Recursos Humanos. Coletânea de Artigos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Recursos Humanos. Coletânea de Artigos"

Transcrição

1

2 Recursos Humanos Coletânea de Artigos Belo Horizonte 2011

3 A todos os participantes que gentilmente acolheram a idéia da Ecx Card para a edição desta obra, compartilhando seus conhecimentos e suas experiências pessoais, os nossos sinceros agradecimentos e a certeza de que patrocinaram um momento de reflexão para todos os nossos leitores, em especial, para os agentes e profissionais de RH. * De forma a manter íntegro todo o conteúdo e opiniões das obras apresentadas, a Ecx Card S/A não promoveu qualquer tratamento editorial nos trabalhos constantes nessa obra. ** O conteúdo dos artigos e as opiniões ali expostas são de responsabilidade exclusiva dos participantes, não representando qualquer crítica ou posição esposada pela Ecx Card S/A.

4 Organização ECX CARD - Administradora e Processadora de Cartões S/A Rua Rio de Janeiro, Andar - Belo Horizonte/MG Capa, Projeto Gráfico e Editoração Eletrônica percepções - oficina de comunicação É proibida a reprodução total ou parcial, de qualquer forma ou por qualquer meio.

5 ÍNDICE A CONFIANÇA NAS RELAÇÕES ENTRE GESTORES E COLABORADORES: fator determinante para melhorar a eficácia organizacional Denise Figueiró Mendes A IMPORTÂNCIA DO FEEDBACK NAS ORGANIZAÇÕES Élida Souza A relação entre as estratégias empresariais e a gestão de pessoas Graziela Francisca Alves Ferreira AS IMPLICAÇÕES DE SE VIVENCIAR UM ACIDENTE DE TRABALHO FATAL Renata Curvelana de Moura ASSÉDIO MORAL NA CONTEMPORANEIDADE Juliana Antunes ASSÉDIO MORAL NAS ORGANIZAÇÕES OU TERROR PSICOLÓGICO? Renata Santana Silva ASSESSORIA PSICOLÓGICA NO MEIO ORGANIZACIONAL Danielle Sabarense

6 Carreira em Y Um caminho para valorização profissional Lindomar José Rosa de Paula Clima Organizacional Érika Fernanda Batista Soares Como a gestão de pessoas pode ajudar uma organização A se transformar com mais inovação, qualidade, produtividade e lucratividade Raquel Satira Comportamentos voltados para resultados Tânia Regina Dinelli de Carvalho Empresa Familiar: Quebrando paradigmas sobre a complexidade no trabalho Victoria Rocha Estabelecendo Relações de Parceria com a Comunidade Ana Flávia Ferreira Ceolin GESTÃO COMPARTILHADA: UMA CONTRIBUIÇÃO PARA AUMENTAR A QUALIDADE, A MOTIVAÇÃO DAS PESSOAS E A COMPETITIVIDADE PARA A ADMINISTRAÇÃO DE NEGÓCIOS Rita de Cássia Andrade Ferreira GESTÃO DE CONFLITOS - O PAPEL DO RH Patrícia Viégas Reis Investir na Qualidade de Vida no Trabalho é um bom negócio Silvano Aragão O GESTOR DO FUTURO: UMA NECESSIDADE DO PRESENTE Renata Cotta Pimentel O Peso da LIDERANÇA André Nery

7 OS DESAFIOS DA GESTÃO NA CAPTAÇÃO DE PROFISSIONAIS E RETENÇÃO DE TALENTOS Daniela Gomes Xavier Processo de fusão organizacional e seus impactos nas emoções humanas Ana Cristina Thomé de Castilho Procura-se uma fábrica de líderes Ana Carolina Huss Teixeira QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO Andressa Deborah Tibúrcio Recursos Humanos e Liderança: Uma parceria estratégica Camilla Xavier Recursos Humanos x Sustentabilidade. O que um tem a ver com o outro? Edivaldo Cezar Gomes REDUÇÃO DA ROTATIVIDADE: um estudo de caso da empresa Grupo Rufato Rafaella Angélica Purgato RH O DESAFIO DAS ORGANIZAÇÕES ATUAIS Maria Aparecida de Oliveira RH Promotor da Estratégia do Negócio Danielle Garibaldi SUA CARREIRA SÓ DEPENDE DE VOCÊ Sérgio Campos Treinamento Experimental ao Ar Livre (Teal): Ferramenta transformadora em projetos de Desenvolvimento de Lideranças Carolina Lobato do Couto Ana Patricia Velloso MP CONSULTORIA EM RH

8 A CONFIANÇA NAS RELAÇÕES ENTRE GESTORES E COLABORADORES: fator determinante para melhorar a eficácia organizacional Denise Figueiró Mendes Quando penetramos no cotidiano das relações sociais de uma empresa, observamos a existência de uma identidade compartilhada; ou seja, a existência de valores e idéias, tecendo esta identidade e mediando as relações de trabalho. Isto nos leva a ver a dimensão que permeia as relações de trabalho e o comportamento das pessoas nas organizações. O ambiente organizacional, enquanto lugar privilegiado onde se tecem numerosas relações, é um terreno fértil para observar a dinâmica das relações humanas. Todo ser humano constrói-se em sua relação com o outro. Esta relação com o outro constitui, no plano pessoal, o fundamento da identidade individual. No nível coletivo, isto fundamenta a identidade social. A identidade pessoal e as identidades coletivas resultam, assim, da relação que um indivíduo ou um grupo mantém com o que se chama alteridade. É dessa relação com a alteridade que se depreendem numerosos comportamentos individuais que se podem observar cotidianamente. 8

9 Essa dupla relação (individual e coletiva) com a alteridade sempre existiu e invade todos os níveis (indivíduo, grupo, organização, sociedade, mundo). Todavia, ela toma em nossos dias uma significação e uma importância bem particulares. A falta de confiança pode gerar conflito nestas relações, pois a existência do conflito é caracterizada pela interdependência das partes; a incompatibilidade, percebida por uma delas, sobre objetivos ou comportamentos do outro e, em alguns casos, da interação que isso provoca entre elas. As organizações são compostas de pessoas que trazem para o ambiente de trabalho todo o seu jeito de ser, sentir e viver. São motivações diferentes, habilidades e aptidões diversas, competências distintas que precisam conviver e produzir. Daí a importância de se criar um ambiente de confiança mútua com visão acurada da organização. Esse ambiente de confiança e respeito é a resposta para o cenário de trabalho atual: mais ágil, integrado e entrosado, em que a multifuncionalidade e as habilidades não são fatores de limitação para o trabalhador. O gestor, chamado também de supervisor, chefe, líder, coordenador, diretor, dentre outros, é o responsável pelo trabalho que geralmente é realizado através do esforço de uma ou mais pessoas. Os gestores eficazes criam oportunidades para que os indivíduos e grupos façam uma grande contribuição para a organização e, ao mesmo tempo, tenham satisfação pessoal. Um dos principais papéis gerenciais são os papéis interpessoais como o gestor interage com outras pessoas; papéis 9

