Liquid Chromatography Tandem Mass Spectrometry or Automated Immunoassays: What Are the Future Trends in Therapeutic Drug Monitoring?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Liquid Chromatography Tandem Mass Spectrometry or Automated Immunoassays: What Are the Future Trends in Therapeutic Drug Monitoring?"

Transcrição

1 Liquid Chromatography Tandem Mass Spectrometry or Automated Immunoassays: What Are the Future Trends in Therapeutic Drug Monitoring? Gunnar Brandhorst, Moderator 1,*, Michael Oellerich, Moderator 1, Gregory Maine, Expert 2, Paul Taylor, Expert 3, Gerhard Veen, Expert 4 and Pierre Wallemacq, Expert 5 Cromatografia Líquida em conjunto com Espectrometria de Massa ou Imunoensaios Automatizados: Quais são as Futuras Tendências no Monitoramento da Droga Terapêutica? Gunnar Brandhorst, Moderator 1,*, Michael Oellerich, Moderator 1, Gregory Maine, Expert 2, Paul Taylor, Expert 3, Gerhard Veen, Expert 4 and Pierre Wallemacq, Expert 5 1 Department of Clinical Chemistry, University Medical Center Goettingen, Goettingen, Germany; 2 Abbott Laboratories, Abbott Park, IL; 3 Department of Clinical Pharmacology and the University of Queensland, Princess Alexandra Hospital, Brisbane, Australia; 4 Roche Diagnostics Ltd., Rotkreuz, Switzerland; 5 Department of Clinical Chemistry, Cliniques universitaires Saint-Luc, Université catholique de Louvain, LTAP, Brussels, Belgium. * Envie correspondência para esse autor para: Department of Clinical Chemistry, University Medical Center Goettingen, Robert-Koch-Str. 40, Goettingen 37075, Germany. O monitoramento da droga terapêutica (TDM)6 de certas drogas com um estreito índice terapêutico melhora significativamente o resultado do paciente. Por exemplo, a quantificação das drogas imunossupressoras em amostras de pacientes após transplante de órgão é um prérequisito essencial para a prevenção tanto das reações adversas da droga quanto dos eventos de rejeição. A necessidade de medição exata, precisa e padronizada das drogas apresenta um grande desafio para os laboratórios clínicos e a indústria diagnóstica. Uma multiplicidade de diferentes técnicas foram desenvolvidas no passado para satisfazer essas exigências. Atualmente, imunoensaios e métodos baseados na cromatografia líquida em conjunto com espectrometria de massa (LC-MS/MS) parecem ser as abordagens mais prevalentes nos laboratórios clínicos. Visto que essas técnicas diferem em muitos aspectos, ao fazer a escolha o laboratório deve considerar os critérios técnicos, clínicos e econômicos, assim como as qualificações da equipe. Nessa, 4 peritos líderes no campo do monitoramento das drogas imunossupressoras apresentam suas opiniões sobre as vantagens e desvantagens dos métodos analíticos e fornecem uma orientação geral para a otimização das estratégias analíticas no campo do TDM. De sua perspectiva, quais são as vantagens e desvantagens dos testes e imunoensaios baseados na espectrometria de massa no contexto do TDM? Gregory Maine: Uma das principais vantagens da espectrometria de massa é que os usuários podem desenvolver seus próprios testes. Testes baseados na espectrometria de massa podem ser analiticamente sensíveis, específicos, capazes de medir vários compostos numa única série. Dentre as desvantagens dessa técnica estão requerer grande investimento de capital e de custos de serviços, estar sujeita aos efeitos matriciais e à supressão de íons, e os resultados de diferentes laboratórios não serem necessariamente comparáveis. As vantagens dos imunoensaios das drogas incluem sua fácil integração ao laboratório central e a capacidade de medi-los juntamente com outros imunoensaios, tais como aqueles para fatores sorológicos e hormonais. Além disso, imunoensaios do TDM do mesmo fabricante compartilham o mesmo método, calibradores e

2 instrumentação, resultando em harmonização de fato entre os laboratórios. A principal desvantagem é o fato de que esses testes podem ser afetados por reatividade cruzada com metabólitos e outras substâncias. Paul Taylor: Ambas as tecnologias possuem suas respectivas forças e fraquezas para o uso no TDM. Espectrometria de massa em conjunto possui uma distinta vantagem sobre os imunoensaios visto que esta tecnologia fornece a capacidade de medir múltiplos analitos em uma série. Essa é uma abordagem rentável para se monitorar pacientes que estejam recebendo terapia multidrogas (por exemplo, terapia antiviral para pacientes com HIV). A seletividade requintada fornecida por sucessivas filtrações de massa é outra vantagem da espectrometria de massa em conjunto sobre os imunoensaios, como é mostrado para as drogas imunossupressoras. Outra distinta vantagem da espectrometria de massa é a capacidade de desenvolver métodos num período de tempo mais rápido e a autonomia associada de não ter que depender de um fabricante do imunoensaio para fornecer um novo produto. Um exemplo seria a mudança para monitoramento de 2 hs após a dose para ciclosporina. Analistas foram capazes de prontamente adaptar seus métodos de espectrometria de massa para atender o monitoramento dessas concentrações potencialmente mais altas, ao passo que aqueles analistas que usam imunoensaios dependeram dos protocolos de diluição até que os fabricantes comerciais modificassem seus produtos. Imunoensaios possuem excelente automação, uma importante fraqueza da espectrometria de massa. A simplicidade dos imunoensaios automatizados fornece facilidade de uso, ao passo que os métodos de espectrometria de massa requerem uma equipe científica treinada e especializada. Isso pode se tornar até mesmo mais importante quando testes de pacientes fora das horas normais são necessários. Outra importante vantagem dos imunoensaios é a capacidade de realizar testes de acesso randômico. Além disso, imunoensaios são fornecidos como uma solução completa para o monitoramento de uma droga específica, ao passo que os métodos de espectrometria de massa requerem o cientista para estabelecer um método que possa requerer a fonte dos materiais certificados e dos padrões internos. Gerhard Veen: Avaliação das tecnologias deve ser baseada no valor médico e nos benefícios que elas oferecem para os pacientes. No caso do TDM, acurácia analítica e tempo de rodada da amostra (TAT) são as mais altas prioridades, devido à importância de se manter valores terapêuticos dentro de um intervalo estreito e pré-definido. Embora os TATs sejam comparáveis para as 2 técnicas, imunoensaios oferecem uma produtividade muito maior do que a LC- MS/MS. As 2 técnicas também produzem resultados comparavelmente confiáveis, embora o fato de que sistemas de imunoensaio automatizados não dependam dos dedicados e especializados operadores remova uma potencial fonte de erro humano e uma variabilidade de lugar para lugar ou de período para período. Pierre Wallemacq: Essa é uma pergunta difícil porque a resposta pode rapidamente mudar durante o tempo devido ao rápido progresso em ambas as técnicas. Análise de TDM, como em muitas outras análises, é esperada que satisfaçam várias exigências atuais: (a) integração num laboratório central (que implica em elevada automação), elevada consolidação (realizando mais testes em menos plataformas), e redução dos custos de operação; (b) rastreabilidade para acreditação e validação do método; e (c) desempenho analítico em termos de sensibilidade, especificidade, imprecisão, acurácia, possíveis interferências analíticas, robustez e consistência.

