ANGOLA

ESTUDOS DE. Audiências Media Monitoring Mercado ANGOLA ESTUDOS DE Audiências Media Monitoring Mercado ANGOLA A EMPRESA O Grupo Marktest tem consolidado ao longo dos últimos 26 anos uma forte posição nas áreas dos Estudos de Mercado, da informação e na área

Leia mais

Comunicação à 1ª secção

Comunicação à 1ª secção Comunicação à 1ª secção Denomina-se Ordem dos Advogados a associação pública representativa dos licenciados em Direito que, em conformidade com os preceitos deste Estatuto e demais disposições legais aplicáveis,

Leia mais

O GOVERNO. Art.º 182º da Constituição da República Portuguesa

O GOVERNO. Art.º 182º da Constituição da República Portuguesa O GOVERNO Art.º 182º da Constituição da República Portuguesa «O Governo é o órgão de condução da política geral do país e o órgão superior da Administração Pública.» 1 Pela própria ideia que se retira

Leia mais

O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão

O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão 1 2 O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão 3 A origem do Fundo Social Europeu O Fundo Social Europeu foi criado em 1957 pelo Tratado de Roma,

Leia mais

Dinâmicas de transformação das relações laborais em Portugal, DGERT, Colecção Estudos * Autora - Prof.ª Doutora Conceição Cerdeira

Dinâmicas de transformação das relações laborais em Portugal, DGERT, Colecção Estudos * Autora - Prof.ª Doutora Conceição Cerdeira Dinâmicas de transformação das relações laborais em Portugal, DGERT, Colecção Estudos * Autora - Prof.ª Doutora Conceição Cerdeira Este Livro corresponde à publicação da Dissertação de Doutoramento da

Leia mais

CIRCULAR. Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar

CIRCULAR. Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar CIRCULAR Data: 11/04/2011 Circular nº.: 4 /DGIDC/DSDC/2011 Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar Para: Inspecção-Geral de Educação Direcções Regionais de Educação Secretaria Regional Ed. da Madeira

Leia mais

Newsletter Número 1/09 Março 2009

Newsletter Número 1/09 Março 2009 ASSUNTOS DE RELEVÂNCIA PARA OS REVISORES/AUDITORES EM TEMPOS DE CRISE FINANCEIRA Foram publicados recentemente tanto pelo IAASB (International Auditing and Assurance Standards Board) como pela FEE (Fédération

Leia mais

Dário Afonso Fernanda Piçarra Luisa Ferreira Rosa Felisberto Módulo: 3786, Controlo de Riscos

Dário Afonso Fernanda Piçarra Luisa Ferreira Rosa Felisberto Módulo: 3786, Controlo de Riscos Medidas de Prevenção e Protecção Dário Afonso Fernanda Piçarra Luisa Ferreira Rosa Felisberto Módulo: 3786, Controlo de Riscos 30 - Novembro, 2010 ÍNDICE Introdução - Medidas de Prevenção e Protecção pág.

Leia mais