10 transformacionais como o gerente troca e processa informações; e os papéis decisionais como o gerente usa a informação na tomada de decisão. E, dentre as habilidades e competências gerenciais, temos: a habilidade técnica consiste em realizar tarefas específicas, advindas do conhecimento ou da especialização obtidos na educação ou experiência; a habilidade humana emergindo do espírito de confiança, entusiasmo e envolvimento genuíno nas relações pessoais; e a habilidade conceitual baseada na capacidade mental da pessoa de identificar problemas e oportunidades, coletar e interpretar informações relevantes e tomar boas decisões para solucionar problemas. As habilidades técnicas são importantes nos níveis inferiores; as habilidades conceituais, nos níveis mais altos, enquanto que as habilidades humanas, que estão no âmago das aplicações do comportamento organizacional, têm importância consistente em todos os níveis gerenciais. Numa relação gestor - colaborador, não havendo confiança, o poder é uma forma de conseguir que alguém faça algo que deve ser feito. A essência do poder é o controle sobre o comportamento de outros. O poder é a força que é usada para fazer as coisas acontecerem de uma forma pretendida, enquanto influência é o que você tem quando exerce o poder e é expressada pela resposta comportamental dos outros ao seu exercício de poder. Os gerentes adquirem poder de fontes organizacionais e individuais. Estas fontes são chamadas poder de posição e poder pessoal, respectivamente. Podemos dizer, então, que num processo de confiança a influência é mais importante que o poder? e que o poder pessoal está mais próximo de uma relação de confiança? O poder de posição depende da posição que o gestor ocupa 10

11 podendo ser utilizado a punição como forma de fazer com que as pessoas agem como se espera. Esse tipo está longe de uma relação de confiança. Já o poder pessoal está no indivíduo e independe da posição que ele ocupa. De qualquer forma, o gestor eficaz é aquele que consegue criar e manter altos níveis tanto de poder de posição quanto de poder pessoal ao longo do tempo; porém, cabe ressaltar que o poder pessoal está mais próximo da criação de uma relação de confiança entre gestores e colaboradores. Podemos afirmar que a confiança é uma variável crítica que influencia o desempenho, a eficácia e a eficiencia das pessoas e organizações. Desta forma, os sistemas tradicionais e burocráticos de controle, na forma em gerir as pessoas, tornam-se ineficazes para lidar com a necessidade de colaboradores que tomam decisões e iniciativas. A confiança dos gestores em seus colaboradores, e vice- -versa, adquire valor, já que favorece a agilidade e a eficácia em decisões e ações. Ela pode ser construída mesmo entre pessoas de diferentes culturas, ou entre indivíduos que não compartilham valores além dos objetivos de negócios, como também, com base em valores e normas comuns de obrigação. Diante do exposto, podemos concluir que a confiança, além de promover benefícios nas relações entre as pessoas envolvidas num contexto organizacional, traz ótimos resultados para a organização em termos de produtividade e de resultados. 11

12 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS DAVENPORT, Thomas; PRUSAK, Laurence. Conhecimento empresarial: como as organizações gerenciam o seu capital intelectual. Rio de Janeiro: Campus, p. Cap.1: p.1 a 28. Tradução de Lenkes Peres. FLEURY, M. T. L.; FISCHER, Rosa M (et al). Cultura e poder nas organizações. 2.ed. São Paulo: Atlas, Mini currículo Mestre em Administração, pela Fundação Cultural Dr. Pedro Leopoldo, Especialista em Administração Hospitalar, Graduada em Administração de empresas. Professora da FACE/FUMEC (disciplinas: Comportamento Humano nas Organizações, Captação e Seleção de Talentos e Avaliação de Desempenho e Competências. Professora do IBHES/FACEMG (disciplinas: Treinamento e Desenvolvimento de Pessoas e Gestão da Remuneração). Consultora com experiência em gestão de setores específicos como: gestão organizacional, gestão de pessoas, Aprendizagem e gestão do conhecimento e gestão de processos. Avaliadora do INEP/ MEC. 12

13 A IMPORTÂNCIA DO FEEDBACK NAS ORGANIZAÇÕES Élida Souza Diversas têm sido as mudanças com as quais temos nos deparado no contexto atual. Aspectos como a inserção de modernas tecnologias, avançados sistemas de informação e conhecimento, bem como a internacionalização das relações sociais são alguns exemplos. Esses, por sua vez, têm exigido o advento de novos modelos gerenciais, cujo objetivo é a adaptação de práticas organizacionais de modo a garantir a presença num mercado globalizado e cada vez mais competitivo. Porém, é importante ter em mente que a vinda de diferentes paradigmas não retira a importância e a necessidade de investimentos naquele aspecto constituinte das organizações: as pessoas. É perceptível, especialmente após a Revolução Industrial, a evolução daquilo que veio a se constituir como a Administração de Recursos Humanos. Se inicialmente surgiu como departamentos de pessoal, partindo-se do princípio de que os empregados eram fatores de produção e que seus custos deveriam ser administrados como qualquer outro (FISCHER, 1998), nos dias atuais constitui-se como um elemento fundamental à manutenção e perpetuação das empresas, inse- 13

14 rida, inclusive, no planejamento estratégico organizacional. No entanto, mesmo diante da crescente valorização da área de Recursos Humanos nas organizações, ainda há muito a fazer, especialmente no que diz respeito às práticas adotadas diretamente às pessoas em seu dia a dia e que as mantém motivadas e alinhadas aos objetivos organizacionais. Cabe, portanto, questionar aos líderes: Como tem sido a sua gestão com as pessoas? Quais são os modos e técnicas adotadas para se manter reconhecidos e valorizados os empregados? Como tais aspectos repercutem na motivação desses empregados e nos resultados organizacionais? Uma técnica bastante válida e digna de discussão para adquirir tal propósito é o feedback, definido como uma forma de comunicação feita por pessoas ou grupos a pessoas ou grupos, com o propósito exclusivo de dar a uns a percepção dos outros, em relação a seus comportamentos e atitudes. (BEE & BEE, 2000). Embora esteja comumente associado às práticas de avaliação de desempenho, entendido como um retorno dado ao empregado acerca de seu desempenho, discutindo pontualmente seus aspectos positivos e sugerindo a melhoria de pontos negativos, o feedback, seja positivo ou negativo, se bem feito, pode permitir que as pessoas se reconheçam e conheçam a repercussão de seus comportamentos sobre os demais, sabendo assim, a qualquer tempo, como agir mediante as diferentes situações. Um ponto de partida importante ao se debater sobre o tema é o reconhecimento de que na empresa, as pessoas que a compõem também são dotadas de necessidades, que se distinguem conforme a personalidade e que devem ser levadas em consideração, sendo esse um relevante fator para a obtenção e manutenção de uma equipe coesa, reconhecida e motivada, bem como disposta a trabalhar por melhores resultados das organizações das quais fazem parte. 14

