VIII Encontro Nacional de Prevenção da Doença Renal Crônica. Brasília 6 e 7 de dezembro de 2012

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "VIII Encontro Nacional de Prevenção da Doença Renal Crônica. Brasília 6 e 7 de dezembro de 2012"

Transcrição

1 VIII Encontro Nacional de Prevenção da Doença Renal Crônica Brasília 6 e 7 de dezembro de 2012

2 Modelos de Prevenção Secundária da DRC : Modelo Público-Privado Paulo Luconi Dir técnico da ABCDT

3 Comparison of unadjusted ESRD prevalence worldwide Figure 12.1, continued (Volume 2) All rates are unadjusted. Data from Argentina ( ), Japan, & Taiwan are dialysis only. USRDS 2012 ADR

4 Incident & prevalent patient counts (USRDS), by modality Figure 1.1 (Volume 2) Incident & December 31 point prevalent patients.

5 Total Medicare ESRD expenditures, by modality Figure 11.6 (Volume 2) Period prevalent ESRD patients, patients with Medicare as secondary payor are excluded. USRDS 2012 ADR

6

7

8

9

10

11 PREVENÇÃO

12 ARBs reduce the risk of diabetic nephropathy progression: data shown (relative risk reductions versus placebo) are for the primary composite endpoint of doubling of serum creatinine, onset of ESRD or death from any cause (IDNT [50] and RENAAL [49] trials); or for the primary outcome of time to the onset of diabetic nephropathy (IRMA-2 trial [41]) Postma, M. J. et al. Nephrol. Dial. Transplant : ; doi: /ndt/gfp352

13

14 Nephrol Dial Transplant (2009) 24:

15 Atenção integral ao paciente portador de Doença Renal Crônica

16 Parceria : Secretaria da Saúde do Estado SP Hospital Regional Vale Paraíba SAB SBSC Empresa Renalcare Início do Ambulatório Multiprofissional de Prevenção da DRC em Fev 2008

17 Objetivo : Retardar ou evitar a progressão da Doença Renal Crônica para o seu estágio Terminal, através de atendimento ambulatorial, informatizado, multidisciplinar, melhorar a qualidade de vida, reduzir a mortalidade, a morbidade, além dos custos financeiros e sociais neste grupo de pacientes.

18 Gestão baseada em : Metas Resultados Transparência

19 Metas e Resultados : Guias de conduta Periodicidade de exames Periodicidade de consultas Definição dos alvos e do tempo para o controle ( Glicemia, HA, Colesterol, proteinúria, etc.) Treinamento das equipes

20 Relacionamento Transparente com o Gestor : Acesso em tempo real dos resultados via internet Acesso em tempo real das atividades do ambulatório via internet

21 Relacionamento Transparente com a População : Acesso seguro e em tempo real via internet ao prontuário médico pelos Clientes, através de login e senha, com visualização de exames radiológicos, bioquímicos, consulta dos diversos especialistas, sessões de diálise além de um portal educativo

22

23

24

25

26

27

28

29

30

31

32

33

34

35

36

37

38

39

40

41 ARTIGO ORIGINAL ORIGINAL ARTICLE Estudo prospectivo de 2151 pacientes com doença renal crônica em tratamento conservador com abordagem multidisciplinar no Vale do Paraíba, SP Prospective study of 2151 patients with chronic kidney disease under conservative treatment with multidisciplinary care in the Vale do Paraíba, SP Autores Eduardo de Paiva Luciano1 Paulo Sérgio Luconi2 Ricardo Cintra Sesso3 Claudio Santiago Melaragno3 Patrícia Ferreira Abreu4 Sandra Ferreira Stanisck Reis5 Rejane Maria Spindola Furtado5 Gilson Fernandes Ruivo6 J Bras Nefrol 2012;34(3):14-16

42 tabela 1 : Caracteristicas clinicas e epidemiologicas n (%) Idade ( anos)* 62 ± 16 (6-101) t acompanhamento (d)ƚ 546 ± 336 Sexo feminino 1089 (50,6) Raça (%) branca 1697 (78,9) negra 274 (12,7) parda 179 (8,3) estagio DRC (13,1) (15,3) (59) (10,9) 5 37 (1,7) DOENÇA DE BASE HAS 886 (41,2) DM II 670 (31,1) INDET 253 (11,8) UROLOG 160 (7,4) DM I 28 (1,3) GNC 37 (1,7) DRPAD 13 (0,6) LES 8 (0,4) OUTRAS 96 (4,5) * Média ± DP (min- max) ƚ Média ± DP N total = 2151

43 Controle da pressão arterial entre os hipertensos (mmhg); n = PAS PAD 0 antes depois P0,0001

44 60 50 MDRD iniciale apósintervençãoentre pacienteshipertensos; n= ,6 52, MDRD antes depois p 0,979

45 Gráficos (antes e após) para pacientes com glicemia em jejum > 126 mg/dl n= 294 glicemia MDRD 218 MDRD ( ml/min/m²) 55, ,4 p 0,0001 antes depois p 0,033 antes depois Pressão arterial Proteinuria PA sistolica (mmhg) PA diastolica (mm Hg) proteinuria g/24h 142,8 125,1 1,6 87,3 78,8 0,9 p 0,0001 antes depois p 0,0001 antes depois

46 3 2,5 Proteinuria entre paccom proteinuriainicial>1g ; n = 207 2,6 2 1,5 1 1,2 Proteinuria - g/dia 0,5 0 antes depois p 0,001

47 56 55,5 MDRD em pac com proteinuria > 1g 51, , , ,5 48,4 MDRD ( ml/min/m²) 52 antes depois P 0,008

48 8,1* *CETDRVP ** DM proteinuria/ microalbuminuria 3,4* 1,6* 1,8** 0,9*

49

50 R$ 1.160,00 por internação (média)

51 Economia ~ R$ 670 milhões/ano com internações

52 Conclusões : 1. Redução no risco Cardio-vascular : Redução significativa da pressão arterial nos pacientes hipertensos Redução significativa da glicemia nos pacientes diabéticos Redução significativa da proteinúria 2. Melhor utilização dos recursos financeiros do Gestor Redução pela metade na progressão da Doença Renal Crônica, reduzindo os custos decorrentes da diálise e do transplante renal Redução significativa das internações quando comparado a dados internacionais, para os mesmos estágios de Doença Renal Crônica

53 Futuro: Ampliar o escopo de atuação dos Nefrologistas e das Clínicas de Diálise

54 Parceria Público-Privada : Extensão (facultativa) do contrato já existente entre as Clínicas de Diálise e o Gestor para atuação na prevenção da DRC

55

56 Concertação / Pacto Ministério da Saúde / Gestor Clínicas de Diálise que se disponibilizarem a participar SBN, SOBEN, ABCDT, Assoc Pacientes

57 Proposta Modelo PP : Projeto de Prevenção da DRC, através de acompanhamento multi profissional, com característica de Rede, objetivando reduzir a progressão da DRC para sua fase terminal, melhorar a qualidade de vida além de reduzir a morbidade, a mortalidade e os custos financeiros

58 Obrigações da SBN : Indicações do acompanhamento Guias de conduta Treinamento das equipes Estabelecimento dos parâmetros de funcionamento e de Qualidade Gestão do Banco de dados Disponibilizar os resultados para a Sociedade Fornecimento do PEP

59 Obrigações das Clínicas : Fornecer local, equipe médica e multi profissional de acordo com os padrões estabelecidos pela SBN Seguir rigorosamente os Guias de Conduta instituidos pela SBN (exames, retornos, etc.) Disponibilizar o Banco de Dados para a SBN e MS (respeitando o sigilo médico)

