INDÚSTRIA BRASILEIRA. Manual de Rolamentos e Mancais Monoblocos Autocompensadores

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INDÚSTRIA BRASILEIRA. Manual de Rolamentos e Mancais Monoblocos Autocompensadores"

Transcrição

1 R INDÚSTRIA BRASILEIRA Manual de Rolamentos e Mancais Monoblocos Autocompensadores

2 Histórico A empresa foi fundada em 23 de setembro de 1962, na cidade de São Paulo, cujo objetivo social era importação e comercialização de autopeças. No início de 1970, em terreno de sua propriedade em São Bernardo do Campo - SP, iniciou a fabricação em pequena escala de rolamentos radiais e axiais de rolos cilíndricos e esferas, rótulas e mancais dos mais variados tipos. Em 1972, iniciou-se a produção dos rolamentos e mancais autocompensadores com a marca "ROLMAX", sob licença da "RHP Ranson Hoffman Polard" da Inglaterra, licença que durou até novembro de 1977, e desta forma foi alterado profundamente o perfil de sua produção e clientes, cuja tecnologia já dominava integralmente, destinando sua produção ao mercado agrícola (montadoras / reposição) e industrial. Com o decorrer do tempo a marca "ROLMAX" tornou-se forte no mercado, dando origem a atual razão social de ROLMAX INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA. 02

3 Índice Técnico Descrição Página Informações técnicas; lubrificação. 05 / 07 Cálculo para vida útil dos rolamentos radiais de esferas. 08 / 09 Instruções para montagem; aplicações típicas. 10 / 12 Tabelas de conversões. 13 / 17 Linha para Eixos de 20mm a 100mm ; 3/4 a 4. Código Unidades de rolamentos com mancais Utilização Página NP Tipo Pedestal Serviço Normal 18 MP Tipo Pedestal Serviço Pesado 19 SF Tipo Flange Serviço Normal 20 MSF Tipo Flange Serviço Pesado 21 SFT Tipo Flange Serviço Normal 22 MSFT Tipo Flange Serviço Pesado 23 ST FoFo Nodular Tipo Esticador Serviço Normal 24 MST FoFo Nodular Tipo Esticador Serviço Pesado 25 MFC-A Tipo Flange com Guia Serviço Normal 26 MFC Tipo Flange com Guia Serviço Pesado 27 SCHB FoFo Nodular Tipo Tensor Reforçado Serviço Pesado 28 LPB Aço Estampado Tipo Pedestal Serviço Leve 29 SLFL Aço Estampado Tipo Flange Serviço Leve 29 SLFE Aço Estampado Tipo Flange Serviço Leve 30 Série da Unidade de Rolamento Radial de Esferas Página UCR Rolamento Radial de Esferas 31 / 32 EWR Rolamento Radial de Esferas G Rolamento Radial de Esferas ECG Rolamento Radial de Esferas 35 03

4 Distribuidor Autorizado 04

5 Informações Técnicas Ponto de lubrificação com uma engraxadeira. Porta-esferas de nylon ou aço. Anéis e esferas de aço cromo. Blindagem dupla metálica e material sintético. Mancal monobloco fundido. As unidades de rolamentos de esferas ROLMAX constam de mancal monobloco de ferro fundido ou em aço estampado, montadas com rolamento blindado de uma carreira de esferas. Os rolamentos ROLMAX são completamente vedados em ambos os lados e pré-lubrificados com graxa a base de lítio, suficiente para durar todo período normal de trabalho (vida útil do rolamento). Quando operando a velocidades extremas, ou condições excepcionais de umidade e impurezas, os rolamentos ROLMAX admitem relubrificação através de um canal na superfície externa do rolamento, centrado com o furo da engraxadeira existente no mancal, ou para outras opções de montagem o anel externo do rolamento também possui 2 furos passantes distantes entre si a 120º simetricamente opostos ao canal para relubrificação. Os conjuntos de chapa estampada não são relubrificáveis. O anel externo dos rolamentos ROLMAX possui uma superfície esférica de precisão, que se aloja no esférico do mancal. Esta concepção permite a estes rolamentos, corrigir os erros de alinhamento que podem se apresentar na montagem da máquina, tornando-os ideais para uma ampla gama de aplicações, eliminando custos elevados nos processos de usinagem. O desalinhamento permissível das unidades de rolamentos de esferas é de aproximadamente 3 ~ 6, contanto que não haja limitações no local da instalação. Entretanto para aplicações em que a relubrificação é necessária, é desejável que o desalinhamento seja no máximo de 2, uma vez que, acima disto haverá dificuldade na relubrificação. O anel interno do rolamento é fabricado com a tolerância do diâmetro do furo positiva, para facilitar a montagem do eixo. As unidades de rolamentos de esferas ROLMAX são adequadas para o trabalho normal entre as temperaturas de -10 C a 90 C. Vedação O sistema de blindagem das unidades de rolamentos de esferas ROLMAX foi testado com notável êxito, em grande variedade de aplicações. Na sua atual forma consiste de uma lâmina de nitrilo sintético comprimida entre duas lâminas metálicas, que são firmemente encaixadas nas ranhuras do anel externo, formando assim uma unidade completamente selada. A extremidade do anel vedador desliza sobre a superfície retificada do diâmetro externo do anel interno, resultando um atrito desprezível e uma vedação perfeita. A lâmina metálica externa protege a membrana vedadora de nitrilo sintético contra uma possível deterioração superficial, devido ao ambiente contaminado por materiais estranhos, que por ventura venham a se depositar junto à blindagem. Sistema de Fixação Os rolamentos UCR-200 e 1200 G são fornecidos com dois parafusos ALLEN distantes 120 incorporados no anel interno. Os rolamentos EWR-200 e 1200 ECG são fornecidos com um colar excêntrico que se encaixa no excêntrico da extremidade do anel interno. Para fixar o rolamento basta girar o colar no sentido de rotação do eixo até conseguir resistência, depois apertar o parafuso de trava do colar. O colar é fornecido com um furo cego para facilitar o aperto. 05

6 Tolerância do Anel Externo em 0,001 mm Nominal - D (mm) Diâmetro Externo - D Largura - C De Até Min. Máx. Min. Máx Tolerância do Anel Interno em 0,001 mm Nominal - d (mm) Furo - d Largura - B De Até Min. Máx. Min. Máx Tolerância do Eixo e R.P.M. Rolamento base Diâmetro do eixo Cargas pesadas com altas e baixas velocidades Máx. R.P.M. Aplicações normais Tolerâncias do eixo um milésimos de (mm) Cargas leves com altas e baixas velocidades Máx. Máx. Máx. Mín. R.P.M. Máx. Mín. R.P.M. Máx. Mín /4 a 20mm /8 a /8 a 1.1/ mm a 1.7/ /8 a 40mm /2 a 45mm /16 a /8 a 2.3/ mm a 2.7/ mm a 2.1/ mm a 2.11/ mm a /16 a 3.1/ mm a 3.7/ mm a 90mm mm a

7 Relubrificação dos Rolamentos ROLMAX As unidades de rolamentos de esferas ROLMAX são montadas com a quantidade de graxa exata e suficiente para as condições normais de trabalho, dispensando, neste caso, qualquer relubrificação durante toda a vida do rolamento. Contudo, em condições de trabalho particularmente difíceis, tais como velocidades ou cargas excessivamente altas, tempo de trabalho muito prolongado, ou ambiente muito úmido ou sujo, a relubrificação dos rolamentos ROLMAX é aconselhável. Para tanto, os rolamentos ROLMAX possuem um canal no anel externo que se alinha com a engraxadeira fixada no mancal, por meio da qual a graxa de relubrificação é introduzida, alcançando o interior do rolamento através do orifício existente no canal, bem como furos de relubrificação simetricamente opostos ao canal para outras opções de montagem. Esta característica é apenas inexistente nos mancais de chapa estampada, caso em que a lubrificação do rolamento é permanente. Em condições normais de temperatura, deve ser usada graxa a base de lítio. Em condições de temperaturas excessivamente baixas ou altas, deve ser usada graxa silicônica. As graxas recomendadas são indicadas na tabela (podendo ser usadas outras equivalentes). Intervalos de relubrificação em função de condições de trabalho, graxas recomendadas e quantidade de graxa são indicados na tabela abaixo: Condições de trabalho RPM Temperatura em ºC Ambiente Intervalo de relubrificação 100 Até 50 Limpo 6 a 12 meses 500 Até 70 Limpo 2 a 6 meses 1000 Até 90 Limpo 2 a 8 semanas 1500 Até 90 Limpo 1 a 4 semanas Mais de 1500 Até 90 Limpo Semanalmente Mais de 1500 Mais de 90 Limpo 1 a 12 dias Qualquer Até 70 Sujo 1 a 10 dias Qualquer Mais de 70 Sujo 1 a 6 dias Qualquer Qualquer Muito sujo Diariamente Faixas de temperatura Graxas recomendadas Rolamento Quant. de graxa em gramas Ipiflex 2 Alvania R3 Temperaturas normais Beacon 3 (-10ºC a +90ºC) Halycon 3 Lupus 3 Molibux a 206 1,5 a 3,5 207 a a a a a a a a 90 Temperaturas muito baixas Molykote 33 medium (-55ºC a -10ºC) Temperaturas muito altas Molykote 44 medium (+90ºC a +130ºC) Os dados aqui indicados são referências gerais para a maioria das aplicações, mas não cobrem todos os fatores intervenientes possíveis, tais como condições de carga elevadas, choques ou trepidações a que o rolamento seja submetido e muitos outros. Os usuários poderão, com base em sua própria experiência, determinar os períodos mais adequados de relubrificação para cada caso particular. 07

8 Cálculo da Vida dos Rolamentos Radiais de Esferas Para o cálculo da vida útil dos rolamentos ROLMAX em condições normais de trabalho, aplica-se a seguinte fórmula: L = n 3 C P Onde: L = vida útil em horas de trabalho n = rotações por minuto C = capacidade básica de carga radial dinâmica em Kgf. P = carga básica aplicada em Kgf. Outra alternativa é conseguida relacionando o quociente das cargas C/P com a coluna da respectiva rpm aplicada, encontrado na tabela abaixo. Exemplo: C = 3340Kgf P = 790Kgf n = 500 L = vida procurada Temos: C = 3340 = 4,227 P 790 Portanto relacionando 4,227 com 500 rpm na tabela, encontramos uma vida aproximada de 2500 horas/serviço. Tabela para Cálculo da Vida dos Rolamentos Radiais de Esferas Relação das cargas C/P (conversão rpm para vida em horas) Estimativa de Rotações por minuto (rpm) vida em horas

