CAPITULO 10 - SISTEMAS INTEGRADOS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CAPITULO 10 - SISTEMAS INTEGRADOS"

Transcrição

1 CAPITULO 10 - SISTEMAS INTEGRADOS De acordo com os estudos efetuados sobre transportadores contínuos de granéis sólidos, podemos determinar que eles atuem de modo individual ou integrado com outros transportadores do mesmo tipo ou de tipos diferentes. uando da necessidade de utilização de mais de um transportador numa planta, temos os Sistemas Integrados de Transporte que tem o objetivo de efetuar o transporte de materiais de maneira mais econômica, suprindo as necessidades técnicas das indústrias, se adequando ao seu layout e de seus equipamentos de modo mais eficaz. Dentro de um sistema integrado podem ser encontrados: Diversos transportadores; Elementos de ligação (moegas, tremonas, calas, cutes); Elementos de armazenamento (silos, pilas); Elementos de controle de estocagem (empiladoras, pás carregadeiras, recuperadoras); Estações de controle e de força. Para o projeto de um sistema integrado, devemos determinar os seguintes itens: Desenos (plantas, vistas e isométricos) da indústria; Desenos animados, isométricos e diagramas unifilares da instalação de transporte; Memorial de cálculo dos transportadores e dos equipamentos anexos ao sistema (equipamentos elétricos e instalações físicas); Memorial descritivo; Especificações; Lista de materiais Itens a serem avaliados num sistema integrado Uma correta avaliação do sistema integrado é fundamental para um bom projeto. Por isso a escola de cada equipamento deve ser baseada na analise de alguns parâmetros como: Investimento; Manutenção; Tempo de vida do projeto; Ociosidade dos equipamentos; Capacidade de Ampliação; Lay out da planta; Potência consumida; Capacidade de atender as necessidades do projeto. Pode-se utilizar um sistema de notas ponderadas para cada item analisado e ou final verificar qual a configuração de equipamentos que melor se enquadra nas necessidades e possibilidades do cliente. 11

2 No item de manutenibilidade é interessante observar que existem três tipos de manutenção a serem considerados: Manutenção corretiva efetuada para reparo de instalações ou equipamento já danificados; Manutenção preventiva efetuada a partir de parâmetros prédeterminados dos equipamentos, que definem um cronograma para antecipação de ações que evitem a fala do equipamento; Manutenção preditiva baseada em inspeções (parâmetros / procedimentos), que geram registros (gráficos e tabelas) para análises dos pontos de avaliação estatística das possíveis falas dos equipamentos, que podem levar a uma reavaliação das operações corretivas ou preventivas nas instalações industriais Aplicações de sistemas integrados. Como exemplo de sistemas integrados podemos visualizar tanto instalações industriais como equipamentos que utilizem sistemas integrados de transporte, como por exemplo as coleitadeiras agrícolas. Fig. 99 Vista em corte de uma coleitadeira com sistemas integrados Em uma coleitadeira podemos encontrar tipos diferentes de transportadores para deslocar os grãos colidos até o reservatório, para descarga posterior. 114

3 Fig. Lay out de uma coleitadeira com sistemas integrados 10. Diagrama unifilar É a representação tridimensional dos elementos contidos em um sistema integrado. E tem por objetivo facilitar a visualização dos equipamentos na planta, dando noção de espaço nos sentidos norte-sul, leste-oeste e de altura. A representação é feita através de linas e pontos, onde as linas representam os equipamentos e os pontos os locais de carga e descarga. O diagrama deve ser feito em papel milimetrado isométrico, ou seja com a utilização dos eixos (X, Y, Z) de coordenadas. Onde : Eixo X Cotas no sentido Leste Oeste Eixo Y Cotas no sentido Norte Sul Eixo Z Altura Deve-se observar a necessidade de utilizar escalas diferentes entre os eixos X e Y do eixo Z para que se tena uma melor noção de altura dos elementos. O diagrama unifilar pode também ser feito em programas de CAD (Deseno assistido por computador), para isso é necessário a entrada das coordenadas (X, Y, Z) 115

4 10.4 Exercícios 1 Apresentar o encaminamento, o memorial de calculo e o diagrama unifilar dos equipamentos necessários para transportar o material dos silo 1 e 2 até o misturador da fabrica de ração abaixo apresentada y z x 1 2 SMo SMx TC1 TC SSo SSx TC2 ECo ECx MDo MTo MTx MDx TH1 TH2 ENo PREMISSAS: 1 Silo de Milo (SMo = +15 m; SMx = +5 m) 2 Silo de Soja (SSo = +15 m; SSx = +5 m) Moedor (MDo = +6 m; MDx = + m) 4 Misturador (MTo = +5 m; MTx = +2 m) 5 Misturador (ENo = +8 m) = 185 ton/ Proporção: (Milo: Soja) (2 : 1) 116

5 COORDENADAS (x; y; z): SMo (+7,5 m; +20 m; +15m) SMx (+7,5 m; +20 m; +5m) SSo (+20 m; +20 m; +15m) SSx (+20 m; +20 m; +5m) MDo (+6 m; +7,5 m; +6 m) MDx (+1 m; +6,5 m; +2 m) MTo (+20 m; +7,5 m; +5 m) MTx (+25 m; +7,5 m; +8 m) ENo (+1 m; +6,5 m; +8 m) RESOLUÇÃO: Divisão da Vazão: Descrição do material: 1 Milo (C5N) γ = 0,9 t/m ; Granular abaixo de ½ ; Ângulo de Repouso 9º Não Abrasivo; Com poeira explosiva; 2 Soja (C5Y) γ= 0,4 t/m ; Granular abaixo de ½ ; Ângulo de Repouso 9º Não Abrasivo; Leve e fofo; ton = ton ' = = 61,67 ( 2+ 1) ton ton Soja: = 1 61,67 = 61,67 ton ton Milo : = 2 61,67 = 12, 117

6 Cálculo de Elevador de Canecas para alimentação do Silo de Milo: 1 Material: Grão de milo 2 Transportador escolido (Tab. 4.04) SB Centrífugo de correia Velocidade da caneca (Tab. 4.01) v = 1,52m/s 4 Vazão de carregamento: 58,6 ton/ Série E-6000 A máxima vazão do EC é menor que a metade da vazão de saída. O que fazer? 5 Distância entre centros dos tambores (L): H = 15 m M = 700 mm = 500 mm L = H + M + + 0,275 = ,7 + 0,5 + 0,275 = 16, 475m 6 Características dos componentes: Caixa (AxB) mm 580x122 0 Nº Bitola Largur a da correia Passo da canec a (mm) Diâmetro dos tambores (mm) Velocidad e (m/s) RPM Capacidade da caneca (dm ) D1 D2 XX YY 1, ,0 9,6 7 Cálculo da potência do motor: 0 0, , ( 16, ,45) v P ( H 12 D2) + 0,46 + N = = = 4, 94HP 75 η 75 0,9 8 Escola do conjunto de Acionamento (Pág. 4-11): Para motor = 5,0 HP Nº do conjunto de acionamento: Nº 0 Nº do redutor: R-90 9 Capacidade do Elevador: , 0,9 ton = = 54, 9 0,46 118

7 10 Cálculo das tensões na correia (Pág. 4-12): a) Tensão efetiva: ( H + 12 D2) qc γ 0 ( 16, ,45) ,9 0 Te = = = 256, 79kgf C 0,46 b) Tensão máxima da correia (Pág. 4-1): T1 = (1 + 0,97) Te = (1 + 0,97) 256,79 = 505, 88kgf Cálculo de Elevador de Canecas para alimentação do Silo de Soja: 1 Material: Soja integral 2 Transportador escolido (Tab. 4.04) SB Centrífugo de correia Velocidade da caneca (Tab. 4.01) v = 1,52m/s 4 Vazão de carregamento: 58,6 ton/ Série E Distância entre centros dos tambores (L): H = 15 m M = 700 mm = 500 mm L = H + M + + 0,275 = ,7 + 0,5 + 0,275 = 16, 475m 6 Características dos componentes: Caixa (AxB) mm 580x122 0 Nº Bitola Largur a da correia Passo da canec a (mm) Diâmetro dos tambores (mm) Velocidad e (m/s) RPM Capacidade da caneca (dm ) D1 D2 XX YY 1, ,0 9,6 7 Cálculo da potência do motor: 0 0, , ( 16, ,45) v P ( H 12 D2) + 0,46 + N = = = 2, 19HP 75 η 75 0,9 8 Escola do conjunto de Acionamento (Pág. 4-11): Para motor =,0 HP Nº do conjunto de acionamento: Nº 02 Nº do redutor: R

