MAPX-OP Manual Técnico do Cheque Legal

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MAPX-OP035-2012. Manual Técnico do Cheque Legal"

Transcrição

1 Manual Técnico do Cheque Legal OBJETIVO: O Manual Técnico do Cheque Legal tem como finalidade descrever os procedimentos que as Instituições Participantes devem seguir para configurar e permitir a conexão de seus sistemas com o sistema Cheque Legal. Estão definidos neste documento os parâmetros de configuração das soluções MQ, Connect:Direct e XFB. AUTOR DO DOCUMENTO: ÁREA: Gerência de Infraestrutura e Suporte TI CONTATO: Monitoramento e Gestão da Satisfação dos Clientes O responsável deve ser contatado nos casos de: Dúvidas sobre as informações tratadas neste documento; Falhas ou vulnerabilidades encontradas no processo; Necessidade de adequação identificada internamente, ou apresentada por auditoria, por órgão regulador, ou por cliente.

2 2 /6 CÂMARA INTERBANCÁRIA DE PAGAMENTOS - CIP Manual Técnico do Cheque Legal Versão. Data de Atualização:

3 3 /6 Prefácio O Manual Técnico do Cheque Legal tem a finalidade de descrever os procedimentos que as Instituições Participantes devem seguir para configurar e permitir a conexão de seus sistemas com o sistema Cheque Legal, para a transferência de arquivos pelo Connect:Direct ou XFB e mensageria por MQ Series. Estão detalhadas também as informações referentes ao logotipo da instituição que aderir ao Cheque Legal, que será enviado a CIP.

4 4 /6 SUMÁRIO. INTRODUÇÃO Objetivo Premissas e Considerações Gerais Plataformas de Transferência Suportadas para o Cheque Legal Sterling Connect:Direct Axway Synchrony File Transfer (XFB) CONFIGURAÇÕES DOS PRODUTOS Endereçamento IP dos servidores Homologação, Produção e DNS Domínio Servidores DNS: Endereçamento do ambiente: Regras Para a Transferência de Arquivos no Cheque Legal Características dos Arquivos no Cheque Legal Configurações para o Connect:Direct: Configurações para o XFB: Configurações para o MQ Series: CRIPTOGRAFIA E ASSINATURA DIGITAL Introdução Premissas Diretrizes Processos de ativação, substituição e revogação de certificados Especificação para a Segurança dos Arquivos Domínio MES CARACTERÍSTICAS DA LOGOMARCA CONTATO... 6

5 5 /6. INTRODUÇÃO.. Objetivo Este documento tem como objetivo descrever os padrões, procedimentos e configurações a serem utilizados para o intercâmbio de arquivos e mensagens no Cheque Legal..2. Premissas e Considerações Gerais As regras e padrões deste documento foram concebidos para garantir o intercâmbio de arquivos entre o ambiente Cheque Legal e as Instituições Participantes pela RSFN, de forma segura, controlada, com um uso eficiente dos meios de transmissão e com forte resiliência e suporte a automação. A CIP recomenda, apesar de ter condições de envio dos arquivos para as Instituições Financeiras, que as mesmas adotem o processo de retirada dos arquivos, após serem notificadas via protocolo do aplicativo, da disponibilidade dos mesmos. Os vários manuais referentes ao SPB e RSFN podem ser encontrados nos links: Plataformas de Transferência Suportadas para o Cheque Legal O sistema Cheque Legal utilizará o MQ Series para troca de mensagens, sistema este já utilizado em larga escala na RSFN. Para troca de arquivos suportaremos as seguintes plataformas: Sterling Connect:Direct ou Axway Synchrony File Transfer (XFB), ambas largamente utilizadas nos meios financeiros em virtude de suas robustez e confiabilidade. Ficará a critério das Instituições Financeiras a escolha da plataforma que será utilizada para transferência de arquivos..3.. Sterling Connect:Direct O Connect:Direct é um software para a transferência de arquivos ponto-a-ponto com arquitetura que permite o envio e recepção automática de arquivos, com total gerenciamento, garantindo a entrega dos dados independente da utilização de redes públicas ou privadas. O Connect:Direct oferece funcionalidades de segurança para transferências de dados, independente do tipo de informação trafegada. Transmite arquivos contendo todos os tipos de dados, pelas múltiplas plataformas, sistemas de arquivos e mídias distintas. No Brasil, a solução Connect:Direct é comercializada pela empresa Sterling Commerce. Maiores informações podem ser obtidas pelo sitio

6 6 / Axway Synchrony File Transfer (XFB) O Synchrony File Transfer, mais conhecido como XFB (derivado do nome anterior do produto - Axway File Broker) é um software para a transferência de arquivos ponto-a-ponto com arquitetura que permite o envio e recepção automática de arquivos, com total gerenciamento, garantindo a entrega dos dadas independentemente da utilização de redes públicas ou privadas. O XFB oferece funcionalidades de segurança para transferências de dados, independente do tipo de informação trafegada. Transmitem arquivos contendo todos os tipos de dados, pelas múltiplas plataformas, sistemas de arquivos e mídias distintas. A solução XFB é comercializada pela empresa AXWAY, cujo representante legal no Brasil é a empresa SCI. Maiores informações podem ser podem ser obtidas pelo sitio

7 7 /6 2. CONFIGURAÇÕES DOS PRODUTOS 2.. Endereçamento IP dos servidores Homologação, Produção e DNS O sistema Cheque Legal possuirá um domínio DNS exclusivo, que poderá ser acessado pelos endereços IP conforme tabela abaixo: 2... Domínio CIPCQL.RSFN.NET.BR Obs.: Domínio cadastrado para troca de arquivos e mensagens no âmbito do RSFN. Não se aplicará ao acesso externo (Internet) Servidores DNS: Função IP RSFN Hostname Servidor DNS NS.cipdda.rsfn.net.br Servidor DNS NS2.cipdda.rsfn.net.br Servidor DNS NS3.cipdda.rsfn.net.br Endereçamento do ambiente: Hostname RSFN IP RSFN Porta Ambiente cdp.cipcql.rsfn.net.br Connect:Direct Produção xfbp.cipcql.rsfn.net.br XFB Produção mqm.cipcql.rsfn.net.br MQ Series Produção Hostname RSFN IP RSFN Porta Ambiente cdp.cipcql.rsfn.net.br Connect:Direct Contingência xfbp.cipcql.rsfn.net.br XFB Contingência mqm.cipcql.rsfn.net.br MQ Series Contingência Hostname RSFN IP RSFN Porta Ambiente cdh.cipcql.rsfn.net.br Connect:Direct Homologação Ext. xfbh.cipcql.rsfn.net.br XFB Homologação Ext. mqm2.cipcql.rsfn.net.br MQ Series Homologação Ext.