15 Nesse sentido, abrir espaço para a manifestação e para a expressão da personalidade, assim como para a discussão de idéias, em meio a críticas construtivas e respeitando os limites de cada pessoa são fatores a serem considerados diante da necessidade de adaptação aos novos paradigmas. Ou seja, investir e reter talentos, bem como gerir competências, visando a obtenção de resultados, a manutenção no mercado competitivo, sem perder de vista o respeito e a valorização à pessoa. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BEE, R. e BEE, F. Feedback: São Paulo: Nobel, Fischer, A. L. (1998). A construção do modelo competitivo de gestão de pessoas no Brasil: um estudo sobre as empresas consideradas exemplares. São Paulo: FEA/USP. Mini currículo Élida Souza, Consultora Organizacional graduada em Psicologia pela UFMG com experiência na área de Recursos Humanos. Atuação em Diagnóstico Organizacional, Reorganização Administrativa, Recrutamento, Seleção, Treinamento e Desenvolvimento de Pessoas, Avaliação de Desempenho, Plano de Cargos, Salários e Carreiras, Planejamento Estratégico, Promoção de Eventos e Avaliação Psicológica. Autora e co-autora de artigos acadêmicos apresentados em congressos de Administração e de Psicologia. Responsável pela execução das pesquisas Práticas Inovadoras de Treinamento e seus Impactos na Satisfação do Trabalho e Maturidade em RH de Organizações de Lazer: uma análise a partir do People Capability Maturity Model (PCMM), sob a perspectiva dos funcionários, pela FACE/UFMG. Experiência em Psicologia Clínica, Psicologia de Recursos Humanos da empresa. Na RHUMO Consultoria Empresarial atua na Gestão Remuneração desenvolvendo projetos de Planos de Cargos e Salários. 15

16 A relação entre as estratégias empresariais e a gestão de pessoas Graziela Francisca Alves Ferreira Tornou-se lugar comum os debates acerca da real contribuição da gestão de pessoas para o alcance das estratégias empresarias. Fato é que percebem-se movimentos de evolução desta relação de via dupla, no sentido de que a alta administração vem destacando e acionando a gestão de pessoas de forma que permita a esta uma atuação efetiva, assim como a gestão de pessoas vem repensando suas práticas de forma a considerar o contexto organizacional e as estratégias de longo prazo do negócio onde está inserida. Tendo como referência as práticas de gestão de pessoas na década de 80, bem como as produções técnico-científicas deste período, observa-se um enfoque substancial aos subsistemas de RH e não nas possibilidades de contribuição com o desempenho das organizações. Havia um potencial de mobilização e direcionamento dos comportamentos rumo às particularidades das empresas, mas faltava buscar torná-las mais competitivas em cenários competitivos. Uma gestão de pessoas estratégica não deve focar necessariamente um alinhamento com a visão estratégica da orga- 16

17 nização, e sim preparar o ambiente interno para as rápidas mudanças exigidas pelo ambiente externo. O capital humano precisa na verdade ter as competências para as mudanças e não para o cenário de hoje, altamente volátil. Lengnick-Hall e Lengnick-Hall (1988) reforçam que buscar o alinhamento não é sempre desejável. O foco na maximização do alinhamento pode ser contraprodutivo se mudanças organizacionais são necessárias, ou se a organização adotou estratégias competitivas conflitantes para responder a um ambiente competitivo complexo. O papel da gestão estratégica de pessoas é desenvolver a flexibilidade organizacional, vislumbrando as necessidades do futuro, como re-configurar recursos e atividades, responder aos desafios do mercado, reorientar-se estrategicamente e ler, criticamente, as tendências ambientais. Enfim, o contexto moderno, altamente complexo e mutável, traz à gestão de pessoas o desafio de desenvolver competências individuais e corporativas abrangentes e robustas. Neste sentido, competência é um saber agir responsável e reconhecido, que implica mobilizar, integrar, transferir conhecimentos, recursos, habilidades, que agreguem valor econômico à organização e valor social ao indivíduo, o que somente é possível através de uma cultura de aprendizagem e melhoria contínua. Mini currículo Psicóloga (FUMEC-2002), especialista em Gestão de Pessoas (FDC- 2008) e mestranda em Administração (Faculdades de Pedro Leopoldo-2011). 17

18 AS IMPLICAÇÕES DE SE VIVENCIAR UM ACIDENTE DE TRABALHO FATAL Renata Curvelana de Moura RESUMO: Este artigo se propõe a elucidar os desdobramentos da experiência de se vivenciar um acidente de trabalho fatal. O presente trabalho toma como base um questionário aplicado aos colegas de trabalho de uma vítima fatal e o acompanhamento psicológico dados aos mesmos após o acidente. PALAVRAS-CHAVE: acidente de trabalho, morte, vivenciar INTRODUÇÃO A nossa cultura nos ensina a evitar a dor e a perda, a fugir da morte mesmo em pensamento. A morte é algo assustador para nós, pois além de ser inegociável, ela é imprevisível e incompreensível. Diante de uma morte repentina, aparecem questionamentos tais como: Por que com essa pessoa? Por que neste monento? 18

19 O acidente de trabalho fatal pode ser considerado um evento traumático, e desencadeia respostas diversas nos envolvidos. METODOLOGIA Os funcionários responderam ao questionário oito dias após o acidente. O questionário era constituído de dez perguntas com quatro alternativas de resposta cada (a, b, c, d) e cada alternativa continha uma gradação distinta (a) = 1 ponto, (b) = 2 pontos, (c) = 3 pontos e d) = 4 pontos. As seis primeiras perguntas primeira parte do questionário constavam de questões referentes ao sentimento em relação ao acidente; as outras quatro abordavam a opinião dos funcionários em relação ao oferecimento de condições de segurança, ao tratamento dado ao acidente e ao apoio prestado à família do falecido e aos funcionários da empresa. Os questionários foram avaliados quantitativamente, sendo que as duas partes foram avaliadas separadamente. Para os objetivos deste artigo, focaremos a análise apenas na primeira parte do questionário. Os funcionários foram classificados da seguinte forma: Média até 2,0 não apresenta dificuldade para superar o acidente 2,0 > Média < 3,0 apresenta alguma dificuldade parar superar o acidente Média > 3,0 apresenta muita dificuldade para superar o acidente 19

20 RESULTADOS Segue abaixo o resultado quantitativo da primeira parte do questionário: 78% obtiveram média até 2,0 22% obtiveram > 2,0 ou < 3,0 0% obteve média > 3,0 1 Através de conversas formais e informais, e de observações, foi possível identificar nos funcionários envolvidos com o acidentado algumas respostas ao evento traumático tais como: desejo de se afastar do local do acidente por alguns dias, recorrência da cena do acidente, aumento da sensação de insegurança, tristeza, perda de apetite. Além disso, após o acidente, os funcionários demonstraram maior preocupação com sua segurança e com sua responsabilidade pela segurança dos colegas de trabalho. CONSIDERAÇÕES FINAIS De maneira geral, os funcionários conseguiram absorver o acidente e se sentiram capazes de voltar ao trabalho em um período de tempo relativamente curto; no entanto, o índice dos que apresentaram alguma dificuldade parar superar o acidente (22%) é bem significativo, demonstrando que as empresas não devem ignorar os desdobramentos psicológicos que um acidente de trabalho fatal traz para os colegas da vítima. 1 Apenas um funcionário apresentou esta média, não por acaso, o funcionário que acompanhava a vítima no momento do acidente. 20

21 Em um momento delicado como este, as ações tomadas pelo RH são de extrema importância, uma vez que os funcionários que vivenciam um acidente de trabalho fatal estão suscetíveis a desenvolverem reações emocionais e psicossomáticas prejudiciais à saúde e ao desempenho no trabalho. Referências Bibliográficas BORSOI, Izabel C. F. Acidente de Trabalho, Morte e Fatalismo. Psicologia & Sociedade; 17 (1): 17-28; jan./abr.2005 LIPP, Marilda N. Manual do Inventário de sintomas de Stress para Adultos (ISSL).3ª Edição. São Paulo. Casa do Psicólogo Mini currículo Psicóloga graduada pela UFMG com experiência na área social e organizacional. Nesta última, destaca-se seu trabalho como Coordenadora de RH de empresas de pequeno e grande porte. Atuação em Projeto de Extensão na área de Saúde Pública capacitação e avaliação de conselheiros de saúde. Atuação em Iniciação Científica na área de gênero e violência contra a mulher. 21

