Sistemas Operacionais - Introdução. Sistemas Operacionais - Funções. FACENS - Faculdade de Engenharia de Sorocaba

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sistemas Operacionais - Introdução. Sistemas Operacionais - Funções. FACENS - Faculdade de Engenharia de Sorocaba"

Transcrição

1 Sistemas Operacionais - Introdução Aplicações Compiladores Editores Interpretadores de comando Sistema Operacional Linguagem de Máquina Microarquitetura Dispositivos Físicos Sistemas Operacionais - Funções SO como Máquina Estendida oferece uma máquina virtual mais simples de programar do que o hardware SO como Gerenciador de Recursos fornece uma alocação controlada de processadores, memória e dispositivos de entrada/saída (E/S) Todo computador possui uma camada chamada sistema operacional cujo objetivo é gerenciar todos os dispositivos (processador, memória, disco, impressora, teclado, monitor, etc.) e prover uma interface simples para o usuário manipular o hardware. O sistema operacional é um software que oferece ao programador um ambiente agradável e mais conveniente para trabalhar. A função do sistema operacional pode ser apresentada ao usuário como máquina estendida ou máquina virtual que facilita a programação provendo uma variedade de serviços que os programas podem obter usando instruções especiais (system calls). O sistema operacional também pode ser visto como um gerenciador de vários pedaços de um sistema complexo (processador, memória, relógios, duscis, etc.) e deve decidir quais pedidos podem alocar os recursos para que o sistema possa operar sem conflitos. Profa. Tiemi Christine Sakata 1

2 História dos Sistemas Operacionais Primeira Geração ( ) Válvulas e Painéis de Conectores História dos Sistemas Operacionais Terceira Geração ( ) Circuitos Integrados e Multiprogramação Segunda Geração ( ) Transistores e Sistema Batch Card reader Tape drive Input tape System tape Output tape Printer Job 3 Job 2 Job 1 Operating system Memory partitions (a) (b) (c) (d) (e) (f) Quarta Geração (1980 atual) Computadores Pessoais Os primeiros computadores surgiram no início da Segunda Gerra Mundial e eram formados por milhares de válvulas que ocupavam enores áreas. Não existia o conceito de sistemas operacionais e para trabalhar nessas máquinas era necessário um profundo conhecimento do hardware. A criação do transitor permitiu o aumento da velocidade e a confiabilidade do processamento e as memórias tinham maior capacidade permitindo computadores menores. O sistema operacional era bem simples e era armazenado na memória. A multiprogramação compartilha a memória principal e o processador, o que permitiu o aumento da utilização da CPU. O sistema operacional mantém vários jobs na memória ao mesmo tempo e gerencia a execução de cada job. Com a evolução de microprocessadores, surgiram os primeiros microcomputadores, muito mais baratos. Os dois sistemas operacionais que inicialmente dominaram o computador pessoal foram MS-DOS e Unix. O hardware foi ficando cada vez mais sofisticado, com vários processadores exigindo sistemas operacionais com novos mecanismos de controle e sincronismo. A década de 90 foi definitiva para a consolidação de sistemas operacionais baseados em interfaces gráficas. As interfaces são cada vez mais simples e eficiente. Profa. Tiemi Christine Sakata 2

3 Chamadas do Sistema (System Calls) Porta de entrada para ter acesso ao núcleo do sistema operacional. Gerenciamento de Processos fork, waitpid, exit Gerenciamento de Arquivos open, close, read Gerenciamento de Diretórios mkdir, link, mount Proteção chmod Gerenciamento de Tempo time(&second) Estrutura do Sistema Operacional 1 Monoĺıtico um programa principal que invoca os serviços um conjunto de serviços para executar as chamadas do sistema um conjunto de procedimentos para ajudar as chamadas de serviços. Main procedure Service procedures Utility procedures O usuário solicita um serviço do sistema operacional através do uso das chamadas do sistema. Cada sistema operacional possui seu próprio conjunto de chamadas. Através dos parâmetros fornecidos nas chamadas do sistema, a solicitação é processada e uma resposta é retornada à aplicação. É a organização mais comum. O sistema operacional é escrito como uma coleção de procedimentos, cada um dos quais pode chamar uns aos outros. O programa-objeto do sistema é formado por vários procedimentos que são compilados separadamente e linkados, formando um grande e único executável. Profa. Tiemi Christine Sakata 3

4 Estrutura do Sistema Operacional 2 Em Camadas Camada Função 5 Usuário 4 Programas de usuário 3 Gerenciamento de E/S 2 Comunicação operador-processo 1 Gerenciamento de memória 0 Alocação de processador e Multiprogramação Estrutura do Sistema Operacional 3 Máquinas Virtuais cópias exatas do hardware básico executa qualquer sistema operacional mais simples, flexível e fácil de manter Virtual 370s System calls here I/O instructions here CMS CMS CMS Trap here Trap here VM/ Bare hardware Um sistema em camadas divide o sistema operacional em camadas sobrepostas formando uma hierarquia. Cada módulo oferece um conjunto de funções que podem ser utilizadas por outros módulos. Módulos em camadas podem fazer referência apenas a módulos das camadas inferiores. A vantagem desta estrutura é isolar as funções do sistema operacional. Um sistema de tempo compartilhado oferece multiprogramação e uma máquina estendida com interface mais conveniente que o hardware básico. A essência das máquinas virtuais é a separação dessas duas funções. Assim, o coração do sistema, conhecido como monitor de máquina virtual, executa no hardware básico e faz a multiprogramação, oferecendo não apenas uma, mas várias máquinas virtuais à camada superior. Porém, ao contrário de todos os outros sistemas operacionais, essas máquinas não são máquinas estendidas com recursos amigáveis. Em vez disso, elas são cópias exatas do hardware básico, incluindo o modo kernel/usuário, E/S, interrupções, etc. Profa. Tiemi Christine Sakata 4

5 Estrutura do Sistema Operacional 4 Modelo Cliente-Servidor Client process núcleo mais simples cliente solicita serviços ao servidor comunicação troca de mensagens Client process Process server Terminal server Kernel File server Memory server Client obtains service by sending messages to server processes User mode Kernel mode Processos programa seqüência de instruções processo abstração da execução do programa contexto do programa corrente (status de execução) diretório de trabalho do programa corrente arquivos e diretórios aos quais o programa tem acesso direitos de acesso do programa corrente memória e outros recursos alocados ao processo sistema multiprogramado - pseudoparalelismo O sistema é dividido em processos, cada um responsável por um serviço. O cliente pode ser uma aplicação de usuário ou um outro componente do sistema operacional. A solicitação é feita através de envio de uma mensagem ao servidor, que responde através de uma outra mensagem. A utilização deste modelo permite que os servidores executem em modo usuário, ou seja, não tenham acesso direto ao hardware. Outra vantagem é que este modelo é facilmente adaptável para uso de sistemas distribuídos. Computadores modernos podem fazer várias coisas ao mesmo tempo: executar um programa, ler dados do disco e imprimir dados na tela ou na impressora. Em sistemas multiprogramados, a CPU também pode dividir seu tempo (na ordem de milisegundos) para diversos programas dando ao usuário a impressão de paralelismo (pseudoparalelismo). Um processo é um programa em execução e é a unidade básica de escalonamento do sistema operacional. Um processo é um elemento ativo (altera o seu estado à medida que executa o programa). Profa. Tiemi Christine Sakata 5