3 Geralmente, métodos de espectrometria de massa são considerados métodos de referência, ao passo que imunoensaios estão liderando em sua capacidade de ser mais bem integrados a um laboratório central (automação, menos resolução de problemas) e em fornecer kits e métodos validados [selo de Conformidade Européia (CE) ou liberação da Administração de Drogas e Alimentos dos Estados Unidos (FDA)]. Entretanto, esforços impressionantes foram levados adiante pelos fabricantes de imunoensaios e de equipamento cromatográfico para melhorar suas respectivas fraquezas. Por exemplo, alguns kits de diagnóstico in vitro de LC- MS/MS estão agora comercialmente disponíveis com selos da CE e liberação da FDA, e alguns imunoensaios mostram um desempenho analítico (sensibilidade, especificidade, acurácia) que é equivalente ou até mesmo melhor que as técnicas de LC-MS/MS. Infelizmente, alguns imunoensaios possuem desempenho analítico ruim, e alguns métodos mal validados de LC- MS/MS mostram desempenho inaceitável (por exemplo, efeitos da supressão de íons), com ambos resultando em resultados inconsistentes com potencial impacto clínico. Resumidamente, as vantagens da espectrometria de massa incluem a potencial especificidade e sensibilidade analítica, medições múltiplas (quantificação simultânea de várias drogas), flexibilidade, produtividade relativamente alta e potencial para importante economia de custos. As desvantagens incluem uma falta de automação, a necessidade de rigorosa validação (evitar efeitos da supressão de íons), certa falta de robustez, falta de um serviço de suporte técnico de 7 dias per semana, e a necessidade de uma equipe qualificada. Para imunoensaios, as vantagens incluem automação e integração ao laboratório central, melhor rastreabilidade (online com um sistema de informação do laboratório, leitores de códigos de barra, e kits bem validados), nenhuma necessidade de pessoal especializado, robustez e contratos de manutenção acessíveis que incluam suporte técnico de 7 dias por semana. As desvantagens incluem desempenho analítico relativamente ruim pelo menos para alguns testes tais como viés de calibração, sensibilidade e especificidade analítica com uma série de potenciais interferências (reatividade cruzada com outras drogas ou metabólitos, anticorpos heterófilos, compostos endógenos), e custo dos reagentes. Em sua opinião, qual será a tecnologia líder no futuro? Gregory Maine: Ambos os métodos continuarão a estar em uso e permanecerão competitivos devido às diferentes necessidades e capacidades dos laboratórios individuais (número de amostras, equipe qualificada, orçamento, instalações do laboratório, exigências dos resultados do TAT). Acurácia e imprecisão do teste, comparabilidade dos resultados entre laboratórios, total automação, e custo laboratorial serão os condutores principais nas futuras tecnologias. Haverá um desejo de padronizar, ou pelo menos harmonizar, o teste à medida que o registro médico eletrônico se torne mais prevalente e os provedores de tratamento de saúde tentem monitorar os pacientes sem levar em conta as flutuações nos resultados devido à discordância analítica entre os métodos. Paul Taylor: A atual tecnologia líder para TDM são os imunoensaios, e isso deve continuar no futuro próximo. Espectrometria de massa em conjunto achou um nicho em áreas tais como monitoramento de drogas antiretrovirais e imunossupressoras, contudo no geral ela não é a tecnologia dominante. Espectrometria de massa em conjunto também pode achar um papel na evolução do monitoramento farmacodinâmico. Infelizmente, não existem dados clínicos publicados que claramente mostrem que uma tecnologia forneça resultados que levem à melhores resultados para os pacientes. Tais estudos seriam um importante condutor para levar adiante aquela tecnologia clinicamente superior no futuro. Imunoensaios, com sua capacidade inata de achar uma agulha no palheiro, e a espectrometria de massa em conjunto, com sua seletiva detecção baseada nas propriedades fisico-

4 químicas do analito, são metodologias complementares. A combinação dessas tecnologias em um instrumento híbrido seria um casamento fantástico e pode ser o futuro do TDM. Gerhard Veen: Sistemas públicos e privados de tratamento de saúde estão crescentemente procurando pagar pelo valor e os resultados em vez de pagar pelo volume ou o número de diagnósticos e, portanto a tecnologia mais provável de ser amplamente adotada será aquela que oferecer o maior valor médico em termos de benefícios para os pacientes, para os profissionais do tratamento de saúde, e para aqueles que pagam. Imunoensaios automatizados atualmente é a tecnologia líder usada nos laboratórios que fornecem TDM e no futuro próximo é, portanto provável que seja a tecnologia líder em termos de uso generalizado. Pierre Wallemacq: Nós observamos um impressionante aumento nos usuários da LC-MS/MS no TDM, como mostrado pelos esquemas externos de teste de proficiência. Muito provavelmente, esse progresso permanecerá por causa da elevada penetração nos grandes e muito grandes centros, mas eu não acredito que a LC-MS/MS substituirá os imunoensaios na medicina laboratorial. Imunoensaios provavelmente permanecerão como líder, mas com uma reduzida vantagem. Quais são as implicações da melhora da automação e do fluxo de trabalho? Gregory Maine: Métodos de alta produtividade da LC-MS/MS que usam cromatografia rápida estão disponíveis, mas eles podem não ser adequados para o uso rotineiro e são mais suscetíveis aos efeitos matriciais. Existe um imunoensaio de tacrolimo de alta produtividade com pré-tratamento automatizado on-board; entretanto, esse teste tem sido assolado por interferência de anticorpos endógenos, interferência de fatores reumatóides, e alta imprecisão do teste em baixas concentrações. Todas as estratégias para automação, especialmente para os testes que requerem sangue total, devem incluir um robusto passo de extração automatizada que minimize os efeitos matriciais na LC-MS/MS e na interferência dos anticorpos heterófilos nos imunoensaios. Paul Taylor: Como anteriormente mencionado, os imunoensaios possuem a capacidade de fornecer teste de acesso randômico. Essa é uma importante vantagem num laboratório que fornece uma variedade de testes de drogas (frequentemente necessários num rápido TAT) para números relativamente pequenos de pacientes. Atualmente, LC-MS/MS carece dessa flexibilidade e é realmente adequada para testes de drogas de alto volume. Como um exemplo, em nosso laboratório nós realizamos mais de testes de tacrolimo por ano com uma dedicada espectrometria de massa em conjunto. Essa abordagem de análises de lotes fornece aos clínicos resultados oportunos de uma maneira eficiente e de preço competitivo. Interromper esse fluxo de trabalho de alta produtividade para realizar outro tipo de teste de droga é atualmente ineficiente, difícil, e problemático. Excelente automação dos imunoensaios está disponível. Isso, juntamente com a flexibilidade da instrumentação, torna essa tecnologia superior à espectrometria de massa em conjunto em termos de fluxo de trabalho. Atualmente, preparação da amostra online (tipicamente mudança de coluna) é a base da automação na LC- MS/MS. Automação dos métodos da espectrometria de massa deve ser grandemente melhorada. O máximo em automação seria amostragem do tubo primário de coleta de sangue, preparação da amostra com acesso randômico (possivelmente um método genérico), e, finalmente, relatório direto do espectrômetro de massa. Até que isso esteja disponível, LC- MS/MS não poderá competir com os imunoensaios na questão de automação. Gerhard Veen: A implicação e o benefício mais óbvio de se aumentar a automação é a redução do risco de erro humano e custos gerais. Além disso, racionalização do fluxo de trabalho também resulta em imediato valor médico acelerando a tomada de decisão clínica através da redução no TAT da amostra. Isso por sua vez

