ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO E A ORGANIZAÇÃO DA PRESTAÇÃO DE CONTAS ANUAL/ ªICFEx (1ª FASE)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO E A ORGANIZAÇÃO DA PRESTAÇÃO DE CONTAS ANUAL/2012 10ªICFEx (1ª FASE)"

Transcrição

1 MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO SECRETARIA DE ECONOMIA E FINANÇAS 10ª INSPETORIA DE CONTABILIDADE E FINANÇAS DO EXÉRCITO ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO E A ORGANIZAÇÃO DA PRESTAÇÃO DE CONTAS ANUAL/ ªICFEx (1ª FASE) O presente trabalho tem por finalidade orientar as Unidades Jurisdicionadas Vinculadas (UJV) a 10ª ICFEx na correta execução da Prestação de Contas Anual do exercício de 2012 (PCA/2012). As orientações aqui contidas aproveitam a experiência vivida em exercícios anteriores na execução de Tomadas de Contas e buscam evitar os erros comuns, dando celeridade aos trabalhos de confecção, evitando assim, o desgaste dos agentes da administração envolvidos. Cap Manfrini 1. LEGISLAÇÃO DE REFERÊNCIA - Instrução Normativa Nr 63 TCU, de 1º de setembro de 2010; - Decisão Normativa Nr 119 TCU, de 18 de janeiro de 2012; - Decisão Normativa Nr 121 TCU, de 13 de junho de 2012; - Portaria-TCU Nr 150, de 3 de julho de 2012; e - Portaria nº 814, de 28 de setembro de INTRODUÇÃO O Tribunal de Contas da União (TCU) expede anualmente os instrumentos normativos que regulam a organização e a apresentação dos Relatórios de Gestão (RG) e das peças complementares que constituem os processos de contas da Administração Pública Federal. Em conformidade com estas normas, serão apresentadas as orientações relacionadas à organização, forma, conteúdos e prazos de apresentação do Relatório de Gestão que comporá a Prestação de Contas Anual (PCA) do Exercício Financeiro de 2012, referente ao Comando do Exército (Cmdo Ex). Nestas orientações e para efeito de identificação no processo de contas, as Unidades Jurisdicionadas Vinculadas (UJ) compreendem todas as 21 Organizações Militares (OM) com autonomia administrativa, Vinculadas a esta Inspetoria e as OM sem autonomia administrativa vinculadas a UJV. 3. FINALIDADE a. A organização e a apresentação dos processos de Prestação de Contas Anual (PCA/2012) referente ao Exercício Financeiro de 2012, contemplará as informações contidas na Instrução Normativa (IN) Nr 63 TCU, de 1º de setembro de 2010, na Decisão Normativa (DN) Nr 119 TCU, de 18 de janeiro de 2012 e na Portaria-TCU Nr 150, de 3 de julho de Orientações para a Elaboração e a Organização da PCA/2012 das UJV/10ªICFEx/

2 b. O Tribunal de Contas da União, por meio da DN Nr 119 TCU, relacionou a Secretaria de Economia e Finanças (SEF) como UJ consolidadora e agregadora das informações sobre a gestão da própria SEF, do Gabinete do Comandante do Exército (Gab Cmt Ex), do Estado-Maior do Exército (EME), dos demais Órgãos de Direção Setorial (ODS) e das demais UJ do Cmdo Ex. c. As 21 UJV continuarão elaborando e apresentando os Relatórios de Gestão individuais à 10ª Inspetoria de Contabilidade e Finanças do Exército (10ªICFEx), à semelhança do que vem ocorrendo em anos anteriores. 4. ORIENTAÇÃO a. O Relatório de Gestão que será apresentado ao TCU passará a ser classificado como Consolidado e Agregado, constituindo-se em peça de um único processo de contas. b. As 21 UJV devem preencher o Relatório de Gestão Individual (RGI), conforme modelo constante no Anexo I, e submetê-lo à apreciação da 10ª ICFEx que irá preencher o Relatório de Informações Consolidadas (RIC) e encaminhá-los para SEF, por Intermédio da D Cont. c. Urge de importância informar que a 10ª ICFEx somente consolida as informações repassadas pelas UJV através do RGI, não cabendo qualquer alteração nas informações prestadas. d. As 21 UJV devem contemplar em seus relatórios de gestão informações sobre a gestão das unidades e subunidades de sua estrutura hierárquica e, ainda, informações sobre a gestão das OM vinculadas administrativamente. e. Cabe ressaltar que o Relatório de Gestão Consolidado (RGC) será inserido pelo Centro de Controle Interno do Exército (CCIEx), no sistema próprio do TCU, até 30 de junho de 2013, e, posteriormente, disponibilizado na rede mundial de computadores, ou seja, as informações prestadas pelas UJV estarão disponíveis para consulta. f. Os modelos das Declarações SIASG / SICONV (anexos II e III) deverão ser preenchidos somente pelas UJV que tenham informações sobre contratos de despesas e/ou convênios ou outros instrumentos congêneres passíveis de lançamento naqueles sistemas e que estejam devidamente lançadas e cadastradas. (conforme estabelece o 3º do art. 19 da Lei nº , de 12 de agosto de 2011.): 3 o Os órgãos e entidades integrantes dos Orçamentos Fiscal, da Seguridade Social e de Investimento deverão disponibilizar no Sistema Integrado de Administração de Serviços Gerais - SIASG e no Sistema de Gestão de Convênios e Contratos de Repasse - SICONV, no que couber, informações referentes aos contratos e aos convênios ou instrumentos congêneres firmados, com a identificação das respectivas categorias de programação e fontes de recursos quando se tratar de convênios ou instrumentos congêneres, observadas as normas estabelecidas pelo Poder Executivo. (g.n) g. As UJV que possuem tais informações, deverão preencher também os quadros A e A no corpo do RGI não devendo assinar pois, a assinatura do responsável já constará da declaração mencionada no item anterior. Orientações para a Elaboração e a Organização da PCA/2012 das UJV/10ªICFEx/

3 h. Caso a UJV possua tais informações e por algum motivo não tenha feito os devidos lançamentos, deverá retirar os quadros do corpo do relatório e justificar no corpo do RGI. i. As UJV que não possuem informações sobre contratos de despesas e/ou convênios ou outros instrumentos congêneres não deverão enviar as declarações mencionadas na letra f., devendo excluir os quadros A e A do corpo do RGI, apondo em seu lugar exatamente os dizeres: Esta UJ não possui contratos passíveis de registro no SIASG. e/ou Esta UJ não possui informações referentes a convênios ou outros instrumentos congêneres firmados, passíveis de registro no SICONV ELABORAÇÃO, ORGANIZAÇÃO E TRÂMITE Documentos a. Inventários: 1) Responsáveis: todas as 21 UJV 2) Inventário extraídos do SISCOFIS no dia 31DEZ12 3) Número de vias e formas de apresentação: a) 02 (duas) vias impressas, assinadas e encadernadas (capa a critério da UJV). Uma via deverá ser enviada à 10ª ICFEx e a outra deverá ficar arquivada na UJV. 4) Trâmite: a) UJV 10ª ICFEx 5) Atividades: a) as 21 UJV deverão extrair, no dia 31DEZ12, os Inventários Patrimoniais de Bens Móveis, Imóveis (Cmdo 10ª RM), Intangíveis (se for o caso), de Almoxarifado (todos gerados a partir do SISCOFIS) e o controle de Bens em Trânsito. Todos os Inventários deverão ser conferidos com as contas contábeis do SIAFI, no dia 31DEZ12, e serem protocolados nesta Inspetoria até a data constante no cronograma da 1ª fase (09JAN12, conforme item 4.2) b. Relatório de Gestão Individual ( Anexo I): 1) Responsáveis: todas as 21 UJV 2) Número de vias e formas de apresentação: a) 02 (duas) vias impressas e assinadas e 01 (um) arquivo eletrônico não assinado. Após a validação das informações pela 10ª ICFEx, a UJV deverá imprimir o RG em 02 (duas) vias que deverão ser assinadas pelo Cmt, Ch ou Dir da OM (Dirigente Máximo da Unidade). Deverá ser remetida 01 (uma) via à ICFEx (impresso e eletrônico) e 01 (uma) via será mantida em arquivo na Unidade. Por ocasião do envio da Via Impressa, a UJV deverá verificar o que segue: - Páginas em branco (verso das folhas impressas) terão que conter a expressão: em branco e todas as páginas impressas deverão ser rubricadas; - Quando da elaboração do Relatório de Gestão Individual, conforme modelo apresentado, as UJV deverão excluir as informações em itálico vermelho; Orientações para a Elaboração e a Organização da PCA/2012 das UJV/10ªICFEx/

