UM ESTUDO SOBRE A GESTÃO DE ESTOQUES INTERMEDIÁRIOS EM UMA EMPRESA BRASILEIRA DE MANUFATURA DE PRODUTOS A BASE DE PAPEL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UM ESTUDO SOBRE A GESTÃO DE ESTOQUES INTERMEDIÁRIOS EM UMA EMPRESA BRASILEIRA DE MANUFATURA DE PRODUTOS A BASE DE PAPEL"

Transcrição

1 31 de Julho a 02 de Agosto de 2008 UM ESTUDO SOBRE A GESTÃO DE ESTOQUES INTERMEDIÁRIOS EM UMA EMPRESA BRASILEIRA DE MANUFATURA DE PRODUTOS A BASE DE PAPEL Paulo Cesar Chagas Rodrigues (UNESP) Otávio José de Oliveira (UNESP) Resumo A administração de estoques intermediários é uma função de importância estratégica para o sucesso financeiro de um negócio. Tem influência decisiva em dois processos de negócios importantes: planejamento da produção e o controle de fluxo dee materiais. O objetivo principal deste artigo é apresentar e analisar, na luz de teoria recentes, o processo de administração de estoques em uma companhia brasileira de produtos de papel localizada na região central-oeste do estado de São Paulo e descrever suas principais características individuais, potencialidades e problemas. Para este propósito, um estudo qualitativo foi empreendido usando o método de estudo de caso no qual os seguintes instrumentos de coleta de dados foram usados: análise documental, observação in-loco, e entrevista. O estudo permitiu examinar a influência de algumas estratégias de administração de estoques como um todo no desempenho do negócio. Abstract The management of intermediate inventory is a function of strategic importance for the financial success of a business. It has decisive influence on two important business processes: production planning and the control of materials flow. Thhe main objective of this paper is to present and analyze, in the light of current theory, the process of inventory management in a Brazilian paper products company located in the central-west region of São Paulo state, and to describe its main individual characteristics, potentialities and problems. For this purpose, a qualitative study was undertaken using the case study method, in which the following data collection instruments were used: document analysis, in loco observation, and interviews. The study

2 allowed examination of the influence of some strategies of inventory management on the performance of the business as a whole. Palavras-chaves: Gestão de estoques, logística; desperdício. IV CNEG 2

3 1. INTRODUÇÃO A gestão de estoques intermediários é uma função de importância estratégica para o sucesso econômico das empresas. Isto porque as organizações encontram-se inseridas em um cenário extremamente competitivo. Desta forma, as corporações vêem-se obrigadas a se desenvolver tecnologicamente e gerencialmente para poderem aumentar seus ganhos e conseqüentemente ampliar o seu mercado consumidor. Os métodos de intervenção nas organizações para que racionalizem seus processos de produção, melhorem a qualidade de seus produtos e serviços, possuem o objetivo de satisfazer as necessidades de seus clientes. Destes métodos, o que será abordado neste artigo refere-se à gestão de estoques intermediários, que quando gerenciado de forma errada, se torna um dos grandes geradores de desperdícios na linha de produção, podendo ocultar a vários problemas de gestão, vindo a ter reflexos diretos e significativos na eficiência financeira e na imagem da empresa. As ferramentas para previsão de demanda, sistemas de controle de estoques, sistemas de classificação e priorização de estoques, de gerenciamento e dimensionamento de pedidos, de avaliação físico-financeira, dentre outros, se bem modelados, implantados e gerenciados podem trazer benefícios consideráveis para a organização, aumentando sua produtividade e competitividade. No setor gráfico, dada à alta sazonalidade dos produtos e complexidade dos processos, a gestão de estoques ganha uma importância ainda maior. Por meio de um gerenciamento eficaz da movimentação, armazenagem e controle dos estoques intermediários é possível reduzir consideravelmente os custos e os riscos que envolvem a estocagem da matéria-prima em processo, evidenciando, portanto, a importância do conceito de administração de materiais e sua estreita relação com o tema aqui tratado. Com base no exposto, o principal objetivo desta pesquisa é descrever e analisar, apontando os principais aspectos positivos e as principais deficiências, do sistema de gestão de estoques intermediários de uma indústria que atua no setor de produtos para papelaria e que possui sede na região centro-oeste do Estado de São Paulo do Brasil. Para tanto, será realizada uma pesquisa qualitativa com base na metodologia de estudo-de-caso, pois este tipo de pesquisa preocupa-se fundamentalmente com a compreensão e interpretação de determinado fenômeno, conforme o pretendido aqui. Os instrumentos de IV CNEG 3

4 coleta de dados na empresa estudada se deram por meio da realização de entrevistas, análise de documentos e visitas in loco. Neste artigo é feito uma revisão teórica sobre sistemas de administração de materiais, administração da produção e logística de planta de forma a embasar conceitualmente o referido estudo. Este trabalho tem por objetivo principal, apresentar a forma como são aplicados os conceitos teóricos nos processos fabris e como apoio na tomada de decisão por parte da diretoria e do corpo gerencial da empresa. Segundo Alves (1999), o ambiente industrial caracteriza-se por uma concorrência muito baseada no prazo e na satisfação das exigências do cliente traduzidas, frequentemente, no requisito de produtos únicos e exclusivos e entregas imediatas ou em prazos muito curtos. 2. SISTEMAS DE ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO Segundo Lima (2003), os sistemas de produção são, por tradição, baseados numa visão estática da estrutura do sistema, os sistemas depois de projetados, mantêm-se inalterados por longos períodos, e as mudanças importantes dá-se em ciclos muito longos. Mesmo os sistemas cuja estrutura se baseia na ligação entre unidades básicas, sejam elas segmentos de produção, ilhas de produção, ou células de produção, são fundamentalmente estáticos. Os departamentos são dinâmicos, que os leva a alterar a sua estrutura e as ligações existentes com os outros. O Planejamento e Controle da Produção (PCP) se insere nesta segunda parte, projetando o que deve ser feito, acionando o sistema e exercendo os devidos controles. Para Welzel (2002), o PCP pode ser entendido como um sistema de informações que determina os rumos da produção e que acompanha o processo realinhando o que foi programado e exercendo os respectivos controles. O PCP envolve várias atividades, porém nos ateremos neste estudo ao projeto do produto e do projeto do processo. Para Lima (2003), um sistema de produção, conforme ilustração apresentada na Figura 01 é composta por alguns meios de produção, que sob o efeito de trabalho produtivo vão processar os objetos de produção, de forma a entregar algum(ns) produto(s). Este sistema produtivo pode associar-se com outros sistemas produtivos, formando um sistema maior com a habilidade de criar novos produtos. Esta associação tem que se apoiar em meios de comunicação que se podem basear no deslocamento de pessoas, ou num misto entre pessoas e meios automáticos como tapetes rolantes e AGVs, ou ainda em redes de sistemas de informação. IV CNEG 4

5 Pode-se adotar perspectivas do sistema de produção dependentes dos componentes e dos objetos do sistema. Estas podem ser analisadas do ponto de vista da movimentação física, e neste caso os objetos podem movimentar-se entre recursos transformadores, ou esperar que o recurso se desloque para processá-lo. Isto significa que qualquer um destes elementos, os objetos ou os recursos, ou ambos, podem se deslocar fisicamente num determinado sistema de produção. Figura 01: Modelo do Sistema de Produção Fonte: Lima (2003). Segundo a Associação Empresarial de Portugal (2004), pensando na Produtividade, verifica-se, muitas vezes que nessas instalações ocorrem fatos que promovem a perda de eficiência e produtividade, como sejam: (a) excesso de movimentação de pessoas e matériasprimas; (b) produtos semi-acabados e produtos acabados, causando transtornos diversos e aumentando os riscos de quebra e acidentes, além de custos e de tempo de produção; e (c) os produtos têm um percurso produtivo muito complicado. A idéia base da simplificação do trabalho corresponde á eliminação de tudo aquilo que não agrega valor ao produto, ou seja, tudo aquilo que não melhora ou não transforma o produto e que aumenta os seus custos. Stevenson (2005) comenta que a necessidade de se fazer um planejamento do arranjo físico surge tanto durante o projeto de novas instalações como quando se reformulam projetos de instalações preexistentes. Os motivos mais comuns para a reformulação de projetos de arranjo físico são os seguintes: (a) A ineficiência das operações (por exemplo, por custo elevado, pela existência de gargalos); (b) Acidentes, ou risco à integridade física e à segurança; (c) Mudança no projeto e produtos ou serviços; (d) Introdução de novos produtos ou serviços; (e) Mudanças no volume de produção, ou no mix (composição); (f) Mudança nos métodos ou no equipamento; (g) Mudança em requisitos ambientais ou outros, de ordem legal; e (h) Problemas relacionados com o moral do pessoal (por exemplo, falta de contato face a face). Stevenson (2005) classifica em três tipos básicos de arranjo físico, são eles: o arranjo físico por produto, o arranjo físico por processo e o arranjo físico de posição fixa ou IV CNEG 5