9 Estimativa de Rotações por minuto (rpm) vida em horas Estimativa de Rotações por minuto (rpm) vida em horas

10 Instruções para Fixação da Unidade de Rolamento Para evitar a possibilidade de danos no rolamento devido a montagem inadequada, as unidades de rolamentos de esferas ROLMAX devem ser fixadas de acordo com as seguintes instruções de montagem. A- Verificar a rigidez e paralelismo do plano da base, recomenda-se 0,10 à 0,15mm de tolerância para o paralelismo. Posicionar o conjunto no local correto, tomando cuidado para não danificar as blindagens e as extremidades do anel interno. B- Fixar o mancal na base antes de fixar os parafusos de fixação do eixo, verificando a distância entre os mancais e a folga axial dos rolamentos. C- Fixar dois parafusos igualmente no eixo. Em condições normais, apertar o parafuso com chave sextavada tipo ALLEN. Em condições mais rigorosas, usinar alojamento do parafuso no eixo para obter melhor fixação. Os valores do torque são dados na tabela ao lado. Rolamento UCR 204 UCR 205 UCR 206 UCR 207 UCR 208 UCR 209 UCR 210 UCR 211 UCR 212 UCR 213 UCR 214 UCR 215 UCR 216 UCR 217 UCR Torque para fixação dos parafusos 5,9 Nm 12 Nm 28 Nm 50 Nm Instruções para Fixação com Colar Excêntrico Se o sistema de fixação, for através de colar excêntrico, seguir a seguinte seqüência. Encaixar o colar na extremidade excêntrica do rolamento. Girar o colar no sentido de rotação do eixo. O colar possui um furo cego, que serve para dar aperto. Aperte o parafuso de trava do colar. 10

11 Instruções para Montagem do Rolamento no Mancal Prenda o mancal em uma morsa com os rasgos de entrada do rolamento voltados para frente. Posicione o rolamento na posição horizontal, com os parafusos (colar) de fixação voltados para cima. Introduza o rolamento nos rasgos de entrada do mancal Gire o rolamento sobre seu próprio eixo para baixo, até que haja resistência. Introduza uma alavanca com dimensões proporcionais ao tamanho e diâmetro interno do anel interno do rolamento. Gire novamente o rolamento sobre seu próprio eixo, posicionando sua linha de simetria o mais paralelo possível em relação a base do mancal. 7 Verifique o alinhamento do rolamento segundo a face do alojamento do mancal. 11

12 Aplicações Típicas das Unidades de Rolamentos Devido a sua característica de autocompensação, as unidades de rolamentos ROLMAX são ideais para serem utilizadas em todo tipo de equipamentos soldados, eliminando assim custos elevados no processo de usinagem. Máquinas agrícolas Máquinas pavimentadoras Máquinas têxteis Máquinas de cortar fibras Máquinas de embalagem Máquinas para indústria de alimentos Máquinas para indústria de bebidas Fornos Ventiladores Exaustores Secadores industriais Transportadores industriais Implementos agrícolas Misturadores de concreto Separadores magnéticos Peneiras oscilantes Bombas 12

13 Tabelas de Conversões Todos os produtos ROLMAX são equivalentes a qualquer produto nacional ou importado, tanto dimensionalmente como em termos de qualidade. Na sequência forneceremos as conversões de rolamentos e mancais. Tabelas de Conversões dos Rolamentos Radiais de Esferas Diâmetro nominal do furo (mm) ROLMAX INA SKF FAFNIR SEALMASTER NSK 20 UCR 204 GYE20KRRB YAR 204 GYE20KRRB UC UCR 205 GYE25KRRB YAR 205 GYE25KRRB UC UCR 206 GYE30KRRB YAR 206 GYE30KRRB UC UCR 207 GYE35KRRB YAR 207 GYE35KRRB UC UCR 208 GYE40KRRB YAR 208 GYE40KRRB UC UCR 209 GYE45KRRB YAR 209 GYE45KRRB UC UCR 210 GYE50KRRB YAR 210 GYE50KRRB UC UCR 211 GYE55KRRB YAR 211 GYE55KRRB UC UCR 212 GYE60KRRB YAR 212 GYE60KRRB UC UCR 213 YAR 213 UC UCR 214 GYE70KRRB UC UCR 215 YAR 215 GYE75KRRB UC UCR 216 YAR 216 UC UCR 217 YAR 217 UC UCR 218 YAR 218 UC Diâmetro nominal do furo (poleg.) ROLMAX INA SKF FAFNIR SEALMASTER NSK 3/4 UCR GY1012KRRB YAR GY1012KRRB UC S 7/8 UCR GY1014KRRB YAR GY1014KRRB UC S 15/16 UCR YAR GY1015KRRB UC S 1 UCR GY1100KRRB YAR GY1100KRRB 2-1 UC S 7/8 UCR UCR UC S 1.1/8 UCR GY1102KRRB YAR GY1102KRRB 2-12 UC S 1.3/16 UCR GY1103KRRB YAR GY1103KRRB 2-13 UC S 1.1/4 UCR YAR GY1103KRRB5 UC S 1.3/16 UCR UC S 1.1/4 UCR GY1104KRRB YAR GY1104KRRB 2-14 UC S 1.3/8 UCR GY1106KRRB YAR GY1106KRRB 2-16 UC S 1.7/16 UCR YAR GY1107KRRB 2-17 UC S 1.3/8 UCR /16 UCR UC S 1.1/2 UCR GY1108KRRB YAR GY1108KRRB 2-18 UC S 1.1/2 UCR UC S 1.5/8 UCR YAR GY1110KRRB UC S 1.11/16 UCR YAR GY1111KRRB UC S 1.3/4 UCR GY1112KRRB YAR GY1112KRRB UC S 13

14 Tabelas de Conversões dos Rolamentos Radiais de Esferas Diâmetro nominal do furo (poleg.) 1.11/16 UCR UC S 1.3/4 UCR UC S 1.7/8 UCR YAR GY1114KRRB UC S 1.15/16 UCR GY1115KRRB YAR GY1115KRRB UC S 2 UCR UC S 1.7/8 UCR /16 UCR UC S 2 UCR GY1200KRRB YAR GY1200KRRB 2-2 UC S 2.1/8 UCR GY1202KRRB 2-22 UC S 2.3/16 UCR YAR GY1203KRRB 2-23 UC S 2.3/16 UCR UC S 2.1/4 UCR YAR GY1204KRRB 2-24 UC S 2.3/8 UCR GY1206KRRB 2-26 UC S 2.7/16 UCR YAR GY1207KRRB /2 UCR YAR UC S 2.7/16 UCR UC S 2.1/2 UCR UC S 2.5/8 UCR GY1210KRRB UC S 2.11/16 UCR GY1211KRRB UC S 2.11/16 UCR UC S 2.3/4 UCR GY1212KRRB UC S 2.7/8 UCR GY1214KRRB UC S 2.15/16 UCR YAR GY1215KRRB UC S 3 UCR UC S 2.15/16 UCR UC S 3 UCR GY1300KRBB YAR UC S 3.3/16 UCR UC S 3.1/4 UCR /16 UCR UC S 3.1/4 UCR UC S 3.3/8 UCR /16 UCR YAR /16 UCR UC S 3.1/2 UCR YAR UC S 3.15/ / ROLMAX INA SKF FAFNIR SEALMASTER NSK 14

15 Tabelas de Conversões dos Rolamentos Radiais de Esferas Diâmetro nominal do furo (mm) ROLMAX INA SKF FAFNIR NSK 20 EWR 204 GE20KRRB YEL 204 GE20KRRB EW EWR 205 GE25KRRB YEL 205 GE25KRRB EW EWR 206 GE30KRRB YEL 206 GE30KRRB EW EWR 207 GE35KRRB YEL 207 GE35KRRB EW EWR 208 GE40KRRB YEL 208 GE40KRRB EW EWR 209 GE45KRRB YEL 209 GE45KRRB EW EWR 210 GE50KRRB YEL 210 GE50KRRB EW EWR 211 GE55KRRB YEL 211 GE55KRRB EW EWR 212 GE60KRRB YEL 212 GE60KRRB EW EWR 213 GE65KRRB GE65KRRB EW EWR 214 GE70KRRB GE70KRRB EW EWR 215 GE75KRRB GE75KRRB EW 215 Diâmetro nominal do furo (poleg.) ROLMAX INA SKF FAFNIR NSK 3/4 EWR G1012KRRB YEL G1012KRRB EW S 7/8 EWR G1014KRRB YEL G1014KRRB EW S 15/16 EWR G1015KRRB YEL G1015KRRB EW S 1 EWR G1100KRRB YEL G1100KRRB EW S 1.1/8 EWR G1102KRRB YEL G1102KRRB EW S 1.3/16 EWR G1103KRRB YEL G1103KRRB EW S 1.1/4 EWR YEL G1103KRRB3 EW S 1.1/4 EWR G1104KRRB YEL G1104KRRB EW S 1.3/8 EWR G1106KRRB YEL G1106KRRB EW S 1.7/16 EWR G1107KRRB YEL G1107KRRB EW S 1.1/2 EWR G1108KRRB YEL G1108KRRB EW S 1.5/8 EWR G1110KRRB YEL G1110KRRB EW S 1.11/16 EWR G1111KRRB YEL G1111KRRB EW S 1.3/4 EWR G1112KRRB YEL G1112KRRB EW S 1.7/8 EWR YEL G1114KRRB EW S 1.15/16 EWR G1115KRRB YEL G1115KRRB EW S 2 EWR EWR YEL G1200KRRB EW S 2.1/8 EWR G1202KRRB EW S 2.3/16 EWR YEL G1203KRRB EW S 2.1/4 EWR YEL G1204KRRB EW S 2.3/8 EWR G1206KRRB EW S 2.7/16 EWR YEL G1207KRRB 2.1/2 EWR EW S 2.7/16 EWR /2 EWR /8 EWR G1210KRRB EW S 2.11/16 EWR G1211KRRB EW S 2.11/16 EWR /4 EWR G1212KRRB 2.7/8 EWR G1214KRRB EW S 2.15/16 EWR G1215KRRB EW S 3 EWR

