Simulação de coleta de dados em redes de sensores sem o por robôs móveis utilizando a ferramenta Player/Stage

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Simulação de coleta de dados em redes de sensores sem o por robôs móveis utilizando a ferramenta Player/Stage"

Transcrição

1 Universidade Federal de Ouro Preto - UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas - ICEB Departamento de Computação - DECOM Simulação de coleta de dados em redes de sensores sem o por robôs móveis utilizando a ferramenta Player/Stage Aluno: Gabriel Angelo Nazário Matrícula: Orientador: Andréa Iabrudi Tavares Ouro Preto 1 de julho de 2011

2 Universidade Federal de Ouro Preto - UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas - ICEB Departamento de Computação - DECOM Simulação de coleta de dados em redes de sensores sem o por robôs móveis utilizando a ferramenta Player/Stage Relatório de atividades desenvolvidas apresentado ao curso de Bacharelado em Ciência da Computação, Universidade Federal de Ouro Preto, como requisito parcial para a conclusão da disciplina Monograa I (BCC390). Aluno: Gabriel Angelo Nazário Matricula: Orientador: Andréa Iabrudi Tavares Ouro Preto 1 de julho de 2011

3 Resumo As Redes de Sensores Sem Fio (RSSF, ou WSN, sigla de Wireless Sensor Networks) são redes usadas com o intuito de monitorar algum fenômeno, onde se tem diversos dispositivos distribuídos no espaço a ser estudado. As RSSFs podem ser usadas em diversos estudos, como por exemplo, no monitoramento de condições ambientais de uma oresta. Porém, um fator importante que deve ser observado diz respeito ao consumo de energia no processo de transmissão dos dados coletados até um nó central, onde os mesmos serão estudados. Para essa tarefa, é possível contar com o apoio de robôs móveis, o que pode representar uma diminuição do consumo de energia. Palavras-chave: Redes de sensores sem o. Coleta de dados. Robôs móveis.

4 Sumário 1 Introdução 1 2 Justicativa 3 3 Objetivos Objetivo geral Objetivos especícos Metodologia 6 5 Desenvolvimento Instalação e conguração do Player/Stage Aprendizado do uso do Player/Stage Trabalhos Futuros 12 7 Cronograma de atividades 13

5 Lista de Figuras 1 Capacidade de comunicação dos sensores Envio dos dados dos sensores de forma multi-hop Coleta dos dados com ajuda de robôs Situação real Situação simplicada Caminhamento simples Desvio simples do obstáculo Desvio com vetor de repulsão entre robô e obstáculo Lista de Tabelas 1 Cronograma de Atividades Trabalhos futuros a serem desenvolvidos

6 1 Introdução O uso de Redes de Sensores Sem Fio (RSSF) é algo relativamente novo. Esse novo tipo de tecnologia se fez possível graças ao avanço no desenvolvimento de circuitos integrados, micro-processadores e comunicação sem o. Uma rede de sensores (não somente as wireless, mas também as cabeadas) é constituída basicamente de: Fenômeno: aquilo que se deseja observar ou estudar. Observador: usuário nal, grupo de usuários, ou até mesmo um sistema computacional, que deseja obter respostas sobre o fenômeno monitorado através de seu estudo. Sensor: responsável pela monitoração do fenômeno (através de medidas), e por passar as informações ao observador, que depois irá estudá-las. Cada nó da rede possui pelo menos um tipo de sensor, de acordo com o que se deseja observar. Esses sensores podem ser para medidas de temperatura, umidade, calor, acústico, infravermelho, entre outros. E cada sensor possui uma certa capacidade de armazenamento de dados, e um raio de comunicação, onde seu sinal pode ser alcançado (gura 1). As RSSFs podem ser usadas num amplo conjunto de áreas e aplicações onde se queira monitorar algo. Entre essas áreas, podem ser citadas como exemplo: Meio ambiente: monitoramento de variáveis ambientais (calor, umidade, temperatura, etc) em prédios, casas, orestas, oceanos, entre outros. Militar: monitoramento, rastreamento, segurança, principalmente em áreas perigosas e/ou de difícil acesso. Tráfego: monitoramento de vias, controle de tráfego. Industrial. 1

7 Figura 1: Capacidade de comunicação dos sensores 2

8 2 Justicativa Numa Rede de Sensores Sem Fio (RSSF), cada sensor pode operar por longos períodos de tempo, indo de semanas até mesmo a anos. Isso, é claro, depende da quantidade de energia disponível na bateria que o alimenta e sua capacidade de armazenamento de dados. Logo, percebe-se que a questão de energia é um ponto muito importante nesse contexto. Muitas vezes, o processo de envio de dados dos sensores até o observador (ou nó central) se dá de forma multi-salto (gura 2), ou seja, passando de um nó para o outro, o que leva a um grande consumo de energia. Nesse tipo de aplicação, o bom aproveitamento dos recursos energéticos é um ponto essencial. Figura 2: Envio dos dados dos sensores de forma multi-hop Uma alternativa a esse tipo de coleta é a utilização de robôs móveis, como mostrado na gura 3. Com isso, não há necessidade de transmissão dos dados de forma multisalto, passando por todos os nós da rede até o nó central. Com a ajuda dos robôs, há economia da energia, tornando esse processo viável. Outra vantagem: pode-se alcançar ambientes de difícil acesso para seres humanos (por exemplo, um ambiente muito frio). A coleta dos dados armazenados nos nós sensores da rede se faz com os robôs percorrendo o ambiente onde estão localizados. Um ponto importante a se observar é que essa atividade geralmente se dá em um domínio estocástico, guiado por fatores não determinísticos. Por exemplo, um nó sensor pode estar numa posição diferente daquela que o robô procura (ou que ele esperava encontrá-lo). Estudar esse problema levando em conta as suas características não determinísticas implica em um alto grau de complexidade computacional, devido a incerteza de suas ações, tomadas de decisão, aspectos físicos, etc. 3

9 Figura 3: Coleta dos dados com ajuda de robôs As simulações são importantes pelo fato de permitir modelar e estudar uma situação real em um ambiente virtual, ou seja, caso uma simulação não dê certo, não haverá perdas e/ou danos a equipamentos. Com isso, há uma diminuição dos custos (dinheiro, tempo, equipamentos, etc.) envolvidos no estudo. Através da simulação, é possível também explorar diferentes cenários. A modelagem é uma abstração do problema real. Além dessa abstração, o problema será ainda simplicado, não considerando suas características não determinísticas. Para essas simulações, serão utilizados os softwares Player e Stage. O Player é uma ferramenta voltada a aplicações de controle de robôs móveis. É muito utilizado em universidades e centros de pesquisa. É de código aberto e de livre distribuição, e por isso está em constante desenvolvimento. Utiliza a arquitetura cliente/servidor, e possui suporte a diversas linguagens (entre elas C, C++, Python e Java). Nesse trabalho, o código-fonte dos programas de controle que se comunicam com o Player será em C++. O Stage é um simulador de robôs e ambientes em 2 dimensões, compatível com o Player. O Stage é muito usado no desenvolvimento inicial de código, através das simulações, para que depois possa ser testado em robôs reais. 4

10 3 Objetivos 3.1 Objetivo geral O principal objetivo desse trabalho é o estudo da coleta de dados em redes de sensores sem o auxiliada por robôs móveis, onde os nós sensores podem ter diferentes capacidades de armazenamento. Para esse estudo, serão feitas simulações utilizando o Player/Stage. Como descrito anteriormente, serão feitas de forma bem mais simples do que da maneira que realmente ocorrem na natureza. 3.2 Objetivos especícos Para que o objetivo geral do trabalho seja alcançado, podemos destacar como etapas intermediárias: Instalação e conguração do Player/Stage. Realizar simulações simples, visando o aprendizado de como usar o software, e conhecer seus recursos e limitações. Estudo de estratégias para o problema da coleta dos dados. Denições das políticas (comportamento do robô, forma de atuação com o meio, percepção de outros objetos que constituem o meio) que serão adotadas durante a coleta, de acordo com as estratégias estudadas e escolhidas. Implementação dessas estratégias. Realização das simulações. Estudo dos resultados obtidos. 5