8 9 Capacidade do Elevador: , 0,4 ton = = 24, 41 0,46 (Devido ao baixo peso específico a capacidade de transporte cai mais que a metade) Cálculo do Transportador de Correia (TC1) do Silo de Soja para Silo de Milo: Material: Soja em flocos; γ = 0,4 t/m ; Vazão = 62 t/ Comprimento: L = 15 m 1º Hipótese: Velocidade da Correia: Largura da correia = 20 Velocidade : v =,0m/s Vazão volumétrica: Transportador orizontal (α=0º) K = 1,00 62 m Ct = = = 51,66 v K γ,0 1,0 0,4 Limitações do ângulo: ARD = ARE 15º = 29º 15º = 14º Capacidade Ociosa (OC = 70%): 51,67 m OC = = 7,81 0,7 Conclusão: Utilizar correia de 20 com 2 rolos iguais de 20º; ângulo de acomodação de 5º; Ct = 55 m / a 1,0 m/s Cálculo da Potência do TC1: Ne = v Ne =,0 62 ( Nv + Ng) + ( N1± N) ( 0,55 + 0,9) + ( 0,6 + 0) = 4,8HP 120

9 Para um rendimento de 90% Potência fornecida = 5,6 HP Silo de Milo Silo de Soja cute 2 m TC1 tremona TC2 15 m Cálculo do Transportador de Correia (TC2) do Silo de Milo até o EC1: Material: milo (124 ton/) + soja (62 ton/) = 186 ton/ ; 0, ,4 1 ton γ = = 0,7 Comprimento: L = 15 m Configuração do Transportador de Correia (TC2): 1º Hipótese: Planta 15,07 m SMx 15 m MDo Vista TC2o MDo 15,07 1,5 m m Observação: se colocar uma moega de 2,0 m. acima de Mdo α =24,91º. O que não serve pela limitação da inclinação. 5 m α =18,5º 121

10 2º Hipótese: Planta SMx EC TC2 = 9,12 m SMx 9,12 m 9 m ECo ECo 1 m 2,0 m Velocidade da Correia: Largura da correia = 20 Velocidade: v =,0m/s Vazão volumétrica: Transportador orizontal (α=0º) K = 1, m Ct = = = 84,47 v K γ,0 1,0 0,7 Limitações do ângulo: ARD = ARE 15º = 29º 15º = 14º capacidade Ociosa (OC = 70%): 84,47 m OC = = 120,67 0,7 Velocidade da Correia: Largura da correia = 24 Velocidade: v =,0m/s º Hipótese: Vazão volumétrica: Transportador orizontal (α=0º) K = 1, m Ct = = = 84,47 v K γ,0 1,0 0,7 Limitações do ângulo: ARD = ARE 15º = 29º 15º = 14º Capacidade Ociosa (OC = 70%): 84,47 m OC = = 120,67 0,7 Largura da correia 24 com rolos iguais de β = 5º; ângulo de acomodação 5º e capacidade 10 m / para 1,0 m/s 122

11 Cálculo da Potência do TC2: Ne = v Ne =,0 186 ( Nv + Ng) + ( N1 ± N) ( 0,57 + 0,60) + ( 0,50 + 0) = 4,4HP Cálculo do Elevador de Canecas para elevar a mistura do TC2 até o moedor: ECx Bica 1 α > 14º MDo T tgα = T4,0 = 4m tg20 = 1, 45m 4 T =?? 1 Material: Mistura 2 Transportador escolido (Tab. 4.04) SB Centrífugo de correia Velocidade da caneca (Tab. 4.01) v = 1,52m/s 4 Vazão de carregamento: 58,6 ton/ Série E Distância entre centros dos tambores (L): H = 10,5 m M = 700 mm = 500 mm L = H + M + + 0,275 = 10,5 + 0,7 + 0,5 + 0,275 = 11,975 12, 0m 6 Características dos componentes: Passo Caixa Largur da Nº (AxB) a da Bitola canec mm correia a (mm) 580x Diâmetro dos tambores (mm) Velocidad e (m/s) RPM Capacidade da caneca (dm ) D1 D2 XX YY 1, ,0 9,6 7 Cálculo da potência do motor: 0 0, , ( ,45) v P ( H 12 D2) + 0,46 + N = = = 4, 74HP 75 η 75 0,9 8 Capacidade do Elevador: , 0,7 ton = = 44, 74 0,46 12

12 Seram necessários 05 elevadores SB, Série E-6000 colocados lado a lado. Cada um terá capacidade de 58,6 ton/ e serão alimentadas por uma moega com 05 saídas umas para cada EC. A entrada no moino também terá uma moega para cada entrada dos produtos proveniente de cada bica que sai do EC. Cálculo do TH1 para transportar mistura do moedor para o misturador: 8,06 m Planta MTo 1,0 m 8,24 m Vista α = 14º MTo 2,0 m MDx 8,0 m MDx 8,06 m = 185 ton/ Inclinação: 15º K = 0,7 Produto leve e não abrasivo λ = 0,4 Material não abrasivo t = D λ = 0,5 Leves e pouco abrasivo 1º Hipótese (n = 60 rpm): 185 D = = = 0, 68m 47 γ λ K n 47 0,7 0,4 0,7 60 (não serve) 2º Hipótese (n = 40 rpm): 185 D = = 47 γ λ K n 47 0,7 0,4 0,7 40 t n v = = 60 0,78 40 = 0,52 60 m s = 0,78m (não serve) º Hipótese (n = 0 rpm): D = = 47 γ λ K n t n 0,86 0 m v = = = 0, s ,7 0,4 0,7 0 = 0,86m (não serve) 124

13 4º Hipótese (n = 20 rpm): 185 D = = = 0,98m 47 γ λ K n 47 0,7 0,4 0,7 20 t n 0,98 20 m v = = = 0, s ,5 8,24 N = + = 4,4kW = 5,95HP Onde Pontos (X, Y, Z): A Saída do silo de soja (+20;+20;+5) B Saída do silo de milo (+7,5;+20;+5) C Entrada do TC1 (+20;+20;+) D Descarga do TC1 (+7,5;+20;+2) E Entrada do TC2 (+7,5;+20;0) F Descarga do TC2 (+7,5;+12,5;+2,6) G Entrada do EC1 (+7,5;+12,5;+0,6) H Descarga do EC1 (+5,5;+12,5;+8) I Entrada do Misturador (+6,0;+7,5;+6) J Entrada do TH1 - (+1; +6,5;+2) L Descarga do TH1 (+20;+7,5;+5) 125

14 2 - UNIDADE DE PRODUÇÃO DE CONCRETO A F Fo RUA Ex B E TC1 Eo y TC C z x D TH1 TC2 PREMISSAS: A Pila de Brita B Pila de Brita C Pila de Areia D Silo Cimento Portanlad (Do = +20 m; Dx = +5 m) E Misturador (Eo = + 9 m; Ex = + 4 m) F Betoneira (Fo = +8 m) = 108 t/ de concreto seco com 2% de perdas no processo (de A, B e C) para (D) Estoque para dias de produção (10 / dia) Constituição do Concreto: (Cimento; Areia; Brita) (2; ; 5) 126

15 COORDENADAS (x; y; z): Ax (+ m; + m; 0m) Bx (+ m; +60 m; 0m) Cx (+ m; +20 m; 0 m) Do (+65 m; +15 m; +20 m) Dx (+65 m; +15 m; +5 m) Eo (+ 45 m; +42,5 m; +9 m) Ex (+ 45 m; +67,5 m; +4 m) Fo (+ 47,5 m; +95 m; +8 m) RESOLUÇÃO: Divisão da Vazão: ton = ton ' = = 10,8 ( ) ton ton Areia : = 10,8 = 2,4 ton ton Cimento: = 5 10,8 = 54 ton ton Brita : = 2 10,8 = 21,6 Cálculo do volume da pila: V R = π 2 2 ton ton 1 cimento = 2 10,8 = 21,6 10 = 648,0 = 661,22ton dia 0,98 ton ton 1 areia = 10,8 = 2,4 10 = 991,84ton dia 0,98 ton 1 brita = 5 10,8 10 = 165,06ton dia 0,98 Peso especifico: Cimento (2) = 1,6 ton/m ; A6M; ARE = 45º Areia () = 1,8 ton/m ; ARE = 45º Brita (5) = 2, ton/m ; ARE = 0º M 661,22 Cimento: γ = 1,6 = V = 41,26m V V 2 2 Silo : V = π R 41,26 = π 5 = 5,26m 127

16 Alturas Máximas: M 991,84 Areia : γ = 1,8 = V = 551,02m V V 2 2 π R π 10 Pila : V = 551,02 = = 5,26m M 826,5 Brita : γ = 2, = V = 59,6m V V 2 2 π R π 10 Pila : V = 59,6 = =,4m (2pilas) Ha = 10. tg 45º = 10 m (Areia) Hb = 10. tg 0º = 5,77 m (Brita) Cálculo do TH para levar o cimento do Silo D até o TC2: Material: cimento A26N Peso especifico 1,6 ton/m = 21,6 ton/ Comprimento (L) = 10 m Inclinação: 0º K = 1 ARE = 0º Muito Fino Co = 1,2 Abrasivo t = 0,8D λ = 0,5 Leves e pouco abrasivo 1º Hipótese (n = 40 rpm): D = = 47 γ λ K n t n 0,22 40 v = = = 0, ,6 47 1,6 0, = 0,27m (não serve) 128

