// catálogo de FOrmaçãO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "// catálogo de FOrmaçãO"

Transcrição

1 // catálogo de FOrmaçãO 2010 /2011 AF_cataĺogo_final.indd 1

2 // índice 3 CFT - CENTRO DE FORMAÇÃO TÉCNICA 5 Formação é peça fundamental! 6 ENERGIA SOLAR TÉRMICA (Profissionais de Distribuição) 7 ENERGIA SOLAR TÉRMICA (Profissionais de Instalação e Manutenção Nível I) 8 ENERGIA SOLAR TÉRMICA (Profissionais de Instalação e Manutenção Nível II) 9 ENERGIA SOLAR TÉRMICA (Projectistas) 10 Pavimento Radiante 11 DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA EM EDIFÍCIOS PREDIAIS 12 Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho 13 Formulário de inscrição 14 CONDIÇÕES GERAIS AF_cataĺogo_final.indd 2

3 CFT - CENTRO DE FORMAÇÃO TÉCNICA Desde o início da década de 90 que desenvolvemos acções de formação, procurando através de uma postura dinâmica formar e informar os profissionais do sector da Construção Civil. Na sequência desta longa experiência acumulada e como forma de valorizar institucionalmente uma prática reiterada, o CFT é desde 2010 acreditado pela DGERT - Direcção Geral do Emprego e das Relações de Trabalho. O CFT procura responder de forma abrangente e rigorosa a um conjunto de desafios e necessidades, que se colocam a todos os profissionais do sector. Tem orientado a sua acção, através de diferentes projectos desenvolvidos, consciente de que a promoção do desenvolvimento de competências e de práticas de trabalho, deverão apoiar-se num processo contínuo de formação, que contribuirá para o sucesso da actividade dos profissionais do sector da Construção Civil. 3 AF_cataĺogo_final.indd 3

4 O CFT tem como missão contribuir para o sucesso da actividade dos profissionais do sector Construção Civil, através da Formação Profissional, garantindo o desenvolvimento e aperfeiçoamento de competências, dotando-os de ferramentas fundamentais para dar resposta aos desafios que se colocam. Os NOSSOS VALORES são pautar a actividade segundo os princípios do respeito, da competência, do trabalho em equipa, da flexibilidade, da responsabilidade, da honestidade e do compromisso, da qualidade e da inovação. 4 AF_cata logo_final.indd 4

5 // Formação é peça fundamental! > Todos os cursos têm um carácter prático e objectivo e são ministrados por formadores com experiência de terreno. > O CFT dispõe de um conjunto de infraestruturas que incluem Sala de Formação equipada com modernos recursos didácticos e Sala Técnica com equipamento que permite a realização de módulos de aprendizagem práticos. > A Formação do CFT permite-lhe cumprir com os requisitos legais exigidos pela Lei Laboral, relativamente à formação anual dos colaboradores. > Os destinatários dos cursos do CFT são todos os profissionais que exercem uma actividade relacionada com o sector da Construção Civil (comerciais, assistentes de back office, orçamentistas, técnicos de instalação e manutenção, construtores, projectistas,...) 5 AF_cataĺogo_final.indd 5

6 // ENERGIA SOLAR TÉRMICA Refª ESTD 1.09 Profissionais de Distribuição OBJECTIVOS GERAIS: No final da acção de formação os participantes deverão ter apreendido todos os conceitos básicos relacionados com o equipamento e instalação de um sistema solar térmico. Objectivos Específicos: No final da acção de formação os formandos deverão estar aptos a: > Identificar os diversos tipos de colectores solares, assim como definir a sua orientação e inclinação; > Indicar as características e componentes de um Termossifão e de um sistema de Circulação Forçada; > Identificar os componentes da Instalação e os diversos Sistemas de Apoio; > Seleccionar uma instalação solar térmica em função das necessidades de cada utilizador. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO: MÓDULO I: Radiação Solar: Conceitos Básicos > Energia disponível e aproveitada > Decomposição da radiação solar > Converter a energia existente na natureza em energia térmica Colector Solar > Superfície absorsora da radiação solar > Tipos de colectores solares > Componentes do colector solar plano > Rendimentos e factor de perdas Orientação e Inclinação dos Colectores Solares MÓDULO II: Termossifão e Sistema de Circulação Forçada: componentes e características técnicas MÓDULO III: Componentes da Instalação: Circuito Primário e Secundário > Tubagens, isolamentos, válvula misturadora termostática e seguranças do acumulador Sistemas de Apoio > Diversos tipos de sistemas de apoio e adequação a cada instalação específica MÓDULO IV: Selecção de Equipamento > Dimensionamento da instalação > Legislação em vigor Duração: 7 horas (1 Dia) Nº de participantes: mínimo 8, máximo 16 Destinatários: Profissionais da actividade de distribuição Pré-Requisitos Preferenciais: Escolaridade básica e conhecimentos de base nas áreas de distribuição de águas, produção de água quente sanitária e aquecimento central Preço e condições: 120 * (por participante) Almoço, coffee break e material de apoio à formação incluído * Acresce IVA à taxa em vigor Com o apoio: 6 AF_cataĺogo_final.indd 6

7 // ENERGIA SOLAR TÉRMICA Refª ESTI 2.09 Profissionais de Instalação e Manutenção - Nível I OBJECTIVOS GERAIS: No final da acção de formação os participantes deverão ter apreendido todos os conceitos básicos relacionados com o equipamento e instalação de um sistema solar térmico. Objectivos Específicos: No final da acção de formação os formandos deverão estar aptos a: > Identificar os diversos tipos de colectores solares, assim como definir a sua orientação e inclinação; > Indicar as características e componentes de um Termossifão e de um sistema de Circulação Forçada; > Identificar os componentes da Instalação e os diversos Sistemas de Apoio; > Seleccionar uma instalação solar térmica em função das necessidades de cada utilizador. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO: MÓDULO I: Radiação Solar: Conceitos Básicos > Energia disponível e aproveitada > Decomposição da radiação solar > Converter a energia existente na natureza em energia térmica Colector Solar > Superfície absorsora da radiação solar > Tipos de colectores solares > Componentes do colector solar plano > Rendimentos e factor de perdas Orientação e Inclinação dos Colectores Solares MÓDULO II: Termossifão e Sistema de Circulação Forçada: componentes e características técnicas MÓDULO III: Componentes da Instalação: Circuito Primário e Secundário > Tubagens, isolamentos, válvula misturadora termostática e seguranças do acumulador Sistemas de Apoio > Diversos tipos de sistemas de apoio e adequação a cada instalação específica MÓDULO IV: Selecção de Equipamento > Dimensionamento da instalação > Legislação em vigor Duração: 7 horas (1 Dia) Nº de participantes: mínimo 8, máximo 16 Destinatários: Profissionais da actividade de instalação e manutenção Pré-Requisitos Preferenciais: Escolaridade básica e conhecimentos de base nas áreas de distribuição de águas, produção de água quente sanitária e aquecimento central Preço e condições: 120 * (por participante) Almoço, coffee break e material de apoio à formação incluído * Acresce IVA à taxa em vigor Com o apoio: 7 AF_cataĺogo_final.indd 7

