Thomas Kahl 2008/2009

Save this PDF as:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Thomas Kahl 2008/2009"

Transcrição

1 Análise Mtemátic Thoms Khl 2008/2009 Conteúdo 1 Cálculo diferencil em R Preliminres Subconjuntos de R Funções Exemplos de funções Operções com funções Limites e Continuidde Funções deriváveis Derivds Regrs de derivção Exemplos Teorems fundmentis sobre funções deriváveis Estudo de funções Funções inverss Cálculo integrl em R Primitivs Regrs de primitivção Lineridde Primitivs imedits Primitivção por prtes Primitivção por substituicão Integrl de Riemnn Teorems fundmentis sobre integris Regrs de integrção Lineridde Integrção por prtes Integrção por substituição ou mudnç de vriáveis Equções diferenciis Equções diferenciis lineres Equções diferenciis sepráveis

2 4 Cálculo diferencil no plno O plno R O espço vectoril R Norm e distânci Discos, conjuntos bertos e pontos de cumulção Funções reis de dus vriáveis reis Conceitos básicos Limite de um função num ponto de cumulção Continuidde Derivds prciis e direccionis Derivds direccionis Derivds prciis Grdiente Extremos locis Vocbulário Pontos críticos Derivds prciis de segund ordem Mtriz Hessin Integris duplos Funções integráveis Proprieddes do integrl Coordends polres Áre e volume Tópicos computcionis Polinómio interpoldor Método dos mínimos qudrdos Método de Newton Regr do trpézio

3 1 Cálculo diferencil em R 1.1 Preliminres Subconjuntos de R Os conjuntos dos números reis, rcionis, inteiros e nturis são denotdos por R, Q, Z e N. Tem-se N Z Q R. Sejm e b números reis tis que < b. Aos seguintes subconjuntos de R chm-se intervlos: [, b] = {x R x b}; ], b[= {x R < x < b}; [, b[= {x R x < b}; ], b] = {x R < x b}; [, + [= {x R x}; ], + [= {x R < x}; ], b] = {x R x b}; ], b[= {x R x < b}; ], + [= R. Note-se que + e não são números reis, pens dois símbolos empregues n designção destes conjuntos. Aos intervlos ], b[, ], + [, ], b[ e R chm-se intervlos bertos. Os intervlos [, b], [, + [, ], b] e R são chmdos intervlos fechdos Funções Sejm D e E dois conjuntos. Um função f : D E é um regr que fz corresponder cd elemento x do conjunto D um e só um elemento do conjunto E. Este elemento é denotdo por f(x) e chmdo imgem de x por f. O conjunto D é chmdo o domínio d função f. O conjunto E é chmdo o conjunto de chegd de f. Exemplo. Consideremos função f : R R definid por f(x) = x 2. O domínio de f é R, o conjunto de chegd de f é R. A imgem de um elemento x do domínio R é o elemento x 2 do conjunto de chegd R. Neste exemplo o domínio e o conjunto de chegd d função são subconjuntos de R. Um tl função diz-se um função rel de um vriável rel. No exemplo cim regr d função é dd por um fórmul f(x) =.... Costum-se tmbém definir regr de um função usndo escrit x.... Assim podemos escrever x x 2 em vez de f(x) = x 2 pr definir função do exemplo. 3

4 A imgem de um função f : D E é o subconjunto Imf de E definido por Imf = {f(x) x D}. O gráfico de um função f : D E é o conjunto G f dos pres ordendos (x, f(x)) com x D, G f = {(x, f(x)) x D}. Exemplo. A imgem d função f : R R definid por f(x) = x 2 é o conjunto Imf = {x 2 x R} = [0, + [. O gráfico de f é o conjunto G f = {(x, x 2 ) x R}. No cso de um função f de um vriável rel vlores reis o gráfico de f é um subconjunto do plno R 2 que indicmos, se isto for possível, por um esboço. Um função f de um vriável rel vlores reis define-se às vezes só por um fórmul f(x) =... ou x... sem menção explícit do domínio e do conjunto de chegd. Qundo tl ocorrer, ficrá implícito que o conjunto de chegd é R e o domínio é o mior subconjunto de R pr o qul regr em questão fz sentido. Nestes csos o domínio d função f será designdo por D f. Exemplo. Consideremos função definid por f(x) = 1. O conjunto de chegd de f x é R e domínio de f é o conjunto D f = R\{0}. Até menção em contrário, só trtremos prtir de gor de funções reis de um vriável rel cujos domínios são intervlos ou reuniões finits de intervlos Exemplos de funções 1. Sej n > 0 um número nturl e f função definid por f(x) = x n. Tem-se D f = R e { [0, + [ n pr, Imf = R n ímpr. 2. Sej g função definid por g(x) = x. Tem-se D g = [0, + [ e Img = [0, + [. 3. Sej f função definid por x x. Tem-se D f = R e Imf = [0, + [. 4. Um função f : D E diz-se constnte se existir um elemento c E tl que, pr todo o x D, f(x) = c; imgem de f é o conjunto Imf = {c} e o gráfico de f é rect y = c. 5. Sej n N. Um função f : R R dd por f(x) = n x n + 1 x + 0, onde 0,..., n são números reis fixos tis que n 0, denomin-se função polinomil de gru n. Not-se que o gráfico de um função polinomil de gru 1 é um rect. 4

5 6. Um função rcionl f é um função dd por f(x) = p(x) onde p e q são dus q(x) funções polinomiis; o domínio de f é o conjunto D f = {x R q(x) 0}. 7. As funções trigonométrics seno, co-seno e tngente são denotds por sen, cos e tg. Tem-se D sen = D cos = R e D tg = R \ { π + kπ k Z}. Recorde-se fórmul 2 fundmentl cos 2 x + sen 2 x = 1 (x R). 8. Sej > 0 um número rel. A função f : R R definid por f(x) = x denominse função exponencil de bse. A função exponcil de bse e é prticulrmente importnte. 9. Sejm > 1 e x > 0 números reis. Então existe um único número rel t tl que t = x. Este número t denomin-se logritmo de x n bse e indic-se por log x. A função f : ]0, + [ R definid por x log x é chmd função logrítmic n bse. Us-se brevição ln x = log e x Operções com funções Operções lgébrics Sejm f : D E e g : D E (D, E R) dus funções. () A som de f e g é função f + g : D R dd por (f + g)(x) = f(x) + g(x). (b) Pr um constnte c R, função c f : D R dd por (c f)(x) = c f(x) é o produto de f por c. (c) O produto de f e g é função f g : D R dd por (f g)(x) = f(x) g(x). (d) Se g(x) 0 pr todo o x D, função f g : D R definid por (f f(x) )(x) = g g(x) é o quociente de f e g. Composição Sejm X, Y e Z subconjuntos de R e f : X Y e g : Y Z dus funções. A função g f : X Z definid por (g f)(x) = g(f(x)) denomin-se função compost de g e f. Exemplo. Consideremos função f : R [0, + [ dd por f(x) = x 2 e função g : [0, + [ R dd por g(y) = y. A função compost g f : R R é dd por (g f)(x) = x 2 = x. 5

6 1.2 Limites e Continuidde Definição. A derênci de um reunião finit de intervlos é reunião dos intervlos fechdos correspondentes. A derênci de D é denotd por D. Definição. Sejm f : D E um função, D e L um número rel. Dizemos que f tende pr L qundo x tende pr se, pr todo o número rel ε > 0 existe um número rel δ > 0 tl que, pr todo o x D \ {}, δ < x < + δ L ε < f(x) < L + ε. O número rel L diz-se limite de f qundo x tende pr e escrevemos lim x f(x) = L. De mneir semelhnte definem-se limites infinitos. Definição. Sejm f : D E um função e D. Dizemos que f é contínu em se lim f(x) = f(). A função f diz-se contínu se f é contínu em todo o ponto do seu x domínio. Proposição. Sejm f : D R e g : D R dus funções contínus e c R um constnte. Então s funções f + g, cf e fg são contínus. Se g(x) 0 pr todo o x D, então função f g é contínu. Proposição. Sejm f : D E e g : E F dus funções contínus. Então função compost g f : D F é contínu. Exemplos 1. Tods s funções d secção são contínus. 2. A função χ Q : R R definid por χ Q (x) = é descontínu em todo o ponto x R. 1.3 Funções deriváveis Derivds { 1 se x Q, 0 se x / Q. Definição. Um função f : D E diz-se diferenciável ou derivável em D se o limite f(x) f() lim x x existe e é finito. Se f é derivável em, o vlor deste limite chám-se derivd de f em e indic-se por f () ou df (). A função f diz-se derivável se é derivável em todos dx os pontos de D. A função f diz-se derivável num subconjunto A D se é derivável em todos os pontos de A. Se f é derivável, então função f : D R, x f (x) é chmd 6

7 derivd de f. Exemplos. () A função f : R R definid por f(x) = x é derivável. (b) A função f(x) = x é derivável em R\{0}. Est função, mesmo que contínu em 0, não é derivável em 0. Teorem. Sejm f : D E um função e D. Se f é derivável em, então f é contínu em. Equção d tngente Sej f : D E um função. Se f é derivável num ponto D, então o gráfico de f tem um rect tngente em cuj equção é Regrs de derivção Regrs lgébrics y = f() + f ()(x ). Sejm f, g : D R dus funções deriváveis em D. Então (i) função f + g é derivável em e (f + g) () = f () + g (); (ii) pr tod constnte k R, função k f é derivável em e (iii) função f g é derivável em e (k f) () = k f (); (f g) () = f () g() + f() g (); (iv) se, pr todo o x D, g(x) 0, então função f g é derivável em e ( ) f () = f () g() f() g (). g g() 2 Regr d cdei Sejm f : D E e g : E F dus funções e D. Se f é derivável em e g é derivável em f(), então função compost g f é derivável em e (g f) () = g (f()) f (). 7

8 1.3.3 Exemplos São válids s seguintes fórmuls de derivção: 1. (x n ) = nx n 1 (n N\{0}, x R); 2. (x n ) = nx n 1 (n N, x R\{0}); 3. (e x ) = e x (x R); 4. (ln x) = 1 x (x > 0); 5. (sen x) = cos x (x R); 6. (cos x) = sen x (x R); 7. (tg x) = 1 cos 2 x = 1 + tg 2 x 8. ( x ) = x ln ( > 0, x R); (x π 2 + kπ, k Z); 9. (x ρ ) = ρx ρ 1 (ρ R, x > 0); 10. ( x) = 1 2 x (x > 0) Teorems fundmentis sobre funções deriváveis Definição. Sejm f : D R um função e c D. f diz-se crescente se, quisquer que sejm x, y D, x < y f(x) f(y). f diz-se estritmente crescente se, quisquer que sejm x, y D, x < y f(x) < f(y). f diz-se decrescente se, quisquer que sejm x, y D, x < y f(x) f(y). f diz-se estritmente decrescente se, quisquer que sejm x, y D, x < y f(x) > f(y). f diz-se monóton se f é crescente ou decrescente. f diz-se estritmente monóton se f é estritmente crescente ou estritmente decrescente. 8

9 Diz-se que f tem um máximo locl em c se existe δ > 0 tl que f(x) f(c) pr todo o x ]c δ, c + δ[ D. Diz-se que f tem um mínimo locl em c se existe δ > 0 tl que f(x) f(c) pr todo o x ]c δ, c + δ[ D. Diz-se f tem um extremo locl em c se f tem um máximo ou um mínimo locl em c. Sej A D um subconjunto do domínio de f. A função f diz se crescente, decrescente, estritmente crescente,... em A se restrição de f A, isto é função f A : A E definid por f A (x) = f(x), é crescente, decrescente, estritmente crescente,... Proposição. Sej f :], b[ E um função derivável. Se f tem um extremo locl em c ], b[, então f (c) = 0. Teorem de Lgrnge. Se f é contínu em [, b] e derivável em ], b[, então existe pelo menos um c ], b[ tl que f f(b) f() (c) =. b Corolário 1. Sej f contínu em [, b] e derivável em ], b[. Se f (x) = 0 pr todo o x ], b[, então f é constnte em [, b]. Corolário 2. (Monotoni ds funções reis) Sej f um função contínu, definid num intervlo I. Sej J o mior intervlo berto contido em I. Suponhmos que f é derivável em J. (i) Se f (x) 0 pr todo o x J, então f é crescente em I. (ii) Se f (x) > 0 pr todo o x J, então f é estritmente crescente em I. (iii) Se f (x) 0 pr todo o x J, então f é decrescente em I. (iv) Se f (x) < 0 pr todo o x J, então f é estritmente decrescente em I Estudo de funções O estudo de um função rel f inclui determinção do domínio de f, discussão ds proprieddes de monotoni e de concvidde de f, determinção dos extremos locis e dos pontos de inflexão de f e o esboço do gráfico de f. Derivds de ordem superior Um função derivável f : D E diz-se derivável té 2 ordem se derivd f for derivável. A derivd de f denomin-se derivd de 2 ordem de f e é indicd por f ou por f (2). De modo nálogo, define-se s derivds de ordens superiores 2 de f. 9

