CALENDÁRIO DE COMPRAS UNILA 2015/2016. Foz do Iguaçu Paraná

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CALENDÁRIO DE COMPRAS UNILA 2015/2016. Foz do Iguaçu Paraná"

Transcrição

1 CALENDÁRIO DE COMPRAS UNILA 2015/2016 Foz do Iguaçu Paraná

2 CALENDÁRIO DE COMPRAS PLANEJAMENTO DE REGISTRO DE PREÇOS 2015 Documento base para o planejamento das demandas oriundas dos Institutos e Unidades Administrativas da Universidade Federal da Integração Latino-Americana UNILA. Página 2 de 10

3 CALENDÁRIO DE COMPRAS PLANEJAMENTO DE REGISTRO DE PREÇOS 1. INTRODUÇÃO Segundo o Decreto 7.892, de 23 de janeiro de 2013, o Sistema de Registro de Preços SRP é o conjunto de procedimentos para registro formal de preços relativos à prestação de serviços e aquisição de bens, para contratações futuras. A aquisição por esse sistema possibilita a prestação de serviços ou compras parceladas, no período de 12 meses de vigência da Ata de Registro de Preços, quando (Dec /2013, Art. 3º, I a IV): Art. 3º O Sistema de Registro de Preços poderá ser adotado nas seguintes hipóteses: I - quando, pelas características do bem ou serviço, houver necessidade de contratações frequentes; II - quando for conveniente a aquisição de bens com previsão de entregas parceladas ou contratação de serviços remunerados por unidade de medida ou em regime de tarefa; III - quando for conveniente a aquisição de bens ou a contratação de serviços para atendimento a mais de um órgão ou entidade, ou a programas de governo; ou IV - quando, pela natureza do objeto, não for possível definir previamente o quantitativo a ser demandado pela Administração. Conforme ensina Ronny Charles: O registro de preços é um procedimento auxiliar permitido pela Lei, que facilita a atuação da Administração em relação a futuras prestações de serviços e aquisição gradual de bens. Em outras palavras, é um conjunto de procedimentos de registro formal de preços, para contratações futuras. Utilizando esse procedimento, pode-se abrir um certame licitatório em que o vencedor terá seus preços registrados, para que posteriores necessidades de contratação sejam dirigidas diretamente a ele, de acordo com os preços aferidos (Leis de Licitações Públicas Comentadas, 2014, p. 150). Charles ensina, ainda, que (p. 151/152), como características principais desse sistema, estão a desnecessidade de prévia de dotação orçamentária, a facultatividade da contratação, a preferência para o preço registrado, a adoção facultativa, entre outros. Considerando a necessidade de planejamento para aquisições públicas, em virtude da obrigatoriedade de destinação correta e mais eficiente dos escassos recursos Página 3 de 10

4 públicos, a Administração Gerencial toma proporções de importância, anteriormente não alcançadas. São diversas as ferramentas que os órgãos devem observar para que não haja mau emprego do orçamento, seja adquirindo o que não será utilizado, pagando mais caro que o real valor de mercado ou, ainda, realizando compras erradas que inutilizem os bens e serviços que forem comprados ou prestados. Uma das ferramentas que buscam otimizar esse processo gerencial de planejamento de aplicação de recursos é o Calendário de Compras. Por meio desse instrumento, o administrador busca realizar o planejamento da demanda a longo prazo, sendo possível planejar a aplicação dos recursos, bem como evitar prejuízos nos trabalhos dos técnicos e docentes nas áreas administrativas, de pesquisa e extensão. 2. OBJETIVOS Como principal objetivo deste Calendário de Compras, a Universidade Federal da Integração Latino-Americana busca planejar, coordenar e controlar as demandas da Instituição, para que sejam conduzidos processos administrativos com maior celeridade, menor custo, com qualidade e que possibilite a disponibilidade de insumos para que técnico-administrativos e docentes possam desempenhar suas funções sem prejuízos. Os objetivos específicos deste trabalho são: Levantar a demanda da Universidade para o ano de 2015/2016. Organizar os processos licitatórios visando celeridade e menores índices de retrabalho; Incentivar o planejamento de demanda; Registrar preços para que haja disponibilidade de aquisições, conforme surjam as demandas previamente estabelecidas no planejamento; Manter os itens registrados, renovando o processo licitatório a cada fim de vigência da Ata de Registro de Preços; e Garantir eficiência nas compras de bens e contratações de serviços, com menor custo e sem perda de qualidade. Página 4 de 10

5 3. PLANEJAMENTO Ministério da Educação Como procedimento inicial do planejamento de compras, foi elaborado o Calendário de Compras 2015, que servirá de base para o tratamento das demandas levantadas por meio do SIPAC. A título de ilustração dos prazos, no ANEXO I deste documento, encontra-se o calendário com a proposta das datas limite. 3.1 CONCEITOS Partindo do pressuposto de que há, dentre os possíveis produtos demandados, níveis de complexidade diferentes entre os bens, seja pela sua peculiaridade, dificuldade de disponibilidade no mercado, fornecedores exclusivos, dentre outros; serão propostos prazos diferentes para completar a instrução processual interna. Em outras palavras, produtos facilmente encontrados no mercado, como materiais de expediente, terão prazo mais reduzido para elaboração da Pesquisa de Mercado e do Termo de Referência, em relação a produtos de alta complexidade tecnológica, por exemplo. Para que isso seja aplicado, os itens serão classificados em 3 (três) níveis de complexidade: - NÍVEL I Materiais de baixa complexidade e facilmente encontrados no mercado. Exemplos: materiais de expediente e mobiliário. - NÍVEL II Materiais de baixa ou média complexidade e fornecedores especializados. Exemplos: microscópios comuns e equipamentos eletrônicos. - NÍVEL III Materiais de alta complexidade e universo restrito de fornecedores. Exemplo: difratômetros de raios-x e fornos a arcos. Após os levantamentos das demandas, os itens serão agrupados e classificados de acordo com o nível de complexidade do objeto. A partir disso, as áreas técnicas estarão cientes dos prazos que deverão obedecer, para que não haja prejuízo no cronograma proposto. Página 5 de 10