8 // ENERGIA SOLAR TÉRMICA Refª ESTI 3.09 Profissionais de Instalação e Manutenção Nível II OBJECTIVOS GERAIS: No final da acção de formação os participantes deverão estar aptos a instalar correctamente um sistema solar térmico. Objectivos Específicos: No final da acção de formação os formandos deverão estar aptos a: > Identificar todos os conceitos relacionados com um sistema de energia solar térmica; > Identificar o principal equipamento de segurança para trabalhos em altura e reconhecer a importância da sua utilização; > Instalar, colocar em funcionamento e manusear correctamente um sistema solar térmico. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO: MÓDULO I: Radiação Solar: Conceitos Básicos > Energia disponível e aproveitada > Decomposição da radiação solar > Converter a energia existente na natureza em energia térmica Colector Solar > Superfície absorsora da radiação solar > Tipos de colectores solares > Componentes do colector solar plano > Rendimentos e factor de perdas Orientação e Inclinação dos Colectores Solares MÓDULO II: Termossifão e Sistema de Circulação Forçada: componentes e características técnicas MÓDULO III: Componentes da Instalação: Circuito Primário e Secundário > Tubagens, isolamentos, válvula misturadora termostática e seguranças do acumulador Sistemas de Apoio > Diversos tipos de sistemas de apoio e adequação a cada instalação específica MÓDULO IV: Selecção de Equipamento > Dimensionamento da instalação > Legislação em vigor MÓDULO V: Princípios e Equipamento de Segurança para trabalhos em altura MÓDULO VI: Instalação de Sistemas Solares Térmicos > Termossifão > Circulação Forçada > Programador Diferencial Solar Duração: 14 horas (2 Dias) Nº de participantes: mínimo 6, máximo 8 Destinatários: Profissionais da actividade de instalação e manutenção Pré-Requisitos Preferenciais: Escolaridade básica, EST nível I ou experiência profissional nas áreas de aquecimento central e produção de água quente sanitária Preço e condições: 240 * (por participante) Almoço, coffee break e material de apoio à formação incluído * Acresce IVA à taxa em vigor Com o apoio: 8 AF_cataĺogo_final.indd 8

9 // ENERGIA SOLAR TÉRMICA Refª ESTP 4.09 Projectistas OBJECTIVOS GERAIS: No final da acção de formação os participantes deverão ter apreendido todos os conceitos básicos relacionados com o equipamento e instalação de um sistema solar térmico. Objectivos Específicos: No final da acção de formação os formandos deverão estar aptos a: > Identificar os diversos tipos de colectores solares, assim como definir a sua orientação e inclinação; > Indicar as características e componentes de um Termossifão e de um sistema de Circulação Forçada; > Identificar os componentes da Instalação e os diversos Sistemas de Apoio; > Seleccionar uma instalação solar térmica em função das necessidades de cada utilizador. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO: MÓDULO I: Radiação Solar: Conceitos Básicos > Energia disponível e aproveitada > Decomposição da radiação solar > Converter a energia existente na natureza em energia térmica Colector Solar > Superfície absorsora da radiação solar > Tipos de colectores solares > Componentes do colector solar plano > Rendimentos e factor de perdas Orientação e Inclinação dos Colectores Solares MÓDULO II: Termossifão e Sistema de Circulação Forçada: componentes e características técnicas MÓDULO III: Componentes da Instalação: Circuito Primário e Secundário > Tubagens, isolamentos, válvula misturadora termostática e seguranças do acumulador Sistemas de Apoio > Diversos tipos de sistemas de apoio e adequação a cada instalação específica MÓDULO IV: Selecção de Equipamento > Dimensionamento da instalação > Legislação em vigor Duração: 7 horas (1 Dia) Nº de participantes: mínimo 8, máximo 16 Destinatários: Profissionais da actividade de projecto Pré-Requisitos Preferenciais: Actividade na área de projecto Preço e condições: 120 * (por participante) Almoço, coffee break e material de apoio à formação incluído * Acresce IVA à taxa em vigor Com o apoio: 9 AF_cataĺogo_final.indd 9

10 // PAVIMENTO RADIANTE Refª PRA 6.09 OBJECTIVOS GERAIS: No final da acção de formação os participantes deverão estar aptos a identificar correctamente os componentes e a instalação de um sistema de aquecimento central por pavimento radiante a água. Objectivos Específicos: No final da acção de formação os formandos deverão estar aptos a: > Reconhecer as especificidades de um sistema de aquecimento central por pavimento radiante; > Identificar e saber como instalar os componentes do pavimento radiante; > Identificar, saber como instalar e interligar as centrais de mistura e colectores de distribuição com o comando e controlo do sistema. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO: MÓDULO I: Pavimento Radiante : Conceitos Básicos > Pavimento Radiante > Distribuição de temperaturas > Vantagens/Desvantagens Componentes do Pavimento Radiante Instalação dos Componentes do Pavimento Radiante MÓDULO II: Centrais e Colectores de Distribuição, Comando e Controlo do Sistema Ligações Eléctricas MÓDULO III: Sistema Solar Térmico como Apoio ao Pavimento Radiante a Água > Interligação de um sistema solar térmico com o sistema de Pavimento Radiante Duração: 7 horas (1 Dia) Nº de participantes: mínimo 8, máximo 16 Destinatários: Profissionais da actividade de distribuição, instalação e manutenção Pré-Requisitos Preferenciais: Escolaridade básica e experiência profissional em áreas relacionadas com o aquecimento central e a distribuição de água Preço e condições: 120 * (por participante) Almoço, coffee break e material de apoio à formação incluído * Acresce IVA à taxa em vigor 10 AF_cataĺogo_final.indd 10

11 // DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA EM EDIFÍCIOS PREDIAIS Refª DAEP 5.09 OBJECTIVOS GERAIS: No final da acção de formação os participantes deverão estar aptos a identificar correctamente os principais sistemas de distribuição de água, suas características e aplicações específicas. Objectivos Específicos: No final da acção de formação os participantes deverão estar aptos a: > Identificar e distinguir os tipos de tubagem mais utilizados; > Reconhecer os tubos, acessórios e ferramentas que compõem cada um dos sistemas de distribuição de água; > Identificar o tipo de instalação adequada a cada sistema de distribuição de água; > Identificar os vários tipos de abastecimento a edifícios e as características de cada um. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO: MÓDULO I: Tipos de tubagem MÓDULO II e III: Sistemas de Distribuição de água > Bicone > Press fitting > Push fitting > Electrosoldadura > Roscado > Soldadura MÓDULO IV: Tipos de instalações MÓDULO V: Abastecimento a edifícios > Abastecimento em coluna > Abastecimento em bateria MÓDULO VI: Tubos, acessórios e sistemas certificados Duração: 7 horas (1 Dia) Nº de participantes: mínimo 8, máximo 16 Destinatários: Profissionais da actividade de distribuição, construção, instalação e manutenção ou fiscalização de sistemas de distribuição de água Pré-Requisitos Preferenciais: Escolaridade básica e experiência profissional em áreas relacionadas com a distribuição de água Com o apoio: Preço e condições: 120 * (por participante) Almoço, coffee break e material de apoio à formação incluído * Acresce IVA à taxa em vigor 11 AF_cataĺogo_final.indd 11

