25 (BID) / 01 (contrapartida Estadual)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "25 (BID) / 01 (contrapartida Estadual)"

Transcrição

1 PRODETUR NACIONAL / Bahia Unidade Coordenadora de Projetos UCP/Bahia Banco Interamericano de Desenvolvimento TERMOS DE REFERÊNCIA Nº 002/2011 SETUR / BAHIA Categoria de Investimento: Consultoria 1. Do Programa, do Projeto e do Orçamento CONTRATO DE EMPRÉSTIMO: PROGRAMA: Programa Nacional de Desenvolvimento do Turismo PRODETUR NACIONAL / Bahia ÓRGÃO FINANCIADOR: Banco Interamericano de Desenvolvimento EXECUTOR: Secretaria de Turismo Componente: 1 Estratégia de Produto Turístico Subcomponente: Política de Investimento turístico e de apoio ao setor privado Produtos: 01- Projeto de Qualificação Empresarial 02- Execução do Programa de Qualificação Empresarial TOMADOR: Governo do Estado da Bahia SUBEXECUTOR: Superintendência de Serviços Turísticos - SUSET Fonte Programa Natureza da Despesa 25 (BID) / 01 (contrapartida Estadual) PRODETUR Nacional Serviços de Consultoria 1. APRESENTAÇÃO O Governo do Estado da Bahia através do Programa de Apoio ao Desenvolvimento Regional do Turismo - PRODETUR Nacional objetiva fomentar o desenvolvimento turístico dos municípios com base na sustentabilidade econômica, social, ambiental, cultural e política, dando ênfase na conscientização e sensibilização da sociedade para a importância do turismo como instrumento de crescimento econômico, de geração de emprego, de melhoria de qualidade de vida da população e de preservação do seu patrimônio natural e cultural. A Baía de Todos os Santos desponta neste cenário como destino preferencial da estratégia turística da Bahia, em acordo com as diretrizes estabelecidas pelo Plano Nacional de Turismo, as quais fundamentam o Programa de Apoio ao Desenvolvimento Regional do Turismo Prodetur Nacional, executado pelo Ministério do Turismo. O Prodetur Nacional com o objetivo de fomentar o processo de desenvolvimento turístico regional da Baía de Todos os Santos, de forma integrada e sustentável, se propõe a executar um Programa de Qualificação Empresarial para as pessoas envolvidas na atividade turística, especialmente para empresários e gestores, buscando elevar a qualidade dos serviços oferecidos pelos equipamentos

2 turísticos, e melhorar as condições de vida das populações locais, utilizando o turismo como alternativa de desenvolvimento econômico. As ações componentes do projeto serão financiadas com recursos do PRODETUR Nacional, através da Linha de Crédito Condicional (CCLIP) do Banco Interamericano de Desenvolvimento, sob a gestão da Unidade Executora do PRODETUR/UEE/BA. 1. CONTEXTUALIZAÇÃO A Secretaria de Turismo do Estado da Bahia - SETUR estabeleceu como prioridade a zona turística da Baía de Todos os Santos que apesar de ter sido uma das primeiras regiões delimitadas no zoneamento turístico, ainda permanece subaproveitada em face da suas potencialidades. Esta região possui características ambientais e culturais que a credenciam a desenvolver alguns dos segmentos prioritários, destacando-se o turismo náutico, o cultural, o rural, o ecoturismo e o esportivo, além do turismo de sol e praia. Os principais obstáculos ao pleno desenvolvimento do turismo nessa região ainda dizem respeito às necessidades de infra-estrutura pública, fortalecimento da governança para o turismo, proteção do patrimônio natural e cultural, qualificação profissional e empresarial e desenvolvimento de produtos turísticos voltados para os diversos segmentos, cuja vocação se mostra evidente. Espera-se que com o alinhamento das ações e a maior integração entre o MTUR e a SETUR, a Baía de Todos os Santos se converta em um destino capaz de avançar nos seguintes aspectos: qualidade de produtos e serviços, inovação e diversificação da oferta turística estadual e principalmente possibilitar a inserção econômica das comunidades dessa região turística. Neste contexto, o Governo da Bahia, através da SETUR, propõe a participação do Estado no Programa Nacional de Desenvolvimento do Turismo (PRODETUR NACIONAL), considerando, por um lado, a efetividade das intervenções já realizadas através dos contratos anteriores do PRODETUR-NE I e II e, por outro lado, a importância de desenvolver um programa integrado de aceleração do desenvolvimento do turismo na Baía de Todos-os-Santos, que ainda apresenta um significativo conjunto de necessidades de intervenções por parte do poder público estadual. É preciso que essas ações a serem realizadas levem em consideração as conseqüências futuras, assegurando sustentabilidade ambiental, sociocultural, econômica e político-institucional. Estratégia de Produto Turístico: Conceitualmente, o produto turístico relaciona-se diretamente com a motivação em viajar a um destino. Tem como base os atrativos (naturais e culturais, tangíveis ou intangíveis) que originam o deslocamento do turista a um espaço geográfico determinado, e inclui os equipamentos e serviços necessários para satisfazer a motivação da viagem e possibilitar o consumo turístico. Os produtos turísticos definem a distinção e o caráter do destino. Por isso, é importante desenvolver uma estratégia. Para alcançar seus objetivos, o Programa PRODETUR Nacional apoiará o financiamento de projetos de desenvolvimento turístico organizados em cinco componentes, dentre eles: Componente I Estratégia de Produto Turístico na qual se priorizem os produtos que melhor consolidem, com maior eficiência a imagem de cada destino, gerando maior rentabilidade a curto, 2

3 médio e longo prazo. Nesse contexto, as atividades deste componente se concentrarão nos investimentos relacionados com o planejamento, a recuperação e a valorização dos atrativos turísticos públicos necessários para promover, consolidar ou melhorar a competitividade dos destinos em modalidades ou tipos específicos de turismo. O componente também integrará as ações destinadas a alinhar os investimentos privados em segmentos ou nichos estratégicos, bem como aquelas destinadas a melhorar a competitividade dos empresários turísticos, por meio do aprimoramento da organização setorial, da qualidade dos serviços e do acesso a fatores produtivos. 2. JUSTIFICATIVA A disponibilidade e qualidade dos equipamentos e serviços turísticos apresentam-se como as variáveis mais relevantes na avaliação da satisfação do turista, o que influencia não apenas a permanência, como o aumento do fluxo turístico para o Estado. A qualificação da oferta de serviços pode ainda influenciar no perfil do turista, atraindo visitantes com maior poder de consumo e aumentando a receita turística da Bahia. De acordo com pesquisa realizada pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas FIPE ( ), 45% dos turistas da Bahia são influenciados na sua decisão de viagem por comentários positivos de amigos e parentes acerca dos destinos visitados. A pesquisa identificou que dentre as 13 Zonas Turísticas (ZT) do estado, a Baía de Todos os Santos e a Costa do Descobrimento concentram 45,9% do fluxo turístico doméstico, sendo que Salvador atrai 28,8% do fluxo e Porto Seguro responde por 10,8% do total. Sendo assim, A opção pela zona turística da Baía de Todos os Santos para receber o afluxo de investimentos destinados a sua requalificação deve-se especialmente às suas características ambientais e histórico-culturais que a credenciam a desenvolver alguns dos segmentos prioritários. Neste sentido, a fim de promover a qualificação dos serviços turísticos da ZT Baía de Todos os Santos, faz-se necessário a profissionalização de serviços já desenvolvidos com a implantação de um programa de qualificação dos serviços turísticos, nomeadamente de um Programa de Qualificação Empresarial para os empresários do setor que atuam na Zona Turística da Baía de Todos os Santos, com vistas a aumentar a competitividade da região e do destino Bahia. Para tal, será contratada uma empresa ou entidade especializada em capacitação empresarial para elaborar e implantar um projeto de qualificação empresarial com os respectivos planos de cursos, de acordo com as diretrizes do Ministério do Turismo e da Secretaria de Turismo do Estado da Bahia. 3. OBJETO Contratação de instituição para elaborar plano e executar ações de qualificação empresarial para os municípios que integram a Zona Turística da Baía de Todos os Santos. 4. ALCANCE 4.1 DA ÁREA TERRITORIAL Os trabalhos objeto deste TDR abrangem os municípios que compõem a zona turística Baía de Todos os Santos que são: Aratuípe, Cachoeira, Santo Amaro, Maragojipe, São Felix, São Francisco do Conde, 3

