2 O aluno de Mestrado deve cursar pelo menos 2 (duas) disciplinas obrigatórias.

Save this PDF as:
Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "2 O aluno de Mestrado deve cursar pelo menos 2 (duas) disciplinas obrigatórias."

Transcrição

1 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 1, do Conselho do Programa de Pós-Graduação Normatiza as disciplinas obrigatórias, conforme indicado nos artigo 25º do Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Agronomia (Entomologia Agrícola). 1 O conjunto de Disciplinas obrigatórias é composto por Disciplinas básicas na formação do Mestre e Doutor da área de concentração em Entomologia Agrícola: Morfologia dos Insetos; Biologia dos Insetos; Fisiologia dos Insetos e Métodos Estatísticos Aplicados à Entomologia. 2 O aluno de Mestrado deve cursar pelo menos 2 (duas) disciplinas obrigatórias. 3 O aluno de Doutorado deverá cursar todas as disciplinas obrigatórias. 3.1 Disciplinas obrigatórias cursadas durante o Mestrado poderão ser aproveitadas pelos alunos de Doutorado, conforme normas vigentes. 4 Os casos omissos serão resolvidos, conforme o grau de competência e oportunidade, 5 Esta Instrução Normativa entrará em vigor assim que aprovada pela Congregação da

2 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 2, do Conselho do Programa de Pós-Graduação em Normatiza o Plano Global de Atividades, Projeto de Pesquisa e Relatórios de Atividades, em atendimento ao regulamentado no artigo 28, do Regulamento do Programa de Pós- Graduação em Agronomia (Entomologia Agrícola). 1 Plano Global de Atividades contendo as disciplinas (inclusive obrigatórias) a serem cursadas durante o programa deve ser encaminhado ao Conselho do Programa no ato da matrícula dos alunos ingressantes. 1.1 O Plano Global de Atividades cujo modelo encontra-se na página do Programa na internet deve ser encaminhado pelo orientador, por meio de ofício, com visto do aluno. 1.2 O orientador deve analisar, sugerir e avalizar as disciplinas a serem cursadas durante o programa. 2 Projeto de Pesquisa contendo título, resumo, introdução, referencial teórico (revisão de literatura), material e métodos, cronograma de atividades e referências deve ser entregue até a 2a. matrícula (final do 1o. semestre de estudo). 2.1 O Projeto de Pesquisa deve ser encaminhado pelo orientador, por meio de ofício, ao conselho do Programa, cujo modelo encontra-se na página do Programa na internet, com visto do aluno. Cópia digital (em formato PDF) deve ser enviada para o endereço eletrônico do programa. 2.2 O orientador deve contribuir com a escolha do tema e discussão do projeto de pesquisa. 3 Relatório de Atividades deverá ser entregue semestralmente no momento da matrícula. 3.1 O Relatório de Atividades deve conter as disciplinas cursadas e respectivos conceitos e frequências, atividades referentes à pesquisa (Dissertação ou Tese) e outras atividades complementares. 3.2 O encaminhamento deve ser feito pelo aluno, por meio de ofício, ao Conselho do Programa, cujo modelo encontra-se na página do Programa na internet, com visto do orientador. Cópia digital (em formato PDF) deve ser enviada para o endereço eletrônico do programa. 4 Os casos omissos serão resolvidos, conforme o grau de competência e oportunidade, Congregação da Unidade ou Câmara Central de Pós- graduação. 5 Esta Instrução Normativa entrará em vigor assim que aprovada pela Congregação da

3 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 3, do Conselho do Programa de Pós-Graduação em Agronomia (Entomologia Agrícola), da UNESP Campus de Jaboticabal, aprovada em Normatiza as atribuições do orientador e critérios para inclusão de coorientadores de alunos no Programa de Pós-Graduação em Agronomia (Entomologia Agrícola) do Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Agronomia (Entomologia Agrícola). 1 O orientador deverá ser obrigatoriamente docente devidamente credenciado no programa. Cabe ao orientador as seguintes atribuições: a) Elaborar o Plano Global de Atividades, de comum acordo com o orientando, e manifestar-se sobre alterações supervenientes; b) Acompanhar o desempenho do aluno, orientando-o em todas as questões referentes ao bom desenvolvimento de suas atividades; c) Solicitar ao Conselho do Programa as providências para realização do Exame Geral de Qualificação e para a defesa da Dissertação ou Tese, sugerindo nomes de especialistas para a composição da Comissão Examinadora; d) Participar, como membro nato e presidente, da Comissão Examinadora de seus orientandos; e) Justificar os pedidos de aproveitamento de créditos; f) Manifestar concordância sobre pedidos de suspensão de matrícula; g) Solicitar, mediante justificativa, o desligamento do orientando, garantindo ao mesmo amplo direito de defesa. 2 Poderá o orientador, de comum acordo com o seu orientando, indicar um ou mais coorientadores, com a devida aprovação do Conselho do Programa. 2.1 O coorientador deverá ser doutor, especialista de reconhecido valor e com qualificação e experiência inquestionáveis para assegurar o desenvolvimento da proposta de pesquisa de Dissertação ou Tese. O coorientador deverá ser profissional consolidado e reconhecido por instituições de ensino, pesquisa e fomento A coorientação poderá ser incluída nas situações em que o projeto de pesquisa do aluno envolve domínio multidisciplinar e requer experiência de pesquisador(es) de outra(s) disciplina(s) ou área(s) de estudo(s) diferentes do domínio do orientador O coorientador não precisará, necessariamente, ser professor credenciado no Programa A solicitação de coorientador deve ser realizada por meio de ofício encaminhado pelo orientador ao Conselho do Programa com justificativa e concordância do aluno e do indicado. O CV Lattes do professor ou pesquisador indicado deve ser também anexado, caso não seja docente credenciado no Programa de Pós- Graduação em Agronomia (Entomologia Agrícola).

4 3 O coorientador somente participará de Comissão Examinadora no impedimento do orientador. 4 Os casos omissos serão resolvidos, conforme o grau de competência e oportunidade, pelo Conselho do Programa de Pós-graduação em Agronomia (Entomologia), 5 Esta Instrução Normativa entrará em vigor assim que aprovada pela Congregação da

5 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 4, do Conselho do Programa de Pós-Graduação Agronomia (Entomologia Agrícola), da UNESP Campus de Jaboticabal, aprovada em Normatiza a comprovação de proficiência em idiomas pelos discentes dos Cursos de Mestrado e de Doutorado, conforme regulamentado nos artigos 3º, inciso I, e 4º, inciso I, do Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Agronomia (Entomologia Agrícola). 1 A proficiência em um idioma estrangeiro para o Curso de Mestrado e em dois idiomas estrangeiros para o Curso de Doutorado deverá ser comprovada, junto ao Conselho do Programa, por meio de documentação pertinente encaminhada pelo interessado e orientador (modelo encontra-se na página do Programa na internet), caso não seja diretamente encaminhada por empresa credenciada junto à UNESP, em até 12 meses após o início do Curso. 1.1 Considera-se como idioma estrangeiro qualquer idioma diferente do Português. 1.2 A proficiência no idioma Inglês é obrigatória tanto para o mestrando quanto para o doutorando. 1.3 A proficiência no idioma Português é obrigatória para o aluno estrangeiro. 1.4 A segunda opção de proficiência em idioma estrangeiro deverá ser um dos idiomas apresentados no regulamento (Espanhol, Francês, Italiano ou Alemão) O aluno estrangeiro do Curso de Doutorado poderá aproveitar o seu idioma de origem como um dos idiomas estrangeiros desde que seja Espanhol, Francês, Italiano ou Alemão, conforme estabelecido pelo regulamento. 2 O aluno poderá apresentar atestado de proficiência obtido em Instituição competente que realiza exames de proficiência. 2.1 Será considerado proficiente, o discente que obtiver aprovação em, no mínimo, nível intermediário. 3 A proficiência em idioma estrangeiro demonstrada pelo aluno no Curso de Mestrado poderá ser aproveitada para o Curso de Doutorado, desde que devidamente comprovada no histórico escolar do Mestrado e solicitada por meio de documentação adequada encaminhada pelo interessado e orientador ao Conselho do Programa (modelo encontra-se na página do Programa na internet). 4 Os casos omissos serão resolvidos, conforme o grau de competência e oportunidade, 5 Esta Instrução Normativa entrará em vigor assim que aprovada pela Congregação da

