INFORME EPIDEMIOLÓGICO CIEVS PARANÁ Semana Epidemiológica 02/2015

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INFORME EPIDEMIOLÓGICO CIEVS PARANÁ Semana Epidemiológica 02/2015"

Transcrição

1 INFORME EPIDEMIOLÓGICO CIEVS PARANÁ Semana Epidemiológica 02/2015 CENTRO DE INFORMAÇÕES E RESPOSTAS ESTRATÉGICAS DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE CIEVS SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ

2 EVENTOS ESTADUAIS Semana Epidemiológica 02/2015 CENTRO DE INFORMAÇÕES E RESPOSTAS ESTRATÉGICAS DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE CIEVS SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ

3 Local de ocorrência: Litoral Paranaense Data da informação: 15/12/2014 a 20/01/2015 Origem da informação: Corpo de Bombeiros do Paraná - 8º Grupamento de Bombeiros COMENTÁRIOS ADICIONAIS: ACIDENTE POR ANIMAIS MARINHOS Desde o início da Operação Verão em 15/12/2014, temos o registro de 1692 casos conforme tabela. Acidentes com águas-vivas no litoral paranaense são comuns durante o verão, quando são registrados inúmeros casos em diversos balneários. Graças ao alerta de prevenção de queimaduras realizado pelo Corpo de Bombeiros, na Operação Verão, com o reforço das orientações preventivas, os banhistas têm buscado mais informações sobre a situação das praias nos postos de salva-vidas. SINTOMAS O contato com a água-viva causa dor imediata, de forte intensidade, com sensação de ardência. Pessoas mais sensíveis ou alérgicas podem ter reações mais intensas, como náuseas, vômitos ou dificuldade para respirar. O acidentado deve sair da água e buscar atendimento médico, para o tratamento da dor e das complicações. As águas-vivas são animais de estrutura radial, a maioria com tentáculos, podendo apresentar-se em formas fixas (hidras ou pólipos) ou móveis (medusas). Podem aparecer em grande quantidade nas praias de mar aberto ou mesmo no interior das baías. São representadas por várias espécies ao longo do Litoral do Brasil. Poucas, no entanto, estão implicadas em acidentes com humanos. Podem nadar livremente, embora dependam em grande parte das correntes, ventos e marés para se locomover. Ao observar a ocorrência de águas-vivas na praia, deve-se evitar entrar no mar ou mesmo tocá-las quando aparentemente mortas na areia. Em caso de acidente com a água-viva, o banhista pode se orientar através do telefone , do Centro de Controle de Envenenamentos. O QUE FAZER EM CASO DE QUEIMADURAS POR ÁGUA-VIVA 1. Esteja sempre em área protegida por guarda-vidas (são 101 postos no litoral do Paraná); 2. Pergunte ao guarda-vidas se há grande incidência desses animais marinhos no local e, se houver, evite entrar no mar; 3. Entre no mar até a altura máxima de água até a cintura; 4. Se você for queimado, saia imediatamente da água; 5. Lave o local com água do mar sem esfregar as mãos na área afetada (nunca lave com água doce ou outra substância, como álcool e urina). 6. Procure um posto de guarda-vidas para colocar vinagre na área atingida. Isto neutraliza a ação da toxina; 7. Casos mais graves (com grande área corporal atingida e pessoas alérgicas) devem ser encaminhados ao hospital para tratamento definitivo; 8. Não toque nos animais, mesmo aqueles que estejam aparentemente mortos na areia da praia. 9. Para mais informações pelo telefone (Centro de Controle de Envenenamentos). RELATÓRIO OPERAÇÃO VERÃO 2014/2015 Guaratuba 202 Matinhos 798 Morretes 0 Paranaguá 2 Pontal do Paraná 690 Total 1692

4 Local de ocorrência: Ivaiporã Data da informação: 09 e 12/01/2015 Fonte da informação: Coordenação do Programa Estadual de Controle da Raiva /DVVZI/CEVA/ SVS/SESA COMENTÁRIOS ADICIONAIS: Notificação de casos de raiva em morcegos não hematófagos nos municípios de Ivaiporã e Bituruna referente a semana epidemiológica (SE) 01 e 02/2015 respectivamente, com resultado positivo na imunofluorescência direta realizado pelo CDME/ADAPAR. /wiki/bituruna (Fonte: Guia de Vigilância Epidemiológica / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância Epidemiológica. 7ª ed. Brasília : Ministério da Saúde, Caderno 13). RAIVA ANIMAL A raiva é uma zoonose viral, que se caracteriza como uma encefalite progressiva aguda e letal. Raiva em morcego - a patogenia da doença é pouco conhecida. O relevante é o fato de que o morcego pode albergar o vírus rábico em sua saliva e ser infectante antes de adoecer por períodos maiores que os de outras espécies. Algumas apresentações da doença em morcegos foram assim registradas: raiva furiosa típica, com paralisia e morte; raiva furiosa e morte sem paralisia; raiva paralítica típica e morte. Relatos na literatura mostram que o risco de transmissão do vírus pelo morcego é sempre elevado, independentemente da espécie e gravidade do ferimento. Por isso, toda agressão por morcego deve ser classificada como grave. Deve-se ressaltar que um morcego é considerado suspeito de estar infectado com o vírus da raiva quando for encontrado em horário e local não habitual. A profilaxia da raiva em pessoas agredidas previne a ocorrência de novos casos. Assim, o esquema profilático adequado em tempo oportuno é de suma importância para evitar a ocorrência de raiva humana. Toda pessoa com histórico de exposição deve procurar assistência médica e, conforme avaliação, receber vacinação ou sorovacinação. O atendimento antirrábico humano deve ser garantido todos os dias, inclusive nos finais de semana e feriados, até a última dose prescrita (esquema completo). O período de transmissibilidade nos cães e gatos, quando há eliminação de vírus pela saliva, ocorre de 2 a 5 dias antes do aparecimento dos sinais clínicos, persistindo durante toda a evolução da doença. A morte do animal acontece, em média, entre 5 a 7 dias após a apresentação dos sintomas. Em relação aos animais silvestres, existem poucos estudos sobre o período de transmissibilidade, e este pode variar de acordo com a espécie. Animais domésticos de interesse econômico ou de produção bovinos, bubalinos, equídeos, caprinos, ovinos, suínos e outros também são animais de risco. Para avaliar a indicação de profilaxia de pré ou pós-exposição é importante conhecer o tipo, frequência e grau do contato ou exposição que os tratadores e outros profissionais têm com esses animais e a incidência de raiva nessas espécies, na região.

5 DESASTRE DE ORIGEM NATURAL Local de ocorrência: Pérola - PR Data da informação:20/01/2015 Origem da informação: 12ª Regional de Saúde e Secretaria Municipal de Umuarama COMENTÁRIOS ADICIONAIS: No dia 20 de janeiro de 2015 por volta das 15:30h, um tornado que passou pelo município de Pérola atingiu uma lavanderia industrial, composta de dois ambientes, sendo um barracão maior onde realizava as atividades de lavandeira, e um barracão menor onde ocorre as atividades de jateamento. A empresa se localiza em região periurbana. Segundo investigação epidemiológica, a empresa possui o total de 82 funcionários, sendo que a área mais atingida foi do setor de jateamento onde haviam no momento 20 funcionários trabalhando, dos quais 15 sofreram ferimentos leves, 3 com ferimentos graves dos quais 2 estão internados na UTI, e 1 óbito no local. O tornado surgiu repentinamente na área rural vindo a atingir a lavanderia, onde rapidamente se desfez levantando telhados, e derrubando paredes, destruindo totalmente o barracão menor, onde ocorreu o rompimento de uma viga vindo a atingir o funcionário que foi a óbito. No barracão maior também houve telhados levantados e vigas derrubadas, mas não houve feridos. Destaca se que não houve comprometimento da infraestrutura e atendimento de unidades básicas e hospitares. A9rola_%28Paran%C3%A1%29

6 EVENTOS NACIONAIS Semana Epidemiológica 02/2015 CENTRO DE INFORMAÇÕES E RESPOSTAS ESTRATÉGICAS DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE CIEVS SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ

7 Local de ocorrência: Ceará Data da informação: 19/01/2015 Origem da informação: Secretaria de Saúde do Ceará COMENTÁRIOS ADICIONAIS: SARAMPO O Ceará está com 673 casos confirmados de sarampo em 28 municípios no período de dezembro de 2013 a janeiro de Há 46 casos em investigação em apenas oito municípios somente no período de 30 de dezembro de 2014 a 12 de janeiro de Dos 673 casos confirmados, 121 são em crianças com menos de 1 ano. Para acompanhar, reforçar e apoiar os municípios nas ações de controle da doença, consultores da Organização Pan-Americana de Saúde/ Organização Mundial de Saúde e do Ministério da Saúde estão desde esta segundafeira, 19, em Fortaleza. O Ceará vive um surto de sarampo. Foram 607 casos registrados no ano passado (2014), maior número do Brasil, seguido por Pernambuco (24 casos) e São Paulo (7 casos). Desde então, o bloqueio vacinal para casos confirmados, com a imunização de pessoas que tiveram contato com o infectado, não conseguiu conter o aumento das transmissões. Segundo a Secretaria Estadual de Saúde, o Estado vive um surto da doença, mesmo com boas coberturas vacinais. Na Campanha Nacional de Vacinação contra Sarampo, que chegou ao fim no último dia 31/12/2014, 10 municípios cearenses não atingiram a meta. De forma geral, o Ceará atingiu índice maior na cobertura do que o preconizado pelo Ministério da Saúde, que é de 95% do público alvo. Quando vemos mais de perto, encontramos municípios com bolsões suscetíveis, que são grupos de pessoas não vacinadas, de fato, taxas elevadas de cobertura são importantes, desejáveis, imprescindíveis, mas não menos importante é a homogeneidade, ou seja, a maioria dos municípios (70%) de um Estado ou do país devem atingir a cobertura preconizada (95%) para que a doença possa ser controlada em seu território. Para 2015, as autoridades apostam na redução de casos. No Brasil, há evidências da interrupção da transmissão autóctone (ocorrida no território de notificação) do vírus do sarampo desde o ano 2000, porém o status de doença eliminada é passível de ser perdido, a depender da transmissão autóctone sustentada. Segundo o Ministério da Saúde, o surto de Pernambuco foi controlado e acometeu mais de 20 municípios. O caso índice ainda não foi identificado e não se pode dizer ao certo como houve a introdução do vírus nessa região. O último ano com registro significante de casos no Ceará foi 1997, com 724 ocorrências (número maior, mas não tão distante dos mais de 600 casos confirmados em 2014). Em novembro de 2014, foram confirmados casos em Fortaleza e Maranguape. Os casos em investigação são em Senador Sá, Fortaleza, Granja, Caucaia, Pacajus, Alcântaras, Maracanaú e Sobral. https://www.google.com.br

8 Local de ocorrência: Santa Catarina Data da informação: 16/01/2015 Origem da informação: ProMED-mail Português COMENTÁRIOS ADICIONAIS: ACIDENTES COM ÁGUA-VIVA Os acidentes com águas-vivas nas praias de Florianópolis passaram de 1.513, de 01 de outubro de 2013 a 13 de janeiro de 2014, para , de 01 de outubro de 2014 até 13 de janeiro deste ano [2015] - um aumento de 2.105%, segundo o 1º Batalhão dos Bombeiros Militar de Santa Catarina, que contabiliza os casos. Segundo especialista, o aquecimento do mar pode ser um dos motivos para a alta no número de acidentes. Segundo ele, as medusas (outro nome dado às águas-vivas) mais comuns na capital catarinense são a caravela, a racostoma e a olindias. Os acidentes ocorrem quando a água-viva toca a pele humana e libera uma toxina, que dá a sensação de ardência, como uma queimadura. Alguns casos são mais graves e podem, após o acidente, provocar um edema na glote ou um choque anafilático. Na terça-feira (13), uma mulher da praia da Joaquina, foi levada ao hospital Nereu Ramos, especializado em controle de alergias. Ela não conseguia mais respirar. A maior proliferação de medusas é na Praia dos Ingleses, num ritmo de ao menos 300 banhistas intoxicados por dia. CARAVELA RACOSTOMA OLÍNDIA https://www.google.com.br

9 ANVISA Local de ocorrência: Brasil Data da informação: 15/12/2014 Fonte da informação: ANVISA COMENTÁRIOS ADICIONAIS: A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) suspendeu, no dia 15/01/15, a distribuição e comercialização em todo o território nacional do cosmético gel antisséptico Premisse, fabricado pela empresa Proline Indústria e Comércio Ltda. A restrição é para os lotes , com validade até março de 2016, e , válido até abril do ano que vem. De acordo com a ANVISA, laudos de análise fiscal, emitidos pela Diretoria do Laboratório Central de Saúde Pública do Distrito Federal, apresentaram resultados insatisfatórios nos ensaios de rotulagem primária e teor de álcool etílico do produto. A suspensão foi determinada porque a empresa responsável pelo cosmético não apresentou recurso solicitando perícia de contraprova. Foi solicitado ainda que a empresa recolha todo o estoque existente no mercado relativo aos lotes do produto descrito. A Agência também determinou, na mesma data, a suspensão da distribuição e comércio do medicamento Peritosteril Andy Disc, solução utilizada no tratamento de diálise peritoneal. 38 lotes devem ser retirados de circulação em todo território nacional depois que a fabricante Fresenius Medical Care recebeu relatos de que lotes do medicamento teriam provocado peritonite asséptica irritação causada por bactéria no peritônio, membrana que recobre a parede abdominal e as vísceras. A resolução da ANVISA afirma que foi aberta uma investigação, que detectou a contaminação de alguns lotes do produto por endotoxina bacteriana. A própria empresa tomou a decisão de recolher o medicamento fabricado no mesmo período que os lotes apresentaram problemas.

10 EVENTOS INTERNACIONAIS Semana Epidemiológica 53/2014 CENTRO DE INFORMAÇÕES E RESPOSTAS ESTRATÉGICAS DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE CIEVS SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ

11 EBOLA (DVE) - GLOBAL Local de ocorrência: Global Data da informação: 14/01/2015 Fonte da informação: Organização Mundial da Saúde (OMS) CASOS CONFIRMADOS, PROVÁVEIS E SUSPEITOS NA GUINÉ, SERRA LEOA E LIBÉRIA, ATÉ 11/01/2015. COMENTÁRIOS ADICIONAIS: Segundo a OMS, o total de casos confirmados de doença do vírus Ebola (EVD) registrados nos três países epidêmicos, até 11/01/15, é de , dos quais óbitos. A Guiné registrou seu menor número semanal de casos confirmados desde a semana que terminou em 17 agosto de Os números de casos continuam baixos na Libéria, com nenhuma confirmação nos últimos dois dias da semana que terminou em 11 de janeiro, e com o menor total semanal total desde a primeira semana de junho de Serra Leoa já relatou um declínio na incidência de casos pela segunda semana consecutiva, e apresentou seu menor total semanal desde a semana que terminou em 31 de agosto de Guiné, Libéria e Serra Leoa relataram que entre 84% e 99% dos contatos identificados são monitorados, embora o número de contatos por caso DVE permaneça menor do que o esperado em muitos distritos. Em áreas onde a transmissão tem evoluído para níveis mais baixos, o rastreamento rigoroso dos contatos é essencial para quebrar cadeias de transmissão. A letalidade entre os pacientes hospitalizados (calculados a partir de todos os pacientes hospitalizados e confirmados) está entre 57% e 60% nos três países com intensa transmissão. O total de infecções em trabalhadores de saúde é de 825 nesses países, com 493 mortes relatadas. CASOS DE INFECÇÃO POR DVE E [ÓBITOS EM PROFISSIONAIS DE SAÚDE, NOS TRÊS PAÍSES COM TRANSMISSÃO INTENSA, ATÉ 11/01/2015. Fonte: OMS

12 EBOLA (DVE) - GLOBAL Fonte: ECDC

13 Local de ocorrência: Global Data da informação: 14/01/2015 Fonte da informação: Organização Mundial da Saúde (OMS) EBOLA (DVE) - GLOBAL COMENTÁRIOS ADICIONAIS: Nos países com um caso mais casos, ou com transmissão localizada, os registros permanecem os mesmos da semana anterior: Reino Unido: um caso confirmado em 29 de Dezembro de Estados Unidos: quatro casos, incluindo uma morte. O último caso com resultado negativo em 11 de Novembro de 2014, em Nova York. Mali: oito casos, seis mortes. Nigéria, Senegal e Espanha, já declarados livres de EVD depois de terem casos relacionados com esta atual epidemia na África Ocidental. CASOS CONFIRMADOS E ÓBITOS DECORRENTES DE DVE, ATÉ 11/01/2015, NO MUNDO. Fonte: OMS