4 - Para a elaboração dos quadros de que trata este modelo, a escolha da orientação do Layout da Página em retrato ou paisagem deve ser feita considerando a melhor forma de apresentar os conteúdos exigidos. 3) Trâmite: a) UJV 10ª ICFEx 4) Atividades: a) as 21 UJ deverão elaborar o RGI conforme modelo constante do Anexo I. Algumas informações são exclusivas da SEF, DGP, CPEx e das UJ responsáveis por Programas do Plano Plurianual e Ações da Lei Orçamentária Anual; b) por ocasião do recebimento, a 10ª ICFEx verificará o RGI e avaliará a existência de informações sujeitas ao sigilo bancário, fiscal ou comercial, as quais não deverão constar do citado documento. O mesmo tratamento deve ser dispensado às informações de cunho pessoal (nomes completos, CPF, telefones, etc.) referentes ao item Deliberações do TCU e do Órgão de Controle Interno atendidas no Exercício. Nestes casos, recomenda-se constar apenas o nome de guerra ou 1º nome. c. Declaração de Inserção e Atualização de dados no SIASG e SICONV (Anexo II e III) : 1) Responsáveis: todas as 21 UJV que tenham informações sobre contratos de despesas e/ou convênios ou outros instrumentos congêneres. 2) Número de vias e formas de apresentação: 02 (duas) vias impressas e assinadas. A UJV deverá imprimir as Declarações SIASG/SICONV em 02 (duas) vias que deverão ser assinadas pelos respectivos responsáveis e anexadas ao RG a ser remetido à ICFEx. 01 (uma) via das Declarações SIASG/SICONV deverá ser mantida em arquivo na Unidade, anexada ao RG correspondente. Esta Inspetoria julga relevante informar que a A DN 108/2011 já faz menção de que a declaração não é de cada responsável por incluir os dados no Sistema, mas, da seção/divisão/setor responsável. Assim, a declaração deve ser feita por quem tem a responsabilidade de incluir os dados e não pelas pessoas que receberam a transferência da competência por delegação. O responsável é o dirigente da área e não os servidores da área que fazem essa operação. 3) Trâmite: UJV 10ª ICFEx 4) Atividades: as UJ deverão elaborar os referidos documentos, cujas informações declaradas se constituirão em referência para as informações sobre Inserção e Atualização de dados no SIASG e SICONV que constará do corpo do Relatório de Gestão Individual e do Relatório de Informações Consolidadas das ICFEx. As UJ que não possuírem informações sobre contratos de despesas e/ou convênios ou outros instrumentos congêneres não deverão elaborar a referida declaração, bastando preencher o item do RGI conforme orientado anteriormente. d. Rol de Responsáveis SIAFI ( todas as naturezas de responsabilidade ): 1) Responsável: todas as 21 UJV. 2) Número de vias e formas de apresentação: 02 (duas) vias impressas e assinadas. Deverá ser remetida 01 (uma) via à ICFEx e 01 (uma) via será mantida em arquivo na Unidade. Orientações para a Elaboração e a Organização da PCA/2012 das UJV/10ªICFEx/

5 3) Trâmite: UJV 10ª ICFEx. 4) Atividades: a) as UJV deverão providenciar o Rol de Responsáveis (160xxx e 167xxx) extraído do SIAFI, por intermédio da transação >CONAGENTE, com todas as naturezas de responsabilidade. O Rol de Responsáveis será assinado pelo Dirigente Máximo e pelo Encarregado do Setor de Pessoal. b) a 10ª ICFEx, após conferir as informações, deverá manter o Rol de Responsáveis em arquivo, anexo ao RG correspondente. c) esta Inspetoria esclarece que as UJV devem estar com o Rol Dos Responsáveis atualizado até o fim do exercício financeiro de e. Declaração de Bens e Rendas: A partir da Prestação de Contas referente ao exercício de 2010, a Declaração de Bens e Rendas está sendo cobrada somente no corpo do Relatório de Gestão. Da mesma forma, a referida declaração será cobrada no Relatório de Gestão/2012. Sobre o assunto, a Portaria-TCU nº 150, de 3 de julho de 2012, estabeleceu modelo de quadro referente aos agentes públicos constantes do Art 2º, da Portaria Normativa nº 434, de 24 AGO 1994 (IG 20-16). Para o preenchimento dos referidos quadros, a UJV também deverá consultar as Portarias do Cmt Ex Nr 236 e 237, ambas de 11 MAIO 06, publicadas no BE Nr 20, de 19 MAIO 06, que contém a relação nominal dos ocupantes de Cargo em Comissão - DAS e Funções Gratificadas - FGR, do Comando do Exército e suas respectivas OM de vinculação Apresentação Gráfica O Relatório de Gestão e demais documentos deverão observar as seguintes orientações no que se refere à organização e estética do documento: a. quanto a fonte: 1) fonte do texto: Times New Roman, estilo normal, tamanho 12; e 2) fonte dos quadros e tabelas: Times New Roman, estilo normal, tamanho 10. b. quanto as páginas: 1) formato do papel: A4 (210 x 297 mm); 2) medidas das margens: - Margem superior: 2,5 cm - Margem inferior: 1,5 cm - Margem direita: 1,5 cm - Margem esquerda: 2,5 cm - Espaçamento entre linhas (espaço): simples c. os RG deverão ser numerados sequencialmente, iniciando a contagem da Folha de Rosto e expressa graficamente somente a partir do Sumário. d. as 21 UJV deverão seguir rigorosamente os modelos, as referências numéricas e a formatação disponibilizadas pelo CCIEx. Os quadros e tabelas não devem ser inseridos como figuras. e. quando do preenchimento dos documentos anexos a esta orientação, as 21 UJV deverão excluir as informações em itálico vermelho constantes dos respectivos modelos. f. nas UJV em que o Dirigente Máximo (Cmt, Ch ou Dir) seja também o Ordenador de Despesas (OD), essa autoridade assina o Relatório de Gestão e o Rol de Responsáveis. g. nas UJ em que o Dirigente Máximo (Cmt, Ch ou Dir) delega a função de OD, aquela autoridade assina o Relatório de Gestão e o Rol de Responsáveis, e não o OD Requisitos do Arquivo Eletrônico Orientações para a Elaboração e a Organização da PCA/2012 das UJV/10ªICFEx/

6 a. cada um dos documentos deverá ser salvo como um arquivo individual; b. tamanho máximo de 2 Mega Bytes; c. pode conter, no máximo, 30% (trinta por cento) do seu tamanho total em imagem (fotos, símbolos, etc.); d. utilizar a extensão.odt (BrOffice Writer tipo: texto do OpenDocument) - não devem ser transformados em pdf; e. Em anos anteriores a 10ª ICFEx retornou vários RGI por conta da extensão.doc e documentos transformados em pdf. Para esta PCA, documentos que derem entrada em extensões diferentes do precvisto (odt) serão devolvidos de imediato. f. nome do arquivo deve ser no formato: 1) Relatório de Gestão de 2012_160XXX _40ºBI_ Individual, onde XXX é o fim do código da UG g. os documentos remetidos em formato eletrônico não necessitam de assinatura ou rubrica digitalizadas, bastando o nome completo e demais informações, conforme o caso. h. Visando agilizar o processo, a transmissão do arquivo eletrônico para 10ª ICFEx deverá ocorrer via página da intranet, no link abaixo (o militar deve estar logado na página): i. Os documentos rejeitados por erros no lançamento serão devolvidos e o Dirigente Máximo será informado da devolução formalmente. 4.2 Cronograma da 1ª Fase ORIGEM DESTINO DOCUMENTO 21 UGV 10ª ICFEx - prazo limite para envio, via msg SIAFI, das Informações e contatos dos agentes responsáveis pela elaboração da PCA/2012 DATA LIMITE P/ ENVIO 18DEZ12 21 UJV 10ª ICFEx - início de envio de arquivos eletrônicos (RGI) 03JAN13 21 UJV 10ª ICFEx - prazo limite para envio de inventários, via DIEx 09JAN13 21 UJV 10ª ICFEx - prazo limite para envio do Relatório de Gestão Individual, via DIEx, (impresso e assinado) - prazo limite para envio da Declaração SIASG / SICONV, via DIEx, (impressa e assinada) - prazo limite para envio do Rol de Responsáveis extraído do SIAFI, via DIEX 31 JAN ERROS MAIS COMUNS VERIFICADOS NA PCA/ Elaboração da PCA por militares sem visão sistêmica das atividades da UJV; - Militares encaminhando documentação sem o conhecimento do Dirigente máximo da UJ; - Envio de arquivos de PCA/TCA de anos anteriores, cópias de relatórios passados; - Não cumprimento de prazos; - Informações divergentes entre o arquivo impresso e o eletrônico; Orientações para a Elaboração e a Organização da PCA/2012 das UJV/10ªICFEx/

