I DETERMINAÇÃO DE TRIHALOMETANOS EM ÁGUAS DE ABASTECIMENTO UTILIZANDO-SE A TÉCNICA MIMS (MEMBRANE INTRODUCTION MASS SPECTROMETRY)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "I - 077 DETERMINAÇÃO DE TRIHALOMETANOS EM ÁGUAS DE ABASTECIMENTO UTILIZANDO-SE A TÉCNICA MIMS (MEMBRANE INTRODUCTION MASS SPECTROMETRY)"

Transcrição

1 I DETERMINAÇÃO DE TRIHALOMETANOS EM ÁGUAS DE ABASTECIMENTO UTILIZANDO-SE A TÉCNICA MIMS (MEMBRANE INTRODUCTION MASS SPECTROMETRY) João Tito Borges (1) Mestre e Doutorando em Saneamento e Ambiente pela UNICAM P- Atualmente FOTO desenvolve trabalhos com processos alternativos de desinfecção, sub-produtos da desinfecção e qualidade de águas. NÃO José Roberto Guimarães (2) Professor assistente doutor do Departamento de Saneamento e Ambiente da Faculdade de DISPONÍVEL Engenharia Civil UNICAMP. Atualmente trabalha com química sanitária/ambiental, qualidade de águas e tratamento de águas de abastecimento e residuárias. Marcos Nogueira Eberlin (3) Professor doutor do Instituto de Química da Unicamp. Estuda espectrometria de massas pentaquadrupolar, as aplicações analíticas e sintéticas de reações de íon-molécula na forma gasosa e aplica a técnica MIMS em amostras aquosas de origem natural e biológicas. Endereço (1) : Rua Gustavo Marcondes, 45 J. Madalena - Campinas - SP CEP: Brasil - Tel: (19) RESUMO Neste trabalho foram determinadas as concentrações de trihalometanos nas águas das redes de abastecimento nas cidades de Campinas e Paulínia (Estado de São Paulo) utilizando-se a técnica MIMS (Membrane Introduction Mass Spectrometry). As águas de abastecimento das cidades de Campinas e Paulínia, analisadas durante o período de outubro de 2000 a abril de 2001 não apresentaram valores de trihalometanos totais acima do permitido pela Portaria 1469 do Ministério da Saúde de 29 de dezembro de Um valor médio maior de 44 µg/l, foi encontrado nas amostras das águas de Paulínia que utiliza cloro livre na desinfecção. Para Campinas, que utiliza o processo de cloroamoniação como desinfetante, obteve-se um valor médio de 17 µg/l. PALAVRAS-CHAVE: trihalometanos, MIMS, águas, abastecimento. INTRODUÇÃO Durante a desinfecção de águas com cloro livre ocorre a formação do ácido hipocloroso, HOCl. Parte deste ácido se dissocia para formar o ânion hipoclorito (OCl - ) e o íon hidrogênio (H + ). Se o ânion brometo (Br - ) estiver presente durante o processo de desinfecção, ele é oxidado a ácido hipobromoso (HBrO). Os ácidos hipocloroso e hipobromoso reagem com material orgânico de ocorrência natural (NOM) para formar compostos, dentre os quais os trihalometanos (THMs). As espécies de trihalometanos que são formados em maior proporção são: clorofórmio (CHCl 3 ), bromodiclorometano (CHBrCl 2 ), dibromoclorometano (CHBr 2 Cl) e o bromofórmio (CHBr 3 ). A soma da concentração destes compostos é denominada TTHM - trihalometanos totais. (BORGES & GUIMARÃES, 2000). Foi no início da década de 1970 nos EUA e Holanda que descobriu-se que os trihalometanos eram produzidos durante a cloração das águas (ROOK, 1974; BELLAR, 1974 apud AWWA, 1992). SYMONS. et al. (1975) e USEPA (1978) fizeram um amplo levantamento da presença destes compostos e constataram a ocorrência significativa dos mesmos em águas de abastecimento. Em 1976, o Instituto Americano de Pesquisas do Câncer publicou uma reportagem relacionando o clorofórmio à presença de câncer em animais de laboratório. Desde esta ocasião, estudos epidemiológicos têm sido realizados para levantar os riscos à população associados à contribuição da água clorada para a incidência de câncer da bexiga, colo e reto. Há uma maior evidência sobre o câncer da bexiga que os outros tipos de câncer (USEPA, 1998a). ABES Trabalhos Técnicos 1

2 Em novembro de 1979, a EPA (agência de proteção ao ambiente dos Estados Unidos da América) emitiu um máximo valor permitido para TTHM (trihalometanos totais) de 0,1 mg/l como uma média anual para sistemas de distribuição de águas que servissem a populações acima de pessoas. Em 16 de dezembro de 1998 a mesma agência promulgou a redução de trihalometanos e uma série de outras restrições quanto à concentração de sub-produtos da desinfecção em águas para abastecimento público (USEPA, 1998a): - reduziu-se a concentração de TTHM máxima permissível de 0,1 mg/l para 0,08 mg/l; - extendeu-se a concentração máxima permissível para qualquer que seja a capacidade da ETA (estação de tratamento de água); - recomendou-se a otimização nos sistemas de coagulação o enhanced coagulation, que é um termo utilizado para indicar a otimização do sistema de coagulação, com o objetivo de eliminar possíveis precursores da formação de subprodutos da desinfecção; - estabeleceu-se residuais máximos para cloro livre residual, cloraminas e dióxido de cloro residual; - estabeleceu-se a concentração máxima permissível para cinco ácidos haloacéticos (HAA 5 ), bromato e clorito; Obs: O termo HAA 5, define a soma das concentrações de ácidos mono, di e tricloroacéticos, mais a soma de mono e dibromoacéticos. No Brasil, conforme Portaria 1469 do Ministério da Saúde, de 2000, adota-se um valor máximo permitido de 0,1 mg/l para trihalometanos totais (BRASIL, 2000). Há várias abordagens utilizadas para o controle da formação de THM em águas de abastecimento. O meio mais prático é reduzir a presença de precursores, isto é, reduzir a concentração de material orgânico de origem natural (NOM) na água a ser clorada, otimizando-se o processo de coagulação/floculação. Além do controle da qualidade da água bruta, outras estratégias para o controle da formação de subprodutos da desinfecção têm sido realizadas com os seguintes procedimentos (AWWA, 1992), (USEPA, 1998b): - utilização de um desinfetante alternativo ao cloro (cloroamoniação, dióxido de cloro, ozônio, radiação ultravioleta, permanganato de potássio e outros); - modificação do local da dosagem de cloro; - uso de dois diferentes oxidantes; - uso de carvão em pó ativado para a remoção de precursores de THM ou a redução destes compostos após a sua formação. O objetivo do presente trabalho foi o de comparar os valores de concentração de trihalometanos encontrados nas redes de distribuição de águas abastecimento nas cidades de Campinas e Paulínia, em pontos aleatórios, durante o período outubro/2000 a abril/2001. Também foi otimizada a técnica MIMS para a determinação dessa classe de composto. MATERIAIS E MÉTODOS As amostras das águas foram coletadas em vidro âmbar, preenchendo-se o frasco e mantendo-as sob refrigeração até o momento das análises (realizadas no mesmo dia). Em Campinas foram analisadas 90 amostras em dias diferentes, no período de outubro de 2000 a abril de 2001, na rede de abastecimento das regiões da cidade servidas pelas águas da ETA 3 e ETA 4. Essa estações de Tratamento de água são operadas pela SANASA e estão localizadas no distrito de Souzas, no município de Campinas. Utilizam água bruta do Rio Atibaia, captada à montante da Cidade de Campinas. Também foram coletadas amostras de água na rede de distribuição de Paulínia, oriundas da ETA operada pela SABESP, e localizada no bairro João Aranha, a qual capta água bruta do Rio Jaguari à montante do reservatório de Salto Grande (Americana S.P.). Foram analisadas 80 amostras, obtidas em dias diferentes e em diferentes pontos da rede, durante o mesmo período colocado anteriormente. No momento da coleta foi determinado o teor de cloro livre e cloro total nas amostras. Os métodos utilizados se encontram na Tabela 1. A técnica utilizada para a quantificação dos trihalometanos foi a Espectrometria de Massas por Introdução via Membranas (MIMS), do inglês Membrane Introduction Mass Spectrometry, que baseia-se na transferência 2 ABES Trabalhos Técnicos