12 // Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho Refª SHST 1.10 OBJECTIVOS GERAIS: No final da acção de formação os participantes deverão estar aptos a identificar os princípios e domínios da Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho. Objectivos Específicos: No final da acção de formação os participantes deverão estar aptos a: > Identificar os conceitos em matéria de Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho associados aos riscos profissionais e a sua prevenção; > Compreender os conceitos básicos associados à Organização das Emergências; > Aplicar os conceitos associados à Ergonomia do Posto de Trabalho. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO: MÓDULO I: Princípios > Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho > Princípios e domínios da Segurança, Higiene e Saúde no trabalho > Identificar os conceitos fundamentais de segurança do trabalho e as principais causas e consequências dos acidentes do trabalho: Perigos e Riscos MÓDULO II: Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho em Estaleiros da Construção Sector da Construção Civil > Princípios e domínios da Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho > Identificar os conceitos fundamentais de segurança do trabalho e as principais causas e consequências dos acidentes de trabalho no Sector da Construção Civil > Legislação aplicável > O Plano de Segurança e Saúde MÓDULO III: Identificação, Avaliação e Controlo de Riscos Profissionais > Medidas preventivas e de controlo > Legislação aplicável > Equipamentos de Protecção: Individual e Colectiva MÓDULO IV: Organização das Emergências > Legislação aplicável > Identificação dos recursos necessários à elaboração da estrutura interna de Segurança e Evacuação > O Plano de Segurança Interno e o desenvolvimento: Plano de Prevenção, Plano de Emergência Interno e Registos de Segurança > As medidas de autoprotecção e a gestão de segurança MÓDULO V: Ergonomia do Posto de Trabalho > Ergonomia: Conceito, Objectivos > Postos de trabalho ergonomia > Equipamentos de trabalho ergonomia > Prevenção de Lesões Músculo-Esqueléticas - Ginástica Laboral Duração: Cada módulo tem a duração de 7 horas (1 dia) Destinatários: Profissionais do Sector da Construção Civil, público em geral Pré-Requisitos Preferenciais: Escolaridade básica Preço e condições: 120 cada módulo* (por participante) Almoço, coffee break e material de apoio à formação incluído * Acresce IVA à taxa em vigor 12 AF_cataĺogo_final.indd 12

13 // FOrmulÁriO de inscrição Para solicitar a inscrição numa acção de formação, envie-nos uma cópia do Formulário de Inscrição preenchido para o fax , por para ou ainda por carta para Parque Proclama, Quinta da Areia Coina. Acção: Data: empresa Nome NIF Morada Código Postal - Localidade Telefone Fax Pessoa a contactar participante Nome Instalador Comercial Projectista Outro Telemóvel Data de Nasc. / / B.I./ C. C. Nº Emitido por em / / Escolariedade (básico/secundário/superior) Os dados fornecidos serão incorporados numa base de dados, cuja propriedade e responsabilidade pertence ao CFT, para fins exclusivamente relacionados como o curso em que se inscreve. Autorizo o envio de informação referente à prestação de serviços de formação do CFT e aos produtos comercializados pelas entidades que apoiam o desenvolvimento dos cursos, podendo o seu titular exercer em qualquer momento os direitos de informação, acesso, rectificação, eliminação ou bloqueio estabelecidos na secção II - artigos 10º a 12º da Lei 67/98 de 26 de Outubro, mediante comunicação escrita ao CFT. Autorizo o CFT a disponibilizar os dados fornecidos a entidades do Sistema de Acreditação, para efeitos de eventual auscultação. 13 AF_cataĺogo_final.indd 13

14 // CONDIÇÕES GERAIS CONDIÇÕES DE INSCRIÇÃO > A inscrição é feita através do preenchimento do Formulário de Inscrição que poderá ser enviado por fax, mail ou correio. Após a sua recepção os nossos serviços enviarão a respectiva confirmação. A inscrição será considerada definitiva após o seu pagamento por cheque, que deverá ocorrer até 10 dias úteis antes da data de início da acção. ANULAÇÃO DA INSCRIÇÃO > O cancelamento da inscrição, deverá ser comunicado por fax, carta ou . Será devolvido o cheque cuja inscrição tiver sido anulada até 7 dias úteis antes da data de início da acção de formação. Caso contrário, a anulação fora desse período, poderá acarretar custos de anulação. ANULAÇÃO DA FORMAÇÃO > O CFT reserva-se o direito de cancelar uma acção de formação por razões de força maior ou por número insuficiente de participantes. Nestas condições, o valor da inscrição será devolvido. HORÁRIO > Os cursos realizam-se no seguinte horário: Das 9h00 às 17h00 com interrupção para almoço das 13h00 às 14h00. CERTIFICADO > É condição obrigatória para a emissão de Certificado, a presença do Formando em pelo menos 95% das horas totais determinadas para o curso. A frequência dos cursos pressupõe a aceitação do Regulamento de Formação. 14 AF_cataĺogo_final.indd 14

15 Parque Proclama, Quinta da Areia Coina Barreiro Tel / Fax AF_cataĺogo_final.indd 15

16 * A informação mencionada no presente catálogo não tem carácter vinculativo e é susceptível de alteração sem aviso prévio AF_cataĺogo_final.indd 16

Eficiência e Certificação Energética de Edifícios em Portugal

Eficiência e Certificação Energética de Edifícios em Portugal Eficiência e Certificação Energética de Edifícios em Portugal DATAS A definir (assim que seja atingido o número mínimo de inscrições) HORÁRIO Sábado, das 9h00 às 13h00 e das 14h00 às 18h00 DURAÇÃO 8 horas

Leia mais

HISTÓRICO DE REVISÕES REVISÃO DATA SÍNTESE DA REVISÃO

HISTÓRICO DE REVISÕES REVISÃO DATA SÍNTESE DA REVISÃO HISTÓRICO DE REVISÕES REVISÃO DATA SÍNTESE DA REVISÃO ELABORAÇÃO ASSINATURA APROVAÇÃO ASSINATURA ÍNDICE CAPÍTULO 1. POLÍTICA E ESTRATÉGIA/ÂMBITO... 3 1.1 POLÍTICA E ESTRATÉGIA DA ENTIDADE... 3 1.2 OBJECTIVO

Leia mais

PROPOSTA ALTERNATIVA

PROPOSTA ALTERNATIVA PROJECTO DECRETO LEI SOBRE O EXERCÍCIO DA COORDENAÇÃO EM MATÉRIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NA ACTIVIDADE DE, PREVISTA NO DECRETO LEI N.º 273/2003, DE 29 DE OUTUBRO, BEM COMO O RECONHECIMENTO DOS RESPECTIVOS

