Mapeamento GRH. 1. Introdução

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Mapeamento GRH. 1. Introdução"

Transcrição

1 Mapeamento GRH 1. Introdução 1.1. Finalidade Este documento tem duas finalidades principais: a) Averiguar semelhanças e diferenças entre modelos, normas e guias de boas práticas para gestão de recursos humanos largamente utilizados no mercado; b) Apresentar um framework de processo para gestão de recursos humanos que implemente as práticas identificadas em a Escopo Neste documento, serão apresentados modelos, normas e guias de boas práticas para gestão de recursos humanos. A Gerência de Recursos Humanos é definida como uma abordagem estratégica e coerente de gerência dos recursos mais importantes de uma organização: as pessoas as quais, trabalhando individualmente e coletivamente, contribuem para a satisfação dos objetivos do negócio. Em outras palavras, gerenciar recursos humanos implica em contratar pessoas, desenvolver suas capacidades, mantê-las e recompensá-las pelos serviços prestados de acordo com o trabalho realizado e as políticas organizacionais. Ainda, a gestão de recursos humanos pode ser entendida como um conjunto de políticas interligadas com uma fundação ideológica e filosófica. O framework de processo a ser proposto deve estar em conformidade com as práticas identificadas para assegurar sua qualidade Definições CASE Computer-Aided Software Engineering CMMI Capability Maturity Model Integration CMMI-DEV CMMI for Development GRH Gerência de Recursos Humanos IEC International Electrotechnical Commission ISO International Organization for Standardization KM Knowledge Management MR-MPS Modelo de referência do MPS.BR MPS.BR Melhoria do Processo de Software Brasileiro PMBOK Project Management Body of Knowledge

2 PMI Project Management Institute SEI Software Engineering Institute SOFTEX Associação para Promoção da Excelência do Software Brasileiro 1.4. Referências Guia de Implementação Parte 2: Fundamentação para Implementação do Nível F do MR-MPS Um Guia do Conhecimento em Gerenciamento de Projetos (Guia PMBOK) 4ª Edição CMMI for Development, Version 1.3 ISO/IEC Mapeamento Modelo(s) 2.1. Objetivo do Mapeamento Este mapeamento objetiva analisar e comparar as práticas definidas para o processo de Gerência Recursos Humanos tendo como base os Resultados Esperados e Tarefas definidos na norma ISO/IEC Foi analisada a aderência desta às recomendações do MR-MPS, CMMI-DEV e PMBOK. A partir deste mapeamento pretende-se observar possíveis pontos complementares entre os modelos e as evidências necessárias a serem geradas, para então propor um framework de processo para GRH Modelos(s)/Norma(s) Envolvido(s) Para o contexto desta pesquisa, serão mapeadas as práticas do modelo MR-MPS e da norma ISO/IEC 12207, no que tange o processo de Gerência de Recursos Humanos. Demais modelos e padrões de gestão de portfólio que não estão diretamente ligados ao desenvolvimento de software, não serão levados em consideração neste momento, porém serão utilizados como base teórica durante a definição do framework a ser proposto. a) ISO/IEC a. Objetivo da Norma: Fornecer um conjunto definido de processos para facilitar a comunicação entre os adquirentes, fornecedores e stakeholders do ciclo de vida de um produto de software.

3 b) MR-MPS b. Processo: Gestão de Recursos Humanos. c. Objetivo do Processo: O propósito do Processo de Gestão de Portfólio de Projetos é fornecer à organização recursos humanos necessários consistentes com as necessidades do negócio. O processo garante o fornecimento de uma equipe com experiência, capacitada e qualificada para a realização de processos de ciclo de vida de modo a alcançar os objetivos da organização, do projeto e dos clientes. Este processo proporciona o investimento de recursos físicos e financeiros adequados, e aprova as autoridades necessárias para o estabelecimento dos projetos selecionados. Realizar qualificação contínua de projetos, a fim de confirmar que eles justificam, ou podem ser redirecionados a justificarem, investimento contínuo. d. Item a ser Mapeado do Modelo/Norma: Tarefas e. Objetivo do Item: Requisito, recomendação, ou ação permitida, destinada a contribuir com a realização de um ou mais resultados esperados de um processo a. Objetivo do Modelo: O Modelo de Referência MR-MPS contém os requisitos que os processos das unidades organizacionais devem atender para estar em conformidade com o MR-MPS. Ele contém as definições dos níveis de maturidade, processos e atributos do processo. O MR-MPS está em conformidade com os requisitos de modelos de referência de processo da Norma Internacional ISO/IEC b. Processo: Gerência de Recursos Humanos; Gerência de Projetos e Gerência de Portfólio de Projetos c. Objetivo do Processo: O propósito do processo Gerência de Recursos Humanos é prover a organização e os projetos com os recursos humanos necessários e manter suas competências adequadas às necessidades do negócio. O processo Gerência de Recursos Humanos deve ser visto numa perspectiva abrangente na organização para que pessoal qualificado e experiente seja disponibilizado para desempenhar os diversos processos em execução, de forma a atingir os objetivos da organização e dos projetos, bem como satisfazer necessidades e restrições dos clientes.

4 c) CMMI-DEV O propósito do processo Gerência de Projetos é estabelecer e manter planos que definem as atividades, recursos e responsabilidades do projeto, bem como prover informações sobre o andamento do projeto que permitam a realização de correções quando houver desvios significativos no desempenho do projeto. O propósito deste processo evolui à medida que a organização cresce em maturidade. Assim, a partir do nível E, alguns resultados evoluem e outros são incorporados, de forma que a gerência de projetos passe a ser realizada com base no processo definido para o projeto e nos planos integrados. No nível B, a gerência de projetos passa a ter um enfoque quantitativo, refletindo a alta maturidade que se espera da organização. Novamente, alguns resultados evoluem e outros são incorporados. O propósito do processo Gerência de Portfólio de Projetos é iniciar e manter projetos que sejam necessários, suficientes e sustentáveis, de forma a atender os objetivos estratégicos da organização. Este processo compromete o investimento e os recursos organizacionais adequados e estabelece a autoridade necessária para executar os projetos selecionados. Ele executa a qualificação contínua e projetos para confirmar que eles justificam a continuidade dos investimentos, ou podem ser redirecionados para justificar. d. Item a ser Mapeado do Modelo/Norma: Resultados Esperados. e. Objetivo do Item: Um resultado observável do sucesso do alcance do propósito do processo. a. Objetivo do Modelo/Norma: O modelo CMMI-DEV fornece orientações para aplicar as boas práticas do CMMI em uma organização desenvolvedora de software. Boas práticas no modelo focam em atividades para desenvolver produtos e serviços de qualidade ao encontro das expectativas dos clientes e usuários. O modelo CMMI-DEV V1.3 é uma coleção de boas práticas de desenvolvimento recolhidas em organizações do governo dos Estados Unidos e da indústria. Estas boas práticas foram generalizadas do documento CMMI V1.3 Architecture and Framework. b. Processo/Área de Processo: Treinamento Organizacional e Planejamento do Projeto c. Objetivo da Área de Processo: The purpose of Organizational Training (OT) is to develop skills and knowledge of people so they can perform their roles effectively and efficiently. Organizational Training addresses training provided to support the organization s strategic

5 business objectives and to meet the tactical training needs that are common across projects and support groups. Training needs identified by individual projects and support groups to meet their specific needs are handled at the project and support group level and are outside the scope of the Organizational Training process area. The purpose of Project Planning (PP) is to establish and maintain plans that define project activities. One of the keys to effectively managing a project is project planning. The Project Planning process area involves the following activities: Developing the project plan; Interacting with relevant stakeholders appropriately; Getting commitment to the plan; Maintaining the plan; d) PMBOK d. Item a ser Mapeado do Modelo: Práticas Específicas. e. Objetivo do Item: Práticas necessárias à maturidade em disciplinas específicas. a. Objetivo do Guia: Identificar um subconjunto do conjunto de conhecimentos em gerenciamento de projetos, que é amplamente reconhecido como boa prática, sendo em razão disso, utilizado como base pelo Project Management Institute (PMI). b. Área de Conhecimento: Gerenciamento de Recursos Humanos de Projeto c. Objetivo da Área de Conhecimento: Incluir os processos que organizam e gerenciam a equipe de projeto. A equipe de projeto consiste nas pessoas com papéis e responsabilidades designadas para a conclusão do projeto. d. Item a ser Mapeado do Guia: Artefatos de entrada/saída ou técnicas apresentadas nos Processos. e. Objetivo do Item: O objetivo do Processo é fornecer um conjunto de ações e atividades inter-relacionadas, que são executadas para alcançar um produto, resultado ou serviço predefinido.