60 Obrigações do MS/Gestor : Encaminhamento dos pacientes Contra-referência Retaguarda : internações, exames de imagem (TC, RM, CAT, etc.), biópsia renal, confecção de FAV, Tenchkof, etc Estabelecer as políticas de saúde Integração c/ projetos HA DM existentes FINANCIAMENTO DO PROJETO

61 Características : Eficiente : Melhor Qualidade Baixo Custo Descentralizado : fácil acesso aos pacientes Transparente : Permitir o Controle da Sociedade com acesso via web em tempo real de todas as atividades realizadas (respeitando o sigilo médico) Rede

62 Sugestão : Facultativo às Clínicas pacientes em acompanhamento conservador Financiamento pelo MS R$ 600 milhões / ano

63 TOTAL , , , , ,75 DIALISE PERITONEAL INTERMITENTE DPI , , , , ,74 DIALISE PERITONEAL INTERMITENTE DPI , , , , ,28 HEMODIÁLISE I (MÁXIMO 1 POR SEMANA - EXCEPCIONALIDADE) , , , , ,76 HEMODIÁLISE I (MÁXIMO 3 SESSÕES POR SEMANA) , , , , ,12 HEMODIÁLISE I EM PORTADOR DE HIV MÁXIMO 1 POR SEMANA) 2.294,85 611, , , ,91 HEMODIÁLISE I EM PORTADOR DE HIV (MÁXIMO 3 POR SEMANA) , , , , ,38 HEMODIALISE II (MÁXIMO 1 POR SEMANA - EXCEPCIONALIDADE) , , , , ,00 HEMODIALISE II (MÁXIMO 3 POR SEMANA) , , , , ,00 HEMODIÁLISE II EM PORTADOR DE HIV (MÁXIMO 3 POR SEMANA) , , , , ,25 HEMODIÁLISE II EM PORTADOR DO HIV - MÁXIMO 1/SEMANA) , , , , ,79 MANUT.E ACOMPANHAMENTO DOM. DE PACIENTE EM DPA /DPAC , , , , ,52 GASTO MENSAL , , , , ,53 EM 2012 DIVIDIR O TOTAL/ANO POR 9 Fonte : MS - SIA-SUS

64 Economia anual com Internações : Estágio da DRC pacientes Porcentagem de Pacientes Número de Pacientes N. Inter.Pop USA N. Inter.Pop Taubaté Diferença 3A 60% B 25% % % Total 100% Economia anual com internações : R$ ,00

65 Economia anual com a redução na progressão da DRC : pac estágio 5 DRC Mortalidade ~ 14,14 % /ano Dobramos o tempo de evolução para a DRC terminal Teremos casos a menos / ano Economia = R$ ,00

66 Economia Anual com a Prevenção : Internações mais redução na progressão da DRC Internações R$ ,00 Progressão da DRC R$ ,00 Economia Total R$ ,00

67 Economia anual de vidas : Vidas Salvas por ano Estágio da DRC pacientes Porcentagem de Pacientes Número de Pacientes N. Mort.Pop USA N. Mort.Pop Taubaté Diferença 3A 60% B 25% % % Total 100% Evitamos ~ mortes / ano

68 Prevenção Secundária da DRC : Modelo Público Privado Otimizar os recursos Reduzir o desperdício Melhorar a qualidade do atendimento

DESAFIOS DA TRS NO BRASIL OU DOENÇA RENAL CRÔNICA : É MELHOR PREVENIR

DESAFIOS DA TRS NO BRASIL OU DOENÇA RENAL CRÔNICA : É MELHOR PREVENIR DESAFIOS DA TRS NO BRASIL OU DOENÇA RENAL CRÔNICA : É MELHOR PREVENIR Audiência Pública na CDH Brasília, 30 de setembro de 2015 Paulo Luconi Vice Presidente da ABCDT Associação Brasileira dos Centros de

Leia mais

ESTRATIFICAÇÃO DE RISCO

ESTRATIFICAÇÃO DE RISCO ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE REDES DE ATENÇÃO A SAÚDE DIRETORIA DE REDES ASSISTÊNCIAIS COORDENADORIA DA REDE DE HIPERTENSÃO E DIABETES ESTRATIFICAÇÃO DE RISCO

Leia mais

Prevenção e Tratamento da Doença Renal Crônica

Prevenção e Tratamento da Doença Renal Crônica Prevenção e Tratamento da Doença Renal Crônica Duplo Bloqueio do Sistema Renina-Angiotensina na Doença Renal Crônica: Útil ou Prejudicial? PUC-SP Prof. Dr. Fernando Antonio de Almeida Faculdade de Ciências

Leia mais

Perfil da Doença Renal Crônica O Desafio Brasileiro

Perfil da Doença Renal Crônica O Desafio Brasileiro Perfil da Doença Renal Crônica O Desafio Brasileiro 2007 Preparado pelo Grupo Multisetorial de Doença Renal Crônica: SBN SOBEN ABCDT Associações de Pacientes Renais Crônicos Índice INTRODUÇÃO... 3 CONCEITO

Leia mais

Doença renal crônica é um problema de saúde pública no Brasil. Emmanuel A. Burdmann Presidente da SBN

Doença renal crônica é um problema de saúde pública no Brasil. Emmanuel A. Burdmann Presidente da SBN Doença renal crônica é um problema de saúde pública no Brasil Emmanuel A. Burdmann Presidente da SBN 11 março de 2010 Chronic Kidney Disease Course Levey et al, KI 2005 Chronic Kidney Disease Definition

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA SECRETARIA DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE PORTARIA CONJUNTA Nº 55, DE 29 DE AGOSTO DE 2001

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA SECRETARIA DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE PORTARIA CONJUNTA Nº 55, DE 29 DE AGOSTO DE 2001 TABELAS: S SIA/SUS MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA SECRETARIA DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE PORTARIA CONJUNTA Nº 55, DE 29 DE AGOSTO DE 2001 DO 168-E, de 31/8/01 O Secretário Executivo e o Secretário

Leia mais

PARTICULARIDADES NA DOENÇA RENAL CRÔNICA EM GATOS ADULTOS X IDOSOS

PARTICULARIDADES NA DOENÇA RENAL CRÔNICA EM GATOS ADULTOS X IDOSOS WORKSHOP PARTICULARIDADES NA DOENÇA RENAL CRÔNICA EM GATOS ADULTOS X IDOSOS PARTE I: Profa. Dra. Maria Cristina Nobre e Castro (UFF) Doenças renais primárias em gatos que podem evoluir para DRC (jovem

Leia mais

CAMPANHA DE DIABETES E HIPERTENSÃO DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO. Secretaria da Área da Saúde

CAMPANHA DE DIABETES E HIPERTENSÃO DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO. Secretaria da Área da Saúde CAMPANHA DE DIABETES E HIPERTENSÃO DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO Secretaria da Área da Saúde Anita Salvadori Randi Mestre em Enfermagem Maria Socorro Feitosa Borsio Mestre em Enfermagem Ana Rita

Leia mais

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Avaliação e Seguimento de Doadores Renais após a Doação

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Avaliação e Seguimento de Doadores Renais após a Doação Diretrizes Assistenciais Protocolo de Avaliação e Seguimento de Doadores Renais após a Doação 2011 Protocolo de Avaliação e Seguimento de Doadores Renais após a Doação Definição Todo paciente doador renal

Leia mais

CRS Leste/ST Guaianases UBS Jd. Aurora

CRS Leste/ST Guaianases UBS Jd. Aurora CRS Leste/ST Guaianases UBS Jd. Aurora Estudo do Controle da HA Hipertensão Arterial e Perfil Farmacológico pacientes cadastrados no PRC Programa Remédio em Casa UBS Jd. Aurora Subprefeitura de Guaianases

Leia mais

Por quê abordar a Doença Renal Crônica?