14 Local de ocorrência: Global Data da informação: 01/01/2015 Origem da informação: European Centre for Disease Prevention and Control (ECDC) e ProMed mail COMENTÁRIOS ADICIONAIS: O ECDC informou que, desde abril de 2012 até 15 de janeiro de 2015, foram relatados 974 casos de MERS-CoV por autoridades locais de saúde em todo o mundo, incluindo 394 mortes. Até agora, todos os casos que ocorreram no Oriente Médio têm ligação direta a um caso primário infectado no Oriente Médio, ou histórico de viagem a esta região. A fonte do vírus permanece desconhecida, mas o padrão de transmissão e estudos virológicos, apontam os dromedários como reservatórios do agente, a partir dos quais os humanos são infectados esporadicamente por meio de transmissão zoonótica. A transmissão entre humanos é amplificada entre os contatos intradomiciliares e nos serviços de saúde. Na Arábia Saudita, até 19/01/15, houve um total de 837 casos confirmados da doença, incluindo 361 mortes, 470 casos recuperado, e 6 casos ativos. Oman registrou o quarto caso da doença. A distribuição dos casos e mortes decorrentes de MERS-CoV relatados por autoridades locais de saúde em todo o mundo está sintetizada no quadro ao lado. NOVO CORONAVÍRUS (MERS-CoV) Casos confirmados e óbitos por região: Oriente Médio Arábia Saudita: 837 casos/ 361mortes Emirados Árabes Unidos: 73 casos/9 mortes Qatar: 9 casos/4 mortes Jordânia: 19 casos/6 mortes Oman: 4 casos/3 mortes Kuwait: 3 casos/1 mortes Egito: 1 caso/0 morte Yêmen: 1 caso/1 morte Líbano: 1 caso/0 morte Irã: 5 casos/2 mortes Europa Turquia: 1 caso/1 morte Reino Unido: 4 casos/3 mortes Alemanha: 2 casos/1 morte França: 2 casos/1 morte Itália: 1 caso/0 morte Grécia: 1 caso/1 morte Holanda: 2 casos/0 morte Áustria: 1 caso/0 morte África Tunísia: 3 casos/1 morte Argélia: 2 casos/1 morte Ásia Malásia: 1 caso/1 morte Filipinas: 1 caso/0 morte Américas Estados Unidos : 2 casos/0 morte

15 SARAMPO Local de ocorrência: EUA Data da informação: 12/01/2015 Origem da informação: ProMED-mail COMENTÁRIOS ADICIONAIS: Autoridades de saúde da Califórnia (EUA) confirmaram, na quintafeira (15/01/2015), novos casos de sarampo ligados a um surto que começou em dezembro/2014, nos parques temáticos da Disney no estado. Até o momento, 39 pessoas foram atingidas. A maior parte dos pacientes visitou um dos dois parques que compõem o complexo na Califórnia- Disneylândia e Disney California Adventure - entre 15 e 20 de dezembro [2014]. Alguns contraíram a doença de outros que tinham visitado os parques (casos secundários). Funcionários da Disney dizem que estão trabalhando com autoridades de saúde pública para providenciar toda a assistência necessária. Os últimos casos detectados incluem ocorrências em Los Angeles e San Diego. Os casos de San Diego incluem ao menos 5 pessoas que apareceram com febre e exantema no dia 14/janeiro/2015. Dos 39 casos confirmados, 35 são do estado da Califórnia, 2 são de Utah, 1 do Colorado e 1 de Washington. Muitos não foram vacinados contra a doença. Dos 10 casos em San Diego, apenas um havia sido vacinado. A doença infectocontagiosa foi declarada eliminada nos Estados Unidos em 2000, mas autoridades de saúde têm observado vários casos de infecção nos últimos anos. No ano passado (2014), os EUA registraram 644 casos de sarampo em 27 estados. https://www.google.com.br

16 POLIOMIELITE Local de ocorrência: Mundial Data da informação: 13/01/2015 Origem da informação: The Global Polio Eradication Initiative COMENTÁRIOS ADICIONAIS: Esforços globais de saúde pública estão em curso para erradicar a poliomielite, uma doença incapacitante e potencialmente fatal, através da imunização de todas as crianças, até que a transmissão seja interrompida e o mundo declarado livre da doença. A poliomielite foi declarada uma emergência de saúde pública de importância internacional (ESPII) em 5 de maio de 2014 devido a preocupações quanto ao aumento da circulação e a propagação internacional do poliovírus selvagem durante Em todo o mundo, em 2014, 350 casos haviam sido notificados à OMS até 24 de dezembro, em comparação com 416 para o mesmo período em Em 2014, nove países relataram casos: Paquistão (297 casos), Afeganistão (28 casos), Nigéria (6 casos), Guiné Equatorial (5 casos), Somália (5 casos), Camarões (5 casos), Iraque (2 casos), Síria (1 caso) e Etiópia (1 caso). Após a declaração de uma PHEIC, a OMS emitiu um conjunto de recomendações temporárias que exigem a vacinação de todos os residentes e dos visitantes de longo prazo para os países com transmissão da poliomielite antes de viagens internacionais. Em 14 de novembro, as recomendações temporárias em relação à ESPII foram prorrogadas por mais três meses. Países Casos de Poliovírus Selvagens (PVS) Acumulado 2014 Acumulado 2013 WPV1 WPV3 Total WPV1 WPV3 Total Total 2013 Data do caso mais recente Pakistão Dez-14 Afeganistão Dez-14 Nigéria Jul-14 Somália Ago-14 Guiné Equatorial Mai-14 Iraque Abr-14 Camarões Jul-14 Síria Jan-14 Etiópia Jan-14 Kenia Jul-13 Total Total em países endêmicos Total em países não endêmicos

17 CHIKUNGUNYA

18 CHIKUNGUNYA

19 INFLUENZA A (H3N2 e H5N1) Local de ocorrência: Europa e Egito Data da informação: 12/01/2015 Origem da informação: European Centre for Disease Prevention and Control (ECDC) e ProMed mail COMENTÁRIOS ADICIONAIS: A (H3N2) Na semana 01/2015, a atividade gripal manteve-se baixa na maioria dos países da Região Europeia, mas o número de países com maior atividade continuou a subir em relação aos de semanas anteriores. O nível de atividade da gripe aumentou em sete dos 35 países que forneceram dados, enquanto a proporção de amostras sentinela positivas para o vírus influenza foi de 16% do total - semelhante ao da semana anterior (17%) - mas com uma maior proporção positiva (26%) nas partes ocidentais da Região. O vírus da gripe mais frequente tem sido o do tipo A (H3N2) segundo registros de atendimentos ambulatoriais, de casos hospitalizados confirmados em laboratório e de outras fontes de informação. Onze dos 13 países relataram A (H3N2), como o tipo dominante. O número de espécimes testados foi menor do que na semana anterior, devido à temporada de férias. A (H5N1) Na cidade do Delta do Nilo de Menoufiya [Egito], o departamento de medicina preventiva informou, em 14/01/2015, que um total de 13 casos suspeitos de H5N1 foram colocados em quarentena. As amostras dos pacientes com suspeita serão enviadas para análise. Uma mulher de 65 anos de idade, de Assiut, morreu no hospital depois de ser diagnosticada com o vírus, segundo oo Ministério da Saúde egípcio. Pelo menos 12 pessoas já tinham contraído o vírus em 2015: 2 morreram, sete permanecem em tratamento e 3 se recuperaram. A infecção é geralmente centrada em áreas rurais, onde os cidadãos, especialmente as mulheres, muitas vezes entram em contacto direto com aves vivas. Em 19/01/2015, o país notificou mais uma morte decorrente da doença. Tratase de uma mulher com 47 anos de idade, também de Assiut. De acordo com a informação, há dois outros casos em tratamento, elevando o número total, no Egito, para 20 em 2015, com quatro mortes. A Organização Mundial de Saúde alerta para o risco de infecção humana quando o vírus está circulando em aves domésticas, especialmente aqueles em ambientes contaminados.

20 Local de ocorrência: China Data da informação: 19/01/2015 Origem da informação: Organização Mundial da Saúde (OMS) COMENTÁRIOS ADICIONAIS: Em 13/01/2015, A Comissão Nacional de Saúde e Planejamento Familiar da China (NHFPC) notificou à OMS 15 casos confirmados em laboratório de infecção humana pelo vírus da gripe aviária A (H7N9), incluindo 3 mortes. Dos pacientes afetados, em síntese, 8 pessoas eram do sexo feminino e 7 do sexo masculino. As mulheres infectadas têm entre 20 e 73 anos de idade, e apenas uma não apresentou histórico de exposição a aves domésticas vivas. Entre os homens, as idades variam de 56 a 83 anos de idade, todos com histórico de exposição a aves vivas. O governo chinês adotou as seguintes medidas de vigilância e de controle: Reforço da vigilância e análise da situação; Reforço da gestão de casos e tratamento médico; Conduta de comunicação de risco e informação para a população. A OMS continua a acompanhar atentamente a situação e informa que, até o momento o risco global associado ao vírus H7N9 não mudou e orienta aos viajantes para países com surtos conhecidos de gripe aviária que evitem explorações avícolas; contato com animais em mercados de aves vivas; entrar em áreas onde as aves domésticas são abatidas; ou ainda, contato com superfícies que porventura possam estar contaminados com fezes de aves ou outros animais. Orienta, também que, os viajantes também devem lavar as mãos frequentemente com água e sabão, seguir uma boa segurança alimentar e boas práticas de higiene. O Centro para a Protecção da Saúde (CHP), do Departamento de Saúde (DH) está monitorando um novo caso (19/01/2015) de gripe aviária A (H7N9) em Heyuan [província de Guangdong] notificado pelas autoridades de saúde desta província. Trata-se de uma menina com 3 anos de idade, com boa evolução, e que foi hospitalizada para observação. INFLUENZA A (H7N9) Até a data dessas informações, 484 casos humanos de gripe aviária A (H7N9) foram notificados pelas autoridades de saúde, respectivamente, em Zhejiang (145 casos), Guangdong (124 casos), Jiangsu (63 casos), Xangai (43 casos), Fujian (28 casos), Hunan (24 casos), Anhui (17 casos), Jiangxi (9 casos), Xinjiang (9 casos), Shandong (6 casos), Pequim (5 casos), Henan (4 casos), Guangxi (3 casos), Jilin (2 casos), Guizhou (um caso) e Hebei (um caso). PROVÍNCIAS DA CHINA https://www.google.com.br/