6 Id. Tarefas do Processo de Gestão de Recursos Humanos da Norma ISO/IEC (a) A revisão dos requisitos do projeto e da organização deve ser conduzida de modo a estabelecer e fornecer no tempo certo para a aquisição ou desenvolvimento de recursos e habilidade necessários pela equipe técnica e gerência. Resultados Esperados do Processo de Gerência de Portfólio do MR- MPS GRH1 - Uma revisão das necessidades estratégicas da organização e dos projetos é conduzida para identificar recursos, conhecimentos e habilidades requeridos e, de acordo com a necessidade, desenvolvê-los ou contratá-los; Práticas Específicas da Área de Processo de Treinamento Organizacional do CMMI-DEV SP Establish Strategic Training Needs: Establish and maintain strategic training needs of the organization. Processos da Área de Conhecimento de Gerenciamento de Recursos Humanos de Projeto do PMBOK 9.1 Desenvolver Plano de Recursos Humanos (artefato Plano de Recursos Humanos, seção Plano de Gerenciamento de Pessoal, subseção Definição das necessidades de treinamento) Práticas Associadas Justificativa Relevância para o Processo Identificar/Rever Necessidades Organizacionais A Norma ISO/IEC apresenta objetivos alinhados aos do Modelo MR- MPS, pois ambas fazem a revisão das necessidades estratégicas da organização e dos projetos. No entanto, para o Modelo CMMI-DEV, apenas são importantes as necessidades de treinamento, retirando do escopo a necessidade de aquisição de recursos humanos. O Este mapeamento será importante para o início do Framework para Gestão de Recursos Humanos. Portanto, as necessidades estratégicas da organização e dos projetos envolvendo contratação e treinamentos de recursos humanos devem ser descritas com base nos Requisitos de Recursos das Atividades e dos Fatores ambientais da empresa, ou documentos semelhantes, conforme proposto

7 Guia PMBOK apresenta recomendações aderentes ao ter como artefato de entrada os Requisitos de recursos das atividades e os Fatores ambientais da empresa e, como artefato de saída, um Plano de Recursos Humanos que possui, entre outras seções, uma seção dedicada ao Plano de Gerenciamento de Pessoal, que inclui a definição das necessidades de treinamento. Para tal, são levados em consideração os pelo PMBOK.

8 Fatores Ambientais da Empresa (a) Estabelecer um programa sistemático de recrutamento de mão de obra qualificada que satisfaça as necessidades da organização e dos projetos. Essas necessidades podem ser satisfeitas através de recrutamento. GRH 2 -Indivíduos com as habilidades e competências requeridas são identificados e recrutados; Não contemplado 9.1 Desenvolver Plano de Recursos Humanos (artefato de entrada Requisitos de Recursos das Atividades) 9.2 Mobilizar a Equipe do Projeto (artefato de entrada Fatores ambientais da Empresa, subseção Recursos Humanos Existentes). Planejar Recrutamento; Definir Critérios de Avaliação de Recrutamento; Recrutar Recursos Humanos A Norma ISO/IEC é mais abrangente que o modelo MR-MPS. Enquanto o primeiro estabelece a necessidade de haver um programa de recrutamento de mão de obra, o último explicita apenas que esta mão de obra deve ser compatível com os requisitos de competência. O PMBOK estabelece as necessidades de recursos Humanos, no entanto carece de um planejamento sistemático de recrutamento de Recursos Humanos, apesar de citar que a contratação é uma Este mapeamento aponta a necessidade de haver um programa sistemático de contratação de recursos humanos. Este programa deve levar em conta as necessidades da organização e dos projetos envolvendo contratação, definidas no Mapeamento 1.

9 opção para desenvolver a equipe do projeto (b) Dar oportunidade para o desenvolvimento de carreira da equipe existente. Não contemplado Não contemplado Não contemplado Desenvolver Sistema de Recompensas. A norma ISO/IEC apresenta um exemplo de reconhecimento e recompensas, que poderá ser feito com o desenvolvimento de um plano de O Framework deve possuir uma atividade onde possa ser planejado o desenvolvimento das carreiras dos membros da organização bem como outros meios de recompensas.

10 carreira. Vale salientar que o orçamento da organização e suas metas devem ser levados em consideração. 4 Não contemplado Não contemplado Não contemplado 9.3 Desenvolver a Equipe de Projeto (ferramentas e técnicas: Reconhecimento e recompensas) O guia PMBOK, Propõe, além do desenvolvimento de carreira, o desenvolvimento contínuo da equipe com Reconhecimento e recompensas, incluindo bônus salarial, viagens, treinamentos, entre outros, fornecendo desafios e oportunidades. O Framework deve possuir uma atividade que permita o planejamento além de um plano de desenvolvimento de carreia, mais também o planejamento de outras formas de recompensas, como: bônus salarial, viagens, treinamento, participação nos

11 lucros e resultados, entre outros. Lembrando sempre que o orçamento, objetivo estratégico e metas da organização devem ser levados em consideração (c) Essas necessidades podem ser satisfeitas através de treinamento e outros mecanismos de desenvolvimento de equipe. GRH 3 - As necessidades de treinamento que são responsabilidade da organização são identificadas; SP Determine Which Training Needs Are the Responsibility of the Organization: Determine which training needs are the responsibility of the organization and which are left to the individual project or support group. 9.1 Desenvolver Plano de Recursos Humanos (artefato de saída Plano de Gerenciamento de Pessoal, subseção Necessidades de Treinamento). Determinar Necessidades de Treinamento Os modelos MR-MPS e CMMI-DEV apresentam o mesmo escopo. Adicionalmente, a Norma ISO/IEC apresenta como as necessidades de treinamento devem ser satisfeitas: através de treinamento e outros mecanismos de desenvolvimento de equipe. O PMBOK também cita a importância de Ao identificar as necessidades de treinamento, é importante identificar se são responsabilidade da organização ou do projeto. Este mapeamento, portanto, pode se tornar um passo dentro da atividade de definir necessidades de treinamento.

12 Os tipos e níveis de treinamento e conhecimento necessários para satisfazer os requisitos do projeto e da organização devem ser determinados. GRH 4 - Uma estratégia de treinamento é definida, com o objetivo de atender às necessidades de treinamento dos projetos e da organização; SP Establish a Training Capability: Establish and maintain a training capability to address organizational training needs. 9.1 Desenvolver Plano de Recursos Humanos (artefato de entrada Requisitos de Recursos das Atividades) Planejar treinamentos necessários Identificar as necessidades de treinamento, no entanto apenas no escopo do projeto, devido ao seu foco. Os modelos MR-MPS e CMMI-DEV possuem objetivos alinhados. No entanto, a Norma ISO/IEC determina como a estratégia de treinamento deve ser definida: através da determinação dos tipos e níveis de conhecimento necessários. O PMBOK apresenta uma abordagem reativa para o problema: conhecimentos necessários devem ser avaliados ao longo do desenvolvimento do As necessidades de treinamento devem ser revisadas, e a partir disso a estratégia de treinamento deve ser definida. Esta estratégia de treinamento deve ser compatível com a disponibilidade dos recursos humanos e com os treinamentos a serem realizados.