Leia mais

Referencial do Curso Segurança na Operação de Empilhadores

Referencial do Curso Segurança na Operação de Empilhadores Referencial do Curso Segurança na Operação de Empilhadores [2010] 1. DATA DE INICIO: De acordo com o Plano de Formação. 2. DATA DE FIM: De acordo com o Plano de Formação. 3. MÓDULOS: Módulo 1 - Introdução

Leia mais

Folha de Cálculo (Excel)

Folha de Cálculo (Excel) Folha de Cálculo (Excel) DATAS A definir (assim que seja atingido o número mínimo de inscrições) HORÁRIO Pós-Laboral, à 2ª, 3ª e 5ª, das 19h00 às 23h00 ou Sábado, das 9h00 às 13h00 e das 14h30 às 17h30

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO A BOLSAS DE QUALIFICAÇÃO E ESPECIALIZAÇÃO ARTÍSTICA 2016. Preâmbulo

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO A BOLSAS DE QUALIFICAÇÃO E ESPECIALIZAÇÃO ARTÍSTICA 2016. Preâmbulo REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO A BOLSAS DE QUALIFICAÇÃO E ESPECIALIZAÇÃO ARTÍSTICA 2016 Preâmbulo O departamento de Acção Cultural da Fundação GDA, através do programa de Apoio a Bolsas de Qualificação

Leia mais

Para aceder ao Portal das Finanças e validar ou confirmar as facturas deverão seguir o seguinte caminho:

Para aceder ao Portal das Finanças e validar ou confirmar as facturas deverão seguir o seguinte caminho: Dedução de despesas IRS 2015 A partir de 2015 as despesas dedutíveis à colecta de IRS, que agregam as despesas com todos os membros do agregado familiar, incluindo os filhos, exigem uma observância rigorosa

Leia mais

FORMAÇÃO 2013/ 2014 1. ACESSO A ESTRUTURAS. 1.2. Acesso a Estruturas c/ Resgate e Salvamento. 1.7. Acesso a Estruturas e Instalador de Linhas de Vida

FORMAÇÃO 2013/ 2014 1. ACESSO A ESTRUTURAS. 1.2. Acesso a Estruturas c/ Resgate e Salvamento. 1.7. Acesso a Estruturas e Instalador de Linhas de Vida FORMAÇÃO 2013/ 2014 1. ACESSO A ESTRUTURAS 1.1. Acesso a Estruturas 1.2. Acesso a Estruturas c/ Resgate e Salvamento 1.3. Verificação de Acesso a Estruturas 1.4. Acesso a Espaços Confinados 1.5. Instaladores

Leia mais

Regulamento de Formação da B-Training, Consulting

Regulamento de Formação da B-Training, Consulting Regulamento de Formação da B-Training, Consulting Desde já seja bem-vindo à B-Training, Consulting! Agradecemos a sua preferência e desejamos que o Curso corresponda às suas expectativas e que obtenha

Leia mais

Decreto - executivo nº 6/96 de 2 de Fevereiro

Decreto - executivo nº 6/96 de 2 de Fevereiro Decreto - executivo nº 6/96 de 2 de Fevereiro O Decreto nº 31/94, de 5 de Agosto, estabelece no ponto 2 do artigo 18º, a obrigatoriedade da criação e organização de Serviços de Segurança e Higiene no Trabalho

Leia mais

Ficha de Inscrição Cursos de Formação 2016

Ficha de Inscrição Cursos de Formação 2016 PROGRAMA DE FORMAÇÃO 2016 Ficha de Inscrição Cursos de Formação 2016 Para que a proposta de inscrição nos Cursos de Formação da Vulcano seja válida, é obrigatório o preenchimento de todos os campos de

Leia mais

Decreto - executivo nº 6/96 de 2 de Fevereiro

Decreto - executivo nº 6/96 de 2 de Fevereiro Decreto - executivo nº 6/96 de 2 de Fevereiro O Decreto nº 31/94, de 5 de Agosto, estabelece no ponto 2 do artigo 18º, a obrigatoriedade da criação e organização de Serviços de Segurança e Higiene no Trabalho

Leia mais

ALPIAGRA 2010 FEIRA AGRÍCOLA E COMERCIAL DE ALPIARÇA REGULAMENTO GERAL

ALPIAGRA 2010 FEIRA AGRÍCOLA E COMERCIAL DE ALPIARÇA REGULAMENTO GERAL ALPIAGRA 2010 FEIRA AGRÍCOLA E COMERCIAL DE ALPIARÇA REGULAMENTO GERAL A Alpiagra Feira Agrícola e Comercial de Alpiarça é uma organização da Câmara Municipal de Alpiarça. Artigo 1º (Condições de admissão

Leia mais

GUIA PARA A FORMAÇÃO DE ENTIDADES A CREDENCIAR NO ÂMBITO DA SCIE

GUIA PARA A FORMAÇÃO DE ENTIDADES A CREDENCIAR NO ÂMBITO DA SCIE GUIA PARA A FORMAÇÃO DE ENTIDADES A CREDENCIAR NO ÂMBITO DA SCIE 1/17 Índice 1. Introdução... 3 2. Formação... 4 2.1 Objectivos gerais do curso... 4 2.2. Conteúdos programáticos... 4 2.3. Equipa formativa...

Leia mais

CURSO DE INICIAÇÃO PEDAGÓGICA - CIP REGIMENTO DA REGIÃO DE LEIRIA

CURSO DE INICIAÇÃO PEDAGÓGICA - CIP REGIMENTO DA REGIÃO DE LEIRIA pág. 1 de 8 CURSO DE INICIAÇÃO PEDAGÓGICA - CIP REGIMENTO DA REGIÃO DE LEIRIA Artº 1 - Âmbito 1 - O presente Regimento define as normas de organização e funcionamento do Curso de Iniciação Pedagógica (CIP),

Leia mais

Cursos Sistemas Vapor 2015

Cursos Sistemas Vapor 2015 Cursos Sistemas Vapor 2015 Acção de formação para: Directores de produção Desenhadores de instalações Gerentes de fábrica Engenheiros de processo Engenheiros de projecto Instaladores Gestores de energia

Leia mais

ACADEMIA ADENE REGULAMENTO DE EXAMES PARA TÉCNICOS DO SCE TIM-II. Regulamento Exames TIM-II 1 / 9 Versão 1.0

ACADEMIA ADENE REGULAMENTO DE EXAMES PARA TÉCNICOS DO SCE TIM-II. Regulamento Exames TIM-II 1 / 9 Versão 1.0 ACADEMIA ADENE REGULAMENTO DE EXAMES PARA TÉCNICOS DO SCE TIM-II Regulamento Exames TIM-II 1 / 9 Índice 1. OBJETIVO... 3 2. DESTINATÁRIOS... 3 3. CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS... 3 4. CONDIÇÕES E MÉTODOS DE