21

22

23

24

25

26 Fontes utilizadas na pesquisa MINISTÉRIO DA SAÚDE. Guia de Vigilância em Saúde. 1 ed. Brasília: />

27 CIEVS-PARANÁ EMERGÊNCIAS EPIDEMIOLÓGICAS ATIVIDADE - 24 HORAS LOCALIZAÇÃO: SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ RUA PIQUIRI, Nº REBOUÇAS CURITIBA TELEFONES: (41) (41) (41) site da SESA-PR(

INFORME EPIDEMIOLÓGICO CIEVS - PARANÁ EVENTOS - Semana Epidemiológica 25 26/06/2012

INFORME EPIDEMIOLÓGICO CIEVS - PARANÁ EVENTOS - Semana Epidemiológica 25 26/06/2012 INFORME EPIDEMIOLÓGICO CIEVS - PARANÁ EVENTOS - Semana Epidemiológica 25 26/06/2012 CENTRO DE INFORMAÇÕES E RESPOSTAS ESTRATÉGICAS DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE CIEVS DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA E CONTROLE DE

Leia mais

Emergência de Saúde Pública de Importância Internacional ESPII. Ocorrências de casos humanos na América do Norte Informe do dia 27.04.

Emergência de Saúde Pública de Importância Internacional ESPII. Ocorrências de casos humanos na América do Norte Informe do dia 27.04. I. Informações gerais Ministério da Saúde Gabinete Permanente de Emergências de Saúde Pública Emergência de Saúde Pública de Importância Internacional ESPII Ocorrências de casos humanos na América do Norte

Leia mais

Emergência de Saúde Pública de Importância Internacional ESPII. Ocorrências de casos humanos na América do Norte Informe do dia 28.04.

Emergência de Saúde Pública de Importância Internacional ESPII. Ocorrências de casos humanos na América do Norte Informe do dia 28.04. I. Informações gerais Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Gabinete Permanente de Emergências de Saúde Pública Emergência de Saúde Pública de Importância Internacional ESPII Ocorrências

Leia mais

INFORME TECNICO - Junho 2015

INFORME TECNICO - Junho 2015 GOVERNO DO ESTADO SECRETARIA DA SAÚDE COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA PROF. ALEXANDRE VRANJAC DIVISÃO DE DOENÇAS DE TRANSMISSÃO RESPIRATÓRIA INFORME TECNICO - Junho

Leia mais

Perguntas e Respostas Influenza A (atualizado em 11/06/2009) MINISTÉRIO DA SAÚDE Assessoria de Comunicação

Perguntas e Respostas Influenza A (atualizado em 11/06/2009) MINISTÉRIO DA SAÚDE Assessoria de Comunicação Perguntas e Respostas Influenza A (atualizado em 11/06/2009) MINISTÉRIO DA SAÚDE Assessoria de Comunicação 1) Qual a diferença entre o nível 5 e o nível 6? O que difere os níveis de alerta 5 e 6 é o aumento

Leia mais

ALERTA SARAMPO VACINAR, VACINAR e VACINAR ATUALIZAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA, ABRIL DE 2015

ALERTA SARAMPO VACINAR, VACINAR e VACINAR ATUALIZAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA, ABRIL DE 2015 ALERTA SARAMPO VACINAR, VACINAR e VACINAR ATUALIZAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA, ABRIL DE 2015 O estado de São Paulo não apresenta circulação endêmica do vírus do sarampo desde 2000, mas a doença continua ocorrendo

Leia mais

www.drapriscilaalves.com.br [GRIPE (INFLUENZA A) SUÍNA]

www.drapriscilaalves.com.br [GRIPE (INFLUENZA A) SUÍNA] [GRIPE (INFLUENZA A) SUÍNA] 2 Gripe (Influenza A) Suína Situação epidemiológica da nova influenza A (H1N1) no Brasil I ÓBITOS, CASOS GRAVES E FATORES DE RISCO Entre 25 de abril e 8 de agosto, foram informados

Leia mais

Ocorrências de casos humanos de influenza suína no México e EUA Informe do dia 26.04.09, às 13h

Ocorrências de casos humanos de influenza suína no México e EUA Informe do dia 26.04.09, às 13h Ministério da Saúde Gabinete Permanente de Emergências em Saúde Pública ALERTA DE EMERGÊNCIA DE SAÚDE PÚBLICA DE IMPORTÂNCIA INTERNACIONAL Ocorrências de casos humanos de influenza suína no México e EUA

Leia mais

Informe Técnico Sarampo nº 9 - ALERTA SARAMPO. Novos casos confirmados de sarampo (Genótipo D4), residentes no Estado de São Paulo.

Informe Técnico Sarampo nº 9 - ALERTA SARAMPO. Novos casos confirmados de sarampo (Genótipo D4), residentes no Estado de São Paulo. INFORME TÉCNICO Nº 9 (Outubro) ALERTA SARAMPO 2011 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA PROF. ALEXANDRE

Leia mais

Informe Técnico SARAMPO nº 5 Sarampo no Estado de São Paulo

Informe Técnico SARAMPO nº 5 Sarampo no Estado de São Paulo GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA PROF. ALEXANDRE VRANJAC DIVISÃO DE DOENÇAS DE TRANSMISSÃO RESPIRATÓRIA

Leia mais

Informe Técnico sobre o vírus Influenza A (H7N9)

Informe Técnico sobre o vírus Influenza A (H7N9) Informe Técnico sobre o vírus Influenza A (H7N9) SOBRE O VÍRUS INFLUENZA A (H7N9) O vírus influenza A (H7N9) é um subtipo de vírus influenza A de origem aviária. Esse subtipo viral A (H7N9) não havia sido

Leia mais

INFORME EPIDEMIOLÓGICO CIEVS PARANÁ Semana Epidemiológica 27/2014

INFORME EPIDEMIOLÓGICO CIEVS PARANÁ Semana Epidemiológica 27/2014 INFORME EPIDEMIOLÓGICO CIEVS PARANÁ Semana Epidemiológica 27/2014 CENTRO DE INFORMAÇÕES E RESPOSTAS ESTRATÉGICAS DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE CIEVS DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA E CONTROLE DE AGRAVOS ESTRATÉGICOS

Leia mais

INFORME TÉCNICO 001/2014 3ª Atualização

INFORME TÉCNICO 001/2014 3ª Atualização SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE DO RIO DE JANEIRO SUBSECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE INFORME TÉCNICO 001/2014 3ª Atualização Subsecretaria de Vigilância em Saúde VIGILÂNCIA DA DOENÇA PELO VÍRUS EBOLA (DVE)

Leia mais

RELEASE DA CAMPANHA NACIONAL DE VACINAÇÃO CONTRA POLIOMIELITE E DE SEGUIMENTO CONTRA SARAMPO

RELEASE DA CAMPANHA NACIONAL DE VACINAÇÃO CONTRA POLIOMIELITE E DE SEGUIMENTO CONTRA SARAMPO PREFEITURA MUNICIPAL DE BELÉM SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA À SAÚDE DIVISÃO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA COORDENAÇÃO DO PROGRAMA DE IMUNIZAÇÕES RELEASE DA CAMPANHA NACIONAL DE

Leia mais

É uma doença infecciosa febril, causada pelo vírus Chikungunya (CHIKV), transmitido pelos mosquitos Aedes aegypti e Aedes albopictus.

