SISTEMA Brasil (1962). Origem no Brasil (1970)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SISTEMA 4-3-3. Brasil (1962). Origem no 4-2-4. Brasil (1970)"

Transcrição

1 SISTEMA HISTÓRICO/EVOLUÇÃO O sistema tem sua origem no O Brasil tinha como base o sistema na Copa do Mundo de Zagallo era o ponta esquerda, com o seu recuo para auxiliar o meio-campo, estava criado o Mas na Copa de 1958, Zagallo já auxiliava o meio-campo. Esse sistema foi consagrado pela seleção brasileira na Copa do Mundo de 1970, nesse caso era Rivelino que voltava para compor o meio-campo. Brasil (1962). Origem no Brasil (1970) Esse sistema foi muito utilizado até os anos de 1990, sendo substituído aos poucos pelo

2 O surgimento do representou uma considerável evolução tática no futebol. O simples posicionamento dos atletas em campo já demonstrava a preocupação dos técnicos, em ocupar todos os espaços do campo. A parir do 4-3-3, começaram a surgir, outras formações táticas para o futebol moderno. Isto teve um motivo especial: o advento da preparação física. O próprio 4-3-3, antes de evoluir para outros sistemas, sofreu grandes transformações na desenvoltura de suas peças em campo. Os atacantes começaram a marcar mais, os meias se alternavam mais em ações ofensivas e defensivas e os defensores passaram a gostar de atacar. Os atletas se sentiram em condições físicas melhores para ocupar espaços cada vez maiores em campo. Com o desenvolvimento das capacidades dos jogadores, começaram a aparecer indivíduos versáteis e bem-dotados fisicamente. Os desenhos táticos ficaram multiformes, e a maneira de marcar também se foi alterando. Os jogadores de funções limitadas deram lugar àqueles de múltiplas funções. O próprio 4-3-3, de desenho rígido, transformou-se num dinâmico, com seus componentes para executar duas ou mais tarefas. A evolução das capacidades físicas dos atletas tem sido um importante fator para o surgimento de vários desenhos de sucesso no futebol moderno, ou, pelo menos responsável pelas grandes alterações dos sistemas já existentes. Às vezes, uma equipe entra formada num desenho e se transforma durante o jogo por causa da versatilidade dos jogadores. Por essas e por outras, pode-se dizer que atualmente a sistematização tática tem passado por constantes transformações dentro de campo. A mudança da regra para a vitória valendo três pontos auxiliou e muito o retorno do O sistema vinha perdendo espaço para o e o 3-5-2, com essa mudança de regra, alguns adotaram o futebol mais ofensivo e praticamente ressuscitaram o

3 Atualmente, a Holanda adota esse sistema como base da sua seleção nacional. Algumas equipes o adotam, mas não como padrão, diferentemente dos holandeses dos holandeses O futebol holandês vem, desde o início dos anos de 1970, aprimorando uma forma ofensiva de jogar. Eles são, talvez, os maiores representantes da utilização de pontas no futebol mundial. Atuam convictos no sistema moderno. Jogar no na Holanda é cultural. O dos holandeses vem evoluindo desde as experiências vitoriosas do Futebol Total de Rinus Michels no Ajax, de Amsterdam, e na Seleção Holandesa de Apesar de parecer muito aberto em relação ao e ao 3-5-2, o seu desdobramento em campo torna bastante compacto e competitivo. O que permite a compactação no dos holandeses é que todos, ou quase todos, os jogadores do desenho são capazes de jogar em funções diferentes. Na filosofia do futebol moderno, é fundamental que os atletas saibam atuar em mais de uma posição, tudo respeitando, ao pé da letra, o posicionamento tático estabelecido. As posições do sistema tático adotado pelos holandeses são tão definidas que os treinadores se referem às funções dos seus jogadores pelos números que levam nas camisas. Quase todos os times holandeses, com raríssimas exceções, desde as categorias de base até o selecionado nacional, atuam no Na Holanda é comum os clubes terem um documento oficial regulamentando a maneira tática de suas equipes jogarem desde as categorias menores. É uma espécie de Lei Tática do Clube, que todos os treinadores devem seguir. A partir desse documento, as atribuições dos técnicos concentram-se em escalar, treinar, esquematizar jogadas entre os jogadores e estruturas táticas, além de comandar sua equipe, tudo isso segundo a filosofia tática de jogo proposta pelo clube. Se já se tem estabelecido, por filosofia, o desenho a empregar, várias etapas serão ultrapassadas, facilitando para os jogadores a assimilação das suas funções em campo.

4 Essa filosofia rígida trás um problema. A falta de desenvolvimento tático dos jogadores em outros sistemas. Com a globalização do futebol, os atletas holandeses podem perder mercado por essa rigidez. Principais características 1 Dois pontas abertos, que são os responsáveis pelas jogadas de linha de fundo e pela marcação da saída de bola do adversário. São autênticos auxiliares de marcação dos laterais da sua equipe. Sempre que necessário, um deles pode se transformar em articulador ou marcador do setor de meio-campo. 2 Um centroavante, que trabalha no corredor ofensivo central. É também referência de área para as jogadas de ataque e o homem do último toque. Deve ter o perfil de bom cabeceador e finalizador. Joga muito de costas para o gol adversário, para facilitar o jogo de toques, que é a marca registrada do futebol holandês. 3 Um meia ofensivo, que assume constantemente as características de armador. É o homem que mais se aproxima do centroavante no ataque, mas também tem funções importantes de marcar, voltando pelo setor do meio de campo. 4 Dois meias de contenção, com características de marcadores, mas que sabem jogar avançando no terreno. Cada um, do seu lado, trabalha nos corredores centrais direito e esquerdo, defendendo e apoiando o ataque. Têm a principal função de marcar no meio-campo, mas têm qualidades para chegar sempre próximo à área do adversário, completando o ataque. Graças à determinação defensiva dos laterais, os meias de contenção têm mais liberdade e até a obrigação de participar das ações ofensivas ou, pelo menos, da ligação entre meio-campo e ataque. Além de boa qualidade técnica devem saber marcar. 5 Dois laterais, que auxiliam pouco no trabalho ofensivo dos pontas, porque têm a função primária d defender as laterais do campo, compondo a linha de quatro zagueiros. 6 Dois zagueiros, cujas atribuições são clássicas e conhecidas por todos: proteger o miolo defensivo, à frente da área. Pela característica do futebol

5 holandês, desde as categorias de base, os zagueiros são jogadores que sabem sair jogando e podem incorporar às ações de meio-campo e ataque sempre que necessário. 7 As transformações. Constantemente o das equipes holandesas se transformam em 4-2-4, ou 3-4-3, dependendo das qualidades dos homens que jogam mais avançados ou da necessidade do jogo. FORMAÇÃO O clássico, pela presença de três homens caracteristicamente de ataque é considerado o mais ofensivo dos sistemas modernos. A composição básica desse sistema é: 1 goleiro; 4 defensores; 3 meio-campistas e 3 atacantes.

