ESTUDO DE VIABILIDADE DA DISTRIBUIÇÃO PRÓPRIA EM UMA EMPRESA DE GALVANOPLASTIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTUDO DE VIABILIDADE DA DISTRIBUIÇÃO PRÓPRIA EM UMA EMPRESA DE GALVANOPLASTIA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI FELLIPE ORLANDI LENILSON FERREIRA DE FARIAS MURILO PASCHOALOTTI DE CAMPOS ESTUDO DE VIABILIDADE DA DISTRIBUIÇÃO PRÓPRIA EM UMA EMPRESA DE GALVANOPLASTIA SÃO PAULO 2011

2 ii FELLIPE ORLANDI LENILSON FERREIRA DE FARIAS MURILO PASCHOALOTTI DE CAMPOS ESTUDO DE VIABILIDADE DA DISTRIBUIÇÃO PRÓPRIA EM UMA EMPRESA DE GALVANOPLASTIA Trabalho de Conclusão de Curso apresentado como exigência parcial para a obtenção do título de Graduação do Curso de Bacharel em Engenharia de Produção da Universidade Anhembi Morumbi Orientador: Professor MSc. em Engª da Produção Hélio Pekelman SÃO PAULO 2011

3 iii FELLIPE ORLANDI LENILSON FERREIRA DE FARIAS MURILO PASCHOALOTTI DE CAMPOS ESTUDO DE VIABILIDADE DA DISTRIBUIÇÃO PRÓPRIA EM UMA EMPRESA DE GALVANOPLASTIA Trabalho de Conclusão de Curso apresentado como exigência parcial para a obtenção do título de Graduação do Curso de Bacharel em Engenharia de Produção da Universidade Anhembi Morumbi São Paulo em: de de Professor MSc. em Engª da Produção Hélio Pekelman. Professor da banca: Francisco Carlos Damante. Nome do Professor da banca: Comentários:

4 iv Dedicado à família e amigos que, juntos ou separados, são nossa base de apoio para chegarmos onde queremos; seja por crítica velada ou apoio incondicional.

5 v RESUMO Esta monografia apresenta um breve estudo da Logística de Distribuição de uma empresa de Galvanoplastia com base em dados empíricos de custos e serviços (dados de quando a empresa executava os serviços com frota própria), comparados com os dados de sua atual fornecedora de serviços (os mesmos recursos são usados hoje); descrevemos estes custos (que hoje geram dúvida na empresa sobre os benefícios financeiros conseguidos) e analisamos, do ponto de vista financeiro, se hoje, ter esses serviços executados pela empresa traria vantagens financeiras. Concluímos que não. Palavras Chave: Terceirização. Galvanoplastia. Transporte. Logística.

6 vi ABSTRACT This monograph presents a brief study of a logistics distribution of an Electroplating company based on empirical data of costs and services (data when the company ran its own fleet services), compared with data from their current service provider (the same resources are used today), we describe these costs (which now generate doubt in the company about the financial benefits achieved) and analyzed from the point of view, today, have these services performed by the company would bring financial benefits. We conclude not. Keywords: Outsourcing. Electroplating. Transportation. Logistics.

7 vii LISTA DE FIGURAS Figura 1 - Relação entre Logística, Gestão de Materiais e Distribuição Figura 2 - Gráfico Alocação de Despesas Figura 3 - Gráfico Transporte contratado X Real Figura 4 - Horas Extras do transporte Figura 5 - Relação de Gastos com frota... 23

8 viii LISTA DE TABELAS Tabela 1- Frota Própria Tabela 2 - Cálculo de Depreciações Tabela 3 - Valores Contratados Tabela 4 - Tabela de Horas Extras Tabela 5 - Relação de Gastos com frota... 22

9 ix LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS CLM Council of Logistics Management JIT Just in time Ltda. Limitada. PDCA Plan; Do; Check; Act p. Página. X - Versus CD Centro de Distribuição. ISO - International Organization for Standardization (Organização Internacional de Padronização). KTL Pintura Cataforética. RH Recursos Humanos. TI Tecnologia da Informação. R$ - Reais. % - Percentagem.

10 x SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO OBJETIVO Objetivo Geral Objetivos Específicos METODOLOGIA JUSTIFICATIVA REFERENCIAL TEÓRICO Histórico da Logística LOGÍSTICA Definições De Logística DISTRIBUIÇÃO ARMAZENAGEM TRANSPORTE Modal Rodoviário DISTRIBUIÇÃO Canais De Distribuição LOGÍSTICA, GESTÃO DE MATERIAIS E DISTRIBUIÇÃO DEFINIÇÃO DE ESTOQUE CARACTERIZAÇÃO DA EMPRESA... 13

11 xi 6.1 Caracterização Societária Ramos De Atividades E Áreas De Abrangência Política E Filosofia Empresarial Política Da Qualidade Objetivos Da Qualidade Missão Processos Chave Processos De Apoio Logística Conseqüências Negativas Da Terceirização Conseqüências Positivas Da Terceirização ESTUDO DE CASO GALVATS Caso 1 Frota Própria Caso 2 Frota Terceirizada ANÁLISE DOS RESULTADOS CONCLUSÕES RECOMENDAÇÕES REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS... 25

12 1 1 INTRODUÇÃO Avaliamos, dentro de Logística, se o método de Distribuição Logístico adotado pela empresa Galvats Galvanoplastia Ltda. é o mais adequado para suas condições atuais; a empresa, ainda não tem certeza de que fez a escolha certa terceirizando os serviços, apesar de reconhecer os inúmeros benefícios trazidos com a decisão. A dúvida em um mercado tão competitivo é: - hoje, a melhor opção (rentabilidade R$) é terceirizar a Logística de Distribuição?.- É possível prestar esse serviço, tendo conhecimento prévio dos serviços de terceiros e do histórico dos serviços que a empresa prestou, de forma mais eficiente que no passado? No passado, por considerar muitos problemas com a tratativa de frota própria, tanto em impostos como com reclamações de tráfego e a responsabilidade sobre a garantia da entrega do produto acabado na data agendada com o cliente, foi tomada a decisão de vender sua frota de caminhões e terceirizar os serviços. O que nos motiva, é avaliar as condições de hoje da empresa e os mecanismos desse mercado, apresentando uma proposta, se viável, que afete, positivamente, o lucro da empresa e que possa retornar em forma de investimento e/ou qualidade para o cliente final e meio ambiente. O grupo visitou a empresa e viu os caminhões que prestam os serviços hoje. Através do histórico avaliamos que a condição de fornecimento dos serviços quanto a recursos é a mesma e começamos a investigar a situação conforme fomos recebendo as informações e conversando com os envolvidos de ambas as empresas (Galvats e Terceira) Abrimos o trabalho mostrando um pouco da história logística, do sistema de armazenagem, falamos do modal utilizado pela empresa, foco do trabalho, mostramos um pouco sobre os canais de distribuição e estoques, caracterizamos a empresa em todos os seus pontos e apresentamos os estudos de caso onde vemos os custos do ponto de vista do fornecimento próprio e do fornecimento por terceiros, analisamos e concluímos a monografia.

