ESTÁGIO CURRICULAR I CONFIGURAÇÃO DOS SERVIDORES DA REDE DO CEDUP

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTÁGIO CURRICULAR I CONFIGURAÇÃO DOS SERVIDORES DA REDE DO CEDUP"

Transcrição

1 ALTAIR FIN ESTÁGIO CURRICULAR I CONFIGURAÇÃO DOS SERVIDORES DA REDE DO CEDUP EMPRESA: CEDUP Centro de Formação Profissional Dario Geraldo Salles SETOR: CPD SUPERVISOR: Fillipe Maciel Albano ORIENTADOR:Leandro C. Pykosz CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGIAS - CCT UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC JOINVILLE SANTA CATARINA - BRASIL NOVEMBRO/2007

2 ii APROVADO EM:.../.../... Professor Leandro C. Pykosz Mestre em Telemática Professor Orientador Professor Edino M. L. Fernandes Mestre em Ciências da Computação Professor Mauricio A. Pillon Doutor em Ciências da Computação Fillipe Maciel Albano Supervisor da Concedente

3 iii AVALIAÇÃO FINAL Carimbo da Empresa UNIDADE CONCEDENTE Razão Social: CEDUP - Centro de Formação Profissional Dario Geraldo Salles CGC/MF: / Endereço: Rua Monsenhor Gercino, 2071 Bairro: Itaum CEP: Cidade: Joinville UF: SC Fone: (47) Atividade Principal: Educação Técnica/Profissionalizante Supervisor: Fillipe Maciel Albano Cargo: Administrador de Rede ESTAGIÁRIO Nome: Altair Fin Matrícula: Endereço: Rua Menez de Oliveira, 130 / Ap-10 Bairro: Itaum CEP: Cidade: Joinville UF: SC Fone: (47) Curso: Tecnologia em Sistemas de Informação AVALIAÇÃO FINAL DO ESTÁGIO PELO CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS Representada pelo Professor Orientador CONCEITO FINAL Excelente (9,1 a 10) Muito Bom (8,1 a 9,0) Bom (7,1 a 8,0) Regular (5,0 a 7,0) Reprovado (0,0 a 4,9) NOTA Rubrica do Professor da Disciplina Joinville / /

4 iv Nome do Estagiário: Altair Fin QUADRO I AVALIAÇÃO NOS ASPECTOS PROFISSIONAIS QUALIDADE DO TRABALHO: Considerando o possível. ENGENHOSIDADE: Capacidade de sugerir, projetar, executar modificações ou inovações. CONHECIMENTO: Demonstrado no desenvolvimento das atividades programadas. CUMPRIMENTO DAS TAREFAS: Considerar o volume de atividades dentro do padrão razoável. ESPÍRITO INQUISITIVO: Disposição demonstrada para aprender. INICIATIVA: No desenvolvimento das atividades. SOMA Pontos QUADRO II AVALIAÇÃO DOS ASPECTOS HUMANOS ASSIDUIDADE: Cumprimento do horário e ausência de faltas. DISCIPLINA: Observância das normas internas da Empresa. SOCIABILIDADE: Facilidade de se integrar com os outros no ambiente de trabalho. COOPERAÇÃO: Disposição para cooperar com os demais para atender as atividades. SENSO DE RESPONSABILIDADE: Zelo pelo material, equipamentos e bens da empresa. SOMA Pontos PONTUAÇÃO PARA O QUADRO I E II Sofrível - 1 ponto, Regular - 2 pontos, Bom - 3 pontos, Muito Bom - 4 pontos, Excelente - 5 pontos. LIMITES PARA CONCEITUAÇÃO AVALIAÇÃO FINAL Pontos De 57 a SOFRÍVEL SOMA do Quadro I multiplicada por 7 De 102 a REGULAR SOMA do Quadro II multiplicada por 3 De 148 a BOM SOMA TOTAL De 195 a MUITO BOM De 241 a EXCELENTE Nome da Empresa: CEDUP Centro de Formação Profissional Dario Geraldo Salles Representada pelo Supervisor: Fillipe Maciel Albano CONCEITO CONFORME SOMA TOTAL Rubrica do Supervisor da Empresa Local: Data : Carimbo da Empresa

5 UDESC UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS - FEJ PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR I v ESTAGIÁRIO Nome: ALTAIR FIN Matrícula: Endereço (Em Jlle): RUA MENEZ DE OLIVEIRA, 130 / Ap. 10 Bairro: ITAUM CEP: Cidade: JOINVILLE UF: SC Fone: (47) Endereço (Local estágio): RUA MONDENHOR GERCINO, 2071 Bairro: ITAUM CEP: Cidade: JOINVILLE UF: SC Fone: (47) Regularmente matriculado no semestre: 5º SISTEMA DE INFORMAÇÃO Formatura (prevista) Semestre/Ano: 2008/1 Curso: TECNOLOGIA EM UNIDADE CONCEDENTE Razão Social: CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DARIO GERALDO SALLES CGC/MF: / Endereço: RUA MONSENHOR GERCINO, 2071 Bairro: ITAUM CEP: Cidade:Joinville UF: SC Fone: Atividade Principal : EDUCAÇÃO TÉCNICA/PROFISSINALIZANTE Supervisor: FILLIPE MACIEL ALBANO Cargo: ADMINISTRADOR DE REDE DADOS DO ESTÁGIO Área de atuação: GERENCIAMENTO DE REDE Departamento de atuação: CPD Fone: (47) Ramal: 38 Horário do estágio: 07:30 às 11:30 h, 13:30 às 17:30 h Total de horas: 120 Período: 24/09/2007 a 15/10/2007 Nome do Professor Orientador: Leandro C. Pykosz Departamento: DCC Disciplina(s) simultânea(s) com o estágio Quantas: 6 Quais: REC / REDES DE COMPUTADORES DIR-SI / DIREITO APLICADO GPR / GERÊNCIA DE PROJETOS MCI-SI / METOLOGIA CIENTIFICA PES-SI / PESQUISA OPERACIONAL TES-11 / EMPREENDIMENTOS EM INFORMÁTICA OBJETIVO GERAL Executar tarefas de Administração de Redes, configurar os servidores existentes e demais aplicativos. Visando manter o funcionamento da rede de computadores da empresa e possibilitar ao acadêmico aprimoramento dos conhecimentos adquiridos ao longo do curso.

6 vi ATIVIDADES OBJETIVO ESPECÍFICO HORAS 1. Configuração dos Servidores; 1.1 Configurar o Servidor samba; 1.2 Configurar o Servidor DNS; 1.3 Configurar o Servidor Squid (Proxy); 1.4 Configurar o Servidor de Backup; 1.5 Configurar os aplicativos de rede Expansão/manutenção do cabeamento. 2.1 Ligar e organizar de forma estruturada novos pontos de rede e/ou substituir cabos existentes.. 30 Rubrica do Professor Orientado r Rubrica do Coordenador de Estágios Rubrica do Supervisor da Empresa Data: Data: Data: Carimbo da Empresa Prof. César Malutta

7 CRONOGRAMA FÍSICO E REAL PERÍODO (06 horas) P ATIVIDADES R Configuração do Servidor SAMBA P R Configuração do Servidor DNS P R Configuração do Servidor SQUID (Proxy) P R Configuração do Servidor de Backup P R Configuração dos Aplicativos de Rede P R Ligação de novos pontos e/ou substituição de cabos existentes P R

8 FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS - CCT COORDENADORIA DE ESTÁGIOS TERMO DE COMPROMISSO PARA REALIZAÇÃO DE ESTÁGIOS (1) EMPRESA Representada por Cargo (2) ESTAGIÁRIO Matrícula Curso (3) Da Fundação Universidade do Estado de Santa Catarina, representada pelo Professor César Malutta. Acertam o seguinte, na forma da Lei nº , de 07/12/77, regulamentada pelo Decreto nº , de 18/08/82, tendo em vista Convênio nº. /, publicado em Diário Oficial nº. de / /. Art. 1º - O ALUNO desenvolverá Estágio: Obrigatório ( ) Não obrigatório ( ) Art. 2º - O ESTAGIÁRIO desenvolverá atividades dentro de sua linha de formação. Art. 3º - A EMPRESA elaborará Programa de Atividades a ser cumprido pelo ESTAGIÁRIO, em conformidade com as disciplinas cursadas pelo mesmo, respeitados os horários de obrigações do ESTAGIÁRIO com a UDESC/CENTRO. Art. 4º - O Estágio será desenvolvido na Área no período de / / a / / durante o horário das as totalizando horas/mês. 1º - Este período poderá ser prorrogado mediante prévio entendimento entre as partes. 2º - Tanto a EMPRESA como o ESTAGIÁRIO poderão a qualquer momento dar por terminado o Estágio, mediante comunicação escrita. Art. 5º - Pelas reais e recíprocas vantagens técnicas e administrativas, a EMPRESA designará como Supervisor Interno de Estágios e avaliador o Senhor Art. 6º - O ESTAGIÁRIO declara concordar com as normas internas da EMPRESA, conduzir-se dentro da ética profissional e submeter-se a acompanhamento e avaliação de seu desempenho e aproveitamento. Art. 7º - O ESTAGIÁRIO se obriga a cumprir fielmente a programação de estágio. Art. 8º - O ESTAGIÁRIO responderá pelas perdas e danos conseqüentes da inobservância das normas internas da EMPRESA. Art. 9º - O ESTAGIÁRIO se compromete a elaborar Relatório sobre o Estágio realizado apresentando-o à EMPRESA através de seu Supervisor, e à Universidade através do Coordenador de Estágios respectivo. Art. 10º - A EMPRESA se responsabilizará por despesas relativas a atividades extras impostas ao ESTAGIÁRIO.