4 Muniz Ferreira, Candeias, Madre de Deus, Saubara, Salinas da Margarida, Jaguaripe, Vera Cruz, Itaparica, Nazaré, Salvador, Simões Filho, Muritiba. 4.2 DO PÚBLICO-META META 01 - Capacitar 400 empresários e/ ou gestores de micro, pequenas e médias empresas dos segmentos de Alimentos e Bebidas, Meios de Hospedagem, receptivo turístico nos municípios que integram a Baía de Todos os Santos. META 02 - Capacitar 50 empresários e/ ou gestores de micro, pequenas e médias empresas que comercializam artesanato e/ou produtos turísticos no município de Salvador. 5. OBJETIVOS 5.1. Objetivo Geral Executar as ações de qualificação Empresarial da Zona Turística Baía de Todos os Santos, com vistas a elevar o nível de eficiência na prestação de serviços turísticos através do desenvolvimento e aperfeiçoamento das competências necessárias aos empresários e gestores dos empreendimentos turísticos, visando contribuir para tornar a região um destino competitivo Objetivos Específicos Aperfeiçoar os métodos de gestão e de organização do trabalho; Conscientizar os empresários da necessidade da qualificação profissional e da capacitação dos colaboradores dos empreendimentos turísticos, garantindo a qualidade dos serviços; Possibilitar a excelência na prestação de serviços, como fase posterior à garantia da qualidade; Promover o conhecimento do negócio turismo, especialmente na vertente do desenvolvimento sustentável; Estimular a responsabilidade social da empresa, especialmente na promoção do desenvolvimento sustentado do turismo; Desenvolver uma visão empresarial que agregue aspectos da qualificação de recursos humanos com a preservação do patrimônio natural, paisagístico e histórico-cultural. Melhorar a qualidade de vida dos habitantes locais, por meio do aumento dos postos de trabalho e renda gerados pela atividade turística integrada e sustentável. Conscientizar os empresários da importância do desenvolvimento e/ou fortalecimento da Produção Associada ao Turismo como alternativa de desenvolvimento local. 6. METODOLOGIA Os produtos obtidos com a execução do Programa de Qualificação Empresarial devem ter por base as orientações repassadas pela equipe técnica do PRODETUR Nacional, que apresentará sugestões de estruturas para elaboração dos projetos, planos dos cursos e indicação de conteúdos mínimos que merecem ser observados e do Programa Executivo de Qualificação Empresarial da Zona Turística. 4

5 Recomenda-se que os conteúdos da Modalidade Formação de Gestores em Turismo visem estimular e direcionar os empresários/gestores para associação às diversas entidades de classe existentes nas localidades, promovendo assim um elo entre a cadeia produtiva do turismo. As atividades desenvolvidas dentro dos Eventos devem ser direcionadas para a busca e incorporação contínua de comportamentos que instalem a cultura da hospitalidade nas empresas e promovam o desenvolvimento de competências que conduzam à melhoria da qualidade nos processos de prestação de serviços em direção à excelência. Além disso, recomenda-se a divulgação de inovações tecnológicas e o intercâmbio de experiências vivenciadas nos diversos segmentos do setor de turismo. Recomenda-se também que as turmas devem ser constituídas por grupos de no mínimo 15 e no máximo 25 participantes. 7. PRODUTOS 7.1. Produto 01 Projeto de Qualificação Empresarial O Projeto de Qualificação e os Planos dos cursos deverão ser apresentados por módulos e abranger, no mínimo, os cursos diagnosticados como necessários no Programa Executivo Produto 2 Execução do Programa de Qualificação Empresarial Relatórios comprovando a execução dos cursos, com apresentação dos seguintes documentos: Número de turma/encontros; Quadro indicando número de empresas inscritas, matriculadas e concluintes por segmento turístico; Comprovação de freqüência (listas de presença indicando data, horário, local, e identificação da turma no seu cabeçalho; assim como, a relação das empresas participantes do projeto, informando dados requisitados no novo modelo de acompanhamento das ações do MTur, disponível na Diretoria de Qualificação da SETUR) Fotos/vídeos dos eventos; Material de apoio didático; Formas de mobilização; Conteúdo programático; Carga horária; 8. EVENTOS 8.2. Seminário de Lançamento; 8.3. Seminários Turismo com Qualidade ( 3 por município - temas a serem definidos, conforme demanda da comunidade); 8.4. Seminários com foco na Produção Associada (1 por município a ser definido); 8.5. Rodada de Negócios com foco na Produção Associada (12 encontros/município); 8.6. Encontros de Cooperação (10 encontro/município); 8.7. Centrais de Negócios (18 encontros). 5

6 8.8. Seminário de Encerramento. EVENTO Seminário de Lançamento Seminários Turismo com Qualidade DESCRITIVO Apresentação do Programa; Sensibilização dos potenciais participantes Discussão sobre diferentes temas relacionados ao setor turístico, como gerenciamento, empreendedorismo, gestão, qualidade no atendimento. Seminários com foco na Produção Associada Rodada de Negócios com foco na Produção Associada Encontros de Cooperação Centrais de Negócios Seminário de Encerramento Sensibilização dos empresários de turismo sobre o conceito e a importância do desenvolvimento e comercialização da Produção Local Associada ao Turismo. Tem por objetivo integrar os produtores locais com empresários do setor de turismo visando a promoção de futuros negócios e o fortalecimento da cadeia produtiva da região. Desenvolvimento da cultura da cooperação em grupos com objetivos comuns e que busquem noções de gestão e relações interpessoais através de discussões e construção de um planejamento integrado. Encontros temáticos moderados por consultor especializado em formação de centrais de negócios no turismo para estabelecer um plano de ação para constituir um grupo de cooperação comercial. Apresentação de resultados e casos de sucesso obtidos ao longo do Programa. 9. QUALIFICAÇÃO A experiência empresarial/institucional deverá ser apresentada através de currículo (portfólio) da empresa/instituição, o qual deverá listar e comprovar as atividades que já tenha prestado a órgãos governamentais, não governamentais e/ou empresas nas áreas de ensino em turismo e/ou hospitalidade, obedecendo aos seguintes critérios: a) Experiência mínima de dois anos na atividade de Capacitação Empresarial para o setor do turismo. Comprovar com, pelo menos, cinco declarações de organizações que contrataram anteriormente os serviços. b) Domínio de metodologia de Capacitação Empresarial. Comprovar através de proposta pedagógica adequada a modalidade do programa e público alvo para o qual pretende apresentar projetos de capacitação empresarial. c) Domínio de indicadores de eficácia e eficiência de capacitação. Comprovar, através da descrição demonstrativa dos resultados práticos obtidos em projetos anteriores, como o 6

7 provedor de capacitação utiliza indicadores para medir a eficácia e eficiência das ações de capacitação em termos de resultados na melhoria do nível empresarial dos participantes. d) Infra-estrutura física administrativa e tecnológica de acordo com indicação neste Termo de Referência. Comprovar, com a apresentação de registros legais da organização, possuir a infra-estrutura adequada à execução de projetos de capacitação no Estado. e) Infra-estrutura pedagógica. Comprovar, com o registro, que dispõe no quadro funcional de, pelo menos, um profissional especializado em pedagogia. f) Estabilidade financeira. Comprovar a capacidade de manter por 30 dias, sem aporte de recursos, a continuidade da execução de um projeto aprovado. g) Indicação do Coordenador. Designação explícita de um profissional para atuar como interlocutor para o Componente Capacitação Empresarial do PRODETUR Nacional junto à UEE/BA. h) Legalidade. Comprovar, através de documentos oficiais, o cumprimento das obrigações legais junto aos órgãos federais, estaduais e municipais, associações, sindicatos e instituições de crédito, atendendo também às demais exigências do Regulamento Operativo Geral do PRODETUR Nacional. A equipe técnica de trabalho pertencente à instituição provedora a ser contratada deverá ser formada, no mínimo pelos profissionais relacionados a seguir, com qualificação técnica necessária para a execução dos serviços especificados neste Termo de Referência. Coordenador dos Programas: profissional com experiência mínima de 03 (três) anos na coordenação de projetos pedagógicos na área de turismo e/ou hospitalidade; Pedagogo: um profissional com experiência mínima de 02 (dois) anos nas áreas relacionadas ao ensino de turismo e/ou hospitalidade; Professores: com experiência mínima de 02 (dois) anos de ensino na (s) áreas (s) para a (as) qual (ais) está sendo indicado. 10. CUSTOS O orçamento base para a execução dos serviços referentes às despesas com a elaboração e execução do Projeto de Qualificação Empresarial, incluso também os custos com o material de apoio didático e certificados é de R$ ,00 (três milhões de reais) cabendo a empresa/instituição provedora apresentar estimativa de custos para sua execução, com indicação detalhada dos seguintes itens: a) Remuneração da equipe (coordenador, pedagogo e professores) alocada na execução do contrato e respectivos encargos sociais; b) Despesas com o deslocamento da equipe técnica e dos alunos (quando for o caso); c) Serviços gráficos, materiais de consumo e insumos; d) Despesas com hospedagem e alimentação dos docentes, aluguel de espaço físico e de equipamentos (microcomputador, data show, vídeo cassete, etc.), devem estar previstas para todos os cursos; e) Despesas com a impressão dos textos de apoio didático para a realização dos cursos e dos certificados; f) Despesas indiretas (seguros, impostos, depreciação, amortizações, aluguéis, utilidades e serviços de terceiros); g) Remuneração da empresa/instituição. 7