6 posicional. Arvindh e Irani 1 (apud RODRIGUES, 2006) apresentam uma classificação de tipos de implantações intercelulares que podem ser consideradas nesta atividade do projeto detalhado e também são apresentados alguns exemplos de tipos de sistemas de manuseio de material, conforme a figura 03. A - Implantação Spline Linear B - Implantação Spline X C - Implantação Spline T D - Rede de células E - Partilha de equipamento F - Células em cascata G - Linhas paralelas H - Células virtuais Figura 03: Tipos de implantações e sistemas de manuseamento intercelulares Fonte: Alves (apud RODRIGUES, 2006) 3. SISTEMAS DE ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS Segundo Pizzocaro (2003), a atividade de gestão de estoques é realizada devido à necessidade de controlar os produtos e seus desperdícios, ou seja, a empresa deve decidir quais os níveis de estoques que são economicamente viáveis manterem. Este tipo de atividade justifica-se em função das vantagens e desvantagens inerentes à existência e níveis de estoques. Esta ação induz características positivas, de permitir a regulação e decomposição do processo de produção, fornecimento de várias opções ao cliente, descontos de aquisição em função da quantidade e proteção contra altas de preços (HEIZER e RENDER, 2001). No entanto, por outro lado introduz também componentes considerados negativos. A Gestão de Estoques tem reflexos diretos e significativos na eficiência operacional (desempenho) e nas finanças da empresa. Para apoiar o processo de gestão, os indicadores mais comuns são: Giro de Estoque, Prazo Médio de Estoque e Lote Econômico de Compra (LEC), conceitos definidos na literatura e amplamente aplicados pelas práticas empresariais (ORTOLANI, 2002). Segundo Slack, Chambers e Johnston (2002), estoque é definido como a acumulação armazenada de recursos materiais em um sistema de transformação. Algumas vezes, o estoque também é usado para descrever qualquer recurso armazenado. 1 ARVINDH, B. e IRANI, S. A. (1994) Cell formation: the need for an integrated solution of the problems. International Journal of Production Research, v. 32, n. 5. IV CNEG 6

7 Goldratt e Cox (2007) reconheceram a importância de manter o trabalho há frente do gargalo para alcançar uma taxa de processamento máxima. O mecanismo, drum-buffer-rope, programação de liberação de trabalhos de forma que a estação gargalo continue trabalhando. A literatura distingue quatro tipos de estoques (COURTOIS, PILLET e MARTIN, 1997; HEIZER e RENDER, 2001). Suprimento, (a) o estoque de matéria-prima, normalmente materiais necessários a produção; (b) os estoques MRO (Maintenace/Repair/Operating), consistindo em peças de substituição ou reposição, normalmente necessárias para o parque de máquinas, ferramentas especiais, ferramentas e outros consumíveis, produtos para manutenção, etc.; (c) estoques em processo ou intermediários em curso (WIP), materiais armazenados entre as diferentes fases do processo produtivo; e (d) o estoques de produtos acabados. Para Haller, Peikert e Thoma (2003), a gestão de estoques intermediários define regras claras de como controlar o fluxo de material quando situações de imprevisto acontecem, como inesperada baixa de processamento, desarranjos de ferramentas ou paradas de linha. Se o fluxo de materiais trabalhados for bem e como planejado, a gestão de estoques intermediários não faz limite ao fluxo, mas é ativo para trabalhar com uma emergência futura. Só a gestão de estoques intermediários na linha já é suplementada, desde que haja o controle do material começado dentro da cadeia de processo. Para Moretti (2005), é possível perceber que conhecer o estágio de vida em que um produto se encontra é fundamental, para se antecipar às necessidades de distribuição e planejá-la bem previamente. Porém como os produtos de uma empresa nunca estão em um mesmo estágio de desenvolvimento, o ciclo de vida do produto serve como base para a curva ABC ou 80-20, um conceito valioso para o planejamento logístico, que tem origem relacionada com o princípio da lei de Pareto em Magalhães, Mello e Bitencourt (2006) consideram que a depreciação é um importante elemento do custo total dos produtos, principalmente quando os processos produtivos tendem a ser automatizados, correspondendo a uma maior relevância do imobilizado no conjunto de ativos mantidos na empresa. Hendriksen e Van Breda (2007) reconhecem que a depreciação não passa de uma alocação de custos, e muitos parecem rejeitar isso tentando encontrar um significado para ela. O maior esforço de interpretação começa com a definição de um ativo como reserva de serviços e sugere que a depreciação deve ser considerada como uma redução dessa reserva. IV CNEG 7

8 Tal redução se justifica, em parte, pelo uso e o desgaste do ativo e a obsolescência causada por avanços tecnológicos ou mudanças das preferências dos consumidores. 4. LOGÍSTICA Christopher (2007, P. 2) define logística como o processo de gerenciar estrategicamente a aquisição, movimentação e armazenagem de materiais, peças e produtos acabados (e os fluxos de informações correlatas) através da organização e seus canais de marketing, de modo a poder maximizar as lucratividades presente e futura através do atendimento dos pedidos a baixo custo. A Logística, segundo Lima 2 (apud BRAND; MULLER, 2004), pode ser desmembrada em três macro-processos: logística de suprimento (Inbound Logistics), logística de planta e logística de distribuição (Outbound Logistics). A logística de suprimento, de acordo com Ballou (2003) trata do fluxo de produtos para a empresa ao invés de a partir desta, tendo como tarefas mais importantes neste segmento: (a) a inicialização e transmissão das ordens de compra; (b) transporte dos insumos/materiais até a fábrica; (c) manutenção de estoques. A logística de planta corresponde aos processos de abastecimento interno da manufatura; dessa forma, relacionado a esta função pode ocorrer à formação de estoques e movimentação de materiais e produtos prontos entre os processos de fabricação e locais de estocagem, o qual será dado maior ênfase. Em relação à logística de distribuição, o produto pronto pode ser armazenado na própria empresa ou despachado para depósitos externos ou centros de distribuição. Segundo Farias (2005), o planejamento estratégico da cadeia de suprimento deve atender as demandas do novo milênio, propondo alternativas as deficiências de infra-estrutura e mantendo o negócio em níveis competitivos de remuneração. Os desafios logísticos associados à gestão de fluxo e às crescentes demandas nas diversas cadeias de suprimentos estão cada vez mais presentes na atividade comercial entre os blocos econômicos. Hoje, com os atuais recursos científicos tecnológicos, gerenciar fluxos logísticos tem se tornado mais importante que gerenciar estoque, observando do ponto de vista da cadeia de suprimento todas as inúmeras medidas de desempenho. 2 LIMA, M. P. Custos logísticos: uma visão gerencial. Coppead, Disponível em: <http://www.coppead.ufrj.br/pesquisa/cel/new/fs-public.htm.>. Acesso em: 17 jul IV CNEG 8