13 2 2 OBJETIVO 2.1 Objetivo Geral pequeno e médio porte. Estudar a Logística de distribuição adotada por empresa de 2.2 Objetivos Específicos terceirizar sua frota. Estudar a Logística de Distribuição da Galvats com relação a

14 3 3 METODOLOGIA Buscamos os principais autores sobre Logística e filtramos todo o conteúdo pertinente a Logística de Distribuição; lembramos que por se tratar da avaliação benéfica de custos, separamos, tudo que se aplica as condições logísticas da empresa, em estudo, necessário a esse entendimento. Fizemos algumas visitas à empresa com o intuito de observarmos o método de trabalho e solicitamos cópia de alguns documentos pertinentes ao estudo, tanto do processo antigo, quanto do processo atual. Nessas visitas verificamos as condições do pátio de trabalho, acompanhamos a rotina de entrada e saída de produtos do estoque e também todo seu processo logístico. A empresa possuía frota própria, e para chegarmos a uma conclusão se foi ou não uma boa escolha terceirizar o transporte, estudamos os dados de como era esse processo antigamente, nesse ponto fizemos entrevistas com algumas pessoas que trabalhavam na época e os documentos das despesas (com caminhões, combustível e etc.) e fizemos o mesmo com a empresa que fornece os serviços hoje. A empresa terceirizada providenciou toda a documentação de controle de rotas e custos repassando a Galvats que nos disponibilizou a documentação. Fizemos as análises e concluímos, mostrando um comparativo dos custos, validando a escolha por parte da empresa e afastando a dúvida de que ela poderia ter se adequado a prestação desse serviço e estaria tendo melhor rentabilidade hoje, principal motivo da análise.

15 4 4 JUSTIFICATIVA Em um mercado cada dia mais competitivo, todos os processos de uma empresa são importantes para se estabilizar no mercado. A terceirização de certos processos libera espaço, reduz custos e transfere algumas dificuldades para outros parceiros, deixando que a empresa execute os serviços em que ela tem o know-how e são primordiais para que ela exista. O processo de entrega de produtos é uma das etapas fundamentais de todas as empresas, por esse motivo, mesmo tendo feito a terceirização dos serviços ficou a dúvida por parte da empresa: -fizemos a escolha certa ou teríamos condições de nos adequar a prestação de tais serviços e hoje maior vantagem competitiva? Acertamos na escolha ao terceirizarmos? Avaliamos sempre do ponto de vista de custos, e com a idéia de que a economia pode alavancar outras áreas, se a Logística de Distribuição adotada pela empresa é viável; se não for viável mostraremos como torná-la, se for, concluímos o trabalho.

16 5 5 REFERENCIAL TEÓRICO 5.1 Histórico da Logística Antigamente o processo de armazenamento era comprometido pela ausência de um sistema de logística e de produção; isso era um entrave para o desenvolvimento como cita Ballou (2001, p.19): Na Antiguidade, as mercadorias que as pessoas desejavam não eram produzidas onde elas gostariam de consumi-las ou não era acessíveis quando as desejavam. Alimentos e outros bens de consumo estavam amplamente dispersos e disponíveis em abundância apenas em certos períodos do ano. As pessoas tinham que consumir as mercadorias em imediatamente nos locais que as encontravam, ou precisavam transferi-las para um local de sua preferência e armazená-las para uso posterior. Fato esse se deve entre outros motivos pela ausência de eficiência produtiva e de logística e se repete ainda hoje continua Ballou (2001, p19): Mesmo hoje, em algumas áreas do mundo, o consumo e a produção estão em regiões geográficas muito limitadas. Exemplos impressionantes ainda podem ser observados em alguns países da Ásia e África, onde grande parte da população vive em aldeias, e a maioria do que necessitam é produzida em uma vizinhança próxima. Algumas mercadorias são trazidas de outras áreas. A eficiência produtiva e o padrão de vida são geralmente baixos nesse tipo de economia. O principal motivo para isso é a falta de sistemas logísticos bem desenvolvidos e baratos que possam encorajar uma troca de mercadorias com outras áreas produtivas do país. Quando o sistema logístico melhorou, o consumo e a produção começaram a separar-se geograficamente. As regiões se especializaram nas mercadorias que poderiam ser produzidas com mais eficiência. O excesso de produtos poderia ser transportado de forma econômica para outras áreas produtivas ou consumidoras, enquanto que os produtos necessários não fossem produzidos no local seriam importados. 5.2 LOGÍSTICA Logística é o conjunto de Planejamento, Operação e Controle do Fluxo de Materiais, Serviços, Mercadorias e integrando as funções desde a Produção até Entrega, a fim de assegurar vantagens competitivas na Cadeia de Suprimentos e a satisfação dos clientes. Segundo SMYKAY et al, 1961 apud FERREIRA,2007,p.5 :

17 6 Enquanto prática inconsciente, a Logística é pelo menos tão velha quanto o Homem. As suas manifestações mais visíveis prendem-se com o fluxo e o armazenamento de bens. Apesar de existirem testemunhos mais antigos (Jules Dupuit, 1844, por exemplo), no mundo empresarial o termo Logística ganha expressão no final do século XIX, associado ao abastecimento e formação de estoque. Ralph Barsodi, em 1927, está já próximo do conceito atual. Smykay, Bowersox e Mossman (1961) ressaltam o interesse em coordenar a distribuição física, tema que Drucker elege como grande desafio em Em temos que: O conceito de Logística evoluiu da necessidade militar de abastecer tropas que se movem da sua base para uma posição avançada. O conceito atual de Logística nos negócios desenvolveu a partir da década de 1950, devido a crescente complexidade encontrada na gestão de materiais e entrega de produtos em uma cadeia de suprimentos cada vez mais global e que requer profissionais especializados. (Em: Acesso em: 18 set. 2011) No Brasil, essas mudanças datam posteriores a 1990, com a redução das alíquotas de importação, pressionando as empresas brasileiras a serem mais competitivas em função do aumento da concorrência internacional. A logística constitui-se como um negócio de grandes proporções que evoluiu muito e rapidamente nos últimos anos, passando profundas transformações na direção de sua sofisticação. (FIGUEIREDO, 2003) Segundo Arbache et al (2008: p.19) a logística é importante porque: é capaz de auxiliar empresas e organizações na agregação e criação de valor ao cliente. Ela pode ser a chave para uma estratégia empresarial de sucesso, provendo uma multiplicidade de maneiras para diferenciar a empresa da concorrência através de um serviço superior ou ainda por meio de interessantes reduções de custo operacional. A logística tem entre suas funções realmente a função de transporte e movimentação, que são, certamente, duas das principais áreas e talvez por isso seja enxergada dessa forma pela maioria das pessoas. (ARBACHE, 2006, p.20). Mas então o que seria realmente a logística?

