CERTIFICAÇÃO DE EMPRESAS DE PROJETO: UM ESTUDO DE CASO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CERTIFICAÇÃO DE EMPRESAS DE PROJETO: UM ESTUDO DE CASO"

Transcrição

1 CERTIFICAÇÃO DE EMPRESAS DE PROJETO: UM ESTUDO DE CASO Paulo Roberto Pereira ANDERY Professor do Depto. de Engenharia de Materiais e Construção Civil, EE UFMG, R. Espírito Santo, 35, CEP , Belo Horizonte (MG) Brasil - Correio eletrônico: Maria da Penha Campos VIEIRA LANA Professora do Depto. de Engenharia de Materiais e Construção Civil, EE UFMG Gisele BORGES Arquiteta, Sócia Diretora da Mil Arquitetura e Consultoria S/C Ltda. R. Grão Pará, 737, CEP , Belo Horizonte (MG), Brasil. Correio eletrônico: RESUMO O presente trabalho apresenta um estudo de caso relativo à implantação da norma ISSO 9001 em uma empresa com atividades voltadas ao planejamento, execução e compatibilização de projetos arquitetônicos e complementares. São apresentadas características da implantação do sistema de qualidade, dificuldades encontradas e os principais benefícios alcançados. Ressalta-se a idéia de que o sucesso da implantação de um sistema de garantia da qualidade está fortemente condicionado pela efetiva consecução de uma cultura de qualidade na empresa, um forte envolvimento dos profissionais e a adoção de procedimentos que sejam flexíveis, de forma a não burocratizar a atividade de projeto. 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS Um contexto de mercado que acentua a competitividade, com uma crescente pressão pela redução de custos e prazos na produção de edificações, somada a uma maior exigência de qualidade, fez com que a cadeia de produção do subsetor de edificações concentrasse sua atenção talvez tardiamente -, na implantação de sistemas de garantia da qualidade. Em um primeiro momento, em função de uma articulação multi-institucional no âmbito do PBQP-H, o maior engajamento na adoção desses sistemas de garantia da qualidade deu-se no âmbito das empresas construtoras, em parte como uma das novas formas de racionalização da produção, como destaca CARDOSO, Embora deficiências estejam sendo verificadas na implementação desses sistemas, resultados positivos vêm sendo alcançados (ANDERY e VIEIRA LANA, 2002; CARDOSO et al., 1998), como por exemplo a redução de desperdícios e retrabalho. Aos poucos essa preocupação estende-se ao longo da cadeia de produção, e torna-se particularmente importante no caso das empresas de projeto. Um sintoma disso é a consolidação do Plano Setorial da Qualidade para empresas de projeto, que, entre outros aspectos, compreende o SiQ Projetos, recentemente divulgado (PBQP-H, 2002). No que diz respeito a essas empresas, resultados da adoção de sistemas de garantia da qualidade, em especial os baseados na norma ISO 9000, são ainda incipientes. Nesse sentido, parece oportuno discutir, ainda que brevemente, alguns aspectos da implantação desses sistemas nesse segmento. O presente trabalho pretende contribuir para isso, apresentando um estudo de caso relativo à implantação da ISO 9001 em uma empresa de projetos (arquitetônicos e

2 complementares), empresa essa que parece ser até onde chega o conhecimento dos autores a única certificada no estado de Minas Gerais. Inicialmente são apresentados dados da empresa e da implantação do sistema, ao que se seguem algumas considerações conceituais. 2. ESTUDO DE CASO: CERTIFICAÇÃO PELA ISO 9001 EM EMPRESA DE PROJETOS 2.1 A empresa estudada O estudo de caso foi conduzido na empresa Mil Arquitetura e Consultoria S/C Ltda, sediada em Belo Horizonte, MG, por meio de entrevistas semi-estruturadas e acompanhamento da rotina de trabalho da mesma, e foi complementado por observações realizadas anteriormente, quando da condução, em conjunto com a empresa estudada, de um projeto de pesquisa visando o desenvolvimento de metodologias para a coordenação e compatibilização de projetos (ANDERY et al., 2000). A empresa foi constituída em 1994, e conta com três sócios majoritários (arquitetos) e outros profissionais associados. Fazem parte de seu quadro oito arquitetos, dois engenheiros eletricistas, três engenheiros civis, além de estagiários e pessoal de suporte, totalizando cerca de trinta funcionários. Realiza os serviços de gestão dos projetos, que constitui-se do planejamento e coordenação dos projetos, elaboração e compatibilização de projetos arquitetônicos e complementares de edificações, sobretudo comerciais, e de instalações industriais, bem como a fiscalização dos empreendimentos. Parte de suas atividades concentra-se no gerenciamento de projetos realizados por outras empresas, incluindo o planejamento das atividades de projeto, documentação, coordenação e registro do projeto as built. A título de exemplo, verificou-se que no ano de 2001 as atividades da empresa dividiram-se entre projetos para empresas de telecomunicações, contratos de planejamento e gestão de projetos, fiscalização de empreendimentos e realização de projetos de edifícios comerciais, sendo cada uma dessas atividades responsável por cerca de um quarto do faturamento da empresa. Na avaliação dos autores, a empresa diferencia-se da maioria dos escritórios de arquitetura existentes no estado, na medida em que seus diretores assumiram uma postura mais empresarial, caracterizada, entre outros fatores, por: a condução de atividades mais amplas que a própria execução de projetos, com ênfase nas atividades de gestão e planejamento de empreendimentos e a atuação em nichos de mercado distintos de edificações residenciais ou comerciais convencionais; uma forte preocupação com o estabelecimento de parcerias com outras empresas de projeto, configurando alianças estratégicas, e não orientadas exclusivamente para projetos específicos; uma preocupação com a formação de recursos humanos, através de avaliação de desempenho e de procedimentos formais de capacitação; o uso intensivo de tecnologias de informação; uma presença atuante em associações que reúnem arquitetos e projetistas. A maior parte dos profissionais da empresa atuam há poucos anos no mercado, e os mais experientes têm uma experiência em torno de quinze anos. 2.2 O processo de certificação pela ISO 9001 De maneira distinta de outras empresas do setor da construção civil, sobretudo construtoras, que se engajaram na implantação de sistemas de garantia da qualidade em função de exigências de empresas públicas contratantes de seus serviços ou de organismos de financiamento, a empresa decidiu-se pela implantação de um sistema de garantia da qualidade, com base na norma ISO 9001:1994, em função de uma decisão estratégica. Já havia uma preocupação com a gestão da qualidade no desenvolvimento de projetos, e os diretores da empresa viram, na implantação da ISO 9001, uma oportunidade para formalizar um sistema de gestão, fazendo uma análise crítica das práticas anteriormente existentes e introduzindo melhorias. Uma vez que a empresa já havia estabelecido, ainda que informalmente, uma política de qualidade, e já tinha um sistema de desenvolvimento de projetos, com várias atividades

3 padronizadas, o processo de implantação dos requisitos na norma ISO 9001 foi relativamente rápido. Com efeito, passaram-se cinco meses entre o início dos trabalhos e a certificação. A implantação envolveu todos os profissionais da empresa, com uma dedicação mais intensa de um dos diretores (que ficou sendo o responsável da administração ) e um arquiteto associado, responsável pelos registros da qualidade e documentação do sistema. Contaram também com o auxílio de um consultor externo. Durante a implantação, algumas dificuldades observadas foram relatadas. Os profissionais tiveram uma certa dificuldade na interpretação de alguns requisitos normativos. Segundo eles, a leitura da norma priorizaria o entendimento do projeto na sua dimensão de produto, enquanto a implantação deveria estar mais voltada à própria gestão do desenvolvimento do projeto, na sua dimensão de processo (NOVAES, 2001). A própria mentalidade dos consultores, voltada à certificação de empresas que fornecem produtos, impediria uma visão da norma mais orientada a entender o projeto como um serviço, ou conjunto de processos interligados. Houve uma dificuldade inicial na determinação da política de qualidade e objetivos do sistema de qualidade. Segundo os profissionais, as idéias preliminares apontam para o estabelecimento de uma política e metas pouco concretas e mensuráveis. Nesse sentido, houve várias versões da política de qualidade da empresa, até encontrar-se uma definição que fosse realística e, sobretudo, resultasse na explicitação de uma real cultura de qualidade existente na empresa. Existia uma tendência de burocratizar o sistema de gestão da qualidade, em parte em função da documentação do sistema exigida pela norma. A empresa, durante a implantação da norma, e na análise crítica efetuada posteriormente, quando do processo de manutenção da certificação, percebeu que alguns procedimentos vinham sendo elaborados unicamente para satisfazer a norma, sem que agregassem valor ao sistema de gestão. A partir de então mudou-se essa estrutura, reduzindo o número de procedimentos e assumindo que algumas atividades não seriam controladas. Na mesma linha de raciocínio, houve uma tendência inicial de detalhar demasiadamente os distintos procedimentos, tornando-os pouco flexíveis, e, como conseqüência, pouco praticáveis. Em um segundo momento, durante a implantação e nos meses subsequentes à certificação, muitos dos procedimentos foram modificados, transformando-se mais em roteiros do que padrões, o que a empresa considerou essencial sobretudo nas etapas de desenvolvimento de projetos, que podem ter grande duração e envolver um número significativo de profissionais. Por outro lado, condição essencial para o sucesso na implantação, permitindo que o sistema de garantia da qualidade servisse como um mecanismo de re-estruturação do processo de projeto, foi o envolvimento de todos os profissionais da empresa. Nas certificações posteriores, observouse uma visão crítica por parte dos arquitetos e engenheiros, preocupados em tornar o sistema mais ágil e voltados ao seu aprimoramento. A título de exemplo, alguns procedimentos de projeto encontram-se na sua oitava versão. Papel importante têm tido as auditorias internas, que são realizadas com mais frequência que as estabelecidas pelo sistema. O número de auditores é significativo (seis) em relação ao número de profissionais atuando diretamente nas atividades de projeto (cerca de vinte). Várias auditorias são realizadas por assuntos, e tem a finalidade de revisar a aplicação da norma, focando pontos de melhoria e análise de não conformidades, a partir das quais são tomadas ações corretivas. 2.3 A estruturação do processo de projeto A implantação do sistema de garantia da qualidade foi ocasião para a empresa reestruturar seu macro-fluxo do processo de projeto, o que implicou em uma definição das suas etapas: estudo preliminar, anteprojeto, projeto legal, projeto executivo, detalhamento envolvendo conceitos de projeto para a produção, e projeto as built. Entre cada etapa do projeto foram estabelecidos gates que permitem uma aprovação interna e uma validação por parte do cliente. Por ocasião do estudo preliminar e no anteprojeto são contactados os projetistas externos à empresa, que normalmente

4 são parceiros da mesma em outros empreendimentos, e, em reuniões formais são articuladas as soluções construtivas e iniciados os projetos complementares. Cada empreendimento conta com um coordenador de projetos, que indica a equipe que trabalhará nos mesmos, define a alocação de recursos e cronogramas de reuniões com outros profissionais e com o cliente. Responsabiliza-se também pela coordenação das atividades e interações com outros profissionais. Esse coordenador efetua análises críticas durante o processo projetual, a verificação final dos projetos, que compreende também atividades de compatibilização, e define os indicadores de desempenho do projeto, sua forma medição e análise, bem como realiza uma avaliação do desempenho dos profissionais envolvidos. Na implantação do sistema foram elaborados padrões para elaboração de propostas aos clientes, solicitação de propostas de fornecedores, coleta de dados para os estudos preliminares e acompanhamento do processo de projeto. Todos os documentos são armazenados e controlados eletronicamente, e, através de intranet, são disponibilizados a todos os profissionais da empresa. O processo de projeto segue um roteiro, que não pode ser considerado propriamente um padrão, dentro do fluxo de etapas indicadas acima, O acompanhamento do processo de projeto é feito pela emissão de relatórios, aos quais tem acesso toda a equipe envolvida. Esses relatórios, elaborados eletronicamente a partir de um padrão, são bastante flexíveis, e podem conter inclusive observações informais, como por exemplo não acionar tal profissional antes de falarem comigo... ou aguardar meu retorno para.... Os relatórios podem ser classificados e analisados por assunto, como, por exemplo, cronograma, cronograma financeiro, controle de alterações de projeto, tarefas pendentes, etc. Todos as pranchas e documentos ficam a disposição por dois meses, e em seguida são armazenados em CD-ROM. A implantação do sistema foi ocasião para elaborar-se também um padrão de nomenclatura para arquivos e sua apresentação, padrão esse também empregado pelos parceiros externos a empresa. Atualmente estão migrando para os padrões definidos pela ASBEA. Além das reuniões de coordenação, o sistema prevê uma compatibilização eletrônica dos projetos, e as modificações necessárias são orientadas pelo coordenador do empreendimento. 2.4 Comentários Como resultado da implantação da ISO 9001, revista por ocasião da primeira auditoria de manutenção, uma análise crítica feita pela empresa considera como principais benefícios os seguintes: (a) o sistema possibilitou formalizar as coletas de dados e o tratamento das informações, particularmente no que diz respeito ao entendimento das expectativas dos clientes e ao compartilhamento das informações entre os agentes envolvidos no processo de projeto; (b) como conseqüência, apontam como aspecto de destaque uma melhoria no fluxo das informações, o que permite uma resposta mais rápida frente a alterações no projeto, facilitando as interações entre os projetistas internos e externos à empresa; (c) os processos de auditorias internas e a preparação para as auditorias externas têm sido ocasião para efetuar-se uma análise crítica do sistema, o que tem implicado na implantação de uma cultura de melhoria contínua. Destaca-se o fato de que a adoção da ISO 9001 permitiu uma efetiva consecução de uma cultura de compromisso com a qualidade na empresa estudada. Como aspecto a ser aprimorado ressalta-se a necessidade de criação de mecanismos para avaliação da satisfação dos clientes em relação ao produto final projeto. Dificuldades surgem pelo fato de que, na cultura vigente no mercado, os próprios clientes não têm o hábito de avaliarem criticamente os projetos recebidos, e em muitas ocasiões não vêem a importância da retroalimentação à empresa de projeto. Nos últimos anos diversos trabalhos tem enfocado o impacto de sistemas de garantia da qualidade baseados na norma ISO 9000 nos processos produtivos das empresas, e as opiniões à respeito da eficácia do sistema são contraditórias (veja-se, por exemplo, ROMANO, 2000; MAROSSZEKY et al., 2002). Um balanço que aponta para resultados fortemente positivos no que diz respeito à implantação do sistema de qualidade na empresa estudada parece ser

5 conseqüência de alguns fatores que, sendo observados nesse estudo de caso, são relatados na literatura recente. Como principal elemento, destaca-se a criação de um ambiente sinérgico entre os engenheiros e arquitetos da empresa, com a consolidação de uma efetiva cultura de compromisso com a qualidade. Ao contrário de um grupo não desprezível de empresas construtoras, que adotam sistemas de qualidade como condição para obtenção de financiamentos ou participação em concorrências (ANDERY e VIEIRA LANA, 2002), um ambiente de trabalho que prioriza a busca de melhorias contínuas parece ser o fator de maior importância para a obtenção dos resultados alcançados. Nesse sentido, a empresa conseguiu desenvolver um ambiente de trabalho em grande parte baseado na clan culture, como relatado nos trabalhos de CAMERON e QUINN (1999), apud MAROSSZEKY et al, 2000: as pessoas sentem-se fortemente comprometidas com seu trabalho, há um ambiente crítico e pró-ativo com relação as metas de qualidade, e existem mecanismos formais para facilitar o trabalho em equipe. Por outro lado, alguns dos resultados alcançados parecem ser inerentes à própria implantação da ISO 9001, particularmente no que diz respeito a otimização do fluxo de informações, resultado esse relatado por empresas que implantaram o SiQ-Construtoras. No caso em estudo, essa otimização do fluxo de informações parece estar relacionada, por um lado, à clara definição de responsabilidades nas atividades de projeto e, por outro lado, a um uso intensivo de tecnologias de informação. A reestruturação do processo de projeto por parte da empresa, ainda que não referenciada no SiQ-Projeto recentemente divulgado, possui as características básicas desse sistema, em particular no que diz respeito ao item 7 Execução do Projeto. A padronização das atividades de entrada de dados, apresentação dos projetos e validação de suas etapas permite a antecipação de contra-medidas a problemas potenciais, facilitando as tarefas de coordenação e compatibilização de projetos. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ANDERY, P., VANNI. e BORGES. G. Failure Analysis Applied to Design Optimisation. In: International Meeting on Lean Construction, IGLC Proceedings: IGLC, Brighton, Inglaterra, ANDERY, P. e VIEIRA LANA, M. P. A qualidade das edificações: dificuldades e estratégias para sustentação dos programas de garantia da qualidade. In: 44 o Congresso Brasileiro do Concreto (IBRACON 2002). Anais: Instituto Brasileiro do Concreto, Belo Horizonte, agosto de CARDOSO, F. F. Estratégias empresariais e novas formas de racionalização da produção no setor de edificações no Brasil e na França Parte I. In: Estudos Econômicos da Construção. SINDUSCON-SP, São Paulo, 1996, n. 2. pp CARDOSO, F.F et al. Uma primeira avaliação do programa QUALIHAB e de seu impacto nas empresas de construção de edifícios. In: Congresso Latino-Americano de Tecnologia e Gestão na Produção de Edifícios. Anais: EPUSP, São Paulo, NOVAES, C. C. Ações para controle e garantia da qualidade de projetos na construção de edifícios. In: Workshop Nacional de Gestão do Processo de Projeto na Produção de Edifícios. Anais: USP-São Carlos, São Carlos, MAROSSZEKY, R. et al. The importance of Project culture in achieving quality outcomes in construction. In: International Meeting on Lean Construction, IGLC Proceedings: IGLC, Gramado, Brasil, PROGRAMA BRASILEIRO DE QUALIDADE E PRODUTIVIDADE NO HABITAT. SiQ-Projetos. Disponível na Internet no site

6 ROMANO, P. ISSO 9000: What is its impact on Performance? In: IEEE Engineering Management Review, no. 4, 2000, pp

VISÃO PROSPECTIVA SOBRE A GESTÃO OPERACIONAL EM CONSTRUTURAS CERTIFICADAS NO PBQP-H

VISÃO PROSPECTIVA SOBRE A GESTÃO OPERACIONAL EM CONSTRUTURAS CERTIFICADAS NO PBQP-H I CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL X ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO 18-21 julho 24, São Paulo. ISBN 85-89478-8-4. VISÃO PROSPECTIVA SOBRE A GESTÃO OPERACIONAL

Leia mais

QUALIFICAÇÃO DAS EMPRESAS DE PROJETO DE ARQUITETURA

QUALIFICAÇÃO DAS EMPRESAS DE PROJETO DE ARQUITETURA QUALIFICAÇÃO DAS EMPRESAS DE PROJETO DE ARQUITETURA Silvio Burrattino MELHADO Engenheiro Civil, Professor da Escola Politécnica da USP. Av. Prof. Almeida Prado, travessa 2, n 271, CEP 05508-900 São Paulo

Leia mais

A Gestão da Qualidade e sua Importância em Projetos

A Gestão da Qualidade e sua Importância em Projetos IETEC Instituto de Educação Tecnológica A Gestão da Qualidade e sua Importância em Projetos Christiane Carraro Poubel Belo Horizonte, fevereiro de 2007. A Gestão da Qualidade e sua Importância em Projetos

Leia mais

Pesquisa realizada com os participantes do 12º Seminário Nacional de Gestão de Projetos. Apresentação

Pesquisa realizada com os participantes do 12º Seminário Nacional de Gestão de Projetos. Apresentação Pesquisa realizada com os participantes do de Apresentação O perfil do profissional de Projetos Pesquisa realizada durante o 12 Seminário Nacional de, ocorrido em 2009, traça um importante perfil do profissional

Leia mais

M A N U A L D A Q U A L I D A D E

M A N U A L D A Q U A L I D A D E M A N U A L D A Q U A L I D A D E 14ª Versão Última atualização: MANUAL DA QUALIDADE - Rev. Data Elaborado por Descrição da alteração 01 10/06/2012 Hélio Lipiani Versão Inicial 02 20/07/2010 Hélio Lipiani

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DA CONSTRUTORA COPEMA

MANUAL DA QUALIDADE DA CONSTRUTORA COPEMA 1/10 INFORMAÇÕES SOBRE A EMPRESA... 2 ABRANGÊNCIA DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE... 3 1. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE:... 4 - MANUAL DA QUALIDADE... 4 Escopo do SGQ e definição dos clientes... 4 Política

Leia mais

Pesquisa realizada com os participantes do 16º Seminário Nacional de Gestão de Projetos APRESENTAÇÃO

Pesquisa realizada com os participantes do 16º Seminário Nacional de Gestão de Projetos APRESENTAÇÃO Pesquisa realizada com os participantes do de APRESENTAÇÃO O perfil do profissional de projetos Pesquisa realizada durante o 16 Seminário Nacional de, ocorrido em Belo Horizonte em Junho de, apresenta

Leia mais

QUEM SOMOS PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS

QUEM SOMOS PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS PERFIL QUEM SOMOS Fundada em 07 de março de 1995 a PIERRE Engenharia e Construções Ltda., é uma empresa brasileira, sediada em Jundiaí-SP, que vem executando a prestação de serviços nos diferentes ramos

Leia mais

COORDENAÇÃO DE PROJETOS - ESTUDO COMPARATIVO ENTRE PROCEDIMENTOS DE GERÊNCIA DE DOCUMENTOS: SISTEMA CONVENCIONAL X SISTEMA EXTRANET

COORDENAÇÃO DE PROJETOS - ESTUDO COMPARATIVO ENTRE PROCEDIMENTOS DE GERÊNCIA DE DOCUMENTOS: SISTEMA CONVENCIONAL X SISTEMA EXTRANET COORDENAÇÃO DE PROJETOS - ESTUDO COMPARATIVO ENTRE PROCEDIMENTOS DE GERÊNCIA DE DOCUMENTOS: SISTEMA CONVENCIONAL X SISTEMA EXTRANET Rosana PICORAL M.Sc. PROPAR/UFRGS, Arq., Prof. da FAU/PUCRS e FENG/PUCRS.

Leia mais

A VALIDAÇÃO DE PROJETO EM EMPRESAS CONSTRUTORAS E INCORPORADORAS

A VALIDAÇÃO DE PROJETO EM EMPRESAS CONSTRUTORAS E INCORPORADORAS A VALIDAÇÃO DE PROJETO EM EMPRESAS CONSTRUTORAS E INCORPORADORAS Adriano Felice CAZET Engenheiro Civil, consultor de empresas Rua Tamandaí, 320/ap. 302 Santa Maria RS E-mail: technica@claro.com.br Sidnei

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

Gerenciamento de Processos de Negócio

Gerenciamento de Processos de Negócio Gestão por Processos By Alan Lopes +55 22-99202-0433 alopes.campos@mail.com http://prof-alan-lopes.weebly.com Gerenciamento de Processos de Negócio - Conceitos e fundamentos - Modelagem de processo - Análise

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA EM GERENCIAMENTO DE INTEGRAÇÃO DE PROJETOS TÉCNICOS NUMA EMPRESA DE CONSTRUÇÃO CIVIL

RELATO DE EXPERIÊNCIA EM GERENCIAMENTO DE INTEGRAÇÃO DE PROJETOS TÉCNICOS NUMA EMPRESA DE CONSTRUÇÃO CIVIL RELATO DE EXPERIÊNCIA EM GERENCIAMENTO DE INTEGRAÇÃO DE PROJETOS TÉCNICOS NUMA EMPRESA DE CONSTRUÇÃO CIVIL Áurea Araujo Bruel, Msc candidate Engenheira Civil, Mestranda do PPGCC/UFPR e-mail aabruel@yahoo.com.br

Leia mais

Integração de Projetos na Fase de Engenharia

Integração de Projetos na Fase de Engenharia 1 Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação MBA Gestão de Projetos Turma 19 20 de Dezembro 2014 Integração de Projetos na Fase de Engenharia Josie de Fátima Alves Almeida Engenheira Civil josiealmeida@bol.com.br

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA MODELAGEM DO PROCESSO DE PROJETO PARA O DESENVOLVIMENTO INTEGRADO DE EDIFICAÇÕES

A IMPORTÂNCIA DA MODELAGEM DO PROCESSO DE PROJETO PARA O DESENVOLVIMENTO INTEGRADO DE EDIFICAÇÕES A IMPORTÂNCIA DA MODELAGEM DO PROCESSO DE PROJETO PARA O DESENVOLVIMENTO INTEGRADO DE EDIFICAÇÕES Fabiane Vieira ROMANO M. Eng. Produção, Eng. Civil, Doutoranda pelo Programa de Pós-Graduação em Engenharia

Leia mais

A revisão 1 foi feita para contemplar as mudanças necessárias, em função da publicação das novas regras para utilização de identidade visual.

A revisão 1 foi feita para contemplar as mudanças necessárias, em função da publicação das novas regras para utilização de identidade visual. CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE PBQP-H / SiAC NORMA Nº: NIT-DICOR-007 APROVADA EM JUL/07 /07 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação

Leia mais

PMI-SP PMI-SC PMI-RS PMI PMI-PR PMI-PE

PMI-SP PMI-SC PMI-RS PMI PMI-PR PMI-PE ESTUDO DE BENCHMARKING EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS 2009 Brasil Uma realização dos Chapters Brasileiros do PMI - Project Management Institute PMI-SP PMI-RJ PMI-AM PMI-SC PMI-BA ANEXO 1 PMI-RS PMI PMI-CE

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

Casos de Sucesso. Cliente. Deloitte Touche Tohmatsu Consultores LTDA

Casos de Sucesso. Cliente. Deloitte Touche Tohmatsu Consultores LTDA Casos de Sucesso Cliente Deloitte Touche Tohmatsu Consultores LTDA Deloitte Touche Tohmatsu Consultores LTDA Perfil da empresa A Deloitte é uma das maiores empresas do mundo na prestação de serviços profissionais

Leia mais

CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE PBQP-H / SiAC

CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE PBQP-H / SiAC CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE PBQP-H / SiAC NORMA Nº: NIT-DICOR-007 APROVADA EM FEV/2010 01/07 SUMÁRIO 1 1 Objetivo 2 Campo de

Leia mais

BIM na prática: Como uma empresa construtora pode fazer uso da tecnologia BIM

BIM na prática: Como uma empresa construtora pode fazer uso da tecnologia BIM BIM na prática: Como uma empresa construtora pode fazer uso da tecnologia BIM Joyce Delatorre Método Engenharia O uso da Tecnologia BIM promete trazer ganhos em todas as etapas no ciclo de vida de um empreendimento.

Leia mais

MÉTODO ÁREAS DE ATUAÇÃO DIFERENCIAIS / TECNOLOGIA TECNOLOGIA BIM

MÉTODO ÁREAS DE ATUAÇÃO DIFERENCIAIS / TECNOLOGIA TECNOLOGIA BIM MÉTODO ÁREAS DE ATUAÇÃO DIFERENCIAIS / TECNOLOGIA TECNOLOGIA BIM Método Engenharia O futuro em construção 40 anos de experiência 6 milhões de m² construídos em projetos realizados no Brasil e no exterior

Leia mais

A Terceirização da Manutenção como Estratégia Competitiva nas Organizações

A Terceirização da Manutenção como Estratégia Competitiva nas Organizações A Terceirização da Manutenção como Estratégia Competitiva nas Organizações Alessandro Trombeta Supervisor de Manutenção Valdemar Roberto Cremoneis Gerente Industrial Cocamar Cooperativa Agroindustrial

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Rafael D. Ribeiro, M.Sc. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br A expressão ISO 9000 (International Organization for Standardization) designa um grupo de normas técnicas que estabelecem

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão: 07 Data: 05.03.09 Página 1 de 7 Copia controlada MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE José G. Cardoso Diretor Executivo As informações contidas neste Manual são de propriedade da Abadiaço Ind. e Com.

Leia mais

Histórico. Missão. Visão

Histórico. Missão. Visão Histórico Fundada em 1996 na cidade de Mossoró/RN, a Índice Consultores Associados atua em serviços de consultoria empresarial para os mais diversos segmentos (Comércio, Industria e Serviço) sendo pioneira

Leia mais

ADEQUAÇÃO DO PROCESSO DE PROJETO DE EDIFICAÇÕES AOS NOVOS PARADIGMAS ECONÔMICO-PRODUTIVOS

ADEQUAÇÃO DO PROCESSO DE PROJETO DE EDIFICAÇÕES AOS NOVOS PARADIGMAS ECONÔMICO-PRODUTIVOS ADEQUAÇÃO DO PROCESSO DE PROJETO DE EDIFICAÇÕES AOS NOVOS PARADIGMAS ECONÔMICO-PRODUTIVOS RESUMO Celso Carlos NOVAES Professor na Universidade Federal de São Carlos, Departamento de Engenharia Civil Correio

Leia mais

COMUNICAÇÃO INTERNA DESAFIOS E ÊXITOS

COMUNICAÇÃO INTERNA DESAFIOS E ÊXITOS O gerenciamento do sistem,a COMUNICAÇÃO INTERNA DESAFIOS E ÊXITOS Dandare Manuelle Pereira (1) Historiadora formada pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Trabalha desde 2012 na SANASA no cargo

Leia mais

Procifisc Engenharia e Consultadoria, Lda.

Procifisc Engenharia e Consultadoria, Lda. 01. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA 2 01. Apresentação da empresa, com sede em Castelo Branco, é uma empresa criada em 2007 que atua nos domínios da engenharia civil e da arquitetura. Atualmente, é uma empresa

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS

GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS Ana Carolina Freitas Teixeira¹ RESUMO O gerenciamento de projetos continua crescendo e cada

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

SIMPROS 2001. Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos

SIMPROS 2001. Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos Adilson Sérgio Nicoletti Blumenau, SC - setembro de 2001 Conteúdo Apresentação

Leia mais

ISO NAS PRAÇAS. Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade. Julho/2011

ISO NAS PRAÇAS. Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade. Julho/2011 Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade Julho/2011 GESPÚBLICA Perfil do Facilitador Servidor de carreira que tenha credibilidade Bom relacionamento interpessoal Acesso a alta administração

Leia mais

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Miriam Regina Xavier de Barros, PMP mxbarros@uol.com.br Agenda Bibliografia e Avaliação 1. Visão Geral sobre o PMI e o PMBOK 2. Introdução

Leia mais

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada.

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. Anexo A Estrutura de intervenção As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. 1. Plano de ação para o período 2016

Leia mais

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro:

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro: Gerenciamento de Projetos Teoria e Prática Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009 do PMBOK do PMI Acompanha o livro: l CD com mais de 70 formulários exemplos indicados pelo PMI e outros desenvolvidos

Leia mais

Análise de Construtibilidade

Análise de Construtibilidade IETEC INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PÓS-GRADUAÇÃO GESTÃO EM ENGENHARIA DE PLANEJAMENTO Turma 01 Análise de Construtibilidade Fernando Souza Cota Carvalho Melanie Deborah Cardoso de Souza Diniz Belo

Leia mais

ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL

ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL ANA LAURA CANASSA BASSETO (UTFPR) alcanassa@hotmail.com Caroline Marqueti Sathler (UTFPR)

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade MQ Manual da Qualidade SUMÁRIO... 1 1. APRESENTAÇÃO... 2

Sistema de Gestão da Qualidade MQ Manual da Qualidade SUMÁRIO... 1 1. APRESENTAÇÃO... 2 Revisão:14 Folha:1 de17 SUMÁRIO SUMÁRIO... 1 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. RESPONSABILIDADE DA DIREÇÃO... 3 2.1 POLÍTICA DA QUALIDADE... 3 2.2 OBJETIVOS DA QUALIDADE... 4 2.3 ORGANIZAÇÃO DA EMPRESA PARA A QUALIDADE...

Leia mais

SISTEMA DE GARANTIA DA QUALIDADE EM OBRAS PÚBLICAS HABITACIONAIS: UM MODELO PARA GESTÃO DE CONTRATOS

SISTEMA DE GARANTIA DA QUALIDADE EM OBRAS PÚBLICAS HABITACIONAIS: UM MODELO PARA GESTÃO DE CONTRATOS SISTEMA DE GARANTIA DA QUALIDADE EM OBRAS PÚBLICAS HABITACIONAIS: UM MODELO PARA GESTÃO DE CONTRATOS Roberto Rafael Guidugli Filho Engenheiro, M.Sc, Secretaria Municipal Regional de Serviços Urbanos Oeste

Leia mais

DIRETRIZES PARA O GERENCIAMENTO DA FLEXIBILIDADE DE PROJETOS ARQUITETÔNICOS UM ESTUDO DE CASO

DIRETRIZES PARA O GERENCIAMENTO DA FLEXIBILIDADE DE PROJETOS ARQUITETÔNICOS UM ESTUDO DE CASO DIRETRIZES PARA O GERENCIAMENTO DA FLEXIBILIDADE DE PROJETOS ARQUITETÔNICOS UM ESTUDO DE CASO Patrícia Moschen (1); Roberto de Oliveira (2); Mayra Soares de Mesquita Mororó (2); Luiz Fernando Mählmann

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DE UMA DIRETORIA DE PROJETOS

CONTRIBUIÇÃO DE UMA DIRETORIA DE PROJETOS www.tecnologiadeprojetos.com.br Diretoria de Acompanhamento e Avaliação de Projetos da Secretaria de Estado da Educação de Minas Gerais DAPE/SEE-MG RELATÓRIO DE PESQUISA 1 : CONTRIBUIÇÃO DE UMA DIRETORIA

Leia mais

Engajamento com Partes Interessadas

Engajamento com Partes Interessadas Instituto Votorantim Engajamento com Partes Interessadas Eixo temático Comunidade e Sociedade Principal objetivo da prática Apoiar o desenvolvimento de uma estratégia de relacionamento com as partes interessadas,

Leia mais

Sistema de gestão de segurança e saúde no trabalho em uma empresa de fabricação de sucos e polpas de frutas

Sistema de gestão de segurança e saúde no trabalho em uma empresa de fabricação de sucos e polpas de frutas Sistema de gestão de segurança e saúde no trabalho em uma empresa de fabricação de sucos e polpas de frutas Cristiane Kelly F. da Silva(UFPB) criskfsilva@yahoo.com.br Derylene da Fonseca Ferreira (UFPB)

Leia mais

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Especialização em Gerência de Projetos de Software Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br Qualidade de Software 2009 Instituto

Leia mais

Curso de ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

Curso de ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Curso de ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO ÁREA DO CONHECIMENTO: Engenharia. NOME DO CURSO: Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, especialização em Engenharia de Produção. PERFIL PROFISSIONAL: Este

Leia mais

A QUALIDADE DA CONTRATAÇÃO DOS PROJETISTAS DE ARQUITETURA. UM ESTUDO DE CASO NAS CONSTRUTORAS DO RIO DE JANEIRO

A QUALIDADE DA CONTRATAÇÃO DOS PROJETISTAS DE ARQUITETURA. UM ESTUDO DE CASO NAS CONSTRUTORAS DO RIO DE JANEIRO IV WBGPPCE 2004 Workshop Brasileiro de Gestão do Processo de Projeto na Construção de Edifícios A QUALIDADE DA CONTRATAÇÃO DOS PROJETISTAS DE ARQUITETURA. UM ESTUDO DE CASO NAS CONSTRUTORAS DO RIO DE JANEIRO

Leia mais

PMI-SP PMI-SC PMI-RS PMI PMI-PR PMI-PE

PMI-SP PMI-SC PMI-RS PMI PMI-PR PMI-PE ESTUDO DE BENCHMARKING EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS 2009 Brasil Uma realização dos Chapters Brasileiros do PMI - Project Management Institute PMI-SP PMI-RJ PMI-AM PMI-SC PMI-BA ANEXO 2 PMI-RS PMI PMI-CE

Leia mais

Gestão e melhoria de processos no Governo de Minas Gerais: trajetória e resultados alcançados. Palestrante: Vanice Cardoso Ferreira

Gestão e melhoria de processos no Governo de Minas Gerais: trajetória e resultados alcançados. Palestrante: Vanice Cardoso Ferreira Gestão e melhoria de processos no Governo de Minas Gerais: trajetória e resultados alcançados Palestrante: Vanice Cardoso Ferreira Agenda A trajetória da Gestão de Processos no Governo de Minas A trajetória

Leia mais

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES V CONGRESSO BRASILEIRO DE METROLOGIA Metrologia para a competitividade em áreas estratégicas 9 a 13 de novembro de 2009. Salvador, Bahia Brasil. ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO

Leia mais

Gestão estratégica em finanças

Gestão estratégica em finanças Gestão estratégica em finanças Resulta Consultoria Empresarial Gestão de custos e maximização de resultados A nova realidade do mercado tem feito com que as empresas contratem serviços especializados pelo

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade

Sistema de Gestão da Qualidade Sistema de Gestão da Qualidade Coordenadora Responsável Mara Luck Mendes, Jaguariúna, SP, mara@cnpma.embrapa.br RESUMO Em abril de 2003 foi lançado oficialmente pela Chefia da Embrapa Meio Ambiente o Cronograma

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

DOCUMENTOS E REGISTROS DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

DOCUMENTOS E REGISTROS DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DOCUMENTOS E REGISTROS DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE 2011 WANDERSON S. PARIS INTRODUÇÃO Não se pretende aqui, reproduzir os conteúdos das normas ou esgotar o tema versado por elas. A ideia é apenas

Leia mais

Introdução à Qualidade de Software. Profº Aldo Rocha

Introdução à Qualidade de Software. Profº Aldo Rocha Introdução à Qualidade de Software Profº Aldo Rocha Agenda O que é Qualidade? O que é Qualidade de Software? Qualidade do Produto e do Processo Normas e Organismos Normativos Qualidade de Software e Processos

Leia mais

Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000

Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000 Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000 ISO 9001:2000 Esta norma considera de forma inovadora: problemas de compatibilidade com outras normas dificuldades de pequenas organizações tendências

Leia mais

Apresentação Institucional

Apresentação Institucional Apresentação Institucional Sumário 1. A Empresa i. Nossas Crenças O Grupo Voitto i Método de Trabalho iv. Nossos Diferenciais v. Nossos Clientes vi. Equipe Societária 2. Mercado de Consultoria no Brasil

Leia mais

Escolha os melhores caminhos para sua empresa

Escolha os melhores caminhos para sua empresa Escolha os melhores caminhos para sua empresa O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio

Leia mais

Política de Logística de Suprimento

Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento 5 1. Objetivo Aumentar a eficiência e competitividade das empresas Eletrobras, através da integração

Leia mais

Soluções inteligentes em energia. Energia para a vida

Soluções inteligentes em energia. Energia para a vida Soluções inteligentes em energia Energia para a vida O Brasil e o mundo contam com a nossa energia. A Prátil é uma empresa de soluções inteligentes em energia, que atua nos segmentos de infraestrutura

Leia mais

Pitrez Informática MANUAL DA QUALIDADE. Norma NBR ISO 9001:2008

Pitrez Informática MANUAL DA QUALIDADE. Norma NBR ISO 9001:2008 Título Manual da Qualidade Folha: 1 de 20 Pitrez Informática MANUAL DA QUALIDADE Norma NBR ISO 9001:2008 Título Manual da Qualidade Folha: 2 de 20 Título Manual da Qualidade Folha: 3 de 20 Índice 1. Apresentação...

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

PPG - Programa de Profissionalização da Gestão. Pequenas e Médias Empresas

PPG - Programa de Profissionalização da Gestão. Pequenas e Médias Empresas PPG - Programa de Profissionalização da Gestão Pequenas e Médias Empresas 2010 Comunidade de interesse em Gestão Empresarial + Convidados Discutir novas idéias e estimular o uso de conceitos e práticas

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

1 2009 CBG Centro Brasileiro de Gestão

1 2009 CBG Centro Brasileiro de Gestão 1 2009 CBG Centro Brasileiro de Gestão ISO 9001:2015 Histórico da série 2 2009 CBG Centro Brasileiro de Gestão Histórico da série REVISÕES DA SÉRIE ISO 9000 2000 2008 2015 1994 1987 3 2009 CBG Centro Brasileiro

Leia mais

Difusão da Certificação ISO 9001 da Embrapa Meio Ambiente

Difusão da Certificação ISO 9001 da Embrapa Meio Ambiente Videoconferência Difusão da Certificação ISO 9001 da Embrapa Meio Ambiente Data: 22 e 24 de março de 2011 Objetivo Difundir a experiência da Embrapa Meio Ambiente com o processo de obtenção da certificação

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO DE GESTORES EM MANUTENÇÃO DE EXCELÊNCIA

CURSO DE FORMAÇÃO DE GESTORES EM MANUTENÇÃO DE EXCELÊNCIA 2013 15 anos CURSO DE FORMAÇÃO DE GESTORES EM MANUTENÇÃO DE EXCELÊNCIA Ministrante: Sidnei Lopes Dias Realização: Gênesis Assessoria Empresarial CURSO DE FORMAÇÃO DE GESTORES EM MANUTENÇÃO DE EXCELÊNCIA

Leia mais

POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS. Sistema. Eletrobrás

POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS. Sistema. Eletrobrás POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS Sistema Eletrobrás Política de Logística de Suprimento do Sistema Eletrobrás POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO 4 POLÍTICA DE Logística de Suprimento

Leia mais

PMO A implantação do Escritório de Projetos e a C&M. Setembro/2013

PMO A implantação do Escritório de Projetos e a C&M. Setembro/2013 PMO A implantação do Escritório de Projetos e a C&M Setembro/2013 Apresentação Newton Leandro Gonçalves Braga Especialista em Manutenção Industrial e Engenheiro Civil Pós graduando em Gestão de Projetos

Leia mais

Apresentação Institucional

Apresentação Institucional Apresentação Institucional CONSULTORIA EM SISTEMAS DE GESTÃO (11) 4351-5774 E-mail: belsconsultoria@belsconsultoria.com.br Visite Quem Somos /Atuação: Somos uma Consultoria inovadora que presta serviços

Leia mais

Questionário de Avaliação de Maturidadade MMGP Darci Prado QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE MATURIDADE

Questionário de Avaliação de Maturidadade MMGP Darci Prado QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE MATURIDADE MMGP Darci Prado QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE MATURIDADE Extraído do Livro "Gerenciamento de Programas e Projetos nas Organizações" 4ª Edição (a ser lançada) Autor: Darci Prado Editora INDG-Tecs - 1999-2006

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) A CONCERT Technologies S.A. prioriza a segurança de seus Colaboradores, Fornecedores,

Leia mais

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul Planejamento Estratégico de TIC da Justiça Militar do Estado do Rio Grande do Sul MAPA ESTRATÉGICO DE TIC DA JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO (RS) MISSÃO: Gerar, manter e atualizar soluções tecnológicas eficazes,

Leia mais

RACIONALIZAÇÃO CONSTRUTIVA

RACIONALIZAÇÃO CONSTRUTIVA RACIONALIZAÇÃO CONSTRUTIVA Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco Depto. Eng. Construção Civil da EPUSP ARCO Assessoria em Racionalização Construtiva S/C ltda. arco@uol.com.br A busca de soluções para o aumento

Leia mais

Estudo de Caso. Projeto Correspondência Eletrônica nos Correios S.A.

Estudo de Caso. Projeto Correspondência Eletrônica nos Correios S.A. Estudo de Caso Projeto Correspondência Eletrônica nos Correios S.A. A Presidência dos Correios vislumbrou a possibilidade da Empresa apresentar aos seus clientes um novo serviço, que foi denominado de

Leia mais

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar.

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar. C O B I T Evolução Estratégica A) Provedor de Tecnologia Gerenciamento de Infra-estrutura de TI (ITIM) B) Provedor de Serviços Gerenciamento de Serviços de TI (ITSM) C) Parceiro Estratégico Governança

Leia mais

COMO EXPLORAR OS BENEFÍCIOS DOS INDICADORES DE DESEMPENHO NA GESTÃO DE UM CSC. Lara Pessanha e Vanessa Saavedra

COMO EXPLORAR OS BENEFÍCIOS DOS INDICADORES DE DESEMPENHO NA GESTÃO DE UM CSC. Lara Pessanha e Vanessa Saavedra COMO EXPLORAR OS BENEFÍCIOS DOS INDICADORES DE DESEMPENHO NA GESTÃO DE UM CSC Lara Pessanha e Vanessa Saavedra A utilização de indicadores de desempenho é uma prática benéfica para todo e qualquer tipo

Leia mais

Ana Carolina Ferreira Gonzaga OBJETIVOS PROFISSIONAIS FORMAÇÃO ACADÊMICA

Ana Carolina Ferreira Gonzaga OBJETIVOS PROFISSIONAIS FORMAÇÃO ACADÊMICA Estado Civil Casada Telefone (62)9959-1977 / (62) 3932-0985 Natural Goiânia - GO E-mail ana_cfgonzaga@yahoo.com.br Redes Sociais Facebook: LinkedIn: OBJETIVOS PROFISSIONAIS Área: Gestão/Controle em Engenharia

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Implantação de Obras Planejamento Administração de Empresas. Orçamentação Contratos Marketing Apoio Técnico

Gerenciamento de Projetos Implantação de Obras Planejamento Administração de Empresas. Orçamentação Contratos Marketing Apoio Técnico Gerenciamento de Projetos Implantação de Obras Planejamento Administração de Empresas Orçamentação Contratos Marketing Apoio Técnico www.bethonico.com.br APRESENTAÇÃO Desde o ano 2000, a Bethonico Planejamento

Leia mais

Análise dos processos de produção da própolis e do mel: um estudo de caso em uma empresa alimentícia do centro-oeste de Minas Gerais

Análise dos processos de produção da própolis e do mel: um estudo de caso em uma empresa alimentícia do centro-oeste de Minas Gerais Análise dos processos de produção da própolis e do mel: um estudo de caso em uma empresa alimentícia do centro-oeste de Minas Gerais Tatiane Goulart OLIVEIRA ¹; Estefânia Paula da SILVA²; Rodrigo Herman

Leia mais

Pesquisa de Maturidade do GERAES. Data de aplicação: 21/02/08

Pesquisa de Maturidade do GERAES. Data de aplicação: 21/02/08 Pesquisa de Maturidade do GERAES Data de aplicação: 21/02/08 Pesquisa de Maturidade Metodologia MPCM / Darci Prado Disponível em www.maturityresearch.com Metodologia da pesquisa 5 níveis e 6 dimensões

Leia mais

GERENCIANDO SERVIÇOS DE MENSAGENS OTT PARA UM PROVEDOR DE TELECOM GLOBAL

GERENCIANDO SERVIÇOS DE MENSAGENS OTT PARA UM PROVEDOR DE TELECOM GLOBAL GERENCIANDO SERVIÇOS DE MENSAGENS OTT PARA UM PROVEDOR DE TELECOM GLOBAL A Sytel Reply foi comissionada por uma grande operadora global de Telecom para o fornecimento de um Service Assurance de qualidade.

Leia mais

Projeto de Apoio a Inserção Internacional de. São João Batista (SC) DEZEMBRO - 2009

Projeto de Apoio a Inserção Internacional de. São João Batista (SC) DEZEMBRO - 2009 Projeto de Apoio a Inserção Internacional de MPE s Brasileiras Calçadistas do APL de São João Batista (SC) DEZEMBRO - 2009 Identificar OBJETIVOS DA AÇÃO e solucionar gargalos na gestão das empresas, principalmente

Leia mais

DIRETRIZES PARA AQUISIÇÃO DE EQUIPAMENTOS E SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DA AUTORIDADE PÚBLICA OLÍMPICA

DIRETRIZES PARA AQUISIÇÃO DE EQUIPAMENTOS E SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DA AUTORIDADE PÚBLICA OLÍMPICA DIRETRIZES PARA AQUISIÇÃO DE EQUIPAMENTOS E SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DA AUTORIDADE PÚBLICA OLÍMPICA 1 APRESENTAÇÃO Este conjunto de diretrizes foi elaborado para orientar a aquisição de equipamentos

Leia mais

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 Versão 1.0 1 APRESENTAÇÃO O Planejamento

Leia mais

Termo de Referência nº 2014.0918.00040-2. 1. Antecedentes

Termo de Referência nº 2014.0918.00040-2. 1. Antecedentes Termo de Referência nº 2014.0918.00040-2 Ref: Contratação de consultoria pessoa física para realização de um plano de sustentabilidade financeira para o Jardim Botânico do Rio de Janeiro, no âmbito da

Leia mais

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Outubro 2009 Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Sustentabilidade Articulação Ampliação dos limites Sistematização Elementos do Novo Modelo Incubação

Leia mais

Desenvolvimento de um software de gerenciamento de projetos para utilização na Web

Desenvolvimento de um software de gerenciamento de projetos para utilização na Web Resumo. Desenvolvimento de um software de gerenciamento de projetos para utilização na Web Autor: Danilo Humberto Dias Santos Orientador: Walteno Martins Parreira Júnior Bacharelado em Engenharia da Computação

Leia mais

Política de Gerenciamento do Risco Operacional Banco Opportunity e Opportunity DTVM Março/2015

Política de Gerenciamento do Risco Operacional Banco Opportunity e Opportunity DTVM Março/2015 Política de Gerenciamento do Risco Operacional Banco Opportunity e Opportunity DTVM Março/2015 1. OBJETIVO Esta política tem como objetivo estabelecer as diretrizes necessárias para o adequado gerenciamento

Leia mais

ISO 9001:2015 Nova versão porque e quando?

ISO 9001:2015 Nova versão porque e quando? ISO 9001:2015 Nova versão porque e quando? A publicação prevista para Novembro de 2015 tem como propósito refletir as mudanças no ambiente em que a norma é usada e garantir que a mesma mantenha-se adequada

Leia mais

6. VALIDAÇÃO DO MODELO

6. VALIDAÇÃO DO MODELO Cap. 6 Validação do modelo - 171 6. VALIDAÇÃO DO MODELO Definição da pesquisa Contextualização (Cap. 2) Metodologia (Cap. ) Revisão da Literatura (Cap. 3) Construção do Método (Cap. 5) Validação do método

Leia mais

1- Objetivo: Avaliar os conhecimentos adquiridos durante o auto treinamento de Governança de TI com as práticas da ITIL e Cobit.

1- Objetivo: Avaliar os conhecimentos adquiridos durante o auto treinamento de Governança de TI com as práticas da ITIL e Cobit. 1- Objetivo: Avaliar os conhecimentos adquiridos durante o auto treinamento de Governança de TI com as práticas da ITIL e Cobit. 2 Regras e Instruções: Antes de começar a fazer a avaliação leia as instruções

Leia mais

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS Vanice Ferreira 12 de junho de 2012 GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais DE QUE PROCESSOS ESTAMOS FALANDO? GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais

Leia mais

SEMINÁRIO PROGRAMA BRASILEIRO DE CERTIFICAÇÃO EM RESPONSABILIDADE SOCIAL C.S.E. MECÂNICA E INSTRUMENTAÇÃO LTDA. RECIFE 30/06/10

SEMINÁRIO PROGRAMA BRASILEIRO DE CERTIFICAÇÃO EM RESPONSABILIDADE SOCIAL C.S.E. MECÂNICA E INSTRUMENTAÇÃO LTDA. RECIFE 30/06/10 SEMINÁRIO PROGRAMA BRASILEIRO DE CERTIFICAÇÃO EM RESPONSABILIDADE SOCIAL C.S.E. MECÂNICA E INSTRUMENTAÇÃO LTDA. RECIFE 30/06/10 C.S.E. MECÂNICA E INSTRUMENTAÇÃO LTDA FILIAL RIO DAS OSTRAS/RJ FUNDAÇÃO:

Leia mais

SUMÁRIO. Este procedimento define a estrutura e a sistemática para a condução da Análise Crítica do Sistema de Gestão de SMS da OGX.

SUMÁRIO. Este procedimento define a estrutura e a sistemática para a condução da Análise Crítica do Sistema de Gestão de SMS da OGX. Procedimento de Gestão OGX PG.SMS.017 Denominação: Análise Crítica SUMÁRIO Este procedimento define a estrutura e a sistemática para a condução da Análise Crítica do Sistema de Gestão de SMS da OGX. ÍNDICE

Leia mais

EMPRESA. Realizamos distribuição direta das melhores marcas de produtos no segmento industrial.

EMPRESA. Realizamos distribuição direta das melhores marcas de produtos no segmento industrial. APRESENTAÇÃO EMPRESA Somos uma empresa de distribuição, projetos e serviços técnicos e de engenharia, consultoria, planejamento, gerenciamento e fornecedora de soluções tecnológicas para empreendimentos

Leia mais

CIGAM SOFTWARE CORPORATIVA LTDA.

CIGAM SOFTWARE CORPORATIVA LTDA. CIGAM SOFTWARE CORPORATIVA LTDA. Raquel Engeroff Neusa Cristina Schnorenberger Novo Hamburgo RS Vídeo Institucional Estratégia Visão Missão Ser uma das 5 maiores empresas de software de gestão empresarial

Leia mais

ESCRITÓRIO RIO DE PROJETOS

ESCRITÓRIO RIO DE PROJETOS PMO PROJETOS PROCESSOS MELHORIA CONTÍNUA PMI SCRUM COBIT ITIL LEAN SIX SIGMA BSC ESCRITÓRIO RIO DE PROJETOS DESAFIOS CULTURAIS PARA IMPLANTAÇÃO DANIEL AQUERE DE OLIVEIRA, PMP, MBA daniel.aquere@pmpartner.com.br

Leia mais