Técnicas de ensino e domínios de aprendizagem

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Técnicas de ensino e domínios de aprendizagem"

Transcrição

1 Técnicas de ensino e domínios de aprendizagem Realizado por Janeiro de 2009

2 De acordo com Bloom a aprendizagem ocorre em três domínios: cognitivo psicomotor (habilidades) afetivo (atitudes )

3 Domínio cognitivo

4 Considerando os objetivos de aprendizagem, o domínio cognitivo está dividido em seis níveis.

5 O nível cognitivo mais baixo nesta taxonomia começa com o estudante recordando e reconhecendo o conhecimento.

6 Conhecimento: processos que requerem que o estudante reproduza com exatidão uma informação que lhe tenha sido dada, seja ela uma data, um relato, um procedimento, uma fórmula ou uma teoria. Caracteriza-se pela evocação de idéias, materiais ou fenômenos atravês do reconhecimento, ou da memória. O aluno Adquire e armazena informações que mais tarde terá de evocar. O aluno irá recordar ou reconhecer informações, idéias, e princípios na forma (aproximada) em que foram aprendidos.

7 Nível Verbos associados Conhecimento definir declarar listar nomear escrever relembrar reconhecer rotular sublinhar selecionar reproduzir medir

8 Do nível cognitivo o aluno progride através de sua compreensão do conhecimento.

9 Compreensão: requer elaboração (modificação) de um dado ou informação original. O estudante deverá ser capaz de usar uma informação original e ampliá-la, reduzí-la, representá-la de outra forma ou prever conseqüências resultantes da informação original. O aluno poderá organizar a mensagem em outros termos ou em outra forma de comunicação translação; inferir, generalizar e tirar conclusões baseadas na comunicação interpretação; ou realizar estimativas ou previsões baseadas no entendimento de tendências implícitas na comunicação extrapolação. Está ligado à capacidade de entendimento e comunicação do conteúdo que lhe é transmitido e, de fazer algum uso dos materiais ou idéias nele contidos; O entendimento literal da mensagem contida na comunicação.

10 Nível Verbos associados Compreensão identificar justificar selecionar indicar ilustrar representar nomear formular explicar julgar contrastar classificar

11 Através da compreensão o aluno chega à aplicação do conhecimento que ele compreende.

12 Aplicação: reúne processos nos quais o estudante transporta uma informação genérica para uma situação nova e específica. Diante de um problema novo o aluno é capaz de aplicar abstrações apropriadas sem a interferência de ninguém, sendo que estas abstrações são oriundas da compreensão de terminados problemas. Envolve a experimentação. O aluno seleciona, transfere, e usa dados e princípios para completar um problema ou tarefa com um mínimo de supervisão.

13 Nível Aplicação Verbos associados predizer selecionar avaliar explicar escolher encontrar mostrar demonstrar construir computar usar desempenhar

14 Nos níveis seguintes o aluno progride a partir de sua habilidade de analisar as situações envolvendo o conhecimento até sua habilidade de sintetizar o conhecimento em novas formas de organização.

15 Análise: caracterizam-se por separar uma informação em elementos componentes e estabelecer relações entre eles. O aluno distingue, classifica, e relaciona pressupostos, hipóteses, evidências ou estruturas de uma declaração ou questão. Divide uma situação em suas partes constitutivas, tem percepção de suas interelações e dos modos de organização.

16 Nível Verbos associados Análise analisar identificar concluir diferenciar selecionar separar comparar contrastar justificar resolver separar criticar

17 Síntese: representa os processos nos quais o estudante reúne elementos de informação para compor algo novo que terá, necessariamente, traços individuais distintivos. O aluno cria, integra e combina idéias num produto, plano ou proposta, novos para ele. O aluno une os elementos e partes de modo a formar um todo. Implica em geral em, reorganizar partes examinadas, Em experiências anteriores, como novos materiais.

18 Nível Verbos associados Síntese combinar repetir sumarizar sintetizar argüir discutir organizar derivar selecionar relacionar generalizar concluir

19 Avaliação: representa os processos cognitivos mais complexos. Consiste em confrontar um dado, uma informação, uma teoria, um produto etc... com um critério ou conjunto de critérios, que podem ser internos ao próprio objeto de avaliação, ou externos a ele. O aluno aprecia, avalia ou critica com base em padrões e critérios específicos. O aluno julga o valor de idéias, trabalhos, soluções, métodos, materiais, entre outros. Envolve a utilização de critérios e os julgamentos podem ser quantitativos ou qualitativos.

20 O nível cognitivo mais elevado repousa na sua habilidade de avaliar, de forma que ele julgue o valor do conhecimento para atendimento de objetivos específicos

21 Nível Verbos associados Avaliação julgar avaliar determinar reconhecer suportar defender atacar criticar identificar evitar selecionar escolher

22 Resum o

23 Resum o

24 Resum o

25 Resum o

26 Resum o

27 Técnicas de ensino Técnicas de ensino para o domínio cognitivo - Estudo de caso - Estudo dirigido

28 Estudo dirigido O Estudo Dirigido é uma técnica de ensino em que os alunos executam em sala, ou fora dela, um trabalho determinado pelo professor, que os orienta e os acompanha, valendo-se de um capítulo do livro, um artigo, um texto didático ou mesmo de um determinado livro. O professor oferece um roteiro de estudo previamente elaborado para que o aluno explore o material escrito de maneiro eletiva: lendo, compreendendo, interpretando, analisando, comparando, aplicando, avaliando e elaborando.

29 Estudo de caso O estudo de caso consiste em apresentar sucintamente a descrição de uma determinada situação real ou fictícia para sua discussão no grupo. O caso análise, objetiva o desenvolvimento da capacidade analítica do aluno. O caso problema, que visa chegar a uma solução, a melhor possível com os dados fornecidos pelo caso.

30 Domínio psicomotor

31 Considerando os objetivos de aprendizagem, o domínio psicomotor (habilidades) está dividido em cinco níveis..

32 Imitação o estudante perante uma ação que pode observar, esboça uma imitação desta ação, ao nível do seu sistema muscular guiado por um impulso para imitar; Manipulação o estudante a este nível, é capaz de realizar uma ação de acordo com instruções e não com base na observação. O aluno começa a demonstrar habilidades para manipular instrumentos selecionados.

33 Precisão o aluno é capaz de reproduzir de um ato exercido com um grau superior de exatidão e de eficiência. Articulação implica que o aluno coordene uma série de ações, pelo estabelecimento de uma seqüência apropriada; Naturalização (também designado de adopção) surge como a aquisição pelo aluno de competências psicomotoras que não possuía antes.

34 Considerando os objetivos de aprendizagem, o domínio psicomotor (habilidades) está dividido em cinco níveis.. Exemplos de verbos para objetivos específicos Monta, constrói, calibra, modifica, limpa, conecta, compõe, cria, esboça, projeta, instala, desinstala, insere, remove, manipula, conserta, repara, pinta, aparafusa, fixa.