6 One program counter A B C D Process switch Multiprogramação A Four program counters B C D Process D C B A Time (a) (b) (c) (a) memória (b) execução independente (c) execução x tempo Estados do Processo Executando Bloqueado 4 Pronto 1 Processo bloqueado para entrada 2 Gerenciador desativa um processo 3 Gerenciador ativa outro processo 4 Entrada se torna disponível Todo processo possui um contador de programa lógico que é armazenado na memória. Apenas o contador do processo executado em um determinado instante é carregado no contador de programa real. Podemos notar que em um intervalo todos os processos progrediram, mas em um instante de tempo apenas um processo está realmente sendo executado. O tempo de execução de um processo pode variar de acordo com a forma em que a CPU decide executar os processos. Os processos que requerem tempo crítico necessitam tomar certas medidas especiais para garantir uma resposta esperada. A diferença entre o estado executando e pronto é que o estado executando está utilizando a CPU enquanto que no estado pronto, não há temporariamente CPU disponível para sua execução. Existem métodos para divir o uso da CPU para a execução dos processos prontos. O estado bloqueado não será executado mesmo com CPU disponível. Profa. Tiemi Christine Sakata 6

7 FCFS Escalonamento de Processos Deadlock Job mais curto primeiro Menor tempo restante primeiro Round Robin Prioridade (múltiplas filas) Cuidado com starvation (a) (b) Quando um programa é multiprogramado, freqüentemente possui vários processos competindo pela CPU ao mesmo tempo. Isso ocorre quando dois ou mais processos estão prontos para serem executados. O escalonamento de processos tem por objetivo instruir a CPU para executar os processos que foram inseridos em uma fila de processos prontos. A parte do sistema operacional que faz a escolha de qual processo executar é chamado de escalonador e o algoritmo usado é chamado de algoritmo de escalonamento. Deadlock - Condições necessárias 1. exclusão mútua: pelo menos um recurso deve ser atribuído a um único processo por vez 2. posse e espera: deve haver um proc. que possui um recurso e espera recursos adicionais 3. não-preempção: recursos não podem ser retirados de forma forçada 4. espera circular: 2 ou mais processos, cada um esperando pelo recurso em posse de outro proc. Profa. Tiemi Christine Sakata 7

8 Gerência de Memória Alocação de memória: partições fixas Memória grande vetor de palavras (bytes), cada um com seu próprio endereço Multiple input queues Partition 4 700K Partition 4 Multiprogramação compartilhamento de memória Partition 3 400K Single input queue Partition 3 Memória física Partition 2 Partition 2 Memória lógica MMU (Memory Management Unit) Partition 1 Operating system (a) 100K 0 Partition 1 Operating system (b) Na multiprogramação é preciso manter vários processos prontos para execução na memória. A gerência de memória do SO provê os mecanismos necessários para que os diversos processos compartilhem a memória de forma segura e eficiente. A memória física é aquela implementada pelos circuitos integrados de memória. O endereço físico é o que vai para a memória física, ou seja, usado para endereçar os circuitos integrados de memória. O endereço lógico é o endereço gerado pela CPU. A MMU é o componente de hardware que provê mecanismos usados pelo SO para gerenciar a memória. A MMU mapeia os endereços lógicos gerados pelos processos nos correspondentes endereços físicos. A memória principal é dividida em partições: uma para o sistema operacional e outra para os processos do usuário. Como na multiprogramação existem vários processos na memória é necessário encontrar maneiras de alocar os processos que estão na fila de entrada esperando para serem carregados na memória. Um dos métodos mais simples de alocação de memória é dividir a memória em partições de tamanhos fixos. Cada partição pode conter apenas um processo e portanto o grau da multiprogramação está limitado pelo número de partições. Quando um processo termina, a partição fica disponível para outro processo da fila. A fila pode ser construída por partição (o processo fica na fila da menor partição que ele pode ser alocado) e neste caso pode existir partições sem nenhum processo e outras com muitos processos na fila; ou uma fila única para todas as partições onde um processo pequeno pode estar usando uma partição de tamanho grande. Profa. Tiemi Christine Sakata 8

9 Alocação de memória: part. variáveis Paginação Proc 1-174K Proc 2-98K Proc 3-23K Livre - 80K SO Proc 4-85K Proc 1-174K Proc 4-85K Livre - 13K Proc 3-23K Livre - 80K SO Em geral, existe um conjunto de partições de memórias livres de vários tamanhos. Quando um processo chega é feita uma busca para encontrar uma partição grande o suficiente para o processo. Se a partição é grande demais, ela será dividida em dois e uma parte é devolvida para o conjunto de partições livres. A paginação é um esquema que permite que o espaço de endereçamento físico de um processo seja não contíguo. Esse mecanismo elimina a fragmentação externa e reduz a fragmentação interna. A memória física (sistema) e a memória lógica (processo) são quebradas em blocos de tamanhos fixos e idênticos. Os blocos da memória física são chamados de quadros (frames) e da memória lógica de páginas. O tamanho desses blocos é definido pelo hardware. Cada endereço gerado pela CPU (endereço lógico) é dividido em duas partes: número de página (p) e deslocamento de página (d). O número de página é usado como índice em uma tabela de página. Profa. Tiemi Christine Sakata 9

10 Segmentação com compactação Memória Virtual sistema operacional 3 Segment 4 (7K) Segment 3 (8K) Segment 2 Segment 1 (8K) Segment 0 Segment 4 (7K) Segment 3 (8K) Segment 2 (3K) Segment 7 Segment 0 (3K) Segment 5 Segment 3 (8K) Segment 2 (3K) Segment 7 Segment 0 (3K) Segment 5 Segment 6 Segment 2 (3K) Segment 7 Segment 0 (10K) Segment 5 Segment 6 Segment 2 Segment 7 Segment 0 carregar M 1 6 i 5 2 quadro livre 4 (a) (b) (c) (d) (e) mem. física Pode-se utilizar o esquema de bit válido/inválido para determinar se uma página está na memória ou não. Se o bit é válido, então a página é legal e está na memória. Se o bit for inválido, a página não é válida ou é válida mas no momento está no disco. Um procedimento simples para tratar a falta de página é descrita a seguir: A segmentação pode causar fragmentação externa já que o tamanho dos segmentos é variável. Neste caso, o processo pode simplesmente ter que esperar até que mais memória se torne disponível, ou a compactação pode ser usada para criar um bloco de memória livre maior. 1. verificação da tabela para determinar se a referência é válida ou inválida. 2. se a referência é inválida, o processo é terminado. Se é válida mas não está na memória, a página deve ser carregada 3. procura de um quadro livre 4. escalonamento de uma operação de disco para ler a página desejada no quadro recém alocado 5. a tabela é modificada indicando que a página está na memória 6. reiniciar a instrução que foi interrompida pela exceção de endereço ilegal. Profa. Tiemi Christine Sakata 10

