ANA CLÉCIA DE MEDEIROS DINIZ

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANA CLÉCIA DE MEDEIROS DINIZ"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS COORDENAÇÃO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO SERVIÇO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM ADMINISTRAÇÃO ANA CLÉCIA DE MEDEIROS DINIZ OS REFLEXOS DO EFEITO CHICOTE NOS CUSTOS LOGÍSTICOS DOS ESTOQUES DE MATÉRIA-PRIMA PARA FABRICAÇÃO DE TAMPAS EM UMA EMPRESA DO SETOR DE BEBIDAS NÃO-ALCOÓLICA DO ESTADO DA PARAÍBA JOÃO PESSOA - PB Fevereiro de 2009

2 2 ANA CLÉCIA DE MEDEIROS DINIZ OS REFLEXOS DO EFEITO CHICOTE NOS CUSTOS LOGÍSTICOS DOS ESTOQUES DE MATÉRIA-PRIMA PARA FABRICAÇÃO DE TAMPAS EM UMA EMPRESA DO SETOR DE BEBIDAS NÃO-ALCOÓLICA DO ESTADO DA PARAÍBA Trabalho de Conclusão de Curso Apresentado à Coordenação do Serviço de Estágio Supervisionado em Administração, do Curso de Graduação em Administração, do Centro de Ciências Sociais Aplicadas da Universidade Federal da Paraíba, em cumprimento às Exigências para a Obtenção do Grau de Bacharel em Administração. Orientadora: Profª. Dra. Maria Silene Alexandre Leite. Área de Concentração: Logística João Pessoa PB Fevereiro de 2009

3 3 D585r Diniz, Ana Clécia de Medeiros. Os reflexos do efeito chicote nos custos logísticos dos estoques de matéria-prima para fabricação de tampas em uma empresa do setor de bebidas não-alcoólica do Estado da Paraíba/ Ana Clécia de Medeiros Diniz - João Pessoa, p. il. : Orientadora: Maria Silene Alexandre Leite. Monografia (Graduação) UFPB, CCSA. 1. Administração. 2. Cadeia de Suprimento Gestão. 3. Efeito Chicote. 4. Logística Matéria-prima UFPB/BC CDU: 658.5(043.2)

4 4 À Professora Orientadora Maria Silene Alexandre Leite Solicitamos examinar e emitir parecer no Trabalho de Conclusão de Curso da aluna Ana Clécia de Medeiros Diniz. João Pessoa, 18 de fevereiro de Prof. Carlos Eduardo Cavalcante Coordenador do SESA Parecer do Professor Orientador:

5 5 ANA CLÉCIA DE MEDEIROS DINIZ OS REFLEXOS DO EFEITO CHICOTE NOS CUSTOS LOGÍSTICOS DOS ESTOQUES DE MATÉRIA-PRIMA PARA FABRICAÇÃO DE TAMPAS EM UMA EMPRESA DO SETOR DE BEBIDAS NÃO-ALCOÓLICA DO ESTADO DA PARAÍBA Trabalho de Conclusão de Curso. Aprovado em: 20 de Fevereiro de LOCAL DA DEFESA: JOÃO PESSOA - PB BANCA EXAMINADORA Profª Drª. Maria Silene Alexandre Leite (Orientadora) Profº Dr. Carlos Eduardo Cavalcante (Examinador) Profª Msª. Liane Márcia Freitas e Silva (Examinadora)

6 6 DEDICATÓRIA À Deus por ser a pedra fundamental que me guia e que me faz revelar toda sabedoria necessária para que eu possa conduzir os meus caminhos na luz celestial. A meus pais Manoel e Elenita que participou vivamente da minha educação e que sempre me proporcionou tudo que estava ao seu alcance procurando de mim um motivo de orgulho e dignidade. A meus avós Ana Pascoal e Francisco Grangeiro que puderam me auxiliar sempre que podiam mesmo a distância com suas palavras de carinho, amor e ternura. Aos meus Familiares Eni, Edite, Ana Lúcia e Aurimar que foram meus alicerces quando mais precisei para eu poder chegar até onde estou na minha carreira profissional Aos meus Amigos do curso de Graduação de Administração Jucilene, Ana Carol, Richardson, Adeildo, Priscilla e Igor que puderam estar comigo em diversos momentos na academia onde suas experiências e afinidades me ajudaram a avançar mais um degrau na minha vida profissional. Aos meus Colegas e Amigos Nildomar, Alexandre, Clécio, Paulo César e Pedro Paulo que fizeram parte do meu crescimento profissional na Indústria de Bebidas, e agora me ajudando neste etapa final ao me proporcionar a oportunidade de fazer este trabalho na empresa. Aos meus grandes amigos Joana D arc, Jucyane, Raquel e Polliana que desde que nos afastamos para seguirmos nossos objetivos nossa amizade perdurou até hoje.

7 7 AGRADECIMENTOS À professora Drª. Maria Silene Alexandre Leite por ter sido um orientador que pôde me ajudar com todo seu profissionalismo, dado o meu curto prazo e as características especiais que enfrentamos para conceber este trabalho final de graduação... À Msª. Liane Márcia Freita e Silva, por ter me auxiliado com sua sabedoria e me acompanhado na elaboração deste trabalho. Á todos os Professores do Curso de Graduação em Administração da UFPB. A todos os colegas da UFPB, do Curso de Administração que me fizeram crescer profissionalmente ao compartilharem conhecimentos relevantes para a minha formação profissional.

8 8 O que vale na vida não é o ponto de partida e sim a caminhada. Caminhando e semeando, no fim terás o que colher. (Cora Coralina) Praticar o bem é como nutrir-se na fonte da juventude: rejuvenesce por dentro nervos e osso- e por fora alma e pele. O mal ao contrário, recrudesce os sentimentos e envelhece o corpo todo, irreversivelmente.. (Inácio Dantas) Pouca coisa é necessária para transformar inteiramente uma vida: amor no coração e sorriso nos lábios. (Martin Luther King)

9 9 RESUMO DINIZ, Ana Clécia de Medeiros. Reflexos do efeito chicote nos custos logísticos dos estoques de matéria-prima para fabricação de tampas em uma empresa do setor de bebidas não-alcoólica do Estado da Paraíba. João Pessoa, Trabalho de conclusão de curso (Graduação em Administração) Departamento de Administração. UFPB, A gestão da cadeia de suprimentos admite fazer muitas análises sobre assuntos que são de extrema importância para as empresas, como gestão de estoques, custos, demanda, dentre outros. Os conceitos do SCM - Supply Chain Management traz consigo a integração dos processos organizacionais, tendo em vista a otimização do desempenho, principalmente dos processos logísticos. É neste cenário que o efeito-chicote apresenta-se como um fenômeno causador de malefícios e impactos negativos para as empresas que compõem as cadeias de suprimentos, principalmente, no que se refere aos custos logísticos dos estoques de matériasprimas. Assim, a presente pesquisa verifica os reflexos que o efeito-chicote oferece aos custos logísticos dos estoques de matéria-prima de fabricação de tampas em uma empresa do setor de bebidas não-alcoólica do Estado da Paraíba, haja vista que os custos são elementos que influenciam a competitividade da empresa perante os concorrentes, bem como o desempenho dos seus processos operacionais, táticos e gerenciais. A metodologia utilizada na pesquisa consistiu na aplicação de um roteiro de observação e entrevistas semi-estruturadas em pesquisa de campo, com os principais sujeitos que estavam envolvidos nos processos logísticos da empresa. Os custos do inventário foram apurados apartir da matéria-prima Polietileno, componente para a fabricação das tampas dos garrafões de 20 litros, produto este considerado carro-chefe da empresa de bebidas. Verficou-se, portanto, que os processos e atividades logísticas da empresa de bebidas, bem como os custos de inventário e alguns custos de manutenção de estoques da empresa, no período analisado, a ocorrência de variações de compra e consumo que totalizaram aproximadamente custos financeiros de inventário no valor de R$ ,00. Os resultados da pesquisa apontam que as principais conseqüências do efeito chicote se dão nos custos dos estoques das matérias-primas para fabricação de tampas, no aumento progressivo do inventário e na manutençao dos estoques, já que a empresa estocava matéria-prima para consumos futuros, empatando com isso recursos financeiros. Palavras-chave: Cadeia de Suprimento, efeito-chicote, custos logísticos dos estoques de matéria-prima para fabricação de tampas.