10 Pontos críticos e extremos locis Sej f : D E um função derivável. Um ponto c D diz-se ponto crítico de f se f (c) = 0. Sbemos d secção que os extremos locis de um função derivãvel num intervlo berto são pontos críticos d função. Proposição. Sejm I um intervlo, f : I E um função derivável té 2 ordem e c I um ponto crítico de f. (i) Se f (c) < 0, então f tem um máximo locl em c. (ii) Se f (c) > 0, então f tem um mínimo locl em c. Proposição. Sejm f : D E um função contínu e c D. Então f tem um mínimo (respectivmente máximo) locl em c se existe um número rel r > 0 tl que f é crescente (resp. decrescente) em D ]c, c + r[ e decrescente (resp. crescente) em D ]c r, c[. Concvidde e pontos de inflexão Definição. Sejm f : D E um função derivável e I D um intervlo. 1. Diz-se que f tem concvidde pr cim em I se x, I f(x) f() + f ()(x ). 2. Diz-se que f tem concvidde pr bixo em I se x, I f(x) f() + f ()(x ). 3. Um ponto c D diz-se ponto de inflexão de f se existe um número rel r > 0 tl que ]c r, c + r[ D e f tem concvidde pr cim ms não pr bixo em ]c r, c[ e concvidde pr bixo ms não pr cim em ]c, c + r[ ou concvidde pr bixo ms não pr cim em ]c r, c[ e concvidde pr cim ms não pr bixo em ]c, c + r[. Teorem. Sejm f : D E um função derivável té 2 ordem e I D um intervlo. Então (i) f tem concvidde pr cim em I se e só se f (x) 0 pr todo o x I; (ii) f tem concvidde pr bixo em I se e só se f (x) 0 pr todo o x I. 10

11 1.3.6 Funções inverss Definição. Um função f : D E diz-se bijectiv se, pr cd y E, equção f(x) = y dmite um únic solução. A função E D que fz corresponder cd y E o único x D tl que f(x) = y é chmd função invers de f e é indicd por f 1. Atenção! A notção f 1 é reservd pel função invers de f. Em gerl, f 1 (x) f(x) 1 (= 1 ). f(x) Observções. (i) Sej f : D E um função. Se existir um função g : E D tl que f(g(y)) = y pr todo o y E e g(f(x)) = x pr todo o x D, então f é bijectiv e g = f 1. (ii) Sej f um função bijectiv. Então os gráficos ds funções f e f 1 são simétricos em relção à rect y = x. Exemplos. (i) A função f : R\{0} R\{0}, f(x) = 1 x é bijectiv e função invers é dd por f 1 (y) = 1 y. Neste exemplo temos f 1 = f. (ii) Pr todo o ρ R\{0}, função f :]0, + [ ]0, + [ definid por f(x) = x ρ é bijectiv e função invers é dd por f 1 (y) = y 1 ρ. (iii) Pr qulquer > 1, função f : R ]0, + [ definid por f(x) = x é bijectiv e função invers é dd por f 1 (y) = log y. Em prticulr, função f(x) = e x é bijectiv e f 1 (y) = ln y. Teorem. Sej f um função bijectiv definid num intervlo I. Se f é derivável em x I e f (x) 0, então função invers f 1 é derivável em y = f(x) e (f 1 ) (y) = 1 f (x) = 1 f (f 1 (y)). Funções trigonométrics inverss 1. A função sen : [ π 2, π ] [ 1, 1] é bijectiv. A função invers é chmd rco-seno 2 e é indicd por rcsen. A função rco-seno é derivável em ] 1, 1[ e rcsen (x) = 1 1 x 2 ( 1 < x < 1). 2. A função cos : [0, π] [ 1, 1] é bijectiv. A função invers é chmd rco-co-seno e é indicd por rccos. A função rco-co-seno é derivável em ] 1, 1[ e rccos 1 (x) = 1 x 2 ( 1 < x < 1). 3. A função tg :] π 2, π [ R é bijectiv. A função invers é chmd rco-tngente 2 e é indicd por rctg. A função rctg : R ] π 2, π 2 [ 11

12 é derivável. A derivd d função rco-tngente é dd por 2 Cálculo integrl em R 2.1 Primitivs rctg (x) = x 2 (x R). Definição. Sej f um função definid num intervlo I. Um função derivável F : I R diz-se primitiv de f se, pr todo o x I, F (x) = f(x). Exemplo. f : R R, f(x) = x. A função F : R R dd por F (x) = 1 2 x2 é um primitiv d função Proposição. Sejm f um função definid num intervlo I e F : I R um primitiv de f. Então um função G : I R é um primitiv de f se e só se existe um constnte C R tl que, pr todo o x I, G(x) = F (x) + C. Exemplo. As primitivs d função f : R R dd por f(x) = x são s funções F : R R, F (x) = 1 2 x2 + C, C R. O símbolo f(x)dx Sejm f um função definid num intervlo I e F : I R um primitiv de f. Vmos exprimir o fcto que s primitivs de f são s funções G : I R d form G(x) = F (x) + C, onde C R é um constnte, escrevendo f(x)dx = F (x) + C, C R. Assim, fórmul x 2 dx = 1 3 x3 + C, C R signific que s s primitivs d função f : R R dd por f(x) = x 2 são s funções G : R R d form G(x) = 1 3 x3 + C, onde C R é um constnte. Primitivs fundmentis São válids s seguintes fórmuls de primitivção em qulquer intervlo contido no domínio ds funções: 1. k dx = kx + C, C R (k R); 2. x α dx = 1 α + 1 xα+1 + C, C R (α 1); 3. 1 x dx = ln x + C, C R; 12

13 4. e x dx = e x + C, C R; 5. cos x dx = sen x + C, C R; 6. sen x dx = cos x + C, C R; 7. 1 dx = tg x + C, C R; cos 2 x 8. 1 dx = rctg x + C, C R. x Regrs de primitivção Lineridde 1. Sejm f e g dus funções definids num intervlo I, F um primitiv de f e G um primitiv de g. Então função F + G : I R é um primitiv d função f + g : I R. Exprimimos este fcto tmbém escrevendo (f(x) + g(x))dx = f(x)dx + g(x)dx. 2. Sejm f um função definid num intervlo I, F um primitiv de f e k R um constnte. Então função k F : I R é um primitiv d função k f : I R. Exprimimos este fcto tmbém escrevendo k f(x)dx = k f(x)dx. Exemplo. Temos 3x 2 2x 4 dx = 3x 2 dx + 2x 4 dx = 3 x 2 dx 2 x 4 dx = x x5 + C = x x5 + C, C R Primitivs imedits Sejm I ej dois intervlos e f : I J e g : J R dus funções deriváveis. Então g (f(x))f (x)dx = g(f(x)) + C, C R. Exemplos. (i) Temos xe x2 dx = 1 2 e x2 2xdx = 1 2 ex2 + C, C R. 13

14 (ii) Sej u : I J um função derivável com J ]0, + [ ou J ], 0[. Então função x u(x) é derivável em I e u (x) ( u(x) ) u(x) dx = dx u(x) = ln ( u(x) ) ( u(x) ) dx = ln u(x) + C, C R. Assim temos tg xdx = sen x dx = ln cos x + C, cos x C em qulquer intervlo contido no domínio d função tg. R Primitivção por prtes Sejm f e g deriváveis num intervlo I e H um primitiv d função f g : I R. Então função f g H é um primitiv d função f g : I R. Exprimimos este fcto tmbém escrevendo f (x)g(x) dx = f(x)g(x) f(x)g (x) dx. Exemplo. Temos xsen x dx = x( cos x) 1 ( cos x) dx = xcos x + sen x + C, C R Primitivção por substituicão Teorem. Sej f um função definid num intervlo I. Sejm J um intervlo, g : J I um função bijectiv derivável cuj derivd nunc se nul e H : J R um primitiv d função (f g) g. Então função F : I R definid por F (x) = H(g 1 (x)) é um primitiv de f, breve : [ f(x)dx = ] f(g(t))g (t)dt. t=g 1 (x) O teorem permite determinr s primitivs de f fzendo em f(x)dx substituição x = g(t) e dx = g (t)dt e clculndo portnto f(g(t))g (t)dt em vez de f(x)dx; voltndo no resultdo à vriável x com substituição t = g 1 (x) obtemos s primitivs de f. Exemplo. Pretende-se determinr s primitivs d função f : ]1, + [ R dd por f(x) = ln x 1. 14

15 A função g : ]0, + [ ]1, + [, t t 2 +1, é bijectiv e derivável e, pr todo o t ]0, + [, g (t) = 2t > 0. Podemos então fzer substituição x = t 2 + 1, dx = 2t dt. Temos ln( t )2t dt = 2t ln t dt = t 2 ln t t 2 1 t dt = t 2 ln t t dt = t 2 ln t t2 2 + C, C R. Voltndo à vriável x com substituição t = x 1 obtemos ln x 1 = (x 1) ln x 1 x 1 + C, C R Integrl de Riemnn Sucessões. Um sucessão é um função n n, vlores reis, cuj domínio é um subconjunto de N d form {n N n q} onde q N é um número nturl fixo. Costum-se definir um sucessão dizendo, por exemplo, Sej ( n ) n 3 sucessão de termo gerl n =.... Dizemos que um sucessão ( n ) n q converge pr R se, pr todo o ε > 0, existe N N tl que pr todo o n N, ε < n < + ε. Um sucessão diz-se convergente se existe R tl que sucessão converge pr. Este número diz-se o limite d sucessão e escrevemos lim n =. n + Um sucessão que não é convergente diz-se divergente. Notção. Sejm ( n ) n q um sucessão e l, k N tis que q l k. Definimos k i = l + l k. i=l Assim, por exemplo, e 7 i=3 1 i = k i = k = i=1 15 k(k + 1). 2

16 Teorem. Sej f contínu em [, b]. Então sucessão (s n ) n 1 de termo gerl n 1 s n = f( + i b n ) b n i=0 é convergente. Definição. Sej f contínu em [, b]. O integrl (de Riemnn) de f é o número rel Exemplo Pr qulquer constnte c R, b b n 1 f(x)dx = lim f( + i b n n ) b n. i=0 n 1 cdx = lim c b n n i=0 = lim (c b n n + + c b n ) = lim (c n b n n ) = lim (c (b )) n = c (b ). 2.4 Teorems fundmentis sobre integris Sejm f contínu num intervlo I e, b I tis que < b. Definimos b f(x)dx = f(x)dx e f(x)dx = 0. b Teorem. Sejm f contínu num intervlo I e, b, c I. Então b c b f(x)dx = f(x)dx + f(x)dx. c Teorem do vlor médio do cálculo integrl. existe c [, b] tl que b f(x)dx = f(c)(b ). Sej f contínu em [, b]. Então Teorem fundmentl do Cálculo. Sejm f contínu num intervlo I e, b I. Então 16

17 (i) função F : I R definid por x F (x) = f(t)dt é um primitiv de f; (ii) pr qulquer primitiv G de f, Exemplo. b π sen xdx = cos π + cos 0 = 2. 0 f(x)dx = G(b) G(). Notção. Pr um função F e, b D F escrevemos tmbém [F (x)] b em vez de F (b) F (). Do mesmo modo exprimimos prte (ii) do Teorem fundmentl do Cálculo escrevendo b [ ] b f(x)dx = f(x)dx. 2.5 Regrs de integrção Lineridde 1. Sejm f e g contínus em [, b]. Então b (f(x) + g(x))dx = b f(x)dx + b g(x)dx. 2. Sejm f contínu em [, b] e k R um constnte. Então b b k f(x)dx = k f(x)dx Integrção por prtes Definição. Sej n 1 um número nturl. Um função f : D E diz-se de clsse C n se el é derivável té ordem n e se n-ésim derivd de f é contínu. Um função f : D E diz-se de clsse C se el dmite derivds de tods s ordens. Proposição. Sejm f e g de clsse C 1 em [, b]. Então b f (x)g(x)dx = [f(x)g(x)] b 17 b f(x)g (x)dx.