5 leva a decisões de tratamento mais precoces e mais altamente informadas que ajudam a maximizar a eficácia da terapia e a reduzir o tratamento empírico. No caso do TDM, grande parte dos testes será rotina e, portanto o potencial para expandir o nível de automação é provável que seja desejável na maioria dos cenários. Pierre Wallemacq: Automação é obrigatória no atual contexto da restrição do orçamento e da redução da equipe. Isso é verdade tanto para as técnicas, contudo é mais crítico para LC-MS/MS, que precisa de preparação da amostra, (precipitação, extração de fase sólida), um leitor de códigos de barras, quanto para a conexão online direta com o sistema de informação do laboratório. O tempo de análise geralmente varia entre 2 e 4 min, com uma produtividade para uma série de 100 amostras variando de 200 min (3.3 hs) até 400 min (6.6 hs). Isso é ligeiramente menor do que a produtividade do imunoensaio. Uma elevada automação é certamente necessária para o pré-tratamento do inibidor da calcineurina (ciclosporina, tacrolimo) e inibidor das amostras de mtor (sirolimo, everolimo) para a maioria dos imunoensaios e métodos de LC- MS/MS. Quais são as implicações econômicas das 2 abordagens? Gregory Maine: A proliferação dos testes de LC- MS/MS definidos pelo usuário e dos diferentes imunoensaios de vários fabricantes, juntamente com a falta de padronização do teste entre esses métodos, exacerbou a falta de comparabilidade entre os métodos de TDM. Esse impacto é agudamente sentido, particularmente para o TDM imunossupressor, onde tentativas de otimizar os regimes de drogas terapêuticas são confundidas pelos diferentes métodos de testes empregados pelos diferentes centros de transplantes inscritos nos testes de drogas de vários regimes. O custo da análise por TDM empalidece em comparação com o custo das intervenções médicas adicionais, biópsias, etc., como uma potencial consequência dos pacientes sendo mantidos em terapias de drogas imunossupressoras abaixo do ideal. Paul Taylor: Imunoensaios automatizados fazem parte de todo laboratório de química clínica e fornecem uma ampla variedade de testes, incluindo testes de drogas. Os principais custos para realizar testes de drogas em tal instrumentação são os reagentes. Com números de amostras relativamente pequenos, essa é uma abordagem ideal. Para espectrometria de massa em conjunto, o principal custo é a instrumentação. Custos dos reagentes são mínimos (por exemplo, nossos custos dos reagentes para medição do tacrolimo são em torno de $1.50 por teste). Desse modo, espectrometria de massa em conjunto fornece uma abordagem rentável para medir grandes números de amostras. Nesse cenário, deve haver um ponto de inflexão nos números de amostras de onde inicialmente os imunoensaios sejam os mais rentáveis e a espectrometria de massa seja ineficiente para a situação oposta. Tais decisões econômicas têm sido tomadas na área da analise de esteróides, onde os grandes provedores de patologias nos Estados Unidos mudaram para LC-MS/MS para esses testes de alto número de amostras (por exemplo, testosterona e cortisol). Outro custo adicional para LC-MS/MS é o treinamento e retenção da equipe adequadamente qualificada para operar esse equipamento. Isso pode se tornar menos um problema à medida que instrumentação se torne mais fácil de usar e possivelmente mais automatizada. Gerhard Veen: Embora o custo por teste seja menor para LC-MS/MS comparado com os imunoensaios, o investimento inicial necessário para um instrumento para LC-MS/MS é mais alto. O uso da LC-MS/MS carrega várias considerações logísticas e financeiras adicionais não associadas com os imunoensaios, incluindo volumes maiores de resíduos incluindo solventes orgânicos; custos maiores de energia; maiores exigências de segurança com relação aos tanques de nitrogênio e compressores; maior tempo de inatividade do instrumento; e um ambiente de trabalho mais barulhento. Sistemas automatizados por definição devem reduzir grandemente os custos operacionais, não apenas através da redução do número de operado-

6 res necessários, mas também através da redução do nível de treinamento do pessoal especializado necessário para atingir a mesma confiabilidade dos resultados. Pierre Wallemacq: Cada laboratório deve elaborar um plano de negócios que integre um número de ítens, tais como (a) número de análises por ano, (b) reembolso diferencial (imunoensaio contra LC-MS/MS), (c) custos e depreciação dos instrumentos, (d) custos dos reagentes, (e) contratos de manutenção, (f) números e qualificações das equipes, e (g) avaria e suporte. O resultado desse plano de negócio obviamente variará de um centro para outro e de um país para outro, e não deve ser generalizado. Para grandes séries de análises, a técnica de LC- MS/MS mais provavelmente possui uma vantagem por causa da economia dos custos dos reagentes. Entretanto, a decisão de usar kits LC-MS/MS para diagnóstico in vitro, padrões internos deuterados, e extração de fase sólida podem significativamente reduzir essa vantagem, resultando num equilíbrio econômico muito próximo e deixando que a decisão seja baseada no desempenho analítico e médico. Quais são as estratégias apropriadas para garantir a alta qualidade e a padronização necessária desses testes? Gregory Maine: Um sistema de medição de referência para cada droga deve ser desenvolvido, e deve consistir de um material de referência internacionalmente reconhecido e de um método de referência, tais como diluição isotópica por espectrometria de massa, que emprega um padrão interno isotopicamente marcado. A qualidade do imunoensaio pode ser melhorada pelo desenvolvimento de protocolos de testes e de novos anticorpos para melhor detecção do composto da droga original e minimização da reatividade cruzada com os metabólitos. Qualidade do teste LC-MS/MS pode ser melhorada pelo desenvolvimento de padrões internos estáveis isotopicamente marcados para melhor controle dos efeitos matriciais e da supressão de íons. Robusta extração automatizada da amostra melhorará a qualidade de ambos os métodos. Paul Taylor: A medição dos controles de qualidade interno e externo deve ser usada para confirmar a qualidade dos resultados produzidos por qualquer uma das tecnologias. Os laboratórios devem ser desafiados com controles de qualidade externos que sejam preparados de amostras reais. Ação corretiva deve ser obrigatória se os resultados não forem satisfatórios. A acurácia de qualquer uma das tecnologias depende da calibração. Para usuários de imunoensaios, eles dependem do fabricante, contudo para a LC-MS/MS, calibradores preparados internamente são tipicamente usados. Esse tipo de calibrador preparado internamente possui o potencial de levar à desvios nos resultados. Como exemplo, foi observado que um grupo heterogêneo de testes de espectrometria de massa que mede a mesma droga e que usa os mesmos princípios analíticos produziu resultados variados para a mesma amostra. Recentemente, tem havido alguns kits de calibração comercialmente disponíveis para métodos de espectrometria de massa que podem aliviar esse potencial problema. Esse pode ser o caminho do futuro. Finalmente, padrões internos estáveis de isótopos marcados devem ser obrigatórios para todos os métodos de LC-MS/MS, e transições de massa confirmatórias devem ser empregadas para garantir a integridade dos dados. Gerhard Veen: Fabricantes de reagentes e de instrumentos devem permanecer comprometidos com o contínuo e adicional desenvolvimento dos testes de TDM, refletindo as crescentes demandas médicas e oferecendo os testes mais modernos que satisfaçam as exigências tanto do cliente quanto do paciente. Atual status da indústria com relação à padronização do teste de TDM está melhorando, como os recentes estudos sob condições de rotina demonstraram através dos fabricantes. Concomitantemente, é importante estabelecer métodos de referência que sejam guiados e aceitos pelas associações internacionais.