É uma doença infecciosa febril, causada pelo vírus Chikungunya (CHIKV), transmitido pelos mosquitos Aedes aegypti e Aedes albopictus. Chikungunya O QUE É O que é Chikungunya? É uma doença infecciosa febril, causada pelo vírus Chikungunya (CHIKV), transmitido pelos mosquitos Aedes aegypti e Aedes albopictus. O que significa o nome? Significa

Leia mais

EBOLA. Informe técnico e orientações para as ações de vigilância e serviços de saúde de referência

EBOLA. Informe técnico e orientações para as ações de vigilância e serviços de saúde de referência EBOLA Informe técnico e orientações para as ações de vigilância e serviços de saúde de referência FEBRE HEMORRÁGICA DO EBOLA O vírus Ebola foi identificado pela primeira vez em 1976, no Zaire (atual República

Leia mais

Eventos Estaduais Semana Epidemiológica 15

Eventos Estaduais Semana Epidemiológica 15 Eventos Estaduais Semana Epidemiológica 15 Botulismo Local de ocorrência: Cornélio Procópio/PR Início do evento: 27/03/2011 Data da informação: 09/04/2011 Origem da informação: Cievs/Pr 1 1 - - - - - -

Leia mais

Informe Epidemiológico EBOLA N O 14 Atualizado em 04-11-2014, às 14h

Informe Epidemiológico EBOLA N O 14 Atualizado em 04-11-2014, às 14h Informe Epidemiológico EBOLA N O 4 Atualizado em 04--204, às 4h Destaques Ocorreram 3.567 casos notificados de ebola nos oito países afetados, com 495 óbitos. A transmissão intensa continua na Guiné, Libéria

Leia mais

NOTA TÉCNICA N o 014/2012

NOTA TÉCNICA N o 014/2012 NOTA TÉCNICA N o 014/2012 Brasília, 28 de agosto de 2012. ÁREA: Área Técnica em Saúde TÍTULO: Alerta sobre o vírus H1N1 REFERÊNCIA(S): Protocolo de Vigilância Epidemiológica da Influenza Pandêmica (H1N1)

Leia mais

Informe Epidemiológico EBOLA N O 13 Atualizado em 28-10-2014, às 14h

Informe Epidemiológico EBOLA N O 13 Atualizado em 28-10-2014, às 14h Informe Epidemiológico EBOLA N O 13 Atualizado em 28-10-2014, às 14h Situação Atual Os países com casos de Doença pelo Vírus Ebola (DVE) são classificados em duas categorias: 1- Países com transmissão

Leia mais

RAIVA. A raiva é um doença viral prevenível de mamíferos, que geralmente é transmitida através da mordida de uma animal infectado.

RAIVA. A raiva é um doença viral prevenível de mamíferos, que geralmente é transmitida através da mordida de uma animal infectado. RAIVA A raiva é um doença viral prevenível de mamíferos, que geralmente é transmitida através da mordida de uma animal infectado. RAIVA PRINCIPAIS VETORES - Furão (ferrets) - Raposas - Coiotes - Guaxinins

Leia mais

PORÍFEROS CNIDÁRIOS. Profº Júlio César Arrué

PORÍFEROS CNIDÁRIOS. Profº Júlio César Arrué PORÍFEROS E CNIDÁRIOS Profº Júlio César Arrué PORIFERA Porócito: Célula que apresenta um poro que atravessa http://entendendoumpoucodeciencias.blogspot.com Espículas: São células que dão estrutura para

Leia mais

RELATÓRIO DA SITUAÇÃO DO ROTEIRO DE RESPOSTA AO ÉBOLA

RELATÓRIO DA SITUAÇÃO DO ROTEIRO DE RESPOSTA AO ÉBOLA DESTAQUES RELATÓRIO DA SITUAÇÃO DO ROTEIRO DE RESPOSTA AO ÉBOLA RELATÓRIO DA SITUAÇÃO DO ROTEIRO DE RESPOSTA AO ÉBOLA 7 DE NOVEMBRO DE 204 Desde o início do surto, ocorreram 3 268 casos de Ébola em oito

Leia mais

OMS: ACTUALIZAÇÃO DO ROTEIRO DE RESPOSTA AO ÉBOLA 10 de Outubro de 2014

OMS: ACTUALIZAÇÃO DO ROTEIRO DE RESPOSTA AO ÉBOLA 10 de Outubro de 2014 OMS: ACTUALIZAÇÃO DO ROTEIRO DE RESPOSTA AO ÉBOLA 10 de Outubro de 2014 Até ao final do dia 8 de Outubro, foi notificado um total de 8399 casos confirmados, prováveis e suspeitos da doença do vírus do

Leia mais

Pernambuco (62), Santa Catarina (01) e Paraíba (02). O genótipo D8 foi identificado em 50 amostras e o D4 em uma amostra.

Pernambuco (62), Santa Catarina (01) e Paraíba (02). O genótipo D8 foi identificado em 50 amostras e o D4 em uma amostra. ESTADO DA PARAÍBA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE GERÊNCIA EXECUTIVA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE Informe Epidemiológico Sarampo - Setembro/2013 O sarampo é uma doença altamente transmissível e que pode evoluir

Leia mais

Gripe H1N1, o que a Escola precisa saber!

Gripe H1N1, o que a Escola precisa saber! 1 Gripe H1N1, o que a Escola precisa saber! O que é a gripe H1N1? A gripe H1N1, também conhecida como gripe A, é uma doença respiratória infecciosa de origem viral, que pode levar ao agravamento e ao óbito,

Leia mais

Perguntas e Respostas sobre o vírus A(H7N9)* Questions and answers about the vírus A(H7N9)

Perguntas e Respostas sobre o vírus A(H7N9)* Questions and answers about the vírus A(H7N9) Republicação de Artigo * Questions and answers about the vírus A(H7N9) Centers for Disease Control and Prevention Uma nova cepa do vírus da influenza aviária foi descoberta em aves e pessoas na China.

Leia mais

Informe Técnico sobre a gripe causada pelo novo vírus Influenza A/H1N1

Informe Técnico sobre a gripe causada pelo novo vírus Influenza A/H1N1 Informe Técnico sobre a gripe causada pelo novo vírus Influenza A/H1N1 DOCUMENTO PARA COMUNIDADE MÉDICA Coordenação: Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI) Associação Médica Brasileira (AMB) Apoio

Leia mais

Situação epidemiológica e medidas de preparação. Jarbas Barbosa da Silva Jr. Secretário de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde

Situação epidemiológica e medidas de preparação. Jarbas Barbosa da Silva Jr. Secretário de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Situação epidemiológica e medidas de preparação Jarbas Barbosa da Silva Jr. Secretário de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Vírus Ebola Família Filoviridae, gênero Ebolavirus A primeira espécie de

Leia mais

INFORME TÉCNICO CONTEXTO EPIDEMIOLÓGICO - COPA DO MUNDO FIFA 2014 23/05/14

INFORME TÉCNICO CONTEXTO EPIDEMIOLÓGICO - COPA DO MUNDO FIFA 2014 23/05/14 INFORME TÉCNICO CONTEXTO EPIDEMIOLÓGICO - COPA DO MUNDO FIFA 2014 23/05/14 INTRODUÇÃO Eventos de massa podem ser entendidos como qualquer evento que envolva grande número de pessoas, reunidas para um objetivo

Leia mais

Gripe H1N1 ou Influenza A

Gripe H1N1 ou Influenza A Gripe H1N1 ou Influenza A A gripe H1N1 é uma doença causada por vírus, que é uma combinação dos vírus da gripe normal, da aviária e da suína. Essa gripe é diferente da gripe normal por ser altamente contagiosa

Leia mais

15ª Campanha Nacional de Vacinação contra a Gripe

15ª Campanha Nacional de Vacinação contra a Gripe 15ª Campanha Nacional de Vacinação contra a Gripe O que é a gripe? A influenza (gripe) é uma infecção viral que afeta principalmente nariz, garganta, brônquios e, ocasionalmente, os pulmões. A infecção

Leia mais

Ministério da Saúde esclarece as principais dúvidas sobre a doença e apresenta recomendações para viajantes internacionais.

Ministério da Saúde esclarece as principais dúvidas sobre a doença e apresenta recomendações para viajantes internacionais. Ministério da Saúde esclarece as principais dúvidas sobre a doença e apresenta recomendações para viajantes internacionais. Fonte: Agência Fiocruz 1. Há casos de influenza A (H1N1) no Brasil? Não. Até

Leia mais

Nota técnica n.º 24 /2014 Recife, 21 de Agosto de 2014.

Nota técnica n.º 24 /2014 Recife, 21 de Agosto de 2014. Nota técnica n.º 24 /2014 Recife, 21 de Agosto de 2014. Assunto: orientações para ações de vigilância e serviços de saúde de referência para caso suspeito de Doença pelo Vírus Ebola A Secretária Estadual

Leia mais

O seu filho quer a segunda dose da sua atenção

O seu filho quer a segunda dose da sua atenção INFORME TÉCNICO SEGUNDA FASE DA CAMPANHA NACIONAL DE VACINAÇÃO CONTRA A POLIOMIELITE O seu filho quer a segunda dose da sua atenção 1. Introdução No dia 26 de agosto, realizaremos a segunda fase da 27

Leia mais

Boletim Epidemiológico

Boletim Epidemiológico Página 1 / 8 1. Situação Epidemiológica do Sarampo Diferentes regiões do mundo estão definindo metas para a eliminação do sarampo e da rubéola até o ano de 2015. No entanto, surtos recentes de sarampo

Leia mais

GRIPE DAS AVES. Informação e Recomendações. Elaborado por: Castro Correia Director Clínico. 14 de Setembro de 2005

GRIPE DAS AVES. Informação e Recomendações. Elaborado por: Castro Correia Director Clínico. 14 de Setembro de 2005 GRIPE DAS AVES Informação e Recomendações Elaborado por: Castro Correia Director Clínico 14 de Setembro de 2005 Escritórios: Rua da Garagem, 1, 4º Piso / 2790-078 CARNAXIDE Sede Social: Avenida do Forte,

Leia mais

Índice dos Boletins Epidemiológicos de Porto Alegre de 2014 a 1996

Índice dos Boletins Epidemiológicos de Porto Alegre de 2014 a 1996 Índice dos Boletins Epidemiológicos de Porto Alegre de 2014 a 1996 XV 55 Novembro de 2014 Especial Vigilância Ambiental da Dengue em Porto Alegre XV 54 Fevereiro de 2014 Atual Cenário Epidemiológica da

Leia mais

ALERTA EPIDEMIOLÓGICO Nº01/2014

ALERTA EPIDEMIOLÓGICO Nº01/2014 ALERTA EPIDEMIOLÓGICO Nº01/2014 ALERTA AOS SERVIÇOS DE SAÚDE sobre a importância de intensificar as ações de Vigilância Epidemiológica e Ambiental para a prevenção e detecção precoce da cólera no Estado

Leia mais

Influenza A (H1N1): Perguntas e Respostas

Influenza A (H1N1): Perguntas e Respostas Influenza A (H1N1): Perguntas e Respostas Para entender a influenza: perguntas e respostas A comunicação tem espaço fundamental na luta contra qualquer doença. Um exemplo é o caso do enfrentamento da influenza

Leia mais

Ocorrência de Raiva dos Herbívoros no Paraná

Ocorrência de Raiva dos Herbívoros no Paraná Ocorrência de Raiva dos Herbívoros no Paraná Curitiba PR 30 de outubro de 2015 INTRODUÇÃO: Revisão o sobre Raiva -Doença transmitida por vírus: Gênero Lissavírus - BRASIL: variantes 2-3-4-6 -Encefalite

Leia mais

DOENÇAS DE NOTIFICAÇÃO COMPULSÓRIAS

DOENÇAS DE NOTIFICAÇÃO COMPULSÓRIAS DOENÇAS DE NOTIFICAÇÃO COMPULSÓRIAS DEFINIÇÃO São doenças cuja gravidade, magnitude, transcendência, capacidade de disseminação do agente causador e potencial de causar surtos e epidemias exigem medidas

Leia mais

Informe Epidemiológico EBOLA N O 12 Atualizado em 21-10-2014, às 13h

Informe Epidemiológico EBOLA N O 12 Atualizado em 21-10-2014, às 13h Informe Epidemiológico EBOLA N O 12 Atualizado em 21-10-2014, às 13h Situação Atual Os países com casos de Doença pelo Vírus Ebola (DVE) são classificados em duas categorias: 1- es com transmissão intensa

Leia mais

Mulheres grávidas ou a amamentar*

Mulheres grávidas ou a amamentar* Doença pelo novo vírus da gripe A(H1N1) Fase Pandémica 6 OMS Mulheres grávidas ou a amamentar* Destaques: A análise dos casos ocorridos, a nível global, confirma que as grávidas constituem um grupo de

Leia mais

Serviço de Epidemiologia Hospitalar: Hospital de Clínicas/UFPR

Serviço de Epidemiologia Hospitalar: Hospital de Clínicas/UFPR Serviço de Epidemiologia Hospitalar: Hospital de Clínicas/UFPR Comunicações: 1. Vigilância da Coqueluche; 2. Vigilância das Síndromes Respiratórias Agudas Graves; 3. Liberação de tratamento para tuberculose

Leia mais

SITUAÇÃO DA GRIPE NO PARANÁ - 2013 BOLETIM INFORMATIVO - 02/2013 Atualizado em 06/06/2014

SITUAÇÃO DA GRIPE NO PARANÁ - 2013 BOLETIM INFORMATIVO - 02/2013 Atualizado em 06/06/2014 Governo do Estado do Paraná (SESA) Sala de Situação em Saúde SITUAÇÃO DA GRIPE NO PARANÁ - 2013 BOLETIM INFORMATIVO - 02/2013 Atualizado em 06/06/2014 No boletim quinzenal da gripe divulgado nesta sexta-feira

Leia mais

GRIPE. em suas mãos. A prevenção está. Adelmo LeãoPT. Deputado Estadual. Mandato. Participativo Mandato Participativo do Deputado Adelmo Carneiro Leão

GRIPE. em suas mãos. A prevenção está. Adelmo LeãoPT. Deputado Estadual. Mandato. Participativo Mandato Participativo do Deputado Adelmo Carneiro Leão GRIPE A prevenção está em suas mãos. Adelmo LeãoPT Mandato Deputado Estadual Participativo Cuide bem da sua saúde! Apesar de serem doenças de origem viral, transmitidas por meio de gotículas de saliva

Leia mais

Pesquisa Etiológica. Exame específico

Pesquisa Etiológica. Exame específico Influenza A (H1N1) O vírus A Influenza A(H1 N1) é uma doença respiratória e a transmissão ocorre de pessoa a pessoa, principalmente por meio de tosse, espirro ou de contato com secreções respiratórias

Leia mais

LEPTOSPIROSE. Deise Galan. Consultora - Departamento de Doenças Transmissíveis e Análise de Saúde Organização Pan-Americana da Saúde

LEPTOSPIROSE. Deise Galan. Consultora - Departamento de Doenças Transmissíveis e Análise de Saúde Organização Pan-Americana da Saúde LEPTOSPIROSE Deise Galan Consultora - Departamento de Doenças Transmissíveis e Análise de Saúde Organização Pan-Americana da Saúde Falso Apenas os ratos transmitem a leptospirose Os ratos são os principais

Leia mais

Situação Epidemiológica da Dengue

Situação Epidemiológica da Dengue Boletim Epidemiológico Nº 03-2016 Situação Epidemiológica da Dengue Em 2016, foram notificados 510 casos suspeitos de dengue no estado do Acre até a semana epidemiológica 02(10/01/2016 a 16/01/2016). Sendo

Leia mais

Clipping Eletrônico Domingo dia 09/11/2014

Clipping Eletrônico Domingo dia 09/11/2014 Clipping Eletrônico Domingo dia 09/11/2014 Jornal Acrítica Vida & Estilo Pág. V&E6-09 de novembro de 2014 Jornal Diário do Amazonas Cidades Pág. 21-09 de novembro de 14 Jornal Em Tempo - Última Hora

Leia mais

Perguntas e Respostas sobre Chikungunya CARACTERÍSTICAS

Perguntas e Respostas sobre Chikungunya CARACTERÍSTICAS Perguntas e Respostas sobre Chikungunya CARACTERÍSTICAS O que é Chikungunya? É uma doença infecciosa febril, causada pelo vírus Chikungunya (CHIKV), que pode ser transmitida pelos mosquitos Aedes aegypti

Leia mais

Guia de perguntas e respostas a respeito do vírus Zika

Guia de perguntas e respostas a respeito do vírus Zika Guia de perguntas e respostas a respeito do vírus Zika - O que é o vírus Zika? O vírus Zika é um arbovírus (grande família de vírus), transmitido pela picada do mesmo vetor da dengue e da chikungunya,

Leia mais

PORTARIA No- 3.318, DE 28 DE OUTUBRO DE 2010

PORTARIA No- 3.318, DE 28 DE OUTUBRO DE 2010 PORTARIA No- 3.318, DE 28 DE OUTUBRO DE 2010 Institui em todo o território nacional, o Calendário Básico de Vacinação da Criança, o Calendário do Adolescente e o Calendário do Adulto e Idoso. O MINISTRO

Leia mais

Será que é influenza (gripe)? Quem tem sintomas de febre repentina, tosse e dor de garganta. Guia de consulta e Cuidado. (Tradução Provisória)

Será que é influenza (gripe)? Quem tem sintomas de febre repentina, tosse e dor de garganta. Guia de consulta e Cuidado. (Tradução Provisória) Será que é influenza (gripe)? Quem tem sintomas de febre repentina, tosse e dor de garganta. Guia de consulta e Cuidado (Tradução Provisória) Introdução: O outono é a estação do ano mais propícia para

Leia mais

A Exceção. Ébola INFORMAÇÃO TRIMESTRAL. Edição especial. Afinal, o que é, de onde vem e como se transmite. A EXCEÇÃO Edição Especial

A Exceção. Ébola INFORMAÇÃO TRIMESTRAL. Edição especial. Afinal, o que é, de onde vem e como se transmite. A EXCEÇÃO Edição Especial A Exceção A EXCEÇÃO INFORMAÇÃO TRIMESTRAL Edição especial Ébola Afinal, o que é, de onde vem e como se transmite Tel: (+351) 213913940 / Fax: (+351) 213 913 941 Muito se tem falado e publicado sobre a

Leia mais

INFORMAÇÃO IMPORTANTE SOBRE A GRIPE SUÍNA

INFORMAÇÃO IMPORTANTE SOBRE A GRIPE SUÍNA INFORMAÇÃO IMPORTANTE SOBRE A GRIPE SUÍNA Este folheto contém informação importante para o ajudar a si e à sua família Guarde-o Bem Contactos Úteis Para se manter informado acerca da gripe suína telefone

Leia mais

Informe Técnico - SARAMPO nº2 /2010 Atualização da Situação Epidemiológica

Informe Técnico - SARAMPO nº2 /2010 Atualização da Situação Epidemiológica 1 SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA PROF. ALEXANDRE VRANJAC Av. Dr. Arnaldo, 351-6º andar SP/SP CEP: 01246-000 Fone: (11)3082-0957 Fax:

Leia mais

Vigilância em Saúde. Perfil do Tétano em Alagoas de 2007 a 2014. Nesta Edição: ANO 4 Nº 01 ANUAL JANEIRO 15

Vigilância em Saúde. Perfil do Tétano em Alagoas de 2007 a 2014. Nesta Edição: ANO 4 Nº 01 ANUAL JANEIRO 15 Diretoria de Epidemiológica Gerência de Doenças Imunopreveníveis e Programa de Imunizações ANO 4 Nº 01 ANUAL JANEIRO 15 Nesta Edição: 1. Perfil do Tétano em Alagoas de 2007 a 2. Intensificação das Ações

Leia mais

Emergência de Saúde Pública de Importância Internacional ESPII. Ocorrências de casos humanos na América do Norte Informe do dia 29.04.

Emergência de Saúde Pública de Importância Internacional ESPII. Ocorrências de casos humanos na América do Norte Informe do dia 29.04. I. Informações gerais Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Gabinete Permanente de Emergências de Saúde Pública Emergência de Saúde Pública de Importância Internacional ESPII Ocorrências

Leia mais

Informe epidemiológico sobre o Ebola e orientações de vigilância nos serviços de saúde.

Informe epidemiológico sobre o Ebola e orientações de vigilância nos serviços de saúde. CIEVS/Vigilância em Saúde P ALM AS - TO AG OSTO 2014 Nº 02 ANO I Informe Epidemiológico do Centro de Informações Estratégicas de Vigilância em Saúde - CIEVS Vírus Ebola Informe epidemiológico sobre o Ebola

Leia mais

Gripe A. Dr. Basil Ribeiro. Prof. Doutor Manuel Teixeira Veríssimo. Faculdade de Medicina de Coimbra Medicina Interna e Medicina Desportiva

Gripe A. Dr. Basil Ribeiro. Prof. Doutor Manuel Teixeira Veríssimo. Faculdade de Medicina de Coimbra Medicina Interna e Medicina Desportiva Gripe A Dr. Basil Ribeiro Medicina Desportiva Prof. Doutor Manuel Teixeira Veríssimo Faculdade de Medicina de Coimbra Medicina Interna e Medicina Desportiva Vírus H1N1 - Introdução Gripe dos porcos altamente

Leia mais

Papiloma Vírus Humano - HPV

Papiloma Vírus Humano - HPV VACINAÇÃO HPV 2015 Papiloma Vírus Humano - HPV O vírus HPV é altamente contagioso, sendo possível contaminar-se com uma única exposição. A sua transmissão se dá por contato direto com a pele ou mucosa

Leia mais

2. Já foram diagnosticados casos de influenza aviária no Brasil?

2. Já foram diagnosticados casos de influenza aviária no Brasil? 1. O que é influenza aviária? A influenza aviária (IA) também conhecido como gripe aviária é uma doença altamente contagiosa, transmitida pelo vírus da influenza tipo A, que ocorre principalmente em aves

Leia mais

Proposta de redação - O Ebola não pertence à África, mas a África pertence ao mundo

Proposta de redação - O Ebola não pertence à África, mas a África pertence ao mundo Proposta de redação - O Ebola não pertence à África, mas a África pertence ao mundo PRODUÇÃO DE TEXTO Ebola Se contraído, o Ebola é uma das doenças mais mortais que existem. É um vírus altamente infeccioso

Leia mais

GRIPE A H1N1 Plano de Contingência Empresarial contra Influenza e para outras Emergências Médicas.

GRIPE A H1N1 Plano de Contingência Empresarial contra Influenza e para outras Emergências Médicas. GRIPE A H1N1 Plano de Contingência Empresarial contra Influenza e para outras Emergências Médicas. Federação da Indústria do Estado do Rio de Janeiro Serviço Social da Indústria - SESI Diretoria de Saúde

Leia mais

ANEXO I. Lista de Notificação Compulsória

ANEXO I. Lista de Notificação Compulsória 1. Acidentes por animais peçonhentos; 2. Atendimento antirrábico; 3. Botulismo; 4. Carbúnculo ou Antraz; 5. Cólera; 6. Coqueluche; 7. Dengue; 8. Difteria; 9. Doença de Creutzfeldt-Jakob; ANEXO I Lista

Leia mais

Assunto: Esclarecimentos sobre a vacina contra Influenza H1N1

Assunto: Esclarecimentos sobre a vacina contra Influenza H1N1 MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE Assunto: Esclarecimentos sobre a vacina contra Influenza H1N1 Em decorrência de boatos sobre a vacina contra Influenza H1N1 que circulam na internet,

Leia mais

É uma doença respiratória aguda, causada pelo vírus A (H1N1).

É uma doença respiratória aguda, causada pelo vírus A (H1N1). INFLUENZA (GRIPE) SUÍNA INFLUENZA SUÍNA É uma doença respiratória aguda, causada pelo vírus A (H1N1). Assim como a gripe comum, a influenza suína é transmitida, principalmente, por meio de tosse, espirro

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul Secretaria de Estado da Saúde. DOENÇA PELO VÍRUS EBOLA (DVE) Marilina Bercini 23/10/14

Estado do Rio Grande do Sul Secretaria de Estado da Saúde. DOENÇA PELO VÍRUS EBOLA (DVE) Marilina Bercini 23/10/14 Estado do Rio Grande do Sul Secretaria de Estado da Saúde DOENÇA PELO VÍRUS EBOLA (DVE) Marilina Bercini 23/10/14 DVE - Histórico Vírus Ebola foi identificado em 1976 em 2 surtos: no Zaire (atual República

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária Anvisa. Emergência em saúde pública: Ebola

Agência Nacional de Vigilância Sanitária Anvisa. Emergência em saúde pública: Ebola Emergência em saúde pública: Ebola Situação atual Trata-se do maior surto de ebola já registrado nas últimas quatro décadas que já afetou 03 países do continente Africano* A OMS categorizou o atual surto

Leia mais

Preparação do Brasil para o manejo de caso suspeito de Ebola no país

Preparação do Brasil para o manejo de caso suspeito de Ebola no país II Seminário de Integração sobre Saúde e Segurança na Área Portuária Preparação do Brasil para o manejo de caso suspeito de Ebola no país Preparação Para o Exercício de Mesa e Simulado do Ebola Marcus

Leia mais

Perguntas e respostas sobre a vacinação contra o HPV

Perguntas e respostas sobre a vacinação contra o HPV Perguntas e respostas sobre a vacinação contra o HPV 1) A vacina é mesmo necessária? Atualmente, cerca de 5% de todos os cânceres do homem e 10% dos da mulher são causados pelo HPV, que atinge mais de

Leia mais

Informe sobre a gripe causada pelo novo vírus Influenza A/H1N1

Informe sobre a gripe causada pelo novo vírus Influenza A/H1N1 Informe sobre a gripe causada pelo novo vírus Influenza A/H1N1 DOCUMENTO PARA O PÚBLICO EM GERAL Coordenação: Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI) Associação Médica Brasileira (AMB) Apoio e participação:

Leia mais

Tuberculose em algum lugar, problema de todos nós.

Tuberculose em algum lugar, problema de todos nós. ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DIRETORIA DE VIGILÂNCIA EIDEMIOLÓGICA GERÊNCIA DE VIGILÂNCIA DE AGRAVOS Aos Profissionais de Saúde e População Catarinense DIA MUNDIAL DE LUTA CONTRA

Leia mais

SERVIÇOS MÉDICOS E COMPLEMENTARES: NORMAS E ROTINAS (SOMENTE ACESSÍVEIS AOS CAMPI DO INTERIOR)

SERVIÇOS MÉDICOS E COMPLEMENTARES: NORMAS E ROTINAS (SOMENTE ACESSÍVEIS AOS CAMPI DO INTERIOR) SERVIÇOS MÉDICOS E COMPLEMENTARES: NORMAS E ROTINAS (SOMENTE ACESSÍVEIS AOS CAMPI DO INTERIOR) Preliminarmente, cabe lembrar que a concessão dos Serviços Médicos e Complementares pela Universidade de São

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 001 DIVE/SES/2014

NOTA TÉCNICA Nº 001 DIVE/SES/2014 ESTADO DE SANTA CATARINA SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DIRETORIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA NOTA TÉCNICA Nº 001 DIVE/SES/2014 Assunto: Orienta

Leia mais

Roteiro para uso do banco de dados do SINAN Online Dengue para análise de completitude e inconsistências

Roteiro para uso do banco de dados do SINAN Online Dengue para análise de completitude e inconsistências Roteiro para uso do banco de dados do SINAN Online Dengue para análise de completitude e inconsistências O Sistema de Informação de Agravos de Notificação Online (SINAN Online) tem por objetivo a notificação

Leia mais

FÓRUM REGIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA 2010 ANVISA/CONASS/CONASEMS FÓRUM REGIÃO SUDESTE 25-08-2010

FÓRUM REGIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA 2010 ANVISA/CONASS/CONASEMS FÓRUM REGIÃO SUDESTE 25-08-2010 FÓRUM REGIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA 2010 ANVISA/CONASS/CONASEMS FÓRUM REGIÃO SUDESTE 25-08-2010 ANVISA GGPAF CVPAF/RJ Avaliação da temporada de Navios de Cruzeiro 2009-2010 Introdução Informações sobre

Leia mais

O que esperar quando é colocado em quarentena CS255151B

O que esperar quando é colocado em quarentena CS255151B O que esperar quando é colocado em quarentena O que esperar quando é colocado em quarentena 1 A quarentena ajuda-nos a travar a transmissão do Ébola. Sabemos que pode ser difícil, mas é necessário para

Leia mais

Vigilância Epidemiológica: Informar para conhecer

Vigilância Epidemiológica: Informar para conhecer Vigilância Epidemiológica: Informar para conhecer Vigilância epidemiológica no Brasil 1990: Sistema de Informação de Agravos de Notificação SINAN 2007 SINAN Net - http://dtr2004.saude.gov.br/sinanweb/

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA REFERENTE AO CALENDÁRIO NACIONAL DE VACINAÇÃO

INSTRUÇÃO NORMATIVA REFERENTE AO CALENDÁRIO NACIONAL DE VACINAÇÃO INSTRUÇÃO NORMATIVA REFERENTE AO CALENDÁRIO NACIONAL DE VACINAÇÃO O presente instrumento estabelece as normatizações técnicas do Programa Nacional de Imunizações referentes ao Calendário Nacional de Vacinação,

Leia mais

Treinamento para os Núcleos de Epidemiologia

Treinamento para os Núcleos de Epidemiologia Treinamento para os Núcleos de Epidemiologia Módulo 04 Coqueluche 21 e 22 de maio de 2014 Salvador, Ba Maria do Carmo Campos Lima GT DTP/DIVEP/SESAB COQUELUCHE ASPECTOS LEGAIS Arts. 7º e 8º, da Lei nº

Leia mais

CÓLERA CID 10: A 00.9

CÓLERA CID 10: A 00.9 SUPERINTENDENCIA DE VIGILANCIA PROMOÇÃO E PREVENÇÃO À SAÚDE DIRETORIA DE VIGILANCIA EPIDEMIOLOGICA DAS DOENÇAS TRANSMISSIVEIS E NÃO TRANSMISSIVEIS GERÊNCIA DE DOENÇAS TRANSMISSIVEIS ÁREA DE ASSESSORAMENTO

Leia mais

1. (PT) - Jornal de Notícias, 01/08/2014, Viaturas médicas mais disponíveis para acidentes 1

1. (PT) - Jornal de Notícias, 01/08/2014, Viaturas médicas mais disponíveis para acidentes 1 01-08-2014 Revista de Imprensa 01-08-2014 1. (PT) - Jornal de Notícias, 01/08/2014, Viaturas médicas mais disponíveis para acidentes 1 2. (PT) - Diário de Notícias, 01/08/2014, 1,3 milhões de utentes sem

Leia mais

Boletim Epidemiológico da Dengue

Boletim Epidemiológico da Dengue Boletim Epidemiológico da Dengue Dados Referentes às Semanas Epidemiológicas: 01 a 03 - Períodos de 03/01/2016 a 23/01/2016 Ano: 09 Número: 03 Data de Produção: 22/01/2016 Esse boletim está na web: www.natal.rn.gov.br/sms

Leia mais

ASPECTOS LABORATORIAIS

ASPECTOS LABORATORIAIS INFLUENZA A (H1N1) 1. INFORMAÇÕES GERAIS ASPECTOS LABORATORIAIS Os agentes infecciosos prioritários para investigação etiológica são os vírus influenza. As amostras de secreções respiratórias devem ser

Leia mais

Editoria: Cidades Manaus Hoje

Editoria: Cidades Manaus Hoje Editoria: Cidades Manaus Hoje Adolescentes são internados vítimas de tiros no rosto ( ) Press-release da assessoria de imprensa (X) Iniciativa do próprio veículo de comunicação C5 www.portalamazonia.com.br

Leia mais

CONHECIMENTO, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO PARA O FORTALECIMENTO DA AGRICULTURA FAMILIAR

CONHECIMENTO, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO PARA O FORTALECIMENTO DA AGRICULTURA FAMILIAR CONHECIMENTO, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO PARA O FORTALECIMENTO DA AGRICULTURA FAMILIAR CONHECIMENTO, TECNOLOGIA TECNOLOGIA E INOVAÇÃO E INOVAÇÃO PARA O PARA FORTALECIMENTO O DA AGRICULTURA DA AGRICULTURA FAMILIAR

Leia mais

A doença por Ébola, de que se trata?

A doença por Ébola, de que se trata? A doença por Ébola, de que se trata? Atualemente fala-se muito na imprensa de uma doença chamada ébola que afeta a África. De que se trata? Trata-se de uma doença infeciosa devida a um vírus chamado vírus

Leia mais

AGRIFAM 2014 01 A 03 DE AGOSTO DE 2014

AGRIFAM 2014 01 A 03 DE AGOSTO DE 2014 AGRIFAM 2014 01 A 03 DE AGOSTO DE 2014 REGULAMENTO ANIMAL CAPÍTULO I DA FEIRA E SUAS FINALIDADES Artigo I A AGRIFAM 2014 Feira da Agricultura Familiar e do Trabalhador Rural - será realizada sob o auspício

Leia mais

Faculdade de Farmácia Helena Rebelo de Andrade

Faculdade de Farmácia Helena Rebelo de Andrade a ia c á do a r M PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS rm a F e d c a F s; a ic t êu c a m r a F s ia c ên i C em eg t n I o d a r t es v i n U L e d o b s i Família Coronavidae Género Alphacoronavirus Mamíferos

Leia mais

HANSENÍASE: DO PRECONCEITO AO CONHECIMENTO

HANSENÍASE: DO PRECONCEITO AO CONHECIMENTO HANSENÍASE: DO PRECONCEITO AO CONHECIMENTO Rosane Aparecida do Prado; Elisabete F. Maia; Ana Isabel de Godoy Ferreira; Luana Andrade Dias; Maria Ligia Góes; Suelly C. Schurhaus da Silva Instituto Federal

Leia mais

Secretaria de Estado da Saúde Gerência Executiva de Vigilância em Saúde Gerência Operacional de Resposta Rápida

Secretaria de Estado da Saúde Gerência Executiva de Vigilância em Saúde Gerência Operacional de Resposta Rápida INFLUENZA A (H1N1) SEMANA EPIDEMIOLÓGICA 35/2009 Até a semana epidemiológica - SE 35/2009, encerrada em 05/09/2009, foram notificados 131 casos suspeitos de Influenza, sendo 37 de Síndrome Gripal - SG

Leia mais

Mercado em números 2014

Mercado em números 2014 Designação oficial: República Popular da Capital: Pequim Localização: Ásia Oriental Fronteiras terrestres: 22.457 Km com o Afeganistão (91 km), Butão (477 km), Burma (2.129 km), India (2.659 km), Cazaquistão

Leia mais

Cólera. Introdução: 1) Objetivo Geral

Cólera. Introdução: 1) Objetivo Geral Cólera Introdução: A cólera se originou provavelmente na Índia e em Bangladesh, espalhando para outros continentes a partir de 1817. A descoberta da bactéria que a provoca foi feita por Robert Koch em

Leia mais