ESPECIFICAÇÃO PARA A INSTALAÇÃO DE SISTEMA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO NA REPRESENTAÇÃO DO BNDES EM SÃO PAULO/SP

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESPECIFICAÇÃO PARA A INSTALAÇÃO DE SISTEMA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO NA REPRESENTAÇÃO DO BNDES EM SÃO PAULO/SP"

Transcrição

1 BNDES ATI/DEIMP Memoral Descrtvo relatvo à Rede de Cabeamento Estruturado, Vdeoconferênca e Dstrbução Elétrca nas Salas de Telecomuncações para a reforma do 2º Pavmento da sede do DESUL Mao de 2013 DESUL - Infra de Telecom - Requstos Tecncos Memoral Descrtvo.doc Págna 1 de 17

2 Índce 1. INFRAESTRUTURA FÍSICA DO PAVIMENTO: MATERIAIS A SEREM UTILIZADOS TABELA DE QUANTIDADES DE MATERIAIS CONDIÇÕES GERAIS DE GARANTIA DA REDE DE CABEAMENTO ESTRUTURADO VISTORIA DAS INSTALAÇÕES: FISCALIZAÇÃO DOS SERVIÇOS: ENCARGOS DA CONTRATADA: COMISSIONAMENTO DESUL - Infra de Telecom - Requstos Tecncos Memoral Descrtvo.doc Págna 2 de 17

3 1. INFRAESTRUTURA FÍSICA DO PAVIMENTO: 1.1. Especfcações Geras A nstalação da nfra-estrutura de telecomuncações que trata este documento será realzada no 2º Pavmento do escrtóro da representação do BNDES em São Paulo/SP (DESUL), no escopo de sua reforma. O escrtóro é composto de 2 (dos) pavmentos (2º e 5º) do edfíco stuado à Av. Juscelno Kubtschek, 510, São Paulo, SP O pavmento possu 2 (duas) salas de telecomuncações que abrgam a nfraestrutura de cabeamento estruturado do mesmo O subsstema horzontal compreende o cabeamento de telecomuncações que se estende da tomada/conector de comuncação da estação de trabalho/ponto de usuáro ao cross-connect horzontal nas salas de telecomuncações O BNDES deverá aprovar todas as rotas de cabo antes da nstalação dos mesmos; Deverão ser nstalados 3 (três) pontos de cabeamento estruturado em cada estação de trabalho ou 4 pontos para estações duplas. Além destes pontos de rede teremos os relaconados com as salas de reunões, mpressoras de andar, FAX, equpamentos de vdeoconferênca, Pontos de Acesso de rede sem fo e afns. Em cada panel de Televsão deverão ser nstalados 2 (dos) pontos de cabeamento orundos da Sala de Telecomuncações Nas salas de reunão/vdeoconferênca deverão ser nstalados, pelo menos 6 (ses) pontos de cabeamento estruturado nas caxas de tomadas para pso elevado ou dretamente no mobláro dependendo da confguração utlzada e de acordo com o Projeto Nas salas de vdeoconferênca, além dos pontos de cada panel de televsão, deverão ser nstalados no móvel destnado a colocação do CODEC de vdeoconferênca, 4 (quatro) pontos de rede orundos da Sala de Telecomuncações Anda nas Salas de Vdeoconferênca, deverão ser realzadas nterlgações entre o móvel destnado a colocação do CODEC de vdeoconferênca e cada uma das caxas de tomadas para pso elevado/régua no mobláro. Cada uma dessas nterlgações dar-se-á por 2 (dos) cabos UTP termnados nas duas extremdades por tomadas RJ-45 fêmea, acopladas às caxas de tomadas para pso elevado Dependendo da confguração da sala, a nstalação em caxas de tomada para pso elevado pode ser substtuída pela nstalação dretamente nas réguas do mobláro da sala, a crtéro do BNDES Deverá ser realzada anda, uma nterlgação por VGA entre o móvel destnado a colocação do CODEC de vdeoconferênca e a mesa de reunão para a transmssão de conteúdo durante as sessões de vdeoconferênca Entre o panel de TV e a mesa de reunão, deverão ser realzadas as seguntes nterlgações: Um segundo VGA e áudo estéreo com conector de 3,5 mm (P2) HDMI A contratada deverá dentfcar todos os cabos nstalados na sala de vdeoconferênca, nclusve de forma que o usuáro possa dferencar o cabo VGA conectado dretamente á TV do conectado ao CODEC de vdeoconferênca; Serão utlzados equpamentos do tpo Mdspan PoE de propredade do BNDES para fornecmento de energa através da rede Ethernet. Dessa forma, deverão ser fornecdos 3 (três) patch cords UTP conforme especfcado no subtem para cada ponto de rede DESUL - Infra de Telecom - Requstos Tecncos Memoral Descrtvo.doc Págna 3 de 17

4 nstalado. Dos destes serão nstalados na Sala de Telecomuncações e o outro na estação de trabalho; Todos os materas necessáros para a execução dos servços descrtos deverão ser fornecdos pela CONTRATADA de acordo com as especfcações do tem 2; 1.2. Forma de execução das nstalações: Procedmentos geras: Os procedmentos a segur deverão ser obedecdos na execução dos servços de nstalação do cabeamento estruturado no pavmento; Todas as nstalações deverão se ater, como padrões mínmos, aos valores estabelecdos nas normas ANSI/EIA/TIA 568B, ANSI/EIA/TIA 569, ANSI/EIA/TIA 606, ISO/IEC e ABNT NBR ; Fca estabelecdo que o BNDES terá poderes para paralsar o servço, mpedr o acesso de pessoas e rejetar o modo de execução da nstalação, sempre que a CONTRATADA não estver cumprndo com as especfcações ora descrtas; As atvdades realzadas deverão ser regstradas pela empresa CONTRATADA em um relatóro a ser entregue ao fnal dos servços. Tal relatóro deverá ser entregue ao gestor do contrato, em mída óptca (CD-ROM) e deverá fazer parte do pacote As-Bult ; Qualquer substtução de profssonas ndcados como responsáves técncos pelos servços deverá ser submetda à aprecação préva do BNDES, que poderá rejetar o novo profssonal, e a contnudade dos servços está condconada à sua aprovação; A CONTRATADA se compromete a soluconar, em até 48 (quarenta e oto) horas, os problemas que motvarem o BNDES a realzar as ações descrtas nos tens sem que sto venha a justfcar qualquer dlatação nos prazos, aumento dos custos prevstos e alteração dos compromssos assumdos junto ao BNDES; Caso seja constatado, durante a nstalação, que algum dos tens fornecdos não atende às especfcações solctadas neste documento, a CONTRATADA deverá efetuar a sua troca, em até 5 (cnco) das corrdos, por outro que atenda plenamente ao especfcado, sem prejuízo nos prazos e custos frmados, fcando anda a mesma sujeta às penaldades prevstas no contrato; Por nteresse do BNDES, o servço de nstalação poderá ser realzado de forma nnterrupta englobando atvdades fora do horáro comercal/de expedente, em fnas de semana ou ferados; Todos os servços deverão ser executados em conformdade com a norma reguladora NR 18 Condções e Meo Ambente do Trabalho na Indústra da Construção, publcada pela Federação Jorge Duprat Fgueredo de Segurança e Medcna do Trabalho Fundacentro do Mnstéro do Trabalho. Complementarmente, deverão ser tomadas outras meddas preventvas necessáras para evtar acdentes de trabalho e para garantr a segurança ndvdual e coletva das pessoas envolvdas nos servços, dos ocupantes do prédo, e nclusve de vznhos e de terceros; O local dos servços deverá ser mantdo sempre lmpo ao fnal de cada expedente normal; A CONTRATADA responsablzar-se-á por quasquer danos e/ou prejuízos causados por seus funconáros aos equpamentos, nstalações geras e patrmôno do BNDES, nclusve danos materas e pessoas causados a terceros; DESUL - Infra de Telecom - Requstos Tecncos Memoral Descrtvo.doc Págna 4 de 17

5 Os nstaladores deverão usar unformes, crachás com dentfcação do nome, função e empresa, e equpamentos de proteção ndvdual prevstos pelas normas de hgene e segurança do trabalho, cujo não atendmento poderá resultar na paralsação da obra; Todos os profssonas alocados pela CONTRATADA no BNDES deverão ter certfcação ofcal do fabrcante como nstaladores da solução; Os profssonas ndcados como responsáves técncos deverão estar presentes nas nstalações do BNDES durante todas as fases de execução dos servços de nstalação do pavmento; A CONTRATADA deverá refazer e/ou substtur, por sua conta e sem ônus para o BNDES, os materas que apresentarem defetos e/ou vícos de execução; Os casos de smlardade e/ou equvalênca técnca de materas permtdos nestas especfcações não desobrgam a CONTRATADA de fazer a comprovação do fato junto ao BNDES; Todo o entulho, materal, nclusve sobras sem utldade, deverão ser colocados em local determnado prevamente pelo BNDES; As sobras de materas utlzáves deverão ser armazenadas pela contratada durante o período da obra, transferndo para o BNDES o restante ao fnal da mesma; A CONTRATADA responsablzar-se-á pelos equpamentos e, materas fornecdos até o recebmento defntvo da obra pelo BNDES, devendo protegê-los contra danos causados por seus própros funconáros ou por terceros Instalação do Cabeamento UTP: Deverá ser realzada pela CONTRATADA a passagem do cabeamento horzontal no sstema de calhas que será construído no escopo da contratação O número de cabos lançados deverá respetar a ocupação máxma permtda pela norma EIA/TIA 569 e não deverá exceder as especfcações de fabrcação; Todos os cabos horzontas, ndependentemente da rota, não deverão exceder 80 (otenta) metros, desde as tomadas de telecomuncações da área de trabalho até a manobra (cross-connect) horzontal na sala de telecomuncações; As rotas horzontas deverão ser nstaladas de modo a permtr que os raos de curvatura mínmos dos cabos horzontas sejam mantdos dentro das especfcações do fabrcante e das normas ANSI/TIA/EIA-568B, ANSI/TIA/EIA-569 e/ou ABNT NBR ; Cada cabo UTP entre a porção horzontal da manobra (cross-connect) na sala de telecomuncações e a tomada de telecomuncações na área de trabalho não deverá conter emendas; O número de cabos horzontas nstalados em um suporte ou duto deverá ser lmtado a uma quantdade que não provoque deformações na estrutura dos cabos, respetando-se os requstos das normas ANSI/TIA/EIA-568B, ANSI/TIA/EIA-569 e/ou ABNT NBR ; Os cabos de dstrbução horzontal não deverão fcar expostos na área de trabalho ou outros locas de acesso públco, devendo ser fxados no nteror do mobláro até as tomadas de telecomuncações; Todos os cabos UTP devem ter os 4 (quatro) pares termnados nas tomadas modulares de 8 (oto) posções montados nas estações de trabalho. Todos os pares componentes do cabo deverão estar conectados ( crmpados ) na tomada e de acordo com o padrão de fação adotado na nstalação (T568A ou T568B); DESUL - Infra de Telecom - Requstos Tecncos Memoral Descrtvo.doc Págna 5 de 17