13 Convém que um plano de treinamento, indicando cronogramas de implementação, requisitos de recurso e necessidade dos treinamentos seja desenvolvido e documentado. GRH 5 - Um plano tático de treinamento é definido, com o objetivo de implementar a estratégia de treinamento; SP Establish an Organizational Training Tactical Plan: Establish and maintain an organizational training tactical plan. 9.1 Desenvolver Plano de Recursos Humanos (artefato de saída Plano de Gerenciamento de Pessoal, subseção Necessidades de Treinamento). Planejar Estratégia de Treinamento projeto. Os modelos MR-MPS e CMMI-DEV possuem objetivos alinhados. A Norma ISO/IEC 12207, novamente, indica como a prática do Plano Tático de Treinamento deve ser realizada: indicando cronogramas de implementação, requisitos de recurso e necessidade dos treinamentos. O PMBOK apresenta o planejamento de como o treinamento deve ser realizado em compatibilidade com a disponibilidade de tempo dos recursos humanos na mesma seção que identifica os treinamentos necessários. Esta prática engloba os mapeamentos de 1 a 5 no que se refere a treinamento. O planejamento do treinamento deve possuir, entre outras informações, cronogramas de implementação, requisitos de recurso e necessidade dos treinamentos. Vale salientar que as recomendações do PMBOK são válidas para este mapeamento no que diz respeito à compatibilidade com a disponibilidade de tempo dos recursos humanos.

14 O plano de treinamento deve ser implementado de modo a fornecer treinamento à equipe. Convém que registros de treinamento sejam retidos. GRH 6 - Os treinamentos identificados como sendo responsabilidade da organização são conduzidos e registrados; SP Deliver Training: Deliver training following the organizational training tactical plan. SP Establish Training Records: Establish and maintain records of organizational training. 9.3 Desenvolver a Equipe de Projeto (ferramentas e técnicas: Treinamento) Executar Treinamento de Recursos Humanos A Norma ISO/IEC e os modelos MR-MPS e CMMI- DEV possuem objetivos alinhados, no entanto o Modelo CMMI-DEV apresenta práticas específicas fragmentadas que apoiam um único resultado esperado na Norma ISO/IEC e no Modelo MR-MPS, pois separa a necessidade de haver e conduzir um plano tático de treinamento e a necessidade de registrar os treinamentos realizados. Estas Recomendações estão em conformidade com o PMBOK, pois o ato de treinar a equipe Este mapeamento apresenta a importância de aplicar a estratégia de treinamento conforme planejado. Adicionalmente, é importante manter registros destes treinamentos.

15 Convém garantir que a combinação e categorias corretas de equipe treinada de maneira apropriada estejam disponíveis para as atividades e tarefas planejadas em tempo hábil Definir critérios objetivos que possam ser utilizados para avaliar o desempenho da equipe. GRH 7 - A efetividade do treinamento é avaliada; SP Assess Training Effectiveness: Assess the effectiveness of the organization s training program. 9.3 Desenvolver a Equipe de Projeto (artefato de saída Avaliações do Desempenho da Equipe) Avaliar Efetividade do Treinamento do projeto deve estar em conformidade com o plano de Recursos Humanos, na seção Necessidades de Treinamento. Os modelos MR-MPS e CMMI-DEV possuem objetivos alinhados. No entanto estas possuem um relacionamento indireto com a Norma ISO/IEC 12207, pois para que a combinação e categorias corretas de equipe estejam disponíveis, é necessário que as mesma seja avaliada. No PMBOK, é citado que a avaliação do desempenho da equipe pode ser utilizada para comparar a Este mapeamento apresenta a necessidade de avaliar o desempenho do treinamento. Portanto, atividades e métodos relacionados a isto devem constar no framework.

16 Definir Critérios objetivos que possam ser utilizados para avaliar o desempenho da equipe Avaliar o desempenho da equipe quanto às suas contribuições para o alcance das metas da organização e do projeto Garantir que o feedback seja fornecido para a equipe sobre os resultados de todas as avaliações Reter registros adequados GRH 8 - Critérios objetivos para avaliação do desempenho de grupos e indivíduos são definidos e monitorados para prover informações sobre este desempenho e melhorá-lo; Não contemplado 9.3 Desenvolver a Equipe de Projeto (artefato de saída Avaliações do Desempenho da Equipe) Definir Critérios de Avaliação de Efetividade dos Recursos Humanos Avaliar Efetividade dos Recursos Humanos Informar Equipe Sobre Resultado das Avaliações de Efetividade Registrar Avaliações de Efetividade de efetividade do recurso humano antes e depois de realizar um determinado treinamento. O Modelo MR-MPS aglutina elementos da Norma ISO/IEC Estes elementos são: (a) a necessidade de definir critérios objetivos para avaliar o desempenho dos indivíduos; (b) a necessidade de monitorar o desempenho utilizando estes critérios objetivos; (c) avaliar o desempenho monitorado. A Norma ISO/IEC acrescenta, ainda, a necessidade de reter registros Os modelos, guia e norma, sobrepostos, apresentam uma estrutura que será refletida no framework como avaliação e análise para melhoria dos recursos humanos.

17 do desempenho da equipe, incluindo informações sobre habilidade, treinamento realizado e avaliações de desempenho. Recursos Humanos adequados do desempenho da equipe, a qual, apesar de não estar presente no Modelo MR-MPS, é consequência dos itens supracitados. A avaliação do desempenho da equipe constante no PMBOK inclui a definição de critérios por todas as partes apropriadas, bem como acrescenta a possibilidade de avaliações informais. Adicionalmente, são apresentados indicadores de avaliação de eficácia. Vale ressaltar que, de acordo com a abordagem do PMBOK, esta avaliação é feita levando em consideração a

18 equipe em conjunto A organização deve planejar os requisitos para a administração dos Ativos de conhecimento da organização. O Planejamento deve incluir a definição da infraestrutura e treinamento para dar suporte aos contribuidores e aos usuários dos ativos de conhecimento da organização, o esquema de classificação dos Ativos e critérios A organização deve estabelecer uma rede de especialistas dentro da organização. A rede deve conter a GRH 9 - Uma estratégia apropriada de gerência de conhecimento é planejada, estabelecida e mantida para compartilhar informações na organização; GRH 10 - Uma rede de especialistas na organização é estabelecida e um mecanismo de apoio à troca de informações entre Definir Conceito de Ativos de Conhecimento; Realizar Treinamento em Ativos de Conhecimento Estabelecer Rede de Especialistas A Norma ISO/IEC e o Modelo MR-MPS possuem objetivos alinhados. No entanto, o Modelo MR-MPS acrescenta a necessidade de estabelecer e manter a estratégia de gerência de conhecimento, enquanto que a Norma ISO/IEC cita apenas o planejamento da estratégia de gerência de conhecimento. O Modelo MR-MPS aglutina elementos da Norma ISO/IEC Estes elementos são: (a) a necessidade de estabelecer uma Este mapeamento tem como finalidade iniciar a gerência de conhecimento no contexto do framework. As duas principais atividades oriundas são: definição de ativos de conhecimento e planejamento de treinamento para manipulação de ativos de conhecimento. Este mapeamento resulta em duas operações a serem realizadas no contexto do framwork: estabelecimento da

19 identificação dos especialistas da organização, uma lista das áreas de habilidades e a identificação de informação disponível dentro de um esquema de classificação, por exemplo, área de conhecimento. A organização deve garantir que uma rede seja mantida atualizada A organização deve estabelecer um mecanismo que sustente a troca de informação entre os especialistas e o fluxo de informações para os projetos da organização. O mecanismo deve sustentar os requisitos da os especialistas e os projetos é implementado; Estabelecer Mecanismo de Apoio à Troca de Informações rede de especialistas na organização; e (b) a necessidade de estabelecer um mecanismo de troca de informações para facilitar a transferência de conhecimento. No entanto, a Norma ISO/IEC apresenta em seu escopo especificações não abordadas no Modelo MR-MPS, tais como características importantes a respeito da rede de especialistas (presente em 4.2), a necessidade de atualização desta rede de especialistas e o fato do mecanismo de troca de informações dever sustentar os rede de especialistas e estabelecimento do mecanismo de apoio à troca de informações entre os especialistas. Estas atividades devem levar em consideração as avaliações de seus recursos humanos e as políticas de privacidade da organização, respectivamente.

