MASS UNDERGROUND MINING AND THE ROLE OF THE EXPLORATION GEOLOGIST

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MASS UNDERGROUND MINING AND THE ROLE OF THE EXPLORATION GEOLOGIST"

Transcrição

1 29 de dezembro de 2010 O conteúdo das matérias é de inteira responsabilidade dos meios de origem A missão da ADIMB é a de promover o desenvolvimento técnico-científico e a capacitação de recursos humanos para a Indústria Mineral Brasileira MASS UNDERGROUND MINING AND THE ROLE OF THE EXPLORATION GEOLOGIST INTRODUCTION A growing awareness exists among many mining company executives, particularly in the world s major resources companies, that the future of some sections of the metalliferous mining industry (e.g., copper, in particular) is becoming increasingly tied to large, deeply buried mineral deposits that can only be mined economically by low-cost, mass (or bulk) underground mining techniques and/or very deep open pits. Moreover, many de - posits presently being evaluated for mining, and many of those yet to be discovered (if developed as underground mines), may be mined on a scale that is much larger than used at any present mass underground mine; in many instances, these underground mines may be on a scale approaching that of some existing open-pit mines. For most exploration geologists and many mining engineers, the concept of mass or bulk underground mining is something that they have heard of but know little about. The development of one of these mines requires a much larger amount of upfront capital than does an open-pit mine of equivalent size and thus can be a very high risk venture. The financing of these projects can be difficult, and it requires long lead times to define, plan, and develop such deposits. In a bulk underground mine, much of the development is preproduction (especially so with a block cave mine, where almost all of it is preproduction) and the risk of delay, partial failure, or even total failure is much higher than in an open pit. In essence, there is only one chance to get it right it must start at the beginning of the mining concept studies and, more importantly, during feasibility study stages. Otherwise, there is a high risk the investment will be wasted or, at best, put in severe jeopardy. For geologists used to the high risk of failure with mineral exploration, another factor has been introduced that needs to be overcome. Nevertheless, as more and more of the world s so-called easy-to-find mineral deposits are identified and exploited and the demand for metals continues to increase, exploration geologists are

2 increasingly turning their exploration effort to the search for deeper, commonly blind deposits. These deposits by their very nature carry with them a diminished chance of discovery. Increasing environmental and licenceto-operate issues (e.g., water, energy, and community) are also combining to add further pressure on the exploration geologist to, in effect, discover orebodies that can be mined in a way that is perceived to have less of a visible impact than is obvious with a large, open-pit mine, albeit still with an unfortunate and significant surface expression in the form of a subsidence area created by the underground mining. As a result, geologists and mining engineers will have no choice but to adjust to the increased risk associated with deep deposits, a number of which can only be developed economically by mass underground mining. Mining engineering and geological research into mitigating and minimizing the risks associated with mass underground mining is essential, and has been the major focus at the W H Bryan Mining and Geology Research Centre at The University of Queensland, Brisbane, Australia; here, one author of this article (Chitombo) is leading investigations into the fundamentals of caving processes and ways to mitigate and minimize (mainly) geotechnical risks during the design, construction, and operation processes. Importance of the geologist in mass underground mining The importance of the exploration geologist in mass underground mining is becoming more critical than may be understood by many geologists with traditional training and experience. Aside from the obvious part played by the exploration geologist in the discovery process, until a deposit makes the transition from discovery and resource definition to mining, the exploration geologist knows more about the potential orebody, particularly its shape, grade distribution, geotechnical characteristics and mineralization style, possible impediments to development, etc., than anyone else. This situation is reinforced with a deposit that is a possible candidate for underground mining by the fact that, because of the depth to the deposit and associated very large cost of its definition, there will be pressure on the geologist to keep the amount of resource definition drilling to the minimum required to satisfy the requirement for ore reserve definition. As a result, the skill of the geologist in interpreting the results of the drilling and in seeking additional information with further drilling, if necessary, is critically important. To properly fulfil the role, the geologist must be able to think outside the box and look at the bigger picture, and focus not only on drilling out the deposit, but also on those other aspects that will contribute to determining whether or not the deposit will become an orebody. It is essential that the exploration geologist observe the surrounding environment and understand the local conditions that are, or may be, unfavorable to block cave mining. The geologist must understand the effects upon a potential block cave mine of such things as rainfall, surface drainage patterns, groundwater flows, aquifers, rock type above the ore zone, terrain, human habitation, etc. These are the factors that have to be discussed with management and engineers, as any one of these could be a project killer. This acquired knowledge provides the exploration geologist with a unique opportunity to influence mining engineers and mining company senior management about possible mining methods. Consequently, in our opinion it is essential that exploration geologists have sufficient understanding of mining methods to be able to discuss mining options confidently with mining engineers during concept and prefeasibility studies. In effect, to properly discharge his duty in this regard, the exploration geologist needs to have developed an understanding of the data used in planning large underground mining operations, such as hydrology, rock mechanics, orebody modelling, etc., and how these parameters interrelate. It is no longer sufficient for the exploration geologist to just explore and define deposits, since optimizing the production of these deposits takes account of all the data available, starting with geology. By developing this understanding the exploration geologist will be much better placed to plan and execute the discovery and resource definition drilling programs and related data collection. While parallel efforts are being made elsewhere to study geotechnical aspects of mining deep pits (e.g., Read and Stacey, 2009), the purpose of this article is to provide exploration geologists with

3 an introductory description of the various mass underground mining options currently being used in the mining industry. The technology is being improved and new developments are being applied that will increase the scale of future mass underground mines around the world. We wish to encourage exploration geologists to read more widely (see references) on the topic of mass underground mining and to expand their knowledge of block geologist in a block cave operation. MASS MINING METHODS The precursor to mass underground mining, as presently applied to many of the world s larger and lower grade copper and copper-gold deposits, was the development of open-pit mining in the iron ore mines of Michigan, USA, in the late 1800s, to provide the raw material for the country s burgeoning steel industry. Mass (bulk) mining in the copper industry essentially started in 1903, when Daniel Jackling initiated the world s first open-pit mining system at the Bingham Canyon porphyry copper deposit in Utah, at a mining rate of 6,000 tonnes per day (tpd) of ore. His prediction that the mining cost per ton would be low was verified in 1907 when 2 percent Cu ore, which previously had been regarded as waste because it was not economic, was mined and concentrated profitably. Since then, the scale of open-pit mass mining has increased dramatically, with the Escondida and Chuquicamata open pits in Chile, presently the world s largest open-pit mines, currently producing at a rate of about or slightly greater than 1 M tpd of ore and waste. Over the life of the Escondida large open pit, the waste/ore stripping ratio will average about 1.7:1, whereas that of the Chuquicamata will be about 0.5:1. Concomitant with this increase in production scale has been a similar increase in open-pit depth. For example, the Chuquicamata mine increased in depth from 280 m in 1970 to 930 m in 2007 and is projected to become 1,050 m deep over the coming seven or eight years. Current plans are to convert the mine to underground panel caving and this transition or conversion will occur when the pit reaches a depth of approximately 1,100 m. A similar but less well-known increase in the size of mass underground mines has occurred over the past century. At present the world s largest mass underground mine in terms of total production is Codelco s El Teniente Division in Chile, which has increased its production rate tenfold since 1905 when it started, from about 15,000 tpd in 1920 to an anticipated 140,000 tpd in This production comes from as many as eight mining sectors, with production rates from each sector ranging from 10,000 to 45,000 tpd. The Deep Ore zone (DOZ) mine, operated by Freeport McMoRan in Papua, Indonesia, is presently the largest single mining sector operation, producing at a rate approaching 90,000 tpd of mainly ore. With open-pit mines, the increase in production rates is due in large part to increased mechanization in mines and to the increased capacities of mining equipment such as shovels, loaders and trucks, and blasthole drills assisted significantly by the development and application of rock mechanics, or geo-mechanics, to open-pit slope engineering and to slope stability research. Similarly with mass underground mines, the increases in production rates are linked to improved equipment or mechanization; contributions have also come from the development of geomechanics as a discipline, and to research into its application to mass underground mining in the areas of rock mass characterization, caving mechanics and seismicity, gravity flow, confined blasting, and subsidence predictions. MASS UNDERGROUND MINING METHODS Mass or bulk underground methods (Fig. 1) range from block and panel caving (bpc) to sublevel caving (slc) and sublevel open stoping (slos), with a new generation of bpc mines, the super bpc (sbpc), either just starting or in the planning stage. These latter operations will produce at mining rates of up to 700,000 tpd or more from a single mining panel (typically there will be a number of panels mined in a single cave mining operation), whereas large BPC, SLC and to a lesser extent SLOS mines typically produce in the range of 10,000 to 50,000 tpd (Brown, 2007; Chitombo, 2010). The highest rate so far (approaching 90,000 tpd) was recently (2010) recorded at the DOZ block cave mine, Indonesia (Sahupala et al., 2010).

4 FIGURE 1. Schematic comparison of the essential features of the (a) block-panel caving (BPC), (b) sublevel caving (SLC) and (c) sublevel open stoping (SLOS) methods of underground mass mining (after Logan, 2002 unpub.commun., Newcrest Mining). The attraction of BPC methods for the mining industry lies with the fact that they can be used to mine deep, very large, low-grade orebodies safely and profitably, with very low mining or operating costs when compared to other underground methods. Caving methods are now applicable to mining orebodies in circumstances that were once thought to be restrictive even for inherently strong deposits with uniaxial compressive strengths up to 320 Mpa, where hydraulic fracturing can be used as a preconditioner to caving (Laubscher, 1994, 2001; Moss et al., 2004; Araneda and Sougarret, 2007). COMPARISON OF MINING METHODS Under suitable circumstances, BPC mining has the lowest cost of the three mass underground mining methods (Table 1, schematically in Fig. 2). It is estimated that mining costs are reduced by 50 percent in moving from SLOS to SLC mining and by an additional 50 percent by using the BPC method. Moreover, the BPC method has advantages in terms of operating cost and cutoff grade over other forms of underground mass mining (Table 1, Fig. 2), and compares favorably with open-pit mining when waste-to-ore ratios are 5:1 or greater. An additional attraction of BPC mining is the ability to economically mine low-grade ore underground that previously could have been mined only by open pit.

5 FIGURE 2. Economic grades and cash costs for a number of caving and stoping mines (Logan, 2002). A potentially limiting factor of mass underground mining, in terms of economics and profitability, is the up-front capital cost. This will be less restrictive, in many cases, where mass underground mining is being undertaken at a brownfield site, as a transition from a mature (and deep) open pit to an underground caving mine (e.g., Grasberg, as well as the older mines of Chuquicamata and Bingham Canyon). For an exploration geologist in the process of discovering a mineral deposit that will be mined initially by open pit, there is value for both the geologist and mining engineer in drilling at least a few very deep holes, beyond the expected pit bottom, to test the full depth extent of the mineralization, in anticipation that the ore deposit may eventually undergo a transition into a mass underground

