MARINHA DO BRASIL CAPITANIA DOS PORTOS DO MARANHÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MARINHA DO BRASIL CAPITANIA DOS PORTOS DO MARANHÃO"

Transcrição

1 MARINHA DO BRASIL CAPITANIA DOS PORTOS DO MARANHÃO APRESENTAÇÃO PARA A FEDERAÇÃO NACIONAL DOS TRABALHADORES EM TRANSPORTES AQUAVIÁRIOS E AFINS - FNTTAA 15/09/2010

2 SUMÁRIO A AUTORIDADE MARÍTIMA MISSÃO ÁREA DE JURISDIÇÃO PRINCIPAIS ATRIBUIÇÕES TERMINAIS PORTUÁRIOS CONCLUSÃO

3 SUMÁRIO A AUTORIDADE MARÍTIMA MISSÃO ÁREA DE JURISDIÇÃO PRINCIPAIS ATRIBUIÇÕES TERMINAIS PORTUÁRIOS CONCLUSÃO

4 A AUTORIDADE MARÍTIMA É o representante legal do país, responsável, dentre outras atribuições, pelo ordenamento e regulamentação das atividades da Marinha Mercante, cabendo a ela promover a implementação e a execução da Lei de Segurança do Tráfego Aquaviário - LESTA, com o propósito de assegurar a salvaguarda da vida humana, a segurança da navegação, no mar aberto e hidrovias interiores, e a prevenção da poluição ambiental por parte de embarcações, plataformas ou suas instalações de apoio.

5 A AUTORIDADE MARÍTIMA TAREFAS De acordo com a Lei Complementar nº 97/99, art. 17, cabe à Marinha do Brasil: I - orientar e controlar a Marinha Mercante e suas atividades correlatas, no que interessa à defesa nacional; II - prover a segurança da navegação aquaviária; III - contribuir para a formulação e condução de políticas nacionais que digam respeito ao mar; IV - implementar e fiscalizar o cumprimento de leis e regulamentos, no mar e nas águas interiores, em coordenação com outros órgãos do Poder Executivo, federal ou estadual, quando se fizer necessária, em razão de competências específicas. V cooperar com os órgãos federais, quando se fizer necessário, na repressão aos delitos de repercussão nacional ou internacional, quanto ao uso do mar, águas interiores e de áreas portuárias, na forma de apoio logístico, de inteligência, de comunicações e de instrução. Parágrafo único. Pela especificidade dessas atribuições, é da competência do COMANDANTE DA MARINHA o trato dos assuntos dispostos neste artigo, ficando designado como "AUTORIDADE MARÍTIMA", para esse fim.

6 ESTRUTURA DA AUTORIDADE MARÍTIMA istema de Segurança do Tráfego Aquaviário

7 A AUTORIDADE MARÍTIMA As Capitanias dos Portos e suas respectivas Delegacias e Agências são os pontos de contato entre a população e a Autoridade Marítima.

8 SUMÁRIO A AUTORIDADE MARÍTIMA MISSÃO ÁREA DE JURISDIÇÃO PRINCIPAIS ATRIBUIÇÕES TERMINAIS PORTUÁRIOS CONCLUSÃO

9 MISSÃO Cumprir e fazer cumprir a legislação, os atos e normas, nacionais e internacionais, que regulam os tráfegos marítimo, fluvial e lacustre; fiscalizar os serviços de praticagem; realizar inspeções navais e vistorias; instaurar e conduzir Inquéritos Administrativos sobre fatos e acidentes da navegação; auxiliar o serviço de salvamento marítimo; concorrer para a manutenção da sinalização náutica; e coordenar, controlar e/ou ministrar cursos do Ensino Profissional Marítimo (EPM),

10 MISSÃO A FIM DE CONTRIBUIR para a orientação, coordenação e controle das atividades relativas à Marinha Mercante e organizações correlatas, no que se refere à segurança da navegação, defesa nacional, salvaguarda da vida humana e prevenção da poluição hídrica.

11 SUMÁRIO A AUTORIDADE MARÍTIMA MISSÃO ÁREA DE JURISDIÇÃO PRINCIPAIS ATRIBUIÇÕES TERMINAIS PORTUÁRIOS CONCLUSÃO

12 ÁREA DE JURISDIÇÃO 188 municípios 640 Km de litoral Km de vias navegáveis

13 SUMÁRIO A AUTORIDADE MARÍTIMA MISSÃO ÁREA DE JURISDIÇÃO PRINCIPAIS ATRIBUIÇÕES TERMINAIS PORTUÁRIOS CONCLUSÃO

14 PRINCIPAIS ATRIBUIÇÕES Para o cumprimento da missão, a Capitania dos Portos do Maranhão (CPMA), sediada em São Luís, conta com militares e servidores civis, viaturas e embarcações. Diariamente são efetuadas ações de Inspeção Naval, atividade-fim da Organização Militar, aplicação de cursos relativos ao Ensino Profissional Marítimo, habilitação de amadores, despacho de embarcações, venda de publicações náuticas, inscrição de embarcações e manutenção da sinalização náutica em sua área de jurisdição. Além dessas tarefas cotidianas, a CPMA ainda executa ações cívico-sociais e ações de busca e salvamento.

15 PRINCIPAIS ATRIBUIÇÕES AÇÕES DE INSPEÇÃO NAVAL

16 PRINCIPAIS ATRIBUIÇÕES AÇÕES DE INSPEÇÃO NAVAL NO INTERIOR TRAVESSIA DO RIO GRAJAÚ EM VITORINO FREIRE

17 PRINCIPAIS ATRIBUIÇÕES ENSINO PROFISSIONAL MARÍTIMO

18 AQUAVIÁRIOS INSCRITOS

19 CURSOS PREPOM - AQUAVIÁRIOS CANDIDATOS CURSADOS CANDIDATOS CURSADOS CANDIDATOS VAGAS / APROVADOS CFAQ-E ASD 550 CFAQ- II/III PRINCIPAIS ATRIBUIÇÕES ENSINO PROFISSIONAL MARÍTIMO EFOMM (CIABA) ASD

20 PRINCIPAIS ATRIBUIÇÕES ENSINO PROFISSIONAL MARÍTIMO PREPOM - PORTUÁRIOS cursos 30 portuários Não houve cursos cursos portuários.

21 Categorias: PRINCIPAIS ATRIBUIÇÕES HABILITAÇÃO DE AMADORES Capitão-Amador Apto para conduzir embarcações entre portos nacionais e estrangeiros sem limites de afastamento da costa. Mestre-Amador Apto para conduzir embarcações entre portos nacionais e estrangeiros nos limites da navegação costeira. Arrais-Amador Apto para conduzir embarcações nos limites da navegação interior. Motonauta Apto para conduzir moto-aquática nos limites da navegação interior. Veleiro Apto para conduzir embarcações a vela, sem propulsão a motor, nos limites da navegação interior.

