15º Congresso Brasileiro de Geologia de Engenharia e Ambiental

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "15º Congresso Brasileiro de Geologia de Engenharia e Ambiental"

Transcrição

1 15º Congresso Brasileiro de Geologia de Engenharia e Ambiental Comparação da temperatura de brilho de superfície do período seco com o chuvoso no Distrito Federal calculada a partir de imagens do Landsat 8. Eleudo Esteves de Araújo Silva Junior 1 ; Newton Moreira de Souza 2 Resumo Com o lançamento do oitavo satélite da série Landsat contendo a bordo dois sensores, o OLI (Operational Land Imager) e o TIRS (Termal InfraRed Sensor) para os quais foram disponibilizadas as equações de calibração bem como seus parâmetros, ficou mais acessível o cálculo de índices radiométricos de forma padronizada. A temperatura de brilho da superfície terrestre, um dos atributos que podem ser avaliados no mapeamento geotécnico, pode ser calculada com dados das duas bandas térmicas do TIRS. Este trabalho objetivou verificar se os resultados dos valores obtidos com essas duas bandas apresentavam diferenças e nesse caso qual o valor dessa diferença e se elas obedecem a um padrão. Complementarmente avaliou-se a relação da temperatura com a cobertura do solo e a diferença obtida na análise de dois períodos climáticos distintos: seco e chuvoso. Os valores de temperatura calculados com as bandas térmicas do sensor TIRS a bordo do Landsat 8 apresentam pequena diferença nos seus resultados, sendo as temperaturas calculadas com a banda 10 maiores que as calculadas com a banda 11. Em relação aos resultados obtidos com as imagens dos dois períodos climáticos citados, as temperaturas do final do período seco são maiores cerca de 11 C do que as do final do período chuvoso. Quanto às coberturas, foi observada uma boa relação entre as formas de cobertura do solo e as temperaturas calculadas com ambas as bandas. Abstract With the release of the eighth satellite of the Landsat series containing two sensors on board, the OLI (Operational Land Imager) and the TIRS (Thermal InfraRed Sensor) for which and the calibration equations were available as its parameters, was more accessible calculation radiometric indexes in a standardized manner. The brightness temperature of the Earth's surface, one of the attributes that can be evaluated in geotechnical mapping, can be calculated with data from the two thermal bands of the TIRS. This study aimed to verify that the results of the values obtained with these two bands had differences and if so what value this difference and if they follow a pattern. In addition it evaluated the relationship of temperature with the ground cover and the difference obtained in the analysis of two distinct climatic periods: dry and rainy. The temperature values calculated with the thermal bands of the TIRS sensor onboard Landsat 8 show little difference in their results, and the temperatures calculated with the band 10 larger than those calculated with the band 11. In relation to the results obtained with the images of cited two climatic periods, the dry spell the end temperatures are higher than the end of the rainy season. With regard to the coverage, a good relationship between the soil cover forms and temperatures calculated with both bands was observed. Palavras-Chave Landsat 8; Temperatura de brilho; Distrito Federal. 1 Prof. MSc Departamento de Engenharia Civil e Ambiental da Universidade de Brasília. Doutorando do Programa de Pósgraduação em Geotecnia da Universidade de Brasília. 2 Prof. Dr. Departamento de Engenharia Civil e Ambiental da Universidade de Brasília, Programa de Pós-graduação em Geotecnia. 15º Congresso Brasileiro de Geologia de Engenharia e Ambiental 1

2 1. INTRODUÇÃO Segundo Zuquette & Gandolfi (2004) existem mapas e cartas que retratam dados e informações sobre o meio físico, tais como geológicos e pedológicos. A elaboração desses documentos baseia-se em procedimentos específicos que resultam no mapeamento geotécnico de forma a apresentar dados e informações para os profissionais da Geotecnia auxiliando na tomada de decisões desde a implantação de obras civis até o planejamento urbano e a gestão ambiental. A temperatura de brilho da superfície do solo é um desses dados ou atributos que podem ser identificados, caracterizados e classificados na Cartografia Geotécnica. A depender da cobertura do solo, essa temperatura pode servir de indicador das condições sócio ambientais relacionadas, inclusive, com a degradação do solo decorrentes das diversas formas de apropriação do meio físico. As diversas formas de uso antrópico do meio ambiente são determinantes dos valores de absorção e emissão de radiância na superfície terrestre. A temperatura de brilho corresponde à temperatura obtida pela radiância emitida pela superfície terrestre, no caso do Landsat 8 medida entre 10h e 10h30. De acordo com Santos (1993) as áreas urbanas podem ser consideradas como um meio ambiente construído, resultado da diversidade de classes, níveis de renda, acesso a serviços essenciais, infraestrutura e elementos morfológicos do espaço urbano. Nesse aspecto, a paisagem configura-se como um conjunto heterogêneo e a dinâmica dos fenômenos térmicos urbanos é resultado das diferentes formas de apropriação, uso e cobertura do meio físico geológico. A série de satélites Landsat (Land Remote Sensing Satellite) foi iniciada em 1972, com o ERTS 1 ou Landsat 1. O principal objetivo do sistema Landsat é o mapeamento multiespectral da superfície da Terra. O Landsat 5 e o Landsat 7 deixaram de operar em meados de 2012 e, em fevereiro de 2013, foi colocado em operação o Landsat 8. Esse novo satélite da série Landsat possui a bordo dois sensores, o OLI (Operational Land Imager) e o TIRS (Termal InfraRed Sensor). Entre os canais de aquisição radiométrica estão incluídas nove bandas multiespectrais e uma pancromática do sensor OLI e duas bandas do TIRS na região do infravermelho térmico, a Banda 10 e Banda 11 correspondentes às faixas do espectro eletromagnético de 10,60 a 11,19 µm e de 11,50 a 12,51 µm, respectivamente. As informações dos produtos da série Landsat estão disponíveis na página do Serviço Geológico dos Estados Unidos da América do Norte (USGS, 2014), nela são encontradas as equações para correções radiométricas de forma a se calcular o valor de radiância e refletância de cada uma das bandas do sensor OLI, bem como o cálculo da temperatura com base na radiância das bandas 10 e 11 do sensor TIRS. Neste artigo procurou-se avaliar os valores das temperaturas obtidas com cada uma dessas bandas baseada na medida de suas diferenças. Complementarmente foram avaliadas as características da cobertura do solo associada a cada faixa de temperatura obtida com cada banda e a diferença obtida na análise de dois períodos climáticos distintos do Distrito Federal: seco e chuvoso. 2. MATERIAIS E MÉTODOS Para este artigo foram calculadas as temperaturas utilizando as imagens do Landsat 8, da órbita 221 ponto 71 correspondentes a passagem de 13 de setembro de 2013 e 29 de maio de Essas datas coincidem com o final dos períodos seco e chuvoso do Distrito Federal. As imagens foram fornecidas por cortesia do USGS após realização de cadastro. As temperaturas obtidas a partir dos valores de níveis de cinza das bandas 10 e 11 foram avaliadas com base nas diferenças de temperatura resultantes de cada uma dessas bandas e de diferentes datas. 15º Congresso Brasileiro de Geologia de Engenharia e Ambiental 2

3 O cálculo da temperatura de brilho de superfície foi realizado a partir de algoritmos de operações aritméticas já disponíveis bem como escrevendo um programa na linguagem Legal (linguagem espacial para geoprocessamento algébrico) do programa Spring (Camara et al., 1996) desenvolvido pelo Instituto de Pesquisas Espaciais (INPE) e distribuído gratuitamente na Web. A temperatura de brilho da superfície de todo o Distrito Federal foi calculada utilizando-se as equações fornecidas na página do Landsat e os parâmetros encontrados no arquivo de metadados que acompanham os arquivos das imagens. Segundo informações da página do Landsat (USGS, 2014) a radiância (Lλ) de cada uma das bandas pode ser calculada segundo a seguinte equação: Lλ = ML x Qcal + AL (1) Sendo: ML e AL parâmetros obtidos no arquivo de metadados das imagens e Qcal o nível de cinza das imagens dos sensores do Landsat 8. Para o cálculo da temperatura em graus Célsius (T) utiliza-se a seguinte equação: T = K2/Ln ((K1/Lλ)+1) 273 (2) Sendo K1 e K2 parâmetros contidos no arquivo de metadados das respectivas imagens e Lλ obtido pela equação (1). 3. RESULTADOS 3.1. Imagens do período seco Os resultados do cálculo de temperatura de brilho das imagens do período seco constam em Souza & Silva Junior (2015). As Figuras 1 e 2 correspondem às temperaturas para as bandas 10 e 11 da data 13 de setembro de 2013, respectivamente. Figura 1. Temperaturas baseadas na imagem da banda 10: imagem 13 de setembro de º Congresso Brasileiro de Geologia de Engenharia e Ambiental 3

4 Figura 2. Temperaturas baseadas na imagem da banda 11: imagem 13 de setembro de As temperaturas de brilho calculadas com as bandas 10 e 11 variam predominantemente de 25 a 41 C com média de 34 C e 33 C para as bandas 10 e 11, respectivamente. Os histogramas dos valores calculados com cada uma das bandas podem ser vistos na Figura 3. Figura 3. Histogramas dos valores de temperaturas calculados com as bandas 10 e 11: imagem 13 de setembro de Os valores das diferenças entre as bandas foram calculados se utilizando uma operação aritmética disponível no programa Spring. Os resultados podem ser vistos na Figura 4 e representam os valores de temperaturas calculados pela banda 11 subtraídos dos calculados com a banda º Congresso Brasileiro de Geologia de Engenharia e Ambiental 4