35 Resum o

36 Técnicas de ensino Técnicas de ensino para o domínio psicomotor (habilidades) Demonstraçã o Simulação

37 A simulação é uma técnica de treinamento que aumenta a segurança na prática de atividades dinâmicas e complexas. Fundamenta-se na replicação de experiências reais, permitindo experimentação que evoque aspectos importantes da vida real de forma plenamente interativa.

38 A demonstração envolve 4 tipos principais: -Demonstração intelectual: utiliza argumentos logicamente encadeados (disciplinas teóricas em geral, como a matemática) -Demonstração experimental: feita em laboratório, ou diretamente da natureza, com o auxílio ou não de aparelhos (como em Química e Física).

39 -Demonstração documentária: processa-se por meio de documentos escritos ou produtos culturais, como é o caso das demonstrações históricas, etnológicas, etc. -Demonstração operacional: baseia-se em técnicas de trabalho e de movimentos, com uso ou não de aparelhos, como em Educação Física.

40 Domínio afetivo

41 Considerando os objetivos de aprendizagem, o domínio afetivo (atitudes) está dividido em cinco níveis..

42 Recepção (também designado como acolhimento e receptividade) Aperceber-se da existência de uma dado valor apresentado na instrução. Dirigir sua atenção para ele de modo seletivo e intencional. Todavia os alunos portam-se passivamente em relação ao valor apresentado.

43 Nível Verbos associados Receber ouvir atender preferir aceitar receber perceber estar consciente favorecer selecionar

44 Resposta (também chamado de reação) Presumem alguma ação da parte do aluno em referência a um valor relacionado à instrução Esta ação pode ser desde a simples obediência a determinações explícitas até a iniciativa na qual se possa notar alguma expressão de satisfação por parte do aluno

45 Nível Verbos associados Responder especificar responder completar selecionar listar escrever gravar desenvolver derivar

46 Valorização (também designada de avaliação) O valor comunicado na instrução foi internalizado pelo aluno. Distinguem-se do tipo de objetivo do nível de resposta pela consistência (não são esporádicas), persistência (prolongam-se além do período da instrução) e, num nível mais intenso, a persuasão (ou seja o aluno procura convencer outras pessoas da importância do valor).

47 Nível Verbos associados Valorizar aceitar reconhecer participar incrementar desenvolver realizar indicar decidir influenciar

48 Organização Reinterpreta o valor comunicado na instrução à luz de outros valores análogos ou antagônicos ao valor original. Analisa diferentes ângulos do valor, compara-o a valores concorrentes

49 Nível Verbos associados Organizar organizar julgar relacionar encontrar determinar correlacionar associar formar seleciona

50 Caracterização de um valor complexo O processo de internalização atinge o ponto em que o indivíduo passa a ser identificado pela sua comunidade como um símbolo ou representante do valor que ele incorporou.

51 Nível Verbos associados Caracterizar revisar modificar enfrentar aceitar julgar desenvolver demonstrar identificar decidir

52 Resum o DIREÇÃO Nível Nível Inferior 1. Receber (prestar atenção) a) Consciência b) Desejo de receber c) Atenção controlada e selecionada 2. Responder (Comprometido e ativamente envolvido) a) Concordância em responder b) Desejo de responder c) Satisfação em responder 3. Valorizar (Atribuir valor aos conceitos) a) Aceitação de um valor b) Preferência por um valor c) Compromisso (convicção)

53 Resum o DIREÇÃO Nível Nível Superior 4. Organização (Construção de um sistema de valores) a) Conceituação de um valor b) Organização de um sistema de valores 5. Caracterização de um valor complexo (Aceitação de um sistema de valores) a) Conjunto generalizado b) Caracterização

54 Resum o

55 Concluindo

56 Técnicas de ensino para os domínios psicomotor (habilidades) e afetivo (atitudes) - Excursões; - Visitas e atividades associadas à comunidade sob a orientação de perceptores; - Estágios

57 Técnicas de ensino para os domínios psicomotor (habilidades), cognitivo e afetivo (atitudes) Atividades baseadas em projetos ou pesquisas individuais ou em grupo.

58 Bibliografia ROMAO, J. E.. Avaliação Dialógica: Desafios e Perspectivas. In: Jornada de Estudos Pedagógicos, 2005, Santo Ângelo (RS). Anais da Jornada de Estudos Pedagógicos. Santo Ângelo : Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões, v. 1. p TEIXEIRA, Gilberto. Elaboração de objetivos educacionais no ensino superior. Disponível em Acesso em: 09 jan Daniel Dettoni. Desenvolvimento de um modelo de avaliação de treinamento na metodologia seis sigma f. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção) - Universidade Federal de Itajubá,. Orientador: Pedro Paulo Balestrassi. Bittencourt, J.R., Giraffa, L.M.M. A Utilização dos Role -Playing Games Digitais no Processo de Ensino-. Aprendizagem. PPGCC/PUCRS, 2003

Taxonomia da aprendizagem

Taxonomia da aprendizagem Taxonomia da aprendizagem Taxonomia de Bloom Desde 1948, um grupo de educadores assumiu a tarefa de classificar metas e objetivos educacionais. Eles propuseram-se a desenvolver um sistema de classificação

Leia mais

Título: Objetivos Autora: Luciana de Lima Edição: LICIE 2014.1

Título: Objetivos Autora: Luciana de Lima Edição: LICIE 2014.1 Título: Objetivos Autora: Luciana de Lima Edição: LICIE 2014.1 O que significa a palavra Latim OBJECTIVUS OBJETIVO? De OBJECTUM algo colocado à frente (dos olhos, da mente) Verbo OBICERE apresentar, opor,

Leia mais

PLANO DE APRENDIZAGEM PARA DISCIPLINAS COM AULAS TEÓRICAS E AULAS PRÁTICAS

PLANO DE APRENDIZAGEM PARA DISCIPLINAS COM AULAS TEÓRICAS E AULAS PRÁTICAS CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DOS CAMPOS GERAIS CESCAGE FACULDADES INTEGRADAS DOS CAMPOS GERAIS CURSO DE... PLANO DE APRENDIZAGEM PARA DISCIPLINAS COM AULAS TEÓRICAS E AULAS PRÁTICAS IDENTIFICAÇÃO: Disciplina:

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA CAMINHOS PARA O ENSINO

FORMAÇÃO CONTINUADA CAMINHOS PARA O ENSINO FORMAÇÃO CONTINUADA CAMINHOS PARA O ENSINO SUPERIOR PLANO DE ENSINO E ESTRATÉGIAS Profª Msc. Clara Maria Furtado PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO CURRÍCULO ORGANIZAÇÃO CURRICULAR PLANEJAMENTO DO CURSO OBJETIVOS

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DOS PROJETOS DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC)

