Os arquivos das primeiras prelazias e dioceses brasileiras no contexto da legislação e práticas arquivísticas da Igreja Católica

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Os arquivos das primeiras prelazias e dioceses brasileiras no contexto da legislação e práticas arquivísticas da Igreja Católica"

Transcrição

1

2

3 Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação Os arquivos das primeiras prelazias e dioceses brasileiras no contexto da legislação e práticas arquivísticas da Igreja Católica Cristian José Oliveira Santos Professora Orientadora: Georgete Medleg Rodrigues, Doutora BRASÍLIA 2005

4 Dissertação apresentada ao Departamento de Ciência da Informação e Documentação da Universidade de Brasília, como requisito parcial à obtenção do título de Mestre em Ciência da Informação. Brasília, 5 de julho de Profª Dra. Georgete Medleg Rodrigues (CID/UnB) Orientadora Profª Dra. Miriam Paula Manini (CID/UnB) Membro Prof. Dr. Valdir Mamede (Seminário Missionário Arquidiocesano Redemptoris Mater) Membro Prof. Dr. André Porto Ancona Lopez (CID/UnB) Suplente

5 A Deus, Senhor da História, que tem conduzido minha vida por caminhos seguros e nem sempre compreensíveis.

6 AGRADECIMENTOS À Maria das Dores Oliveira Reis Santos (in memoriam), mãe, que desde a minha mais tenra idade me ajudou a progredir como homem e pessoa na busca da Verdade. A Cristóvão Colombo dos Santos, pai, por ter me dado o exemplo do valor do trabalho humano e da importância da honestidade. Às minhas irmãs, Karla Maria de Oliveira, Cristiane Vanessa, Maria Cristina, Carolina e Catarina Oliveira Santos, pela convivência, que tem nos tornado mais fortes diante das adversidades. À professora Georgete Medleg Rodrigues, pela orientação e por ter me animado nos momentos de incerteza. Aos Padres João Ignácio Perius e Manuel Pérez Candela, pelo auxílio espiritual. Aos catequistas e irmãos do Caminho Neocatecumenal, que através da palavra e do exemplo, têm me conduzido na busca das coisas que não perecem. Ao Instituto de Pesquisas e Estudos Históricos do Brasil Central (IPEHBC), na figura de sua Diretora, Senhora Janira Sodré Miranda e de seus colaboradores, por terem me dado absoluta liberdade de acesso ao fundo arquivístico e às fichas de pesquisa, bem como ter me proporcionado discussões enriquecedoras.

7 Ao Seminário Missionário Arquidiocesano Redemptoris Mater, de Brasília, na figura de seu Magnífico Reitor, Padre Juan José Armendáriz Lerga, por ter permitido o meu acesso a todos os ítens bibliográficos depositados na biblioteca daquele centro de estudos. À Fátima Cançado, da Fundação Frei Simão Dorvi, pela cortesia demonstrada em minha visita àquela instituição. Aos arquivos das Dioceses de Salvador (BA), São Luis do Maranhão (MA), São Paulo (SP), Mariana (MG), Goiás (GO), Cuiabá (MT), Porto Alegre (RS) e Diamantina (MG), por terem se disponibilizado a cooperar neste trabalho respondendo formulário de identificação e de diagnóstico de suas instituições. Ao Antônio César Caldas Pinheiro, arquivista do IPEHBC, que demonstrou enorme prontidão em me ajudar quanto às questões relacionadas ao arquivo documental da Diocese de Goiás, atualmente desmembrado. À minha amiga, Najla Bastos, por ter demonstrado grande generosidade em ter se prontificado a revisar o texto do presente trabalho. Aos funcionários da Secretaria de Pós-Graduação do Departamento de Ciência da Informação e Documentação UnB. Aos professores do Programa de Pós-Graduação do Departamento de Ciência da Informação e Documentação, pela convivência e crescimento intelectual.

8 Recolhei os pedaços que sobraram, para que nada se perca (BÍBLIA, João 6: 12). Preservar estes papéis, documentos, arquivos, significa prestar culto ao próprio Cristo, ter o sentido da Igreja, dar a nós mesmos e dar a quem vier a história da passagem desta fase do transitus domini no mundo (PAULO VI. Alocução aos arquivistas eclesiásticos, 26 de novembro de 1963).

9 7 SUMÁRIO Sumário...7 Lista de quadros...10 Lista de figuras...11 Lista de abreviaturas e siglas...12 Resumo...13 Abstract...14 Resumen...15 Resume INTRODUÇÃO Definição do problema Objetivos Objetivo geral Objetivos específicos Justificativa Referencial teórico Metodologia Revisão de literatura A IGREJA CATÓLICA E OS ARQUIVOS: ANTECEDENTES HISTÓRICOS História dos arquivos eclesiásticos católicos Aspectos gerais A estrutura orgânica da Igreja Católica e seus arquivos...53

10 8 2.2 Os Códigos de Direito Canônico de 1917 e de Os arquivos nos Códigos de Direito Canônico de 1917 e de Tipologias dos arquivos nos Códigos de Direito Canônico Tipologias dos documentos arquivísticos nos Códigos de Direito Canônico Gestão dos documentos arquivísticos nos Códigos de Direito Canônico Responsáveis pelo fundo arquivístico nos Códigos de Direito Canônico Proibições e penalidades no âmbito dos arquivos nos Códigos de Direito Canônico Os bens culturais e a Nova Evangelização no pontificado de João Paulo II A Pontifícia Comissão para os Bens Culturais da Igreja OS ARQUIVOS ECLESIÁSTICOS BRASILEIROS Breve histórico da instalação da Igreja Católica no Brasil O diagnóstico da Fundação Histórica Tavera Descrição da situação atual dos onze primeiros arquivos diocesanos do Brasil DISCUSSÃO DOS RESULTADOS CONSIDERAÇÕES FINAIS RECOMENDAÇÕES FONTES E BIBLIOGRAFIA...186

11 9 8 ANEXOS A - Bula Candor Lucis Aeternae, de 6 de dezembro de B - Bula Sollicita Catholici Gregis Cura, de 15 de Julho de C - Bula Sanctissima Christi Voluntas, de 26 de março de D - Bula Quo Gaudio, de 26 de março de E Decreto nº 119-A, de 7 de janeiro de F Lista dos bispos da Prelazia de Sant Ana de Goiás G Formulário de identificação e de diagnóstico dos onze arquivos eclesiásticos brasileiros criados antes de H Documentos do Arquivo da Arquidiocese de São Luís (MA) I Principais tipologias documentais do Arquivo da Arquidiocese de São Paulo (SP) J Documentos eclesiásticos de Goiás (GO) separados do acervo do Arquivo Geral da Diocese de Goiás e atualmente sob a custódia temporária do Instituto de Pesquisas e Estudos Históricos do Brasil Central (IPEHBC) K Documentos eclesiásticos de Goiás (GO) produzidos antes da transferência da criação da Arquidiocese de Goiânia e atualmente sob a custódia permanente do Instituto de Pesquisas e Estudos Históricos do Brasil Central (IPEHBC)...232

12 10 LISTA DE QUADROS Quadro 1 Tipologias dos arquivos eclesiásticos nos Códigos de Direito Canônico...76 Quadro 2 Tipologias dos documentos arquivísticos nos Códigos de Direito Canônico...79 Quadro 3 Quanto às práticas arquivísticas (gestão documental) nos Códigos de Direito Canônico...82 Quadro 4 Quanto aos responsáveis pelos arquivos nos Códigos de Direito Canônico...87 Quadros 5 Dispositivos quanto às proibições e penalidades nos Códigos de Direito Canônico...89 Quadro 6 Número de questionários enviados e porcentagem de respostas recebidas Quadro 7 Controle de temperatura e umidade relativa nos arquivos brasileiros Quadro 8 Controle antipragas nos arquivos brasileiros Quadro 9 Medidas contra incêndios nos arquivos brasileiros Quadro 10 Síntese dos principais dados dos oitos arquivos diocesanos brasileiros...167

13 11 LISTA DE FIGURAS Figura 1 A existência de regulamento nos arquivos brasileiros Figura 2 Medidas de segurança contra roubos e incêndios tomadas pelos arquivos brasileiros Figura 3 O espaço físico dos arquivos brasileiros Figura 4 O regime de propriedade dos edifícios arquivísticos brasileiros Figura 5 O ano de construção dos edifícios dos arquivos brasileiros Figura 6 O espaço físico destinado à guarda de documentos nos arquivos brasileiros...121