11 Sistema de Arquivos User directory A B Root directory C alocação contíua Alocação de blocos A B B B C C B C C User subdirectories C C C C User file Lista ligada de blocos File Allocation Table (FAT) I-node A solução para armazenar a informação em discos é criar arquivos. A informação deve ser persistente, ou seja, um arquivo desaparecerá quando for removida explicitamente. O sistema de arquivos (parte do SO) é responsável pelo modo como arquivos são estruturados, nomeados, acessados, usados, protegidos e implementados. A capacidade dos usuários criar um número arbitrário de subdiretórios propicia uma ferramenta poderosa de estruturação para organizar seu trabalho. Quase todos os modernos sistemas de arquivos são organizados assim. O esquema mais simples de alocação é armazenar cada arquivo em blocos contíguos de disco. O disco é dividido em blocos de mesmo tamanho. Se um arquivo ocupa um bloco e meio, a outra metade do bloco é desperdiçada. Vantagens: simples de implementar e bom desempenho de leitura. Desvantagem: os arquivos não podem crescer e há fragmentação do disco. Os arquivos podem ser mantidos como uma lista encadeada de blocos de disco. A primeira palavra de cada bloco é usada como ponteiro para um próximo. O restante do bloco é usado para dados. Neste método não há fragmentação externa e para manter uma entrada de diretório é suficiente armazenar apenas o endereço em disco do primeiro bloco. Por outro lado, o acesso aleatório é extremamente lento, pois para chegar ao bloco n de um arquivo, o SO, a partir do início, deve ler os n 1 blocos antes dele. Tabela de índice na memória usando essa organização todo bloco fica disponível para dados e o acesso aleatório se torna mais fácil. Para encontrar um bloco de um arquivo, é necessário percorrer o encadeamento, porém, como a tabela está na memória, a localização do bloco pode ser feita rapidamente. A principal desvantagem deste método é que a tabela deve estar na memória o tempo todo. A tabela pode ser alocada em memória paginada, mas mesmo assim, ocuparia muito espaço de memória virtual e de espaço em disco gerando tráfego extra de paginação. O i-node é uma estrutura de dados associado a cada arquivo que relaciona os atributos e os endereços em disco dos blocos de arquivo. Dado o i-node, é possível encontrar todos os blocos do arquivo. A grande vantagem desse esquema é que o i-node só precisa estar na memória quando o arquivo estiver aberto. Profa. Tiemi Christine Sakata 11

12 Entrada/Saída Acesso Direto à Memória (DMA) emitir comandos para os dispositivos Drive interceptar interrupções e tratar erros fornecer interface entre os dispositivos e o restante do sistema CPU 1. CPU programs DMA the DMA controller controller Address Count Control 4. Ack Disk controller Buffer Main memory interfaces padronizadas x variedade de dispositivos Interrupt when done 2. DMA requests transfer to memory 3. Data transferred Bus Uma das principais funções de um computador é solucionar problemas. Para tanto, é necessário que algum tipo de mecanismo exista para que possamos informar esse problema ao computador e recuperar sua solução. Esse mecanismo constitui o que denominamos de dispositivos de entrada e saída (E/S) de um computador. Alguns desses dispositivos são para a comunicação do homem com o computador (teclado, mouse, monitor de vídeo, etc.), outros são para a comunicação entre computadores (modem, placa de rede, etc.) e temos também os dispositivos para armazenar informações (disquetes, fita, disco rígido, CD-ROM, etc.). A tecnologia de E/S apresenta duas tendências conflitantes. Por um lado, há uma crescente padronização de interfaces de software e hardware. Por outro lado, há uma variedade cada vez maior de dispositivos de E/S. Para um dispositivo que realiza grandes transferências de dados (disco) parece desperdício usar um processador caro de uso geral para fornecer ao registrador do controlador, 1 byte de cada vez. Muitos computadores passam parte desse trabalho para um processador especial chamado controlador de acesso direto (DMA). O DMA deve pode acessar diretamente a memória e está conectado fisicamente ao barramento de dados e de endereços do computador. Para começar uma transferência DMA, a CPU programa o controlador de DMA inserindo valores em seus registradores. O DMA inicia a transferência emitindo pelo barramento uma requisição de leitura para o controlador de disco. Normalmente o endereço de memória para onde escrever está nas linhas do barramento. Quando a escrita está completa, o controlador de disco envia um sinal de confirmação para o DMA. Profa. Tiemi Christine Sakata 12

13 I/O request Camadas do Sistema E/S Layer User processes Device-independent software Device drivers I/O reply I/O functions Make I/O call; format I/O; spooling Naming, protection, blocking, buffering, allocation Set up device registers; check status O que foi visto História dos Sistemas Operacionais Processos Deadlock Gerência de Memória memória virtual Interrupt handlers Hardware Wake up driver when I/O completed Perform I/O operation Sistema de Arquivos Gerência de E/S O software de E/S é normalmente organizado em quatro camadas. Cada camada tem sua função bem definida para executar e uma interface também bem definida para as camadas adjacentes. A funcionalidade e as interfaces diferem de um sistema para outro. Quando, por exemplo, o programa do usuário tenta ler um bloco de um arquivo, o SO é requisitado para realizar a chamada. O software independente de dispositivo procura pelo bloco na cache do buffer. Se o bloco requisitado não está lá, ele chama o driver do dispositivo para emitir uma requisição a fim de que o hardware o obtenha do disco. Quando o disco termina, o hardware gera uma interrupção. O tratador de interrupção é executado para descobrir o que aconteceu, isto é, qual dispositivo está requerendo atenção naquele momento. Ele então obtém o status do dispositivo e acorda o processo que estava dormindo para finalizar a requisição de E/S. Referências Andrew S. Tanenbaum. Modern Operating Systems. Prentice Hall Segunda edição Abraham Silberschatz, Peter Galvin e Greg Gagne. Sistemas Operacionais. Editora Campus, 2000 Profa. Tiemi Christine Sakata 13

Prof. Marcos Ribeiro Quinet de Andrade Universidade Federal Fluminense - UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO

Prof. Marcos Ribeiro Quinet de Andrade Universidade Federal Fluminense - UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO Conceitos básicos e serviços do Sistema Operacional Prof. Marcos Ribeiro Quinet de Andrade Universidade Federal Fluminense - UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO Tipos de serviço do S.O. O S.O.

Leia mais

Conceitos Básicos sobre Sistemas Operacionais

Conceitos Básicos sobre Sistemas Operacionais Conceitos Básicos sobre Sistemas Operacionais Ivanovitch Medeiros Dantas da Silva Universidade Federal do Rio Grande do Norte Departamento de Engenharia de Computação e Automação DCA0800 - Algoritmos e

Leia mais

Arquitetura dos Sistemas Operacionais

Arquitetura dos Sistemas Operacionais Arquitetura dos Sistemas Operacionais Arquitetura de um Sistema Operacional Basicamente dividido em shell é a interface entre o usuário e o sistema operacional é um interpretador de comandos possui embutido

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Sistemas Operacionais. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Sistemas Operacionais Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Estruturas de Sistemas Operacionais Um sistema operacional fornece o ambiente no qual os programas são executados. Internamente,

Leia mais

Gerenciamento de Entrada e Saída Hélio Crestana Guardia e Hermes Senger

Gerenciamento de Entrada e Saída Hélio Crestana Guardia e Hermes Senger Gerenciamento de Entrada e Saída Hélio Crestana Guardia e Hermes Senger O controle da entrada e saída (E/S ou I/O, input/output) de dados dos dispositivos é uma das funções principais de um sistema operacional.