7 Pierre Wallemacq: É comum que diferentes métodos analíticos produzam discrepâncias em seus resultados. As estratégias para a melhora devem ser baseadas em várias abordagens, tais como (a) uso de esquemas externos de testes de proficiência para identificar um possível desvio de calibração [amostra livre enriquecida com uma quantidade conhecida de droga ou um possível composto interferente (reatividade cruzada metabólica, amostra do paciente)] e para avaliar e comparar a imprecisão intramétodo; (b) promover o uso de materiais de referência certificados; (c) encorajar mesasredondas de consenso que envolvam parceiros industriais, autoridades de saúde, e usuários de laboratórios a alcançar diretrizes internacionais; (e) uso de padrões certificados idênticos, (e) uso das mesmas unidades de concentração relatadas e especificação do método usado; (f) propor algum ajuste nos intervalos terapêuticos de acordo com o método; (g) desenvolver um procedimento de medição de referência e implementar um protocolo de validação bem aceito para métodos internos de LC-MS/MS; e (h) re-teste com um método alternativo em caso de resultados suspeitos. Agradecimentos G. Veen foi gentilmente apoiado por Martina Wiesgigl, Karen Heidemann, Sheri Jordan, Joseph Passarelli, e Dieter Gassner. Notas de Rodapé 6Abreviações não padronizadas: TDM,monitoramento da droga terapêutica; LC- MS/MS, cromatografia líquida em conjunto com espectrometria de massa; TAT, tempo da rodada; CE, Conformidade Européia; FDA, Administração de Drogas e Alimentos dos Estados Unidos. Contribuições dos Autores: Todos os autores confirmaram que eles contribuíram para o conteúdo intelectual desse paper e satisfizeram os 3 seguintes requisitos: (a) contribuições significantes para a concepção e design, aquisição de dados, ou análise e interpretação dos dados; (b) rascunhando ou revisando o artigo para conteúdo intelectual; e (c) aprovação final do artigo publicado. Revelações dos Autores de Potenciais Conflitos de Interesse: Na submissão do manuscrito, todos os autores completaram o formulário de Revelações de Potenciais Conflitos de Interesse. Potenciais conflitos de interesse: Emprego ou Liderança: M. Oellerich, Clinical Chemistry, AACC; G. Maine, Abbott Laboratories; G. Veen, Roche Diagnostics. Consultor ou Papel Consultivo: Nada a declarar. Posse dos Valores: G. Maine, Abbott Laboratories. Honorários: Nada a declarar. Fundo de Pesquisas: Nada a declarar. Testemunho Hábil: Nada a declarar. Recebido para pulbicação em 19 de Outubro de Aceito para publicação em 12 de Dezembro de The American Association for Clinical Chemistry This article has been translated with the permission of AACC. AACC is not responsible for the accuracy of the translation. The views presented are those of the authors and not necessarily those of the AACC or the Journal. Reprinted from Clin Chem, 2012; 58 no , by permission of AACC. Original copyright 2011 American Association for Clinical Chemistry, Inc. When citing this article, please refer to the original English publication source in the journal, Clinical Chemistry. Este artigo foi traduzido com a permissão da AACC. AACC não é responsável pela acurácia da tradução. Os pontos de vista apresentados são aqueles dos autores e não necessariamente os da AACC ou do Jornal. Reimpresso da ClinChem, 2012; 58 no , por permissão da AACC. Cópia original 2011 American Association for Clinical Chemistry, Inc. Quando citar este artigo, por favor refira-se à fonte de publicação original em inglês na revista,clinical Chemistry.

Mass Spectrometry in the Clinical Laboratory: How Have We Done, and Where Do We Need to Be? Thomas Annesley1

Mass Spectrometry in the Clinical Laboratory: How Have We Done, and Where Do We Need to Be? Thomas Annesley1 Mass Spectrometry in the Clinical Laboratory: How Have We Done, and Where Do We Need to Be? 1 Espectrometria de Massa no Laboratório Clínico: Como nós fizemos, e Onde nós precisamos estar? 1 1 Department

Leia mais

Top 10 Tips for Responding to Reviewer and Editor Comments. 10 Dicas Principais para Responder aos Comentários do Revisor e do Editor

Top 10 Tips for Responding to Reviewer and Editor Comments. 10 Dicas Principais para Responder aos Comentários do Revisor e do Editor Top 10 Tips for Responding to Reviewer and Editor Comments Thomas M. Annesley* 10 Dicas Principais para Responder aos Comentários do Revisor e do Editor Thomas M. Annesley* University of Michigan Health

Leia mais

Vanderléia Bárbaro Valente Hemobrás 2.012

Vanderléia Bárbaro Valente Hemobrás 2.012 COMO IMPLANTAR NOVOS KITS E METODOLOGIAS: ELEMENTOS A SEREM CONSIDERADOS NAS TOMADAS DE DECISÕES, AÇÕES E CUIDADOS TÉCNICOS PARA VIABILIZAR A IMPLANTAÇÃO Vanderléia Bárbaro Valente Hemobrás 2.012 Qualidade

Leia mais

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES V CONGRESSO BRASILEIRO DE METROLOGIA Metrologia para a competitividade em áreas estratégicas 9 a 13 de novembro de 2009. Salvador, Bahia Brasil. ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO

Leia mais

The Title Says It All. O Título Diz Tudo by Thomas M. Annesley

The Title Says It All. O Título Diz Tudo by Thomas M. Annesley The Title Says It All Thomas M. Annesley O Título Diz Tudo by Thomas M. Annesley Criar um bom título é como curvar uma linha reta para um círculo conectado sem costura. Deixe-me explicar. Títulos são a

Leia mais

ISO 9001:2008. Alterações e Adições da nova versão

ISO 9001:2008. Alterações e Adições da nova versão ISO 9001:2008 Alterações e Adições da nova versão Notas sobe esta apresentação Esta apresentação contém as principais alterações e adições promovidas pela edição 2008 da norma de sistema de gestão mais

Leia mais

FR 19 CHECK-LIST PARA AVALIAÇÃO DOS REQUISITOS TÉCNICOS DA NBR ISO/IEC 17025. Laboratório(s) avaliado(s): Nº

FR 19 CHECK-LIST PARA AVALIAÇÃO DOS REQUISITOS TÉCNICOS DA NBR ISO/IEC 17025. Laboratório(s) avaliado(s): Nº FR 19 CHECK-LIST PARA AVALIAÇÃO DOS REQUISITOS TÉCNICOS DA NBR ISO/IEC 17025 FORMULÁRIO REVISÃO: 04 NOV/2008 Laboratório(s) avaliado(s): Nº Período de Avaliação: Data inicial da avaliação: / / Data término

Leia mais

The Abstract and the Elevator Talk: A Tale of Two Summaries Thomas M. Annesley

The Abstract and the Elevator Talk: A Tale of Two Summaries Thomas M. Annesley The Abstract and the Elevator Talk: A Tale of Two Summaries Thomas M. Annesley O Abstract e a Conversa de Elevador: Um Conto de Dois Resumos Thomas M. Annesley O que é uma conversa de elevador, e o que

Leia mais

Melhorias da Infraestrutura

Melhorias da Infraestrutura Melhorias da Infraestrutura Refino Papel e Celulose Energia Fóssil Processos Químicos Processos Industriais Conversão De Resíduos Em Energia www.azz.com/wsi Fornecedora de soluções e serviços completos