22 PRINCIPAIS ATRIBUIÇÕES HABILITAÇÃO DE AMADORES MOTONAUTA 31 CAPITÃO AMADOR 15 VELEIRO 43 MESTRE AMADOR 133 ARRAIS AMADOR TOTAL 2.149

23 PRINCIPAIS ATRIBUIÇÕES INSCRIÇÃO DE EMBARCAÇÕES De passageiros 655 De carga 624 Rebocadores 18 De pesca De esporte e recreio TOTAL 4.571

24 PRINCIPAIS ATRIBUIÇÕES SINALIZAÇÃO NÁUTICAN

25 FAROL ARAÇAGY

26 FAROL ARAÇAGY DISTÂNCIA 22 KM

27

28 FAROL PREGUIÇAS 100 ANOS EM ATIVIDADE

29 FAROL PREGUIÇAS

30 FAROL SANTANA DISTÂNCIA 48 MN

31 FAROL SÃO JOÃO DISTÂNCIA 84 MN

32 RADIOFAROL SÃO MARCOS

33 NOME SINALIZAÇÃO NÁUTICAN SINAIS DESGUARNECIDOS LOCALIZAÇÃO DIST. SEDE SITUAÇÃO FAROL ILHA DO MEDO B. DE SÃO MARCOS 3,5 MN OPERANDO FAROL ITAÚNA CUJUPE 13 MN OPERANDO FAROL LENÇÓIS GRANDES HUMBERTO DE CAMPOS 61 MN OPERANDO FAROL MANGUNÇA ILHA DE MANGUNÇA 59 MN OPERANDO FAROL PIRAJUBA ALCÂNTARA 20 MN OPERANDO FAROL PIRAREMA ALCÂNTARA 13 MN OPERANDO FAROL PONTA DA PRAIA GRANDE PRAIA DE SÃO JORGE 120 MN OPERANDO FAROLETE ALCÂNTARA ALCÂNTARA 8.5 MN OPERANDO FAROLETE ILHA GUARAPIRÁ B. DE SÃO MARCOS 5.8 MN OPERANDO BARCA FAROL MANOEL LUÍS PARCEL MANOEL LUIS 112 MN INOPERANTE FAROLETE PAPAGAIO S. JOSÉ DE RIBAMAR 23 MN OPERANDO FAROLETE PONTA DO GINO ILHA DE MAIUÁ 80 MN OPERANDO FAROLETE TAUÁ-MIRIM B. DE SÃO MARCOS 14 MN OPERANDO

34 BUSCA E SALVAMENTO (SEARCH AND RESCUE - SAR) BUSCA E SALVAMENTO (SAR): É todo ato ou atividade efetuados para prestar auxílio à vida humana em perigo no mar. INCIDENTE SAR: É qualquer situação anormal relacionada com a segurança de uma embarcação, podendo exigir uma das seguintes situações: Salvamento de Navios ou Embarcações; Busca de Navios, Embarcações e Pessoas Desaparecidas no Mar; Orientação, Socorro e Assistência Médica no Mar.

35 VENEZUELA T. TOBAGO CAMARÕES PORTUGAL CANÁRIAS ( Espanha ) E.U.A. SENEGAL LIBERIA NIGERIA GANA ANGOLA B R A S I L MÉXICO ÁREA DE RESPONSABILIDADE BRASILEIRA AÇORES ( Portugal ) GUIANA GUIANA FRANCESA 200 MILHAS URUGUAI ARGENTINA ÁFRICA DO SUL

36 ÁREAS DE RESPONSABILIDADE POR SALVAMAR AP SALVAMAR NORTE SALVAMAR NORDESTE SALVAMAR NOROESTE SALVAMAR LESTE SALVAMAR OESTE SALVAMAR SUESTE SALVAMAR SUL

37 SUMÁRIO A AUTORIDADE MARÍTIMA MISSÃO ÁREA DE JURISDIÇÃO PRINCIPAIS ATRIBUIÇÕES TERMINAIS PORTUÁRIOS CONCLUSÃO

38 TERMINAIS PORTUÁRIOS ALUMAR ITAQUI PONTA DA MADEIRA

39 Terminal da ALUMAR Foi concluída a ampliação do cais em 220m, que duplicou a sua capacidade de carga. Encontra-se em execução a dragagem do canal de acesso e bacia de manobra, com profundidade mínima passando de 7 para 8m, o que proporciona a operação de navios com DWT de t.

40 Porto do Itaqui Estão em andamento obras de construção do berço 100 e da retroárea do 101, e a reforma do berço 102 que, após conclusão, aumentarão a capacidade do porto.

41 Terminal da Ponta da Madeira Está em andamento a construção do Píer IV.

42 CONSTRUÇÃO DO PÍER IV DA VALE

43 Terminal Portuário do Mearim (TPM) 1 pier de granel líquido + 1 pier de granel sólido e chapas 4 berços/cada - navios de 43 a 72 mil ton de peso bruto Será instalado na margem direita do Rio Mearim, na zona rural do município de Bacabeira (+/- 50 km de São Luís) Escoamento da produção da Companhia Siderúrgica do Mearim (CSM), em fase de implantação no município de Bacabeira, e da Refinaria Premium

44 SUMÁRIO A AUTORIDADE MARÍTIMA MISSÃO ÁREA DE JURISDIÇÃO PRINCIPAIS ATRIBUIÇÕES TERMINAIS PORTUÁRIOS CONCLUSÃO

45 NORMAM - 13/DPC Estabelece normas de procedimentos relativos ao ingresso, inscrição e à carreira dos aquaviários pertencentes aos 1º. 2º, 3º, 4º 5º e 6º Grupos e para concessão e emissão de Certidão de Serviços de Guerra. CAPÍTULO 1 INGRESSO, INSCRIÇÃO E CÔMPUTO DE TEMPO DE EMBARQUE DE AQUAVIÁRIO CAPÍTULO 2 CARREIRAS, GRUPOS, CATEGORIAS E NÍVES DE EQUIVALÊNCIA DE AQUAVIÁRIOS, ROL DE EQUIPAGEM E ROL PORTUÁRIO CAPÍTULO 3 INSCRIÇÃO DE MILITAR DA MARINHA DO BRASIL CAPÍTULO 4 CAPÍTULO 5 CAPÍTULO 6 CAPÍTULO 7 ATRIBUIÇÕES DO COMANDANTE E TRIPULANTES A BORDO DE EMBARCAÇÕES MERCANTES NACIONAIS E PENALIDADES CADASTRO DE AQUAVIÁRIO CERTIDÃO DE SERVIÇO DE GUERRA E CERTIDÃO DE TEMPO DE SERVIÇO PARA EX-ALUNOS DISPOSIÇÕES FINAIS

46 Precisamos estar sempre preparados para nos fazer ao mar

47

48 .

49 . Orientar e Educar Antes de Notificar

0504 - PROCEDIMENTOS PARA HABILITAÇÃO

0504 - PROCEDIMENTOS PARA HABILITAÇÃO CAPÍTULO 5 HABILITAÇÃO DA CATEGORIA DE AMADORES 0501 - APLICAÇÃO Este capítulo estabelece as categorias de amadores, sua correspondência com categorias profissionais, dos procedimentos para habilitação,

Leia mais

MARINHA DO BRASIL COMANDO DO CONTROLE NAVAL DO TRÁFEGO MARÍTIMO CARTA DE SERVIÇOS AO CIDADÃO

MARINHA DO BRASIL COMANDO DO CONTROLE NAVAL DO TRÁFEGO MARÍTIMO CARTA DE SERVIÇOS AO CIDADÃO MARINHA DO BRASIL COMANDO DO CONTROLE NAVAL DO TRÁFEGO MARÍTIMO CARTA DE SERVIÇOS AO CIDADÃO Sumário Introdução Missão Visão Valores Apresentação do serviço prestado Público-alvo Tipos de Mensagens Legislação

Leia mais

Câmara dos Deputados Comissão de Viação e Transportes

Câmara dos Deputados Comissão de Viação e Transportes PROJETO DE LEI N o. 5.812, de 2013 (Apensado o PL N o 6.106, de 2013) Dispõe sobre a regulamentação da classe de Marinheiro de Esportes e Recreio. Autor: Deputado FERNANDO JORDÃO Relator: Deputado JOÃO