Leia mais

Pós-Graduação, Maio de 2006 Introdução aos Sistemas Operacionais. Prof. Dr. Ruy de Oliveira CEFET-MT

Pós-Graduação, Maio de 2006 Introdução aos Sistemas Operacionais. Prof. Dr. Ruy de Oliveira CEFET-MT Pós-Graduação, Maio de 2006 Introdução aos Sistemas Operacionais Prof. Dr. Ruy de Oliveira CEFET-MT O que é um Sistema Operacional? Um software que abstrai as complexidades do hardware de um usuário/programador

Leia mais

Sistemas Operacionais Arquitetura e organização de sistemas operacionais: Uma visão estrutural hardware & software. Prof. MSc.

Sistemas Operacionais Arquitetura e organização de sistemas operacionais: Uma visão estrutural hardware & software. Prof. MSc. Sistemas Operacionais Arquitetura e organização de sistemas operacionais: Uma visão estrutural hardware & software Prof. MSc. Hugo Souza Continuando nossas aulas relativas ao Módulo 1, veremos a seguir

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Sistemas de Entrada/Saída Princípios de Software Sistema de Entrada/Saída Princípios de Software Tratadores (Manipuladores) de Interrupções Acionadores de Dispositivos (Device Drivers)

Leia mais

Introdução à Sistemas Operacionais. Glauber Magalhães Pires

Introdução à Sistemas Operacionais. Glauber Magalhães Pires Introdução à Sistemas Operacionais Glauber Magalhães Pires Agenda O que são sistemas operacionais? Histórico Primeira geração (1945-1955) Segunda geração (1955-1965) Terceira geração (1965-1980) Quarta

Leia mais

Sistemas Operacionais 2014 Introdução. Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com

Sistemas Operacionais 2014 Introdução. Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com Sistemas Operacionais 2014 Introdução Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com Roteiro Sistemas Operacionais Histórico Estrutura de SO Principais Funções do SO Interrupções Chamadas de Sistema

Leia mais

Disciplina: Sistemas Operacionais - CAFW-UFSM Professor: Roberto Franciscatto

Disciplina: Sistemas Operacionais - CAFW-UFSM Professor: Roberto Franciscatto Disciplina: Sistemas Operacionais - CAFW-UFSM Professor: Roberto Franciscatto Introdução É preciso conhecer a estrutura de um sistema de computação antes que possamos explorar os detalhes de sua operação.

Leia mais

Introdução à Computação: Sistemas de Computação

Introdução à Computação: Sistemas de Computação Introdução à Computação: Sistemas de Computação Beatriz F. M. Souza (bfmartins@inf.ufes.br) http://inf.ufes.br/~bfmartins/ Computer Science Department Federal University of Espírito Santo (Ufes), Vitória,

Leia mais

Entrada/Saída. E/S Mapeada na Memória. Dispositivos de E/S. FACENS - Faculdade de Engenharia de Sorocaba. emitir comandos para os dispositivos

Entrada/Saída. E/S Mapeada na Memória. Dispositivos de E/S. FACENS - Faculdade de Engenharia de Sorocaba. emitir comandos para os dispositivos FACENS - Faculdade de Engenharia de Sorocaba Entrada/Saída Entrada/Saída emitir comandos para os dispositivos interceptar interrupções e tratar erros fornecer interface entre os dispositivos e o restante

Leia mais

Funções de um SO. Gerência de processos Gerência de memória Gerência de Arquivos Gerência de I/O Sistema de Proteção

Funções de um SO. Gerência de processos Gerência de memória Gerência de Arquivos Gerência de I/O Sistema de Proteção Sistemas de Arquivos Funções de um SO Gerência de processos Gerência de memória Gerência de Arquivos Gerência de I/O Sistema de Proteção 2 Sistemas Operacionais Necessidade de Armazenamento Grandes quantidades

Leia mais

Sistemas Operacionais 2014 Sistema de E/S. Alexandre Augusto Giron

Sistemas Operacionais 2014 Sistema de E/S. Alexandre Augusto Giron Sistemas Operacionais 2014 Sistema de E/S Alexandre Augusto Giron ROTEIRO Introdução Hardware de E/S Interface de E/S Subsistema de E/S Desempenho Introdução Gerenciar dispositivos de Entrada e Saída (E/S)

Leia mais

Sistemas de Arquivos. Arquivos Diretórios Implementação do sistema de arquivos Gerenciamento de espaço em disco

Sistemas de Arquivos. Arquivos Diretórios Implementação do sistema de arquivos Gerenciamento de espaço em disco Sistemas de Arquivos Arquivos Diretórios Implementação do sistema de arquivos Gerenciamento de espaço em disco Armazenamento da Informação a Longo Prazo 1. Deve ser possível armazenar uma quantidade muito

Leia mais

Gerenciamento de memória

Gerenciamento de memória Na memória principal ficam todos os programas e os dados que serão executados pelo processador. Possui menor capacidade e custo maior. S.O buscam minimizar a ocupação da memória e otimizar sua utilização.

Leia mais

Sistemas Operacionais Entrada / Saída. Carlos Ferraz (cagf@cin.ufpe.br) Jorge Cavalcanti Fonsêca (jcbf@cin.ufpe.br)

Sistemas Operacionais Entrada / Saída. Carlos Ferraz (cagf@cin.ufpe.br) Jorge Cavalcanti Fonsêca (jcbf@cin.ufpe.br) Sistemas Operacionais Entrada / Saída Carlos Ferraz (cagf@cin.ufpe.br) Jorge Cavalcanti Fonsêca (jcbf@cin.ufpe.br) Tópicos Princípios do hardware de E/S Princípios do software de E/S Camadas do software

Leia mais

FACENS Engenharia Mecatrônica Sistemas de Computação Professor Machado. Memória Armazenamento Sistema de Arquivos

FACENS Engenharia Mecatrônica Sistemas de Computação Professor Machado. Memória Armazenamento Sistema de Arquivos FACENS Engenharia Mecatrônica Sistemas de Computação Professor Machado Memória Armazenamento Sistema de Arquivos 1 Hierarquia de Memórias 2 Partes físicas associadas à memória Memória RAM Memória ROM Cache

Leia mais

Resumo até aqui. Gerenciamento Proteção Compartilhamento. Infra-estrutura de Software

Resumo até aqui. Gerenciamento Proteção Compartilhamento. Infra-estrutura de Software Resumo até aqui Complexidade do computador moderno, do ponto de vista do hardware Necessidade de abstrações software Sistema computacional em camadas SO como uma máquina estendida abstrações SO como um

Leia mais

Capítulo 11: Implementação de Sistemas de Arquivos. Operating System Concepts 8 th Edition

