ATLAS DO PLANO NACIONAL DE SAÚDE

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ATLAS DO PLANO NACIONAL DE SAÚDE"

Transcrição

1 ATLAS DO PLANO NACIONAL DE SAÚDE ALTO COMISSARIADO DA SAÚDE

2

3 PORTUGAL. Alto Comissariado da Saúde Atlas do Plano Nacional de Saúde Lisboa: Alto Comissariado da Saúde, p. ISBN Depósito Legal /10 Editor Design Impressão Tiragem Alto Comissariado da Saúde Av. João Crisóstomo, 9, 1º piso Lisboa PORTUGAL Tel: Fax: Syntaxe exemplares 1ª Edição Lisboa, Março de 2010

4 ALTO COMISSARIADO DA SAÚDE Índice 1. Nota Introdutória O Alto Comissariado da Saúde 013 O PNS Algumas desagregações geográficas utilizadas no PNS Contexto Demográfico, Económico e Social Considerações Gerais 024 População Residente Estimada 026 Pirâmides Etárias da População Residente Estimada 027 População Residente Estimada dos 0-14 anos 028 População Residente Estimada com 65+ anos 029 Taxa Bruta de Natalidade 030 Índice Sintético de Fecundidade 031 Taxa Bruta de Mortalidade 032 Taxa de Crescimento Migratório 033 Taxa de Crescimento Efectivo 034 População Residente em Áreas Predominantemente Urbanas 035 Qualificação Académica 036 População Residente com pelo menos a Escolaridade Obrigatória 036 Taxa de Desemprego 037 População Média Empregada, segundo a Profissão 038 População Empregada Não Qualificada 038 Alojamentos Familiares Não Clássicos (Censos 1991 e 2001) 039 Abstenção nas Eleições para as Câmaras Municipais 040 Resumo 041

5 Índice Atlas do Plano Nacional de Saúde 3. Recursos Físicos e Humanos e Acções Desenvolvidas Considerações Gerais 044 Hospitais Públicos 046 Hospitais Privados 047 Centros de Saúde 048 Unidades de Saúde Familiar 049 Cuidados Continuados Integrados 050 Médicos Especialistas 051 Médicos Medicina Geral e Familiar e Clínicos Gerais 052 Enfermeiros 053 Enfermeiros nos Hospitais Públicos e Privados 054 Técnicos de Diagnóstico e Terapêutica em Hospitais Públicos 055 Técnicos de Diagnóstico e Terapêutica em Hospitais Privados 055 Rácio entre Urgências Hospitalares e Consultas Externas 056 Demora Média em Internamento Hospitalar 057 Primeiras Consultas no Total de Consultas Externas 058 Resumo Despesa em Saúde e Consumo de Medicamentos Considerações Gerais 062 Despesa em Saúde no PIB 064 Despesa Pública e Privada com Cuidados de Saúde Primários na Despesa 064 Total com Cuidados de Saúde Beneficiários com Processamento de Subsídio por Doença 065 Despesas em Medicamentos na Despesa em Saúde 066 Despesa total em medicamentos no PIB 066 Consumo em Euros de Medicamentos per capita Mercado total 067 Medicamentos Genéricos no Mercado Total de Medicamentos 068 Consumo de Ansiolíticos, Hipnóticos e Sedativos e Antidepressivos (SNS) 069 Consumo de Cefalosporinas no Consumo Total de Antibióticos 070 (Ambulatório) Consumo de Quinolonas no Consumo Total de Antibióticos (Ambulatório) 071 Resumo Determinantes e Estilos de Vida Considerações Gerais 076 Consumo de Tabaco 078 Consumo de Álcool 079 Mortes por Acidentes de Viação Atribuíveis ao Álcool 079

6 Índice Atlas do Plano Nacional de Saúde Internamentos por Causas 100% Atribuíveis ao Consumo de Álcool 080 Utentes na Rede Pública de Tratamento da Toxicodependência (1ª Consulta) 081 Alimentação 082 Obesidade 082 Mortalidade por Acidentes de Trânsito com Veículos a Motor (<65 anos) 083 Mortalidade por Acidentes Laborais 084 Resumo Como se Nasce, Vive e Morre Considerações Gerais 090 Esperança de Vida à Nascença 092 Nascimentos em Mulheres com Idade de Risco (<20 anos e 35 anos) 093 Nascimentos Pré-termo 094 Crianças com Baixo Peso à Nascença 095 Taxa de Mortalidade Perinatal 096 Taxa de Mortalidade Infantil 097 Auto-avaliação Positiva do Estado de Saúde 098 População Residente por Tipo de Doença Crónica Existente 098 Internamentos Hospitalares por Diabetes 099 Esperança de Vida aos 65 anos 100 Anos de Vida Saudável aos 65 anos 101 Taxa de Mortalidade Prematura 102 Taxa de Mortalidade Evitável por Cuidados de Saúde 103 Taxa de Mortalidade Evitável por Prevenção Primária 103 Resumo Programas Prioritários Programa Nacional de Prevenção e Controlo das Doenças Cardiovasculares 108 Considerações Gerais 108 Mortalidade por Doença Isquémica Cardíaca (DIC) antes dos 65 anos 109 Doentes Admitidos nas Unidades Coronárias pela Via Verde (INEM) 110 Letalidade Intra-hospitalar por AVC 110 Mortalidade por Acidente Vascular Cerebral (AVC) antes dos 65 anos 111 Doentes Admitidos nas Unidades AVC pela Via Verde (INEM) 112 Letalidade Intra-Hospitalar por AVC 112 Programa Nacional de Prevenção e Controlo das Doenças Oncológicas 113 Considerações Gerais 113 Mortalidade por Cancro da Mama Feminina antes dos 65 anos 115 Rastreios do Cancro da Mama Feminina de base populacional 116

7 Índice Atlas do Plano Nacional de Saúde Mortalidade por Cancro do Colo do Útero antes dos 65 anos 117 Rastreios do Cancro do Colo do Útero de base populacional 118 Mortalidade por Cancro do Cólon e Recto antes dos 65 anos 119 Rastreios do Cancro do Cólon e Recto de base populacional 120 Programa Nacional de Prevenção e Controlo da Infecção VIH/sida 121 Considerações Gerais 121 Casos de infecção pelo VIH 122 Internamentos Hospitalares por VIH 123 Mortalidade por SIDA antes dos 65 anos 124 Plano Nacional de Saúde Mental 125 Considerações Gerais 125 Mortalidade por Suicídio antes dos 65 anos 126 Mortalidade por Doenças Atribuíveis ao Álcool antes dos 65 anos 127 Resumo 128 Anexo Correspondência entre os concelhos e as diversas desagregações geográficas 133

8 Lista de Abreviaturas Atlas do Plano Nacional de Saúde Lista de Abreviaturas ACES Agrupamentos de Centros de Saúde ACS Alto Comissariado da Saúde ACSS Administração Central do Sistema de Saúde APU Área Predominantemente Urbana ARS Administração Regional de Saúde AVC Acidente Vascular Cerebral CCI Cuidados Continuados Integrados CEE Comunidade Económica Europeia CID Classificação Internacional de Doenças CNDC Coordenação Nacional para as Doenças Cardiovasculares CNDO Coordenação Nacional para as Doenças Oncológicas CS Centro de Saúde CSP Cuidados de Saúde Primários DDD Dose Diária Definida DGS Direcção-Geral de Saúde DIC Doença Isquémica Cardíaca GDH Grupo de Diagnóstico Homogéneo HFA-WHO Health For All World Health Organization IDT Instituto da Droga e da Toxicodependência IMC Índice de Massa Corporal INE Instituto Nacional de Estatística INEM Instituto Nacional de Emergência Médica INML Instituto Nacional de Medicina Legal INS Inquérito Nacional de Saúde INSA Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge LPCC Liga Portuguesa Contra o Cancro LVT Lisboa e Vale do Tejo MGF Medicina Geral e Familiar MS Ministério da Saúde MTSS-GEP Ministério do Trabalho e da Segurança Social - Gabinete de Estratégia e Planeamento NUT Nomenclatura de Unidade Territorial para fins estatísticos OECD Organisation for Economic Co-operation and Development PIB Produto Interno Bruto PNS Plano Nacional de Saúde PVP Preço de Venda ao Público SICA Sistema de Informação Contratualização e Acompanhamento SNS Serviço Nacional de Saúde TDT Técnico de Diagnóstico e Terapêutica TMP Taxa de Mortalidade Padronizada

9 Lista de Abreviaturas Atlas do Plano Nacional de Saúde U-AVC UC U-CIC UCP UE ULDM ULS UMDR USF VIH Unidades de AVC Unidade de Convalescença Unidades de Cuidados Intensivos Coronários Unidade de Cuidados Paliativos União Europeia Unidade de Longa Duração e Manutenção Unidade Local de Saúde Unidade de Média Duração e Reabilitação Unidade de Saúde Familiar Vírus da Imunodeficiência Humana