Leia mais

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS NORMAS DA AUTORIDADE MARÍTIMA PARA ESTABELECER CONDIÇÕES E REQUISITOS PARA CONCESSÃO E DELEGAÇÃO DAS ATIVIDADES DE ASSISTÊNCIA E SALVAMENTO DE EMBARCAÇÃO,

Leia mais

Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS LEI Nº 9.537, DE 11 DE DEZEMBRO DE 1997 O Presidente da República Dispõe sobre a segurança do tráfego aquaviário em águas sob jurisdição nacional e dá outras providências. DOU 12.12.97 Faço saber que o

Leia mais

SUMÁRIO INTRODUÇÃO O CONTROLE NAVAL DO TRÁFEGO MARÍTIMO O SISTEMA DE INFORMAÇÕES SOBRE O TRÁFEGO MARÍTIMO (SISTRAM) EM APOIO AOS GRANDES EVENTOS

SUMÁRIO INTRODUÇÃO O CONTROLE NAVAL DO TRÁFEGO MARÍTIMO O SISTEMA DE INFORMAÇÕES SOBRE O TRÁFEGO MARÍTIMO (SISTRAM) EM APOIO AOS GRANDES EVENTOS COMANDO DO CONTROLE NAVAL DO TRÁFEGO MARÍTIMO (COMCONTRAM) 14/11/2014 CONTROLE NAVAL DO TRÁFEGO MARÍTIMO EM APOIO AOS MEGA EVENTOS CF Luis Cesar BLANCO Chefe do Estado-Maior SUMÁRIO INTRODUÇÃO O CONTROLE

Leia mais

DUCIOMAR GOMES DA COSTA Prefeito de Belém. ALFREDO SARUBBY DO NASCIMENTO Diretor Superintendente. ELTON DE BARROS BRAGA Diretor Geral

DUCIOMAR GOMES DA COSTA Prefeito de Belém. ALFREDO SARUBBY DO NASCIMENTO Diretor Superintendente. ELTON DE BARROS BRAGA Diretor Geral DUCIOMAR GOMES DA COSTA Prefeito de Belém ALFREDO SARUBBY DO NASCIMENTO Diretor Superintendente ELTON DE BARROS BRAGA Diretor Geral SILAS EBENEZER DIAS RODRIGUES Diretor de Transportes EDVAN RUI PINTO

Leia mais

ANEXO 2-A. 2-A-1 N-13/2003 Mod 15 OBSERVAÇÕES II/2 (*) IV/2 CMT S/L. 10 - CCB com mais de 2 (dois) anos de embarque no nível 9.

ANEXO 2-A. 2-A-1 N-13/2003 Mod 15 OBSERVAÇÕES II/2 (*) IV/2 CMT S/L. 10 - CCB com mais de 2 (dois) anos de embarque no nível 9. E CERTIFICAÇÃO REGRA(S) 1º GRUPO MARÍTIMOS - SEÇÃO DE CONVÉS CERTIFICADO MOD DPC 1031 CLC 10 - CCB com mais de 2 (dois) anos de embarque no nível 9. II/2 IV/2 S/L - CCB 9 1ON 8-1ON com mais de 2 (dois)

Leia mais

MUDANÇA NA NORMA QUE REGE A CONDUÇÃO E HABILITAÇÃO PARA AMADORES NORMAM 03 CAPÍTULO 5 HABILITAÇÃO DA CATEGORIA DE AMADORES

MUDANÇA NA NORMA QUE REGE A CONDUÇÃO E HABILITAÇÃO PARA AMADORES NORMAM 03 CAPÍTULO 5 HABILITAÇÃO DA CATEGORIA DE AMADORES MUDANÇA NA NORMA QUE REGE A CONDUÇÃO E HABILITAÇÃO PARA AMADORES NORMAM 03 CAPÍTULO 5 HABILITAÇÃO DA CATEGORIA DE AMADORES PROPÓSITO Divulgar as instruções gerais para habilitação da categoria de amadores

Leia mais

Definições (NORMAM-2)

Definições (NORMAM-2) Definições (NORMAM-2) Embarcação - Qualquer construção, inclusive as plataformas flutuantes e as fixas quando rebocadas, sujeita a inscrição na autoridade marítima e suscetível de se locomover na água,

Leia mais

Relatório do GT Capacitação Profissional. 2 Apresentação das ações já existentes para a formação e capacitação do pescador profissional

Relatório do GT Capacitação Profissional. 2 Apresentação das ações já existentes para a formação e capacitação do pescador profissional Relatório do GT Capacitação Profissional 1- Introdução A ser elaborada pelo Coordenador do GT 2 Apresentação das ações já existentes para a formação e capacitação do pescador profissional 2.1 Marinha do

Leia mais

ACORDO ENTRE A REPÚBLICA ORIENTAL DO URUGUAI E A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL SOBRE TRANSPORTE FLUVIAL E LACUSTRE NA HIDROVIA URUGUAI-BRASIL

ACORDO ENTRE A REPÚBLICA ORIENTAL DO URUGUAI E A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL SOBRE TRANSPORTE FLUVIAL E LACUSTRE NA HIDROVIA URUGUAI-BRASIL ACORDO ENTRE A REPÚBLICA ORIENTAL DO URUGUAI E A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL SOBRE TRANSPORTE FLUVIAL E LACUSTRE NA HIDROVIA URUGUAI-BRASIL A República Oriental do Uruguai e A República Federativa do

Leia mais

Base Legal da Ação Lei nº 10.233, de 5 de junho de 2001, arts. 81 e 82; Lei nº 5.917, de 10 de Setembro de 1973, e suas alterações.

Base Legal da Ação Lei nº 10.233, de 5 de junho de 2001, arts. 81 e 82; Lei nº 5.917, de 10 de Setembro de 1973, e suas alterações. Programa 2073 - Transporte Hidroviário Número de Ações 107 110S - Melhoramentos no Canal de Navegação da Hidrovia dos Rios Paraná e Paraguai Garantia da navegabilidade durante todo o ano na hidrovia, mediante

Leia mais

MARINHA DO BRASIL. Diretoria de Portos e Costas A A PRATICAGEM NO BRASIL

MARINHA DO BRASIL. Diretoria de Portos e Costas A A PRATICAGEM NO BRASIL MARINHA DO BRASIL Diretoria de Portos e Costas A A PRATICAGEM NO BRASIL Paulo José Rodrigues de Carvalho Vice-Almirante Diretor Sítio: WWW.DPC.MAR.MIL.BR (Internet) SUMÁRIO Principais atribuições da DPC

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 3.374, DE 2012 (Do Sr. Fernando Jordão)

PROJETO DE LEI N.º 3.374, DE 2012 (Do Sr. Fernando Jordão) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 3.374, DE 2012 (Do Sr. Fernando Jordão) Torna obrigatória a colocação de sinalização náutica de restrição para entrada de embarcações motorizadas / Jet skis em áreas

Leia mais

WORKSHOP DNPM NRM 03 LAVRAS ESPECIAIS DEPARTAMENTO NACIONAL DE PRODUÇÃO MINERAL. 3.1 Lavras com Dragas Flutuantes

WORKSHOP DNPM NRM 03 LAVRAS ESPECIAIS DEPARTAMENTO NACIONAL DE PRODUÇÃO MINERAL. 3.1 Lavras com Dragas Flutuantes WORKSHOP NRM NORMAS REGULAMENTADORAS DA MINERAÇÃO ESPECIFICIDADE NA INDÚSTRIA DE AREIA E BRITA DNPM DEPARTAMENTO NACIONAL DE PRODUÇÃO MINERAL NRM 03 LAVRAS ESPECIAIS 3.1 Lavras com Dragas Flutuantes PALESTRANTE:

Leia mais

ACORDO MARITIMO_ ENTRE A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E A UNIÃO ECONOMICA BELGO-LUXEMBURGUESA

ACORDO MARITIMO_ ENTRE A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E A UNIÃO ECONOMICA BELGO-LUXEMBURGUESA ACORDO MARITIMO_ ENTRE A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E A UNIÃO ECONOMICA BELGO-LUXEMBURGUESA ACORDO MARITIMO ENTRE A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E A UNIÃO ECONOMICA BELGO-LUXEMBURGUESA O GOVERNO

Leia mais

CAPÍTULO IV - DAS INFRAÇÕES E PENALIDADES Seção I - Das Disposição Gerais

CAPÍTULO IV - DAS INFRAÇÕES E PENALIDADES Seção I - Das Disposição Gerais CAPÍTULO 12 REGULAMENTO DE SEGURANÇA DO TRÁFEGO AQUAVIÁRIO EM ÁGUAS SOB JURISDIÇAO NACIONAL (RLESTA) Em 11 de Dezembro de 1997 foi promulgada a Lei nä 9.537, que dispçe sobre a SEGURANÇA DO TRÁFEGO AQUAVIÁRIO

Leia mais

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR LESTE GOVERNO. DECRETO LEI N.º 8/2003, de 18 de Junho 2003 REGULAMENTO DE ATRIBUI ÇÃO E USO DOS VEÍCULOS DO ESTADO

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR LESTE GOVERNO. DECRETO LEI N.º 8/2003, de 18 de Junho 2003 REGULAMENTO DE ATRIBUI ÇÃO E USO DOS VEÍCULOS DO ESTADO REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR LESTE GOVERNO DECRETO LEI N.º 8/2003, de 18 de Junho 2003 REGULAMENTO DE ATRIBUI ÇÃO E USO DOS VEÍCULOS DO ESTADO O Governo decreta, nos termos da alínea d) do artigo 116.º

Leia mais

INSTRUçãO NORMATIVA INTERMINISTERIAL CM/MMA/SEAP/PR 2/2006

INSTRUçãO NORMATIVA INTERMINISTERIAL CM/MMA/SEAP/PR 2/2006 INSTRUçãO NORMATIVA INTERMINISTERIAL CM/MMA/SEAP/PR 2/2006 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA ESPECIAL DE AQÜICULTURA E PESCA INSTRUÇÃO NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº 2, DE 4 DE SETEMBRO DE 2006. O SECRETÁRIO

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO SETOR NÁUTICO

REGULAMENTO INTERNO DO SETOR NÁUTICO 1 REGULAMENTO INTERNO DO SETOR NÁUTICO Aprovado pelo Ato Deliberativo nº 003/2001 Reunião 20.06.01 Do Objetivo Art. 1º - Estabelecer norma reguladora para utilização das dependências, dos equipamentos,

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.855/2000 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.855/2000 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.855/2000 ACÓRDÃO B/P DONA NORIS. Interceptação e apresamento de pesqueiro venezuelano por prática de pesca não autorizada na zona econômica exclusiva brasileira, aplicação

Leia mais

praticagem pilotagem prático piloto

praticagem pilotagem prático piloto A praticagem (no Brasil) e pilotagem (em Portugal) é a atividade de condução de embarcações durante as manobras de atracação e desatracação nos portos e durante a travessia de áreas que apresentam restrições

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 083/2003-CEPE. Considerando o contido no processo protocolizado sob CR n.º 9217/2003, de 11 de julho de 2003,

RESOLUÇÃO Nº 083/2003-CEPE. Considerando o contido no processo protocolizado sob CR n.º 9217/2003, de 11 de julho de 2003, RESOLUÇÃO Nº 083/2003-CEPE Aprova Regulamento do Programa de Ensino de Línguas PEL. Considerando o contido no processo protocolizado sob CR n.º 9217/2003, de 11 de julho de 2003, O CONSELHO DE ENSINO,

Leia mais

OPORTUNIDADES DE INVESTIMENTOS NO SETOR PORTUÁRIO TERMINAIS PORTUÁRIOS DE PASSAGEIROS

OPORTUNIDADES DE INVESTIMENTOS NO SETOR PORTUÁRIO TERMINAIS PORTUÁRIOS DE PASSAGEIROS OPORTUNIDADES DE INVESTIMENTOS NO SETOR PORTUÁRIO TERMINAIS PORTUÁRIOS DE PASSAGEIROS TIAGO PEREIRA LIMA Diretor da ANTAQ Rio de Janeiro, 22 de junho de 2010 Clique para editar o estilo do subtítulo mestre

Leia mais

ASPECTOS DA LEGISLAÇÃO COMPARADA SOBRE CONSERVAÇÃO DOS ECOSSISTEMAS MARINHOS

ASPECTOS DA LEGISLAÇÃO COMPARADA SOBRE CONSERVAÇÃO DOS ECOSSISTEMAS MARINHOS ASPECTOS DA LEGISLAÇÃO COMPARADA SOBRE CONSERVAÇÃO DOS ECOSSISTEMAS MARINHOS Canadá, União Européia (Espanha, França), Austrália, Nova Zelândia, EUA André Lima OAB/DF 17878 11 de abril de 2013 1) Canadá

Leia mais

POLÍTICA DE SENSORIAMENTO REMOTO DE DEFESA

POLÍTICA DE SENSORIAMENTO REMOTO DE DEFESA MINISTÉRIO DA DEFESA MD32-P-02 POLÍTICA DE SENSORIAMENTO REMOTO DE DEFESA 2006 MINISTÉRIO DA DEFESA ESTADO-MAIOR DE DEFESA POLÍTICA DE SENSORIAMENTO REMOTO DE DEFESA 1 a Edição 2006 MINISTÉRIO DA DEFESA

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO MAR

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO MAR Diário da República, 1.ª série N.º 196 10 de outubro de 2014 5195 Campo 14 Número de centrais ou refinarias com ativos correspondentes à categoria 5.1; Campo 15 Número de centrais ou refinarias com ativos

Leia mais

PARECER Nº, DE 2013. RELATOR: Senador ROBERTO REQUIÃO I RELATÓRIO

PARECER Nº, DE 2013. RELATOR: Senador ROBERTO REQUIÃO I RELATÓRIO PARECER Nº, DE 2013 Da COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DEFESA NACIONAL, sobre o Projeto de Decreto Legislativo nº 41, de 2013 (nº 564, de 2012, na origem), da Comissão de Relações Exteriores e de Defesa

Leia mais

Carta de Serviços ao Cidadão

Carta de Serviços ao Cidadão MARINHA DO BRASIL Capitania dos Portos de Sergipe Carta de Serviços ao Cidadão Aracaju-se 2 Informações Gerais... 4 Identidade Institucional... 5 Apresentação... 7 Compromissos Assumidos... 8 Serviços

Leia mais

I - território nacional, compreendendo as águas continentais, as águas interiores e o mar territorial;

I - território nacional, compreendendo as águas continentais, as águas interiores e o mar territorial; DECRETO Nº 4.810, DE 19 DE AGOSTO DE 2003. Estabelece normas para operação de embarcações pesqueiras nas zonas brasileiras de pesca, alto mar e por meio de acordos internacionais, e dá outras providências.

