DESENVOLVIMENTO DE FLUXOGRAMA DO PRIMEIRO ATENDIMENTO A PACIENTES DIABETICOS TIPO 1 INSULINIZADOS NA 3ª REGIONAL DE SAÚDE DE PONTA GROSSA-PR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DESENVOLVIMENTO DE FLUXOGRAMA DO PRIMEIRO ATENDIMENTO A PACIENTES DIABETICOS TIPO 1 INSULINIZADOS NA 3ª REGIONAL DE SAÚDE DE PONTA GROSSA-PR"

Transcrição

1 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO DE FLUXOGRAMA DO PRIMEIRO ATENDIMENTO A PACIENTES DIABETICOS TIPO 1 INSULINIZADOS NA 3ª REGIONAL DE SAÚDE DE PONTA GROSSA-PR GARABELI, Aline Ansbach 1 DAHER, Josélia Borba 2 RESUMO O diabetes mellitus (DM) é um conjunto de doenças metabólicas que têm como característica comum a hiperglicemia constante.o não controle da hiperglicemia leva ao desenvolvimento de complicações microvasculares como retinopatia, nefropatia e neuropatia, e macrovasculares como infarto agudo do miocárdio.no Brasil, o Sistema Único de Saúde (SUS) deve fornecer os medicamentos e insumos necessários ao tratamento do diabetes mellitus.com a finalidade de complementar o elenco de insulinas fornecidas pelo Ministério da Saúde foi implantado pela SESA-PR o Programa de Análogos de Insulina, que fornece insulinas análogas a pacientes diabéticos tipo 1 de difícil controle através das Regionais de Saúde do Estado.As insulinas análogas apresentam vantagens se comparadas às insulinas tradicionais, contudo, o uso das insulinas análogas requer atenção especial. Além do tratamento farmacológico escolhido, diversos outros fatores podem influenciar a qualidade de vida em diabetes. Entre esses a idade, o gênero, a obesidade, a presença de complicações e o tipo de tratamento antidiabético. Além disso, quanto mais graves forem as complicações de um paciente com diabetes mellitus pior tende a ser sua qualidade de vida. Por essas características, o DM constitui um problema de saúde pública que requer atenção continuada envolvendo uma equipe multiprofissional treinada e interessada nesta questão. Dessa maneira, através do projeto Acompanhamento farmacoterapêutico a pacientes diabéticos tipo 1 insulinizados na 3ª Regional de Saúde de Ponta Grossa, desenvolveu-se um modelo de primeiro atendimento aos pacientes novos em forma de fluxograma, para que orientações passadas sejam padronizadas e todos os pacientes recebam as informações de forma homogênea. PALAVRAS CHAVE Diabetes tipo 1. Primeiro atendimento. Acompanhamento farmacoterapêutico. 1 Mestranda do programa de pós-graduação em Ciências Farmacêuticas da UFPR, 2 Doutora, Docente da disciplina de Farmacologia do curso de Farmácia da UEPG,

2 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 2 Introdução O diabetes mellitus (DM) é um conjunto de doenças metabólicas que têm como característica comum a hiperglicemia constante. O DM é causado por desordens no pâncreas, glândula responsável pela secreção da insulina, que por sua vez age diminuindo a glicemia através do estímulo de receptores que internalizam a glicose nas células. O não controle da hiperglicemia leva ao desenvolvimento de complicações microvasculares como retinopatia, nefropatia e neuropatia, e macrovasculares como infarto agudo do miocárdio 1. No Brasil estima-se uma prevalência de 8% em pessoas de 30 a 69 anos, o que coloca o DM como um dos principais problemas de saúde do país 2. A Organização Mundial da Saúde (OMS) e a Associação Americana de Diabetes (ADA) classificam o diabetes mellitus em DM tipo 1 e DM tipo 2. O DM 1 é decorrente da ausência de produção insulina, e o tratamento consiste na administração de insulina via subcutânea para a redução dos níveis glicêmicos além de medidas não farmacológicas, como dieta regulada e prática de exercícios adaptados ao paciente diabético tipo 1. O DM 2 caracteriza-se pela secreção diminuída de insulina pelo pâncreas ou pela resistência do organismo ao hormônio, e pode ser controlado através do uso de antidiabéticos orais e mudanças no estilo de vida, como a prática de exercícios físicos e constante controle da dieta 3. No Brasil, o Sistema Único de Saúde (SUS) deve fornecer os medicamentos e insumos necessários ao tratamento do diabetes mellitus. Os pacientes inseridos no programa de atendimento a diabéticos na atenção básica do SUS contam com o fornecimento sistemático das insulinas NPH e Regular Humana, fornecidas pelo Ministério da Saúde, bem como dos insumos necessários para o tratamento, como lancetas, tiras reagentes, glicosímetro, seringas e agulhas 4. Entretanto, a qualidade de vida em pacientes com DM1 pode variar dependendo da insulina utilizada. Muitas vezes o tratamento com as insulinas NPH e Regular não atinge os resultados esperados, originando outros problemas de saúde para o paciente, como as reações adversas, maior incidência de episódios hipoglicêmicos e dificuldade do controle glicêmico pós-prandial 5-7. Com a finalidade de complementar o elenco de insulinas fornecidas pelo Ministério da Saúde foi implantado pela SESA-PR, em outubro de 2006, o Programa de Análogos de Insulina, que fornece insulinas análogas a pacientes diabéticos tipo 1 de difícil controle através das Regionais de Saúde do Estado. Por meio do programa os pacientes recebem as insulinas de ação lenta, glargina e detemir, e as insulinas de ação rápida, aspart e lispro 4. As insulinas análogas apresentam vantagens se comparadas às insulinas tradicionais. Os benefícios vão desde níveis basais de insulina constantes durante 24 horas, no caso de insulinas de ação lenta, até inícios de ação imediatos, como as insulinas ultrarrápidas, que podem ser administradas imediatamente antes ou durante as refeições.essas características permitem maior controle dos níveis de insulina quando comparadas às insulinas NPH e regular, reduzindo significativamente os eventos hipoglicêmicos 5-7. Contudo, o uso das insulinas análogas requer atenção especial, pois a apresentação farmacêutica na forma de canetas facilita as aplicações, mas antes o paciente necessita de orientações para usar corretamente o novo instrumento de aplicação. O uso das insulinas ultrarrápidas também precisa ser explicado detalhadamente, pois para a definição da dose a ser administrada nos horários de refeição é necessário fazer a contagem dos carboidratos a serem ingeridos e a correção da glicemia através de cálculos previamente determinados. Dessa forma, é importante que o farmacêutico responsável pela orientação dos pacientes esteja preparado e observe atentamente todas as informações que devem ser repassadas. Além do tratamento farmacológico escolhido, diversos outros fatores podem influenciar a qualidade de vida em diabetes. Entre esses a idade, o gênero, a obesidade, a presença de complicações e o tipo de tratamento antidiabético Além disso, quanto mais graves forem as complicações de um paciente com diabetes mellitus pior tende a ser sua qualidade de vida 11. Por essas características, o DM constitui um problema de saúde pública que requer atenção continuada envolvendo uma equipe multiprofissional treinada e interessada nesta questão, tendo como principais pontos estratégicos a educação para o autocuidado, as mudanças no estilo de vida e o uso de medicamentos. Com a finalidade de melhorar o estado de saúde e qualidade de vida dos pacientes diabéticos tipo 1 atendidos na 3ª Regional de Saúde (RS) de Ponta Grossa, inseriu-se como parte dos critérios de inclusão no programa de análogos de insulina, o recebimento de orientações farmacêuticas no primeiro atendimento e o constante acompanhamento farmacoterapêutico realizado pela farmacêutica profª Dra. Josélia Borba Daher, coordenadora do projeto de extensão Acompanhamento farmacoterapêutico a pacientes diabéticos tipo 1 insulinizados na 3ª Regional de Saúde de Ponta Grossa, autorizado pelo farmacêutico chefe das SCINS-3 a RS Dr. José dos Passos Neto.