10 10 LISTA DE FIGURAS Figura 1: Custos logísticos em relação ao PIB 21 Figura 2: Categorização das atividades logísticas 27 Figura 3: A cadeia de valor genérica 31 Figura 4: Estágios de uma Cadeia de Suprimentos 32 Figura 5: Gerenciamento da cadeia de suprimento 33 Figura 6: Dinâmica para previsão de demanda nas cadeias de suprimentos 35 Figura 7: Fluxos de informações e produtos no jogo da cerveja 36 Figura 8: Principais atividades da gestão de estoques 44 Figura 9: Objetivos do controle da atividade logística 55 Figura 10: Fluxograma do processo produtivo 69 Figura 11: Macrofluxograma da produção de embalagens 71 Figura 12: Macrofluxograma de embalagens PET para água 72 Figura 13: Macrofluxograma da produção de tampas para garrafão 20 L 73 Figura 14: Macrofluxograma do envase da garrafa de água mineral de 20 L 74 Figura 15: Macrofluxograma do recebimento no almoxarifado 78 Figura 16: Macrofluxograma do PCP 79 Figura 17: Fluxo de informações no PCP 81 Figura 18: Canais de distribuição 82 Figura 19: Cadeia de suprimento das tampas (Garrafão 20L) 91

11 11 LISTA DE QUADROS Quadro 1: Efeitos de chicoteamento e estratégias de remediação 39 Quadro 2: Impacto do efeito chicote no desempenho da cadeia de suprimento 41 Quadro 3: Exemplos de pesquisas empíricas para mensuração do efeito chicote 42 Quadro 4: Etapas do processo de pesquisa 66 Quadro 5: Classificação dos sistemas de produção 75 Quadro 6: Classificação ABC das principais matérias-primas 85

12 12 LISTA DE TABELAS Tabela 1: Comparativo da produção de refrigerantes nos asnos 2006, 2007 e Tabela 2: Efeito chicote para as cadeias de suprimentos analisadas 43 Tabela 3: Compra de polietileno 86 Tabela 4: Consumo real do polietileno 87 Tabela 5: Saldos em estoque e acumulado do polietileno em R$ 88

13 13 LISTA DE SIGLAS ABIR Associação Brasileira das Indústrias de Refrigerantes ASLOG associação Brasileira de Logística ALM - Almoxarifado CLM Council of Logistics Management COPPEAD Instituto de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração DLG - Departamento de Logística DNPM Departamento Nacional de Produção Mineral DPR - Departamento de Produção DPS Departamento de Processos EC- Efeito Chicote EDI- Intercâmbio Eletrônico de Dados ERP - Enterprise Resource Planning EXP - Expedição FIFO - First In First Out GCS Gerenciamento da cadeia de suprimentos GMC - Setor de Garrafão, Mini-Pote e Copinho HP Hewlett-Packard JIT Just in time MP Matéria-prima P&G Procter & Gamble PCP - Planejamento e Controle de Produção PET - Polietileno Terafitalado PIB Produto Interno Bruto PMP - Planejamento Mestre de Produção SC - Setor de Compras SCM - Supply Chain Management SCP - Setor de Contas a Pagar SFI - Setor Fiscal SIG Sistemas de Informações Gerenciais STD - Setor de Distribuição TCQ Controle da Qualidade Total XAP Xaroparia

14 14 Sumário CAPÍTULO 1: ASPECTOS INTRODUTÓRIOS DA PESQUISA FORMULAÇÃO DO PROBLEMA JUSTIFICATIVA OBJETIVOS CAPÍTULO 2: FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA LOGÍSTICA GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Cadeia de Valor Cadeia de Suprimento EFEITO CHICOTE Causas do Efeito Chicote Conseqüências do efeito chicote GESTÃO DE ESTOQUES Tipos de Estoques Classificação ABC no controle de estoques DEFINIÇÕES DA CONTABILIDADE E GESTÃO DE CUSTOS Terminologia em custos industriais Classificação dos Custos Custos Diretos e Indiretos Custos Fixos e Variáveis CUSTOS LOGÍSTICOS Custos dos Estoques Custo de manutenção de estoque Custo de obtenção ou de pedido Custo de falta dos estoques CONCLUSÕES DO CAPÍTULO CAPÍTULO 3: PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS TIPO DE PESQUISA SELEÇÃO DOS SUJEITOS MÉTODO DE COLETA DE DADOS MÉTODO DE ANÁLISE DOS DADOS ETAPAS DO PROCESSO DE PESQUISA LIMITAÇÕES DA PESQUISA CAPÍTULO 4: RESULTADOS DA PESQUISA...68

15 CARACTERIZAÇÃO DA EMPRESA ESTUDADA DESCRIÇÃO DO PROCESSO PRODUTIVO DESCRIÇÃO DAS ETAPAS PRODUTIVAS Produção de Embalagens Envase ou engarrafamento das bebidas ATIVIDADES LOGÍSTICAS Logística de Suprimento Recebimento Armazenagem Logística de Fabricação Planejamento-Mestre da Produção Logística de Distribuição MENSURAÇÃO DOS CUSTOS DOS ESTOQUES DAS MATÉRIAS-PRIMAS Gerenciamento da política de estoques Tipos de Estoque Classificação ABC Custo da matéria-prima - Polietileno Custos de manutenção dos estoques Causas Não-Comportamentais do Efeito chicote no Polietileno CONSIDERAÇÕES FINAIS CAPÍTULO 5: CONCLUSÃO RECOMENDAÇÕES PARA TRABALHOS FUTUROS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS...97 APÊNDICE I ROTEIRO DE OBSERVAÇÃO ANEXO I METODOLOGIA PARA CÁLCULO DO EFEITO CHICOTE...101

16 16 CAPÍTULO 1: ASPECTOS INTRODUTÓRIOS DA PESQUISA Para esclarecer o tema do trabalho é necessário abordar os temas: logística, gerenciamento da cadeia de suprimentos, definição do EC efeito chicote, gestão de estoques e custos logísticos. 1.1 FORMULAÇÃO DO PROBLEMA A concorrência entre as empresas e o aumento das exigências dos clientes fizeram com que as organizações buscassem tornar seus processos produtivos mais eficientes para conseguirem um maior grau de competitividade. Isto envolve a formulação de estratégias em todos os níveis organizacionais, desde o aumento das receitas, redução das despesas, contenção dos custos operacionais, bem como o aumento da qualidade dos produtos e serviço oferecidos ao mercado. No entanto, para atender esta gama de exigências no mercado competitivo tornava-se necessário o desenvolvimento de ferramentas de gestão que pudessem aumentar a produtividade e eficiência da produção, tais como as filosofias e as práticas japonesas (Just in time, TCQ, Kanban), dentre outras ferramentas que a atual tecnologia da informação vem auxiliando na integração das várias unidades organizacionais. (SILVA, 2008). É neste cenário competitivo que as atividades logísticas começaram a despertar um maior interesse de diversos stakholders, como empresários de diversos setores industriais. A Associação Brasileira de Logística - ASLOG (2008) conceitua Logística como: Uma parte da cadeia de abastecimento que planeja, implementa e controla com eficácia o fluxo e a armazenagem dos bens, dos serviços e das informações entre o ponto da origem e o ponto de consumo destes itens, a fim de satisfazer todas as exigências dos consumidores em geral. Similarmente o Council of Logistics Management CLM citado por Ballou (2001) define que logística é o processo de planejamento, implementação e controle do fluxo eficiente e economicamente eficaz de matérias-primas, estoque em processo, produtos acabados e informações relativas desde o ponto de origem até o ponto de consumo, com o propósito de atender às exigências dos clientes. Na visão de Bowersox e Closs (2008) a logística é um esforço integrado com o objetivo de ajudar a criar valor para o cliente pelo menor custo total possível. A logística