3 de vapor de substâncias orgânicas de uma matriz aquosa para um espectrômetro de massas (Figura 1 e Figura 2). A amostra de água é injetada por uma bomba peristáltica e os compostos orgânicos migram da solução aquosa para a membrana, se concentram e evaporam da superfície da membrana para a fonte de ionização a alto vácuo do espectrômetro de massas, onde são ionizados. A hidrofobicidade da membrana e a permeabilidade aos compostos orgânicos voláteis permite que aconteçam os processos de extração, concentração e a injeção da amostra, rápida e simultaneamente. Este processo de permeação depende das propriedades moleculares do analito e do material do qual é feita a membrana. As membranas tipicamente usadas são de polímeros orgânicos, tais como polietileno e PTFE para monitoramento de gás e polímeros baseados em silicone para análise de compostos orgânicos voláteis em solução aquosa ou no ar. Na determinação de trihalometanos nas águas de abastecimento utilizando-se a técnica MIMS, foram usados padrões de THM certificados (Trihalomethanes Mix) da Supelco. Tanto as amostras quanto os padrões foram analisados após serem refrigerados, para evitar-se a perda de analito por evaporação. Foram monitorizados os íons m/z 83, m/z 129 e m/z 173. O íon de m/z 83 representa a soma dos componentes triclorometano e monobromoclorometano, o íon m/z 129 representa o dibromoclorometano, e o íon de m/z 173 representa o tribromometano. Tabela 1 Parâmetros, métodos analíticos, equipamentos utilizados e referências Parâmetro Método Equipamento Referência Cloro Total DPD comparação visual HACH Test CN-66 Cloro Livre Residual Trihalometanos Totais DPD comparação visual Membrane Introduction Mass Spectrometry (MIMS) HACH Test CN-66 Extrel -ABB Quadrupolar APHA, 1995 APHA, 1995 Kotiaho et al., 1991 Figura 1 Esquema simplificado do sistema MIMS ABES Trabalhos Técnicos 3

4 Figura 2 Fotos do Sistema MIMS RESULTADOS E DISCUSSÃO A ETA 3-4 de Campinas realiza o processo de cloroamoniação como processo de desinfecção. A amônia reage com o cloro livre para formar cloraminas. No processo a amônia é adicionada antes do cloro gasoso e a proporção utilizada varia dependendo do teor de amônia na água bruta. A relação (Cl/NH 3 ) utilizada é de 3 a 4:1 em massa. A mistura que resulta pode conter monocloramina (NH 2 Cl), dicloramina (NHCl 2 ), ou tricloramina (NCl 3 ), A proporção entre essas espécies depende do ph, da relação cloro/ amônia e do tempo de contato. O potencial desinfetante das cloraminas foi identificado ainda no início do século XX. Estes compostos são formados pela reação de amônia com cloro e inicialmente foram usados para o controle de odor e sabor. Portanto, logo percebeu-se que as estes compostos eram mais estáveis que o cloro livre no sistema de distribuição e efetivamente tinham um poder desinfetante para o controle de recrescimento de microrganismos na rede evitando-se a formação de biofilmes, como resultado foram usados regularmente nas décadas de 1930 e 1940 para desinfecção e em seguida o processo foi sub-utilizado. Após a descoberta da presença de trihalometanos nas redes de abastecimento verificou-se que a aplicação da amônia em conjunto com o cloro reduzia a formação destes compostos (WHITE, 1999). A ETA Sabesp de Paulínia utiliza o processo de cloração com cloro gasoso no processo de desinfecção. Nas Figura 3 e Figura 4 são apresentados os resultados da determinação da concentração de trihalometanos totais nas redes de abastecimento de Campinas e Paulínia entre os meses de outubro de 2000 e abril de /10/00 20/11/00 09/01/01 28/02/01 19/04/01 DATA COLETA E ANÁLISE Figura 3 - Determinação da concentração de Trihalometanos Totais na rede de abastecimento de Campinas 4 ABES Trabalhos Técnicos

5 /10/00 20/11/00 09/01/01 28/02/01 19/04/01 DATA DA COLETA E ANÁLISE Figura 4 - Determinação da concentração de Trihalometanos Totais na rede de abastecimento de Paulínia Na Tabela 4 são mostrados os dados relativos a um estudo estatístico dos valores de concentração de trihalometanos totais obtidos nas amostras de Paulínia e Campinas, onde são contemplados os valores máximos, mínimos e médios e a medida da dispersão dos dados obtidos. Enquanto que na Tabela 5 são apresentados os resultados e um estudo estatístico para o cloro livre e total. Tabela 4 Valores de trihalometanos totais (mg/l) obtidos nas amostras de Paulínia e Campinas Parâmetro Paulínia Campinas Média Aritmética Desvio Médio 13,29 7,32 Desvio Padrão 16,34 9,11 Valor Mínimo 16 5 Valor Máximo Tabela 5 Valores de cloro total e cloro livre (mg/l) obtidos nas amostras de Paulínia e Campinas Parâmetro Paulínia Campinas Cloro livre Cloro total Cloro livre Cloro total Média Aritmética 0,7 0,8 0,2 2,8 Valor Mínimo 0,1 0,1 0,1 2,3 Valor Máximo 1,1 1,2 0,6 4,3 Há uma diferença fundamental nas proporções de trihalometanos formados nas redes de Campinas e Paulínia. Enquanto Paulínia utiliza a cloração com cloro gasoso, as ETAs 3 e 4 de Campinas utilizam o processo de cloroamoniação, processo este reconhecidamente inibidor da formação destes compostos halogenados (TITO BORGES, ALBERICI, et al., 2000). Ressalta-se ainda uma menor dispersão nos valores obtidos para as amostras de Campinas, verificada pelos desvios padrão e desvio médio. ABES Trabalhos Técnicos 5

6 As duas redes de distribuição de água analisadas não apresentaram valores de triahalometanos totais acima do permitido pela Portaria 1469 do Ministério da Saúde de 29 de dezembro de 2000 publicada em 02 de janeiro de Ressalta-se, porém, que na rede de abastecimento de Paulínia a média dos valores encontrados foi maior que o dobro (44 µg/l) da média dos valores encontrados em Campinas (17 µg/l). Apesar das características das águas e os processos de tratamento serem diferentes, os resultados obtidos sugerem que o processo de cloroamoniação reduz a formação de trihalometanos, frente a utilização com cloro livre. A técnica MIMS, é uma técnica que não necessita de pré-concentração da amostra, agilizando o processo de quantificação de THMs. Um inconvenientes desta técnica para a análise de trihalometanos é quanto à não separação entre triclorometano e bromodiclorometano, porque estes dois compostos apresentam espectros de massas semelhantes e o íon m/z 83, o íon de maior intensidade, coincidentemente, a quantificação individual destes dois compostos não é então possível. Fora este inconveniente, a técnica se apresentou como uma excelente alternativa à cromatografia gasosa para a análise quantitativa de trihalometanos em águas de abastecimento. AGRADECIMENTOS: FAPESP SABESP Paulínia S.P. SANASA Campinas S.P. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 1. AWWA (1992) Survey of water quality practices. Journal of American water works association, Sept BRASIL (2000).Portaria 1469 do Ministério da Saúde de 29 de dezembro de KOTIAHO, T. et al. (1991) Membrane introduction mass spectrometry. Analytical Chemistry, v.63, MENDES, M. A. et al. (1996) A criotrap membrane introduction mass spectrometry system for analysis of volatile organic compounds in water at the low parts-per-trillion level. Analytical Chemistry, v. 68, SYMONS, J. M. et al. (1975) National organics reconnaiscence survey for halogenated organics. Journal of American water works association, Nov TITO BORGES, J., GUIMARÃES, J.R. (2000) A cloração e o residual de cloro na água - uma abordagem polêmica. Seminário Nacional de Microbiologia Aplicada ao Saneamento. Vitória E.S., junho de TITO BORGES, J., ALBERICI R.M. et al (2000) Avaliação do potencial de formação de trihalometanos em águas de abastecimento utilizando-se a técnica MIMS (Membrane Introduction Mass Spectroscopy). XXVII Congresso Interamericano de Ingenieria Sanitaria y Ambiental. Porto Alegre, R.S, dezembro de USEPA (1978) The national organics monitoring survey. Cincinati. Ohio. 9. USEPA (1998a) Disinfectants and disinfection byproducts. Final rule. Fed. Reg. 63: 241: USEPA (1998b) Alternative disinfectants and oxidants guidance manual. 11. WHITE, C (1999) Handbook of chlorination and alternative disinfectants. 4 th Wiley-Interscience Publication, New York. 6 ABES Trabalhos Técnicos

DIAGNÓSTICO DA OCORRÊNCIA DE TRIALOMETANOS (THMS) NA REDE DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DE FORTALEZA CE, BRASIL.