Capítulo 11: Implementação de Sistemas de Arquivos. Operating System Concepts 8 th Edition Capítulo 11: Implementação de Sistemas de Arquivos Silberschatz, Galvin and Gagne 2009 Sobre a apresentação (About the slides) Os slides e figuras dessa apresentação foram criados por Silberschatz, Galvin

Leia mais

6 - Gerência de Dispositivos

6 - Gerência de Dispositivos 1 6 - Gerência de Dispositivos 6.1 Introdução A gerência de dispositivos de entrada/saída é uma das principais e mais complexas funções do sistema operacional. Sua implementação é estruturada através de

Leia mais

Gerenciamento Básico B de Memória Aula 07

Gerenciamento Básico B de Memória Aula 07 BC1518-Sistemas Operacionais Gerenciamento Básico B de Memória Aula 07 Prof. Marcelo Z. do Nascimento marcelo.nascimento@ufabc.edu.br Roteiro Introdução Espaço de Endereçamento Lógico vs. Físico Estratégias

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores

Arquitetura e Organização de Computadores Arquitetura e Organização de Computadores Suporte do Sistema Operacional Material adaptado, atualizado e traduzido de: STALLINGS, William. Arquitetura e Organização de Computadores. 5ª edição Objetivos

Leia mais

Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs. Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com

Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs. Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com OBJETIVOS Descrever os serviços que um sistema operacional oferece aos usuários e outros sistemas

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Sistemas de Entrada/Saída Princípios de Hardware Sistema de Entrada/Saída Visão Geral Princípios de Hardware Dispositivos de E/S Estrutura Típica do Barramento de um PC Interrupções

Leia mais

Infra-Estrutura de Software. Introdução. (cont.)

Infra-Estrutura de Software. Introdução. (cont.) Infra-Estrutura de Software Introdução (cont.) O que vimos Complexidade do computador moderno, do ponto de vista do hardware Necessidade de abstrações software Sistema computacional em camadas SO como

Leia mais

BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EaD UAB/UFSCar Sistemas de Informação - prof. Dr. Hélio Crestana Guardia

BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EaD UAB/UFSCar Sistemas de Informação - prof. Dr. Hélio Crestana Guardia O Sistema Operacional que você usa é multitasking? Por multitasking, entende-se a capacidade do SO de ter mais de um processos em execução ao mesmo tempo. É claro que, num dado instante, o número de processos

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS. Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN

SISTEMAS OPERACIONAIS. Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN SISTEMAS OPERACIONAIS Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN 1.0 O Sistema Operacional como uma Máquina Virtual A arquitetura (conjunto de instruções, organização de memória, E/S e estrutura

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS

SISTEMAS OPERACIONAIS 1 SISTEMAS OPERACIONAIS Profª Josiane T. Ferri Licenciada em Computação prof.jositf@yahoo.com.br facebook.com/josiferri ESTRUTURA DO SISTEMA OPERACIONAL Embora a definição de níveis de privilégio imponha

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS ABERTOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

SISTEMAS OPERACIONAIS ABERTOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula 2-1. PRINCÍPIOS DE SOFTWARE DE ENTRADA E SAÍDA (E/S) As metas gerais do software de entrada e saída é organizar o software como uma série de camadas, com as mais baixas preocupadas em esconder as

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais UNIVERSIDADE BANDEIRANTE DE SÃO PAULO INSTITUTO POLITÉCNICO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Sistemas Operacionais Notas de Aulas: Tópicos 7 e 8 Estrutura do Sistema Operacional São Paulo 2009 1 Sumário

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Aula 01 - Introdução Edirlei Soares de Lima O que é um sistema operacional? Um computador moderno consiste em: Um ou mais processadores; Memória principal;

Leia mais

Fundamentos de Sistemas Computacionais Introdução

Fundamentos de Sistemas Computacionais Introdução Fundamentos de Sistemas Computacionais Introdução Prof. Eduardo Alchieri Sistema Computacional Hardware Software Usuários Um ou mais processadores, memória, discos, impressoras, teclado, mouse, monitor,

Leia mais

Sistemas Operacionais Gerência de Dispositivos

Sistemas Operacionais Gerência de Dispositivos Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul UEMS Curso de Licenciatura em Computação Sistemas Operacionais Gerência de Dispositivos Prof. José Gonçalves Dias Neto profneto_ti@hotmail.com Introdução A gerência

Leia mais

Sistemas Operacionais I

Sistemas Operacionais I Sistemas Operacionais I Material Baseado no Livro Sistemas Operacionais Modernos 2ª. Ed. da Pearson Education 1 Agenda Deadlocks Gerenciamento de Memória 2 1 DEADLOCKS 3 Recursos Exemplos de recursos de

Leia mais

Visão Geral de Sistemas Operacionais

Visão Geral de Sistemas Operacionais Visão Geral de Sistemas Operacionais Sumário Um sistema operacional é um intermediário entre usuários e o hardware do computador. Desta forma, o usuário pode executar programas de forma conveniente e eficiente.

Leia mais

Estrutura Interna do KernelUNIX Sistema O. Estrutura Interna de Arquivos (1) Estrutura Seqüência. User application. Standard Unix libraries

Estrutura Interna do KernelUNIX Sistema O. Estrutura Interna de Arquivos (1) Estrutura Seqüência. User application. Standard Unix libraries Sistemas de Arquivos (Aula 23) Funções Profa. Gerência Sistema de um processos SO Patrícia D. CostaLPRM/DI/UFES de de de Proteção memória I/O Arquivos Necessidade 2 Sistemas Operacionais 2008/1 Grandes

Leia mais

Introdução aos Sistemas

Introdução aos Sistemas Introdução Introdução aos Sistemas Operacionais 1 2 3... n Ambientes Operacionais Prof. Simão Sirineo Toscani stoscani@inf.pucrs.br www.inf.pucrs.br/~stoscani Compilador Editor de texto Browser Programas

Leia mais

Figura 01 Kernel de um Sistema Operacional

Figura 01 Kernel de um Sistema Operacional 01 INTRODUÇÃO 1.5 ESTRUTURA DOS SISTEMAS OPERACIONAIS O Sistema Operacional é formado por um Conjunto de rotinas (denominado de núcleo do sistema ou kernel) que oferece serviços aos usuários e suas aplicações

Leia mais

Gerência de Memória. Paginação

Gerência de Memória. Paginação Gerência de Memória Paginação Endereçamento Virtual (1) O programa usa endereços virtuais É necessário HW para traduzir cada endereço virtual em endereço físico MMU: Memory Management Unit Normalmente

Leia mais

Introdução. O que vimos. Infraestrutura de Software. (cont.) História dos Sistemas Operacionais. O que vimos 12/03/2012. Primeira geração: 1945-1955

Introdução. O que vimos. Infraestrutura de Software. (cont.) História dos Sistemas Operacionais. O que vimos 12/03/2012. Primeira geração: 1945-1955 O que vimos Infraestrutura de Software Introdução (cont.) Complexidade do computador moderno, do ponto de vista do hardware Necessidade de abstrações software Sistema computacional em camadas SO como uma

