A INFERTILIDADE FEMININA NA PÓS-MODERNIDADE E SEUS REFLEXOS NA SUBJETIVIDADE DE UMA MULHER

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A INFERTILIDADE FEMININA NA PÓS-MODERNIDADE E SEUS REFLEXOS NA SUBJETIVIDADE DE UMA MULHER"

Transcrição

1 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS CURSO DE MESTRADO EM PSICOLOGIA ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: PROCESSOS DE SUBJETIVAÇÃO LINHA DE PESQUISA: PROCESSOS PSICOSSOCIAIS A INFERTILIDADE FEMININA NA PÓS-MODERNIDADE E SEUS REFLEXOS NA SUBJETIVIDADE DE UMA MULHER FERNANDA ELEONORA MIRANDA BELO HORIZONTE 2005

2 FERNANDA ELEONORA MIRANDA A INFERTILIDADE FEMININA NA PÓS- MODERNIDADE E SEUS REFLEXOS NA SUBJETIVIDADE DE UMA MULHER Dissertação apresentada ao Curso de Mestrado em Psicologia da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais como requisito parcial para a obtenção do título de Mestre em Psicologia Área de concentração: Processos de subjetivação Orientadora: Jacqueline de Oliveira Moreira BELO HORIZONTE 2005

3 FICHA CATALOGRÁFICA Miranda, Fernanda Eleonora M672i A infertilidade feminina na pós-modernidade e seus reflexos na subjetividade de uma mulher / Fernanda Eleonora Miranda. Belo Horizonte, f. Orientadora: Jacqueline de Oliveira Moreira Dissertação (Mestrado) - Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Programa de Pós-Graduação em Psicologia. Bibliografia 1. Infecundidade feminina. 2. Pós-modernismo. 3. Psicanálise. 4. Mulher Aspectos sociais. I. Moreira, Jacqueline de Oliveira. II. Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Programa de Pós-Graduação em Psicologia. III Título. CDU: :

4 Fernanda Eleonora Miranda A infertilidade feminina na pós-modernidade e seus reflexos na subjetividade de uma mulher Dissertação apresentada ao Curso de Mestrado em Psicologia da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais como requisito parcial para a obtenção do título de Mestre em Psicologia, Belo Horizonte, em 25 de novembro de Jacqueline de Oliveira Moreira (Orientadora) - PUC Minas Carlos Roberto Drawin - UFMG Maria Ignes Costa Moreira - PUC Minas

5 Às mulheres que, como Rosa, lutam com coragem para que a infertilidade feminina não seja estéril.

6 AGRADECIMENTOS Ao Henrique, de novo, pela presença inspiradora. Ao Ril pela parceria. À Mamãe pela cumplicidade e doação de sempre. À Jacqueline pela orientação atenciosa e carinhosa, por incentivar e enriquecer este projeto. Ao Drawin pelas valiosas contribuições. À Riva, meio fada madrinha, com seu leve toque fez grandes coisas acontecerem para mim. À Rosa por dividir comigo a sua história.

7 RESUMO Este trabalho teve como objetivo discutir a infertilidade feminina na pós-modernidade e seu impacto na subjetividade das mulheres que a vivenciam, buscando contribuir para a abordagem dessas pacientes na clínica. Utilizou-se da construção de caso clínico como procedimento metodológico de pesquisa. Verificou-se a influência de características pós-modernas na vivência da infertilidade feminina tais como o narcisismo, o papel de destaque do corpo e de seu controle, o imediatismo. Viu-se, por meio de um diálogo com o discurso filosófico e sociocultural, que a situação social das mulheres altera sua posição subjetiva o que leva a particularidades na experiência da infertilidade feminina. Para uma mulher autônoma e livre a infertilidade associa-se à perda do poder de optar ou não pela maternidade, direito conquistado socialmente e valorizado na pós-modernidade. Pôde ser visto que a infertilidade feminina relaciona-se ao narcisismo secundário e ao ideal de eu relativo à maternidade que, por sua vez, diz respeito à gravidez natural e à barriga. Viu-se que a infertilidade pode ser tomada como chaga narcísica que reativa conflitos relativos à castração e que, pela evocação do feminino que suscita, pode levar o sujeito a novas possibilidades de criação mediante um rearranjo psíquico e social. Por meio do caso clínico pôde se ver a importância do conceito de inveja na clínica da infertilidade feminina e pôde-se concluir que vivenciar a infertilidade como limite e não como limitação e mutilação pode levar o sujeito ao reconhecimento lúdico da falta e à inventividade do desejo. Palavras-chave: Infertilidade feminina, pós-modernidade, subjetividade.

8 ABSTRACT This study had as objective discussing the female infertility in post-modernity and its impact in the subjectivity of the women who experience it, in order to contribute to the approach of these patients in the clinical practice. The methodological procedure of research was based in the construction of clinical case. It was verified the influence of post-modern characteristics in the experience of female infertility, such as narcissism, the lead role of the body and its control, the immediatism. It was seen, by means of a dialogue with the philosophical and socio-cultural speech, that women s social situation modifies their subjective position, what takes to particularities in the experience of female infertility. For an autonomous and free woman, infertility associates with the loss of the power to choose or not the maternity, right that was socially conquered and valued in postmodernity. It could be noticed that female infertility is related to the secondary narcissism and to self idealism related to maternity that, in its turn, is regarded to natural pregnancy and the belly. It was observed that infertility can be considered as a narcissistic wound that reactivates conflicts referred to castration and that, by the evocation of the feminine that it suscitates, can bring the subject to new possibilities of creation by means of a psychic and social rearrangement. By means of the study of the clinical case it could be seen the importance of the concept of envy in the clinic of the female infertility and it could be concluded that to experience the infertility as a limit and not as limitation or mutilation can take the subject to the playful recognition of the absence and to the inventiveness of desire. Key-words: female infertility, post-modernity, subjectivity.

9 SUMÁRIO PARTE I - TRABALHO INTRODUTÓRIO...10 INTRODUÇÃO...11 CAPÍTULO 1. DISCUSSÃO METODOLÓGICA...16 CAPÍTULO 2. A INFERTILIDADE FEMININA Entendendo a infertilidade feminina Revisão da literatura sobre a infertilidade feminina...22 PARTE II ENFOQUE CONCEITUAL: UM TRABALHO DESCRITIVO CAPÍTULO 3. A BUSCA POR DIÁLOGOS INTERDISCIPLINARES NA CONSTRUÇÃO DE UM ENFOQUE CONCEITUAL MAIS AMPLO Diálogo com o discurso filosófico e sociológico: a noção de sujeito e a posição da mulher No silêncio das mulheres a ausência de um sujeito A mulher como sujeito no século XX: a conquista do falo da fala A situação das mulheres no Brasil do século XX Diálogo com o discurso sociocultural: um pouco da história da maternidade O discurso sociocultural, a pós-modernidade e o mal-estar na infertilidade feminina A pós-modernidade e o corpo infértil: o descompasso entre o corpo, o desejo e o outro PARTE III MARCO TEÓRICO PSICANALÍTICO: PONTE PARA UM TRABALHO REFLEXIVO CAPÍTULO 4. O DISCURSO PSICANALÍTICO E A SUBJETIVIDADE DA MULHER DIANTE DA INFERTILIDADE Considerações preliminares: a noção de sujeito no sentido psicanalítico A construção da subjetividade feminina : aporia da psicanálise freudiana à questão da infertilidade Narcisismo e infertilidade feminina : à sombra de uma barriga que não cresceu e de um filho que não veio Maternidade e infertilidade sob a égide do narcisismo O sentido da castração: da imposição de limites ao horizonte de promessa Da feminilidade ao feminino: um percurso na vivência da infertilidade feminina

10 4.5.1 Leitura sobre a feminilidade e sua relação com a infertilidade feminina O território do feminino e a infertilidade feminina: abrindo portas para novas possibilidades de criação PARTE IV REFLEXÃO CASUÍSTICA: A CONSTRUÇÃO DE UM CASO CLÍNICO CAPÍTULO 5. O CASO DE ROSA E O MISTÉRIO DA INFERTIIDADE FEMININA Considerações preliminares O caso de Rosa numa perspectiva de re-escuta Considerações finais na construção do caso clínico CONCLUSÃO REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

