CONCURSO DE ARTIGOS SOBRE INICIATIVAS DE ESTÍMULO À SUSTENTABILIDADE NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS-EDIÇÃO TEMA: GESTÃO AMBIENTAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONCURSO DE ARTIGOS SOBRE INICIATIVAS DE ESTÍMULO À SUSTENTABILIDADE NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS-EDIÇÃO 2012. TEMA: GESTÃO AMBIENTAL"

Transcrição

1 CONCURSO DE ARTIGOS SOBRE INICIATIVAS DE ESTÍMULO À SUSTENTABILIDADE NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS-EDIÇÃO TEMA: GESTÃO AMBIENTAL A LEI GERAL DA MICROEMPRESA E AS POSSIBILIDADES PARA A SUSTENTABILIDADE E GESTÃO AMBIENTAL. BELO HORIZONTE DEZEMBRO

2 1. SUMÁRIO 1. SUMÁRIO RESUMO INTRODUÇÃO... 4 a 5 4. DESENVOLVIMENTO... 5 a METODOLOGIA UTILIZADA A IMPORTÂNCIA DAS MPES PARA O BRASIL... 5 a A LEI GERAL DA MICROEMPRESA... 8 a 9 5. DISCUSSÃO... 9 a 11 6.CONCLUSÕES E /OU RECOMENDAÇÕES a CONSULTORIA EMPREENDEDORA SUSTENTAVEL a USO DO PODER DE COMPRA GOVERNAMENTAL PARA A SUSTENTABILIDADE a CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL PARA MPES a REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS

3 2. RESUMO. A lei complementar nº. 123, aprovada em 14 de dezembro de 2006 pode ser considerada a maior conquista das Micro e pequenas empresas (MPES) brasileiras e ficou conhecida como o Estatuto Nacional das Microempresas ; possui um caráter extremamente inovador e desburocratizador, mas deixa, no seu escopo, lacunas referentes à formulação de iniciativas de fomento e estimulo para que as Micro e Pequenas Empresas utilizem-se de processos sustentáveis do ponto de vista ambiental, social e econômico no desenvolvimento de suas atividades, porém pelo simples método de revisão de literatura e análise de conteúdo, exploratória e descritiva, da própria lei e da literatura sobre ela produzida, é possível encontrar possibilidades de formatação de estruturas que podem contribuir para o desenvolvimento sustentável dos municípios e suas microempresas, e com este objetivo analisa-se e sugere-se neste trabalho propostas inovadoras de ações para o fomento e a implantação de políticas públicas possibilitadas pela referida lei, de acordo com a realidade apresentada pelas MPES e suas localidades. PALAVRAS CHAVES: SUSTENTABILIDADE. MUNICÍPIOS. MICRO E PEQUENAS EMPRESAS. 3

4 3. INTRODUÇÃO Conceito complexo, Sustentabilidade é a habilidade de sustentar ou suportar uma ou mais condições, exibida por algo ou alguém e deve atender a um conjunto de variáveis interdependentes e ter a capacidade de integrar as Questões Sociais, Energéticas,Econômicas e Ambientais. Por esta complexidade, atualmente, este conceito tornou-se um princípio, segundo o qual o uso dos recursos naturais para a satisfação de necessidades presentes,não pode comprometer a satisfação das necessidades das gerações futuras. Sustentabilidade se traduz também para empresas, especialmente para MPES com seus poucos recursos, como a manutenção da viabilidade de suas operações, finanças, mercado competitividade e resultados positivos. Cidades sustentáveis geralmente são municípios que adotam uma série de práticas eficientes voltadas para a melhoria da qualidade de vida da população, desenvolvimento econômico e preservação do meio ambiente, e, apesar de atualmente existem várias cidades no Brasil que já adotam práticas sustentáveis, esta não é uma realidade para grande maioria dos municípios brasileiros, que muitas das vezes tem dificuldades para implantação satisfatória de serviços básicos, que se dirá para investimentos sustentáveis Tanto as cidades quanto as empresas devem ser sustentáveis em todos os sentidos e uma série de ações deve ser tomada, para estimulo, a formulação e o fomento à utilização de processos sustentáveis do ponto de vista ambiental, social e econômico, no desenvolvimento de seus processos, atividades, produtos e serviços. 4

5 A lei geral da Microempresa pode ser considerada a maior conquista das MPE s brasileiras e, apesar de apresentar lacunas de fomento a alguns temas, como a sustentabilidade e gestão ambiental, dando-lhe a devida compreensão e atenção, é possível encontrar nela possíveis estruturas para servir como instrumento de criação gestão dos programas de desenvolvimento sustentável aos municípios e instituições, e formas de promover a apropriação destas tecnologias sociais por parte das comunidades e instituições, procurando responder a questão: Quais as possibilidades - em termos de apoio prático e fomento necessário à gestão ambiental e sustentável dos empreendimentos - podem ser encontradas na lei geral do Micro empresa? 4. DESENVOLVIMENTO. 4.1-METODOLOGIA UTILIZADA. Para realizar o objetivo proposto foi realizada a revisão de literatura e análise de conteúdo, exploratória e descritiva, culminando na elaboração das Hipóteses ao final deste trabalho A IMPORTÂNCIA DAS MPES PARA O BRASIL. Roberto Simões, Presidente do Conselho Deliberativo do SEBRAE MG afirma na publicação MANUAL DE IMPLEMENTAÇÃO DA LEI GERAL DA MICRO E PEQUENA EMPRESA EM SEU MUNICÍPIO (SEBRAE, 2008): 5

6 Por sua contribuição na dinâmica econômica municipal, as MPES precisam contar com instrumentos legais que facilitem a gestão, desonerem a carga tributária, desburocratizem os processos e favoreçam a competitividade do segmento. Flávio Barcellos Guimarães no GUIA DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA O DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO MUNICIPAL afirma que: Um bom conjunto de leis municipais é capaz de criar um ambiente propício ao desenvolvimento de negócios, facilitando a vida de todos aqueles que querem correr riscos ao ingressar na atividade empresarial ou ampliar suas atuais atividades. Segundo com o MANUAL DE DESENVOLVIMENTO DOS MUNICÍPIOS (2012), de acordo com lei complementar 123/2006 os pequenos negócios são classificados por porte, com base em seu faturamento anual, como segue : Empreendedor individua l- até R$ 60 mil; Microempresa - até R$ 360 mil; Empresa de pequeno porte - até 3,6 milhões. Ainda são e representam: 6,1 milhões de empresas urbanas formais; 4,1 milhões de pequenas propriedades rurais; 10,3 milhões de empreendedores informais; 99,1% das empresas urbanas e 85% dos estabelecimentos rurais; 20 % do PIB e 2% das exportações; 52,4 % dos empregos formais e 39,7 % da massa salarial. 6

7 Nos trabalhos de pesquisadores percebem-se, em geral, três abordagens principais relacionadas às pequenas empresas: econômica, empreendedora e administrativa (Gimenez e Grave, 1992): A econômica procura mostrar os empregos gerados pelas empresas, sua participação no total de estabelecimentos do país, participação no PIB, e estabelecer a contribuição feita pelas pequenas empresas para o desenvolvimento social e econômico; A empreendedora analisa as condições para criação de empresas, planejamento de novos negócios, capital de risco e perfil dos empreendedores; A administrativa engloba a capacidade de planejamento, gestão e viabilidade dos empreendimentos. A atualidade exige que duas novas abordagens sejam objeto de atenção :A sustentável e a inovativa. Todas estas abordagens estão presentes, em maior ou menor grau, na lei complementar nº 123, aprovada em 14 de dezembro de 2006, que, numa primeira análise, aborda a questão ambiental e sustentável sem muita relevância, aparentemente limitadas ao capítulo destinado à inscrição e baixa, determinando os procedimentos referentes à metrologia, segurança sanitária, controle ambiental e contra incêndios, além de dispor sobre a fiscalização orientadora para atividades que comportem riscos significativos ao meio ambiente, que consiste no procedimento em que os órgãos ambientais, ao detectar não-conformidades, apontem medidas de para regularização, antes de qualquer autuação. Mas ao ser analisada com maior atenção alei 123 apresenta importantes possibilidades sobre o tema. 7