16 Tabelas de Conversões dos Rolamentos Radiais de Esferas Diâmetro nominal do furo (mm) ROLMAX INA SKF FAFNIR NSK ECG GRAE20NPPB YET 204 GRAE20RRB GEM ECG GRAE25NPPB YET 205 GRAE25RRB GEM ECG GRAE30NPPB YET 206 GRAE30RRB GEM ECG GRAE35NPPB YET 207 GRAE35RRB GEM ECG GRAE40NPPB YET 208 GRAE40RRB GEM ECG GRAE45NPPB YET 209 GRAE45RRB GEM ECG GRAE50NPPB YET 210 GRAE50RRB GEM 210 Diâmetro nominal do furo (poleg.) ROLMAX INA SKF FAFNIR NSK 3/ /4ECG GRA012NPPB YET GRA012RRB GEM S 7/ /8ECG GRA014NPPB YET GRA014RRB GEM S 15/ /16ECG YET GRA015RRB GEM S ECG GRA100NPPB YET GRA100RRB GEM S 1.1/ /8ECG GRA102NPPB YET GRA102RRB GEM S 1.3/ /16ECG YET GRA103RRB GEM S 1.1/ /4ECG GRA103NPPB YET GRA103RRB2 GEM S 1.1/ /4ECG GRA104NPPB YET GRA104RRB GEM S 1.3/ /8ECG GRA106NPPB YET GRA106RRB GEM S 1.7/ /16ECG YET GRA107RRB GEM S 1.1/ /2ECG GRA108NPPB YET GRA108RRB GEM S 1.5/ /8ECG YET GRA110RRB GEM S 1.11/ /16ECG YET GRA111RRB GEM S 1.3/ /4ECG GRA112NPPB YET GRA112RRB GEM S 1.7/ /8ECG YET GRA114RRB GEM S 1.15/ /16ECG GRA115NPPB YET GRA115RRB GEM S ECG GEM S Diâmetro nominal do furo (mm) ROLMAX INA SKF FAFNIR NSK G AY 20NPPB GYAE20RRB UB G AY 25NPPB GYAE25RRB UB G AY 30NPPB GYAE30RRB UB G GYAE35RRB UB G GYAE40RRB UB G GYAE45RRB UB G GYAE50RRB UB 210 Diâmetro nominal do furo (mm) ROLMAX INA SKF FAFNIR NSK 3/ /4G GYA012RRB UB S G GYA100RRB UB S 1.1/ /4G GYA103RRB UB S 1.1/ /4G GYA104RRB UB S 1.1/ /2G GYA108RRB UB S 1.3/ /4G GYA112RRB UB S 16

17 Tabela de Conversões de Conjuntos Autocompensadores ROLMAX INA SKF FAFNIR SEALMASTER JAPONÊS NP RASEY SY-TF RASC NP UCP 200 NP-ECG PASE SY-FM VAS A LP NP-EWR RASE SY-WM RAS UE LP MP RAKH MP UCPX SF RCJY FY-TF RCJC SF UCF 200 SF-ECG PCF FY-TM VCJ UDF SF-EWR RCJ FY-WM RCJ EWF M200 MSF RCJHP MSF UCFX SFT RCHTY FYTB-TF RCJTC SFT UCF L200 SFT-ECG PCFT FYTB-FM VCJT UDF L SFT-EWR RCJT FYTB-WM RCJT EWF LM200 MSFT TCJTHP MSFT UCF LX MFC RFC MFC SCHB RHC SCHB SCHB ST RTUY TU-TF RT UY ST UCT 200 ST-ECG PT UE TU-FM VT U UDT ST-EWR RT UE TU-WM RT U UELT MST RT UHP MST UCT X LPB RBY P-TF PBY SSP SP LPB-ECG PB P-FM PB A ELPP SLFE RRY PF-TF SSF PF SLFE-ECG RA PF-FM RA AELPF SLFL RRTY PFT-TF SSFT PTF SLFL-ECG RAT PFT-FM RAT AELPFL Todos os dados contidos neste catálogo foram elaborados e comprovados tecnicamente, porém não assumimos responsabilidade por eventuais erros ou omissões. Nos reservamos o direito de modificações em interesse ao desenvolvimento técnico. Para obter informações e detalhes técnicos sobre os produtos ROLMAX, solicite nosso departamento de engenharia. 17

18 Unidades de Rolamentos com Mancais Tipo Pedestal NP É possível formar conjuntos com diversos diâmetros de furo, constantes nas páginas correspondentes aos rolamentos base. Montagens com sufixos R, informar separadamente; Mancal e rolamento a ser utilizado. Diâmetro do eixo mm poleg. Conjunto Dimensões em milímetros e polegadas Mancal Rolamento base L J H H1 H2 A B S G 20 - NP , , ,96 12, /4 NP-3/ /8 Peso Kg NP NP-25-7/8 NP-7/ , , ,11 14, /16 NP-15/ /8-1 NP NP /8 NP-1.1/ ,80 17,50 82,30 41,80 38,10 15, /16 NP-1.3/ /2-1.1/4 NP-1.1/ NP /4 NP-1.1/4R ,50 47,60 17,50 92,60 46,60 42,88 17, /8 NP-1.3/ /2-1.7/16 NP-1.7/ NP ,20 18,50 98,20 51,60 49,23 19, /2 NP-1.1/ / NP /8 NP-1.5/ ,50 108, ,23 19, /16 NP-1.11/ /2-1.3/4 NP-1.3/ NP /8 NP-1.7/ , , ,59 19, /16 NP-1.15/ /8-2 NP NP-55-2 NP-2R , ,55 22, /8 NP-2.1/ /8-2.3/16 NP-2.3/ NP /4 NP-2.1/ , , ,07 25, /8 NP-2.3/ /8-2.7/16 NP-2.7/ NP , , ,07 25, /2 NP-2.1/ /8 NP NP NP NP NP ,19 NP ,90 NP ,42 NP ,97 NP , NP /8 NP-2.7/8-2.15/16 NP-2.15/ , ,77 33, /4 NP

19 Unidades de Rolamentos com Mancais Tipo Pedestal MP É possível formar conjuntos com diversos diâmetros de furo constantes nas páginas correspondentes aos rolamentos base. Montagens com sufixos R, informar separadamente; Mancal e rolamento, a ser utilizado. Diâmetro do eixo mm poleg. Conjunto Dimensões em milímetros e polegadas L J H H1 H2 A B S G 25 - MP , , ,10 15, MP / MP /16 MP-1.3/16-1.1/4 MP-1.1/ MP /8 MP-1.3/8-1.7/16 MP-1.7/ ,50 47,60 17,50 92,60 46,60 42,88 17, ,535 5, ,645 1, / , ,23 19, / MP ,70 20, ,23 19, /2 MP-1.1/ / MP /16 MP-1.11/16-1.3/4 MP-1.3/ ,70 20,50 117, ,59 19, / MP /8 MP-1.7/ ,50 63, , ,55 22, /16 MP-1.15/ /8-2 MP MP /16 MP-2.3/16-2.1/4 MP-2.1/ ,50 69, , ,07 25, / MP MP-65R , , ,63 30, /16 MP-2.7/ /4-2.1/2 MP-2.1/2 65 MP MP ,90 28,50 177, ,77 33, /16 MP-2.11/ /8-2.3/4 MP-2.3/ MP /16 MP-2.15/16-3 MP MP /16 MP-3.3/16-3.1/4 MP-3.1/ , , ,55 33, ,313 7/ , , ,72 34, / MP MP , , ,04 39, /16 MP-3.7/ /8-3.1/2 MP-3.1/ MP MP , ,48 49, /16 MP-3.15/ MP-4 Mancal Rolamento base Peso Kg MP MP MP MP MP MP MP MP MP MP MP MP MP

20 Unidades de Rolamentos com Mancais Tipo Flange SF É possível formar conjuntos com diversos diâmetros de furo constantes nas páginas correspondentes aos rolamentos base. Diâmetro do eixo mm Poleg. Conjunto L J H A1 Dimensões em milímetros e polegadas A A4 B S G bc 20 - SF , ,76 30, ,96 12, ,50-3/4 SF-3/ / SF-25-7/8 SF-7/ ,84 31,60 14,10 34,11 14, /16 SF-15/ / SF SF /8 SF-1.1/ ,50 82,50 42,22 32,80 15,70 38,10 15, /16 SF-1.3/ / /4 SF-1.1/4 Mancal Rolamento base Peso Kg F F F SF /8 SF-1.3/8 1.7/16 SF-1.7/16 117, , ,20 42,88 17, / F SF , ,18 37,40 15,20 49,23 19, /2 SF-1.1/ / SF /8 SF-1.5/8 136, ,18 36,80 15,80 49,23 19, /16 SF-1.11/ , / /4 SF-1.3/ SF /8 SF-1.7/ ,54 43,70 18,30 51,59 19, /16 SF-1.15/ / SF-2 F F F SF ,33 47,70 21,50 55,55 22, /8 SF-2.1/ / /16 SF-2.3/16 F SF /4 SF-2.1/4 174, , ,07 25, ,50-2.3/8 SF-2.3/ / /16 SF-2.7/ SF SF , ,87 48,10 18,50 74,63 30, ,50-2.5/8 SF-2.5/ / /16 SF-2.11/ SF /4 SF-2.3/ , ,07 51,80 23,50 77,77 33, ,60-2.7/8 SF-2.7/ / /16 SF-2.15/16 F ,70 F F ,60 20

21 Unidades de Rolamentos com Mancais Tipo Flange MSF É possível formar conjuntos com diversos diâmetros de furo constantes nas páginas correspondentes aos rolamentos base. Diâmetro do eixo mm poleg. Conjunto L J H Dimensões em milímetros e polegadas A1 A A4 B S G bc 25 - MSF ,50 82,50 42,22 32,80 15,70 38,10 15, MSF / MSF /16 MSF-1.3/16-1.1/4 MSF-1.1/4 117, , ,20 42,88 17, / Mancal Rolamento base Peso Kg F F MSF /8 MSF-1.3/8-1.7/16 MSF-1.7/ , ,18 37,40 15,20 49,23 19, / F MSF , ,18 36,80 15,80 49,23 19, /2 MSF-1.1/ / MSF /4 MSF-1.3/4-1.11/16 MSF-1.11/ ,54 43,70 18,30 51,59 19, / MSF /8 MSF-1.7/ ,33 47,70 21,50 55,55 22, /16 MSF-1.15/ / MSF MSF /16 MSF-2.3/16-2.1/4 MSF-2.1/4 174, , ,07 25, , / F F F F , MSF /16 MSF-2.7/16-2.1/2 MSF-2.1/ , ,87 48,10 18,50 74,63 30, , / F MSF MSF , ,07 51,80 23,50 77,77 33, , /16 MSF-2.11/ / /4 MSF-2.3/ MSF /16 MSF-2.15/16-3 MSF , ,02 55,50 23,50 82,55 33, , / F ,60 F MSF /16 MSF-3.3/16-3.1/4 MSF-3.1/ , ,78 54,80 26,50 85,72 34, , , / F MSF MSF , ,91 62,20 26,50 96,04 39, ,60-3.7/16 MSF-3.7/ / /2 MSF-3.1/ MSF MSF , , ,50 117,48 49, , /16 MSF-3.15/ , MSF-4 F F