6 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 5, do Conselho do Programa de Pós-Graduação em Normatiza o aproveitamento de créditos cursados no Mestrado pelo aluno para o Curso de Doutorado, conforme indicado no artigo 6º do Regulamento do Programa Agronomia (Entomologia Agrícola). 1 Ao ingressar no Curso de Doutorado, caso haja interesse do aluno e desde que seu orientador esteja de acordo, os créditos em disciplinas e atividades complementares poderão ser aproveitados para integralização de créditos do Curso de Doutorado, até o máximo permitido no Regulamento do Programa de Pós-graduação em Agronomia (Entomologia Agrícola). 2 A solicitação deve ser feita pelo orientador em ofício encaminhado ao Conselho do Programa, cujo modelo encontra-se na página do Programa na internet. 2.1 A solicitação deverá conter justificativa circunstanciadas e ser apresentada ao Conselho até a segunda matrícula. 3 O Conselho poderá não aproveitar os créditos de disciplina(s): a) Que tenha(m) sido cursada(s) há mais de oito anos. b) Que não seja(m) afim(ns) à formação acadêmica a que se propõe o aluno em seu Curso de Doutorado. c) Quando ultrapassar(em) os 96 créditos regulamentares máximos para aproveitamento no Curso de Doutorado. Neste caso, a(s) disciplina(s) poderá(ão) ser listada(s) no assentamento escolar do Curso, porém sem cômputo do(s) crédito(s). 4 Os casos omissos serão resolvidos, conforme o grau de competência e oportunidade, 5 Esta Instrução Normativa entrará em vigor assim que aprovada pela Congregação da

7 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 6, do Conselho do Programa de Pós-Graduação em Normatiza o aproveitamento de créditos cursados como aluno vinculado ou especial, para aproveitamento no Curso de Mestrado ou Doutorado, conforme indicado no artigo 7º do Regulamento do Programa Agronomia (Entomologia Agrícola). 1 Caso haja interesse do aluno e desde que seu orientador esteja de acordo, os créditos em disciplinas cursadas como aluno vinculado ou especial poderão ser aproveitados para integralização de créditos do Curso de Mestrado ou Doutorado. 2 A solicitação deve ser feita pelo aluno em ofício encaminhado ao Conselho do Programa, cujo modelo encontra-se na página do Programa na internet. 2.1 Para as disciplinas cursadas anteriormente ao início do Curso, a solicitação deverá conter justificativa circunstanciada e ser apresentada ao Conselho até a segunda matrícula. 2.2 Para as disciplinas cursadas durante o Curso, a solicitação deverá conter justificativa circunstanciada e ser apresentada ao Conselho dentro do período de integralização dos créditos em disciplinas. 3 O Conselho poderá não considerar créditos de disciplina(s): a) Que tenha(m) sido cursada(s) há mais de oito anos. b) Que não seja(m) afim(ns) à formação acadêmica a que se propõe o aluno em seu Curso de Mestrado ou Doutorado. c) Quando ultrapassar(em) os 48 ou 96 créditos regulamentares máximos para aproveitamento de disciplinas nos Cursos de Mestrado e Doutorado, respectivamente. d) Quando ultrapassar(em) o limite de 20 créditos que podem ser realizados fora do Programa. 4 Os casos omissos serão resolvidos, conforme o grau de competência e oportunidade, 5 Esta Instrução Normativa entrará em vigor assim que aprovada pela Congregação da

8 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 7, do Conselho do Programa de Pós-Graduação em Normatiza o aproveitamento de créditos em Atividades Complementares, em atendimento ao regulamentado nos artigos 3º, inciso II, alínea c, e 4º, inciso II, alínea c, do Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Agronomia (Entomologia Agrícola). 1 Somente será atribuído crédito a artigo científico, livro ou capítulo de livro publicado. 1.1 Artigo Científico O artigo científico deverá ter sido publicado em Periódico Científico nacional ou internacional classificado no QUALIS-CAPES, em A1, A2 ou B Será considerada a classificação obtida pelo Periódico no QUALIS- CAPES quando da publicação do trabalho O artigo proposto para aproveitamento de crédito em Atividade Complementar deverá ter o pós-graduando solicitante do processo como primeiro autor e o docente-orientador como co-autor A solicitação de crédito deve ser encaminhada em ofício assinado pelo orientador e aluno, com cópia anexa do artigo publicado Serão atribuídos: a) quatro (4) créditos por trabalho publicado em revista científica QUALIS-CAPES com conceito A1. b) três (3) créditos por trabalho publicado em revista científica QUALIS-CAPES com conceito A2. c) dois (2) créditos por trabalho publicado em revista científica QUALIS-CAPES com conceito B Livro e Capítulo de livro O livro ou capítulo de livro proposto para aproveitamento de crédito em atividade complementar deverá ter o pós-graduando solicitante do processo e o docente-orientador como autores ou editores O livro é definido como um produto impresso ou eletrônico que possui ISBN, mínimo de 50 páginas e publicado por editora universitária ou comercial, associação científica ou cultural, instituição de pesquisa ou órgão oficial, conforme critérios CAPES A solicitação de crédito deve ser encaminhada em ofício assinado pelo aluno e orientador, com cópia anexa da capa, ficha catalográfica e índice de autores Serão atribuídos: a) três (3) créditos por livro; b) dois (2) créditos por capítulo de livro. 2 Os casos omissos serão resolvidos, conforme o grau de competência e oportunidade,

9 Congregação da Unidade ou Câmara Central de Pós- graduação. 3 Esta Instrução Normativa entrará em vigor assim que aprovada pela Congregação da

10 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 8, do Conselho do Programa de Pós-Graduação em Normatiza os critérios de transferência de alunos do Curso de Mestrado para Doutorado Direto, conforme indicado no artigo 15º do Regulamento do Programa Agronomia (Entomologia Agrícola). 1 A solicitação para mudança do Curso de Mestrado para o Doutorado Direto deverá ser constituída pelos seguintes documentos: a) Ofício do orientador ao Conselho do Programa solicitando e justificando as razões do pedido de transferência do pós-graduando entre os Cursos. b) Relatório com os resultados do projeto atual e os avanços esperados com o novo projeto. c) Cópia do projeto a ser desenvolvido no Curso de Doutorado direto. d) Comprovante ou declaração de agência de fomento de aprovação prévia de bolsa de estudos para Doutoramento Direto. e) Cópia impressa do Currículo Lattes atualizado. f) Comprovante de publicação de pelo menos dois artigos científicos como autor principal, nos últimos três anos em relação a data da presente solicitação, em revista científica classificada como A1, A2 ou B1 no QUALIS-CAPES. 2 A transferência de Curso somente será avaliada se: a) O pós-graduando não completou 18 meses no Curso de Mestrado, e b) O orientador satisfazer o perfil de docente do grupo permanente de Programas de Pós-Graduação, na área de Ciências Agrárias I, com conceito, no mínimo, 5 (cinco). 3 Os casos omissos serão resolvidos, conforme o grau de competência e oportunidade, 4 Esta Instrução Normativa entrará em vigor assim que aprovada pela Congregação da

11 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 9, do Conselho do Programa de Pós-Graduação em Normatiza o Exame Geral de Qualificação dos Cursos de Mestrado e de Doutorado, conforme regulamentado nos artigos 3º, inciso III, e 4º, inciso III, do Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Agronomia (Entomologia Agrícola). 1 O Exame Geral de Qualificação (EGQ) é um requisito obrigatório para os alunos dos Cursos de Mestrado e de Doutorado do Programa de Pós-Graduação Agronomia (Entomologia Agrícola) e tem por objetivo avaliar a capacidade de pensar e se expressar de forma independente, criativa e crítica, bem como o domínio na área de Entomologia Agrícola, incluindo a habilidade para sintetizar conceitos amplos e informações detalhadas. O nível de conhecimento precisa ser suficiente para demonstrar competência de que o aluno está apto para avançar para a defesa da dissertação de Mestrado ou tese de Doutorado e desenvolver trabalho profissional de qualidade na área. 2 O aluno não terá direito a realização do EGQ: 2.1 Caso não tenha integralizado o número de créditos exigidos em disciplinas. 2.2 Caso estiver, ou seu orientador, devendo documento(s) ao Programa. 3 O EGQ deverá ser solicitado pelo orientador, mediante ofício ao Conselho do Programa, após integralização dos créditos pelo aluno e, no máximo, com 22 e 38 meses, respectivamente, para o Mestrado e Doutorado, após o início do Curso. 3.1 No ofício, o orientador deverá: Sugerir seis docentes do Programa de Pós-graduação em Agronomia (Entomologia Agrícola) para a composição da comissão examinadora Sugerir dez temas relacionados à formação do aluno e sua linha de pesquisa, que deverão ser homologados pelo Conselho. Um tema será selecionado por sorteio pelo Conselho do Programa de Pós-Graduação em Agronomia (Entomologia Agrícola, para a prova escrita (Mestrado) ou aula expositiva (Doutorado) a ser apresentada pelo aluno e posterior arguição pela comissão. 4 A comissão examinadora do EGQ de mestrandos e de doutorandos será composta por três (3) professores credenciados no Programa de Pós-graduação em Agronomia (Entomologia Agrícola) e indicados pelo Conselho do Programa com base na lista sugerida pelo orientador. 5 São documentos que deverão acompanhar o ofício do orientador, por ocasião da solicitação do EGQ de mestrandos e doutorandos: a) Um artigo científico, extraído de sua dissertação ou tese, formatado segundo as normas de um Periódico Científico de sua escolha. Como opção do candidato, o artigo poderá ser apresentado no idioma exigido pela revista.