17 17 existe para satisfazer as necessidades do cliente, facilitando as operações relevantes de produção e marketing. Entretanto, as primeiras definições de logística tratavam de algumas funções de nível mais operacional, como nas operações militares, que ao decidir avançar as tropas seguindo uma determinada estratégia militar, os generais precisavam ter, sob suas ordens, uma equipe que providenciasse o deslocamento, na hora certa, de munição, equipamentos e socorro médico para o campo de batalha. Estas equipes agiam em silêncio e agiam como um grupo de apoio. E da mesma forma, as empresas, inicialmente, entediam a logística como tendo este aspecto de suporte e apoio às demais áreas. Observa-se que a logística apresentou uma evolução continuada, sendo hoje considerada um dos elementos chaves na estratégia competitiva das empresas. No início era confundida com o transporte e a armazenagem de produtos; hoje tem função importante na cadeia produtiva integrada, procurando atuar de acordo com o moderno conceito SCM Supply Chain Management (Gerenciamento da Cadeia de Suprimento). (NOVAES, 2004) A cadeia de suprimentos compreende as atividades que estão relacionadas com o fluxo e transformações de mercadorias desde a etapa de obtenção da matéria-prima até o usuário final, assim como também os fluxos de informação. O gerenciamento de tal cadeia se dá na integração dessas atividades, mediante relacionamentos, com o objetivo de conquistar uma vantagem competitiva sustentável. (HANDFIELD, 1999). No contexto da gestão da cadeia de suprimentos, um tema que tem ganhado notoriedade em vista de seus impactos em termos de custos é o fenômeno que acomete as cadeias de suprimentos denominado de efeito chicote. Chopra e Meindl (2003) mencionam que o efeito chicote é observado, no momento em que a variabilidade dos pedidos é amplificada em cada elo da cadeia de suprimentos a saber: do varejista para o atacadista, do atacadista para o fabricante e do fabricante para os fornecedores. O efeito chicote (EC) distorce as informações na cadeia de suprimento levando estágios diferentes a fazerem análises muito distintas sobre a demanda, resultando, portanto, numa falta de coordenação na cadeia de suprimento. Segundo Lee, Padmanabhan e Whang (1997), o efeito chicote é um fenômeno que decorre de uma distorção sistemática amplificada na cadeia de suprimentos como um todo, refletindo-se na forma de pedidos causada, sobretudo, pela informação mal gerada sobre a sinalização da demanda. Como conseqüência do efeito chicote, pode-se citar os impactos nos custos logísticos das organizações: aumento dos custos de fabricação, custos do estoques (aumento do

18 18 inventário), custo transportes, mão-de-obra, bem como a falta de estoques, levando à perda de vendas para a cadeia de suprimento; além de problemas na gestão dos estoques. Os custos logísticos são um fator-chave para estimular o comércio, pois um sistema logístico eficiente pode permitir que determinada região explore suas vantagens e alcance mais vantagem competitiva perante a concorrência, ressaltando, porém, que a gestão dos custos logísticos alcança diversos elos de uma cadeia de suprimentos. É neste contexto que se busca na empresa de bebidas não-alcoólica os reflexos do efeito chicote nos custos logísticos, principalmente em relação aos custos dos estoques das matérias-primas. Uma vez que, as conseqüências negativas do efeito chicote encontradas em relação aos custos, principalmente os de inventário e de ociosidade ao longo de toda a cadeia de suprimentos são de relevada importância para uma eficaz gestão de custos. Assim, elabora-se a seguinte questão-problema: Quais são os reflexos do efeito chicote nos custos logísticos dos estoques de matériaprima para fabricação de tampas em uma empresa do setor de bebidas não-alcoólica do Estado da Paraíba?

19 JUSTIFICATIVA Para conseguir mais vantagem competitiva num mercado cada vez mais globalizado e exigente, as atividades logísticas das empresas ganham destaque, visto que podem dar um suporte necessário às organizações em termos de redução de custos operacionais, aumento de flexibilidade e agregação de valor aos produtos. Disponibilizar os produtos no lugar certo, e nas condições desejadas, torna-se o atual desafio da gestão da logística empresarial. Coordenar a estratégia sistemática das tradicionais funções de negócios no âmbito de uma determinada empresa e ao longo dos negócios no âmbito da cadeia de suprimentos, com o objetivo de aperfeiçoar o desempenho a longo prazo das empresas isoladamente e da cadeia de suprimentos como um todo. Faz com que o gerenciamento da cadeia de suprimento seja um dos aspectos que as empresas possam atingir um diferencial competitivo no mercado. (MENTZER et al, 2001). Os princípios do Supply Chain Management SCM proporcionam a diminuição dos estoques e a redução do lead time ao longo da cadeia de suprimento, considerando ainda que com a melhor capacidade logística, pode-se atuar no mercado através do melhoramento do fluxo de materiais e de informações oferecendo um posicionamento estratégico favorável, gerando, assim, vantagem competitiva para a empresa. (TAYLOR, 2005). O mesmo autor relata ainda que: [...] a gestão da cadeia de suprimento (SCM) é considerada a última mina de ouro inexplorada nos negócios, uma vez que, apenas ter uma produção eficiente e fabricação de qualidade, ainda não seja realidade para todas as empresas, não são mais qualificações básicas para manter vantagem competitiva no cenário existente. Este é o momento em que o gerenciamento da cadeia de suprimento é que vai definir quem vai ganhar ou perder espaço do mercado atual a partir da vantagem competitiva adquirida. A logística é vista como um fator estratégico para as empresas, a qual pode auxiliar na definição de ações estratégicas que envolvem várias etapas do processo produtivo, sendo, portanto um dos fundamentos para a formulação de novas linhas de gestão, com foco na eficácia e na eficiência organizacionais. Ao desenvolver o conceito do Supply Chain Management, estabelece-se a integração dos processos que formam determinado negócio, desde os fornecedores originais até o usuário