17 2º Hipótese (n = 60 rpm): D = 47 γ = λ K n 21,6 47 1,6 0, t n 0,24 60 v = = = 0, ,6 1,2 10 N = = 0,706kW = 0,94HP 67 = 0,29m Cálculo do TC que recebe material do TC2 e leva para o misturador: Eo = + 9m + 2m (tremona) = 11m Vista tgα tgα 10 o = = 29 ( não) o = = 15 ( serve) 8 α 9m 8m Material: produtos γ = 2,0 ton/m Cimento: ARE = 45º Areia: ARE = 0º Mistura: 0º Brita: ARE = 0º Velocidade da Correia: Largura da correia = 16 Velocidade : v =1,6m/s Vazão volumétrica: Transportador inclinado (α=15º) K = 0, m Ct = = = 5,52 v K γ 1,6 0,95 2,0 Limitações do ângulo: ARD = ARE 15º = 0º 15º = 15º Capacidade Ociosa (OC = 70%): 24,72 m OC = = 50,74 0,7 Conclusão: Utilizar correia de 16 com 2 rolos iguais de 20º; ângulo de acomodação de 5º; Ct = 40 m / a 1,0 m/s 129

18 Cálculo da Potência do TC: Ne = v Ne = 1,6 10,8 ( Nv + Ng) + ( N1 ± N) ( 0,8 + 1,0) + ( 1,1 +,7) = 8,07HP Cálculo do TC2 que recebe material do TC1 e TH, e leva para o TC: Vista TH1 TC1 TC 4m Material: produtos γ = 2,0 ton/m Cimento: ARE = 45º Areia: ARE = 0º Mistura: 0º Brita: ARE = 0º ARD (mistura) = 15º 40m Velocidade da Correia: Largura da correia = 16 Velocidade : v =1,6m/s Vazão volumétrica: Transportador orizontal K = 1,0 108 m Ct = = =,75 v K γ 1,6 1,0 2,0 Limitações do ângulo: ARD = ARE 15º = 0º 15º = 15º Capacidade Ociosa (OC = 70%):,75 m OC = = 48,21 0,7 Conclusão: Utilizar correia de 16 com 2 rolos iguais de 20º; ângulo de acomodação de 5º; Ct = 40 m / a 1,0 m/s Cálculo da Potência do TC2: Ne = v Ne = 1,6 10,8 ( Nv + Ng) + ( N1± N) ( 0,8 + 1,0) + ( 1,11) = 4,09HP 10

19 Cálculo do TC1 que recebe materiais das três pilas e descarrega em TC2: Vista TC2 5 m Mesma configuração do TC2 e TC, transportador na orizontal e a vazão =5m /. Cálculo da Potência do TC1: Ne = v Ne = 1,6 Observação: Pás carregadeira têm que: Levantar material até 5 m; Comprimento de 5 m; Pode se movimentar até 5 m; Diagrama Unifilar 95 m 86,4 ( Nv + Ng) + ( N1± N) ( 1,6 + 2,52) + ( 1,82) = 7,78HP A Pila Brita (+;+;0) B Pila Brita (+;+60;0) C Pila de areia (+;+20;0) D Entrada do TC1 (ponto de carga da pila A) (+85;+;+8) E Ponto de carga de brita da pila B (+85;+60;+8) F Ponto de carga de areia da pila C (+85;+20;+8) G Descarga de TC1 (+85;+5;+8) H Entrada de TC2 (+85;+5;+6) I Descarga de TC2 (+45;+5;+6) J Entrada do TC - (+45; +5;+4) L Entrada do TH1 (+65;+15;+5) M Saída de TH1 (+65;+5;+5) N Entrada de cimento no TC2 (+65;+5;+6) O Descarga do TC (+45;+42,5;+11) 11

20 12

21 Apresentar o encaminamento, o memorial de calculo e o diagrama unifilar dos equipamentos necessários para transportar o material das pilas A e B e do silo C até o misturador E A B C RUA ADM MAN Eo Fo E F y Fx z x Ex PREMISSAS: A / B Pila de Areia C Silo de cimento; Cx = + 5m D ADM (Administração) e MAN (Manutenção); Pé direito = + 5 m E Misturador; Eo = + 9 m; Ex = + 4 m F Embalagem; Fo = + 7 m = 160 ton/ (Vazão) Proporção: Areia : Cimento = :1 Altura da Rua = 5m 1

22 COORDENADAS (x; y; z): Ax (+20 m; + m; 0m) Bx (+50 m; + m; 0m) Cx (+90 m; + m; +5 m) Eo (+ 5 m; +42,5 m; +9 m) Ex (+ 60 m; +10 m; +4 m) Fo (+ 70 m; +40 m; +7 m) RESOLUÇÃO: Divisão da Vazão: Especificação dos materiais: Cimento: Abrasivo; γ = 1,6 t/m ARE = 0º = 40 ton/ Areia: γ = 1,8 t/m ARE = 45º = 120 ton/ Cálculo do volume da pila de areia: ton = ton ' = = 40 ( + 1) ton ton Areia : = 40 = 120 ton ton Cimento: = 1 40 = 40 Altura Máxima: H = 10. tg 45º = 10 m (Areia) 2 2 π R π 10 V = = = 1047, 19m 2 2 Nº de dias: 1884, ,95 n º = = = 1,57 ora ,57 dias para 01 pila,00 dias para 02 pilas 14

23 Cálculo do TC do Silo de cimento para Eo: TC2 11 m TC1 2 m Material: cimento γ = 1,6 ton/m ARE = 0º TC1: Velocidade da Correia: Largura da correia = 16 Velocidade: v =1,6m/s Vazão volumétrica: Transportador inclinado (α = 11º) K = 0,94 40 m Ct = = = 14,77 v K γ 1,6 0,94 1,8 Limitações do ângulo: ARD = ARE 15º = 0º 15º = 15º Correia de 16 com rolos planos V = 15 m / para v = 1,0 m/s Cálculo da Potência do TC1: Ne = v Ne = 1,6 TC2: Velocidade da Correia: Largura da correia = 16 Velocidade: v =1,6m/s 40 ( Nv + Ng) + ( N1 ± N) Vazão volumétrica: Transportador inclinado (α=0) K = 1,0 ( 0,87 + 1,20) + ( 1,217 +,4) = 5,14HP 15

24 Ct = v K γ Limitações do ângulo: ARD = ARE 15º = 0º 15º = 15º 40 m = = 1,88 1,6 1,0 1,8 Correia de 16 com rolos planos V = 15 m / para v = 1,0 m/s Cálculo da Potência do TC2: Ne = v ( Nv + Ng) + ( N1 ± N) 40 Ne = 1,6 0,7 + 0,77 + 0,97 = 2,78 ( ) ( ) HP Potência Total: N = 5,14 HP + 2,78 HP = 7,92 HP Cálculo do EC que recebe material das pilas e leva para o misturador: 2,0 m TC 1,0 m,0 m Material: Areia Transportador escolido (Tab. 4.04) SB Centrífugo de correia Velocidade da caneca (Tab. 4.01) v = 1,52m/s Vazão de carregamento: / γ = 120 / 1,8 = 66,6 ton/ Série E-6000 Distância entre centros dos tambores (L): H = 1 m M = 700 mm = 500 mm 16

25 L = H + M + + 0,275 = 1 + 0,7 + 0,5 + 0,275 = 14, 475m Características dos componentes: Caixa (AxB) mm 580x122 0 Nº Bitola Largur a da correia Passo da canec a (mm) Diâmetro dos tambores (mm) Velocidad e (m/s) RPM Capacidade da caneca (dm ) D1 D2 XX YY 1, ,0 9,6 Cálculo da potência do motor: 0 1, , ( 14, ,45) v P ( H 12 D2) + 0,46 + N = = = 8, 98HP 75 η 75 0,9 Diagrama Unifilar 17

26 Onde os Pontos (X,Y,Z): A Pila A (+20;+;0) B Pila B (+50;+;0) C Saída do Silo C (+90;+;+5) D Entrada do TC1 (+90;+;+5) E=F Fim do TC1(+55;+70;+11) G=L Descarga do TC2 (+5;+4;+11) H Entrada do EC1(+5;+90;+) I Saída do EC1 (+5;+88;+12,5) J Entrada do TC (+5;+88;+11) M Entrada do misturador (+5;+4;+9) 18

CAPITULO 6 ELEVADOR DE CANECAS (EC)

CAPITULO 6 ELEVADOR DE CANECAS (EC) CAPITULO 6 ELEVADOR DE CANECAS (EC) Com os estudos efetuados sobre movimentação de granéis sólidos, podemos notar que, para transporte em elevação, tanto os transportadores de correia quanto os transportadores

Leia mais

Estudo de Caso Transportador de Correias

Estudo de Caso Transportador de Correias Universidade Federal da Bahia Departamento de Engenharia Mecânica ENG-320- Transportes Mecânicos Prof. Roberto Sacramento Estudo de Caso Transportador de Correias Alunos: Leonardo Passos Marcelo Gomes

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Oferecemos a nossos clientes máquinas e equipamentos econômicos e eficientes, com atenção personalizada segundo suas necessidades.