18 Exemplo. Pretende-se determinr π e x cos x dx. As funções e x e cos x são de clsse C 0 em R e então de clsse C 1 em [0, π]. Fzendo s dus integrções por prtes possíveis obtemos π π e x cos x dx = [e x cos x] π 0 + e x sen x dx e Logo ou sej 0 π 0 2 π e x cos x dx = [e x sen x] π 0 π e x sen x dx. e x cos x dx = [e x cos x] π 0 + [ex sen x] π 0 π e x cos x dx = 1 2 (eπ cos π e 0 cos 0 0 +e π sen π e 0 sen 0) = 1 2 ( eπ 1) = 1 2 (eπ + 1) Integrção por substituição ou mudnç de vriáveis Teorem. Sejm f contínu em [, b], I um intervlo, g : I [, b] de clsse C 1 e α, β I tis que g(α) = e g(β) = b. Então b β f(x)dx = f(g(t))g (t)dt. α Not. Se comprrmos s hipóteses do teorem cim e quels do teorem de primitivção por substituição (6.2.4) podemos observr seguinte diferenç: Num primitivção por substituição mudnç de vriáveis g tem de ser um função derivável bijectiv cuj derivd nunc se nul; no teorem cim função g tem de ser de clsse C 1. Exemplo. por Pretende-se clculr 1 1 rcsen x dx. A função g : [ π 2, π ] [ 1, 1] definid 2 g(t) = sen t é de clsse C 1 e temos g( π 2 ) = 1 e g(π ) = 1. Podemos então fzer substituição 2 x = sen t, dx = cos t dt. 18

19 (Not-se que g é bijectiv e derivável ms g ( π 2 ) = g ( π ) = 0.) Temos rcsen x dx = = π 2 π 2 π 2 rcsen (sen t)cos t dt tcos t dt π 2 = [tsen t] π 2 π 2 π 2 π 2 sen t dt = [tsen t] π 2 π 2 + [cos t] π 2 π 2 = [tsen t + cos t] π 2 π 2 = π (π 2 + 0) = 0. 19

20 3 Equções diferenciis Um equção diferencil ordinári (EDO) de 1 ordem é um equção cuj incógnit é um função rel de um vriável rel e que se escreve em termos d vriável (denotd, por exemplo, por x), d função incógnit (denotd, por exemplo, por y) e d su derivd (denotd por y ). 3.1 Equções diferenciis lineres Definição. Sej I R um intervlo berto. Um equção diferencil (ordinári) liner de 1 ordem em I é um equção diferencil d form ( ) (x)y (x) + b(x)y(x) = c(x) onde, b e c são funções (conhecids) contínus em I tis que pr todo o x I, (x) 0. Costum-se indicr o domínio I d equção diferencil n própri equção escrevendo (x)y (x) + b(x)y(x) = c(x), x I. Se não se dizer nd sobre o domínio d equção diferencil supõe-se I = R. Um função derivável y definid em I que stizfz condição ( ) diz-se solução d equção diferencil ( ). A equção diferencil liner ( ) diz-se homogéne se função c(x) é constnte igul 0. Um equção diferencil liner com coeficientes constntes é um equção diferencil liner d form ( ) em que s funções (x) e b(x) são constntes. Resolução ds equções diferenciis lineres de 1 ordem Um mneir de resolver um equção diferencil liner consiste no seguintes pssos: ( ) (x)y (x) + b(x)y(x) = c(x), x I Trnsformr equção ( ) n equção ( ) y (x) + p(x)y(x) = q(x) em que p(x) = b(x) c(x) e q(x) =. As dus equções diferenciis são equivlentes, (x) (x) isto é, têm s mesms soluções. Determinr um primitiv P de p. Multiplicr equção ( ) por e P (x). Obtem-se um equção equivlente em que o ldo esquerdo é e P (x) y (x) + e P (x) p(x)y(x) = (y(x)e P (x) ). Determinr um primitiv Q d função do ldo direito d equção obtid no psso nterior, isto é d função e P (x) q(x). A equção diferencil é então equivlente à equção e P (x) y(x) = Q(x) + C, C R que já não é um equção diferencil. 20

21 Resolver últim equção em ordem y(x). Obtem-se ssim solução gerl de ( ): Exemplo. y(x) = e P (x) Q(x) + Ce P (x), C R, x I. Indic-se qui novmente o domínio I. Pretende-se resolver equção diferencil liner No domínio d equção ( ) temos ( ) x 2 y (x) + y(x) = x 3 e 1 x, x ]0, + [. x 2 y (x) + y(x) = x 3 e 1 x y (x) + 1 x 2 y(x) = xe 1 x e 1 x y (x) + e 1 1 x x y(x) = xe 1 2 x e 1 x (e 1 x y(x)) = x e 1 x y(x) = x2 2 + C, C R y(x) = x2 2 e 1 x + Ce 1 x, C R, x ]0, + [. As soluções d equção diferencil liner ( ) são s funções y :]0, + [ R d form y(x) = x2 2 e 1 x + Ce 1 x, C R. Teorem. Sejm I R um intervlo berto e, b e c funções contínus em I tis que pr todo o x I, (x) 0. Então pr quisquer números x 0 I e y 0 R, equção diferencil liner (x)y (x) + b(x)y(x) = c(x), x I dmite um únic solução y que stizfz condição inicil y(x 0 ) = y 0. Exemplo. Temos Or, Pretende-se resolver o problem com condição inicil { y ( ) (x) + y(x) = 0 y(0) = 2. y (x) + y(x) = 0 e x y (x) + e x y(x) = 0 (e x y(x)) = 0 e x y(x) = C, C R y(x) = Ce x, C R. y(0) = 2 C = 2. A solução do problem com condição inicil ( ) é função y : R R dd por y(x) = 2e x. 21

22 3.2 Equções diferenciis sepráveis Definição. Um equção diferencil seprável é um equção diferencil d form ( ) y (x) = g(x)h(y(x)), x I, y J em que I e J são intervlos bertos, g é um função contínu definid em I e h é um função contínu definid em J que nunc se nul. Se não se dizer nd sobre um dos intervlos I e J supõe-se que este intervlo é R. Um função derivável y : I J definid num intervlo berto I I que stizfz condição ( ) diz-se solução d equção diferencil ( ). Um solução y : I J de ( ) diz-se mximl se não existe nenhum solução ỹ : Ĩ J de ( ) com I Ĩ e tl que pr todo o x I, ỹ(x) = y(x). Resolução ds equções diferenciis sepráveis A resolução de um equção diferencil seprável consiste nos seguintes pssos: ( ) y (x) = g(x)h(y(x)), x I, y J Como h nunc se nul, é possível seprr s vriáveis x e y e trnsformr equção ( ) n equção diferencil equivlente ( ) y (x) h(y(x)) = g(x). Determinr um primitiv H d função 1 h ( ) por (H(y(x)). e substituir o ldo esquerdo d equção Determinr um primitiv G de g. A equção diferencil é então equivlente à equção H(y(x)) = G(x) + C, C R que já não é um equção diferencil. Como su derivd nunc se nul, função H : J ImH é estritmente monóton e então bijectiv. Podemos então substituir últim equção por y(x) = H 1 (G(x) + C), C R. Determinr os vlores possíveis pr constnte C e, em função disso, o mior domínio possível d solução encontrd. Indic-se solução (mximl) gerl de ( ) sob form y(x) = H 1 (G(x) + C), C..., x... 22

23 Exemplo. Pretende-se resolver equção diferencil No domínio d equção ( ) temos ( ) y (x) = xy(x) 3, x R, y > 0. y (x) = xy(x) 3 y (x)y(x) 3 = x ( 1 ) 2 y(x) 2 = x 1 2 y(x) 2 = 1 2 x2 + C, C R y(x) 2 = x 2 + K, K R y(x) 2 1 = x 2 + K, K R 1 y(x) = x2 + K, K R. Tem-se x 2 + K > 0 K > x 2 K > 0 e x ] K, K[. A solução gerl de ( ) é dd por y(x) = 1 x2 + K, K > 0, x ] K, K[. Teorem. Sejm I e J intervlos bertos, g um função contínu definid em I e h um função contínu definid em J que nunc se nul. Então pr quisquer números x 0 I e y 0 J, equção diferencil seprável y (x) = g(x)h(y(x)), x I, y J dmite um únic solução mximl y que stizfz condição inicil y(x 0 ) = y 0. Exemplo. Pretende-se determinr solução mximl do problem com condição inicil ( ) { y (x) = xy(x) 3, x R, y > 0, y(0) = 1. Pelo exemplo precedente solução gerl d equção diferencil dd é y(x) = 1 x2 + C, C > 0, x ] C, C[. 23

24 Temos y(0) = 1 1 C = 1 C = 1 C = 1. A solução mximl do problem com condição inicil ( ) é função y : ] 1, 1[ ]0 + [ dd por 1 y(x) = x

25 4 Cálculo diferencil no plno 4.1 O plno R 2 Indicmos por R 2 o conjunto dos pres ordendos (x, y) em que x e y são números reis. Os elementos de R 2 são chmdos pontos ou vectores do plno R 2. Ddo um ponto (x, y) em R 2, os números reis x e y são s componentes ou coordends de (x, y) O espço vectoril R 2 Ddos (x, y), (x, y ) R 2 e um número rel λ definimos som (x, y)+(x, y ) e o produto λ (x, y) pondo (x, y) + (x, y ) = (x + x, y + y ), λ (x, y) = (λx, λy). Ests operções fzem de R 2 um R-espço vectoril de dimensão 2 no qul o elemento neutro pr dição é (0, 0) e o simétrico de (x, y) é (x, y) = ( x, y). Os vectores e 1 = (1, 0) e e 2 = (0, 1) formm um bse de R 2 à qul chmremos bse cnónic de R Norm e distânci A norm de um vector (x, y) R 2 é definid por (x, y) = x 2 + y 2. Geometricmente norm de um vector (x, y) de R 2 é o comprimento deste vector, isto é, distânci de (x, y) à origem (0, 0). A distânci de dois pontos (x, y), (x, y ) R 2 é dd pel norm (x, y) (x, y ) = (x x ) 2 + (y y ) Discos, conjuntos bertos e pontos de cumulção O disco (ou bol fechd) de centro (, b) R 2 e rio r > 0 é o conjunto B r (, b) = {(x, y) R 2 (x ) 2 + (y b) 2 r 2 }. Assim, o disco de centro (, b) e rio r é o conjunto dos pontos de R 2 cuj distânci o ponto (, b) é menor ou igul r. Um subconjunto D R 2 diz-se berto se pr cd ponto (, b) D existe um número rel r > 0 tl que B r (, b) D. Um ponto (, b) R 2 diz-se ponto de cumulção de um conjunto D R 2 se pr todo o número rel r > 0, D B r (, b) \ {(, b)}. 25

26 4.2 Funções reis de dus vriáveis reis Conceitos básicos Um função rel de dus vriáveis reis é um função f : D E em que o domínio D é um subconjunto de R 2 e o conjunto de chegd E é um subconjunto de R. Assim, f ssoci cd elemento (x, y) de D um (e só um) número rel f(x, y). Um função f de dus vriáveis vlores reis defin-se às vezes só por um fórmul f(x, y) =... sem menção explícit do domínio e do conjunto de chegd. Qundo tl ocorrer, ficrá implícito que o conjunto de chgd é R e o domínio é o mior subconjunto de R 2 pr o qul regr em questão fz sentido. Nestes csos o domínio d função f será designdo por D f. Pr um função f : D E de dus vriáveis (D R 2, E R) podemos considerr os seguintes conjuntos: imgem de f, que é um subconjunto de R: Imf = {f(x, y) (x, y) D}; o gráfico de f, que é um subconjunto do espço R 3 = {(x, y, z) x, y, z R}: G f = {(x, y, f(x, y)) (x, y) D}; curv de nível k R, que é um subconjunto de R 2 : f 1 ({k}) = {(x, y) D f(x, y) = k} Limite de um função num ponto de cumulção Sejm f : D E um função rel de dus vriáveis (D R 2 e E R), (, b) um ponto de cumulção de D e L R. Dizemos que f tende pr L qundo (x, y) tende pr (, b) se pr todo o número rel ε > 0 existe um número rel δ > 0 tl que pr todo o (x, y) D \ {(, b)}, (x, y) B δ (, b) f(x, y) L < ε. O número rel L diz-se limite de f qundo (x, y) tende pr (, b) e escrevemos lim f(x, y) = L. (x,y) (,b) Exemplo. e Pr qulquer ponto (, b) R 2 tem-se lim x = (x,y) (,b) lim (x,y) (,b) y = b. 26