8 11. CRONOGRAMA DE DESEMBOLSO O desembolso será feito da seguinte forma: Produto 1: Após apresentação e aprovação do Projeto de Qualificação Empresarial e Planos dos cursos. Produto 2: Após apresentação e aprovação de cada Relatório de atividades, constando: Número de turma/encontros; Quadro indicando número de empresas inscritas, matriculadas e concluintes por segmento turístico; Comprovação de freqüência (listas de presença indicando data, horário, local, e identificação da turma no seu cabeçalho; assim como, a relação das empresas participantes do projeto, informando dados requisitados no novo modelo de acompanhamento das ações do MTur, disponível na Diretoria de Qualificação da SETUR) Fotos/vídeos dos eventos; Material de apoio didático; Formas de mobilização; Conteúdo programático; Carga horária; O pagamento está condicionado a aprovação dos produtos pela Unidade Executora Estadual UEE/BA do PRODETUR Nacional e pelo Ministério do Turismo. 12. PRAZO DE EXECUÇÃO O Projeto de Qualificação Empresarial e Planos dos Cursos (Produto 1) deverão ser elaborados e aprovados no prazo de 30 (trinta) dias. As ações devem ser executadas no período de 12 meses renovável por igual período, conforme cronograma de execução aprovado pela UEE/BA do PRODETUR/Nacional. 13. ESTRATÉGIA DE EXECUÇÃO E SUPERVISÃO Para execução das ações do Sub-Componente da Qualificação Empresarial deverá haver o acompanhamento presencial de técnicos da Unidade Executora/BA do PRODETUR Nacional e de outras instituições que o órgão gestor julgar necessário. Serão realizadas reuniões periódicas com a empresa/instituição contratada, a qual emitirá relatórios parciais de execução dos cursos constantes dos programas de formação inicial e continuada de trabalhadores. Durante a execução das atividades, faz-se necessário apresentar, a critério da UEE/BA informações que possibilitem conhecer a programação, o estágio em que se encontram os trabalhos e os resultados do desenvolvimento das ações. A aceitação dos serviços contratados através deste Termo de Referência ficará a cargo da UEE/BA. A empresa/instituição contratada deverá entregar, para avaliação dos órgãos supervisores, o Produto 1, previamente à realização da etapa seguinte. Somente após a validação deste produto é que podem ser iniciados os cursos previstos no Programa de Qualificação. 8

9 A supervisão e o acompanhamento dos trabalhos ficarão a cargo da equipe técnica da UEE/BA do PRODETUR Nacional, da Secretaria de Estado e Turismo da Bahia e do Ministério do Turismo. A UEE/BA do PRODETUR Nacional deverá analisar todos os produtos, preliminares e finais, e, após aprovação, encaminhá-los ao Ministério do Turismo para análise e aprovação final. 14. ESTRATÉGIA DE AVALIAÇÃO A avaliação deve abranger não só a qualidade do ensino, mas também a qualidade dos conteúdos apresentados nos planos de cursos, a qualidade do material didático, e dos demais recursos didáticos, com os objetivos estabelecidos pelo PRODETUR Nacional e a Avaliação de reação após o término de cada módulo. Essa avaliação deverá enfocar o resultado dos trabalhos desenvolvidos para essa ação, objeto deste Termo de Referência, os quais deverão ser mensurados mediante a aplicação de questionário de avaliação entre os participantes, que serão posteriormente tabulados, ao final desta atividade Haverá emissão de certificados para os participantes que comprovarem freqüência de 75%, ao término do programa. 15. FORMA DE APRESENTAÇÃO DO RELATÓRIO E DO MATERIAL DE APOIO DIDÁTICO Projeto de Qualificação Empresarial, Planos de cursos e Relatórios Parciais a) Para aprovação dos produtos e relatórios, deverá ser apresentada uma minuta. A versão final, do produto 1 contendo o projeto de formação inicial e continuada de trabalhadores, os planos dos cursos, material de apoio didático, planilhas de custos, cronogramas de execução e de desembolso, deverá ser entregue em versão impressa com 03 (três) cópias em língua portuguesa e 05 (cinco) cópias em cd-room contendo todos os arquivos em aplicativos Microsoft Office. b) O trabalho deverá ser apresentado em papel formato A4 (210 x 297 mm). O documento deve ser produzido usando-se apenas o anverso (frente) do papel. c) As margens de texto a serem observadas em folha/página digitadas são as seguintes: a) superior de 3 cm; b) inferior de 2,7 cm; c) esquerda de 3 cm; e d) direita de 2 cm. d) Deverá ser apresentada no editor de textos Word, com espaçamento de 1,5 linha, adotando Fonte Times New Roman 13 ou Arial 12. Os elementos externos e pré-textuais exigidos são: Capa; Folha de Rosto; Apresentação; Sumário; Lista de Ilustração; Lista de Abreviaturas, Siglas e Símbolos. Os elementos textuais exigidos são: introdução, justificativa, conteúdo programático, metodologia utilizada, relação dos alunos participantes com as listas de presença, programação das aulas, avaliação e bibliografia utilizada. Elementos de apoio ao texto opcional são: Citações; Notas de Rodapé; Ilustrações; Tabelas; Quadros; Gráficos e Mapas, Figuras. Elementos Pós-textuais exigidos são: Glossário; referências; Apêndices e Anexos. Material de Apoio Didático: O trabalho deverá ser apresentado em papel formato A4 (210 x 297 mm). O documento deve ser produzido usando-se apenas o anverso (frente) do papel. 9

10 As margens de texto a serem observadas em folha/página digitadas são as seguintes: a) superior de 3 cm; b) inferior de 2,7 cm; c) esquerda de 3 cm; d) direita de 2 cm. Deverá ser apresentada no editor de textos Word, com espaçamento de linha 1,5, adotando Fonte Times New Roman 13 ou Arial ELEMENTOS DISPONÍVEIS Estarão disponíveis para facilitar a execução dos trabalhos os seguintes documentos: a) Orientações da equipe do PRODETUR Nacional 10

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC. Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008.

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC. Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008. MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008. Aprova as Diretrizes Gerais do Sistema Brasileiro de Tecnologia - SIBRATEC.