Leia mais

AULA 13 - Gerência de Memória

AULA 13 - Gerência de Memória AULA 13 - Gerência de Memória omo sabemos, os computadores utilizam uma hierarquia de memória em sua organização, combinando memórias voláteis e não-voláteis, tais como: memória cache, memória principal

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Prof. Jó Ueyama Apresentação baseada nos slides da Profa. Dra. Kalinka Castelo Branco, do Prof. Dr. Antônio Carlos Sementille, da Profa. Dra. Luciana A. F. Martimiano e nas transparências

Leia mais

Introdução à Ciência da Computação

Introdução à Ciência da Computação Faculdade de Ciências e Tecnologia Departamento de Matemática e Computação Bacharelado em Ciência da Computação Introdução à Ciência da Computação Aula 05 Rogério Eduardo Garcia (rogerio@fct.unesp.br)

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E TECNOLÓGICAS PLANO DE ENSINO

FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E TECNOLÓGICAS PLANO DE ENSINO PLANO DE ENSINO 1. IDENTIFICAÇÃO BSI-4 Faculdade: Faculdade de Ciências Sociais e Tecnológicas Curso: Bacharelado em Sistemas de Informação Disciplina: SISTEMAS OPERACIONAIS Professor: Paulo de Tarso Costa

Leia mais

SOP - TADS Sistemas de Arquivos Cap 4 Tanenmbaum

SOP - TADS Sistemas de Arquivos Cap 4 Tanenmbaum SOP - TADS Sistemas de Arquivos Cap 4 Tanenmbaum Prof. Ricardo José Pfitscher dcc2rjp@joinville.udesc.br Material cedido por: Prof. Rafael Rodrigues Obelheiro Prof. Maurício Aronne Pillon Cronograma Introdução

Leia mais

Estrutura de um Sistema Linux Moderno Padrões de um Sistema Linux. Prof. Claudio Silva

Estrutura de um Sistema Linux Moderno Padrões de um Sistema Linux. Prof. Claudio Silva Estrutura de um Sistema Linux Moderno Padrões de um Sistema Linux Estrutura de um Sistema Linux Por ter sua origem universitária, a forma como o Linux foi concebido é de perfeito agrado para o seu estudo.

Leia mais

Computador Digital Circuitos de um computador (Hardware)

Computador Digital Circuitos de um computador (Hardware) Computador Digital SIS17 - Arquitetura de Computadores (Parte I) Máquina que pode resolver problemas executando uma série de instruções que lhe são fornecidas. Executa Programas conjunto de instruções

Leia mais

Sistemas Operacionais I Parte III Estrutura dos SOs. Prof. Gregorio Perez gregorio@uninove.br 2007. Roteiro. Componentes do Sistema

Sistemas Operacionais I Parte III Estrutura dos SOs. Prof. Gregorio Perez gregorio@uninove.br 2007. Roteiro. Componentes do Sistema Sistemas Operacionais I Parte III Estrutura dos SOs Prof. Gregorio Perez gregorio@uninove.br 2007 Roteiro Serviços Estrutura dos Sistemas Operacionais Funções do Sistema Operacional Chamadas do Sistema

Leia mais

AULA 16 - Sistema de Arquivos

AULA 16 - Sistema de Arquivos AULA 16 - Sistema de Arquivos Arquivos podem ser vistos como recipientes que contêm dados ou como um grupo de registros correlatos. Os arquivos armazenam informações que serão utilizadas, em geral, por

Leia mais

Nível do Sistema Operacional

Nível do Sistema Operacional Nível do Sistema Operacional (Aula 14) Introdução a Sistemas Operacionais Roberta Lima Gomes - LPRM/DI/UFES Sistemas de Programação I Eng. Elétrica 2007/1 Introdução Hardware Provê os recursos básicos

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Conceitos Edson Moreno edson.moreno@pucrs.br http://www.inf.pucrs.br/~emoreno Sumário Introdução Arquitetura de Sistema Operacional Chamadas de sistema. Processos Basicamente, um

Leia mais

Capítulo 4 Gerenciamento de Memória

Capítulo 4 Gerenciamento de Memória Capítulo 4 Gerenciamento de Memória 4.1 Gerenciamento básico de memória 4.2 Troca de processos 4.3 Memória virtual 4.4 Algoritmos de substituição de páginas 4.5 Modelagem de algoritmos de substituição

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS ABERTOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

SISTEMAS OPERACIONAIS ABERTOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Módulo 4 - ENTRADAS E SAIDAS Uma das principais funções dos sistemas operacionais é controlar os dispositivos de entrada e saída (E/S ou I/O). O Sistema Operacional deve ser capaz de enviar comandos

Leia mais

Sistemas Operacionais Carlos Eduardo Portela Serra de Castro

Sistemas Operacionais Carlos Eduardo Portela Serra de Castro Introdução Sistemas Operacionais 1 Sistema Operacional: Um conjunto de programas, executado pelo computador como os outros programas. Função: Controlar o funcionamento do computador, disponibilizando seus

Leia mais

Organização de Computadores 1

Organização de Computadores 1 Organização de Computadores 1 4 SUPORTE AO SISTEMA OPERACIONAL Prof. Luiz Gustavo A. Martins Sistema Operacional (S.O.) Programa responsável por: Gerenciar os recursos do computador. Controlar a execução

Leia mais

discos impressora CPU memória AULA 04 - Estruturas de Sistemas Computacionais Operação dos sistemas de computação Controlador de disco

discos impressora CPU memória AULA 04 - Estruturas de Sistemas Computacionais Operação dos sistemas de computação Controlador de disco AULA 04 - Estruturas Sistemas Computacionais Nosso objetivo é apenas revisar conceitos relacionados a estrutura geral um sistema computacional para pois explicarmos os talhes operação do sistema e como

Leia mais

Componentes de um Sistema de Operação

Componentes de um Sistema de Operação Componentes de um Sistema de Operação Em sistemas modernos é habitual ter-se os seguintes componentes ou módulos: Gestor de processos Gestor da memória principal Gestor da memória secundária Gestor do

Leia mais

2. NÍVEL DE SISTEMA OPERACIONAL

2. NÍVEL DE SISTEMA OPERACIONAL 2. NÍVEL DE SISTEMA OPERACIONAL Nos períodos anteriores foram mostrados os níveis iniciais da organização de um computador, quando vimos em Circuitos Digitais os detalhes do Nível 0 (zero) de Lógica Digital.

