REGULARIZA. PROGRAMA DE INCENTIVO ÀREGULARIZAÇÃO FISCAL DE EMPRESAS NO ESTADO DE GOIÁS Lei /2014. Gerência de Recuperação de Créditos - GERC

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REGULARIZA. PROGRAMA DE INCENTIVO ÀREGULARIZAÇÃO FISCAL DE EMPRESAS NO ESTADO DE GOIÁS Lei 18.459/2014. Gerência de Recuperação de Créditos - GERC"

Transcrição

1 REGULARIZA PROGRAMA DE INCENTIVO ÀREGULARIZAÇÃO FISCAL DE EMPRESAS NO ESTADO DE GOIÁS Lei /2014 Gerência de Recuperação de Créditos - GERC

2 Conceitos Art. 1º PROGRAMA REGULARIZA : é constituído de medidas facilitadoras para a quitação de débitos relacionados com o ICMS. ICMS MULTA FORMAL

3 Conceitos Art. 1º CRÉDITO TRIBUTÁRIO FAVORECIDO : o montante obtido pela soma dos valores correspondentes ao tributo devido, à multa reduzida, inclusive a de caráter moratório, aos juros de mora reduzidos e à atualização monetária reduzida. Valor Principal (Tributo Devido) (+) Multa (+) Juros (+) Correção Monetária Crédito Tributário Total (CTT) Valor Principal (Tributo Devido) (+) Multa Reduzida (+) Juros Reduzidos (+) Correção Monetária Reduzida Crédito Tributário Favorecido (CTF) CTT -exclui a utilização da redução da multa prevista no art.171 do CTE

4 Conceitos Art. 2º O PROGRAMA ABRANGE O CRÉDITO TRIBUTÁRIO :»inscrito em dívidaativaatéo dia 31 de dezembro de DIVAT;»correspondente a fato gerador ou prática dainfraçãoocorridos atéo dia 31 de dezembro de 2013 e que não se enquadre na situação anterior -DEMAIS. DIVAT Inscritos em Dívida Ativa até 31/12/2007 DEMAIS Fator gerador ou infração até 31/12/2013

5 Conceitos Art. 2º ABRANGÊNCIA DO CRÉDITO TRIBUTÁRIO FAVORECIDO:»ajuizado;» objeto de parcelamento;» decorrente de aplicação de pena pecuniária;»constituído por meio deaçãofiscal, após o início da vigência desta Lei (DEMAIS);» não constituído, desde que venha a ser confessado espontaneamente (DEMAIS);» decorrente de lançamento sobre o qual tenha sido realizada representação fiscal para fins penais, desde que a denúncia não tenha sido recebida pelo Poder Judiciário, no caso de parcelamento.

6 Programa Arts. 3º e 5º MEDIDAS FACILITADORAS : DIVAT o redução da multa, dos juros e da atualização monetária; DEMAIS oredução da taxa de juros e atualização monetária estimada, incidentes sobre o valor parcelado do CTF; opermissão para pagamento do débito por meio de crédito acumulado, próprio ou recebido em transferência; ovalor mínimo das parcelas no caso de parcelamento R$ 300,00. o parcelamento em até 120 parcelas; oremissão totaldo crédito tributário, cujo valor, após a aplicação das reduções (CTF), não ultrapasse o montante de R$ ,89; oremissão parcialdo crédito tributário, cujo valor, após a aplicação das reduções (CTF), seja maior que R$ ,89 e não ultrapasse R$ ,00; oadesão até30 de abril de o parcelamento em até 60 parcelas; oadesão até31 de outubro de 2014.

7 Programa Art. 3º MEDIDAS FACILITADORAS : DIVAT DEMAIS O sujeito passivo pode: ante a existência de mais de um processo relativo a crédito tributário: -optar pelo pagamento apenas de um ou de alguns deles; - efetuar tantos parcelamentos, quantos forem de seu interesse. pagar apenas a parte não litigiosa do crédito tributário; efetuar o pagamento parcial do crédito tributário à vista; é permitida a reunião de processos, formando um só acordo de parcelamento, desde que sejam separados os créditos tributários: -divate demais; - do simples nacional; - declarados espontaneamente; - resultantes de ação fiscal, separados em: - não inscritos em dívida ativa; - inscritos em dívida ativa e não ajuizados; - inscritos em dívida ativa e ajuizados.

8 Programa Art. 11 MEDIDAS FACILITADORAS : Remissão total ou parcial do crédito tributário inscrito em dívida ativa até 31 de dezembro de 2007 (DIVAT), que, na data de adesão ao programa, for menor que R$ ,00 de acordo com tabela abaixo: Crédito Tributário Favorecido Valor da Remissão até R$11.330,89 100% do Crédito Tributário Favorecido de R$11.330,90 a R$30.665,42 70% do Crédito Tributário Favorecido + R$3.399,27 de R$30.665,43 a R$50.000,00 40% do Crédito Tributário Favorecido + R$12.598,90 Obs.: O valor remanescente após a remissão, pode ser parcelado, conforme regras previstas nesta Lei.

9 REMISSÃO TOTAL -Caso 01 ICMS Dívida Ativa 2007» descontos no primeiro mês de adesão: multa e juros 100% correção monetária 70%»remissão total realizada de ofício no primeiro dia de vigor da lei.

10 REMISSÃO TOTAL Caso 01 ICMS Dívida Ativa 2007 Caso Anterior na Planilha de Simulação» descontos no primeiro mês de adesão: multa e juros 100% correção monetária 70%»remissão total realizada de ofício no primeiro dia de vigor da lei.

11 REMISSÃO PARCIAL Caso 02 MULTA FORMAL Dívida Ativa 2007» descontos no primeiro mês de adesão: multa: 100% -5% = 95%» remissão parcial provocada pelo contribuinte no momento de adesão ao programa com o pagamento à vista ou pagamento da primeira parcela.

12 REMISSÃO PARCIAL Caso 02 MULTA FORMAL Dívida Ativa 2007 Caso Anterior na Planilha de Simulação» descontos no primeiro mês de adesão: multa e juros: 100% -5% = 95%» remissão parcial provocada pelo contribuinte no momento de adesão ao programa com o pagamento à vista ou pagamento da primeira parcela de parcelamento.

13 REMISSÃO PARCIAL Caso 03 ICMS Dívida Ativa 2007 com Honorários (adesão no 2ºmês)» descontos no segundo mês de adesão: multa e juros 99,2265% correção monetária 69,5236%» remissão parcial provocada pelo contribuinte no momento de adesão ao programa com o pagamento à vista ou pagamento da primeira parcela de parcelamento.

14 REMISSÃO PARCIAL Caso 03 ICMS Dívida Ativa 2007 com Honorários (adesão no 2ºmês) Caso Anterior na Planilha de Simulação» descontos no segundo mês de adesão: multa e juros 99,2265% correção monetária 69,5136%» remissão parcial provocada pelo contribuinte no momento de adesão ao programa com o pagamento à vista ou pagamento da primeira parcela de parcelamento.