8 8 /6 Obs.: Recomendamos que, os participantes não configurem suas aplicações com os IP dos servidores da CIP, e sim os hostnames dos servidores. O ambiente de Contingência permanecerá inativo e o processo de convergência será transparente para o participante Regras Para a Transferência de Arquivos no Cheque Legal a. Os arquivos devem ser compactados com algoritmo ZIP e posteriormente cifrados e assinados digitalmente, salientando que a cifragem e a assinatura ocorrem em um processo simultâneo. Para compactação ZIP, existem diferentes programas que implementam esse mesmo padrão de compactação. Alguns deles geram apenas a versão compactada padrão ZIP do arquivo, enquanto que outros acrescentam dados ao arquivo. No caso do Unix, existe o comando "zip" que faz duas coisas ao mesmo tempo: ele compacta arquivos pelo padrão ZIP e os empacota, gerando um pacote contendo vários arquivos. Entretanto, o comando que implementa apenas a compactação padrão ZIP é o "gzip", sendo portanto o recomendado para este sistema operacional. Se a compactação for feita diretamente em Java, pode-se utilizar o pacote standard "java.util.zip", que também implementa apenas o padrão ZIP sem acrescentar nenhum dado a mais. Se a compactação for feita em C, existe a biblioteca zlib que também implementa o padrão ZIP sem alterações. b. Todos os arquivos devem ser compactados com algoritmo ZIP, assinados digitalmente e criptografados, nesta ordem, por aplicação especifica, antes de serem disponibilizados para as plataformas de transferência de arquivos. Para maiores detalhes ver capítulo 5 Especificações para Segurança de Mensagens e Arquivos do Manual de Segurança da RSFN. c. Os arquivos devem ser transferidos sempre em modo binário (pois já estão compactados e criptografados); d. Todas as transferências devem desabilitar verificação de CRC CyclicRedundancy Check, pois a integridade dos mesmos já é garantida pelo protocolo de transporte (TCP), além de trafegarem em meios digitais de alta confiabilidade; e. Os arquivos gerados pela CIP, destinados aos Participantes, ficarão disponíveis para retirada por até 3 dias úteis, o que será notificado pela GEN5. Neste caso fica a critério da Instituição Participante definir o interesse que o arquivo seja enviado pela CIP, logo ao termino de sua criação; f. É obrigatória a habilitação da opção de retomada em caso de falha (checkpoint restart); após esgotarem-se as retentativas de transferência, o processo de

9 9 /6 transmissão será considerado mal sucedido e deverão ser adotados os processos operacionais da Área de Operações da CIP; As Instituições Participantes podem conectar-se aos servidores de transferência de arquivos da CIP, utilizando-se de resolução de nomes pelo serviço DNS da RSFN. No caso de configuração utilizando os IP dos servidores da CIP, é responsabilidade da Instituição Participante a alteração de seu ambiente, alterando o endereço IP correspondente, caso seja necessário acessar os servidores no site de contingência do Cheque Legal, com respectiva interrupção dos serviços até que esta operação se complete. g. Os arquivos gerados pela CIP, destinados as Instituições Participantes, poderão ser enviados pela CIP e agregar ao processo de transmissão a utilização do recurso RUN JOB do Connect:Direct, caso a Instituição Participante faça a opção de receber o arquivo. A utilização deste recurso somente é permitida nas transmissões originadas na CIP, não sendo permitida a utilização do recurso quando a transmissão iniciar nas Instituições Participantes. A CIP, após o envio do arquivo, executará um comando e ou programa por meio de RUN JOB com o seguinte padrão de nome: CIPCQL nome do arquivo, onde CIPCQL é o programa a ser executado na Instituição Participante e nome do arquivo entra como parâmetro com o nome do arquivo enviado Características dos Arquivos no Cheque Legal Os arquivos e mensagens que trafegam no ambiente Cheque Legal, bem como as regras e padrões que a eles se aplicam, estão descritos em detalhe no documento Manual de Leiautes de Arquivos do Cheque Legal, que também descreve a estrutura do conteúdo dos mesmos. Como os arquivos que trafegam no Cheque Legal são compactados, assinados digitalmente e criptografados (nesta ordem) já na sua geração, o Cheque Legal não faz uso de mecanismos adicionais de criptografia ou compactação de dados na transmissão, tais como o Secure+ da ferramenta Connect:Direct.

10 / Configurações para o Connect:Direct: Abaixo estão descritas as configurações necessárias e parâmetros que precisam ser de conhecimento dos técnicos responsáveis pela configuração da solução Connect:Direct. As configurações, ativação do serviço e testes, deverão ser acordadas entre os técnicos, pelos procedimentos de gestão de mudanças do Cheque Legal e do requisitante. Infraestrutura da CIP Connect:Direct Ambiente CIP Cheque Legal Node DNS Names / IP do servidor Connect:Direct Sistema Operacional Porta de Firewall Processo de Transferência Usuário de conexão Proxy User Sessões simultâneas (máx) Buffer Size Protocolo de Transporte Tipo de transmissão Compressão Criptografia (Secure+) Checkpoint Restart CRC Retries Retry Interval Produção: CDPCQL_CIP Homologação: CDHCQL_CIP Produção: cdp.cipcql.rsfn.net.br ( ) Contingência: cdp.cipcql.rsfn.net.br ( ) Homologação: cdh.cipcql.rsfn.net.br ( ) Linux RedHat 5.2 (Apenas informativo) TCP-364 (bidirecional) Banco busca o arquivo ou CIP transmite o arquivo Ambiente Produção: P4397 Ambiente Contingência: P4397 Ambiente Homologação: H4397 Habilitado Envio: Recepção: 32k TCP Binário Desabilitada Desabilitada 5 (por Banco) 5 (por Banco) Habilitado a cada 5 MB Desabilitado Short Term: 3 Long Term: 3 Short Term: segundos Long Term: 3 minutos

11 / Configurações para o XFB: Abaixo estão descritas as configurações necessárias e parâmetros que precisam ser de conhecimento dos técnicos responsáveis pela configuração da solução XFB. As configurações, ativação do serviço e testes, deverão ser acordadas entre os técnicos, pelos procedimentos de gestão de mudanças do Cheque Legal e do requisitante. Infraestrutura da CIP XFB Ambiente CIP - Cheque Legal Site: Produção: STPCQL_CIP Homologação: STHCQL_CIP Produção: xfbp.cipcql.rsfn.net.br ( ) DNSNames / IP do servidor XFB Sistema Operacional Processo de Transferência Portas de Firewall Aplicação Usuário de conexão Proxy User Sessões simultâneas Buffer Size Protocolo de Transporte Tipo de transmissão Blocagem / Tam Reg Compressão Criptografia Checkpoint Restart CRC Retries Protocolos Contingência: xfbp.cipcql.rsfn.net.br ( ) Homologação: xfbh.cipcql.rsfn.net.br ( ) Linux RedHat 5.2 Somente informativo Instituição Participante busca o arquivo ou CIP transmite o arquivo TCP-633 (bidirecional) CIPTOIF(aplicação sender CIP IF) IFTOCIP (aplicação Receiver IF CIP) Ambiente Produção: P4397 Ambiente Contingência: P4397 Ambiente Homologação: HP4397 Habilitado Envio: 5 Recepção: 5 32K TCP Binário Variável (XML) Desabilitada Desabilitada Habilitado Desabilitado 3 a cada minutos PeSIT

12 2 / Configurações para o MQ Series: Abaixo estão descritas as configurações necessárias e parâmetros que precisam ser de conhecimento dos técnicos responsáveis pela configuração da solução MQ Seires. As configurações, ativação do serviço e testes, deverão ser acordadas entre os técnicos, pelos procedimentos de gestão de mudanças do Cheque Legal e do requisitante. Infraestrutura da CIP MQ Ambiente CIP - Cheque Legal Cod ISPB 4397 Produção: mqm.cipcql.rsfn.net.br ( ) URL do Servidor MQ Contingência: mqm.cipcql.rsfn.net.br ( ) Homologação: mqm2.cipcql.rsfn.net.br ( ) Domínio cipcql.rsfn.net.br Porta TCP-IP 3422 Gerenciador de Filas (Queue Manager) QM Canal Sender Canal Receiver C4397.ISPBremoto.3 CISPBremoto