22 ASSÉDIO MORAL NA CONTEMPORANEIDADE Juliana Antunes O crescimento da competitividade inerente ao mundo globalizado somado ao advento da Constituição Federal, que erigiu como um dos fundamentos da República a dignidade da pessoa humana, fez com que o assédio moral no trabalho tivesse uma relevância promissora no âmbito do Direito do Trabalho. Apesar de ser um fenômeno social dos tempos antigos, o seu reconhecimento e discussão são recentes, mais precisamente, apontado como objeto de pesquisa em 1996, na Suécia. Heyns Leymann, psicólogo do trabalho. Para Leymann, trata-se de um conceito que se desenvolve em uma situação comunicativa hostil, em que um ou mais indivíduos coagem uma pessoa de tal forma que esta é levada a uma posição de fraqueza psicológica. Outros autores vão além, como Marie-France Hirigoyen, que em Assédio Moral: a violência perversa no cotidiano, caracteriza o tema como sendo qualquer conduta abusiva em relação a uma pessoa (seja por comportamentos, palavras, atos, gestos, ou escrita) que possa acarretar um dano à sua 22

23 personalidade, à sua dignidade ou mesmo à sua integridade física ou psíquica, podendo culminar inclusive na perda de emprego ou degradação do ambiente de trabalho em que a vítima está inserida. Independente da definição, é necessário compreender que o ato se caracteriza pelo abuso de poder de forma repetida e sistematizada, não podendo ser diagnosticado baseando-se em fatos isolados. Alguns teóricos citam elementos como sendo intrínsecos ao assédio moral no ambiente de trabalho, sendo eles: 1. Intensidade da violência psicológica, que não deve ser avaliada sob a percepção subjetiva e particular do afetado. 2. Prolongamento no tempo, não devendo ser considerados eventos esporádicos. 3. Intenção de ocasionar dano psíquico ou moral ao empregado de forma a marginalizá-lo no seu ambiente de trabalho. 4. Conversão em patologia, em enfermidade que pressupõe diagnóstico clínico dos danos psíquicos. Neste âmbito, as condutas comumente encontradas, segundo o Ministério do Trabalho, variam desde pequenas instruções confusas e imprecisas ao trabalhador, até à agressão física e verbal, passando pelo isolamento, críticas e brincadeiras de mau gosto em público. O fenômeno está ligado a uma dose de perversão moral diretamente ligada à questão da hipercompetitividade inerente aos modelos de gestão modernos. Citando Roberto Heloani (2004): (...) a perversidade - por vezes ligada a traços como frieza, calculismo e inteligência - e encorajada por práticas 23

24 organizacionais danosas (corrosão de valores éticos essenciais) acaba por desconsiderar o outro, em um verdadeiro extermínio psíquico, calculado e covarde, em relação à pessoa a quem, no íntimo, o agressor inveja. Os traços de personalidade normalmente encontrados entre os agressores - egocentrismo, necessidade de ser admirado, intolerância à crítica - não são por si só patológicos. Toda pessoa, em determinadas situações, pode ser levada a utilizar mecanismos perversos para defender-se. A diferença do assédio moral para atos isolados de agressão (não desconsiderando a falta de ética em ambos), é que no agressor esse sentimento de ódio é agravado pela perversidade que ele manipula e por esta situação lhe causar prazer, o que em uma pessoa comum seria substituído pelo sentimento de arrependimento. Esta humilhação repetida e de longa duração pode interferir diretamente na vida do trabalhador, causando graves danos à saúde física e mental. Estes transtornos podem evoluir para a incapacidade laborativa, desemprego ou mesmo a morte, como afirma a Organização Internacional do Trabalho (OIT). Segundo esta mesma fonte, as perspectivas não são boas para as duas próximas décadas, onde já é notável a grande ocorrência de casos de depressão, angústia e outros danos psíquicos, relacionados com as novas práticas de gestão nas organizações. Os índices nacionais e mundiais revelam um cenário que incita a discussão sobre a necessidade de se preservar a saúde mental dos trabalhadores. Entretanto, se faz imprescindível a realização de projetos de normatização trabalhistas específicas para coibir a prática no ambiente laboral, tendo como objetivo primordial a preservação dos valores ínsitos à própria dignidade humana. 24

25 Referências Bibliográficas HELOANI, Roberto. Assédio Moral um ensaio sobre a expropriação da dignidade no trabalho. RAE - eletrônica, v. 3, n. 1, Art. 10, jan/jun HIRIGOYEN, Marie-France. Assédio Moral: a violência perversa no cotidiano. São Paulo: Bertrand do Brasil, Heyns Leymann, citado por Roberto Heloani. Um ensaio sobre a expropriação da dignidade no trabalho. RAE-eletrônica, v. 3, n. 1, Art. 10, jan/ jun Ministério do Trabalho, disponível em portal.mte.gov.br/portal-mte. Data de acesso: 20/09/2011 Mini currículo Consultora Organizacional graduada em Psicologia pela UFMG. Membro do Laboratório de Psicologia do Trabalho UFMG, participando de pesquisa na área de Saúde Mental e Trabalho, em pesquisa na área de Gestão de Pessoas, pela UFMG, intitulada Construção de Escalas para Análise de Processo Seletivo de Organizações Contemporâneas. Possui experiência em atividades de Recrutamento e Seleção, Avaliação Psicológica, Avaliação de Desempenho, Pesquisa de Clima e Descrição de cargos. 25

26 ASSÉDIO MORAL NAS ORGANIZAÇÕES OU TERROR PSICOLÓGICO? Renata Santana Silva Desde que o homem sobrepujou seu semelhante, o assédio moral esteve presente manifestando-se de variadas formas. No entanto, na sociedade competitiva que se faz ouvir contra essa forma de conduta, a informação permite que cada vez mais as pessoas saibam de seus direitos e lutam por ele. Assim, o assédio moral embora seja um problema imanente à sociedade, ganha destaque nas discussões em todos os âmbitos, social, médico, psicológico e não poderia deixar de ser no direito, instrumento de ação para os que buscam justiça sobre abusos sofridos. Conforme definição do próprio Ministério do Trabalho e Emprego, assédio moral é toda e qualquer conduta abusiva (gesto, palavra, escritos, comportamento, atitude, etc.) que, intencional e freqüentemente, fira a dignidade e a integridade física ou psíquica de uma pessoa, ameaçando seu emprego ou degradando o clima de trabalho. Tal situação torna o ambiente de trabalho desagradável e hostil, acarretando em muitos casos o pedido de demissão do empregado. Outros 26