3 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 3 Objetivos Desenvolver um modelo de atendimento padronizado através de fluxograma com as etapas e orientações que devem ser abordadas com o paciente diabético tipo 1 no primeiro atendimento para a dispensação de insulinas. Orientar, através do esquema elaborado, os novos profissionais que venham a trabalhar com os pacientes diabéticos da 3ª Regional de Saúde para que todos possam ser atendidos de forma padronizada e recebam as mesmas orientações. Metodologia O fluxograma foi desenvolvido baseado na análise observacional das práticas de atendimento e orientações realizadas pela farmacêutica Dra. Josélia Borba Daher. Através da regularidade do atendimento prestado a todos os pacientes diabéticos e da importância de serem passadas todas as informações e orientações, desenvolveu-se um modelo sequencial da forma de abordagem necessária para um atendimento eficiente. Diversos pontos foram observados, e aqueles que foram repetidos em todas as abordagens foram incluídos como parte do processo de atendimento. De maneira geral, os pontos considerados como necessários no primeiro atendimento foram: Chegada do paciente e verificação do cadastro no sistema Orientações quanto ao uso do glicosímetro Instrução quanto ao uso da insulina basal Instrução quanto ao uso da insulina ultrarrápida Contagem de carboidratos Cálculo para correção da glicemia e dose de insulina a ser administrada Manejo das canetas ou seringas, incluindo o descarte apropriado Rodízio de aplicação Após a determinação das questões relevantes a serem incluídas no fluxograma, o esquema foi elaborado e testado na prática por outro profissional farmacêutico. Resultados Figura 1. Fluxograma do primeiro atendimento

4 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 4 A aplicação das etapas do fluxograma desenvolvido no primeiro atendimento de pacientes novos foi realizada e observou-se que todas as orientações necessárias foram repassadas e houve entendimento da farmacoterapia e medidas não farmacológicas por parte dos pacientes. A utilização do modelo para o exercício de atenção farmacêutica básica tem auxiliado na padronização das informações repassadas aos pacientes e nos resultados do tratamento farmacológico. Conclusões O bom entendimento do paciente diabético quanto às orientações sobre o esquema terapêutico e outras medidas não farmacológicas depende em grande parte da eficiência do profissional no repasse das informações de maneira clara e bem estruturada. A implementação do fluxograma na 3ª Regional de Saúde de Ponta Grossa demonstrou que é possível padronizar as informações do primeiro atendimento e assim orientar de forma homogênea os novos pacientes que são incluídos no programa de fornecimento de análogos de insulina da 3ª Regional de Saúde de Ponta Grossa.

5 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 5 Referências 1. Diabetes SBD. Consenso Brasileiro sobre diabetes. Diagnóstico e classificação do diabetes melito e tratamento do diabetes melito tipo 2. Rio de Janeiro: Diagraphic; Barbosa R, Barceló A, Machado C. Campanha nacional de detecção de casos suspeitos de diabetes mellitus no Brasil: relatório preliminar. Rev Panam Salud Publica 2001;10: ATLAS D. ADA. Diabetes Atlas. International Diabetes Federation and Word Diabetes Fundation, International Diabetes Federation SECRETARIA DE SAÚDE DO ESTADO DO PARANÁ. Protocolo clínico para dispensação de análogos de insulina para pacientes com diabetes mellitus tipo 1 na rede pública de saúde do Paraná. Disponível em <http://www.saude.pr.gov.br/arquivos/file/cib/del2009/anexo_del055.pdf>. Acesso em 29 ago ANDERSON J. H. Jr.; BRUNELLE, R. L.; KOIVISTO, V. A.; PFUTZNER, A.; TRAUTMANN, M. E.; VIGNATI, L.; et al. Reduction of postprandial hyperglycemia and frequency of hypoglycemia in IDDM patients on insulin-analog treatment. Multicenter Insulin Lispro Study Group. Diabetes 1997;46(2): JACOBS, M. A.; KEULEN, E.T.; KANC, K.; CASTELEIJN, S.; SCHEFFER, P.; DEVILLE, W.; et al. Metabolic efficacy of preprandial administration of Lys(B28), Pro(B29) human insulin analog in IDDM patients. A comparison with human regular insulin during a threemeal test period. Diabetes Care 1997;20(8): TORLONE, E.; PAMPANELLI, S.; LALLI, C.; DEL SINDACO, P.; Di VINCENZO, A.; RAMBOTTI, A. M.; et al. Effects of the short-acting insulin analog [Lys(B28),Pro(B29)] on postprandial blood glucose control in IDDM. Diabetes Care 1996;19(9): Cases MM, Gamisans MR, Llach XB, Villar FA, Alcazar JR. Effect of type-2 diabetes mellitus on the quality of life of patients treated at primary care consultations in Spain. AtenPrimaria 2003;31( ). 9. Redekop W, Koopmanschap M, Stolk R, Rutten G, Wolffenbuttel B, Niessen L. Health-related quality of life and treatment satisfaction in Dutch patients with type 2 diabetes. Diabetes Care 2002;25: Group U. Quality of life in type 2 diabetic patients is affected by complications but not by intensive policies to improve blood glucose or blood pressure control (UKPDS 37) U.K. Prospective Diabetes Study Group. Diabetes Care 1999;22( ). 11. Coffey J, Brandle M, Zhou H, al e. Valuing health-related quality of life in diabetes. Diabetes Care 2002;25:

Diabetes Mellitus: Insulinoterapia

Diabetes Mellitus: Insulinoterapia Diabetes Mellitus: Insulinoterapia Elaboração Final: 11 de abril de 2005 Participante: Hissa MN Autoria: Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia O Projeto Diretrizes, iniciativa conjunta da

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DAS REGIÕES DE SAÚDE DIR-XIV-MARÍLIA

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DAS REGIÕES DE SAÚDE DIR-XIV-MARÍLIA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DAS REGIÕES DE SAÚDE DIR-XIV-MARÍLIA Protocolo de normatização para a dispensação de análogos de insulina de longa duração (insulina glargina e detemir) e de

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Diabetes mellitus. Aconselhamento. Glicemia.

PALAVRAS-CHAVE Diabetes mellitus. Aconselhamento. Glicemia. ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA 1 A PARTICIPAÇÃO DE ACADÊMICOS DO CURSO DE

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 76, DE 07 DE OUTUBRO DE 2013.