Por quê abordar a Doença Renal Crônica? Por quê abordar a Doença Renal Crônica? Patrícia Ferreira Abreu Secretaria Geral da Sociedade Brasileira de Nefrologia Patrícia Ferreira Abreu Sociedade Brasileira de Nefrologia Critérios para uma doença

Leia mais

SOCIEDADE BRASILEIRA DE NEFROLOGIA

SOCIEDADE BRASILEIRA DE NEFROLOGIA NORMAS PARA CREDENCIAMENTO E RECREDENCIAMENTO DE SERVIÇOS DE TREINAMENTO EM NEFROLOGIA Curso de Especialização em Nefrologia OBJETIVOS DO PROGRAMA OBJETIVO GERAL Capacitar o profissional médico no conteúdo

Leia mais

1- hipertensão arterial. 2- hiperglicemia. 3- presença de proteinúria. 4- ingesta proteica elevada. 5- obesidade

1- hipertensão arterial. 2- hiperglicemia. 3- presença de proteinúria. 4- ingesta proteica elevada. 5- obesidade COMO PREVENIR A DOENÇA RENAL CRÔNICA NA ATENÇÃO BÁSICA Fatores de risco para perda de função renal 1- hipertensão arterial 2- hiperglicemia 3- presença de proteinúria 4- ingesta proteica elevada 5- obesidade

Leia mais

Capacitação sobre as LG de HAS, DM e DRC. Capacitação sobre as Linhas Guia de HAS e DM -DRC-

Capacitação sobre as LG de HAS, DM e DRC. Capacitação sobre as Linhas Guia de HAS e DM -DRC- Capacitação sobre as LG de HAS, DM e DRC Capacitação sobre as Linhas Guia de HAS e DM -DRC- Modelo conceitual para DRC Antecedentes potenciais da DRC Estágios da DRC Consequências da DRC Complicações Normal

Leia mais

Título do Projeto: CAMPANHA DE RASTREAMENTO, EDUCAÇÃO E SÔNIA MARIA HOLANDA ALMEIDA ARAÚJO

Título do Projeto: CAMPANHA DE RASTREAMENTO, EDUCAÇÃO E SÔNIA MARIA HOLANDA ALMEIDA ARAÚJO Título do Projeto: CAMPANHA DE RASTREAMENTO, EDUCAÇÃO E CONSCIENTIZAÇÃO SOBRE DOENÇA RENAL CRÔNICA Nome da Liga: LIGA DE PREVENÇÃO DA DOENÇA RENAL Tutores: ELIZABETH DE FRANCESCO DAHER SÔNIA MARIA HOLANDA

Leia mais

PORTARIA Nº 389, DE 13 DE MARÇO DE 2014

PORTARIA Nº 389, DE 13 DE MARÇO DE 2014 PORTARIA Nº 389, DE 13 DE MARÇO DE 2014 Define os critérios para a organização da linha de cuidado da Pessoa com Doença Renal Crônica (DRC) e institui incentivo financeiro de custeio destinado ao cuidado

Leia mais

Tratamento multidisciplinar na doença renal crônica prédialítica: uma análise de custo-efetividade T Í T U LO DA APRESENTAÇÃO:

Tratamento multidisciplinar na doença renal crônica prédialítica: uma análise de custo-efetividade T Í T U LO DA APRESENTAÇÃO: Universidade Federal de Juiz de Fora Programa de Pós-Graduação em Saúde Área de Concentração Saúde Brasileira Niepen Núcleo Interdisciplinar de Estudos, Pesquisas e Tratamento em Nefrologia Disciplinas:

Leia mais

A implementação de diretrizes clínicas na atenção à saúde: experiências internacionais e o caso. da saúde suplementar no Brasil

A implementação de diretrizes clínicas na atenção à saúde: experiências internacionais e o caso. da saúde suplementar no Brasil A implementação clínicas na atençã experiências inter A implementação de diretrizes da saúde supleme clínicas na atenção à saúde: experiências internacionais e o caso da saúde suplementar no Brasil A implementação

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Educação em Saúde. Prevenção. Doença Renal Crônica.

PALAVRAS-CHAVE Educação em Saúde. Prevenção. Doença Renal Crônica. 12. CONEX Pôster / Produto/ Resumo 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA EVENTO EXPO&FLOR: ATUAÇÃO

Leia mais

Novas diretrizes para pacientes ambulatoriais HAS e Dislipidemia

Novas diretrizes para pacientes ambulatoriais HAS e Dislipidemia Novas diretrizes para pacientes ambulatoriais HAS e Dislipidemia Dra. Carla Romagnolli JNC 8 Revisão das evidências Ensaios clínicos randomizados controlados; Pacientes hipertensos com > 18 anos de idade;

Leia mais

COST OF TREATMENT OF PATIENTS WITH CHRONIC RENAL FAILURE END STAGE IN SÃO PAULO IN THE PERIOD FROM 2008 TO 2012

COST OF TREATMENT OF PATIENTS WITH CHRONIC RENAL FAILURE END STAGE IN SÃO PAULO IN THE PERIOD FROM 2008 TO 2012 Science in Health jan-abr 2014; 5(1): 6-11 CUSTO DO TRATAMENTO DOS PACIENTES COM INSUFICIÊNCIA RENAL CRÔNICA EM ESTÁGIO TERMINAL NO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO, NO PERÍODO DE 2008 A 2012. COST OF TREATMENT

Leia mais

ANEXO I Procedimentos incluídos na Tabela de Procedimentos, Medicamentos e OPM do SUS para o tratamento da Doença Renal Crônica

ANEXO I Procedimentos incluídos na Tabela de Procedimentos, Medicamentos e OPM do SUS para o tratamento da Doença Renal Crônica ANEXO I Procedimentos incluídos na Tabela de Procedimentos, Medicamentos e OPM do SUS para o tratamento da Doença Renal Crônica CÓDIGO PROCEDIMENTO 03.01.13.005-1 Acompanhamento multiprofissional em DRC

Leia mais

Jordana Bernardi Daltrozo 1, Alice Spillere 2, Cassiana Mazon Fraga 3

Jordana Bernardi Daltrozo 1, Alice Spillere 2, Cassiana Mazon Fraga 3 12 Arquivos Catarinenses de Medicina Vol. 39, n o. 4, de 2010 0004-2773/10/39-04/12 Arquivos Catarinenses de Medicina Avaliação do estado nutricional e do perfil clínicoepidemiológico dos pacientes em

Leia mais

EXPERIÊNCIA INTERDISCIPLINAR: DIA MUNDIAL DO RIM

EXPERIÊNCIA INTERDISCIPLINAR: DIA MUNDIAL DO RIM 8. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: SAÚDE EXPERIÊNCIA INTERDISCIPLINAR: DIA MUNDIAL DO RIM XAVIER,K.A 1 ALMEIDA,A.E 2 ZIMMERMANN,M.H 3 GONÇALVES, C. S 4 GRDEN,C.R.B 5 RESUMO -

Leia mais

Comunicação Breve RESUMO ABSTRACT. Recebido em 09/11/07 / Aprovado em 20/02/08

Comunicação Breve RESUMO ABSTRACT. Recebido em 09/11/07 / Aprovado em 20/02/08 Comunicação Breve Tratamento da Doença Renal Crônica: Estratégias para o Maior Envolvimento do Paciente em seu Auto-Cuidado Chronic Kidney Disease Treatment: Strategies for Increasing the Patient s Participation