27 conceitos utilizados atualmente ligados ao assédio moral são o Bullying e o Karoshi. No Japão, O KAROSHI (KARO: Excesso de trabalho e SHI: Morte) é um acometimento fatal por esforço, sendo considerada uma doença relacionada ao trabalho e que freqüentemente está associada a longos períodos de horas trabalhadas. Pesquisas apontam que o assediado poderá chegar ao suicídio, fato este que acomete mais homens que mulheres. Na realidade, as empresas em si não praticam o assédio moral, e sim os profissionais que abusam do poder a eles atribuídos, com posturas autoritárias, comportamentos prepotentes e sedutores. Alguns gestores acreditam que o relacionamento com algum subordinado mais tranqüilo se mostra como oportunidade de crescer e demonstrar sua autoridade de maneira agressiva, criando assim uma relação hostil, face em que o assediado cada vez mais humilhado ao viver esta violência cotidiana, perde cada vez mais sua autoconfiança e a capacidade de agir para solucionar tal situação cruel, aumentando ainda mais os problemas de ordem psicológica e médica. É notável uma situação de assédio moral quando em reuniões as pessoas são expostas aos seus erros, as broncas em público que ressaltem suas deficiências, a falta de condições de trabalho físicas e psicológicas, recaindo em erros, colocando o funcionário à prova e a punições, as ameaças e humilhações constantes, graves falhas na comunicação, marcar número de vezes ou contar o tempo em que o empregado vai fazer suas necessidades fisiológicas, enfim, tudo o que desrespeita profundamente a dignidade do trabalhador. O TRT da 17ª Região (Vitória-ES) julga o primeiro caso em que se reconhece que a violação à dignidade da pessoa humana dá direito à indenização por dano moral, com a seguinte ementa: 27

28 ASSÉDIO MORAL - CONTRATO DE INAÇÃO INDENIZAÇÃO POR DANO MORAL - A tortura psicológica, destinada a golpear a auto-estima do empregado, visando forçar sua demissão ou apressar sua dispensa através de métodos que resultem em sobrecarregar o empregado de tarefas inúteis, sonegar-lhe informações e fingir que não o vê, resultam em assédio moral, cujo efeito é o direito à indenização por dano moral, porque ultrapassa o âmbito profissional, eis que minam a saúde física e mental da vítima e corrói a sua auto-estima. No caso dos autos, o assédio foi além, porque a empresa transformou o contrato de atividade em contrato de inação, quebrando o caráter sinalagmático do contrato de trabalho, e por conseqüência, descumprindo a sua principal obrigação que é a de fornecer trabalho, fonte de dignidade do empregado. (TRT - 17ª Região RO Ac. 2276/ Rel. Juíza Sônia das Dores Dionízio - 20/08/02, na Revista LTr 66-10/1237). Na prática o Assédio Moral, traz implícitas situações em que a vítima sente-se ofendida, menosprezada, rebaixada, inferiorizada, constrangida, ultrajada ou de qualquer forma tenha sua auto-estima rebaixada por outro, através do uso de expressões do tipo lerdo, tolo, louco, teimoso, etc., e culminada por crises de choro, depressão, tonturas, enxaquecas, distúrbios digestivos, tremores, falta de apetite e, até mesmo, cogitação de suicídio. Para mudar esta realidade, muito mais que as organizações devem conhecer bem tal situação para tratá-la juridicamente no combate efetivo do assédio moral ou na ótica da gestão de pessoas, trabalhar a importância de os profissionais como o 28

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

liderança conceito Sumário Liderança para potenciais e novos gestores

liderança conceito Sumário Liderança para potenciais e novos gestores Sumário Liderança para potenciais e novos gestores conceito Conceito de Liderança Competências do Líder Estilos de Liderança Habilidades Básicas Equipe de alta performance Habilidade com Pessoas Autoestima

Leia mais

Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs

Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs Ultrapassando barreiras e superando adversidades. Ser um gestor de pessoas não é tarefa fácil. Existem vários perfis de gestores espalhados pelas organizações,

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

Prof Elly Astrid Vedam

Prof Elly Astrid Vedam Prof Elly Astrid Vedam Despertar e saber lidar com os mecanismos de liderança e se preparar para a gestão de pequenos e médios negócios; Identificar conflitos no ambiente de seu negócio, calculando e avaliando

Leia mais

Construindo o Conteúdo da Liderança. José Renato S. Santiago Jr.

Construindo o Conteúdo da Liderança. José Renato S. Santiago Jr. Construindo o Conteúdo da Liderança José Renato S. Santiago Jr. Gestão Estratégica de RH Módulo 1: Alinhando Gestão de Pessoas com a Estratégia da Empresa Módulo 2: Compreendendo e Dinamizando a Cultura

Leia mais

Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual

Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual Objetivos da aula: Estudar a remuneração por habilidades; Sistematizar habilidades e contrato de desenvolvimento contínuo.

Leia mais

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO 1 LÍDERES DO SECULO XXI André Oliveira Angela Brasil (Docente Esp. das Faculdades Integradas de Três Lagoas-AEMS) Flávio Lopes Halex Mercante Kleber Alcantara Thiago Souza RESUMO A liderança é um processo

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra

LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra INTRODUÇÃO As organizações vivem em um ambiente em constante transformação que exige respostas rápidas e efetivas, respostas dadas em função das especificidades

Leia mais

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA Profº Paulo Barreto Paulo.santosi9@aedu.com www.paulobarretoi9consultoria.com.br 1 Analista da Divisão de Contratos da PRODESP Diretor de Esporte do Prodesp

Leia mais

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Projeto Saber Contábil O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Alessandra Mercante Programa Apresentar a relação da Gestão de pessoas com as estratégias organizacionais,

Leia mais

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade Eficácia e Liderança de Performance O Administrador na Gestão de Pessoas Grupo de Estudos em Administração de Pessoas - GEAPE 27 de novembro

Leia mais

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Cursos para Melhoria do desempenho & Gestão de RH TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Administração do Tempo Ampliar a compreensão da importância

Leia mais

Planejamento de Recursos Humanos

Planejamento de Recursos Humanos UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Faculdade de Filosofia e Ciências Câmpus de Marília Departamento de Ciência da Informação Planejamento de Recursos Humanos Profa. Marta Valentim Marília 2014 As organizações

Leia mais

Gestor-líder: processo dinâmico de criação, habilidade, competência para perceber das limitações do sistema e propor solução rápida;

Gestor-líder: processo dinâmico de criação, habilidade, competência para perceber das limitações do sistema e propor solução rápida; AV1 Estudo Dirigido da Disciplina CURSO: Administração Escolar DISCIPLINA: Gestão de Políticas Participativas ALUNO(A):Mª da Conceição V. da MATRÍCULA: Silva NÚCLEO REGIONAL:Recife DATA:17/09/2013 QUESTÃO

Leia mais

RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE PESSOAL: PERSPECTIVAS E DESAFIOS PARA A GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS

RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE PESSOAL: PERSPECTIVAS E DESAFIOS PARA A GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE PESSOAL: PERSPECTIVAS E DESAFIOS PARA A GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS 2012 Graduando em Psicologia na Universidade Federal do Ceará (UFC), Brasil adauto_montenegro@hotmail.com

Leia mais

Permita-se ir além e descubra uma nova possibilidade, um conjunto de ideias e inovação, construído por você.

