A INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTES UTILIZADA PARA A DISTRIBUIÇÃO FÍSICA DA UVA DE MESA CULTIVADA NA REGIÃO DO SUBMÉDIO SÃO FRANCISCO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTES UTILIZADA PARA A DISTRIBUIÇÃO FÍSICA DA UVA DE MESA CULTIVADA NA REGIÃO DO SUBMÉDIO SÃO FRANCISCO"

Transcrição

1 ISSN A INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTES UTILIZADA PARA A DISTRIBUIÇÃO FÍSICA DA UVA DE MESA CULTIVADA NA REGIÃO DO SUBMÉDIO SÃO FRANCISCO Givaldo Bezerra da Hora (UFRPE) Cynthia Marise dos Santos Mattosinho (UFPE) Resumo No Brasil, o agronegócio é um setor que se encontra em desenvolvimento, principalmente no escoamento da sua produção. Assim, o presente trabalho tem como objetivo analisar a infraestrutura de transportes pertinente ao processo logístico de escoamento da uva de mesa produzida na região do Submédio São Francisco, desde a etapa de pós-colheita até chegar aos consumidores finais. Nesta ampla investigação foram identificados os principais desafios e avanços inerentes a esta realidade. Deste modo, foi possível constatar que apesar da uva ser cultivada no Semiárido nordestino, sua distribuição para os devidos mercados é efetuada de maneira organizada e segura, pois são utilizados modais e corredores de transportes que proporcionam a qualidade do produto e a entrega no prazo exigido pelo consumidor. Palavras-chaves: Agronegócio, Transportes, Processo Logístico, Uva de Mesa

2 1. INTRODUÇÃO Com o grande crescimento de mercado e os novos perfis dos consumidores, as organizações são direcionadas a tomarem uma postura que possibilite a oferta de produtos no momento certo, na quantidade e condição física adequada de acordo com a exigência de suas demandas. Esta ação permite um maior nível de rentabilidade para as empresas, uma vez que, resulta no crescimento das vendas. Essa nova exigência encontra soluções através da logística, que segundo Ballou (1993), é a responsável pelo tempo e distância na entrega de um produto, provendo um melhor nível de rentabilidade nos serviços de distribuição de tangíveis aos consumidores, através da organização e controle das atividades de movimentação que facilitam o fluxo dos produtos. A logística é constituída por fatores relevantes, que sem eles não seria possível entregar os produtos aos seus respectivos destinos. Dentre os quais elementos enfatizam-se os modais de transporte e o acondicionamento, que se não tratados de modo adequado, acarretam em consideráveis custos para as empresas, podendo ser reduzidos mediante um gerenciamento otimizado da logística empresarial. Os modais de transporte de acordo com Pozo (2004) referem-se aos vários métodos referentes à movimentação e distribuição dos produtos, vista como uma das atividades mais importantes simplesmente porque absorve em média, de um a dois terços dos custos logísticos. Suas modalidades dividem-se em rodoviários, ferroviários, aeroviário, hidroviário e dutoviário, sendo que cada um apresenta seus respectivos custos e benefícios. O panorama da logística brasileira teve mudanças bastante significativas nos últimos anos, se comparada com sua estrutura antes da década de 90, que era visivelmente mais defasada em relação a outros países, ficando claro que essa atividade não era vista como um fator crucial para a economia do país. O Brasil progrediu, tanto em termos das práticas empresariais, quanto da eficiência, qualidade e disponibilidade da infra-estrutura de transporte e comunicações, elementos fundamentais para a existência de uma logística moderna. Para as empresas que aqui operam, é um período de riscos e oportunidades. Risco devido às enormes mudanças que precisam ser implementadas e oportunidades devido aos enormes espaços para melhorias de qualidade do serviço e aumento da competitividade empresarial (ARKADER, 2000). 2

3 No entanto, é coerente enfatizar que essas transformações não ocorreram e nem ocorrem de maneira homogênea em todas as regiões brasileiras, assim como também para todos os bens produzidos e distribuídos. Destarte, esta pesquisa limita-se a região Nordeste, especificamente ao Submédio São Francisco, que tem o agronegócio como sua principal atividade econômica, sendo a fruticultura o grande destaque. A região do Submédio São Francisco, mais especificamente nos Estados de Pernambuco e Bahia, a fruticultura irrigada tem crescido de maneira bastante positiva, dentre a qual a produção da uva de mesa, que segundo o Instituto Brasileiro de Frutas - IBRAF (apud Oliveira et al., 2009), é responsável por 99% das exportações das uvas brasileiras, chegando a ultrapassar a região Sul e Sudeste, principalmente os Estados de São Paulo e Rio Grande do Sul, que eram os principais produtores do Brasil. Este crescimento da produção e comercialização da uva de mesa do Submédio São Francisco deve-se a fatores como distribuição, transporte, infraestrutura dos corredores, relacionamento com os elos que compõem a cadeia de escoamento, entre outros elementos que fazem parte da logística. (OLIVEIRA, et al., 2009). Bustamante (2009) afirma que, as principais vantagens competitivas do Pólo Fruticultor dessa região estão ligadas a condições climáticas favoráveis, sistemas de irrigação eficientes, boa logística de escoamento da produção, destacando os portos de Suape-PE e Pecém-CE, embora ainda existam desafios a serem eliminados para que o Pólo atinja seu potencial máximo de comercialização interna e exportação. Diante deste contexto, o presente estudo apresenta um panorama dos avanços na infraestrutura de transportes ocorridos na região do Submédio São Francisco, no que concerne ao escoamento da uva de mesa produzida nesta área geográfica, bem como dos desafios que ainda precisam ser superados para aumentar seu potencial de exportação e comercialização nacional. 2. REFERENCIAL TEÓRICO 2.1 Distribuição Física De acordo com o tipo de produto desenvolvido, as indústrias devem realizar a distribuição física ou escoamento dos bens a serem ofertados e entregues aos consumidores intermediários e finais: 3

4 Distribuição Física (1) Logística de entrega (Outbound Logistcs), a partir do fim da linha de produção até o consumidor final; (2) As atividades associadas como o movimento de materiais, geralmente produtos acabados ou peças de reposição, desde o fabricante até o consumidor. Essas atividades englobam funções de transporte, armazenagem de inventário, [...] administração de pedidos, análise de localização, embalagem, processamento de dados, comunicação e, em alguns casos, também o retorno de produtos ao fabricante ou distribuidor (PANITZ, 2006, p.20) Segundo Arnold (1999), a distribuição física é a responsável por entregar aos clientes o que eles desejam a um custo mínimo. O papel principal da administração da distribuição e escoamento é criar e operar um sistema de distribuição que atinja o nível exigido de atendimento aos clientes, possivelmente, aos menores custos. Para tanto todas as atividades de transporte e de armazenamento devem ser organizadas em um sistema integrado. Para Rosembloom (apud Ribeiro et al., 2009), dentro desse sistema existe um conjunto de variáveis que afeta o desenvolvimento de canais de distribuição, tais como mercado, produto, empresa, variáveis intermediárias, ambiente e comportamento, daí a importância do estabelecimento de um bom planejamento na definição dos canais que irão atuar na distribuição de determinado produto. De um modo geral, o canal de distribuição constitui o conjunto de organizações interdependentes envolvidas no processo de tornar o produto ou serviço disponível para uso ou consumo (STERN et al., apud ENOMOTO, 2005). É importante que as empresas visualizem essa dinâmica logística de modo estratégico, tendo em vista que, cada tipo de mercado exige condições muitas vezes diferentes, tais como, por exemplo, o tipo específico de transporte. 2.2 Os Modais de Transporte A infra-estrutura de transporte tem em sua função uma série de efeitos positivos para a sociedade, tais como aqueles referentes à disponibilidade de bens, à extensão dos mercados, à concorrência, aos custos das mercadorias, à especialização geográfica e à renda da terra (CAIXETA-FILHO E MARTINS, 2001). O transporte é em geral, o grande responsável pela maior parcela dos custos logísticos, tanto numa empresa, quanto na participação dos gastos logísticos em relação ao PIB em nações com relativo grau de desenvolvimento (ARKADER, 2000). Porto e Silva (apud Manfroi, 2008, p. 37) declaram que se trata de um sistema tecnológico e organizacional que tem como objetivo transferir pessoas e mercadorias de um 4

