Dicionário de Termos logísticos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Dicionário de Termos logísticos"

Transcrição

1 ABC Costing (Custeio Baseado em Atividades) Consiste na identificação, análise e custeio das atividades desenvolvidas pela empresa associadas a sua demanda por produtos e serviços. Distinguem-se do método tradicional de custeio por absorção que utiliza-se de critério de rateios pré-estabelecidos para alocação dos custos indiretos ao produto/serviços. Agente (Agent) Representante responsável pela negociação de contratos para compra e venda de mercadorias e/ou serviços. Amortização (Amortization) Redução gradual de uma dívida por meio de pagamentos periódicos combinados entre credor e devedor. Os empréstimos e hipotecas bancárias são, em geral, pagos dessa forma. No caso de empréstimos à longo prazo, a amortização se faz mediante a tabelas especiais nas quais se incluem os juros relativos ao capital a reembolsar. Análise Incremental (Incremental analysis) Processo avaliação de decisões sob a ótica dos custos adicionais incorridos pela tomada de decisão. Armazém Alfandegário (Bonded Warehouse) Armazém que opera sujeito a regulamentos e normas especiais sob responsabilidade da Receita Federal, permitindo a guarda de produtos em processo de importação antes de sua nacionalização. Armazém Refrigerado (Refrigerated Warehouse) Armazém que fornece refrigeração e controle de temperatura, geralmente utilizado para guarda de produtos perecíveis. Armazém Regional (Regional Warehouse) Uma instalação que serve preferencialmente uma região ou apenas uma localidade. O armazém regional também pode suprir outros armazéns filiados, diretamente ao consumidor ou ambos. Automação (Automation) Substituição de trabalho humano por máquinas, equipamentos e computadores. 1

2 Base de dados (Data Base) Dados armazenados de uma forma que permita ter flexibilidade na classificação de dados, geração de estatísticas, indicadores e relatórios. Benchmark Uma série de indicadores usados para atingir objetivos, alvos de operação e programas de produtividade. Busca de práticas eficientes no mercado, torná-las metas e aplicá-las em seu negócio. Big Bag Embalagem para acondicionamento, transporte ou armazenagem de produtos a granel. Bin Acessório de uma estanteria, que pode ter divisões internas para armazenar pequenos itens. Caixa (Box) Nome comum para uma embalagem de unitização para embarque, estocagem, movimentação, etc. Canais de distribuição (Distribution Channel) Meios/canais por onde os produtos manufaturados são distribuidos de sua origem até o consumidor final, incluindo os armazéns públicos, despachantes, atacadistas e varejistas, etc. Processo pelo qual uma empresa distribui os seus produtos (pós-produção). Capacidade (Capacity) É o potencial de um sistema, trabalhador, máquinas, meio físico, instalação ou centro de trabalho de realizar as funções esperadas. Carga Completa / FTL (Full Truck Load) Termo utilizado para designar cargas que utilizam a capacidade completa de um veículo ou equipamento de transporte rodoviário. Carga de Alta Densidade (Hight Density Load) Uma carga ou produto cuja relação peso/volume é alta. Centro de Distribuição (Distribution Center) Armazém para produtos acabados. O termo é usado para diferenciar uma operação mais complexa e de alta velocidade à de um armazém comum, cuja principal função é estocagem. 2

3 CFR - Cost and Freight (Custo e Frete) A entrega também é consumada quando as mercadorias transpõem a amurada do navio, no porto de embarque, desembaraçadas para exportação pelo vendedor. O vendedor deve pagar o frete até o porto de destino, mas o risco de perda ou dano, bem como qualquer custo adicional, ficam por conta do comprador. Incoterm usado apenas para transporte marítimo ou hidroviário. (Publicação Icoterms 2000 da Edições Aduaneiras Ltda.) Ciclo do Pedido (Order Cicle) É o fluxo de pedido ao longo de toda a cadeia de suprimentos. O gerenciamento do ciclo do pedido é feito ao longo das etapas existentes desde sua emissão até a entrega ao cliente: captação, processamento, análise de crédito, picking, em trânsito e entrega. Ciclo de Reabastecimento (Replenishment Cycle) Processo de reabastecimento dos níveis de estoque seja de um armazém ou de um fornecedor. CIF - Cost, Insurance and Freight (Custo, Seguro e Frete) A entrega também é consumada quando as mercadorias transpõem a amurada do navio, no porto de embarque, desembaraçadas para exportação pelo vendedor. Quando se usa este Incoterm, o vendedor, além de pagar o frete até o porto de destino, também deve contratar e pagar o seguro marítimo, de cobertura mínima, cujo acionamento, se necessário, fica por conta do comprador. Demais riscos e custos adicionais correm por conta do comprador. Incoterm usado apenas para transporte marítimo ou hidroviário. (Publicação Icoterms 2000 da Edições Aduaneiras Ltda.) CIP - Carriage and Insurance Paid to (Transporte e Seguro Pagos até ) O vendedor entrega as mercadorias, desembaraçadas para exportação, ao transportador designado e, além de pagar o frete até o destino combinado, também está obrigado a contratar e pagar o seguro de transporte, mas somente para a cobertura mínima. Demais riscos e custos adicionais correm por conta do comprador. Incoterm usado sem restrição quanto ao modo de transporte. (Publicação Icoterms 2000 da Edições Aduaneiras Ltda.) 3

4 Código de Barras (Bar Code) Método de dados codificados para leitura rápida e acurada. Os códigos de barra são uma série de barras e espaços alternados, impressos ou estampados, representando informações codificadas que podem ser reconhecidas por leitores eletrônicos. Commodities Vários itens ou mercadorias com características similares, em geral de baixo valor agregado. Computador de bordo (On board computer) Um computador instalado em veículos, com funções diversas de controle e segurança, como por exemplo consumo de gasolina, desempenho do motorista, comportamento do motor e aspectos de segurança. Conhecimento de Carga (Consignment Note) Documento preparado pelo expedidor que envolve um contrato de transporte. Contêm detalhes sobre a remessa a ser transportada e assinada pelo transportador em âmbito nacional como prova de recebimento. Conhecimento de Embarque (Bill of Lading) Documento que evidencia o contrato de transporte e prova o direito sobre as mercadoria. Também constitui o documento que é, ou pode ser, necessário para atender uma reivindicação de seguro. Conhecimento de Embarque Consolidado (Consolidated Bill of Lading) Um conhecimento de embarque usado quando os produtos são agrupados em uma embalagem maior e ou container. Conhecimento de Transporte Aéreo (AirWay Bill) Documento que evidencia o contrato de transporte de produtos por via aérea. Conhecimento de Transporte Ferroviário (Rail Consignment Note) Documento que evidencia o contrato de transporte de produtos por ferrovia. Conhecimento de Transporte Rodoviário de Carga (Road Consignment Note) Documento que evidencia o contrato de transporte de produtos por rodovia. Consignação (Consigment Stock) Estoque de mercadorias acabadas, em poder dos agentes ou distribuidores, que ainda são de propriedades dos fornecedores. 4

5 Consolidação (Consolidating) Processo de reunir mercadorias de diferentes embarcadores, compatíveis por natureza e destino em um mesmo contêiner e ou veículo, com o objetivo de aproveitar espaço e otimizar os custos de transporte. Contaminação (Contamination) Materiais ou ações externas estranhos que podem afetar desfavoravelmente um produto. Contêiner (Container) Unidade de embalagem padrão utilizada no transporte de carga geral cuja principal característica é a velocidade nas movimentações nos pontos de transbordo. Contêiner Refrigerado (Refrigerated container) Unidade de embalagem padrão capacitada utilizada para transportar mercadorias que necessitem de uma temperatura controlada. Conteinerização (Containerazation) Método de expedição em que os produtos são acondicionados em Conteineres, aumentando a facilidade de movimentação e segurança dos produtos até o seu destino. Contrabando (Contraband) Práticas ou mercadorias ilegais e/ou proibidas. CPT - Carriage Paid to (Transporte Pago até ) O vendedor entrega as mercadorias, desembaraçadas para exportação, ao transportador designado e paga o frete até o destino combinado. Mas o comprador arca com os riscos e custos adicionais que incorporam depois que as mercadorias tenham sido entregues. Incoterm usado sem restrição quanto ao modo de transporte. (Publicação Icoterms 2000 da Edições Aduaneiras Ltda.) Cross docking Processo de transferência de mercadorias de um veículo para outro, realizado em uma instalação. Neste processo a mercadoria não chega a ser armazenada em citada instalação. Custeio Baseado em Atividade (Activity Basead Costing) Metodologia que auxilia a determinação do custo dos produtos de uma forma mais realista que as medidas tradicionais de custo de pessoal direto e horas de máquina. Neste caso os custos são calculados e acumulados, com base em cada atividade desenvolvida. 5