22 Unidades de Rolamentos com Mancais Tipo Flange SFT É possível formar conjuntos com diversos diâmetros de furo constantes nas páginas correspondentes aos rolamentos base. Diâmetro do eixo mm poleg. Conjunto L J H Dimensões em milímetros e polegadas 20 - SFT , ,76 30, ,96 12, ,50-3/4 SFT-3/ / SFT-25-7/8 SFT-7/ ,84 31,60 14,10 34,11 14, /16 SFT-15/ / SFT SFT /8 SFT-1.1/8 82, ,22 32, ,10 15, /16 SFT-1.3/ / /4 SFT-1.1/4 A1 A A4 B S G bc Mancal Rolamento base Peso Kg S ,60 S S SFT /8 SFT-1.3/8-1.7/16 SFT-1.7/ ,50 45, ,20 42,88 17, / S SFT ,70 171,50 53,18 37,40 15,20 49,23 19, /2 SFT-1.1/ / SFT /8 SFT-1.5/ , ,18 36,80 15,80 49,23 19, /16 SFT-1.11/ / /4 SFT-1.3/ SFT /8 SFT-1.7/ ,54 43,20 18,30 51,59 19, /16 SFT-1.15/ / SFT-2 S S S SFT /8 SFT-2.1/8-2.3/16 SFT-2.3/ ,33 47,70 21,50 55,55 22, / S

23 Unidades de Rolamentos com Mancais Tipo Flange MSFT É possível formar conjuntos com diversos diâmetros de furo constantes nas páginas correspondentes aos rolamentos base. Diâmetro do eixo mm Poleg. Conjunto L J H Dimensões em milímetros e polegadas A1 A A4 B S G bc 25 - MSFT-25 82, ,22 32,80 15,70 38,10 15, MSFT / Mancal Rolamento base Peso Kg S MSFT /16 MSFT-1.3/16-1.1/4 MSFT-1.1/ MSFT /8 MSFT-1.3/8-1.7/16 MSFT-1.7/ ,50 45, ,20 42,88 17, / ,70 171,50 53,18 37,40 15,20 49,23 19, / S S MSFT , ,18 36,80 15,80 49,23 19, /2 MSFT-1.1/ / MSFT /16 MSFT-1.11/ ,54 43,70 18,30 51,59 19, /4 MSFT-1.3/ / MSFT /8 MSFT-1.7/ ,33 47,70 21,50 55,55 22, /16 MSFT-1.15/ / MSFT-2 S S S

24 Unidades de Rolamentos com Mancais em FoFo Nodular Tipo Esticador ST É possível formar conjuntos com diversos diâmetros de furo constantes nas páginas correspondentes aos rolamentos base. mm Diâmetro do eixo poleg. Conjunto L L 1 L 2 L 3 4 Dimensões em milímetros e polegadas L H H1 H2 H3 A A ST , /4 ST-3/ ST-25-7/8 ST-7/ , /16 ST-15/ ST ST /8 ST-1.1/ ,50 88,70 36,50 13, /16 ST-1.3/ /4 ST-1.1/ ST /8 ST-1.3/8-1.7/16 ST-1.7/ ,50 88,70 36,50 13, ST , ,50 28,50-1.1/2 ST-1.1/ ST /8 ST-1.5/ , , , ,50 28, /16 ST-1.11/ /4 ST-1.3/ ST /8 ST-1.7/ , , ,50 28, /16 ST-1.15/ ST ST /8 ST-2.1/8-2.3/16 ST-2.3/16 171,50 106, , , , , ST /4 ST-2.1/ ,50 19, , , ,50-2.3/8 ST-2.3/ /16 ST-2.7/ ST ST , /2 ST-2.1/ /16 ST-2.11/ ST /4 ST-2.3/ , /8 ST-2.7/ /16 ST-2.15/ ST ST /16 ST-3.3/ ST /4 ST-3.1/ ,50-3.3/8 ST-3.3/ /16 ST-3.7/16 N Mancal Rolamento base Peso Kg T T T T T T T T T T T T T

25 Unidades de Rolamentos com Mancais em FoFo Nodular Tipo Esticador MST É possível formar conjuntos com diversos diâmetros de furo constantes nas páginas correspondentes aos rolamentos base. mm Diâmetro do eixo Conjunto Dimensões em milímetros e polegadas Mancal Rolamento Peso Kg base poleg. L L 1 L 2 L 3 L 4 H H1 H2 H3 A A1 N 25 - MST ,50 88,70 36,50 13, MST T MST ,50 88,70 36,50 13, /16 MST-1.3/ /4 MST-1.1/ MST /8 MST-1.3/8-1.7/16 MST-1.7/ , ,50 28, MST , , ,50 28,50-1.1/2 MST-1.1/ MST /16 MST-1.11/ , , ,50 28,50-1.3/4 MST-1.3/ MST /8 MST-1.7/8 171,50 106, , , , , /16 MST-1.15/ MST MST /16 MST-2.3/16-2.1/4 MST-2.1/ MST /16 MST-2.7/16-2.1/2 MST-2.1/ ,50 19, , , , , MST MST , /16 MST-2.11/ /4 MST-2.3/ MST /16 MST-2.15/ MST MST /16 MST-3.3/16-3.1/4 MST-3.1/ , MST MST , , /16 MST-3.7/ /2 MST-3.1/ MST MST ,50 190, , , /16 MST-3.15/ MST-4 T T T T T T T ,90 T T T T T

26 Unidades de Rolamentos com Mancais Tipo Flange com Guia MFC-A É possível formar conjuntos com diversos diâmetros de furo constantes nas páginas correspondentes aos rolamentos base. Montagens com sufixos R, informar separadamente; Mancal e rolamento, a ser utilizado. Diâmetro do eixo mm poleg. Conjunto 25 - MFC-25A - 7/8 MFC-7/8A , , ,40 34,11 14,27 14,32-15/16 MFC-15/16A / MFC-1A 30 - MFC-30A - 1.1/8 MFC-1.1/8A , , ,40 38,10 15,88 14,32-1.3/16 MFC-1.3/16A / /4 MFC-1.1/4A 35 - MFC-35A - 1.3/16 MFC-1.3/16AR , , ,40 42,88 17,48 14,32-1.1/4 MFC-1.1/4AR / /8 MFC-1.3/8A - 1.7/16 MFC-1.7/16A 40 - MFC-40A 45 - MFC-45A - 1.1/2 MFC-1.1/2A , , ,40 49,23 19,05 13,53-1.5/8 MFC-1.5/8A / /16 MFC-1.11/16A - 1.3/4 MFC-1.3/4A 50 - MFC-50A /16 MFC-1.11/16AR - 1.7/8 MFC-1.7/8A /16 MFC-1.15/16A - 2 MFC-2A L H Dimensões em milímetros e polegadas J G A1 A4 A5 B S bc ,30 136, , ,40 51,59 19,05 12, / Mancal Rolamento base Peso Kg MFC-1A MFC-2A MFC-3A MFC-4A MFC-5A

27 Unidades de Rolamentos com Mancais Tipo Flange com Guia MFC É possível formar conjuntos com diversos diâmetros de furo constantes nas páginas correspondentes aos rolamentos base. Montagens com sufixos R, informar separadamente; Mancal e rolamento, a ser utilizado. Diâmetro do eixo mm Poleg. Conjunto L H J Dimensões em milímetros e polegadas 25 - MFC ,10 76,20 92, , ,40 38,10 15,88 14,32-1 MFC / MFC /16 MFC-1.3/ ,72 104, , ,40 42,88 17,48 14,32-1.1/4 MFC-1.1/ / G A1 A4 A5 B S bc Mancal Rolamento base Peso Kg MFC MFC MFC MFC /8 MFC-1.3/8-1.7/16 MFC-1.7/16-1.1/2 MFC-1.1/2 133,40 92,07 111, , ,40 49,23 19,05 14, / MFC MFC /16 MFC-1.11/16 155,60 107,95 130, , ,40 51,59 19,05 13,53-1.3/4 MFC-1.3/ / MFC MFC /8 MFC-1.7/8 161,90 114,30 136, , ,40 55,55 22,22 12, /16 MFC-1.15/ / MFC-2R MFC MFC MFC /16 MFC-2.3/16-2.1/4 MFC-2.1/ MFC /16 MFC-2.7/16-2.1/2 MFC-2.1/ , , ,50 65,07 25, / ,70 139,70 165, , ,70 74,63 30, / MFC MFC MFC MFC ,20 161,92 190, , ,70 77,77 33, /16 MFC-2.11/ / /4 MFC-2.3/4 MFC MFC MFC /16 MFC-2.15/16-3 MFC-3-3.1/4 MFC-3.1/4 222,20 161,92 190, , ,70 82,55 33, / MFC MFC MFC ,40 187,32 219, ,46 29,40 12,70 96,04 39,73 23,85-3.7/16 MFC-3.7/ / /2 MFC-3.1/ MFC MFC ,40 228,60 260, , ,70 117,48 49,25 33, /16 MFC-3.15/ / MFC-4 MFC MFC

28 Unidades de Rolamentos com Mancais em FoFo Nodular Tipo Tensor Reforçado SCHB É possível formar conjuntos com diversos diâmetros de furo constantes nas páginas correspondentes aos rolamentos base. Diâmetro Dimensões em milímetros e polegadas do eixo Conjunto mm poleg. L H H1 G G1 A A1 B S 20 - SCHB-20 66,68 90, / ,26 30,96 12,70-3/4 SCHB-3/ BSP SCHB SCHB-30-7/8 SCHB-7/8-1 SCHB-1-1.1/8 SCHB-1.1/ / ,22 38,10 15, BSP SCHB /16 SCHB-1.3/ / ,40 42,88 17,48-1.1/4 SCHB-1.1/ BSP /8 SCHB-1.3/ SCHB /16 SCHB-1.7/16-1.1/2 SCHB-1.1/ SCHB SCHB /16 SCHB-1.11/16-1.3/4 SCHB-1.3/4-1.7/8 SCHB-1.7/8-1.15/16 SCHB-1.15/16-2 SCHB , / ,68 49,23 19, BSP ,50 82, ,54 51,59 19, BSP SCHB SCHB /16 SCHB-2.3/ ,50 1.1/ ,67 65,07 25,40-2.1/4 SCHB-2.1/ BSP /8 SCHB-2.3/8-2.7/16 SCHB-2.7/ SCHB SCHB SCHB /16 SCHB-2.11/16-2.3/4 SCHB-2.3/4-2.7/8 SCHB-2.7/8-2.15/16 SCHB-2.15/ SCHB-80-3 SCHB-3-3.3/16 SCHB-3.3/ ,50 1.1/ ,92 77,77 33, BSP , / ,20 82,55 33, BSP Mancal Rolamento base Peso Kg H H-2/ H H H H H H