12 b) Cópia das normas do Periódico Científico escolhido. 6 Exceto para o ofício, os documentos deverão ser encaminhados em seis vias, das quais cinco encadernadas. 7 Após a aprovação da comissão examinadora do EGQ pelo Conselho do Programa de Pós-Graduação em Agronomia (Entomologia Agrícola), o aluno deverá: 7.1 Entrar em contato com os membros da banca para decidirem a data, horário e local do exame; 7.2 Comunicar a data, horário e local do exame à Seção Técnica de Pós-graduação, garantindo-se o prazo mínimo de 12 dias e máximo de 30 dias entre essa comunicação e a realização do EGQ. 7.3 O EGQ deverá ser concluído antes de 26 e 42 meses do início do Curso do Mestrado e Doutorado, respectivamente. 8 A sessão do EGQ será pública, com exceção da prova escrita para os mestrandos. 8.1 A prova escrita para os mestrandos terá duração máxima de 2 h sobre tema a ser sorteado a partir dos pontos sugeridos e deverá ser iniciada imediatamente após o sorteio do ponto. Após a prova haverá leitura do texto e arguição pela comissão examinadora do EGQ A aula para os doutorandos terá duração de 40 a 50 minutos. O sorteio do ponto será realizado na Seção Técnica de Pós-Graduação 24 h antes do início da aula. Após a aula haverá arguição pela comissão examinadora do EGQ. 8.3 Cada examinador terá prazo máximo de 30 minutos para arguir o mestrando ou o doutorando. 9 Será considerado qualificado a prosseguir para a defesa da dissertação ou da tese, o aluno que receber nota maior ou igual a 7, na ficha de avaliação, pelos dois membros da comissão examinadora O orientador não avaliará o candidato 9.2 São pontos pertinentes à avaliação do candidato pelos membros da comissão examinadora: a) Prova escrita para o mestrando e aula expositiva para o doutorando. b) Artigo científico. c) Conhecimentos relativos à formação acadêmica do aluno. 10 Se o aluno for reprovado no EGQ, o orientador poderá solicitar novo exame uma única vez, no prazo máximo de 30 dias, desde que não seja impedido pelo prazo de conclusão de Curso, estabelecido no Regulamento do Programa. 11 Os casos omissos serão resolvidos, conforme o grau de competência e oportunidade, 12 Esta Instrução Normativa entrará em vigor assim que aprovada pela Congregação da

13

14 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 10, do Conselho do Programa de Pós-Graduação em Normatiza todos os procedimentos relativos à defesa de Dissertação e de Tese, conforme indicado no artigo 30º do Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Agronomia (Entomologia Agrícola). 1 Da solicitação e prazos para realização da defesa: 1.1 Estará apto a protocolar o pedido de defesa da Dissertação ou da Tese, o aluno de Mestrado ou de Doutorado que foi aprovado no Exame Geral de Qualificação, de acordo com as normas estabelecidas na Instrução Normativa A Dissertação ou a Tese deverá ser protocolada com pelo menos 30 dias de antecedência da data prevista para a defesa. 1.3 A solicitação para defesa da Dissertação ou Tese será composta de: a) Ofício do orientador ao Conselho do Programa, via protocolo na Seção Técnica de Comunicação da Unesp, Câmpus de Jaboticabal, sugerindo dez nomes de profissionais, doutores, com formação acadêmica e atuação profissional afins ao assunto apresentado pelo candidato ao título de Mestre ou Doutor. b) Ofício de encaminhamento da Dissertação de Mestrado ou Tese de Doutorado pelo aluno (modelo disponível na página do Programa) ao Conselho do Programa. c) Seis ou nove cópias da Dissertação ou Tese, respectivamente, encadernadas. d) Cópia da declaração do Periódico Científico de ter recebido um artigo científico de autoria do aluno e do orientador para avaliação de mérito e publicação. 1.4 O Conselho do Programa reserva-se o direito de não constituir a Comissão Examinadora do aluno enquanto esse ou seu orientador estiver devendo documento(s) ao Programa. 2 Da constituição da Comissão Examinadora e realização da defesa. 2.1 A composição da Comissão Examinadora será efetuada pelo Conselho do Programa a partir da lista de profissionais sugeridos pelo orientador, sendo três e cinco membros titulares para defesa de Mestrado e de Doutorado, respectivamente, e também levará em consideração as normas estabelecidas pela CAPES para composição de membros externos ao programa. 2.2 O envio dos exemplares da Dissertação ou Tese a ser defendida para os membros da Comissão Examinadora será realizado exclusivamente pela Seção Técnica de Pós-Graduação, da Unesp, Câmpus de Jaboticabal. Para tanto, o aluno deverá informar à Seção o local, a data e o horário da defesa com 20 dias de antecedência da data de defesa.

15 2.3 A defesa deverá ocorrer, no mínimo, 15 e, no máximo, 60 dias após a data de aprovação da comissão examinadora pelo Conselho do Programa, respeitando-se o prazo máximo de 27 e 45 meses para conclusão do Curso de Mestrado ou de Doutorado, respectivamente. 2.4 A defesa da Dissertação ou Tese será realizada em sessão pública e o aluno será considerado aprovado ou reprovado conforme decisão da maioria dos membros da Comissão Examinadora. 3 Da conclusão do Curso: 3.1 Para fazer jus à decisão de aprovado pela Comissão Examinadora e seu devido encaminhamento pelo Conselho para homologação da Congregação, a fim de concluir todo o processo de seu Curso de Mestrado ou de Doutorado, o aluno deverá entregar os documentos exigidos para esta etapa na Seção Técnica de Pós-Graduação. 3.2 O aluno que não entregar a Dissertação ou Tese na versão definitiva no prazo estabelecido por esta Instrução Normativa deverá se justificar e solicitar novo prazo à Congregação da FCAV/UNESP. A falta desta nova solicitação resultará no impedimento de obtenção do Diploma. 4 Os casos omissos serão resolvidos, conforme o grau de competência e oportunidade, 5 Esta Instrução Normativa entrará em vigor assim que aprovada pela Congregação da

16 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 11, do Conselho do Programa de Pós-Graduação em Normatiza os critérios de admissão de alunos especiais para cursar disciplinas, conforme indicado no artigo 17º do Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Agronomia (Entomologia Agrícola). 1 Profissionais portadores de diploma de Curso superior em Agronomia, Ciências Biológicas e áreas afins poderão se matricular em disciplinas do Programa de Pós-Graduação em Agronomia (Entomologia Agrícola) como discentes especiais. Discente especial é aquele não vinculado a Programa de Pós-graduação, que deseja apenas cursar eventualmente disciplinas, não tendo, inicialmente, interesse na obtenção do título de Mestre ou de Doutor. 2 Ao discente especial é vedada a matrícula em mais de uma disciplina em um mesmo semestre e permitida a matrícula, no máximo, em dois semestres consecutivos 3 A matrícula como discente especial deve ter o aval do docente que ministrará a disciplina e deve ser acompanhada de cópia impressa do Curriculo Lattes e justificativa do interessado. 4 Cabe ao Conselho do Programa de Pós-Graduação em Agronomia (Entomologia Agrícola) o aceite final da matrícula, considerando o percentual máximo de 20% de alunos especiais e vinculados, bem como formação acadêmica do interessado. 5 Os casos omissos serão resolvidos, conforme o grau de competência e oportunidade, pelo Conselho do Programa de Pós-graduação em Agronomia (Entomologia Agrícola), 6 Esta Instrução Normativa entrará em vigor assim que aprovada pela Congregação da