8 A LEI GERAL DA MICRO E DA PEQUENA EMPRESA. Trata-se da lei complementar nº 123, aprovada em 14 de dezembro de 2006, que ficou conhecido como o novo Estatuto Nacional das Microempresas (ME) e das Empresas de Pequeno Porte (EPP) e veio estabelecer normas gerais relativas ao tratamento diferenciado e favorecido a ser dispensado às MEs e EPPs no âmbito dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, nos termos dos artigos 146, III, d, 170, IX e 179 da Constituição Federal,que exige uma ampla regulamentação via decretos, portarias, resoluções e instruções normativas de todos os órgãos e institutos que ela envolve, mudando se constantemente sua regulamentação, tendo já sofrido ajustes pela Lei Complementar n. 127, de 14 de agosto de 2007 e também pela Lei Complementar n. 128, de 19 de dezembro de 2008, tendo concedido como principais benefícios às Micro e Pequenas Empresas (MPEs),segundo o Guia POR DENTRO DA LEI do SEBRAE - SP, de 2008: a) Regime unificado de apuração e recolhimento dos impostos e contribuições da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, inclusive com simplificação das obrigações fiscais acessórias; b) Desoneração tributária das receitas de exportação, substituição tributária, tributação monofásica e ICMS antecipado com encerramento de tributação; c) Dispensa no cumprimento de certas obrigações trabalhistas e previdenciárias; d) Simplificação no processo de abertura, alteração e encerramento das MPEs; e) Possibilidade de abertura da empresa na residência e em áreas irregulares; f) Facilitação no acesso ao crédito e ao mercado; g) Preferência nas compras públicas; h) Estímulo à inovação tecnológica; i) Incentivo ao associativismo na formação de Sociedades de Propósito Específico (SPE) para fomentação de negócios (compra ou venda); j) Incentivo à formação de consórcios para acesso a serviços de segurança e medicina do trabalho; k) Regulamentação da figura do Microempreendedor Individual (MEI).em geral profissionais autônomos que prestam serviços simples, como: sapateiros, barbeiros, costureiras, criando condições favoráveis para sua formalização. 8

9 A Lei Geral já está valendo para todos estados e municípios do Brasil, porém alguns seus itens dependem de ser regulamentados localmente, e a lei obriga que isso seja feito e todos os municípios brasileiros têm de aplicar as normas gerais de tratamento diferenciado e favorecido a ser dispensado MPES e implantar uma Lei Geral Municipal bem elaborada e que vai além dos itens obrigatórios, é capaz de dar um novo impulso à economia local, cujo final é o desenvolvimento sustentável do município, disponibilizando a todos os envolvidos muitos e novos instrumentos para crescimento da formalização, do faturamento, dos empregos gerados, do recolhimento dos impostos, diretos, da lucratividade e da sustentabilidade, num evidente círculo virtuoso. 5. DISCUSSÃO. A lei complementar nº. 123, se mostra como efetivo instrumento de desenvolvimento para o segmento empreendedor, para os municípios e para o próprio Brasil, minimizando os fatores Restritivos e maximizando os impulsionadores, tendo criado regras de tratamento diferenciado e favorecendo as MPES em relação a três aspectos distintos: tributários; trabalhistas e previdenciários; porém deixa lacunas significativas, como a regulamentação de instrumentos de fomento a gestão sustentável e ambiental, mas possibilitando inovações sobre o tema. Segundo o GUIA DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA O DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO MUNICIPAL: SEBRAE/ MG, 2010 existe um número razoável de municípios com este perfil: 9

10 Em geral, possuem uma grande empresa. Se a empresa vai bem, a cidade também vai. Muitos impostos, muitos empregos e bons salários. E vice-versa. Se a empresa vai mal, tudo vai mal. Se a empresa fecha, aí é o caos. A solução para diminuir essa dependência é a desconcentração e o único setor sobre o qual o prefeito pode agir efetivamente é o dos pequenos negócios. A maioria das MPES existentes nos municípios trabalha sem conhecer sequer, de forma satisfatória, o mercado em que atua; enfrentam dificuldades como as vulnerabilidades causadas pela dinâmica macroeconômica, escassez de políticas de fomento ao desenvolvimento de seus empreendimentos, a falta de recursos para investir; desconhecem ou não possuem recursos para adquirir e por isso não utilizam ferramentas de gestão empresariais, de gestão ambiental, os softwares empresariais, os sistemas e serviços empresariais e os mecanismos de apoio à inovação em suas operações, em seus produtos e em seus processos. Com tantos desafios e problemas, qual seria a motivação das MPES para investimentos e ações com a sustentabilidade e a gestão ambiental? Para ajudar a responder a questão, alem da implantação das políticas e ações criadas pela lei geral, é preciso o fomento a criação de iniciativas locais viáveis e adaptadas à realidade apresentada pelos empreendimentos locais, que possam ser a solução para estas fragilidades, por meio de ações que permitam aumentar a lucratividade, consolidar a competitividade e com isso, promover a sobrevivência sustentável. 10

11 A questão ambiental está hoje no centro da atenção de todos. A palavra de ordem é produzir utilizando matérias-primas renováveis, recicladas e recicláveis e garantir a sustentabilidade em todo processo produtivo e de mercado. Os consumidores estão, cada vez mais, cobrando posicionamento responsável das empresas no que se refere à utilização de matérias-primas, água, energia, reciclagem de produtos, destinação de refugos e de lixo, cuidados com a propagação de ruídos etc. É fundamental que se conheça e se compreenda que a legislação ambiental, além de ser um importante instrumento de controle e fiscalização das atividades, contribui para a melhoria da gestão das empresas, inclusive para a implantação de medidas que resultam em proteção ambiental. Do ponto de vista empresarial moderno, o entendimento é de que a gestão ambiental representa uma oportunidade de se fazer mais com menos, e a implantação de alguns itens podem contribuir para o processo de gestão ambiental das empresas, sendo possível fazer a diferença com medidas simples que minimizem os impactos negativos ao meio ambiente, eliminem o desperdício de energia e água, estabeleçam o destino adequado dos resíduos gerados, priorizem a reutilização, a reciclagem e sejam adotadas melhores tecnologias e com responsabilidade social. 6.CONCLUSÕES E/OU RECOMENDAÇÕES. Para alcançar a sustentabilidade em todos os sentidos os municípios e as MPES e seus respectivos gestores necessitam, sobretudo, de meios e ferramentas práticas e bem formuladas que lhes apoiem nas ações de sustentabilidade. 11

12 Quanto mais simples, adaptáveis, rápidos e baratos forem os processos, serviços e ferramentas disponibilizadas, melhor, o que coloca em primeiro plano as iniciativas que se utilizam de conceitos como "empreendedorismo social, "terceiro setor, "economia solidária e expressões que evidenciem a criação e o uso de tecnologias sociais inovadoras. A sugestão aqui é: porque não disponibilizar às MPES importantes ferramentas para gestão ambiental e sustentável, de forma associativa, articulada e formatada para suas necessidades sob a forma de tecnologia social? 6.1-CONSULTORIA EMPREENDEDORA SUSTENTAVEL. O termo Tecnologia Social compreende produtos, técnicas ou metodologias reaplicáveis, desenvolvidas na interação com a comunidade e que devem representar efetivas soluções de transformação social e que organizam, articulam e integram um conjunto de instituições e pessoas com o propósito de contribuir para a promoção do desenvolvimento sustentável, mediante a difusão e a reaplicação em escala, de tecnologias e soluções, com o propósito de estimular a adoção destas tecnologias como políticas públicas, promover a apropriação destas por parte das comunidades e desenvolver novas tecnologias, nos casos em que não existam para reaplicação. 12

13 A questão sustentável e ambiental se tornou objeto primordial da atenção do mundo e das pessoas, tanto que todo município possui um rol de pessoas, estudantes universitários e técnicos, instituições e integrantes do poder público, que possuem capacidades, conhecimentos sobre o tema e vontade de oferecer, solidariamente ou como contrapartida de algum beneficio recebido, esta Expertise em prol do desenvolvimento das pessoas, de seus empreendimentos e da cidade. Articulando principalmente recursos e instituições e pessoas capacitadas para este fim existentes no próprio município, o diferencial do projeto CONSULTORIA EMPREENDEDORA SUSTENTAVEL se dá no oferecimento ao seu público alvo, de assistência técnica para a implantação de Processos vitais para a gestão ambiental e sustentabilidade de seus empreendimentos, sob a forma de consultoria prática, gratuita e de qualidade, nos moldes das consultorias ambientais, contando ainda com assistência técnica articulada em rede com órgãos de pesquisa universidades, centros de pesquisa, incubadoras de empresas e institutos, SEBRAE, dentre outros, voltados e disponibilizados para MPE's municipais. Focada em novas abordagens de mercado para a sustentabilidade, a Consultoria empreendedora sustentável compreende uma série de produtos, desde os reguladores até os inovadores e oferece serviços de Conformidade Legal, Conformidade Normativa, Eco-eficiência e Serviços Complementares, focados em resultado e adaptados à realidade das MPES, como: Avaliação da Conformidade com a Legislação Ambiental; capacitação ambiental; Diagnóstico Ambiental; Programa de Gerenciamento Ambiental; Auditoria Interna de Sistemas de Gestão Ambiental; Implantação de Sistemas de Gestão Ambiental; Eco-eficiência; Eco Design; Eficiência Energética; Mecanismo de Desenvolvimento Limpo,dentre outros. 13