27 4.2.3 Continuidde Nest secção considermos um conjunto D R 2 tl que todos os pontos de D são pontos de cumulção de D. Definição. em (, b) se Sejm f : D E um função rel e (, b) D. Dizemos que f é contínu lim f(x, y) = f(, b). (x,y) (,b) A função f diz-se contínu se é contínu em todos os pontos de D. Proposição. Sejm f e g dus funções contínus definids em D e c R um constnte. Então s funções f +g, cf, fg : D R (definids de mneir óbvi) são contínus. Se em cd ponto (x, y) D, g(x, y) 0, então função f g óbvi) é contínu. : D R (definid de mneir Proposição. Se f : D E e g : E F (E, F R) são dus funções contínus então função compost g f : D F definid por é contínu. g f(x, y) = g(f(x, y)) Exemplo. A função f : R 2 R definid por f(x, y) = sen (xy) + e 3x y é contínu. 4.3 Derivds prciis e direccionis Nest secção considermos um conjunto berto D R 2 e um ponto (, b) de D Derivds direccionis Definição. Sejm f um função rel definid em D e (v, w) um vector de R 2. A derivd direccionl de f em (, b) n direcção do vector (v, w) é, se existir, o limite Exemplo. f((, b) + t(v, w)) f(, b) D (v,w) (, b) = lim. t 0 t Sej f : R 2 R função dd por f(x, y) = x 2 + y 2. 27

28 A derivd direccionl de f em (0, 1) n direcção do vector (1, 2) é Derivds prciis D (1,2) f(0, 1) = lim t 0 f((0, 1) + t(1, 2)) f(0, 1) t = lim t 0 f(0 + 1t, 1 + 2t) f(0, 1) t t 2 + (1 + 2t) 2 1 = lim t 0 t t t + 4t 2 1 = lim t 0 = lim t 0 5t + 4 = 4. Sej f : D E um função rel de dus vriáveis x, y. A derivd direccionl de f em (, b) n direcção do vector e 1 = (1, 0) é chmd derivd prcil de f em ordem x em (, b) e é denotd por f (, b). Assim, x f x (, b) = lim t 0 t f( + t, b) f(, b). t Do mesmo modo, derivd direccionl de f em (, b) n direcção do vector e 2 = (0, 1) é chmd derivd prcil de f em ordem y em (, b) e é denotd por f (, b). y Assim, f f(, b + t) f(, b) (, b) = lim. y t 0 t Se derivd prcil em ordem x existe em cd ponto de D então função rel definid em D por (x, y) f (x, y) é chmd derivd prcil de f em ordem x e é x denotd por f f. De mneir nálog define-se derivd prcil de f em ordem y, x y. Not. A derivd prcil de f em ordem x em (, b) coincide com derivd em d função de um vriável dd por x f(x, b). Assim, derivd prcil de f em ordem x obtém-se derivndo f em ordem à vriável x, mntendo vriável y constnte. Anlogmente derivd prcil de f em ordem y obtém-se derivndo f em ordem à vriável y, considerndo vriável x constnte. Exemplo. Sej f : R 2 R função dd por f(x, y) = x 2 + xy 2. As derivds prciis de f são dds por f (x, y) = 2x + y2 e x 28 f (x, y) = 2xy. y

29 Definição. Um função f definid em D diz-se de clsse C 1 se s derivds prciis f x e f existem e são contínus. x Proposição. Sejm f um função de clsse C 1 em D e (v, w) R 2 um vector. Então D (v,w) f(, b) = f f (, b) v + (, b) w. x y Grdiente Sej f um função definid em D tl que s derivds prciis de f em (, b) existem. O grdiente de f em (, b) é o vector ( ) f f f(, b) = (, b), (, b). x y Teorem. Sejm f um função de clsse C 1 em D e (v, w) R 2 um vector. Suponhmos que f(, b) (0, 0) e que (v, w) = 1. Então: (i) O vlor máximo de D (v,w) f(, b) é igul f(, b) e é tingido qundo (v, w) = f(, b) f(, b). (ii) O vlor mínimo de D (v,w) f(, b) é igul f(, b) e é tingido qundo f(, b) (v, w) = f(, b). Not. Se (v, w) = 1, derivd direccionl D (v,w) f(, b) mede vrição d função em (, b) n direcção do vector (v, w). O teorem cim signific então que (i) o vector f(, b) pont n direcção e no sentido em que f cresce mis rpidmente; (ii) o vector f(, b) pont n direcção e no sentido em que f decresce mis rpidmente. 4.4 Extremos locis Vocbulário Sejm f um função rel de dus vriáveis (D R 2, E R) e (, b) um ponto de D. Dizemos que f tem um máximo locl em (, b) (ou que (, b) é um ponto de máximo locl de f) se existe um disco B r (, b) (de centro (, b) e rio r > 0) tl que pr todo o ponto (x, y) B r (, b) D, f(x, y) f(, b). 29

30 Dizemos que f tem um mínimo locl em (, b) (ou que (, b) é um ponto de mínimo locl de f) se existe um disco B r (, b) (de centro (, b) e rio r > 0) tl que pr todo o ponto (x, y) B r (, b) D, f(x, y) f(, b). Se f tiver um máximo ou um mínimo locl em (, b) dizemos que f tem um extremo locl em (, b) e que (, b) é um ponto de extremo locl de f Pontos críticos Sej f um função definid num berto D R 2. Proposição. então Se f tem um extremo locl em (, b) D e o grdiente f(, b) existe f(, b) = (0, 0). Um ponto (, b) em que o vector grdiente é nulo é chmdo ponto crítico de f. Existem pontos críticos que não são pontos de extremo locl (por exemplo o ponto (0, 0) pr função f(x, y) = x 2 y 2 ). Tis pontos são chmdos pontos de sel Derivds prciis de segund ordem Sej f um função rel definid num berto D R 2. Se existirem, s derivds prciis f x e f são funções de dus vriáveis (definids em D) e podemos considerr s sus y derivds prciis, cso existm. Ests funções são s derivds prciis de f de ordem 2. Notção: 2 f x y = ( f y ) x, 2 f x = ( f 2 x x ) e 2 f y x = ( f x ) y, 2 f y = ( f 2 y Dizemos que f é um função de clsse C 2 em D se s sus derivds prciis de ordem 2 existem e são contínus. Teorem de Schwrz. Sej f um função de clsse C 2 definid num berto D R 2. Então 2 f x y = 2 f y x. y ) 30

31 4.4.4 Mtriz Hessin Sej f um função de clsse C 2 definid num berto D R 2. Definimos mtriz Hessin de f em (, b) D por 2 f 2 f (, b) (, b) x2 y x Hf(, b) = Pelo Teorem de Schwrz temos 2 f (, b) x y 2 f (, b) y2 2 f y x (, b) = 2 f (, b), x y ou sej, mtriz é simétric em relção à digonl. O determinnte d mtriz Hessin é então dd por det Hf(, b) = 2 f x (, b) 2 f (, b) 2 y2 ( ) 2 2 f (, b). x y Teorem. Sejm f um função de clsse C 2 definid num berto D R 2 e (, b) D um ponto crítico de f. (i) Se det Hf(, b) > 0 e 2 f (, b) > 0 então (, b) é um ponto de mínimo locl. x2 (ii) Se det Hf(, b) > 0 e 2 f (, b) < 0 então (, b) é um ponto de máximo locl. x2 (iii) Se det Hf(, b) < 0 então (, b) é um ponto de sel. (iv) Se det Hf(, b) = 0 então nd se pode dizer. 31

32 5 Integris duplos 5.1 Funções integráveis Sejm R = [, b] [c, d] = {(x, y) R 2 x b, c y d} um rectângulo e f : R R um função. A um prtição = x 0 < x 1 <...x i 1 < x i <... < x n = b do intervlo [, b] em n intervlos e um prtição c = y 0 < y 1 <...y j 1 < y j <... < y m = d do intervlo [c, d] em m intervlos ssocimos um prtição P do rectângulo R em nm rectângulos R ij = [x i 1, x i ] [y j 1, y j ] = {(x, y) R 2 x i 1 x x i, y j 1 y y j }. A áre do rectângulo R ij é o produto x i y j onde x i = x i x i 1 e y j = y j y j 1. Pr cd pr (i, j) de índices escolhemos um elemento (x ij, y ij ) R ij. O número n m f(x ij, y ij ) x i y j i=1 j=1 é chmdo som de Riemnn de f reltiv à prtição P e à escolh dos pontos (x ij, y ij ). Dd um tl prtição P do rectângulo R, designrá o mior dos números x 1,..., x n, y 1,..., y m. Sej L R um número rel. Diremos que som de Riemnn n m f(x ij, y ij ) x i y j i=1 j=1 tende pr L qundo tende pr 0 se pr todo o ε > 0 existe δ > 0 tl que quisquer que sejm prtição P e os pontos (x ij, y ij ), n m < δ f(x ij, y ij ) x i y j L < ε. i=1 j=1 Se existir, tl número L é único. Este número é chmdo integrl duplo de f em B e é indicdo por f(x, y) dxdy. Se o integrl duplo de f em R existe, dizemos que f é integrável em R. R Teorem. Se f é contínu então f é integrável. 32

33 5.2 Proprieddes do integrl Proposição. Sejm f e g dus funções reis comntínus definids num rectângulo R = [, b] [c, d] de R 2 e λ R. Então: () (f(x, y) + g(x, y)) dxdy = f(x, y) dxdy + g(x, y) dxdy R (b) λf(x, y) dxdy = λ f(x, y) dxdy R R (c) f 0 f(x, y) dxdy 0 (d) f g R R f(x, y) dxdy R R g(x, y) dxdy. Teorem de Fubini. Sej f um função rel contínu definid num rectângulo R = [, b] [c, d]. Então s funções [, b] R, x b f(x, y)dx são contínus e R f(x, y) dxdy = = b d c d b c d c R f(x, y)dy e [c, d] R, f(x, y) dy dx f(x, y) dx dy. y 5.3 Coordends polres Sej (x, y) R 2 \ {(0, 0)} um ponto. Este ponto encontr-se n circunferênci de rio r = x 2 + y 2 e de centro (0, 0). Existe então θ R tl que (x, y) = (rcos θ, rsen θ). Aos números r, θ chm-se coordends polres de (x, y). Not-se que r é único ms θ não. Sejm r 1, r 2, θ 1, θ 2 R tis que 0 r 1 < r 2 e θ 1 < θ 2 θ 1 + 2π e sej f um função rel contínu definid no conjunto B = {(rcos θ, rsen θ) r 1 r r 2, θ 1 θ θ 2 }. Sej R = [ r 2, r 2 ] [ r 2, r 2 ] e sej g : R R função definid por { f(x, y) se (x, y) B, g(x, y) = 0 se (x, y) / B. 33

34 Então g é integrável e define-se o integrl de f em B por f(x, y) dxdy = g(x, y) dxdy. B R Teorem. Sejm r 1, r 2, θ 1, θ 2 R tis que 0 r 1 < r 2 e θ 1 < θ 2 θ 1 + 2π e sej f um função rel contínu definid no conjunto B = {(rcos θ, rsen θ) r 1 r r 2, θ 1 θ θ 2 }. Sej R = [r 1, r 2 ] [θ 1, θ 2 ]. Então função R R, (r, θ) f(rcos θ, rsen θ)r é contínu e f(x, y) dxdy = f(rcos θ, rsen θ)r drdθ. B R 5.4 Áre e volume Nest secção B design ou um rectângulo [, b] [c, d] ou um conjunto d form {(rcos θ, rsen θ) r 1 r r 2, θ 1 θ θ 2 } em que r 1, r 2, θ 1, θ 2 são números reis tis que 0 r 1 < r 2 e θ 1 < θ 2 θ 1 + 2π. Definição. (1) A áre de B é o integrl duplo áre(b) = 1dxdy. B (2) Sejm f, g : B R dus funções contínus tis que f(x, y) g(x, y) pr todo o (x, y) B. O volume do conjunto E = {(x, y, z) R 3 (x, y) B, f(x, y) z g(x, y)} é definido por vol(e) = g(x, y) f(x, y)dxdy. B 34