DIAGNÓSTICO DA OCORRÊNCIA DE TRIALOMETANOS (THMS) NA REDE DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DE FORTALEZA CE, BRASIL. DIAGNÓSTICO DA OCORRÊNCIA DE TRIALOMETANOS (THMS) NA REDE DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DE FORTALEZA CE, BRASIL. Fuad Moura Guimarães Braga* Engenheiro Civil pela Universidade Federal do Ceará (UFC). Mestrando

Leia mais

I-015 AVALIAÇÃO DO DIÓXIDO DE CLORO COMO PRÉ-OXIDANTE ALTERNATIVO AO CLORO APLICADO EM ÁGUA CONTENDO SUBTÂNCIAS HÚMICAS

I-015 AVALIAÇÃO DO DIÓXIDO DE CLORO COMO PRÉ-OXIDANTE ALTERNATIVO AO CLORO APLICADO EM ÁGUA CONTENDO SUBTÂNCIAS HÚMICAS I-015 AVALIAÇÃO DO DIÓXIDO DE CLORO COMO PRÉ-OXIDANTE ALTERNATIVO AO CLORO APLICADO EM ÁGUA CONTENDO SUBTÂNCIAS HÚMICAS Cristina Filomena Pereira Rosa Paschoalato (1) Engenheira Química, Doutora em Hidráulica

Leia mais

ARTIGO / ARTICLE. Sheila T. Meyer 1

ARTIGO / ARTICLE. Sheila T. Meyer 1 ARTIGO / ARTICLE O Uso de Cloro na Desinfecção de Águas, a Formação de Trihalometanos e os Riscos Potenciais à Saúde Pública Chlorine Use in Water Disinfection, Trihalomethane Formation, and Potential

Leia mais

Saneamento I Tratamento de água. Eduardo Cohim edcohim@gmail.com

Saneamento I Tratamento de água. Eduardo Cohim edcohim@gmail.com Saneamento I Tratamento de água Eduardo Cohim edcohim@gmail.com 1 Concepção de sistemas de abastecimento de água Estação de tratamento ETA Conjunto de unidades destinado a tratar a água, adequando suas

Leia mais

I-126 - O USO DO PERMANGANATO DE POTÁSSIO NO CONTROLE DE TRIHALOMETANOS E COMPOSTOS CAUSADORES DE GOSTO E ODOR

I-126 - O USO DO PERMANGANATO DE POTÁSSIO NO CONTROLE DE TRIHALOMETANOS E COMPOSTOS CAUSADORES DE GOSTO E ODOR I-126 - O USO DO PERMANGANATO DE POTÁSSIO NO CONTROLE DE TRIHALOMETANOS E COMPOSTOS CAUSADORES DE GOSTO E ODOR José Roberto Kachel dos Santos Engenheiro Civil pela Faculdade de Engenharia da UMC. Engenheiro

Leia mais

ESTUDO DA REMOÇÃO DE MATÉRIA ORGÂNICA DISSOLVIDA NA ÁGUA DO RIO CÁVADO

ESTUDO DA REMOÇÃO DE MATÉRIA ORGÂNICA DISSOLVIDA NA ÁGUA DO RIO CÁVADO ESTUDO DA REMOÇÃO DE MATÉRIA ORGÂNICA DISSOLVIDA NA ÁGUA DO RIO CÁVADO Filomena PEIXOTO (1) ; Chia-Yau CHENG (2) RESUMO A remoção da matéria orgânica natural dissolvida (MOND) tem sido encarada como a

Leia mais

OS EFEITOS DA PRÉ-OXIDAÇÃO DA ÁGUA BRUTA EM ETA DE PEQUENO PORTE NA PRODUÇÃO DE ÁGUAS DE ABASTECIMENTO

OS EFEITOS DA PRÉ-OXIDAÇÃO DA ÁGUA BRUTA EM ETA DE PEQUENO PORTE NA PRODUÇÃO DE ÁGUAS DE ABASTECIMENTO OS EFEITOS DA PRÉ-OXIDAÇÃO DA ÁGUA BRUTA EM ETA DE PEQUENO PORTE NA PRODUÇÃO DE ÁGUAS DE ABASTECIMENTO Tsunao Matsumoto (1) Engenheiro Civil Mestre e Doutor em Hidráulica e Saneamento EESC - USP Departamento

Leia mais

Tratamento de Água. Numa estação de tratamento de água, o processo ocorre em etapas:

Tratamento de Água. Numa estação de tratamento de água, o processo ocorre em etapas: Tratamento de Água Definição Tratamento de Água é um conjunto de procedimentos físicos e químicos que são aplicados na água para que esta fique em condições adequadas para o consumo, ou seja, para que

Leia mais

Qual é o método mais fácil e seguro de desinfecção d água e superfícies?

Qual é o método mais fácil e seguro de desinfecção d água e superfícies? Qual é o método mais fácil e seguro de desinfecção d água e superfícies? Compostos que liberam cloro em contato com a água são os desinfetantes mais comuns. Cloro Gás Hipoclorito de sódio Hipoclorito de

Leia mais

Aula 7 (17/06): Não haverá aula (ENCI) Aula 8 (24/06): 1º seminário (artigo sobre Água)

Aula 7 (17/06): Não haverá aula (ENCI) Aula 8 (24/06): 1º seminário (artigo sobre Água) QUÍMICA ANALÍTICA AMBIENTAL 1º período de 2013 LEMBRETES Aula 7 (17/06): Não haverá aula (ENCI) Aula 8 (24/06): 1º seminário (artigo sobre Água) Prof. Rafael Sousa Departamento de Química UFJF Dicas para

Leia mais

Palavras-chave: Moringa oleifera Lam, coagulação/floculação, adsorção em carvão, trihalometanos, tratamento de água.

Palavras-chave: Moringa oleifera Lam, coagulação/floculação, adsorção em carvão, trihalometanos, tratamento de água. Estudo da formação de trihalometanos no processo de coagulação/floculação/adsorção em carvão ativado vegetal com o coagulante natural Moringa oleifera Lam para tratamento de água de abastecimento Tássia

Leia mais

Professor Antônio Ruas. 1. Créditos: 60 2. Carga horária semanal: 4 3. Semestre: 2 4. Água, importância e tratamento

Professor Antônio Ruas. 1. Créditos: 60 2. Carga horária semanal: 4 3. Semestre: 2 4. Água, importância e tratamento Universidade Estadual do Rio Grande do Sul Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental Componente curricular: Saneamento Básico e Saúde Pública Aula 4 Professor Antônio Ruas 1. Créditos: 60 2. Carga

Leia mais

Eng. Monica Cris.na Cabrini Medeiros Prof. Dr. Werner Siegfried Hanisch Biol. Vanessa Bastos da Silveira

Eng. Monica Cris.na Cabrini Medeiros Prof. Dr. Werner Siegfried Hanisch Biol. Vanessa Bastos da Silveira MODELAGEM DO DECAIMENTO DO CLORO RESIDUAL LIVRE EM SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA TRATADA - IMPORTÂNCIA PARA O REGIME DE INTERMITÊNCIA Eng. Monica Cris.na Cabrini Medeiros Prof. Dr. Werner Siegfried Hanisch

Leia mais

NÍVEIS DE TRATAMENTO DE ESGOTO

NÍVEIS DE TRATAMENTO DE ESGOTO Universidade Federal do Espírito Santo Programa de Pós-graduação em Engenharia Ambiental NÍVEIS DE TRATAMENTO DE ESGOTO Ricardo Franci Gonçalves Giovana Martinelli da Silva Tratamento de Esgoto Procedimentos

Leia mais

ANEXO I. Tabela de padrão microbiológico da água para consumo humano

ANEXO I. Tabela de padrão microbiológico da água para consumo humano ANEXO I Tabela de padrão microbiológico da água para consumo humano Água tratada Tipo de água Parâmetro VMP (1) Água para consumo humano Escherichia coli (2) Ausência em 100 ml Na saída do tratamento Coliformes

Leia mais

Potenciais Fatores de Risco à Saúde Decorrentes da Presença de Subprodutos de Cloração na Água Utilizada para Consumo Humano

Potenciais Fatores de Risco à Saúde Decorrentes da Presença de Subprodutos de Cloração na Água Utilizada para Consumo Humano Potenciais Fatores de Risco à Saúde Decorrentes da Presença de Subprodutos de Cloração na Água Utilizada para Consumo Humano Brasilia, 2007 Copyright 2007 Somente versão eletrônica Fundação Nacional de

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO. Determinação de Alumínio Total pelo método colorimétrico LQ: 0,008 mg/l

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO. Determinação de Alumínio Total pelo método colorimétrico LQ: 0,008 mg/l ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 8 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO ACQUA BOOM SANEAMENTO AMBIENTAL LTDA - EPP Determinação

Leia mais

I-026 - USOS SANITÁRIOS E AMBIENTAIS E A PRODUÇÃO ELETROQUÍMICA DO ÍON FERRATO (VI)