9 Segundo Lee (2004), alguns parâmetros considerados têm recebido atenção especial em estudos que afirmam que as melhores cadeias de suprimentos não são apenas rápidas e econômicas. Elas são também ágeis, adaptáveis e alinhadas quanto ao interesse dos participantes. Segundo Ballou (2003), a logística de planta interessa aos sistemas que controlam a movimentação de materiais na produção e envolve: a) Determinação de espaço físico e exigências de volume para cada processo, máquina e/ou sistema; b) Identificação da produção e exigências de identificação do armazenamento de materiais, seleção de sistemas de armazenamento; c) Especificação de fluxo facilitado de materiais; d) Seleção de sistemas de manipulação de material; e) Determinação de estratégias de reabastecimento acionárias, desígnio de segurança e sistemas ambientais; f) Desenvolvimento de plano de planta física em duas e/ou três dimensões; e g) Avaliação de sistema de logística para produção com capacidade de crescimento. Segundo Rushton (2000), a gerência da logística de distribuição é reconhecida como a principal função industrial e econômica. Uma avaliação completa da extensão e importância do assunto conduziu a uma aproximação profissional nova que concentra como um todo na função da logística como também nos subsistemas individuais. Sendo os principais conceitos da logística de distribuição: a) Planejamento logístico; b) Obtenção e decisões de inventário; c) Custeio de transporte; e d) Informação e administração da cadeia de fornecimento. Segundo Severo Filho (2006), o kanban é uma ferramenta para operacionalizar o sistema just-in-time de produção, possibilitando transformar a produção de empurrada em puxada. O kanban é um importante elemento do Sistema Toyota de Produção, sistema este que visa à eliminação total das perdas, entretanto, não são sinônimos, sendo o kanban uma técnica para ajudar a implementar esses princípios, sendo um sistema de autocontrole em nível de fábrica, como ilustra a figura 04. IV CNEG 9

10 Figura 04: Sistema de empurra ou puxar a produção Fonte: Tubino (apud PEINADO; GRAEML, 2007). Segundo Peinado e Graeml (2007), o sistema kanban busca movimentar e fornecer os itens de produção, à medida que vão sendo consumidos, de forma que nenhum posto de trabalho seja abastecido com materiais antes de solicitá-lo ao estágio anterior. 5. ESTUDO DE CASO As entrevistas semi-estruturadas foram realizadas com o diretor industrial, gerentes das unidades industriais e com o gerente de PCP, que permitiu observar os relatórios de ordem de produção, estoques e tempos, as visitas in-loco foram realizadas com a supervisão de alguns funcionários. A empresa esta situada em um bairro próximo ao centro da cidade de Bauru, SP e nasceu do sonho de um empreendedor chamado João Coube, que em 1928 vendeu a própria casa para abrir uma tipografia. A "Thypografia Brasil" cresceu e nos anos 40 tornou-se a "Tipografia e Livrarias Brasil", primeira sociedade anônima da cidade. Depois de vinte anos, já em 1960, a marca virou um acrônimo formado pelas primeiras sílabas das três palavras que constituíam o antigo nome da empresa. No ano de 2004 a empresa foi adquirida por um grupo Norte-Americano. A empresa investe em educação, treinamento e qualificação de sua equipe e em programas de qualidade e produtividade, como forma de garantir a qualidade de seus produtos IV CNEG 10

11 e serviços, atua a 79 anos no mercado de material escolar, agendas, casa e escritório para papelarias, livrarias e outros estabelecimentos comerciais. Emprega cerca de mil profissionais na cidade de Bauru-SP, onde estão instaladas as unidades de produção, em área construída de 40 mil m2 e o Centro de Distribuição, com 11 mil m2. A empresa exporta para os Estados Unidos por intermédio da sua matriz, e para vários países da América Latina. Possui distribuidores na Argentina, Bolívia, Chile, Costa Rica, Equador, Honduras, México, Panamá, Paraguai, Porto Rico, República Dominicana, Trinidad e Tobago, Uruguai e Venezuela. Também embarca produtos por intermédio de representantes no Líbano e em Angola e distribuídos através de 250 mil pontos de venda em todo o território nacional. A empresa no Brasil adota um sistema de produção com características do modelo clássico Taylorista/Fordista, podendo ser facilmente identificado por aspectos do tipo: Utilização de layout linear, produção em grandes lotes, baixo índice de flexibilidade produtiva quanto à variação de mercado, operadores especializados, dentre outros aspectos. Atualmente a empresa trabalha com 4 (quatro) categorias de produtos, onde cada uma delas possui particularidades quanto à gestão de estoques intermediários, tendo em vista que: a) agendas: são produtos que possuem um prazo de validade, ou seja, são datados, possui uma sazonalidade moderada e que seu pico produtivo é abril a dezembro, onde a produção vai crescendo gradativamente; b) escolar: produtos que são vendidos para volta as aulas, possui uma sazonalidade muito acentuada e seu pico produtivo é de julho até dezembro; c) escritório: para o público de pequenas empresas, profissionais liberais ou escritórios, não possuem uma sazonalidade tão expressiva, sendo produzidos quase o ano todo; e d) casa: produtos que tem uma característica bem diferenciada, para uso doméstico, não possuem uma sazonalidade tão expressiva, sendo produzidos quase o ano todo, é um nicho de mercado muito explorado nos Estados Unidos e que vem sendo desenvolvido no Brasil, onde a empresa esta desenvolvendo alguns produtos e fazendo benchmark para detectar o seu nível de aceitação no mercado brasileiro. A complexidade dos produtos é muito grande, as categorias de produtos da empresa para o ano de 2008 deverá possuir aproximadamente (mil) modelos, os quais estão divididos conforme a Tabela 01 e nela há a sua representatividade quanto aos números de IV CNEG 11

12 itens. Que não são gerenciadas de uma única maneira, primeiro por que a empresa desenvolveu uma abordagem de planejamento por categoria de produtos e segundo respeitando a sazonalidade e a criticidade de cada categoria de produto. Tabela 01: Relação quantidade de modelos por produto Linha de produtos Quantidade de modelos Representatividade % Escolar ,20 Escritório ,64 Agendas ,68 Casa ,48 Na categoria escolar, dos 450 itens que são produzidos, são exportados aproximadamente 250 itens, estas exportações são para atender tantos os clientes externos, quanto seus clientes internos, ou seja, são as vendas realizadas para outras empresas do grupo que se encontram em várias partes do mundo, são as chamadas vendas intercompany. A empresa desde o ano de 2006 vem desenvolvendo e melhorando cada categoria de produto, através do planejamento da produção. São adotadas duas maneiras de planejar a produção, a primeira é através do planejamento de materiais em processo, estoques, roteiros de produção, tempos de produção, dentre outros. A segunda é por meio da relativa dedicação das linhas a determinada categoria de produto, por exemplo, linha de produtos costurados, espiralados e encadernados, conseguindo com isso ter uma diferenciação da produção e modelos em função das linhas, por exemplo, uma agenda é feita com vários cadernos, com costura lateral, Já um dos modelos de caderno que a empresa produz é de costura central, logo os processos são totalmente distintos, isto faz com que a produção de agenda costuradas, sigam para um determinado grupo de máquinas, enquanto os cadernos costurados sigam para outro grupo de máquinas. Uma das maneiras adotada neste caso pela produção é a segregação do roteiro, em função do tipo de produto. A empresa adotou já há alguns anos a solução de ERP da Baan para a sua gestão de negócios, sendo o objetivo principal integrar todas as operações da empresa, ou seja, a área administrativa, financeira, recursos humanos, comercial, marketing, PCP, almoxarifado e a produção. IV CNEG 12