9 Art. 11º - O ESTAGIÁRIO não terá para quaisquer efeitos, vínculo empregatício com a EMPRESA, ficando aquele segurado contra acidentes pessoais durante o estágio pela apólice nº. da Companhia Art. 12º - O ESTAGIÁRIO receberá uma bolsa no valor de ( ). Art. 13º - Fica firmado o presente em 3 (três) vias de igual teor., de de (1) EMPRESA:... (2) ESTAGIÁRIO:... (3) INSTITUIÇÃO DE ENSINO:...

10 SUMÁRIO TERMO DE APROVAÇÃO...II AVALIAÇÃO FINAL...III AVALIAÇÃO DO ESTAGIÁRIO PELA EMPRESA...IV PLANO DE ESTÁGIO...V CRONOGRAMA FÍSICO E REAL...VII TERMO DE COMPROMISSO...VIII LISTA DE FIGURAS...XI RESUMO...XII 1. INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAL JUSTIFICATIVA ORGANIZAÇÃO DO ESTUDO A EMPRESA MISSÃO VISÃO HISTÓRICO ATIVIDADES DESENVOLVIDAS CONFIGURAÇÃO DOS SERVIDORES SERVIDOR SAMBA SERVIDOR DNS SERVIDOR SQUID (PROXY) SERVIDOR DE BACKUP APLICATIVOS CABEAMENTO CONSIDERAÇÕES FINAIS PRINCIPAIS DIFICULDADES DISCIPLINAS QUE AUXILIARAM NA REALIZAÇÃO DO ESTÁGIO REC TES ANEXOS...35 ANEXO A: ARQUIVO DE CONFIGURAÇÃO DO SAMBA (SMB.CONF)...35 ANEXO B: ARQUIVO DE CONFIGURAÇÃO DO DNS (NAMED.CONF)...38 ANEXO C: ARQUIVO DE CONFIGURAÇÃO DO PROXY SQUID (SQUID.CONF)...41 ANEXO D: SCRIPT DE BACKUP...42 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS...44

11 LISTA DE FIGURAS Figura 01 Esquema Cliente/Servidor...7 Figura 02 Modelo da Estrututa Hierárquica de Domínios na Internet Figura 03 Esquema de Cachê da Web com o Proxy Figura 04 Esquema de Funcionamento do Proxy Transparente Figura 05 Interface do Webmin Figura 06 Topologia em Estrela da rede do CEDUP Figura 07 Cabo UTP com 4 pares de fios trançados Figura 08 Conector RJ Figura 09 Tomada de Estação RJ Figura 10 Alicate de Crimpagem Figura 11 Testador de Cabos Figura 12 Ligação dos fios de acordo com a norma EIA/TIA 568A... 31

12 RESUMO Este relatório tem por objetivo documentar o estágio curricular do acadêmico Altair Fin do curso de Tecnologia em Sistemas de Informação da UDESC de Joinville realizado no Centro de Educação Profissonal Dario Geraldo Salles, no qual foram realizadas atividades de administração de redes como: configuração dos servidores (Samba, DNS, Proxy e Backup), aplicativos de redes e instalação de cabeamento. Tarefas estas que possuem vital importância para o funcionamento adequado das atuais redes de computadores, levando-se em conta a arquiteruta Cliente/Servidor e a ligação que as redes internas das empresas possuem com a Internet. Sendo que, para a concedente este estágio foi relevante pois o acadêmico pode levar um olhar atual sobre questões de segurança e usabilidade que estes sistemas necessitam.

13 1. INTRODUÇÃO Este relatório apresenta as tarefas executadas durante o período de estágio curricular obrigatório realizado nos meses de setembro e outubro de 2007 pelo aluno Altair Fin, do curso de Sistemas de Informação da UDESC Joinville. Sob a orientação do Professor Leandro C. Pykosz e supervisão na empresa pelo responsável técnico Fillipe Maciel Albano, o presente trabalho visa documentar as experiências vivenciadas pelo acadêmico no dia-a-dia da administração da rede de computadores do Centro de Educação Profissonal Dario Geraldo Salles OBJETIVOS GERAL Executar tarefas de administração de redes, propor novas soluções, configurar os servidores existentes e demais aplicativos. Visando manter o funcionamento da rede de computadores da empresa e possibilitar ao acadêmico aprimoramento dos conhecimentos adquiridos ao longo do curso ESPECÍFICOS Com o intuito de atingir o objetivo principal, foram definidos as seguintes objetivos específicos na parte de gerenciamento da rede: configurar os Servidores Samba (software para Linux que permite o compartilhamento de recursos em redes heterogêneas, como máquinas que utilizam sistemas operacionais Linux e Windows), DNS (Domain Name System Sistema de Resolução de Nomes de Domínios), SQUID (Proxy - compartilha uma conexão Internet entre os usuários de uma rede local), Backup e aplicativos de rede. E na parte de infraestrutura: ligar e organizar e forma estruturada novos pontos de rede e/ou substituir cabos existentes.

14 JUSTIFICATIVA Com o uso da arquitetura cliente/servidor nas atuais redes de computadores é fundamental que seus servidores estejam configurados corretamente para atender de forma adequada as requisições de seus usuários. Bem como, que sejam definidas de acordo com a realidade do sistema em questão as permissões/restrições de acesso aos seus dados e à Internet através de políticas de segurança definidas na configuração dessas máquinas. Além de prover formas de monitoramento da rede para auxilar na identificação e correção de eventuais problemas e efetuar reparos/incrementos na infraestrutura de cabeamento ORGANIZAÇÃO DO ESTUDO Esse trabalho é composto de quatro partes. Na primeira são apresentados os objetivos gerais específicos e um resumo de como o relatório é organizado. Na segunda parte é apresentada ao leitor a empresa onde foi realizado o estágio, sua missão, sua visão e seu histórico. A terceira parte é caracterizada pelo relato das tarefas desenvolvidas e pela fundamentação teórica necessária para o entendimento do assunto proposto em cada uma das atividades. Na última parte, são apresentadas as considerações finais, onde são descritas as principais dificuldades encontradas e as disciplinas que mais contribuíram para o sucesso do estágio. Além dos anexos e das referências bibliográficas.

15 2. A EMPRESA O CEDUP - Centro de Educação Profissional Dario Geraldo Salles é uma Escola Técnica Estadual, mantida com recursos públicos e com as contribuições dos seus discentes à Cooperativa dos Alunos do CEDUP (COOPERSALLES). Oferece atualmente sete cursos técnicos: Técnico em Contabilidade, Gestão Comercial, Gestão da Produção, Eletrotécnica, Mecânica Industrial, Eletromecânica Industrial e Eletrônica Industrial. Além de uma série de cursos de carga horária reduzida, que vão desde cursos básicos até cursos de aperfeiçoamento profissional nas áreas de informática, comportamental e matemática MISSÃO Formar profissionais comprometidos com a melhoria da qualidade de vida, sustentabilidade e o progresso das organizações, (CEDUP, 2007) VISÃO Ser um centro de excelência em educação profissional e na formação de cidadãos aptos a difundir conceitos tecnológicos, humanos e de empreendedorismo, (CEDUP, 2007) HISTÓRICO Os Centros de Educação Profissional (CEDUP s) originaram-se com o nome de Centro Interescolar de 2º Grau (CIS) sediados em Joinville, Blumenau, Lages e Criciúma. Mantidos pela FESC (Fundação Educacional de Santa Catarina), foram construídos e equipados com recursos oriundos de um convênio entre o MEC (Ministério da Educação e Cultura) e o Governo do Estado de Santa Catarina. Sendo que a administração era centralizada em