14 12 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS AEAM Arquivo Eclesiástico da Arquidiocese de Mariana (Minas Gerais) AHCMPA Arquivo Histórico da Cúria Metropolitana de Porto Alegre (Rio Grande do Sul) APEM Arquivo Público do Estado do Maranhão CGC Centro Goiano de Cultura CDC Código de Direito Canônico CELAM Conselho Episcopal Latino-Americano CNBB Conferência Nacional dos Bispos do Brasil CRB Conferência dos Religiosos do Brasil FHT Fundação Histórica Tavera IPEHBC Instituto de Pesquisas e Estudos Históricos do Brasil Central RAR Regroupement des Archivistes Religieux (Québec, Canadá) UCSal Universidade Católica de Salvador (Bahia)

15 13 RESUMO Estudo descritivo-explicativo sobre os arquivos das primeiras onze prelazias e dioceses brasileiras no contexto da legislação e práticas arquivísticas da Igreja Católica, por meio da identificação e diagnóstico da situação atual dos repositórios documentais destes arquivos. A pesquisa destaca a importância desses registros para a memória e a identidade histórica brasileira e se insere na perspectiva da interdisciplinaridade da Arquivística, particularmente na sua relação com a História e a Ciência da Informação. Os procedimentos metodológicos compreenderam levantamento de dados atinentes aos onze arquivos eclesiásticos a partir da aplicação de questionário baseado na Norma Geral Internacional de Descrição Arquivística ISAD (G), obtendo-se respostas de oito instituições, bem como parte do relatório da Fundação Histórica Tavera (FHT) referentes aos arquivos religiosos brasileiros que serviu como parâmetro de avaliação desses fundos. Para a recuperação da trajetória de constituição e dispersão do fundo documental da atual Diocese de Goiás (GO), que é um dos objetos da pesquisa, além do envio de questionários às duas instituições que custodiam parte do fundo documental e do levantamento de material bibliográfico específico, realizou-se entrevistas não estruturadas, bem como visitas a estes dois arquivos. A análise dos dados levantados permitiu-nos concluir que há uma ruptura entre o que expressa a Igreja Católica, especialmente por meio da Pontifícia Comissão para os Bens Culturais da Igreja, e as práticas arquivísticas adotadas pelas dioceses brasileiras pesquisadas. Percebemos que a maior parte dos problemas atinentes à gestão destes fundos se deve ao descumprimento da lei canônica vigente e das propostas feitas pela Pontifícia Comissão para os Bens Culturais da Igreja.

16 14 ABSTRACT A descriptive-explanatory study on the archives of the first eleven Prelatures and Dioceses in Brazil in the context of the archival legislation and methods of the Catholic Church, by identifying and diagnosing the current situation of the documentary repositories of these archives. This study presents the importance of those records for the memory and historical identity of Brazil. Besides, the study is inserted in the perspective of the multidisciplinary nature of the Archives Science, particularly in its relation with History and the Information Science. The methodological procedures used were datacollecting of the eleven ecclesiastical archives through the application of a questionnaire based on the General International Standard Archival Description - ISAD(G), which resulted in answers from eight institutions, and part of the report of Fundação Histórica Tavera (FHT) concerning to the Brazilian religious archives that served as a parameter of evaluation for these funds. To recover the trajectory of the constitution and dispersion of the documentary funds of the current Diocese of Goiás (GO), which is one of the objects of the research, questionnaires were sent to the two institutions that keep part of the documentary funds, a survey of specific bibliographical material was carried out, non-structured interviews were conducted as well as visits to the two mentioned archives. The analysis of the data collected allow us to conclude that there is a discrepancy between what the Catholic Church expresses, especially by its Pontifical Commission for Cultural Heritage, and the archival methods adopted by the Brazilian Dioceses studied. We noticed that most of the problems regarding the management of the funds are due to the non-compliance with the Canon Law and the proposals made by Church s Pontifical Commission for Cultural Heritage.

17 15 RESUMEN Estudio descriptivo explicativo acerca de los archivos de las primeras once prelacías y diócesis brasileñas en el contexto de la legislación y prácticas archivísticas de la Iglesia Católica, por medio de la identificación y diagnóstico de la situación actual de los repositorios documentales de estos archivos. La investigación destaca la importancia de estos registros para la memoria y la identidad histórica brasileña y se inserta en la perspectiva de la interdisciplinariedad de la archivística, particularmente en su relación con la Historia y la Ciencia de la Información. Los procedimientos metodológicos comprendieron levantamiento de datos acerca de los once archivos eclesiásticos a partir de la aplicación de un cuestionario basado en la Norma Internacional General de Descripción Archivística ISAD (G), obteniéndose respuestas de ocho instituciones, así como parte del informe de la Fundación Historica Tavera (FHT) referentes a los archivos religiosos brasileños que se usaron como parámetro de evaluación de estos fondos. Para la recuperación de la trayectoria de constitución y dispersión del fondo documental de la actual Diocesis de Goias, que es uno de los objetos de la investigación, además del envío de cuestionarios a las dos instituciones que custodian parte del fondo documental y del levantamiento del material bibliográfico específico, fueron realizadas entrevistas no estructuradas, aí como visitas a estos dos archivos. El análisis de los datos aunados nos permitió concluir que hay una ruptura entre lo que expresa la Iglesia Católica, especialmente por medio de la Pontificia Comisión para los Bienes Culturales de la Iglesia, y las prácticas archivísticas adoptadas por las diócesis brasileñas investigadas. Percibimos que la mayor parte de los problemas acerca de la gestión de estos fondos se debe al incumplimiento de la ley canónica vigente y las propuestas hechas por la Pontificia Comisión para los Bienes Culturales de la Iglesia.

18 16 RESUME Deskriptiv-erklärende Studie über die Archive der ersten elf Prälaturen und Diözesen in Brasilien im Kontext der in den Archiven der katholischen Kirche gängigen Gesetzgebung und Praxis anhand der Untersuchung der aktuellen Situation der Magazine in diesen Archiven. Die Studie zeigt die Wichtigkeit dieser Materialien für die Bewahrung der historischen Identität Brasiliens und verwendet interdisziplinäre Ansätze der Archivistik, insbesondere durch die Verbindung zur Geschichte und zur Informationswissenschaft. Das methodische Vorgehen basiert auf dem Erheben von Daten in den elf kirchlichen Archiven anhand eines Fragebogens entsprechend der Internationalen Grundsätze für die archivische Verzeichnung - ISAD(G), der von acht Institutionen beantwortet wurde, sowie dem Bericht der Fundação Histórica Tavera (FHT) über die religiösen Archive Brasiliens, der als eine Art Parameter für die Evaluierung dieser Quellen diente. Um die Entstehung und die Auflösung des Archivbestandes der heutigen Diözese Goiás (GO) nachzuvollziehen, was ein Ziel der Studie ist, wurden Fragebögen an zwei Institutionen geschickt, die einen Teil des Bestandes beherbergen, eine Übersicht über spezifisches bibliographisches Material erstellt sowie qualitative Interviews und Besuche in diesen Archiven durchgeführt. Die Analyse der erhobenen Daten lässt den Schluss zu, dass es einen Bruch gegeben hat zwischen den Aussagen der katholischen Kirche, besonders durch die Päpstliche Kommission für die Kulturgüter der Kirche, und der Praxis der Archive in den untersuchten brasilianischen Diözesen. Wir konnten feststellen, dass sich der größte Teil der Probleme bei der Verwaltung dieser Bestände zurückführen lässt auf die Nichtbeachtung des vorherrschenden kanonischen Rechts und der Vorschläge der Päpstlichen Kommission für die Kulturgüter der Kirche.