6 A força de tração máxma aplcada aos cabos não deverá exceder às especfcações do fabrcante; Quando nstalados em calhas fechadas, os cabos metálcos deverão respetar o lmte de ocupação de 40%, e os cabos óptcos ao lmte de ocupação de 30% da área útl nterna dsponível; Quando nstalados em eletrocalha aberta com tampa removível, os cabos óptcos e metálcos deverão ser arrumados corretamente com o uso de abraçaderas reposconáves tpo Velcro ou smlar, respetando-se o lmte de ocupação de 60% da área útl dsponível, não sendo admtdo que em nenhum ponto do trajeto, a altura dos cabos seja superor à altura da eletrocalha; Nas extremdades conectorzadas de cada cabo UTP relatvo ao enlace (ou lnk) permanente, deverá ser dexada sobra de 3 (três) metros na Sala de Telecomuncações (área de manobra) e de 6 (ses) metros na área de trabalho; Todas as sobras de cabos metálcos e óptcos devem ser guardadas em forma de 8 (oto); Os cabos metálcos deverão ser arrumados na trasera do patch panel e no nteror do rack, obedecendo ao crtéro de que as portas de 01 a 12 sejam conectorzadas por cabos chegando à dreta, e as portas de 13 a 24 por cabos chegando à esquerda do panel (processo equvalente deverá ser usado caso o patch panel seja de 48 portas). Os cabos deverão ser frmemente fxados ao suporte trasero de cabos do patch panel, porém este procedmento não poderá acarretar no estrangulamento dos cabos; Nos bastdores, cada conjunto de cabos conectorzados ao patch panel deverá ser guado horzontalmente, na mesma altura da saída do patch panel, até o suporte trasero do rack, onde deverão ser arrumados vertcalmente; Todo cabo lançado vertcalmente deverá ser sustentado a cada 30 (trnta) centímetros aproxmadamente, com a fnaldade de evtar que seu própro peso modfque suas característcas de fabrcação. Esta fxação deverá ser realzada com o uso de abraçaderas reposconáves tpo Velcro ou smlar e procedmentos que não deformem a estrutura do cabo; Nunca dobrar ou psar os cabos. No lançamento dos cabos, utlzar, no mínmo, duas pessoas para guar os cabos e, além dsso, manter um nstalador no local em que houver curvas Área de Trabalho: Na área de trabalho, deve-se dexar, no mínmo, 30 (trnta) cm de cabo UTP solto para cada tomada, devendo o restante da sobra, conforme tem, ser acomodada dentro do mobláro; As tomadas fêmeas RJ45 deverão ser fxadas em suportes fornecdos com o mobláro; É obrgatóra a nstalação da proteção após a conexão dos pares de fos do cabo UTP aos termnas IDC da tomada fêmea RJ45; O cabo UTP deverá ser fxado à tomada fêmea RJ45 sem tensão mecânca no conector, evtando conseqüente aparecmento de mau contato nos pares; Cada tomada deverá ter dentfcação únca que nforme a Sala de Telecomuncações, Patch Panel e Porta onde está conectorzada Racks, Bayfaces e Acessóros: DESUL - Infra de Telecom - Requstos Tecncos Memoral Descrtvo.doc Págna 6 de 17

7 Os racks deverão ser corretamente aterrados; Deverá ser nstalado um gerencador horzontal de cabos para cada equpamento nstalado no rack; Padrões de Identfcação: Todos os cabos de fbras óptcas, metálcos e patch cords nstalados deverão ser dentfcados em ambas extremdades com etquetas auto-lamnáves com texto mpresso a laser; Os patch panels serão dentfcados em seqüênca alfabétca, ou seja, de A até Z ncando a contagem pelo patch panel nstalado na maor altura; As portas dos patch panels serão dentfcadas em seqüênca numérca ncada em 001 por Sala de Telecomuncações; Procedmento de Certfcação: Todo o processo de certfcação deverá ser acompanhado pelo BNDES; Os equpamentos utlzados pela CONTRATADA deverão ser acompanhados dos respectvos Certfcados de Calbração; O certfcado de cada equpamento deverá estar vgente no momento da realzação dos testes conforme prazo estabelecdo pelo fabrcante de cada equpamento para expração da valdade do servço de calbração; O certfcado de calbração deverá ser apresentado, para fns de verfcação, antes do níco do procedmento de certfcação Certfcação dos Enlaces de Dados Cabeamento UTP: Os enlaces permanentes devem ser certfcados tomando-se por base os parâmetros especfcados para a categora de cabeamento nstalada; Os cabos horzontas UTP Categora 6 deverão ser certfcados de acordo com as normas ANSI/TIA/EIA 568B.2-1, ISO/IEC Classe E e/ou ABNT NBR Classe E/Categora 6; Junto com a documentação As-Bult deverá ser entregue um relatóro da certfcação realzada para cada ponto da rede de dados, assnado pelo responsável técnco prevamente ndcado; O resultado dos testes de certfcação de todos os pontos da rede realzado pela CONTRATADA deverá ser exportado através do equpamento certfcador para um ou mas arquvos dgtas e entregue junto com software capaz de vsualzar todos os parâmetros que foram mensurados durante a certfcação; Antes dos testes, a CONTRATADA deverá nformar a velocdade de propagação nos cabos a serem avalados; Todos os enlaces permanentes nstalados deverão apresentar o resultado aprovado Documentação As-Bult : Toda documentação deverá ser entregue ao térmno das nstalações de cada fase da obra Padrões de documentação: DESUL - Infra de Telecom - Requstos Tecncos Memoral Descrtvo.doc Págna 7 de 17

8 Todos os documentos devem ser entregues em mída óptca (CD-ROM); Todos os desenhos deverão possur carmbo em acordo com o padrão a ser nformado posterormente pelo BNDES; Os formuláros utlzados deverão segur os formatos padrões A0, A1, A2, A3 ou A4; Os relatóros deverão ser mpressos em formuláro com formato padrão A4; Os relatóros de execução deverão ser organzados de forma cronológca e encadernados; Componentes da Documentação As-Bult : Ao fnal da nstalação de cada fase deverá ser dsponblzada ao BNDES a segunte documentação: Desenhos, plantas e croqus, descrevendo a estrutura de calhas utlzada na execução dos servços, bem como o encamnhamento e termnação dos cabos, devendo contemplar atualzações decorrentes de quasquer modfcações realzadas durante a execução Relatóros com o resultado dos testes de conformdade realzados; Relatóro dos servços executados; Termos de Garanta dos produtos nstalados, nclusve a Garanta Estendda do Sstema de Cabeamento; Planlha eletrônca de Pontos de Cabeamento Estruturado com a correspondênca entre os pontos nstalados nas áreas de trabalho e as portas do Patch Panels Plano de face dos bastdores; 2. MATERIAIS A SEREM UTILIZADOS 2.1. Especfcações Técncas dos Materas Deverá ser fornecdo todo o materal para a montagem de um cabeamento estruturado UTP categora 6 com até 36 (trnta e ses) pontos de rede de cabeamento estruturado; Todos os materas para composção e funconamento da solução de cabeamento estruturado categora 6 devem atender, para a respectva classe, aos padrões de cabeamento de telecomuncações para edfícos comercas ANSI/TIA/EIA-568B (nclundo as últmas emendas, adendos e atualzações), os padrões de cabeamento nas nstalações do usuáro conforme norma ISO/IEC (nclundo últmas emendas, adendos e atualzações) e/ou à ABNT NBR (nclundo últmas emendas, adendos e atualzações); Todos os cabos e materas que sejam objeto de homologação obrgatóra pela ANATEL deverão possur tal homologação até a data de entrega do produto pela contratada; Fabrcantes de referênca de materas para cabeamento: Furukawa, AMP, COMMSCOPE, PANDUIT, etc Materal para cabeamento estruturado: Toda solução de cabeamento estruturado deste tem poderá vr a ser testada pelo nstrumento de certfcação de propredade do BNDES, da FLUKE NETWORKSTM, modelo DTX-1800, nos testes de certfcação de lnk permanente ou canal, devendo ser aprovada pelo mesmo. DESUL - Infra de Telecom - Requstos Tecncos Memoral Descrtvo.doc Págna 8 de 17

9 Cabo UTP (UNSHIELDED TWISTED PAIR) - categora 6: Deverão ser fornecdos cabos com as seguntes característcas: Suportar operar na freqüênca de 250 MHz, atendendo às especfcações estabelecdas nas normas ANSI/TIA/EIA 568B.2-1 para categora 6, ISO/IEC para classe e e/ou ABNT NBR para classe E/categora 6; Não blndados (UTP - UNSHIELDED TWISTED PAIR) e consttuídos por 8 (oto) condutores de cobre sóldo com solamento, trançados aos pares, tendo os condutores brancos dentfcados com a cor do par a que pertencem (apenas um destes condutores brancos poderá não ser dentfcado) e dâmetro nomnal entre 22 e 24 AWG em cada um dos condutores; O cabo UTP deverá ser envolto em revestmento retardante à chama na opção LSZH; Cada cabo deverá ser assnalado do níco ao fm de modo ncremental ou decremental com o comprmento do cabo em metros; Suportarem os padrões 10 BASE-T, 100 BASE-TX, 1000 BASE-T e 1000 BASE-TX; Serem testados e garantdos para desempenho em NEXT, ACR, PS-ACR, PS-NEXT, ELFEXT, PS-ELFEXT, return loss e atenuação (db/100m); Serem certfcados por laboratóro ndependente, como UL ou ETL Tomada fêmea para área de trabalho - categora 6: As tomadas fêmeas RJ45 para termnação de cabos de cobre (UTP) deverão atender às seguntes característcas: Serem utlzadas para conectar os equpamentos na área de trabalho através do uso de PATCH CORDS; Atenderem às especfcações estabelecdas nas normas ANSI/TIA/EIA- 568B.2-1 categora 6, ISO/IEC classe e e/ou ABNT NBR classe e/categora 6; Serem modulares, de 8 (oto) posções, tpo KEYSTONE JACK ou com adaptador para encaxe em furos do padrão KEYSTONE JACK, com contatos IDC 110 (Insulaton Dsplacement Contact) na parte trasera e conector RJ45 fêmea na parte frontal, própro para conexões de RJ45 machos de 8 pnos (8P8C); Serem compatíves com categoras nferores, a fm de permtr que cabos e peças de conexão de categoras de desempenho nferor operem em sua capacdade máxma; Possuírem mecansmo de proteção dos contatos IDC; Serem compatíves com conectores RJ11; Terem capas protetoras para resguardar contra tensão mecânca nos pares metálcos que devem ser nstaladas após a termnação; Atenderem aos padrões da ndústra para as opções de fação T568A e T568B na mesma tomada; Serem fabrcados de plástco njetado de alto mpacto e retardante a chama; DESUL - Infra de Telecom - Requstos Tecncos Memoral Descrtvo.doc Págna 9 de 17

10 Possuírem cor únca para todas as peças; Serem acompanhadas de ferramenta de montagem, se necessára. Uma (1) ferramenta para cada 200 (duzentas) tomadas ou, se a durabldade for menor, a quantdade recomendada pelo fabrcante PATCH PANEL angular descarregado - categora 6: Os patch panel angulares deverão atender as seguntes característcas: Serem modulares, estarem descarregados e acetarem módulos untáros de encaxe comum compatíves com as tomadas fêmeas modulares RJ45 descrtas no tem ; Serem angulares e compatíves com os racks fornecdos; Possuírem cor únca para todas as peças; Possuírem a capacdade para 24 portas; Possuírem suporte para cabos traseros para organzação e proteção contra tensão mecânca nos pares metálcos nstalados de forma que seja mantda a qualdade da conexão do cabo à tomada fêmea durante o tempo de garanta da nstalação. Caso este suporte seja fornecdo como um módulo opconal, este deverá ser ncluído no fornecmento sem ônus adconal; Vrem acompanhados de etquetas de dentfcação de porta compatíves com o PATCH PANEL ofertado e localzadas na parte frontal do equpamento; Terem altura máxma de 1U de altura; Permtrem a nstalação em racks padrão 19 (norma EIA-310-D) Tomada fêmea para PATCH PANEL angular descarregado - categora 6: As tomadas fêmeas RJ45 para termnação de cabos de cobre deverão atender às seguntes característcas: Serem compatíves com os PATCH PANELS descrtos no tem ; Serem compatíves com as especfcações estabelecdas nas normas ANSI/TIA/EIA-568B.2-1 categora 6, ISO/IEC classe e e/ou ABNT NBR classe e/categora 6; Serem do tpo Keystone Jack ou smlar com contatos IDC 110 (Insulaton Dsplacement Contact) na parte trasera e conector RJ45 fêmea na parte frontal, própro para conexões de RJ45 machos de 8 pnos (8P8C); Serem compatíves com categoras nferores, a fm de permtr que cabos e peças de conexão de categoras de desempenho nferor operem em sua capacdade máxma; Possur mecansmo de proteção dos contatos IDC; Atenderem aos padrões da ndústra para as opções de fação T568A e T568B na mesma tomada; Serem fabrcados de plástco njetado de alto mpacto e retardante a chama; Possuírem cor únca para todas as peças; Serem acompanhadas de ferramenta de montagem, se necessára. Uma (1) ferramenta para cada 200 tomadas ou, se a durabldade for menor, a DESUL - Infra de Telecom - Requstos Tecncos Memoral Descrtvo.doc Págna 10 de 17