20 20 final, proporcionando produtos, serviços e informações que agregam valor para o cliente. (FRANCISCHINI, 2004) Segundo o mesmo autor trata-se de uma ferramenta estratégica usada para aumentar a satisfação do cliente e elevar a competitividade da empresa, bem como a sua rentabilidade. Sendo a gestão de tais processos integrados denominado de Gerenciamento da Cadeia de Suprimento SCM. Frente ao comportamento dinâmico das cadeias de suprimentos cabe destacar o fenômeno do efeito chicote - EC, que surge da troca de informações sobre a demanda entre os membros de uma cadeia de suprimentos. Essas informações fazem parte do planejamento das atividades dos parceiros da cadeia de suprimentos e sinalizam sobre o nível de suas atividades produtivas. (MOREIRA, 2008) Tentando encontrar os impactos negativos da amplificação da demanda Lee, Padmanabhan e Whang (1997) estimaram que, o fenômeno da distorção da demanda pode resultar em um aumento de custos que varia na faixa de 12,5% a 25% ao longo da cadeia de suprimentos. Similarmente, Metters (1997) mostrou que eliminando a variabilidade da demanda pode-se aumentar a lucratividade numa margem de 10-20%. Nos casos em que a eliminação ocorra apenas nas causas relativas aos erros de previsão de demanda, o incremento na lucratividade pode variar numa margem de 5-10%. Contudo, se todas as causas, variabilidade da demanda e erros de previsão de demanda forem eliminados o lucro ao longo da cadeia de suprimento pode ser aumentado entre 15-30%. Assim, o efeito chicote ocasiona um acentuado aumento nos custos logísticos, desencadeando reflexos negativos para as empresas, que diminuem o seu poder de competitividade, pois há aumento nos custos de capital, nos custos de oportunidade, o não atendimento da demanda e a perda de rentabilidade. Diante dos reflexos negativos, que o efeito chicote pode acarretar para as empresas, principalmente nos custos logísticos, fazendo com que a competitividade das organizações diminua em termos de custos de capital, custo de oportunidade, o não atendimento dos clientes e perda de rentabilidade. Levando em consideração os impactos que o efeito chicote pode ocasionar, Silva (2008) cita como uma das conseqüências advindas do efeito chicote ao longo da cadeia de suprimentos o aumento progressivo do nível de inventário. Pois, devido à incerteza e a variabilidade da demanda, as empresas, adotam estoques, como medida de segurança, para proteger seus processos produtivos. Contudo, estes estoques de segurança aumentam o nível

21 21 de inventário nas empresas e conseqüentemente alteram os custos logísticos de toda cadeia de valor. Com isso, os custos dos estoques, armazenagem e transportes elevam-se acima do necessário, deixando as cadeias menos competitivas com relação aos custos. Segundo Ballou (2001) os custos que uma empresa incorre para o suprimento e a distribuição física normalmente determinam com que freqüência seu sistema logístico deveria ser replanejado. Quando se refere às indústrias alimentícias no geral, incluindo, portanto, neste segmento a empresa de bebidas não-alcoólica, o autor identifica que os custos logísticos são altos, devendo a estratégia logística ser uma preocupação-chave. Chopra e Meindl (2003) dizem que ao se determinar os níveis de estoques encontra-se um obstáculo muito comum: estimar os custos principais que são: os custos dos materiais, os custos do pedido e o custo de manutenção de estoque. O ponto-chave é que não é tão importante estimar estes custos com um alto nível de precisão, sendo melhor chegar a uma boa aproximação em vez de perder muito tempo tentando estimá-los com exatidão. O instituto COPPEAD UFRJ realizou uma pesquisa em que Lima (2006) aponta os altos custos logísticos do Brasil em relação aos dos Estados Unidos. Em 2004 no Brasil os custos logísticos alcançaram o montante de R$ 222 bilhões de reais, representando 12,63% do PIB nacional. Deste percentual 7,5% corresponde aos custos de transportes, 3,9% aos custos de estoques, 0,7% aos custos de armazenagem e 0,5% aos custos administrativos. Comparando com os custos doa Estados Unidos, o percentual dos custos logísticos correspondente ao PIB deste país, chega a 8,19%. Entre os custos das atividades, o estoque é relativamente o que apresenta a maior diferença na comparação, 3,9% no Brasil contra 2,1% nos EUA. A outra diferença corresponde ao custo de transporte, 5,0% e 7,7%, respectivamente. Esta comparação pode ser visualizada através da figura 1: Figura 1 : Custos logísticos em relação ao PIB (2004) Fonte: Lima (2006) Observa-se, assim, que os custos logísticos no Brasil apresentam valores elevados se comparado aos dos Estados Unidos, considerado como um dos países mais competitivos.

22 22 Além de que o montante que se destaca dos custos logísticos refere-se aos custos de estoques e de armazenagem. Aproximadamente 4,0% do PIB do país correspondem aos custos diretamente ligados aos fluxos de materiais nas cadeias produtivas. Pode-se citar como uma das causas deste alto valor, à acumulação acentuada de estoques nos diversos elos da cadeia de suprimentos, devido à instabilidade da demanda e aos longos lead times. Esses fatores são causas e efeitos da propagação das distorções amplificada da demanda, o efeito chicote, causador de diversos efeitos negativos, como os impactos nos custos logísticos ao longo das cadeias produtivas, ao gerar estoques desnecessários. (SILVA, 2008). Neste contexto, a empresa estudada encontra-se num segmento econômico de bastante crescimento, principalmente pelo fato do país possuir um clima tropical, favorecendo o consumo de líquidos, como águas e refrigerantes. Segundo dados da Associação Brasileira das Indústrias de Refrigerantes ABIR (2008), o Brasil é o terceiro maior produtor mundial de refrigerantes, liderando este ranking encontram-se os Estado Unidos e México, no primeiro e segundo lugares, respectivamente. Mês 2006 % 2007 % 2008 Janeiro , , Fevereiro , , Março , , Abril , , Maio , , Junho , , Julho , , Agosto , , Setembro , , Outubro , , Novembro , , Dezembro , , Total (Em mil litros) , , Tabela 1 : Comparativo da produção de refrigerantes nos anos 2006, 2007 e 2008 Fonte: ABIR (2008) A tabela 1 que os brasileiros consumiram mais refrigerantes na metade do ano de 2007 que no mesmo período de A produção de refrigerantes aumentou em 5,6%, sendo que

23 23 em abril e maio a taxa ultrapassou a média, chegando a mais 10%. Durante todo o ano de 2006, foram produzidos 13 bilhões de litros de refrigerante, já no ano de 2007 foram produzidos 13,6 bilhões. No ano de 2008, o crescimento no setor produtivo continua, chegando ao patamar de 4,04% ao ano, totalizando uma produção de mais de 14 bilhões de litros de refrigerantes. Como visto, o setor de bebidas não-alcoólicas está em franco crescimento e dar uma maior eficácia as técnicas de produção dará uma maior competitividade entre as empresas, gerando redução de custos e um aumento de lucro para as empresas estudadas. Como o processo produtivo do envase de bebidas se dá expressamente em um processo contínuo, o gerenciamento logístico das atividades de distribuição e transporte ocorrendo de maneira eficiente fará com que as empresas obtenham maiores vantagens competitivas perante as concorrentes em termos de custos, qualidade e satisfação. Destarte, o estudo e o aprimoramento do processo produtivo de bebidas nãoalcoólicas, identificando fenômenos como o efeito chicote, irá contribuir para dar mais eficiência no desempenho da cadeia produtiva estudada.

24 OBJETIVOS Objetivo Geral: Verificar os reflexos do efeito chicote nos custos logísticos dos estoques de matériaprima para fabricação de tampas em uma empresa do setor de bebidas não-alcoólica do Estado da Paraíba. Objetivos Específicos: 1- Descrever os processos logísticos para a produção da água mineral em uma empresa do setor de bebidas não-alcoólica do Estado da Paraíba. 2- Identificar os custos causados pelo EC nos estoques de matéria-prima para fabricação de tampas da empresa de bebidas não-alcoólica; 3- Mensurar os custos dos estoques de matéria-prima para fabricação de tampas causados pelo efeito chicote.