19 17 1 INTRODUÇÃO 1.1 Definição do problema Antes da promulgação do Decreto 119-A, de 7 de janeiro de , a produção documental no Brasil esteve intimamente atrelada às injunções do regime do padroado 2. Por ele, os monarcas dispunham do direito de administrar assuntos religiosos, subordinando as necessidades da Igreja aos interesses da Coroa. Em troca, o catolicismo ocupava o posto de religião oficial da nação e os clérigos, como pertencentes à máquina do poder político, recebiam a côngrua, uma remuneração pelo cargo que ocupavam. Assim, diversos aspectos do governo civil mesclavam-se com os eclesiásticos no que se referia, por exemplo, ao pagamento dos dízimos e de outros subsídios às paróquias. Isto fez com que os fundos documentais depositados nas dioceses criadas antes da extinção do padroado se tornassem complemento importante às fontes de informação arquivísticas de origem civil à medida que estas não eram apenas expressões da missão evangelizadora no Brasil, mas também das profundas relações de favores entre os poderes civil e religioso. A Fundação Histórica Tavera (2000), a partir de um estudo inédito, concluiu que os arquivos arcebispais e episcopais conservam uma valiosa documentação, importante não apenas para o estudo da presença da Igreja na América, mas também para o estudo da sociedade, da economia e da cultura. Por outro lado, deve-se lembrar que a Igreja Católica sempre cuidou do arquivamento de documentos, atividade inicialmente pautada nas suas necessidades, sobretudo para proteger os interesses da 1 Este ato normativo, aprovado no governo de Deodoro da Fonseca e com base na proposta do conselheiro Ruy Barbosa, proibia a intervenção da autoridade federal e dos estados federados em matéria religiosa, consagrando a plena liberdade de cultos e extinguindo o Padroado. 2 O regime do padroado esteve intimamente ligado à concepção de cristandade, fenômeno social consolidado na Idade Média, que nada mais foi que um projeto político-religioso com o objetivo de fazer com que todos os povos recém-colonizados se submetessem aos valores proclamados pela Igreja. Como os interesses civis e religiosos caminhavam juntos quase sempre, o aparato político-militar era importante neste processo de cristianização. No Brasilcolônia, por exemplo, os assuntos eclesiásticos eram tratados dentro de um setor administrativo civil chamado Mesa de Consciência e Ordens, departamento criado em 1532, com sede em Lisboa (MATOS, 2003, p. 104).

20 18 própria instituição. As primeiras normas voltadas especificamente para os arquivos eclesiásticos datam do Concílio de Trento, ocorrido entre os anos de 1545 e No Brasil, as Constituições Primeiras do Arcebispado da Bahia e o Regimento de Auditório, ambos de 1707, foram pioneiros na regulamentação quanto à produção e à disciplina documental, e vigoraram até a promulgação do Código de Direito Canônico de A Pontifícia Comissão para os Bens Culturais da Igreja, criada em 28 de maio de 1988 pelo Papa João Paulo II através da Constituição Apostólica Pastor Bonus, dirigiu-se a 134 conferências episcopais de todo o mundo por meio de um questionário com 11 pontos. Embora somente 26 questionários tenham sido respondidos, o que corresponde a apenas 20% dos arquivos eclesiásticos, as respostas permitiram construir o primeiro panorama dos bens culturais da Igreja. Segundo Abib (1999), o documento sugere às conferências episcopais, inclusive à CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil) que, entre outras medidas, estabeleçam um secretariado que presida a complexa realidade dos bens culturais, assessorando as dioceses. Em virtude do relatório abranger a situação não só de arquivos, mas de todas as instituições culturais eclesiásticas no mundo, como museus e bibliotecas, pouco se tratou dos problemas específicos dos arquivos permanentes das dioceses brasileiras, até porque este não era o objetivo da pesquisa. Alcalá Alvarado (1979) levantou, em um sucinto artigo, as principais questões atinentes aos arquivos eclesiásticos latino-americanos e sugeriu algumas mudanças. Apesar da generalidade ele não discrimina instituições nem problemas específicos, o artigo chama a atenção para o problema e, nesse sentido, serve como ponto de partida, especialmente porque foi publicado pela CNBB, órgão máximo de representação dos bispos brasileiros.

21 19 Nesse sentido, esta pesquisa pretende responder à seguinte questão: qual é, atualmente, a situação dos fundos documentais produzidos pelas primeiras onze prelazias e dioceses brasileiras? Para isso, descreveremos a constituição, acumulação, dispersão, conservação e acessibilidade aos arquivos das primeiras onze dioceses brasileiras no âmbito da legislação e das práticas arquivísticas da Igreja Católica. 1.2 Objetivos Objetivo geral Identificação e diagnóstico dos onze primeiros arquivos das prelazias e dioceses brasileiras no contexto da legislação e das práticas arquivísticas da Igreja Católica Objetivos específicos a) Sistematizar a legislação mais importante da Igreja Católica, no Brasil e no mundo, relacionada aos arquivos eclesiásticos, em especial os Códigos de Direito Canônico; b) Identificar as ações da Igreja Católica no Brasil no sentido de promover a proteção e o acesso aos seus onze primeiros arquivos diocesanos; c) Destacar do Relatório da Fundação Histórica Tavera (2000) as informações atinentes aos arquivos eclesiásticos brasileiros, comparando-as com os dados obtidos nos arquivos das primeiras onze dioceses; d) Recuperar a trajetória de constituição e dispersão do fundo documental da atual Diocese de Goiás, desde a sua implantação como Prelazia de Sant Ana de Goiás.

22 Justificativa O estudo da história das instituições arquivísticas tem se constituído em objeto pertinente de investigação, o que, segundo Gracy (1994), foi muito tempo negligenciado pelos arquivistas. Craig manifesta-se a esse respeito (1996, p , tradução nossa) afirmando que a pesquisa neste domínio do conhecimento pode conduzir a uma melhor compreensão das organizações produtoras dos arquivos e, posteriormente, das mudanças que afetam a constituição dos fundos. Craig afirma ainda (1993) que existe várias razões para se debruçar sobre a história das instituições arquivísticas. Primeiro, a história dos arquivos permite aos arquivistas colocarem em perspectiva a sua situação, seus problemas e seu futuro. Em segundo lugar, o fato de conhecer a origem dos documentos ajuda a compreender o que se deve conservar e como se deve proceder. Em terceiro lugar, a história dos arquivos aumenta o nosso conhecimento dos documentos e, sendo feita, possibilita o aumento do interesse por estes, o que pode influir positivamente sobre os serviços oferecidos aos usuários. Em quarto lugar, este campo de pesquisa permite que se estabeleçam as relações bastante fortes entre as práticas do passado e aquelas do presente, o que tem por efeito a desmistificação das práticas futuras da profissão. Em quinto lugar, a história dos arquivos permite estimular o espírito crítico em relação ao nosso trabalho. Em sexto e último lugar, este campo possibilita que se tenha um efeito positivo sobre a definição dos princípios arquivísticos, assim como sobre a sua aplicação pelos arquivistas. Nas últimas décadas, o interesse pelos arquivos eclesiásticos tem aumentado consideravelmente por diversos motivos. Dentre eles deve ser destacado o surgimento da História Nova, que deu uma grande importância aos documentos arquivísticos em série que permitiriam construir, a partir da análise dos dados extraídos dos livros de batizados, casamentos ou óbitos, uma

23 21 história original, menos biográfica e mais preocupada em retratar figuras sem rosto da sociedade. Acrescente-se, ainda, que a abertura dos arquivos por parte da Igreja, movida, dentre outros fatores, pela celebração do Concílio Vaticano II 3, permitiu que se tivesse acesso a registros até então desconhecidos. Entretanto, a importância de se estudar os arquivos eclesiásticos transcende ao fato das instituições religiosas católicas custodiarem os primeiros registros civis no país. Devemos nos debruçar sobre essas instituições porque, através delas, podemos descortinar uma outra história, uma memória coletiva não mais unicamente preocupada em arrolar grandes feitos de homens de vulto, mas também tratando do quotidiano das massas sem rosto, que tiveram sua passagem nesta terra registrada nos assentos paroquiais. Afinal de contas, quantos homens que habitavam as cidades goianas em meados do século XVII e início do século XIX não tinham os principais momentos de sua vida (batismo, primeira comunhão, crisma, casamento e morte) registrados pela paróquia mais próxima de sua residência? Como já indicado na justificativa, apesar dos arquivos eclesiásticos serem fundos importantíssimos para a recuperação das fontes civis, não encontramos muitos estudos no Brasil referentes a eles. Nos últimos anos, produziu-se alguns trabalhos que, partindo da análise de fontes documentais produzidas pela Igreja e depositadas nos arquivos religiosos brasileiros, conseguiram reconstruir elementos atinentes a fenômenos sociais, políticos e econômicos de grupos sociais 4. Até o momento desconhecemos qualquer estudo analítico-comparativo que tenha sido proposto e realizado 3 Reunião de bispos iniciada em 11 de outubro de 1962 no Estado do Vaticano para tratar de assuntos atinentes à Igreja. Foi o mais longo concílio da história da Igreja. Nas palavras do Papa Paulo VI, o Concílio supramencionado foi para desertar, para renovar, para modernizar a Igreja, [...para aumentar] a sua aptidão de entrar em contato com os Irmãos separados (IGREJA CATÓLICA, 1987, capa). Observa-se, ainda, que este Concílio permitiu à Igreja auto afirmar-se como sociedade universal de salvação contra as diversas formas de individualismo e subjetivismo que se faziam sentir fortemente no limiar da Idade Moderna. 4 Citamos, como exemplo, Quintão (1991), que propôs reconstruir o papel das irmandades religiosas negras no período final da escravidão em São Paulo, entre os anos de 1870 a 1890, Bairral (1997) que, dentre outros objetivos, descreveu a produção e a prática musical na Bahia entre o século XVI e XVIII através de um extenso levantamento bibliográfico das obras do Arquivo da Arquidiocese de Salvador, e Martins (2000), que procurou traçar a presença da Igreja Católica no Brasil através dos registros arquivísticos da Cúria de Cuiabá (MT) que tratam da fundação e desenvolvimento do Seminário Episcopal da Conceição, primeira instituição de ensino religioso e secundário de Mato Grosso.