13 A área de produção participa do desenvolvimento dos produtos, através de sua equipe de Tempos e Métodos Produtivos (TMP), onde o objetivo desta equipe é de poder avaliar tecnicamente o produto e junto com o pessoal de marketing desenvolver o produto, elaborando um estudo de visibilidade, ou seja, se é possível produzir este produto dentro do roteiro, qual será o seu custo, quais serão as perdas e que materiais serão utilizados. A equipe de TMP tem elaborado novos procedimentos, com o intuito de reduzir as perdas, evitando com isso que um produto saia da área de marketing com um nível de perda muito alto, estas perdas seriam de tempo, setup, roteiro e matérias-prima. Todas as possíveis composições de produto são documentadas, com a finalidade de se poder fazer a avaliação de custos, sendo utilizada como padrão de medição, esta documentação é composta de um layout do produto, lista de materiais, eficiência de máquina, tempo de setup, tempo para produção de um determinado lote mínimo de produto. É utilizado o método de classificação ABC, com o objetivo de definir ciclos de produção, associado ao giro de estoque, uma classificação mais fundamentada na definição do tamanho do estoque de matéria-prima, estoque intermediário, impacto em custo e como se deve produzir e aperfeiçoar os processos. Este método de classificação mostrou-se adequado para as categorias de produtos que possuem baixa sazonalidade, onde todos os itens classificados como A, possuem um nível de estoque grande com um impacto grande na produção, com ciclos de reposição mensal; os itens classificados como B, possuem um nível de estoque intermediário e com um impacto menor, com ciclos de reposição bimestral; e os itens classificados como C, possuem um nível de estoque menor com um impacto baixo e com ciclos de reposição trimestral. Já nos produtos com uma sazonalidade acentuada, pois está intimamente ligada ao período de volta as aulas, o método de classificação ABC teve de ser aperfeiçoado, visto que a reposição não é contínua, optou-se por trabalhar com os volumes de produção previstos, onde os volumes maiores, por exemplo, de unidades, São classificados como A e são definidos mais de 3 (três) ciclos produtivos; para os volumes de produção que em média seja de unidades, são classificados como B e são definidos 2 (dois) ciclos produtivos, onde o primeiro ciclo será de 60% e 70% para iniciar a temporada e conforme a demanda é feita a definição de quanto produzir; Para os volumes de produção que em média seja de unidades, são classificados como C e é definido 1 (um) único ciclo produtivo, só havendo um novo ciclo produtivo, caso haja a demanda de um novo lote de unidades. IV CNEG 13

14 Por ter um giro de matéria-prima muito alto, costuma-se ter relativamente poucas semanas de matéria-prima em estoque e em processo, é utilizado o conceito FIFO, tanto na gestão de estoques quanto na contábil. Por ser um volume de material muito grande e por não haver uma área proporcional para armazenagem, o giro de matéria-prima varia entre 3 (três) e 6 (seis) semanas.já no ponto de vista de produto acabado se trabalha com a produção para estoque. A equipe de PCP tem como função principal, analisar a quantidade de matéria-prima existe em estoque, qual a capacidade produtiva, o deve ser produzido e em qual tempo, dispara as compras de matéria-prima. Há uma equipe dedicada a previsão de vendas, que observam o mercado e fazem previsão de vendas no próximo mês, e a partir desta informação determinam quanto deverá ser produzido. A partir do plano geral de venda o PCP faz o plano de produção, analise de capacidade, analise de recursos críticos, analise de materiais críticos, analise do melhor roteiro, após isto monta um planejamento com prazos menores, ou seja, um planejamento mensal, onde verifica-se na produção, se houve excesso na produção, na compra de materiais, na disponibilidade de produção, esta verificação é feita semanalmente. O planejamento mensal é desmembrado em 4 semanas, para que seja passado para a fábrica o planejamento da semana, onde já foi estudado o material a ser utilizado, definido os roteiros de fabricação, onde ocorre a análise do melhor roteiro, as possíveis folgas. O processo de fabricação de cadernos é executado em dois locais distintos dentro da fábrica, por possuírem alguns equipamentos de tecnologias diferentes, o processo descrito na figura 06 esta localizado na unidade I. IV CNEG 14

15 Figura 06: Processo de fabricação de cadernos na Unidade I Na figura 07 é apresentada a legenda utilizada como padrão nos desenhos. Figura 07: Processo de fabricação de cadernos na Unidade I O processo de fabricação de cadernos, tem início com o corte do papel que chega em bobinas Kg e que abastece a guilhotina, este estoque de papel deverá abastecer em um primeiro momento os equipamentos de impressão off-set, conforme a figura 08. Figura 08: Processo de corte do papel em bobina na Unidade I IV CNEG 15

16 Os equipamentos de impressão off-set, são os responsáveis por imprimir os modelos de capas que serão utilizados, a impressão das capas tem início assim que são definidos os modelos, conforme figura 09, absorvendo parte do estoque gerado pelo processo anterior e gerando uma grande quantidade de estoque de folhas impressas, que por sua fez irão abastecer os processos de corte e montagem das capas, que irá abastecer o equipamento de montagem do caderno. Figura 09: Processo impressão off-set na Unidade I O equipamento de montagem do caderno executa quase todos os processos sem que haja a interferência humana, sendo necessário apenas o abastecimento das capas e acessórios, este equipamento é abastecido com uma bobina de papel de aproximadamente Kg, onde será executada a pautação, furação e o corte do papel, após este processo são adicionados os acessórios que comporão o caderno, conforme a figura 10. Figura 10: Área de estocagem e fabricação de cadernos na Unidade I A área de estocagem das capas, esta bem próxima dos equipamentos, as quais são produzidas e estocadas, a partir da definição dos modelos para o período de volta as aulas do ano seguinte. A produção de capas tem inicio assim que são definidos os modelos e com isso dando a falsa impressão de que o equipamento da unidade I é o gargalo do processo, visto que a área IV CNEG 16

17 de estocagem é rapidamente ocupada, mas como este equipamento pode operar 24 horas, ele consegue absolver quase todo o estoque em pouco tempo. Os acessórios que comporão o caderno são estocados no almoxarifado e a sua retirada se dá através de ordem de produção, com as quantidades exatas que serão utilizadas. A movimentação destes acessórios é feito através de paleteiras elétricas, quando são movimentados entre unidades ou do estoque, e em paleteiras manuais quando a movimentação ocorre dentro da própria unidade. Os operadores são os responsáveis por acompanhar os estoques de acessórios e capas, que estão alimentando o equipamento e monitorar o processo, para que não haja imprevistos. O processo descrito na figura 11 é executado na unidade II, visto que são equipamentos distintos, Onde todo o processo de abastecimento é feito manualmente, sendo só o processo de espiralização automático. Figura 11: Processo de fabricação de cadernos na Unidade II O processo de corte do papel que chega em bobinas é executado conforme a figura 08 e que tem a função de abastecer os equipamentos de off-set, conforme a figura 09 e os IV CNEG 17

18 equipamentos flexográficos, que irão pautar as folhas que já se encontram cortadas, conforme figura 12, este processo é considerado rápido e que irá absorver a parte restante do estoque gerado pelo processo de corte, gerando uma grande quantidade de estoque de folhas pautadas. Figura 12: Processo de impressão das folhas pautadas na Unidade I O estoque de folhas pautadas é absorvido pelo processo de corte, furação e separação, este processo é feito de forma manual pelos operadores, conforme a figura 13 e sendo um dos processos mais lento, que por sua fez irá abastecer o processo de montagem do caderno, na unidade II. Figura 13: Processo de corte, furação e separação das folhas pautadas O equipamento da unidade II tem de ser abastecido, com as folhas pautadas e cortadas, capas e acessórios e monitorado durante todo o processo de montagem do caderno, onde é abastecido. Este equipamento foi adaptado para fazer o caderno de 200 folhas, conforme a figura 14. Figura 14: Área de estocagem e fabricação de cadernos na Unidade II IV CNEG 18