Leia mais

Desempenho da Fase Analítica. Fernando de Almeida Berlitz

Desempenho da Fase Analítica. Fernando de Almeida Berlitz Indicadores de Desempenho da Fase Analítica Fernando de Almeida Berlitz Ishikawa Estratégia e Medição PARA QUEM NÃO SABE PARA ONDE VAI, QUALQUER CAMINHO OS SERVE... Processos PROCESSOS Não existe um produto

Leia mais

Código de prática para a gestão da segurança da informação

Código de prática para a gestão da segurança da informação Código de prática para a gestão da segurança da informação Edição e Produção: Fabiano Rabaneda Advogado, professor da Universidade Federal do Mato Grosso. Especializando em Direito Eletrônico e Tecnologia

Leia mais

Gestão de Armazenamento

Gestão de Armazenamento Gestão de Armazenamento 1. Introdução As organizações estão se deparando com o desafio de gerenciar com eficiência uma quantidade extraordinária de dados comerciais gerados por aplicativos e transações

Leia mais

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions ISO 9001 Relatórios A importância do risco em gestao da qualidade Abordando a mudança BSI Group BSI/UK/532/SC/1114/en/BLD Contexto e resumo da revisão da ISO 9001:2015 Como uma Norma internacional, a ISO

Leia mais

INNOVA. Soluções de software que capacitam os processadores de aves a...

INNOVA. Soluções de software que capacitam os processadores de aves a... INNOVA Soluções de software que capacitam os processadores de aves a... Maximizar o rendimento e a produtividade Estar em conformidade com os padrões de qualidade e garantir a segurança dos alimentos Obter

Leia mais

MEDICAMENTOS GUIA Nº 01/2015 Versão 1 GUIA PARA A ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO SUMÁRIO DE VALIDAÇÃO DE PROCESSO DE FABRICAÇÃO DE MEDICAMENTOS

MEDICAMENTOS GUIA Nº 01/2015 Versão 1 GUIA PARA A ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO SUMÁRIO DE VALIDAÇÃO DE PROCESSO DE FABRICAÇÃO DE MEDICAMENTOS MEDICAMENTOS GUIA Nº 01/2015 Versão 1 Agência Nacional de Vigilância Sanitária GUIA PARA A ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO SUMÁRIO DE VALIDAÇÃO DE PROCESSO DE FABRICAÇÃO DE MEDICAMENTOS VIGENTE A PARTIR DE 09/10/2015

Leia mais

KRAS Mutation Detection: A New Look at an Old Gene Detecção da Mutação do KRAS: Uma Nova Olhada em um Velho Gene

KRAS Mutation Detection: A New Look at an Old Gene Detecção da Mutação do KRAS: Uma Nova Olhada em um Velho Gene KRAS Mutation Detection: A New Look at an Old Gene Detecção da Mutação do KRAS: Uma Nova Olhada em um Velho Gene A introdução de drogas de moléculas pequenas e de anticorpos monoclonais humanos como novas

Leia mais

SOFTWARE DE PROTEÔMICA ALVO SKYLINE DESCUBRA NOVAS TRAJETÓRIAS COM AS SOLUÇÕES DA AGILENT

SOFTWARE DE PROTEÔMICA ALVO SKYLINE DESCUBRA NOVAS TRAJETÓRIAS COM AS SOLUÇÕES DA AGILENT Do Grupo MacCoss da Universidade de Washington SOFTWARE DE PROTEÔMICA ALVO SKYLINE DESCUBRA NOVAS TRAJETÓRIAS COM AS SOLUÇÕES DA AGILENT ESCOLHA DAS FERRAMENTAS CORRETAS PARA A SUA PESQUISA Para a análise

Leia mais

Curso Básico de Inspeção em Serviços de Hemoterapia Goiânia Goiás 1º a 05 de setembro de 2014 Gestão de Qualidade e Boas Práticas no Ciclo do Sangue

Curso Básico de Inspeção em Serviços de Hemoterapia Goiânia Goiás 1º a 05 de setembro de 2014 Gestão de Qualidade e Boas Práticas no Ciclo do Sangue Curso Básico de Inspeção em Serviços de Hemoterapia Goiânia Goiás 1º a 05 de setembro de 2014 Gestão de Qualidade e SETEMBRO DE 2014 Assessoria da Garantia da Qualidade Fundação Hemocentro de Brasília

Leia mais

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS APRENDIZ SABER Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando assistência

Leia mais

Folheto Acelere sua jornada rumo à nuvem. Serviços HP Cloud Professional

Folheto Acelere sua jornada rumo à nuvem. Serviços HP Cloud Professional Folheto Acelere sua jornada rumo à nuvem Professional Folheto Professional A HP oferece um portfólio abrangente de serviços profissionais em nuvem para aconselhar, transformar e gerenciar sua jornada rumo

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

Os analistas podem trabalhar com mais satisfação e menos estresse. Os clientes obtêm os resultados mais rapidamente e os dados são confiáveis.

Os analistas podem trabalhar com mais satisfação e menos estresse. Os clientes obtêm os resultados mais rapidamente e os dados são confiáveis. Gestão de Conteúdo Eletrônico AGILENT OPENLAB MELHORA A QUALIDADE DOS DADOS, A EFICIÊNCIA DO LABORATÓRIO E O ATENDIMENTO AO CLIENTE COM A ANÁLISE E O GERENCIAMENTO DE DADOS INTEGRADOS Perfil do cliente:

Leia mais

49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL

49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE 49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL Washington, D.C., EUA, 28 de setembro a 2 de outubro de 2009 CD49.R10 (Port.) ORIGINAL:

Leia mais

Estratégias para avaliação da segurança da computação em nuvens

Estratégias para avaliação da segurança da computação em nuvens Academia de Tecnologia da IBM White paper de liderança de pensamento Novembro de 2010 Estratégias para avaliação da segurança da computação em nuvens 2 Proteção da nuvem: do desenvolvimento da estratégia

Leia mais

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão:

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão: 4.2.2 Manual da Qualidade Está estabelecido um Manual da Qualidade que inclui o escopo do SGQ, justificativas para exclusões, os procedimentos documentados e a descrição da interação entre os processos

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO, ORGANIZAÇÕES, ADMINISTRAÇÃO E ESTRATÉGIA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO, ORGANIZAÇÕES, ADMINISTRAÇÃO E ESTRATÉGIA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO, ORGANIZAÇÕES, ADMINISTRAÇÃO E ESTRATÉGIA 1 OBJETIVOS 1. O que os administradores precisam saber sobre organizações para montar e usar sistemas de informação com sucesso? 2. Que

Leia mais

Controle de Qualidade de Laboratório

Controle de Qualidade de Laboratório Controle de Qualidade de Laboratório de Ensaio Aliado à Tecnologia Paulo Henrique Muller Sary Diretor Técnico SaaS Ambiental Porto Alegre, 25 de julho de 2014. Garantia da Qualidade O programa de garantia

Leia mais

Rev. 16/06/2015 Página 1 de 5

Rev. 16/06/2015 Página 1 de 5 Rev. 16/06/2015 Página 1 de 5 Este anexo aplica-se às certificações cujas quais não apresentam critérios específicos para definição de laboratórios no Programa de Avaliação da Conformidade. Nestes casos,

Leia mais

3 - Introdução. gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos. 11 - Indicadores operacionais. 14 - Indicadores financeiros.