25 25 CAPÍTULO 2: FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Este capítulo apresenta uma discussão sobre os seguintes temas: logística, gerenciamento da cadeia de suprimentos, efeito chicote (EC), gestão de estoques, gestão de custos e custos logísticos dos estoques. 2.1 LOGÍSTICA Bowersox e Closs (2008) mencionam que uma logística globalizada exige uma visão e uma filosofia operacionais em nível internacional, que se leve em consideração as estratégias operacionais, as expectativas de desempenho, a avaliação e as alternativas para o processo decisório, haja vista que os ambientes operacionais são mais complexos e caros, com a internacionalização. Com isso, os autores apontam ainda que os custos e a complexidade deste cenário podem ser representados por quatro Ds distância, documentação, diversidade de cultura e demanda de clientes. As distâncias são maiores; a documentação é mais extensa; os clientes exigem variações em produtos e serviços para satisfazer diferenças culturais. O desenvolvimento de estratégias e táticas ao ambiente que envolve os quatro Ds, surgem como o novo desafio, em plena era da globalização, para àqueles que desenvolvem suas atividades relacionadas a logística. Dessa maneira, para atingir suas metas, as empresas precisam aperfeiçoar a gestão dos seus processos, tendo em vista o melhoramento da produtividade e conseqüentemente elevação da sua capacidade de competitividade, podendo fazer uso do gerenciamento das atividades logísticas para alcançar tais objetivos. A concepção da logística, portanto, dentro das empresas avançou no sentido que agora agrupa um conjunto de atividades relacionadas ao fluxo de produtos para serem administráveis simultaneamente, de forma coletiva. Tais atividades devem ser realizadas pelas empresas como uma parte essencial dos seus negócios, a fim de prover aos clientes com os bens e serviços que eles desejam. Ballou (1993) define ainda que a logística empresarial estuda como a administração pode prover melhor nível de rentabilidade nos serviços de distribuição aos clientes e

Unidade IV LOGÍSTICA INTEGRADA. Profa. Marinalva R. Barboza

Unidade IV LOGÍSTICA INTEGRADA. Profa. Marinalva R. Barboza Unidade IV LOGÍSTICA INTEGRADA Profa. Marinalva R. Barboza Supply Chain Managment - SCM Conceito: Integração dos processos industriais e comerciais, partindo do consumidor final e indo até os fornecedores

Leia mais

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos Capítulo 2 Logística e Cadeia de Suprimentos Prof. Glauber Santos glauber@justocantins.com.br 1 Capítulo 2 - Logística e Cadeia de Suprimentos Papel primordial da Logística na organização Gestão da Produção

Leia mais

O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas.

O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas. Logística e Distribuição Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT Histórico O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas. A história mostra que

Leia mais

SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: UMA INTRODUÇÃO À UM MODELO DE GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS PARA OBTENÇÃO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO

SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: UMA INTRODUÇÃO À UM MODELO DE GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS PARA OBTENÇÃO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: UMA INTRODUÇÃO À UM MODELO DE GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS PARA OBTENÇÃO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO BURGO, Rodrigo Navarro Sanches, RIBEIRO, Talita Cristina dos Santos, RODRIGUES,

Leia mais

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010 Enterprise Resource Planning - ERP Objetivo da Aula Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 2 1 Sumário Informação & TI Sistemas Legados ERP Classificação Módulos Medidas

Leia mais

Prof. Me. Maico Roris Severino Curso Engenharia de Produção Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão

Prof. Me. Maico Roris Severino Curso Engenharia de Produção Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão Prof. Me. Maico Roris Severino Curso Engenharia de Produção Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão 1 Roteiro da Apresentação Definições Cadeia de Suprimentos Logística Gestão da Cadeia de Suprimentos

Leia mais

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial Sistemas de Informação Empresarial SIG Sistemas de Informação Gerencial Visão Integrada do Papel dos SI s na Empresa [ Problema Organizacional ] [ Nível Organizacional ] Estratégico SAD Gerência sênior

Leia mais

2. Logística. 2.1 Definição de Logística

2. Logística. 2.1 Definição de Logística 2. Logística 2.1 Definição de Logística Por muito tempo a Logística foi tratada de forma desagregada. Cada uma das funções logísticas era tratada independentemente e como áreas de apoio ao negócio. Segundo

Leia mais

Importância da Logística. O lugar da Logística nas Empresas. Custos Logísticos são significativos

Importância da Logística. O lugar da Logística nas Empresas. Custos Logísticos são significativos IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA Importância da Logística O lugar da Logística nas Empresas A logística diz respeito à criação de valor; O valor em logística é expresso em termos de tempo e lugar. Produtos e serviços

Leia mais

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha A administração de materiais A administração de materiais procura conciliar as necessidades de suprimentos com a otimização dos recursos financeiros

Leia mais

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos JOGO DA CERVEJA Experimento e 2: Abordagem gerencial hierárquica e centralizada Planejamento Integrado de todos os Estágios de Produção e Distribuição Motivação para um novo Experimento Atender à demanda

Leia mais

Logística e Distribuição: Definições e Evolução da Logística em um Contexto Global

Logística e Distribuição: Definições e Evolução da Logística em um Contexto Global Logística e Distribuição: Definições e Evolução da Logística em um Contexto Global Neófita Maria de Oliveira (UERN) neofita_maria@yahoo.com.br Athenágoras José de Oliveira (UERN) mara_suy@hotmail.com Mara

Leia mais

Paulo Gadas JUNHO-14 1

Paulo Gadas JUNHO-14 1 Paulo Gadas JUNHO-14 1 Cadeia de Suprimentos Fornecedor Fabricante Distribuidor Loja Paulo Gadas JUNHO-14 2 Exemplo de cadeia de suprimentos Fornecedores de matériaprima Indústria principal Varejistas

Leia mais

SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

SUPPLY CHAIN MANAGEMENT MBA EM GERÊNCIA DE SISTEMAS LOGÍSTICOS SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Eduardo Pécora, Ph.D. Reflexão: Como chegar lá? Desenvolvimento Pessoal Rertorno Financeiro Título? Maior eficiência e eficácia? Avaliação

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009 LOGÍSTICA EMPRESARIAL Rodolfo Cola Santolin 2009 Conteúdo Cadeia de suprimentos Custos Logísticos Administração de Compras e Suprimentos Logística Reversa CADEIA DE SUPRIMENTOS Logística Logística Fornecedor

Leia mais

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi e Sistema Integrado Objetivos do Tema Apresentar: Uma visão da logística e seu desenvolvimento com o marketing. A participação da logística como elemento agregador

Leia mais

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht Administração Logística e Administração de. Profª. Patricia Brecht Definição - Logística O termo LOGÍSTICA conforme o dicionário Aurélio vem do francês Logistique e significa parte da arte da guerra que

Leia mais

Logística Empresarial. Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II. Aula 6. Conceitos Importantes.

Logística Empresarial. Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II. Aula 6. Conceitos Importantes. Logística Empresarial Aula 6 Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II Prof. Me. John Jackson Buettgen Contextualização Conceitos Importantes Fluxos logísticos É o movimento ou

Leia mais

Objetivo. Utilidade Lugar. Utilidade Momento. Satisfação do Cliente. Utilidade Posse

Objetivo. Utilidade Lugar. Utilidade Momento. Satisfação do Cliente. Utilidade Posse Supply chain- cadeia de suprimentos ou de abastecimentos Professor: Nei Muchuelo Objetivo Utilidade Lugar Utilidade Momento Satisfação do Cliente Utilidade Posse Satisfação do Cliente Satisfação do Cliente

Leia mais

Logística empresarial

Logística empresarial 1 Logística empresarial 2 Logística é um conceito relativamente novo, apesar de que todas as empresas sempre desenvolveram atividades de suprimento, transporte, estocagem e distribuição de produtos. melhor

Leia mais

Andrés Eduardo von Simson Graduação e v r iç i os D s i ney Background Hopi Hari Hilton Brasilton Maksoud Plaza

Andrés Eduardo von Simson Graduação e v r iç i os D s i ney Background Hopi Hari Hilton Brasilton Maksoud Plaza ENGENHARIA DE NEGÓCIOS I GESTÃO ESTRATÉGICA DE ESTOQUES AULA I Prof. Andrés E. von Simson 2009 PROFESSOR Andrés Eduardo von Simson Graduação Adm. Hoteleira Adm. de Empresas Docência pela FGV Especialização

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação Tecnologia da Informação Gestão Organizacional da Logística CONCEITOS O nome Supply Chain, cujo termo têm sido utilizado em nosso país como Cadeia de Suprimentos, vem sendo erroneamente considerado como

Leia mais

UnB Universidade de Brasília. Administração de Recursos Materiais. Tema: Gestão de estoque. Alunos: - Beliza de Ávila.

UnB Universidade de Brasília. Administração de Recursos Materiais. Tema: Gestão de estoque. Alunos: - Beliza de Ávila. UnB Universidade de Brasília Administração de Recursos Materiais Tema: Gestão de estoque Alunos: - Beliza de Ávila - Felipe Jordán - Guilherme de Miranda - Jefferson Coelho O conceito de ocupação física

Leia mais

ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA

ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA Tiago Augusto Cesarin 1, Vilma da Silva Santos 2, Edson Aparecida de Araújo

Leia mais

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA Marinalva R. Barboza Definição do conceito de logística e evolução Logística tem origem no idioma francês Logistique se define de forma militar sendo uma parte estratégica

Leia mais

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES 1 O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES Cesar Paulo Lomba (Discente do 4º período de Tecnologia de Gestão Financeira das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS) Maria Luzia

Leia mais

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi Marketing Prof. Angelo Polizzi Gestão de Produção Gestão de Produção Objetivos: Mostrar que produtos (bens e serviços) consumidos, são produzidos em uma ordem lógica, evitando a perda ou falta de insumos

Leia mais

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 18 PROGRAMAÇÃO DE MATERIAIS

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 18 PROGRAMAÇÃO DE MATERIAIS PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 18 PROGRAMAÇÃO DE MATERIAIS Índice 1. Programação de materiais...3 2. Compras...4 2.1. Análise das OCs recebidas... 4 2.2. Pesquisa, identificação

Leia mais

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Estratégia Competitiva é o conjunto de planos, políticas,

Leia mais

MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS

MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS ISSN 1984-9354 MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS Jamile Pereira Cunha Rodrigues (UESC) Resumo Diante do atual cenário competitivo empresarial, as empresas estão buscando

Leia mais

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE PRODUÇÃO E OPERAÇÕES Profa. Lérida Malagueta Planejamento e controle da produção O PCP é o setor responsável por: Definir quanto e quando comprar Como fabricar ou montar cada

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Introdução A A logística sempre existiu e está presente no dia a dia de todos nós, nas mais diversas

Leia mais

Pós-Graduação Fórum Lean Vale do Paraíba A contribuição do Lean-TOC-VMI para a gestão eficaz da cadeia de suprimentos Prof. MSc. Artur Henrique Moellmann CIS-ERP / Grupo Everel 16maio2009 artur.moellmann@terra.com.br

Leia mais

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO A melhor formação cientifica, prática e metodológica. 1 POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA Marketing Vendas Logística ANTES: foco no produto - quantidade de produtos sem qualidade

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

Por existir diferentes níveis em uma organização, existem diferentes tipos de sistemas servindo cada nível organizacional

Por existir diferentes níveis em uma organização, existem diferentes tipos de sistemas servindo cada nível organizacional Por existir diferentes níveis em uma organização, existem diferentes tipos de sistemas servindo cada nível organizacional Fonte: Tipos de Sistemas de Informação (Laudon, 2003). Fonte: Tipos de Sistemas

Leia mais

Introdução e Planejamento Cap. 1

Introdução e Planejamento Cap. 1 BALLOU, Ronald H. Gerenciamenrto da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman. 2006 Introdução e Planejamento Cap. 1 Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@fae.br L

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

Segundo o dicionário da American Production Inventory Control Society, uma Cadeia de Suprimentos (Supply Chain) pode ser definida como:

Segundo o dicionário da American Production Inventory Control Society, uma Cadeia de Suprimentos (Supply Chain) pode ser definida como: Fascículo 4 Gestão na cadeia de suprimentos Cadeias de suprimentos Segundo o dicionário da American Production Inventory Control Society, uma Cadeia de Suprimentos (Supply Chain) pode ser definida como:

Leia mais

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos?

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos? Fascículo 5 A medição do desempenho na cadeia de suprimentos Com o surgimento das cadeias de suprimento (Supply Chain), a competição no mercado tende a ocorrer cada vez mais entre cadeias produtivas e

Leia mais

Aula 5 Supply Chain Management (SCM) Gestão da cadeia de suprimentos Prof: Cleber A. de Oliveira

Aula 5 Supply Chain Management (SCM) Gestão da cadeia de suprimentos Prof: Cleber A. de Oliveira 1. Introdução Aula 5 Supply Chain Management (SCM) Gestão da cadeia de suprimentos Prof: Cleber A. de Oliveira Gestão de Sistemas de Informação Os estudos realizados nas disciplinas Gestão da Produção

Leia mais

Sistema. Atividades. Sistema de informações. Tipos de sistemas de informação. Everson Santos Araujo everson@everson.com.br

Sistema. Atividades. Sistema de informações. Tipos de sistemas de informação. Everson Santos Araujo everson@everson.com.br Sistema Tipos de sistemas de informação Everson Santos Araujo everson@everson.com.br Um sistema pode ser definido como um complexo de elementos em interação (Ludwig Von Bertalanffy) sistema é um conjunto

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial Objetivos da aula: - Explorar as principais motivações para a redução dos níveis de estoque e as armadilhas presentes na visão tradicional, quando é focada apenas uma empresa em vez de toda a cadeia de

Leia mais

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO O QUE É NÍVEL DE SERVIÇO LOGÍSTICO? É a qualidade com que o fluxo de bens e serviços

Leia mais

Olá pessoal nesta fase vimos que a definição de Logística segundo Dornier (2000) é Logística é a gestão de fluxos entre funções de negócio.

Olá pessoal nesta fase vimos que a definição de Logística segundo Dornier (2000) é Logística é a gestão de fluxos entre funções de negócio. Gestão da Produção Industrial Módulo B Fase 1 2015 Logística Empresarial Olá pessoal nesta fase vimos que a definição de Logística segundo Dornier (2000) é Logística é a gestão de fluxos entre funções

Leia mais

CADEIA DE SUPRIMENTOS MÉTODOS DE RECEBIMENTOS RESUMO

CADEIA DE SUPRIMENTOS MÉTODOS DE RECEBIMENTOS RESUMO 1 CADEIA DE SUPRIMENTOS MÉTODOS DE RECEBIMENTOS LEANDRO PANTOJO 1 PETERSON ROBERTO DE LARA 2 VAGNER FUSTINONI 3 RENATO FRANCISCO SALDANHA SILVA 4 VALDECIL DE SOUZA 5 RESUMO O objetivo deste trabalho será

Leia mais

Unidade II PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha

Unidade II PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha Unidade II PROCESSOS ORGANIZACIONAIS Prof. Léo Noronha Macroprocesso Referência: sistema de gestão da qualidade pela NBR ISO 9011:2008. Macroprocesso Para a realização do produto, necessitase da integração

Leia mais

Função: Operação da Cadeia de materiais. 1.1 Identificar princípios da organização da área de materiais.