Leia mais

2. Desenvolver Pesquisa de Campo sobre uma pequena empresa conforme modelo de pesquisa anexo.

2. Desenvolver Pesquisa de Campo sobre uma pequena empresa conforme modelo de pesquisa anexo. 1 1. ESTÁGIO SUPERVISIONADO 2. OBJETIVO Resolução nº 01 de 02/02/2004 do Conselho Nacional de Educação CNEC/CN/MEC. Proporcionar ao estudante oportunidade de desenvolver suas habilidades, analisar situações

Leia mais

PROGRAMA DE FOMENTO DE OPORTUNIDADES COMERCIAIS PARA PEQUENOS PRODUTORES RURAIS TERMO DE REFERÊNCIA

PROGRAMA DE FOMENTO DE OPORTUNIDADES COMERCIAIS PARA PEQUENOS PRODUTORES RURAIS TERMO DE REFERÊNCIA IICA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA BID BANCO INTERAMERICANO DE DESENVOLVIMENTO FLS FUNDAÇÃO LYNDOLPHO SILVA SEBRAE SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS PROGRAMA

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, ALFABETIZAÇÃO, DIVERSIDADE E INCLUSÃO COORDENAÇÃO GERAL DE PLANEJAMENTO E GESTÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, ALFABETIZAÇÃO, DIVERSIDADE E INCLUSÃO COORDENAÇÃO GERAL DE PLANEJAMENTO E GESTÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, ALFABETIZAÇÃO, DIVERSIDADE E INCLUSÃO COORDENAÇÃO GERAL DE PLANEJAMENTO E GESTÃO TERMO DE REFERÊNCIA N.º e Título do Projeto Projeto OEI BRA/10/001

Leia mais

Prefeitura Municipal de Catanduva Banco Interamericano de Desenvolvimento. Programa de Desenvolvimento Urbano Integrado de Catanduva

Prefeitura Municipal de Catanduva Banco Interamericano de Desenvolvimento. Programa de Desenvolvimento Urbano Integrado de Catanduva Prefeitura Municipal de Catanduva Banco Interamericano de Desenvolvimento Programa de Desenvolvimento Urbano Integrado de Catanduva ESTRUTURA DE ORGANIZACIONAL DO PROGRAMA O esquema organizacional do Programa,

Leia mais

Governo do Estado do Ceará Secretaria da Ciência, Tecnologia e Educação Superior - SECITECE

Governo do Estado do Ceará Secretaria da Ciência, Tecnologia e Educação Superior - SECITECE Governo do Estado do Ceará Secretaria da Ciência, Tecnologia e Educação Superior - SECITECE TERMO DE REFERÊNCIA Suporte Técnico Especializado em Inovação Sênior- Pessoa Física, visando apoiar a COTEC/SECITECE

Leia mais

Edital. Ações para o desenvolvimento integral na Primeira Infância

Edital. Ações para o desenvolvimento integral na Primeira Infância Edital Ações para o desenvolvimento integral na Primeira Infância 1. OBJETIVO 1.1. Este edital tem o objetivo de apoiar financeiramente projetos de extensão universitária voltados a ações para o desenvolvimento

Leia mais

Legitimação dos conceitos face as práticas organizacionais; Oportunizar reflexão sobre as competências em desenvolvimento;

Legitimação dos conceitos face as práticas organizacionais; Oportunizar reflexão sobre as competências em desenvolvimento; 1 MANUAL DE ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS INTEGRADORES CURSO SUPERIORES DE GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA (LOGÍSTICA) SÃO PAULO 2009 2 Introdução A prática pedagógica dos Cursos Superiores de Graduação

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO (Anexo 1)

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO (Anexo 1) Prezado(a) Professor(a), Visando orientar e otimizar as informações que deverão constar no projeto, elencamos, abaixo, os itens imprescindíveis para compreensão e apresentação da sua proposta ao Prêmio

Leia mais

PRODUTO 1 METODOLOGIA Plano Local de Habitação de Interesse Social PLHIS Município de Teresópolis - RJ

PRODUTO 1 METODOLOGIA Plano Local de Habitação de Interesse Social PLHIS Município de Teresópolis - RJ PRODUTO 1 METODOLOGIA Plano Local de Habitação de Interesse Social PLHIS Município de Teresópolis - RJ Setembro/2010 APRESENTAÇÃO Este documento denominado Metodologia é o primeiro produto apresentado

Leia mais

EDITAL 008/2010 - PROJETO BRA/06/032 CÓDIGO: TRANSFERÊNCIA TECNOLOGIA

EDITAL 008/2010 - PROJETO BRA/06/032 CÓDIGO: TRANSFERÊNCIA TECNOLOGIA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO EDITAL 008/2010 - PROJETO BRA/06/032 CÓDIGO: TRANSFERÊNCIA TECNOLOGIA O Projeto BRA/06/032

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO EDITAL 009/2010 - PROJETO BRA/06/032 CÓDIGO: DESENV. TECNOLÓGICO O Projeto BRA/06/032 comunica

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO EDITAL 016/2010 - PROJETO BRA/06/032 CÓDIGO: ALTO IMPACTO O Projeto BRA/06/032 comunica que

Leia mais

Organização dos Estados Ibero-americanos Para a Educação, a Ciência e a Cultura TERMO DE REFERÊNCIA

Organização dos Estados Ibero-americanos Para a Educação, a Ciência e a Cultura TERMO DE REFERÊNCIA TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO: OEI/BRA 08/003 Fortalecimento da Capacidade Institucional da Secretaria de Educação Especial SEESP/MEC em Gestão e Avaliação do Programa de Acompanhamento e Monitoramento do

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA 001

TERMOS DE REFERÊNCIA 001 TERMOS DE REFERÊNCIA 001 CONSULTORIA TÉCNICA PARA PREPARAR INFORMAÇÕES PARA SUBISIDIAR O MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO DE RESULTADOS DAS POLÍTICAS PÚBLICAS RELACIONADAS COM O ODM #7 1. Objetivo Contratação

Leia mais

Projeto Básico Ambiental (PBA) UHE Teles Pires

Projeto Básico Ambiental (PBA) UHE Teles Pires UHE Teles Pires P.38 - Programa de Apoio à Revitalização e Incremento da Atividade de Turismo Equipe Responsável pela Elaboração do Programa Responsável Registro Cadastro Técnico Profissional Federal IBAMA

Leia mais

ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA. Declaração de trabalho, serviços e especificações

ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA. Declaração de trabalho, serviços e especificações PROCESSO 026-2013 ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA Declaração de trabalho, serviços e especificações A Contratada deverá executar o trabalho e realizar os serviços a seguir, indicados de acordo com as especificações

Leia mais

Estudos e projetos para o Oceanário de Salvador. Categoria Valorização e gestão de atrativos turísticos e criação de novos produtos

Estudos e projetos para o Oceanário de Salvador. Categoria Valorização e gestão de atrativos turísticos e criação de novos produtos Componente 1 Título da Ação Estratégia de Produto Turístico Item 1.4 Objetivos Estudos e projetos para o Oceanário de Salvador Categoria Valorização e gestão de atrativos turísticos e criação de novos

Leia mais

EDITAL FAPESB/SECTI/SEBRAE/IEL Apoio à Implantação de Cursos de Empreendedorismo 002/2006

EDITAL FAPESB/SECTI/SEBRAE/IEL Apoio à Implantação de Cursos de Empreendedorismo 002/2006 EDITAL FAPESB/SECTI/SEBRAE/IEL Apoio à Implantação de Cursos de Empreendedorismo 002/2006 SELEÇÃO PÚBLICA DE PROPOSTAS PARA O PROGRAMA BAHIA INOVAÇÃO REDE DE EMPREENDEDORISMO A Fundação de Amparo à Pesquisa

Leia mais

IERGS PÓS-GRADUAÇÃO MANUAL DE ESTÁGIO PSICOPEDAGOGIA CLÍNICA E INSTITUCIONAL 2010

IERGS PÓS-GRADUAÇÃO MANUAL DE ESTÁGIO PSICOPEDAGOGIA CLÍNICA E INSTITUCIONAL 2010 IERGS PÓS-GRADUAÇÃO MANUAL DE ESTÁGIO PSICOPEDAGOGIA CLÍNICA E INSTITUCIONAL 2010 APRESENTAÇÃO APRESENTAÇÃO O presente Manual de Estágio apresenta as orientações básicas para o desenvolvimento das atividades

Leia mais

MINISTÉRIO DO TURISMO SECRETARIA NACIONAL DE POLÍTICAS DE TURISMO DEPARTAMENTO DE PRODUTOS E DESTINOS

MINISTÉRIO DO TURISMO SECRETARIA NACIONAL DE POLÍTICAS DE TURISMO DEPARTAMENTO DE PRODUTOS E DESTINOS MINISTÉRIO DO TURISMO SECRETARIA NACIONAL DE POLÍTICAS DE TURISMO DEPARTAMENTO DE PRODUTOS E DESTINOS Categorização dos Municípios das Regiões Turísticas do Mapa do Turismo Brasileiro PERGUNTAS E RESPOSTAS

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA PROGRAMA DE MODERNIZAÇÃO INTEGRADA DO MINISTÉRIO DA FAZENDA - PMIMF MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA ATORES DA REDE DE INOVAÇÃO 2 O MODELO CONTEMPLA: Premissas e diretrizes de implementação Modelo

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DO TURISMO (BR-X1008) LINHA DE CRÉDITO CONDICIONAL CCLIP PRODETUR NACIONAL REGULAMENTO OPERACIONAL.