11 4 Metodologia Para a realização desse trabalho, o primeiro passo é a instalação e conguração do Player/Stage. Feito isso, é preciso um breve estudo sobre a ferramenta em questão: como funciona, linguagens de programação suportadas, tipos de arquivos necessários, como congurá-lo, etc. Com a ferramenta já instalada e congurada, através de um pequeno tutorial (disponível pela própria desenvolvedora), deve-se implementar uma pequena simulação, com o intuito de se familiarizar com o ambiente de desenvolvimento e também para testar se tudo está funcionando corretamente. Após essa etapa inicial, pode-se dar início ao próximo passo, que é desenvolver outras simulações mais simples, para um melhor aprendizado. Com as ferramentas necessárias já disponíveis, deve-se iniciar o estudo das estratégias que serão usadas no trabalho, as quais podem resultar num melhor desempenho dos robôs que farão a coleta dos dados. As políticas usadas nas simulações são resultado desse estudo de estratégias. Com isso, é possível realizar as simulações e, na etapa nal, um estudo dos resultados obtidos. Esse problema será abordado de forma simplicada, isto é, serão feitos estudos e simulações voltadas para problemas de natureza mais simples do que realmente ocorrem em situações do mundo real. Não serão levadas em conta todas as características encontradas numa situação real. Não simplicar o problema tomaria um tempo muito maior do que o disponível para realização desse trabalho. A gura 4 exemplica uma situação real, com os sensores e seus respectivos raios de comunicação. Entre eles, encontram-se alguns obstáculos. Já a gura 5 mostra como será um ambiente mais simples. O ambiente de simulação será um grid de tamanho xo. Nesse grid, encontram-se os elementos que constituem o mundo: robôs, nós sensores e obstáculos. Uma posição pode estar vazia, pode conter um sensor ou um obstáculo. Os elementos que estarão disponíveis no mundo serão denidos previamente, ou seja, trata-se de um ambiente estático: não haverão interferências externas (como mudança na posição do sensor, por exemplo). Feito isso, será implementado o comportamento do robô nesse mundo. É nessa implementação que serão denidas quais decisões o robô deverá tomar caso encontre um nó sensor, por exemplo. Denido que cada nó da rede possui uma certa capacidade de armazenamento, é preciso fazer uma coleta de forma minimizar a perda de dados. Para isso é necessário denir a ordem de visita dos nós. Esse é um ponto importante do planejamento da rota a ser seguida, como dito anteriormente, a m de se evitar perda de dados. Por exemplo: um sensor com menor capacidade de armazenamento deve ser visitado antes de um com maior capacidade? Tudo isso será estudado de acordo com as decisões tomadas. Serão comparadas soluções mais simples (como as soluções gulosas) e soluções mais elaboradas. Ao se denir uma rota, deve-se levar em conta que há um deadline para a coleta ser feita, ou seja, um prazo que, caso seja extrapolado, acarretará na perda dos dados armazenados no sensor. O problema do roteamento entre os nós deve ser muito bem explorado, pois a perda dos dados coletados signica desperdício de tempo e recursos envolvidos na aplicação da rede sem o. Os códigos serão implementados na linguagem C. Os testes serão feitos através da execução desse código sobre o robô. Com isso, será feita a análise de seu desempenho: se as ações tomadas eram as esperadas, se o objetivo foi alcançado, etc. Caso o desem- 6

12 penho não seja satisfatório, deve-se voltar ao código e modicá-lo, até que o objetivo esperado seja alcançado. Figura 4: Situação real 7

13 Figura 5: Situação simplicada 8

14 5 Desenvolvimento Seguindo os passos descritos nos objetivos, as atividades desenvolvidas serão apresentadas a seguir. 5.1 Instalação e conguração do Player/Stage O Player e o Stage formam um conjunto de ferramentas usadas em aplicações voltadas a pesquisa e atividades que envolvem robótica. Está disponível para diversos sistemas operacionais, e possui suporte a várias linguagens de programação. Foi escolhida a versão para Linux. A primeira tentativa de instalação foi na distribuição Ubuntu Nessa distribuição, a instalação do Player se fez seguindo um pequeno tutorial ( [6]), com sucesso ao nal. Já a instalação do Stage (também seguindo os passos em [6]) não foi bem sucedida. Mesmo procurando a causa dos erros, o programa não funcionou. A wiki do Player/Stage ( [2]) informa que algumas distribuições Linux possuem esses programas diretamente nos seus repositórios. Mudando para o sistema operacional Fedora 14, os programas foram procurados no assistente de instalação e, após encontrá-los, foram instalados sem nenhum problema. Em seguida, foram realizados alguns testes (disponíveis pelo próprio programa), funcionando corretamente. Porém, ocorreram erros quando um programa fonte (na linguagem C++) precisava ser compilado para rodar sobre uma simulação. Esse erro não era de instalação do Player/Stage, mas devido a falta do pacote com o compilador GCC. Esse erro foi sanado instalando-se o pacote com o compilador. Após isso, um pequeno programa foi compilado e rodado sobre o Player, com sua execução ocorrendo como esperado. 5.2 Aprendizado do uso do Player/Stage Através do tutorial ( [6]) disponível no próprio site do Player/Stage ( [1]), é possível aprender sobre o funcionamento da plataforma. Através desse guia, é explicado ao novo usuário sobre o funcionamento, tipos de arquivos necessários para o desenvolvimento das simulações, parâmetros envolvidos em cada tipo de arquivo, etc. Paralelamente a essa explicação, um pequeno exemplo bem simples é desenvolvido, para que o usuário possa ir acompanhando tudo aos poucos. Através dele, foi possível sabe como criar um robô, sua forma, seus dispositivos, obstáculos, etc. O guia foi seguido e, depois de algumas tentativas e vários erros, o exemplo pôde ser concluído. O próximo passo foi a realização de pequenas simulações, ainda com o objetivo de se familiarizar mais com a plataforma. A primeira delas consistiu em um mundo simples, com apenas um objeto: um robô. O objetivo foi fazer com que o robô caminhasse de um ponto para outro. Tanto o ponto inicial do robô quanto o nal são conhecidos. Essa simulação foi realizada com sucesso. A segunda simulação também consistiu no deslocamento do robô de um ponto a outro, mas foi dividida em 3 partes: na primeira, a posição inicial já era conhecida pelo robô, e a nal seria informada pela linha de comando; na segunda, tanto a posição inicial quanto a nal seriam informadas pela linha de comando, fazendo com que o robô utilizasse algum sensor para se localizar; e na terceira, a posição inicial seria informada pela linha de comando, e a nal seria aleatória, gerada durante a execução do programa, onde novamente o robô seria obrigado a usar algum sensor para perceber sua posição. Todas essas três partes foram implementadas e executadas corretamente. Uma terceira simulação consisitiu em fazer 9

15 o robô se deslocar num ambiente com obstáculo, ou seja, o robô deveria desviar caso algum objeto estivesse em seu caminho. Em todas as situações, o caminhamento foi feito da forma mais simples: primeiro o robô se deslocava no eixo x, depois no eixo y, como mostrado na gura 6. Figura 6: Caminhamento simples Como foi desenvolvida uma atividade onde o robô se desloca e desvia de obstáculos, foi preciso escolher a forma de se fazer esse desvio. A primeira opção, onde o robô contorna o obstáculo de forma mais simples, é apresentada na gura 7. Foi proposta também uma outra forma de desvio, onde seria calculado um vetor de repulsão entre o robô e o obstáculo, onde a cada momento que o robô se aproximasse do obstáculo sua rota sofreria um desvio (gura 8). Porém não foi possível desenvolvê-lo, devido a diculdades de implementação. Assim, essa opção foi descartada, e o desvio simples (mostrado anteriormente) será utilizado. 10

