PRTI TIST TIST-2 MODELO TECNOLÓGICO. Telemática & Radiocomunicação. Abril /2010 Versão 1.0

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PRTI TIST TIST-2 MODELO TECNOLÓGICO. Telemática & Radiocomunicação. Abril /2010 Versão 1.0"

Transcrição

1 PRTI TIST TIST-2 MODELO TECNOLÓGICO Telemática & Radicmunicaçã Abril /2010 Versã 1.0

2 ÍNDICE 1. REDE DE TELEMÁTICA OBJETIVO INTRODUÇÃO NORMAS PREMISSAS PARA A ELABORAÇÃO DO PROJETO BÁSICO CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS E FUNCIONAIS DA REDE LAN CABEAMENTO ESTRUTURADO REDE PRIMÁRIA (VERTICAL / BACKBONE) REDE SECUNDÁRIA (HORIZONTAL) ATIVOS DE REDE PROJETO DE CABEAMENTO ESTRUTURADO CRITÉRIO DE DIMENSIONAMENTO REFERENCIAL DE PONTOS DE REDE SALA TELEMÁTICA MATERIAIS DO CABEAMENTO ESTRUTURADO INFRA-ESTRUTURA INTERNA INFRAESTRUTURA EXTERNA CERTIFICAÇÃO E TESTES DO CABEAMENTO ESTRUTURADO ATIVOS DE REDE SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ATUALIZAÇÃO DE CONHECIMENTO TECNOLÓGICO GARANTIAS TREINAMENTO DESCRIÇÃO FUNCIONAL DA REDE LÓGICA DOCUMENTAÇÃO DA INSTALAÇÃO FÍSICA DA REDE (AS-BUILT) CENTRAL TELEFÔNICA INTRODUÇÃO DESCRIÇÃO CARACTERISTICAS DA CENTRAL TELEFÔNICA FACILIDADES DE CENTRAL TELEFÔNICA CARACTERÍSTICAS DOS TELEFONES ANALÓGICOS CARACTERÍSTICAS DOS TELEFONES DIGITAIS SISTEMA DE ENERGIA ELÉTRICA DOCUMENTAÇÃO REQUISITOS DE INSTALAÇÃO TESTE E ACEITAÇÃO GARANTIA PRAZOS TREINAMENTO CENTRAL TELEFÔNICA IP COMUNICAÇÕES UNIFICADAS INTRODUÇÃO DESCRIÇÃO CARACTERÍSTICAS DA CENTRAL TELEFÔNICA IP FACILIDADES DE CENTRAL TELEFÔNICA IP CARACTERÍSTICAS DO TELEFONE IP DOCUMENTAÇÃO REQUISITOS DE INSTALAÇÃO TESTE E ACEITAÇÃO GARANTIA PRAZOS

3 4.11. TREINAMENTO RADIOCOMUNICAÇÃO OBJETIVO INTRODUÇÃO CONCEITOS OPERACIONAIS MODELOS DE TECNOLOGIA SISTEMAS IRRADIANTES MODELO TECNOLÓGICO POR CATEGORIA DE AEROPORTO SISTEMA INDOOR

4 RESPONSÁVEIS TÉCNICOS O dcument Mdel Tecnlógic (Redes e Telecmunicações) da INFRAERO está dividid em 3 (Três) áreas distintas e cada uma dela cm seus respectivs respnsáveis técnics, cnfrme abaix: Rede Telemática Nivald Gnçalves Especialista em Redes Central Telefônica Glber Cruz Dória Especialista em Redes Gber Radicmunicaçã Antni Maced Alves Especialista em Redes 4

5 1. REDE DE TELEMÁTICA 1.1. Objetiv Este dcument tem cm bjetiv estabelecer cnjunt de especificações e requisits mínims para a elabraçã de prjets nas seguintes disciplinas: rede telemática (cabeament estruturad e ativ de rede), telefnia. O detalhament da especificaçã técnica de cada uma destas disciplinas está cnslidad n crp deste dcument. Antes de ser iniciad qualquer prjet de rede de telecmunicações na INFRAERO (SEDE, Aerprts, GNAs) seja de cmplementaçã, de revitalizaçã u implantaçã de nvs prjets, a Superintendência de Tecnlgia da Infrmaçã - PRTI deverá ser ntificada, n intuit de definir claramente seu escp e as particularidades de cada prjet. Cabe ressaltar que prjet deverá ser embasad neste mdel tecnlógic apenas cm mdel referencial Intrduçã Este dcument tem pr bjetiv estabelecer s critéris mínims para elabraçã de prjet de rede telemática nas dependências da INFRAERO cntend definiçã de materiais, equipaments ativs e prcediments básics de instalaçã. Cnsiderand a crescente cmplexidade e evluçã ds serviçs é imprescindível à prjeçã de uma estrutura que satisfaça às necessidades iniciais e futuras das cmunicações. O prjet deverá garantir flexibilidade, expansibilidade, perenidade e interperabilidade da rede, sem a necessidade de bras adicinais após sua implantaçã Nrmas Este dcument fi criad para servir cm referência mínima na elabraçã e implantaçã de prjets de rede de vz/dads/imagem nas dependências da INFRAERO. Cabe infrmar que este mdel tecnlógic está embasad nas seguintes publicações e nrmas: TIA/EIA (Telecmunicatins Industry Assciatin / Eletrnic Industries Assciatin) ds Estads Unids; ISO (Internacinal Standard Organizatin); ABNT (Assciaçã Brasileira de Nrmas Técnicas); ANATEL (Agência Nacinal de Telecmunicações); 5

6 Ressalta-se ainda que as nrmas suprtadas pels órgãs citads acima nã estarã aqui relacinadas, uma vez que estas nrmas estã sempre em prcess de atualizaçã pr mei de bletins e drafts, prém deverã ser seguidas em sua íntegra bedecend às atualizações. O prjet deverá ser elabrad e implementad cnfrme definid pela INFRAERO e estritamente parametrizad de acrd cm as nrmas e códigs específics de Sistemas de Rede Estruturada e utrs elements cmpnentes. Qualquer nrma atual ds órgãs citada e nã mencinada ns tópics desse mdel tecnlógic, prém de relevância para prjet deverã ser cnsideradas Premissas para a elabraçã d prjet básic O prjet deverá ser desenvlvid de acrd cm as premissas descritas em cada dcumentaçã abaix relacinada: Quant a Levantament Deverá ser feita visita a lcal nde será implantad sistema de cabeament estruturad para avaliar as necessidades da instalaçã, s quantitativs de pnts e a característica física da área a ser cberta pela rede. Quant as desenhs Ns desenhs deverã estar detalhads a distribuiçã ds pnts (tmadas), rtas e terminações de td cabeament (extern, vertical e hrizntal), infraestrutura vertical e hrizntal cm detalhes e crtes, legendas, diagramas e layuts das salas técnicas; Quant a Diagrama Unifilar O diagrama unifilar deverá cnter s detalhes de dispsiçã ds equipaments ns racks, interligaçã ds backbnes (óptics e metálics) da rede externa e interna, quantitativ de pnts pr rack, plan de face d DG (Distribuidr Geral) cm as descrições ds cabs e blcs terminais; Quant a planilha de preç A planilha de preç deverá cnter a descriçã e quantitativ de materiais de infra-estrutura, cabeament e equipaments; Quant a Memrial descritiv Memrial descritiv deverá cnter tdas as definições d cabeament quant a sistema de distribuiçã, nrmas técnicas seguidas, categria d sistema, descriçã ds materiais, testes, certificaçã, equipaments empregads e quantitativs de pnts pr edificaçã; Quant a cadern de especificações técnicas As especificações técnicas deverã cnter as características funcinais d sistema e características técnicas ds materiais e equipaments; 6

7 Quant à infra-estrutura Obedecer às nrmas da TIA/EIA (Telecmunicatins Industry Assciatin / Eletrnic Industries Assciatin), ISO (Internacinal Standard Organizatin), ABNT (Assciaçã Brasileira de Nrmas Técnicas) e ANATEL (Agência Nacinal de Telecmunicações), etc. Cabeament Hrizntal Obedecer às nrmas prjetand cada pnt de telemática cm a distância máxima de 90 metrs; Serã permitids até 10 metrs adicinais para cabs de cnexã; Para cada pnt, cnsiderar tmadas duplas, cm exceçã ds pnts para s telefnes públics (pnts simples); Td sistema de cabeament hrizntal deverá ser cnstituíd pr materiais de um mesm fabricante. Prtant, s elements passivs de cnexã, Jack, Patch Panel e Patch Crds e Cab UTP, deverã ser tds de um mesm fabricante e deverã estar de acrd cm s requisits físics e elétrics definid na nrmatizaçã ANSI/EIA/TIA-568-B.2-1. Quant às salas técnicas Equipar as salas técnicas cm cntrle de acess, pis elevad, climatizaçã e energia estabilizada e n-break; Recmendável prevê n mínim 02 (dis) bxes para instalaçã de equipaments para peradras de telecmunicações, próxim a DG (sala principal de telecmunicações). Quant as ativs de rede A expansã ds ativs de rede deverá bedecer as critéris de padrnizaçã adtad na INFRAERO, devend para tant ser realizad um levantament da rede atual. A partir deste levantament s equipaments deverã ser especificads cm mesm fabricante da sluçã existente, visand garantir a ttal interperabilidade entre as duas redes (existente x atual). Quant a Central Telefônica Para a especificaçã da central telefônica deverá ser levantad númer de usuáris INFRAERO e cncessináris (atual e previst); Cnsiderar a pssibilidade de ampliar uma pssível central telefônica cas exista e seja viável. Quant à rede de duts externs Prevê interligaçã de duts envelpads e prtegids entre as edificações e entrada de cncessinárias pública. 7