11 quantdade recomendada pelo fabrcante Deverão ser fornecdas em quantdade sufcente para o preenchmento de todas as posções dos Patch Panels nstalados; Materal acessóro: Cabo de manobra (PATCH CORD) - categora 6: Deverão ser fornecdos PATCH CORDS metálcos para a nterlgação das portas dos PATCH PANELs entre s ou aos equpamentos, com as seguntes característcas: Serem fornecdos em uma únca cor: azul ou branca para garantr a compatbldade com o códgo de cores utlzado pelo BNDES nas nstalações já exstentes; Atenderem às especfcações estabelecdas nas normas ANSI/TIA/EIA 568B.2-1 para categora 6, ISO/IEC classe E e/ou ABNT NBR classe E/categora 6; Serem montados em fábrca para uso em PATCH PANELs RJ45; Serem arredondados e compostos de 8 (oto) condutores flexíves de cobre encapados, arranjados em quatro pares trançados codfcados por cores, com revestmento retardante a chama na opção LSZH; Serem equpados com plugs modulares de 8 (oto) posções (8P8C) nas duas extremdades, tpo RJ45, com confguração pno-a-pno do padrão T568A ou T568B de fação; Serem compatíves com categoras de desempenho nferores; Possuírem mecansmo ant-fshng ; Possuírem comprmento entre 3,0 (três) e 5,0 (cnco) metros; Serem produzdos pelo mesmo fabrcante ou fabrcantes soldáros do materal que compõe o lnk permanente (tem e subtens) Gerencador (gua) de cabos horzontal: As guas de cabos horzontas deverão atender às seguntes característcas: Permtrem a passagem de 48 (quarenta e oto) cabos UTP categora 6 e smultaneamente respetar o rao de curvatura mínmo dos cabos conforme determnado pelas normas ANSI/TIA/EIA-568B.2-1, ISO/IEC classe e e/ou ABNT NBR classe E/categora 6; Permtrem a nstalação na parte frontal de racks padrão 19 (norma EIA- 310-d), ocupando duas undades de altura de rack (2U); Terem aberturas na parte trasera, superor, nferor e lateras que permtam a passagem dos PATCH CORDS acomodados neste gerencador horzontal; Apresentarem profunddade nterna mínma de 85 (otenta e cnco) mm; Serem fornecdos com tampa removível; Serem confecconados em termoplástco ou aço; Cor únca para todas as peças. DESUL - Infra de Telecom - Requstos Tecncos Memoral Descrtvo.doc Págna 11 de 17

12 Materal de Dstrbução Elétrca Fonte de Almentação Innterrupta/No-Break (Unnterruptble Power Supply - UPS) Suportar tensão de entrada de 220V, bfásca (F+F+T); Possur, no mínmo, 8 (oto) conexões de saída C13 e 2 (duas) saída C19, segundo a norma nternaconal IEC 60320; Suportar tensões de saída de 220 a 240 VAC (seleconável através de software); Vr acompanhado de software de gerencamento do nobreak que mplemente, no mínmo, as seguntes característcas técncas: Permtr montorar e confgurar os parâmetros do nobreak a partr de nterface gráfca va browser WEB e através de FTP, e; envar alarmes para os usuáros em caso de falta de energa e batera com problema. O admnstrador deverá poder confgurar a lsta de usuáros que receberão os alarmes e deslgar o comutador em caso de falta de energa emnente e problemas de batera; Deverá mplementar autentcação local baseada em usuáro e senha, e autentcação externa, baseada no protocolo RADIUS, conforme especfcação IETF presente nas RFCs 2548, 2865, 2866, 2867 e 2869; Possur nterface de gerencamento RS-232 ou USB, além da nterface de rede Ethernet padrão RJ-45 10/100 Base-T; Possur porta para conexão de sensor de temperatura e umdade, possbltando o montoramento ambental, com o envo das nformações através da rede TCP/IP (protocolo SNMP na versão 1 ou 2 e emal/smtp); Possur capacdade de Montoração automátca do estado da batera e de avsar em caso de problemas va rede Ethernet através dos protocolos SNMP e emal/smtp, alarmes sonoros e vsuas LEDs; Proteger os equpamentos contra sobretensão, pcos de tensão e sobrecarga; Fltrar ruídos de lnha; Possur ndcação frontal no UPS dos seguntes estados: batera com defeto, sobrecarga, operação através de batera; Possur Bypass nterno (automátco e manual); Possur Bateras seladas Chumbo-Acdo sem necessdade de manutenção, a prova de vasamento e com tempo de vda típco maor ou gual a três anos; Deve vr acompanhado de Banco de Bateras externo e suportar uma carga de 4200 watts durante 60 mnutos ou mas; Permtr a troca das bateras sem nterrupção da operação (hot swap); Deve ser própro para nstalação em rack padrão 19 polegadas (482.6 mm, conforme a EIA 310-D, IEC and DIN SC48D), nclusve o banco de bateras, devendo vr acompanhado de todos os trlhos e acessóros necessáros à montagem Garanta do fabrcante: O equpamento deverá ser coberto por garanta do fabrcante, por um prazo de, no nmínmo 2 (dos) anos: Modelos de Referênca: APC SURT6000XLI + SURT192XLBP, ou Eaton EBM, ou smlar. DESUL - Infra de Telecom - Requstos Tecncos Memoral Descrtvo.doc Págna 12 de 17

13 Sensor de Temperatura e Umdade, com as seguntes característcas: Deve ser compatível para conexão ao UPS especfcado no tem ; Deve ser detectado automatcamente pela Interface de Gerencamento UPS após a conexão na porta aproprada, permtndo o montoramente das condções ambentas de Temperatura e Umdade As nformações serão envadas através da rede TCP/IP (protocolo SNMP na versão 1 ou 2); Garanta do fabrcante pelo período mínmo de 18 meses; Modelo de Referênca: APC AP9335TH ou Smlar; Régua de Tomadas Comum, com as seguntes característcas: Ser própra para fxação em rack de 19, ocupando no máxmo 2U de altura; Possur pelo menos 8 (oto) tomadas elétrcas fêmeas 2P+T, 10A, compatíves com a norma braslera NBR 14136:2002; A tomada elétrca de entrada deverá ser compatível com uma das saídas da Chave de Transferênca Automátca nstalado no local; Deverão ser fornecdos também adaptadores (macho-fêmea) para o antgo padrão unversal 2P+T, 10A, para cada uma das tomadas dsponblzadas (no mínmo oto) Materal de ancoragem: Abraçadera reposconável: Smlares ao VELCRO ; Possuírem fecho e gancho (dupla face) montados em fábrca; Já cortadas em tras de, no mínmo, 30 cm; Cor únca para todas as peças Materal de dentfcação: Etqueta auto-lamnável: Confecconadas em vnl, polamda ou poléster, com fundo branco, específcas para serem mpressas de forma permanente em mpressora laser comum; Tpo Bradytm Lasertab LAT ou smlar, totalmente compatível Materal de áudo e vídeo (Sala de Vdeoconferênca): Cabo HDMI (10 metros) DESUL - Infra de Telecom - Requstos Tecncos Memoral Descrtvo.doc Págna 13 de 17

14 Versão 1.3 ou superor Suporte de resolução de VGA até UXGA e 480 até 1080p Suportar a Largura de Banda de 10.2 Gbps (sngle lnk) Deverá possur 10 (dez) metros de comprmento ou o mínmo necessáro para a nstalação no local defndo permtndo que haja sobra de 1 (um) metro em cada extremdade para a conexão aos equpamentos Cabo VGA + áudo estéreo Cabo para transmssão de vídeo VGA e áudo estéreo Suporte de resolução de VGA até QXGA ( pxels) MHz Os fos de snalzação VGA devem apresentar dâmetro de pelo menos 2,4 mm (24 AWG) Cada um dos fos do cabo de áudo estéreo devem apresentar dâmetro de pelo menos 0,3 mm Conector VGA + áudo estéreo P2 (Jack de 3,5 mm) Conectores VGA DB15 e áudo estéreo (conector P2, 3,5 mm) Conector VGA com Suporte de resolução de VGA até QXGA ( pxels) MHz Compatível com o cabo especfcado no tem Tabela de quantdades de materas Item Descrção resumda Quantdade Undade Cabo UTP (unshelded twsted par) - categora 6 Tomada fêmea para área de trabalho - categora 6 PATCH PANEL angular descarregado - categora 6 de 24 portas Tomada fêmea para PATCH PANEL angular descarregado - categora 6 Cabo de manobra (PATCH CORD) - categora Metro 36 Peça 2 Peça 48 Peça 108 Peça Gerencador (gua) de cabos horzontal 4 Peça Fonte de Almentação Innterrupta/No- Break 2 Peça Sensor de Temperatura e Umdade 2 Peça Régua de Tomadas Comum 2 Peça DESUL - Infra de Telecom - Requstos Tecncos Memoral Descrtvo.doc Págna 14 de 17

15 Abraçadera reposconável tpo velcro tm ou smlar Etqueta auto-lamnável tpo Brady ou compatível 72 Peça 144 Peça Cabo HDMI (10 metros) 1 Peça Cabo VGA + áudo estéreo 20 Metro Conector VGA + áudo estéreo P2 (Jack de 3,5 mm) 4 Peça 3. Condções Geras de Garanta da Rede de Cabeamento Estruturado 3.1. A garanta para o materal e equpamentos ofertados, exceto os relaconados nos tens: e subtens, , e ; deverá ser de, no mínmo, 1 (um) ano; 3.2. Todo o materal fornecdo no tem deverá ser de únco fabrcante, ou fazer parte de uma solução atendda por fabrcantes reundos formalmente, capaz de oferecer as garantas solctadas através de um únco Programa de Garanta Estendda de, no mínmo, 20 (vnte) anos para os produtos e servços fornecdos, e de performance para aplcações de rede 3.3. Qualquer servço de garanta necessáro deverá ser prestado nas nstalações do BNDES. Em caso de necessdade de reparo, este se dará preferencalmente nas nstalações do BNDES; em caso de mpossbldade devdamente justfcada, a remoção de materal e os custos de transporte correrão por conta da CONTRATADA. A garanta deverá cobrr defetos decorrentes de condções normas e própras de uso, sendo a substtução de componentes defetuosos, realzada em até 15 (qunze) das corrdos, a partr da comuncação por parte do BNDES, sem qualquer ônus para o BNDES 4. VISTORIA DAS INSTALAÇÕES: Para conhecmento de todas as partculardades dos servços, objeto da presente especfcação, a empresa proponente deve efetuar vstora completa no local dos servços conforme prevsto no edtal e no modelo de Declaração de Vstora anexo ao mesmo, sendo de ntera responsabldade da proponente os dados quanttatvos e qualtatvos coletados, não se acetando alegações futuras de desconhecmento por erro ou mperíca no levantamento de campo executado pelo representante da proponente. 5. FISCALIZAÇÃO DOS SERVIÇOS: A Fscalzação dos servços, ora contratados, será executada pelo BNDES, ou a seu exclusvo crtéro poderá utlzar empresa contratada, profssonal(s) autônomo(s) ou outros meos que melhor lhe conver para desenvolver tal função. 6. ENCARGOS DA CONTRATADA: Além das estpuladas nesta Especfcação, consttuem obrgações da CONTRATADA, as dscrmnadas a segur: 6.1. Estar ncluso no preço global dos servços, toda a mão de obra especalzada ou não, abrangendo não só o pagamento de saláros, como qualquer outra despesa, dreta ou ndreta, referente a mão de obra, nclusve o pagamento de horas extras, seguros e encargos socas, nestes abrangdos o transporte, a almentação, a assstênca médco-hosptalar e qualquer outra assstênca aos seus empregados assm como todas as obrgações da CONTRATADA, contdas na presente Especfcação; DESUL - Infra de Telecom - Requstos Tecncos Memoral Descrtvo.doc Págna 15 de 17