24 22 com a intenção de identificar e de diagnosticar os onze arquivos eclesiásticos diocesanos brasileiros criados antes da extinção do regime do padroado, ocorrido no final do século XIX. A história dos arquivos tem sido identificada como objeto de estudo da Arquivologia. Pederson, por exemplo, citada por Couture (1999, p. 6, tradução e grifo nossos), inclui a história dos arquivos dentre os vinte e dois campos de pesquisa da Arquivologia e afirma que este domínio de pesquisa está presente em pelo menos dois destes campos, quais sejam: a natureza da informação e da documentação histórica (comunicação, criação e conservação dos arquivos) e os arquivos na sociedade (história das instituições, origem e desenvolvimento dos principais métodos de arquivamento, os arquivos no seu contexto, a profissão do arquivista e sua história). A Fundação Histórica Tavera (2000), por exemplo, afirma que, apesar da enorme relevância dos documentos guardados pela Igreja Católica para a memória de toda a América, não existe uma política clara a respeito da conservação e acesso a essas fontes. Acreditamos que esta situação se deva, pelo menos em parte, à ausência de pesquisas na área. De fato, são poucos os pesquisadores que se dedicam a analisar a situação destes fundos específicos partindo do estudo da própria constituição destes arquivos. Na maioria das vezes, o que se tem publicado no Brasil a respeito destes arquivos trata de estudos elaborados por membros da própria Igreja que, diante da necessidade iminente de se resolver um problema pontual relacionado ao tratamento e disseminação de uma massa documental que tem crescido gradualmente, chegando a converter num entrave no processo de recuperação eficaz da informação, sentiram-se impelidos a se pronunciarem, a escreverem algo.

25 23 Um livro publicado em 2002 fruto de um curso sobre arquivística religiosa, realizado em Lisboa, reunindo artigos de vários especialistas em história religiosa faz um balanço da pesquisa sobre os arquivos religiosos. A partir da leitura deste documento, pode-se vislumbrar várias possibilidades de pesquisa no campo da arquivística em torno dos documentos de arquivos pertencentes à Igreja Católica no Brasil, particularmente os artigos que tratam da necessidade de uma definição de uma política para os arquivos religiosos; a história dos arquivos da Igreja; dos pressupostos teórico-metodológicos para uma intervenção científica nesses fundos e da percepção dos arquivos religiosos como reflexo da organização e funcionamento de paróquias, dioceses, etc. Como já foi ressaltado no item 1.1, os arquivos eclesiásticos são muito importantes para a compreensão não apenas da história da Igreja Católica, mas também da sociedade como um todo. A partir de seus registros, pode-se desenvolver pesquisas de grande relevância científica, especialmente na área de Ciências Sociais. Diante da inexistência de pesquisas que tratem especificamente da realidade dos arquivos das primeiras onze prelazias e dioceses brasileiras e a necessidade de que este estudo seja realizado, tendo em vista o valioso patrimônio documental/informacional que ele representa, percebe-se a necessidade de desenvolver tal pesquisa. 1.4 Referencial teórico O objeto da pesquisa proposta está inserido na Ciência da Informação, área do saber caracterizada pela multidisciplinaridade. Borko (1968) afirma que a Ciência da Informação, pela sua própria natureza, é interdisciplinar à medida que abarca em seu seio áreas como a Matemática, a Lógica, a Lingüística, a Psicologia, as Artes Gráficas, a Biblioteconomia, entre outras. Neste mesmo sentido, Le Coadic (1996, p ) define a Ciência da Informação como uma nova interdisciplina,

A Arquivologia como campo de pesquisa: desafios e perspectivas. José Maria Jardim Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO

A Arquivologia como campo de pesquisa: desafios e perspectivas. José Maria Jardim Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO A Arquivologia como campo de pesquisa: desafios e perspectivas José Maria Jardim Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO A indissociabilidade entre ensino/produção/difusão do conhecimento

Leia mais

IGREJA EPISCOPAL ANGLICANA DO BRASIL

IGREJA EPISCOPAL ANGLICANA DO BRASIL SEGUE ABAIXO QUADRO COMPARATIVO ENTRE ESTATUTO ANTIGO E ESTATUTO NOVO DA PAULO ESTATUTO ANTIGO 2009 Conforme Assembleia Geral Extraordinária 16/05/2008 ARTIGO 1- NOME E NATUREZA DA IGREJA A Igreja Anglicana

Leia mais

CÓDIGO BRASILEIRO DE ÉTICA PARA ARQUIVISTAS

CÓDIGO BRASILEIRO DE ÉTICA PARA ARQUIVISTAS CÓDIGO BRASILEIRO DE ÉTICA PARA ARQUIVISTAS Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Código de Ética dos Arquivistas Objetivo: Fornecer à profissão arquivística

Leia mais

GESTÃO DE DOCUMENTOS DE ARQUIVO

GESTÃO DE DOCUMENTOS DE ARQUIVO GESTÃO DE DOCUMENTOS DE ARQUIVO Aula 1 Descrição Arquivística Revisando Conceitos de arquivologia: o documento, o arquivo, os princípios arquivísticos e a qualidade arquivística. Teoria das três idades.

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO ARQUIVO INTERMEDIÁRIO NO ÂMBITO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA FEDERAL

A IMPORTÂNCIA DO ARQUIVO INTERMEDIÁRIO NO ÂMBITO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA FEDERAL A IMPORTÂNCIA DO ARQUIVO INTERMEDIÁRIO NO ÂMBITO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA FEDERAL A criação dos arquivos intermediários torna-se uma tendência nacional para a implementação da gestão dos documentos, disciplinada

Leia mais

Unidade II FUNDAMENTOS HISTÓRICOS, TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DO SERVIÇO SOCIAL. Prof. José Junior

Unidade II FUNDAMENTOS HISTÓRICOS, TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DO SERVIÇO SOCIAL. Prof. José Junior Unidade II FUNDAMENTOS HISTÓRICOS, TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DO SERVIÇO SOCIAL Prof. José Junior O surgimento do Serviço Social O serviço social surgiu da divisão social e técnica do trabalho, afirmando-se

Leia mais

VISITA PASTORAL NA ARQUIDIOCESE DE MARIANA

VISITA PASTORAL NA ARQUIDIOCESE DE MARIANA VISITA PASTORAL NA ARQUIDIOCESE DE MARIANA A Vista Pastoral constitui-se em momento privilegiado de contato do Arcebispo com o povo santo de Deus, confiado aos seus cuidados de pastor, com a preciosa colaboração

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

A história da Igreja e sua problemática A história da Igreja na Idade Antiga

A história da Igreja e sua problemática A história da Igreja na Idade Antiga SUMÁRIO Introdução... 11 A história da Igreja e sua problemática... 17 A. Alguns pressupostos e indicações básicos antes de começar o caminho... 17 Trata-se de um ramo da ciência histórica ou da ciência

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA 2013/01 a 2013/02 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Diagnóstico geral

Leia mais

Gestão e preservação de documentos digitais

Gestão e preservação de documentos digitais Gestão e preservação de documentos digitais I Congresso Nacional de Arquivologia Brasília novembro 2004 Contexto Internacional Na década de 90, a comunidade arquivística internacional dá início aos primeiros

Leia mais

Revista HISTEDBR On-line

Revista HISTEDBR On-line FONTES PRIMÁRIAS DA HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO NO BRASIL: A PRIMEIRA EDIÇÃO DE AS CONSTITUIÇÕES PRIMEIRAS DO ARCEBISPADO DA BAHIA - 1707. Paulo de Tarso Gomes UNISAL Americana- SP paulo.gomes@am.unisal.br Foto