5 lugar para outro com a finalidade de equalizar o diferencial espacial e econômico entre demanda e oferta. Existem basicamente cinco modalidades de transporte de cargas mais convencionais e cada um tem sua característica, como define Ferreira e Ribeiro (2002): Rodoviário: tipo de transporte utilizado para distribuição de produtos acabados e semi-acabado, no caso de curtas distâncias. Os produtos, como os agropecuários, utilizam este modal. Caracteriza-se por apresentar custos fixos baixos (rodovias estabelecidas e construídas com fundos públicos), porém seu custo variável é médio (combustível, manutenção, entre outros). Ferroviário: é utilizado no deslocamento de grandes tonelagens de produtos homogêneos, ao longo de distâncias relativamente consideráveis. Este modal apresenta altos custos fixos em equipamentos, terminais e vias férreas, entre outros. Todavia, seu custo variável é baixo. Hidroviário: utilizado para o transporte de granéis líquidos, produtos químicos, areia, e bens de alto valor em contêineres. O modal hidroviário apresenta custo fixo médio (navios e equipamentos) e custo variável baixo (capacidade para transportar grande quantidade de tonelagem). Dutoviário: ainda se constitui como um modal de uso muito limitado. Destina-se principalmente ao transporte de líquidos e gases em grandes volumes e materiais que podem ficar suspensos (petróleo bruto e derivados, minérios. Aeroviário: seu alto custo fixo e variável limita sua utilização aos produtos de alto valor unitário (artigos eletrônicos, relógios, alta moda, etc.) e perecíveis (flores, frutas nobres, medicamentos, etc.). Apesar da gama de transportes existentes, cada empresa deve utilizar o tipo que melhor lhe proporcione uma distribuição e escoamento eficaz, resultando em baixos custos e conservação do produto até sua entrega ao consumidor. O sistema de transporte de cargas brasileiro encontra-se numa encruzilhada. De um lado, um notável movimento de modernização nas empresas que demandam serviços logísticos cada vez mais confiáveis e de qualidade. De outro, um conjunto de problemas estruturais, que acabam tornando-se entraves para a matriz de transportes, como investimentos governamentais, regulação, fiscalização, entre outros (FLEURY, 2003). O transporte brasileiro de cargas ainda apresenta uma elevada dependência do modal rodoviário. É sem dúvidas o modo mais utilizado no país, e também o mais flexível nas 5

6 relações de troca e entrega. Estima-se que o Brasil tenha aproximadamente 150 mil quilômetros de asfalto e 1 milhão e 500 quilômetros de terra. O grande problema é que a baixa conservação destas aumenta o custo de transporte e o tempo de entrega, refletindo como um grande gargalo para logística nacional (SILVA e BAZOLI, 2010). Baseado neste dilema, alguns órgãos governamentais tem se mostrado bastante engajados na realização de pesquisas que buscam evidenciar o estado atual dos corredores de transporte, assim como no desenvolvimento de projetos que possam proporcionar ao mercado brasileiro condições de competir em escala global, se aproximando de modelos dos países de primeiro mundo, anseio este que de acordo com a Confederação Nacional do Transporte CNT precisa ainda de acentuados investimentos públicos para se concretizar. O Plano CNT de Logística é um Plano da própria Confederação Nacional do Transporte que, por meio da proposta de uma rede ideal de infra-estrutura de transportes, visa a integração dos sistemas de transporte do país mediante a viabilização das conexões entre as diferentes modalidades, para possibilitar que as mercadorias sejam escoadas com maior facilidade e menor custo. Pesquisas anteriores realizadas pela Confederação apontam, entre outros resultados, condições desfavoráveis das rodovias brasileiras e a baixa densidade de ferrovias e hidrovias (BRASIL, 2008). Estes fatos evidenciam a necessidade de investimentos na melhoria das condições da infra-estrutura de transportes do país, de forma a potencializar o desempenho daqueles modos de transporte. A Figura 01 projeta a situação de infra-estrutura de transportes das cinco regiões brasileiras, que se apresenta como uma realidade dicotômica, enquanto algumas áreas possuem corredores regulares, outras se mostram desiguais. 100% 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% Rod. Pavimentada (Km) Rod. não Pavimentada (Km) Ferroviária (Km) Hidrovia (Km) Portos Norte Nordeste Sudeste Sul Centro-Oeste Aeroportos principais 6

7 Figura 01 - Distribuição da infraestrutura de transportes nas regiões do Brasil em 2006 Fonte: BRASIL. Confederação Nacional do Transporte CNT (2010). Como estratégia de solução dos problemas de infra-estrutura, muitas empresas optam pela terceirização de transportes, transferindo as responsabilidades para outras organizações que trabalham neste segmento. A terceirização pode ser conceituada como a transferência para outras empresas de certos serviços (limpeza, transporte, etc.) antes realizados por funcionários da empresa contratante (XIMENES, 2000). No entanto, é necessário que a contratante esteja sempre controlando e fiscalizado o fluxo de atividades desenvolvidas pelo contratado. Embora muitas organizações optem pelo uso do transporte terceirizado no escoamento dos seus produtos, é importante que junto a essa escolha, esteja a utilização de técnicas otimizadas para um acondicionamento eficaz do produto. 3. PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS A construção do referencial teórico deste estudo referente a infraestrutura de transportes pertinentes ao escoamento da uva de mesa produzida no Submédio São Francisco foi realizado através de pesquisas bibliográficas em livros, revistas, sites especializados, dissertações, teses, dentre outros meios que disponibilizam assuntos relacionados a este tema. Por sua vez, esta pesquisa caracteriza-se como exploratória e descritiva. Para registrar e descrever os fatos objetos de estudo realizou-se a pesquisa de campo, onde foram aplicados questionários compostos de perguntas abertas, fechadas ou dicotômicas e de múltipla escolha. O primeiro questionário foi aplicado em duas empresas (packing houses) vendedoras da uva de mesa produzida na região. O segundo, ao diretor de uma transportadora rodoviária situada em Petrolina/PE, responsável pelo transporte da uva de mesa até os portos marítimos e para outras regiões do Brasil que consomem a fruta. O terceiro foi aplicado diretamente ao gerente de atividades logísticas do Aeroporto Senador Nilo Coelho, situado no município de Petrolina/PE, terminal aéreo responsável pelo transporte das frutas do Submédio. O quarto foi aplicado diretamente ao gerente de operações logísticas da TECON SUAPE, entidade que administra o Porto Suape, situado no Estado de Pernambuco, As aplicações dos questionários nas respectivas organizações ocorreram no período de 14 de dezembro de 2010 a 12 de abril de As referidas empresas pesquisadas correspondem à amostra de um universo equivalente ao total aproximado de 37 packing houses ((Não existem fontes com dados 7

8 precisos sobre a quantidade), 06 terminais/transportadores (Não existem fontes com dados precisos sobre a quantidade de transportadores) rodoviários que operam neste segmento, 01 terminal/transportador aéreo, 04 terminais/transportadores marítimos (Porto de Pecém/CE, Porto de Salvador/BA, Porto Suape/PE e Porto de Fortaleza/CE), segundo dados da Associação dos Exportadores de Hortifrutigranjeiros e Derivados do Vale do São Francisco Valexport (2010). Foi selecionada a técnica de amostra não-probabilística por conveniência, que ainda segundo Samara & Barros (2002) é uma técnica em que os elementos são selecionados de acordo com a conveniência do pesquisador, ou seja, são os elementos que estão ao alcance do estudioso. 4. APRESENTAÇÃO E ANÁLISE DOS RESULTADOS 4.1 Distribuição Física Nacional da Uva de Mesa O processo de distribuição ocorre de dois modos: nacional e internacional, sendo que cada um possui suas devidas singularidades. No primeiro modo, as caixas de uva são depositadas em um caminhão refrigerado, que posiciona-se em uma das docas existentes na estrutura física da câmara fria para ser carregado. Esta movimentação é efetuada com o uso de carrinho manual porta-pallets, equipamento essencial para execução da referida atividade logística. Embora a distribuição possa ocorrer em vários tipos de caminhões, o mais utilizado possui as especificações expostas na Tabela 01: Tabela 01 - Características do modal de transporte utilizado para distribuição da uva no mercado nacional Modelo Comprimento Total Largura Altura Caminhão m m m De modo geral, este modelo de caminhão é o mais empregado no transporte da fruta devido a sua eficiente estabilidade no percurso realizado, evitando possíveis danos no produto 8

9 e assegurando a boa aparência e qualidade. Assim, o caminhão segue até os atacadistas e varejistas localizados em várias regiões do país, e a partir desse estágio a uva é adquirida pelos consumidores finais, como pode ser visto na Figura 02: Início Câmara Fria Distribuição Nacional Transporte (Caminhão Refrigerado) Atacadistas Fim Consumidor Final Varejistas Transporte (Caminhão) Figura 02 - Fluxograma do processo logístico de distribuição nacional pós-câmara da uva produzida no Submédio São Francisco 4.2 Distribuição Física Internacional da Uva de Mesa Na distribuição internacional (Fig. 03), as caixas de uva são dispostas em um caminhão com container refrigerado (Fig. 04). Início Câmara Fria Distribuição Internacional (Exportação) Transporte (Container Refrigerado) Fiscalização (Ministério da Agricultura e Receita Federal) REDEX (Desembaraço) Aeroporto Regional- Petrolina/PE. Porto Internacional Transporte (Navio Cargueiro) Porto Nacional (Funciona como subsídio para entregas urgentes, raramente é utilizado) Transporte (Container Refrigerado) Atacadistas Transporte (Caminhão refrigerado) Figura 03 - Fluxograma do processo logístico de distribuição internacional pós-câmara da uva produzida no Submédio São Francisco Transporte Consumidor Final Varejistas (Avião Fonte: Pesquisa realizada Aeroporto no período de 14 de dezembro/2010 a 12 de abril/2011 Cargueiro) Internacional Fim 9