Função: Operação da Cadeia de materiais. 1.1 Identificar princípios da organização da área de materiais. MÓDULO II Qualificação Técnica de Nível Médio ASSISTENTE DE LOGÍSTICA II.1 Gestão de Recursos e Materiais Função: Operação da Cadeia de materiais 1. Contextualizar a importância da Administração de materiais

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

Professor: Disciplina:

Professor: Disciplina: Professor: Curso: Esp. Marcos Morais de Sousa marcosmoraisdesousa@gmail.com Sistemas de informação Disciplina: Introdução a SI 19/04 Recursos e Tecnologias dos Sistemas de Informação Turma: 01º semestre

Leia mais

2. Referencial teórico

2. Referencial teórico 2. Referencial teórico O referencial teórico consiste em uma revisão bibliográfica de forma a apresentar o embasamento necessário para compreensão do tema e seus elementos relacionados. São apresentados

Leia mais

Quando a gestão da rede logística se torna uma vantagem competitiva

Quando a gestão da rede logística se torna uma vantagem competitiva Quando a gestão da rede logística se torna uma vantagem competitiva Priscila Cristina de Almeida 1 Ângelo Aparecido Zadra 2 RESUMO O tema central deste artigo é demonstrar a importância de uma rede logística

Leia mais

Introdução e Planejamento Cap. 1. Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br

Introdução e Planejamento Cap. 1. Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br BALLOU, Ronald H. Gerenciamenrto da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman. 2006 Introdução e Planejamento Cap. 1 Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br

Leia mais

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter ESTRATÉGIA COMPETITIVA Michael E. Porter 1. A NATUREZA DAS FORÇAS COMPETITIVAS DE UMA EMPRESA 2. ESTRATEGIAS DE CRESCIMENTO E ESTRATÉGIAS COMPETITIVAS 3. O CONCEITO DA CADEIA DE VALOR 1 1. A NATUREZA DAS

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

Logística e gestão de Redes de Surprimentos ADM 068. Professor Marcos Gilberto Dos-Santos Faculdade Anísio Teixeira

Logística e gestão de Redes de Surprimentos ADM 068. Professor Marcos Gilberto Dos-Santos Faculdade Anísio Teixeira Logística e gestão de Redes de Surprimentos ADM 068 Professor Marcos Gilberto Dos-Santos Faculdade Anísio Teixeira Programa da Disciplina I Unidade II Unidade Logística Visão geral e funções Suprimentos

Leia mais

Planejamento e Controle da Cadeia de Suprimentos

Planejamento e Controle da Cadeia de Suprimentos Planejamento e Controle da Cadeia de Suprimentos Planejamento e Controle da Cadeia de Suprimentos Planejamento e Controle da Cadeia de Suprimentos O mercado exige... Produtos e serviços entregues de acordo

Leia mais

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes Unidade IV Marketing Profª. Daniela Menezes Comunicação (Promoção) Mais do que ter uma ideia e desenvolver um produto com qualidade superior é preciso comunicar a seus clientes que o produto e/ ou serviço

Leia mais

Administração de Materiais e Logística. , Vendas CPD Cobrança PCP Expedição Faturamento. Completem o DHF. Melhoria Continua e Teste

Administração de Materiais e Logística. , Vendas CPD Cobrança PCP Expedição Faturamento. Completem o DHF. Melhoria Continua e Teste , Vendas CPD Cobrança PCP Expedição Faturamento Completem o DHF Melhoria Continua e Teste As Organizações como Sistemas Abertos As organizações estão em um constante estado de fluxo. AMBIENTE Estagio de

Leia mais

Pesquisa sobre a integração da Logística com o Marketing em empresas de grande porte

Pesquisa sobre a integração da Logística com o Marketing em empresas de grande porte III SEGeT Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia 1 Pesquisa sobre a integração da Logística com o Marketing em empresas de grande porte Alexandre Valentim 1 Heloisa Nogueira 1 Dário Pinto Junior

Leia mais

Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br

Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Agenda Componentes de uma empresa Objetivos Organizacionais X Processos de negócios Gerenciamento integrado

Leia mais

ENCONTRO 1 Logística e Transporte

ENCONTRO 1 Logística e Transporte ENCONTRO 1 Logística e Transporte ENCONTRO 1 Logística e Transporte TÓPICO 1: Contextualizando o encontro Olá! Você está iniciando o primeiro encontro do curso Logística Internacional. Neste encontro,

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO

TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR PRESIDENTE

Leia mais

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi LOGÍSTICA 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA O conceito de Logística sempre envolve um fluxo de materiais de uma origem ou destino e, no outro sentido, um fluxo

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos Bloco Suprimentos Controle de Produção PCP Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Controle de Produção PCP, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Noções de Engenharia de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Noções de Engenharia de Produção Curso de Engenharia de Produção Noções de Engenharia de Produção Logística: - II Guerra Mundial; - Por muito tempo as indústrias consideraram o setor de logística de forma reativa e não proativa (considera

Leia mais

A Importância do Gerenciamento da Cadeia de Abastecimento Integrada como um Fator de Vantagem Competitiva para as Organizações.

A Importância do Gerenciamento da Cadeia de Abastecimento Integrada como um Fator de Vantagem Competitiva para as Organizações. A Importância do Gerenciamento da Cadeia de Abastecimento Integrada como um Fator de Vantagem Competitiva para as Organizações. Nathan de Oliveira Paula nathan_paula@hotmail.com IFSudesteMG Marylaine de

Leia mais

LOGÍSTICA GLOBAL. Sistemas de Logística EDI, MRP e ERP.

LOGÍSTICA GLOBAL. Sistemas de Logística EDI, MRP e ERP. LOGÍSTICA GLOBAL Sistemas de Logística EDI, MRP e ERP. EDI Intercâmbio Eletrônico de Dados Introdução O atual cenário econômico é marcado por: a) intensa competitividade, b) pela necessidade de rápida

Leia mais

A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras

A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras Medição do desempenho na cadeia de suprimentos Medição do desempenho Sob a perspectiva da gestão da produção, o desempenho pode ser definido

Leia mais

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha Unidade II GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha Após a Segunda Guerra Mundial: Estados Unidos da América passaram por um longo período de crescimento. Responsáveis pela reconstrução de muitos

Leia mais

O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS

O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS Mauricio João Atamanczuk (UTFPR) atamanczuk@hotmail.com João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br Antonio Carlos de Francisco (UTFPR)

Leia mais

GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA

GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA Eduardo Saggioro Garcia Leonardo Salgado Lacerda Rodrigo Arozo Benício Erros de previsão de demanda, atrasos no ressuprimento

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM CNPJ: 10.793.118/0001-78 Projeto T2Ti ERP. Módulo Suprimentos. Controle de Estoque

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM CNPJ: 10.793.118/0001-78 Projeto T2Ti ERP. Módulo Suprimentos. Controle de Estoque Módulo Suprimentos Controle de Estoque Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Suprimentos Controle de Estoque. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas no

Leia mais

Operação do Sistema Logístico

Operação do Sistema Logístico Operação do Sistema Logístico Prof. Ph.D. Cláudio F. Rossoni Engenharia Logística II Objetivo Entender que, possuir um excelente planejamento para disponibilizar produtos e serviços para os clientes não

Leia mais

METODOLOGIA PARA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NA PEQUENA EMPRESA: UM ESTUDO DE CASO

METODOLOGIA PARA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NA PEQUENA EMPRESA: UM ESTUDO DE CASO METODOLOGIA PARA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NA PEQUENA EMPRESA: UM ESTUDO DE CASO Mauricio João Atamanczuk (UTFPR) atamanczuk@hotmail.com Prof. Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefet.br RESUMO:

Leia mais

ANÁLISE PARA APLICAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NA LOGÍSTICA COMO ESTRATÉGIA COMPETITIVA DE UMA EMPRESA DE DISTRIBUIÇÃO

ANÁLISE PARA APLICAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NA LOGÍSTICA COMO ESTRATÉGIA COMPETITIVA DE UMA EMPRESA DE DISTRIBUIÇÃO ANÁLISE PARA APLICAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NA LOGÍSTICA COMO ESTRATÉGIA COMPETITIVA DE UMA EMPRESA DE DISTRIBUIÇÃO Wallace Passos Malheiros wallace.malheiros@gmail.com André Lima Duarte sesplife@yahoo.com.br

Leia mais

Palavras-chaves: Análise ABC, gestão de estoques, controle, diferencial.