16 4 Florianópolis (FESC) e a escola era mantida por recursos providos do estado e mensalidades pagas pelos seus alunos, (CEDUP, 2007). A sede de Joinville foi inaugurada oficialmente em setembro de 1978 pelo vicepresidente Adalberto Pereira dos Santos com a presença do governador Antônio Carlos Konder Reis e o secretário da educação Professor Mario Cesar Morais. As aulas iniciaram em três de maio de 1978 com os cursos de Mecânica Industrial, Eletrotécnica, Contabilidade, Comercialização e Mercadologia, atendendo 460 alunos que faziam em paralelo o segundo grau no Conjunto Educacional Governador Celso Ramos. Em 1979 passa a atender também alunos dos Colégios estaduais João Colin e Plácido Olimpio de Oliveira, totalizando assim, 879 alunos. Sendo que o sistema de ensino adotado inicialmente foi o de intercomplementariedade, onde alunos das referidas escolas realizavam a prática profissional 2 dias por semana neste centro de educação, (CEDUP, 2007). Em fevereiro de 1980, a FESC, de comum acordo com a Secretaria de Educação, modificou o sistema de intercomplementariedade, introduzindo disciplinas de Educação Geral. E dessa forma, o CIS passou a ter como objetivo, além da formação técnica, a educação integral de seus alunos, (CEDUP, 2007). Em 03 de junho de 1989 foi criada a Cooperativa de alunos da Escola CIS COOPERSALLES, sendo que os alunos passam a serem sócios das cooperativas. E através de uma administração em conjunto com a orientação e a direção escolar, passam a investir na manutenção das escolas, na construção de laboratórios e aquisição de equipamentos. No dia 30 de julho de 1990 foi aprovado através da resolução nº. 002/09 da Secretaria de Estado da Educação e publicado sob o numero de no Diário Oficial do Estado de Santa Catarina do dia 18 de agosto de 1989 o Sistema Cooperativado das Escolas Públicas Técnicas. Em 1991, com a extinção da FESC, o corpo docente das unidades foi transferido para a Secretaria da Educação do Estado de Santa Catarina, finalizando assim, este processo de transição. Sendo que este quadro perdura até os dias atuais, e a parceria entre alunos e escola conquistou o respeito da comunidade e do meio empresarial joinvilense, (CEDUP, 2007). Oferecendo uma educação profissional de qualidade e em consonância com as necessidades tecnológicas, o CEDUP é um Centro de Formação procurado por jovens que buscam seu lugar no mercado de trabalho e por profissionais que necessitam resgatar ou aprimorar seus conhecimentos. É também procurado diariamente por empresas que solicitam alunos para preenchimento de vagas tanto para estágio, como para emprego. Sendo que hoje o

17 5 CEDUP possuí cerca de 1200 alunos e mais de 150 empresas conveniadas para contratar alunos para vagas estágio.

18 3. ATIVIDADES DESENVOLVIDAS Uma rede de computadores consiste em um sistema de comunicação de dados constituído através da interligação de computadores e outros dispositivos, com a finalidade de trocar informação e partilhar recursos, (GARIBA, 200_). Sendo que, as atividades deste estágio foram realizadas em uma rede do tipo LAN (Local Area Network Rede Local), ou seja, uma rede que permite a interconexão de equipamentos para a troca de dados numa pequena região (uma empresa neste caso), (TANEMBAUM, 1997). Nesta rede existem 148 computadores rodando o sistema operacional Microsoft Windows XP Professional, é segmentada físicamente e logicamente pelos setores administrativos, pelos 7 laboratórios e a biblioteca. Possui quatro servidores que utilizam o sistema operacional GNU/Linux CentOS 4.4, que são conectados à rede com o auxilio de um Switch (dispositivo de rede que filtra, encaminha e preenche quadros baseados no endereço de destino de cada quadro) e um Patch Panel (Painel de Conexão) para organizar os cabos, além de todo cabeamento e mais um Switch em cada sub-rede, centralizados juntamente com a administração da rede no setor denominado de CPD (Central de Processamento de Dados). Os próximos tópicos irão descrever as atividades de forma sucinta com o devido embasamento teórico CONFIGURAÇÃO DOS SERVIDORES Servidor pode ser definido como um sistema computacional que fornece um serviço a uma rede de computadores. Os computadores que acessam seus serviços são chamados de clientes. Dessa forma, estas redes possuem uma arquitetura chamada de cliente/servidor, onde a comunicação é feita através de solicitações de clientes enviadas para uma servidor, requisitando a execução de alguma tarefa. Em seguida o servidor executa o pedido e envia uma resposta, ou seja, presta algum serviço à rede (conforme esquema apresentado na figura 1). Sendo que, quase sempre existem muitos clientes e poucos servidores, (TANENBAUM, 1997). São comumente utilizadas em redes de médio e grande porte e em redes onde a questão da segurança possui relativa importância.

19 7 Figura 1: Esquema Cliente/Servidor. O termo servidor é largamente aplicado a computadores completos, embora um servidor possa equivaler a um software ou a partes de um sistema computacional, ou até mesmo a uma máquina que não seja necessariamente um computador. Sendo que, o crescimento das empresas, de suas redes e do uso da Internet entre profissionais e usuários comuns foram o grande impulso para o desenvolvimento e aperfeiçoamento de tecnologias para servidores, (BOTELHO, 2006). É importante lembrar que essa comunicação é realizada com o auxílo de protocolos (linguagem comum que possilita a troca de dados pela rede), que serão apresentados junto com o relato de cada atividade quando houver a necessidade SERVIDOR SAMBA O Samba é um "software servidor" para Linux (Unix) que permite o gerenciamento e compartilhamento de recursos em redes heterogêneas formadas com computadores com o sistema operacional Windows e Linux. Assim, é possível usar o Linux como servidor de arquivos, servidor de impressão, entre outros, como se a rede utilizasse servidores Windows (NT, 2000, XP, Server 2003), (ALECRIM, 2005). O Samba é o servidor que permite compartilhar arquivos e acessar compartilhamentos a partir de máquinas Windows. Usando o Samba, o servidor Linux se comporta exatamente da mesma forma que uma servidor Windows, compartilhando arquivos e impressoras e executando outras funções, como autenticação de usuários, (MORIMOTO, 2007). O Samba é compatível com a maioria das versões do Windows (NT 4.0, 9x, Me, 2000, XP, Server 2003 e Vista), além de máquinas com o Linux. Tanto é que existem empresas que usam o Samba como solução para conflitos existentes entre diferentes versões do Windows.

20 8 Todo trabalho feito pelo Samba é provido de segurança pois há grande rigor nos controles dos recursos oferecidos, os mais importantes são a autenticação de usuários, segmentação dos dados por grupos de usuários e as restrições quando às operações que poderão ser efetuadas sobre os arquivos do compartilhamento. Sendo que, explicações de como são realizados tais controles de segurança do Samba são melhor explicados ao longo deste tópico, (ALECRIM, 2005). O nome Samba é derivado do protocolo SMB (Server Message Block Servidor de Blocos de Mensagens) utilizado pelo Windows para compartilhar discos e impressoras, (CONECTIVA, 2004). O protocolo SMB é um sistema de troca de mensagens desenvolvido pela IBM para uso no seu protocolo NetBIOS e depois aperfeiçoado pela Microsoft para uso no sistema de compartilhamento de arquivos do Windows. O SMB permite que os clientes entrem em contato com o servidor, visualizem quais compartilhamentos estão disponíveis, solicitem listas de diretórios ou arquivos e assim por diante. Apesar disso, a sigla é mais comumente usada em relação ao Samba, que é uma implementação do protocolo SMB que permite máquinas Linux compartilharem e acessarem arquivos via redes Microsoft, como se fossem máquinas Windows, (MORIMOTO, 2007). NetBIOS vem de "Network Basic Input Output (Entrada e Saída Básica pela Rede). É um sistema de troca de mensagens entre máquinas em rede onde foi implementado o conceito de nome de serviço, o que possibilita que uma máquina conecte-se à rede reservando um nome para sua utilização. Foi concebido para ser usado em pequenas redes e por isso é um protocolo extremamente simples e rápido, (MORIMOTO, 2007). Um aspecto importante é o fato de que o Samba possui código aberto disponível livremente sob a General Public License (GNU) e acompanha praticamente todas as distribuições GNU/Linux. Pode ser feito o download do Samba no site juntamente com utilitários importantes para a operação da rede, (SAMBA, 200_). Estes utilitátios são: Smbclient: Ferramenta para navegação e gerenciamento de arquivos, diretórios e impressoras compartilhados por servidores Windows ou Samba; Smbfs: Pacote que possui ferramentas para o mapeamento de arquivos e diretórios compartilhados por servidores Windows ou Samba em um diretório local; Winbind: Daemon (processo) que resolve nomes de usuários e grupo através de um servidor e mapeia os UIDs (User Identification - Identificador dos Usuários) e os GIDs (Group Identification - Identificador dos Grupos).

21 9 Atividade realizada: Com o Samba devidamente instalado, inicializado e com seus usuários cadastrados (situação em que já se encontrava a rede), é possível configurá-lo usando programas que oferecem interfaces gráficas ou editando manualmente o próprio arquivo de configuração do Samba (/etc/samba/smb.conf)pré-configurado, alterando apenas as opções necessárias. Como quase todos os serviços de configurações avançados disponíveis para Linux, o arquivo de configuração só poderá ser acessado por um superusuário (root), e é composto de Tags (breves instruções, tendo uma marca de início e outra de fim, linhas do arquivo neste caso). Cada Tag tem uma função diferente dentro do arquivo. Sendo que este arquivo é separado por seções e cada seção é definica colocando um nome entre "[ ]" no início do bloco de texto do arquivo. Cada seção tem o objetivo de organizar as Tags para que tenham efeito apenas na seção citada (exceto os da seção [global] que possuem efeito como um todo na configuração), (AMORIN, 2007). De acordo com Amorin (2007) alguns nomes de seções foram reservados para configuração específica do samba. Sendo que qualquer outro nome de seção no arquivo smb.conf é tratado como um compartilhamento ou uma impressora: [global]: Define configurações que afetam o servidor Samba como um todo, fazendo efeito em todos os compartilhamentos existentes na máquina. Por exemplo, o grupo de trabalho, nome do servidor, página de código, restrições de acesso por nome; [homes]: Especifica opções de acesso a diretórios homes de usuários. O diretório home é disponibilizado somente para seu dono, após se autenticar no sistema; [printers]: Define opções gerais para controle das impressoras do sistema. Este compartilhamento mapeia os nomes de todas as impressoras encontradas no /etc/printcap; [profile]: Define um perfil quando o servidor samba é usado como PDC (Primary Domain Controler Controle Primário do Dominio), realiza a autenticação dos usuários e distribui os endereços IP na rede, caso a mesma esteja configurada para recebe-los automaticamente.

22 10 Para editar o arquivo de configuração do Samba além de abri-lo com um editor de textos, é necessário estar logado no sistema com um usuário que possui privilégios de administrador (superusuário), (AMORIN, 2007). Para realizar esta tarefa foi utilizado o editor de textos Vi (Visual Interface - disponível em praticamente todas as distribuições do GNU/Linux). Com o qual foram realizadas as modificações no arquivo smb.conf. Devido a extenção do arquivo de configuração do Servidor Samba, serão abordados no contexto deste relatório as linhas do código que sofreram alteração relativas ao funcionamento na rede do CEDUP. Uma breve descrição da função da respectiva Tag e o porque da necessidade da mudança. Sendo que o arquivo alterado (em uso) se encontra no anexo A deste relatório. Começaremos pela seção [global] onde está a grande maioria das Tags e foram feitas as seguintes alterações: Netbios Name: Foi excluida esta Tag que define o nome NetBIOS primário do servidor. Como não foi citada esta linha será usado o da máquina (Servidor, no caso) como valor padrão; Work Group: Define o nome do domínio. Dessa forma, o nome do grupo de trabalho foi definido de uma forma intuitiva como: workgroup = CEDUP. Server String: Define a descrição do servidor (que poderá ser visualizada pelos usuarios da rede junto com o nome deste). Definido como: server string = Servidor Linux. Load Printers: Informa ao servidor se irá carregar as impressoras configuradas automaticamente. Para o bom funcionamento das atividades na empresa, é interessante que a disponibilidade das impressoras para os usuários seja definida pelo Administrador, sendo assim, essa permissão foi negada: load printers = no. Logon Script: Especifica o arquivo de script logon (rotinas que devem ser realizadas pela máquina cliente quanto um pedido para entrar na rede é aceito) que será usado. Lembrando que este arquivo deverá estar cituado dentro da pasta especificada no compartilhamento [Netlogon] (3ª seção em nosso arquivo). No caso: logon script = script.bat. Agora a seção [homes]:

23 11 Veto Files: Bloqueia o uso no servidor dos arquivos com as mesmas extenções do que as especificadas nesta Tag. Alguns tipos de arquivos ocupam grandes espaços em disco, sem que contenham dados relevantes para o trabalho realizado na empresa. Dessa forma, torna-se necessário impedir que tais arquivos circulem pela rede, para evitar o desperdício de espaço nos discos rigidos do servidor e o tráfego desnecessário, prevenindo assim um possível congestionamento na rede. Sendo assim, foram proibidos os seguintes tipos de arquivos de audio e video no servidor Samba do CEDUP: veto files = /*.mp3/*.wav/*.mid/*.avi/*.mpg/*.mpeg /*.wmv/. Um dos parâmetros de configuração mais importantes nesta seção é a definido na Tag Security, que administra o tipo de autenticação dos clientes no servidor Samba. Existem quatro tipos de acessos distintos: share, user, server e domain. Com o acesso Share o servidor Samba irá requisitar uma senha para cada recurso compartilhado. Já no acesso User o Samba faz uma requisição para um usuário e senha para a conexão (foi definido dessa forma em nosso arquivo de configuração, pois uma vez o cliente estando logado ele pode trabalhar normalmente como se os recursos estivessem em seu próprio computador), utilizando as opções Server ou Domain o servidor requisita um usuário e uma senha do cliente e faz a autenticação utilizando outro servidor SMB. Ainda em políticas de segurança, o Samba dispõe da opção Encrypted passwords, a qual habilita/desabilita o uso de senhas criptografadas, (CERON e MONTEIRO, 2005). Sendo que em nosso caso foi habilitado o uso de tais senhas (encrypt passwords = yes). As seções [printers] e [profile] foram retiradas do arquivo de configuração, pois não foram definidas regras gerais para o controle das impressoras. E em relação a seção [profile], não é necessário definir um perfil para o servidor Samba funcionar como um PDC, porque a rede do CEDUP possui seus endereços definidos manualmente de acordo com seu esquema de segmentação. Foram criados oito compartilhamentos ao total, de acordo com a necessidade organizacional da empresa. Sendo eles: [netlogon]: Especifica o caminho no servidor em que se encontra o script que deve ser executado toda vez que uma requisição para um usuário entrar na rede é recebida;

Arquivo smb.conf comentado

Arquivo smb.conf comentado Arquivo smb.conf comentado ######## Seção global #### Define configurações como nome do servidor, grupo de trabalho, e outras. #### Opções definidas aqui tem efeito em todos compartilhamentos, exceto quando

Leia mais

Manual. Configuração do. Samba. Compartilhamento e Servidor Samba Linux. Produzido por: Sergio Graças Desenvolvedor do Projeto GNU/Linux VRlivre

Manual. Configuração do. Samba. Compartilhamento e Servidor Samba Linux. Produzido por: Sergio Graças Desenvolvedor do Projeto GNU/Linux VRlivre Manual Configuração do Samba Compartilhamento e Servidor Samba Linux Produzido por: Sergio Graças Desenvolvedor do Projeto GNU/Linux VRlivre Manual Configuração do Samba Compartilhamento e Servidor Samba

Leia mais

ESTÁGIO CURRICULAR I e II SISTEMA DE MONITORAMENTO DE TI EM SOFTWARE LIVRE

ESTÁGIO CURRICULAR I e II SISTEMA DE MONITORAMENTO DE TI EM SOFTWARE LIVRE FERNANDO RODRIGO NASCIMENTO GUSE i ESTÁGIO CURRICULAR I e II SISTEMA DE MONITORAMENTO DE TI EM SOFTWARE LIVRE EMPRESA: Globalmind Serviços em Tecnologia da Informação LTDA. SETOR: Infra Estrutura SUPERVISOR:

Leia mais

O que um Servidor Samba faz?

O que um Servidor Samba faz? O que é o Samba? O Samba é um "software servidor" para Linux (e outros sistemas baseados em Unix) que permite o gerenciamento e compartilhamento de recursos em redes formadas por computadores com o Windows

Leia mais

Sistemas Distribuídos Aula-6

Sistemas Distribuídos Aula-6 6 SAMBA Histórico: O Samba foi criado por Andrew Tridgell. Ele precisava montar um espaço em disco em seu PC para um servidor Unix. Esse PC rodava DOS e, inicialmente, foi utilizado o sistema de arquivos

Leia mais

Samba - Aspectos Avançados

Samba - Aspectos Avançados Samba - Aspectos Avançados Por Conectiva Informática e Time de Desenvolvimento do Samba Certamente, no momento em que iniciamos a implantação de uma rede, nos deparamos com diversos aspectos não previstos,

Leia mais

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial 2 1. O Sistema PrinterTux O Printertux é um sistema para gerenciamento e controle de impressões. O Produto consiste em uma interface web onde o administrador efetua o cadastro

Leia mais

Sistema Operacional Unidade 13 Servidor Samba. QI ESCOLAS E FACULDADES Curso Técnico em Informática

Sistema Operacional Unidade 13 Servidor Samba. QI ESCOLAS E FACULDADES Curso Técnico em Informática Sistema Operacional Unidade 13 Servidor Samba Curso Técnico em Informática SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 INSTALANDO O SAMBA... 3 Verificando a versão... 3 Criando uma cópia do servidor samba original... 3 COMPARTILHAMENTOS

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO BRASQUID

MANUAL DO USUÁRIO BRASQUID MANUAL DO USUÁRIO BRASQUID Saulo Marques FATEC FACULDADE DE TECNOLOGIA DE CARAPICUIBA Sumário 1 Instalação... 4 2 Configuração inicial... 6 2.1 Scripts e Arquivos Auxiliares... 10 2.2 O Squid e suas configurações...

Leia mais

Compartilhamento de arquivos e diretórios

Compartilhamento de arquivos e diretórios Compartilhamento de arquivos e diretórios O compartilhamento de arquivos e diretórios foi uma das aplicações que motivou o desenvolvimento inicial da rede de computadores. 19 E xistem dois protocolos de

Leia mais

Servidor proxy - Squid PROFESSOR : RENATO WILLIAM

Servidor proxy - Squid PROFESSOR : RENATO WILLIAM Servidor proxy - Squid PROFESSOR : RENATO WILLIAM Revisando Instalação do Squid - # apt-get install squid Toda a configuração do Squid é feita em um único arquivo, o "/etc/squid/squid.conf". Funcionamento

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Samba Gustavo Reis gustavo.reis@ifsudestemg.edu.br 1 Conhecido também como servidor de arquivos; Consiste em compartilhar diretórios do Linux em uma rede Windows e visualizar compartilhamentos

Leia mais

Utilizando o SAMBA - Parte I

Utilizando o SAMBA - Parte I Utilizando o SAMBA - Parte I Por: Victor Zucarino ( 28/03/2001 ) Introdução Antes de começar vamos entender o que é o Samba. Em uma rede é necessário compartilhar dados, por isso temos que pensar em obter

Leia mais

Linux Network Servers

Linux Network Servers Configuração do Servidor Samba como controlador primário de domínio (PDC). O objetivo desse roteiro é mostrar como configurar um servidor Samba PDC compartilhando o diretório home, impressora e um diretório

Leia mais

Capítulo 1: Introdução às redes de computadores

Capítulo 1: Introdução às redes de computadores ÍNDICE Capítulo 1: Introdução às redes de computadores Redes domésticas... 3 Redes corporativas... 5 Servidor... 5 Cliente... 7 Estação de trabalho... 8 As pequenas redes... 10 Redes ponto-a-ponto x redes

Leia mais

FACSENAC. Versão:1.5. Identificador do documento: Projeto Lógico de Redes. Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0. Histórico de revisões

FACSENAC. Versão:1.5. Identificador do documento: Projeto Lógico de Redes. Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0. Histórico de revisões FACSENAC ECOFROTA Documento de Projeto Lógico de Rede Versão:1.5 Data: 21/11/2013 Identificador do documento: Projeto Lógico de Redes Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0 Localização: FacSenac

Leia mais

Configuração Definitiva do Samba

Configuração Definitiva do Samba Configuração Definitiva do Samba 1 2 Sumário 1. Vantagens... 5 2. Desvantagem... 5 3. Conclusão Final... 5 4. Vamos botar a mão na massa!... 6 5. Instalação... 6 6. Configuração Parte 1 (Criando os diretórios)...

Leia mais

Linux Network Servers

Linux Network Servers Samba como compartilhador de arquivos & impressora O Samba surgiu da necessidade de integrar redes mistas (Windows com Linux). No Linux, há duas maneiras de se fazer isso, que é pelo uso do NFS e Samba.

Leia mais

Tutorial Servidor Proxy com Squid baseado em Linux Acadêmicos : Felipe Zottis e Cleber Pivetta. Servidor Proxy

Tutorial Servidor Proxy com Squid baseado em Linux Acadêmicos : Felipe Zottis e Cleber Pivetta. Servidor Proxy Tutorial Servidor Proxy com Squid baseado em Linux Acadêmicos : Felipe Zottis e Cleber Pivetta Servidor Proxy Um servidor Proxy possui a finalidade de possibilitar que máquinas contidas em uma determinada

Leia mais

Tutorial para Instalação do Ubuntu Server 10.04

Tutorial para Instalação do Ubuntu Server 10.04 Tutorial para Instalação do Ubuntu Server 10.04 Autor: Alexandre F. Ultrago E-mail: ultrago@hotmail.com 1 Infraestrutura da rede Instalação Ativando o usuário root Instalação do Webmin Acessando o Webmin

Leia mais

GLADIADOR INTERNET CONTROLADA v.1.2.3.9

GLADIADOR INTERNET CONTROLADA v.1.2.3.9 GLADIADOR INTERNET CONTROLADA v.1.2.3.9 Pela grande necessidade de controlar a internet de diversos clientes, a NSC Soluções em Informática desenvolveu um novo produto capaz de gerenciar todos os recursos

Leia mais

Sarg Proxy transparente

Sarg Proxy transparente Proxy Conteúdo Squid Proxy... 2 Instalar o squid... 4 Criando uma configuração básica... 5 Configurando o cache... 6 Adicionando restrições de acesso... 9 Bloqueando por domínio ou palavras... 9 Gerenciando

Leia mais

Daniel Darlen. daniel.correa@planejamento.gov.br. IV SDSL Brasília DF Dezembro de 2004

Daniel Darlen. daniel.correa@planejamento.gov.br. IV SDSL Brasília DF Dezembro de 2004 Introdução ao Samba Daniel Darlen daniel.correa@planejamento.gov.br IV SDSL Brasília DF Dezembro de 2004 Introdução ao Samba p.1/65 Introdução Introdução ao Samba p.2/65 Introdução SAMBA é um conjunto

Leia mais

Administração de Redes SAMBA

Administração de Redes SAMBA Administração de Redes SAMBA Rafael S. Guimarães IFES - Campus Cachoeiro de Itapemirim Baseado no material de João Paulo de Brito Gonçalves SAMBA SAMBA A finalidade do serviço Samba é permitir que estações

Leia mais

NBT - é o protocolo que faz o mapeamento entre nomes (de computadores ) e IP s.

NBT - é o protocolo que faz o mapeamento entre nomes (de computadores ) e IP s. Capítulo 9 Serviços de ficheiros em rede Microsoft (SMB) Introdução Em 1984 a Microsoft fez uma API (Application Programming Interface) para que as suas aplicações pudessem partilhar dados numa rede. Esta

Leia mais

5/7/2010. Apresentação. Web Proxy. Proxies: Visão Geral. Curso Tecnologia em Telemática. Disciplina Administração de Sistemas Linux

5/7/2010. Apresentação. Web Proxy. Proxies: Visão Geral. Curso Tecnologia em Telemática. Disciplina Administração de Sistemas Linux Apresentação Servidor Proxy Administração de Sistemas Curso Tecnologia em Telemática Disciplina Administração de Sistemas Linux Professor: Anderson Costa anderson@ifpb.edu.br Assunto da aula Proxy (Capítulo

Leia mais

Samba PDC no Debian com Clamwin antivírus

Samba PDC no Debian com Clamwin antivírus Samba PDC no Debian com Clamwin antivírus Artigo extraído do link http://www.guiadohardware.net/artigos/pdc debian clamwin estacoes/ Introdução Esse artigo o guiará passo a passo na montagem de um servidor

Leia mais

Projeto e Instalação de Servidores Servidores Linux Aula 7 Samba, SSH e Backup

Projeto e Instalação de Servidores Servidores Linux Aula 7 Samba, SSH e Backup Projeto e Instalação de Servidores Servidores Linux Aula 7 Samba, SSH e Prof.: Roberto Franciscatto Samba Samba Samba Samba Servidor de compartilhamento de arquivos e recursos de rede É compatível com

Leia mais

Capítulo 9. SMB (Server Message Block) Serviços de ficheiros em rede Microsoft. Gestão de Redes e Serviços (GRS) Capítulo 9 1/1

Capítulo 9. SMB (Server Message Block) Serviços de ficheiros em rede Microsoft. Gestão de Redes e Serviços (GRS) Capítulo 9 1/1 Capítulo 9 Serviços de ficheiros em rede Microsoft SMB (Server Message Block) Gestão de Redes e Serviços (GRS) Capítulo 9 1/1 Introdução Em 1984 a Microsoft fez uma API (Application Programming Interface)

Leia mais

Administração de Sistemas Operacionais

Administração de Sistemas Operacionais Diretoria de Educação e Tecnologia da Informação Análise e Desenvolvimento de Sistemas INSTITUTO FEDERAL RIO GRANDE DO NORTE Administração de Sistemas Operacionais Serviço Proxy - SQUID Prof. Bruno Pereira

Leia mais

Relatório SQUID e SAMBA. Instalação e Configuração de Servidores de Rede

Relatório SQUID e SAMBA. Instalação e Configuração de Servidores de Rede Relatório SQUID e SAMBA INSTITUTO POLITÉCNICO DE BEJA ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO Instalação e Configuração de Servidores de Rede Trabalho realizado por: Tiago Conceição Nº 11903 Tiago Maques

Leia mais

Sistemas Operacionais de Redes I - Linux Recursos, Redes e Samba Sistemas Operacionais de Redes I - Linux Módulo III Módulo III

Sistemas Operacionais de Redes I - Linux Recursos, Redes e Samba Sistemas Operacionais de Redes I - Linux Módulo III Módulo III 1 Pós Graduação em Projeto e Gerencia de Redes de Computadores Sistemas Operacionais de Redes I - Linux Prof.: Nelson Monnerat Recursos, Redes e Samba 1 Sistemas Operacionais de Redes I - Linux Módulo

Leia mais

Edital 012/PROAD/SGP/2012

Edital 012/PROAD/SGP/2012 Edital 012/PROAD/SGP/2012 Nome do Candidato Número de Inscrição - Assinatura do Candidato Secretaria de Articulação e Relações Institucionais Gerência de Exames e Concursos I N S T R U Ç Õ E S LEIA COM

Leia mais

SMB vs NFS. Técnico Integrado em Telecomunicações turma 6080822

SMB vs NFS. Técnico Integrado em Telecomunicações turma 6080822 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS SÃO JOSÉ SANTA CATARINA SMB vs NFS Técnico Integrado em Telecomunicações

Leia mais

Após salvar, execute o comando testparm e ele deverá exibir a mensagem Server role: ROLE_DOMAIN_PDC".

Após salvar, execute o comando testparm e ele deverá exibir a mensagem Server role: ROLE_DOMAIN_PDC. Samba como Servidor de Domínio Ubuntu Server 14.04 1. Passo - Instalação do pacote: #apt-get install samba 2. Passo - Edição do smb.conf Após instalar o samba delete o arquivo padrão smb.conf. #rm /etc/samba/smb.conf

Leia mais

ATIVIDADE 1. Redes Windows. 1.1 Histórico do SMB

ATIVIDADE 1. Redes Windows. 1.1 Histórico do SMB ATIVIDADE 1 Redes Windows Falar sobre Samba e redes mistas Windows / Linux, sem antes explicar o conceito básico de uma rede não parece correto e ao mesmo tempo, perder páginas e mais páginas explicando

Leia mais

Introdução ao Active Directory AD

Introdução ao Active Directory AD Introdução ao Active Directory AD Curso Técnico em Redes de Computadores SENAC - DF Professor Airton Ribeiro O Active Directory, ou simplesmente AD como é usualmente conhecido, é um serviço de diretórios

Leia mais

Configurando um Servidor de Arquivos SAMBA. Prof. Armando Martins de Souza E-mail: armandomartins.souza@gmail.com

Configurando um Servidor de Arquivos SAMBA. Prof. Armando Martins de Souza E-mail: armandomartins.souza@gmail.com Configurando um Servidor de Arquivos SAMBA. Prof. Armando Martins de Souza E-mail: armandomartins.souza@gmail.com Porque usar o Servidor Samba Server? Compartilhamento de arquivos; Servidor de arquivos;

Leia mais

Servidor, Proxy e Firewall. Professor Victor Sotero

Servidor, Proxy e Firewall. Professor Victor Sotero Servidor, Proxy e Firewall Professor Victor Sotero 1 Servidor: Conceito Um servidor é um sistema de computação centralizada que fornece serviços a uma rede de computadores; Os computadores que acessam

Leia mais

Guia de Prática. Windows 7 Ubuntu 12.04

Guia de Prática. Windows 7 Ubuntu 12.04 Guia de Prática Windows 7 Ubuntu 12.04 Virtual Box e suas interfaces de rede Temos 04 interfaces de rede Cada interface pode operar nos modos: NÃO CONECTADO, que representa o cabo de rede desconectado.

Leia mais

Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores

Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores Este artigo demonstra como configurar uma rede virtual para ser usada em testes e estudos. Será usado o VirtualBox

Leia mais

Sistemas Operacionais de Rede INTRODUÇÃO AO ACTIVE DIRECTORY

Sistemas Operacionais de Rede INTRODUÇÃO AO ACTIVE DIRECTORY Sistemas Operacionais de Rede INTRODUÇÃO AO ACTIVE DIRECTORY Conteúdo Programático! Introdução ao Active Directory (AD)! Definições! Estrutura Lógica! Estrutura Física! Instalação do Active Directory (AD)!

Leia mais

Conteúdo do pacote de 05 cursos hands-on Linux

Conteúdo do pacote de 05 cursos hands-on Linux Conteúdo do pacote de 05 cursos hands-on Linux Linux Básico Linux Intermediário Proxy Squid Firewall Netfilter / Iptables Samba 4 C o n t e ú d o d o c u r s o H a n d s - on L i n u x 2 Sumário 1 Linux

Leia mais

Sistemas de Informação Processamento de Dados

Sistemas de Informação Processamento de Dados Sistemas de Informação Processamento de Dados Ferramentas e serviços de acesso remoto VNC Virtual Network Computing (ou somente VNC) é um protocolo desenhado para possibilitar interfaces gráficas remotas.

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS FUNDAMENTOS DE Visão geral sobre o Active Directory Um diretório é uma estrutura hierárquica que armazena informações sobre objetos na rede. Um serviço de diretório,

Leia mais

Controlando o tráfego de saída no firewall Netdeep

Controlando o tráfego de saída no firewall Netdeep Controlando o tráfego de saída no firewall Netdeep 1. Introdução Firewall é um quesito de segurança com cada vez mais importância no mundo da computação. À medida que o uso de informações e sistemas é

Leia mais

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL. Curso Técnico em Informática

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL. Curso Técnico em Informática SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL Curso Técnico em Informática Estrutura de Endereçamento IP e Mascara de Subrede Endereçamento IP e Classes Autoridade para Atribuição de Números da Internet http://www.iana.org/

Leia mais

Orientador de Curso: Rodrigo Caetano Filgueira

Orientador de Curso: Rodrigo Caetano Filgueira Orientador de Curso: Rodrigo Caetano Filgueira Serviço DNS DNS significa Domain Name System (sistema de nomes de domínio). O DNS converte os nomes de máquinas para endereços IPs que todas as máquinas da

Leia mais

Manual de Operação e Instalação do Sistema de Gravação Telefônica Rec All E1

Manual de Operação e Instalação do Sistema de Gravação Telefônica Rec All E1 Manual de Operação e Instalação do Sistema de Gravação Telefônica Rec All E1 1.0 Apresentação 2.0 O que é o produto? 3.0 Do que é composto? 4.0 Como funciona? 5.0 Instalando a interface do gravador Rec

Leia mais

Seu manual do usuário XEROX 6279 http://pt.yourpdfguides.com/dref/5579951

Seu manual do usuário XEROX 6279 http://pt.yourpdfguides.com/dref/5579951 Você pode ler as recomendações contidas no guia do usuário, no guia de técnico ou no guia de instalação para XEROX 6279. Você vai encontrar as respostas a todas suas perguntas sobre a XEROX 6279 no manual

Leia mais

Pré-requisitos e passos iniciais. Topologia visual

Pré-requisitos e passos iniciais. Topologia visual Pré-requisitos e passos iniciais Resolvi escrever este artigo por 2 razões, a primeira é que o mikrotik (do qual sou fã incondicional) não é um bom sistema para proxy (exclusivamente na minha opinião)

Leia mais

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM HYPER-V

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM HYPER-V GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM HYPER-V GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM HYPER-V 1- Visão Geral Neste manual você aprenderá a instalar e fazer a configuração inicial do seu firewall Netdeep

Leia mais

MANUAL DE CONFIGURAÇÃO

MANUAL DE CONFIGURAÇÃO MANUAL DE CONFIGURAÇÃO CONTMATIC PHOENIX SUMÁRIO CAPÍTULO I APRESENTAÇÃO DO ACESSO REMOTO... 3 1.1 O que é o ACESSO REMOTO... 3 1.2 Como utilizar o ACESSO REMOTO... 3 1.3 Quais as vantagens em usar o PHOENIX

Leia mais

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 04. Prof. André Lucio

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 04. Prof. André Lucio FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 04 Prof. André Lucio Competências da aula 3 Servidor de DHCP. Servidor de Arquivos. Servidor de Impressão. Aula 04 CONCEITOS

Leia mais

REDES ESAF. leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 Redes - ESAF

REDES ESAF. leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 Redes - ESAF REDES ESAF 01 - (ESAF - Auditor-Fiscal da Previdência Social - AFPS - 2002) Um protocolo é um conjunto de regras e convenções precisamente definidas que possibilitam a comunicação através de uma rede.

Leia mais

Universidade Federal do Acre. Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas

Universidade Federal do Acre. Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Universidade Federal do Acre Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Universidade Federal do Acre Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Pós-graduação Lato Sensu em Desenvolvimento de Software e Infraestrutura

Leia mais

Projeto e Instalação de Servidores Servidores Linux Aula 6 Firewall e Proxy

Projeto e Instalação de Servidores Servidores Linux Aula 6 Firewall e Proxy Projeto e Instalação de Servidores Servidores Linux Aula 6 Firewall e Proxy Prof.: Roberto Franciscatto Introdução FIREWALL Introdução Firewall Tem o objetivo de proteger um computador ou uma rede de computadores,

Leia mais

Manual. Configuração do. Samba. Compartilhamento e Servidor Samba Linux. Produzido por: Sergio Graças Desenvolvedor do Projeto GNU/Linux VRlivre

Manual. Configuração do. Samba. Compartilhamento e Servidor Samba Linux. Produzido por: Sergio Graças Desenvolvedor do Projeto GNU/Linux VRlivre Manual Configuração do Samba Compartilhamento e Servidor Samba Linux Produzido por: Sergio Graças Desenvolvedor do Projeto GNU/Linux VRlivre Manual Configuração do Samba Compartilhamento e Servidor Samba

Leia mais

Parte 5 - Criação de cursos à distância no Modelo Fechado

Parte 5 - Criação de cursos à distância no Modelo Fechado Parte 5 - Criação de cursos à distância no Modelo Fechado Neste capítulo iremos estudar como montar um curso à distância que, embora acessível via a Internet, tenha acesso controlado. Para isto, teremos

Leia mais

Universidade de Brasília

Universidade de Brasília Universidade de Brasília Introdução a Microinformática Turma H Redes e Internet Giordane Lima Porque ligar computadores em Rede? Compartilhamento de arquivos; Compartilhamento de periféricos; Mensagens

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS TÉCNICO DE LABORATÓRIO / ÁREA INFORMÁTICA

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS TÉCNICO DE LABORATÓRIO / ÁREA INFORMÁTICA CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS TÉCNICO DE LABORATÓRIO / ÁREA INFORMÁTICA 26. Considerando o sistema de numeração Hexadecimal, o resultado da operação 2D + 3F é igual a: a) 5F b) 6D c) 98 d) A8 e) 6C 27. O conjunto

Leia mais

PARANÁ GOVERNO DO ESTADO

PARANÁ GOVERNO DO ESTADO PROTOCOLOS DA INTERNET FAMÍLIA TCP/IP INTRODUÇÃO É muito comum confundir o TCP/IP como um único protocolo, uma vez que, TCP e IP são dois protocolos distintos, ao mesmo tempo que, também os mais importantes

Leia mais

Partição Partição primária: Partição estendida: Discos básicos e dinâmicos

Partição Partição primária: Partição estendida: Discos básicos e dinâmicos Partição Parte de um disco físico que funciona como se fosse um disco fisicamente separado. Depois de criar uma partição, você deve formatá-la e atribuir-lhe uma letra de unidade antes de armazenar dados

Leia mais

GUIA DE MELHORES PRATICAS NA AREA DE TI

GUIA DE MELHORES PRATICAS NA AREA DE TI GUIA DE MELHORES PRATICAS NA AREA DE TI Ambiente Windows Small Business Rev 10501 DATA : 5 / 07/ 2007 Pag : 1 de7 1) Servidores a) Hardware o Servidor Alocado em Rack Fechado em ambiente reservado e refrigerado

Leia mais

Manual de configurações do Conectividade Social Empregador

Manual de configurações do Conectividade Social Empregador Manual de configurações do Conectividade Social Empregador Índice 1. Condições para acesso 2 2. Requisitos para conexão 2 3. Pré-requisitos para utilização do Applet Java com Internet Explorer versão 5.01

Leia mais

CPE Soft Manual. 125/400mW 2.4GHz. CPE Soft

CPE Soft Manual. 125/400mW 2.4GHz. CPE Soft CPE Soft Manual 125/400mW 2.4GHz CPE Soft Campinas - SP 2010 Indice 1.1 Acessando as configurações. 2 1.2 Opções de configuração... 3 1.3 Wireless... 4 1.4 TCP/IP 5 1.5 Firewall 6 7 1.6 Sistema 8 1.7 Assistente...

Leia mais

Universidade Católica de Brasília Pró-reitoria de Graduação Curso de Ciência da Computação

Universidade Católica de Brasília Pró-reitoria de Graduação Curso de Ciência da Computação Universidade Católica de Brasília Pró-reitoria de Graduação Curso de Ciência da Computação INTRODUÇÃO 6 LABORATÓRIO DE REDES DE COMPUTADORES Serviços Básicos de Rede DNS Para o correto funcionamento de

Leia mais

Manual de Administração

Manual de Administração Manual de Administração Produto: n-mf Xerox Versão do produto: 4.7 Autor: Bárbara Vieira Souza Versão do documento: 1 Versão do template: Data: 04/04/01 Documento destinado a: Parceiros NDDigital, técnicos

Leia mais

Curso de extensão em Administração de redes com GNU/Linux

Curso de extensão em Administração de redes com GNU/Linux Eduardo Júnior Administração de redes com GNU/Linux Curso de extensão em Administração de redes com GNU/Linux Eduardo Júnior - ihtraum@dcc.ufba.br Gestores da Rede Acadêmica de Computação Departamento

Leia mais

http://aurelio.net/vim/vim-basico.txt Entrar neste site/arquivo e estudar esse aplicativo Prof. Ricardo César de Carvalho

http://aurelio.net/vim/vim-basico.txt Entrar neste site/arquivo e estudar esse aplicativo Prof. Ricardo César de Carvalho vi http://aurelio.net/vim/vim-basico.txt Entrar neste site/arquivo e estudar esse aplicativo Administração de Redes de Computadores Resumo de Serviços em Rede Linux Controlador de Domínio Servidor DNS

Leia mais

Questionário de RC Nota3

Questionário de RC Nota3 Questionário de RC Nota3 Entrega: Individual e escrita à mão. Data de entrega: 30/10. Em todas as questões deverão constar o desenvolvimento da sua resposta, caso contrário a questão será desconsiderada.

Leia mais

TUTORIAL: CONFIGURAÇÃO DO SERVIDOR SAMBA

TUTORIAL: CONFIGURAÇÃO DO SERVIDOR SAMBA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ - UFC CURSO DE TECNOLOGIA EM REDES DE COMPUTADORES ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS LINUX Antonio Janael Pinheiro Maria Atrícia Sabino Maciel Luclécia Correia Lopes

Leia mais

SIGEP WEB - Gerenciador de Postagens dos Correios Manual do Usuário

SIGEP WEB - Gerenciador de Postagens dos Correios Manual do Usuário MANUAL DO USUÁRIO 2 ÍNDICE 1. PRÉ REQUISITOS PARA UTILIZAÇÃO DO SIGEP WEB 04 2. PROCEDIMENTOS PARA DOWNLOAD DO SISTEMA 04 3. INSTALANDO O SIGEP WEB 07 4. CONFIGURAÇÕES DO SISTEMA 09 COMPARTILHANDO O BANCO

Leia mais

GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS II

GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS II GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS II Servidores Definição Servidores História Servidores Tipos Servidores Hardware Servidores Software Evolução do Windows Server Windows Server 2003 Introdução Windows Server

Leia mais

Copyright 2015 Mandic Cloud Solutions - Somos Especialistas em Cloud. www.mandic.com.br

Copyright 2015 Mandic Cloud Solutions - Somos Especialistas em Cloud. www.mandic.com.br Sumário 1. Boas vindas... 4 2. Dashboard... 4 3. Cloud... 5 3.1 Servidores... 5 o Contratar Novo Servidor... 5 o Detalhes do Servidor... 9 3.2 Cloud Backup... 13 o Alteração de quota... 13 o Senha do agente...

Leia mais

Procedimentos para Reinstalação do Sisloc

Procedimentos para Reinstalação do Sisloc Procedimentos para Reinstalação do Sisloc Sumário: 1. Informações Gerais... 3 2. Criação de backups importantes... 3 3. Reinstalação do Sisloc... 4 Passo a passo... 4 4. Instalação da base de dados Sisloc...