6 4. GRUPOS A SEREM REQUISITADOS GRUPO DESCRIÇÃO DO GRUPO (EXEMPLOS) EPI e Ferramentas Equipamentos de proteção, segurança e socorro; máquinas, instalações e utensílios de escritório; equipamentos e utensílios hidráulicos e elétricos; mobiliário em geral; ferramentas em geral; máquinas, utensílios e equipamentos diversos; Instrumentos Musicais Aparelhos de medição e orientação; amplificadores; instrumentos musicais; objetos para armazenamento e conservação; cordas e peças para instrumentos; Laboratórios Almoxarifado Hospitalar Áudio, Vídeo e Foto Equipamentos de TI e Telefonia Aparelhos, equipamentos e utensílios médicos, odontológicos, laboratoriais e hospitalares; aparelhos e utensílios domésticos; máquinas, ferramentas e utensílios de oficina; máquinas e equipamentos energéticos (exceto no-break e estabilizadores); veículos diversos; veículos de tração mecânica; material de acondicionamento e embalagem; vidrarias; microscópios; material laboratorial; material farmacológico; material químico; medicamentos; Material para manutenção de bens imóveis e instalações; material elétrico e eletrônico; material de comunicação; manutenção de bens móveis; material educativo e esportivo; material de expediente; material para utilização em gráfica; material de acondicionamento e embalagem; gás e outros materiais engarrafados; material para cama, mesa e banho; material para copa e cozinha; material de limpeza e conservação; eletrodomésticos; Alimentos para animais; material e medicamentos para uso veterinário; material hospitalar; sementes, mudas de plantas e insumos; Material de áudio, video e fotos; câmeras; filmadoras; material gráfico; Computadores e acessórios, aparelhos telefônicos. 5. DEMANDAS ESPECÍFICAS O Calendário de Compras visa registrar preços para que seja possível adquirir bens de forma parcelada, de acordo com a demanda planejada. Apesar de todo planejamento, é sabido que poderão haver ocorrências de demandas específicas ou emergenciais, que não foram incorporadas ao planejamento (calendário). No caso em questão, a área demandante poderá abrir processo complementar, desde que o mesmo objeto não esteja envolvido em processos de compras correntes. Nesses casos, a área deverá vislumbrar a possibilidade de utilização do sistema de Pregão Tradicional, visto ser demanda líquida, certa e imediata. Caso contrário, se a demanda desejada vir a ser tratada como de necessidade constante ou se será demandada no ano seguinte, ela deverá ser incorporada no calendário de compras do próximo ano, sendo apenas neste primeiro momento, tratada como específica. Página 6 de 10

7 6. DEMANDAS COM PROCESSOS EM ANDAMENTO Conforme proposto no item 3 PLANEJAMENTO e Anexo I deste documento, o que se espera do calendário é a finalização do processo completo de licitação (com atas registradas e contratos, se for o caso) até o dia 30 de setembro de Busca-se, assim, resultados de longo prazo, visto que as atas resultantes do calendário terão vigência até 30 de setembro de 2016, se for utilizado o prazo máximo estipulado para os SRP's do calendário de 2015, ou seja, 30 de setembro de Os trabalhos deste projeto aplicam-se, integralmente, para os bens que não possuem saldo em estoque ou atas vigentes e que necessitarão ser adquiridos. No entanto, caso exista saldo disponível, em estoque ou atas de registro de preços ARP, o procedimento será: - Para itens em estoque: 1) Consultar o almoxarifado quanto à disponibilidade do material, para verificação da possibilidade de fornecimento do bem durante o período desejável de duração do processo licitatório, conforme calendário. 2) Caso não seja possível o suprimento até a finalização dos certames do calendário, com relação aos bens desejados, a área deverá aguardar até a finalização do SRP correspondente. 3) Caso seja possível atender, parcial ou integralmente, a demanda prevista para o calendário, a área deverá abater o montante atendido das requisições planejadas para o calendário Para itens em atas vigentes: 1) Solicitar autorização para o gerenciador da ata de registro de preço - ARP vigente, através de memorando, e verificar a possibilidade de utilização do saldo da ata. 2) Caso a demanda planejada seja suprida, parcial ou totalmente, pela ARP, o saldo deverá ser abatido no planejamento do calendário de ) Caso não seja possível o atendimento da demanda, pelo fato dos bens terem sido solicitados por outros departamentos, a área deverá aguardar até a Página 7 de 10

8 finalização dos processos referentes ao calendário. Ressalta-se que toda a análise referente ao planejamento, à verificação de saldos de atas e demais procedimentos deverá ser realizada no período pré-determinado no Calendário de Compras 2015, conforme Item 3. A inserção no SIPAC das demandas previstas deverão ser feitas levando-se em consideração a real necessidade futura da Instituição. 6.1 FLUXO DE PLANEJAMENTO DE DEMANDA 7. CONSIDERAÇÕES FINAIS As demandas de materiais e bens serão planejadas e realizadas pelo SIPAC e, posteriormente, será demonstrada a sua utilização através de treinamentos internos. O gerenciador do cadastro de materiais será determinado pela natureza do bem, sendo dividido em MATERIAIS PERMANENTES e MATERIAIS DE CONSUMO. Os serviços terão tratamento à parte. As demandas recebidas na CCCL que tratarem de materiais das áreas de Tecnologia e Comunicação - TI deverão seguir as normativas previamente determinadas e em parceria com a CTIC. Página 8 de 10

9 A consulta do código do material a ser demandando pelo SIPAC poderá ser realizada pelo link: url=/livre/catmat/conitemmat1.asp. Os pedidos de Adesões a Atas de Registro de Preços (Caronas) realizadas por outros órgãos federais poderão ser processados a qualquer momento, mediante a prévia verificação da DICOM/UNILA e a autorização da PROAGI. A já disponibiliza a planilha de controle de andamento dos Pregões. Os futuros pregões resultantes do Calendário de Compras terão a inscrição CC2015 na planilha. Os prazos para o recebimento de Formulários de Pedidos de Compras oriundos de projetos apresentados e aprovados nos Editais de fomento da Pró-Reitoria de Graduação PROGRAD; Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação PRPPG; Pró- Reitoria de Extensão e Assuntos Comunitários PROEX; e da Pró-Reitoria de Assuntos Estudantis e Comunitários PROAEC seguirão calendário específico a ser divulgado em conformidade com a publicação dos respectivos Editais. O calendário para o atendimento dos Pedidos de Compras de Projetos deverá respeitar, sempre, o prazo limite de 60 (sessenta) dias da data limite para a emissão de Nota de Empenho. Foz do Iguaçu PR Dezembro de 2014 Página 9 de 10

10 ANEXO I CALENDÁRIO DE COMPRAS Calendário de Compras 2015 JANEIRO ABRIL JULHO OUTUBRO Dom Seg T er Qua Qui Sex Sáb Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sáb Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sáb Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sáb FEVEREIRO MAIO AGOSTO NOVEMBRO Dom Seg T er Qua Qui Sex Sáb Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sáb Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sáb Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sáb MARÇO JUNHO SETEMBRO DEZEMBRO Dom Seg T er Qua Qui Sex Sáb Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sáb Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sáb Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sáb Período de Inclusão/Alteração da descrição dos Itens no CATÁLOGO e PLANEJAMENTO DA DEMANDA Período de Inclusão no SIPAC das demandas para registro de preços em 2015 Envio para as áreas das listas de demandas para elaboração do Termo de Referência e P.M. Início da instrução interna (TR e PM) para as áreas. Data limite para elaboração de TR e Pesquisa de Mercado (Itens de Complexidade I) Data limite para elaboração de TR e Pesquisa de Mercado (Itens de Complexidade II) Data limite para elaboração de TR e Pesquisa de Mercado (Itens de Complexidade III) Planejamento de Finalização de Instrução Interna (com Parecer Jurídico) Planejamento de Finalização de Realização dos Pregões do Calendário 2015 Planejamento de Finalização dos Pregões (com atas e contratos) Limite para pedidos de Emissão de Empenho (para o planejamento até jan/2016) Planejamento de Finalização dos pregões de itens cancelados/desertos Página 10 de 10

1ª Fase do Calendário de Compras de 2013 da UNIPAMPA

1ª Fase do Calendário de Compras de 2013 da UNIPAMPA FL. nº Orientação Complementar 2 1ª Fase do Calendário de Compras de 2013 da UNIPAMPA CONSIDERANDO: 1) O grande volume de itens já adquiridos nos últimos anos e os pedidos de compras de 2012 que ainda

