INFORME TÉCNICO Nº001/2013 INVESTIMENTO PARA FOMENTO E APRIMORAMENTO DA REDE DE FRIO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INFORME TÉCNICO Nº001/2013 INVESTIMENTO PARA FOMENTO E APRIMORAMENTO DA REDE DE FRIO"

Transcrição

1 INFORME TÉCNICO Nº001/2013 INVESTIMENTO PARA FOMENTO E APRIMORAMENTO DA REDE DE FRIO

2 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO CRONOGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE ATIVIDADES OS TIPOS DE INVESTIMENTO EM CENTRAL DE REDE DE FRIO DÚVIDAS SOBRE OS PROJETOS DE INVESTIMENTO FLUXOGRAMA PARA ELABORAÇÃO DOS PROJETOS DE INVESTIMENTO ENTENDENDO AS FASES DE ELABORAÇÃO DOS PROJETOS DE INVESTIMENTO COMO ACESSAR SEU PROJETO DE INVESTIMENTO COMO ELABORAR UM PROJETO DE INVESTIMENTO ANEXOS... 29

3 Página 3 de 36 APRESENTAÇÃO A Coordenação Geral do Programa Nacional de Imunizações da Secretaria de Vigilância em Saúde do, responsável pela organização da política nacional de vacinação da população brasileira, institui a Portaria nº2.682 de 07 novembro de 2013 para repasses financeiros de investimento do Fundo Nacional de Saúde aos Fundos Estaduais, do Distrito federal e Municipais para fomento e aprimoramento das condições de funcionamento da Rede de Frio Nacional. Essa ação ratifica o compromisso da CGPNI no apoio à melhoria das estruturas de Rede de Frio, oportunidade identificada durante Diagnóstico Situacional realizado por esta Coordenação no ano de 2011, em colaboração com as Coordenações Estaduais. Nesse sentido, visando apoiar os Programas de Imunizações Estaduais e/ou Municipais na elaboração das propostas de Projetos de Investimento na Rede de Frio, a CGPNI elabora esse Informe Técnico nº001/2013. Essa instrução auxiliará desde a adequação das informações submetidas via Plano de Ação/2012, inseridas no FormSUS pela equipe técnica da CGPNI, até a finalização da apresentação da proposta. Isso possibilitará maior rapidez na avaliação do mérito das Propostas de Investimento, bem como na liberação de recursos às Unidades/Centrais de Rede de Frio CRF, cadastradas ao pleito e habilitadas. Neste documento são detalhados os tipos de investimentos que poderão ser habilitados pelo, e expõe os conceitos e os termos técnicos utilizados no processo de tramitação da proposta. Os recursos para essa ação são provenientes de investimentos do Piso Variável de Vigilância da Saúde e os repasses serão efetivados por meio do Fundo Nacional de Saúde (FNS) e formalizados em portaria de repasse, após a habilitação. A manutenção da estrutura será responsabilidade da Central de Rede de Frio contemplada no processo. 3

4 Página 4 de CRONOGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE ATIVIDADES As atividades deverão obedecer ao cronograma abaixo relacionado. A habilitação dos Projetos de Investimento vincula-se à necessidade de adequação e validação dos projetos, que são de responsabilidade dos programas de Imunizações locais. ATIVIDADES 2013 SET OUT NOV DEZ Cadastro FormSUS - CGPNI X Adequação e Validação coordenações estaduais X X Avaliação da Proposta pela Equipe técnica CGPNI X X Habilitação da Proposta X X Publicação da Portaria de Repasse X X Execução dos Projetos de Investimento X X 4

5 Página 5 de OS TIPOS DE INVESTIMENTO EM CENTRAL DE REDE DE FRIO DEFINIÇÕES: Rede de Frio é a estrutura técnico-administrativa orientada pelo PNI que visa à manutenção adequada da Cadeia de Frio dos imunobiológicos. Cadeia de Frio é o processo logístico desde o laboratório produtor até o usuário em condições ideais de temperatura. Inclui as etapas de recebimento, armazenamento, distribuição e transporte, de forma oportuna e eficiente, assegurando a preservação das características originais dos imunobiológicos. DESCRIÇÃO DO OBJETO: CENTRAL DE REDE DE FRIO é a estrutura física com recursos (estrutura, equipamento, profissional, metodologia e processos) apropriados à manutenção da Cadeia de Frio. INSTRUMENTO JURÍDICO DE FORMALIZAÇÃO DOS PROJETOS DE INVESTIMENTO: Portaria nº2.682 de 07 novembro de QUEM PODE CANDIDATAR-SE AO PLEITO: Centrais Estaduais, Centrais Regionais e Centrais Municipais da Rede de Frio. As Centrais Municipais serão contempladas mediante aprovação na Comissão Intergestores Bipartite - CIB. CADA CENTRAL CORRESPONDE A UM PROJETO DE INVESTIMENTO. ASSIM, UMA UNIDADE FEDERADA PODERÁ APRESENTAR TANTOS PROJETOS DE INVESTIMENTO QUANTO O NÚMERO DE CENTRAIS A SEREM ESTRUTURADAS. QUAIS SÃO OS TIPOS DE INVESTIMENTOS E COMO SELECIONAR: I - Tipo de Investimento: CONSTRUÇÃO 5

6 Página 6 de 36 Objetiva a estruturação e o fortalecimento da Rede de Frio ampliando o número de estruturas físicas. Quando selecionar? Quando o objetivo da unidade candidata ao pleito for realizar a construção de uma nova edificação desvinculada, funcionalmente ou fisicamente, de algum estabelecimento já existente. II - Tipo de Investimento: AMPLIAÇÃO Objetiva a adequação e continuidade da melhoria das estruturas físicas de Centrais de Rede de Frio já existentes. Quando selecionar? Quando o objetivo da unidade candidata ao pleito for o acréscimo de área a uma edificação existente, ou mesmo construção de uma nova edificação para ser agregada funcionalmente, fisicamente ou não, a um estabelecimento já existente. A ampliação difere da reforma. A reforma prevê alteração em estrutura previamente existente sem acréscimo de área. III - Tipo de Investimento: AQUISIÇÃO DE MATERIAL PERMANENTE (EQUIPAMENTO E MOBILIÁRIO): Objetiva a aquisição de equipamentos e mobiliários necessários à estruturação das Centrais de Rede de Frio. IV - Tipo de Investimento: AQUISIÇÃO DE UNIDADE MÓVEL Objetiva a aquisição de unidades móveis para o transporte de imunobiológicos distribuídos na Rede de Frio ou, ainda, a aquisição de empilhadeiras destinadas à organização do almoxarifado da central de rede de frio candidata ao pleito. 6

7 Página 7 de 36 QUAIS SÃO OS PORTES DE INVESTIMENTOS PARA CONSTRUÇÃO E AMPLIAÇÃO: I - Porte I: estrutura simplificada que possui área de armazenamento de imunobiológicos com sala de equipamentos de refrigeração composta por câmara(s) refrigerada(s); II - Porte II: estruturada com área de armazenamento de imunobiológicos composta por câmara(s) frigorífica(s) até 50m 3 ; e III - Porte III: estruturada com área de armazenamento de imunobiológicos composta por câmara(s) frigorífica(s) com capacidade igual ou superior a 50m 3. QUAIS SÃO OS PORTES DE INVESTIMENTOS PARA AQUISIÇÃO DE MATERIAL PERMANENTE: I CRF Estruturada com câmara frigorífica; e II CRF Estruturada sem câmara frigorífica. CRITÉRIO DE ELEGIBILIDADE PARA PLEITEAR O RECEBIMENTO DOS RECURSOS FINANCEIROS DE INVESTIMENTO SERÁ AVALIADA COM BASE NOS SEGUINTES CRITÉRIOS: I - necessidade de investimentos nas CRF Estadual, nas CRF Regional e na CRF do Distrito Federal; II - necessidade de investimentos nas CRF Municipal localizadas nas 26 (vinte seis) capitais e no Distrito Federal; e III necessidade de investimentos em CRF Municipal distinta das indicadas no inciso II do caput e que seja considerada de interesse estratégico, com o objetivo de promover a qualidade e oferta dos insumos e eficiência no transporte de imunobiológicos. 7

8 Página 8 de DÚVIDAS SOBRE OS PROJETOS DE INVESTIMENTO 1- Tenho interesse por mais de um tipo de investimento, posso solicitar diferentes pleitos? SIM, os investimentos não são excludentes, exceto a construção e a ampliação que não podem ser solicitadas simultaneamente. 2- Os investimentos serão realizados por Unidade Federada? NÃO, cada Central de Rede de Frio, candidata ao Pleito, deverá ter um Projeto de Investimento. Assim, uma unidade federada terá tantos projetos de investimento quanto o número de centrais de rede de frio a serem estruturadas. 3- O que é reforma? Posso submeter proposta para reformar a Central de Rede de Frio? REFORMA é a alteração em ambientes sem acréscimo de área, podendo incluir as vedações e/ou as instalações existentes. NÃO serão aceitas propostas de reforma, neste momento serão priorizados investimentos para construção e ampliação. 4- Recebi a notificação de Projeto de Investimento - PI inserido no FormSUS, mas tenho dúvida sobre o preenchimento, a quem devo recorrer? O PNI está com Equipe técnica dedicada e personalizada para o atendimento dos seus questionamentos. Identifique no cabeçalho do seu formulário o nome do responsável pela inserção do seu PI e o contato do mesmo. 5- O equipamento necessário à minha Central de Rede de Frio não consta na lista. O que devo fazer? Contate o responsável pelo seu projeto e submeta a solicitação de inclusão. A análise será realizada e quando adequado considerada. 6- O que é Câmara Refrigerada? 8