8 Quant à Identificaçã O mdel de identificaçã d sistema de cabeament deverá ser definid em cnjunt cm a INFRAERO, durante prjet executiv. Tds s cmpnentes d sistema deverã pssuir identificaçã, send s cabs metálics e óptics identificads nas duas extremidades. Os cabs óptics e cabs metálics de n mínim 25 pares também deverã ser identificads nas caixas de inspeçã/passagem e em suas extremidades Características técnicas e funcinais da rede LAN A rede lcal está dividida em dis cmpnentes principais: passiv e ativ. O cmpnente passiv é representad pel cabeament estruturad, já cmpnente ativ cmpreende s dispsitivs eletrônics, suas tecnlgias e a tplgia envlvida na transmissã de dads entre as estações. 8

9 2. Cabeament Estruturad O cabeament estruturad tem cm funçã básica prpiciar suprte para s sistemas de infrmaçã. Cm a tecnlgia em prcess de evluçã cabeament deve ser especificad de frma a suprtar sistemas, tais cm: vz, dads, víde e multimídia. Assim subdivid: 2.1. Rede primária (vertical / backbne) O cabeament vertical, também denminad cabeament d backbne da rede lcal, deverá utilizar uma tplgia em estrela, ist é, cada Sala Técnica Secundária deverá ser interligad à Sala de Técnica Principal, núcle da rede, através de um cab (Fibra Óptica) exclusiv. Deve-se viabilizar, sempre que pssível, utr trajet de interligaçã entre a Sala Técnica Principal e as secundárias (rta alternativa u de redundância). Dessa frma, recmenda-se, na elabraçã d prjet de cabeament estruturad, cnsiderar essas alternativas prcurand interligar as Salas Técnicas cm um númer suficiente de cabs, cm a finalidade de cnstruir uma rede cm alta dispnibilidade, desempenh e cnfiabilidade. Cm padrã mínim aceitável deve-se prever, para a interligaçã entre as Salas Técnicas, a utilizaçã de n mínim 03 (três) pares de fibra óptica para cada trajet de mei físic Rede secundária (hrizntal) 2.3. Ativs de Rede O cabeament hrizntal interliga s equipaments de redes (switches) às áreas de trabalh nde estã as estações. Assim cm n cabeament Vertical, a hrizntal está baseada em uma tplgia estrela, ist é, cada pnt de telecmunicações lcalizad na Área de Trabalh (tmada) será interligad a um únic cab dedicad até um painel de cnexã instalad nas Salas Técnicas. N que se refere a cnectividade váris sã s aspects estudads e pesquisads cm bjetiv de alcançar a melhr lógica de intercnexã, gerenciament, frma de interligaçã, cust x benefíci e s meis físics utilizads para tráfeg da infrmaçã. Quand fr cas de expansã de rede, as especificações ds ativs de rede deverã bedecer as critéris de padrnizaçã adtada na INFRAERO, devend para tant ser realizad um levantament da rede atual. A partir deste levantament s equipaments deverã ser especificads cm mesm 9

10 fabricante da sluçã existente, visand garantir a ttal interperabilidade entre as duas redes (existente x atual) Prjet de cabeament estruturad Este item é um rteir detalhad cm as especificações de tds s subsistemas que cmpõem a rede (cabeament, segurança, suprte e manutençã). Dentre s aspects técnics a serem levantads pde-se citar: materiais de cnectividade, infra-estrutura (interna e externa), prcediments para instalaçã, entre utrs, cnfrme detalhad abaix. Tds s cmpnentes nã especificads neste mdel, prém necessáris para a implementaçã d prjet, desde que amparads nas Nrmas afins, deverã ser primeiramente apresentads a Crdenadria de Redes e Telecmunicações TIST-3 para hmlgaçã d prdut Critéri de dimensinament referencial de pnts de rede Os critéris de pnts aqui apresentads deverã ser bedecids sempre que pssível e existir viabilidade técnica, devend ser ajustad à realidade d prjet. Item Lcal Qtd de pnts * (m 2 ) 1 Unidade de balcã de Check-in 4 pnts 2 Áreas de backffice 4 pnts 3 Áreas de escritóri 2 pnts 4 Áreas Administrativas (INFRAERO) 2 pnts 5 Bancs 1 pnt 6 Salas VIPs 1 pnt 7 Ljas de cias aéreas 2 pnts 8 Ljas de cncessões 2 pnts 9.1 Restaurantes 1 pnt 9.2 Táxi- lcadras 2 pnt 9.3 Crreis 1 pnt 9.4 Free Shp 2 pnt 9.5 Ljas 2 pnt 10 Unidade de Guarita 1 pnt 11 Terminal de Cargas Aéreas TECA 1 pnt 11.1 Armazém 1 pnt 11.2 Áreas de escritóri 4 pnts (*) Pnt dupls 10

11 2.6. Sala Telemática As salas de telemática deverã bedecer n mínim s seguintes critéris: Equipar as salas técnicas cm cntrle de acess, pis elevad, climatizaçã e energia estabilizada e n-break; Dispnibilizar tmadas elétricas cm n mínim 02 (dis) circuits independentes; Deverá ser previst um pé-direit mínim para a circulaçã de uma pessa sem interferências mais a altura d pis elevad (sugestã 40 cm); Tamanh mínim da sala técnica primária (CPD) é de 30m 2, u seja, para permitir a instalaçã de racks para acmdaçã ds servidres, tec; Tamanh mínim das salas técnicas secundárias é de 4m 2, u seja, para permitir a instalaçã de 02 (dis) racks; Recmendável prevê n mínim 02 (dis) bxes para instalaçã de equipaments para peradras de telecmunicações, próxim a DG (sala principal de telecmunicações), n tamanh mínim 2m x 1m; As salas técnicas deverã estar psicinadas na edificaçã de frma a permitir lançament de cabs cm cmpriment de 90m, excet na interligaçã entre as salas que deverá crrer pr fibra. Livre de infiltraçã de água e esgt; 2.7. Materiais d Cabeament Estruturad I. Cab UTP 4 pares - Categria 6A Aplicabilidade: Sistemas de Cabeament Estruturad para tráfeg de vz, dads e imagens, segund requisits da nrma ANSI/TIA/EIA-568B.2-10, (Balanced Twisted Pair Cabling Cmpnents) Categria 6A, para cabeament primári e secundári entre s painéis de distribuiçã (Patch Panels) u cnectres nas áreas de trabalh, em sistemas que requeiram grande margem de segurança sbre as especificações nrmalizadas para garantia de suprte às aplicações PE cm VIP, WAP e segurança. Descriçã: Deve atender plenamente às especificações cntidas na nrma ANSI/EIA/TIA-568B.2-10 (Categria 6A); 11

12 Deverá pssuir certificaçã UL; Deve ser cmpst pr cndutres de cbre sólid, e capa externa em PVC nã prpagante à chama; Deve pssuir impress na capa externa, nme d fabricante e marcaçã seqüencial métrica (300-0m); Deve pssuir identificaçã nas veias brancas ds pares crrespndente a cada par; O fabricante deverá pssuir Certificad ISO 9001; Deve ser certificad através d Teste de Pwer Sum, cmprvad através de catálg e/u flders d fabricante; Deve ser apresentad através de catálgs, testes das principais características elétricas em transmissões de altas velcidades (valres típics) de ATENUAÇÃO (db/100m), NEXT (db), PSNEXT(dB), SRL(dB), ACR(dB), para freqüências de 100 e 625 Mhz. II. Cab UTP de 25 pares categria 5e Aplicabilidade: Sistemas de Cabeament Estruturad para tráfeg de vz, dads e imagens, segund requisits da nrma ANSI/TIA/EIA-568-B.2 Categria 5e para. Prevists para cabeament hrizntal u secundári, us intern, em pnt cabeament vertical u primári (backbnes) entre blcs de cnexã de alta capacidade, lcalizads nas salas u armáris de telecmunicações. III. Descriçã: Deve atender plenamente às especificações cntidas na nrma ANSI/EIA/TIA-568B.2 - Categria 5e; Deve pssuir certificaçã pela UL; Impedância característica de 100 Ohms; Deve ser cmpst pr cndutres de cbre sólid; Capa externa em PVC nã prpagante à chama; Deve pssuir, impress na capa externa, nme d fabricante e marcaçã seqüencial métrica (300-0m); O fabricante deverá pssuir Certificad ISO 9001; Deverá ser certificad através d teste de Pwer Sum, cmprvad através de catálg e/u flders d fabricante. Painel Mdular - Patch Panel - Categria 6A Aplicabilidade: Sistemas de Cabeament Estruturad para tráfeg de vz, dads e imagens, segund requisits da nrma ANSI/TIA/EIA-568-B