Leia mais

REGULAMENTO DE CEDÊNCIA DE INSTALAÇÕES ESCOLARES

REGULAMENTO DE CEDÊNCIA DE INSTALAÇÕES ESCOLARES REGULAMENTO DE CEDÊNCIA DE INSTALAÇÕES ESCOLARES O Agrupamento de Escolas de Torrão dispõe de várias salas e outras estruturas de apoio integrado, que são utilizadas, nomeadamente para aulas e outras atividades

Leia mais

Corredor da Fortaleza do Monte ESTATUTO DE ARRENDAMENTO

Corredor da Fortaleza do Monte ESTATUTO DE ARRENDAMENTO Corredor da Fortaleza do Monte ESTATUTO DE ARRENDAMENTO 1. INFORMAÇÃO GERAL SOBRE O CORREDOR DA FORTALEZA DO MONTE O Corredor da Fortaleza do Monte, adiante designado por Corredor, administrado pelo Museu

Leia mais

Indústria Agroalimentar. Cursos de Formação. Primeiro Semestre 2016

Indústria Agroalimentar. Cursos de Formação. Primeiro Semestre 2016 Indústria Agroalimentar Cursos de Formação Primeiro Semestre 2016 Assista aos nossos cursos e atualize os seus conhecimentos sobre os requisitos inerentes à Indústria Agroalimentar. Introdução Localização

Leia mais

REGULAMENTO SOBRE INSCRIÇÕES, AVALIAÇÃO E PASSAGEM DE ANO (RIAPA)

REGULAMENTO SOBRE INSCRIÇÕES, AVALIAÇÃO E PASSAGEM DE ANO (RIAPA) REGULAMENTO SOBRE INSCRIÇÕES, AVALIAÇÃO E PASSAGEM DE ANO (RIAPA) CAPÍTULO I REGIME DE FUNCIONAMENTO Artigo 1º - Âmbito O disposto no presente Regulamento aplica-se apenas aos cursos de graduação da Universidade

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO. Capítulo I Princípios Gerais. Artigo Primeiro Objecto

REGULAMENTO INTERNO. Capítulo I Princípios Gerais. Artigo Primeiro Objecto REGULAMENTO INTERNO Capítulo I Princípios Gerais Artigo Primeiro Objecto O presente Regulamento define o regime de funcionamento interno do Centro de Formação Ciência Viva reconhecido pelo Ministério da

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE QUALIFICAÇÃO

REGULAMENTO INTERNO DE QUALIFICAÇÃO REGULAMENTO INTERNO DE QUALIFICAÇÃO Preâmbulo A qualificação dos farmacêuticos é um requisito fundamental para a sua adequada intervenção no Sistema de Saúde. A maximização da qualidade desta intervenção

Leia mais

FORMULÁRIO E RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE

FORMULÁRIO E RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO FORMULÁRIO E RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE IDENTIFICAÇÃO Unidade Orgânica: Docente avaliado: Departamento

Leia mais

Curso de e-learning Outubro de 2014

Curso de e-learning Outubro de 2014 Associação Portuguesa dos Técnicos de Natação Complexo de Piscinas Municipais de Rio Maior Estradas das Marinhas 2040 Rio Maior Curso de e-learning Outubro de 2014 Conservação, qualidade da água e contributos

Leia mais

Entidades intervenientes

Entidades intervenientes Entidades intervenientes As candidaturas deverão ser apresentadas, preferencialmente, no Município de Vizela, ou nas entidades abaixo indicadas. Câmara Municipal de Vizela Rua Dr. Alfredo Pinto, 42 4815-391

Leia mais

Licença Especial Ciclomotores. 14 15 anos

Licença Especial Ciclomotores. 14 15 anos Licença Especial Ciclomotores 14 15 anos Licença Especial 50c.c. Destina-se a jovens com 14 ou 15 anos Destina-se a jovens com 14 ou 15 anos já feitos, com aptidão física e mental, com frequência mínima

Leia mais

OBSERVATÓRIO para a Energia Solar

OBSERVATÓRIO para a Energia Solar OBSERVATÓRIO para a Energia Solar Fátima 9 de Março Grândola 10 de Março S. T. Spencer ADENE ÍNDICE 1. Descrição e Actividade 2. Viagem às s Instalações de ES em Portugal DEFINIÇÃO Instrumento criado no

Leia mais

Entidades intervenientes As candidaturas podem ser apresentadas em qualquer das entidades abaixo indicadas

Entidades intervenientes As candidaturas podem ser apresentadas em qualquer das entidades abaixo indicadas Entidades intervenientes As candidaturas podem ser apresentadas em qualquer das entidades abaixo indicadas Município de Serpa Praça da República 7830-389 Serpa Telefone: 284 540 100 Fax: 284 540 109 Endereço

Leia mais

Itália-Ispra: Contrato-quadro de serviços relativo à manutenção de exaustores no JRC de Ispra Dividido em 3 lotes 2015/S 241-436449

Itália-Ispra: Contrato-quadro de serviços relativo à manutenção de exaustores no JRC de Ispra Dividido em 3 lotes 2015/S 241-436449 1 / 10 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:436449-2015:text:pt:html Itália-Ispra: Contrato-quadro de serviços relativo à manutenção de exaustores no JRC de Ispra

Leia mais

Formulário de Candidatura

Formulário de Candidatura (a preencher pela ADRAL) N.º de Processo: Data de Entrada : (a preencher pela entidade receptora) Entidade Receptora : Local e data : Criação de Empresa: SIM NÃO Prazo de Financiamento Ano de Carência

Leia mais

Todos os trabalhadores e ex-trabalhadores pré-reformados, reformados ou beneficiários de

Todos os trabalhadores e ex-trabalhadores pré-reformados, reformados ou beneficiários de Para : c/c De : Assunto : Todos os trabalhadores e ex-trabalhadores pré-reformados, reformados ou beneficiários de facilidades de passagens Todos os DRH das UN e das Empresas Associadas, cujos trabalhadores

Leia mais

Délia Falcão. 11 de Janeiro 2012

Délia Falcão. 11 de Janeiro 2012 11 de Janeiro 2012 REGIME JURÍDICO DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL CONTINUA NO CÓDIGO DE TRABALHO (Lei 7/2009 de 12 de Fevereiro) DEVERES DO ESTADO EM MATÉRIA DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL: 1. Formação /qualificação

Leia mais

O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:22100-2015:text:pt:html

O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:22100-2015:text:pt:html 1/7 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:22100-2015:text:pt:html Alemanha-Karlsruhe: Execução de tarefas de proteção contra as radiações em projetos de desmantelamento

Leia mais

CERTIFICADO DE DESEMPENHO ENERGÉTICO E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR

CERTIFICADO DE DESEMPENHO ENERGÉTICO E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR Nº CER 1234567/2007 CERTIFICADO DE DESEMPENHO ENERGÉTICO E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR TIPO DE EDIFÍCIO: EDIFÍCIO DE SERVIÇOS Morada / Situação: Localidade Concelho Data de emissão do certificado Nome

