Ensino de línguas estrangeiras métodos e seus princípios

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ensino de línguas estrangeiras métodos e seus princípios"

Transcrição

1 Ensino de línguas estrangeiras métodos e seus princípios Silvana Pedreiro - Curso Vip de Administração Instituto de Pós Graduação IPOG RESUMO Neste estudo são expostos os métodos mais utilizados no ensino de línguas estrangeiras (LE) e seus princípios. Discorre-se a respeito da abordagem comunicativa no ensino de línguas no final da década de 1970, como uma tendência. Esta exposição sobre os métodos de ensino de uma LE tem a intenção de proporcionar esclarecimento de possíveis dúvidas, a interessados(as) em avaliar a sua experiência como participantes em uma aula de língua estrangeira; em iniciar, reiniciar ou aprimorar a sua língua alvo, assim como oferecer uma visão mais ampla a professores iniciantes, sobre maneiras de ensinar. Acredita-se que a pessoa interessada em compreender os princípios dos métodos terá melhor condição para escolher um curso de LE mais adequado ao seu perfil, ou ainda reconhecer a razão pela qual teve/tem ou não, uma experiência favorável enquanto participante de uma aula de LE. Palavras-chave: ensino; aprendizagem; métodos; abordagem; língua estrangeira; língua-alvo. INTRODUÇÃO O ensino de línguas não é, historicamente, uma profissão tão recente e tem seus primórdios no início da civilização humana. Naquela época, existia uma necessidade de comunicação entre povos falantes de diferentes línguas -- por aproximações com o fim de comercializar produtos, através de conquistas entre povos, levando, assim, um povo a aprender a língua do outro. Dessa maneira, na maior parte das vezes, as civilizações conquistadas tiveram que aprender a língua dos seus conquistadores. Por alguns desses motivos ou mesmo por prestígio social, essas civilizações antigas tiveram que aprender uma língua adicional e, algumas vezes, duas línguas. Nos nossos dias, essa necessidade de aprender uma língua estrangeira (LE) -- ou melhor, uma língua adicional -- ainda existe de maneira bastante significativa. Em consequência dessa procura por aprender línguas adicionais, foram criadas, ao longo de séculos, várias maneiras de ensiná-las, na tentativa de alcançar um melhor resultado no processo do ensino-aprendizagem. Em outras palavras, um modo que alcançasse um resultado satisfatório, que capacitasse o aprendiz a se comunicar efetivamente na língua-alvo.

2 Diante desse estudo sobre a história do surgimento dos métodos 1, no papel de estudante, professor, podemos perceber, inclusive na prática, o fato de que o ensino de LE passou por vários métodos. Estudantes de uma LE se expuseram a um ou mais métodos de ensino, ao longo dos anos, na busca de um ensino-aprendizagem que o levasse a se comunicar em uma língua que não era a sua língua materna. Considerando a realidade mencionada acima, o objetivo deste artigo é levar o interessado a conhecer os princípios (as características) dos métodos que foram mais utilizados -- e alguns ainda são para que possam avaliar possível ingresso ou reingresso ao estudo de uma LE. Em outras palavras, o objetivo é oferecer uma possibilidade de aqueles que almejam iniciar, reiniciar, ou dar continuidade ao estudo de uma LE, compreenderem com mais clareza o funcionamento desses métodos do ensino-aprendizagem e, a partir desse conhecimento, verificar qual o método que sinaliza sucesso na aprendizagem para uso da LA e com qual deles os leitores sentem mais afinidade. Portanto, a pergunta que orienta este estudo é: Quais os métodos do ensino de línguas mais utilizados, e suas características? Este trabalho consiste em uma pesquisa bibliográfica de cunho histórico. Para realização desta buscou-se alguns pesquisadores que fundamentassem este estudo. Há valiosas obras brasileiras como as de Carneiro Leão (1935), Schmidt (1935), e Chagas (1979) que são extremamente importantes para o estudo da história do ensino de LE no Brasil, embora não haja material dessa grandeza que diga respeito às abordagens 2 mais recentes. No ano de 1993, apareceu a obra de Almeida Filho Dimensões comunicativas no ensino de línguas. Após 1993, veio à luz um livro organizado por Celani (1997) que contém alguns artigos de interesse histórico para o nosso estudo, outro de Reis (1998), o livro de Silveira (1999), o artigo de Celani na obra organizada por Brait e Bastos (2000) sobre os 500 anos do Brasil comemoradas nesse ano da publicação. BREVE HISTORIA DO ENSINO DE LÍNGUAS Para haver uma melhor compreensão sobre o ensino-aprendizagem, será apresentada uma breve história do ensino de línguas. Há milhares de anos cerca de cinco mil anos já existia o ensino profissional para a aprendizagem das línguas. Primeiramente, ensinava-se uma língua dentro da sua própria civilização, passava-se conhecimento de geração em geração. Logo esse ensino passou a ser, também, o de uma língua estrangeira, em virtude da conquista de povos falantes de outras línguas, da comercialização de mercadorias, entre outras razões. Nessa época, aprendia-se uma língua por meio da exposição direta, ou seja, em contato direto com a língua-alvo. 1 Gomes de Matos (1973, p. 77) define método como um sistema de ensino-aprendizagem baseado numa abordagem ou modelo teórico e caracterizado por um componente abstrato princípios ou verdades gerais em que se baseia e um componente concreto ou diretamente observável às técnicas pedagógicas e os produtos utilizados pelo professor ou por alunos. 2 É como chamamos, dentro do movimento comunicativo, um nível mais elevado de abstração do que o método. Trataremos desse termo nos capítulos 2 e 4. Para abordagem, ver Almeida Filho (1997, p. 16)

3 Até aqui, percebe-se que o que acontecia era um tipo de método direto (doravante MD), embora essa denominação mediante uma base teórica sólida tenha sido dada muitos séculos depois, no final do século XIX. Nesses tempos, da Antigüidade até que chegasse à reforma, não existia estudo científico sobre a linguagem, nem, tampouco, sobre os princípios metodológicos para a aprendizagem de línguas. Com o passar dos anos, a necessidade de aprender línguas estrangeiras persistiu. Houve, no entanto, mudanças como, por exemplo, o fato de as crianças serem confiadas a empregados que falavam a língua-alvo e, mais tarde, a pessoas de alta cultura, os preceptores. O ensino de LEs por meio dos preceptores perdurou por várias décadas, ou melhor, por séculos, na história do ensino de línguas. Privilegiou-se o latim por muito tempo, sendo essa língua ensinada, inicialmente, de maneira viva. Após algum tempo, o latim foi perdendo seu prestígio até se tornar uma língua morta, quando as línguas vernáculas modernas entraram nesse espaço. O latim, enquanto língua morta, era ensinado, basicamente, com ênfase na estrutura, isto é, na gramática da língua. Esse ensino se dava por meio do estudo de textos clássicos e da tradução dos mesmos método da gramática e tradução (doravante método GT). O mesmo que os preceptores utilizavam. O método GT é o mais antigo dos métodos que conhecemos. Começou com o ensino do grego e do latim, embora tenha sido popular no século XVIII. Nas últimas décadas do século XIX, esse método foi tido como aquele que não ensinava para a comunicação oral não dava lugar à oralidade, baseava-se na leitura, na escrita e na tradução, enfatizando o uso da gramática. A maioria dos métodos utilizados posteriores a esse se opunham fortemente e é curioso o fato de que o método GT ainda é, muitas vezes, utilizado no ensino de línguas, hoje, conjuntamente com outras estratégias. Desta maneira, pode-se notar que o MD é tão antigo quanto o método GT, e que a característica principal do MD é o uso da língua-alvo como meio de instrução, o que difere consideravelmente do outro (método GT). A partir dessas duas tendências no modo de ensinar LEs, foram geradas importantes abordagens que, por sua vez, geraram métodos. No final do século XIX, houve tentativas no sentido de fazer com que o ensino de LEs se tornasse mais eficaz, o que ocasionou uma mudança do método GT para o MD o movimento 3 da reforma. Foi o MD que fez nascer a procura pelo estudo científico. Apareceu mais tarde, por volta dos anos 1950 e 1960, o método áudio-lingual (método AL), nos Estados Unidos. Esse método foi utilizado por todo o mundo. Ele tinha bases behavioristas e um pouco da lingüística estrutural, era visto como um processo de condicionamento no ensino de línguas. O método AL ficou em voga, no Brasil, dos anos 1960 aos Foi criticado em relação à teoria e bases pragmáticas, embora consideravelmente utilizado. 3 Conforme Almeida Filho, a palavra movimento é empregada por ser entendida como conjunto de manifestações motivadas por o que é ensinar línguas, aprender línguas. Tendo como movimentações livros didáticos, congressos, ciclos de estudos, cursos oferecidos etc. (resultado de discussões realizadas durante disciplina cursada na Unicamp, em janeiro, 2000).