6 Os laterais têm as funções básicas de defender e de atacar pelos flancos, enquanto os centrais protegem o miolo da área. Essa estrutura de quatro defensores é utilizada em todo o mundo, independentemente das variações que possa haver no meio de campo para a frente. O que muda nas equipes é se um lateral sobe mais ou não, ou se tem algum dos zagueiros centrais que sabe sair para o jogo. Tudo depende das características das peças do meio-campo e do ataque. Originalmente como ocorreu o recuo de um atacante a formação básica era com dois armadores. O futebol moderno, entretanto muda essa composição, com isso o apresenta duas variantes. Variante 1 1 Goleiro 4 Defensores (2 Zagueiros centrais e 2 Laterais/alas) 3 Meio-campistas (1 jogador de marcação e 2 Jogadores de armação) 3 Atacantes (2 ponteiros e 1 centroavante) Variante 2

7 1 Goleiro 4 Defensores (2 Zagueiros centrais e 2 Laterais/alas) 3 Meio-campistas (2 jogadores de marcação e 1 Jogador de armação) 3 Atacantes (2 ponteiros e 1 centroavante) Variante 3 1 Goleiro 4 Defensores (2 Zagueiros centrais e 2 Laterais/alas) 3 Meio-campistas (3 jogadores de marcação) 3 Atacantes (2 ponteiros e 1 centroavante)

8 Muitas vezes o se confunde com o Isso ocorre devido às funções defensivas dos dois atacantes abertos ou ponteiros. A disposição dos três homens do meio-campo depende sempre da idéia de jogo de cada técnico. Às vezes, começa com uma peça central mais recuada, que marca mais e que joga à frente dos dois zagueiros de área, como se fosse um deles e dois meias de armação, um pela esquerda e outro pela direita, jogando nos corredores internos do campo. Nesse caso, é importante que os dois meias sejam solidários nas ações defensivas. Às vezes, é constituído de dois meias de marcação (volantes) logo à frente da zaga e um meia mais habilidoso e adiantado, que faz a ligação com o ataque. Essa situação, permite liberar alternadamente os laterais para o jogo ofensivo, e pelo menos um dos meias de contenção deverá auxiliar no trabalho de armação. Apesar de esta segunda maneira de posicionar dos três meias se assemelhar ao dos holandeses, há diferenças marcantes quanto às funções e características dos jogadores. A segunda forma de se posicionar pode ter ainda três volantes à frente da zaga, o que permitiria a subida simultânea dos dois laterais ao ataque. Esse tem sido um dispositivo tático muito usado no atual dos brasileiros. A linha de frente é o diferencial tático do Um jogador joga enfiado nas imediações da área adversária e dois ponteiros ou atacantes de movimentação variada completam o ataque, atuando nos corredores. O atacante que atua mais centralizado pode ter liberdade de movimentação à frente, dependendo das suas características. Como já foi dito, é muito comum ver nas equipes de concepção tática moderna, indiferentemente do desenho utilizado, os atacantes ou meias ofensivos de flancos se associarem aos laterais do lado e dividirem as responsabilidades ofensivas e defensivas do setor. Apesar de serem homens de

9 ataque, invariavelmente, os três entram em campo com funções defensivas bem definidas. A movimentação ofensiva é muito importante. Se tiver um centroavante fixo, você pode colocar que os pontas troquem de lado constantemente, isso vai dificultar muito a marcação. COMPARATIVO ENTRE OS MODELOS DO SISTEMAS CLÁSSICO MODERNO POSIÇÕES FUNÇÕES BÁSICAS FUNÇÕES BÁSICAS Basicamente, Eram exclusivamente mantiveram-se. de marcação à frente Passou a ser comum a da área, subindo subida de zagueiros Zagueiros centrais somente até o meiocampo. Faziam para as jogadas de ataque. Geralmente, também, a cobertura um meia cobre essa nas laterais situação Passaram a fazer todo Preocupavam-se o corredor lateral. exclusivamente em Para compensar suas defender os flancos. subidas, outros Cobriam também a jogadores fazem a Zagueiros laterais ou zaga nos ataques cobertura na defesa laterais adversários vindos do os volantes, os lado contrário. armadores e os Raramente eram zagueiros. As saídas vistos aventurando-se para o ataque quase no ataque sempre são alternadas Responsável pelo Continuou com as Centro médio ou primeiro combate à mesmas funções, só volante frente da zaga central. que no novo PRINCIPAIS EVOLUÇÕES Praticamente, mantiveram-se como antes. Os zagueiros continuam sendo valorizados como zagueiros Maior área de atuação. Novo perfil de atleta para a posição: excelente capacidade aeróbia e bons passes e cruzamentos Não houve mudanças significativas. O volante clássico

10 Fazia também a tem a ajuda permanece com as cobertura dos meias, sistemática dos meias, mesmas zagueiros e laterais que passaram a ser características até os sempre que o lance rotativos e dias de hoje, obrigava a essa marcadores, além de independentemente situação ofensivos. Às vezes, do sistema que são 2 ou 3 volantes no compõem. Está sendo desenho moderno exigido que saibam jogar e atacar mais Com laterais ofensivos, os Cada qual jogava num armadores passaram a Novo perfil: mais dos corredores voltar para tapar os poder físico e novas Meia de armação ou centrais, esquerdo ou buracos na funções táticas em simplesmente meias direito, com funções intermediária campo. Nasceram a mais ofensivas que defensiva. Apareceram partir daí os meias defensivas os meias que sobem e rotativos os meias que ficam mais Pontas ou atacantes de flanco Eram jogadores com características puramente ofensivas dribladores e velozes. Jogavam sistematicamente pelos flancos Mantiveram as funções anteriores, acrescida da obrigação tática de marcar a subida do lateral contrário. Ajudam muitos os seus laterais. Movimentamse mais na frente do ataque Novo perfil: mais versáteis e maior poder físico. Passaram a ter liberdade para usar toda a frente de ataque com mudanças de posições. São mais táticos, principalmente em termos defensivos O homem do jogo Marca forte a saída de Centroavante ou atacante fixo enfiado aéreo e do último toque. Prendia os zagueiros de área e criava espaços para a penetração dos meias. Boa presença de área bola do adversário e, dependendo das suas características, movimenta-se na frente de ataque, mudando Mais versatilidade para atuar na frente ofensiva. Maiores responsabilidades táticas na marcação e com características constantemente de

11 de artilheiro função com os pontas EXEMPLOS DO Olympique Lyonnais na UEFA Champions League (2007/2008) Valência (ataque e defesa)

12

13 Inglaterra

14 Holanda (2006), amistoso antes da Copa Holanda

15 TREINAMENTO Os principais objetivos dos treinamentos no sistema são: Enfatizar a movimentação dos atletas de meio-campo. Enfatizar a necessidade que os pontas voltem para auxiliar a marcação do meio de campo. Trabalhando com dois volantes, determinar o sistema de cobertura dos laterais. Enfatizar o trabalho ofensivo pelas laterais. Usar trabalhos em campos reduzidos e pequenos grupos objetivando a movimentação, principalmente dos três jogadores de meio-campo. O time laranja tem a posse de bola e está no 4-3-3

16 Você poderá determinar três tipos de ataque: 1. Ataque posicional (ou posicionado) caracterizado por passes horizontais, manter a posse de bola sem pressa para concluir 2. Ataque rápido caracterizado por passes verticais, em velocidade 3. Contra-ataque É extremamente importante observar as transições ofensivas e defensivas. Transição defensiva Principalmente os dois pontas devem voltar para cobrir o corredor defensivo lateral, assim marcando a subida dos laterais/alas adversários. Importante a compactação dos jogadores na hora da marcação, não se deve deixar espaços entre os jogadores no campo de defesa. O ideal é manter, no mínimo, seis jogadores atrás da linha da bola. Transição ofensiva Nessa etapa é de fundamental importância o apoio dos meias defensivos ou dos laterais no ataque. Enfatizar a saída rápida dos defensores para o ataque, evitando assim que fique um buraco entre a defesa e o ataque. O treinador deve cobrar bastante isso dos atletas, pois é muito comum eles relaxarem nesse aspecto e deixarem os espaços vazios. Exemplos de exercícios para manter a posse de bola: 1- Duas equipes de 4, 5, 6, 7 ou 8 jogadores jogam entre si. Limitar o número de toques. Não tem gol. Campo reduzido. Objetivo: trocar 10 passes sem que o adversário toque na bola.