11

12 2

13 3

14 4

15 5

16 6

17 7

18 8

19 9

20 10 PARTE I TRABALHO INTRODUTÓRIO

21 11 INTRODUÇÃO A infertilidade feminina se apresenta como um desafio às mulheres em busca de novas possibilidades de criação. A experiência da infertilidade revela-se devastadora e provocadora para a mulher que a atravessa, uma experiência de encontro com a dor e um convite para novos arranjos da subjetividade com a possibilidade de ressignificação de conceitos como a feminilidade e a maternidade. Enquanto esperam o filho que ainda não veio, as mulheres vão gestando novas formas de subjetivação dos conflitos psíquicos, novos e antigos conflitos, que emergem no bojo da infertilidade. Estudar os eventos psíquicos relacionados à infertilidade feminina na pósmodernidade leva a trabalhar com questões ligadas à mulher e às invenções femininas atravessadas pelo contexto sócio-histórico que lhes empresta o colorido. Nesta rota se apresenta um percurso que vai da feminilidade ao feminino. Feminilidade enquanto conceito sócio-histórico dinâmico e mutante, um discurso da sociedade de determinado período que confere às mulheres um lugar e uma posição social e que oferece referencial para a construção da identidade feminina. O construto feminino, por seu termo, participa do percurso aqui traçado por apontar para a singularidade e para as possibilidades de subjetivação próprias a cada sujeito; afinal, o feminino remete àquilo que convida o sujeito a transformar a falta, condição do humano, numa possibilidade infinita de invenções que se fazem e se desfazem ininterruptamente. O tema deste estudo vem de um questionamento originado na clínica com pacientes que em algum momento de suas vidas têm que se haver com a problemática da infertilidade. Esta pesquisa, portanto, terá como apoio e como inspiração a prática de uma clínica de caráter interdisciplinar com a medicina, que

22 12 vem se consolidando desde 1997 no atendimento de mulheres que vivenciam a infertilidade. Este estudo visa contribuir para a abordagem dessas pacientes na clínica. Uma paciente, em tratamento médico para infertilidade, dizia que o processo provocava ansiedade, que para ela era uma mistura de medo e de esperança. Ora o medo se fazia presente ao longo do caminho, medo de não conseguir engravidar e de sofrer, ora a esperança a tomava trazendo otimismo, esperança de poder realizar seu sonho ao final do tratamento. Pôde-se perceber que o acompanhamento psicológico durante o tratamento de infertilidade oferece às mulheres a oportunidade de lidar com o aspecto emocional que inevitavelmente acompanha o processo. A escuta psicanalítica proporciona um espaço para que a paciente possa falar de seu medo e de sua esperança. Uma parte introdutória visou apresentar a metodologia eleita, apresentar o conceito de infertilidade e rever as publicações relativas ao tema. Uma parte descritiva veio depois e foi realizada através de um enfoque conceitual que buscou a contribuição dos discursos filosófico e sociocultural; em seguida fez-se um trabalho reflexivo lançando mão do discurso psicanalítico que é tomado como marco teórico de todo este trabalho e da construção de um caso clínico. A proposta é utilizar o eixo teórico psicanalítico confrontando a psicanálise com a atualidade, o que exige, de acordo com Birman (2002), um trabalho de mão dupla a fim de explorar aquilo que é motivo de inquietação. Nesse fazer de mão dupla, em primeiro lugar é preciso que a psicanálise se deixe sensibilizar e impregnar pelas contribuições de outros discursos, neste caso o médico, o filosófico e o sociológico. O trabalho de mão dupla visa promover o diálogo interdisciplinar da psicanálise, a fim de que, sem perder sua especificidade teórica, ela também possa avançar nas questões cruciais da contemporaneidade pela interpelação fecunda trazida pelas

23 13 outras disciplinas (BIRMAN, 2002, p.10). Em segundo lugar, esse trabalho exige a utilização de conceitos psicanalíticos com o objetivo de explicitar e elucidar o que está em questão, no caso desta pesquisa, a infertilidade para a mulher na sociedade contemporânea. Sendo o tema a infertilidade feminina na pós-modernidade e os aspectos psíquicos ligados a esta experiência, a adjetivação feminina coloca as mulheres na órbita deste estudo, o que torna fundamental um breve histórico sobre os deslocamentos da situação delas na sociedade e as conseqüentes transformações das noções de feminilidade e maternidade, que vão influenciar a forma de se conceber a infertilidade. Diferentes momentos sócio-históricos proporcionam um colorido contextual particular à situação das mulheres na sociedade, o que vai emprestar particularidade às noções de feminilidade e maternidade na atualidade, conferindo, assim, um significado específico à experiência de infertilidade hoje. O tema está delimitado ao momento atual caracterizado pela pós-modernidade, mas, a fim de abordá-la, foi preciso lançar um olhar comparativo entre esta e a modernidade sem perder de vista nossas balizas: a feminilidade e a maternidade. Assim, foram trabalhados os constructos mulher, maternidade e feminilidade que são reflexos do contexto histórico, tendo o objetivo de revelar os contornos de um outro conceito em construção, a infertilidade feminina. O desenvolvimento do trabalho enfocou inicialmente o aspecto que se refere à contextualização histórica da situação das mulheres, fazendo um recorte dessa situação desde a modernidade até a pós-modernidade. A fim de realizar essa reconstrução histórica, recorreu-se à noção filosófica de sujeito e à discussão sobre a aplicação desse conceito às mulheres desde o seu surgimento até os dias de hoje. Tomar a noção filosófica de sujeito como um referencial se justifica pois, assim, torna-se possível realizar um diálogo com o discurso filosófico fazendo o

24 14 percurso histórico de maneira crítica, o que vai ao encontro dos objetivos deste trabalho. Sob essa ótica crítica, o conceito filosófico de sujeito que surge na modernidade mostrou a sua não aplicabilidade às mulheres no momento de seu surgimento, em função da situação delas na sociedade nesse período histórico. Só a partir de deslocamentos na posição social das mulheres é que o termo pôde se aplicar a elas, pois esses deslocamentos proporcionam a emergência do sujeito mulher no sentido filosófico do termo sujeito. Além de uma sustentação filosófica, o estudo buscou paralelamente uma sustentação histórico-sociológica da posição da mulher no cenário moderno e pósmoderno, avaliando suscintamente sua história no Ocidente e no Brasil e os posicionamentos dela e da sociedade em relação à maternidade em diferentes momentos históricos. Até então o estudo foi basicamente descritivo; a partir de então, um trabalho reflexivo se impôs já que aqui interessam também os aspectos mais íntimos e subjetivos relativos à experiência da infertilidade. Assim, uma vez vencida a primeira etapa do trabalho de mão dupla, em que as contribuições do discurso filosófico e sociocultural permitiram uma contextualização da situação da mulher e da mãe na sociedade, desenvolveu-se a segunda parte, que se constituiu de uma abordagem do singular mediante um trabalho de reflexão sobre o sujeito diante de uma experiência que o remete a uma ferida narcísica, à castração, ao feminino. Utilizando o marco teórico psicanalítico, manteve-se o foco nas balizas que então guiaram este estudo - a feminilidade, a maternidade e a infertilidade feminina, buscando-lhes acesso por meio do discurso da psicanálise freudiana e da contribuição de autores pós-freudianos como Melaine Klein, Joel Birman, Zeferino Rocha e Maria Rita Kehl, entre outros.

25 15 A princípio, indagou-se à psicanálise freudiana sobre a construção subjetiva feminina, procurando respostas acerca da repercussão da infertilidade sobre a expressão da subjetividade de uma mulher. Essa mesma questão guiou a discussão sobre o narcisismo, a castração e o feminino. Pôde-se ver que a infertilidade se apresenta como uma verdadeira chaga narcísica que reaviva conflitos adormecidos e que leva à emergência de conflitos referentes à questão edípica e à castração. Por fim, um caso clínico foi apresentado numa perspectiva de reescuta, e foi com Rosa, nome fictício do sujeito estudado, que se mostrou o impacto da infertilidade sobre a expressão de sua subjetividade. Dessa forma, o caminho teórico se construiu do universal ao singular: da história das mulheres na sociedade à história de uma mulher retratada no caso clínico; de uma indagação sobre a infertilidade nas mulheres, encarnando ou não a condição de sujeito no sentido filosófico-sociológico, a uma indagação sobre os atravessamentos da infertilidade na construção subjetiva de um sujeito no sentido psicanalítico; da esterilidade da infertilidade a uma subjetivação criativa de uma infertilidade.

26 16 CAPÍTULO 1. DISCUSSÃO METODOLÓGICA Este estudo recorreu ao campo clínico amparado na linha de pesquisa qualitativa. Para Chizzotti (1991), a abordagem qualitativa parte do fundamento de que há uma relação dinâmica entre o mundo real e o sujeito. Para ele, há uma interdependência viva entre o sujeito e o objeto, um vínculo indissociável entre o mundo objetivo e a subjetividade do sujeito. O procedimento metodológico utilizado nesta pesquisa qualitativa foi o estudo de caso. O estudo de caso como metodologia de pesquisa atende aos objetivos propostos aqui na medida em que não é, como nos diz Goode (1976), uma técnica de obtenção de dados, mas um modo de organizá-los preservando o caráter unitário do objeto estudado. Elegeu-se o estudo de caso como metodologia por considerar-se que através dele consegue-se uma aproximação da clínica com o tema em estudo, já que o instrumento de busca de informações foi um atendimento clínico. Uma das suas principais características é a ênfase na singularidade com a preservação do caráter unitário do objeto estudado, o que faz com que o estudo de caso atenda aos objetivos deste estudo. O objeto é examinado como único, como uma representação singular da realidade historicamente situada, e para uma apreensão mais completa desse objeto, este método leva em conta o contexto. Além disso, o estudo de caso enfatiza os detalhes para uma melhor compreensão do todo. Esse procedimento metodológico valoriza o conhecimento experiencial e enfatiza o importante papel do leitor na generalização deste conhecimento. Segundo André (1984), diante do estudo de caso cabe ao leitor indagar-se: o que eu posso ou não posso aplicar desse caso na minha situação? Para Laville e Dionne (1999), o estudo de caso refere-se evidentemente ao estudo de um caso que pode ser o de uma pessoa, mas também de um grupo, de