4 A partir dos anos 1970, surge um interesse maior pelos aspectos sociais da linguagem e inicia-se o movimento comunicativo, que será melhor exposto mais adiante neste trabalho. MÉTODOS DO ENSINO DE LÍNGUAS Serão expostos, nas próximas linhas, os princípios dos métodos mencionados, até chegarmos à abordagem comunicativa. 1. Método da Gramática e Tradução O método GT, o primeiro dos métodos a ser considerado, foi utilizado no ensino de línguas, em vários países, durante séculos. Esse método, conforme alguns autores como Brown (1994), é considerado o primeiro meio de se ensinar línguas. Embora, para Chagas (1979), o ensino de LEs tenha começado na Antiguidade, por intermédio do contato direto com a língua-alvo e seus falantes nativos, em um ambiente de interação social. No século XIX, esse método clássico ficou conhecido como o método GT. O método em questão, tem o seu foco nas regras da gramática como base para a tradução da língua estrangeira para a língua materna. Tal método foi usado inicialmente no ensino do latim e do grego por meio de textos clássicos (dos bons autores ). Davam atenção à leitura, e não à oralidade na língua-alvo. Nessa época, LEs eram ensinadas como qualquer outra habilidade. Essa maneira de ensinar é tida, no ensino de uma LE, como um treinamento mental, uma atividade intelectual de leitura, escrita e tradução. O vocabulário é ensinado em forma de lista de palavras isoladas, pouca atenção é dada ao contexto do texto. A prática de drills é comum, assim como exercícios onde os alunos devem traduzir frases isoladas da língua-alvo para a língua materna e vice-versa. A maior parte do tempo é destinada ao ensino sobre a língua. A interação superficial entre aluno e professor tem somente uma direção: é o professor como centro, o professor decide o que está certo ou errado e é ele quem provê a resposta correta. Não há a interação entre alunos. As aulas são ministradas na língua materna, com pouco ou nenhum uso da língua-alvo, e pouca ou nenhuma atenção é dada à pronúncia. Os alunos devem ler e depois fazer a tradução do texto lido. Nota-se que o que é mesmo primordial nessas aulas é a explicação gramatical baseada na tradução de textos os alunos copiam regras, explicações, exemplos, e depois respondem aos exercícios. As tarefas para casa resultam do que acontece nas aulas: exercícios de gramática e memorização de lista de vocabulário. No final do século XIX, aconteceram tentativas de reforma com a finalidade de fazer com que o ensino de línguas se tornasse mais efetivo, o que levou à mudança do método GT para o MD. 2. Método Direto

5 Pode-se dizer que o MD é, praticamente, tão antigo quanto o método GT. O MD surgiu após algumas idéias de reforma, entre elas o método natural que simulava a maneira natural com que uma criança aprende sua língua materna, o método psicológico, o método fonético. Tendo, então, prevalecido o MD. Foi esse método que fez surgir a busca por um método científico, quando nasceu o estudo da fonética, uma vez que passaram a enfatizar o uso da língua falada. O MD é caracterizado sobretudo pelo uso da língua-alvo como meio para instrução e comunicação em sala de aula, e os alunos devem aprender a pensar na língua-alvo o quanto antes. O uso da língua materna e a técnica de tradução são retirados da prática desse método. Ensinam-se vocabulário e sentenças do cotidiano, sendo que o vocabulário concreto é ensinado através de demonstrações, objetos, figuras e o abstrato é explicado através de associação de idéias. Novos pontos são ensinados oralmente, a habilidade de comunicação é construída, gradativamente, organizada em perguntas e respostas entre professor/aluno, aluno/professor, e, em alguns momentos, aluno/aluno tanto o falar quanto o ouvir são ensinados. Há a prática de exercícios envolvendo transposições, substituições, ditado, narração. A gramática e pronúncia corretas são enfatizadas, embora maior atenção seja dada à pronúncia. Nesse método, a gramática é ensinada indutivamente e baseada no texto lido. A escrita é considerada uma habilidade importante para que os alunos memorizem as palavras. Percebe-se que, realmente, houve mudanças, e vale frisar que o MD atingiu grande popularidade até o final do século XIX e fez parte do ensino de LEs, também, no século XX. Embora tenha sido popular, nos primeiros 25 anos do século XX, começaram a haver críticas quanto à sua fundamentação teórica e esse método começou a perder seu prestígio na Europa e nos EU. Na metade do mesmo século ele ressurge, redirecionado, e nasce o método audiolingual. No Brasil, embora houvesse algumas expectativas de mudança no sentido de haver uma auto-produção oral e por escrito, na prática, o ensino não evoluiu do ponto da gramática e tradução. O MD não criou firme tradição no Brasil. 3. O Método Audiolingual O método audiolingual (AL) teve sua origem nos EUA e se espalhou por todo o mundo, criando fortes raízes também no Brasil. O audiolingualismo dominou os programas acadêmicos nas décadas de 1950 e 1960, nos Estados Unidos. No Brasil, ele começa a se instalar nas escolas no final da década de Essa época foi quando houve um grande crescimento no número de institutos de línguas no neste país. O AL é a fusão da linguística estrutural e a psicologia behaviorista que nos leva à teoria de que o aprender línguas é um processo de condicionamento. Utilizam-se modelos de ensino que têm como prática o condicionamento e a formação de hábitos (imitação) que se combinam com os drills e práticas padronizadas da metodologia audiolingual. A seguir, suas principais características em itens: o novo material é apresentado em forma de diálogo;

6 há a dependência de imitação (mimetismo), memorização de jogos de frases; as estruturas são sequenciadas por meio de análise contrastiva e ensinadas uma de cada vez; padrões estruturais são ensinados utilizando-se de drills de repetição; há pouca ou quase nenhuma explicação sobre a gramática: esta é ensinada por analogia indutiva e não por explanação dedutiva; o vocabulário é limitado e aprendido em contexto; é vasto o uso de fitas cassetes, laboratórios de línguas e recursos audiovisuais; é dada grande importância à pronúncia; a língua materna não deve ser usada; as respostas corretas são prontamente reforçadas; procuram levar os alunos a produzirem falas sem erros; há uma tendência de manipular a língua e desconsiderar o significado, ou seja, o que se quer realmente transmitir, comunicar. No audiolingualismo, a língua é, sobretudo, um fenômeno oral e é aprendido antes da leitura, havendo, portanto, uma ordem: ouvir, falar, ler e escrever. Deve-se aprender a falar sem se preocupar em como a língua é estruturada, a língua é ensinada e não a sua formação estrutural. Em alguns momentos o professor se utiliza da análise contrastiva, pois considera-se que as línguas são diferentes umas das outras, e que essa diferença pode causar problemas. A memorização de diálogos e drills padronizados são os meios para se conseguir respostas condicionadas, até que chegue o momento de os alunos se expressarem espontaneamente, nos cursos mais avançados. Os pilares mais fortes da teoria do método AL são as técnicas elaboradas de prática oral e auditiva, assim como a separação pedagógica de línguas em habilidades (falar, ouvir, ler, escrever). A posição do professor praticamente não mudou em relação ao último método mencionado o MD. É ainda o professor quem coordena e manipula todas as atividades em sala de aula. Apesar do método AL ter trazido vários resultados positivos no sentido de aprender uma LE, houve quem não se adaptasse a ele ou por exaustão que sentia em meio a tanta prática de repetição que, no final, tornava-se sem sentido; ou por sentiremse com medo de errar, pois o professor cobrava uma produção correta; ou por que precisavam de conhecer sobre a gramática antes da língua; e outros. O ensino da língua inglesa e o método AL predominaram nos anos 1960 e Os especialistas da área de línguas foram percebendo que havia algumas falhas nesse método e notaram que não se aprendia uma língua para a comunicação, através de formação de hábitos, e que a língua não é vista com suas habilidades dissociadas umas das outras. Na tentativa de ter a língua como um todo e para a 4 comunicação, surge a abordagem comunicativa, que será esclarecida a seguir. 4. Abordagem Comunicativa 4 colocamos para a comunicação, nos utilizando da tradução para o português feita por Almeida Filho (1991) da obra de Widdowson (1978). Para maior compreensão, ver Widdowson (1991, p. 7-8).

7 O conceito de abordagem tem sido, várias vezes, ocupado pelo conceito de método. Doravante, torna-se de considerável importância que compreendamos o conceito de abordagem, pois toda a operação de ensino de uma língua-alvo fica sob sua influência, inclusive o método. Autores que se dedicaram a conceituar método e abordagem não têm exposto de maneira suficientemente clara a distinção entre eles. Alguns estudiosos pioneiros nesse estudo foram Anthony (1963) e Richards e Rodgers (1986). É interessante mencionar que Almeida Filho (1993, 1997) apresenta conceitos semelhantes e contrastivos entre si e, em relação à visão brasileira, a partir de experiências e de teorizações no Brasil. Conforme o quadro comparativo que traz Almeida Filho em sua obra de 1997, concorda com Anthony (1963) no que diz respeito à hierarquia entre abordagem, método, técnicas nessa ordem. Segundo Anthony (1963), uma abordagem apresenta uma filosofia, um ponto de vista, é axiomática; um método diz respeito a procedimento. De acordo com o que foi publicado sob autoria de Almeida Filho na revista Pensamento, Lengua, Acción (1990, p.36): Por abordagem queremos dizer um conjunto nem sempre harmônico de pressupostos teóricos, de princípios e até de crenças, ainda que só implícitas, sobre o que é uma língua natural, o que é aprender e o que é ensinar outras línguas. Como foi colocado anteriormente, neste artigo, abordagem ocupa uma posição de nível abstrato mais elevado que o método. Considerando o alto poder de abstração de que se constitui a abordagem, é que se torna possível explicar porque as muitas mudanças em nível de método não correspondem ganhos, ou alterações, pelo menos, nos resultados da aprendizagem. (ALMEIDA FILHO, 2001, p. 22) A abordagem comunicativa adquiriu raízes nos anos 1970, quando começaram a dar mais importância à língua social, buscando um modo de ensinar para a comunicação. Queriam encontrar meios pelos quais os alunos atingissem uma competência comunicativa na língua-alvo. Vejamos como se deu a abordagem comunicativa. A partir das noções de competência e desempenho contidas nas teorias de Chomsky (1965), novos enfoques e novos construtos foram se impondo na Linguística Geral e na Linguística Aplicada. Na década de 1970, começou a aparecer um interesse mais intenso sobre os aspectos sociais da linguagem, no entanto, Chomsky (1965) não os considerava em suas teorias. Hymes, em 1972, manifestou sua reação à noção de competência de Chomsky (1965), criticando-o justamente por essa razão. Hymes propõe o conceito de competência comunicativa, o qual não descarta, totalmente, o conceito chomskyano de competência linguística, contudo, reconhece o uso coerente e apropriado da linguagem em situações de interação social. Nessa mesma época, estava havendo uma convergência de teorias linguísticas, filosóficas, pragmáticas, sociológicas, etnográficas que se preocupava mais com o discurso e o uso efetivo da língua e, não mais com a imanência do código linguístico, o que propiciou o aparecimento de um movimento comunicativo. Ainda nos anos 1970, ocorreu uma busca por métodos que realmente levassem as pessoas a dominar o conhecimento gramatical de LEs para usar adequadamente essas línguas em situações reais de interação social até então os métodos não haviam alcançado tal objetivo. É nesse contexto que surge a abordagem comunicativa, tentando atender as necessidades