6 mine. Not surprisingly, knowledge of this possibility should be of interest to the mining engineer who is planning the open-pit mine. Figure 2 presents cash costs (US cents/lb of Cu equivalent) plotted against equivalent recovered Cu grade (%) for a number of active caving and stoping mines; a range of open-pit cash costs (in 2002) is shown by the length of the thick arrow on the vertical axis. The future use of mass underground mining is apparent in situations where there are large and deep deposits that are continuous, or there is significant barren material from the surface to the top of the orebody that will incur significant stripping costs if mined by open pit. In these instances, mass underground mining may be the only viable mining option. If so, the additional capital expenditure imposed by underground mining will need to be justified by the scale of operation and the average grade of the orebody, so as to provide an acceptable payback period and return on the capital invested. THE FUTURE OF UNDERGROUND MASS MINING A radical evolution in mass underground mining is presently underway with the development of super block and panel caving (SBPC) mines. Mines of this type are currently being planned for orebodies at El Teniente and Chuquicamata, Chile; Bingham Canyon and Resolution, United States; Grasberg, Indonesia (which will be almost the same size as the present DOZ, at 100, ,000 tpd); Oyu Tolgoi, Mongolia; and Cadia East, Australia, among others. These are a mixture of new mines and old mines previously worked from open pit. Some of these mines will have footprints as large as 250 hectares, with planned extraction levels as deep as 2 km, with attendant geothermal gradient issues. In general terms, the attributes of the various SBPC mines that are presently being planned include the following: 1. A target production rate approaching 100,000 tpd from a single mining unit or sector; equivalent of 35 to 40 M tpa of ore from underground. 2. A mining block height of greater that 500 m, approaching 800 m, where block height (Brown, 2003, 2007) is the height of the block to be caved, measured from the extraction level to one or other of the following: the surface, the base of a preexisting open pit, a predetermined level, a mined-out area above the material to be caved, or as determined by the life of the drawpoint brow. At present the maximum mined block height is in the range of 500 to 600 m. 3. A depth to the undercut level of greater than 1,500 m, and in some instances approaching 2,000 m. 4. A footprint or panel size in plan (e.g., 2 2 km) requiring up to (or more than) 1,000 drawpoints (e.g., using conventional extraction level layouts) to remove the ore from the cave. An early SBPC to be approved for development is the Cadia East panel cave, with the following attributes and design parameters (Newcrest Mining Limited, 2009, 2010): Ore reserve: 961 Mt at 0.61g/t Au and 0.33 wt percent Cu in a lowgrade, gold-copper porphyry deposit. Mining method: Panel caving. Maximum production rate: 26 Mtpa. Mine life: >30 years. First panel lift at ~1,200 m depth (extraction level). 200 km underground development. The Cadia East orebody will be mined using a number of panel caves with block heights expected to range from 400 to 825 m. Newcrest expects that the Cadia East cash cost over the first 10 years of production will be below A$100 per ounce with a total production cost of less than A$250 per ounce (Newcrest Mining Limited, 2010). The reported ore reserve for the Cadia East deposit

7 contains 18.7 Moz gold and 3.16 Mt copper, included within a reported Mineral Resource of 33.2 Moz gold and 6.59 Mt copper (Newcrest Mining Limited, 2009). As knowledge of these mines, once in operation, and the opportunities presented by this mining method spreads, it is our opinion that other deep deposits will inevitably be considered for possible SBPC mining. There are also opportunities for the industry to start defining the requirements of the next underground mass mining innovation to supplement the super caving method for even lower grade deposits. Ultimately, it is expected that mass underground mining methods will be employed to recover metals using different techniques and technologies from those presently used in mining; these are likely to include in-situ recovery of metal. ROLE OF THE EXPLORATION GEOLOGIST Exploration geologists have a key role to play in adopting this evolving, largescale, mass underground mining technology. In doing this, they have a pivotal role to play in defining exploration targets and in identifying permissive styles of mineralization, additional to those presently being exploited by this form of mass mining. Moreover, a better understanding of successful mass underground mining methods and knowledge of the average grade that can potentially be mined with these methods will encourage exploration geologists to explore and probe deeper (1 2 km), for large and possibly relatively low grade mineral deposits. The newer block cave operations currently being financed and developed show that the mining technology exists and can be used economically on similar deposits. In addition, the software that is now available to estimate mineral resources and ore reserves is being used successfully to optimize production from block caves (Diering, 2000). It is our contention that the successful exploration or mine geologist is, or certainly should be, the keeper of the orebody until a feasibility study into mining has been completed. Furthermore, we contend that managers and engineers need to be taught this, and all exploration geologists must remember this. Fonte: SEG Newsletter, nº 83 Autor(a): Dan Wood, Gideon Chitombo, Scott Bryan Data: outubro/2010 GRASSROOTS EXPLORATION: BETWEEN A MAJOR ROCK AND A JUNIOR HARD PLACE Peak metal the time when demand for certain metals exceeds supply, irrespective of how much is spent on exploration and recycling (e.g., Sverdrup et al., 2009) is nigh according to a growing number of its adherents, but mainly from outside the mining industry. Nonetheless, it is being increasingly remarked that the number of discoveries of major metal deposits appears to be dwindling and the cost per discovery rising (e.g., Dummett, 2000; Horn, 2002; Hall, 2010). Many mining professionals, however, subscribe to the view that metal supply will continue to meet society s growing demands for the foreseeable future, notwithstanding the enormous projected requirements of the large urbanizing and industrializing nations, specifically China and India (e.g.,

8 Crowson, 2008). This view, however, would appear to take for granted that abundant but currently subeconomic resources will eventually be exploited and that grassroots (earlystage, greenfields) exploration, by which many new metal provinces, belts, and districts are traditionally discovered, can be sustained at something approaching historical levels. Grassroots exploration has made major contributions to the global metal inventory (Table 1) and, arguably, remains a prerequisite if we are to satisfy long-term metal demands. DECLINING GRASSROOTS ACTIVITY It is becoming abundantly clear, however, that there is a progressive decrease in the proportion of exploration funds being devoted to grassroots activities, irrespective of the position in the economic cycle and, hence, total annual exploration expenditures. Currently, less than one-third of exploration expenditure, both by the world s largest companies and industry wide, including the junior sector, is assigned to grassroots work (Metals Economics Group, 2010; PriceWaterhouseCoopers, 2010). Furthermore, the grassroots proportion of worldwide exploration budgets dropped from 53 to 32 percent between 1996 and 2009, with 41 percent of this latter year s total being raised and spent by the junior sector (Metals Economics Group, 2010); however, this percentage is considered an overestimate because it includes activities that would not be classified here as grassroots. Major and mid-tier companies that still advocate long-term grassroots exploration and have been successful at it (e.g., AngloGold Ashanti in Colombia; Lodder et al., 2010) are becoming a rarity nowadays. The decrease in the share of exploration expenditure assigned to grassroots activities may be attributed to a variety of causes, some of which tend to be fundamentally different for the major and junior sectors. Nevertheless, the reduced expectation of discovery in grassroots environments seems to be a common deterrent. In their present guise, many major companies are becoming dysfunctional grassroots explorers, although their near-mine (brownfields) exploration efforts have recently been rewarded with a number of outstanding discoveries, perhaps most notably in the porphyry copper belts of northern and central Chile. The majors appetite for exploration in frontier and emerging provinces, where much grassroots work needs to be focused, is diminishing because of increased adversity to both the demonstrated and perceived financial, political, social, and personal risks involved. The growing influence of Chinese capital on the Australian, African, and South American

9 mining scenes seems likely to reduce even further the amount of grassroots work conducted there. Clearly, the opportunity for continued brownfields success in any mining district is finite, and the widely touted concept of junior companies being able to supply the grassroots pipeline is, at best, questionable. Furthermore, while acquisition of resources via mergers or takeovers may be an economically attractive option for some in the major and mid-tier sectors, it adds essentially nothing to global metal inventories as well as seriously reducing total exploration expenditure. The junior explorers are under constant pressure from their investors, particularly the hedge funds as well as mostbrokers and mining analysts, to provide quick, even instant exploration success, which normally translates into potentially ore-grade drill intercepts and resource statements. The lead times involved in grassroots work, typically no less than five years, are simply too long for the attention spans of most investors. A drainage or soil geochemical anomaly generated as part of an inspired grassroots program is of minimal interest to the market, and will certainly do little for a company s stock price. Therefore, much junior exploration effort tends to be devoted to long-known prospects, many of themeither handed on by the majors or simply recycled, where promotional drilling results are more readily achievable. As a result, it is estimated that perhaps only 10 to 20 percent of worldwide junior budgets are actually spent on true grassroots activities. The widely discussed reduction in field time by explorationists over the last two decades, particularly in the major companies but also in many juniors as well, has also undoubtedly had a negative impact on grassroots exploration, in which fieldwork is the all-important component. Most of us know why ever more time is being spent in the office: the burgeoning bureaucracy created by the increased need to document and verify issues related to human resources, social responsibility, environmental stewardship, and health and safety; the proliferation of technical reporting requirements; and the all-pervasive obsession with computerized data manipulation and communications. In many companies, excessive amounts of time are spent on indiscriminately collecting and collating masses of geologic, geochemical, and, particularly, geophysical data and not enough time spent on critically thinking about what is really important (the data-rich, knowledgepoor environment; Thompson, 2009). A further problem militating against effective grassroots exploration is the continued failure of many majors (and also some juniors, for that matter) to properly value the cumulative experience of their geologic teams; this was shown yet again by the knee-jerk dismissals from several exploration divisions during the financial crisis. The resulting savings were token, at the expense of a massive loss of corporate memory and future exploration effectiveness, not to mention image. SOME POSSIBLE REMEDIES If long-term metal supply is to be assured, the major, mid-tier, and junior sectors need to expand and refocus their grassroots exploration efforts, a change which implies the need for greater implementation of innovative business approaches and associations. Clearly, the current industry structure and mindset are not, and never will be, conducive to effective grassroots work. A spectrum of business relationships already exists between major and midtier companies and their junior counterparts, and could be readily redirected to stimulate grassroots programs. A major may seek out a junior partner holding an attractive grassroots land position, the latter without the inclination and/or funding to carry out the necessary technical work. The major may supply the funding and/or take a minority equity stake in the junior; and the major, the junior, or both in collaboration may conduct the program. The converse is also eminently feasible: the junior with an unexplored grassroots land position or simply a novel metallogenic concept that requires testing may approach a suitable and potentially interested major for funding. In this case, the junior carries out a mutually agreed-upon technical program, in essence as a contractor, but typically must have a demonstrated track record of discovery or, at the very least, a convincing story! Majors could also make parts of their grassroots land holdings available to judiciously selected junior explorers. Obviously, whatever the business arrangement, the junior company must retain a meaningful participation in any discovery and, if it is a listed company, continue to conduct lower risk exploration

10 elsewhere in order to placate the market. More integrated business relationships between major and junior companies are clearly advantageous, as discussed recently in these columns (Hall, 2010). A strong case also can be made for majors to create and carry out their own grassroots programs without junior company involvement. For example, the formation of consortiums might be considered, which would result in the pooling of capital, expertise, and influence in order to reduce or at least apportion the perceived risk (and, hopefully, the bureaucracy) of carrying out grassroots work in prospective regions (e.g., Horn, 2002). A spectacularly successful arrangement of this type between Utah International and Getty Oil Company resulted in discovery of the Escondida porphyry copper deposit in Chile (Lowell, 1991). Indeed, many major mines today are owned and operated by two or more companies (e.g., Antamina, Peru), so why not simply create the company associations at the outset? This approach is prevalent in the oil industry, primarily as a means of risk mitigation. Another attractive possibility might be for majors to create autonomous exploration subsidiaries that could theoretically have more freedom to conduct grassroots exploration. Such subsidiaries could be wholly owned by the parent, mirroring Bear Creek Mining s highly successful role in Kennecott during the 1950s to 1970s, or partly owned by two or more majors and with or without outside investor participation. Today, the creation of exploration subsidiaries seems to be out of favor, although EMSA s function as the Chilean exploration arm of Codelco is a notable and successful exception. While it is accepted that an exploration subsidiary would have to operate under most of the same corporate constraints as the parent company(ies), at least these constraintsmight be tailored more explicitly to exploration than to mining, processing, and marketing, leading to correspondingly greater operational freedom and flexibility. Transfer of seasoned geoscientific staff, generally accepted as being the most effective explorationists (e.g., Thompson and Kirwin, 2010), from the parent to the subsidiary could result in their being liberated from at least some of the timeconsuming paper-pushing, thereby enabling them to focus much more on technical matters. It is unrealistic to imagine that the current structure of the world s stock markets can be altered to facilitate im proved exploration practices, so junior companies intent on grassroots work need to devise alternative corporate strategies. Clearly, the best but probably the most difficult strategy is to seek venture-capital funding from nonlisted companies, highnet-worth individuals, or private syndicates, thereby gaining independence from the dictates of the market. The well-endowed sovereign wealth funds and perhaps even private equity funds might also conceivably play a role here if they can be persuaded that grassroots exploration accrues value. The prospective financiers obviously need to understand the exploration process and be fully conversant with the inherent risks and long lead times likely to be involved in grassroots discovery. This stipulation implies, of course, that the major mining companies themselves would be the ideal source of such funding. Therefore, perhaps they need to seriously consider grub-staking small (two- or three-person) groups of creative individuals with proven track records of discovery, in essence corporate venturing, rather than spending a large budgetary share on bureaucracy. Alternatively, a major could create some sort of formal partnership with one or more recognized but independent explorationists, the im plant entrepreneurship advocated by Johnson (2010). A fine recent example of grassroots exploration success by a nonlisted explorer, Ivanhoe Nickel & Platinum, is provided by the Kamoa discovery in the Central African Copperbelt of the DRC (Broughton and Rogers, 2010). Over and above the juniors that associate themselves in some way with major or mid-tier companies, as discussed above, an extremely small minority of listed juniors gain investor support for business models focused on grassroots exploration of frontier terranes (e.g., James Bay lowlands, northern Ontario; Afar, Ethiopia and Djibouti). Perhaps a concerted effort to educate institutional and private investors of the need for and potential benefits of grassroots exploration should be considered, with emphasis being placed on the end product: discovery of a completely new metal province or district and the substantial profits that would inevitably ensue. The education process might be facilitated if junior consortiums were formed for the specific purpose of undertaking highprofile grassroots projects.