10 São utilizados dois modelos básicos de containers, que se diferenciam nas suas dimensões e capacidades de cargas, pois o sistema de refrigeração instalado em ambos apresentam as mesmas características técnicas. Figura 04 - Caminhão com container refrigerado O sistema de refrigeração é constituído por um equipamento acoplado na parte dianteira superior do recipiente, através do qual é possível controlar a temperatura que circula no seu interior, mantendo assim a integridade da fruta. Os dois tipos de containers mencionados que são usados pelas empresas do Submédio São Francisco são caracterizados de acordo com os dados demonstrados por meio da Tabela 02: Tabela 02 - Características dos containers utilizados para distribuição da uva no mercado internacional Modelo Comprimento Total Largura Altura Container Reefer 20 6,6 m 2,44 m 2,59 m Container Reefer m 2,44 m 2,59 m Com o container totalmente carregado, o caminhão desloca-se para o REDEX, uma espécie de ambiente físico onde realiza-se o desembaraço (Fig. 05), procedimento fiscal voltado para verificação e despacho de produtos para exportação. O Pólo Fruticultor de Petrolina-PE e Juazeiro-BA, conta com um número de 02 (dois) REDEX, funcionando como 10

11 recinto para vistoria das frutas, que fica a cargo do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento MAPA e da Receita Federal. O REDEX contratado pelas empresas pesquisadas é constituído por uma área de m 2, uma plataforma de inspeção de cargas com capacidade para 18 containers, subsidiada por uma área de escape com capacidade para mais 30. Em época de safra da uva a rotatividade de containers para desembaraço é de 27 a 30 por dia. Início Retirada de Amostras Colocação do Lacre de SIF Plataforma de Inspeção REDEX Vistoria da Carga (Ministério da Agricultura) Parametrização (Receita Federal) Canal Laranja Canal vermelho Sim Existem Pendências? Não Pendências Sanadas Canal Verde Fim Figura 05 - Fluxograma do processo de desembaraço da uva no REDEX Neste ambiente parecido com um porto seco, o caminhão com container é estacionado na plataforma de inspeção para ser aberto pelo fiscal do Ministério da Agricultura, o qual retira uma amostra da fruta (já separada na câmara fria) para verificar a sua qualidade e posteriormente emitir o Certificado Fitossanitário, exigido por muitos países importadores de uva, além de fechar com um lacre (válvula) de Serviço de Inspeção Federal - SIF. Em seguida o processo segue para a responsabilidade do fiscal da Receita Federal, responsável pela parametrização ou registro da Declaração de Exportação - DE entregue pela empresa exportadora, onde contém dados como transporte utilizado, identificação da entidade, o valor dos tributos fiscais que estão sendo pagos, entre outras informações específicas. 11

12 Com a declaração cadastrada do sistema online da Receita Federal, automaticamente será emitido um canal de conferência, podendo ser os seguintes: canal verde, laranja e vermelho. O verde significa que não há necessidade de conferir documentos, pois não existem pendências e o desembaraço é feito no mesmo instante. O canal laranja implica na verificação de documentos, e o canal vermelho indica que existe necessidade de conferir os documentos e efetuar uma vistoria na carga. Depois de sanadas as devidas pendências, o sistema emite o sinal verde e o container com uva é liberado para o terminal de exportação. É válido ressaltar que de acordo com as informações obtidas por via dos questionários aplicados nas organizações (packing houses) exploradas na pesquisa, mesmo o REDEX desempenhando papel fundamental do processo de exportação da uva, muitas vezes esta etapa atrasa a chegada da mercadoria até os portos. Este fato ocorre pelo motivo dos fiscais da Receita Federal e do Ministério da Agricultura não estarem permanentemente neste recinto de fiscalização, por desenvolverem outras atividades para seus respectivos órgãos. Nesta condição os containers chegam a ficar horas esperando pelo desembaraço. Partindo para análise dos terminais marítimos de exportação, as empresas do Submédio São Francisco geralmente utilizam a infraestrutura de três portos, todos localizados na Região Nordeste, a saber: Porto Suape em Pernambuco, Porto de Salvador, situado na Bahia e Porto de Pecém, no estado do Ceará, sendo o primeiro mais utilizado por apresentar melhores condições físicas. De acordo com o gerente de operações logísticas da TECON SUAPE, empresa que coordena as operações portuárias, no ano de 2010 o Porto Suape foi intitulado como o melhor do Brasil, pelo Instituto de Logística Supply Chain ILOS. Esta classificação deve-se a sua estrutura física, como mostra a Tabela 03: Tabela 03 - Estrutura física do Porto Suape-PE Área Total N de Cais Extensão do Berço Profundidade do Berço Extensão do Canal de Acesso Capacidade Mov. de Containers m m 15,5 m 390m 400 por ano Quando o caminhão com o container chega ao terminal marítimo concentra-se em uma fila de espera, para na sequência identificar-se na recepção, chamada de gate portuário, 12

13 para que sua entrada seja autorizada. Em seguida o recipiente é depositado no pátio de cargas cheias refrigeradas, tendo em vista que toda inspeção já foi feita no REDEX, sendo apenas necessária a amostra dos documentos ao fiscal da Receita Federal presente no porto. A movimentação do container é feita com o uso da Reach Stacker, equipamento que tem capacidade de movimentar até 40 toneladas. Do pátio de espera o recipiente é levado para o cais, depositado no navio cargueiro da empresa contratada para transportar a uva até outros portos da Europa e dos EUA. Os containers são suspensos por um guindaste denominado portêineres (Fig.06). Figura 06 - Embarque de containers com o uso do portêineres Essa operação é gerenciada através do uso de um sistema de informação, chamado CTS Container Tracking System, traduzido para língua portuguesa como Sistema para Acompanhamento de Container. O uso da tecnologia ajuda bastante no gerenciamento das movimentações executadas no pátio do terminal, refletindo na segurança e otimização dos serviços prestados pelo porto aos seus inúmeros clientes. Em relação ao tipo de navio utilizado, o mesmo pertence ao modelo Full Containers (Tab. 04), pois é o mais indicado para transportar cargas, com considerável eficiência na velocidade despendida na locomoção. 13

14 Tabela 04 - Características do modal de transporte marítimo utilizado para distribuição da uva no mercado internacional Modelo Comprimento Total Largura Calado Navio Cargueiro Full Container 360 m 55 m 14.5 m A operação no porto é bastante organizada, cada movimentação da carga é feita em uma ordem que possibilita um rápido processo de embarque, ou seja, o produto não passa por etapas desnecessárias no interior do terminal, como mostra a Figura 07: Início Fila de Espera GATE (Identificação) Pátio de Containers Cheios Suspensão (Portêineres) Cais de Embarque Movimentação (Uso da Reach Stacke) Navio Cargueiro Fim Figura 07 - Fluxograma do processo de movimentação do container no porto marítimo Finalizado o embarque, o produto segue para os portos internacionais e assim são distribuídos para os atacadistas por meio de caminhões refrigerados, por sua vez esses canais intermediários revendem para varejistas que fornecem a uva para os consumidores finais. No tocante a exportação de caráter urgente, as organizações do Submédio São Francisco contam com os serviços disponibilizados pelo Terminal de Carga Aérea TECA, instalado no Aeroporto Senador Nilo Coelho, na cidade de Petrolina-PE, usado constantemente por 15 exportadores de manga e vários importadores de outros bens. Segundo o gerente de atividades logísticas do aeroporto este TECA é constituído por uma boa infraestrutura, com uma área total de m 2, na qual existem túneis de resfriamento e câmaras frias para armazenamento das frutas até a chegada do avião cargueiro 14

15 responsável pelo transporte, que é considerado ótimo em relação ao espaço interno para acomodação de mercadorias e tecnologia de refrigeração. A Tabela 05 demonstra as principais características desta aeronave. Tabela 05 - Características do avião cargueiro utilizado para exportação de frutas Modelo Comprimento Total Envergadura Altura Boeing F 70,66 m 64,31 m 19,6 m A operação no aeroporto também é organizada, de modo que toda movimentação da carga é acompanhada por profissionais com a função de assegurar a execução correta dos procedimentos que antecedem o embarque da fruta, tais como armazenamento, pesagem e palletização. Logo após estas etapas a carga é posicionada na pista de decolagem através de equipamentos apropriados e suspensa até a altura da aeronave para o devido embarque. Na Figura 08 pode ser observado o processo geral que compreende as fases da operação no TECA. Início Recebimento (Docas) Pesagem da Carga Armazenamento Suspensão (elevador aeronáutico) Pista de Decolagem Palletização (pallet para carga aérea) Avião Cargueiro Fim Figura 08- Fluxograma do processo de movimentação de cargas no TECA Feito o preciso embarque (Fig. 09), o avião cargueiro segue para os aeroportos internacionais por onde faz escalas de vôo, e assim são distribuídos para os atacadistas através de caminhões refrigerados, e varejistas que disponibilizam o produto para os consumidores 15

16 finais. Entretanto, raramente acontece a necessidade de exportar a uva por este modal de transporte. Figura 09 - Embarque de frutas no avião cargueiro Boeing F 5. CONSIDERAÇÕES FINAIS Levando em consideração que o cultivo da uva na região recebe mais atenção de pesquisadores motivados a analisar o sistema de produção, como no caso da Embrapa Semiárido, foram analisadas neste estudo as etapas que sucedem a esse processo produtivo, mapeando os procedimentos logísticos que tratam do escoamento da fruta. Esta ação foi de grande validade científica, pois possibilitou a identificação de importantes fatores. Os resultados da pesquisa apontam que a região do Submédio São Francisco, em particular o Pólo Fruticultor Petrolina-PE/Juazeiro-BA é uma área geográfica que contribui em larga escala para o desenvolvimento de um modelo logístico eficiente na distribuição física de frutas in natura, principalmente para exportação. Deste modo, foi possível identificar que apesar da uva ser cultivada no Semiárido nordestino, área geográfica em desenvolvimento econômico, sua distribuição para os devidos mercados é efetuada de maneira organizada e segura, pois desde a etapa da colheita são utilizados instrumentos de alta qualidade, que atentam não apenas às normas nacionais, mas também as exigências dos importadores do produto. 16