16 6.2. Provdencar a Anotação de Responsabldade Técnca (ART), junto ao CREA; 6.3. Antes do níco dos servços entregar para análse e comentáros, a relação dos nomes de todos os funconáros que estarão envolvdos nos trabalhos ora contratados, dscrmnando para cada um a sua função profssonal, sua qualfcação nclundo flação e data de nascmento, número da cartera do CREA (no caso dos técncos e engenheros) ou o número da cartera de dentdade para os restantes, e uma xerox da fcha de regstro na empresa. Nesta relação deverá estar ncluído o responsável técnco pela empresa, o responsável técnco pelo acompanhamento dos servços e o supervsor; 6.4. Fornecer todas as ferramentas, equpamentos e materas necessáros à execução dos servços, cuja utlzação assegure, de acordo com os padrões técncos pertnentes, o mas alto grau de perfeção na execução dos servços contratados; 6.5. Fornecer os materas de lmpeza, assm como sacos plástcos aproprados para ensacar as sobras de materas e entulhos, armazenando-os em local ndcado pela Fscalzação, procedendo a lmpeza do local onde estver trabalhando após cada jornada de trabalho, sem custo adconal para o BNDES; 6.6. Fornecer o unforme e o equpamento de proteção ndvdual ao seu pessoal e prepostos, fazendo com que os mesmos, quando em servço, se apresentem unformzados e dentfcados; 6.7. Recrutar o pessoal necessáro à execução de todos os trabalhos, pertnentes a prestação de servços ora ajustados, dotados de comprovada donedade profssonal, assstndo ao BNDES o dreto de mpugnar a qualquer tempo, e a seu exclusvo crtéro, os que não preencham os requstos necessáros; 6.8. Fornecer o transporte de qualquer natureza necessáro para seu pessoal, materas, equpamentos, nstrumentos e/ou ferramentas; 6.9. Observar, em relação a seus empregados, encarregados da execução dos servços ora contratados, as normas constantes da consoldação das les do trabalho, bem como as normas legas e regulamentares, pertnentes a segurança e hgene do trabalho, especalmente quanto ao uso dos Equpamentos de Proteção Indvdual (EPI) obrgatóros; Responder por todas as provdêncas e obrgações estabelecdas na legslação específca de acdentes do trabalho; Estar presente a qualquer momento quando solctado pelo BNDES, o responsável técnco da CONTRATADA, para análse, em conjunto com a Fscalzação de todas as atvdades dos servços; Responder, sem ônus adconal ao BNDES, por quasquer perdas e danos, ndependentemente de sua natureza, decorrente de ação ou omssão, nclusve neglgênca, mperíca, mprudênca ou desída, casual ou propostal, que tenham sdo causados a quasquer equpamentos e nstalações do BNDES e/ou a terceros, por parte de seu pessoal ou decorrente de erros ou falhas na execução dos servços, objeto desta Especfcação, assm como de sua admnstração; Responder pela mperfeção ou falta de execução, parcal ou ntegral dos fornecmentos e/ou servços, objeto da presente Especfcação; Remover das nstalações do BNDES, no prazo de 05 (cnco) das, após o térmno da conclusão dos servços estabelecdos na presente especfcação, ou no caso de sua rescsão ou denúnca, todos os materas, ferramentas e/ou equpamentos de sua propredade ou por ela utlzados; Obedecer a todas as normas de segurança em vgor no Condomíno, fcando sob sua responsabldade obter todas as lcenças e formaldades admnstratvas para execução dos servços; Comuncar, por escrto, ao BNDES, toda e qualquer ocorrênca relatva a execução dos servços; DESUL - Infra de Telecom - Requstos Tecncos Memoral Descrtvo.doc Págna 16 de 17

17 6.17. Não é permtdo transferr a terceros a execução dos servços ora contratados, a não ser quando expressamente autorzado e nem ceder em garanta os dretos decorrentes desta Especfcação, sem a préva e expressa autorzação do BNDES; Exbr, sempre que exgdo pelo BNDES, as provas de que estão sendo cumprdas as dsposções trabalhstas, prevdencáras e legas, nclusve as pertnentes ao FGTS, FINSOCIAL, INSS e outros; Provdencar o cumprmento de todas as normas e exgêncas legas prevstas pelos Órgãos Muncpas, Estaduas e Federas, prncpalmente as do Mnstéro do Trabalho e Mnstéro da Saúde, sendo de únca e total responsabldade da CONTRATADA o não cumprmento das mesmas, assm como todos os custos ncluídos no preço global do Contrato, não cabendo ao BNDES nenhum custo adconal; Executar os servços que provoquem ruídos e odores fora do expedente normal do Condomíno. 7. COMISSIONAMENTO 7.1. Durante toda a vgênca do contrato, a CONTRATADA deverá adotar técncas e procedmentos que permtam a verfcação, nspeção e teste das nstalações realzadas, de acordo com o especfcado O Responsável Técnco da contratada deverá acompanhar as vstoras realzadas pela fscalzação do BNDES no local da nstalação, sempre que solctado Durante os períodos agendados pelo BNDES para a nstalação dos equpamentos de sua responsabldade (nclundo os das operadoras de telecomuncações envolvdas), bem como durante todo o período agendado para a atvação e ocupação das novas nstalações, os responsáves pelas dscplnas técncas da CONTRATADA/prepostos deverão estar presentes para atendmento das solctações do BNDES, dsponblzando a mão-de-obra necessára às adequações e correções de responsabldade da CONTRATADA. Sempre que necessáro, de forma a mnmzar o mpacto sobre as atvdades do BNDES, estes períodos serão agendados fora do horáro comercal ou anda, em fnas de semana e ferados Para a emssão do Termo de Recebmento Provsóro, é mandatóro que toda a documentação de certfcação (tem 1.2.6) e as-bult (tem 1.3) tenha sdo entregue A partr da atvação e ocupação das novas nstalações, ncar-se-á a fase de Operação Assstda, que durará até a emssão do Termo de Recebmento Defntvo dos servços. Nesta fase, os responsáves pelas dscplnas técncas da CONTRATADA/prepostos deverão estar dsponíves para que sejam sanadas quasquer dúvdas ou pendêncas relaconadas aos servços executados e anda, à documentação entregue conforme tem anteror Durante a fase de Operação Assstda, a CONTRATADA deverá prover toda a mão-deobra especalzada que for necessára para dar assstênca à operação das nstalações. Sempre que necessáro, de forma a mnmzar o mpacto sobre as atvdades do BNDES, esta mão-de-obra deverá estar dsponível fora do horáro comercal ou anda, em fnas de semana e ferados. DESUL - Infra de Telecom - Requstos Tecncos Memoral Descrtvo.doc Págna 17 de 17

18 LEGENDA: EXISTENTE A CONSTRUIR A DEMOLIR DUTOS EXISTENTES DE INSUFLAMENTO DUTOS FLEXÍVEIS EXISTENTES VAV-2P VAV-2P-17 VAV-2P-16 PLANTA TETO - ATUAL 02 ESC: 1/50 PLANTA TETO - DEMOLIR/CONSTRUIR ESC: 1/50 VAV-2P-20 VAV-2P-19 VAV-2P-13 VAV-2P-13 VAV-2P-12 VAV-2P-19 VAV-2P-12 VAV-2P-20 VAV-2P-16 VAV-2P-01 VAV-2P-01 VAV-2P-23 VAV-2P MQ.CAFÉ FILTRO SOFT MQ.CAFÉ FILTRO VAV-2P-14 VAV-2P-14 SOFT GR AJUSTES GERAIS EMISSÃO INICIAL DESCRIÇÃO REV. Projeto / Obra Data THAIS THAIS Desenho Verfcado Aprovado REFORMA - DESUL 02º ANDAR Empresa Responsável BNDES - DESUL 03 PLANTA TETO - ATUAL ESC: 1/50 04 PLANTA TETO - DEMOLIR/CONSTRUIR ESC: 1/50 Escala Etapa PROJETO DE AR CONDICIONADO 01/01 Data Título AR CONDICIONADO - DEMOLIR/CONSTRUIR Codfcação do documento Número do desenho DESUL-ACD-PB-FLH-01 - AR CONDICIONADO_R01.dwg Verfcação Aprovação Aprovação Clente - Responsável Vsto Elaborado por

19 j h h h j j s sgsh g g g g j j e e a e e a a a a a a e e e f j j sj f a e a sasb sesf f f f b b d c c sd d sasb b b j j j a a a a j j j j c c c c s j c c sj d d e sd g f d d g e g se sf sg f f sh h Projeto / Obra Empresa Etapa Título Codfcação do documento Verfcação Aprovação Aprovação Clente - Responsável Vsto 59 Responsável Escala Data Elaborado por LEGENDA: EXISTENTE A CONSTRUIR A DEMOLIR SIMBOLOGIA: ELETROCALHA FERRO GALV., INSTALADO SOBRE FORRO DO PAVIMENTO, PARA DISTRIBUIÇÃO DE CABOS DE REDE DE ILUMINAÇÃO PERFILADO 38x38x3000mm, INSTALADO SOBRE FORRO DO PAVIMENTO, PARA DISTRIBUIÇÃO DE CABOS DE REDE DE ILUMINAÇÃO ELETRODUTO FERRO GALVANIZADO, QUANDO NÃO INDICADO ø=1'' RABICHO PARA LUMINÁRIA - CABO MÚLTIPLO 3x1,5mm² LUMINÁRIA DE EMBUTIR EM FORRO MODULAR P/ 4 LÂMPADAS FLUORESCENTES - REFERÊNCIA: ITAIM X 16W LUMINÁRIA PEDENTE LUMINÁRIA REDONDA DE EMBUTIR sc sc ELETROCALHA EXISTENTE DE FORRO - ELÉTRICA ELETROCALHA EXISTENTE DE FORRO - ELÉTRICA 150x50 150x50 150x50 150x THAIS THAIS THAIS 00 EMISSÃO INICIAL THAIS REV. DESCRIÇÃO Data Desenho Verfcado Aprovado 01 PLANTA TETO - ATUAL ESC: 1/50 02 PLANTA TETO - DEMOLIR/CONSTRUIR ESC: 1/50 REFORMA - DESUL 02º ANDAR BNDES - DESUL PROJETO DE ELÉTRICA ILUMINAÇÃO - DEMOLIR/CONSTRUIR 01/02 DESUL-ELE-PB-FLH-01-ILUMINAÇÃO_R00.dwg Número do desenho