10

11 01. Nota Introdutória Atlas do Plano Nacional de Saúde 001

12 Nota Introdutória Atlas do Plano Nacional de Saúde 01 Nota Introdutória

13 01. Nota Introdutória Atlas do Plano Nacional de Saúde 003 Nota Introdutória O Atlas do Plano Nacional de Saúde (PNS) pretende ser um instrumento facilitador do acesso à informação e surge na sequência da monitorização e avaliação do PNS e do processo de construção do novo PNS O Atlas pretende reunir e disponibilizar informação relacionada com a saúde que se encontra dispersa em fontes e suportes muito diversos e descrever a evolução de algumas desagregações geográficas utilizadas. O Atlas apresenta um conjunto de indicadores do PNS bem como outros considerados relevantes no contexto da saúde, divididos por 7 capítulos: i) Nota introdutória; ii) Contexto demográfico, económico e social; iii) Recursos humanos e físicos e acções desenvolvidas nos cuidados de saúde; iv) Despesa em saúde e consumo de medicamentos; v) Determinantes e estilos de vida; vi) Como se nasce, vive e morre; vii) Programas prioritários (doenças cardiovasculares, doenças oncológicas, infecção VIH/sida e saúde mental). Para cada indicador é apresentada, sempre que a informação disponível o permita, uma ficha constituída por um gráfico com a evolução temporal em Portugal Continental, Regiões (NUT II do D.L. de 1999), UE15 e UE27, um mapa com a distribuição geográfica do indicador no último ano disponível (o mais desagregado possível ou com a desagregação mais adequada), um mapa com a evolução entre o primeiro ano e o último ano (diminuiu, manteve, aumentou), fontes, método de cálculo e, no caso dos indicadores do PNS, a Meta preconizada para Para além dos indicadores apresentados neste Atlas, o ACS disponibiliza outros desagregados geograficamente em Alta Comissária da Saúde Maria do Céu Soares Machado Gabinete de Informação e Prospectiva Maria Luisa Couceiro (coordenação) Ricardo Almendra Maria Isabel Alves

14 Nota Introdutória Atlas do Plano Nacional de Saúde O Alto Comissariado da Saúde O Alto Comissariado da Saúde (ACS), de acordo com a Lei Orgânica (218/2007) é um serviço central do Ministério da Saúde (MS), integrado na administração directa do Estado e dotado de autonomia administrativa. O ACS tem por missão garantir o apoio técnico à formulação de políticas e ao planeamento estratégico da área da saúde, em articulação com a programação financeira, assegurar o desenvolvimento de programas verticais de saúde, assegurar a coordenação das relações internacionais, acompanhar e avaliar a execução de políticas, dos instrumentos de planeamento e dos resultados obtidos, em articulação com os demais serviços e organismos do MS e assegurar a elaboração, acompanhamento e avaliação do Plano Nacional de Saúde. O PNS Para monitorizar e avaliar a efectividade do Plano Nacional de Saúde (PNS) foram definidos 122 indicadores de desempenho e respectivas Metas prioritárias (a alcançar em 2010), divididos por 14 áreas de intervenção organizadas em settings (escolas, prisões, centros de saúde, hospitais, locais de trabalho, etc.) e pelo ciclo de vida (nascer com saúde, crescer com segurança, uma juventude à procura de um futuro saudável, uma vida adulta produtiva e um envelhecimento activo). Desenvolve, ainda, uma abordagem à gestão integrada da doença (neoplásicas, cardiovasculares, infecciosas, mentais e traumatismos). A abordagem centrada na família e no ciclo de vida justifica-se pelo facto de permitir uma melhor percepção, mais integrada, do conjunto de problemas de saúde que devem ser priorizadas para os diferentes grupos etários, nos diferentes papéis sociais que vão assumindo ao longo da vida. Ao longo dos anos de implementação do PNS têm sido criados vários mecanismos formais e informais de monitorização e avaliação da sua performance. Através da internet é possível aceder a dois desses mecanismos, mais relacionados com os 122 indicadores previamente definidos e respectivas Metas: o microsite Indicadores e Metas do PNS (desde 2007) e a plataforma tecnológica WebSIG Mapas interactivos (desde 2008).

15 01. Nota Introdutória Atlas do Plano Nacional de Saúde 005 O microsite Indicadores e Metas do PNS O microsite Indicadores e Metas do PNS mostra de forma sucinta (em gráficos e tabelas) a evolução dos indicadores do PNS A informação é apresentada para Portugal Continental, desagregada por Região (NUT II) e por Região e Género. Todos os valores são comparados com a Meta estabelecida para 2010 e com o melhor valor do conjunto de países da UE. São ainda introduzidas pequenas análises sobre a evolução do indicador. Encontram-se disponíveis duas versões: português e inglês. Na versão portuguesa os indicadores são apresentados segundo as NUT II do D.L. nº 317/99 de 11 de Agosto e na versão inglesa segundo as NUT II do D.L. nº244/2002 de 5 de Novembro, por serem estas as oficialmente utilizadas pela Comissão Europeia. As versões são acessíveis através da página oficial do Alto Comissariado da Saúde ( WebSIG Mapas Interactivos. O WebSIG é uma plataforma tecnológica assente em sistemas de informação geográfica, que permite analisar a evolução (a diferentes escalas) dos indicadores do PNS e seu posicionamento em relação à Meta estabelecida para A informação é apresentada na forma geográfica (mapas), gráfica e alfanumérica (tabelas). Os indicadores disponíveis na aplicação podem ser desagregados a diferentes níveis geográficos (concelho, distrito, ACES, NUT III, NUT II, UE27) e temporais, bem como por género. Com o desenvolvimento desta plataforma, pretende-se criar-se/desenvolver-se sistemas integrados de recolha de informação que possibilitem: a) agregação e integração numa única base de dados da informação proveniente de diferentes fontes; b) difusão e partilha de informação por diferentes actores (político, gestor, profissional de saúde, sociedade civil e cidadão); c) realização de análises espaciais e temporais fundamentais na avaliação de padrões e tendências.

16 Nota Introdutória Atlas do Plano Nacional de Saúde Também o WebSIG Mapas interactivos está disponível em português e em inglês, Esta plataforma é acessível através do site oficial do Alto Comissariado da Saúde ( onde é possível aceder ao microsite Indicadores e Metas do PNS e, através deste, à nova plataforma interactiva ( min-saude.pt). Algumas desagregações geográficas utilizadas no PNS A análise da distribuição espacial dos indicadores de saúde segundo diferentes níveis de desagregação geográfica tem-se revelado como uma importante ferramenta de planeamento a diferentes níveis, ao permitir analisar os fenómenos sob diferentes perspectivas. No entanto, não existe uma única desagregação geográfica ideal para a análise da distribuição dos dados em saúde sendo necessário adequar sempre a escala de análise a um conjunto de factores dos quais se destaca (i) o tipo de dados; (ii) a natureza do fenómeno em estudo; (iii) os objectivos da análise; (iv) as limitações no acesso à informação; (v) o tempo estipulado para a realização da análise, entre outros. A escolha da escala de análise condiciona os resultados, podendo exaltá-los ou dissimulá-los, e gerar respostas que apenas são válidas a esse mesmo nível. Por exemplo, para um conjunto de pressupostos, a análise dos dados ao nível do concelho pode ser a mais adequada por permitir estudar mais pormenorizadamente alguns aspectos relacionados com o evento de saúde sem se perder informação e sem apresentar a instabilidade das estimativas de risco inerentes ao estudo de pequenos números em áreas mais reduzidas. No entanto, para um outro conjunto de pressupostos poderá só fazer sentido a análise a grandes escalas devido ao reduzido número de casos ou à dificuldade de os padronizar em relação a áreas mais pequenas.