7 - Falhas no preenchimento das informações pela não observância das orientações para preenchimento dos documentos (texto em itálico); - Não observação da formatação preestabelecida; - Elaboração de documentos utilizando modelos de anos anteriores; - Inventários de contas de estoque de distribuição elaborados em sistemas informatizados próprios, contrariando determinações da DCont; - Rol de Responsáveis desatualizado; - Falta de compatibilização das listas de abreviaturas e siglas com os textos no Relatório de Gestão; - Não retirada dos textos em itálico e vermelho do RGI; - Incompatibilidades no preenchimento de itens correlatos; - Informações do tipo: alguns agentes não entregaram as DBR, tratando-se de um aspecto que não deve ser registrado no Relatório de Gestão, mas resolvido no âmbito da OM; - Indicadores de Gestão sem relação com a atividade-fim, ou seja, os indicadores não possibilitam a visualização do alcance dos Objetivos Estratégicos; - Quando do preenchimento de quadros, as totalizações e/ou os saldos de colunas e linhas apresentam divergência; - Nos itens referentes às recomendações do TCU e do Controle Interno, constam informações de caráter pessoal (recomenda-se apenas o nome de guerra ou 1º nome, não citar o CPF); - Apesar de constarem recomendações relevantes nos Relatórios de Visita de Auditoria das ICFEx e deliberações do TCU atendidas/não atendidas no exercício, algumas UJ não prestaram estas informações no respectivo Relatório de Gestão; - Transcrição de uma orientação da SEF, na íntegra, quando do preenchimento do item Recomendações da Unidade de Controle Interno, bastando, neste caso, somente a citação do título da orientação, do numero e da data. - Erro na confecção das declarações do SIASG e SICONV 6. PRESCRIÇÕES GERAIS E CONTATOS Deverá ser enviado, via MSG SIAFI, até 18DEZ12, os dados do agente nomeado para ser o contato com a 10ª ICFEx, fins de confecção da PCA/2012. Tendo em vista a importância das informações a serem prestadas, esta chefia entende que o militar em comento deverá ter visão sistêmica da UJV, com capacidade de verificar em qual setor da UGV a informação a ser prestada pode ser encontrada. Esta chefia entende que, devido à importância das Informações a serem prestadas, a PCA deve ser elaborada por todos os agentes administrativos da UJV capitaneados pelo Ordenador de Despesas, tendo por assistente direto o Fiscal Administrativo. Seguem os dados a serem informados: Posto: Nome: Função: Telefone: (celular ou funcional, desde que o militar possa ser encontrado no telefone informado) É necessária maior conscientização, zelo e visão das consequências quanto às informações prestadas, cuja responsabilidade é do Dirigente Máximo da OM (Cmt, Dir ou Ch) e que serão analisadas pelo Tribunal de Contas da União. Com relação aos indicadores a serem lançados no RGI, no ítem 2.4. INDICADORES UTILIZADOS PELA UNIDADE JURISDICIONADA, a A UJV poderá utilizar-se de um número ilimitado de indicadores. Entretanto, recomenda-se que sejam transcritos para o Relatório de Gestão, somente indicadores que possibilitem a visualização do alcance dos Objetivos Orientações para a Elaboração e a Organização da PCA/2012 das UJV/10ªICFEx/

8 Estratégicos estabelecidos no Plano de Gestão da UJV e lançados no item 2.1 letra e do respectivo RGI, que são, em síntese, os objetivos que a UJV busca atingir, durante o exercício, ao gerenciar e executar programas e ações e cumprir suas atribuições. Indicadores como consumo de água e energia elétrica já serão objeto de informação por ocasião do preenchimento do item 9.2. INFORMAÇÕES SOBRE MEDIDAS ADOTADAS PELAS UJ PARA REDUÇÃO DE CONSUMO DE PAPEL, ENERGIA ELÉTRICA E ÁGUA A 10ª ICFEx, devido à experiência vivida na PCA/2011, tratará algumas situações da seguinte forma: a. Envio de informações referentes à PCA/TCA de exercícios passados Comunicação formal ao Dirigente Máximo da UJV para providências cabíveis e registro de restrição contábil por não atendimento à orientação da setorial contábil (999); b. Rol do Responsáveis desatualizado - Comunicação formal ao Dirigente Máximo da UJV para providências cabíveis e registro de restrição contábil por falta de atualização do Rol dos Responsáveis (961); c. Atraso no envio de documentação - Comunicação formal ao Dirigente Máximo da UJV para providências cabíveis e registro de restrição contábil por falta de tempestividade na remessa de documento (973); d. Não atendimento de diligências enviadas para acerto do RGI - Comunicação formal ao Dirigente Máximo da UJV para providências cabíveis e registro de restrição contábil por falta / atraso no cumprimento de diligências (956) As Orientações do Centro de Controle Interno para elaboração da PCA/2012, que serviram de base para confecção da presente orientação, estão disponíveis no link e também estão disponíveis na página da intranet desta Inspetoria em Assuntos/ PCA orientações. As Orientações quanto a PCA/2012 2ª Fase, no que se refere à elaboração e organização dos documentos que a comporão, serão divulgadas posteriormente após publicação de Decisão Normativa do TCU. Tais orientações serão retransmitidas oportunamente para as UJV, no que lhes couber. Estas orientações, sempre que necessário, poderão ser complementadas pela 10ª ICFEx, por meio de DIEx, mensagem SIAFI ou mensagem eletrônica. 7. ANEXOS (disponíveis na Página da intranet da 10ª ICFEx) Anexo I - Modelo de Relatório de Gestão Individual (RGI) Anexo II Modelo da Declaração de Inserção e Atualização de Dados no SIASG Anexo III Modelo da Declaração de Inserção e Atualização de Dados no SICONV Fortaleza, CE, 14 de dezembro de Sílvio de Araújo Miranda Cel Int Chefe da 10ª ICFEx Orientações para a Elaboração e a Organização da PCA/2012 das UJV/10ªICFEx/

ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO E A ORGANIZAÇÃO DA PRESTAÇÃO DE CONTAS ANUAL/2012 (1ª FASE)

ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO E A ORGANIZAÇÃO DA PRESTAÇÃO DE CONTAS ANUAL/2012 (1ª FASE) MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO SECRETARIA DE ECONOMIA E FINANÇAS 8ª INSPETORIA DE CONTABILIDADE E FINANÇAS DO EXÉRCITO 8ª ICFEX (1982) ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO E A ORGANIZAÇÃO DA PRESTAÇÃO

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO SECRETARIA DE ECONOMIA E FINANÇAS 11ª INSPETORIA DE CONTABILIDADE E FINANÇAS DO EXÉRCITO (11ª ICFEx/1982)

MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO SECRETARIA DE ECONOMIA E FINANÇAS 11ª INSPETORIA DE CONTABILIDADE E FINANÇAS DO EXÉRCITO (11ª ICFEx/1982) MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO SECRETARIA DE ECONOMIA E FINANÇAS 11ª INSPETORIA DE CONTABILIDADE E FINANÇAS DO EXÉRCITO (11ª ICFEx/1982) BOLETIM INFORMATIVO Nº 05 (MAIO / 2014) FALE COM A 11ª

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria Federal de Controle Interno

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria Federal de Controle Interno MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria Federal de Controle Interno ORIENTAÇÃO NORMATIVA n.º 02 SFC/MF Em, 21 de dezembro de 2001. Assunto: Orientações técnicas sobre as normas dispostas na Instrução Normativa

Leia mais

BOLETIM INFORMATIVO Nº 10 OUT / 2005

BOLETIM INFORMATIVO Nº 10 OUT / 2005 MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO SECRETARIA DE ECONOMIA E FINANÇAS 1ª INSPETORIA DE CONTABILIDADE E FINANÇAS DO EXÉRCITO (Sv Fundos Reg / 1ª RM 1934) 1ª ICFEx / 20 BOLETIM INFORMATIVO Nº 10 OUT

Leia mais

1ª PARTE LEIS E DECRETOS 2ª PARTE ATOS ADMINISTRATIVOS COMANDANTE DO EXÉRCITO

1ª PARTE LEIS E DECRETOS 2ª PARTE ATOS ADMINISTRATIVOS COMANDANTE DO EXÉRCITO 1ª PARTE LEIS E DECRETOS Sem alteração. 2ª PARTE ATOS ADMINISTRATIVOS COMANDANTE DO EXÉRCITO PORTARIA Nº 813, DE 28 DE SETEMBRO DE 2012. Aprova as Normas para a Realização das Atividades de Auditoria e

Leia mais

COLETÂNEA DE MSG SIAFI/ SIASG CITADAS NO B INFO Nº 02/2011

COLETÂNEA DE MSG SIAFI/ SIASG CITADAS NO B INFO Nº 02/2011 COLETÂNEA DE MSG SIAFI/ SIASG CITADAS NO B INFO Nº 02/2011 Mensagem: 2011/0478560 Emissora 160509 SECRETARIA DE ECONOMIA E FINANCAS-GESTOR de 09/03/11 as 08:41 por WILLIAMS CARVALHO PESSOA Pag. 01/02 Assunto:

Leia mais

SECRETARIA DE ECONOMIA E FINANÇAS

SECRETARIA DE ECONOMIA E FINANÇAS SECRETARIA DE ECONOMIA E FINANÇAS PORTARIA Nº 017-SEF, DE 25 DE OUTUBRO DE 2006. Aprova as Normas para a Administração das Receitas Geradas pelas Unidades Gestoras. O SECRETÁRIO DE ECONOMIA E FINANÇAS,