9 Página 9 de 36 É A CÂMARA ESPECÍFICA PARA O ARMAZENAMENTO DE IMUNOBIOLÓGICOS. Esse equipamento é o mesmo utilizado pela Hemorrede, para armazenamento de sangue, componentes e derivados, e pela Rede de Laboratórios, para armazenamento de conjunto diagnóstico e amostras. Operam na faixa de temperatura positiva (+2ºC a +8ºC), possuem controle de alta e baixa temperatura na faixa selecionada, são apropriadas para conservação dos imunobiológicos. No mercado, são atribuídas diversas nomenclaturas para este tipo de equipamento, tal como refrigerador com porta de vidro. Este tipo de equipamento é registrado na Agência Nacional de Vigilância Sanitária Anvisa e os fabricantes, marcas e modelos disponíveis no mercado podem ser consultados diretamente no site da Anvisa (www.anvisa.gov.br), seguindo os passos: a) selecione o link Serviços na barra verde superior do site; b) selecione o link Produtos para Saúde na barra lateral esquerda c) selecione link na parte central da tela Pesquisa de Produtos para Saúde Registrados 7- O que é Câmara Frigorífica? É A CÂMARA DE INFRA-ESTRUTURA PARA O ARMAZENAMENTO DE IMUNOBIOLÓGICOS. Estes equipamentos também são encontrados no mercado em estrutura modular. São indicados às centrais que possuem grandes demandas e financiáveis a partir da capacidade de litros (27m 3 ). Podem ser positivas ou negativas, esta última deve ser utilizada para o armazenamento de Imunobiológicos conservados em temperatura negativa. 8- Os refrigeradores de uso doméstico poderão ser adquiridos para conservação de imunobiológicos? NÃO. Os refrigeradores de uso doméstico não atendem aos critérios de segurança e qualidade, portanto NÃO SÃO RECOMENDADOS para o armazenamento de imunobiológicos. Os refrigeradores só serão aprovados para estruturação das copas/cozinhas, pois esses equipamentos são projetados idealmente para a conservação de alimentos (produtos que não demandam precisão no ajuste da temperatura). 9

10 Página 10 de Os equipamentos definidos no meu Plano de Ação/2012 foram substituídos por similares? SIM. Foi elaborada uma lista de material permanente financiável, com base nos Planos de Ação/2012, visando manter o padrão de análise dos projetos de investimentos. Assim, a equipe técnica do PNI realizou pequenos ajustes para adequação dos itens à lista. 10- Tenho considerações a fazer em relação ao equipamento similar adotado pela equipe técnica do PNI, como devo fazer? Você deve inserir as observações no campo Detalhamento do seu projeto de Investimento e o responsável pelo acompanhamento do seu projeto providenciará a análise das considerações. 11- O meu Projeto de Investimento possui campos sem preenchimento. Ocorreu falha no envio? NÃO, a equipe técnica realizou o preenchimento das planilhas de Excel de acordo com as informações do seu Plano de Ação/2012. A complementação e ajustes relacionados ao Plano de Investimento deverão ser executados pela Central de Rede de Frio candidata ao pleito. 12- Já tenho Convênio com o para investimento em Rede de Frio, posso candidatar minha Unidade/Central de Rede de Frio ao pleito? SIM, considerando que os dados serão confrontados e avaliados, conforme critérios da Portaria nº2.682/2013, para posterior habilitação. Não serão considerados pleitos com o mesmo teor de investimento. 13- Meu Projeto de Investimento excede os limites para investimento definidos na Portaria nº2.682/2013. Como devo proceder? Deve-se considerar que os limites definidos pela Portaria referem-se ao LIMITE MÁXIMO financiável, por tipo de investimento. Os valores excedentes serão contrapartida do gestor local. 10

11 Página 11 de Após selecionar o tipo de investimento adequado à minha necessidade, devo adotar o valor máximo referenciado em Portaria? NÃO, deve-se realizar uma pesquisa no mercado local e definir o valor estimado em conformidade com o valor médio encontrado. Os valores SUBESTIMADOS ou SUPERESTIMADOS NÃO SERÃO ACEITOS. A equipe técnica retornará a proposta à Unidade/Central de Rede de Frio candidata ao pleito para novas adequações, RETARDANDO A POTENCIAL HABILITAÇÃO DO PROJETO. 15- Submeter um Projeto de Investimento garante o financiamento? NÃO, os Projetos de Investimento serão priorizados considerando todos os critérios definidos pela Portaria nº2.682/ Meu Projeto de Investimento prevê aprimoramento para mais de uma Central de Rede de Frio, contudo a equipe do PNI só enviou um Projeto de Investimento. Como devo proceder? Os Projetos de Investimento serão incluídos gradativamente pela equipe técnica do PNI, à medida da revisão e priorização por parte do gestor local. Todos os projetos serão apreciados e a habilitação acontecerá em conformidade com os critérios definidos na Portaria nº2.682/

12 Página 12 de FLUXOGRAMA PARA ELABORAÇÃO DOS PROJETOS DE INVESTIMENTO Inserção no FormSUS (Equipe Técnica PNI) Plano Ação do Estado/2012 Submete PI ao Programa Estadual de Imunizações PI Adequado? Sim Não Estado Retifica/Altera PI Submete à Avaliação do PNI Complementa Informações Cadastrais Sim PI Adequado? Não Responde Pesquisa Portaria nº2.992/2012 (no mesmo formulário) Submete à Avaliação do PNI Informações completas? Sim Não PNI replica PI para adequação do Programa Estadual PNI replica PI adequado ao Programa Estadual publica Portaria de Repasse Legenda: FormSUS - Formulário Web Sistema Único de Saúde PI - Projeto de Investimento PNI - Programa Nacional de Imunizações FNS - Fundo Nacional de Saúde 12

13 Página 13 de ENTENDENDO AS FASES DE ELABORAÇÃO DOS PROJETOS DE INVESTIMENTO O PNI elaborou Diagnóstico Situacional em 2011, junto aos Plano Ação do Estado/2012 O que é? FormSUS O que é? Qual Objetivo? PI Adequado? O que é PI? Quando está adequado? Respondeu Pesquisa Portaria nº2.992/2012 (no mesmo formulário) O que é a Pesquisa? O que devo fazer? Programas Estaduais de Imunizações; O PNI promoveu Seminários regionais de apoio à elaboração do Plano de Ação/2012, com foco no aprimoramento da Rede de Frio Estadual; O PNI realizou análise participativa com Programas Estaduais de Imunizações até adequação dos Planos de Ação, posteriormente submetidos. FormSUS: É o formulário Web do Sistema Único de Saúde. Objetivo: Padronizar as informações dos Planos de Ação submetidos ao PNI para elaboração de Projeto de Investimento - PI em conformidade com a Portaria nº2.682/2013. Conteúdo: Informações cadastrais e PI (descrição técnica do pleito), além de Pesquisa (Portaria nº 2.992/2012). Endereço eletrônico: O PI é o Projeto de Investimento, Planos de Ação/2012 submetidos pelos Programas Estaduais e padronizados pela Equipe Técnica do PNI visando a habilitação em conformidade com a Portaria nº2.682/2013. Será considerado adequado após o preenchimento de todos dados cadastrais e informações técnicas no FormSUS, de cada Central candidata ao pleito, conforme padronização adotada. Os Programas Estaduais devem compartilhar/ atualizar o PNI em relação à efetiva aplicação dos recursos financeiros transferidos via Portaria nº 2.992/2012 para aquisição, por parte dos Programas Estaduais, de arcondicionado e gerador, preferencialmente. Nos casos em que ainda não houve efetiva aplicação, os Programas devem se manifestar para que ações de apoio possam ser providenciadas. 13

14 Página 14 de 36 publica Portaria de Repasse Quando e qual objetivo? Após adequações pertinentes, o PNI utilizará os critérios de elegibilidade, definidos no Art 4º da Portaria nº2.682/2013, a disponibilidade orçamentária e financeira do, além dos critérios de prioridade estabelecidos no Art. 5º desta Portaria para habilitação dos pleitos. A habilitação dos projetos será formalizada em portaria específica do, considerando a disponibilidade orçamentária. O repasse financeiro será realizado fundo a fundo. 14

15 Página 15 de COMO ACESSAR SEU PROJETO DE INVESTIMENTO Acesse o endereço eletrônico: Selecione: Altera Ficha Insira o número do PROTOCOLO do seu Projeto, enviado pela Equipe Técnica PNI, no campo destacado; Selecione Buscar. 15

16 Página 16 de COMO ELABORAR UM PROJETO DE INVESTIMENTO 1º COMPLEMENTAR AS INFORMAÇÕES CADASTRAIS NO FORMSUS Identifique o nome do responsável pelo acompanhamento do seu projeto no campo: Equipe da CGPNI responsável pelo acompanhamento do Projeto de Investimento Haline Reis de Oliveira (61) Karla Rosane de Alarcão (61) Patrícia S.M.Freire Glowacki (61) Polyana Araújo de Assis (61)

17 Página 17 de 36 2º JUSTIFIQUE A IMPORTÂNCIA DO SEU PROJETO DE INVESTIMENTO Justifique a importância do Investimento e, posteriormente, confirme se o seu Projeto de Investimento, inserido pela Equipe Técnica CGPNI anexo a este formulário, se mantém em conformidade com o Plano de Ação/2012. Nos casos de Investimento de Construção ou Ampliação informe se já existe Projeto de Engenharia / Arquitetura e se o terreno para obra já está disponível. 17

18 Página 18 de 36 3º SELECIONAR O TIPO DO INVESTIMENTO CONSTRUÇÃO ATENÇÃO: 1. Não esqueça de informar o valor total do pleito! 2. Consulte as Tabelas 2 e 3, anexas, para conhecer a lista de material permanente financiável. 18

19 Página 19 de 36 AMPLIAÇÃO ATENÇÃO: 1. Não esqueça de informar o valor total do pleito! 2. Consulte as Tabelas 2 e 3, anexas, para conhecer a lista de material permanente financiável. 19