6 Custo de Distribuição (Distribution Cost) Custos relacionados à distribuição de produtos sob responsabilidade de Marketing e Logística. Custos de Manuseio (Handling Costs) São os custos envolvidos na movimentação de mercadorias no armazém. Custos de Manutenção de Inventário (Inventory Carrying Costs) Custo do inventário em mãos, incluindo taxas, depreciações, custo de capital investido, seguros e outros. Expressa como um percentual do inventário total, o custo de manutenção do inventário é utilizado no cálculo da quantidade econômica dos pedidos. Custos Diretos (Direct Costs) Custos que podem ser identificados diretamente com uma unidade de produto. É o caso dos custos decorrentes de matéria-prima, embalagem e mão-de-obra - parte do salário paga ao colaborador que trabalha diretamente no produto, segundo o período de tempo gasto com a unidade que está sendo produzida. Custos Externos de Armazém (External Costs) São custos que se originam fora das instalações do armazém, mas que são inerentes ao armazém. Estes custos incluem: transferências de mercadorias (levar e trazer), custos de inventário, seguros, impostos e outros custos de controle de estoque. Custos Indiretos (Indirect Costs) Custos realacionados com a fabricação e que não podem ser economicamente identificados com as unidade que estão sendo produzidas. Por exemplo: aluguel de instalação de fábricas, depreciação, mãode-obra indireta, imposto, seguro, etc.. Custos Internos (Internal Costs) Custos gerados dentro da instalação e sob controle direto do gerenciamento do armazém. Ele incluem estocagem, manuseio, serviços de escritório e administrativos. Custo Médio Unitário (Average Cost per Unit) É o valor resultante da divisão do total de custos fixos e variáveis totais, dividido pelo número de unidades produzidas ou vendidas. 6

7 DAF - Delivered at Frontier (Entregue na Fronteira) Termo a ser usado somente no caso de fronteira terrestre. As mercadorias são colocadas à disposição do comprador antes da divisa alfandegária do país vizinho, dentro do veículo que as transportam, portanto, sem descarga. O vendedor se responsabiliza pelo desembaraço de exportação, mas não de importação. (Publicação Icoterms 2000 da Edições Aduaneiras Ltda.) DDP - Delivered Duty Paid (Entregue com Direitos Pagos) Significa que o vendedor entrega as mercadorias ao comprador no local de destino, já desembaraçadas para importação, mas sem descarregá-las. Incoterm usado sem restrição quanto ao modo de transporte. (Publicação Icoterms 2000 da Edições Aduaneiras Ltda.) DDU - Delivered Duty Unpaid (Entregue com Direitos Não Pagos) Significa que o vendedor entrega as mercadorias no local de destino, mas sem o desembaraço de importação e sem descarregá-las. Incoterm usado sem restrição quanto ao modo de transporte. (Publicação Icoterms 2000 da Edições Aduaneiras Ltda.) Demanda Interplantas (Interplant Demand) Transferência ou embarque de materiais entre as instalações, ou divisões, de uma mesma empresa. Depreciação (Depreciation) Redução do valor do ativo em consequência de desgaste pelo uso, obsolescência tecnológica ou queda de preço de mercado - geralmente máquinas, equipamentos e edificações. O cálculo da depreciação pode ser feito pelo custo original (ou custo histórico) ou pleo custo atual (ou custo de reposição). Os métodos para se calcular a depreciação são o da linha reta, o do balanço decrescente e o da anuidade e fundo de amortização. DES - Delivered Ex Ship (Entregue no Navio) O vendedor entrega a mercadoria no porto de destino, dentro do navio, arcando com todos os custos e riscos de transporte. A descarga e desembaraço de importação ficam por conta do comprador. Incoterm usado apenas para transporte marítimo ou hidroviário. (Publicação Icoterms 2000 da Edições Aduaneiras Ltda.) 7

8 Descrição de Tarefa (Job Description) Lista de obrigações, responsabilidades, regras, qualificações e remuneração de uma função de trabalho específico. Despachante/Agente Marítimo (Broker) Agente que intermedia transações de negócios recebendo uma comissão. Despachantes estão presentes em diversas etapas do processo logístico, tais como embarques domésticos e internacionais, liberação alfandegária, aluguel de equipamentos, entre outros. Destinatário (Consignee) Para quem as mercadorias são entregues. Desvio/Variação (Deviation) A diferença entre um valor previsto e o valor realizado. Deteriorização (Deterioration) Qualquer perda de qualidade, valor, ou utilização da mercadoria. DEQ - Delivered Ex Quay (Entregue no Cais) O vendedor entrega a mercadoria no cais do porto de destino, arcando com todos os custos e riscos de transporte e descarga. A responsabilidade do comprador começa no desembaraço de importação. Incoterm usado para transporte marítimo, hidroviário ou multimodal. (Publicação Icoterms 2000 da Edições Aduaneiras Ltda.) Distribuição (Distribution) As atividades e o planejamento necessários para movimentar um produto acabado até o cliente. A Distribuição é o canal de pós-produção, sendo parte integrante da cadeia de suprimento. Distribuição Física (Physical Distribution) O termo aplicado para as atividades logísticas que ocorrem entre o final da linha de produção e o consumidor final. Inclui tráfego, embalagem, manuseio de materiais, armazenagem, entrada de pedido, controle de estoque, suprimento do cliente e previsões. Distribuidor (Distributor) O agente comercial que insere-se na cadeia de distribuição. Distribuidores compram e vendem as mercadorias acabadas. Eles podem alterar, montar, combinar ou adicionar valor à mercadoria. 8

9 Doca (Dock) Um tipo de plataforma contígua uma instalação para a carga e descarga de produtos. Downtime O tempo ocioso de um equipamento ou veículo em operação, devido à necessidade de manutenção, reparos ou troca de operadores. ECR Resposta Eficiente ao Consumidor (Efficient Consumer Response) É uma estratégia na qual varejistas, atacadistas, distribuidores e indústria trabalham em conjunto com o objetivo de proporcionar maior valor ao consumidor, identificado oportunidades de melhoria nas práticas comerciais, financeiras, logísticas e TI, reduzindo custos totais na cadeia de suprimento. Embalagem Comercialização (Trade Package) Embalagem que contém um múltiplo da embalagem de apresentação, constitui a unidade para extração do pedido, e, por sua vez, é um sub-múltiplo da embalagem de movimentação. Embalagem de Apresentação (Product Package) Embalagem que envolve a embalagem de contenção, e com a qual o produto se apresenta ao usuário no ponto de venda. Embalagem Interna (Inner Packing) Material auxiliar de embalagem como papel, espuma ou madeira usado para amortecer impactos e prevenir a movimentação da mercadoria dentro da embalagem principal. Embalagem Primária (First Pack) É aquela que contêm o produto (vidro, lata, plástico, etc.) sendo a medida de produção e de consumo. Também pode ser a unidade de venda do varejo. Embalagem Secundária (Second Pack) É o acondicionamento (contenedor) que protege a embalagem primária. Por exemplo, uma bandeja de cartão com filme termoencolhível. Embalagem Terciária (Third Pack) É o caso das embalagens de madeira, papelão, plástico ou outro material. A combinação da embalagem primária e secundária acaba sendo a medida de venda do atacadista. 9

10 Embalar/Empacotar (packiage) Atividade de acondicionar produtos em embalagens e/ou contêiners. Empilhadeira (Forklift Truck) Um equipamento motorizado para movimentação de cargas nos armazéns. Endereço (Address) 1) Combinação de letras e números utilizados para identificar a localização física das mercadorias no armazém. 2) Em processo de arquivo, uma legenda de nome e número que designa a localização na memória do computador. Endereçamento de Armazém (Locator Address System) Prática utilizada em armazéns para direcionamento e alocação de produtos no estoque. Endereçamento Dinâmico (Random location System) Sistema de estocagem de materiais no armazém pelo qual os itens são estocados em qualquer posição disponível, aleatoriamente dependendo da disponibilidade do espaço. Este sistema pode ser eficiente em termos de utilização de espaço, mas deve ser cuidadosamente monitorado para evitar que o estoque se perca o controle de estoque. Estanterias (Shelves) Estrutura de armazenagem para itens de pequeno porte. Estivador (Docker) O trabalhador que carrega e descarrega as mercadorias nos navios. Estoque (Inventory) Estoques ou itens que dão suporte à produção (matéria-prima, e itens de material em processo), atividades de apoio (suprimentos de operação, manutenção e reparo) e atendimento ao cliente (produtos acabados e sobressaltantes). Estoque Ativo (Active Inventory) Estoque que abrange matéria-prima, material em processo, produtos acabados, que serão usados ou medidos durante um período específico. 10

