Campanha de medição de caudal

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Campanha de medição de caudal"

Transcrição

1 Campanha de medição de caudal Guadiana fronteira 14 e 15 de Maio de 2007

2 Page 1 of 4 FICHA DE RECONHECIMENTO Data da visita (DD/MM/YYYY) Hora de início (HH24:MI) Hora de fim (HH24:MI) 15/05/ :00 14:20 TÉCNICOS Nomes José Manuel Soares, Brito Calrão, Paulo Fernandes e Paula Machado IDENTIFICAÇÃO DA ESTAÇÃO Nome da estação BADAJOZ Código 21O/07H Curso de água - Bacia hidrográfica GUADIANA Coord. M (m) Cota do zero da escala (m) Latitude (º ' '') Coord. P (m) Carta militar (1:25000) Longitude (º ' '') Rede Z_Hidrométrica automática PERCURSO Percurso Lisboa (A6) até Badajoz - sair da auto-estrada, seguir em frente até encontrar a Ponte Real do lado direito ESTAÇÃO HIDROMÉTRICA Estado do armário Bom Razoável Mau Acesso à estação Bom Razoável Mau Condições de medição / instalação do sensor Observações Bom Razoável Mau Não há escala, troço entrelaçado DATA LOGGER Hora da leitura (HH24:MI) Tensão da bateria (V) 00:00 Leitura do sensor de nível (m) Temperatura da água (ºC) Temperatura Offset Máximo e Mínimo

3 Page 2 of 4 interna (ºC) Acerto no nível Nenhum Observações ESTADO DO GSM Tipo de Estação Com GSM Sem GSM Estado Intermitente (OK) Aceso Apagado ESCALA Inexistente Visibilidade Boa Suja A desobstruir A substituir Leitura Mínima Possível (m) Hora da leitura (HH24:MI) GPS 00:00 Leitura Máxima Possível (m) Leitura da escala (m) Tipo Diferencial Portátil Nº de satélites Latitude (º ' '') Longitude (º ' '') Altura (m) Precisão (m) Referenciado a ESTRUTURA HIDRÁULICA ASSOCIADA Tipo Açude Descarregador Canal Barragem Nenhuma tem o açude de Badajoz a jusante (+/- 1km). MEDIÇÕES DE CAUDAL Medição efectuada Motivo da escolha Vau Teleférico Ponte Roldanas Barco Não foram efectuadas Ponte Real onde está instalado o Argonaut (local escolhido pelos técnicos espanhóis) Possibilidades Vau Teleférico Ponte Roldanas Barco SECÇÃO DO RIO ONDE É FEITA A MEDIÇÃO DE CAUDAL na Ponte Real Obstrução Vegetação Objecto

4 Page 3 of 4 Sem obstrução Caracterização geomorfológica Rochosa Terra Regularizada Outras Confluência Montante Sem confluência Jusante Troço Rectilíneo Curvilínio TRABALHOS Tipo de trabalho Previsto Efectuado Visita ao logger Colocar marca cotada Colocar escala Determinar coordenadas Cotar zero da escala Medições de caudal Marcas de cheia Colocar estação em rede Fazer transmissão de dados OBSERVAÇÕES Mediu-se caudal em três braços do rio. Num total de m3/s. Excessivo fraccionamento do leito do rio devido à ilha existente entre pilares com vegetação densa. FOTOGRAFIAS

5 Page 4 of 4 Ponte Real - secção de medição Ponte Real - secção de medição Ponte Real - secção de medição MAPA

6 Estação hidrométrica de Monte da Vinha, Montante do Açude de Badajoz, na Ponte Real - 1º braço do rio do lado direito da marge data 15/05/2007 altura hidrométrica em Monte da Vinha (m) O caudal na Ponte Real (montante do açude de Badajoz) é igual ao somatório do três braços do Rio File Name # Ens. Start Time Total Q Start Bank Left Dist. Left Ens# Left Q Top Q Meas. Q Bottom Q Right Dist. Right Ens# Right Q Total Area Width Boat Speed Avg Course Q/Area Flow Speed Flow Dir. Left Vel. Left Depth Left Area Left Shape Right Vel. Right Depth Right Area Right Shape Duration End Time Start Ens # End Ens # Velocity Depth [m³/s] [m] [m³/s] [m³/s] [m³/s] [m³/s] [m] [m³/s] [m²] [m] [m/s] [ ] [m/s] [m/s] [ ] [m/s] [m] [m²] [m/s] [m] [m²] [s] Ref. Ref. PonteReal_070515_ :23: Right :28: BTM ADCP PonteReal_070515_ :29: Left :34: BTM ADCP PonteReal_070515_ :36: Right :45: BTM ADCP PonteReal_070515_ :46: Left :58: BTM ADCP Average Std. Dev Std./ Avg

7 Estação hidrométrica de Monte da Vinha, Montante do Açude de Badajoz, na Ponte Real - 2º braço do rio do lado direito da marge data 15/05/2007 altura hidrométrica em Monte da Vinha (m) O caudal na Ponte Real (montante do açude de Badajoz) é igual ao somatório do três braços do Rio File Name # Ens. Start Time Total Q Start Bank Left Dist. Left Ens# Left Q Top Q Meas. Q Bottom Q Right Dist. Right Ens# Right Q Total Area Width Boat Speed Avg Course Q/Area Flow Speed Flow Dir. Left Vel. Left Depth Left Area Left Shape Right Vel. Right Depth Right Area Right Shape Duration End Time Start Ens # End Ens # Velocity Depth [m³/s] [m] [m³/s] [m³/s] [m³/s] [m³/s] [m] [m³/s] [m²] [m] [m/s] [ ] [m/s] [m/s] [ ] [m/s] [m] [m²] [m/s] [m] [m²] [s] Ref. Ref. PonteReal_070515_ :06: Right :28: BTM ADCP PonteReal_070515_ :29: Left :57: BTM ADCP PonteReal_070515_ :57: Right :20: BTM ADCP Average Std. Dev Std./ Avg

8 Estação hidrométrica de Monte da Vinha, Montante do Açude de Badajoz, na Ponte Real - 3º braço do rio do lado direito da marge data 15/05/2007 altura hidrométrica em Monte da Vinha (m) O caudal na Ponte Real (montante do açude de Badajoz) é igual ao somatório do três braços do Rio File Name # Ens. Start Time Total Q Start Bank Left Dist. Left Ens# Left Q Top Q Meas. Q Bottom Q Right Dist. Right Ens# Right Q Total Area Width Boat Speed Avg Course Q/Area Flow Speed Flow Dir. Left Vel. Left Depth Left Area Left Shape Right Vel. Right Depth Right Area Right Shape Duration End Time Start Ens # End Ens # Velocity Depth [m³/s] [m] [m³/s] [m³/s] [m³/s] [m³/s] [m] [m³/s] [m²] [m] [m/s] [ ] [m/s] [m/s] [ ] [m/s] [m] [m²] [m/s] [m] [m²] [s] Ref. Ref. PonteReal_070515_ :26: Right :42: BTM ADCP

9 Page 1 of 4 FICHA DE RECONHECIMENTO Data da visita (DD/MM/YYYY) Hora de início (HH24:MI) Hora de fim (HH24:MI) 14/05/ :00 17:30 TÉCNICOS Nomes José Manuel Soares, Brito Calrão, Paulo Fernandes e Paula Machado IDENTIFICAÇÃO DA ESTAÇÃO Nome da estação GUADIANA (ANTES DA CONFLUÊ Código 21O/06H Curso de água RIO GUADIANA Bacia hidrográfica GUADIANA Coord. M (m) Cota do zero da escala (m) Latitude (º ' '') Coord. P (m) Carta militar (1:25000) Longitude (º ' '') Rede Z_Hidrométrica automática PERCURSO Percurso Lisboa - Elvas (saída Oeste na A6). Em Elvas seguir placas para Espanha. Na rotunda do Lidl virar à direita junto ao Castelo. Seguir até ao cruzamento com a estrada municipal Caia - Senhora da Ajuda ficando de frente para uns armazéns. Junto aos armazéns virar à esquerda por uma estrada de terra batida até ao rio, junto à estação hidrométrica de Monte da Vinha. De barco navegar até à secção a montante da confluência com o rio Caia. ESTAÇÃO HIDROMÉTRICA Estado do armário Bom Razoável Mau Acesso à estação Bom Razoável Mau Condições de medição / instalação do sensor Observações Bom Razoável Mau Não há escala. Não é utilizada geralmente como secção de medição. DATA LOGGER Hora da leitura (HH24:MI) Tensão da bateria (V) 00:00 Leitura do sensor de nível (m) Temperatura da água (ºC) Temperatura Offset Máximo e Mínimo