20 organização quanto ao acesso, armazenamento e recuperação. requisitos da organização quanto ao acesso, armazenamento e recuperação A organização deve realizar a gestão de configuração de ativos de acordo com o processo de Gestão de Configuração especificado na subseção As organizações devem obter e manter informações de acesso pela organização de acordo com o plano GRH 11 - O conhecimento é disponibilizado e compartilhado na organização. Apoiar Aquisição de Conhecimento A prática de disponibilização de ativos de conhecimento na organização, apesar de estarem alinhadas quanto ao objetivo, diferem muito na execução: enquanto o Modelo MR-MPS deixa livre a escolha do método de dispobilização e compartilhamento dos ativos de conhecimento, a Norma ISO/IEC estabelece que estes ativos devem ser tratados como itens de configuração, com todas as Este mapeamento impacta na forma como os ativos de conhecimento são gerenciados na organização.

21 Definir as necessidades da organização e do projeto para as equipes do projeto. Definir a estrutura da equipe e as regras operacionais. GPR 7 - Os recursos humanos para o projeto são planejados considerando o perfil e o conhecimento necessários para executá-lo; SP Plan Needed Knowledge and Skills: Plan for knowledge and skills needed to perform the project. 9.1 Desenvolver um Plano de Recursos Humanos. Definir Estrutura da Equipe consequências que este tratamento traz: acesso, modificação e versionamento formalizados segundo a política de Gestão de Configuração. As práticas da Norma ISO/IEC encontram paralelo nos processos de Gerência de Projetos e Project Planning, presentes nos modelos MR-MPS e CMMI-DEV, respectivamente. No entanto, a norma ISO/IEC e os modelos CMMI-DEV e MR-MPS estabelecem a necessidade de realizar o planejamento de recursos humanos, determinando e documentando Este mapeamento apresenta a necessidade de definir a estrutura da equipe e suas regras operacionais. Esta estrutura deve levar em conta principalmente o esforço e as habilidades necessárias para a execução do trabalho. Esta atividade deve estar no escopo da instanciação dos projetos.

22 (a) Estimular as equipes a realizarem seu papel, garantindo que tenham: (a) Um GPR 12 - O Plano do Projeto é revisado com todos os interessados e o compromisso com ele é obtido; SP Review Plans That Affect the Project SP Reconcile Work and Resource Levels 9.1 Desenvolver Plano de Recursos Humanos (artefato de saída Plano de Recursos Humanos, Revisar Planos Pertinentes com a Equipe papéis, responsabilidades, habilidades necessárias e relações hierárquicas do projeto criando um plano de gerenciamento de pessoal. Para tal, é possível utilizar técnicas como organogramas e definições de cargos, grafos, matrizes ou texto como no PMOBOK. Finalmente, a Norma ISO/IEC é mais abrangente pois tem em seu escopo as necessidades da organização, e não apenas dos projetos. O objetivo do resultado esperado da norma ISO/IEC até o item c ao se utilizar as recomendações do Outra atividade a ser realizada no escopo do projeto. Este mapeamento aponta a necessidade de revisar os planos

23 entendimento de seu papel no Projeto; (b) Uma visão compartilhada ou senso dos interesses comuns em relação ao sucesso do projeto; (c) Mecanismos apropriados ou instalações para Comunicação e interações entre as equipes; (b) (d) Suporte da gerência apropriada para alcançar os requisitos do projeto GPR 16- O envolvimento das partes interessadas no projeto é planejado, monitorado e mantido; SP Obtain Plan Commitment subseção Papéis e Responsabilidades) 9.4 Gerenciar a Equipe do Projeto (ferramentas e técnicas Observação e Conversas) 9.4 Gerenciar a Equipe do Projeto Gerenciar Conflitos da Equipe MR-MPS e CMMI- DEV. O PMBOK descreve em detalhe como o entendimento do papel dos recursos humanos no projeto deve ser transmitido, e que mecanismos utilizar para habilitar a comunicação entre os membros da equipe, mas sem demonstrar preocupação com a comunicação entre as equipes apresentada na norma ISO/IEC O Gerenciamento adequado da equipe do Projeto, sugerido pela norma ISO/IEC e pelo modelo MR-MPS é amplamente discutido no PMBOK, necessários com a equipe, obtendo (a) Um entendimento de seu papel no Projeto; (b) Uma visão compartilhada ou senso dos interesses comuns em relação ao sucesso do projeto; (c) Mecanismos apropriados ou instalações para Comunicação e interações entre as equipes; Conforme explicitado pela norma ISO/IEC Esta atividade é amplamente discutida no PMBOK. A equipe de gerenciamento, ou gerente de projetos, deve acompanhar o desempenho de

24 Convém garantir que a combinação e categorias corretas de equipe treinada de maneira apropriada estejam disponíveis para as GPP 2 Os recursos e orçamentos para cada projeto são identificados e alocados; 9.2 Mobilizar a Equipe de Projeto Avaliar Disponibilidade de Recursos Humanos o qual engloba: Observação e Conversas; Avaliações do Desempenho do Projeto; Gerenciamento de conflitos; Registros das Questões e Habilidades Interpessoais. No, a recomendação da norma ISO/IEC é mais abrangente, haja vista que abrange não somente o gestor de Recursos Humanos, e sim o gestor de cada área da organização. A norma ISSO/IEC 12207, MPS e PMBOK possuem os objetivos alinhados pois explicitam a necessidade da garantia de que a equipe apropriada membros da equipe, fornecer feedback, resolver questões e gerenciar mudanças para otimizar o desempenho dos membros da equipe. Este mapeamento resulta em avaliar a disponibilidade de tempo dos recursos humanos e garantir que não aconteça sobreposições de horários. Vale

25 atividades planejadas em tempo hábil seja designada, treinada e alocada corretamente conforme necessário. salientar que, como atividade de apoio, o PMBOK apresenta boas práticas de como mobilizar estes recursos. Como consequência, deve haver uma atividade para resolução de conflitos de alocação de recursos humanos.

Introdução ao Modelo de Referência para melhoria do processo de software (MR mps) Projeto: mps Br melhoria de processo do software Brasileiro

Introdução ao Modelo de Referência para melhoria do processo de software (MR mps) Projeto: mps Br melhoria de processo do software Brasileiro Introdução ao Modelo de Referência para melhoria do processo de software (MR mps) Realidade das Empresas Brasileiras ISO/IEC 12207 ISO/IEC 15504 CMMI Softex Governo Universidades Modelo de Referência para

Leia mais

Definição do Framework de Execução de Processos Spider-PE

Definição do Framework de Execução de Processos Spider-PE Definição do Framework de Execução de Processos Spider-PE 1. INTRODUÇÃO 1.1 Finalidade Este documento define um framework de execução de processos de software, denominado Spider-PE (Process Enactment),

Leia mais

Este atributo evidencia o quanto o processo atinge o seu propósito

Este atributo evidencia o quanto o processo atinge o seu propósito Alterações no Guia Geral:2011 Este documento lista todas as alterações realizadas nos resultados esperados de processos e resultados esperados de atributos de processo presentes no MR-MPS versão de 2011

Leia mais

Novidades do Guia PMBOK 5ª edição

Novidades do Guia PMBOK 5ª edição Novidades do Guia PMBOK 5ª edição Mauro Sotille, PMP O Guia PMBOK 5 a edição (A Guide to the Project Management Body of Knowledge (PMBOK Guide) Fifth Edition), em Inglês, foi lançado oficialmente pelo

Leia mais

Políticas de Qualidade em TI

Políticas de Qualidade em TI Políticas de Qualidade em TI Aula 05 MPS.BR (ago/12) Melhoria de Processo do Software Brasileiro Prof. www.edilms.eti.br edilms@yahoo.com Agenda Descrição sumária do MPS.BR - Melhoria de Processo do Software

Leia mais

3 Gerenciamento de Projetos

3 Gerenciamento de Projetos 34 3 Gerenciamento de Projetos Neste capítulo, será abordado o tema de gerenciamento de projetos, iniciando na seção 3.1 um estudo de bibliografia sobre a definição do tema e a origem deste estudo. Na