11 FCA - Free Carrier (Livre no Transportador) Significa que o vendedor entrega as mercadorias, desembaraçadas para o exportador, ao transportador designado pelo comprador, no local combinado. Quando a entrega é feita no estabelecimento do vendedor, este tem a obrigação de colocar a mercadoria no veículo que vai transportá-la. Se a entrega ocorrer em qualquer outro local, o vendedor não é responsável pela descarga do veículo usado para transportar a mercadoria de sua fábrica até outro local. Fica sendo obrigação do importador descarregar do veículo enviado pelo exportador a voltar a embarcar em qualquer outro meio de transporte. Incoterm usado sem restrição quanto ao tipo de transporte. (Publicação Icoterms 2000 da Edições Aduaneiras Ltda.) Fluxograma (Flow Chart) 1) Sistema de símbolos usado para auxiliar a descrição e análise dos principais elementos de trabalho envolvidos em um processo. 2) No processamento de dados, um gráfico que representa o processo e o fluxo de informações. FOB - Free on Board (Livre a Bordo) A entrega é consumada quando as mercadorias transpõem a amurada do navio, no porto de embarque designado. Exige que o vendedor faça o desembaraço de exportação. Incoterm usado apenas para transporte marítimo ou hidroviário. (Publicação Icoterms 2000 da Edições Aduaneiras Ltda.) Freight Forwarder Responsável pelo transporte internacional, onde ele busca espaço em navios, aviões, e transporta a carga para o cliente. Gerenciamento de Materiais (Materials Management) Planejamento e controle associado com a logística de suprimentos (inbound), assim como obtenção e transporte de matéria-prima e componentes. Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos (Suply Chain Management) Abordagem integral que envolve questões fundamentais relacionadas à cadeia de suprimentos como estratégias funcionais, estrutura organizacional tomada de decisão administração de recursos, funções de apoio, sistemas e procedimento. 11

12 Giro de Estoque (Item popularity/inventory Turns) Termo que indica quantas vezes cada item (SKU) mantido em estoque é demandado num certo período. Gráfico Espinha de Peixe (FishBone Chart) É um diagrama de causa e efeito utilizado em medição de qualidade total. Identificação Automática (Automatic Identification) Sistema que fornece informações pela leitura automática de código de barras ou outras simbologias. Inbound (Logística de Suprimentos) Etapa da operação logística, que envolve, a movimentação da materiais de sua origem até o ponto de produção ou armazenagem. INCOTERMS Termo de vendas internacional desenvolvidos pela Câmara Internacional de Comércio para definir as responsabilidades dos vendedores e dos compradores o mais claro e preciso possível. Infestação (Infestation) A poluição das mercadorias através da presença de insetos, roedores, pássaros e sus detritos. Instalação (Facility) Contempla as instalações física e os equipamentos de estocagem. Os equipamentos fixos de estocagem no armazém devem ser consideradas parte das instalações, enquanto que os equipamentos de movimentação de material não se incluem. Inventário Físico (Phisical Inventory) Contagem física de todos os itens localizados dentro do armazém. JIT - Just in time Filosofia de manufatura baseada na eliminação de toda e qualquer perda/desperdício e na melhoria contínua da produtividade. Os elementos principais do Just-in-Time são ter somente estoque necessário, quando necessário; melhorar a qualidade tendendo a zero defeitos; reduzir lead time reduzindo os tempo de setup, filas e tamanhos de lote; revisar incrementalmente as operações e realizar tudo isso a custo mínimo. 12

13 Giro de Estoque (Item popularity/inventory Turns) Termo que indica quantas vezes cada item (SKU) mantido em estoque é demandado num certo período. Gráfico Espinha de Peixe (FishBone Chart) É um diagrama de causa e efeito utilizado em medição de qualidade total. Identificação Automática (Automatic Identification) Sistema que fornece informações pela leitura automática de código de barras ou outras simbologias. Inbound (Logística de Suprimentos) Etapa da operação logística, que envolve, a movimentação da materiais de sua origem até o ponto de produção ou armazenagem. INCOTERMS Termo de vendas internacional desenvolvidos pela Câmara Internacional de Comércio para definir as responsabilidades dos vendedores e dos compradores o mais claro e preciso possível. Infestação (Infestation) A poluição das mercadorias através da presença de insetos, roedores, pássaros e sus detritos. Instalação (Facility) Contempla as instalações física e os equipamentos de estocagem. Os equipamentos fixos de estocagem no armazém devem ser consideradas parte das instalações, enquanto que os equipamentos de movimentação de material não se incluem. Inventário Físico (Phisical Inventory) Contagem física de todos os itens localizados dentro do armazém. JIT - Just in time Filosofia de manufatura baseada na eliminação de toda e qualquer perda/desperdício e na melhoria contínua da produtividade. Os elementos principais do Just-in-Time são ter somente estoque necessário, quando necessário; melhorar a qualidade tendendo a zero defeitos; reduzir lead time reduzindo os tempo de setup, filas e tamanhos de lote; revisar incrementalmente as operações e realizar tudo isso a custo mínimo. 13

14 Kitting Montagem simples de componentes de peças, muitas vezes realizado no armazém. KanBan Técnica japonesa de gestão de materiais e de produção no momento exato, ambas (gestão e produção) controladas por meio visual e/ou auditivo. Trata-se de um sistema de puxar no qual os centros de trabalho sinalizam com um cartão, por exemplo, que desejam retirar peças das operações de alimentação entre o início da primeira atividade até conclusão da última, em uma série de atividades. Kaizen (ver melhoria contínua) Termo japonês que significa melhoria contínua. Leitor de Código de Barras (Bar Code Reader) Um equipamento eletrônico para identificação e decodificação de um símbolo do código de barras. Logística O gerenciamento integrado dos fluxos (inbound e outbound) de materiais, peças, suprimentos, material em processo e produtos acabados. Originalmente limitada ao transporte e armazenagem, a logística atualmente este presente na programação de produção, previsão de demanda, serviços ao consumidor, processamento de pedidos, controle de estoque e gerenciamento das informações envolvidas. Lote (Batch) Quantidade definida de um produto ou componente que é tratada e identificada como uma entidade no que diz respeito a certas operações, como por exemplo, movimentação, processamento, aquisição, produção, transporte. Manuseio de Materiais (Materials Handling) A movimentação de materiais ou mercadorias em todo o processo logístico. Matérias-Primas (Raw Material) Mercadorias aguardando serem transformadas em produtos manufaturados ou componentes. Melhoria Contínua Um esforço contínuo para gerar qualidade, reduzir custos e aumentar os níveis de serviços, pela exposição e eliminação das causas de problemas. 14

15 Milk Run Processo de planejamento de rota de coleta com múltiplas paradas. MRP I - Planejamento das Necessidades de Materiais (MRP) Técnica para planejamento das prioridades que é orientada por um programa mestre de produção e relaciona as demandas de componente aos programas de produção de itens. MRP II - Planejamento Recursos de Manufatura (MRPII) Método formal e total de planejamento e programação eficiente de pessoas, instalações, materiais e ferramentas de uma empresa de manufatura. Nivelador de Doca (Dock leveler) Plataforma operada manual ou hidraulicamente, localizada na entrada da doca, que pode ser elevada ou abaixada adequando-se à altura da base dos diferentes veículos de transporte. Notificação Avançada de Embarque (Advanced Shipment Notice) Informações detalhadas de um embarque, incluindo conteúdo e natureza, enviadas antecipadamente para o destinatário (Fax, EDI, Internet). Notificação de Chegada (Arrival Notice) Um documento que o transportador para o embarcador informando que o carregamento chegou. Número do Lote (Lot Number) Números de identificação usados para manter uma avaliação separada para um lote específico de mercadoria. Outbound (logística de distribuição) Etapa da operação logística, que envolve, a movimentação de produtos acabados de um Cetro de produção ou armazenagem, para os locais de consumo. Palete (Pallet) É uma plataforma disposta horizontalmente para carregamento, constituída de vigas ou blocos, que permitem o arranjo e o agrupamento de materiais, possibilitando o manuseio, estocagem, movimentação e transporte como uma única carga. 15

16 Padronização Prática que visa definir e adotar padrões de veículos, equipamentos e unitizadores necessários para simplificar, racionalizar e eliminar desperdícios. Pedidos em Aberto (Back Log) Pedido recebido do cliente mas ainda não embarcado. PEPS - Primeira entrada primeira saída (FIFO - First in first out) Método de rotação de inventário no qual os itens mais antigos são embarcados primeiro. É também o método de valorização do inventário no qual o custo é baseado nas primeiras compras. Perdas e Avarias (Lost and Damage - L&D) Este termo é usualmente aplicado quando alguma perda ou dano é identificando no momento da entrega. Peso Bruto (Gross Weight) É o peso total do produtos mais a embalagem utilizada. Plataforma de Carga (Load Plataform) Superfície elevada que facilita o carregamento, nivelando-se com a carroceria do veículo de transporte. Normalmente disposta lateralmente ao armazém. Pipeline 1) Oleoduto, cano para transporte de líquidos ou gases. 2) Termo usado para descrever as atividades variadas do sistema logístico, como um pipeline de abastecimento. Prateleira (Rack) Estrutura de estocagem de um mais níveis, que é usado para suportar empilhamentos de mercadorias ou cargas paletizadas. Previsão de Demanda (Forecast) Estimativa de demandas futuras. Apresentada em termos de unidades ou valor monetário, a previsão é usada no planejamento de operações e vendas e para controle da empresa. 16