17 01. Nota Introdutória Atlas do Plano Nacional de Saúde Divisões Administrativas A constituição das divisões administrativas ao longo dos séculos não é linear nem consensual. Julga-se que os distritos, enquanto divisão, datam de 1835 extinguindo as províncias e comarcas que existiam até então, que os concelhos têm a sua origem nas cartas de foral que os reis atribuíam a certas terras e aos territórios limítrofes, de forma a estabelecer a sujeição destes apenas à Coroa e as freguesias na rede paroquial fixada no séc. XI e depois documentada nas Inquirições do séc. XII. No entanto, foi apenas em 1976 com a Constituição da República que Portugal se organizou nas divisões que se mantêm até hoje. Actualmente, existem em Portugal Continental 18 distritos, 278 concelhos e 4050 freguesias. Limites administrativos: Limite de Distrito Limite de Concelho Limite de Freguesia ALTO COMISSARIADO DA SAÚDE Figura 1. Distritos, Concelhos e Freguesias de Portugal Continental (2009) Fonte: Instituto Geográfico Português, Carta Administrativa Oficial de Portugal (2009) 007

18 Nota Introdutória Atlas do Plano Nacional de Saúde NUTS Em 1986 (Resolução de Conselho de Ministros nº34/86 de 5 de Maio), foi criada, no âmbito da CEE, entre o Office Statistique, os serviços da Comissão e os Estados Membros uma norma comum, que se designa por Nomenclatura das Unidades Territoriais para Fins Estatísticos (NUTS). Estas unidades geográficas foram definidas com o objectivo de uniformizar as delimitações espaciais adoptadas pelos diversos sectores administrativos nacionais bem como a adopção de regras e procedimentos estatísticos comuns às Comunidades Europeias, permitindo a comparação da informação. Esta nomenclatura constitui a matriz delimitadora da recolha e compilação da informação estatística de base regional e é constituída por três níveis de agregação para unidades territoriais (níveis I, II e III). D.L. de 1999 D.L. de 2002 Norte Norte Centro Centro Lisboa e Vale do Tejo Alentejo Lisboa Alentejo Limites administrativos: NUT III NUT II Algarve Algarve ALTO COMISSARIADO DA SAÚDE Figura 2. NUTS II e III, segundo a legislação de 1999 e de 2002 Fonte: Instituto Geográfico Português, Carta Administrativa Oficial de Portugal (2009), DL 163/99 de 13 de Maio, DL 317/99 de 11 de Agosto, DL 244/2002 de 5 de Novembro

19 01. Nota Introdutória Atlas do Plano Nacional de Saúde 009 Em 1989 (D.L. nº 46/89 de 15 de Fevereiro) alterou-se a constituição das NUTS definidas em 1986, por não haver correspondência entre os seus limites e as regiões e zonas agrárias que constituem à data uma parcela significativa da compilação nacional de informação estatística de base regional. Em 1999 (D.L. nos 163/99 e 317/99 de 13 de Maio e de 11 de Agosto, respectivamente) é definida uma nova delimitação das NUTS na sequência da anterior criação dos municípios de Vizela, Trofa e Odivelas e da passagem do concelho de Gavião da Região de LVT para o Alentejo. Em 2002 (D.L. nº 244/2002 de 5 de Novembro), as NUTS sofreram uma reestruturação em virtude das alterações na estrutura administrativa do País bem como o perfil socioeconómico das Regiões, embora se continuassem a utilizar em diversas situações as antigas NUTS. Os concelhos constituintes das Regiões Norte e Algarve mantiveram-se enquanto alguns de Lisboa e Vale do Tejo passaram para o Centro e outros para o Alentejo. As novas NUTS II passaram-se a designar Norte, Centro, Lisboa, Alentejo e Algarve. Comarcas O Instituto Nacional de Medicina Legal é uma das fontes produtoras de informação estatística à qual o ACS solicita informação, havendo mesmo um indicador do PNS cujos dados são recolhidos por esta instituição (Número de Mortes por Acidentes de Viação atribuíveis ao Álcool). A informação disponibilizada por esta instituição encontra-se organizada por Delegações do INML Norte (Porto), Centro (Coimbra) e Sul (Lisboa) que integram os Gabinetes Médico-Legais. O Decreto-Lei nº 131/2007, de 27 de Abril, define a área de actuação de cada uma destas Delegações e a localização dos Gabinetes Médico-Legais (31, incluindo ilhas), segundo Comarcas. De acordo com a Proposta de Lei nº124 de 2008, o Governo propõe uma nova matriz territorial das circunscrições judiciais que agrega as actuais comarcas em circunscrições territoriais de âmbito geográfico mais alargado, tendo por base o modelo de organização territorial das Nomenclaturas de Unidade Territorial Para Fins Estatísticos III (NUTS III). Passam a existir cinco distritos judiciais, delimitados a partir das NUTS II, e 39 circunscrições de base, em resultado da agregação das actuais 231 comarcas.

20 Nota Introdutória Atlas do Plano Nacional de Saúde Regiões de Saúde Em 1982 (D.L. nº254/82 de 29 de Junho) são criadas as Administrações Regionais de Saúde (ARS), que vêm substituir as antigas Administrações Distritais de Serviços de Saúde (definidas em 1975). Segundo o diploma, as novas ARS tinham como território de actuação o distrito enquanto não fossem criadas as regiões administrativas previstas na Constituição da República. Em 1990 a publicação da Lei de Bases da Saúde (D.L. nº 48/90 de 24 de Agosto) prevê a organização do sistema de saúde em Regiões de Saúde que poderiam ser divididas em sub-regiões de saúde, de acordo com as necessidades das populações e a operacionalidade do sistema. D.L. de 1993 D.L. de 2007 Norte Norte Centro Centro Lisboa e Vale do Tejo Alentejo Lisboa e Vale do Tejo Alentejo Limites administrativos: Administração Regional de Saúde Algarve Algarve ALTO COMISSARIADO DA SAÚDE Figura 3. Regiões de Saúde, segundo a legislação de 1993 e de 2007 Fonte: Instituto Geográfico Português, Carta Administrativa Oficial de Portugal (2009), DL 11/93 de 15 de Janeiro, DL 222/2007 de 29 de Maio

21 01. Nota Introdutória Atlas do Plano Nacional de Saúde 011 Em 1993 com a publicação do estatuto do Serviço Nacional de Saúde (Decreto- Lei n.º 11/93, de 15 de Janeiro) criam-se novas ARS e extinguem-se as de De acordo com o novo diploma, o Serviço Nacional de Saúde (SNS) passa a organizarse em 5 Regiões de Saúde (e respectivas ARS) que por sua vez se dividem em 18 sub-regiões de saúde: a) Norte (Braga, Bragança, Porto, Viana do Castelo e Vila Real; b) Centro (Aveiro, Castelo Branco, Coimbra, Guarda, Leiria e Viseu; c) Lisboa e Vale do Tejo (Lisboa, Santarém e Setúbal; d) Alentejo (Beja, Évora e Portalegre; e) Algarve (Faro). Em 1995, as ARS passam a ter delimitação geográfica correspondente às unidades de nível II da NUTS, previstas no Decreto-Lei Nº 46/1989, de 15 de Fevereiro. Em 2007 (de acordo com o D.L. nº 222/2007 de 29 de Maio), a jurisdição territorial da área de influência das Administrações Regionais de Saúde (ARS) passa a corresponder às NUTS II previstas no D.L. nº 317/99 de 11 de Agosto. ACES A Lei Orgânica do Ministério da Saúde aprovada pelo Decreto-Lei n.º 212/2006 de 27 de Outubro e alterada pelo Decreto-Lei n.º 234/2008 de 02 de Dezembro consagra a extinção progressiva das sub-regiões de saúde, por diploma próprio, até 31 de Dezembro de A extinção das Sub-Regiões de Saúde, aliada à necessidade de criar órgãos de gestão mais flexíveis e mais próximos do cidadão implicou um novo desenho do modelo organizacional dos centros de saúde. Em 2008 o D.L. nº 28/2008 de 22 de Fevereiro cria os Agrupamentos de Centros de Saúde (ACES), serviços públicos de saúde que agrupam um ou mais centros de saúde. O diploma fixa em 74 o número máximo de ACES, sendo a delimitação da sua área geográfica por portaria conjunta dos membros do Governo responsáveis pelas áreas das Finanças, Administração Pública, Administração Local e Saúde, ouvidos os municípios da área abrangida, sob proposta fundamentada do conselho directivo da respectiva ARS, I. P. A delimitação geográfica dos ACES deve corresponder a NUTS III, a um agrupamento de concelhos ou a um concelho, considerando a necessidade de gestão mais eficiente dos recursos disponíveis e dos factores geodemográficos. Podem ainda ser criados ACES correspondentes a grupos de freguesias, ouvido o município respectivo.

22 Nota Introdutória Atlas do Plano Nacional de Saúde Agrupamentos de Centros de Saúde: A. Trás os Montes I A. Trás os Montes II Douro I Douro II Alto Minho Cávado I Cávado II Cávado III Ave I Ave II Ave III Tâmega I Tâmega II Tâmega III Matosinhos Grande Porto I Grande Porto II Grande Porto III Grande Porto IV Grande Porto V Grande Porto VI Grande Porto VII Grande Porto VIII Grande Porto IX E. Douro e Vouga I E. Douro e Vouga II Baixo Vouga I Baixo Vouga II Baixo Vouga III Dão Lafões I Dão Lafões II Dão Lafões III Beira Int. Norte I Beira Int. Norte II Beira Interior Sul Cova da Beira Serra da Estrela Pinhal Int. Norte I Pinhal Int. Norte II Pinhal Int. Sul Baixo Mondego I Baixo Mondego II Baixo Mondego III Pinhal Litoral I Pinhal Litoral II Oeste I Oeste II Médio Tejo I Médio Tejo II Lezíria I Lezíria II Grande Lisboa I Grande Lisboa II Grande Lisboa III Grande Lisboa IV Grande Lisboa V Grande Lisboa VI Grande Lisboa VII Grande Lisboa VIII Grande Lisboa IX Grande Lisboa X Grande Lisboa XI Grande Lisboa XII P. Setúbal I P. Setúbal II P. Setúbal III P. Setúbal IV Norte Alentejano Alentejo Central I Alentejo Central II Baixo Alentejo Alentejo Litoral Algarve I Algarve II Algarve III ALTO COMISSARIADO DA SAÚDE Figura 4. Agrupamentos de Centros de Saúde, segundo a legislação de 2008 Fonte: Instituto Geográfico Português, Carta Administrativa Oficial de Portugal (2009), Diário da República (1ª série) nº 54 de 18 de Março de 2009, Portarias 272 a 276 Em Anexo a este Atlas disponibiliza-se a tabela com a correspondência entre os concelhos e as diversas desagregações geográficas identificadas.