APRESENTAÇÃO. Oferecemos a nossos clientes máquinas e equipamentos econômicos e eficientes, com atenção personalizada segundo suas necessidades. PORTFÓLIO Mecânica APRESENTAÇÃO A ProjeCrea é uma empresa que desenvolve soluções personalizadas integrais para: agroindústrias, metalúrgicas, indústrias e locais comerciais gerais. Temos parcerias com

Leia mais

EME610 - Sistemas Hidropneumáticos Hidráulica 4

EME610 - Sistemas Hidropneumáticos Hidráulica 4 UNIFEI EME610 - Sistemas Hidropneumáticos Hidráulica 4 Aula 4 Prof. José Hamilton Chaves Gorgulho Júnior ombas Parâmetros importantes: Pressão máxima; Vazão máxima; Faixa de rotação; Rendimento: Rendimento

Leia mais

CATÁLOGO GERAL DE PRODUTOS. Movimentação de Granéis

CATÁLOGO GERAL DE PRODUTOS. Movimentação de Granéis CATÁLOGO GERAL DE PRODUTOS Movimentação de Granéis Há mais de 88 anos garantindo os melhores resultados para nossos clientes. 03 A Companhia Experiência aliada à inovação. É isso que faz a Kepler Weber

Leia mais

POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO

POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros Instrução Técnica Nº 027/2010 EM REVISÃO Armazenamento em Silos SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação

Leia mais

AUTOMATIZAÇÃO DO SISTEMA DE COLETA DA GRANALHA DE AÇO EM UMA CABINE DE JATEAMENTO. Rafaela Monteverde de Azevedo

AUTOMATIZAÇÃO DO SISTEMA DE COLETA DA GRANALHA DE AÇO EM UMA CABINE DE JATEAMENTO. Rafaela Monteverde de Azevedo AUTOMATIZAÇÃO DO SISTEMA DE COLETA DA GRANALHA DE AÇO EM UMA CABINE DE JATEAMENTO Rafaela Monteverde de Azevedo RESUMO Este trabalho apresenta as etapas para a implantação de um projeto que prevê a automatização

Leia mais

1. TRANSMISSÕES POR CORRENTES

1. TRANSMISSÕES POR CORRENTES 1 1. TRANSMISSÕES POR CORRENTES 1.1 - Introdução As correntes fazem parte das transmissões flexíveis, conjuntamente com as correias. Apresentam menor capacidade de absorção de choques em virtude de sua

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS FQA Ficha 3 - Forças fundamentais, leis de Newton e Lei da gravitação universal 11.º Ano Turma A e B 1 outubro 2014 NOME Nº Turma 1. Associe um número da coluna 1 a uma

Leia mais

MF 86 HS. Retroescavadeira / Pá carregadeira MASSEY FERGUSON

MF 86 HS. Retroescavadeira / Pá carregadeira MASSEY FERGUSON MF 86 HS Retroescavadeira / Pá carregadeira MASSEY FERGUSON 2 www.massey.com.br 4 tipos de versões e o maior número de vantagens Alavanca de múltipla ação no carregador frontal Plataforma para o operador

Leia mais

ANEXO IV MEMORIAL DESCRITIVO PREFEITURA MUNICIPAL DE NOVA BOA VISTA PROJETO DE PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA URBANA

ANEXO IV MEMORIAL DESCRITIVO PREFEITURA MUNICIPAL DE NOVA BOA VISTA PROJETO DE PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA URBANA 1 ANEXO IV MEMORIAL DESCRITIVO PREFEITURA MUNICIPAL DE NOVA BOA VISTA PROJETO DE PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA URBANA LOCALIZAÇÃO: Avenida Jacob Wagner Sobrinho NOVA BOA VISTA / RS JUNHO DE 2013 1 2 1.0 INTRODUÇÃO

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº.

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº. SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº. 27/2010 Armazenamento em silos SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências

Leia mais

MOINHOS GRANULADORES

MOINHOS GRANULADORES MOINHOS GRANULADORES DESDE 1980 Fundada em 1980 sediada em Farroupilha, RS em uma área própria de 15.000m², com área construída de 2.250 m², a Mecanofar mantém mais de 3.500 máquinas no mercado de transformação.

Leia mais

Misturadores de Argamassa ANVI. Maior Produtividade e Qualidade na sua Obra. Misturadores e Projetores de Argamassa FABRICADO NO BRASIL

Misturadores de Argamassa ANVI. Maior Produtividade e Qualidade na sua Obra. Misturadores e Projetores de Argamassa FABRICADO NO BRASIL Misturadores de Argamassa ANVI Maior Produtividade e Qualidade na sua Obra FABRICADO NO BRASIL Misturadores e Projetores de Argamassa Solução na medida para a exigência do mercado Misturadores de argamassa

Leia mais

Capítulo 5 Trabalho e Potência

Capítulo 5 Trabalho e Potência Capítulo 5 Trabalho e Potência Neste capítulo discutiremos conceitos relativos a trabalho e potência. Discutiremos ainda os efeitos do atrito e as perdas de potência causadas por ele. Definiremos rendimento

Leia mais

CAP. 3 - EXTENSÔMETROS - "STRAIN GAGES" Exemplo: extensômetro Huggenberger

CAP. 3 - EXTENSÔMETROS - STRAIN GAGES Exemplo: extensômetro Huggenberger CAP. 3 - EXTENSÔMETOS - "STAIN GAGES" 3. - Extensômetros Mecânicos Exemplo: extensômetro Huggenberger Baseia-se na multiplicação do deslocamento através de mecanismos de alavancas. Da figura: l' = (w /

Leia mais

Avaliação de Desempenho de Equipamentos Eletrorrurais

Avaliação de Desempenho de Equipamentos Eletrorrurais XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de outubro Olinda - Pernambuco - Brasil Avaliação de Desempenho de Equipamentos Eletrorrurais Frederico Stark Rezende Gutemberg

Leia mais

correas UNIPLY Funcionamento das Correias Elevadoras Componentes de um Elevador de Correias a Canecas Referências:

correas UNIPLY Funcionamento das Correias Elevadoras Componentes de um Elevador de Correias a Canecas Referências: Funcionamento das Correias Elevadoras Componentes de um Elevador de Correias a Canecas Os elevadores de correias a caçambas são os equipamentos mais comuns e econômicos para o movimento vertical de materiais

Leia mais

TS-300BR. CAPACIDADE DO GUINDASTE 30.000 kg à 2,5 m

TS-300BR. CAPACIDADE DO GUINDASTE 30.000 kg à 2,5 m TADANO GUINDASTE HIDRÁULICO SOBRE RODAS CATÁLOGO DE ESPECIFICAÇÕES N TS-300BR TS-300BR DADOS GERAIS CAPACIDADE DO GUINDASTE 30.000 kg à 2,5 m LANÇA 4 seções, 9,8 m - 31,0 m DIMENSÕES GERAIS Comprimento

Leia mais

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE FALHAS TAMBOR DE DESCARGA DO TR-117K-06

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE FALHAS TAMBOR DE DESCARGA DO TR-117K-06 RELATÓRIO DE ANÁLISE DE FALHAS TAMBOR DE DESCARGA DO TR-117K-06 José Cleber Rodrigues da Silva, VALE JOSÉ CLÉBER RODRIGUES DA SILVA VALE 0UTUBRO - 2010 Sumário Introdução Visão Geral Desenvolvimento Analise

Leia mais

BLOCOS DE CONCRETO PARA ALVENARIA Portaria Inmetro nº 220/2013 CÓDIGO: 3842

BLOCOS DE CONCRETO PARA ALVENARIA Portaria Inmetro nº 220/2013 CÓDIGO: 3842 MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA- INMETRO Diretoria de Avaliação da Conformidade- Dconf Divisão de Fiscalização

Leia mais

Pedro Rocha 2015-10-15

Pedro Rocha 2015-10-15 Pedro Rocha 2015-10-15 Circulação O veiculo não pode sair do centro para se posicionar nas linhas ou áreas de inspeção Via de fuga Evitar o cruzamento de veículos 2 As linhas devem ser estruturadas para

Leia mais

Custo de Secagem de Grãos

Custo de Secagem de Grãos Custo de Secagem de Grãos Daniel Marçal de Queiroz, Ph.D. Engenheiro Agrícola Professor do Depto. de Engenharia Agrícola da UFV Coordenador Técnico do CENTREINAR Junho de 2003 Importância da determinação

Leia mais

Cálculo da carga aplicada

Cálculo da carga aplicada 508-BR O guia linear é capaz de receber cargas e momentos em todas as direções que sejam gerados em função da posição de montagem, do alinhamento, da posição do centro de gravidade de um objeto móvel,

Leia mais

DESMONTE HIDRÁULICO. Monitor hidráulico. Boletim 2-150 1 INTRODUÇÃO

DESMONTE HIDRÁULICO. Monitor hidráulico. Boletim 2-150 1 INTRODUÇÃO 1 INTRODUÇÃO A água a alta pressão e alta velocidade, proveniente de um tanque elevado ou de uma bomba centrífuga,levada contra a base de um banco por meio de um monitor, constitui o sistema de desmonte

Leia mais

Transmissões de Potência

Transmissões de Potência Transmissões de Potência PMR 2201 Transmissões O emprego de transmissões torna-se necessário para compatibilizar a velocidade angular ou conjugado da máquina motriz com a necessidade da máquina acionada,

Leia mais

Prof.: Anastácio Pinto Gonçalves Filho

Prof.: Anastácio Pinto Gonçalves Filho Prof.: Anastácio Pinto Gonçalves Filho Movimentação de Materiais 1.0 Movimentação de Materiais É a operação de deslocamento físico de materiais de um local para outro, dentro da instalação de armazenamento.