PROGRAMA NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DO TURISMO (BR-X1008) LINHA DE CRÉDITO CONDICIONAL CCLIP PRODETUR NACIONAL REGULAMENTO OPERACIONAL. PROGRAMA NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DO TURISMO (BR-X1008) LINHA DE CRÉDITO CONDICIONAL CCLIP PRODETUR NACIONAL REGULAMENTO OPERACIONAL Versão Final Setembro/2008 I. INTRODUÇÃO 1.1. Sobre este Manual 1.2.

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA 02/2010

TERMO DE REFERÊNCIA 02/2010 TERMO DE REFERÊNCIA 02/2010 PROJETO: OEI/BRA 08/003 Fortalecimento da Capacidade Institucional da Secretaria de Educação Especial SEESP/MEC em Gestão e Avaliação do Programa de Acompanhamento e Monitoramento

Leia mais

Níveis Qualificação Quantidade % N I Não qualificados (ajudantes, serventes e faxineiros) 1.650 30%

Níveis Qualificação Quantidade % N I Não qualificados (ajudantes, serventes e faxineiros) 1.650 30% 3.37. PROGRAMA DE APOIO À POPULAÇÃO MIGRANTE 3.37.1. Introdução A implantação de empreendimentos hidrelétricos freqüentemente provoca mudanças na região de instalação. A UHE Estreito é um empreendimento

Leia mais

Contrato de Empréstimo n.º 980/OC-BR. República Federativa do Brasil e o Banco Interamericano de Desenvolvimento

Contrato de Empréstimo n.º 980/OC-BR. República Federativa do Brasil e o Banco Interamericano de Desenvolvimento TERMO DE REFERÊNCIA Projeto BRA/97/032 Coordenação do Programa de Modernização Fiscal dos Estados Brasileiros - PNAFE Contrato de Empréstimo n.º 980/OC-BR entre a República Federativa do Brasil e o Banco

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA CONS - GEO 02. 01 Vaga

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA CONS - GEO 02. 01 Vaga INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA CONS - GEO 02 01 Vaga 1 - IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Consultoria para apoiar as ações do Programa Nacional de Crédito Fundiário

Leia mais

I Efetivação do compromisso social do IFAL com o Estado de Alagoas;

I Efetivação do compromisso social do IFAL com o Estado de Alagoas; PROGRAMA DE APOIO AO INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS PARA O DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES INTEGRADAS PROIFAL 1. OBJETIVO Apoiar o Instituto Federal de Alagoas IFAL nas atividades de ensino, pesquisa e extensão

Leia mais

Ano Internacional da Agricultura Familiar 16 de outubro Dia Mundial da Alimentação A FAO está na Internet, visite nosso site: www.fao.org.

Ano Internacional da Agricultura Familiar 16 de outubro Dia Mundial da Alimentação A FAO está na Internet, visite nosso site: www.fao.org. FOOD AND AGRICULTURE ORGANIZATION OF THE UNITED NATIONS ORGANISATION DES NATIONS UNIES POUR L ALIMENTATION ET L AGRICULTURE ORGANIZACION DE LAS NACIONES UNIDAS PARA LA AGRICULTURA Y LA ALIMENTACION ORGANIZAÇÃO

Leia mais

PROJETO INTEGRADOR III Alunos do Final do Módulo Processual. Cartilha de Orientação

PROJETO INTEGRADOR III Alunos do Final do Módulo Processual. Cartilha de Orientação PROJETO INTEGRADOR III Alunos do Final do Módulo Processual Cartilha de Orientação SUMÁRIO 1. Apresentação 2. Informações 2.1. Requisitos Específicos do Projeto Integrador III 2.2. Roteiro para elaboração

Leia mais

3.10.1. Educação da Comunidade para o Turismo

3.10.1. Educação da Comunidade para o Turismo PRODETUR NE-II PDITS Salvador e Entorno3.10.1 Capacitação da Comunidade para o Turismo 410 3.10.1. Educação da Comunidade para o Turismo Introdução O objetivo deste capítulo é analisar o nível de conscientização

Leia mais

Discriminação AÇÃO AÇÃO AÇÃO AÇÃO AÇÃO AÇÃO 7 8 9 10 11 12. Estudo da Capacidade de Carga de Recursos Turisticos Naturais do Pólo

Discriminação AÇÃO AÇÃO AÇÃO AÇÃO AÇÃO AÇÃO 7 8 9 10 11 12. Estudo da Capacidade de Carga de Recursos Turisticos Naturais do Pólo CUSTO PREVISTO DA AÇÃO (R$) - 1.000.000,00 300.000,00 1.000.000,00 3.000.000,00 2.000.000,00 400.000,00 1. CONDIÇÕES DE ACEITAÇÃO 1.1 Atende aos componentes dos Termos de Referência? 1.2 1.3 Escala da

Leia mais

Discriminação AÇÃO AÇÃO 67 68. Elaboração do Programa de Promoção de Eventos do Pólo Costa do Delta

Discriminação AÇÃO AÇÃO 67 68. Elaboração do Programa de Promoção de Eventos do Pólo Costa do Delta CUSTO PREVISTO DA AÇÃO (R$) - 840.000,00 2.500.000,00 1. CONDIÇÕES DE ACEITAÇÃO 1.1 Atende aos componentes dos Termos de Referência? 1.2 Escala da ação é compatível com a escala do programa? 1.3 Existem

Leia mais

EDITAL PROEX 101/2015

EDITAL PROEX 101/2015 EDITAL PROEX 101/2015 A Pró-Reitoria de Extensão da Universidade Estadual de Londrina, considerando a seleção de projetos para o Programa de Extensão Universitária Universidade Sem Fronteiras, conforme

Leia mais

REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA FACULDADE DE APUCARANA FAP

REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA FACULDADE DE APUCARANA FAP REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA FACULDADE DE APUCARANA FAP Regulamento do Curricular Supervisionado do Curso de Graduação em Pedagogia - Licenciatura Faculdade de

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO CONSULTOR

TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO CONSULTOR TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO CONSULTOR NOME DO PROJETO: PROJETO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL INTEGRADO E SUSTENTÁVEL PDRIS Nº ACORDO EMPRÉSTIMO: 8185-0/BR NÃO OBJEÇÃO - (TERMO DE REFERÊNCIA) Nº DO TDR:

Leia mais

Indicador(es) Órgão(s) 26 - Ministério da Educação

Indicador(es) Órgão(s) 26 - Ministério da Educação Programa úmero de Ações 13 1060 Brasil Alfabetizado e Educação de Jovens e Adultos Objetivo Indicador(es) Garantir acesso e permanência de jovens e adultos a programas educacionais que visam atender as

Leia mais

LEI Nº 15.853 DE 11 DE OUTUBRO DE 2011.

LEI Nº 15.853 DE 11 DE OUTUBRO DE 2011. LEI Nº 15.853 DE 11 DE OUTUBRO DE 2011. 1 Dispõe sobre a criação do Conselho Municipal de Economia Solidária e o Fundo Municipal de Fomento à Economia Solidária e dá outras providências. O Prefeito Municipal

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS PROJETO BRA/10/007

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS PROJETO BRA/10/007 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS PROJETO BRA/10/007 BOAS PRÁTICAS EM REDES NA IMPLANTAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PARA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA: SIPIA CONSELHO

Leia mais

PREFEITURA DE PORTO VELHO

PREFEITURA DE PORTO VELHO LEI Nº. 1628, DE 27 DE OUTUBRO DE 2005. Institui a Política Municipal de fomento à Economia Popular e Solidária na Cidade de Porto Velho e estabelece outras disposições. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE PORTO

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO EDITAL Nº 030 /2010 - PROJETO BRA/06/032 CÓDIGO: REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA URBANA O Projeto

Leia mais

Governo do Estado do Ceará Secretaria do Planejamento e Gestão SEPLAG Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará - IPECE

Governo do Estado do Ceará Secretaria do Planejamento e Gestão SEPLAG Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará - IPECE Governo do Estado do Ceará Secretaria do Planejamento e Gestão SEPLAG Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará - IPECE TERMO DE REFERÊNCIA Suporte Técnico Especializado em Licitações Pleno