Leia mais

CATÁLOGO FORMAÇÃO 2007

CATÁLOGO FORMAÇÃO 2007 CATÁLOGO FORMAÇÃO 2007 Desenvolvemos Projectos de Formação desde 1985. A seriedade de procedimentos, a competência técnica e a solidariedade e a responsabilidade social pautam a nossa actuação. Acreditamos

Leia mais

PROGRAMA DE FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS NA GESTÃO CULTURAL E DAS ARTES. Guia de Candidatura

PROGRAMA DE FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS NA GESTÃO CULTURAL E DAS ARTES. Guia de Candidatura 2015 PROGRAMA DE FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS NA GESTÃO CULTURAL E DAS ARTES Guia de Candidatura 1. Objectivos Os objectivos deste Programa são como auxílio às associações locais de arte e cultura a criarem

Leia mais

Gestão de Equipas no Ramo Imobiliário

Gestão de Equipas no Ramo Imobiliário Gestão de Equipas no Ramo Imobiliário DATAS A definir (após atingirmos o número mínimo de inscrições) HORÁRIO Pós-Laboral, à 2ª, 3ª e 5ª, das 19h00 às 23h00 ou Sábado, das 9h00 às 13h00 e das 14h00 às

Leia mais

Etiqueta e Protocolo

Etiqueta e Protocolo Etiqueta e Protocolo DATAS A definir (assim que seja atingido o número mínimo de inscrições) HORÁRIO Sábado, das 10h00 às 13h00 e das 14h30 às 17h30 DURAÇÃO 6 horas LOCALIZAÇÃO Aveiro ENQUADRAMENTO Os

Leia mais

Manual do Utilizador GESTFOR Gestão da Formação

Manual do Utilizador GESTFOR Gestão da Formação Manual do Utilizador GESTFOR Gestão da Formação 1. INTRODUÇÃO...1 2. MÓDULO DE GESTÃO...2 2.1. ENTIDADES...3 2.1.1. TERCEIROS...4 2.1.1.1. CONSULTAR OS TERCEIROS...4 2.1.1.2. CRIAR UM TERCEIRO...5 2.1.1.3.

Leia mais

Anúncio de concurso. Serviços

Anúncio de concurso. Serviços 1/7 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:121273-2015:text:pt:html Portugal-Lisboa: FC.14.ADM.034.5.0 Prestação de serviços de formação linguística a favor do

Leia mais

Decreto-Lei nº 27/2001, de 3 de Fevereiro

Decreto-Lei nº 27/2001, de 3 de Fevereiro Diploma consolidado Decreto-Lei nº 27/2001, de 3 de Fevereiro A aquisição de habitação própria constitui um importante motivo de poupança das famílias. Todavia, os efeitos sobre a procura interna da expansão

Leia mais

Relatório SHST - 2003

Relatório SHST - 2003 Relatório da Actividade dos Serviços de Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho Relatório SHST - 2003 Programa de Recolha da Informação Manual de Operação Versão 1.0 DEEP Departamento de Estudos, Estatística

Leia mais

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA programa de apoio às pessoas colectivas de direito privado sem fins lucrativos do município de santa maria da feira

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA programa de apoio às pessoas colectivas de direito privado sem fins lucrativos do município de santa maria da feira FORMULÁRIO DE CANDIDATURA programa de apoio às pessoas colectivas de direito privado sem fins lucrativos do município de santa maria da feira FORMULÁRIO DE CANDIDATURA PROGRAMA DE APOIO ÀS PESSOAS COLECTIVAS

Leia mais

Sistemas Solar Fotovoltaicos (Projectista)

Sistemas Solar Fotovoltaicos (Projectista) Sistemas Solar Fotovoltaicos (Projectista) DATAS A definir (assim que seja atingido o número mínimo de inscrições) HORÁRIO Pós-Laboral, à 2ª e 4ª, das 19h00 às 23h00 ou Sábado, das 9h00 às 13h00 e das

Leia mais

REGULAMENTO DA ACTIVIDADE FORMATIVA

REGULAMENTO DA ACTIVIDADE FORMATIVA A CadSolid tem como missão contribuir para a modernização da indústria portuguesa, mediante o desenvolvimento e comercialização de produtos e serviços inovadores, personalizados e concebidos para satisfazer

Leia mais

Anexo 2 - Avaliação de necessidades de formação em H.S.T.

Anexo 2 - Avaliação de necessidades de formação em H.S.T. Anexo 2 - Avaliação de necessidades de formação em H.S.T. 54 3Inquérito às necessidades de formação profissional em higiene e segurança do trabalho 59 Inquérito às necessidades de formação profissional

Leia mais

PLANO DE FORMAÇÃO SETEMBRO A DEZEMBRO 2011

PLANO DE FORMAÇÃO SETEMBRO A DEZEMBRO 2011 PLANO DE FORMAÇÃO SETEMBRO A DEZEMBRO 2011 INDICE: Quem somos? Oferta formativa Curso Acções Formativas CURSO DE FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES ESTES MIÚDOS SÃO IMPOSSÍVEIS!!! - GESTÃO DE COMPORTAMENTOS

Leia mais

Projetista de REH/RECS

Projetista de REH/RECS Projetista de REH/RECS Enquadramento: A certificação energética tem vindo a inserir-se no quotidiano de forma progressiva, tendo-se integrado por completo a 1 de Janeiro de 2009. Assim, com o crescente

Leia mais

Entidades Intervenientes As candidaturas devem ser apresentadas no Município de Valença

Entidades Intervenientes As candidaturas devem ser apresentadas no Município de Valença Entidades Intervenientes As candidaturas devem ser apresentadas no Município de Valença Município de Valença Tlf: 251 809500 Fax: 251 809519 Site: www.cm-valenca.pt E-mail: gap@cm-valenca.pt Entidade gestora

Leia mais

ANEXO I - EDITAL Nº 17/2014

ANEXO I - EDITAL Nº 17/2014 Página 1 de 5 ANEXO I - EDITAL Nº 17/2014 O SERVIÇO SOCIAL DO COMÉRCIO SESC/RN, representado por sua Administração Regional no Estado do Rio Grande do Norte, torna público, para o conhecimento de quantos

Leia mais

Guia Prático do Certificado Energético da Habitação

Guia Prático do Certificado Energético da Habitação Guia Prático do Certificado Energético da Habitação Fonte: ADENE O QUE É UM CERTIFICADO ENERGÉTICO? Um Certificado Energético (CE) de um edifício ou fracção autónoma é o documento emitido no âmbito do

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA DOS ENCONTROS DE SABEDORIA DA AMUT

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA DOS ENCONTROS DE SABEDORIA DA AMUT REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA DOS ENCONTROS DE SABEDORIA DA AMUT Conteúdo Artigo 1º... 3 OBJECTIVO... 3 Artigo 2º... 3 CONCEITO DE ENCONTRO DE SABEDORIA... 3 Artigo 3º... 3 ÂMBITO

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO. Recrutamento para Administração Pública

REGULAMENTO DO CONCURSO. Recrutamento para Administração Pública REGULAMENTO DO CONCURSO Recrutamento para Administração Pública O presente anúncio de recrutamento é coordenado pela Direcção Geral da Administração Pública (DGAP), de acordo com os normativos de Recrutamento