10 Page 2 of 4 interna (ºC) Acerto no nível Nenhum Observações ESTADO DO GSM Tipo de Estação Com GSM Sem GSM Estado Intermitente (OK) Aceso Apagado ESCALA Visibilidade Boa Suja A desobstruir A substituir Leitura Mínima Possível (m) Hora da leitura (HH24:MI) GPS 00:00 Leitura Máxima Possível (m) Leitura da escala (m) Tipo Diferencial Portátil Nº de satélites 8 Latitude (º ' '') 38º 50' 22.6'' Longitude (º ' '') 7º 4' 2.8'' Altura (m) 162 Precisão (m) 5.1 Referenciado a junto à margem onde se efectuou a medição de caudal ESTRUTURA HIDRÁULICA ASSOCIADA Tipo Açude Descarregador Canal Barragem Nenhuma 1500m a jusante há o descarregador (Monte da Vinha) MEDIÇÕES DE CAUDAL Medição efectuada Vau Teleférico Ponte Roldanas Barco Não foram efectuadas Motivo da escolha Possibilidades Vau Teleférico Ponte Roldanas Barco SECÇÃO DO RIO ONDE É FEITA A MEDIÇÃO DE CAUDAL margem direita Obstrução Vegetação Objecto

11 Page 3 of 4 Sem obstrução Caracterização geomorfológica Rochosa Terra Regularizada Outras Confluência Montante Sem confluência Jusante Troço Rectilíneo Curvilínio TRABALHOS Tipo de trabalho Previsto Efectuado Visita ao logger Colocar marca cotada Colocar escala Determinar coordenadas Cotar zero da escala Medições de caudal Marcas de cheia Colocar estação em rede Fazer transmissão de dados OBSERVAÇÕES O caudal medido foi igual a m3/s A secção de medição localiza-se a 300m a montante da confluência com o Caia. FOTOGRAFIAS Secção de medição MAPA

12 Page 4 of 4

13 Estação hidrométrica de Monte da Vinha, Montante da confluência com o Rio Caia data 14/05/2007 altura hidrométrica em Monte da Vinha (m) 0.16 Nota: para calcular o caudal que passa no descarregador deve subtrair-se se a esta medição o valor do caudal medido na ribeira das Lãs. File Name # Ens. Start Time Total Q Start Bank Left Dist. Left Ens# Left Q Top Q Meas. Q Bottom Q Right Dist. Right Ens# Right Q Total Area Width Boat Speed Avg Course Q/Area Flow Speed Flow Dir. Left Vel. Left Depth Left Area Left Shape Right Vel. Right Depth Right Area Right Shape Duration End Time Start Ens # End Ens # Velocity Depth [m³/s] [m] [m³/s] [m³/s] [m³/s] [m³/s] [m] [m³/s] [m²] [m] [m/s] [ ] [m/s] [m/s] [ ] [m/s] [m] [m²] [m/s] [m] [m²] [s] Ref. Ref. MonteVinha r :52: Right :54: BTM ADCP MonteVinha r :00: Right :02: BTM ADCP MonteVinha r :02: Left :05: BTM ADCP MonteVinha r :07: Right :10: BTM ADCP MonteVinha r :10: Left :12: BTM ADCP Average Std. Dev Std./ Avg

14 Page 1 of 4 FICHA DE RECONHECIMENTO Data da visita (DD/MM/YYYY) Hora de início (HH24:MI) Hora de fim (HH24:MI) 15/05/ :54 16:50 TÉCNICOS Nomes Brito Calrão, José Manuel Soares, Paula Machado, Paulo Fernandes IDENTIFICAÇÃO DA ESTAÇÃO Nome da estação MONTE DA VINHA Código 21O/01H Curso de água RIO GUADIANA Bacia hidrográfica GUADIANA Coord. M (m) Coord. P (m) Cota do zero da escala (m) Carta militar (1:25000) 428 Latitude (º ' '') 38º 49' 53.6'' Longitude (º ' '') 7º 5' 0.4'' Rede Z_Hidrométrica automática PERCURSO Percurso Lisboa -> Elvas (saída Elvas Oeste na A6). Em Elvas seguir placas para Espanha. Na rotunda do LIDL virar à direita junto ao Castelo. Seguir até ao cruzamento com a estrada municipal Caia - Sra. da Ajuda ficando de frente para uns armazéns. Junto aos armazéns virar à esquerda por uma estrada de terra batida até ao rio. ESTAÇÃO HIDROMÉTRICA Margem direita, a montante do descarregador. O armário do logger está instalado na antiga estrutura do limnígrafo. Estado do armário Acesso à estação Condições de medição / instalação do sensor Observações Bom Razoável Mau Bom Razoável Mau Bom Razoável Mau Estava no local uma equipa da B&L, não acedemos ao logger. DATA LOGGER

15 Page 2 of 4 Hora da leitura (HH24:MI) Tensão da bateria (V) 00:00 Leitura do sensor de nível (m) Temperatura da água (ºC) Temperatura interna (ºC) Acerto no nível Offset Nenhum Máximo e Mínimo Observações ESTADO DO GSM Tipo de Estação Com GSM Sem GSM Estado Intermitente (OK) Aceso Apagado ESCALA Na torre do limnigrafo. Visibilidade Boa Suja A desobstruir A substituir Leitura Mínima Possível (m) 0 Leitura Máxima Possível (m) 5.5 Hora da leitura (HH24:MI) 15:54 Leitura da escala (m).315 GPS Tipo Diferencial Portátil Nº de satélites 8 Latitude (º ' '') 38º 49' 57.9'' Longitude (º ' '') 7º 4' 54.9'' Altura (m) 162 Precisão (m) 4.8 Referenciado a local da medição a montante do descarregador ESTRUTURA HIDRÁULICA ASSOCIADA Tipo Açude Descarregador Canal Barragem Nenhuma 30 m a jusante da estação. MEDIÇÕES DE CAUDAL Medição efectuada Vau Teleférico Ponte Roldanas Barco Não foram efectuadas

16 Page 3 of 4 Motivo da escolha Caudal e profundidade do rio. Possibilidades Vau Teleférico Ponte Roldanas Barco SECÇÃO DO RIO ONDE É FEITA A MEDIÇÃO DE CAUDAL A montante da estação no local com as coordenadas acima referidas. Obstrução Vegetação Sem obstrução Objecto Caracterização geomorfológica Rochosa Terra Regularizada Outras Confluência Montante Sem confluência Jusante Troço Rectilíneo Curvilínio TRABALHOS Tipo de trabalho Previsto Efectuado Visita ao logger Colocar marca cotada Colocar escala Determinar coordenadas Cotar zero da escala Medições de caudal Marcas de cheia Colocar estação em rede Fazer transmissão de dados OBSERVAÇÕES O caudal medido foi de m3/s.