Leia mais

Capítulo 4 Gerenciamento de Memória

Capítulo 4 Gerenciamento de Memória Capítulo 4 Gerenciamento de Memória 4.1 Gerenciamento básico de memória 4.2 Troca de processos 4.3 Memória virtual 4.4 Algoritmos de substituição de páginas 4.5 Modelagem de algoritmos de substituição

Leia mais

2. Introdução aos Sistemas Operacionais

2. Introdução aos Sistemas Operacionais 2. Introdução aos Sistemas Operacionais O que é um Sistema Operacional? 1 Compilador 2 Editor de texto 3 Browser Aplicativos... Sistema Operacional (infraestrutura) Hardware n Quake No passado, a eficiência

Leia mais

Infraestrutura de Hardware. Memória Virtual

Infraestrutura de Hardware. Memória Virtual Infraestrutura de Hardware Memória Virtual Perguntas que Devem ser Respondidas ao Final do Curso Como um programa escrito em uma linguagem de alto nível é entendido e executado pelo HW? Qual é a interface

Leia mais

Aspectos de Sistemas Operativos

Aspectos de Sistemas Operativos Paulo Sérgio Almeida Grupo de Sistemas Distribuídos Departamento de Informática Universidade do Minho Serviços de um sistema operativo Interface com o utilizador Chamadas ao sistema Programas de sistema

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS

SISTEMAS OPERACIONAIS SISTEMAS OPERACIONAIS Arquitetura Sistemas Operacionais Andreza Leite andreza.leite@univasf.edu.br Plano de Aula Sistemas monolíticos Sistemas em camadas Sistemas micro-núcleo Modelo Cliente-Servidor Máquinas

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Aula 6 Estrutura de Sistemas Operacionais Prof.: Edilberto M. Silva http://www.edilms.eti.br Baseado no material disponibilizado por: SO - Prof. Edilberto Silva Prof. José Juan Espantoso

Leia mais

E/S PROGRAMADA E/S PROGRAMADA E/S USANDO INTERRUPÇÃO

E/S PROGRAMADA E/S PROGRAMADA E/S USANDO INTERRUPÇÃO E/S PROGRAMADA QUANDO A CPU FAZ TODO O TRABALHO RELACIONADO A UMA OPERAÇÃO DE E/S, NO CASO DO PROCESSO QUERER IMPRIMIR (NA IMPRESSORA) ABCDEFGH : ESTES CARACTERES SÃO COLOCADOS EM UMA ÁREA DE MEMÓRIA DO

Leia mais

História dos SOs. Tópicos

História dos SOs. Tópicos História dos SOs Cap. 1 - Tanenbaum Prof. Alexandre Beletti Ferreira 1ª Geração 2ª Geração 3ª Geração 4ª Geração Tópicos 1 1ª Geração 1ª Geração: 1945 a 1955 Computadores: em meados da década de 40 Máquinas

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS SOBRE PROGRAMAÇÃO Programação Orientada a Objetos (POO)

CONCEITOS BÁSICOS SOBRE PROGRAMAÇÃO Programação Orientada a Objetos (POO) CONCEITOS BÁSICOS SOBRE PROGRAMAÇÃO Programação Orientada a Objetos (POO) Profa. Vania V. Estrela, Profa. Albany E. Herrmann 1. Programação Programação requer o uso de uma linguagem, cuja sintaxe geralmente

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais 7 Sistemas Operacionais 7.1 Fundamentos da ciência da computação Cengage Learning Objetivos 7.2 Compreender o papel do sistema operacional. Compreender o processo de inicialização para carregar o sistema

Leia mais

Sistema de arquivos. Dispositivos com tecnologias variadas. CD-ROM, DAT, HD, Floppy, ZIP SCSI, IDE, ATAPI,... sistemas de arquivos em rede

Sistema de arquivos. Dispositivos com tecnologias variadas. CD-ROM, DAT, HD, Floppy, ZIP SCSI, IDE, ATAPI,... sistemas de arquivos em rede Sistema de arquivos Dispositivos com tecnologias variadas CD-ROM, DAT, HD, Floppy, ZIP SCSI, IDE, ATAPI,... sistemas de arquivos em rede Interfaces de acesso uniforme visão homogênea dos dispositivos transparência

Leia mais

Sistemas Operacionais Cap 2 Estruturas de Sistemas Computacionais

Sistemas Operacionais Cap 2 Estruturas de Sistemas Computacionais Estruturas de Sistemas Computacionais Por que estudar a arquitetura de sistemas computacionais? Talvez porque o comportamento de um sistema operacional está ligado aos mecanismos de E/S de um computador.

Leia mais

Sistemas Operacionais. Roteiro. Introdução. Marcos Laureano

Sistemas Operacionais. Roteiro. Introdução. Marcos Laureano Sistemas Operacionais Marcos Laureano 1/68 Roteiro Arquivos Organização de arquivos Diretórios Métodos de acesso Métodos de alocação em disco Fragmentação Tamanho de bloco Proteção de acesso 2/68 Introdução

Leia mais

implementação Nuno Ferreira Neves Faculdade de Ciências de Universidade de Lisboa Fernando Ramos, Nuno Neves, Sistemas Operativos, 2014 2015

implementação Nuno Ferreira Neves Faculdade de Ciências de Universidade de Lisboa Fernando Ramos, Nuno Neves, Sistemas Operativos, 2014 2015 Sistemas de ficheiros: implementação Nuno Ferreira Neves Faculdade de Ciências de Universidade de Lisboa Objetivos da aula Descrever algunsdetalhes daimplementação deumsistema de ficheiros Discutir algoritmos

Leia mais

Organização de Computadores 1. Prof. Luiz Gustavo A. Martins

Organização de Computadores 1. Prof. Luiz Gustavo A. Martins Organização de Computadores 1 1 - INTRODUÇÃO Prof. Luiz Gustavo A. Martins Arquitetura Define os elementos que impactuam diretamente na execução lógica do programa. Corresponde aos atributos visíveis veis

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS 2007

SISTEMAS OPERACIONAIS 2007 SISTEMAS OPERACIONAIS 2007 VISÃO GERAL Sumário Conceito Máquina de Níveis Conceituação de SO Componentes do SO Visões do SO Conceito de Sistemas O que se espera de um sistema de computação? Execução de

Leia mais

Memória - Gerenciamento. Sistemas Operacionais - Professor Machado

Memória - Gerenciamento. Sistemas Operacionais - Professor Machado Memória - Gerenciamento Sistemas Operacionais - Professor Machado 1 Partes físicas associadas à memória Memória RAM Memória ROM Cache MMU (Memory Management Unit) Processador Tabela de Páginas TLB 2 Conceitos

Leia mais

IFPE. Disciplina: Sistemas Operacionais. Prof. Anderson Luiz Moreira

IFPE. Disciplina: Sistemas Operacionais. Prof. Anderson Luiz Moreira IFPE Disciplina: Sistemas Operacionais Prof. Anderson Luiz Moreira SERVIÇOS OFERECIDOS PELOS SOS 1 Introdução O SO é formado por um conjunto de rotinas (procedimentos) que oferecem serviços aos usuários

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS CAPÍTULO 3 CONCORRÊNCIA

SISTEMAS OPERACIONAIS CAPÍTULO 3 CONCORRÊNCIA SISTEMAS OPERACIONAIS CAPÍTULO 3 CONCORRÊNCIA 1. INTRODUÇÃO O conceito de concorrência é o princípio básico para o projeto e a implementação dos sistemas operacionais multiprogramáveis. O sistemas multiprogramáveis

Leia mais

Unidade 11: A Unidade de Controle Prof. Daniel Caetano

Unidade 11: A Unidade de Controle Prof. Daniel Caetano Arquitetura e Organização de Computadores 1 Unidade 11: A Unidade de Controle Prof. Daniel Caetano Objetivo: Apresentar as funções o mecanismo de atuação da Unidade de Controle. Bibliografia: - STALLINGS,