18 Definições De Logística O Council of Logistics Management (CLM), nos EUA, define logística da seguinte maneira: Logística é o processo de planejar, implementar e controlar de maneira eficiente o fluxo e a armazenagem de produtos, bem como os serviços e informações associados, cobrindo desde o ponto de origem até o ponto de consumo, com o objetivo de atender os requisitos do consumidor (NOVAES, 2001 apud ARBACHE, 2006, p.20). Essa certamente e a definição mais importante visto que abrange diversos setores da empresa com foco no cliente. 5.3 DISTRIBUIÇÃO Os termos Distribuição, Distribuição física, logística de saída ou outbound logistics referem-se ao que ocorre com os produtos acabados desde que são armazenados até o momento de que são entregues aos clientes...(arbache, 2006, p.20). Segundo Bertaglia (2003: p30) a distribuição é:... um processo que está normalmente associado ao movimento de material de um ponto de produção ou armazenagem até o cliente. As atividades abrangem as funções de gestão de controle de estoque, manuseio de materiais ou produtos acabados, transporte, armazenagem, administração de pedidos, analise de locais e redes de distribuição, entre outras. A importância desse processo para empresa e na visão do cliente é explicada por Bertaglia (2003: p30) da seguinte forma: O processo de distribuição tem sido foco permanente das organizações uma vez que os custos nele existentes são elevados e as oportunidades são muitas. Modelos de distribuição são discutidos a fim de obter-se a vantagem competitiva e colocar os produtos, principalmente bens de consumo, ao alcance dos consumidores. Para Arbache (2006, p.22) a importância é elevada porque muitas vezes essa é a única avaliação do serviço percebida pelos clientes da empresa distribuidora de bens.

19 8 5.4 ARMAZENAGEM Segundo Arbache (2003, p.56) armazenagem: é utilizada como referência ao processo de guarda e movimentação de produtos em uma instalação, enquanto que o termo estocagem representará a colocação em um local de instalação. As atividades básicas da armazenagem são: o recebimento, estocagem, administração de pedidos e expedição. As duas primeiras integram o processo de entrada de um produto na instalação de armazenagem, enquanto as outras duas compõem o processo de saída dos produtos. Os locais de armazenagens podem ser também denominados centros de distribuição ou simplesmente CD s. (Novaes, 2001) (ARBACHE, 2006, p.58). 5.5 TRANSPORTE A logística tem como uma de suas principais funções a movimentação de bens e/ou serviços que são feitos dentro dos modais existentes e garantem a entrega ao cliente final e que é determinada por dois fatores primordiais o tempo e a distância. Segundo Bertaglia (2003, p.278)...a distância corresponde ao trajeto percorrido entre os pontos de produção e de consumo, e o tempo referese ao tempo necessário para se percorrer a distância e disponibilizar o produto para o consumo. Para Arbache (2003, p.67): o transporte tem um peso enorme no custo de distribuição ou logístico da maioria dos produtos e é importante para os resultados obtidos no serviço ao cliente. Seu desempenho pode ter impacto no resultado final de uma operação, influindo na percepção que o comprador tem da qualidade do serviço. Muitas vezes, o agente responsável pelo transporte é o único elo real entre o vendedor e o comprador, como é o caso do comércio eletrônico. E quais são esses transportes tendo em vista a importância tanto no custo do produto e/ou serviço quanto na percepção do cliente. São cinco modalidades que seguem:

20 Modal Rodoviário Segundo Ballou (2001, p.124) o...transporte rodoviário movimenta fretes com tamanhos médios menores que o ferroviário e tem sua vantagem e tem sua vantagem pois... seus serviços são porta a porta de modo que nenhum carregamento e descarregamento é exigido entre a origem e o destino como freqüentemente acontece nos modais ferroviários e aéreos. (BALLOU, 2001, p.124). seus pontos favoráveis. O Modal rodoviário é rápido e independente sendo esse um dos é o mais independente dos transportes, uma vez que possibilita movimentar uma grande variedade de materiais para qualquer destino, devido a sua flexibilidade, sendo utilizado para pequenas encomendas, e curtas, médias ou longas distâncias, por meio de coletas e entregas para o ponto. Ela faz a conexão entre os diferentes modos de transporte e os seus respectivos pontos de embarque e desembarque. (BERTAGLIA, 2003, p.283) E o transporte mais utilizado no Brasil e tem contra si o custo e estradas deficientes que encarecem o serviço. No Brasil movimenta 60,34% do total de cargas movimentadas em todo o território nacional (Brasil, 2001). Praticamente todos os produtos manufaturados utilizam o transporte rodoviário. Tal predominância na matriz de transportes brasileira é oriunda da deficiência dos demais modais, que só recentemente estão passando por profundo processo de reestruturação, objetivando torná-los eficientes e competitivos. ARBACHE, 2006, p.67, 68). Será esse o modal desse estudo. A redescoberta de modais quase totalmente esquecidos, tais como ferroviário e o marítimo de cabotagem, tem feito com que diversas empresas no Brasil busquem operações conjuntas. (ARBACHE E COLABORADORES, 2000, p.71)

21 DISTRIBUIÇÃO A distribuição pode ser considerada como sistema de relações existente entre empresas que participam do processo de compra, venda e distribuição de produtos e serviços. Os elementos que formam a cadeia logística, desde a manufatura até o varejo, formam o canal de distribuição Canais De Distribuição Segundo Stern (1996), Os canais de distribuição são o conjunto de organizações interdependentes envolvidas no processo de tornar o produto ou serviço disponível para uso ou consumo. Os canais de distribuição selecionados uma vez por uma empresa dificilmente serão alterados e essa definição do canal, com os serviços associados a ele, necessita de uma análise criteriosa de suas implicações sobre as operações logísticas. Alguns fatores que orientam na escolha do melhor sistema de distribuição são: potencial de mercado, classificação dos bens, concentração geográfica dos clientes, complexidade do bem, entre outros. O encontro da empresa com seu consumidor final ocorre nos canais de Distribuição. A seleção dos fornecedores tem impacto direto na tarefa de satisfazer os clientes.

22 LOGÍSTICA, GESTÃO DE MATERIAIS E DISTRIBUIÇÃO Na Figura 1 - Relação entre Logística, Gestão de Materiais e Distribuição; ilustramos tudo que faz parte da logística (linha 3), tudo que está no âmbito da Gestão de Materiais (linha 1) que faz parte do processo inicial e a parte que representa a Distribuição (linha 2) a região abrangida por essa linha (2) que está sendo estudada neste trabalho, mas com foco nos custos que representa. Figura 1 - Relação entre Logística, Gestão de Materiais e Distribuição Fonte: GOUVEIA (1995, P.23) e Adaptada pelos Autores (2011) Os materiais estão relacionados ao Just In Time (JIT); significa que quanto mais organizado e rápido esse processo e mais rápida e retirada do produto final endereçado ao cliente criando um maior o fluxo e aumento do capital. A logística é ilustrada com a preocupação que transcende a própria distribuição como na Figura 1 - Relação entre Logística, Gestão de Materiais e Distribuição, pois assegura os recursos necessários quando adequados. 5.8 DEFINIÇÃO DE ESTOQUE Levando em conta que a administração é uma realidade nos dias de hoje, a administração de seu estoque é primordial para o bom funcionamento de sua empresa e pode influenciar diretamente na logística de sua empresa, pois com