17 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 12, do Conselho do Programa de Pós-Graduação Normatiza a transferência de alunos entre Programas de Pós-Graduação, bem como o aproveitamento de créditos, conforme indicado no artigo 5º do Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Agronomia (Entomologia Agrícola). 1 Para transferir-se do Programa de Pós-Graduação em Agronomia (Entomologia Agrícola) para outro Programa, a solicitação deverá ser constituída por: a) Ofício do aluno ao Conselho do Programa de Pós-Graduação em Agronomia (Entomologia Agrícola), com justificativa do pedido de transferência. No ofício deve constar também a assinatura do atual orientador, manifestando concordância. 2 Para transferir-se de outro Programa para o de Agronomia (Entomologia Agrícola): 2.1 A solicitação somente será avaliada pelo Conselho do Programa: a) Quando o aluno ainda não integralizou os créditos mínimos exigidos em disciplinas em seu Programa de origem e b) Quando o aluno se propõe a ser orientado por um docente que pertença ao núcleo de docentes do grupo permanente do Programa de Pós-Graduação em Agronomia (Entomologia Agrícola), segundo a classificação que consta no relatório CAPES. O Conselho poderá considerar a classificação do docente no triênio vigente à presente solicitação do aluno, como também analisá-la segundo o planejamento para o triênio subsequente. 2.2 A solicitação deverá ser constituída por: a) Ofício do aluno ao Conselho do Programa de Pós-Graduação em Agronomia (Entomologia Agrícola), com justificativa do pedido de transferência. No ofício devem constar manifestações de concordância do orientador e coordenador do Programa de origem e do futuro orientador. b) Projeto de pesquisa a ser utilizado para fins de experimentação agronômica (dissertação ou tese). Em caso de mudança de orientador, mediante a transferência de Programa, o projeto de pesquisa de seu Programa de origem somente poderá ser mantido para execução no Programa de Pós-Graduação em Agronomia (Entomologia Agrícola) com anuência explicitada em ofício do seu exorientador. Este ofício deverá ser anexado ao projeto de pesquisa. c) Assentamento escolar atualizado. d) Currículo Lattes atualizado do aluno, impresso e com apresentação da primeira página de artigos científicos e resumos publicados.

18 e) Proposta de cronograma de atividades para desenvolvimento do Curso do aluno, explicitando as disciplinas cursadas e a serem cursadas, integralização de créditos, desenvolvimento da experimentação, data para qualificação e conclusão do Curso. 3 O aproveitamento de créditos em disciplinas cursadas pelo aluno no seu Programa de origem será realizado na primeira reunião posterior ao seu ingresso no Programa de Pós-Graduação em Agronomia (Entomologia Agrícola). 3.1 O total de créditos em disciplinas não poderá exceder a 20 créditos, tanto para mestrandos quanto para doutorandos. 4 Os casos omissos serão resolvidos, conforme o grau de competência e oportunidade, 5 Esta Instrução Normativa entrará em vigor assim que aprovada pela Congregação da

19 NSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 13, do Conselho do Programa de Pós-Graduação em Normatiza os critérios de credenciamento e descredenciamento de docentes do Programa, conforme indicado no artigo 9º do Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Agronomia (Entomologia Agrícola). 1 Para credenciamento: 1.1 O Conselho do Programa poderá credenciar docentes e/ou pesquisadores que apresentem formação acadêmica e atuem em linhas de pesquisas compatíveis ao perfil do Programa e que atendam ao mínimo exigido para docentes permanentes de Programas de conceito cinco quanto à produção intelectual (científica, técnica e de inovação), segundo os critérios de classificação CAPES dos Programas de Pós-Graduação na área de Ciências Agrárias I, e que tenha publicado, no mínimo, 1,75 artigos Qualis-CAPES A1, A2 ou B1/ano e 1,5 artigos equivalentes Qualis-CAPES A1/ano no último triênio. 1.2 A solicitação de credenciamento poderá ocorrer a qualquer momento, mediante ofício do interessado ao Conselho do Programa ou a convite deste. 1.3 São documentos que deverão acompanhar o ofício, por ocasião da solicitação: a) Cópia impressa do Currículo Lattes atualizado. b) Cópia impressa comprobatória da produção intelectual (científica, técnica e de inovação) no último triênio que antecede a solicitação. c) Ofício do departamento e/ou instituição de origem, quando externa à Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias, concordando com a solicitação de credenciamento. d) Ementa da disciplina, conforme modelo disponível na página do Programa, e ofício do departamento e/ou instituição de origem concordando com a solicitação de oferecimento da mesma. 2 Para descredenciamento: 2.1 O Conselho do Programa poderá descredenciar o docente e/ou pesquisador que não atender ao mínimo exigido para docentes do núcleo permanente de Programas de conceito 5 (cinco) quanto à produção intelectual (científica, técnica e de inovação), segundo os critérios de classificação CAPES dos Programas de Pós-Graduação na área de Ciências Agrárias I, considerando as duas últimas avaliações da CAPES. 3 Os casos omissos serão resolvidos, conforme o grau de competência e oportunidade, 4 Esta Instrução Normativa entrará em vigor assim que aprovada pela Congregação da

20 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 14, do Conselho do Programa de Pós-Graduação Normatiza o Processo de eleição de docentes e discentes para formação do Conselho, conforme indicado no artigo 22º do Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Agronomia (Entomologia Agrícola). 1 O Programa será coordenado por um Conselho composto por quatro docentes credenciados no Programa como orientadores e responsáveis por disciplinas e por um representante dos alunos regulares; todos eleitos por seur pares. 1.1 São elegíveis ao Conselho todos os docentes credenciados no Programa. 1.2 São eleitores todos os docentes credenciados no Programa. 1.3 Cada representante deverá ser eleito com seu respectivo suplente, que o substituirá nas faltas, impedimentos e na vacância da representação. 1.4 Serão eleitos os representantes que obtiverem maioria simples dos votos válidos, obedecido ao quorum superior a cinquenta por cento de comparecimento às urnas. 2 Com a antecedência mínima de trinta dias do término do mandato, o Conselho constituirá uma Comissão, integrada por três docentes, para organizar o processo eleitoral. 3 Em caso de empate no processo eleitoral, a escolha recairá, pela ordem, no candidato titular da chapa: 1. de cargo ou função docente mais elevado; 2. com mais tempo de docência na Unidade; 3. com mais tempo de docência na Universidade; 4. de maior idade. 4 Não será permitido voto em trânsito e nem por procuração. 5 Não poderão votar e nem ser votados os professores visitantes e voluntários. 6 Caberá à Comissão Eleitoral a decisão sobre a validade do voto. 7 Os membros docentes titulares eleitos para o Conselho, bem como o representante discente, em reunião específica, escolherão, por votação, o Coordenador e o Vicecoordenador do Programa. 8 Serão eleitos os docentes que obtiverem maioria simples dos votos válidos. 9 O Coordenador e o Vice-Coordenador deverão ser docentes permanentes responsáveis por disciplinas e orientadores de alunos, obrigatoriamente lotados na Unidade responsável pelo Programa. 10 O mandato de Coordenador e Vice-coordenador será coincidente com o mandato do Conselho do Programa, sendo permitida a recondução.

21 10.1 Nas ausências do Coordenador e do Vice-coordenador, responderá pelo Conselho o membro docente mais titulado e, no caso de empate, o de mais tempo na UNESP No caso de vacância da função de Coordenador e/ou de Vice-coordenador proceder-se-á a nova escolha, para conclusão do mandato. 11 Esta Instrução Normativa entrará em vigor assim que aprovada pela Congregação da

TÍTULO I Do Programa. TÍTULO II Do Curso

TÍTULO I Do Programa. TÍTULO II Do Curso Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Planejamento e Análise de Políticas Públicas, Curso Mestrado Profissional, da Faculdade de Ciências Humanas e Sociais de Franca TÍTULO I Do Programa Artigo 1º

Leia mais

Universidade de São Paulo Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas. Regulamento do Programa de Pós-graduação em FILOSOFIA

Universidade de São Paulo Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas. Regulamento do Programa de Pós-graduação em FILOSOFIA Universidade de São Paulo Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas Regulamento do Programa de Pós-graduação em FILOSOFIA I - Composição da Comissão Coordenadora do Programa (CCP) A CCP terá 6

Leia mais

Universidade de Brasília FACE - Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade Departamento de Economia Programa de Pós-Graduação

Universidade de Brasília FACE - Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade Departamento de Economia Programa de Pós-Graduação Regulamento do Programa de Pós-Graduação do Departamento de Economia Aprovado pelo Colegiado de Pós-Graduação em 17/02/2009 Título I Disposições Gerais Art. 1º Art. 2º Art. 3º O Programa de Pós-Graduação

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA UESB PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PPG. NORMA INTERNA Nº 01 2014 PPGEd 7 de janeiro de 2014

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA UESB PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PPG. NORMA INTERNA Nº 01 2014 PPGEd 7 de janeiro de 2014 UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA UESB PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PPG NORMA INTERNA Nº 01 2014 PPGEd 7 de janeiro de 2014 Dispõe sobre a Disciplina iniciação à docência no ensino

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSEPE Nº 05/2007 REGULAMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA - UESB

RESOLUÇÃO CONSEPE Nº 05/2007 REGULAMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA - UESB Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB Credenciada pelo Decreto Estadual nº 7.344 de 27.05.1998 CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE RESOLUÇÃO CONSEPE Nº 05/2007 REGULAMENTO