14 Essas ações permitem que as empresas atuem de acordo com a legislação e normas exigidas, melhorando o desempenho dos seus processos e fortalecendo a competitividade das empresas atendidas no mercado interno e externo, portanto, espera-se que a disponibilização destas ferramentas as MPES contribua para a Implementação de metodologias para a obtenção de produtos e processos alinhados com as idéias de desenvolvimento sustentável, possibilitando uma gestão que contemple a proteção ambiental, a justiça social e o desenvolvimento sadio da economia em nossas sociedades. Partindo-se dai nasce outra possibilidade: USO DO PODER DE COMPRA GOVERNAMENTAL PARA SUSTENTABILIDADE. As compras governamentais movimentam no Brasil recursos estimados em 10% do PIB mobilizando setores importantes País.Os principais diplomas legais que regem as licitações são a Lei 8.666/93 (Lei geral das licitações) e a Lei /2002 (Lei do Pregão), mas o ingresso da Lei Complementar 123/2006 no ordenamento jurídico brasileiro, trouxe obrigações à Administração Pública e estabeleceu condições favorecidas às micro e pequenas empresas, para contratação com a Administração Pública, por meio das licitações públicas, criando normas gerais em favor das microempresas e empresas de pequeno porte nas contratações públicas de bens, serviços e obras,resumidamente, com as prerrogativas abaixo: Nas licitações, a exigência de comprovação de regularidade fiscal das micro e pequenas empresas será feita apenas para efeito de assinatura do contrato, caso haja restrições fiscais, será assegurado, às micro e pequenas empresas, prazo de dois dias úteis, prorrogáveis por igual período, para a regularização da documentação fiscal exigida; 14

15 Nos processos licitatórios, será assegurado, como critério de desempate, preferência de contratação para as micro e pequenas empresas. A Lei estabelece, ainda, que serão consideradas empatadas as propostas apresentadas pelas micro e pequenas empresas que sejam iguais ou até 10% superiores à proposta mais bem classificada (empate ficto), desde que essa última não seja também pequena empresa; Na modalidade pregão, o intervalo percentual é de 5%. Ocorrendo o chamado empate ficto,a micro ou pequena empresa poderá apresentar proposta de preço inferior àquela considerada vencedora do procedimento licitatório; Realização de processos licitatório em que a participação seja exclusivamente de micro e pequenas empresas, no caso de contratações cujo valor seja de até R$80.000,00; Exigência dos licitantes de subcontratação de micro e pequenas empresas em não mais do que 30% do total licitado, assim como o estabelecimento de cota de até 25% do objeto da contratação de micro e pequenas empresas, em certames para a aquisição de bens e serviços de natureza divisível. Quando uma compra ou contratação pública é realizada, são gastos recursos públicos para a aquisição de produtos ou contratação de serviços e esse tipo de decisão é muito importante, e pode causar significativos impactos. Várias considerações deveriam ser feitas pelo agente tomador de decisão: se existe uma necessidade real de aquisição dos produtos ou serviços; as circunstâncias sob as quais o produto foi gerado; os materiais com os quais foi feito; as condições de trabalho de quem o geraram; como este produto se comportará durante sua fase útil e após a sua disposição final, e muitas outras. 15

16 Estes questionamentos nos remetem à licitação sustentável, uma solução para integrar considerações ambientais e sociais no processo de compra e contratação dos agentes públicos, com o objetivo de reduzir impactos à saúde humana, ao meio ambiente e aos direitos humanos e permitindo o atendimento das necessidades específicas dos consumidores finais por meio da compra do produto com o maior número de benefícios para o ambiente e a sociedade. Pode parecer uma carga pesada de responsabilidade sobre os ombros dos compradores e contratantes e dos próprios fornecedores levarem em conta todos esses aspectos em relação aos produtos e serviços produzidos, adquiridos e contratados e um dos maiores argumentos para não se fazer compras limpas é o fato de a Lei licitatória, se analisada em leitura superficial, estabelecer somente o preço mínimo como critério preponderante. Mas a atualidade não permite mais buscar somente o menor preço e sim a melhor compra, avaliando-se outros resultados como determinantes, principalmente os critérios da sustentabilidade, e enganam-se aqueles que partem da premissa de que os custos impedem ou representam empecilho para, nas aquisições e contratações, adquirirem produtos e serviços com qualidade, economia e sustentáveis, não se esquecendo dos pressupostos de que: As grandes empresas estão mudando e buscando produzir de forma Sustentável. Não há como desvincular empreendedorismo (em todos os seus níveis e portes) da sustentabilidade e as MPES precisam agregar soluções ambientais Compras sustentáveis não podem permitir gastos adicionais significativos, mas estes podem ser compensados por economias em outras áreas. 16

17 Se muitos considerarem apenas alguns critérios, do que se apenas poucos avaliarem muitos critérios, ao tomar as decisões de compras e contratações, a sustentabilidade será mais facilmente alcançada. É possível fazer a diferença, multiplicar, desenvolver negócios inteligentes, viáveis e sustentáveis, com medidas simples que minimizem os impactos negativos ao meio ambiente, eliminem o desperdício de energia e água, estabeleçam o destino adequado dos resíduos gerados, priorizem a reutilização, a reciclagem e sejam adotadas melhores tecnologias e com responsabilidade social. Na verdade, um programa de licitação sustentável é uma estratégia que combina diversas soluções inovadoras de compras, que, se implementado adequadamente, não deve envolver custos adicionais. Além disso, melhora o custo-eficiência geral de operações licitatórias. Em muitos casos pode-se obter mais valor pelo mesmo custo ou até por menos. E ainda existe o enfoque que desonera a sociedade, que deixa de pagar pelos custos externos associados à produção de bens sem respeito ao meio ambiente e à população, já que os custos de poluição, saúde pública, desmatamento, entre outros, não são incluídos no preço dos produtos, e quem paga a conta somos nós e nosso meio ambiente. Produto ou serviço sustentável é aquele que apresenta o melhor desempenho ambiental ao longo de seu ciclo de vida, com função, qualidade e nível de satisfação igual, ou melhor, se comparado com um produto-padrão,podem ser considerados sustentáveis por gerar menos perdas, por serem recicláveis ou mais duráveis, por contêm menos substâncias prejudiciais ou tóxicas ou porque o processo de sua geração consome menos energia. Para decidir qual produto é preferível em termos ambientais, é necessário que se faça uma medição e comparação dos impactos ambientais gerados e existem meios e ações relativamente simples para fomentar a criação deste tipo de produto ou serviço, como a Ecorrotulagem ou selos verdes. 17

18 CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL PARA MPES. Ecorrotulagem é um sistema voluntário de obtenção de certificação de conformidade ambiental para produtos e serviços. O selo é outorgado a produtos e serviços que estão em conformidade com um conjunto de requisitos técnicos qualitativos e quantitativos, no que se refere à qualidade do material usado, ou ao processo de produção, e outros critérios. As Ecoetiquetas ou selos verdes permitem aos consumidores tomar decisões informadas sobre o efeito do produto ou serviço e a manifestar seu desejo por produtos mais sustentáveis sob o ponto de vista ambiental e podem ser criadas e adaptadas ao universo e realidade das MPEs e dos municípios brasileiros. Partindo-se dai, Hipoteticamente, a seguinte estrutura poderia ser criada: O município X promove a Realização de processos licitatórios em que a participação seja exclusivamente de micro e pequenas empresas para contratações cujo valor seja de até R$80.000,00; Os produtos e serviços devem obedecer todos os critérios mínimos da versão atualizada dos Selos MEI-Ambiente,disponível em: <www.meiambiente.org> e no editais licitatórios. Os selos MEI-ambiente são segmentados em níveis(1,2,3...)conforme o nível de conformidade com os critérios ambientais exigidos,viáveis à realidade dos empreendimentos locais. Os selos MEI-ambiente será aceito como prova de cumprimento dos critérios sustentáveis viáveis as MPEs enquadradas na lei 123/2006, com a verificação de cumprimento por um agente certificador terceirizado com credibilidade. A agência certificadora tem o conhecimento e experiência da especialidade apropriada, dependendo do produto ou serviço a ser adquirido, e deve ser completamente desvinculada das entidades que participam da licitação,podendo ser,inclusive as secretarias Municipais capacitadas. 18

19 A posse de um nível mais elevado da certificação MEI-ambiente será critério de desempate no certame. A Todas as MPES são disponibilizadas as capacitações e assessoria pela CONSULTORIA EMPREENDEDORA SUSTENTAVEL, portanto tem capacidade de se adequar e se qualificar aos editais. As grandes organizações, que tem as MPES como fornecedoras, podem implantar a exigência dos selos MEI-ambiente nos processos de compras. As MPES utilizam as certificações para criar valor aos seus produtos e serviços, atendendo aos anseios dos consumidores finais e a sociedade. Seja por convicção, conveniência ou necessidade, as MPES passam a fazer parte de um ciclo virtuoso de melhorias e inovações nos campos social e ambiental, porque, afinal, contribuir para um planeta melhor, é sempre um bom negócio. O fato é que os projetos aqui sugeridos podem ser definidos como esforços com um objetivo específico; Planejados e divididos em etapas; Financiados por recursos específicos; Executados em um prazo determinado e por pessoas habilitadas e só podem ser levados adiante se existirem sólidas perspectivas de captação, mobilização e alocação de todos os recursos necessários à sua implantação. Este estudo não procurou e nem pretendia esgotar o assunto. Mesmo porque, sendo este essencialmente analítico e descritivo, tem por característica um contínuo surgimento de fenômenos, o que requer novas visões e, portanto, novas pesquisas, sendo compreensível que alguns fatores restritivos se evidenciem, sem, contudo, comprometer o alcance dos objetivos estabelecidos. Estamos falando aqui, resumida e hipoteticamente, das possibilidades com a lei geral e, mesmo que objetivemos implantar políticas públicas permanentes, o sucesso na implantação de políticas públicas está diretamente associado à capacidade dos interessados em implantá-las. Essa seria outra questão. 19