23 12 estoques bem administrados podemos ter os produtos na hora certa prontos para serem entregues ao seu destino final. Ter uma atenção diminuta por parte dos administradores em relação ao estoque pode prejudicar a saúde da empresa e diminuir sua lucratividade....outra vantagem da gestão eficiente é possibilitar ajustes eficazes em seu processo, resultante em redução de custo e economia nas aquisições. O estoque tem efeito impactante no êxito das empresas. Um dos motivos é o alto volume de dinheiro empregado. (MOURA, p.1) Tomando esta afirmação como base, podemos afirmar que uma boa gestão do seu estoque é vital para o sucesso de uma empresa. De acordo com Moura, estoque é um conjunto de bens armazenados, com características próprias, que atendem aos objetivos e necessidades da empresa. Segundo Corrêa uma das razões que mais influencia o surgimento de estoques é a necessidade de conciliação entre as flutuações de demanda e as taxas de fornecimento de insumos e/ou matérias-primas. (CORRÊA, 2010 p.520) Como os estoques representam parcela substancial dos ativos das empresas, devem ser encarados como um fator potencial de geração de negócios e de lucros. Cabendo ao administrador verificar se estão tendo a utilidade adequada ou sendo um peso morto, não apresentando retorno sobre o capital investido. (ALT, MARTINS, 2005) Conforme Corrêa et al. (2000, p. 45), estoques são acúmulos de recursos materiais entre fases específicas de processos de transformação. Para Alt e Martins (2005, p.134) Os estoques têm a função de funcionar como reguladores do fluxo de negócios, além de serem [...] um recurso produtivo que no final da cadeia de suprimentos criará valor para o consumidor final [...]. Atualmente, todas as empresas procuram obter vantagem competitiva frente seus concorrentes e a melhor forma de atendê-los no momento certo e na quantidade desejada é tendo uma administração eficaz dos estoques (ALT; MARTINS, 2005).

24 13 6 CARACTERIZAÇÃO DA EMPRESA 1.1 -Razão Social Galvats Galvanoplastia Ltda. Rua Alberto Jose, 21 Jd. Salete Taboão da Serra São Paulo C.N.P.J: / Inscr. Estadual.: Caracterização Societária A Galvats Galvanoplastia Ltda é uma empresa de ramo de eletrodeposição de metais atuando no mercado nacional desde 28 de abril de Fundada inicialmente com a razão social de Galvanoplastia Taboão da Serra Ltda., alterou a razão social para Galvats Galvanoplastia Ltda em 08 de abril de 1994, quando foi adquirida por seus atuais proprietários: Jose Manuel Teixeira Pinto, José Ricardo Patriota Pinto, Carmen Lucia Patriota Pinto Orlandi e Genoir Orlandi, cada sócio cotista portador de 25% das ações. 6.2 Ramos De Atividades E Áreas De Abrangência Atuando a 34 anos no mercado de tratamento de superfície, a empresa conta hoje com um quadro de 55 funcionários e é reconhecida e homologada por todas as grandes montadoras e sistemistas do Brasil. Possui certificação ISO9001 pela TÜV Rheinland do Brasil Ltda. (anexo2) e está em processo de homologação do sistema ISO TS com previsão de certificação para dezembro de Com uma carteira de mais de 50 clientes cadastrados, a GALVATS GALVANOPLASTIA, tem como principal foco atender empresas do ramo automobilístico, que representam 90% de seu faturamento atual, em torno de R$ ,00/ ano.

25 14 Os serviços prestados são: zincagem, fosfatização, e pintura eletrostática catiônica (KTL) O processo da galvanoplastia consiste na transferência de íons a partir de um metal imerso em um substrato para outra superfície (metálica ou não), através da eletrólise. O objeto cuja superfície será revestida deve estar ligado ao pólo negativo de uma fonte de energia, o cátodo, onde ocorrerá a redução do metal que será depositado na superfície, enquanto o metal que sofre a oxidação deve ser ligado a um pólo positivo, o ânodo. No processo, as reações não são espontâneas. É necessário fornecer energia elétrica para que ocorra a deposição dos elétrons (eletrólise). Tratase, então, de uma eletrodeposição na qual o objeto que recebe o revestimento metálico é ligado ao pólo negativo de uma fonte de corrente contínua enquanto o metal que dá o revestimento é ligado ao pólo positivo. Para que a película do metal se ligue a outro, além de uma perfeita limpeza e desengorduramento da superfície, é preciso conhecer suas naturezas e propriedades químicas. Seus maiores clientes são: Tenneco Automotive Brasil Ltda (amortecedores Monroe), Matrizaria e Estamparia Morillo Ltda, Indústria Mecanica Brasileira de Metais Imbe Ltda. e estão em uma área de abrangência de 150 Km². 6.3 Política E Filosofia Empresarial Política Da Qualidade Promover melhoria continua em todos os processos, visando atingir os mais altos padrões técnicos em qualidade para exceder as expectativas dos clientes Objetivos Da Qualidade Reduzir o índice de retrabalhos, Reduzir o número de reclamações de clientes,

26 15 Promover melhoria contínua em todos os processos, Atender as expectativas dos clientes Missão metais. Oferecer processos de tecnologia de ponta em eletrodeposição de 6.4 Processos Chave A Galvats definiu que para atendimento aos requisitos dos clientes são determinantes os seguintes processos chave: VENDAS PRODUÇÃO COMPRAS Venda interage com produção no sentido de gerar necessidades de atendimento a pedidos dos clientes. Produção interage com compras no sentido de gerar necessidades de compras para atendimento a pedidos dos clientes. Compra interage com vendas no sentido de atendimento a necessidades dos requisitos dos clientes. São efetuadas auditorias internas nos processos chave utilizando-se PDCA. 6.5 Processos De Apoio Os processos de apoio determinados pela GALVATS são: CALIBRAÇÃO MANUTENÇÃO LOGÍSTICA - RH produto. Processos estes que interagem diretamente com a realização do Logística Desde janeiro de 2000 a Galvats optou por terceirizar o serviço de logística. Atualmente a empresa KLD TRANSPORTES administra, em conjunto com o pessoal da Galvats, toda a rotina do processo interno de logística.

27 Conseqüências Negativas Da Terceirização serviços elevado - empresa pode perder controle sobre fatores consideráveis dos - pode também gerar algumas dificuldades para manter um padrão - Contratos mal elaborados, ou empresa que terceiriza o serviço sem alto poder de negociação, poderá acarretar em maior dificuldade para fiscalizar os prazos, qualidade e custos (LACOMBE, 2003) Conseqüências Positivas Da Terceirização A terceirização está, hoje, inserida nos conceitos da administração, dados que as empresas passaram a buscar alternativas de sobrevivência, um processo de busca na redução de despesas, especialmente de distribuição, onde é possível a terceirização do serviço. - Redução dos custos logísticos através do aproveitamento dos efeitos de escala no prestador de serviços; - Transformação de custos fixos em variáveis; - Controle simplificado dos custos e trabalhos logísticos; - Aproveitamento do Know-how logístico dos prestadores de serviços inclusive da TI instalada; - Concentração da empresa em suas competências principais; - Aumento na qualidade do serviço prestado aos clientes; - Simplificação nos processos da empresa; Olhando para esta balança de prós e contras, a recomendação se torna clara: aproveite o potencial de terceirização, mas de forma consciente.