5 Figura 4. Diferença das temperaturas calculadas pelas bandas 11 e 10: imagem de 13 de setembro de Com base nas medidas do plano de informação referentes à diferença de temperatura entre as bandas temos que 40,7% da área as diferenças de temperatura estão entre -1 a 0 C, 48,3% estão entre -1 e -2 C e apenas 4,6% são maiores que 0 C e 6,4% menores que -2 C Imagens do período chuvoso Em relação ao período chuvoso, as imagens utilizadas datam de 29 de maio de Os cálculos das temperaturas de brilho obtidas com cada uma das bandas resultaram em planos de informação da categoria de modelo numérico de terreno os quais permitem a visualização em uma escala continua, bem como se fazer uma avaliação estatística dos resultados. As temperaturas calculadas com as bandas 10 e 11 variam predominantemente de 17 a 31 C com média de 23 e 21 C para as bandas 10 e 11, respectivamente. Os histogramas dos valores calculados com cada uma das bandas podem ser vistos na Figura 5. Figura 5. Histogramas dos valores de temperaturas calculados com as bandas 10 e 11: imagem de 29 de maio de º Congresso Brasileiro de Geologia de Engenharia e Ambiental 5

6 As Figuras 6 e 7 correspondem às temperaturas para as bandas 10 e 11 da data 29 de maio de 2014, respectivamente. Figura 6. Temperaturas baseadas na imagem da banda 10: imagem de 29 de maio de Figura 7. Temperaturas baseadas na imagem da banda 11: imagem de 29 de maio de º Congresso Brasileiro de Geologia de Engenharia e Ambiental 6

7 Os valores das diferenças entre as bandas foram calculados da mesma forma. Os resultados podem ser vistos na Figura 8 e representam os valores de temperaturas calculados pela banda 11 subtraídos dos calculados com a banda 10. Assim, os valores negativos indicam que os valores calculados com a banda 10 são maiores que os calculados pela banda 11 e os valores positivos indicam que os valores calculados com a banda 11 são maiores que os calculados com a banda 10. Figura 8. Diferença das temperaturas calculadas pelas bandas 11 e 10: imagem de 29 de maio de Comparando as Figuras 6, 7 e 8 pode-se observar que para as menores temperaturas os valores calculados pela banda 10 foram subestimados em relação aos calculados com a banda 11. Para as maiores temperaturas ocorreu o contrário, ou seja, os valores calculados pela banda 11 é que foram subestimados em relação aos calculados com a banda 10. Com base nas medidas do plano de informação referentes à diferença de temperatura entre as bandas temos que 65,9% da área as diferenças de temperatura estão entre -2 a -1 C, 32,8% estão entre -1 e 0 C e apenas 1,3% são menores que -2 C. Os dados de temperatura obtidos com as imagens para os períodos citados foram organizados na Tabela 1. Tabela 1. Relação de temperaturas entre os períodos. Período seco Período chuvoso Banda 10 Banda Banda 10 Banda Temperatura mínima ( C) Temperatura máxima ( C) Média ( C) º Congresso Brasileiro de Geologia de Engenharia e Ambiental 7

8 Na Tabela 1 pode ser observado que as médias das temperaturas obtidas com dados das mesmas bandas em datas diferentes (período seco e chuvoso) variam cerca de 11 C sendo as do período seco maiores que as do chuvoso Análise das coberturas do solo associadas às faixas de temperatura Em relação às coberturas do solo, foi observada uma boa relação entre as formas de cobertura e as temperaturas calculadas com ambas as bandas (Tabela 2). Nessa tabela pode ser observado que pequenas diferenças ocorrem para temperaturas abaixo de 30 C (período seco) e 20 C (período chuvoso) e que, para as temperaturas maiores que 33 C (período seco) e 23 C (período chuvoso), praticamente correspondem às áreas com baixa qualidade ambiental onde ocorrem áreas urbanas pouco arborizadas, campos limpos, solos expostos e áreas queimadas. Tabela 2. Relação entre as temperaturas obtidas com as bandas 10 e 11 e a cobertura do solo - períodos seco e chuvoso Temp. período seco ( C) Temp. período chuvoso ( C) Cobertura do Solo Banda 10 Cobertura do Solo Banda Reservatórios de água Reservatórios com água profunda Borda dos reservatórios de água Silviculturas, matas galerias exuberantes e agricultura irrigada Matas de galerias, cerradão, silviculturas e agricultura irrigada Reservatórios de água e agricultura irrigada Silviculturas, matas galerias exuberantes e agricultura irrigada Matas de galerias, cerradão, silviculturas Cerrado, silvicultura Cerrado, silvicultura e áreas urbanas bem arborizadas Cerrado, campo e áreas urbanas bem arborizadas Áreas urbanas e campo Áreas urbanas, campo Áreas urbanas e solo exposto Solo exposto Solo exposto Solo exposto e áreas queimadas Solo exposto e áreas queimadas Solo exposto e áreas queimadas Áreas queimadas Áreas queimadas Áreas queimadas Áreas queimadas Áreas queimadas 15º Congresso Brasileiro de Geologia de Engenharia e Ambiental 8

9 Nas faixas de temperaturas mais baixas, isto é, abaixo dos 33 C no período seco e 22 C no chuvoso, têm-se corpos d água e cobertura do solo vegetadas, desde as matas de galerias, cerradão, silviculturas, agricultura irrigada e áreas urbanas bem arborizadas, ou seja, áreas de boa qualidade ambiental. Nas faixas de temperaturas mais elevadas, acima de 33 C no período seco e 22 C no período chuvoso, têm-se áreas com baixa qualidade ambiental tais como solos expostos, áreas queimadas e áreas urbanas pouco arborizadas. 4. CONCLUSÕES Os valores de temperatura de brilho da superfície do solo calculados com as bandas 10 e 11 do sensor TIRS a bordo do Landsat 8 com base nas imagens do dia 13 de setembro de 2013 apresentam pequena diferença nos seus resultados sendo que para as temperaturas entre 33 e 43 C foi onde se concentram as maiores diferenças. Em apenas 4,6% da área a temperatura calculada com a banda 11 é maior que a calculada com a banda 10. As diferenças maiores que 2 C ocorreram em apenas 6% da área. Em relação aos dados obtidos com as imagens do dia 29 de maio de 2014, em 99,9% da área a temperatura calculada com a banda 10 é maior que a calculada com a banda 11. Observa-se tanto nas imagens do período seco quanto nas do chuvoso que para as menores temperaturas os valores calculados pela banda 10 foram subestimados em relação aos calculados com a banda 11, enquanto que para as maiores temperaturas ocorreu o contrário, isto é, os valores calculados pela banda 11 é que foram subestimados em relação aos calculados com a banda 10. Em ambos os casos as temperaturas calculadas com a banda 10 são em torno de 1º C maiores que as calculadas com a banda 11, confirmando os resultados obtidos por Souza & Silva Junior (2015). Em relação aos resultados obtidos com as imagens dos dois períodos climáticos citados, as médias das temperaturas do final do período seco são cerca de 11 C maiores do que as do final do período chuvoso. Quanto às coberturas do solo, foi observada uma boa relação entre as formas de cobertura e as temperaturas calculadas com ambas as bandas, apresentando áreas de boa qualidade ambiental relacionadas às temperaturas mais baixas e áreas de baixa qualidade ambiental relacionadas às temperaturas mais elevadas. AGRADECIMENTOS Os autores agradecem ao USGS pela cortesia das imagens Landsat. REFERÊNCIAS CAMARA G, et al. (1996). Spring: Integrating remote sensing and GIS by object-oriented data modelling. Computers & Graphics, 20: (3) SOUZA, N.M., SILVA JUNIOR, E.E.A. (2015). Uso de imagens Landsat 8 para o cálculo de temperatura de brilho de superfície. 9º Simpósio Brasileiro de Cartografia Geotécnica e Geoambiental, ABGE, Cuiabá, MT, 5 p. CD-ROM SANTOS, M. (1993) A Urbanização Brasileira. Ed. Hucitec, São Paulo, 157 p. 15º Congresso Brasileiro de Geologia de Engenharia e Ambiental 9

10 USGS (2014). United State Geological Survey. Acesso em outubro de ZUQUETTE, L.V., GANDOLFI, N. (2004). Cartografia geotécnica. Oficina de Textos, São Paulo, SP, 190 p. 15º Congresso Brasileiro de Geologia de Engenharia e Ambiental 1 0

Sensoriamento Remoto

Sensoriamento Remoto Sensoriamento Remoto 1. Obtenção de imagens matriciais (raster) Imagens raster podem ser obtidas de várias formas: Aerofotogrametria Fotos aéreas obtidas através do sobrevoo da área de interesse por aeronaves

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS ÍNDICES NDVI, NDBI E NDWI COMO FERRAMENTAS AO MAPEAMENTO DO USO E COBERTURA DA TERRA

AVALIAÇÃO DOS ÍNDICES NDVI, NDBI E NDWI COMO FERRAMENTAS AO MAPEAMENTO DO USO E COBERTURA DA TERRA Renata dos Santos Cardoso Mestranda em Geografia da Faculdade de Ciências e Tecnologia da UNESP, campus de Presidente Prudente-SP. E-mail: renatacardoso16@gmail.com Margarete Cristiane de Costa Trindade