17 Processamento de Pedidos (Order Processing) O início do processo de distribuição. O processamento de pedidos inclui a entrada do pedido, verificação de crédito e dados, programação, faturamento, consolidação, expedição, rastreamento, cobrança e recebimento. RFP (Request for Proposal) Conjunto de documentos enviado aos fornecedores potenciais para elaboração de propostas técnicas e comerciais. Descreve detalhadamente sistemas ou especificações de produtos. RFI (Request for Information) Documento enviado para fornecedores potenciais para fornecimento de informações que serão utilizadas no processo de pré qualificação. Rack Estrutura unitizadora para acomodação de materiais diversos. Rampa (Ramp) Superfície inclinada que conecta diferentes níveis dentro do armazém, com o intuito de permitir que os equipamentos de movimentação trafeguem dentro das instalações. Redistribuição (Redistribution) Processo de distribuição de mercadorias por duas ou mais vezes entre o produtor e o consumidor final. Relatório de Recebimento (Receiving Report) Relatório que descreve as quantidades e as condições nas quais as mercadorias chegaram. Resposta Rápida (Quick Response) Uma prática similar ao JIT utilizada pelos varejistas, na qual estes informam os fornecedores de sua posição de estoque on-line de acordo com as suas vendas, o objetivo deste sistema é otimizar os níveis de estoque, sem prejuízo às vendas. Roll on/roll off (RO/RO) Navio especializado no transporte de veículos, e ou produtos sob rodas. Scanner de Mão (Handheld) Scanner pequeno e portátil que lê o código de barras. 17

18 Sistema de Distribuição (Distribution System) Conjunto de processos de transporte de mercadorias dentro e entre plantas, armazéns e outras instalações. SKU (Stock keeping unit) Representa um item com uma unitização específica. Por exemplo se um produto A é armazenado utilizando diferente unitizadores, cada uma desses itens será um SKU diferente. Tambor (Drum) Um contenedor de produtos a granel geralmente feito de motal de forma cilíndrica e fundo plano. Taxa de Ad Valorem Proporcionamente ao valor: uma frase aplicada a certas tarifas de frete ou alfandegárias cobradas sobre produtos como porcentagem do seu valor. Taxas de Manuseio ou Movimentação (Handling Charges) A cobrança para as operações costumeiras de manuseio e movimentação. Taxa de Movimentação portuária (THC - Terminal Handling Charges) A cobrança para as operações costumeiras de manuseio e movimentação em terminais portuários. Terceirização (Outsourcing) Filosofia de gestão que delega a provedores especializados as etapas de algum processo que não faz parte do negócio central (core-bussiness) de uma empresa. Transportador Comum (Comum Carrier) É uma empresa que transporta mercadorias a qualquer momento para qualquer lugar e cliente. Transporte Intermodal (Intermodal Transport) Embarque de mercadoria no qual é usado mais de um modal de transporte. UEPS - Ultima entrada primeira saída (LIFO - Last in first out) Método de rotação de estoque no qual o itens mais novos no estoque são expedidos primeiro. É também um método de valorização do estoque no qual o custo é baseado nos materiais ou produtos comprados por último. 18

19 Valor Agregado (Added Value) Termo que indica que para cada função de produção ou distribuição, o valor do produto aumenta em termos de tempo, lugar e forma de utilização para várias atividades. Valor Declarado (Declared Value) Valor da mercadoria declarado pelo embarcador, indicado na Nota Fiscal, Conhecimento, Fatura Comercial ou qualquer outro documento oficial. Dados extraídos do site: em

20 " O sucesso é construído à noite! Durante o dia você faz o que todos fazem." Não conheço ninguém que conseguiu realizar seu sonho, sem sacrificar feriados e domingos pelo menos uma centena de vezes. Da mesma forma, se você quiser construir uma relação amiga com seus filhos, terá que se dedicar a isso, superar o cansaço, arrumar tempo para ficar com eles, deixar de lado o orgulho e o comodismo. Se quiser um casamento gratificante, terá que investir tempo, energia e sentimentos nesse objetivo. O sucesso é construído à noite! Durante o dia você faz o que todos fazem. Mas, para obter resultado diferente da maioria, você tem que ser especial. Se fizer igual a todo mundo, obterá os mesmos resultados. Não compare à maioria, pois infelizmente ela não é modelo de sucesso. Se você quiser atingir uma meta especial, terá que estudar no horário em que os outros estão tomando chope com batatas fritas. Terá de planejar, enquanto os outros permanecem à frente da televisão. Terá de trabalhar enquanto os outros tomam sol à beira da piscina. A realização de um sonho depende de dedicação. Há muita gente que espera que o sonho se realize por mágica. Mas toda mágica é ilusão. A ilusão não tira ninguém de onde está. Ilusão é combustível de perdedores. Quem quer fazer alguma coisa, encontra um meio. Quem não quer fazer nada, encontra uma desculpa. Roberto Shinyashiki 20

MÓDULO 5 Termos Internacionais de Comércio (INCOTERMS)

MÓDULO 5 Termos Internacionais de Comércio (INCOTERMS) MÓDULO 5 Termos Internacionais de Comércio (INCOTERMS) Os INCOTERMS são regras criadas pela Câmara de Comércio Internacional (CCI) para administrar conflitos que possam existir através da interpretação

Leia mais

Termos Internacionais de Comércio EXW FCA FAS FOB CFR CIF CPT CIP DAP DAT DDP

Termos Internacionais de Comércio EXW FCA FAS FOB CFR CIF CPT CIP DAP DAT DDP Termos Internacionais de Comércio EXW FCA FAS FOB CFR CIF CPT CIP DAP DAT DDP Aspectos Gerais Cada vez mais as empresas recorrem às potencialidades do mercado global. Neste contexto é necessária a perfeita

Leia mais

Aula 11 TERMOS INTERNACIONAIS DE COMÉRCIO - (INTERNATIONAL COMMERCIAL TERMS - INCO- TERMS). MAIA (2007) apresenta a Convenção de Genebra

Aula 11 TERMOS INTERNACIONAIS DE COMÉRCIO - (INTERNATIONAL COMMERCIAL TERMS - INCO- TERMS). MAIA (2007) apresenta a Convenção de Genebra Aula 11 TERMOS INTERNACIONAIS DE COMÉRCIO - (INTERNATIONAL COMMERCIAL TERMS - INCO- TERMS). MAIA (2007) apresenta a Convenção de Genebra Em 1931, os países membros da Liga das Nações (Órgão, naquela época,

Leia mais

GRUPO C Transporte principal pago pelo exportador (riscos do importador)

GRUPO C Transporte principal pago pelo exportador (riscos do importador) Na última aula, estudamos os INCOTERMS dos grupos E e F. Agora, discutiremos os INCOTERMS dos grupos C e D. Claro que nosso objetivo é identificar quais despesas (custos) e quais riscos (responsabilidade

Leia mais

COMÉRCIO EXTERIOR. Incoterms 2000 PROF. NORBERTO RODRIGUES

COMÉRCIO EXTERIOR. Incoterms 2000 PROF. NORBERTO RODRIGUES COMÉRCIO EXTERIOR Incoterms 2000 PROF. NORBERTO RODRIGUES Histórico 1936 - Câmara de Comércio Internacional - CCI, publicou série de normas para interpretação dos mais importantes termos utilizados no

Leia mais

Unidade IV GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha

Unidade IV GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha Unidade IV GESTÃO DE SUPRIMENTO E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha Logística na cadeia de suprimentos Logística Parte do processo da cadeia de suprimentos, que, para atingir o nível de serviço desejado pelo

Leia mais

SEMINÁRIO TEMÁTICO VII: COMÉRCIO EXTERIOR EXEMPLO 1 EXEMPLO 2 AULA 02: OS FLUXOS COMERCIAIS BRASILEIROS

SEMINÁRIO TEMÁTICO VII: COMÉRCIO EXTERIOR EXEMPLO 1 EXEMPLO 2 AULA 02: OS FLUXOS COMERCIAIS BRASILEIROS SEMINÁRIO TEMÁTICO VII: COMÉRCIO EXTERIOR AULA 02: OS FLUXOS COMERCIAIS BRASILEIROS TÓPICO 04: TERMOS INTERNACIONAIS DE COMÉRCIO No tópico anterior você teve a oportunidade de conhecer os órgãos responsáveis

Leia mais

Agenciamento de Cargas Importação Marítima

Agenciamento de Cargas Importação Marítima Agenciamento de Cargas Importação Marítima Jailson de Souza Agenciamento de Cargas Definição Sistemática, como trabalha, intermediários, contratação de serviços Vantagens do Agenciamento de Cargas O que

Leia mais

Serviços em Comércio Exterior

Serviços em Comércio Exterior INCOTERMS Os Incoterms (International Commercial Terms / Termos Internacionais de Comércio) foram instituídos em 1936 pela Câmara Internacional do Comércio com o intuito de fornecer regras internacionais

Leia mais

O Uso dos Incoterms na Exportação

O Uso dos Incoterms na Exportação O Uso dos Incoterms na Exportação Por JOSÉ ELIAS ASBEG Auditor Fiscal da Receita Federal do Brasil Belém - Pará Nas exportações brasileiras, são aceitas quaisquer condições de venda praticadas no comércio

Leia mais

GUIA PRÁTICO DE APOIO ÀS EXPORTAÇÕES

GUIA PRÁTICO DE APOIO ÀS EXPORTAÇÕES GUIA PRÁTICO DE APOIO ÀS EXPORTAÇÕES 1. Aspectos operacionais 1.1 Roteiro para exportação 1º Passo Efetuar o registro de exportador na Secretaria de Comércio Exterior do Ministério do Desenvolvimento,

Leia mais

INCONTERMS 2010. Grupo E (Partida) EXW EX Works A partir do local de produção ( local designado: fábrica, armazém, etc.)