Leia mais

DECRETO nº. 11.698, de 16 de janeiro de 2009. O PREFEITO MUNICIPAL DE ANANINDEUA, no uso de suas atribuições constitucionais e legais, e ainda:

DECRETO nº. 11.698, de 16 de janeiro de 2009. O PREFEITO MUNICIPAL DE ANANINDEUA, no uso de suas atribuições constitucionais e legais, e ainda: 1 DECRETO nº. 11.698, de 16 de janeiro de 2009 Regulamenta, no âmbito da Administração pública municipal, o Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº. 8.666, de 21 de junho de 1993, e

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal da Integração Latino-Americana

Ministério da Educação Universidade Federal da Integração Latino-Americana Ministério da Educação Universidade Federal da Integração Latino-Americana EDITAL PROEX 10/2014, de 05 de agosto de 2014 PROFIEX 2014 A Comissão Superior de Extensão e a Pró-Reitora de Extensão da Universidade

Leia mais

Calendário de Compras de 2015 da UNIPAMPA

Calendário de Compras de 2015 da UNIPAMPA FL. nº Orientação Complementar 09 Calendário de Compras de 2015 da UNIPAMPA CONSIDERANDO: 1) O grande volume de itens já adquiridos nos últimos anos e os Pedidos de Compras de 2014 que ainda estão em processamento

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO PRÓ-REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO PRÓ-REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO PRÓ-REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO Cartilha de Compras UFES 2016 VITÓRIA - ES 2016 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS 2. ANTES DA SOLICITAÇÃO DE MATERIAL

Leia mais

CONGRESSO DE GESTÃO PÚBLICA - CONSAD

CONGRESSO DE GESTÃO PÚBLICA - CONSAD CONGRESSO DE GESTÃO PÚBLICA - CONSAD Da previsão legal à aplicabilidade prática: a contratação via Sistema de Registro de Preço adotada pelo Governo do Estado de Sergipe Autores: MÁRCIO ZYLBERMAN GUSTAVO

Leia mais

PREFEITURA DE GOIÂNIA 1 GABINETE DO PREFEITO

PREFEITURA DE GOIÂNIA 1 GABINETE DO PREFEITO PREFEITURA DE GOIÂNIA 1 GABINETE DO PREFEITO DECRETO Nº 612, DE 16 DE MARÇO DE 2007. Dispõe sobre a implantação do Sistema de Registro de Preços nas compras, obras e serviços contratados pelos órgãos da

Leia mais

PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA VOLUNTÁRIA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO Campus Campinas

PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA VOLUNTÁRIA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO Campus Campinas PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA VOLUNTÁRIA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO Campus Campinas EDITAL N O 12, DE 23 DE ABRIL DE 2015 O Diretor Geral do Campus Campinas

Leia mais

ESCLARECIMENTO V PREGÃO 31/2015

ESCLARECIMENTO V PREGÃO 31/2015 MEC Ministério da Educação Uasg 150002 ESCLARECIMENTO V PREGÃO 31/2015 PREGÃO ELETRÔNICO Nº 31/2015 Processo nº 23000.010097/2015-59 PERGUNTA 1: Conforme o item 2 do edital o mesmo cita que o Ministério

Leia mais

Manual do. Almoxarifado

Manual do. Almoxarifado Manual do Almoxarifado Parnaíba 2013 APRESENTAÇÃO O Almoxarifado é o local destinado à guarda, localização, segurança e preservação do material adquirido, adequado à sua natureza, a fim de suprir as necessidades

Leia mais

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE COMPRAS, CONTRATAÇÃO DE OBRAS E SERVIÇOS E AQUISIÇÃO DE BENS COM EMPREGO DE RECURSOS PROVENIENTES DO PODER PÚBLICO

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE COMPRAS, CONTRATAÇÃO DE OBRAS E SERVIÇOS E AQUISIÇÃO DE BENS COM EMPREGO DE RECURSOS PROVENIENTES DO PODER PÚBLICO REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE COMPRAS, CONTRATAÇÃO DE OBRAS E SERVIÇOS E AQUISIÇÃO DE BENS COM EMPREGO DE RECURSOS PROVENIENTES DO PODER PÚBLICO CAPÍTULO I DA INTRODUÇÃO Art. 1º - O presente regulamento

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA A INSTITUCIONALIZAÇÃO DAS ATIVIDADES DE EXTENSÃO

ORIENTAÇÕES PARA A INSTITUCIONALIZAÇÃO DAS ATIVIDADES DE EXTENSÃO ORIENTAÇÕES PARA A INSTITUCIONALIZAÇÃO DAS ATIVIDADES DE EXTENSÃO CURSOS DE EXTENSÃO: Caracterizados como um conjunto articulado de ações pedagógicas, de caráter teórico e/ou prático, presencial ou à distância,

Leia mais

2013 GOIÂNIA, 16 DE ABRIL - TERÇA-FEIRA PÁG. 01 PORTARIAS... PÁG. 23 EXTRATO... PÁG. 29 EDITAL DE CONVOCAÇÃO... PÁG. 29 TERMO DE HOMOLOGAÇÃO...

2013 GOIÂNIA, 16 DE ABRIL - TERÇA-FEIRA PÁG. 01 PORTARIAS... PÁG. 23 EXTRATO... PÁG. 29 EDITAL DE CONVOCAÇÃO... PÁG. 29 TERMO DE HOMOLOGAÇÃO... GRANDEZA PELA DA PÁTRIA Diário Oficial MUNICÍPIO DE GOIÂNIA 2013 GOIÂNIA, 16 DE ABRIL - TERÇA-FEIRA N 5.572 DECRETOS... PÁG. 01 PORTARIAS... PÁG. 23 EXTRATO... PÁG. 29 EDITAL DE CONVOCAÇÃO... PÁG. 29 TERMO

Leia mais

DECRETO Nº 7.622, DE 20 DE MAIO DE 2005.

DECRETO Nº 7.622, DE 20 DE MAIO DE 2005. DECRETO Nº 7.622, DE 20 DE MAIO DE 2005. Regulamenta o Sistema de Registro de Preços previsto no artigo 15, 3º da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993 e artigo 11 da Lei Federal nº 10.520, de 17 de julho

Leia mais

Módulo 14: O Sistema de Registro de Preços

Módulo 14: O Sistema de Registro de Preços Diretoria de Desenvolvimento Gerencial Coordenação Geral de Educação a Distância Legislação Aplicada à Logística de Suprimentos Lei nº 8.666/93, pregão e registro de preços Conteúdo para impressão Módulo

Leia mais

SOLUÇÃO SUA GESTÃO COMEÇA AQUI

SOLUÇÃO SUA GESTÃO COMEÇA AQUI A SOLUÇÃO PARA SUA GESTÃO COMEÇA AQUI A realidade do mercado corporativo atual exige que as empresas invistam cada vez mais em sistemas de informação que garantam suporte confiável para tomada de decisões.