Leia mais

Padrões de Qualidade de Software

Padrões de Qualidade de Software Universidade Federal do Vale do São Francisco Padrões de Qualidade de Software Engenharia de Software I Aula 4 Ricardo Argenton Ramos Agenda da Aula Introdução (Qualidade de Software) Padrões de Qualidade

Leia mais

Processo de Software

Processo de Software Processo de Software Uma importante contribuição da área de pesquisa de processo de software tem sido a conscientização de que o desenvolvimento de software é um processo complexo. Pesquisadores e profissionais

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Introdução à Melhoria de Processos de Software baseado no MPS.BR Prof. Maxwell Anderson www.maxwellanderson.com.br Agenda Introdução MPS.BR MR-MPS Detalhando o MPS.BR nível G Introdução

Leia mais

A visão do modelo MPS.BR para Gerência de Projeto - Nível G. por Adriana Silveira de Souza

A visão do modelo MPS.BR para Gerência de Projeto - Nível G. por Adriana Silveira de Souza A visão do modelo MPS.BR para Gerência de Projeto - Nível G por Adriana Silveira de Souza Agenda Visão Geral do MPS.BR Processos e Capacidade de Processo Níveis de Maturidade Atributos de Processo Processo

Leia mais

PMBOK 4ª Edição III. O padrão de gerenciamento de projetos de um projeto

PMBOK 4ª Edição III. O padrão de gerenciamento de projetos de um projeto PMBOK 4ª Edição III O padrão de gerenciamento de projetos de um projeto 1 PMBOK 4ª Edição III Processos de gerenciamento de projetos de um projeto 2 Processos de gerenciamento de projetos de um projeto

Leia mais

CMMI. B) descrições das atividades consideradas importantes para o atendimento de suas respectivas metas específicas. Governo do ES (CESPE 2009)

CMMI. B) descrições das atividades consideradas importantes para o atendimento de suas respectivas metas específicas. Governo do ES (CESPE 2009) CMMI Governo do ES (CESPE 2009) Na versão 1.2 do CMMI, 111 os níveis de capacidade são definidos na abordagem de estágios. 112 os níveis de maturidade são definidos na abordagem contínua. 113 existem seis

Leia mais

Definição do Framework

Definição do Framework Definição do Framework 1. Introdução 1.1. Finalidade Este documento tem por finalidade apresentar o mapeamento dos processos de Definição de Processo Organizacional e Avaliação e Melhoria do Processo dos

Leia mais

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI)

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) APARECIDA DE GOIÂNIA 2014 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Áreas de processo por

Leia mais

Um Modelo de Sistema de Gestão da Segurança da Informação Baseado nas Normas ABNT NBR ISO/IEC 27001:2006, 27002:2005 e 27005:2008

Um Modelo de Sistema de Gestão da Segurança da Informação Baseado nas Normas ABNT NBR ISO/IEC 27001:2006, 27002:2005 e 27005:2008 REVISTA TELECOMUNICAÇÕES, VOL. 15, Nº01, JUNHO DE 2013 1 Um Modelo de Sistema de Gestão da Segurança da Baseado nas Normas ABNT NBR ISO/IEC 27001:2006, 27002:2005 e 27005:2008 Valdeci Otacilio dos Santos

Leia mais

Processos de gerenciamento de projetos em um projeto

Processos de gerenciamento de projetos em um projeto Processos de gerenciamento de projetos em um projeto O gerenciamento de projetos é a aplicação de conhecimentos, habilidades, ferramentas e técnicas às atividades do projeto a fim de cumprir seus requisitos.

Leia mais

MATURIDADE NA GERÊNCIA DE PROJETOS DE EMPRESAS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO: UM ESTUDO ANALÍTICO E EXPLORATÓRIO

MATURIDADE NA GERÊNCIA DE PROJETOS DE EMPRESAS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO: UM ESTUDO ANALÍTICO E EXPLORATÓRIO MATURIDADE NA GERÊNCIA DE PROJETOS DE EMPRESAS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO: UM ESTUDO ANALÍTICO E EPLORATÓRIO Claudiane Oliveira Universidade Federal de Lavras/Brasil claudianeo@gmail.com Ramon Abílio,

Leia mais

Qualidade, Processos e Gestão de Software Professores: Alexandre Vasconcelos e Hermano Moura. O Modelo. Wesley Torres Galindo. wesleygalindo@gmail.

Qualidade, Processos e Gestão de Software Professores: Alexandre Vasconcelos e Hermano Moura. O Modelo. Wesley Torres Galindo. wesleygalindo@gmail. Qualidade, Processos e Gestão de Software Professores: Alexandre Vasconcelos e Hermano Moura O Modelo Wesley Torres Galindo wesleygalindo@gmail.com Agenda O que é? Motivação Organização do MPS.BR Estrutura

Leia mais

Planejamento de Projeto Gestão de Projetos

Planejamento de Projeto Gestão de Projetos Planejamento de Projeto Gestão de Projetos O gerenciamento de projetos consiste na aplicação de conhecimentos, habilidades, ferramentas e técnicas adequadas às atividades do projeto, a fim de cumprir seus

Leia mais

MODELOS DE MELHORES GOVERNANÇA DE T.I. PRÁTICAS DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

MODELOS DE MELHORES GOVERNANÇA DE T.I. PRÁTICAS DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza MODELOS DE MELHORES PRÁTICAS DA GOVERNANÇA DE T.I. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza MELHORES PRÁTICAS PARA T.I. MODELO DE MELHORES PRÁTICAS COBIT Control Objectives for Information

Leia mais

Project Management Body of Knowledge

Project Management Body of Knowledge PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS PUCMINAS (UNIDADE BARREIRO) CURSOS: ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS / LOGÍSTICA Project Management Body of Knowledge Definição Também conhecido como PMBOK é um

Leia mais

Questionário de avaliação de Práticas X Resultados de projetos - Carlos Magno Xavier (magno@beware.com.br)

Questionário de avaliação de Práticas X Resultados de projetos - Carlos Magno Xavier (magno@beware.com.br) Obrigado por acessar esta pesquisa. Sei como é escasso o seu tempo, mas tenha a certeza que você estará contribuindo não somente para uma tese de doutorado, mas também para a melhoria das práticas da Comunidade

Leia mais

CMMI Conceitos básicos. CMMI Representações contínua e por estágios. Professor Gledson Pompeu (gledson.pompeu@gmail.com)

CMMI Conceitos básicos. CMMI Representações contínua e por estágios. Professor Gledson Pompeu (gledson.pompeu@gmail.com) CMMI Conceitos básicos 113 CMMI integra as disciplinas de engenharia de sistemas e de engenharia de software em um único framework de melhoria de processos. 114 No tocante às disciplinas de engenharia

Leia mais

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Especialização em Gerência de Projetos de Software Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br Qualidade de Software 2009 Instituto

Leia mais

MPS.BR - Melhoria de Processo do Software Brasileiro. Guia de Implementação Parte 2: Fundamentação para Implementação do Nível F do MR-MPS-SW:2012

MPS.BR - Melhoria de Processo do Software Brasileiro. Guia de Implementação Parte 2: Fundamentação para Implementação do Nível F do MR-MPS-SW:2012 MPS.BR - Melhoria de Processo do Software Brasileiro Guia de Implementação Parte 2: Fundamentação para Implementação do Nível F do MR-MPS-SW:2012 Este guia contém orientações para a implementação do nível

Leia mais

Introdução. Gerência de Projetos de Software. Sumário. Sistemas de Informação para Processos Produtivos

Introdução. Gerência de Projetos de Software. Sumário. Sistemas de Informação para Processos Produtivos Sumário Sistemas de Informação para Processos Produtivos 1. Gerência de 2. Agentes principais e seus papéis 3. Ciclo de vida do gerenciamento de projetos M. Sc. Luiz Alberto lasf.bel@gmail.com Módulo 6

Leia mais

25/05/2015. Um pouco de história. O Modelo CMMI. Capability Maturity Model Integration (CMMI) Capability Maturity Model (CMM)