28 17 7 ESTUDO DE CASO 7.1 GALVATS Abaixo apresentamos o comparativo referente a utilização de frota própria ou terceirizada pela empresa. Para entender um pouco mais o motivo que levou a essa troca fizemos uma entrevista com o diretor responsável pela área de logística na empresa, Djalma Orlandi. Grupo: O que Levou a Galvats a terceirizar a sua frota? Djalma: Bom, o estopim para a decisão de terceirizar a frota da Galvats foi o Roubo de uma carga de um dos nossos principais clientes, o que gerou um prejuízo muito grande. Nós também vivíamos recebendo reclamações sobre a conduta de nossos motoristas no transito, além de diversas multas e despesas com a manutenção dos caminhões, o que acarretava a paralisação do veículo enquanto ele ficava em manutenção. 7.2 Caso 1 Frota Própria Analisamos, a seguir, os custos com a frota própria e terceirizada e avaliarmos os resultados no intuito de definirmos se as ações tomadas pela empresa foram as mais adequadas para o momento. Abaixo a Tabela 1- Frota Própria consta a análise dos custos mensal e anual; esses valores foram calculados pela empresa com base em arquivos de quando sua frota não era terceirizada; a empresa tem uma média dos custos mensais e anuais em sua base de dados e os significados de cada item segue: Manutenção: Inclui todos os custos que a Galvats tinha com Manutenção dos caminhões. Multas e Imprevistos: Multas de trânsito e imprevistos como roubo de carga ou afastamento de funcionário. Seguro: Valor que se paga pelo seguro do caminhão e carga transportada. Combustível (Rota): Combustível gasto com o deslocamento até a entrega da mercadoria para o cliente. Pessoal: É o salário de cada motorista.

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Introdução A A logística sempre existiu e está presente no dia a dia de todos nós, nas mais diversas

Leia mais

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht Administração Logística e Administração de. Profª. Patricia Brecht Definição - Logística O termo LOGÍSTICA conforme o dicionário Aurélio vem do francês Logistique e significa parte da arte da guerra que

Leia mais

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza Prova 1 09 de Maio de 2013 Nome: 1ª QUESTÃO (1,0) Segundo os dados divulgados pela ood and Agriculture Organization (AO, 2011) sobre as exportações brasileiras, em

Leia mais

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE *Envie o nome de seu grupo, dos integrantes e um telefone de contato junto com as respostas do questionário abaixo para o e-mail COMMUNICATIONS.SLA@SCANIA.COM*

Leia mais

2. Revisão bibliográfica

2. Revisão bibliográfica 17 2. Revisão bibliográfica 2.1. Logística de transportes A Logística recebeu diversas denominações ao longo dos anos: distribuição física, distribuição, engenharia de distribuição, logística empresarial,

Leia mais

CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL

CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL Data: 10/12/1998 Maurício Lima INTRODUÇÃO Um dos principais desafios da logística moderna é conseguir gerenciar a relação entre custo e nível de serviço (trade-off).

Leia mais

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos Capítulo 2 Logística e Cadeia de Suprimentos Prof. Glauber Santos glauber@justocantins.com.br 1 Capítulo 2 - Logística e Cadeia de Suprimentos Papel primordial da Logística na organização Gestão da Produção

Leia mais

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 3 O QUE É PLANEJAMENTO DE VENDAS E OPERAÇÕES?

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 3 O QUE É PLANEJAMENTO DE VENDAS E OPERAÇÕES? PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 3 O QUE É PLANEJAMENTO DE VENDAS E OPERAÇÕES? Índice 1. O que é planejamento de...3 1.1. Resultados do planejamento de vendas e operações (PVO)...

Leia mais

A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma empresa

A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma empresa Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Engenharia de Custos e Orçamentos Turma 01 10 de outubro de 2012 A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma

Leia mais

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro Matheus de Aguiar Sillos matheus.sillos@pmlog.com.br AGV Logística Rua Edgar Marchiori, 255, Distrito

Leia mais

Preços de Frete Rodoviário no Brasil

Preços de Frete Rodoviário no Brasil Preços de Frete Rodoviário no Brasil Maria Fernanda Hijjar O Brasil é um país fortemente voltado para o uso do modal rodoviário, conseqüência das baixas restrições para operação e dos longos anos de priorização

Leia mais

LOGÍSTICA INTEGRADA: SATISFAÇÃO DOS CLIENTES E REDUÇÃO DE CUSTOS RESUMO

LOGÍSTICA INTEGRADA: SATISFAÇÃO DOS CLIENTES E REDUÇÃO DE CUSTOS RESUMO LOGÍSTICA INTEGRADA: SATISFAÇÃO DOS CLIENTES E REDUÇÃO DE CUSTOS RESUMO Este trabalho tem por objetivo a discussão do conceito de logística integrada e de roteirização. Tem como objetivo também mostrar

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

Gestão em Logística. Fundação de Estudos Sociais do Paraná. Luiz Alexandre Friedrich

Gestão em Logística. Fundação de Estudos Sociais do Paraná. Luiz Alexandre Friedrich Gestão em Logística Fundação de Estudos Sociais do Paraná Luiz Alexandre Friedrich Nosso contrato... Fornecedor : Luizão Cliente : Alunos de Adm. da FESP - Fornecer subsídios de teoria e prática de Gestão

Leia mais

SISTEMAS DE TRANSPORTES

SISTEMAS DE TRANSPORTES ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS, PRODUÇÃO E LOGÍSTICA SISTEMAS DE TRANSPORTES TRANSPORTES Transportes, para a maioria das firmas, é a atividade logística mais importante, simplesmente porque ela absorve, em

Leia mais

Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING

Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING 1 ÍNDICE 03 04 06 07 09 Introdução Menos custos e mais controle Operação customizada à necessidade da empresa Atendimento: o grande diferencial Conclusão Quando

Leia mais

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade I GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Prof. Fernando Leonel Conteúdo da aula de hoje 1. Planejamento e controle de estoques. 2. A importância dos estoques. 3. Demanda na formação dos estoques.

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO

TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR PRESIDENTE

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas. Módulo: Administração de Materiais. Profª Neuza

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas. Módulo: Administração de Materiais. Profª Neuza FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo: Administração de Materiais Profª Neuza AULA ANTERIOR: Compras O que é??? É uma atividade de aquisição que visa garantir o abastecimento da empresa

Leia mais

Vamos nos conhecer. Avaliações 23/08/2015. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc.