Leia mais

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Maria do Socorro Pimentel da Silva 1 Leandro Mendes Rocha 2 No Brasil, assim como em outros países das Américas, as minorias étnicas viveram

Leia mais

CURSO PARA CAPACITAÇÃO DE LIDERANÇA E COORDENADORES DE GRUPOS JOVENS

CURSO PARA CAPACITAÇÃO DE LIDERANÇA E COORDENADORES DE GRUPOS JOVENS CURSO PARA CAPACITAÇÃO DE LIDERANÇA E COORDENADORES DE GRUPOS JOVENS Apresentação A JUVENTUDE MERECE ATENÇÃO ESPECIAL A Igreja Católica no Brasil diz que é preciso: Evangelizar, a partir de Jesus Cristo,

Leia mais

CONSIDERAÇÕES ECLESIOLÓGICAS PRÉ-CONCÍLIO VATICANO II. Bruno Cesar Siqueira. Pe. Paulo Fernando Cunha de Melo

CONSIDERAÇÕES ECLESIOLÓGICAS PRÉ-CONCÍLIO VATICANO II. Bruno Cesar Siqueira. Pe. Paulo Fernando Cunha de Melo CONSIDERAÇÕES ECLESIOLÓGICAS PRÉ-CONCÍLIO VATICANO II Bruno Cesar Siqueira Pe. Paulo Fernando Cunha de Melo Faculdade Católica de Filosofia e Teologia de Ribeirão Preto. Introdução Tendo em vista a proposta

Leia mais

Programa de Pós-Graduação em Gestão de Documentos e Arquivos - UNIRIO Observatório de Políticas Arquivísticas

Programa de Pós-Graduação em Gestão de Documentos e Arquivos - UNIRIO Observatório de Políticas Arquivísticas Programa de Pós-Graduação em Gestão de Documentos e Arquivos - UNIRIO Observatório de Políticas Arquivísticas MESA REDONDA SOBRE A ALTERAÇÃO DA LEI DE ARQUIVO PPGARQ Relatório Síntese Com a presença de

Leia mais

ESCOLA DE PASTORAL CATEQUÉTICA ESPAC

ESCOLA DE PASTORAL CATEQUÉTICA ESPAC ESCOLA DE PASTORAL CATEQUÉTICA ESPAC 1. ESPAC O QUE É? A ESPAC é uma Instituição da Arquidiocese de Fortaleza, criada em 1970, que oferece uma formação sistemática aos Agentes de Pastoral Catequética e

Leia mais

FORMAÇÃO DE LIDERANÇAS E ASSESSORESCAMINHOS DE ESPERANÇA

FORMAÇÃO DE LIDERANÇAS E ASSESSORESCAMINHOS DE ESPERANÇA FORMAÇÃO DE LIDERANÇAS E ASSESSORESCAMINHOS DE ESPERANÇA A beleza de ser um eterno aprendiz. (Gonzaguinha) Por que pensar em formação de lideranças e assessores? A Pastoral da Juventude busca potencializar

Leia mais

TRADIÇÃO. Patriarcado de Lisboa JUAN AMBROSIO / PAULO PAIVA 2º SEMESTRE ANO LETIVO 2013 2014 1. TRADIÇÃO E TRADIÇÕES 2.

TRADIÇÃO. Patriarcado de Lisboa JUAN AMBROSIO / PAULO PAIVA 2º SEMESTRE ANO LETIVO 2013 2014 1. TRADIÇÃO E TRADIÇÕES 2. TRADIÇÃO JUAN AMBROSIO / PAULO PAIVA 2º SEMESTRE ANO LETIVO 2013 2014 1. TRADIÇÃO E TRADIÇÕES 2. A TRANSMISSÃO DO TESTEMUNHO APOSTÓLICO 3. TRADIÇÃO, A ESCRITURA NA IGREJA Revelação TRADIÇÃO Fé Teologia

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

Apresentação. Caicó/RN 2010

Apresentação. Caicó/RN 2010 Regimento Interno da Comissão Própria de Avaliação da Faculdade Católica Santa Teresinha CPA/FCST (Aprovado pela Resolução 001/2010-DG/FCST, datado de 14/07/2010) Caicó/RN 2010 Apresentação O Regimento

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO ARQUIVO PÚBLICO MUNICIPAL DE BAGÉ

REGIMENTO INTERNO DO ARQUIVO PÚBLICO MUNICIPAL DE BAGÉ REGIMENTO INTERNO DO ARQUIVO PÚBLICO MUNICIPAL DE BAGÉ Art. 1 - O Arquivo Público Municipal de Bagé, criado pela lei nº 3.399/97, de julho/97 alterado e complementado pelas leis 3.817/2001 e 3.935/2002,

Leia mais

Gestão de Acervos Municipais: Físico, Digitalizado e Memória

Gestão de Acervos Municipais: Físico, Digitalizado e Memória Gestão de Acervos Municipais: Físico, Digitalizado e Memória Erenilda Custódio dos Santos Amaral Salvador Objetivo; Motivação; Proposta; AGENDA O que se entende nesta proposta como Política de Gestão Documental;

Leia mais

CONHECIMENTO DA LEI NATURAL. Livro dos Espíritos Livro Terceiro As Leis Morais Cap. 1 A Lei Divina ou Natural

CONHECIMENTO DA LEI NATURAL. Livro dos Espíritos Livro Terceiro As Leis Morais Cap. 1 A Lei Divina ou Natural CONHECIMENTO DA LEI NATURAL Livro dos Espíritos Livro Terceiro As Leis Morais Cap. 1 A Lei Divina ou Natural O que é a Lei Natural? Conceito de Lei Natural A Lei Natural informa a doutrina espírita é a

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Considerando que a informação arquivística, produzida, recebida, utilizada e conservada em sistemas informatizados,

Leia mais

COMUNIDADE DE COMUNIDADES: UMA NOVA PARÓQUIA. Estudo 104 CNBB

COMUNIDADE DE COMUNIDADES: UMA NOVA PARÓQUIA. Estudo 104 CNBB COMUNIDADE DE COMUNIDADES: UMA NOVA PARÓQUIA Estudo 104 CNBB ASPECTOS GERAIS DO DOCUMENTO PERSPECTIVAS PASTORAIS TEXTOS BASES DESAFIOS FUNÇÕES DA PARÓQUIA PERSPECTIVA TEOLÓGICA MÍSTICA DO DOCUMENTO PERSPECTIVA

Leia mais

ELEMENTOS DE CONSERVAÇÃO DOS ARQUIVOS DAS PRIMEIRAS PRELAZIAS E DIOCESES BRASILEIRAS: DIAGNÓSTICO

ELEMENTOS DE CONSERVAÇÃO DOS ARQUIVOS DAS PRIMEIRAS PRELAZIAS E DIOCESES BRASILEIRAS: DIAGNÓSTICO Revista Brasileira de Arqueometria, Restauração e Conservação. Vol.1, No.4, pp. 173-179 Copyright 2007 AERPA Editora ELEMENTOS DE CONSERVAÇÃO DOS ARQUIVOS DAS PRIMEIRAS PRELAZIAS E DIOCESES BRASILEIRAS:

Leia mais

5.1. Programa de Gerenciamento Ambiental. Revisão 00 NOV/2013. PCH Fortuna II Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS

5.1. Programa de Gerenciamento Ambiental. Revisão 00 NOV/2013. PCH Fortuna II Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS PROGRAMAS AMBIENTAIS 5.1 Programa de Gerenciamento Ambiental NOV/2013 CAPA ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 1 1.1. Ações já Realizadas... 2 2. Justificativa... 4 3. Objetivos... 4 4. Área de Abrangência...