11 If renewed expansion of grassroots activity can be achieved using one or more of the above corporate means, the exploration community must make its own significant contributions by adopting a more grassroots-oriented mentality. Specifically, explorationists need to think much more about ore deposit models and global metallogeny. Questions they need to pose might include the following: Which ore deposit type(s) could be present in that underexplored region?; Could some of the world s apparently unmineralized terranes in fact contain unsuspected ore deposit types?; and, perhaps most difficult of all, Could this combination of geologic factors suggest the existence of a previously undocumented ore deposit type? CONCLUSIONS Grassroots exploration is the lifeblood of discovery; without it, future metal supply, even taking account of changes in technology, may not manage to keep pace with the demands imposed by worldwide population growth and economic development. The remedies considered here require major, mid-tier, and junior companies as well as suitably talented individuals to devise innovative means of collaborating on grassroots exploration as well as the provision of more generous funding to make this possible. The suggestions are not new and seem unlikely to be the panacea but, in combination, they might begin to redress the decline in the grassroots component of exploration. While accepting that mining, like any other industry, is principally designed to create wealth for its investors, albeit in an increasingly sustainable fashion, it should not be forgotten that we also have an obligation to provide adequate metal inventories for future generations. This fact should also not be forgotten by state, provincial, and federal governments worldwide as resource nationalism in the form of increased, commonly excessive imposts is once again on the political ascendancy (Ernst & Young, 2010). Fonte: SEG Newsletter, nº 83 Autor(a): Richard Sillitoe Data: outubro/2010 RELATÓRIO SOBRE PARTICIPAÇÃO NO EVENTO DE MINERAÇÃO E INVESTIMENTOS EXCELLENCE IN MINING AND EXPLORATION De 20 a 22 de setembro do corrente o Setor de Promoção Comercial (SECOM) do Consulado Geral do Brasil em Sydney, Austrália participou, através de estande institucional, do evento de investimentos em mineração Excellence in Mining and Exploration, anualmente realizado pela empresa Resourceful Events. O SECOM Sydney vem, desde 2006, efetuando trabalho de catalogar e avaliar o grau do investimento australiano no Brasil, assim como promover maior visibilidade ao Brasil como destino de investimentos. Como consequência deste mapeamento, observou-se a existência de interesse crescente por parte dos investidores australianos na indústria de mineração brasileira. O investimento australiano na indústria mineral brasileira é significativo, tendo a Austrália ocupado posições de destaque entre os principais países a investir no Brasil. Em 2008, a Austrália posicionou-se em nono lugar no ranking dos países-fonte de investimento (IED) para Brasil, repetindo a classificação de Em 2009 a Austrália foi o décimo primeiro maior investidor no Brasil. Apesar da relativa queda no ranking, a Austrália esteve entre o seleto grupo de países-fonte que, em 2009 investiu no Brasil mais do que em 2007, tanto em

12 percentual do total investido, quanto em valores absolutos. Em 2007 a Austrália fora o décimosegundo maior investidor no Brasil. A economia mineral australiana é diversificada, apresentando grande número de empresas de porte pequeno e médio, muitas das quais já estão no Brasil. No quinquênio os nvestimentos no setor mineral responderam por 80% a 90% do total do investimento australiano no Brasil. Similarmente, a VALE realizou, desde 2005, aquisições de minas de carvão na Austrália. A empresa brasileira estima-se, já investiu mais de dois bilhões de dólares americanos na Austrália e tencionaria chegar a oito bilhões de dólares, tendo em vista que centraliza na Austrália suas operações mundiais de carvão. O evento Excellence in Mining and Exploration 2010 com estande institucional do SECOM, conforme informação supracitada, ocorreu no Hotel Hilton em Sydney. Houve dois dias de conferência e feira de negócios (20 e 21 de setembro), e terceiro dia com workshops, a portas fechadas, para investidores promovidos por bancos australianos. Em 2010 houve 70 apresentações e 55 expositores. Os organizadores estimaram o público executivo pagante em aproximadamente 500, divididos em 50% composto por investidores do setor financeiro e 50% por empresas da área de mineração, incluindo mineradoras que realizam investimentos em projetos de terceiros. A empresa Resourceful Events, organizadora do evento anual, faz parte do grupo Aspermont, que detém ainda, o site de informações Mining News ( A empresa Resourceful Events organizou, em 2008, seminário específico sobre oportunidade de investimento na América Latina, que teve como palestrantes o Vice-Ministro de Mineração do México, o Embaixador do Brasil e o Embaixador do Peru. O evento de 2010, Excellence in Mining and Exploration, é dos principais eventos na área de atração de investimento em mineração a realizar-se na costa leste da Austrália. A conferência teve como público-alvo 500 investidores nas áreas financeira e de mineração. Dentre os patrocinadores, expositores, palestrantes e visitantes incluiram- se: diversas empresas da área financeira e de investimento, fundos de pensão privados, mineradoras australianas (das quais Troy, Sentient Group,Mirabela e Newport com interesses e minas no Brasil). Dentre os bancos citam-se os internacionais Santander, HSBC, ICBC Bank, Barclays, BNP Paribas e Sumitomo Mitsui, assim como os bancos australianos ANZ, Commonwealth (maior do país)e Macquarie Bank (com escritório em São Paulo), organizações da indústria mineral Mining Council of Australia, Sydney Mining Club e Melbourne Mining Club e empresas de consultoria KPMG e Deloitte. Participantes institucionais incluíram US Geological Survey, Indian Mining Federation, Industry & Investment NSW (Austrália) e o Consulado-Geral da República Argentina. Visão geral do estande A estratégia de promoção do SECOM beneficiou-se da rede de relacionamentos de empresa de eventos, do setor tradicional na Austrália, a fim de aumentar a visibilidade do Brasil como destino de investimentos para a indústria mineral, bancos e fundos de investimento. Este trabalho objetiva aumentar, a longo prazo, grau de interesse no Brasil como destino de investimentos em eventos de mineração australianos, semelhante ao que ocorre na PDAC realizada em Toronto, Canadá. O SECOM tem contado com a colaboração de órgãos como Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM), o Serviço Geológico do Brasil (CPRM), Instituto Brasileiro de Mineração (IBRAM), Feira EXPOSIBRAM Amazônia, Agência para o Desenvolvimento Tecnológico da indústria Mineral Brasileira (ADIMB) e a CODEMIG (MG), entre outros, através do envio de folhetos, encaminhamento de consultas e orientações sempre que necessário. O desk institucional do SECOM teve como atrativo

13 o mapa geofísico do Brasil em cores disponibilizado no sítio eletrônico do Serviço Geológico do Brasil (CPRM). Distribuiu-se material promocional sobre o Brasil tais como: Legal Guide for Foreign investor (MRE), Minig Business Guide (Departamento Nacional de Produção Mineral - DNPM), folheto institucional da Brazil TradeNet e do DPR/MRE, além de folhetos promocionais em língua inglesa enviados por entidades convidadas pelo SECOM Sydney a expor no evento tais como do IBRAM, folhetos promocionais sobre a feira EXPOSIBRAM Amazônia 2010 e mapas geológicos de Minas Gerais enviados pela CODEMIG. Foram distribuídos pela empresa organizadora da feira 500 sacolas com kits durante o evento. O SECOM aproveitou a oportunidade para promover a BrazilTradeNet, assim como folheto que continha chamadas para as publicações disponíveis no estande institucional. Este folheto promocional encontra-se em anexo a este relatório. O evento constituiu-se em excelente oportunidade de promover o Brasil como destino de investimento, incluindo mineral e financeiro, junto à comunidade australiana. O formato do estande institucional, apesar do tamanho relativamente pequeno, foi igual para todos os expositores, o que criou condições de Plain Field permitindo que, apesar do custo relativamente baixo, houvesse bastante interesse no estande, que foi dos mais visitados durante o evento. As empresas Troy Resources, com investimentos no Brasil, e Snowden com escritório em Belo Horizonte, igualmente participaram com estandes. Esteve presente também a diretoria executiva da empresa Mirabela Nickel a qual visitou o estande e informou terem recentemente levantado cerca de 165 milhões de dólares norte-americanos nas bolsas de Sydney (Austrália) e Toronto (Canadá), para prosseguir com o projeto de Santa Rita. De acordo com a empresa Mirabela Nickel, Santa Rita seria a maior descoberta de novos depósitos de níquel no mundo durante a última década. A título ilustrativo de como o investimento no Brasil ocorre também através de estórias de sucesso, note se que o website da empresa menciona no item Why Brazil que o investidor estrangeiro desfruta no Brasil de garantia de respeito ao investimento e estabilidade política. Em visita de cortesia ao estande, executivos do consórcio de investidores australianos The Sentient Group, afirmaram que sua empresa estaria participando como investidora em grande projeto da Ferrous Resources no Quadrilátero Ferrífero de Minas Gerais, incluindo construção de mineroduto e porto próprios. Esta empresa também realiza investimentos na empresa Brazil Potash De acordo com informações no website da Ferrous Resources do Brasil a empresa atua ou atuará nos ramos de mineração, siderurgia e pelotização. Deteria propriedades ou minas na Bahia, Minas Gerais e Espírito Santo. O projeto do mineroduto, com aproximadamente 400 quilômetros, ligará a mina Viga, em Congonhas (MG), ao porto em Presidente Kennedy, no sul do Espírito Santo. Prevê-se capacidade para transportar 25 milhões de toneladas de minério de ferro por ano na primeira fase, a partir de 2013, podendo expandir para 50 milhões de toneladas de minério anuais na segunda fase, a partir de Na primeira fase, o mineroduto passará por 22 municípios, sendo 17 em MG, três no RJ e dois no ES. O Grupo Sentient e o grupo Cylinder Partners,em investimentos separados juntos, responderiam por cerca entre 8% e 15% do total do capital necessário no projeto. O investimento, cujo acionista majoritário estaria baseado nos Estados Unidos, totalizaria cerca de quatro bilhões de dólares norte-americanos. Executivos da Cylinder Partners, igualmente visitaram o estande e confirmaram investimento no projeto Ferrous supracitado, tendo inclusive recentemente visitado Minas Gerais e o Espírito Santo. Cabe destacar ainda os novos investimentos da empresa Newport em mineração no Brasil. De acordo com artigo publicado no caderno Business with the Wall Street Journal no jornal The Australian em 01/03/2010, a empresa tencionaria participar do plano, anunciado pelo Ministério da Agricultura e Pecuária (MAPA), em tornar o Brasil autossuficiente em fosfato até Houve bastante interesse de investidores do Estado da Austrália Ocidental, da República da Coréia, Hong Kong, China, Cingapura e Japão no material disponível inclusive Guias para os investidores específicos em mineração do DNPM (O Mineral Negócio) e Guia Legal para o Investidor Estrangeiro do MRE.