8 de aquisição de línguas por parte de imigrantes e outros que tivessem necessidade de aprender uma LE a finalidade era usar a língua em situações reais, comunicar-se realmente na LE, enfim, adquirir uma competência comunicativa na língua-alvo. Na Europa, nos finais da década de 1970, várias propostas de planejamentos (syllabuses) são levantadas, entre elas o Notional Syllabuses, de Wilkins (1976) e o Communicative Syllabus Design, de Munby (1978). Algumas outras obras que surgiram são fundamentais para sustentar a base teórica da nova abordagem de ensino, tais como a obra de Widdowson (1978), a de Brumfit e Johnson (1979) e a de Littlewood (1981). O método nocional-funcional assumiu por inteiro os princípios da abordagem comunicativa, e por essa razão, muitas vezes é confundido com a mesma. O método funcional tem sua ênfase nos aspectos funcionais dos enunciados linguísticos, enquanto a abordagem comunicativa tem o seu foco na habilidade de comunicação. No Brasil, o início do movimento comunicativo se deu nos últimos anos da década de Em setembro de 1978 ocorreu o marco da divulgação deste movimento, com o lançamento do debate público e uma amostra das novas maneiras comunicativas de ensinar e aprender língua estrangeira. Esse evento aconteceu no Seminário sobre Ensino de Línguas Nocional-Funcional (Notional-Functional Language Teaching) organizado pela Universidade Federal de Santa Catarina, em Florianópolis. O primeiro programa funcional básico de ensino de inglês para brasileiros foi elaborado pelo Instituto Yázigi, em Após fechada a idéia de abordagem comunicativa, este estudo trata, a seguir, do conceito de competência comunicativa e, no item seguinte, dos princípios dessa abordagem. 4.1 O conceito de competência comunicativa Percebe-se que para chegar à abordagem comunicativa existiram várias experiências. Dos vários métodos que se utilizaram, nenhum foi efetivamente adequado para atingir o objetivo de comunicação. Foi em reação a essas tentativas e, tal finalidade, que surgiu o termo comunicativo no ensino de línguas estrangeiras. A abordagem comunicativa no ensino de línguas surge de uma concepção de língua para a comunicação. A partir dessa perspectiva, o objetivo principal do ensino de línguas passa a ser, em reação às noções de competência e desempenho de Chomsky (1965), o que Hymes (1972) chama de desenvolvimento da competência comunicativa. Mais tarde, as idéias de Hymes (1972), Wilkins (1976) e Widdowson (1978) se aprofundam com as contribuições de Canale e Swain (1980), Canale (1983), Widdowson (1989) e, no Brasil, de Almeida Filho (1990, 1993, 1999). Hymes (1972) propõe como conceito de competência comunicativa, o conhecimento das regras psicológicas, culturais e sociais que comandam a utilização da linguagem num quadro social. Esse estudioso não exclui a competência linguística, mas a considera insuficiente para a comunicação social. A teoria de competência comunicativa de Hymes (1972) é uma definição do que um falante necessita saber para que haja comunicação num diálogo socialmente construído. Do ponto de vista desse teórico, uma pessoa que adquire competência comunicativa, adquire tanto o conhecimento quanto a habilidade para o uso da língua. Widdowson (1989) afirma que a competência comunicativa depende criticamente do acesso aos conhecimentos linguísticos de gramática e de blocos lexicais.

9 Almeida Filho (1993) postula que uma competência comunicativa (incluindo o desempenho do participante através do grau de acesso aos conhecimentos disponíveis) poderia ser representada condensando, de certa forma, contribuições teóricas de autores básicos como Chomsky, Hymes, Tarone, Canale e Swain, Canale, Widdowson, entre outros. A partir desses novos conceitos que se contrapuseram com outros, foram abertas novas possibilidades de compreensão dos processos de aprender e ensinar línguas. Assim, veio a surgir a abordagem comunicativa, caracterizada nos seus primórdios dos anos 1970 como abordagem nocional-funcional. O conceito de comunicação em linguagem passou então a ser a preocupação maior no ensino de línguas. 4.2 Princípios da Abordagem Comunicativa Essa seção apresenta uma breve exposição dos princípios básicos que norteiam a abordagem comunicativa. No que diz respeito a conceitos de aprendizagem, há algumas contribuições significativas. Para que se tenha uma idéia dos fundamentos da abordagem comunicativa, segue a exposição: as quatro habilidades (ouvir, falar, ler, escrever) são vistas de maneira integrada e fazendo parte das competências: gramatical, sociolingüística, discursiva e estratégica (CANALE, 1983); essa abordagem considera as variantes da Segunda língua (língua-alvo) e as situações reais de comunicação que o aprendiz possa vir a entrar em contato, e a aula procura prepará-lo para tal; não há sistematização em termos de estrutura ou do ensino de itens e situações; as atividades ou tarefas são os principais meios no processo de ensinoaprendizagem. O assunto deve ser interessante e/ou necessário para o aprendente; ao fazer uso de textos, esses devem ser autênticos; a aquisição da língua-alvo acontece através da mesma, interagindo-se na língua-alvo; em sala de aula, o professor controla a sua linguagem, assim como um adulto o faz, quando conversa com uma criança; o professor é um facilitador; a proficiência se desenvolve gradativamente; não há uma única e correta metodologia; a explicação de itens gramaticais ocorre quando essa necessidade é sentida por parte do aprendiz; o ambiente em sala de aula deve encorajar o aluno; a sala de aula é considerada uma ilha cultural. De acordo com Almeida Filho (2009, p.82), a abordagem comunicativa não é, pois, uma bateria de técnicas ou um modelo de planejamento, mas sim a adoção de princípios mais amplos

10 como o foco no processo, nas maneiras específicas de como se aprende e de como se ensina outra língua. Conforme o pesquisador acima citado (2009, p.98), a natureza da caminhada para chegar ao uso da língua-alvo, através da abordagem comunicativa, deve ser viver a comunicação (mesmo que precariamente no início) e, nela, aprender a língua e, em alguns momentos, sobre ela. Pode-se perceber que as características e citações acima seguem a linha dos conceitos tratados anteriormente neste estudo O que seria uma aula comunicativa? Para se compreender, teoricamente, como aprender significativamente uma nova língua, é importante que se reconheça quatro fases prototípicas necessárias à fruição ideal do encontro-aula de LE: o estabelecimento de clima de confiança, apresentação de amostras significativas de linguagem, ensaio para fluência coerente e uso oral e fechamento do encontro; compensações, estratégias de aquisição (fases discutidas no livro Dimensões comunicativas no ensino de línguas, de Almeida Filho, 1993). Em uma aula comunicativa (encontro-aula), é importante que se estabeleça um clima de confiança, uma atmosfera amiga em que haja oportunidades de compreensão, expressão, troca de experiências de nível pessoal e que, portanto, sejam significantes e incentivadoras. O professor está presente como facilitador para que se tome esse caminho. Ele levanta as expectativas do grupo, codifica seus tópicos e temas, prepara o momento e formas de contato com a nova língua, e acima de tudo, mantém ou imprime um ritmo justo de busca de aprendizagem por parte dos alunos (ALMEIDA FILHO, 1993, p. 52). Percebe-se o quão complexa é a abordagem comunicativa. Esse modo de ensinar pode permitir a concepção de vários métodos, não sendo simplesmente um método rígido, mas uma série de pressupostos que vieram modificar a maneira de professores e lingüistas aplicados enxergarem o ensino-aprendizagem de línguas. O professor deve perceber o momento adequado, para o grupo/aluno em questão, para propor atividades que trazem consigo princípios de um determinado método que proporcione o auxílio necessário àquele grupo/aluno naquele dado momento. As atividades devem ser relevantes, o que não representa uma tarefa fácil. Deve-se levar em conta que no caminho da comunicação em direção ao uso da língua-alvo, não se deve tomar que tudo é comunicativo no processo de aprendizagem. Segundo Hymes (1972), o objetivo do curso de segunda língua é o aluno atingir uma competência comunicativa, ao invés de saber produzir as formas corretas da língua. De acordo com Widdowson (1978), a metodologia comunicativa deve incluir atividades que levem os aprendizes a se comunicarem uns com os outros, de forma real (como uma comunicação na vida real). Nota-se, no entanto, que a prática de uma aula/ensino comunicativa(o) está acontecendo, embora não seja uma tarefa fácil para o professor.