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DO FENÔMENO DE ILHAS DE CALOR PARA A REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO ATRAVÉS DE DADOS PROVENIENTES DO SATÉLITE LANDSAT 7 ETM+

IDENTIFICAÇÃO DO FENÔMENO DE ILHAS DE CALOR PARA A REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO ATRAVÉS DE DADOS PROVENIENTES DO SATÉLITE LANDSAT 7 ETM+ IDENTIFICAÇÃO DO FENÔMENO DE ILHAS DE CALOR PARA A REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO ATRAVÉS DE DADOS PROVENIENTES DO SATÉLITE LANDSAT 7 ETM+ PEREIRA, G. 1 ; CAMARGO, F. F. 2 ; OLIVEIRA, L. G. L de 3 ;

Leia mais

Subtração de imagens para detecção de mudanças na cobertura vegetal da bacia hidrográfica do Rio Alegre Alegre/ES

Subtração de imagens para detecção de mudanças na cobertura vegetal da bacia hidrográfica do Rio Alegre Alegre/ES ubtração de imagens para detecção de mudanças na cobertura vegetal da bacia hidrográfica do io Alegre Alegre/E Kennedy ibeiro da ilva 1 Daiani Bernardo Pirovani 1 Larice Nogueira de Andrade Alexandre osa

Leia mais

Comparação entre classificadores por pixel e por região com imagem SPOT-5 para o estado de Minas Gerais

Comparação entre classificadores por pixel e por região com imagem SPOT-5 para o estado de Minas Gerais Comparação entre classificadores por pixel e por região com imagem SPOT-5 para o estado de Minas Gerais Fernanda Rodrigues Fonseca 1 Thiago Duarte Pereira 1 Luciano Vieira Dutra 1 Eliana Pantaleão 1 Corina

Leia mais

Potencial do uso da banda do infravermelho próximo na classificação de imagens adquiridas por câmaras digitais

Potencial do uso da banda do infravermelho próximo na classificação de imagens adquiridas por câmaras digitais Potencial do uso da banda do infravermelho próximo na classificação de imagens adquiridas por câmaras digitais Lauriana Rúbio Sartori Nilton Nobuhiro Imai Antônio Maria Garcia Tommaselli Roberto da Silva

Leia mais

GERAÇÃO DE CARTA IMAGEM DO MUNICÍPIO DE PATO BRANCO-PR

GERAÇÃO DE CARTA IMAGEM DO MUNICÍPIO DE PATO BRANCO-PR GERAÇÃO DE CARTA IMAGEM DO MUNICÍPIO DE PATO BRANCO-PR Ana Laura Reichert CENTENARO 1, Danielli BATISTELLA 1 Gabriela SUZIN 1, Morgana Gabriela RAYMUNDI 1 1 Universidade Tecnológica Federal do Paraná,

Leia mais

Figura 1: Localização geográfica da área de estudo com a composição colorida do sensor TM (R3, G2 e B1).

Figura 1: Localização geográfica da área de estudo com a composição colorida do sensor TM (R3, G2 e B1). MUDANÇA DA PAISAGEM AMAZÔNICA NA ÁREA DO PROJETO DE ASSENTAMENTO DIRIGIDO SANTA LUZIA, EM CRUZEIRO DO SUL, AC Rafael C. DELGADO 1, Leonardo P. de SOUZA 1, Ian W. R. da SILVA 1, Evaldo de P. LIMA 2, Ricardo

Leia mais

CONFLITO DE COBERTURA DE TERRAS EM REGIÃO DE FLORESTA ESTACIONAL DECIDUAL, EM RELAÇÃO À APLICAÇÃO DO CÓDIGO FLORESTAL EM VIGOR 1

CONFLITO DE COBERTURA DE TERRAS EM REGIÃO DE FLORESTA ESTACIONAL DECIDUAL, EM RELAÇÃO À APLICAÇÃO DO CÓDIGO FLORESTAL EM VIGOR 1 CONFLITO DE COBERTURA DE TERRAS EM REGIÃO DE FLORESTA ESTACIONAL DECIDUAL, EM RELAÇÃO À APLICAÇÃO DO CÓDIGO FLORESTAL EM VIGOR 1 PIAZZA, Eliara Marin 2 ; GONSALVEZ, Lilian Mariano 2 ; BREUNIG, Fábio Marcelo

Leia mais

Modelo de Formulário

Modelo de Formulário Formulário Pessoa Física ou Autônomo / Profissional Liberal 1. Identificação Pessoal CPF.. -- Nome Completo Sexo Masculino Feminino Data de Nascimento / / Endereço Número Complemento Bairro Cidade UF CEP

Leia mais

Para que um sensor possa coletar e registrar a energia refletida ou emitida por um objeto ou superfície, ele tem que estar instalado em uma

Para que um sensor possa coletar e registrar a energia refletida ou emitida por um objeto ou superfície, ele tem que estar instalado em uma Sensores e Satélites Para que um sensor possa coletar e registrar a energia refletida ou emitida por um objeto ou superfície, ele tem que estar instalado em uma plataforma estável à distância do objeto

Leia mais

O uso da terra da bacia do ribeirão Bom Jardim-MG por meio de imagem do satélite liss3/resource

O uso da terra da bacia do ribeirão Bom Jardim-MG por meio de imagem do satélite liss3/resource O uso da terra da bacia do ribeirão Bom Jardim-MG por meio de imagem do satélite liss3/resource Mireille Paula Machado¹ Laís Naiara Gonçalves dos Reis² Dayane Zandonadi Soares² Camila Nonato Junqueira³

Leia mais

MAPEAMENTO DA COBERTURA VEGETAL DE ÁREAS DE GRANDE EXTENSÃO ATRAVÉS DE MOSAICOS DE IMAGENS DO NOAA-AVHRR

MAPEAMENTO DA COBERTURA VEGETAL DE ÁREAS DE GRANDE EXTENSÃO ATRAVÉS DE MOSAICOS DE IMAGENS DO NOAA-AVHRR MAPEAMENTO DA COBERTURA VEGETAL DE ÁREAS DE GRANDE EXTENSÃO ATRAVÉS DE MOSAICOS DE IMAGENS DO NOAA-AVHRR Maria G. Almeida 1, Bernardo F. T. Rudorff 2, Yosio E. Shimabukuro 2 graca@dppg.cefetmg.br, bernardo@ltid.inpe.br,

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS IMAGENS IRS-P6 EM RELAÇÃO AO PADRÃO DE EXATIDÃO CARTOGRÁFICA. Danielly Garcia Santos¹, Elaine Reis Costa Lima²

AVALIAÇÃO DAS IMAGENS IRS-P6 EM RELAÇÃO AO PADRÃO DE EXATIDÃO CARTOGRÁFICA. Danielly Garcia Santos¹, Elaine Reis Costa Lima² AVALIAÇÃO DAS IMAGENS IRS-P6 EM RELAÇÃO AO PADRÃO DE EXATIDÃO CARTOGRÁFICA Danielly Garcia Santos¹, Elaine Reis Costa Lima² ¹Tecnóloga em Geoprocessamento, Assistente em Geoprocessamento, Primegeo, Goiânia-GO,

Leia mais

Características dos Sensores. Aula 3 Professor Waterloo Pereira Filho Docentes orientados: Daniela Barbieri Felipe Correa

Características dos Sensores. Aula 3 Professor Waterloo Pereira Filho Docentes orientados: Daniela Barbieri Felipe Correa Características dos Sensores Aula 3 Professor Waterloo Pereira Filho Docentes orientados: Daniela Barbieri Felipe Correa TAMANHO DO PIXEL Alta Resolução Média Resolução Cobertura Sinótica Meteorológicos

Leia mais

O CRESCIMENTO URBANO DO MUNICÍPIO DE GOIÂNIA-GO/BRASIL E SUA RELAÇÃO COM O FENÔMENO DE ILHAS DE CALOR

O CRESCIMENTO URBANO DO MUNICÍPIO DE GOIÂNIA-GO/BRASIL E SUA RELAÇÃO COM O FENÔMENO DE ILHAS DE CALOR O CRESCIMENTO URBANO DO MUNICÍPIO DE GOIÂNIA-GO/BRASIL E SUA RELAÇÃO COM O FENÔMENO DE ILHAS DE CALOR M.e Diego Tarley Ferreira Nascimento ¹; Dr. Ivanilton José de Oliveira ². ¹ Professor substituto da

Leia mais

Os mapas são a tradução da realidade numa superfície plana.

Os mapas são a tradução da realidade numa superfície plana. Cartografia Desde os primórdios o homem tentou compreender a forma e as características do nosso planeta, bem como representar os seus diferentes aspectos através de croquis, plantas e mapas. Desenhar

Leia mais

Produção de Mapas de Uso do solo utilizando dados CBERS-2B, como estágio intermerdiário para estudos de processos erosivos laminares.

Produção de Mapas de Uso do solo utilizando dados CBERS-2B, como estágio intermerdiário para estudos de processos erosivos laminares. Produção de Mapas de Uso do solo utilizando dados CBERS-2B, como estágio intermerdiário para estudos de processos erosivos laminares. Nome do Autor 1: Wagner Santos de Almeida Universidade de Brasília,

Leia mais

4 MATERIAL. O material utilizado para a realização deste estudo consiste de:

4 MATERIAL. O material utilizado para a realização deste estudo consiste de: O material utilizado para a realização deste estudo consiste de: 1) - Imagens de satélite Landsat MSS, TM e ETM+; 2) - Cartas produzidas pela Junta de Investigações do Ultramar (JIU, 1962-1963); mapa de

Leia mais

ABSTRACT 1. INTRODUÇÃO

ABSTRACT 1. INTRODUÇÃO MONITORAMENTO DE NUVENS DE GELO E DE ÁGUA LÍQUIDA SUPER-RESFRIADA SOBRE AS REGIÕES SUL E SUDESTE DO BRASIL UTILIZANDO-SE IMAGENS MULTIESPECTRAIS DO GOES-8 Nelson Jesus Ferreira Cláudia Cristina dos Santos

Leia mais

Introdução ao Sensoriamento Remoto. Sensoriamento Remoto

Introdução ao Sensoriamento Remoto. Sensoriamento Remoto Introdução ao Sensoriamento Remoto Sensoriamento Remoto Definição; Breve Histórico; Princípios do SR; Espectro Eletromagnético; Interação Energia com a Terra; Sensores & Satélites; O que é Sensoriamento

Leia mais

Análise das técnicas de fusão de imagens aplicadas ao satélite CBERS-2B (CCD-HRC) Claudinei Rodrigues de Aguiar¹ Danielli Batistella¹

Análise das técnicas de fusão de imagens aplicadas ao satélite CBERS-2B (CCD-HRC) Claudinei Rodrigues de Aguiar¹ Danielli Batistella¹ Análise das técnicas de fusão de imagens aplicadas ao satélite CBERS-2B (CCD-HRC) Claudinei Rodrigues de Aguiar¹ Danielli Batistella¹ 1 Universidade Tecnológica Federal do Paraná - UTFPR Via do Conhecimento,

Leia mais

ESTUDOS DE ILHA DE CALOR URBANA POR MEIO DE IMAGENS DO LANDSAT 7 ETM+: ESTUDO DE CASO EM SÃO CARLOS (SP)

ESTUDOS DE ILHA DE CALOR URBANA POR MEIO DE IMAGENS DO LANDSAT 7 ETM+: ESTUDO DE CASO EM SÃO CARLOS (SP) ESTUDOS DE ILHA DE CALOR URBANA POR MEIO DE IMAGENS DO LANDSAT 7 ETM+... 273 ESTUDOS DE ILHA DE CALOR URBANA POR MEIO DE IMAGENS DO LANDSAT 7 ETM+: ESTUDO DE CASO EM SÃO CARLOS (SP) Ricardo Victor Rodrigues

Leia mais

ESTUDO DE CASO: ÍNDICE DE UMIDADE DO SOLO UTILIZANDO IMAGENS DO SENSOR MODIS PARA O MUNICÍPIO DE BELEM DO SÃO FRANCISCO, PE

ESTUDO DE CASO: ÍNDICE DE UMIDADE DO SOLO UTILIZANDO IMAGENS DO SENSOR MODIS PARA O MUNICÍPIO DE BELEM DO SÃO FRANCISCO, PE ESTUDO DE CASO: ÍNDICE DE UMIDADE DO SOLO UTILIZANDO IMAGENS DO SENSOR MODIS PARA O MUNICÍPIO DE BELEM DO SÃO FRANCISCO, PE Pabrício Marcos Oliveira Lopes 1, Glawber Spíndola Saraiva de Moura 2 1 Prof.

Leia mais

OBTENÇÃO DE IMAGEM DO GOOGLE EARTH PARA CLASSIFICAÇÃO DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO

OBTENÇÃO DE IMAGEM DO GOOGLE EARTH PARA CLASSIFICAÇÃO DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO OBTENÇÃO DE IMAGEM DO GOOGLE EARTH PARA CLASSIFICAÇÃO DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO ROGER TORLAY 1 ; OSVALDO T. OSHIRO 2 N 10502 RESUMO O sensoriamento remoto e o geoprocessamento trouxeram importantes avanços

Leia mais

Processamento de Imagem. Prof. Herondino

Processamento de Imagem. Prof. Herondino Processamento de Imagem Prof. Herondino Sensoriamento Remoto Para o Canada Centre for Remote Sensing - CCRS (2010), o sensoriamento remoto é a ciência (e em certa medida, a arte) de aquisição de informações

Leia mais

Análise da qualidade de imagens Landsat-1-MSS entre os anos de 1972 e 1975 para o bioma Cerrado

Análise da qualidade de imagens Landsat-1-MSS entre os anos de 1972 e 1975 para o bioma Cerrado Análise da qualidade de imagens Landsat-1-MSS entre os anos de 1972 e 1975 para o bioma Cerrado Carlos Antônio Melo CRISTÓVÃO Laerte Guimarães FERREIRA Jr. Universidade Federal de Goiás - UFG Instituto

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO DE SOFWARES GRATUITOS DE GEOPROCESSAMENTO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE ENGENHARIA

ESTUDO COMPARATIVO DE SOFWARES GRATUITOS DE GEOPROCESSAMENTO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE ENGENHARIA ESTUDO COMPARATIVO DE SOFWARES GRATUITOS DE GEOPROCESSAMENTO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE ENGENHARIA 1. Introdução Nos últimos anos, a área de geotecnologias ganhou maior visibilidade através da popularização

Leia mais

Detecção de Mudanças da Cobertura Terrestre na Ilha do Formoso, Município de Lagoa da Confusão-TO

Detecção de Mudanças da Cobertura Terrestre na Ilha do Formoso, Município de Lagoa da Confusão-TO Detecção de Mudanças da Cobertura Terrestre na Ilha do Formoso, Município de Lagoa da Confusão-TO VICENTE PAULO SOARES 1 ALAN KARDEC ELIAS MARTINS 2 RICARDO SEIXAS BRITES 3 ELPÍDIO INÁCIO FERNANDES FILHO

Leia mais

ERMAC 2010: I ENCONTRO REGIONAL DE MATEMÁTICA APLICADA E COMPUTACIONAL 11-13 de Novembro de 2010, São João del-rei, MG; pg 251-257 251

ERMAC 2010: I ENCONTRO REGIONAL DE MATEMÁTICA APLICADA E COMPUTACIONAL 11-13 de Novembro de 2010, São João del-rei, MG; pg 251-257 251 ERMAC 2010: I ENCONTRO REGIONAL DE MATEMÁTICA APLICADA E COMPUTACIONAL 11 13 de Novembro de 2010, São João delrei, MG; pg 251 257 251 ANÁLISE DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO DA CIDADE DE VITÓRIAES USANDO A COMPOSIÇÃO

Leia mais

ABSTRACT: The Suape region has received public and private investments, which allowed a

ABSTRACT: The Suape region has received public and private investments, which allowed a ANÁLISE ESPAÇO-TEMPORAL DOS IMPACTOS DO CRESCIMENTO URBANO-INDUSTRIAL NA TEMPERATURA DE SUPERFÍCIE DA REGIÃO DE SUAPE, CABO DE SANTO DE AGOSTINHO/IPOJUCA PE Jacicleide Ramos de Souza,¹² Ygor Cristiano

Leia mais

VARIABILIDADE ESPAÇO TEMPORAL DO IVDN NO MUNICIPIO DE ÁGUAS BELAS-PE COM BASE EM IMAGENS TM LANDSAT 5

VARIABILIDADE ESPAÇO TEMPORAL DO IVDN NO MUNICIPIO DE ÁGUAS BELAS-PE COM BASE EM IMAGENS TM LANDSAT 5 VARIABILIDADE ESPAÇO TEMPORAL DO IVDN NO MUNICIPIO DE ÁGUAS BELAS-PE COM BASE EM IMAGENS TM LANDSAT 5 Maurílio Neemias dos Santos 1, Heliofábio Barros Gomes 1,, Yasmim Uchoa da Silva 1, Sâmara dos Santos

Leia mais

XII SIMPÓSIO DE RECURSOS HIDRÍCOS DO NORDESTE DELIMITAÇÃO DAS ÁREAS IRRIGADAS NO TRECHO DO SUB-MÉDIO DO RIO SÃO FRANCISCO

XII SIMPÓSIO DE RECURSOS HIDRÍCOS DO NORDESTE DELIMITAÇÃO DAS ÁREAS IRRIGADAS NO TRECHO DO SUB-MÉDIO DO RIO SÃO FRANCISCO XII SIMPÓSIO DE RECURSOS HIDRÍCOS DO NORDESTE DELIMITAÇÃO DAS ÁREAS IRRIGADAS NO TRECHO DO SUB-MÉDIO DO RIO SÃO FRANCISCO Gerald Norbert Souza da Silva 1, Márcia Maria Guedes Alcoforado de Moraes 1 & Ana

Leia mais

10 FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM COMPARAÇÃO DE FUSÃO ENTRE AS IMAGENS DO SATÉLITE RAPID EYE, CBERS E SPOT.

10 FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM COMPARAÇÃO DE FUSÃO ENTRE AS IMAGENS DO SATÉLITE RAPID EYE, CBERS E SPOT. 10 FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM COMPARAÇÃO DE FUSÃO ENTRE AS IMAGENS DO SATÉLITE RAPID EYE, CBERS E SPOT. Thalita Dal Santo 1 Antonio de Oliveira¹ Fernando Ricardo dos Santos² A técnica de fusão

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DO USO E COBERTURA DA TERRA POR DOMÍNIOS GEOMORFOLÓGICOS NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO SÃO JOÃO - RIO DE JANEIRO

DISTRIBUIÇÃO DO USO E COBERTURA DA TERRA POR DOMÍNIOS GEOMORFOLÓGICOS NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO SÃO JOÃO - RIO DE JANEIRO DISTRIBUIÇÃO DO USO E COBERTURA DA TERRA POR DOMÍNIOS GEOMORFOLÓGICOS NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO SÃO JOÃO - RIO Oliveira, P.M.F. 1 ; Silveira, J.L.C. 2 ; Seabra, V.S. 3 ; 1 UERJ-FFP Email:pris.mathias@hotmail.com;

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO DE FERRAMENTAS COMPUTACIONAIS QUE UTILIZAM GEOPROCESSAMENTO E TECNOLOGIA BIM PARA DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS DE ENGENHARIA CIVIL

ESTUDO COMPARATIVO DE FERRAMENTAS COMPUTACIONAIS QUE UTILIZAM GEOPROCESSAMENTO E TECNOLOGIA BIM PARA DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS DE ENGENHARIA CIVIL ESTUDO COMPARATIVO DE FERRAMENTAS COMPUTACIONAIS QUE UTILIZAM GEOPROCESSAMENTO E TECNOLOGIA BIM PARA DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS DE ENGENHARIA CIVIL 1. INTRODUÇÃO E REFERENCIAL TEÓRICO A área de geoprocessamento

Leia mais

DETERMINAÇÃO DE NOVAS BANDAS ESPECTRAIS PARA OS SATÉLITES LANDSAT/TM-5 E SPOT 1

DETERMINAÇÃO DE NOVAS BANDAS ESPECTRAIS PARA OS SATÉLITES LANDSAT/TM-5 E SPOT 1 DETERMINAÇÃO DE NOVAS BANDAS ESPECTRAIS PARA OS SATÉLITES LANDSAT/TM-5 E SPOT 1 Míriam Regina Bordinhon PEGORARI 1, Erivaldo Antonio da SILVA 2, Vilma Mayumi TACHIBANA 2 (1) Departamento de Informática,

Leia mais

USO DE GEOPROCESSAMENTO NA DELIMITAÇÃO DE CONFLITOS DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO RIO VERÊ, MUNICÍPIO DE VERÊ PR.

USO DE GEOPROCESSAMENTO NA DELIMITAÇÃO DE CONFLITOS DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO RIO VERÊ, MUNICÍPIO DE VERÊ PR. USO DE GEOPROCESSAMENTO NA DELIMITAÇÃO DE CONFLITOS DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO RIO VERÊ, MUNICÍPIO DE VERÊ PR. Ivan Rodrigo Dal-Berti, Marcio Pigosso, Wanessa Suelen

Leia mais

LANDSAT-8: Download de imagens através dos sites Earth Explorer e GLOVIS

LANDSAT-8: Download de imagens através dos sites Earth Explorer e GLOVIS LANDSAT-8: Download de imagens através dos sites Earth Explorer e GLOVIS 2013 LANDSAT-8: Informações para Novos Usuários de Imagens Licença: As imagens Landsat-8 são gratuitas; Download: Para baixar imagens

Leia mais

ESTIMATIVA DE NDVI UTILIZANDO IMAGENS DOS SATÉLITES CBERS-2B_CCD, CBERS-2B_WFI E METEOSAT-9_SEVIRI 4

ESTIMATIVA DE NDVI UTILIZANDO IMAGENS DOS SATÉLITES CBERS-2B_CCD, CBERS-2B_WFI E METEOSAT-9_SEVIRI 4 ESTIMATIVA DE NDVI UTILIZANDO IMAGENS DOS SATÉLITES CBERS-2B_CCD, CBERS-2B_WFI E METEOSAT-9_SEVIRI 4 ELIZABETH FERREIRA 1, ANTONIO A. A. DANTAS 2, HUMBERTO A. BARBOSA 3 1 Engenheira Agrícola, Professora

Leia mais

SENSORIAMENTO REMOTO NO USO DO SOLO

SENSORIAMENTO REMOTO NO USO DO SOLO SENSORIAMENTO REMOTO NO USO DO SOLO Ana Luiza Bovoy Jônatas de Castro Gonçalves Thiemi Igarashi Vinicius Chequer e Silva LEVANTAMENTO DA COBERTURA VEGETAL ATRAVÉS DE PRODUTOS DE SENSORIAMENTO REMOTO NAS

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO USO E OCUPAÇÃO DA TERRA E ANÁLISE DOS REMANESCENTES FLORESTAIS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO NIOAQUE UTILIZANDO GEOTECNOLOGIAS

CARACTERIZAÇÃO DO USO E OCUPAÇÃO DA TERRA E ANÁLISE DOS REMANESCENTES FLORESTAIS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO NIOAQUE UTILIZANDO GEOTECNOLOGIAS CARACTERIZAÇÃO DO USO E OCUPAÇÃO DA TERRA E ANÁLISE DOS REMANESCENTES FLORESTAIS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO NIOAQUE UTILIZANDO GEOTECNOLOGIAS MSc. Emerson Figueiredo Leite 1 Dr. Roberto Rosa 2 1 Doutorando

Leia mais

1. Identificação Pessoal

1. Identificação Pessoal Formulário Pessoa Física ou Autônomo / Profissional Liberal Este formulário é idêntico ao eletrônico! Se sua opção for pelo preenchimento manual desta pesquisa, sugerimos que imprima este formulário e

Leia mais

Modelo de Formulário

Modelo de Formulário Formulário Pessoa Jurídica: Organização / Empresa 1. Identificação da Organização CNPJ.. / - Razão Social Nome Fantasia Endereço Número Complemento Bairro Cidade UF CEP País Telefones ou Fax E-mail Página

Leia mais

MAPEAMENTO DE CLASSES INTRAURBANAS NO MUNICÍPIO DE CARAGUATATUBA (SP) UTILIZANDO IMAGENS LANDSAT-5 TM E IMAGEM NDBI

MAPEAMENTO DE CLASSES INTRAURBANAS NO MUNICÍPIO DE CARAGUATATUBA (SP) UTILIZANDO IMAGENS LANDSAT-5 TM E IMAGEM NDBI MAPEAMENTO DE CLASSES INTRAURBANAS NO MUNICÍPIO DE CARAGUATATUBA (SP) UTILIZANDO IMAGENS LANDSAT-5 TM E IMAGEM NDBI 1702 Bruna Lahos de Jesus Bacic bruna_lahos@hotmail.com Geografia Bacharelado Universidade

Leia mais

Sensoriamento Remoto. Características das Imagens Orbitais

Sensoriamento Remoto. Características das Imagens Orbitais Sensoriamento Remoto Características das Imagens Orbitais 1 - RESOLUÇÃO: O termo resolução em sensoriamento remoto pode ser atribuído a quatro diferentes parâmetros: resolução espacial resolução espectral

Leia mais

XV COBREAP CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS IBAPE/SP 2009

XV COBREAP CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS IBAPE/SP 2009 XV COBREAP CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS IBAPE/SP 2009 ANÁLISE COMPARATIVA DOS USOS DO SOLO UTILIZANDO IMAGENS ORBITAIS COM DIFERENTES RESOLUÇÕES ESPACIAIS. JUSSARA D'AMBROSIO

Leia mais

Autor: Uriálisson Mattos Queiroz Instituição: Escola de Engenharia Mecânica da Bahia(EEMBA)/IQUALI

Autor: Uriálisson Mattos Queiroz Instituição: Escola de Engenharia Mecânica da Bahia(EEMBA)/IQUALI UTILIZAÇÃO DO GEOPROCESSAMENTO PARA ESTUDOS ECOLÓGICOS DA REGIÃO DA SUB-BACIA DO RIO CAPIVARI-BA NOS MUNICÍPIOS DE CRUZ DAS ALMAS, MURITIBA E SÃO FÉLIX. Autor: Gabriel Barbosa Lobo Instituição: Escola

Leia mais

Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Câmpus Medianeira PLANO DE ENSINO CURSO ENGENHARIA DE AMBIENTAL MATRIZ 519

Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Câmpus Medianeira PLANO DE ENSINO CURSO ENGENHARIA DE AMBIENTAL MATRIZ 519 Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Câmpus Medianeira PLANO DE ENSINO CURSO ENGENHARIA DE AMBIENTAL MATRIZ 519 FUNDAMENTAÇÃO LEGAL - Abertura e aprovação do projeto do curso:

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE BANCOS DE DADOS ESPACIAIS COM IMAGENS DE SATÉLITE

CONSTRUÇÃO DE BANCOS DE DADOS ESPACIAIS COM IMAGENS DE SATÉLITE CONSTRUÇÃO DE BANCOS DE DADOS ESPACIAIS COM IMAGENS DE SATÉLITE Renzo Joel Flores Ortiz e Ilka Afonso Reis Laboratório de Estatística Espacial (LESTE) Departamento de Estatística Universidade Federal de

Leia mais

UNICAP Universidade Católica de Pernambuco Laboratório de Topografia de UNICAP - LABTOP Topografia 2. Sensoriamento Remoto.

UNICAP Universidade Católica de Pernambuco Laboratório de Topografia de UNICAP - LABTOP Topografia 2. Sensoriamento Remoto. UNICAP Universidade Católica de Pernambuco Laboratório de Topografia de UNICAP - LABTOP Topografia 2 Sensoriamento Remoto Parte 1 Recife, 2014 Conceito de Sensoriamento Remoto Sensoriamento Remoto consiste

Leia mais

Morfologia Matemática: Delimitar área de desastre ambiental causado por vazamento de petróleo utilizando imagem de satélite.

Morfologia Matemática: Delimitar área de desastre ambiental causado por vazamento de petróleo utilizando imagem de satélite. Anais XV Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto - SBSR, Curitiba, PR, Brasil, 30 de abril a 05 de maio de 2011, INPE p.7636 Morfologia Matemática: Delimitar área de desastre ambiental causado por

Leia mais

Variabilidade temporal de índice de vegetação NDVI e sua conexão com o clima: Biomas Caatinga Brasileira e Savana Africana

Variabilidade temporal de índice de vegetação NDVI e sua conexão com o clima: Biomas Caatinga Brasileira e Savana Africana Variabilidade temporal de índice de vegetação NDVI e sua conexão com o clima: Biomas Caatinga Brasileira e Savana Africana Humberto Alves Barbosa 1, Ivon Wilson da Silva Júnior 2 1 PhD, LAPIS/UFAL Maceió

Leia mais

Mauricio Alves Moreira 1 Marco Adami 1 Bernardo Friedrich Theodor Rudorff 1 Tiago Bernardes 1

Mauricio Alves Moreira 1 Marco Adami 1 Bernardo Friedrich Theodor Rudorff 1 Tiago Bernardes 1 Anais XV Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto - SBSR, Curitiba, PR, Brasil, 30 de abril a 05 de maio de 2011, INPE p.0481 Uso de imagens do Google Earth capturadas através do software stitch map

Leia mais

Izabel Cecarelli. GEOAMBIENTE Sensoriamento Remoto

Izabel Cecarelli. GEOAMBIENTE Sensoriamento Remoto Izabel Cecarelli GEOAMBIENTE Sensoriamento Remoto A GEOAMBIENTE, atuante no mercado há 10 anos, presta serviços em aplicações de sensoriamento remoto e desenvolvimento / integração de sistemas de informações

Leia mais

AVALIAÇÃO DE IMAGENS ORBITAIS PARA O MAPEAMENTO DE ÁREAS URBANAS IMPERMEABILIZADAS

AVALIAÇÃO DE IMAGENS ORBITAIS PARA O MAPEAMENTO DE ÁREAS URBANAS IMPERMEABILIZADAS AVALIAÇÃO DE IMAGENS ORBITAIS PARA O MAPEAMENTO DE ÁREAS URBANAS IMPERMEABILIZADAS Paulo Rafael Alves 1 Bernard Silva de Oliveira 2 Wellington Nunes de Oliveira 3 & Nilson Clementino Ferreira 4 Resumo

Leia mais

territorium 20 ENTRE 1990 E 2010*

territorium 20 ENTRE 1990 E 2010* MAPEAMENTO DO USO DO SOLO DA BACIA RIBEIRÃO ENGENHO DE FERRO IBIPORÃ PR - BRAZIL, ENTRE 1990 E 2010* Elaine Elise Lapa da Silva elainelapa@hotmail.com Osvaldo Coelho Pereira Neto coelho@uel.br 173 Rigoberto

Leia mais

A dinâmica do desmatamento em duas cidades amazônicas: Rio Branco e Cruzeiro do Sul, Acre, no período de 1985 a 2003 uma análise preliminar.

A dinâmica do desmatamento em duas cidades amazônicas: Rio Branco e Cruzeiro do Sul, Acre, no período de 1985 a 2003 uma análise preliminar. A dinâmica do desmatamento em duas cidades amazônicas: Rio Branco e Cruzeiro do Sul, Acre, no período de 1985 a 2003 uma análise preliminar. Letícia Palazzi Perez 1 Homero Fonseca Filho 1 Tatiana Mora

Leia mais

Sistemas de suporte à qualidade de imagens: uma inovação na estação terrena do INPE

Sistemas de suporte à qualidade de imagens: uma inovação na estação terrena do INPE Sistemas de suporte à qualidade de imagens: uma inovação na estação terrena do INPE Alexandre Maia de Almeida Flávio Pimentel Duarte Marco Aurélio Oliveira da Silva Antonio José Machado e Silva Gisplan

Leia mais

COMPARAÇÃO TABULAR DA EXPANSÃO URBANA DOS MUNICÍPIOS DE ITAPEMA, PORTO BELO E BOMBINHAS EM SANTA CATARINA, BRASIL, NO PERÍODO DE 1985 A 2002.

COMPARAÇÃO TABULAR DA EXPANSÃO URBANA DOS MUNICÍPIOS DE ITAPEMA, PORTO BELO E BOMBINHAS EM SANTA CATARINA, BRASIL, NO PERÍODO DE 1985 A 2002. COMPARAÇÃO TABULAR DA EXPANSÃO URBANA DOS MUNICÍPIOS DE ITAPEMA, PORTO BELO E BOMBINHAS EM SANTA CATARINA, BRASIL, NO PERÍODO DE 1985 A 2002. Janaina Sant Ana Maia Santos* UFSC - Universidade Federal de

Leia mais

ANÁLISE DE VULNERABILIDADE À EROSÃO NA MICROBACIA DO RIO BRUMADO (BA) COM EMPREGO DE GEOTECNOLOGIAS

ANÁLISE DE VULNERABILIDADE À EROSÃO NA MICROBACIA DO RIO BRUMADO (BA) COM EMPREGO DE GEOTECNOLOGIAS ANÁLISE DE VULNERABILIDADE À EROSÃO NA MICROBACIA DO RIO BRUMADO (BA) COM EMPREGO DE GEOTECNOLOGIAS Passos, N.O. (UFBA) ; Melo, D.H.C.T.B. (UFBA) RESUMO Apresenta-se os principais resultados obtidos na

Leia mais

Tópicos em Meio Ambiente e Ciências Atmosféricas

Tópicos em Meio Ambiente e Ciências Atmosféricas INPE-13139-PRE/8398 SENSORIAMENTO REMOTO Tania Sausen Tópicos em Meio Ambiente e Ciências Atmosféricas INPE São José dos Campos 2005 MEIO AMBIENTE E CIÊNCIAS ATMOSFÉRICAS 8 Sensoriamento Remoto Tania Sauzen

Leia mais

METODOLOGIA PARA O GEORREFERENCIAMENTO DE ILHAS COSTEIRAS COMO SUBSÍDIO AO MONITORAMENTO AMBIENTAL

METODOLOGIA PARA O GEORREFERENCIAMENTO DE ILHAS COSTEIRAS COMO SUBSÍDIO AO MONITORAMENTO AMBIENTAL METODOLOGIA PARA O GEORREFERENCIAMENTO DE ILHAS COSTEIRAS COMO SUBSÍDIO AO MONITORAMENTO AMBIENTAL Carolina Rodrigues Bio Poletto¹ & Getulio Teixeira Batista² UNITAU - Universidade de Taubaté Estrada Municipal

Leia mais

Reflectância espectral de classes e alvos urbanos no Rio de Janeiro, utilizando imagem do sensor Hyperion

Reflectância espectral de classes e alvos urbanos no Rio de Janeiro, utilizando imagem do sensor Hyperion Reflectância espectral de classes e alvos urbanos no Rio de Janeiro, utilizando imagem do sensor Hyperion Vandré Soares Viégas 1 Elizabeth Maria Feitosa da Rocha de Souza 2 1,2 Universidade Federal do

Leia mais

O USO DE GEOTECNOLOGIA NA ANÁLISE DAS ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS NA ÁREA METROPOLITANA DE SÃO PAULO - BRASIL

O USO DE GEOTECNOLOGIA NA ANÁLISE DAS ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS NA ÁREA METROPOLITANA DE SÃO PAULO - BRASIL O USO DE GEOTECNOLOGIA NA ANÁLISE DAS ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS NA ÁREA METROPOLITANA DE SÃO PAULO - BRASIL Profa. Dra. Magda Adelaide Lombardo Universidade Estadual Paulista / Universidade de São Paulo lombardo@rc.unesp.br

Leia mais

ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE (APP) NOS PRINCIPAIS CORPOS HÍDRICOS DO MUNICÍPIO DE JAGUARI/RS, UMA ANÁLISE QUANTO A GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS

ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE (APP) NOS PRINCIPAIS CORPOS HÍDRICOS DO MUNICÍPIO DE JAGUARI/RS, UMA ANÁLISE QUANTO A GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS Eixo Temático: Inovação e Sustentabilidade ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE (APP) NOS PRINCIPAIS CORPOS HÍDRICOS DO MUNICÍPIO DE JAGUARI/RS, UMA ANÁLISE QUANTO A GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS PERMANENT PRESERVATION

Leia mais

ANÁLISE TERMOPLUVIOMÉTRICA E BALANÇO HÍDRICO CLIMATOLÓGICO DOS DADOS DA ESTAÇÃO METEOROLÓGICA DO PEIXE TO

ANÁLISE TERMOPLUVIOMÉTRICA E BALANÇO HÍDRICO CLIMATOLÓGICO DOS DADOS DA ESTAÇÃO METEOROLÓGICA DO PEIXE TO ANÁLISE TERMOPLUVIOMÉTRICA E BALANÇO HÍDRICO CLIMATOLÓGICO DOS DADOS DA ESTAÇÃO METEOROLÓGICA DO PEIXE TO TATIANA DINIZ PRUDENTE 1 ALINE DE FREITAS ROLDÃO 2 ROBERTO ROSA 3 Resumo: O presente trabalho tem

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MANEJO DE SOLO E ÁGUA

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MANEJO DE SOLO E ÁGUA PROGRAMA ANALÍTICO DE DISCIPLINA IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA CÓDIGO NOME NATUREZA PMS0013 GEOPROCESSAMENTO APLICADO AO MANEJO DE SOLO E ÁGUA PROFESSOR(ES): Paulo Cesar Moura da Silva [ ] Obrigatória [

Leia mais

Figura 1 Classificação Supervisionada. Fonte: o próprio autor

Figura 1 Classificação Supervisionada. Fonte: o próprio autor ANÁLISE DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO JUQUERY ATRÁVES DE TÉCNICAS DE GEOPROCESSAMENTO E IMAGENS DE SENSORIAMENTO REMOTO 1. INTRODUÇÃO Ultimamente tem-se visto uma grande

Leia mais

Utilização de imagens MODIS para geração de máscaras de culturas de verão para o ano-safra 2011/2012 na Região Centro-Oeste

Utilização de imagens MODIS para geração de máscaras de culturas de verão para o ano-safra 2011/2012 na Região Centro-Oeste Utilização de imagens MODIS para geração de máscaras de culturas de verão para o ano-safra 2011/2012 na Região Centro-Oeste Miriam Rodrigues da Silva 1 André Luiz Farias de Souza 2 Gisele Martins Amaral

Leia mais

ÁNALISE DAS OCORRÊNCIAS DE EVENTOS EXTREMOS DE PRECIPITAÇÃO NA REGIÃO DE RIO LARGO, ALAGOAS

ÁNALISE DAS OCORRÊNCIAS DE EVENTOS EXTREMOS DE PRECIPITAÇÃO NA REGIÃO DE RIO LARGO, ALAGOAS ÁNALISE DAS OCORRÊNCIAS DE EVENTOS EXTREMOS DE PRECIPITAÇÃO NA REGIÃO DE RIO LARGO, ALAGOAS André Luiz de Carvalho 1 José Leonaldo de Souza 2, Mônica Weber Tavares 3 1 Doutorando em Tecnologias Energéticas

Leia mais

USO DO GEOPROCESSAMENTO NO MONITORAMENTO DO SETOR AGRÍCOLA PARA FINS TRIBUTÁRIOS NA SEFAZ-GO. Geoprocessamento

USO DO GEOPROCESSAMENTO NO MONITORAMENTO DO SETOR AGRÍCOLA PARA FINS TRIBUTÁRIOS NA SEFAZ-GO. Geoprocessamento USO DO GEOPROCESSAMENTO NO MONITORAMENTO DO SETOR AGRÍCOLA PARA FINS TRIBUTÁRIOS NA SEFAZ-GO Geog.Ms. Maria G. da Silva Barbalho maria-gsb@sefaz.go.gov.br Conceito Disciplina do conhecimento que utiliza

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DOS ÍNDICES DE VEGETAÇÃO NDVI E SAVI NA MICRORREGIÃO DO VALE DO PAJEÚ-PE

ANÁLISE COMPARATIVA DOS ÍNDICES DE VEGETAÇÃO NDVI E SAVI NA MICRORREGIÃO DO VALE DO PAJEÚ-PE ANÁLISE COMPARATIVA DOS ÍNDICES DE VEGETAÇÃO NDVI E SAVI NA MICRORREGIÃO DO VALE DO PAJEÚ-PE Heliofábio Barros Gomes 1, Yasmim Uchoa da Silva 1, Maurílio Neemias dos Santos 1, Ricardo Antonio Mollmann

Leia mais

MINIMIZAÇÃO DOS EFEITOS DA FUMAÇA SOBRE O CÁLCULO DO NDVI

MINIMIZAÇÃO DOS EFEITOS DA FUMAÇA SOBRE O CÁLCULO DO NDVI MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS INPE-8976-TDI/810 MINIMIZAÇÃO DOS EFEITOS DA FUMAÇA SOBRE O CÁLCULO DO NDVI Marcelo Lima de Moura Dissertação de Mestrado em

Leia mais

USO E COBERTURA DAS TERRAS NA ÁREA DE ENTORNO DO RESERVATÓRIO DA USINA HIDRELÉTRICA DE TOMBOS (MG)

USO E COBERTURA DAS TERRAS NA ÁREA DE ENTORNO DO RESERVATÓRIO DA USINA HIDRELÉTRICA DE TOMBOS (MG) USO E COBERTURA DAS TERRAS NA ÁREA DE ENTORNO DO Calderano Filho, B. 1 ; Carvalho Junior, W. 2 ; Prado, R.B. 3 ; Calderano, S.B. 4 ; 1 EMBRAPA - CNPS Email:braz.calderano@embrapa.br; 2 EMBRAPA- CNPS Email:waldir.carvalho@embrapa.br;

Leia mais

MAPEAMENTO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PAJEÚ-PE. Carlos Tiago Amâncio Rodrigues¹, André Quintão de Almeida²

MAPEAMENTO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PAJEÚ-PE. Carlos Tiago Amâncio Rodrigues¹, André Quintão de Almeida² MAPEAMENTO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PAJEÚ-PE Carlos Tiago Amâncio Rodrigues¹, André Quintão de Almeida² ¹Graduando em Agronomia, UAST, UFRPE,Serra Talhada-PE, tiagoamancio@hotmail.com

Leia mais

Mudanças no uso da terra e escoamento em bacias hidrográficas pelo método SCS. Alexandre Catania Greco de Oliveira ¹ Edson Luís Piroli ¹

Mudanças no uso da terra e escoamento em bacias hidrográficas pelo método SCS. Alexandre Catania Greco de Oliveira ¹ Edson Luís Piroli ¹ Mudanças no uso da terra e escoamento em bacias hidrográficas pelo método SCS. Alexandre Catania Greco de Oliveira ¹ Edson Luís Piroli ¹ ¹ UNESP Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquita Filho Caixa

Leia mais

Análise de Imagens CBERS da Bacia do Rio São Francisco utilizando Mapas Auto-Organizados de Kohonen e Classificadores K-Médias e Fuzzy C-Médias

Análise de Imagens CBERS da Bacia do Rio São Francisco utilizando Mapas Auto-Organizados de Kohonen e Classificadores K-Médias e Fuzzy C-Médias Análise de Imagens CBERS da Bacia do Rio São Francisco utilizando Mapas Auto-Organizados de Kohonen e Classificadores K-Médias e Fuzzy C-Médias Cecília Cordeiro da Silva 1 Wellington Pinheiro dos Santos

Leia mais

FUSÃO DE IMAGENS DOS SATÉLITES CBERS 2B HRC E LANDSAT 5 TM

FUSÃO DE IMAGENS DOS SATÉLITES CBERS 2B HRC E LANDSAT 5 TM p. 001-005 FUSÃO DE IMAGENS DOS SATÉLITES CBERS 2B HRC E LANDSAT 5 TM ANA CAROLINA CUNHA 1 FELIPE PROVENZALE M. COSTA 2 1 - Pós Graduação MBA em Gestão Ambiental Centro Universitário do Cerrado Patrocínio

Leia mais

USO DO GEOPROCESSAMENTO NO MONITORAMENTO DA COBERTURA VEGETAL DA TERRA INDÍGENA DOS XAKRIABÁ, NO NORTE DO ESTADO DE MINAS GERAIS

USO DO GEOPROCESSAMENTO NO MONITORAMENTO DA COBERTURA VEGETAL DA TERRA INDÍGENA DOS XAKRIABÁ, NO NORTE DO ESTADO DE MINAS GERAIS EIXO II (GEO)POLÍTICAS DO MEIO AMBIENTE, GESTÃO DOS RECURSOS E SUSTENTABILIDADES USO DO GEOPROCESSAMENTO NO MONITORAMENTO DA COBERTURA VEGETAL DA TERRA INDÍGENA DOS XAKRIABÁ, NO NORTE DO ESTADO DE MINAS

Leia mais

Avaliação da qualidade radiométrica das imagens do satélite CBERS-2B. Érica Josiane Coelho Gouvêa Leila Maria Garcia Fonseca

Avaliação da qualidade radiométrica das imagens do satélite CBERS-2B. Érica Josiane Coelho Gouvêa Leila Maria Garcia Fonseca Avaliação da qualidade radiométrica das imagens do satélite CBERS-2B Érica Josiane Coelho Gouvêa Leila Maria Garcia Fonseca Instituto acional de Pesquisas Espaciais - IPE Caixa Postal 515-12245-970 - São

Leia mais

ArcGIS: Rescale em Batch, Composição Colorida RGB e Fusão de Imagens Landsat-8

ArcGIS: Rescale em Batch, Composição Colorida RGB e Fusão de Imagens Landsat-8 ArcGIS: Rescale em Batch, Composição Colorida RGB e Fusão de Imagens Landsat-8 2013 LANDSAT-8: Informações para Novos Usuários de Imagens Licença: As imagens Landsat-8 são gratuitas; Download: Para baixar