Leia mais

INCUBADORA DE EMPRESAS I-DEIA EDITAL 01/2011 PROCEDIMENTOS PARA O PROCESSO SELETIVO

INCUBADORA DE EMPRESAS I-DEIA EDITAL 01/2011 PROCEDIMENTOS PARA O PROCESSO SELETIVO INCUBADORA DE EMPRESAS I-DEIA EDITAL 01/2011 PROCEDIMENTOS PARA O PROCESSO SELETIVO FEVEREIRO DE 2011 Telefones: (66) 3422 2461 / 6710 1 1. Apresentação da Incubadora de Empresas I-deia A Incubadora I-deia

Leia mais

EDITAL Verde-Amarelo/ Parques Tecnológicos: FINEP 04/2002

EDITAL Verde-Amarelo/ Parques Tecnológicos: FINEP 04/2002 EDITAL Verde-Amarelo/ Parques Tecnológicos: FINEP 04/2002 O Ministério da Ciência e Tecnologia, em cumprimento às recomendações do Comitê Gestor do Programa de Estímulo à Interação Universidade-Empresa

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA (PESSOA FÍSICA)

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA (PESSOA FÍSICA) TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA (PESSOA FÍSICA) Contrato por Produto Nacional CONSULTOR JÚNIOR Número e Título do Projeto: BRA/09/004 Fortalecimento da CAIXA no seu processo

Leia mais

DINAMIZAR O TURISMO E SERVIÇOS SUPERIORES GERADORES DE EMPREGO E RENDA

DINAMIZAR O TURISMO E SERVIÇOS SUPERIORES GERADORES DE EMPREGO E RENDA DIRETRIZ ESTRATÉGICA DINAMIZAR O TURISMO E SERVIÇOS SUPERIORES GERADORES DE EMPREGO E RENDA O segmento do turismo vem se constituindo na Bahia uma importante atividade na geração de ocupação e renda, especialmente

Leia mais

POLÍTICA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO

POLÍTICA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO REITORIA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO POLÍTICA

Leia mais

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL SECRETARIA NACIONAL DE PROTEÇÃO E DEFESA CIVIL

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL SECRETARIA NACIONAL DE PROTEÇÃO E DEFESA CIVIL MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL SECRETARIA NACIONAL DE PROTEÇÃO E DEFESA CIVIL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ESTUDOS E PESQUISAS SOBRE DESASTRES CEPED/RS CAPACITAÇÃO

Leia mais

EDITAL 022/2010 - PROJETO BRA/06/032 CÓDIGO: ECONÔMICO FINANCERIA

EDITAL 022/2010 - PROJETO BRA/06/032 CÓDIGO: ECONÔMICO FINANCERIA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO EDITAL 022/2010 - PROJETO BRA/06/032 CÓDIGO: ECONÔMICO FINANCERIA O Projeto BRA/06/032 comunica

Leia mais

11. EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

11. EDUCAÇÃO PROFISSIONAL 11. EDUCAÇÃO PROFISSIONAL A educação profissional no Brasil já assumiu diferentes funções no decorrer de toda a história educacional brasileira. Até a promulgação da atual LDBEN, a educação profissional

Leia mais

Art. 6º A inscrição deverá ser realizada de acordo com a ficha constante no anexo I, desta Lei.

Art. 6º A inscrição deverá ser realizada de acordo com a ficha constante no anexo I, desta Lei. LEI Nº 1.947, DE 13 DE OUTUBRO DE 2015. Autoriza o Poder Executivo a premiar os Profissionais da Educação Básica, na categoria de Gestor e Professor, da Rede Municipal de Ensino, que obtiverem experiências

Leia mais

P R O D E T U R C O N S U L T O R I A D E P R O J E T O S

P R O D E T U R C O N S U L T O R I A D E P R O J E T O S P R O D E T U R Agenda Apresentação Programas do BID PRODETUR Financiamento Projetos Casos de Sucesso Encerramento A P R E S E N T A Ç Ã O Consultoria de Projetos nasceu com o objetivo de ajudar as Prefeituras

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO AMBIENTAL TERMO DE REFERÊNCIA CONSULTORIA INDIVIDUAL

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO AMBIENTAL TERMO DE REFERÊNCIA CONSULTORIA INDIVIDUAL GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO AMBIENTAL TERMO DE REFERÊNCIA CONSULTORIA INDIVIDUAL ESPECIALISTA EM GESTÃO AMBIENTAL PARA APOIAR A UEP NA GESTÃO TÉCNICA DOS COMPONENTES 1 E 2. UNIDADE

Leia mais

CHAMADA INTERNA Nº 01/2012/Gabinete/IFBAIANO PROGRAMA CIÊNCIA ITINERANTE Programa de Fomento à Institucionalização do Projeto Escola Itinerante

CHAMADA INTERNA Nº 01/2012/Gabinete/IFBAIANO PROGRAMA CIÊNCIA ITINERANTE Programa de Fomento à Institucionalização do Projeto Escola Itinerante MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BAIANO GABINETE DA REITORIA CHAMADA INTERNA Nº 01/2012/Gabinete/IFBAIANO PROGRAMA

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA INDIVIDUAL: ELABORAÇÃO DOS PLANOS DE NEGÓCIOS DOS SUBPROJETOS DE ACESSO AO MERCADO

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA INDIVIDUAL: ELABORAÇÃO DOS PLANOS DE NEGÓCIOS DOS SUBPROJETOS DE ACESSO AO MERCADO TERMOS DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA INDIVIDUAL: ELABORAÇÃO DOS PLANOS DE NEGÓCIOS DOS SUBPROJETOS DE ACESSO AO MERCADO Salvador Maio 2016 Sumário 1. OBJETO... 4 2. OBJETIVO... 4 3. CONTEXTUALIZAÇÃO...

Leia mais

DA GESTÃO DO PROGRAMA

DA GESTÃO DO PROGRAMA DA GESTÃO DO PROGRAMA 1. INTRODUÇÃO O Programa Nacional de Apoio à Modernização da Gestão e do Planejamento dos Estados e DF (PNAGE) tem por objetivo geral melhorar a efetividade e a transparência institucional

Leia mais

http://sigproj1.mec.gov.br/projetos/imprimir.php?modalidade=1&projeto_id=126773...

http://sigproj1.mec.gov.br/projetos/imprimir.php?modalidade=1&projeto_id=126773... Página 1 de 7 Imprimir Fechar 1. Introdução 1.1 Identificação da Ação Título: A Melhor Idade na Era Digital 2013 Coordenador: Tipo da Ação: / Docente Projeto Edital: EDITAL PAEX 04/2012 Vinculada à Programa

Leia mais

Banco Interamericano de Desenvolvimento BANCO DO NORDESTE PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DO TURISMO NO NORDESTE FASE II PRODETUR/NE-II

Banco Interamericano de Desenvolvimento BANCO DO NORDESTE PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DO TURISMO NO NORDESTE FASE II PRODETUR/NE-II BANCO DO NORDESTE PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DO TURISMO NO NORDESTE FASE II PRODETUR/NE-II REGULAMENTO OPERACIONAL ÍNDICE Siglas INTRODUÇÃO 5 1.1. O que é o Prodetur /NE- II 5 1.2. Sobre este Manual 5

Leia mais

PROGRAMAS E PROJETOS PARA O DESENVOLVIMENTO DO ECOTURISMO NO PÓLO DO CANTÃO

PROGRAMAS E PROJETOS PARA O DESENVOLVIMENTO DO ECOTURISMO NO PÓLO DO CANTÃO º PROGRAMAS E S PARA O DESENVOLVIMENTO DO ECOTURISMO NO PÓLO DO CANTÃO Programa de utilização sustentável dos atrativos turísticos naturais Implementação do Plano de Manejo do Parque do Cantão Garantir

Leia mais

FAIN FACULDADE INDEPENDENTE DO NORDESTE COORDENAÇÃO DO CURSO DE ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO

FAIN FACULDADE INDEPENDENTE DO NORDESTE COORDENAÇÃO DO CURSO DE ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO FACULDADE INDEPENDENTE DO NORDESTE COORDENAÇÃO DO CURSO DE ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO VITÓRIA DA CONQUISTA 2007 COMPOSIÇÃO INSTITUCIONAL

Leia mais

PROJETO CEARÁ SWAP II

PROJETO CEARÁ SWAP II PROJETO CEARÁ SWAP II TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA PARA FASE 1 DA IMPLANTAÇÃO DE UM PROJETO TÉCNICO- PEDAGÓGICO NAS ESCOLAS PROFISSIONAIS DO ESTADO DO CEARÁ JUNHO/ 2010