17 2 Duas equipes de 5 jogadores cada. Tendo 2 jogadores neutros que jogam a favor da equipe que tiver a posse de bola. Limitar o número de toques. Não tem gol. Campo reduzido. Objetivo: trocar 10 passes sem que o adversário toque na bola. 3 Duas equipes de 5, 6, 7, 8 ou 9 jogadores jogam entre si. Limitar o número de toques. Não tem gol. Campo reduzido. Cada jogador só poderá marcar um adversário pré-determinado, marcação individual. Objetivo: manter a posse de bola. Exercício de triangulação ofensiva: Passe Deslocamento Obs.: varie o número de atacantes, 1, 2 ou 3 e faça com e sem marcação

18 DICAS Recomendo que utilize dois jogadores de marcação no meio-campo caso tenha laterais que apóiem o ataque e um zagueiro que possa sair para o jogo e atacar. Assim esses dois jogadores no meio podem fazer a cobertura dos defensores. Hoje é extremante importante essa cobertura, pois se o adversário tiver espaço para atacar pelas pontas, isso acarretará enormes problemas defensivos. Criar situações-problemas. Desenvolver para o atleta atividades que o obriguem a achar soluções próximas à realidade. Criar não só dificuldade física, mas também mental. Evitar atividades fechadas que não desenvolvam a criatividade e o improviso consciente. São fundamentais as triangulações ofensivas. Quando um jogador de ataque estiver com a bola, outro deve se aproximar para fazer uma tabela. No é fundamental usar as pontas. Se os ponteiros caírem para o meio, o jogo ficará embolado e atrapalhará toda a movimentação ofensiva. O é um sistema a moda antiga, jogo pelos flancos. O ideal é ter dois ponteiros com características de velocidade. Jogadores que saibam atuar abertos, mas que tenham disciplina tática para voltar e auxiliar na marcação do meio-campo, constituindo assim, defensivamente, em um Quando for implementar o para crianças, esse trabalho deve ser bem gradual. Comece dividindo os trabalhos. Defesa, meio-campo e ataque. Depois que as crianças já tiverem certo desenvolvimento técnico, tático e maturacional, você pode unir todo o sistema, da defesa até o ataque.

Evolução Histórica e Tática do Futebol

Evolução Histórica e Tática do Futebol Evolução Histórica e Tática do Futebol Prof. Mst. Sandro de Souza O Campo 1 Os Jogadores Posicionados de acordo com a região do campo DEFESA MEIO-CAMPO ATAQUE ZAGUEIROS Defensores Backs MÉDIOS Armadores

Leia mais

Abordagens Matemáticas e Estatísticas para o Futebol

Abordagens Matemáticas e Estatísticas para o Futebol Universidade Estadual de Campinas UNICAMP Abordagens Matemáticas e Estatísticas para o Futebol Aluna: Juliana Mayumi Aoki Orientador: Laércio Luis Vendite Identificação do trabalho Título Abordagens Matemáticas

Leia mais

Unidade didática de Futebol Objetivos gerais do Futebol

Unidade didática de Futebol Objetivos gerais do Futebol 102 Recursos do Professor Unidade didática de Futebol Objetivos gerais do Futebol Cooperar com os companheiros para o alcance do objetivo do Futebol, desempenhando com oportunidade e correção as ações

Leia mais

APOSTILA DE FUTSAL. 6º, 7º, 8º e 9º ANO. HISTÓRICO No Brasil

APOSTILA DE FUTSAL. 6º, 7º, 8º e 9º ANO. HISTÓRICO No Brasil APOSTILA DE FUTSAL 6º, 7º, 8º e 9º ANO HISTÓRICO No Brasil O Futebol de Salão tem duas versões sobre o seu surgimento, como em outros esportes, há divergências quanto a sua invenção. Há uma versão que

Leia mais

O sonho do treinador específico = Sonho de guarda-redes Apenas 32 equipas profissionais, o que não impede a exigência de profissionalismo noutras divisões Num mundo de poucas oportunidades, só a qualidade

Leia mais

Pró-Reitoria de Graduação Educação Física

Pró-Reitoria de Graduação Educação Física Pró-Reitoria de Graduação Educação Física Trabalho LUCA de LAMEIRA Conclusão ANTUNES de Curso ANÁLISE DOS GOLS QUE SE ORIGINARAM DE BOLAS PARADAS DO CAMPEONATO BRASILEIRO DE FUTEBOL DE CAMPO DE 2011 Artigo

Leia mais

As diferentes funções que o modelo de jogo da equipe desencadeia ao goleiro uma comparação entre Brasil e Alemanha

As diferentes funções que o modelo de jogo da equipe desencadeia ao goleiro uma comparação entre Brasil e Alemanha As diferentes funções que o modelo de jogo da equipe desencadeia ao goleiro uma comparação entre Brasil e Alemanha As funções que o modelo de jogo da equipe desencadeia ao goleiro FERNANDO PAIVA CORRÊA

Leia mais

VOLLEYBALL Voleibol. Escola Dr. Costa Matos 2013/14. Ana Fernandes 8ºD

VOLLEYBALL Voleibol. Escola Dr. Costa Matos 2013/14. Ana Fernandes 8ºD VOLLEYBALL Voleibol Escola Dr. Costa Matos 2013/14 Ana Fernandes 8ºD REFERÊNCIAS HISTÓRICAS Origem REFERÊNCIAS HISTÓRICAS Origem Criado por William Morgan (Professor EF do Springfield College of the YMCA

Leia mais

Prof. Mst. Sandro de Souza. Disciplinas: Futebol e Futsal e Aprofundamento em Futebol

Prof. Mst. Sandro de Souza. Disciplinas: Futebol e Futsal e Aprofundamento em Futebol Prof. Mst. Sandro de Souza Disciplinas: Futebol e Futsal e Aprofundamento em Futebol Desenhe um campo de Futebol com as suas dimensões e marcações. Qual o número mínimo de jogadores, em um time, para iniciar

Leia mais

Lentos, atrasados e desequilibrados

Lentos, atrasados e desequilibrados Deslocamentos Lentos, atrasados e desequilibrados Descoordenação espaço-tempo pela falta de referências e pelas dificuldades naturais da areia, vento ou sol Maior dificuldade em deslocamentos para trás

Leia mais

O time também conta com a volta de jogadores que vinham se recuperando de lesão, que é o caso do atacante Marciano e do zagueiro Alex Mineiro.

O time também conta com a volta de jogadores que vinham se recuperando de lesão, que é o caso do atacante Marciano e do zagueiro Alex Mineiro. Depois da conquista da edição 2011 do campeonato mato-grossense no dia 24 de abril, a equipe do Cuiabá Esporte Clube ficou um mês de recesso e retornou aos trabalhos no dia 23 de maio mantendo a maioria

Leia mais

Curso de Treinadores de Futsal 1º Nível Dezembro/08 Janeiro/09. Capacidades Motoras Caderno de Exercícios. Bruno Torres

Curso de Treinadores de Futsal 1º Nível Dezembro/08 Janeiro/09. Capacidades Motoras Caderno de Exercícios. Bruno Torres Curso de Treinadores de Futsal 1º Nível Dezembro/08 Janeiro/09 Capacidades Motoras Caderno de Exercícios Bruno Torres 1 Modelo de Activação Funcional 2 Operacionalização: Activação Funcional. Grupos de

Leia mais

Sociedade União 1º.Dezembro. Das teorias generalistas. à ESPECIFICIDADE do treino em Futebol. Programação e. Periodização do.