13 Categria 6A, us intern, para cabeament hrizntal u secundári, em salas de telecmunicações (crsscnnect) para distribuiçã de serviçs em sistemas hrizntais e em sistemas que requeiram grande margem de segurança sbre as especificações nrmalizadas para garantia de suprte às aplicações cm GigaBit Ethernet 1000 Mbps (em md half u full-duplex e ATM CBIG). IV. Descriçã: Deve atender plenamente às características elétricas cntidas na nrma ANSI/TIA/EIA-568B.2-10 categria 6A e a FCC part (EMI - Interferência Eletrmagnética); O fabricante deverá apresentar certificaçã ISO 9001; Apresentar Certificaçã UL d acessóri; Apresentar de 19" de largura, e altura de 1 U u 44,5mm; Painel frntal em chapa de aç, espessura de 1,5 mm, prteçã cntra crrsã, pintura cm resistência a riscs e acabament em epóxi na cr preta; Deve pssuir 24 prtas cm cnectres RJ-45 fêmea na parte frntal; Os cnectres fêmea RJ-45 devem pssuir as seguintes características: Atender a ANSI/TIA/EIA-568B.2-10 e a FCC part (Interferência Eletrmagnética), ter crp em termplástic de alt impact nã prpagante a chama que atenda a nrma UL 94 V-0 (flamabilidade), pssuir cntats em níquel e camada prtetra cm n mínim 2,54µm de ur, pssuir terminaçã d tip 110 IDC (cnexã traseira) e permitir inserçã de cndutres de até 1,27 mm de diâmetr (22 AWG à 26 AWG); Deve pssuir lcal para ícne de identificaçã (ANSI EIA/TIA 606- A); Deve pssuir guia traseir metálic (para facilitar amarraçã ds cabs); Cnectr RJ-45 Fêmea - Categria 6A Aplicabilidade: Sistemas de Cabeament Estruturad para tráfeg de vz, dads e imagens, segund requisits da nrma ANSI/TIA/EIA-568-B.2-10 Categria 6A, para cabeament hrizntal u secundári, us intern, em pnt de acess na área de trabalh para tmadas de serviçs em sistemas estruturads de cabeament e em sistemas que requeiram grande margem de segurança sbre as especificações nrmalizadas para garantia de suprte às aplicações futuras. Descriçã: 13

14 Deve atender plenamente as requisits da nrma ANSI/TIA/EIA- 568B.2-10 (Categria 6A); Crp em termplástic de alt impact nã prpagante à chama (UL 94 V-0); Vias de cntat planas para aumentar a superfície de cntat cm cnectr mach, prduzidas em cbre-beríli, cm camada de ur de 1,27 µm; Terminais de cnexã padrã 110 IDC, para cndutres de 22 a 26 AWG (diâmentr islad até 1,27 mm); Deve pssuir prtetres traseirs para as cnexões (dust cver) e tampa de prteçã frntal remvível e articulada cm lcal para inserçã, (na própria tampa), d ícne de identificaçã (ANSI EIA/TIA 606); Deve apresentar Certificaçã UL; O keystne deve ser cmpatível para as terminações T-568A e T- 568B, segund a ANSI EIA/TIA 568B.2.10; Identificaçã d cmpnente cm Categria 6A (C6A), gravad n frntal d cnectr. V. Crdã de Cnexã - Patch Crd - Categria 6A Aplicabilidade: Sistemas de Cabeament Estruturad para tráfeg de vz, dads e imagens, segund requisits da nrma ANSI/TIA/EIA-568-B.2-10 Categria 6A. Prevists para cabeament hrizntal u secundári, us intern nas salas de telecmunicações para manbras entre s painéis de distribuiçã (patch panels) e s equipaments ativs da rede (hubs, switches, etc.). Descriçã: Deve atender plenamente às especificações cntidas na nrma ANSI/TIA/EIA-568B.2-10; Deve pssuir características elétricas e perfrmance testada em freqüências de até 625 Mhz; Prduzid em fábrica, cm técnicas de mntagem e cnexã exclusivas, que certificam, perfrmance de transmissã; O fabricante deve pssuir certificaçã ISO 9001; Deverã ser cnfeccinads e testads em fábrica, send brigatória a apresentaçã da certificaçã d fabricante, quand da Instalaçã ds mesms; Devem ser frnecid cm cmpriments padrã de 2,5 metrs; Cnfeccinads em cab par trançad, UTP (Unshielded Twisted Pair), 24 AWG x 4 pares, cmpst pr cndutres de cbre flexível, multifilar, islament em plilefina e capa externa em PVC nã prpagante a chama, cnectrizads à RJ-45 mach Categria 6A nas duas extremidades; 14

15 VI. Deverá ser utilizad para manbras entre painel de cnexã (Patch Panel) e s equipaments; Dispnível nas terminações T-686A e T-568B; Deve ser dispnibilizad pel fabricante em 7 cres (amarel, azul, branc, verde, vermelh, cinza e pret), atendend às especificações da ANSI EIA/TIA 606. Crdã de Cnexã - Line Crd - Categria 6A Aplicabilidade: Sistemas de Cabeament Estruturad para tráfeg de vz, dads e imagens, segund requisits da nrma ANSI/TIA/EIA-568-B.2-10 Categria 6. Prevists para cabeament hrizntal u secundári, us intern, em pnt de acess à área de trabalh para interligaçã d hardware de cmunicaçã d usuári às tmadas de cnexã da rede. VII. Descriçã: Deve atender plenamente às especificações cntidas na nrma ANSI/TIA/EIA-568B.2-10; Deve pssuir características elétricas e perfrmance testada em freqüências de até 625 Mhz; Prduzid em fábrica, cm técnicas de mntagem e cnexã exclusivas, que certificam, perfrmance de transmissã; O fabricante deve pssuir certificaçã ISO 9001; Deverã ser cnfeccinads e testads em fábrica, send brigatória a apresentaçã da certificaçã d fabricante, quand da Instalaçã ds mesms; Devem ser frnecid cm cmpriments padrã de 2,5 metrs; Cnfeccinads em cab par trançad, UTP (Unshielded Twisted Pair), 24 AWG x 4 pares, cmpst pr cndutres de cbre flexível, multifilar, islament em plilefina e capa externa em PVC nã prpagante a chama, cnectrizads à RJ-45 mach Categria 6A nas duas extremidades; Deverá ser utilizad para interligaçã entre a tmada lógica e a estaçã de trabalh ; Dispnível nas terminações T-686A e T-568B; Deve ser dispnibilizad pel fabricante em 7 cres (amarel, azul, branc, verde, vermelh, cinza e pret), atendend às especificações da ANSI EIA/TIA 606. Blc de cnexã 110 IDC de 100 pares Categria 5e Aplicabilidade: Sistemas de Cabeament Estruturad para tráfeg de vz, dads e imagens, segund requisits da nrma ANSI/TIA/EIA-568-B2 Categria 5e, us intern, para cabeament vertical u primári, na funçã de 15

16 administraçã e gerenciament de backbnes, u para cabeament hrizntal u secundári, em salas de telecmunicações (crss-cnnect) u próxims de pnts de distribuiçã (pnts de cnslidaçã) na funçã de distribuiçã de serviçs em sistemas hrizntais. Descriçã: Deve atender plenamente as requisits da nrma ANSI/TIA/EIA- 568B.2; Os blcs de cnexã devem pssuir crp em termplástic de alt impact nã prpagante à chama (UL 94 V-0); Deve pssuir pernas (legs) remvíveis u desmntáveis permitind aplicações diretamente em parede u suprtes metálics e sistema de encaixe entre blcs pssibilitand cnfigurações e expansões acima de 100 pares; Deve pssuir certificaçã UL; Deve ser dispnibilizad em frma de KIT s, frmad pr blcs de cnexã 110 IDC de 50 u 100 pares, cnectres 110 IDC (cnnecting blcks) cm lgtipia impressa d fabricante, suprtes e etiquetas de identificaçã; Apresentar lgtipia d fabricante estampada n crp d acessóri, demnstrand rigem d material; Atender cndutres de 22 e 26 AWG sólids. VIII. Crdã de Cnexã Patch Cable 110 IDC Aplicabilidade: Sistemas de Cabeament Estruturad, us intern, segund requisits da nrma ANSI EIA/TIA 568B.2, para cabeament vertical u primári, em salas u armáris de distribuiçã principal, u para cabeament hrizntal u secundári, em salas de telecm (crss-cnnect), na funçã de manbras (cnexã cruzada) entre s painéis de distribuiçã (patch panels e blcs de cnexã) u entre estes e s equipaments de rede. Descriçã: Deve atender plenamente às especificações cntidas na nrma ANSI/TIA/EIA-568B.2 Categria 5e e part (EMI Interferência Eletrmagnética); Deve pssuir características elétricas e perfrmance testada em freqüências de até 100 Mhz; Apresentar Certificaçã UL; O fabricante deverá pssuir certificaçã ISO 9001; Deve ser frnecid em cmpriment de 2,50 metrs; Deve ser mntad e testad necessariamente em fábrica; 16

17 IX. Devem ser cnfeccinads em cab par trançad, UTP (Unshielded Twisted Pair), 24 AWG x 4 pares, cmpst pr cndutres de cbre flexível, multifilar, islament em plilefina e capa externa em PVC nã prpagante a chama, cnectrizads à RJ-45 mach Categria 5e, de 1, 2 u 4 pares, em uma das extremidades u cnectr 110 IDC, de 1, 2 u 4 pares cm lgtip d fabricante impressa, de engate rápid para cnexã em blcs 110; Deve pssuir certificads ds testes emitids pel fabricante; Cab CTP-APL Aplicabilidade: Sistemas de Cab Telefônic para tráfeg de vz segund requisits da nrma ABNT NBR Prevists para a transmissã de sinas analógics e digitais para redes. Descriçã: Deve atender plenamente às especificações cntidas na nrma ABNT NBR 9124; Prduzid em fábrica, cm técnicas de mntagem e cnexã exclusivas, que certificam, perfrmance de transmissã; O fabricante deve pssuir certificaçã ISO 9001; Deverã ser cnfeccinads e testads em fábrica, send brigatória a apresentaçã da certificaçã d fabricante, quand da Instalaçã ds mesms; Diâmetr d cndut: 0,50 mm; X. Cab Óptic Intern/Extern Multimd Aplicabilidade: Sistemas de Cabeament Estruturad para tráfeg de vz, dads e imagens, cm distribuiçã em campus, entre prédis, que exijam interligações ópticas externas e também em instalações internas, em backbnes de interligações verticais entre armáris de distribuiçã principal e de andares u para atendiment às áreas de trabalh em sistemas FFTD (Fiber T The Desk ). Descriçã: Deverá permitir aplicaçã em ambiente extern e intern, cm cnstruçã d tip tight, cmpst pr fibras ópticas multimd cm revestiment primári em acrilat e revestiment secundári em material pliméric clrid (900 µm), reunidas e revestidas pr fibras sintéticas dielétricas para suprte mecânic (resistência à traçã) e cbertas pr uma capa externa em plímer especial para us intern e extern; 17