14 Durante o evento foi realizada entrevista com o AT Luis Henrique Aroeira Neves por parte da rede de jornalismo eletrônico da Ásia-Pacífico ABN Newswire, retransmitida para investidores australianos e asiáticos. Usou-se a entrevista para divulgar a rede mundial de SECOMs (Brazil Trade Bureaus), assim como a Brazil Tradenet. Mencionou-se a recente elevação do Brasil à terceira posição como destino favorito de executivos globais de acordo com o Relatório da UNCTAD World Investiment Survey Procurou-se ainda enfatizar o potencial do Brasil como destino de investimentos não apenas no setor mineral, mas também agronegócios, manufatura e serviços. A entrevista pode ser visualizada no seguinte atalho eletrônico: A entrevista foi posteriormente retransmitida ou republicada em diversos websites australianos e internacionais, tais como Yahoo! Australia Finance, Tv Bloomberg Asia, AOL Canada, wotnews. com.au, tbctrade.com, news.tradingcharts.com dentre outros. Em conclusão, avalia-se a participação no congresso foi extremamente positiva, constituindo em interessante oportunidade de aumentar o perfil do Brasil como destino de investimentos junto à comunidade investidora, financeira e mineradora da Austrália. O público relativamente limitado em números absolutos, em torno de 500 visitantes, constituía-se, via de regra, de executivos e diretores de bancos, mineradoras e fundos de investimento australianos e asiáticos, detentores de capital e poder decisório. Para maiores dúvidas, contactar: Brazil Trade Bureau Consulate-General of Brazil Level 17, 31 Market Street Sydney NSW 2000 AUSTRALIA Phone: Ph/Fax: Website: Fonte: SECOM Sydney Consulado Geral Brasil/Austrália Data: 20/12/2010 DESCOBERTO ÓLEO LEVE AO SUL DA BACIA DE SANTOS, A 280 QUILÔMETROS DA COSTA DE SÃO PAULO Poço está localizado a aproximadamente 15 quilômetros da área das acumulações de Tiro e Sidon, a metros de profundidade A Petrobras comunica que comprovou a presença de óleo leve no poço 1-BRSA-870-SPS (1- SPS-76), situado ao sul da Bacia de Santos, em reservatórios arenosos, semelhantes àqueles encontrados na área das acumulações de Tiro e Sidon. A descoberta está localizada a aproximadamente quinze quilômetros da área de Tiro e Sidon. O poço situa-se no bloco S-M-1352 da concessão BM-S-41, na qual a Petrobras detém 80% de participação, após negociação de direitos de 20% para a empresa Karoon Petróleo & Gás S.A.. O poço situa-se no bloco S-M-1352 da concessão BM-S-41, na qual a Petrobras detém 80% de participação, após negociação de direitos de 20% para a empresa Karoon Petróleo & Gás S.A.. Essa cessão de direitos encontra-se sob análise da Agência Nacional de Petróleo, Gás e Biocombustíveis (ANP). O poço está localizado a cerca de 280 quilômetros da costa do estado de São Paulo, em profundidade d água de 400 metros. Os reservatórios perfurados se encontram a metros de profundidade. O

15 poço continua em perfuração com o intuito de se pesquisar outros objetivos mais profundos, ainda na seção pós-sal. Mapa de localização do novo poço A descoberta confirma a adequação da estratégia exploratória na busca da formação de um novo pólo de produção na porção sudoeste da Bacia de Santos, que poderá ser integrado por uma série de campos já descobertos - como Caravela, Cavalo Marinho, Coral e Tiro-Sidon -, bem como outros por descobrir, ou em processo de avaliação, como o do poço 1-BRSA-870-SPS, no prospecto Marujá. Fonte: Petrobras Data: 16 de novembro de 2010 EMPRESA DE EIKE BATISTA APROVA R$ 5 BI EM INVESTIMENTOS EM MINAS GERAIS A MMX, mineradora do grupo do empresário Eike Batista, divulgou comunicado ao mercado nesta segunda-feira anunciando a aprovação do plano de investimento de R$ 3,5 bilhões para

16 expansão do projeto de minério de ferro de Serra Azul, em Minas Gerais. Para a unidade, o orçamento estima gasto de US$ 79 por tonelada de minério de ferro. O projeto prevê a construção de nova unidade de beneficiamento de minério de ferro com capacidade para 24 milhões de toneladas por ano, terminal ferroviário e correia transportadora de 10 quilômetros, que será usada para levar o minério da mina para o terminal. Já para a unidade de Bom Sucesso, também em Minas Gerais, o investimento será de R$ 1,5 bilhão, com gasto de US$ 81 por tonelada. O plano estima produção de 10 milhões de toneladas anuais de minério de ferro. A MMX informou ainda que espera divulgar primeiro relatório de recursos de minério de ferro no Chile no final do próximo ano. A expectativa é alcançar 10 milhões de toneladas. Segundo a mineradora, o projeto de Serra Azul será estruturado via project finance, em que a participação de dívida do empreendimento será de 75%, com o restante sendo capital próprio da companhia. "Os assessores financeiros proverão diretamente aproximadamente US$ 800 milhões dos US$ 1,4 bilhão (R$ 2,6 bilhões) que a companhia buscará com o BNDES [Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social], outros agentes de fomento, bancos nacionais e internacionais", informa a MMX em comunicado ao mercado. Em meados de setembro, a MMX acertou um aumento de capital de US$ 2,2 bilhões para acomodar o ingresso de sócio estratégico da Coreia do Sul e fechou acordo para comprar o porto do Sudeste da LLX. Os investimentos foram aprovados em reunião do conselho de administração da MMX. Fonte: Folha.com Data: 13 de dezembro de 2010 CHAPADA COMEMORA A MARCA DE UM MILHÃO DE TONELADAS DE CONCENTRADO DE COBRE PRODUZIDAS E VENDIDAS Evento reuniu cerca de 300 pessoas entre colaboradores, representantes de empresas parceiras e autoridades da região para celebrar a mais recente conquista A última semana ficou para a história da Mineração Maracá Indústria e Comércio (MMIC), empresa da Yamana, como a data na qual a empresa celebrou a marca de um milhão de toneladas de concentrado de cobre produzidas e vendidas. O número se torna ainda mais relevante quando se tem a informação de que o primeiro lote de concentrado de cobre transportado para Anápolis ocorreu no dia 14 de dezembro de 2006, ou seja, há quase quatro anos, e que o lançamento da Pedra Fundamental ocorreu no dia 18 de fevereiro de Ao longo desses anos, foram mais de 37 mil carretas utilizadas para transportar um milhão de toneladas de concentrado de cobre para Anápolis (GO), Vitória (ES) e Dias d Ávila (BA). Todos que contribuem para o êxito da companhia estão acostumados a transformar obstáculos em oportunidades diariamente. Entre eles estão os nossos colaboradores e as empresas parceiras Cooperalto, D Granel, Porto Seco Centro Oeste e Multilift, enfatiza Paulo Gontijo, gerente-geral da MMIC. De 2005 até o momento, a empresa não parou de acumular conquistas. As mais recentes foram a obtenção da certificação ISO pelo seu sistema de Gestão Ambiental, ser responsável

17 por Alto Horizonte liderar as exportações em Goiás, ter sido considerada a 4ª empresa que mais cresce em Goiás e a 9ª maior mineradora do Brasil, segundo a revista Exame Melhores e Maiores, além de 11ª maior mina do país, de acordo com o ranking da revista Minérios & Minerales. Segundo Wilson Borges, gerente administrativo da mineradora, 2011 promete muito mais. Desde a sua concepção, a Mineração Maracá Indústria e Comércio tem trilhado um caminho pautado pela orientação ética, o respeito ao ser humano e ao meio ambiente, aprimoramento contínuo, transparência e responsabilidade. Tudo isso para ser reconhecida como uma empresa líder em custos, em permanente crescimento e impulsionada pela inteligência em transformar recursos em riquezas. Riquezas para a Yamana vão além do ouro e concentrado de cobre produzidos, ou seja, a palavra está relacionada também ao desenvolvimento socioeconômico proporcionado a seus colaboradores e comunidades do entorno, afirma Arão Portugal, vice-presidente administrativo e Country Manager Brasil. Sobre a MMIC Chapada é uma mina de ouro e cobre a céu aberto, com produção comparativamente previsível e constante. A produção total esperada é de mais de 1,7 milhão de onças de ouro e 2 bilhões de libras de cobre. Uma expansão para 20 milhões de toneladas por ano foi completada. Otimizações da planta aumentarão a produção para até 22 milhões de toneladas por ano até Existe potencial para a ampliação da vida útil da mina, com a descoberta de Suruca, uma área de mineralização apenas de ouro. Sobre a Yamana A Yamana é uma empresa produtora de ouro com sede no Canadá. Tem significativa produção de ouro e áreas para produção deste metal em estágio de desenvolvimento, além de áreas em pesquisa e direitos no Brasil, Chile, Argentina, México e Colômbia. O plano da Yamana é continuar a crescer a partir desta base, por meio da expansão e aumento da produção das minas em funcionamento, do desenvolvimento de novas minas, de avanços nas áreas em pesquisa e permanecendo atenta a outras oportunidades de consolidação de operações com ouro nas Américas. Fonte: Yamana Gold Assessoria de Comunicação Data: 15 de dezembro de 2010 CALCÁRIO MARINHO VAI SER EXPLORADO NO MARANHÃO O calcário marinho (Lithothamnium) já pode ser extraído no litoral do Maranhão. A primeira portaria de lavra para extração desse tipo de minério, abundante na costa maranhense, foi publicada no dia 3 deste mês, no Diário Oficial da União, pela Secretaria de Geologia, Mineração e Transformação Mineral do Ministério das Minas e Energia. A outorga foi concedida à empresa Dragamar Tecnologia Submarina, de São Paulo, para extração no município de Tutóia. A publicação da portaria de lavra, pelo Ministério das Minas e Energia, é fruto de um intenso trabalho realizado pela Superintendência do Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM), no Maranhão. Há meses o órgão vinha analisando rigorosamente todos os processos de empresas mineradoras que haviam solicitado a exploração desse tipo de minério no estado. O DNPM fez um estudo muito criterioso de todas as solicitações, inclusive com o auxílio de um grupo de técnicos de vários estados, com o objetivo de garantir a máxima segurança no processo de análise do processo

18 que resultou na publicação da portaria, esclareceu o superintendente regional do DNPM no Maranhão, Jomar Feitosa. Seminário Uma das ações do DNPM foi a realização de um workshop em Brasília, em junho de 2009, com o objetivo de mostrar as potencialidades do litoral maranhense na produção de calcário marinho. O seminário reuniu representantes do Ibama, Marinha, Ministério das Minas e Energia, empresas que atuam no ramo da pesquisa e mineração aquática, além de técnicos e fiscais do órgão. O superintendente do DNPM no Maranhão também manteve reuniões com o então ministro das Minas e Energia, Edison Lobão, e com o presidente do Senado Federal, senador José Sarney (PMDB), para mostrar a importância do litoral do Maranhão como um dos maiores produtores de calcário marinho em todo o planeta. Calcário é uma riqueza maranhense O litoral do Maranhão tem as maiores reservas de calcário marinho do Brasil, com um potencial mínimo de extração sustentável anual da ordem de 3 milhões de toneladas. Segundo o superintendente regional do DNPM no Maranhão, Jomar Feitosa, o calcário depositado na plataforma continental maranhense é considerado superior ao que é explorado em terra firme. Apesar da vasta produção, o Brasil ainda importa o mineral, usado em fertilizantes agrícolas, implantes ósseos, indústrias cosmética e dietética e nutrição animal. Nas últimas décadas, houve 150 pedidos para lavra subaquática de calcário no Brasil, mas, até o momento, só um direito de lavra havia sido autorizado, no Espírito Santo. Com a recente portaria de lavra, o Maranhão passa a ser o segundo estado. As três maiores reservas calcárias do litoral maranhense são os bancos de Tutóia, de Santana e o de Noroeste. São altamente explotáveis devido à grande quantidade de algas que lá se encontram sedimentadas por mais de 10 mil anos. As reservas de calcário são as únicas que se renovam anualmente em uma extensão gigantesca. As pessoas não têm idéia da riqueza existente no litoral maranhense, declarou Jomar Feitosa. O grande produtor de calcário marinho durante muitos anos foi a França, mas, ao longo do tempo, as reservas subaquáticas daquele país foram perdendo a potencialidade. Empresas maranhenses têm apoio para expansão Sinc e Fiema se unem para dar capacitação, certificação e incentivar inovação por meio de programa para fornecedores. Empresas maranhenses receberão maior apoio para fornecer para grandes empreendimentos em instalação ou expansão no estado. A determinação é da Secretaria de Indústria e Comércio (Sinc) e da Federação das Indústrias do Estado do Maranhão (Fiema). Capacitação, certificação, incentivo para inovação e interiorização das ações estão entre as prioridades do Programa Desenvolvimento de Fornecedores (PDF), que foi reformatado para A partir do ano que vem, o PDF passa a funcionar com novidades, a fim de beneficiar o empresário local. Na quinta-feira passada, foi instituído o Conselho Gestor, formado por um representante da Fiema, outro da Sinc e por três empresas das sete mantenedoras do Programa (Alumar, Vale, Cemar, Renosa, Ceste, MPX e Ambev). Na data, foram eleitas, Alumar, Vale e MPX como integrantes do Conselho. Outra novidade é a implantação de um Fórum de Avaliação semestral formado por entidades empresariais e sindicatos industriais. Além disso, o PDF, que era coordenado exclusivamente pela Sinc, passa a ter uma gestão compartilhada entre Sinc e Federação das Indústrias. O objetivo é aproximar cada vez mais o programa das demandas e anseios da empresas locais e sua participação como fornecedoras de bens e serviços. A principal preocupação do Governo do Estado e da Federação é de que o Maranhão, suas empresas e população sejam de fato beneficiadas com a instalação de novos empreendimentos industriais, destaca o presidente da Fiema, Edílson Baldez. Temos a convicção de que as mudanças darão ainda maior velocidade e êxito às ações diante desse