20 59 LEGENDA: TELEFONISTAS ÁREA=15,95m² P.D.=2,70m MOTORISTAS ÁREA=18,02m² P.D.=2,70m 100x50 200x ARQUIVO/DEP. ÁREA=11,37m² P.D.=2,70m 200x50 ELETROCALHA EXISTENTE DE PISO - ELÉTRICA s HDMI (TV) AUDIO P2 (TV) VGA (TV) VGA (CODEC) TOMADA RJ-45 PONTO ÁUDIO E VIDEO TOMADA RJ-45 PARA LÓGICA TOMADA RJ-45 EMBUTIDA NA CANALETA DO MÓVEL PARA REDE - KRONE PONTO DE REDE NO PISO TOMADA 127V/10A PADRÃO BRASILEIRO (F+N+T) - h = 0,30m TOMADA 127V/10A PADRÃO BRASILEIRO (F+N+T) - MEIA ALTURA TOMADA 127V/10A PADRÃO BRASILEIRO (F+N+T) - EMBUTIDA NA CANALETA DO MÓVEL TOMADA 127V/10A PADRÃO BRASILEIRO (F+N+T) - INSTALADA NO PISO PONTO PARA HDMI PONTO PARA AUDIO P2 PONTO PARA VGA (TV) PONTO PARA VGA (CODEC) PONTO PARA TV A CABO INTERRUPTOR BIPOLAR 10A/250V - h = 1,20m ELETROCALHA EXISTENTE DE PISO - ELÉTRICA ELETROCALHA DE PISO A INSTALAR - ELÉTRICA ELETROCALHA EXISTENTE DE PISO - LÓGICA ELETROCALHA DE PISO A INSTALAR - LÓGICA ELETRODUTO FLEXÍVEL METÁLICO PARA CABOS DE ELÉTRICA - INSTALAR ELETRODUTO FLEXÍVEL METÁLICO PARA CABOS DE LÓGICA - INSTALAR SALA DE REUNIÕES VIDEOCONFERÊNCIA ÁREA=34,77m² P.D.=2,70m ELETROCALHA EXISTENTE DE PISO - LÓGICA 200x50 100x CAFÉ ÁREA=16,06m² P.D.=2,70m 300x50 200x50 DML ÁREA=3,51m² P.D.=2,70m.60 TELECOM THAIS THAIS THAIS 00 EMISSÃO INICIAL THAIS REV. DESCRIÇÃO Data Desenho Verfcado Aprovado 01 PLANTA BAIXA ESC: 1/50 Projeto / Obra REFORMA - DESUL 02º ANDAR Empresa Etapa Título PROJETO DE ELÉTRICA Codfcação do documento Verfcação BNDES - DESUL PLANTA - PONTOS TOMADAS DESUL-ARQ-PB-FLH-11-PONTOS ELÉTRICOS_R03.dwg Aprovação Aprovação Clente - Responsável Vsto Responsável Escala Data Elaborado por 02/02 Número do desenho

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE PERNAMBUCO DIRETORIA DE ENGENHARIA E ARQUITETURA

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE PERNAMBUCO DIRETORIA DE ENGENHARIA E ARQUITETURA ANEXO l TERMO DE REFERÊNCIA (Ofíco n. 077/2013-GDJAFS) PISO LAMINADO - CARPETE DE MADEIRA 1. DOOBJETO O presente Termo tem por objetvo a aqusção e nstalação de pso lamnado do tpo carpete de madera numa

Leia mais

Instruções de segurança VEGASWING 61/63.CI*****Z*

Instruções de segurança VEGASWING 61/63.CI*****Z* Instruções de segurança VEGASWING 61/63.CI*****Z* NCC 14.03221 X Ex a IIC T* Ga, Ga/Gb, Gb 0044 Document ID: 41515 Índce 1 Valdade... 3 2 Geral... 3 3 Dados técncos... 4 4 Especfcações... 4 5 Proteção

Leia mais

Instruções de segurança VEGAWELL WL51/52.A********C/D* VEGAWELL WELL72.A*******- C/D*

Instruções de segurança VEGAWELL WL51/52.A********C/D* VEGAWELL WELL72.A*******- C/D* Instruções de segurança VEGAWELL WL51/52.A********C/D* VEGAWELL WELL72.A*******- C/D* NCC 13.2121 X Ex a IIC T6 Ga, Gb 0044 Document ID: 46341 Índce 1 Valdade... 3 2 Geral... 3 3 Dados técncos... 3 4 Proteção

Leia mais

TERMO DE CONTRATO N 001/2014 - CMM

TERMO DE CONTRATO N 001/2014 - CMM \1erra do guaraná" TERMO DE CONTRATO N 001/2014 - CMM CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE ACESSO A INTERNET VIA SATÉLITE ATRAVÉS DE LINK DEDICADO, QUE ENTRE SI FAZEM A CÂMRA MUNICIPAL DE MAUÉS E A EMPRESA C H M

Leia mais

Metodologia IHFA - Índice de Hedge Funds ANBIMA

Metodologia IHFA - Índice de Hedge Funds ANBIMA Metodologa IHFA - Índce de Hedge Funds ANBIMA Versão Abrl 2011 Metodologa IHFA Índce de Hedge Funds ANBIMA 1. O Que é o IHFA Índce de Hedge Funds ANBIMA? O IHFA é um índce representatvo da ndústra de hedge

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO PARA A INSTALAÇÃO DE SISTEMA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO NA REPRESENTAÇÃO DO BNDES EM SÃO PAULO/SP

ESPECIFICAÇÃO PARA A INSTALAÇÃO DE SISTEMA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO NA REPRESENTAÇÃO DO BNDES EM SÃO PAULO/SP Memorial Descritivo relativo à Rede de Cabeamento Estruturado e Distribuição Elétrica nas Salas de Telecomunicações para a reforma do 5º Pavimento da sede do DESUL Agosto de 2012 1 de 24 15/08/2012 Índice

Leia mais

Instruções de montagem Montagem sobre telhado plano Colector plano FK240 Para sistemas térmicos de energia solar Junkers

Instruções de montagem Montagem sobre telhado plano Colector plano FK240 Para sistemas térmicos de energia solar Junkers Instruções de montagem Montagem sobre telhado plano Colector plano FK240 Para sstemas térmcos de energa solar Junkers 6 720 6 709 (04.0) RS Acerca destas nstruções A presente nstrução de montagem contem

Leia mais

Instruções de montagem Montagem sobre telhado plano e fachada Colector plano FKT-1 para sistemas de aquecimento por energia solar Junkers

Instruções de montagem Montagem sobre telhado plano e fachada Colector plano FKT-1 para sistemas de aquecimento por energia solar Junkers Instruções de montagem Montagem sobre telhado plano e fachada Colector plano FKT- para sstemas de aquecmento por energa solar Junkers 63043970.0-.SD 6 70 6 583 (006/04) SD Índce Generaldades..............................................

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DOS CICLOS DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE DA FCT- UNL. Normas Regulamentares PREÂMBULO

REGULAMENTO GERAL DOS CICLOS DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE DA FCT- UNL. Normas Regulamentares PREÂMBULO REGULAMENTO GERAL DOS CICLOS DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE DA FCT- UNL Normas Regulamentares PREÂMBULO O regulamento geral dos cclos de estudos conducentes ao grau de Mestre da FCT-UNL organza,

Leia mais

Controle de Ponto Eletrônico. Belo Horizonte

Controle de Ponto Eletrônico. Belo Horizonte Controle de Ponto Eletrônco da Câmara Muncpal de Belo Horzonte Instrutor: André Mafa Latn DIVPES agosto de 2010 Objetvo Informar sobre o preenchmento da folha de frequênca; Facltar o trabalho das chefas;

Leia mais

Audiência Pública Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática Câmara dos Deputados

Audiência Pública Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática Câmara dos Deputados Audênca Públca Comssão de Cênca e Tecnologa, Comuncação e Informátca Câmara dos Deputados Superntendente de Servços Prvados Brasíla, 11 de julho de 2007 AGENDA 1 2 3 4 DEFINIÇÕES DA LGT REGULAMENTAÇÃO

Leia mais

Expressão da Incerteza de Medição para a Grandeza Energia Elétrica

Expressão da Incerteza de Medição para a Grandeza Energia Elétrica 1 a 5 de Agosto de 006 Belo Horzonte - MG Expressão da ncerteza de Medção para a Grandeza Energa Elétrca Eng. Carlos Alberto Montero Letão CEMG Dstrbução S.A caletao@cemg.com.br Eng. Sérgo Antôno dos Santos

Leia mais

Elaboração: Novembro/2005

Elaboração: Novembro/2005 Elaboração: Novembro/2005 Últma atualzação: 18/07/2011 Apresentação E ste Caderno de Fórmulas tem por objetvo nformar aos usuáros a metodologa e os crtéros de precsão dos cálculos referentes às Cédulas

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO Nº 488, DE 29 DE AGOSTO DE 2002

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO Nº 488, DE 29 DE AGOSTO DE 2002 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO Nº 488, DE 29 DE AGOSTO DE 2002 Regulamenta o estabelecdo na Resolução CNPE n 7, de 21 de agosto de 2002, aprovada pela Presdênca da Repúblca em 22

Leia mais

Instruções de instalação sobre telhado do colector plano FKT-1 para sistemas de aquecimento por energia solar Junkers

Instruções de instalação sobre telhado do colector plano FKT-1 para sistemas de aquecimento por energia solar Junkers Instruções de nstalação sobre telhado do colector plano FKT- para sstemas de aquecmento por energa solar Junkers 60966.0-.SD 6 70 6 58 PT (006/0) SD Índce Generaldades..............................................

Leia mais

Hansard OnLine. Guia Unit Fund Centre

Hansard OnLine. Guia Unit Fund Centre Hansard OnLne Gua Unt Fund Centre Índce Págna Introdução ao Unt Fund Centre (UFC) 3 Usando fltros do fundo 4-5 Trabalhando com os resultados do fltro 6 Trabalhando com os resultados do fltro Preços 7 Trabalhando

Leia mais

Aquecedores de água a gás

Aquecedores de água a gás Manual de nstalação e uso Aquecedores de água a gás GWH 350 COB GLP.. GWH 350 COB GN.. BR (06.11) SM Índce Índce Indcações de segurança 3 Explcação da smbologa 3 5 Afnações 14 5.1 Afnação do aparelho 14

Leia mais

Introdução e Organização de Dados Estatísticos

Introdução e Organização de Dados Estatísticos II INTRODUÇÃO E ORGANIZAÇÃO DE DADOS ESTATÍSTICOS 2.1 Defnção de Estatístca Uma coleção de métodos para planejar expermentos, obter dados e organzá-los, resum-los, analsá-los, nterpretá-los e deles extrar

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 3259 RESOLVEU:

RESOLUÇÃO Nº 3259 RESOLVEU: Resolução nº 3259, de 28 de janero de 2005. RESOLUÇÃO Nº 3259 Altera o dreconamento de recursos captados em depóstos de poupança pelas entdades ntegrantes do Sstema Braslero de Poupança e Empréstmo (SBPE).

Leia mais

Portaria Inmetro nº 248 de 17 de julho de 2008

Portaria Inmetro nº 248 de 17 de julho de 2008 INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - Portara Inmetro nº 248 de 17 de julho de 2008 O PRESIDENTE DO INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL,

Leia mais

Power Ethernet WLAN DSL. Internet. Thomson ST585(v6) Guia de Instalação e Configuração

Power Ethernet WLAN DSL. Internet. Thomson ST585(v6) Guia de Instalação e Configuração DSL Power Ethernet WLAN Internet Thomson ST585(v6) Gua de Instalação e Confguração Thomson ST585(v6) Gua de Instalação e Confguração Dretos autoras Dretos autoras 1999-2007 Thomson. Todos os dretos reservados.