Leia mais

BETONEIRAS. Manual de Instrução MAQTRON IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO LTDA. www.vencedoramaqtron.com.br

BETONEIRAS. Manual de Instrução MAQTRON IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO LTDA. www.vencedoramaqtron.com.br Moendas de Cana CANA SHOP Moendas de Cana BETONEIRAS Debulhadores de Milho www.vencedoramaqtron.com.br Batedeiras de Cereais Trilhadeiras Desintegradores Trituradores para milho úmido Ensiladeiras Bombas

Leia mais

Catálogo de Produtos 2015

Catálogo de Produtos 2015 CATÁLOGO DE PRODUTOS 2015 A CSM, fundada em 1979, destaca-se na fabricação de máquinas, equipamentos e sistemas para construção civil e movimentação de materiais. Investe continuamente em processos, desenvolvimento

Leia mais

Soluções completas em equipamentos para armazenagem de grãos

Soluções completas em equipamentos para armazenagem de grãos armazenagem Soluções completas em equipamentos para armazenagem de grãos Os produtos CASP são resultados da aplicação das mais modernas tecnologias de fabricação. Com um dos parques tecnológicos mais avançados

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Departamento de Matemática e Física Coordenador da Área de Física LISTA 03. Capítulo 07

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Departamento de Matemática e Física Coordenador da Área de Física LISTA 03. Capítulo 07 01 UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Departamento de Matemática e Física Coordenador da Área de Física Disciplina: Física Geral e Experimental I (MAF 2201) LISTA 03 Capítulo 07 1. (Pergunta 01) Classifique

Leia mais

OS PAINÉIS DE CONTROLE E COMANDO DOS EQUIPAMENTOS ESTÃO INCLUSOS NO VALOR DA PROPOSTA

OS PAINÉIS DE CONTROLE E COMANDO DOS EQUIPAMENTOS ESTÃO INCLUSOS NO VALOR DA PROPOSTA Rio de Janeiro, 02 de dezembro de 2011. UNIDADE TRIAGEM E RECICLAGEM E INCLUSÃO SOCIAL E VALORIZAÇÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS. 01. Proposta Simplificada PRODUTO QUANTIDADE VALOR UNITÁRIO VALOR TOTAL

Leia mais

TRANSFORMAÇÃO DE VAGÃO TRADICIONAL DE LASTRO DE BRITA EM VAGÃO AUTOMÁTICO DE ACIONAMENTO HIDRÁULICO

TRANSFORMAÇÃO DE VAGÃO TRADICIONAL DE LASTRO DE BRITA EM VAGÃO AUTOMÁTICO DE ACIONAMENTO HIDRÁULICO TRANSFORMAÇÃO DE VAGÃO TRADICIONAL DE LASTRO DE BRITA EM VAGÃO AUTOMÁTICO DE ACIONAMENTO HIDRÁULICO RESUMO: A modernização do vagão Hopper de brita do sistema de Metrô englobou a mudança de sua estrutura

Leia mais

TÍTULO: ESTUDO DA PERDA DE CARGA EM UMA UNIDADE PILOTO DE TRANSPORTE PNEUMÁTICO EM FASE DILUÍDA

TÍTULO: ESTUDO DA PERDA DE CARGA EM UMA UNIDADE PILOTO DE TRANSPORTE PNEUMÁTICO EM FASE DILUÍDA Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: ESTUDO DA PERDA DE CARGA EM UMA UNIDADE PILOTO DE TRANSPORTE PNEUMÁTICO EM FASE DILUÍDA CATEGORIA:

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA PARA COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇOS Nº 005/2014 PROCESSO ADMINISTRATIVO Nº: 198/2013

CHAMADA PÚBLICA PARA COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇOS Nº 005/2014 PROCESSO ADMINISTRATIVO Nº: 198/2013 CHAMADA PÚBLICA PARA COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇOS Nº 005/2014 PROCESSO ADMINISTRATIVO Nº: 198/2013 OBJETO: Locação de máquinas e equipamentos, com prestação de serviço dos operadores para operação e manutenção

Leia mais

ME-38 MÉTODOS DE ENSAIO ENSAIO DE COMPRESSÃO DE CORPOS-DE-PROVA CILÍNDRICOS DE CONCRETO

ME-38 MÉTODOS DE ENSAIO ENSAIO DE COMPRESSÃO DE CORPOS-DE-PROVA CILÍNDRICOS DE CONCRETO ME-38 MÉTODOS DE ENSAIO ENSAIO DE COMPRESSÃO DE CORPOS-DE-PROVA CILÍNDRICOS DE CONCRETO DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA 1 ÍNDICE PÁG. 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 3 3. S E NORMAS COMPLEMENTARES...

Leia mais

Instruções para Implementadores

Instruções para Implementadores Volvo Truck Corporation Curitiba, Brazil Instruções para Implementadores Data Grupo Edição Pág. 12.05 95 01 1(6) Instalações, Veículo Trator Quinta roda VM BRA18859 20 041541 Portuguese/Brazil Printed

Leia mais

NORMA TÉCNICA MEDIÇÃO DE VAZÃO DE EFLUENTES LÍQUIDOS ESCOAMENTO LIVRE CPRH N 2.004

NORMA TÉCNICA MEDIÇÃO DE VAZÃO DE EFLUENTES LÍQUIDOS ESCOAMENTO LIVRE CPRH N 2.004 NORMA TÉCNICA MEDIÇÃO DE VAZÃO DE EFLUENTES LÍQUIDOS ESCOAMENTO LIVRE CPRH N 2.004 MEDIÇÃO DE VAZÃO DE EFLUENTES LÍQUIDOS ESCOAMENTO LIVRE 1 OBJETIVO Esta Norma fixa as condições exigíveis para a indicação

Leia mais

- FABRICAÇÃO DE MÁQUINAS PARA INDÚSTRIA DE RAÇÃO E DERIVADOS; - FABRICAÇÃO DE ESTRUTURAS METÁLICAS.

- FABRICAÇÃO DE MÁQUINAS PARA INDÚSTRIA DE RAÇÃO E DERIVADOS; - FABRICAÇÃO DE ESTRUTURAS METÁLICAS. - FABRICAÇÃO DE MÁQUINAS PARA INDÚSTRIA DE RAÇÃO E DERIVADOS; - FABRICAÇÃO DE ESTRUTURAS METÁLICAS. Máquinas Para Agroindústrias METALÚRGICA LTDA ME A empresa Metalúrgica Maggisan foi fundada no ano de

Leia mais

M Questões Corte / Torção Questões de Testes e Provas Corte Puro Torção Pura. 4 cordões de solda a = 4 mm; l =160 mm. 60 k N

M Questões Corte / Torção Questões de Testes e Provas Corte Puro Torção Pura. 4 cordões de solda a = 4 mm; l =160 mm. 60 k N M Questões orte / Torção Questões de Testes e rovas orte uro Torção ura 8 parafusos Φ = 10 mm cordões de solda a = mm; l =160 mm 160 00 60 k N (1) ROV 003-01 O duto esquematizado é fabricado em chapa de

Leia mais

Tomaz Teodoro da Cruz Engenheiro de Minas

Tomaz Teodoro da Cruz Engenheiro de Minas Tomaz Teodoro da Cruz Engenheiro de Minas T2C Minerais Industriais: consultoria e comercialização de matérias-primas MS Equipamentos de beneficiamento em via úmida => Representante comercial Beneficiamento

Leia mais

USINA DE ASFALTO CONTRAFLUXO Série KOMPAKT

USINA DE ASFALTO CONTRAFLUXO Série KOMPAKT USINA DE ASFALTO CONTRAFLUXO Série Todas as fotos, ilustrações e especificações estão baseadas em informações vigentes na data da aprovação desta publicação. A Ciber Equipamentos Rodoviários Ltda. se reserva

Leia mais

CORREIA TRANSPORTADORA FACULDADE CAMPO REAL ENGENHARIA DE PRODUÇÃO 4º SEMESTRE

CORREIA TRANSPORTADORA FACULDADE CAMPO REAL ENGENHARIA DE PRODUÇÃO 4º SEMESTRE CORREIA TRANSPORTADORA FACULDADE CAMPO REAL ENGENHARIA DE PRODUÇÃO 4º SEMESTRE ACADÊMICOS: ANDERSON GOMES EVERSON SCHWAB JOSÉ OSMAR GERSON NESTOR DE SOUZA Dados Históricos Data do século 17, utilizadas