13 3 /6 3. CRIPTOGRAFIA E ASSINATURA DIGITAL 3.. Introdução Os requisitos de segurança descritos a seguir visam garantir a integridade, confidencialidade e disponibilidade e o não repúdio das mensagens e dos arquivos trafegados no âmbito do Cheque Legal. Os ambientes de testes e produção deverão ser distintos. Primeiramente as transferências de arquivo ou mensagens deverão ser homologadas no ambiente de testes, para posteriormente serem disponibilizadas no ambiente de produção Premissas i. A criptografia e assinatura digital nos arquivos e mensagens do Cheque Legal adotarão as mesmas especificações de segurança contidas no Manual de Segurança da RSFN (versão 3. março de 2). ii. Os arquivos e mensagens transmitidas entre as Instituições Participantes do Cheque Legal e a CIP são irrevogáveis, incondicionais e finais; iii. Todos os arquivos e mensagens enviadas serão obrigatoriamente assinados digitalmente pelas Instituições Participantes, com exceção, caso julgado necessário, dos relativos a testes de conectividade; iv. Todos os arquivos e mensagens enviadas serão obrigatoriamente criptografados com exceção dos relativos a testes de conectividade e a comunicação de erros de segurança. v. Todos os arquivos e mensagens devem possuir uma identificação única garantindo sua rastreabilidade e unicidade de processamento; vi. Todas as Instituições Participantes do Cheque Legal devem aderir às especificações de segurança da RSFN, bem como ao Protocolo de Segurança para troca das mensagens e arquivos; vii. Todo e qualquer arquivo e mensagem gerada e enviada ao Cheque Legal por uma de suas Instituições Participantes é de exclusiva responsabilidade de quem a originou; 3.3. Diretrizes viii. Os Certificados Digitais deverão ser emitidos por uma entidade certificadora que atenda aos requisitos estabelecidos pela legislação vigente e que seja devidamente credenciada para tal pelo Comitê Gestor da Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil. ix. As Instituições Participantes serão responsáveis pela segurança física e lógica de acesso a sua chave privada. x. A configuração dos ambientes de teste e de produção do Cheque Legal nos bancos deve obedecer aos padrões estabelecidos no Manual técnico da RSFN (verificar última versão disponibilizada pelo BACEN).

14 4 /6 xi. As Instituições Participantes deverão criar e manter registros (logs) que capacitem a rastreabilidade e/ou a recomposição das transmissões de arquivos geradas no Cheque Legal, garantindo assim sua auditabilidade Processos de ativação, substituição e revogação de certificados Os certificados digitais utilizados para a criptografia e assinatura de arquivos e mensagens no âmbito do Cheque Legal deverão respeitar os mesmos procedimentos e recomendações referentes à ativação, substituição e revogação conforme estabelecido no item 4.5 do Manual de Segurança da RSFN (versão 3. março de 2) Especificação para a Segurança dos Arquivos Os arquivos criptografados e assinados no âmbito do Cheque Legal devem seguir as especificações de segurança contidas no item 5 do Manual de Segurança da RSFN (versão 3. março de 2) Domínio MES2 O domínio MES2 (MES = Mensageria SISBACEN) surgiu com o advento de novas aplicações no âmbito do BACEN. As mensagens e arquivos do Cheque Legal transitarão neste domínio. Para utilizar certificado digital no domínio da mensageira do SISBACEN, o certificado deverá ser transmitido ao BACEN, informando no aplicativo PSTAW o código de documento CMES (Certificado Digital da Instituição no domínio MES). Caso seja necessário utilizar o mesmo certificado digital para mais de um domínio (Exemplo: MES e SPB), ele deverá ser enviado pelo PSTAW para cada um dos domínios separadamente. Observação: O certificado digital utilizado para os serviços disponibilizados no domínio MES2 será o mesmo certificado digital do domínio MES (produção e homologação). Quando houver ocorrer a necessidade de renovação do certificado digital do sistema DDA(MES), automaticamente o certificado digital do Cheque Legal (MES2) também será renovado. O Banco Central enviará a mensagem GEN7 para os 2 domínios (MES e MES2), quando ocorrer a substituição de certificado digital.

15 5 /6 4. CARACTERÍSTICAS DA LOGOMARCA Estão definidas abaixo as características da logomarca do participante que deverá ser enviada a CIP. Medida Máxima Horizontal: 2 pixels Medida Máxima Vertical: 5 pixels Resolução: 72 DPIs Save for Web (Quality 8) Formato: JPG Fundo Branco

16 6 /6 5. CONTATO Caso o Participante necessite esclarecer qualquer tipo de dúvida deverá entrar em contato com a Área de Monitoramento da CIP, ponto focal para atendimento ao sistema Cheque Legal, pelo endereço de ou pelo telefone ()

Manual de Transferências de Arquivos Para o DDA

Manual de Transferências de Arquivos Para o DDA Manual de Transferências de Arquivos Para o DDA - Março, 2009 - - 2 - DDA - Manual de transferência de arquivos CÂMARA INTERBANCÁRIA DE PAGAMENTOS - CIP Manual de Transferências de arquivos para o DDA

Leia mais

SOLICITAÇÃO DE CADASTRO AO PRODUTO CHEQUE LEGAL NA CÂMARA INTERBANCÁRIA DE PAGAMENTOS - CIP

SOLICITAÇÃO DE CADASTRO AO PRODUTO CHEQUE LEGAL NA CÂMARA INTERBANCÁRIA DE PAGAMENTOS - CIP SOLICITAÇÃO DE CADASTRO AO PRODUTO CHEQUE LEGAL NA CÂMARA INTERBANCÁRIA DE PAGAMENTOS - CIP À - CIP Prezado Senhor, Eu,...(nome completo),...(cargo),... (estado civil), portador da Carteira de Identidade

Leia mais

SOLICITAÇÃO DE CADASTRO AO PRODUTO CHEQUE LEGAL NA CÂMARA INTERBANCÁRIA DE PAGAMENTOS - CIP

SOLICITAÇÃO DE CADASTRO AO PRODUTO CHEQUE LEGAL NA CÂMARA INTERBANCÁRIA DE PAGAMENTOS - CIP SOLICITAÇÃO DE CADASTRO AO PRODUTO CHEQUE LEGAL NA CÂMARA INTERBANCÁRIA DE PAGAMENTOS - CIP À - CIP Prezado Senhor, XXXXXXXXX, CNPJ nº XXXXXXXXX, Participante no Cheque Legal, representado na forma de

Leia mais

Projeto de Modernização do Sistema Câmbio Orientação Técnica. Versão 1.0.1

Projeto de Modernização do Sistema Câmbio Orientação Técnica. Versão 1.0.1 Orientação Técnica Versão 1.0.1 Histórico de Revisão Data Versão Descrição Autor 30/09/2010 1.0.0 Versão inicial. Bacen 03/02/2011 1.0.1 Atualização do item 2.2 Utilização do PSTA para troca de mensagens

Leia mais

Manual de utilização do STA Web

Manual de utilização do STA Web Sistema de Transferência de Arquivos Manual de utilização do STA Web Versão 1.1.7 Sumário 1 Introdução... 3 2 Segurança... 3 2.1 Autorização de uso... 3 2.2 Acesso em homologação... 3 2.3 Tráfego seguro...

Leia mais

Falaremos um pouco das tecnologias e métodos utilizados pelas empresas e usuários domésticos para deixar a sua rede segura.