27 17 um meio, ou então fará referência a uma mudança política ou um acontecimento especial. Ele visa fornecer explicações no que tange diretamente ao caso considerado e a elementos que lhe marcam o contexto. A vantagem mais marcante dessa estratégia de pesquisa é a possibilidade de aprofundamento que oferece, já que os recursos se vêem concentrados no caso visado. Como nos mostram esses autores, ao eleger esse método de trabalho o pesquisador seleciona um caso que lhe pareça típico e representativo de outros casos análogos. Se o estudo de caso incide sobre um caso particular, a generalização não é por isso excluída, contudo, as conclusões deverão ser marcadas pela prudência. A partir de um caso típico, o pesquisador pode extravasar do particular para o geral na medida em que leva em consideração não só os aspectos que convêm a ele pesquisador, mas todos aqueles que possam se verificar pertinentes. O fundamento teórico deste trabalho é a psicanálise e o estudo de caso lhe é próprio e à sua construção desde Freud. Ele caracteriza a pesquisa psicanalítica pois impele o pesquisador a construir e não a repetir; cada caso traz o novo, que demanda novas interpretações. Tomou-se a construção de caso clínico como um estudo de caso em psicanálise. Para Nasio (2001), na construção de caso clínico o termo caso denota o interesse particular que o analista dedica a um de seus pacientes. O estudo de um caso em psicanálise se faz através do relato de uma experiência única que fala de um encontro entre paciente e terapeuta que possa respaldar um progresso teórico. Esse autor defende a idéia de que o caso transmite a psicanálise através da imagem e que o conceito teórico ganha corpo por meio de uma história clínica. É o que pretendemos fazer através do caso de Rosa, deixar que sua história empreste vida aos conceitos relativos à infertilidade feminina.

28 18 Segundo D Agord (2001), a clínica desafia constantemente a teoria ao exigir, diante de cada caso, um novo processo de teorização. Referindo-se à construção de caso clínico, a autora cita Fédida que afirma que em psicanálise o caso é uma teoria em gérmen, uma capacidade de transformação metapsicológica. Portanto, ele é inerente a uma atividade de construção (D Agord, 2001, p.12 ). Para a autora, o pesquisador em psicanálise trabalha em condições mutáveis e surpreendentes, sendo desafiado a construir e não a repetir diante da exigência que cada caso impõe de um novo processo de teorização. A construção do caso será nossa ferramenta para uma teorização a respeito da clínica da infertilidade feminina, já que, como nos diz Queiroz (2002), na produção de pesquisa metapsicológica, o caso clínico surge como ancoragem necessária. É importante apontar que, de acordo com o que pensa D Agord (2001), o caso em psicanálise se inscreve em uma clínica da escuta e, por isso, privilegia um processo do qual faz parte o próprio pesquisador enquanto terapeuta. Isso leva a crer que a escuta lança o pesquisador dentro de sua pesquisa, contrariando os princípios da neutralidade e apontando limites. Para Nasio (2001), o caso é uma ficção já que o relato de um encontro clínico nunca é o reflexo fiel de um fato concreto, mas sua reconstituição fictícia ; para ele o caso é o relato criado por um clínico que o rememora através do filtro de sua vivência. A construção do caso clínico neste trabalho tem como objetivo contribuir para fazer avançar a clínica da infertilidade e procurar interrogar sobre uma psicopatologia da infertilidade feminina. Procurar-se-á, ainda, tomar o caso como exemplo de uma vivência particular da infertilidade, exemplo que se torna movimento demonstrativo de uma curiosidade teórica que faz parte do método investigativo.

29 19 Queiroz (2002) aborda as questões éticas que envolvem o trabalho de pesquisa que se apóia num caso clínico e aponta a necessidade de mascaramento dos dados e a adoção de medidas que objetivem não interferir no processo terapêutico do paciente e nem na sua vida. Já que o caso de Rosa está pautado em alguém efetivamente existente, os dados relativos a ela foram mascarados e seu processo terapêutico já havia sido encerrado ao ser trabalhado teoricamente e aqui discutido. A construção do caso clínico, então, oferece a oportunidade de escuta do sujeito além de possibilitar uma formalização da prática clínica. A discussão do caso clínico visa a uma articulação entre prática e teoria, uma oportunidade de lançar mão dos conceitos teóricos complementando-os. Este é um caminho que possibilita construir a sustentação de uma prática. Ainda no que se refere à discussão metodológica, é importante frisar que como método de leitura foi eleito aquele sugerido por Birman (2002), o trabalho de mão dupla, que visa promover o diálogo interdisciplinar da psicanálise com outros discursos, e a utilização de conceitos psicanalíticos com o objetivo de elucidar o tema da infertilidade feminina. Dando seqüência ao trabalho introdutório vem o capítulo que define a infertilidade feminina e explora as publicações encontradas relativas ao tema.

30 20 CAPÍTULO 2. A INFERTILIDADE FEMININA 2.1 Entendendo a infertilidade feminina Para estudar a infertilidade feminina na sociedade atual enfocando os impasses psíquicos vividos pela mulher diante da experiência da infertilidade, em primeiro lugar torna-se necessário conceituar infertilidade. Os termos infertilidade e esterilidade são comumente associados à dificuldade ou impossibilidade de engravidar. No meio médico alguns autores como Olmos (2003) e Chedid (2000) definem esterilidade como a dificuldade para engravidar; um quadro de esterilidade se define quando não se consegue a gravidez após um período de tentativas regulares. Por sua parte, a infertilidade é definida pelos autores citados como a incapacidade de levar a gravidez até o fim. Neste trabalho adotou-se infertilidade como um termo genérico, definindo essas duas situações. No meio médico o termo infertilidade é em geral associado ao termo conjugal ; portanto, a infertilidade é um problema do casal que tem dificuldades para engravidar e conceber, independentemente de as causas serem ligadas ao homem ou à mulher. Até mesmo as estatísticas geralmente se referem à infertilidade conjugal; estima-se que hoje aproximadamente um em cada seis casais (mais de 15%) não consegue ter filhos (Chedid, 2000). Segundo Olmos (2003), as estimativas da Organização Mundial de Saúde (OMS) indicam que de cada cem casais, pelo menos vinte têm algum grau de dificuldade de engravidar. Pode-se entender que, no que se refere aos aspectos psíquicos, a infertilidade é também um problema que afeta o casal já que implica a interrupção ou o adiamento de um projeto de vida que é de ambos. Diante da dificuldade trazida pela infertilidade, vive-se um mal-estar que afeta cada sujeito e que

31 21 atravessa a relação do casal, além de poder afetar suas relações familiares e sociais. A visão médica não nega a ocorrência e a importância de aspectos emocionais relacionados à infertilidade, como é o caso de Chedid (2000) que afirma que o medo do fracasso, a frustração e a ansiedade são eventos psíquicos que, via de regra, permeiam a vida dos casais com problemas de fertilidade. Da mesma forma, Olmos (2003) afirma que a ansiedade gerada pela infertilidade atinge o casal e o acompanha desde as primeiras consultas médicas. A ansiedade acaba sendo uma conseqüência natural de um tratamento que pressupõe espera e incerteza, de um tratamento que lida com possibilidades e não com certezas. Além disso, os procedimentos médicos de tratamento da infertilidade têm um grau crescente de complexidade e devem ser cumpridos passo a passo, degrau por degrau. Esse passo a passo obriga a uma convivência com a frustração ao longo do processo. As pressões geradas pela realidade da infertilidade acabam por impactar as relações conjugais e sociais além, é claro, de impactar o próprio sujeito. A infertilidade é um problema conjugal mas tem uma representação diferente para homens e mulheres. Levando-se em consideração mitos e crenças socialmente partilhados, Avelar et al. (2000) acreditam que há uma associação entre fertilidade e virilidade por parte dos homens e entre fecundidade e feminilidade por parte das mulheres. Essa associação feita pelas mulheres relaciona-se ao objeto de estudo deste trabalho já que ele pretende focalizar e explorar as particularidades da vivência psíquica da infertilidade por parte da mulher na atualidade. O casal é afetado pela infertilidade feminina mas ela remete inexoravelmente à mulher, pois é no seu corpo que a gravidez se processa, ou não! A infertilidade obriga as mulheres a um diálogo com o seu corpo pois é ele que, afetado, inscreve uma realidade: a reprodução não se faz de forma natural.