20 7. REFERENCIAS BIBLIOGRAFICAS. Confederação Nacional de Municípios CNM e Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas SEBRAE - MANUAL DE DESENVOLVIMENTO DOS MUNICÍPIOS Brasília: CNM/SEBRAE, páginas. 2a Edição. FEDERAÇÃO. Órgão Superior. LEI COMPLEMENTAR Nº 123, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2006 GIMENEZ, F. A.; GRAVE, P. S. Discutindo a Possibilidade de Sistematizar o Pensamento Estratégico em Pequenas Empresas. Universidade Estadual de Londrina e Universidade Estadual de Maringá, Trabalho apresentado no VIII ENAGRAD, Rio de Janeiro-Niteroi, 20 a 22 de novembro de GUIMARÃES, Flávio Barcellos - Guia de Políticas Públicas para o Desenvolvimento Econômico Municipal - Belo Horizonte: SEBRAE/ MG, p. GUIMARÃES, Flávio Barcellos - MANUAL DE IMPLEMENTAÇÃO DA LEI GERAL DA MICRO E PEQUENA EMPRESA EM SEU MUNICÍPIO Belo Horizonte: SEBRAE -MG, p. ICLEI. Procura+. Sustainable procurement campaign website.disponível em:<www.procuraplus. org> MELCHOR, Paulo - POR DENTRO DA LEI - Lei Geral das Microempresas: Edição revisada e atualizada pela lei complementar 127/2007 e lei complementar 128/2008; SEBRAE - SP, p 20

CARTILHA DA LEI GERAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE DO MUNICÍPIO DE CURITIBA

CARTILHA DA LEI GERAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE DO MUNICÍPIO DE CURITIBA CARTILHA DA LEI GERAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE DO MUNICÍPIO DE CURITIBA Curitiba tem se mostrado uma cidade dinâmica e de grandes oportunidades para os trabalhadores e empreendedores.

Leia mais

A Lei Geral das Micro e Pequenas Empresas e seus impactos

A Lei Geral das Micro e Pequenas Empresas e seus impactos Lei Complementar LC 123/2006 Estatuto Nacional da Microempresa e Empresa de Pequeno Porte A Lei Geral das Micro e Pequenas Empresas e seus impactos Fórum AbineeTec 2011 Políticas Públicas Compras Governamentais

Leia mais

Como aplicar os avanços da Lei Complementar 123/2006 na área de Compras Governamentais Tema: Compras Governamentais

Como aplicar os avanços da Lei Complementar 123/2006 na área de Compras Governamentais Tema: Compras Governamentais Como aplicar os avanços da Lei Complementar 123/2006 na área de Compras Governamentais Tema: Compras Governamentais Análise realizada em 25/08/2014. Consultores: Maurício Zanin, Maria Aparecida e Mauro

Leia mais

INTRODUÇÃO. Apresentação

INTRODUÇÃO. Apresentação ANEXO ÚNICO DA RESOLUÇÃO ATRICON 09/2014 DIRETRIZES DE CONTROLE EXTERNO ATRICON 3207/2014: OS TRIBUNAIS DE CONTAS E O DESENVOLVIMENTO LOCAL: CONTROLE DO TRATAMENTO DIFERENCIADO E FAVORECIDO ÀS MICROEMPRESAS

Leia mais

AS COMPRAS GOVERNAMENTAIS E O SEBRAE. Denise Donati Coordenadora do Projeto Compras Governamentais Sebrae Nacional

AS COMPRAS GOVERNAMENTAIS E O SEBRAE. Denise Donati Coordenadora do Projeto Compras Governamentais Sebrae Nacional AS COMPRAS GOVERNAMENTAIS E O SEBRAE Denise Donati Coordenadora do Projeto Compras Governamentais Sebrae Nacional Desafio Fomentar o Uso do Poder de Compra do Governo Junto aos Pequenos Negócios para Induzir

Leia mais

Publicado no DOM Nº 1711 de 29/12/2009 Prefeitura Municipal de Natal LEI Nº. 6.025 DE 28 DE DEZEMBRO DE 2009

Publicado no DOM Nº 1711 de 29/12/2009 Prefeitura Municipal de Natal LEI Nº. 6.025 DE 28 DE DEZEMBRO DE 2009 Publicado no DOM Nº 1711 de 29/12/2009 Prefeitura Municipal de Natal LEI Nº. 6.025 DE 28 DE DEZEMBRO DE 2009 Dispõe sobre normas de competência municipal objetivando a implantação no âmbito local do Estatuto

Leia mais

Prefeito Empreendedor. Guia de Recomendações Preliminares para o Fomento do Empreendedorismo nos Municípios

Prefeito Empreendedor. Guia de Recomendações Preliminares para o Fomento do Empreendedorismo nos Municípios Prefeito Empreendedor Guia de Recomendações Preliminares para o Fomento do Empreendedorismo nos Municípios Março/2012 Expediente Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior MDIC Fernando

Leia mais

DECRETO Nº 11.560 D E C R E T A:

DECRETO Nº 11.560 D E C R E T A: DECRETO Nº 11.560 Estabelece normas para o tratamento diferenciado e favorecido às Microempresas, Empresas de Pequeno Porte e Empreendedor Individual nos termos da Lei Complementar nº 123, de 14 de dezembro

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 846/2009, de 28-10-09.

LEI MUNICIPAL Nº 846/2009, de 28-10-09. LEI MUNICIPAL Nº 846/2009, de 28-10-09. INSTITUI A LEI GERAL MUNICIPAL DA MICROEMPRESA, EMPRESA DE PEQUENO PORTE E MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. LUÍS CARLOS MACHADO PREFEITO MUNICIPAL

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: As relações com as grandes empresas e com o Estado e as relações com a contabilidade e com os empregados.

Resumo Aula-tema 01: As relações com as grandes empresas e com o Estado e as relações com a contabilidade e com os empregados. Resumo Aula-tema 01: As relações com as grandes empresas e com o Estado e as relações com a contabilidade e com os empregados. Todos nós já vivenciamos casos de empreendedores, na família ou no grupo de

Leia mais

As Compras Públicas, Sustentabilidade e Micro e Pequenas Empresas. Maurício Zanin Consultor SEBRAE Nacional

As Compras Públicas, Sustentabilidade e Micro e Pequenas Empresas. Maurício Zanin Consultor SEBRAE Nacional As Compras Públicas, Sustentabilidade e Micro e Pequenas Empresas Maurício Zanin Consultor SEBRAE Nacional 8.666/93 Lei Geral de Licitações 10.520/2002 Lei do Pregão 123/2006 Lei Geral de da MPE Modelo

Leia mais

A competitividade das Micro e Pequenas Empresas. Bruno Quick

A competitividade das Micro e Pequenas Empresas. Bruno Quick A competitividade das Micro e Pequenas Empresas Bruno Quick Indicadores TOTAL ME e EPPs Empresas formais em operação (2005) Cenário Nacional Part.% ME e EPPs 5.134.934 5.083.585 99% Empregos formais (2005)

Leia mais

PEQUENOS NEGÓCIOS E COMPRAS PÚBLICAS

PEQUENOS NEGÓCIOS E COMPRAS PÚBLICAS PEQUENOS NEGÓCIOS E COMPRAS PÚBLICAS II Seminário Internacional sobre Contratações Públicas Sustentáveis Brasília, 28 de Agosto Desenvolvimento Sustentável Utilização de recursos para atender às necessidades

Leia mais

A LEI GERAL DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS O PAPEL DOS TRIBUNAIS DE CONTAS FRENTE ÀS DEMANDAS SOCIAIS

A LEI GERAL DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS O PAPEL DOS TRIBUNAIS DE CONTAS FRENTE ÀS DEMANDAS SOCIAIS A LEI GERAL DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS O PAPEL DOS TRIBUNAIS DE CONTAS FRENTE ÀS DEMANDAS SOCIAIS 05 de agosto de 2014 Força das Pequenas Empresas 9 Milhões optantes no Simples 4,2 milhões MEI 52% das

Leia mais

DIRETRIZES DE CONTROLE EXTERNO Projeto Qualidade e Agilidade dos TCs QATC2

DIRETRIZES DE CONTROLE EXTERNO Projeto Qualidade e Agilidade dos TCs QATC2 DE CONTROLE EXTERNO Projeto Qualidade e Agilidade dos TCs QATC2 Resolução Atricon 02/2014 Controle Externo Concomitante Coordenador: Cons. Valter Albano da Silva TCE/MT Resolução Atricon 09/2014 LC123/2006

Leia mais

LEI Nº 1.048, de 12 de novembro de 2009.

LEI Nº 1.048, de 12 de novembro de 2009. LEI Nº 1.048, de 12 de novembro de 2009. Institui a Lei Geral Municipal da Microempresa, Empresa de Pequeno Porte e Microempreendedor Individual, e dá outras providências. CIRILDE MARIA BRACIAK, Prefeita

Leia mais

PEQUENOS NEGÓCIOS E COMPRAS PÚBLICAS

PEQUENOS NEGÓCIOS E COMPRAS PÚBLICAS PEQUENOS NEGÓCIOS E COMPRAS PÚBLICAS II Seminário Internacional sobre Contratações Públicas Sustentáveis Brasília, 28 de Desenvolvimento Sustentável Utilização de recursos para atender às necessidades

Leia mais

LEI Nº. 842, DE 09 DE SETEMBRO DE 2010.