19 esforço histórico que vem sendo feito em favor das fornecedoras, destacou o gerente de recursos da Alumar, Luiz Burgardt. Fornecedores Para o coordenador de Relações Institucionais da Vale, Carlos Jorge, um dos pontos fundamentais com a mudança é trazer o PDF para a Fiema. É uma felicidade para nós que o programa venha para dentro da nossa Casa, que é Casa da Indústria, onde se tem o conhecimento das demandas e das necessidades do setor, frisou. Ainda para o representante da Vale, a interiorização das ações de capacitação do programa é outra mudança que beneficia o setor. Temos operações em 21 municípios. Seria interessante poder contratar serviços diretos nesses locais, inclusive para serviços básicos como manutenção de infraestrutura, capinagem e integridade da ferrovia, disse. Já a partir de janeiro de 2011 serão iniciadas as novas turmas do Programa de Certificação de Empresas (Procem) em São Luís e Imperatriz. O Procem continuará a ser executado pelo Instituto Euvaldo Lodi (IEL). Nosso propósito agora é executar o Procem nos municípios onde estão sendo instalados os grandes investimentos e atuar para que as empresas locais sejam qualificadas nessas regiões, frisou o Superintendente do IEL, Marco Moura. Mais O Programa Desenvolvimento de Fornecedores (PDF) tem hoje 688 empresas cadastradas nos segmentos de fabricação e montagem (70), construção civil (82), engenharia de projetos (42), serviços em geral(251) e comércio (243). O programa atua com capacitação empresarial, qualificação dos trabalhadores e certificação de empresas fornecedoras, promoção e divulgação das entidades de classe e dos fornecedores locais, visitas e consultorias técnicas. Fonte: O Estado do Maranhão Data: 13 de dezembro de 2010 SUPERÁVIT DO SETOR MINERAL ULTRAPASSA O DO BRASIL Pela primeira vez na História, o superávit da balança comercial do setor mineral vai superar o saldo da balança comercial brasileira. O salto no preço do minério de ferro e a elevada demanda internacional, especialmente em países emergentes, impulsionaram as vendas externas do minério em 2010, o que levará as exportações do setor a superarem as importações em US$24,5 bilhões este ano, segundo projeções do Instituto Brasileiro de Mineração (IBRAM) obtidas com exclusividade pelo GLOBO. A cifra é o dobro da de Na outra ponta, o real forte e o maior poder de compra do brasileiro fizeram as importações crescerem mais de 40% em relação a 2009, segundo dados do Ministério de Desenvolvimento. Como as exportações brasileiras não acompanharam o ritmo, o saldo da balança comercial deverá ser reduzido para cerca de US$16 bilhões, estima o Ibram, anulando boa parte do ganho do setor mineral. O principal fator para o boom no superávit do setor mineral foram os recentes reajustes do preço do minério de ferro, que desde abril são trimestrais até então, eram anuais. Em 2010, o preço médio do mercado spot (à vista) chinês, referência para os contratos das mineradoras, é de US$145 a tonelada, segundo o Ibram, alta de 81% sobre a cotação média de 2009 (US$80).

20 China responde por quase 50% das compras do minério Com isso, os embarques ao exterior do minério, carro-chefe do setor e também das exportações totais brasileiras, alcançarão US$27 bilhões este ano, o dobro dos US$13,2 bilhões do ano passado, segundo o Ibram. Será a primeira vez que um único item da pauta de exportações do Brasil ultrapassará a marca de US$20 bilhões, frisa o vice-presidente da Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB), José Augusto de Castro. Paulo Camillo Penna, presidente do IBRAM, lembra que o volume de minério exportado também aumentou, embora bem menos que o preço. Serão 300 milhões de toneladas vendidas ao mercado internacional este ano, 12,7% mais que em 2009: A economia mundial se recuperou mais rapidamente que o imaginado, especialmente os países emergentes. Daí a maior demanda pelo minério de ferro. Como a oferta está apertada, o preço também acabou subindo acima do nível précrise. Entre os principais compradores do minério brasileiro está a China, que este ano deve responder por 48% de nossas exportações, seguida do Japão (12,4%). Penna enfatiza, porém, que o peso da China tende a cair com a recuperação dos países europeus. Em 2009, os chineses compraram 56,4% do minério brasileiro. A Alemanha, outro importante importador, deve ter sua fatia ampliada de 4,1% em 2009 para 6,8% este ano. Castro, da AEB, lembra que o descompasso entre o superávit do setor mineral e o da balança comercial brasileira ocorre porque as importações do país cresceram muito. Entre janeiro e a segunda semana de dezembro, elas somaram US$171,913 bilhões, 42,8% acima de igual período de Já as exportações cresceram 31%, para US$188,269 bilhões. Com isso, o saldo acumulado está em US$16,356 bilhões. E poderá atingir US$17,3 bilhões, estima a AEB. Houve forte aumento das importações de matérias-primas e bens de capital. A indústria, com o dólar fraco, prefere comprar insumos e equipamentos no exterior para atender à demanda crescente avalia Castro. Valor da produção mineral será recorde: US$ 39 bi O elevado preço do minério de ferro, e o de outros minérios, também terá impacto sobre o valor da produção do setor no país, que este ano deverá bater o recorde de US$39 bilhões, projeta o Ibram. Até a semana passada, o instituto trabalhava com a cifra de US$35 bilhões. Com demanda e preços em alta, os investimentos não param de crescer. O Ibram calcula estes em US$62 bilhões no período entre 2010 e 2014, superior ao nível pré-crise (US$57 bilhões em ). O superávit do setor mineral seria maior se não fosse a elevada dependência externa em carvão mineral e potássio. Juntos, estes responderam por 76% das importações em 2009, ou US$5,4 bilhões. Este ano, o cenário deve se repetir. Penna, do Ibram, lembra que, no caso do carvão, não há muito o que fazer. O carvão encontrado no Brasil é o chamado energético, usado na geração de energia térmica. O siderúrgico, que queima nos altos-fornos e é essencial à produção do aço, é raro por aqui. No caso do potássio, usado na produção de fertilizantes, essa dependência pode ser reduzida com mais investimentos em pesquisa e redução da carga tributária, diz Penna: Só conhecemos adequadamente, do ponto de vista geológico, 25% do território nacional. E só recebemos 3% do investimento privado global em pesquisa mineral em Além disso, temos a maior carga tributária mundial para o potássio. O Brasil importa 92% do potássio que consume, sendo o maior comprador mundial do produto. Fonte: O Globo Data: 20/12/2010

GUIÃO Domínio de Referência: CIDADANIA E MULTICULTURALISMO

GUIÃO Domínio de Referência: CIDADANIA E MULTICULTURALISMO PROJECTO PROVAS EXPERIMENTAIS DE EXPRESSÃO ORAL DE LÍNGUA ESTRANGEIRA - 2005-2006 Ensino Secundário - Inglês, 12º ano - Nível de Continuação 1 1º Momento GUIÃO Domínio de Referência: CIDADANIA E MULTICULTURALISMO

Leia mais

A tangibilidade de um serviço de manutenção de elevadores

A tangibilidade de um serviço de manutenção de elevadores A tangibilidade de um serviço de manutenção de elevadores Tese de Mestrado em Gestão Integrada de Qualidade, Ambiente e Segurança Carlos Fernando Lopes Gomes INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO E CIÊNCIAS Fevereiro

Leia mais

ESTRUTURA DE CAPITAL: UMA ANÁLISE EM EMPRESAS SEGURADORAS

ESTRUTURA DE CAPITAL: UMA ANÁLISE EM EMPRESAS SEGURADORAS ESTRUTURA DE CAPITAL: UMA ANÁLISE EM EMPRESAS SEGURADORAS THE CAPITAL STRUCTURE: AN ANALYSE ON INSURANCE COMPANIES FREDERIKE MONIKA BUDINER METTE MARCO ANTÔNIO DOS SANTOS MARTINS PAULA FERNANDA BUTZEN

Leia mais

User interface evaluation experiences: A brief comparison between usability and communicability testing

User interface evaluation experiences: A brief comparison between usability and communicability testing User interface evaluation experiences: A brief comparison between usability and communicability testing Kern, Bryan; B.S.; The State University of New York at Oswego kern@oswego.edu Tavares, Tatiana; PhD;

Leia mais

Guião M. Descrição das actividades

Guião M. Descrição das actividades Proposta de Guião para uma Prova Grupo: Inovação Disciplina: Inglês, Nível de Continuação, 11.º ano Domínio de Referência: O Mundo do trabalho Duração da prova: 15 a 20 minutos 1.º MOMENTO Guião M Intervenientes

Leia mais

Guião A. Descrição das actividades

Guião A. Descrição das actividades Proposta de Guião para uma Prova Grupo: Ponto de Encontro Disciplina: Inglês, Nível de Continuação, 11.º ano Domínio de Referência: Um Mundo de Muitas Culturas Duração da prova: 15 a 20 minutos 1.º MOMENTO

Leia mais

Institutional Skills. Sessão informativa INSTITUTIONAL SKILLS. Passo a passo. www.britishcouncil.org.br

Institutional Skills. Sessão informativa INSTITUTIONAL SKILLS. Passo a passo. www.britishcouncil.org.br Institutional Skills Sessão informativa INSTITUTIONAL SKILLS Passo a passo 2 2 British Council e Newton Fund O British Council é a organização internacional do Reino Unido para relações culturais e oportunidades

Leia mais

Erasmus Student Work Placement

Erasmus Student Work Placement Erasmus Student Work Placement EMPLOYER INFORMATION Name of organisation Address Post code Country SPORT LISBOA E BENFICA AV. GENERAL NORTON DE MATOS, 1500-313 LISBOA PORTUGAL Telephone 21 721 95 09 Fax

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO METROPOLITANO DE SÃO PAULO CURSO ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS

CENTRO UNIVERSITÁRIO METROPOLITANO DE SÃO PAULO CURSO ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS CENTRO UNIVERSITÁRIO METROPOLITANO DE SÃO PAULO CURSO ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS UMA VANTAGEM COMPETITIVA COM A TERCEIRIZAÇÃO DE SERVIÇOS AMANDA ZADRES DANIELA LILIANE ELIANE NUNES ELISANGELA MENDES Guarulhos

Leia mais

WWW.ADINOEL.COM Adinoél Sebastião /// Inglês Tradução Livre 75/2013

WWW.ADINOEL.COM Adinoél Sebastião /// Inglês Tradução Livre 75/2013 PASSO A PASSO DO DYNO Ao final desse passo a passo você terá o texto quase todo traduzido. Passo 1 Marque no texto as palavras abaixo. (decore essas palavras, pois elas aparecem com muita frequência nos

Leia mais

GUIÃO A. Ano: 9º Domínio de Referência: O Mundo do Trabalho. 1º Momento. Intervenientes e Tempos. Descrição das actividades

GUIÃO A. Ano: 9º Domínio de Referência: O Mundo do Trabalho. 1º Momento. Intervenientes e Tempos. Descrição das actividades Ano: 9º Domínio de Referência: O Mundo do Trabalho GUIÃO A 1º Momento Intervenientes e Tempos Descrição das actividades Good morning / afternoon / evening, A and B. For about three minutes, I would like

Leia mais

Prova de Seleção Mestrado LINGUA INGLESA 15/02/2016

Prova de Seleção Mestrado LINGUA INGLESA 15/02/2016 Prova de Seleção Mestrado LINGUA INGLESA 15/02/2016 Instruções aos candidatos: (1) Preencher somente o número de inscrição em todas as folhas. (2) Usar caneta preta ou azul. 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12

Leia mais

BR-EMS MORTALITY AND SUVIVORSHIP LIFE TABLES BRAZILIAN LIFE INSURANCE AND PENSIONS MARKET

BR-EMS MORTALITY AND SUVIVORSHIP LIFE TABLES BRAZILIAN LIFE INSURANCE AND PENSIONS MARKET BR-EMS MORTALITY AND SUVIVORSHIP LIFE TABLES BRAZILIAN LIFE INSURANCE AND PENSIONS MARKET 2015 1 e-mail:mario@labma.ufrj.br Tables BR-EMS, mortality experience of the Brazilian Insurance Market, were constructed,

Leia mais

ACFES MAIORES DE 23 ANOS INGLÊS. Prova-modelo. Instruções. Verifique se o exemplar da prova está completo, isto é, se termina com a palavra FIM.