15 Programa Art. 6º REDUTORES do PAGAMENTO À VISTA e PARCELAMENTO : Para créditos tributários inscritos em dívida ativa até31 de dezembro de DIVAT.» a redução deve ser aplicada tomando-se por base o mês de adesão ao programa e o número de parcelas em que se divide o parcelamento, se for o caso; DEMAIS» a redução correspondente ao mês de adesão ao programa deve ser aplicada para pagamento àvista;» na hipótese de parcelamento os fatores relacionados ao número de parcelas são aqueles que se situam na linha relativa ao número correspondente ao mês de adesão acrescido do número de parcelas em que se pretenda dividir o parcelamento, contando o mês de adesão;» o número máximo de parcelas deve corresponder ao resultado da subtração entre 120 e a quantidade de meses decorridos desde o início de vigência do programa até o mês de adesão, contando este;

16 REDUTORES do PAGAMENTO À VISTA (Variação Temporal) : O valor da multa, dos juros e da correção monetária do crédito tributário são reduzidos, conforme as tabelas abaixo: DIVAT mês de adesão ao programa ANEXO I DEMAIS dia de adesão ao programa ANEXO II

17 REDUTORES do PAGAMENTO À VISTA e PARCELAMENTO : Para créditos tributários inscritos em dívida ativa até31 de dezembro de 2007 DIVAT. Parcelamento em 12 parcelas e adesão ao programa em 07 de julho de 2014 ( 3ºmês do programa) Redutores para pagamento àvista ou primeira parcela do parcelamento: Redutores para o remanescentedo parcelamento: n = ( mês de adesão + número de parcelas pretendidas) 1 n = (3 +12)-1 = 14 N (maiúsculo) mês de adesão n (minúsculo) parcela do parcelamento

18 REDUTORES do PAGAMENTO ÀVISTA e PARCELAMENTO : Para créditos tributários inscritos em dívida ativa até31 de dezembro de 2007 DIVAT. Parcelamento em 12 parcelas e adesão ao programa em 07 de julho de 2014 ( 3ºmês do programa) Caso Anterior na Planilha de Simulação númmáx parcel = = 118

19 Programa Art. 6º REDUTORES do PAGAMENTO À VISTA e PARCELAMENTO : Para as demais situações abrangidas pelo programa - DEMAIS.»a redução deve ser aplicada tomando-se por base o mês de adesão ao programa e número de parcelas em que se divide o parcelamento, se for o caso; Parcelamento em 12 parcelas e adesão ao programa em 10 de julho de 2014 ( 67 dias de programa) Redutores para pagamento àvista ou primeira parcela do parcelamento: Redutores para o remanescente do parcelamento:

20 REDUTORES do PAGAMENTO À VISTA e PARCELAMENTO : Para as demais situações abrangidas pelo programa - DEMAIS. Parcelamento em 12 parcelas e adesão ao programa em 10 de julho de 2014 (67 dias de programa) Caso Anterior na Planilha de Simulação Anexo II Anexo II

21 REDUTORES do PARCELAMENTO PRIMEIRA PARCELA : O valor da primeira parcela deve ser deduzido do valor do crédito tributário favorecido, calculado para pagamento àvista na data de adesão ao programa (exemplo: 12 parcelas e adesão em 07/ago/2014, com HA). *** No Regulariza, menor dispêndio financeiro para o mesmo percentual de imputação no Processo Tributário (8,583 %)***

22 REDUTORES do PARCELAMENTO PRIMEIRA PARCELA : Para as demais situações abrangidas pelo programa - DEMAIS. Parcelamento em 12 parcelas e adesão ao programa em 07 de agosto de 2014 (95 dias de programa) Caso Anterior na Planilha de Simulação

23 Programa Art. 7º 1º REDUTORES do PARCELAMENTO : A redução na multa e nos juros de mora fica alterada de acordo com o percentual que o valor da primeira parcela representar no valor do crédito tributário favorecido, de tal forma que, quanto maior o valor da entrada, maior será a redução na multa, nos juros e na atualização monetária. O percentual de redução relacionado ao número de parcelas em que se divide o parcelamento fica substituído pelo percentual de redução correspondente ao número de parcelas obtido mediante aplicação da fórmula seguinte: n red= n parcelamento* (100% -% 1ºparcela) + 1

24 REDUTORES do PARCELAMENTO : Correção conforme Entrada da primeira parcela. Caso Anterior na Planilha de Simulação

25 REDUTORES do PARCELAMENTO : Correção conforme Entrada da primeira parcela. Com Entrada de R$ ,00 ao invés de R$ 3.863,03 Crédito Tributário parcelado em 12 parcelas e beneficiado com o redutor de 10 parcelas devido àentrada de R$ ,00. n red= n parcelamento* (100% -% 1ºparcela) + 1 nred = 12* (100% -22,219%) + 1 = 10,33 = 10* * valor arredondado

26 Programa Art. 9º Encargos Financeiros do Parcelamento: Sobre o crédito tributário favorecido objeto de parcelamento incidem juros e atualização monetária estimada, nos percentuais mensais previstos no Anexo III, determinados em função da data de adesão ao programa, do número de parcelas e diferenciados conforme seja o crédito tributário inscrito em dívida ativa até 31 de dezembro de 2007 (DIVAT) ou que se enquadre nas demais situações (DEMAIS)

27 Encargos Financeiros do Parcelamento

28 Programa Outras Considerações:» o valor da primeira parcela não pode ser menor que o valor do crédito tributário favorecido dividido pelo número de parcelas em que se divide o parcelamento, observando também o valor mínimo de R$ 300,00;» os créditos tributários decorrentes exclusivamente de penalidade pecuniária por descumprimentode obrigações acessórias serão reduzidos tomando-se por base a redução prevista para os demais créditos tributários, diminuindo-se, porém, de forma absoluta, a referida redução em 5 (cinco) pontos percentuais;» na hipótese de pagamento à vista do remanescente de débito oriundo de parcelamento efetuado com os benefícios desta Lei, desde que o parcelamento não esteja denunciado, deve ser concedido o redutor previsto para pagamento à vista na data de adesão ao REGULARIZA.

MINUTA LEI ANISTIA / LEI Nº 16.943

MINUTA LEI ANISTIA / LEI Nº 16.943 MINUTA LEI ANISTIA / LEI Nº 16.943 Dispõe sobre a concessão de redução na multa e no juros de mora no pagamento de crédito tributário do ICMS nas situações que especifica. A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO

Leia mais

Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil

Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil Março de 2013 Ana Carolina Saba Utimati ( PEP ) Em 27 de dezembro de 2012, foi publicado o Decreto nº 58.811, que instituiu o Programa Especial de Parcelamento

Leia mais

SEMANA DE NEGOCIAÇÃO FISCAL 2015 (nov/2015) CONCEITOS / ABRANGÊNCIA

SEMANA DE NEGOCIAÇÃO FISCAL 2015 (nov/2015) CONCEITOS / ABRANGÊNCIA SEMANA DE NEGOCIAÇÃO FISCAL 2015 (nov/2015) CONCEITOS / ABRANGÊNCIA 1. O que é a Semana de Negociação Fiscal? A Semana de Negociação Fiscal de que trata a Lei 19.088/2015 se constituí de medidas facilitadoras

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos MEDIDA PROVISÓRIA Nº 303, DE 29 DE JUNHO DE 2006. Sem eficácia Texto para impressão Dispõe sobre parcelamento de débitos junto à Secretaria

Leia mais

A CÂMARA MUNICIPAL DE GOIÂNIA APROVA E EU SANCIONO A SEGUINTE LEI:

A CÂMARA MUNICIPAL DE GOIÂNIA APROVA E EU SANCIONO A SEGUINTE LEI: 1 Gabinete do Prefeito LEI Nº 9416, DE 14 DE MAIO DE 2014. Institui o Programa de Parcelamento Incentivado - PPI e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE GOIÂNIA APROVA E EU SANCIONO A SEGUINTE

Leia mais

1 - INTRODUÇÃO 2 - ACRÉSCIMO FINANCEIRO

1 - INTRODUÇÃO 2 - ACRÉSCIMO FINANCEIRO VENDAS A PRAZO - Emissão de Documentos Fiscais Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 16.05.2013. Sumário: 1 - INTRODUÇÃO 2 - ACRÉSCIMO FINANCEIRO 2.1 - Tributação do ICMS 2.2 - Exclusão

Leia mais

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX PREVIDÊNCIA SOCIAL. Débitos Previdenciários Municípios Parcelamento Normatização

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX PREVIDÊNCIA SOCIAL. Débitos Previdenciários Municípios Parcelamento Normatização TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX PREVIDÊNCIA SOCIAL Orientador Empresarial Débitos Previdenciários Municípios Parcelamento Normatização INSTRUÇÃO NORMATIVA SRP 10/2005 DOU:

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE LEI COMPLEMENTAR N. 298, DE 28 DE ABRIL DE 2015 Altera a Lei Complementar n. 114, de 30 de dezembro de 2002, que Dispõe acerca do Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores - IPVA. O GOVERNADOR

Leia mais

ESTADO DE ALAGOAS GABINETE DO GOVERNADOR CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES CAPÍTULO II DA DEFINIÇÃO DE MICROEMPRESA SOCIAL

ESTADO DE ALAGOAS GABINETE DO GOVERNADOR CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES CAPÍTULO II DA DEFINIÇÃO DE MICROEMPRESA SOCIAL ESTADO DE ALAGOAS GABINETE DO GOVERNADOR LEI Nº 6.559, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2004 Publicada no DOE em 31 de dezembro de 2004 DISPÕE SOBRE A MICROEMPRESA SOCIAL, ESTABELECENDO TRATAMENTO TRIBUTÁRIO DIFERENCIADO,

Leia mais

MEDIDA PROVISÓRIA Nº 563, DE 03.04.2012 ALTERAÇÕES NA LEGISLAÇÃO DE PREÇOS DE TRANSFERÊNCIA Data 11/04/2012

MEDIDA PROVISÓRIA Nº 563, DE 03.04.2012 ALTERAÇÕES NA LEGISLAÇÃO DE PREÇOS DE TRANSFERÊNCIA Data 11/04/2012 M E M O R A N D O A O S C L I E N T E S MEDIDA PROVISÓRIA Nº 563, DE 03.04.2012 ALTERAÇÕES NA LEGISLAÇÃO DE PREÇOS DE TRANSFERÊNCIA Data 11/04/2012 Foi publicada em 04.04.12, a Medida Provisória nº 563

Leia mais

Estado do Acre DECRETO Nº 4.971 DE 20 DE DEZEMBRO DE 2012

Estado do Acre DECRETO Nº 4.971 DE 20 DE DEZEMBRO DE 2012 DECRETO Nº 4.971 DE 20 DE DEZEMBRO DE 2012. Publicado no DOE nº 10.952 de 21-12-2012.. Alterado pelos Decretos nºs 5.089/2013, 6.287/2013, 7.299, 8.251/2014, 1.490/2015, 2.301/2015, 2.884/2015 e 3.472/2015..

Leia mais

RIO GRANDE DO NORTE LEI Nº 9.276, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2009.

RIO GRANDE DO NORTE LEI Nº 9.276, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2009. RIO GRANDE DO NORTE LEI Nº 9.276, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2009. Autoriza o Poder Executivo a conceder parcelamento de débitos fiscais relacionados com o Imposto sobre Operações Relativas à Circulação de Mercadorias

Leia mais

CARTILHA. Previdência. Complementar NOVA TRIBUTAÇÃO. www.sulamericaonline.com.br

CARTILHA. Previdência. Complementar NOVA TRIBUTAÇÃO. www.sulamericaonline.com.br CARTILHA Previdência Complementar NOVA TRIBUTAÇÃO www.sulamericaonline.com.br Índice 1. Os Planos de Previdência Complementar e o Novo Regime Tributário 4 2. Tratamento Tributário Básico 5 3. Características

Leia mais

O Congresso Nacional decreta:

O Congresso Nacional decreta: Dispõe sobre os valores mínimos a serem aplicados anualmente por Estados, Distrito Federal, Municípios e União em ações e serviços públicos de saúde, os critérios de rateio dos recursos de transferências

Leia mais

ESTADO DO ACRE LEI N. 1.358 DE 29 DE DEZEMBRO DE 2000.

ESTADO DO ACRE LEI N. 1.358 DE 29 DE DEZEMBRO DE 2000. LEI N. 1.358 DE 29 DE DEZEMBRO DE 2000.. Publicado no D.O.E n 7.942 de 09 de janeiro de 2001.. Alterada pela Lei nº 2.956, de 9 de abril de 2015 Institui o Programa de Incentivo Tributário para Empresas,

Leia mais

I - EMITENTE II - INTERVENIENTE(S) / AVALISTA(S) III - CARACTERÍSTICAS DO(S) PRODUTO(S) MARCA MODELO ANO/MODELO COR COMBUSTÍVEL

I - EMITENTE II - INTERVENIENTE(S) / AVALISTA(S) III - CARACTERÍSTICAS DO(S) PRODUTO(S) MARCA MODELO ANO/MODELO COR COMBUSTÍVEL Nº DA CÉDULA CÉDULA DE CRÉDITO BANCÁRIO I - EMITENTE II - INTERVENIENTE(S) / AVALISTA(S) III - CARACTERÍSTICAS DO(S) (S) MARCA MODELO ANO/MODELO COR COMBUSTÍVEL RENAVAN CHASSI PLACA NOTA FISCAL (CASO VEÍCULO

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 62 da Constituição, adota a seguinte Medida Provisória, com força de lei:

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 62 da Constituição, adota a seguinte Medida Provisória, com força de lei: Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos MEDIDA PROVISÓRIA N o 2.187-12, DE 27 DE JULHO DE 2001. Dispõe sobre o reajuste dos benefícios mantidos pela Previdência Social, e

Leia mais

ESTADO DO PIAUÍ PREFEITURA MUNICIPAL DE TERESINA

ESTADO DO PIAUÍ PREFEITURA MUNICIPAL DE TERESINA LEI Nº 3.256, DE 24 DE DEZEMBRO DE 2003 Institui o programa de recuperação de créditos tributários da fazenda pública municipal REFIM e dá outras providências. Piauí Lei: O PREFEITO MUNICIPAL DE TERESINA,

Leia mais

http://www.fiscosoft.com.br/inc/process_agenda_list_prevtrab.php

http://www.fiscosoft.com.br/inc/process_agenda_list_prevtrab.php Página 1 de 5 FISCOAgenda Trabalhista/Previdenciária Mês: 05/2015 Previdência Dia: 07 GFIP - Guia de Recolhimento do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço e Informações à Previdência Social Envio da Guia