17 Page 4 of 4 FOTOGRAFIAS MAPA Terms of Use

18 Estação hidrométrica de Monte da Vinha, Jusante da confluência com o Rio Caia data 14/05/2007 altura hidrométrica em Monte da Vinha (m) 0.16 Nota: para calcular o caudal que passa no descarregador deve subtrair-se se a esta medição o valor do caudal medido na ribeira das Lãs. File Name # Ens. Start Time Total Q Start Bank Left Dist. Left Ens# Left Q Top Q Meas. Q Bottom Q Right Dist. Right Ens# Right Q Total Area Width Boat Speed Avg Course Q/Area Flow Speed Flow Dir. Left Vel. Left Depth Left Area Left Shape Right Vel. Right Depth Right Area Right Shape Duration End Time Start Ens # End Ens # Velocity Depth [m³/s] [m] [m³/s] [m³/s] [m³/s] [m³/s] [m] [m³/s] [m²] [m] [m/s] [ ] [m/s] [m/s] [ ] [m/s] [m] [m²] [m/s] [m] [m²] [s] Ref. Ref. MonteVinha r :24: Left :27: BTM ADCP MonteVinha r :29: Right :32: BTM ADCP MonteVinha r :33: Left :36: BTM ADCP MonteVinha r :38: Right :42: BTM ADCP MonteVinha r :43: Left :47: BTM ADCP Average Std. Dev Std./ Avg

19 Estação hidrométrica de Monte da Vinha, Jusante da confluência com o Rio Caia data 15/05/2007 altura hidrométrica em Monte da Vinha (m) Nota: para calcular o caudal que passa no descarregador deve subtrair-se a esta medição o valor do caudal medido na ribeira das Lãs File Name # Ens. Start Time Total Q Start Bank Left Dist. Left Ens# Left Q Top Q Meas. Q Bottom Q Right Dist. Right Ens# Right Q Total Area Width Boat Speed Avg Course Q/Area Flow Speed Flow Dir. Left Vel. Left Depth Left Area Left Shape Right Vel. Right Depth Right Area Right Shape Duration End Time Start Ens # End Ens # Velocity Depth [m³/s] [m] [m³/s] [m³/s] [m³/s] [m³/s] [m] [m³/s] [m²] [m] [m/s] [ ] [m/s] [m/s] [ ] [m/s] [m] [m²] [m/s] [m] [m²] [s] Ref. Ref. MonteVinha :19: Right :23: BTM ADCP MonteVinha :23: Left :27: BTM ADCP MonteVinha :28: Right :31: BTM ADCP MonteVinha :37: Right :41: BTM ADCP Average Std. Dev Std./ Avg

20 Argonaut_Ponte_Real MONTE DA VINHA (21O/01H) Medição de caudal - Monte da Vinha (m3/s) Ponte Real -medição Q (m3/s) /05/2007 0:00 14/05/2007 2:24 14/05/2007 4:48 14/05/2007 7:12 14/05/2007 9:36 14/05/ :00 14/05/ :24 14/05/ :48 14/05/ :12 14/05/ :36 15/05/2007 0:00 15/05/2007 2:24 15/05/2007 4:48 15/05/2007 7:12 15/05/2007 9:36 15/05/ :00 15/05/ :24 Hora GMT 15/05/ :48 15/05/ :12 15/05/ :36 16/05/2007 0:00 16/05/2007 2:24 16/05/2007 4:48 16/05/2007 7:12 16/05/2007 9:36 16/05/ :00 16/05/ :24 16/05/ :48 16/05/ :12 16/05/ :36

Medição de caudal no rio Tejo nas estações hidrométricas de Morgado-Valada e Ómnias, no dia 26 de Janeiro de Tejo. #*Morgado Ómnias#*

Medição de caudal no rio Tejo nas estações hidrométricas de Morgado-Valada e Ómnias, no dia 26 de Janeiro de Tejo. #*Morgado Ómnias#* Medição de caudal no rio Tejo nas estações hidrométricas de Morgado-Valada e Ómnias, no dia 26 de Janeiro de 2005 Tejo #*Morgado Ómnias#* 2005 MINISTÉRIO DAS CIDADES, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E AMBIENTE

Leia mais

LISTA DE DISTRIBUIÇÃO

LISTA DE DISTRIBUIÇÃO Cópia Nº 1 FPA LISTA DE DISTRIBUIÇÃO CÓPIA Nº 1 FPA CÓPIA Nº 2 ANUÁRIO DA CORRIDA CÓPIA Nº 3 MEDIDOR AMÉRICO CHAVES Efectuada por: Américo Chaves em 28-05-2011 PÁG. 1 1. Desde a partida até à entrada na

Leia mais

FICHA DESCRITIVA DE ESTAÇÃO FLUVIOMÉTRICA

FICHA DESCRITIVA DE ESTAÇÃO FLUVIOMÉTRICA FICHA DESCRITIVA DE ESTAÇÃO FLUVIOMÉTRICA Prefeitura Porto Acre Fluviométrica 13610000 Curso d água Bacia Hidrográfica Área de Drenagem REFERÊNCIA CARTOGRÁFICA Carta Folha Escala Ano Latitude Longitude

Leia mais

EXERCÍCIOS DE APOIO ÀS AULAS PRÁTICAS DE TOPOGRAFIA ENGENHARIA CIVIL

EXERCÍCIOS DE APOIO ÀS AULAS PRÁTICAS DE TOPOGRAFIA ENGENHARIA CIVIL EXERCÍCIOS DE APOIO ÀS AULAS PRÁTICAS DE TOPOGRAFIA ENGENHARIA CIVIL INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL E ARQUITECTURA DOCENTES (2009/2010) 2009/2010 Ana Paula Falcão Flôr Ricardo

Leia mais

1.1. Viagens com GPS. Princípios básicos de funcionamento de um GPS de modo a obter a posição de um ponto na Terra.

1.1. Viagens com GPS. Princípios básicos de funcionamento de um GPS de modo a obter a posição de um ponto na Terra. 1.1. Viagens com GPS Princípios básicos de funcionamento de um GPS de modo a obter a posição de um ponto na Terra. O que é o GPS? Como funciona o GPS? Qual é a precisão do GPS? O sistema de satélites do

Leia mais

Medição de vazão. Capítulo

Medição de vazão. Capítulo Capítulo 5 Medição de vazão V azão é o volume de água que passa por uma determinada seção de um rio dividido por um intervalo de tempo. Assim, se o volume é dado em litros, e o tempo é medido em segundos,

Leia mais

GimobWEB Plataforma de gestão imobiliária

GimobWEB Plataforma de gestão imobiliária GimobWEB Plataforma de gestão imobiliária Documento de apoio ao cliente Versão:.0 Atualizado em 04-02-2016 Copyright by Improxy 2016 Geral Telefone: 223 749 100 Fax: 223 749 109 Email: geral@improxy.com

Leia mais

Cada questão deve receber uma nota entre 0 (menor nota) e 10 (maior nota). Questões podem ter mais de uma resposta A prova do seu aluno deve receber

Cada questão deve receber uma nota entre 0 (menor nota) e 10 (maior nota). Questões podem ter mais de uma resposta A prova do seu aluno deve receber Cada questão deve receber uma nota entre 0 (menor nota) e 10 (maior nota). Questões podem ter mais de uma resposta A prova do seu aluno deve receber uma pontuação entre 0 e 100. Não se esqueça de lançar

Leia mais

Ficha de avaliação Física e Química A - Versão 1 Outubro de 2013. Nome: Nº: turma: 11E

Ficha de avaliação Física e Química A - Versão 1 Outubro de 2013. Nome: Nº: turma: 11E Ficha de avaliação Física e Química A - Versão 1 Outubro de 2013 Nome: Nº: turma: 11E CLASSIFICAÇÃO: Valores Professor: Cotação - 10V 1. Observa a figura 1 seguinte, que representa um corpo em movimento,

Leia mais

- Global Positioning System - - Sistema de Posicionamento Global -

- Global Positioning System - - Sistema de Posicionamento Global - - Global Positioning System - - Sistema de Posicionamento Global - É um sistema de navegação com base em satélites artificiais que emitem, em intervalos de 1 ms, sinais rádio, diferente de satélite para

Leia mais

Guia do Participante

Guia do Participante Guia do Participante Caro Participante, Começamos por agradecer a tua presença nesta nova prova que pretende dar a conhecer novos trilhos na região do Vouga. Após o adiamento forçado da data inicial da