ACFES MAIORES DE 23 ANOS INGLÊS. Prova-modelo. Instruções. Verifique se o exemplar da prova está completo, isto é, se termina com a palavra FIM. ACFES MAIORES DE 23 ANOS INGLÊS Prova-modelo Instruções Verifique se o exemplar da prova está completo, isto é, se termina com a palavra FIM. A prova é avaliada em 20 valores (200 pontos). A prova é composta

Leia mais

Banca examinadora: Professor Paulo N. Figueiredo, Professora Fátima Bayma de Oliveira e Professor Joaquim Rubens Fontes Filho

Banca examinadora: Professor Paulo N. Figueiredo, Professora Fátima Bayma de Oliveira e Professor Joaquim Rubens Fontes Filho Título: Direção e Taxa (Velocidade) de Acumulação de Capacidades Tecnológicas: Evidências de uma Pequena Amostra de Empresas de Software no Rio de Janeiro, 2004 Autor(a): Eduardo Coelho da Paz Miranda

Leia mais

Sustainability issues in the Brazilian automotive industry: electric cars and end-of-life vehicles

Sustainability issues in the Brazilian automotive industry: electric cars and end-of-life vehicles Sustainability issues in the Brazilian automotive industry: electric cars and end-of-life vehicles Adcley Souza (adcley.souza@hotmail.com) Sustainability issues in the Brazilian automotive industry: electric

Leia mais

2. HUMAN RESOURCES 2. RECURSOS HUMANOS 1 RECRUTAMENTO E SELECÇÃO 1 RECRUITMENT AND SELECTION 2 QUALIFICAÇÃO DOS TRABALHADORES

2. HUMAN RESOURCES 2. RECURSOS HUMANOS 1 RECRUTAMENTO E SELECÇÃO 1 RECRUITMENT AND SELECTION 2 QUALIFICAÇÃO DOS TRABALHADORES RECURSOS HUMANOS HUMAN RESOURCES . RECURSOS HUMANOS RECRUTAMENTO E SELECÇÃO. HUMAN RESOURCES RECRUITMENT AND SELECTION O recrutamento e a situação contratual, no ano em análise, e face ao anterior, caracterizaram-se

Leia mais

As Novas Formas de Financiamento da Economia

As Novas Formas de Financiamento da Economia As Novas Formas de Financiamento da Economia Francisco Fonseca Vice-Presidente ANJE 2º CONGRESSO DAS EMPRESAS E DAS ACTIVIDADES ECONÓMICAS - LISBOA O que são? Formas alternativas de financiamento incluem

Leia mais

Inglês. Guião. Teste Intermédio de Inglês. Parte IV Interação oral em pares. Teste Intermédio

Inglês. Guião. Teste Intermédio de Inglês. Parte IV Interação oral em pares. Teste Intermédio Teste Intermédio de Inglês Parte IV Interação oral em pares Teste Intermédio Inglês Guião Duração do Teste: 10 a 15 minutos De 25.02.2013 a 10.04.2013 9.º Ano de Escolaridade D TI de Inglês Página 1/ 7

Leia mais

Project Management Activities

Project Management Activities Id Name Duração Início Término Predecessoras 1 Project Management Activities 36 dias Sex 05/10/12 Sex 23/11/12 2 Plan the Project 36 dias Sex 05/10/12 Sex 23/11/12 3 Define the work 15 dias Sex 05/10/12

Leia mais

Welcome to Lesson A of Story Time for Portuguese

Welcome to Lesson A of Story Time for Portuguese Portuguese Lesson A Welcome to Lesson A of Story Time for Portuguese Story Time is a program designed for students who have already taken high school or college courses or students who have completed other

Leia mais

COSEC. Valorização do Real e Mercado Futuro de Câmbio

COSEC. Valorização do Real e Mercado Futuro de Câmbio COSEC 8 de Agosto de 2011 Valorização do Real e Mercado Futuro de Câmbio Roberto Giannetti da Fonseca Diretor Titular Departamento de Relações Internacionais e Comércio Exterior Mitos e Mistérios do Mercado

Leia mais

Descrição das actividades

Descrição das actividades Proposta de Guião para uma Prova Grupo: Em Acção Disciplina: Inglês, Nível de Continuação, 11.º ano Domínio de Referência: O Mundo do Trabalho Duração da prova: 15 a 20 minutos Guião D 1.º MOMENTO Intervenientes

Leia mais

Software product lines. Paulo Borba Informatics Center Federal University of Pernambuco

Software product lines. Paulo Borba Informatics Center Federal University of Pernambuco Software product lines Paulo Borba Informatics Center Federal University of Pernambuco Software product lines basic concepts Paulo Borba Informatics Center Federal University of Pernambuco Um produto www.usm.maine.edu

Leia mais

APRESENTAÇÃO. ABNT CB-3 Comitê Brasileiro de Eletricidade Comissão de Estudo CE 03:064.01 Instalações Elétricas de Baixa Tensão NBR 5410

APRESENTAÇÃO. ABNT CB-3 Comitê Brasileiro de Eletricidade Comissão de Estudo CE 03:064.01 Instalações Elétricas de Baixa Tensão NBR 5410 APRESENTAÇÃO ABNT CB-3 Comitê Brasileiro de Eletricidade Comissão de Estudo CE 03:064.01 Instalações Elétricas de Baixa Tensão NBR 5410 Instalações elétricas de baixa tensão NBR 5410:1997 NBR 5410:2004

Leia mais

Digital Cartographic Generalization for Database of Cadastral Maps

Digital Cartographic Generalization for Database of Cadastral Maps Mariane Alves Dal Santo marianedalsanto@udesc.br Francisco Henrique de Oliveira chicoliver@yahoo.com.br Carlos Loch cloch@ecv.ufsc.br Laboratório de Geoprocessamento GeoLab Universidade do Estado de Santa

Leia mais

Bárbara Rodrigues da Silva 3ALEN, 2015

Bárbara Rodrigues da Silva 3ALEN, 2015 Pets reality There are about 30 millions abandoned pets only in Brazil. Among these amount, about 10 millions are cats and the other 20 are dogs, according to WHO (World Health Organization). In large

Leia mais

WWW.ADINOEL.COM Adinoél Sebastião /// Inglês Tradução Livre 14/2014

WWW.ADINOEL.COM Adinoél Sebastião /// Inglês Tradução Livre 14/2014 TEXTO Brazil Leads Decline Among World's Biggest Companies THE losses OF São Paulo's stock market AND THE decline OF Brazil's real made Brazilian companies THE biggest losers among THE world's major companies,

Leia mais

Serviços: API REST. URL - Recurso

Serviços: API REST. URL - Recurso Serviços: API REST URL - Recurso URLs reflectem recursos Cada entidade principal deve corresponder a um recurso Cada recurso deve ter um único URL Os URLs referem em geral substantivos URLs podem reflectir

Leia mais

Companhia de Eletricidade do Estado da Bahia - COELBA Company Profile - Business Description, Strategies and SWOT Analysis

Companhia de Eletricidade do Estado da Bahia - COELBA Company Profile - Business Description, Strategies and SWOT Analysis Brochure More information from http://www.researchandmarkets.com/reports/2663026/ Companhia de Eletricidade do Estado da Bahia - COELBA Company Profile - Business Description, Strategies and SWOT Analysis

Leia mais

O papel do MBA na carreira do executivo

O papel do MBA na carreira do executivo O papel do MBA na carreira do executivo Renata Fabrini 09.03.2010 CONFERÊNCIA ANAMBA E ENCONTRO REGIONAL LATINO AMERICANO DO EMBA COUNCIL 2010 sobre a Fesa maior empresa consultoria especializada com atuação

Leia mais

Prova Oral de Inglês Duração da Prova: 20 a 25 minutos 2013/2014. 1.º Momento. 4 (A), are you a health-conscious person?

Prova Oral de Inglês Duração da Prova: 20 a 25 minutos 2013/2014. 1.º Momento. 4 (A), are you a health-conscious person? Prova Oral de Inglês Duração da Prova: 20 a 25 minutos 2013/2014 GUIÃO A Disciplina: Inglês, Nível de Continuação 11.º ano Domínio de Referência: O Mundo do Trabalho 1.º Momento Intervenientes e Tempos

Leia mais

Salud Brasil SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE

Salud Brasil SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE Salud Brasil SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE IV EXPOEPI International Perspectives on Air Quality: Risk Management Principles for Oficina de Trabalho: Os Desafios e Perspectivas da Vigilância Ambiental

Leia mais

Consórcio do Politecnico di Milano. Fevereiro 2013

Consórcio do Politecnico di Milano. Fevereiro 2013 Consórcio do Politecnico di Milano Fevereiro 2013 DESIGN DEFINITIONS SENAI & POLI.design Fevereiro 2013 Design como uma atividade específica no processo de P&D que visa a projetação dos aspectos funcionais

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO JOÃO FÁBIO PORTO. Diálogo e interatividade em videoaulas de matemática

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO JOÃO FÁBIO PORTO. Diálogo e interatividade em videoaulas de matemática UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO JOÃO FÁBIO PORTO Diálogo e interatividade em videoaulas de matemática São Paulo 2010 JOÃO FÁBIO PORTO Diálogo e interatividade em videoaulas de matemática

Leia mais

Gerenciamento de projetos SMART GRID

Gerenciamento de projetos SMART GRID Gerenciamento de projetos SMART GRID OBJETIVO Em razão da (o): Grandiosidade e complexidade dos projetos SMART GRID Contexto econômico local e global vs. QUALIDADE dos serviços públicos. p Exigências de

Leia mais

Compartilhando Energia Humana. Sharing Human Energy

Compartilhando Energia Humana. Sharing Human Energy Compartilhando Energia Humana Sharing Human Energy A Chevron Brasil tem como estratégia e valor um plano de investimento social voltado para o incentivo à qualificação profissional e ao empreendedorismo

Leia mais

Organização Sete de Setembro de Cultura e Ensino - LTDA Faculdade Sete de Setembro FASETE Bacharelado em Administração

Organização Sete de Setembro de Cultura e Ensino - LTDA Faculdade Sete de Setembro FASETE Bacharelado em Administração Organização Sete de Setembro de Cultura e Ensino - LTDA Faculdade Sete de Setembro FASETE Bacharelado em Administração VICTOR HUGO SANTANA ARAÚJO ANÁLISE DAS FORÇAS DE PORTER NUMA EMPRESA DO RAMO FARMACÊUTICO:

Leia mais

Efficient Locally Trackable Deduplication in Replicated Systems. www.gsd.inesc-id.pt. technology from seed

Efficient Locally Trackable Deduplication in Replicated Systems. www.gsd.inesc-id.pt. technology from seed Efficient Locally Trackable Deduplication in Replicated Systems João Barreto and Paulo Ferreira Distributed Systems Group INESC-ID/Technical University Lisbon, Portugal www.gsd.inesc-id.pt Bandwidth remains

Leia mais

REAL ESTATE MARKET IN BRAZIL

REAL ESTATE MARKET IN BRAZIL REAL ESTATE MARKET IN BRAZIL JOÃO CRESTANA President of Secovi SP and CBIC National Commission of Construction Industry SIZE OF BRAZIL Population distribution by gender, according to age group BRAZIL 2010

Leia mais

Agência de Vigilância Sanitária - ANVISA ITEM 8

Agência de Vigilância Sanitária - ANVISA ITEM 8 2ª Reunião Extraordinária da Câmara Setorial de Alimentos Agência de Vigilância Sanitária - ANVISA ITEM 8 INOVAÇÕES TECNOLÓGICAS PARA O MONITORAMENTE E GERENCIAMENTO DA CADEIA DE FRIO Luis Madi / Eloísa

Leia mais

GUIÃO A. What about school? What s it like to be there/here? Have you got any foreign friends? How did you get to know them?