Leia mais

PARCELAMENTO DE TRIBUTOS FEDERAIS REFIS DA COPA

PARCELAMENTO DE TRIBUTOS FEDERAIS REFIS DA COPA PARCELAMENTO DE TRIBUTOS FEDERAIS REFIS DA COPA INTRODUÇÃO Após a mobilização de vários setores da economia juntamente com as proposições formuladas pelo Congresso Nacional, foi publicada a Lei 12.996/2014,

Leia mais

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO Nº 13.270

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO Nº 13.270 DECRETO Nº 13.270 Regulamenta o parcelamento e pagamento de créditos do município de Vitória e dá outras providências. O Prefeito Municipal de Vitória, Capital do, no uso de suas atribuições legais, e

Leia mais

ASSUNTOS PREVIDENCIÁRIOS ASSUNTOS TRABALHISTAS ANO XXI - 2010-3ª SEMANA DE JULHO DE 2010 BOLETIM INFORMARE Nº 29/2010

ASSUNTOS PREVIDENCIÁRIOS ASSUNTOS TRABALHISTAS ANO XXI - 2010-3ª SEMANA DE JULHO DE 2010 BOLETIM INFORMARE Nº 29/2010 ANO XXI - 2010-3ª SEMANA DE JULHO DE 2010 BOLETIM INFORMARE Nº 29/2010 ASSUNTOS PREVIDENCIÁRIOS RECOLHIMENTO EM ATRASO - TABELA - JULHO/2010 Introdução - Texto Explicativo Sobre Aplicação de Multas Divulgado

Leia mais

PROPOSTA DE EMPRÉSTIMO MODALIDADE PRÉ-FIXADO (Preenchimento Obrigatório) Nome. Matrícula Lotação Tel. Comercial. Email: Carteira de Identidade CPF

PROPOSTA DE EMPRÉSTIMO MODALIDADE PRÉ-FIXADO (Preenchimento Obrigatório) Nome. Matrícula Lotação Tel. Comercial. Email: Carteira de Identidade CPF ELETRA - FUNDAÇÃO CELG DE SEGUROS E PREVIDÊNCIA www.eletra.org.br - versão: 05/2015 12.08.2015 - pág.: 1 PROPOSTA DE EMPRÉSTIMO MODALIDADE PRÉ-FIXADO (Preenchimento Obrigatório) ( ) ATIVO ( ) APOSENTADO

Leia mais

GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL SECRETARIA DE ESTADO DE FAZENDA SUBSECRETARIA DA RECEITA MANUAL REFAZ II

GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL SECRETARIA DE ESTADO DE FAZENDA SUBSECRETARIA DA RECEITA MANUAL REFAZ II MANUAL REFAZ II 1. O QUE É: 1.1 - REFAZ II é o Segundo Programa de Recuperação de Créditos da Fazenda Pública do DF, destinado a promover a regularização de créditos, constituídos ou não, inscritos ou

Leia mais

PARCELAMENTO ORDINÁRIO DE TRIBUTOS FEDERAIS

PARCELAMENTO ORDINÁRIO DE TRIBUTOS FEDERAIS PARCELAMENTO ORDINÁRIO DE TRIBUTOS FEDERAIS PARCELAMENTO ORDINÁRIO DE TRIBUTOS FEDERAIS 1 Os débitos de qualquer natureza para com a Fazenda Nacional podem ser parcelados em até 60 (sessenta) prestações

Leia mais

PROGRAMA REGULARIZE. Secretaria de Estado de Fazenda Advocacia Geral do Estado

PROGRAMA REGULARIZE. Secretaria de Estado de Fazenda Advocacia Geral do Estado PROGRAMA REGULARIZE Secretaria de Estado de Fazenda Advocacia Geral do Estado Programa Regularize Perfil dos Créditos Tributários Unidade Fase Qtde Tributo (R$ x mil) Multa (R$ x mil) Juros (R$ x mil)

Leia mais

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL 1. FINALIDADE 1.1. Este Regulamento tem por finalidade disciplinar as concessões de empréstimos aos Participantes do Plano de Benefícios JMalucelli, administrado pelo

Leia mais

CONSELHO DE CONTRIBUINTES DO ESTADO DE MINAS GERAIS. Acórdão: 20.740/12/1ª Rito: Ordinário PTA/AI: 01.000167519-71 Recurso Inominado: 40.

CONSELHO DE CONTRIBUINTES DO ESTADO DE MINAS GERAIS. Acórdão: 20.740/12/1ª Rito: Ordinário PTA/AI: 01.000167519-71 Recurso Inominado: 40. Acórdão: 20.740/12/1ª Rito: Ordinário PTA/AI: 01.000167519-71 Recurso Inominado: 40.100131449-19 Recorrente: Recorrida: Proc. Recorrente: Origem: EMENTA Nova Era Silicon S/A IE: 447437112.00-77 Fazenda

Leia mais

Redução Juros sobre Multa Punitiva. Redução Multa Punitiva. Parcela Única 60% 60% 75% 75% - N/A

Redução Juros sobre Multa Punitiva. Redução Multa Punitiva. Parcela Única 60% 60% 75% 75% - N/A TRIBUTÁRIO 16/11/2015 ICMS - Regulamentação do Programa Especial de Parcelamento do Estado de São Paulo PEP Reduções Com base na autorização do Convênio ICMS 117/2015, de 07 de outubro de 2015, no último

Leia mais

ESTADO DE SERGIPE PREFEITURA MUNICIPAL DE ARACAJU Secretaria Municipal de Governo LEI COMPLEMENTAR N.º 64/2003 DE 23 DE DEZEMBRO DE 2003

ESTADO DE SERGIPE PREFEITURA MUNICIPAL DE ARACAJU Secretaria Municipal de Governo LEI COMPLEMENTAR N.º 64/2003 DE 23 DE DEZEMBRO DE 2003 Institui a Segunda Etapa do Programa de Recuperação de Créditos Fiscais do Município REFIS II e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE ARACAJU. Faço saber que a Câmara Municipal de Aracaju aprovou

Leia mais

Relatório Trabalhista

Relatório Trabalhista Rotinas de Pessoal & Recursos Humanos www.sato.adm.br - sato@sato.adm.br - fone (11) 4742-6674 Desde 1987 Legislação Consultoria Assessoria Informativos Treinamento Auditoria Pesquisa Qualidade Relatório

Leia mais

Contratos de Mútuo Empréstimos Incidência de IRRF e IOF

Contratos de Mútuo Empréstimos Incidência de IRRF e IOF Contratos de Mútuo Empréstimos Incidência de IRRF e IOF Os contratos de mútuo, comumente realizados entre pessoas físicas e jurídicas, serão tributados, na fonte, pelo Imposto de Renda e pelo Imposto sobre

Leia mais

ICMS relativo ao Diferencial de Alíquotas. Implementação da Emenda Constitucional nº 87/2015 em Minas Gerais

ICMS relativo ao Diferencial de Alíquotas. Implementação da Emenda Constitucional nº 87/2015 em Minas Gerais ICMS relativo ao Diferencial de Alíquotas Implementação da Emenda Constitucional nº 87/2015 em Minas Gerais Emenda Constitucional 87/2015 CONSTITUIÇÃO FEDERAL 1988 "Art. 155 (...) 2º (...) VII - nas operações

Leia mais

PROGRAMA REGULARIZE. Secretaria de Estado de Fazenda Advocacia Geral do Estado

PROGRAMA REGULARIZE. Secretaria de Estado de Fazenda Advocacia Geral do Estado PROGRAMA REGULARIZE Secretaria de Estado de Fazenda Advocacia Geral do Estado Programa Regularize Perfil dos Créditos Tributários Unidade Fase Qtde Tributo (R$ x mil) Multa (R$ x mil) Juros (R$ x mil)

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR N 040/2012. De 12 de Junho de 2012.