20 Página 20 de 36 Aquisição de Material Permanente Identificar qual o tipo ATUAL da Central de Rede de Frio CRF candidata ao pleito: CRF COM CÂMARA FRIGORÍFICA CRF SEM CÂMARA FRIGORÍFICA ATENÇÃO: 1. Não esqueça de informar o valor total do pleito! 2. O detalhamento do seu projeto foi inserido pela Equipe Técnica da CGPNI no link Download. Faça o Download do arquivo e salve no seu computador. 20

21 Página 21 de 36 Consulte as Tabelas 2 e 3, anexas, para conhecer a lista de material permanente financiável. 21

22 Página 22 de 36 Aquisição de Unidade Móvel ATENÇÃO: 1. Não esqueça de informar o valor total do pleito! 2. O detalhamento do seu projeto foi inserido pela Equipe Técnica da CGPNI no link Download. Faça o Download do arquivo e salve no seu computador. 22

23 Página 23 de 36 4º SELECIONAR O PORTE DO INVESTIMENTO: PARA CONSTRUÇÃO OU AMPLIAÇÃO A equipe de engenharia e arquitetura, em parceria com especialistas em Rede de Frio, realizou estudos para definição de uma estrutura padronizada e adequada à realização das atividades da Rede. Foram definidos três portes distintos em função da área de armazenamento, sejam eles: Porte I - CRF com estrutura simplificada que possui área de armazenamento de imunobiológicos com sala de equipamentos de refrigeração composta por câmara(s) refrigerada(s). Porte II - CRF estruturada com área de armazenamento de imunobiológico composta por câmara(s) frigorífica(s) de até 50m 3 Porte III - CRF estruturada com área de armazenamento de imunobiológico composta por câmara(s) frigorífica(s) com capacidade superior a 50m 3. OBS: Deve-se enquadrar o porte à necessidade da Central da Rede de Frio, respeitando os LIMITES MÁXIMOS previstos na Portaria nº2.682/2013 (Ver definição de câmar refrigerada e frigorífica no Item 3 deste documento - Dúvidas sobre projeto de investimento) 23

24 Página 24 de 36 5º SELECIONAR OS AMBIENTES DA CENTRAL DE REDE DE FRIO: PARA CONSTRUÇÃO OU AMPLIAÇÃO. Nos estudos foram levantados os ambientes necessários ao funcionamento de uma Central de Rede de Frio. 24

25 Página 25 de 36 ATENÇÃO: 1. O detalhamento do seu projeto foi inserido pela Equipe Técnica da CGPNI no link Download. Faça o Download do arquivo e salve no seu computador. 25

26 Página 26 de 36 6º ARQUIVO ANEXO: PROJETOS DE INVESTIMENTO Selecione Download para visualizar o arquivo com o detalhamento do seu Projeto de Investimento; Salve o arquivo no seu computador Certifique-se da adequação das informações constantes; Complemente as informações pendentes; Salve novamente para registrar as atualizações das informações no arquivo do seu computador. AO ALTERAR/COMPLEMENTAR AS INFORMAÇÕES DO ARQUIVO ENVIADO PELA EQUIPE DA CGPNI Apague o arquivo recebido em anexo. Agora Selecione o arquivo que você salvou com informações atualizadas. Selecionar Arquivo 26

27 Página 27 de 36 Uma nova tela será apresentada, selecione seu projeto modificado Clique em Abrir e seu projeto modificado será anexado 27

28 Página 28 de 36 7º INFORMAR SOBRE A APLICAÇÃO DOS RECURSOS FINANCEIROS, PORTARIA Nº2.992/2012 8º SALVE AS INFORMAÇÕES DO SEU PROJETO DE INVESTIMENTO 28

29 Página 29 de ANEXOS Os ambientes destacados em negrito e identificados (**) representam uma SUGESTÃO de estrutura MÍNIMA. TABELA 1 AMBIENTES DA CENTRAL DE REDE DE FRIO CENTRAL DE REDE DE FRIO ÁREA/AMBIENTE QUANTIDADE DIMENSÃO INSTALAÇÕES Área Armazenagem e Distribuição (Imunobiológicos e insumos) **Sala de Equipamentos de Refrigeração **Almoxarifado de Insumos 1 **Sala de Preparo **Área de Recebimento, Inspeção e Distribuição de Imunobiológicos e Insumos A depender do equipamento instalado e volume de insumos A depender do volume de insumos armazenado A depender do volume de insumos armazenado 10% da área de armazenamento Elétrica emergência diferenciada) (de e Elétrica (de emergência e diferenciada) Água fria, elétrica de emergência. Bancada de dupla altura para realização de atividades. Apoio Administrativo **Sala de Coordenação 1 5,5m 2 por pessoa -- Sala de Apoio 5,5m 2 por pessoa -- 1 Administrativo Sala de Apoio Técnico 5,5m 2 por pessoa -- 1 Especializado Sala Multiuso 1 2,0m 2 por pessoa -- Depósito de equipamentos A depender dos -- / materiais de escritório 1 equipamentos / Doca para Carga e Descarga **Sala para Instalação do Gerador de Emergência 1 Casa de Máquinas (Unidades Condensadoras 1 1 materiais utilizados Apoio Logístico A depender do equipamento utilizado. Conforme normas da concessionária local A depender do equipamento -- Elétrica (de emergência e diferenciada) Elétrica de Emergência; Outras a 29

30 Página 30 de 36 CENTRAL DE REDE DE FRIO ÁREA/AMBIENTE QUANTIDADE DIMENSÃO INSTALAÇÕES da Câmara Frigorífica) utilizado. depender do equipamento utilizado. **Depósito de Material de 1/unidade 2,0m 2 com dimensão Água fria. Limpeza com Tanque DML requerente mínima = 1,0m Sala de Motorista Opcional 1,3m 2 por pessoa -- **Abrigo de Resíduos 1/unidade A depender do (comum) e Armazenagem. A depender do equipamento Temporária de Resíduos de Plano de utilizado. Suficiente Imunobiológicos Gerenciamento de Resíduos para guarda de dois recipientes coletores. Apoio Técnico Copa 2,6m 2 dimensão 1 mínima 1,15 m Conforto e Higiene **Área de recepção e 1,2m 2 por -- 1 espera pessoa **Sanitário para o público Individual: masculino, feminino e 1,6m 2, dimensão para portadores de mínima de 1,2m 2. necessidades especiais. Individual p/ portador **Banheiro funcionários Sala de Treinamento para 1 para cada gênero 1 para cada gênero de necessidade especial: 3,2m 2, dimensão mínima 1,7m 2 (NBR9050/2004) 1 vaso sanitário, 1 lavatório e 1 chuveiro para cada 10 funcionários (NR 24- Ministério Trabalho) Ensino e Pesquisa (Opcional) Opcional do Água fria; Outras a depender do equipamento utilizado. A depender do equipamento utilizado. Água fria; Outras a depender do equipamento utilizado. Água fria; água quente; Outras a depender do equipamento. 1,3m 2 por pessoa A depender do equipamento utilizado. Laboratório de Informática Opcional 1,2m 2 por pessoa -- Auditório Opcional 1,2m 2 por pessoa -- **Sala de Reunião Opcional 2,0m 2 por pessoa -- 30

31 Página 31 de 36 TABELA 2 EQUIPAMENTOS FINANCIÁVEIS CENTRAL DE REDE DE FRIO Ambiente/Equipamento Sala de Equipamentos de Refrigeração Câmara Frigorífica Negativa (Opcional) Câmara Frigorífica Positiva (Opcional) Antecâmara (Opcional) Evaporador* (Opcional) Alarme discador (Opcional) Quadro elétrico de comando da Câmara Frigorífica* (Opcional) Condicionador de ar QUANTIDADE A depender do dimensionamento da câmara. A depender do dimensionamento da câmara. A depender do dimensionamento da câmara. A depender do dimensionamento da câmara/sala. Câmara refrigerada (Opcional) Freezer Científico (Opcional) Almoxarifado Carro de transporte de materiais Empilhadeira Sala de Preparo Condicionador de Ar 1 Freezer Área para Recebimento, Inspeção e Distribuição de Imunobiológico Condicionador de Ar 1 Impressora 1 Microcomputador Aparelho de Fax/telefone 1 Sala de Coordenação Condicionador de Ar 1 Impressora 1 1/pessoa Microcomputador Aparelho de Fax/telefone 1 Sala de Apoio Técnico Especializado Condicionador de Ar 1 Impressora 1 1/pessoa Microcomputador Aparelho de Fax/telefone 1 Sala de Apoio Administrativo Condicionador de Ar 1 Impressora 1 1/pessoa Microcomputador Aparelho de Fax/telefone 1 Sala de Reuniões 1/pessoa 31

32 Página 32 de 36 CENTRAL DE REDE DE FRIO Ambiente/Equipamento QUANTIDADE Condicionador de Ar 1 Projetor multimídia 1 Tela de Projeção 1 Microcomputador 1 Depósito de Equipamentos e Materiais de escritório Carro para Transporte de Material Opcional Condicionador de Ar Opcional Sala de Treinamento Condicionador de Ar 1 Projetor multimídia 1 Tela de Projeção 1 Microcomputador 1 Auditório Condicionador de Ar 1 Aparelho de DVD 1 Microcomputador 1 Projetor multimídia 1 Tela de Projeção 1 Televisor 1 Laboratório de Informática Condicionador de Ar 1 Projetor multimídia 1 Tela de Projeção 1 Microcomputador 1/pessoa Sala para Instalação do Grupo Gerador Grupo Gerador 1 Casa de Máquinas Condensador (mínimo) 2 Depósito de Material de Limpeza com tanque (DML) Carro de Limpeza 1 Abrigo externo de Resíduos Carro para Transporte de Detritos 1 Copa Filtro de Água 1 Cafeteira 1 Forno de Microondas 1 Fogão Refrigerador doméstico 1 Área de Recepção e Espera Bebedouro 1 Sala para Motorista Condicionador de Ar 1 Bebedouro 1 32