I-026 - USOS SANITÁRIOS E AMBIENTAIS E A PRODUÇÃO ELETROQUÍMICA DO ÍON FERRATO (VI) I-026 - USOS SANITÁRIOS E AMBIENTAIS E A PRODUÇÃO ELETROQUÍMICA DO ÍON FERRATO (VI) Sérgio João de Luca (1) PhD, Prof. Titular, IPH/UFRGS Ana Beatris S. de Deus PhD, RD/CNPQ Maria Alice Santana Quim/ATs/CNPQ

Leia mais

VIII EXPOSIÇÃO DE EXPERIÊNCIAS MUNICIPAIS EM SANEAMENTO TRABALHO TÉCNICO:

VIII EXPOSIÇÃO DE EXPERIÊNCIAS MUNICIPAIS EM SANEAMENTO TRABALHO TÉCNICO: 1 34 a ASSEMBLÉIA NACIONAL DA ASSEMAE VIII EXPOSIÇÃO DE EXPERIÊNCIAS MUNICIPAIS EM SANEAMENTO TRABALHO TÉCNICO: TRATAMENTO DE ÁGUA PARA ABASTECIMENTO PÚBLICO COM O USO DE TABLETES DE ÁCIDO TRICLOROISOCIANÚRICO

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA AMÔNIA NO POTENCIAL DE FORMAÇÃO DE TRIALOMETANOS

A INFLUÊNCIA DA AMÔNIA NO POTENCIAL DE FORMAÇÃO DE TRIALOMETANOS A INFLUÊNCIA DA AMÔNIA NO POTENCIAL DE FORMAÇÃO DE TRIALOMETANOS João Tito Borges Mestre em Engenharia Civil - UNICAMP, na Área de Saneamento e Ambiente, e doutorando na mesma área. Atualmente desenvolve

Leia mais

SOCIEDADE DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E SANEAMENTO S/A

SOCIEDADE DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E SANEAMENTO S/A 3366ªª ASSEMBLÉIA NACIONAL DA ASSEMAE Título: Redução de consumo de alcalinizante e coagulante com a mudança do ponto de aplicação da cal hidratada no processo de tratamento de água para consumo humano.

Leia mais

RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO

RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO Qualidade da Água de Abastecimento da sede do Município de Coimbra Belo Horizonte Dezembro de 2014 ÍNDICE 1. IDENTIFICAÇÃO DA AGÊNCIA REGULADORA... 5 2. IDENTIFICAÇÃO DO PRESTADOR

Leia mais

Generalidades: Operações Unitárias e Fluxogramas

Generalidades: Operações Unitárias e Fluxogramas Generalidades: Operações Unitárias e Fluxogramas 1) Oxidações de Componentes das Águas 2) Tratamentos de Desinfecção 21 de Março de 2006 Em Engenharia Química, é muito conveniente descrever uma unidade

Leia mais

Tratamento e Disposicão Final de Resíduos

Tratamento e Disposicão Final de Resíduos Tratamento e Disposicão Final de Resíduos RESUMO No Brasil, a desinfecção e oxidação da água são realizadas pela adição de cloro, nas formas de gás cloro e hipoclorito de sódio. Recentes estudos demonstraram

Leia mais

Relatório de Ensaio Nº 61828/2014-1.0-A

Relatório de Ensaio Nº 61828/2014-1.0-A Nº 61828/2014-10-A Processo Comercial Nº 1316/20141 Dados do Cliente Contratante: Solicitante: CNPJ / CPF: 48819619/0001-59 IE / RG: 407001159117 Endereço: Rua Londrina, 587 - Vila Maringá - Município:

Leia mais

I-077 - DIÓXIDO DE CLORO: SUAS CARACTERISTICAS E APLICAÇÃO NA DESINFECÇÃO DE ÁGUAS RESIDUÁRIAS.

I-077 - DIÓXIDO DE CLORO: SUAS CARACTERISTICAS E APLICAÇÃO NA DESINFECÇÃO DE ÁGUAS RESIDUÁRIAS. I077 DIÓXIDO DE CLORO: SUAS CARACTERISTICAS E APLICAÇÃO NA DESINFECÇÃO DE ÁGUAS RESIDUÁRIAS. Leda Freitas Ribeiro (1) Bióloga da Divisão de Tecnologias de Tratamento de Águas e Esgoto da Companhia Catarinense

Leia mais

CURSO: QUALIDADE DAS ÁGUAS E POLUIÇÃO: ASPECTOS FÍSICO-QUÍMICOS AULA 9

CURSO: QUALIDADE DAS ÁGUAS E POLUIÇÃO: ASPECTOS FÍSICO-QUÍMICOS AULA 9 CURSO: QUALIDADE DAS ÁGUAS E POLUIÇÃO: ASPECTOS FÍSICO-QUÍMICOS AULA 9 A QUÍMICA DO CLORO E DO FLÚOR NAS ÁGUAS DE ABASTECIMENTO PÚBLICO Prof. Dr. Roque Passos Piveli AULA 9 - A QUÍMICA DO CLORO E DO FLÚOR

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE ENGENHARIA QUÍMICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE ENGENHARIA QUÍMICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE ENGENHARIA QUÍMICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA REMOÇÃO DE COMPOSTOS ORGÂNICOS DE ÁGUA DO RIO UBERABINHA POR FILTRAÇÃO EM CARVÃO ATIVADO

Leia mais

Benefícios da Otimização de Processos em Estações de Tratamento de Água Estudo de Caso SANASA Campinas

Benefícios da Otimização de Processos em Estações de Tratamento de Água Estudo de Caso SANASA Campinas Benefícios da Otimização de Processos em Estações de Tratamento de Água Estudo de Caso SANASA Campinas SIQUEIRA, S. L. a,c*, ISAAC, R. L. b a. Universidade Estadual de Campinas b. Universidade Estadual

Leia mais

CET 303 Química Aplicada. Relatório: Visita técnica Estação de tratamento de água ETA 3 Capim Fino, em Piracicaba. Data da visita: 02.04.

CET 303 Química Aplicada. Relatório: Visita técnica Estação de tratamento de água ETA 3 Capim Fino, em Piracicaba. Data da visita: 02.04. Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Tecnologia - FT Curso de Especialização em Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável CET 303 Química Aplicada Relatório: Visita técnica Estação de tratamento

Leia mais

I-074 - AVALIAÇÃO DE METODOLOGIAS UTILIZADAS NA DETERMINAÇÃO DE CARBONO ORGÂNICO EM ÁGUAS BRUTA E TRATADA

I-074 - AVALIAÇÃO DE METODOLOGIAS UTILIZADAS NA DETERMINAÇÃO DE CARBONO ORGÂNICO EM ÁGUAS BRUTA E TRATADA 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina I-074 - AVALIAÇÃO DE METODOLOGIAS UTILIZADAS NA DETERMINAÇÃO DE CARBONO ORGÂNICO EM ÁGUAS

Leia mais

02/08/2015. Padrões de potabilidade TRATAMENTO DA ÁGUA. Tratamento da água. Tratamento da água. Tratamento da água

02/08/2015. Padrões de potabilidade TRATAMENTO DA ÁGUA. Tratamento da água. Tratamento da água. Tratamento da água Padrões de potabilidade A água própria para o consumo deve obedecer certos requisitos: TRATAMENTO DA ÁGUA Professor: André Luiz Montanheiro Rocha Disciplina: Gestão de Recursos Naturais 2ª COLÉGIO ESTADUAL

Leia mais

CORRELAÇÃO ENTRE OS VALORES DE DBO E DQO NO AFLUENTE E EFLUENTE DE DUAS ETEs DA CIDADE DE ARARAQUARA

CORRELAÇÃO ENTRE OS VALORES DE DBO E DQO NO AFLUENTE E EFLUENTE DE DUAS ETEs DA CIDADE DE ARARAQUARA CORRELAÇÃO ENTRE OS VALORES DE DBO E DQO NO AFLUENTE E EFLUENTE DE DUAS ETEs DA CIDADE DE ARARAQUARA Paulo Sergio Scalize (1) Biomédico formado pela Faculdade Barão de Mauá. Graduando em Engenharia Civil

Leia mais

Aula 3: Química das Águas

Aula 3: Química das Águas DISCIPLINA: QUÍMICA ANALÍTICA AMBIENTA Aula 3: Química das Águas Prof a. Lilian Silva 2012 TRATAMENTO DA ÁGUA As principais operações consistem na decantação, coagulação/floculação, filtração e desinfecção

Leia mais

AVALIAÇÃO DA RELEVÂNCIA DO CARBONO ORGÂNICO TOTAL COMO PARÂMETRO DE CARACTERIZAÇÃO DE ÁGUAS DE ABASTECIMENTO

AVALIAÇÃO DA RELEVÂNCIA DO CARBONO ORGÂNICO TOTAL COMO PARÂMETRO DE CARACTERIZAÇÃO DE ÁGUAS DE ABASTECIMENTO AVALIAÇÃO DA RELEVÂNCIA DO CARBONO ORGÂNICO TOTAL COMO PARÂMETRO DE CARACTERIZAÇÃO DE ÁGUAS DE ABASTECIMENTO Marcelo Libânio, Paulo Augusto Cunha Libânio, Bruno Maia Pyramo Costa Departamento de Engenharia

Leia mais

GRADIENTE DE VELOCIDADE: EFEITOS NA ADSORÇÃO-DESESTABILIZAÇÃO PARA REMOÇÃO DE PFTHMs

GRADIENTE DE VELOCIDADE: EFEITOS NA ADSORÇÃO-DESESTABILIZAÇÃO PARA REMOÇÃO DE PFTHMs GRADIENTE DE VELOCIDADE: EFEITOS NA ADSORÇÃO-DESESTABILIZAÇÃO PARA REMOÇÃO DE PFTHMs José Tarcísio Ribeiro Mestre em Eng a Civil, Área de Saneamento - FEC/UNICAMP Prof. da Faculdade de Tecnologia de São

Leia mais

HIDROPONIA Qualidade da água. Prof. Dr. Osmar Souza dos Santos UFSM

HIDROPONIA Qualidade da água. Prof. Dr. Osmar Souza dos Santos UFSM HIDROPONIA Qualidade da água Prof. Dr. Osmar Souza dos Santos UFSM CURIOSIDADES DA ÁGUA 75% da terra está coberta com água Terra plana: cobertura de 2,5 km de água 0,005% se move por dia no ciclo hidrológico

Leia mais

ÁGUA REAGENTE NO LABORATÓRIO CLÍNICO

ÁGUA REAGENTE NO LABORATÓRIO CLÍNICO ÁGUA REAGENTE NO LABORATÓRIO RIO CLÍNICO Água reagente no laboratório rio clínico Água de grau reagente (água( pura); Processos de purificação: destilação e deionização (+ usado atualmente). Especificações

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO E TRATABILIDADE DO EFLUENTE DE LAVAGEM DE UMA RECICLADORA DE PLÁSTICOS

CARACTERIZAÇÃO E TRATABILIDADE DO EFLUENTE DE LAVAGEM DE UMA RECICLADORA DE PLÁSTICOS CARACTERIZAÇÃO E TRATABILIDADE DO EFLUENTE DE LAVAGEM DE UMA RECICLADORA DE PLÁSTICOS Elisângela Garcia Santos RODRIGUES 1, Hebert Henrique de Souza LIMA 1, Irivan Alves RODRIGUES 2, Lúcia Raquel de LIMA

Leia mais

PADÃO MICROBIOLÓGICO DE POTABILIDADE DA ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO - Tabela I (MS 518) - Anexo I (MS 2914)

PADÃO MICROBIOLÓGICO DE POTABILIDADE DA ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO - Tabela I (MS 518) - Anexo I (MS 2914) PADÃO MICROBIOLÓGICO DE POTABILIDADE DA ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO - Tabela I (MS 518) - Anexo I (MS 2914) MS 518 MS 2914 TIPO DE ÁGUA PARÂMETRO VMP (1) TIPO DE ÁGUA PARÂMETRO VMP (1) ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO

Leia mais

Cloraminas orgânicas uma solução para evitar a formação de trihalometanos no processo de desinfecção de águas para abastecimento público

Cloraminas orgânicas uma solução para evitar a formação de trihalometanos no processo de desinfecção de águas para abastecimento público Cloraminas orgânicas uma solução para evitar a formação de trihalometanos no processo de desinfecção de águas para abastecimento público Autores: Jorge Antônio Barros de Macêdo, D.Sc. Departamento de Alimentos

Leia mais

Como o cuidado coma água pode contribuir para atender o padrão de qualidade exigido no leite pela Instrução Normativa 62?

Como o cuidado coma água pode contribuir para atender o padrão de qualidade exigido no leite pela Instrução Normativa 62? A QUALIDADE DA ÁGUA E OS IMPACTOS NA QUALIDADE DO LEITE Como o cuidado coma água pode contribuir para atender o padrão de qualidade exigido no leite pela Instrução Normativa 62? Clique para editar o estilo

Leia mais

ESTUDO DA REMOÇÃO DE MICROCISTINA-LR UTILIZANDO OXIDAÇÃO COM CLORO, DIÓXIDO DE CLORO E PERMANGANATO DE POTÁSSIO

ESTUDO DA REMOÇÃO DE MICROCISTINA-LR UTILIZANDO OXIDAÇÃO COM CLORO, DIÓXIDO DE CLORO E PERMANGANATO DE POTÁSSIO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL, ARQUITETURA E URBANISMO ESTUDO DA REMOÇÃO DE MICROCISTINA-LR UTILIZANDO OXIDAÇÃO COM CLORO, DIÓXIDO DE CLORO E PERMANGANATO DE POTÁSSIO

Leia mais

ESTAÇÃO TRATAMENTO DE ÁGUA - ETA

ESTAÇÃO TRATAMENTO DE ÁGUA - ETA ESTAÇÃO TRATAMENTO DE ÁGUA - ETA Americana conta com duas unidades de captação e recalque que retiram do Rio Piracicaba cerca de 1000l/s de água e encaminham para o processo de tratamento no bairro Cordenonsi,

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DO TRATAMENTO DA ÁGUA NA ETA JOSÉ LOUREIRO DA SILVA ATRAVÉS DE PARÂMETROS BACTERIOLÓGICOS.

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DO TRATAMENTO DA ÁGUA NA ETA JOSÉ LOUREIRO DA SILVA ATRAVÉS DE PARÂMETROS BACTERIOLÓGICOS. AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DO TRATAMENTO DA ÁGUA NA ETA JOSÉ LOUREIRO DA SILVA ATRAVÉS DE PARÂMETROS BACTERIOLÓGICOS. Cristina C. Andriotti, Luciane Balestrin Reda, Ana Rita Moriconi, Ilo César Garcia e Marcelo

Leia mais

II-378 - DESINFECÇÃO DE EFLUENTES UTILIZANDO HIPOCLORITO GERADO IN-LOCO

II-378 - DESINFECÇÃO DE EFLUENTES UTILIZANDO HIPOCLORITO GERADO IN-LOCO II-378 - DESINFECÇÃO DE EFLUENTES UTILIZANDO HIPOCLORITO GERADO IN-LOCO Miguel Mansur Aisse (1) Engenheiro Civil pela UFPR (1976). Doutor em Engenharia Civil pela Escola Politécnica da USP. Professor da

Leia mais

Minicursos CRQ-IV - 2008 Sistema de tratamento de água para o consumo humano

Minicursos CRQ-IV - 2008 Sistema de tratamento de água para o consumo humano Ministrante: Eduardo Gomes Bispo Minicursos CRQ-IV - 2008 Técnico Químico e graduado em Administração de Empresas. Atua há mais de 20 anos em ETAs, sendo responsável pela distribuição da água distribuída

Leia mais

Oxidação + remoção por precipitação química

Oxidação + remoção por precipitação química ETA - ESQUEMA DE TRATAMENTO PARÂMETROS A ACTUAR OPERAÇÕES OU PROCESSOS UNITÁRIOS Ferro/manganésio Turvação Parâmetros microbiológicos Sólidos suspensos totais Equilíbrio calco-carbónico Oxidação da matéria

Leia mais

III-049 - TRATAMENTO BIOLÓGICO ANAERÓBIO CONJUGADO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E LÍQUIDOS.

III-049 - TRATAMENTO BIOLÓGICO ANAERÓBIO CONJUGADO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E LÍQUIDOS. III-049 - TRATAMENTO BIOLÓGICO ANAERÓBIO CONJUGADO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E LÍQUIDOS. Sueli Farias de Souza (1) Graduanda do Curso de Química Industrial da UEPB. Bolsista de Iniciação Cientifica do CNPq/PIBIC/UEPB.

Leia mais

REDUÇÃO NA DOSAGEM DE SULFATO DE ALUMÍNIO NA ETA GUARAÚ COM A UTILIZAÇÃO DO SISTEMA DE RECUPERAÇÃO DE ÁGUA DE LAVAGEM DOS FILTROS

REDUÇÃO NA DOSAGEM DE SULFATO DE ALUMÍNIO NA ETA GUARAÚ COM A UTILIZAÇÃO DO SISTEMA DE RECUPERAÇÃO DE ÁGUA DE LAVAGEM DOS FILTROS REDUÇÃO NA DOSAGEM DE SULFATO DE ALUMÍNIO NA ETA GUARAÚ COM A UTILIZAÇÃO DO SISTEMA DE RECUPERAÇÃO DE ÁGUA DE LAVAGEM DOS FILTROS Alexandre Saron (1) Engenheiro químico na ETA Guaraú da CIA de Saneamento

Leia mais

Tecnologia em Água de Reuso e potencial de aplicação em processos industriais.

Tecnologia em Água de Reuso e potencial de aplicação em processos industriais. Tecnologia em Água de Reuso e potencial de aplicação em processos industriais. ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTOS ETE JESUS NETTO ETE JESUS NETTO BACIA DE ESGOTAMENTO HISTÓRICO Estação Experimental de Tratamento

Leia mais

Recomendação IRAR n.º 05/2007

Recomendação IRAR n.º 05/2007 Recomendação IRAR n.º 05/2007 DESINFECÇÃO DA ÁGUA DESTINADA AO CONSUMO HUMANO Considerando que: Os dados da qualidade da água para consumo humano reportados anualmente pelas entidades gestoras revelam

Leia mais

II-018 - HIPOCLORITO GERADO ELETROLITICAMENTE IN LOCO: SUBPRODUTOS E AVALIAÇÃO DE SUA CAPACIDADE DESINFETANTE NO TRATAMENTO DE ÁGUAS

II-018 - HIPOCLORITO GERADO ELETROLITICAMENTE IN LOCO: SUBPRODUTOS E AVALIAÇÃO DE SUA CAPACIDADE DESINFETANTE NO TRATAMENTO DE ÁGUAS II-18 - HIPOCLORITO GERADO ELETROLITICAMENTE IN LOCO: SUBPRODUTOS E AVALIAÇÃO DE SUA CAPACIDADE DESINFETANTE NO TRATAMENTO DE ÁGUAS Sérgio João de Luca (1) Ph.D. Professor Titular. Pesquisador CNPq IA.

Leia mais

A base da espectrometria de massas

A base da espectrometria de massas A base da espectrometria de massas The father of MS and the first mass spectrometrist to win the Nobel Prize. Pure species and mixtures JJ Thomson's 'Plum Pudding Model' of the atom, a sphere of positive

Leia mais

Tratamento de água para indústria de refrigerantes

Tratamento de água para indústria de refrigerantes Tratamento de água para indústria de refrigerantes Dra. Sonia Maria Costa Celestino Engenheira Química - Pesquisadora em Ciência e Tecnologia de Alimentos Embrapa Cerrados Tel.: (61) 3388-9957 email: sonia.costa@cpac.embrapa.br

Leia mais

Avaliação da potencialidade do uso de ácido peracético e peróxido de hidrogênio na desinfecção de esgoto sanitário

Avaliação da potencialidade do uso de ácido peracético e peróxido de hidrogênio na desinfecção de esgoto sanitário Avaliação da potencialidade do uso de ácido peracético e peróxido de hidrogênio na desinfecção de esgoto sanitário Diani Fernanda da Silva, Unioeste, Email: diani.engambiental@gmail.com Carlos Magno de

Leia mais

1 Bolsista PIBIC/CNPq. 2 Pesquisadora Orientadora. 3 Curso de Química Industrial/UnUCET/UEG. 4 Co-Orientador

1 Bolsista PIBIC/CNPq. 2 Pesquisadora Orientadora. 3 Curso de Química Industrial/UnUCET/UEG. 4 Co-Orientador REMOÇÃO DE COR EM SIMULAÇÃO DE ÁGUA RESIDUÁRIA DE FÁBRICA DE CÁPSULAS DE GELATINA FERNANDES, Neemias Cintra 1, 3 ; COSTA, Orlene Silva da 2, 3, 5 ; SIQUEIRA, Eduardo Queija 4, 5 ; OLIVEIRA, Sérgio Botelho

Leia mais

ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DE TRÊS DIFERENTES COAGULANTES NA REMOÇÃO DA TURBIDEZ DE ÁGUA DE MANANCIAL DE ABASTECIMENTO

ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DE TRÊS DIFERENTES COAGULANTES NA REMOÇÃO DA TURBIDEZ DE ÁGUA DE MANANCIAL DE ABASTECIMENTO 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DE TRÊS DIFERENTES COAGULANTES NA REMOÇÃO DA TURBIDEZ DE ÁGUA DE MANANCIAL DE ABASTECIMENTO Diana Janice Padilha 1, Fabiane Cristina

Leia mais

II-109 PÓS-TRATAMENTO DE EFLUENTE DE EMBALAGENS METÁLICAS UTILIZANDO REATOR DE BATELADA SEQUENCIAL (RBS) PARA REMOÇÃO DA DEMANDA QUÍMICA DE OXIGÊNIO

II-109 PÓS-TRATAMENTO DE EFLUENTE DE EMBALAGENS METÁLICAS UTILIZANDO REATOR DE BATELADA SEQUENCIAL (RBS) PARA REMOÇÃO DA DEMANDA QUÍMICA DE OXIGÊNIO II-19 PÓS-TRATAMENTO DE EFLUENTE DE EMBALAGENS METÁLICAS UTILIZANDO REATOR DE BATELADA SEQUENCIAL (RBS) PARA REMOÇÃO DA DEMANDA QUÍMICA DE OXIGÊNIO Marcelo Hemkemeier (1) Químico Industrial pela Universidade

Leia mais

MANUAL DE CLORAÇÃO DE ÁGUA EM PEQUENAS COMUNIDADES UTILIZANDO O CLORADOR SIMPLIFICADO DESENVOLVIDO PELA FUNASA

MANUAL DE CLORAÇÃO DE ÁGUA EM PEQUENAS COMUNIDADES UTILIZANDO O CLORADOR SIMPLIFICADO DESENVOLVIDO PELA FUNASA MANUAL DE CLORAÇÃO DE ÁGUA EM PEQUENAS COMUNIDADES UTILIZANDO O CLORADOR SIMPLIFICADO DESENVOLVIDO PELA FUNASA Fundação Nacional de Saúde Manual de Cloração de Água em Pequenas Comunidades Utilizando

Leia mais

ECO EFICIÊNCIA DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA ESTUDO DE CASO: ETA 3 E 4, CAMPINAS (SP)

ECO EFICIÊNCIA DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA ESTUDO DE CASO: ETA 3 E 4, CAMPINAS (SP) ECO EFICIÊNCIA DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA ESTUDO DE CASO: ETA 3 E 4, CAMPINAS (SP) SIDNEI LIMA SIQUEIRA ORIENTADOR: PROF. DR. RICARDO DE LIMA ISAAC INTRODUÇÃO MOTIVAÇÃO: Trabalho inédito com ênfase

Leia mais

I-089 - ADENSAMENTO MECÂNICO DE LODOS GERADOS EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ÁGUA

I-089 - ADENSAMENTO MECÂNICO DE LODOS GERADOS EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ÁGUA I-089 - ADENSAMENTO MECÂNICO DE LODOS GERADOS EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ÁGUA Ricardo Lazzari Mendes (1) Engenheiro Civil pela Escola de Engenharia de São Carlos da Universidade de São Paulo (EESC/USP).

Leia mais

I.022 FLOTAÇÃO POR AR DISSOLVIDO APLICADA NA CLARIFICAÇÃO DE ÁGUAS QUE APRESENTAM PICOS DE TURBIDEZ

I.022 FLOTAÇÃO POR AR DISSOLVIDO APLICADA NA CLARIFICAÇÃO DE ÁGUAS QUE APRESENTAM PICOS DE TURBIDEZ I.22 I.22 FLOTAÇÃO POR AR DISSOLVIDO APLICADA NA CLARIFICAÇÃO DE ÁGUAS QUE APRESENTAM PICOS DE TURBIDEZ Marco A. P. Reali (1) Engenheiro Civil pela Universidade de São Paulo EESC, Professor Doutor junto

Leia mais

OTIMIZAÇÃO MULTI-OBJETIVO DE ESTAÇÕES DE TRATAMENTO

OTIMIZAÇÃO MULTI-OBJETIVO DE ESTAÇÕES DE TRATAMENTO OTIMIZAÇÃO MULTI-OBJETIVO DE ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ÁGUAS DE ABASTECIMENTO: REMOÇÃO DE TURBIDEZ, CARBONO ORGÂNICO TOTAL E GOSTO E ODOR MULTI-OBJECTIVE OPTIMIZATION OF WATER TREATMENT PLANTS: TURBIDITY,

Leia mais

Centro de Saúde Ambiental e Ocupacional do Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge Lisboa

Centro de Saúde Ambiental e Ocupacional do Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge Lisboa AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DO AR INTERIOR EM PISCINAS COBERTAS Centro Regional de Saúde Pública de Lisboa e Vale do Tejo Centro de Saúde Ambiental e Ocupacional do Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge

Leia mais

Estudo com tratamento de água para abastecimento PIBIC/2010-2011

Estudo com tratamento de água para abastecimento PIBIC/2010-2011 Estudo com tratamento de água para abastecimento PIBIC/2010-2011 Cryslara de Souza Lemes, Prof. Dr. Paulo Sérgio Scalize Universidade Federal de Goiás, 74605-220, Brasil cryslara_sl@hotmail.com; pscalize.ufg@gmail.com

Leia mais

INATIVAÇÃO DE INDICADORES PATOGÊNICOS EM ÁGUAS CONTAMINADAS: USO DE SISTEMAS COMBINADOS DE TRATAMENTO E PRÉ-DESINFECÇÃO

INATIVAÇÃO DE INDICADORES PATOGÊNICOS EM ÁGUAS CONTAMINADAS: USO DE SISTEMAS COMBINADOS DE TRATAMENTO E PRÉ-DESINFECÇÃO INATIVAÇÃO DE INDICADORES PATOGÊNICOS EM ÁGUAS CONTAMINADAS: USO DE SISTEMAS COMBINADOS DE TRATAMENTO E PRÉ-DESINFECÇÃO BILOTTA, Patrícia*; DANIEL, Luiz Antonio*. *Laboratório de Tratamento Avançado e

Leia mais

Sociedade de Abastecimento de Água e Saneamento S/A Diretoria Técnica Gerência de Produção e Operação

Sociedade de Abastecimento de Água e Saneamento S/A Diretoria Técnica Gerência de Produção e Operação TÍTULO: Estudo de reúso para Efluente de ETE s da SANASA/Campinas Nome dos Autores: Renato Rossetto Cargo atual: Coordenador de Operação e Tratamento de Esgoto. Luiz Carlos Lima Cargo atual: Consultor

Leia mais

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA VONIVALDO GONÇALVES LEÃO ÁGUA TRATADA: FORMAÇÃO DE TRIALOMETANOS PELO USO DO CLORO E OS RISCOS POTENCIAIS À SAÚDE PÚBLICA EM CIDADES DA MESORREGIÃO DO LESTE RONDONIENSE. BRASÍLIA

Leia mais

1. RESUMO DOS RESULTADOS OBTIDOS NAS ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ÁGUA E SISTEMAS INDEPENDENTES DE ÁGUA DO CONCELHO DE VIMIOSO

1. RESUMO DOS RESULTADOS OBTIDOS NAS ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ÁGUA E SISTEMAS INDEPENDENTES DE ÁGUA DO CONCELHO DE VIMIOSO 1. RESUMO DOS RESULTADOS OBTIDOS NAS ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ÁGUA E SISTEMAS INDEPENDENTES DE ÁGUA DO CONCELHO DE VIMIOSO Nos quadros seguintes apresenta-se um resumo global dos resultados s para a água

Leia mais

GERAÇÃO DE CLORO A PARTIR DO CLORETO DE SÓDIO (SAL DE COZINHA)

GERAÇÃO DE CLORO A PARTIR DO CLORETO DE SÓDIO (SAL DE COZINHA) GERAÇÃO DE CLORO A PARTIR DO CLORETO DE SÓDIO (SAL DE COZINHA) Autor - Júlio Cezar Caetano da Silva Matrícula 18.407. Lotação DSO / DPOE / DTPB / PBPM (Patos de Minas). E-mail: julio.caetano@copasa.com.br.

Leia mais

TÍTULO: AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA POTÁVEL NA ZONA RURAL DE PASSOS - MG

TÍTULO: AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA POTÁVEL NA ZONA RURAL DE PASSOS - MG TÍTULO: AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA POTÁVEL NA ZONA RURAL DE PASSOS - MG CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DE RIBEIRÃO PRETO AUTOR(ES):

Leia mais

Aplicações de Polímero Natural no Tratamento de Águas: Baba do Quiabo

Aplicações de Polímero Natural no Tratamento de Águas: Baba do Quiabo Aplicações de Polímero Natural no Tratamento de Águas: Baba do Quiabo 1 Bathista, A. L. B. S., 2 Tavares, M. I. B., 1 Silva, E. O., 1 Nogueira, J. S. 1 Departamento de Física Universidade Federal de Mato

Leia mais

Cadastro do Sistema /Solução Alternativa de Abastecimento de Água para Consumo Humano

Cadastro do Sistema /Solução Alternativa de Abastecimento de Água para Consumo Humano ANEXO I da Resolução SS 65 de 12 de maio de 2005 Cadastro do Sistema /Solução Alternativa de Abastecimento de Água para Consumo Humano Nome do Sistema/Solução Alternativa: Regional de Saúde: Município/UF:

Leia mais

RELATÓRIO TRIMESTRAL 1. INTRODUÇÃO

RELATÓRIO TRIMESTRAL 1. INTRODUÇÃO RELATÓRIO TRIMESTRAL 1. INTRODUÇÃO O controlo analítico da qualidade das Águas de Abastecimento, no Município de Arraiolos durante o período de Outubro a Dezembro de 2006, foi realizado pelos laboratórios

Leia mais

APLICAÇÃO DE POLIELETRÓLITO EM FLOCULADOR DE MANTA DE LODO NA REMOÇÃO DE COR NO TRATAMENTO DE ÁGUAS SUPERFICIAIS

APLICAÇÃO DE POLIELETRÓLITO EM FLOCULADOR DE MANTA DE LODO NA REMOÇÃO DE COR NO TRATAMENTO DE ÁGUAS SUPERFICIAIS APLICAÇÃO DE POLIELETRÓLITO EM FLOCULADOR DE MANTA DE LODO NA REMOÇÃO DE COR NO TRATAMENTO DE ÁGUAS SUPERFICIAIS Ailton Barreto dos Santos ( * ) Faculdade de Engenharia de Ilha Solteira UNESP - Campus

Leia mais

SAAE Serviço Autônomo de Água e Esgoto. Sistemas de Tratamento de Água

SAAE Serviço Autônomo de Água e Esgoto. Sistemas de Tratamento de Água SAAE Serviço Autônomo de Água e Esgoto Sistemas de Tratamento de Água Aracruz, junho de 2006 1. Processos de tratamento de Água: Todos gostamos de ter água potável sem nenhuma contaminação, sem cheiro

Leia mais

Gerenciamento espacial do monitoramento da qualidade da água para abastecimento público da cidade de IRATI/PR

Gerenciamento espacial do monitoramento da qualidade da água para abastecimento público da cidade de IRATI/PR Gerenciamento espacial do monitoramento da qualidade da água para abastecimento público da cidade de IRATI/PR Amanda da Cruz Maciel 1 Paulo Costa de Oliveira Filho 2 Jeanette Beber de Souza 3 Universidade

Leia mais

DISPOSIÇÃO DE RESÍDUOS DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA EM LAGOA FACULTATIVA DE ESGOTO: CARACTERIZAÇÃO DA ETA

DISPOSIÇÃO DE RESÍDUOS DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA EM LAGOA FACULTATIVA DE ESGOTO: CARACTERIZAÇÃO DA ETA 1 DISPOSIÇÃO DE RESÍDUOS DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA EM LAGOA FACULTATIVA DE ESGOTO: CARACTERIZAÇÃO DA ETA Susane Campos Mota ANGELIM Escola de Engenharia Civil, UFG. Aluna do curso de Mestrado em

Leia mais

AVALIAÇÃO DA FILTRAÇÃO LENTA NA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA CAMPUS- SISTEMA SAMAMBAIA

AVALIAÇÃO DA FILTRAÇÃO LENTA NA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA CAMPUS- SISTEMA SAMAMBAIA AVALIAÇÃO DA FILTRAÇÃO LENTA NA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA CAMPUS- SISTEMA SAMAMBAIA MACHADO*, Luciana de Souza Melo; SCALIZE, Paulo Sérgio. Escola de Engenharia Civil - Programa de Pós-Graduação em

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 7 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO CETESB - Companhia Ambiental do Estado de São Paulo

Leia mais

IMPLANTAÇAO DE UM SISTEMA DE MONITORAMENTO DA CORROSÃO, LADO ÁGUA, NUMA USINA TERMELÉTRICA DE PEQUENO PORTE

IMPLANTAÇAO DE UM SISTEMA DE MONITORAMENTO DA CORROSÃO, LADO ÁGUA, NUMA USINA TERMELÉTRICA DE PEQUENO PORTE IMPLANTAÇAO DE UM SISTEMA DE MONITORAMENTO DA CORROSÃO, LADO ÁGUA, NUMA USINA TERMELÉTRICA DE PEQUENO PORTE Antonio Sergio Barbosa Neves Consucal, Av. Guilherme Dumont Villares, 1500, 05640-003, São Paulo,

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS DEPARTAMENTO DE QUÍMICA

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS DEPARTAMENTO DE QUÍMICA CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS DEPARTAMENTO DE QUÍMICA PROCESSOS QUÍMICOS TECNOLÓGICOS Ângela de Mello Ferreira Belo Horizonte 2013 Prática 02 Processo de coagulação e floculação

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DA UTILIZAÇÃO DE DOIS TIPOS DE COAGULANTES PARA O TRATAMENTO DE ÁGUA DE ABASTECIMENTO

ANÁLISE COMPARATIVA DA UTILIZAÇÃO DE DOIS TIPOS DE COAGULANTES PARA O TRATAMENTO DE ÁGUA DE ABASTECIMENTO ANÁLISE COMPARATIVA DA UTILIZAÇÃO DE DOIS TIPOS DE COAGULANTES PARA O TRATAMENTO DE ÁGUA DE ABASTECIMENTO Karine Cardoso Custódio PASTANA (UFPA) e-mail:karineccpastana@gmail.com Tatiana Almeida de OLIVEIRA

Leia mais

REMOÇÃO DE CIANOBACTÉRIAS NO TRATAMENTO DE ÁGUA EUTROFIZADA UTILIZANDO DUPLA FILTRAÇÃO E OXIDAÇÃO

REMOÇÃO DE CIANOBACTÉRIAS NO TRATAMENTO DE ÁGUA EUTROFIZADA UTILIZANDO DUPLA FILTRAÇÃO E OXIDAÇÃO REMOÇÃO DE CIANOBACTÉRIAS NO TRATAMENTO DE ÁGUA EUTROFIZADA UTILIZANDO DUPLA FILTRAÇÃO E OXIDAÇÃO Manoel do Vale Sales (*) Engenheiro Civil pela Universidade Federal do Ceará, mestre em Saneamento pela

Leia mais

AVALIAÇÃO DE COMPOSTOS HALOGENADOS EM ÁGUA E AR DE PISCINAS

AVALIAÇÃO DE COMPOSTOS HALOGENADOS EM ÁGUA E AR DE PISCINAS INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DO PORTO Mestrado em Engenharia Química Ramo Tecnologias de Proteção Ambiental AVALIAÇÃO DE COMPOSTOS HALOGENADOS EM ÁGUA E AR DE PISCINAS Raquel Viana de Azevedo Maia

Leia mais

GLOSSÁRIO MICROBIOLÓGICOS FÍSICO-QUÍMICOS PARÂMETROS PARÂMETROS

GLOSSÁRIO MICROBIOLÓGICOS FÍSICO-QUÍMICOS PARÂMETROS PARÂMETROS PARÂMETROS MICROBIOLÓGICOS Coliformes Fecais (E.Coli), Enterococos, Clostrídios Perfringens Os organismos pertencentes a este grupo estão presentes nas matérias fecais de todos os animais de sangue quente.

Leia mais

ARTIGO CIENTÍFICO. E-mail: humberto@gehaka.com.br Data: 13/03/2007 ÁGUA PURIFICADA, O QUE É?

ARTIGO CIENTÍFICO. E-mail: humberto@gehaka.com.br Data: 13/03/2007 ÁGUA PURIFICADA, O QUE É? ARTIGO CIENTÍFICO Tema: Sistema de Purificação de Água Responsável: Humberto Muniz de Souza Ramos Depto: Purificador de Água E-mail: humberto@gehaka.com.br Data: 13/03/2007 ÁGUA PURIFICADA, O QUE É? Entende-se

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE Resolução SS 65, de 12 de Abril de 2005. ( Publicado no D.O.E de 13/04/2005, seção 1. pág. 18 ) Estabelece os procedimentos e responsabilidades relativos ao Controle e Vigilância da Qualidade da Água para

Leia mais

AVALIAÇÃO DA REMOÇÃO DE COMPOSTOS ORGÂNICOS NATURAIS NA ÁGUA DO RESERVATÓRIO DA BARRAGEM DO RIBEIRÃO JOÃO LEITE

AVALIAÇÃO DA REMOÇÃO DE COMPOSTOS ORGÂNICOS NATURAIS NA ÁGUA DO RESERVATÓRIO DA BARRAGEM DO RIBEIRÃO JOÃO LEITE AVALIAÇÃO DA REMOÇÃO DE COMPOSTOS ORGÂNICOS NATURAIS NA ÁGUA DO RESERVATÓRIO DA BARRAGEM DO RIBEIRÃO JOÃO LEITE Wilma Gomes da Silva CARMO*; Nora Katia SAAVEDRA Escola de Engenharia Civil - Programa de

Leia mais

I-062 - TRATAMENTO DE EFLUENTES DE FÁBRICA DE PAPEL POR PROCESSOS FÍSICO-QUÍMICOS EMPREGANDO FLOTAÇÃO POR AR DISSOLVIDO E OZÔNIO

I-062 - TRATAMENTO DE EFLUENTES DE FÁBRICA DE PAPEL POR PROCESSOS FÍSICO-QUÍMICOS EMPREGANDO FLOTAÇÃO POR AR DISSOLVIDO E OZÔNIO I-062 - TRATAMENTO DE EFLUENTES DE FÁBRICA DE PAPEL POR PROCESSOS FÍSICO-QUÍMICOS EMPREGANDO FLOTAÇÃO POR AR DISSOLVIDO E OZÔNIO Ricardo Nagamine Costanzi Engenheiro Civil. Mestre em Hidráulica e Saneamento

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO DA FLOCULAÇÃO ENTRE AMIDO CATIÔNICO E AMIDO INTERLIGADO CATIÔNICO

ESTUDO COMPARATIVO DA FLOCULAÇÃO ENTRE AMIDO CATIÔNICO E AMIDO INTERLIGADO CATIÔNICO XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Maturidade e desafios da Engenharia de Produção: competitividade das empresas, condições de trabalho, meio ambiente. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de outubro

Leia mais

II-070 - REUSO DE ÁGUA NO ZOOLÓGICO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO

II-070 - REUSO DE ÁGUA NO ZOOLÓGICO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO II-070 - REUSO DE ÁGUA NO ZOOLÓGICO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO Gandhi Giordano (1) Engenheiro Químico (UERJ), D.Sc. Enga Metalúrgica e de Materiais (PUC-Rio). Diretor Técnico da Tecma - Tecnologia em

Leia mais

4.6.4. Cromatografia gasosa com detector de massa acoplado (GC-MS)

4.6.4. Cromatografia gasosa com detector de massa acoplado (GC-MS) 78 4.6.4. Cromatografia gasosa com detector de massa acoplado (GC-MS) Os espectrômetros de massa constam de quatro partes básicas: um sistema de manipulação para introduzir a amostra desconhecida no equipamento;

Leia mais

Parâmetros de qualidade da água. Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas

Parâmetros de qualidade da água. Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas Parâmetros de qualidade da água Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas Coloração - COR Variáveis Físicas associada à presença

Leia mais

04/06/2009. 1. Introdução. Esterilização: É a destruição de todas as formas de vida microbiana, incluindo endosporos.

04/06/2009. 1. Introdução. Esterilização: É a destruição de todas as formas de vida microbiana, incluindo endosporos. CONTROLE DO CRESCIMENTO MICROBIANO Verônica Ortiz Alvarenga 1. Introdução Esterilização: É a destruição de todas as formas de vida microbiana, incluindo endosporos. Esterilização comercial: É o tratamento

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE REATOR UASB NO TRATAMENTO DE EFLUENTES GERADOS POR HOSPITAL DA SERRA GAUCHA

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE REATOR UASB NO TRATAMENTO DE EFLUENTES GERADOS POR HOSPITAL DA SERRA GAUCHA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE REATOR UASB NO TRATAMENTO DE EFLUENTES GERADOS POR HOSPITAL DA SERRA GAUCHA RESUMO A atividade dos serviços de saúde gera águas residuárias que podem causar impactos sobre os

Leia mais

EFEITO DA RESERVAÇÃO PREDIAL NA DETERIORAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DE ABASTECIMENTO HUMANO

EFEITO DA RESERVAÇÃO PREDIAL NA DETERIORAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DE ABASTECIMENTO HUMANO UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE TECNOLOGIA E RECURSOS NATURAIS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL E AMBIENTAL CAMPUS I CAMPINA GRANDE KALINNE CLEMENTINO OLIVEIRA COUTINHO EFEITO

Leia mais

QUÍMICA Disciplina A Disciplina B Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Currículo 1ª período

QUÍMICA Disciplina A Disciplina B Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Currículo 1ª período QUÍMICA Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Conclusão 74471 Química Estrutural 34 Química Química Inorgânica para Ciências Farmacêuticas OU 68 68977 Ciências Farmacêuticas 2008

Leia mais