Permita-se ir além e descubra uma nova possibilidade, um conjunto de ideias e inovação, construído por você. Somos uma empresa inovadora, que através de uma metodologia vencedora proporciona a nossos clientes um ambiente favorável ao desenvolvimento de capacidades, para que seus profissionais alcancem o melhor

Leia mais

Os Sistema de Administração de Gestão de Pessoas

Os Sistema de Administração de Gestão de Pessoas Os Sistema de Administração de Gestão de Pessoas As pessoas devem ser tratadas como parceiros da organização. ( Como é isso?) Reconhecer o mais importante aporte para as organizações: A INTELIGÊNCIA. Pessoas:

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 01. Conceitualmente, recrutamento é: (A) Um conjunto de técnicas e procedimentos

Leia mais

Enquete. O líder e a liderança

Enquete. O líder e a liderança Enquete O líder e a liderança Muitas vezes, o sucesso ou fracasso das empresas e dos setores são creditados ao desempenho da liderança. Em alguns casos chega-se a demitir o líder, mesmo aquele muito querido,

Leia mais

www.jrsantiago.com.br

www.jrsantiago.com.br www.jrsantiago.com.br Gestão do Conhecimento em Projetos José Renato Santiago Cenário Corporativo Muitas empresas gastam parte significativa de seu tempo no planejamento e desenvolvimento de atividades,

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA

A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA Elaine Schweitzer Graduanda do Curso de Hotelaria Faculdades Integradas ASSESC RESUMO Em tempos de globalização, a troca de informações

Leia mais

Prof. Gustavo Nascimento. Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA

Prof. Gustavo Nascimento. Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA Prof. Gustavo Nascimento Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA A liderança e seus conceitos Liderança é a capacidade de influenciar um grupo para que as metas sejam alcançadas Stephen Robbins A definição de liderança

Leia mais

LÍDER COACH Obtenha excelência em sua vida pessoal e profissional

LÍDER COACH Obtenha excelência em sua vida pessoal e profissional LÍDER COACH Obtenha excelência em sua vida pessoal e profissional Ao investir em pessoas o seu resultado é garantido! Tenha ganhos significativos em sua gestão pessoal e profissional com o treinamento

Leia mais

Consultoria em Treinamento & Desenvolvimento de Pessoas

Consultoria em Treinamento & Desenvolvimento de Pessoas Consultoria em Treinamento & Desenvolvimento de Pessoas Evolução PMC têm atuação diferenciada na gestão de pessoas e clima organizacional, gerando na equipe mais agilidade para a mudança e maior capacidade

Leia mais

AÇÕES EFETIVAS DE GERENCIAMENTO DO STRESS OCUPACIONAL: Desafio de Conciliar Embasamento Científico e Planejamento Estratégico

AÇÕES EFETIVAS DE GERENCIAMENTO DO STRESS OCUPACIONAL: Desafio de Conciliar Embasamento Científico e Planejamento Estratégico AÇÕES EFETIVAS DE GERENCIAMENTO DO STRESS OCUPACIONAL: Desafio de Conciliar Embasamento Científico e Planejamento Estratégico Sâmia Simurro Novembro/2011 FATOS SOBRE O STRESS Inevitável Nível positivo?

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

Empresas descobrem a importância da educação no trabalho e abrem as portas para pedagogos

Empresas descobrem a importância da educação no trabalho e abrem as portas para pedagogos Empresas descobrem a importância da educação no trabalho e abrem as portas para pedagogos Já passou a época em que o pedagogo ocupava-se somente da educação infantil. A pedagogia hoje dispõe de uma vasta

Leia mais

A importância da Educação para competitividade da Indústria

A importância da Educação para competitividade da Indústria A importância da Educação para competitividade da Indústria Educação para o trabalho não tem sido tradicionalmente colocado na pauta da sociedade brasileira, mas hoje é essencial; Ênfase no Direito à Educação

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12 Questões sobre o tópico Desenvolvimento e treinamento de pessoal: levantamento de necessidades, programação, execução e avaliação. Olá Pessoal, hoje veremos outro

Leia mais

Liderança Estratégica

Liderança Estratégica Liderança Estratégica A título de preparação individual e antecipada para a palestra sobre o tema de Liderança Estratégica, sugere-se a leitura dos textos indicados a seguir. O PAPEL DE COACHING NA AUTO-RENOVAÇÃO

Leia mais

Remuneração e Avaliação de Desempenho

Remuneração e Avaliação de Desempenho Remuneração e Avaliação de Desempenho Objetivo Apresentar estratégias e etapas para implantação de um Modelo de Avaliação de Desempenho e sua correlação com os programas de remuneração fixa. Programação

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS

NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS Concurso para agente administrativo da Polícia Federal Profa. Renata Ferretti Central de Concursos NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS 1. Organizações como

Leia mais

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT Proposta do CDG-SUS Desenvolver pessoas e suas práticas de gestão e do cuidado em saúde. Perspectiva da ética e da integralidade

Leia mais

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 RECURSOS HUMANOS EM UMA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR COM PERSPECTIVA DE DESENVOLVIVENTO DO CLIMA ORGANIZACONAL: O CASO DO HOSPITAL WILSON ROSADO EM MOSSORÓ RN

Leia mais

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO Apesar de as empresas brasileiras estarem despertando para o valor das ações de educação corporativa em prol dos seus negócios, muitos gestores ainda

Leia mais

Carreira: definição de papéis e comparação de modelos

Carreira: definição de papéis e comparação de modelos 1 Carreira: definição de papéis e comparação de modelos Renato Beschizza Economista e especialista em estruturas organizacionais e carreiras Consultor da AB Consultores Associados Ltda. renato@abconsultores.com.br

Leia mais

Desenvolvimento Humano

Desenvolvimento Humano ASSESSORIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Desenvolvimento Humano ADVISORY Os desafios transformam-se em fatores motivacionais quando os profissionais se sentem bem preparados para enfrentá-los. E uma equipe

Leia mais

ASSÉDIO MORAL: Por: Claudia Regina Martins Psicóloga Organizacional CRP 08/13638

ASSÉDIO MORAL: Por: Claudia Regina Martins Psicóloga Organizacional CRP 08/13638 ASSÉDIO MORAL: Por: Claudia Regina Martins Psicóloga Organizacional CRP 08/13638 DEFINIÇÕES Moral: É o conjunto de regras adquiridas através da cultura, da educação, da tradição e do cotidiano, e que orientam

Leia mais

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO Profa. Leonor Cordeiro Brandão Relembrando Vimos alguns conceitos importantes: O que são dados; O que é informação; Quando uma informação se transforma em conhecimento;

Leia mais

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL Somos especializados na identificação e facilitação de soluções na medida em que você e sua empresa necessitam para o desenvolvimento pessoal, profissional,

Leia mais

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle A FUNÇÃO CONTROLE O controle é a ultima função da administração a ser analisadas e diz respeito aos esforços exercidos para gerar e usar informações relativas a execução das atividades nas organizações

Leia mais

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica por Camila Hatsumi Minamide* Vivemos em um ambiente com transformações constantes: a humanidade sofre diariamente mudanças nos aspectos

Leia mais

DESEMPENHO 1 INTRODUÇÃO

DESEMPENHO 1 INTRODUÇÃO DESEMPENHO 1 INTRODUÇÃO Esta pesquisa tem como objetivo abordar o tema voltado para a avaliação do desempenho humano com os seguintes modelos: escalas gráficas, escolha forçada, pesquisa de campo, métodos

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias Coordenação Acadêmica: Maria Elizabeth Pupe Johann 1 OBJETIVOS: Objetivo Geral: - Promover o desenvolvimento

Leia mais

PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO PROFISSIONAL

PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO PROFISSIONAL ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMAGEM II Departamento de Orientação Profissional - EEUSP PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO PROFISSIONAL VERA LUCIA MIRA GONÇALVES AVALIAÇÃO JUÍZO DE VALOR Avaliação de desempenho

Leia mais

Quais são os objetivos dessa Política?