33 Página 33 de 36 CENTRAL DE REDE DE FRIO Ambiente/Equipamento QUANTIDADE Televisor 1 Sala Multiuso Projetor Multimídia 1 Tela de Projeção 1 Condicionador de Ar 1 Computador A depender da demanda Equipamento de vídeo conferência (opcional) 1 *Sempre que adotada a opção de câmara frigorífica, faz-se necessário quadro de comando elétrico para câmara frigorífica e Evaporador 33

34 Página 34 de 36 TABELA 3 MOBILIÁRIOS FINANCIÁVEIS CENTRAL DE REDE DE FRIO Mobiliário Sala de Equipamentos de Refrigeração Estante em aço inox para câmara frigorífica Armário Almoxarifado Estante Pallets Sala de Preparo Estante ou Armário Bancada de dupla altura Área para Recebimento, Inspeção e Distribuição de Imunobiológico Mesa Escritório Mesa para Computador Mesa para Impressora Cadeira Arquivo Gaveta Sala de Coordenação Armário Arquivo Gaveta Cadeira Estante Mesa de Escritório Mesa para Impressora QUANTIDADE 1/computador 1/impressora 1/mesa 1/mesa 1/impressora Mesa para Microcomputador 1/computador Quadro de Avisos 1 Sala de Apoio Técnico Especializado Arquivo Gaveta Cadeira 1/mesa Armário Mesa de Escritório Mesa para Impressora Mesa para Microcomputador Sala de Apoio Administrativo Arquivo Gaveta Cadeira Estante Mesa de Escritório Mesa para Impressora 1/impressora 1/computador 1/mesa 1/impressora 34

35 Página 35 de 36 CENTRAL DE REDE DE FRIO Mobiliário QUANTIDADE Mesa para Microcomputador 1/computador Quadro de Avisos 1 Sala de Reuniões Armário Cadeira Mesa de Reunião 1 Quadro Branco 1 Quadro de Avisos 1 Mesa de apoio 1 Depósito de Equipamentos e Materiais de escritório Armário Balcão de Atendimento 1 Cadeira Estante Quadro de Avisos 1 Sala de Treinamento Armário Cadeira tipo universitária Estante Mesa Mesa para Microcomputador Bancada 1/computador Quadro Branco 1 Quadro de Avisos 1 Auditório Cadeira Mesa para Microcomputador 1 Mesa 1 Quadro Branco 1 Quadro de Avisos 1 Suporte data-show 1 Laboratório de Informática Mesa para computador Cadeira Mesa para o instrutor 1/computador Sala Multiuso Mesa para reunião 1 Cadeira A depender da demanda Mesa para Computador 1/computador Mesa de apoio

36 Página 36 de 36 CENTRAL DE REDE DE FRIO Mobiliário Depósito de Material de Limpeza com tanque (DML) Armário Abrigo externo de Resíduos Estante Copa Armário Mesa para refeitório Cadeira QUANTIDADE Bancada 1 Área de Recepção e Espera Cadeira 1 Mesa de escritório 1 Longarina Sala para Motorista Estante Cadeira Quadro de Avisos 1 Suporte para TV 1 Sofá 1 36

NOTA TÉCNICA 31 2013 REPASSES FINANCEIROS DE INVESTIMENTO PARA FOMENTO E APRIMORAMENTO DAS CONDIÇÕES DE FUNCIONAMENTO DA REDE DE FRIO

NOTA TÉCNICA 31 2013 REPASSES FINANCEIROS DE INVESTIMENTO PARA FOMENTO E APRIMORAMENTO DAS CONDIÇÕES DE FUNCIONAMENTO DA REDE DE FRIO NOTA TÉCNICA 31 2013 REPASSES FINANCEIROS DE INVESTIMENTO PARA FOMENTO E APRIMORAMENTO DAS CONDIÇÕES DE FUNCIONAMENTO DA REDE DE FRIO Brasília, 16 de agosto de 2013 REPASSES FINANCEIROS DE INVESTIMENTO

Leia mais

INSTRUTIVO DE ORIENTAÇÃO PARA LIBERAÇÃO DE INCENTIVO FINANCEIRO

INSTRUTIVO DE ORIENTAÇÃO PARA LIBERAÇÃO DE INCENTIVO FINANCEIRO MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA INSTRUTIVO DE ORIENTAÇÃO PARA LIBERAÇÃO DE INCENTIVO FINANCEIRO PROGRAMA DE REQUALIFICAÇÃO DE UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE

Leia mais

INSTRUTIVO DE PREENCHIMENTO DE PROJETOS DE IMPLANTAÇÃO, IMPLEMENTAÇÃO, FORTALECIMENTO E/OU APERFEIÇOAMENTO DE INICIATIVAS

INSTRUTIVO DE PREENCHIMENTO DE PROJETOS DE IMPLANTAÇÃO, IMPLEMENTAÇÃO, FORTALECIMENTO E/OU APERFEIÇOAMENTO DE INICIATIVAS INSTRUTIVO DE PREENCHIMENTO DE PROJETOS DE IMPLANTAÇÃO, IMPLEMENTAÇÃO, FORTALECIMENTO E/OU APERFEIÇOAMENTO DE INICIATIVAS PRIORITÁRIAS DA POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM (PNAISH)

Leia mais

MANUAL INSTRUTIVO CADASTRO DE NOVAS PROPOSTAS DE REFORMA, AMPLIAÇÃO E CONSTRUÇÃO DE UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE (UBS)

MANUAL INSTRUTIVO CADASTRO DE NOVAS PROPOSTAS DE REFORMA, AMPLIAÇÃO E CONSTRUÇÃO DE UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE (UBS) MANUAL INSTRUTIVO CADASTRO DE NOVAS PROPOSTAS DE REFORMA, AMPLIAÇÃO E CONSTRUÇÃO DE UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE (UBS) PROGRAMA DE REQUALIFICAÇÃO DE UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE (UBS) APRESENTAÇÃO Este Manual

Leia mais

NORMAS DE FUNCIONAMENTO DO LABORATÓRIO DE AUTOMAÇÃO EM PETRÓLEO LAUT

NORMAS DE FUNCIONAMENTO DO LABORATÓRIO DE AUTOMAÇÃO EM PETRÓLEO LAUT NORMAS DE FUNCIONAMENTO DO LABORATÓRIO DE AUTOMAÇÃO EM PETRÓLEO LAUT 1- INTRODUÇÃO O Laboratório de Automação em Petróleo (LAUT) tem o propósito de abrigar pesquisas na área desenvolvidas pela UFRN em

Leia mais

Anexo D Divisão de Análises Clínicas HU/UFSC. Versão 01. Atribuições dos Cargos

Anexo D Divisão de Análises Clínicas HU/UFSC. Versão 01. Atribuições dos Cargos DOC MQB -02 MQB.pdf 1/5 Cargo: Assistente de Laboratório 1. Planejar o trabalho de apoio do laboratório: Interpretar ordens de serviços programadas, programar o suprimento de materiais, as etapas de trabalho,

Leia mais

PORTARIA Nº 2.932, DE 27 DE SETEMBRO DE 2010

PORTARIA Nº 2.932, DE 27 DE SETEMBRO DE 2010 PORTARIA Nº 2.932, DE 27 DE SETEMBRO DE 2010 Institui, no âmbito do Sistema Nacional de Transplantes - SNT, o Plano Nacional de Implantação de Bancos de Multitecidos - Plano-BMT. A MINISTRA DE ESTADO DA

Leia mais

UNIDADE DE PRONTO ATENDIMENTO - UPA MEMORIAL DESCRITIVO

UNIDADE DE PRONTO ATENDIMENTO - UPA MEMORIAL DESCRITIVO UNIDADE DE PRONTO ATENDIMENTO - UPA MEMORIAL DESCRITIVO Nome do estabelecimento: UNIDADE DE PRONTO ATENDIMENTO - UPA Tipo do estabelecimento: UPA PORTE 02 Proprietária: Fundo Municipal de Saúde de Caicó/RN

Leia mais

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar MANUAL DO AVALIADOR Parte I 1.1 Liderança Profissional habilitado ou com capacitação compatível. Organograma formalizado, atualizado e disponível. Planejamento

Leia mais

CADASTRAMENTO DE EMPRESAS NA ANVISA PERGUNTAS FREQUENTES

CADASTRAMENTO DE EMPRESAS NA ANVISA PERGUNTAS FREQUENTES CADASTRAMENTO DE EMPRESAS NA ANVISA PERGUNTAS FREQUENTES Quais são os sujeitos que devem ser cadastrados e o que cada um representa no cadastro da empresa?...2 Como fazer para cadastrar uma empresa?...3

Leia mais

NEAD/CÂMPUS: : POLO:

NEAD/CÂMPUS: : POLO: ANEXO DA RESOLUÇÃO AD REFERENDUM Nº 015 CONSUPER/2013 ANEXO I INSTRUMENTO DE ANÁLISE E AVALIAÇÃO PARA A CRIAÇÃO DE POLO EAD Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Catarinense PRÓ- REITORIA

Leia mais

EDITAL PARA ADMISSÃO DE EMPREENDIMENTOS INCUBADOS. Apoio:

EDITAL PARA ADMISSÃO DE EMPREENDIMENTOS INCUBADOS. Apoio: EDITAL PARA ADMISSÃO DE EMPREENDIMENTOS INCUBADOS Apoio: Recife, 2015 Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. OBJETIVOS... 3 3. PUBLICO ALVO... 3 4. ATORES... 3 5. ESPAÇO FÍSICO... 4 6. SERVIÇOS OFERECIDOS...