Leia mais

DE LOCALIZAÇÃO POR SATÉLITE SEU SERVIÇO

DE LOCALIZAÇÃO POR SATÉLITE SEU SERVIÇO SHADDAI SEGURANÇA DE LOCALIZAÇÃO POR SATÉLITE SEU SERVIÇO MANUAL DEL USUARIO VEÍCULO TRACKER GSM / GPRS / GPS LOCALIZAÇÃO INDIVIDUAL Você pode ligar de qualquer telefone celular rastreador, ele irá responder

Leia mais

Perfil de Água Balnear de Carcavelos

Perfil de Água Balnear de Carcavelos Perfil de Água Balnear de Carcavelos Identificação da Água Balnear Nome da Água Balnear Carcavelos Código da Água Balnear PTCQ8X Ano de Identificação 1993 Categoria/Tipo Água balnear costeira/costa Atlântica

Leia mais

INSTALAÇÃO DE UM NOVO SISTEMA DE DRENAGEM PLUVIAL NO VIADUTO DO LOUREIRO

INSTALAÇÃO DE UM NOVO SISTEMA DE DRENAGEM PLUVIAL NO VIADUTO DO LOUREIRO INSTALAÇÃO DE UM NOVO SISTEMA DE DRENAGEM PLUVIAL NO VIADUTO DO LOUREIRO Manuel Lorena 1 1 COBA, Consultores de Engenharia e Ambiente, Serviço de Vias de Comunicação, Núcleo Rodoviário Av. 5 de Outubro

Leia mais

MANUAL BÁSICO DE INSTRUÇÕES

MANUAL BÁSICO DE INSTRUÇÕES MANUAL BÁSICO DE INSTRUÇÕES ANTES DE LIGAR O DISPOSITIVO, AJUSTE A CHAVE SELETORA DE TENSÃO, LOCALIZADA NA PARTE INTERNA DO APARELHO, CONFORME ILUSTRAÇÃO 13. 1 O display informa hora/minuto intercalado

Leia mais

EPULMÃO. Nota de Abertura. Maio 2012 - Nº 05. Boletim informativo 05 - MAIO 2012 1

EPULMÃO. Nota de Abertura. Maio 2012 - Nº 05. Boletim informativo 05 - MAIO 2012 1 Boletim informativo Maio 2012 - Nº 05 Nota de Abertura Por Teles de Araújo Em Maio, entre as atividades da Fundação, devemos destacar a existência dum novo espaço em Lisboa que abre perspectivas para um

Leia mais

CIRCULAÇÃO EM ROTUNDAS

CIRCULAÇÃO EM ROTUNDAS CIRCULAÇÃO EM ROTUNDAS DEFINIÇÃO Define-se como rotunda um espaço de circulação rodoviária, com forma geralmente circular, de encontro de várias vias de tráfego onde o trânsito se processa em sentido giratório,

Leia mais

sistema de posicionamento global

sistema de posicionamento global SISTEMA GPS GPS Global Positioning System sistema de posicionamento global É um sistema de radionavegação baseado em satélites, desenvolvido e controlado pelo departamento de defesa dos Estados Unidos,

Leia mais

USINA HIDRELÉTRICA BELO MONTE EMPRESA: CONSÓRCIO NORTE ENERGIA POTÊNCIA INSTALADA: 11.233,1 MW ETAPA: PROJETO BÁSICO DATA: 18/08/10

USINA HIDRELÉTRICA BELO MONTE EMPRESA: CONSÓRCIO NORTE ENERGIA POTÊNCIA INSTALADA: 11.233,1 MW ETAPA: PROJETO BÁSICO DATA: 18/08/10 USINA HIDRELÉTRICA BELO MONTE EMPRESA: CONSÓRCIO NORTE ENERGIA POTÊNCIA INSTALADA: 11.233,1 MW ETA: PROJETO BÁSICO DATA: 18/08/10 CONTATO: TEL.: 1. LOCALIZAÇÃO RIO: XINGU SUB-BACIA: RIO XINGU RIO XINGU

Leia mais

12 - DESVIO DE CURSO D ÁGUA *MODULO 1 - IDENTIFICAÇÃO. *1. Requerente Pessoa Física. Distrito Caixa Postal UF CEP DDD Telefone Fax E-mail

12 - DESVIO DE CURSO D ÁGUA *MODULO 1 - IDENTIFICAÇÃO. *1. Requerente Pessoa Física. Distrito Caixa Postal UF CEP DDD Telefone Fax E-mail 1 12 - DESVIO DE CURSO D ÁGUA Definição: Alteração do percurso natural do corpo de água para fins diversos. O desvio em corpo d água pode ser parcial ou total. O desvio parcial consiste na preservação

Leia mais

Sistemas de climatização para quadros eléctricos

Sistemas de climatização para quadros eléctricos Sistemas de climatização para quadros eléctricos Sistemas de climatização para quadros eléctricos Os quadros eléctricos são um elemento fundamental a todas as instalações eléctricas, sendo como que o coração

Leia mais

APROVEITAMENTO HIDROELÉCTRICO DE AGILDE

APROVEITAMENTO HIDROELÉCTRICO DE AGILDE APROVEITAMENTO HIDROELÉCTRICO DE AGILDE Ribeira de Santa Natália Concelho de Celorico de Basto Acesso rodoviário Açude Canal e conduta forçada Câmara de carga Central hidroeléctrica O aproveitamento hidroeléctrico

Leia mais

MAPEAMENTO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PAJEÚ-PE. Carlos Tiago Amâncio Rodrigues¹, André Quintão de Almeida²

MAPEAMENTO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PAJEÚ-PE. Carlos Tiago Amâncio Rodrigues¹, André Quintão de Almeida² MAPEAMENTO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PAJEÚ-PE Carlos Tiago Amâncio Rodrigues¹, André Quintão de Almeida² ¹Graduando em Agronomia, UAST, UFRPE,Serra Talhada-PE, tiagoamancio@hotmail.com

Leia mais

Medição, Controle e Monitoramento de Processos Industriais. Manual de Instruções Controlador Digital Microprocessado C130. V.1.

Medição, Controle e Monitoramento de Processos Industriais. Manual de Instruções Controlador Digital Microprocessado C130. V.1. Medição, Controle e Monitoramento de Processos Industriais Manual de Instruções Controlador Digital Microprocessado C130 V.1.01 / Revisão 4 ÍNDICE Item Página 1. Introdução...01 2. Características...01

Leia mais

1/5. a. ( ) Austrália b. ( ) Brasil c. ( ) Inglaterra d. ( ) Japão e. ( ) México

1/5. a. ( ) Austrália b. ( ) Brasil c. ( ) Inglaterra d. ( ) Japão e. ( ) México 1. Na robótica móvel, é comum utilizar dispositivos do sistema de posicionamento global (GPS) para monitorar a posição dos robôs e determinar os seus próximos movimentos. O dispositivo GPS fornece as coordenadas

Leia mais

Cartografia e Prospeção

Cartografia e Prospeção Cartografia e Prospeção Prospeção Consiste na atividade de pesquisa de entradas de cavidades no terreno. Antes de se abordar o terreno deve efetuar-se um trabalho de casa que nos forneça o máximo de informação

Leia mais

Queda livre de um corpo

Queda livre de um corpo Experiência 3 Dizemos que um corpo se encontra em queda livre quando a única força que actua nele é a força gravítica terrestre. Não pode haver actuação de outras forças; em particular, não pode existir

Leia mais

[ ] Sementeira, plantação e corte de árvores ou arbustos

[ ] Sementeira, plantação e corte de árvores ou arbustos Ex. mo Senhor Vice-Presidente da APA, I.P. Assunto: Pedido de Informação Prévia sobre a possibilidade de utilização dos recursos hídricos (artigo 11º do Decreto-Lei n.º 226-A/2007, de 31 de maio) Selecione

Leia mais

Observação do Comportamento Estrutural da Barragem de Beliche após a Realização de Obras de Reabilitação

Observação do Comportamento Estrutural da Barragem de Beliche após a Realização de Obras de Reabilitação Observação do Comportamento Estrutural da Barragem de Beliche após a Realização de Obras de Reabilitação Fernando Pardo de Santayana Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC), Lisboa, Portugal RESUMO:

Leia mais

Avaliação do desempenho de rotas de tráfego utilizando informações coletadas através de GPS.