Quais são os objetivos dessa Política? A Conab possui uma Política de Gestão de Desempenho que define procedimentos e regulamenta a prática de avaliação de desempenho dos seus empregados, baseada num Sistema de Gestão de Competências. Esse

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Rotinas de DP- Professor: Robson Soares

Rotinas de DP- Professor: Robson Soares Rotinas de DP- Professor: Robson Soares Capítulo 2 Conceitos de Gestão de Pessoas - Conceitos de Gestão de Pessoas e seus objetivos Neste capítulo serão apresentados os conceitos básicos sobre a Gestão

Leia mais

High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil

High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil P e s q u i s a d a F u n d a ç ã o G e t u l i o V a r g a s I n s t i t u t o d e D e s e n v o l v i m e n t o E d u c a c i o n a l Conteúdo 1. Propósito

Leia mais

PLANO DE REMUNERAÇÃO VARIÁVEL - PRV

PLANO DE REMUNERAÇÃO VARIÁVEL - PRV 1 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO PLANO DE REMUNERAÇÃO VARIÁVEL - PRV 1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO DE PESSOAS 1.1 Histórico da Prática Eficaz A Nova Escola tem aplicado a Meritocracia como um recurso na Gestão de

Leia mais

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES AVALIAÇÃO DE COLABORADORES RESUMO A preocupação com o desempenho dos colaboradores é um dos fatores que faz parte do dia-a-dia da nossa empresas. A avaliação de desempenho está se tornando parte atuante

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Pessoas e Liderança

Especialização em Gestão Estratégica de Pessoas e Liderança Especialização em Gestão Estratégica de Pessoas e Liderança Apresentação CAMPUS IGUATEMI Inscrições em Breve Turma 02 --> *Alunos matriculados após o início das aulas poderão cursar as disciplinas já realizadas,

Leia mais

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues.

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Ao longo da historia da Administração, desde seus primórdios, a partir dos trabalhos de Taylor e Fayol, muito se pensou em termos

Leia mais

Fulano de Tal. Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 FINXS 09.12.2014

Fulano de Tal. Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 FINXS 09.12.2014 Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 Este relatório baseia-se nas respostas apresentadas no Inventário de Análise Pessoal comportamentos observados através questionário

Leia mais

Sejam Bem Vindos! Disciplina: Gestão de Pessoas 1 Prof. Patrício Vasconcelos. *Operários (1933) Tarsila do Amaral.

Sejam Bem Vindos! Disciplina: Gestão de Pessoas 1 Prof. Patrício Vasconcelos. *Operários (1933) Tarsila do Amaral. Sejam Bem Vindos! Disciplina: Gestão de Pessoas 1 Prof. Patrício Vasconcelos *Operários (1933) Tarsila do Amaral. A Função Administrativa RH É uma função administrativa compreendida por um conjunto de

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

Auditoria Interna Como assessoria das entidades

Auditoria Interna Como assessoria das entidades Auditoria Interna Como assessoria das entidades Francieli Hobus 1 Resumo A auditoria interna vem se tornando a cada dia, uma ferramenta indispensável para as entidades. Isso está ocorrendo devido à preocupação

Leia mais

RH: GESTÃO INOVADORA ORGANIZACIONAL

RH: GESTÃO INOVADORA ORGANIZACIONAL programação do evento 4ª edição RH: GESTÃO INOVADORA ORGANIZACIONAL 10 de abril de 2014 Staybridge Suites São Paulo PATROCÍNIO GOLD PATROCÍNIO SILVER EXPO BRAND APOIO REALIZAÇÃO Os desafios do futuro na

Leia mais

Futuro do trabalho O futuro do trabalho Destaques O futuro do trabalho: Impactos e desafios para as empresas no Brasil

Futuro do trabalho O futuro do trabalho Destaques O futuro do trabalho: Impactos e desafios para as empresas no Brasil 10Minutos Futuro do trabalho Pesquisa sobre impactos e desafios das mudanças no mundo do trabalho para as organizações no B O futuro do trabalho Destaques Escassez de profissionais, novos valores e expectativas

Leia mais

Motivação para o Desempenho. Carlos Fracetti carlosfracetti@yahoo.com.br. Carlos Felipe carlito204@hotmail.com

Motivação para o Desempenho. Carlos Fracetti carlosfracetti@yahoo.com.br. Carlos Felipe carlito204@hotmail.com Motivação para o Desempenho Carlos Fracetti carlosfracetti@yahoo.com.br Carlos Felipe carlito204@hotmail.com Heitor Duarte asbornyduarte@hotmail.com Márcio Almeida marciobalmeid@yahoo.com.br Paulo F Mascarenhas

Leia mais

Verônica A. Pereira Souto

Verônica A. Pereira Souto COMPORTAMENTO HUMANO NO TRABALHO Verônica A. Pereira Souto VITÓRIA-ES 11 de julho 2009 VERÔNICA APARECIDA PEREIRA SOUTO MINI-CURRÍCULO PSICÓLOGA GRADUADA EM LETRAS/INGLÊS PÓS-GRADUADA EM COMUNICAÇÃO SOCIAL

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2013

RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2013 RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2013 Even e Junior Achievement de Minas Gerais UMA PARCERIA DE SUCESSO 1 SUMÁRIO Resultados Conquistados... 3 Resultados do Projeto... 4 Programa Finanças Pessoais... 5 Conceitos

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Grupos de trabalho: formação Objetivo: elaborar atividades e

Leia mais

GABARITO OFICIAL(preliminar)

GABARITO OFICIAL(preliminar) QUESTÃO RESPOSTA COMENTÁRIO E(OU) REMISSÃO LEGAL 051 A 052 A 053 A RECURSO Recrutar faz parte do processo de AGREGAR OU SUPRIR PESSOAS e é o ato de atrair candidatos para uma vaga (provisão). Treinar faz

Leia mais

GESTÃO DE DESEMPENHO. Prof. WAGNER RABELLO JR. Conceito de desempenho. Níveis de desempenho. O di?

GESTÃO DE DESEMPENHO. Prof. WAGNER RABELLO JR. Conceito de desempenho. Níveis de desempenho. O di? GESTÃO DE DESEMPENHO Prof. WAGNER RABELLO JR Conceito de desempenho Níveis de desempenho O di? O que medir? Resultados Desempenho Competências Fatores críticos de desempenho 1 Segundo Chiavenato, existem

Leia mais

Uma empresa especializada em empresas.