Sociedade União 1º.Dezembro. Das teorias generalistas. à ESPECIFICIDADE do treino em Futebol. Programação e. Periodização do. Sociedade União 1º.Dezembro Das teorias generalistas à ESPECIFICIDADE do treino em Futebol Programação e Periodização do Treino em Futebol 1 Programação e Periodização do Treino em Futebol Ter a convicção

Leia mais

APOSTILA DE VOLEIBOL

APOSTILA DE VOLEIBOL APOSTILA DE VOLEIBOL O voleibol é praticado em uma quadra retangular dividida ao meio por uma rede que impede o contato corporal entre os adversários. A disputa é entre duas equipes compostas por seis

Leia mais

PASSADO, PRESENTE E FUTURO DAS DIVISÕES DE BASE NO FUTEBOL DO BRASIL JANEIRO DE

PASSADO, PRESENTE E FUTURO DAS DIVISÕES DE BASE NO FUTEBOL DO BRASIL JANEIRO DE PASSADO, PRESENTE E FUTURO DAS DIVISÕES DE BASE NO FUTEBOL DO BRASIL JANEIRO DE 2013 Temos lido e ouvido muitos comentários nos últimos dias sobre o processo de formação de Atletas no Brasil, emitidas

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA ANDEBOL

EDUCAÇÃO FÍSICA ANDEBOL EDUCAÇÃO FÍSICA ANDEBOL O Andebol é um jogo desportivo colectivo praticado por duas equipas (cada equipa tem: 7 jogadores em campo e 5 suplentes), cujo objectivo é introduzir a bola na baliza da equipa

Leia mais

Basquetebol A transição defesa-ataque nos escalões de sub-14 e sub-16: como fazer e como construir

Basquetebol A transição defesa-ataque nos escalões de sub-14 e sub-16: como fazer e como construir Basquetebol A transição defesa-ataque nos escalões de sub-14 e sub-16: como fazer e como construir Helder Silva Considerações gerais Índice Proposta de ensino do tema Transição Defesa Ataque O que é?,

Leia mais

Fernandinho, jogador do Shakhtar Donetsk da Ucrânia, de férias em Londrina, concede entrevista exclusiva, em sua visita a Arena Futsal:

Fernandinho, jogador do Shakhtar Donetsk da Ucrânia, de férias em Londrina, concede entrevista exclusiva, em sua visita a Arena Futsal: Fernandinho, jogador do Shakhtar Donetsk da Ucrânia, de férias em Londrina, concede entrevista exclusiva, em sua visita a Arena Futsal: 1) Arena Futsal: Conte um pouco da sua trajetória no futebol, desde

Leia mais

CENTRO DE MEMÓRIA DO ESPORTE ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROJETO GARIMPANDO MEMÓRIAS

CENTRO DE MEMÓRIA DO ESPORTE ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROJETO GARIMPANDO MEMÓRIAS CENTRO DE MEMÓRIA DO ESPORTE ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROJETO GARIMPANDO MEMÓRIAS SAMARA DA SILVA VIEIRA (depoimento) 2014 CEME-ESEF-UFRGS FICHA TÉCNICA Projeto:

Leia mais

Novas regras do futsal

Novas regras do futsal Novas regras do futsal 2011 Confederação Brasileira de Futebol de Salão - Futsal Futsal do Brasil passa a adotar novidades na regra em 2011 A temporada de 2011 ainda nem começou, mas o futsal brasileiro

Leia mais

Princípios de Jogo Formação - Infantis 2013-2014

Princípios de Jogo Formação - Infantis 2013-2014 O futebol é um jogo de oposição entre os jogadores de duas equipas e, simultaneamente, um jogo de cooperação entre os elementos da mesma equipa que procuram, a todo o momento, a adopção de comportamentos

Leia mais

Pagina 1 Revista FBH! Volume 2 Fevereiro 2015 www.futebolbh.com.br. Revista FBH! Volume 2 Fevereiro 2015 www.futebolbh.com.br. Dida. Negão.

Pagina 1 Revista FBH! Volume 2 Fevereiro 2015 www.futebolbh.com.br. Revista FBH! Volume 2 Fevereiro 2015 www.futebolbh.com.br. Dida. Negão. Goleiro Lateral Direito Zagueiro Zagueiro Dida Wallace Negão Djean Lateral Nicolas Abel Ordiley Dedé Luiz Felipe Pagina 1 Revista FBH! Volume 2 Fevereiro 2015 www.futebolbh.com.br Guilherme Revelação Treinadores:

Leia mais

O Treino ANTF. Acção de Actualização para Treinadores de Jovens

O Treino ANTF. Acção de Actualização para Treinadores de Jovens O Treino Preparar Conduzir Avaliar ANTF Acção de Actualização para Treinadores de Jovens Vítor Urbano O Treino O treino é o acto pedagógico de base do treinador, é o meio da sua intervenção. Através do

Leia mais

UNIVERSO - Disciplina: Futebol e Futsal Prof. Sandro de Souza

UNIVERSO - Disciplina: Futebol e Futsal Prof. Sandro de Souza SISTEMAS OFENSIVOS E DEFENSIVOS DO FUTSAL Sistema é o posicionamento organizado dos jogadores de uma equipe na quadra. Para que o professor posicione a equipe na quadra de forma organizada, inteligente,

Leia mais

COMO PROGRAMAR SEU TIME

COMO PROGRAMAR SEU TIME COMO PROGRAMAR SEU TIME 1) INSTALAÇÃO: Instale o simulador da categoria SIMUROSOT da FIRA. O simulador é gratuito e está disponível para download no site da FIRA (www.fira.net) ou no site da competição

Leia mais

Como acontece em vários esportes, há divergências no que se refere à história de origem do futsal. Alguns acreditam que o mesmo tenha se originado na

Como acontece em vários esportes, há divergências no que se refere à história de origem do futsal. Alguns acreditam que o mesmo tenha se originado na FUTSAL O futebol de salão conhecido apenas como futsal é uma prática adaptada do futebol. Em uma quadra esportiva são formados times de cinco jogadores e assim como no futebol, o principal objetivo é colocar

Leia mais

1. História do Voleibol. 2. Caracterização do Voleibol. 2. Regras do Voleibol. Documento de Apoio de Voleibol VOLEIBOL

1. História do Voleibol. 2. Caracterização do Voleibol. 2. Regras do Voleibol. Documento de Apoio de Voleibol VOLEIBOL VOLEIBOL 1. História do Voleibol O Voleibol foi criado em 1885, em Massachussets, por William G. Morgan, responsável pela Educação Física no Colégio de Holyoke, no Estado de Massachussets, nos Estados

Leia mais

CURSO DE APERFEIÇOAMENTO, ACTUALIZAÇÃO E AVALIAÇÃO ÁRBITROS ASSISTENTES DE 2.ª CATEGORIA Futebol de 11 TESTE ESCRITO PERGUNTAS

CURSO DE APERFEIÇOAMENTO, ACTUALIZAÇÃO E AVALIAÇÃO ÁRBITROS ASSISTENTES DE 2.ª CATEGORIA Futebol de 11 TESTE ESCRITO PERGUNTAS FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE FUTEBOL CONSELHO DE ARBITRAGEM CURSO DE APERFEIÇOAMENTO, ACTUALIZAÇÃO E AVALIAÇÃO ÁRBITROS ASSISTENTES DE 2.ª CATEGORIA Futebol de 11 Fátima, 6 de Agosto de 2006 ÉPOCA 2006/2007

Leia mais

A INFLUÊNCIA DO JOGO E DO MODELO DE JOGO NA PERFORMANCE DOS ATLETAS

A INFLUÊNCIA DO JOGO E DO MODELO DE JOGO NA PERFORMANCE DOS ATLETAS A INFLUÊNCIA DO JOGO E DO MODELO DE JOGO NA PERFORMANCE DOS ATLETAS A preparação física como norte do processo ou subordinada às variáveis da partida? Uma análise sob a ótica sistêmica. Por Cyro Bueno*

Leia mais

Educação Física Inclusiva

Educação Física Inclusiva LUIZ HENRIQUE DE PAULA CONCEIÇÃO 1 RODRIGO HÜBNER MENDES 2 Educação Física Inclusiva O esporte para pessoas com deficiência teve seu início após a Primeira Guerra Mundial, como forma de tratamento de soldados

Leia mais

Não perca tempo!!!!!! Inscreva-se para o JAC!!!!!!!!!!

Não perca tempo!!!!!! Inscreva-se para o JAC!!!!!!!!!! N 30/15 95 A 95ª EDIÇÃO 23 de dezembro de 2015 «Ponha o Athletic Club no seu coração, tenha um Feliz Natal e um Ano Novo com saúde, energia e bem estar» Não perca tempo!!!!!! Inscreva-se para o JAC!!!!!!!!!!