29 Unidades de Rolamentos com Mancais em Aço Estampado Tipo Pedestal LPB É possível formar conjuntos com diversos diâmetros de furo constantes nas páginas correspondentes aos rolamentos base. Diâmetro do eixo mm poleg. Conjunto Dimensões em milímetros e polegadas L J H H1 H2 A B S G 20 - LPB ,40 76,20 25, ,20 30,96 12,70 8-3/4 LPB-3/ LPB-25-7/8 LPB-7/ , ,20 34,11 14, /16 LPB-15/ LPB LPB /8 LPB-1.1/ , , ,60 38,10 15, /16 LPB-1.3/ /4 LPB-1.1/ LPB , ,50 77, ,88 17, /8 LPB-1.3/ /16 LPB-1.7/16 Mancal Rolamento base Peso Kg LPB ,250 LPB ,300 LPB ,510 LPB ,700 Unidades de Rolamentos com Mancais em Aço Estampado Tipo Flange SLFL É possível formar conjuntos com diversos diâmetros de furo constantes nas páginas correspondentes aos rolamentos base. Diâmetro do eixo mm poleg. Conjunto Dimensões em milímetros e polegadas L J H H1 A A1 B S N 20 - SLFL-20 65,70 71,50 90,40 52,20 8,40 4,50 30,96 12,70 8,50-3/4 SLFL-3/ SLFL-25-7/8 SLFL-7/8 71, , ,70 4,50 34,11 14,27 8,50-15/16 SLFL-15/ SLFL SLFL /8 SLFL-1.1/8 83,75 90, ,10 4,50 38,10 15,88 10,50-1.3/16 SLFL-1.3/ , /4 SLFL-1.1/ SLFL /16 SLFL-1.3/16 93, , ,60 5,30 42,88 17,48 10,50-1.1/4 SLFL-1.1/ /8 SLFL-1.3/8-1.7/16 SLFL-1.7/16 Mancal Rolamento base Peso Kg SLFL ,260 SLFL ,310 SLFL ,470 SLFL ,660 29

MANUTENÇÃO EM MANCAIS E ROLAMENTOS Atrito É o contato existente entre duas superfícies sólidas que executam movimentos relativos. O atrito provoca calor e desgaste entre as partes móveis. O atrito depende

Leia mais

Selecione o tipo de rolamento e configuração. Limitações dimensionais

Selecione o tipo de rolamento e configuração. Limitações dimensionais Seleção do 2. Seleção do Os s e de estão disponíveis numa variedade de tipos, formas e dimensões. Quando se faz a correta seleção do para a sua aplicação, é importante considerar diversos fatores, e analisar

Leia mais

Elementos de máquina. Curso de Tecnologia em Mecatrônica 6º fase. Diego Rafael Alba

Elementos de máquina. Curso de Tecnologia em Mecatrônica 6º fase. Diego Rafael Alba E Curso de Tecnologia em Mecatrônica 6º fase Diego Rafael Alba 1 Mancais De modo geral, os elementos de apoio consistem em acessórios para o bom funcionamento de máquinas. Desde quando o homem passou a

Leia mais

Rolamentos e Serviços para o Mercado de Açúcar e Etanol

Rolamentos e Serviços para o Mercado de Açúcar e Etanol Rolamentos e Serviços para o Mercado de Açúcar e Etanol Rolamentos para Todas as Necessidades da Sua Usina A Solução Perfeita para Qualquer Aplicação Com suas duas fortes marcas, INA e FAG, a qualidade

Leia mais

------------------------------- -----------------------------Henflex. Henflex------------------------------ Índice

------------------------------- -----------------------------Henflex. Henflex------------------------------ Índice Índice 1.Características Gerais... 2 2.Seleção do Tamanho do Acoplamento... 2 2.1- Dimensionamento dos acoplamentos Henflex HXP para regime de funcionamento contínuo... 2 2.2 Seleção do Acoplamento...

Leia mais

Caixas SNH. www.fcm.ind.br VE-001-SNH. Copyright FCM 2001

Caixas SNH. www.fcm.ind.br VE-001-SNH. Copyright FCM 2001 Catálogo Eletrônico VE-001-SNH www.fcm.ind.br Caixas SNH Copyright FCM 2001 O conteúdo deste catálogo é de propriedade da empresa FCM - Fábrica de Mancais Curitiba Ltda., sendo proibida a reprodução parcial

Leia mais

Rolamento Autocompensador de Rolos Esféricos SÉRIE EA

Rolamento Autocompensador de Rolos Esféricos SÉRIE EA Rolamento Autocompensador de Rolos Esféricos SÉRIE EA Rolamento autocompensador de rolos esféricos de alta performance com maior capacidade de carga Rolamento Autocompensador de Rolos Esféricos SÉRIE EA

Leia mais

Elementos de Máquinas

Elementos de Máquinas Professor: Leonardo Leódido Sumário Buchas Guias Mancais de Deslizamento e Rolamento Buchas Redução de Atrito Anel metálico entre eixos e rodas Eixo desliza dentro da bucha, deve-se utilizar lubrificação.

Leia mais

CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS

CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS O acoplamento ACRIFLEX AD, consiste em dois flanges simétricos inteiramente usinados, pinos de aço com superfícies retificadas e buchas amortecedoras de borracha nitrílica à prova

Leia mais

ACOPLAMENTOS ELÁSTICOS MADEFLEX MSN

ACOPLAMENTOS ELÁSTICOS MADEFLEX MSN ACOPLAMENTOS ELÁSTICOS MADEFLEX MSN CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS Os acoplamentos MADEFLEX MSN são compostos por dois cubos simétricos de ferro fundido nodular, e um elemento poliuretano alojado entre eles

Leia mais

Dimensões 01深溝玉.indd 138 01深溝玉.indd 138 2007/08/22 16:27:39 2007/08/22 16:27:39

Dimensões 01深溝玉.indd 138 01深溝玉.indd 138 2007/08/22 16:27:39 2007/08/22 16:27:39 Dimensões Rolamento Fixo de Esferas Precisão Página 52 Folga interna Página 64 Dimensões de anel de retenção Página 45 Devido à sua versatilidade, o Rolamento Fixo de Esferas de Uma Carreira é o tipo

Leia mais

MANCAIS DE ROLAMENTOS. 1. Introdução 2- Classificação. 3. Designação de rolamentos. 4. Defeitos comuns dos rolamentos. 5. Critérios de seleção.

MANCAIS DE ROLAMENTOS. 1. Introdução 2- Classificação. 3. Designação de rolamentos. 4. Defeitos comuns dos rolamentos. 5. Critérios de seleção. MANCAIS DE ROLAMENTOS. 1. Introdução 2- Classificação. 3. Designação de rolamentos. 4. Defeitos comuns dos rolamentos. 5. Critérios de seleção. Os mancais em geral têm como finalidade servir de apóio às

Leia mais

ACOPLAMENTO ELÁSTICO MADEFLEX MN

ACOPLAMENTO ELÁSTICO MADEFLEX MN CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS Os acoplamentos são compostos por dois cubos simétricos de ferro fundido cinzento, e um elemento elástico alojado entre eles, de borracha sintética de elevada resistência a abrasão.

Leia mais

Vedação => TC. Vedação => TA. Vedação => TG. Vedação => TS

Vedação => TC. Vedação => TA. Vedação => TG. Vedação => TS Montagem das caixas SNHL Vedação => TC Vedação => TA Vedação => TG Vedação => TS Burger S/A Industria e Comércio Técnica/di 15/05/2009 66 Vedação TC Vedadores de Feltro TC Os vedadores são constituídos

Leia mais

4 CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS

4 CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS 1 4 CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS Os acoplamentos ACRIFLEX AG são compostos por dois cubos simétricos de ferro fundido cinzento, e um elemento elástico alojado entre eles, de borracha sintética de elevada resistência

Leia mais

ACOPLAMENTOS ELÁSTICOS MADEFLEX GR (COM GARRAS)

ACOPLAMENTOS ELÁSTICOS MADEFLEX GR (COM GARRAS) ACOPLAMENTOS ELÁSTICOS MADEFLEX GR (COM GARRAS) CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS Os acoplamentos MADEFLEX GR são compostos por dois cubos simétricos de ferro fundido cinzento, e um elemento elástico alojado entre

Leia mais

Fábrica de Mancais Curitiba Ltda

Fábrica de Mancais Curitiba Ltda Caixas SNH e SN30 Fábrica de Mancais Curitiba Ltda SNH As caixas de rolamentos com base SNH foram projetadas para possibilitar maior flexibilidade na escolha do rolamento, vedação e lubrificação. Foram

Leia mais

IMETEX - SISTEMAS DE FIXAÇÃO - Anel de Fixação Série RFN 8006

IMETEX - SISTEMAS DE FIXAÇÃO - Anel de Fixação Série RFN 8006 Para conexões eixo-cubo extremamente tensionadas a união por encolhimento é insuperável. Nenhum outro tipo de fixação pode oferecer qualidades semelhantes, no que diz respeito à resistência à fadiga sob

Leia mais

Acoplamento Altamente Elástico

Acoplamento Altamente Elástico Acoplamento Altamente Elástico Spxpt 04/02 GENERALIDADES Acoplamentos altamente elásticos Speflex modelos SPA e SPG O acoplamento VULKAN SPEFLEX é constituído de um elemento altamente elástico em borracha

Leia mais

ACOPLAMENTO ELÁSTICO MADEFLEX CR (COM CRUZETA)

ACOPLAMENTO ELÁSTICO MADEFLEX CR (COM CRUZETA) ACOPLAMENTO ELÁSTICO MADEFLEX CR (COM CRUZETA) CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS Os acoplamentos MADEFLEX CR são compostos por dois cubos simétricos de ferro fundido cinzento, e um elemento elástico alojado entre

Leia mais

DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I (SEM0564) AULA 10 - ELEMENTOS DE MÁQUINA

DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I (SEM0564) AULA 10 - ELEMENTOS DE MÁQUINA DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I (SEM0564) AULA 10 - ELEMENTOS DE MÁQUINA (APOIO, ELÁSTICO E VEDAÇÃO) Notas de Aulas v.2015 ELEMENTOS DE APOIO BUCHAS Radial Axial Cônica ELEMENTOS DE APOIO BUCHAS ELEMENTOS DE

Leia mais

Boletim da Engenharia

Boletim da Engenharia Boletim da Engenharia 10 Verificação e Ajuste da Folga Axial dos Compressores Parafuso 11/02 Tipos de compressores: OS.53 / OS.70 / OS.74 HS.53 / HS.64 / HS.74 HSKC 64 / HSKC 74 Sumário Página 1 Introdução

Leia mais

Industry. SNR, a solução concreta para suas aplicações

Industry. SNR, a solução concreta para suas aplicações Industry SNR, a solução concreta para suas aplicações Suas exigências e nosso savoir-faire: uma mistura homogênea O cimento, na forma de concreto, está presente em todos os lugares. Todo nosso ambiente

Leia mais

Rolamentos de Rolos Cilíndricos

Rolamentos de Rolos Cilíndricos Rolamentos de Rolos Cilíndricos Tolerância Página 52 Folga interna Página 64 axial Página 34 Modelos e Formatos Os Rolamentos de Rolos Cilíndricos NACHI são produzidos em uma larga variedade de projetos

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Sistemas Mecânicos e Eletromecânicos

Curso de Engenharia de Produção. Sistemas Mecânicos e Eletromecânicos Curso de Engenharia de Produção Sistemas Mecânicos e Eletromecânicos Mancais: São elementos de máquinas que suportam eixo girante, deslizante ou oscilante. São classificados em mancais de: Deslizamento