Vamos nos conhecer. Avaliações 23/08/2015. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. Vamos nos conhecer Danillo Tourinho Sancho da Silva, M.Sc Bacharel em Administração, UNEB Especialista em Gestão da Produção

Leia mais

Introdução e Planejamento Cap. 1

Introdução e Planejamento Cap. 1 BALLOU, Ronald H. Gerenciamenrto da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman. 2006 Introdução e Planejamento Cap. 1 Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@fae.br L

Leia mais

Introdução e Planejamento Cap. 1. Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br

Introdução e Planejamento Cap. 1. Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br BALLOU, Ronald H. Gerenciamenrto da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman. 2006 Introdução e Planejamento Cap. 1 Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br

Leia mais

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual Logística Empresarial Evolução da Disciplina Aula 1 Aula 1 O papel da Logística empresarial Aula 2 A flexibilidade e a Resposta Rápida (RR) Operadores logísticos: conceitos e funções Aula 3 Prof. Me. John

Leia mais

Estoque e Logística. Henrique Montserrat Fernandez www.henriquemf.com

Estoque e Logística. Henrique Montserrat Fernandez www.henriquemf.com Estoque é capital investido, com liquidez duvidosa e altos custos de manutenção. Por isso, quanto menor for o investimento em estoque, melhor. Para as empresas, o ideal seria efetuar as aquisições de estoques

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS John F. Eichstaedt, Toni Édio Degenhardt Professora: Eliana V. Jaeger RESUMO: Este artigo mostra o que é um SIG (Sistema de Informação gerencial) em uma aplicação prática

Leia mais

O Plano Financeiro no Plano de Negócios Fabiano Marques

O Plano Financeiro no Plano de Negócios Fabiano Marques O Plano Financeiro no Plano de Negócios Fabiano Marques Seguindo a estrutura proposta em Dornelas (2005), apresentada a seguir, podemos montar um plano de negócios de forma eficaz. É importante frisar

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos ... lembrando Uma cadeia de suprimentos consiste em todas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS APLICADOS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E TURISMO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO PLANO DE DISCIPLINA DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação Capítulo 2 E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação 2.1 2007 by Prentice Hall OBJETIVOS DE ESTUDO Identificar e descrever as principais características das empresas que são importantes

Leia mais

A LOGÍSTICA NO CENÁRIO EMPRESARIAL

A LOGÍSTICA NO CENÁRIO EMPRESARIAL A LOGÍSTICA NO CENÁRIO EMPRESARIAL MOREIRA, Fabiano Greter (FANOVA) BORGHI, Wagner (FANOVA) INTRODUÇÃO Quando pensamos em produtos para consumo ou matéria prima para industrialização, não importando sua

Leia mais

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO O QUE É NÍVEL DE SERVIÇO LOGÍSTICO? É a qualidade com que o fluxo de bens e serviços

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

GESTÃO DE OPERAÇÕES E LOGÍSTICA I AULA 05: LOGÍSTICA INTEGRADA E OUTRAS QUESTÕES TÓPICO 05: MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAS O manuseio de materiais representa atividade de maior custo logístico, além de consumir

Leia mais

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO P á g i n a 3 INTRODUÇÃO A Administração de Materiais compreende as decisões e o controle sobre o planejamento, programação, compra, armazenamento e distribuição dos materiais indispensáveis à produção

Leia mais

PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO

PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO Umberto Sales Mazzei Bruno Vieira Bertoncini PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO

Leia mais

LOGÍSTICA 1. Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO

LOGÍSTICA 1. Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO 1 LOGÍSTICA 1 Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO Versa o presente artigo sobre logística e suas aplicabilidades no mundo moderno. A logística foi criada para suprir necessidades durante a Segunda

Leia mais

Avaliação do uso de frota dedicada versus transporte spot para distribuição no varejo

Avaliação do uso de frota dedicada versus transporte spot para distribuição no varejo Avaliação do uso de frota dedicada versus transporte spot para distribuição no varejo Fernanda Hashimoto e Celso Hino O presente trabalho tem como objetivo avaliar a utilização do melhor modelo de distribuição

Leia mais

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi e Sistema Integrado Objetivos do Tema Apresentar: Uma visão da logística e seu desenvolvimento com o marketing. A participação da logística como elemento agregador

Leia mais

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os melhores resultados. 2 ÍNDICE SOBRE O SIENGE INTRODUÇÃO 01

Leia mais

Setores químico e petroquímico: as características dos produtos determinam a logística correta -

Setores químico e petroquímico: as características dos produtos determinam a logística correta - Setores químico e petroquímico: as características dos produtos determinam a logística correta - Setores onde um erro pode acarretar sérios danos ao meio ambiente, às pessoas e as próprias instalações

Leia mais

O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas.

O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas. Logística e Distribuição Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT Histórico O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas. A história mostra que

Leia mais

A CURVA ABC COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE ESTOQUES RESUMO

A CURVA ABC COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE ESTOQUES RESUMO A CURVA ABC COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE ESTOQUES Leider Simões, Unisalesiano de Lins e-mail: leidersimoes16@hotmail.com Profª M. Sc. Máris de Cássia Ribeiro, Unisalesiano Lins e-mail: maris@unisalesiano.edu.br

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SUPRIMENTOS GESTÃO

ADMINISTRAÇÃO DE SUPRIMENTOS GESTÃO GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS DEFINIÇÃO DE CADEIAS DE SUPRIMENTOS (SUPLLY CHAIN) São os processos que envolvem fornecedores-clientes e ligam empresas desde a fonte inicial de matéria-prima até o ponto

Leia mais

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Estudo de Viabilidade PGE: Plastic Gestor Empresarial Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas Recife, janeiro de 2013 Sumário 1. Motivação... 1 2. Introdução: O Problema Indentificado... 2

Leia mais

Curso superior de Tecnologia em Gastronomia

Curso superior de Tecnologia em Gastronomia Curso superior de Tecnologia em Gastronomia Suprimentos na Gastronomia COMPREENDENDO A CADEIA DE SUPRIMENTOS 1- DEFINIÇÃO Engloba todos os estágios envolvidos, direta ou indiretamente, no atendimento de

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2010. Ensino Técnico. Qualificação: TÉCNICO EM LOGÍSTICA

Plano de Trabalho Docente 2010. Ensino Técnico. Qualificação: TÉCNICO EM LOGÍSTICA Plano de Trabalho Docente 2010 Ensino Técnico ETEC. RODRIGUES DE ABREU Código: 135 Município: BAURU/SP Área Profissional: GESTÃO E NEGÓCIOS Habilitação Profissional: TÉCNICO EM LOGÍSTICA Qualificação:

Leia mais

Custos Logísticos. Não basta somente realizar tarefas, é preciso ser assertivo.

Custos Logísticos. Não basta somente realizar tarefas, é preciso ser assertivo. É todo custo gerado por operações logística em uma empresa, visando atender as necessidades dos clientes de qualidade custo e principalmente prazo. Não basta somente realizar tarefas, é preciso ser assertivo.

Leia mais

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo.