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DOS PROJETOS DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DOS PROJETOS DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) IFRJ-Reitoria Rio de Janeiro 2014 1 C O M I S S Ã O D E E L A B O R A Ç Ã O Portaria n 0092 de 05 de agosto de 2013 Cláudia

Leia mais

Taxionomia (do grego taxis ordenação e nomos sistema, norma) é todo sistema de classificação

Taxionomia (do grego taxis ordenação e nomos sistema, norma) é todo sistema de classificação TAXIONOMIA: O QUE É ISSO? Taxionomia (do grego taxis ordenação e nomos sistema, norma) é todo sistema de classificação Exemplo: Desenvolvimento de um plano para classificar livros em uma biblioteca LIVROS

Leia mais

DISCIPLINA: Vivência na Prática Educativa VI PROFESSORA: Ermelinda Nóbrega de M. Melo COMO ELABORAR UM PLANO DE AULA

DISCIPLINA: Vivência na Prática Educativa VI PROFESSORA: Ermelinda Nóbrega de M. Melo COMO ELABORAR UM PLANO DE AULA COMO ELABORAR UM PLANO DE AULA PLANO DE AULA É... Um guia e tem a função de orientar a prática do professor, partindo da própria prática e, portanto, não pode ser um documento rígido e absoluto. Ele é

Leia mais

Elaboração do projeto

Elaboração do projeto Elaboração do projeto Há muitas formas possíveis de se realizar um projeto, e o grupo deve discutir e decidir como irá fazê-lo. É fundamental refletir sobre algumas questões que deverão nortear as ações:

Leia mais

A SISTEMATIZAÇÃO COLETIVA DO CONHECIMENTO NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM DE CINESIOTERAPIA

A SISTEMATIZAÇÃO COLETIVA DO CONHECIMENTO NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM DE CINESIOTERAPIA A SISTEMATIZAÇÃO COLETIVA DO CONHECIMENTO NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM DE CINESIOTERAPIA Adriane Mazola de Araújo Perpetuo Pura Lúcia Oliver Martins PUCPR A preocupação com a formação profissional

Leia mais

Etapas de um Projeto de Pesquisa. Robledo Lima Gil

Etapas de um Projeto de Pesquisa. Robledo Lima Gil Etapas de um Projeto de Pesquisa Robledo Lima Gil Etapas... Escolha do tema Formulação do problema 1) Introdução; 2) Revisão de literatura (Referenciais teóricos); 3) Justificativa; 4) Objetivos (geral

Leia mais

CAPA FACULDADE DE TEOLOGIA INTEGRADA NOME DO ALUNO (OU EQUIPE) Título do Projeto

CAPA FACULDADE DE TEOLOGIA INTEGRADA NOME DO ALUNO (OU EQUIPE) Título do Projeto CAPA FACULDADE DE TEOLOGIA INTEGRADA NOME DO ALUNO (OU EQUIPE) Título do Projeto IGARASSU 2012 (Folha de rosto - modelo) 2 cm. NOME DO ALUNO Nome do(s) aluno(s) - centralizado e em letras maiúsculas Título

Leia mais

1 Um guia para este livro

1 Um guia para este livro PARTE 1 A estrutura A Parte I constitui-se de uma estrutura para o procedimento da pesquisa qualitativa e para a compreensão dos capítulos posteriores. O Capítulo 1 serve como um guia para o livro, apresentando

Leia mais

11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na segunda coluna:

11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na segunda coluna: TÉCNICO EM ASSUNTOS EDUCACIONAIS 4 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÕES DE 11 A 25 11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na

Leia mais

3 Definição da metodologia

3 Definição da metodologia 3 Definição da metodologia A Pesquisa-ação foi a metodologia escolhida para a realização desta pesquisa, por indicar a participação do autor e a interação de outros atores na produção de conhecimento a

Leia mais

CONCEPÇÕES DE PROFESSORES EM AVALIAÇÃO E EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: ENCONTROS E DESENCONTROS

CONCEPÇÕES DE PROFESSORES EM AVALIAÇÃO E EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: ENCONTROS E DESENCONTROS CONCEPÇÕES DE PROFESSORES EM AVALIAÇÃO E EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: ENCONTROS E DESENCONTROS ALMEIDA *, Laura Isabel Marques Vasconcelos de. UFMT laura.isabel@terra.com.br DARSIE **, Marta Maria Pontin. UFMT

Leia mais

AULA 13 Dados verbais

AULA 13 Dados verbais 1 AULA 13 Dados verbais Ernesto F. L. Amaral 05 de maio de 2011 Metodologia (DCP 033) Fonte: Flick, Uwe. 2009. Desenho da pesquisa qualitativa. Porto Alegre: Artmed. pp.105-118. OBJETIVO DA AULA 2 Apresentar

Leia mais

ANEXO I, DA PORTARIA N 111 MATRIZ DE COMPETÊNCIAS E HABILIDADES DO ENCCEJA/2003 ENSINO MÉDIO

ANEXO I, DA PORTARIA N 111 MATRIZ DE COMPETÊNCIAS E HABILIDADES DO ENCCEJA/2003 ENSINO MÉDIO ANEXO I, DA PORTARIA N 111 MATRIZ DE COMPETÊNCIAS E HABILIDADES DO ENCCEJA/2003 ENSINO MÉDIO 1 - Matriz de Competências e Habilidades de Ciências da Natureza e Suas Tecnologias Ensino Médio EIXOS COGNITIVOS

Leia mais

Competências e habilidades EIXOS COGNITIVOS (comuns a todas as áreas de conhecimento) I. Dominar linguagens (DL): dominar a norma culta da Língua

Competências e habilidades EIXOS COGNITIVOS (comuns a todas as áreas de conhecimento) I. Dominar linguagens (DL): dominar a norma culta da Língua Competências e habilidades EIXOS COGNITIVOS (comuns a todas as áreas de conhecimento) I. Dominar linguagens (DL): dominar a norma culta da Língua Portuguesa e fazer uso das linguagens matemática, artística

Leia mais

O ESTÁGIO SUPERVISIONADO E A FORMAÇÃO DE LICENCIANDOS EM CIÊNCIAS NATURAIS

O ESTÁGIO SUPERVISIONADO E A FORMAÇÃO DE LICENCIANDOS EM CIÊNCIAS NATURAIS O ESTÁGIO SUPERVISIONADO E A FORMAÇÃO DE LICENCIANDOS EM CIÊNCIAS NATURAIS Lizandra Cristina Macedo PINTO¹ - lizacrisufpa@gmail.com Mara Jessyka Coimbra De MELO¹ - mjessykacoimbra@hotmail.com Layse Kristine

Leia mais

Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de Ciências e Tecnologia- UNESP. E-mail: rafaela_reginato@hotmail.com

Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de Ciências e Tecnologia- UNESP. E-mail: rafaela_reginato@hotmail.com 803 AS CONTRIBUIÇÕES DO LÚDICO PARA O DESENVOLVIMENTO EMOCIONAL INFANTIL NO CONTEXTO ESCOLAR Rafaela Reginato Hosokawa, Andréia Cristiane Silva Wiezzel Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de

Leia mais

Desenvolvimento de Conteúdo para cursos Online

Desenvolvimento de Conteúdo para cursos Online Desenvolvimento de Conteúdo para cursos Online Estabelecendo Objetivos de Aprendizagem Autora: Priscilla Nunes ESTABELECENDO OBJETIVOS DE APRENDIZAGEM Apresentação Boas- vindas ao Módulo Estabelecendo

Leia mais

Aula No. 2 Introdução e conceitos básicos

Aula No. 2 Introdução e conceitos básicos Universidade de Pernambuco - UPE Escola Politécnica de Pernambuco POLI Disciplina: Metodologia da Pesquisa Professora: Emilia Rahnemay Kohlman Rabbani Aula No. 2 Introdução e conceitos básicos Reflexão

Leia mais

OFICINA DE JOGOS MATEMÁTICOS E MATERIAIS MANIPULÁVEIS

OFICINA DE JOGOS MATEMÁTICOS E MATERIAIS MANIPULÁVEIS OFICINA DE JOGOS MATEMÁTICOS E MATERIAIS MANIPULÁVEIS Mais informações: Site PIBID: http://www.pibid.ufrn.br/ Site LEM/UFRN: http://www.ccet.ufrn.br/matematica/lemufrn/index.html E-mail do LEM/UFRN: lem2009ufrn@yahoo.com.br

Leia mais

Palavras chaves: Formação de professores. Prática inovadora. Planejamento docente.

Palavras chaves: Formação de professores. Prática inovadora. Planejamento docente. REPENSANDO O PLANEJAMENTO DIDÁTICO PARA UMA PRÁTICA INOVADORA EM UM CURSO DE FORMAÇÃO DOCENTE. Cecilia Gaeta Universidade Federal de São Paulo UNIFESP (professora convidada) Martha Prata-Linhares Universidade

Leia mais

O TEMA TRANSVERSAL MEIO AMBIENTE E O LIVRO DIDÁTICO DE MATEMÁTICA

O TEMA TRANSVERSAL MEIO AMBIENTE E O LIVRO DIDÁTICO DE MATEMÁTICA O TEMA TRANSVERSAL MEIO AMBIENTE E O LIVRO DIDÁTICO DE MATEMÁTICA Karine Machado Fraga de Melo 1 Claudia Lisete Oliveira Groenwald 2 Resumo Este artigo apresenta a análise de como o tema transversal Meio

Leia mais

Resenha sobre o capítulo II Concepção e Organização da pesquisa do livro Metodologia da Pesquisa-ação

Resenha sobre o capítulo II Concepção e Organização da pesquisa do livro Metodologia da Pesquisa-ação Resenha sobre o capítulo II Concepção e Organização da pesquisa do livro Metodologia da Pesquisa-ação Felipe Schadt 1 O presente capítulo 2 é parte integrante do livro Metodologia da Pesquisa-ação, do

Leia mais

Preparação do Trabalho de Pesquisa

Preparação do Trabalho de Pesquisa Preparação do Trabalho de Pesquisa Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Pesquisa Bibliográfica Etapas do Trabalho de Pesquisa

Leia mais

Pesquisa Científica e Método. Profa. Dra. Lívia Perasol Bedin

Pesquisa Científica e Método. Profa. Dra. Lívia Perasol Bedin Pesquisa Científica e Método Profa. Dra. Lívia Perasol Bedin A Pesquisa e o Metodo Cientifico Definir modelos de pesquisa Método, entre outras coisas, significa caminho para chegar a um fim ou pelo qual

Leia mais

Disciplina: Alfabetização

Disciplina: Alfabetização Título do artigo: As intervenções didáticas no processo de alfabetização inicial Disciplina: Alfabetização Selecionador: Beatriz Gouveia 1 Categoria: Professor 1 Coordenadora de projetos do Instituto Avisa

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE RESOLUÇÃO DE PROBLEMA COMO ESTRATÉGIA DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA MATEMÁTICA.

A UTILIZAÇÃO DE RESOLUÇÃO DE PROBLEMA COMO ESTRATÉGIA DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA MATEMÁTICA. A UTILIZAÇÃO DE RESOLUÇÃO DE PROBLEMA COMO ESTRATÉGIA DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA MATEMÁTICA. Flavia Pollyany Teodoro Caroline Hellen Martendal dos Santos Samuel Pedroso Resumo: O presente trabalho refere-se

Leia mais

Projeto de Pesquisa: Estrutura e natureza

Projeto de Pesquisa: Estrutura e natureza Projeto de Pesquisa: Estrutura e natureza Após a entrega do exercício D (folha síntese do projeto de pesquisa, vamos rever o projeto de pesquisa e a introdução da tese. Após a aula, além do exercício D

Leia mais

METODOLOGIA PARA DESENVOLVIMENTO DE ESTUDOS DE CASOS

METODOLOGIA PARA DESENVOLVIMENTO DE ESTUDOS DE CASOS METODOLOGIA PARA DESENVOLVIMENTO DE ESTUDOS DE CASOS 1 O Método do Caso e o Ensino em Administração O uso do Método do Caso nas escolas de administração no Brasil é relativamente recente, embora não haja

Leia mais

OS NOVOS PARADIGMAS DA FORMAÇÃO CONTINUADA: DA EDUCAÇÃO BÁSICA À PÓSGRADUAÇÃO

OS NOVOS PARADIGMAS DA FORMAÇÃO CONTINUADA: DA EDUCAÇÃO BÁSICA À PÓSGRADUAÇÃO OS NOVOS PARADIGMAS DA FORMAÇÃO CONTINUADA: DA EDUCAÇÃO BÁSICA À PÓSGRADUAÇÃO Profa. Drª. Ana Maria Maranhão 1 Resumo: A tecnologia da Informação e de modo específico o computador, oferece as diferentes

Leia mais

O GERENTE DE PROJETOS

O GERENTE DE PROJETOS O GERENTE DE PROJETOS INTRODUÇÃO Autor: Danubio Borba, PMP Vamos discutir a importância das pessoas envolvidas em um projeto. São elas, e não os procedimentos ou técnicas, as peças fundamentais para se

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo VIII Riscos

Gerenciamento de Projetos Modulo VIII Riscos Gerenciamento de Projetos Modulo VIII Riscos Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento

Leia mais

As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R

As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R INTRODUÇÃO A pesquisa é um procedimento reflexivo e crítico de busca de respostas para problemas ainda não solucionados. O

Leia mais

Nossa Aula de cada Dia! 1

Nossa Aula de cada Dia! 1 Nossa Aula de cada Dia! 1 O titulo é sugestivo e enseja um olhar bastante critico para a utilização consciente e correta para atingir os objetivos propostos nos pilares e princípios contidos na atual LDB