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FÍSICA

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FÍSICA REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FÍSICA TÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1º O Programa de Pós-Graduação em Física (PPGFIS) da Universidade Federal do Amazonas (UFAM) tem por finalidade a formação de

Leia mais

REGULAMENTO. Capítulo I - Da Atribuição e Organização Geral

REGULAMENTO. Capítulo I - Da Atribuição e Organização Geral FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FILOSOFIA REGULAMENTO Capítulo I - Da Atribuição e Organização Geral Art. 1 - O Programa de Pós-Graduação em Filosofia (PGFilo), vinculado

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM SAÚDE COLETIVA MESTRADO E DOUTORADO TÍTULO I. Introdução

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM SAÚDE COLETIVA MESTRADO E DOUTORADO TÍTULO I. Introdução REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM SAÚDE COLETIVA MESTRADO E DOUTORADO TÍTULO I Introdução Art. 1. Este regimento estabelece as atribuições, responsabilidades e normas específicas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ZOOTECNIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ZOOTECNIA UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ZOOTECNIA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ZOOTECNIA DIAMANTINA MG FEVEREIRO

Leia mais

Resolução UNESP NO. 119 DE 14.09.2012, PUBLICADO no DO de 15/09/2012

Resolução UNESP NO. 119 DE 14.09.2012, PUBLICADO no DO de 15/09/2012 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM REABILITAÇÃO ORAL ÁREA DE PRÓTESE CURSO DE MESTRADO ACADÊMICO E DOUTORADO DA FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE ARARAQUARA UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JULIO DE MESQUITA

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO FACULDADE DE AGRONOMIA E MEDICINA VETERINÁRIA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO FACULDADE DE AGRONOMIA E MEDICINA VETERINÁRIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO FACULDADE DE AGRONOMIA E MEDICINA VETERINÁRIA Coordenação do Programa de Pós-graduação em Agricultura Tropical REGIMENTO INTERNO

Leia mais

NORMAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA ENGENHARIA AMBIENTAL DA ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS - PPG SEA

NORMAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA ENGENHARIA AMBIENTAL DA ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS - PPG SEA NORMAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA ENGENHARIA AMBIENTAL DA ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS - PPG SEA I COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DO PROGRAMA (CCP) A Comissão Coordenadora do

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL PARA INGRESSANTES EM 2003 DOS OBJETIVOS Art. 1º - O Programa de Pós-graduação em Serviço Social da Faculdade de História, Direito e Serviço Social,

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOGRAFIA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOGRAFIA 1 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOGRAFIA CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS, TÍTULOS E DURAÇÃO DOS CURSOS STRITO SENSU ARTIGO 1 - O Programa de Pós-Graduação em Geografia do Instituto de Geociências

Leia mais

REGIMENTO INTERNO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA E MONITORAMENTO AMBIENTAL. TÍTULO I Dos Objetivos

REGIMENTO INTERNO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA E MONITORAMENTO AMBIENTAL. TÍTULO I Dos Objetivos Regimento Interno do Curso de Mestrado em Biotecnologia e Área de concentração: Biotecnologia e REGIMENTO INTERNO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA E MONITORAMENTO AMBIENTAL TÍTULO I Dos Objetivos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ENSINO NA EDUCAÇÃO BÁSICA TÍTULO I INTRODUÇÃO GERAL Art. 1 - Este regulamento estabelece as atribuições, responsabilidades e normas específicas do Programa

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PATOLOGIA

REGULAMENTO ESPECÍFICO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PATOLOGIA ANEXO À RESOLUÇÃO 02/2010 REGULAMENTO ESPECÍFICO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PATOLOGIA 1 TÍTULO I DO OBJETIVO DO PROGRAMA Art. 1º - O Programa de Pós-Graduação em Patologia tem por objetivo qualificar

Leia mais

Deliberação Colegiado PGP nº 04/2012

Deliberação Colegiado PGP nº 04/2012 Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Curitiba Mestrado em Planejamento e Governança Pública PR UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Deliberação Colegiado PGP nº

Leia mais

Regimento do Programa do Programa de Pós-Graduação em Psicologia Institucional

Regimento do Programa do Programa de Pós-Graduação em Psicologia Institucional Regimento do Programa do Programa de Pós-Graduação em Psicologia Institucional TÍTULO I OBJETIVOS Art. 1º O Programa de Pós-Graduação em Psicologia Institucional, em nível de Mestrado, tem por objetivos:

Leia mais

NORMAS ESPECÍFICAS DA COMISSÃO COORDENADORA DO PROGRAMA (CCP) DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA DA ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS EESC

NORMAS ESPECÍFICAS DA COMISSÃO COORDENADORA DO PROGRAMA (CCP) DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA DA ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS EESC NORMAS ESPECÍFICAS DA COMISSÃO COORDENADORA DO PROGRAMA (CCP) DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA DA ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS EESC I - COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DE PROGRAMA (CCP)

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO PÚBLICA

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO PÚBLICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍCAS E ECONÔMICAS REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO PÚBLICA Adaptado às normas do Regulamento Geral da Pós-Graduação da UFES

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS E PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS E PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BAIANO REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS E PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS (BOTÂNICA)

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS (BOTÂNICA) REGULAMENTO DO PROGRAMA DE I - COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DE PROGRAMA (CCP) A CCP terá como membros titulares seis orientadores plenos credenciados no programa, representantes de cada linha de

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR E DESENVOLVIMENTO FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS DE CAMPINA GRANDE

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR E DESENVOLVIMENTO FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENSINO SUPERIOR E DESENVOLVIMENTO FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS DE CAMPINA GRANDE ESCOLA SUPERIOR DE AVIAÇÃO CIVIL COORDENAÇÃO DE TCC TRABALHO DE CONCLUSÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ REGULAMENTO ACADÊMICO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL PPGDR CAPITULO I

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ REGULAMENTO ACADÊMICO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL PPGDR CAPITULO I 1 UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ REGULAMENTO ACADÊMICO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL PPGDR CAPITULO I DA ORGANIZAÇÃO DO PROGRAMA E DE SEUS OBJETIVOS Art. 1º - O Programa

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO REGIMENTO DO CURSO DE MESTRADO PROFISSIONAL EM URBANISMO

PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO REGIMENTO DO CURSO DE MESTRADO PROFISSIONAL EM URBANISMO PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO REGIMENTO DO CURSO DE MESTRADO PROFISSIONAL EM URBANISMO O Mestrado Profissional em Urbanismo, ministrado pelo Curso de Arquitetura e Urbanismo do FIAM-FAAM

Leia mais

CCT Secretaria Acadêmica

CCT Secretaria Acadêmica RESOLUÇÃO CPPGEC n o 02/2012 COMISSÃO COORDENADORA DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUACÃO EM ENGENHARIA Assunto: Modificação da Resolução 02/2009: Disciplina Seminários I, II, III, IV Art. 1º - O PPGEC oferecerá

Leia mais

Regimento Interno do Programa de Pós-Graduação em Estudos Urbanos e Regionais - UFRN

Regimento Interno do Programa de Pós-Graduação em Estudos Urbanos e Regionais - UFRN Regimento Interno do Programa de Pós-Graduação em Estudos Urbanos e Regionais - UFRN CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1 o O Programa de Pós-Graduação em Estudos Urbanos e Regionais (PPEUR),

Leia mais

NORMAS INTERNAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC - UFABC

NORMAS INTERNAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC - UFABC NORMAS INTERNAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC - UFABC O Programa de Pós-Graduação stricto sensu em Ciências Humanas e Sociais, cursos de Mestrado

Leia mais

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES ASSOCIADAS DE ENSINO FAE.