32 22 A infertilidade, segundo Chatel (1995), apareceu discretamente e foi ganhando importância como questão à medida que a gravidez se tornava mais tardia, por ser adiada em virtude de uma dedicação profissional ou por uma dificuldade em se decidir pela maternidade e, ainda, à medida que as mulheres se tornavam cada vez mais exigentes, com pressa de engravidar sem demora, com medo de serem estéreis. A contracepção representou uma revolução para as mulheres. Uma das lutas levadas a cabo pelo movimento feminista era a da liberação da mulher que consistia numa tomada de poder em relação à procriação. Através da contracepção a ciência se aliou às mulheres na satisfação de sua demanda de poder escolher entre eu quero e eu não quero fazer um filho. Diante da infertilidade, mais uma vez as mulheres fazem uma demanda à ciência: querem retomar o poder sobre a procriação. A ciência, por sua vez, se mistifica ao conferir às mulheres a possibilidade de liberdade real e imaginária de fazer o que se quer quando se quer, e acaba por produzir novas formas de subjetivação. É neste contexto que as pacientes buscam a medicina, porta-voz dos avanços tecnológicos e científicos, buscam de forma explícita um tratamento para sua infertilidade, enquanto carregam silenciosamente suas fantasias e seus conflitos psíquicos aguçados pela infertilidade. 2.2 Revisão da literatura sobre a infertilidade feminina Em dissertação apresentada à PUCSP, intitulada Aspectos Psicológicos da Esterilidade Feminina, Yin (1987) realizou uma pesquisa com sete mulheres estéreis que consistiu de entrevistas e aplicação de teste projetivo TAT. O resultado de sua pesquisa apontou que a maternidade era desejada e idealizada

33 23 pelas mulheres e considerada como fundamental para a realização feminina. A infertilidade, então, abalaria o autoconceito das mulheres gerando sentimentos de frustração, culpa, vazio, fracasso, sentimentos de inferioridade em relação aos outros com prejuízo para seu relacionamento social e conjugal, inclusive sexual. O autor observou ainda um maciço uso de mecanismos de defesa por parte das mulheres para evitar confrontos diretos com seus conflitos. Na clínica pode-se perceber essa dificuldade pelo fato de, comumente, muitas pacientes se apropriarem dos detalhes médicos do tratamento da infertilidade, preocupando com os mecanismos concretos utilizados para sua fertilização como forma de evitar o enfrentamento de conflitos psíquicos que o acompanham; algumas vezes, a paciente sabe falar detalhes sobre exames e medicamentos mas não sabe falar de si e dos aspectos emocionais, que são difíceis de ser enfrentados. Pines (1990), psicanalista inglesa que se dedica ao tratamento de pacientes inférteis, diz que esses pacientes a fazem tomar consciência do profundo sofrimento emocional que experimentam. Ela afirma que no passado as pacientes tinham apenas as alternativas, aceitar que não poderiam ter filhos, ou optar pela adoção. Hoje, a tecnologia disponibiliza inúmeras opções de reprodução assistida e artificial. Contudo, para aceitar estes métodos é necessário primeiro aceitar sua incapacidade de engravidar naturalmente, vivenciando a vergonha e a culpa, que são elementos associados ao sofrimento emocional presente em situações de infertilidade. Para a autora, a confiança em sua capacidade de reproduzir é um componente importante da auto-imagem de homens e mulheres. Para a mulher, porém, a gravidez faz parte do processo de identificação com a mãe, uma identificação corporal que contribui para o cumprimento de um ideal de eu de uma

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8 CAPÍTULO 8 Fator emocional O projeto comum de ter filhos, construir a própria família, constitui um momento existencial muito importante, tanto para o homem como para a mulher. A maternidade e a paternidade

Leia mais

AS CONSEQUÊNCIAS PSICOLÓGICAS NAS MULHERES INFÉRTEIS E ESTÉREIS

AS CONSEQUÊNCIAS PSICOLÓGICAS NAS MULHERES INFÉRTEIS E ESTÉREIS AS CONSEQUÊNCIAS PSICOLÓGICAS NAS MULHERES INFÉRTEIS E ESTÉREIS Lucilaine Rodrigues Azem; Maria Cláudia Martins dos Santos; José Rogério de Paula. Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium - UNISALESIANO

Leia mais

Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna

Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna Henrique Figueiredo Carneiro Liliany Loureiro Pontes INTRODUÇÃO Esse trabalho apresenta algumas considerações,

Leia mais

TÍTULO: FILHOS DA REPRODUÇÃO ASSISTIDA: REVELAR OU NÃO REVELAR, EIS A QUESTÃO INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS

TÍTULO: FILHOS DA REPRODUÇÃO ASSISTIDA: REVELAR OU NÃO REVELAR, EIS A QUESTÃO INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS TÍTULO: FILHOS DA REPRODUÇÃO ASSISTIDA: REVELAR OU NÃO REVELAR, EIS A QUESTÃO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PSICOLOGIA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES

Leia mais

Feminilidade e Angústia 1

Feminilidade e Angústia 1 Feminilidade e Angústia 1 Claudinéia da Cruz Bento 2 Freud, desde o início de seus trabalhos, declarou sua dificuldade em abordar o tema da feminilidade. Após um longo percurso de todo o desenvolvimento

Leia mais

O AUTISMO NA PSICANÁLISE E A QUESTÃO DA ESTRUTURA Germano Quintanilha Costa 1

O AUTISMO NA PSICANÁLISE E A QUESTÃO DA ESTRUTURA Germano Quintanilha Costa 1 O AUTISMO NA PSICANÁLISE E A QUESTÃO DA ESTRUTURA Germano Quintanilha Costa 1 I Introdução O objetivo deste trabalho é pensar a questão do autismo pelo viés da noção de estrutura, tal como compreendida

Leia mais

Feminilidade e Violência

Feminilidade e Violência Feminilidade e Violência Emilse Terezinha Naves O tema sobre a violência e a feminilidade apresenta-se, nas mais diversas áreas do conhecimento, como um tema de grande interesse, quando encontramos uma

Leia mais

A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1

A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1 A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1 Patrícia Guedes 2 Comemorar 150 anos de Freud nos remete ao exercício de revisão da nossa prática clínica. O legado deixado por ele norteia a

Leia mais

Ser mãe hoje. Cristina Drummond. Palavras-chave: família, mãe, criança.

Ser mãe hoje. Cristina Drummond. Palavras-chave: família, mãe, criança. Ser mãe hoje Cristina Drummond Palavras-chave: família, mãe, criança. Hoje em dia, a diversidade das configurações familiares é um fato de nossa sociedade. Em nosso cotidiano temos figuras cada vez mais

Leia mais

A (DES)CONSTRUÇÃO DA MATERNIDADE PINTO, Maria das Graças C. da S. M. G. Uniplac/Unifra profgra@terra.com.br GT:Gênero, Sexualidade e Educação / n.

A (DES)CONSTRUÇÃO DA MATERNIDADE PINTO, Maria das Graças C. da S. M. G. Uniplac/Unifra profgra@terra.com.br GT:Gênero, Sexualidade e Educação / n. A (DES)CONSTRUÇÃO DA MATERNIDADE PINTO, Maria das Graças C. da S. M. G. Uniplac/Unifra profgra@terra.com.br GT:Gênero, Sexualidade e Educação / n. 23 Introdução A maternidade tem se constituído cada vez

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO AMOR MATERNO NA RELAÇÃO MÃE-BEBÊ: REFLEXÕES A PARTIR DA PSICANÁLISE.

A CONSTRUÇÃO DO AMOR MATERNO NA RELAÇÃO MÃE-BEBÊ: REFLEXÕES A PARTIR DA PSICANÁLISE. A CONSTRUÇÃO DO AMOR MATERNO NA RELAÇÃO MÃE-BEBÊ: REFLEXÕES A PARTIR DA PSICANÁLISE. Cléa Maria Ballão Lopes 1 Nos últimos tempos venho trabalhando com gestantes e puérperas, diretamente via atendimento

Leia mais

Violência e Sustentabilidade *

Violência e Sustentabilidade * 1 Violência e Sustentabilidade * Uma menina reclamou sentida e veementemente com a avó quando a viu arrancando uma planta. Ela lhe disse que ela não podia fazer isso, porque estaria matando a natureza.