35 6 Tópicos computcionis 6.1 Polinómio interpoldor Consideremos n + 1 pontos (x 0, y 0 ),..., (x n, y n ) de R 2 tis que s bcisss x 0,..., x n são tods diferentes. Então existe um único polinómio p de gru n tl que p(x i ) = y i pr i = 0,..., n. Este polinómio é chmdo polinómio interpoldor de Lgrnge pr os pontos (x 0, y 0 ),..., (x n, y n ) e é ddo por p(x) = y 0 L 0 (x) + y 1 L 1 (x) + + y n L n (x) onde L k (x) = (x x 0) (x x k 1 )(x x k+1 ) (x x n ) (x k x 0 ) (x k x k 1 )(x k x k+1 ) (x k x n ). 6.2 Método dos mínimos qudrdos Consideremos n + 1 pontos (x 0, y 0 ),... (x n, y n ) de R 2. Existe um únic rect que minimiz som r(x) = x + b n (x i + b y i ) 2. Os coeficientes dest rect dos mínimos qudrdos são ddos por = b = i=0 n n y i (n + 1) n x i y i i=0 ( n ) 2, x i (n + 1) n x i i=0 i=0 i=0 1 n + 1 ( n y i i=0 x 2 i i=0 ) n x i. i=0 Not. rects. O método dos mínimos qudrdos estende-se outros tipos de funções lém de 6.3 Método de Newton Sej f : [, b] R um função de clsse C 2 tl que f()f(b) < 0; f nunc se nul; f 0 ou f 0. Então equção f(x) = 0 35

36 dmite um únic solução ξ [, b]. A solução é dd por onde (x n ) n N é sucessão definid por e Pr todo o n N tem-se ξ = lim n x n x n+1 = x n f(x n) f (x n ) se f() < 0, f(b) > 0, f 0 x 0 = ou f() > 0, f(b) < 0, f 0, b cso contrário. x n ξ f(x n) min f (x). x [,b] Exemplo. Pretende-se determinr um vlor proximdo x de 2 tl que o erro x 2 é menor do que 0, 001. Consideremos função f : [1, 2] R definid por Então f é de clsse C 2. Temos f(1)f(2) = ( 1)2 = 2 < 0; f (x) = 2x > 0 pr todo o x [1, 2]; f (x) = 2 > 0 pr todo o x [1, 2]. f(x) = x 2 2. Logo 2 = lim n x n onde (x n ) n N é sucessão definid por x 0 = 2 e Tem-se min x [1,2] f (x) = 2 e logo x n+1 = x n x2 n 2 2x n = x2 n + 2 2x n. x n 2 x2 n 2. 2 Or, x 2 n 2 < 0, 001 1, 998 < x 2 n < 2, Bst então clculr os termos d sucessão té se verificr condição 1, 998 < x 2 n < 2, 002. Temos x 0 = 2 e x 2 0 = 4 > 2, 002. Temos x 1 = x = x = 3 2

37 e x 2 1 = 9 > 2, 002. Temos 4 x 2 = x = 17 2x 1 12 e x 2 2 = > 2, 002. Temos x 3 = x = 577 2x e e portnto x 2 3 = = = , 998 < 2 < x 2 3 < = 2, Assim x = é um vlor proximdo de 2 com x 2 < 0, Regr do trpézio Sej f : [, b] R um função de clsse C 2. Sej M R tl que f (x) M pr todo o x [, b]. Tem-se b n 1 f(x)dx = lim T n,i n onde T n,i = Tem-se pr qulquer n 1 i=0 ( ( f + i b ) ( + f + (i + 1) b )) b n n 2n. b Assim, pr um ddo ε > 0 som n 1 que M(b ) 3 desde que n >. 8ε n 1 f(x)dx T n,i b i=0 i=0 M(b )3 8n 2. T n,i é um proximção do integrl n 1 f(x)dx T n,i < ε i=0 b f(x)dx tl 37

MAT Complementos de Matemática para Contabilidade - FEAUSP 1 o semestre de 2011 Professor Oswaldo Rio Branco de Oliveira INTEGRAL

MAT Complementos de Matemática para Contabilidade - FEAUSP 1 o semestre de 2011 Professor Oswaldo Rio Branco de Oliveira INTEGRAL MAT 103 - Complementos de Mtemátic pr Contbilidde - FEAUSP 1 o semestre de 011 Professor Oswldo Rio Brnco de Oliveir INTEGRAL Suponhmos um torneir bert em um recipiente e com velocidde de escomento d águ

Leia mais

1 Limite - Revisão. 1.1 Continuidade

1 Limite - Revisão. 1.1 Continuidade 1 Limite - Revisão O conceito de limite de um função contribui pr nálise do comportmento d função n vizinhnç de um determindo ponto. Intuitivmente, dd um função f(x) e um ponto b que pertence o domínio

Leia mais

2.4 Integração de funções complexas e espaço

2.4 Integração de funções complexas e espaço 2.4 Integrção de funções complexs e espço L 1 (µ) Sej µ um medid no espço mensurável (, F). A teori de integrção pr funções complexs é um generlizção imedit d teori de integrção de funções não negtivs.

Leia mais

Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Universidade de São Paulo. Módulo I: Cálculo Diferencial e Integral

Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Universidade de São Paulo. Módulo I: Cálculo Diferencial e Integral Escol Superior de Agricultur Luiz de Queiroz Universidde de São Pulo Módulo I: Cálculo Diferencil e Integrl Teori d Integrção e Aplicções Professor Rent Alcrde Sermrini Nots de ul do professor Idemuro

Leia mais

MTDI I /08 - Integral de nido 55. Integral de nido

MTDI I /08 - Integral de nido 55. Integral de nido MTDI I - 7/8 - Integrl de nido 55 Integrl de nido Sej f um função rel de vriável rel de nid e contínu num intervlo rel I [; b] e tl que f (x) ; 8x [; b]: Se dividirmos [; b] em n intervlos iguis, mplitude

Leia mais

Integral. (1) Queremos calcular o valor médio da temperatura ao longo do dia. O valor. a i

Integral. (1) Queremos calcular o valor médio da temperatura ao longo do dia. O valor. a i Integrl Noção de Integrl. Integrl é o nálogo pr unções d noção de som. Ddos n números 1, 2,..., n, podemos tomr su som 1 + 2 +... + n = i. O integrl de = té = b dum unção contínu é um mneir de somr todos

Leia mais

x 0 0,5 0,999 1,001 1,5 2 f(x) 3 4 4,998 5,

x 0 0,5 0,999 1,001 1,5 2 f(x) 3 4 4,998 5, - Limite. - Conceito Intuitivo de Limite Considere função f definid pel guinte epressão: f - - Podemos obrvr que função está definid pr todos os vlores de eceto pr. Pr, tnto o numerdor qunto o denomindor

Leia mais

Elementos de Análise - Lista 6 - Solução

Elementos de Análise - Lista 6 - Solução Elementos de Análise - List 6 - Solução 1. Pr cd f bixo considere F (x) = x f(t) dt. Pr quis vlores de x temos F (x) = f(x)? () f(x) = se x 1, f(x) = 1 se x > 1; F (x) = se x 1, F (x) = x 1 se x > 1. Portnto

Leia mais

IFRN Campus Natal/Central. Prof. Tibério Alves, D. Sc. FIC Métodos matemáticos para físicos e engenheiros - Aula 02.

IFRN Campus Natal/Central. Prof. Tibério Alves, D. Sc. FIC Métodos matemáticos para físicos e engenheiros - Aula 02. IFRN Cmpus Ntl/Centrl Prof. Tibério Alves, D. Sc. FIC Métodos mtemáticos pr físicos e engenheiros - Aul 0 Séries de Fourier 3 de gosto de 08 Resumo Neste ul, vmos estudr o conceito de conjunto completo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CCEN DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA EXAME DE QUALIFICAÇÃO PARA O MESTRADO EM MATEMÁTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CCEN DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA EXAME DE QUALIFICAÇÃO PARA O MESTRADO EM MATEMÁTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CCEN DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA EXAME DE QUALIFICAÇÃO PARA O MESTRADO EM MATEMÁTICA PRIMEIRO SEMESTRE DE 2015 13 de Fevereiro de 2015 Prte I Álgebr Liner 1 Questão: Sejm

Leia mais

Definição Definimos o dominio da função vetorial dada em (1.1) como: dom(f i ) i=1

Definição Definimos o dominio da função vetorial dada em (1.1) como: dom(f i ) i=1 Cpítulo 1 Funções Vetoriis Neste cpítulo estudremos s funções f : R R n, funções que descrevem curvs ou movimentos de objetos no espço. 1.1 Definições e proprieddes Definição 1.1.1 Um função vetoril, é

Leia mais

SÉRIES DE FOURIER. 1. Uma série trigonométrica e sua sequência das somas parciais (S N ) N são dadas por

SÉRIES DE FOURIER. 1. Uma série trigonométrica e sua sequência das somas parciais (S N ) N são dadas por SÉRIES DE FOURIER 1. Um série trigonométric e su sequênci ds soms prciis (S N ) N são dds por (1) c n e inx, n Z, c n C, x R ; S N = n= c n e inx. Tl série converge em x R se (S N (x)) N converge e, o

Leia mais

x n dx = xn+1 n k, k R sin(x) dx = cos(x) + k, cos(x) dx = sin(x) + k, k R Sh(x) dx = Ch(x) + k, Ch(x) dx = Sh(x) + k, k R dx = tan(x) + k, k R

x n dx = xn+1 n k, k R sin(x) dx = cos(x) + k, cos(x) dx = sin(x) + k, k R Sh(x) dx = Ch(x) + k, Ch(x) dx = Sh(x) + k, k R dx = tan(x) + k, k R Algums primitivs Simples... c dt = cx + k, k R x n dx = xn+ n + + k, k R sin(x) dx = cos(x) + k, cos(x) dx = sin(x) + k, k R Sh(x) dx = Ch(x) + k, Ch(x) dx = Sh(x) + k, k R dx = rctn(x) + k, dx = SetSh(x)

Leia mais

(x, y) dy. (x, y) dy =

(x, y) dy. (x, y) dy = Seção 7 Função Gm A expressão n! = 1 3... n (1 está definid pens pr vlores inteiros positivos de n. Um primeir extensão é feit dizendo que! = 1. Ms queremos estender noção de ftoril inclusive pr vlores

Leia mais

INTEGRAIS DEFINIDAS. Como determinar a área da região S que está sob a curva y = f(x) e limitada pelas retas verticais x = a, x = b e pelo eixo x?

INTEGRAIS DEFINIDAS. Como determinar a área da região S que está sob a curva y = f(x) e limitada pelas retas verticais x = a, x = b e pelo eixo x? INTEGRAIS DEFINIDAS O Prolem d Áre Como determinr áre d região S que está so curv y = f(x) e limitd pels rets verticis x =, x = e pelo eixo x? Um idei é proximrmos região S utilizndo retângulos e depois

Leia mais

INTEGRAIS DEFINIDAS. Como determinar a área da região S que está sob a curva y = f(x) e limitada pelas retas verticais x = a, x = b e pelo eixo x?

INTEGRAIS DEFINIDAS. Como determinar a área da região S que está sob a curva y = f(x) e limitada pelas retas verticais x = a, x = b e pelo eixo x? INTEGRAIS DEFINIDAS O Prolem d Áre Como determinr áre d região S que está so curv y = f(x) e limitd pels rets verticis x =, x = e pelo eixo x? Um idei é proximrmos região S utilizndo retângulos e depois

Leia mais

A integral de Riemann e Aplicações Aula 28

A integral de Riemann e Aplicações Aula 28 A integrl de Riemnn - Continução Aplicções d Integrl A integrl de Riemnn e Aplicções Aul 28 Alexndre Nolsco de Crvlho Universidde de São Pulo São Crlos SP, Brzil 16 de Mio de 2014 Primeiro Semestre de

Leia mais

Introdução ao estudo de equações diferenciais

Introdução ao estudo de equações diferenciais MTDI I - 2007/08 - Introdução o estudo de equções diferenciis 63 Introdução o estudo de equções diferenciis Existe um grnde vriedde de situções ns quis se desej determinr um quntidde vriável prtir de um

Leia mais

Diogo Pinheiro Fernandes Pedrosa

Diogo Pinheiro Fernandes Pedrosa Integrção Numéric Diogo Pinheiro Fernndes Pedros Universidde Federl do Rio Grnde do Norte Centro de Tecnologi Deprtmento de Engenhri de Computção e Automção http://www.dc.ufrn.br/ 1 Introdução O conceito

Leia mais

1 x 5 (d) f = 1 + x 2 2 (f) f = tg 2 x x p 1 + x 2 (g) f = p x + sec 2 x (h) f = x 3p x. (c) f = 2 sen x. sen x p 1 + cos x. p x.