Leia mais

2.2.1. Caso seja protocolado mais de 01 (um) projeto, será aceito o último projeto protocolado.

2.2.1. Caso seja protocolado mais de 01 (um) projeto, será aceito o último projeto protocolado. EDITAL DE CONCURSO N 002/2015 8 EDITAL DO FUNDO MUNICIPAL DE APOIO À CULTURA A FUNDAÇÃO CULTURAL DE BRUSQUE, inscrita no CNPJ sob o nº 04.894.677/0001-71, com sede na Rua Germano Schaefer, 110 Praça da

Leia mais

Portaria nº 008 -SEF, de 23 de Dezembro de 2003

Portaria nº 008 -SEF, de 23 de Dezembro de 2003 Portaria nº 008 -SEF, de 23 de Dezembro de 2003 Aprova as Normas para a Apuração de Irregularidades Administrativas. O SECRETÁRIO DE ECONOMIA E FINANÇAS, de acordo com o que prescreve o art. 117 das Instruções

Leia mais

CONTROLE PATRIMONIAL ÍNDICE

CONTROLE PATRIMONIAL ÍNDICE ÍNDICE 00 FOLHA 01 05/98 ASSUNTO FOLHA GENERALIDADES 01 01/02 NORMAS GERAIS 02 01/01 SOLICITAÇÃO DE BENS MÓVEIS 03 01/01 CADASTRAMENTO E TOMBAMENTO DE BENS MÓVEIS 04 01/02 CONTROLE DA MOVIMENTAÇÃO DE BENS

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO FISCAL MÓDULO DELIBERAÇÃO 260/13 MANUAL DE UTILIZAÇÃO PARTE I - INTRODUÇÃO

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO FISCAL MÓDULO DELIBERAÇÃO 260/13 MANUAL DE UTILIZAÇÃO PARTE I - INTRODUÇÃO TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO FISCAL MÓDULO DELIBERAÇÃO 260/13 MANUAL DE UTILIZAÇÃO PARTE I - INTRODUÇÃO VERSÃO 2014 Junho de 2014 SIGFIS-Sistema Integrado

Leia mais

MANUAL DE USUÁRIO DO SISPATR

MANUAL DE USUÁRIO DO SISPATR MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO SECRETARIA DE ECONOMIA E FINANÇAS DIRETORIA DE CONTABILIDADE (Repartição de Contabilidade da Guerra/1860) MANUAL DE USUÁRIO DO SISPATR SISTEMA GERENCIAL DE ACOMPANHAMENTO

Leia mais

Edital FAPERJ n.º 17/2010 Parceria CAPES/FAPERJ PROGRAMA EQUIPAMENTO SOLIDÁRIO CAPES/FAPERJ 2010

Edital FAPERJ n.º 17/2010 Parceria CAPES/FAPERJ PROGRAMA EQUIPAMENTO SOLIDÁRIO CAPES/FAPERJ 2010 Edital n.º 17/2010 Parceria / PROGRAMA EQUIPAMENTO SOLIDÁRIO / 2010 O Ministério da Educação, por meio da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior, e o Governo do Estado do Rio de Janeiro,

Leia mais

BOLETIM INFORMATIVO Nº 07 JULHO / 2009. FALE COM A 1ª ICFEx

BOLETIM INFORMATIVO Nº 07 JULHO / 2009. FALE COM A 1ª ICFEx IC MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO SECRETARIA DE ECONOMIA E FINANÇAS 1ª INSPETORIA DE CONTABILIDADE E FINANÇAS DO EXÉRCITO (Sv Fundos Reg / 1ª RM 1934) BOLETIM INFORMATIVO Nº 07 JULHO / 2009 FALE

Leia mais

Número: 00190.004342/2013-31 Unidade Examinada: Município de Marília/SP

Número: 00190.004342/2013-31 Unidade Examinada: Município de Marília/SP Número: 00190.004342/2013-31 Unidade Examinada: Município de Marília/SP Relatório de Demandas Externas n 00190.004342/ 2013-31 Sumário Executivo Este Relatório apresenta os resultados das ações de controle

Leia mais

BOLETIM INFORMATIVO Nº 03 (MARÇO/ 2013) FALE COM A 2ª ICFEx

BOLETIM INFORMATIVO Nº 03 (MARÇO/ 2013) FALE COM A 2ª ICFEx MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO SECRETARIA DE ECONOMIA E FINANÇAS 2ª INSPETORIA DE CONTABILIDADE E FINANÇAS DO EXÉRCITO (Sv Fundos Reg 2ª RM/1934) BOLETIM INFORMATIVO Nº 03 (MARÇO/ 2013) Correio

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 002/2014

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 002/2014 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 002/2014 DISPÕE SOBRE A CONCESSÃO DE SUBVENÇÃO SOCIAL, AUXÍLIO FINANCEIRO, CONTRIBUIÇÃO E OUTRAS FONTES DE RECURSO NO ÂMBITO DO PODER EXECUTIVO. A Controladoria Geral do Município

Leia mais

NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA A REALIZAÇÃO DA ATIVIDADE COMPLEMENTAR DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO

NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA A REALIZAÇÃO DA ATIVIDADE COMPLEMENTAR DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA A REALIZAÇÃO DA ATIVIDADE COMPLEMENTAR DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO 1. DA DEFINIÇÃO a) O Trabalho de Graduação (TG) compreende o estudo de um problema em profundidade, requerendo

Leia mais

Controladoria Geral do Estado de Alagoas CGE. Guia Prático para Implantação do SERVIÇO DE INFORMAÇÕES AO CIDADÃO SIC (LEI 12.

Controladoria Geral do Estado de Alagoas CGE. Guia Prático para Implantação do SERVIÇO DE INFORMAÇÕES AO CIDADÃO SIC (LEI 12. Controladoria Geral do Estado de Alagoas CGE Guia Prático para Implantação do SERVIÇO DE INFORMAÇÕES AO CIDADÃO SIC (LEI 12.527/2011) 1 CONTROLADORIA GERAL DO ESTADO DE ALAGOAS - CGE Praça Marechal Floriano

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA TCU Nº 47, DE 27 DE OUTUBRO DE 2004. Estabelece normas de organização e apresentação de processos de tomada e prestação de contas.

INSTRUÇÃO NORMATIVA TCU Nº 47, DE 27 DE OUTUBRO DE 2004. Estabelece normas de organização e apresentação de processos de tomada e prestação de contas. INSTRUÇÃO NORMATIVA TCU Nº 47, DE 27 DE OUTUBRO DE 2004 Estabelece normas de organização e apresentação de processos de tomada e prestação de contas. O TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO, no uso de suas atribuições

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE RONDONÓPOLIS Estado de Mato Grosso

CÂMARA MUNICIPAL DE RONDONÓPOLIS Estado de Mato Grosso INSTRUÇÃO NORMATIVA SCL- Nº. 002/2013- Versão 02 Unidade Responsável: Secretaria Legislativa de Administração Unidade Executora: Setor de Material e Patrimônio Aprovação em: 24/01/13 Dispõe sobre os procedimentos

Leia mais

EDITAL DE APOIO À PUBLICAÇÃO DE LIVROS IMPRESSOS E ELETRÔNICOS

EDITAL DE APOIO À PUBLICAÇÃO DE LIVROS IMPRESSOS E ELETRÔNICOS EDITAL Nº. 001/2013. EDITAL DE APOIO À PUBLICAÇÃO DE LIVROS IMPRESSOS E ELETRÔNICOS A Reitoria da Universidade Potiguar, por meio deste edital, leva a público, a abertura das inscrições para a publicação

Leia mais

EXAME DE PAGAMENTO DE PESSOAL

EXAME DE PAGAMENTO DE PESSOAL OBJETIVO APRESENTAR DE FORMA RESUMIDA ALGUNS PROCEDIMENTOS PARA: 1. PAGAMENTO DA ATIVA 2. EXAME DE PAGAMENTO DA ATIVA 3. PRINCIPAIS FALHAS 4. SUGESTÕES SUMÁRIO I. INTRODUÇÃO II. DESENVOLVIMENTO 1. CONSIDERAÇÕES

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE COMPRAS

PROCEDIMENTOS DE COMPRAS PROCEDIMENTOS DE COMPRAS Estas instruções têm como objetivo a padronização dos procedimentos para a realização das compras de materiais de consumo, bens permanentes e prestações de serviços necessários

Leia mais

EDITAL DE PROCESSO SELETIVO PARA PÓS-GRADUAÇÃO IUA nº. 002 de 22/01/2016

EDITAL DE PROCESSO SELETIVO PARA PÓS-GRADUAÇÃO IUA nº. 002 de 22/01/2016 O INSTITUTO UNIVERSITÁRIO ATLÂNTICO IUA, em parceria com a INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA IPC Coimbra/Portugal e a Faculdade Einstein, torna público, para conhecimento dos interessados, que realizará