PROJETO DE LEI Nº 76, DE 07 DE OUTUBRO DE 2013. PROJETO DE LEI Nº 76, DE 07 DE OUTUBRO DE 2013. Regulamenta a concessão de insumos e monitoramento da Glicemia Capilar aos portadores de Diabetes Mellitus (DM) Art. 1.º Fica aprovada concessão de insumos

Leia mais

TIPOS: Diabetes tipo 1 Diabetes tipo 2 Diabetes secundária Diabetes gestacional

TIPOS: Diabetes tipo 1 Diabetes tipo 2 Diabetes secundária Diabetes gestacional INSULINOTERAPIA DIABETES MELLITUS: conjunto de síndromes metabólicas que cursam com hiperglicemia, decorrente de uma deficiência absoluta ou relativa de insulina. Alteração no metab do carboidrato, lipídios

Leia mais

PALAVRAS CHAVE Diabetes mellitus tipo 2, IMC. Obesidade. Hemoglobina glicada.

PALAVRAS CHAVE Diabetes mellitus tipo 2, IMC. Obesidade. Hemoglobina glicada. 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA AVALIAÇÃO

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Diabetes mellitus. Insulina. Acompanhamento farmacoterapêutico.

PALAVRAS-CHAVE Diabetes mellitus. Insulina. Acompanhamento farmacoterapêutico. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

TEMA: Uso de Insulina Humalog ou Novorapid (aspart) ou Apidra (glulisina) no tratamento do diabetes mellitus

TEMA: Uso de Insulina Humalog ou Novorapid (aspart) ou Apidra (glulisina) no tratamento do diabetes mellitus NT 140/2014 Solicitante: Dr. Rodrigo Braga Ramos Juiz de Direito de Itamarandiba NUMERAÇÃO: 0325.14.000677-7 Data: 17/07/2014 Medicamento X Material Procedimento Cobertura TEMA: Uso de Insulina Humalog

Leia mais

ESTADO DO PARANÁ Secretaria de Estado da Saúde SESA Instituto de Saúde do Paraná ISEP Centro de Medicamentos do Paraná - CEMEPAR

ESTADO DO PARANÁ Secretaria de Estado da Saúde SESA Instituto de Saúde do Paraná ISEP Centro de Medicamentos do Paraná - CEMEPAR PROTOCOLO CLÍNICO PARA DISPENSAÇÃO DE ANÁLOGOS DE INSULINAS DE LONGA DURAÇÃO (GLARGINA E LEVEMIR) E DE CURTA DURAÇÃO (ASPART E LISPRO) PARA ATENDIMENTO DO PACIENTE COM DIABETES MELLITUS TIPO 1 NA REDE

Leia mais

Insulinização. http://www.imepen.com/niepen. Niepen Programa de Educação Continuada Educação Continuada para APS. Dra Carla Lanna Dra Christiane Leite

Insulinização. http://www.imepen.com/niepen. Niepen Programa de Educação Continuada Educação Continuada para APS. Dra Carla Lanna Dra Christiane Leite Insulinização http://www.imepen.com/niepen Niepen Programa de Educação Continuada Educação Continuada para APS Dra Carla Lanna Dra Christiane Leite CONTROLE GLICÊMICO NO BRASIL: Mendes AB, et al. Acta

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE CRUTAC. Diabetes mellitus. Exames Laboratoriais. Extensão.

PALAVRAS-CHAVE CRUTAC. Diabetes mellitus. Exames Laboratoriais. Extensão. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA AUTOCUIDADO

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 381 /2014 Informações sobre:galvus,pioglit ediamicron

RESPOSTA RÁPIDA 381 /2014 Informações sobre:galvus,pioglit ediamicron RESPOSTA RÁPIDA 381 /2014 Informações sobre:galvus,pioglit ediamicron SOLICITANTE Dr. Emerson de Oliveira Corrêa Juiz de Direito de Candeias NÚMERO DO PROCESSO Autos nº 0008919-81.2014.813.0120 DATA 16/07/2014

Leia mais

O Diagnóstico, seguimento e tratamento de todas estas complicações causam um enorme fardo econômico ao sistema de saúde.

O Diagnóstico, seguimento e tratamento de todas estas complicações causam um enorme fardo econômico ao sistema de saúde. HEMOGLOBINA GLICADA AbA1c A prevalência do diabetes tem atingido, nos últimos anos, níveis de uma verdadeira epidemia mundial. Em 1994, a população mundial de diabéticos era de 110,4 milhões. Para 2010

Leia mais

CORRELAÇÃO DA INSUFICIÊNCIA RENAL E ANEMIA EM PACIENTES NORMOGLICEMICOS E HIPERGLICEMICOS EM UM LABORATÓRIO DA CIDADE DE JUAZEIRO DO NORTE, CE

CORRELAÇÃO DA INSUFICIÊNCIA RENAL E ANEMIA EM PACIENTES NORMOGLICEMICOS E HIPERGLICEMICOS EM UM LABORATÓRIO DA CIDADE DE JUAZEIRO DO NORTE, CE CORRELAÇÃO DA INSUFICIÊNCIA RENAL E ANEMIA EM PACIENTES NORMOGLICEMICOS E HIPERGLICEMICOS EM UM LABORATÓRIO DA CIDADE DE JUAZEIRO DO NORTE, CE Janaína Esmeraldo Rocha, Faculdade Leão Sampaio, janainaesmeraldo@gmail.com

Leia mais

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 50 /2015 - CESAU Salvador, 23 de março de 2015 Objeto: Parecer. Promotoria de Justiça GESAU / Dispensação de medicamentos. REFERÊNCIA: Promotoria de Justiça de Conceição do Coité/

Leia mais

Sedentarismo, tratamento farmacológico e circunferência abdominal no controle glicêmico de diabéticos tipo 2 em Ponta Grossa.

Sedentarismo, tratamento farmacológico e circunferência abdominal no controle glicêmico de diabéticos tipo 2 em Ponta Grossa. 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE

Leia mais

Insulina glargina (Lantus ) para tratamento de diabetes + fitas de glicosímetro

Insulina glargina (Lantus ) para tratamento de diabetes + fitas de glicosímetro 27/06/2014 NT 120/2014 Medicamento Material Procedimento Cobertura X Insulina glargina (Lantus ) para tratamento de diabetes + fitas de glicosímetro SOLICITANTE : Dra Herilene de Oliveira Andrade Juíza

Leia mais

Orientadora, Docente do Curso de Nutrição do Centro Universitário Franciscano (UNIFRA), Santa Maria, RS.

Orientadora, Docente do Curso de Nutrição do Centro Universitário Franciscano (UNIFRA), Santa Maria, RS. ATUAÇÃO INTERDISCIPLINAR PARA PACIENTES COM DIABETES NA ATENÇÃO BASICA UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA 1 BOEIRA, Giana 2 ; CADÓ, Thaís 3 ; FRIGO, Letícia 4 ; MANFIO, Francieli 5 ; MATTOS, Karen 6 ; PIAIA, Eveline

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Hipertensão. Diabetes mellitus. Obesidade abdominal.