Leia mais

Revista de Imprensa. Força Aèrea realiza missões de busca e salvamento

Revista de Imprensa. Força Aèrea realiza missões de busca e salvamento Revista de Imprensa Força Aèrea realiza missões de busca e salvamento Quinta-feira, 26 de Dezembro de 2013 ÍNDICE Título Fonte Data Pág/Hora Tripulante de navio do Sri Lanka caiu ao mar no Bugio Tripulante

Leia mais

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS LS/LA/22 999 DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS PORTARIA N 263/DPC, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2011. Altera as Normas da Autoridade Marítima para Amadores, Embarcações de Esporte e/ou Recreio e para Cadastramento

Leia mais

NAVEGABILIDADE do ESTUÁRIO do TEJO - APL

NAVEGABILIDADE do ESTUÁRIO do TEJO - APL PLANEAMENTO, COMPETITIVIDADE e SUSTENTABILIDADE 1. Aspectos Gerais da Navegabilidade no Estuário 2. Situação Actual e Futuro 2.1. Assinalamento Marítimo e Apoios à Navegação 2.2. Manutenção de Fundos Dragagens

Leia mais

MARINHA DO BRASIL CAPITANIA DOS PORTOS DO RIO GRANDE DO SUL CARTA DE SERVIÇOS AO CIDADÃO. Rio Grande - RS

MARINHA DO BRASIL CAPITANIA DOS PORTOS DO RIO GRANDE DO SUL CARTA DE SERVIÇOS AO CIDADÃO. Rio Grande - RS MARINHA DO BRASIL CAPITANIA DOS PORTOS DO RIO GRANDE DO SUL CARTA DE SERVIÇOS AO CIDADÃO Rio Grande - RS SUMÁRIO Página Apresentação 4 Propósito da Capitania 4 Identidade Institucional 4 Visão de Futuro

Leia mais

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS. PORTARIA N o 100/DPC, DE 4 DE JUNHO DE 2012.

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS. PORTARIA N o 100/DPC, DE 4 DE JUNHO DE 2012. LS/LS/22 999 DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS PORTARIA N o 100/DPC, DE 4 DE JUNHO DE 2012. Altera as Normas da Autoridade Marítima para Amadores, Embarcações de Esporte e/ou Recreio e para Cadastramento e

Leia mais

Câmara Temática de Infraestrutura e Logística CTLOG 10 de junho de 2015 Brasília - DF

Câmara Temática de Infraestrutura e Logística CTLOG 10 de junho de 2015 Brasília - DF Câmara Temática de Infraestrutura e Logística CTLOG 10 de junho de 2015 Brasília - DF André Mello Vice Presidente Executivo da ABAC Associação Brasileira dos Armadores de Cabotagem Junho/2015 Agenda Apresentação

Leia mais

EMPRESA NACIONAL DA ADMINISTRAÇÃO DE PORTOS S.A.

EMPRESA NACIONAL DA ADMINISTRAÇÃO DE PORTOS S.A. EMPRESA NACIONAL DA ADMINISTRAÇÃO DE PORTOS S.A. REGULAMENTO DE ACESSO, CIRCULAÇÃO E ESTACIONAMENTO NOS PORTOS DE CABO VERDE Preambulo Com a entrada em vigor do Código ISPS nos Portos da Praia, Mindelo

Leia mais

Importante - Tempo estimado de atendimento: Procedimentos:

Importante   - Tempo estimado de atendimento: Procedimentos: As inscrições para os concursos são realizadas na Capitania dos Portos do Piauí. Importante: O exame de seleção não tem caráter de concurso público para ingresso na Marinha Mercante ou na Marinha do Brasil

Leia mais

Insegurança em alto-mar

Insegurança em alto-mar Insegurança em alto-mar Falha em plataforma da Petrobras na Bacia de Campos expõe problemas de manutenção nos equipamentos da empresa A Agência Nacional de Petróleo (ANP) e a Marinha interditaram ontem

Leia mais

Entrevista com o Comandante do NDM 'Bahia' (G 40)

Entrevista com o Comandante do NDM 'Bahia' (G 40) Entrevista com o Comandante do NDM 'Bahia' (G 40) Luiz Padilha, editor do Defesa Aérea & Naval com o CMG Luis Felipe Monteiro Serrão O Capitão-de-Mar-e- Guerra Luis Felipe Monteiro Serrão, é o comandante

Leia mais

PROCESSO-CONSULTA CFM 2/12 PARECER CFM 38/12 INTERESSADO:

PROCESSO-CONSULTA CFM 2/12 PARECER CFM 38/12 INTERESSADO: PROCESSO-CONSULTA CFM nº 2/12 PARECER CFM nº 38/12 INTERESSADO: Sra. C.D.C. ASSUNTO: Exercício da medicina em solo brasileiro por médico estrangeiro RELATOR: Cons. Luiz Nódgi Nogueira Filho EMENTA: O exercício

Leia mais

ÍNDICE Páginas Folha de Rosto... Propósito... Lista de Páginas em Vigor... Registro de Modificações... Índice...

ÍNDICE Páginas Folha de Rosto... Propósito... Lista de Páginas em Vigor... Registro de Modificações... Índice... ÍNDICE Páginas Folha de Rosto... Propósito... Lista de Páginas em Vigor... Registro de Modificações... Índice... I II III IV V CAPÍTULO 1 INGRESSO, INSCRIÇÃO E CÔMPUTO DE TEMPO DE EMBARQUE DE AQUAVIÁRIOS

Leia mais

NORMAS ORIENTADORAS PARA AS CAPITANIAS DOS PORTOS FOLHA DE REGISTRO DE MODIFICAÇÕES PÁGINAS AFETADAS

NORMAS ORIENTADORAS PARA AS CAPITANIAS DOS PORTOS FOLHA DE REGISTRO DE MODIFICAÇÕES PÁGINAS AFETADAS MARINHA DO BRASIL CAPITANIA DOS PORTOS DE PERNAMBUCO NORMAS E PROCEDIMENTOS DA CAPITANIA DOS PORTOS NPCP - 2001 NORMAS ORIENTADORAS PARA AS CAPITANIAS DOS PORTOS FOLHA DE REGISTRO DE MODIFICAÇÕES NÚMERO

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR SP CEP: 12236-660 www.unianhanguera.edu.br ADMINISTRAÇÃO Colaborativa Disciplina: DPP Prof º. Tutor Presencial Trabalho, emprego e empregabilidade Área de atuação pesquisada 1. Engenheiro Petroquímico

Leia mais

Primeiras fotos do "roll out" do Skyhawk da Marinha do Brasil

Primeiras fotos do roll out do Skyhawk da Marinha do Brasil Primeiras fotos do "roll out" do Skyhawk da Marinha do Brasil Mais uma vez, o DAN trás em primeira mão, as primeiras fotos do roll out do AF-1M da Marinha do Brasil, ocorrido nas instalações da Embraer

Leia mais

ALTERAÇÕES 9-25. PT Unida na diversidade PT 2013/0106(COD) 11.7.2013. Projeto de parecer Nathalie Griesbeck (PE513.286v01-00)

ALTERAÇÕES 9-25. PT Unida na diversidade PT 2013/0106(COD) 11.7.2013. Projeto de parecer Nathalie Griesbeck (PE513.286v01-00) PARLAMENTO EUROPEU 2009-2014 Comissão dos Transportes e do Turismo 11.7.2013 2013/0106(COD) ALTERAÇÕES 9-25 Projeto de parecer Nathalie Griesbeck (PE513.286v01-00) sobre a proposta de Regulamento do Parlamento

Leia mais

LEI Nº 001 DE 14 DE JANEIRO DE 1987

LEI Nº 001 DE 14 DE JANEIRO DE 1987 LEI Nº 001 DE 14 DE JANEIRO DE 1987 Súmula: Dispõe sobre a Estrutura Administrativa da Prefeitura Municipal de Primavera do Leste, Estado de Mato Grosso e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE

Leia mais

C O M A N D O D O C O R P O D E B O M B E I R O S Gabinete do Comandante

C O M A N D O D O C O R P O D E B O M B E I R O S Gabinete do Comandante C O M A N D O D O C O R P O D E B O M B E I R O S Gabinete do Comandante PORTARIA N.º 06, DE 01 DE AGOSTO DE 2002. Estabelece no âmbito do Corpo de Bombeiros critérios aplicáveis em todo o Estado do Paraná

Leia mais

Apresentação Corporativa

Apresentação Corporativa Apresentação Corporativa Nossa Empresa A TerraMar Treinamentos foi fundada no ano de 2009, objetivando o atendimento às empresas do setor marítimo no tocante aos treinamentos de segurança, aprimoramento

Leia mais

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS NORMAS DA AUTORIDADE MARÍTIMA NORMAM 22/DPC

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS NORMAS DA AUTORIDADE MARÍTIMA NORMAM 22/DPC MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS NORMAS DA AUTORIDADE MARÍTIMA PARA O CERIMONIAL DA MARINHA MERCANTE NACIONAL NORMAM 22/DPC - 2006 - NORMAM 22/DPC MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO. (Alterada pelas Resoluções nº 65/2011 e 98/2013) RESOLUÇÃO Nº 20, DE 28 DE MAIO DE 2007.

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO. (Alterada pelas Resoluções nº 65/2011 e 98/2013) RESOLUÇÃO Nº 20, DE 28 DE MAIO DE 2007. CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO (Alterada pelas Resoluções nº 65/2011 e 98/2013) RESOLUÇÃO Nº 20, DE 28 DE MAIO DE 2007. Regulamenta o art. 9º da Lei Complementar nº 75, de 20 de maio de 1993 e

Leia mais

PROPOSTA DE LEI N.º 58/X. Exposição de Motivos

PROPOSTA DE LEI N.º 58/X. Exposição de Motivos PROPOSTA DE LEI N.º 58/X Exposição de Motivos Portugal é parte da Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar, assinada em 10 de Dezembro de 1982, e do Acordo Relativo à Aplicação da Parte XI da

Leia mais

AUTORIDADE MARÍTIMA NACIONAL (AMN)

AUTORIDADE MARÍTIMA NACIONAL (AMN) AUTORIDADE MARÍTIMA NACIONAL (AMN) Decreto-Lei n.º 44/2002 de 2 de Março Autoridade marítima nacional...2 Objecto e atribuições...2 Objecto...2 Atribuições da autoridade marítima nacional...3 Estrutura

Leia mais

CONTEÚDOS FUNCIONAIS:

CONTEÚDOS FUNCIONAIS: CONTEÚDOS FUNCIONAIS: Ref.ª A) TÉCNICO SUPERIOR DE ENGENHARIA DO AMBIENTE Realizar análises, estudo e emissão de pareceres dos assuntos que lhe são submetidos, tendo como base as melhores praticas legais

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MACUCO GABINETE DO PREFEITO

PREFEITURA MUNICIPAL DE MACUCO GABINETE DO PREFEITO LEI Nº 493/09 ALTERA A LEI MUNICIPAL Nº 302/05 - PLANO DE CARREIRA E REMUNERAÇÃO DO MAGISTÉRIO PÚBLICO MUNICIPAL E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O Prefeito Municipal de Macuco, no uso de suas atribuições legais,

Leia mais

EASA certifica o reprojetado eixo de engrenagem do EC225

EASA certifica o reprojetado eixo de engrenagem do EC225 EASA certifica o reprojetado eixo de engrenagem do EC225 O eixo de engrenagens cônicas verticais, que foi reprojetado pela Airbus Helicopters para as aeronaves EC225, foi certificado pela European Aviation

Leia mais

MARINHA DO BRASIL CAPITANIA DOS PORTOS DE SERGIPE

MARINHA DO BRASIL CAPITANIA DOS PORTOS DE SERGIPE CAPITANIA DOS PORTOS DE SERGIPE 2005 - NPCP - NORMAS E PROCEDIMENTOS DA CAPITANIA DOS PORTOS FINALIDADE - NORMATIVA NR/VM/01/C CAPITANIA DOS PORTOS DE SERGIPE PORTARIA Nº 5 DE 10 DE FEVEREIRO DE 2009.

Leia mais

Informação a comunicar ao público sobre estabelecimento abrangido pelo regime de prevenção de acidentes graves que envolvem substâncias perigosas

Informação a comunicar ao público sobre estabelecimento abrangido pelo regime de prevenção de acidentes graves que envolvem substâncias perigosas Informação a comunicar ao público sobre estabelecimento abrangido pelo regime de prevenção de acidentes graves que envolvem substâncias perigosas Porquê ler este documento? Terminal da Trafaria OZ Energia

Leia mais

MINISTÉRIO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL. 8490 Diário da República, 1.ª série N.º 189 28 de setembro de 2015

MINISTÉRIO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL. 8490 Diário da República, 1.ª série N.º 189 28 de setembro de 2015 8490 Diário da República, 1.ª série N.º 189 28 de setembro de 2015 MINISTÉRIO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS Aviso n.º 76/2015 Por ordem superior se torna público que, em 18 de março de 2015 e em 30 de julho

Leia mais

Ministério do Interior

Ministério do Interior Ministério do Interior DECRETO LEI Nº /97 O Ministério do Interior é o órgão do Governo a que incumbe, dentre outras, as tarefas de garantia da segurança e da ordem internas, bem como da defesa dos direitos

Leia mais

A Pesca Industrial no Estado de São Paulo

A Pesca Industrial no Estado de São Paulo Apresentação FIESP Os Múltiplos Usos do Mar e a Atividade Pesqueira A Pesca Industrial no Estado de São Paulo PESCA INDUSTRIAL ATIVIDADE REGULAMENTADA LICENCIADA NÃO CRIMINOSA TIPOS DE PESCA A pesca industrial

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE-FURG PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE-FURG PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE-FURG PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO Av. Itália, Km8 Campus Carreiros Rio Grande, RS Brasil 96201-900 fone: 53.32336772 e-mail:prograd@furg.br

Leia mais

Ministério d. da Presidência do Conselho, em 7 de Abril de 2008. Registado com o n.º DL 178/2008 no livro de registo de diplomas

Ministério d. da Presidência do Conselho, em 7 de Abril de 2008. Registado com o n.º DL 178/2008 no livro de registo de diplomas Registado com o DL 178/2008 no livro de registo de diplomas da Presidência do Conselho, em 7 de Abril de 2008 A Lei 44/2004, de 19 de Agosto, com as alterações introduzidas pelo -Lei 100/2005, de 23 de

Leia mais

Alojamento a Bordo de Navios (Disposições Complementares)

Alojamento a Bordo de Navios (Disposições Complementares) 1 CONVENÇÃO N. 133 Alojamento a Bordo de Navios (Disposições Complementares) I Aprovada na 55ª reunião da Conferência Internacional do Trabalho (Genebra 1970), em complemento à Convenção n. 92, de 1949,

Leia mais

Transporte de mercadorias aumenta por via rodoviária e marítima

Transporte de mercadorias aumenta por via rodoviária e marítima Atividade dos Transportes 3º Trimestre de 215 14 de janeiro de 216 Transporte de mercadorias aumenta por via rodoviária e marítima Movimento de passageiros nos aeroportos continua a crescer mas com ligeira

Leia mais

Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 59, de 28.06.80 - DCN de 03 de julho de 1980

Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 59, de 28.06.80 - DCN de 03 de julho de 1980 Convênio sobre Transportes Marítimos entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo da República Popular da China Assinado em 22 de maio de 1979 Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 59,