25/05/2015. Um pouco de história. O Modelo CMMI. Capability Maturity Model Integration (CMMI) Capability Maturity Model (CMM) DCC / ICEx / UFMG Um pouco de história O Modelo CMMI Na década de 80, o Instituto de Engenharia de Software (SEI) foi criado Eduardo Figueiredo http://www.dcc.ufmg.br/~figueiredo Objetivos Fornecer software

Leia mais

Introdução. Escritório de projetos

Introdução. Escritório de projetos Introdução O Guia do Conhecimento em Gerenciamento de Projetos (Guia PMBOK ) é uma norma reconhecida para a profissão de gerenciamento de projetos. Um padrão é um documento formal que descreve normas,

Leia mais

Um passo inicial para aplicação do gerenciamento de projetos em pequenas empresas

Um passo inicial para aplicação do gerenciamento de projetos em pequenas empresas Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão de Projetos Aperfeiçoamento/GPPP1301 T132 09 de outubro de 2013 Um passo inicial para aplicação do gerenciamento de s em pequenas empresas Heinrich

Leia mais

Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das Partes Interessadas e da Integração

Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das Partes Interessadas e da Integração Diretoria de Desenvolvimento Gerencial Coordenação Geral de Educação a Distância Gerência de Projetos - Teoria e Prática Conteúdo para impressão Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das

Leia mais

efagundes com GOVERNANÇA DE TIC Eduardo Mayer Fagundes Aula 3/4

efagundes com GOVERNANÇA DE TIC Eduardo Mayer Fagundes Aula 3/4 GOVERNANÇA DE TIC Eduardo Mayer Fagundes Aula 3/4 1 CobIT Modelo abrangente aplicável para a auditoria e controle de processo de TI, desde o planejamento da tecnologia até a monitoração e auditoria de

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

Disciplina: Gerenciamento de Projetos e Práticas de Integração. Gerenciamento de Projetos e Práticas de Integração.

Disciplina: Gerenciamento de Projetos e Práticas de Integração. Gerenciamento de Projetos e Práticas de Integração. Gerenciamento de Projetos e Práticas de Integração AULA 5 Set/2013 Gerenciamento de Projetos e Práticas de Integração Execução Áreas de conhecimentos de gerenciamento de projetos ESCOPO TEMPO CUSTO QUALIDADE

Leia mais

Estudo de caso para implantação do modelo MR-MPS-SV

Estudo de caso para implantação do modelo MR-MPS-SV Estudo de caso para implantação do modelo MR-MPS-SV Giovani Hipolito Maroneze 1, Jacques Duílio Branches 1 1 Departamento de Computação Universidade Estadual de Londrina (UEL) Caixa Postal 10.001 86.057-970

Leia mais

PMBok x PRINCE2. Flávia David de Oliveira Gomes. Prof. Msc. Guilherme A. Barucke Marcondes. Víctor Hugo Rodrigues de Barros

PMBok x PRINCE2. Flávia David de Oliveira Gomes. Prof. Msc. Guilherme A. Barucke Marcondes. Víctor Hugo Rodrigues de Barros PMBok x Flávia David de Oliveira Gomes Instituto Nacional de Telecomunicações - Inatel flavia@cp2ejr.com.br Prof. Msc. Guilherme A. Barucke Marcondes Instituto Nacional de Telecomunicações - Inatel guilherme@inatel.br

Leia mais

Definição do Modelo de Processo

Definição do Modelo de Processo Definição do Modelo de Processo 1. Introdução 1.1. Finalidade Mapear práticas sugeridas (i) pelo Padrão para Gestão de Portfólio do PMI, (ii) pelo Modelo de Referência do MPS.BR e (iii) pela Norma ISO/IEC

Leia mais

Objetivos. Histórico. Out/11 2. Out/11 3

Objetivos. Histórico. Out/11 2. Out/11 3 Objetivos Histórico Evolução da Qualidade Princípios de Deming CMMI Conceitos Vantagens Representações Detalhamento Gerenciamento Comparação Out/11 2 Histórico SW-CMM (Software Capability Maturity Model):

Leia mais

O Modelo Processo de Software Brasileiro MPS-Br

O Modelo Processo de Software Brasileiro MPS-Br O Modelo Processo de Software Brasileiro MPS-Br Prof. Pasteur Ottoni de Miranda Junior Disponível em www.pasteurjr.blogspot.com 1-Estrutura do MPS-Br ( Softex, 2009) O MPS.BR1 é um programa mobilizador,

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo III Grupo de Processos

Gerenciamento de Projetos Modulo III Grupo de Processos Gerenciamento de Projetos Modulo III Grupo de Processos Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento

Leia mais

Melhoria de Processo de Software baseado no Modelo MPS.BR nível G - Um Estudo de Caso

Melhoria de Processo de Software baseado no Modelo MPS.BR nível G - Um Estudo de Caso Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade em Software PBQP SW Melhoria de Processo de Software baseado no Modelo MPS.BR nível G - Um Estudo de Caso Categoria 2.36: Métodos de Gestão Soltin - Soluções

Leia mais

Resultados alcançados com a Ferramenta Channel em implementação de sucesso da Gerência de Projetos no nível G de maturidade do MR-MPS

Resultados alcançados com a Ferramenta Channel em implementação de sucesso da Gerência de Projetos no nível G de maturidade do MR-MPS Resultados alcançados com a Ferramenta Channel em implementação de sucesso da Gerência de Projetos no nível G de maturidade do MR-MPS Mauricio Fiorese 1, Alessandra Zoucas 2 e Marcello Thiry 2 1 JExperts

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA PROGRAMA DE MODERNIZAÇÃO INTEGRADA DO MINISTÉRIO DA FAZENDA - PMIMF MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA ATORES DA REDE DE INOVAÇÃO 2 O MODELO CONTEMPLA: Premissas e diretrizes de implementação Modelo

Leia mais

Leslier Soares Corrêa Estácio de Sá / Facitec Abril/Maio 2015

Leslier Soares Corrêa Estácio de Sá / Facitec Abril/Maio 2015 Leslier Soares Corrêa Estácio de Sá / Facitec Abril/Maio 2015 Prover capacitação para: - Identificar os processos de Gerenciamento de Projetos; - Desenvolver o Plano de Gerenciamento; - Construir um sistema

Leia mais

LISTA DE VERIFICAÇAO DO SISTEMA DE GESTAO DA QUALIDADE

LISTA DE VERIFICAÇAO DO SISTEMA DE GESTAO DA QUALIDADE Questionamento a alta direção: 1. Quais os objetivos e metas da organização? 2. quais os principais Produtos e/ou serviços da organização? 3. Qual o escopo da certificação? 4. qual é a Visão e Missão?

Leia mais

Gerenciamento de integração de projeto

Gerenciamento de integração de projeto Objetivos do Conteúdo Gerenciamento de integração de projeto Sergio Scheer / DCC / UFPR TC045 Gerenciamento de Projetos Prover capacitação para: - Identificar os processos de Gerenciamento de Projetos;

Leia mais

CobiT 5. Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? Conhecimento em Tecnologia da Informação

CobiT 5. Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação CobiT 5 Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? 2013 Bridge Consulting All rights reserved Apresentação Sabemos que a Tecnologia da

Leia mais

Uma análise das Metodologias Ágeis FDD e Scrum sob a Perspectiva do Modelo de Qualidade MPS.BR

Uma análise das Metodologias Ágeis FDD e Scrum sob a Perspectiva do Modelo de Qualidade MPS.BR SCIENTIA PLENA VOL 6, NUM 3 2010 www.scientiaplena.org.br Uma análise das Metodologias Ágeis FDD e Scrum sob a Perspectiva do Modelo de Qualidade MPS.BR F. G. Silva; S. C. P. Hoentsch, L. Silva Departamento

Leia mais

CAPABILITY MATURITY MODEL FOR SOFTWARE. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com

CAPABILITY MATURITY MODEL FOR SOFTWARE. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com CAPABILITY MATURITY MODEL FOR SOFTWARE Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com 1. Introdução Após décadas de incontáveis promessas sobre como aumentar à produtividade e qualidade de software,

Leia mais

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Página 1 NORMA ISO 14004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio (votação 10/02/96. Rev.1) 0. INTRODUÇÃO 0.1 Resumo geral 0.2 Benefícios de se ter um Sistema

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade IV QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade IV QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade IV QUALIDADE DE SOFTWARE introdução As mudanças que estão ocorrendo nos clientes e nos ambientes de negócios altamente competitivos têm motivado as empresas a modificarem

Leia mais

Tutorial de Gerenciamento de Projetos. Erika Yamagishi Semana de Qualidade e Gestão Unicamp/FT 13 de maio de 2011

Tutorial de Gerenciamento de Projetos. Erika Yamagishi Semana de Qualidade e Gestão Unicamp/FT 13 de maio de 2011 Tutorial de Gerenciamento de Projetos Erika Yamagishi Semana de Qualidade e Gestão Unicamp/FT 13 de maio de 2011 Apresentação Erika Yamagishi Engenheira de Computação pela UNICAMP Consultora associada

Leia mais

Gerenciamento da Integração (PMBoK 5ª ed.)