Leia mais

TEIA TEIA DO DO SABER SABER

TEIA TEIA DO DO SABER SABER TEIA TEIA DO DO SABER SABER 2005 Fundação de Apoio às Ciências: Humanas, Exatas e Naturais GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ENSINO - REGIÃO DE RIBEIRÃO PRETO

Leia mais

As TIC chegam à escola. Como entrar pela porta da frente? Vera Lúcia Duarte de Novais

As TIC chegam à escola. Como entrar pela porta da frente? Vera Lúcia Duarte de Novais As TIC chegam à escola. Como entrar pela porta da frente? Vera Lúcia Duarte de Novais 1. As TIC e o avanço da aprendizagem de educadores e alunos: reflexões à luz da cultura escolar As várias experiências

Leia mais

REGIMENTO ESCOLAR EDUCAÇÃO INFANTIL

REGIMENTO ESCOLAR EDUCAÇÃO INFANTIL INSTITUIÇÃO SINODAL DE ASSINTÊNCIA, EDUCAÇÃO E CULTURA - ISAEC ESCOLA DE ENSINO FUNDAMENTAL SINODAL SETE DE SETEMBRO NÃO-ME-TOQUE /RS REGIMENTO ESCOLAR EDUCAÇÃO INFANTIL 1 SUMÁRIO 1- CARACTERIZAÇÃO DA

Leia mais

Estrutura e organização de projeto científico

Estrutura e organização de projeto científico O PROCESSO DE PESQUISA BÁSICA EM ADMINISTRAÇÃO Estrutura e organização de projeto científico PROCESSO DE TOMADA DE DECISÃO Fase I: Formulação Desenvolver: -teoria; -Questões de pesquisa; -Hipóteses; -Plano

Leia mais

TÉCNICAS DE APRENDIZAGEM

TÉCNICAS DE APRENDIZAGEM CEAP/CURSO DE DIREITO Disciplina: TEORIA DA CONSTITUIÇÃO Professor: MsC. UBIRATAN RODRIGUES DA SILVA Texto de leitura complementar TÉCNICAS DE APRENDIZAGEM Compõem as técnicas de aprendizagem ou procedimentos

Leia mais

Centro Acadêmico Paulo Freire - CAPed Maceió - Alagoas - Brasil ISSN: 1981-3031

Centro Acadêmico Paulo Freire - CAPed Maceió - Alagoas - Brasil ISSN: 1981-3031 COORDENADOR PEDAGÓGICO E SUA IMPORTÂNCIA NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM Polyana Marques Lima Rodrigues 1 poly90lima@hotmail.com Willams dos Santos Rodrigues Lima 2 willams.rodrigues@hotmail.com RESUMO

Leia mais

Aprendizagem colaborativa. Prof. Dra. Sílvia Dotta EaD e Novas Tecnologias Licenciaturas - UFABC

Aprendizagem colaborativa. Prof. Dra. Sílvia Dotta EaD e Novas Tecnologias Licenciaturas - UFABC Aprendizagem colaborativa Prof. Dra. Sílvia Dotta EaD e Novas Tecnologias Licenciaturas - UFABC Origens CSCL Computer-Supported Collaborative Learning: Aprendizagem Colaborativa Mediada por Computador

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS No que se refere à relação entre educação e sociedade, julgue os Com relação às concepções pedagógicas, julgue os próximos itens. itens a seguir. 60 A vivência grupal na forma

Leia mais

AS PRÁTICAS DE ALFABETIZAÇÃO E A CONSTRUÇÃO DA LEITURA E DA ESCRITA PELA CRIANÇA

AS PRÁTICAS DE ALFABETIZAÇÃO E A CONSTRUÇÃO DA LEITURA E DA ESCRITA PELA CRIANÇA AS PRÁTICAS DE ALFABETIZAÇÃO E A CONSTRUÇÃO DA LEITURA E DA ESCRITA PELA CRIANÇA Eliane Aparecida Galvão dos Santos 1 Dóris Pires Vargas Bolzan 2 Resumo Este trabalho é um recorte da pesquisa de Mestrado

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Plano de Trabalho Docente - 2015

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Plano de Trabalho Docente - 2015 Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Plano de Trabalho Docente - 2015 ETEC Monsenhor Antônio Magliano Código: 088 Município: Garça Eixo Tecnológico: Habilitação Profissional: Qualificação:

Leia mais

Neste capítulo será apresentado o método científico que foi utilizado no

Neste capítulo será apresentado o método científico que foi utilizado no 6 METODOLOGIA DA PESQUISA Neste capítulo será apresentado o método científico que foi utilizado no desenvolvimento da pesquisa. Todo trabalho científico deve estar fundamentado em métodos para que seus

Leia mais

Guia do Professor Introdução

Guia do Professor Introdução Guia do Professor Introdução Pesquisas realizadas pelo SAEB (Sistema Nacional de Avaliação da Educação Básica) mostram as dificuldades dos estudantes em resolver situações problemas. Essa situação é decorrente

Leia mais

GUIA PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO INTEGRADO MULTIDISCIPLINAR DOS CURSOS DA FACULDADE DE TECNOLOGIA LOURENÇO FILHO (PIM I PIM II)

GUIA PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO INTEGRADO MULTIDISCIPLINAR DOS CURSOS DA FACULDADE DE TECNOLOGIA LOURENÇO FILHO (PIM I PIM II) GUIA PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO INTEGRADO MULTIDISCIPLINAR DOS CURSOS DA FACULDADE DE TECNOLOGIA LOURENÇO FILHO (PIM I PIM II) FORTALEZA 2015 DA CONCEPÇÃO Os cursos Superiores de Tecnologia da Faculdade

Leia mais

EDITAL PARA CONTEUDISTA FEAD

EDITAL PARA CONTEUDISTA FEAD EDITAL PARA CONTEUDISTA FEAD 1. CONCEPÇÃO Esta nova concepção de educação e aprendizagem tem seu eixo centrado no aluno, no professor e na gestão escolar (Paulo Sérgio). Diante disso, torna-se relevante

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: UMA REFLEXÃO SOBRE O USO DAS TIC NO DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS DE APRENDIZAGEM 1

FORMAÇÃO DOCENTE: UMA REFLEXÃO SOBRE O USO DAS TIC NO DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS DE APRENDIZAGEM 1 AYRES, Sandra Regina Braz; MILANESI, Irton; MILHOMEM, André Luiz Borges. Formação Docente: Uma reflexão sobre o uso das TIC no desenvolvimento de projetos de aprendizagem. SemiEdu2010 - ISSN:1518-4846