GUIÃO A. What about school? What s it like to be there/here? Have you got any foreign friends? How did you get to know them? GUIÃO A Prova construída pelos formandos e validada pelo GAVE, 1/7 Grupo: Chocolate Disciplina: Inglês, Nível de Continuação 11.º ano Domínio de Referência: Um Mundo de Muitas Culturas 1º Momento Intervenientes

Leia mais

Enhancing opportunities

Enhancing opportunities www.pwc.com/pt Enhancing opportunities Tourism, Hospitality and Leisure in Portugal and Cape Verde 2 PwC Qualquer que seja o seu posicionamento e objectivos no sector do Turismo e Lazer, estamos habilitados

Leia mais

Educação Vocacional e Técnica nos Estados Unidos. Érica Amorim Simon Schwartzman IETS

Educação Vocacional e Técnica nos Estados Unidos. Érica Amorim Simon Schwartzman IETS Educação Vocacional e Técnica nos Estados Unidos Érica Amorim Simon Schwartzman IETS Os principais modelos Modelo europeu tradicional: diferenciação no secundário entre vertentes acadêmicas e técnico-profissionais

Leia mais

NCE/11/01206 Decisão de apresentação de pronúncia - Novo ciclo de estudos

NCE/11/01206 Decisão de apresentação de pronúncia - Novo ciclo de estudos NCE/11/01206 Decisão de apresentação de pronúncia - Novo ciclo de estudos NCE/11/01206 Decisão de apresentação de pronúncia - Novo ciclo de estudos Decisão de Apresentação de Pronúncia ao Relatório da

Leia mais

Enquadramento. Análise e prospeção das vendas em ecommerce (mundial) EUA - E-COMMERCE

Enquadramento. Análise e prospeção das vendas em ecommerce (mundial) EUA - E-COMMERCE E-COMMERCE nos EUA EUA - E-COMMERCE Enquadramento Análise e prospeção das vendas em ecommerce (mundial) http://www.statista.com/statistics/261245/b2c-e-commercesales-worldwide/ EUA - E-COMMERCE Enquadramento

Leia mais

HOW DO YOU BECOME A LAWYER IN BRAZIL?

HOW DO YOU BECOME A LAWYER IN BRAZIL? HOW DO YOU BECOME A LAWYER IN BRAZIL? Doing Business in Brazil: Pathways to Success, Innovation and Access under the Legal Framework Keynote Speaker: Mr. José Ricardo de Bastos Martins Partner of Peixoto

Leia mais

ANO I Abertura Opening Os primeiros movimentos do jogo Há um ano, três advogados vindos de renomados escritórios de advocacia, onde exerciam funções de destaque, se reuniram em torno de uma idéia:

Leia mais

A. Situação / Situation

A. Situação / Situation A. Situação / Situation A Assembleia Mundial da Saúde (OMS) aprova em 1969 o Regulamento Sanitário Internacional, revisto pela quarta vez em 2005. Esta última versão entrou em vigor no plano internacional

Leia mais

Searching for Employees Precisa-se de Empregados

Searching for Employees Precisa-se de Empregados ALIENS BAR 1 Searching for Employees Precisa-se de Empregados We need someone who can prepare drinks and cocktails for Aliens travelling from all the places in our Gallaxy. Necessitamos de alguém que possa

Leia mais

OFFICE. Office Background

OFFICE. Office Background OFFICE Office Background Since it was founded in 2001, steady growth has been registered by the office in the Brazilian market of corporate law, a field in which our services are exemplary. The consolidation

Leia mais

Responsabilidade Social no Ensino em Administração: um estudo exploratório sobre a visão dos estudantes de graduação

Responsabilidade Social no Ensino em Administração: um estudo exploratório sobre a visão dos estudantes de graduação Renata Céli Moreira da Silva Responsabilidade Social no Ensino em Administração: um estudo exploratório sobre a visão dos estudantes de graduação Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa

Leia mais

6 Não será permitido o uso de dicionário.

6 Não será permitido o uso de dicionário. 1 2 3 4 5 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. Se, em qualquer outro local deste Caderno, você assinar, rubricar,

Leia mais

Processo de exportação de perecíveis aos EUA. (Frederico Tavares - Gerente de Comércio Internacional, UGBP: Union of Growers of Brazilian Papaya)

Processo de exportação de perecíveis aos EUA. (Frederico Tavares - Gerente de Comércio Internacional, UGBP: Union of Growers of Brazilian Papaya) Processo de exportação de perecíveis aos EUA (Frederico Tavares - Gerente de Comércio Internacional, UGBP: Union of Growers of Brazilian Papaya) World Production of Tropical Fruit World production of tropical

Leia mais

USPTO No. 15143095 USPTO No. 15143095 USPTO No. 15143095 USPTO No. 15143095 USPTO No. 15143095 USPTO No. 15143095 USPTO No. 15143095 WORK PLAN FOR IMPLEMENTATION OF THE UNITED STATES PATENT AND

Leia mais

Session 8 The Economy of Information and Information Strategy for e-business

Session 8 The Economy of Information and Information Strategy for e-business Session 8 The Economy of Information and Information Strategy for e-business Information economics Internet strategic positioning Price discrimination Versioning Price matching The future of B2C InformationManagement

Leia mais

Tecnologia e Inovação na era da Informação

Tecnologia e Inovação na era da Informação Tecnologia e Inovação na era da Informação Cezar Taurion Executivo de Novas Tecnologias Chief Evangelist ctaurion@br.ibm.com TUDO EM TEMPO REAL TECNOLOGIA PERVASIVA E COMPUTAÇÃO SOCIAL A SOCIEDADE HIPERCONECTADA

Leia mais

Tese / Thesis Work Análise de desempenho de sistemas distribuídos de grande porte na plataforma Java

Tese / Thesis Work Análise de desempenho de sistemas distribuídos de grande porte na plataforma Java Licenciatura em Engenharia Informática Degree in Computer Science Engineering Análise de desempenho de sistemas distribuídos de grande porte na plataforma Java Performance analysis of large distributed

Leia mais

Operação de Instalações Marítimas

Operação de Instalações Marítimas ENIDH, Abril 2011 Sumário 1 Steering Gear 2 Bow Thrust 3 Propeller Servo 1 Steering Gear 2 Bow Thrust 3 Propeller Servo Steering Gear System Comprises two identical hydraulic systems. Each system includes:

Leia mais

1. THE ANGOLAN ECONOMY

1. THE ANGOLAN ECONOMY BPC IN BRIEF ÍNDICE 1. THE ANGOLAN ECONOMY 2. EVOLUTION OF THE BANK SECTOR 3. SHAREHOLDERS 4. BPC MARKET RANKING 5. FINANCIAL INDICATORES 6. PROJECTS FINANCE 7. GERMAN CORRESPONDENTS 1. THE ANGOLAN ECONOMY

Leia mais

Semestre do plano de estudos 1

Semestre do plano de estudos 1 Nome UC Inglês CU Name Código UC 6 Curso LEC Semestre do plano de estudos 1 Área científica Gestão Duração Semestral Horas de trabalho 54 ECTS 2 Horas de contacto TP - 22,5 Observações n.a. Docente responsável

Leia mais

The Indigenous Population of Brazil 1991 Population Census

The Indigenous Population of Brazil 1991 Population Census The Indigenous Population of Brazil 1991 Population Census Authors: Nilza Oliveira Martins Pereira (principal author), Tereza Cristina Nascimento Araujo, Valéria Beiriz, Antonio Florido- IBGE The definition

Leia mais

Avaliação de Investimentos em Tecnologia da Informação: uma Perspectiva de Opções Reais

Avaliação de Investimentos em Tecnologia da Informação: uma Perspectiva de Opções Reais André Fichel Nascimento Avaliação de Investimentos em Tecnologia da Informação: uma Perspectiva de Opções Reais Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pós-graduação em Engenharia

Leia mais

MIT Portugal Program Engineering systems in action

MIT Portugal Program Engineering systems in action MIT Portugal Program Engineering systems in action Paulo Ferrão, MPP Director in Portugal Engineering Systems: Achievements and Challenges MIT, June 15-17, 2009 Our knowledge-creation model An Engineering

Leia mais

The Best Business Opportunity with High Return on Investment

The Best Business Opportunity with High Return on Investment Port Itaqui Area The Best Business Opportunity with High Return on Investment Willer Pos whpos@whpos.com.br Port Itaqui Fonte: Google Earth Port Itaqui- Present Layout Iron ore stock pile area VALE MPX

Leia mais

Peter Øye, CEO & President, Markleen AS. Response and Containment systems

Peter Øye, CEO & President, Markleen AS. Response and Containment systems Peter Øye, CEO & President, Markleen AS Response and Containment systems What we do: Markleen supplies complete Oil Spill Response Systems for PSVs to NOFO and Petrobras standards. Oil Booms Skimmer Fast

Leia mais

Acelerar o desenvolvimento das cidades inteligentes em Portugal. Concurso Cidades Analíticas 2015 Urban Analytics Award 2015

Acelerar o desenvolvimento das cidades inteligentes em Portugal. Concurso Cidades Analíticas 2015 Urban Analytics Award 2015 Cidades Analíticas Acelerar o desenvolvimento das cidades inteligentes em Portugal Concurso Cidades Analíticas 2015 Urban Analytics Award 2015 Apresentação da candidatura: Candidato Luis Maia Oliveira

Leia mais

ISAMARA SEABRA O FINANCIAMENTO DAS PARCERIAS PÚBLICO- PRIVADAS NO BRASIL

ISAMARA SEABRA O FINANCIAMENTO DAS PARCERIAS PÚBLICO- PRIVADAS NO BRASIL UniCEUB Centro Universitário de Brasília Instituto CEUB de Pesquisa e Desenvolvimento Programa de Mestrado em Direito ISAMARA SEABRA O FINANCIAMENTO DAS PARCERIAS PÚBLICO- PRIVADAS NO BRASIL BRASÍLIA -

Leia mais

INFORMATION SECURITY IN ORGANIZATIONS

INFORMATION SECURITY IN ORGANIZATIONS INFORMATION SECURITY IN ORGANIZATIONS Ana Helena da Silva, MCI12017 Cristiana Coelho, MCI12013 2 SUMMARY 1. Introduction 2. The importance of IT in Organizations 3. Principles of Security 4. Information

Leia mais

Visitor, is this is very important contact with you. WATH DO WE HERE?