Gerenciamento da Integração (PMBoK 5ª ed.) Gerenciamento da Integração (PMBoK 5ª ed.) O PMBoK diz que: O gerenciamento da integração do projeto inclui os processos e as atividades necessárias para identificar, definir, combinar, unificar e coordenar

Leia mais

ISO 14004:2004. ISO14004 uma diretriz. Os princípios-chave ISO14004. Os princípios-chave

ISO 14004:2004. ISO14004 uma diretriz. Os princípios-chave ISO14004. Os princípios-chave ISO14004 uma diretriz ISO 14004:2004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Prof.Dr.Daniel Bertoli Gonçalves FACENS 1 Seu propósito geral é auxiliar as

Leia mais

Questionário de Governança de TI 2016

Questionário de Governança de TI 2016 Questionário de Governança de TI 2016 De acordo com o Referencial Básico de Governança do Tribunal de Contas da União, a governança no setor público compreende essencialmente os mecanismos de liderança,

Leia mais

Profa. Dra. Ana Paula Gonçalves Serra prof.anapaula@saojudas.br

Profa. Dra. Ana Paula Gonçalves Serra prof.anapaula@saojudas.br Modelos de Processo Pessoal e de Equipe na Melhoria da Qualidade em Produção de Software Profa. Dra. Ana Paula Gonçalves Serra prof.anapaula@saojudas.br Agenda Importância das Pessoas / Constatações Compromisso

Leia mais

Gerência de Projetos e EVTE. Fabiana Costa Guedes

Gerência de Projetos e EVTE. Fabiana Costa Guedes Gerência de Projetos e Fabiana Costa Guedes 1 Agenda O que é um Projeto O que é Gerenciamento de Projetos O Contexto da Gerência de Projetos PMI Project Management Institute Ciclo de Vida do Projeto Áreas

Leia mais

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM M P S. B R : M E L H O R I A D E P R O C E S S O D O S O F T W A R E B R A S I L E I R O A

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Qualidade de Software Prof. Sam da Silva Devincenzi sam.devincenzi@gmail.com ISO International Organization for Standardization Organização não governamental que elabora normas internacionais, que visam

Leia mais

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA GLOSSÁRIO DE TERMOS DO MARCO ANALÍTICO Avaliação de Projetos de Cooperação Sul-Sul: exercício fundamental que pretende (i ) aferir a eficácia, a eficiência e o potencial

Leia mais

CobiT. MBA em Sistemas de Informação. Conteúdo. 1. Sumário Executivo. 2. Estrutura. 3. Objetivos de Controle. 4. Diretrizes de Gerenciamento

CobiT. MBA em Sistemas de Informação. Conteúdo. 1. Sumário Executivo. 2. Estrutura. 3. Objetivos de Controle. 4. Diretrizes de Gerenciamento MBA em Sistemas de Informação CobiT Conteúdo 1. Sumário Executivo 2. Estrutura 3. Objetivos de Controle 4. Diretrizes de Gerenciamento 5. Modelo de Maturidade 6. Guia de Certificação de TI 7. Implementação

Leia mais

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação O Valor da TI Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

Gerenciamento de custos do projeto

Gerenciamento de custos do projeto PMBOK Visão Geral O PMBOK (Project Management Body of Knowledge) é um guia do Conjunto de Conhecimentos em de Projetos, o qual inclui práticas comprovadas que são amplamente aplicadas na gestão de s, além

Leia mais

Políticas de Qualidade em TI

Políticas de Qualidade em TI Políticas de Qualidade em TI Prof. www.edilms.eti.br edilms@yahoo.com Aula 03 CMMI Capability Maturity Model Integration Parte I Agenda Processos CMMI Definição Histórico Objetivos Características Representações

Leia mais

MPS.BR. O MPS.BR é um programa para Melhoria de Processo do Software Brasileiro. A proposta MPS.BR nasceu com base nos moldes CMMI.

MPS.BR. O MPS.BR é um programa para Melhoria de Processo do Software Brasileiro. A proposta MPS.BR nasceu com base nos moldes CMMI. MPS.BR O MPS.BR é um programa para Melhoria de Processo do Software Brasileiro. A proposta MPS.BR nasceu com base nos moldes CMMI. ISO - 12207 para desenvolvimento de software. ISO - 15504 para avaliação

Leia mais

Gledson Pompeu 1. Cenário de TI nas organizações. ITIL IT Infrastructure Library. A solução, segundo o ITIL

Gledson Pompeu 1. Cenário de TI nas organizações. ITIL IT Infrastructure Library. A solução, segundo o ITIL Cenário de TI nas organizações Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos Referência: An Introductory Overview of ITIL v2 Livros ITIL v2 Aumento da dependência da TI para alcance

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE

QUALIDADE DE SOFTWARE QUALIDADE DE SOFTWARE - 02 Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Questão 1 A ISO 9000-3 é um guia para a aplicação da ISO 9001 para o desenvolvimento, fornecimento e manutenção de software.

Leia mais

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 Conhecimento em Tecnologia da Informação Alinhamento Estratégico A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 2010 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

Padrões de Qualidade de Software e Métricas de Software

Padrões de Qualidade de Software e Métricas de Software Universidade Federal do Vale do São Francisco Padrões de Qualidade de Software e Métricas de Software Engenharia de Software I Aula 3 e 4 Ricardo Argenton Ramos Agenda da Aula Introdução (Qualidade de

Leia mais

O GERENTE DE PROJETOS

O GERENTE DE PROJETOS O GERENTE DE PROJETOS INTRODUÇÃO Autor: Danubio Borba, PMP Vamos discutir a importância das pessoas envolvidas em um projeto. São elas, e não os procedimentos ou técnicas, as peças fundamentais para se

Leia mais

Disciplina: GESTÃO DE PROCESSOS E QUALIDADE Prof. Afonso Celso M. Madeira

Disciplina: GESTÃO DE PROCESSOS E QUALIDADE Prof. Afonso Celso M. Madeira Disciplina: GESTÃO DE PROCESSOS E QUALIDADE Prof. Afonso Celso M. Madeira 3º semestre CONCEITOS CONCEITOS Atividade Ação executada que tem por finalidade dar suporte aos objetivos da organização. Correspondem

Leia mais

PROCESSO DE TESTE DE SOFTWARE. Emerson Rios emersonrios@riosoft.org.br www.emersonrios.eti.br

PROCESSO DE TESTE DE SOFTWARE. Emerson Rios emersonrios@riosoft.org.br www.emersonrios.eti.br PROCESSO DE TESTE DE SOFTWARE Emerson Rios emersonrios@riosoft.org.br www.emersonrios.eti.br PROJETO DE TESTE DE SOFTWARE Deixa eu te dizer uma coisa. Teste de Software é um projeto. Certo? CERTO? Você

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: GESTÃO DE PROJETOS. Prof. Msc. Carlos José Giudice dos Santos

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: GESTÃO DE PROJETOS. Prof. Msc. Carlos José Giudice dos Santos FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: GESTÃO DE PROJETOS Prof. Msc. Carlos José Giudice dos Santos O QUE SÃO PROCESSOS? De acordo com o Guia PMBOK, (2013) processo é um conjunto de ações e/ou atividades inter-relacionadas