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE SERVIÇO SOCIAL - 18ª REGIÃO - SERGIPE EDITAL Nº 01/2016/CRESS-SE, DE 09 DE MARÇO DE 2016

CONSELHO REGIONAL DE SERVIÇO SOCIAL - 18ª REGIÃO - SERGIPE EDITAL Nº 01/2016/CRESS-SE, DE 09 DE MARÇO DE 2016 CONSELHO REGIONAL DE SERVIÇO SOCIAL - 18ª REGIÃO - SERGIPE EDITAL Nº 01/2016/CRESS-SE, DE 09 DE MARÇO DE 2016 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA CARGO TEMPORÁRIO DE ASSISTENTE ADMINISTRATIVO PARA ATUAR

Leia mais

EDITAL DE PROCESSO SELETIVO PARA PÓS-GRADUAÇÃO IUA nº. 010 de 20/11/2015

EDITAL DE PROCESSO SELETIVO PARA PÓS-GRADUAÇÃO IUA nº. 010 de 20/11/2015 O INSTITUTO UNIVERSITÁRIO ATLÂNTICO IUA, em parceria com o INSTITUTO POLITÉCNICO DA GUARDA Guarda/Portugal e a Faculdade Einstein, torna público, para conhecimento dos interessados, que realizará Processo

Leia mais

INVENTÁRIO SEMESTRAL EXTRAORDINÁRIO JULHO DE 2014. Introdução

INVENTÁRIO SEMESTRAL EXTRAORDINÁRIO JULHO DE 2014. Introdução SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DE ENSINO DE SÃO JOÃO DEL-REI DIRETORIA ADMINISTRATIVO-FINANCEIRA SETOR DE PATRIMÔNIO INVENTÁRIO SEMESTRAL EXTRAORDINÁRIO JULHO DE 2014 Introdução

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE CADASTRAMENTO E HABILITAÇÃO NO SISTEMA SIASG E SIAFI

ORIENTAÇÕES SOBRE CADASTRAMENTO E HABILITAÇÃO NO SISTEMA SIASG E SIAFI Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo ORIENTAÇÕES SOBRE CADASTRAMENTO E HABILITAÇÃO NO SISTEMA SIASG E SIAFI Pró-Reitoria de Administração Diretoria de Finanças Gerência de Contabilidade

Leia mais

Programa de Apoio à Organização de Eventos das Associações ou Sociedades Técnico Científicas e Institutos de Pesquisa

Programa de Apoio à Organização de Eventos das Associações ou Sociedades Técnico Científicas e Institutos de Pesquisa Chamada Pública 15/2014 Programa de Apoio à Organização de Eventos das Associações ou Sociedades Técnico Científicas e Institutos de Pesquisa A Fundação Araucária de Apoio ao Desenvolvimento Científico

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CASA CIVIL SECRETARIA DE CONTROLE INTERNO COORDENAÇÃO-GERAL DE AUDITORIA RELATÓRIO DE AUDITORIA

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CASA CIVIL SECRETARIA DE CONTROLE INTERNO COORDENAÇÃO-GERAL DE AUDITORIA RELATÓRIO DE AUDITORIA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CASA CIVIL SECRETARIA DE CONTROLE INTERNO COORDENAÇÃO-GERAL DE AUDITORIA TIPO DE AUDITORIA : Auditoria de Gestão EXERCÍCIO : 2009 PROCESSO : 0912/2010 UNIDADE AUDITADA : Empresa

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TOMADA DE CONTAS ANUAL AGREGADA TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2006 PROCESSO Nº : 71000.002060/2007-90

Leia mais

PORTARIA Nº 129 -EME, DE 27 DE AGOSTO DE 2012.

PORTARIA Nº 129 -EME, DE 27 DE AGOSTO DE 2012. PORTARIA Nº 129 -EME, DE 27 DE AGOSTO DE 2012. Aprova a Diretriz para Cursos e Estágios em Estabelecimentos de Ensino Civis Nacionais e revoga a Portaria nº 130-EME, de 16 de setembro de 2011. O CHEFE

Leia mais

3. Definições: Código de Classificação de Documentos do TJAM. Código: POP-STGARQ-001. Revisão: 06. Páginas 10. Data 31/05/2012.

3. Definições: Código de Classificação de Documentos do TJAM. Código: POP-STGARQ-001. Revisão: 06. Páginas 10. Data 31/05/2012. 001/20 - Providenciar o Arquivamento, : 1. Objetivo: Padronizar os procedimentos relacionados aos pedidos de arquivamento, desarquivamento e encaminhar os autos processuais findos oriundos das Unidades

Leia mais

Apresentação. Documentos de diversas modalidades que formalizam atividades de cooperação entre a UFRGS e outras instituições.

Apresentação. Documentos de diversas modalidades que formalizam atividades de cooperação entre a UFRGS e outras instituições. Apresentação A Universidade Federal do Rio Grande do Sul interage com instituições públicas ou privadas, nacionais ou internacionais, em conformidade com as leis federais, estatuto e regimento, resoluções,

Leia mais

Portal dos Convênios SICONV

Portal dos Convênios SICONV MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE LOGÍSTICA E SERVIÇOS GERAIS Portal dos Convênios SICONV Execução Processo de Compra, Contrato,

Leia mais

PORTARIA ANAC Nº 2898, DE 3 DE DEZEMBRO DE 2014.

PORTARIA ANAC Nº 2898, DE 3 DE DEZEMBRO DE 2014. PORTARIA ANAC Nº 2898, DE 3 DE DEZEMBRO DE 2014. Dispõe sobre orientações às unidades envolvidas na elaboração do Relatório de Gestão da ANAC referente ao exercício de 2014. O DIRETOR-PRESIDENTE DA AGÊNCIA

Leia mais

Portaria n.º 65, de 28 de janeiro de 2015.

Portaria n.º 65, de 28 de janeiro de 2015. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO Portaria n.º 65, de 28 de janeiro de 2015. O PRESIDENTE DO INSTITUTO NACIONAL

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IT Instrução de Trabalho

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IT Instrução de Trabalho ATENDIMENTO IT. 14 16 1 / 23 1. OBJETIVO Estabelecer diretrizes para o atendimento realizado pelo Crea GO ao profissional, empresa e público em geral. 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA Lei n 5.194 24 de dezembro

Leia mais

O PREFEITO DE GOIÂNIA, no uso de suas atribuições legais, e CAPÍTULO I DO FUNDO MUNICIPAL DE ESPORTE E LAZER

O PREFEITO DE GOIÂNIA, no uso de suas atribuições legais, e CAPÍTULO I DO FUNDO MUNICIPAL DE ESPORTE E LAZER 1 Gabinete do Prefeito DECRETO Nº 4139, DE 11 DE SETEMBRO DE 2013. Regulamenta o Fundo Municipal de Esporte e Lazer e o Incentivo ao Esporte e Lazer e dá outras providências. O PREFEITO DE GOIÂNIA, no

Leia mais

Sistema de Desenvolvimento Institucional PO - Procedimento Operacional

Sistema de Desenvolvimento Institucional PO - Procedimento Operacional Unidade Universidade Federal da Bahia Pró-Reitoria de Administração Sistema de Desenvolvimento Institucional PO - Procedimento Operacional Processo PO/PROAD/CMP/ 1 de 10 Glossário de Termos e Siglas AGU

Leia mais

HISTÓRICO DAS REVISÕES N.ºREVISÃO DATA IDENTIFICAÇÃO DO DOCUMENTO 00 01

HISTÓRICO DAS REVISÕES N.ºREVISÃO DATA IDENTIFICAÇÃO DO DOCUMENTO 00 01 HISTÓRICO DAS REVISÕES N.ºREVISÃO DATA IDENTIFICAÇÃO DO DOCUMENTO 00 01 01/06/2006 Emissão inicial 05/06/2007 Primeira Revisão Elaborado: 05/06/2007 Superintendente e ou Gerente da unidade Revisado: 05/06/2007

Leia mais

PRINCIPAIS IMPROPRIEDADES ENCONTRADAS NOS PROCESSOS DE GERAÇÃO DE DIREITOS, PAGAMENTO DE PESSOAL E EMPRÉSTIMOS CONSIGNADOS

PRINCIPAIS IMPROPRIEDADES ENCONTRADAS NOS PROCESSOS DE GERAÇÃO DE DIREITOS, PAGAMENTO DE PESSOAL E EMPRÉSTIMOS CONSIGNADOS MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO SECRETARIA DE ECONOMIA E FINANÇAS 11ª INSPETORIA DE CONTABILIDADE E FINANÇAS DO EXÉRCITO PRINCIPAIS IMPROPRIEDADES ENCONTRADAS NOS PROCESSOS DE GERAÇÃO DE DIREITOS,

Leia mais

PARECER - PROCESSO DE CONTAS ANUAL - AUDIN

PARECER - PROCESSO DE CONTAS ANUAL - AUDIN PARECER - PROCESSO DE CONTAS ANUAL - AUDIN TIPO DE AUDITORIA: Avaliação do Processo de Contas da Entidade Fase de Apuração: exercício 2010 Unidade: Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do

Leia mais

EDITAL FAPESB 002/2013 APOIO À PARTICIPAÇÃO EM EVENTOS CIENTÍFICOS E/OU TECNOLÓGICOS

EDITAL FAPESB 002/2013 APOIO À PARTICIPAÇÃO EM EVENTOS CIENTÍFICOS E/OU TECNOLÓGICOS EDITAL FAPESB 002/2013 APOIO À PARTICIPAÇÃO EM EVENTOS CIENTÍFICOS E/OU TECNOLÓGICOS A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia FAPESB, no uso das suas atribuições, torna público o presente Edital

Leia mais

PROCEDIMENTOS APÓS A DEFESA ( Alunos) O aluno deverá acessar o link da Biblioteca http://www2.unifesp.br/home_diadema/biblio_prod_servicos.