Falaremos um pouco das tecnologias e métodos utilizados pelas empresas e usuários domésticos para deixar a sua rede segura. Módulo 14 Segurança em redes Firewall, Criptografia e autenticação Falaremos um pouco das tecnologias e métodos utilizados pelas empresas e usuários domésticos para deixar a sua rede segura. 14.1 Sistemas

Leia mais

CCS Cadastro de Clientes do SFN Orientação Técnica. Versão 1.1.8

CCS Cadastro de Clientes do SFN Orientação Técnica. Versão 1.1.8 CCS Cadastro de Clientes do SFN Versão 1.1.8 Histórico de Revisão Data Versão Descrição Autor 27/12/2004 1.0.0 Versão Inicial Deinf/Dine-1 29/12/2004 1.0.1 Alterado o termo enviado para aceito na frase

Leia mais

Cheque Legal. Janeiro 2012. Cheque Legal. Resolução 3.972 artigo 9 º / BACEN 23.01.2012

Cheque Legal. Janeiro 2012. Cheque Legal. Resolução 3.972 artigo 9 º / BACEN 23.01.2012 Cheque Legal Resolução 3.972 artigo 9 º / BACEN 23.01.2012 Agenda Abertura O que é Cheque Legal? Fluxo de negócio Leiaute da tela de consulta Aspectos técnicos Cronograma Processo de adesão Plano homologatório

Leia mais

Especificação Técnica

Especificação Técnica Pág. 1/8 CONTRATAÇÃO DE SOLUÇÃO SMS Pág. 2/8 Equipe Responsável Elaboração Assinatura Data Divisão de Padrões de Tecnologia DIPT Aprovação Assinatura Data Departamento de Arquitetura Técnica DEAT Pág.

Leia mais

TUTORIAL ACESSO AO SISTEMA DE TRANSFERÊNCIA DE RESERVAS STR. Dezembro/2014

TUTORIAL ACESSO AO SISTEMA DE TRANSFERÊNCIA DE RESERVAS STR. Dezembro/2014 TUTORIAL ACESSO AO SISTEMA DE TRANSFERÊNCIA DE RESERVAS STR Dezembro/2014 1. Introdução... 2 2. Estrutura de contas no BC... 2 3. Formas de acesso ao STR... 3 Acesso via RSFN... 3 Acesso via Internet...

Leia mais

MANUAL MAPX-OP016-2009

MANUAL MAPX-OP016-2009 MANUAL MANUAL DE Público CIP - 2010 OBJETIVO: Este documento tem como objetivo descrever os leiautes dos arquivos utilizados no DDA e as validações realizadas nos campos. A estrutura dos arquivos e o padrão

Leia mais

CARTA-CIRCULAR N 3010. Documento normativo revogado pela Carta-Circular 3.040, de 30/08/2002, a partir de 09/09/2002.

CARTA-CIRCULAR N 3010. Documento normativo revogado pela Carta-Circular 3.040, de 30/08/2002, a partir de 09/09/2002. CARTA-CIRCULAR N 3010 Documento normativo revogado pela Carta-Circular 3.040, de 30/08/2002, a partir de 09/09/2002. Esclarece procedimentos para operação de participante em regime de contingência no âmbito

Leia mais

Diretoria de Assuntos Internacionais Gerência-Executiva de Normatização de Câmbio e Capitais Estrangeiros

Diretoria de Assuntos Internacionais Gerência-Executiva de Normatização de Câmbio e Capitais Estrangeiros Diretoria de Assuntos Internacionais Gerência-Executiva de Normatização de Câmbio e Capitais Estrangeiros Geraldo Magela Siqueira Rio de Janeiro 16 / 17 de março de 2010 Contextualização As novas condições

Leia mais

Manual de Transferência de Arquivos

Manual de Transferência de Arquivos O Manual de Transferência de Arquivos apresenta a ferramenta WebEDI que será utilizada entre FGC/IMS e as Instituições Financeiras para troca de arquivos. Manual de Transferência de Arquivos WebEDI Versão

Leia mais

Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet

Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet Marcos R. Dillenburg Gerente de P&D da Novus Produtos Eletrônicos Ltda. (dillen@novus.com.br) As aplicações de

Leia mais

USO GERAL DOS PROTOCOLOS SMTP, FTP, TCP, UDP E IP

USO GERAL DOS PROTOCOLOS SMTP, FTP, TCP, UDP E IP USO GERAL DOS PROTOCOLOS SMTP, FTP, TCP, UDP E IP SMTP "Protocolo de transferência de correio simples (ou em inglês Simple Mail Transfer Protocol ) é o protocolo padrão para envio de e- mails através da

Leia mais

PARANÁ GOVERNO DO ESTADO

PARANÁ GOVERNO DO ESTADO PROTOCOLOS DA INTERNET FAMÍLIA TCP/IP INTRODUÇÃO É muito comum confundir o TCP/IP como um único protocolo, uma vez que, TCP e IP são dois protocolos distintos, ao mesmo tempo que, também os mais importantes

Leia mais

MANUAL MAPX-OP038-2012

MANUAL MAPX-OP038-2012 MANUAL MANUAL DE OPERAÇÕES CHEQUE LEGAL OBJETIVO: O Manual de Operações é parte integrante dos Documentos Correlatos a CHEQUE LEGAL e tem como objetivo descrever: (i) os requisitos técnicos e operacionais

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL INSTRUÇÃO NORMATIVA SECOM-PR N o 8 DE 19 DE DEZEMBRO DE 2014 Disciplina a implantação e a gestão da Identidade Padrão de Comunicação Digital das

Leia mais

Ferramentas para Desenvolvimento Web

Ferramentas para Desenvolvimento Web Ferramentas para Desenvolvimento Web Profa. Dra. Joyce Martins Mendes Battaglia Mini Currículo Bel. em Ciência da Computação - Unib Mestre e doutora em Eng. Elétrica USP Professora /Coordenadora Pesquisadora

Leia mais

Professor(es): Fernando Pirkel. Descrição da(s) atividade(s):

Professor(es): Fernando Pirkel. Descrição da(s) atividade(s): Professor(es): Fernando Pirkel Descrição da(s) atividade(s): Definir as tecnologias de redes necessárias e adequadas para conexão e compartilhamento dos dados que fazem parte da automatização dos procedimentos

Leia mais

Redes de Computadores LFG TI

Redes de Computadores LFG TI Redes de Computadores LFG TI Prof. Bruno Guilhen Camada de Aplicação Fundamentos Fundamentos Trata os detalhes específicos de cada tipo de aplicação. Mensagens trocadas por cada tipo de aplicação definem

Leia mais

MANUAL MAPX-OPxxx-2011

MANUAL MAPX-OPxxx-2011 MANUAL MANUAL DE OPERAÇÕES CHEQUE LEGAL OBJETIVO: O Manual de Operações é parte integrante dos Documentos Correlatos a CHEQUE LEGAL e tem como objetivo descrever: (i) os requisitos técnicos e operacionais

Leia mais

ANEXO 9 DO PROJETO BÁSICO DA FERRAMENTA DE MONITORAMENTO, SEGURANÇA E AUDITORIA DE BANCO DE DADOS

ANEXO 9 DO PROJETO BÁSICO DA FERRAMENTA DE MONITORAMENTO, SEGURANÇA E AUDITORIA DE BANCO DE DADOS ANEXO 9 DO PROJETO BÁSICO DA FERRAMENTA DE MONITORAMENTO, SEGURANÇA E AUDITORIA DE BANCO DE DADOS Sumário 1. Finalidade... 2 2. Justificativa para contratação... 2 3. Premissas para fornecimento e operação

Leia mais

Projeto SAT-CF-e Guia de Procedimentos para uso do SRSAT e do Ambiente de Testes por Fabricantes

Projeto SAT-CF-e Guia de Procedimentos para uso do SRSAT e do Ambiente de Testes por Fabricantes 1 Índice Projeto SAT-CF-e Guia de Procedimentos para uso do SRSAT e do Ambiente de Testes por Fabricantes (Versão 1.4.4 atualizado em 14/05/2014) 1. Introdução... 1 2. Fluxo Geral... 1 3. Detalhamento