Leia mais

Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo)

Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo) Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo) Os ideais e a ética que nortearam o campo da educação Comenius: A educação na escola deve

Leia mais

Durante toda sua vida, Anna Freud ocupou-se com a psicanálise, dando especial

Durante toda sua vida, Anna Freud ocupou-se com a psicanálise, dando especial 30 1. 3. Anna Freud: o analista como educador Durante toda sua vida, Anna Freud ocupou-se com a psicanálise, dando especial ênfase ao desenvolvimento teórico e terapêutico da psicanálise de crianças. Sua

Leia mais

AS MÚLTIPLAS FACES DO MOVIMENTO FEMINISTA NAS DÉCADAS DE 60 e 70 NO BRASIL

AS MÚLTIPLAS FACES DO MOVIMENTO FEMINISTA NAS DÉCADAS DE 60 e 70 NO BRASIL AS MÚLTIPLAS FACES DO MOVIMENTO FEMINISTA NAS DÉCADAS DE 60 e 70 NO BRASIL Érika Teline Rocha Barbosa 1 Rebeca Barros de Almeida Brandão 2 Rafaela Ferreira Telecio 3 Resumo O presente estudo constitui-se

Leia mais

DOS ESTUDOS DE GÊNERO ÀS TEORIAS QUEER: DESDOBRAMENTOS DO FEMINISMO E DO MOVIMENTO LGBT NA PSICOLOGIA SOCIAL

DOS ESTUDOS DE GÊNERO ÀS TEORIAS QUEER: DESDOBRAMENTOS DO FEMINISMO E DO MOVIMENTO LGBT NA PSICOLOGIA SOCIAL DOS ESTUDOS DE GÊNERO ÀS TEORIAS QUEER: DESDOBRAMENTOS DO FEMINISMO E DO MOVIMENTO LGBT NA PSICOLOGIA SOCIAL Profª Drª Juliana Perucchi Universidade Federal de Juiz de Fora Desde os primeiros estudos que

Leia mais

A FUNÇÃO DO PAGAMENTO EM ANÁLISE: LIMITES E POSSIBILIDADES NA INSTITUIÇÃO

A FUNÇÃO DO PAGAMENTO EM ANÁLISE: LIMITES E POSSIBILIDADES NA INSTITUIÇÃO A FUNÇÃO DO PAGAMENTO EM ANÁLISE: LIMITES E POSSIBILIDADES NA INSTITUIÇÃO Fernanda de Souza Borges feborges.psi@gmail.com Prof. Ms. Clovis Eduardo Zanetti Na praça Clóvis Minha carteira foi batida, Tinha

Leia mais

Motivações para a mulher HIV positivo gestar

Motivações para a mulher HIV positivo gestar Motivações para a mulher HIV positivo gestar Maria Regina Limeira Ortiz* Tania Mara Andreoli Gomes** Resumo Trabalhar com mulheres portadoras do vírus da Imuno Deficiência adquirida(hiv) é algo extremamente

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE O ENSINO DA PRÁTICA CLÍNICA EM CURSOS DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA

CONSIDERAÇÕES SOBRE O ENSINO DA PRÁTICA CLÍNICA EM CURSOS DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA CONSIDERAÇÕES SOBRE O ENSINO DA PRÁTICA CLÍNICA EM CURSOS DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA Fabio Thá Psicólogo, psicanalista, doutor em estudos linguísticos pela UFPR, coordenador do curso de Psicologia da Faculdade

Leia mais

Sobre a intimidade na clínica contemporânea

Sobre a intimidade na clínica contemporânea Sobre a intimidade na clínica contemporânea Flávia R. B. M. Bertão * Francisco Hashimoto** Faculdade de Ciências e Letras de Assis, UNESP. Doutorado Psicologia frbmbertao@ibest.com.br Resumo: Buscou-se

Leia mais

Márcio Peter de Souza Leite 4 de abril de 1997 PUC

Márcio Peter de Souza Leite 4 de abril de 1997 PUC O Pai em Freud 1997 O Pai em Freud Márcio Peter de Souza Leite 4 de abril de 1997 PUC Conteudo: Pais freudianos... 3 O pai de Dora... 3 O pai de Schreber.... 4 O pai castrador, que é o terceiro em Freud,

Leia mais

O homem supérfluo e o pai necessário

O homem supérfluo e o pai necessário O homem supérfluo e o pai necessário 1996 O homem supérfluo e o pai necessário Márcio Peter de Souza Leite (in "Psicanálise: problemas do feminino, Forbes, J. (org.), ed. Papirus, Campinas-SP, 1996) Conteúdo

Leia mais

MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003.

MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003. MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003. Prefácio Interessante pensar em um tempo de começo. Início do tempo de

Leia mais

Por que repetimos os mesmos erros

Por que repetimos os mesmos erros J.-D. Nasio Por que repetimos os mesmos erros Tradução: André Telles Neste livro, eu gostaria de mostrar como a minha experiência de psicanalista me levou a concluir que o inconsciente é a repetição. Normalmente,

Leia mais

A criança, a lei e o fora da lei

A criança, a lei e o fora da lei 1 A criança, a lei e o fora da lei Cristina Drummond Palavras-chave: criança, mãe, lei, fora da lei, gozo. A questão que nos toca na contemporaneidade é a do sujeito às voltas com suas dificuldades para

Leia mais

de pacientes adultos, desde o início as questões relativas à infância nortearam as suas

de pacientes adultos, desde o início as questões relativas à infância nortearam as suas 9 1. PSICANÁLISE DE CRIANÇAS 1.1 Freud: uma criança é abordada Embora a pesquisa original de Freud tenha se desenvolvido a partir da análise de pacientes adultos, desde o início as questões relativas à

Leia mais

UNIVERSIDAD ARGENTINA JOHN F. KENNEDY. Mestranda em Psicanálise Joana S. Oliveira Psicóloga CRP 06/114168

UNIVERSIDAD ARGENTINA JOHN F. KENNEDY. Mestranda em Psicanálise Joana S. Oliveira Psicóloga CRP 06/114168 UNIVERSIDAD ARGENTINA JOHN F. KENNEDY Mestranda em Psicanálise Joana S. Oliveira Psicóloga CRP 06/114168 Considerações psicanalíticas sobre a imagem corporal, algumas conseqüências após intervenções sobre

Leia mais

Resumos. Seminário de Pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Teoria Psicanalítica

Resumos. Seminário de Pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Teoria Psicanalítica Seminário de Pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Teoria Psicanalítica Inovação em psicanálise: rumos e perspectivas na contemporaneidade Quarta-feira 10/6 10h30-12h Mesa-redonda Saúde mental e psicanálise

Leia mais

CONSTRUINDO CASTELOS SOBRE ORVALHO, BRINCAM CRIANÇAS E POETAS

CONSTRUINDO CASTELOS SOBRE ORVALHO, BRINCAM CRIANÇAS E POETAS CONSTRUINDO CASTELOS SOBRE ORVALHO, BRINCAM CRIANÇAS E POETAS Irmgard Birmoser de Matos Ferreira 1 Apresento aqui algumas reflexões sobre aspectos presentes na experiência do brincar que me parecem merecer

Leia mais

Licenciatura em Serviço Social. Intervenção Social na Infância, Adolescência e Velhice. Infância e Família. Ano letivo 2014/2015

Licenciatura em Serviço Social. Intervenção Social na Infância, Adolescência e Velhice. Infância e Família. Ano letivo 2014/2015 Licenciatura em Serviço Social Intervenção Social na Infância, Adolescência e Velhice Ano letivo 2014/2015 Infância e Família Porque damos cada vez mais atenção às nossas crianças (nas sociedades ocidentais)?

Leia mais

Conversando com os pais

Conversando com os pais Conversando com os pais Motivos para falar sobre esse assunto, em casa, com os filhos 1. A criança mais informada, e de forma correta, terá mais chances de saber lidar com sua sexualidade e, no futuro,

Leia mais

O discurso sobre a profissão docente: construindo sentidos. Luciana Aleva Cressoni. PPGPE/UFSCar

O discurso sobre a profissão docente: construindo sentidos. Luciana Aleva Cressoni. PPGPE/UFSCar O discurso sobre a profissão docente: construindo sentidos Luciana Aleva Cressoni PPGPE/UFSCar Depois de uma palavra dita. Às vezes, no próprio coração da palavra se reconhece o Silêncio. Clarice Lispector

Leia mais

IV Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental X Congresso Brasileiro de Psicopatologia Fundamental -2010. Trabalho para Mesa-redonda

IV Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental X Congresso Brasileiro de Psicopatologia Fundamental -2010. Trabalho para Mesa-redonda IV Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental X Congresso Brasileiro de Psicopatologia Fundamental -2010 Trabalho para Mesa-redonda TÍTULO: Amor e ódio na neurose obsessiva: a questão do domínio

Leia mais

Faça o que Eu Digo, Mas Não Faça o que Eu Faço: Estudo Exploratório sobre Infidelidade em Relacionamentos Românticos

Faça o que Eu Digo, Mas Não Faça o que Eu Faço: Estudo Exploratório sobre Infidelidade em Relacionamentos Românticos CienteFico. Ano III, v. II, Salvador, julho-dezembro 2003 Faça o que Eu Digo, Mas Não Faça o que Eu Faço: Estudo Exploratório sobre Infidelidade em Relacionamentos Românticos Giovana Dal Bianco Perlin

Leia mais

A prova da devastação Daniela Goulart Pestana

A prova da devastação Daniela Goulart Pestana A prova da devastação Daniela Goulart Pestana A comunicação que segue procura pensar algumas especificidades constitucionais do feminino a partir do aforismo lacaniano: Não há relação sexual. Para dizer

Leia mais

PSICOLOGIA DO TRABALHO E PSICANÁLISE: UMA POSSIBILIDADE DE COMPREENSÃO DO SOFRIMENTO PSÍQUICO

PSICOLOGIA DO TRABALHO E PSICANÁLISE: UMA POSSIBILIDADE DE COMPREENSÃO DO SOFRIMENTO PSÍQUICO 1 PSICOLOGIA DO TRABALHO E PSICANÁLISE: UMA POSSIBILIDADE DE COMPREENSÃO DO SOFRIMENTO PSÍQUICO Daniele Almeida Duarte Mariana Devito Castro Francisco Hashimoto Resumo: É fato que o indivíduo, quando é