Leia mais

Orientações para Trâmites dos Projetos com recursos da UDESC

Orientações para Trâmites dos Projetos com recursos da UDESC Orientações para Trâmites dos Projetos com recursos da UDESC 1. Introdução Serão considerados projetos com recursos da UDESC para fins destas orientações aqueles que integram: 1.1 Programa de Apoio à Pesquisa

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE COMPRAS

PROCEDIMENTOS DE COMPRAS PROCEDIMENTOS DE COMPRAS Estas instruções têm como objetivo a padronização dos procedimentos para a realização das compras de materiais de consumo, bens permanentes e prestações de serviços necessários

Leia mais

CHECKLIST CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE RECURSOS FEDERAIS

CHECKLIST CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE RECURSOS FEDERAIS CHECKLIST CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE RECURSOS FEDERAIS VERIFICAÇÕES PRELIMINARES Art. 3, caput e 1 ; 1. O objeto do convênio ou contrato de repasse guarda relação com a atividade do convenente? 2.

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 51/CUn/2015, DE 2 DE JUNHO DE 2015

RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 51/CUn/2015, DE 2 DE JUNHO DE 2015 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA ÓRGÃOS DELIBERATIVOS CENTRAIS CAMPUS UNIVERSITÁRIO TRINDADE CEP: 88040-900 FLORIANÓPOLIS SC TELEFONES: (48) 3721-9522 3721-9661 3721-4916

Leia mais

EDITAL Nº 048/2016 PROGEPE CADASTRO DE INSTRUTORES PARA CURSO DE CAPACITAÇÃO

EDITAL Nº 048/2016 PROGEPE CADASTRO DE INSTRUTORES PARA CURSO DE CAPACITAÇÃO EDITAL Nº 048/2016 PROGEPE CADASTRO DE INSTRUTORES PARA CURSO DE CAPACITAÇÃO O Pró-Reitor de Gestão de Pessoas da Universidade Federal da Integração Latino- Americana - UNILA, no uso das atribuições que

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DA CULTURA REGIMENTO INTERNO DO MUSEU DE PORTO ALEGRE JOAQUIM JOSÉ FELIZARDO

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DA CULTURA REGIMENTO INTERNO DO MUSEU DE PORTO ALEGRE JOAQUIM JOSÉ FELIZARDO PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DA CULTURA REGIMENTO INTERNO DO MUSEU DE PORTO ALEGRE JOAQUIM JOSÉ FELIZARDO TÍTULO I DA NATUREZA E MISSÃO Art. 1º. O Museu de Porto Alegre Joaquim

Leia mais

Edital FAPERJ n.º 17/2010 Parceria CAPES/FAPERJ PROGRAMA EQUIPAMENTO SOLIDÁRIO CAPES/FAPERJ 2010

Edital FAPERJ n.º 17/2010 Parceria CAPES/FAPERJ PROGRAMA EQUIPAMENTO SOLIDÁRIO CAPES/FAPERJ 2010 Edital n.º 17/2010 Parceria / PROGRAMA EQUIPAMENTO SOLIDÁRIO / 2010 O Ministério da Educação, por meio da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior, e o Governo do Estado do Rio de Janeiro,

Leia mais

MANUAL DE GERENCIAMENTO DE RECEBIMENTO DE BENS/MATERIAIS - CGE PB

MANUAL DE GERENCIAMENTO DE RECEBIMENTO DE BENS/MATERIAIS - CGE PB 2014 MANUAL DE GERENCIAMENTO DE RECEBIMENTO DE BENS/MATERIAIS - CGE PB GERÊNCIA EXECUTIVA DE AUDITORIA CONTROLADORIA GERAL DO ESTADO DA PARAÍBA CGE PB Versão 01/2014 Controle de Alterações REV DATA MOTIVO

Leia mais

UNIVERSIDADE SANTA CECÍLIA - UNISANTA RELATÓRIO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA

UNIVERSIDADE SANTA CECÍLIA - UNISANTA RELATÓRIO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA UNIVERSIDADE SANTA CECÍLIA - UNISANTA RELATÓRIO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA NÚCLEO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL NAI É preciso avaliar para aprimorar CONSIDERAÇÕES INICIAIS A UNISANTA desenvolveu,

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO DE ARQUITETURA E URBANISMO DO RIO GRANDE DO NORTE

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO DE ARQUITETURA E URBANISMO DO RIO GRANDE DO NORTE ATO NORMATIVO Nº 01, DE 28 DE MARÇO DE 2012. Institui o Normativo de Pessoal EMPREGO DE LIVRE PROVIMENTO E DEMISSÃO DE NÍVEL SUPERIOR, EMPREGOS TEMPORÁRIOS DE NÍVEL SUPERIOR E EMPREGOS TEMPORÁRIOS DE NÍVEL

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE CURSINHOS POPULARES DO IFSP EDITAL Nº 593, DE 28 DE OUTUBRO DE 2015

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE CURSINHOS POPULARES DO IFSP EDITAL Nº 593, DE 28 DE OUTUBRO DE 2015 PROGRAMA INSTITUCIONAL DE CURSINHOS POPULARES DO IFSP EDITAL Nº 593, DE 28 DE OUTUBRO DE 2015 O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo (IFSP), por meio de sua Pró-reitoria de

Leia mais

DECRETO Nº 11.319, DE 13 DE FEVEREIRO DE 2004

DECRETO Nº 11.319, DE 13 DE FEVEREIRO DE 2004 DECRETO Nº 11.319, DE 13 DE FEVEREIRO DE 2004 PUBLICADO NO DIÁRIO OFICIAL Nº 032, DE 17-02-2004 Regulamenta o Sistema de Registro de Preços SRP, previsto no art. 15, da Lei nº 8.666, de 21 de junho de

Leia mais

Abaixo, questionamentos referentes ao certame supracitado e respostas conforme área técnica da CESAMA.

Abaixo, questionamentos referentes ao certame supracitado e respostas conforme área técnica da CESAMA. Juiz de Fora, 17 de maio de 2013. Referência: Concorrência 009/12 Objeto: Contratação de empresa especializada para fornecimento de licenças de uso perpétuo, implantação, customização, treinamento e manutenção

Leia mais

ATORES DA LICITAÇÃO POR SRP E IMPLICAÇÕES DO NOVO REGULAMENTO Nº 7.892/2013

ATORES DA LICITAÇÃO POR SRP E IMPLICAÇÕES DO NOVO REGULAMENTO Nº 7.892/2013 1 ATORES DA LICITAÇÃO POR SRP E IMPLICAÇÕES DO NOVO REGULAMENTO Nº 7.892/2013 Por: Flavia Daniel Vianna Advogada especialista e instrutora na área das licitações e contratos administrativos. Pós-graduada

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.409/12. Aprova a ITG 2002 Entidade sem Finalidade de Lucros.