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº XXXX CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA

TERMO DE REFERÊNCIA Nº XXXX CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA TERMO DE REFERÊNCIA Nº XXXX CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA Contrato por Produto - Nacional Número e Título do Projeto: BRA/09/004 Fortalecimento da CAIXA no seu processo de internacionalização

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação ANÁLISE PRELIMINAR DE PDTI

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação ANÁLISE PRELIMINAR DE PDTI MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação ANÁLISE PRELIMINAR DE PDTI Órgão: UNIVERSIDADE FEDERAL DE CIÊNCIA E SAÚDE DE PORTO ALEGRE - UFCSPA Objeto:

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA - CONSULTOR POR PRODUTO -

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA - CONSULTOR POR PRODUTO - MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA - CONSULTOR POR PRODUTO - 1. Número e Título do Projeto: BRA 09/004 - Aprimoramento

Leia mais

ORIENTAÇÕES GERAIS PARA ESTÁGIO DE PEDAGOGIA

ORIENTAÇÕES GERAIS PARA ESTÁGIO DE PEDAGOGIA ORIENTAÇÕES GERAIS PARA ESTÁGIO DE PEDAGOGIA INTRODUÇÃO Os Estágios Supervisionados constam de atividades de prática pré-profissional, exercidas em situações reais de trabalho, sem vínculo empregatício,

Leia mais

Participação da União em Projetos de Infra-estrutura Turística no Âmbito do PRODETUR SUL

Participação da União em Projetos de Infra-estrutura Turística no Âmbito do PRODETUR SUL Programa 0410 Turismo: a Indústria do Novo Milênio Objetivo Aumentar o fluxo, a taxa de permanência e o gasto de turistas no País. Público Alvo Turistas brasileiros e estrangeiros Ações Orçamentárias Indicador(es)

Leia mais

PROPOSTA DE AÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA

PROPOSTA DE AÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA PROPOSTA DE AÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA Proposta de ações para elaboração do Plano Estadual da Pessoa com Deficiência Objetivo Geral: Contribuir para a implementação

Leia mais

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO E NÃO OBRIGATÓRIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO E NÃO OBRIGATÓRIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO E NÃO OBRIGATÓRIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente regulamento da Faculdade Católica do Tocantins (Facto), mantida

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA PARA CREDENCIAMENTO NO SISTEMA EMBRAPII

CHAMADA PÚBLICA PARA CREDENCIAMENTO NO SISTEMA EMBRAPII CHAMADA PÚBLICA PARA CREDENCIAMENTO NO SISTEMA EMBRAPII A Associação Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial EMBRAPII torna público o processo de seleção para habilitar Polos EMBRAPII IF (PEIF). Os

Leia mais

Chamada de Propostas de Pesquisa na área de Mudanças Climáticas Globais Convênio FAPESP-FAPERJ

Chamada de Propostas de Pesquisa na área de Mudanças Climáticas Globais Convênio FAPESP-FAPERJ Chamada de Propostas de Pesquisa na área de Mudanças Climáticas Globais Convênio FAPESP-FAPERJ 1) Introdução A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo FAPESP e a Fundação de Amparo à Pesquisa

Leia mais

COMPANHIA IMOBILIÁRIA DE BRASÍLIA - TERRACAP AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DO DISTRITO FEDERAL

COMPANHIA IMOBILIÁRIA DE BRASÍLIA - TERRACAP AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DO DISTRITO FEDERAL COMPANHIA IMOBILIÁRIA DE BRASÍLIA - TERRACAP AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DO DISTRITO FEDERAL DIPRE Diretoria de Prospecção e Formatação de Novos Empreendimentos GEPRE Gerência de Prospecção de Novos Empreendimentos

Leia mais

DECRETO Nº 55.461, DE 29 DE AGOSTO DE 2014

DECRETO Nº 55.461, DE 29 DE AGOSTO DE 2014 Secretaria de Documentação Equipe de Documentação do Legislativo DECRETO Nº 55.461, DE 29 DE AGOSTO DE 2014 Institui a Política Municipal de Estímulo à Inovação e ao Desenvolvimento de Startups na Cidade

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE GRAVATAÍ

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE GRAVATAÍ FACULDADE DE TECNOLOGIA DE GRAVATAÍ REGIMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO Atualização do Regimento de 2012 Porto Alegre, março de 2015 Faculdade de Tecnologia de Porto Alegre Av. Julio de Castilhos,

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 78/2012. Acordo de Empréstimo LN 7513 BR COMPONENTE SAÚDE CONSULTORIA PESSOA FÍSICA

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 78/2012. Acordo de Empréstimo LN 7513 BR COMPONENTE SAÚDE CONSULTORIA PESSOA FÍSICA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 78/0 Acordo de Empréstimo LN 753 BR COMPONENTE SAÚDE CONSULTORIA PESSOA FÍSICA OBJETIVO: Prestação de Serviços Técnicos especializados de Consultoria para Assessoria Jurídica de

Leia mais

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DO BASQUETE MINEIRO

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DO BASQUETE MINEIRO PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DO BASQUETE MINEIRO O que é? O Programa de Desenvolvimento do Basquete Mineiro (PDBM) é um projeto focado no atendimento as demandas dos clubes e escolas, em novas metodologias

Leia mais

Termo de Referência para Elaboração de Plano de Gestão de Praça do PAC modelo de 3000m 2

Termo de Referência para Elaboração de Plano de Gestão de Praça do PAC modelo de 3000m 2 MINISTÉRIO DA CULTURA Diretoria de Infraestrutura Cultural Secretaria Executiva Termo de Referência para Elaboração de Plano de Gestão de Praça do PAC modelo de 3000m 2 1. Objetivos A Praça do PAC é de

Leia mais

Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde

Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde REGIMENTO DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM VIGILÂNCIA SANITÁRIA DO INSTITUTO NACIONAL DE CONTROLE DE QUALIDADE EM SAÚDE 1. Objetivos e Organização Geral 1.1- Os cursos de pós-graduação lato sensu oferecidos

Leia mais

Termo de Referência - Assessor UGP Processo Seletivo RSBIO nº 018 UGP

Termo de Referência - Assessor UGP Processo Seletivo RSBIO nº 018 UGP UGP SELEÇÃO DE CONSULTORES AVISO DE SOLICITAÇÃO DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE PROJETO RS BIODIVERSIDADE / GEF / BANCO MUNDIAL SERVIÇOS DE CONSULTORIA INDIVIDUAL O Estado do Rio Grande do Sul recebeu uma

Leia mais

PROJETO INTEGRADOR II Alunos do Final do Módulo Organizacional

PROJETO INTEGRADOR II Alunos do Final do Módulo Organizacional PROJETO INTEGRADOR II Alunos do Final do Módulo Organizacional Cartilha de Orientação SUMÁRIO 1. Apresentação 2. Informações 2.1. Requisitos Específicos do Projeto Integrador II 2.2. Roteiro para elaboração

Leia mais

PROJETO ESCOLA DE FÁBRICA

PROJETO ESCOLA DE FÁBRICA PROJETO APRESENTAÇÃO O projeto Escola de Fábrica é uma iniciativa do Governo Federal, através do e da Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica, que pretende possibilitar a inclusão social de jovens

Leia mais

Manual de. Estágio Curricular Supervisionado. Bacharelado

Manual de. Estágio Curricular Supervisionado. Bacharelado 1 Manual de Estágio Curricular Supervisionado Bacharelado 2 APRESENTAÇÃO O Manual de Estágio Curricular Supervisionado está organizado de forma objetiva e prática, buscando definir informações e conceitos

Leia mais

Gestão em Sistemas de Saúde

Gestão em Sistemas de Saúde INSTITUTO NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES Inatel Competence Center Business School Gestão em Sistemas de Saúde Projeto Pedagógico de Curso de Extensão Curricular Aprovado no dia XX/XX/2013 Pró diretoria de

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro Campus São Gonçalo CoEX - Coordenação de Extensão EDITAL INTERNO

Leia mais

EDITAL DE CONVOCAÇÃO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE APOIO A PROJETOS DE PESQUISA 2015.2

EDITAL DE CONVOCAÇÃO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE APOIO A PROJETOS DE PESQUISA 2015.2 EDITAL DE CONVOCAÇÃO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE APOIO A PROJETOS DE PESQUISA 2015.2 A Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Comunitária da Universidade Salvador UNIFACS torna público e convoca