Avaliação do desempenho de rotas de tráfego utilizando informações coletadas através de GPS. Avaliação do desempenho de rotas de tráfego utilizando informações coletadas através de GPS. Vinícius de Magalhães 1 ; Marcelo Vinícius de Magalhães Ribeiro 2 1 Empresa de Transportes e Trânsito de Belo

Leia mais

Perfil de Água Balnear da Saúde

Perfil de Água Balnear da Saúde Perfil de Água Balnear da Saúde Identificação da Água Balnear Nome da Água Balnear SAÚDE Código da Água Balnear PTCF7X Ano de Identificação 1991 Categoria/Tipo Água balnear costeira/costa Atlântica Mesotidal

Leia mais

DECRETO Nº 86.061, DE 02 DE JUNHO DE 1981. Cria Estações Ecológicas, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que

DECRETO Nº 86.061, DE 02 DE JUNHO DE 1981. Cria Estações Ecológicas, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que DECRETO Nº 86.061, DE 02 DE JUNHO DE 1981. Cria Estações Ecológicas, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe confere o artigo 81, item III, da Constituição,

Leia mais

Instruções para as medições anemométricas e climatológicas do Leilão de Energia de Reserva 2009

Instruções para as medições anemométricas e climatológicas do Leilão de Energia de Reserva 2009 SÉRIE RECURSOS ENERGÉTICOS NOTA TÉCNICA DEA 14/09 Instruções para as medições anemométricas e climatológicas do Leilão de Energia de Reserva 2009 Rio de Janeiro Outubro de 2009 (Esta página foi intencionalmente

Leia mais

sinalização de prevenção e combate a incêndio www.wnbh.com.br

sinalização de prevenção e combate a incêndio www.wnbh.com.br sinalização de prevenção e combate a incêndio www.wnbh.com.br índice Sinalização de alerta e proibição...04 Sinalização de orientação e salvamento...05 Sinalização de equipamentos e combate a incêndio...06

Leia mais

(11) Número de Publicação: PT 10590 T. (51) Classificação Internacional: A61J 1/05 (2006.01) B65D 81/18 (2006.01)

(11) Número de Publicação: PT 10590 T. (51) Classificação Internacional: A61J 1/05 (2006.01) B65D 81/18 (2006.01) (11) Número de Publicação: PT 10590 T (51) Classificação Internacional: A61J 1/05 (2006.01) B65D 81/18 (2006.01) (12) FASCÍCULO DE MODELO DE UTILIDADE (22) Data de pedido: 2010.06.23 (30) Prioridade(s):

Leia mais

"SISTEMAS DE COTAGEM"

SISTEMAS DE COTAGEM AULA 6T "SISTEMAS DE COTAGEM" Embora não existam regras fixas de cotagem, a escolha da maneira de dispor as cotas no desenho técnico depende de alguns critérios. A cotagem do desenho técnico deve tornar

Leia mais

Campinas, 24 de maio de 2010

Campinas, 24 de maio de 2010 Estação Terminal de Acesso ETSI TS 151 010-1 V6.5.0 (2005-11) Relatório de Teste Número: CertLab-E18-0899-10-01-Rev1 Equipamento sob Ensaio Modelo: Nome: Solicitante Wireless Solutions Limited. Endereço:

Leia mais

CITV. Manual do Utilizador. Realização de Candidaturas de Centros de Inspecção

CITV. Manual do Utilizador. Realização de Candidaturas de Centros de Inspecção CITV Manual do Utilizador Realização de Candidaturas de Centros de Inspecção Índice 1 Introdução...3 2 Entrada/Validação...4 2.1 Descrição...4 3 Candidatura Preenchimento de Formulário...10 3.1 Descrição...10

Leia mais

Localização do termostato 14 Posicionamento e instalação do sensor 14. Instalação eléctrica normal 15 Montagem do termostato na caixa de parede 16

Localização do termostato 14 Posicionamento e instalação do sensor 14. Instalação eléctrica normal 15 Montagem do termostato na caixa de parede 16 ÍNDICE INTRODUÇÃo 13 Especificações técnicas 14 POSICIONAMENTO DO TERMOSTATO E DO SENSOR 14 Localização do termostato 14 Posicionamento e instalação do sensor 14 INSTALAÇÃO 15 Instalação eléctrica normal

Leia mais

O boletim de jogo é preenchido em 4 vias, que, no fim do jogo, serão entregues: I. ANTES DO INÍCIO DO JOGO

O boletim de jogo é preenchido em 4 vias, que, no fim do jogo, serão entregues: I. ANTES DO INÍCIO DO JOGO INTRODUÇÃO O Boletim de Jogo é um documento oficial, cujo preenchimento é da responsabilidade do Marcador, de acordo com as regras e instruções que se apresentam de seguida. O marcador além de ter de saber

Leia mais

MEIA MARATONA DE ÉVORA

MEIA MARATONA DE ÉVORA MEIA MARATONA DE ÉVORA Medição Efectuada Por João Cândido e Cláudia Viegas 31 de Outubro de 2015 Página 1 de 18 Índice Relatório técnico- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Leia mais

P88 - Manual do Usuário - 01

P88 - Manual do Usuário - 01 P88 - Manual do Usuário - 01 Sumário I - Acessórios... 03 II - Especificações... 04 III - Perfil... 05 IV - Indicadores LED... 05 V - Instalação... 06 VI - Os requerimentos de conexão do aparelho... 07

Leia mais

Desempenho da Calha Rochosa Não-Revestida do Vertedouro da Usina Hidrelétrica Governador Ney Braga (Segredo) após 14 anos de Operação

Desempenho da Calha Rochosa Não-Revestida do Vertedouro da Usina Hidrelétrica Governador Ney Braga (Segredo) após 14 anos de Operação Desempenho da Calha Rochosa Não-Revestida do Vertedouro da Usina Hidrelétrica Governador Ney Braga (Segredo) após 14 anos de Operação Roberto Werneck Seara; Benedito de Souza Neto; Fabiano Rossini COPEL

Leia mais

Uso de Materiais Recicláveis para Aquecimento de Piscinas

Uso de Materiais Recicláveis para Aquecimento de Piscinas Uso de Materiais Recicláveis para Aquecimento de Piscinas D. V. B. Pereira a, A. Pasqualetto b, O. R. dos Santos b a. Pontifícia Universidade Católica de Goiás PUC Goiás. b. Pontifícia Universidade Católica

Leia mais

TROÇO IC2 BATALHA SUL / PORTO (IC1) PLANO DE ACÇÃO RESUMO NÃO TÉCNICO

TROÇO IC2 BATALHA SUL / PORTO (IC1) PLANO DE ACÇÃO RESUMO NÃO TÉCNICO ESTRADAS DE PORTUGAL, S.A. TROÇO IC2 BATALHA SUL / PORTO (IC1) PLANO DE ACÇÃO RESUMO NÃO TÉCNICO Lisboa, Abril de 2015 Esta página foi deixada propositadamente em branco 2 ESTRADAS DE PORTUGAL, S.A. TROÇO

Leia mais

TIPOLOGIA DE RIOS EM PORTUGAL CONTINENTAL NO ÂMBITO DA IMPLEMENTAÇÃO DA DIRECTIVA QUADRO DA ÁGUA

TIPOLOGIA DE RIOS EM PORTUGAL CONTINENTAL NO ÂMBITO DA IMPLEMENTAÇÃO DA DIRECTIVA QUADRO DA ÁGUA TIPOLOGIA DE RIOS EM PORTUGAL CONTINENTAL NO ÂMBITO DA IMPLEMENTAÇÃO DA DIRECTIVA QUADRO DA ÁGUA I - Caracterização abiótica JANEIRO DE 2008 MINISTÉRIO DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO

Leia mais

GT PERSONAL GPS RASTREAMENTO PESSOAL

GT PERSONAL GPS RASTREAMENTO PESSOAL GT PERSONAL GPS RASTREAMENTO PESSOAL Baseados em nossa experiência em aplicações de GPS e Telemetria, e devido às pequenas dimensões (70x40x20 mm) do GT PERSONAL GPS este dispositivo portátil executa o

Leia mais

Praia da Sereia. Identificação da Água Balnear. Fotografia. Localização Geográfica e Administrativa da Água Balnear. Perfil de Água Balnear

Praia da Sereia. Identificação da Água Balnear. Fotografia. Localização Geográfica e Administrativa da Água Balnear. Perfil de Água Balnear Praia da Sereia Identificação da Água Balnear Nome da Água Balnear SEREIA Código da Água Balnear PTCT3K Ano de Designação 2004 Categoria/Tipo Água balnear costeira/costa Atlântica Mesotidal Moderadamente

Leia mais

1) APRESENTAÇÃO 2) INDICADORES

1) APRESENTAÇÃO 2) INDICADORES 1) APRESENTAÇÃO BOLETIM SEMANAL INFORMATIVO Pág: 1 / 10 O presente boletim visa apresentar as informações relativas ao Monitoramento de Resgate de Fauna Silvestre Impactada pelo Rompimento a Barragem de

Leia mais

INTRODUÇÃO À TRIDIMENSIONALIDADE Step by step Maja`s House 16 11 2015

INTRODUÇÃO À TRIDIMENSIONALIDADE Step by step Maja`s House 16 11 2015 INTRODUÇÃO À TRIDIMENSIONALIDADE Step by step Maja`s House 16 11 2015 PARTE II: luminação. Visualizações realistas (renders). ILUMINAÇÃO Por omissão, o AutoCAD ilumina o desenho 3D com duas luzes distantes

Leia mais

GEOGRAFIA E FÍSICA. Primeiro ano integrado EDI 1 e INF 1-2009

GEOGRAFIA E FÍSICA. Primeiro ano integrado EDI 1 e INF 1-2009 GEOGRAFIA E FÍSICA Primeiro ano integrado EDI 1 e INF 1-2009 Instruções: Leia atentamente cada questão para resolvê-la com segurança. A marcação do gabarito deverá ser feita com caneta de tinta azul ou

Leia mais

Sensor de Nível por Medida de Pressão Diferencial com Sensor SMART

Sensor de Nível por Medida de Pressão Diferencial com Sensor SMART INSTRUMENTAÇÃO II Engenharia de Automação, Controlo e Instrumentação 2006/07 Trabalho de Laboratório nº 4 Sensor de Nível por Medida de Pressão Diferencial com Sensor SMART Realizado por Paulo Alvito 26

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO - TK102-2

MANUAL DO USUÁRIO - TK102-2 MANUAL DO USUÁRIO - TK102-2 Prefácio Obrigado por adquirir o rastreador GPS TK102b este manual mostra como operar o aparelho sem problemas e corretamente. Certifique-se de ler atentamente este manual antes

Leia mais

RKM 2001 ALPIN RKM 2300 ALPIN RKA 2500 ALPIN RKE 2500N EASY ALPIN EPI 25

RKM 2001 ALPIN RKM 2300 ALPIN RKA 2500 ALPIN RKE 2500N EASY ALPIN EPI 25 Estrutura de Suporte dos Coletores RKM 2001 ALPIN RKM 2300 ALPIN RKA 2500 ALPIN RKE 2500N EASY ALPIN EPI 25 Terraço Plano Parque Industrial e Comercial de Loulé, Lote 11 A Índice 1 - Recomendações de segurança...

Leia mais

Portaria Inmetro /Dimel n.º 0202 de 09 de agosto de 2010

Portaria Inmetro /Dimel n.º 0202 de 09 de agosto de 2010 Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL INMETRO Portaria Inmetro /Dimel n.º 0202 de 09

Leia mais

zūmo 590 Manual de Início Rápido

zūmo 590 Manual de Início Rápido zūmo 590 Manual de Início Rápido Março 2014 190-01706-54_0A Impresso em Taiwan Como começar AVISO Consulte no guia Informações importantes de segurança e do produto, na embalagem, os avisos relativos ao

Leia mais

GT LOCATION RASTREAMENTO VIA CÉLULA

GT LOCATION RASTREAMENTO VIA CÉLULA GT LOCATION RASTREAMENTO VIA CÉLULA Esta tecnologia torna possível o rastreamento de veículos como, autos, motos, caminhões, tratores, pick ups, embarcações, conforme a área de cobertura, que ao ser acionado

Leia mais

Ferramentas Web, Web 2.0 e Software Livre em EVT

Ferramentas Web, Web 2.0 e Software Livre em EVT E s t u d o s o b r e a i n t e g r a ç ã o d e f e r r a m e n t a s d i g i t a i s n o c u r r í c u l o d a d i s c i p l i n a d e E d u c a ç ã o V i s u a l e T e c n o l ó g i c a Scratch M a n

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO ALICATE TERRÔMETRO MODELO TR-5500

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO ALICATE TERRÔMETRO MODELO TR-5500 MANUAL DE INSTRUÇÕES DO ALICATE TERRÔMETRO MODELO TR-5500 setembro 2011 Leia atentamente as instruções contidas neste manual antes de iniciar o uso do instrumento ÍNDICE 1. Introdução... - 1-2. Regras

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Geografia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 719/1.ª Fase 16 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO SISPREC

MANUAL DO USUÁRIO SISPREC MANUAL DO USUÁRIO SISPREC Concorrência nº 005/ANA/2009 - Sistema de previsão de enchentes na bacia do Rio Paraíba do Sul 1 de 44 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 4 1.1 Apresentação do Sistema... 4 Figura 1.1 Tela

Leia mais

RELATORIO TÉCNICO. 1. OFICIAL MADIDOR A CNEC nomeou para esta medição o oficial Medidor PAULO BARREIROS.

RELATORIO TÉCNICO. 1. OFICIAL MADIDOR A CNEC nomeou para esta medição o oficial Medidor PAULO BARREIROS. Paulo Barreiros 27-1-2008 RELATORIO TÉCNICO 1. OFICIAL MADIDOR A CNEC nomeou para esta medição o oficial Medidor PAULO BARREIROS. 2. LOCALIZAÇÃO DA PROVA A prova realiza-se da Vila de GRANDOLA. 3. BASE

Leia mais

JURINFOR JURIGEST Facturação e Mapas

JURINFOR JURIGEST Facturação e Mapas JURINFOR JURIGEST Facturação e Mapas Índice Índice 1. Facturação...1 1.1. Gestão de Notas de Honorários...2 1.1.1. Emitir uma Nota de Honorários...3 1.1.2. Consultar Notas de Honorários Emitidas... 18

Leia mais

EXTRATO DA INSPEÇÃO REGULAR DE BARRAGEM. Nome da Barragem: Segundo Nome da Barragem: Coordenadas - datum WGS-84: Latitude _ (S) Volume: m³ RPGA:

EXTRATO DA INSPEÇÃO REGULAR DE BARRAGEM. Nome da Barragem: Segundo Nome da Barragem: Coordenadas - datum WGS-84: Latitude _ (S) Volume: m³ RPGA: Nome do empreendedor EXTRATO DA INSPEÇÃO REGULAR DE BARRAGEM Modelo INEMA 2015 - Lei Federal 12.334/2010 I - Dados Gerais Nome da Barragem: Segundo Nome da Barragem: Coordenadas - datum WGS-84: Latitude

Leia mais

Física 1 ano Prof. Miranda. Lista de Exercícios II Unidade

Física 1 ano Prof. Miranda. Lista de Exercícios II Unidade Física 1 ano Prof. Miranda Lista de Exercícios II Unidade mirandawelber@gmail.com 01. O que é necessário para determinar (caracterizar) uma: a) grandeza escalar? b) grandeza vetorial? 02. Classifique os

Leia mais

Federação Portuguesa de Atletismo

Federação Portuguesa de Atletismo PRESSUPOSTOS A medição da Corrida dos Reis Ilha do Pico Açores teve por base os seguintes pressupostos: Durante a competição os Atletas só podem utilizar toda a largura da estrada nos percursos entre:

Leia mais

Portaria Inmetro/Dimel n.º 0257, de 13 de outubro de 2010.