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE MOURA

CÂMARA MUNICIPAL DE MOURA CÂMARA MUNICIPAL DE MOURA Regulamento de Estágio para Ingresso nas Carreiras do Grupo de Pessoal Técnico Superior, Técnico e de Informática do Quadro de Pessoal da Câmara Municipal de Moura PREÂMBULO Publicado

Leia mais

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO EM TECNOLOGIAS DE ENERGIAS RENOVÁVEIS E APROVEITAMENTO SUSTENTÁVEL DE ENERGIAS

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO EM TECNOLOGIAS DE ENERGIAS RENOVÁVEIS E APROVEITAMENTO SUSTENTÁVEL DE ENERGIAS UNIVERSIDADE PEDAGÓGICA CENTRO PARA TECNOLOGIA EDUCACIONAL NÚCLEO DE ELECTRÓNICA PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO EM TECNOLOGIAS DE ENERGIAS RENOVÁVEIS E APROVEITAMENTO SUSTENTÁVEL DE ENERGIAS = NÍVEL I = Autores:

Leia mais

Estes cursos estão organizados de acordo com o Sistema Europeu de Transferência de créditos (ECTS).

Estes cursos estão organizados de acordo com o Sistema Europeu de Transferência de créditos (ECTS). Lisboa, 23 de Fevereiro de 2007 Exmo. Senhor Engenheiro Técnico, O Instituto Superior de Educação e Ciências (ISEC) é um estabelecimento de ensino superior privado reconhecido oficialmente em 9 de Agosto

Leia mais

O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:279495-2014:text:pt:html

O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:279495-2014:text:pt:html 1/6 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:279495-2014:text:pt:html Itália-Ispra: Fornecimento, instalação e manutenção de um sistema de armazenamento em baterias

Leia mais

FICHA TÉCNICA DO CURSO

FICHA TÉCNICA DO CURSO FICHA TÉCNICA DO CURSO ACÚSTICA DE EDIFÍCIOS EDIÇÃO Nº01/2015 1. DESIGNAÇÃO DO CURSO ACÚSTICA DE EDIFÍCIOS 2. COMPETÊNCIAS A DESENVOLVER - Saber dotar um edifício de boas condições de conforto acústico,

Leia mais

CIRCULAR DE 2011. Numa segunda parte chamaremos a atenção para alguns aspectos de índole contabilística. Aspectos de natureza fiscal

CIRCULAR DE 2011. Numa segunda parte chamaremos a atenção para alguns aspectos de índole contabilística. Aspectos de natureza fiscal CIRCULAR DE 2011 Das constantes alterações implementadas, tanto a nível fiscal como legal, através de circulares, fomos dando conhecimento, pelo menos, das que de uma forma directa ou indirectamente afectem

Leia mais

MINI-MBA de Especialização em Gestão de Turismo e Hotelaria

MINI-MBA de Especialização em Gestão de Turismo e Hotelaria MINI-MBA de Especialização em Gestão de Turismo e Hotelaria Índice Duração Total... 2 Destinatários... 2 Perfil de saída... 2 Pré-Requisitos... 2 Objectivo Geral... 2 Objetivos Específicos... 2 Estrutura

Leia mais

Candidatura a pedido de Apoio Institucional à Embaixada do Japão

Candidatura a pedido de Apoio Institucional à Embaixada do Japão Candidatura a pedido de Apoio Institucional à Embaixada do Japão 1 de Agosto de 2015

Leia mais

CARTA DE GARANTIA ULTRACOMPACT SURFACES

CARTA DE GARANTIA ULTRACOMPACT SURFACES CARTA DE GARANTIA ULTRACOMPACT SURFACES CARTA DE GARANTIA A COSENTINO, S.A.U. oferece garantia dos produtos DEKTON by Cosentino contra possíveis defeitos de fabrico por um período de DEZ (10) ANOS a partir

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PLATAFORMA DE INSCRIÇÕES ONLINE

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PLATAFORMA DE INSCRIÇÕES ONLINE A época de 2012/2013 terá um novo recurso para a Filiação e Inscrições em Provas para os Clubes, Equipas e Agentes Desportivos, tendo sido criada para o efeito uma nova Plataforma de Inscrições Online.

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA ACREDITAÇÃO ACÇÕES DE FORMAÇÃO ITED E ITUR ENGENHEIROS E ENGENHEIROS TÉCNICOS PARA. 21 de Dezembro de 2010

PROCEDIMENTOS PARA ACREDITAÇÃO ACÇÕES DE FORMAÇÃO ITED E ITUR ENGENHEIROS E ENGENHEIROS TÉCNICOS PARA. 21 de Dezembro de 2010 PROCEDIMENTOS PARA ACREDITAÇÃO DE ACÇÕES DE FORMAÇÃO ITED E ITUR PARA ENGENHEIROS E ENGENHEIROS TÉCNICOS 21 de Dezembro de 2010 Índice 1 Enquadramento... 3 2 Referencial Formativo... 4 2.1 Módulos de formação...

Leia mais

O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:40295-2014:text:pt:html

O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:40295-2014:text:pt:html 1/6 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:40295-2014:text:pt:html Alemanha-Karlsruhe: Fornecimento e instalação de um equipamento de ar condicionado para a ala

Leia mais

Eixo Prioritário III Valorização e Qualificação Ambiental e Territorial Equipamentos para a Coesão Local Equipamentos Sociais

Eixo Prioritário III Valorização e Qualificação Ambiental e Territorial Equipamentos para a Coesão Local Equipamentos Sociais Eixo Prioritário III Valorização e Qualificação Ambiental e Territorial Equipamentos para a Coesão Local Equipamentos Sociais Aviso Apresentação de Candidaturas Equipamentos para a Coesão Local Equipamentos

Leia mais

Índice. Como aceder ao serviço de Certificação PME? Como efectuar uma operação de renovação da certificação?

Índice. Como aceder ao serviço de Certificação PME? Como efectuar uma operação de renovação da certificação? Índice Como aceder ao serviço de Certificação PME? Como efectuar uma operação de renovação da certificação? Como efectuar uma operação de confirmação de estimativas? Como aceder ao Serviço de Certificação

Leia mais

Guia de Apoio ao Formando. Formação à distância

Guia de Apoio ao Formando. Formação à distância Regras&Sugestões- Formação e Consultoria, Lda. Guia de Apoio ao Formando Data de elaboração: abril de 2014 CONTACTOS Regras & Sugestões Formação e Consultoria, Lda. Av. General Vitorino laranjeira, Edifício

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO HAPINEZ CENTRO DE EXCELÊNCIA PARA A PSICOLOGIA. Pág.1/19

REGULAMENTO INTERNO DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO HAPINEZ CENTRO DE EXCELÊNCIA PARA A PSICOLOGIA. Pág.1/19 REGULAMENTO INTERNO DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO HAPINEZ CENTRO DE EXCELÊNCIA PARA A PSICOLOGIA Pág.1/19 Índice DISPOSIÇÕES GERAIS 3 1. Localização 3 2. Âmbito 3 3. Política e Estratégia de Actuação 3 4. Inscrições