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES ASSOCIADAS DE ENSINO FAE. REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES ASSOCIADAS DE ENSINO FAE. CAPÍTULO I Dos Objetivos e Prazos Artigo 1º Os Cursos Acadêmicos de Pós-Graduação stricto

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ RESOLUÇÃO Nº 17/CEPE, DE 03 DE MAIO DE 2006 Aprova normas para os cursos de especialização da Universidade Federal do Ceará. O Reitor da UNIVERSIDADE

Leia mais

DOCUMENTOS COMPLEMENTARES

DOCUMENTOS COMPLEMENTARES DOCUMENTOS COMPLEMENTARES REGULAMENTO DO CURSO DE DOUTORADO EM ADMINISTRAÇÃO CDA EM ASSOCIAÇÃO DE IES (PUCRS e UCS) Janeiro de 2009 2 CAPÍTULO I Dos objetivos Art. 1 o - O curso confere o grau de Doutor

Leia mais

NORMAS DO PROGRAMA FILOSOFIA

NORMAS DO PROGRAMA FILOSOFIA NORMAS DO PROGRAMA FILOSOFIA I Composição da Comissão Coordenadora do Programa A Comissão Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Filosofia compõe-se do Coordenador do Programa, do Suplente do Coordenador,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU: ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO DE CURRÍCULO NA FORMAÇÃO DOCENTE CAPÍTULO 1 DA ORGANIZAÇÃO GERAL

REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU: ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO DE CURRÍCULO NA FORMAÇÃO DOCENTE CAPÍTULO 1 DA ORGANIZAÇÃO GERAL REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU: ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO DE CURRÍCULO NA FORMAÇÃO DOCENTE CAPÍTULO 1 DA ORGANIZAÇÃO GERAL Art. 1 - O curso de Pós-Graduação Lato Sensu Especialização

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC (UFABC) Programa de Pós-Graduação em Políticas Públicas NORMAS INTERNAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC (UFABC) Programa de Pós-Graduação em Políticas Públicas NORMAS INTERNAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC (UFABC) Programa de Pós-Graduação em Políticas Públicas NORMAS INTERNAS O Programa de Pós-Graduação stricto sensu em Políticas Públicas, com cursos em níveis de mestrado acadêmico

Leia mais

A.1 Regimento Interno do PPgSC. Regimento do Programa de Pós-graduação em Sistemas e Computação

A.1 Regimento Interno do PPgSC. Regimento do Programa de Pós-graduação em Sistemas e Computação A.1 Regimento Interno do PPgSC Regimento do Programa de Pós-graduação em Sistemas e Computação Capítulo I: Disposições Preliminares Art 1 -Do Alcance O Programa de Pós-graduação em Sistemas e Computação

Leia mais

NORMAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ESTUDOS CULTURAIS (PPEC) I COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DE PROGRAMA (CCP)

NORMAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ESTUDOS CULTURAIS (PPEC) I COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DE PROGRAMA (CCP) NORMAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ESTUDOS CULTURAIS (PPEC) I COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DE PROGRAMA (CCP) A Comissão Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Estudos Culturais é constituída

Leia mais

NORMAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM LETRAS CLÁSSICAS COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DO PROGRAMA (CCP)

NORMAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM LETRAS CLÁSSICAS COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DO PROGRAMA (CCP) NORMAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM LETRAS CLÁSSICAS I - COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DO PROGRAMA (CCP) O Programa de Pós-Graduação em Letras Clássicas conta com uma Comissão Coordenadora do

Leia mais

Universidade de Caxias do Sul Programa de Pós-Graduação em Direito Mestrado

Universidade de Caxias do Sul Programa de Pós-Graduação em Direito Mestrado REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM DIREITO Sumário CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA... 1 CAPÍTULO II DA ADMINISTRAÇÃO DO PROGRAMA...2 CAPÍTULO III DO CORPO DOCENTE,

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE ANIMAL Fundação Estadual de Pesquisa Agropecuária (FEPAGRO)

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE ANIMAL Fundação Estadual de Pesquisa Agropecuária (FEPAGRO) REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE ANIMAL Fundação Estadual de Pesquisa Agropecuária (FEPAGRO) Portaria FEPAGRO nº 154/2013. O Diretor-Presidente da Fundação Estadual de Pesquisa Agropecuária

Leia mais

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MATERIAIS DA FUNDAÇÃO CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTADUAL DA ZONA OESTE.

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MATERIAIS DA FUNDAÇÃO CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTADUAL DA ZONA OESTE. REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MATERIAIS DA FUNDAÇÃO CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTADUAL DA ZONA OESTE. TÍTULO I FINALIDADES Art. 1º - O Centro Setorial de Produção Industrial

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE ENGENHARIA CIVIL

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE ENGENHARIA CIVIL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE ENGENHARIA CIVIL Regulamento Específico do Curso de Especialização em Gestão e Tecnologia de Produção de Edifícios - CEGT CAPÍTULO I DAS FINALIDADES

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO (lato sensu) CAPITULO I DA CONSTITUIÇÃO, NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS DOS CURSOS

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO (lato sensu) CAPITULO I DA CONSTITUIÇÃO, NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS DOS CURSOS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA R E I T O R I A Rua Esmeralda, 430-97110-060 Faixa Nova Camobi Santa

Leia mais

Regimento do Programa de Pós Graduação em Ciência da Computação

Regimento do Programa de Pós Graduação em Ciência da Computação Regimento do Programa de Pós Graduação em Ciência da Computação CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Artigo 1º O presente Regulamento disciplina a organização e as atividades do programa de Pós Graduação

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO DA ESCOLA DE ARQUITETURA DA UFMG. TÍTULO I. Da Natureza e dos Objetivos

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO DA ESCOLA DE ARQUITETURA DA UFMG. TÍTULO I. Da Natureza e dos Objetivos 1 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO DA ESCOLA DE ARQUITETURA DA UFMG TÍTULO I. Da Natureza e dos Objetivos Art. 1 o O Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM POLÍTICA CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA DO INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM POLÍTICA CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA DO INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM POLÍTICA CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA DO INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS E TITULOS ARTIGO 1º - O Programa

Leia mais

NORMAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDOS JUDAICOS E ÁRABES FFLCH-USP

NORMAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDOS JUDAICOS E ÁRABES FFLCH-USP NORMAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDOS JUDAICOS E ÁRABES FFLCH-USP I - COMPOSIÇÃO DA CCP O Programa de Pós-Graduação em ESTUDOS JUDAICOS E ÁRABES conta com uma Comissão Coordenadora constituída por

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FÍSICA. TÍTULO I Dos Objetivos

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FÍSICA. TÍTULO I Dos Objetivos REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FÍSICA TÍTULO I Dos Objetivos Art. 1 - O Programa de Pós-Graduação em Física (PPGF) do Centro de Ciências Exatas e de Tecnologia, da Universidade Federal

Leia mais

REGIMENTO DA PÓS-GRADUAÇÃO - MESTRADO PROFISSIONAL

REGIMENTO DA PÓS-GRADUAÇÃO - MESTRADO PROFISSIONAL 1 / 9 INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS DO ESTADO DE SÃO PAULO S/A - IPT REGIMENTO DA PÓS-GRADUAÇÃO - MESTRADO PROFISSIONAL CAPÍTULO I - Das Finalidades 1.1 - Os Programas de Mestrado Profissional do

Leia mais

PROGRAMA DE MESTRADO EM PSICOLOGIA

PROGRAMA DE MESTRADO EM PSICOLOGIA Resolução nº 01/PPGPSI/UFSJ de 16 de dezembro de 2011. Estabelece critérios e procedimentos de credenciamento e de recredenciamento de docentes junto ao Programa de Mestrado em Psicologia PPGPSI/UFSJ A

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE Curso: BACHAREL EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE Curso: BACHAREL EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FLUXO DO TCC 6o SEM 7o SEM 8o SEM PESQUISA EM INFORMÁTICA Além da ementa da disciplina, o aluno desenvolverá uma proposta de pesquisa, que poderá ou não continuar a ser trabalhada nas disciplinas de TCC1,

Leia mais

ESTADO DE SÃO PAULO PORTARIA IAC/DG... REGIMENTO DA PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRICULTURA TORPICAL E SUBTROPICAL

ESTADO DE SÃO PAULO PORTARIA IAC/DG... REGIMENTO DA PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRICULTURA TORPICAL E SUBTROPICAL ESTADO DE SÃO PAULO PORTARIA IAC/DG... REGIMENTO DA PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRICULTURA TORPICAL E SUBTROPICAL O Diretor Técnico de Departamento resolve elaborar e implantar o Regimento do Programa de Pós-Graduação

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA NÍVEL MESTRADO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS TÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA NÍVEL MESTRADO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS TÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA NÍVEL MESTRADO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS TÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA Art. 1º O Programa de Pós-Graduação em Economia (PPE),

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PLANEJAMENTO E USO DE RECURSOS RENOVÁVEIS PPGPUR

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PLANEJAMENTO E USO DE RECURSOS RENOVÁVEIS PPGPUR REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PLANEJAMENTO E USO DE RECURSOS RENOVÁVEIS PPGPUR I - DA PÓS-GRADUAÇÃO EM PLANEJAMENTO E USO DE RECURSOS RENOVÁVEIS E SEUS OBJETIVOS ART. 1 - A Pós-Graduação

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA SOCIAL E INSTITUCIONAL CAPÍTULO I OBJETIVOS

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA SOCIAL E INSTITUCIONAL CAPÍTULO I OBJETIVOS REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA SOCIAL E INSTITUCIONAL CAPÍTULO I OBJETIVOS Art. 1º - O Programa de Pós-Graduação em Psicologia Social e Institucional, vinculado ao Instituto

Leia mais

Regulamento do Mestrado Profissional em Administração Pública em Rede Nacional

Regulamento do Mestrado Profissional em Administração Pública em Rede Nacional Regulamento do Mestrado Profissional em Administração Pública em Rede Nacional Capítulo I Objetivos Artigo 1º - O Mestrado Profissional em Administração Pública em Rede Nacional (PROFIAP) tem como objetivo

Leia mais

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC - UFABC. TÍTULO I Dos Objetivos

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC - UFABC. TÍTULO I Dos Objetivos Regimento REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC - UFABC TÍTULO I Dos Objetivos Art. 1º - As atividades dos Cursos de Pós-Graduação abrangem estudos e trabalhos de formação

Leia mais

Aprova o Regulamento do Programa de Pós-graduação em Relações Internacionais, Cursos de Mestrado Acadêmico e Doutorado, da Unesp, Unicamp e PUC/SP.