Portaria Inmetro/Dimel n.º 0257, de 13 de outubro de 2010. Portaria Inmetro/Dimel n.º 0257, de 13 de outubro de 2010. O Diretor de Metrologia Legal do Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial - Inmetro, no exercício da delegação de

Leia mais

Pedro Rocha 2015-10-15

Pedro Rocha 2015-10-15 Pedro Rocha 2015-10-15 Circulação O veiculo não pode sair do centro para se posicionar nas linhas ou áreas de inspeção Via de fuga Evitar o cruzamento de veículos 2 As linhas devem ser estruturadas para

Leia mais

Software de aplicação Tebis

Software de aplicação Tebis 5 Software de aplicação Tebis Detector de luminosidade radio quicklink Características eléctricas / mecânicas: ver manual do produto Referência do produto Designação do produto Ref. programa de software

Leia mais

Jantar / Debate. A ACT e a Coordenação de Segurança interacção e cooperação em empreendimentos de construção

Jantar / Debate. A ACT e a Coordenação de Segurança interacção e cooperação em empreendimentos de construção Especialização em Segurança no Trabalho da Construção Jantar / Debate A ACT e a Coordenação de Segurança interacção e cooperação em empreendimentos de construção Ordem dos Engenheiros (Lisboa) 3 de Fevereiro

Leia mais

INÍCIO DE OPERAÇÃO DO SISTEMA: 1918 (Primeiras unidades implantadas por Saturnino de Brito).

INÍCIO DE OPERAÇÃO DO SISTEMA: 1918 (Primeiras unidades implantadas por Saturnino de Brito). SISTEMA GURJAÚ INÍCIO DE OPERAÇÃO DO SISTEMA: 1918 (Primeiras unidades implantadas por Saturnino de Brito). UNIVERSO DE ATENDIMENTO: Produz, aproximadamente, 9% do volume distribuído na Região Metropolitana

Leia mais

ANÁLISE DA ESTABILIDADE GLOBAL E ESTRUTURAL DA BARRAGEM DE SANTO ANTÔNIO

ANÁLISE DA ESTABILIDADE GLOBAL E ESTRUTURAL DA BARRAGEM DE SANTO ANTÔNIO ANÁLISE DA ESTABILIDADE GLOBAL E ESTRUTURAL DA BARRAGEM DE SANTO ANTÔNIO UHE SALTO GRANDE CEMIG GERAÇÃO E TRANSMISSÃO S.A. GERÊNCIA DE SEGURANÇA DE BARRAGENS AG/SB 1. OBJETO Verificação da análise da estabilidade

Leia mais

O Q U E É U M REL Ó G I O DE S O L? Relógio de Sol é um instrumento que determina as divisões. do dia através do movimento da sombra de um objecto, o

O Q U E É U M REL Ó G I O DE S O L? Relógio de Sol é um instrumento que determina as divisões. do dia através do movimento da sombra de um objecto, o O Q U E É U M REL Ó G I O DE S O L? Relógio de Sol é um instrumento que determina as divisões do dia através do movimento da sombra de um objecto, o gnómon, sobre o qual incidem os raios solares e que

Leia mais

RELATÓRIO RESPONSÁVEL: SUPERINTENDÊNCIA DE CONCESSÕES E AUTORIZAÇÕES DE GERAÇÃO - SCG.

RELATÓRIO RESPONSÁVEL: SUPERINTENDÊNCIA DE CONCESSÕES E AUTORIZAÇÕES DE GERAÇÃO - SCG. RELATÓRIO PROCESSO: 48500.006731/2006-69. INTERESSADO: Empresa Foz do Rio Claro Energia S/A. RELATOR: Diretor Romeu Donizete Rufino. RESPONSÁVEL: SUPERINTENDÊNCIA DE CONCESSÕES E AUTORIZAÇÕES DE GERAÇÃO

Leia mais

Perfil de Água Balnear fluvial do Agroal

Perfil de Água Balnear fluvial do Agroal Perfil de Água Balnear fluvial do Agroal Identificação da Água Balnear Nome da Água Balnear AGROAL Código da Água Balnear PTCD8N Ano de Identificação 2000 Categoria/Tipo Água balnear interior em rio/ Depósitos

Leia mais

Rastreador GPS Tracker RMV1. Manual do Usuario.

Rastreador GPS Tracker RMV1. Manual do Usuario. Rastreador GPS Tracker RMV1. Manual do Usuario. Introdução. Precauções. O Rastreador X3 mod. RV M1 GPS GSM possui o mais avançado sistema de monitoramento e rastreamento. Com tamanho compacto, torna-se

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DE GOIÁS CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DO CONSUMIDOR E USUÁRIOS DE SERVIÇOS PÚBLICOS NOVO GAMA 1-ABASTECIMENTO DE ÁGUA

MINISTÉRIO PÚBLICO DE GOIÁS CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DO CONSUMIDOR E USUÁRIOS DE SERVIÇOS PÚBLICOS NOVO GAMA 1-ABASTECIMENTO DE ÁGUA NOVO GAMA 1-ABASTECIMENTO DE ÁGUA Responsável Técnico - SANEAGO Mário João de Souza (62) 3243-3126 Concessionária: Saneago População: 88.835 População atendida: 85,20% Índice da região Centro-Oeste 89.50%

Leia mais

S I T U A Ç Ã O E X I S T E N T E

S I T U A Ç Ã O E X I S T E N T E S I T U A Ç Ã O E X I S T E N T E 4 4 - SITUAÇÃO EXISTENTE Campus Avançado do Mucuri está situado junto ao Bairro Jardim São Paulo, distando aproximadamente 4 km do centro da cidade. Tendo como Oprincipal

Leia mais

COMPENSAÇÃO DAS VAZÕES MEDIDAS COM ADCP EM SEÇÕES COM FUNDO MÓVEL

COMPENSAÇÃO DAS VAZÕES MEDIDAS COM ADCP EM SEÇÕES COM FUNDO MÓVEL COMPENSAÇÃO DAS VAZÕES MEDIDAS COM ADCP EM SEÇÕES COM FUNDO MÓVEL Paulo Everardo Gamaro 1 Resumo: As medições de vazão acústicas doppler necessitam de uma referencia para medir o deslocamento do barco,

Leia mais

Campeonato Nacional de Voo à Vela Évora, 21-28 Julho 2007

Campeonato Nacional de Voo à Vela Évora, 21-28 Julho 2007 Boletim Número 3 Junho de 2007 1. Localização O campeonato terá lugar no Aeródromo Municipal de Évora Indicativo Oficial ICAO: LPEV Frequência rádio TWR: 122.700 Mhz. Pistas Azimute Dimensões Superfície

Leia mais

1... 19º 69,0m² 600.792 75.099 449.993 601

1... 19º 69,0m² 600.792 75.099 449.993 601 torre:b 1... 19º 69,0m² 600.792 75.099 449.993 601 torre:b 3... 6º 70,0m² 517.950 64.744 387.945 518 torre:b 4... 15º 70,0m² 576.004 72.000 431.427 576 torre:r 2... 8º ao 10º 69,0m² 596.496 74.562 446.776

Leia mais

Hidrologia, Ambiente e Recursos Hídricos 2009 / 2010. Rodrigo Proença de Oliveira

Hidrologia, Ambiente e Recursos Hídricos 2009 / 2010. Rodrigo Proença de Oliveira Hidrologia, Ambiente e Recursos Hídricos 2009 / 2010 Rodrigo Proença de Oliveira Simulação do funcionamento de uma albufeira IST: Hidrologia, Ambiente e Recursos Hídricos Rodrigo Proença de Oliveira, 2009

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA: IMPLANTAÇÃO DA GRADE DE TRILHAS E PARCELAS PERMANENTES NA RESERVA BIOLÓGICA DO UATUMÃ

TERMO DE REFERÊNCIA: IMPLANTAÇÃO DA GRADE DE TRILHAS E PARCELAS PERMANENTES NA RESERVA BIOLÓGICA DO UATUMÃ TERMO DE REFERÊNCIA: IMPLANTAÇÃO DA GRADE DE TRILHAS E PARCELAS PERMANENTES NA RESERVA BIOLÓGICA DO UATUMÃ 1. Objeto Contratação de serviço especializado de topografia plani-altimétrica georeferenciada

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DA TRENA DIGITAL A LASER MODELO TN-1150

MANUAL DE INSTRUÇÕES DA TRENA DIGITAL A LASER MODELO TN-1150 MANUAL DE INSTRUÇÕES DA TRENA DIGITAL A LASER MODELO TN-1150 Leia atentamente as instruções contidas neste manual antes de iniciar o uso do aparelho ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 1 2. REGRAS DE SEGURANÇA...