1 x 5 (d) f = 1 + x 2 2 (f) f = tg 2 x x p 1 + x 2 (g) f = p x + sec 2 x (h) f = x 3p x. (c) f = 2 sen x. sen x p 1 + cos x. p x. 6. Primitivs cd. 6. Em cd cso determine primitiv F (x) d função f (x), stisfzendo condição especi- () f (x) = 4p x; F () = f (x) = x + =x ; F () = (c) f (x) = (x + ) ; F () = 6. Determine função f que

Leia mais

Comprimento de arco. Universidade de Brasília Departamento de Matemática

Comprimento de arco. Universidade de Brasília Departamento de Matemática Universidde de Brsíli Deprtmento de Mtemátic Cálculo Comprimento de rco Considerefunçãof(x) = (2/3) x 3 definidnointervlo[,],cujográficoestáilustrdo bixo. Neste texto vmos desenvolver um técnic pr clculr

Leia mais

3. Cálculo integral em IR 3.1. Integral Indefinido 3.1.1. Definição, Propriedades e Exemplos

3. Cálculo integral em IR 3.1. Integral Indefinido 3.1.1. Definição, Propriedades e Exemplos 3. Cálculo integrl em IR 3.. Integrl Indefinido 3... Definição, Proprieddes e Exemplos A noção de integrl indefinido prece ssocid à de derivd de um função como se pode verificr prtir d su definição: Definição

Leia mais

Integrais Imprópias Aula 35

Integrais Imprópias Aula 35 Frções Prciis - Continução e Integris Imprópis Aul 35 Alexndre Nolsco de Crvlho Universidde de São Pulo São Crlos SP, Brzil 05 de Junho de 203 Primeiro Semestre de 203 Turm 20304 - Engenhri de Computção

Leia mais

f(x) dx. Note que A é a área sob o gráfico

f(x) dx. Note que A é a área sob o gráfico FFCLRP-USP AULA-INTEGRAL - CÁLCULO II- ECONOMIA Professor: Jir Silvério dos Sntos PROPRIEDADES DA INTEGRAL Sejm f,g : [,b] R funções integráveis. Então (i) [f(x) + g(x)]dx = (ii) Se λ é um número rel,

Leia mais

RESUMO DE INTEGRAIS. d dx. NOTA MENTAL: Não esquecer a constante para integrais indefinidas. Fórmulas de Integração

RESUMO DE INTEGRAIS. d dx. NOTA MENTAL: Não esquecer a constante para integrais indefinidas. Fórmulas de Integração RESUMO DE INTEGRAIS INTEGRAL INDEFINIDA A rte de encontrr ntiderivds é chmd de integrção. Desse modo, o plicr integrl dos dois ldos d equção, encontrmos tl d ntiderivd: f (x) = d dx [F (x)] f (x)dx = F

Leia mais

CÁLCULO I. 1 Funções denidas por uma integral

CÁLCULO I. 1 Funções denidas por uma integral CÁLCULO I Prof. Mrcos Diniz Prof. André Almeid Prof. Edilson Neri Júnior Prof. Emerson Veig Prof. Tigo Coelho Aul n o 26: Teorem do Vlor Médio pr Integris. Teorem Fundmentl do Cálculo II. Funções dds por

Leia mais

TÓPICO. Fundamentos da Matemática II DERIVADA DIRECIONAL E PLANO TANGENTE8. Licenciatura em Ciências USP/ Univesp. Gil da Costa Marques

TÓPICO. Fundamentos da Matemática II DERIVADA DIRECIONAL E PLANO TANGENTE8. Licenciatura em Ciências USP/ Univesp. Gil da Costa Marques DERIVADA DIRECIONAL E PLANO TANGENTE8 TÓPICO Gil d Cost Mrques Fundmentos d Mtemátic II 8.1 Diferencil totl de um função esclr 8.2 Derivd num Direção e Máxim Derivd Direcionl 8.3 Perpendiculr um superfície

Leia mais

8 AULA. Funções com Valores Vetoriais LIVRO. META Estudar funções de uma variável real a valores em R 3

8 AULA. Funções com Valores Vetoriais LIVRO. META Estudar funções de uma variável real a valores em R 3 1 LIVRO Funções com Vlores Vetoriis 8 AULA META Estudr funções de um vriável rel vlores em R 3 OBJETIVOS Estudr movimentos de prtículs no espço. PRÉ-REQUISITOS Ter compreendido os conceitos de funções

Leia mais

Bhaskara e sua turma Cícero Thiago B. Magalh~aes

Bhaskara e sua turma Cícero Thiago B. Magalh~aes 1 Equções de Segundo Gru Bhskr e su turm Cícero Thigo B Mglh~es Um equção do segundo gru é um equção do tipo x + bx + c = 0, em que, b e c são números reis ddos, com 0 Dd um equção do segundo gru como

Leia mais

Universidade de Mogi das Cruzes UMC. Cálculo Diferencial e Integral II Parte III

Universidade de Mogi das Cruzes UMC. Cálculo Diferencial e Integral II Parte III Cálculo Diferencil e Integrl II Págin Universidde de Mogi ds Cruzes UMC Cmpos Vill Lobos Cálculo Diferencil e Integrl II Prte III Engenhri Civil Engenhri Mecânic mrili@umc.br º semestre de 05 Cálculo Diferencil

Leia mais

6 Cálculo Integral. 1. (Exercício VI.1 de [1]) Considere a função f definida no intervalo [0, 2] por. 1 se x [0, 1[ 3 se x ]1, 2]

6 Cálculo Integral. 1. (Exercício VI.1 de [1]) Considere a função f definida no intervalo [0, 2] por. 1 se x [0, 1[ 3 se x ]1, 2] 6 Cálculo Integrl. (Eercício VI. de []) Considere função f definid no intervlo [, ] por se [, [ f () = se = 3 se ], ] () Mostre que pr tod decomposição do intervlo [, ], s soms superior S d ( f ) e inferior

Leia mais

Área entre curvas e a Integral definida

Área entre curvas e a Integral definida Universidde de Brsíli Deprtmento de Mtemátic Cálculo Áre entre curvs e Integrl definid Sej S região do plno delimitd pels curvs y = f(x) e y = g(x) e s rets verticis x = e x = b, onde f e g são funções

Leia mais

NOTA DE AULA. Tópicos em Matemática

NOTA DE AULA. Tópicos em Matemática Universidde Tecnológic Federl do Prná Cmpus Curitib Prof. Lucine Deprtmento Acdêmico de Mtemátic NOTA DE AULA Tópicos em Mtemátic Fonte: http://eclculo.if.usp.br/ 1. CONJUNTOS NUMÉRICOS: 1.1 Números Nturis

Leia mais

Alexandre Miranda Alves Anderson Tiago da Silva Edson José Teixeira. MAT146 - Cálculo I - Teoremas Fundamentais do Cálculo

Alexandre Miranda Alves Anderson Tiago da Silva Edson José Teixeira. MAT146 - Cálculo I - Teoremas Fundamentais do Cálculo MAT46 - Cálculo I - Teorems Fundmentis do Cálculo Alexndre Mirnd Alves Anderson Tigo d Silv Edson José Teixeir Os Teorems Fundmentis do Cálculo Os próximos teorems fzem conexão entre os conceitos de ntiderivd

Leia mais

CÁLCULO I. Apresentar a técnica de integração por substituição; Utilizar técnicas apresentadas no cálculo integral.

CÁLCULO I. Apresentar a técnica de integração por substituição; Utilizar técnicas apresentadas no cálculo integral. CÁLCULO I Prof. Edilson Neri Júnior Prof. André Almeid Auls n o 8: Técnics de Integrção I - Método d Substituição Objetivos d Aul Apresentr técnic de integrção por substituição; Utilizr técnics presentds

Leia mais

INTEGRAIS DEFINIDAS. Como determinar a área da região S que está sob a curva y = f(x) e limitada pelas retas verticais x = a, x = b e pelo eixo x?

INTEGRAIS DEFINIDAS. Como determinar a área da região S que está sob a curva y = f(x) e limitada pelas retas verticais x = a, x = b e pelo eixo x? Cálculo II Prof. Adrin Cherri 1 INTEGRAIS DEFINIDAS O Prolem d Áre Como determinr áre d região S que está so curv y = f(x) e limitd pels rets verticis x =, x = e pelo eixo x? Um idei é proximrmos região

Leia mais

Cálculo Diferencial e Integral I 2 o Teste - LEAN, MEAer, MEAmb, MEBiol, MEMec

Cálculo Diferencial e Integral I 2 o Teste - LEAN, MEAer, MEAmb, MEBiol, MEMec Cálculo Diferencil e Integrl I o Teste - LEAN, MEAer, MEAmb, MEBiol, MEMec de Junho de, h Durção: hm Apresente todos os cálculos e justificções relevntes..5 vl.) Clcule, se eistirem em R, os limites i)

Leia mais

Capítulo IV. Funções Contínuas. 4.1 Noção de Continuidade

Capítulo IV. Funções Contínuas. 4.1 Noção de Continuidade Cpítulo IV Funções Contínus 4 Noção de Continuidde Um idei muito básic de função contínu é de que o seu gráfico pode ser trçdo sem levntr o lápis do ppel; se houver necessidde de interromper o trço do

Leia mais

Teorema Fundamental do Cálculo - Parte 2

Teorema Fundamental do Cálculo - Parte 2 Universidde de Brsíli Deprtmento de Mtemátic Cálculo Teorem Fundmentl do Cálculo - Prte 2 No teto nterior vimos que, se F é um primitiv de f em [,b], então f()d = F(b) F(). Isto reduz o problem de resolver

Leia mais

Usando qualquer um dos métodos de primitivação indicados anteriormente, determine uma primitiva de cada uma das seguintes funções. e x e 2x + 2e x + 1

Usando qualquer um dos métodos de primitivação indicados anteriormente, determine uma primitiva de cada uma das seguintes funções. e x e 2x + 2e x + 1 Instituto Superior Técnico Deprtmento de Mtemátic Secção de Álgebr e Análise CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I LEIC-ALAMEDA o SEM. 7/8 6 FICHA DE EXERCÍCIOS I. Treino Complementr de Primitivs. CÁLCULO INTEGRAL

Leia mais

4. Teorema de Green. F d r = A. dydx. (1) Pelas razões acima referidas, a prova deste teorema para o caso geral está longe

4. Teorema de Green. F d r = A. dydx. (1) Pelas razões acima referidas, a prova deste teorema para o caso geral está longe 4 Teorem de Green Sej U um berto de R 2 e r : [, b] U um cminho seccionlmente, fechdo e simples, isto é, r não se uto-intersect, excepto ns extremiddes Sej região interior r([, b]) prte d dificuldde n

Leia mais

Fundamentos de Matemática I EFETUANDO INTEGRAIS. Licenciatura em Ciências USP/ Univesp. Gil da Costa Marques

Fundamentos de Matemática I EFETUANDO INTEGRAIS. Licenciatura em Ciências USP/ Univesp. Gil da Costa Marques EFETUANDO INTEGRAIS 7 Gil d Cost Mrques Fundmentos de Mtemátic I 7. Introdução 7. Algums Proprieddes d Integrl Definid Propriedde Propriedde Propriedde Propriedde 4 7. Um primeir técnic de Integrção 7..

Leia mais

Primitivas. Noção de primitiva. A primitivação é a operação inversa da derivação.

Primitivas. Noção de primitiva. A primitivação é a operação inversa da derivação. Primitivs Noção de primitiv A primitivção é operção invers d derivção. Definição: Sej f um função definid num intervlo I. Qulquer função F definid e diferenciável em I tl que F x fx, pr todo o x I, diz-se

Leia mais

Objetivo. Integrais de funções vetoriais. Conhecer a integral de funções vetoriais; Aprender a calcular comprimentos de curvas parametrizadas;

Objetivo. Integrais de funções vetoriais. Conhecer a integral de funções vetoriais; Aprender a calcular comprimentos de curvas parametrizadas; Funções vetoriis Integris MÓDULO 3 - AULA 35 Aul 35 Funções vetoriis Integris Objetivo Conhecer integrl de funções vetoriis; Aprender clculr comprimentos de curvs prmetrizds; Aprender clculr áres de regiões

Leia mais

. Estas equações são equações paramétricas da curva C.