11 De acordo com Prabhu (1987), se um aprendente tem o seu foco de atenção no significado, a estrutura poderá ser mais bem assimilada. Quanto à forma e ao uso, Breen e Candlin (1980), Prabhu (1990) e Almeida Filho (1993) defendem a igualdade na inclusão de atividades estruturais e comunicativas, considerando que o melhor momento para a inclusão da forma é quando se faz necessário para os alunos (necessidade sinalizada por estes) durante o decorrer de suas vivências comunicativas. Conforme mencionado anteriormente, há uma hierarquia da atividade comunicativa em relação a forma (estrutura), uma vez que esta só se concretiza através de apelos apresentados pelos alunos, durante o uso comunicativo da língua. Nota-se que no ensino comunicativo recorre-se ao ensino da forma, desde que necessário, o que é bastante diferente de abolir a gramática nessa abordagem, como muitos profissionais da área confundem. Privilegiar o uso (comunicação) e não a forma (estrutura, regras gramaticais) se dá no ensino/aprendizagem de língua estrangeira simplesmente porque aprender uma língua não é mero exercício consciente de aprender formas codificadas em uma sequência lógica. De acordo com Almeida Filho, há evidências na pesquisa em Lingüística Aplicada e Ensino de Línguas, de que esse procedimento pode se tornar até mesmo contraproducente no esforço de desenvolver uma capacidade de uso comunicativo. O aprendiz se prende às formas e não desenvolve comunicação. Não é incomum ouvir alunos dizerem que conhecem a língua-alvo (a estrutura da língua) e não conseguirem se comunicar, propriamente, em um contexto social real. Esta situação ainda tem sido a realidade para muitos aprendizes, os quais geralmente se frustram ao tentar fazê-lo. METODOLOGIA DE PESQUISA Conforme Lüdke e André (1986, p. 38), a análise documental pode se constituir numa técnica valiosa de análise de dados qualitativos. E, segundo afirma Phillips (1974), documentos são considerados quaisquer materiais escritos que possam ser usados como fonte de informação a respeito do comportamento humano. De acordo com Lakatos e Marconi (1991), uma pesquisa documental pode ser realizada utilizando-se de três variáveis: fontes escritas ou não; fontes primárias ou secundárias; contemporâneas ou retrospectivas. Percebe-se que essas pesquisadoras estabelecem algumas diferenciações entre os tipos de fontes. Selecionadas as fontes para análise de conteúdo, considerou-se o contexto particular de cada fato nas interpretações e datas. CONSIDERAÇÕES FINAIS Diante a constante necessidade da utilização de uma língua estrangeira, em diversas áreas, sabe-se o quão necessária é a aprendizagem da mesma. Por séculos existe esta necessidade de aprender línguas estrangeiras. Desta maneira, surgiram diferentes maneiras de ensiná-las, na busca de uma aprendizagem eficaz.

12 Este artigo expôs estas maneiras de ensinar com a finalidade de trazer um breve esclarecimento a respeito dos métodos mais utilizados, e seus princípios, no ensino de línguas estrangeiras. Uma vez que essas maneiras de ensinar permeiam algumas abordagens de ensino de línguas, atualmente, o(a) interessado(a) pode, através da leitura deste artigo, se servir deste conhecimento para escolher um curso mais adequado, eficaz, enfim, que se ajuste melhor ao seu perfil, às suas maneiras de aprender. REFERÊNCIAS ALMEIDA FILHO, J. C. P. A abordagem comunicativa do ensino de línguas: promessa ou renovação na década de 80? Tradução de Edicléia A. B. Macowski. Pensamento, Lengua, Acción, Santiago, p , Dimensões comunicativas no ensino de línguas. Campinas: Pontes, Parâmetros atuais para o ensino de português língua estrangeira. Campinas: Pontes, O professor de língua estrangeira em formação. Campinas: Pontes, O ensino de línguas no Brasil de E agora? Revista Brasileira de Lingüística Aplicada, Belo Horizonte, v. 1, n.1, p , BARBIRATO, R. C. Ambientes comunicativos para aprender língua estrangeira. Unicamp, Mimeografado. ANTHONY, E. M. Approach, method and technique. In:. English Language Teaching p BASTOS, N.; MARQUESI, S. C. História e tradições das instituições de ensino na cidade de São Paulo. In: BRAIT, B.; BASTOS, N. (Org.). Imagens do Brasil: 500 anos. São Paulo: Educ, p BREEN, M. P.; CANDLIN, C. N. The essentials of a communicative curriculum in language teaching. Applied Linguistics, Lancaster, v. 1, n. 2, BROWN, H. D. Principles of language learning and teaching. New Jersey: Prentice Hall, BRUMFIT, C. J.; JOHNSON, K. The communicative approach to language teaching. Oxford: Oxford University Press, CANALE, M. From communicative competence to communicative language pedagogy. In: RICHARDS, J. C.; SCHIMIDT, R. W. Language and communication. London: Longman, p SWAIN,M. Theoretical bases of CommunicativeApproaches to second language teaching and testing. Applied Linguistics, v. 1, n. 1., p.1-47, 1980.

13 CARNEIRO LEÃO, A. O ensino das línguas vivas. São Paulo: Cia. Nacional,1935. CELANI, M. A. (org.) Ensino de segunda língua: redescobrindo as origens. São Paulo: Educ, O ensino de línguas estrangeiras no Império: o que mudou? In: BRAIT, B.; BASTOS, N. (Org.) Imagens do Brasil: 500 anos. São Paulo: Educ, p CHAGAS,V. Didática especial de línguas modernas. 3. ed. revista. São Paulo: Cia. Nacional, CHOMSKY, N. Aspects of the theory of sintax. Cambridge, Mass: The MIT Press, FREIRE, P. Educação como prática de liberdade. São Paulo. Paz e Terra, Pedagogia do oprimido. 8. ed. São Paulo. Paz e Terra, GARDNER, H. Frames of mind: the theory of multiple intelligences. New York: Basic Books, HYMES, D. The Ethnography of Speaking. In: FISHMAN, J. A. Readings in the Sociology of Language. England: The Hague Mouton, On communicative competence. In: BRUMFIT, C. J.; JOHNSON, K. (Org.). The communicative approach to language teaching. Oxford: Oxford University Press, KUHN, S. The structure of scientific revolutions. London: Falmers Press, LAKATOS, E. M.; MARCONI, M. A. Técnicas de Pesquisa.. Fundamentos da metodologia científica. 3ed. rev. e amp. São Paulo: Atlas, p LITTLEWOOD, W. Communicative language teaching. Cambridge: Cambridge University Press, LÜDKE, M.; ANDRÉ, M. E. D.A.Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, MUNBY, S. Communicative competence and a theoretical framework.. Communicative Syllabus Design. Cambridge: Cambridge University Press, p PHILLIPS, B. S. Pesquisa social. Rio de Janeiro: Agir, PRABHU, N. S. Second language pedagogy. Oxford: Oxford University Press, There is no best method why? Tesol Quarterly, v. 24, n. 2, REIS, M. A importância da competência gramatical no ensino communicativo. São Paulo: Oficina de Textos, 1998.

14 RICHARDS, J. C.& ROGERS,T.S. Communicative Language Teaching. In:. Approaches and methods in language teaching. USA: Cambridge University Press, p SCHMIDT, M. J. O ensino científico das línguas modernas. Rio de Janeiro: Briguiet & Cia, SILVEIRA, M. I. M. Línguas estrangeiras: uma visão histórica das abordagens, métodos e técnicas de ensino. Maceió: Catavento, TARONE, E. Communication strategies, foreign talking and repair in interlanguage. Language Learning, v. 30, n WIDDOWSON, H. G. Teaching language as communication. Oxford: Oxford University Press, Knowlodge of language and ability for use. Applied Linguistics, v. 10, n. 2, O ensino de línguas para comunicação. Tradução de J. Carlos P. Almeida Filho. Campinas: Pontes,1991. WILKINS,D.A. Notional Syllabuses. London: Oxford University Press, 1976.

LINGUÍSTICA APLICADA AO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA

LINGUÍSTICA APLICADA AO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA SPADA, Nina. Linguística Aplicada ao Ensino de Língua Estrangeira: uma entrevista com Nina Spada. Revista Virtual de Estudos da Linguagem - ReVEL. Vol. 2, n. 2, 2004. Tradução de Gabriel de Ávila Othero.

Leia mais

LINHA DE PESQUISA E DE INTERVENÇÃO METODOLOGIAS DA APRENDIZAGEM E PRÁTICAS DE ENSINO (LIMAPE)

LINHA DE PESQUISA E DE INTERVENÇÃO METODOLOGIAS DA APRENDIZAGEM E PRÁTICAS DE ENSINO (LIMAPE) História da profissão docente em São Paulo: as estratégias e as táticas em torno dos fazeres cotidianos dos professores primários a instrução pública paulista de 1890 a 1970 Linha de Pesquisa: LINHA DE

Leia mais

RESPOSTA FÍSICA TOTAL

RESPOSTA FÍSICA TOTAL RESPOSTA FÍSICA TOTAL Valdelice Prudêncio Lima UEMS João Fábio Sanches Silva UEMS O método apresentado é baseado na coordenação da fala e da ação, desenvolvido por James Asher, professor de psicologia

Leia mais

CRENÇAS DE UMA ALUNA INICIANTE NO CURSO DE LETRAS INGLÊS ACERCA DA ORALIDADE

CRENÇAS DE UMA ALUNA INICIANTE NO CURSO DE LETRAS INGLÊS ACERCA DA ORALIDADE CRENÇAS DE UMA ALUNA INICIANTE NO CURSO DE LETRAS INGLÊS ACERCA DA ORALIDADE Marrine Oliveira Sousa (UFG) Tatiana Diello Borges (UFG) marrine_@hotmail.com tatiana.diello@gmail.com 1. Introdução No exterior,

Leia mais

MÉTODOS E ABORDAGENS DE ENSINO DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS E PROCESSOS DE ENSINO / APRENDIZAGEM

MÉTODOS E ABORDAGENS DE ENSINO DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS E PROCESSOS DE ENSINO / APRENDIZAGEM MÉTODOS E ABORDAGENS DE ENSINO DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS E PROCESSOS DE ENSINO / APRENDIZAGEM Katharine Dunham Maciel- (UFRJ) Ingeborg Hartl- (UFRJ) Os métodos apontam um caminho para o professor, fornecem-lhe

Leia mais

REFLEXÕES ACERCA DO MÉTODO TRADICIONAL E A ABORDAGEM COMUNICATIVA NO ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA SALA DE AULA DO ENSINO MÉDIO

REFLEXÕES ACERCA DO MÉTODO TRADICIONAL E A ABORDAGEM COMUNICATIVA NO ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA SALA DE AULA DO ENSINO MÉDIO REFLEXÕES ACERCA DO MÉTODO TRADICIONAL E A ABORDAGEM COMUNICATIVA NO ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA SALA DE AULA DO ENSINO MÉDIO SILVA, Wellington Jhonner D. B da¹ Universidade Estadual de Goiás - Unidade

Leia mais

AS NOVAS TECNOLOGIAS COMO PARCEIRAS NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DE LÍNGUA INGLESA.