INCONTERMS 2010. Grupo E (Partida) EXW EX Works A partir do local de produção ( local designado: fábrica, armazém, etc.) Numa negociação internacional, é muito importante que o gestor comercial esclareça com o seu cliente quais serão as condições de entrega a praticar para a mercadoria que vai ser transacionada, ou seja,

Leia mais

9. INCOTERMS. CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio FONTES: Exterior. São Paulo: Aduaneiras, 2010.

9. INCOTERMS. CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio FONTES: Exterior. São Paulo: Aduaneiras, 2010. 9. INCOTERMS CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio FONTES: SILVA, Luiz Augusto Tagliacollo. Logística no Comércio Exterior. São Paulo: Aduaneiras, 2010. SOUZA, José Meireles de Sousa. Gestão do Comércio

Leia mais

Faculdade Salesiana Dom Bosco de Piracicaba

Faculdade Salesiana Dom Bosco de Piracicaba Faculdade Salesiana Dom Bosco de Piracicaba Ana Paula Haypas Olvera Gabriela Itália Sartori Lucas Selles Marina Feo Luís Henrique João Comércio Exterior Contrato de Compra e Venda Internacional Piracicaba

Leia mais

Contratos Internacionais de Compra e Venda & Incoterms

Contratos Internacionais de Compra e Venda & Incoterms Contratos Internacionais de Compra e Venda & Incoterms O contrato internacional é formal, bilateral, consensual, oneroso e comutativo, o que pressupõe agentes autônomos, livre formação de suas vontades

Leia mais

INCOTERMS A importância da ferramenta no comércio internacional (revisão de 2010)

INCOTERMS A importância da ferramenta no comércio internacional (revisão de 2010) Universidade Tuiuti do Paraná Artigo de conclusão de curso MBA em Relações internacionais, negociação e comércio exterior INCOTERMS A importância da ferramenta no comércio internacional (revisão de 2010)

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial Logística Empresarial Aula 19 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos

Leia mais

International Commercial Terms. Incoterms e Procedimentos Para o Comércio Exterior Conceitos Básicos. Eduardo Leoni Machado Junho/2012

International Commercial Terms. Incoterms e Procedimentos Para o Comércio Exterior Conceitos Básicos. Eduardo Leoni Machado Junho/2012 International Commercial Terms Incoterms e Procedimentos Para o Comércio Exterior Conceitos Básicos Eduardo Leoni Machado Junho/2012 Incoterms Definição e Conceito International Commercial Terms (Termos

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO : COMPETITIVIDADE PERENIDADE SOBREVIVÊNCIA EVOLUÇÃO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO : COMPETITIVIDADE PERENIDADE SOBREVIVÊNCIA EVOLUÇÃO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO : COMPETITIVIDADE PERENIDADE SOBREVIVÊNCIA EVOLUÇÃO orienta na implantação e desenvolvimento do seu negócio de forma estratégica e inovadora O QUE SÃO PALESTRAS

Leia mais

Glossário Alfandega. Apólice. Balança comercial. Cobrança documentaria

Glossário Alfandega. Apólice. Balança comercial. Cobrança documentaria Glossário Alfandega Alfândega (do árabe al-fundaq, "hospedaria", "estalagem") ou aduana (do árabe addīwān, "registro", "escritório") é uma repartição governamental oficial de controlo do movimento de entradas

Leia mais

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO A melhor formação cientifica, prática e metodológica. 1 POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA Marketing Vendas Logística ANTES: foco no produto - quantidade de produtos sem qualidade

Leia mais

SEGUROS E RISCOS EM TRANSPORTE INTERNACIONAL. Profª MSc Cristiana Rennó D Oliveira Andrade

SEGUROS E RISCOS EM TRANSPORTE INTERNACIONAL. Profª MSc Cristiana Rennó D Oliveira Andrade SEGUROS E RISCOS EM TRANSPORTE INTERNACIONAL Profª MSc Cristiana Rennó D Oliveira Andrade TRANSPORTE INTERNACIONAL Transporte Internacional: comercial e global progresso e desenvolvimento troca e circulação

Leia mais

Unidade II LOGÍSTICA PARA. Prof. Márcio Antoni

Unidade II LOGÍSTICA PARA. Prof. Márcio Antoni Unidade II LOGÍSTICA PARA IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO Prof. Márcio Antoni Termos comerciais internacionais: Incoterms 2000 São regras que limitam os direitos e as obrigações de compradores e vendedores no

Leia mais

Termos Internacionais de Comércio (INCOTERMS 2010)

Termos Internacionais de Comércio (INCOTERMS 2010) PUCGO 2014 Termos Internacionais de Comércio (INCOTERMS 2010) Convenção das Nações Unidas sobre Contratos de Compra e Venda Internacional de Mercadorias (Convenção de Viena) Regras estándar internacionalmente

Leia mais

CONCEITO DO OPERADOR LOGÍSTICO (fevereiro de 1999)

CONCEITO DO OPERADOR LOGÍSTICO (fevereiro de 1999) CONCEITO DO OPERADOR LOGÍSTICO (fevereiro de 1999) INDICE 1. INTRODUÇÃO 2. SERVIÇOS LOGÍSITICOS 3. O CONCEITO DO OPERADOR LOGÍSITICO 3.1 DEFINIÇÃO 3.2 CARACTERIZAÇÃO DE OPERADOR LOGÍSTICO 4. DEFINIÇÕES

Leia mais

VISÃO GERAL - INCOTERMS COMÉRCIO INTERNACIONAL. Contratos e Termos Internacionais de Comércio: INCOTERMS 2000

VISÃO GERAL - INCOTERMS COMÉRCIO INTERNACIONAL. Contratos e Termos Internacionais de Comércio: INCOTERMS 2000 COMÉRCIO INTERNACIONAL VISÃO GERAL - INCOTERMS Contratos e Termos Internacionais de Comércio: INCOTERMS 2000 Prof.Nelson Guerra Concurso Receita Federal EXW Ex Works Tradução: Na Origem Exemplo: EXW-Curitiba

Leia mais

Desembarque no local de entrega no destino Marco da transferência de risco da mercadoria negociada

Desembarque no local de entrega no destino Marco da transferência de risco da mercadoria negociada INCOTERMS Definições para interpretar as fórmulas contratuais Elaboradas pelas Câmara de Comércio Internacional (CCI) São termos facilitadores na redação do contrato de compra e venda, mas não são obrigatórios

Leia mais

LOGÍSTICA, TRANSPORTE E SEGURO INTERNACIONAL. Professor: Ms. Adm. Antônio Maria E-mail: antoniomaria@outlook.com.br

LOGÍSTICA, TRANSPORTE E SEGURO INTERNACIONAL. Professor: Ms. Adm. Antônio Maria E-mail: antoniomaria@outlook.com.br LOGÍSTICA, TRANSPORTE E SEGURO INTERNACIONAL Professor: Ms. Adm. Antônio Maria E-mail: antoniomaria@outlook.com.br EMENTA Introdução ao transporte internacional. INCOTERM s. Transporte marítimo, aéreo,

Leia mais

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte.

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. GERENCIAMENTO DO TRANSPORTE Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. Trade-off CUSTO x NÍVEL DE SERVIÇO FORMAÇÃO DO PREÇO FINAL Para elaboração de uma estratégia

Leia mais

Cargas unitárias cargas contidas em recipientes que permitem a manipulação. Embalagem para transporte de produtos em processo ou acabados

Cargas unitárias cargas contidas em recipientes que permitem a manipulação. Embalagem para transporte de produtos em processo ou acabados Logística Movimentação de materiais na cadeia de suprimentos Para que a matéria-prima possa transformar-se ou ser beneficiada, pelo menos um dos três elementos básicos de produção, homem, máquina ou material,

Leia mais

Escola Secundária de Paços de Ferreira

Escola Secundária de Paços de Ferreira Cândida Raquel Brandão Carneiro Nº4 12ºS 11-11-2009 1 Importação e Exportação Importação é o processo comercial e fiscal que consiste em trazer um bem, que pode ser um produto ou um serviço, do exterior

Leia mais

Exportar e Internacionalizar, Como?