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO PRÓ-REITORIA PARA ASSUNTOS ACADÊMICOS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO PRÓ-REITORIA PARA ASSUNTOS ACADÊMICOS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO PRÓ-REITORIA PARA ASSUNTOS ACADÊMICOS EDITAL PROCESSO SELETIVO DE INGRESSO VESTIBULAR 2014.2 ENGENHARIAS CTG (RECIFE) E ENGENHARIA CIVIL (AGRESTE)

Leia mais

Estimativa da Incerteza de Medição da Viscosidade Cinemática pelo Método Manual em Biodiesel

Estimativa da Incerteza de Medição da Viscosidade Cinemática pelo Método Manual em Biodiesel Estmatva da Incerteza de Medção da Vscosdade Cnemátca pelo Método Manual em Bodesel Roberta Quntno Frnhan Chmn 1, Gesamanda Pedrn Brandão 2, Eustáquo Vncus Rbero de Castro 3 1 LabPetro-DQUI-UFES, Vtóra-ES,

Leia mais

Regulamento de Funcionamento e Avaliação do Mestrado em Gestão das Organizações

Regulamento de Funcionamento e Avaliação do Mestrado em Gestão das Organizações ASSOCIAÇÃO DE POLITÉCNICOS DO NORTE (APNOR) Insttuto Poltécnco de Bragança Insttuto Poltécnco do Cávado e do Ave Insttuto Poltécnco do Porto Insttuto Poltécnco de Vana do Castelo Regulamento de Funconamento

Leia mais

Aquecedores de água a gás

Aquecedores de água a gás Manual de nstalação e uso Aquecedores de água a gás GWH 420 CODB GLP.. GWH 420 CODB GN.. BR (06.11) SM Índce Índce Indcações de segurança 3 Explcação da smbologa 3 5 Afnações 14 5.1 Afnação do aparelho

Leia mais

Manual de instalação e uso Aquecedores de água a gás GWH 420 CODH GLP.. GWH 420 CODH GN.. 6 720 608 372 BR (06.11) SM

Manual de instalação e uso Aquecedores de água a gás GWH 420 CODH GLP.. GWH 420 CODH GN.. 6 720 608 372 BR (06.11) SM Manual de nstalação e uso Aquecedores de água a gás GWH 420 CODH GLP.. GWH 420 CODH GN.. BR (06.11) SM Índce Índce Indcações de segurança 3 Explcação da smbologa 3 5 Afnações 14 5.1 Afnação do aparelho

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO 1. CABEAMENTO VERTICAL 1.1 INTRODUÇÃO

MEMORIAL DESCRITIVO 1. CABEAMENTO VERTICAL 1.1 INTRODUÇÃO MEMORIAL DESCRITIVO 1. CABEAMENTO VERTICAL 1.1 INTRODUÇÃO O cabeamento vertical, ou cabeamento de backbone integra todas as conexões entre o backbone do centro administrativo e os racks departamentais,

Leia mais

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação Mnstéro da Educação Insttuto Naconal de Estudos e Pesqusas Educaconas Aníso Texera Cálculo do Conceto Prelmnar de Cursos de Graduação Nota Técnca Nesta nota técnca são descrtos os procedmentos utlzados

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE PERNAMBUCO DIRETORIA DE INFRA-ESTRUTURA GERÊNCIA DE MANUTENÇÃO. ANEXO l TERMO DE REFERÊNCIA

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE PERNAMBUCO DIRETORIA DE INFRA-ESTRUTURA GERÊNCIA DE MANUTENÇÃO. ANEXO l TERMO DE REFERÊNCIA GERÊNCIA DE MANUTENÇÃO ANEXO l TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA PARA A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÕES PREVENTIVA E CORRETIVA, COM REPOSIÇÃO DE PEÇAS, NO SISTEMA DE CL1MATIZAÇÃO

Leia mais

FKC-1. Instruções de instalação. Colectores planos Instalação sobre telhado. para sistemas térmicos de energia solar Vulcano

FKC-1. Instruções de instalação. Colectores planos Instalação sobre telhado. para sistemas térmicos de energia solar Vulcano Instruções de nstalação Colectores planos Instalação sobre telhado FKC- para sstemas térmcos de energa solar Vulcano 6 70 6 586 (006/0) SD Índce Generaldades..............................................

Leia mais

1 a Lei de Kirchhoff ou Lei dos Nós: Num nó, a soma das intensidades de correntes que chegam é igual à soma das intensidades de correntes que saem.

1 a Lei de Kirchhoff ou Lei dos Nós: Num nó, a soma das intensidades de correntes que chegam é igual à soma das intensidades de correntes que saem. Les de Krchhoff Até aqu você aprendeu técncas para resolver crcutos não muto complexos. Bascamente todos os métodos foram baseados na 1 a Le de Ohm. Agora você va aprender as Les de Krchhoff. As Les de

Leia mais

Montagem sobre o telhado. Colectores planos FK240. Para sistemas térmicos de energia solar Vulcano 6 720 612 250 PT (05.04) RS

Montagem sobre o telhado. Colectores planos FK240. Para sistemas térmicos de energia solar Vulcano 6 720 612 250 PT (05.04) RS Montagem sobre o telhado Colectores planos FK240 Para sstemas térmcos de energa solar Vulcano 6 720 62 250 PT (05.04) RS Acerca destas nstruções As presentes nstruções de montagem contêm nformações mportantes

Leia mais

Análise Econômica da Aplicação de Motores de Alto Rendimento

Análise Econômica da Aplicação de Motores de Alto Rendimento Análse Econômca da Aplcação de Motores de Alto Rendmento 1. Introdução Nesta apostla são abordados os prncpas aspectos relaconados com a análse econômca da aplcação de motores de alto rendmento. Incalmente

Leia mais

! Superlntenrlencia Reg.onaJ do Ma:toGro$So. Qualificação e Reinserção Profissional dos Resgatados do Trabalho Escravo elou em AÇÃO INTEGRADA

! Superlntenrlencia Reg.onaJ do Ma:toGro$So. Qualificação e Reinserção Profissional dos Resgatados do Trabalho Escravo elou em AÇÃO INTEGRADA ",, 1," ;,,," 1, C?5lMnstérO Públco do "':'1"') Trabalho PRT 23,! Superlntenrlenca RegonaJ do Ma:toGro$So!! (', ' \_ \ '1 j t t' 1 PROJETO: Qualfcação e Renserção Profssonal dos Resgatados do Trabalho

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA - CONFEA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA - CONFEA Protocolo 428712010 12/11/2010 17:09 SERVÇO PÚBLCO FEDERAL CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARA, ARQUTETURA E AGRONOMA - CONFEA REUNÃO EXTRAORDNÁRA DA COORDENADORA DE CÂMARAS ESPECALZADAS DE ENGENHARA NDUSTRAL

Leia mais

ANEXO II METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X

ANEXO II METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X ANEXO II Nota Técnca nº 256/2009-SRE/ANEEL Brasíla, 29 de julho de 2009 METODOLOGIA E ÁLULO DO FATOR X ANEXO II Nota Técnca n o 256/2009 SRE/ANEEL Em 29 de julho de 2009. Processo nº 48500.004295/2006-48

Leia mais

Instruções de Utilização. Actuador de motor via rádio 1187 00

Instruções de Utilização. Actuador de motor via rádio 1187 00 Instruções de Utlzação Actuador de motor va rádo 1187 00 Índce Relatvamente a estas nstruções... 2 Esquema do aparelho... 3 Montagem... 3 Desmontagem... 3 Tensão de almentação... 4 Colocar as plhas...

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES DE MATERIAIS 06.09.000 SISTEMA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO 06.09.001 - EQUIPAMENTOS ATIVOS

ESPECIFICAÇÕES DE MATERIAIS 06.09.000 SISTEMA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO 06.09.001 - EQUIPAMENTOS ATIVOS ESPECIFICAÇÕES DE MATERIAIS 06.09.000 SISTEMA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO 06.09.001 - EQUIPAMENTOS ATIVOS Tipo: Gabinete Rack do tipo bastidor com porta e ventilação forçada 24U x 19"x 670mm, com porta de

Leia mais

HI SPEED NX - ciclos especiais O esterilizador agrega funções específicas para ciclos de líquidos com cálculo de F 0

HI SPEED NX - ciclos especiais O esterilizador agrega funções específicas para ciclos de líquidos com cálculo de F 0 SELEÇÃO Espaço útl da câmara B-100-405 x 405 x 600 mm B-200-405 x 405 x 1225 mm B-300-605 x 605 x 825 mm B-500-605 x 605 x 1225 mm Aplcação N - Uso geral NL - Lactáro NX - Cclos especas Impressora Impressora

Leia mais

Painel de controlo MPC-xxxx-B FPA-1200-MPC. Manual de operação

Painel de controlo MPC-xxxx-B FPA-1200-MPC. Manual de operação Panel de controlo MPC-xxxx-B FPA-1200-MPC pt Manual de operação 3 pt Índce remssvo Panel de controlo Índce remssvo 1 Para sua nformação 8 1.1 Ilustração dos passos 8 1.2 Chamar o menu ncal 8 1.3 Alterar

Leia mais

REFORMA EDIFICAÇÃO PRINCIPAL INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CÂMPUS AVANÇADO IBIRAMA IBIRAMA/SC

REFORMA EDIFICAÇÃO PRINCIPAL INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CÂMPUS AVANÇADO IBIRAMA IBIRAMA/SC REFORMA EDIFICAÇÃO PRINCIPAL INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CÂMPUS AVANÇADO IBIRAMA IBIRAMA/SC MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO DE CABEAMENTO ESTRUTURADO ÍNDICE 1 Informativos gerais 2 Especificações e Tabelas

Leia mais

Metodologia para Eficientizar as Auditorias de SST em serviços contratados Estudo de caso em uma empresa do setor elétrico.

Metodologia para Eficientizar as Auditorias de SST em serviços contratados Estudo de caso em uma empresa do setor elétrico. Metodologa para Efcentzar as Audtoras de SST em servços contratados Estudo de caso em uma empresa do setor elétrco. Autores MARIA CLAUDIA SOUSA DA COSTA METHODIO VAREJÃO DE GODOY CHESF COMPANHIA HIDRO

Leia mais

Elaboração: Fevereiro/2008

Elaboração: Fevereiro/2008 Elaboração: Feverero/2008 Últma atualzação: 19/02/2008 E ste Caderno de Fórmulas tem por objetvo esclarecer aos usuáros a metodologa de cálculo e os crtéros de precsão utlzados na atualzação das Letras

Leia mais

.- >. , '. expedidos por estabelecimentos estrangeiros de ensino superior no âmbito I desta Universidade e;

.- >. , '. expedidos por estabelecimentos estrangeiros de ensino superior no âmbito I desta Universidade e; , UNVERS Fundaçso nsttu(da RESOLUÇÃO NO.^&. >., '. nsttu normas para revaldação a) 7. c),) de dplomas de graduação t

Leia mais

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma.