16 Figura 7: Desvio simples do obstáculo Figura 8: Desvio com vetor de repulsão entre robô e obstáculo 11

17 6 Trabalhos Futuros Algumas estratégias que serão utilizadas no trabalho já foram estudadas e escolhidas. A forma de como o problema será abordado, de maneira simplicada, uso do grid de tamanho xo, escolha do caminhamento do robô e desvio de obstáculos foram estratégias escolhidas tendo em vista a simplicação do problema. Para trabalhos futuros, cam as decisões de implementação das ações do robô com relação a coleta de dados: quantos nós serão visitados, ordem dessas visitas. Juntamente com essas decisões implementadas, será analisado se houve perda de dados, eciência da estratégia. Essas decisões fazem parte do estudo da coleta sem perda de dados. 12

18 7 Cronograma de atividades Na Tabela 1, é apresentado o cronograma das atividades que serão realizadas durante esse trabalho. Os trabalhos futuros estão na tabela 2 Atividades Março Abril Maio Junho Julho Instalação e conguração do Player/Stage Estudo do funcionamento da ferramenta, através de tutoriais Estudo de algumas estratégias que serão utilizadas Apresentação do Relatório de Atividades X X X X X X Tabela 1: Cronograma de Atividades. X Atividades Futuras Estudo das estratégias que serão implementadas Implementação Realização das simulações Estudo dos resultados obtidos Redigir a Monograa Apresentação da Monograa Tabela 2: Trabalhos futuros a serem desenvolvidos. 13

19 Referências [1] The Player Project. Acessado pela última vez em 15/05/2011. [2] Player/stage wiki. Acessado pela última vez em 15/05/2011. [3] Leslie Pack Kaelbling, Michael L. Littman, and Anthony R. Cassandra. Planning and acting in partially observable stochastic domains. ARTIFICIAL INTELLI- GENCE, [4] Antonio Alfredo Ferreira Loureiro. Redes de sensores sem o. Disponível em http: //www.ic.unicamp.br/~cmbm/desafios_sbc/loureiroredesensores.pdf. [5] Mário Montenegro Campos Marcelo Boghetti Soares. On robotic data collection strategies in wireless sensor networks: From deterministic to stochastic approaches. [6] Jennifer Owen. How to Use Player/Stage, Disponível em playerstage.sourceforge.net/index.php?src=doc. [7] Denis Fernando Wolf. Player/Stage: controlador e simulador de robôs móveis. Disponível em 14

Simulação de coleta de dados em redes de sensores sem o por robôs móveis utilizando a ferramenta Player/Stage

Simulação de coleta de dados em redes de sensores sem o por robôs móveis utilizando a ferramenta Player/Stage Universidade Federal de Ouro Preto - UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas - ICEB Departamento de Computação - DECOM Simulação de coleta de dados em redes de sensores sem o por robôs móveis utilizando

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE FIRMWARE E SOFTWARE APLICATIVO DE CONTROLE PARA UMA MÁQUINA DE ENSAIOS GEOLÓGICOS

DESENVOLVIMENTO DE FIRMWARE E SOFTWARE APLICATIVO DE CONTROLE PARA UMA MÁQUINA DE ENSAIOS GEOLÓGICOS Universidade Federal de Ouro Preto - UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas - ICEB Departamento de Computação - DECOM DESENVOLVIMENTO DE FIRMWARE E SOFTWARE APLICATIVO DE CONTROLE PARA UMA MÁQUINA

Leia mais

JSensor: Uma plataforma paralela e distribuída para simulações de redes de sensores

JSensor: Uma plataforma paralela e distribuída para simulações de redes de sensores Universidade Federal de Ouro Preto - UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas - ICEB Departamento de Computação - DECOM JSensor: Uma plataforma paralela e distribuída para simulações de redes de

Leia mais

Construção de Wiki para a MISTOOL, uma Ferramenta de Aplicação do Método de Inspeção Semiótica

Construção de Wiki para a MISTOOL, uma Ferramenta de Aplicação do Método de Inspeção Semiótica Universidade Federal de Ouro Preto - UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas - ICEB Departamento de Computação - DECOM Construção de Wiki para a MISTOOL, uma Ferramenta de Aplicação do Método de

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM REPOSITÓRIO DE DADOS DO FUTEBOL BRASILEIRO

DESENVOLVIMENTO DE UM REPOSITÓRIO DE DADOS DO FUTEBOL BRASILEIRO Universidade Federal de Ouro Preto - UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas - ICEB Departamento de Computação - DECOM DESENVOLVIMENTO DE UM REPOSITÓRIO DE DADOS DO FUTEBOL BRASILEIRO Aluno: Rafael

Leia mais

SIGLA - Sistema Integrado de Gestão Legislativa e Administrativa

SIGLA - Sistema Integrado de Gestão Legislativa e Administrativa Universidade Federal de Ouro Preto - UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas - ICEB Departamento de Computação - DECOM SIGLA - Sistema Integrado de Gestão Legislativa e Administrativa Aluno: Paulo

Leia mais

(P AA) 2 PACOTE DE APOIO A APRENDIZAGEM DE PROJETO E ANÁLISE DE ALGORITMOS: IMPLEMENTAÇÃO EM JAVA

(P AA) 2 PACOTE DE APOIO A APRENDIZAGEM DE PROJETO E ANÁLISE DE ALGORITMOS: IMPLEMENTAÇÃO EM JAVA Universidade Federal de Ouro Preto - UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas - ICEB Departamento de Computação - DECOM (P AA) 2 PACOTE DE APOIO A APRENDIZAGEM DE PROJETO E ANÁLISE DE ALGORITMOS:

Leia mais

(P AA) 2 PACOTE DE APOIO A APRENDIZAGEM DE PROJETO E ANÁLISE DE ALGORITMOS: IMPLEMENTAÇÃO EM JAVA

(P AA) 2 PACOTE DE APOIO A APRENDIZAGEM DE PROJETO E ANÁLISE DE ALGORITMOS: IMPLEMENTAÇÃO EM JAVA Universidade Federal de Ouro Preto - UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas - ICEB Departamento de Computação - DECOM (P AA) 2 PACOTE DE APOIO A APRENDIZAGEM DE PROJETO E ANÁLISE DE ALGORITMOS:

Leia mais

Protocolo de comunicação para redes móveis aplicado ao trânsito

Protocolo de comunicação para redes móveis aplicado ao trânsito Universidade Federal de Ouro Preto - UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas - ICEB Departamento de Computação - DECOM Protocolo de comunicação para redes móveis aplicado ao trânsito Aluno: Luiz

Leia mais

Framework de comunicação para Webservices 2P2

Framework de comunicação para Webservices 2P2 Universidade Federal de Ouro Preto - UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas - ICEB Departamento de Computação - DECOM Framework de comunicação para Webservices 2P2 Aluno: Brayan Vilela Alves Neves

Leia mais

SONS MAPS. Universidade Federal de Ouro Preto - UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas - ICEB Departamento de Computação - DECOM

SONS MAPS. Universidade Federal de Ouro Preto - UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas - ICEB Departamento de Computação - DECOM Universidade Federal de Ouro Preto - UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas - ICEB Departamento de Computação - DECOM SONS MAPS Aluno: Sandra Daniela do Carmo Barroso Matricula: 08.2.4110 Orientador:

Leia mais

Caracterização de Padrões de Uso da Rede Sem Fio do DECOM Proposta de Projeto de Monograa.