Leia mais

ANEXO 5 DO CONTRATO PLANO DE EQUIPAMENTOS E MOBILIÁRIOS

ANEXO 5 DO CONTRATO PLANO DE EQUIPAMENTOS E MOBILIÁRIOS ANEXO 5 DO CONTRATO PLANO DE EQUIPAMENTOS E MOBILIÁRIOS Centro de Diagnóstico Sul Centro de Diagnóstico Norte Centro de Diagnóstico Leste Centro de Diagnóstico Centro - Oeste SUMÁRIO CENTRO DE DIAGNÓSTICO

Leia mais

NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA

NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA 1 NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA TUTORIAL DE USO DA FERRAMENTA ANO 2012 2 Sumário 1 Nota Fiscal de Serviços eletrônica - NFS-e... 3 1.1 Considerações Iniciais... 3 1.2 Legislação... 3 1.3 Definição...

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA Programa e-tec Brasil

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA Programa e-tec Brasil MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA Programa e-tec Brasil INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO DE POLO Endereço Rua Joaquim José Terra, 13 Cidade /UF/CEP Alterosa/MG 37.145-000

Leia mais

Manual do Usuário Sistema APR Web. Aprovação de Projeto Elétrico e Análise de Carga na Rede via Web

Manual do Usuário Sistema APR Web. Aprovação de Projeto Elétrico e Análise de Carga na Rede via Web Manual do Usuário Sistema APR Web Aprovação de Projeto Elétrico e Análise de Carga na Rede via Web Belo Horizonte Março de 2015 SUMÁRIO APR Web 1 Introdução... 5 2 Objetivo... 5 3 Acessar o sistema APR

Leia mais

Atendimento On Line Foco Cliente Utilizando O Sistema Web Contábil 21/05/2010 IDEAL. Última Atualização: 01/2010

Atendimento On Line Foco Cliente Utilizando O Sistema Web Contábil 21/05/2010 IDEAL. Última Atualização: 01/2010 Atendimento On Line Foco Cliente Utilizando O Sistema Web Contábil 21/05/2010 IDEAL Última Atualização: 01/2010 Atendimento: Tel : (11) 3857-9007 - e-mail: suporte@webcontabil.com :: Módulo Documentos

Leia mais

Centro POP Infraestrutura

Centro POP Infraestrutura CENTRO POP Centro de Referência Especializado para População em Situação de Rua Centro POP Infraestrutura Onde deve ser localizado o Centro de Referência Especializado para População em Situação de Rua

Leia mais

CPqD Gestão Pública. Gestão Escolar Guia de treinamento. Versão do produto: 4.0.0 Edição do documento: 2.0 Abril de 2010

CPqD Gestão Pública. Gestão Escolar Guia de treinamento. Versão do produto: 4.0.0 Edição do documento: 2.0 Abril de 2010 CPqD Gestão Pública Gestão Escolar Guia de treinamento Versão do produto: 4.0.0 Edição do documento: 2.0 Abril de 2010 CPqD Gestão Pública Gestão Escolar Guia de treinamento Versão do produto: 4.0.0 Edição

Leia mais

Version Notes (Notas da versão) Versão 4.10.1.8-05-12-2012

Version Notes (Notas da versão) Versão 4.10.1.8-05-12-2012 Florianópolis, 05 de dezembro de 2012. Abaixo você confere as características e funcionalidades da nova versão 4.10.1.8-05-12-2012 do Channel. Para quaisquer dúvidas ou na necessidade de maiores esclarecimentos,

Leia mais

Manual do Usuário Sistema APR Web. Aprovação de Projeto Elétrico e Análise de Carga na Rede via Web

Manual do Usuário Sistema APR Web. Aprovação de Projeto Elétrico e Análise de Carga na Rede via Web Manual do Usuário Sistema APR Web Aprovação de Projeto Elétrico e Análise de Carga na Rede via Web Belo Horizonte Novembro de 2015 SUMÁRIO APR Web 1 Introdução... 5 2 Objetivo... 5 3 Acessar o sistema

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 21, DE 19 DE MARÇO DE 2009.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 21, DE 19 DE MARÇO DE 2009. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 21, DE 19 DE MARÇO DE 2009. Regulamenta o dimensionamento padrão das áreas e o arranjo físico dos ambientes das Unidades da Agência Nacional de Aviação Civil ANAC. A DIRETORA-PRESIDENTE

Leia mais

Sistema de Chamados Protega

Sistema de Chamados Protega SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 3 2. REALIZANDO ACESSO AO SISTEMA DE CHAMADOS... 4 2.1 DETALHES DA PÁGINA INICIAL... 5 3. ABERTURA DE CHAMADO... 6 3.1 DESTACANDO CAMPOS DO FORMULÁRIO... 6 3.2 CAMPOS OBRIGATÓRIOS:...

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 058/2015, DE 01 DE SETEMBRO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 058/2015, DE 01 DE SETEMBRO DE 2015 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS Conselho Superior Avenida Vicente Simões, 1111 Bairro Nova Pouso Alegre 37550-000 - Pouso Alegre/MG Fone:

Leia mais

MONTAGEM DE PROCESSO VIRTUAL

MONTAGEM DE PROCESSO VIRTUAL Manual de Procedimentos - SISPREV WEB MONTAGEM DE PROCESSO VIRTUAL 1/15 O treinamento com o Manual de Procedimentos É com muita satisfação que a Agenda Assessoria prepara este manual para você que trabalha

Leia mais

INFRAESTRUTURA 1. ESPAÇO FÍSICO 1.1. Gabinetes de Trabalho para Professores Tempo Integral - TI

INFRAESTRUTURA 1. ESPAÇO FÍSICO 1.1. Gabinetes de Trabalho para Professores Tempo Integral - TI INFRAESTRUTURA 1. ESPAÇO FÍSICO Atualmente a FIBRA encontra-se em novas instalações contando com 33 salas de aula climatizadas, com instalações de equipamentos de multimídia, auditório climatizado com

Leia mais

ICH ORGANIZAÇÃO DO ESPAÇO FISICO

ICH ORGANIZAÇÃO DO ESPAÇO FISICO ICH ORGANIZAÇÃO DO ESPAÇO FISICO SUMÁRIO I. Gabinetes para professores...3 II. Núcleos de pesquisa...3 III. Laboratórios...4 IV. Espaços coletivos outras atividades...8 V. Espaço administrativo...9 VI.

Leia mais

Manual SIGETEC. Sistema de Gestão Tecnológica. Adesão ao Proinfo utilizando o sistema SIGETEC. Proinfo. Ministério da Educação

Manual SIGETEC. Sistema de Gestão Tecnológica. Adesão ao Proinfo utilizando o sistema SIGETEC. Proinfo. Ministério da Educação Manual SIGETEC Sistema de Gestão Tecnológica Adesão ao Proinfo utilizando o sistema SIGETEC Proinfo Ministério da Educação ÍNDICE Introdução 07 1º Passo - Termo de Adesão. 09 2º Passo Cadastro do Prefeito.

Leia mais

RECOMENDAR PUBLICAÇÃO DE PROJETO DE INTERVENÇÃO

RECOMENDAR PUBLICAÇÃO DE PROJETO DE INTERVENÇÃO PROGRAMA DE VALORIZAÇÃO DO PROFISSIONAL DA ATENÇÃO BÁSICA TUTORIAL PARA O SUPERVISOR RECOMENDAR PUBLICAÇÃO DE PROJETO DE INTERVENÇÃO PROVAB 2014 Brasília/DF, 12 de novembro de 2014. 1 APRESENTAÇÃO Senhor

Leia mais

Manual de Cadastro de Proposta e Plano de Trabalho

Manual de Cadastro de Proposta e Plano de Trabalho MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE TRANSFERÊNCIAS VOLUNTÁRIAS Portal dos Convênios SICONV Manual de Cadastro de Proposta e

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Boas Práticas de Fabricação de Saneantes e Produtos de Higiene Pessoal, Cosméticos e Perfumes Coordenação de Insumos Farmacêuticos, Saneantes e Cosméticos Gerência

Leia mais

BEM VINDOS AO DHL WEB SHIPPING GUIA DE USO

BEM VINDOS AO DHL WEB SHIPPING GUIA DE USO Envio de Remessas Online BEM VINDOS AO DHL WEB SHIPPING GUIA DE USO webshipping.dhl.com ACESSE O DHL WEB SHIPPING DE QUALQUER LUGAR DO MUNDO. Ideal para qualquer empresa com acesso à internet, o DHL Web

Leia mais

PORTARIA Nº 008, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2014.

PORTARIA Nº 008, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2014. PORTARIA Nº 008, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2014. Aprova o regulamento de utilização do auditório e das salas de treinamentos da GRANFPOLIS. O PRESIDENTE DA ASSOCIAÇÃO DOS MUNICÍPIOS DA REGIÃO DA GRANDE FLORIANÓPOLIS

Leia mais

G-Bar. Módulo Básico Versão 4.0

G-Bar. Módulo Básico Versão 4.0 G-Bar Software para Gerenciamento de Centrais de Corte e Dobra de Aço Módulo Básico Versão 4.0 Pedidos de Vendas Manual do Usuário 1 As informações contidas neste documento, incluindo links, telas e funcionamento

Leia mais

NORMA PROCEDIMENTAL COMUNICAÇÃO ELETRÔNICA. Implementar uma infraestrutura padronizada e segura para a comunicação eletrônica oficial da UFTM.

NORMA PROCEDIMENTAL COMUNICAÇÃO ELETRÔNICA. Implementar uma infraestrutura padronizada e segura para a comunicação eletrônica oficial da UFTM. 50.01.005 1/10 1. FINALIDADE Implementar uma infraestrutura padronizada e segura para a comunicação eletrônica oficial da UFTM. 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO Todos os órgãos da UFTM e, em especial, na Assessoria

Leia mais

Manual do Usuário SisFAPERJ

Manual do Usuário SisFAPERJ Manual do Usuário SisFAPERJ SisFAPERJ - Manual do Usuário Página 1 Sumário Manual do Usuário... 1 SisFAPERJ... 1 1. Tela inicial Login... 3 1.1. Este é meu 1º acesso... 3 1.2. Esqueci minha senha... 4

Leia mais

Programa de Hematologia e Oncologia Pediátricos Diagnóstico Imunomolecular. Manual do sistema (Médico)

Programa de Hematologia e Oncologia Pediátricos Diagnóstico Imunomolecular. Manual do sistema (Médico) Programa de Hematologia e Oncologia Pediátricos Diagnóstico Imunomolecular Manual do sistema (Médico) ÍNDICE 1. O sistema... 1 2. Necessidades técnicas para acesso ao sistema... 1 3. Acessando o sistema...