Leia mais

Winconnection 6. Internet Gateway

Winconnection 6. Internet Gateway Winconnection 6 Internet Gateway Descrição Geral O Winconnection 6 é um gateway de acesso à internet desenvolvido dentro da filosofia UTM (Unified Threat Management). Assim centraliza as configurações

Leia mais

COMPLEMENTAÇÃO DA DEFINIÇÃO E CONFIGURAÇÃO DO SISTEMA DE INTERCÂMBIO DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA ENTRE OS ESTADOS PARTES DO MERCOSUL

COMPLEMENTAÇÃO DA DEFINIÇÃO E CONFIGURAÇÃO DO SISTEMA DE INTERCÂMBIO DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA ENTRE OS ESTADOS PARTES DO MERCOSUL MERCOSUL/CMC/DEC.Nº 18/00 COMPLEMENTAÇÃO DA DEFINIÇÃO E CONFIGURAÇÃO DO SISTEMA DE INTERCÂMBIO DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA ENTRE OS ESTADOS PARTES DO MERCOSUL TENDO EM VISTA: o Tratado de Assunção, o Protocolo

Leia mais

Capítulo 8 - Aplicações em Redes

Capítulo 8 - Aplicações em Redes Capítulo 8 - Aplicações em Redes Prof. Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática 1 de 31 Roteiro Sistemas Operacionais em Rede Modelo Cliente-Servidor Modelo P2P (Peer-To-Peer) Aplicações e Protocolos

Leia mais

Manual de utilização do STA

Manual de utilização do STA Sistema de Transferência de Arquivos Manual de utilização do STA Versão 1.0.2 Sumário 1 Introdução... 4 2 Disponibilidade... 4 3 Funcionalidades... 4 4 Segurança... 5 4.1 Autorização de uso... 5 4.2 Acesso

Leia mais

Perguntas Frequentes de Desenvolvedores

Perguntas Frequentes de Desenvolvedores 1 Perguntas Frequentes de Desenvolvedores (Atualizado em 10/03/2014) 1. SUMÁRIO 2. POR ONDE EU COMEÇO?... 1 Sou desenvolvedor de Software (ou Software House) por onde começo?... 1 3. REGISTRO DA EMPRESA

Leia mais

Manual de Consulta Web Service Consulta ao SCR para Instituições Financeiras

Manual de Consulta Web Service Consulta ao SCR para Instituições Financeiras Manual de Consulta Web Service Consulta ao SCR para Instituições Financeiras 1. Introdução O que é a Consulta ao SCR via Web Service? A consulta ao SCR via Web Service permite a consulta da posição consolidada

Leia mais

Guia de Integração para Transferência

Guia de Integração para Transferência Guia de Integração para Transferência Índice Capítulo 1... 3 Introdução... 3 Capítulo 2... 4 Links de Pagamento... 4 Capítulo 3... 5 Configurando o Gerenciador de Compras... 5 Capítulo 4... 7 Fluxo de

Leia mais

EVILÁCIO RODRIGUES VIEIRA JUNIOR CONSTRUÇÃO DE REDE VPN ATRAVÉS DA FERRAMENTA OPENVPN

EVILÁCIO RODRIGUES VIEIRA JUNIOR CONSTRUÇÃO DE REDE VPN ATRAVÉS DA FERRAMENTA OPENVPN EVILÁCIO RODRIGUES VIEIRA JUNIOR CONSTRUÇÃO DE REDE VPN ATRAVÉS DA FERRAMENTA OPENVPN Palmas 2006 EVILÁCIO RODRIGUES VIEIRA JUNIOR CONSTRUÇÃO DE REDE VPN ATRAVÉS DA FERRAMENTA OPENVPN Trabalho apresentado

Leia mais

STCP OFTP Server Enterprise/Lite. Versão 4.0.0

STCP OFTP Server Enterprise/Lite. Versão 4.0.0 Enterprise/Lite Versão 4.0.0 Conteúdo O que é o STCP OFTP Server? 4 O Protocolo OFTP (ODETTE File Transfer Protocol) 5 Onde usar o STCP OFTP Server 5 Quais as vantagens 5 Características 6 Requisitos de

Leia mais

Perguntas Frequentes de Desenvolvedores

Perguntas Frequentes de Desenvolvedores 1 Perguntas Frequentes de Desenvolvedores (Atualizado em 01/07/2014) SUMÁRIO 1. POR ONDE EU COMEÇO?... 1 Sou desenvolvedor de Software (ou Software House) por onde começo?... 1 2. REGISTRO DA EMPRESA JUNTO

Leia mais

Web Service - NFS-e. Definição das especificações e critérios técnicos necessários para utilização do WebService. FREIRE INFORMÁTICA Versão 2.

Web Service - NFS-e. Definição das especificações e critérios técnicos necessários para utilização do WebService. FREIRE INFORMÁTICA Versão 2. 2014 Web Service - NFS-e Definição das especificações e critérios técnicos necessários para utilização do WebService Este manual tem como objetivo orientar os usuários, sobre os procedimentos relativos

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula Complementar - MODELO DE REFERÊNCIA OSI Este modelo se baseia em uma proposta desenvolvida pela ISO (International Standards Organization) como um primeiro passo em direção a padronização dos protocolos

Leia mais

II- profissional tecnicamente capacitado, com conhecimentos cientificamente

II- profissional tecnicamente capacitado, com conhecimentos cientificamente MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 240, DE 2 DE JUNHO DE 2014 O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Leia mais

Mercado Eletrônico Instalação e Atualização MEConnect2

Mercado Eletrônico Instalação e Atualização MEConnect2 Manual de Usuário da Plataforma de compras do Grupo José de Mello - Mercado Eletrônico Instalação e Atualização MEConnect2 1 Índice 1. Introdução... 3 2. Visão Geral... 3 3. Instalação e Atualização...

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. Dr. Rogério Galante Negri

Redes de Computadores. Prof. Dr. Rogério Galante Negri Redes de Computadores Prof. Dr. Rogério Galante Negri Rede É uma combinação de hardware e software Envia dados de um local para outro Hardware: transporta sinais Software: instruções que regem os serviços

Leia mais

Camadas de Transporte, Sessão & Apresentação. Função. Camadas REDES x TRANSPORTE. Redes de Computadores Prof. Leandro C. Pykosz

Camadas de Transporte, Sessão & Apresentação. Função. Camadas REDES x TRANSPORTE. Redes de Computadores Prof. Leandro C. Pykosz Camadas de Transporte, Sessão & Apresentação Redes de Computadores Prof. Leandro C. Pykosz Função A camada de Transporte fica entre as camadas de nível de aplicação (camadas 5 a 7) e as de nível físico

Leia mais

Data Versão Descrição Autores E-mail 22/11/2001 Elaboração L. Germano Guimarães ASBACE/ATP Frederico Burgos Bacen 22/11/2001

Data Versão Descrição Autores E-mail 22/11/2001 Elaboração L. Germano Guimarães ASBACE/ATP Frederico Burgos Bacen 22/11/2001 GT-SEGURANÇA MANUAL DE SEGURANÇA DA RSFN Versão 3.2 Abril/2013 Histórico de Revisão Data Versão Descrição Autores E-mail 22/11/2001 Elaboração L. Germano Guimarães ASBACE/ATP Frederico Burgos Bacen 22/11/2001

Leia mais

MANUAL PARA CREDENCIAMENTO DE ESTABELECIMENTOS PARA EMISSÃO DE NF-e

MANUAL PARA CREDENCIAMENTO DE ESTABELECIMENTOS PARA EMISSÃO DE NF-e MANUAL PARA CREDENCIAMENTO DE ESTABELECIMENTOS PARA EMISSÃO DE NF-e Este documento tem por objetivo orientar a etapa de Credenciamento para emissão de Nota Fiscal eletrônica (NF-e) por contribuintes paranaenses.