17 Quanto aos modais de transportes empregados para conduzir o produto aos seus respectivos canais de distribuição, constatou-se que todos têm características condizentes e ideais para cada fase ligada ao processo de escoamento. São meios de transportes desenvolvidos com dimensões e tecnologias apropriadas para suportar grande volume de frutas, e ainda capazes de superar as difíceis condições das estradas brasileiras, no caso dos caminhões usados para entregas nacionais. Referências ARKADER, Rebeca et al. Logística Empresarial: A Perspectiva Brasileira. São Paulo: Atlas, (Coleção COPPEAD de Administração) ARNOLD, J. R. Tony. Administração de Materiais. São Paulo: Atlas, BALLOU, Ronald H. Logística Empresarial: transportes, administração de materiais e distribuição física. São Paulo: Atlas,1993. BRASIL. Confederação Nacional do Transporte CNT. Plano CNT de Logística p Disponívelem:<http://www.cnt.org.br/informacoes/pesquisas/splb/2008/arquivos/pdf/Mapa_R egi%c3%a3o_centro-oeste.pdf>. Acesso em: 21 set BUSTAMANTE, P. M. A. Cares. A Fruticultura no Brasil e no Vale do São Francisco: Vantagens e Desafios. Documentos Técnicos-Científicos:REN Revista Econômica do Nordeste, n. 01, p , jan-mar Disponível em: <hhttp://www.bnb.gov.br/projwebren/exec/artigorenpdf.aspx?cd_artigo_ren=1120>. Acesso em: 20 set CAIXETA-FILHO, J. Vicente; MARTINS, R. Silveira. Gestão Logística do Transporte de Cargas. São Paulo: Atlas, ENOMOTO, Leandro Minoru. Análise da Distribuição Física e Roteirização em um Atacadista no Sul de Minas Gerais p. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção) Universidade Federal de Itajubá. Disponível em: <http://adm-neta.unifei.edu.br/phl/pdf/ pdf >. Acesso em: 20 de set FERREIRA, Karine Araújo; RIBEIRO, Priscila. Logística e Transporte: Uma Discussão sobre os Modais de Transporte e o Panorama Brasileiro. In:ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO - ENEGEP, 22., 2002, Curitiba. Anais... Curitiba, Disponível em: < Acesso em 19 set FLEURY, Paulo F. Panorama do Transporte de Cargas no Brasil. In: WANKE, Peter; FLEURY, P. Fernando; FIGUEIREDO, K. Fossati (organizadores). Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos: Planejamento do Fluxo de Produtos e dos Recursos.São Paulo: Atlas, (Coleção COPPEAD de Administração). MANFROI, Armando Staudt. A Logística de Transporte e as Cadeias Agropecuárias Avícola e Suinícola, Impacto Social e Econômico no Desenvolvimento Local do Município de Toledo - PR p. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção) Universidade Federal de Santa Maria. Disponível em: < i_32.pdf>. Acesso em: 20 de set

18 OLIVEIRA, Tarcísio Silva et al. Mapeamento da Cadeia de Suprimentos de Uvas Frescas para Exportação a partir da Região do Submédio São Francisco sob a Ótica de um Operador Logístico Local.. In:ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO - ENEGEP, 29., 2009, Salvador. Anais... Salvador, Disponível em: < Acesso em 19 set PANITZ, Carlos E. Dicionário de Logística e Operações. rev. e acresc. de 467 p. São Paulo,2006. POZO, Hamilton. Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais: Uma Abordagem Logística. 3ª Ed. São Paulo: Atlas, RIBEIRO, Rodrigo da S.; HOLANDA, Zenildo F. et al. Características do Setor de Distribuição de Mandioca e Derivados em Rondônia: Um Estudo exploratório. In: SOCIEDADE BRASILEIRA DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E SOCIOLOGIA RURAL - SOBER, 47., 2009, Porto Alegre. Anais... Porto Alegre, Disponível em: < Acesso em: 19 set SAMARA, Beatriz Santos; BARROS, José Carlos de. Pesquisa de Marketing : Conceitos e Metodologia. 3ª Ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, SILVA, Mônica M.; BAZOLI, Thiago N.. Operações e Logística. São Paulo. Pearson Prentice Hall, VALEXPORT, Associação dos Exportadores de Hortifrutigranjeiros e Derivados do Vale do São Francisco. Há 22 Anos Unindo Forças para o Desenvolvimento do Vale do São Francisco e da Fruticultura Brasileira. Relatório Interno Petrolina, XIMENES, Sérgio. Minidicionário Ediouro da Língua Portuguesa. 2ª Ed. reform. São Paulo: Ediouro,

OS DESAFIOS E AVANÇOS DA LOGÍSTICA NO ESCOAMENTO DA UVA DE MESA PRODUZIDA NA REGIÃO DO SUBMÉDIO SÃO FRANCISCO

OS DESAFIOS E AVANÇOS DA LOGÍSTICA NO ESCOAMENTO DA UVA DE MESA PRODUZIDA NA REGIÃO DO SUBMÉDIO SÃO FRANCISCO ORGANIZAÇÃO SETE DE SETEMBRO DE CULTURA E ENSINO LTDA FACULDADE SETE DE SETEMBRO FASETE CURSO DE BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO GIVALDO BEZERRA DA HORA OS DESAFIOS E AVANÇOS DA LOGÍSTICA NO ESCOAMENTO DA

Leia mais

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm ESTUDO DA CNT APONTA QUE INFRAESTRUTURA RUIM AUMENTA CUSTO DO TRANSPORTE DE SOJA E MILHO As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm impacto significativo na movimentação

Leia mais

LOGÍSTICA. O Sistema de Transporte

LOGÍSTICA. O Sistema de Transporte LOGÍSTICA O Sistema de Transporte O TRANSPORTE 1. Representa o elemento mais importante do custo logístico; MODALIDADE (UM MEIO DE TRANSPORTE) MULTIMODALIDADE (UTILIZAÇÃO INTEGRADA DE MODAIS) Tipos de

Leia mais

ESTUDO DA CRIAÇÃO DE UMA PLATAFORMA MULTIMODAL Prof. Ph.D. Cláudio Farias Rossoni Área delimitada onde em um mesmo local se encontram disponibilizados: DUTOVIAS HIDROVIAS RODOVIAS AEROVIAS FERROVIAS Área

Leia mais

SISTEMAS DE TRANSPORTES

SISTEMAS DE TRANSPORTES ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS, PRODUÇÃO E LOGÍSTICA SISTEMAS DE TRANSPORTES TRANSPORTES Transportes, para a maioria das firmas, é a atividade logística mais importante, simplesmente porque ela absorve, em

Leia mais

DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM.

DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM. DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM. Leonardo Silva Figueredo (UNAMA) leonardosfigueredo@hotmail.com

Leia mais

Distribuição e transporte

Distribuição e transporte Distribuição e transporte Gestão da distribuição Prof. Marco Arbex Introdução Toda produção visa a um ponto final, que é entregar os seus produtos ao consumidor; Se o produto não está disponível na prateleira,

Leia mais

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Profª Caroline Pauletto Spanhol

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Profª Caroline Pauletto Spanhol Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos Profª Caroline Pauletto Spanhol Cadeia de Abastecimento Conceitos e Definições Elementos Principais Entendendo a Cadeia de Abastecimento Integrada Importância

Leia mais

Navegação de Cabotagem no Brasil. João Guilherme Araujo. Novembro/2013

Navegação de Cabotagem no Brasil. João Guilherme Araujo. Novembro/2013 Navegação de Cabotagem no Brasil João Guilherme Araujo Novembro/2013 Agenda Porque falar de Cabotagem? Cabotagem no Brasil Pontos Favoráveis e Desfavoráveis Números da Cabotagem no Brasil Cabotagem de

Leia mais

LOGÍSTICA & BRASIL Artigo

LOGÍSTICA & BRASIL Artigo O artigo aborda relações entre logística, formação profissional e infra-estrutura do país. São debatidas questões sobre a evolução da logística no Brasil, a preparação educacional do profissional de logística

Leia mais

Infraero Logística: Facilidades pela infraestrutura aeroportuária. Gerência de Logística de Cargas - RFLC

Infraero Logística: Facilidades pela infraestrutura aeroportuária. Gerência de Logística de Cargas - RFLC Infraero Logística: Facilidades pela infraestrutura aeroportuária novembro de 2010 67 Aeroportos 80 Unidades de Apoio à Navegação Aérea 34 Terminais de Logística de Carga Aprox. 29.300 empregados (org

Leia mais

ANÁLISE DOS SISTEMAS LOGÍSTICO E DE TRANSPORTE DO CORREDOR CENTRO-OESTE

ANÁLISE DOS SISTEMAS LOGÍSTICO E DE TRANSPORTE DO CORREDOR CENTRO-OESTE ANÁLISE DOS SISTEMAS LOGÍSTICO E DE TRANSPORTE DO CORREDOR CENTRO-OESTE Aluno: Stephan Beyruth Schwartz Orientador: Nélio Domingues Pizzolato 1. INTRODUÇÃO A estabilização da economia e a eliminação do