PALAVRAS-CHAVE Hipertensão. Diabetes mellitus. Obesidade abdominal. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA 1 ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE (X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA PET-Saúde

Leia mais

Diabetes Mellitus: Prevenção

Diabetes Mellitus: Prevenção Diabetes Mellitus: Prevenção Autoria: Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia Elaboração Final: 21 de outubro de 2006 Participantes: Lima JG, Nóbrega LHC, Lima G, Mendonça RP O Projeto Diretrizes,

Leia mais

PERFIL MEDICAMENTOSO DE SERVIDORES HIPERTENSOS DA UEPG

PERFIL MEDICAMENTOSO DE SERVIDORES HIPERTENSOS DA UEPG 8. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: SAÚDE PERFIL MEDICAMENTOSO DE SERVIDORES HIPERTENSOS DA UEPG HEDLER, Priscila 1 HALILA, Gerusa Clazer 2 MADALOZZO, Josiane Cristine Bachmann

Leia mais

Tratamento de diabetes: insulina e anti-diabéticos. Profa. Dra. Fernanda Datti

Tratamento de diabetes: insulina e anti-diabéticos. Profa. Dra. Fernanda Datti Tratamento de diabetes: insulina e anti-diabéticos Profa. Dra. Fernanda Datti Pâncreas Ilhotas de Langerhans células beta insulina células alfa glucagon células gama somatostatina regulação das atividades

Leia mais

VOCÊ CUIDA DO SEU DIABETES, A GENTE CUIDA DE VOCÊ.

VOCÊ CUIDA DO SEU DIABETES, A GENTE CUIDA DE VOCÊ. Referências bibliográficas: 1. Sociedade Brasileira de Diabetes. Algoritmo para o tratamento do diabetes tipo 2 atualização 2011. Posicionamento Oficial SBD no. 3. São Paulo: SBD; 2011. 2. Sociedade Brasileira

Leia mais

OS 5 PASSOS QUE MELHORAM ATÉ 80% OS RESULTADOS NO CONTROLE DO DIABETES. Mônica Amaral Lenzi Farmacêutica Educadora em Diabetes

OS 5 PASSOS QUE MELHORAM ATÉ 80% OS RESULTADOS NO CONTROLE DO DIABETES. Mônica Amaral Lenzi Farmacêutica Educadora em Diabetes OS 5 PASSOS QUE MELHORAM ATÉ 80% OS RESULTADOS NO CONTROLE DO DIABETES Mônica Amaral Lenzi Farmacêutica Educadora em Diabetes TER DIABETES NÃO É O FIM... É o início de uma vida mais saudável, com alimentação

Leia mais

Estudo mostra que LANTUS ajudou pacientes com Diabetes Tipo 2 a atingirem a meta recomendada pela ADA para o controle de açúcar no sangue

Estudo mostra que LANTUS ajudou pacientes com Diabetes Tipo 2 a atingirem a meta recomendada pela ADA para o controle de açúcar no sangue Paris, 07 de junho, de 2008 Estudo mostra que LANTUS ajudou pacientes com Diabetes Tipo 2 a atingirem a meta recomendada pela ADA para o controle de açúcar no sangue Novos dados apresentados na Annual

Leia mais

AVALIAÇÃO DA DISLIPIDEMIA EM PACIENTES COM DIABETES MELLITUS TIPO 2

AVALIAÇÃO DA DISLIPIDEMIA EM PACIENTES COM DIABETES MELLITUS TIPO 2 AVALIAÇÃO DA DISLIPIDEMIA EM PACIENTES COM DIABETES MELLITUS TIPO 2 MARINA SOUSA PINHEIRO MOTA ALUÍSIO DE MOURA FERREIRA MARIA DE FÁTIMA RAMOS DE QUEIROZ MARIA DO SOCORRO RAMOS DE QUEIROZ DANIELE IDALINO

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 219/2014 Insulina Glargina (Lantus ) e tiras reagentes

RESPOSTA RÁPIDA 219/2014 Insulina Glargina (Lantus ) e tiras reagentes RESPOSTA RÁPIDA 219/2014 Insulina Glargina (Lantus ) e tiras reagentes SOLICITANTE NÚMERO DO PROCESSO DATA SOLICITAÇÃO Dra. Herilene de Oliveira Andrade Juiza de Direito da Comarca de Itapecirica/MG Autos

Leia mais

11º Curso Pós-Graduado NEDO 2010 Endocrinologia Clínica Diabetes. Diabetes: avaliação da evolução e do tratamento

11º Curso Pós-Graduado NEDO 2010 Endocrinologia Clínica Diabetes. Diabetes: avaliação da evolução e do tratamento 11º Curso Pós-Graduado NEDO 2010 Endocrinologia Clínica Diabetes Diabetes: avaliação da evolução e do tratamento Zulmira Jorge Serviço Endocrinologia Diabetes e Metabolismo. H. Santa Maria NEDO - Núcleo

Leia mais

PROTOCOLO PARA ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA AOS PORTADORES DE DIABETES

PROTOCOLO PARA ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA AOS PORTADORES DE DIABETES ESTADO DE ALAGOAS PREFEITURA MUNICIPAL DE MACEIÓ SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DIRETORIA DE ATENÇÃO À SAÚDE COORDENAÇÃO DE FARMÁCIA E BIOQUÍMICA PROTOCOLO PARA ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA AOS PORTADORES DE

Leia mais

Diabetes mellitus em felinos Ricardo Duarte www.hospitalveterinariopompeia.com.br

Diabetes mellitus em felinos Ricardo Duarte www.hospitalveterinariopompeia.com.br Diabetes mellitus em felinos Ricardo Duarte www.hospitalveterinariopompeia.com.br Síndrome que abrange uma série de doenças de etiologia diferente e clinicamente heterogêneas, que se caracterizam pela

Leia mais

06/05/2012. Ausência das manifestações clínicas da doença, apesar da suspensão do tratamento Possibilidade de recidiva Remissão cura (?

06/05/2012. Ausência das manifestações clínicas da doença, apesar da suspensão do tratamento Possibilidade de recidiva Remissão cura (? Prof. Dr. Ricardo Duarte Ausência das manifestações clínicas da doença, apesar da suspensão do tratamento Possibilidade de recidiva Remissão cura (?) Etiologia multifatorial 80% diabetes tipo 2 em seres

Leia mais

Tópicos da Aula. Classificação CHO. Processo de Digestão 24/09/2012. Locais de estoque de CHO. Nível de concentração de glicose no sangue

Tópicos da Aula. Classificação CHO. Processo de Digestão 24/09/2012. Locais de estoque de CHO. Nível de concentração de glicose no sangue Universidade Estadual Paulista DIABETES E EXERCÍCIO FÍSICO Profª Dnda Camila Buonani da Silva Disciplina: Atividade Física e Saúde Tópicos da Aula 1. Carboidrato como fonte de energia 2. Papel da insulina

Leia mais

O EXERCÍCIO CIO COMO TERAPIA NO DIABETES MELLITUS

O EXERCÍCIO CIO COMO TERAPIA NO DIABETES MELLITUS O EXERCÍCIO CIO COMO TERAPIA NO DIABETES MELLITUS UNIFESP Prof. William R. Komatsu FLEURY / UNIFESP Diabetes e seu tratamento Objetivos A tríade ade fundamental Diabetes e seu tratamento Objetivos A tríade

Leia mais

Prefeitura Municipal de Campo Grande MS Secretaria Municipal de Saúde - SESAU PROGRAMA DE AUTOMONITORAMENTO GLICÊMICO