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO COMERCIAL PARA VENDA DOS ATIVOS PERTENCENTES A HM SONDAGEM E PERFURAÇÕES LTDA - Sonda/Bomba e Materiais para perfuração

RELATÓRIO TÉCNICO COMERCIAL PARA VENDA DOS ATIVOS PERTENCENTES A HM SONDAGEM E PERFURAÇÕES LTDA - Sonda/Bomba e Materiais para perfuração RELATÓRIO TÉCNICO COMERCIAL PARA VENDA DOS ATIVOS PERTENCENTES A HM SONDAGEM E PERFURAÇÕES LTDA - Sonda/Bomba e Materiais para perfuração Belo Horizonte/MG Junho/2014 Dados técnicos Equipamentos Maquesonda

Leia mais

Construção. Sika Unitherm -Steel S interior. Pintura intumescente base solvente, de rápida secagem, para uso em áreas internas. Descrição do Produto

Construção. Sika Unitherm -Steel S interior. Pintura intumescente base solvente, de rápida secagem, para uso em áreas internas. Descrição do Produto Ficha do Produto Edição 21/03/2014 Identificação 02 06 04 00 003 0 000029 Sika Unitherm -Steel S interior Pintura intumescente base solvente, de rápida secagem, para uso em áreas internas Descrição do

Leia mais

Série RB-J. Compressores de Parafuso OIL FREE para Transporte Pneumático

Série RB-J. Compressores de Parafuso OIL FREE para Transporte Pneumático Série RB-J Compressores de Parafuso OIL FREE para Transporte Pneumático EXPERIÊNCIA No GRUPO BETICO, líder nacional no fabrico e na comercialização de compressores desde 925, concebemos e fabricamos compressores

Leia mais

Propriedades do concreto JAQUELINE PÉRTILE

Propriedades do concreto JAQUELINE PÉRTILE Propriedades do concreto JAQUELINE PÉRTILE Concreto O preparo do concreto é uma série de operações executadas de modo a obter, á partir de um determinado número de componentes previamente conhecidos, um

Leia mais

Dados técnicos Guindaste sobre esteiras HS 895 HD

Dados técnicos Guindaste sobre esteiras HS 895 HD Dados técnicos Guindaste sobre esteiras HS 895 HD Dimensões Máquina básica com carro inferior R 9760 3650 10000 5480 3675 2445 1810 3950 1610 1700 7945 9360 3975 1720 R 6360 1100 6800 620 17380 Peso operacional

Leia mais

TELEBELT TB200 TRANSPORTADOR TELESCÓPICO COM CORREIA

TELEBELT TB200 TRANSPORTADOR TELESCÓPICO COM CORREIA TELEBELT TB200 TRANSPORTADOR TELESCÓPICO COM CORREIA UM NOVO PADRÃO DE INOVAÇÃO E EXCELÊNCIA CARACTERÍSTICAS DO TELEBELT TB200 O telebelt TB 200 é um transportador telescópico com correia tecnologicamente

Leia mais

6 BOMBAS HIDRÁULICAS PROBLEMA 6.1

6 BOMBAS HIDRÁULICAS PROBLEMA 6.1 6 BOMBAS HIDRÁULICAS PROBLEMA 6.1 Uma bomba cujo diagrama em colina é o da figura anexa foi projectada para, com o rendimento máximo de 0,90, elevar o caudal de 10,00 m 3 s -1 à altura total de 100,00

Leia mais

FÍSICA. Exatas/Tarde Física e Matemática Prova A Página 1

FÍSICA. Exatas/Tarde Física e Matemática Prova A Página 1 FÍSICA 01 - A figura a seguir representa um eletroímã e um pêndulo, cuja massa presa à extremidade é um pequeno imã. Ao fechar a chave C, é correto afirmar que C N S (001) o imã do pêndulo será repelido

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ÁGUA E ESGOTO DE BAGÉ DEPARTAMENTO DE PROJETOS MEMORIAL DESCRITIVO

DEPARTAMENTO DE ÁGUA E ESGOTO DE BAGÉ DEPARTAMENTO DE PROJETOS MEMORIAL DESCRITIVO DEPARTAMENTO DE ÁGUA E ESGOTO DE BAGÉ DEPARTAMENTO DE PROJETOS MEMORIAL DESCRITIVO REPAVIMENTAÇÃO EM PAVIMENTOS COM PEDRA IRREGULAR, PARALELEPÍPEDO, BLOCOS DE CONCRETO E CBUQ. 2015 APRESENTAÇÃO Trata o

Leia mais

Capítulo 8 - MOTORES ELÉTRICOS

Capítulo 8 - MOTORES ELÉTRICOS Capítulo 8 - MOTORES ELÉTRICOS 8.1 - Motores de Corrente Contínua 8.2 - Motores de Corrente Alternada 8.3 - Motores Especiais 8.4 - Exercícios Propostos Na natureza a energia se encontra distribuída sob

Leia mais

MOVIMENTO CIRCULAR ATIVIDADE 1 Professores: Claudemir C. Alves / Luiz C. R. Montes

MOVIMENTO CIRCULAR ATIVIDADE 1 Professores: Claudemir C. Alves / Luiz C. R. Montes MOVIMENTO CIRCULAR ATIVIDADE 1 Professores: Claudemir C. Alves / Luiz C. R. Montes 1 1- Velocidade Angular (ω) Um ponto material P, descrevendo uma trajetória circular de raio r, apresenta uma variação

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE MOTORES COM CARGA ACIONADA

DIMENSIONAMENTO DE MOTORES COM CARGA ACIONADA Eletricidade Industrial Fatec Mogi Mirim Prof. Gerson R. Luqueta DIMENSIONAMENTO DE MOTORES COM CARGA ACIONADA Para dimensionamento necessitamos conhecer: Conjugado requerido pela carga Rotação requerida

Leia mais

Colhedora com sistema de trilha longitudinal 3/24/2012 1- SISTEMA CONVENCIONAL. Antes da Revolução Industrial manualmente

Colhedora com sistema de trilha longitudinal 3/24/2012 1- SISTEMA CONVENCIONAL. Antes da Revolução Industrial manualmente Principais Sistemas de Colheita Antes da Revolução Industrial manualmente Segadora mecânica corte e amontoa Debulhadora estacionária trilha e separação Principais Sistemas de Colheita Principais Sistemas

Leia mais

Interação Água Superficial e Subterrânea no Sistema Aquífero Urucuia

Interação Água Superficial e Subterrânea no Sistema Aquífero Urucuia AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS WORKSHOP - GESTÃO INTEGRADA DE RECURSOS HÍDRICOS SUPERFICIAIS E SUBTERRÂNEOS Interação Água Superficial e Subterrânea no Sistema Aquífero Urucuia Chang,

Leia mais

MANIPULADORES TELESCÓPICOS JLG

MANIPULADORES TELESCÓPICOS JLG MANIPULADORES TELESCÓPICOS JLG MANIPULADORES TELESCÓPICOS JLG CHEGANDO ATÉ VOCÊ Sua produtividade está em jogo no momento em que você sobe na cabine do manipulador telescópico. A linha de manipuladores

Leia mais

CRITÉRIOS DE SELEÇÃO DE BRITADORES APLICADOS AO PROCESSAMENTO MINERAL

CRITÉRIOS DE SELEÇÃO DE BRITADORES APLICADOS AO PROCESSAMENTO MINERAL CRITÉRIOS DE SELEÇÃO DE BRITADORES APLICADOS AO PROCESSAMENTO MINERAL J. Varela Dr.-Ing, Tecnologias de Britagem e Peneiramento,ThyssenKrupp Fördertechnik Latino Americana Rua Ceará, 1566, Belo Horizonte-MG,

Leia mais

CAMIONETA MILITAR JEEP ¾ ton WILLYS OVERLAND/FORD F-85 Um projeto brasileiro

CAMIONETA MILITAR JEEP ¾ ton WILLYS OVERLAND/FORD F-85 Um projeto brasileiro CAMIONETA MILITAR JEEP ¾ ton WILLYS OVERLAND/FORD F-85 Um projeto brasileiro Angelo Meliani, Especialista em restauração de veículos militares. angelomeliani@yahoo.com.br Durante os anos da década de 1940

Leia mais

5 Estações elevatórias (EE)

5 Estações elevatórias (EE) 5 Estações elevatórias (EE) Esgotamento por gravidade mais econômico Estudo prévio comparativo outras soluções Todavia, são necessárias EE nos casos de: Terrenos planos e extensos Esgotamento de áreas

Leia mais

29º Congresso Brasileiro de Manutenção e Gestão de Ativos

29º Congresso Brasileiro de Manutenção e Gestão de Ativos 29º Congresso Brasileiro de Manutenção e Gestão de Ativos Manutenção e Gestão de Ativos: Gerenciamento de Energia em Acionamentos de Transportadores de Correia Autores: Leonardo Chisté Vanessa Malaco AGENDA

Leia mais

Engrenagens cilíndricas de dentes retos. Alan Christie da Silva Dantas

Engrenagens cilíndricas de dentes retos. Alan Christie da Silva Dantas Engrenagens cilíndricas de dentes retos Alan Christie da Silva Dantas Motivação Extensamente usadas para transmissão de movimento em maquinas industriais; Rotativo rotativo; Rotativo linear. Caixas de

Leia mais

Exaustor Axial à Prova de Explosão - Ex

Exaustor Axial à Prova de Explosão - Ex Exaustor Axial à Prova de Explosão - Ex Ex. 20 cm Ex. 25 cm Ex. 20 cm Ex. 25 cm Modelo PE 200e T2-2T PE 250e T2-2T PE 250e T4-2T Área Aplicada (Zona): Zona 1 e 2 (Gb IP) Zona 1 e 2 (Gb IP) Zona 1 e 2 (Gb

Leia mais

MÁQUINA DE BLOCOS DE CONCRETO Serie TBM.