. Estas equações são equações paramétricas da curva C. Universidde Federl d Bhi -- UFBA Deprtmento de Mtemátic, Cálculo IIA, Prof. Adrino Ctti Cálculo de áres de figurs plns (curvs sob equções prmétrics) (por Prof. Elin Prtes) Exemplo : Sej o círculo C de

Leia mais

CAPÍTULO 5 - ESTUDO DA VARIAÇÃO DAS FUNÇÕES

CAPÍTULO 5 - ESTUDO DA VARIAÇÃO DAS FUNÇÕES CAPÍTULO 5 - ESTUDO DA VARIAÇÃO DAS FUNÇÕES 5.- Teorems Fundmentis do Cálculo Diferencil Os teorems de Rolle, de Lgrnge, de Cuch e regr de L Hospitl são os qutro teorems fundmentis do cálculo diferencil

Leia mais

AULA 1 Introdução 3. AULA 2 Propriedades e teorema fundamental do cálculo 5. AULA 3 Integrais indefinidas 7. AULA 4 Integração por substituição 9

AULA 1 Introdução 3. AULA 2 Propriedades e teorema fundamental do cálculo 5. AULA 3 Integrais indefinidas 7. AULA 4 Integração por substituição 9 www.mtemticemexercicios.com Integris (volume ) Índice AULA Introdução AULA Proprieddes e teorem fundmentl do cálculo 5 AULA Integris indefinids 7 AULA 4 Integrção por sustituição 9 AULA 5 Integrção por

Leia mais

CÁLCULO I. 1 Área entre Curvas. Objetivos da Aula. Aula n o 24: Área entre Curvas, Comprimento de Arco e Trabalho. Calcular área entre curvas;

CÁLCULO I. 1 Área entre Curvas. Objetivos da Aula. Aula n o 24: Área entre Curvas, Comprimento de Arco e Trabalho. Calcular área entre curvas; CÁLCULO I Prof. Edilson Neri Júnior Prof. André Almeid Aul n o : Áre entre Curvs, Comprimento de Arco e Trblho Objetivos d Aul Clculr áre entre curvs; Clculr o comprimento de rco; Denir Trblho. 1 Áre entre

Leia mais

3. CÁLCULO INTEGRAL EM IR

3. CÁLCULO INTEGRAL EM IR 3 CÁLCULO INTEGRAL EM IR A importâni do álulo integrl em IR reside ns sus inúmers plições em vários domínios d engenhri, ms tmém em ísi, em teori ds proiliddes, em eonomi, em gestão 3 Prtição de um intervlo

Leia mais

FUNÇÕES EM IR n. . O conjunto D é o domínio de f. O contradomínio de f consiste em todos os números. a função de domínio D dada por:

FUNÇÕES EM IR n. . O conjunto D é o domínio de f. O contradomínio de f consiste em todos os números. a função de domínio D dada por: FUNÇÕES EM IR n Deinição: Sej D um conjunto de pres ordendos de números reis Um unção de dus vriáveis é um correspondênci que ssoci cd pr em D ectmente um número rel denotdo por O conjunto D é o domínio

Leia mais

1 Definição de integral (definida) de Riemann

1 Definição de integral (definida) de Riemann 1 Definição de integrl (definid) de Riemnn Sej seguir sempre f : [, b] R limitd (com [, b] limitdo); logo existem m, M tis que m f(x) M. Definição: chmmos Prtição de [, b] um conjunto finito de pontos

Leia mais

Exercícios. setor Aula 25. f(2) = 3. f(3) = 0. f(11) = 12. g(3) = 14. Temos: 2x 1 = 5 x = 3 Logo, f(5) = 3 2 = 9

Exercícios. setor Aula 25. f(2) = 3. f(3) = 0. f(11) = 12. g(3) = 14. Temos: 2x 1 = 5 x = 3 Logo, f(5) = 3 2 = 9 setor 07 070409 070409-SP Aul 5 FUNÇÃO (COMPOSIÇÃO DE FUNÇÕES) FUNÇÃO COMPOSTA Sej f um função de A em B e sej g um função de B em C. Chm-se função compost de g com f função h definid de A em C, tl que

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Resumo. Nesta aula, utilizaremos o Teorema Fundamental do Cálculo (TFC) para o cálculo da área entre duas curvas.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Resumo. Nesta aula, utilizaremos o Teorema Fundamental do Cálculo (TFC) para o cálculo da área entre duas curvas. CÁLCULO L1 NOTAS DA DÉCIMA SÉTIMA AULA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO Resumo. Nest ul, utilizremos o Teorem Fundmentl do Cálculo (TFC) pr o cálculo d áre entre dus curvs. 1. A áre entre dus curvs A

Leia mais

MATRIZES, DETERMINANTES E SISTEMAS LINEARES PROF. JORGE WILSON

MATRIZES, DETERMINANTES E SISTEMAS LINEARES PROF. JORGE WILSON MATRIZES, DETERMINANTES E SISTEMAS LINEARES PROF. JORGE WILSON PROFJWPS@GMAIL.COM MATRIZES Definição e Notção... 11 21 m1 12... 22 m2............ 1n.. 2n. mn Chmmos de Mtriz todo conjunto de vlores, dispostos

Leia mais

Prova Escrita de MATEMÁTICA A - 12o Ano a Fase

Prova Escrita de MATEMÁTICA A - 12o Ano a Fase Prov Escrit de MATEMÁTICA A - o Ano 0 - Fse Propost de resolução GRUPO I. Como comissão deve ter etmente mulheres, num totl de pessos, será constituíd por um único homem. Logo, como eistem 6 homens no

Leia mais

FUNÇÕES. Funções. TE203 Fundamentos Matemáticos para a Engenharia Elétrica I. TE203 Fundamentos Matemáticos para a Engenharia Elétrica I

FUNÇÕES. Funções. TE203 Fundamentos Matemáticos para a Engenharia Elétrica I. TE203 Fundamentos Matemáticos para a Engenharia Elétrica I FUNÇÕES DATA //9 //9 4//9 5//9 6//9 9//9 //9 //9 //9 //9 6//9 7//9 8//9 9//9 //9 5//9 6//9 7//9 IBOVESPA (fechmento) 8666 9746 49 48 4755 4 47 4845 45 467 484 9846 9674 97 874 8 88 88 DEFINIÇÃO Um grndez

Leia mais

Matemática Parte II: Análise Matemática

Matemática Parte II: Análise Matemática Mtemátic Prte II: Lic. em Enologi 009/010 Funções reis de vriável rel Um função f, definid num certo conjunto D e com vlores num conjunto E, é um regr que fz corresponder cd elemento x de D um único elemento

Leia mais

6.1 Derivação & Integração: regras básicas

6.1 Derivação & Integração: regras básicas 6. Derivção & Integrção: regrs básics REGRAS BÁSICAS DE DERIVAÇÃO. Regr d som:........................................ (u + k v) = u + k v ; k constnte. Regr do Produto:.....................................................

Leia mais

Prof. Doherty Andrade- DMA/UEM DMA-UEM-2004

Prof. Doherty Andrade- DMA/UEM DMA-UEM-2004 Integrção Numéric Prof. Doherty Andrde- DMA/UEM DMA-UEM-4 Preliminres Nests nots o nosso interesse é clculr numericmente integris f(x)dx. A idéi d integrção numéric reside n proximção d função integrnd

Leia mais

Introdução ao Cálculo Numérico S(M, B) = (y i Mx i B) 2

Introdução ao Cálculo Numérico S(M, B) = (y i Mx i B) 2 Introdução o Cálculo Numérico 25 List de Exercícios 2 Observção importnte: Resolv o proplem pr o di d prov com função f(x) = cos(πx/2) e não com f(x) = sin(πx)! Problem 1. Sejm {x i, y i } n i= números

Leia mais

Derivada da função composta, derivada da função inversa, derivada da função implícita e derivada de funções definidas parametricamente.

Derivada da função composta, derivada da função inversa, derivada da função implícita e derivada de funções definidas parametricamente. .5.- Derivd d função compost, derivd d função invers, derivd d função implícit e derivd de funções definids prmetricmente. Teorem.3 Derivd d Função Compost Suponh-se que g: A R é diferenciável no ponto

Leia mais

1 Conjuntos Finitos e Infinitos

1 Conjuntos Finitos e Infinitos Conjuntos Finitos e Infinitos. Números Nturis Definição O conjunto N dos nturis é tl que Existe s : N N injetiv tl que Im (s) = N {}; } X N X = N s (X) X Teorem 2 (Princípio d Bo Ordenção) } A N A possui

Leia mais

1 Funções reais de variável real: generalidades e exemplos. 2 Funções reais de variável real: limites e continuidade. 3 Cálculo diferencial em R

1 Funções reais de variável real: generalidades e exemplos. 2 Funções reais de variável real: limites e continuidade. 3 Cálculo diferencial em R Índice Cálculo I Engenhri Electromecânic Funções reis de vriável rel: generliddes e eemplos Funções reis de vriável rel: ites e continuidde 3 Cálculo diferencil em R António Bento Deprtmento de Mtemátic

Leia mais

ÁLGEBRA LINEAR Equações Lineares na Álgebra Linear EQUAÇÃO LINEAR SISTEMA LINEAR GEOMETRIA DA ESQUAÇÕES LINEARES RESOLUÇÃO DOS SISTEMAS

ÁLGEBRA LINEAR Equações Lineares na Álgebra Linear EQUAÇÃO LINEAR SISTEMA LINEAR GEOMETRIA DA ESQUAÇÕES LINEARES RESOLUÇÃO DOS SISTEMAS EQUAÇÃO LINEAR SISTEMA LINEAR GEOMETRIA DA ESQUAÇÕES LINEARES RESOLUÇÃO DOS SISTEMAS Equção Liner * Sej,,,...,, (números reis) e n (n ) 2 3 n x, x, x,..., x (números reis) 2 3 n Chm-se equção Liner sobre

Leia mais

ESTUDO SOBRE A INTEGRAL DE DARBOUX. Introdução. Partição de um Intervalo. Alana Cavalcante Felippe 1, Júlio César do Espírito Santo 1.

ESTUDO SOBRE A INTEGRAL DE DARBOUX. Introdução. Partição de um Intervalo. Alana Cavalcante Felippe 1, Júlio César do Espírito Santo 1. Revist d Mtemátic UFOP, Vol I, 2011 - X Semn d Mtemátic e II Semn d Esttístic, 2010 ISSN 2237-8103 ESTUDO SOBRE A INTEGRAL DE DARBOUX Aln Cvlcnte Felippe 1, Júlio Césr do Espírito Snto 1 Resumo: Este trblho

Leia mais

Integrais de Linha. Universidade Tecnológica Federal do Paraná Câmpus Francisco Beltrão. Cálculo Diferencial e Integral 3B

Integrais de Linha. Universidade Tecnológica Federal do Paraná Câmpus Francisco Beltrão. Cálculo Diferencial e Integral 3B Integris de Linh âmpus Frncisco Beltrão Disciplin: álculo Diferencil e Integrl 3 Prof. Dr. Jons Jocir Rdtke Integris de Linh O conceito de um integrl de linh é um generlizção simples e nturl de um integrl

Leia mais

equação paramêtrica/vetorial da curva: a lei γ(t) =... Dizemos que a curva é fechada se I = [a, b] e γ(a) = γ(b).

equação paramêtrica/vetorial da curva: a lei γ(t) =... Dizemos que a curva é fechada se I = [a, b] e γ(a) = γ(b). 1 Lembrete: curvs Definição Chmmos Curv em R n : um função contínu : I R n onde I R é intervlo. (link desenho curvs) Definimos: Trço d curv: imgem equção prmêtric/vetoril d curv: lei (t) =... Dizemos que

Leia mais

Interpretação Geométrica. Área de um figura plana

Interpretação Geométrica. Área de um figura plana Integrl Definid Interpretção Geométric Áre de um figur pln Interpretção Geométric Áre de um figur pln Sej f(x) contínu e não negtiv em um intervlo [,]. Vmos clculr áre d região S. Interpretção Geométric

Leia mais

< 9 0 < f(2) 1 < 18 1 < f(2) < 19

< 9 0 < f(2) 1 < 18 1 < f(2) < 19 Resolução do Eme Mtemátic A código 6 ª fse 08.. (B) 0 P = C 6 ( )6 ( ).. (B) Como f é contínu em [0; ] e diferenciável em ]0; [, pelo teorem de Lgrnge, eiste c ]0; [tl que f() f(0) = f (c). 0 Como 0

Leia mais

Aula 29 Aplicações de integrais Áreas e comprimentos

Aula 29 Aplicações de integrais Áreas e comprimentos Aplicções de integris Áres e comprimentos MÓDULO - AULA 9 Aul 9 Aplicções de integris Áres e comprimentos Objetivo Conhecer s plicções de integris no cálculo d áre de um superfície de revolução e do comprimento

Leia mais

Cálculo integral. 4.1 Preliminares

Cálculo integral. 4.1 Preliminares Cpítulo 4 Cálculo integrl 4. Preinres Considere um decomposição do intervlo [, ] R em su-intervlos d orm [x, x ], [x, x ],..., [x n, x n ], onde = x < x < < x n < x n = e n N. Por um questão de simplicidde,

Leia mais

Comprimento de Curvas. Exemplo. Exemplos, cont. Exemplo 2 Para a cúspide. Continuação do Exemplo 2

Comprimento de Curvas. Exemplo. Exemplos, cont. Exemplo 2 Para a cúspide. Continuação do Exemplo 2 Definição 1 Sej : omprimento de urvs x x(t) y y(t) z z(t) um curv lis definid em [, b]. O comprimento d curv é definido pel integrl L() b b [x (t)] 2 + [y (t)] 2 + [z (t)] 2 dt (t) dt v (t) dt Exemplo

Leia mais

Teorema Fundamental do Cálculo - Parte 1

Teorema Fundamental do Cálculo - Parte 1 Universidde de Brsíli Deprtmento de Mtemátic Cálculo Teorem Fundmentl do Cálculo - Prte Neste texto vmos provr um importnte resultdo que nos permite clculr integris definids. Ele pode ser enuncido como

Leia mais

Cálculo de Limites. Sumário

Cálculo de Limites. Sumário 6 Cálculo de Limites Sumário 6. Limites de Sequêncis................. 3 6.2 Exercícios Recomenddos............... 5 6.3 Limites de Funções.................. 7 6.4 Exercícios Recomenddos...............

Leia mais

Simulado EFOMM - Matemática

Simulado EFOMM - Matemática Simuldo EFOMM - Mtemátic 1. Sejm X, Y, Z, W subconjuntos de N tis que: 1. (X Y ) Z = {1,,, },. Y = {5, 6}, Z Y =,. W (X Z) = {7, 8},. X W Z = {, }. Então o conjunto [X (Z W)] [W (Y Z)] é igul (A) {1,,,,

Leia mais

MATEMÁTICA II. Profa. Dra. Amanda Liz Pacífico Manfrim Perticarrari

MATEMÁTICA II. Profa. Dra. Amanda Liz Pacífico Manfrim Perticarrari MATEMÁTICA II Prof. Dr. Amnd Liz Pcífico Mnfrim Perticrrri mnd.perticrrri@unesp.r DEFINIÇÃO. Se f é um função contínu definid em x, dividimos o intervlo, em n suintervlos de comprimentos iguis: x = n Sejm

Leia mais

Integrais duplas UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CÁLCULO II - PROJETO NEWTON AULA 24. Assunto: Integrais Duplas

Integrais duplas UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CÁLCULO II - PROJETO NEWTON AULA 24. Assunto: Integrais Duplas Assunto: Integris Dupls UNIVESIDADE FEDEAL DO PAÁ CÁLCULO II - POJETO NEWTON AULA 24 Plvrs-hves: integris dupls,soms de iemnn, teorem de Fubini Integris dupls Sej o retângulo do plno rtesino ddo por {(x,

Leia mais

Objetivo. Conhecer a técnica de integração chamada substituição trigonométrica. e pelo eixo Ox. f(x) dx = A.

Objetivo. Conhecer a técnica de integração chamada substituição trigonométrica. e pelo eixo Ox. f(x) dx = A. MÓDULO - AULA Aul Técnics de Integrção Substituição Trigonométric Objetivo Conhecer técnic de integrção chmd substituição trigonométric. Introdução Você prendeu, no Cálculo I, que integrl de um função

Leia mais

Instituto Politécnico de Bragança Escola Superior de Tecnologia e Gestão. Análise Matemática I Frequência

Instituto Politécnico de Bragança Escola Superior de Tecnologia e Gestão. Análise Matemática I Frequência Instituto Politécnico de Brgnç Escol Superior de Tecnologi e Gestão Análise Mtemátic I Frequênci Durção d prov: h min Dt: // Tolerânci: 5 min Cursos: EQ, IG, GEI Resolução Grupo I g π. ) Considere função

Leia mais

fundamental do cálculo. Entretanto, determinadas aplicações do Cálculo nos levam a formulações de integrais em que:

fundamental do cálculo. Entretanto, determinadas aplicações do Cálculo nos levam a formulações de integrais em que: Cpítulo 8 Integris Imprópris 8. Introdução A eistênci d integrl definid f() d, onde f é contínu no intervlo fechdo [, b], é grntid pelo teorem fundmentl do cálculo. Entretnto, determinds plicções do Cálculo

Leia mais

Introdução à Integral Definida. Aula 04 Matemática II Agronomia Prof. Danilene Donin Berticelli

Introdução à Integral Definida. Aula 04 Matemática II Agronomia Prof. Danilene Donin Berticelli Introdução à Integrl Definid Aul 04 Mtemátic II Agronomi Prof. Dnilene Donin Berticelli Áre Desde os tempos mis ntigos os mtemáticos se preocupm com o prolem de determinr áre de um figur pln. O procedimento

Leia mais

Profª Cristiane Guedes DERIVADA. Cristianeguedes.pro.br/cefet

Profª Cristiane Guedes DERIVADA. Cristianeguedes.pro.br/cefet Proª Cristine Guedes 1 DERIVADA Cristineguedes.pro.br/ceet Ret Tngente Como determinr inclinção d ret tngente curv y no ponto P,? 0 0 Proª Cristine Guedes Pr responder ess pergunt considermos um ponto

Leia mais

META: Introduzir o conceito de integração de funções de variáveis complexas.

META: Introduzir o conceito de integração de funções de variáveis complexas. Integrção omplex AULA 7 META: Introduzir o conceito de integrção de funções de vriáveis complexs. OBJETIVOS: Ao fim d ul os lunos deverão ser cpzes de: Definir integrl de um função complex. lculr integrl

Leia mais

FUNÇÕES. Mottola. 1) Se f(x) = 6 2x. é igual a (a) 1 (b) 2 (c) 3 (d) 4 (e) 5. 2) (UNIFOR) O gráfico abaixo. 0 x

FUNÇÕES. Mottola. 1) Se f(x) = 6 2x. é igual a (a) 1 (b) 2 (c) 3 (d) 4 (e) 5. 2) (UNIFOR) O gráfico abaixo. 0 x FUNÇÕES ) Se f() = 6, então f ( 5) f ( 5) é igul () (b) (c) 3 (d) 4 (e) 5 ) (UNIFOR) O gráfico bio 0 () não represent um função. (b) represent um função bijetor. (c) represent um função não injetor. (d)

Leia mais

Prof. Dr. Maurício Zahn UFPel. Análise real II

Prof. Dr. Maurício Zahn UFPel. Análise real II Prof. Dr. Murício Zhn UFPel Análise rel II texto de mensgem... Dedicmos este trblho... Prefácio Este mteril foi elbordo durnte o Segundo Semestre letivo de 2016, pr tender Disciplin de Análise Rel II

Leia mais

Prova Escrita de MATEMÁTICA A - 12o Ano a Fase

Prova Escrita de MATEMÁTICA A - 12o Ano a Fase Prov Escrit de MATEMÁTICA A - 1o Ano 017-1 Fse Propost de resolução GRUP I 1. s números nturis de qutro lgrismos que se podem formr com os lgrismos de 1 9 e que são múltiplos de, são constituídos por 3

Leia mais

Cálculo Diferencial e Integral II Prof. Ânderson Vieira

Cálculo Diferencial e Integral II Prof. Ânderson Vieira CÁLCULO DE ÁREAS Cálculo de áres Cálculo Diferencil e Integrl II Prof. Ânderson Vieir Considere região S que está entre dus curvs y = f(x) e y = g(x) e entre s curvs verticis x = e x = b, onde f e g são

Leia mais

Atividade Prática como Componente Curricular

Atividade Prática como Componente Curricular Universidde Tecnológic Federl do Prná Gerênci de Ensino e Pesquis Deprtmento Acdêmico de Mtemátic Atividde Prátic como Componente Curriculr - Propost - Nome: Mtrícul: Turm: Justique su respost, explicitndo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ. Tópicos Especiais de Matemática Aplicada

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ. Tópicos Especiais de Matemática Aplicada UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ Tópicos Especiis de Mtemátic Aplicd Márleson Rôndiner dos Sntos Ferreir mrleson p@yhoo.com.br Unifp-AP 23/junho/2010 Universidde Federl do Ampá 1 INTEGRAIS DE LINHA E SUPERFÍIE

Leia mais

Capítulo 4. Integral de Riemann. 4.1 Definição do integral de Riemann

Capítulo 4. Integral de Riemann. 4.1 Definição do integral de Riemann Cpítulo 4 Integrl de Riemnn Os principis resultdos d teori do integrl de Riemnn pr funções limitds definids em [, b],, b R são presentdos neste cpítulo. Definem-se, no sentido de Riemnn, o integrl definido

Leia mais

Aula 27 Integrais impróprias segunda parte Critérios de convergência

Aula 27 Integrais impróprias segunda parte Critérios de convergência Integris imprópris segund prte Critérios de convergênci MÓDULO - AULA 7 Aul 7 Integris imprópris segund prte Critérios de convergênci Objetivo Conhecer dois critérios de convergênci de integris imprópris:

Leia mais

y 5z Grupo A 47. alternativa A O denominador da fração é D = 46. a) O sistema dado é determinado se, e somente se: b) Para m = 0, temos: = 2 x y

y 5z Grupo A 47. alternativa A O denominador da fração é D = 46. a) O sistema dado é determinado se, e somente se: b) Para m = 0, temos: = 2 x y Grupo A 4. lterntiv A O denomindor d frção é D = 4 7 = ( 0 ) = 4. 46. ) O sistem ddo é determindo se, e somente se: m 0 m 9m 0 9 m b) Pr m, temos: x + y = x = y x + y z = 7 y z = x y + z = 4 4y + z = x

Leia mais

16.4. Cálculo Vetorial. Teorema de Green

16.4. Cálculo Vetorial. Teorema de Green ÁLULO VETORIAL álculo Vetoril pítulo 6 6.4 Teorem de Green Nest seção, prenderemos sore: O Teorem de Green pr váris regiões e su plicção no cálculo de integris de linh. INTROUÇÃO O Teorem de Green fornece

Leia mais

Resposta: Basta fazer integração por partes. Seja j = 1 (para j 1, o argumento é o mesmo). Logo. i x 1. lim. lim. (R n ), temos.

Resposta: Basta fazer integração por partes. Seja j = 1 (para j 1, o argumento é o mesmo). Logo. i x 1. lim. lim. (R n ), temos. LISTA DE EXECÍCIOS 5 - TEOIA DAS DISTIBUIÇÕES E ANÁLISE DE OUIE MAP 57-4 PO: PEDO T P LOPES WWWIMEUSPB/ PPLOPES/DISTIBUICOES Os eercícios seguir form seleciondos do livro do Duistermt e Kolk denotdo por

Leia mais

Matemática /09 - Integral de nido 68. Integral de nido

Matemática /09 - Integral de nido 68. Integral de nido Mtemátic - 8/9 - Integrl de nido 68 Introdução Integrl de nido Sej f um função rel de vriável rel de nid e contínu num intervlo rel I = [; b] e tl que f () ; 8 [; b]: Se dividirmos [; b] em n intervlos

Leia mais

Matemática para Economia Les 201. Aulas 28_29 Integrais Luiz Fernando Satolo

Matemática para Economia Les 201. Aulas 28_29 Integrais Luiz Fernando Satolo Mtemátic pr Economi Les 0 Auls 8_9 Integris Luiz Fernndo Stolo Integris As operções inverss n mtemátic: dição e sutrção multiplicção e divisão potencição e rdicição A operção invers d diferencição é integrção

Leia mais

Função Modular. x, se x < 0. x, se x 0

Função Modular. x, se x < 0. x, se x 0 Módulo de um Número Rel Ddo um número rel, o módulo de é definido por:, se 0 = `, se < 0 Observção: O módulo de um número rel nunc é negtivo. Eemplo : = Eemplo : 0 = ( 0) = 0 Eemplo : 0 = 0 Geometricmente,

Leia mais

CÁLCULO INTEGRAL. e escreve-se

CÁLCULO INTEGRAL. e escreve-se Primitivs CÁLCULO INTEGRAL Prolem: Dd derivd de um função descorir função inicil. Definição: Chm-se primitiv de um função f, definid num intervlo ] [ à função F tl que F = f e escreve-se,, F = P f ou F

Leia mais