LEI COMPLEMENTAR N 040/2012. De 12 de Junho de 2012. LEI COMPLEMENTAR N 040/2012. De 12 de Junho de 2012. AUTORIZA O PODER EXECUTIVO MUNICIPAL A INSTITUIR O PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO FISCAL REFIS, NO MUNICÍPIO DE TAPURAH E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O Sr. MILTON

Leia mais

MUNICÍPIO DE PORTO BARREIRO ESTADO DO PARANÁ

MUNICÍPIO DE PORTO BARREIRO ESTADO DO PARANÁ LEI Nº. 469/2015 De 02 de setembro de 2015. Ementa: Institui o Programa de Recuperação Fiscal (REFIS 2015), do Município de Porto Barreiro, e dá outras providências. A Câmara Municipal de Vereadores aprovou

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Base de cálculo do diferencial de alíquota EC87/2015 - MG

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Base de cálculo do diferencial de alíquota EC87/2015 - MG Segmentos Base 20/01/2016 Título do documento Sumário 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 3.1 Orientação Tributária DOLT/SUTRI nº 002/2016... 6 4. Conclusão...

Leia mais

Venda exclusiva para pessoa jurídica. Condições Gerais EMPRESARIAL

Venda exclusiva para pessoa jurídica. Condições Gerais EMPRESARIAL Venda exclusiva para pessoa jurídica. Condições Gerais O IDEAL CAP Empresarial é um título de capitalização de pagamento mensal que ajuda você a guardar dinheiro para tirar os projetos do papel. Além disso,

Leia mais

CARTILHA REFIS MODERNO OPORTUNIDADE PARA AS EMPRESAS

CARTILHA REFIS MODERNO OPORTUNIDADE PARA AS EMPRESAS CARTILHA REFIS MODERNO OPORTUNIDADE PARA AS EMPRESAS Senhores Empresários A presente cartilha é uma síntese das principais conquistas consolidadas na Lei 4.424/2013, publicada no Diário Oficial do Estado

Leia mais

Art. 1º Este Decreto regulamenta o art. 11-B da Lei nº 9.440, de 14 de março de 1997.

Art. 1º Este Decreto regulamenta o art. 11-B da Lei nº 9.440, de 14 de março de 1997. Decreto nº 7.389, de 9 de dezembro de 2010 DOU de 10.12.2010 Regulamenta o incentivo de que trata o art. 11- B da Lei nº 9.440, de 14 de março de 1997, que estabelece incentivos fiscais para o desenvolvimento

Leia mais

Cape contabilidade LUCRO PRESUMIDO

Cape contabilidade LUCRO PRESUMIDO LUCRO PRESUMIDO 1. PESSOAS JURÍDICAS QUE PODEM OPTAR A partir do ano-calendário de 2003, poderão optar pelo lucro presumido as pessoas jurídicas que não estiverem obrigadas ao lucro real, e tenham auferido,

Leia mais

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRIBUTOS RECOM Regulamentação Orientador Empresarial DECRETO nº 7.319/2010 DOU: 29.09.2010 Regulamenta a aplicação do Regime Especial de Tributação

Leia mais

CONTRATO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL. Empresa: Matrícula: Telefone: ( ) Renegociação? ( ) NÃO ( ) SIM Novo Contrato:

CONTRATO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL. Empresa: Matrícula: Telefone: ( ) Renegociação? ( ) NÃO ( ) SIM Novo Contrato: CONTRATO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL Nome do Participante/Assistido: Empresa: Matrícula: Telefone: ( ) Valor do Empréstimo: Quantidade de Prestações: Renegociação? ( ) NÃO ( ) SIM Novo Contrato: Valor liquido

Leia mais

REFIS OPORTUNIDADE PARA AS EMPRESAS

REFIS OPORTUNIDADE PARA AS EMPRESAS REFIS OPORTUNIDADE PARA AS EMPRESAS PROGRAMA DE PARCELAMENTO INCENTIVADO DE DÉBITOS FISCAIS Abrangência do Programa APRESENTAÇÃO Prezados (as) Industriais Desenvolvemos uma cartilha contendo uma síntese

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº, DE 2015

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº, DE 2015 PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº, DE 2015 Cria a Contribuição Social sobre Grandes Fortunas (CSGF), e dá outras providências. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Esta Lei cria a Contribuição Social sobre

Leia mais

MUNICÍPIO DE CAUCAIA

MUNICÍPIO DE CAUCAIA LEI Nº 1799, 29 DE DEZEMBRO DE 2006. Concede incentivos fiscais com redução da Alíquota de IPTU e ISSQN às empresas que venham a se instalar no Município de Caucaia e dá outras providências A PREFEITA

Leia mais

DECRETO Nº 2.525, DE 4 DE SETEMBRO DE 2014 - Institui o Programa de Recuperação de Créditos da Fazenda Estadual REFAZ e dá outras providências.

DECRETO Nº 2.525, DE 4 DE SETEMBRO DE 2014 - Institui o Programa de Recuperação de Créditos da Fazenda Estadual REFAZ e dá outras providências. DECRETO Nº 2.525, DE 4 DE SETEMBRO DE 2014 - Institui o Programa de Recuperação de Créditos da Fazenda Estadual REFAZ e dá outras providências. EMENTA: Concede parcelamento de débitos fiscais com anistia

Leia mais

Cria mecanismos de fomento à atividade audiovisual, e dá outras providências

Cria mecanismos de fomento à atividade audiovisual, e dá outras providências LEI Nº 8.685, de 20 de Julho de 1993 ("Lei do Audiovisual") -------------------------------------------------------------------------------- Cria mecanismos de fomento à atividade audiovisual, e dá outras

Leia mais

Programa Especial de Pagamento. Secretaria de Estado de Fazenda Subsecretaria de Receita. de Débitos Tributários -PPD-

Programa Especial de Pagamento. Secretaria de Estado de Fazenda Subsecretaria de Receita. de Débitos Tributários -PPD- Programa Especial de Pagamento Secretaria de Estado de Fazenda Subsecretaria de Receita de Débitos Tributários -PPD- Rio de Janeiro Julho de 2014 AGENDA O que é? Base Legal Abrangência do programa Público

Leia mais

Domingo Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado. Clique e veja o compromisso do dia. 6 7 8. Clique e veja o compromisso do dia.

Domingo Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado. Clique e veja o compromisso do dia. 6 7 8. Clique e veja o compromisso do dia. Atenção 01 Aqueles contribuintes obrigados ao envio mensal do arquivo SINTEGRA à SEFAZ, devem observar a data de entrega, conforme definido pelo fisco. Atenção 02 Essas informações não substituem aquelas

Leia mais

... LEI N. 2.956, DE 9 DE ABRIL DE 2015

... LEI N. 2.956, DE 9 DE ABRIL DE 2015 LEI N. 2.956, DE 9 DE ABRIL DE 2015 Altera e acrescenta dispositivos à Lei n. 1.358, de 29 de dezembro de 2000 que Institui o Programa de Incentivo Tributário para Empresas, Cooperativas e Associações

Leia mais

CONTRATO DE MÚTUO. Assistido é o Participante ou seus beneficiários em gozo de Benefício de prestação continuada.