Leia mais

DESENVOLVENDO COMPETÊNCIAS MATEMÁTICAS Marineusa Gazzetta *

DESENVOLVENDO COMPETÊNCIAS MATEMÁTICAS Marineusa Gazzetta * DESENVOLVENDO COMPETÊNCIAS MATEMÁTICAS Marineusa Gazzetta * RESUMO: Neste texto apresento algumas considerações sobre as competências e habilidades matemáticas a serem desenvolvidas no Ensino Fundamental,

Leia mais

Projeto de Música Pop e Rock

Projeto de Música Pop e Rock Projeto de Música Pop e Rock Docentes: Ângelo Cunha Paulo Bispo Teresa Laranjeira Externato Marista de Lisboa Introdução A Música é única para os seres humanos e como as outras artes, é tão básico como

Leia mais

INTEGRAÇÃO E MOVIMENTO- INICIAÇÃO CIENTÍFICA E.E. JOÃO XXIII SALA 15 - Sessão 2

INTEGRAÇÃO E MOVIMENTO- INICIAÇÃO CIENTÍFICA E.E. JOÃO XXIII SALA 15 - Sessão 2 INTEGRAÇÃO E MOVIMENTO- INICIAÇÃO CIENTÍFICA E.E. JOÃO XXIII SALA 15 - Sessão 2 Professor(es) Apresentador(es): Ana Lúcia Teixeira de Araújo Durigan Nelcy Aparecida de Araújo Realização: Apresentação do

Leia mais

OS MAPAS CONCEITUAIS COMO INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO FORMATIVA. Evelyse Lemos Borges * Resumo

OS MAPAS CONCEITUAIS COMO INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO FORMATIVA. Evelyse Lemos Borges * Resumo OS MAPAS CONCEITUAIS COMO INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO FORMATIVA Evelyse Lemos Borges * Resumo Percebendo que a avaliação tem sido efetivada de forma equivocada, devido a falta de clareza sobre o seu real

Leia mais

PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO. Prof. Msc Milene Silva

PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO. Prof. Msc Milene Silva PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO Prof. Msc Milene Silva Conteúdo: Concepções Pedagógicas Conceitos de Educação; Pedagogia; Abordagens Pedagógicas: psicomotora, construtivista, desenvolvimentista e críticas. Função

Leia mais

Dentre esses fatores existem alguns, muito importantes, relacionados com enfoques sobre o ensino e a aprendizagem.

Dentre esses fatores existem alguns, muito importantes, relacionados com enfoques sobre o ensino e a aprendizagem. UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC NÚCLEO DE TREINAMENTONTO PRA PREVENÇÃO DE EMERGÊNCIAS - CETREM CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA INSTRUTORES - CPI TRABALHO PRELIMINAR PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO PARA

Leia mais

Mídia e educação: O uso das novas tecnologias em sala de aula.

Mídia e educação: O uso das novas tecnologias em sala de aula. Mídia e educação: O uso das novas tecnologias em sala de aula. Sabrine Denardi de Menezes da Silva Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Farroupilha - Campus São Vicente do Sul RESUMO: A

Leia mais

Resolução de problemas

Resolução de problemas Resolução de problemas Oficina de Matemática Fundamental I André Luís Corte Brochi Professor da Faculdade Interativa COC Conteúdo Elementos teóricos sobre resolução de problemas. Sugestões de atividades

Leia mais

AMARO Gestão Empresarial Ltda.

AMARO Gestão Empresarial Ltda. Anexo SL Por se tratar de uma tradução livre e de uso somente informativo para os clientes da consultoria, selecionamos somente os trechos importantes do Anexo SL e colocamos abaixo o Apêndice 2 que estrutura

Leia mais

Processos de gerenciamento de projetos em um projeto

Processos de gerenciamento de projetos em um projeto Processos de gerenciamento de projetos em um projeto O gerenciamento de projetos é a aplicação de conhecimentos, habilidades, ferramentas e técnicas às atividades do projeto a fim de cumprir seus requisitos.

Leia mais

AUDITORIA CONTÁBIL. as normas são para controlar a qualidade do. os procedimentos de auditoria descrevem as

AUDITORIA CONTÁBIL. as normas são para controlar a qualidade do. os procedimentos de auditoria descrevem as Normas de Auditoria as normas são para controlar a qualidade do exame e do relatório; os procedimentos de auditoria descrevem as tarefas realmente cumpridas pelo auditor, na realização do exame. 2 CONCEITO

Leia mais

O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LINGUA ESCRITA: FUNDAMENTADO EM EMILIA FERREIRO E ANA TEBEROSKY.

O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LINGUA ESCRITA: FUNDAMENTADO EM EMILIA FERREIRO E ANA TEBEROSKY. O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LINGUA ESCRITA: FUNDAMENTADO EM EMILIA FERREIRO E ANA TEBEROSKY. Silvana da Silva Nogueira (FECLESC/UECE) Priscila Cavalcante Silva (FECLESC/UECE) Resumo O processo de aquisição

Leia mais

3 Jogos Sérios e Educação O avanço tecnológico tem transformado e contribuído para a melhoria da prestação de serviço em diversas áreas. No contexto educacional, novos sistemas e equipamentos têm sido

Leia mais

Projeto PAI Pensamento Ação Inteligência

Projeto PAI Pensamento Ação Inteligência Projeto PAI Pensamento Ação Inteligência Da Educação Infantil ao Ensino Fundamental DESAFIOS: I. Desenvolver habilidades e competências que estão na base de toda aprendizagem, considerando três campos

Leia mais

O ATO DE ESTUDAR 1. (Apresentação a partir do texto de Paulo Freire.)

O ATO DE ESTUDAR 1. (Apresentação a partir do texto de Paulo Freire.) O ATO DE ESTUDAR 1 (Apresentação a partir do texto de Paulo Freire.) Paulo Freire, educador da atualidade, aponta a necessidade de se fazer uma prévia reflexão sobre o sentido do estudo. Segundo suas palavras:

Leia mais

A modelagem e a simulação computacional, como recurso didático na disciplina de Física em cursos técnicos integrados ao ensino médio

A modelagem e a simulação computacional, como recurso didático na disciplina de Física em cursos técnicos integrados ao ensino médio A modelagem e a simulação computacional, como recurso didático na disciplina de Física em cursos técnicos integrados ao ensino médio Cibeli Marzari Bertagnolli (1), Orildo Luis Battistel (2), Sheila Magali

Leia mais

Gênero Textual Resumo

Gênero Textual Resumo ASSESSORIA DE EDUCAÇÃO PROVÍNCIA DO PARANÁ Gênero Textual Resumo Prof. Eliana Martens O Resumo Resumo nada mais é do que um texto reduzido a seus tópicos principais, sem a presença de comentários ou julgamentos.