Palavras-chaves: Análise ABC, gestão de estoques, controle, diferencial. ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA PRODUTORA DE BEBIDAS, COMO AUXÍLIO À GESTÃO DA LOGÍSTICA DE MATERIAIS EM UM CENÁRIO DE DEMANDA VARIÁVEL Eduardo Bezerra dos Santos

Leia mais

ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING

ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CÂMPUS CANOAS ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING RENAN ROLIM WALENCZUK Canoas, Agosto de 2014 SUMÁRIO 1 INTODUÇÃO...03 2 ERP (ENTERPRISE

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial IETEC INSTITUTO DE EDUCAÇAO TECNOLÓGICA PÓS GRADUAÇAO LATU SENSU 15 a. Turma Gestão da Logística Logística Empresarial Elenilce Lopes Coelis Belo Horizonte MG Julho - 2006 2 SUMÁRIO INTRODUÇÃO À LOGÍSTICA...PÁGINA

Leia mais

Unidade II MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino

Unidade II MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino Unidade II MARKETING DE VAREJO E NEGOCIAÇÃO Profa. Cláudia Palladino Preço em varejo Preço Uma das variáveis mais impactantes em: Competitividade; Volume de vendas; Margens e Lucro; Muitas vezes é o mote

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

O Efeito Chicote e o seu Impacto na Gestão das Cadeias de Suprimentos

O Efeito Chicote e o seu Impacto na Gestão das Cadeias de Suprimentos O Efeito Chicote e o seu Impacto na Gestão das Cadeias de Suprimentos RESUMO Leandro Callegari Coelho (UFSC) leandroah@hotmail.com Neimar Follmann (UFSC) follmann2@hotmail.com Carlos Manuel Taboada Rodriguez

Leia mais

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO LOGÍSTICA EMPRESARIAL

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO LOGÍSTICA EMPRESARIAL UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO LOGÍSTICA EMPRESARIAL ANÁLISE DE ASPECTOS LOGÍSTICOS DE UMA REVENDEDORA DE PRODUTOS AGROPECUÁRIOS INSERIDA EM UMA CADEIA DE PRODUÇÃO AGROINDUSTRIAL

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL (SIG) Conjunto integrado de pessoas, procedimentos, banco de dados e dispositivos que suprem os gerentes e os tomadores

Leia mais

Aspectos Fundamentais da Gestão de Estoques na Cadeia de Suprimentos

Aspectos Fundamentais da Gestão de Estoques na Cadeia de Suprimentos Aspectos Fundamentais da Gestão de Estoques na Cadeia de Suprimentos Peter Wanke Introdução Este texto é o primeiro de dois artigos dedicados à análise da gestão de estoques, a partir de uma perspectiva

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1. COLABORAÇÃO NAS EMPRESAS Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar a colaborar, comunicando idéias, compartilhando

Leia mais

O ponto principal da empresa moderna e a base das atividades logísticas é o atendimento ao cliente.

O ponto principal da empresa moderna e a base das atividades logísticas é o atendimento ao cliente. 116 5. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE MARKETING LOGÍSTICO 5.1. LOGÍSTICA Na atualidade, devido a acirrada concorrência no mercado globalizado, as empresas necessitam ser altamente competitivas. Não se pode

Leia mais

2 GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA

2 GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA 2 GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA 2.1 CONCEITO DE GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Para que hoje o conceito de Cadeia de Suprimentos fosse tão largamente explorado e aplicado, vários fatores

Leia mais

SUPLLY CHAIN MANAGEMENT NO AUXILIO DA IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE CONTROLE DE ESTOQUE E VENDAS EM UMA MICRO EMPRESA

SUPLLY CHAIN MANAGEMENT NO AUXILIO DA IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE CONTROLE DE ESTOQUE E VENDAS EM UMA MICRO EMPRESA SUPLLY CHAIN MANAGEMENT NO AUXILIO DA IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE CONTROLE DE ESTOQUE E VENDAS EM UMA MICRO EMPRESA Amanda Acacia Rodrigues (UNIPAM) amandaacacia.r@gmail.com Andressa Moreira Soares

Leia mais

Logística Integrada. Prof. Fernando Augusto Silva Marins. fmarins@feg.unesp.br. www.feg.unesp.br/~fmarins

Logística Integrada. Prof. Fernando Augusto Silva Marins. fmarins@feg.unesp.br. www.feg.unesp.br/~fmarins Logística Integrada Prof. Fernando Augusto Silva Marins fmarins@feg.unesp.br www.feg.unesp.br/~fmarins 1 Sumário Cenário Fatores para o Desenvolvimento da Logística Bases da Logística Integrada Conceitos

Leia mais

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos Prof. Paulo Medeiros Introdução nos EUA surgiram 100 novos operadores logísticos entre 1990 e 1995. O mercado para estas empresas que

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7)

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) A ESTRATÉGIA DA MANUFATURA E O SISTEMA PPCP: A estratégia

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL COMO ESTRATÉGIA COMPETITIVA: CASO DO CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO DA AMBEV

LOGÍSTICA EMPRESARIAL COMO ESTRATÉGIA COMPETITIVA: CASO DO CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO DA AMBEV UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO SÓCIO ECONÔMICO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO LOGÍSTICA EMPRESARIAL COMO ESTRATÉGIA COMPETITIVA: CASO DO CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

5 Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos

5 Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos 5 Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos 5.1 Conceitos e definições do supply chain management O conceito ou definição do SCM é algo recente na literatura especializada, datado mais precisamente da metade

Leia mais

Logística e Cadeia de Suprimentos

Logística e Cadeia de Suprimentos Logística e Cadeia de Suprimentos 1. Introdução A partir deste momento, iniciaremos uma jornada sobre o papel primordial da Logística na organização. A Gestão da Produção cuida da transformação dos materiais

Leia mais

A IMPORTANCIA DO CUSTEIO NA CADEIA DE SUPRIMENTOS COMO VANTAGEM COMPETITIVA: CASO LOGÍSTICO EM MORRINHOS/CE.

A IMPORTANCIA DO CUSTEIO NA CADEIA DE SUPRIMENTOS COMO VANTAGEM COMPETITIVA: CASO LOGÍSTICO EM MORRINHOS/CE. A IMPORTANCIA DO CUSTEIO NA CADEIA DE SUPRIMENTOS COMO VANTAGEM COMPETITIVA: CASO LOGÍSTICO EM MORRINHOS/CE. Jander Neves 1 Resumo: Este artigo foi realizado na empresa Comercial Alkinda, tendo como objetivo

Leia mais