Leia mais

Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673. Há um(a) só. Analícea Calmon

Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673. Há um(a) só. Analícea Calmon Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673 Analícea Calmon Seguindo os passos da construção teórico-clínica de Freud e de Lacan, vamos nos deparar com alguns momentos de

Leia mais

A TRANSFERÊNCIA NA SALA DE AULA

A TRANSFERÊNCIA NA SALA DE AULA A TRANSFERÊNCIA NA SALA DE AULA BUCK, Marina Bertone Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail: marina.bertone@hotmail.com SANTOS, José Wellington

Leia mais

Gênero, ética e sentimentos: A resolução de conflitos no campo da educação

Gênero, ética e sentimentos: A resolução de conflitos no campo da educação PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Gênero, ética e sentimentos: A resolução de conflitos no campo da educação Valéria Amorim Arantes 1 Brigitte Ursula Stach Haertel

Leia mais

PSICOLOGIA E DIREITOS HUMANOS: Formação, Atuação e Compromisso Social. O PAPEL DA PSICOTERAPIA DE CASAL E FAMíLIA EM UM CASO DE ADOçãO

PSICOLOGIA E DIREITOS HUMANOS: Formação, Atuação e Compromisso Social. O PAPEL DA PSICOTERAPIA DE CASAL E FAMíLIA EM UM CASO DE ADOçãO O PAPEL DA PSICOTERAPIA DE CASAL E FAMíLIA EM UM CASO DE ADOçãO Bruna Maria Schiavinatto* (Programa de Iniciação Extensionista, Fundação Araucária, Departamento de Psicologia e Psicanálise, Universidade

Leia mais

ADOÇÃO. Filhos sem Pais e Pais sem Filhos: ambos precisam ser acolhidos.

ADOÇÃO. Filhos sem Pais e Pais sem Filhos: ambos precisam ser acolhidos. ADOÇÃO Filhos sem Pais e Pais sem Filhos: ambos precisam ser acolhidos. Edna G. Levy Nos dias de hoje, a adoção é exercida com maior naturalidade do que em tempos passados, em que havia a pecha da vergonha

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO MASCULINA E SUAS ARTICULAÇÕES COM O RECALCAMENTO. o processo de constituição do psiquismo. A discussão será feita à luz das idéias

IDENTIFICAÇÃO MASCULINA E SUAS ARTICULAÇÕES COM O RECALCAMENTO. o processo de constituição do psiquismo. A discussão será feita à luz das idéias IDENTIFICAÇÃO MASCULINA E SUAS ARTICULAÇÕES COM O RECALCAMENTO Cristiana de Amorim Mazzini 1 O presente trabalho discorrerá sobre a identificação masculina ocorrida durante o processo de constituição do

Leia mais

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 TEMÁTICA: EDUCAÇÃO, QUESTÃO DE GÊNERO E DIVERSIDADE EDUCAÇÃO

Leia mais

O exterior da inclusão e a inclusão do exterior

O exterior da inclusão e a inclusão do exterior O exterior da inclusão e a inclusão do exterior www.voxinstituto.com.br O tema do V Simpósio Derdic- "Mecanismos de exclusão, estratégias de inclusão" permitiu que a problemática da inclusão social do

Leia mais

Maternidade, maternagem e mercado de trabalho: vivências e significações do gênero masculino em relação à mãe de seu (s) filho (s).

Maternidade, maternagem e mercado de trabalho: vivências e significações do gênero masculino em relação à mãe de seu (s) filho (s). Maternidade, maternagem e mercado de trabalho: vivências e significações do gênero masculino em relação à mãe de seu (s) filho (s). Dayanne Marcelo Zupo Leme Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP e-mail:

Leia mais

PROGRAMA DE SAÚDE SEXUAL GOVERNAMENTAL: CONTRIBUIÇÕES, DIFICULDADES E LIMITAÇÕES

PROGRAMA DE SAÚDE SEXUAL GOVERNAMENTAL: CONTRIBUIÇÕES, DIFICULDADES E LIMITAÇÕES PROGRAMA DE SAÚDE SEXUAL GOVERNAMENTAL: CONTRIBUIÇÕES, DIFICULDADES E LIMITAÇÕES MARTYRES, Thais Raffaela dos Faculdade de Ensino Superior Dom Bosco Acadêmica do Curso de Farmácia Membro do Grupo de Bolsista

Leia mais

O Centro de Convivência do NEPAD: Um Espaço Transicional. Sônia Izecksohn

O Centro de Convivência do NEPAD: Um Espaço Transicional. Sônia Izecksohn O Centro de Convivência do NEPAD: Um Espaço Transicional Sônia Izecksohn Resumo: O Centro de Convivência do NEPAD/UERJ visa a inclusão social do usuário de drogas. Por tratar-se de um espaço compartilhado,

Leia mais

Patologias narcísicas e doenças auto-imunes: a questão da transferência [1]

Patologias narcísicas e doenças auto-imunes: a questão da transferência [1] Patologias narcísicas e doenças auto-imunes: a questão da transferência [1] Teresa Pinheiro [2] Este trabalho é um desdobramento da nossa participação na pesquisa clínico-teórica, Patologias narcísicas

Leia mais

A RODA DE LITERATURA INFANTIL COMO ESPAÇO DE REFLEXÃO CRÍTICA: um relato de experiência

A RODA DE LITERATURA INFANTIL COMO ESPAÇO DE REFLEXÃO CRÍTICA: um relato de experiência A RODA DE LITERATURA INFANTIL COMO ESPAÇO DE REFLEXÃO CRÍTICA: um relato de experiência Ana Raquel da Rocha Bezerra, UFPE Andressa Layse Sales Teixeira, UFRN RESUMO: O presente trabalho tem como objetivo

Leia mais

Impasses na clínica psicanalítica: a invenção da subjetividade

Impasses na clínica psicanalítica: a invenção da subjetividade Estados Gerais da Psicanálise: Segundo Encontro Mundial, Rio de Janeiro 2003 Impasses na clínica psicanalítica: a invenção da subjetividade Teresa Pinheiro Regina Herzog Resumo: A presente reflexão se

Leia mais

PSICOLOGIA SOCIAL COMUNITÁRIA E EMANCIPAÇÃO: UMA EXPERIÊNCIA DE TRABALHO COM JOVENS

PSICOLOGIA SOCIAL COMUNITÁRIA E EMANCIPAÇÃO: UMA EXPERIÊNCIA DE TRABALHO COM JOVENS PSICOLOGIA SOCIAL COMUNITÁRIA E EMANCIPAÇÃO: UMA EXPERIÊNCIA DE TRABALHO COM JOVENS ARANTES, João Henrique Magri jh_arantes@yahoo.com.br PPGE/UFMT 1 PINTO, Evelyn Gonçalves de Arruda evelyn_pse@yahoo.com.br

Leia mais

Milagre do Nascimento

Milagre do Nascimento Milagre do Nascimento A ciência colabora com o sonho de casais que não poderiam ter filhos por métodos tradicionais. Por Viviane Bittencourt A inseminação artificial é um dos métodos da reprodução assistida

Leia mais

As diferentes linguagens da criança: o jogo simbólico

As diferentes linguagens da criança: o jogo simbólico As diferentes linguagens da criança: o jogo simbólico Mariana Antoniuk 1 Dêivid Marques 2 Maria Angela Barbato Carneiro ( orientação) 3 Abordando as diferentes linguagens da criança neste ano, dentro do

Leia mais

O papel do corpo na contemporaneidade, as novas patologias e a escuta analítica.

O papel do corpo na contemporaneidade, as novas patologias e a escuta analítica. O papel do corpo na contemporaneidade, as novas patologias e a escuta analítica. Silvana Maria de Barros Santos Entre o século XVI a XIX, as transformações políticas, sociais, culturais e o advento da

Leia mais

A CORAGEM DE TOMAR A PALAVRA: REPRESSÃO, EDUCAÇÃO E PSICANÁLISE

A CORAGEM DE TOMAR A PALAVRA: REPRESSÃO, EDUCAÇÃO E PSICANÁLISE A CORAGEM DE TOMAR A PALAVRA: REPRESSÃO, EDUCAÇÃO E PSICANÁLISE Autores: Gleici Kelly de LIMA, Mário Ferreira RESENDE. Identificação autores: Bolsista IN-IFC; Orientador IFC-Videira. Introdução Qual seria

Leia mais

FREUD: IMPASSE E INVENÇÃO

FREUD: IMPASSE E INVENÇÃO FREUD: IMPASSE E INVENÇÃO Denise de Fátima Pinto Guedes Roberto Calazans Freud ousou dar importância àquilo que lhe acontecia, às antinomias da sua infância, às suas perturbações neuróticas, aos seus sonhos.

Leia mais

A BOCA CALA, O CORPO FALA: VIOLÊNCIA SEXUAL, SEGREDO E PSICANÁLISE.

A BOCA CALA, O CORPO FALA: VIOLÊNCIA SEXUAL, SEGREDO E PSICANÁLISE. A BOCA CALA, O CORPO FALA: VIOLÊNCIA SEXUAL, SEGREDO E PSICANÁLISE. Desde os primeiros passos de Freud em suas investigações sobre o obscuro a respeito do funcionamento da mente humana, a palavra era considerada

Leia mais

A CRIANÇA E O TEATRO - DE QUE CRIANÇAS FALAMOS?