PROCEDIMENTOS APÓS A DEFESA ( Alunos) O aluno deverá acessar o link da Biblioteca http://www2.unifesp.br/home_diadema/biblio_prod_servicos. PROCEDIMENTOS APÓS A DEFESA ( Alunos) O aluno deverá acessar o link da Biblioteca http://www2.unifesp.br/home_diadema/biblio_prod_servicos.html ( Orientação e normalização de trabalhos acadêmicos segundo

Leia mais

NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA A REALIZAÇÃO DA ATIVIDADE COMPLEMENTAR DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO

NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA A REALIZAÇÃO DA ATIVIDADE COMPLEMENTAR DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA A REALIZAÇÃO DA ATIVIDADE COMPLEMENTAR DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO 1. DA DEFINIÇÃO a) O Trabalho de Graduação (TG) compreende o estudo de um problema em profundidade, requerendo

Leia mais

Edital FPTI-BR N 029/2013 PROCESSO FPTI-BR N 0003/2013 SELEÇÃO DE PROPOSTAS PARA CONCESSÃO DE APOIO A ORGANIZAÇÃO E REALIZAÇÃO DE EVENTOS

Edital FPTI-BR N 029/2013 PROCESSO FPTI-BR N 0003/2013 SELEÇÃO DE PROPOSTAS PARA CONCESSÃO DE APOIO A ORGANIZAÇÃO E REALIZAÇÃO DE EVENTOS Edital FPTI-BR N 029/2013 PROCESSO FPTI-BR N 0003/2013 SELEÇÃO DE PROPOSTAS PARA CONCESSÃO DE APOIO A ORGANIZAÇÃO E REALIZAÇÃO DE EVENTOS A Fundação Parque Tecnológico Itaipu Brasil, em parceria com a

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO E PRÁTICA PROFISSIONAL DA ÁREA DE NEGÓCIOS: CURSOS DE ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS

REGULAMENTO DE ESTÁGIO E PRÁTICA PROFISSIONAL DA ÁREA DE NEGÓCIOS: CURSOS DE ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS REGULAMENTO DE ESTÁGIO E PRÁTICA PROFISSIONAL DA ÁREA DE NEGÓCIOS: CURSOS DE ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS São Paulo 2015 1- APRESENTAÇÃO Este manual tem por finalidade orientar os alunos dos Cursos

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, INOVAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO CONSELHO EDITORIAL

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, INOVAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO CONSELHO EDITORIAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, INOVAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO CONSELHO EDITORIAL EDITAL N.º 22/2015 PROGRAMA INSTITUCIONAL DE APOIO À PUBLICAÇÃO DE LIVROS

Leia mais

FACULDADE ESTÁCIO DE SÁ DE SANTA CATARINA

FACULDADE ESTÁCIO DE SÁ DE SANTA CATARINA FACULDADE ESTÁCIO DE SÁ DE SANTA CATARINA TUTORIAL DE PREENCHIMENTO DOS DOCUMENTOS A SEREM ENTREGUES PARA A OBTENÇÃO DO PARECER DO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA COM SERES HUMANOS INTRODUÇÃO. O Comitê de

Leia mais

BOLETIM INFORMATIVO Nº 11 NOVEMBRO / 2012. (21) 2519 5766 / 2519 5053 RITEx 810 5766 / 810 5053. FALE COM A 1ª ICFEx

BOLETIM INFORMATIVO Nº 11 NOVEMBRO / 2012. (21) 2519 5766 / 2519 5053 RITEx 810 5766 / 810 5053. FALE COM A 1ª ICFEx MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO SECRETARIA DE ECONOMIA E FINANÇAS 1ª INSPETORIA DE CONTABILIDADE E FINANÇAS DO EXÉRCITO (Sv Fundos Reg / 1ª RM 1934) BOLETIM INFORMATIVO Nº 11 NOVEMBRO / 2012 FALE

Leia mais

EDITAL Nº 008 SELEÇÃO PÚBLICA CURSO DE MESTRADO PROFISSIONAL EM METROLOGIA E QUALIDADE Inmetro - 2016

EDITAL Nº 008 SELEÇÃO PÚBLICA CURSO DE MESTRADO PROFISSIONAL EM METROLOGIA E QUALIDADE Inmetro - 2016 Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO EDITAL Nº 008 SELEÇÃO PÚBLICA CURSO DE MESTRADO PROFISSIONAL

Leia mais

Processos de Despesas de Exercícios Anteriores Prazo de arquivamento e destruição de documentos

Processos de Despesas de Exercícios Anteriores Prazo de arquivamento e destruição de documentos DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXÉRCITO - DECEx ASSESSORIA DE PLANEJAMENTO ADMINISTRATIVO - APA Processos de Despesas de Exercícios Anteriores Prazo de arquivamento e destruição de documentos 1)

Leia mais

Orientações para Pagamento de Diárias e Prestação de Contas Versão nº 05, 06/04/2011

Orientações para Pagamento de Diárias e Prestação de Contas Versão nº 05, 06/04/2011 Orientações para Pagamento de Diárias e Prestação de Contas Versão nº 05, 06/04/20 Sumário I - REQUISIÇÃO DE DIÁRIA / PAGAMENTO DE DIÁRIA... Solicitante (Servidor que irá realizar a viagem)... Aprovador

Leia mais

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA MUNICIPAL DE JANUÁRIA ESTADO DE MINAS GERAIS CONCURSO PÚBLICO - EDITAL 001/2010 RESPOSTA DE RECURSO

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA MUNICIPAL DE JANUÁRIA ESTADO DE MINAS GERAIS CONCURSO PÚBLICO - EDITAL 001/2010 RESPOSTA DE RECURSO INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA MUNICIPAL DE JANUÁRIA ESTADO DE MINAS GERAIS CONCURSO PÚBLICO - EDITAL 001/2010 RESPOSTA DE RECURSO Candidato: Genilson Dias Custódio N de Inscrição: 05966 Cargo: Técnico Administrativo

Leia mais

LEI N 2163/2015 DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

LEI N 2163/2015 DISPOSIÇÕES PRELIMINARES LEI N 2163/2015 Reformula o Plano de Cargos, Carreiras e Salários dos Servidores da Caixa de Assistência, Previdência e Pensões dos Servidores Públicos Municipais de Porciúncula CAPREM e estabelece normas

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 119, DE 1º DE MARÇO DE 2011

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 119, DE 1º DE MARÇO DE 2011 Publicada no Boletim de Serviço nº 3, de 9 mar. 2011, p. 7-10 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 119, DE 1º DE MARÇO DE 2011 Dispõe sobre o fornecimento e a autenticação de cópias e impressões e dá outras providências.