Leia mais

A logística para exportação de frutas do Brasil e do Chile

A logística para exportação de frutas do Brasil e do Chile Comparativo A logística para exportação de frutas do Brasil e do Chile Rufino Fernando Flores Cantillano* Goiabas em embalagens de feijoa: específicas para o transporte a longa distância A logística de

Leia mais

ENCONTRO 1 Logística e Transporte

ENCONTRO 1 Logística e Transporte ENCONTRO 1 Logística e Transporte ENCONTRO 1 Logística e Transporte TÓPICO 1: Contextualizando o encontro Olá! Você está iniciando o primeiro encontro do curso Logística Internacional. Neste encontro,

Leia mais

ASPECTOS LOGÍSTICOS DO ESCOAMENTO DO AÇÚCAR PAULISTA: TRECHO USINA PORTO DE SANTOS

ASPECTOS LOGÍSTICOS DO ESCOAMENTO DO AÇÚCAR PAULISTA: TRECHO USINA PORTO DE SANTOS ASPECTOS LOGÍSTICOS DO ESCOAMENTO DO AÇÚCAR PAULISTA: TRECHO USINA PORTO DE SANTOS Maria Rita Pontes Assumpção Mestrado em Gestão de Negócios Universidade Católica de Santos Resenha da Dissertação de Bruno

Leia mais

Navegação de Cabotagem

Navegação de Cabotagem Reunião Conjunta Câmaras Setoriais da Cadeia Produtiva de Milho e Sorgo e da Cadeia Produtiva de Aves e Suínos Identificação das formas de movimentação dos excedentes de milho no Brasil Navegação de Cabotagem

Leia mais

AEROPORTO INTERNACIONAL DE CABO FRIO UMA NOVA OPÇÃO LOGÍSTICA

AEROPORTO INTERNACIONAL DE CABO FRIO UMA NOVA OPÇÃO LOGÍSTICA AEROPORTO INTERNACIONAL DE CABO FRIO UMA NOVA OPÇÃO LOGÍSTICA Conferência Internacional sobre Capital Privado em Aeroportos FIESP / CIESP 23/Abril/2009 A Costa da Sol Operadora Aeroportuária S.A. é uma

Leia mais

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi LOGÍSTICA 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA O conceito de Logística sempre envolve um fluxo de materiais de uma origem ou destino e, no outro sentido, um fluxo

Leia mais

A importância estratégica da Logística na Siderurgia Brasileira

A importância estratégica da Logística na Siderurgia Brasileira A importância estratégica da Logística na Siderurgia Brasileira CARLOS JR. GERENTE DE PLANEJAMENTO INTEGRADO Jun/2013 Jorge Carlos Dória Jr. Votorantim Siderurgia Votorantim Siderurgia O Grupo Votorantim

Leia mais

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza Prova 1 09 de Maio de 2013 Nome: 1ª QUESTÃO (1,0) Segundo os dados divulgados pela ood and Agriculture Organization (AO, 2011) sobre as exportações brasileiras, em

Leia mais

TÍTULO: BENEFÍCIOS DE UM PORTO INTERMODAL NA REGIÃO DE RUBINEIA (SP) CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

TÍTULO: BENEFÍCIOS DE UM PORTO INTERMODAL NA REGIÃO DE RUBINEIA (SP) CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO TÍTULO: BENEFÍCIOS DE UM PORTO INTERMODAL NA REGIÃO DE RUBINEIA (SP) CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADES INTEGRADAS DE SANTA FÉ DO SUL AUTOR(ES):

Leia mais

CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO

CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO Universidade Federal de Itajubá (UNIFEI) Instituto de Engenharia de Produção e Gestão www.rslima.unifei.edu.br rslima@unifei.edu.br Conceituacão Sistema de Distribuição um para um

Leia mais

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE *Envie o nome de seu grupo, dos integrantes e um telefone de contato junto com as respostas do questionário abaixo para o e-mail COMMUNICATIONS.SLA@SCANIA.COM*

Leia mais

6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia

6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia 6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia Complementando o que foi exposto sobre a gerência da cadeia de suprimentos analisada no Capítulo 3, através de

Leia mais

Tabela Pública de Serviços

Tabela Pública de Serviços Tabela Pública de Serviços Sumário Serviços para Contêineres de Importação... 3 Serviços para Carga Desunitizada de Importação... 5 Serviços para Contêineres e Cargas Soltas de Exportação... 7 Serviços

Leia mais

Logística Empresarial Integrada

Logística Empresarial Integrada Logística Empresarial Integrada Profº José Carlos de Sousa Lima Amazenagem, Localização Física, Distribuição e Transporte Objetivo Discutir a armazenagem, localização física, gestão da distribuição e transporte

Leia mais

A Infra-estrutura e os Desafios Logísticos das Exportações Brasileiras

A Infra-estrutura e os Desafios Logísticos das Exportações Brasileiras A Infra-estrutura e os Desafios Logísticos das Exportações Brasileiras P. Fernando Fleury Um dos principais efeitos do processo de globalização que vem afetando a grande maioria das nações, é o aumento

Leia mais

TÍTULO: SIMULAÇÃO DE SISTEMA LOGÍSTICO DE APOIO PARA EXPORTAÇÃO DE PARA-CHOQUES PARA OS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA

TÍTULO: SIMULAÇÃO DE SISTEMA LOGÍSTICO DE APOIO PARA EXPORTAÇÃO DE PARA-CHOQUES PARA OS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: SIMULAÇÃO DE SISTEMA LOGÍSTICO DE APOIO PARA EXPORTAÇÃO DE PARA-CHOQUES PARA OS ESTADOS UNIDOS

Leia mais

Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 5 a 8 de outubro, 2009 131 RESUMOS EXPANDIDOS...132

Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 5 a 8 de outubro, 2009 131 RESUMOS EXPANDIDOS...132 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 5 a 8 de outubro, 2009 131 RESUMOS EXPANDIDOS...132 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 5 a 8 de outubro, 2009 132

Leia mais

A navegação de cabotagem no Brasil

A navegação de cabotagem no Brasil A navegação de cabotagem no Brasil Um imenso potencial com grandes desafios e barreiras João Guilherme Araujo Diretor de Desenvolvimento de Negócios ILOS - Instituto de Logística e Supply Chain Ultimamente

Leia mais

2. LOGÍSTICA EMPRESARIAL

2. LOGÍSTICA EMPRESARIAL 4 1. INTRODUÇÃO A logística empresarial é um conceito relativamente novo, apesar de que todas as empresas sempre desenvolveram atividades de suprimento, transporte, estocagem e distribuição de produtos.

Leia mais

CUSTOS LOGÍSTICOS NO BRASIL 2014. Logística, Supply Chain e Infraestrutura. Núcleo de Logística, Supply Chain e Infraestrutura

CUSTOS LOGÍSTICOS NO BRASIL 2014. Logística, Supply Chain e Infraestrutura. Núcleo de Logística, Supply Chain e Infraestrutura CUSTOS LOGÍSTICOS NO BRASIL 2014 Logística, Supply Chain e Infraestrutura Núcleo de Logística, Supply Chain e Infraestrutura Paulo Tarso Vilela de Resende Paulo Renato de Sousa Bolsistas Fapemig Gustavo

Leia mais

Logística e infraestrutura para o escoamento da produção de grãos no Brasil

Logística e infraestrutura para o escoamento da produção de grãos no Brasil Logística e infraestrutura para o escoamento da produção de grãos no Brasil Denise Deckers do Amaral 1 - Economista - Assessora Técnica - Empresa de Planejamento e Logística - EPL, Vice Presidente da Associação

Leia mais

Tabela Pública de Serviços

Tabela Pública de Serviços Tabela Pública de Serviços Sumário Serviços para Contêineres de Importação... 3 Serviços para Carga Desunitizada de Importação... 5 Serviços para Contêineres de Exportação.... 7 Serviços para Contêineres

Leia mais

LOCALFRIO S.A. ARMAZÉNS GERAIS FRIGORÍFICOS

LOCALFRIO S.A. ARMAZÉNS GERAIS FRIGORÍFICOS LOCALFRIO S.A. ARMAZÉNS GERAIS FRIGORÍFICOS TARIFA DE SERVIÇOS Matriz: CNPJ: 58.317.751/0001-16 NIRE: 35.300.117.441; Filial: São Paulo SP Armazém Frigorífico CNPJ: 58.317.751/0007-01 NIRE: 35.902.660.232;

Leia mais

Pesquisa. Os Problemas da Empresa Exportadora Brasileira 2008. Entraves e Prioridades

Pesquisa. Os Problemas da Empresa Exportadora Brasileira 2008. Entraves e Prioridades Pesquisa Os Problemas da Empresa Exportadora Brasileira 2008 Entraves e Prioridades Renato Fonseca Brasília, 1 de outubro de 2008 Apresentação 1. Amostra 2. Entraves à expansão das exportações 3. Tributação

Leia mais

São os seguintes os produtos previstos para serem movimentados nas instalações do Terminal:

São os seguintes os produtos previstos para serem movimentados nas instalações do Terminal: PORTO DE PECEM. Trata-se de um terminal marítimo concebido para propiciar operações portuárias eficientes, tornando-o altamente competitivo com acessos rodoviários e ferroviários livres e independentes

Leia mais

TABELA DE PREÇOS DO TERMINAL PORTUÁRIO DO PECÉM Vigência: 01 DE JULHO DE 2015

TABELA DE PREÇOS DO TERMINAL PORTUÁRIO DO PECÉM Vigência: 01 DE JULHO DE 2015 TABELA DE PREÇOS DO Vigência: 01 DE JULHO DE 2015 TABELA A - PREÇOS DOS SERVIÇOS PRESTADOS OU DISPONIBILIZADOS PELA CEARÁPORTOS 100.000 SERVIÇOS OPERACIONAIS O prestador de serviço credenciado deverá pagar

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE TRANSPORTE: O GRANDE DIFERENCIAL LOGÍSTICO

ADMINISTRAÇÃO DE TRANSPORTE: O GRANDE DIFERENCIAL LOGÍSTICO 1 ADMINISTRAÇÃO DE TRANSPORTE: O GRANDE DIFERENCIAL LOGÍSTICO ADMINISTRATION OF TRANSPORT: THE LARGE DIFFERENTIAL LOGISTIC Luiz Augusto Ferreira Prado * Adalberto Brandalize ** RESUMO: Este artigo tem

Leia mais

Visão Ser o porto de referência para as cadeias logísticas da costa leste de África.