Leia mais

Barragens de concreto em abóbada com dupla curvatura.

Barragens de concreto em abóbada com dupla curvatura. ANÁLISE DIMENSIONAL Modelos Reduzidos Prof. Manuel Rocha - LNEC Prof. Eduardo C. S. Thomaz Notas de aula Barragens de concreto em abóbada com dupla curvatura. Na década de 60, época do projeto e da construção

Leia mais

VERSÃO 2. Prova Escrita de Geografia A. 11.º Ano de Escolaridade. Prova 719/1.ª Fase EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO

VERSÃO 2. Prova Escrita de Geografia A. 11.º Ano de Escolaridade. Prova 719/1.ª Fase EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Prova Escrita de Geografia A 11.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova 719/1.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Bicicletas Elétricas MANUAL KIT ELÉTRICO

Bicicletas Elétricas MANUAL KIT ELÉTRICO MANUAL KIT ELÉTRICO Seu KIT de conversão parcial é composto por: - Módulo Controlador Eletrônico - Suporte de Bateria - Bateria de Lítio - Painel Indicador - Acelerador - Motor da roda dianteiro 250w de

Leia mais

Movimentos da Terra -

Movimentos da Terra - Movimentos da Terra - Orientação e Coordenadas A Terra no Espaço Jonathan Kreutzfeld A Terra é levemente achatada nos pólos, por isso a chamamos de ELIPSÓIDE Diâmetro (km) Equatorial: 12.756 Polar: 12.713

Leia mais

FORMULÁRIO DE CARACTERIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO

FORMULÁRIO DE CARACTERIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO FORMULÁRIO DE CARACTERIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO Deverá ser observada rigorosamente a formatação deste formulário, não sendo permitida rasura e qualquer inclusão, exclusão ou alteração de campos, sob pena

Leia mais

Parte II APLICAÇÕES PRÁTICAS. Capítulo 3 Determinação da Vazão de Projeto

Parte II APLICAÇÕES PRÁTICAS. Capítulo 3 Determinação da Vazão de Projeto Parte II APLICAÇÕES PRÁTICAS Capítulo 3 54 Capítulo 3 Para facilitar a compreensão das noções básicas de projetos de obras hidráulicas, no próximo capítulo desenvolve-se o projeto de uma pequena barragem.

Leia mais

SISTEMA DE CLIMATIZAÇÃO

SISTEMA DE CLIMATIZAÇÃO AUTOMAÇÃO SEGURANÇA SOM SISTEMA DE CLIMATIZAÇÃO MANUAL DO UTILIZADOR www.only-pt.pt INTRODUÇÃO... 4 EQUIPAMENTOS... 4 CONTROLOS E INDICAÇÕES... 5 CONFIGURAÇÃO ATRAVÉS DO OTC-CLIMA... 6 1. Ajuste de data

Leia mais

UNIDADE: DATA: 03 / 12 / 2013 III ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE CIÊNCIAS 5.º ANO/EF

UNIDADE: DATA: 03 / 12 / 2013 III ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE CIÊNCIAS 5.º ANO/EF SOCIEDADE MINEIRA DE CULTURA Mantenedora da PUC Minas e do COLÉGIO SANTA MARIA UNIDADE: DATA: 03 / / 03 III ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE CIÊNCIAS 5.º ANO/EF ALUNO(A): N.º: TURMA: PROFESSOR(A): VALOR: 0,0

Leia mais

11ª Corrida do Oriente Casino Lisboa

11ª Corrida do Oriente Casino Lisboa 11ª Corrida do Oriente Casino Lisboa 3 de Junho de 2012 9h45;10h00;10h10 www.corridadooriente.com 1 / 5 Uma iniciativa da Fábrica da Igreja Nossa Senhora dos Navegantes 11ª Corrida do Oriente Casino Lisboa

Leia mais

ELEMENTOS NECESSÁRIOS À INSTRUÇÃO DO PEDIDO DE LICENÇA DE UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS DESCARGA DE ÁGUAS RESIDUAIS

ELEMENTOS NECESSÁRIOS À INSTRUÇÃO DO PEDIDO DE LICENÇA DE UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS DESCARGA DE ÁGUAS RESIDUAIS ELEMENTOS NECESSÁRIOS À INSTRUÇÃO DO PEDIDO DE LICENÇA DE UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS DESCARGA DE ÁGUAS RESIDUAIS I IDENTIFICAÇÃO DO REQUERENTE Nome/Denominação social, identificação fiscal n.º, bilhete

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO TETROS MOTO V2. N de Homologação: 1702-09-2791. Versão 1.00

MANUAL DE INSTALAÇÃO TETROS MOTO V2. N de Homologação: 1702-09-2791. Versão 1.00 MANUAL DE INSTALAÇÃO TETROS MOTO V2 N de Homologação: 1702-09-2791 Versão 1.00 Manual de Instalação TETROS MOTO V2 2 Índice 1. Introdução... 3 2. Especificações técnicas... 3 3. Conhecendo o equipamento...

Leia mais

AS ENERGIAS DO PRESENTE E DO FUTURO 21, 22 de Novembro de 2005 ENERGIA HÍDRICAH

AS ENERGIAS DO PRESENTE E DO FUTURO 21, 22 de Novembro de 2005 ENERGIA HÍDRICAH AS ENERGIAS DO PRESENTE E DO FUTURO 21, 22 de Novembro de 2005 ENERGIA HÍDRICAH ANTÓNIO NIO GONÇALVES HENRIQUES APROVEITAMENTOS HIDRO-ELÉCTRICOS EM PORTUGAL 35 médios m e grandes aproveitamentos hidroeléctricos

Leia mais

VII Congresso Mundial de Estilos de Aprendizagem

VII Congresso Mundial de Estilos de Aprendizagem VII Congresso Mundial de Estilos de Aprendizagem Informações Úteis Local do congresso Instituto Politécnico de Bragança Escola Superior de Tecnologia e Gestão Campus de Santa Apolonia 5301-857 Bragança

Leia mais

Casos de Estudo: CFD

Casos de Estudo: CFD Casos de Estudo: CFD Ventilação - Escola em Lisboa Mário Neves Dono de Obra Câmara Municipal de Lisboa Projeto de Arquitetura Arquiteta Ana Lúcia Barbosa Outubro 2013 1 1. Contexto Adaptação parcial de

Leia mais

Federação Portuguesa de Atletismo

Federação Portuguesa de Atletismo PRESSUPOSTOS A medição do percurso para o Grande Prémio de S. Pedro Póvoa do Varzim teve por base os seguintes pressupostos: Durante a competição os Atletas podem utilizar toda a largura da estrada, excepto

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável. Formulário referente ao Fator de Qualidade

GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável. Formulário referente ao Fator de Qualidade GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável Formulário referente ao Fator de Qualidade Reserva de Fauna Âmbito: Federal Estadual Municipal DADOS

Leia mais