LEI Nº. 842, DE 09 DE SETEMBRO DE 2010. LEI Nº. 842, DE 09 DE SETEMBRO DE 2010. Institui a lei geral municipal da microempresa, empresa de pequeno porte e microempreendedor individual, e dá outras providências. ORCELEI DALLA BARBA, Prefeito

Leia mais

COMO VENDER PARA O GOVERNO

COMO VENDER PARA O GOVERNO 2 COMO VENDER PARA O GOVERNO Manual prático para as agências de viagens A NOVA LEI GERAL PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS (MPEs) O Congresso Nacional aprovou e a Presidência da República sancionou a Lei

Leia mais

http://www.consultorpublico.com.br falecom@consultorpublico.com.br

http://www.consultorpublico.com.br falecom@consultorpublico.com.br LEI COMPLEMENTAR Nº 123, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2006. (ESTATUTO NACIONAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE) O ESTATUTO NACIONAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE E O ESTADO E MUNICÍPIOS

Leia mais

Simples Nacional: sociedades simples podem ser consideradas "micro ou pequena empresa" (art. 146, III, "d" da CRFB) diante da legislação civil?

Simples Nacional: sociedades simples podem ser consideradas micro ou pequena empresa (art. 146, III, d da CRFB) diante da legislação civil? Simples Nacional: sociedades simples podem ser consideradas "micro ou pequena empresa" (art. 146, III, "d" da CRFB) diante da legislação civil? SILAS SANTIAGO MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA-EXECUTIVA

Leia mais

Institui o Estatuto Mineiro da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte.

Institui o Estatuto Mineiro da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte. LEI 20826, DE 31/07/2013 - TEXTO ORIGINAL Institui o Estatuto Mineiro da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte. O GOVERNADOR DO ESTADO DE MINAS GERAIS, O Povo do Estado de Minas Gerais, por seus representantes,

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO. Empresas de Pequeno Porte em Compras Governamentais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO. Empresas de Pequeno Porte em Compras Governamentais Benefícios para Micro Empresa e Empresas de Pequeno Porte em Compras Governamentais I) Objetivo Tópicos II) Avaliação da experiência do Governo Federal III) Principais Pontos da LC nº 123/2006 e do Decreto

Leia mais

DO ÓRGÃO DE PROPOSIÇÃO E ARTICULAÇÃO DAS POLÍTICAS PÚBLICAS DE DESENVOLVIMENTO DA MICROEMPRESA E EMPRESA DE PEQUENO PORTE

DO ÓRGÃO DE PROPOSIÇÃO E ARTICULAÇÃO DAS POLÍTICAS PÚBLICAS DE DESENVOLVIMENTO DA MICROEMPRESA E EMPRESA DE PEQUENO PORTE Institui o Estatuto Mineiro da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte. O GOVERNADOR DO ESTADO DE MINAS GERAIS, O Povo do Estado de Minas Gerais, por seus representantes, decretou e eu, em seu nome,

Leia mais

As Compras Públicas, Simplificação, Sustentabilidade e Micro e Pequenas Empresas. Maurício Zanin Consultor SEBRAE Nacional

As Compras Públicas, Simplificação, Sustentabilidade e Micro e Pequenas Empresas. Maurício Zanin Consultor SEBRAE Nacional As Compras Públicas, Simplificação, Sustentabilidade e Micro e Pequenas Empresas Maurício Zanin Consultor SEBRAE Nacional OBJETIVO DAS NORMAS (linhas da esquerda para a direita) 8.666/93 Lei Geral de

Leia mais

MINUTAS DE RESOLUÇÃO E DIRETRIZES DE CONTROLE EXTERNO

MINUTAS DE RESOLUÇÃO E DIRETRIZES DE CONTROLE EXTERNO MINUTAS DE RESOLUÇÃO E DIRETRIZES DE CONTROLE EXTERNO TEMÁTICA 11: OS TRIBUNAIS DE CONTAS E O DESENVOLVIMENTO LOCAL: CONTROLE DO TRATAMENTO DIFERENCIADO E FAVORECIDO ÀS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO

Leia mais

Propostas de Políticas OS PEQUENOS NEGÓCIOS COMO FORÇA INDUTORA PARA O DESENVOLVIMENTO LOCAL

Propostas de Políticas OS PEQUENOS NEGÓCIOS COMO FORÇA INDUTORA PARA O DESENVOLVIMENTO LOCAL Propostas de Políticas OS PEQUENOS NEGÓCIOS COMO FORÇA INDUTORA PARA O DESENVOLVIMENTO LOCAL CANDIDATOS A PREFEITOS E PREFEITAS MUNICIPAIS Pleito Eleitoral 2012 PROPOSTAS DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA A PROMOÇÃO

Leia mais

XII Seminário Internacional de Países Latinos Europa América.

XII Seminário Internacional de Países Latinos Europa América. XII Seminário Internacional de Países Latinos Europa América. La Gestión Contable, Administrativa y Tributaria en las PYMES e Integración Europa-América 23 24 de junio 2006 Santa Cruz de la Sierra (Bolívia)

Leia mais

TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica. LEI GERAL DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS CARTILHA EM PERGUNTAS E RESPOSTAS PARTE III Orlando Spinetti Advogado

TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica. LEI GERAL DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS CARTILHA EM PERGUNTAS E RESPOSTAS PARTE III Orlando Spinetti Advogado TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica LEI GERAL DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS CARTILHA EM PERGUNTAS E RESPOSTAS PARTE III Orlando Spinetti Advogado O escopo deste Trabalho Técnico é trazer, de forma didática,

Leia mais

Plano Brasil Maior e as Micro e Pequenas Empresas Agenda de Ações para Competitividade dos Pequenos Negócios. Curitiba, 20 de novembro de 2012

Plano Brasil Maior e as Micro e Pequenas Empresas Agenda de Ações para Competitividade dos Pequenos Negócios. Curitiba, 20 de novembro de 2012 Plano Brasil Maior e as Micro e Pequenas Empresas Agenda de Ações para Competitividade dos Pequenos Negócios Curitiba, 20 de novembro de 2012 PBM: Dimensões Dimensão Estruturante: diretrizes setoriais

Leia mais

Programa de Formalização do Micro Empreendedor Individual Sustentabilidade Social. Florianópolis - SC

Programa de Formalização do Micro Empreendedor Individual Sustentabilidade Social. Florianópolis - SC Programa de Formalização do Micro Empreendedor Individual Sustentabilidade Social Florianópolis - SC 27 de outubro de 2014 A INFORMALIDADE NO BRASIL A INFORMALIDADE Pesquisa ECINF IBGE Pertencem ao setor

Leia mais

II Concurso de Artigos de Agentes de Desenvolvimento, 2014

II Concurso de Artigos de Agentes de Desenvolvimento, 2014 II Concurso de Artigos de Agentes de Desenvolvimento, 2014 FORTALECIMENTO DOS PEQUENOS EMPREENDIMENTOS NA CIDADE DE MONTES CLAROS ATRAVÉS DA IMPLEMENTAÇÃO DA LEI GERAL DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS E AÇÕES

Leia mais

Sustentabilidade nas Micro e Pequenas Empresas

Sustentabilidade nas Micro e Pequenas Empresas Sustentabilidade nas Micro e Pequenas Empresas Promover a competitividade e o desenvolvimento sustentável das micro e pequenas empresas e fomentar o empreendedorismo. Otimizar o uso dos recursos naturais

Leia mais

Rede Brasileira de Produção mais Limpa

Rede Brasileira de Produção mais Limpa Rede Brasileira de Produção mais Limpa Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável SENAI Sistema FIERGS Rede Brasileira de Produção mais Limpa PARCEIROS Conselho Empresarial Brasileiro

Leia mais

PRÊMIO SEBRAE ATORES DO DESENVOLVIMENTO. Regulamento da Edição 2015.

PRÊMIO SEBRAE ATORES DO DESENVOLVIMENTO. Regulamento da Edição 2015. PRÊMIO SEBRAE ATORES DO DESENVOLVIMENTO O PRÊMIO E PRAZO Regulamento da Edição 2015. 1.1 O PRÊMIO SEBRAE ATORES DO DESENVOLVIMENTO é uma iniciativa do SEBRAE Mato Grosso do Sul que visa à continuidade,

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 Conteúdo 1. O Sistema SEBRAE; 2. Brasil Caracterização da MPE; 3. MPE

Leia mais

Comercialização no Mercado Interno e Compras Governamentais

Comercialização no Mercado Interno e Compras Governamentais 2º Conferencia Brasileira sobre Arranjos Produtivos Locais Comercialização no Mercado Interno e Compras Governamentais Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Secretaria de Logística e Tecnologia

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 68/2015, DE 26 DE AGOSTO DE 2015.