Leia mais

EM PARCERIA COM O LYCEU PARAIBANO Fundado em 1836. Projeto NA TRILHA DO FUTURO. Plano de trabalho COMPETÊNCIAS PARA ENSINO VIRTUAL

EM PARCERIA COM O LYCEU PARAIBANO Fundado em 1836. Projeto NA TRILHA DO FUTURO. Plano de trabalho COMPETÊNCIAS PARA ENSINO VIRTUAL LABORATÓRIO DE TECNOLOGIAS INTELECTUAIS LTi Coordenadora: Profa. Dra. Isa Maria Freire EM PARCERIA COM O LYCEU PARAIBANO Fundado em 1836 Projeto NA TRILHA DO FUTURO Plano

Leia mais

Centro de Estudos em Avaliação Educacional/UFRJ

Centro de Estudos em Avaliação Educacional/UFRJ CURRÍCULO: CONCEITOS BÁSICOS Centro de Estudos em Avaliação Educacional/UFRJ O termo currículo é encontrado em registros do século XVII, sempre relacionado a um projeto de controle do ensino e da aprendizagem,

Leia mais

2 Ergonomia aplicada na EAD em ambiente web

2 Ergonomia aplicada na EAD em ambiente web 2 Ergonomia aplicada na EAD em ambiente web A eficiência da educação a distância (EAD) depende da contribuição de diversas disciplinas. É comum encontrarmos estudos nas áreas da ciência da computação,

Leia mais

Dicas para EaD. Mapa do Tutorial. Ambientação em Educação a Distância. Educação a Distância. Aluno na Modalidade EaD.

Dicas para EaD. Mapa do Tutorial. Ambientação em Educação a Distância. Educação a Distância. Aluno na Modalidade EaD. Dicas para EaD Mapa do Tutorial Ambientação em Educação a Distância Você está aqui! Aula 1 Aula 2 Aula 3 Aula 4 Aula 5 Introdução Educação a Distância Aluno na Modalidade EaD Dicas para EaD Orientações

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO (Anexo 1)

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO (Anexo 1) Prezado(a) Professor(a), Visando orientar e otimizar as informações que deverão constar no projeto, elencamos, abaixo, os itens imprescindíveis para compreensão e apresentação da sua proposta ao Prêmio

Leia mais

Design Pedagógico do módulo III Origem dos Movimentos, Variação

Design Pedagógico do módulo III Origem dos Movimentos, Variação Design Pedagógico do módulo III Origem dos Movimentos, Variação Escolha do tópico O que um aluno entre 14 e 18 anos acharia de interessante neste tópico? Que aplicações / exemplos do mundo real podem ser

Leia mais

Como estudar o SIPIA CT

Como estudar o SIPIA CT Como estudar o SIPIA CT Versão 1.0 Índice 1. Introdução... 2 2. O Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA)... 2 3. Recursos do AVA... 4 3.1. Fórum de dúvidas e discussões... 5 3.2. Apostila Eletrônica...

Leia mais

ARTIGOS CIENTÍFICOS. MANUAL DE NORMAS FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DO CENTRO DO PARANÁ - UCP PITANGA/PR biblioteca@ucpparana.edu.

ARTIGOS CIENTÍFICOS. MANUAL DE NORMAS FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DO CENTRO DO PARANÁ - UCP PITANGA/PR biblioteca@ucpparana.edu. ARTIGOS CIENTÍFICOS Segundo a Associação Brasileira de Normas Técnicas, Artigo científico é parte de uma publicação com autoria declarada, que apresenta e discute idéias, métodos, técnicas, processos e

Leia mais

SUGESTÃO DE PLANO DE APRENDIZAGEM. Curso de Formação Inicial e Continuada. EXCEL 2010 Avançado SAC 9411362-0

SUGESTÃO DE PLANO DE APRENDIZAGEM. Curso de Formação Inicial e Continuada. EXCEL 2010 Avançado SAC 9411362-0 SUGESTÃO DE PLANO DE APRENDIZAGEM Curso de Formação Inicial e Continuada EXCEL 2010 Avançado SAC 9411362-0 Área: Tecnologia da Informação Subárea: Aplicativos Duração: 39 horas Gerência de Desenvolvimento

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 Curso: PEDAGOGIA Disciplina: TECNOLOGIA NA SALA DE AULA I Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º 1 - Ementa (sumário, resumo) Histórico da informática,

Leia mais

Judgment Você toma milhares de decisões todos os dias, das mais simples às mais importantes. Quais serão as certas?

Judgment Você toma milhares de decisões todos os dias, das mais simples às mais importantes. Quais serão as certas? Judgment Você toma milhares de decisões todos os dias, das mais simples às mais importantes. Quais serão as certas? hoganjudgement.com www.hoganbrasil.com.br/hoganjudgement 2014 Hogan Assessment Systems

Leia mais

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu Mestrado Profissional em Ensino de Ciências Campus Nilópolis Ana Paula Inacio Diório AS MÍDIAS

Leia mais

Fundamentação teórica para a presença do Xadrez nas actividades curriculares e extracurriculares no Real Colégio de Portugal

Fundamentação teórica para a presença do Xadrez nas actividades curriculares e extracurriculares no Real Colégio de Portugal Fundamentação teórica para a presença do Xadrez nas actividades curriculares e extracurriculares no Real Colégio de Portugal O Lúdico na Sala de Aula O lúdico tem vindo a desempenhar um importante papel

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA ATUAÇÃO EM AMBIENTE INFORMATIZADO: RELATO DE EXPERIÊNCIA

FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA ATUAÇÃO EM AMBIENTE INFORMATIZADO: RELATO DE EXPERIÊNCIA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA ATUAÇÃO EM AMBIENTE INFORMATIZADO: RELATO DE EXPERIÊNCIA Resumo BALADELI, Ana Paula Domingos UEM annapdomingos@yahoo.com.br ALTOÉ, Anair UEM aaltoe@uem.br Eixo temático: Comunicação

Leia mais

ENSINO A DISTÂNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO BÁSICA DO ESTADO DA PARAÍBA

ENSINO A DISTÂNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO BÁSICA DO ESTADO DA PARAÍBA ENSINO A DISTÂNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO BÁSICA DO ESTADO DA PARAÍBA Diniz, Ercules - Ciências Biológicas / ercules.diniz@hotmail.com ; Barbosa, Rosemary - Professora orientadora / rosemaryevaristo@ig.com.br;

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA GESTÃO DEMOCRÁTICA NO COTIDIANO ESCOLAR

OS PRINCÍPIOS DA GESTÃO DEMOCRÁTICA NO COTIDIANO ESCOLAR OS PRINCÍPIOS DA GESTÃO DEMOCRÁTICA NO COTIDIANO ESCOLAR Alex Vieira da Silva 1 RESUMO O presente artigo pretende discutir os princípios da gestão democrática no contexto educacional, visando perceber

Leia mais

PLANO DE SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS 3º ano / Ensino Médio Área: Ciências da Natureza e suas Tecnologias Disciplina Biologia carga horária: 120 horas