18 O fabricante deste cab óptic deverá pssuir certificaçã ISO 9001; Apresentar Certificaçã UL; Este cab deverá ser cnstituíd pr fibras multimd 62,5/125 µm u 50/125 µm ± 3µm, prf-test 100Kpsi; Apresentar atenuaçã máxima de: 3,0 db/km em 850nm; 1,0 db/km em 1300nm; Apresentar largura de banda: 200MHz.km (62,5) u 400MHz.Km (50) em 850nm; 500MHz.km (62,5) u 600 MHz.Km (50) em 1300nm; Deve ser ttalmente dielétric, garantind a prteçã ds equipaments ativs de transmissã cntra prpagaçã de descargas elétricas atmsféricas; Deve pssuir resistência à umidade, fungs, intempéries e açã slar (prteçã UV); Deve pssuir rai mínim de curvatura de 40mm após a instalaçã e de 100mm durante a instalaçã; Deve pssuir resistência à traçã durante a instalaçã de 185Kgf; Temperatura de peraçã de -20 a 65 graus, deverá ser cmprvada através de teste cicl térmic; Pssuir impress na capa externa nme d fabricante, e gravaçã seqüencial métrica; Aplicaçã em Sistemas de cabeament intrabuilding e interbuilding, segund as nrmas ANSI EIA/TIA 568B e ANSI EIA/TIA 568B.3. XI. Crdã Óptic Aplicabilidade: Sistemas de Cabeament Estruturad para tráfeg de vz, dads e imagem ds requisits da nrma ANSI EIA/TIA-568B us intern para cabeament vertical u primári em salas u armáris de distribuiçã principal, u para cabeament hrizntal u secundári em salas de telecmunicações (crss-cnnect) na funçã de interligaçã de distribuidres e blqueis óptics cm s equipaments de rede. Descriçã: Este crdã deverá ser cnstituíd pr um par de fibras ópticas multimd 50/125µm u 62,5/125µm, tip tight ; Utilizar padrã zip-crd de reuniã das fibras para diâmetr de 2mm; Deve pssuir 2,5 metrs de cmpriment; A fibra óptica deste crdã deverá pssuir revestiment primári em acrilat e revestiment secundári em pliamida; 18

19 Sbre revestiment secundári deverã existir elements de traçã e capa em PVC nã prpagante à chama; As extremidades deste crdã óptic dupl devem vir devidamente cnectrizadas e testadas de fábrica e devem pssuir certificad ds testes de perda pr inserçã e perda de retrn emitid pel fabricante; Rai mínim de curvatura aceitável para este crdã óptic dupl é de 50mm. O fabricante deverá apresentar certificads ISO 9001; Pssuir impress na capa externa nme d fabricante; Deverá ser dispnibilizad nas pções de terminações cm cnectres ST / SC / MTRJ e LC; XII. Distribuidr Intern Óptic (DIO) 19 até 24 fibras Aplicabilidade: Este distribuidr geral óptic deverá ter a funçã de acmdar e prteger as emendas de transiçã entre cab ótic e as extensões óticas; Descriçã Deverá ter flexibilidade quant a substituiçã d suprte ds adaptadres ótics (ST, SC, SC Duplex, FC e MT-RJ); Deverá ser mdular permitind expansã d sistema; Menr altura (1U) e ser cmpatível cm padrã 19 u 23 ; Áreas de armazenament de excess de fibras, acmdaçã, emenda devem ficar internas à estrutura (cnferind mair segurança a sistema); As bandejas de acmdaçã de emendas devem ser em material plástic; Deve pssuir resistência e /u prteçã cntra à crrsã; Deve pssuir gaveta deslizante (facilitar manutençã/instalaçã e trabalhs psterires sem retirá-ls d rack); Deve pssuir identificaçã na parte frntal; Deve pssuir painel frntal articulável, permitind acess as crdões sem expr as fibras cnectrizadas internamente; Deve pssuir acess para cabs óptics pela parte traseira e lateral; O fabricante deve apresentar certificaçã ISO 9001; Tda e qualquer emenda deve ser feita, brigatriamente, pel prcess de fusã térmica. 19

20 XIII. Rack s Rack d tip gabinete fechad, padrã 19, cm altura útil de 24 a 45 UA`s, e prfundidade de 450 a 800 milímetrs. Pssuir prta frntal cnfeccinada em acrílic cm fechadura e chaves, prtas traseiras e laterais d tip remvíveis cnfeccinadas em aç, assim cm a estrutura d rack. A pintura deverá ser d tip epóxi antixidante em tns grafite u pret; XIV. XV. Descriçã Pssuir rganizadres laterais verticais tip calha u ganch em anel (hk and lp), na parte frntal e traseira cmpatível cm dimensinament das cablagens vertical e hrizntal; Pssuir uma régua de alimentaçã elétrica cm filtr de n mínim 6 tmadas elétricas d tip triplar, fase, neutr e terra, (2P+T) padrã NBR 5409, classe de islament de 250V, cm ptência ttal para 2000 Watts; Os racks das salas técnicas de equipaments da rede devem cnter uma barra de vinculaçã de cbre estanhad, mntada sbre isladres de epóxi, cm 6mm de espessura, 50mm de largura e cmpriment de acrd cm as necessidades de vinculaçã; Ter furs cm tampa n pis e tet para passagem ds cabs e pés niveladres d tip reguláveis na base; Ser prduzid pr fabricante certificad ISO 9001; Pssuir segund plan de fixaçã ajustável; Pssuir versã de parede para as alturas de 6, 8, 10, 12 e 16 UA (unidades de altura), e prfundidade de 450 a 800 milímetrs. Distribuidr Geral Módul de distribuiçã tip bastidr de parede cmpst pr clunas u trilhs em aç/alumíni para instalaçã de blcs d tip IDC (engate rápid) de 8 e10 pares u blcs tip 110 de 100,200 e 300 pares. Deverá fazer parte d cnjunt tds s acessóris necessáris a fixaçã e vinculaçã d módul. Deverá ser mdular para futuras ampliações, ter bandejas u calhas para gerenciament e encaminhament ds jumpers. Deverá ter capacidade mínima de instalaçã de 600 pares pr vertical. Bastidr 19 para blcs IDC Estrutura padrã 19 para instalaçã em rack, cmpst pr clunas u trilhs, fabricad em aç u alumíni. Deverá suprtar a instalaçã de blcs d tip IDC (engate rápid) de 8 e10 pares u blcs tip 110 de 100, 200 e 300 pares. Necessári acmpanhament de suprtes tip gramp u calha, para rganizaçã e encaminhament ds patch crds e cabs. 20

III.3. SISTEMAS HÍBRIDOS FIBRA/COAXIAL (HFC)

III.3. SISTEMAS HÍBRIDOS FIBRA/COAXIAL (HFC) 1 III.3. SISTEMAS HÍBRIDOS FIBRA/COAXIAL (HFC) III.3.1. DEFINIÇÃO A tecnlgia HFC refere-se a qualquer cnfiguraçã de fibra ótica e cab caxial que é usada para distribuiçã lcal de serviçs de cmunicaçã faixa

Leia mais

Procedimentos para aceitação de materiais e equipamentos fornecidos à EDP Distribuição

Procedimentos para aceitação de materiais e equipamentos fornecidos à EDP Distribuição Julh 2010 Prcediments para aceitaçã de materiais e equipaments frnecids à EDP Distribuiçã DGF/Departament Gestã de Materiais e Equipaments Prcediments para aceitaçã de materiais e equipaments frnecids

Leia mais

CURSO NOVA NBR 5419 Proteção contra Descargas Atmosféricas

CURSO NOVA NBR 5419 Proteção contra Descargas Atmosféricas CURSO NOVA NBR 5419 Prteçã cntra Descargas Atmsféricas Públic alv: Engenheirs eletricistas e eletrônics, técnics em eletricidade, prje6stas de sistemas elétrics, eletrônics, de telecmunicações e de cntrle

Leia mais

PIM TECNOLOGIA EM GERENCIAMENTO DE REDES DE COMPUTADORES (GR3P30)

PIM TECNOLOGIA EM GERENCIAMENTO DE REDES DE COMPUTADORES (GR3P30) UNIP Brasília - Crdenaçã CG/CW/GR/AD Senhres Aluns, Seguem infrmações imprtantes sbre PIM: 1. O QUE É? - Os PIM (Prjet Integrad Multidisciplinar) sã prjets brigatóris realizads els aluns ds curss de graduaçã

Leia mais

Notas de Aplicação. Utilização do conversor RS232/RS485 (PMC712) com controladores HI. HI Tecnologia. Documento de acesso público

Notas de Aplicação. Utilização do conversor RS232/RS485 (PMC712) com controladores HI. HI Tecnologia. Documento de acesso público Ntas de Aplicaçã Utilizaçã d cnversr RS232/RS485 (PMC712) cm cntrladres HI HI Tecnlgia Dcument de acess públic ENA.00034 Versã 1.00 setembr-2010 HI Tecnlgia Utilizaçã d cnversr RS232/RS485 (PMC712) cm

Leia mais

GUIA RÁPIDO DE CONFIGURAÇÃO PARA WINDOWS

GUIA RÁPIDO DE CONFIGURAÇÃO PARA WINDOWS GUIA RÁPIDO DE CONFIGURAÇÃO PARA WINDOWS CONTEÚDO 1. Intrduçã... 3 2. Requisits de Sftware e Hardware:... 3 3. Usuári e Grups:... 3 3.1. Cnfigurand cm Micrsft AD:... 3 3.2. Cnfigurand s Grups e Usuáris:...