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA TRIBUNAL DE JUSTIÇA SISTEMA DE DEPÓSITOS JUDICIAIS SIDEJUD LEGISLAÇÃO CORRELATA

ESTADO DE SANTA CATARINA TRIBUNAL DE JUSTIÇA SISTEMA DE DEPÓSITOS JUDICIAIS SIDEJUD LEGISLAÇÃO CORRELATA ESTADO DE SANTA CATARINA TRIBUNAL DE JUSTIÇA SISTEMA DE DEPÓSITOS JUDICIAIS SIDEJUD E LEGISLAÇÃO CORRELATA Florianópolis, março de 2011. 2 SUMÁRIO SISTEMA DE DEPÓSITOS JUDICIAIS SIDEJUD LEI N. 15.327,

Leia mais

PROGRAMA DE ESTÁGIO CEMIG 2015 REGULAMENTO

PROGRAMA DE ESTÁGIO CEMIG 2015 REGULAMENTO PROGRAMA DE ESTÁGIO CEMIG 2015 REGULAMENTO PROGRAMA DE ESTÁGIO CEMIG 2015 1- Introdução Regulamento O Programa de Estágio Cemig 2015 é uma iniciativa da Empresa e tem como objetivo preparar estudantes

Leia mais

FUNDO GARANTIDOR DE PARCERIAS PUBLICO- PRIVADAS

FUNDO GARANTIDOR DE PARCERIAS PUBLICO- PRIVADAS Unidade Auditada: FUNDO GARANTIDOR DE PARCERIAS PUBLICO- PRIVADAS Exercício: 2012 Processo: 00190.008390/2013-07 Município: Brasília - DF Relatório nº: 201306079 UCI Executora: SFC/DEFAZ - Coordenação-Geral

Leia mais

COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA DA ESCOLA DE SAÚDE PÚBLICA DO CEARÁ

COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA DA ESCOLA DE SAÚDE PÚBLICA DO CEARÁ COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA DA ESCOLA DE SAÚDE PÚBLICA DO CEARÁ 1. ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO (TCLE) A importância do TCLE. A Resolução CNS 196/96 afirma

Leia mais

MANUAL OPERACIONAL GESTÃO DE PATRIMÔNIO

MANUAL OPERACIONAL GESTÃO DE PATRIMÔNIO MANUAL OPERACIONAL GESTÃO DE PATRIMÔNIO ÍNDICE: CAPÍTULO 01 NORMA E PROCEDIMENTOS 1 - OBJETIVO 03 2 - VISÃO 03 3 - DISPOSIÇÕES GERAIS 03 4 - DEFINIÇÕES 03 5 - CLASSIFICAÇÃO 03 6 - PEDIDO DE MATERIAL PERMANENTE

Leia mais

1º É vedada a participação de funcionários e estagiários do IBGC, dos patrocinadores do prêmio ou dos pesquisadores associados ao IBGC.

1º É vedada a participação de funcionários e estagiários do IBGC, dos patrocinadores do prêmio ou dos pesquisadores associados ao IBGC. Art. 1º Idealizado pelo Instituto Brasileiro de Governança Corporativa, IBGC, o Prêmio IBGC de Trabalhos Acadêmicos em Governança Corporativa ( Prêmio ) será regido pelo presente Regulamento. Art. 2º O

Leia mais

RECURSOS HUMANOS CONCEITUAÇÃO 01 01/02 NORMAS GERAIS 02 01/02 PLANEJAMENTO DA PROGRAMAÇÃO DE CAPACITAÇÃO 04 01/05

RECURSOS HUMANOS CONCEITUAÇÃO 01 01/02 NORMAS GERAIS 02 01/02 PLANEJAMENTO DA PROGRAMAÇÃO DE CAPACITAÇÃO 04 01/05 IN-13-2 SUBSISTEMA ÍNDICE 1 ASSUNTO FOLHA CONCEITUAÇÃO 1 1/2 NORMAS GERAIS 2 1/2 CLASSIFICAÇÃO, INSTRUTORES E PAGAMENTO DE EVENTOS 3 1/3 PLANEJAMENTO DA PROGRAMAÇÃO DE CAPACITAÇÃO 4 1/5 OPERACIONALIZAÇÃO

Leia mais

Processo Seletivo para os Cursos de Educação Profissional Técnica de Ensino Médio - Edital 001/2016 -

Processo Seletivo para os Cursos de Educação Profissional Técnica de Ensino Médio - Edital 001/2016 - Processo Seletivo para os Cursos de Educação Profissional Técnica de Ensino Médio - Edital 001/2016 - A Diretoria da PRACATUM Escola de Música e Tecnologias, no uso de suas atribuições e demais disposições

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA VETERINÁRIA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO RESOLUÇÃO CRMV-RJ Nº 47/2015

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA VETERINÁRIA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO RESOLUÇÃO CRMV-RJ Nº 47/2015 RESOLUÇÃO CRMV-RJ Nº 47/2015 Ementa: Estabelece requisitos a serem observados para obtenção de apoio financeiro e/ou institucional junto ao CRMV-RJ. O - CRMV-RJ, no uso das atribuições que lhe são conferidas

Leia mais

NORMAS GERAIS PARA RECEBIMENTO E CONFERÊNCIA DE DOCUMENTOS

NORMAS GERAIS PARA RECEBIMENTO E CONFERÊNCIA DE DOCUMENTOS NORMAS GERAIS PARA RECEBIMENTO E CONFERÊNCIA DE DOCUMENTOS PROCEDIMENTO PADRÃO Nº. 001/2006. Teresina, Março 2008 ATUALIZADO EM MARÇO DE 2008 NORMAS GERAIS PARA RECEBIMENTO E CONFERÊNCIA DE DOCUMENTOS

Leia mais

BOLETIM INFORMATIVO Nº 12 (DEZEMBRO/ 2013)

BOLETIM INFORMATIVO Nº 12 (DEZEMBRO/ 2013) MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO SECRETARIA DE ECONOMIA E FINANÇAS 2ª INSPETORIA DE CONTABILIDADE E FINANÇAS DO EXÉRCITO (Sv Fundos Reg 2ª RM/1934) BOLETIM INFORMATIVO Nº 12 (DEZEMBRO/ ) FALE COM

Leia mais

BOLETIM INFORMATIVO Nr 06/02

BOLETIM INFORMATIVO Nr 06/02 MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO SECRETARIA DE ECONOMIA E FINANÇAS 2ª INSPETORIA DE CONTABILIDADE E FINANÇAS DO EXÉRCITO São Paulo, SP, 28 de junho de 2002 BOLETIM INFORMATIVO Nr 06/02 1ª PARTE

Leia mais

EDITAL Nº 05/ SGP/ 2014 SELEÇÃO PARA CONCESSÃO DA BOLSA DE ESTUDOS EM IDIOMAS REFERENTE AO EXERCÍCIO 2014

EDITAL Nº 05/ SGP/ 2014 SELEÇÃO PARA CONCESSÃO DA BOLSA DE ESTUDOS EM IDIOMAS REFERENTE AO EXERCÍCIO 2014 EDITAL Nº 05/ SGP/ 2014 SELEÇÃO PARA CONCESSÃO DA BOLSA DE ESTUDOS EM IDIOMAS REFERENTE AO EXERCÍCIO 2014 A SUPERINTENDENTE DE GESTÃO DE PESSOAS, no uso de suas atribuições conferidas pelo art. 2º, inciso

Leia mais

Gestão de Suprimento de Fundos

Gestão de Suprimento de Fundos Suporte Institucional MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS Gestão de Suprimento de Fundos Esta edição do Manual foi atualizada até 26/06/2014. Ministério Público Federal Procuradoria da República do Rio Grande

Leia mais

TOMADA DE CONTAS ESPECIAL

TOMADA DE CONTAS ESPECIAL TOMADA DE CONTAS ESPECIAL COMPARATIVO ENTRE A IN TCU Nº 13/1996 E A IN TCU Nº 56/2007 IN TCU Nº 13/1996 IN TCU Nº 56/2007 Art. 1º Diante da omissão no dever de prestar contas, da não comprovação da Aplicação

Leia mais

Manual do Fornecedor/cedente (MPE) Balcão Financeiro

Manual do Fornecedor/cedente (MPE) Balcão Financeiro Manual do Fornecedor/cedente (MPE) Balcão Financeiro Painel de recebíveis e Painel de linhas de crédito Versão 1.0 1 As informações contidas neste documento, incluindo quaisquer URLs e outras possíveis

Leia mais

SPED Projeto SIGADEx

SPED Projeto SIGADEx SPED Projeto SIGADEx SPED Projeto SIGADEx 1. Introdução 2. Desenvolvimento Acesso ao sistema; Tipos de usuário; Área de trabalho; Trâmite de documento; e Elaborando um documento 3. Conclusão 2 1. Introdução

Leia mais

SECRETARIA DE GESTÃO PÚBLICA ORIENTAÇÃO NORMATIVA Nº 2, DE 13 DE ABRIL DE 2015

SECRETARIA DE GESTÃO PÚBLICA ORIENTAÇÃO NORMATIVA Nº 2, DE 13 DE ABRIL DE 2015 SECRETARIA DE GESTÃO PÚBLICA ORIENTAÇÃO NORMATIVA Nº 2, DE 13 DE ABRIL DE 2015 Estabelece orientações aos órgãos e entidades integrantes do Sistema de Pessoal Civil da Administração Federal - Sipec sobre

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM REDES DE COMPUTADORES

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM REDES DE COMPUTADORES CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM REDES DE COMPUTADORES REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO 2 Sumário 1 CARACTERÍSTICAS GERAIS... 3 1.1 Atividade acadêmica... 3 1.2 Estruturação... 3 1.3 Localização

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SGP-301-R00 ESTÁGIO PROBATÓRIO

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SGP-301-R00 ESTÁGIO PROBATÓRIO MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SGP-301-R00 ESTÁGIO PROBATÓRIO 11/2015 PÁGINA INTENCIONALMENTE EM BRANCO 2 06 de novembro de 2015. Aprovado, Antonia Valeria Martins Maciel 3 PÁGINA INTENCIONALMENTE EM BRANCO