MÁQUINA DE BLOCOS DE CONCRETO Serie TBM. MÁQUINA DE BLOCOS DE CONCRETO Serie TBM. Nós somos um dos primeiros fabricantes (1986) de máquinas de bloco e equipamentos Motores SIEMENS Automatizadas com CLP MITSUBISHI Componentes elétricos da SCHNEIDER

Leia mais

Manual de Usuário. (Y-200, Y-300, Y-400, Y-500, Y-550, Y- 600, Y-700, Y-850, Y-1200, Y-1500 e Y- 2000)

Manual de Usuário. (Y-200, Y-300, Y-400, Y-500, Y-550, Y- 600, Y-700, Y-850, Y-1200, Y-1500 e Y- 2000) AUTOMATIZADORES PARA PORTAS DE ENROLAR IMPORTAÇÃO E SUPORTE TÉCNICO NA INSTALAÇÃO Manual de Usuário (Y-200, Y-300, Y-400, Y-500, Y-550, Y- 600, Y-700, Y-850, Y-1200, Y-1500 e Y- 2000) SAC: 55 + 11 3088

Leia mais

RESPOSTA TÉCNICA. Arroz; controle de poeira; equipamento; exaustor; filtro de manga; poeira; silo

RESPOSTA TÉCNICA. Arroz; controle de poeira; equipamento; exaustor; filtro de manga; poeira; silo RESPOSTA TÉCNICA Título Controle de poeira Resumo Informações sobre o controle da poeira gerada em silos. Palavras-chave Arroz; controle de poeira; equipamento; exaustor; filtro de manga; poeira; silo

Leia mais

ALVENARIA EXECUÇÃO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I

ALVENARIA EXECUÇÃO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I ALVENARIA EXECUÇÃO Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I ALVENARIA CONDIÇÕES DE INÍCIO Vigas baldrames impermeabilizadas e niveladas,

Leia mais

Relatório descritivo de operações e equipamentos de uma unidade de de co-processamento de resíduos industriais

Relatório descritivo de operações e equipamentos de uma unidade de de co-processamento de resíduos industriais Relatório descritivo de operações e equipamentos de uma unidade de de co-processamento de resíduos industriais Elaborado por: Eduardo Pires Data: 17/01/2009. Revisões Data Revisado por: Aprovado por: 0

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO GEOMÉTRICA E ESTIMATIVA DO RENDIMENTO HIDRÁULICO DE UM VENTILADOR AXIAL

CARACTERIZAÇÃO GEOMÉTRICA E ESTIMATIVA DO RENDIMENTO HIDRÁULICO DE UM VENTILADOR AXIAL CARACTERIZAÇÃO GEOMÉTRICA E ESTIMATIVA DO RENDIMENTO HIDRÁULICO DE UM VENTILADOR AXIAL Albert R. dos Anjos, Lucas D. N. Coelho, Glayson Q. de Souza e Jhon Goulart UnB-FGA, Universidade de Brasília, Curso

Leia mais

Manual de Instruções e Catálogo de Peças

Manual de Instruções e Catálogo de Peças 1 Manual de Instruções e Catálogo de Peças Mk-GT 800 2 ÍNDICE Apresentação... 03 Normas de Segurança... 04 Componentes... 07 Engate / Montagem... 08 Preparação p/trabalho... 09 Cuidados... 10 Manutenção...11

Leia mais

OPERAÇÕES UNITÁRIAS 1I SÓLIDOS PARTICULADOS 3: - TRANSPORTE DE SÓLIDOS PARTICULADOS - ARMAZENAMENTO DE SÓLIDOS PARTICULADOS

OPERAÇÕES UNITÁRIAS 1I SÓLIDOS PARTICULADOS 3: - TRANSPORTE DE SÓLIDOS PARTICULADOS - ARMAZENAMENTO DE SÓLIDOS PARTICULADOS OPERAÇÕES UNITÁRIAS 1I SÓLIDOS PARTICULADOS 3: - TRANSPORTE DE SÓLIDOS PARTICULADOS - ARMAZENAMENTO DE SÓLIDOS PARTICULADOS PROF. DR. FÉLIX MONTEIRO PEREIRA SELEÇÃO DO TRANSPORTADOR Depende de vários aspectos:

Leia mais

Síntese final do curso

Síntese final do curso Síntese final do curso O objetivo do curso foi estudar o projeto de uma instalação de bombeamento básica, ou seja, aquela que apresentava uma entrada e uma saída. As etapas que constituem este tipo de

Leia mais

Utilizem sempre peças originais, para que possam ter garantida a performance e vida útil do seu equipamento. ALGODEN INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA

Utilizem sempre peças originais, para que possam ter garantida a performance e vida útil do seu equipamento. ALGODEN INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA ALGODEN INSTRUÇÕES GERAIS Antes de colocar em operação o equipamento, este deve funcionar em vazio durante algum tempo. Neste período deve se dar atenção nos diferentes pontos de lubrificação. Durante

Leia mais

4 CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS

4 CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS 1 4 CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS Os acoplamentos ACRIFLEX AG são compostos por dois cubos simétricos de ferro fundido cinzento, e um elemento elástico alojado entre eles, de borracha sintética de elevada resistência

Leia mais

TR 400 ATENÇÃO MANUAL DE INSTALAÇÃO. A Turbo Roda se utilizada fora das condições citadas nas tabelas técnicas, perderá a garantia.

TR 400 ATENÇÃO MANUAL DE INSTALAÇÃO. A Turbo Roda se utilizada fora das condições citadas nas tabelas técnicas, perderá a garantia. ATENÇÃO A Turbo Roda se utilizada fora das condições citadas nas tabelas técnicas, perderá a garantia. A TURBO RODA BETTA é um equipamento patenteado, PATENTE n MU 736-4 qualquer violação contra os direitos

Leia mais

------------------------------- -----------------------------Henflex. Henflex------------------------------ Índice

------------------------------- -----------------------------Henflex. Henflex------------------------------ Índice Índice 1.Características Gerais... 2 2.Seleção do Tamanho do Acoplamento... 2 2.1- Dimensionamento dos acoplamentos Henflex HXP para regime de funcionamento contínuo... 2 2.2 Seleção do Acoplamento...

Leia mais

O FORNO A VÁCUO TIPOS E TENDÊNCIA 1

O FORNO A VÁCUO TIPOS E TENDÊNCIA 1 O FORNO A VÁCUO TIPOS E TENDÊNCIA 1 João Carmo Vendramim 2 Marco Antonio Manz 3 Thomas Heiliger 4 RESUMO O tratamento térmico de ligas ferrosas de média e alta liga já utiliza há muitos anos a tecnologia

Leia mais

AGROPEC Consultoria LTDA

AGROPEC Consultoria LTDA Curso Intensivo Elaboração Projeto de Fabricação de Ração Organizado por Agropec Consultoria Ltda Problemática: Nos diagnósticos que fazemos nas mais diferentes empresas, mais da metade dos motivos ou

Leia mais

MANIPULADORES DE CONTÊINERES VAZIOS

MANIPULADORES DE CONTÊINERES VAZIOS EMPILHDEIRS MNIPULDORES DE CONTÊINERES VZIOS ESPECIFICÇÕES TÉCNICS, CPCIDDES, DIMENSÕES TODS S INFORMÇÕES DE IMEDITO MNIPULDORES DE CONTÊINERES VZIOS TEREX mplo leque de modelos Os oito manipuladores de

Leia mais

PROVA DE ENGENHARIA CIVIL. Para uma viga bi-apoiada, com carga concentrada, se desprezarmos o efeito do peso próprio, é CORRETO afirmar:

PROVA DE ENGENHARIA CIVIL. Para uma viga bi-apoiada, com carga concentrada, se desprezarmos o efeito do peso próprio, é CORRETO afirmar: 18 PROVA DE ENGENHARIA CIVIL QUESTÃO 41 Para uma viga bi-apoiada, com carga concentrada, se desprezarmos o efeito do peso próprio, é CORRETO afirmar: a) o diagrama do esforço cortante (DEC) é composto