Leia mais

Chaves e soquetes. Ajuste fixo: eixos cônicos. Chaves de gancho série HN da SKF. O raio exato da chave reduz o risco de danos à porca

Chaves e soquetes. Ajuste fixo: eixos cônicos. Chaves de gancho série HN da SKF. O raio exato da chave reduz o risco de danos à porca Chaves e soquetes Chaves e soquetes Ajuste fixo: eixos cônicos Os rolamentos montados em eixos cônicos obtêm o ajuste fixo quando atingem o local certo de fixação no eixo cônico. Deve-se tomar muito cuidado

Leia mais

Mancais. TECNÓLOGO EM MECATRÔNICA Elementos de Máquinas. Professor: André Kühl andre.kuhl@ifsc.edu.br

Mancais. TECNÓLOGO EM MECATRÔNICA Elementos de Máquinas. Professor: André Kühl andre.kuhl@ifsc.edu.br Mancais TECNÓLOGO EM MECATRÔNICA Elementos de Máquinas Professor: André Kühl andre.kuhl@ifsc.edu.br Introdução à Mancais O mancal pode ser definido como suporte ou guia em que se apóia o eixo; No ponto

Leia mais

Classificação e Características dos Rolamentos

Classificação e Características dos Rolamentos Classificação e Características dos 1. Classificação e Características dos 1.1 dos rolamentos A maioria dos rolamentos é constituída de anéis com pistas (um anel e um anel ), corpos rolantes (tanto esferas

Leia mais

Rolamentos para a Indústria de Mineração

Rolamentos para a Indústria de Mineração Rolamentos para a Indústria de Mineração Tecnologia NSK líder de mercado para aplicações em mineração para prolongar a vida do rolamento e reduzir custos de manutenção e tempo de parada. Aumento da Produção

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS 1. ESTRUTURA E BLINDAGEM DOS MODULOS 1.1 - Estruturas Laterais Externas Deverão ser confeccionadas em chapa de aço SAE1010 #18, com varias dobras formando colunas, sem quinas ou

Leia mais

Manual Técnico de Instalação, Operação e Manutenção. Lavador de Ar

Manual Técnico de Instalação, Operação e Manutenção. Lavador de Ar Manual Técnico de Instalação, Operação e Manutenção ISO 9001:2008 VENTEC AMBIENTAL EQUIPAMENTOS E INSTALAÇÕES LTDA Rua André Adolfo Ferrari, nº 550 - Distrito Industrial Nova Era - Indaiatuba - São Paulo

Leia mais

USO, MANUTENÇÃO E REGULAGEM DE CASSETES PARA ÁREA DE TREFILAÇÃO

USO, MANUTENÇÃO E REGULAGEM DE CASSETES PARA ÁREA DE TREFILAÇÃO USO, MANUTENÇÃO E REGULAGEM DE CASSETES PARA ÁREA DE TREFILAÇÃO Cassetes Os cassetes laminadores são micro cadeiras de laminação, que substituem as fieiras nas máquinas de trefilação. Seu surgimento no

Leia mais

UM A M ARC A DO GRUPO ESPIRODUTOS

UM A M ARC A DO GRUPO ESPIRODUTOS VENTILADORES AXIAL UM A M ARC A DO GRUPO ESPIRODUTOS DESCRIÇÃO E NOMENCLATURA DE VENTILADORES AXIAL Diâmetro Fabricação Aspiração Rotor Empresa Ex: EAFN 500 Diâmetro da seleção Tipo de Fabricação G = Gabinete

Leia mais

VENTILADORES CENTRÍFUGOS TIPO SIROCCO TDA/TSA

VENTILADORES CENTRÍFUGOS TIPO SIROCCO TDA/TSA VENTILADORES CENTRÍFUGOS TIPO SIROCCO TDA/TSA ÍNDICE CONTEÚDO Pág Nº Generalidades sobre ventiladores 4 Generalidades sobre as curvas características Nomenclatura e terminologia 6 Níveis sonoros 7 Características

Leia mais

Descrição B. Cilindro sensor PD 40..

Descrição B. Cilindro sensor PD 40.. Descrição B Cilindro sensor PD 40.. PT 1. Segurança 2 2. unção 3 3. Transporte 8 4. Montagem 8 5. Instalação 9 6. Comissionamento 10 7. uncionamento/operação 10 8. Eliminação de falhas / Reparação 11 9.

Leia mais

Variadores e redutores de velocidade e manutenção de engrenagens

Variadores e redutores de velocidade e manutenção de engrenagens Variadores e redutores de velocidade e manutenção de engrenagens A UU L AL A Um conjunto de engrenagens cônicas pertencente a uma máquina começou a apresentar ruídos estranhos. O operador da máquina ficou

Leia mais

Compressores. www.iesa.com.br 2

Compressores. www.iesa.com.br 2 www.iesa.com.br 1 Compressores A pneumática utiliza o ar como fonte de energia para o acionamento de seus automatismos. Esse ar necessita de determinadas condições apropriadas para sua utilização. São

Leia mais

VENTILADORES AXIAIS AC / B/ AL AFR

VENTILADORES AXIAIS AC / B/ AL AFR VENTILADORES AXIAIS AC / B/ AL AFR ÍNDICE CONTEÚDO Pág Nº Generalidades sobre ventiladores 4 Generalidades sobre as curvas características 5 Ventiladores AFR 5 Nomenclatura 6 Seleção 7 Dimensões AFR /

Leia mais

Manual de instalação, operação e manutenção

Manual de instalação, operação e manutenção Manual de instalação, operação e manutenção para a válvula esférica assentada em metal RSVP aprimorada da MOGAS Como INSTALAR A VÁLVULA CORRETAMENTE ALÍVIO DE TENSÃO DAS SOLDAS CONFORME ASME B31.1 FAÇA

Leia mais

MANCAIS 24/09/13. Depto. Eng. Mecânica / UFPE - Elementos de Máquinas- Prof. José Maria Barbosa

MANCAIS 24/09/13. Depto. Eng. Mecânica / UFPE - Elementos de Máquinas- Prof. José Maria Barbosa MANCAIS 1 Mancais de Rolamentos Nomenclatura Definição: tipo de mancal em que a carga principal é transferida por meio de elementos em contato por rolamento. 2 Mancais de Rolamentos - Objetivos 1. Identificar

Leia mais

Manual de montagem e operação para EAS -dutytorque Tipo 404_. 400 Tamanho 2 9

Manual de montagem e operação para EAS -dutytorque Tipo 404_. 400 Tamanho 2 9 Ler atentamente e respeitar o manual de operação. A inobservância pode causar avarias de funcionamento ou a falha do limitador de torque, bem como os danos associados. Índice Página 1: - Índice - Símbolos

Leia mais

Plantadeira de Micro-Trator 1 Linha - Plantio Direto e Convencional Instruções do Operador

Plantadeira de Micro-Trator 1 Linha - Plantio Direto e Convencional Instruções do Operador R Plantadeira de Micro-Trator 1 Linha - Plantio Direto e Convencional Instruções do Operador INDÚSTRIA MECÂNICA KNAPIK LTDA. Rua Prefeito Alfredo Metzler, 480 - CEP 89400-000 - Porto União - SC Site: www.knapik.com.br

Leia mais

AS CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS DO MOTOR INCLUEM...

AS CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS DO MOTOR INCLUEM... Motores H-Compact COMPACTO, REFRIGERAÇÃO EFICIENTE A importância crescente da economia de energia, dos requerimentos ambientais, da procura por dimensões menores e das imposições dos mercados nacionais

Leia mais

EXAUSTOR MUNTERS MANUAL DE INSTALAÇÃO EXAUSTOR MUNTERS REV.00-11/2012-MI0047P

EXAUSTOR MUNTERS MANUAL DE INSTALAÇÃO EXAUSTOR MUNTERS REV.00-11/2012-MI0047P MANUAL DE INSTALAÇÃO EXAUSTOR MUNTERS REV.00-11/2012-MI0047P 0 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 2 IMPORTANTE... 3 SEGURANÇA... 3 CUIDADOS AO RECEBER O EQUIPAMENTO... 4 1) Instalação dos exaustores... 5 2) Instalação

Leia mais

Manual de Instalação e Operação

Manual de Instalação e Operação Manual de Instalação e Operação Suporte para amostras de pequeno porte e engastadas modelo SB-AP ATCP Engenharia Física Rua Lêda Vassimon, n 735-A - Ribeirão Preto - SP / Brasil CEP 14026-567 Telefone:

Leia mais

Batentes. Batente de esferas 378. Batentes autocompensadores de rolos 384

Batentes. Batente de esferas 378. Batentes autocompensadores de rolos 384 Batente de esferas 378 Definições e aptidões 378 Séries 378 Tolerâncias 379 Elementos de cálculo 379 Elementos de montagem 379 Características 380 Batente de esferas de efeito simples 380 Batentes autocompensadores

Leia mais

Qu e f a z j u s a o s e u n o m e

Qu e f a z j u s a o s e u n o m e Ma n c a i s Co m p l e t o s ISN Do d g e Ma n c a i s Completos ISN DODGE Conjuntos Montados com Rolamentos Autocompensadores de Rolos Qu e f a z j u s a o s e u n o m e Há mais de 125 anos, a marca

Leia mais

APRESENTAÇÃO RELAÇÃO DE COMPONENTES

APRESENTAÇÃO RELAÇÃO DE COMPONENTES Manual de Instalação Linha Máximo Fotos ilustrativas. Ventiladores de Teto Nesta marca você pode confiar APRESENTAÇÃO Os ventiladores de teto da LINHA MÁXIMO são desenvolvidos para oferecer ao usuário

Leia mais

* Norma ANSI/FCI 70.2

* Norma ANSI/FCI 70.2 Steam Seal Válvula Borboleta CARACTERÍSTICAS E BENEFÍCIOS Corpo Monobloco wafer, de pescoço longo para facilitar o isolamento térmico quando instalada na tubulação, totalmente fundido em aço carbono ou

Leia mais

Rolamentos de Triplo Anel

Rolamentos de Triplo Anel Rolamentos NSK para a Indústria Papeleira Padronizados para melhor qualidade, preços competitivos e melhor prazo de entrega Rolamentos NSK para a Indústria Papeleira A NSK tem mais de 80 anos de experiência

Leia mais

VARREDEIRA ZE072. Manual de serviço

VARREDEIRA ZE072. Manual de serviço VARREDEIRA ZE072 Manual de serviço A varredeira ZE072 foi desenvolvida para trabalhos na construção civil, de manutenção em estradas, ou locais que necessitem o mesmo sistema de remoção de resíduos. Qualquer

Leia mais

Manual de Instruções e Operação Moinhos USI-180

Manual de Instruções e Operação Moinhos USI-180 USIFER A Solução em Moagem Indústria Metalúrgica Ltda. Rua Vêneto, n 969 Bairro Nova Vicenza CEP 95180-000 Farroupilha RS Fones: (54) 3222 5194 Vendas (54) 3261 7356 Fábrica e-mail: usifermoinhos@usifermoinhos.com.br

Leia mais

EVERYWHERE YOU TURN TM

EVERYWHERE YOU TURN TM EVERYWHERE YOU TURN Proposta de valor Vida útil prolongada* Lubrificação em áreas múltiplas Recurso dinâmico de alinhamento Livre de manutenção sem necessidade de relubrificação diária Economize tempo

Leia mais

bambozzi Manual de Instruções TN5 B/56 +55 (16) 33833818 S.A.B. (Serviço de Atendimento Bambozzi) 0800 773.3818 sab@bambozzi.com.

bambozzi Manual de Instruções TN5 B/56 +55 (16) 33833818 S.A.B. (Serviço de Atendimento Bambozzi) 0800 773.3818 sab@bambozzi.com. A SSISTÊNCIAS T ÊCNICAS AUTORIZADAS acesse: www.bambozzi.com.br/assistencias.html ou ligue: +55 (16) 33833818 bambozzi Manual de Instruções BAMBOZZI SOLDAS LTDA. Rua Bambozzi, 522 Centro CEP 15990-668

Leia mais

4 CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS

4 CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS 4 CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS O acoplamento ACRIFLEX AC é composto por dois cubos simétricos de ferro fundido cinzento, unidos por um jogo de correias planas fixadas aos cubos através de um flange aparafusado.