AS NOVAS TECNOLOGIAS COMO PARCEIRAS NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DE LÍNGUA INGLESA. AS NOVAS TECNOLOGIAS COMO PARCEIRAS NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DE LÍNGUA INGLESA. MORAES, Camilla Santos 1 Palavras-chave: ensino-aprendizagem de inglês, novas tecnologias, ensino mediado pelo computador.

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS 1. EMENTA Estudo do processo de aquisição/ aprendizagem de uma segunda língua/ língua estrangeira, métodos e técnicas para o ensino, especialmente da habilidade de leitura. Análise de recursos didáticos.

Leia mais

IV Seminário de Iniciação Científica

IV Seminário de Iniciação Científica O BOM PROFESSOR DE LÍNGUA ESTRANGEIRA E A SUA RELAÇÃO COM OS MÉTODOS DE ENSINO Ângela Cristina de Jesus Jancitsky 1 ; Marília Moreira de Souza 1 ; Pollyanna Morais Espíndola 2 ; Ms. Marcelo da Silva Pericoli

Leia mais

Bruna Vignetti dos Santos Centro de Comunicação e Letras Universidade Presbiteriana Mackenzie Rua Piauí, 143 01241-001 São Paulo SP

Bruna Vignetti dos Santos Centro de Comunicação e Letras Universidade Presbiteriana Mackenzie Rua Piauí, 143 01241-001 São Paulo SP Competência Comunicativa: um contraste entre os métodos Audiovisual e Gramática-Tradução Communicative Competence: a contrast between the Audiovisual and the Grammar- Translation methods Bruna Vignetti

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2005 Nome Aluno(a) Título Monografia/Artigo Orientador/Banca Annelise Lima

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE LÍNGUA INGLESA E O COMPROMISSO SOCIAL

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE LÍNGUA INGLESA E O COMPROMISSO SOCIAL A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE LÍNGUA INGLESA E O COMPROMISSO SOCIAL Ferreira, Aparecida de Jesus Unioeste/Cascavel A língua Inglesa sem dúvida é, hoje, a língua mais falada e utilizada no mundo como língua

Leia mais

A LUDICIDADE E A INTERAÇÃO VERBAL NO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA NAS SÉRIES INICIAIS

A LUDICIDADE E A INTERAÇÃO VERBAL NO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA NAS SÉRIES INICIAIS A LUDICIDADE E A INTERAÇÃO VERBAL NO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA NAS SÉRIES INICIAIS HORTA, Gabriela Alias (UNESP- FCT) RESUMO: Este trabalho tem por objetivo discutir a importância das atividades lúdicas

Leia mais

Manual do aluno. Curso Master

Manual do aluno. Curso Master Manual do aluno Curso Master Sumário A escola... 3 Inglês por nível... 3 Material Didático Interchange Fourth Edition... 4 Série complementar pós-interchange:... 5 Metodologia do curso Master:... 5 Em

Leia mais

COMO ABORDAR O TEMA ACESSIBILIDADE EM SALA DE AULA

COMO ABORDAR O TEMA ACESSIBILIDADE EM SALA DE AULA COMO ABORDAR O TEMA ACESSIBILIDADE EM SALA DE AULA Fabiane Caron Novaes 1 Roberta Aparecida Diadio 2 Resumo: Considerando as recomendações contidas no referencial teórico dos Parâmetros Curriculares Nacionais

Leia mais

A COMPETENCIA GRAMATICAL NAS AULAS DE ESPANHOL COMO LINGUA ESTRANGEIRA

A COMPETENCIA GRAMATICAL NAS AULAS DE ESPANHOL COMO LINGUA ESTRANGEIRA A COMPETENCIA GRAMATICAL NAS AULAS DE ESPANHOL COMO LINGUA ESTRANGEIRA Bruna de Souza Fraga (UFS) Monize Batista de Jesus (UFS) INTRODUÇÃO A gramática, por muito tempo foi um dos instrumentos mais utilizados

Leia mais

Trabalhando com o lúdico: motivação nas aulas de língua estrangeira para crianças. Temática: Aquisição de linguagem, variação e ensino: um balanço

Trabalhando com o lúdico: motivação nas aulas de língua estrangeira para crianças. Temática: Aquisição de linguagem, variação e ensino: um balanço Trabalhando com o lúdico: motivação nas aulas de língua estrangeira para crianças Deise Anne Terra Melgar (UNIPAMPA)¹ Vanessa David Acosta (UNIPAMPA)² Orientadora: Cristina Pureza Duarte Boéssio Temática:

Leia mais

ANÁLISE DE COMPREENSÃO DE TEXTO ESCRITO EM LÍNGUA INGLESA COM BASE EM GÊNEROS (BIOGRAFIA).

ANÁLISE DE COMPREENSÃO DE TEXTO ESCRITO EM LÍNGUA INGLESA COM BASE EM GÊNEROS (BIOGRAFIA). ANÁLISE DE COMPREENSÃO DE TEXTO ESCRITO EM LÍNGUA INGLESA COM BASE EM GÊNEROS (BIOGRAFIA). Alinne da Silva Rios Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP e-mail: alinnerios@hotmail.com Profa. Ms. Leila

Leia mais

DISCUTINDO AS CRENÇAS DE UMA PROFESSORA UNIVERSITÁRIA E DE SEUS ALUNOS SOBRE O QUE É SER BEM-SUCEDIDO EM AVALIAÇÕES ORAIS

DISCUTINDO AS CRENÇAS DE UMA PROFESSORA UNIVERSITÁRIA E DE SEUS ALUNOS SOBRE O QUE É SER BEM-SUCEDIDO EM AVALIAÇÕES ORAIS 1 DISCUTINDO AS CRENÇAS DE UMA PROFESSORA UNIVERSITÁRIA E DE SEUS ALUNOS SOBRE O QUE É SER BEM-SUCEDIDO EM AVALIAÇÕES ORAIS Marcela Ferreira Marques (Universidade Federal de Goiás) Introdução Cada professor

Leia mais

EMENTÁRIO LETRAS EaD INGLÊS

EMENTÁRIO LETRAS EaD INGLÊS EMENTÁRIO LETRAS EaD INGLÊS 1ª FASE LLE 931 Introdução aos Estudos da Linguagem Total h/a Introdução aos conceitos de língua e língua(gem); características da língua(gem) humana; a complexidade da língua(gem)

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

Daniel Fernando Rodrigues 1. Introdução

Daniel Fernando Rodrigues 1. Introdução O PERFIL DE ALUNOS DE LÍNGUA INGLESA INGRESSANTES NO CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS: DELIMITANDO EXPECTATIVAS E METAS PARA A COMPETÊNCIA 1 RESUMO: Este artigo apresenta o perfil dos alunos de inglês de

Leia mais

EXTENSÃO: PARCERIA QUE PODE PROPORCIONAR UM DIFERENCIAL NO ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA ESCOLA PÚBLICA

EXTENSÃO: PARCERIA QUE PODE PROPORCIONAR UM DIFERENCIAL NO ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA ESCOLA PÚBLICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS PROJETO DE EXTENSÃO EXTENSÃO: PARCERIA QUE PODE PROPORCIONAR UM DIFERENCIAL NO ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA ESCOLA PÚBLICA LAVRAS MG JUNHO DE 2013 Introdução Os entraves do

Leia mais

A EDUCAÇÃO DOS SURDOS: UMA ANÁLISE HISTÓRICO-CRÍTICA RESUMO

A EDUCAÇÃO DOS SURDOS: UMA ANÁLISE HISTÓRICO-CRÍTICA RESUMO A EDUCAÇÃO DOS SURDOS: UMA ANÁLISE HISTÓRICO-CRÍTICA Mayara Cordeiro da Silva ( UFAL) Mayaracordeiro4@gmail.com Rebecca Thamyres de Missena Costa( UFAL) rebecca.ufal@gmail.com RESUMO Muito vem sendo discutido

Leia mais

O Ensino da Pronúncia do Inglês e a Abordagem Comunicativa

O Ensino da Pronúncia do Inglês e a Abordagem Comunicativa ARTIGO...Letrônica v. 3, n. 1, p.153, julho 2010 O Ensino da Pronúncia do Inglês e a Abordagem Comunicativa Luciane Guimarães de Paula Introdução O presente artigo 1 relata um recorte dos resultados de

Leia mais

Planejamento Anual - 2014

Planejamento Anual - 2014 Planejamento Anual - 2014 Tutor Email SILVANA SOUZA SILVEIRA silvana.silveira@pucrs.br Informações do Planejamento Planejamento quanto à participação/contribuição do (a) tutor (a) nas atividades e na formação

Leia mais

Estudo de um Sistema de Gêneros em um Curso Universitário

Estudo de um Sistema de Gêneros em um Curso Universitário Departamento de Letras Estudo de um Sistema de Gêneros em um Curso Universitário Aluna: Esther Ruth Oliveira da Silva Orientadora: Profª. Bárbara Jane Wilcox Hemais Introdução O presente projeto se insere

Leia mais

ANÁLISE DE ALGUNS EXERCÍCIOS DE COMPREENSÃO AUDITIVA DA COLEÇÃO AMERICAN HEADWAY NA PERSPECTIVA DA SOCIOLINGUÍSTICA

ANÁLISE DE ALGUNS EXERCÍCIOS DE COMPREENSÃO AUDITIVA DA COLEÇÃO AMERICAN HEADWAY NA PERSPECTIVA DA SOCIOLINGUÍSTICA ANÁLISE DE ALGUNS EXERCÍCIOS DE COMPREENSÃO AUDITIVA DA COLEÇÃO AMERICAN HEADWAY NA PERSPECTIVA DA Cristiane Toffanello Mestranda UniRitter/Laureate International Universities Cristoffi@hotmail.com SOCIOLINGUÍSTICA