Leia mais

Lineamentos estruturais a partir de imagem Landsat TM e dados SRTM. Clódis de Oliveira Andrades Filho 1 Leila Maria Garcia Fonseca 1

Lineamentos estruturais a partir de imagem Landsat TM e dados SRTM. Clódis de Oliveira Andrades Filho 1 Leila Maria Garcia Fonseca 1 Lineamentos estruturais a partir de imagem Landsat TM e dados SRTM Clódis de Oliveira Andrades Filho 1 Leila Maria Garcia Fonseca 1 1 Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais - INPE Caixa Postal 515-12245-970

Leia mais

Impacto de desmatamento na mudança climática regional via satélites

Impacto de desmatamento na mudança climática regional via satélites Impacto de desmatamento na mudança climática regional via satélites William Tse Horng Liu Paulo Shiguenori Kanazawa Edson Luis Santiami Paulo Jun Kanazawa Laboratório de Geoprocessamento Universidade Católica

Leia mais

Sensoriamento Remoto

Sensoriamento Remoto Sensoriamento Remoto É a utilização conjunta de modernos sensores, equipamentos para processamento de dados, equipamentos de transmissão de dados, aeronaves, espaçonaves etc, com o objetivo de estudar

Leia mais

USO DO MATLAB NA GERAÇÃO DE IMAGEM SINTÉTICA COM MENOR PROPORÇÃO DE NUVEM

USO DO MATLAB NA GERAÇÃO DE IMAGEM SINTÉTICA COM MENOR PROPORÇÃO DE NUVEM p.001 de 005 USO DO MATLAB NA GERAÇÃO DE IMAGEM SINTÉTICA COM MENOR PROPORÇÃO DE NUVEM JOSÉ ARIMATÉIA BARROSO NETO ANA LÚCIA BEZERRA CANDEIAS Universidade Federal de Pernambuco - UFPE Centro de Tecnologia

Leia mais

O Estudo de Aspectos do Espaço Intra-Urbano Utilizando Imagens CBERS

O Estudo de Aspectos do Espaço Intra-Urbano Utilizando Imagens CBERS O Estudo de Aspectos do Espaço Intra-Urbano Utilizando Imagens CBERS Sandra Maria Fonseca da Costa 1 Rosângela Nicolay Freitas 1 Angelica Carvalho Di Maio 1 1 Universidade do Vale do Paraíba IPD/UNIVAP

Leia mais

Letícia Oliveira Freitas Avaliação da Utilização de Imagens CBERS em Estudos de Uso e Cobertura do Solo

Letícia Oliveira Freitas Avaliação da Utilização de Imagens CBERS em Estudos de Uso e Cobertura do Solo Letícia Oliveira Freitas Avaliação da Utilização de Imagens CBERS em Estudos de Uso e Cobertura do Solo XII Curso de Especialização em Geoprocessamento 2010 UFMG Instituto de Geociências Departamento de

Leia mais

Aula 5 - Classificação

Aula 5 - Classificação AULA 5 - Aula 5-1. por Pixel é o processo de extração de informação em imagens para reconhecer padrões e objetos homogêneos. Os Classificadores "pixel a pixel" utilizam apenas a informação espectral isoladamente

Leia mais

SUSCETIBILIDADE A EROSÃO DO SOLO NA CIDADE DE SALVADOR BAHIA

SUSCETIBILIDADE A EROSÃO DO SOLO NA CIDADE DE SALVADOR BAHIA SUSCETIBILIDADE A EROSÃO DO SOLO NA CIDADE DE SALVADOR BAHIA Guimarães, T. (UEFS) ; Vale, R.M.C. (UEFS) RESUMO O presente trabalho pretende identificar, a partir de parâmetros físicos as áreas mais suscetíveis

Leia mais

MAPEAMENTO DA COBERTURA VEGETAL NA SUB-BACIA DO CÓRREGO PINHEIRINHO/BOTUCATU/SP UTILIZANDO O NDVI

MAPEAMENTO DA COBERTURA VEGETAL NA SUB-BACIA DO CÓRREGO PINHEIRINHO/BOTUCATU/SP UTILIZANDO O NDVI MAPEAMENTO DA COBERTURA VEGETAL NA SUB-BACIA DO CÓRREGO PINHEIRINHO/BOTUCATU/SP UTILIZANDO O NDVI MARIA JORGIANA FERREIRA DANTAS 1 JULIANO BOECK SANTOS 2 JOSÉ CARLOS PEZZONI FILHO 3 CÉLIA REGINA LOPES

Leia mais

Prof. Tiago Badre Marino Geoprocessamento Departamento de Geociências Instituto de Agronomia - UFRRJ. Aquisição de dados cartográficos a partir da Web

Prof. Tiago Badre Marino Geoprocessamento Departamento de Geociências Instituto de Agronomia - UFRRJ. Aquisição de dados cartográficos a partir da Web Exercício Objetivo Aplicativos Entrar nas diferentes fontes de dados cartográficos e imagens de sensoriamento remoto existentes no Brasil e executar os procedimentos para download destes dados disponíveis

Leia mais

Determinação de data de plantio da cultura da soja no estado do Paraná por meio de composições decendiais de NDVI

Determinação de data de plantio da cultura da soja no estado do Paraná por meio de composições decendiais de NDVI Determinação de data de plantio da cultura da soja no estado do Paraná por meio de composições decendiais de NDVI Gleyce K. Dantas Araújo 1, Jansle Viera Rocha 2 1 Tecª Construção Civil, Mestranda Faculdade

Leia mais

ANÁLISE DE MÉTODOS DE CLASSIFICAÇÃO SUPERVISIONADA APLICADA AO DESMATAMENTO NO MUNICÍPIO DE MARABÁ UTILIZANDO IMAGENS CCD - CBERS

ANÁLISE DE MÉTODOS DE CLASSIFICAÇÃO SUPERVISIONADA APLICADA AO DESMATAMENTO NO MUNICÍPIO DE MARABÁ UTILIZANDO IMAGENS CCD - CBERS V Co ló qu i o B ra si l ei ro d e Ci ên ci a s Geo d ési ca s ISSN 1981-6251, p. 910-914 ANÁLISE DE MÉTODOS DE CLASSIFICAÇÃO SUPERVISIONADA APLICADA AO DESMATAMENTO NO MUNICÍPIO DE MARABÁ UTILIZANDO IMAGENS

Leia mais

Mapeamento e análise, subsidiadas nas geotecnologias, da ocorrência de queimadas na região sudoeste Matogrossense, contida na Bacia Amazônica

Mapeamento e análise, subsidiadas nas geotecnologias, da ocorrência de queimadas na região sudoeste Matogrossense, contida na Bacia Amazônica Mapeamento e análise, subsidiadas nas geotecnologias, da ocorrência de queimadas na região sudoeste Matogrossense, contida na Bacia Amazônica Laís Fernandes de Souza Neves 1,2 Miriam Raquel da Silva Miranda

Leia mais

Intercomparação de produtos AQUA&TERRA/MODIS e Suomi-NPP/VIIRS sobre o Brasil

Intercomparação de produtos AQUA&TERRA/MODIS e Suomi-NPP/VIIRS sobre o Brasil Intercomparação de produtos AQUA&TERRA/MODIS e Suomi-NPP/VIIRS sobre o Brasil Jurandir Ventura Rodrigues 1 Simone Sievert da Costa 1 Rogério da Silva Batista 1 1 Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais

Leia mais

4. RESULTADOS E DISCUSSÃO. Quadro 11 - Exatidão dos mapeamentos de uso do solo

4. RESULTADOS E DISCUSSÃO. Quadro 11 - Exatidão dos mapeamentos de uso do solo 4. RESULTADOS E DISCUSSÃO 4.1. Mudanças ocorridas no uso do solo No Quadro 11 são apresentadas as exatidões dos mapas temáticos gerados a partir do processamento digital das imagens do sensor Landsat 5

Leia mais

15- Representação Cartográfica - Estudos Temáticos a partir de imagens de Sensoriamento Remoto

15- Representação Cartográfica - Estudos Temáticos a partir de imagens de Sensoriamento Remoto 15- Representação Cartográfica - Estudos Temáticos a partir de imagens de Sensoriamento Remoto O Sensoriamento Remoto é uma técnica que utiliza sensores, na captação e registro da energia refletida e emitida

Leia mais

Produto 1. Mapas e figuras georreferenciadas contendo cicatrizes de queimadas para as regiões de interesse no Cerrado

Produto 1. Mapas e figuras georreferenciadas contendo cicatrizes de queimadas para as regiões de interesse no Cerrado Produto 1. Mapas e figuras georreferenciadas contendo cicatrizes de queimadas para as regiões de interesse no Cerrado Outubro de 2014 0 ARTURO EMILIANO MELCHIORI MAPAS E FIGURAS GEORREFERENCIADOS CONTENDO

Leia mais

Uso de imagens CBERS para avaliação de áreas cafeeiras no municipio de Campo do Meio, Minas Gerais.

Uso de imagens CBERS para avaliação de áreas cafeeiras no municipio de Campo do Meio, Minas Gerais. Uso de imagens CBERS para avaliação de áreas cafeeiras no municipio de Campo do Meio, Minas Gerais. Mathilde Aparecida Bertoldo 1 Tatiana Grossi Chquiloff Vieira 1 Helena Maria Ramos Alves 1 Vanessa Cristina

Leia mais