Leia mais

GLOSSÁRIO DE TERMOS ARQUIVÍSTICOS

GLOSSÁRIO DE TERMOS ARQUIVÍSTICOS GLOSSÁRIO DE TERMOS ARQUIVÍSTICOS ACERVO - Documentos de uma entidade produtora ou de uma entidade que possui sua guarda. ACESSIBILIDADE - Condição ou possibilidade de acesso a serviços de referência,

Leia mais

CEDOPE - CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO E PESQUISA DE HIS- TÓRIA DOS DOMÍNIOS PORTUGUESES

CEDOPE - CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO E PESQUISA DE HIS- TÓRIA DOS DOMÍNIOS PORTUGUESES CEDOPE - CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO E PESQUISA DE HIS- TÓRIA DOS DOMÍNIOS PORTUGUESES SÉCULOS XV A XIX O CEDOPE tem como objetivo central constituir-se em centro de pesquisas relativas à história do universo

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec Etec: Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã Área de conhecimento: Ciências Humanas e Suas Tecnologias Componente Curricular:

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

AULA 04 - TABELA DE TEMPORALIDADE

AULA 04 - TABELA DE TEMPORALIDADE AULA 04 - TABELA DE TEMPORALIDADE 4.1 - Tabela de Temporalidade Como é cediço todos os arquivos possuem um ciclo vital, composto pelas fases corrente, intermediária e permanente. Mas como saber quando

Leia mais

A PESQUISA COMO DISCIPLINAS NO CURSO DE ARQUIVOLOGIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA

A PESQUISA COMO DISCIPLINAS NO CURSO DE ARQUIVOLOGIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA A PESQUISA COMO DISCIPLINAS NO CURSO DE ARQUIVOLOGIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Carlos Eduardo dos Reis Professor No Departamento de Metodologia do Ensino, Centro de Ciências da Educação,

Leia mais

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes FACULDADE ALFREDO NASSER INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO III PESQUISAR

Leia mais

Plano Diocesano da Animação Bíblico-Catequética

Plano Diocesano da Animação Bíblico-Catequética Plano Diocesano da Animação Bíblico-Catequética 2 0 1 2-2 0 1 5 DIOCESE DE FREDERICO WESTPHALEN - RS Queridos irmãos e irmãs, Com imensa alegria, apresento-lhes o PLANO DIOCESANO DE ANIMAÇÃO BÍBLICO -

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação

A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação Marcela Alves de Araújo França CASTANHEIRA Adriano CORREIA Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Filosofia

Leia mais

A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística?

A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística? A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística? Universidade de São Paulo benjamin@usp.br Synergies-Brésil O Sr. foi o representante da Letras junto à CAPES. O Sr. poderia explicar qual

Leia mais

Capitulo 3 ESPIRITUALIDADE DA RENOVAÇÃO CARISMÁTICA CATÓLICA

Capitulo 3 ESPIRITUALIDADE DA RENOVAÇÃO CARISMÁTICA CATÓLICA Capitulo 3 ESPIRITUALIDADE DA RENOVAÇÃO CARISMÁTICA CATÓLICA Deus nos alerta pela profecia de Oséias de que o Povo dele se perde por falta de conhecimento. Cf. Os 4,6 1ª Tm 4,14 Porque meu povo se perde

Leia mais

1 de 5 8/4/2010 14:51

1 de 5 8/4/2010 14:51 1 de 5 8/4/2010 14:51 Ato assinado por ocasião da Audiência Privada do Presidente Luiz Inácio Lula da Silva com Sua Santidade o Papa Bento XVI - Vaticano, 13 de novembro de 2008 ACORDO ENTRE A REPÚBLICA

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.580, DE 23 DE OUTUBRO DE 2014

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.580, DE 23 DE OUTUBRO DE 2014 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.580, DE 23 DE OUTUBRO DE 2014 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Bacharelado em

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NO ARQUIVO GERAL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS

RELATÓRIO DE ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NO ARQUIVO GERAL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CLAUDINEIA PEREIRA DE ABREU RELATÓRIO DE ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NO ARQUIVO GERAL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS Relatório apresentado a Disciplina Estagio Supervisionado, do Curso de Biblioteconomia

Leia mais

Sistema Nacional de Arquivos do Estado SNAE CAPÍTULO I. Disposições Gerais. Artigo 1 Definições

Sistema Nacional de Arquivos do Estado SNAE CAPÍTULO I. Disposições Gerais. Artigo 1 Definições Anexo I Sistema Nacional de Arquivos do Estado SNAE CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1 Definições Para efeitos do presente Decreto, estabelecem-se as seguintes definições: a) Arquivo: o conjunto de

Leia mais

O Poder Legislativo e a Imprensa: estudo crítico da cobertura das Comissões Permanentes da Câmara dos Deputados pela imprensa escrita.

O Poder Legislativo e a Imprensa: estudo crítico da cobertura das Comissões Permanentes da Câmara dos Deputados pela imprensa escrita. Câmara dos Deputados Centro de Formação e Treinamento CEFOR Programa de Pós-Graduação Nara Lucia de Lima O Poder Legislativo e a Imprensa: estudo crítico da cobertura das Comissões Permanentes da Câmara

Leia mais

MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS. 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias

MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS. 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias C/H Memória Social 45 Cultura 45 Seminários de Pesquisa 45 Oficinas de Produção e Gestão Cultural 45 Orientação

Leia mais

CRUZ VERMELHA BRASILEIRA FILIAL NO MARANHÃO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO: CRIAÇÃO E FUNCIONAMENTO

CRUZ VERMELHA BRASILEIRA FILIAL NO MARANHÃO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO: CRIAÇÃO E FUNCIONAMENTO CRUZ VERMELHA BRASILEIRA FILIAL NO MARANHÃO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO: CRIAÇÃO E FUNCIONAMENTO CRUZ VERMELHA BRASILEIRA FILIAL NO MARANHÃO Presidente Carmen Maria Teixeira Moreira Serra Secretário

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE GESTÃO DE DOCUMENTOS E INFORMAÇÃO DA UFRRJ

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE GESTÃO DE DOCUMENTOS E INFORMAÇÃO DA UFRRJ MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE GESTÃO DE DOCUMENTOS E INFORMAÇÃO DA UFRRJ Art. 1 O presente Regimento Interno estabelece diretrizes

Leia mais

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO FACULDADE DE ESTUDOS SOCIAIS DO ESPÍRITO SANTO FACULDADE PIO XII REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO ( 6º PERÍODO/2013-7º PERÍODO/2014-8º PERÍODO/2014 ) Cariacica 2013/2014 FACULDADE DE ESTUDOS

Leia mais

Sociologia no ensino médio em Goiânia: O conceito de cidadania dentro do conteúdo programático e os procedimentos teóricometodológicos

Sociologia no ensino médio em Goiânia: O conceito de cidadania dentro do conteúdo programático e os procedimentos teóricometodológicos 1 Sociologia no ensino médio em Goiânia: O conceito de cidadania dentro do conteúdo programático e os procedimentos teóricometodológicos na rede estadual de ensino* Gabriela Paulino do Nascimento** Prof.

Leia mais

Saúde Indígena no Brasil

Saúde Indígena no Brasil PAINEL I Particularidades genéticas das populações amazônicas e suas possíveis implicações Coordenação de Mesa: Wim Degrave. Saúde Indígena no Brasil Mário R. Castellani Abordarei um pouco do que estamos

Leia mais

Plano Estratégico do Programa de Mestrado em Direito da UniBrasil PLANO ESTRATÉGICO 2010 2015

Plano Estratégico do Programa de Mestrado em Direito da UniBrasil PLANO ESTRATÉGICO 2010 2015 PLANO ESTRATÉGICO 2010 2015 MAPA ESTRATÉGICO DO PROGRAMA DE MESTRADO EM DIREITO DA UNIBRASIL MISSÃO Promover, desenvolver e publicar pesquisas de qualidade, com sólida base jurídica e contextualização

Leia mais

José Eduardo Borges de Pinho. Ecumenismo: Situação e perspectivas

José Eduardo Borges de Pinho. Ecumenismo: Situação e perspectivas José Eduardo Borges de Pinho Ecumenismo: Situação e perspectivas U n i v e r s i d a d e C a t ó l i c a E d i t o r a L I S B O A 2 0 1 1 Índice Introdução 11 Capítulo Um O que é o ecumenismo? 15 Sentido

Leia mais

Índice Introdução... 13 Abreviaturas... 17 1. Natureza da liturgia cristã... 21 1.1. O termo liturgia... 21 1.1.1. No helenismo... 22 1.1.2. No Antigo Testamento... 22 1.1.3. No Novo Testamento... 23 1.1.4.