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.7

QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.7 QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.7 Curso: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Disciplina: Qualidade de Software Profa. : Kátia Lopes Silva 1 CMM: DEFINIÇÃO Capability Maturity Model Um modelo que descreve como as práticas

Leia mais

Gerenciamento de Qualidade. Paulo C. Masiero Cap. 24 - SMVL

Gerenciamento de Qualidade. Paulo C. Masiero Cap. 24 - SMVL Gerenciamento de Qualidade Paulo C. Masiero Cap. 24 - SMVL Introdução Melhoria nos níveis gerais de qualidade de software nos anos recentes. Diferenças em relação ao gerenciamento da qualidade na manufatura

Leia mais

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão Desenvolve Minas Modelo de Excelência da Gestão O que é o MEG? O Modelo de Excelência da Gestão (MEG) possibilita a avaliação do grau de maturidade da gestão, pontuando processos gerenciais e resultados

Leia mais

Ministério Público do Estado de Goiás

Ministério Público do Estado de Goiás Ministério Público do Estado de Goiás Apresentação Inicial PMO Institucional MP-GO 1 Um projeto é um esforço temporário empreendido para criar um produto, serviço ou resultado exclusivo. Em muitos casos

Leia mais

Gerenciamento de Projeto: Executando o Projeto III. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Gerenciamento de Projeto: Executando o Projeto III. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Gerenciamento de Projeto: Executando o Projeto III Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Realizar Aquisições Realizar a Garantia de Qualidade Distribuir Informações Gerenciar as

Leia mais

INTRODUÇÃO A PROJETOS

INTRODUÇÃO A PROJETOS INTRODUÇÃO A PROJETOS Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br GESTÃO DE PROJETOS Gestão Ágil de projetos Gestão de projetos com PMBOK GESTÃO ÁGIL DE PROJETOS GESTÃO ÁGIL

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Guia de Estudo Vamos utilizar para a nossa disciplina de Modelagem de Processos com BPM o guia

Leia mais

CMM Capability Maturity Model. Silvia Regina Vergilio

CMM Capability Maturity Model. Silvia Regina Vergilio CMM Capability Maturity Model Silvia Regina Vergilio Histórico O DoD patrocinou a fundação do SEI (Software Engineering Institute) na Universidade de Carnegie Mellon (Pittsburg) com o objetivo de propor

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos Grupo de Consultores em Governança de TI do SISP 20/02/2013 1 Agenda 1. PMI e MGP/SISP 2. Conceitos Básicos - Operações e Projetos - Gerenciamento de Projetos - Escritório de

Leia mais

Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo de Maturidade Prado-MMGP

Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo de Maturidade Prado-MMGP DARCI PRADO Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo de Maturidade Prado-MMGP Versão 2.2.0 Julho 2014 Extraído do Livro "Maturidade em Gerenciamento de Projetos" 3ª Edição (a publicar)

Leia mais

Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo PRADO-MMGP

Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo PRADO-MMGP DARCI PRADO Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo PRADO-MMGP Versão 1.6.4 Setembro 2009 Extraído do Livro "Maturidade em Gerenciamento de Projetos" 2ª Edição (a publicar) Autor: Darci

Leia mais

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Recursos e Cronograma

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Recursos e Cronograma Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE Recursos e Cronograma Prof. Claudinei Dias email: prof.claudinei.dias@gmail.com Roteiro Introdução; Recursos; Pessoal; Software; Hardware; Outros recursos;

Leia mais

Porque estudar Gestão de Projetos?

Porque estudar Gestão de Projetos? Versão 2000 - Última Revisão 07/08/2006 Porque estudar Gestão de Projetos? Segundo o Standish Group, entidade americana de consultoria empresarial, através de um estudo chamado "Chaos Report", para projetos

Leia mais

CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 27006:2011) - OTS

CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 27006:2011) - OTS CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 276:2011) - OTS NORMA Nº NIT-DICOR-011 APROVADA EM MAR/2013 Nº 01/46 SUMÁRIO

Leia mais

Qualidade de Processo de Software. Implementação de Melhoria de Processos de Software

Qualidade de Processo de Software. Implementação de Melhoria de Processos de Software Qualidade de Processo de Software Implementação de Melhoria de Processos de Software Sumário Conceitos de Melhoria de Processos de Software (MPS) Implementação de Processos com Modelos e Normas de Qualidade

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo IX Qualidade

Gerenciamento de Projetos Modulo IX Qualidade Gerenciamento de Projetos Modulo IX Qualidade Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento

Leia mais

Política de Gestão de Riscos das Empresas Eletrobras

Política de Gestão de Riscos das Empresas Eletrobras Política de Gestão de Riscos das Empresas Eletrobras Versão 5.0 dezembro 2010 Política de Gestão de Riscos das Empresas Eletrobras Sumário 1. Objetivos 2. Conceitos 3. Referências 4. Princípios 5. Diretrizes

Leia mais

Gerenciamento de Projetos. Faculdade Unisaber 2º Sem 2009

Gerenciamento de Projetos. Faculdade Unisaber 2º Sem 2009 Semana de Tecnologia Gerenciamento de Projetos Faculdade Unisaber 2º Sem 2009 ferreiradasilva.celio@gmail.com O que é um Projeto? Projeto é um "esforço temporário empreendido para criar um produto, serviço

Leia mais

MGP Manual de Gerenciamento de Projetos

MGP Manual de Gerenciamento de Projetos MGP Manual de Gerenciamento de Projetos v. 1.2 Diretorias: DT / DE / DA DTPE Superintendência Planejamento de Empreendimentos 1 Sumário 1. Introdução 2. Ciclo de Vida dos Projetos 3. 4. Ciclo de Vida do

Leia mais

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Planejamento e Gerenciamento

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Planejamento e Gerenciamento Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE Planejamento e Gerenciamento Prof. Claudinei Dias email: prof.claudinei.dias@gmail.com Roteiro Introdução; Pessoas, Produto, Processo e Projeto; Gerência de

Leia mais

6. Resultados obtidos

6. Resultados obtidos 6. Resultados obtidos 6.1 O Balanced corecard final Utilizando a metodologia descrita no capítulo 5, foi desenvolvido o Balanced corecard da Calçados yrabel Ltda. Para facilitar o entendimento deste trabalho,

Leia mais

Gerenciamento de Projeto: Planejando os Riscos. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Gerenciamento de Projeto: Planejando os Riscos. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Gerenciamento de Projeto: Planejando os Riscos Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Introdução Planejar o Gerenciamento dos Riscos. Identificar os Riscos Realizar a Análise Qualitativa

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROJETOS PROJECT MANAGEMENT INSTITUTE

GERENCIAMENTO DE PROJETOS PROJECT MANAGEMENT INSTITUTE GERENCIAMENTO DE PROJETOS PROJECT MANAGEMENT INSTITUTE O PMI e a Certificação PMP Visão Geral sobre o Modelo PMI APRESENTAÇÃO DO PMI O PMI - Project Management Institute é uma instituição sem fins lucrativos,

Leia mais

Planejamento e Gestão de Projetos

Planejamento e Gestão de Projetos MBA em EXCELÊNCIA EM GESTÃO DE PROJETOS E PROCESSOS ORGANIZACIONAIS Planejamento e Gestão de s Planejamento e Gestão de s Prof. Msc. Maria C Lage Prof. Newman Serrano, PMP Visão geral da disciplina Objetivos

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS Versão 5.0 06/12/2010 Sumário 1 Objetivos... 3 2 Conceitos... 3 3 Referências... 4 4 Princípios... 4 5 Diretrizes... 5 6 Responsabilidades... 6 7 Disposições

Leia mais

MQ-1 Revisão: 06 Data: 20/04/2007 Página 1

MQ-1 Revisão: 06 Data: 20/04/2007 Página 1 MQ-1 Revisão: 06 Data: 20/04/2007 Página 1 I. APROVAÇÃO Emitente: Função: Análise crítica e aprovação: Função: Liliane Alves Ribeiro da Silva Gerente Administrativa Roberto José da Silva Gerente Geral

Leia mais