Leia mais

a importância de um sistema de auditoria independente como suporte indispensável ao órgão regulador;

a importância de um sistema de auditoria independente como suporte indispensável ao órgão regulador; 1) INTRODUÇÃO Ref.: Instrução CVM Nº 308, de 14 de maio de 1999, que dispõe sobre o registro e o exercício da atividade de auditoria independente no âmbito do mercado de valores mobiliários, define os

Leia mais

Programa Bolsa-Sênior

Programa Bolsa-Sênior CHAMADA PÚBLICA 09/2015 Programa Bolsa-Sênior A Fundação Araucária de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico do Paraná divulga a presente Chamada Pública e convida as instituições de ensino

Leia mais

PARECER DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA

PARECER DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA 1/14 PARECER DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA A Unidade de da FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS, em função do disposto no Parágrafo 6º do Artigo 15 do Decreto nº. 3.591, de 06/09/2000 redação que

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 273, de 14.09.2010

RESOLUÇÃO Nº 273, de 14.09.2010 RESOLUÇÃO Nº 273, de 14.09.2010 (Processo nº 10342/2010) (O Presidente do Tribunal, no uso de suas atribuições legais e regimentais, apresenta diversas considerações e submete ao Pleno desta Corte proposta

Leia mais

Acompanhamento e Execução de Projetos

Acompanhamento e Execução de Projetos Acompanhamento e Execução de Projetos Manual do Usuário Atualizado em: 28/11/2013 Página 1/24 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 3 2. ABRANGÊNCIA DO SISTEMA... 3 3. DESCRIÇÃO DO SISTEMA... 3 4. COMO ACESSAR O SISTEMA...

Leia mais

ACESSO AO SISTEMA Por certificado digital Exceção - Ato urgente

ACESSO AO SISTEMA Por certificado digital Exceção - Ato urgente ACESSO AO SISTEMA Por certificado digital Art. 5º Para acesso ao PJe-JT é obrigatória a utilização de assinatura digital a que se refere o inciso II, alínea a, do artigo 3º desta resolução, nas seguintes

Leia mais

Separata ao Boletim do Exército

Separata ao Boletim do Exército Separata ao Boletim do Exército MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO SECRETARIA-GERAL DO EXÉRCITO SEPARATA AO BE Nº 3/2015 COMANDANTE DO EXÉRCITO PORTARIA Nº 012, DE 9 DE JANEIRO DE 2015. Aprova as

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 92, DE 18 DE JUNHO DE 2009

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 92, DE 18 DE JUNHO DE 2009 Publicada no Boletim de Serviço nº 7 em 7/7/2009. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 92, DE 18 DE JUNHO DE 2009 Dispõe sobre o controle de acesso, a utilização de crachá e a proteção das dependências internas no âmbito

Leia mais

DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL

DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL 0 INSTRUÇÃO NORMATIVA 1 ÍNDICE 10/06 ASSUNTO S GENERALIDADES 1 1/2 PLANO DE NUMERAÇÃO 2 1/2 ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO 3 1/5 EMISSÃO 4 1/1 IMPLANTAÇÃO, MANUTENÇÃO E AVALIAÇÃO 5 1/3 DISPOSIÇÕES FINAIS 6

Leia mais

DESCRITIVO DO PROCESSO SELETIVO PARA O CARGO DE ELETRICISTA DE MANUTENÇÃO

DESCRITIVO DO PROCESSO SELETIVO PARA O CARGO DE ELETRICISTA DE MANUTENÇÃO DESCRITIVO DO PROCESSO SELETIVO PARA O CARGO DE ELETRICISTA DE MANUTENÇÃO O presente documento é uma divulgação oficial de todos os critérios e procedimentos estabelecidos pelo SESC para este processo

Leia mais

Programa de Pós-graduação em Química Biológica do Instituto de Bioquímica Médica Leopoldo de Meis / CCS / UFRJ

Programa de Pós-graduação em Química Biológica do Instituto de Bioquímica Médica Leopoldo de Meis / CCS / UFRJ Programa de Pós-graduação em Química Biológica do Instituto de Bioquímica Médica Leopoldo de Meis / CCS / UFRJ EDITAL PARA INGRESSO NO PROGRAMA BOLSA NOTA 10 FAPERJ 2015/1 Informamos que abriremos inscrições

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO DO IFES CAMPUS VITÓRIA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO DO IFES CAMPUS VITÓRIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CAMPUS VITÓRIA Avenida Vitória, 1729 Bairro Jucutuquara 29040-780 Vitória ES 27 3331-2110 DIRETORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO DO IFES CAMPUS

Leia mais

MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES SECRETARIA EXECUTIVA PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIA ANUAL RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2014

MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES SECRETARIA EXECUTIVA PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIA ANUAL RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2014 MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES SECRETARIA EECUTIVA PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIA ANUAL RELATÓRIO DE GESTÃO DO EERCÍCIO DE 2014 Brasília - DF / 2015 MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES SECRETARIA EECUTIVA PRESTAÇÃO

Leia mais

Cartilha do SIMBA para as Instituições Financeiras

Cartilha do SIMBA para as Instituições Financeiras Considerando que o Lavagem de Dinheiro - tem como responsabilidade, dentre outras, realizar o processamento e a análise dos dados obtidos por meio de decisão judicial ou por intermédio de banco de dados

Leia mais

ATO Nº 02/2008 DO DIRETOR DA ESCOLA JUDICIAL DO TRT DA 3ª REGIÃO

ATO Nº 02/2008 DO DIRETOR DA ESCOLA JUDICIAL DO TRT DA 3ª REGIÃO REGULAMENTA A REALIZAÇÃO DE CURSOS A DISTÂNCIA POR MEIO DE MULTIMÍDIAS SIMPLES PELA ESCOLA JUDICIAL PARA MAGISTRADOS E SERVIDORES DA JUSTIÇA DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO Considerando a necessidade de ampliar

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 006, de 05 de maio de 2003. Aprova Regimento da Auditoria Interna da UFSJ

RESOLUÇÃO N o 006, de 05 de maio de 2003. Aprova Regimento da Auditoria Interna da UFSJ RESOLUÇÃO N o 006, de 05 de maio de 2003 Aprova Regimento da Auditoria Interna da UFSJ O PRESIDENTE DO CONSELHO DELIBERATIVO SUPERIOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL REI, no uso de suas atribuições

Leia mais

EDITAL N.º 142/2015 3

EDITAL N.º 142/2015 3 PROCESSO SELETIVO ESPECIAL PARA INGRESSO NO CURSO DE DOUTORADO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DA UNIPAMPA A REITORA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA, no uso de suas atribuições legais

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO PORTARIA N.º 652, DE 19 DE MAIO DE 2011 RESOLVE: CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS

ESTADO DO MARANHÃO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO PORTARIA N.º 652, DE 19 DE MAIO DE 2011 RESOLVE: CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS PORTARIA N.º 652, DE 19 DE MAIO DE 2011 A SECRETÁRIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso de suas atribuições legais, especialmente em referência ao disposto no artigo 25, da Constituição Federal de 1988, e ao

Leia mais

Art. 2º. Fazer publicar esta Portaria em Boletim de Serviço, revogando-se a Portaria 577/05-R, de 05 de dezembro de 2005.

Art. 2º. Fazer publicar esta Portaria em Boletim de Serviço, revogando-se a Portaria 577/05-R, de 05 de dezembro de 2005. PORTARIA 328/R-06 DE 22 DE JUNHO DE 2006. O REITOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE, no uso da competência que lhe foi atribuída pelo artigo 39, inciso XX, do Regimento Geral da UFRN; CONSIDERANDO

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PUC-SP Programa de Estudos Pós-Graduados em Educação: Currículo

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PUC-SP Programa de Estudos Pós-Graduados em Educação: Currículo EDITAL PARA O PROCESSO SELETIVO 2º/2015 Coordenadora: Profa. Dra. Branca Jurema Ponce Vice-Coordenadora: Profa. Dra. Marina Graziela Feldmann Estarão abertas, no período de 01/04/2015 a 24/04/2015, as

Leia mais

IRMANDADE DA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE VALINHOS MANUAL DE QUALIFICAÇÃO DE FORNECEDORES INSTITUCIONAL

IRMANDADE DA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE VALINHOS MANUAL DE QUALIFICAÇÃO DE FORNECEDORES INSTITUCIONAL IRMANDADE DA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE VALINHOS MANUAL DE QUALIFICAÇÃO DE FORNECEDORES INSTITUCIONAL Valinhos 2013 Introdução: A finalidade deste manual é aprimorar a relação entre a Santa Casa de

Leia mais

SPED Sistema de Protocolo Eletrônico de Documentos. 1º Ten Cristina 7º CTA

SPED Sistema de Protocolo Eletrônico de Documentos. 1º Ten Cristina 7º CTA 1º Ten Cristina 7º CTA Objetivo Apresentar o - SPED e demostrar as principais funcionalidades do sistema para usuários convencional e protocolista. 2 1. Introdução 2. Aspectos do sistema; 3. Tipos de usuário;

Leia mais