Leia mais

Número de Clínicas em atividade no Brasil: 724. Associadas à ABCDT: 390 (53,5%) Não sócias: 344 (47,5%)

Número de Clínicas em atividade no Brasil: 724. Associadas à ABCDT: 390 (53,5%) Não sócias: 344 (47,5%) www.abcdt.org.br Número de Clínicas em atividade no Brasil: 724 Associadas à ABCDT: 390 (53,5%) Não sócias: 344 (47,5%) DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DAS 724 CLÍNICAS DE DIÁLISE DO BRASIL Sul: 144 (19,6%) Sudeste:

Leia mais

Relatório de Monitorização Ambulatorial da Pressão Arterial (M.A.P.A.) Padrão

Relatório de Monitorização Ambulatorial da Pressão Arterial (M.A.P.A.) Padrão Av. Paulista, 9 cj 16 CEP 1311-91 - São Paulo - SP Tels: (11) 3141-11 Fax: 3141-37 Relatório de Monitorização Ambulatorial da Pressão Arterial (M.A.P.A.) 1 - Dados do Exame Nº do Exame Data de Instalação:

Leia mais

ALERGOLOGIA BERÇÁRIO. Tel: 2107-5123 Ordem Procedimentos e Exames OBS

ALERGOLOGIA BERÇÁRIO. Tel: 2107-5123 Ordem Procedimentos e Exames OBS Clínicas médicas ALERGOLOGIA Emissão de pareceres e laudos médicos. 3 Assistência a pacientes baixados. 4 Exames especificados na Clínica Pneumológica. BERÇÁRIO Tel: 107-513 1 Atendimento de pacientes

Leia mais

Breves apontamentos do Registo Nacional do Tratamento da IRC

Breves apontamentos do Registo Nacional do Tratamento da IRC Rui Alves Filipe Breves apontamentos do Registo Nacional do Tratamento da IRC 1984: criação do Gabinete do Registo Nacional do Tratamento da IRC pelo Prof. Dr. Jacinto Simões, então Presidente da SPN 1984

Leia mais

CENSO DE DIÁLISE SBN 2013

CENSO DE DIÁLISE SBN 2013 CENSO DE DIÁLISE SBN 213 Dados Gerais Total de Unidades Renais Cadastradas na SBN: 73 Total de Unidades Renais Cadastradas na SBN e Ativas com programa crônico: 658 Total de Unidades Ativas que Responderam

Leia mais

Considerando a Portaria nº 1.168/GM, de 15 de junho de 2004, que institui a Política Nacional de Atenção ao Portador de Doença Renal;

Considerando a Portaria nº 1.168/GM, de 15 de junho de 2004, que institui a Política Nacional de Atenção ao Portador de Doença Renal; SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE PORTARIA Nº 211, DE 15 DE JUNHO DE 2004 O Secretário de Atenção à Saúde, no uso de suas atribuições; Considerando a Portaria nº 1.168/GM, de 15 de junho de 2004, que institui

Leia mais

Doença com grande impacto no sistema de saúde

Doença com grande impacto no sistema de saúde Por quê abordar a Doença Renal Crônica Cô? PROBLEMA DE SAÚDE PÚBLICA Doença com grande impacto no sistema de saúde Acomete muitas pessoas Vem aumentando nos últimos anos Provavelmente continuará a aumentar

Leia mais

Mariane de Moura Oliveira Discente do Curso de Medicina da Universidade Severino Sombra, USS, Vassouras/RJ

Mariane de Moura Oliveira Discente do Curso de Medicina da Universidade Severino Sombra, USS, Vassouras/RJ Avaliação da Prevalência de Nefropatia pelo Uso de Contraste Iodado em Pacientes Diabéticos no Serviço de Hemodinâmica do Hospital Universitário Sul Fluminense (Husf), de Vassouras-Rj Mariane de Moura

Leia mais

Consulta de Enfermagem para Pessoas com Hipertensão Arterial Sistêmica. Ms. Enf. Sandra R. S. Ferreira

Consulta de Enfermagem para Pessoas com Hipertensão Arterial Sistêmica. Ms. Enf. Sandra R. S. Ferreira Consulta de Enfermagem para Pessoas com Hipertensão Arterial Sistêmica Ms. Enf. Sandra R. S. Ferreira O QUE É HIPERTENSÃO ARTERIAL? Condição clínica multifatorial caracterizada por níveis elevados e sustentados

Leia mais

10º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM DIABETES MELLITUS E HIPERTENSÃO ARTERIAL EM PACIENTES RENAIS CRÔNICOS EM HEMODIÁLISE

10º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM DIABETES MELLITUS E HIPERTENSÃO ARTERIAL EM PACIENTES RENAIS CRÔNICOS EM HEMODIÁLISE 10º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM DIABETES MELLITUS E HIPERTENSÃO ARTERIAL EM PACIENTES RENAIS CRÔNICOS EM HEMODIÁLISE Patrícia Keiko Saito 1 Roger Haruki Yamakawa 1 Sueli Donizete Borelli 2 O objetivo

Leia mais

Iniciativa Gaúcha de Indicadores

Iniciativa Gaúcha de Indicadores Iniciativa Gaúcha de es Manual para Unidades de Diálise participantes Ano 2012 Sociedade Gaúcha de Nefrologia Iniciativa Gaúcha para Padronização de es de Qualidade Manual do Participante Introdução A

Leia mais

ANÁLISE DA EFICÁCIA DO PROGRAMA HIPERDIA EM UMA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE: DA TEORIA A PRÁTICA

ANÁLISE DA EFICÁCIA DO PROGRAMA HIPERDIA EM UMA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE: DA TEORIA A PRÁTICA ANÁLISE DA EFICÁCIA DO PROGRAMA HIPERDIA EM UMA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE: DA TEORIA A PRÁTICA Costa 1, A. A. S., Soares 2, C. S., Pires 3, P. R. S., Moreira 4, A. G. E. ; Filipini 5, S. M. 1,2,3,4,5 Univap/Enfermagem,

Leia mais

Administração dos riscos cardiovasculares Resumo de diretriz NHG M84 (segunda revisão, janeiro 2012)

Administração dos riscos cardiovasculares Resumo de diretriz NHG M84 (segunda revisão, janeiro 2012) Administração dos riscos cardiovasculares Resumo de diretriz NHG M84 (segunda revisão, janeiro 2012) traduzido do original em holandês por Luiz F.G. Comazzetto 2014 autorização para uso e divulgação sem

Leia mais

Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004.

Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004. Artigo comentado por: Dr. Carlos Alberto Machado Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004. Kwok Leung Ong, Bernard M. Y. Cheung, Yu Bun

Leia mais

O Ministro de Estado da Saúde, no uso de suas atribuições legais,

O Ministro de Estado da Saúde, no uso de suas atribuições legais, Portaria n.º 1635/GM Em 12 de setembro de 2002. O Ministro de Estado da Saúde, no uso de suas atribuições legais, Considerando a necessidade de garantir às pessoas portadoras de deficiência mental e de

Leia mais

Diabetes Mellitus: Nefropatia

Diabetes Mellitus: Nefropatia Diabetes Mellitus: Nefropatia Elaboração Final: 30 de setembro de 2004 Participantes: Bathazar APS, Hohl A Autoria: Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia O Projeto Diretrizes, iniciativa

Leia mais

EFEITO PROJETADO DA DIETA DE REDUÇÃO DE SAL NA DOENÇA CARDIOVASCULAR FUTURA

EFEITO PROJETADO DA DIETA DE REDUÇÃO DE SAL NA DOENÇA CARDIOVASCULAR FUTURA EFEITO PROJETADO DA DIETA DE REDUÇÃO DE SAL NA DOENÇA CARDIOVASCULAR FUTURA AP R E S E N TAD O P O R R E N AT O AN T U N E S C AI R E S N A R E U N I Ã O D A U N I D AD E D E H I P E R T E N S Ã O D O

Leia mais

USO DO HIPERDIA NA ATENÇÃO BÁSICA. Dr. EDSON AGUILAR PEREZ

USO DO HIPERDIA NA ATENÇÃO BÁSICA. Dr. EDSON AGUILAR PEREZ Dr. EDSON AGUILAR PEREZ QUADRO ATUAL HIPERTENSÃO ARTERIAL E DIABETES MELLITUS DOENÇAS CRÔNICAS NÃO-TRANSMISSÍVEIS APRESENTANDO A MAIOR MAGNITUDE ELEVADO NÚMERO DE CONSULTAS DE ROTINA, DE EMERGÊNCIA E URGÊNCIA

Leia mais

IV WORKSHOP GESTÃO DA QUALIDADE COM FOCO EM CLÍNICA DE DIÁLISE

IV WORKSHOP GESTÃO DA QUALIDADE COM FOCO EM CLÍNICA DE DIÁLISE IV WORKSHOP GESTÃO DA QUALIDADE COM FOCO EM CLÍNICA DE DIÁLISE 18 e 19 de marco de 2011 Recife/PE Case da Unidade de Diálise da Santa Casa de Belo Horizonte NEFROMG Raquel Mendes Administradora Marco /

Leia mais

INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA E CRÔNICA: CAUSAS E ACHADOS LABORATORIAIS.

INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA E CRÔNICA: CAUSAS E ACHADOS LABORATORIAIS. INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA E CRÔNICA: CAUSAS E ACHADOS LABORATORIAIS. Jair Oliveira Rodrigues; Matheus Gonçalves de Sousa; Mithally Suanne Ribeiro Rocha; Rodrigo da Silva Santos Instituto de Ciências da

Leia mais

Sociedade Brasileira de Nefrologia Censo da Sociedade Brasileira de Nefrologia 2013 DRC como Epidemia : prevalência estimada de pacientes em diálise no Brasil 1994-2013 Sociedade Brasileira de Nefrologia

Leia mais

HEMODIÁLISE: técnica x legislação

HEMODIÁLISE: técnica x legislação SOBEN Associação Brasileira de Enfermagem em Nefrologia HEMODIÁLISE: técnica x legislação VALQUIRIA GRECO ARENAS Mestre em Ciências USP/SP Especialista em Nefrologia Innovare Assessoria e Consultoria Ltda

Leia mais

Metas de pressão arterial em pacientes com diabetes Blood pressure goals in patients with diabetes

Metas de pressão arterial em pacientes com diabetes Blood pressure goals in patients with diabetes ARTIGO DE REVISÃO 169 Metas de pressão arterial em pacientes com diabetes Blood pressure goals in patients with diabetes Roberta Arnoldi Cobas 1, Marília de Brito Gomes 1 RESUMO A coexistência de hipertensão

Leia mais

Doença Renal Crônica: Problemas e Soluções

Doença Renal Crônica: Problemas e Soluções Doença Renal Crônica: Problemas e Soluções Marcus G. Bastos Wander Barros do Carmo Rodrigo Reis Abrita Ellen Christine de Almeida Denise Mafra Darcília Maria N. da Costa Jacqueline de A. Gonçalves Lúcia

Leia mais

Diretrizes de Prática Clínica para Doença Renal Crônica: Avaliação, Classificação e Estratificação RESUMO EXECUTIVO

Diretrizes de Prática Clínica para Doença Renal Crônica: Avaliação, Classificação e Estratificação RESUMO EXECUTIVO Diretrizes de Prática Clínica para Doença Renal Crônica: Avaliação, Classificação e Estratificação RESUMO EXECUTIVO 1 ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE K/DOQI Estas diretrizes estão baseadas nas melhores informações

Leia mais

Objetivo da participação:

Objetivo da participação: Objetivo da participação: Contribuir para facilitar o entendimento da prescrição da intensidade do exercício em pacientes pós IAM em programas de reabilitação. BENEFÍCIOS: Isquemia miocárdica 1- Melhora

Leia mais

AVALIAÇÃO DA FUNÇÃO RENAL DE IDOSOS ATENDIDOS NO CENTRO DE HEMATOLOOGIA E LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS-LTDA

AVALIAÇÃO DA FUNÇÃO RENAL DE IDOSOS ATENDIDOS NO CENTRO DE HEMATOLOOGIA E LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS-LTDA AVALIAÇÃO DA FUNÇÃO RENAL DE IDOSOS ATENDIDOS NO CENTRO DE HEMATOLOOGIA E LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS-LTDA Lucas Linhares de Lócio 1 ; Heronides dos Santos Pereira 2 ; Sarah Pereira Lins 3 ; Sabrina

Leia mais

ATUALIZA ASSOCIAÇÃO CULTURAL ENFERMAGEM EM EMERGÊNCIA ÍRIA CRUZ PIMENTEL

ATUALIZA ASSOCIAÇÃO CULTURAL ENFERMAGEM EM EMERGÊNCIA ÍRIA CRUZ PIMENTEL ATUALIZA ASSOCIAÇÃO CULTURAL ENFERMAGEM EM EMERGÊNCIA ÍRIA CRUZ PIMENTEL RELAÇÃO DA ETNIA COM A HIPERTENSÃO ARTERIAL EM PACIENTES RESGISTRADOS NO PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO DE HIPERTENSOS E DIABÉTICOS

Leia mais

Sybelle de Araujo Cavalcante Nutricionista

Sybelle de Araujo Cavalcante Nutricionista Secretaria de Estado da Saúde - SESAU Superintendência de Assistência em Saúde SUAS Diretoria de Atenção Básica - DAB Gerência do Núcleo do Programa Saúde e Nutrição Sybelle de Araujo Cavalcante Nutricionista

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE DIRETRIZES CLÍNICAS PARA O CUIDADO AO PACIENTE COM DOENÇA RENAL CRÔNICA DRC NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE

MINISTÉRIO DA SAÚDE DIRETRIZES CLÍNICAS PARA O CUIDADO AO PACIENTE COM DOENÇA RENAL CRÔNICA DRC NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE MINISTÉRIO DA SAÚDE DIRETRIZES CLÍNICAS PARA O CUIDADO AO PACIENTE COM DOENÇA RENAL CRÔNICA DRC NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE Brasília- DF 2014 1 MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Atenção à Saúde Departamento

Leia mais

Efeitos da Ampla Modificação no Estilo de Vida como Dieta, Peso, Atividade Física e Controle da Pressão Arterial: Resultado de 18 Meses de Estudo

Efeitos da Ampla Modificação no Estilo de Vida como Dieta, Peso, Atividade Física e Controle da Pressão Arterial: Resultado de 18 Meses de Estudo Efeitos da Ampla Modificação no Estilo de Vida como Dieta, Peso, Atividade Física e Controle da Pressão Arterial: Resultado de 18 Meses de Estudo Randomizado Apresentado por Tatiana Goveia Araujo na reunião