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2013-2017 COOPERATIVISMO: QUEM MOVIMENTA SÃO AS PESSOAS

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2013-2017 COOPERATIVISMO: QUEM MOVIMENTA SÃO AS PESSOAS PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2013-2017 COOPERATIVISMO: QUEM MOVIMENTA SÃO AS PESSOAS MENSAGEM DO PRESIDENTE O cooperativismo vive seu momento de maior evidência. O Ano Internacional das Cooperativas, instituído

Leia mais

PLANO DE TRABALHO Qualificação de Recursos Humanos para o Turismo da Região do Vale do Taquari. Cargo Presidente

PLANO DE TRABALHO Qualificação de Recursos Humanos para o Turismo da Região do Vale do Taquari. Cargo Presidente PLANO DE TRABALHO Qualificação de Recursos Humanos para o Turismo da Região do Vale do Taquari 1 DADOS CADASTRAIS Órgão/Entidade Proponente Associação dos Municípios de Turismo da Região dos Vales - AMTURVALES

Leia mais

3.1 Ampliar o número de escolas de Ensino Médio de forma a atender a demanda dos bairros.

3.1 Ampliar o número de escolas de Ensino Médio de forma a atender a demanda dos bairros. Meta 1 - Universalizar, até 2016, o atendimento escolar da população de quatro e cinco anos, e ampliar, até 2025, a oferta de Educação Infantil de forma a atender a 50% da população de até 3 anos. Estratégias:

Leia mais

MA160.MA.77/RT.001 3.18. PROGRAMA DE ATENDIMENTO MÉDICO SANITÁRIO PARA A POPULAÇÃO RESIDENTE NA AID

MA160.MA.77/RT.001 3.18. PROGRAMA DE ATENDIMENTO MÉDICO SANITÁRIO PARA A POPULAÇÃO RESIDENTE NA AID 3.18. PROGRAMA DE ATENDIMENTO MÉDICO SANITÁRIO PARA A POPULAÇÃO RESIDENTE NA AID 3.18.1. Introdução O quadro de saúde da região da área de influência direta do empreendimento traduzido pelas condições

Leia mais

Leslier Soares Corrêa Estácio de Sá / Facitec Abril/Maio 2015

Leslier Soares Corrêa Estácio de Sá / Facitec Abril/Maio 2015 Leslier Soares Corrêa Estácio de Sá / Facitec Abril/Maio 2015 O Gerenciamento de Integração do Projeto envolve os processos necessários para assegurar que os diversos elementos do projeto serão coordenados

Leia mais

Aula 8 ELABORAÇÃO DO PROJETO DE PESQUISA. Weverton Santos de Jesus João Paulo Mendonça Lima

Aula 8 ELABORAÇÃO DO PROJETO DE PESQUISA. Weverton Santos de Jesus João Paulo Mendonça Lima Aula 8 ELABORAÇÃO DO PROJETO DE PESQUISA META Apresentar e descrever a construção de um projeto de pesquisa e seus elementos pré-textuais, textuais e pós-textuais; OBJETIVOS Ao fi nal desta aula, o aluno

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA A INSTITUCIONALIZAÇÃO DAS ATIVIDADES DE EXTENSÃO

ORIENTAÇÕES PARA A INSTITUCIONALIZAÇÃO DAS ATIVIDADES DE EXTENSÃO ORIENTAÇÕES PARA A INSTITUCIONALIZAÇÃO DAS ATIVIDADES DE EXTENSÃO CURSOS DE EXTENSÃO: Caracterizados como um conjunto articulado de ações pedagógicas, de caráter teórico e/ou prático, presencial ou à distância,

Leia mais

R E G U L A M E N T O 1

R E G U L A M E N T O 1 R E G U L A M E N T O 1 APRESENTAÇÃO Art. 1 o O PRÊMIO IPEA-CAIXA 2006, do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada IPEA e da Caixa Econômica Federal CAIXA, instituído pela Portaria Conjunta n o 01 de

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Sustentável de Cadeias Produtivas TERMO DE REFERÊNCIA Nº 003/2015

Programa de Desenvolvimento Sustentável de Cadeias Produtivas TERMO DE REFERÊNCIA Nº 003/2015 Programa de Desenvolvimento Sustentável de Cadeias Produtivas i) Função no Projeto: Projeto ATN/ME-10104 BR TERMO DE REFERÊNCIA Nº 003/2015 Contratação de 01 (um) consultor na modalidade produto ii) Antecedentes

Leia mais

EDITAL DE CONTRATAÇÃO 001/2015 FÓRUM BRASILEIRO DE SEGURANÇA PÚBLICA CNPJ: 08.011.968/0001-25

EDITAL DE CONTRATAÇÃO 001/2015 FÓRUM BRASILEIRO DE SEGURANÇA PÚBLICA CNPJ: 08.011.968/0001-25 EDITAL DE CONTRATAÇÃO 001/2015 FÓRUM BRASILEIRO DE SEGURANÇA PÚBLICA CNPJ: 08.011.968/0001-25 O Fórum Brasileiro de Segurança Pública, Organização da Sociedade Civil de Interesse Público (OSCIP), torna

Leia mais

PLANO NACIONAL DE DANÇA

PLANO NACIONAL DE DANÇA PLANO NACIONAL DE DANÇA I APRESENTAÇÃO II - DIRETRIZES E AÇÕES II HISTÓRICO DO SETOR NO PAÍS III DIAGNOSE DE POTENCIAL E PONTOS CRÍTICOS DO SETOR IV DADOS DO SETOR PARA O SISTEMA DE INFORMAÇÕES E INDICADORES

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS CONSELHO DE ALTOS ESTUDOS E AVALIAÇÃO TECNOLÓGICA GRUPO DE ESTUDOS SOBRE A CAPACITAÇÃO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SEBRAE

CÂMARA DOS DEPUTADOS CONSELHO DE ALTOS ESTUDOS E AVALIAÇÃO TECNOLÓGICA GRUPO DE ESTUDOS SOBRE A CAPACITAÇÃO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SEBRAE CÂMARA DOS DEPUTADOS CONSELHO DE ALTOS ESTUDOS E AVALIAÇÃO TECNOLÓGICA GRUPO DE ESTUDOS SOBRE A CAPACITAÇÃO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SEBRAE Brasília, 18 de maio de 2010. MPE? Conceituação Brasil REPRESENTATIVIDADE

Leia mais

NOTA INFORMATIVA Nº 20/2014 de 07 de novembro de 2014. Assunto: processo de pactuação de vagas 2015-1. Prezados Coordenadores,

NOTA INFORMATIVA Nº 20/2014 de 07 de novembro de 2014. Assunto: processo de pactuação de vagas 2015-1. Prezados Coordenadores, NOTA INFORMATIVA Nº 20/2014 de 07 de novembro de 2014 Assunto: processo de pactuação de vagas 2015-1. Prezados Coordenadores, Nos dias 3 e 4 deste mês participamos de reunião com a coordenação nacional

Leia mais

Fundamentos de Parcerias Público-Privadas (PPPs)

Fundamentos de Parcerias Público-Privadas (PPPs) Fundamentos de Parcerias Público-Privadas (PPPs) Organização: Unidade de Parcerias Público-Privadas - Secretaria de Estado de Economia e Planejamento (SEP) Vitória, 26.11.2010 Objetivos do Curso Apresentar

Leia mais

I CONFERÊNCIA PARAENSE DE CONTABILIDADE REGULAMENTO DE TRABALHOS TÉCNICOS E CIENTÍFICOS. Tema: A CONTABILIDADE PARA O DESENVOLVIMENTO DA AMAZÔNIA

I CONFERÊNCIA PARAENSE DE CONTABILIDADE REGULAMENTO DE TRABALHOS TÉCNICOS E CIENTÍFICOS. Tema: A CONTABILIDADE PARA O DESENVOLVIMENTO DA AMAZÔNIA REGULAMENTO DE TRABALHOS TÉCNICOS E CIENTÍFICOS Tema: A CONTABILIDADE PARA O DESENVOLVIMENTO DA AMAZÔNIA Belém 2014-1 - REGULAMENTO CAPÍTULO I DA COMPOSIÇÃO, LOCAL E DATA DE REALIZAÇÃO, DOS OBJETIVOS E

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Consultoria para promover estudos, formular proposições e apoiar as Unidades

Leia mais