PROJETO DE LEI Nº 68/2015, DE 26 DE AGOSTO DE 2015. PROJETO DE LEI Nº 68/2015, DE 26 DE AGOSTO DE 2015. REESTRUTURA A LEI Nº 3112/2010 QUE INSTITUI A LEI GERAL MUNICIPAL DA MICROEMPRESA, EMPRESA DE PEQUENO PORTE E MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL E DÁ OUTRAS

Leia mais

LEI Nº 999, DE 03 DE JUNHO DE 2015. A CÂMARA MUNICIPAL DE JARDIM DO SERIDÓ aprovou e eu, PREFEITO MUNICIPAL, sanciono a seguinte Lei Complementar:

LEI Nº 999, DE 03 DE JUNHO DE 2015. A CÂMARA MUNICIPAL DE JARDIM DO SERIDÓ aprovou e eu, PREFEITO MUNICIPAL, sanciono a seguinte Lei Complementar: LEI Nº 999, DE 03 DE JUNHO DE 2015 Institui a nova Lei Geral das micro e pequenas empresas do Município de Jardim do Seridó, e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE JARDIM DO SERIDÓ aprovou e eu,

Leia mais

Regime Tributário Unificado e Simplificado

Regime Tributário Unificado e Simplificado SUPER SIMPLES, uma abordagem para escolas de idiomas A partir de 1/7/07, estará em funcionamento o regime único de tributação, instituído pela Lei Complementar nº123, conhecida também como Super Simples

Leia mais

O atual contexto do ambiente econômico das MPEs

O atual contexto do ambiente econômico das MPEs O atual contexto do ambiente econômico das MPEs Brasil e Minas Gerais Belo Horizonte, outubro de 2013 1 Presidente Roberto Luciano Fortes Fagundes Superintendência Geral Gilson Elesbão de Siqueira Departamento

Leia mais

REQUERIMENTO nº, de 2015. (Do Sr. Carlos Melles)

REQUERIMENTO nº, de 2015. (Do Sr. Carlos Melles) REQUERIMENTO nº, de 2015 (Do Sr. Carlos Melles) Requer a Convocação de Sessão Solene em 2016, em Homenagem ao vigésimo aniversário da Lei que criou o SIMPLES no Brasil. Senhor Presidente, Representando

Leia mais

FEMEP FÓRUM ESTADUAL DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE

FEMEP FÓRUM ESTADUAL DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA - 17/03/2010 FEMEP FÓRUM ESTADUAL DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE ESTRUTURA DO FEMEP PRESIDÊNCIA Oton Nascimento Júnior J Secretário rio de Estado do Planejamento e

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR 14/11 DE 07/12/2011

LEI COMPLEMENTAR 14/11 DE 07/12/2011 LEI COMPLEMENTAR 14/11 DE 07/12/2011 Regulamenta no Município de João Ramalho o tratamento diferenciado e favorecido ao micro empreendedor individual, às microempresas e empresas de pequeno porte de que

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CANOAS Gabinete do Prefeito

PREFEITURA MUNICIPAL DE CANOAS Gabinete do Prefeito PROJETO DE LEI Nº 15 DE 22 DE JANEIRO DE 2010. Altera a Lei nº 1.943, de 10 de dezembro de 1979, para conceder isenção da Taxa de Fiscalização de Atividades (TFA); a Lei nº 5.252, de 20 de dezembro de

Leia mais

Gestão de Pequenas e Medias Empresas

Gestão de Pequenas e Medias Empresas Gestão de Pequenas e Medias Empresas Os pequenos negócios são definidos por critérios variados ao redor do mundo. Para o Sebrae, eles podem ser divididos em quatro segmentos por faixa de faturamento, com

Leia mais

Prefeitura Municipal de Marechal Floriano ESTADO DO ESPIRITO SANTO

Prefeitura Municipal de Marechal Floriano ESTADO DO ESPIRITO SANTO LEI MUNICIPAL Nº. 966, DE 24 DE DEZEMBRO DE 2009. INSTITUI A LEI GERAL MUNICIPAL DA MICROEMPRESA E EMPRESA DE PEQUENO PORTE E MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A PREFEITA MUNICIPAL

Leia mais

INCLUSÃO PRODUTIVA COM SEGURANÇA SANITÁRIA. VIII Reunião de Vigilância Sanitária de Alimentos Goiânia - 2012

INCLUSÃO PRODUTIVA COM SEGURANÇA SANITÁRIA. VIII Reunião de Vigilância Sanitária de Alimentos Goiânia - 2012 INCLUSÃO PRODUTIVA COM SEGURANÇA SANITÁRIA VIII Reunião de Vigilância Sanitária de Alimentos Goiânia - 2012 BRASIL SEM MISÉRIA Uma das principais macro-políticas sociais brasileiras relacionadas ao desenvolvimento

Leia mais

PROGRAMA BOM NEGÓCIO PARANÁ- APOIO AO EMPREENDEDORISMO AVALIAÇÃO DO NÚCLEO MARINGÁ

PROGRAMA BOM NEGÓCIO PARANÁ- APOIO AO EMPREENDEDORISMO AVALIAÇÃO DO NÚCLEO MARINGÁ PROGRAMA BOM NEGÓCIO PARANÁ- APOIO AO EMPREENDEDORISMO AVALIAÇÃO DO NÚCLEO MARINGÁ AREA TEMÁTICA: TRABALHO LAIS SILVA SANTOS 1 CARLOS VINICIUS RODRIGUES 2 MARCELO FARID PEREIRA 3 NEUZA CORTE DE OLIVEIRA

Leia mais

SIMPLES NACIONAL 1. NOÇÕES GERAIS

SIMPLES NACIONAL 1. NOÇÕES GERAIS SIMPLES NACIONAL 1. NOÇÕES GERAIS SIMPLES NACIONAL 1.1. O que é O Simples Nacional é um regime tributário diferenciado, simplificado e favorecido previsto na Lei Complementar nº 123, de 2006, aplicável

Leia mais

(Do Sr. Antonio Carlos Mendes Thame) O Congresso Nacional decreta:

(Do Sr. Antonio Carlos Mendes Thame) O Congresso Nacional decreta: PROJETO DE LEI N o, DE 2005 (Do Sr. Antonio Carlos Mendes Thame) Dispõe sobre a desburocratização dos processos de constituição, funcionamento e baixa das microempresas e empresas de pequeno porte, nos

Leia mais

Modernização da Gestão e Tecnologia

Modernização da Gestão e Tecnologia Modernização da Gestão e Tecnologia Gestão Municipal? i. Economicidade e Eficiência: reduzir custos e ampliar a receita que é de direito do ente municipal ii. Processos: etapas de realização e fluxo de

Leia mais

SUPERSIMPLES ABRE NOVOS HORIZONTES PARA O CORRETOR DE IMÓVEIS

SUPERSIMPLES ABRE NOVOS HORIZONTES PARA O CORRETOR DE IMÓVEIS 1 Lei Complementar nº 147/2014 SUPERSIMPLES ABRE NOVOS HORIZONTES PARA O CORRETOR DE IMÓVEIS Redução drástica dos impostos e burocracia com inclusão no CNPJ 3 APRESENTAÇÃO Simples é uma lei viva, ela

Leia mais

1 Introdução 2 O Empreendedorismo e o Mercado de Capitais 3 Questões Jurídicas no Empreendedorismo 4 Como Captar Recursos 5 Debates 6 - Encerramento

1 Introdução 2 O Empreendedorismo e o Mercado de Capitais 3 Questões Jurídicas no Empreendedorismo 4 Como Captar Recursos 5 Debates 6 - Encerramento 1 Introdução 2 O Empreendedorismo e o Mercado de Capitais 3 Questões Jurídicas no Empreendedorismo 4 Como Captar Recursos 5 Debates 6 - Encerramento O EMPREENDEDORISMO E O MERCADO DE CAPITAIS - Luiz Guilherme

Leia mais

www.avantassessoria.com.br

www.avantassessoria.com.br www.avantassessoria.com.br Nossa Empresa A AVANT Assessoria Contábil e Tributária é uma empresa de contabilidade especializada em consultoria e assessoria de empresas e profissionais liberais, oferecendo

Leia mais

Lei Geral da Micro e Pequena Empresa Versus Small Business Act

Lei Geral da Micro e Pequena Empresa Versus Small Business Act Lei Geral da Micro e Pequena Empresa Versus Small Business Act: uma Comparação entre as Determinações para Inserção das MPEs nas Compras Governamentais Autoria: Marina Figueiredo Moreira, José Matias-Pereira

Leia mais

CAPÍTULO V DO ACESSO AOS MERCADOS. Seção única. Das Aquisições Públicas

CAPÍTULO V DO ACESSO AOS MERCADOS. Seção única. Das Aquisições Públicas CAPÍTULO V DO ACESSO AOS MERCADOS Seção única Das Aquisições Públicas Art. 42. Nas licitações públicas, a comprovação de regularidade fiscal das microempresas e empresas de pequeno porte somente será exigida

Leia mais

ASPECTOS FISCAIS NAS EXPORTAÇÕES

ASPECTOS FISCAIS NAS EXPORTAÇÕES ASPECTOS FISCAIS NAS EXPORTAÇÕES 1 INCIDÊNCIAS TRIBUTÁRIAS NAS EXPORTAÇÕES Optantes do SIMPLES Os transformadores plásticos exportadores optantes do SIMPLES devem analisar a conveniência da continuidade