Prefeitura Municipal de Campo Grande MS Secretaria Municipal de Saúde - SESAU PROGRAMA DE AUTOMONITORAMENTO GLICÊMICO Prefeitura Municipal de Campo Grande MS Secretaria Municipal de Saúde - SESAU PROGRAMA DE AUTOMONITORAMENTO GLICÊMICO Protocolo de dispensação de insumos para pacientes com Diabetes Mellitus insulinodependentes

Leia mais

AVALIAÇÃO DO PERFIL GLICÊMICO EM INDIVÍDUOS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL APRESENTANDO OU NÃO SÍNDROME DE DOWN

AVALIAÇÃO DO PERFIL GLICÊMICO EM INDIVÍDUOS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL APRESENTANDO OU NÃO SÍNDROME DE DOWN 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA AVALIAÇÃO

Leia mais

revisão Adolpho Milech Antônio R. Chacra Marcia J. Kayath RESUMO ABSTRACT

revisão Adolpho Milech Antônio R. Chacra Marcia J. Kayath RESUMO ABSTRACT Revisão da Hiperglicemia Pós-Prandial e a Hipoglicemia no Controle do Diabetes Mellitus O Papel da Insulina Lispro e Suas Pré-Misturas nos Picos e Vales revisão RESUMO A correção da hiperglicemia pós-prandial

Leia mais

Consulta de Enfermagem para Pessoas com Hipertensão Arterial Sistêmica. Ms. Enf. Sandra R. S. Ferreira

Consulta de Enfermagem para Pessoas com Hipertensão Arterial Sistêmica. Ms. Enf. Sandra R. S. Ferreira Consulta de Enfermagem para Pessoas com Hipertensão Arterial Sistêmica Ms. Enf. Sandra R. S. Ferreira O QUE É HIPERTENSÃO ARTERIAL? Condição clínica multifatorial caracterizada por níveis elevados e sustentados

Leia mais

A INTERDISCIPLINARIDADE NO CUIDADO DO USUÁRIO PORTADOR DE DIABETES MELLITUS 1 INTERDISCIPLINARITY IN THE CARE OF THE MELLITUS DIABETES BEARER

A INTERDISCIPLINARIDADE NO CUIDADO DO USUÁRIO PORTADOR DE DIABETES MELLITUS 1 INTERDISCIPLINARITY IN THE CARE OF THE MELLITUS DIABETES BEARER Disc. Scientia. Série: Ciências da Saúde, Santa Maria, v. 11, n. 1, p. 37-44, 2010. 37 ISSN 21773335 A INTERDISCIPLINARIDADE NO CUIDADO DO USUÁRIO PORTADOR DE DIABETES MELLITUS 1 INTERDISCIPLINARITY IN

Leia mais

importância da Associação Tubaronense de Diabete Infanto-Juvenil no perfil dos pacientes com Diabete Melito Tipo 1

importância da Associação Tubaronense de Diabete Infanto-Juvenil no perfil dos pacientes com Diabete Melito Tipo 1 1806-4280/07/36-04/81 Arquivos Catarinenses de Medicina Arquivos Catarinenses de Medicina Vol. 37, n o. 4, de 2008 81 ARTIGO ORIGINAL Importância da Associação Tubaronense de Diabete Infanto-juvenil no

Leia mais

Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes

Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes Uma vida normal com diabetes Obesidade, histórico familiar e sedentarismo são alguns dos principais fatores

Leia mais

EDUCAÇÃO EM SAÚDE AOS AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE SOBRE DIABETES TIPO I E A PRÉ-DIABETES COM ÊNFASE NA JUVENTUDE

EDUCAÇÃO EM SAÚDE AOS AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE SOBRE DIABETES TIPO I E A PRÉ-DIABETES COM ÊNFASE NA JUVENTUDE EDUCAÇÃO EM SAÚDE AOS AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE SOBRE DIABETES TIPO I E A PRÉ-DIABETES COM ÊNFASE NA JUVENTUDE Morais, Bruna Lais Alcará¹; Martins, Luz Marina Pinto² ¹ Estudante do Curso de Enfermagem

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Prof. Claudia Witzel

DIABETES MELLITUS. Prof. Claudia Witzel DIABETES MELLITUS Diabetes mellitus Definição Aumento dos níveis de glicose no sangue, e diminuição da capacidade corpórea em responder à insulina e ou uma diminuição ou ausência de insulina produzida

Leia mais

24 de Outubro 5ª feira insulinoterapia Curso Prático Televoter

24 de Outubro 5ª feira insulinoterapia Curso Prático Televoter 2013 Norte 24 de Outubro 5ª feira insulinoterapia Curso Prático Televoter António Pedro Machado Simões-Pereira Descoberta da insulina Insulina protamina Insulina lenta Lispro - análogo de acção curta Glulisina

Leia mais

13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1

13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1 13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE (X ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Diabetes mellitus tipo 2. Qualidade de vida. Questionário Diabetes Quality of Life Measure (DQOL).

PALAVRAS-CHAVE Diabetes mellitus tipo 2. Qualidade de vida. Questionário Diabetes Quality of Life Measure (DQOL). 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA EDUCAÇÃO

Leia mais

2014. CCATES. Leonardo Maurício Diniz Faculdade de Medicina/ UFMG. Juliana de Oliveira Costa CCATES/UFMG. Lívia Lovato Pires de Lemos CCATES/UFMG

2014. CCATES. Leonardo Maurício Diniz Faculdade de Medicina/ UFMG. Juliana de Oliveira Costa CCATES/UFMG. Lívia Lovato Pires de Lemos CCATES/UFMG 2014. CCATES. É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que citada a fonte e que não seja para venda ou qualquer fim comercial. A responsabilidade pelos direitos autorais de textos e

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Curso de semiologia em Clínica Médica II

DIABETES MELLITUS. Curso de semiologia em Clínica Médica II DIABETES MELLITUS Curso de semiologia em Clínica Médica II Prof. Luiz Shiguero Matsubara Departamento de Clínica Médica, Faculdade de Medicina de Botucatu, u, UNESP 2008 DIABETES MELLITUS Síndrome clínica

Leia mais

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS PACIENTES CADASTRADOS NO SISTEMA HIPERDIA DO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA, RS

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS PACIENTES CADASTRADOS NO SISTEMA HIPERDIA DO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA, RS PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS PACIENTES CADASTRADOS NO SISTEMA HIPERDIA DO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA, RS Michele Muller 1 Gabriele Bester Hermes 2 Liziane Maahs Flores 3 1 Apresentadora, Acadêmica do Curso

Leia mais

O QUE SABE SOBRE A DIABETES?

O QUE SABE SOBRE A DIABETES? O QUE SABE SOBRE A DIABETES? 11 A 26 DE NOVEMBRO DE 2008 EXPOSIÇÃO PROMOVIDA PELO SERVIÇO DE MEDICINA INTERNA DO HOSPITAL DE NOSSA SENHORA DO ROSÁRIO, EPE DIABETES MELLITUS É uma doença grave? Estou em

Leia mais

Teste seus conhecimentos: Caça-Palavras

Teste seus conhecimentos: Caça-Palavras Teste seus conhecimentos: Caça-Palavras Batizada pelos médicos de diabetes mellitus, a doença ocorre quando há um aumento do açúcar no sangue. Dependendo dos motivos desse disparo, pode ser de dois tipos.