Aprova o Regulamento do Programa de Pós-graduação em Relações Internacionais, Cursos de Mestrado Acadêmico e Doutorado, da Unesp, Unicamp e PUC/SP. Resolução UNESP nº 46 de 26/03/2012 Aprova o Regulamento do Programa de Pós-graduação em Relações Internacionais, Cursos de Mestrado Acadêmico e Doutorado, da Unesp, Unicamp e PUC/SP. TÍTULO I Do Programa

Leia mais

RESOLUÇÃO CEPEC Nº 1296

RESOLUÇÃO CEPEC Nº 1296 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS RESOLUÇÃO CEPEC Nº 1296 Aprova o novo Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Química, níveis Mestrado e Doutorado, do Instituto de Química. O

Leia mais

INSTITUTO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA AMBIENTAL NORMAS COMPLEMENTARES DE ESTÁGIO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA AMBIENTAL

INSTITUTO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA AMBIENTAL NORMAS COMPLEMENTARES DE ESTÁGIO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA AMBIENTAL INSTITUTO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA AMBIENTAL NORMAS COMPLEMENTARES DE ESTÁGIO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA AMBIENTAL Art. 1 o O Estágio regulamentado pela Lei N o 11.788, de

Leia mais

TÍTULO I DA NATUREZA, DAS FINALIDADES CAPÍTULO I DA NATUREZA. PARÁGRAFO ÚNICO Atividade curricular com ênfase exclusiva didático-pedagógica:

TÍTULO I DA NATUREZA, DAS FINALIDADES CAPÍTULO I DA NATUREZA. PARÁGRAFO ÚNICO Atividade curricular com ênfase exclusiva didático-pedagógica: REGULAMENTO GERAL PARA REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS DO IFRR N A regulamentação geral de estágio tem por objetivo estabelecer normas e diretrizes gerais que definam uma política

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO ACADÊMICA EM CIÊNCIAS DA SAÚDE DA SOCIEDADE BENEFICENTE ISRAELITA BRASILEIRA ALBERT EINSTEIN

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO ACADÊMICA EM CIÊNCIAS DA SAÚDE DA SOCIEDADE BENEFICENTE ISRAELITA BRASILEIRA ALBERT EINSTEIN REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO ACADÊMICA EM CIÊNCIAS DA SAÚDE DA SOCIEDADE BENEFICENTE ISRAELITA BRASILEIRA ALBERT EINSTEIN CAPÍTULO I - DAS FINALIDADES Art. 1º O Programa de Pós-graduação Acadêmica

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ESTUDOS DE CULTURA CONTEMPORÂNEA UFMT TÍTULO I DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ESTUDOS DE CULTURA CONTEMPORÂNEA UFMT TÍTULO I DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ESTUDOS DE CULTURA CONTEMPORÂNEA UFMT TÍTULO I DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA Art. 1º O Programa de Pós-Graduação em Estudos de Cultura Contemporânea da UFMT,

Leia mais

UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA UVA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITO

UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA UVA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITO UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA UVA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DA UNIVERSIDADE

Leia mais

Regulamento da Monografia do Curso de Graduação em Direito

Regulamento da Monografia do Curso de Graduação em Direito Regulamento que disciplina a Monografia para os alunos do Curso de Direito do Centro Universitário Salesiano de São Paulo - UNISAL Unidade Universitária de Americana. Coordenação do Curso de Direito Coordenação

Leia mais

Regulamento Trabalho de Conclusão de Curso. Das Disposições Preliminares

Regulamento Trabalho de Conclusão de Curso. Das Disposições Preliminares Regulamento Trabalho de Conclusão de Curso Das Disposições Preliminares Art. 1. Respaldado pelo disposto nos termos do parágrafo terceiro do Artigo 65 do Regimento Unificado da Associação Educativa Evangélica

Leia mais

RESOLUÇÃO nº 031, de 14 de abril de 2.005.

RESOLUÇÃO nº 031, de 14 de abril de 2.005. UNIVERSIDADE DO PLANALTO CATARINENSE Av. Castelo Branco, 170 - CEP 88 509 900 Lages SC - Cx.P. 525 - Fone (49) 251 1022 - Fax (49) 251 1051 home-page: http:/www.uniplac.net e-mail: uniplac@uniplac.net

Leia mais

NORMAS DO PROGRAMA INTEGRAÇÃO DA AMÉRICA LATINA PROLAM/USP

NORMAS DO PROGRAMA INTEGRAÇÃO DA AMÉRICA LATINA PROLAM/USP NORMAS DO PROGRAMA INTEGRAÇÃO DA AMÉRICA LATINA PROLAM/USP I COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DO PROGRAMA (CCP) Por se tratar de Programa único a CCP será a própria CPG. O Programa é vinculado administrativamente

Leia mais

NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA A REALIZAÇÃO DA ATIVIDADE COMPLEMENTAR DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO

NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA A REALIZAÇÃO DA ATIVIDADE COMPLEMENTAR DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA A REALIZAÇÃO DA ATIVIDADE COMPLEMENTAR DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO 1. DA DEFINIÇÃO a) O Trabalho de Graduação (TG) compreende o estudo de um problema em profundidade, requerendo

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM LINGUÍSTICA

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM LINGUÍSTICA REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM LINGUÍSTICA REGIMENTO DO REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM LINGUÍSTICA CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO E OBJETIVOS DO PROGRAMA

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CULTURAS E IDENTIDADES BRASILEIRAS DO IEB: I COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DE PROGRAMA (CCP)

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CULTURAS E IDENTIDADES BRASILEIRAS DO IEB: I COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DE PROGRAMA (CCP) REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CULTURAS E IDENTIDADES BRASILEIRAS DO IEB: I COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DE PROGRAMA (CCP) A CCP do Programa Culturas e Identidades Brasileiras é a própria

Leia mais

Regulamento do Trabalho de Conclusão de Curso do Bacharelado em Sistemas de Informação. Capítulo I Das Disposições Preliminares

Regulamento do Trabalho de Conclusão de Curso do Bacharelado em Sistemas de Informação. Capítulo I Das Disposições Preliminares Regulamento do Trabalho de Conclusão de Curso do Bacharelado em Sistemas de Informação Capítulo I Das Disposições Preliminares Art. 1. Este regulamento define as diretrizes técnicas, procedimentos de acompanhamento

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE-UNICENTRO SETOR DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA DE GUARAPUAVA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE-UNICENTRO SETOR DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA DE GUARAPUAVA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE-UNICENTRO SETOR DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA DE GUARAPUAVA DIRETRIZES PARA O TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) EM EDUCAÇÃO FÍSICA REGULAMENTO PARA

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E DO ESPORTE - CEFID RESOLUÇÃO 01/2008/CEFID

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E DO ESPORTE - CEFID RESOLUÇÃO 01/2008/CEFID UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E DO ESPORTE - CEFID RESOLUÇÃO 01/2008/CEFID Fixa normas para Elaboração, Qualificação e Apresentação dos Trabalhos de Conclusão

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ENGENHARIA DE ALIMENTOS I INTRODUÇÃO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ENGENHARIA DE ALIMENTOS I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ENGENHARIA DE ALIMENTOS I INTRODUÇÃO O estágio curricular do curso de Engenharia de Alimentos é uma atividade obrigatória, em consonância com as Diretrizes

Leia mais

Normas específicas do Programa de Pós graduação em Nutrição e Produção Animal, da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da USP.