3 - Introdução. gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos. 11 - Indicadores operacionais. 14 - Indicadores financeiros. 3 - Introdução 4 - Quais são as métricas para alcançar uma boa ÍNDICE As Métricas Fundamentais da Gestão Hospitalar gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos 11 - Indicadores operacionais 14 - Indicadores

Leia mais

The Challenges and Concerns Companies Face Pertaining to the US Food and Drug Administration 510(k) Process for Cardiac Biomarkers

The Challenges and Concerns Companies Face Pertaining to the US Food and Drug Administration 510(k) Process for Cardiac Biomarkers The Challenges and Concerns Companies Face Pertaining to the US Food and Drug Administration 510(k) Process for Cardiac Biomarkers Moderators: Fred S. Apple1,2* and David Morrow3,4 Experts: Christian Zaugg,5

Leia mais

Automação de Sistemas Industrias. Automação com Qualidade

Automação de Sistemas Industrias. Automação com Qualidade Automação de Sistemas Industrias Automação com Qualidade Por que investir em QUALIDADE? Os crescentes números da Balança Comercial, apontam para uma nova e interessante tendência: a EXPORTAÇÃO de produtos.

Leia mais

CobiT 4.1 Plan and Organize Manage Projects PO10

CobiT 4.1 Plan and Organize Manage Projects PO10 CobiT 4.1 Plan and Organize Manage Projects PO10 Planejar e Organizar Gerenciar Projetos Pedro Rocha http://rochapedro.wordpress.com RESUMO Este documento trás a tradução do objetivo de controle PO10 (Gerenciamento

Leia mais

DECLARAÇÕES EUROPEIAS DA FARMÁCIA HOSPITALAR

DECLARAÇÕES EUROPEIAS DA FARMÁCIA HOSPITALAR DECLARAÇÕES EUROPEIAS DA FARMÁCIA HOSPITALAR As páginas que se seguem constituem as Declarações Europeias da Farmácia Hospitalar. As declarações expressam os objetivos comuns definidos para cada sistema

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

Administração de CPD Chief Information Office

Administração de CPD Chief Information Office Administração de CPD Chief Information Office Cássio D. B. Pinheiro pinheiro.cassio@ig.com.br cassio.orgfree.com Objetivos Apresentar os principais conceitos e elementos relacionados ao profissional de

Leia mais

PROGRAMA DE PROTEÇÃO DE PI

PROGRAMA DE PROTEÇÃO DE PI GUIA PARA MELHORAR O SEU Principais Práticas para a Proteção de PI PROGRAMA DE PROTEÇÃO DE PI 2013 Centro para Empreendimento e Comércio Responsáveis TABELA DE CONTEÚDO CAPÍTULO 1: Introdução à Proteção

Leia mais

Migração de sistemas antigos. Avançando para um futuro competitivo

Migração de sistemas antigos. Avançando para um futuro competitivo Migração de sistemas antigos Avançando para um futuro competitivo A automação e controle é um dos mais importantes investimentos para garantir o sucesso da manufatura de qualquer indústria. Porém, por

Leia mais

Clinical Chemistry. incluíam estimativas de risco extre-

Clinical Chemistry. incluíam estimativas de risco extre- Direct-to-Consumer Genetic Testing: Reliable or Risky? Moderators: David H. Spencer1* and Christina Lockwood1 Experts: Eric Topol,2 James P. Evans,3 Robert C. Green,4 Elizabeth Mansfield,5 and Zivana Tezak5

Leia mais

Transforme. Transforme a TI. a empresa. Três imperativos da TI para a transformação da empresa realizada pelo CIO em um mundo dinâmico.

Transforme. Transforme a TI. a empresa. Três imperativos da TI para a transformação da empresa realizada pelo CIO em um mundo dinâmico. TECH DOSSIER Transforme a TI Transforme a empresa Três imperativos da TI para a transformação da empresa realizada pelo CIO em um mundo dinâmico. Consolidar para conduzir a visibilidade da empresa e a

Leia mais

CONECTIVIDADE INOVADORA. MULTI-SITE E MULTI-FORNECEDORES. UMA ÚNICA LISTA DE TRABALHO GLOBAL. Vue Connect. Enterprise IMAGE/ARTWORK AREA

CONECTIVIDADE INOVADORA. MULTI-SITE E MULTI-FORNECEDORES. UMA ÚNICA LISTA DE TRABALHO GLOBAL. Vue Connect. Enterprise IMAGE/ARTWORK AREA Vue Connect Enterprise Workflow MULTI-SITE E MULTI-FORNECEDORES. UMA ÚNICA LISTA DE TRABALHO GLOBAL. Para empresas que possuem diversas unidades, uma ampla gama de instalações, fluxo de trabalho departamental

Leia mais

ENQUALAB 2013 QUALIDADE & CONFIABILIDADE NA METROLOGIA AUTOMOTIVA. Elaboração em planos de Calibração Interna na Indústria Automotiva

ENQUALAB 2013 QUALIDADE & CONFIABILIDADE NA METROLOGIA AUTOMOTIVA. Elaboração em planos de Calibração Interna na Indústria Automotiva ENQUALAB 2013 QUALIDADE & CONFIABILIDADE NA METROLOGIA AUTOMOTIVA Elaboração em planos de Calibração Interna na Indústria Automotiva Joel Alves da Silva, Diretor Técnico JAS-METRO Soluções e Treinamentos

Leia mais

*Os pontos de vista expressados aqui são meus e não necessariamente representam aqueles do FDIC.

*Os pontos de vista expressados aqui são meus e não necessariamente representam aqueles do FDIC. Orientação Geral para Mandatos de Seguro de Depósito Eficazes Considerações importantes no Projeto de um Mandato Eficaz Disponibilidade de Recursos para um Sistema Eficaz de Seguro de Depósitos: Financiamentos,

Leia mais

Otimização do Gerenciamento de Datacenters com o Microsoft System Center

Otimização do Gerenciamento de Datacenters com o Microsoft System Center Otimização do Gerenciamento de Datacenters com o Microsoft System Center Aviso de Isenção de Responsabilidade e Direitos Autorais As informações contidas neste documento representam a visão atual da Microsoft

Leia mais

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP 6. Procedimento de gerenciamento de risco O fabricante ou prestador de serviço deve estabelecer e manter um processo para identificar

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

Faculdade de Farmácia VALIDAÇÃO DE SISTEMAS COMPUTADORIZADOS

Faculdade de Farmácia VALIDAÇÃO DE SISTEMAS COMPUTADORIZADOS Faculdade de Farmácia VALIDAÇÃO DE SISTEMAS COMPUTADORIZADOS 2012 Relevância: Impacta diretamente na saúde do paciente, na qualidade do produto e na integridade dos dados que devem provar que o sistema

Leia mais

Papel e importância dos sistemas LIMS na indústria moderna

Papel e importância dos sistemas LIMS na indústria moderna Papel e importância dos sistemas LIMS na indústria moderna Georgio Raphaelli Labsoft Tecnologia E-mail: georgior@gmail.com Resumo: Um bom sistema de uso diário, produzido especificamente para laboratórios

Leia mais

Análise das Necessidades do Cliente da SKF. Energia e Sustentabilidade

Análise das Necessidades do Cliente da SKF. Energia e Sustentabilidade Análise das Necessidades do Cliente da SKF Energia e Sustentabilidade Análise das Necessidades do Cliente da SKF Energia e Sustentabilidade A indústria responde por um terço de todo o consumo de energia.