19 A produtividade é mensurada através do programa de tempos e métodos produtivos (faz parte do controle da produtividade), na qual é mensurada a qualidade que foi previamente estabelecida, tempo perdido por diversos fatores, considerado o tempo não-produtivo, o conjunto destes indicadores de produtividade é comparado com os dos anos anteriores e com o mercado consumidor, para se estabelecer o nível de produtividade. Existem as perdas de projeto do produto, onde o seu custo é diluído no produto final; as perdas por questões técnicas, devido ao setup de máquina ou operação; perdas de adequação do material, o qual é definido um percentual, quando do desenvolvimento do produto, que é de responsabilidade da engenharia; as perdas no processo de fabricação, que ocorre quando o papel enrosca ou rasga; e as perdas inevitáveis, são aquelas que ocorrem e já são previsíveis, um exemplo é a bobina de papel de Kg, na qual há uma perda de 60 kg de papel, o qual compõe a embalagem da bobina. A logística de distribuição dentro da fábrica é bastante complexa, isto devido ao layout, as áreas de circulação, a disposição dos equipamentos, o trafego de pessoas e das empilhadeiras e pelo processo estar distribuído em duas unidades distintas. Gerando perdas com o tempo de transporte, riscos de acidentes com a matéria-prima e as pessoas, gastos com a manutenção dos equipamentos que executam o transporte, etc. Toda a sua produção é para estoque, pois o produto caderno possui uma sazonalidade muito acentuada e têm como período de pico de vendas os meses de janeiro a março, que seriam o período de volta as aulas. Procura-se classificar todo o estoque com o método ABC sendo utilizada a técnica de trás-para-frente, ou seja, é feita a classificação do produto final e depois ele é decomposto nos seus subprodutos, os quais serão classificados conforme o seu nível de criticidade dentro do processo. Pois caso ocorra à falta de determinado subproduto, pode ocorrer o atraso na entrega até a parada da linha de produção, é utilizado o método clássico para cálculo do estoque mínimo e máximo, de segurança e o médio. O giro de estoques é muito alto, sendo utilizado o método do primeiro que entra é o primeiro que sai (PEPS), o estoque de matérias-primas é dimensionado para um prazo que varia entre 3 e 6 semanas, isto porque eles ocupam grandes áreas e possuem um custo de estocagem muito alto. Partindo da premissa de que há uma sazonalidade muito acentuada, os níveis de estoques em processo dentro da fábrica alcançam volumes muito acentuados durante os meses IV CNEG 19

20 de julho a dezembro, visto que a fabrica não tem como absorver toda a demanda que ocorre no período de volta as aulas. Os estoques em processo dentro das unidades I e II podem ser observados em toda a linha de produção de cadernos, como existem gargalos conhecidos, procura-se antecipar a produção, gerando em um primeiro momento estoques imediatamente atrás do recurso gargalo e em um segundo momento imediatamente a frente deste recurso. Assim que os estoques alcançam o volume ideal, os equipamentos que montam os cadernos entram em funcionamento, por estes equipamentos possuírem um elevado poder de produção seu start se dá quando é alcançado o volume máximo nas áreas de estocagem. As áreas de estocagem de matéria-prima em processo, geralmente são próximas dos recursos transformadores, exceto no caso dos equipamentos de impressão flexográfica (fazem a pautação das folhas) e off-set (fazem a impressão das capas) que recebem o lote de matériaprima a transformar, processa e assim que termina ele é enviado para o processo seguinte. Em cada um dos processos existe uma ordem de serviço em que se consegue identificar e acompanhar a matéria-prima em processo, nestas ordens contém: a sua origem e seu destino, dados do turno, dados da máquina na qual sofreu transformação e/ou será transformado, estas informações acompanham a matéria-prima durante todo o processo de transformação. 6. CONCLUSÃO Atualmente a logística de planta da empresa vem sendo estudada de forma melhorar o fluxo de materiais, reorganizar o espaço físico das áreas produtivas, organizar a disposição dos equipamentos, aumentar capacidade produtiva da fábrica, etc. A empresa adota o modelo de células virtuais, facilitando a visualização de todo roteiro que a matéria-prima deverá percorrer dentro da fábrica. Este modelo permite que sejam elaborados diversos roteiros, sem que se tenha que fazer ajustes na produção e possibilita que sejam executadas diversas operações simultaneamente, sem que haja concorrência quanto ao uso dos equipamentos. A partir de alguns estudos que vem sendo realizados, a indústria pretende sistematizar a gestão de estoques intermediários, com posterior comparação com seu desempenho anterior e com outra empresa do ramo gráfico. IV CNEG 20

JUST-IN-TIME & KANBAN

JUST-IN-TIME & KANBAN JUST-IN-TIME & KANBAN Prof. Darli Rodrigues Vieira darli@darli.com.br 1 OBJETIVO DA AULA OBJETIVO: EVIDENCIAR O QUE É JUST IN TIME E QUAL É SUA UTILIDADE EM PROJETOS DE OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS EM OPERAÇÕES

Leia mais

GESTÃO DE OPERAÇÕES EM UMA PEQUENA EMPRESA PRESTADORA DE SERVIÇOS TÉCNICOS EM INFORMÁTICA: UM ESTUDO DE CASO

GESTÃO DE OPERAÇÕES EM UMA PEQUENA EMPRESA PRESTADORA DE SERVIÇOS TÉCNICOS EM INFORMÁTICA: UM ESTUDO DE CASO ! "#$ " %'&)(*&)+,.- /10.2*&4365879&4/1:.+58;.2*=?5.@A2*3B;.- C)D 5.,.5FE)5.G.+ &4- (IHJ&?,.+ /?=)5.KA:.+5MLN&OHJ5F&4E)2*EOHJ&)(IHJ/)G.- D - ;./);.& GESTÃO DE OPERAÇÕES EM UMA PEQUENA EMPRESA PRESTADORA

Leia mais

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha A administração de materiais A administração de materiais procura conciliar as necessidades de suprimentos com a otimização dos recursos financeiros

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2010. Ensino Técnico. Qualificação: TÉCNICO EM LOGÍSTICA

Plano de Trabalho Docente 2010. Ensino Técnico. Qualificação: TÉCNICO EM LOGÍSTICA Plano de Trabalho Docente 2010 Ensino Técnico ETEC. RODRIGUES DE ABREU Código: 135 Município: BAURU/SP Área Profissional: GESTÃO E NEGÓCIOS Habilitação Profissional: TÉCNICO EM LOGÍSTICA Qualificação:

Leia mais

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha Unidade II GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha Após a Segunda Guerra Mundial: Estados Unidos da América passaram por um longo período de crescimento. Responsáveis pela reconstrução de muitos

Leia mais

A influência do layout da operação em uma pequena empresa prestadora de serviços técnicos em informática: um estudo de caso

A influência do layout da operação em uma pequena empresa prestadora de serviços técnicos em informática: um estudo de caso A influência do layout da operação em uma pequena empresa prestadora de serviços técnicos em informática: um estudo de caso Paulo César Chagas Rodrigues (FEB/UNESP) pauloccr@feb.unesp.br Resumo: Hoje as

Leia mais

PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO

PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO Umberto Sales Mazzei Bruno Vieira Bertoncini PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO

Leia mais

Ementa e Cronograma Programático...

Ementa e Cronograma Programático... Ementa e Cronograma Programático... AULA 01 Estratégia de Operações e Planejamento Agregado AULA 02 Planejamento e Controle de Operações AULA 03 Gestão da Demanda e da Capacidade Operacional AULA 04 Gestão

Leia mais

Objetivos da Adm. de Estoque 1. Realizar o efeito lubrificante na relação produção/vendas

Objetivos da Adm. de Estoque 1. Realizar o efeito lubrificante na relação produção/vendas 1 Objetivos da Adm. de Estoque 1. Realizar o efeito lubrificante na relação produção/vendas Aumentos repentinos no consumo são absorvidos pelos estoques, até que o ritmo de produção seja ajustado para

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos ... lembrando Uma cadeia de suprimentos consiste em todas

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Organização do Trabalho na Produção

Curso de Engenharia de Produção. Organização do Trabalho na Produção Curso de Engenharia de Produção Organização do Trabalho na Produção Organização do Trabalho na Produção Projeto do Trabalho -Objetivo: criar um ambiente produtivo e eficiente, onde cada um saiba o que

Leia mais

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht Administração Logística e Administração de. Profª. Patricia Brecht Definição - Logística O termo LOGÍSTICA conforme o dicionário Aurélio vem do francês Logistique e significa parte da arte da guerra que

Leia mais

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12)

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) As siglas MRP, MRP II e ERP são bastante difundidas e significam: MRP Materials Requirements Planning Planejamento das Necessidades de Materiais; MRP II Resource

Leia mais

Introdução e Planejamento Cap. 1

Introdução e Planejamento Cap. 1 BALLOU, Ronald H. Gerenciamenrto da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman. 2006 Introdução e Planejamento Cap. 1 Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@fae.br L

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém Bloco Suprimentos WMS Gerenciamento de Armazém Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo WMS, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas foram

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI GEDAÍAS RODRIGUES VIANA 1 FRANCISCO DE TARSO RIBEIRO CASELLI 2 FRANCISCO DE ASSIS DA SILVA MOTA 3

Leia mais

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte.