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.822/2004 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.822/2004 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.822/2004 ACÓRDÃO L/M LAGOMAR II. Avaria no motor, deixando a embarcação á deriva, com assistência de reboque. Danos materiais, sem ocorrência de acidentes pessoais ou danos

Leia mais

MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL

MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL 8818 Diário da República, 1.ª série N.º 252 31 de Dezembro de 2009 MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL Portaria n.º 1457/2009 de 31 de Dezembro O

Leia mais

RESOLUÇÃO N.º 001/2013

RESOLUÇÃO N.º 001/2013 RESOLUÇÃO N.º 001/2013 Regulamenta os cursos técnicos da Modalidade do Mar, os distintivos de adultos da Modalidade do Mar, as Coordenações Regionais de Escoteiros do Mar e dá sugestões para a padronização

Leia mais

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS. 1º Seminário sobre Cabotagem Brasileira ANTAQ

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS. 1º Seminário sobre Cabotagem Brasileira ANTAQ MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS 1º Seminário sobre Cabotagem Brasileira ANTAQ 12 e 13 AGO 2009 Formação de Profissionais para a Marinha Mercante CALTE (RM1) Luiz Antonio M. de Malafaia Superintendente

Leia mais

Síntese das disposições respeitantes aos direitos dos passageiros no transporte marítimo e fluvial 1

Síntese das disposições respeitantes aos direitos dos passageiros no transporte marítimo e fluvial 1 Síntese das disposições respeitantes aos direitos dos passageiros no transporte marítimo e fluvial 1 O Regulamento (UE) n.º 1177/2010, relativo aos direitos dos passageiros do transporte marítimo e por

Leia mais

MARPOL 73/78 ANEXO V REGRAS PARA A PREVENÇÃO DA POLUIÇÃO POR LIXO DOS NAVIOS

MARPOL 73/78 ANEXO V REGRAS PARA A PREVENÇÃO DA POLUIÇÃO POR LIXO DOS NAVIOS MARPOL 73/78 ANEXO V REGRAS PARA A PREVENÇÃO DA POLUIÇÃO POR LIXO DOS NAVIOS Para os efeitos deste Anexo: Regra 1 Definições 1 Lixo significa todos os tipos de rejeitos de mantimentos, rejeitos domésticos

Leia mais

L E I n º 5 3 9 / 2 0 1 2 d e 0 6 d e j u l h o d e 2 0 1 2.

L E I n º 5 3 9 / 2 0 1 2 d e 0 6 d e j u l h o d e 2 0 1 2. L E I n º 5 3 9 / 2 0 1 2 d e 0 6 d e j u l h o d e 2 0 1 2. Disciplina o serviço de transporte de passageiros em veículos de aluguel (táxi). A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE ITAQUIRAÍ, ESTADO DE MATO GROSSO

Leia mais

Marinha participa de operação internacional com países africanos no patrulhamento do Golfo da Guiné

Marinha participa de operação internacional com países africanos no patrulhamento do Golfo da Guiné Marinha participa de operação internacional com países africanos no patrulhamento do Golfo da Guiné Por Tenente Fayga Soares Ao longo dos últimos 42 dias, a Marinha do Brasil participou de uma operação

Leia mais

Instrução Normativa nº 1.473, de 02.06.14 DOU-1, de 04.06.14

Instrução Normativa nº 1.473, de 02.06.14 DOU-1, de 04.06.14 Instrução Normativa nº 1.473, de 02.06.14 DOU-1, de 04.06.14 Altera a Instrução Normativa RFB nº 800, de 27 de dezembro de 2007, que dispõe sobre o controle aduaneiro informatizado da movimentação de embarcações,

Leia mais

COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº 499, DE 2004

COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº 499, DE 2004 COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº 499, DE 2004 Redação final das Emendas do Senado ao Projeto de Lei de Conversão nº 34, de 2004 (Medida Provisória nº 177, de 2004). A Comissão Diretora apresenta a redação

Leia mais

A ATUAÇÃO DA AUTORIDADE MARÍTIMA NOS CASOS DE POLUIÇÃO HÍDRICA

A ATUAÇÃO DA AUTORIDADE MARÍTIMA NOS CASOS DE POLUIÇÃO HÍDRICA MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS A ATUAÇÃO DA AUTORIDADE MARÍTIMA NOS CASOS DE POLUIÇÃO HÍDRICA Rodolfo Henrique de Saboia Superintendente de Meio Ambiente ROTEIRO ATRIBUIÇÕES LEGAIS DA MARINHA

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 005/99, de 17 de Dezembro de 1999.

LEI COMPLEMENTAR Nº 005/99, de 17 de Dezembro de 1999. LEI COMPLEMENTAR Nº 005/99, de 17 de Dezembro de 1999. Dispõe sobre a Reorganização da Estrutura Administrativa do Poder Executivo do Município de Chapadão do Sul (MS), e dá outras providências. O Prefeito

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA RESOLUÇÃO N o 24/2012, DO CONSELHO DE GRADUAÇÃO Aprova as Normas Gerais de Estágio de Graduação da Universidade Federal de Uberlândia, e dá outras providências. O CONSELHO DE GRADUAÇÃO DA, no uso das competências

Leia mais

NORMAS E PROCEDIMENTOS DA CAPITANIA DOS PORTOS DO RIO GRANDE DO NORTE - NPCP MARINHA DO BRASIL CAPITANIA DOS PORTOS DO RIO GRANDE DO NORTE - 2008 -

NORMAS E PROCEDIMENTOS DA CAPITANIA DOS PORTOS DO RIO GRANDE DO NORTE - NPCP MARINHA DO BRASIL CAPITANIA DOS PORTOS DO RIO GRANDE DO NORTE - 2008 - NORMAS E PROCEDIMENTOS DA CAPITANIA DOS PORTOS DO RIO GRANDE DO NORTE - NPCP MARINHA DO BRASIL CAPITANIA DOS PORTOS DO RIO GRANDE DO NORTE - 2008 - FINALIDADE NORMATIVA MARINHA DO BRASIL JI/JI/20/C CAPITANIA

Leia mais

13.S- SERVIDORES PÚBLICOS CEDIDOS OU REQUISITADOS PELA RFF S.A.:

13.S- SERVIDORES PÚBLICOS CEDIDOS OU REQUISITADOS PELA RFF S.A.: 13.S- SERVIDORES PÚBLICOS CEDIDOS OU REQUISITADOS PELA RFF S.A.: INSTRUÇÃO NORMATIVA INSS/PR Nº 11, DE 20 DE SETEMBRO DE 2006 - DOU DE 21/09/2006 Estabelece critérios a serem adotados pela área de Benefícios.

Leia mais

O Hypercluster da Economia do Mar em Portugal. (Resumo)

O Hypercluster da Economia do Mar em Portugal. (Resumo) O Hypercluster da Economia do Mar em Portugal (Resumo) O Hypercluster da Economia do Mar em Portugal Um novo domínio estratégico e um factor de afirmação A economia portuguesa está a sofrer uma descontinuidade

Leia mais

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS PORTARIA N O 393/DPC, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2013.