Leia mais

Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler

Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler 2 Introdução A política corporativa de RH da Schindler define as estratégias relacionadas às ações para com seus colaboradores; baseia-se na Missão e nos

Leia mais

Inteligência de Dados

Inteligência de Dados Inteligência de Dados Apoio Master Transformando Dados em Vantagem Competitiva Leonardo Couto Sócio e Diretor Comercial leo.couto@wiseminer.com +55 21 9 7295 1422 Big Data Bang e os desafios da gestão

Leia mais

Otimização através de LIMS e Lean Seis Sigma

Otimização através de LIMS e Lean Seis Sigma Otimização através de LIMS e Lean Seis Sigma Resumo Com uma abordagem prática este trabalho proporcionará uma visão do projeto de implantação de um sistema LIMS com o objetivo de eliminar totalmente o

Leia mais

DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Processo Unificado e Desenvolvimento Ágil. Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga

DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Processo Unificado e Desenvolvimento Ágil. Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Processo Unificado e Desenvolvimento Ágil Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga 2º Semestre / 2011 O Processo Unificado dos autores Ivar Jacobson, Grady Booch e James

Leia mais

Acreditação de laboratórios. Validação de métodos. nº 10 julho/2005

Acreditação de laboratórios. Validação de métodos. nº 10 julho/2005 nº 10 julho/2005 Acreditação de laboratórios O diretor de Acreditação da SBPC/ ML, Guilherme de Oliveira, e o gerente Técnico do PALC, Ismar Barbosa, explicam o que é acreditação de laboratório, suas vantagens

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

Faculdade de Ciência da Informação Disciplina: Projeto de Implementação de Sistemas Arquivísticos Profa. Lillian Alvares

Faculdade de Ciência da Informação Disciplina: Projeto de Implementação de Sistemas Arquivísticos Profa. Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Disciplina: Projeto de Implementação de Sistemas Arquivísticos Profa. Lillian Alvares Gerência de Projetos Oferece uma visão integrada de todos

Leia mais

Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte

Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte IBM Global Technology Services Manutenção e suporte técnico Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte Uma abordagem inovadora em suporte técnico 2 Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável

Leia mais

ABNT NBR ISO/IEC 27002:2005

ABNT NBR ISO/IEC 27002:2005 ABNT NBR ISO/IEC 27002:2005 Código de prática para a gestão da segurança da informação A partir de 2007, a nova edição da ISO/IEC 17799 será incorporada ao novo esquema de numeração como ISO/IEC 27002.

Leia mais

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS PDS - DATASUS Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS Coordenação Geral de Arquitetura e Engenharia Tecnológica Coordenação de Padronização e Qualidade de Software Gerência de Padrões e Software

Leia mais

ESTRUTURA ISO 9.001:2008

ESTRUTURA ISO 9.001:2008 Sistema de Gestão Qualidade (SGQ) ESTRUTURA ISO 9.001:2008 Objetivos: Melhoria da norma existente; Melhoria do entendimento e facilidade de uso; Compatibilidade com a ISO 14001:2004; Foco Melhorar o entendimento

Leia mais

PÚBLICA, PRIVADA OU HÍBRIDA: QUAL É A MELHOR NUVEM PARA SEUS APLICATIVOS?

PÚBLICA, PRIVADA OU HÍBRIDA: QUAL É A MELHOR NUVEM PARA SEUS APLICATIVOS? PÚBLICA, PRIVADA OU HÍBRIDA: QUAL É A MELHOR NUVEM PARA SEUS APLICATIVOS? As ofertas de nuvem pública proliferaram, e a nuvem privada se popularizou. Agora, é uma questão de como aproveitar o potencial

Leia mais

Uso de Materiais de Referência

Uso de Materiais de Referência Uso de Materiais de Referência Ricardo Rezende Zucchini Célia Omine Iamashita IPT Divisão de Química Agrupamento de Materiais de Referência Introdução Série de guias ISO sobre Materiais de Referência ABNT

Leia mais

A Unidade HOSPITAL UNIMED-RIO

A Unidade HOSPITAL UNIMED-RIO HOSPITAIS SAUDÁVEIS A Unidade HOSPITAL UNIMED-RIO Projeto Hospital UNIMED - RIO Construído em uma área de 30 mil m² o Hospital UNIMED RIO foi inaugurado em Dez / 2012 O Hospital tem como seus principais

Leia mais

Módulo 2. Identificação dos requisitos dos sistemas de medição, critérios de aceitação e o elemento 7.6 da ISO/TS.

Módulo 2. Identificação dos requisitos dos sistemas de medição, critérios de aceitação e o elemento 7.6 da ISO/TS. Módulo 2 Identificação dos requisitos dos sistemas de medição, critérios de aceitação e o elemento 7.6 da ISO/TS. Conteúdos deste módulo Discriminação Decomposição da variação do sistema de medição Variação

Leia mais

Qualidade de Software: Visão Geral

Qualidade de Software: Visão Geral Qualidade de Software: Visão Geral Engenharia de Software 1 Aula 05 Qualidade de Software Existem muitas definições de qualidade de software propostas na literatura, sob diferentes pontos de vista Qualidade

Leia mais

ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO. Documento de caráter orientativo

ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO. Documento de caráter orientativo Coordenação Geral de Acreditação ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO Documento de caráter orientativo DOQ-CGCRE-002 Revisão 03

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Boas Práticas de Fabricação de Saneantes e Produtos de Higiene Pessoal, Cosméticos e Perfumes Coordenação de Insumos Farmacêuticos, Saneantes e Cosméticos Gerência

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão: 07 Data: 05.03.09 Página 1 de 7 Copia controlada MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE José G. Cardoso Diretor Executivo As informações contidas neste Manual são de propriedade da Abadiaço Ind. e Com.

Leia mais

Treinamento: Metrologia em Química

Treinamento: Metrologia em Química Treinamento: Metrologia em Química Local: SINPROQUIM Rua Rodrigo Cláudio, 185 Aclimação - São Paulo SP MÓDULO 1 Curso: Estatística para Laboratórios Analíticos Data: 16 e 17 de junho de 2008 Horário: das

Leia mais

Otimização de máquinas de papel da SKF

Otimização de máquinas de papel da SKF Otimização de máquinas de papel da SKF Aumentando a eficiência e a produtividade global das máquinas O Poder do Conhecimento em Engenharia Operação mais rápida e eficiente Nunca foi tão difícil operar

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Outubro de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Abordar o domínio Adquirir e Implementar e todos

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Normas de qualidade de software - introdução Encontra-se no site da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) as seguintes definições: Normalização

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

Software de gerenciamento de trabalho

Software de gerenciamento de trabalho Software de gerenciamento de trabalho Software de gerenciamento de trabalho GoalPost O software de gerenciamento de trabalho (LMS) GoalPost da Intelligrated fornece informações sob demanda para medir,

Leia mais

Rigor e Atenção em Pesquisa Clínica

Rigor e Atenção em Pesquisa Clínica Rigor e Atenção em Pesquisa Clínica PESQUISA ClÍNICA Benefícios para todos Avanços para a humanidade Pesquisa Clínica: mais que experimentação, benefício de saúde e segurança para a humanidade. O incessante

Leia mais

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA SUMÁRIO Apresentação ISO 14001 Sistema de Gestão Ambiental Nova ISO 14001 Principais alterações e mudanças na prática Estrutura de alto nível Contexto

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM-ESTAR NO TRABALHO

POLÍTICA DE SEGURANÇA POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM-ESTAR NO TRABALHO POLÍTICA DE SEGURANÇA POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM-ESTAR NO TRABALHO Política de SEGURANÇA Política de SEGURANÇA A visão do Grupo Volvo é tornar-se líder

Leia mais

Quem precisa de metas afinal? Por que ter metas?