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. GERENCIAMENTO DO TRANSPORTE Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. Trade-off CUSTO x NÍVEL DE SERVIÇO FORMAÇÃO DO PREÇO FINAL Para elaboração de uma estratégia

Leia mais

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Programação e Controle da Produção é um conjunto de funções inter-relacionadas que objetivam comandar o processo produtivo e coordená-lo com os demais setores administrativos

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS Data: 10/03/2001 Peter Wanke INTRODUÇÃO Localizar instalações ao longo de uma cadeia de suprimentos consiste numa importante

Leia mais

Operações Terminais Armazéns. PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007.

Operações Terminais Armazéns. PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007. Operações Terminais Armazéns AULA 3 PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007. A Gestão de Estoques Definição» Os estoques são acúmulos de matériasprimas,

Leia mais

A Cadeia de Abastecimentos corresponde ao conjunto de processos necessários para: agregar-lhes valor dentro da visão dos clientes e consumidores e

A Cadeia de Abastecimentos corresponde ao conjunto de processos necessários para: agregar-lhes valor dentro da visão dos clientes e consumidores e A Cadeia de Abastecimentos corresponde ao conjunto de processos necessários para: obter materiais, agregar-lhes valor dentro da visão dos clientes e consumidores e disponibilizar os produtos no local e

Leia mais

1 SKU - Stock Keeping Unit: refere-se à unidade na qual o produto é estocado e comercializado.

1 SKU - Stock Keeping Unit: refere-se à unidade na qual o produto é estocado e comercializado. Introdução A grande competitividade entre as indústrias de bens de consumo gera a necessidade de se estar sempre pronto para atender a demanda com o menor custo, não importando o quão sazonal ela possa

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

Gerenciamento simultâneo de produção e processo

Gerenciamento simultâneo de produção e processo Gerenciamento simultâneo de produção e processo Leonardo Werncke Oenning - Departamento de Engenharia de Materiais UNESC, wo.leo@hotmail.com Leopoldo Pedro Guimarães Filho UNESC, lpg@unesc.net; Dino Gorini

Leia mais

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7)

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) A ESTRATÉGIA DA MANUFATURA E O SISTEMA PPCP: A estratégia

Leia mais

DOW BUSINESS SERVICES Diamond Value Chain Consulting

DOW BUSINESS SERVICES Diamond Value Chain Consulting DOW BUSINESS SERVICES Diamond Value Chain Consulting Soluções personalizadas para acelerar o crescimento do seu negócio Estratégia Operacional Projeto e Otimização de Redes Processos de Integração Eficácia

Leia mais

Introdução e Planejamento Cap. 1. Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br

Introdução e Planejamento Cap. 1. Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br BALLOU, Ronald H. Gerenciamenrto da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman. 2006 Introdução e Planejamento Cap. 1 Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br

Leia mais

Estoque e Logística. Henrique Montserrat Fernandez www.henriquemf.com

Estoque e Logística. Henrique Montserrat Fernandez www.henriquemf.com Estoque é capital investido, com liquidez duvidosa e altos custos de manutenção. Por isso, quanto menor for o investimento em estoque, melhor. Para as empresas, o ideal seria efetuar as aquisições de estoques

Leia mais

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES 1 O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES Cesar Paulo Lomba (Discente do 4º período de Tecnologia de Gestão Financeira das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS) Maria Luzia

Leia mais

Definição. Kaizen na Prática. Kaizen para a Administração. Princípios do Just in Time. Just in Time 18/5/2010

Definição. Kaizen na Prática. Kaizen para a Administração. Princípios do Just in Time. Just in Time 18/5/2010 Uninove Sistemas de Informação Teoria Geral da Administração 3º. Semestre Prof. Fábio Magalhães Blog da disciplina: http://fabiotga.blogspot.com Semana 15 e 16 Controle e Técnicas de controle de qualidade

Leia mais

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo III.1 GESTÃO DE TRANSPORTES 1.1. O desenvolvimento econômico e o transporte. 1.2. A geografia brasileira, a infraestrutura dos estados, municípios

Leia mais

Gerenciamento da produção

Gerenciamento da produção 74 Corte & Conformação de Metais Junho 2013 Gerenciamento da produção Como o correto balanceamento da carga de dobradeiras leva ao aumento da produtividade e redução dos custos (I) Pedro Paulo Lanetzki

Leia mais

Exercicios Produção e Logistica

Exercicios Produção e Logistica 1 PROVA: 1998 PARTE I: QUESTÕES OBJETIVAS 7 Uma empresa fabrica e vende um produto por R$ 100,00 a unidade. O Departamento de Marketing da empresa trabalha com a Equação da Demanda apresentada abaixo,

Leia mais

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA Marinalva R. Barboza Definição do conceito de logística e evolução Logística tem origem no idioma francês Logistique se define de forma militar sendo uma parte estratégica

Leia mais

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE *Envie o nome de seu grupo, dos integrantes e um telefone de contato junto com as respostas do questionário abaixo para o e-mail COMMUNICATIONS.SLA@SCANIA.COM*

Leia mais

Logística Empresarial. Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II. Aula 6. Conceitos Importantes.

Logística Empresarial. Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II. Aula 6. Conceitos Importantes. Logística Empresarial Aula 6 Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II Prof. Me. John Jackson Buettgen Contextualização Conceitos Importantes Fluxos logísticos É o movimento ou

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

LOGO. Sistema de Produção Puxada

LOGO. Sistema de Produção Puxada LOGO Lean Manufacturing Sistema de Produção Puxada Pull Production System 1 Conteúdo 1 Definição 2 Objetivo 3 Sistema Empurrado 4 Sistema Empurrado X Puxado 2 Lean Manufacturing Conteúdo 5 Sistema de Produção

Leia mais

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi Marketing Prof. Angelo Polizzi Gestão de Produção Gestão de Produção Objetivos: Mostrar que produtos (bens e serviços) consumidos, são produzidos em uma ordem lógica, evitando a perda ou falta de insumos

Leia mais

1. Introdução. 1.1 Apresentação

1. Introdução. 1.1 Apresentação 1. Introdução 1.1 Apresentação Empresas que têm o objetivo de melhorar sua posição competitiva diante do mercado e, por consequência tornar-se cada vez mais rentável, necessitam ter uma preocupação contínua

Leia mais

Proposta de novos Indicadores para Gestão em Setores de Manutenção

Proposta de novos Indicadores para Gestão em Setores de Manutenção SEGeT Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia 1 Proposta de novos Indicadores para Gestão em Setores de Manutenção RESUMO Atualmente, as organizações vêm buscando incessantemente novas ferramentas

Leia mais

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010 Enterprise Resource Planning - ERP Objetivo da Aula Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 2 1 Sumário Informação & TI Sistemas Legados ERP Classificação Módulos Medidas

Leia mais

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas. Módulo: Administração de Materiais. Profª Neuza

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas. Módulo: Administração de Materiais. Profª Neuza FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo: Administração de Materiais Profª Neuza AULA ANTERIOR: Compras O que é??? É uma atividade de aquisição que visa garantir o abastecimento da empresa

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial Objetivos da aula: - Explorar as principais motivações para a redução dos níveis de estoque e as armadilhas presentes na visão tradicional, quando é focada apenas uma empresa em vez de toda a cadeia de

Leia mais

Armazenagem e controle. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia

Armazenagem e controle. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Armazenagem e controle Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Armazenagem Armazenagem e manuseio de mercadorias são componentes essenciais do conjunto de atividades logísticas.seus custos podem absorver

Leia mais

Objetivo. Utilidade Lugar. Utilidade Momento. Satisfação do Cliente. Utilidade Posse