Exportar e Internacionalizar, Como? Exportar e Internacionalizar, Como? WORKSHOP Ferramentas de Apoio à Internacionalização de Empresas 13 de Junho 2012 1 António Trigueiros de Aragão Uma moda? Uma tendência? Uma estratégia? Um novo mundo?

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009 LOGÍSTICA EMPRESARIAL Rodolfo Cola Santolin 2009 Conteúdo Cadeia de suprimentos Custos Logísticos Administração de Compras e Suprimentos Logística Reversa CADEIA DE SUPRIMENTOS Logística Logística Fornecedor

Leia mais

LOGÍSTICA DE OPERAÇÕES INTERNACIONAIS II. Prof. Alessandro Camargo

LOGÍSTICA DE OPERAÇÕES INTERNACIONAIS II. Prof. Alessandro Camargo LOGÍSTICA DE OPERAÇÕES INTERNACIONAIS II Prof. Alessandro Camargo Logística Internacional As principais características das operações logísticas são: - Complexidade: que podem ser desde o produto até a

Leia mais

Armazenagem & Automação de Instalações. Prof. Fernando Augusto Silva Marins fmarins@feg.unesp.br www.feg.unesp.br/~fmarins

Armazenagem & Automação de Instalações. Prof. Fernando Augusto Silva Marins fmarins@feg.unesp.br www.feg.unesp.br/~fmarins Armazenagem & Automação de Instalações Prof. Fernando Augusto Silva Marins fmarins@feg.unesp.br www.feg.unesp.br/~fmarins 1 Sumário - Armazenagem Estratégica - Automação na Armazenagem 2 Armazenagem -

Leia mais

APSP. Análise do Projeto do Sistema Produtivo. Movimentação e Armazenagem de Materiais. Administração de Fluxos de Materiais

APSP. Análise do Projeto do Sistema Produtivo. Movimentação e Armazenagem de Materiais. Administração de Fluxos de Materiais Movimentação e Armazenagem de Materiais APSP Análise do Projeto do Sistema Produtivo Aula 8 Por: Lucia Balsemão Furtado 1 Administração de Fluxos de Materiais Organização Modal A organização modal é um

Leia mais

1. Conceitos básicos: Fornecer um maior Nível de Serviço. Ao menor custo logístico possível. Objetivo da Logística

1. Conceitos básicos: Fornecer um maior Nível de Serviço. Ao menor custo logístico possível. Objetivo da Logística CUSTOS LOGÍSTICOS O objetivo de apuração dos Custos Logísticos é o de estabelecer políticas que possibilitem às empresas, simultaneamente, uma redução nos custos e a melhoria do nível de serviço oferecido

Leia mais

Indicadores de Desempenho Logístico

Indicadores de Desempenho Logístico Indicadores de Desempenho Logístico Lívia B. Ângelo, liviabangelo@hotmail.com 1. Estratégia X Indicadores de Desempenho As estratégias servem como guia para as empresas desenvolverem e utilizarem recursos

Leia mais

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Profª Caroline Pauletto Spanhol

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Profª Caroline Pauletto Spanhol Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos Profª Caroline Pauletto Spanhol Cadeia de Abastecimento Conceitos e Definições Elementos Principais Entendendo a Cadeia de Abastecimento Integrada Importância

Leia mais

CUSTOS LOGÍSTICOS CUSTO PREÇO. Custo: Quanto a organização irá gastar para produzir o produto/serviço

CUSTOS LOGÍSTICOS CUSTO PREÇO. Custo: Quanto a organização irá gastar para produzir o produto/serviço OBSERVAÇÃO IMPORTANTE CUSTOS LOGÍSTICOS Prof., Ph.D. CUSTO PREÇO : Quanto a organização irá gastar para produzir o produto/serviço Preço: Decisão de negócio - Quanto a empresa cobrará pelo serviço SÍNTESE

Leia mais

Unidade IV LOGÍSTICA PARA IMPORTAÇÃO. Prof. Márcio Antoni

Unidade IV LOGÍSTICA PARA IMPORTAÇÃO. Prof. Márcio Antoni Unidade IV LOGÍSTICA PARA IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO Prof. Márcio Antoni Seguros O seguro é uma operação comercial na qual o segurado (exportador ou importador) e segurador (companhia de seguro) formalizam

Leia mais

www.commex.com.br cursos@commex.com.br

www.commex.com.br cursos@commex.com.br CURSO DE INICIAÇÃO À EXPORTAÇÃO Módulo I www.commex.com.br cursos@commex.com.br 1 SUMÁRIO 1 DRAWBACK... 03 1.1 Formas de Classificação... 03 1.2 Mercadorias Admitidas no Regime... 04 1.3 Modalidades de

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém Bloco Suprimentos WMS Gerenciamento de Armazém Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo WMS, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas foram

Leia mais

- Online Curso sob Regulamentação do Decreto 5.622 de 19/12/2005 - MEC

- Online Curso sob Regulamentação do Decreto 5.622 de 19/12/2005 - MEC FORMAÇÃO Analista de Logística em Comércio Exterior - Online Curso sob Regulamentação do Decreto 5.622 de 19/12/2005 - MEC Objetivo: Habilitar o participante para trabalhar com as rotinas da logística

Leia mais

APLICAÇÃO DA TÉCNICA CROSS DOCKING NA LOGÍSTICA DE EXPEDIÇÃO EM BUSCA DA REDUÇÃO DE TEMPO DE MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS

APLICAÇÃO DA TÉCNICA CROSS DOCKING NA LOGÍSTICA DE EXPEDIÇÃO EM BUSCA DA REDUÇÃO DE TEMPO DE MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS APLICAÇÃO DA TÉCNICA CROSS DOCKING NA LOGÍSTICA DE EXPEDIÇÃO EM BUSCA DA REDUÇÃO DE TEMPO DE MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS Tatiane Vaz Ferreira Daudte 1, Vilma da Silva Santos 2, Edson Aparecida de Araújo

Leia mais

Logistica e Distribuição

Logistica e Distribuição Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Logística e Distribuição Armazenagem e Movimentação Primárias Apoio 1 2 A armazenagem corresponde a atividades de estocagem ordenada e a distribuição

Leia mais

Glossário. Alfândega (do árabe al-fundaq, "hospedaria", "estalagem") ou aduana (do

Glossário. Alfândega (do árabe al-fundaq, hospedaria, estalagem) ou aduana (do Glossário Alfandega Alfândega (do árabe al-fundaq, "hospedaria", "estalagem") ou aduana (do árabe ad-dīwān, "registro", "escritório") é uma repartição governamental oficial de controle do movimento de

Leia mais

Cadeias de Suprimento: Definições

Cadeias de Suprimento: Definições Cadeias de Suprimento: Definições Partes I. Definindo a Cadeia de Suprimento II. III. Alguns conceitos básicos Distribuição Física IV. Custos Logísticos V. Modais de Transportes VI. Informação na Cadeia

Leia mais

Armazenagem. Por que armazenar?

Armazenagem. Por que armazenar? Armazenagem Introdução Funções da armazenagem Atividades na armazenagem Objetivos do planejamento de operações de armazenagem Políticas da armazenagem Pilares da atividade de armazenamento Armazenagem

Leia mais

AQUILES VIEIRA. Teoria e Prática Cambial. Exportação e importação. 2ª edição. Editora Lex

AQUILES VIEIRA. Teoria e Prática Cambial. Exportação e importação. 2ª edição. Editora Lex AQUILES VIEIRA Teoria e Prática Cambial Exportação e importação 2ª edição Editora Lex São Paulo 2005 Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) (Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil) Vieira,

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL

LOGÍSTICA EMPRESARIAL LOGÍSTICA EMPRESARIAL FORNECEDORES Erros de compras são dispendiosos Canais de distribuição * Compra direta - Vendedores em tempo integral - Representantes dos fabricantes Compras em distribuidores Localização

Leia mais

Os Custos de Armazenagem na Logística Moderna

Os Custos de Armazenagem na Logística Moderna Os Custos de Armazenagem na Logística Moderna Maurício Pimenta Lima Introdução Uma das principais características da logística moderna é sua crescente complexidade operacional. Aumento da variedade de

Leia mais

Armazenagem e controle. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia

Armazenagem e controle. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Armazenagem e controle Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Armazenagem Armazenagem e manuseio de mercadorias são componentes essenciais do conjunto de atividades logísticas.seus custos podem absorver

Leia mais

Informações INCOTERMS 2010 - versão 1.0-19/08/2015 1/7. Informa

Informações INCOTERMS 2010 - versão 1.0-19/08/2015 1/7. Informa Informações INCOTERMS 2010 - versão 1.0-19/08/2015 1/7 Informa INCOTERMS 2010 Tendo em vista a publicação do Incoterms 2010 pela Câmara de Comércio Internacional (International Chamber of Commerce - ICC)

Leia mais

Operações Terminais Armazéns. PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007.