Leia mais

TR-350XL. CAPACIDADE DO GUINDASTE 31.800 kg a 3,0 m

TR-350XL. CAPACIDADE DO GUINDASTE 31.800 kg a 3,0 m TADANO GUINDASTE HIDRÁULICO SOBRE RODAS CATÁLOGO DE ESPECIFICAÇÕES N.º TR-350XL-3-00101/EX-10 TR-350XL DADOS GERAIS CAPACIDADE DO GUINDASTE 31.800 kg a 3,0 m LANÇA 4 seções, 9,95 m - 32,0 m DIMENSÕES GERAIS

Leia mais

Dimensionamento de espaço

Dimensionamento de espaço Dimensionamento de espaço Definindo os volumes de produtos e os tipos de produtos que serão tratados no projeto, teremos condições, a partir de agora, de dimensionar o tamanho do armazém, suas características

Leia mais

MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E DO TURISMO

MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E DO TURISMO MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E DO TURISMO INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria n.º 115, de 29 de junho de 1998 O Presidente do Instituto Nacional

Leia mais

Montagem por Interferência de Rodas Dentadas em Veios de Redutores Industriais

Montagem por Interferência de Rodas Dentadas em Veios de Redutores Industriais Departamento de Engenharia Mecânica e Industrial por de Rodas Dentadas em Veios de Redutores Industriais Professora Doutora Helena V. G. Navas UNIDEMI, DEMI-FCT/UNL Mestre David F. N. Braga SEW-EURODRIVE

Leia mais

CARTA DE CORREÇÃO III

CARTA DE CORREÇÃO III CARTA DE CORREÇÃO III PREGÃO PRESENCIAL Nº 05/2013 ALTERAR DE: APARELHO DE RAIO-X FIXO DE NO MÍNIMO 500 MA COM GERADOR DE ALTA FREQÜÊNCIA E COM AS SEGUINTES ESPECIFICAÇÕES: POTÊNCIA NOMINAL MÁXIMA DE,

Leia mais

ENGENHEIRO ELETRICISTA

ENGENHEIRO ELETRICISTA ENGENHEIRO ELETRICISTA QUESTÃO 01 O projeto de uma S.E. consumidora prevê dois transformadores, operando em paralelo, com as seguintes características: 500kVA, 13800//220/127V, Z = 5% sob 13.8KV; I n =

Leia mais

KSB ETA. Bomba Centrífuga para Uso Geral. 1. Aplicação. 3. Denominação KSB ETA 80-40 / 2. 2. Descrição Geral. 4. Dados de Operação

KSB ETA. Bomba Centrífuga para Uso Geral. 1. Aplicação. 3. Denominação KSB ETA 80-40 / 2. 2. Descrição Geral. 4. Dados de Operação Manual Técnico e Curvas Características Nº A1150.0P/3 Bomba Centrífuga para Uso Geral 1. Aplicação A bomba é indicada para o bombeamento de líquidos limpos ou turvos e encontra aplicação preferencial em

Leia mais

Empilhadeiras. Orientação: Fernando Gabriel Eguia Pereira Soares

Empilhadeiras. Orientação: Fernando Gabriel Eguia Pereira Soares Empilhadeiras Elaboração: Guido Alves Slavec RA: 200937 Antônio Carlos de Souza Leme RA: 200008 Allan Spagnolo Benites RA: 110050 Felipe Saturnino Tonheiro Carlos RA: 200407 Sandro Aparecido Pereira Faria

Leia mais

REGULAMENTO 1/2005. Maria Jorge Correia Divisão de Bem Estar Animal

REGULAMENTO 1/2005. Maria Jorge Correia Divisão de Bem Estar Animal BEM ESTAR DOS ANIMAIS EM TRANSPORTE REGULAMENTO 1/2005 Maria Jorge Correia Divisão de Bem Estar Animal DGV REGULAMENTO 1/2005 DECRETO-LEI Nº 265/07 REGRAS DO TRANSPORTE DE ANIMAIS VERTEBRADOS TRANSPORTES

Leia mais

8. MISTURAS ASFÁLTICAS

8. MISTURAS ASFÁLTICAS 8. MISTURAS ASFÁLTICAS CONCEITUAÇÃO Produtos obtidos em usina, a quente ou a frio, envolvendo agregados e ligantes asfálticos, adequadamente. CLASSIFICAÇÃO Pré misturados a quente (PMQ) - Temperatura 121

Leia mais

Proteção Econômica Contra Desgaste para a Mineradoras e Usinas de Beneficiamento

Proteção Econômica Contra Desgaste para a Mineradoras e Usinas de Beneficiamento Edição 01.10 www.kalenborn.de Proteção Econômica Contra Desgaste para a Mineradoras e Usinas de Beneficiamento Reduza Custos e Evite Paradas Grandes quantidades de matéria bruta são movimentadas nos sistemas

Leia mais

1 ATUADORES HIDRÁULICOS

1 ATUADORES HIDRÁULICOS 1 ATUADORES HIDRÁULICOS Danniela Rosa Sua função é aplicar ou fazer atuar energia mecânica sobre uma máquina, levando-a a realizar um determinado trabalho. Aliás, o motor elétrico também é um tipo de atuador.

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO PARA OBRAS DE DRENAGEM PAVIMENTAÇÃO, OBRAS E SINALIZAÇÃO

MEMORIAL DESCRITIVO PARA OBRAS DE DRENAGEM PAVIMENTAÇÃO, OBRAS E SINALIZAÇÃO MEMORIAL DESCRITIVO PARA OBRAS DE DRENAGEM PAVIMENTAÇÃO, OBRAS E SINALIZAÇÃO GENERALIDADES: O presente memorial tem por objetivo descrever os procedimentos que serão utilizados para a pavimentação asfáltica

Leia mais

SELEÇÃO DE EQUIPAMENTOS AGRICOLAS

SELEÇÃO DE EQUIPAMENTOS AGRICOLAS SELEÇÃO DE EQUIPAMENTOS AGRICOLAS Evandro Chartuni Mantovani 1. INTRODUÇÃO A seleção econômica de equipamentos complexo por várias razões: agrícolas é um problema A maioria das propriedades agrícolas é

Leia mais

MONITORAÇÃO DE EQUIPAMENTOS VIA ANÁLISE DE SINAIS DE VIBRAÇÃO INTRODUÇÃO À MANUTENÇÃO PREDITIVA

MONITORAÇÃO DE EQUIPAMENTOS VIA ANÁLISE DE SINAIS DE VIBRAÇÃO INTRODUÇÃO À MANUTENÇÃO PREDITIVA MONITORAÇÃO DE EQUIPAMENTOS VIA ANÁLISE DE SINAIS DE VIBRAÇÃO INTRODUÇÃO À MANUTENÇÃO PREDITIVA MONITORAÇÃO DE EQUIPAMENTOS VIA ANÁLISE DE SINAIS OBJETIVOS Avaliação do Estado de Funcionamento. Identificação,

Leia mais

Há mais de 10 anos, a OMNI CS faz um trabalho diferenciado no campo da mineração e tratamento mineral.

Há mais de 10 anos, a OMNI CS faz um trabalho diferenciado no campo da mineração e tratamento mineral. 2 A Empresa Há mais de 10 anos, a OMNI CS faz um trabalho diferenciado no campo da mineração e tratamento mineral. Isso mostra porque, hoje é uma referência no mercado nacional, com clientes em vários

Leia mais

Cana Crua X Extração. A Usina em números 13º Seminário Brasileiro Agroindustrial Ribeirão Preto SP 24 e 25/10/2012

Cana Crua X Extração. A Usina em números 13º Seminário Brasileiro Agroindustrial Ribeirão Preto SP 24 e 25/10/2012 Cana Crua X Extração A Usina em números 13º Seminário Brasileiro Agroindustrial Ribeirão Preto SP 24 e 25/10/2012 Índice Evolução do Sistema de Limpeza...03 Influência da Limpeza na Extração...29 Avaliação

Leia mais

Novos Métodos para. Dimensionamento Sísmico de Estruturas

Novos Métodos para. Dimensionamento Sísmico de Estruturas Novos Métodos para Dimensionamento Sísmico de Estruturas Rita Bento Instituto Superior Técnico Junho 2003 Ciclo de Palestras em Engenharia Civil 2003 Universidade Nova de Lisboa Centro de Investigação

Leia mais

Troca Tela Hidráulico. Banheira de Inox de 3.0 ou 5.0m. Sensor de pressão no cabeçote (1 estágio);

Troca Tela Hidráulico. Banheira de Inox de 3.0 ou 5.0m. Sensor de pressão no cabeçote (1 estágio); Extrusora LDA - SJP Extrusora LDD - SJP Extrusora LDF - SJP Extrusoras para Laboratório YD 30 SJSL 20 Extrusora de Alta Performance SJSL 63 Ventoinha de Transporte LCF - 3 a 5 Secador de Espaguete CF -

Leia mais