Objetivo. Utilidade Lugar. Utilidade Momento. Satisfação do Cliente. Utilidade Posse Supply chain- cadeia de suprimentos ou de abastecimentos Professor: Nei Muchuelo Objetivo Utilidade Lugar Utilidade Momento Satisfação do Cliente Utilidade Posse Satisfação do Cliente Satisfação do Cliente

Leia mais

Software de gerenciamento de trabalho

Software de gerenciamento de trabalho Software de gerenciamento de trabalho Software de gerenciamento de trabalho GoalPost O software de gerenciamento de trabalho (LMS) GoalPost da Intelligrated fornece informações sob demanda para medir,

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO / E.E. ESTERINA PLACCO (EXTENSAO) Código: 091.01 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Nível

Leia mais

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Artigo para a Revista Global Fevereiro de 2007 DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT O conceito de Supply Chain Management (SCM), denominado Administração da Cadeia de Abastecimento

Leia mais

XXV Encontro Nac. de Eng. de Produção Porto Alegre, RS, Brasil, 29 out a 01 de nov de 2005

XXV Encontro Nac. de Eng. de Produção Porto Alegre, RS, Brasil, 29 out a 01 de nov de 2005 Laboratório de tecnologia de manufatura - uma experiência aplicada ao ensino da engenharia de produção Wilson de Castro Hilsdorf (FEI) wicastro@fei.edu.br Alexandre Augusto Massote (FEI) massote@fei.edu.br

Leia mais

Controle de Estoques

Controle de Estoques Controle de Estoques Valores em torno de um Negócio Forma Produção Marketing Posse Negócio Tempo Lugar Logística Atividades Primárias da Logística Transportes Estoques Processamento dos pedidos. Sumário

Leia mais

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza Prova 1 09 de Maio de 2013 Nome: 1ª QUESTÃO (1,0) Segundo os dados divulgados pela ood and Agriculture Organization (AO, 2011) sobre as exportações brasileiras, em

Leia mais

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos Prof. Paulo Medeiros Introdução nos EUA surgiram 100 novos operadores logísticos entre 1990 e 1995. O mercado para estas empresas que

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

Os Custos de Armazenagem na Logística Moderna

Os Custos de Armazenagem na Logística Moderna Os Custos de Armazenagem na Logística Moderna Maurício Pimenta Lima Introdução Uma das principais características da logística moderna é sua crescente complexidade operacional. Aumento da variedade de

Leia mais

SISTEMA DE CUSTEIO ABC ACTIVITY BASED COSTING. Jaime José Veloso

SISTEMA DE CUSTEIO ABC ACTIVITY BASED COSTING. Jaime José Veloso SISTEMA DE CUSTEIO ABC ACTIVITY BASED COSTING Métodos de Custeio Os métodos de custeio são as maneiras de alocação dos custos aos produtos e serviços. São três os métodos mais utilizados: Custeio por absorção

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE A GESTÃO DE ESTOQUES INTERMEDIÁRIOS NO PROCESSO DE FABRICAÇÃO DE PRODUTOS DE PAPELARIA EM EMPRESAS DA REGIÃO CENTRO-OESTE PAULISTA

UM ESTUDO SOBRE A GESTÃO DE ESTOQUES INTERMEDIÁRIOS NO PROCESSO DE FABRICAÇÃO DE PRODUTOS DE PAPELARIA EM EMPRESAS DA REGIÃO CENTRO-OESTE PAULISTA Universidade Estadual Paulista Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção Paulo César Chagas Rodrigues UM ESTUDO SOBRE A GESTÃO DE ESTOQUES INTERMEDIÁRIOS NO PROCESSO DE FABRICAÇÃO DE PRODUTOS

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE TECNOLOGIA E GEOCIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE TECNOLOGIA E GEOCIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE TECNOLOGIA E GEOCIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA CONCURSO PÚBLICO PARA DOCENTES DO MAGISTÉRIO SUPERIOR Edital nº 05, de

Leia mais

Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR.

Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR. Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR. Barbara Monfroi (Unioeste) bmonfroi@gmail.com Késsia Cruz (Unioeste) kessia.cruz@hotmail.com

Leia mais

Planejamento e Controle da Produção Cap. 0

Planejamento e Controle da Produção Cap. 0 Planejamento e Controle da Produção Cap. 0 Prof. Silene Seibel, Dra. silene@joinville.udesc.br sileneudesc@gmail.com Sistemas Produtivos O sistema de produção define de que maneira devemos organizar a

Leia mais

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br POR QUE ESCREVEMOS ESTE E-BOOK? Nosso objetivo com este e-book é mostrar como a Gestão de Processos

Leia mais

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi e Sistema Integrado Objetivos do Tema Apresentar: Uma visão da logística e seu desenvolvimento com o marketing. A participação da logística como elemento agregador

Leia mais

Aplicações de Otimização em Processos Industriais

Aplicações de Otimização em Processos Industriais Aplicações de Otimização em Processos Industriais Maria Cristina N. Gramani gramani@mackenzie.com.br Departamento de Engenharia de Produção Escola de Engenharia Universidade Presbiteriana Mackenzie Organização

Leia mais

Tecnologia aplicada à Logística. Prof. José Rovani Kurz rovani@highpluss.com.br

Tecnologia aplicada à Logística. Prof. José Rovani Kurz rovani@highpluss.com.br Tecnologia aplicada à Logística Prof. José Rovani Kurz rovani@highpluss.com.br Logística Qual a primeira imagem que vem a sua mente quando ouve a palavra LOGÍSTICA? Logística De cada 10 pessoas, pelo menos

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009 LOGÍSTICA EMPRESARIAL Rodolfo Cola Santolin 2009 Conteúdo Cadeia de suprimentos Custos Logísticos Administração de Compras e Suprimentos Logística Reversa CADEIA DE SUPRIMENTOS Logística Logística Fornecedor

Leia mais

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE PRODUÇÃO E OPERAÇÕES Profa. Lérida Malagueta Planejamento e controle da produção O PCP é o setor responsável por: Definir quanto e quando comprar Como fabricar ou montar cada

Leia mais

SEJAM BEM VINDOS!!!! 1

SEJAM BEM VINDOS!!!! 1 SEJAM BEM VINDOS!!!! 1 SEJAM BEM VINDOS AO QUARTO SEMESTRE!!! 2 Regras de ouro: Desligue o celular; Evitem ausentar-se da sala Evitem conversas paralelas (sem propósito com o assunto da aula); Dediquem-se

Leia mais

Estruturando o Fluxo Puxado - Sistema Puxado e Nivelado

Estruturando o Fluxo Puxado - Sistema Puxado e Nivelado 1 SÍNTESE E CONCLUSÃO Como acoplar ou integrar gerencialmente uma cadeia de valor (ou etapas de um processo produtivo) no âmbito da filosofia Lean? SISTEMA PUXADO NIVELADO SISTEMA PUXADO NIVELADO: É o

Leia mais

Para ser competitivo é fundamental reduzir continuamente o lead time de todos os processos da organização.

Para ser competitivo é fundamental reduzir continuamente o lead time de todos os processos da organização. Cap. II PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO No atual contexto da economia globalizada, a velha estratégia da produção em massa, derivada da economia de escala, já não é mais válida. Hoje as empresas devem possuir

Leia mais

Planejamento da produção. FATEC Prof. Paulo Medeiros

Planejamento da produção. FATEC Prof. Paulo Medeiros Planejamento da produção FATEC Prof. Paulo Medeiros Planejamento da produção O sistema de produção requer a obtenção e utilização dos recursos produtivos que incluem: mão-de-obra, materiais, edifícios,

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Gerenciamento Logístico Gerenciamento Logístico A missão do gerenciamento logístico é planejar

Leia mais

Ementa e Cronograma Programático...

Ementa e Cronograma Programático... Prof. Fabrício Rogério Parrilla Ementa e Cronograma Programático... AULA 01 Estratégia de Operações e Planejamento Agregado AULA 02 Planejamento e Controle de Operações AULA 03 Gestão da Demanda e da Capacidade

Leia mais

Estudo de Viabilidade e Pesquisa de Campo

Estudo de Viabilidade e Pesquisa de Campo Estudo de Viabilidade e Pesquisa de Campo Estudo de viabilidade As perguntas seguintes terão que ser respondidas durante a apresentação dos resultados do estudo de viabilidade e da pesquisa de campo FOFA.