Leia mais

MONTAGEM INDUSTRIAL UNIDADE II O CANTEIRO DE OBRAS

MONTAGEM INDUSTRIAL UNIDADE II O CANTEIRO DE OBRAS MONTAGEM INDUSTRIAL UNIDADE II O CANTEIRO DE OBRAS O canteiro de obras Introdução Sistema de produção Em muitos casos de obras de construção e montagem o canteiro de obras pode ser comparado a uma fábrica

Leia mais

Orientações para a construção e ampliação de Unidades Básicas de Saúde - UBS

Orientações para a construção e ampliação de Unidades Básicas de Saúde - UBS Orientações para a construção e ampliação de Unidades Básicas de Saúde - UBS Introdução A Secretaria de Estado da Saúde estabeleceu como ação estruturante para a implantação das redes de atenção no Paraná,

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro Pró-Reitoria de Planejamento, Desenvolvimento e Finanças Orçamento Participativo 2014

Universidade Federal do Rio de Janeiro Pró-Reitoria de Planejamento, Desenvolvimento e Finanças Orçamento Participativo 2014 Formulário 01 - Previsão de Demandas DESPESAS DE CUSTEIO 1.465.000 Cód. Despesa Auxílio Financeiro a Estudante 3.3.90.18 Ajuda de custo para participação em apresentações, congressos e seminários 3.3.90.18

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS FREQUENTES - Edital Nº 32, de 24 de julho de 2014 - RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL E EM ÁREA PROFISSIONAL DA SAÚDE

PERGUNTAS E RESPOSTAS FREQUENTES - Edital Nº 32, de 24 de julho de 2014 - RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL E EM ÁREA PROFISSIONAL DA SAÚDE PERGUNTAS E RESPOSTAS FREQUENTES - Edital Nº 32, de 24 de julho de 2014 - RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL E EM ÁREA PROFISSIONAL DA SAÚDE ORIENTAÇÕES PARA SOLICITAÇÃO DE FINANCIAMENTO DE BOLSAS DE RESIDÊNCIA

Leia mais

ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS - INDÚSTRIAS DE COSMÉTICOS E SANEANTES -

ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS - INDÚSTRIAS DE COSMÉTICOS E SANEANTES - ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS - INDÚSTRIAS DE COSMÉTICOS E SANEANTES - 1. LEGISLAÇÃO SANITÁRIA ESPECÍFICA - Lei Federal 6.360/76 e Decreto Estadual (DE) 23.430 de 24/10/1974 (http://www.al.rs.gov.br/legis/);

Leia mais

Portal Contador Parceiro

Portal Contador Parceiro Portal Contador Parceiro Manual do Usuário Produzido por: Informática Educativa 1. Portal Contador Parceiro... 03 2. Acesso ao Portal... 04 3. Profissionais...11 4. Restrito...16 4.1 Perfil... 18 4.2 Artigos...

Leia mais

Portal dos Convênios SICONV. Ajuste do Plano de Trabalho, Termo Aditivo e Prorroga de Ofício Perfis de Convenente e Concedente.

Portal dos Convênios SICONV. Ajuste do Plano de Trabalho, Termo Aditivo e Prorroga de Ofício Perfis de Convenente e Concedente. MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE LOGÍSTICA E SERVIÇOS GERAIS Portal dos Convênios SICONV Ajuste do Plano de Trabalho, Termo

Leia mais

manual Sistema de Gestão de Contribuições

manual Sistema de Gestão de Contribuições manual Sistema de Gestão de Contribuições Conteúdo 1. Login 4 2. Home 5 3. Informações básicas 3.1. Menus 6 3.2. Números e status 7 3.3. Ações 8 4. Ambientes da ferramenta 4.1. Sindicato 13 4.2. Empresas

Leia mais

CADASTRAMENTO DE EMPRESAS PERGUNTAS FREQUENTES

CADASTRAMENTO DE EMPRESAS PERGUNTAS FREQUENTES CADASTRAMENTO DE EMPRESAS PERGUNTAS FREQUENTES 1 Quais são os sujeitos que devem ser cadastrados e o que cada um representa no cadastro da empresa?...2 2 Como fazer para cadastrar uma empresa?...3 3 Cliquei

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO DO M3

MANUAL DO USUÁRIO DO M3 MANUAL DO USUÁRIO DO M3 1 CADASTROS 1.1 Clientes Abre uma tela de busca na qual o usuário poderá localizar o cadastro dos clientes da empresa. Preencha o campo de busca com o nome, ou parte do nome, e

Leia mais

TERMO DE DOAÇÃO COM ENCARGOS

TERMO DE DOAÇÃO COM ENCARGOS TERMO DE DOAÇÃO COM ENCARGOS TERMO DE DOAÇÃO COM ENCARGOS, QUE CELEBRAM ENTRE SI A UNIÃO FEDERAL, POR INTERMÉDIO DO MINISTÉRIO DAS COMUNICAÇÕES E O MUNICÍPIO DE BURI, NO ESTADO DE SÃO PAULO. A união, por

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO SISTEMA EXTRACRED

UTILIZAÇÃO DO SISTEMA EXTRACRED UTILIZAÇÃO DO SISTEMA EXTRACRED Esta parte do sistema como descrito anteriormente neste manual permite que seus agentes tenham acesso á uma área exclusiva para acessar informações pessoais como: Meu Extrato

Leia mais

VIAÇÃO SÃO BENTO LTDA.

VIAÇÃO SÃO BENTO LTDA. VIAÇÃO SÃO BENTO LTDA. SISTEMA AUTOMÁTICO DE BILHETAGEM ELETRÔNICA MANUAL DO VTWEB CLIENT CADASTROS /PEDIDOS E PROCEDIMENTOS Resumo Esse manual tem como o seu objetivo principal a orientação de uso do

Leia mais

Sistema de Controle de Processos ON-LINE-Versão 1.0 Prefeitura Municipal de João Pessoa (PMJP) Unidade Municipal de Tecnologia da Informação (UMTI)

Sistema de Controle de Processos ON-LINE-Versão 1.0 Prefeitura Municipal de João Pessoa (PMJP) Unidade Municipal de Tecnologia da Informação (UMTI) O SISTEMA DE CONTROLE DE PROCESSOS ON-LINE O Sistema de Controle de Processos ON-LINE é um Sistema de Protocolo desenvolvido pela da que tem como finalidade gerenciar os processos e solicitações de serviços

Leia mais

e- SIC Manual do Cidadão

e- SIC Manual do Cidadão e- SIC Manual do Cidadão Sumário Introdução 3 O e-sic 4 Primeiro acesso 5 Cadastrando-se no e-sic 6 Acessando o e-sic 7 Funções do e-sic 8 Envio de avisos por e-mail pelo e-sic 9 Como fazer um pedido de

Leia mais

ORIENTAÇÕES GERAIS PARA CADASTRO DE AÇÃO DE EXTENSÃO DO LOGIN AO FORMULÁRIO DE CADASTRO... 3

ORIENTAÇÕES GERAIS PARA CADASTRO DE AÇÃO DE EXTENSÃO DO LOGIN AO FORMULÁRIO DE CADASTRO... 3 TUTORIAL SIEX ORIENTAÇÕES GERAIS PARA CADASTRO DE AÇÃO DE EXTENSÃO DO LOGIN AO FORMULÁRIO DE CADASTRO... 3 1. Como acessar ao formulário de inscrição de proposta... 3 2. Quais os passos de preenchimento

Leia mais

Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação PAR

Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação PAR Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação PAR PLANO DE AÇÕES ARTICULADAS - PAR PLANO DE AÇÕES ARTICULADAS - PAR O Plano de Metas Compromisso Todos pela Educação, um Programa Estratégico do PDE, instituído

Leia mais

Diagnóstico Situacional da capacidade instalada Rede de Frio Crie Vigilância de Eventos Adversos

Diagnóstico Situacional da capacidade instalada Rede de Frio Crie Vigilância de Eventos Adversos Coordenação Geral do Programa Nacional de Imunizações CGPNI Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis DEVIT Secretaria de Vigilância em Saúde SVS Diagnóstico Situacional da capacidade instalada

Leia mais

ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM BANCO DE TECIDOS OCULARES BTOC INFORMAÇÕES GERAIS

ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM BANCO DE TECIDOS OCULARES BTOC INFORMAÇÕES GERAIS Instruções de preenchimento - Somente itens cumpridos integralmente pelo serviço devem ser considerados SIM ; - Nos casos em que o serviço realize apenas parte do disposto no item avaliado, este deve ser

Leia mais

MPR MPR/SPI-801-R00 PARCERIAS COM INSTITUIÇÕES DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO

MPR MPR/SPI-801-R00 PARCERIAS COM INSTITUIÇÕES DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO MPR MPR/SPI-801-R00 PARCERIAS COM INSTITUIÇÕES DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO 05/2015 PÁGINA INTENCIONALMENTE EM BRANCO 2 18 de maio de 2015. Aprovado, Tiago Sousa Pereira 3 PÁGINA INTENCIONALMENTE EM BRANCO

Leia mais

ANEXO II "AÇÕES DE DESINSTITUCIONALIZAÇÃO E DE FORTALECIMENTO DA RAPS" INTEGRANTES, OU A SEREM INCLUÍDAS, NO PLANO DE AÇÃO DA RAPS

ANEXO II AÇÕES DE DESINSTITUCIONALIZAÇÃO E DE FORTALECIMENTO DA RAPS INTEGRANTES, OU A SEREM INCLUÍDAS, NO PLANO DE AÇÃO DA RAPS ANEXO II "AÇÕES DE DESINSTITUCIONALIZAÇÃO E DE FORTALECIMENTO DA RAPS" INTEGRANTES, OU A SEREM INCLUÍDAS, NO PLANO DE AÇÃO DA RAPS EQUIPE DE DESINSTITCUIONALIZAÇÃO - MODALIDADE: VALOR DO PROJETO: 1. DADOS

Leia mais

Portal dos Convênios SICONV. Ajuste do Plano de Trabalho, Termo Aditivo e Prorroga de Ofício Perfis de Convenente e Concedente.

Portal dos Convênios SICONV. Ajuste do Plano de Trabalho, Termo Aditivo e Prorroga de Ofício Perfis de Convenente e Concedente. MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE LOGÍSTICA E SERVIÇOS GERAIS Portal dos Convênios SICONV Ajuste do Plano de Trabalho, Termo

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO SUMÁRIO

MANUAL DO USUÁRIO SUMÁRIO SUMÁRIO 1. Home -------------------------------------------------------------------------------------------------------- 7 2. Cadastros -------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

CIH01. Comunicação de Internação Hospitar. Manual de Instalação e Administração. Versão do produto: 4.0.1.1. Edição do documento: 1.

CIH01. Comunicação de Internação Hospitar. Manual de Instalação e Administração. Versão do produto: 4.0.1.1. Edição do documento: 1. CIH01 Comunicação de Internação Hospitar Manual de Instalação e Administração Versão do produto: 4.0.1.1 Edição do documento: 1.0 Agosto de 2008 MS - SE - DATASUS CIH01 Comunicação de Internação Hospitar

Leia mais

ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PLANO DE TRABALHO

ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PLANO DE TRABALHO ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PLANO DE TRABALHO DADOS CADASTRAIS PLANO DE TRABALHO - ENTIDADE ÓRGÃO / ENTIDADE PROPONENTE: CNPJ: ENDEREÇO: ENDEREÇO ELETRÔNICO (E-MAIL): CIDADE: UF: CEP: (DDD) FONE: CONTA CORRENTE:

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SERGIPE Coordenadoria de Modernização, Suporte, Infraestrutura e Sistema

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SERGIPE Coordenadoria de Modernização, Suporte, Infraestrutura e Sistema TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SERGIPE Coordenadoria de Modernização, Suporte, Infraestrutura e Sistema MANUAL DO PROCESSO ELETRÔNICO Processos de Concessão de Benefícios Histórico da Revisão Data Versão

Leia mais

PAG CONTAS CARNÊ Agora ficou mais fácil pagar suas contas. PAG CONTAS CARNÊ. Geração de Boletos MANUAL DO USUÁRIO

PAG CONTAS CARNÊ Agora ficou mais fácil pagar suas contas. PAG CONTAS CARNÊ. Geração de Boletos MANUAL DO USUÁRIO PAG CONTAS CARNÊ Geração de Boletos MANUAL DO USUÁRIO MANUAL DE GERAÇÃO DE BOLETOS EMPRESAS CONVENIADAS 1) REQUISITOS DO SISTEMA: Primeiramente devemos possuir seguintes itens abaixo: - Microcomputador

Leia mais

MANUAL SISTEMA DE GERENCIAMENTO WWW.REDERENALI.COM.BR

MANUAL SISTEMA DE GERENCIAMENTO WWW.REDERENALI.COM.BR MANUAL SISTEMA DE GERENCIAMENTO WWW.REDERENALI.COM.BR MANUAL SISTEMA GERENCIAMENTO RENALI- Versão 3 Maio 2012 WWW.REDERENALI.COM.BR INTRODUÇÃO ACESSO VISÃO GERAL VISÃO DO PROJETO FORMULÁRIOS CADASTRO DE

Leia mais

DIVISÃO DE LICENCIAMENTO E CONTROLE DA POLUIÇÃO DO PETRÓLEO E PETROQUÍMICOS DPP

DIVISÃO DE LICENCIAMENTO E CONTROLE DA POLUIÇÃO DO PETRÓLEO E PETROQUÍMICOS DPP DIVISÃO DE LICENCIAMENTO E CONTROLE DA POLUIÇÃO DO PETRÓLEO E PETROQUÍMICOS DPP MANUAL PARA UTILIZAÇÃO DO SISTEMA ON LINE PARA RENOVAÇÃO DE LICENÇAS DE OPERAÇÃO PARA COMÉRCIO VAREJISTA DE COMBUSTÍVEIS

Leia mais

PO 001 - GESTÃO DE PROCESSOS E DOCUMENTAÇÃO 008

PO 001 - GESTÃO DE PROCESSOS E DOCUMENTAÇÃO 008 1 - OBJETIVO PO 001 - GESTÃO DE PROCESSOS E DOCUMENTAÇÃO 008 Este retrata a forma que deve ser conduzida a gestão dos s da entidade desde a sua concepção até o seu acompanhamento e melhoria. 2 - AUTORIDADE

Leia mais

Plataforma Brasil Versão 3.0

Plataforma Brasil Versão 3.0 Plataforma Brasil Versão 3.0 Histórico de Revisão do Manual Versão do Sistema 3.0 Autor Data Descrição Assessoria Plataforma Brasil 29/06/2015 Criação do Documento OBS: Para sugestões, a fim de aprimorar

Leia mais

BIBLIOTECA. METRAGEM MÍNIMA (m2)

BIBLIOTECA. METRAGEM MÍNIMA (m2) BIBLIOTECA Administração Balcão de atendimento Balcão de referência Mesa de trabalho para 6 servidores, sendo recomendado 5 a 6m 2 /2 pessoas, com espaço para armários comuns e armários-arquivo para documentos

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VILA VELHA Secretaria Municipal de Desenvolvimento Sustentável

PREFEITURA MUNICIPAL DE VILA VELHA Secretaria Municipal de Desenvolvimento Sustentável PREFEITURA MUNICIPAL DE VILA VELHA Secretaria Municipal de Desenvolvimento Sustentável TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS (APLICADO A INDÚSTRIA E COMÉRCIO

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DA CASA CIVIL COMPANHIA DE DESENVOLVIMENTO URBANO DA REGIÃO DO PORTO DO RIO DE JANEIRO S/A

SECRETARIA MUNICIPAL DA CASA CIVIL COMPANHIA DE DESENVOLVIMENTO URBANO DA REGIÃO DO PORTO DO RIO DE JANEIRO S/A SECRETARIA MUNICIPAL DA CASA CIVIL COMPANHIA DE DESENVOLVIMENTO URBANO DA REGIÃO DO PORTO DO RIO DE JANEIRO S/A Esclarecimentos Processo Seletivo n 001/2014 Processo n 24/100.025/2014 Pergunta: O pavimento

Leia mais

Web Empresas. Agemed Saúde S/A. Versão 03

Web Empresas. Agemed Saúde S/A. Versão 03 2011 Versão 03 Web Empresas Agemed Saúde S/A. Esse documento tem como objetivo orientar as empresas contratantes do plano de saúde Agemed a utilizarem o ambiente Web para realização de movimentações cadastrais

Leia mais

Portal dos Convênios - Siconv. Disponibilização de Programas. Manual do Usuário Versão 2

Portal dos Convênios - Siconv. Disponibilização de Programas. Manual do Usuário Versão 2 MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE LOGÍSTICA E SERVIÇOS GERAIS Portal dos Convênios - Siconv Disponibilização de Programas

Leia mais

CURSO DE IDIOMAS. mil. capital de giro de 40% do total do investimento inicial DESCRIÇÃO ESTRUTURA PESSOAL EQUIPAMENTOS

CURSO DE IDIOMAS. mil. capital de giro de 40% do total do investimento inicial DESCRIÇÃO ESTRUTURA PESSOAL EQUIPAMENTOS CURSO DE IDIOMAS 50 capital de giro de 40% do total O contínuo processo de globalização que a sociedade tem vivenciado nos últimos tempos torna cada vez mais importante a necessidade de domínio de outros

Leia mais

REGIMENTO DOS LABORATÓRIOS MULTIUSUÁRIOS DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO (RESOLUÇÃO CCS 102/2011)

REGIMENTO DOS LABORATÓRIOS MULTIUSUÁRIOS DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO (RESOLUÇÃO CCS 102/2011) REGIMENTO DOS LABORATÓRIOS MULTIUSUÁRIOS DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO (RESOLUÇÃO CCS 102/2011) CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO E FINALIDADES Art.1º- Os Laboratórios

Leia mais

Microsoft Office Outlook Web Access ABYARAIMOVEIS.COM.BR

Microsoft Office Outlook Web Access ABYARAIMOVEIS.COM.BR Microsoft Office Outlook Web Access ABYARAIMOVEIS.COM.BR 1 Índice: 01- Acesso ao WEBMAIL 02- Enviar uma mensagem 03- Anexar um arquivo em uma mensagem 04- Ler/Abrir uma mensagem 05- Responder uma mensagem

Leia mais

1 INTRODUÇÃO. 1.2 Novo modelo operacional do Sistema do Cadastro Único

1 INTRODUÇÃO. 1.2 Novo modelo operacional do Sistema do Cadastro Único Instrução Operacional nº 35 SENARC/MDS Brasília, 15 de abril de 2010. Assunto: Divulga as orientações necessárias para a solicitação de cadastramento de usuários municipais no novo sistema de Cadastro

Leia mais

Análise e Aprovação dos Projetos. dos Estabelecimentos de Saúde no SNVS. junho 2013. www.anvisa.gov.br. Agência Nacional de Vigilância Sanitária

Análise e Aprovação dos Projetos. dos Estabelecimentos de Saúde no SNVS. junho 2013. www.anvisa.gov.br. Agência Nacional de Vigilância Sanitária Análise e Aprovação dos Projetos dos Estabelecimentos de Saúde no SNVS junho 2013 RDC ANVISA 51 de 06/10/2011 Dispõe sobre os requisitos mínimos para a análise, avaliação e aprovação dos projetos físicos

Leia mais

LOCALIZAÇÃO: PAVIMENTO TÉRREO IDENTIFICAÇÃO ÁREA (M 2 ) CAPACIDADE Auditório 367,23 406

LOCALIZAÇÃO: PAVIMENTO TÉRREO IDENTIFICAÇÃO ÁREA (M 2 ) CAPACIDADE Auditório 367,23 406 INFRA-ESTRUTURA FÍSICA E TECNOLÓGICA As salas de aula da FACULDADE BARRETOS estão aparelhadas para turmas de até 60 (sessenta) alunos, oferecendo todas as condições necessárias para possibilitar o melhor

Leia mais

Sistema de Devolução Web

Sistema de Devolução Web Manual Sistema de Devolução Web Usuário Cliente ÍNDICE Sumário 1. Prazos...3 2. Solicitação de Devolução... 4 3. Autorização de Devolução... 4 4. Coleta de Mercadoria... 4 5. Acompanhamento da Devolução...