Leia mais

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde Anex V Sftware de Registr Eletrônic em Saúde Implantaçã em 2 (duas) Unidades de Saúde Índice 1 INTRODUÇÃO... 3 2 ESTRATÉGIAS E PROCEDIMENTOS DE IMPLANTAÇÃO... 3 4 INFRAESTRUTURA NAS UNIDADES DE SAÚDE -

Leia mais

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO 1 de 7 1. OBJETIVO Este prcediment estabelece prcess para cncessã, manutençã, exclusã e extensã da certificaçã de sistema de segurança cnfrme ABNT NBR 15540. 2. DOCUMENTOS COMPLEMENTARES - ABNT NBR 15540:2013:

Leia mais

Perguntas frequentes sobre o Programa Banda Larga nas Escolas

Perguntas frequentes sobre o Programa Banda Larga nas Escolas Perguntas frequentes sbre Prgrama Banda Larga nas Esclas 1. Qual bjetiv d Prgrama Banda Larga nas Esclas? O Prgrama Banda Larga nas Esclas tem cm bjetiv cnectar tdas as esclas públicas à internet, rede

Leia mais

AVISO. operações urbanísticas, que evoluirá até à desmaterialização total, num curto espaço de tempo,

AVISO. operações urbanísticas, que evoluirá até à desmaterialização total, num curto espaço de tempo, AVISO NORMAS DE INSTRUÇÃO DE PROCESSOS EM FORMATO DIGITAL A Câmara Municipal de Viseu vai iniciar, n próxim dia 5 de Janeir de 2015, a implementaçã da tramitaçã eletrónica ds prcesss de licenciament/admissã

Leia mais

Esclarecimento nº 01. Tomada de Preços nº 004/2010

Esclarecimento nº 01. Tomada de Preços nº 004/2010 Esclareciment nº 01 Tmada de Preçs nº 004/2010 Objet: Cntrataçã de Empresa de Engenharia Especializada para frneciment d Sistema de Supervisã e Cntrle da Geraçã a ser implantad n Centr de Operaçã da Geraçã,

Leia mais

Barreira Ó t i c a, Grade e C o r t i n a d e L u z, e S c anner L aser d e S e g u rança

Barreira Ó t i c a, Grade e C o r t i n a d e L u z, e S c anner L aser d e S e g u rança Barreira Ó t i c a, Grade e C r t i n a d e L u z, e S c anner L aser d e S e g u rança Sluções em Sistemas de Segurança e Autmaçã. E alg mais. Eletreletrônica Industrial Ltda. Análise de riscs segund

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR 1. Históric da Jrnada AGIR Ns ambientes crprativs atuais, a adçã de um mdel de gestã integrada é uma decisã estratégica n api às tmadas

Leia mais

PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO DE 2014 CURSO: GESTÃO EMPRESARIAL

PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO DE 2014 CURSO: GESTÃO EMPRESARIAL PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO DE 2014 CURSO: GESTÃO EMPRESARIAL Objetivs: Gestã Empresarial Desenvlver cmpetências para atuar n gerenciament de prjets, prestand cnsultria

Leia mais

Sistema FlexNEC SS. Componentes e acessórios modulares para soluções em sistemas industriais de movimentação.

Sistema FlexNEC SS. Componentes e acessórios modulares para soluções em sistemas industriais de movimentação. Sistema FlexNEC SS Cmpnentes e acessóris mdulares para sluções em sistemas industriais de mvimentaçã. 11/2012 Esquema de mntagem Sistema FlexNEC SS Cmpnentes e acessóris para esteiras transprtadras Imagem

Leia mais

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso Universidade Federal d Ceará Campus de Sbral Curs de Engenharia da Cmputaçã Regulament para realizaçã d Trabalh de Cnclusã de Curs Intrduçã Este dcument estabelece as regras básicas para funcinament das

Leia mais

UMG 100. User Media Gateway to E1 and VoIP. Transcoding nos 30 canais. Cancelamento de eco. Suporte SNMP. CDR personalizável

UMG 100. User Media Gateway to E1 and VoIP. Transcoding nos 30 canais. Cancelamento de eco. Suporte SNMP. CDR personalizável UMG 100 User Media Gateway t E1 and VIP Transcding ns 30 canais Cancelament de ec Suprte SNMP CDR persnalizável Design Clean e facilidade de instalaçã O UMG 100 é um user gateway da linha de Media Gateways

Leia mais

HARDWARE e SOFTWARE. O Computador é composto por duas partes: uma parte física (hardware) e outra parte lógica (software).

HARDWARE e SOFTWARE. O Computador é composto por duas partes: uma parte física (hardware) e outra parte lógica (software). HARDWARE e SOFTWARE O Cmputadr é cmpst pr duas partes: uma parte física (hardware) e utra parte lógica (sftware). Vcê sabe qual é a diferença entre "Hardware" e "Sftware"? Hardware: é nme dad a cnjunt

Leia mais

CURSO PREPARATÓRIO PARA CERTIFICAÇÃO

CURSO PREPARATÓRIO PARA CERTIFICAÇÃO Cnteúd prgramátic CURSO PREPARATÓRIO PARA CERTIFICAÇÃO Este é cnteúd prgramátic d curs preparatóri n nv prgrama CDO-0001 para a certificaçã CmpTIA CDIA+. CONCEITUAL ECM Apresentaçã ds cnceits envlvids

Leia mais

Manual de Instalação e Configuração

Manual de Instalação e Configuração Manual de Instalaçã e Cnfiguraçã Prdut:n-ReleaserEmbedded fr Lexmark Versã 1.2.1 Versã d Dc.:1.0 Autr: Lucas Machad Santini Data: 14/04/2011 Dcument destinad a: Clientes e Revendas Alterad pr: Release

Leia mais

Agenda. A interface de Agendamento é encontrada no Modulo Salão de Vendas Agendamento Controle de Agendamento, e será apresentada conforme figura 01.

Agenda. A interface de Agendamento é encontrada no Modulo Salão de Vendas Agendamento Controle de Agendamento, e será apresentada conforme figura 01. Agenda Intrduçã Diariamente cada um ds trabalhadres de uma empresa executam diversas atividades, muitas vezes estas atividades tem praz para serem executadas e devem ser planejadas juntamente cm utras

Leia mais

REDE ESTRUTURADA DE TELECOMUNICAÇÕES - TEL

REDE ESTRUTURADA DE TELECOMUNICAÇÕES - TEL REDE ESTRUTURADA DE TELECOMUNICAÇÕES - TEL SISTEMA DE RACK FECHADO 44U E ACESSÓRIOS Rack Fechado 44 U Padrão 19 Rack modelo gabinete com altura máxima de 44U; Estrutura básica em perfis de alumínio estrudado;

Leia mais

PAINEL DE ACESSO FRONTAL CATEGORIA 5 ENHANCED

PAINEL DE ACESSO FRONTAL CATEGORIA 5 ENHANCED PAINEL DE ACESSO FRONTAL CATEGORIA 5 ENHANCED Aplicações imagens, segundo requisitos da norma ANSI/TIA/EIA-568A, uso interno, para cabeamento horizontal ou secundário, em salas de telecomunicações (cross-connect)

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA TERMO DE REFERÊNCIA

TERMO DE REFERÊNCIA TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA PARA FORNECIMENTO DE MATERIAIS E SERVIÇOS PARA INFRAESTRUTURA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO E DE TELEFONIA DA SALA TÉCNICA (D) E NOVA SALA DO CENTRO DE OPERAÇÕES DE EMERGÊNCIA

Leia mais

Requisitos técnicos de alto nível da URS para registros e registradores

Requisitos técnicos de alto nível da URS para registros e registradores Requisits técnics de alt nível da URS para registrs e registradres 17 de utubr de 2013 Os seguintes requisits técnics devem ser seguids pels peradres de registr e registradres para manter a cnfrmidade

Leia mais

INSTALAÇÃO DE GASES ESPECIAIS, GLP E AR COMPRIMIDO

INSTALAÇÃO DE GASES ESPECIAIS, GLP E AR COMPRIMIDO Labratóri de Bicmbustíveis Avançads da FEQ INSTALAÇÃO DE GASES ESPECIAIS, GLP E AR COMPRIMIDO Para se habilitarem para frneciment de Materiais e Mã de Obra para a execuçã d prjet de instalaçã de gases

Leia mais

Integração com coletores de ponto, catracas, dispositivos de abertura de portas, fechaduras eletromagnéticas,

Integração com coletores de ponto, catracas, dispositivos de abertura de portas, fechaduras eletromagnéticas, Vsft ids Acess Web Cntrle de acess e pnt A Vsft desenvlveu uma sluçã baseada em sftware e hardware para cntrle de acess e u pnt que pde ser utilizada pr empresas de qualquer prte. Cm us da tecnlgia bimétrica

Leia mais

Integração com coletores de ponto, catracas, dispositivos de abertura de portas, fechaduras eletromagnéticas,

Integração com coletores de ponto, catracas, dispositivos de abertura de portas, fechaduras eletromagnéticas, Vsft ids Pnt Web Cntrle de acess e pnt A Vsft desenvlveu uma sluçã baseada em sftware e hardware para cntrle de acess e u pnt que pde ser utilizada pr empresas de qualquer prte. Cm us da tecnlgia bimétrica