Visitor, is this is very important contact with you. WATH DO WE HERE? Visitor, is this is very important contact with you. I m Gilberto Martins Loureiro, Piraí s Senior Age Council President, Rio de Janeiro State, Brazil. Our city have 26.600 habitants we have 3.458 senior

Leia mais

and work, with work having a multiplication factor double). Relacionamento Comercial Internacional International Commercial Relationship

and work, with work having a multiplication factor double). Relacionamento Comercial Internacional International Commercial Relationship Sucesso é a união de três elementos: confiança, reciprocidade e trabalho, tendo o trabalho um fator duplo de multiplicação (success is basically the union of three elements: trust, reciprocity and work,

Leia mais

01-A GRAMMAR / VERB CLASSIFICATION / VERB FORMS

01-A GRAMMAR / VERB CLASSIFICATION / VERB FORMS 01-A GRAMMAR / VERB CLASSIFICATION / VERB FORMS OBS1: Adaptação didática (TRADUÇÃO PARA PORTUGUÊS) realizada pelo Prof. Dr. Alexandre Rosa dos Santos. OBS2: Textos extraídos do site: http://www.englishclub.com

Leia mais

CONCLUSÃO DO PROGRAMA DE SONDAGENS EM MALHA APERTADA NO PROJECTO DE OURO EM BOA FÉ REINÍCIO DA PERFURAÇÃO NO PROJETO DE TUNGSTENIO EM TABUAÇO

CONCLUSÃO DO PROGRAMA DE SONDAGENS EM MALHA APERTADA NO PROJECTO DE OURO EM BOA FÉ REINÍCIO DA PERFURAÇÃO NO PROJETO DE TUNGSTENIO EM TABUAÇO COMUNICADO À IMPRENSA 18 de Junho de 2014 GTP (TSX-V) P01 (FRANKFURT) COLTF - (OTCQX) CONCLUSÃO DO PROGRAMA DE SONDAGENS EM MALHA APERTADA NO PROJECTO DE OURO EM BOA FÉ REINÍCIO DA PERFURAÇÃO NO PROJETO

Leia mais

UNIDADE DE PESQUISA CLÍNICA Centro de Medicina Reprodutiva Dr Carlos Isaia Filho Ltda. SAMPLE SIZE DETERMINATION FOR CLINICAL RESEARCH

UNIDADE DE PESQUISA CLÍNICA Centro de Medicina Reprodutiva Dr Carlos Isaia Filho Ltda. SAMPLE SIZE DETERMINATION FOR CLINICAL RESEARCH SAMPLE SIZE DETERMINATION FOR CLINICAL RESEARCH Duolao Wang; Ameet Bakhai; Angelo Del Buono; Nicola Maffulli Muscle, Tendons and Ligaments Journal, 2013 Santiago A. Tobar L., Dsc. Why to determine the

Leia mais

Universidade do Minho. Escola de Engenharia. UC transversais Programas Doutorais 1º semestre 2012-13. 11 de outubro 2012

Universidade do Minho. Escola de Engenharia. UC transversais Programas Doutorais 1º semestre 2012-13. 11 de outubro 2012 Universidade do Minho Escola de Engenharia UC transversais Programas Doutorais 1º semestre 2012-13 11 de outubro 2012 1 2 2 courses offered in the first semestre: Métodos de Investigação em Engenharia

Leia mais

Manual de Apresentação de Dados REACH-IT

Manual de Apresentação de Dados REACH-IT Manual de Apresentação de Dados REACH-IT Parte 16 - Pedidos de Anexo I: Instruções para o modelo de documento justificativo de pedido de Versão 1.0 Página 1 de 7 Instruções Na IUCLID, por cada informação

Leia mais

BIBLIOGRAFIA. Faupel, A. & Sharp, P. (2003). Promoting emotional literacy. Guidelines for schools, local authorities and

BIBLIOGRAFIA. Faupel, A. & Sharp, P. (2003). Promoting emotional literacy. Guidelines for schools, local authorities and RESUMO EXPANDIDO Pode definir-se Literacia Emocional como a capacidade para reconhecer, compreender, expressar e gerir estados emocionais, do próprio e de outras pessoas, existindo associações entre esta

Leia mais

Especialistas em Consultoria à EF e Protocolo Familiar

Especialistas em Consultoria à EF e Protocolo Familiar Especialistas em Consultoria à EF e Protocolo Familiar Helena McDonnell e Magda Gabriel Especialistas em Consultoria à EF e Protocolo Familiar Cambridge Institute Página 1 Especialistas em Consultoria

Leia mais

Treinamento para Pais Cidadania digital No Nível Fundamental. Parent Academy Digital Citizenship. At Elementary Level

Treinamento para Pais Cidadania digital No Nível Fundamental. Parent Academy Digital Citizenship. At Elementary Level Parent Academy Digital Citizenship At Elementary Level Treinamento para Pais Cidadania digital No Nível Fundamental Pan American School of Bahia March 18 and 29, 2016 Digital Citizenship Modules Cyberbullying

Leia mais

Neutron Reference Measurements to Petroleum Industry

Neutron Reference Measurements to Petroleum Industry LABORATÓRIO NACIONAL DE METROLOGIA DAS RADIAÇÕES IONIZANTES IRD- Instituto de Radioproteção e Dosimetria Neutron Reference Measurements to Petroleum Industry Karla C. de Souza Patrão, Evaldo S. da Fonseca,

Leia mais

Multicriteria Impact Assessment of the certified reference material for ethanol in water

Multicriteria Impact Assessment of the certified reference material for ethanol in water Multicriteria Impact Assessment of the certified reference material for ethanol in water André Rauen Leonardo Ribeiro Rodnei Fagundes Dias Taiana Fortunato Araujo Taynah Lopes de Souza Inmetro / Brasil

Leia mais

PROGRAM FOR 3 DAYS in Faial and S. Jorge Islands, Azores

PROGRAM FOR 3 DAYS in Faial and S. Jorge Islands, Azores PROGRAM FOR 3 DAYS in Faial and S. Jorge Islands, Azores THIS PROGRAM AIMS TO TOAST OUR CUSTOMERS WITH THE OPPORTUNITY TO DISCOVER AND EXPLORE THE FAIAL AND S. JORGE ISLANDS. WE HAVE A WIDE RANGE OF CULTURAL

Leia mais

Melhorando o ambiente de negócios por meio da transparência no Estado de São Paulo Dentro do MoU (Memorando de Entendimento) que o Governo do Estado tem com o Reino Unido estão sendo promovidos vários

Leia mais

WWW.ADINOEL.COM Adinoél Sebastião /// Inglês Tradução Livre 67/2013

WWW.ADINOEL.COM Adinoél Sebastião /// Inglês Tradução Livre 67/2013 PASSO A PASSO DO DYNO Ao final desse passo a passo você terá o texto quase todo traduzido. Passo 1 Marque no texto as palavras abaixo. (decore essas palavras, pois elas aparecem com muita frequência nos

Leia mais

75, 8.º DTO 1250-068 LISBOA

75, 8.º DTO 1250-068 LISBOA EAbrief: Medida de incentivo ao emprego mediante o reembolso da taxa social única EAbrief: Employment incentive measure through the unique social rate reimbursement Portaria n.º 229/2012, de 03 de Agosto

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BOM DESPACHO-MG PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO - EDITAL

PREFEITURA MUNICIPAL DE BOM DESPACHO-MG PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO - EDITAL CADERNO DE PROVAS 1 A prova terá a duração de duas horas, incluindo o tempo necessário para o preenchimento do gabarito. 2 Marque as respostas no caderno de provas, deixe para preencher o gabarito depois

Leia mais

Braskem Maxio. Resinas da linha Braskem Maxio Braskem Maxio Grades. Redução de Consumo Energético Lower Energy Consumption.

Braskem Maxio. Resinas da linha Braskem Maxio Braskem Maxio Grades. Redução de Consumo Energético Lower Energy Consumption. Maio / May 2015 Resinas da linha Grades Redução de Consumo Energético Lower Energy Consumption RP 141 RP 347 RP 340S RP 340R RP 149 H 105 Produtividade Higher Productivity H 202HC CP 191XP VA8010SUV Redução

Leia mais

Teoria Económica Clássica e Neoclássica

Teoria Económica Clássica e Neoclássica Teoria Económica Clássica e Neoclássica Nuno Martins Universidade dos Açores Jornadas de Estatística Regional 29 de Novembro, Angra do Heroísmo, Portugal Definição de ciência económica Teoria clássica:

Leia mais

Mestrado em Ciências Jurídicas Especialização em História do Direito 2015-16

Mestrado em Ciências Jurídicas Especialização em História do Direito 2015-16 Mestrado em Ciências Jurídicas Especialização em História do Direito Unidade curricular História do Direito Português I (1º sem). Docente responsável e respectiva carga lectiva na unidade curricular Prof.

Leia mais

Subject: The finance source/ new application/ project submission form COMPANY / PROJECT INFORMATION. Date of Submission: Registered Company Name

Subject: The finance source/ new application/ project submission form COMPANY / PROJECT INFORMATION. Date of Submission: Registered Company Name Subject: The finance source/ new application/ project submission form All questions must be answered in details to receive an informed response. All information & data are to be provided directly by the

Leia mais

OUTRA FORMA DE VER? A CONSTRUÇÃO DO AUTOCONCEITO DE CRIANÇAS CEGAS E AMBLIOPES

OUTRA FORMA DE VER? A CONSTRUÇÃO DO AUTOCONCEITO DE CRIANÇAS CEGAS E AMBLIOPES UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA CENTRO REGIONAL DE BRAGA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS OUTRA FORMA DE VER? A CONSTRUÇÃO DO AUTOCONCEITO DE CRIANÇAS CEGAS E AMBLIOPES II Ciclo de Estudos em Ciências da

Leia mais

assumptions of that particular strengthening the participation of families and local communities in the strategic direction of schools, not taking

assumptions of that particular strengthening the participation of families and local communities in the strategic direction of schools, not taking Agradecimentos A dissertação do Mestrado que adiante se apresenta resulta na concretização de um projecto que me parecia difícil mas não impossível de alcançar. Foram meses seguidos de trabalho de investigação,

Leia mais

design para a inovação social

design para a inovação social design para a inovação social mestrado em design - 15 16 universidade de aveiro gonçalo gomes março de 2016 s.1 ergonomia ergonomia > definição Ergonomia A ergonomia (do grego "ergon": trabalho; e "nomos":

Leia mais

LÍNGUA INGLESA CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA AULA. Conteúdo: Reading - Typographic Marks

LÍNGUA INGLESA CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA AULA. Conteúdo: Reading - Typographic Marks Conteúdo: Reading - Typographic Marks Habilidades: Utilizar as Marcas Tipográficas para facilitar a compreensão e também chamar a atenção do leitor. Typographic Marks O que são marcas tipográficas? As

Leia mais

Engenharia de Requisitos. Professor: Dr. Eduardo Santana de Almeida Universidade Federal da Bahia esa@dcc.ufba.br

Engenharia de Requisitos. Professor: Dr. Eduardo Santana de Almeida Universidade Federal da Bahia esa@dcc.ufba.br Engenharia de Requisitos Professor: Dr. Eduardo Santana de Almeida Universidade Federal da Bahia esa@dcc.ufba.br O Documento de Requisitos Introdução The requirements for a system are the descriptions

Leia mais

Cowboys, Ankle Sprains, and Keepers of Quality: How Is Video Game Development Different from Software Development?

Cowboys, Ankle Sprains, and Keepers of Quality: How Is Video Game Development Different from Software Development? Cowboys, Ankle Sprains, and Keepers of Quality: How Is Video Game Development Different from Software Development? Emerson Murphy-Hill Thomas Zimmermann and Nachiappan Nagappan Guilherme H. Assis Abstract

Leia mais

Interface between IP limitations and contracts

Interface between IP limitations and contracts Interface between IP limitations and contracts Global Congress on Intellectual Property and the Public Interest Copyright Exceptions Workshop December 16, 9-12:30 Denis Borges Barbosa The issue Clause

Leia mais

Relatório de Acção Action Report

Relatório de Acção Action Report Relatório de Acção Action Report CasA+ Building Codes 17 Novembro Expo Energia 09 16 de Dezembro de 2009 Data: 17 Novembro Título: Casas dos anos 70 e 90 revelam mais ineficiência energética Meio: Rádio

Leia mais

Analysis, development and monitoring of business processes in Corporate environment

Analysis, development and monitoring of business processes in Corporate environment Analysis, development and monitoring of business processes in Corporate environment SAFIRA is an IT consulting boutique known for transforming the way organizations do business, or fulfil their missions,

Leia mais

Local & Regional Development. Expanding the positive impacts of mining projects

Local & Regional Development. Expanding the positive impacts of mining projects Local & Regional Development Expanding the positive impacts of mining projects Defining local and regional development Factors: Economic Social Specific to communities Need for ongoing consultations Link

Leia mais