Leia mais

Prefeitura Municipal de Jaboticabal

Prefeitura Municipal de Jaboticabal LEI Nº 4.715, DE 22 DE SETEMBRO DE 2015 Institui a Política Municipal de estímulo à produção e ao consumo sustentáveis. RAUL JOSÉ SILVA GIRIO, Prefeito Municipal de Jaboticabal, Estado de São Paulo, no

Leia mais

COMITÊ GESTOR PROROGA PRAZO DA COMPETÊNCIA 12/2008 E REGULAMENTA DISPOSITIVOS DA LEI COMPLEMENTAR Nº 128/2008

COMITÊ GESTOR PROROGA PRAZO DA COMPETÊNCIA 12/2008 E REGULAMENTA DISPOSITIVOS DA LEI COMPLEMENTAR Nº 128/2008 COMITÊ GESTOR PROROGA PRAZO DA COMPETÊNCIA 12/2008 E REGULAMENTA DISPOSITIVOS DA LEI COMPLEMENTAR Nº 128/2008 O Comitê Gestor do Simples Nacional (CGSN) publicou resoluções que prorrogam o prazo da competência

Leia mais

Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / www.sebrae.com.br

Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / www.sebrae.com.br REPRESENTATIVIDADE DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL 10 milhões de negócios formais (99%) e 9 milhões de informais 56,1% da força de trabalho que atua no setor formal urbano 26% da massa salarial 20% do

Leia mais

Apresentação. - Palestrante Quem é? - Sebrae O que é? - Atendimento à Indústria? - Carteira de Alimentos? Sorvetes?

Apresentação. - Palestrante Quem é? - Sebrae O que é? - Atendimento à Indústria? - Carteira de Alimentos? Sorvetes? Apresentação - Palestrante Quem é? - Sebrae O que é? - Atendimento à Indústria? - Carteira de Alimentos? Sorvetes? 2 Importância dos Pequenos Negócios 52% dos empregos formais 40% da massa salarial 62%

Leia mais

Simples Nacional e o Planejamento Tributário RESUMO

Simples Nacional e o Planejamento Tributário RESUMO 1 Simples Nacional e o Planejamento Tributário Marcos A. Nazário De Oliveira marcosadinavi@gmail.com Egresso do curso de Ciências Contábeis Rafael Antônio Andrade rfaandrade@msn.com Egresso do curso de

Leia mais

Decreto nº 8.538, de 6 de outubro de 2015 Decreto nº 6.204, de 5 de setembro de 2007

Decreto nº 8.538, de 6 de outubro de 2015 Decreto nº 6.204, de 5 de setembro de 2007 DECRETO 8.538/2015 COMPARATIVO COM DECRETO 6.204/2007 Outubro/2015 Importante: Pontos acrescidos estão destacados em verde. Pontos suprimidos estão destacados em vermelho. Decreto nº 8.538, de 6 de outubro

Leia mais

LEI Nº 1006, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2009.

LEI Nº 1006, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2009. Estado do Rio Grande do Sul Município de Sério Rua 17 de Novembro,1075 Centro CEP: 95.918-000 CNPJ 94.706.033/0001-03 LEI Nº 1006, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2009. Institui a Lei Geral do Microempreendedor Individual,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos 1 de 7 07/10/2015 10:08 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 8.538, DE 6 DE OUTUBRO DE 2015 Vigência Regulamenta o tratamento favorecido, diferenciado e simplificado

Leia mais

*Lei Complementar 374/2009: CAPÍTULO I DA INSCRIÇÃO, LEGALIZAÇÃO E BAIXA

*Lei Complementar 374/2009: CAPÍTULO I DA INSCRIÇÃO, LEGALIZAÇÃO E BAIXA *Lei Complementar 374/2009: LEI COMPLEMENTAR Nº 374, DE 23 DE SETEMBRO DE 2009. REGULAMENTA O TRATAMENTO DIFERENCIADO E FAVORECIDO ÀS MICROEMPRESAS, ÀS EMPRESAS DE PEQUENO PORTE E AOS MICROEMPRESÁRIOS

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE POLÍTICA DE COMPRAS A MICROEMPRESAS, EMPRESAS DE PEQUENO PORTE E MICROEMPREENDEDORES INDIVIDUAIS NO ESTADO DE PERNAMBUCO

DESENVOLVIMENTO DE POLÍTICA DE COMPRAS A MICROEMPRESAS, EMPRESAS DE PEQUENO PORTE E MICROEMPREENDEDORES INDIVIDUAIS NO ESTADO DE PERNAMBUCO Centro de Convenções Ulysses Guimarães Brasília/DF 16, 17 e 18 de abril de 2013 DESENVOLVIMENTO DE POLÍTICA DE COMPRAS A MICROEMPRESAS, EMPRESAS DE PEQUENO PORTE E MICROEMPREENDEDORES INDIVIDUAIS NO ESTADO

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE ADMINISTRAÇÃO COMPRAS GOVERNAMENTAIS

SECRETARIA DE ESTADO DE ADMINISTRAÇÃO COMPRAS GOVERNAMENTAIS SECRETARIA DE ESTADO DE ADMINISTRAÇÃO COMPRAS GOVERNAMENTAIS Alice Viana Soares Monteiro Secretária de Estado de Compras Governamentais sob o aspecto da Sustentabilidade Compra Pública Sustentável ou Licitação

Leia mais

AULA 11 MICROEMPRESA - CARACTERÍSTICAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE NO BRASIL

AULA 11 MICROEMPRESA - CARACTERÍSTICAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE NO BRASIL AULA 11 MICROEMPRESA - CARACTERÍSTICAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE NO BRASIL A Lei Complementar 123/2006 estabelece normas gerais relativas ao tratamento diferenciado e favorecido a ser dispensado

Leia mais

Agenda para Micro e Pequenas Empresas

Agenda para Micro e Pequenas Empresas Agenda para Micro e Pequenas Empresas As Micro e Pequenas Empresas (MPE) são de vital importância para o desenvolvimento econômico de Goiás, pois atuam em diversas atividades econômicas, tais como indústria,

Leia mais

RESUMO DO DECRETO MUNICIPAL Nº 49.511/08 - SP

RESUMO DO DECRETO MUNICIPAL Nº 49.511/08 - SP RESUMO DO DECRETO MUNICIPAL Nº 49.511/08 - SP O Decreto Municipal Nº 49.511/08 regulamenta, no âmbito do Município de São Paulo, as normas definidas na Lei Complementar nº 123/06, que criou o Estatuto

Leia mais

Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação. Ministério do Planejamento

Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação. Ministério do Planejamento Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação Ministério do Planejamento Marcos Legais Definiu que as obras, serviços, compras e alienações da Administração devem ser, em regra, precedidas de licitação.

Leia mais

DECRETO Nº. 6.204, DE 5 DE SETEMBRO DE 2007 DOU 06.09.2007

DECRETO Nº. 6.204, DE 5 DE SETEMBRO DE 2007 DOU 06.09.2007 DECRETO Nº. 6.204, DE 5 DE SETEMBRO DE 2007 DOU 06.09.2007 Regulamenta o tratamento favorecido, diferenciado e simplificado para as microempresas e empresas de pequeno porte nas contratações públicas de

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul Município de Venâncio Aires

Estado do Rio Grande do Sul Município de Venâncio Aires PROJETO-DE-LEI Nº 159, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2014 Poder Executivo Institui a Lei Geral Municipal da Microempresa - ME, Empresa de Pequeno Porte - EPP, Microempreendedor Individual - MEI, e dá outras providências.

Leia mais

do Município de Londrina

do Município de Londrina Jornal Pág. 1 Oficial do Município de Londrina IMPRENSA OFICIAL DO MUNICÍPIO DE LONDRINA ANO XV N 2450 Publicação Semanal JORNAL DO EXECUTIVO ATOS LEGISLATIVOS Digitally signed by MUNICIPIO DE LONDRINA:75771477000170

Leia mais

PRÁTICAS DE PREGÃO. Elaborado por Leonel Duarte Aranha. Atualizado em setembro/2014

PRÁTICAS DE PREGÃO. Elaborado por Leonel Duarte Aranha. Atualizado em setembro/2014 PRÁTICAS DE PREGÃO Elaborado por Leonel Duarte Aranha Atualizado em setembro/2014 1 Tratamento favorecido Microempresas e Empresas de Pequeno Porte Constituição Federal: Art. 170:... IX - tratamento favorecido

Leia mais

A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE SAQUAREMA, Estado do Rio de Janeiro. Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono a seguinte Lei:

A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE SAQUAREMA, Estado do Rio de Janeiro. Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.027 DE 16 DE NOVEMBRO DE 2009. Regulamenta tratamento diferenciado e favorecido às microempresas e empresas de pequeno porte de que trata a Lei Complementar Federal nº. 123/2006, e dá outras providências.