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 387/2013

RESPOSTA RÁPIDA 387/2013 RESPOSTA RÁPIDA 387/2013 SOLICITANTE NÚMERO DO PROCESSO Juíza de Direito em Substituição Comarca de Cláudio MG 0022220-88-2013 (0166.13.002222-0) DATA 27/11/2013 SOLICITAÇÃO Solicitação de: Insulina Glargina

Leia mais

ANÁLISE DO PERFIL GLICÍCIDO DE IDOSOS ATENDIDOS NO CENTRO DE HEMATOLOOGIA E LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS-LTDA

ANÁLISE DO PERFIL GLICÍCIDO DE IDOSOS ATENDIDOS NO CENTRO DE HEMATOLOOGIA E LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS-LTDA ANÁLISE DO PERFIL GLICÍCIDO DE IDOSOS ATENDIDOS NO CENTRO DE HEMATOLOOGIA E LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS-LTDA Sarah Pereira Lins 1 ; Heronides dos Santos Pereira 2 ; Lucas Linhares Lócio 3 ; Diego

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções)

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE (X) SAÚDE

Leia mais

Ministério da Saúde Consultoria Jurídica/Advocacia Geral da União

Ministério da Saúde Consultoria Jurídica/Advocacia Geral da União Nota Técnica N 28/ 2012 Brasília, maio de 2012. Princípio Ativo: insulina lispro. Nomes Comerciais 1 : Humalog. Medicamento de Referência: Humalog. Sumário 1. O que é a insulina lispro?... 2 2. O medicamento

Leia mais

- Grupo de Apoio e Educação em Diabetes

- Grupo de Apoio e Educação em Diabetes DIABETES O que é Diabetes mellitus é uma doença crônica resultante do desequilíbrio entre a secreção e a sensibilidade à insulina. A classificação tradicional segrega as condições hiperglicêmicas nos seguintes

Leia mais

AÇÃO DE FORMAÇÃO PREVENÇÃO E CONTROLO DE DIABETES

AÇÃO DE FORMAÇÃO PREVENÇÃO E CONTROLO DE DIABETES AÇÃO DE FORMAÇÃO PREVENÇÃO E CONTROLO DE DIABETES MÓDULO I - DIABETES MELLITUS: a dimensão do problema Atualizar conhecimentos na área da diabetes; Sensibilizar para as medidas de prevenção; Adquirir competências

Leia mais

PROJETO DE RESOLUÇÃO N.º 197/XIII/1.ª

PROJETO DE RESOLUÇÃO N.º 197/XIII/1.ª b Grupo Parlamentar PROJETO DE RESOLUÇÃO N.º 197/XIII/1.ª RECOMENDA AO GOVERNO A DISPONIBILIZAÇÃO DE TERAPÊUTICA COM SISTEMA DE PERFUSÃO CONTÍNUA DE INSULINA (SPCI) A TODAS AS CRIANÇAS COM DIABETES ATÉ

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ HOSPITAL DE CLÍNICAS DEPARTAMENTO DE PEDIATRIA UNIDADE DE ENDOCRINOLOGIA PEDIÁTRICA ELLEN CRISTINE LANGE DE LARA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ HOSPITAL DE CLÍNICAS DEPARTAMENTO DE PEDIATRIA UNIDADE DE ENDOCRINOLOGIA PEDIÁTRICA ELLEN CRISTINE LANGE DE LARA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ HOSPITAL DE CLÍNICAS DEPARTAMENTO DE PEDIATRIA UNIDADE DE ENDOCRINOLOGIA PEDIÁTRICA ELLEN CRISTINE LANGE DE LARA AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DA MUDANÇA DO ESQUEMA TERAPÊUTICO EM

Leia mais

Seminário Participação Social Diabetes e Hipertensão

Seminário Participação Social Diabetes e Hipertensão Seminário Participação Social Diabetes e Hipertensão Relatório Final Data: 29 de novembro de 2008 Período: 8h30 às 12h30 Local: Hotel Saint Peter SHS Quadra 2 bloco D Asa SUL - DF Proposta do Seminário:

Leia mais

13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1

13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE

Leia mais

REMÉDIO EM CASA MEDICAMENTO DIRETO EM CASA

REMÉDIO EM CASA MEDICAMENTO DIRETO EM CASA Supervisão Técnica de Saúde de Parelheiros REMÉDIO EM CASA MEDICAMENTO DIRETO EM CASA Álbum Seriado REMÉDIO EM CASA O que é o Programa Remédio em Casa? O Programa Remédio em Casa consiste na entrega, via

Leia mais

Protocolo para controle glicêmico em paciente não crítico HCFMUSP

Protocolo para controle glicêmico em paciente não crítico HCFMUSP Protocolo para controle glicêmico em paciente não crítico HCFMUSP OBJETIVOS DE TRATAMENTO: Alvos glicêmicos: -Pré prandial: entre 100 e 140mg/dL -Pós prandial: < 180mg/dL -Evitar hipoglicemia Este protocolo

Leia mais

- E S T U D O D E C A S O -

- E S T U D O D E C A S O - - E S T U D O D E C A S O - Perfil glicêmico comparativo entre a insulina N versus a insulina glargina analisado através do sistema de monitorização contínua da glicemia (CGSM) no diabetes mellitus tipo1

Leia mais

Profa. Dra. Maria Cristina Foss-Freitas Departamento de Clínica Médica Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto

Profa. Dra. Maria Cristina Foss-Freitas Departamento de Clínica Médica Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto Profa. Dra. Maria Cristina Foss-Freitas Departamento de Clínica Médica Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto DM - Diagnóstico ADA - 2003 Normal Gj Alterada DM 100 126 OMS GTT oral - 75 g Intolerância

Leia mais

ATENÇÃO FARMACÊUTICA AO PACIENTE IDOSO

ATENÇÃO FARMACÊUTICA AO PACIENTE IDOSO ATENÇÃO FARMACÊUTICA AO PACIENTE IDOSO Vivian Machado Fidêncio, Acadêmica do 5º ano do curso de Farmácia Fabiane Yuri Yamacita Docente do curso de Farmácia Introdução O modelo de prática profissional entendida

Leia mais

Suplemento Especial nº 4-2007. POSICIONAMENTO nº 4. Novas diretrizes da SBD para o controle glicêmico do diabetes tipo 2

Suplemento Especial nº 4-2007. POSICIONAMENTO nº 4. Novas diretrizes da SBD para o controle glicêmico do diabetes tipo 2 Suplemento Especial nº 4-2007 POSICIONAMENTO nº 4 Novas diretrizes da SBD para o controle glicêmico do diabetes tipo 2 NOVAS DIRETRIZES DA SBD PARA O CONTROLE GLICÊMICO DO DIABETES TIPO 2 Posicionamento

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS

DIABETES MELLITUS. Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS DIABETES MELLITUS Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS Segundo a Organização Mundial da Saúde, existem atualmente cerca de 171 milhões de indivíduos diabéticos no mundo.