Leia mais

ANEXO I FORMULÁRIO DE APRESENTAÇÃO DOS PROGRAMAS DE PROMOÇÃO À SAÚDE E PREVENÇÃO DE DOENÇAS

ANEXO I FORMULÁRIO DE APRESENTAÇÃO DOS PROGRAMAS DE PROMOÇÃO À SAÚDE E PREVENÇÃO DE DOENÇAS ANEXO I FORMULÁRIO DE APRESENTAÇÃO DOS PROGRAMAS DE PROMOÇÃO À SAÚDE E PREVENÇÃO DE DOENÇAS I. IDENTIFICAÇÃO DA OPERADORA Nº de registro da operadora: II. CARACTERIZAÇÃO DA OPERADORA (Aspectos Epidemiológicos)

Leia mais

PROTOCOLO DE ABORDAGEM E TRATAMENTO DA SEPSE GRAVE E CHOQUE SÉPTICO DAS UNIDADES DE PRONTO ATENDIMENTO (UPA)/ ISGH

PROTOCOLO DE ABORDAGEM E TRATAMENTO DA SEPSE GRAVE E CHOQUE SÉPTICO DAS UNIDADES DE PRONTO ATENDIMENTO (UPA)/ ISGH PROTOCOLO DE ABORDAGEM E TRATAMENTO DA SEPSE GRAVE E CHOQUE SÉPTICO DAS UNIDADES DE PRONTO ATENDIMENTO (UPA)/ ISGH 1. APRESENTAÇÃO A SEPSE TEM ALTA INCIDÊNCIA, ALTA LETALIDADE E CUSTO ELEVADO, SENDO A

Leia mais

REDUZIR A PRESSÃO ARTERIAL PARA VALORES ABAIXO DE 130 x 80 É BENÉFICO NO PACIENTE HIPERTENSO COM NEFROPATIA DIABÉTICA OU NÃO ASSOCIADA?

REDUZIR A PRESSÃO ARTERIAL PARA VALORES ABAIXO DE 130 x 80 É BENÉFICO NO PACIENTE HIPERTENSO COM NEFROPATIA DIABÉTICA OU NÃO ASSOCIADA? REDUZIR A PRESSÃO ARTERIAL PARA VALORES ABAIXO DE 130 x 80 É BENÉFICO NO PACIENTE HIPERTENSO COM NEFROPATIA DIABÉTICA OU NÃO ASSOCIADA? ROGÉRIO BAUMGRATZ DE PAULA PROFESSOR TITULAR - NEFROLOGIA UNIVERSIDADE

Leia mais

Diagnóstico e tratamento tardios da insuficiência renal crônica terminal

Diagnóstico e tratamento tardios da insuficiência renal crônica terminal J. Bras. Nefrol. 1995; 17(4): 219-223 219 Diagnóstico e tratamento tardios da insuficiência renal crônica terminal Ricardo Sesso, Angélica G. Belasco, Horácio Ajzen Nós estudamos 142 pacientes que iniciaram

Leia mais

Luis G. Modelli de Andrade Daniela Ponce Gabriel Luis Cuadrado Martin Andréia Pessoa da Cruz André Luis Balbi Jacqueline T. Caramori Pasqual Barretti

Luis G. Modelli de Andrade Daniela Ponce Gabriel Luis Cuadrado Martin Andréia Pessoa da Cruz André Luis Balbi Jacqueline T. Caramori Pasqual Barretti Sobrevida em Hemodiálise no Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Botucatu Unesp: Comparação Entre a Primeira e a Segunda Metades da Década de 90 RESUMO Objetivo: Comparar a sobrevida em hemodiálise

Leia mais

A ESTRATIFICAÇÃO DE RISCO PARA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA, DIABETES MELLITUS E DOENCA RENAL CRÔNICA

A ESTRATIFICAÇÃO DE RISCO PARA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA, DIABETES MELLITUS E DOENCA RENAL CRÔNICA A ESTRATIFICAÇÃO DE RISCO PARA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA, DIABETES MELLITUS E DOENCA RENAL CRÔNICA CONTEÚDO EXTRAÍDO DA LINHA-GUIA DE HIPERTENSÃO ARTERIAL, DIABETES MELLITUS E DOENÇA RENAL CRÔNICA

Leia mais

Diabetes mellituséuma doença metabólica caracterizada por um aumento anormal do açúcar ou glicose no sangue QUEM DA MAIS?...

Diabetes mellituséuma doença metabólica caracterizada por um aumento anormal do açúcar ou glicose no sangue QUEM DA MAIS?... Diabetes mellituséuma doença metabólica caracterizada por um aumento anormal do açúcar ou glicose no sangue QUEM DA MAIS?... Nathan et al. (2005) American Diabetes Association, (2005) 12% da população

Leia mais

PREVALÊNCIA DE INSUFICIÊNCIA RENAL CRÔNICA EM PACIENTES DIABETICOS EM UM LABORATORIO CLÍNICO EM CAMPINA GRANDE

PREVALÊNCIA DE INSUFICIÊNCIA RENAL CRÔNICA EM PACIENTES DIABETICOS EM UM LABORATORIO CLÍNICO EM CAMPINA GRANDE PREVALÊNCIA DE INSUFICIÊNCIA RENAL CRÔNICA EM PACIENTES DIABETICOS EM UM LABORATORIO CLÍNICO EM CAMPINA GRANDE Lucas Linhares de Lócio (Universidade Estadual da Paraíba lucas_linhares10@hotmail.com) Raiff

Leia mais

Relatório Estatístico da Pesquisa Realizada no 23º Congresso Estadual da APEOESP

Relatório Estatístico da Pesquisa Realizada no 23º Congresso Estadual da APEOESP Relatório Estatístico da Pesquisa Realizada no 23º Congresso Estadual da APEOESP (1 a 3 de dezembro de 2010) Objetivos da Pesquisa: 1) Gerais: Conhecer mais profundamente a saúde e condições de trabalho

Leia mais

SOCIEDADE BRASILEIRA DE NEFROLOGIA PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICA EM NEFROLOGIA

SOCIEDADE BRASILEIRA DE NEFROLOGIA PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICA EM NEFROLOGIA PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICA EM NEFROLOGIA OBJETIVOS DO PROGRAMA Objetivo Geral Capacitar o profissional médico durante os dois anos de treinamento de conteúdo programático teórico e prático essenciais,

Leia mais

NEFROPATIA DIABÉTICA. Cristianne da Silva Alexandre Disciplina de Nefrologia UFPB

NEFROPATIA DIABÉTICA. Cristianne da Silva Alexandre Disciplina de Nefrologia UFPB NEFROPATIA DIABÉTICA Cristianne da Silva Alexandre Disciplina de Nefrologia UFPB Nefropatia Diabética Causa mais comum de IRCT em adultos. Diabetes acomete 0,5% da população 25 a 35% devolvem ND com pico

Leia mais

INSTITUTO LATINO AMERICANO DE SEPSE CAMPANHA DE SOBREVIVÊNCIA A SEPSE PROTOCOLO CLÍNICO. Atendimento ao paciente com sepse grave/choque séptico

INSTITUTO LATINO AMERICANO DE SEPSE CAMPANHA DE SOBREVIVÊNCIA A SEPSE PROTOCOLO CLÍNICO. Atendimento ao paciente com sepse grave/choque séptico CAMPANHA DE SOBREVIVÊNCIA A SEPSE PROTOCOLO CLÍNICO Atendimento ao paciente com sepse grave/choque séptico 1. Importância do protocolo Elevada prevalência Elevada taxa de morbidade Elevada taxa de mortalidade