Leia mais

Os novos usos da tecnologia da informação nas empresas Sistemas de Informação

Os novos usos da tecnologia da informação nas empresas Sistemas de Informação Os nvs uss da tecnlgia da infrmaçã nas empresas Sistemas de Infrmaçã Prf. Marcel da Silveira Siedler siedler@gmail.cm SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS Planejament

Leia mais

SEGURANÇA NO TRABALHO CONTRATADOS E TERCEIROS DO CLIENTE

SEGURANÇA NO TRABALHO CONTRATADOS E TERCEIROS DO CLIENTE Flha 1 de 8 Rev. Data Cnteúd Elabrad pr Aprvad pr 0 16/06/2004 Emissã inicial englband a parte técnica d GEN PSE 004 Luiz C. Sants Cmitê da Qualidade 1 31/01/2006 Revisã geral Luiz C. Sants Cmitê da Qualidade

Leia mais

Gestão de SHST e Ambiente. Regras de Qualidade, Ambiente e Segurança aplicáveis às entidades externas

Gestão de SHST e Ambiente. Regras de Qualidade, Ambiente e Segurança aplicáveis às entidades externas 1 / 7 I. OBJETIVO E ÂMBITO Este dcument estabelece as regras de Segurança n Trabalh e Ambiente aplicáveis a entidades que venham a desenvlver actividades dentr da RESIESTRELA, em regime de cntrat, prestaçã

Leia mais

APLICAÇÃO DO SOFTWARE ELIPSE E3 NAS USINAS HIDRELÉTRICAS ILHA SOLTEIRA E ENGENHEIRO SOUZA DIAS (JUPIÁ)

APLICAÇÃO DO SOFTWARE ELIPSE E3 NAS USINAS HIDRELÉTRICAS ILHA SOLTEIRA E ENGENHEIRO SOUZA DIAS (JUPIÁ) APLICAÇÃO DO SOFTWARE ELIPSE E3 NAS USINAS HIDRELÉTRICAS ILHA SOLTEIRA E ENGENHEIRO SOUZA DIAS (JUPIÁ) Este case apresenta a aplicaçã da sluçã Elipse E3 para aprimrar mnitrament da temperatura encntrada

Leia mais

12. PROCEDIMENTOS DE MANUTENÇÃO PARA ECONOMIA DE ENERGIA

12. PROCEDIMENTOS DE MANUTENÇÃO PARA ECONOMIA DE ENERGIA 12. PROCEDIMENTOS DE MANUTENÇÃO PARA ECONOMIA DE ENERGIA 12.1 MANUTENÇÃO: ELEMENTO CHAVE PARA A UTILIZAÇÃO RACIONAL DE ENERGIA Um prgrama bem elabrad de manutençã é um pnt imprtante de qualquer plítica

Leia mais

Fundamentos de Informática 1ºSemestre

Fundamentos de Informática 1ºSemestre Fundaments de Infrmática 1ºSemestre Aula 4 Prf. Nataniel Vieira nataniel.vieira@gmail.cm SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS Descrevend Sistemas de um Cmputadr

Leia mais

Vensis PCP. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br

Vensis PCP. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br Vensis PCP Vensis PCP O PCP é módul de planejament e cntrle de prduçã da Vensis. Utilizad n segment industrial, módul PCP funcina de frma ttalmente integrada a Vensis ERP e permite às indústrias elabrar

Leia mais

3. TIPOS DE MANUTENÇÃO:

3. TIPOS DE MANUTENÇÃO: 3. TIPOS DE MANUTENÇÃO: 3.1 MANUTENÇÃO CORRETIVA A manutençã crretiva é a frma mais óbvia e mais primária de manutençã; pde sintetizar-se pel cicl "quebra-repara", u seja, repar ds equipaments após a avaria.

Leia mais

Para a sua Casa Para a sua Casa A Shamah sabe a dificuldade que s clientes têm em arrumar uma empresa de cnfiança para slucinar a manutençã da sua casa, sabems a dificuldade de hráris que nsss clientes

Leia mais

OBJECTIVO. Ligação segura às redes públicas de telecomunicações, sob o ponto de vista dos clientes e dos operadores;

OBJECTIVO. Ligação segura às redes públicas de telecomunicações, sob o ponto de vista dos clientes e dos operadores; Prcediments de Avaliaçã das ITED ANACOM, 1ª ediçã Julh 2004 OBJECTIVO De acrd cm dispst n nº 1, d artº 22º, d Decret Lei nº 59/2000, de 19 de Abril (adiante designad cm DL59), a cnfrmidade da instalaçã

Leia mais

FICHA TÉCNICA PATCH PANEL 24 PORTAS C5e RoHS

FICHA TÉCNICA PATCH PANEL 24 PORTAS C5e RoHS FICHA TÉCNICA PATCH PANEL 24 PORTAS C5e RoHS 1- Aplicação: Este produto aplica-se a sistemas de cabeamento estruturado, para tráfego de voz, dados e imagens, do tipo 10BASE-T, 100BASE-Tx, 155M ATM, 4/16MB

Leia mais

Sensor de Nível Digital / Analógico

Sensor de Nível Digital / Analógico Sensr de Nível Digital / Analógic VERSÃO 2.2 - MANUAL DE REFERÊNCIA RevA1-06/11 Este manual é publicad pela Flex Telecm smente para fins de referência pr parte d usuári. Td esfrç pssível fi realizad para

Leia mais

ERRATA Nº 04 PREGÃO PRESENCIAL N 03/2015

ERRATA Nº 04 PREGÃO PRESENCIAL N 03/2015 ERRATA Nº 04 PREGÃO PRESENCIAL N 03/205 A Presidente d Cnselh Reginal de Enfermagem de Sergipe (Cren/SE) trna públic que Edital de Pregã Presencial n 03/205, cuj bjet é a AQUISIÇÃO DE EQUIPAMENTOS, SISTEMAS

Leia mais

Processos de desumidificação visam manter a Umidade Relativa do Ar em níveis abaixo de 50%.

Processos de desumidificação visam manter a Umidade Relativa do Ar em níveis abaixo de 50%. 1. TEORIA Para prcesss específics de utilizaçã, é necessári manter cndições de temperatura e umidade relativa d ar em cndições específicas para prduçã e u trabalh. Prcesss de desumidificaçã visam manter

Leia mais

UHE SANTO ANTONIO. MARGEM ESQUERDA Análise crítica: Guilherme Todt S D- RT- 0063-13 00

UHE SANTO ANTONIO. MARGEM ESQUERDA Análise crítica: Guilherme Todt S D- RT- 0063-13 00 UHE SANTO ANTONIO Titul: Dcument N. Rev. RELATÓRIO DE DESMOBILIZAÇÃO DO 3 MODULO DA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE EFLUENTE (ETE)- S D- RT- 0063-13 00 Elabraçã: Tarcis Camil MARGEM ESQUERDA Análise crítica:

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL Intrduçã O presente Regulament cnstitui um dcument intern d curs de Ciências Cntábeis e tem pr bjetiv reger as atividades relativas a Estági de Iniciaçã

Leia mais

3 Formulação da Metodologia 3.1. Considerações Iniciais

3 Formulação da Metodologia 3.1. Considerações Iniciais 53 3 Frmulaçã da Metdlgia 3.1. Cnsiderações Iniciais O presente capítul tem cm finalidade prpr e descrever um mdel de referencia para gerenciament de prjets de sftware que pssa ser mensurável e repetível,

Leia mais

Especificações. O Atmos G3-Dense-480 oferece os seguintes recursos e capacidades. Arquitetura de nós densos. Nós de 60 discos

Especificações. O Atmos G3-Dense-480 oferece os seguintes recursos e capacidades. Arquitetura de nós densos. Nós de 60 discos EMC ATMOS SÉRIE G3 A série G3 d Atms apresenta Atms G3-Dense-480 e G3-Flex-240. Essa série ferece várias pções de cnfiguraçã, inclusive suprte a diferentes capacidades de disc e sluções baseadas em rack

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE LAMEGO EDITAL

INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE LAMEGO EDITAL EDITAL CANDIDATURA AOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS (CTeSP) 2015 CONDIÇÕES DE ACESSO 1. Pdem candidatar-se a acess de um Curs Técnic Superir Prfissinal (CTeSP) da ESTGL tds s que estiverem

Leia mais

Manual de Instalação

Manual de Instalação Manual de Instalaçã Prdut: n-hst Versã d prdut: 4.1 Autr: Aline Della Justina Versã d dcument: 1 Versã d template: Data: 30/07/01 Dcument destinad a: Parceirs NDDigital, técnics de suprte, analistas de

Leia mais

Cursos Profissionais de Nível Secundário (Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março)

Cursos Profissionais de Nível Secundário (Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Curss Prfissinais de Nível Secundári (Decret-Lei n.º 74/2004, de 26 de Març) Família Prfissinal: 07 - Infrmática 1. QUALIFICAÇÕES / SAÍDAS PROFISSIONAIS As qualificações de nível

Leia mais

REFORMA EDIFICAÇÃO PRINCIPAL INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CÂMPUS AVANÇADO IBIRAMA IBIRAMA/SC

REFORMA EDIFICAÇÃO PRINCIPAL INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CÂMPUS AVANÇADO IBIRAMA IBIRAMA/SC REFORMA EDIFICAÇÃO PRINCIPAL INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CÂMPUS AVANÇADO IBIRAMA IBIRAMA/SC MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO DE CABEAMENTO ESTRUTURADO ÍNDICE 1 Informativos gerais 2 Especificações e Tabelas