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma. UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE FÍSICA AV. FERNANDO FERRARI, 514 - GOIABEIRAS 29075-910 VITÓRIA - ES PROF. ANDERSON COSER GAUDIO FONE: 4009.7820 FAX: 4009.2823

Leia mais

Infra-estrutura tecnológica

Infra-estrutura tecnológica Assessoria Técnica de Tecnologia da Informação ATTI Supervisão de Infra-estrutura Projeto de Informatização da Secretaria Municipal de Saúde do Município de São Paulo Infra-estrutura tecnológica Rede Lógica

Leia mais

CABEAMENTO ESTRUTURADO NORMAS AMERICANAS EIA/TIA

CABEAMENTO ESTRUTURADO NORMAS AMERICANAS EIA/TIA CABEAMENTO ESTRUTURADO NORMAS AMERICANAS EIA/TIA NORMAS AMERICANAS EIA/TIA EIA/TIA 568-B: Commercial Building Telecomunications Cabling Standard Essa norma de 2001 é a revisão da norma EIA/TIA 568-A de

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA TERMO DE REFERÊNCIA

TERMO DE REFERÊNCIA TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA PARA FORNECIMENTO DE MATERIAIS E SERVIÇOS PARA INFRAESTRUTURA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO E DE TELEFONIA DA SALA TÉCNICA (D) E NOVA SALA DO CENTRO DE OPERAÇÕES DE EMERGÊNCIA

Leia mais

Instruções de utilização

Instruções de utilização MONITOR DE GLICEMIA Instruções de utlzação 0088 ACCU-CHEK, ACCU-CHEK GO, ACCU-CHEK MULTICLIX, SOFTCLIX e SAFE-T-PRO são marcas da Roche. Roche Dagnostca Brasl Ltda Dabetes Care Av. Engenhero Bllngs 1729

Leia mais

Física. Setor A. Índice-controle de Estudo. Prof.: Aula 25 (pág. 86) AD TM TC. Aula 26 (pág. 86) AD TM TC. Aula 27 (pág.

Física. Setor A. Índice-controle de Estudo. Prof.: Aula 25 (pág. 86) AD TM TC. Aula 26 (pág. 86) AD TM TC. Aula 27 (pág. Físca Setor Prof.: Índce-controle de studo ula 25 (pág. 86) D TM TC ula 26 (pág. 86) D TM TC ula 27 (pág. 87) D TM TC ula 28 (pág. 87) D TM TC ula 29 (pág. 90) D TM TC ula 30 (pág. 90) D TM TC ula 31 (pág.

Leia mais

Das ideias ao sucesso

Das ideias ao sucesso www.pwc.pt Das deas ao sucesso PwC Startup Portugal 1 mllon fund project Busness Plan FY 2014/2015 Crou recentemente uma empresa com forte capacdade de crescmento? Tem espírto empreendedor com deas novadoras?

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ANEXO III PROJETO BÁSICO DE INSTALAÇÃO DE CABEAMENTO PARA REDE LOCAL DE MICROCOMPUTADORES 1.Objetivo Este projeto tem por objetivo descrever a instalação de cabeamento de rede lógica no edifício-sede da

Leia mais

Transformadores de baixa tensão

Transformadores de baixa tensão de dstrbução Transformadores de baxa tensão Referênca em transformadores a seco. Potêncas até 3 MVA - Classes de tensão até 1,2 kv PM102267 Make the most of your energy Os transformadores a seco de baxa

Leia mais

diagrama de ligações, relatórios emitidos pelo Analisador de Cabos

diagrama de ligações, relatórios emitidos pelo Analisador de Cabos ESPECIFICAÇÔES TÉCNICAS 1 CABEAMENTO HORIZONTAL Instalação da rede para padrão T568B constituída de 466 (quatrocentos e sessenta e seis) pontos, devidamente identificados, conforme localização definida

Leia mais

REGULAMENTO GERAL (Modalidades 1, 2, 3 e 4)

REGULAMENTO GERAL (Modalidades 1, 2, 3 e 4) REGULAMENTO GERAL (Modaldades 1, 2, 3 e 4) 1. PARTICIPAÇÃO 1.1 Podem concorrer ao 11º Prêmo FIEB de Desempenho Socoambental da Indústra Baana empresas do setor ndustral nas categoras MICRO E PEQUENO, MÉDIO

Leia mais

ENGENHARIA E PROJETOS ELÉTRICOS LTDA

ENGENHARIA E PROJETOS ELÉTRICOS LTDA APRESENTAÇÃO As especificações contidas neste memorial são referentes às instalações de cabeamento estruturado do prédio sede do Tribunal Regional do Trabalho 12ª Região TRT, localizado na Av. Jorn.Rubens

Leia mais

REFORMA SALA DO NÚCLEO DE SEGURANÇA PROJETO TELECOMUNICAÇÕES

REFORMA SALA DO NÚCLEO DE SEGURANÇA PROJETO TELECOMUNICAÇÕES REFORMA SALA DO NÚCLEO DE SEGURANÇA MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO TELECOMUNICAÇÕES Responsabilidade e Compromisso com o Meio Ambiente MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO TELECOMUNICAÇÕES OBRA: Reforma Sala do Núcleo

Leia mais

NODAL Versão 3.0 Programa de Simulação de Tarifas de Uso do Sistema Elétrico MANUAL DO USUÁRIO ANEEL Agência Nacional de Energia Elétrica

NODAL Versão 3.0 Programa de Simulação de Tarifas de Uso do Sistema Elétrico MANUAL DO USUÁRIO ANEEL Agência Nacional de Energia Elétrica NODAL Versão 3.0 Programa de Smulação de Tarfas de Uso do Sstema Elétrco MANUAL DO USUÁRIO ANEEL Agênca Naconal de Energa Elétrca ÍNDICE. INTRODUÇÃO...-.. CONSIDERAÇÕES...-.2. FUNÇÃO DO PROGRAMA...-2.3.

Leia mais

Introdução à Análise de Dados nas medidas de grandezas físicas

Introdução à Análise de Dados nas medidas de grandezas físicas Introdução à Análse de Dados nas meddas de grandezas físcas www.chem.wts.ac.za/chem0/ http://uregna.ca/~peresnep/ www.ph.ed.ac.uk/~td/p3lab/analss/ otas baseadas nos apontamentos Análse de Dados do Prof.

Leia mais

Noções de Cabeamento Estruturado Metálico

Noções de Cabeamento Estruturado Metálico Noções de Cabeamento Estruturado Metálico Roteiro Parâmetros elétricos Cuidados com cabos metálicos Normas 568 / 606 Elementos do cabeamento estruturado Cabeamento Embora pareça uma questão simples, um

Leia mais

2º Ciclo de Estudos Mestrado em Engenharia Civil ramo de Estruturas e Geotecnia. Normas Regulamentares

2º Ciclo de Estudos Mestrado em Engenharia Civil ramo de Estruturas e Geotecnia. Normas Regulamentares 2º Cclo de Estudos Mestrado em Engenhara Cvl ramo de Estruturas e Geotecna Normas Regulamentares Artgo 1º Cração 1) A Unversdade Nova de Lsboa, através da Faculdade de Cêncas e Tecnologa, confere o grau

Leia mais

FICHA TÉCNICA PATCH PANEL 24 PORTAS C5e RoHS

FICHA TÉCNICA PATCH PANEL 24 PORTAS C5e RoHS FICHA TÉCNICA PATCH PANEL 24 PORTAS C5e RoHS 1- Aplicação: Este produto aplica-se a sistemas de cabeamento estruturado, para tráfego de voz, dados e imagens, do tipo 10BASE-T, 100BASE-Tx, 155M ATM, 4/16MB

Leia mais

REGULAMENTO. Private Solutions VGBL TOP

REGULAMENTO. Private Solutions VGBL TOP REGULAMENTO Private Solutions VGBL TOP ÍNDCE TÍTULO - DAS CARACTERÍSTCAS 4 TÍTULO - DAS DEFNÇÕES 5 TÍTULO - DA CONTRATAÇÃO DO PLANO 6 TÍTULO V - DA DVULGAÇÃO DE NFORMAÇÕES 7 CAPÍTULO - AOS SEGURADOS 7

Leia mais

PLANILHAS EXCEL/VBA PARA PROBLEMAS ENVOLVENDO EQUILÍBRIO LÍQUIDO-VAPOR EM SISTEMAS BINÁRIOS

PLANILHAS EXCEL/VBA PARA PROBLEMAS ENVOLVENDO EQUILÍBRIO LÍQUIDO-VAPOR EM SISTEMAS BINÁRIOS PLANILHAS EXCEL/VBA PARA PROBLEMAS ENVOLVENDO EQUILÍBRIO LÍQUIDO-VAPOR EM SISTEMAS BINÁRIOS L. G. Olvera, J. K. S. Negreros, S. P. Nascmento, J. A. Cavalcante, N. A. Costa Unversdade Federal da Paraíba,

Leia mais

Graduação Tecnológica em Redes de Computadores. Infraestrutura de Redes de Computadores

Graduação Tecnológica em Redes de Computadores. Infraestrutura de Redes de Computadores Graduação Tecnológica em Redes de Computadores Infraestrutura de Redes de Computadores Euber Chaia Cotta e Silva euberchaia@yahoo.com.br Graduação Tecnológica em Redes de Computadores Introdução ao cabeamento

Leia mais

Estatística stica Descritiva

Estatística stica Descritiva AULA1-AULA5 AULA5 Estatístca stca Descrtva Prof. Vctor Hugo Lachos Davla oo que é a estatístca? Para mutos, a estatístca não passa de conjuntos de tabelas de dados numércos. Os estatístcos são pessoas

Leia mais

Ventilação Não Invasiva

Ventilação Não Invasiva Ventlação Não Invasva Nossa meta é clara: aperfeçoamento sgnfcatvo em qualdade de vda A ventlação não nvasva bem sucedda faz com que os músculos respratóros se restabeleçam e o pacente se torne mas atvo

Leia mais

manual do cliente Manual do Cliente 409-10204-PT 30 de MAIO 2012 Rev E

manual do cliente Manual do Cliente 409-10204-PT 30 de MAIO 2012 Rev E Máqunas de Termnação AMP 3K/40* CE 2161400-[ ] e Máqunas de Termnação AMP 5K/40* CE 2161500-[ ] Manual do Clente 409-10204-PT 30 de MAIO 2012 manual do clente PRECAUÇÕES DE SEGURANÇA LEIA ISTO EM PRIMEIRO

Leia mais

inversores de frequência manual de utilização completo

inversores de frequência manual de utilização completo vacon 10 nversores de frequênca manual de utlzação completo Document code: DPD00644 Last edted: 28.09.2011 1. Segurança...3 1.1 Avsos...3 1.2 Instruções de segurança...5 1.3 Lgação à terra e proteção contra

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Departamento de Compras e Licitações - DCL Campus Universitário Trindade Florianópolis SC CEP 88.040-900 CNPJ/MF n 83.899.526/0001-82 Telefone

Leia mais

ECO HD. Bloco 110 e Organizadores Bloco 110 Categoria 5e 35 Bloco 110 Categoria 6 36 Organizadores de cabos 38

ECO HD. Bloco 110 e Organizadores Bloco 110 Categoria 5e 35 Bloco 110 Categoria 6 36 Organizadores de cabos 38 Página Patch Panel Patch Panel cat. 6 32 P. Modular 48 portas em 1UR cat.6 32 Patch Panel Modular descar. 24 portas 33 Voice Panel 1UR 50 Portas 34 Bloco 110 e Organizadores Bloco 110 Categoria 5e 35 Bloco

Leia mais

17750 Diário da República, 2.ª série N.º 77 19 de Abril de 2011

17750 Diário da República, 2.ª série N.º 77 19 de Abril de 2011 17750 Dáro da Repúblca, 2.ª sére N.º 77 19 de Abrl de 2011 2) Consttuem anda recetas do Mestrado os valores arrecadados provenentes de compartcpações ou donatvos de nsttuções públcas ou prvadas destnadas

Leia mais

APRENDIZAGEM INDUSTRIAL. UNIDADE 3 Técnicas de cabeamento

APRENDIZAGEM INDUSTRIAL. UNIDADE 3 Técnicas de cabeamento APRENDIZAGEM INDUSTRIAL UNIDADE 3 Técnicas de cabeamento O cabeamento horizontal Compreende os segmentos de cabos que são lançados horizontalmente entre as áreas de trabalho e as salas de telecomunicações