Leia mais

SO - Conceitos Básicos. Introdução ao Computador 2010/01 Renan Manola

SO - Conceitos Básicos. Introdução ao Computador 2010/01 Renan Manola SO - Conceitos Básicos Introdução ao Computador 2010/01 Renan Manola Definição de SO É uma camada de software que opera entre o hardware e os programas aplicativos voltados ao usuário final. É uma estrutura

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS

SISTEMAS OPERACIONAIS SISTEMAS OPERACIONAIS Tópico 4 Estrutura do Sistema Operacional Prof. Rafael Gross prof.rafaelgross@fatec.sp.gov.br FUNÇÕES DO NUCLEO As principais funções do núcleo encontradas na maioria dos sistemas

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Sistemas Operacionais IV

Arquitetura de Computadores. Sistemas Operacionais IV Arquitetura de Computadores Sistemas Operacionais IV Introdução Multiprogramação implica em manter-se vários processos na memória. Memória necessita ser alocada de forma eficiente para permitir o máximo

Leia mais

Sistemas de Informação. Sistemas Operacionais 4º Período

Sistemas de Informação. Sistemas Operacionais 4º Período Sistemas de Informação Sistemas Operacionais 4º Período SISTEMA DE ARQUIVOS SUMÁRIO 7. SISTEMA DE ARQUIVOS: 7.1 Introdução; 7.2 s; 7.3 Diretórios; 7.4 Gerência de Espaço Livre em Disco; 7.5 Gerência de

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. Pedro Luís Antonelli Anhanguera Educacional

Sistemas Operacionais. Prof. Pedro Luís Antonelli Anhanguera Educacional Sistemas Operacionais Prof. Pedro Luís Antonelli Anhanguera Educacional INTRODUÇÃO Sistema Operacional (S.O.) Aplicativos Formado por um conjunto de rotinas que oferecem serviços aos usuários, às aplicações

Leia mais

Escalonamento de CPU 2 Quadrimestre

Escalonamento de CPU 2 Quadrimestre BC1518-Sistemas Operacionais Escalonamento de CPU 2 Quadrimestre de 2010 (aula 05) Prof. Marcelo Z. do Nascimento marcelo.nascimento@ufabc.edu.br Roteiro Conceito Despachante Critérios de escalonamento

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS DE UM SISTEMA OPERATIVO

CONCEITOS BÁSICOS DE UM SISTEMA OPERATIVO 4 CONCEITOS BÁSICOS DE UM SISTEMA OPERATIVO CONCEITOS BÁSICOS MS-DOS MICROSOFT DISK OPERATION SYSTEM INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO DE UM SISTEMA OPERATIVO LIGAÇÕES À INTERNET O que é um sistema operativo?

Leia mais

BC 1518 - Sistemas Operacionais Sistema de Arquivos (aula 10 Parte 2) Prof. Marcelo Z. do Nascimento

BC 1518 - Sistemas Operacionais Sistema de Arquivos (aula 10 Parte 2) Prof. Marcelo Z. do Nascimento BC 1518 - Sistemas Operacionais Sistema de Arquivos (aula 10 Parte 2) Prof. Marcelo Z. do Nascimento 1 Gerência de espaço em disco Cópia de segurança do sistema de arquivo Roteiro Confiabilidade Desempenho

Leia mais

Sistemas Operativos I

Sistemas Operativos I Arquitectura de um Computador Maria João Viamonte / Luis Lino Ferreira Fevereiro de 2006 Sumário Arquitectura de um Computador Estrutura de I/O Estrutura de Armazenamento Hierarquia de Armazenamento Protecção

Leia mais

Tecnologia - Conjunto de instrumentos, métodos e processos específicos de qualquer arte, ofício ou técnica.

Tecnologia - Conjunto de instrumentos, métodos e processos específicos de qualquer arte, ofício ou técnica. TIC Conceitos Básicos Técnica - Conjunto de processos que constituem uma arte ou um ofício. Aplicação prática do conhecimento científico. Tecnologia - Conjunto de instrumentos, métodos e processos específicos

Leia mais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Software de Entrada e Saída: Visão Geral Uma das tarefas do Sistema Operacional é simplificar o acesso aos dispositivos de hardware pelos processos

Leia mais

Um retrospecto da aula passada... Um retrospecto da aula passada... Principais Aspectos de Sistemas Operacionais. Gerência de E/S

Um retrospecto da aula passada... Um retrospecto da aula passada... Principais Aspectos de Sistemas Operacionais. Gerência de E/S Um retrospecto da aula passada... Principais Aspectos de Sistemas Operacionais Laboratório de Sistemas Operacionais Aula 2 Flávia Maristela (flavia@flaviamaristela.com) Romildo Martins (romildo@romildo.net)

Leia mais

Apresentação. Ementa da Disciplina. Objetivo da Disciplina. DCA-108 Sistemas Operacionais

Apresentação. Ementa da Disciplina. Objetivo da Disciplina. DCA-108 Sistemas Operacionais DCA-108 Sistemas Operacionais Luiz Affonso Guedes www.dca.ufrn.br/~affonso affonso@dca.ufrn.br Apresentação Disciplina básica do curso de Engenharia de Computação Carga-horária: 60h teóricas Associadas

Leia mais

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição Capítulo 7 Entrada/saída Os textos nestas caixas foram adicionados pelo Prof. Joubert slide 1 Problemas de entrada/saída Grande variedade

Leia mais

Sistema Operacional. Processo e Threads. Prof. Dr. Márcio Andrey Teixeira Sistemas Operacionais

Sistema Operacional. Processo e Threads. Prof. Dr. Márcio Andrey Teixeira Sistemas Operacionais Sistema Operacional Processo e Threads Introdução a Processos Todos os computadores modernos são capazes de fazer várias coisas ao mesmo tempo. Enquanto executa um programa do usuário, um computador pode

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais SISTEMAS DE ARQUIVOS MACHADO/MAIA: CAPÍTULO 11 Prof. Pedro Luís Antonelli Anhanguera Educacional SISTEMAS DE ARQUIVOS - INTRODUÇÃO O armazenamento e a recuperação de informações é

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Profa. Regina Borges de Araujo Livro Texto Sistemas Operacionais Modernos. Tanenbaum, A., Pearson Prentice Hall, 2003 Outras Referências Operating Systems Deitel, H., Deitel, P. &

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Introdução aos Sistemas Operacionais

Arquitetura de Computadores. Introdução aos Sistemas Operacionais Arquitetura de Computadores Introdução aos Sistemas Operacionais O que é um Sistema Operacional? Programa que atua como um intermediário entre um usuário do computador ou um programa e o hardware. Os 4

Leia mais

Introdução a Sistemas Operacionais Aula 04. Prof. Msc. Ubirajara Junior biraifba@gmail.com

Introdução a Sistemas Operacionais Aula 04. Prof. Msc. Ubirajara Junior biraifba@gmail.com Introdução a Sistemas Operacionais Aula 04 Prof. Msc. Ubirajara Junior biraifba@gmail.com Um computador sem software nada mais é que um conjunto inútil de metal (Tanembaum); É o software que viabiliza

Leia mais