Leia mais

Tutorial. O Trade e a Nota Fiscal Eletrônica

Tutorial. O Trade e a Nota Fiscal Eletrônica Tutorial O Trade e a Nota Fiscal Eletrônica Este tutorial explica como configurar o Trade Solution e realizar as principais atividades relacionadas à emissão e ao gerenciamento das Notas Fiscais Eletrônicas

Leia mais

Roberto Adão radao@multirede.co.ao

Roberto Adão radao@multirede.co.ao Roberto Adão radao@multirede.co.ao A Empresa Multirede 16 anos de experiência em consultoria e educação em tecnologia da informação Casos de sucesso em projetos pioneiros nas maiores redes de comunicação

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA Nº 003/2015

CONSULTA PÚBLICA Nº 003/2015 CONSULTA PÚBLICA Nº 003/2015 TI APPLICATION DELIVERY CONTROLLER ESCLARECIMENTOS AOS QUESTIONAMENTOS APRESENTADOS PELAS EMPRESAS INTERESSADAS País: BRASIL Nome do Projeto: PLANO DE DESENVOLVIMENTO DA ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

NETALARM GATEWAY Manual Usuário

NETALARM GATEWAY Manual Usuário NETALARM GATEWAY Manual Usuário 1 Índice 1. Introdução... 3 2. Requisitos de Instalação... 3 3. Instalação... 3 4. Iniciando o programa... 5 4.1. Aba Serial... 5 4.2. Aba TCP... 6 4.3. Aba Protocolo...

Leia mais

4. Qual seria o impacto da escolha de uma chave que possua letras repetidas em uma cifra de transposição?

4. Qual seria o impacto da escolha de uma chave que possua letras repetidas em uma cifra de transposição? Prova de 2011-02 1. Descreva duas maneiras de estabelecer uma conexão entre processos na camada de transporte sem o conhecimento da porta (TSAP) ao qual o servidor remoto esteja associado. 2. Estabelecer

Leia mais

Segurança Internet. Fernando Albuquerque. fernando@cic.unb.br www.cic.unb.br/docentes/fernando (061) 273-3589

Segurança Internet. Fernando Albuquerque. fernando@cic.unb.br www.cic.unb.br/docentes/fernando (061) 273-3589 Segurança Internet Fernando Albuquerque fernando@cic.unb.br www.cic.unb.br/docentes/fernando (061) 273-3589 Tópicos Introdução Autenticação Controle da configuração Registro dos acessos Firewalls Backups

Leia mais

OURO MODERNO www.ouromoderno.com.br. Web Designer APOSTILA DE EXEMPLO. (Esta é só uma reprodução parcial do conteúdo)

OURO MODERNO www.ouromoderno.com.br. Web Designer APOSTILA DE EXEMPLO. (Esta é só uma reprodução parcial do conteúdo) Web Designer APOSTILA DE EXEMPLO (Esta é só uma reprodução parcial do conteúdo) 1 Índice Aula 1 FTP... 3 FTP e HTTP... 4 Exercícios... 6 2 Aula 1 FTP FTP significa File Transfer Protocol, traduzindo Protocolo

Leia mais

Prof. Marcelo Cunha Parte 5 www.marcelomachado.com

Prof. Marcelo Cunha Parte 5 www.marcelomachado.com Prof. Marcelo Cunha Parte 5 www.marcelomachado.com Criado em 1974 Protocolo mais utilizado em redes locais Protocolo utilizado na Internet Possui arquitetura aberta Qualquer fabricante pode adotar a sua

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS LIVRES SERVICOS DE REDE LOCAL. Professor Carlos Muniz

SISTEMAS OPERACIONAIS LIVRES SERVICOS DE REDE LOCAL. Professor Carlos Muniz SISTEMAS OPERACIONAIS LIVRES SERVICOS DE REDE LOCAL Na internet, cada computador conectado à rede tem um endereço IP. Todos os endereços IPv4 possuem 32 bits. Os endereços IP são atribuídos à interface

Leia mais

XDR. Solução para Big Data.

XDR. Solução para Big Data. XDR Solução para Big Data. ObJetivo Principal O volume de informações com os quais as empresas de telecomunicações/internet têm que lidar é muito grande, e está em constante crescimento devido à franca

Leia mais

Sumário. Parte I Introdução... 19. Capítulo 1 Fundamentos da infra-estrutura de chave pública... 21. Capítulo 2 Conceitos necessários...

Sumário. Parte I Introdução... 19. Capítulo 1 Fundamentos da infra-estrutura de chave pública... 21. Capítulo 2 Conceitos necessários... Agradecimentos... 7 O autor... 8 Prefácio... 15 Objetivos do livro... 17 Parte I Introdução... 19 Capítulo 1 Fundamentos da infra-estrutura de chave pública... 21 Introdução à ICP... 21 Serviços oferecidos

Leia mais

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP HTTP (Hypertext Transfer Protocol ) Protocolo usado na Internet para transferir as páginas da WWW (WEB). HTTPS (HyperText Transfer

Leia mais

Senha Admin. Nessa tela, você poderá trocar a senha do administrador para obter acesso ao NSControl. Inicialização

Senha Admin. Nessa tela, você poderá trocar a senha do administrador para obter acesso ao NSControl. Inicialização Manual do Nscontrol Principal Senha Admin Nessa tela, você poderá trocar a senha do administrador para obter acesso ao NSControl. Inicialização Aqui, você poderá selecionar quais programas você quer que

Leia mais

Internet - A rede Mundial

Internet - A rede Mundial Internet - A rede Mundial Fernando Albuquerque 061-2733589 fernando@cic.unb.br O que é? Qual a sua história? Como funciona? Como está organizada? Quais os serviços? Como acessar? Quais os cuidados? Qual

Leia mais

Instruções de preenchimento. Perfis para os Participantes da Câmara de Ativos. Perfis para os Participantes da Câmara de Câmbio

Instruções de preenchimento. Perfis para os Participantes da Câmara de Ativos. Perfis para os Participantes da Câmara de Câmbio Instruções de preenchimento O participante deve: 1. Assinalar com X o seu perfil (ou perfis) em cada câmara para realização dos testes do Novo Cadastro Selic, sendo que os participantes podem se cadastrar

Leia mais

Implementar servidores de Web/FTP e DFS. Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc.

Implementar servidores de Web/FTP e DFS. Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc. Implementar servidores de Web/FTP e DFS Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc.br Conteúdo programático Introdução ao protocolo HTTP Serviço web

Leia mais

TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. TELEBRÁS

TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. TELEBRÁS PÁG. 1 DE 13 PRÁTICA DE SERVIÇO DE BANDA LARGA REQUISITOS MÍNIMOS PARA OS PRESTADORES DE SERVIÇO DO PROGRAMA NACIONAL DE BANDA LARGA - PNBL Sumário 1.OBJETIVO... 2 2.CAMPO DE APLICAÇÃO... 2 3.DEFINIÇÕES...