Leia mais

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a 37 Ao trabalhar questões socioambientais e o conceito de natureza, podemos estar investigando a noção de natureza que os alunos constroem ou construíram em suas experiências e vivências. Alguns alunos

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

Nº: 5745 terça feira, 05 de maio de 2015 COMISSÃO DIRETORA. ATO DA COMISSÃO DIRETORA N O 5, de 2015

Nº: 5745 terça feira, 05 de maio de 2015 COMISSÃO DIRETORA. ATO DA COMISSÃO DIRETORA N O 5, de 2015 30/06/2015 Boletim Administrativo Eletrônico de Pessoal Nº: 5745 terça feira, 05 de maio de 2015 COMISSÃO DIRETORA ATO DA COMISSÃO DIRETORA N O 5, de 2015 Revisa e altera os objetivos estratégicos do plano

Leia mais

O CONGRESSO NACIONAL decreta:

O CONGRESSO NACIONAL decreta: Dispõe sobre as Garantias e Direitos Fundamentais ao Livre Exercício da Crença e dos Cultos Religiosos, estabelecidos nos incisos VI, VII e VIII do art. 5º e no 1º do art. 210 da Constituição da República

Leia mais

Repasse da 76a. Assembléia da CNBB Sul I Aparecida de 10 a 12/06/2013

Repasse da 76a. Assembléia da CNBB Sul I Aparecida de 10 a 12/06/2013 Repasse da 76a. Assembléia da CNBB Sul I Aparecida de 10 a 12/06/2013 1. Finalidade do Ano da Fé; 2. O que é a Fé; 3. A transmissão da Fé enquanto professada, celebrada, vivida e rezada; 4. O conteúdo

Leia mais

Zeny Duarte Professora e Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação - Ufba

Zeny Duarte Professora e Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação - Ufba DA GRADUAÇÃO EM ARQUIVOLOGIA AO MESTRADO E DOUTORADO Zeny Duarte Professora e Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação - Ufba Refletir sobre a preparação de um profissional arquivista

Leia mais

CAPÍTULO I: DA NATUREZA E FINALIDADE

CAPÍTULO I: DA NATUREZA E FINALIDADE REGULAMENTO DOS NÚLCLEOS DE ESTUDOS AFRO-BRASILEIROS E INDÍGENAS (NEABIs) DO IFRS Aprovado pelo Conselho Superior do IFRS, conforme Resolução nº 021, de 25 de fevereiro de 2014. CAPÍTULO I: DA NATUREZA

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA (NEPEC/UCB)

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA (NEPEC/UCB) REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA (NEPEC/UCB) CAPÍTULO I - DO NEPEC E SEUS OBJETIVOS Artigo 1º - O presente Regulamento disciplina as atribuições,

Leia mais

EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL

EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL JOSÉ INÁCIO JARDIM MOTTA ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA Fundação Oswaldo Cruz Curitiba 2008 EDUCAÇÃO PERMANENTE UM DESAFIO EPISTÊMICO Quando o desejável

Leia mais

FORMULÁRIO DE PROGRAMA DE EXTENSÃO

FORMULÁRIO DE PROGRAMA DE EXTENSÃO Registro na Extensão Nº: Em / / FORMULÁRIO DE PROGRAMA DE EXTENSÃO 1 - Identificação: 1.1 - Título 1 : 1.2 - Área Temática Principal (assinalar apenas uma área temática, aquela que melhor define o problema

Leia mais

NORMATIVAS PASTORAIS PARA A CELEBRAÇÃO DO BATISMO

NORMATIVAS PASTORAIS PARA A CELEBRAÇÃO DO BATISMO DIOCESE DE BRAGANÇA MIRANDA NORMATIVAS PASTORAIS PARA A CELEBRAÇÃO DO BATISMO Para os Párocos e respetivas comunidades Cristãs, especialmente para os Pais e para os Padrinhos 2012 1 A ESCLARECIMENTO PRÉVIO

Leia mais

5.1. Programa de Gerenciamento Ambiental. Revisão 00 NOV/2013. PCH Jacaré Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS

5.1. Programa de Gerenciamento Ambiental. Revisão 00 NOV/2013. PCH Jacaré Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS PROGRAMAS AMBIENTAIS 5.1 Programa de Gerenciamento Ambiental NOV/2013 CAPA ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 1 1.1. Ações já Realizadas... 2 2. Justificativa... 4 3. Objetivos... 5 4. Área de Abrangência...

Leia mais

Apresentação. (Solicitação do saudoso Santo Padre o Beato João Paulo II)

Apresentação. (Solicitação do saudoso Santo Padre o Beato João Paulo II) Apresentação A Renovação Carismática Católica do Estado do Piauí, movimento eclesial da Igreja Católica, tem por objetivo proporcionar às pessoas uma experiência concreta com Jesus Cristo, através do Batismo

Leia mais

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA Profª. Ms. Marilce da Costa Campos Rodrigues - Grupo de estudos e pesquisas em Política e Formação Docente: ensino fundamental

Leia mais

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: SERVIÇO

Leia mais

A TEORIA DO PODER SIMBÓLICO NA COMPREENSÃO DAS RELAÇÕES SOCIAIS CONTEMPORÂNEA

A TEORIA DO PODER SIMBÓLICO NA COMPREENSÃO DAS RELAÇÕES SOCIAIS CONTEMPORÂNEA CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X A TEORIA DO PODER SIMBÓLICO NA COMPREENSÃO DAS RELAÇÕES

Leia mais

REGULAMENTO DAS PASTORAIS ESCOLARES E UNIVERSITÁRIAS - ESTRUTURA, COMPETÊNCIA E FUNCIONAMENTO -

REGULAMENTO DAS PASTORAIS ESCOLARES E UNIVERSITÁRIAS - ESTRUTURA, COMPETÊNCIA E FUNCIONAMENTO - REGULAMENTO DAS PASTORAIS ESCOLARES E UNIVERSITÁRIAS - ESTRUTURA, COMPETÊNCIA E FUNCIONAMENTO - INTRODUÇÃO O Colégio Episcopal da Igreja Metodista, no uso de suas atribuições (Cânones, Art. 63, item XVII)

Leia mais

MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES

MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES Tânia de Sousa Lemos 1 ; Ana Beatriz Araujo Velasques 2 1 Aluna do Curso de Arquitetura e

Leia mais

CIDADANIA: o que é isso?

CIDADANIA: o que é isso? CIDADANIA: o que é isso? Autora: RAFAELA DA COSTA GOMES Introdução A questão da cidadania no Brasil é um tema em permanente discussão, embora muitos autores discutam a respeito, entre eles: Ferreira (1993);

Leia mais

Lição 01 O propósito eterno de Deus

Lição 01 O propósito eterno de Deus Lição 01 O propósito eterno de Deus LEITURA BÍBLICA Romanos 8:28,29 Gênesis 1:27,28 Efésios 1:4,5 e 11 VERDADE CENTRAL Deus tem um propósito original e eterno para minha vida! OBJETIVO DA LIÇÃO Que eu

Leia mais

A Apostolicidade da Fé

A Apostolicidade da Fé EMBARGO ATÉ ÀS 18H30M DO DIA 10 DE MARÇO DE 2013 A Apostolicidade da Fé Catequese do 4º Domingo da Quaresma Sé Patriarcal, 10 de Março de 2013 1. A fé da Igreja recebemo-la dos Apóstolos de Jesus. A eles

Leia mais

TEMÁTICA I: Gestão do conhecimento A EVOLUÇÃO DAS RELAÇÕES DE TRABALHO E SEUS REFLEXOS NOS DOCUMENTOS DAS UNIDADES DE GESTÃO DE PESSOAS Manuela Santana Coutinho Aurora Leonor Freixo INTRODUÇÃO Esta comunicação

Leia mais

Documento Final do Seminário

Documento Final do Seminário Documento Final do Seminário Gestão de Acervos Culturais em Centros de Formação, de Documentação, de Cultura e Museus Indígenas no Brasil Entre os dias 17 e 20 de setembro de 2013, um grupo de 30 pessoas,

Leia mais

A Educação Ambiental no Ensino Fundamental de escolas municipais de Pesqueira-PE

A Educação Ambiental no Ensino Fundamental de escolas municipais de Pesqueira-PE A Educação Ambiental no Ensino Fundamental de escolas municipais de Pesqueira-PE Autor(a): Josineide Braz de Miranda Coautor(es): Anderson Carlos Maia da Silva, Josefa Sandra de Almeida Silva, kelren Jane

Leia mais

Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL

Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL ÍNDICE Pensamento Social...2 Movimentos Sociais e Serviço Social...2 Fundamentos do Serviço Social I...2 Leitura e Interpretação de Textos...3 Metodologia Científica...3

Leia mais

NOTÍCIA INSTITUCIONAL: IMAGEM INSTITUCIONAL

NOTÍCIA INSTITUCIONAL: IMAGEM INSTITUCIONAL NOTÍCIA INSTITUCIONAL: IMAGEM INSTITUCIONAL RESUMO Caroline Ferreira 1 O objetivo deste artigo é falar sobre Noticia institucional e o interesse cada vez maior das empresas em cuidar da sua imagem institucional.