Quem precisa de metas afinal? Por que ter metas? Metas e Objetivos Muito se confunde a respeito destes dois conceitos quando se faz um planejamento estratégico do negócio. A diferença entre Meta e Objetivo, no entanto, é bastante clara como será apresentada

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

Implantação e Implementação de um Sistema de Gestão da Qualidade no Processo de Produção de Materiais de Referência Certificados

Implantação e Implementação de um Sistema de Gestão da Qualidade no Processo de Produção de Materiais de Referência Certificados Implantação e Implementação de um Sistema de Gestão da Qualidade no Processo de Produção de Materiais de Referência Certificados Lívia Gebara Muraro Serrate Cordeiro Bolsista PCI/DTI, M.Sc. Maria Alice

Leia mais

Tutorial norma ISO 9001

Tutorial norma ISO 9001 Tutorial norma ISO 9001 Docente: Prof. Dr. José Carlos Marques Discentes-Grupo 3: Luciane F. I. Ramos Fonseca Ana Paula C. Vieira Lúcia Melim Ana Paula Neves Funchal, Maio de 2009 1. CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE

Leia mais

Questão em foco: O ROI do Gerenciamento de Portfólio de Produto. O Guia para prever o retorno do investimento do PPM

Questão em foco: O ROI do Gerenciamento de Portfólio de Produto. O Guia para prever o retorno do investimento do PPM Questão em foco: O ROI do Gerenciamento de Portfólio de Produto O Guia para prever o retorno do investimento do PPM Tech-Clarity, Inc. 2008 Sumário Introdução à questão... 3 Cálculo dos benefícios do Gerenciamento

Leia mais

CÓPIA CONTROLADA USO EXCLUSIVO PARA TREINAMENTO INTERNO DO LIM56

CÓPIA CONTROLADA USO EXCLUSIVO PARA TREINAMENTO INTERNO DO LIM56 NORMA ABNT BRASILEIRA NBR ISO 9001 Segunda edição 28.11.2008 Válida a partir de 28.12.2008 Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos Quality management systems - Requirements CÓPIA CONTROLADA USO EXCLUSIVO

Leia mais

Giving Credit: Citations and References Thomas M. Annesley

Giving Credit: Citations and References Thomas M. Annesley Giving Credit: Citations and References Thomas M. Annesley Dando Crédito: Citações e Referências Thomas M. Annesley University of Michigan Health System, Ann Arbor, MI. Envie correspondência para o autor

Leia mais

Dar Crédito a Quem Merece:

Dar Crédito a Quem Merece: Série de Melhores Práticas da AJE Dar Crédito a Quem Merece: Melhores Práticas de Atribuição de Autoria Michaela Panter, PhD Sobre a autora A Dra. Panter é editora da AJE desde 2008. Ela se formou na Yale

Leia mais

Adicionando valor na produção

Adicionando valor na produção Adicionando valor na produção Em um mercado global altamente competitivo e em constantes transformações, a otimização do resultado dos processos de produção é fundamental. Pressões ambientais e de custo,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 10 de Outubro de 2013. Revisão aula anterior Documento de Requisitos Estrutura Padrões Template Descoberta

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais

Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento

Leia mais

SUMÁRIO. Sistemas a serem considerados na construção de data centers. A gestão do projeto e a integração dos fornecedores

SUMÁRIO. Sistemas a serem considerados na construção de data centers. A gestão do projeto e a integração dos fornecedores REPORT 04 e fevereiro de 2013 INFRAESTRUTURA FÍSICA E DATA CENTERS SUMÁRIO Introdução O que são data centers Padrões construtivos para data centers Sistemas a serem considerados na construção de data centers

Leia mais

IT Service Management Foundation Bridge based on ISO/IEC 20000

IT Service Management Foundation Bridge based on ISO/IEC 20000 Exame simulado IT Service Management Foundation Bridge based on ISO/IEC 20000 Edição outubro 2011 Copyright 2011 EXIN All rights reserved. No part of this publication may be published, reproduced, copied

Leia mais

Código de Ética e Conduta Profissional da MRC Consultoria e Sistema de Informática Ltda. - ME

Código de Ética e Conduta Profissional da MRC Consultoria e Sistema de Informática Ltda. - ME 1 - Considerações Éticas Fundamentais Como um colaborador da. - ME eu devo: 1.1- Contribuir para a sociedade e bem-estar do ser humano. O maior valor da computação é o seu potencial de melhorar o bem-estar

Leia mais

A Biblioteca: Gerenciamento de Serviços de TI. Instrutor : Cláudio Magalhães E-mail: cacmagalhaes@io2.com.br

A Biblioteca: Gerenciamento de Serviços de TI. Instrutor : Cláudio Magalhães E-mail: cacmagalhaes@io2.com.br A Biblioteca: Gerenciamento de Serviços de TI Instrutor : Cláudio Magalhães E-mail: cacmagalhaes@io2.com.br 2 A Biblioteca ITIL: Information Technology Infrastructure Library v2 Fornece um conjunto amplo,

Leia mais

LOGÍSTICA MADE DIFFERENT LOGÍSTICA

LOGÍSTICA MADE DIFFERENT LOGÍSTICA LOGÍSTICA MADE DIFFERENT LOGÍSTICA ENTREGA ESPECIAL Na economia globalizada 24/7 de hoje, a logística e a gestão de armazéns eficientes são essenciais para o sucesso operacional. O BEUMER Group possui

Leia mais

Certificação ISO. Dificuldades, vantagens e desvantagens. Marcelo Henrique Wood Faulhaber, Med. Pat. Clin., MBA

Certificação ISO. Dificuldades, vantagens e desvantagens. Marcelo Henrique Wood Faulhaber, Med. Pat. Clin., MBA Certificação ISO Dificuldades, vantagens e desvantagens. Marcelo Henrique Wood Faulhaber, Med. Pat. Clin., MBA Avanços em Medicina Laboratorial UNICAMP 2012 Introdução à Qualidade Não existem laboratórios

Leia mais

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA. Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA. Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo Padrão Nível 1 Uso seguro e racional de medicamentos Dimensões da qualidade Aceitabilidade, adequação e integralidade Assistência Farmacêutica

Leia mais

Controle ou Acompanhamento Estratégico

Controle ou Acompanhamento Estratégico 1 Universidade Paulista UNIP ICSC Instituto de Ciências Sociais e Comunicação Cursos de Administração Apostila 9 Controle ou Acompanhamento Estratégico A implementação bem sucedida da estratégia requer

Leia mais

ISO 14001:2015 Revisão Perguntas Frequentes

ISO 14001:2015 Revisão Perguntas Frequentes Latest update New and revised ISO 14001:2015 Revisão Perguntas Frequentes Introdução A ISO 14001 Sistemas de Gestão Ambiental, a primeira norma ambiental internacional do mundo tem ajudado milhares de

Leia mais

Motores em miniatura proporcionam um grande desempenho para analisadores médicos

Motores em miniatura proporcionam um grande desempenho para analisadores médicos thinkmotion Motores em miniatura proporcionam um grande desempenho para analisadores médicos Os analisadores médicos são elementos fundamentais do setor de diagnósticos médicos. São ferramentas versáteis

Leia mais