Plano Nacional de Saúde 2004-2010 Avaliação de indicadores. Maio de 2010

Plano Nacional de Saúde 2004-2010 Avaliação de indicadores. Maio de 2010 Plano Nacional de Saúde -2010 Avaliação de indicadores Maio de 2010 0 das Regiões (NUT II do D.L. de 1999) em relação ao do... 2 Evolução dos indicadores em relação à Meta para 2010... 9 1 das Regiões

Leia mais

ATLAS DO PLANO NACIONAL DE SAÚDE

ATLAS DO PLANO NACIONAL DE SAÚDE ATLAS DO PLANO NACIONAL DE SAÚDE ALTO COMISSARIADO DA SAÚDE 04 Despesa em Saúde e Consumo de Medicamentos 062 04. Despesa em Saúde e Consumo de Medicamentos Atlas do Plano Nacional de Saúde Despesa em

Leia mais

PERFIL DO ALUNO 2008/2009

PERFIL DO ALUNO 2008/2009 PERFIL DO ALUNO 2008/2009 FICHA TÉCNICA Título Perfil do Aluno 2008/2009 Autoria Gabinete de Estatística e Planeamento da Educação (GEPE) Direcção de Serviços de Estatística Edição Gabinete de Estatística

Leia mais

NATALIDADE, MORTALIDADE INFANTIL, FETAL E PERINATAL 2006/2010

NATALIDADE, MORTALIDADE INFANTIL, FETAL E PERINATAL 2006/2010 ESTATÍSTICAS NATALIDADE, MORTALIDADE INFANTIL, FETAL E PERINATAL 2006/2010 D I R E C Ç Ã O - G E R A L D A S A Ú D E L I S B O A ESTATÍSTICAS NATALIDADE, MORTALIDADE INFANTIL, FETAL E PERINATAL 2006/2010

Leia mais

ÍSTICAS ESTAT NATALIDADE, MORTALIDADE INFANTIL, FETAL E PERINATAL 2007/2011 D I R E E Ç Ã Ç Ã O - G E R G E R A L D A S A Ú D E L I S B O A

ÍSTICAS ESTAT NATALIDADE, MORTALIDADE INFANTIL, FETAL E PERINATAL 2007/2011 D I R E E Ç Ã Ç Ã O - G E R G E R A L D A S A Ú D E L I S B O A ESTATÍ ÍSTICAS NATALIDADE, MORTALIDADE INFANTIL, FETAL E PERINATAL 2007/2011 D I R E Ç Ã O - G E R A L D A S A Ú D E L I S B O A ESTATÍSTICAS NATALIDADE, MORTALIDADE INFANTIL, FETAL E PERINATAL 2007/2011

Leia mais

Literacia Estatística ao serviço da Cidadania. Portal do INE e Projeto ALEA Uma primeira abordagem

Literacia Estatística ao serviço da Cidadania. Portal do INE e Projeto ALEA Uma primeira abordagem Serviço de Difusão Literacia Estatística ao serviço da Cidadania Portal do INE e Projeto ALEA Uma primeira abordagem Rede de Bibliotecas Escolares Formação para Professores fevereiro - maio.2012 Itinerário

Leia mais

Pela primeira vez na história demográfica recente, Portugal registou em 2007 um saldo natural negativo

Pela primeira vez na história demográfica recente, Portugal registou em 2007 um saldo natural negativo Pela primeira vez na história demográfica recente, Portugal registou em 2007 um saldo natural negativo De acordo com os indicadores demográficos disponíveis relativos a 2007, a população residente em Portugal

Leia mais

Portugal Prevenção e Controlo do Tabagismo em números 2013

Portugal Prevenção e Controlo do Tabagismo em números 2013 ISSN: 2183-0762 Portugal Prevenção e Controlo do Tabagismo em números 2013 Programa Nacional para a Prevenção e Controlo do Tabagismo www.dgs.pt Portugal. Direção-Geral da Saúde. Direção de Serviços de

Leia mais

VEÍCULOS EM FIM DE VIDA

VEÍCULOS EM FIM DE VIDA TEMA 7 VEÍCULOS EM FIM DE VIDA B. NÍVEL MAIS AVANÇADO De acordo com o Decreto-lei nº 196/2003, de 23 de Agosto, entende-se por veículo qualquer veículo classificado nas categorias M1 1 ou N1 2 definidas

Leia mais

Orçamento da saúde 2012 para onde vai o seu dinheiro?

Orçamento da saúde 2012 para onde vai o seu dinheiro? Orçamento da saúde 2012 para onde vai o seu dinheiro? José Carlos Caiado 26 de Outubro de 2011 Introdução Elaboração do orçamento da saúde Monitorização e divulgação de informação Melhoria do desempenho

Leia mais

ESTATÍSTICAS DEMOGRÁFICAS 2001-2008 DISTRITO DE VIANA DO CASTELO E SEUS CONCELHOS. F e v e r e i r o d e 2 0 1 0

ESTATÍSTICAS DEMOGRÁFICAS 2001-2008 DISTRITO DE VIANA DO CASTELO E SEUS CONCELHOS. F e v e r e i r o d e 2 0 1 0 ESTATÍSTICAS DEMOGRÁFICAS 2001-2008 DISTRITO DE VIANA DO CASTELO E SEUS CONCELHOS U n i d a d e d e S a ú d e P ú b l i c a d o A l t o M i n h o F e v e r e i r o d e 2 0 1 0 U n i d a d e d e S a ú d

Leia mais

ULS Alto Minho. Perfil Local de Saúde 2009. Aspectos a destacar

ULS Alto Minho. Perfil Local de Saúde 2009. Aspectos a destacar Perfil Local de Saúde 2009 Índice Aspectos a destacar Ligações Este Perfil Local de Saúde proporciona-lhe um olhar rápido mas integrador, sobre a saúde da população da área geográfica de influência da

Leia mais

A REFORMA DOS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS

A REFORMA DOS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS CAD 8 27/9/7 14:28 Page 6 A REFORMA DOS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS LUÍS PISCO COORDENADOR DA MISSÃO PARA OS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS. O Programa do XVII Governo Constitucional (1), na área da saúde,

Leia mais

ELEMENTOS ESTATÍSTICOS

ELEMENTOS ESTATÍSTICOS ELEMENTOS ESTATÍSTICOS SAÚDE / 2009_2010 Portugal. Direcção-Geral da Saúde. Direção de Serviços de Informação e Análise Divisão de Epidemiologia e Estatística Elementos Estatísticos: Informação Geral:

Leia mais

ELEMENTOS ESTATÍSTICOS SAÚDE 2011/2012 Divisão de Estatísticas da Saúde e Monitorização Direção de Serviços de Informação e Análise

ELEMENTOS ESTATÍSTICOS SAÚDE 2011/2012 Divisão de Estatísticas da Saúde e Monitorização Direção de Serviços de Informação e Análise ELEMENTOS ESTATÍSTICOS SAÚDE 2011/2012 Divisão de Estatísticas da Saúde e Monitorização Direção de Serviços de Informação e Análise Portugal. Direcção-Geral da Saúde. Direção de Serviços de Informação

Leia mais

Ranking de eficiência energética e hídrica Hospitais do SNS

Ranking de eficiência energética e hídrica Hospitais do SNS Ranking de eficiência energética e hídrica Hospitais do SNS 2012 PEBC Plano Estratégico do Baixo Carbono ECO.AP Programa de Eficiência Energética na Administração Pública 28 de agosto de 2013 www.acss.min-saude.pt

Leia mais

Estratégias para a Saúde

Estratégias para a Saúde Estratégias para a Saúde V. Cadernos do PNS 3) Indicadores e Metas em Saúde (Versão Discussão) ESTRATÉGIAS PARA A SAÚDE V. CADERNOS DO PNS 3) INDICADORES E METAS EM SAÚDE 3.1 INDICADORES DE SAÚDE... 3

Leia mais

PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015

PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015 PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015 APROVADO EM SESSÃO PLENÁRIA DO CLAS 21 DE MAIO DE 2013 1 NOTA INTRODUTÓRIA O Diagnóstico Social constituiu a base de trabalho da ação dos Parceiros Locais.

Leia mais

VERSÃO 2. Prova Escrita de Geografia A. 11.º Ano de Escolaridade. Prova 719/1.ª Fase EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO

VERSÃO 2. Prova Escrita de Geografia A. 11.º Ano de Escolaridade. Prova 719/1.ª Fase EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Prova Escrita de Geografia A 11.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova 719/1.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO REGIONAL DE SAÚDE DO CENTRO, IP: Projecto de intervenção comunitária pão.come

ADMINISTRAÇÃO REGIONAL DE SAÚDE DO CENTRO, IP: Projecto de intervenção comunitária pão.come ADMINISTRAÇÃO REGIONAL DE SAÚDE DO CENTRO, IP: Projecto de intervenção comunitária pão.come ENQUADRAMENTO E FUNDAMENTAÇÃO O projecto pão.come é um projecto de intervenção comunitária que visa a redução

Leia mais

LISBOA E VALE DO TEJO MINISTÉRIO DA SAÚDE. Perfil de Saúde. e Seus Determinantes da Região de Lisboa e Vale do Tejo VOLUME1

LISBOA E VALE DO TEJO MINISTÉRIO DA SAÚDE. Perfil de Saúde. e Seus Determinantes da Região de Lisboa e Vale do Tejo VOLUME1 LISBOA E VALE DO TEJO MINISTÉRIO DA SAÚDE Perfil de Saúde e Seus Determinantes da Região de Lisboa e Vale do Tejo 2015 VOLUME1 O Padrão dos Descobrimentos Elevar as nossas Crianças a horizontes mais rasgados

Leia mais

Transição dos quadros distritais de vinculação para o quadro de zona pedagógica

Transição dos quadros distritais de vinculação para o quadro de zona pedagógica Federação Nacional dos Professores www.fenprof.pt Transição dos quadros distritais de vinculação para o quadro de zona pedagógica Ministério da Educação Portaria n.º 1298/03 de de Novembro A unificação

Leia mais

ATLAS DO PLANO NACIONAL DE SAÚDE

ATLAS DO PLANO NACIONAL DE SAÚDE ATLAS DO PLANO NACIONAL DE SAÚDE ALTO COMISSARIADO DA SAÚDE 05 Determinantes e Estilos de Vida 076 05. Determinantes e Estilos de Vida Atlas do Plano Nacional de Saúde Determinantes e Estilos de Vida Considerações

Leia mais

Monitorização da Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados (RNCCI) 2014 Março 2015

Monitorização da Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados (RNCCI) 2014 Março 2015 Monitorização da Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados (RNCCI) 2014 Março 2015 ACSS - Departamento de Gestão da Rede de Serviços e Recursos em Saúde (DRS) Núcleo Funcional da Rede Nacional de

Leia mais

Boletim de Vigilância Epidemiológica da Gripe. Época 2014/2015 Semana 04 - de 19/01/2015 a 25/01/2015

Boletim de Vigilância Epidemiológica da Gripe. Época 2014/2015 Semana 04 - de 19/01/2015 a 25/01/2015 Resumo Parceiros Rede de hospitais para a vigilância clínica e laboratorial em Unidades de Cuidados Intensivos Contatos: Departamento de Epidemiologia do INSA, tel 217526488 Laboratório Nacional de Referência

Leia mais

Artigo para a revista Planeta Azul APA, Abril de 2010

Artigo para a revista Planeta Azul APA, Abril de 2010 Artigo para a revista Planeta Azul APA, Abril de 2010 P. Quando entrará em funcionamento o PNAAS? O Plano Nacional de Acção Ambiente e Saúde (PNAAS) foi aprovado pela Resolução de Conselho de Ministros

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Geografia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 719/1.ª Fase 16 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Programa Diz não a uma seringa em 2ª mão Carla Caldeira PTS/Programa Nacional para a Infeção VIH/sida Serviços Partilhados do Ministério da Saúde

Programa Diz não a uma seringa em 2ª mão Carla Caldeira PTS/Programa Nacional para a Infeção VIH/sida Serviços Partilhados do Ministério da Saúde Programa Diz não a uma seringa em 2ª mão Carla Caldeira PTS/Programa Nacional para a Infeção VIH/sida Serviços Partilhados do Ministério da Saúde 21 novembro 2013 INTRODUÇÃO A Direção-Geral da Saúde/Programa

Leia mais

Caracterização Diagnóstica da Região Norte. Nós Críticos: sinalização e consequências

Caracterização Diagnóstica da Região Norte. Nós Críticos: sinalização e consequências Seminário NORTE 2015 O Desenvolvimento Regional no Novo Horizonte Europeu: O caso do Norte de Portugal 25.Maio.2005 INCLUSÃO SOCIAL FERNANDA RODRIGUES Estrutura da Apresentação Inclusão Social vs Exclusão

Leia mais

Aprenda a gerir o Balanço Energético.

Aprenda a gerir o Balanço Energético. // Direcção-Geral da Saúde telefone: 21 84 30 500 fax: 21 84 30 655 www.dgs.pt A quantidade de energia ingerida superior à quantidade de energia gasta pelo organismo é um dos principais factores que está

Leia mais

Consumo de Antimicrobianos em Portugal

Consumo de Antimicrobianos em Portugal Consumo de Antimicrobianos em Portugal Dia Europeu dos Antibióticos Inês Teixeira, MSc Observatório do Medicamento e Produtos de Saúde INFARMED, I.P. - Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de

Leia mais

sobre o Número de Utentes Inscritos nos de Saúde Primários

sobre o Número de Utentes Inscritos nos de Saúde Primários Título da Apresentação Publicação Periódica Dados Editoriais sobre o Número de Utentes Inscritos nos Dados Editoriais Dados Cuidados Editoriais de Saúde Primários 16 de fevereiro de 2015 Nota introdutória

Leia mais

Síntese dos conteúdos mais relevantes

Síntese dos conteúdos mais relevantes Síntese dos conteúdos mais relevantes Nos últimos Censos de 2001, o Concelho da Lourinhã contabilizou 23 265 habitantes, reflectindo uma evolução de + 7,7% face a 1991. Em termos demográficos, no Concelho

Leia mais

ISSN: 2183-0673. Portugal. em números 2013. Programa Nacional para as. Doenças Respiratórias. www.dgs.pt

ISSN: 2183-0673. Portugal. em números 2013. Programa Nacional para as. Doenças Respiratórias. www.dgs.pt ISSN: 2183-0673 Portugal em números 2013 Programa Nacional para as www.dgs.pt Portugal. Direcção-Geral da Saúde. Direção de Serviços de Informação e Análise Portugal em números 2013 ISSN: 2183-0673 Periodicidade:

Leia mais

Projeto de Resolução n.º 238/XIII/1.ª. Recomenda ao Governo que implemente medidas de prevenção e combate à Diabetes e à Hiperglicemia Intermédia.

Projeto de Resolução n.º 238/XIII/1.ª. Recomenda ao Governo que implemente medidas de prevenção e combate à Diabetes e à Hiperglicemia Intermédia. Projeto de Resolução n.º 238/XIII/1.ª Recomenda ao Governo que implemente medidas de prevenção e combate à Diabetes e à Hiperglicemia Intermédia. O aumento da esperança de vida, conseguido através do desenvolvimento,

Leia mais

Conferência de Imprensa OE - SE - SIPE - SERAM - SEP. 17 de Fevereiro 15H30. SANA Lisboa Hotel. Comunicado conjunto

Conferência de Imprensa OE - SE - SIPE - SERAM - SEP. 17 de Fevereiro 15H30. SANA Lisboa Hotel. Comunicado conjunto Conferência de Imprensa OE - SE - SIPE - SERAM - SEP 17 de Fevereiro 15H30 SANA Lisboa Hotel Comunicado conjunto Senhores jornalistas, Em primeiro lugar queremos agradecer a vossa presença. Ao convocar

Leia mais

8 de Março 2011- E urgente acabar com as discriminações que a mulher continua sujeita em Portugal Pág. 2

8 de Março 2011- E urgente acabar com as discriminações que a mulher continua sujeita em Portugal Pág. 2 8 de Março 2011- E urgente acabar com as discriminações que a mulher continua sujeita em Portugal Pág. 1 A SITUAÇÃO DA MULHER EM PORTUGAL NO DIA INTERNACIONAL DA MULHER DE 2011 RESUMO DESTE ESTUDO No dia

Leia mais

Figura 1: Processo de implementação da Rede Social. 04

Figura 1: Processo de implementação da Rede Social. 04 Índice de Quadros, Gráficos, Imagens, Figuras e Diagramas Introdução 01 Figura 1: Processo de implementação da Rede Social. 04 Parte I: Enquadramentos da Intervenção Social no Concelho de Bragança 08 Quadro

Leia mais

3. POPULAÇÃO E INDICADORES DEMOGRÁFICOS

3. POPULAÇÃO E INDICADORES DEMOGRÁFICOS 3. POPULAÇÃO E INDICADORES DEMOGRÁFICOS 37 38 3.1. Introdução Para a interpretação dos dados de saúde, quer de morbilidade quer de mortalidade, e nomeadamente para, com base nesses dados, se fazer o planeamento

Leia mais

Plano Local de Saúde Amadora 2014 2016

Plano Local de Saúde Amadora 2014 2016 Plano Local de Saúde Amadora 2014 2016 Lisboa, 19 de Novembro de 2014 António Carlos SILVA Médico de Saúde Pública Coordenador da Unidade de Saúde Pública antonio.silva.usp@csreboleira.min-saude.pt André

Leia mais

PORTUGAL Doenças Oncológicas em Números 2015. Programa Nacional para as Doenças Oncológicas

PORTUGAL Doenças Oncológicas em Números 2015. Programa Nacional para as Doenças Oncológicas PORTUGAL Doenças Oncológicas em Números 215 Programa Nacional para as Doenças Oncológicas PORTUGAL Doenças Oncológicas em Números 215 Programa Nacional para as Doenças Oncológicas DIREÇÃO-GERAL DA SAÚDE,

Leia mais

Programa Nacional de Luta Contra a Tuberculose Ponto da Situação Epidemiológica e de Desempenho (dados provisórios)

Programa Nacional de Luta Contra a Tuberculose Ponto da Situação Epidemiológica e de Desempenho (dados provisórios) Programa Nacional de Luta Contra a Tuberculose Ponto da Situação Epidemiológica e de Desempenho (dados provisórios) Dia Mundial da Tuberculose 24 de março de 2013 Índice Introdução... 3 Metodologia...

Leia mais

Decisão de Não Oposição da Autoridade da Concorrência

Decisão de Não Oposição da Autoridade da Concorrência Ccent. 45/2012 Auto-Sueco / Grupo Master Test Decisão de Não Oposição da Autoridade da Concorrência [alínea b) do n.º 1 do artigo 50.º da Lei n.º 19/2012, de 8 de maio] 9/11/2012 DECISÃO DE NÃO OPOSIÇÃO

Leia mais

NOTÍCIAS À SEXTA 05.12.2014

NOTÍCIAS À SEXTA 05.12.2014 RELATÓRIO Portugal-Saúde Mental em Números 2014 O relatório "Portugal - Saúde Mental em Números 2014", que se baseia no 1º Estudo Epidemiológico Nacional de Saúde Mental divulgado em 2013, afirma que um

Leia mais

SINDICATO DOS ENFERMEIROS PORTUGUESES. Direcção Regional de Faro ESTADO DA SAÚDE PÚBLICA NO CONCELHO DE LOULÉ

SINDICATO DOS ENFERMEIROS PORTUGUESES. Direcção Regional de Faro ESTADO DA SAÚDE PÚBLICA NO CONCELHO DE LOULÉ ESTADO DA SAÚDE PÚBLICA NO CONCELHO DE LOULÉ Este documento retrata o estado dos serviços públicos de saúde, sobretudo no que concerne aos cuidados de enfermagem e pretende descrever as dificuldades com

Leia mais

- IAE - INQUÉRITO À ACTIVIDADE EMPRESARIAL. ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria

- IAE - INQUÉRITO À ACTIVIDADE EMPRESARIAL. ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria - IAE - INQUÉRITO À ACTIVIDADE EMPRESARIAL 2006 ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria ÍNDICE Introdução Pág. 2 1 Sumário executivo Pág. 5 2 Análise dos resultados 2.1 Situação

Leia mais

das Doenças Cérebro Cardiovasculares

das Doenças Cérebro Cardiovasculares Programa Regional de Prevenção e Controlo das Doenças Cérebro Cardiovasculares Índice Siglas e Acrónimos... 2 1. Contextualização... 3 2. População Alvo... 3 3. Objectivos... 4 4. Indicadores para Avaliação

Leia mais

Decreto-Lei n.º 124/2011, de 29 de Dezembro 1 Aprova a Lei Orgânica do Ministério da Saúde

Decreto-Lei n.º 124/2011, de 29 de Dezembro 1 Aprova a Lei Orgânica do Ministério da Saúde Decreto-Lei n.º 124/2011, de 29 de Dezembro 1 Aprova a Lei Orgânica do Ministério da Saúde No âmbito do Compromisso Eficiência, o XIX Governo Constitucional determinou as linhas gerais do Plano de Redução

Leia mais

Projecto de Lei nº 68/XII. Lei de Bases da Economia Social

Projecto de Lei nº 68/XII. Lei de Bases da Economia Social Projecto de Lei nº 68/XII Lei de Bases da Economia Social A Economia Social tem raízes profundas e seculares na sociedade portuguesa. Entidades como as misericórdias, as cooperativas, as associações mutualistas,

Leia mais

PLANO DE PREVENÇÃO DE RISCOS DE GESTÃO, INCLUINDO OS RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRAÇÕES CONEXAS

PLANO DE PREVENÇÃO DE RISCOS DE GESTÃO, INCLUINDO OS RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRAÇÕES CONEXAS Plano de Prevenção de Riscos de Corrupção e Infrações Conexas PLANO DE PREVENÇÃO DE RISCOS DE GESTÃO, INCLUINDO OS RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRAÇÕES CONEXAS

Leia mais

Promoção da Eficiência Energética no Serviço Nacional de Saúde

Promoção da Eficiência Energética no Serviço Nacional de Saúde Promoção da Eficiência Energética no Serviço Nacional de Saúde Luís Inácio Equipa PEBC e ECO.AP do MS PEBC Plano Estratégico do Baixo Carbono ECO.AP Programa de Eficiência Energética na Administração Pública

Leia mais

1712 Diário da República, 1.ª série N.º 54 18 de Março de 2009

1712 Diário da República, 1.ª série N.º 54 18 de Março de 2009 1712 Diário da República, 1.ª série N.º 54 18 de Março de 2009 Portaria n.º 273/2009 de 18 de Março O Programa do XVII Governo Constitucional define que «o sistema [de saúde] deve ser reorganizado a todos

Leia mais

Atlas das Cidades Portuguesas

Atlas das Cidades Portuguesas Atlas das Cidades Portuguesas Pela primeira vez o INE edita um Atlas das Cidades de Portugal, publicação que reúne um conjunto de indicadores sobre as actuais 134 cidades do país e as áreas metropolitanas

Leia mais

SAÚDE 24 SÉNIOR. um serviço SAÚDE 24

SAÚDE 24 SÉNIOR. um serviço SAÚDE 24 um serviço SAÚDE 24 Desde Abril 2014 um serviço de acompanhamento em saúde, especifico da SAÚDE 24 e direcionado a todos os idosos residentes em Portugal com mais de 70 anos uma iniciativa do Ministério

Leia mais

(Minho Laboratório de Inovação e Desenvolvimento)

(Minho Laboratório de Inovação e Desenvolvimento) Barcelos Braga Famalicão Guimarãe SESSÃO PÚBLIICA DE APRESENTAÇÃO MEMORANDO TÉCNIICO PLLANO DE DESENVOLLVI IMENTTO DA REGIÃO DO MINHO IDENTTI I IFFI ICAÇÃO DE UM MOTTOR DE DESENVOLLVI IMENTTO Janeiro de

Leia mais

PROGRAMA ESPECÍFICO PARA MELHORIA DO ACESSO AO DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DA INFERTILIDADE Documento de Suporte à Contratualização

PROGRAMA ESPECÍFICO PARA MELHORIA DO ACESSO AO DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DA INFERTILIDADE Documento de Suporte à Contratualização 2009 Documento de Suporte à Contratualização do Programa Específico para melhoria do ACSS DGS PROGRAMA ESPECÍFICO PARA MELHORIA DO ACESSO AO DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DA INFERTILIDADE Documento de Suporte

Leia mais

Portugal e a Política de Coesão 2007-2013

Portugal e a Política de Coesão 2007-2013 MINISTÉRIO DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL Portugal e a Política de Coesão 2007-2013 2013 Rui Nuno Baleiras Secretário de Estado do Desenvolvimento Regional Centro

Leia mais

PROGRAMA MODELAR MANUAL DE APOIO AO PROCESSO DE CANDIDATURA

PROGRAMA MODELAR MANUAL DE APOIO AO PROCESSO DE CANDIDATURA PROGRAMA MODELAR MANUAL DE APOIO AO PROCESSO DE CANDIDATURA 1 MANUAL DE APOIO AO PROCESSO DE CANDIDATURA AO PROGRAMA MODELAR O Programa MODELAR tem como objectivo a atribuição de apoio financeiro pelas

Leia mais

Evolução da Agricultura Portuguesa no Período 1989/2010. Análise de Indicadores Relevantes.

Evolução da Agricultura Portuguesa no Período 1989/2010. Análise de Indicadores Relevantes. Evolução da Agricultura Portuguesa no Período 1989/2010. Análise de Indicadores Relevantes. Deolinda Alberto 1, José Pedro Fragoso Almeida 2 1 Professor Adjunto, Escola Superior Agrária de Castelo Branco,

Leia mais

Revisão Intercalar do Plano Estratégico de Desenvolvimento de Vendas Novas PEDVN

Revisão Intercalar do Plano Estratégico de Desenvolvimento de Vendas Novas PEDVN Revisão ntercalar do Plano Estratégico de Desenvolvimento de Vendas Novas PEDVN O Ponto de partida Câmara Municipal de Vendas Novas Novembro de 2006 ALENTEJO CENTRAL - O PONTO DE PARTDA O no ranking da

Leia mais

METADE DA POPULAÇÃO RESIDENTE EM CIDADES CONCENTRADA EM APENAS 14 DAS 141 CIDADES

METADE DA POPULAÇÃO RESIDENTE EM CIDADES CONCENTRADA EM APENAS 14 DAS 141 CIDADES Atlas das Cidades de Portugal Volume II 2004 01 de Abril de 2005 METADE DA POPULAÇÃO RESIDENTE EM CIDADES CONCENTRADA EM APENAS 14 DAS 141 CIDADES Apesar das disparidades ao nível da dimensão populacional

Leia mais

Evolução dos clientes de acesso móvel à Internet activos no período de reporte

Evolução dos clientes de acesso móvel à Internet activos no período de reporte 10 S E R V I Ç O T E L E F Ó N I C O M Ó V E L Tráfego de roaming in 2008 Var. Trimestral Var. Homóloga 2º Trim. (+/-) % (+/-) % Chamadas em roaming in 32 617 8 525 35,4% 1 646 5,3% Nº de minutos em roaming

Leia mais

Secção III: Âmbito de Aplicação e Políticas de Risco 7. 2. Estratégias e Processos de Gestão de Risco 8

Secção III: Âmbito de Aplicação e Políticas de Risco 7. 2. Estratégias e Processos de Gestão de Risco 8 Secção I: Introdução 4 1. Enquadramento Regulamentar 5 2. Estrutura do Relatório 5 Secção II: Declaração de Responsabilidade 6 Secção III: Âmbito de Aplicação e Políticas de Risco 7 1. Âmbito de Aplicação

Leia mais

ANEXO 3. A floresta portuguesa FACTOS E NÚMEROS

ANEXO 3. A floresta portuguesa FACTOS E NÚMEROS ANEXO 3 FACTOS E NÚMEROS A floresta portuguesa 1. Os espaços florestais ocupam 5,4 milhões de hectares e representam cerca de dois terços da superfície de Portugal Continental. Destes, 3,4 milhões de hectares

Leia mais

1/7. Nota de Abertura. Actualidade Internacional. Actualidade Nacional. Recursos. Eventos. Ficha Técnica

1/7. Nota de Abertura. Actualidade Internacional. Actualidade Nacional. Recursos. Eventos. Ficha Técnica Nota de Abertura Actualidade Internacional Pequim +15 Questionário aos Governos Reforma Legislativa da UNICEF nos Direitos da Criança Conclusões do Concelho Europeu sobre a Erradicação da Violência contra

Leia mais

O Futuro dos Centros de Saúde

O Futuro dos Centros de Saúde O Futuro dos Centros de Saúde Data: 27/10/2004 Autor: Gisele Carvalho; Helena Lavouras; Isabel André O futuro dos Centros de Saúde não deverá ser abordado sem se olhar para o passado e contextualizar o

Leia mais

Plano Nacional de Saúde 2012 2016. 6. Indicadores e Metas em Saúde. (Janeiro 2012)

Plano Nacional de Saúde 2012 2016. 6. Indicadores e Metas em Saúde. (Janeiro 2012) Plano Nacional de Saúde 2012 2016 6. Indicadores e Metas em Saúde (Janeiro 2012) Plano Nacional de Saúde 2012-2016 6. INDICADORES E METAS EM SAÚDE 6.1. CONCEITOS... 2 6.2. INDICADORES DO PNS 2012-2016...

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres

Leia mais

Conselho Nacional de Saúde MS OPAS-OMS

Conselho Nacional de Saúde MS OPAS-OMS Conselho Nacional de Saúde MS OPAS-OMS Seminário internacional: Inclusão dos cidadãos em políticas públicas de saúde A participação dos cidadãos no sistema de saúde português Mauro Serapioni Centro de

Leia mais

Em Portugal existem 159 cidades, nas quais residiam 4,5 milhões de indivíduos

Em Portugal existem 159 cidades, nas quais residiam 4,5 milhões de indivíduos Em Portugal existem 159 cidades, nas quais residiam 4,5 milhões de indivíduos Nas 159 cidades portuguesas residiam 4,5 milhões de indivíduos, o que correspondia a 42% da população residente em Portugal

Leia mais

A Rede Social no Contexto da RAA 2013. A Reconfiguração do Território da Amadora

A Rede Social no Contexto da RAA 2013. A Reconfiguração do Território da Amadora A Rede Social no Contexto da RAA 2013 A Reconfiguração do Território da Amadora 1. Reorganização Administrativa 2. Reconfiguração Gestão Territorial 3. Retrato Social Municipal 4. Rede Social Novas Freguesias

Leia mais

da Uniiversiidade de Évora

da Uniiversiidade de Évora Universidade de Évora Rellatóriio sobre o Inquériito aos Liicenciiados da Uniiversiidade de Évora Pró-Reitoria para a Avaliação e Política da Qualidade Jacinto Vidigal da Silva Luís Raposo Julho de 2010

Leia mais

Programa Nacional para a Diabetes. Orientações Programáticas

Programa Nacional para a Diabetes. Orientações Programáticas Programa Nacional para a Diabetes Orientações Programáticas 1 - Enquadramento O Programa Nacional de Controlo da Diabetes existe, em Portugal, desde a década de setenta, tendo sido atualizado e revisto

Leia mais

Unidade de Saúde Pública do Agrupamento de Centros de Saúde de Entre Douro e Vouga II - Aveiro Norte:

Unidade de Saúde Pública do Agrupamento de Centros de Saúde de Entre Douro e Vouga II - Aveiro Norte: PLANO LOCAL DE SAÚDE i FICHA TÉCNICA Unidade de Saúde Pública do Agrupamento de Centros de Saúde de Entre Douro e Vouga II - Aveiro Norte: Francisco Borges Coordenador da Unidade de Saúde Pública, Médico

Leia mais

Nos termos da alínea a) do nº 2 do artigo 2º do Decreto Regulamentar nº 14/2012, de 26 de janeiro, emite-se a Norma seguinte:

Nos termos da alínea a) do nº 2 do artigo 2º do Decreto Regulamentar nº 14/2012, de 26 de janeiro, emite-se a Norma seguinte: NÚMERO: 013/2015 DATA: 01/07/2015 ASSUNTO: PALAVRAS-CHAVE: PARA: CONTACTOS: Notícia de Nascimento Digital (NN) Notícia de Nascimento, Saúde Infantil, Saúde Materna, Boletim Saúde Infantil e Juvenil, Nascer

Leia mais

Relatório. Grupo de Trabalho para a Avaliação da Situação da Prestação de Cuidados de Saúde Mental e das Necessidades na Área da Saúde Mental

Relatório. Grupo de Trabalho para a Avaliação da Situação da Prestação de Cuidados de Saúde Mental e das Necessidades na Área da Saúde Mental Relatório Relatório Grupo de de Trabalho para a Avaliação da da Situação da da Prestação de de Cuidados de de Saúde Mental e das Necessidades na na Área da da Saúde Mental Grupo de Trabalho para a Avaliação

Leia mais

Ponto de Acesso INE Biblioteca IPB Formação de utilizadores. Beja, Outubro de 2009 ESEB

Ponto de Acesso INE Biblioteca IPB Formação de utilizadores. Beja, Outubro de 2009 ESEB Ponto de Acesso INE Biblioteca IPB Formação de utilizadores Organização I Parte Informação sobre o Ponto de Acesso do INE no Instituto Politécnico de Beja II Parte Pesquisa de informação estatística Como

Leia mais

Política de Cidades Parcerias para a Regeneração Urbana

Política de Cidades Parcerias para a Regeneração Urbana Política de Cidades Parcerias para a Regeneração Urbana Aviso de Abertura de Concurso para Apresentação de Candidaturas de Programas de Acção PRU/2/2008 Grandes Centros Política de Cidades - Parcerias

Leia mais

Programa de Unidades Curriculares Opcionais

Programa de Unidades Curriculares Opcionais Programa de Unidades Curriculares Opcionais Para assegurar que todos os alunos tenham acesso a UC que permitam perfazer as exigências em créditos (ECTS) de UC Opcionais dos respectivos Planos de Estudo,

Leia mais

CRIANÇAS E JOVENS EM RISCO E PREVENÇÃO NA PRIMEIRA INFÂNCIA

CRIANÇAS E JOVENS EM RISCO E PREVENÇÃO NA PRIMEIRA INFÂNCIA 1 CRIANÇAS E JOVENS EM RISCO E PREVENÇÃO NA PRIMEIRA INFÂNCIA ENQUADRAMENTO Um projecto de prevenção em saúde mental na área da primeira infância implica sempre uma união de esforços e um trabalho em conjunto

Leia mais

Trabalhadores mais Velhos: políticas públicas e práticas empresariais

Trabalhadores mais Velhos: políticas públicas e práticas empresariais Trabalhadores mais Velhos: políticas públicas e práticas empresariais PESTANA, Nuno Nóbrega (2003), Cadernos de Emprego e Relações de Trabalho n.º 1, MSST/DGERT, Lisboa, pp. 321. Susana Graça 1 A obra

Leia mais

O Programa Enfermeiros de Família. (Página intencionalmente deixada em branco)

O Programa Enfermeiros de Família. (Página intencionalmente deixada em branco) (Página intencionalmente deixada em branco) 2 Conteúdo A Saúde Quem Somos... O programa Enfermeiros de Família... O Enfermeiro de Família Saúde... O desafio de carreira... Principais competências e responsabilidades...

Leia mais

O Princípio da hierarquia dos planos e efeitos da aprovação de um Plano Regional Num Plano Municipal (1)

O Princípio da hierarquia dos planos e efeitos da aprovação de um Plano Regional Num Plano Municipal (1) 1/9 O Princípio da hierarquia dos planos e efeitos da aprovação de um Plano Regional Num Plano Municipal (1) Susana Alcina Ribeiro Pinto Docente da Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Felgueiras

Leia mais

Medicamentos do Aparelho Cardiovascular: Uma análise dos padrões de utilização e despesa em Portugal Continental entre 2000 e 2011

Medicamentos do Aparelho Cardiovascular: Uma análise dos padrões de utilização e despesa em Portugal Continental entre 2000 e 2011 Medicamentos do Aparelho Cardiovascular: Uma análise dos padrões de utilização e despesa em Portugal Continental entre 2000 e 2011 Título: Medicamentos do Aparelho Cardiovascular: Uma análise dos padrões

Leia mais

A procura de emprego dos Diplomados. com habilitação superior

A procura de emprego dos Diplomados. com habilitação superior RELATÓRIO A procura de emprego dos Diplomados com habilitação superior Dezembro 2007 Fevereiro, 2008 Ficha Técnica Título A procura de emprego dos diplomados com habilitação superior Autor Gabinete de

Leia mais

Encontro Nacional do Turismo no Espaço o Rural

Encontro Nacional do Turismo no Espaço o Rural Encontro Nacional do Turismo no Espaço o Rural Convento de Refoios Ponte de Lima 21 de Junho de 2003 Distribuição Espacial do TER (SIR) Unid: Euros Distritos Nº Projectos Investimento Total Incentivo Aveiro

Leia mais

CAE (Rev.3) 87 e 88 ACTIVIDADES DE APOIO SOCIAL

CAE (Rev.3) 87 e 88 ACTIVIDADES DE APOIO SOCIAL O conteúdo informativo disponibilizado pela presente ficha não substitui a consulta dos diplomas legais referenciados e da entidade licenciadora. FUNCHAL CAE (Rev.3) 87 e 88 ACTIVIDADES DE APOIO SOCIAL

Leia mais

Registo Oncológico Nacional 2008

Registo Oncológico Nacional 2008 Registo Oncológico Nacional 2008 Elaborado pelo Registo Oncológico Regional do Centro Editado pelo Instituto Português de Oncologia de Coimbra Francisco Gentil EPE 2 Registo Oncológico Nacional 2008 Elaborado

Leia mais

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE MÉDICOS DE SAÚDE PÚBLICA

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE MÉDICOS DE SAÚDE PÚBLICA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE MÉDICOS DE SAÚDE PÚBLICA Mudança "Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades Muda-se o Ser, mudase a confiança; Todo mundo é composto de mudança, Tomando sempre novas qualidades."

Leia mais

PROPOSTA DE REGULAMENTO DE OPERAÇÃO INFRA-ESTRUTURAS DAS. Documento Justificativo ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS.

PROPOSTA DE REGULAMENTO DE OPERAÇÃO INFRA-ESTRUTURAS DAS. Documento Justificativo ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS. PROPOSTA DE REGULAMENTO DE OPERAÇÃO DAS INFRA-ESTRUTURAS Documento Justificativo Fevereiro de 2007 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Tel:

Leia mais

CENTRO DE AMBULATÓRIO PEDIÁTRICO

CENTRO DE AMBULATÓRIO PEDIÁTRICO PROJECTO CENTRO DE AMBULATÓRIO PEDIÁTRICO do Hospital de Santa Maria CENTRO DE AMBULATÓRIO PEDIÁTRICO MARIA RAPOSA Todos os anos, um número crescente de crianças, dos 0 aos 18 anos de idade, são assistidas

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 154/IX INTEGRAÇÃO DA MEDICINA DENTÁRIA NO SERVIÇO NACIONAL DE SAÚDE. Exposição de motivos

PROJECTO DE LEI N.º 154/IX INTEGRAÇÃO DA MEDICINA DENTÁRIA NO SERVIÇO NACIONAL DE SAÚDE. Exposição de motivos PROJECTO DE LEI N.º 154/IX INTEGRAÇÃO DA MEDICINA DENTÁRIA NO SERVIÇO NACIONAL DE SAÚDE Exposição de motivos A situação da saúde oral em Portugal é alarmante. Portugal está, em todos os dados sobre saúde

Leia mais

REDE SOCIAL L DO CONCELHO DE BRAGANÇA Parte III.7: Protecção Social e Acção Sociall

REDE SOCIAL L DO CONCELHO DE BRAGANÇA Parte III.7: Protecção Social e Acção Sociall REDE SOCIAL DO CONCELHO DE BRAGANÇA Parte III.7: Protecção Social e Acção Social Parte 3.7 protecção social E Acção social O artigo 63º da Constituição da República Portuguesa estabelece que ( ) incumbe

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde

Direcção-Geral da Saúde Assunto: Avaliação Ambiental Estratégica Recomendações para a integração e apreciação da Componente Saúde Humana nos Planos Municipais de Ordenamento do Território Nº: 36/DA DATA:09.10.09 Para: Contacto

Leia mais

Plano Nacional de Saúde 2011 2016 Visão, modelo conceptual e estratégia de elaboração

Plano Nacional de Saúde 2011 2016 Visão, modelo conceptual e estratégia de elaboração 2011 2016 Visão, modelo conceptual e estratégia de elaboração 1/25 ÍNDICE ÍNDICE... 2 INTRODUÇÃO... 3 Objectivos de um Plano Nacional de Saúde... 3 O Plano Nacional de Saúde 2004 2010... 3 Alto Comissariado

Leia mais

INQUÉRITO ÀS ENTIDADES GESTORAS NORMA ISO 24510 1 OBJECTIVO DO INQUÉRITO 2 CONSTITUIÇÃO DO INQUÉRITO RELATÓRIO FINAL

INQUÉRITO ÀS ENTIDADES GESTORAS NORMA ISO 24510 1 OBJECTIVO DO INQUÉRITO 2 CONSTITUIÇÃO DO INQUÉRITO RELATÓRIO FINAL INQUÉRITO ÀS ENTIDADES GESTORAS NORMA ISO 24510 RELATÓRIO FINAL 1 OBJECTIVO DO INQUÉRITO A publicação das normas ISO 24500 (ISO 24510, ISO 24511 e ISO 24512), que constituem o primeiro conjunto de normas

Leia mais

PELA PRIMEIRA VEZ, DESDE QUE HÁ REGISTOS, HOUVE MENOS DE 90 MIL NADOS VIVOS

PELA PRIMEIRA VEZ, DESDE QUE HÁ REGISTOS, HOUVE MENOS DE 90 MIL NADOS VIVOS PELA PRIMEIRA VEZ, DESDE QUE HÁ REGISTOS, HOUVE MENOS DE 90 MIL NADOS VIVOS Pela primeira vez, desde que há registos, observaram-se menos de 90 mil nados vivos em Portugal. De facto, o número de nados

Leia mais

O futuro das relações Galiza Norte de Portugal em matéria estatística

O futuro das relações Galiza Norte de Portugal em matéria estatística O futuro das relações Galiza Norte de Portugal em matéria estatística Seminário de Difusão do Anuário Estatístico Galiza - Norte de Portugal 2010 Santiago de Compostela 13 de Dezembro de 2010 Questão a

Leia mais

A taxa de desemprego foi de 11,1% no 4º trimestre de 2010

A taxa de desemprego foi de 11,1% no 4º trimestre de 2010 Estatísticas do Emprego 4º trimestre de 2010 16 de Fevereiro de 2011 A taxa de desemprego foi de 11,1% no 4º trimestre de 2010 A taxa de desemprego estimada para o 4º trimestre de 2010 foi de 11,1%. Este

Leia mais