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS PORTARIA N O 393/DPC, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2013. WS/FB/22.1 080.1 DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS PORTARIA N O 393/DPC, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2013. Celebra acordo de delegação de competência firmado entre a AUTORIDADE MARÍTIMA BRASILEIRA e a Sociedade Classificadora

Leia mais

GABINETE DO VICE - PREFEITO

GABINETE DO VICE - PREFEITO 4 GABINETE DO VICE - PREFEITO ESTRUTURA O RGANIZACIONAL GABINETE DO VICE-PREFEITO - Cadastro Organizacional/PMS Gabinete do Vice- Prefeito VICE-PREFEITO Coordenadoria Administrativa Setor de Material e

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 41 DE 06 DE NOVEMBRO DE 2009

RESOLUÇÃO Nº 41 DE 06 DE NOVEMBRO DE 2009 1 RESOLUÇÃO Nº 41 DE 06 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre o Regimento Interno da Escola da Magistratura Regional Federal da Segunda Região. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA SEGUNDA REGIÃO, no

Leia mais

CONSTRUÇÃO E REPARAÇÃO NAVAL

CONSTRUÇÃO E REPARAÇÃO NAVAL CONSTRUÇÃO E REPARAÇÃO NAVAL 2013 APRESENTAÇÃO 1. Cronologia, core business & know-how 2. O Estaleiro 2.1 Principais vias de acesso e localização estratégica 2.2 Como chegar 2.3 Infraestruturas 3. Reparação

Leia mais

BOLETIM DA REPÚBLICA SUPLEMENTO PUBLICAÇÃO OFICIAL DA REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE. Quinta-feira, 15 de Março de 2012 I SÉRIE Número 11

BOLETIM DA REPÚBLICA SUPLEMENTO PUBLICAÇÃO OFICIAL DA REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE. Quinta-feira, 15 de Março de 2012 I SÉRIE Número 11 Quinta-feira, 15 de Março de 2012 I SÉRIE Número 11 BOLETIM DA REPÚBLICA PUBLICAÇÃO OFICIAL DA REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE SUPLEMENTO IMPRENSA NACIONAL DE MOÇAMBIQUE, E.P. A V I S O A matéria a publicar no

Leia mais

Promulga a Convenção Internacional sobre Preparo, Resposta e Cooperação em Caso de Poluição por Óleo, assinada em Londres, em 30 de novembro de 1990

Promulga a Convenção Internacional sobre Preparo, Resposta e Cooperação em Caso de Poluição por Óleo, assinada em Londres, em 30 de novembro de 1990 Página 1 DECRETO Nº 2.870, de 10 de dezembro de 1998 Promulga a Convenção Internacional sobre Preparo, Resposta e Cooperação em Caso de Poluição por Óleo, assinada em Londres, em 30 de novembro de 1990

Leia mais

1. O QUE É O ISPS - CODE 2. OBJETIVO 4. LOCAIS DE ACESSO

1. O QUE É O ISPS - CODE 2. OBJETIVO 4. LOCAIS DE ACESSO 1. O QUE É O ISPS - CODE Trata-se de uma nova estrutura de normas internacionais, elaboradas pela Organização Marítima Internacional (IMO), pertencente à Organização das Nações Unidas (ONU) e aprovada

Leia mais

Serviço Requisito de qualificação N 0 de vagas. agroecologia e/ou Extensão Rural. agroecologia e/ou Extensão Rural.

Serviço Requisito de qualificação N 0 de vagas. agroecologia e/ou Extensão Rural. agroecologia e/ou Extensão Rural. EDITAL DE PROCESSO SELETIVO PÚBLICO INSCRIÇÃO PARA SELEÇÃO DE PROFISSIONAIS PARA ATUAREM NO PROJETO ASSESSORIA TÉCNICA PEDAGÓGICA (ATP) AO PROGRAMA DE ASSESSÓRIA TÉCNICA, SOCIAL E AMBIENTAL (ATES) NOS

Leia mais

DE AUTOMÓVEIS DE ALUGUEL (TÁXIS), NO MUNICÍPIO

DE AUTOMÓVEIS DE ALUGUEL (TÁXIS), NO MUNICÍPIO 1 LEI Nº 1485/2014 DISPÕE SOBRE AS PERMISSÕES DE SERVIÇOS DE TRANSPORTE INDIVIDUAL DE PASSAGEIROS, ATRAVÉS DE AUTOMÓVEIS DE ALUGUEL (TÁXIS), NO MUNICÍPIO DE INHAÚMA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A Câmara Municipal

Leia mais

Regulamento para o processo eleitoral de renovação dos membros e diretoria do Comitê da Região Hidrográfica Coruripe Biênio 2010 / 2012

Regulamento para o processo eleitoral de renovação dos membros e diretoria do Comitê da Região Hidrográfica Coruripe Biênio 2010 / 2012 Regulamento para o processo eleitoral de renovação dos membros e diretoria do Comitê da Região Hidrográfica Coruripe Biênio 2010 / 2012 Da participação no processo e do número de vagas Art. 01 - É facultada

Leia mais

REGULAMENTO DO COLÉGIO DA ESPECIALIDADE DE URBANISMO

REGULAMENTO DO COLÉGIO DA ESPECIALIDADE DE URBANISMO REGULAMENTO DO COLÉGIO DA ESPECIALIDADE DE URBANISMO PREÂMBULO CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Objecto Artigo 2.º Princípios Artigo 3.º Finalidades Artigo 4.º Atribuições Artigo 5.º Relações

Leia mais

Marinha do Brasil e Polícia Federal apreendem contrabando no Paraná

Marinha do Brasil e Polícia Federal apreendem contrabando no Paraná Marinha do Brasil e Polícia Federal apreendem contrabando no Paraná Nesta segunda-feira (27 de julho), uma ação conjunta da Marinha do Brasil e Polícia Federal realizou a apreensão de contrabando e duas

Leia mais

REGULAMENTO DE TRANSFERÊNCIA E REOPÇÃO DE CURSOS DE GRADUAÇÃO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO DE TRANSFERÊNCIA E REOPÇÃO DE CURSOS DE GRADUAÇÃO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO DE TRANSFERÊNCIA E REOPÇÃO DE CURSOS DE GRADUAÇÃO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º As vagas remanescentes existentes em cada curso da SLMANDIC serão preenchidas obedecendo a seguinte

Leia mais

EDITAL Nº 01/2015 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO DO IFPR CAMPUS PITANGA

EDITAL Nº 01/2015 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO DO IFPR CAMPUS PITANGA EDITAL Nº 01/2015 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO DO IFPR CAMPUS PITANGA O INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ IFPR, no uso de suas atribuições, torna público o presente Edital com normas que regem o Processo simplificado

Leia mais

A ANTAQ e a regulação do transporte aquaviário e das atividades portuárias. Murillo de Moraes R. C. Barbosa Diretor da ANTAQ

A ANTAQ e a regulação do transporte aquaviário e das atividades portuárias. Murillo de Moraes R. C. Barbosa Diretor da ANTAQ A ANTAQ e a regulação do transporte aquaviário e das atividades portuárias Murillo de Moraes R. C. Barbosa Diretor da ANTAQ Litoral Sudeste, 16 de fevereiro de 2008 Regulação do transporte aquaviário e

Leia mais

DESPACHO n.º 13 /2016

DESPACHO n.º 13 /2016 DESPACHO n.º 13 /2016 O Sindicato dos Estivadores, Trabalhadores do Tráfego e Conferentes Marítimos do Centro e Sul de Portugal comunicou, mediante aviso prévio, que os trabalhadores seus representados

Leia mais

ANTEPROJETO DE DECRETO (OU LEI) (A ser Publicado no Diário Oficial do Município/Estado)

ANTEPROJETO DE DECRETO (OU LEI) (A ser Publicado no Diário Oficial do Município/Estado) ANTEPROJETO DE DECRETO (OU LEI) (A ser Publicado no Diário Oficial do Município/Estado) Considerando: 1) A importância dos mananciais e nascentes do Município para o equilíbrio e a qualidade ambiental,

Leia mais