Leia mais

PROTOCOLO CLÍNICO PARA DISPENSAÇÃO DE ANÁLOGOS DE INSULINA PARA PACIENTES COM DIABETES MELLITUS TIPO 1 NA REDE PÚBLICA DE SAÚDE DO PARANÁ

PROTOCOLO CLÍNICO PARA DISPENSAÇÃO DE ANÁLOGOS DE INSULINA PARA PACIENTES COM DIABETES MELLITUS TIPO 1 NA REDE PÚBLICA DE SAÚDE DO PARANÁ PROTOCOLO CLÍNICO PARA DISPENSAÇÃO DE ANÁLOGOS DE INSULINA PARA PACIENTES COM DIABETES MELLITUS TIPO 1 NA REDE PÚBLICA DE SAÚDE DO PARANÁ i SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE Dr. Gilberto Berguio Martin DIRETORIA

Leia mais

AS MODERNAS INSULINAS

AS MODERNAS INSULINAS AS MODERNAS INSULINAS II Congresso para Diabéticos promovido pela Aliança de Atenção ao Diabetes do Rio de Janeiro - Foto molecular da insulina humana - Izidoro de Hiroki Flumignan - médico endocrinologista

Leia mais

Diabetes mellituséuma doença metabólica caracterizada por um aumento anormal do açúcar ou glicose no sangue QUEM DA MAIS?...

Diabetes mellituséuma doença metabólica caracterizada por um aumento anormal do açúcar ou glicose no sangue QUEM DA MAIS?... Diabetes mellituséuma doença metabólica caracterizada por um aumento anormal do açúcar ou glicose no sangue QUEM DA MAIS?... Nathan et al. (2005) American Diabetes Association, (2005) 12% da população

Leia mais

HIPERTENSÃO E DIABETES: UM ESTUDO DE CASO CLÍNICO¹

HIPERTENSÃO E DIABETES: UM ESTUDO DE CASO CLÍNICO¹ HIPERTENSÃO E DIABETES: UM ESTUDO DE CASO CLÍNICO¹ SILVEIRA, Lauren²; RODRIGUES, Andressa²; GOULART, Márcia²; FAGUNDES, Pâmela²; SCHMITT, Raquel²; LIMBERGER, Jane Beatriz³. 1 Trabalho de Pesquisa _UNIFRA

Leia mais

RESPOSTARÁPIDA 36/2014 GALVUS MET, PIOTAZ, CANDESARTAN, LEVOID, ROSTATIN

RESPOSTARÁPIDA 36/2014 GALVUS MET, PIOTAZ, CANDESARTAN, LEVOID, ROSTATIN RESPOSTARÁPIDA 36/2014 GALVUS MET, PIOTAZ, CANDESARTAN, LEVOID, ROSTATIN SOLICITANTE Dra MARCILENE DA CONCEIÇÃO MIRANDA NÚMERODOPROCESSO 0166.14.000132-1 (0001321-35.2014.8.13.0166) DATA 31/01/2014 SOLICITAÇÃO

Leia mais

DIABETES E CIRURGIA ALVOS DO CONTROLE GLICÊMICO PERIOPERATÓRIO

DIABETES E CIRURGIA ALVOS DO CONTROLE GLICÊMICO PERIOPERATÓRIO DIABETES E CIRURGIA INTRODUÇÃO 25% dos diabéticos necessitarão de cirurgia em algum momento da sua vida Pacientes diabéticos possuem maiores complicações cardiovasculares Risco aumentado de infecções Controle

Leia mais

TERCEIRA TURMA RECURSAL JUIZADOS ESPECIAIS FEDERAIS SEÇÃO JUDICIÁRIA DO PARANÁ

TERCEIRA TURMA RECURSAL JUIZADOS ESPECIAIS FEDERAIS SEÇÃO JUDICIÁRIA DO PARANÁ Autos nº: 201070500120051 Recorrentes/Recorridos: União Federal, Estado do Paraná, Município de Curitiba e Ester Ulissea Klettenberg Relator: Juiz Federal Eduardo Appio V O T O 1. Trata-se de pedido de

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO. PROJETO DE LEI Nº 3.862, DE 1997 (Em apenso: PL nº 3.891/97)

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO. PROJETO DE LEI Nº 3.862, DE 1997 (Em apenso: PL nº 3.891/97) COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO PROJETO DE LEI Nº 3.862, DE 1997 (Em apenso: PL nº 3.891/97) Dispõe sobre prerrogativas aos portadores de diabetes mellitus. Autor: Deputado IVANDRO CUNHA

Leia mais

Programa de Educação Médica Continuada em Diabetes. Programa de Educação Continuada

Programa de Educação Médica Continuada em Diabetes. Programa de Educação Continuada Programa de Educação Continuada Diabetes Mellitus na Clínica Diária: 5 do controle dos fatores de risco à prevenção das complicações crônicas Bases para insulinização plena no paciente com Diabetes Mellitus

Leia mais

Pré diabetes. Diagnóstico e Tratamento

Pré diabetes. Diagnóstico e Tratamento Pré diabetes Diagnóstico e Tratamento Zulmira Jorge Assistente Hospitalar Endocrinologia do Hospital Santa Maria Endocrinologista do NEDO e do Hospital Cuf Infante Santo Diabetes Mellitus Diagnóstico PTGO

Leia mais

Utilização da Aveia x Índice Glicêmico

Utilização da Aveia x Índice Glicêmico Utilização da Aveia x Índice Glicêmico MURIELE MARQUES JOB; SAHRA BRENA DE OLIVEIRA LIBANIO RESUMO: O conceito de índice glicêmico pode ser considerado uma extensão da hipótese da fibra dietética, sugerindo

Leia mais

REVISÃO SOBRE ANÁLOGOS DE INSULINA:

REVISÃO SOBRE ANÁLOGOS DE INSULINA: 2011 REVISÃO SOBRE ANÁLOGOS DE INSULINA: INDICAÇÕES E RECOMENDAÇÕES PARA A DISPONIBILIZAÇÃO PELOS SERVIÇOS PÚBLICOS DE SAÚDE Posicionamento Oficial SBD nº 01/2011 Fevereiro de 2011 Índice - 3 - PREFÁCIO

Leia mais

O QUE POSSO FAZER PARA REDUZIR O RISCO DE COMPLICAÇÕES DECORRENTES DO DIABETES TIPO 1?

O QUE POSSO FAZER PARA REDUZIR O RISCO DE COMPLICAÇÕES DECORRENTES DO DIABETES TIPO 1? Christian Melhor controle com o uso de sua bomba desde 2012 O QUE POSSO FAZER PARA REDUZIR O RISCO DE COMPLICAÇÕES DECORRENTES DO DIABETES TIPO 1? Muitas pessoas com diabetes tipo 1 preocupam-se com as

Leia mais

VI CONGRESSO DE HIPERTENSÃO DA. HiperDia, desafios futuros e o que esperar?