Uma empresa especializada em empresas. Sua equipe tem colaborado para que a empresa seja uma das mais competitivas i no mercado? Para avaliar quanto a sua equipe atual está dimensionada, preparada e motivada para os desafios do mercado, você

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

O que é ser um RH estratégico

O que é ser um RH estratégico O que é ser um RH estratégico O RH é estratégico quando percebido como essencial nas decisões estratégicas para a empresa. Enquanto a área de tecnologia das empresas concentra seus investimentos em sistemas

Leia mais

TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES

TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES Cassia Uhler FOLTRAN 1 RGM: 079313 Helen C. Alves LOURENÇO¹ RGM: 085342 Jêissi Sabta GAVIOLLI¹ RGM: 079312 Rogério Bueno ROSA¹ RGM:

Leia mais

A nova versão da ISO 9001:2015 - Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos

A nova versão da ISO 9001:2015 - Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos A nova versão da ISO 9001:2015 - Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos Criada pela International Organization for Standardization (ISO), a ISO 9001 é uma série de normas sobre gestão da qualidade

Leia mais

O talento como diferencial de carreira... Uma fórmula de sucesso

O talento como diferencial de carreira... Uma fórmula de sucesso O talento como diferencial de carreira... Uma fórmula de sucesso Maiane Bertoldo Lewandowski Consultora de RH Hospital Mãe de Deus TRANSFORMAÇÕES NO MERCADO DE TRABALHO Mudança de modelo mental; Escassez

Leia mais

FACULDADE ESTÁCIO DE SANTO ANDRÉ SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

FACULDADE ESTÁCIO DE SANTO ANDRÉ SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: CST em Gestão em Recursos Humanos MISSÃO DO CURSO A missão do Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos da ESTÁCIO EUROPAN consiste em formar

Leia mais

PLANO DE CARREIRA. Rosangela Ferreira Leal Fernandes *

PLANO DE CARREIRA. Rosangela Ferreira Leal Fernandes * PLANO DE CARREIRA Rosangela Ferreira Leal Fernandes * As mudanças no cenário político, econômico, social e ambiental das últimas décadas vêm exigindo uma mudança de postura das organizações e dos profissionais

Leia mais

Avaliação Confidencial

Avaliação Confidencial Avaliação Confidencial AVALIAÇÃO 360 2 ÍNDICE Introdução 3 A Roda da Liderança 4 Indicadores das Maiores e Menores Notas 7 GAPs 8 Pilares da Estratégia 9 Pilares do Comprometimento 11 Pilares do Coaching

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

Como atrair e reter talentos

Como atrair e reter talentos Como atrair e reter talentos na Panificação PORQUE A DISCUSSÃO DE TALENTOS É IMPORTANTE PARA ORGANIZAÇÕES COMPETITIVAS? Em toda a história do mundo empresarial, nunca houve tanta preocupação e cuidados

Leia mais

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO A presente pesquisa aborda os conceitos de cultura e clima organizacional com o objetivo de destacar a relevância

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu. MBA em Estratégia e Liderança Empresarial

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu. MBA em Estratégia e Liderança Empresarial Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Estratégia e Liderança Empresarial Apresentação O programa de MBA em Estratégia e Liderança Empresarial tem por objetivo preparar profissionais para

Leia mais

LIDERANÇA SITUACIONAL E EMPREENDEDORA LIDERANÇA SITUACIONAL E EMPREENDEDORA LIDERANÇA SITUACIONAL E EMPREENDEDORA GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE

LIDERANÇA SITUACIONAL E EMPREENDEDORA LIDERANÇA SITUACIONAL E EMPREENDEDORA LIDERANÇA SITUACIONAL E EMPREENDEDORA GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE MUITOS DOS PROBLEMAS MAIS CRÍTICOS NÃO ESTÃO NO MUNDO DAS COISAS, MAS NO MUNDO DAS PESSOAS. DESENVOLVIMENTO: APTIDÕES TÉCNICAS >>> HABILIDADES SOCIAIS CIÊNCIAS BEM SUCEDIDAS X CIÊNCIAS MAL SUCEDIDAS. -

Leia mais

HUMANIZAÇÃO NO TRABALHO. MARCIA REGINA DE ALMEIDA (MBA em marketing e gestão de pessoas)

HUMANIZAÇÃO NO TRABALHO. MARCIA REGINA DE ALMEIDA (MBA em marketing e gestão de pessoas) HUMANIZAÇÃO NO TRABALHO ANGELA MARIA RUIZ (MBA em marketing e gestão de pessoas) MARCIA REGINA DE ALMEIDA (MBA em marketing e gestão de pessoas) NILDA APARECIDA NUNES DOS REIS (MBA em marketing e gestão

Leia mais

Formação Analista DISC

Formação Analista DISC Formação Analista DISC Metodologia DISC Os Fatores DISC representam reações comportamentais a partir da percepção que o indivíduo tem do ambiente. Marston precisava medir de algum modo os estilos de comportamento.

Leia mais

Quem Contratar como Coach?

Quem Contratar como Coach? Quem Contratar como Coach? por Rodrigo Aranha, PCC & CMC Por diversas razões, você tomou a decisão de buscar auxílio, através de um Coach profissional, para tratar uma ou mais questões, sejam elas de caráter

Leia mais

Business & Executive Coaching - BEC

Business & Executive Coaching - BEC IAC International Association of Coaching Empresas são Resultados de Pessoas José Roberto Marques - JRM O Atual Cenário no Mundo dos Negócios O mundo dos negócios está cada vez mais competitivo, nesse

Leia mais

Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso

Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso III Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí II Jornada Científica 9 a 23 de Outubro de 200 Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso Sablina

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

Função do órgão GP NEAF. Contexto da GP. Objetivos da GP. Gestão de Pessoas:

Função do órgão GP NEAF. Contexto da GP. Objetivos da GP. Gestão de Pessoas: Gestão de Pessoas: Conceitos, importância, relação com os outros sistemas de organização. Fundamentos, teorias, escolas da administração e o seu impacto na gestão de pessoas. Função do órgão de recursos

Leia mais

Conflitos. Conflitos, como superá-los com eficácia? por Alexandre Cristiano Rosaneli

Conflitos. Conflitos, como superá-los com eficácia? por Alexandre Cristiano Rosaneli Conflitos Conflitos, como superá-los com eficácia? por Alexandre Cristiano Rosaneli Conflitos, quem nunca passou por um momento de conflito? A palavra CONFLITO possui uma conotação negativa, sempre imaginamos

Leia mais

6 Considerações Finais

6 Considerações Finais 6 Considerações Finais Este capítulo apresenta as conclusões deste estudo, as recomendações gerenciais e as recomendações para futuras pesquisas, buscadas a partir da análise dos casos das empresas A e

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa.

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa. DIREITO DOS CLIENTES O que esperar de sua empresa de Executive Search Uma pesquisa de executivos envolve um processo complexo que requer um investimento substancial do seu tempo e recursos. Quando você

Leia mais

RECRUTAMENTO, SELEÇÃO, AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO: ATUAÇÃO ESTRATÉGICA DOS RECURSOS HUMANOS

RECRUTAMENTO, SELEÇÃO, AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO: ATUAÇÃO ESTRATÉGICA DOS RECURSOS HUMANOS Centro de Educação Superior Barnabita CESB 1 RECRUTAMENTO, SELEÇÃO, AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO: ATUAÇÃO ESTRATÉGICA DOS RECURSOS HUMANOS Clara de Oliveira Durães 1 Profª. Pollyanna

Leia mais

Capacitando Profissionais

Capacitando Profissionais Capacitando Profissionais 2014 Setup Treinamentos & Soluções em TI www.setuptreinamentos.com APRE SENTA ÇÃ O A atual realidade do mercado de trabalho, que cada dia intensifica a busca por mão-de-obra qualificada,

Leia mais

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO PESSOAL E PROFISSIONAL

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO PESSOAL E PROFISSIONAL PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO PESSOAL E PROFISSIONAL Autor: Adalberto de Carvalho Júnior CPFL Paulista, uma empresa do Grupo CPFL Energia RESUMO A promoção do entendimento do indivíduo com relação a sua

Leia mais

IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012

IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012 IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012 Rosely Vieira Consultora Organizacional Mestranda em Adm. Pública Presidente do FECJUS Educação

Leia mais