Leia mais

Caracterização. Objetivo

Caracterização. Objetivo VOLEIBOL Caracterização O voleibol é um jogo desportivo coletivo praticado por duas equipas, cada uma composta por seis jogadores efetivos e, no máximo, seis suplentes, podendo um ou dois destes jogadores

Leia mais

(S.I.) = 10 + 6 3) (FP) O

(S.I.) = 10 + 6 3) (FP) O Lista Cinemática 1) (FP) Um motorista pretende realizar uma viagem com velocidade média de 90 km/h. A primeira terça parte do percurso é realizada à 50km/h e os próximos 3/5 do restante é realizado à 80

Leia mais

Colégio Adventista de Rio Preto Educação Física BASQUETEBOL. Basquetebol 8º ano. basquetebol

Colégio Adventista de Rio Preto Educação Física BASQUETEBOL. Basquetebol 8º ano. basquetebol Colégio Adventista de Rio Preto Educação Física BASQUETEBOL Basquetebol 8º ano Basquetebol Origem e Evolução: Estados Unidos - 1891 Prof. James Naismith Universidade Springfield - USA Ginástica - inverno

Leia mais

Os juízes de linha devem apresentar-se, junto da mesa do marcador, no mínimo 45 minutos antes do início do jogo.

Os juízes de linha devem apresentar-se, junto da mesa do marcador, no mínimo 45 minutos antes do início do jogo. INTRODUÇÃO As Regras de Jogo regulamentam as funções dos juízes de linha, a sua localização (27.1) e as suas responsabilidades (27.2). Além disso, a Regra 28.2 indica os gestos oficiais com as bandeirolas

Leia mais

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN 1984-4956 versão eletrônica

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN 1984-4956 versão eletrônica 37 O ÍNDICE DE APROVEITAMENTO DOS CONTRA-ATAQUES É SUPERIOR AOS DAS JOGADAS OFENSIVAS DE POSSE DE BOLA Fábio Figuerôa dos Santos 1 RESUMO Este estudo teve o objetivo de analisar o índice de aproveitamento

Leia mais

ANTF. Acção de Actualização para Treinadores de Futebol de Jovens. Simplificação da Estrutura Complexa do Jogo. Fases do Jogo

ANTF. Acção de Actualização para Treinadores de Futebol de Jovens. Simplificação da Estrutura Complexa do Jogo. Fases do Jogo ANTF Acção de Actualização para Treinadores de Futebol de Jovens Simplificação da Estrutura Complexa do Jogo Fases do Jogo VÍTOR URBANO FASES DO JOGO No Futebol Moderno, todos os jogadores da equipa, sem

Leia mais

Sistema, Estratégia e Tática de Jogo no Futebol: Análise do Conhecimento dos. Profissionais que Atuam no Futebol. 1

Sistema, Estratégia e Tática de Jogo no Futebol: Análise do Conhecimento dos. Profissionais que Atuam no Futebol. 1 Sistema, Estratégia e Tática de Jogo no Futebol: Análise do Conhecimento dos Profissionais que Atuam no Futebol. 1 Caroline Colucio Vendite 2 e Antonio Carlos de Moraes 3 Faculdade de Educação Física,

Leia mais

Balanço da 5ª Unidade de Ensino

Balanço da 5ª Unidade de Ensino Mestrado em Ensino da Educação Física nos Ensinos Básico e Secundário Estágio Pedagógico de Educação Física e Desporto 2012/2013 Balanço da 5ª Unidade de Ensino Orientador de Estágio: Profª Ana Severo

Leia mais

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina Campus Sombrio Curso Técnico em Agropecuária Integrado ao Ensino Médio

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina Campus Sombrio Curso Técnico em Agropecuária Integrado ao Ensino Médio 1 Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina Campus Sombrio Curso Técnico em Agropecuária Integrado ao Ensino Médio DISCIPLINA: Educação Física CARGA HORÁRIA: 40hs PROFESSOR(A):

Leia mais

TÁTICAS BÁSICAS DO VOLEIBOL TÁTICAS BÁSICAS DO VOLEIBOL SISTEMAS TÁTICOS

TÁTICAS BÁSICAS DO VOLEIBOL TÁTICAS BÁSICAS DO VOLEIBOL SISTEMAS TÁTICOS TÁTICAS BÁSICAS DO VOLEIBOL TÁTICAS BÁSICAS DO VOLEIBOL SISTEMAS TÁTICOS Para o melhor entendimento técnico e tático das definições sobre os sistemas de jogo adotados no voleibol, é necessário, em primeiro

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS EÇA DE QUEIRÓS

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS EÇA DE QUEIRÓS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS EÇA DE QUEIRÓS Informação - Prova de Equivalência à Frequência Educação Física Código 311 (Ensino Secundário) Prova Prática Ano letivo 2012/2013 1. INTRODUÇÃO O presente documento

Leia mais

Federação Paranaense de Canoagem FEPACAN

Federação Paranaense de Canoagem FEPACAN Federação Paranaense de Canoagem FEPACAN Meninos do Lago Núcleo Caiaque Pólo Projeto: Núcleo do Morumbi Prof. Valdecir Fernandes da Cruz CREF. 005870/PR Plano de Aula mês: 09/ 2009 1º Semana: 01 à 04 Manhã:

Leia mais

Voleibol. Professor:Pedro Engler Neto

Voleibol. Professor:Pedro Engler Neto Voleibol Professor:Pedro Engler Neto Histórico O voleibol foi criado por William G. Morgam em 09 de fevereiro de 1895. Na Associação Cristã de Moços,HoYolke Massachussets, Eua. E a intenção de Morgan era

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO E APLICAÇÃO DOS SISTEMAS E TÁTICAS DE JOGO UTILIZADOS NO FUTEBOL AMADOR DA REGIAO SUL

A CONTRIBUIÇÃO E APLICAÇÃO DOS SISTEMAS E TÁTICAS DE JOGO UTILIZADOS NO FUTEBOL AMADOR DA REGIAO SUL UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE - UNESC CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM TREINAMENTO ESPORTIVO ODINAR DE SOUZA A CONTRIBUIÇÃO E APLICAÇÃO DOS SISTEMAS E TÁTICAS DE JOGO UTILIZADOS NO FUTEBOL

Leia mais

XV JOGOS ARI DE SÁ. Ensino Fundamental I 2015 REGULAMENTO

XV JOGOS ARI DE SÁ. Ensino Fundamental I 2015 REGULAMENTO XV JOGOS ARI DE SÁ Ensino Fundamental I 2015 REGULAMENTO ABERTURA 1. DIA: 26/09/2015 ( Sábado ) 9h 2. LOCAL: Manhã Ginásio 2.1 - Concentração Manhã: galeria do Ensino Fundamental I 2.2 - Desfile de abertura

Leia mais

Justificativa Elevamos nossa avaliação para o valor de mercado de Neymar, do Barcelona, em 22,6%, de 55 milhões para 67,4 milhões.

Justificativa Elevamos nossa avaliação para o valor de mercado de Neymar, do Barcelona, em 22,6%, de 55 milhões para 67,4 milhões. Análise do Valor de Mercado Neymar - Barcelona PLURI Consultoria - O Esporte levado a Sério www.pluriconsultoria.com.br DISCLOSURE: Esta é uma avaliação estritamente técnica e baseada em modelo metodológico

Leia mais

Curso Técnico em Agropecuária integrado ao Ensino Médio

Curso Técnico em Agropecuária integrado ao Ensino Médio 1 Curso Técnico em Agropecuária integrado ao Ensino Médio DISCIPLINA: Educação Física PROFESSOR(A): Paulo Fernando Mesquita Junior paulo.junior@ifc-sombrio.edu.br Os sistemas (Parte 2) Sistema 5 X 1 A

Leia mais

Análise do Scout individual da Equipe Profissional de Futebol do Londrina Esporte Clube no Campeonato Paranaense de 2003

Análise do Scout individual da Equipe Profissional de Futebol do Londrina Esporte Clube no Campeonato Paranaense de 2003 62 Luiz Antonio de Oliveira Ramos Filho; Daniel Medeiros Alves Revista Treinamento Desportivo / 2006 Volume 7 Número 1 Página 62 a 67 Análise do Scout individual da Equipe Profissional de Futebol do Londrina

Leia mais

Dist. da linha saída à 1ª barreira

Dist. da linha saída à 1ª barreira TÉCNICA DAS CORRIDAS COM BARREIRAS Antes de mais nada podemos dizer que as corridas com barreiras são provas de velocidade rasa porque, muito embora o barreiristas se depare com uma série de barreiras

Leia mais

FUTSAL. O Futsal é um jogo desportivo colectivo praticado por duas equipas, cada uma delas formada por cinco jogadores de campo e sete suplentes.

FUTSAL. O Futsal é um jogo desportivo colectivo praticado por duas equipas, cada uma delas formada por cinco jogadores de campo e sete suplentes. FUTSAL 1. História do Futsal A prática do futebol de salão começou a dar aos primeiros passos na década de 30 no século XX, nos campos de basquetebol e em pequenos salões. As primeiras regras tiveram por

Leia mais

VOLEIBOL 7ºano. Voleibol HISTÓRICO E REGRAS. Origem e Evolução: William Morgan 1895 ACM s Tênis Minonette 07/05/2013. Brasil 1915 Pernambuco

VOLEIBOL 7ºano. Voleibol HISTÓRICO E REGRAS. Origem e Evolução: William Morgan 1895 ACM s Tênis Minonette 07/05/2013. Brasil 1915 Pernambuco VOLEIBOL 7ºano. HISTÓRICO E REGRAS Profª SHEILA - Prof. DANIEL Origem e Evolução: William Morgan 1895 ACM s Tênis Minonette Brasil 1915 Pernambuco Colégio Marista ou ACM s São Paulo 1916 1954 CBV 1982

Leia mais

DEFESA INDIVIDUAL por Luís Laureano

DEFESA INDIVIDUAL por Luís Laureano DEFESA INDIVIDUAL por Luís Laureano Sempre que me encontro em Reguengos não perco a oportunidade de observar atentamente os jogos do meu Clube. Tenho visto, nomeadamente, no escalão de Sub 14 masculino

Leia mais

Estruturação dos Conteúdos Unidade Didáctica de Basquetebol. Aula Objectivo Específico Conteúdos Estratégias

Estruturação dos Conteúdos Unidade Didáctica de Basquetebol. Aula Objectivo Específico Conteúdos Estratégias Estruturação dos Conteúdos Unidade Didáctica de Basquetebol Aula Objectivo Específico Conteúdos Estratégias 1 Posição Básica Ofensiva; Passe (Peito e Picado) /recepção; Drible de Avaliar a prestação motora

Leia mais

Clubes Europeus avançam sobre Torcedores Brasileiros

Clubes Europeus avançam sobre Torcedores Brasileiros PLURI View Clubes Europeus avançam sobre Torcedores Brasileiros PLURI Consultoria Pesquisa, Valuation, Gestão e marketing Esportivo. Curitiba-PR Twitter: @pluriconsult www.facebook/pluriconsultoria Fernando

Leia mais

CURSO DE APERFEIÇOAMENTO, ACTUALIZAÇÃO E AVALIAÇÃO ÁRBITROS ASSISTENTES DE 2.ª CATEGORIA Futebol de 11 TESTE ESCRITO PERGUNTAS

CURSO DE APERFEIÇOAMENTO, ACTUALIZAÇÃO E AVALIAÇÃO ÁRBITROS ASSISTENTES DE 2.ª CATEGORIA Futebol de 11 TESTE ESCRITO PERGUNTAS FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE FUTEBOL CONSELHO DE ARBITRAGEM CURSO DE APERFEIÇOAMENTO, ACTUALIZAÇÃO E AVALIAÇÃO ÁRBITROS ASSISTENTES DE 2.ª CATEGORIA Futebol de 11 Tomar, 5 de Agosto de 2007 ÉPOCA 2007/2008

Leia mais

Uma paixão pelo herói que está na sombra UM ESTADO DE VIDA! Hugo Oliveira

Uma paixão pelo herói que está na sombra UM ESTADO DE VIDA! Hugo Oliveira No guarda-redes encontramos tudo o que procuramos num desportista: reflexos e sincronização, força e velocidade, espectacularidade e movimentos perfeitos e competitividade e valentia. (John Hodgson) Uma

Leia mais

A.A.INTERNACIONAL DE LIMEIRA 2006/2007

A.A.INTERNACIONAL DE LIMEIRA 2006/2007 1 ATACANTE Nome: CAIAME ESIS STEINES JORGE Nacionalidade: Brasileira. Estado Civil: S olteiro. Data de nascimento: 11/07/1987. Altura: 1,86 M. Peso: 76,3 Kg. CLUBE TEMPORADA BARUERI. 2003 SÃO PAULO F.C

Leia mais

Escola Superior de Desporto de Rio Maior. Treino com Jovens - Jogos Lúdicos

Escola Superior de Desporto de Rio Maior. Treino com Jovens - Jogos Lúdicos Escola Superior de Desporto de Rio Maior Treino com Jovens - Jogos Lúdicos Docentes: António Graça Paulo Paixão Miguel Discentes: Turma 1 e 2 da UC de Teoria e Metodologia do Treino Rio Maior, 2009_10

Leia mais

II CAMPEONATO DE FUTEBOL SUIÇO BEIRA RIO CLUBE DE CAMPO 2014 TAÇA FIFA 2014 Troféu Álvaro Wischral Tuti

II CAMPEONATO DE FUTEBOL SUIÇO BEIRA RIO CLUBE DE CAMPO 2014 TAÇA FIFA 2014 Troféu Álvaro Wischral Tuti II CAMPEONATO DE FUTEBOL SUIÇO BEIRA RIO CLUBE DE CAMPO 2014 TAÇA FIFA 2014 Troféu Álvaro Wischral Tuti Regulamento Geral I Das Disposições Gerais Obs: A COMISSÃO É COMPOSTA pelos integrantes: Rafael Rangel,

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GONÇALO SAMPAIO ESCOLA E.B. 2, 3 PROFESSOR GONÇALO SAMPAIO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GONÇALO SAMPAIO ESCOLA E.B. 2, 3 PROFESSOR GONÇALO SAMPAIO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GONÇALO SAMPAIO ESCOLA E.B. 2, 3 PROFESSOR GONÇALO SAMPAIO DEPARTAMENTO DE EXPRESSÕES (EDUCAÇÃO FÍSICA) 5º ANO PLANIFICAÇÃO ANUAL 2014/2015 5.º Ano 1. CONTEÚDOS DE APRENDIZAGEM Atletismo

Leia mais

Aqui você também vai encontrar o botão ""Autocompletar"", que ajuda na criação do alinhamento, caso você não consiga se decidir.

Aqui você também vai encontrar o botão Autocompletar, que ajuda na criação do alinhamento, caso você não consiga se decidir. 1. ATIVAR CARTA Nesta seção, localizada dentro do ""shopping center"", você precisa inserir o código que aparece no verso da sua carta real para adicioná-la à sua coleção virtual. Às vezes, você pode se

Leia mais

21.12.2002. Administrando os Conflitos nos Níveis Hierárquicos

21.12.2002. Administrando os Conflitos nos Níveis Hierárquicos 21.12.2002 53 Administrando os Conflitos nos Níveis Hierárquicos Exigências mais atuais têm obrigado, inegavelmente, que as empresas estejam cada vez mais desenhadas administrativamente com simplicidade

Leia mais

E Nas extremidades da rede existem duas antenas que delimitam o espaço aéreo de jogo.

E Nas extremidades da rede existem duas antenas que delimitam o espaço aéreo de jogo. V O L E I B O L A quadra de jogo A quadra de voleibol mede 18 x 9 metros e é demarcada por linhas de 5 centímetros de espessura. Possui uma linha central que divide a quadra em duas áreas com 9 x 9 metros.

Leia mais

Educação Física: Futsal

Educação Física: Futsal FUTSAL Apresentação do Plano de Trabalho História e evolução do futebol de salão Regras Oficiais Métodos de Ensino Progressivo Repetitivo/Parcial Situacional/Global Fundamentos Técnicos Controle Proteção

Leia mais

Site: http://geocities.yahoo.com.br/gagaufera2003/

Site: http://geocities.yahoo.com.br/gagaufera2003/ Direitos exclusivos para a língua portuguesa Copyright 2004 by EDITORA SPRINT LTDA. Rua Guapjara, 28 - Tijuca CEP: 20521-180 - Rio de Janeiro - RJ Telefax.: OXX-21-2264-8080 / OXX-21-2567-0295 / OXX-21-2284-9340

Leia mais

Gráficos. Incluindo gráficos

Gráficos. Incluindo gráficos Gráficos Mas antes de começar, você precisa ter em mente três conceitos importantes que constituem os gráficos do Excel 2007. O primeiro deles é o ponto de dados. Este elemento é representado pela combinação

Leia mais

LESÕES MUSCULOESQUELÉTICAS NO FUTEBOL JUVENIL

LESÕES MUSCULOESQUELÉTICAS NO FUTEBOL JUVENIL LESÕES MUSCULOESQUELÉTICAS NO FUTEBOL JUVENIL Janair Honorato Alves (jhalves1@bol.com.br) UNIFAN Mosiah Araújo Silva (mosiaharaujo@hotmail.com) CAMBURY PALAVRAS-CHAVE: Lesões musculoesqueléticas; Futebol

Leia mais

SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR

SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR UNIDADE POLIVALENTE MODELO VASCO DOS REIS EDUCAÇÃO

Leia mais

Jogos de Integração do Instituto Federal/ Araranguá JIIF

Jogos de Integração do Instituto Federal/ Araranguá JIIF Jogos de Integração do Instituto Federal/ Araranguá JIIF DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Para efeito de classificação, a pontuação será a seguinte: I - 1º lugar: 10 pontos. II - 2º lugar: 7 pontos. III - 3º

Leia mais

FUTEBOL DE CAMPO CATEGORIA / IDADE - MASCULINO: CATEGORIAS / IDADE - FEMININO:

FUTEBOL DE CAMPO CATEGORIA / IDADE - MASCULINO: CATEGORIAS / IDADE - FEMININO: FUTEBOL DE CAMPO Todos os atletas deverão apresentar o Documento Original (conforme Art.do Regulamento Geral) É obrigatório (e indispensável) o uso de caneleiras para todos os atletas participantes das

Leia mais

17/02/2016. Mestrando Dagnou Pessoa de Moura - Dog. A partida é supervisionada por três árbitros

17/02/2016. Mestrando Dagnou Pessoa de Moura - Dog. A partida é supervisionada por três árbitros Mestrando Dagnou Pessoa de Moura - Dog Formado em Educação Física Unisalesiano Lins Especialista em Fisiologia do Exercício UFSCar Especialista em Biomecânica, Avaliação Física e Prescrição de Exercícios

Leia mais

AS REGRAS DO BASQUETEBOL

AS REGRAS DO BASQUETEBOL AS REGRAS DO BASQUETEBOL A BOLA A bola é esférica, de cabedal, borracha ou material sintéctico. O peso situa-se entre 600 g e 650g e a circunferência deve estar compreendida entre 75 cm e 78 cm. CESTOS

Leia mais

SITUAÇÕES TÁTICAS DO DESARME COM RECUPERAÇÃO DA BOLA NOS JOGOS DE FUTEBOL

SITUAÇÕES TÁTICAS DO DESARME COM RECUPERAÇÃO DA BOLA NOS JOGOS DE FUTEBOL SITUAÇÕES TÁTICAS DO DESARME COM RECUPERAÇÃO DA BOLA NOS JOGOS DE FUTEBOL Laércio Ferreira de Oliveira 1 ; Antonio Coppi Navarro 1 1 PPGLS-UGF/Especialização em Metodologia da Aprendizagem e Treinamento

Leia mais

Título do Case: Mudança Cultural com Treinamento e Acompanhamento da Implantação do Programa 5S. Categoria: Projeto Externo

Título do Case: Mudança Cultural com Treinamento e Acompanhamento da Implantação do Programa 5S. Categoria: Projeto Externo Título do Case: Mudança Cultural com Treinamento e Acompanhamento da Implantação do Programa 5S. Categoria: Projeto Externo Resumo: O Programa 5S se baseia em cinco sensos com a finalidade de garantir

Leia mais

1ºTorneio Bancário Society de Clubes Paulista REGULAMENTO 2015

1ºTorneio Bancário Society de Clubes Paulista REGULAMENTO 2015 REGULAMENTO 2015 1º Torneio Bancário Society de Clubes Paulista 2015, é uma promoção da Secretaria de Esporte do Sindicato dos Bancários, e tem por finalidade efetuar o congraçamento entre os bancários

Leia mais

Versão 1.00. Referenciais de FORMAÇÃO. Voleibol. Grau

Versão 1.00. Referenciais de FORMAÇÃO. Voleibol. Grau Versão 1.00 Referenciais de FORMAÇÃO Voleibol Grau I Versão 1.00 Referenciais de FORMAÇÃO Voleibol Grau I Edição: Conteúdos: Data: Instituto Português do Desporto e Juventude, I.P. Federação Portuguesa

Leia mais

EVOLUÇÃO TÁTICA E ESTRATÉGIAS DE JOGO

EVOLUÇÃO TÁTICA E ESTRATÉGIAS DE JOGO EVOLUÇÃO TÁTICA E ESTRATÉGIAS DE JOGO Carlos Alberto Parreira Organizado por: Carlos Eduardo Faria Evolução Tática e Estratégias de Jogo 1 Confederação Brasileira de Futebol Rua Victor Civita, 66 Bloco

Leia mais

Desenvolvimento de Estratégia para Programação do Futebol de Robôs da Mauá

Desenvolvimento de Estratégia para Programação do Futebol de Robôs da Mauá Desenvolvimento de Estratégia para Programação do Futebol de Robôs da Mauá Wânderson O. Assis, Alessandra D. Coelho, Marcelo M. Gomes, Cláudio G. Labate, Daniel F. Calasso, João Carlos G. C. Filho Escola

Leia mais

EMENDAS ÀS REGRAS DO JOGO 2016/2017

EMENDAS ÀS REGRAS DO JOGO 2016/2017 EMENDAS ÀS REGRAS DO JOGO 2016/2017 EMENDAS ÀS REGRAS DO JOGO 2016/2017 INTRODUÇÃO OBSERVAÇÕES SOBRE AS REGRAS DO JOGO AS REGRAS DO JOGO EXPLICADAS AS MUDANÇAS ÀS REGRAS PARA 2016/17 - TEXTO ANTIGO -

Leia mais

Unidade III 1. APRESENTANDO PLANILHAS ELETRÔNICAS. 1.1) Conceito de Planilha Eletrônica. 1.2) Inicializando o Excel e o Calc

Unidade III 1. APRESENTANDO PLANILHAS ELETRÔNICAS. 1.1) Conceito de Planilha Eletrônica. 1.2) Inicializando o Excel e o Calc Unidade III 1. APRESENTANDO PLANILHAS ELETRÔNICAS 1.1) Conceito de Planilha Eletrônica Em certa época, a planilha era um pedaço de papel que os contadores e planejadores de empresas utilizavam para colocar

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GONÇALO SAMPAIO ESCOLA E.B. 2, 3 PROFESSOR GONÇALO SAMPAIO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GONÇALO SAMPAIO ESCOLA E.B. 2, 3 PROFESSOR GONÇALO SAMPAIO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GONÇALO SAMPAIO ESCOLA E.B. 2, 3 PROFESSOR GONÇALO SAMPAIO DEPARTAMENTO DE EXPRESSÕES (EDUCAÇÃO FÍSICA) 9º ANO PLANIFICAÇÃO ANUAL 2014/2015 1º PERÍODO 1. CONTEÚDOS DE APRENDIZAGEM