Leia mais

6 PLANEJAMENTO DE SI 6.1 Planejamento de Segurança da Informação O planejamento em S.I é algo crucial para que haja o bom funcionamento de uma

6 PLANEJAMENTO DE SI 6.1 Planejamento de Segurança da Informação O planejamento em S.I é algo crucial para que haja o bom funcionamento de uma 6 PLANEJAMENTO DE SI 6.1 Planejamento de Segurança da Informação O planejamento em S.I é algo crucial para que haja o bom funcionamento de uma empresa. Diferente do senso comum o planejamento não se limita

Leia mais

WebSphere MQ Everyplace V2.0.2

WebSphere MQ Everyplace V2.0.2 WebSphere MQ Everyplace V2.0.2 ii WebSphere MQ Everyplace V2.0.2 Índice Configurando Comunicações..... 1 Considerações sobre o Sistema Operacional....1 Atributos...............1 Mensagens...............1

Leia mais

Tutorial. O Trade e a Nota Fiscal Eletrônica

Tutorial. O Trade e a Nota Fiscal Eletrônica Tutorial O Trade e a Nota Fiscal Eletrônica Este tutorial explica como configurar o Trade Solution e realizar as principais atividades relacionadas à emissão e ao gerenciamento das Notas Fiscais Eletrônicas

Leia mais

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO Intranets FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO As intranets são redes internas às organizações que usam as tecnologias utilizadas na rede mundial

Leia mais

Informática I. Aula 22. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 22-03/07/06 1

Informática I. Aula 22. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 22-03/07/06 1 Informática I Aula 22 http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 22-03/07/06 1 Critério de Correção do Trabalho 1 Organização: 2,0 O trabalho está bem organizado e tem uma coerência lógica. Termos

Leia mais

MODULO SERVIDOR DE GERENCIAMENTO DE CHAVES DE ENCRIPTAÇÃO AÉREA OTAR P25, FASE 2

MODULO SERVIDOR DE GERENCIAMENTO DE CHAVES DE ENCRIPTAÇÃO AÉREA OTAR P25, FASE 2 MODULO SERVIDOR DE GERENCIAMENTO DE CHAVES DE ENCRIPTAÇÃO AÉREA OTAR P25, FASE 2 Servidor de Gerenciamento de Chaves de Encriptação Aérea (Criptofonia) OTAR (Over The Air Rekeying), para emprego na rede

Leia mais

É CLOUD. É ON-DEMAND.

É CLOUD. É ON-DEMAND. É CLOUD. É ON-DEMAND. Última geração de software para transferência de arquivos digitais PARA MOVIMENTAÇÃO INTELIGENTE DA SUA MÍDIA Conceito digital FedEx: A maneira mais fácil e confiável para enviar

Leia mais

3. Explique o motivo pelo qual os protocolos UDP e TCP acrescentam a informação das portas (TSAP) de origem e de destino em seu cabeçalho.

3. Explique o motivo pelo qual os protocolos UDP e TCP acrescentam a informação das portas (TSAP) de origem e de destino em seu cabeçalho. Entregue três questões de cada prova. Prova de 2011-02 1. Descreva duas maneiras de estabelecer uma conexão entre processos na camada de transporte sem o conhecimento da porta (TSAP) ao qual o servidor

Leia mais

Vale Fertilizantes Janeiro / 2012 Versão 1.0

Vale Fertilizantes Janeiro / 2012 Versão 1.0 Cartilha NF-e Nota Fiscal Eletrônica Vale Fertilizantes Janeiro / 2012 Versão 1.0 Este documento descreve as obrigações e procedimentos no manuseio de NFNF e Nota Fiscal Eletrônica. Conteúdo 1. Introdução...

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO

MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO PÉGASUS GPRS STUDIO V3.03 MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO 3i Soluções Ind. Com. de Equip. Eletrônicos e Serviços em Materiais Elétricos Ltda. Rua Marcilio Dias, 65 Lapa CEP 05077-120 São Paulo - SP Brasil

Leia mais

CA Nimsoft Monitor. Guia do Probe Monitoramento de resposta do ponto de extremidade do URL. url_response série 4.1

CA Nimsoft Monitor. Guia do Probe Monitoramento de resposta do ponto de extremidade do URL. url_response série 4.1 CA Nimsoft Monitor Guia do Probe Monitoramento de resposta do ponto de extremidade do URL url_response série 4.1 Aviso de copyright do CA Nimsoft Monitor Este sistema de ajuda online (o Sistema ) destina-se

Leia mais

PTA Versão 4.0.6 21/11/2012 Manual do Usuário ÍNDICE

PTA Versão 4.0.6 21/11/2012 Manual do Usuário ÍNDICE ÍNDICE INTRODUÇÃO... 2 Finalidade do Aplicativo... 2 Notas sobre a versão... 2 INSTALAÇÃO DO APLICATIVO... 3 Privilégios necessários para executar o instalador... 3 VISÃO GERAL DO PTA... 4 Quando utilizar

Leia mais

CÓDIGO DA VAGA: TP08 QUESTÕES DE MÚLTIPLAS ESCOLHAS

CÓDIGO DA VAGA: TP08 QUESTÕES DE MÚLTIPLAS ESCOLHAS QUESTÕES DE MÚLTIPLAS ESCOLHAS 1) Em relação à manutenção corretiva pode- se afirmar que : a) Constitui a forma mais barata de manutenção do ponto de vista total do sistema. b) Aumenta a vida útil dos

Leia mais

Diretoria de Assuntos Internacionais Gerência-Executiva de Normatização de Câmbio e Capitais Estrangeiros

Diretoria de Assuntos Internacionais Gerência-Executiva de Normatização de Câmbio e Capitais Estrangeiros Diretoria de Assuntos Internacionais Gerência-Executiva de Normatização de Câmbio e Capitais Estrangeiros Thelma Lúcia Pacheco Gerente do Projeto - Gence Lucio Hellery Holanda Oliveira Gerente Alterno

Leia mais

Segurança e Privacidade nas Comunicações do Governo. Palestrante: Marcos Martins Mello

Segurança e Privacidade nas Comunicações do Governo. Palestrante: Marcos Martins Mello Segurança e Privacidade nas Comunicações do Governo Palestrante: Marcos Martins Mello Introdução Decreto nº 8.135 / 2013 2 / 33 Art. 1º As comunicações de dados da administração pública federal direta,

Leia mais

Rede d s d e d Com o pu p t u ado d r o es Conceitos Básicos M d o e d los o de d Re R de d s:

Rede d s d e d Com o pu p t u ado d r o es Conceitos Básicos M d o e d los o de d Re R de d s: Tecnologia em Redes de Computadores Redes de Computadores Professor: André Sobral e-mail: alsobral@gmail.com Conceitos Básicos Modelos de Redes: O O conceito de camada é utilizado para descrever como ocorre

Leia mais

1 TCI/IP... 3 1.1 MODELO TCP/IP... 3 1.1.1 Camada de Aplicação... 4

1 TCI/IP... 3 1.1 MODELO TCP/IP... 3 1.1.1 Camada de Aplicação... 4 TCP/IP Brito INDICE 1 TCI/IP... 3 1.1 MODELO TCP/IP... 3 1.1.1 Camada de Aplicação... 4 1.1.1.1 Camada de Transporte... 4 1.1.1.2 TCP (Transmission Control Protocol)... 4 1.1.1.3 UDP (User Datagram Protocol)...

Leia mais

Capacitação IPv6.br. Serviços em IPv6. Serviços rev 2012.08.07-01

Capacitação IPv6.br. Serviços em IPv6. Serviços rev 2012.08.07-01 Capacitação IPv6.br Serviços em IPv6 Serviços DHCPv6 Firewall DNS NTP HTTP Proxy Proxy Reverso SMB CIFS SSH... Implementações BIND Squid IPv6 desde Julho/2001 IPv6 nativo desde Outubro/2008 BIND 9.1.3

Leia mais

Criptografia e Certificação Digital

Criptografia e Certificação Digital Criptografia e Certificação Digital Conheça os nossos produtos em criptografia e certificação digital. Um deles irá atender às necessidades de sua instituição. Criptografia e Certificação Digital Conheça

Leia mais

CONECTO. Tecnologia Java. Rua Henrique Setter, 85 Itoupava Central 89062-440 - Blumenau SC www.cechinel.com.br Página - 1

CONECTO. Tecnologia Java. Rua Henrique Setter, 85 Itoupava Central 89062-440 - Blumenau SC www.cechinel.com.br Página - 1 Apresentação CONECTO Tecnologia Java Página - 1 Sumário 1. Descrição...3 2. Estrutura da comunicação... 4 3. Apresentação...5 4. Funcionamento...6 5. Transmissão das Ocorrências...7 6. Mensagens...8 7.