CONTRATO DE MÚTUO. Assistido é o Participante ou seus beneficiários em gozo de Benefício de prestação continuada. Página 1 de 7 CONTRATO DE MÚTUO Cláusulas e Condições Gerais do Contrato de Mútuo que entre si fazem a Fundação Vale do Rio Doce de Seguridade Social - VALIA e seus Participantes. Fundação Vale do Rio

Leia mais

TEXTO INTEGRAL DA INSTRUÇÃO CVM Nº 247, DE 27 DE MARÇO DE 1996, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELAS INSTRUÇÕES CVM Nº 269/97, 285/98, 464/08 E

TEXTO INTEGRAL DA INSTRUÇÃO CVM Nº 247, DE 27 DE MARÇO DE 1996, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELAS INSTRUÇÕES CVM Nº 269/97, 285/98, 464/08 E TEXTO INTEGRAL DA, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELAS INSTRUÇÕES CVM Nº 269/97, 285/98, 464/08 E 469/08. Dispõe sobre a avaliação de investimentos em sociedades coligadas e controladas e sobre os procedimentos

Leia mais

Especial Imposto de Renda 2015

Especial Imposto de Renda 2015 Especial Imposto de Renda 2015 01. A pessoa física com ganho de capital em valor inferior a R$ 35.000,00, que utilizar o fator de redução na venda de imóvel residencial, está obrigada a entrega da DIRPF?

Leia mais

Clipping Legis. Publicação de legislação e jurisprudência fiscal. Nº 186 Conteúdo - Atos publicados em Setembro de 2015 Divulgação em Outubro/2015

Clipping Legis. Publicação de legislação e jurisprudência fiscal. Nº 186 Conteúdo - Atos publicados em Setembro de 2015 Divulgação em Outubro/2015 www.pwc.com.br Clipping Legis A MP 694 limita a dedutibilidade da despesa de JCP e suspende em 2016 alguns incentivos fiscais relativos a projetos de inovação tecnológica (MP Nº 694) Nova IN da RFB consolida

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ TRADIÇÃO, EXPERIÊNCIA E OUSADIA DE QUEM É PIONEIRO Data: 23/03/2010 Estudo dirigido Curso: DIREITO Disciplina: DIREITO FINANCEIRO E TRIBUTÁRIO II Professora: ILZA MARIA

Leia mais

EMENDA À MEDIDA PROVISÓRIA Nº 665, DE 2014. Emenda Aditiva N.

EMENDA À MEDIDA PROVISÓRIA Nº 665, DE 2014. Emenda Aditiva N. MPV 665 00176 CONGRESSO NACIONAL EMENDA À MEDIDA PROVISÓRIA Nº 665, DE 2014. Autor Deputado Onyx Lorenzoni Partido Democratas - DEM 1. Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. X Aditiva TEXTO / JUSTIFICAÇÃO

Leia mais

IRPF 2012. Principais Novidades. Março 2013. Elaborado por: Wagner Mendes. O conteúdo desta apostila é de inteira responsabilidade do autor (a).

IRPF 2012. Principais Novidades. Março 2013. Elaborado por: Wagner Mendes. O conteúdo desta apostila é de inteira responsabilidade do autor (a). Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 29/11/2011

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 29/11/2011 ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 29/11/2011 Recolhimento Espontâneo 001 Quais os acréscimos legais que incidirão no caso de pagamento espontâneo de imposto ou contribuição administrado pela Secretaria da Receita

Leia mais

SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL

SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL PORTARIA CONJUNTA Nº 900, DE 19 DE JULHO DE 2002. Disciplina o pagamento ou parcelamento de débitos de que trata o art. 11 da Medida Provisória nº 38, de 14 de maio de 2002.

Leia mais

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS DA LEI MUNICIPAL DO REFIS

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS DA LEI MUNICIPAL DO REFIS EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS DA LEI MUNICIPAL DO REFIS Senhor Presidente Senhores vereadores Estamos encaminhando a essa insigne Casa de Leis, para que seja devidamente apreciado por essa nobre edilidade, o, Projeto

Leia mais

CAPÍTULO V DO ACESSO AOS MERCADOS. Seção única. Das Aquisições Públicas

CAPÍTULO V DO ACESSO AOS MERCADOS. Seção única. Das Aquisições Públicas CAPÍTULO V DO ACESSO AOS MERCADOS Seção única Das Aquisições Públicas Art. 42. Nas licitações públicas, a comprovação de regularidade fiscal das microempresas e empresas de pequeno porte somente será exigida

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA GOVERNADORIA LEI N. 3.177, DE 11 DE SETEMBRO DE 2013. PUBLICADO NO DOE Nº 2297, DE 11.09.13

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA GOVERNADORIA LEI N. 3.177, DE 11 DE SETEMBRO DE 2013. PUBLICADO NO DOE Nº 2297, DE 11.09.13 LEI N. 3.177, DE 11 DE SETEMBRO DE 2013. PUBLICADO NO DOE Nº 2297, DE 11.09.13 Consolidada, alterada pela Lei nº: 3250, de 19.11.13 DOE n. 2343, de 19.11.13 Autoriza o Poder Executivo a realizar a compensação

Leia mais

CADERNO DE QUESTÕES PROCESSO SELETIVO TRANSFERÊNCIA VOLUNTÁRIA (TRV) 2ª ETAPA EDITAL 02/2015-COPESE DATA: 08/02/2015. HORÁRIO: das 09 às 12 horas

CADERNO DE QUESTÕES PROCESSO SELETIVO TRANSFERÊNCIA VOLUNTÁRIA (TRV) 2ª ETAPA EDITAL 02/2015-COPESE DATA: 08/02/2015. HORÁRIO: das 09 às 12 horas Realização: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CADERNO DE QUESTÕES PROCESSO SELETIVO TRANSFERÊNCIA VOLUNTÁRIA (TRV) 2ª ETAPA EDITAL 02/2015-COPESE CURSO: BACHARELADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS

Leia mais

Recentes alterações na legislação tributária: subcapitalização, remessa de juros ao exterior, parcelamento de débitos e outros temas

Recentes alterações na legislação tributária: subcapitalização, remessa de juros ao exterior, parcelamento de débitos e outros temas Recentes alterações na legislação tributária: subcapitalização, remessa de juros ao exterior, parcelamento de débitos e outros temas Migalhas Internacional, 14 de jul. 2010 No dia 11 de junho de 2010,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 10.451, DE 10 DE MAIO DE 2002.

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 10.451, DE 10 DE MAIO DE 2002. Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 10.451, DE 10 DE MAIO DE 2002. Altera a legislação tributária federal e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço

Leia mais

CONFEDERAÇÃO NACIONAL DE MUNICÍPIOS NOTA TÉCNICA Nº 02/2009. Assunto: Parcelamento de Débitos Previdenciários dos Municípios.