Leia mais

Introdução ao Conceito de Redes e Infra estrutura Internet

Introdução ao Conceito de Redes e Infra estrutura Internet Introdução ao Conceito de Redes e Infra estrutura Internet Prof. José Alexandre da Costa Alves (MSc) O que é uma rede de Computadores Conjunto de unidades de processamento com capacidade de trocar informações

Leia mais

Compartilhamento de recursos de forma a racionar e otimizar o uso de equipamentos e softwares. Servidores e Workstations. Segurança é um desafio, por

Compartilhamento de recursos de forma a racionar e otimizar o uso de equipamentos e softwares. Servidores e Workstations. Segurança é um desafio, por $XWDUTXLD(GXFDFLRQDOGR9DOHGR6mR)UDQFLVFR± $(96) )DFXOGDGHGH&LrQFLDV6RFLDLVH$SOLFDGDVGH3HWUROLQD± )$&$3( &XUVRGH&LrQFLDVGD&RPSXWDomR $8',725,$'$7(&12/2*,$'$,1)250$d 2 &\QDUD&DUYDOKR F\QDUDFDUYDOKR#\DKRRFRPEU

Leia mais

Uso de softwares Open Source na autenticação de acesso WEB em controlador de domínio NT

Uso de softwares Open Source na autenticação de acesso WEB em controlador de domínio NT Uso de softwares Open Source na autenticação de acesso WEB em controlador de domínio NT Aluno: Angelo Alberto Delben Filho, Orientador: Elio Lovisi Filho. Departamento de Ciência da Computação Faculdade

Leia mais

Redes de Computadores LFG TI

Redes de Computadores LFG TI Redes de Computadores LFG TI Prof. Bruno Guilhen Camada de Aplicação Fundamentos Fundamentos Trata os detalhes específicos de cada tipo de aplicação. Mensagens trocadas por cada tipo de aplicação definem

Leia mais

Implementando e Gerenciando Diretivas de Grupo

Implementando e Gerenciando Diretivas de Grupo Implementando e Gerenciando Diretivas de João Medeiros (joao.fatern@gmail.com) 1 / 37 Introdução a diretivas de grupo - GPO Introdução a diretivas de grupo - GPO Introdução a diretivas de grupo Criando

Leia mais

Roteiro 4: Replicação/Active Directory DHCP e Wins

Roteiro 4: Replicação/Active Directory DHCP e Wins Roteiro 4: Replicação/Active Directory DHCP e Wins Objetivos: Explorar as configurações para replicação de domínios com Active Directory; Configurar os serviços DHCP e WINS em servidores Windows; Ferramentas

Leia mais

Manual para conexão e utilização do VETORH (Sistema de Recursos Humanos) via acesso ao terminal remoto

Manual para conexão e utilização do VETORH (Sistema de Recursos Humanos) via acesso ao terminal remoto Manual para conexão e utilização do VETORH (Sistema de Recursos Humanos) via acesso ao terminal remoto Objetivo: Fornecer informações técnicas necessárias aos administradores e helpdesk dos usuários do

Leia mais

FACSENAC. SISGEP SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO DRP (Documento de Requisitos do Projeto de Rede)

FACSENAC. SISGEP SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO DRP (Documento de Requisitos do Projeto de Rede) FACSENAC SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO Versão: 1.2 Data: 25/11/2011 Identificador do documento: Documento de Visão V. 1.7 Histórico de revisões Versão Data Descrição Autor 1.0 03/10/2011 Primeira Edição

Leia mais

MANUAL PARA USO DO SISTEMA GCO Gerenciador Clínico Odontológico

MANUAL PARA USO DO SISTEMA GCO Gerenciador Clínico Odontológico MANUAL PARA USO DO SISTEMA GCO Gerenciador Clínico Odontológico O GCO é um sistema de controle de clínicas odontológicas, onde dentistas terão acesso a agendas, fichas de pacientes, controle de estoque,

Leia mais

UM dos protocolos de aplicação mais importantes é o DNS. Para o usuário leigo,

UM dos protocolos de aplicação mais importantes é o DNS. Para o usuário leigo, Laboratório de Redes. Domain Name Service - DNS Pedroso 4 de março de 2009 1 Introdução UM dos protocolos de aplicação mais importantes é o DNS. Para o usuário leigo, problemas com o DNS são interpretados

Leia mais

Curso GNU/Linux. Instalação do Linux...2 O HD não possui nenhuma partição...3. Existe apenas uma partição com espaço livre...3

Curso GNU/Linux. Instalação do Linux...2 O HD não possui nenhuma partição...3. Existe apenas uma partição com espaço livre...3 Cesar Kállas - cesarkallas@gmx.net Curso GNU/Linux Realização CAECOMP Puc Campinas 2004 Capítulo 3 Instalação do Linux...2 O HD não possui nenhuma partição...3 O HD tem espaço livre não particionado...3

Leia mais

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM VMWARE WORKSTATION

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM VMWARE WORKSTATION GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM VMWARE WORKSTATION GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM VMWARE WORKSTATION 1- Visão Geral Neste manual você aprenderá a instalar e fazer a configuração inicial do

Leia mais

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS INTERNET PROTOCOLOS 1 INTERNET Rede mundial de computadores. Também conhecida por Nuvem ou Teia. Uma rede que permite a comunicação de redes distintas entre os computadores conectados. Rede WAN Sistema

Leia mais

Instalação/Configuração Zentyal 2.2-3 no UBUNTU 10.04 LTS

Instalação/Configuração Zentyal 2.2-3 no UBUNTU 10.04 LTS Instalação/Configuração Zentyal 2.2-3 no UBUNTU 10.04 LTS INSTALAÇÃO Primeiro adicione na sua lista de fontes (/etc/apt/sources.list) este link: deb http://ppa.launchpad.net/zentyal/2.2/ubuntu lucid main

Leia mais

6 PLANEJAMENTO DE SI 6.1 Planejamento de Segurança da Informação O planejamento em S.I é algo crucial para que haja o bom funcionamento de uma

6 PLANEJAMENTO DE SI 6.1 Planejamento de Segurança da Informação O planejamento em S.I é algo crucial para que haja o bom funcionamento de uma 6 PLANEJAMENTO DE SI 6.1 Planejamento de Segurança da Informação O planejamento em S.I é algo crucial para que haja o bom funcionamento de uma empresa. Diferente do senso comum o planejamento não se limita

Leia mais

Aula 06 Servidor de Arquivos e Impressora (SaMBa)

Aula 06 Servidor de Arquivos e Impressora (SaMBa) Aula 06 Servidor de Arquivos e Impressora (SaMBa) Prof. Roitier Campos Gonçalves Introdução O servidor de arquivos fornece um ponto centralizado na rede para armazenamento e compartilhamento de arquivos

Leia mais

MANUAL DO ADMINISTRADOR

MANUAL DO ADMINISTRADOR WinShare Proxy admin MANUAL DO ADMINISTRADOR Instalação do WinShare Índice 1. Instalação 2. Licenciamento 3. Atribuindo uma senha de acesso ao sistema. 4. Configurações de rede 5. Configurações do SMTP

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE RECURSOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO - TIC

UTILIZAÇÃO DE RECURSOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO - TIC Código: NO01 Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região Comitê de Segurança da Informação Secretaria de Tecnologia da Informação Núcleo de Segurança da Informação Revisão: 00 Vigência:20/04/2012 Classificação:

Leia mais

File Transport Protocolo - FTP. Fausto Levandoski, Marcos Vinicius Cassel, Tiago Castro de Oliveira

File Transport Protocolo - FTP. Fausto Levandoski, Marcos Vinicius Cassel, Tiago Castro de Oliveira File Transport Protocolo - FTP Fausto Levandoski, Marcos Vinicius Cassel, Tiago Castro de Oliveira Universidade do Vale do Rios dos Sinos (UNISINOS) Curso Tecnólogo em Segurança da Informação Av. Unisinos,

Leia mais

É o UniNorte facilitando a vida de nossos docentes e discentes.

É o UniNorte facilitando a vida de nossos docentes e discentes. ACESSO REMOTO Através do Acesso Remoto o aluno ou professor poderá utilizar em qualquer computador que tenha acesso a internet todos os programas, recursos de rede e arquivos acadêmicos utilizados nos

Leia mais

Um pouco sobre Pacotes e sobre os protocolos de Transporte

Um pouco sobre Pacotes e sobre os protocolos de Transporte Um pouco sobre Pacotes e sobre os protocolos de Transporte O TCP/IP, na verdade, é formado por um grande conjunto de diferentes protocolos e serviços de rede. O nome TCP/IP deriva dos dois protocolos mais

Leia mais

1 Introdução. O sistema permite:

1 Introdução. O sistema permite: A intenção deste documento é demonstrar as possibilidades de aplicação da solução INCA Insite Controle de Acesso - para controle de conexões dia-up ou banda larga à Internet e redes corporativas de forma

Leia mais