Leia mais

ESTADO DO ACRE DECRETO Nº 5.966 DE 30 DE DEZEMBRO DE 2010

ESTADO DO ACRE DECRETO Nº 5.966 DE 30 DE DEZEMBRO DE 2010 Regulamenta o tratamento favorecido, diferenciado e simplificado para as microempresas, empresas de pequeno porte e equiparadas nas contratações de bens, prestação de serviços e execução de obras, no âmbito

Leia mais

ESTADO DE SERGIPE PREFEITURA MUNICIPAL DE ARACAJU Secretaria Municipal de Governo LEI COMPLEMENTAR Nº. 97 DE 1º DE JULHO DE 2010

ESTADO DE SERGIPE PREFEITURA MUNICIPAL DE ARACAJU Secretaria Municipal de Governo LEI COMPLEMENTAR Nº. 97 DE 1º DE JULHO DE 2010 Regulamenta o tratamento diferenciado e favorecido ao microempreendedor individual de que trata a Lei Complementar Federal nº 128, de 19 de dezembro de 2008, e dá outras providências. O PREFEITO DO MUNICÍPIO

Leia mais

Lei Complementar 123,

Lei Complementar 123, X Lei Complementar 123, de 14 de dezembro de 2006 [Estatuto das Micro e Pequenas Empresas Fragmentos] (*) DOU 31.01.2012 Institui o Estatuto Nacional da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte; altera

Leia mais

O PREFEITO MUNICIPAL DE JAGUARIBARA no uso de suas atribuições legais e prerrogativas contidas na Lei Orgânica.

O PREFEITO MUNICIPAL DE JAGUARIBARA no uso de suas atribuições legais e prerrogativas contidas na Lei Orgânica. 1 LEI Nº 841/2013, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2013. Institui o Estatuto do Microempreendedor Individual, da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte no Município de Jaguaribara, em conformidade com os artigos

Leia mais

Conhecer o cenário de atuação de micro e pequenas empresas é fundamental para subsidiar estratégias de atuação do Sebrae junto a esses negócios.

Conhecer o cenário de atuação de micro e pequenas empresas é fundamental para subsidiar estratégias de atuação do Sebrae junto a esses negócios. Conhecer o cenário de atuação de micro e pequenas empresas é fundamental para subsidiar estratégias de atuação do Sebrae junto a esses negócios. Só assim é possível identificar oportunidades de melhorias

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº. 2.276, DE 08 DE FEVEREIRO DE 2010.

LEI MUNICIPAL Nº. 2.276, DE 08 DE FEVEREIRO DE 2010. LEI MUNICIPAL Nº. 2.276, DE 08 DE FEVEREIRO DE 2010. Institui a Lei Geral Municipal da Microempresa, Empresa de Pequeno Porte e Microempreendedor Individual, e dá outras providências. IVANOR BIOTTO, Prefeito

Leia mais

Plano BrasilMaior 2011/2014

Plano BrasilMaior 2011/2014 Plano BrasilMaior 2011/2014 Inovar para competir. Competir para crescer. Agenda de Ações para a Competitividade dos Pequenos Negócios Dimensões do Plano Brasil Maior -Quadro Síntese Dimensão Estruturante:

Leia mais

LEI Nº 3.122 / 2010. A Câmara Municipal de Santa Luzia, Estado de Minas Gerais, aprova e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei.

LEI Nº 3.122 / 2010. A Câmara Municipal de Santa Luzia, Estado de Minas Gerais, aprova e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei. LEI Nº 3.122 / 2010 Institui a Lei Geral Municipal da Microempresa, da Empresa de Pequeno Porte e do Microempreendedor Individual e dá outras providências. A Câmara Municipal de Santa Luzia, Estado de

Leia mais

A CÂMARA MUNICIPAL DE MACAÉ deliberou e eu sanciono a CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS E DO ÂMBITO DE APLICAÇÃO

A CÂMARA MUNICIPAL DE MACAÉ deliberou e eu sanciono a CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS E DO ÂMBITO DE APLICAÇÃO LEI N 3.915 /2012 Institui normas de tratamento diferenciado às Microempresas, Empresas de Pequeno Porte e Empreendedores Individuais, no âmbito do Município, e dá outras providências. seguinte Lei: A

Leia mais

Professora: Nazaré Ferrão. Liliane Duarte da Silva Lidiane Pelaes Cardoso Odir Silva Neto Thallyta Resende Gomes

Professora: Nazaré Ferrão. Liliane Duarte da Silva Lidiane Pelaes Cardoso Odir Silva Neto Thallyta Resende Gomes Lei das micro e pequenas empresas e empreendedorismo individual Professora: Nazaré Ferrão. Liliane Duarte da Silva Lidiane Pelaes Cardoso Odir Silva Neto Thallyta Resende Gomes Quem são as micro e pequenas

Leia mais

Fortalecimento do mercado interno. Isonomia tratar iguais como iguais e

Fortalecimento do mercado interno. Isonomia tratar iguais como iguais e COMPRAS GOVERNAMENTAIS COMO POLÍTICA INDUTORA DO DESENVOLVIMENTO LOCAL José Lusmá (Poty) jsantos@tce.pb.gov.br br Fortalecimento do mercado interno (competição); Isonomia tratar iguais como iguais e diferentes

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE DIVINÓPOLIS

PREFEITURA MUNICIPAL DE DIVINÓPOLIS PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 009/2009 Institui a Lei Geral Municipal das Micro e Pequenas Empresas, e dá outras providências. Capítulo I DAS DISPOSIÇOES PRELIMINARES Art. 1º Esta Lei regulamenta o tratamento

Leia mais

DO DESENVOLVIMENTO. Brasília março 2011

DO DESENVOLVIMENTO. Brasília março 2011 OS PEQUENOS NEGÓCIOS NANA LIDERANÇA OS PEQUENOS NEGÓCIOS LIDERANÇA DO DESENVOLVIMENTO DO DESENVOLVIMENTO Brasília março 2011 Servi«o Brasileiro de Apoio s Micro e Pequenas Empresas Miss o Institucional

Leia mais

Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / www.sebrae.com.br

Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / www.sebrae.com.br REPRESENTATIVIDADE DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL 10 milhões de negócios formais (99%) e 9 milhões de informais 56,1% da força de trabalho que atua no setor formal urbano 26% da massa salarial 20% do

Leia mais

LEI Nº 4.038 DE 28 DE MARÇO DE 2012

LEI Nº 4.038 DE 28 DE MARÇO DE 2012 LEI Nº 4.038 DE 28 DE MARÇO DE 2012 REGULAMENTA no Município de Não-Me- Toque/RS o tratamento diferenciado e favorecido às microempresas e empresas de pequeno porte de que trata a Lei Complementar Federal

Leia mais

Manifesto da Micro e Pequena Empresa e do Empreendedor Individual de Santa Catarina

Manifesto da Micro e Pequena Empresa e do Empreendedor Individual de Santa Catarina Lages, 30 de outubro de 2011 Ilmo. Senhor, A FAMPESC Federação da Micro e Pequena Empresa e do Empreendedor Individual do Estado de Santa Catarina, entidade que compreende as AMPE s - Associações de Micro

Leia mais

Como comprar mais e melhor das Micro e Pequenas Empresas. Projeto de Compras Governamentais

Como comprar mais e melhor das Micro e Pequenas Empresas. Projeto de Compras Governamentais Como comprar mais e melhor das Micro e Pequenas Empresas Projeto de Compras Governamentais 2º Seminário Internacional sobre Compras e Contratações Sustentáveis Agosto/2014 Maria Aparecida Rosa Vital Brasil

Leia mais

EDITAL PARA EXPOSIÇÃO DE OPORTUNIDADES NA FEIRA DO EMPREENDEDOR DO RIO DE JANEIRO Edição 2015 I DA CONVOCAÇÃO

EDITAL PARA EXPOSIÇÃO DE OPORTUNIDADES NA FEIRA DO EMPREENDEDOR DO RIO DE JANEIRO Edição 2015 I DA CONVOCAÇÃO I DA CONVOCAÇÃO SERVIÇO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO Sebrae/RJ, entidade associativa de direito privado, sem fins econômicos, torna público que promoverá seleção de expositores para

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 139 DE 2 DE FEVEREIRO DE 2010. Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei:

LEI COMPLEMENTAR Nº 139 DE 2 DE FEVEREIRO DE 2010. Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei: LEI COMPLEMENTAR Nº 139 DE 2 DE FEVEREIRO DE 2010 "INSTITUI O ESTATUTO MUNICIPAL DA MICRO E DA PEQUENA EMPRESA, INTRODUZ DISPOSITIVOS ESPECÍFICOS NO CÓDIGO TRIBUTÁRIO MUNICIPAL, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS."

Leia mais

FAQ AUDIÊNCIA PÚBLICA - LICITAÇÃO AGF 2013

FAQ AUDIÊNCIA PÚBLICA - LICITAÇÃO AGF 2013 FAQ AUDIÊNCIA PÚBLICA - LICITAÇÃO AGF 2013 Perguntas 1) O que é uma franquia dos Correios? 2) Qual o Objetivo da Audiência Publica sobre contratação de pessoa jurídica de direito privado para operação

Leia mais

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DO SETOR METAL MECÂNICO DO GRANDE ABC

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DO SETOR METAL MECÂNICO DO GRANDE ABC ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DO SETOR METAL MECÂNICO DO GRANDE ABC TERMO DE REFERÊNCIA Nº 002/2009 SERVIÇOS DE CONSULTORIA DE COORDENAÇÃO DO PROJETO Contatos Luiz Augusto Gonçalves de Almeida (Relações Institucionais)

Leia mais