Leia mais

Terapia Renal Substitutiva em Minas Gerais

Terapia Renal Substitutiva em Minas Gerais Terapia Renal Substitutiva em Minas Gerais Audiência Pública sobre as condições de tratamento oferecidas no Estado de Minas Gerais aos pacientes renais e a possível necessidade expansão e/ou criação de

Leia mais

DIABETES MELLITUS NO BRASIL

DIABETES MELLITUS NO BRASIL DIABETES MELLITUS NO BRASIL 17º Congresso Brasileiro Multidisciplinar em Diabetes PATRÍCIA SAMPAIO CHUEIRI Coordenadora d Geral de Áreas Técnicas DAB/MS Julho, 2012 DIABETES MELITTUS Diabetes é considerado

Leia mais

DIÁLISE TIPOS E INDICAÇÕES. Dr.Luiz Carlos Pavanetti Instituto do Rim de Marília

DIÁLISE TIPOS E INDICAÇÕES. Dr.Luiz Carlos Pavanetti Instituto do Rim de Marília DIÁLISE TIPOS E INDICAÇÕES Dr.Luiz Carlos Pavanetti Instituto do Rim de Marília SÍNDROME URÊMICA SINTOMAS SINAIS CLEARANCE DE CREATININA INSUFICIÊNCIA RENAL CRÔNICA Cuidados pré-diálise Controle de pressão

Leia mais

Artigo Original. Simone Aparecida de Lima 1, Natália Fernandes 1,3, Fabiane Rossi dos Santos 1,3, Marcus Gomes Bastos 2,3 IMEPEN RESUMO ABSTRACT

Artigo Original. Simone Aparecida de Lima 1, Natália Fernandes 1,3, Fabiane Rossi dos Santos 1,3, Marcus Gomes Bastos 2,3 IMEPEN RESUMO ABSTRACT Artigo Original Função Cognitiva e Depressão em Uma Coorte de Pacientes Submetidos a Diálise Peritoneal, Avaliada pelo Mini-mental (MEEM) e BDI Devemos incluí-los na Memória! Cognitive Function and Depression

Leia mais

Epidemiologia DIABETES MELLITUS

Epidemiologia DIABETES MELLITUS Epidemiologia DIABETES MELLITUS 300 milhões / mundo ( 5,9% população adulta) / Brasil : > 10 milhões Aumento progressivo : Longevidade, Síndrome metabólica Mortalidade anual : 3,8 milhões AVC, IAM... Amputação

Leia mais

Insuficiência Renal e Codificação Clínica. Teresa Matias

Insuficiência Renal e Codificação Clínica. Teresa Matias Insuficiência Renal e Codificação Clínica Insuficiência Failure Insufficiency Falência Failure Insufficiency Falência Insufficiency Insuficiência Falência Insuficiência Falência Failure Insufficiency Insuficiência

Leia mais

Coordenação da Atenção Básica. Manual de Orientação para a Unidade Básica de Saúde

Coordenação da Atenção Básica. Manual de Orientação para a Unidade Básica de Saúde Coordenação da Atenção Básica Manual de Orientação para a Unidade Básica de Saúde Secretaria Municipal da Saúde São Paulo 2006 manual_remedio_nova_versao.indd 1 31/1/2006 09:51:20 Prefeito José Serra Secretária

Leia mais

Encaminhamento do paciente com Doença Renal Crônica ao nefrologista

Encaminhamento do paciente com Doença Renal Crônica ao nefrologista Encaminhamento do paciente com Doença Renal Crônica ao nefrologista Dr. Enrique Dorado Instituto de Pesquisas Médicas A. Lanari Argentina Introdução A Doença Renal Crônica (DRC) se transformou em um problema

Leia mais

Professora Assistente do Departamento de Enfermagem da UFPE. Enfermeira do Hospital das Clínicas da UFPE, Brasil. E mail: penha.sa@bol.com.

Professora Assistente do Departamento de Enfermagem da UFPE. Enfermeira do Hospital das Clínicas da UFPE, Brasil. E mail: penha.sa@bol.com. Artigo Original ADESÃO DOS PORTADORES DE DOENÇA RENAL CRÔNICA AO TRATAMENTO CONSERVADOR ADHERENCE OF THE CARRIERS OF CHRONIC RENAL DISEASE TO THE CONSERVATIVE TREATMENT LA ADHESIÓN DE LOS PACIENTES CON

Leia mais

Capacitação de Profissionais em Prevenção, Controle e Assistência Oncológica

Capacitação de Profissionais em Prevenção, Controle e Assistência Oncológica Programa 0011 PREVENÇÃO E CONTROLE DO CÂNCER E ASSISTÊNCIA ONCOLÓGICA Objetivo Indicador(es) Promover a prevenção, a detecção precoce dos tipos de câncer prevalentes e a assistência à população para reduzir

Leia mais

Critérios para Definir a Doença Renal Crônica

Critérios para Definir a Doença Renal Crônica Critérios para Definir a Doença Renal Crônica Dra. Laura Cortés Sanabria Médica Internista, Pesquisadora Clínica Unidade de Pesquisa Médica em Doenças Renais IMSS, Guadalajara. México Objetivo Compreender

Leia mais

ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA E A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO TERRITÓRIO A SAÚDE ATUAÇÃO DO AGENTE COMUNITÁRIO

ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA E A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO TERRITÓRIO A SAÚDE ATUAÇÃO DO AGENTE COMUNITÁRIO ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA E A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO TERRITÓRIO A SAÚDE ATUAÇÃO DO AGENTE COMUNITÁRIO Marlúcio Alves UFU Bolsista programa CAPES/FCT Jul/dez 2011 A ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA - ESF

Leia mais

La Salete Martins. Hospital Santo António, CHP Porto

La Salete Martins. Hospital Santo António, CHP Porto Registos da transplantação em Portugal transplante pancreático La Salete Martins Unidade de Transplante Reno-Pancreático Hospital Santo António, CHP Porto Portugal Reunião SPT, Curia, de 27/11 a 28/11/2009

Leia mais

PROTOCOLOS DE REABILITAÇÃO CARDÍACA FASE II

PROTOCOLOS DE REABILITAÇÃO CARDÍACA FASE II PROTOCOLOS DE REABILITAÇÃO CARDÍACA FASE II III SIMPÓSIO DE FISIOTERAPIA EM CARDIOLOGIA 30 de Outubro a 02 de Novembro de 2004 DAIANA CRISTINE BÜNDCHEN INSTITUTO DE CARDIOLOGIA DE CRUZ ALTA-CT SERVIÇO

Leia mais

FICHA CATALOGRÁFICA. Preparada pela Biblioteca Central da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo

FICHA CATALOGRÁFICA. Preparada pela Biblioteca Central da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo PAULA KOHMI TANAKA Fatores Associados à baixa prevalência de Tratamento em Terapia Renal Substitutiva para pacientes SUS na região da Baixada Santista: um estudo exploratório Dissertação apresentada ao

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções)

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE

Leia mais

1. PREVENÇÃO DA NEFROPATIA DIABÉTICA

1. PREVENÇÃO DA NEFROPATIA DIABÉTICA ASSUNTO: PALAVRAS-CHAVE: PARA: CONTACTOS: NÚMERO: 005/2011 DATA: 31/01/2011 Prevenção e Avaliação da Nefropatia Diabética Nefropatia; Diabetes Conselhos Directivos das Administrações Regionais de Saúde,

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA DE PACIENTES PORTADOR DE DOENÇA RENAL CRÔNICA EM HEMODIÁLISE

QUALIDADE DE VIDA DE PACIENTES PORTADOR DE DOENÇA RENAL CRÔNICA EM HEMODIÁLISE QUALIDADE DE VIDA DE PACIENTES PORTADOR DE DOENÇA RENAL CRÔNICA EM HEMODIÁLISE Marta Isabel Valente Augusto Moraes CAMPOS, Maria do Rosário Gondim PEIXOTO, Edna Regina Silva PEREIRA, Ana Tereza Vaz de

Leia mais

Missão: Prestar assistência de qualidade em Hematologia e Hemoterapia à população e coordenar a Hemorrede do Estado.