Visão Ser o porto de referência para as cadeias logísticas da costa leste de África. Corredor de Nacala Engloba : O Porto de Nacala, elemento central do Corredor; O Sistema ferroviário do Norte de Moçambique O Sistema ferroviário do Malawi; e O troço ferroviário Mchinji/Chipata, que permite

Leia mais

OBJETIVO DEFINIÇÕES. Para os efeitos deste Manual, define-se como: I MAPA: Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento;

OBJETIVO DEFINIÇÕES. Para os efeitos deste Manual, define-se como: I MAPA: Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento; OBJETIVO O sistema SIGVIG instituído pelo MAPA destina-se a atender a necessidade de gerenciamento e controle do recebimento, envio e fiscalização das mercadorias importadas e exportadas através dos portos,

Leia mais

Armazenagem, Controle e Distribuição. Aula 6. Contextualização. Modais de Transporte. Instrumentalização. Modais de Transporte

Armazenagem, Controle e Distribuição. Aula 6. Contextualização. Modais de Transporte. Instrumentalização. Modais de Transporte Armazenagem, Controle e Distribuição Aula 6 Contextualização Prof. Walmar Rodrigues da Silva Modais de Transporte Característica Comparações Utilização Instrumentalização Multimodalidade e intermodalidade

Leia mais

TRANSPORTES: REDES MATERIAIS

TRANSPORTES: REDES MATERIAIS TRANSPORTES: REDES MATERIAIS TRANSPORTES desenvolvimento da tecnologia e a busca de economia de energia e tempo criação de equipamentos para transportar grandes volumes de carga e menor gasto de energia;

Leia mais

Distribuição Física. A distribuição física de produtos é realizada com a participação de alguns componentes, físicos ou informacionais, a saber:

Distribuição Física. A distribuição física de produtos é realizada com a participação de alguns componentes, físicos ou informacionais, a saber: Distribuição Física Objetivo da aula: Apresentar e discutir o conceito e os componentes do sistema de distribuição física, dentro do processo logístico. O objetivo geral da distribuição física, como meta

Leia mais

Professora Danielle Valente Duarte

Professora Danielle Valente Duarte Professora Danielle Valente Duarte TRANSPORTE significa o movimento do produto de um local a outro, partindo do início da cadeia de suprimentos chegando até o cliente Chopra e Meindl, 2006 O Transporte

Leia mais

Porto de Fortaleza. O desenvolvimento do Ceará passa por aqui

Porto de Fortaleza. O desenvolvimento do Ceará passa por aqui Porto de Fortaleza O desenvolvimento do Ceará passa por aqui O Porto de Fortaleza: porto de múltiplo uso Navios de Carga Geral / Navios Roll-on e Roll-off Navios Porta-Contêineres Navios de Passageiros

Leia mais

Programa de Ação Profissional: Transporte de um Vaso de Pressão São Paulo SP a Marau RS.

Programa de Ação Profissional: Transporte de um Vaso de Pressão São Paulo SP a Marau RS. Programa de Ação Profissional: Transporte de um Vaso de Pressão São Paulo SP a Marau RS. UNIVERSIDADE METODISTA DE SÃO PAULO FACULDADE DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA GESTÃO LOGÍSTICA

Leia mais

A NAVEGAÇÃO DE CABOTAGEM COMO SOLUÇÃO DE LOGÍSTICA COSTEIRA PARA O BRASIL Thiago Gonçalves Maio de 2014

A NAVEGAÇÃO DE CABOTAGEM COMO SOLUÇÃO DE LOGÍSTICA COSTEIRA PARA O BRASIL Thiago Gonçalves Maio de 2014 A NAVEGAÇÃO DE CABOTAGEM COMO SOLUÇÃO DE LOGÍSTICA COSTEIRA PARA O BRASIL Thiago Gonçalves Maio de 2014 SOBRE LOG-IN QUEM SOMOS? Quem Somos Números 96% 96% DE REDUÇÃO EM EMISSÕES DE CO 2 EM RELAÇÃO AO

Leia mais

TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS

TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS SETEMBRO DE 2015 1 2 PRODUTOS PARTICIPAÇÃO NO PIB 2013 Outros Serviços 33,7% Administração, saúde e educação públicas

Leia mais

Propostas do setor avícola para a superação de gargalos na infraestrutura logística

Propostas do setor avícola para a superação de gargalos na infraestrutura logística Propostas do setor avícola para a superação de gargalos na infraestrutura logística (PORTOS, FERROVIAS, RODOVIAS, FISCALIZAÇÃO E ÓRGÃOS FEDERAIS) UNIÃO BRASILEIRA DE AVICULTURA (UBABEF) A UNIÃO BRASILEIRA

Leia mais

Fundamentos do Transporte

Fundamentos do Transporte Prof.: Deibson Agnel Livro: Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos/Logística Empresarial Autor: Ronald Ballou Cap. 06 1 A importância de um sistema de transporte eficaz A movimentação de cargas absorve

Leia mais

PRODUTORES DO VALE PARAM PETROLINA E JUAZEIRO

PRODUTORES DO VALE PARAM PETROLINA E JUAZEIRO Discurso pronunciado pelo Deputado Gonzaga Patriota (PSB/PE), na Sessão de 23/05/2006. Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, PRODUTORES DO VALE PARAM PETROLINA E JUAZEIRO Acompanhando os grandes

Leia mais

CONDOMÍNIOS LOGÍSTICOS: ESTUDO DE CASO BAURU BUSINESS PARK

CONDOMÍNIOS LOGÍSTICOS: ESTUDO DE CASO BAURU BUSINESS PARK CONDOMÍNIOS LOGÍSTICOS: ESTUDO DE CASO BAURU BUSINESS PARK CLEITON FUMIO KIMIMOTO (Fatec Lins) cleiton.kimimoto@fatec.sp.gov.br LUIZ CARLOS RELVA (Fatec Lins) luizrelva@yahoo.com.br euclides reame junior

Leia mais

LOGÍSTICA DE OPERAÇÕES INTERNACIONAIS II. Prof. Alessandro Camargo

LOGÍSTICA DE OPERAÇÕES INTERNACIONAIS II. Prof. Alessandro Camargo LOGÍSTICA DE OPERAÇÕES INTERNACIONAIS II Prof. Alessandro Camargo Logística Internacional As principais características das operações logísticas são: - Complexidade: que podem ser desde o produto até a

Leia mais

Análise dos custos logísticos: um estudo de caso no setor alimentício.

Análise dos custos logísticos: um estudo de caso no setor alimentício. Análise dos custos logísticos: um estudo de caso no setor alimentício. Daniel Davi Boff ddboff@gmail.com Unochapecó Moacir Francisco Deimling moacir@unochapeco.edu.br Unochapecó Rodrigo Barichello rodrigo.b@unochapeco.edu.br

Leia mais

Logística Integrada na Prestação de Serviços de Cabotagem De Porto-a-Porto a Porta-a-Porta

Logística Integrada na Prestação de Serviços de Cabotagem De Porto-a-Porto a Porta-a-Porta Logística Integrada na Prestação de Serviços de Cabotagem De Porto-a-Porto a Porta-a-Porta Renata de Oliveira Carvalho. Dissertação de Mestrado do Programa de Pós-Graduação em Gestão de Negócios da Universidade

Leia mais

Logística e Infra-estrutura

Logística e Infra-estrutura Siderurgia Mineração Cimento Logística e Infra-estrutura CSN apresenta Plataforma Logística CSN em Itaguaí Plataforma Logística CSN em Itaguaí Um projeto alinhado às necessidades do Brasil Plataforma Logística

Leia mais

Diferenciais Competitivos do Porto do Rio Grande

Diferenciais Competitivos do Porto do Rio Grande Diferenciais Competitivos do Porto do Rio Grande Fórum de Infraestrutura e Logística do RS Nov/2009 Eng. Darci Tartari Divisão de Planejamento Localização do Porto do Rio Grande no Conesul São Francisco

Leia mais

CAPÍTULO III MEIOS DE TRANSPORTE TRANSPORTE HIDROVIÁRIO

CAPÍTULO III MEIOS DE TRANSPORTE TRANSPORTE HIDROVIÁRIO CAPÍTULO III MEIOS DE TRANSPORTE TRANSPORTE HIDROVIÁRIO O Transporte Hidroviário é o mais antigo do mundo. Subdivide-se em: - Transporte Marítimo: executado pelos mares, normalmente transportes internacionais