Leia mais

IARC. - Anexo 1 - Anexo à oferta de Infraestruturas Aptas ao Alojamento de Redes de Comunicações Eletrónicas

IARC. - Anexo 1 - Anexo à oferta de Infraestruturas Aptas ao Alojamento de Redes de Comunicações Eletrónicas IARC - Anex 1 - Anex à ferta de Infraestruturas Aptas a Aljament de Redes de Cmunicações Eletrónicas Características Técnicas das Cndutas e Câmaras de Visita Índice 1. Intrduçã 3 2. Enquadrament Preâmbul

Leia mais

INSTALAÇÃO DE PONTOS DE ATERRAMENTO TEMPORÁRIO E COBERTURA PROTETORA EM REDE DE DISTRIBUIÇÃO COMPACTA

INSTALAÇÃO DE PONTOS DE ATERRAMENTO TEMPORÁRIO E COBERTURA PROTETORA EM REDE DE DISTRIBUIÇÃO COMPACTA 1. OBJETIVO Padrnizar metdlgia para a instalaçã de pnt de aterrament temprári e cberturas prtetras em rede de distribuiçã cmpacta de energia. Os desenhs e demais infrmações cntidas neste dcument cmplementam

Leia mais

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000 ISO 9001:2008 alterações à versã de 2000 Já passaram quase it ans desde que a versã da ISO 9001 d an 2000 fi publicada, que cnduziu à necessidade de uma grande mudança para muitas rganizações, incluind

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PONTIFÍI UNIERSIDDE TÓLI DE GOIÁS DEPRTMENTO DE MTEMÁTI E FÍSI Prfessres: Edsn az e Renat Medeirs EXERÍIOS NOT DE UL II Giânia - 014 E X E R Í I OS: NOTS DE UL 1. Na figura abaix, quand um elétrn se deslca

Leia mais

diagrama de ligações, relatórios emitidos pelo Analisador de Cabos

diagrama de ligações, relatórios emitidos pelo Analisador de Cabos ESPECIFICAÇÔES TÉCNICAS 1 CABEAMENTO HORIZONTAL Instalação da rede para padrão T568B constituída de 466 (quatrocentos e sessenta e seis) pontos, devidamente identificados, conforme localização definida

Leia mais

Definições Relacionadas à Política de Segurança da Informação

Definições Relacionadas à Política de Segurança da Informação Definições Relacinadas à Plítica de Segurança da Infrmaçã Área respnsável Versã Data de emissã Data de revisã Data de vigência Infrmática Crprativa - Segurança 1.2 20/08/2009 30/10/2013 01/02/2014 Objetiv

Leia mais

EIKON DOCUMENTS - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

EIKON DOCUMENTS - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA EIKON DOCUMENTS - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA VERSÃO Eikn Dcuments 2007 Service Pack 5 (2.9.5) Fevereir de 2010 DATA DE REFERÊNCIA DESCRIÇÃO Sftware para implantaçã de sistemas em GED / ECM (Gerenciament Eletrônic

Leia mais

5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO:

5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: 5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: 5.1 INTRODUÇÃO A rganizaçã da manutençã era cnceituada, até há puc temp, cm planejament e administraçã ds recurss para a adequaçã à carga de trabalh esperada.

Leia mais

Gerenciamento do Escopo

Gerenciamento do Escopo Pós-graduaçã Gestã Empresarial Módul GPE Gestã de Prjets Empresariais Prf. MSc Jsé Alexandre Mren prf.mren@ul.cm.br agst_setembr/2009 1 Gerenciament d Escp 3 Declaraçã d escp Estrutura Analítica d Prjet

Leia mais

Excluídas as seguintes definições:

Excluídas as seguintes definições: Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações Entre PM AM.08 APLICAÇÃO DE PENALIDADE POR INSUFICIÊNCIA DE CONTRATAÇÃO E PENALIDADE POR INSUFICIÊNCIA DE LASTRO DE VENDA & PdC AM.10 MONITORAMENTO DE INFRAÇÃO

Leia mais

SMART Document Camera-

SMART Document Camera- Especificações SMART Dcument Camera- Mdel SDC-450 Especificações físicas Tamanh Dbrada Instalada Pes Tamanh para remessa Pes para remessa 25,4 cm L 7 cm A 30,5 cm P (10" L 2 3/4" A 12" P) 20,3 cm L 55

Leia mais

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social Anex 03 Recmendaçã nº 3: estatut padrã, estatut fundamental e cntrat scial 1. Resum 01 Atualmente, Estatut da Crpraçã da Internet para a atribuiçã de nmes e númers (ICANN) tem um mecanism únic para alterações.

Leia mais

10ª JORNADA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Extensão Universitária e Políticas Públicas

10ª JORNADA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Extensão Universitária e Políticas Públicas SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO 10ª JORNADA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Extensã Universitária e Plíticas Públicas Períd 05 a 07 de dezembr de 2007 A 10ª Jrnada

Leia mais

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment de Mercad para Prcediment de Cmercializaçã. Inserid

Leia mais

COORDENADORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Suporte técnico

COORDENADORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Suporte técnico COORDENADORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Suprte técnic O serviç de suprte técnic tem pr bjetiv frnecer atendiment as usuáris de prduts e serviçs de infrmática da Defensria Pública. Este serviç é prvid

Leia mais

Requerimentos de Energia Temporária: Requerimentos Mandatórios:

Requerimentos de Energia Temporária: Requerimentos Mandatórios: Requeriments de Energia Temprária: Requeriments Mandatóris: Adtar s requeriments mínims definids n Códig Básic da Iniciativa Ética Cmercial (IEC) / Ethical Trading Initative (ETI): O empreg deverá ser

Leia mais

REGULAMENTO 1- OBJETIVO

REGULAMENTO 1- OBJETIVO REGULAMENTO 1- OBJETIVO O Prgrama Nv Temp é um iniciativa da Cargill Agricla SA, que visa ferecer as seus funcináris e das empresas patrcinadras ds plans de previdência sb a gestã da CargillPrev Sciedade

Leia mais

REGULAMENTO DA OLIMPÍADA JURÍDICA 2014

REGULAMENTO DA OLIMPÍADA JURÍDICA 2014 1 REGULAMENTO DA OLIMPÍADA JURÍDICA 2014 PARTICIPANTES A Olimpíada Jurídica 2014 é uma cmpetiçã direcinada a aluns que estejam regularmente matriculads ns curss de graduaçã de Direit de Instituições de

Leia mais

Catálogo de. Produtos LABORATÓRIO ÓPTICO FERRAMENTARIA / METALURGIA PRODUTOS INJETADOS MARCAS DISTRIBUÍDAS B5NX-CNC

Catálogo de. Produtos LABORATÓRIO ÓPTICO FERRAMENTARIA / METALURGIA PRODUTOS INJETADOS MARCAS DISTRIBUÍDAS B5NX-CNC FIBRAS ÓPTICAS E ACESSÓRIOS LABORATÓRIO ÓPTICO FERRAMENTARIA / METALURGIA B5NX-CNC PRODUTOS INJETADOS Catálogo de MARCAS DISTRIBUÍDAS Produtos R A Division of Cisco Systems, Inc. RACKS E ACESSÓRIOS Linha

Leia mais

Extrator de Sucos Modelo

Extrator de Sucos Modelo O PREÇO ALIADO À QUALIDADE METALÚRGICA SIEMSEN LTDA. Rua: Anita Garibaldi, nº 22 - Bairr: Sã Luiz - CEP: 8851-10 Brusque - Santa Catarina - Brasil Fne: +55 (0 )7 211 000 / 255 2000 Fax: +55 (0 )7 211 020

Leia mais

Bancada Didática para CLP SIEMENS S7-1200 - XC110 -

Bancada Didática para CLP SIEMENS S7-1200 - XC110 - T e c n l g i a Bancada Didática para CLP SIEMENS S7-1200 - XC110 - Os melhres e mais mderns MÓDULOS DIDÁTICOS para um ensin tecnlógic de qualidade. Bancada Didática para CLP SIEMENS S7-1200 - XC110 -

Leia mais

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações SAZONALIZAÇÃO DE CONTRATO INICIAL E DE ENERGIA ASSEGURADA PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment de Mercad para

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS REALIZAR MANUTENÇÃO PREDIAL

MANUAL DE PROCEDIMENTOS REALIZAR MANUTENÇÃO PREDIAL Códig: MAP-DILOG-002 Versã: 00 Data de Emissã: 01/01/2013 Elabrad pr: Gerência de Instalações Aprvad pr: Diretria de Lgística 1 OBJETIVO Estabelecer cicl d prcess para a manutençã predial crretiva e preventiva,

Leia mais

Código: Data: Revisão: Página: SUMÁRIO

Código: Data: Revisão: Página: SUMÁRIO UC_REQ-MK_ACF-001 27/01/2015 00 1 / 12 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 2 Objetiv... 2 Públic Alv... 2 Escp... 2 Referências... 2 DESCRIÇÃO GERAL DO PRODUTO... 2 Características d Usuári... 2 Limites, Supsições e

Leia mais

CURSO DE TRIPULANTE DE AMBULÂNCIA DE SOCORRO

CURSO DE TRIPULANTE DE AMBULÂNCIA DE SOCORRO EA.TAS.6.1.13 HELPCARE CURSO DE TRIPULANTE DE AMBULÂNCIA DE SOCORRO Prpsta Curs de Tripulante de Ambulância de Scrr Fundamentaçã O scrr e transprte de vítimas de dença súbita e/u trauma é executad pr váris

Leia mais

Manual de Procedimentos e Solicitações. Acessa Escola / GIS

Manual de Procedimentos e Solicitações. Acessa Escola / GIS Manual de Prcediments e Slicitações Acessa Escla / GIS Julh 2012 Índice Acessa Escla Slicitaçã de trca de sala d Acessa Escla 03 Instalaçã de Infraestrutura na parede 03 Refrma de salas cm Acessa Escla

Leia mais

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica XVIII Seminári Nacinal de Distribuiçã de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de utubr 7.2 Olinda - Pernambuc - Brasil Autmaçã na Distribuiçã: O Prcess de autmaçã ds equipaments de linha na rede CELPE.