VI CONGRESSO DE HIPERTENSÃO DA. HiperDia, desafios futuros e o que esperar? VI CONGRESSO DE HIPERTENSÃO DA SBC/DHA HiperDia, desafios futuros e o que esperar? MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Atenção a Saúde - SAS Departamento de Atenção Básica - DAB Coordenação Nacional de Hipertensão

Leia mais

Tratamento. Diabetes tipo 1. Dr. Mauro Scharf Pinto

Tratamento. Diabetes tipo 1. Dr. Mauro Scharf Pinto Diabetes - Diagnóstico e Tratamento Diabetes tipo 1 Maringá - Março o de 2010 Dr. Mauro Scharf Pinto Dr. Mauro Scharf Pinto Hospital Nossa Senhora das Graças Centro de Diabetes Curitiba Diretor científico

Leia mais

PROTOCOLO CLÍNICO PARA DISPENSAÇÃO DE INSUMOS PARA PACIENTES COM DIABETES MELLITUS TIPO 1 NA REDE PÚBLICA DE SAÚDE

PROTOCOLO CLÍNICO PARA DISPENSAÇÃO DE INSUMOS PARA PACIENTES COM DIABETES MELLITUS TIPO 1 NA REDE PÚBLICA DE SAÚDE PROTOCOLO CLÍNICO PARA DISPENSAÇÃO DE INSUMOS PARA PACIENTES COM DIABETES MELLITUS TIPO 1 NA REDE PÚBLICA DE SAÚDE SUMÁRIO I- Introdução II- Classificação III- Epidemiologia IV- Tratamento 4.1 Insulinas

Leia mais

Sessão Televoter Diabetes. Jácome de Castro Rosa Gallego Simões-Pereira

Sessão Televoter Diabetes. Jácome de Castro Rosa Gallego Simões-Pereira 2010 Sessão Televoter Diabetes Jácome de Castro Rosa Gallego Simões-Pereira Indivíduos com risco elevado para diabetes (Pré-diabetes) Alteração da glicémia em jejum (AGJ): Glicémia em jejum: entre 110

Leia mais

Pesquisa revela que um em cada 11 adultos no mundo tem diabetes

Pesquisa revela que um em cada 11 adultos no mundo tem diabetes Pesquisa revela que um em cada 11 adultos no mundo tem diabetes O Dia Mundial da Saúde é celebrado todo 7 de abril, e neste ano, o tema escolhido pela Organização Mundial da Saúde (OMS) para conscientização

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SANTA CATARINA

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SANTA CATARINA PARECER COREN/SC Nº 011/CT/2015 Assunto: solicitação de parecer técnico sobre a legalidade da realização de glicemia capilar (HGT) por parte do enfermeiro na rede de serviços de saúde ambulatoriais, pré-hospitalares

Leia mais

FÁRMACOS UTILIZADOS NO

FÁRMACOS UTILIZADOS NO UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ ÁREA DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE MEDICINA SAÚDE DO ADULTO E DO IDOSO IV FÁRMACOS UTILIZADOS NO TRATAMENTO DO DIABETES MELLITUS TRATAMENTO FARMACOLÓGICO DO

Leia mais

I SEMINÁRIO DE EXTENSÃO DA UCB

I SEMINÁRIO DE EXTENSÃO DA UCB I SEMINÁRIO DE EXTENSÃO DA UCB 29 de setembro, 09 e 10 de outubro de 2012 MODELO PARA APRESENTAÇÃO DO TRABALHO: Título do trabalho Perfil do paciente portador de Diabetes Mellitus tipo 2 atendidos no projeto

Leia mais

INSULINOTERAPIA. Aluna: Maria Eduarda Zanetti

INSULINOTERAPIA. Aluna: Maria Eduarda Zanetti INSULINOTERAPIA Aluna: Maria Eduarda Zanetti Descoberta da Insulina 1889, von Mering e Minkowski retiraram o pâncreas de um cão para entender como isso modificaria a digestão de gordura. Ao fazer a analise

Leia mais

ANÁLISE DA EFICÁCIA DO PROGRAMA HIPERDIA EM UMA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE: DA TEORIA A PRÁTICA

ANÁLISE DA EFICÁCIA DO PROGRAMA HIPERDIA EM UMA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE: DA TEORIA A PRÁTICA ANÁLISE DA EFICÁCIA DO PROGRAMA HIPERDIA EM UMA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE: DA TEORIA A PRÁTICA Costa 1, A. A. S., Soares 2, C. S., Pires 3, P. R. S., Moreira 4, A. G. E. ; Filipini 5, S. M. 1,2,3,4,5 Univap/Enfermagem,

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA /2014

RESPOSTA RÁPIDA /2014 RESPOSTA RÁPIDA /2014 SOLICITANTE Curvelo - Juizado Especial NÚMERO DO PROCESSO DATA 3/3/2014 SOLICITAÇÃO 0209 14001499-1 Solicito de Vossa Senhoria que, no prazo de 48 horas, informe a este juízo,acerca

Leia mais

Indicações de análogos de insulina de ação rápida e prolongada e de insulina inalável no tratamento do diabetes tipo 1 e tipo 2

Indicações de análogos de insulina de ação rápida e prolongada e de insulina inalável no tratamento do diabetes tipo 1 e tipo 2 POSICIONAMENTO nº 2 Indicações de análogos de insulina de ação rápida e prolongada e de insulina inalável no tratamento do diabetes tipo 1 e tipo 2 Indicações e Recomendações para a Disponibilização pelos

Leia mais

Fornecimento de análogo de insulina de ação ultrarrápida lispro pela Secretaria Municipal de Saúde de Belo Horizonte

Fornecimento de análogo de insulina de ação ultrarrápida lispro pela Secretaria Municipal de Saúde de Belo Horizonte NT 02/2016 Fornecimento de análogo de insulina de ação ultrarrápida lispro pela Secretaria Municipal de Saúde de Belo Horizonte Supply of ultra-fast acting insulin analog lispro by the Municipal Health

Leia mais

CONCEITO DE SAÚDE: VISÃO DE ALUNOS DO 4º CICLO DO ENSINO FUNDAMENTAL

CONCEITO DE SAÚDE: VISÃO DE ALUNOS DO 4º CICLO DO ENSINO FUNDAMENTAL CONCEITO DE SAÚDE: VISÃO DE ALUNOS DO 4º CICLO DO ENSINO FUNDAMENTAL BRANDÃO, Drausio Portela 1 ; SCHNEIDER, Camila 1 ; ROSA, Leandro Cesar Salbego 1 ; KRUG, Marília de Rosso 2. Palavras-Chaves: Saúde.

Leia mais

Plantão Jurídico: Diabetes em situações especiais. Estudo de casos.

Plantão Jurídico: Diabetes em situações especiais. Estudo de casos. Centro de Diabetes e Endocrinologia da Bahia - CEDEBA. Coordenação de Educação em Diabetes Mellitus. Plantão Jurídico: Diabetes em situações especiais. Estudo de casos. FACILITADORES: JULIA DE FÁTIMA COUTINHO

Leia mais

Aspectos farmacológicos da insulinoterapia no Diabetes Mellitus Tipo 1

Aspectos farmacológicos da insulinoterapia no Diabetes Mellitus Tipo 1 Aspectos farmacológicos da insulinoterapia no Diabetes Mellitus Tipo 1 Mariana de Oliveira Almeida* Aline Lúcia Menezes Ferrão* * Márcio Gilberto Zangeronimo*** RESUMO A diabetes mellitus é uma doença

Leia mais

TEMA: Sistema Integrado Inteligente de Infusão Contínua de Insulina ACCU-CHEK COMBO

TEMA: Sistema Integrado Inteligente de Infusão Contínua de Insulina ACCU-CHEK COMBO Nota Técnica Solicitante: Des. Vanessa Verdolim Hudson Andrade 1ª Câmara Cível TJMG Numeração Única: 1.0145.11.015633-1/001 Data: 06/12/2012 Medicamento X Material Procedimento Cobertura TEMA: Sistema

Leia mais