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO PARA O ENSINO DE PORTUGUÊS PARA ESTRANGEIROS 1

CONSTRUÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO PARA O ENSINO DE PORTUGUÊS PARA ESTRANGEIROS 1 CONSTRUÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO PARA O ENSINO DE PORTUGUÊS PARA ESTRANGEIROS 1 FABRI, Ana Sophia 2 ; RANGEL, Eliane 3 ; BARIN, Nilsa Reichert 4 1 Artigo final produzido no PROBIC- Projeto de bolsisita

Leia mais

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA RESUMO Alba Patrícia Passos de Sousa 1 O presente artigo traz como temática o ensino da língua inglesa na educação de jovens e adultos (EJA),

Leia mais

A importância do listening para o processo ensino-aprendizagem na disciplina de inglês do ensino fundamental

A importância do listening para o processo ensino-aprendizagem na disciplina de inglês do ensino fundamental A importância do listening para o processo ensinoaprendizagem na disciplina de inglês do ensino fundamental Priscilla Moreira Diniz SEPÚLVEDA 1, Danielle Ferreira de SOUZA 2 1 Acadêmica do curso graduação

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS INGLÊS E LITERATURAS DE LÍNGUA INGLESA (Currículo iniciado em 2010)

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS INGLÊS E LITERATURAS DE LÍNGUA INGLESA (Currículo iniciado em 2010) EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS INGLÊS E LITERATURAS DE LÍNGUA INGLESA (Currículo iniciado em 2010) COMPREENSÃO E PRODUÇÃO ORAL EM LÍNGUA INGLESA I C/H 102 (2358) intermediário de proficiência

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA CORREÇÃO DE ERROS GRAMATICAIS E O FILTRO AFETIVO NO ENSINO DE INGLÊS COMO LE EM AMBIENTE COMUNICATIVO

A INFLUÊNCIA DA CORREÇÃO DE ERROS GRAMATICAIS E O FILTRO AFETIVO NO ENSINO DE INGLÊS COMO LE EM AMBIENTE COMUNICATIVO 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 A INFLUÊNCIA DA CORREÇÃO DE ERROS GRAMATICAIS E O FILTRO AFETIVO NO ENSINO DE INGLÊS COMO LE EM AMBIENTE COMUNICATIVO André William Alves de Assis 1 ;

Leia mais

CURSO DE EXTENSÃO Ensino e Aprendizagem de Língua Inglesa para Comunicação em Contextos Acadêmicos Professora Responsável: Sandra Mari Kaneko Marques

CURSO DE EXTENSÃO Ensino e Aprendizagem de Língua Inglesa para Comunicação em Contextos Acadêmicos Professora Responsável: Sandra Mari Kaneko Marques INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO CAMPUS SÃO CARLOS CURSO DE EXTENSÃO Ensino e Aprendizagem de Língua Inglesa para Comunicação em Contextos Acadêmicos Professora Responsável:

Leia mais

3. AS METODOLOGIAS DE ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NO BRASIL

3. AS METODOLOGIAS DE ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NO BRASIL CHINA, Anna Patricia Zakem. A trajetória do Ensino do Inglês como Língua Estrangeira no Brasil: Considerações sobre Metodologias, Legislação e Formação de Professores. Ribeirão Preto, SP: CUML, 2008. 114

Leia mais

REPENSANDO O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA ESCOLA PÚBLICA: DA TEORIA À PRÁTICA

REPENSANDO O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA ESCOLA PÚBLICA: DA TEORIA À PRÁTICA REPENSANDO O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA ESCOLA PÚBLICA: DA TEORIA À PRÁTICA MARIA ANDRÉIA SILVA LELES (UNEC- CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA). Resumo As variadas metodologias do ensino aprendizagem

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: PNLD, livro didático, língua estrangeira, gênero.

PALAVRAS-CHAVE: PNLD, livro didático, língua estrangeira, gênero. PNLD 2011: ANÁLISE DE UMA COLEÇÃO DE LIVRO DIDÁTICO DE INGLÊS Universidade Federal de Goiás Programa de Pós-Graduação em Letras e Linguística Mestranda: Maria Letícia Martins Campos FERREIRA mleticiaf@hotmail.com

Leia mais

O ensino de línguas estrangeiras via redes sociais 1

O ensino de línguas estrangeiras via redes sociais 1 O ensino de línguas estrangeiras via redes sociais 1 Gabriel Belinazo 2 gbelinazo@inf.ufsm.br Abstract: In this review article, the main goal is to review and analyze information about social networks

Leia mais

Maria Izabel Rodrigues TOGNATO[2]

Maria Izabel Rodrigues TOGNATO[2] PROFESSOR OU EDUCADOR? CIDADANIA UMA RESPONSABILIDADE SOCIAL NO ENSINO DE LITERATURA E DA PRÁTICA DE ENSINO NA FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DO PROFESSOR DE LÍNGUA INGLESA Referência: TOGNATO, M.I.R..

Leia mais

Linguística Aplicada ao ensino de Língua Portuguesa: a oralidade em sala de aula (Juliana Carvalho) A Linguística Aplicada (LA) nasceu há mais ou menos 60 anos, como uma disciplina voltada para o ensino

Leia mais

ANÁLISE DE NECESSIDADES DO CONTROLADOR DE TRÁFEGO AÉREO: EM BUSCA DE UMA PROPOSTA DE CURSO DA DISCIPLINA LÍNGUA INGLESA COM ENFOQUE NO DESEMPENHO ORAL

ANÁLISE DE NECESSIDADES DO CONTROLADOR DE TRÁFEGO AÉREO: EM BUSCA DE UMA PROPOSTA DE CURSO DA DISCIPLINA LÍNGUA INGLESA COM ENFOQUE NO DESEMPENHO ORAL ANÁLISE DE NECESSIDADES DO CONTROLADOR DE TRÁFEGO AÉREO: EM BUSCA DE UMA PROPOSTA DE CURSO DA DISCIPLINA LÍNGUA INGLESA COM ENFOQUE NO DESEMPENHO ORAL INTRODUÇÃO Patrícia Palhares Tupinambá FERNANDES DE

Leia mais

8.02.00.00-1 LETRAS PRESENÇA DE MODELOS TEÓRICOS EM UM CURSO DE FORMAÇÃO CONTÍNUA Giovanna Roggi

8.02.00.00-1 LETRAS PRESENÇA DE MODELOS TEÓRICOS EM UM CURSO DE FORMAÇÃO CONTÍNUA Giovanna Roggi 8.00.00.00-2 LINGUÍSTICA, LETRAS E ARTES 8.02.00.00-1 LETRAS PRESENÇA DE MODELOS TEÓRICOS EM UM CURSO DE FORMAÇÃO CONTÍNUA Giovanna Roggi Curso de Letras Faculdade de Filosofia, Comunicação, Letras e Arte

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO FINCK, Silvia Christina Madrid (UEPG) 1 TAQUES, Marcelo José (UEPG) 2 Considerações iniciais Sabemos

Leia mais

REFLEXÕES ACERCA DO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA

REFLEXÕES ACERCA DO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE REFLEXÕES ACERCA DO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA Assunção, Paraguay Março 2015 REFLEXÕES ACERCA DO ENSINO DE LÍNGUA

Leia mais

Descrição de um projeto de pesquisa voltado para a formação pré-serviço do professor de Língua Estrangeira (LE)

Descrição de um projeto de pesquisa voltado para a formação pré-serviço do professor de Língua Estrangeira (LE) Descrição de um projeto de pesquisa voltado para a formação pré-serviço do professor de Língua Estrangeira (LE) 1 Resumo: Este trabalho refere-se a um projeto de pesquisa na área de Linguística Aplicada

Leia mais

3. O projeto LINDSEI-BR: apresentação e composição

3. O projeto LINDSEI-BR: apresentação e composição DIFICULDADES INERENTES À COMPILAÇÃO DE UM CORPUS ORAL DE INFORMANTES BRASILEIROS APRENDIZES DE INGLÊS PARA O PROJETO LINDSEI-BR 1. Introdução Predomina, atualmente, a utilização de corpora de falantes

Leia mais

Eixo temático: Tradução/interpretação de língua de sinais: identidades em questão

Eixo temático: Tradução/interpretação de língua de sinais: identidades em questão Modalidade: Comunicação oral/sinais Eixo temático: Tradução/interpretação de língua de sinais: identidades em questão TÍTULO: QUEM É O INTÉRPRETE DE LIBRAS: A PERSPECTIVA DO ALUNO SURDO NO CONTEXTO DO

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 JOGOS COMPUTACIONAIS E A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: CONTRIBUIÇÕES DAS PESQUISAS E DAS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS Regina Célia Grando Universidade São Francisco regina.grando@saofrancisco.edu.br Resumo: No presente

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores AS (DES)ARTICULAÇÕES ENTRE TEORIA E PRÁTICA NA FORMAÇÃO INICIAL DO FUTURO PROFESSOR DE LÍNGUA

Leia mais

Estratégias de Aprendizado da Língua Estrangeira 1. Introdução

Estratégias de Aprendizado da Língua Estrangeira 1. Introdução Estratégias de Aprendizado da Língua Estrangeira Gedeon Santos de Medeiros Gerley Machado de Oliveira 1. Introdução A escolha de determinadas experiências de aprendizagem em qualquer contexto educacional,