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS Cidade Universitária de Limeira

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS Cidade Universitária de Limeira DIRETRIZES PARA ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO DOS CURSOS DE GESTÃO 1 Sumári I. O Estági em Gestã...3 II. O Estági curricular...4 III. Acmpanhament e avaliaçã...5 IV. Mdels de Plan de Atividades e de Relatóri...5

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA

DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA REQUISITOS TECNICOS O Prgrama de Api as Actres Nã Estatais publica uma slicitaçã para prestaçã

Leia mais

CONSIDERAÇÕES DA CAPGEMINI

CONSIDERAÇÕES DA CAPGEMINI CONSIDERAÇÕES DA CAPGEMINI 6.1 Requisits de Capacidade e Experiência d Prestadr A ANEEL deveria exigir um puc mais quant a estes requisits, de frma a garantir uma melhr qualificaçã da empresa a ser cntratada.

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUITE LIBREOFFICE: CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE TREINAMENTO

TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUITE LIBREOFFICE: CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE TREINAMENTO Term de Referência Anex I - Especificaçã técnica Cntrataçã de Empresa para prestaçã de Serviçs de Treinament na suíte Libreffice TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUITE LIBREOFFICE: CONTRATAÇÃO

Leia mais

EIA/TIA 569-B infra-estrutura caminhos e espaços

EIA/TIA 569-B infra-estrutura caminhos e espaços ANSI EIA/TIA 569-B EIA/TIA 569-B infra-estrutura caminhos e espaços Conforme a EIA/TIA 569A a infra-estrutura é dividida nos seguintes subsistemas: Área de Trabalho; Percursos horizontais; Sala ou armário

Leia mais

GT-ATER: Aceleração do Transporte de Dados com o Emprego de Redes de Circuitos Dinâmicos. RT3 - Avaliação dos resultados do protótipo

GT-ATER: Aceleração do Transporte de Dados com o Emprego de Redes de Circuitos Dinâmicos. RT3 - Avaliação dos resultados do protótipo GT-ATER: Aceleraçã d Transprte de Dads cm Empreg de Redes de Circuits Dinâmics RT3 - Avaliaçã ds resultads d prtótip Sand Luz Crrêa Kleber Vieira Cards 03/08/2013 1. Apresentaçã d prtótip desenvlvid Nesta

Leia mais

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA 1. Intrduçã e Objetivs a) O Cncurs de Ideias OESTECIM a minha empresa pretende ptenciar apareciment de prjets invadres na regiã d Oeste sempre numa perspetiva de desenvlviment ecnómic e scial. b) O Cncurs

Leia mais

Aumentar Diminuir Procura Tela Cheia Imprimir

Aumentar Diminuir Procura Tela Cheia Imprimir ADAPTER CABLE M8v CATEGORIA 5 ENHANCED Sistemas de Cabeamento Estruturado para tráfego de voz, dados e imagens, segundo requisitos da norma ANSI/TIA/EIA-568A, incluindo o adendo 5 (Categoria 5e), para

Leia mais

Diretor Conselheiro Técnico Consultores de serviços. Responsável pela Qualidade Gerente de Vendas Garantista

Diretor Conselheiro Técnico Consultores de serviços. Responsável pela Qualidade Gerente de Vendas Garantista Sã Paul, 06 de Julh de 2009. Nº. 341 Divulgar esta infrmaçã para: Diretr Cnselheir Técnic Cnsultres de serviçs Gerente de Serviçs Gerente de Peças Chefe de Oficina Respnsável pela Qualidade Gerente de

Leia mais

Manual de Procedimentos

Manual de Procedimentos Manual de Prcediments Prcediments para Submissã de Prjets de MDL à Cmissã Interministerial de Mudança Glbal d Clima Secretaria Executiva Cmissã Interministerial de Mudança Glbal d Clima Prcediments para

Leia mais

O fornecedor deverá maximizar o uso de tintas, vernizes e adesivos a base de água ou óleo vegetal;

O fornecedor deverá maximizar o uso de tintas, vernizes e adesivos a base de água ou óleo vegetal; Requeriments de Obstáculs Hipism Salts: Requeriments Mandatóris: Tda madeira e demais prduts flrestais utilizads devem ser cmpsts de fibra reciclada (us n pós-cnsum) u vir de fntes legais e respnsáveis,

Leia mais

Vensis Manutenção. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br

Vensis Manutenção. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br Vensis Manutençã Vensis Manutençã É módul que permite gerenciament da manutençã de máquinas e equipaments. Prgramaçã de manutenções preventivas u registr de manutenções crretivas pdem ser feits de frma

Leia mais

FKcorreiosg2_cp1 - Complemento Transportadoras

FKcorreiosg2_cp1 - Complemento Transportadoras FKcrreisg2_cp1 - Cmplement Transprtadras Instalaçã d módul Faça dwnlad d arquiv FKcrreisg2_cp1.zip, salvand- em uma pasta em seu cmputadr. Entre na área administrativa de sua lja: Entre n menu Móduls/Móduls.

Leia mais

- APRESENTAÇÃO - Central de Pabx Alcatel OmniPCX Office. Pabx Alcatel - PRINCIPAIS BENEFÍCIOS Tudo que você precisa em um único equipamento

- APRESENTAÇÃO - Central de Pabx Alcatel OmniPCX Office. Pabx Alcatel - PRINCIPAIS BENEFÍCIOS Tudo que você precisa em um único equipamento Pabx Alcatel - APRESENTAÇÃO - Central de Pabx Alcatel OmniPCX Office A Cnintel apresenta para mercad a linha de prduts cnvergentes PABX Alcatel OmniPCX Office. Pabx Alcatel Mdular, escalável, pders, flexível,

Leia mais

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS Sã Paul 2013 1 1 INTRODUÇÃO Este Manual tem a finalidade de servir à nrmalizaçã da elabraçã de Trabalhs de Cnclusã de Curs TCC pr mei de artigs científics,

Leia mais

ABERTURAS EM ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE CONCRETO

ABERTURAS EM ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE CONCRETO Pntifícia Universidade Católica d Ri Grande d Sul Faculdade de Engenharia Curs de Engenharia Civil CONCRETO ARMADO III ABERTURAS EM ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE CONCRETO COMENTÁRIOS GERAIS 1/9 ABERTURAS EM

Leia mais

O fornecedor deverá maximizar o uso de tintas, vernizes e adesivos a base de água ou óleo vegetal;

O fornecedor deverá maximizar o uso de tintas, vernizes e adesivos a base de água ou óleo vegetal; Requeriments de Obstáculs Hipism Crss Cuntry: Requeriments Mandatóris: Tda madeira e demais prduts flrestais utilizads devem ser cmpsts de fibra reciclada (us n pós-cnsum) u vir de fntes legais e respnsáveis,

Leia mais

^i * aesíqn e=> ~omunícc3ç:c30

^i * aesíqn e=> ~omunícc3ç:c30 ^i * aesíqn e=> ~munícc3ç:c30 CONTRATO DE LICENÇA DE USO DO SISTEMA - SUBMIT CMS Web Site da Prefeitura de Frei Martinh - Paraíba 1. IDENTIFICAÇÃO DAS PARTES CONTRATANTE Prefeitura Municipal de Frei Martinh

Leia mais

Gestão do Escopo 1. Planejamento da Gestão do Escopo: 2. Definição do Escopo: 3. Elaboração da EDT(EAP): 4. Verificação do Escopo:

Gestão do Escopo 1. Planejamento da Gestão do Escopo: 2. Definição do Escopo: 3. Elaboração da EDT(EAP): 4. Verificação do Escopo: Gestã d Escp 1. Planejament da Gestã d Escp: i. Autrizaçã d prjet ii. Definiçã d escp (preliminar) iii. Ativs em cnheciments rganizacinais iv. Fatres ambientais e rganizacinais v. Plan d prjet i. Plan

Leia mais

Principais Informações

Principais Informações Principais Infrmações Quem é Benefix Sistemas? Frmada pr ex-executivs e equipe de tecnlgia da Xerx d Brasil, que desenvlvem e suprtam sluções e estratégias invadras para setr públic, especializada dcuments

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS CST em Análise e Desenvlviment de Sistemas 3ª série Fundaments de Sistemas Operacinais A atividade prática supervisinada (ATPS) é um métd de ensinaprendizagem desenvlvid

Leia mais

Traz para sua empresa:

Traz para sua empresa: Traz para sua empresa: Link Internet para Prfissinais Liberais, Pequenas e Médias Empresas e inclusive as Grandes Empresas Características Nex Cnnect Small Business é serviç de Link Internet destinad às

Leia mais

Capítulo VII Projetos de eficiência energética em iluminação pública Por Luciano Haas Rosito*

Capítulo VII Projetos de eficiência energética em iluminação pública Por Luciano Haas Rosito* 20 Api O Setr Elétric / Julh de 2009 Desenvlviment da Iluminaçã Pública n Brasil Capítul VII Prjets de eficiência energética em iluminaçã pública Pr Lucian Haas Rsit* Neste capítul abrdarems s prjets de

Leia mais