CONFEDERAÇÃO NACIONAL DE MUNICÍPIOS NOTA TÉCNICA Nº 02/2009. Assunto: Parcelamento de Débitos Previdenciários dos Municípios. Tema: Previdência CONFEDERAÇÃO NACIONAL DE MUNICÍPIOS NOTA TÉCNICA Nº 02/2009 Assunto: Parcelamento de Débitos Previdenciários dos Municípios. Referência: Lei n 9.639, de 25 de maio de 1998; Lei 8.212,

Leia mais

LEI nº 1261/2013, DE 11/01/2013

LEI nº 1261/2013, DE 11/01/2013 LEI nº 1261/2013, DE 11/01/2013 Disciplina a cobrança da CONTRIBUIÇÃO DE MELHORIA no Município de Fazenda Vilanova e dá outras providências. PEDRO ANTONIO DORNELLES, PREFEITO MUNICIPAL DE FAZENDA VILANOVA,

Leia mais

OUROCAP FIADOR SITE NA INTERNET : www.brasilcap.com CONDIÇÕES GERAIS MODALIDADE TRADICIONAL

OUROCAP FIADOR SITE NA INTERNET : www.brasilcap.com CONDIÇÕES GERAIS MODALIDADE TRADICIONAL OUROCAP FIADOR SITE NA INTERNET : www.brasilcap.com CONDIÇÕES GERAIS MODALIDADE TRADICIONAL GLOSSÁRIO Subscritor é a pessoa que subscreve a proposta de aquisição do Título, assumindo o compromisso de efetuar

Leia mais

Guia Personnalité IR 2011

Guia Personnalité IR 2011 Guia Personnalité IR 2011 Índice Imposto de Renda 2011... 03 Obrigatoriedade de entrega da declaração... 04 Orientações gerais... 04 Formas de entrega... 05 Multa pelo atraso na entrega... 05 Imposto a

Leia mais

IPI ICMS - SP LEGISLAÇÃO - SP ANO XX - 2009-2ª SEMANA DE JANEIRO DE 2009 BOLETIM INFORMARE Nº 02/2009

IPI ICMS - SP LEGISLAÇÃO - SP ANO XX - 2009-2ª SEMANA DE JANEIRO DE 2009 BOLETIM INFORMARE Nº 02/2009 IPI ANO XX - 2009-2ª SEMANA DE JANEIRO DE 2009 BOLETIM INFORMARE Nº 02/2009 INFRAÇÕES E ACRÉSCIMOS MORATÓRIOS Infrações - Procedimentos do Contribuinte - Pagamento - Acréscimos Moratórios - Multa de Mora

Leia mais

Instrução Normativa RFB Nº 1590 DE 05/11/2015

Instrução Normativa RFB Nº 1590 DE 05/11/2015 Instrução Normativa RFB Nº 1590 DE 05/11/2015 Publicado no DO em 6 nov 2015 Dispõe sobre a aplicação do art. 9º-A da Lei nº 10.925, de 23 de julho de 2004, que dispõe sobre o crédito presumido da Contribuição

Leia mais

Pesquisa sobre bens a serem ativados Contabilizados no Ativo Imobilizado

Pesquisa sobre bens a serem ativados Contabilizados no Ativo Imobilizado Pesquisa sobre bens a serem ativados Contabilizados no Ativo Imobilizado ATIVO IMOBILIZADO O Ativo Imobilizado é formado pelo conjunto de bens e direitos necessários à manutenção das atividades da empresa,

Leia mais

CAPÍTULO III DA FORMA DE ELABORAÇÃO

CAPÍTULO III DA FORMA DE ELABORAÇÃO Instrução Normativa RFB Nº 1246 DE 03/02/2012 (Federal) Data D.O.: 06/02/2012 Dispõe sobre a apresentação da Declaração de Ajuste Anual do Imposto sobre a Renda referente ao exercício de 2012, ano-calendário

Leia mais

Legislação. Publicação: Diário da República n.º 8/2015, Série I, de 13/01, Páginas 380-386.

Legislação. Publicação: Diário da República n.º 8/2015, Série I, de 13/01, Páginas 380-386. Classificação: 060.01.01 Segurança: P ú b l i c a Processo: Direção de Serviços de Comunicação e Apoio ao Contribuinte Legislação Diploma Decreto-Lei n.º 7/2015, de 13 de janeiro Estado: vigente. Resumo:

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Campinas. Centro de Economia e Administração. Faculdade de Ciências Contábeis

Pontifícia Universidade Católica de Campinas. Centro de Economia e Administração. Faculdade de Ciências Contábeis Pontifícia Universidade Católica de Campinas Centro de Economia e Administração Faculdade de Ciências Contábeis OBRIGATORIEDADE DE APRESENTAÇÃO Renda Recebeu rendimentos tributáveis, sujeitos ao ajuste

Leia mais

PROJETO DE LEI CAPÍTULO I DO REGIME DE TRIBUTAÇÃO UNIFICADA

PROJETO DE LEI CAPÍTULO I DO REGIME DE TRIBUTAÇÃO UNIFICADA PROJETO DE LEI Institui o Regime de Tributação Unificada - RTU na importação, por via terrestre, de mercadorias procedentes do Paraguai. O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DO REGIME DE TRIBUTAÇÃO

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL OAB XIII EXAME DE ORDEM C006 DIREITO TRIBUTÁRIO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL OAB XIII EXAME DE ORDEM C006 DIREITO TRIBUTÁRIO C006 DIREITO TRIBUTÁRIO PEÇA PRÁTICO-PROFISSIONAL C006042 Responsabilidade Tributária. Exceção de pré-executividade. Determinada pessoa jurídica declarou, em formulário próprio estadual, débito de ICMS.

Leia mais

AGENTE E ESCRIVÃO DA POLICIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade. Aula: 04 Prof.: Adelino Corrêa DATA: 26/10/2008. 13. Operações com mercadoria

AGENTE E ESCRIVÃO DA POLICIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade. Aula: 04 Prof.: Adelino Corrêa DATA: 26/10/2008. 13. Operações com mercadoria 13. Operações com mercadoria Na comercialização de mercadoria (principal objeto de empresa comercial) existirão os tributos; entre eles o ICMS que será estudado na compra e venda da mercadoria. Impostos

Leia mais

LEI DE INCENTIVO AO ESPORTE ESTADUAL

LEI DE INCENTIVO AO ESPORTE ESTADUAL LEI DE INCENTIVO AO ESPORTE ESTADUAL LEI Nº 13.918, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2009 Dispõe sobre a comunicação eletrônica entre a Secretaria da Fazenda e o sujeito passivo dos tributos estaduais, altera a Lei

Leia mais

O CONGRESSO NACIONAL decreta:

O CONGRESSO NACIONAL decreta: Dispõe sobre a utilização de recursos das exigibilidades de aplicação em crédito rural oriundos da poupança rural e dos depósitos a vista para financiamentos destinados à liquidação de dívidas de produtores

Leia mais

* V. Instrução Normativa SRF 422/2004 (Incidência, apuração e exigência da Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico).

* V. Instrução Normativa SRF 422/2004 (Incidência, apuração e exigência da Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico). LEI 10.336, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2001 Institui Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico incidente sobre a importação e a comercialização de petróleo e seus derivados, gás natural e seus derivados,

Leia mais

(Fl. 15 do Anexo Único ao Ato Declaratório Executivo Codac nº 31, de 19 de outubro de 2015.)