Missão: Prestar assistência de qualidade em Hematologia e Hemoterapia à população e coordenar a Hemorrede do Estado. Missão: Prestar assistência de qualidade em Hematologia e Hemoterapia à população e coordenar a Hemorrede do Estado. Visão: Visão: Ser Ser um um Centro Centro de de Excelência em em hematologia e hemoterapia.

Leia mais

Qualidade de vida do paciente renal crônico em tratamento hemodialítico em Dourados MS

Qualidade de vida do paciente renal crônico em tratamento hemodialítico em Dourados MS informação ano 15, n, 15 jan./dez. 2011 Copyright 2011 Instituto Metodista de Ensino Superior CNPJ 44.351.146/0001-57 Qualidade de vida do paciente renal crônico em tratamento hemodialítico em Dourados

Leia mais

EDUCAÇÃO EM SAÚDE: DIA MUNDIAL DO RIM

EDUCAÇÃO EM SAÚDE: DIA MUNDIAL DO RIM EDUCAÇÃO EM SAÚDE: DIA MUNDIAL DO RIM ZIMMERMANN, Marlene Harger 1 - UEPG ALMEIDA, Eva Aparecida 2 - UEPG CINTHO, Lilian Mie Mukai 3 - UEPG ZARPELLON, Lidia Dalgallo 4 - UEPG MELLO, Rosiane Guetter 5 -

Leia mais

GRUPOS DE ATIVIDADES EDUCATIVAS PARA OS PROGRAMAS DE ASSISTÊNCIA AO HIPERTENSO, DIABÉTICOS E IDOSO DA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE JATAÍ-GO*.

GRUPOS DE ATIVIDADES EDUCATIVAS PARA OS PROGRAMAS DE ASSISTÊNCIA AO HIPERTENSO, DIABÉTICOS E IDOSO DA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE JATAÍ-GO*. GRUPOS DE ATIVIDADES EDUCATIVAS PARA OS PROGRAMAS DE ASSISTÊNCIA AO HIPERTENSO, DIABÉTICOS E IDOSO DA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE JATAÍ-GO*. SILVA, Kelvia Donato¹; SILVA, Lorrayne Emanuela Duarte¹;

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES JANEIRO/2011 COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES CNHD Supervisão

Leia mais

Aumento dos custos no sistema de saúde. Saúde Suplementar - Lei nº 9.656/98

Aumento dos custos no sistema de saúde. Saúde Suplementar - Lei nº 9.656/98 IX ENCONTRO NACIONAL DE ECONOMIA DA SAÚDE DA ABRES Utilização de Serviços em uma Operadora de Plano de Saúde que Desenvolve Programas de Promoção da Saúde e Prevenção de Doenças Cardiovasculares Danielle

Leia mais

Presença da Pessoa com Deficiência Atenção e Reabilitação desde a Equipe Saúde da Família

Presença da Pessoa com Deficiência Atenção e Reabilitação desde a Equipe Saúde da Família A Intersetorialidade como estratégia ao atendimento integral à Pessoa com Deficiência, desde a Atenção Básica Coordenação de Programas de Reabilitação\SMS Rio de Janeiro Coordenação de Reabilitação e Atenção

Leia mais

EFETIVIDADE DE AÇÕES DE APOIO DE UMA ORGANIZAÇÃO NÃO GOVERNAMENTAL (ONG) AO TRATAMENTO DE CRIANÇAS EM RISCO SOCIAL

EFETIVIDADE DE AÇÕES DE APOIO DE UMA ORGANIZAÇÃO NÃO GOVERNAMENTAL (ONG) AO TRATAMENTO DE CRIANÇAS EM RISCO SOCIAL Ministério da Saúde Fundação Oswaldo Cruz Instituto Fernandes Figueira EFETIVIDADE DE AÇÕES DE APOIO DE UMA ORGANIZAÇÃO NÃO GOVERNAMENTAL (ONG) AO TRATAMENTO DE CRIANÇAS EM RISCO SOCIAL Ana Maria Aranha

Leia mais

TERAPIA RENAL SUBSTITUTIVA: RINS ARTIFICIAIS, CAPILARES E CAPD

TERAPIA RENAL SUBSTITUTIVA: RINS ARTIFICIAIS, CAPILARES E CAPD OPERADORA DE SAÚDE grande variedade de contratos; coberturas mais amplas nos contratos mais recentes; coberturas nos contratos após Lei 9656, com vigência desde 04/01/1999, já incluindo todo tipo de Terapia

Leia mais

ABORDAGEM DO DOENTE COM DIABETES TIPO 2 E DOENÇA RENAL PROGRESSIVA. Paula Cristina Coelho Jardino

ABORDAGEM DO DOENTE COM DIABETES TIPO 2 E DOENÇA RENAL PROGRESSIVA. Paula Cristina Coelho Jardino Dissertação Mestrado Integrado de Medicina ABORDAGEM DO DOENTE COM DIABETES TIPO 2 E DOENÇA RENAL PROGRESSIVA Paula Cristina Coelho Jardino Orientador Dra. Maria Helena Silva Ramos Porto 2010/2011 ÍNDICE

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE DIRETRIZES CLÍNICAS PARA O CUIDADO AO PACIENTE COM DOENÇA RENAL CRÔNICA DRC NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE

MINISTÉRIO DA SAÚDE DIRETRIZES CLÍNICAS PARA O CUIDADO AO PACIENTE COM DOENÇA RENAL CRÔNICA DRC NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE MINISTÉRIO DA SAÚDE DIRETRIZES CLÍNICAS PARA O CUIDADO AO PACIENTE COM DOENÇA RENAL CRÔNICA DRC NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE Brasília- DF 2014 1 MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Atenção à Saúde Departamento

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO SERVIÇO DE SAÚDE COMUNITÁRIA APOIO TÉCNICO EM MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO SERVIÇO DE SAÚDE COMUNITÁRIA APOIO TÉCNICO EM MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO SERVIÇO DE SAÚDE COMUNITÁRIA APOIO TÉCNICO EM MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO EXPERIÊNCIAS DE ORGANIZAÇÃO DO CUIDADO EM SAÚDE Abordagem integrada na atenção as pessoas com HAS, DM

Leia mais

Tema: Informações técnicas sobre o NUTRI-RENAL para pacientes em tratamento dialítico 1. ANÁLISE CLÍNICA DA SOLICITAÇÃO 3. 1.1. Pergunta estruturada 3

Tema: Informações técnicas sobre o NUTRI-RENAL para pacientes em tratamento dialítico 1. ANÁLISE CLÍNICA DA SOLICITAÇÃO 3. 1.1. Pergunta estruturada 3 Consultoria 06/2012 Solicitante Dr. Enismar Kelley de Souza e Freitas Juiz de Direito - Comarca de Cristina MG Data:22/10/2012 Medicamento Material Procedimento Cobertura X Tema: Informações técnicas sobre

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES JANEIRO/2011 HIPERTENSÃO ARTERIAL E DIABETES MELLITUS MORBIDADE AUTO REFERIDA

Leia mais