Leia mais

SOCIEDADE MARTINS SARMENTO REGULAMENTO DA BIBLIOTECA PÚBLICA

SOCIEDADE MARTINS SARMENTO REGULAMENTO DA BIBLIOTECA PÚBLICA SOCIEDADE MARTINS SARMENTO REGULAMENTO DA BIBLIOTECA PÚBLICA A Biblioteca da Sociedade Martins Sarmento (SMS) existe desde 1882. Possui um vasto acervo bibliográfico, onde avulta um riquíssimo Fundo Local,

Leia mais

SEMINÁRIOS AVANÇADOS GESTÃO DE PROJECTOS

SEMINÁRIOS AVANÇADOS GESTÃO DE PROJECTOS SEMINÁRIOS AVANÇADOS DE GESTÃO DE PROJECTOS 2007 Victor Ávila & Associados - Victor Ávila & Associados Centro Empresarial PORTUGAL GLOBAL, Rua do Passeio Alegre, nº 20 4150- Seminários Avançados de Gestão

Leia mais

Regulamento PAPSummer 2016

Regulamento PAPSummer 2016 Regulamento PAPSummer 2016 Artigo 1º Objetivos do programa, montante e designação das bolsas 1. O programa PAPSummer pretende dar a oportunidade a estudantes portugueses ( Estudante ) de desenvolver um

Leia mais

Mini MBA para Secretáriado Executivo e

Mini MBA para Secretáriado Executivo e A communications, training and events management company SEMINÁRIO Mini MBA para Secretáriado Executivo e Assessoria de Alta Direcção Lisboa www.letstalkgroup.com Mini MBA para Secretáriado Executivo e

Leia mais

REGRAS BÁSICAS PARA UMA BOA INSTALAÇÃO DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA POTÁVEL

REGRAS BÁSICAS PARA UMA BOA INSTALAÇÃO DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA POTÁVEL REGRAS BÁSICAS PARA UMA BOA INSTALAÇÃO DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA POTÁVEL O presente documento visa servir o interesse do cliente da EPAL, dando a conhecer algumas das condições ideais de construção, de

Leia mais

BOLSAS DE FINANCIAMENTO A PROJECTOS DE APOIO A DOENTES REGULAMENTO. Artigo 1º (Objecto)

BOLSAS DE FINANCIAMENTO A PROJECTOS DE APOIO A DOENTES REGULAMENTO. Artigo 1º (Objecto) BOLSAS DE FINANCIAMENTO A PROJECTOS DE APOIO A DOENTES REGULAMENTO Artigo 1º (Objecto) 1. A ROCHE concederá 5 Bolsas a projectos que visem a dinamização de iniciativas por parte das Associações de Doentes

Leia mais

Decreto-Lei n.º 478/99, de 9 de Novembro

Decreto-Lei n.º 478/99, de 9 de Novembro Decreto-Lei n.º 478/99, de 9 de Novembro Objecto... 2 Entidades competentes para a formação dos navegadores de recreio e para a realização dos respectivos exames... 2 Credenciação das entidades formadoras...

Leia mais

OBJECTIVOS E CONDIÇÕES DE FREQUÊNCIA NO CURSO

OBJECTIVOS E CONDIÇÕES DE FREQUÊNCIA NO CURSO OBJECTIVOS E CONDIÇÕES DE FREQUÊNCIA NO CURSO CURSO AUXILIAR DE ACÇÃO MÉDICA: Este curso de formação profissional contínua visa a reciclagem, a actualização ou aperfeiçoamento dos trabalhadores qualificados,

Leia mais

Um sistema bem dimensionado permite poupar, em média, 70% a 80% da energia necessária para o aquecimento de água que usamos em casa.

Um sistema bem dimensionado permite poupar, em média, 70% a 80% da energia necessária para o aquecimento de água que usamos em casa. Mais Questões Isildo M. C. Benta, Assistência Técnica Certificada de Sistemas Solares Quanto poupo se instalar um painel solar térmico? Um sistema bem dimensionado permite poupar, em média, 70% a 80% da

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO E FINANCIAMENTO DO ASSOCIATIVISMO DESPORTIVO

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO E FINANCIAMENTO DO ASSOCIATIVISMO DESPORTIVO MUNICÍPIO DE S. PEDRO DO SUL GABINETE DE DESPORTO REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO E FINANCIAMENTO DO ASSOCIATIVISMO DESPORTIVO REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO E FINANCIAMENTO DO ASSOCIATIVISMO DESPORTIVO

Leia mais

Circular nº 24/2015. Lei nº. 41/2015, de 3 de Junho. 17 de Junho 2015. Caros Associados,

Circular nº 24/2015. Lei nº. 41/2015, de 3 de Junho. 17 de Junho 2015. Caros Associados, Circular nº 24/2015 17 de Junho 2015 Assunto: Lei nº. 41/2015, de 3 de Junho. Caros Associados, 1. Foi publicado no Diário da República, 1ª. Série, nº. 107, de 3 de Junho de 2015, a Lei nº. 41/2015, de

Leia mais

MUNICÍPIO DE MELGAÇO REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO E SERVIÇOS PRESTADOS NA «PORTA DE LAMAS DE MOURO» www.cm-melgaco.pt

MUNICÍPIO DE MELGAÇO REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO E SERVIÇOS PRESTADOS NA «PORTA DE LAMAS DE MOURO» www.cm-melgaco.pt MUNICÍPIO DE MELGAÇO REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO E SERVIÇOS PRESTADOS NA www.cm-melgaco.pt Índice PREÂMBULO... 3 Artigo 1º Leis Habilitantes... 3 Artigo 2º Competência... 3 Artigo 3º Âmbito de Aplicação...

Leia mais

0612- Noções Básicas de Gestão Técnica de Recursos Humanos

0612- Noções Básicas de Gestão Técnica de Recursos Humanos 0612- Noções Básicas de Gestão Técnica de Recursos Humanos Trabalho elaborado por: Vera Valadeiro, nº20 TAG 4 Índice Conteúdo Função:... 3 Descrição da Função:... 3 Perfil da Função:... 4 Processo de Recrutamento:...

Leia mais

GUIAS DA MONTANHA DO PICO Parque Natural da ilha do Pico. Programa do Curso 15 Maio 2015

GUIAS DA MONTANHA DO PICO Parque Natural da ilha do Pico. Programa do Curso 15 Maio 2015 GUIAS DA MONTANHA DO PICO Parque Natural da ilha do Pico Programa do Curso 15 Maio 2015 1. Introdução e objectivos A Direcção Regional do Ambiente em parceria com o Turismo dos Açores promove o curso de

Leia mais

Sistema de formação e certificação de competências

Sistema de formação e certificação de competências Sistema de Formação e Certificação de Competências Portal das Escolas Manual de Utilizador Docente Referência Projecto Manual do Utilizador Docente Sistema de formação e certificação de competências Versão

Leia mais