Operações Terminais Armazéns. PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007. Operações Terminais Armazéns AULA 3 PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007. A Gestão de Estoques Definição» Os estoques são acúmulos de matériasprimas,

Leia mais

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE *Envie o nome de seu grupo, dos integrantes e um telefone de contato junto com as respostas do questionário abaixo para o e-mail COMMUNICATIONS.SLA@SCANIA.COM*

Leia mais

Aula Nº 15 Contratos Mercantis

Aula Nº 15 Contratos Mercantis Aula Nº 15 Contratos Mercantis Objetivos da aula: Nesta aula, vamos conhecer os contratos mercantis mais usuais, suas características e as normas que os disciplinam. 1. NOÇÕES GERAIS Contrato é um negócio

Leia mais

JUST-IN-TIME & KANBAN

JUST-IN-TIME & KANBAN JUST-IN-TIME & KANBAN Prof. Darli Rodrigues Vieira darli@darli.com.br 1 OBJETIVO DA AULA OBJETIVO: EVIDENCIAR O QUE É JUST IN TIME E QUAL É SUA UTILIDADE EM PROJETOS DE OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS EM OPERAÇÕES

Leia mais

Armazenamento e TI: sistema de controle e operação

Armazenamento e TI: sistema de controle e operação Armazenamento e TI: sistema de controle e operação Pós-Graduação Latu-Sensu em Gestão Integrada da Logística Disciplina: TI aplicado à Logística Professor: Mauricio Pimentel Alunos: RA Guilherme Fargnolli

Leia mais

WMS. Agenda. Warehouse Management Systems (WMS) Warehouse Management Systems Sistema de Gerenciamento de Armazéns

WMS. Agenda. Warehouse Management Systems (WMS) Warehouse Management Systems Sistema de Gerenciamento de Armazéns WMS Warehouse Management Systems Sistema de Gerenciamento de Armazéns Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com Informática Aplicada a Logística Profº Breno Amorimsexta-feira, 11 de setembro de 2009 Agenda

Leia mais

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo III.1 GESTÃO DE TRANSPORTES 1.1. O desenvolvimento econômico e o transporte. 1.2. A geografia brasileira, a infraestrutura dos estados, municípios

Leia mais

Porto e Aeroporto Rio de Janeiro SIGMA BETA GAMMA ALPHA ZETA

Porto e Aeroporto Rio de Janeiro SIGMA BETA GAMMA ALPHA ZETA 5 Projeto 3 O Capítulo 5 segue a mesma lógica apresentada nos Capítulos 3 e 4. Este quinto Capítulo apresenta o terceiro Projeto a ser analisado nesta dissertação. Assim como no Projeto 2, o Projeto 3

Leia mais

Logística Empresarial. Atividades Chave, Planejamento e Estratégia Logística Prof. José Correia

Logística Empresarial. Atividades Chave, Planejamento e Estratégia Logística Prof. José Correia Logística Empresarial Atividades Chave, Planejamento e Estratégia Logística Prof. José Correia Atividades chave da Logística Padrões de serviço ao cliente (c/ marketing): Determinar as necessidades/desejos

Leia mais

Distribuição e transporte

Distribuição e transporte Distribuição e transporte Gestão da distribuição Prof. Marco Arbex Introdução Toda produção visa a um ponto final, que é entregar os seus produtos ao consumidor; Se o produto não está disponível na prateleira,

Leia mais

Embalagens, acondicionamento e unitização

Embalagens, acondicionamento e unitização Embalagens, acondicionamento e unitização A embalagem e a Logística As condições atuais e futuras exercem importância cada vez maior sobre as interações efetivas entre a embalagem e a movimentação de materiais.

Leia mais

Sistemas de Armazenagem e Movimentação

Sistemas de Armazenagem e Movimentação Sistemas de Armazenagem e Movimentação O que é a armazenagem? Gerenciar eficazmente o espaço tridimensional de um local adequado e seguro, colocando à disposição para guarda de mercadorias que serão movimentadas

Leia mais

Sumário. Capítulo l -Introdução 17 1.1. Um Pouco da Historiada Logística 17 1.2. Sistemas ERP 18

Sumário. Capítulo l -Introdução 17 1.1. Um Pouco da Historiada Logística 17 1.2. Sistemas ERP 18 Sumário Capítulo l -Introdução 17 1.1. Um Pouco da Historiada Logística 17 1.2. Sistemas ERP 18 Capítulo 2 - A Integração do Marketing com a Logística 21 2.1. O Departamento de Vendas 21 2.2. Plano de

Leia mais

Pesquisa. Os Problemas da Empresa Exportadora Brasileira 2008. Entraves e Prioridades

Pesquisa. Os Problemas da Empresa Exportadora Brasileira 2008. Entraves e Prioridades Pesquisa Os Problemas da Empresa Exportadora Brasileira 2008 Entraves e Prioridades Renato Fonseca Brasília, 1 de outubro de 2008 Apresentação 1. Amostra 2. Entraves à expansão das exportações 3. Tributação

Leia mais

NOÇÕES BÁSICAS DE ALMOXARIFADO Armazenagem

NOÇÕES BÁSICAS DE ALMOXARIFADO Armazenagem NOÇÕES BÁSICAS DE ALMOXARIFADO Armazenagem Tecnologia em Gestão Pública Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 9 Prof. Rafael Roesler Sumário Introdução Objetivo da armazenagem Arranjo

Leia mais

Unidade II. Administração. Prof. Ms. Livaldo dos Santos

Unidade II. Administração. Prof. Ms. Livaldo dos Santos Unidade II Administração de Suprimentos Prof. Ms. Livaldo dos Santos Administração de Suprimentos Objetivos da Unidade Analisar os principais conceitos sobre: A medição do desempenho na cadeia de suprimentos

Leia mais

Capítulo VII Terminal de Transporte TRE

Capítulo VII Terminal de Transporte TRE Capítulo VII Terminal de Transporte TRE 1. TEMAS CORRENTES PARA REFLEXÃO A vitalidade não se demonstra apenas com a persistência, mas também com a capacidade de começar de novo (F. Scott Fitzgerald) 2.

Leia mais

Os produtos da Royal 4 têm como base as ferramentas PROGRESS, banco de dados e linguagens de quarta geração (4GL), bastante atuais e abertas.

Os produtos da Royal 4 têm como base as ferramentas PROGRESS, banco de dados e linguagens de quarta geração (4GL), bastante atuais e abertas. Nos mais de 16 anos passados desde sua fundação, Royal 4 tem disponibilizado soluções de software empresariais para companhias de médio e grande porte dos segmentos de manufatura, varejo, atacado e distribuição.

Leia mais

CAPÍTULO 3 SISCOMEX SISTEMA INTEGRADO DE COMÉRCIO EXTERIOR... 29...32 Questões de Provas...34

CAPÍTULO 3 SISCOMEX SISTEMA INTEGRADO DE COMÉRCIO EXTERIOR... 29...32 Questões de Provas...34 Sumário CAPÍTULO 1 VISÃO GERAL DE UMA IMPORTAÇÃO BRASILEIRA... 1 1.1. Escolha da Mercadoria...1 1.2. Licenciamento das Importações...1 1.3. Siscomex e Habilitação...2 1.4. Deferimento da Licença de Importação

Leia mais

Sistemas de Armazenagem de Materiais

Sistemas de Armazenagem de Materiais Sistemas de Armazenagem de Materiais Características e conceitos para utilização de Sistemas de armazenagem de materiais Objetivos Destacar a importância dos equipamentos de armazenagem de materiais na

Leia mais

RELATÓRIO DE ESTÁGIO 3/3 (terceiro de três) Período: de 13/12/2007 a 13/02/2008

RELATÓRIO DE ESTÁGIO 3/3 (terceiro de três) Período: de 13/12/2007 a 13/02/2008 Universidade Federal de Santa Catarina Centro Tecnológico Departamento de Engenharia Mecânica Coordenadoria de Estágio do Curso de Engenharia Mecânica CEP 88040-970 - Florianópolis - SC - BRASIL www.emc.ufsc.br/estagiomecanica

Leia mais

1 Habilitação: Educação Profissional Técnica de Nível Médio em Administração de Logística

1 Habilitação: Educação Profissional Técnica de Nível Médio em Administração de Logística Habilitação, qualificações e especializações: 1 Habilitação: Educação Profissional Técnica de Nível Médio em Administração de Logística Carga-Horária: 960 horas 1.2 Objetivo Geral do Curso O curso de Educação