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.409/12. Aprova a ITG 2002 Entidade sem Finalidade de Lucros. RESOLUÇÃO CFC N.º 1.409/12 Aprova a ITG 2002 Entidade sem Finalidade de Lucros. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais e com fundamento no disposto na

Leia mais

7 SPDM ASSOCIAÇÃO PAULISTA PARA O DESENVOLVIMENTO DA MEDICINA Programa de Atenção Integral à Saúde

7 SPDM ASSOCIAÇÃO PAULISTA PARA O DESENVOLVIMENTO DA MEDICINA Programa de Atenção Integral à Saúde REGULAMENTO DE COMPRAS e CONTRATAÇÃO DE OBRAS E SERVIÇOS DAS UNIDADES SOB GERENCIAMENTO DA O.S.S. SPDM ASSOCIAÇÃO PAULISTA PARA O DESENVOLVIMENTO DA MEDICINA PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE A SPDM

Leia mais

Orientações Estruturantes

Orientações Estruturantes Ministério do Esporte Programa Esporte e Lazer da Cidade PELC & Vida Saudável Orientações Estruturantes 2016 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO...3 2. CRONOGRAMA DE EXECUÇÃO E PROJETO TÉCNICO PEDAGÓGICO...3 3. RELAÇÃO

Leia mais

Regulamento de Utilização do Complexo de Hidroterapia UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL - UNISC CURSO DE FISIOTERAPIA

Regulamento de Utilização do Complexo de Hidroterapia UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL - UNISC CURSO DE FISIOTERAPIA Página 1 de 5 UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL - UNISC CURSO DE FISIOTERAPIA REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DO COMPLEXO DE HIDROTERAPIA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O complexo de hidroterapia

Leia mais

SETOR DE COMPRAS E LICITAÇÕES - SECOL MANUAL E PROCEDIMENTOS DE COMPRAS

SETOR DE COMPRAS E LICITAÇÕES - SECOL MANUAL E PROCEDIMENTOS DE COMPRAS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI - UFSJ INSTITUÍDA PELA LEI N O 10.425, DE 19/04/2002 D.O.U. DE 22/04/2002 PRÓ-REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO - PROAD DIVISÃO DE MATERIAS E PATRIMÔNIO DIMAP SETOR DE

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO - EDITAL 001/2013-IPPLAN ANEXO 2 ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS

CONCURSO PÚBLICO - EDITAL 001/2013-IPPLAN ANEXO 2 ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS PREFEITURA MUNICIPAL CONCURSO PÚBLICO - EDITAL 001/2013-IPPLAN ANEXO 2 ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS Cargo de Nível Médio Agente Administrativo Contribuir com o correto fluxo de atividades, informações e materiais

Leia mais

REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS

REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS Página 1 ÍNDICE CAPÍTULO 1 -DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS... 3 CAPÍTULO 2 - DA DESTINAÇÃO DOS LABORATÓRIOS... 3 CAPÍTULO 3 - DAS ATRIBUIÇÕES E COMPETÊNCIAS... 5 CAPÍTULO 4 - UTILIZAÇÃO

Leia mais

SIGA Manual -1ª - Edição

SIGA Manual -1ª - Edição SIGA Manual -1ª - Edição ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 4 2. MÓDULO DE PROCESSOS 4 3. ACESSO AO SISTEMA 4 3.1 Acessando o Sistema 4 3.2 Primeiro Acesso 5 3.3 Login do Fornecedor 5 o Teclado Virtual 5 o Máquina Virtual

Leia mais

Câmara Municipal dos Barreiros

Câmara Municipal dos Barreiros Barreiros, 30 de Abril de 2010 SISTEMA DE CONTROLE INTERNO Ofício nº 006/2010 SCI EXMO. SR. JOSÉ GERALDO DE SOUZA LEÃO M.D. Presidente da Câmara de Vereadores dos Barreiros NESTA O Coordenador do Sistema

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO UNIVERSITÁRIO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO UNIVERSITÁRIO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 12/2011/CONSU Estabelece normas para o relacionamento entre a Universidade Federal de

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE GESTÃO, ARTICULAÇÃO E PROJETOS EDUCACIONAIS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE GESTÃO, ARTICULAÇÃO E PROJETOS EDUCACIONAIS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE GESTÃO, ARTICULAÇÃO E PROJETOS EDUCACIONAIS TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA - CONSULTOR POR PRODUTO

Leia mais

Execução de Despesa. DNT/SSSCI/SF Abril 2013

Execução de Despesa. DNT/SSSCI/SF Abril 2013 DNT/SSSCI/SF Abril 2013 Realização Secretaria da Fazenda Subsecretaria do Sistema de Controle Interno Departamento de Normas Técnicas Apresentação David Fabri Monique Junqueira Ferraz Zanella INTRODUÇÃO

Leia mais

MANUAL DO PIM Programa de Integração com o Mercado

MANUAL DO PIM Programa de Integração com o Mercado MANUAL DO PIM Programa de Integração com o Mercado Curitiba 2015 Manual do PIM Regras Gerais 2 S U M Á R I O 1. O QUE É O PIM... 3 2. OBJETIVOS DO TRABALHO DE APLICAÇÃO TECNOLÓGICA... 3 3. CARACTERÍSTICAS

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MATO GROSSO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MATO GROSSO DO ESTADO DE MATO GROSSO INSTRUÇÃO NORMATIVA SCL Nº 01/2011 Versão: 01 Publicação: DJE nº de / /2011 Unidade Responsável: Departamento Administrativo I FINALIDADE Dispor sobre as rotinas e os procedimentos

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PEDIDOS DE COMPRA E LICITAÇÃO

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PEDIDOS DE COMPRA E LICITAÇÃO ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PEDIDOS DE COMPRA E LICITAÇÃO Este roteiro objetiva descrever os procedimentos que devem ser adotados pelos Setores, Coordenações e Departamentos requisitantes na formulação

Leia mais

DECON PROCEDIMENTO ADMINISTRATIVO (PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO) 03/2015 PROCEDIMENTOS PARA CELEBRAÇÃO DE NOVOS CONTRATOS

DECON PROCEDIMENTO ADMINISTRATIVO (PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO) 03/2015 PROCEDIMENTOS PARA CELEBRAÇÃO DE NOVOS CONTRATOS DECON PROCEDIMENTO ADMINISTRATIVO (PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO) 03/2015 PROCEDIMENTOS PARA CELEBRAÇÃO DE NOVOS CONTRATOS PROCEDIMENTO ADMINISTRATIVO 03/2015 PROCEDIMENTOS PARA CELEBRAÇÃO DE NOVOS CONTRATOS

Leia mais

RESOLUÇÃO N 24 DE 8 DE SETEMBRO DE 2015, DA REITORA DA UFTM

RESOLUÇÃO N 24 DE 8 DE SETEMBRO DE 2015, DA REITORA DA UFTM MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO Reitoria RESOLUÇÃO N 24 DE 8 DE SETEMBRO DE 2015, DA REITORA DA UFTM Aprova a Norma Técnica NT 3/2015 que dispõe sobre os procedimentos

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 08/03-COUN

RESOLUÇÃO Nº 08/03-COUN RESOLUÇÃO Nº 08/03-COUN Estabelece o Regimento Interno do Núcleo de Educação a Distância (NEAD) da Universidade Federal do Paraná. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Paraná, no uso de

Leia mais

PROGRAMA DE INICIAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E INOVAÇÃO PIC/PIBITI/UniCEUB EDITAL DE 2016

PROGRAMA DE INICIAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E INOVAÇÃO PIC/PIBITI/UniCEUB EDITAL DE 2016 PROGRAMA DE INICIAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E INOVAÇÃO PIC/PIBITI/UniCEUB EDITAL DE 2016 O reitor do Centro Universitário de Brasília UniCEUB, no uso de suas atribuições legais e estatutárias,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA RELATÓRIO DE AUDITORIA 3.2.2/2015/AUDIN Dirigente: Magnífico Reitor Mauro Augusto Burkert Del Pino Unidades Auditadas: Pró-Reitoria Administrativa PRA e Pró-Reitoria de Planejamento e Desenvolvimento PROPLAN.