Leia mais

FORMAÇÃO DE JOGADORES NO FUTEBOL BRASILEIRO PRECISAMOS MELHORAR O PROCESSO? OUTUBRO / 2013

FORMAÇÃO DE JOGADORES NO FUTEBOL BRASILEIRO PRECISAMOS MELHORAR O PROCESSO? OUTUBRO / 2013 FORMAÇÃO DE JOGADORES NO FUTEBOL BRASILEIRO PRECISAMOS MELHORAR O PROCESSO? OUTUBRO / 2013 Recentemente, escrevi uma crônica cujo texto apresentava algumas possíveis causas para que o processo de formação

Leia mais

COPA DOS CAMPEÕES UNILIGAS 2015 REGULAMENTO

COPA DOS CAMPEÕES UNILIGAS 2015 REGULAMENTO COPA DOS CAMPEÕES UNILIGAS 2015 REGULAMENTO DA DENOMINAÇÃO E PARTICIPAÇÃO Art. 1º Á COPA DOS CAMPEÕES UNILIGAS 2015, será disputada pelas 7 (sete) equipes Campeãs e as 7(sete) equipes Vice Campeãs das

Leia mais

COM O BROFFICE IMPRESS

COM O BROFFICE IMPRESS Unidade Unidade 5 4 Preparando Compondo suas planilhas apresentações eletrônicas com com o BrOffice o BrOffice Impress Calc UNIDADE 5 PREPARANDO SUAS APRESENTAÇÕES COM O BROFFICE IMPRESS OBJETIVOS ESPECÍFICOS

Leia mais

Periodização do Treino

Periodização do Treino Periodização do Treino Seniores masculinos AAC OAF FUTSAL Número: 3 Unidade de Treino Objectivos: Organização do processo defensivo, transição ataque defesa, potência aeróbia especifica Data: 27/08/2005

Leia mais

O PROFESSOR EM SITUAÇÃO DE ESTÁGIO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: A COMPREENSÃO DOS ALUNOS

O PROFESSOR EM SITUAÇÃO DE ESTÁGIO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: A COMPREENSÃO DOS ALUNOS O PROFESSOR EM SITUAÇÃO DE ESTÁGIO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: A COMPREENSÃO DOS ALUNOS Bruna Silvestre Estevam Graduanda do curso de Licenciatura em Educação Física Universidade do Extremo Sul Catarinense

Leia mais

Período: 06/09 a 29/11 11 datas. Realização: Faculdade Anísio Teixeira Departamento de Esportes

Período: 06/09 a 29/11 11 datas. Realização: Faculdade Anísio Teixeira Departamento de Esportes Período: 06/09 a 29/11 11 datas Realização: Faculdade Anísio Teixeira Departamento de Esportes COORDENAÇÃO: Prof. Eurico Gaspar de Oliveira CREF 0124 - G/BA CONTATO: (75) 8307-1261 / 9165-4938 / 3223.4158

Leia mais

Lista abaixo com nome do jogador, clube, idade atual e daqui a quatro anos

Lista abaixo com nome do jogador, clube, idade atual e daqui a quatro anos Lista abaixo com nome do jogador, clube, idade atual e daqui a quatro anos GOLEIROS: NETO FIORENTINA 24 anos 28 anos SAIU MUITO JOVEM DO BRASIL ONDE ATUAVA PELO ATLÉTICO/PR. HOJE É TITULAR ABSOLUTO DA

Leia mais

Scout No Futebol: Uma Ferramenta Para a Imprensa Esportiva 1

Scout No Futebol: Uma Ferramenta Para a Imprensa Esportiva 1 Scout No Futebol: Uma Ferramenta Para a Imprensa Esportiva 1 Caroline Colucio Vendite 2, Laércio Luis Vendite 3 e Antonio Carlos de Moraes 4 Faculdade de Educação Física e Instituto de Matemática, Estatística

Leia mais

40 dicas para tornar seu site mais eficiente e funcional

40 dicas para tornar seu site mais eficiente e funcional 40 dicas para tornar seu site mais eficiente e funcional Essas 40 dicas são ótimas e assino embaixo. Foram passadas para mim pelo amigo Luiz Rodrigues, aluno também do Curso Online de Design Web. A fonte

Leia mais

Histórico do Voleibol. Prof. Maick da Silveira Viana

Histórico do Voleibol. Prof. Maick da Silveira Viana Histórico do Voleibol Prof. Maick da Silveira Viana Quando começou? Conta a história que o voleibol foi criado na Associação Cristã de Moços (ACM) de Massachusetts pelo professor William Morgan em 1895.

Leia mais

Regras do Jogo. Perguntas e Respostas 91

Regras do Jogo. Perguntas e Respostas 91 Regras do Jogo Perguntas e Respostas 2006 91 Perguntas e Respostas 91 5/30/06 11:17:38 PM Índice Regra 1 O Campo de Jogo Perguntas e Respostas 2006 Assunto Página O Campo de Jogo...93 A Bola...94 O Número

Leia mais

JOGOS DESPORTIVOS COLETIVOS

JOGOS DESPORTIVOS COLETIVOS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MARTIM DE FREITAS ESCOLA BÁSICA 2/3 MARTIM DE FREITAS Ano letivo 2015/2016 EDUCAÇÃO FÍSICA 3º CICLO NÍVEIS INTRODUTÓRIO (I), ELEMENTAR (E) e AVANÇADO (A) JOGOS DESPORTIVOS COLETIVOS

Leia mais

OS GRANDES ARTILHEIROS DO FUTEBOL SERGIPANO

OS GRANDES ARTILHEIROS DO FUTEBOL SERGIPANO OS GRANDES ARTILHEIROS DO FUTEBOL SERGIPANO Viana Filho O futebol é o esporte coletivo que mais proporciona emoções aos expectadores. Daí ter se tornado, disparadamente, o mais popular entre todos disputados

Leia mais

1. METODOLOGIA: SÉRIES DE EXERCÍCIOS E TEMAS PARA AS LIÇÕES DE ESGRIMA.

1. METODOLOGIA: SÉRIES DE EXERCÍCIOS E TEMAS PARA AS LIÇÕES DE ESGRIMA. ESPADA SISTEMA PARA FORMAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO DE ESPADISTAS A ESGRIMA DE PONTA SEM PRATICAR O FLORETE Arthur CRAMER Há vários modos de esgrimir, dizemos quanto à esgrima de sala e à esgrima de competição.

Leia mais

O momento do gol. Parece muito fácil marcar um gol de pênalti, mas na verdade o espaço que a bola tem para entrar é pequeno. Observe na Figura 1:

O momento do gol. Parece muito fácil marcar um gol de pênalti, mas na verdade o espaço que a bola tem para entrar é pequeno. Observe na Figura 1: O momento do gol A UU L AL A Falta 1 minuto para terminar o jogo. Final de campeonato! O jogador entra na área adversária driblando, e fica de frente para o gol. A torcida entra em delírio gritando Chuta!

Leia mais

O ENSINO DO HANDEBOL NA ESCOLA: UMA PROPOSTA DE SISTEMATIZAÇÃO DOS CONTEÚDOS

O ENSINO DO HANDEBOL NA ESCOLA: UMA PROPOSTA DE SISTEMATIZAÇÃO DOS CONTEÚDOS O ENSINO DO HANDEBOL NA ESCOLA: UMA PROPOSTA DE SISTEMATIZAÇÃO DOS CONTEÚDOS Resumo Scheila Medina 1 - PUCPR Luís Rogério de Albuquerque 2 - PUCPR Grupo de Trabalho - Didática: Teorias, Metodologias e

Leia mais

Núcleo de Desporto Escolar. Futsal

Núcleo de Desporto Escolar. Futsal Universidade Técnica de Lisboa Faculdade de Motricidade Humana Mestrado em Ensino da Educação Física nos Ensinos Básico e Secundário Estágio Pedagógico 2012/2013 Escola Básica 2,3 de Alfornelos - Núcleo

Leia mais

Princípios da defesa 5x3

Princípios da defesa 5x3 Princípios da defesa 5x3 Não importa qual defesa praticamos, mas, o como a tornamos eficaz No 5x5, são até três atacantes realmente envolvidos em uma jogada, portanto, se todos estiverem sempre comprometidos

Leia mais