Leia mais

O AUXÍLIO DA FONÉTICA NO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA

O AUXÍLIO DA FONÉTICA NO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA O AUÍLIO DA FONÉTICA NO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA Ana Beatriz Miranda Jorge UFCG/ beatrizjmiranda@gmail.com Bruna Melo do Nascimento UEPB/ bruna.melo.nascimento@gmail.com Isabelle Coutinho Ramos Benício

Leia mais

Prêmio Victor Civita 2010 Educador Nota 10

Prêmio Victor Civita 2010 Educador Nota 10 1 Prêmio Victor Civita 2010 Educador Nota 10 LÍNGUAS ESTRANGEIRAS Relatório analítico do processo de seleção de trabalhos Selecionadora: Sandra Baumel Durazzo Com a crescente intergração dos diferentes

Leia mais

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Jaqueline Oliveira Silva Ribeiro SESI-SP josr2@bol.com.br Dimas Cássio Simão SESI-SP

Leia mais

ROSETTA STONE LANGUAGE LEARNING SUITE PARA O SETOR PÚBLICO

ROSETTA STONE LANGUAGE LEARNING SUITE PARA O SETOR PÚBLICO ROSETTA STONE LANGUAGE LEARNING SUITE PARA O SETOR PÚBLICO Garanta o sucesso da missão. Garanta o sucesso da missão. A Rosetta Stone ajuda organizações governamentais e sem fins lucrativos a capacitar

Leia mais

Mudanças didáticas e pedagógicas no ensino de Língua Portuguesa

Mudanças didáticas e pedagógicas no ensino de Língua Portuguesa Mudanças didáticas e pedagógicas no ensino de Língua Portuguesa Silvio Profirio da Silva¹ Durante décadas, o ensino de Língua Portuguesa desenvolvido em nossas escolas limitou - se à análise e à classificação

Leia mais

O ensino de língua inglesa para crianças

O ensino de língua inglesa para crianças O ensino de língua inglesa para crianças Débora Leffa Dimer 1 Adriana Soares 2 Resumo: No presente artigo, iremos analisar como ocorre o aprendizado de uma língua estrangeira, no caso, a Língua Inglesa,

Leia mais

REVEL NA ESCOLA: LINGUÍSTICA APLICADA A CONTEXTOS EMPRESARIAIS

REVEL NA ESCOLA: LINGUÍSTICA APLICADA A CONTEXTOS EMPRESARIAIS MÜLLER, Alexandra Feldekircher. ReVEL na Escola: Linguística Aplicada a Contextos Empresariais. ReVEL. v. 11, n. 21, 2013. [www.revel.inf.br]. REVEL NA ESCOLA: LINGUÍSTICA APLICADA A CONTEXTOS EMPRESARIAIS

Leia mais

PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE

PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE RESUMO Leandro Pedro de Oliveira José Rubens de Lima Jardilino (orientador) Este trabalho

Leia mais

A PROBLEMATIZAÇÃO COMO ESTRATÉGIA METODOLÓGICA

A PROBLEMATIZAÇÃO COMO ESTRATÉGIA METODOLÓGICA A PROBLEMATIZAÇÃO COMO ESTRATÉGIA METODOLÓGICA Jeferson Luiz Appel Dar-se-ia mais significação aos conteúdos conceituais a serem aprendidos pelos alunos pela necessidade de esses adquirirem um novo conhecimento

Leia mais

13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 INGLÊS INSTRUMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA NO PROJETO EQUIDADE NA PÓS-GRADUAÇÃO

13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 INGLÊS INSTRUMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA NO PROJETO EQUIDADE NA PÓS-GRADUAÇÃO 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE

Leia mais

5 METODOLOGIA. 5.1 O Estudo

5 METODOLOGIA. 5.1 O Estudo 5 METODOLOGIA Este capítulo descreve a metodologia utilizada neste estudo visando verificar de que maneira os livros didáticos analisados estão incluindo gêneros discursivos em suas atividades de leitura

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DA PROFICIÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA DOS ACADÊMICOS DE LETRAS DA UNIFRA: UM PARALELO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A AUTONOMIA DOS MESMOS 1

DESENVOLVIMENTO DA PROFICIÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA DOS ACADÊMICOS DE LETRAS DA UNIFRA: UM PARALELO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A AUTONOMIA DOS MESMOS 1 DESENVOLVIMENTO DA PROFICIÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA DOS ACADÊMICOS DE LETRAS DA UNIFRA: UM PARALELO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A AUTONOMIA DOS MESMOS 1 OLIVEIRA, Vinícius. O. 2 MACIEL, Adriana. M. N. RESUMO: O

Leia mais

DIFICULDADES NO ENSINO DA ORALIDADE EM AULAS DE LÍNGUA INGLESA

DIFICULDADES NO ENSINO DA ORALIDADE EM AULAS DE LÍNGUA INGLESA DIFICULDADES NO ENSINO DA ORALIDADE EM AULAS DE LÍNGUA INGLESA Maria do Socorro Silva RESUMO: O artigo aqui presente trata-se de uma pesquisa realizada em turmas de 9º ano, de duas escolas de rede publica

Leia mais

CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA

CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA Júlio César Paula Neves Tânia Mayra Lopes de Melo Modalidade: Pôster Sessão Temática 5: Educação e

Leia mais

PROFESSOR DE MATEMÁTICA E EDUCADOR ESPECIAL: UM PASSO PARA INCLUSÃO

PROFESSOR DE MATEMÁTICA E EDUCADOR ESPECIAL: UM PASSO PARA INCLUSÃO ISSN 2316-7785 PROFESSOR DE MATEMÁTICA E EDUCADOR ESPECIAL: UM PASSO PARA INCLUSÃO RESUMO Karen Rodrigues Copello Universidade Federal de Santa Maria karen_keruso@hotmail.com Debora Silvana Soares Universidade

Leia mais

19/07 ENSINO E APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ESCRITA EM CLASSES MULTISSERIADAS NA EDUCAÇÃO DO CAMPO NA ILHA DE MARAJÓ

19/07 ENSINO E APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ESCRITA EM CLASSES MULTISSERIADAS NA EDUCAÇÃO DO CAMPO NA ILHA DE MARAJÓ 19/07 ENSINO E APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ESCRITA EM CLASSES MULTISSERIADAS NA EDUCAÇÃO DO CAMPO NA ILHA DE MARAJÓ Waldemar dos Santos Cardoso Junior (Universidade Federal do Pará /Campus Universitário

Leia mais

11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na segunda coluna:

11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na segunda coluna: TÉCNICO EM ASSUNTOS EDUCACIONAIS 4 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÕES DE 11 A 25 11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na

Leia mais

48 Os professores optaram por estudar a urbanização, partindo dos espaços conhecidos pelos alunos no entorno da escola. Buscavam, nesse projeto, refletir sobre as características das moradias existentes,

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

MOTIVAÇÃO E DESMOTIVAÇÃO NO APRENDIZADO DE LÍNGUAS

MOTIVAÇÃO E DESMOTIVAÇÃO NO APRENDIZADO DE LÍNGUAS MOTIVAÇÃO E DESMOTIVAÇÃO NO APRENDIZADO DE LÍNGUAS Prof. Dr. Richard Schütz www.sk.com.br Referência: SCHÜTZ, Ricardo. "Motivação e Desmotivação no Aprendizado de Línguas" English Made in Brazil .

Leia mais

FAQ PROGRAMA BILÍNGUE

FAQ PROGRAMA BILÍNGUE FAQ PROGRAMA BILÍNGUE 1) O que é o bilinguismo? Segundo alguns teóricos, o bilinguismo é qualquer sistema de educação escolar no qual, em dado momento e período, simultânea ou consecutivamente, a instrução

Leia mais

A IMPORTÂNCIA E APLICABILIDADE DO INGLÊS INSTRUMENTAL NA FURB: UMA ANÁLISE DE NECESSIDADES NA ENGENHARIA ELÉTRICA E QUÍMICA

A IMPORTÂNCIA E APLICABILIDADE DO INGLÊS INSTRUMENTAL NA FURB: UMA ANÁLISE DE NECESSIDADES NA ENGENHARIA ELÉTRICA E QUÍMICA A IMPORTÂNCIA E APLICABILIDADE DO INGLÊS INSTRUMENTAL NA FURB: UMA ANÁLISE DE NECESSIDADES NA ENGENHARIA ELÉTRICA E QUÍMICA RESUMO ROMÃO, Maria Regina Marcondes FURB - Fundação Universidade Regional de

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: TECENDO RELAÇÕES COM O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: TECENDO RELAÇÕES COM O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: TECENDO RELAÇÕES COM O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE Marcia Aparecida Alferes 1 Resumo O presente texto pretende refletir sobre a definição dos conceitos de alfabetização e letramento,

Leia mais

Assimilação natural x Estudo formal

Assimilação natural x Estudo formal Escolhemos adaptar este texto para inaugurar o novo site do CEI porque ele apresenta duas abordagens do aprendizado de idiomas como sendo propostas contrastantes. No entanto, acreditamos que o ensino na

Leia mais

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Resumo: O presente trabalho apresenta uma análise, que se originou a

Leia mais

CRENÇAS DE GRADUANDOS DE INGLÊS LÍNGUA ESTRANGEIRA SOBRE A PRÓPRIA PRONÚNCIA

CRENÇAS DE GRADUANDOS DE INGLÊS LÍNGUA ESTRANGEIRA SOBRE A PRÓPRIA PRONÚNCIA CRENÇAS DE GRADUANDOS DE INGLÊS LÍNGUA ESTRANGEIRA SOBRE A PRÓPRIA PRONÚNCIA Neide Cesar CRUZ Universidade Federal de Campina Grande Resumo: Este estudo de pequeno porte focaliza as crenças que graduandos

Leia mais

13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 COMPLEXIDADE EM AMBIENTES DE SALA DE AULA DE LÍNGUA INGLESA

13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 COMPLEXIDADE EM AMBIENTES DE SALA DE AULA DE LÍNGUA INGLESA 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE

Leia mais

O PROFISSIONAL DE SECRETARIADO E A NECESSIDADE DO DOMÍNIO DE IDIOMAS

O PROFISSIONAL DE SECRETARIADO E A NECESSIDADE DO DOMÍNIO DE IDIOMAS O PROFISSIONAL DE SECRETARIADO E A NECESSIDADE DO DOMÍNIO DE IDIOMAS Gisele Benck de Moraes 1 Maria Elisabete Mariano dos Santos 2 Muito se sabe da necessidade, hoje em dia, de um profissional da área

Leia mais

PRÁTICAS DE PRODUÇÃO ESCRITA EM ESPANHOL NO CURSO DE LETRAS PARA A PROGRESSÃO DE NÍVEIS DE REFERÊNCIA

PRÁTICAS DE PRODUÇÃO ESCRITA EM ESPANHOL NO CURSO DE LETRAS PARA A PROGRESSÃO DE NÍVEIS DE REFERÊNCIA 500 PRÁTICAS DE PRODUÇÃO ESCRITA EM ESPANHOL NO CURSO DE LETRAS PARA A PROGRESSÃO DE NÍVEIS DE REFERÊNCIA Renata Aparecida de Freitas 1 FATEA Faculdades Integradas Teresa D Ávila Lorena - SP Este trabalho

Leia mais

AS CONCEPÇÕES DE LINGUAGEM E O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: (AINDA) ALGUMAS REFLEXÕES

AS CONCEPÇÕES DE LINGUAGEM E O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: (AINDA) ALGUMAS REFLEXÕES AS CONCEPÇÕES DE LINGUAGEM E O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: (AINDA) ALGUMAS REFLEXÕES RESUMO Cleuma Regina Ribeiro da Rocha Lins (UEPB) cleumaribeiro@yahoo.com.br Orientador: Prof. Dr. Juarez Nogueira

Leia mais

O ENSINO DE INGLÊS NA ESCOLA NAVAL Profa. Dra. Ana Paula Araujo Silva Escola Naval

O ENSINO DE INGLÊS NA ESCOLA NAVAL Profa. Dra. Ana Paula Araujo Silva Escola Naval Eixo Temático I: Práticas pedagógicas a serviço da educação superior militar Subtema 1: metodologias de ensino e aprendizagem; ensino voltado para competências; hibridismo pedagógico; interdisciplinaridade

Leia mais

Abstract. Método Ensino/Aprendizagem Língua Estrangeira. Introdução

Abstract. Método Ensino/Aprendizagem Língua Estrangeira. Introdução Um Estudo de Algumas Metodologias de Ensino de Línguas Estrangeiras e a Realidade Brasileira de Acordo com os PCN Nathasa Rodrigues PIMENTEL Universidade Estadual Paulista Abstract This article discusses

Leia mais

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA A PARTIR DO GÊNERO TEXTUAL PROPAGANDA

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA A PARTIR DO GÊNERO TEXTUAL PROPAGANDA O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA A PARTIR DO GÊNERO TEXTUAL PROPAGANDA Anilda Costa Alves Jamile Alves da Silva Leônidas José da Silva Jr Universidade Estadual da Paraíba anildauepb@gmail.com milygta10@hotmail.com

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015 Ensino Técnico Código: 0262 ETEC ANHANQUERA Município: Santana de Parnaíba Componente Curricular: Inglês Instrumental Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Módulo:

Leia mais

DOCUMENTOS OFICIAIS DO GOVERNO - SUBSÍDIOS PARA A PRÁTICA DOCENTE DO PROFESSOR DE LÍNGUA ESTRANGEIRA

DOCUMENTOS OFICIAIS DO GOVERNO - SUBSÍDIOS PARA A PRÁTICA DOCENTE DO PROFESSOR DE LÍNGUA ESTRANGEIRA DOCUMENTOS OFICIAIS DO GOVERNO - SUBSÍDIOS PARA A PRÁTICA DOCENTE DO PROFESSOR DE LÍNGUA ESTRANGEIRA Alciene Ribeiro Feitoza da SILVA 1 Módulo Centro Universitário Ao atuar na formação de professores de

Leia mais

TRABALHANDO VOCABULÁRIO EM SALA DE AULA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

TRABALHANDO VOCABULÁRIO EM SALA DE AULA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA TRABALHANDO VOCABULÁRIO EM SALA DE AULA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA Cristiane Vieira Falcão (PIBID/CAPES/UEPB) crisfalcão@outlook.com.br Maria Glayce Kelly O. da Silva (PIBID/CAPES/UEPB) glayceoliveira20@gmail.com

Leia mais

Contribuições de Bruner e Gagné para a Teoria da Aprendizagem Musical de Edwin Gordon

Contribuições de Bruner e Gagné para a Teoria da Aprendizagem Musical de Edwin Gordon Contribuições de Bruner e Gagné para a Teoria da Aprendizagem Musical de Edwin Gordon Ricardo Dourado Freire Universidade de Brasília e-mail: freireri@unb.br web: www.musicaparacriancas.unb.br Sumário:

Leia mais

A QUESTÃO INTERCULTURAL NO PROCESSO DE ENSINO/APRENDIZAGEM DE LÍNGUA INGLESA: DESENVOLVENDO A SENSIBILIDADE INTERCULTURAL

A QUESTÃO INTERCULTURAL NO PROCESSO DE ENSINO/APRENDIZAGEM DE LÍNGUA INGLESA: DESENVOLVENDO A SENSIBILIDADE INTERCULTURAL A QUESTÃO INTERCULTURAL NO PROCESSO DE ENSINO/APRENDIZAGEM DE LÍNGUA INGLESA: DESENVOLVENDO A SENSIBILIDADE INTERCULTURAL Daniel de Lima Goulart 1 Neuda Alves do Lago 2 Maria Cristina Faria Dalacorte Ferreira

Leia mais

ABORDAGEM COMUNICATIVA NA AQUISIÇÃO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA COMMUNICATIVE APPROACH IN THE FOREING LANGUAGE ACQUISITION

ABORDAGEM COMUNICATIVA NA AQUISIÇÃO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA COMMUNICATIVE APPROACH IN THE FOREING LANGUAGE ACQUISITION ABORDAGEM COMUNICATIVA NA AQUISIÇÃO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA Keyla Christina Almeida Portela 1 RESUMO: O presente artigo objetiva apresentar o ensino/aprendizagem de língua inglesa através da abordagem comunicativa,

Leia mais

TEORIA E PRÁTICA: AÇÕES DO PIBID/INGLÊS NA ESCOLA PÚBLICA. Palavras-chave: Ensino; Recomendações; Língua Estrangeira.

TEORIA E PRÁTICA: AÇÕES DO PIBID/INGLÊS NA ESCOLA PÚBLICA. Palavras-chave: Ensino; Recomendações; Língua Estrangeira. TEORIA E PRÁTICA: AÇÕES DO PIBID/INGLÊS NA ESCOLA PÚBLICA Bolsista Marilize Pires (PIBID/CNPq-UNICENTRO) Ruth Mara Buffa (PIBID/CNPq-UNICENTRO) 1 Resumo: O presente trabalho tem como objetivo apresentar

Leia mais

Critérios de seleção e utilização do livro didático de inglês na rede estadual de ensino de Goiás

Critérios de seleção e utilização do livro didático de inglês na rede estadual de ensino de Goiás Critérios de seleção e utilização do livro didático de inglês na rede estadual de ensino de Goiás COSTA, Bianca Ribeiro Morais OLIVEIRA, Eliane Carolina de Universidade Federal de Goiás- UFG Programa de

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas:

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas: EDUCAÇÃO INFANTIL A Educação Infantil, enquanto segmento de ensino que propicia um maior contato formal da criança com o mundo que a cerca, deve favorecer a socialização da criança, permitir a interação

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

O PEDAGOGO NA DOCÊNCIA E SUA IMPORTÂNCIA NO ENSINO- APRENDIZAGEM

O PEDAGOGO NA DOCÊNCIA E SUA IMPORTÂNCIA NO ENSINO- APRENDIZAGEM O PEDAGOGO NA DOCÊNCIA E SUA IMPORTÂNCIA NO ENSINO- APRENDIZAGEM Helena Harumi Maruyama G Pedagogia INESUL LONDRINA PR Orientadora Ms. Maria Eliza Corrêa Pacheco D Pedagogia INESUL LONDRINA PR PAINEL e-mail:

Leia mais

Resenha de livro. Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3

Resenha de livro. Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3 Resenha de livro Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3 A presente resenha do livro de Moretto, (2007) em sua 2 edição tem o intuito de mostrar que a avaliação é um

Leia mais

A PESQUISA NO ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS: RELAÇÃO ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA DOCENTE DE ENSINO

A PESQUISA NO ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS: RELAÇÃO ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA DOCENTE DE ENSINO A PESQUISA NO ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS: RELAÇÃO ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA DOCENTE DE ENSINO Silvana Sousa Andrade - UESC 1 GT15 - O Professor e a Pesquisa RESUMO: Este estudo aborda a relação entre

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Etec Ensino Técnico ETEC RODRIGUES DE ABREU - EXTENSÃO AGUDOS Código: 135.01 D Município: AGUDOS Eixo Tecnológico: CONTROLE E PROCESSOS INDUSTRIAIS Componente Curricular:

Leia mais

NOVAS TECNOLOGIAS EM EDUCAÇÃO: REPENSANDO A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE LÍNGUA INGLESA

NOVAS TECNOLOGIAS EM EDUCAÇÃO: REPENSANDO A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE LÍNGUA INGLESA NOVAS TECNOLOGIAS EM EDUCAÇÃO: REPENSANDO A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE LÍNGUA INGLESA Maria Elisabete Mariano dos SANTOS *, Edemilson J.R. BRANDÃO ** Universidade de Passo Fundo - Passo Fundo/RS. Resumo:

Leia mais