A CRIANÇA E O TEATRO - DE QUE CRIANÇAS FALAMOS? A CRIANÇA E O TEATRO - DE QUE CRIANÇAS FALAMOS? É uma contradição, ainda pouco comentada, o fato de a ação educativa e cultural visando a infância e adolescência não serem, como deveriam, prioridade nas

Leia mais

O MANEJO TERAPÊUTICO NA CLÍNICA CONTEMPORÂNEA

O MANEJO TERAPÊUTICO NA CLÍNICA CONTEMPORÂNEA O MANEJO TERAPÊUTICO NA CLÍNICA CONTEMPORÂNEA Donald Woods Winnicott, pediatra e psicanalista, foi uma das figuras de grande expressão no cenário psicanalítico. Ele nos trouxe contribuições valiosas e

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SOCIAL E DA PERSONALIDADE

DESENVOLVIMENTO SOCIAL E DA PERSONALIDADE Rede7 Mestrado em Ensino do Inglês e Francês no Ensino Básico ÁREAS DE DESENVOLVIMENTO: DESENVOLVIMENTO SOCIAL E DA PERSONALIDADE Teorias Psicodinâmicas A Psicanálise de Sigmund Freud A perspectiva de

Leia mais

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda www.especifico.com.br DISCIPLINA : Sociologia PROF: Waldenir do Prado DATA:06/02/2012 O que é Sociologia? Estudo objetivo das relações que surgem e se reproduzem, especificamente,

Leia mais

Prof. Maurício Ribeiro de Almeida Unisalesiano - mauricio928@uol.com.br

Prof. Maurício Ribeiro de Almeida Unisalesiano - mauricio928@uol.com.br AS REPRESENTAÇÕES SOCIAIS EM UMA INSTITUIÇÃO UNIVERSITÁRIA ACERCA DAS NOVAS CONFIGURAÇÕES DE ADOÇÃO THE SOCIAL REPRESENTATIONS IN AN UNIVERSITY INSTITUTION ABOUT THE NEW ADOPTION CONFIGURATIONS Eliseu

Leia mais

Seminários Psicanalíticos 2014

Seminários Psicanalíticos 2014 Seminários Psicanalíticos 2014 CONSIDERAÇÕES SOBRE O MUNDO MENTAL BODERLINE: Teoria e manejo técnico Mara Guimarães Pereira Lima Degani Breve histórico Borderline = Limítrofe = Fronteiriço Conhecidos também

Leia mais

(Re)buscando Pêcheux: algumas reflexões in-certas 1

(Re)buscando Pêcheux: algumas reflexões in-certas 1 (Re)buscando Pêcheux: algumas reflexões in-certas 1 Beatriz Maria ECKERT-HOFF 2 Doutoranda em Lingüística Aplicada/UNICAMP Este texto se insere no painel 04, intitulado Mises au point et perspectives à

Leia mais

Atuação do psicólogo na Assistência Social. Iolete Ribeiro da Silva Conselho Federal de Psicologia

Atuação do psicólogo na Assistência Social. Iolete Ribeiro da Silva Conselho Federal de Psicologia Atuação do psicólogo na Assistência Social Iolete Ribeiro da Silva Conselho Federal de Psicologia Concepção de Assistência Social Assistência social direito social e dever estatal Marco legal: Constituição

Leia mais

Laura Meyer da Silva SEXO: MUITO PRAZER 2. Como ter uma vida sexual plena e feliz. www.lpm.com.br L&PM POCKET

Laura Meyer da Silva SEXO: MUITO PRAZER 2. Como ter uma vida sexual plena e feliz. www.lpm.com.br L&PM POCKET Laura Meyer da Silva SEXO: MUITO PRAZER 2 Como ter uma vida sexual plena e feliz www.lpm.com.br L&PM POCKET 3 3 Quando a ejaculação prematura reforça a angústia Ejaculação rápida, ejaculação prematura

Leia mais

A ESPIRITUALIDADE DA FAMÍLIA AO TER UM FAMILIAR INTERNADO POR DOENÇA CRÔNICA: RELATO DE VIVÊNCIA 1

A ESPIRITUALIDADE DA FAMÍLIA AO TER UM FAMILIAR INTERNADO POR DOENÇA CRÔNICA: RELATO DE VIVÊNCIA 1 A ESPIRITUALIDADE DA FAMÍLIA AO TER UM FAMILIAR INTERNADO POR DOENÇA CRÔNICA: RELATO DE VIVÊNCIA 1 ROSSATO, Karine 2 ; GIRARDON-PERLINI, Nara Marilene Oliveira 3, MISTURA, Claudelí 4, CHEROBINI, Márcia

Leia mais

O SUPEREU NA DEMANDA DE AMOR INSACIÁVEL DAS MULHERES

O SUPEREU NA DEMANDA DE AMOR INSACIÁVEL DAS MULHERES O SUPEREU NA DEMANDA DE AMOR INSACIÁVEL DAS MULHERES Daniela de Oliveira Martins Mendes Daibert Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Psicanálise da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ);

Leia mais

O DIVÓRCIO SEGUNDO CARTER &MC GOLDRICK(1995) O DIVÓRCIO É UMA CRISE DE TRANSIÇÃO;

O DIVÓRCIO SEGUNDO CARTER &MC GOLDRICK(1995) O DIVÓRCIO É UMA CRISE DE TRANSIÇÃO; O DIVÓRCIO SEGUNDO CARTER &MC GOLDRICK(1995) O DIVÓRCIO É UMA CRISE DE TRANSIÇÃO; TORNA-SE MAIS COMUM EMBORA OS CÔNJUGES NÃO ESTEJAM PREPARADOS, SOFRENDO GRANDE IMPACTO FÍSICO E EMOCIONAL; AFETA OS MEMBROS

Leia mais

REVISITANDO A TEORIA DO SETTING TERAPÊUTICO

REVISITANDO A TEORIA DO SETTING TERAPÊUTICO REVISITANDO A TEORIA DO SETTING TERAPÊUTICO 2012 Letícia Machado Moreira Psicóloga, em formação psicanalítica pelo IEPP leticiamachadomoreira@gmail.com Cristiane Silva Esteves Psicóloga. Especialista em

Leia mais

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Tradução: Tomaz Tadeu da Silva & Guaciara Lopes Louro. Rio de Janeiro: Lamparina, 2014.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Tradução: Tomaz Tadeu da Silva & Guaciara Lopes Louro. Rio de Janeiro: Lamparina, 2014. HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Tradução: Tomaz Tadeu da Silva & Guaciara Lopes Louro. Rio de Janeiro: Lamparina, 2014. Max Lânio Martins Pina, da Universidade Estadual de Goiás

Leia mais

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DE HOMENS CASADOS E SOLTEIROS A RESPEITO DA UNIÃO ESTÁVEL

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DE HOMENS CASADOS E SOLTEIROS A RESPEITO DA UNIÃO ESTÁVEL 1 REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DE HOMENS CASADOS E SOLTEIROS A RESPEITO DA UNIÃO ESTÁVEL Patrícia Ennes UERJ Celso Pereira de Sá UERJ Proponente: Patrícia Ennes E-mail: patrícia_ennes@ig.com.br A união estável

Leia mais

RETIFICAÇÃO SUBJETIVA: OS CONTRAPONTOS ENTRE A CLÍNICA PSICANALÍTICA E A EPISTEMOLOGIA HISTÓRICA

RETIFICAÇÃO SUBJETIVA: OS CONTRAPONTOS ENTRE A CLÍNICA PSICANALÍTICA E A EPISTEMOLOGIA HISTÓRICA RETIFICAÇÃO SUBJETIVA: OS CONTRAPONTOS ENTRE A CLÍNICA PSICANALÍTICA E A EPISTEMOLOGIA HISTÓRICA Marcio Luiz Ribeiro Bacelar Wilson Camilo Chaves A expressão retificação subjetiva está presente tanto nas

Leia mais

PSICOTERAPIA INFANTIL

PSICOTERAPIA INFANTIL PSICOTERAPIA INFANTIL Claudia Ribeiro Boneberg 1 Demarcina K. Weinheimer 2 Ricardo Luis V. de Souza 3 Ramão Costa 4 Me. Luiz Felipe Bastos Duarte 5 1 TEMA Psicoterapia psicanalítica infantil 1.1 DELIMITAÇÃO

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO MATEMÁTICA E RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS

ALFABETIZAÇÃO MATEMÁTICA E RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS ALFABETIZAÇÃO MATEMÁTICA E RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS Vera Lúcia Lúcio Petronzelli Colegiado do Curso de Matemática UNIOESTE- Campus de Cascavel vlpetronzelli@certto.com.br ALFABETIZAÇÃO e EDUCAÇÃO MATEMÁTICA:

Leia mais

O Analista só na dupla analítica: da (contra)-trans-ferência às. A psicanálise é um processo em que a relação analista/analisando é vivida com

O Analista só na dupla analítica: da (contra)-trans-ferência às. A psicanálise é um processo em que a relação analista/analisando é vivida com O Analista só na dupla analítica: da (contra)-trans-ferência às transformações. Eixo temático 3 A psicanálise é um processo em que a relação analista/analisando é vivida com intensidade pela dupla, seja

Leia mais

Psicologia A Psicologia no Programa Idade com Qualidade" A psicologia na disfunção sexual

Psicologia A Psicologia no Programa Idade com Qualidade A psicologia na disfunção sexual Psicologia A Psicologia no Programa Idade com Qualidade" A Psicologia faz parte integrante de todas as áreas exploradas, mas também pode funcionar de forma independente das restantes especialidades, ou

Leia mais

O FALO E A MORTE NA DINÂMICA DA NEUROSE OBSESSIVA

O FALO E A MORTE NA DINÂMICA DA NEUROSE OBSESSIVA O FALO E A MORTE NA DINÂMICA DA NEUROSE OBSESSIVA Doris Rinaldi 1 A neurose obsessiva apresenta uma complexidade e uma riqueza de aspectos que levou, de um lado, Freud a dizer que tratava-se do tema mais

Leia mais

CONTEMPORANEIDADE. Palavras-chave: pai, interdição do incesto, Lei, complexo de Édipo, contemporaneidade, psicanálise.