Leia mais

Assuma o controle com as soluções SKF para o setor de siderurgia

Assuma o controle com as soluções SKF para o setor de siderurgia Assuma o controle com as soluções SKF para o setor de siderurgia O Poder do Conhecimento em Engenharia A única coisa mais intensa que o calor é a sua concorrência Poucos ambientes industriais têm condições

Leia mais

Parafusos III. Até agora você estudou classificação geral. Parafuso de cabeça sextavada

Parafusos III. Até agora você estudou classificação geral. Parafuso de cabeça sextavada A U A UL LA Parafusos III Introdução Até agora você estudou classificação geral dos parafusos quanto à função que eles exercem e alguns fatores a serem considerados na união de peças. Nesta aula, você

Leia mais

Transmissor de Vazão Mod. RTVG

Transmissor de Vazão Mod. RTVG 1. Introdução O Medidor de vazão tipo turbina é um instrumento de medição de vazão volumétrico. O elemento sensível à vazão é um rotor com um sistema de palhetas fixas, suspenso livremente sobre um eixo

Leia mais

Instruções de montagem

Instruções de montagem Instruções de montagem Indicações importantes relativas às instruções de montagem VOSS O desempenho e a segurança mais elevados possíveis no funcionamento dos produtos VOSS só serão obtidos se forem cumpridas

Leia mais

UNIÕES DE ACOPLAMENTO

UNIÕES DE ACOPLAMENTO UNIÕES DE ACOPLAMENTO Cat 012 - Out 2015 1 / 11 "GIFLEX" GE-T A aplicação industrial de acoplamentos elásticos tem por objectivo absorver ou atenuar eventuais irregularidades de rotação originadas pelo

Leia mais

APRESENTAÇÃO CHEGADA À OBRA. Recebimento

APRESENTAÇÃO CHEGADA À OBRA. Recebimento APRESENTAÇÃO Seu ventilador centrífugo ou axial, foi cuidadosamente projetado e construído, de modo a lhe oferece um desempenho longo e satisfatório, sempre que corretamente instalado, e adequadamente

Leia mais

Instruções para uso do peso de bater automático

Instruções para uso do peso de bater automático Este equipamento foi desenvolvido com as finalidades de: 1) Agilizar e otimizar o tempo necessário para os testes de penetração de solo; 2) Melhorar a ergonomia do procedimento, evitando esforços físicos

Leia mais

BOMBA CENTRÍFUGA FBRL20B MONO-ESTÁGIO

BOMBA CENTRÍFUGA FBRL20B MONO-ESTÁGIO BOMBA CENTRÍFUGA FBRL20B MONO-ESTÁGIO MANUAL TÉCNICO Série: FBRL20B Aplicação Desenvolvida para trabalhar com líquidos limpos ou turvos, em inúmeras aplicações, tais como indústrias químicas, petroquímicas,

Leia mais

www.reinhausen.com Eixo de transmissão Instruções de serviço BA 042/07

www.reinhausen.com Eixo de transmissão Instruções de serviço BA 042/07 www.reinhausen.com Eixo de transmissão Instruções de serviço BA 042/07 NOTA! O produto pode ter sido modificado depois de este documento ter sido enviado para impressão. Reservamo-nos expressamente o direito

Leia mais

Procedimentos de montagem e instalação

Procedimentos de montagem e instalação Procedimentos de montagem e instalação de elementos filtrantes Pall grau P (farmacêutico) 1. Introdução Os procedimentos abaixo devem ser seguidos para a instalação dos elementos filtrantes Pall grau P

Leia mais

Você já pensou o que seria do ser humano

Você já pensou o que seria do ser humano A UU L AL A Eixos e árvores Você já pensou o que seria do ser humano sem a coluna vertebral para lhe dar sustentação. Toda a estrutura de braços, pernas, mãos, pés seria um amontoado de ossos e músculos

Leia mais

TRANSPALETES MANUAIS MANUAL DE USO E MANUTENÇÃO CATÁLOGO PEÇAS DE REPOSIÇÃO

TRANSPALETES MANUAIS MANUAL DE USO E MANUTENÇÃO CATÁLOGO PEÇAS DE REPOSIÇÃO TM-IC TM-Z TM-IT TRANSPALETES MANUAIS MANUAL DE USO E MANUTENÇÃO CATÁLOGO PEÇAS DE REPOSIÇÃO Prezado Cliente, Você acaba de adquirir o Transpalete Hidráulico Manual (Linha TM)PALETRANS, um equipamento

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO, OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO SOPRADORES TIPO ROOTS DOSITEC SÉRIE Cutes - CR

MANUAL DE INSTALAÇÃO, OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO SOPRADORES TIPO ROOTS DOSITEC SÉRIE Cutes - CR MANUAL DE INSTALAÇÃO, OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO SOPRADORES TIPO ROOTS DOSITEC SÉRIE Cutes - CR Parabéns por adquirir sopradores roots Dositec, série Cutes - CR, os quais são o resultado de avançado projeto

Leia mais

Industry. SNC: Linha de mancais bipartidos para sua aplicação

Industry. SNC: Linha de mancais bipartidos para sua aplicação Industry SNC: Linha de mancais bipartidos para sua aplicação ÍndicePágina Geral Prefácio 2 O conceito dos mancais de rolamento SNR 3 Princípios de desenvolvimento 5 Detalhes estruturais 6 Denominações

Leia mais

INSTALAÇÃO, LUBRIFICAÇÃO E MANUTENÇÃO DAS CORRENTES TRANSPORTADORAS PROCEDIMENTO DE INSTALAÇÃO DA CORRENTE

INSTALAÇÃO, LUBRIFICAÇÃO E MANUTENÇÃO DAS CORRENTES TRANSPORTADORAS PROCEDIMENTO DE INSTALAÇÃO DA CORRENTE UNP-130408 1 de 6 INSTALAÇÃO, LUBRIFICAÇÃO E MANUTENÇÃO DAS CORRENTES TRANSPORTADORAS A vida útil das correntes transportadoras e elevadoras está diretamente ligada aos cuidados com a instalação, lubrificação

Leia mais

Rolamentos para Siderurgia Guia de Produtos

Rolamentos para Siderurgia Guia de Produtos Rolamentos para Siderurgia Guia de Produtos CAT. No. 9211 P NTN NTN Produtos que trazem benefícios em várias aplicações Equipamentos de siderurgia pertencem a grandes linhas que operam 24 horas por dia,

Leia mais

GSR-R. Tipo separado de guia linear (radial) modelo GSR-R

GSR-R. Tipo separado de guia linear (radial) modelo GSR-R Tipo separado de guia linear (radial) modelo Trilho com cremalheira Recirculador Raspador Bloco Diagrama de Seleção A Posições de montagem Opcionais Codificação Precauções de uso Acessórios para lubrificação

Leia mais

1. Estruturas e tipos de rolamentos

1. Estruturas e tipos de rolamentos 1. Estruturas e tipos de rolamentos 1-1 Estrutura Os rolamentos normalmente consistem de anéis de rolamento, elementos de rolagem e uma gaiola (veja Fig. 1-1). Os elementos de rolagem são dispostos entre

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES CONJUNTO DIESEL PARA SOLDA ELÉTRICA MODELO O - MOTOR PERKINS

MANUAL DE INSTRUÇÕES CONJUNTO DIESEL PARA SOLDA ELÉTRICA MODELO O - MOTOR PERKINS Consulte as Assistências Técnicas Autorizadas acesse: www.bambozzi.com.br/assistec.xls ou ligue: +55 (16) 33833806 / 33833807 MANUAL DE INSTRUÇÕES BAMBOZZI PRODUTOS ESPECIAIS LTDA. Av. XV de Novembro,

Leia mais

www.torcisao.ind.br Catálogo de Produtos

www.torcisao.ind.br Catálogo de Produtos www.torcisao.ind.br Catálogo de Produtos A TORCISÃO A Torcisão foi fundada em 1968, iniciando suas atividades na fabricação de peças para a indústria automobilística. Em 2006, o grupo se expandiu e fundou

Leia mais

Acoplamentos elásticos. eflex. www.aciobras.com.br

Acoplamentos elásticos. eflex. www.aciobras.com.br Acoplamentos elásticos eflex www.aciobras.com.br Os acoplamentos elásticos EFLEX com garras, tipos EA, GA e HA, são utilizados na ligação de eixos rotativos, com desalinhamentos normalmente inevitáveis,

Leia mais

Manual Técnico de Instalação, Operação e Manutenção. Transportador Helicoidal

Manual Técnico de Instalação, Operação e Manutenção. Transportador Helicoidal Manual Técnico de Instalação, Operação e Manutenção ISO 9001:2008 VENTEC AMBIENTAL EQUIPAMENTOS E INSTALAÇÕES LTDA Rua André Adolfo Ferrari, nº 550 - Distrito Industrial Nova Era - Indaiatuba - São Paulo

Leia mais

Manual de Usuário. (Y-200, Y-300, Y-400, Y-500, Y-550, Y- 600, Y-700, Y-850, Y-1200, Y-1500 e Y- 2000)

Manual de Usuário. (Y-200, Y-300, Y-400, Y-500, Y-550, Y- 600, Y-700, Y-850, Y-1200, Y-1500 e Y- 2000) AUTOMATIZADORES PARA PORTAS DE ENROLAR IMPORTAÇÃO E SUPORTE TÉCNICO NA INSTALAÇÃO Manual de Usuário (Y-200, Y-300, Y-400, Y-500, Y-550, Y- 600, Y-700, Y-850, Y-1200, Y-1500 e Y- 2000) SAC: 55 + 11 3088