Leia mais

SUPPLY CHAIN: UMA ABORDAGEM DE GESTÃO PARA A CADEIA DE SUPRIMENTOS DE VACINAS

SUPPLY CHAIN: UMA ABORDAGEM DE GESTÃO PARA A CADEIA DE SUPRIMENTOS DE VACINAS ISSN 2179-6998 Rev. Ibirapuera, São Paulo, n. 2, p. 39-43, Jul./Dez. 2011 SUPPLY CHAIN: UMA ABORDAGEM DE GESTÃO PARA A CADEIA DE SUPRIMENTOS DE VACINAS Egberto Gomes Franco¹, Adriana Alves de Souza Santos²,

Leia mais

Desafio Logístico 2013

Desafio Logístico 2013 1 Desafio Logístico 2013 Índice Introdução 3 A situação O desafio 5 5 Regras gerais 6 2 Introdução O desenvolvimento econômico do Brasil enfrenta inúmeros desafios sendo que um dos mais complexos está

Leia mais

Comentários gerais. desta publicação. 5 O âmbito de atividades da pesquisa está descrito com maior detalhamento nas Notas técnicas

Comentários gerais. desta publicação. 5 O âmbito de atividades da pesquisa está descrito com maior detalhamento nas Notas técnicas Comentários gerais Pesquisa Anual de Comércio - PAC investiga a estrutura produtiva do A segmento empresarial do comércio brasileiro, sendo os resultados referentes a 2012 divulgados neste volume. A pesquisa

Leia mais

TABELA DE PREÇOS E CONDIÇÕES COMERCIAIS ESTRUTURA DE SERVIÇOS E PREÇOS

TABELA DE PREÇOS E CONDIÇÕES COMERCIAIS ESTRUTURA DE SERVIÇOS E PREÇOS TABELA DE PREÇOS E CONDIÇÕES COMERCIAIS Vigência: 15/03/2014 a 14/03/2015 ESTRUTURA DE SERVIÇOS E PREÇOS OPERAÇÃO PORTUÁRIA - Tarifas devidas pelo armador, agente de navegação ou requisitante - A. OPERAÇÃO

Leia mais

DESAFIOS LOGÍSTICOS PARA O ESCOAMENTO DA PRODUÇÃO DE CAFÉ NO SUL DE MINAS GERAIS

DESAFIOS LOGÍSTICOS PARA O ESCOAMENTO DA PRODUÇÃO DE CAFÉ NO SUL DE MINAS GERAIS DESAFIOS LOGÍSTICOS PARA O ESCOAMENTO DA PRODUÇÃO DE CAFÉ NO SUL DE MINAS GERAIS Ana Flávia Dutra Campos adutracampos@yahoo.com UNIS/MG Reginaldo da Silva Souza reginaldo-vga@hotmail.com UNIS-MG Pedro

Leia mais

A T R E S ASSOCIAÇÃO DO TERMINAIS PORTUÁRIOS E RETROPORTUÁRIOS E DOS USUÁRIOS DOS PORTOS DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO. www.atres.org.

A T R E S ASSOCIAÇÃO DO TERMINAIS PORTUÁRIOS E RETROPORTUÁRIOS E DOS USUÁRIOS DOS PORTOS DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO. www.atres.org. A T R E S ASSOCIAÇÃO DO TERMINAIS PORTUÁRIOS E RETROPORTUÁRIOS E DOS USUÁRIOS DOS PORTOS DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO A ATRES - Associação dos Terminais Retroportuários, Portuários e dos Usuários dos Portos

Leia mais

A REALIDADE LOGÍSTICA

A REALIDADE LOGÍSTICA A REALIDADE LOGÍSTICA Logística NO BRASIL Por Marco Aurélio O Brasil teve, até o ano de 2010, 1,76 milhão de quilômetros de vias rodoviárias. Desse total, somente 212.000 quilômetros estavam pavimentados.

Leia mais

5. Estudo de Caso. 5.1. Redex

5. Estudo de Caso. 5.1. Redex 69 5. Estudo de Caso 5.1. Redex Em setembro de 2007, foi inaugurado o Redex. A área, que anteriormente funcionava como um terminal de contêineres vazios, passou a ter como principal negócio a unitização

Leia mais

Prof. Esp. Romoaldo J S do Carmo E-mail: romoaldo.carmo@hotmail.com Prof.: Romoaldo J S do Carmo

Prof. Esp. Romoaldo J S do Carmo E-mail: romoaldo.carmo@hotmail.com Prof.: Romoaldo J S do Carmo Prof. Esp. Romoaldo J S do Carmo E-mail: romoaldo.carmo@hotmail.com Comércio Exterior UNIPAC Logística Internacional: Conceitos Estratégias Modais Transportes Tendências Logística Internacional CONCEITOS

Leia mais

PLATAFORMAS MARÍTIMAS. Aula 13. Logística de transferência de petróleo

PLATAFORMAS MARÍTIMAS. Aula 13. Logística de transferência de petróleo PLATAFORMAS MARÍTIMAS Aula 13 Logística de transferência de petróleo INTRODUÇÃO Logística Colocar-se o produto certo, no local correto, no momento adequado e ao menor preço possível, desde as fontes de

Leia mais

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Características Agropecuárias A sociedade brasileira viveu no século XX uma transformação socioeconômica e cultural passando de uma sociedade agrária para uma sociedade

Leia mais

A LOGÍSTICA NO CENÁRIO EMPRESARIAL

A LOGÍSTICA NO CENÁRIO EMPRESARIAL A LOGÍSTICA NO CENÁRIO EMPRESARIAL MOREIRA, Fabiano Greter (FANOVA) BORGHI, Wagner (FANOVA) INTRODUÇÃO Quando pensamos em produtos para consumo ou matéria prima para industrialização, não importando sua

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial IETEC INSTITUTO DE EDUCAÇAO TECNOLÓGICA PÓS GRADUAÇAO LATU SENSU 15 a. Turma Gestão da Logística Logística Empresarial Elenilce Lopes Coelis Belo Horizonte MG Julho - 2006 2 SUMÁRIO INTRODUÇÃO À LOGÍSTICA...PÁGINA

Leia mais

Unidade IV LOGÍSTICA PARA IMPORTAÇÃO. Prof. Márcio Antoni

Unidade IV LOGÍSTICA PARA IMPORTAÇÃO. Prof. Márcio Antoni Unidade IV LOGÍSTICA PARA IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO Prof. Márcio Antoni Seguros O seguro é uma operação comercial na qual o segurado (exportador ou importador) e segurador (companhia de seguro) formalizam

Leia mais

DISCIPLINA: DOWNSTREAM TRANSPORTE Prof. Mauro Ferreira

DISCIPLINA: DOWNSTREAM TRANSPORTE Prof. Mauro Ferreira DISCIPLINA: DOWNSTREAM TRANSPORTE Prof. Mauro Ferreira CAPÍTULO I INTRODUÇÃO Iniciaremos aqui mais um desenvolvimento de segmento da Indústria de Petróleo e Gás, DOWNSTREAM TRANSPORTE, no que se refere

Leia mais

Transferência e distribuição

Transferência e distribuição Transferência e Distribuição Transferência e distribuição O sistema logístico inclui, na maioria dos casos, dois tipos de transporte de produtos: A transferência: envolve deslocamento maciços entre dois

Leia mais

Transporte em uma empresa da indústria siderúrgica brasileira

Transporte em uma empresa da indústria siderúrgica brasileira Transporte em uma empresa da indústria siderúrgica brasileira Gizelle Coelho Netto (UnB) gizelle@producao.em.ufop.br Priscilla Cristina Cabral Ribeiro (DEPRO/UFOP-PPGEP/UFSCar) priscilla@dep.ufscar.br

Leia mais

Gestão de Fretes 15/09/2011. O transporte no processo logístico. O Sistema de Transporte. Matriz de Transportes O TRANSPORTE

Gestão de Fretes 15/09/2011. O transporte no processo logístico. O Sistema de Transporte. Matriz de Transportes O TRANSPORTE Gestão de Fretes O Sistema de Transporte O TRANSPORTE 1. Representa o elemento mais importante do custo logístico; 2. Tem papel fundamental na prestação do Serviço ao Cliente O transporte no processo logístico

Leia mais

A UNION MODAL LOGÍSTICA INTEGRADA LTDA. vem apresentar à sua empresa um programa completo de suporte às operações de logística, que atende aos

A UNION MODAL LOGÍSTICA INTEGRADA LTDA. vem apresentar à sua empresa um programa completo de suporte às operações de logística, que atende aos 2012 Apresentação Luiz José de Souza Neto Union Modal Logística Integrada Rua Teixeira de Freitas, 72, cj. 23 Santos / SP - Tel.: 13 30613387 luiz@unionmodal.com.br A UNION MODAL LOGÍSTICA INTEGRADA LTDA.

Leia mais

Logística. Oliveira, Felipe Flausino de. O48l Logística: modais / Felipe Flausino de Oliveira. Varginha, 2015. 40 slides; il.