CONTEMPORANEIDADE. Palavras-chave: pai, interdição do incesto, Lei, complexo de Édipo, contemporaneidade, psicanálise. A FUNÇÃO DO PAI NA INTERDIÇÃO E NA LEI: UMA REFLEXÃO SOBRE IDENTIFICAÇÃO E VIOLÊNCIA NA CONTEMPORANEIDADE. Jamille Mascarenhas Lima Psicóloga, Universidade Federal da Bahia. Especialista em psicomotricidade,

Leia mais

UMA CRIANÇA E EX-PANCADA: RELAÇÃO DO MASOQUISMO INFANTIL AO SADISMO ADULTO

UMA CRIANÇA E EX-PANCADA: RELAÇÃO DO MASOQUISMO INFANTIL AO SADISMO ADULTO UMA CRIANÇA E EX-PANCADA: RELAÇÃO DO MASOQUISMO INFANTIL AO SADISMO ADULTO 2015 Marcell Felipe Alves dos Santos Psicólogo Clínico - Graduado pela Centro Universitário Newton Paiva (MG). Pós-graduando em

Leia mais

Juventude e Prevenção das DST/Aids

Juventude e Prevenção das DST/Aids 1 Juventude e Prevenção das DST/Aids Sandra Unbehaum 1, Sylvia Cavasin 2, Valéria Nanci Silva 3 A pesquisa Jovens do sexo masculino, Sexualidade, Saúde Reprodutiva: um estudo de caso na comunidade de Capuava

Leia mais

Como falar com uma pessoa poderá me ajudar?

Como falar com uma pessoa poderá me ajudar? Como falar com uma pessoa poderá me ajudar? Aline Cerdoura Garjaka Encontrei, no seminário de 1976-77, Como viver junto, de Roland Barthes, a seguinte passagem (cito): Portanto, eu dizia É com essas palavras

Leia mais

HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA

HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA Juliana Fabbron Marin Marin 1 Ana Maria Dietrich 2 Resumo: As transformações no cenário social que ocorreram

Leia mais

Articulando Gênero e Geração aos Estudos de Saúde e Sexualidade. GT14 Maria Ignez Costa Moreira PUC Minas Palavras-chave: Gênero Geração Gravidez.

Articulando Gênero e Geração aos Estudos de Saúde e Sexualidade. GT14 Maria Ignez Costa Moreira PUC Minas Palavras-chave: Gênero Geração Gravidez. 1 Articulando Gênero e Geração aos Estudos de Saúde e Sexualidade. GT14 Maria Ignez Costa Moreira PUC Minas Palavras-chave: Gênero Geração Gravidez. Jovens Avós e Mães Adolescentes Os altos índices de

Leia mais

Transformações na intimidade no século XXI

Transformações na intimidade no século XXI Transformações na intimidade no século XXI Sissi Vigil Castiel* A clínica de anos atrás era freqüentada principalmente por mulheres que vinham por desventuras amorosas, por não entenderem o que os homens

Leia mais

A RELAÇÃO HOMEM-TRABALHO DE PORTADORES DE HIV, DOENTES OU NÃO DE AIDS

A RELAÇÃO HOMEM-TRABALHO DE PORTADORES DE HIV, DOENTES OU NÃO DE AIDS A RELAÇÃO HOMEM-TRABALHO DE PORTADORES DE HIV, DOENTES OU NÃO DE AIDS Mariana Tironi de Camargo Mariana Gonçales Gerzeli Francisco Hashimoto Resumo: A presente pesquisa tem por objetivo compreender como

Leia mais

O apelo contemporâneo por laços narcísicos

O apelo contemporâneo por laços narcísicos O apelo contemporâneo por laços narcísicos Ângela Buciano do Rosário Psicóloga, Doutoranda em Psicologia PUC-MG. Bolsista da Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado de Minas Gerais - FAPEMIG. Mestre em

Leia mais

O Escutar através do Desenho

O Escutar através do Desenho 1 O Escutar através do Desenho Neide M.A.Corgosinho 1 RESUMO: O artigo aqui apresentado baseia-se em algumas experiências de trabalho na internação pediátrica do Hospital Militar de Minas Gerais no período

Leia mais

Narcisismo e cultura contemporânea

Narcisismo e cultura contemporânea Narcisismo e cultura contemporânea Flávia Ferro Costa Veppo José Juliano Cedaro A cultura hedonista, marcada pela ilusão na satisfação rápida e sempre possível, evidencia a ausência do elemento de barramento

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 A FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA Rosana Maria Gessinger Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul - PUCRS rosana.gessinger@pucrs.br Valderez Marina

Leia mais

A imagem do corpo e o brincar virtual: perspectivas sobre a infância contemporânea

A imagem do corpo e o brincar virtual: perspectivas sobre a infância contemporânea A imagem do corpo e o brincar virtual: perspectivas sobre a infância contemporânea Érica Fróis O objetivo deste trabalho é discutir o brincar na internet e a construção da Imagem do corpo na criança a

Leia mais

Sexualidade e Câncer de Mama

Sexualidade e Câncer de Mama Sexualidade e Câncer de Mama LÚCIO FLAVO DALRI GINECOLOGIA MASTOLOGIA CIRURGIA PÉLVICA MÉDICO EM RIO DO SUL - SC PRESIDENTE DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE MASTOLOGIA REGIONAL DE SC CHEFE DO SERVIÇO DE MASTOLOGIA

Leia mais

A CURVA TERAPÊUTICA DA PRIMEIRA SESSÃO NA CLÍNICA SISTÊMICA PÓS-MODERNA

A CURVA TERAPÊUTICA DA PRIMEIRA SESSÃO NA CLÍNICA SISTÊMICA PÓS-MODERNA A CURVA TERAPÊUTICA DA PRIMEIRA SESSÃO NA CLÍNICA SISTÊMICA PÓS-MODERNA Autora: (Elda Elbachá Psicoterapeuta Sistêmica, Diretora, Docente e Supervisora do Centro de Estudos da Família e Casal - CEFAC/BA)

Leia mais

A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA

A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA A escola católica será uma instituiçao com mística evangelizadora UMA ESCOLA A SERVIÇO DA PESSOA E ABERTA A TODOS UMA ESCOLA COM

Leia mais

O Impossível da maternidade em um caso de devolução da criança a ser adotada: interface entre a infertilidade e a feminilidade.

O Impossível da maternidade em um caso de devolução da criança a ser adotada: interface entre a infertilidade e a feminilidade. O Impossível da maternidade em um caso de devolução da criança a ser adotada: interface entre a infertilidade e a feminilidade Maria Luiza de Assis Moura Ghirardi 1 Resumo A partir da escuta clínica de

Leia mais

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos:

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos: A CONTRIBUIÇÃO DE MAX WEBER (1864 1920) Max Weber foi o grande sistematizador da sociologia na Alemanha por volta do século XIX, um pouco mais tarde do que a França, que foi impulsionada pelo positivismo.

Leia mais

Proposta de tradução da Definição Global da Profissão de Serviço Social

Proposta de tradução da Definição Global da Profissão de Serviço Social Proposta de tradução da Definição Global da Profissão de Serviço Social O Serviço Social é uma profissão de intervenção e uma disciplina académica que promove o desenvolvimento e a mudança social, a coesão

Leia mais

Processos Borderline: confiança que se estende ao ambiente. Me. Fernanda Kimie Tavares Mishima 1. Roberta Cury de Paula 2

Processos Borderline: confiança que se estende ao ambiente. Me. Fernanda Kimie Tavares Mishima 1. Roberta Cury de Paula 2 Processos Borderline: confiança que se estende ao ambiente Me. Fernanda Kimie Tavares Mishima 1 Roberta Cury de Paula 2 Profa. Dra. Valéria Barbieri 3 Resumo Apesar do amplo estudo dos aspectos biológicos

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais