A IMPOSSIBILIDADE DE DESAFETAÇÃO DE ÁREAS VERDES INCORPORADAS AO DOMÍNIO MUNICIPAL POR FORÇA DE APROVAÇÕES DE LOTEAMENTOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A IMPOSSIBILIDADE DE DESAFETAÇÃO DE ÁREAS VERDES INCORPORADAS AO DOMÍNIO MUNICIPAL POR FORÇA DE APROVAÇÕES DE LOTEAMENTOS"

Transcrição

1 A IMPOSSIBILIDADE DE DESAFETAÇÃO DE ÁREAS VERDES INCORPORADAS AO DOMÍNIO MUNICIPAL POR FORÇA DE APROVAÇÕES DE LOTEAMENTOS THE IMPOSSIBILITY OF WITHDRAWING FROM PUBLIC ACCESS AND USE THE GREEN AREAS INCORPORATED TO PUBLIC OWNERSHIP DUE TO REAL ESTATE DEVELOPMENTS APPROVALS Helano Márcio Vieira rangel homero bezerra ribeiro RESUMO A pesquisa sistematiza um breve estudo teórico sobre a importância das áreas verdes no equilíbrio socioambiental das grandes cidades, as quais sofrem graves problemas relativos à degradação do meio ambiente natural e à má ocupação do solo, com o vertiginoso processo de urbanização e crescimento demográfico. Teoriza-se sobre as áreas verdes incorporadas ao patrimônio municipal por força de aprovação de loteamentos, apontando-as como legítimos bens públicos de uso comum do povo, volvidas à execução da função socioambiental das cidades. Em outras palavras, estes espaços são uma compensação ecológica pelo dano ambiental gerado pelo novo empreendimento imobiliário, não podendo ter a sua destinação pública alterada, isto é, convertidos em bens dominicais. Portanto, o objetivo central do ensaio é o de mostrar a impossibilidade de desafetação das áreas verdes, as quais são incorporadas compulsória e gratuitamente ao domínio público por força de aprovação de loteamentos. A temática é da mais alta importância, tendo em vista que muitos municípios brasileiros recebem uma parte de lotes a título de áreas verdes e, ao invés de preservá-las, simplesmente as negociam amparados em leis municipais inconstitucionais ou atos administrativos eivados de desvios de finalidade. O presente artigo se utilizou de pesquisa bibliográfica e jurisprudencial. PALAVRAS-CHAVE: DESAFETAÇÃO; ÁREAS VERDES; LOTEAMENTOS; URBANIZAÇÃO. ABSTRACT The research systematizes a brief theoretical study on the importance of green areas in the context of the social-environmental balance of the major cities, which suffer huge problems related to the degradation of natural environment and due to bad land development, catalyzed by the urbanization and demographic growth. The study defends that green areas incorporated to public domain by real estate development approvals are earmarked to execute socialenvironmental functions of the city. In other words, these spaces are ecological compensations to counterbalance the environmental damage generated by a new real estate development, so they must not have their public allocation amended, that is, converted into disposable assets. Therefore, the main objective of the research is to advocate the impossibility of withdrawing from public access and use the green areas which are incorporated to public ownership compulsory and free of charge by real estate development * Trabalho publicado nos Anais do XIX Encontro Nacional do CONPEDI realizado em Fortaleza - CE nos dias 09, 10, 11 e 12 de Junho de

2 approvals. The thematic is of the utmost importance, as a lot of Brazilian municipalities receive a share of a land subdivision as green areas and, instead of preserving, simply negotiate them endorsed by unconstitutional municipal laws or administrative orders stained with deflection of purpose. The present study utilized bibliographic and jurisprudential research. KEY WORDS: WITHDRAW FROM PUBLIC ACCESS AND USE; GREEN AREAS; REAL ESTATE DEVELOPMENTS; URBANIZATION. INTRODUÇÃO As áreas verdes desempenham relevante papel na dinâmica urbana contemporânea, inserindo-se na comunidade como um espaço de lazer, respeito ao meio ambiente e integração social. Tais áreas suavizam ainda alguns dos maiores problemas ambientais urbanos tais como a poluição do ar e a formação de ilhas de calor, típicos de centros metropolitanos. À medida que se esgotam os recursos naturais no consumismo desenfreado e na explosão demográfica das grandes cidades brasileiras, sobreleva a importância da preservação do meio ambiente natural urbano. Nesse sentido, a proteção e preservação das áreas verdes urbanas são necessidades prementes que nos remetem à função social e ambiental das cidades, demandando cuidadosa atenção do poder público e da própria sociedade civil. As áreas verdes, inicialmente propriedades privadas, são transferidas compulsoriamente ao domínio público municipal quando da aprovação e registro de loteamentos, como um mecanismo compensatório pelo impacto ambiental oriundo do avanço especulativo imobiliário. Tornam-se, assim, um patrimônio de toda a comunidade, bens de uso comum do povo, plenamente revestidos pelo manto de proteção da inalienabilidade e da impenhorabilidade. Todavia, muitos municípios brasileiros, ao invés de proteger e desenvolver essas áreas verdes, verdadeiros núcleos de equilíbrio social e ambiental urbanos, passam deliberadamente a remover a destinação pública que lhes reveste, com o inescusável propósito de negociá-las junto á iniciativa privada ou a outros entes públicos. Afinal, teria o Poder Público municipal disposição sobre áreas verdes incorporadas ao domínio municipal quando da aprovação de loteamentos? Poderia a municipalidade desafetar tais áreas verdes, em virtude do invocado interesse público, mesmo em prejuízo do equilíbrio, integridade e preservação do meio ambiente natural urbano? * Trabalho publicado nos Anais do XIX Encontro Nacional do CONPEDI realizado em Fortaleza - CE nos dias 09, 10, 11 e 12 de Junho de

3 É o que se busca enfrentar no presente trabalho. 1 DOS BENS PÚBLICOS. Preliminarmente faz-se imprescindível um delineamento jurídico das áreas verdes oriundas de loteamentos, à luz do Direito Administrativo. Nesse sentido, busca-se maior compreensão acerca do conceito de bem público e do procedimento que o torna disponível, v.g., a desafetação. Segundo Hely Lopes Meirelles, bens públicos são todas as coisas, corpóreas ou incorpóreas, imóveis, móveis e semoventes, créditos, direitos e ações, que pertençam, a qualquer título, às entidades estatais, autárquicas, fundacionais e paraestatais. 1 Na definição do artigo 98 do Código Civil Brasileiro, são públicos os bens do domínio nacional pertencentes às pessoas jurídicas de direito público interno; todos os outros são particulares, seja qual for a pessoa a que pertencerem. Quanto à destinação, os bens públicos admitem três modalidades: os bens de uso comum do povo ou do domínio público, bens de uso especial ou do patrimônio administrativo e bens dominicais ou de patrimônio disponível. Essa classificação é pacífica na doutrina e recebeu tratamento legal no artigo 99 do CCB. Bens de uso comum do povo são aqueles que por determinação legal ou por sua própria natureza, podem ser utilizados por todos em igualdade de condições, sem necessidade de consentimento individualizado por parte da Administração. 2 O uso é universal e isonômico, sendo vedado que uns tenham privilégios sobre outros. É o caso, por exemplo, das praças, estradas, ruas, rios e mares. A utilização dos bens dessa espécie independe, via de regra, de retribuição; mas pode ser exigido, por lei da União, do Estado, ou do Município, conforme pertençam a uma dessas pessoas jurídicas, pagamento para seu uso. 3 Bens de uso especial são todas as coisas, móveis ou imóveis, corpóreas ou incorpóreas, utilizadas pela Administração Pública para realização de suas atividades e consecução de seus fins. 4 É o caso dos edifícios ou terrenos destinados a serviço ou estabelecimento da administração pública, assim como os computadores ou veículos oficiais postos à disposição de uma repartição pública. Os bens de uso comum do povo e de uso especial são chamados de bens de domínio público * Trabalho publicado nos Anais do XIX Encontro Nacional do CONPEDI realizado em Fortaleza - CE nos dias 09, 10, 11 e 12 de Junho de

4 Bens de uso dominical são os que constituem o patrimônio da pessoa jurídica de direito público. São bens dos quais o Poder Público é titular, da mesma maneira que a pessoa de direito privado é dona de seu patrimônio. 5 Tais espécies de bens públicos comportam uma função patrimonial ou financeira, porque se destinam a assegurar rendas ao Estado, em oposição aos demais bens públicos, que são afetados a uma destinação de interesse geral. 6 Os bens dominicais são de domínio privado do Estado. Estes últimos não possuem uma destinação pública específica, estando, portanto, desafetados, podendo ser livremente alienados. Os bens dominicais comportam uma função patrimonial ou financeira, porque se destinam a assegurar rendas ao Estado. 7 Por seu turno, os bens de uso comum e os de uso especial, também chamados de domínio público, se encontram afetados a uma finalidade pública e, portanto, são inalienáveis, conforme dispõem os artigos 100 e 101 do CCB. 1.1 A desafetação de bens de domínio público do Estado. A impossibilidade de alienação dos bens de uso comum do povo e de uso especial não é absoluta, mas relativa, isto é, dura enquanto tais bens forem de domínio público, na forma da lei, conforme preconizado no referido artigo 100 do CCB. A desafetação retira do bem de domínio público do Estado a sua destinação pública específica, tornando-o dominical e alienável, ou seja, passível de relação jurídica de direito privado, tais como compra e venda, penhor, hipoteca, doação, locação ou permuta, por exemplo. A desafetação pode se desenvolver de forma expressa ou tácita. A primeira modalidade decorre de ato administrativo ou de lei. A segunda deriva de fato jurídico capaz de modificar a destinação do bem, tal como um terremoto que destrói completamente uma biblioteca pública, convertendo um bem de uso especial em bem dominical. A desafetação por ato administrativo ocorre quando o poder público resolve dotar um bem dominical de destinação pública de uso especial, ou vice-versa. A feição federativa do Estado Brasileiro consagra a autonomia dos entes públicos, razão pela qual somente a pessoa jurídica de direito público titular de um determinado bem público poderá dele dispor, nos termos da lei. Deste modo, somente o município terá competência para desafetar os bens que integrem o seu patrimônio, sem interferência de qualquer outro ente como a União ou o Estado federado. * Trabalho publicado nos Anais do XIX Encontro Nacional do CONPEDI realizado em Fortaleza - CE nos dias 09, 10, 11 e 12 de Junho de

5 Ressalte-se que, regra geral, bens de uso comum do povo somente podem ser desafetados ou transformados em bens de uso especial em virtude de lei e não por simples ato administrativo. Todavia, há bens públicos de uso comum do povo que não podem sofrer desafetação, portanto, não perdem nunca a sua inalienabilidade. É que o se dá com os bens que são insuscetíveis de valoração patrimonial, 8 tais como os mares, as praias e os rios navegáveis. O mesmo se diga com relação às áreas verdes vertidas ao município por força de aprovação de loteamentos. Sustenta-se neste trabalho que este patrimônio não pode, igualmente, sofrer desafetação, não obstante sejam suscetíveis de avaliação econômica. É o que se demonstrará a seguir. 2 DO PARCELAMENTO DO SOLO URBANO NO CONTEXTO DA FUNÇÃO SOCIOAMBIENTAL DA PROPRIEDADE. Enfoca-se, neste ponto, uma breve análise sobre o sistema brasileiro de parcelamento urbano, especialmente no tocante aos requisitos de ordem dominial e ambiental necessários à aprovação do projeto de loteamento pela municipalidade. Parcelamento do solo urbano é o procedimento de conformação jurídica imobiliária mediante o qual se promove a fragmentação do solo em áreas autônomas voltadas à edificação e reconfiguração urbanística. Nos termos da Lei nº 6.766/79, o parcelamento do solo urbano pode ser executado mediante loteamento ou desmembramento. Na precisa definição do 1º do art. 2º do citado diploma, considera-se loteamento a subdivisão de gleba em lotes destinados a edificação, com abertura de novas vias de circulação, de logradouros públicos ou prolongamento, modificação ou ampliação das vias existentes. O desmembramento, por seu turno, também subdivide a gleba em lotes, porém aproveitando o sistema viário existente, sem a abertura, alteração ou prolongamento de novas vias e logradouros. ( 2º, art. 2º, Lei 6.766/79) O loteamento deve atender a uma série de requisitos. Um deles é a separação de áreas destinadas a sistemas de circulação, a implantação de equipamento urbano e comunitário, bem como a espaços livres de uso público (art. 4º, inciso I, Lei 6.766/79, com redação dada pela Lei nº 9785/99). Tais espaços deverão ser incorporados ao domínio * Trabalho publicado nos Anais do XIX Encontro Nacional do CONPEDI realizado em Fortaleza - CE nos dias 09, 10, 11 e 12 de Junho de

6 municipal, devendo ser proporcionais à densidade ocupacional contida no plano diretor ou aprovada por lei municipal referente àquela zona, como designa a segunda parte do referido dispositivo. Observe-se ainda que, uma vez aprovado o loteamento, não poderão os espaços livres de uso comum, as vias, praças, áreas destinadas a edifícios urbanos e outros equipamentos urbanos ter a sua destinação alterada pelo loteador, salvo exceções legais 9. Em outras palavras, deve o empreendedor seguir rigorosamente o projeto e memorial descritivo, sob pena de responsabilização administrativa, civil e criminal, conforme dicção do artigo 17 combinado com o artigo 43 da Lei 6.766/79. Ao inscrever o loteamento junto ao Registro de Imóveis, tais espaços transcendem a sua natureza privada e convertem-se em bens públicos de uso comum do povo, de domínio municipal. Por oportuno, traslada-se a redação do art. 22 da referida Lei 6.766/79: Art. 22. Desde a data do registro do loteamento, passam a integrar o domínio do Município as vias e praças, os espaços livres e as áreas destinadas a edifícios públicos e outros equipamentos urbanos, constantes do projeto e do memorial descritivo. Repise-se: a transmissão de domínio para o ente público municipal prescinde de formalidades adicionais; basta tão-somente o registro do loteamento na circunscrição imobiliária competente. Busca a lei proteger áreas que, do contrário, seriam alvo de especulação imobiliária, destinando-a compulsoriamente ao Município, o qual deverá velar por sua destinação e conservação. Observe-se ainda que o particular, ao ceder tais áreas para o poder municipal, não tem o direito de reclamar qualquer indenização, uma vez que a Lei 6.766/79 prestigiou o interesse público em detrimento do particular. É que não há mais espaço para o gozo absoluto da propriedade, dissociado de sua função social e ambiental. Como leciona Roger Saint-Alary o princípio de não indenização ou da gratuidade reside no caráter de interesse geral do gravame. 10 A Constituição Federal de 1988 asseverou no inciso XXIII do art. 5º que a propriedade atenderá a sua função social e no artigo 170 insculpiu a função social da propriedade como um dos princípios fundamentais da Ordem Econômica. O princípio ainda encontra concretização no artigo 182, 2º da mesma carta, o qual elucida que a propriedade urbana cumpre sua função social quando atende às exigências fundamentais de ordenação da cidade expressas no plano diretor. * Trabalho publicado nos Anais do XIX Encontro Nacional do CONPEDI realizado em Fortaleza - CE nos dias 09, 10, 11 e 12 de Junho de

7 Tais exigências estão ainda elencadas nas diretrizes contidas no art. 2º da Lei nº /01 (Estatuto das Cidades) 11, as quais deverão ser acolhidas pelo Plano Diretor, nos termos do art.39 do referido diploma normativo. Como diria Léon Duguit, a propriedade não é mais um direito subjetivo; é a função social do detentor da riqueza. 12 No tocante à função ambiental da propriedade, tal princípio encontra guarida no artigo 225, caput, da CF/88 que ressalta o dever do Poder Público e da coletividade em preservar e defender o meio ambiente, bem de uso comum do povo. No Código Civil Brasileiro, precisamente no 1º, do art , tal diretriz resta ainda mais evidente. Confira-se: Art (...) 1 o O direito de propriedade deve ser exercido em consonância com as suas finalidades econômicas e sociais e de modo que sejam preservados, de conformidade com o estabelecido em lei especial, a flora, a fauna, as belezas naturais, o equilíbrio ecológico e o patrimônio histórico e artístico, bem como evitada a poluição do ar e das águas. Como se vê, o direito individual à propriedade foi redimensionado numa perspectiva socioambiental, devendo servir também a interesses coletivos e difusos. Neste sentido, o exercício absoluto da propriedade encontra freios nas limitações urbanísticas, consolidadas na Lei do Parcelamento do Solo Urbano. É por isso que uma parte do loteamento deve ser compulsoriamente incorporada à municipalidade, pois esta exigência viabiliza a proteção de áreas verdes, a abertura e conservação de vias públicas e de outros espaços públicos de uso comum do povo. Diante da indiscutível competência municipal para legislar e administrar matéria ambiental por meio do Plano Diretor, este ente federativo deve se tornar o maior bastião da proteção ambiental nos seus domínios. Eis a razão pela qual as áreas verdes são patrimônios naturais intocáveis, inalienáveis e impenhoráveis, plenamente afetados à sua missão social e ambiental no contexto urbanístico. 3 DOS PROBLEMAS ADVINDOS COM A URBANIZAÇÃO E O DESPERTAR DA CONSCIÊNCIA AMBIENTAL: O PAPEL DO DIREITO URBANÍSTICO. * Trabalho publicado nos Anais do XIX Encontro Nacional do CONPEDI realizado em Fortaleza - CE nos dias 09, 10, 11 e 12 de Junho de

8 Segundo teoriza José Afonso da Silva, a cidade é uma unidade de natureza urbana, composto por um sistema político-administrativo, econômico não-agrícola, familiar e simbólico como sede do governo municipal, sendo irrelevante a sua população. É um núcleo urbano, sede do governo municipal. 13 O processo mediante o qual os assentamentos urbanos crescem e se desenvolvem, com o progressivo aumento do número de habitantes é chamado de urbanização. Embora as primeiras cidades tenham surgido há mais ou menos anos, as sociedades urbanizadas representam um estágio novo e apresentam aglomerações humanas de dimensões nunca atingidas. 14 Antes de 1850 nenhuma sociedade poderia ser classificada como dominantemente urbana. A Europa era uma região quase completamente agrária, mas tal conformação se alterou profundamente com a urbanização deflagrada após a Revolução Industrial inglesa no século XVIII. 15 Com o advento da máquina e a produção industrial em série, a estrutura econômica transformou-se completamente, concentrando-se no consumo e na circulação do capital. As cidades, ao albergarem grandes indústrias, passaram a ser polos de atração populacional. O campo empobreceu-se e esvaziou-se. Em artigo intitulado "O urbanismo como modo de vida", publicado originalmente em 1938, Wirth pondera: A característica marcante do modo de vida do homem na idade moderna é a sua concentração em agregados gigantescos. (...) As influências que as cidades exercem sobre a vida social do homem são maiores do que poderia indicar a proporção da população urbana, pois a cidade não somente é, em graus sempre crescentes, a moradia e o local de trabalho do homem moderno, como é o centro iniciador e controlador da vida econômica, política e cultural que atraiu as localidades mais remotas do mundo para dentro de sua órbita A urbanização gerada pela Revolução Industrial produziu, dessa maneira, o fenômeno da explosão demográfica, o qual se fez sentir com a formação de uma miríade de proletários e do exército de reserva. Agravavam-se as contradições sociais à medida que a infra-estrutura urbana não acompanhava o crescimento populacional. O efeito imediato disto foi o esgotamento dos recursos naturais e as mais deletérias formas de degradação ambiental. No Brasil os reflexos da Revolução Industrial chegaram com algum atraso. Todavia, a partir da década de 40 do século passado, o crescimento econômico promoveu a * Trabalho publicado nos Anais do XIX Encontro Nacional do CONPEDI realizado em Fortaleza - CE nos dias 09, 10, 11 e 12 de Junho de

9 urbanização de maneira acelerada e pujante, reconfigurando a infra-estrutura dos principais centros urbanos brasileiros. Com a palavra, o jurista Paulo Affonso L. Machado: As cidades brasileiras, na sua maioria, foram aumentando dia a dia. O fenômeno da urbanização não se processou de modo a respeitar a qualidade de vida dos recémchegados à cidade. Não havia uma norma nacional de Direito Público exigindo um mínimo de condições para a criação de loteamentos. O ordenamento urbanístico ficou ao sabor de improvisações e de pressões locais. Constatava-se a tensão entre o interesse privado e o interesse público, isto é, a posição do loteador e os interesses atuais e futuros da comunidade. 17 Tornou-se imperativo, portanto, o nascimento de um ramo do direito que se ocupasse especificamente da problemática urbana. Com a insurgência dos problemas metropolitanos na década de 50 do século passado, o movimento da reforma urbana ganhou maior força, especialmente porque, já naquela época, as capitais davam mostras do que viria a ser o processo de urbanização no Brasil, caso não houvesse uma mudança na rota do crescimento com desigualdade. 18 Por oportuno, trasladem-se as conclusões registradas nos anais do II Congresso Brasileiro de Serviço Social ocorrido ainda no início década de 60 do século XX: O mencionado fenômeno da industrialização, auxiliado pelo desenvolvimento dos meios de transporte, provocam violentas modificações nas antigas e equilibradas relações entre o meio rural e o meio urbano. A intensa urbanização, fenômeno consequente do primeiro e que significa a criação de novas áreas urbanas e intensificação do gênero urbano de vida de todas as áreas já existentes, é acontecimento típico da era que se seguia à Revolução Industrial. Da necessidade de impedir o aparecimento inevitável de inúmeros males, ligados a esse crescimento desordenado, começou a surgir uma especialização nova que visa não só a ordenar a cidade, mas, agora, com uma preocupação de maior alcance, qual seja a de disciplinar e conseguir estabelecer técnicas de intervenção no processo de ocupação do espaço. 19 No entanto, ante a tomada do poder pelos militares no pós-golpe de 1964, esses movimentos de reforma urbana se enfraqueceram, o que acabou por deixá-lo adormecido por cerca de duas décadas, contribuindo também para aprofundar o fosso que separa o mercado imobiliário daqueles que não têm acesso a ele. 20 Não é por menos que a proteção ambiental é tópico central do Direito Urbanístico. O jurista Louis Jacquingnon definiu o direito do urbanismo como a arte de arranjar as cidades sob aspectos demográficos, econômicos, estéticos e culturais, tendo em vista o bem do ser humano e a proteção do meio ambiente. 21 Com o desenvolvimento industrial, a urbanização brasileira sucedeu-se vertiginosamente, a exemplo da Europa e dos Estados Unidos, porém com agravantes sociais * Trabalho publicado nos Anais do XIX Encontro Nacional do CONPEDI realizado em Fortaleza - CE nos dias 09, 10, 11 e 12 de Junho de

10 e políticos: sociais porque já havia, no Brasil, acentuadas diferenças de classes, e políticos por não haver uma postura planificadora, deixando que a ocupação e o uso do solo ocorressem aleatoriamente. 22 Surgiam as grandes metrópoles brasileiras, assoberbadas de cinturões de pobreza e de inúmeros problemas socioambientais. Tome-se, por exemplo, o Estado de São Paulo. Na segunda metade do século XX, passou por um processo de intensa urbanização. A população urbana, que representava 53% da população paulista em 1950, atingiu 93% da população do estado em Em termos absolutos, o número de habitantes urbanos passou de 4,8 milhões em 1950 para 29,3 milhões em O resultado: intensa e ilimitada exploração dos recursos naturais, gerando consequências ecológicas desagradáveis, em grandes centros urbanos daquele estado, como a cidade de São Paulo. De igual modo, um processo denso e agressivo de urbanização se verifica na cidade de Fortaleza, provocando uma desordenada ocupação do solo e consideráveis problemas urbanísticos. Segundo notícia veiculada pela edição virtual do Jornal Diário do Nordeste, em 2008 a capital cearense já ostentava o título de quinta cidade brasileira mais populosa, com quase dois milhões e meio de habitantes. Tal fato é uma consequência do êxodo rural desde a década de 1950, o que fatalmente determina o crescimento desordenado e a precariedade da infra-estrutura urbana. 24 De acordo com Moura e Teixeira, o crescimento da população de Fortaleza, no período de 1980 a1991, a uma taxa demográfica maior do que a de outras capitais brasileiras, baseia-se na alavancagem do turismo e no crescimento de indústria de bens de consumo final com relativa intensidade na utilização do fator mão-de-obra. 25 Tal fato, concluem os autores, sem dúvida deve ter contribuído, via migração, para o elevado ritmo de crescimento das respectivas populações residentes. 26 O vertiginoso influxo de imigrantes provocou um crescimento desordenado da capital nordestina, sem que houvesse, em contrapartida, um maior zelo e cuidado com a infraestrutura urbana. O resultado é previsível: gravíssimos problemas de ordem socioambiental. Veja-se, por exemplo, o desafio da poluição atmosférica, que decorre dos processos de obtenção de energia, das atividades industriais, principalmente aquelas que envolvem combustão, e dos transportes, em que recebem destaque os veículos automotores (...) 27 Numa entrevista à Revista Veja online, o médico patologista do Hospital das Clínicas de São Paulo e pesquisador do Laboratório de Poluição Atmosférica da USP, Dr. Hilário Saldiva, apresenta * Trabalho publicado nos Anais do XIX Encontro Nacional do CONPEDI realizado em Fortaleza - CE nos dias 09, 10, 11 e 12 de Junho de

11 dados estatísticos alarmantes sobre a péssima qualidade de vida do paulistano. Segundo ele, nos dias de maior poluição na cidade de São Paulo, de cada dez pessoas infartadas, uma sofre o ataque por causa da má qualidade do ar. A cada cem casos de câncer de pulmão na capital paulista, oito são por causa da poluição. 28 Em outra entrevista, o Dr. Saldiva obtempera que o mundo sofre atualmente de um grave racismo ambiental, onde, em um mesmo perímetro urbano, existem alterações consideráveis de temperatura, umidade do ar e níveis de poluição atmosférica. As ilhas de vulnerabilidade ambiental estão associadas às ilhas de pobreza. 29 O fato é que os principais problemas ligados à urbanização se verificam em razão da insuficiência do sistema econômico, o qual é incapaz de fornecer trabalho em ritmo compatível com o do crescimento demográfico. Não se olvide que o aumento populacional é inflacionado por levas e levas de imigrantes rurais, muitos dos quais não se encontram qualificados para o trabalho urbano. A consequência é inevitável: aumento do desemprego e o incremento da marginalidade urbana, com a indevida ocupação do solo. É neste contexto que a poluição atmosférica, a poluição sonora, os quilométricos congestionamentos, a falta de áreas verdes e o aumento da temperatura das cidades, seguem como um inevitável efeito da urbanização, atingindo de forma desigual as camadas sociais, pois sofrem as camadas menos privilegiadas. A poluição e o desgaste dos ecossistemas estão provocando desequilíbrios naturais como nunca antes visto, com deletérios reflexos nas grandes cidades e na qualidade de vida do homem urbano. Secas em locais úmidos, enchentes em locais secos, ciclones no Sul do Brasil e o aumento das marés, por exemplo, são reflexos da antagônica relação entre o homem e a natureza. É por isso que a proteção e defesa do meio ambiente ganham destaque cada vez maior. O Direito ao meio ambiente adequado possui, pois, status de direito fundamental, sendo um direito inseparável do próprio direito à vida, decorrendo dessa constatação os fundamentos de sua proteção jurídica. 30 A política urbanística não mais pode olvidar a questão ambiental. Urge que se desenvolva o processo do desenvolvimento sustentável imediatamente, pois as consequências para as futuras gerações podem ser dantescas. Desse modo, a qualidade do meio ambiente tem se tornado o objetivo primordial do urbanismo contemporâneo, consoante lições do mestre Afonso da Silva: * Trabalho publicado nos Anais do XIX Encontro Nacional do CONPEDI realizado em Fortaleza - CE nos dias 09, 10, 11 e 12 de Junho de

12 [...] os planos urbanos, antes preocupados basicamente com o controle do uso do solo, voltam sua atenção hoje, até com certa ênfase, para os recursos naturais urbanos. Água, ar, solo e áreas verdes são componentes da realidade urbana e por ela intensamente consumidos. É especialmente no meio urbano que por primeiro repercute a degradação ambiental. Aí, todas as formas de poluição concorrem para a contaminação do meio: a poluição auditiva, pela excessiva concentração de ruídos de diversas fontes; a poluição visual, pela enorme massa de apelos propagandísticos e publicitários; a poluição atmosférica, proveniente das emissões fabris e domésticas que remetem ao ar toneladas de partículas sólidas, gasosas ou líquidas contaminadas de elementos químicos e tóxicos; a poluição das águas, provinda de lançamento, descarga ou emissão de substâncias líquidas, gasosas ou sólidas que contaminam ou destroem as propriedades físicas, químicas e biológicas da água; a poluição do solo, pelo depósito de resíduos de variada natureza e de diversas fontes, alguns patogênicos e altamente perigosos, como o lixo hospitalar. 31 Para catalisar uma revolução ambiental de amplitude transnacional, faz-se necessária uma mudança em nível micro, na própria consciência dos cidadãos e no posicionamento das políticas urbanísticas municipais. A proteção das áreas verdes assume papel de destaque neste processo. É o que se analisará a seguir. 3.1 Da importância das áreas verdes à luz da função socioambiental das cidades. A configuração urbana orbita em torno da qualidade de vida do ser humano e da proteção ambiental, dois fatores em estreita simbiose. É por isso que desponta com singular magnitude a função social e ambiental das cidades, princípios supremos que devem nortear toda a condução urbanística pelos entes federados, principalmente os municípios. Por função ambiental da cidade entende-se o conjunto de atividades que visam garantir a todos o direito constitucional de desfrutar um meio ambiente equilibrado e sustentável, na busca da sadia e satisfatória qualidade de vida, para a presente e futuras gerações. 32 Preconiza o caput do artigo 182 da Constituição Federal que a política de desenvolvimento urbano deve ordenar a plena realização das funções sociais da cidade e garantir o bem-estar de seus habitantes. A função social da cidade volta-se para a consideração da dignidade da pessoa humana, para a redução da marginalidade, das desigualdades e do bem-estar coletivo devendo atender os interesses da população de ter um meio ambiente sadio e condições dignas de * Trabalho publicado nos Anais do XIX Encontro Nacional do CONPEDI realizado em Fortaleza - CE nos dias 09, 10, 11 e 12 de Junho de

13 vida, portanto, não há como dividir essas funções entre pessoas e grupos pré-estabelecidos, sendo o seu objeto indivisível 33 Repare-se na estreita interdependência entre as duas funções, razão pela qual é preferível falar-se em função socioambiental das cidades. Ao preservar o meio ambiente urbano, indiscutivelmente se combate a própria pobreza. É o caso, por exemplo, da má ocupação do solo, que tem causado inúmeros desastres, tais como a poluição dos mananciais, enchentes e desabamentos de imóveis irregularmente situados em encostas. Ao deslocar pessoas das áreas de risco e construir conjuntos habitacionais, a municipalidade estimula uma política urbanística que preenche, simultaneamente, a função social e ambiental das cidades. Todavia, o que não raro se verifica é a execução de políticas urbanísticas com a retórica da preservação ambiental desconectada de suas implicações sociais. 34 Tais fatos terminam por aumentar as desigualdades socioambientais intra-urbanas, privilegiando os bairros ricos, em detrimento dos cinturões de pobreza, desvirtuando-se a finalidade pública atinente à atuação administrativa. De fato, deve a política urbanística ser norteada pelo desenvolvimento sustentável e pela incessante busca da redução das desigualdades sociais, promovendo o bem-estar social e a dignidade humana. É que os maiores prejudicados do desgaste ambiental provocado por um crescimento urbano desordenado são os mais pobres e miseráveis. Define-se, nessa conjuntura, a importância das áreas verdes, como moduladores ambientais e sociais nas grandes cidades. Modernamente entende-se por área verde todo recorte urbano circundado por vegetação nativa ou não, o qual agrega um complexo de elementos naturais e materiais destinados ao lazer, esporte e entretenimento da população. São também fontes de equilíbrio ambiental e contraponto à paisagem petrificada das cidades. É o caso, por exemplo, de parques e jardins urbanos. Conforme leciona José Afonso da Silva, áreas verdes são aquelas caracterizadas por vegetação contínua, amplamente livre de edificações, ainda que recortada de caminhos, vielas, brinquedos infantis e outros meios de passeios e divertimentos leves, quando tais áreas se destinem ao uso público. 35 São espaços de convivência, de lazer e de integração social, aproximando famílias e membros da comunidade, mediante o desenvolvimento das relações socais. Com a criação * Trabalho publicado nos Anais do XIX Encontro Nacional do CONPEDI realizado em Fortaleza - CE nos dias 09, 10, 11 e 12 de Junho de

14 dessas áreas, [...] as crianças e adultos terão onde se divertir. Nos bairros mais pobres, em que o crescimento se deu de maneira desordenada, não há opções para as crianças se desenvolverem como cidadãos. 36 São de incontestável valia principalmente em épocas como esta em que as pessoas pulverizam a comunicação e o relacionamento real no distanciamento e anonimato das redes de amizades virtuais. Como pondera Sirvinkas, os espaços verdes, na antiguidade, tinham por destino o lazer da elite, ou seja, dos imperadores e sacerdotes. Na Grécia, tornaram-se pontos de encontro e digressão filosófica. Na Idade Média, estes espaços foram profundamente degradados com o crescimento das cidades. Com a Revolução Industrial, os espaços verdes deixaram de ter função apenas de lazer, passando a ser uma necessidade urbanística, de higiene, de recreação e de preservação do meio ambiente urbano. 37 Com a palavra, uma vez mais, o mestre Afonso da Silva: A cidade industrial moderna, com seu cortejo de problemas, colocou a exigência de áreas verdes, parques e jardins como elemento urbanístico, não mais destinados apenas a ornamentação urbana, mas como uma necessidade higiênica, de recreação e até de defesa e recuperação do meio ambiente em face da degradação de agente poluidores. 38 Repare-se a importância urbanística das áreas verdes. Não exercem apenas função ornamental e social, a sua função primária também se liga diretamente à própria salubridade do ambiente urbano, o qual se acha infestado por uma série de problemas ambientais, que vão da poluição atmosférica à fluvial, do efeito estufa à má ocupação do solo urbano. O excesso de áreas livres, sobremaneira de áreas verdes, é desejável, como garantia de ambiente saudável de vida, [...]. A prática vem revelando que nunca é demais contar a cidade com cada vez mais crescente quantidade de áreas livres. Elas não saturam. 39 É por isso que o regime jurídico das áreas verdes não se restringe apenas a espaços públicos, mas contempla espaços privados também. De fato, a legislação urbanística poderá impor aos particulares a obrigação de preservar áreas verdes privadas, ou mesmo impor a formação dessas áreas em imóveis privados, ainda que permaneçam com sua destinação ao uso dos próprios proprietários. Ressalte-se: as áreas verdes não têm função meramente ligada ao entretenimento, mas acima de tudo ajudam a manter o equilíbrio ambiental urbano finalidade que tanto se prestam os bens públicos como os privados. 40 * Trabalho publicado nos Anais do XIX Encontro Nacional do CONPEDI realizado em Fortaleza - CE nos dias 09, 10, 11 e 12 de Junho de

15 Todavia, a crise ambiental vivenciada no meio urbano, traduzida principalmente em poluição atmosférica e insuportáveis ondas de calor, provocou uma mudança de paradigma: os próprios loteadores já absorveram a ideia de destinar parte do imóvel para fins ecológicos, uma vez que tal atitude é apta a valorizar o empreendimento. É neste sentido que pondera o jurista Maurício da Silva: [...] o loteador é o maior interessado em qualificar ambientalmente o empreendimento. A valorização dos imóveis é facilmente compreendida quando estão localizados em locais ambientalmente saudáveis, próximos de praças, equipadas com quadras e equipamentos para a prática de esportes, ou até mesmo de mata nativa residualmente existente. A sociedade já assimilou a importância da vida ambientalmente saudável, haja vista que loteadores divulgam o empreendimento incluindo os benefícios de um exemplar local de lazer na região. A exigência de espaços livres de uso público, além de compensar a degradação ambiental gerada, valoriza o imóvel, vez que a sadia qualidade de vida agrega valor ao produto, que, no caso, são os lotes urbanizados e próximos das áreas de lazer a serem usufruídas pela sociedade. 41 O fato é que nunca se deu tanta importância às áreas verdes como se dá hoje. Registrem-se as conclusões do Guia de Planejamento e Manejo da Arborização Urbana emitido pelo Governo do Estado de São Paulo e outros: Uma árvore isolada pode transpirar, em média, 400 litros de água por dia, produzindo um efeito refrescante equivalente a 5 condicionadores de ar com capacidade de kcal cada, funcionando 20 horas por dia. A arborização ainda contribui agindo sobre o lado físico e mental do homem, atenuando o sentimento de opressão frente às grandes edificações. Constitui-se em eficaz filtro de ar e de ruídos, exercendo ação purificadora por fixação de poeira, partículas residuais e gases tóxicos, proporcionando a depuração de microorganismos e a reciclagem do ar através da fotossíntese. Exerce ainda influência no balanço hídrico, atenua a temperatura e luminosidade, amortiza o impacto das chuvas além de servir de abrigo à fauna. 42 Em suma, estes oásis ecológicos possuem inúmeras funções: geram frondosas sombras e diminuem a temperatura e luminosidade da área em seu entorno; atuam como um poderoso filtro, retendo poeiras, resíduos e gases tóxicos, e devolvem à natureza o gás oxigênio. Além disso, as árvores evitam a erosão do solo e o deslizamento de terras nas encostas dos morros, ajudando a prevenir inúmeros desastres em quadras chuvosas. Moderam o nível de ruídos e abrigam a fauna, principalmente os pássaros. * Trabalho publicado nos Anais do XIX Encontro Nacional do CONPEDI realizado em Fortaleza - CE nos dias 09, 10, 11 e 12 de Junho de

16 Por sua singular importância no cumprimento da função socioambiental das cidades, as áreas verdes merecem uma atenção e cuidado cada vez maior. Derrubar árvores e destinar tais áreas a qualquer outra finalidade, mesmo que seja de natureza pública, é talvez o maior crime que a municipalidade pode cometer contra a geração presente e as futuras. Afinal de contas, a qualidade de vida dos moradores urbanos depende fundamentalmente dos recursos da natureza, e muito em particular das terras, águas e das florestas que circundam as grandes e as pequenas cidades Da impossibilidade de desafetação de áreas verdes incorporadas ao patrimônio municipal por força de aprovação de loteamento. Tendo sido demonstrada a essencial importância das áreas verdes no equilíbrio e harmonia socioambiental do ambiente urbano, considera-se, neste tópico, a posição do ente municipal ante a conservação e manutenção de áreas verdes oriundas de loteamentos. O Poder Público assume função ímpar na tutela do meio ambiente, pois assume as funções de gestor qualificado: legisla, executa, julga, vigia, defende, impõe sanções; enfim pratica todos os atos que são necessários para atingir os objetivos sociais, no escopo e nos limites de um Estado de Direito. 44 O conteúdo do princípio da moralidade administrativa, intrínseco à Administração Pública por expresso registro no artigo 37 da Constituição Federal, não se limita apenas à malversação dos recursos do erário. Na execução do plano diretor e das políticas urbanísticas, ao destruir as áreas verdes e fomentar uma política desenvolvimentista predatória, age o poder público em franca violação aos princípios da proporcionalidade e da moralidade administrativa. Com a palavra, o jurista Édis Milaré: Na vida pública e no exercício da política há uma forma sutil de imoralidade (ou falta de ética), que é o abuso do poder, seja para restringir, seja para favorecer. Isto parece soar muito distante da questão ambiental, porém o meio ambiente é uma das vítimas mais insuspeitas e, ao mesmo tempo, menos percebidas dessa desvirtuação.[...] É assaz freqüente no serviço público a aplicação do perigoso aforismo: Para os amigos tudo, para os inimigos a lei. 45 A Lei do Parcelamento do Solo Urbano exige do loteador a transferência compulsória de áreas verdes ao patrimônio municipal. 46 Por quê? Por considerar o ente público mais habilitado à defesa do interesse coletivo de preservar e manter tais áreas verdes. Esta é a finalidade da lei: proteger áreas verdes a fim de garantir a qualidade de vida dos * Trabalho publicado nos Anais do XIX Encontro Nacional do CONPEDI realizado em Fortaleza - CE nos dias 09, 10, 11 e 12 de Junho de

17 cidadãos. O mesmo se diga com relação ao plano diretor, com as novas diretrizes do Estatuto das Cidades. Ambos os diplomas são juridicamente eficientes quanto à preservação dos poucos espaços verdes existentes nos grandes centros urbanos. 47 Quando a municipalidade desvia-se da finalidade legal, comete grave dano, indo de encontro ao princípio da legalidade. Repare-se no conteúdo do art. 17 da Lei Federal n /79: Art. 17. Os espaços livres de uso comum, as vias e praças, as áreas destinadas a edifícios públicos e outros equipamentos urbanos, constantes do projeto e do memorial descritivo, não poderão ter sua destinação alterada pelo loteador, desde a aprovação do loteamento, salvo as hipóteses de caducidade da licença ou desistência do loteador, sendo, neste caso, observadas as exigências do Art. 23 desta Lei. Segundo Paulo Affonso L. Machado, o referido artigo 17, ao vedar expressamente ao loteador a disposição sobre as áreas livres e demais constantes no loteamento aprovado, também vedou, de forma implícita, a livre disposição destes bens pelo Município. 48 De fato, não obstante a referida norma jurídica se dirija expressamente ao loteador, a sua interpretação teleológica conduz à ilação de que a atuação do município encontra-se limitada. É inaceitável que a administração, cujo dever primordial é o de fiscalizar a aplicação da norma, torne-se a primeira a violá-la. Dessa maneira, antevendo a lei os deletérios efeitos da malversação das áreas verdes por particulares e, por igual, o óbvio malefício ao interesse público, institucionalizou parte do loteamento, convertendo-o em bem público de uso comum do povo, sob tutela e proteção municipal. Tais áreas foram gravadas com destinação específica, qual seja, a de promover a consecução das metas socioambientais das cidades. Conclui-se, assim, que é defeso ao ente municipal alterar levianamente a destinação de tais áreas, ainda que por lei específica. Nesse sentido leciona Lúcia Valle Figueiredo: Assim sendo, é dever do Município o respeito a essa destinação, não lhe cabendo das às áreas que, por força da inscrição do loteamento no Registro de Imóveis, passaram a integrar o patrimônio municipal qualquer outra utilidade. Não se insere, pois, na competência discricionária da Administração resolver qual a melhor finalidade a ser dada a estas ruas, praças, etc. A destinação já foi preliminarmente determinada. 49 Realmente é de todo insensato imaginar que as áreas verdes, repassadas compulsoriamente ao patrimônio municipal quando do registro de loteamentos, pudessem ser * Trabalho publicado nos Anais do XIX Encontro Nacional do CONPEDI realizado em Fortaleza - CE nos dias 09, 10, 11 e 12 de Junho de

18 livremente negociadas pelo município. Tais espaços são bens públicos da mais alta importância, pois cumprem a função socioambiental das cidades. Trata-se de uma compensação ecológica urbana pelo impacto ambiental gerado pela especulação imobiliária. O Poder Público municipal, ao promover a desafetação das referidas áreas verdes, sob qualquer pretexto, mesmo pelo suposto interesse público, age em total desconformidade com a legalidade e a moralidade administrativa, além de falhar em sua missão constitucional de defender o meio ambiente, estampado no artigo 225 da CF/88. Portanto, não pode o município dispor desses espaços, porque senão estaria se transformando em Municípioloteador através de verdadeiro confisco de áreas, pois receberia as áreas para uma finalidade e, depois, a seu talante as destinaria para outros fins. 50 Assim, quando o art. 100 do Código Civil Brasileiro estampa que os bens públicos podem perder a inalienabilidade nos casos e na forma que a lei estabelecer a alienação ou o comércio dos bens públicos só pode ser entendida corretamente se se levar em conta a diferenciação feita pelo art. 99 do próprio CC. Essa diferenciação está assentada fundamentalmente na destinação dos bens. 51 Como alienar o mar, os rios, as estradas e as praças (art. 99, I, do CC), enquanto estiverem sendo utilizados pelo povo, sem contrariar a própria natureza desses bens de uso comum? 52 Colaciona-se o posicionamento de Toshio Mukai: enquanto tal destinação de fato se mantiver, não pode a lei efetivar a desafetação sob pena de cometer lesão ao patrimônio público da comunidade, [...] se a simples desafetação legal fosse suficiente para a alienação dos bens de uso comum do povo, seria possível, em tese, a transformação em bens dominiais de todas as ruas, praças, vielas, áreas verdes, etc. de um município e, portanto, de seu território público todo, com a conseqüente alienação (possível) do mesmo, o que, evidentemente, seria contra toda a lógica jurídica, sendo mesmo disparate que ninguém, em sã consciência, poderia admitir. Na prática, difícil é encontrar-se o mau administrador ou o mau legislador agindo com tal clareza no desvirtuamento dos bens de uso comum do povo: o grande perigo é a ação a longo prazo hoje uma praça, amanhã um espaço livre, depois de algum tempo outra praça, finalizando-se por empobrecer totalmente a comunidade. 53 No tocante às áreas verdes incorporadas ao domínio público municipal por força de loteamentos, trata-se de patrimônio comunitário de valor inestimável. Sua desafetação e posterior negociação é de todo desarrazoada; é ilegal. Acima de tudo, vai de encontro aos nobres princípios constitucionais que tutelam o meio ambiente e as políticas urbanas, sendo um grave retrocesso na efetivação dos direitos fundamentais de natureza difusa. * Trabalho publicado nos Anais do XIX Encontro Nacional do CONPEDI realizado em Fortaleza - CE nos dias 09, 10, 11 e 12 de Junho de

19 O ente municipal deve zelar pelas áreas verdes instituídas em projetos de loteamento. Não pode desviar a destinação socioambiental desses espaços públicos de uso comum do povo. Portanto, o Município não pode alienar, doar, dar em comodato, emprestar a particulares ou a entes públicos as áreas verdes e as praças. 54 Lúcidas são as considerações do Ministro Adhemar Maciel em julgamento do STJ sobre o tópico: o objetivo da norma jurídica é vedar ao incorporador a alteração das áreas destinadas à comunidade. Portanto, não faz sentido, exceto em casos especialíssimos, possibilitar à Administração fazê-lo. No caso concreto, as áreas foram postas sob a tutela da Administração municipal, não com o propósito de confisco, mas como forma de salvaguardar o interesse dos administrados, em face de possíveis interesses especulativos dos incorporadores. Ademais, a importância do patrimônio público deve ser aferida em razão da sua destinação. Assim, os bens de uso comum do povo possuem função "ut universi". Constituem um patrimônio social comunitário, um acervo colocado à disposição de todos. Nesse sentido, a desafetação desse patrimônio prejudicaria toda uma comunidade de pessoas, indeterminadas e indefinidas, diminuindo a qualidade de vida do grupo. Não me parece razoável que a própria Administração diminua sensivelmente o patrimônio social da comunidade. Incorre em falácia pensar que a Administração onipotentemente possa fazer, sob a capa da discricionariedade, atos vedados ao particular, se a própria lei impõe a tutela desses interesses. 55 Não obstante, muitos municípios brasileiros, à míngua da legalidade e da moralidade administrativa, favorecem a degradação do meio ambiente natural urbano. De fato, é muito frequente que os entes municipais, ao legislarem em tema de meio ambiente, procurem diminuir o rigor do legislador federal ou estadual e, com isso, ampliar ou facilitar o exercício de atividades potencialmente degradadoras do meio ambiente em seus territórios. 56 Desta feita, a administração pública municipal, arvorando-se na titularidade do domínio sobre estas áreas verdes, arbitrariamente concede direito de uso a terceiros. Como pondera Paulo Machado, violam as finalidades públicas primárias desses espaços a construção de estacionamento de veículos, autorizações para implantação de bancas de jornais, cabinas telefônicas e bares, ou a autorização de painéis ou de parques de diversões, mesmo que em caráter temporário 57. Por vezes, o ente municipal ainda altera a destinação dessas áreas verdes por meio de leis municipais, a fim de converter estes bens públicos de uso comum do povo em bens dominicais, alegando um dissimulado interesse público, o qual não passa de um pretexto para a perpetração de atos lesivos ao patrimônio natural e comunitário urbano. Destituídas de sua destinação pública, as áreas verdes, fontes maiores do equilíbrio psíquico, social e ambiental urbano, são negociadas como se fossem um imóvel qualquer. O prejuízo socioambiental segue-se inexoravelmente. Agindo de maneira leviana e corriqueira, a municipalidade * Trabalho publicado nos Anais do XIX Encontro Nacional do CONPEDI realizado em Fortaleza - CE nos dias 09, 10, 11 e 12 de Junho de

20 descura-se de sua missão constitucional e legal de preservar esses espaços verdes. Ao invés disto, torna-se o maior algoz do meio ambiente, configurando-se nítido desvio de finalidade. Felizmente, tamanha irresponsabilidade administrativa vendo sendo rechaçada por nossos tribunais, os quais reiteradamente vêm declarando a inconstitucionalidade dessas normas municipais. Confira-se: AÇÃO CIVIL PÚBLICA. ÁREA VERDE. DESAFETAÇÃO. LOTEAMENTO. LIMINAR. LEI DE EFEITO CONCRETO. CONTROLE. 1. A vedação legal de concessão de tutela antecipada contra o Poder Público deve ser interpretada restritivamente. Precedentes do STJ. Hipótese em que a liminar deferida assegura a integridade de área verde desafetada. 2. A lei que desafeta área verde incorporada ao patrimônio municipal por ocasião da implementação de loteamento é lei de efeito concreto que pode ser objeto de controle via ação civil pública. 3. Prima facie, o Município não tem autonomia para desafetar área verde destinada em loteamento em cumprimento à Lei nº 6.766/79, ainda que incorporada ao patrimônio público. Recurso desprovido. (TJ-RS, AI , 22. C. Cív., Rel. Des. Maria Isabel de Azevedo Souza, julgado em ) 58 AGRAVO DE INSTRUMENTO. DIREITO PÚBLICO NÃO ESPECIFICADO. DIREITO AMBIENTAL. AÇÃO CIVIL PÚBLICA. DESAFETAÇÃO DE BEM PÚBLICO. ÁREA VERDE. LOTEAMENTO. Verossimilhança da alegação de impossibilidade de desafetação de bem público de uso comum do povo, afetada com finalidade específica, incorporado ao domínio do município, para transferência de áreas verdes a particulares em face de loteamento popular. Riscos de danos irreparáveis para o meio ambiente urbano. Inteligência dos artigos 4º, inciso I, 17 e 22, da Lei nº 6.766/79, artigos 191 e seguintes da Lei Estadual nº /00, da Lei nº /01, que regulamenta os arts. 182 e 183 da Constituição Federal, e artigos 99, inciso I, e 100, do Código Civil. DECISÃO REFORMADA. AGRAVO DE INSTRUMENTO PROVIDO. (TJ-RS, AI , 3. C. Cív., Rel. Des. Paulo de Tarso Vieira Sanseverino, julgado em ) 59 PROCESSUAL CIVIL. ADMINISTRATIVO. ÁREA DESTINADA AO USO COMUM DO POVO. DESAFETAÇÃO. SÚMULA 7/STJ. 1. Concluindo o Tribunal a quo, com base nas provas dos autos, a ocorrência de desvio de finalidade do ato impugnado e de possíveis danos ambientais em consequência da desafetação do bem público, impossível, em sede de recurso especial, proceder o reexame desta questão. 2. Por força do verbete sumular 7/STJ, cabe às instâncias ordinárias o exame da matéria fática, reexame vedado em sede de Recurso Especial. 3. Recurso não conhecido. (STJ, REsp /SP, Rel. Ministro João Otávio de Noronha, 2.T., julgado em ) 60 Neste raciocínio, somente se admite uma modalidade de desafetação de áreas verdes vertidas à municipalidade por força de loteamentos. É a desafetação tácita, ou seja, aquela que ocorre quando um fato jurídico destitui um bem público de sua destinação. Tome-se, por exemplo, a hipótese de um incêndio provocado por um raio, que destrói completamente uma área verde. Apenas em situações extraordinárias como esta, poderia o município convertê-la, por lei, em bens dominiais, pois o próprio evento natural retirou do bem a sua destinação pública. * Trabalho publicado nos Anais do XIX Encontro Nacional do CONPEDI realizado em Fortaleza - CE nos dias 09, 10, 11 e 12 de Junho de

DO CRITÉRIO DA AUTORIDADE COMPETENTE NA AVERBAÇÃO DA RESERVA LEGAL

DO CRITÉRIO DA AUTORIDADE COMPETENTE NA AVERBAÇÃO DA RESERVA LEGAL DO CRITÉRIO DA AUTORIDADE COMPETENTE NA AVERBAÇÃO DA RESERVA LEGAL RODRIGO ANDREOTTI MUSETTI I-) INTRODUÇAO. A exploração de florestas de domínio privado (não sujeitas ao regime de utilização limitada

Leia mais

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS Considerando a ratificação do Pacto Internacional de Direitos Econômicos, Sociais e Culturais, que reconhece o direito de todos a um adequado nível de vida, incluindo alimentação adequada,

Leia mais

INTRODUÇÃO AO DIREITO AMBIENTAL

INTRODUÇÃO AO DIREITO AMBIENTAL INTRODUÇÃO AO DIREITO AMBIENTAL 1. NOMENCLATURA DA DISCIPLINA JURÍDICA Direito ambiental, direito do meio ambiente, direito do desenvolvimento sustentável, direito verde, direito ecológico, direito de

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: DIREITO FUNDAMENTAL AO SER HUMANO

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: DIREITO FUNDAMENTAL AO SER HUMANO 1 DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: DIREITO FUNDAMENTAL AO SER RESUMO HUMANO Luísa Arnold 1 Trata-se de uma apresentação sobre a preocupação que o homem adquiriu nas últimas décadas em conciliar o desenvolvimento

Leia mais

PARCELAMENTO E USO DE SOLOS NO INSTITUTO DA POSSE. Estefânia Prezutti Denardi Enga. Florestal, consultora ambiental, formanda em Direito.

PARCELAMENTO E USO DE SOLOS NO INSTITUTO DA POSSE. Estefânia Prezutti Denardi Enga. Florestal, consultora ambiental, formanda em Direito. PARCELAMENTO E USO DE SOLOS NO INSTITUTO DA POSSE Estefânia Prezutti Denardi Enga. Florestal, consultora ambiental, formanda em Direito. A Posse é um Instrumento Jurídico tratado no Código Civil Brasileiro

Leia mais

Parcelamento do Solo. Projeto de Loteamentos

Parcelamento do Solo. Projeto de Loteamentos Introdução Parcelamento do Solo Projeto de Loteamentos Prof. Mário Barreiros O parcelamento e a estruturação da cidade O parcelamento do solo é o principal instrumento de estruturação do espaço urbano

Leia mais

Disciplina EQW-010. INDÚSTRIA E MEIO AMBIENTE Prof. Denize Dias de Carvalho (denize@eq.ufrj.br) sala E-203 Tel: 2562-7564

Disciplina EQW-010. INDÚSTRIA E MEIO AMBIENTE Prof. Denize Dias de Carvalho (denize@eq.ufrj.br) sala E-203 Tel: 2562-7564 Disciplina EQW-010 INDÚSTRIA E MEIO AMBIENTE Prof. Denize Dias de Carvalho (denize@eq.ufrj.br) sala E-203 Tel: 2562-7564 Prof. Lídia Yokoyama (lidia@eq.ufrj.br) sala E-206 Tel:2562-7560 CONCEITOS - DEFINIÇÕES

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Fixa normas para a cooperação entre a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios, nas ações administrativas decorrentes do exercício da competência comum relativas

Leia mais

PARECER Nº, DE 2013. RELATOR: Senador ARMANDO MONTEIRO

PARECER Nº, DE 2013. RELATOR: Senador ARMANDO MONTEIRO PARECER Nº, DE 2013 Da COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 368, de 2012, da Senadora Ana Amélia, que altera a Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012, para dispor

Leia mais

Comissão de Direito Imobiliário e Urbanístico da OAB/SP. Loteamentos Fechados Temas Polêmicos e Atuais

Comissão de Direito Imobiliário e Urbanístico da OAB/SP. Loteamentos Fechados Temas Polêmicos e Atuais Comissão de Direito Imobiliário e Urbanístico da OAB/SP Loteamentos Fechados Temas Polêmicos e Atuais Painel I Parcelamento do Solo Conceitos e Aspectos Legais 20 de junho de 2006 1 Loteamento art. 2º,

Leia mais

CAPÍTULO 13 VULNERABILIDADE URBANA

CAPÍTULO 13 VULNERABILIDADE URBANA CAPÍTULO 13 VULNERABILIDADE URBANA. É possível homem e natureza estarem ocupando o mesmo lugar, apesar de atravancar o progresso? A comodidade da vida nas cidades urbanas é mais vantajosa do que a própria

Leia mais

REFLEXOS NO REGISTRO DE IMÓVEIS DO NOVO CÓDIGO FLORESTAL

REFLEXOS NO REGISTRO DE IMÓVEIS DO NOVO CÓDIGO FLORESTAL REFLEXOS NO REGISTRO DE IMÓVEIS DO NOVO CÓDIGO FLORESTAL Maria Aparecida Bianchin Pacheco Registradora de Imóveis de Poxoréu-MT Recentemente a Câmara Federal disponibilizou o texto contendo a redação final

Leia mais

Regularização Fundiária. Rosane Tierno 02 julho -2011

Regularização Fundiária. Rosane Tierno 02 julho -2011 Regularização Fundiária Rosane Tierno 02 julho -2011 Parte I - Informalidade fundiária Imagem interna de um cortiço Regularização Fundiária Por que?? INFORMALIDADE FUNDIÁRIA URBANA MUNICÍPIOS POR FAIXA

Leia mais

A Ocupação do Sítio Urbano de São Paulo: implicações de ordem socioeconômica, espacial e ambiental. Plano de Aula

A Ocupação do Sítio Urbano de São Paulo: implicações de ordem socioeconômica, espacial e ambiental. Plano de Aula A Ocupação do Sítio Urbano de São Paulo: implicações de ordem socioeconômica, espacial e ambiental. Plano de Aula Urbanização em São Paulo Brasil Crise no Campo Estrutura Fundiária Mecanização Questões

Leia mais

A FUNÇÃO SOCIAL DA PROPRIEDADE E SUAS IMPLICAÇÕES NO DIREITO BRASILEIRO.

A FUNÇÃO SOCIAL DA PROPRIEDADE E SUAS IMPLICAÇÕES NO DIREITO BRASILEIRO. A FUNÇÃO SOCIAL DA PROPRIEDADE E SUAS IMPLICAÇÕES NO DIREITO BRASILEIRO. 1 AS SANÇÕES APLICÁVEIS NO CASO DE SOLO NÃO EDIFICADO, SUBUTILIZADO, OU NÃO UTILIZADO. Gina Copola (outubro de 2.012) I Tema atual

Leia mais

INTERVENÇÃO DO ESTADO NA PROPRIEDADE

INTERVENÇÃO DO ESTADO NA PROPRIEDADE OAB - EXTENSIVO Disciplina: Direito Administrativo Prof. Flávia Cristina Data: 07/10/2009 Aula nº. 04 INTERVENÇÃO DO ESTADO NA PROPRIEDADE 1. Modalidades a) Requisição b) Servidão c) Ocupação Temporária

Leia mais

CURSO DE RESOLUÇÃO DE QUESTÕES JURÍDICAS Disciplina: Direito Ambiental Prof. Fabiano Melo Data:23/06 Aula nº 02 MATERIAL DE APOIO PROFESSOR

CURSO DE RESOLUÇÃO DE QUESTÕES JURÍDICAS Disciplina: Direito Ambiental Prof. Fabiano Melo Data:23/06 Aula nº 02 MATERIAL DE APOIO PROFESSOR CURSO DE RESOLUÇÃO DE QUESTÕES JURÍDICAS Disciplina: Direito Ambiental Prof. Fabiano Melo Data:23/06 Aula nº 02 MATERIAL DE APOIO PROFESSOR (Promotor de Justiça SP/2010) 01. Na ação de responsabilidade

Leia mais

PLANO DIRETOR DECENAL DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO. LEI COMPLEMENTAR N 16, de 4 de junho de 1992

PLANO DIRETOR DECENAL DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO. LEI COMPLEMENTAR N 16, de 4 de junho de 1992 Um plano e novas definições Em 1992, foi publicado na forma de lei complementar o Plano Decenal da Cidade do Rio de Janeiro. Estabeleciam-se então as normas para a política urbana de nossa cidade que deveriam

Leia mais

Declaração da Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente

Declaração da Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente Declaração da Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente A Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente; Tendo-se reunido em Estocolmo de 5 a 16 de junho de 1972; Tendo considerado a necessidade

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br Direito Ambiental Internacional e Interno: Aspectos de sua Evolução Publicado na Gazeta Mercantil em 12 de dezembro de 2002 Paulo de Bessa Antunes Advogado Dannemann Siemsen Meio

Leia mais

Unidade I DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES. Prof. Luís Fernando Xavier Soares de Mello

Unidade I DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES. Prof. Luís Fernando Xavier Soares de Mello Unidade I DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES Prof. Luís Fernando Xavier Soares de Mello Direito nas organizações Promover uma visão jurídica global do Sistema Tributário Nacional, contribuindo para a formação do

Leia mais

MUNICÍPIOS E LICENCIAMENTO AMBIENTAL

MUNICÍPIOS E LICENCIAMENTO AMBIENTAL MUNICÍPIOS E LICENCIAMENTO AMBIENTAL SUELY MARA VAZ GUIMARÃES DE ARAÚJO Consultora Legislativa da Área XI Meio ambiente e direito ambiental, desenvolvimento urbano e interior OUTUBRO/2015 Suely Mara Vaz

Leia mais

CURSO REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA. Tratamento Constitucional da Política Urbana: Estatuto da Cidade; Regularização Fundiária e o Papel do Plano Diretor.

CURSO REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA. Tratamento Constitucional da Política Urbana: Estatuto da Cidade; Regularização Fundiária e o Papel do Plano Diretor. CURSO REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA Tratamento Constitucional da Política Urbana: Estatuto da Cidade; Regularização Fundiária e o Papel do Plano Diretor. INSTITUTO PÓLIS 2009 Heliópolis São Paulo Estatuto da

Leia mais

APRESENTAÇÃO. 1 E não é à toa. Na zona do Euro, por exemplo, em 2002, as despesas públicas com serviços de

APRESENTAÇÃO. 1 E não é à toa. Na zona do Euro, por exemplo, em 2002, as despesas públicas com serviços de APRESENTAÇÃO A Conferência Mundial sobre Direitos Humanos afirma que a pobreza extrema e a exclusão social constituem uma violação da dignidade humana e que devem ser tomadas medidas urgentes para se ter

Leia mais

Déficit habitacional é a principal preocupação da política urbana

Déficit habitacional é a principal preocupação da política urbana Página 1 de 5 Busca Déficit habitacional é a principal preocupação da política urbana O Estatuto da Cidade prevê a criação de planos pilotos para o desenvolvimento de cidades e municípios. Para tornar

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL RECOMENDAÇÃO Nº 01, de 31 de março de 2009 1. O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, pela Procuradora da República que esta subscreve, no uso das suas atribuições constitucionais e legais: 2. Considerando que,

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo Registro: 2011.0000154119 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 9144977-64.2002.8.26.0000, da Comarca de Mairiporã, em que são

Leia mais

O homem e o meio ambiente urbano. Paulo Saldiva

O homem e o meio ambiente urbano. Paulo Saldiva 1 O homem e o meio ambiente urbano Paulo Saldiva AMeio ambiente e saúde: o desafio das metrópoles s cidades sempre representaram polos de atração para o homem. A escalada cultural da Humanidade, a consolidação

Leia mais

Validação dos tratados internacionais ambientais no ordenamento jurídico brasileiro

Validação dos tratados internacionais ambientais no ordenamento jurídico brasileiro Validação dos tratados internacionais ambientais no ordenamento jurídico brasileiro Semana de Produção e Consumo Sustentável Mauricio Pellegrino de Souza FIEMG Convenção de Viena 1969 Direito dos Tratados

Leia mais

CURSO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL ROBERTO DOS SANTOS FLAUSINO GESTÃO AMBIENTAL PORTUÁRIA

CURSO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL ROBERTO DOS SANTOS FLAUSINO GESTÃO AMBIENTAL PORTUÁRIA CURSO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL ROBERTO DOS SANTOS FLAUSINO GESTÃO AMBIENTAL PORTUÁRIA SANTOS 2005 ÍNDICE 01.Introdução...3 02. Gestão Ambiental Portuária...6 03. Referências Bibliográficas...12 2 01. INTRODUÇÃO

Leia mais

UTILIZAÇÃO PARTICULAR DE BEM PÚBLICO

UTILIZAÇÃO PARTICULAR DE BEM PÚBLICO UTILIZAÇÃO PARTICULAR DE BEM PÚBLICO Autoria: Sidnei Di Bacco Advogado Particular pode utilizar, com exclusividade, loja pertencente à prefeitura municipal localizada no terminal rodoviário? Há necessidade

Leia mais

NOSSO PLANETA. O planeta Terra se caracteriza por uma história evolutiva complexa:

NOSSO PLANETA. O planeta Terra se caracteriza por uma história evolutiva complexa: NOSSO PLANETA O planeta Terra se caracteriza por uma história evolutiva complexa: Interações entre atmosfera, terra sólida, oceanos e a biosfera resultaram no desenvolvimento de uma grande e complexa variedade

Leia mais

Coordenação Geral de Vigilância em Saúde Ambiental (CGVAM )

Coordenação Geral de Vigilância em Saúde Ambiental (CGVAM ) Coordenação Geral de Vigilância em Saúde Ambiental (CGVAM ) LÍDERES Curso Internacional sobre Saúde, Desastres e Desenvolvimento Brasília DF 26 de novembro a 07 de dezembro de 2007 Ministério da Saúde

Leia mais

14º Congresso Brasileiro de Direito Ambiental do Instituto O Direito por um planeta verde

14º Congresso Brasileiro de Direito Ambiental do Instituto O Direito por um planeta verde 14º Congresso Brasileiro de Direito Ambiental do Instituto O Direito por um planeta verde O licenciamento ambiental e o licenciamento urbanístico no Projeto de Lei nº 3.057/2000 Lei de responsabilidade

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br A responsabilidade administrativa no Direito Ambiental por Carolina Yassim Saddi * Uma data que merece reflexão foi comemorada no dia 5 de junho do corrente ano: Dia Mundial do Meio

Leia mais

18º Encontro Nacional da ANAMMA

18º Encontro Nacional da ANAMMA 18º Encontro Nacional da ANAMMA Os efeitos do PL de parcelamento do solo no meio ambiente e a gestão de APPs urbanas Cynthia Cardoso Goiânia, agosto/2008 Planejamento? Na perspectiva de planejamento qual

Leia mais

PROMOTORIA DE JUSTIÇA DA COMARCA DE SANTO ANTONIO DO DESCOBERTO/GOIÁS

PROMOTORIA DE JUSTIÇA DA COMARCA DE SANTO ANTONIO DO DESCOBERTO/GOIÁS RECOMENDAÇÃO EXPEDIDA PELO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE GOIÁS A RESPEITO DA ILEGALIDADE DA IMPLANTAÇÃO DE CHÁCARAS E SÍTIOS DE RECREIO NA ZONA RURAL Santo Antônio do Descoberto 26, de agosto de 2013.

Leia mais

Comparação entre lei 4771 e PL relatado pelo Dep.Aldo Rebelo preparado por Zeze Zakia Versão preliminar ( APP)

Comparação entre lei 4771 e PL relatado pelo Dep.Aldo Rebelo preparado por Zeze Zakia Versão preliminar ( APP) Lei 4771 versão em vigor II área de preservação permanente: área protegida nos termos dos arts. 2 o e 3 o desta Lei, coberta ou não por vegetação nativa, com a função ambiental de preservar os recursos

Leia mais

Tema 6: Proteção do Direito à Moradia nos Conflitos Fundiários Urbanos

Tema 6: Proteção do Direito à Moradia nos Conflitos Fundiários Urbanos Tema 6: Proteção do Direito à Moradia nos Conflitos Fundiários Urbanos CONFLITOS FUNDIÁRIOS URBANOS: O DILEMA DO DIREITO A MORADIA EM ÁREAS DE PRESERVAÇÃO AMBIENTAL Ana Maria Filgueira Ramalho aramalho@hotlink.com.br,

Leia mais

A Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012 e as competências florestais dos entes públicos Roberta Rubim del Giudice ÍNDICE

A Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012 e as competências florestais dos entes públicos Roberta Rubim del Giudice ÍNDICE Estrada Dona Castorina, 124 Jardim Botânico Rio de Janeiro RJ CEP: 22460-320 Tel.: 21 35964006 A Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012 e as competências florestais dos entes públicos Roberta Rubim del Giudice

Leia mais

PLANEJAMENTO URBANO: IMPORTANCIA DO ZONEMAMENTO

PLANEJAMENTO URBANO: IMPORTANCIA DO ZONEMAMENTO PLANEJAMENTO URBANO: IMPORTANCIA DO ZONEMAMENTO Maria José Pimentel da Paixão (*), Carla Patricia Marrafon Aiala. * Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Pará, IFPA, e-mail: ambiental.paixao@hotmail.com.

Leia mais

REGISTRO DE LOTEAMENTO / DESMEMBRAMENTO

REGISTRO DE LOTEAMENTO / DESMEMBRAMENTO REGISTRO DE LOTEAMENTO / DESMEMBRAMENTO (Lei 6.766/79 alterada pela Lei 9.785/99 e Lei Estadual 7.943/2004) Lei 6.766/1979 - Art. 2º.: 1º - Considera-se loteamento a subdivisão de gleba em lotes destinados

Leia mais

LEI MUNICIPAL N.º 2.690, DE 21 DE MAIO 2002

LEI MUNICIPAL N.º 2.690, DE 21 DE MAIO 2002 Dispõe sobre a Política Municipal do Meio Ambiente, e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE FARROUPILHA RS, FAZ SABER que a Câmara Municipal de Vereadores aprovou e ele sanciona a seguinte L

Leia mais

PREFEITURA DE SÃO LUIS SECRETARIA MUNICIPAL DE URBANISMO E HABITAÇÃO SEMURH

PREFEITURA DE SÃO LUIS SECRETARIA MUNICIPAL DE URBANISMO E HABITAÇÃO SEMURH Projeto de Lei nº, de de de Institui o primeiro plano municipal de incentivo à construção civil, e dá outras providências. O PREFEITO DE SÃO LUÍS, Capital do Estado do Maranhão Faço saber a todos os seus

Leia mais

DIREITO DE ESCOLHA A TRATAMENTO MÉDICO ISENTO DE SANGUE, POR RAZÕES DE CONSCIÊNCIA E CONVICÇÕES RELIGIOSAS

DIREITO DE ESCOLHA A TRATAMENTO MÉDICO ISENTO DE SANGUE, POR RAZÕES DE CONSCIÊNCIA E CONVICÇÕES RELIGIOSAS DIREITO DE ESCOLHA A TRATAMENTO MÉDICO ISENTO DE SANGUE, POR RAZÕES DE CONSCIÊNCIA E CONVICÇÕES RELIGIOSAS Maria Claudia de Almeida Luciano Jacob 1 Sérgio Ricardo Vieira 2 RESUMO O presente trabalho visa

Leia mais

Legislação Territorial Agenda 21. Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza

Legislação Territorial Agenda 21. Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza Legislação Territorial Agenda 21 Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza O que é Agenda 21? Agenda 21 é um conjunto de resoluções tomadas Eco-92, que

Leia mais

O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Fixa normas, nos termos dos incisos III, VI e VII do caput e do parágrafo único do art. 23 da Constituição Federal, para a cooperação entre a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios, nas

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5.ª REGIãO Gabinete da Desembargadora Federal Margarida Cantarelli

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5.ª REGIãO Gabinete da Desembargadora Federal Margarida Cantarelli AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 119427-CE (0014160-68.2011.4.05.0000) AGRTE : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL AGRDO : CARLOS FLÁVIO OLIVEIRA SILVEIRA ADV/PROC : JOÃO OLIVARDO MENDES ORIGEM : 18ª Vara Federal do Ceará

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC - SNUC PREVISÃO LEGAL Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e àcoletividade

Leia mais

COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N o 2.602, DE 2010 Susta os efeitos do Decreto nº 7.154, de 9 de abril de 2010. Autora: Deputado SARNEY FILHO Relator:

Leia mais

Instrução n. 22/2007. O SECRETÁRIO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE, no uso de suas. Considerando o Princípio do Desenvolvimento Sustentável;

Instrução n. 22/2007. O SECRETÁRIO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE, no uso de suas. Considerando o Princípio do Desenvolvimento Sustentável; Instrução n. 22/2007 Visa garantir nos imóveis, Área Livre de qualquer intervenção, permeável, passível de arborização e dá outras providências. atribuições legais, O SECRETÁRIO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE,

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS FAFIBE CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO ACESSO À INFORMAÇÃO AMBIENTAL SOB A ÓTICA DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

FACULDADES INTEGRADAS FAFIBE CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO ACESSO À INFORMAÇÃO AMBIENTAL SOB A ÓTICA DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL FACULDADES INTEGRADAS FAFIBE CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO ACESSO À INFORMAÇÃO AMBIENTAL SOB A ÓTICA DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Projeto de Pesquisa GIVAGO MINUNCIO Projeto de pesquisa realizado como

Leia mais

Unidade: Meio Ambiente e Direito Ambiental. Unidade I:

Unidade: Meio Ambiente e Direito Ambiental. Unidade I: Unidade: Meio Ambiente e Direito Ambiental Unidade I: 0 Unidade: Meio Ambiente e Direito Ambiental Introdução A disciplina Direito Ambiental tem como objetivo propiciar ao corpo discente uma análise sobre

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA VARA DA FAZENDA PÚBLICA, REGISTRO PÚBLICO E MEIO AMBIENTE DA COMARCA DE CALDAS NOVAS

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA VARA DA FAZENDA PÚBLICA, REGISTRO PÚBLICO E MEIO AMBIENTE DA COMARCA DE CALDAS NOVAS EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA VARA DA FAZENDA PÚBLICA, REGISTRO PÚBLICO E MEIO AMBIENTE DA COMARCA DE O MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE GOIÁS, por seu Promotor de Justiça, no uso de suas

Leia mais

A RESPONSABILIDADE CIVIL PELO DANO AMBIENTAL NO DIREITO BRASILEIRO E A QUESTÃO DA REPARAÇÃO MATERIAL E MORAL

A RESPONSABILIDADE CIVIL PELO DANO AMBIENTAL NO DIREITO BRASILEIRO E A QUESTÃO DA REPARAÇÃO MATERIAL E MORAL A RESPONSABILIDADE CIVIL PELO DANO AMBIENTAL NO DIREITO BRASILEIRO E A QUESTÃO DA REPARAÇÃO MATERIAL E MORAL I CONGRESSO DE ENGENHARIA SANITÁRIA E AMBIENTAL Mariza Giacomin Lozer Patrício Advogada (FESV).

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA VARA DA INFÂNCIA E DA JUVENTUDE DA COMARCA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA VARA DA INFÂNCIA E DA JUVENTUDE DA COMARCA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA VARA DA INFÂNCIA E DA JUVENTUDE DA COMARCA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS O MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO PAULO, por seu representante infra-assinado, com

Leia mais

Meio Ambiente & Sociedade

Meio Ambiente & Sociedade Meio Ambiente & Sociedade Módulo II Ambiente: natural, cultural, artificial e do trabalho; ambiente rural e urbano; Ambiente: natural, cultural, artificial e do trabalho; Conceituar o meio ambiente, ou

Leia mais

Registros em terras de fronteiras, margens de rio e terras devolutas

Registros em terras de fronteiras, margens de rio e terras devolutas Registros em terras de fronteiras, margens de rio e terras devolutas Josely Trevisan Massuquetto Procuradora do INCRA no Paraná. Francisco José Rezende dos Santos Oficial do 4º Reg. Imóveis de Bhte e Presidente

Leia mais

Responsabilidade dos bancos por riscos/danos ambientais Demarest & Almeida Advogados Associados

Responsabilidade dos bancos por riscos/danos ambientais Demarest & Almeida Advogados Associados Responsabilidade dos bancos por riscos/danos ambientais Demarest & Almeida Advogados Associados São Paulo, 17 de maio de 2012 I. Apresentação II. Legislação Federal Básica III. Responsabilidade Ambiental

Leia mais

A PROTEÇÃO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE EM FACE DO PODER FAMILIAR 1. Keith Diana da Silva

A PROTEÇÃO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE EM FACE DO PODER FAMILIAR 1. Keith Diana da Silva A PROTEÇÃO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE EM FACE DO PODER FAMILIAR 1 Keith Diana da Silva keith.diana@hotmail.com FAC São Roque NPI: Núcleo de Pesquisa Interdisciplinar Introdução É dever dos pais, no exercício

Leia mais

FACULDADE LA SALLE DE LUCAS DO RIO VERDE - MT DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS FACULDADE DE DIREITO

FACULDADE LA SALLE DE LUCAS DO RIO VERDE - MT DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS FACULDADE DE DIREITO FACULDADE LA SALLE DE LUCAS DO RIO VERDE - MT DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS FACULDADE DE DIREITO A FUNÇÃO SOCIAL DA PROPRIEDADE JOCEANE CRISTIANE OLDERS VIDAL Lucas do Rio Verde MT Setembro 2008 FACULDADE

Leia mais

ESTADO DA PARAÍBA PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTO ANDRE

ESTADO DA PARAÍBA PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTO ANDRE LEI Nº 354/2014 Dispõe sobre a Política Municipal de Saneamento Básico, cria o Conselho Municipal de Saneamento Básico e o Fundo Municipal de Saneamento de Básico, e dá outras providências. A Prefeita

Leia mais

LEGISLAÇÃO DE INTERESSE DA DEFESA CIVIL / CBMERJ CONSTITUIÇÃO FEDERAL

LEGISLAÇÃO DE INTERESSE DA DEFESA CIVIL / CBMERJ CONSTITUIÇÃO FEDERAL LEGISLAÇÃO DE INTERESSE DA DEFESA CIVIL / CBMERJ CONSTITUIÇÃO FEDERAL Art.5º Todos são iguais perante a lei.. XI a casa é asilo inviolável do indivíduo, ninguém nela podendo penetrar sem consentimento

Leia mais

Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação

Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação Unidades de Conservação SNUC Sistema Nacional de Unidades de Conservação Sistema Nacional de Unidades de Conservação Lei

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 82, DE 13 DE SETEMBRO DE 2004

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 82, DE 13 DE SETEMBRO DE 2004 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 82, DE 13 DE SETEMBRO DE 2004 Estabelece as condições para atendimento com redes de energia elétrica nos lotes situados em loteamentos

Leia mais

DECLARAÇÃO DE ESTOCOLMO SOBRE O AMBIENTE HUMANO. (Estocolmo/junho/72) Tendo-se reunido em Estocolmo, de 5 a 16 de junho de 1972, e

DECLARAÇÃO DE ESTOCOLMO SOBRE O AMBIENTE HUMANO. (Estocolmo/junho/72) Tendo-se reunido em Estocolmo, de 5 a 16 de junho de 1972, e DECLARAÇÃO DE ESTOCOLMO SOBRE O AMBIENTE HUMANO (Estocolmo/junho/72) A Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente, Tendo-se reunido em Estocolmo, de 5 a 16 de junho de 1972, e Considerando a necessidade

Leia mais

cüxyx àâüt `âç v ÑtÄ wx Tvtâû c\

cüxyx àâüt `âç v ÑtÄ wx Tvtâû c\ ATO DE SANÇÃO N.º 003/2010. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE ACAUÃ, ESTADO DO PIAUÍ, no uso de suas atribuições legais, sanciona por meio do presente, o Projeto de Lei do Executivo de N.º 002/2010, Ementa: Dispõe

Leia mais

Atribuições estaduais e municipais na fiscalização ambiental

Atribuições estaduais e municipais na fiscalização ambiental Atribuições estaduais e municipais na fiscalização ambiental Rodolfo Torres Advogado Assessor Jurídico do INEA Especialista em Direito Ambiental pela PUC/RJ Fiscalização: noções gerais Manifestação do

Leia mais

Declaração da Conferência de ONU no Ambiente Humano, Estocolmo, 5-16 de junho de 1972. (tradução livre)

Declaração da Conferência de ONU no Ambiente Humano, Estocolmo, 5-16 de junho de 1972. (tradução livre) Declaração da Conferência de ONU no Ambiente Humano, Estocolmo, 5-16 de junho de 1972 (tradução livre) A Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente Humano, reunida em Estocolmo de 5 a 16 de junho

Leia mais

Prof. Gustavo Eidt. www.facebook.com/gustavoeidt gustavoeidt@yahoo.com.br

Prof. Gustavo Eidt. www.facebook.com/gustavoeidt gustavoeidt@yahoo.com.br Prof. Gustavo Eidt www.facebook.com/gustavoeidt gustavoeidt@yahoo.com.br DOS BENS Conceito: bens são as coisas materiais ou imateriais, úteis aos homens e de expressão econômica, suscetíveis de apropriação.

Leia mais

LEGISLAÇÃO FEDERAL SOBRE POLUIÇÃO VISUAL URBANA

LEGISLAÇÃO FEDERAL SOBRE POLUIÇÃO VISUAL URBANA LEGISLAÇÃO FEDERAL SOBRE POLUIÇÃO VISUAL URBANA JOSÉ DE SENA PEREIRA JR. Consultor Legislativo da Área XI Meio Ambiente e Direito Ambiental, Organização Territorial, Desenvolvimento Urbano e Regional JANEIRO/2002

Leia mais

1. Das competências constitucionais sobre matéria condominial e urbanística.

1. Das competências constitucionais sobre matéria condominial e urbanística. REGISTRO DE IMÓVEIS DE LAJEADO - RS Fluxograma constitucional-urbanístico-condominial e anotações Luiz Egon Richter 12 1 1. Das competências constitucionais sobre matéria condominial e urbanística. A Constituição

Leia mais

Direito Urbanístico Aplicado: A Regularização Fundiária

Direito Urbanístico Aplicado: A Regularização Fundiária Direito Urbanístico Aplicado: A Regularização Fundiária Pós-Graduação em Direito Registral Imobiliário com ênfase em Direito Notarial Escola SuperiorVerbo Jurídico Dra. Andrea Vizzotto Efeitos da expansão

Leia mais

SENAC - RS NÚCLEO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

SENAC - RS NÚCLEO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL SENAC - RS NÚCLEO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL PROJETO DE PESQUISA Plantar é preservar! Plante hoje, respire amanhã. Alegrete, de Janeiro de 2011 Plantar é preservar a vida. Plante hoje, respire amanhã. Professor

Leia mais

N o 4.406/2014-AsJConst/SAJ/PGR

N o 4.406/2014-AsJConst/SAJ/PGR N o 4.406/2014-AsJConst/SAJ/PGR Arguição de descumprimento de preceito fundamental 292/DF Relator: Ministro Luiz Fux Requerente: Procuradoria-Geral da República Interessado: Ministério da Educação Arguição

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução.

Copyright Proibida Reprodução. RESPONSABILDADE CIVIL DO DANO AMBIENTAL Prof. Éder Responsabilidade Clementino dos civil Santos INTRODUÇÃO Evolução da sociedade: séc. XX (novas tecnologias x modelo de vida); Inércia do Estado: auto-tutela;

Leia mais

Urbanização Brasileira

Urbanização Brasileira Urbanização Brasileira O Brasil é um país com mais de 190 milhões de habitantes. A cada 100 pessoas que vivem no Brasil, 84 moram nas cidades e 16 no campo. A população urbana brasileira teve seu maior

Leia mais

LEI Nº 2.673, DE 24 DE AGOSTO DE 2010. Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu, Prefeito Municipal, sanciono a

LEI Nº 2.673, DE 24 DE AGOSTO DE 2010. Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu, Prefeito Municipal, sanciono a LEI Nº 2.673, DE 24 DE AGOSTO DE 2010 CERTIDÃO Certifico e dou fé que esta Lei foi publicada no placard do Município no dia / / JANE APARECIDA FERREIRA =Responsável pelo placard= Altera a Lei nº 2.396,

Leia mais

Procedimento preparatório de inquérito civil nº 1.14.003.000345/2015-87 RECOMENDAÇÃO CONJUNTA N. 01/2016

Procedimento preparatório de inquérito civil nº 1.14.003.000345/2015-87 RECOMENDAÇÃO CONJUNTA N. 01/2016 Procedimento preparatório de inquérito civil nº 1.14.003.000345/2015-87 RECOMENDAÇÃO CONJUNTA N. 01/2016 O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL e o MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DA BAHIA, pelos Procuradores da República

Leia mais

REPARTIÇÃO DE RECEITA TRIBUTÁRIA

REPARTIÇÃO DE RECEITA TRIBUTÁRIA A forma de Estado adotada pela Constituição Federal é a Federação, e esta só estará legitimada se cada ente da Federação gozar de autonomia administrativa e fiscal. A CF estabelece percentuais a serem

Leia mais

Doação e cessão de direito real de uso de bens imóveis públicos a pessoas carentes

Doação e cessão de direito real de uso de bens imóveis públicos a pessoas carentes Doação e cessão de direito real de uso de bens imóveis públicos a pessoas carentes CONSULTA N. 835.894 EMENTA: Consulta Câmara Municipal Doação de bens imóveis públicos a pessoas comprovadamente carentes

Leia mais

OS BENS PÚBLICOS NO NOVO CÓDIGO CIVIL

OS BENS PÚBLICOS NO NOVO CÓDIGO CIVIL OS BENS PÚBLICOS NO NOVO CÓDIGO CIVIL JOSÉ DOS SANTOS CARVALHO FILHO Procurador de Justiça/RJ, Professor da UFF, da Universidade Estácio de Sá e da EMERJ 1. Não é difícil a nenhum intérprete jurídico admitir

Leia mais

ADVOCACIA-GERAL DA UNIÃO PROCURADORIA-GERAL FEDERAL PROCURADORIA FEDERAL ESPECIALIZADA JUNTO AO IBAMA SEDE NACIONAL

ADVOCACIA-GERAL DA UNIÃO PROCURADORIA-GERAL FEDERAL PROCURADORIA FEDERAL ESPECIALIZADA JUNTO AO IBAMA SEDE NACIONAL ADVOCACIA-GERAL DA UNIÃO PROCURADORIA-GERAL FEDERAL PROCURADORIA FEDERAL ESPECIALIZADA JUNTO AO IBAMA SEDE NACIONAL Orientação Jurídica Normativa nº 39/2012/PFE/Ibama TEMA: SUPRESSÃO DE VEGETAÇÃO NO BIOMA

Leia mais

REPARTIÇÃO DE COMPETÊNCIAS E NORMAS GERAIS DE DIREITO URBANÍSTICO

REPARTIÇÃO DE COMPETÊNCIAS E NORMAS GERAIS DE DIREITO URBANÍSTICO REPARTIÇÃO DE COMPETÊNCIAS E NORMAS GERAIS DE DIREITO URBANÍSTICO O Desenvolvimento Urbano e a Constituição Federal AS COMPETÊNCIAS DA UNIÃO Art. 21. Compete à União: XX - instituir diretrizes para o desenvolvimento

Leia mais

Institui a chamada isonomia horizontal para que as pessoas que estejam na mesma situação, sejam tratadas de forma similar.

Institui a chamada isonomia horizontal para que as pessoas que estejam na mesma situação, sejam tratadas de forma similar. Princípio da Isonomia Tributária Primeiramente, cabe demarcar toda a difícil compreensão do princípio isonomia no Direito, vez que a mera sintetização tratamento pela igualdade, demanda a estipulação de

Leia mais

Direito Ambiental Constitucional. Andrei Ferreira Fredes E-mail: andreiffredes@gmail.com

Direito Ambiental Constitucional. Andrei Ferreira Fredes E-mail: andreiffredes@gmail.com Direito Ambiental Constitucional Andrei Ferreira Fredes E-mail: andreiffredes@gmail.com Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia

Leia mais

A REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA DE INTERESSE SOCIAL: PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA*

A REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA DE INTERESSE SOCIAL: PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA* A REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA DE INTERESSE SOCIAL: PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA* ANA LIGIA DA SILVA SANTIAGO, MÁRCIA DE ALENCAR SANTANA, MICHELE RODRIGUES BARROSO, ROSANA CARVALHO CARDOSO FERREIRA LEITE

Leia mais

DANO AMBIENTAL AUTOR: RILDO BARROS FERREIRA RESUMO

DANO AMBIENTAL AUTOR: RILDO BARROS FERREIRA RESUMO DANO AMBIENTAL AUTOR: RILDO BARROS FERREIRA RESUMO A proteção ao meio ambiente passou a ser uma preocupação nos últimos tempos. Atualmente a defesa do meio ambiente tem como escopo a conservação dos recursos

Leia mais

ESTUDO POLUIÇÃO SONORA

ESTUDO POLUIÇÃO SONORA ESTUDO POLUIÇÃO SONORA José de Sena Pereira Júnior Consultor Legislativo da Área XI Meio Ambiente e Direito Ambiental, Organização Territorial, Desenvolvimento Urbano e Regional ESTUDO DEZEMBRO/2005 Câmara

Leia mais

Analisaremos o tributo criado pela Lei 10.168/00 a fim de descobrir se realmente se trata de uma contribuição de intervenção no domínio econômico.

Analisaremos o tributo criado pela Lei 10.168/00 a fim de descobrir se realmente se trata de uma contribuição de intervenção no domínio econômico. &RQWULEXLomRGH,QWHUYHQomRQR'RPtQLR(FRQ{PLFR XPDDQiOLVHGD/HLQž /XFLDQD7ULQGDGH)RJDoD &DUOD'XPRQW2OLYHLUD A Lei 10.168/2000 criou uma contribuição de intervenção no domínio econômico para financiar o Programa

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br O benefício assistencial como instrumento de defesa da dignidade da pessoa humana Jeferson Calixto Júnior* Interpretações legais e jurisprudenciais que ensejariam uma maior efetividade

Leia mais

A QUESTÃO FEDERATIVA NA DEFINIÇÃO DA POLITICA PÚBLICAS URBANAS NO BRASIL

A QUESTÃO FEDERATIVA NA DEFINIÇÃO DA POLITICA PÚBLICAS URBANAS NO BRASIL A QUESTÃO FEDERATIVA NA DEFINIÇÃO DA POLITICA PÚBLICAS URBANAS NO BRASIL 1 O PACTO FEDERATIVO E A QUESTÃO FISCAL As dificuldades oriundas do federalismo brasileiro vêm ganhando cada vez mais espaço na

Leia mais

A BIODIVERSIDADE NO DIREITO AMBIENTAL INTERNACIONAL E A DIGNIDADE HUMANA

A BIODIVERSIDADE NO DIREITO AMBIENTAL INTERNACIONAL E A DIGNIDADE HUMANA A BIODIVERSIDADE NO DIREITO AMBIENTAL INTERNACIONAL E A DIGNIDADE HUMANA Almeida S. S. (1) ; Pereira, M. C. B. (1) savio_eco@hotmail.com (1) Universidade Federal de Pernambuco UFPE, Recife PE, Brasil.

Leia mais

AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE 3.378-6 DISTRITO FEDERAL

AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE 3.378-6 DISTRITO FEDERAL AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE 3.378-6 DISTRITO FEDERAL RELATOR REQUERENTE(S) ADVOGADO(A/S) REQUERIDO(A/S) ADVOGADO(A/S) REQUERIDO(A/S) INTERESSADO(A/S) ADVOGADO(A/S) : MIN. CARLOS BRITTO : CONFEDERAÇÃO

Leia mais

Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas

Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas LEI Nº 13.550, DE 02 DE JUNHO DE 2009 Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas O GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Faço saber que

Leia mais

CONTABILIDADE PÚBLICA

CONTABILIDADE PÚBLICA CONTABILIDADE PÚBLICA 1. Conceito: Para Bezerra Filho (2006, p.131), a Contabilidade pública pode ser definida como o ramo da ciência contábil que controla o patrimônio público, evidenciando as variações

Leia mais

ANÁLISE DA EXPRESSÃO FLORESTA INSERIDA NO ARTIGO 38 DA LEI Nº 9.065/98

ANÁLISE DA EXPRESSÃO FLORESTA INSERIDA NO ARTIGO 38 DA LEI Nº 9.065/98 ANÁLISE DA EXPRESSÃO FLORESTA INSERIDA NO ARTIGO 38 DA LEI Nº 9.065/98 Hassan Souki Advogado Associado do Escritório Homero Costa Advogados. A Lei nº 9.605, de 12 de fevereiro de 1998, tipifica, em seu

Leia mais