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo. 1 MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo Maio/ 2014 Metodologia 2 Metodologia 3 Técnica Pesquisa quantitativa,

Leia mais

Pesquisa sobre Logística no E-commerce Brasileiro 2013

Pesquisa sobre Logística no E-commerce Brasileiro 2013 Pesquisa sobre Logística no E-commerce Brasileiro 2013 www.brazilpanels.com.br www.abcomm.com.br www.ecommerceschool.com.br Apoio: INTRODUÇÃO A Logística foi escolhida para ser o tema do primeiro estudo

Leia mais

Logistica e Distribuição

Logistica e Distribuição Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Logística e Distribuição A Atividade de Gestão de Estoque Primárias Apoio 1 2 3 4 Conceitulizando Estoque ESTOQUES são grandes volumes de matérias

Leia mais

IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA

IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA SILVA, Paulo Henrique Rodrigues da Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerencias E-mail: ph.rs@hotmail.com SILVA, Thiago Ferreira da Docente da Faculdade

Leia mais

Projeto Final do Semestre. Construxepa

Projeto Final do Semestre. Construxepa Universidade de Brasília FACE Departamento de Administração Disciplina: Administração de Recursos Materiais Professor: Guillermo José Asper Projeto Final do Semestre Construxepa Turma: 19 Grupo: H Integrantes:

Leia mais

Disciplina: Suprimentos e Logística II 2014-02 Professor: Roberto Cézar Datrino Atividade 3: Transportes e Armazenagem

Disciplina: Suprimentos e Logística II 2014-02 Professor: Roberto Cézar Datrino Atividade 3: Transportes e Armazenagem Disciplina: Suprimentos e Logística II 2014-02 Professor: Roberto Cézar Datrino Atividade 3: Transportes e Armazenagem Caros alunos, Essa terceira atividade da nossa disciplina de Suprimentos e Logística

Leia mais

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ Daiane Maria De Genaro Chiroli 1

Leia mais

LOGÍSTICA: história e conceitos RESUMO

LOGÍSTICA: história e conceitos RESUMO 1 LOGÍSTICA: história e conceitos Newilson Ferreira Coelho FAFIJAN Marilda da Silva Bueno FAFIJAN RESUMO Através de uma pesquisa bibliográfica, este estudo apresenta a logística, sua história e conceitos

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Recursos Humanos Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos 1.

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 SUPERINTENDÊNCIA DE CONTROLE GERÊNCIA DE CONTROLE DE TESOURARIA ANÁLISE DE RISCO OPERACIONAL RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 Belo Horizonte

Leia mais

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte.

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. GERENCIAMENTO DO TRANSPORTE Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. Trade-off CUSTO x NÍVEL DE SERVIÇO FORMAÇÃO DO PREÇO FINAL Para elaboração de uma estratégia

Leia mais

Armazenagem e controle. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia

Armazenagem e controle. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Armazenagem e controle Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Armazenagem Armazenagem e manuseio de mercadorias são componentes essenciais do conjunto de atividades logísticas.seus custos podem absorver

Leia mais

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Artigo para a Revista Global Fevereiro de 2007 DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT O conceito de Supply Chain Management (SCM), denominado Administração da Cadeia de Abastecimento

Leia mais

Objetivo. Utilidade Lugar. Utilidade Momento. Satisfação do Cliente. Utilidade Posse

Objetivo. Utilidade Lugar. Utilidade Momento. Satisfação do Cliente. Utilidade Posse Supply chain- cadeia de suprimentos ou de abastecimentos Professor: Nei Muchuelo Objetivo Utilidade Lugar Utilidade Momento Satisfação do Cliente Utilidade Posse Satisfação do Cliente Satisfação do Cliente

Leia mais

Custeio do Transporte Rodoviário de Cargas

Custeio do Transporte Rodoviário de Cargas Custeio do Transporte Rodoviário de Cargas SUMÁRIO 1. Link Aula Anterior; 2. Gestão de Custos X Gastos; 3. Custo Direto, Indireto, Fixo e Variável; 4. Custo Marginal, Histórico, Orçado. 5. Etapas do Custeio;

Leia mais

UNIVERSIDADE GAMA FILHO ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GESTÃO DE MATERIAL E PATRIMÔNIO NO SETOR PÚBLICO ELINE COÊLHO DA ROCHA

UNIVERSIDADE GAMA FILHO ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GESTÃO DE MATERIAL E PATRIMÔNIO NO SETOR PÚBLICO ELINE COÊLHO DA ROCHA UNIVERSIDADE GAMA FILHO ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GESTÃO DE MATERIAL E PATRIMÔNIO NO SETOR PÚBLICO ELINE COÊLHO DA ROCHA ORGANIZAÇÃO DO ALMOXARIFADO NO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO

Leia mais

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 AULA 9 Assunto: Plano Financeiro (V parte) Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA

Leia mais

Gerenciamento e planejamento de estoque em lojas de mini departamentos do município de Bambuí

Gerenciamento e planejamento de estoque em lojas de mini departamentos do município de Bambuí Gerenciamento e planejamento de estoque em lojas de mini departamentos do município de Bambuí Warlei Laurindo Martins¹; Andriele de Oliveira Bernades¹; Juliana de Souza Santos¹;Pedro H. Gomes Lima¹; Diego

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial Logística Empresarial Aula 05 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos

Leia mais

A PERCEPÇÃO DAS EMPRESAS SOBRE OS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS PROFISSIONAIS DA AREA DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1

A PERCEPÇÃO DAS EMPRESAS SOBRE OS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS PROFISSIONAIS DA AREA DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1 A PERCEPÇÃO DAS EMPRESAS SOBRE OS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS PROFISSIONAIS DA AREA DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1 Tatiana Pereira da Silveira 1 RESUMO O objetivo deste trabalho é apresentar os resultados da

Leia mais

Logística Empresarial. Atividades Chave, Planejamento e Estratégia Logística Prof. José Correia

Logística Empresarial. Atividades Chave, Planejamento e Estratégia Logística Prof. José Correia Logística Empresarial Atividades Chave, Planejamento e Estratégia Logística Prof. José Correia Atividades chave da Logística Padrões de serviço ao cliente (c/ marketing): Determinar as necessidades/desejos

Leia mais

Unidade IV. Processo de inventário (Típico) Definir duplas de inventários. Aguardar segunda contagem. Não. Segunda dupla?

Unidade IV. Processo de inventário (Típico) Definir duplas de inventários. Aguardar segunda contagem. Não. Segunda dupla? GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade IV 4 PROCESSO DE INVENTÁRIO FÍSICO Para Martins (0), consiste na contagem física dos itens de estoque. Caso haja diferenças entre o inventário físico

Leia mais

Logística empresarial

Logística empresarial 1 Logística empresarial 2 Logística é um conceito relativamente novo, apesar de que todas as empresas sempre desenvolveram atividades de suprimento, transporte, estocagem e distribuição de produtos. melhor

Leia mais

ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação

ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação UNIFEI Universidade Federal de Itajubá Prof. Dr. Alexandre Ferreira de Pinho 1 Componentes de uma empresa Organizando uma empresa: funções empresariais básicas Funções

Leia mais

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Toda empresa privada deseja gerar lucro e para que chegue com sucesso ao final do mês ela precisa vender, sejam seus serviços

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE

GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Prof. Rafael Roesler Aula 5 Sumário Classificação ABC Previsão de estoque Custos

Leia mais

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade?

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade? Nas atividades empresariais, a área financeira assume, a cada dia, funções mais amplas de coordenação entre o operacional e as expectativas dos acionistas na busca de resultados com os menores riscos.