Leia mais

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro Ministério da Saúde Gabinete do Ministro Documento norteador para a habilitação de laboratórios Tipo I e Tipo II pela Qualificação Nacional em Citopatologia QualiCito. Qual a Portaria que institui a Qualificação

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO FISCAL MÓDULO DELIBERAÇÃO 260/13 MANUAL DE UTILIZAÇÃO PARTE I - INTRODUÇÃO

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO FISCAL MÓDULO DELIBERAÇÃO 260/13 MANUAL DE UTILIZAÇÃO PARTE I - INTRODUÇÃO TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO FISCAL MÓDULO DELIBERAÇÃO 260/13 MANUAL DE UTILIZAÇÃO PARTE I - INTRODUÇÃO VERSÃO 2014 Fevereiro de 2014 SIGFIS-Sistema Integrado

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE LOGÍSTICA E SERVIÇOS GERAIS

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE LOGÍSTICA E SERVIÇOS GERAIS MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE LOGÍSTICA E SERVIÇOS GERAIS DIVULGAÇÃO DE COMPRAS COTAÇÃO ELETRÔNICA MANUAL DO USUÁRIO

Leia mais

Apresentação Figura 01:

Apresentação Figura 01: Apresentação O Sistema Online de Iniciação Científica da Universidade do Estado foi desenvolvido pela Pró- Reitoria de Pesquisa e Ensino de Pós-Graduação (PPG) com a finalidade de agilizar o processo de

Leia mais

Manual TDMax Web Commerce VERSÃO: 0.1

Manual TDMax Web Commerce VERSÃO: 0.1 Manual TDMax Web Commerce VERSÃO: 0.1 Sumário Visão geral Bilhetagem Eletrônica... 3 1 TDMax Web Commerce... 4 1.1 Requisitos e orientações gerais... 4 2 Acesso... 5 2.1 Como realizar um cadastro usuário

Leia mais

Roteiro 3. Administrando o Perfil. Secretaria Estadual

Roteiro 3. Administrando o Perfil. Secretaria Estadual Roteiro 3 Administrando o Perfil Secretaria Estadual Plano Nacional de Formação dos Professores da Educação Básica O Plano Nacional de Formação dos Professores da Educação Básica é resultado da ação conjunta

Leia mais

INDICADORES ETHOS PARA NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS E RESPONSÁVEIS. Sistema on-line

INDICADORES ETHOS PARA NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS E RESPONSÁVEIS. Sistema on-line Sistema on-line O Instituto Ethos Organização sem fins lucrativos fundada em 1998 por um grupo de empresários, que tem a missão de mobilizar, sensibilizar e ajudar as empresas a gerir seus negócios de

Leia mais

1. Plataforma Sage... 2 2. Primeiro Acesso... 3. 3. Configurações... 6. 4. Relacionamento... 8. 5. Folha de Pagamento esocial...

1. Plataforma Sage... 2 2. Primeiro Acesso... 3. 3. Configurações... 6. 4. Relacionamento... 8. 5. Folha de Pagamento esocial... 1. Plataforma Sage... 2 2. Primeiro Acesso... 3 1.1. Conhecendo a Plataforma... 4 1.2. Seleção da Empresa de Trabalho... 4 1.3. Sair do Sistema... 5 1.4. Retornar a tela principal... 5 3. Configurações...

Leia mais

Mobiliário, materiais e equipamentos mínimos para UPA. Pronto Atendimento

Mobiliário, materiais e equipamentos mínimos para UPA. Pronto Atendimento Área de recepção e espera para público / pacientes Mobiliário, materiais e equipamentos mínimos para UPA Pronto Atendimento PORTE I Quant. PORTE II Quant. PORTE III Quant. Bebedouro 1 1 2 Balcão de atendimento

Leia mais

SISTEMA COOL 2.0V. (Certificado de Origen On Line) MANUAL DO USUÁRIO

SISTEMA COOL 2.0V. (Certificado de Origen On Line) MANUAL DO USUÁRIO SISTEMA COOL 2.0V (Certificado de Origen On Line) MANUAL DO USUÁRIO ÍNDICE Pré-requisitos para utilização do sistema....2 Parte I Navegador...2 Parte II Instalação do Interpretador de PDF...2 Parte III

Leia mais

I - Configurações mínimas da máquina, internet e Browser para acesso ao Sinan Online

I - Configurações mínimas da máquina, internet e Browser para acesso ao Sinan Online MINISTÉRIO DA SAÚDE Esplanada dos Ministérios, Edifício Sede, 1º andar, Sala 131 CEP 70.058-900 NOTA TÉCNICA N.º 03/2010 GT-SINAN/CIEVS/DEVEP/SVS/MS, CGPNCD/DEVEP/SVS/MS, CDESS/CGAM/DATASUS/MS e DEVEP/SVS/MS

Leia mais

UNIVERSIDADE IGUAÇU CAMPUS ITAPERUNA CURSO DE DIREITO LABORATÓRIOS

UNIVERSIDADE IGUAÇU CAMPUS ITAPERUNA CURSO DE DIREITO LABORATÓRIOS LABORATÓRIOS ITAPERUNA, Julho/2015 ESTRUTURA DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA ASSOCIADOS AO 1 INTRODUÇÃO Os laboratórios que servem ao curso de Direito têm como objetivo oferecer treinamento prático, auxílio

Leia mais

Guia de Uso. O Pro-Treino tem uma divisão clara de funções, apresentada a seguir: E três tipos de usuários que executam as funções descritas acima:

Guia de Uso. O Pro-Treino tem uma divisão clara de funções, apresentada a seguir: E três tipos de usuários que executam as funções descritas acima: Sumário 1. Introdução... 2 2. Conceitos básicos... 2 2.1. Fluxo do sistema... 3 2.2. Acesso ao sistema... 4 2.2.1. Login... 4 2.2.2. Logoff... 4 2.2.3. Esqueci minha senha... 5 2.3. Conhecendo o Sistema...

Leia mais

Edital para publicação no site período de 23 a 30 de junho de 2013. PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* CÓD.

Edital para publicação no site período de 23 a 30 de junho de 2013. PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* CÓD. Edital para publicação no site período de 23 a 30 de junho de 203. PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* CÓD. GESTÃO EAD Os currículos deverão ser encaminhados para o endereço eletrônico

Leia mais

FEM. Flávio Figueiredo Secretário Executivo SEPLAG/PE

FEM. Flávio Figueiredo Secretário Executivo SEPLAG/PE FEM Flávio Figueiredo Secretário Executivo SEPLAG/PE FEM Criado em 18 de março de 2013 através da Lei 14.921 Art. 1º Fica instituído o Fundo Estadual de Apoio ao Desenvolvimento Municipal - FEM, mecanismo

Leia mais

BOAS PRÁTICAS GASTO PÚBLICO. FORPLAD Barreiras UNIFESP Universidade Federal de São Paulo Agosto/2015

BOAS PRÁTICAS GASTO PÚBLICO. FORPLAD Barreiras UNIFESP Universidade Federal de São Paulo Agosto/2015 BOAS PRÁTICAS GASTO PÚBLICO FORPLAD Barreiras UNIFESP Universidade Federal de São Paulo Agosto/2015 PRESSUPOSTOS 1. Cenário Econômico/financeiro Governo Federal / MEC; 2. Necessidade de equilíbrio das

Leia mais

Sistema de Autorização Unimed

Sistema de Autorização Unimed Diretoria de Gestão Estratégica Departamento de Tecnologia da Informação Divisão de Serviços em TI Sistema de Autorização Unimed MANUAL DO USUÁRIO DIVISÃO DE SERVIÇOS EM TI A Divisão de Serviços em TI

Leia mais

Manual Administrador - Mídia System

Manual Administrador - Mídia System Manual Administrador - Mídia System Logo após cadastrarmos sua Empresa em nosso sistema, será enviado um e-mail confirmando as informações de acesso do Administrador do sistema. Obs: Caso não tenha recebido

Leia mais

SUMÁRIO. Elaborado por: Revisado por: Aprovado por: Coordenação de Qualidade e Meio Ambiente. Gerência Suprimentos e Logística

SUMÁRIO. Elaborado por: Revisado por: Aprovado por: Coordenação de Qualidade e Meio Ambiente. Gerência Suprimentos e Logística Suprimentos e Logística Pág. 1 de 14 SUMÁRIO 1 OBJETIVO... 2 2 ABRANGÊNCIA / NÍVEL DE DISTRIBUIÇÃO... 2 3 SIGLAS UTILIZADAS... 2 4 GLOSSÁRIO / CONCEITOS... 2 5 DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA... 3 6 CONTEÚDO...

Leia mais