Normas específicas do Programa de Pós graduação em Nutrição e Produção Animal, da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da USP. Normas específicas do Programa de Pós graduação em Nutrição e Produção Animal, da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da USP. I. Composição da Comissão Coordenadora do Programa (CCP) O Programa

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS REGULAMENTO GERAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU

UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS REGULAMENTO GERAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS P R Ó - R E I T O R I A D E P Ó S - G R A D U A Ç Ã O COORDENADORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU REGULAMENTO GERAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CAPÍTULO

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CAMPUS VITÓRIA Avenida Vitória, 1729 Jucutuquara 29040-780 Vitória ES 27 3331-2110

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CAMPUS VITÓRIA Avenida Vitória, 1729 Jucutuquara 29040-780 Vitória ES 27 3331-2110 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CAMPUS VITÓRIA Avenida Vitória, 1729 Jucutuquara 29040-780 Vitória ES 27 3331-2110 DIREÇÃO GERAL DO IFES CAMPUS VITÓRIA IFES DIRETORIA DE PESQUISA

Leia mais

PORTARIA FATEC / PRESIDENTE PRUDENTE Nº 90/2015 DE 08 DE SETEMBRO DE 2015. Regulamenta os trabalhos de graduação dos cursos superiores da Faculdade de Tecnologia de Presidente Prudente. O diretor da Faculdade

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO OESTE DO PARÁ PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO DIRETORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE PROJETOS EDUCACIONAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO OESTE DO PARÁ PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO DIRETORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE PROJETOS EDUCACIONAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DO OESTE DO PARÁ PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO DIRETORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE PROJETOS EDUCACIONAIS EDITAL Nº 001/14 PROEN/DE, de 17 de fevereiro de 2014. PROGRAMA

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO DA FACULDADE DE COMPUTAÇÃO. CAPÍTULO I DA COE/CC/Facom

REGULAMENTO DO ESTÁGIO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO DA FACULDADE DE COMPUTAÇÃO. CAPÍTULO I DA COE/CC/Facom REGULAMENTO DO ESTÁGIO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO DA FACULDADE DE COMPUTAÇÃO CAPÍTULO I DA COE/CC/Facom Art. 1 A Comissão de Estágio do curso de Ciência da Computação da Faculdade de Computação

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 1/POSJOR/2013

RESOLUÇÃO Nº 1/POSJOR/2013 RESOLUÇÃO Nº 1/POSJOR/2013 Dispõe sobre os critérios para credenciamento e recredenciamento de docentes no Programa de Pós- Graduação em Jornalismo (POSJOR), define o número de orientandos por orientador

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA DE ENFERMAGEM PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM RESOLUÇÃO Nº 02/2015 RESOLVE: CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA DE ENFERMAGEM PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM RESOLUÇÃO Nº 02/2015 RESOLVE: CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA DE ENFERMAGEM PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM RESOLUÇÃO Nº 02/2015 Dispõe sobre as atividades de ensino e pesquisa do Programa de Pósgraduação em Enfermagem.

Leia mais

Universidade de São Paulo Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade. Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Administração

Universidade de São Paulo Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade. Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Administração Universidade de São Paulo Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Administração I - COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DE PROGRAMA (CCP) A CCP

Leia mais

O Reitor da Universidade Federal de São Carlos, no uso das atribuições legais e estatutárias, TÍTULO I Dos Objetivos

O Reitor da Universidade Federal de São Carlos, no uso das atribuições legais e estatutárias, TÍTULO I Dos Objetivos UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA Via Washington Luís, km. 235 - Caixa Postal 676 CEP 13560-970 - São Carlos - SP - Brasil propg@power.ufscar.br / www.propg.ufscar.br

Leia mais

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA / UESC

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA / UESC REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA / UESC CAPÍTULO I Disposições gerais Art. 1º. O presente regulamento tem por objetivo normatizar as atividades relacionadas

Leia mais

Programa de Pós-Graduação em Matemática REGULAMENTO DOS CURSOS DE. Mestrado e Doutorado

Programa de Pós-Graduação em Matemática REGULAMENTO DOS CURSOS DE. Mestrado e Doutorado Programa de Pós-Graduação em Matemática REGULAMENTO DOS CURSOS DE Mestrado e Doutorado TÍTULO I: DA NATUREZA, FINALIDADES E OBJETIVOS Art. 1. O Programa de Pós-Graduação em Matemática da Universidade Federal

Leia mais

RESOLUÇÃO N 003/2012 CEFID

RESOLUÇÃO N 003/2012 CEFID RESOLUÇÃO N 003/2012 CEFID Fixa normas para Elaboração, Qualificação e Apresentação dos Trabalhos de Conclusão dos Cursos de Graduação em Licenciatura em Educação Física, Bacharelado em Educação Física

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 17/CUn DE 10 DE ABRIL DE 2012. Regulamenta o Programa de Monitoria da Universidade Federal de Santa Catarina

RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 17/CUn DE 10 DE ABRIL DE 2012. Regulamenta o Programa de Monitoria da Universidade Federal de Santa Catarina RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 17/CUn DE 10 DE ABRIL DE 2012 Regulamenta o Programa de Monitoria da Universidade Federal de Santa Catarina O PRESIDENTE DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal de Santa

Leia mais

São Paulo, 122 (42) Diário Oficial Poder Executivo - Seção I sábado, 3 de março de 2012

São Paulo, 122 (42) Diário Oficial Poder Executivo - Seção I sábado, 3 de março de 2012 São Paulo, 122 (42) Diário Oficial Poder Executivo - Seção I sábado, 3 de março de 2012 REITORIA Resolução Unesp-32, de 2-3-2012 Aprova o Regulamento do Programa de Pósgraduação em Aqüicultura, Cursos

Leia mais

ANEXO II. Regulamentação da Educação Profissional Técnica de Nível Médio Integrado. Capítulo I Da admissão

ANEXO II. Regulamentação da Educação Profissional Técnica de Nível Médio Integrado. Capítulo I Da admissão ANEXO II ORGANIZAÇÃO DIDÁTICA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA SERTÃO PERNANBUCANO Resolução nº 031/2010 De 30 de setembro de 2010 Regulamentação da Educação Profissional Técnica de

Leia mais

Normas Específicas da CPG FAUUSP

Normas Específicas da CPG FAUUSP Normas Específicas da CPG FAUUSP I. Taxas 1. Valor da taxa de inscrição ao processo seletivo é limitado em R$ 50,00 (cinqüenta reais). 2. A taxa de matrícula de aluno especial, por disciplina de pósgraduação,

Leia mais

ANEXO REGIMENTO INTERNO DO CURSO

ANEXO REGIMENTO INTERNO DO CURSO ANEXO REGIMENTO INTERNO DO CURSO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA CURSO DE MESTRADO EM PSICOLOGIA REGIMENTO INTERNO DO CURSO CAPÍTULO

Leia mais

PROGRAMA ASSOCIADO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA UPE/UFPB

PROGRAMA ASSOCIADO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA UPE/UFPB PROGRAMA ASSOCIADO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA UPE/UFPB NORMA - 05/2012 DISPÕE SOBRE OS CRITÉRIOS PARA DISTRIBUIÇÃO E RENOVAÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO O Colegiado do Programa Associado de Pós-Graduação

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PRODUÇÃO ANIMAL R E G I M E N T O

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PRODUÇÃO ANIMAL R E G I M E N T O UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PRODUÇÃO ANIMAL R E G I M E N T O CAPÍTULO I - CAPÍTULO II - CAPÍTULO III - CAPÍTULO IV

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS

REGULAMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS REGULAMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS E DAS FINALIDADES Art. 1º. A pós-graduação do Instituto

Leia mais

EDITAL 97 - CONCURSO DE SELEÇÃO 2013.2 DOUTORADO ACADÊMICO

EDITAL 97 - CONCURSO DE SELEÇÃO 2013.2 DOUTORADO ACADÊMICO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS (BOTÂNICA) UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO QUINTA DA BOA VISTA S/N. SÃO CRISTÓVÃO CEP 20940-040 RIO DE JANEIRO, RJ BRASIL pgbotufrj@gmail.com EDITAL

Leia mais

Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Química Centro de Ciências Exatas UFES

Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Química Centro de Ciências Exatas UFES UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Centro de Ciências Exatas Programa de Pós-Graduação em Química Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Química Tel. e Fax: (27) 4009-2924 www4.quimica.vitoria.ufes.br

Leia mais

Gabinete do Reitor. O Reitor da Universidade Federal de São Carlos, no uso de suas atribuições legais

Gabinete do Reitor. O Reitor da Universidade Federal de São Carlos, no uso de suas atribuições legais UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS Gabinete do Reitor Via Washington Luís, km 235 Caixa Postal 676 13565-905 São Carlos SP - Brasil Fones: (16) 3351-8101/3351-8102 Fax: (16) 3361-4846/3361-2081 E-mail:

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO E HISTÓRIA DE CIÊNCIAS DA TERRA DO INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS.

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO E HISTÓRIA DE CIÊNCIAS DA TERRA DO INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS. REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO E HISTÓRIA DE CIÊNCIAS DA TERRA DO INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS. CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS E PRAZOS Artigo 1º O Programa

Leia mais