Leia mais

NORMA PROCEDIMENTAL CONCESSÃO DE BOLSAS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA

NORMA PROCEDIMENTAL CONCESSÃO DE BOLSAS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA 20.01.005 1/10 1. FINALIDADE Formalizar e disciplinar os procedimentos para a concessão de bolsas de extensão universitária destinadas a discentes da UFTM, oriundas de recursos financeiros da própria instituição.

Leia mais

PODER EXECUTIVO. Publicado no D.O de 18.02.2010 DECRETO Nº 42.301 DE 12 DE FEVEREIRO DE 2010

PODER EXECUTIVO. Publicado no D.O de 18.02.2010 DECRETO Nº 42.301 DE 12 DE FEVEREIRO DE 2010 Publicado no D.O de 18.02.2010 DECRETO Nº 42.301 DE 12 DE FEVEREIRO DE 2010 REGULAMENTA O SISTEMA DE SUPRIMENTOS NO ÂMBITO DO PODER EXECUTIVO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O GOVERNADOR

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA EDITAL DE ABERTURA PROGRAD Nº 19 DE 26 DE ABRIL DE 2013 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA VAGA DE SUPORTE TÉCNICO AVA NA EQUIPE MULTIDISCIPLINAR DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA DA UFGD A PRÓ-REITORA DE ENSINO

Leia mais

CARTILHA INSTRUTIVA EM COMPRAS PÚBLICAS

CARTILHA INSTRUTIVA EM COMPRAS PÚBLICAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO - UNIVASF PRÓ-REITORIA DE GESTÃO E ORÇAMENTO - PROGEST Av. José de Sá Maniçoba, S/N Sala 30 Centro, Petrolina-PE - CEP. 56.304-205 Telefax: (87) 2101-6713

Leia mais

I Efetivação do compromisso social do IFAL com o Estado de Alagoas;

I Efetivação do compromisso social do IFAL com o Estado de Alagoas; PROGRAMA DE APOIO AO INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS PARA O DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES INTEGRADAS PROIFAL 1. OBJETIVO Apoiar o Instituto Federal de Alagoas IFAL nas atividades de ensino, pesquisa e extensão

Leia mais

MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA COMPRAS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS COMPRADORES E FORNECEDORES FUNDAÇÃO DE APOIO À UNIFESP

MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA COMPRAS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS COMPRADORES E FORNECEDORES FUNDAÇÃO DE APOIO À UNIFESP MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA COMPRAS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS COMPRADORES E FORNECEDORES FUNDAÇÃO DE APOIO À UNIFESP 2015 ÍNDICE 1. Introdução... 2 2. Dos Objetivos Específicos... 2 3. Dos Envolvidos

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA SCL SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES E CONTRATOS Nº 001/2015.

INSTRUÇÃO NORMATIVA SCL SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES E CONTRATOS Nº 001/2015. INSTRUÇÃO NORMATIVA SCL SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES E CONTRATOS Nº 001/2015. DISPÕE SOBRE OS PROCEDIMENTOS PARA A AQUISIÇÃO DE BENS E SERVIÇOS MEDIANTE LICITAÇÃO, INCLUSIVE DISPENSA E INEXIGIBILIDADE,

Leia mais

EDITAL N.º 03/2015/PROCEA

EDITAL N.º 03/2015/PROCEA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MEC FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA - UNIR PRÓ-REITORIA DE CULTURA, EXTENSÃO E ASSUNTOS ESTUDANTIS PROCEA EDITAL N.º 03/2015/PROCEA Torna-se público, para conhecimento

Leia mais

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS DECRETO nº 196, de 18 de outubro de 2013. Institui a obrigatoriedade de realizar os procedimentos de reavaliação, redução ao valor recuperável de ativos, depreciação, amortização e exaustão dos bens da

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO PROGRAMA DE FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS PRH-PB 104PRH IFES UTILIZAÇÃO DE TAXA DE BANCADA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO PROGRAMA DE FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS PRH-PB 104PRH IFES UTILIZAÇÃO DE TAXA DE BANCADA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO REITORIA Avenida Rio Branco, 50 Santa Lúcia 29056-255 Vitória ES 27 3357-7500 PROGRAMA DE FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS PRH-PB 104PRH IFES UTILIZAÇÃO

Leia mais

Pró Reitoria de Extensão Universitária. Reitoria

Pró Reitoria de Extensão Universitária. Reitoria EDITAL N 004/2015 PROEX/Central de Cursos de Inovação e da UNESP Apoio para Cursos de em temas ambientais Seleção de propostas de cursos de extensão universitária em temas ambientais no âmbito da PROEX

Leia mais

EDITAL SGP Nº 001/2014 CADASTRAMENTO INTERNO DE INSTRUTORES PARA MINISTRAR CURSOS DE CAPACITAÇÃO. PLANO DE CAPACITAÇÃO/2014 DA UNIVASF.

EDITAL SGP Nº 001/2014 CADASTRAMENTO INTERNO DE INSTRUTORES PARA MINISTRAR CURSOS DE CAPACITAÇÃO. PLANO DE CAPACITAÇÃO/2014 DA UNIVASF. EDITAL SGP Nº 001/2014 CADASTRAMENTO INTERNO DE INSTRUTORES PARA MINISTRAR CURSOS DE CAPACITAÇÃO. PLANO DE CAPACITAÇÃO/2014 DA UNIVASF. A Secretária de Gestão de Pessoas, no uso de suas atribuições legais

Leia mais

EDITAL Nº 004/2016 - PIBIC/CNPq/UFSM

EDITAL Nº 004/2016 - PIBIC/CNPq/UFSM Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa EDITAL Nº 004/2016 - PIBIC/CNPq/UFSM A Pró-reitoria de Pós-graduação e Pesquisa da Universidade Federal

Leia mais

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA UNB CENTRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA CEAD-UNB PROCESSO SIMPLIFICADO DE SELEÇÃO CHAMADA PÚBLICA Nº 01/2014 CEAD-UNB

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA UNB CENTRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA CEAD-UNB PROCESSO SIMPLIFICADO DE SELEÇÃO CHAMADA PÚBLICA Nº 01/2014 CEAD-UNB UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA UNB CENTRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA CEAD-UNB PROCESSO SIMPLIFICADO DE SELEÇÃO CHAMADA PÚBLICA Nº 01/2014 CEAD-UNB A Diretora do Centro de Educação a Distância da Universidade de

Leia mais

Ações do Ministério das Comunicações

Ações do Ministério das Comunicações Ações do Ministério das Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática Brasília, março de 2012. Crescimento do setor alguns destaques Serviço Número de Acessos Taxa de Crescimento

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO CUNI Nº 024, DE 8 DE MAIO DE 2012 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS, no uso de suas atribuições

Leia mais

Fábio Sarinho Controlador Geral do Município

Fábio Sarinho Controlador Geral do Município Resolução Interadministrativa nº. 001, de 18 janeiro de 2013. A SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E FINANÇAS SEMPLA e a CONTROLADORIA GERAL DO MUNICÍPIO - CGM, no uso das atribuições que,

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO Edital nº 16/2014

PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO Edital nº 16/2014 PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO Edital nº 16/2014 A Pró-reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão, PRPGPE, torna público ao corpo docente do Centro Universitário Franciscano o presente

Leia mais

Produto Químico produtos que contém substâncias químicas que pode causar danos à saúde do trabalhador

Produto Químico produtos que contém substâncias químicas que pode causar danos à saúde do trabalhador SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO - SGI (MEIO AMBIENTE, SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO) Procedimento SUPRIMENTO DE PRODUTOS, MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS E SERVIÇOS DE TERCEIROS PR 7.3 Revisão: 00 Página 1 de 2 Requisito

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL PORTARIA Nº 1.382 DE 23 DE OUTUBRO DE 2012

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL PORTARIA Nº 1.382 DE 23 DE OUTUBRO DE 2012 PORTARIA Nº 1.382 DE 23 DE OUTUBRO DE 2012 O Reitor da Universidade Federal de UNIFAL-MG, no uso de suas atribuições vem, nos termos do inciso XI do art. 26 do Regimento Geral da UNIFAL-MG e do art. 119

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 4.233, DE 18 DE JUNHO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº 4.233, DE 18 DE JUNHO DE 2013 RESOLUÇÃO Nº 4.233, DE 18 DE JUNHO DE 2013 Dispõe sobre assistência financeira a cooperativas de produção agropecuária e de crédito e altera o Capítulo 5 do Manual de Crédito Rural (MCR). O Banco Central

Leia mais

PARECER DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA

PARECER DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA 1/14 PARECER DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA A Unidade de da FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS, em função do disposto no Parágrafo 6º do Artigo 15 do Decreto nº. 3.591, de 06/09/2000 redação que

Leia mais

HISTÓRICO DAS REVISÕES N.ºREVISÃO DATA IDENTIFICAÇÃO DO DOCUMENTO 00 01

HISTÓRICO DAS REVISÕES N.ºREVISÃO DATA IDENTIFICAÇÃO DO DOCUMENTO 00 01 HISTÓRICO DAS REVISÕES N.ºREVISÃO DATA IDENTIFICAÇÃO DO DOCUMENTO 00 01 01/06/2006 Emissão inicial 05/06/2007 Primeira Revisão Elaborado: 05/06/2007 Superintendente e ou Gerente da unidade Revisado: 05/06/2007

Leia mais

Fomento a Projetos Culturais na Área do Livro e da Leitura

Fomento a Projetos Culturais na Área do Livro e da Leitura Programa 0168 LIVRO ABERTO Objetivo Estimular o hábito da leitura, facilitando o acesso às bibliotecas públicas e propiciar a difusão do conhecimento científico, acadêmico e literário. Indicador(es) Taxa

Leia mais

PROJETO DE RESOLUÇÃO Nº 001/2010 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS

PROJETO DE RESOLUÇÃO Nº 001/2010 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS PROJETO DE RESOLUÇÃO Nº 001/2010 Estabelece normas e procedimentos para aquisição de serviços e recebimento, controle, guarda e distribuição de materiais permanentes e de consumo no âmbito do Poder Legislativo

Leia mais

INVENTÁRIO SEMESTRAL EXTRAORDINÁRIO JULHO DE 2014. Introdução

INVENTÁRIO SEMESTRAL EXTRAORDINÁRIO JULHO DE 2014. Introdução SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DE ENSINO DE SÃO JOÃO DEL-REI DIRETORIA ADMINISTRATIVO-FINANCEIRA SETOR DE PATRIMÔNIO INVENTÁRIO SEMESTRAL EXTRAORDINÁRIO JULHO DE 2014 Introdução

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANT ANA DO LIVRAMENTO Palácio Moysés Vianna Unidade Central de Controle Interno

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANT ANA DO LIVRAMENTO Palácio Moysés Vianna Unidade Central de Controle Interno ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANT ANA DO LIVRAMENTO Palácio Moysés Vianna Unidade Central de Controle Interno INSTRUÇÃO NORMATIVA UCCI N 002/2012 VERSÃO 01 ASSUNTO: Regulamenta o

Leia mais

Estimativa de valor da contratação

Estimativa de valor da contratação Estimativa de valor da contratação A As contratações públicas somente poderão ser efetivadas após estimativa prévia do seu valor, que deve obrigatoriamente ser juntada ao processo de contratação e, quando

Leia mais

Balanço Energético Nacional 2012. Manual do Sistema de Coleta de Dados para o BEN 2012

Balanço Energético Nacional 2012. Manual do Sistema de Coleta de Dados para o BEN 2012 Balanço Energético Nacional 2012 Manual do Sistema de Coleta de Dados para o BEN 2012 Fevereiro de 2012 Apresentação O Balanço Energético Nacional BEN é o documento tradicional do setor energético brasileiro,

Leia mais

Administração. Profa. Patricia Brecht. Compras. Compras. Armazenamento, Movimentação e Administração de Compras

Administração. Profa. Patricia Brecht. Compras. Compras. Armazenamento, Movimentação e Administração de Compras Administração Profa. Patricia Brecht Armazenamento, Movimentação e Administração de Compras Compras Envolve todo o processo de localização de fornecedores e fonte de suprimento, aquisição de materiais

Leia mais

INSTRUÇÃO Nº 002 DE 27 DE FEVEREIRO DE 2003.

INSTRUÇÃO Nº 002 DE 27 DE FEVEREIRO DE 2003. INSTRUÇÃO Nº 002 DE 27 DE FEVEREIRO DE 2003. Orienta os órgãos e entidades da Administração Pública Estadual sobre os procedimentos a serem adotados através do Sistema de Compras Eletrônicas SCE, efetuados

Leia mais

Regulamento de Compras Organização Social de Saúde Associação Lar São Francisco de Assis na Providência de Deus

Regulamento de Compras Organização Social de Saúde Associação Lar São Francisco de Assis na Providência de Deus Regulamento de Compras Organização Social de Saúde Associação Lar São Francisco de Assis na Providência de Deus Regulamento de Compras da Organização Social de Saúde Associação Lar São Francisco de Assis

Leia mais

EDITAL Nº 04/2014 PAPEC - PROGRAMA DE APOIO À PROMOÇÃO DE EVENTOS CULTURAIS E CURSOS 2014

EDITAL Nº 04/2014 PAPEC - PROGRAMA DE APOIO À PROMOÇÃO DE EVENTOS CULTURAIS E CURSOS 2014 EDITAL Nº 04/2014 PAPEC - PROGRAMA DE APOIO À PROMOÇÃO DE EVENTOS CULTURAIS E CURSOS 2014 1. DISPOSIÇÕES GERAIS A Pró-Reitoria de Extensão e Cultura PROEXT, da Universidade Federal do Pampa - UNIPAMPA

Leia mais

Ferramentas do Sistema de Registro de Preços. Intenção de Registro de Preços - IRP e Adesão

Ferramentas do Sistema de Registro de Preços. Intenção de Registro de Preços - IRP e Adesão Ferramentas do Sistema de Registro de Preços Intenção de Registro de Preços - IRP e Adesão OBJETIVO Divulgar ferramentas e alternativas que auxiliam os gestores no planejamento e execução das despesas:

Leia mais

REGULAMENTO DE COMPRAS ASSOCIAÇÃO EVANGÉLICA BENFICENTE ESPÍRITO-SANTENSE HOSPITAL ESTADUAL JAYME SANTOS NEVES CNPJ:28.127.

REGULAMENTO DE COMPRAS ASSOCIAÇÃO EVANGÉLICA BENFICENTE ESPÍRITO-SANTENSE HOSPITAL ESTADUAL JAYME SANTOS NEVES CNPJ:28.127. REGULAMENTO DE COMPRAS ASSOCIAÇÃO EVANGÉLICA BENFICENTE ESPÍRITO-SANTENSE HOSPITAL ESTADUAL JAYME SANTOS NEVES CNPJ:28.127.926/0002-42 DATA DA IMPLANTAÇÃO 26/01/2013 Nº DE REVISÃO DATA DA ÚLTIMA REVISÃO

Leia mais

EDITAL Nº 16/2015. 2.1. A atividade de monitoria acadêmica na graduação em 2015 será exercida pelos alunos regulares dos cursos de graduação.

EDITAL Nº 16/2015. 2.1. A atividade de monitoria acadêmica na graduação em 2015 será exercida pelos alunos regulares dos cursos de graduação. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Fundação Universidade Federal do ABC Pró-Reitoria de Graduação Av. dos Estados, 5001 Bairro Bangu Santo André - SP CEP 09210-580 Fone: (11) 4996.7983 gabinete.prograd@ufabc.edu.br

Leia mais

2. DOS CURSOS E REQUISITOS DE ACESSO 2.1. 2.1.1. - EAD)

2. DOS CURSOS E REQUISITOS DE ACESSO 2.1. 2.1.1. - EAD) EDITAL Nº 01/2015 - IFAP PROCESSO SELETIVO PARA O CURSO TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO NÍVEL MÉDIO NA FORMA SUBSEQUENTE NA MODALIDADES A DISTÂNCIA (EAD) /2º SEMESTRE DE 2015 A Coordenação de Polo EAD

Leia mais

Art. 2º Este Ato Normativo entra em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições em contrário.

Art. 2º Este Ato Normativo entra em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições em contrário. ATO NORMATIVO Nº 92 13 de agosto de 2007 Aprova o Regulamento do Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993, e dá outras providências. O Presidente do TRIBUNAL

Leia mais

REGULAMENTO. DO EXPEDIENTE E/OU DO HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO DA BIBLIOTECA : Art 2º

REGULAMENTO. DO EXPEDIENTE E/OU DO HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO DA BIBLIOTECA : Art 2º DO OBJETIVO : Art 1º As Bibliotecas UNIABEU têm o objetivo geral de contribuir com o processo de ensino e pesquisa desta IES, sendo esta responsável, particularmente, por administrar o acervo da Instituição;

Leia mais

REGIMENTO DA COMISSÃO PERMANENTE DE PADRONIZAÇÃO DE MATERIAIS MÉDICO HOSPITALARES DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO

REGIMENTO DA COMISSÃO PERMANENTE DE PADRONIZAÇÃO DE MATERIAIS MÉDICO HOSPITALARES DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO COMISSÃO PERMANENTE DE PADRONIZAÇÃO DE MATERIAIS MÉDICO-HOSPITALARES REGIMENTO DA COMISSÃO PERMANENTE DE PADRONIZAÇÃO DE MATERIAIS MÉDICO

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/ASCOM-004-R00 PLANEJAMENTO, ORGANIZAÇÃO E EXECUÇÃO DE EVENTOS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/ASCOM-004-R00 PLANEJAMENTO, ORGANIZAÇÃO E EXECUÇÃO DE EVENTOS MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/ASCOM-004-R00 PLANEJAMENTO, ORGANIZAÇÃO E EXECUÇÃO DE EVENTOS 09/2015 PÁGINA INTENCIONALMENTE EM BRANCO 2 30 de setembro de 2015. Aprovado, Gabriela de Souza Leal 3 PÁGINA INTENCIONALMENTE

Leia mais

PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA: ENSINO MÉDIO DA USC PIBIC/EM 2015/2016

PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA: ENSINO MÉDIO DA USC PIBIC/EM 2015/2016 PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA: ENSINO MÉDIO DA USC PIBIC/EM 2015/2016 A Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação da Universidade do Sagrado Coração torna público o presente Edital de abertura de inscrições,

Leia mais

1. Objetivo. 2. Elegibilidades e restrições

1. Objetivo. 2. Elegibilidades e restrições Edital FAPERJ Nº 16/2015 Programa Apoio à Implantação, Recuperação e Modernização da Infraestrutura para Pesquisa nas Universidades Estaduais do Rio de Janeiro 2015 O Governo do Estado do Rio de Janeiro,

Leia mais

Endereço de acesso: https://suporte.ufopa.edu.br

Endereço de acesso: https://suporte.ufopa.edu.br Manual Do Usuário O GLPI é o sistema de chamados de suporte técnico utilizado pelo CTIC da UFOPA. Através dele serão atendidos os chamados de suporte a equipamentos de informática, redes de computadores

Leia mais

COMPRAS / CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS FORMAS DE AQUISIÇÃO/CONTRATAÇÃO LICITAÇÃO:

COMPRAS / CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS FORMAS DE AQUISIÇÃO/CONTRATAÇÃO LICITAÇÃO: COMPRAS / CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS Quase todas as despesas das Unidades são realizadas através de compras ou contratações de serviços. Elas são classificadas de acordo com a forma de aquisição/contratação

Leia mais

REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO DOS DISCENTES DESTE CAMPUS EM: VISITAS TÉCNICAS CAPÍTULO I

REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO DOS DISCENTES DESTE CAMPUS EM: VISITAS TÉCNICAS CAPÍTULO I REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO DOS DISCENTES DESTE CAMPUS EM: VISITAS TÉCNICAS CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E OBJETIVOS Artigo 1º - Visita técnica é atividade complementar dos componentes curriculares dos cursos

Leia mais

REITORIA EDITAL Nº 21/2015 FOMENTO À PESQUISA VINCULADA AOS PROGRAMAS STRICTO SENSU

REITORIA EDITAL Nº 21/2015 FOMENTO À PESQUISA VINCULADA AOS PROGRAMAS STRICTO SENSU REITORIA EDITAL Nº 21/2015 FOMENTO À PESQUISA VINCULADA AOS PROGRAMAS STRICTO SENSU O Reitor da Universidade Vila Velha UVV torna público a todos os interessados que estão abertas, de 10 de junho de 2014

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES DECRETO Nº 45.463, de 30 de agosto de 2010 Dispõe sobre a política de aquisição e locação de bens e contratação de serviços da Família Frota de Veículos, cria o Comitê Executivo de Gestão Estratégica de

Leia mais

Art. 2º. Fazer publicar esta Portaria em Boletim de Serviço, revogando-se a Portaria 577/05-R, de 05 de dezembro de 2005.

Art. 2º. Fazer publicar esta Portaria em Boletim de Serviço, revogando-se a Portaria 577/05-R, de 05 de dezembro de 2005. PORTARIA 328/R-06 DE 22 DE JUNHO DE 2006. O REITOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE, no uso da competência que lhe foi atribuída pelo artigo 39, inciso XX, do Regimento Geral da UFRN; CONSIDERANDO

Leia mais

MANUAL DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO EDUCAÇÃO FÍSICA

MANUAL DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO EDUCAÇÃO FÍSICA MANUAL DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO EDUCAÇÃO FÍSICA 1 OBJETIVO Padronização e estruturação das normas técnicas, deveres e direitos das partes envolvidas e diretrizes do Trabalho de Conclusão de Curso

Leia mais