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Gerenciamento Logístico Gerenciamento Logístico A missão do gerenciamento logístico é planejar

Leia mais

PLANO DE ENSINO 2009

PLANO DE ENSINO 2009 PLANO DE ENSINO 2009 Fundamental I ( ) Fundamental II ( ) Médio ( ) Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( ) Graduação ( ) Pós-graduação ( ) I. Dados Identificadores Curso Superior de Tecnologia

Leia mais

Distribuição e transporte

Distribuição e transporte Distribuição e transporte Gestão da distribuição Prof. Marco Arbex Introdução Toda produção visa a um ponto final, que é entregar os seus produtos ao consumidor; Se o produto não está disponível na prateleira,

Leia mais

Gestão de Recursos Materiais e Patrimoniais

Gestão de Recursos Materiais e Patrimoniais Gestão de Recursos Materiais e Patrimoniais Curso Superior de Tecnologia em Logística Disciplina: Gestão de Recursos Materiais e Patrimoniais Professor: Roberto Cézar Datrino Carga horária semanal: 4 h/a

Leia mais

ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ

ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ Acadêmica de Administração Geral na Faculdade Metropolitana de Maringá /PR - 2005 RESUMO: A atividade comercial

Leia mais

OS DESAFIOS LOGISTICOS DO COMÉRCIO ELETRÔNICO

OS DESAFIOS LOGISTICOS DO COMÉRCIO ELETRÔNICO OS DESAFIOS LOGISTICOS DO COMÉRCIO ELETRÔNICO Fabiana Rubim Cintra Murilo Rodrigues da Silva Patrick Beirigo Andrade RESUMO Este artigo tem o objetivo de expor os principais problemas que o comércio eletrônico

Leia mais

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo III.1 GESTÃO DE TRANSPORTES 1.1. O desenvolvimento econômico e o transporte. 1.2. A geografia brasileira, a infraestrutura dos estados, municípios

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Marketing Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Marketing. 1. Introdução Os Projetos

Leia mais

cada fator e seus componentes.

cada fator e seus componentes. 5 CONCLUSÃO Conforme mencionado nas seções anteriores, o objetivo deste trabalho foi o de identificar quais são os fatores críticos de sucesso na gestão de um hospital privado e propor um modelo de gestão

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec:Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional Técnica de Nível

Leia mais

Visão Geral da Logística Empresarial

Visão Geral da Logística Empresarial Visão Geral da Logística Empresarial Prof. Dr. Nicolau D. Fares Gualda Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Transportes email: ngualda@usp.br LOGÍSTICA Verbo Loger

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1. COLABORAÇÃO NAS EMPRESAS Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar a colaborar, comunicando idéias, compartilhando

Leia mais

Unidade II RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS

Unidade II RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS Unidade II 2 TENDÊNCIAS DA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS 2.1 Gestão de compras 1 A gestão de compras assume papel estratégico na Era da competição global, devido ao volume de recursos envolvidos no processo,

Leia mais

Pesquisa sobre a integração da Logística com o Marketing em empresas de grande porte

Pesquisa sobre a integração da Logística com o Marketing em empresas de grande porte III SEGeT Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia 1 Pesquisa sobre a integração da Logística com o Marketing em empresas de grande porte Alexandre Valentim 1 Heloisa Nogueira 1 Dário Pinto Junior

Leia mais

Visão estratégica para compras

Visão estratégica para compras Visão estratégica para compras FogStock?Thinkstock 40 KPMG Business Magazine Mudanças de cenário exigem reposicionamento do setor de suprimentos O perfil do departamento de suprimentos das empresas não

Leia mais

APURAÇÃO DO RESULTADO (1)

APURAÇÃO DO RESULTADO (1) APURAÇÃO DO RESULTADO (1) Isnard Martins - UNESA Rodrigo de Souza Freitas http://www.juliobattisti.com.br/tutoriais/rodrigosfreitas/conhecendocontabilidade012.asp 1 Apuração do Resultado A maioria das

Leia mais

IETEC Instituto de Educação Tecnológica. Artigo Técnico

IETEC Instituto de Educação Tecnológica. Artigo Técnico IETEC Instituto de Educação Tecnológica Artigo Técnico A Importância Do Desenvolvimento Dos Fornecedores Para A Atividade De Compras Autor: Fernando de Oliveira Fidelis Belo Horizonte MG 11 de Agosto de

Leia mais

Contribuição do custo logístico na formação de preço de venda dos produtos. Prof. Paulo Medeiros

Contribuição do custo logístico na formação de preço de venda dos produtos. Prof. Paulo Medeiros Contribuição do custo logístico na formação de preço de venda dos produtos Prof. Paulo Medeiros Medindo os custos e desempenho da logística Uma vez que o gerenciamento logístico é um conceito orientado

Leia mais

ENTREGAS RÁPIDAS, EFICIENTES E COM QUALIDADE. O diferencial que sua empresa busca para os negócios

ENTREGAS RÁPIDAS, EFICIENTES E COM QUALIDADE. O diferencial que sua empresa busca para os negócios ENTREGAS RÁPIDAS, EFICIENTES E COM QUALIDADE O diferencial que sua empresa busca para os negócios Índice APRESENTAÇÃO 03 CAPÍTULO 1 MOTIVOS DE SOBRA PARA TERCERIZAR SUA FROTA! 05 CAPÍTULO 2 POR QUE A TRANSMIT?

Leia mais

Com bom planejamento, empresário começa negócio sem dinheiro próprio.

Com bom planejamento, empresário começa negócio sem dinheiro próprio. Com bom planejamento, empresário começa negócio sem dinheiro próprio. Plano de negócios estruturado ajuda na hora de conseguir financiamento. Veja dicas de especialistas e saiba itens que precisam constar

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO CEARÁ CEFET/CE DEPARTMAENTO DE EDIFICAÇÕES CURSO DE VIAS E TRANSPORTES CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO CEARÁ CEFET/CE DEPARTMAENTO DE EDIFICAÇÕES CURSO DE VIAS E TRANSPORTES CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO CEARÁ CEFET/CE DEPARTMAENTO DE EDIFICAÇÕES CURSO DE VIAS E TRANSPORTES CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO PROFESSOR: HAMIFRANCY MENESES 1 TÓPICOS ABORDADOS DEFINIÇÃO DE CANAL

Leia mais

ENCONTRO 1 Logística e Transporte

ENCONTRO 1 Logística e Transporte ENCONTRO 1 Logística e Transporte ENCONTRO 1 Logística e Transporte TÓPICO 1: Contextualizando o encontro Olá! Você está iniciando o primeiro encontro do curso Logística Internacional. Neste encontro,

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2010. Qualificação: TÉCNICO EM LOGÍSTICA. Professora: FLÁVIA ANDRÉIA CANEDO DE LIMA

Plano de Trabalho Docente 2010. Qualificação: TÉCNICO EM LOGÍSTICA. Professora: FLÁVIA ANDRÉIA CANEDO DE LIMA Plano de Trabalho Docente 2010 ETEC RODRIGUES DE ABREU Ensino Técnico Código: 135 Município: BAURU/SP Eixo Tecnológico: GESTÃO E NEGÓCIOS Habilitação Profissional: TÉCNICO EM LOGÍSTICA Qualificação: TÉCNICO

Leia mais