Leia mais

Mancais para Rolamentos de Fixação Rápida

Mancais para Rolamentos de Fixação Rápida Mancais para Rolamentos de Fixação Rápida A Competência é Nossa - A Vantagem é Sua Aplicações Qualidade para Todos os Casos: Rolamentos de Fixação Rápida na Indústria Os rolamentos de fixação rápida estão

Leia mais

DISTRIBUIDORA DE PEÇAS VOLVO SCANIA IVECO. Rolamentos Causas e Soluções

DISTRIBUIDORA DE PEÇAS VOLVO SCANIA IVECO. Rolamentos Causas e Soluções Rolamentos e Oxidação e corrosão A superfície se torna parcial ou totalmente oxidada e ocasionalmente o óxido também se apresenta ao longo das linhas dos passos dos corpos rolantes. Condições inadequadas

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO POSITIVO ESTUDO DE METODOLOGIAS DE MONTAGEM DE ROLAMENTOS EM EIXOS

CENTRO UNIVERSITÁRIO POSITIVO ESTUDO DE METODOLOGIAS DE MONTAGEM DE ROLAMENTOS EM EIXOS CENTRO UNIVERSITÁRIO POSITIVO ESTUDO DE METODOLOGIAS DE MONTAGEM DE ROLAMENTOS EM EIXOS CURITIBA 2007 ALBERTO CASTANHEIRA SANTOS JEFFERSON MARQUES LEANDRO EVER DA COSTA TERRA ESTUDO DE METODOLOGIAS DE

Leia mais

KSB ETA. Bomba Centrífuga para Uso Geral. 1. Aplicação. 3. Denominação KSB ETA 80-40 / 2. 2. Descrição Geral. 4. Dados de Operação

KSB ETA. Bomba Centrífuga para Uso Geral. 1. Aplicação. 3. Denominação KSB ETA 80-40 / 2. 2. Descrição Geral. 4. Dados de Operação Manual Técnico e Curvas Características Nº A1150.0P/3 Bomba Centrífuga para Uso Geral 1. Aplicação A bomba é indicada para o bombeamento de líquidos limpos ou turvos e encontra aplicação preferencial em

Leia mais

LIMAGEM. Introdução Noções de limagem Tipos de Lima

LIMAGEM. Introdução Noções de limagem Tipos de Lima LIMAGEM Introdução Noções de limagem Tipos de Lima Temas a abordar Limagem manual; Classificação de limas; Métodos e regras de trabalho; Materiais industriais; Outros tipos de limagem; Exercícios simples

Leia mais

TÉCNICO EM MECÂNICA NOME: Nº INSC.: PRRH. Pró-Reitoria de Recursos Humanos

TÉCNICO EM MECÂNICA NOME: Nº INSC.: PRRH. Pró-Reitoria de Recursos Humanos TÉNIO M MÂNI NOM: Nº INS.: PRRH Pró-Reitoria de Recursos Humanos Para a usinagem de uma engrenagem de 55 dentes, de módulo 2 mm, foi utilizada uma barra de seção circular de 5". onsiderando a necessidade

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Sistemas Mecânicos e Eletromecânicos

Curso de Engenharia de Produção. Sistemas Mecânicos e Eletromecânicos Curso de Engenharia de Produção Sistemas Mecânicos e Eletromecânicos Parafusos Parafuso de cabeça sextavada: Em desenho técnico, esse parafuso é representado da seguinte forma Parafusos Aplicação Esse

Leia mais

Mancais de rolamento I

Mancais de rolamento I A UU L AL A Mancais de rolamento I Um mecânico de manutenção, ao iniciar a desmontagem de um conjunto mecânico, constatou a existência de uma série de rolamentos. Examinando os rolamentos, verificou que

Leia mais

Visão geral do processamento de cimento. Produtos e soluções de transmissão de potência para o processamento de cimento

Visão geral do processamento de cimento. Produtos e soluções de transmissão de potência para o processamento de cimento Visão geral do processamento de cimento Produtos e soluções de transmissão de potência para o processamento de cimento Escolha a Rexnord para ajudá-lo a produzir hoje o cimento de amanhã. Da especificação

Leia mais

s Especiais Transmissões por ues Correntes C Ferramentas de versais Correias Sincronizadoras Buchas e Cubos Rodas

s Especiais Transmissões por ues Correntes C Ferramentas de versais Correias Sincronizadoras Buchas e Cubos Rodas rreias speciais Transmissões por Correntes Ferramentas iversais Correias Sincronizadoras uchas e Cubos Rodas rramentas de manutenção Correias Poleias Acoplamentos bos Rodas Dentadas Correias speciais Transmissões

Leia mais

21 55 102 Volume de ar (fluxo livre) 24 55 100 Volume de ar (com filtro de exaustão instalado) m³/h. 14 40 75 Nível de ruído

21 55 102 Volume de ar (fluxo livre) 24 55 100 Volume de ar (com filtro de exaustão instalado) m³/h. 14 40 75 Nível de ruído Série - Ventilador com Filtro (24 630) m³/h SÉRIE.50.8.xxx.1020.50.8.xxx.2055.50.8.xxx.3100 Ventilador com Filtro adequado para armários e painéis elétricos, versões de 120V ou 230V AC Baixo nível de ruído

Leia mais

MONTADORA/DESMONTADORA DE PNEUS MAXIAUTO LINHA LEVE

MONTADORA/DESMONTADORA DE PNEUS MAXIAUTO LINHA LEVE MONTADORA/DESMONTADORA DE PNEUS MAXIAUTO LINHA LEVE EDIÇÃO 2004 INTRODUÇÃO: Página 1 Este manual é parte integrante de sua máquina. Leia com muita atenção as instruções e advertências que ele contém, que

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior- MDIC

Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior- MDIC Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior- MDIC Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial - INMETRO Portaria nº 145, de 30 de dezembro de 1999 O PRESIDENTE

Leia mais

rimetal máquina codificadora a laser Modelo: TRCL Manual do Usuário Máquinas para Baterias

rimetal máquina codificadora a laser Modelo: TRCL Manual do Usuário Máquinas para Baterias máquina codificadora a laser Modelo: TRCL Manual do Usuário ÍNDICE INTRODUÇÃO Apresentação Dados Técnicos Cuidados Segurança Limpeza 2 3 4 5 6 MANUTENÇÃO Instruções Manutenção Preventiva REGULAGEM E AJUSTES

Leia mais

Pregão 003/2006 Alteração 01 ANEXO I ESPECIFICAÇÃO ESPECIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE ARQUIVAMENTO COMPOSTO DE MÓDULOS DE ARQUIVOS DESLIZANTES

Pregão 003/2006 Alteração 01 ANEXO I ESPECIFICAÇÃO ESPECIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE ARQUIVAMENTO COMPOSTO DE MÓDULOS DE ARQUIVOS DESLIZANTES Pregão 003/2006 Alteração ESPECIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE ARQUIVAMENTO COMPOSTO DE MÓDULOS DE ARQUIVOS DESLIZANTES ITEM O1 Sistema de arquivamento composto de módulos de arquivos deslizantes, com acionamento

Leia mais

DESCRIÇÃO 01 Cabeçalho e Pé de Apoio do Peneirão CF-510 02 Exaustor do Peneirão CF-510 03 Lateral Esquerdo do Quebra Torrão 04 Centro do Quebra

DESCRIÇÃO 01 Cabeçalho e Pé de Apoio do Peneirão CF-510 02 Exaustor do Peneirão CF-510 03 Lateral Esquerdo do Quebra Torrão 04 Centro do Quebra REF. DESCRIÇÃO 01 Cabeçalho e Pé de Apoio do Peneirão CF-510 02 Exaustor do Peneirão CF-510 03 Lateral Esquerdo do Quebra Torrão 04 Centro do Quebra Torrão 05 Lateral Direito do Quebra Torrão 06 Roda do

Leia mais

Automatização. de Persianas

Automatização. de Persianas Automatização de Persianas Externas Índice Motores... 3 Motor para Tubo Octogonal 40 mm... 4 Motor para Tubo Octogonal 60 mm... 6 Fixação da Esteira... 8 Controles Remotos... 9 Transmissores Portáteis...

Leia mais

Rosqueadeiras. Manual de Instruções

Rosqueadeiras. Manual de Instruções Manual de Instruções 2 NOMAQ Roscar/Cortar/Escarear Modelos para tubos de ½ a 6 Modelo NQ-R2 NQ-R2A NQ-R4 NQ-R6 Roscas Tubos 1/2, 3/4, 1, 2 1/2, 3/4, 1, 2 1/2, 3/4, 1, 2, 2.1/2, 4 2.1/2, 4, 5, 6 Roscas

Leia mais

Atendimento: (11) 4411-6309 / 4411-1685 Email: vendas@afxacoplamentos.com.br Site: www.afxacoplamentos.com.br

Atendimento: (11) 4411-6309 / 4411-1685 Email: vendas@afxacoplamentos.com.br Site: www.afxacoplamentos.com.br Atendimento: () -09 / - Atendimento: () -09 / - Atendimento: () -09 / - Atendimento: () -09 / - Atendimento: () -09 / - Acoplamento de Grade Tipo F Os Acoplamentos de Grade Tipo F, são destinados à aplicações

Leia mais

Yep. Nicho para Fogão 80/90-57cm. Partes do Produto. Componentes

Yep. Nicho para Fogão 80/90-57cm. Partes do Produto. Componentes Yep Partes do Produto Nicho para Fogão 80/90-57cm Tampo Vendido Separadamente - Lateral Direita/ Esquerda (x) - Fechamento Frontal (x) - Travessa Inferior (x) - Travessa Traseira (x) 5- Fechamento Lateral

Leia mais

Rolamentos de rolos cônicos

Rolamentos de rolos cônicos Rolamentos de rolos cônicos Rolamentos de rolos cônicos 314 Definições e aptidões 314 Séries 315 Variantes 315 Tolerâncias e jogos 316 Elementos de cálculo 318 Elementos de montagem 320 Prefixos e sufixos

Leia mais

AULA 2 CONTEÚDO: Capítulo 3. Capítulo 5. Capítulo 6. Volume I do Livro Texto. Meios de Ligação de Tubos. Conexões de Tubulação. Juntas de Expansão

AULA 2 CONTEÚDO: Capítulo 3. Capítulo 5. Capítulo 6. Volume I do Livro Texto. Meios de Ligação de Tubos. Conexões de Tubulação. Juntas de Expansão AULA 2 Volume I do Livro Texto CONTEÚDO: Capítulo 3 Capítulo 5 Capítulo 6 Meios de Ligação de Tubos. Conexões de Tubulação. Juntas de Expansão 1 MEIOS DE LIGAÇÃO DE TUBOS PRINCIPAIS MEIOS LIGAÇÕES ROSQUEADAS

Leia mais