Leia mais

PROJETO DE REDE LOCAL E BACKBONE

PROJETO DE REDE LOCAL E BACKBONE São Paulo, 29 de julho de 2010 PROJETO DE REDE LOCAL E BACKBONE 1. Informações e recomendações importantes O projeto foi solicitado pela Unidade para a implantação de rede local para o prédio GETS, sendo

Leia mais

EIA/TIA 569-B infra-estrutura caminhos e espaços

EIA/TIA 569-B infra-estrutura caminhos e espaços ANSI EIA/TIA 569-B EIA/TIA 569-B infra-estrutura caminhos e espaços Conforme a EIA/TIA 569A a infra-estrutura é dividida nos seguintes subsistemas: Área de Trabalho; Percursos horizontais; Sala ou armário

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul Prefeitura Municipal de Venâncio Aires

Estado do Rio Grande do Sul Prefeitura Municipal de Venâncio Aires MEMORIAL DESCRITIVO REESTRUTURAÇÃO E CABEAMENTO ESTRUTURADO E ELÉTRICO 1. APRESENTAÇÃO O presente memorial descritivo refere-se ao projeto de reforma das instalações de Telecomunicações, Cabeamento Estruturado

Leia mais

ANALISADOR DE EVENTOS EM TEMPO QUASE-REAL

ANALISADOR DE EVENTOS EM TEMPO QUASE-REAL XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 GPC.01 22 a 25 Novembro de 2009 Recfe - PE GRUPO -V GRUPO DE ESTUDO DE PROTEÇÃO, MEDIÇÃO, CONTROLE E AUTOMAÇÃO EM SISTEMAS

Leia mais

Software para Furação e Rebitagem de Fuselagem de Aeronaves

Software para Furação e Rebitagem de Fuselagem de Aeronaves Anas do 14 O Encontro de Incação Centífca e Pós-Graduação do ITA XIV ENCITA / 2008 Insttuto Tecnológco de Aeronáutca São José dos Campos SP Brasl Outubro 20 a 23 2008. Software para Furação e Rebtagem

Leia mais

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS Depto de Físca/UFMG Laboratóro de Fundamentos de Físca NOTA II TABELAS E GRÁFICOS II.1 - TABELAS A manera mas adequada na apresentação de uma sére de meddas de um certo epermento é através de tabelas.

Leia mais

Eletricidade 3 Questões do ENEM. 8. Campo Elétrico 11 Questões do ENEM 13. Energia Potencial Elétrica 15 Questões do ENEM 20

Eletricidade 3 Questões do ENEM. 8. Campo Elétrico 11 Questões do ENEM 13. Energia Potencial Elétrica 15 Questões do ENEM 20 1 4º Undade Capítulo XIII Eletrcdade 3 Questões do ENEM. 8 Capítulo XIV Campo Elétrco 11 Questões do ENEM 13 Capítulo XV Energa Potencal Elétrca 15 Questões do ENEM 20 Capítulo XVI Elementos de Um Crcuto

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS GERAL DETECEÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO

MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS GERAL DETECEÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO 1 MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS GERAL DETECEÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO CLIENTE: OBRA: LOCAL: BNDES RETROFIT DESUL AV. JUSCELINO KUBITSCHEK,

Leia mais

VACUUM TECHNOLOGY LC.25 LC.40 LC.60 LC.106 LC.151 LC.205 LC.305 LC.205HV LC.305HV MANUAL DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO. www.dvp.it - info@dvp.

VACUUM TECHNOLOGY LC.25 LC.40 LC.60 LC.106 LC.151 LC.205 LC.305 LC.205HV LC.305HV MANUAL DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO. www.dvp.it - info@dvp. VACUUM TECHNOLOGY MANUAL DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO (Tradução das nstruções orgnas) BOMBAS DE VÁCUO LUBRIFICADAS A RECICULAÇÃO - nfo@dvp.t LC.25 LC.40 LC.60 LC.106 LC.151 LC.205 LC.305 LC.205HV LC.305HV

Leia mais

PROJETO: REDE LOCAL WIRELESS - RH

PROJETO: REDE LOCAL WIRELESS - RH PROJETO: REDE LOCAL WIRELESS - RH Março de 2011 ESPECIFICAÇÕES DO OBJETO: APRESENTAÇÃO PARTES QUE COMPÕEM O PROJETO PARTE I Descrição do Projeto WIRELESS. PARTE II Descrição Sistema de REDE SEM FIO. PARTE

Leia mais

158516.182014.137447.4474.277995780.540

158516.182014.137447.4474.277995780.540 158516.182014.137447.4474.277995780.540 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Santa Catarina Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina Ata de Realização do Pregão Eletrônico

Leia mais

FICHA TÉCNICA JACK RJ-45 C5e

FICHA TÉCNICA JACK RJ-45 C5e FICHA TÉCNICA JACK RJ-45 C5e 1- Aplicação: Este produto aplica-se a sistemas de cabeamento estruturado, para tráfego de voz, dados e imagens, em conformidade com os requisitos estabelecidos na Norma ANSI/TIA/EIA-568B.2

Leia mais

Probabilidade e Estatística. Correlação e Regressão Linear

Probabilidade e Estatística. Correlação e Regressão Linear Probabldade e Estatístca Correlação e Regressão Lnear Correlação Este uma correlação entre duas varáves quando uma delas está, de alguma forma, relaconada com a outra. Gráfco ou Dagrama de Dspersão é o

Leia mais

7.4 Precificação dos Serviços de Transmissão em Ambiente Desregulamentado

7.4 Precificação dos Serviços de Transmissão em Ambiente Desregulamentado 64 Capítulo 7: Introdução ao Estudo de Mercados de Energa Elétrca 7.4 Precfcação dos Servços de Transmssão em Ambente Desregulamentado A re-estruturação da ndústra de energa elétrca que ocorreu nos últmos

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA REDE DA DADOS LOCAL OBRA: CASA DA DUQUE - PINACOTECA ALDO LOCATELLI LOCAL: Rua Duque de Caxias, n. 973

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA REDE DA DADOS LOCAL OBRA: CASA DA DUQUE - PINACOTECA ALDO LOCATELLI LOCAL: Rua Duque de Caxias, n. 973 ANEXO III ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA REDE DA DADOS LOCAL OBRA: CASA DA DUQUE - PINACOTECA ALDO LOCATELLI LOCAL: Rua Duque de Caxias, n. 973 - Porto Alegre (RS) PROPRIETÁRIO: EPHAC TENSÃO PRIMÁRIA DE ABASTECIMENTO:

Leia mais

PAINEL DE ACESSO FRONTAL CATEGORIA 5 ENHANCED

PAINEL DE ACESSO FRONTAL CATEGORIA 5 ENHANCED PAINEL DE ACESSO FRONTAL CATEGORIA 5 ENHANCED Aplicações imagens, segundo requisitos da norma ANSI/TIA/EIA-568A, uso interno, para cabeamento horizontal ou secundário, em salas de telecomunicações (cross-connect)

Leia mais

METROLOGIA E ENSAIOS

METROLOGIA E ENSAIOS METROLOGIA E ENSAIOS Incerteza de Medção Prof. Aleandre Pedott pedott@producao.ufrgs.br Freqüênca de ocorrênca Incerteza da Medção Dstrbução de freqüênca das meddas Erro Sstemátco (Tendênca) Erro de Repettvdade

Leia mais

ANÁLISE DE CUSTOS DE CONDUTORES NÃO CONVENCIONAIS UTILIZADOS EM INSTALAÇÕES ELÉTRICAS RURAIS

ANÁLISE DE CUSTOS DE CONDUTORES NÃO CONVENCIONAIS UTILIZADOS EM INSTALAÇÕES ELÉTRICAS RURAIS ANÁLISE DE CUSTOS DE CONDUTORES NÃO CONVENCIONAIS UTILIZADOS EM INSTALAÇÕES ELÉTRICAS RURAIS Rodrgues, Rcardo Martn; Sern, Paulo José Amaral; Rodrgues, José Francsco Departamento de Engenhara Elétrca Faculdade

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA TERMO DE REFERÊNCIA

TERMO DE REFERÊNCIA TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA PARA FORNECIMENTO DE MATERIAIS E SERVIÇOS NECESSÁRIOS À READEQUAÇÃO DE INFRAESTRUTURA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO E METÁLICO DE VOZ DO AEROPORTO DE BAGÉ TERMO DE REFERÊNCIA

Leia mais

Anexo 3 - MEMORIAL DESCRITIVO DA AMPLIAÇÃO DO ALMOXARIFADO - TI ET 07-02-203

Anexo 3 - MEMORIAL DESCRITIVO DA AMPLIAÇÃO DO ALMOXARIFADO - TI ET 07-02-203 Anexo 3 - MEMORIAL DESCRITIVO DA AMPLIAÇÃO DO ALMOXARIFADO - TI ET 07-02-203 1 REDE ESTRUTURADA DE TELECOMUNICAÇÕES Introdução O sistema de Telecomunicações constará alimentação dos pontos de comunicação

Leia mais

www.halten.com.br 21-3095-6006

www.halten.com.br 21-3095-6006 NÍVEL: BÁSCO www.halten.com.br 21-3095-6006 ASSUNTO:CUROSDADES SOBRE RAOS E PROTEÇÃO O QUE É O RAO? O RAO É UM FENÔMENO DA NATUREZA, ALEATÓRO E MPREVSÍVEL. É COMO SE FOSSE UM CURTO CRCUÍTO ENTRE A NUVEM

Leia mais

Organização da Aula. Gestão de Obras Públicas. Aula 2. Projeto de Gestão de Obras Públicas Municipais. Contextualização

Organização da Aula. Gestão de Obras Públicas. Aula 2. Projeto de Gestão de Obras Públicas Municipais. Contextualização Gestão de Obras Públcas Aula 2 Profa. Elsamara Godoy Montalvão Organzação da Aula Tópcos que serão abordados na aula Admnstração e Gestão Muncpal Problemas Admnstração e Gestão Muncpal Gestão do Conhecmento

Leia mais

Controle de qualidade de produto cartográfico aplicado a imagem de alta resolução

Controle de qualidade de produto cartográfico aplicado a imagem de alta resolução Controle de qualdade de produto cartográfco aplcado a magem de alta resolução Nathála de Alcântara Rodrgues Alves¹ Mara Emanuella Frmno Barbosa¹ Sydney de Olvera Das¹ ¹ Insttuto Federal de Educação Cênca

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI NA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS. Uma equação simplificada para se determinar o lucro de uma empresa é:

UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI NA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS. Uma equação simplificada para se determinar o lucro de uma empresa é: UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI A REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS Ademr José Petenate Departamento de Estatístca - Mestrado em Qualdade Unversdade Estadual de Campnas Brasl 1. Introdução Qualdade é hoje

Leia mais

RELATÓRION0 /2012 Acompanhamento de Projeto Período: / / pág.oi/o/ Contrapartida Não-Rnanceira

RELATÓRION0 /2012 Acompanhamento de Projeto Período: / / pág.oi/o/ Contrapartida Não-Rnanceira RELATÓRION0 /2012 de Projeto Período: / / pág.o/o/ Contrapartda Não-Rnancera Projeto: Sala de stuação para montoramento hdrológco e sstema de prevsão e alerta de cheas com estação lnmétrca para o muncípo

Leia mais

CORRENTE ELÉTRICA, RESISTÊNCIA, DDP, 1ª E 2ª LEIS DE OHM

CORRENTE ELÉTRICA, RESISTÊNCIA, DDP, 1ª E 2ª LEIS DE OHM FÍSICA COENTE ELÉTICA, ESISTÊNCIA, DDP, ª E ª LEIS DE OHM. CAGA ELÉTICA (Q) Observa-se, expermentalmente, na natureza da matéra, a exstênca de uma força com propredades semelhantes à força gravtaconal,

Leia mais