Leia mais

Função: Operação da Cadeia de materiais. 1.1 Identificar princípios da organização da área de materiais.

Função: Operação da Cadeia de materiais. 1.1 Identificar princípios da organização da área de materiais. MÓDULO II Qualificação Técnica de Nível Médio ASSISTENTE DE LOGÍSTICA II.1 Gestão de Recursos e Materiais Função: Operação da Cadeia de materiais 1. Contextualizar a importância da Administração de materiais

Leia mais

QUANTO CUSTA MANTER UM ESTOQUE

QUANTO CUSTA MANTER UM ESTOQUE QUANTO CUSTA MANTER UM ESTOQUE! Qual o valor de um estoque?! Quanto de material vale a pena manter em estoque?! Como computar o valor da obsolescência no valor do estoque?! Qual o custo de um pedido?!

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos Bloco Suprimentos Controle de Produção PCP Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Controle de Produção PCP, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas

Leia mais

GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA

GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA Eduardo Saggioro Garcia Leonardo Salgado Lacerda Rodrigo Arozo Benício Erros de previsão de demanda, atrasos no ressuprimento

Leia mais

Módulo 2/3: Automação nos Sistemas de Produção. Prof. André Pedro Fernandes Neto

Módulo 2/3: Automação nos Sistemas de Produção. Prof. André Pedro Fernandes Neto Módulo 2/3: Automação nos Sistemas de Produção Prof. André Pedro Fernandes Neto Razões para Automatizar Alto custo de mão de obra Investimentos em máquinas que possam automatizar a produção com um custo

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO APLICADOS NO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO APLICADOS NO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO APLICADOS NO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO ENTERPRISE RESOURCE PLANNING APPLIED IN THE MANUFACTURING PLANNING AND CONTROL José Eduardo Freire 1 Ruchele Marchiori Coan

Leia mais

'$($')!$!"& (*+!,-$+& +."*/$& !"#$%!$& DEPS Departamento de Engenharia de Produção PCP Planejamento e Controle da Produção Prof. Dra.

'$($')!$!& (*+!,-$+& +.*/$& !#$%!$& DEPS Departamento de Engenharia de Produção PCP Planejamento e Controle da Produção Prof. Dra. DEPS Departamento de Engenharia de Produção PCP Planejamento e Controle da Produção Prof. Dra. Silene Seibel A variável Estoque Texto base da disciplina PCP da Udesc Introdução No planejamento e controle

Leia mais

Armazenagem. Por que armazenar?

Armazenagem. Por que armazenar? Armazenagem Introdução Funções da armazenagem Atividades na armazenagem Objetivos do planejamento de operações de armazenagem Políticas da armazenagem Pilares da atividade de armazenamento Armazenagem

Leia mais

LAYOUT IMPACTANDO DIRETAMENTE NOS CUSTOS DE PRODUÇÃO: LUCRO NA PRODUÇÃO COM ÊNFASE NO JUST-IN- TIME

LAYOUT IMPACTANDO DIRETAMENTE NOS CUSTOS DE PRODUÇÃO: LUCRO NA PRODUÇÃO COM ÊNFASE NO JUST-IN- TIME 1 LAYOUT IMPACTANDO DIRETAMENTE NOS CUSTOS DE PRODUÇÃO: LUCRO NA PRODUÇÃO COM ÊNFASE NO JUST-IN- TIME Marcio Alves Suzano, M.Sc. Marco Antônio Ribeiro de Almeida, D.Sc. José Augusto Dunham, M.Sc. RESUMO.

Leia mais

Advanced Planning and Scheduling

Advanced Planning and Scheduling Advanced Planning and Scheduling Por Soraya Oliveira e Raquel Flexa A importância do planejamento Uma cadeia de suprimentos é composta por diversos elos conectados que realizam diferentes processos e atividades

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUES. Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 4 Prof. Rafael Roesler

GESTÃO DE ESTOQUES. Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 4 Prof. Rafael Roesler GESTÃO DE ESTOQUES Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 4 Prof. Rafael Roesler Sumário Gestão de estoque Conceito de estoque Funções do estoque Estoque de segurança

Leia mais

Modelos de gestão de estoques intermediários no processo de fabricação

Modelos de gestão de estoques intermediários no processo de fabricação Modelos de gestão de estoques intermediários no processo de fabricação Paulo César C. Rodrigues (FEB/UNESP) pauloccr@feb.unesp.br Otávio J. Oliveira (FEB/UNESP) otavio@feb.unesp.br Resumo O principal objetivo

Leia mais

GERENCIAMENTO DE MATERIAIS HOSPITALARES. Farm. Tatiana Rocha Santana 1 Coordenadora de Suprimentos do CC

GERENCIAMENTO DE MATERIAIS HOSPITALARES. Farm. Tatiana Rocha Santana 1 Coordenadora de Suprimentos do CC GERENCIAMENTO DE MATERIAIS HOSPITALARES Farm. Tatiana Rocha Santana 1 Coordenadora de Suprimentos do CC DEFINIÇÕES GERENCIAR Ato ou efeito de manter a integridade física e funcional para algo proposta

Leia mais

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA:

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA: Prof. Jean Cavaleiro Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA: PRODUÇÃO E COMÉRCIO Introdução Entender a integração logística. A relação produção e demanda. Distribuição e demanda. Desenvolver visão sistêmica para

Leia mais

Assegurar o suprimento adequado de matéria-prima, material auxiliar, peças e insumos ao processo de fabricação;

Assegurar o suprimento adequado de matéria-prima, material auxiliar, peças e insumos ao processo de fabricação; 2. ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS Área da Administração responsável pela coordenação dos esforços gerenciais relativos às seguintes decisões: Administração e controle de estoques; Gestão de compras; Seleção

Leia mais

ATIVIDADES DO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO (PCP).

ATIVIDADES DO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO (PCP). ATIVIDADES DO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO (PCP). MOLINA, Caroline Cristina Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais/ACEG carolinemolina@uol.com.br RESENDE, João Batista Docente

Leia mais

Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes.

Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes. Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes. Tiago Esteves Terra de Sá (UFOP) tiagoeterra@hotmail.com Resumo: Este trabalho busca apresentar

Leia mais

Palavras-chaves: Análise ABC, gestão de estoques, controle, diferencial.

Palavras-chaves: Análise ABC, gestão de estoques, controle, diferencial. ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA PRODUTORA DE BEBIDAS, COMO AUXÍLIO À GESTÃO DA LOGÍSTICA DE MATERIAIS EM UM CENÁRIO DE DEMANDA VARIÁVEL Eduardo Bezerra dos Santos

Leia mais

Pesquisa sobre a integração da Logística com o Marketing em empresas de grande porte

Pesquisa sobre a integração da Logística com o Marketing em empresas de grande porte III SEGeT Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia 1 Pesquisa sobre a integração da Logística com o Marketing em empresas de grande porte Alexandre Valentim 1 Heloisa Nogueira 1 Dário Pinto Junior

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1. COLABORAÇÃO NAS EMPRESAS Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar a colaborar, comunicando idéias, compartilhando

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Área de conhecimento: Gestão e Negócios Componente Curricular: Gestão da Cadeia

Leia mais

PLANEJAMENTO E IMPLANTAÇÕES DE UM ARRANJO FÍSICO (LAYOUT) RESUMO

PLANEJAMENTO E IMPLANTAÇÕES DE UM ARRANJO FÍSICO (LAYOUT) RESUMO PLANEJAMENTO E IMPLANTAÇÕES DE UM ARRANJO FÍSICO (LAYOUT) RESUMO Edilaine Cristina Duarte de Souza Flávia Galdino Silva Com a concorrência acirrada nos dias de hoje, com grandes mudanças a todo tempo,

Leia mais

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO A melhor formação cientifica, prática e metodológica. 1 POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA Marketing Vendas Logística ANTES: foco no produto - quantidade de produtos sem qualidade

Leia mais