Leia mais

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP HTTP (Hypertext Transfer Protocol ) Protocolo usado na Internet para transferir as páginas da WWW (WEB). HTTPS (HyperText Transfer

Leia mais

UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA GERENCIAMENTO DE REDES Segurança Lógica e Física de Redes 2 Semestre de 2012 SEGURANÇA LÓGICA: Criptografia Firewall Protocolos Seguros IPSec SSL SEGURANÇA LÓGICA: Criptografia

Leia mais

DESCRIÇÃO DO TRABALHO - VERSÃO DE 29/04/2006 15:00.

DESCRIÇÃO DO TRABALHO - VERSÃO DE 29/04/2006 15:00. DESCRIÇÃO DO TRABALHO - VERSÃO DE 29/04/2006 15:00. Descrição Geral do trabalho. O objetivo do trabalho será o desenvolvimento de um programa Cliente/Servidor para o envio e recebimento de arquivos. Os

Leia mais

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados Estrutura de um Rede de Comunicações Profa.. Cristina Moreira Nunes Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação Utilização do sistema de transmissão Geração de sinal Sincronização Formatação das mensagens

Leia mais

INTERNET OUTLOOK. 1. Considerando os conceitos e os modos de navegação na Internet, assinale a opção correta.

INTERNET OUTLOOK. 1. Considerando os conceitos e os modos de navegação na Internet, assinale a opção correta. Prof. Júlio César S. Ramos P á g i n a 1 INTERNET OUTLOOK 1. Considerando os conceitos e os modos de navegação na Internet, assinale a opção correta. A O Outlook Express permite criar grupo de pessoas

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA FUNDAMENTOS DE REDES REDES DE COMPUTADORES Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Material elaborado com base nas apresentações

Leia mais

2015 GVDASA Sistemas Administração dos Portais

2015 GVDASA Sistemas Administração dos Portais 2015 GVDASA Sistemas Administração dos Portais AVISO O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual exclusiva da GVDASA Sistemas e está sujeito a alterações sem aviso prévio. Nenhuma parte desta

Leia mais

A Camada de Transporte

A Camada de Transporte A Camada de Transporte Romildo Martins Bezerra CEFET/BA s de Computadores II Funções da Camada de Transporte... 2 Controle de conexão... 2 Fragmentação... 2 Endereçamento... 2 Confiabilidade... 2 TCP (Transmission

Leia mais

CA Nimsoft Monitor. Guia do Probe Monitoramento de conectividade de rede. net_connect série 3.0

CA Nimsoft Monitor. Guia do Probe Monitoramento de conectividade de rede. net_connect série 3.0 CA Nimsoft Monitor Guia do Probe Monitoramento de conectividade de rede net_connect série 3.0 Aviso de copyright do CA Nimsoft Monitor Este sistema de ajuda online (o Sistema ) destina-se somente para

Leia mais

Um pouco sobre Pacotes e sobre os protocolos de Transporte

Um pouco sobre Pacotes e sobre os protocolos de Transporte Um pouco sobre Pacotes e sobre os protocolos de Transporte O TCP/IP, na verdade, é formado por um grande conjunto de diferentes protocolos e serviços de rede. O nome TCP/IP deriva dos dois protocolos mais

Leia mais

PLATIN INFORMÁTICA. SIAD SNGPC Sistema Integrado de Automação de Drogarias Módulo Gestão de Medicamentos Controlado e Antimicrobianos

PLATIN INFORMÁTICA. SIAD SNGPC Sistema Integrado de Automação de Drogarias Módulo Gestão de Medicamentos Controlado e Antimicrobianos PLATIN INFORMÁTICA SIAD SNGPC Sistema Integrado de Automação de Drogarias Módulo Gestão de Medicamentos Controlado e Antimicrobianos Manual do Usuário Transmissão e Verificação de Arquivo Xml Procedimentos

Leia mais

Serviços Remotos Xerox Um passo na direção certa

Serviços Remotos Xerox Um passo na direção certa Serviços Remotos Xerox Um passo na direção certa Diagnóstico de problemas Avaliação dos dados da máquina Pesquisa de defeitos Segurança garantida do cliente 701P41699 Visão geral dos Serviços Remotos Sobre

Leia mais

STCP OFTP Client. Versão 4.0.0

STCP OFTP Client. Versão 4.0.0 Versão 4.0.0 Conteúdo O que é o STCP OFTP Client? 4 O Protocolo OFTP (ODETTE File Transfer Protocol) 5 Onde usar o STCP OFTP Client 5 Quais as vantagens 5 Características 6 Requisitos de software e hardware

Leia mais

CA Nimsoft Monitor Snap

CA Nimsoft Monitor Snap CA Nimsoft Monitor Snap Guia de Configuração do Monitoramento de conectividade de rede net_connect série 2.9 Aviso de copyright do CA Nimsoft Monitor Snap Este sistema de ajuda online (o Sistema ) destina-se

Leia mais

Rede do Sistema Financeiro Nacional

Rede do Sistema Financeiro Nacional Rede do Sistema Financeiro Nacional Manual de Redes do SFN Maio/2015 Versão 7.6.3 Manual de Redes do SFN * Página 1 de 108 ÍNDICE ÍNDICE... 2 CONTROLE DE VERSÃO... 5 VISÃO GERAL... 6 ARQUITETURA DE REDE

Leia mais

ZEUS SERVER STUDIO V2.07

ZEUS SERVER STUDIO V2.07 ZEUS SERVER STUDIO V2.07 FERRAMENTA DE CONFIGURAÇÃO DO ZEUS SERVER 3i Soluções Ind. Com. de Equip. Eletrônicos e Serviços em Materiais Elétricos Ltda. Rua Marcilio Dias, 65 Lapa CEP 05077-120 São Paulo

Leia mais

1 Introdução. O sistema permite:

1 Introdução. O sistema permite: A intenção deste documento é demonstrar as possibilidades de aplicação da solução INCA Insite Controle de Acesso - para controle de conexões dia-up ou banda larga à Internet e redes corporativas de forma

Leia mais

Configurando o DDNS Management System

Configurando o DDNS Management System Configurando o DDNS Management System Solução 1: Com o desenvolvimento de sistemas de vigilância, cada vez mais usuários querem usar a conexão ADSL para realizar vigilância de vídeo através da rede. Porém

Leia mais

Pagamentos de varejo e canais de atendimento. Detalhamento para o envio de informações

Pagamentos de varejo e canais de atendimento. Detalhamento para o envio de informações Pagamentos de varejo e canais de atendimento Detalhamento para o envio de informações 1 Objetivos da pesquisa Vigilância dos sistemas e dos instrumentos de pagamentos de varejo do Sistema de Pagamentos

Leia mais

Consultar Tabelas Administrativas

Consultar Tabelas Administrativas STN Coordenação-Geral de Sistemas e Tecnologia de Informação Sistema Integrado de Administração Financeira do Governo Federal SIAFI Secretaria do Tesouro Nacional STN Documentação de Serviços de Interoperabilidade

Leia mais