Logística. Oliveira, Felipe Flausino de. O48l Logística: modais / Felipe Flausino de Oliveira. Varginha, 2015. 40 slides; il. Logística Oliveira, Felipe Flausino de. O48l Logística: modais / Felipe Flausino de Oliveira. Varginha, 2015. 40 slides; il. Sistema requerido: Adobe Acrobat Reader Modo de Acesso: World Wide Web 1. Logística

Leia mais

MBA em Administração e Logística

MBA em Administração e Logística MBA em Administração e Logística Logística e Canais de Distribuição Aula 2 Prof. Albino Mileski Jr. Olá! Você quer saber mais sobre a distribuição física na logística? Assista ao vídeo a seguir. Distribuição

Leia mais

Logística Agroindustrial alguns conceitos. Profa. Dra. Andréa Leda Ramos de Oliveira FEAGRI/UNICAMP andrea.oliveira@feagri.unicamp.

Logística Agroindustrial alguns conceitos. Profa. Dra. Andréa Leda Ramos de Oliveira FEAGRI/UNICAMP andrea.oliveira@feagri.unicamp. Logística Agroindustrial alguns conceitos Profa. Dra. Andréa Leda Ramos de Oliveira FEAGRI/UNICAMP andrea.oliveira@feagri.unicamp.br POR QUE LOGÍSTICA?? Produção O Agronegócio no Brasil 1º 1º 1º 2º 2º

Leia mais

Crise econômica: oportunidades e desafios para o supply chain management

Crise econômica: oportunidades e desafios para o supply chain management Crise econômica: oportunidades e desafios para o supply chain management Parte 1 Marcos Benzecry e Paulo Nazário Introdução Desde o início de 2008 o mundo vive a mais grave crise dos últimos 80 anos, uma

Leia mais

Contribuição do custo logístico na formação de preço de venda dos produtos. Prof. Paulo Medeiros

Contribuição do custo logístico na formação de preço de venda dos produtos. Prof. Paulo Medeiros Contribuição do custo logístico na formação de preço de venda dos produtos Prof. Paulo Medeiros Medindo os custos e desempenho da logística Uma vez que o gerenciamento logístico é um conceito orientado

Leia mais

PLATAFORMA LOGÍSTICA MULTIMODAL EM SALGUEIRO - PE

PLATAFORMA LOGÍSTICA MULTIMODAL EM SALGUEIRO - PE PLATAFORMA LOGÍSTICA MULTIMODAL EM SALGUEIRO - PE Plataforma Logística Multimodal de Salgueiro Espaço de concentração geográfica de organismos e empresas independentes, relacionadas com: Transporte de

Leia mais

PLATAFORMA LOGÍSTICA Instrumento Importante para maior eficiência logística dos Portos Brasileiros O Caso do Porto de Santos

PLATAFORMA LOGÍSTICA Instrumento Importante para maior eficiência logística dos Portos Brasileiros O Caso do Porto de Santos PLATAFORMA LOGÍSTICA Instrumento Importante para maior eficiência logística dos Portos Brasileiros O Caso do Porto de Santos José Newton Barbosa Gama Assessor Especial Dezembro de 2011 SUMÁRIO Problemática

Leia mais

. CONSUMO DE ÓLEO DIESEL

. CONSUMO DE ÓLEO DIESEL TRANSPORTES Os transportes têm como finalidade o deslocamento e a circulação de mercadorias e de pessoas de um lugar para outro. Nos países subdesenvolvidos, cuja economia sempre foi dependente dos mercados

Leia mais

CADASTRO DE VISTORIA

CADASTRO DE VISTORIA 01 - Empresa: COMPANHIA VALE DO RIO DOCE - CVRD 02 - Endereço da Sede (Rua, Avenida, etc) Avenida Dante Micheline 04 - Complemento: Ponta de Tubarão 08 - CEP: 29090-900 11 CNPJ/MF: (Sede) 33 592 510 /

Leia mais

São Paulo: múltiplas oportunidades que impulsionam seus negócios

São Paulo: múltiplas oportunidades que impulsionam seus negócios São Paulo: múltiplas oportunidades que impulsionam seus negócios A importância da economia paulista transcende as fronteiras brasileiras. O Estado é uma das regiões mais desenvolvidas de toda a América

Leia mais

TABELA DE SERVIÇOS BÁSICOS LIBRA TERMINAIS SANTOS (vigência a partir de 01/07/2012 Valores expressos em Reais)

TABELA DE SERVIÇOS BÁSICOS LIBRA TERMINAIS SANTOS (vigência a partir de 01/07/2012 Valores expressos em Reais) TABELA DE SERVIÇOS BÁSICOS LIBRA TERMINAIS SANTOS (vigência a partir de 01/07/2012 Valores expressos em Reais) A ARMAZENAGEM DE IMPORTAÇÃO: A.1 CONTÊINERES FCL/FCL (PERÍODOS DE 7 DIAS OU FRAÇÃO) Fixo A

Leia mais

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DOS CUSTOS DO TRANSPORTE DA SOJA NO BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DOS CUSTOS DO TRANSPORTE DA SOJA NO BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DOS CUSTOS DO TRANSPORTE DA SOJA NO BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE TECNOLOGIA ZONA LESTE AUTOR(ES):

Leia mais

ADUANA FRAUDE EM IMPORTAÇÃO 1 SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL AUDITOR FISCAL DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL

ADUANA FRAUDE EM IMPORTAÇÃO 1 SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL AUDITOR FISCAL DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL ADUANA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL APRESENTAÇÃO: DANIEL BEZERRA DOS SANTOS AUDITOR FISCAL DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL FRAUDE EM IMPORTAÇÃO 1 OBJETIVO Abordar, de forma sucinta, as atividades

Leia mais

Aprendendo a Exportar O desafio da Logística no Brasil: SITUAÇÃO DOS PRINCIPAIS MODOS DE TRANSPORTE DE CARGA. Prof. Geraldo Cesar Meneghello

Aprendendo a Exportar O desafio da Logística no Brasil: SITUAÇÃO DOS PRINCIPAIS MODOS DE TRANSPORTE DE CARGA. Prof. Geraldo Cesar Meneghello Aprendendo a Exportar O desafio da Logística no Brasil: SITUAÇÃO DOS PRINCIPAIS MODOS DE TRANSPORTE DE CARGA Prof. Geraldo Cesar Meneghello A fila de navios a espera de autorização para atracar no Porto

Leia mais

PESQUISA CNT DA NAVEGAÇÃO INTERIOR 2013

PESQUISA CNT DA NAVEGAÇÃO INTERIOR 2013 PESQUISA CNT DA NAVEGAÇÃO INTERIOR 2013 Considerando o potencial de expansão do transporte hidroviário, a sua importância para o desenvolvimento econômico, social e ambiental do Brasil e a necessidade

Leia mais

Unidade I GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva

Unidade I GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva Unidade I GERENCIAMENTO DE TRANSPORTES Prof. Altair da Silva Introdução O transporte é a essência das atividades logísticas visto como estratégica para que as empresas possam ser cada vez mais competitivas.

Leia mais

QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL. Agosto de 2013

QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL. Agosto de 2013 QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL Agosto de 2013 PRINCIPAIS CADEIAS PRODUTIVAS Soja, milho e bovinos AGROPECUÁRIA AÇÚCAR E ÁLCOOL Soja, milho e bovinos Cana de açúcar MINERAÇÃO E SIDERURGIA

Leia mais

LOCALFRIO S.A. ARMAZÉNS GERAIS FRIGORÍFICOS

LOCALFRIO S.A. ARMAZÉNS GERAIS FRIGORÍFICOS LOCALFRIO S.A. ARMAZÉNS GERAIS FRIGORÍFICOS TARIFA DE SERVIÇOS Matriz: CNPJ: 58.317.751/0001-16 NIRE: 35.300.117.441; Filial: São Paulo SP Armazém Frigorífico CNPJ: 58.317.751/0007-01 NIRE: 35.902.660.232

Leia mais

TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO DOCENTE: EDUARDO MANGABEIRA

TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO DOCENTE: EDUARDO MANGABEIRA TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO DOCENTE: EDUARDO MANGABEIRA TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO TRANSPORTE TRANSPORTE EM LOGÍSTICA É a movimentação de produtos entre regiões geográficas ou área de comércio, elevando o

Leia mais

DETALHAMENTO PARA APLICAÇÃO DOS SERVIÇOS ELENCADOS NA NOVA TABELA DE PREÇOS ESPECÍFICOS DE VIRACOPOS

DETALHAMENTO PARA APLICAÇÃO DOS SERVIÇOS ELENCADOS NA NOVA TABELA DE PREÇOS ESPECÍFICOS DE VIRACOPOS Página 1 de 6 Acesso de Veículos ao Pátio de Manobras Permissão de entrada e saída de veículos ao pátio de manobras (área restrita) para fins de descarregamento ou carregamento de cargas. Cobrança por

Leia mais

MTL/SAO 1 MTL/SAO, 16/06/2011 1

MTL/SAO 1 MTL/SAO, 16/06/2011 1 MTL/SAO MTL/SAO, 16/06/2011 11 JBSfoods Faz parte do grupo JBS Foi criada a partir da aquisição da Seara Transportes de Longo Percurso (abastecimento e Venda Direta). 10.000 / mês ou Primária 22 1 Qual

Leia mais

de desenvolvimento de uma região ou país sem um sistema

de desenvolvimento de uma região ou país sem um sistema de desenvolvimento de uma região ou país sem um sistema O sistema de transporte é um elemento importante para o crescimento de cidades e de indústrias, para a geração de renda, de emprego e de estabilidade

Leia mais