Leia mais

Comércio Exterior no Brasil

Comércio Exterior no Brasil Comércio Exterior no Brasil Comércio Exterior Fluxograma para empresa brasileira exportar Fonte: Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, http://www.mdic.gov.br/sistemas_web/aprendex/default/index/conteudo/id/235

Leia mais

INCOTERMS 2000-2010. samir keedi. samir@aduaneiras.com.br

INCOTERMS 2000-2010. samir keedi. samir@aduaneiras.com.br INCOTERMS 2000-2010 samir keedi samir@aduaneiras.com.br INCOTERMS 2000-2010 PUBLICAÇÃO Nº 560 / 715E VIGOR A PARTIR DE 01.01.2000 / 2011 CÂMARA DE COMÉRCIO INTERNACIONAL CCI - PARIS O QUE É E O OBJETIVO

Leia mais

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade II MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade II MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM Prof. Jean Cavaleiro Unidade II MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM Introdução Vamos abordar aqui meios de armazenagem para melhor aproveitar o Pé direito, equipamentos que facilite movimentação em armazenagem

Leia mais

TABELA DE PREÇOS E CONDIÇÕES COMERCIAIS ESTRUTURA DE SERVIÇOS E PREÇOS

TABELA DE PREÇOS E CONDIÇÕES COMERCIAIS ESTRUTURA DE SERVIÇOS E PREÇOS TABELA DE PREÇOS E CONDIÇÕES COMERCIAIS Vigência: 15/03/2014 a 14/03/2015 ESTRUTURA DE SERVIÇOS E PREÇOS OPERAÇÃO PORTUÁRIA - Tarifas devidas pelo armador, agente de navegação ou requisitante - A. OPERAÇÃO

Leia mais

Estamos presentes no mercado de prestação de serviços logísticos há 11 anos; Temos Know-how europeu;

Estamos presentes no mercado de prestação de serviços logísticos há 11 anos; Temos Know-how europeu; Estamos presentes no mercado de prestação de serviços logísticos há 11 anos; Temos Know-how europeu; Fazemos uma parceria total com o cliente, combinando redução de custos fixos e otimização de recursos

Leia mais

Operações Terminais Armazéns. PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007.

Operações Terminais Armazéns. PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007. Operações Terminais Armazéns AULA 6 PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007. Cargas, embalagens e unitização Modulação, Unitização, Acondicionamento

Leia mais

Modulo 01 Exercícios Gestão de Materiais

Modulo 01 Exercícios Gestão de Materiais QUESTÕES DE CONCURSOS Acerca de planejamento e controle da produção, e gestão da cadeia de suprimentos, julgue os seguintes itens. 01. A importância do planejamento da produção decorre principalmente da

Leia mais

Armazenagem & Automação de Instalações Prof. Fernando Augusto Silva Marins fmarins@feg.unesp.br www.feg.unesp.br/~fmarins

Armazenagem & Automação de Instalações Prof. Fernando Augusto Silva Marins fmarins@feg.unesp.br www.feg.unesp.br/~fmarins Armazenagem & Automação de Instalações Prof. Fernando Augusto Silva Marins fmarins@feg.unesp.br www.feg.unesp.br/~fmarins 1 Sumário Armazenagem Estratégica Automação na Armazenagem 2 Armazenagem Área tradicional

Leia mais

Distribuição Física. A distribuição física de produtos é realizada com a participação de alguns componentes, físicos ou informacionais, a saber:

Distribuição Física. A distribuição física de produtos é realizada com a participação de alguns componentes, físicos ou informacionais, a saber: Distribuição Física Objetivo da aula: Apresentar e discutir o conceito e os componentes do sistema de distribuição física, dentro do processo logístico. O objetivo geral da distribuição física, como meta

Leia mais

LOGÍSTICA DE ARMAZENAGEM

LOGÍSTICA DE ARMAZENAGEM Os consumidores quando vão às prateleiras das lojas esperam encontrar os produtos que necessitam, não importando se os produtores estão a 10 ou 2.500 Km de distância. Este é o trabalho da logística: prover

Leia mais

Projeto de Armazéns. Ricardo A. Cassel. Projeto de Armazéns

Projeto de Armazéns. Ricardo A. Cassel. Projeto de Armazéns Ricardo A. Cassel FRANCIS, R.; McGINNIS, L.; WHITE, J. Facility Layout and Location: an analytical approach. New Jersey: Prentice Hall, 2ed., 1992. BANZATTO, E.; FONSECA, L.R.P.. São Paulo: IMAN, 2008

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Gerenciamento Logístico Gerenciamento Logístico A missão do gerenciamento logístico é planejar

Leia mais

Só é fabricado por encomenda. Air Waybill ou Conhecimento de Transporte Aéreo. Business-to-Business ou comércio eletrônico entre empresas.

Só é fabricado por encomenda. Air Waybill ou Conhecimento de Transporte Aéreo. Business-to-Business ou comércio eletrônico entre empresas. A Assemble to order APS Auto ID AWB AGVS Só é fabricado por encomenda. Advanced Planning Scheduling ou Planejamento da Demanda do Suprimento, programação, execução avançada e otimização. Identificação

Leia mais

Importância da Logística. O lugar da Logística nas Empresas. Custos Logísticos são significativos

Importância da Logística. O lugar da Logística nas Empresas. Custos Logísticos são significativos IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA Importância da Logística O lugar da Logística nas Empresas A logística diz respeito à criação de valor; O valor em logística é expresso em termos de tempo e lugar. Produtos e serviços

Leia mais

Gestão Estratégica do Transporte

Gestão Estratégica do Transporte Gestão Estratégica do Transporte SUMÁRIO 1. Link Aula Anterior; 2. Conceitos de Gestão Estratégica; 3. Abordagens da Gestão Estratégica de Transportes; 4. Operações Especiais de Transportes; 5. Conceitos

Leia mais

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade III GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Prof. Fernando Leonel Conteúdo da aula de hoje 1. Custos dos estoques 2. Custos diretamente proporcionais 3. Custos inversamente proporcionais 4.

Leia mais

Função: Operação da Cadeia de materiais. 1.1 Identificar princípios da organização da área de materiais.

Função: Operação da Cadeia de materiais. 1.1 Identificar princípios da organização da área de materiais. MÓDULO II Qualificação Técnica de Nível Médio ASSISTENTE DE LOGÍSTICA II.1 Gestão de Recursos e Materiais Função: Operação da Cadeia de materiais 1. Contextualizar a importância da Administração de materiais

Leia mais

MBA em Gestão Logística

MBA em Gestão Logística Pág. 1/5 MBA em Gestão Logística Carga Horária: 360 horas/ aulas presenciais + monografia orientada. Aulas: sábados das 8h30 às 18h, com intervalo para almoço. Valor: 16 parcelas de R$ 380,00* * Valor

Leia mais

Logística. E-commerce

Logística. E-commerce Logística E-commerce Eduardo Ramos de Carvalho Gestor de e-commerce em Projetos, Comercial e Operações. Formado em Comunicação, se especializou em e-commerce na ESPM e cursa MBA (Gestão Estratégica e economica

Leia mais

Unidade IV MOVIMENTAÇÃO E. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade IV MOVIMENTAÇÃO E. Prof. Jean Cavaleiro Unidade IV MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM Prof. Jean Cavaleiro Introdução Nessa unidade vamos discutir: Conceitos de contêineres; Tipos de contêineres; Operações com contêineres; Custos de armazenagem; TI

Leia mais

Logística empresarial

Logística empresarial 1 Logística empresarial 2 Logística é um conceito relativamente novo, apesar de que todas as empresas sempre desenvolveram atividades de suprimento, transporte, estocagem e distribuição de produtos. melhor

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL SATISFAÇÃO DO CLIENTE

LOGÍSTICA EMPRESARIAL SATISFAÇÃO DO CLIENTE LOGÍSTICA EMPRESARIAL SATISFAÇÃO DO CLIENTE (Logistics e Customer Service) 1 LOGÍSTICA EMPRESARIAL 1. LOGÍSTICA EMPRESARIAL 2. METODOLOGIA 5 S ; 3. ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS; 3.1 Supply Chain Management;

Leia mais

Armazenagem e Movimentação de Materiais II

Armazenagem e Movimentação de Materiais II Tendências da armazenagem de materiais Embalagem: classificação, arranjos de embalagens em paletes, formação de carga paletizada, contêineres Controle e operação do armazém Equipamentos de movimentação

Leia mais

Definições da cadeia de suprimentos Características da cadeia de suprimentos Elementos da cadeia de suprimentos integrada

Definições da cadeia de suprimentos Características da cadeia de suprimentos Elementos da cadeia de suprimentos integrada Definições da cadeia de suprimentos Características da cadeia de suprimentos Elementos da cadeia de suprimentos integrada suprimentos sustentável Segundo semestre 2009 1 Definições da cadeia de suprimentos

Leia mais