PLANO DE SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS 3º ano / Ensino Médio Área: Ciências da Natureza e suas Tecnologias Disciplina Biologia carga horária: 120 horas MINISTERIO DA DEFESA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXERCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATORIA E ASSISTENCIAL PLANO DE SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS 3º ano / Ensino Médio Área: Ciências da Natureza e suas

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO PPP COMO OPORTUNIDADE PARA O ENSINO DE ESTATÍSTICA

A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO PPP COMO OPORTUNIDADE PARA O ENSINO DE ESTATÍSTICA Encontro Nacional de Educação Matemática A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO PPP COMO OPORTUNIDADE PARA O ENSINO DE ESTATÍSTICA Thiarla avier Dal-Cin Zanon Prefeitura Municipal de Castelo/ES Universidade

Leia mais

PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE EDUCAÇÃO MORAL E CÍVICA

PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE EDUCAÇÃO MORAL E CÍVICA PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE EDUCAÇÃO MORAL E CÍVICA 11ª, 12ª e 13ª classes Formação de Professores do 1º Ciclo do Ensino Secundário Ficha Técnica TÍTULO: Programa de Metodologia do Ensino de Educação

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DO USO DE NOVAS TECNOLOGIAS NO ENSINO DE CIÊNCIAS

A UTILIZAÇÃO DO USO DE NOVAS TECNOLOGIAS NO ENSINO DE CIÊNCIAS A UTILIZAÇÃO DO USO DE NOVAS TECNOLOGIAS NO ENSINO DE CIÊNCIAS Juliana Cristina de Santana¹ Quitéria Medeiros² UFRPE RESUMO: Pesquisas em vários níveis de ensino evidenciam preocupações de educadores relacionadas

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO, CULTURA E ASSUNTOS ESTUDANTIS II SIMPÓSIO DE EXTENSÃO, CULTURA E ASSUNTOS ESTUDANTIS 13 e 14 de junho de 2013 O PROJETO DE EXTENSÃO MATEMÁTICA LEGAL

Leia mais

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula INTRODUÇÃO Josiane Faxina Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho Câmpus Bauru e-mail: josi_unesp@hotmail.com

Leia mais

SOFTWARES EDUCACIONAIS E O ENSINO DE HISTÓRIA: ELEMENTOS PARA UMA ANÁLISE DIDÁTICA

SOFTWARES EDUCACIONAIS E O ENSINO DE HISTÓRIA: ELEMENTOS PARA UMA ANÁLISE DIDÁTICA SOFTWARES EDUCACIONAIS E O ENSINO DE HISTÓRIA: ELEMENTOS PARA UMA ANÁLISE DIDÁTICA Marcio de Fátimo Tomaz Mestre em Educação - Programa de Pós-Graduação em Educação Universidade Federal do Paraná mftomaz@ufpr.br

Leia mais

Abordagens pedagógicas no ensino de Educação Física. Prof.ª Sara Caixeta

Abordagens pedagógicas no ensino de Educação Física. Prof.ª Sara Caixeta Abordagens pedagógicas no ensino de Educação Física Prof.ª Sara Caixeta Objetivo: Conhecer as diferentes tendências e abordagens pedagógicas da Educação física Brasileira identificando seus fundamentos

Leia mais

CHAMADA PARA CADASTRO DE PROJETOS DE ENSINO. EDITAL Nº 001/2015-DG, de 16 de março de 2015

CHAMADA PARA CADASTRO DE PROJETOS DE ENSINO. EDITAL Nº 001/2015-DG, de 16 de março de 2015 CHAMADA PARA CADASTRO DE PROJETOS DE ENSINO EDITAL Nº 001/2015-DG, de 16 de março de 2015 O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás Câmpus Anápolis, por meio do Departamento de Áreas

Leia mais

Módulo III Objetos de Aprendizagem ALFABETIZAÇÃO

Módulo III Objetos de Aprendizagem ALFABETIZAÇÃO ALFABETIZAÇÃO Guia do professor Introdução A leitura e a escrita são instrumentos que auxiliam a promoção da inclusão social. Sendo assim, a alfabetização é um processo relevante e imprescindível para

Leia mais

RESUMO. Palavras-chave: Estratégias matemáticas, operações fundamentais, educação matemática.

RESUMO. Palavras-chave: Estratégias matemáticas, operações fundamentais, educação matemática. ESTRATÉGIAS FORMAIS E INFORMAIS DE OPERAÇÕES MATEMÁTICAS UTILIZADAS POR CRIANÇAS NO TRABALHO E NA ESCOLA Alan Gonçalves Lacerda & Marinalva Silva Oliveira Universidade Federal do Amapá NEC- alan-lacerda@uol.com.br

Leia mais

DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO E DESENVOLVIMENTO MENTAL DO INDIVIDUO

DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO E DESENVOLVIMENTO MENTAL DO INDIVIDUO DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO E DESENVOLVIMENTO MENTAL DO INDIVIDUO Maria Sebastiana Gomes Mota¹ Francisca Elisa de Lima Pereira² Resumo: Este artigo tem como objetivo

Leia mais

METODOLOGIA DA EDUCAÇÃO MORAL E RELIGIOSA CATÓLICA NA EDUCAÇÃO BÁSICA

METODOLOGIA DA EDUCAÇÃO MORAL E RELIGIOSA CATÓLICA NA EDUCAÇÃO BÁSICA METODOLOGIA DA EDUCAÇÃO MORAL E RELIGIOSA CATÓLICA NA EDUCAÇÃO BÁSICA Só é educativa a relação que faz crescera educando para uma maior autonomia (Aires Gameiro) Porque não lançar-se à tarefa de ajudar

Leia mais

PROFESSOR FORMADOR, MESTRE MODELO? ANDRÉ, Marli Eliza Dalmazo Afonso de PUC-SP PASSOS, Laurizete Ferragut UNESP GT-20: Psicologia da Educação

PROFESSOR FORMADOR, MESTRE MODELO? ANDRÉ, Marli Eliza Dalmazo Afonso de PUC-SP PASSOS, Laurizete Ferragut UNESP GT-20: Psicologia da Educação PROFESSOR FORMADOR, MESTRE MODELO? ANDRÉ, Marli Eliza Dalmazo Afonso de PUC-SP PASSOS, Laurizete Ferragut UNESP GT-20: Psicologia da Educação Considerando a importância de estudos que abordem dimensões

Leia mais

PLANO DE SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS ESPANHOL 2 Área: Linguagens, Códigos e suas Tecnologias Disciplina: Língua Espanhola carga horária: 60 horas

PLANO DE SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS ESPANHOL 2 Área: Linguagens, Códigos e suas Tecnologias Disciplina: Língua Espanhola carga horária: 60 horas MINISTERIO DA DEFESA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXERCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATÓRIA E ASSISTENCIAL PLANO DE SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS ESPANHOL 2 Área: Linguagens, Códigos e suas Tecnologias

Leia mais