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE O CONTEÚDO DO PROJETO

ORIENTAÇÕES SOBRE O CONTEÚDO DO PROJETO ORIENTAÇÕES SOBRE O CONTEÚDO DO PROJETO ESCOLHA DO TEMA - Seja cauteloso na escolha do tema a ser investigado. Opte por um tema inserido no conteúdo programático da disciplina pela qual teve a maior aptidão

Leia mais

CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES FINAIS ADOTADAS PARA O RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO. Introdução

CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES FINAIS ADOTADAS PARA O RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO. Introdução MUS-12/1.EM/3 Rio de Janeiro, 13 Jul 2012 Original: Inglês ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A EDUCAÇÃO, A CIÊNCIA E A CULTURA REUNIÃO DE ESPECIALISTAS NA PROTEÇÃO E PROMOÇÃO DE MUSEUS E COLEÇÕES Rio

Leia mais

Boletim Goiano de Geografia E-ISSN: 1984-8501 boletimgoianogeo@yahoo.com.br Universidade Federal de Goiás Brasil

Boletim Goiano de Geografia E-ISSN: 1984-8501 boletimgoianogeo@yahoo.com.br Universidade Federal de Goiás Brasil Boletim Goiano de Geografia E-ISSN: 1984-8501 boletimgoianogeo@yahoo.com.br Universidade Federal de Goiás Brasil Messias Bonjardim, Solimar Guindo GIL FILHO, Sylvio Fausto. Espaço sagrado: estudo em geografia

Leia mais

A Sociologia de Weber

A Sociologia de Weber Material de apoio para Monitoria 1. (UFU 2011) A questão do método nas ciências humanas (também denominadas ciências históricas, ciências sociais, ciências do espírito, ciências da cultura) foi objeto

Leia mais

MÍSTICA E CONSTRUÇÃO Por que pensar em Mística e Construção?

MÍSTICA E CONSTRUÇÃO Por que pensar em Mística e Construção? MÍSTICA E CONSTRUÇÃO Espiritualidade e profecia são duas palavras inseparáveis. Só os que se deixam possuir pelo espírito de Deus são capazes de plantar sementes do amanhã e renovar a face da terra. Todo

Leia mais

TÍTULO: IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE CONTROLE PATRIMONIAL (SCP) PARA O CORPO DE BOMBEIRO DE MATO GROSSO DO SUL(MS)

TÍTULO: IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE CONTROLE PATRIMONIAL (SCP) PARA O CORPO DE BOMBEIRO DE MATO GROSSO DO SUL(MS) TÍTULO: IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE CONTROLE PATRIMONIAL (SCP) PARA O CORPO DE BOMBEIRO DE MATO GROSSO DO SUL(MS) CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA SUBÁREA: COMPUTAÇÃO E INFORMÁTICA

Leia mais

MEMÓRIA DO MUNDO UM PROGRAMA PELA PRESERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO DOCUMENTAL

MEMÓRIA DO MUNDO UM PROGRAMA PELA PRESERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO DOCUMENTAL MEMÓRIA DO MUNDO UM PROGRAMA PELA PRESERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO DOCUMENTAL XI Encontro Nacional de Acervo Raro Fundação Biblioteca Nacional 30 out. 2014 Vitor Fonseca Presidente MOW Brasil Vice-presidente

Leia mais

BIÊNIO 2012-2013. Tema Geral da Igreja Metodista "IGREJA: COMUNIDADE MISSIONÁRIA A SERVIÇO DO POVO ESPALHANDO A SANTIDADE BÍBLICA. Tema para o Biênio

BIÊNIO 2012-2013. Tema Geral da Igreja Metodista IGREJA: COMUNIDADE MISSIONÁRIA A SERVIÇO DO POVO ESPALHANDO A SANTIDADE BÍBLICA. Tema para o Biênio 1 IGREJA METODISTA PASTORAL IMED PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO E PLANO DE AÇÃO BIÊNIO 2012-2013 Tema Geral da Igreja Metodista "IGREJA: COMUNIDADE MISSIONÁRIA A SERVIÇO DO POVO ESPALHANDO A SANTIDADE BÍBLICA

Leia mais

CIDADES EDUCADORAS DICIONÁRIO

CIDADES EDUCADORAS DICIONÁRIO CIDADES EDUCADORAS A expressão Cidade Educativa, referindo-se a um processo de compenetração íntima entre educação e vida cívica, aparece pela primeira vez no Relatório Edgar Faure, publicado em 1972,

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO DA RESENHA NO ENSINO SUPERIOR

SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO DA RESENHA NO ENSINO SUPERIOR RESENHA Neste capítulo, vamos falar acerca do gênero textual denominado resenha. Talvez você já tenha lido ou elaborado resenhas de diferentes tipos de textos, nas mais diversas situações de produção.

Leia mais

FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES EDIMIR DOS SANTOS LUCAS GIUBERTI FORNACIARI SARAH NADIA OLIVEIRA

FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES EDIMIR DOS SANTOS LUCAS GIUBERTI FORNACIARI SARAH NADIA OLIVEIRA FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES EDIMIR DOS SANTOS LUCAS GIUBERTI FORNACIARI SARAH NADIA OLIVEIRA LIBERDADE ANTIGA E LIBERADE MODERNA LINHARES 2011 EDIMIR DOS SANTOS LUCAS GIUBERTI FORNACIARI SARAH

Leia mais

Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa

Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa Estrutura de um projeto de pesquisa: 1. TEMA E TÍTULO DO PROJETO 2. DELIMITAÇÃO DO PROBLEMA 3. INTRODUÇÃO 4. RELEVÂNCIA E JUSTIFICATIVA 5. OBJETIVOS

Leia mais

A iniciação cristã como pedagogia de vida comunitária

A iniciação cristã como pedagogia de vida comunitária A iniciação cristã como pedagogia de vida comunitária A evangelização nos dá a alegria do encontro com a Boa Nova da Ressurreição de Cristo. A maioria das pessoas procura angustiada a razão de sua vida

Leia mais

RELACIONAMENTO JURÍDICO DO ESTADO BRASILEIRO COM INSTITUIÇÕES RELIGIOSAS, NO QUE CONCERNE À EDUCAÇÃO

RELACIONAMENTO JURÍDICO DO ESTADO BRASILEIRO COM INSTITUIÇÕES RELIGIOSAS, NO QUE CONCERNE À EDUCAÇÃO RELACIONAMENTO JURÍDICO DO ESTADO BRASILEIRO COM INSTITUIÇÕES RELIGIOSAS, NO QUE CONCERNE À EDUCAÇÃO GEORGE DE CERQUEIRA LEITE ZARUR Consultor Legislativo da Área XV Educação, Desporto, Bens Culturais,

Leia mais

REFORMA E CONTRARREFORMA. Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista de Montes Claros

REFORMA E CONTRARREFORMA. Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista de Montes Claros REFORMA E CONTRARREFORMA Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista de Montes Claros INTRODUÇÃO A Reforma Religiosa e o Renascimento ocorreram na mesma época e expressam a grande renovação de ideias

Leia mais

UCLEO DE ATIVIDADES, ESTUDOS E PESQUISA SOBRE EDUCAÇÃO, AMBIE TE E DIVERSIDADE CAPÍTULO I. DA NATUREZA E FINALIDADE(Vínculo)

UCLEO DE ATIVIDADES, ESTUDOS E PESQUISA SOBRE EDUCAÇÃO, AMBIE TE E DIVERSIDADE CAPÍTULO I. DA NATUREZA E FINALIDADE(Vínculo) Regimento Interno UCLEO DE ATIVIDADES, ESTUDOS E PESQUISA SOBRE EDUCAÇÃO, AMBIE TE E DIVERSIDADE CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADE(Vínculo) Artigo 1º - O NEED, Núcleo de atividades, estudos e pesquisa

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

O Conselho Estadual de Educação do Estado da Paraíba, no uso de suas atribuições e considerando:

O Conselho Estadual de Educação do Estado da Paraíba, no uso de suas atribuições e considerando: GOVERNO DA PARAÍBA Secretaria de Estado da Educação e Cultura Conselho Estadual de Educação RESOLUÇÃO Nº 198/2010 REGULAMENTA AS DIRETRIZES CURRICULARES PARA A EDUCAÇÃO DAS RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS E O

Leia mais