(Fl. 15 do Anexo Único ao Ato Declaratório Executivo Codac nº 31, de 19 de outubro de 2015.) (Fl. 15 do Anexo Único ao Ato Declaratório Executivo Codac nº 31, de 19 de outubro de 2015.) Agenda Tributária Novembro de 2015 Data de apresentação: data em que se encerra o prazo legal para apresentação

Leia mais

Novo Código Contributivo da Segurança Social

Novo Código Contributivo da Segurança Social Novo Código Contributivo da Segurança Social O Código Contributivo para a Segurança Social, aprovado através da Lei n.º 110/2009, de 16 de Setembro tem a sua entrada em vigor agendada para 1 de Janeiro

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO SINDICAL EMPREGADOS

CONTRIBUIÇÃO SINDICAL EMPREGADOS CONTRIBUIÇÃO SINDICAL EMPREGADOS INTRODUÇÃO Dispõe o Art. 578 da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), que a contribuição devida aos sindicatos pelos que participam das categorias econômicas ou profissionais

Leia mais

CIRCULAR N 1939. Aos agentes financeiros do Sistema Financeiro da Habitação

CIRCULAR N 1939. Aos agentes financeiros do Sistema Financeiro da Habitação CIRCULAR N 1939 Aos agentes financeiros do Sistema Financeiro da Habitação Regulamenta as disposições da Lei nº 8.004, de 14.03.90, que trata das transferências de financiamento e quitações de saldo devedor

Leia mais

DECRETO N 974, DE 8 DE NOVEMBRO DE 1993

DECRETO N 974, DE 8 DE NOVEMBRO DE 1993 DECRETO N 974, DE 8 DE NOVEMBRO DE 1993 Regulamenta a Lei n 8.685, de 20 de julho de 1993, que cria mecanismos de fomento à atividade audiovisual, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no

Leia mais

INFORMÁTICA PRODUTOS E PROGRAMAS

INFORMÁTICA PRODUTOS E PROGRAMAS atualizado em 06/01/2016 alterados os itens 1.1.2, 1.2, 1.3, 1.4, 2.1, 2.2 e 2.3.3 2 ÍNDICE INTRODUÇÃO...5 1. PROGRAMA DE COMPUTADOR ( SOFTWARE ) NÃO PERSONALIZADO...7 1.1. Saída Interna...7 1.1.1. Isenção...7

Leia mais

DECLARAÇÕES Lucro Presumido, Isentas e Simples

DECLARAÇÕES Lucro Presumido, Isentas e Simples DECLARAÇÕES Lucro Presumido, Isentas e Simples Wagner Mendes Contador, Pós-Graduado em Controladoria, Auditoria e Tributos, Consultor Tributário, Especialista em Tributos Federais, Contabilidade e Legislação

Leia mais

REGULAMENTO DE BENEFÍCIOS do Montepio Geral Associação Mutualista Título II DISPOSIÇÕES PARTICULARES - MODALIDADES INDIVIDUAIS

REGULAMENTO DE BENEFÍCIOS do Montepio Geral Associação Mutualista Título II DISPOSIÇÕES PARTICULARES - MODALIDADES INDIVIDUAIS Artigo 1.º (Definições e Interpretação) 1. Nesta Secção, os termos e expressões iniciados por maiúsculas têm o significado que lhes é atribuído no Título VI (Glossário) do Regulamento. 2. Em caso de conflito

Leia mais

INFORMATIVO CONTÁBIL/FISCAL OCB/ES Nº 11/2014

INFORMATIVO CONTÁBIL/FISCAL OCB/ES Nº 11/2014 INFORMATIVO CONTÁBIL/FISCAL OCB/ES Nº 11/2014 (15 de Julho de 2014) 01. MUDANÇAS NAS REGRAS DE INFORMAÇÃO DA CONTRATAÇÃO DE FUNCIONÁRIOS. Órgão: Ministério do Trabalho e Emprego (MTE). Ementa: Dispõe sobre

Leia mais

OBRIGAÇÕES TRIBUTÁRIAS DOS MUNICÍPIOS E LEI 12.810

OBRIGAÇÕES TRIBUTÁRIAS DOS MUNICÍPIOS E LEI 12.810 PALESTRA OBRIGAÇÕES TRIBUTÁRIAS DOS MUNICÍPIOS E LEI 12.810 Teresina, 06/2013 Delegacia da em Teresina-PI OS MUNICÍPIOS E AS OBRIGAÇÕES TRIBUTÁRIAS Delegacia da em Teresina-PI OS MUNICÍPIOS E A RFB Tributos

Leia mais

CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO

CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO Prof. Cássio Marques da Silva 2015 IRPJ LUCRO ARBITRADO 1 Oarbitramentodolucroéumaformadeapuração dabasedecálculodoimpostoderendautilizadapela autoridade tributária ou pelo contribuinte. É aplicável pela

Leia mais

Anexos 4. 0 Substituição Tributária

Anexos 4. 0 Substituição Tributária Anexos 4. 0 Substituição Tributária Anexos 4.8 Substituição Tributária nas Operações Interestaduais com Energia Elétrica não destinada à Comercialização ou à Industrialização Anexo 4.8 DA SUBSTITUIÇÃO

Leia mais

Enquadramento Fiscal dos Advogados em. sede de IRS, IVA e segurança social

Enquadramento Fiscal dos Advogados em. sede de IRS, IVA e segurança social Enquadramento Fiscal dos Advogados em sede de IRS, IVA e segurança social Fiscalidade IVA / IRS / Segurança social Março 2015 1 IAE -Instituto dos Advogados de Empresa da Ordem dos Advogados 1 Formas de

Leia mais

ESTADO DE SERGIPE PODER EXECUTIVO Governo do Município de Tobias Barreto

ESTADO DE SERGIPE PODER EXECUTIVO Governo do Município de Tobias Barreto LEI Nº 778/2004 De 14 de dezembro de 2004 Gabinete do Prefeito Lei Ordinária Sancionada em 14 de dezembro 2004 EMENTA - Dispõe sobre a Contribuição de Melhoria, e dá outras providências. Doutor Esdras

Leia mais

http://www.portaldecontabilidade.com.br/guia/clientes/comercial/imobi... ATIVO IMOBILIZADO

http://www.portaldecontabilidade.com.br/guia/clientes/comercial/imobi... ATIVO IMOBILIZADO 1 de 6 31/01/2015 14:40 ATIVO IMOBILIZADO O Ativo Imobilizado é formado pelo conjunto de bens e direitos necessários à manutenção das atividades da empresa, caracterizados por apresentar-se na forma tangível

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO LEI N. 1.021, DE 21 DE JANEIRO DE 1992 "Define microempresa para efeito fiscal previsto na Lei Complementar n. 48/84 e dá outras providências." O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE seguinte Lei: FAÇO SABER que

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 814 /06-GSF, DE 28 DE AGOSTO DE 2006.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 814 /06-GSF, DE 28 DE AGOSTO DE 2006. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 814 /06-GSF, DE 28 DE AGOSTO DE 2006. Dispõe sobre os procedimentos destinados à implementação da redução da multa e dos juros de mora e do parcelamento previstos na Lei nº 15.761/06.

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Page 1 of 5 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 8.084, DE 26 DE AGOSTO DE 2013 A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, caput,

Leia mais