Caracterização de Padrões de Uso da Rede Sem Fio do DECOM Proposta de Projeto de Monograa. Universidade Federal de Ouro Preto - UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas - ICEB Departamento de Computação - DECOM Caracterização de Padrões de Uso da Rede Sem Fio do DECOM Proposta de Projeto

Leia mais

EProcessos: Um Sistema para Edição de Processos de Software

EProcessos: Um Sistema para Edição de Processos de Software Universidade Federal de Ouro Preto - UFOP Instituto de Ciencias Exatas e Biologicas - ICEB Departamento de Computação - DECOM EProcessos: Um Sistema para Edição de Processos de Software Aluno: Sávio Geraldo

Leia mais

ESTUDO DE CASO: IMPLEMENTAÇÃO DE UM SERVIÇO DE E-MAIL PARA O DEPARTAMENTO DE COMPUTAÇÃO

ESTUDO DE CASO: IMPLEMENTAÇÃO DE UM SERVIÇO DE E-MAIL PARA O DEPARTAMENTO DE COMPUTAÇÃO Universidade Federal de Ouro Preto - UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas - ICEB Departamento de Computação - DECOM ESTUDO DE CASO: IMPLEMENTAÇÃO DE UM SERVIÇO DE E-MAIL PARA O DEPARTAMENTO DE

Leia mais

Framework de comunicação para Webservices 2P2

Framework de comunicação para Webservices 2P2 Universidade Federal de Ouro Preto - UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas - ICEB Departamento de Computação - DECOM Framework de comunicação para Webservices 2P2 Aluno: Brayan Vilela Alves Neves

Leia mais

Mistool, uma Ferramenta para Aplicação Colaborativa do Método de Inspeção Semiótica

Mistool, uma Ferramenta para Aplicação Colaborativa do Método de Inspeção Semiótica Universidade Federal de Ouro Preto - UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas - ICEB Departamento de Computação - DECOM Mistool, uma Ferramenta para Aplicação Colaborativa do Método de Inspeção Semiótica

Leia mais

COBERTURA EM UMA REDE DE SENSORES SEM FIO

COBERTURA EM UMA REDE DE SENSORES SEM FIO COBERTURA EM UMA REDE DE SENSORES SEM FIO Vivian Lúcia Bittencourt Drumond Universidade Presidente Antônio Carlos Rodovia MG 368 KM 12 Colônia Rodrigo Silva Barbacena Minas Gerais Brasil viviandrumond@yahoo.com.br

Leia mais

Máquinas Virtuais: Windows 2008 Server

Máquinas Virtuais: Windows 2008 Server Máquinas Virtuais: Windows 2008 Server André Luiz Silva de Moraes chameandre@gmail.com Faculdade Senac http://www.senacrs.com.br Feira das Oportunidades 04 de Maio de 2011 1 / 11 1 Conceitos Básicos Definições

Leia mais

SIMULAÇÃO DE COLETA DE DADOS EM REDES DE SENSORES SEM FIO POR ROBÔS MÓVEIS UTILIZANDO A FERRAMENTA PLAYER STAGE

SIMULAÇÃO DE COLETA DE DADOS EM REDES DE SENSORES SEM FIO POR ROBÔS MÓVEIS UTILIZANDO A FERRAMENTA PLAYER STAGE GABRIEL ANGELO NAZÁRIO Orientadora: Andréa Iabrudi Tavares SIMULAÇÃO DE COLETA DE DADOS EM REDES DE SENSORES SEM FIO POR ROBÔS MÓVEIS UTILIZANDO A FERRAMENTA PLAYER STAGE Ouro Preto Novembro de 2012 Universidade

Leia mais

Framework de comunicação para Webservices P2P

Framework de comunicação para Webservices P2P Universidade Federal de Ouro Preto - UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas - ICEB Departamento de Computação - DECOM Framework de comunicação para Webservices P2P Aluno: Brayan Vilela Alves Neves

Leia mais

Proposta de uma Biblioteca Digital para Documentos Técnico-cientícos do Departamento de Computação da Universidade Federal de Ouro Preto

Proposta de uma Biblioteca Digital para Documentos Técnico-cientícos do Departamento de Computação da Universidade Federal de Ouro Preto Universidade Federal de Ouro Preto - UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas - ICEB Departamento de Computação - DECOM Proposta de uma Biblioteca Digital para Documentos Técnico-cientícos do Departamento

Leia mais

WEBDISC - Sistema Web para Gerenciamento de Disciplinas

WEBDISC - Sistema Web para Gerenciamento de Disciplinas Universidade Federal de Ouro Preto - UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas - ICEB Departamento de Computação - DECOM WEBDISC - Sistema Web para Gerenciamento de Disciplinas Aluno: Antonio Carlos

Leia mais

COLETA E MINERAÇÃO DE DADOS DE REDES SOCIAIS

COLETA E MINERAÇÃO DE DADOS DE REDES SOCIAIS Universidade Federal de Ouro Preto - UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas - ICEB Departamento de Computação - DECOM COLETA E MINERAÇÃO DE DADOS DE REDES SOCIAIS Aluno: Milton Stiilpen Júnior

Leia mais

Universidade Federal de Ouro Preto - UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas - ICEB Departamento de Computação - DECOM

Universidade Federal de Ouro Preto - UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas - ICEB Departamento de Computação - DECOM Universidade Federal de Ouro Preto - UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas - ICEB Departamento de Computação - DECOM DESENVOLVIMENTO E IMPLANTAÇÃO DE UMA METODOLOGIA PARA GESTÃO DE PROJETOS DE

Leia mais

CONTAGEM DE PESSOAS POR VÍDEO USANDO CÂMERAS EM POSIÇÃO ZENITAL

CONTAGEM DE PESSOAS POR VÍDEO USANDO CÂMERAS EM POSIÇÃO ZENITAL Universidade Federal de Ouro Preto - UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas - ICEB Departamento de Computação - DECOM CONTAGEM DE PESSOAS POR VÍDEO USANDO CÂMERAS EM POSIÇÃO ZENITAL Aluno: Victor

Leia mais

UMA ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE SERVIDORES PROXY DE ALTO DESEMPENHO.

UMA ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE SERVIDORES PROXY DE ALTO DESEMPENHO. Universidade Federal de Ouro Preto - UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas - ICEB Departamento de Computação - DECOM UMA ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE SERVIDORES PROXY DE ALTO DESEMPENHO. Aluno: Pedro

Leia mais

Análise e Comparação de Métodos de Pré-processamento de Imagens e Extração de Características em Impressões Digitais

Análise e Comparação de Métodos de Pré-processamento de Imagens e Extração de Características em Impressões Digitais Universidade Federal de Ouro Preto - UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas - ICEB Departamento de Computação - DECOM Análise e Comparação de Métodos de Pré-processamento de Imagens e Extração

Leia mais

TerraME HPA (High Performance Architecture)

TerraME HPA (High Performance Architecture) Universidade Federal de Ouro Preto - UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas - ICEB Departamento de Computação - DECOM TerraME HPA (High Performance Architecture) Aluno: Saulo Henrique Cabral Silva

Leia mais

ANÁLISE DE TRÁFEGO EM REDES MUNI-WI

ANÁLISE DE TRÁFEGO EM REDES MUNI-WI Universidade Federal de Ouro Preto - UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas - ICEB Departamento de Computação - DECOM ANÁLISE DE TRÁFEGO EM REDES MUNI-WI Aluno: Luís Alberto Moreira Matricula:

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. TURMA: 3º Sem. EMENTA

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. TURMA: 3º Sem. EMENTA Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: Informação e Comunicação CURSO: Técnico em Informática FORMA/GRAU:( )integrado ( x )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura ( ) tecnólogo

Leia mais

Computador Digital Circuitos de um computador (Hardware)

Computador Digital Circuitos de um computador (Hardware) Computador Digital SIS17 - Arquitetura de Computadores (Parte I) Máquina que pode resolver problemas executando uma série de instruções que lhe são fornecidas. Executa Programas conjunto de instruções

Leia mais

Sistema Datachk. Plano de Projeto. Versão <1.0> Z u s a m m e n a r b e i t I d e i a s C o l a b o r a t i v a s

Sistema Datachk. Plano de Projeto. Versão <1.0> Z u s a m m e n a r b e i t I d e i a s C o l a b o r a t i v a s Plano de Projeto Versão Z u s a m m e n a r b e i t I d e i a s C o l a b o r a t i v a s 2010 2 Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autores 07/04/2010 1.0 Criação da primeira versão do Plano

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DE UM ALGORITMO DE PADRÕES DE SEQUÊNCIA PARA DESCOBERTA DE ASSOCIAÇÕES ENTRE PRODUTOS DE UMA BASE DE DADOS REAL

IMPLEMENTAÇÃO DE UM ALGORITMO DE PADRÕES DE SEQUÊNCIA PARA DESCOBERTA DE ASSOCIAÇÕES ENTRE PRODUTOS DE UMA BASE DE DADOS REAL Universidade Federal de Ouro Preto - UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas - ICEB Departamento de Computação - DECOM IMPLEMENTAÇÃO DE UM ALGORITMO DE PADRÕES DE SEQUÊNCIA PARA DESCOBERTA DE ASSOCIAÇÕES

Leia mais

INFORMÁTICA INFORMÁTICA BÁSICA

INFORMÁTICA INFORMÁTICA BÁSICA INFORMÁTICA BÁSICA PROF. MARCOS VINICIUS GRADUADO EM ANÁLISES DE SISTEMAS. PÓS-GRADUADO EM ADMINISTRAÇÃO E SEGURANÇA DE SISTEMAS COMPUTACIONAIS FACULDADE ESTÁCIO DE SÁ. ANALISTA DE SISTEMAS E DBA SQL SERVER

Leia mais

SWAT - Sistema Web de Avaliação de Trabalhos

SWAT - Sistema Web de Avaliação de Trabalhos SWAT - Sistema Web de Avaliação de Trabalhos Kayran dos Santos David Menotti Universidade Federal de Ouro Preto Bacharelado em Ciência da Computação Disciplina de Monograa II 17 de Setembro de 2011 1 /

Leia mais

Projeto de controle e Automação de Antena

Projeto de controle e Automação de Antena Projeto de controle e Automação de Antena Wallyson Ferreira Resumo expandido de Iniciação Tecnológica PUC-Campinas RA: 13015375 Lattes: K4894092P0 wallysonbueno@gmail.com Omar C. Branquinho Sistemas de

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Plano de Trabalho Docente 2012

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Plano de Trabalho Docente 2012 Plano de Trabalho Docente 2012 Ensino Técnico ETEC Monsenhor Antônio Magliano Código: 088 Município: Garça Eixo Tecnológico: Informação e Comunicação Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de

Leia mais

TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NO ENSINO DE COMPUTAÇÃO: UM GAME PARA O ENSINO DE ALGORITMOS

TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NO ENSINO DE COMPUTAÇÃO: UM GAME PARA O ENSINO DE ALGORITMOS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NO ENSINO DE COMPUTAÇÃO: UM GAME PARA O ENSINO DE ALGORITMOS Guilherme Roberty Goulart 1 Renato Oliveira Abreu 2 1 Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia

Leia mais

Caracterização de Padrões de Uso da Rede do DECOM Relatório de Atividades Desenvolvidas em Monograa 1.

Caracterização de Padrões de Uso da Rede do DECOM Relatório de Atividades Desenvolvidas em Monograa 1. Universidade Federal de Ouro Preto - UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas - ICEB Departamento de Computação - DECOM Caracterização de Padrões de Uso da Rede do DECOM Relatório de Atividades Desenvolvidas

Leia mais

IP addresses and the port numbers of the components.

IP addresses and the port numbers of the components. CURSO DE PROGRAMAÇÃO DE ROBÔS MÓVEIS USP - ICMC LRM: Laboratório de Robótica Móvel Profs. Denis Wolf, Eduardo Simões, Fernando Osório Alunos PG - Alberto Hata, Gustavo Pessin, Patrick Shinzato, Maurício

Leia mais

DEFINIÇÃO DE UMA REDE DE SENSORES SEM FIO PARA A ARQUITETURA AGROMOBILE 1

DEFINIÇÃO DE UMA REDE DE SENSORES SEM FIO PARA A ARQUITETURA AGROMOBILE 1 DEFINIÇÃO DE UMA REDE DE SENSORES SEM FIO PARA A ARQUITETURA AGROMOBILE 1 Marcos Sulzbach Morgenstern 2, Roger Victor Alves 3, Vinicius Maran 4. 1 Projeto de Pesquisa Agromobile - Uma Arquitetura de Auxílio

Leia mais

Um Ambiente Gráfico para Desenvolvimento de Software de Controle para Robôs Móveis Utilizando Simulação 3D

Um Ambiente Gráfico para Desenvolvimento de Software de Controle para Robôs Móveis Utilizando Simulação 3D Um Ambiente Gráfico para Desenvolvimento de Software de Controle para Robôs Móveis Utilizando Simulação 3D Cardoso Marchezi e Hans-Jorg Andreas Schneebeli VIII Simpósio Brasileiro de Automação Inteligente

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS PROJETO INTEGRADOR. 2º PERÍODO Gestão da Tecnologia da Informação GOIÂNIA 2013.

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS PROJETO INTEGRADOR. 2º PERÍODO Gestão da Tecnologia da Informação GOIÂNIA 2013. FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS PROJETO INTEGRADOR 2º PERÍODO Gestão da Tecnologia da Informação GOIÂNIA 2013. 1. INFORMAÇÕES GERAIS Coordenadora do Curso: Lucília Gomes Ribeiro Professora coorientadora:

Leia mais

: Administração Produção : Linguagem de : Adminstração Banco 1 :Administração Storage Sistema z/os Sistema z/vm : Melhores Práticas em Gestão de Tecnologia - IL Módulo : : Administração Produção : Linguagem

Leia mais

Relatório Trabalho Prático 2 : Colônia de Formigas para Otimização e Agrupamento

Relatório Trabalho Prático 2 : Colônia de Formigas para Otimização e Agrupamento Relatório Trabalho Prático 2 : Colônia de Formigas para Otimização e Agrupamento Ramon Pereira Lopes Rangel Silva Oliveira 31 de outubro de 2011 1 Introdução O presente documento refere-se ao relatório

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE

QUALIDADE DE SOFTWARE DOCENTE PROFESSOR CELSO CANDIDO QUALIDADE DE SOFTWARE Formação: o Bacharel em Sistemas de Informações (SI); o MBA em Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC). Conhecimentos: o Web Designer; o Arquitetura

Leia mais

TÍTULO: FUTEBOL DE ROBÔS INTELIGENTES: ESTUDO E ELABORAÇÃO DE UMA SIMULAÇÃO PARA O TORNEIO DA ROBOCUP.

TÍTULO: FUTEBOL DE ROBÔS INTELIGENTES: ESTUDO E ELABORAÇÃO DE UMA SIMULAÇÃO PARA O TORNEIO DA ROBOCUP. TÍTULO: FUTEBOL DE ROBÔS INTELIGENTES: ESTUDO E ELABORAÇÃO DE UMA SIMULAÇÃO PARA O TORNEIO DA ROBOCUP. CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DE ALGORITMOS DE APRENDIZADO MULTI- AGENTE EM UM TIME DE FUTEBOL DE ROBÔS

IMPLEMENTAÇÃO DE ALGORITMOS DE APRENDIZADO MULTI- AGENTE EM UM TIME DE FUTEBOL DE ROBÔS IMPLEMENTAÇÃO DE ALGORITMOS DE APRENDIZADO MULTI- AGENTE EM UM TIME DE FUTEBOL DE ROBÔS Aluno: Maurício Pedro Silva Gonçalves Vieira Orientador: Karla Figueiredo Introdução Uma partida de futebol robótico

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO, PESQUISA E INOVAÇÃO DIRETORIA DE INOVAÇÃO E PESQUISA FORMULÁRIO II: Relatório de Atividades de Pesquisa

PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO, PESQUISA E INOVAÇÃO DIRETORIA DE INOVAÇÃO E PESQUISA FORMULÁRIO II: Relatório de Atividades de Pesquisa PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO, PESQUISA E INOVAÇÃO DIRETORIA DE INOVAÇÃO E PESQUISA FORMULÁRIO II: Relatório de Atividades de Pesquisa 1. IDENTIFICAÇÃO TÍTULO TMCAP Tecnologia Móvel para Captura e Armazenamento

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores I. de Computadores

Organização e Arquitetura de Computadores I. de Computadores Universidade Federal de Campina Grande Unidade Acadêmica de Sistemas e Computação Curso de Bacharelado em Ciência da Computação Organização e Arquitetura de Computadores I Organização Básica B de Computadores

Leia mais

Curso Técnico em Informática Organização Curricular. A carga horária total dos módulos é oferecida conforme quadro síntese abaixo:

Curso Técnico em Informática Organização Curricular. A carga horária total dos módulos é oferecida conforme quadro síntese abaixo: FEDERAÇÃO DOS CÍRCULOS OPERÁRIOS DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA TÉCNICA SANTO INÁCIO Estrada Costa Gama, nº 1009 Belém Velho - Porto Alegre RS Fone: (51) 3374-2858 escola@stoinacio.com.br www.stoinacio.com.br

Leia mais

BUSCANDO UM PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE PARA AUXILIAR A GESTÃO DE PRODUÇÃO DO PBL-VE E DO PBL-VS

BUSCANDO UM PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE PARA AUXILIAR A GESTÃO DE PRODUÇÃO DO PBL-VE E DO PBL-VS 973 BUSCANDO UM PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE PARA AUXILIAR A GESTÃO DE PRODUÇÃO DO PBL-VE E DO PBL-VS Jéssica Magally de Jesus Santos 1 ; Gabriela Ribeiro Peixoto Rezende Pinto 2 1. Bolsista

Leia mais

Ementas Disciplinas Eletivas

Ementas Disciplinas Eletivas Ementas Disciplinas Eletivas INFORMÁTICA Administração de Redes CH: 60 h Créditos: 2.1.0 Pré-requisito(s): Redes de Computadores II Conceitos e políticas de administração de redes. Gerência de redes e

Leia mais

Projetos I Resumo de TCC. Luiz Rogério Batista De Pieri Mat: 0413829 5

Projetos I Resumo de TCC. Luiz Rogério Batista De Pieri Mat: 0413829 5 Projetos I Resumo de TCC Luiz Rogério Batista De Pieri Mat: 0413829 5 MAD RSSF: Uma Infra estrutura de Monitoração Integrando Redes de Sensores Ad Hoc e uma Configuração de Cluster Computacional (Denise

Leia mais

Manual da Aplicação Water Monitor

Manual da Aplicação Water Monitor Manual da Aplicação Water Monitor 1. Descrição da Aplicação 2. Pré-Requisitos de Instalação 3. Passos para Execução 4. Instruções de Uso das Funcionalidades 5. Observações 1. Descrição da Aplicação A aplicação

Leia mais

1/26/2009. Baseadas em http://www.voelter.de/services/mdsdtutorial.html. Experiência pessoal/profissional/acadêmica

1/26/2009. Baseadas em http://www.voelter.de/services/mdsdtutorial.html. Experiência pessoal/profissional/acadêmica Baseadas em http://www.voelter.de/services/mdsdtutorial.html Experiência pessoal/profissional/acadêmica 1 Metamodelo UML Meu Metamodelo Meu processo de negócios Meu processo de negócios Stereotypes Perfis

Leia mais

Estudo do impacto da carga no planejamento de rota para coleta de dados por robôs móveis em redes de sensores sem fio

Estudo do impacto da carga no planejamento de rota para coleta de dados por robôs móveis em redes de sensores sem fio Estudo do impacto da carga no planejamento de rota para coleta de dados por robôs móveis em redes de sensores sem fio Gabriel Angelo Nazário 1, Andréa Iabrudi 1, Silmara Ribeiro 1 1 Departamento de Computação

Leia mais

Projeto de Sistemas Distribuídos. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com

Projeto de Sistemas Distribuídos. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Projeto de Sistemas Distribuídos Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Exemplos de SD Quais podem ser? Ex. de SD: Internet Internet é um conjunto de redes de computadores, de muitos tipos diferentes,

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES (FAQS) Como posso entrar com dados geométricos da edificação?

PERGUNTAS FREQUENTES (FAQS) Como posso entrar com dados geométricos da edificação? PERGUNTAS FREQUENTES (FAQS) Data de Revisão: 8/3/2013 Como posso entrar com dados geométricos da edificação? O Domus possui atualmente duas interfaces gráficas para entrada de dados geométricos. A segunda

Leia mais

HORÁRIO DE PROVAS 1º semestre 2012

HORÁRIO DE PROVAS 1º semestre 2012 1º PERÍODO 1ª Bimestrais 26/03 Cálculo Diferencial e Integral I 28/03 Comunicação e Expressão 29/03 Lógica para Computação 30/03 Introdução à Computação 02/04 Geometria Analítica e Vetores 03/04 Física

Leia mais

Controle Inteligente de Robôs Móveis Autônomos utilizando Sistemas Inteligentes

Controle Inteligente de Robôs Móveis Autônomos utilizando Sistemas Inteligentes Controle Inteligente de Robôs Móveis Autônomos utilizando Sistemas Inteligentes Aluno: Gabriel Lins Tenório Orientadoras: Roxana Jiménez e Marley Rebuzzi Vellasco Introdução A aplicação de robôs móveis

Leia mais

Ambiente de Simulação Virtual para Capacitação e Treinamento na Manutenção de. Disjuntores de Subestações de Energia Elétrica,

Ambiente de Simulação Virtual para Capacitação e Treinamento na Manutenção de. Disjuntores de Subestações de Energia Elétrica, Ambiente de Simulação Virtual para Capacitação e Treinamento na Manutenção de Disjuntores de Subestações de Energia Elétrica Prof. Dr. Lineu Belico dos Reis EPUSP Resumo: O informe técnico apresenta a

Leia mais

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Introdução Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software Os modelos de processos de desenvolvimento de software surgiram pela necessidade de dar resposta às

Leia mais

Desenvolvendo um Ambiente de Aprendizagem a Distância Utilizando Software Livre

Desenvolvendo um Ambiente de Aprendizagem a Distância Utilizando Software Livre Desenvolvendo um Ambiente de Aprendizagem a Distância Utilizando Software Livre Fabrício Viero de Araújo, Gilse A. Morgental Falkembach Programa de Pós-graduação em Engenharia de Produção - PPGEP Universidade

Leia mais

Desenvolvimento de Aplicações Embarcadas

Desenvolvimento de Aplicações Embarcadas Desenvolvimento de Aplicações Embarcadas Aplicações embarcadas, ou sistemas embarcados, executam em processadores instalados (embarcados) em dispositivos cuja função precípua não é o processamento da informação.

Leia mais

AVALIAÇÃO DE REDES DE SENSORES SEM FIO COMO FERRAMENTA PARA A IMPLEMENTAÇÃO DE ALERTAS ANTECIPADOS DE EMERGÊNCIAS NO ESTADO DA PARAÍBA

AVALIAÇÃO DE REDES DE SENSORES SEM FIO COMO FERRAMENTA PARA A IMPLEMENTAÇÃO DE ALERTAS ANTECIPADOS DE EMERGÊNCIAS NO ESTADO DA PARAÍBA AVALIAÇÃO DE REDES DE SENSORES SEM FIO COMO FERRAMENTA PARA A IMPLEMENTAÇÃO DE ALERTAS ANTECIPADOS DE EMERGÊNCIAS NO ESTADO DA PARAÍBA BRITO 1, Antônio Cavalcanti CARVALHO 2, Fabricio Braga Soares MARINHO

Leia mais

USO DA ARQUITETURA AURA - AUTONOMOUS ROBOT ARCHITECTURE EM UM ROBÔ EXPLORADOR DE LABIRINTO CONTROLADO POR RASPBERRY PI.

USO DA ARQUITETURA AURA - AUTONOMOUS ROBOT ARCHITECTURE EM UM ROBÔ EXPLORADOR DE LABIRINTO CONTROLADO POR RASPBERRY PI. USO DA ARQUITETURA AURA - AUTONOMOUS ROBOT ARCHITECTURE EM UM ROBÔ EXPLORADOR DE LABIRINTO CONTROLADO POR RASPBERRY PI. Resumo João Paulo Fernandes da Silva¹, Willame Balbino Bonfim 1. joaopauloibge@hotmail.com

Leia mais

MODELAGEM DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

MODELAGEM DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Unidade III MODELAGEM DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Daniel Arthur Gennari Junior Sobre esta aula Ciclo de Vida de Sistemas Engenharia de Software Aplicações de Software Diagramação de Software Ciclo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA COLÉGIO TÉCNICO INDUSTRIAL DE SANTA MARIA Curso de Eletrotécnica

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA COLÉGIO TÉCNICO INDUSTRIAL DE SANTA MARIA Curso de Eletrotécnica UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA COLÉGIO TÉCNICO INDUSTRIAL DE SANTA MARIA Curso de Eletrotécnica Apostila de Automação Industrial Elaborada pelo Professor M.Eng. Rodrigo Cardozo Fuentes Prof. Rodrigo

Leia mais

ATIVIDADE 1 MÁQUINAS VIRTUAIS. 1.1 Arquiteturas não virtualizadas

ATIVIDADE 1 MÁQUINAS VIRTUAIS. 1.1 Arquiteturas não virtualizadas ATIVIDADE 1 MÁQUINAS VIRTUAIS Existem hoje diversas tecnologias e produtos para virtualização de computadores e ambientes de execução, o que pode gerar uma certa confusão de conceitos. Apesar disso, cada

Leia mais

Agentes Inteligentes. Inteligência Artificial. Exemplos. Agentes Inteligentes. Prof. Ms. Luiz Alberto Contato: lasf.bel@gmail.com

Agentes Inteligentes. Inteligência Artificial. Exemplos. Agentes Inteligentes. Prof. Ms. Luiz Alberto Contato: lasf.bel@gmail.com Agentes Inteligentes Inteligência Artificial Um agente é algo capaz de perceber seu ambiente por meio de sensores e de agir sobre esse ambiente por meio de atuadores. Agente Prof. Ms. Luiz Alberto Contato:

Leia mais

MSGVNS: UM ALGORITMO HEURÍSTICO PARA O PROBLEMA DE GERENCIAMENTO DE ESCALA OPERACIONAL DE CONTROLADORES DE TRÁFEGO AÉREO

MSGVNS: UM ALGORITMO HEURÍSTICO PARA O PROBLEMA DE GERENCIAMENTO DE ESCALA OPERACIONAL DE CONTROLADORES DE TRÁFEGO AÉREO Universidade Federal de Ouro Preto - UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas - ICEB Departamento de Computação - DECOM MSGVNS: UM ALGORITMO HEURÍSTICO PARA O PROBLEMA DE GERENCIAMENTO DE ESCALA

Leia mais

Introdução à Sistemas Operacionais. Glauber Magalhães Pires

Introdução à Sistemas Operacionais. Glauber Magalhães Pires Introdução à Sistemas Operacionais Glauber Magalhães Pires Agenda O que são sistemas operacionais? Histórico Primeira geração (1945-1955) Segunda geração (1955-1965) Terceira geração (1965-1980) Quarta

Leia mais

Tutorial de Computação Programação em Python para MEC1100 v2010.11

Tutorial de Computação Programação em Python para MEC1100 v2010.11 Tutorial de Computação Programação em Python para MEC1100 v2010.11 Linha de Equipamentos MEC Desenvolvidos por: Maxwell Bohr Instrumentação Eletrônica Ltda. Rua Porto Alegre, 212 Londrina PR Brasil http://www.maxwellbohr.com.br

Leia mais

METODOLOGIA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

METODOLOGIA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS METODOLOGIA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS COORDENAÇÃO DE SISTEMAS (CODES) JUNHO/2011 Rua do Rouxinol, N 115 / Salvador Bahia CEP: 41.720-052 Telefone: (71) 3186-0001. Email: codes@ifbaiano.edu.br Site:

Leia mais

Principais Responsabilidades:

Principais Responsabilidades: DESENHO DE CARGO E TAREFAS DO DESENVOLVEDOR WEB Conhecimento dos sistemas gerenciadores de banco (MySQL), modelagem de dados, inglês técnico. Conhecimento em plataformas e metodologias de desenvolvimento

Leia mais

Manual de Instalação da Plataforma Scorpion. 1. Como conectar a Plataforma Scorpion com a Xilinx Starter-3E kit

Manual de Instalação da Plataforma Scorpion. 1. Como conectar a Plataforma Scorpion com a Xilinx Starter-3E kit Manual de Instalação da Plataforma Scorpion 1. Como conectar a Plataforma Scorpion com a Xilinx Starter-3E kit Para começar a ler este manual, é bom que você conheça os componentes desta conexão. Plataforma

Leia mais

dois podem ser alternados com algumas coisas em mente. Por exemplo, temos aqui um valor ORACLE_BASE que você pode encontrar no Linux/Unix:

dois podem ser alternados com algumas coisas em mente. Por exemplo, temos aqui um valor ORACLE_BASE que você pode encontrar no Linux/Unix: 2 Oracle 11g para Leigos dois podem ser alternados com algumas coisas em mente. Por exemplo, temos aqui um valor ORACLE_BASE que você pode encontrar no Linux/Unix: $ORACLE_BASE: /u01/app/oracle No Windows,

Leia mais

Ambientes Virtuais Interativos e Inteligentes: Fundamentos, Implementação e Aplicações Práticas

Ambientes Virtuais Interativos e Inteligentes: Fundamentos, Implementação e Aplicações Práticas Ambientes Virtuais Interativos e Inteligentes: Fundamentos, Implementação e Aplicações Práticas Fernando S. Osório Soraia Raupp Musse Cássia Trojahn dos Santos Farlei Heinen Adriana Braum André Tavares

Leia mais

MODELIX SYSTEM SOFTWARE DE PROGRAMAÇÃO DE ROBÔS

MODELIX SYSTEM SOFTWARE DE PROGRAMAÇÃO DE ROBÔS MODELIX SYSTEM SOFTWARE DE PROGRAMAÇÃO DE ROBÔS A Modelix Robotics é pioneira dentre as empresas nacionais no segmento de robótica educacional (uso acadêmico e educação tecnológica) e robótica para usuário

Leia mais

Micro Mídia Informática Fevereiro/2009

Micro Mídia Informática Fevereiro/2009 Micro Mídia Informática Fevereiro/2009 1 UML Introdução Fases de Desenvolvimento Notação Visões Análise de Requisitos Casos de Uso StarUML Criando Casos de Uso Orientação a Objetos Diagrama de Classes

Leia mais

PLANO DE ENSINO-APRENDIZAGEM 1º Semestre de 2009

PLANO DE ENSINO-APRENDIZAGEM 1º Semestre de 2009 Departamento: Mecânica PLANO DE ENSINO-APRENDIZAGEM 1º Semestre de 2009 Disciplina: MICROPROCESSADORES I Modalidade.: Mecânica de Precisão Carga Horária Semanal: 04 horasaulas Carga Horária Total: 72 horas-aulas

Leia mais

Virtual Box. Guia. Instalação E Utilização. Criado por Wancleber Vieira wancleber.vieira@ibest.com.br

Virtual Box. Guia. Instalação E Utilização. Criado por Wancleber Vieira wancleber.vieira@ibest.com.br Virtual Box Guia De Instalação E Utilização 1 Sumário Instalação do Linux Ubuntu através de um gerenciador de Máquinas Virtuais 1.1 Introdução, 3 1.2 Instalação do Virtual Box, 3 1.3 Configuração do Virtual

Leia mais

Sistemas operacionais de rede: Windows e Linux

Sistemas operacionais de rede: Windows e Linux Sistemas operacionais de rede: Windows e Linux Introdução Um sistema operacional de rede é simplesmente um sistema operacional com serviços de rede, que chamamos de um modo geral de servidor. Dependendo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA JNC MOBILE 2.0. Anderson Buon Berto Gilberto Torrezan Filho. Florianópolis - SC 2005/1

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA JNC MOBILE 2.0. Anderson Buon Berto Gilberto Torrezan Filho. Florianópolis - SC 2005/1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA JNC MOBILE 2.0 Anderson Buon Berto Gilberto Torrezan Filho Florianópolis - SC 2005/1 1 Sumário 1 Introdução 3 2 Denição do Problema 3 3 Trabalhos Correlatos 4 4 Solução

Leia mais

MATA49 Programação de Software Básico

MATA49 Programação de Software Básico MATA49 Programação de Software Básico Leandro Andrade leandrojsadcc.ufba.br PROF. LEANDRO ANDRADE 1 Planejamento Avaliação Uma prova Dois trabalhos práticos Média Final = (P1 + T1 + T2) / 3 Provável

Leia mais

Trabalho de Conclusão de Curso TUTORIAL DA LINGUAGEM ASSEMBLY UTILIZANDO O VXT

Trabalho de Conclusão de Curso TUTORIAL DA LINGUAGEM ASSEMBLY UTILIZANDO O VXT Trabalho de Conclusão de Curso TUTORIAL DA LINGUAGEM ASSEMBLY UTILIZANDO O VXT Acadêmica: Marilene Linzmeier Orientador: Antônio Carlos Tavares Área/Sub-Área do Trabalho Desenvolvimento de Sistemas/Informática

Leia mais

O Windows é um software de sistema, que permite ao utilizador interagir com o computador e com os seus periféricos.

O Windows é um software de sistema, que permite ao utilizador interagir com o computador e com os seus periféricos. Sistema Operativo Windows - Ambiente de trabalho - Janelas - Atalhos - Programas - Gestão de pastas e ficheiros - Menu iniciar O Windows é um software de sistema, que permite ao utilizador interagir com

Leia mais

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO Intranets FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO As intranets são redes internas às organizações que usam as tecnologias utilizadas na rede mundial

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira. Aula 05 Estrutura e arquitetura do SO Parte 2. Cursos de Computação

Sistemas Operacionais. Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira. Aula 05 Estrutura e arquitetura do SO Parte 2. Cursos de Computação Cursos de Computação Sistemas Operacionais Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira Aula 05 Estrutura e arquitetura do SO Parte 2 Referência: MACHADO, F.B. ; MAIA, L.P. Arquitetura de Sistemas Operacionais. 4.ed. LTC,

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE PERNAMBUCO ANEXO III CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS 1. CARGO: ANALISTA DE GESTÃO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA AGCT- ÁREA CONTABILIDADE

GOVERNO DO ESTADO DE PERNAMBUCO ANEXO III CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS 1. CARGO: ANALISTA DE GESTÃO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA AGCT- ÁREA CONTABILIDADE ANEXO III CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS 1. CARGO: ANALISTA DE GESTÃO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA AGCT- ÁREA CONTABILIDADE LÍNGUA PORTUGUESA: NOÇÕES DE INFORMÁTICA Conceitos básicos de operação de microcomputadores.

Leia mais

WEB DISC SISTEMA WEB PARA GERENCIAMENTO DE DISCIPLINAS

WEB DISC SISTEMA WEB PARA GERENCIAMENTO DE DISCIPLINAS Universidade Federal de Ouro Preto - UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas - ICEB Departamento de Computação - DECOM WEB DISC SISTEMA WEB PARA GERENCIAMENTO DE DISCIPLINAS Aluno: Antonio Carlos

Leia mais

GINGA - Software Livre para TV Digital Brasileira

GINGA - Software Livre para TV Digital Brasileira 1 of 6 23/6/2010 22:40 GINGA - Software Livre para TV Digital Brasileira Autor: Paulo Roberto Junior - WoLF Data: 13/04/2009 O que é GINGA Posso falar com minhas próprias indagações

Leia mais

Desenvolvimento de Estratégia para Programação do Futebol de Robôs da Mauá

Desenvolvimento de Estratégia para Programação do Futebol de Robôs da Mauá Desenvolvimento de Estratégia para Programação do Futebol de Robôs da Mauá Wânderson O. Assis, Alessandra D. Coelho, Marcelo M. Gomes, Cláudio G. Labate, Daniel F. Calasso, João Carlos G. C. Filho Escola

Leia mais

Apresentação. Rio de Janeiro, 19 de fevereiro de 2002 Waldemar Celes

Apresentação. Rio de Janeiro, 19 de fevereiro de 2002 Waldemar Celes Apresentação A disciplina de Estruturas de Dados (ED) está sendo ministrada em sua nova versão desde o segundo semestre de 1998. Trata-se da segunda disciplina de informática oferecida no curso de Engenharia

Leia mais

Controle de Temperatura de Transformador

Controle de Temperatura de Transformador Controle de Temperatura de Transformador Eng. Vitor Donaduzzi Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS Email: vitordonaduzzi@gmail.com Resumo Este artigo tem o objetivo de apresentar um projeto

Leia mais

INDICADORES DE PERFORMANCE PARA EMPRESAS DE SEGURANÇA. Como medir resultados e fugir de gargalos de recursos na sua organização

INDICADORES DE PERFORMANCE PARA EMPRESAS DE SEGURANÇA. Como medir resultados e fugir de gargalos de recursos na sua organização PERFORMANCE PARA EMPRESAS DE SEGURANÇA Como medir resultados e fugir de gargalos de recursos na sua organização INTRODUÇÃO Cada vez mais empresas de segurança brasileiras procuram a profissionalização

Leia mais

Planejando a migração para Software Livre

Planejando a migração para Software Livre Planejando a migração para Software Livre Definição: Migração (subs): Movimento de determinado ambiente ou plataforma operacional para outro. Para muitos esta palavra é sinônimo de dores de cabeça... :)

Leia mais

Sistemas Operacionais Arquitetura e organização de sistemas operacionais: Uma visão estrutural hardware & software. Prof. MSc.

Sistemas Operacionais Arquitetura e organização de sistemas operacionais: Uma visão estrutural hardware & software. Prof. MSc. Sistemas Operacionais Arquitetura e organização de sistemas operacionais: Uma visão estrutural hardware & software Prof. MSc. Hugo Souza Continuando nossas aulas relativas ao Módulo 1, veremos a seguir

Leia mais

Permite a coleta de dados em tempo real dos processos de produção, possuindo, também, interfaces para a transferência dos dados para os sistemas

Permite a coleta de dados em tempo real dos processos de produção, possuindo, também, interfaces para a transferência dos dados para os sistemas Permite a coleta de dados em tempo real dos processos de produção, possuindo, também, interfaces para a transferência dos dados para os sistemas administrativos da empresa. Nessa configuração, o PC é a

Leia mais